O BB em Mato Grosso Posição em Agosto/2011. Agências 571. Pontos de Atendimento. PABs + PAEs. Correspondentes. Terminais de Autoatendimento

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O BB em Mato Grosso 1.968. Posição em Agosto/2011. Agências 571. Pontos de Atendimento. PABs + PAEs. Correspondentes. Terminais de Autoatendimento"

Transcrição

1

2 O BB em Mato Grosso Agências 571 Posição em Agosto/2011 Terminais de Autoatendimento Municípios com Presença do BB 267 Correspondentes 202 Número de Municípios com Presença do BB PABs + PAEs Mun icíp ios Pontos de Atendimento Quantidade de Funcionários Municípios Atendidos

3 O BB em Mato Grosso 571 Pontos de Atendimento BB = 35% da rede de agências 2º: 25% 3º: 10% Fonte: Sisbacen

4 Participação no Agronegócio de Mato Grosso TOTAL MT 6,2 bi BB em MT 4,8 bi Comercialização 3,8% Investimento 49,8% Custeio Todos os demais 23% 46,4% 77% Agricultura Familiar R$ 829 mi Fonte: BACEN fev/2011

5 Agricultura e Pecuária em Mato Grosso Contratação total por safra 2010/ /10 1,7 1,9 R$ bi 2008/09 1,2 2007/08 1,0 90% Fonte: Diretoria de Agronegócios BB (Período safra de julho a junho) Pos.: Jun/2011

6 Desembolso R$ Milhões MT Safra 2010/2011 Safra 2011/2012 Plano Safra Empresarial 1.833, ,0 19,5% Familiar 298,2 350,7 17,6% Pré-Custeio 260,0 320,0 23,0% TOTAL 2.391, ,7 19,6% 6

7 Utilização de recursos de poupança rural para Investimento A partir da Safra 2011/2012, o BB financiará com recursos da Poupança Rural (MCR 6.4) e condições diferenciadas, dentre as quais destacam-se: Taxas de juros: de 5,5% a 9,5% ao ano; Prazos de até 72 meses: para tratores e implementos novos e para equipamentos para preparo, secagem e beneficiamento de café; Prazos até 96 meses: para colheitadeiras novas com suas plataformas de corte novas, quando faturadas em conjunto com as colheitadeiras novas; O montante disponibilizado será de R$ 1,5 bilhão Do total de R$ 1,5 bilhão destinados a investimentos rurais, cerca de R$ 1 bilhão será direcionado para incentivar a Agricultura de Baixo Carbono: Redução das emissões de gases de efeito estufa; Redução do desmatamento. 7

8 Pecuária Na Safra 2011/2012 o BB irá: incentivar a recuperação de pastagens fomentar o aumento da produtividade pecuária e a renovação do plantel Novidade: Criação de linha específica para aquisição de matrizes e reprodutores de bovinos e bubalinos: Limite: R$ 750 mil por beneficiário Prazo: 5 anos e até 18 meses de carência Taxa: 6,75% a.a. 8

9 Safra 2010/2011 Tetos por lavoura e por beneficiário/safra: R$ 650 mil: algodão, frutas, milho ou lavouras irrigadas de arroz, feijão, mandioca, soja, sorgo ou trigo R$ 500 mil: amendoim, café ou lavouras não irrigadas de arroz, feijão, mandioca, soja, sorgo ou trigo R$ 275 mil: cana-de-açúcar, pecuária bovina e bubalina, leiteira ou de corte, e para avicultura e suinocultura; R$ 200 mil: demais lavouras e atividades pecuárias. Safra 2011/2012 R$ 650 mil,, por beneficiário em cada safra, independente da cultura. Os tetos podem ser elevados: em 15%, quando adotado o plantio direto até 30% (15% para cada critério), quando atendidos 2 ou mais dos seguintes critérios: conjugação do crédito com seguro agrícola ou mecanismo de proteção de preço comprovação da averbação da reserva legal ou APP adoção de sistema de rastreabilidade, produção orgânica, aquisição de sementes certificadas, participação no sistema Sapi (Sistema Agrícola de Produção Integrada) e certificação pelo Inmetro 9

10 Safra 2010/2011 Teto de R$ 200 mil por beneficiário/ano safra Safra 2011/2012 Tetos: R$ 300 mil por beneficiário/ano safra R$ 750 mil: para a aquisição de reprodutores e matrizes bovinas e bubalinas R$ 1 milhão: para a implantação/renovação de lavoura de cana, até a safra 14/15 10

11 Safra 2010/2011 Três linhas para a agricultura sustentável: Propflora ABC Produsa Unificação das 3 linhas acima em uma única - ABC: Safra 2011/2012 Taxa: 5,5% a.a Prazos: implantação de viveiros e mudas florestais: 5 anos, com até 24 meses de carência agricultura orgânica, recuperação de pastagens e ILPF (Integração Lavoura-Pecuária-Floresta): até 8 anos, com carência de até 36 meses recomposição e manutenção de áreas de preservação permanente ou reserva legal: até 15 anos 11

12 Enquadramento no programa Rebate na renda obtida para o segmento leiteiro: 70% Safra 2010/2011 Pronaf Mais Alimentos Encargos: 2% a.a Pronaf Jovem, Semi-árido e Florestal Teto: R$ 10 mil Teto específico para o público dos grupos A, A/C e B: R$ 7 mil Enquadramento no programa Rebate na renda obtida para o segmento leiteiro: 50% Safra 2011/2012 Pronaf Mais Alimentos Até R$ 10 mil: 1% a.a Demais casos: 2% a.a Pronaf Jovem, Semi-árido e Florestal Teto: Sistemas agroflorestais: R$ 20 mil Demais: R$ 12 mil Teto específico para o público dos grupos A, A/C e B: R$ 8 mil 12

13 Linhas de Crédito PRONAF CUSTEIO INVESTIMENTO Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações.

14 Linhas de Crédito Pronaf Custeio Pronaf Custeio financiar as despesas normais de custeio da produção agrícola e pecuária. Linhas de Crédito Pronaf Custeio Pronaf Grupo A/C Pronaf Agroindústria

15 Pronaf Custeio Linhas de Crédito Custeio financiar as despesas normais de custeio da produção agrícola e pecuária. Público Alvo agricultores familiares enquadrados no Pronaf, exceto os participantes dos Grupos A e B, que apresentem a DAP. Encargos Financeiros 1,5% a.a. para valores de até R$ 10 mil; 3,0% a.a. para valores acima de R$ 10 mil e até R$ 20 mil; 4,5% a.a. para valores acima de R$ 20 mil e até R$ 50 mil. Teto de Financiamento Prazo R$ 50 mil por mutuário, em cada safra. Custeio Agrícola - até 3 anos para as culturas de açafrão e palmeira real(palmito); e de até 2 anos para as demais culturas, de acordo com o ciclo da atividade financiada. Custeio Pecuário até 1 ano.

16 Custeio Grupo A/C Linhas de Crédito Pronaf Custeio financiar as despesas normais de custeio da produção agrícola e pecuária. Público Alvo agricultores familiares enquadrados no Pronaf, exceto os participantes dos Grupos A e B, que apresentem a DAP. Encargos Financeiros 1,5% de juros efetivos ao ano. Teto de Financiamento R$ 5 mil. Admite-se a concessão de até 3 operações por mutuário. Prazo Custeio Agrícola até 3 anos para as culturas de açafrão e palmeira real(palmito); e de até 2 anos para as demais culturas, de acordo com o ciclo da atividade financiada. Custeio Pecuário até 1 ano.

17 Agroindústria Linhas de Crédito Pronaf Custeio Financiamento das necessidades de custeio de beneficiamento e industrialização da produção própria e de terceiros, formação de estoques de matéria-prima, formação de estoque de produto final e serviços de apoio à comercialização, adiantamento por conta do preço de produtos entregues para venda, financiamento da armazenagem e conservação de produtos para venda futura em melhores condições de mercado. Público Alvo Encargos Financeiros Teto de Financiamento Prazo agricultores familiares enquadrados no Pronaf, exceto os participantes dos Grupos A, B ou A/C, que apresentem a DAP; cooperativas ou associações constituídas por agricultores familiares. 4% a.a. Pessoa física: R$ 5 mil por beneficiário; Associações: até R$ 2 milhões, limite individual de R$ 5 mil; Cooperativa: até R$ 5 milhões, limite individual de R$ 5 mil; Cooperativa central: até R$ 10 milhões, limite individual de R$ 5 mil até 12 meses.

18 Linhas de Crédito Pronaf Investimento Pronaf Investimento financiamento da implantação, ampliação ou modernização da infraestrutura de produção e serviços agropecuários e não agropecuários no estabelecimento rural ou em áreas comunitárias rurais próximas. Linhas de Crédito Pronaf Investimento Reforma Agrária - A Pronaf Grupo B Pronaf Agroindústria Pronaf Agroecologia Pronaf ECO Pronaf Florestal Pronaf Jovem Pronaf Semi-árido Pronaf Mulher Estruturação Reforma Agrária Pronaf Mais Alimentos

19 Linhas de Crédito Investimento Pronaf Investimento Público Alvo financiamento da implantação, ampliação ou modernização da infraestrutura de produção e serviços agropecuários e não agropecuários no estabelecimento rural ou em áreas comunitárias rurais próximas. agricultores familiares enquadrados no Pronaf, exceto os participantes dos Grupos A, B e A/C. Encargos Financeiros 1,0% a.a. para operações que somados ao saldo devedor dos financiamento em ser, não excedam a R$ 10 mil; 2,0% a.a. para operações que somados ao saldo devedor dos financiamentos em ser, superem R$ 10 mil e não excedam a R$ 50 mil. Teto de Financiamento Prazo R$ 50 mil por beneficiário. até 10 anos, incluídos até 3 anos de carência, que poderá ser ampliada para até 05 anos, quando a atividade assistida requerer esse prazo e o projeto técnico ou a proposta simplificada de crédito comprovar a sua necessidade.

20 Linhas de Crédito Pronaf Investimento Reforma Agrária - A Público Alvo Encargos Financeiros Teto de Financiamento financiamento da implantação, ampliação e modernização de infraestrutura de produção e serviços agropecuários e não agropecuários no estabelecimento rural ou em áreas comunitárias rurais próximas. Agricultores familiares que apresentem DAP-Grupo A, e atendem as seguintes condições: ; não detenham, sob qualquer forma de domínio, área superior a um módulo fiscal; tenham recebido, nos últimos 12 meses que antecederam a solicitação do financiamento, renda bruta anual familiar até R$ 14 mil; tenham sido reassentados em função da construção de barragens cujo o empreendimento tenha recebido licença de instalação emitida pelo órgão ambiental responsável antes de 31/12/ ,50% a.a. R$ 20 mil por beneficiário. Prazo até 10 anos.

21 Linhas de Crédito Pronaf Investimento Pronaf - Grupo B Público Alvo financiar à implantação, ampliação e modernização da infraestrutura de produção e serviços agropecuários e não agropecuários no estabelecimento rural ou em áreas comunitárias próximas; à cobertura de qualquer demanda que possa gerar renda para a família atendida. agricultores familiares que: explorem parcela de terra na condição de proprietário, posseiro, arrendatário ou parceiro; residam na propriedade ou em local próximo; não disponham de área superior a 4 módulos fiscais; renda bruta familiar mínima em até R$ 6 mil e que 30% tenha sido obtido com a exploração agropecuária. Encargos Financeiros 0,5% a.a. Teto de Financiamento R$ 2,5 mil por operação/beneficiário, sendo que o somatório dos financiamentos concedidos não exceda a R$ 7,5 mil. Prazo até 2 anos.

22 Agroindústria Linhas de Crédito Pronaf Investimento financiar investimentos, inclusive em infra-estrutura, que visem ao beneficiamento, ao processamento, à industrialização e à comercialização da produção agropecuária, de produtos florestais e do extrativismo, ou de produtos artesanais, e a exploração de turismo rural. Público Alvo agricultores familiares enquadrados no Pronaf, exceto os participantes dos Grupos A, B ou A/C, que apresentem a DAP; cooperativas ou associações constituídas por agricultores familiares. Encargos Financeiros 1% a.a. para valores de até R$ 10 mil; 2% a.a. para valores de acima de R$ 10 mil e até R$ 50 mil. Teto de Financiamento Prazo Pessoa Física: R$ 50 mil por beneficiário; Pessoa Jurídica: R$ 10 milhões por beneficiário, limitado a R$ 30 mil por sócio, associado ou cooperado. Até 10 anos.

23 Linhas de Crédito Pronaf Investimento Agroecologia Público Alvo Atendimento de propostas de crédito de investimentos relacionados a projetos específicos de sistemas de produção agroecológica ou orgânica, incluindo-se os custos relativos à implantação e manutenção de empreendimento. agricultores familiares enquadrados no Pronaf, exceto os participantes dos Grupos A, B e A/C, que apresentem a DAP, e com projeto técnico para sistemas agroecológico de produção(conforme SAF/MDA) e de sistemas orgânicos de produção(conforme MAPA). Encargos Financeiros 1% a.a. para valores de até R$ 10 mil; 2% a.a. para valores acima de R$ 10 mil e até R$ 130 mil. Teto de Financiamento R$ 130 mil por beneficiário. Prazo até 10 anos.

24 ECO Público Alvo Linhas de Crédito Pronaf Investimento Implantar, utilizar, recuperar ou adotar: tecnologias de energia renovável, tecnologias ambientais, armazenamento hídrico, pequenos aproveitamentos hidroenergéticos, silvicultura, práticas conservacionistas e de correção da acidez e fertilidade do solo. agricultores familiares enquadrados no Pronaf, exceto os participantes dos Grupos A, B e A/C, que apresentem a DAP. Encargos Financeiros 1% a.a. para valores de até R$ 10 mil; 2% a.a. para valores acima de R$ 10 mil e de até R$ 50 mil. Teto de Financiamento R$ 50 mil. Prazo Até 12 anos.

25 Florestal Linhas de Crédito Pronaf Investimento financiar projetos que preencham os requisitos pela SAF/MDA, para sistemas agroflorestais: exploração extrativista ecologicamente sustentável, plano de manejo florestal, recomposição e manutenção de áreas de preservação permanente e reserva legal e recuperação de áreas degradadas etc. Público Alvo agricultores familiares enquadrados no Pronaf, exceto os participantes dos Grupos B, que apresentem a DAP. Encargos Financeiros 1% a.a. Teto de Financiamento até R$ 20 mil: destinados a projetos de sistemas agroflorestais; até R$ 12 mil: para as demais finalidades. Prazo até 12 anos.

26 Linhas de Crédito Pronaf Investimento Jovem Atendimento de agricultores(as). propostas de crédito de jovens Público Alvo Jovens agricultores(as) pertencentes a famílias enquadradas no pronaf, maiores de 16 anos e com até 29 anos, apresentem a DAP, e que deva ter concluído ou cursar o último ano em centro familiares rurais ou em escolas técnicas agrícolas de nível médio, ou ter participado de curso ou estágio de formação profissional que preencham os requisitos definidos pela SAF/MDA. Encargos Financeiros 1% a.a. Teto de Financiamento até R$ 8 mil: beneficiários do grupo B ; até R$ 12 mil: demais beneficiários. Prazo até 10 anos.

27 Linhas de Crédito Pronaf Investimento Semi-Árido Público Alvo Investimentos em projetos de convivência com o semi-árido, focado na sustentabilidade dos agroecossistemas, priorizando projetos de infra-estruturas hídrica e implantação, ampliação, recuperação ou modernização das demais infra- estruturas. agricultores familiares enquadrados no Pronaf, que apresentem a DAP. Encargos Financeiros 1% a.a. Teto de Financiamento até R$ 8 mil: beneficiário do grupo B ; até R$ 12 mil: demais beneficiários.. Prazo até 10 anos.

28 Linhas de Crédito Pronaf Investimento Mulher Público Alvo Atendimento de propostas de crédito de investimento de mulher agricultora, conforme projeto técnico ou proposta simplificada. Mulheres agricultoras integrantes de unidades familiares de produção enquadradas nos Grupos A, A/C, B e aquelas classificadas como Agricultoras Familiares no Pronaf, independente de sua condição civil, e que apresentem a DAP. Encargos Financeiros 0,5% a.a. para Grupos A, A/C ou B; 1% a.a. para valores de até R$ 10 mil; 2% a.a. para valores acima de R$ 10 mil e até R$ 50 mil. Teto de Financiamento Prazo R$ 2 mil por beneficiário - Grupos A, A/C ou B; R$ 50 mil por beneficiário - demais. até 2 anos - Grupos A, A/C ou B; até 10 anos - demais.

29 Estruturação- Reforma Agrária Público Alvo Linhas de Crédito Pronaf Investimento Investimentos em projetos de implantação, ampliação, recuperação ou modernização das demais infra-estruturas produtivas. agricultores adimplentes, participantes do Programa de Recuperação do Programa Crédito Fundiário do MDA ou do Programa de Recuperação de Assentamentos do Incra, desde que: tenham sido beneficiados com financiamento do Pronaf A ; tenham adquirido terra/crédito fundiário ou tenham sido assentados em projetos de reforma agrária até , incluídos egressos do Procera; não tenha contratado Pronaf-investimento ou com recursos controlados de outros programas, exceto Pronaf A e A/C; e estejam com suas operações adimplidas. Encargos Financeiros 1% a.a. Teto de Financiamento R$ 6 mil por beneficiário, em uma única operação. Prazo Até 10 anos.

30 Pronaf Mais Alimentos Público Alvo Encargos Financeiros Teto de Financiamento Prazo Linhas de Crédito Pronaf Investimento financiar projetos de investimento como aquisição de tratores, máquinas, veículos de transporte de carga, implementos agrícolas e matrizes, formação de pastagens, implantação de pomares, estufas e irrigação, para produção, armazenagem e transporte de açafrão, arroz, café, cana-de-açúcar, centeio, erva-mate, feijão, mandioca, milho, soja, sorgo e trigo, e para frutas, palmito, olerícolas, apicultura, aquicultura e pesca, avicultura, gado de corte, leite, caprinos e ovinos e suinocultura. agricultores familiares enquadrados no Pronaf, exceto dos grupos A, B e A/C, que tenham no mínimo 70% da renda familiar oriunda das atividades acima. 1% a.a. para operações de até R$ 10 mil; 2% a.a. para operações com valor superior a R$ 10 mil. R$ 130 mil por unidade familiar. até 10 anos incluído carência de até 3 anos.

31

32 EIXOS E PRINCIPAIS AÇÕES (16,2 milhões de pessoas, com renda até R$ 70 N 17%, NE 59%, SE 17%, S 4% e CO 3%) GARANTIA DE RENDA GOVERNO FEDERAL Bolsa Família (de 3 a 5 filhos 12 milhões de famílias previsão de mais 800 mil até 2013) Bolsa Verde (R$ 300 por trimestre 70 mil famílias) INCLUSÃO PRODUTIVA Fomento (R$ por família, para pagamento em 2 anos 250 mil famílias até 2014) Assistência Técnica (253 técnicos de nível superior e 25,3 mil técnicos de nível médio 253 mil famílias) Acesso ao Mercado Privado (Área urbana adquire produtos da Agricultura Familiar) Mapa de Oportunidades (Identificar os meios mais adequados e eficientes para fazer as pessoas público-alvo melhorarem de vida) Microcrédito (Garantia de Acesso ao Crédito aos Micronegócios) SERVIÇOS PÚBLICOS Água para Todos (Acesso à água pelos extremamente pobres: CONSUMO mil famílias; PRODUÇÃO mil famílias; e IRRIGAÇÃO) Luz para Todos (Atendimento a 257 mil famílias extremamente pobres) Lançamento: 02/06/2011 Orçamento anual: R$ 20 Bilhões BANCO DO BRASIL FBB / Tecnologias Sociais PSA Pagamento Serviços Ambientais DRS / Pronaf DRS / Pronaf DRS / Pronaf Empreendimentos financiados MPO / Ênfase Meio Urbano Programa Água Brasil FBB / Tecnologias Sociais

33 Novas Linhas de Crédito Público BB Microcrédito Empreendedor PF Pessoas físicas empreendedoras de atividades produtivas de pequeno porte BB Microcrédito Empreendedor PJ EI (Empreendedor Individual) MPE com faturamento até R$ 120 mil/ano Finalidade Giro ou Investimento (1 linha) Giro ou Investimento (2 linhas) Taxa 0,64% a.m. (8% a.a.) 0,64% a.m. (8% a.a.) Limites até R$ até R$ Prazo até 24 meses até 36 meses Carência até 60 dias até 60 dias Reembolso Mensal Mensal Forma de liberação conta corrente conta corrente TAC (Tarifa de abertura e acompanhamento do crédito) 1,0% do valor da operação 1,0% do valor da operação IOF Isento isento

34 Obrigado Acesse

Linhas de Crédito PISCICULTURA INVESTIMENTO CUSTEIO. Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações.

Linhas de Crédito PISCICULTURA INVESTIMENTO CUSTEIO. Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações. PISCICULTURA CUSTEIO INVESTIMENTO Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações. financiar as despesas normais de custeio da produção agrícola e pecuária. Linhas de Crédito

Leia mais

Ambiente de Gerenciamento do PRONAF e Programas de Crédito Fundiário

Ambiente de Gerenciamento do PRONAF e Programas de Crédito Fundiário Ambiente de Gerenciamento do PRONAF e Programas de Crédito Fundiário Janeiro - 2011 Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar Programa Nacional de Fortalecimento Da Agricultura Familiar OBJETIVO Fortalecer

Leia mais

VIII Simpósio Técnicas de Plantio e Manejo de Eucalipto para Usos Múltiplos

VIII Simpósio Técnicas de Plantio e Manejo de Eucalipto para Usos Múltiplos VIII Simpósio Técnicas de Plantio e Manejo de Eucalipto para Usos Múltiplos Linhas de crédito para o setor florestal Homero José Rochelle Engº Agrônomo ESALQ 1979 Plano de Safra 2014/2015 MAPA - Ministério

Leia mais

O Crédito e a. no BB

O Crédito e a. no BB O Crédito e a Sustentabilidade no BB O Crédito e a Sustentabilidade no BB Para efeito de concessão de crédito, os produtores são divididos da seguinte forma: Agricultura Familiar: Agricultores e Pecuaristas

Leia mais

Produtos, Serviços e Soluções. Novembro de 2015

Produtos, Serviços e Soluções. Novembro de 2015 Produtos, Serviços e Soluções Novembro de 2015 PRONAF AGROINDÚSTRIA Financiamento das necessidades de custeio do beneficiamento e industrialização da produção, da armazenagem e conservação de produtos

Leia mais

F N O - PROGRAMAS DE FINANCIAMENTO

F N O - PROGRAMAS DE FINANCIAMENTO F N O - PROGRAMAS DE FINANCIAMENTO NO SETOR RURAL Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar PRONAF Programa de Financiamento às Atividades Agropecuárias Programa a de Financiamento a

Leia mais

Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar

Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar Programa Nacional de Fortalecimento Da Agricultura Familiar OBJETIVO Fortalecer a agricultura familiar, mediante o financiamento da infra-estrutura de produção

Leia mais

Programa ABC. Banco do Brasil Safra 2013/2014

Programa ABC. Banco do Brasil Safra 2013/2014 Programa ABC Banco do Brasil Safra 2013/2014 Balanço da Safra 2012/2013 Plano Safra 2012/2013 Crédito Rural - Desembolsos R$ 61,5 bilhões CRESCIMENTO de 28% em relação à safra anterior R$ 6,5 bilhões acima

Leia mais

Superintendência Estadual de Mato Grosso

Superintendência Estadual de Mato Grosso Superintendência Estadual de Mato Grosso Programa ABC Conceito Crédito Fixo orientado com o objetivo de: - reduzir das emissões de Gases de Efeito Estufa; - reduzir o desmatamento; - aumentar a produção

Leia mais

Cooperativas do Agronegócio

Cooperativas do Agronegócio Cooperativas do Agronegócio Brasília (DF), Novembro de 2009 Diretoria de Agronegócios Posicionamento Estratégico BB Atuar em cadeias de valor, apoiar o cooperativismo e o associativismo Diversificar a

Leia mais

Financiamentos para o Agronegócio

Financiamentos para o Agronegócio Financiamentos para o Agronegócio Banco do Brasil Maior Parceiro do Agronegócio Carteira em Dez/2012 R$ 100 bilhões Banco do Brasil Sustentabilidade e Meio Ambiente Programa ABC Em Dezembro de 2012 R$

Leia mais

JAQUES WAGNER EDUARDO SALLES WILSON JOSÉ VASCONCELOS DIAS ELIONALDO DE FARO TELES

JAQUES WAGNER EDUARDO SALLES WILSON JOSÉ VASCONCELOS DIAS ELIONALDO DE FARO TELES Governador do Estado da Bahia JAQUES WAGNER Secretário da Agricultura, Pecuária, Irrigação, Reforma Agrária, Pesca e Aquicultura (SEAGRI) EDUARDO SALLES Superintendente de Agricultura Familiar (SUAF) WILSON

Leia mais

FCO FUNDO CONSTITUCIONAL DE FUNDO CONSTITUCIONAL DE FINANCIAMENTO DO CENTRO-OESTE

FCO FUNDO CONSTITUCIONAL DE FUNDO CONSTITUCIONAL DE FINANCIAMENTO DO CENTRO-OESTE FCO FUNDO CONSTITUCIONAL DE FUNDO CONSTITUCIONAL DE FINANCIAMENTO DO CENTRO-OESTE QUAIS SÃO AS PRIORIDADES DO FCO? O QUE É O FCO? O Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste (FCO) foi criado

Leia mais

Semana SEBRAE do Agronegócio - 2010 Agricultura Familiar - Acesso a Serviços Financeiros Desafios e Perspectivas

Semana SEBRAE do Agronegócio - 2010 Agricultura Familiar - Acesso a Serviços Financeiros Desafios e Perspectivas Semana SEBRAE do Agronegócio - 2010 Agricultura Familiar - Acesso a Serviços Financeiros Desafios e Perspectivas Brasília 2010 Adoniram Sanches Percaci SAF/MDA ÌNDICE I. Responsabilidades da Agricultura;

Leia mais

BANCO DO BRASIL. Seminário de Sensibilização do Programa ABC

BANCO DO BRASIL. Seminário de Sensibilização do Programa ABC BANCO DO BRASIL Seminário de Sensibilização do Programa ABC LINHAS DE CRÉDITO Crédito Rural; Pronaf; Fundos Constitucionais. CRÉDITO RURAL Suprimento de recursos financeiros, disponibilizados por instituições

Leia mais

PRONAF - CONDIÇÕES DO CRÉDITO RURAL PLANO DE SAFRA 2014/2015

PRONAF - CONDIÇÕES DO CRÉDITO RURAL PLANO DE SAFRA 2014/2015 PRONAF - CONDIÇÕES DO CRÉDITO RURAL PLANO DE SAFRA 2014/2015 LINHA PÚBLICO MODALIDADE FINALIDADE CRÉDITO/TETO JUROS Pronaf Custeio MCR 10-4 familiares com renda bruta anual até R$ 360 mil. (exceto Grupo

Leia mais

Crédito do Pronaf em R$ bilhões

Crédito do Pronaf em R$ bilhões Crédito do Pronaf em R$ bilhões 23,9 (parcial até 30/06) Crédito na safra 2015/2016 - R$ 28,9 bilhões Recursos por fonte - safra 2015/2016 Fonte Projeção (em reais) % sobre o total Poupança rural Banco

Leia mais

Plano Safra da Agricultura Familiar 2014-2015

Plano Safra da Agricultura Familiar 2014-2015 Plano Safra da Agricultura Familiar 2014-2015 Crédito Pronaf - R$ 24,1 bilhões Recursos por fonte - safra 2014/2015 Fonte Projeção 14/15 (em reais) % sobre o total Poupança rural Banco do Brasil 14.710.000.000

Leia mais

Cooperativismo Agropecuário

Cooperativismo Agropecuário Cooperativismo Agropecuário rio Camara Temática de Insumos Agropecuários Paulo Cesar Dias Junior Brasília, 25 de novembro de 2013 Sistema OCB. Você participa. Todos crescem. OCB: Atuação Representação

Leia mais

Oportunidades no Financiamento do Setor Florestal. Oduval Lobato Neto Gerente Executivo de Gestão de Programas Governamentais

Oportunidades no Financiamento do Setor Florestal. Oduval Lobato Neto Gerente Executivo de Gestão de Programas Governamentais Oportunidades no Financiamento do Setor Florestal Oduval Lobato Neto Gerente Executivo de Gestão de Programas Governamentais Seminário: Políticas ambientais como fonte de novos negócios para Instituições

Leia mais

PRONAF - CONDIÇÕES DO CRÉDITO RURAL PLANO DE SAFRA 2015/2016

PRONAF - CONDIÇÕES DO CRÉDITO RURAL PLANO DE SAFRA 2015/2016 PRONAF - CONDIÇÕES DO CRÉDITO RURAL PLANO DE SAFRA 2015/2016 LINHA PÚBLICO MODALIDADE FINALIDADE CRÉDITO/TETO JUROS Pronaf Custeio MCR 10-4 faiares com renda bruta anual até R$ 360. (exceto Grupo A e A/C)

Leia mais

Linhas de Financiamento

Linhas de Financiamento A história do cooperativismo no País está relacionada ao crescimento da agricultura brasileira. E o Banco do Brasil, como principal responsável pelo impulso do nosso agronegócio, é também o banco do cooperativismo.

Leia mais

Boletim Informativo - 18/09 - Edição: 17

Boletim Informativo - 18/09 - Edição: 17 Boletim Informativo - 18/09 - Edição: 17 Crédito para Implantação de uma suinocultura de Baixa Emissão decarbono Esta edição do boletim informativo da Suinocultura de Baixa Emissão de Carbono visa sanar

Leia mais

Crédito Agro Principais Linhas de Crédito. Fortaleza (CE), maio de 2014

Crédito Agro Principais Linhas de Crédito. Fortaleza (CE), maio de 2014 Crédito Agro Principais Linhas de Crédito Fortaleza (CE), maio de 2014 Agricultura Familiar Principais Linhas de Crédito Pronaf Custeio - Beneficiários: Agricultores familiares, exceto dos grupos A e B;

Leia mais

Linhas de Investimento Baixa emissão de carbono

Linhas de Investimento Baixa emissão de carbono Linhas de Investimento Baixa emissão de carbono Suinocultura Leandro Capuzzo Gerente Regional de Assessoramento Técnico Engenheiro Agrônomo Pré-requisitos para o crédito Cadastro atualizado Documentos

Leia mais

TÍTULO. Políticas de Financiamento e Proteção da Produção - MDA

TÍTULO. Políticas de Financiamento e Proteção da Produção - MDA TÍTULO Políticas de Financiamento e Proteção da Produção - MDA Lei 11.326/06 Art. 3o Para os efeitos desta Lei, considera-se agricultor familiar e empreendedor familiar rural aquele que pratica atividades

Leia mais

Construçõ. Linhas de Financiamento. Brasília/DF, 24 de junho de 2010.

Construçõ. Linhas de Financiamento. Brasília/DF, 24 de junho de 2010. Seminário Construçõ ções Sustentáveis Linhas de Financiamento Brasília/DF, 24 de junho de 2010. Grandes Números Banco do Brasil 202 anos de existência Base de Clientes 53,5 milhões Funcionários 103,9 mil

Leia mais

DERAL - Departamento de Economia Rural. Política Agrícola - Análise da Conjuntura Agropecuária

DERAL - Departamento de Economia Rural. Política Agrícola - Análise da Conjuntura Agropecuária Política Agrícola - Análise da Conjuntura Agropecuária Setembro de 2012 A política agrícola anunciada para a agricultura empresarial se caracterizou por assegurar o necessário apoio ao produtor rural.

Leia mais

PRONAF. Financiamento do Desenvolvimento Rural pelo Fortalecimento da Agricultura Familiar a experiência brasileira do Pronaf.

PRONAF. Financiamento do Desenvolvimento Rural pelo Fortalecimento da Agricultura Familiar a experiência brasileira do Pronaf. PRONAF Financiamento do Desenvolvimento Rural pelo Fortalecimento da Agricultura Familiar a experiência brasileira do Pronaf. A diversidade da Agricultura familiar B: 0.4 C: 0.7 D: 0.4 E: 0.1 Cobertura

Leia mais

projetos com alto grau de geração de emprego e renda projetos voltados para a preservação e a recuperação do meio ambiente

projetos com alto grau de geração de emprego e renda projetos voltados para a preservação e a recuperação do meio ambiente O QUE É O FCO? O Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste (FCO) foi criado pela Lei n.º 7.827, de 27.09.1989, que regulamentou o art. 159, inciso I, alínea c, da Constituição Federal, com

Leia mais

BANCO DA AMAZÔNIA. Seminário Programa ABC

BANCO DA AMAZÔNIA. Seminário Programa ABC BANCO DA AMAZÔNIA Seminário Programa ABC O BANCO DA AMAZÔNIA Missão Criar soluções para que a Amazônia atinja patamares inéditos de desenvolvimento sustentável a partir do empreendedorismo consciente.

Leia mais

RESOLUÇÃO BACEN Nº 3.866, DE 7 DE JUNHO DE 2010 DOU 08.06.2010

RESOLUÇÃO BACEN Nº 3.866, DE 7 DE JUNHO DE 2010 DOU 08.06.2010 RESOLUÇÃO BACEN Nº 3.866, DE 7 DE JUNHO DE 2010 DOU 08.06.2010 Dispõe sobre programas de investimento agropecuário amparados em recursos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Leia mais

Cliente Novo: Custeio/investimento até R$10.000; Cliente Normal: Custeio/investimento até R$ 20.000,00

Cliente Novo: Custeio/investimento até R$10.000; Cliente Normal: Custeio/investimento até R$ 20.000,00 PLANO SAFRA 20132014 LINHAS DE FINANCIAMENTO E ENQUADRAMENTO DE CRÉDITO RURAL AFEAM BANCO DO BRASIL BANCO DA AMAZÔNIA APRESENTAÇÃO O presente documento contém as principais linhas e enquadramento de crédito

Leia mais

Programa para Redução da Emissão de Gases de Efeito Estufa na Agricultura. Programa ABC

Programa para Redução da Emissão de Gases de Efeito Estufa na Agricultura. Programa ABC para Redução da Emissão de Gases de Efeito Estufa na Agricultura Conceito Crédito orientado para promover a redução das emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) na agricultura, conforme preconizado na

Leia mais

Agricultura de Baixo Carbono e Extensão Rural: O contexto da Agricultura Familiar. Brasília, Junho 2013

Agricultura de Baixo Carbono e Extensão Rural: O contexto da Agricultura Familiar. Brasília, Junho 2013 Agricultura de Baixo Carbono e Extensão Rural: O contexto da Agricultura Familiar Brasília, Junho 2013 A AGRICULTURA FAMILIAR NO BRASIL Fonte: Censo Agropecuário 2006 - IBGE A AGRICULTURA FAMILIAR NO BRASIL

Leia mais

Plano Safra da Agricultura Familiar 2014-2015

Plano Safra da Agricultura Familiar 2014-2015 Plano Safra da Agricultura Familiar 2014-2015 Histórico de contratação de financiamentos, no âmbito do PRONAF, para apicultura. Ano Agrícola Contratos Valor 2002/2003 152 811.931 2003/2004 1.088 4.758.640

Leia mais

Políticas Públicas para o Desenvolvimento Agropecuário no Brasil

Políticas Públicas para o Desenvolvimento Agropecuário no Brasil Secretaria de Desenvolvimento Agropecuário e Cooperativismo - SDC Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - MAPA Políticas Públicas para o Desenvolvimento Agropecuário no Brasil Reunião Regional

Leia mais

Serviço Florestal Brasileiro. Guia de Financiamento Florestal. Guia de. Financiamento Florestal. Brasília, maio de 2013

Serviço Florestal Brasileiro. Guia de Financiamento Florestal. Guia de. Financiamento Florestal. Brasília, maio de 2013 Guia de Financiamento Florestal 2013 Brasília, maio de 2013 1 Realização Apoio Presidenta da República Dilma Rousseff Vice-Presidente da República Michel Temer Ministra do Meio Ambiente Izabella Mônica

Leia mais

Fórum Produção Sustentável de Madeira. Juiz de Fora/MG, 27 a 31 de janeiro de 2014. Programa ABC PROGRAMA ABC

Fórum Produção Sustentável de Madeira. Juiz de Fora/MG, 27 a 31 de janeiro de 2014. Programa ABC PROGRAMA ABC Fórum Produção Sustentável de Madeira Juiz de Fora/MG, 27 a 31 de janeiro de 2014 Programa ABC PROGRAMA ABC Programa para Redução da Emissão de Gases de Efeito Estufa na Agricultura Linha de crédito para

Leia mais

Banco do Brasil. Programa ABC

Banco do Brasil. Programa ABC Banco do Brasil Programa ABC Junho de 2015 Plano ABC Conceito Crédito orientado para promover a redução das emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) na agricultura, conforme preconizado na Política Nacional

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MAPA SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO E COOPERATIVISMO SDC

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MAPA SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO E COOPERATIVISMO SDC MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MAPA SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO E COOPERATIVISMO SDC Programa ABC Linha de Crédito para Agricultura de Baixa Emissão de Carbono Sidney

Leia mais

BANCO DA AMAZÔNIA. Seminário FNO-ITINERANTE 2012. São Gabriel da Cachoeira (AM). 24/04/2012

BANCO DA AMAZÔNIA. Seminário FNO-ITINERANTE 2012. São Gabriel da Cachoeira (AM). 24/04/2012 BANCO DA AMAZÔNIA Seminário FNO-ITINERANTE 2012 São Gabriel da Cachoeira (AM). 24/04/2012 Município de São Gabriel da Cachoeira - AM Principais Destaques. Considerado um ponto estratégico pelo país e,

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem vive no Brasil Rural.

Leia mais

ABC. Programa para Redução da Emissão de Gases de Efeito Estufa na Agricultura - Programa ABC - Linha de crédito para investimento.

ABC. Programa para Redução da Emissão de Gases de Efeito Estufa na Agricultura - Programa ABC - Linha de crédito para investimento. ABC. Programa para Redução da Emissão de Gases de Efeito Estufa na Agricultura - Programa ABC - Linha de crédito para investimento. São objetivos do ABC: Reduzir as emissões de gases de efeito estufa oriundas

Leia mais

Linhas de Financiamento Setor Florestal. 1º Encontro Paulista de Biodiversidade São Paulo, 18 de novembro de 2009 Eduardo Canepa Raul Andrade

Linhas de Financiamento Setor Florestal. 1º Encontro Paulista de Biodiversidade São Paulo, 18 de novembro de 2009 Eduardo Canepa Raul Andrade Linhas de Financiamento Setor Florestal 1º Encontro Paulista de Biodiversidade São Paulo, 18 de novembro de 2009 Eduardo Canepa Raul Andrade Política Ambiental do BNDES O BNDES entende que investimentos

Leia mais

PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2010/2011

PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2010/2011 PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2010/2011 Mais crédito, mais segurança e juros menores. Do Plano Safra 2002/2003 ao Plano Safra 2010/2011, o volume de recursos oferecidos por meio do Pronaf para custeio

Leia mais

PRONAF Eco Dendê. Reunião - Câmara Técnica da Palma de Óleo. Belém-PA Maio/2012

PRONAF Eco Dendê. Reunião - Câmara Técnica da Palma de Óleo. Belém-PA Maio/2012 PRONAF Eco Dendê Reunião - Câmara Técnica da Palma de Óleo Belém-PA Maio/2012 Instrumentos legais de enquadramento da agricultura familiar 1) Lei nº 11.326/2006 Estabelece as diretrizes para a formulação

Leia mais

PRONAMP PROGRAMA NACIONAL DE APOIO AO MÉDIO PRODUTOR RURAL. novembro de 2013

PRONAMP PROGRAMA NACIONAL DE APOIO AO MÉDIO PRODUTOR RURAL. novembro de 2013 PRONAMP PROGRAMA NACIONAL DE APOIO AO MÉDIO PRODUTOR RURAL novembro de 2013 EVOLUÇÃO DO FINANCIAMENTO RURAL 160,0 1200% 140,0 1100% 1000% 120,0 900% BILHÕES 100,0 80,0 60,0 40,0 424% 349% 800% 700% 600%

Leia mais

O BNDES e o Apoio ao Setor Agropecuário. dezembro de 2012

O BNDES e o Apoio ao Setor Agropecuário. dezembro de 2012 O BNDES e o Apoio ao Setor Agropecuário dezembro de 2012 Apoio ao setor rural Ministério da Agricultura Pecuária e Abatecimento - MAPA Programas Agropecuários do Governo Federal Operacionalizados pelo

Leia mais

El Sistema Cooperativo Agrario como Herramienta para la Inserción Competitiva de la Agricultura Familiar en los Mercados

El Sistema Cooperativo Agrario como Herramienta para la Inserción Competitiva de la Agricultura Familiar en los Mercados El Sistema Cooperativo Agrario como Herramienta para la Inserción Competitiva de la Agricultura Familiar en los Mercados O que é Agricultura Familiar no Brasil Lei 11326 Art. 3o Para os efeitos desta Lei,

Leia mais

Soluções para a Agricultura Familiar Para todos os momentos da produção.

Soluções para a Agricultura Familiar Para todos os momentos da produção. Soluções para a Agricultura Familiar Para todos os momentos da produção. bb.com.br/agronegocio O Banco do Brasil acredita na força da agricultura familiar brasileira. O Banco do Brasil reconhece a importância

Leia mais

Guia de. Financiamento Florestal. 2ª Edição

Guia de. Financiamento Florestal. 2ª Edição Guia de Financiamento Florestal 2011 2ª Edição Dilma Rousseff Presidenta da República Michel Temer Vice-Presidente da República Izabella Mônica Vieira Teixeira Ministra do Meio Ambiente Francisco Gaetani

Leia mais

PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2009/2010 MAISAGRICULTURA FAMILIAR PARA MAIS BRASILEIROS

PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2009/2010 MAISAGRICULTURA FAMILIAR PARA MAIS BRASILEIROS PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2009/2010 MAISAGRICULTURA FAMILIAR PARA MAIS BRASILEIROS Fortalecimento e ampliação das políticas públicas O Plano Safra da Agricultura Familiar 2009/2010 fortalece

Leia mais

PLANO SAFRA DAS ÁGUAS 2010-2011

PLANO SAFRA DAS ÁGUAS 2010-2011 PLANO SAFRA DAS ÁGUAS 2010-2011 1 PLANO SAFRA DAS ÁGUAS - PESCA E AQUICULTURA BRASÍLIA-DF 2010 SUMÁRIO Pag. Apresentação...4 Novidades...5 Linhas de Crédito - Pronaf Pesca e Aquicultura...6 Linhas de Crédito

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.339, DE 20 DE JUNHO DE 2014

RESOLUÇÃO Nº 4.339, DE 20 DE JUNHO DE 2014 RESOLUÇÃO Nº 4.339, DE 20 DE JUNHO DE 2014 Dispõe sobre ajustes nas normas do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf), de que trata o Capítulo 10 do Manual de Crédito Rural

Leia mais

PARA QUEM GOSTA DE BOAS NOTÍCIAS, ESSE É UM PRATO CHEIO.

PARA QUEM GOSTA DE BOAS NOTÍCIAS, ESSE É UM PRATO CHEIO. PARA QUEM GOSTA DE BOAS NOTÍCIAS, ESSE É UM PRATO CHEIO. Presidenta da República Dilma Rousseff Ministro de Estado do Desenvolvimento Agrário Pepe Vargas Secretário Executivo do Ministério do Desenvolvimento

Leia mais

OS DEZ ANOS DO PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR: UM CONVITE À REFLEXÃO

OS DEZ ANOS DO PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR: UM CONVITE À REFLEXÃO Observatório de Políticas Públicas para a Agricultura nº42 - julho 2012 OS DEZ ANOS DO PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR: UM CONVITE À REFLEXÃO Valdemar J. Wesz Junior* Catia Grisa** Na primeira semana

Leia mais

TÍTULO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO DELEGACIA FEDERAL DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO EM MATO GROSSO. Declaração de Aptidão ao Pronaf - DAP

TÍTULO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO DELEGACIA FEDERAL DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO EM MATO GROSSO. Declaração de Aptidão ao Pronaf - DAP TÍTULO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO DELEGACIA FEDERAL DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO EM MATO GROSSO Declaração de Aptidão ao Pronaf - DAP Legislação Os normativos do enquadramento dos agricultores

Leia mais

Desenvolvimento e Oportunidades da Agricultura Familiar. Marco Antonio Viana Leite Diretor PAC e Mais Alimentos

Desenvolvimento e Oportunidades da Agricultura Familiar. Marco Antonio Viana Leite Diretor PAC e Mais Alimentos Desenvolvimento e Oportunidades da Agricultura Familiar Marco Antonio Viana Leite Diretor PAC e Mais Alimentos Agricultura Familiar no Mundo São 500 milhões de estabelecimentos da agricultura familiar

Leia mais

Mato Grosso. PRONAF e DAP: Orientações necessárias para atendimento ao produtor rural. Joaci Medeiros Assessor Técnico

Mato Grosso. PRONAF e DAP: Orientações necessárias para atendimento ao produtor rural. Joaci Medeiros Assessor Técnico Mato Grosso PRONAF e DAP: Orientações necessárias para atendimento ao produtor rural Joaci Medeiros Assessor Técnico JUL/2012 POLÍTICAS PÚBLICAS CRÉDITO RURAL / PRONAF PAA HABITAÇÃO RURAL (MINHA CASA,

Leia mais

Como acessar. Crédito Rural. Banco do Brasil. seu

Como acessar. Crédito Rural. Banco do Brasil. seu Como acessar seu Crédito Rural no Banco do Brasil Produtor Familiar Documentos necessários Produtor Familiar Documentação necessária: - Documento de Identidade e CPF; - DAP Declaração de Aptidão ao Pronaf;

Leia mais

ESPAÇO RURAL ALIMENTOS PARA OS BRASILEIROS E PARA O MUNDO

ESPAÇO RURAL ALIMENTOS PARA OS BRASILEIROS E PARA O MUNDO ESPAÇO RURAL ALIMENTOS PARA OS BRASILEIROS E PARA O MUNDO Introdução O modelo de desenvolvimento rural nos últimos tempos, baseado na modernização agrícola conservou muitas das características históricas

Leia mais

PLANO SAFRA DA PESCA E AQUICULTURA 2015/2016

PLANO SAFRA DA PESCA E AQUICULTURA 2015/2016 PLANO SAFRA DA PESCA E AQUICULTURA 2015/2016 PLANO SAFRA DA PESCA E AQUICULTURA 2015/2016 Pilares do PSPA CRÉDITO PROMOÇÃO PROMOÇÃO DO DO CONSUMO PESQUEIRO PSPA INFRAESTRUTURA ASSISTÊNCIA TÉCNICA COMERCIALI

Leia mais

La Experiencia del PRONAF Eco Dendê en Brasil

La Experiencia del PRONAF Eco Dendê en Brasil La Experiencia del PRONAF Eco Dendê en Brasil Taller sobre el Acceso a Créditos para la Agricultura Familiar en América Latina - Cadena Productiva de Palma Bogotá Colombia Junio 2015 O MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO

Leia mais

SÍNTESE JUINA. Meio Ambiente

SÍNTESE JUINA. Meio Ambiente SÍNTESE JUINA Aperfeiçoar mecanismos controle ambiental Meio Ambiente Instalação de viveiros de distribuição de mudas para o reflorestamento e matas ciliares Ampliar aceso aos programas de crédito de Capacitar

Leia mais

BANCO DO BRASIL. Seminário Investimentos em Biodiesel. Diretoria de Agronegócios. Rio de Janeiro, 16 de março de 2006

BANCO DO BRASIL. Seminário Investimentos em Biodiesel. Diretoria de Agronegócios. Rio de Janeiro, 16 de março de 2006 Seminário Investimentos em Biodiesel Rio de Janeiro, 16 de março de 2006 BANCO DO BRASIL Painel: Linhas de Investimento e Custeio BB Biodiesel BB Biodiesel Finalidade Financiamento: acusteio; ainvestimento;

Leia mais

Programa BB Aqüicultura e Pesca

Programa BB Aqüicultura e Pesca Programa BB Aqüicultura e Pesca O Banco do Brasil é o maior parceiro dos empreendedores brasileiros, sejam grandes ou pequenos produtores. Isso vale, também, para a aqüicultura e pesca. Assim, com o objetivo

Leia mais

DILMA ROUSSEFF Presidenta da República. PATRUS ANANIAS Ministro do Desenvolvimento Agrário

DILMA ROUSSEFF Presidenta da República. PATRUS ANANIAS Ministro do Desenvolvimento Agrário DILMA ROUSSEFF Presidenta da República PATRUS ANANIAS Ministro do Desenvolvimento Agrário MARIA FERNANDA RAMOS COELHO Secretária Executiva do Ministério do Desenvolvimento Agrário MARIA LÚCIA DE OLIVEIRA

Leia mais

Programa ABC. Agricultura de Baixo Carbono. Programa para redução da Emissão de Gases de Efeito Estufa na Agricultura

Programa ABC. Agricultura de Baixo Carbono. Programa para redução da Emissão de Gases de Efeito Estufa na Agricultura Programa ABC Agricultura de Baixo Carbono Programa para redução da Emissão de Gases de Efeito Estufa na Agricultura Emissões globais de GEEs Participação dos diferentes setores nas emissões de GEE, 2004

Leia mais

PRODUÇÃO FLORESTAL Plante árvores e aumente a renda da propriedade

PRODUÇÃO FLORESTAL Plante árvores e aumente a renda da propriedade Série Time Agro Brasil PRODUÇÃO com PRESERVAÇÃO PRODUÇÃO FLORESTAL Plante árvores e aumente a renda da propriedade 1 Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro

Leia mais

É HORA DE INCLUIR O DESENVOLVIMENTO LOCAL NAS PRIORIDADES DO SEU MUNICÍPIO! Especialistas em pequenos negócios

É HORA DE INCLUIR O DESENVOLVIMENTO LOCAL NAS PRIORIDADES DO SEU MUNICÍPIO! Especialistas em pequenos negócios É HORA DE INCLUIR O DESENVOLVIMENTO LOCAL NAS PRIORIDADES DO SEU MUNICÍPIO! Especialistas em pequenos negócios MÃOS À OBRA!!! Prefeito e Prefeita, seguem sugestões de Programas e Ações a serem inseridos

Leia mais

BNDES Programas Agrícolas Pronaf Jovem Informações básicas sobre o apoio financeiro

BNDES Programas Agrícolas Pronaf Jovem Informações básicas sobre o apoio financeiro BNDES Programas Agrícolas Pronaf Jovem Informações básicas sobre o apoio financeiro A seguir as informações sobre as condições financeiras, o objetivo do financiamento, a orientação sobre como solicitar

Leia mais

I - despesas de soca e ressoca de cana-de-açúcar, abrangendo os tratos culturais, a colheita e os replantios parciais;

I - despesas de soca e ressoca de cana-de-açúcar, abrangendo os tratos culturais, a colheita e os replantios parciais; RESOLUÇÃO Nº 4.226, DE 18 DE JUNHO DE 2013 Dispõe sobre ajustes nas normas de financiamento de custeio, de investimento e de comercialização com recursos do crédito rural, a partir de 1º de julho de 2013.

Leia mais

Oportunidades da Agropecuária Brasileira

Oportunidades da Agropecuária Brasileira Oportunidades da Agropecuária Brasileira Carne sustentável para o mundo Buenos Aires, 28 de setembro de 2010 SANIDADE ANIMAL BEM ESTAR ANIMAL PRESERVAÇÃO AMBIENTAL RASTREABILIDADE 1 O governo brasileiro

Leia mais

SAFRAS & CIFRAS TRIBUTAÇÃO INCIDENTE SOBRE FATURAMENTO - PARTE II EMPRESÁRIO RURAL PESSOA JURÍDICA

SAFRAS & CIFRAS TRIBUTAÇÃO INCIDENTE SOBRE FATURAMENTO - PARTE II EMPRESÁRIO RURAL PESSOA JURÍDICA TRIBUTAÇÃO INCIDENTE SOBRE FATURAMENTO - PARTE II EMPRESÁRIO RURAL PESSOA JURÍDICA * Carla Hosser * Leticia de Oliveira Nunes * Litiele Maltezahn * Priscila Duarte Salvador * Rosana Vieira Manke Diante

Leia mais

Tema: Reserva Legal. Familiar/MMA

Tema: Reserva Legal. Familiar/MMA Tema: Reserva Legal Norma atual Proposta 1 Proposta Agricultura Proposta Movimento MAPA/ruralistas Familiar/MMA Socioambientalista Recuperação de RL: exige a Reconhecimento de Não aceitar anistia para

Leia mais

Do Manual de Crédito Rural, disponível aqui.

Do Manual de Crédito Rural, disponível aqui. Do Manual de Crédito Rural, disponível aqui. TÍTULO: CRÉDITO RURAL CAPÍTULO: Operações - 3 SEÇÃO: Créditos de Custeio - 2 1 - O custeio rural classifica-se como: (Res a) agrícola; b) pecuário; c) de beneficiamento

Leia mais

Diretoria de Agronegócios. Safra 2013/2014

Diretoria de Agronegócios. Safra 2013/2014 Diretoria de Agronegócios Safra 2013/2014 Agricultura Empresarial Custeio Custeio MCR 6.2 e MCR 6.4 Equalizado 1) Limite recursos controlados: R$ 800 mil, por beneficiário/safra, independentemente da cultura;

Leia mais

Linhas Agrícolas Agosto 2013

Linhas Agrícolas Agosto 2013 Linhas Agrícolas Agosto 2013 MERCADO DE CRÉDITO DÍVIDA PRIVADA Dividido em 3 Principais Classes de Ativo: Crédito Geral: Linha de KG, Conta Garantida, Finame, PSI; CCB, Debênture; Crédito Imobiliário:

Leia mais

O Brasil Melhorou. 36 milhões. de brasileiros saíram da pobreza em 10 anos. 42 milhões. de brasileiros ascenderam de classe.

O Brasil Melhorou. 36 milhões. de brasileiros saíram da pobreza em 10 anos. 42 milhões. de brasileiros ascenderam de classe. O Brasil Melhorou 36 milhões de brasileiros saíram da pobreza em 10 anos 42 milhões de brasileiros ascenderam de classe Fonte: SAE/PR O Brasil Melhorou O salário mínimo teve um aumento real de 70% Em 2003,

Leia mais

Políticas Agrícolas e Comercio Internacional Acadêmicas: Jéssica Mello e Marcele Leal

Políticas Agrícolas e Comercio Internacional Acadêmicas: Jéssica Mello e Marcele Leal Políticas Agrícolas e Comercio Internacional Acadêmicas: Jéssica Mello e Marcele Leal Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (PRONAF) O Pronaf iniciou em 28 de julho de 1996, pelo

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.233, DE 18 DE JUNHO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 4.233, DE 18 DE JUNHO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº 4.233, DE 18 DE JUNHO DE 2013 Dispõe sobre assistência financeira a cooperativas de produção agropecuária e de crédito e altera o Capítulo 5 do Manual de Crédito Rural (MCR). O Banco Central

Leia mais

DERAL - Departamento de Economia Rural

DERAL - Departamento de Economia Rural ANÁLISE DA CONJUNTURA AGROPECUÁRIA POLÍTICA AGRÍCOLA - SAFRA 2015/16 A política agrícola para a agricultura empresarial vem se caracterizando nos últimos anos por assegurar o necessário apoio ao produtor

Leia mais

MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE FLORESTAS

MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE FLORESTAS MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE FLORESTAS Referência: Agenda para a criação de instrumentos de financiamentos e crédito para o setor florestal Interessado: DFLOR/SBF/MMA. 1. ANTECEDENTES: O

Leia mais

ESPELHO DE EMENDAS DE ACRÉSCIMO DE META

ESPELHO DE EMENDAS DE ACRÉSCIMO DE META SISTEMA DE ELABORAÇÃO DE S ÀS LEIS ORÇAMENTÁRIAS Página: 240 de 2619 ESPELHO DE S DE ACRÉSCIMO DE META 1 DESAFIO 7 Reduzir as desigualdades regionais e intra-regionais com integração das múltiplas escalas

Leia mais

23ª Abertura Oficial da COLHEITA DO ARROZ. Restinga Seca - RS

23ª Abertura Oficial da COLHEITA DO ARROZ. Restinga Seca - RS 23ª Abertura Oficial da COLHEITA DO ARROZ. Restinga Seca - RS Carteira de Crédito Sicredi Fevereiro/2013 Saldo da Carteira de Crédito do Sicredi Carteira de Crédito Sicredi R$ 10.310,12 56,13% R$ 4.563,96

Leia mais

As Políticas Públicas e a Agricultura Familiar

As Políticas Públicas e a Agricultura Familiar As Políticas Públicas e a Agricultura Familiar Lei da Agricultura Familiar LEI Nº 11.326, DE 24 DE JULHO DE 2006. Art. 3 Para os efeitos desta Lei, considera-se agricultor familiar e empreendedor familiar

Leia mais

Alimentos Saudáveis para o Brasil

Alimentos Saudáveis para o Brasil Agricultura Familiar: Alimentos Saudáveis para o Brasil Plano Safra 2015/2016 Mais proteção para quem produz Novo seguro de renda Cobertura de até 80% da receita bruta esperada Limites de cobertura triplicados:

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 2766. Art. 2º Os financiamentos ao amparo de recursos do PRONAF ficam sujeitos às seguintes taxas efetivas de juros:

RESOLUÇÃO Nº 2766. Art. 2º Os financiamentos ao amparo de recursos do PRONAF ficam sujeitos às seguintes taxas efetivas de juros: RESOLUÇÃO Nº 2766 Dispõe sobre alterações no Regulamento do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (PRONAF). O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31 de

Leia mais

Pesquisa e Desenvolvimento em Agricultura Familiar na Embrapa Arroz e Feijão

Pesquisa e Desenvolvimento em Agricultura Familiar na Embrapa Arroz e Feijão Pesquisa e Desenvolvimento em Agricultura Familiar na Embrapa Arroz e Feijão ISSN 1678-9644 Dezembro, 2004 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Centro Nacional de Pesquisa de Arroz e Feijão Ministério

Leia mais

O BANCO QUE FAZ MAIS PELA AMAZÔNIA

O BANCO QUE FAZ MAIS PELA AMAZÔNIA O BANCO QUE FAZ MAIS PELA AMAZÔNIA CRÉDITO COMO SOLUÇÃO PARA PRODUZIR COM SUSTENTABILIDADE SOCIAL E AMBIENTAL BNDES PRODUSA Objetivos Disseminar o conceito de agronegócio responsável e sustentável, agregando

Leia mais

P L O Í L TI T CA C S A S DA D A SE S D E R D A R F A F PA P R A A R A A

P L O Í L TI T CA C S A S DA D A SE S D E R D A R F A F PA P R A A R A A POLÍTICAS DA SEDRAF PARA A POLÍTICAS DA SEDRAF PARA A AGRICULTURA FAMILIAR Implantada conforme o Art. 5º da Lei Complementar nº 413, de 20 de dezembro de 2010. MISSÃO: Gerir as Políticas de Desenvolvimento

Leia mais

Cartilha Agronegócio Sustentável

Cartilha Agronegócio Sustentável Cartilha Agronegócio Sustentável Agronegócio Sustentável A melhor maneira de pensar o seu negócio OAgronegócio é uma atividade fundamental para a economia brasileira. Tem grande participação no PIB do

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA EDITAL DE RECRUTAMENTO Nº 001/2016 PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº 012/2016

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA EDITAL DE RECRUTAMENTO Nº 001/2016 PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº 012/2016 ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA EDITAL DE RECRUTAMENTO Nº 001/2016 PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº 012/2016 I. DO OBJETO DA CONTRATAÇÃO Contratação de TÉCNICO DE CAMPO para o Projeto Produção Sustentável em Áreas

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3235. I - os prazos estabelecidos nos quadros previstos no MCR 4-1- 28 e 29 são máximos, admitidos prazos inferiores;

RESOLUÇÃO Nº 3235. I - os prazos estabelecidos nos quadros previstos no MCR 4-1- 28 e 29 são máximos, admitidos prazos inferiores; RESOLUÇÃO Nº 3235 Promove ajustes complementares na regulamentação sobre Empréstimos do Governo Federal (EGF) para atender a financiamentos da safra 2004/2005. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art.

Leia mais

Programa de Garantia de Preços para a Agricultura Familiar - PGPAF

Programa de Garantia de Preços para a Agricultura Familiar - PGPAF Programa de Garantia de Preços para a Agricultura Familiar - PGPAF O QUE É O PGPAF? Programa do Governo Federal que garante aos agricultores familiares que tem financiamento no âmbito do Pronaf a indexação

Leia mais

CUSTOS DE PRODUÇÃO CÂMARA SETORIAL DO ARROZ

CUSTOS DE PRODUÇÃO CÂMARA SETORIAL DO ARROZ CUSTOS DE PRODUÇÃO CÂMARA SETORIAL DO ARROZ Temas a serem tratados: Custos de Produção 2015 e Orçamentação para 2016 Proposta de Projeto de Lei com estabelecimentos de critérios em Lei; Mecanismos de Comercialização

Leia mais

RESOLUCAO 3.856. IV - os recursos do Funcafé repassados às instituições financeiras devem ser remunerados:

RESOLUCAO 3.856. IV - os recursos do Funcafé repassados às instituições financeiras devem ser remunerados: RESOLUCAO 3.856 Dispõe sobre linhas de crédito destinadas aos financiamentos de custeio, colheita, estocagem de café e para Financiamento para Aquisição de Café (FAC), ao amparo de recursos do Fundo de

Leia mais

DERAL- Departamento de Economia Rural. ANÁLISE DA CONJUNTURA AGROPECUÁRIA Política Agrícola Safra 2014/2015

DERAL- Departamento de Economia Rural. ANÁLISE DA CONJUNTURA AGROPECUÁRIA Política Agrícola Safra 2014/2015 ANÁLISE DA CONJUNTURA AGROPECUÁRIA Política Agrícola Safra 2014/2015 Novembro 2014 A política agrícola para a agricultura empresarial vem se caracterizando nos últimos anos por assegurar o necessário apoio

Leia mais