Entrevista a Jean-Pierre Contzen

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Entrevista a Jean-Pierre Contzen"

Transcrição

1 Entrevista a Jean-Pierre Contzen Investigador em diversos domínios da Ciência, Presidente do Instituto de Estudos Avançados das Nações Unidas, Professor Convidado do Instituto Superior Técnico e Conselheiro Especial do Ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Mariano Gago, Jean-Pierre Contzen é um especialista com longo currículo internacional, tendo feito parte de diversas instituições científicas e Presidido à Comissão Internacional de Avaliação dos Laboratórios de Estado portugueses, em Conhecedor da situação da Ciência em Portugal e do desenvolvimento científico a nível internacional, Contzen fala à TV Ciência sobre o actual panorama dos Laboratórios do Estado, as expectativas que tem para o país e para a União Europeia em relação aos avanços na Ciência e Investigação e traça-nos um quadro geral sobre os progressos que estão a ser levados a cabo, para atingir os Objectivos de Desenvolvimento do Milénio, definidos pelas Nações Unidas até TV Ciência: O Senhor Professor na qualidade de especialista presidiu à comissão internacional de avaliação dos Laboratórios do Estado Portugueses, em Nessa altura quais foram as principais conclusões a que chegou? Contzen: O nosso relatório de 1997 teve consecutivas verificações de progresso e isto foi essencial pois os Laboratórios do Estado constituem um importante capital. Um capital científico para Portugal, que deve ser melhor explorado. E quando no nosso relatório dizíamos melhor explorado queríamos dizer, gerido de forma mais moderna, no sentido de uma maior autonomia e que os laboratórios também deveriam ser mais orientados para as tarefas que correspondessem às necessidades dos Governos. Penso que o terceiro ponto mais importante é que os Laboratórios do Estado deveriam trabalhar muito mais com o mundo exterior. E o mundo exterior não significa apenas as Universidades em Portugal e as Instituições de Ensino Superior, mas também que os Laboratórios do Estado deveriam ser introduzidos no contexto europeu e internacional. Penso que estas foram as linhas principais do relatório. TV Ciência: Se hoje lhe fosse pedido para elaborar um novo parecer, e dado que continua a manter uma ligação estreita com os problemas da Ciência em Portugal, qual seria a sua posição actual, no essencial? Contzen: Penso que as parcerias e as colaborações são muito importantes, mas considero como ponto essencial os Laboratórios do Estado servirem essencialmente para dar assistência ao Estado, na formulação, e implementação das suas políticas, portanto, tem o papel de assessoria, por isso, não devemos confundi-los com outros actores da cena científica. Penso

2 que têm as suas especificidades, mas esse papel específico não significa que não devem colaborar e ter parcerias com outras entidades para adquirir conhecimento e transferir conhecimento. Mas insisto numa coisa, é que os Laboratórios do Estado têm o seu próprio papel e esse papel é essencialmente para assistir o Estado, na preparação, formulação e implementação das tarefas do Estado tenha. TV Ciência: Entretanto os governos aplicaram algumas das recomendações. É visível o efeito das medidas levadas a cabo nos laboratórios do Estado? Que balanço faz? Contzen: Penso que desde que formulámos as nossas recomendações um certo número delas foi de facto implementado. Acho que tem havido um maior enfoque nas tarefas dos Laboratórios (esta é uma delas). Penso que o facto das Leis Orgânicas terem sido preparadas para vários Laboratórios, foi um importante factor porque deu uma estrutura aos laboratórios. E temos visto, em alguns casos, um reforço de colaboração com as Universidades e com o mundo exterior. Por isso, penso que tem havido situações positivas ao terem em conta as nossas recomendações. TV Ciência: Rejuvenescimento dos recursos humanos e formação avançada eram dois dos factores para que apontava a avaliação em que medida foram tidos em conta? Contzen: Penso que os Laboratórios de Investigação como sejam os Laboratórios do Estado, possuem como tarefa essencial a investigação e o desenvolvimento tecnológico, mas podem desempenhar um papel na formação avançada. Não substituem as Universidades (que como já disse no início os Laboratórios do Estado têm um papel específico) mas podem ajudar, à semelhança do que fazem os grandes laboratórios na Europa, que têm um certo número de cursos de formação avançada e programas de formação. Portanto, penso que será esse o modelo futuro. A formação trás sangue novo aos Laboratórios do Estado e de acordo a minha experiência (porque também sou Presidente do von Karman Institute for Fluid Dynamics, que também tem estudantes e estudantes de doutoramento de vários países) estas pessoas, apesar de tudo, são como que libertadas das suas instituições para o mundo exterior. Por isso, penso que a formação avançada e os laboratórios sustentáveis são características muito importantes. TV Ciência: As questões de financiamento e da autonomia foram alteradas, ou seja, os Laboratórios do Estado perderam a autonomia financeira. Essa perda pode justificar as dificuldades em alguns projectos? Contzen: Penso que as questões de financiamento dizem respeito a Portugal como o dizem, neste momento, a outros países da Europa. Ter de combater o Défice Financeiro não é caso único de Portugal. Portanto, a sustentabilidade dos laboratórios, assim como, de outras instituições de investigação faz parte de uma Europa e de um mundo onde se trabalha em condições financeiras muito apertadas. Penso que isto é um facto e é um desafio Relativamente à

3 questão da autonomia financeira penso que seria essencial, mas este é o meu ponto de vista pessoal, que essa autonomia financeira deveria ser devolvida. Porque é muito difícil sem a autonomia financeira colaborar a um nível europeu ou internacional. Por isso, a minha esperança é que a autonomia financeira possa ser devolvida. TV Ciência: Acha que de alguma forma essa falta de autonomia financeira atrasou a progressão da investigação e dos projectos em Portugal? Contzen: A questão da autonomia financeira não significa independência financeira. Penso que os Laboratórios do Estado estão a gastar dinheiro dos impostos, portanto é muito normal que o Estado exerça algum controlo. A minha experiência vem em parte da minha carreira que foi feita na Comissão Europeia, onde tínhamos um controlo financeiro muito apertado, mas era permitido, que sob um certo número de regras tínhamos de ser capazes de gerir esse dinheiro por nós próprios. O que acho e que é mais importante é que se recebesse dinheiro do exterior para uma tarefa específica, deveria ser da nossa responsabilidade gerir o dinheiro. A autonomia financeira não significa que se seja completamente livre e sem controlo, estamos inseridos no Estado. TV Ciência: Alguns dos Laboratórios possuem novas leis orgânicas. Considera que agora estão mais bem definidas as missões desses laboratórios? Contzen: Penso que as Leis Orgânicas são as ferramentas para reflectir a missão mas também o funcionamento interno de muitos Laboratórios do Estado. Esta é uma característica importante. Obviamente que a questão não se refere apenas às Leis Orgânicas, mas a implementação de forma mais efectiva. Certamente que as Leis Orgânicas têm sido e continuam a ser uma forma eficiente para definir uma missão e também para estruturar os Laboratórios do Estado. TV Ciência: Que tipo de estrutura organizativa devem possuir os Laboratórios do Estado para facilitar que estes possam integrar projectos e consórcios internacionais e tornarem-se mais competitivos? Contzen: Penso que uma parte da questão é a autonomia financeira. Penso que não existem obstáculos legais ou administrativos para se fazer parcerias ou possuírem colaborações exteriores. Eu penso que é mais uma questão de atrair as parcerias certas e de estar mais envolvido em redes a nível europeu e mundial. Portanto é uma questão de, ao mesmo tempo, servir o seu maior cliente e patrão, o Estado português e em paralelo uma grande abertura ao trabalho com os investigadores. Penso que é possível equilibrar os dois. Mas exige um desejo maior de trabalhar com o exterior. TV Ciência: Mas na prática, como é que poderia ser essa estrutura organizativa dos Laboratórios do Estado para que fosse possível tornarem-se mais competitivos e entrarem em consórcios internacionais?

4 Contzen: Penso que não há uma forma universal. Em alguns dos Institutos em que trabalhei e dirigi, uma das soluções poderia passar por haver uma pessoa com a especial função de tratar os assuntos de relações internacionais. Não só de um ponto de vista formal, mas diria mais de um ponto de vista de marketing e que tentasse encontrar parceiros. Portanto, ter alguém, um Sr. ou uma Srª Europa, que estivesse num Laboratório de Estado poderia ser uma possibilidade. Mas penso que ter uma pessoa que procurasse os aspectos relacionados com a colaboração seria muito importante. TV Ciência: Podemos agora falar em relação a um dos Laboratórios do Estado, o Instituto de Investigação Científica Tropical, o que acha que mudou entre a altura em que fez a avaliação e o presente? O que pode dizer sobre as mudanças actualmente introduzidas? Que avaliação faz? Contzen: Penso que o Instituto de Investigação Científica Tropical, de certo modo, está numa situação privilegiada porque tem um capital, um capital muito forte. A questão é como explorar esse capital da melhor forma possível. É claro que não pode fazer tudo. Portanto têm de se focalizar na forma de valorizar o capital que detém e ao mesmo tempo responder às necessidades não só de Portugal mas também responder às necessidades da Comunidade Internacional. E penso que isto tem de ser esclarecido e temos de olhar para os principais pólos de actividade e encaminhá-los na direcção certa. Eu só encorajo este tipo de esclarecimentos e é visível que existem algumas jóias a emergir do património do IICT. TV Ciência: O Instituto de Investigação Científica Tropical distingue-se, parece-nos, pela sua interdisciplinaridade relativamente às áreas de investigação, número de investigadores que mantém e ao património que possui. Qual é a avaliação que faz da importância deste laboratório no contexto nacional? Contzen: Talvez a minha resposta a surpreenda mas penso que o IICT é mais importante a um nível internacional do que nacional. Para Portugal, pode ajudar um pouco através de uns spillovers da sua actividade para as necessidades específicas portuguesas. Mas penso que o seu papel é essencial para Portugal na cena internacional e deveria ser uma ferramenta para Portugal na colaboração científica internacional. Mas o seu trabalho deveria ser valorizado essencialmente para benefício de outros países. TV Ciência: Porque é que é mais importante para o estrangeiro do que para Portugal? Contzen: Quando eu disse que pode ser de certo interesse é claro que há uma parte que está relacionada com o seu património histórico, parte da história de Portugal, portanto é de Portugal e dos investigadores portugueses e faz parte da própria memória de Portugal. E também em algumas áreas ligadas à Ecobiologia, Vegetação, Ciências Veterinárias talvez tenha aplicação aqui em Portugal. Mas a maioria do trabalho, penso que tem benefícios para os países do mundo subdesenvolvido. É um Instituto para as ciências tropicais e nós não estamos numa zona tropical, por isso, a sua missão é essencial para ajudar os

5 países das zonas tropicais. Este é o ponto de vista das Nações Unidas em relação a este Instituto. TV Ciência: Hoje em dia existem muitas referências à interdisciplinaridade como um dos factores essenciais do sucesso da investigação. Como avalia essa interdisciplinaridade neste Laboratório do Estado? Contzen: Penso que primeiro têm de perceber a interdisciplinaridade nas ciências internacionais. Agora, os novos desenvolvimentos científicos vêm das interligações que existem entre as várias disciplinas, especialmente nas ciências da vida. A grande inovação da investigação é a mistura de várias disciplinas e, por isso, só podemos encorajar no Instituto de Investigação Cientifica Tropical a ser interdisciplinar não apenas na sua actividade científica natural mas também deveria criar mais ligações entre as ciências sociais e as ciências naturais. E eu dei um exemplo na minha conferência, se pegar na conservação da biodiversidade, sendo o assunto da Biodiversidade um assunto das ciências naturais e ao mesmo tempo das ciências sociais e das leis. Portanto, eu encorajo ambos os trabalhos. TV Ciência: E num vasto cenário europeu, onde insere o Instituto de Investigação Científica Tropical enquanto instituto de investigação orientado para as temáticas dos países tropicais? Contzen: Digamos que na Europa, e eu falo na União Europeia, na União dos 25, existem relativamente poucos Institutos que se dedicam especificamente ao problema dos países subdesenvolvidos. Penso que existem cerca de 6 ou 7 que o fazem, portanto, num certo sentido o Instituto de Investigação Científica Tropical desempenha um importante papel nesta área. E o que gostaria de encorajar, mas que acho que já está a ser feito, é que tentasse trabalhar com outros Institutos da Europa dedicados aos problemas dos países subdesenvolvidos como o CIRAD de Montpellier. Mas penso que já está a ser feito. Mas vamos fazer uma comparação com outros campos, penso que o Instituto de Investigação Científica Tropical é uma mais-valia para Portugal no âmbito do quadro da União Europeia. TV Ciência: O Instituto de Investigação Científica Tropical mantém ligação com a Comunidade de Países de Língua Portuguesa. Considera que essa ligação pode vir a ser crucial na colaboração Sul-Sul. Qual o papel reservado ao Instituto de Investigação Científica Tropical? Contzen: Penso que não podemos forçar uma aliança entre os países Sul-Sul, mas um instituto como o IICT localizado numa zona da Europa mantendo boas ligações com os vários componentes sociais pode ser facilitador para o estabelecimento de algumas ligações. Não digo que deva ser apenas Sul-Sul, mas acho que deve ser Norte-Sul-Sul, uma colaboração em forma de triângulo e é nisso que penso que o IICT pode desempenhar um papel, como por exemplo, estabelecendo mais ligações entre o Brasil e os países africanos de língua portuguesa. Mas há um ponto que gostava também de mencionar. Quando menciono a cooperação Sul-Sul, esta deverá ir para além das fronteiras da língua e estabelecer ligações com países africanos de língua

6 inglesa ou de língua francesa ou do sudeste da Ásia. É impressionante a colaboração que, por exemplo, foi desenvolvia entre o Brasil e a China. E esse é, por exemplo, um campo que tem sido muito benéfico, por isso, penso que é um modelo para ser desenvolvido. TV Ciência: Acha que nessa colaboração Sul-Sul, entre o Brasil e a China, o IICT pode ter um papel crucial? Contzen: Eu mencionei esta colaboração específica porque penso que deve ser investigada. Porque a colaboração deveria envolver o IICT em alguns projectos de ligação entre a Ásia e o Brasil. Penso que seria uma questão a considerar. TV Ciência: Uma das grandes dificuldades que parece existir no IICT e em outros Laboratórios do Estado é fazer a passagem de conhecimento científico para aplicações tecnológicas e, assim obter resultados a nível da inovação. O que há a fazer neste caso? Contzen: É claro que os Laboratórios do Estado na sua grande maioria demonstram a sua utilidade para a sociedade pela transferência de conhecimento. Mas a transferência de conhecimento não significa necessariamente que se tenha de transferir os resultados do trabalho para aplicações tecnológicas. Alguns dos Laboratórios do Estado são muito úteis a ajudar e a apoiar o Governo português a defender a sua posição em Bruxelas. Por exemplo, em políticas sobre pesca é necessário especialistas que ajudem o Ministro responsável pela pesca a defender a posição portuguesa. Há outras áreas em que de facto os Laboratórios do Estado têm a função de verificar, por exemplo, se as directivas sobre saúde são respeitadas. Quando existe uma doença é muito importante o papel de um Laboratório do Estado. Por isso, pessoalmente não sou a favor da avaliação dos Laboratórios do Estado apenas com base no desenvolvimento tecnológico. Se pegarmos no caso do IICT, o que estão a fazer com as doenças do café no Centro de Investigação das Ferrugens do Cafeeiro, é muito útil e reconhecido. Se formos a conferências no Brasil eles claramente reconhecem o papel que o IICT tem desempenhado. Se pegarmos no caso do Arquivo Histórico Ultramarino vemos o apoio ao desenvolvimento tecnológico. Portanto, penso que existe um certo número de Laboratórios do Estado, que estão mais no campo das Engenharias, que estão mais claramente dirigidos para a transferência do conhecimento para a aplicação tecnológica, mas no caso do IICT, como disse na minha conferência, é mais uma questão de desenvolver uma quantidade de conhecimento ou até possivelmente alguma tecnologia mas sempre aplicada e desenvolvida em termos de inovação para fora do IICT, ou seja, para fora de Portugal. Este é o meu ponto de vista para o IICT. TV Ciência: O Senhor Professor tem vindo a falar em vários cenários passíveis de serem aplicados na relação entre o sistema jurídico e a inovação. No seu entender, qual é o cenário mais positivo e o que é necessário fazer-se em Portugal para que isso seja possível?

7 Contzen: Penso que a maioria da legislação poderá favorecer a inovação, e a inovação por sua vez pode favorecer o desenvolvimento da sociedade. Portanto, a maioria destas leis e destes regimes legais são tomadas facilmente a nível internacional, pelas Convenções Internacionais ou a nível europeu. Apenas na transposição das directivas europeias pelo Governo português é que se podem encontrar os aspectos positivos, mas para mim, a grande força para o desenvolvimento da inovação, mesmo a nível local, vem dos regimes legais internacionais e de directivas decididas a nível europeu. TV Ciência: Que medidas são necessárias para implementar uma mobilidade pessoal necessária para a modernização técnico-científica? Contzen: A primeira pergunta é uma pergunta geral. Eu penso que os obstáculos para a mobilidade são de dois tipos. O primeiro é que um investigador que vai de uma instituição para outra não deveria ser penalizado na sua carreira por esse facto. Há países que encorajam, como por exemplo, a Alemanha, as pessoas que querem ser professores universitários têm de fazer um estágio fora da Alemanha. Isto é um bom incentivo, mas o problema é que o investigador vai por alguns anos e fica preocupado com a situação quando voltar. Pode não conseguir recuperar o emprego ou então porque poderá ser penalizado por ter estado fora. Esta é uma questão, onde se devem mudar as regras do jogo internamente. Outro grande problema na Europa é as questões sobre as pensões e a Segurança Social. Por isso, penso que a Comissão Europeia começou a trabalhar neste assunto e irá continuar nos próximos anos. Eu próprio trabalhei em 6 países diferentes na minha carreira e foi um problema, devido à educação dos meus filhos. Portanto, tem de se ter em conta todas estas condições. Sobre a questão da atractividade de Portugal para os investigadores estrangeiros. Eu penso que o problema é que a investigação portuguesa não é suficientemente conhecida. Tem de haver um esforço para tornar a investigação portuguesa mais conhecida. Claro que geograficamente estamos na antípoda ocidental da Europa e o centro da Europa é tradicionalmente o ponto de troca de pessoas e penso que deveria haver um esforço não só para a publicidade mas talvez mais incentivo para fazer postos no sistema português, que fossem conhecidos noutros países. Eu não recomendo Portugal a desenvolver um sistema como o da Deutscher Akademischer Austausch Dienst (German Academic Exchange Service) que é uma espécie de administração de emprego que é feita em todas as embaixadas. Embaixadas alemãs a fazer publicidade por todo o mundo da possibilidade de estudo nas Universidades alemãs e nas Instituições de Investigação alemãs. Isso é um esforço muito grande mas a uma escala mais limitada, alguma coisa deveria ser feita para tornar o sistema mais conhecido. Eu penso que é uma questão de qualidade e as pessoas podem fazer um trabalho útil aqui. TV Ciência: No seu entender, actualmente, que visão têm os investigadores estrangeiros de Portugal? Como lugar para trabalhar? Contzen: Digamos que a minha experiência em conversas com pessoas de países europeus indica que é mais a falta de conhecimento do que de crítica.

8 Portanto, não é uma questão de isto não é bom é uma questão de nós não sabemos. TV Ciência: A maioria dos Laboratórios do Estado em Portugal não goza de independência para formar empresas ou até parcerias empresariais. Em que medida esta falta de independência dificulta a transferência de conhecimento? Contzen: Esta é uma questão difícil porque no meu ponto de vista o papel dos Laboratórios do Estado não é criar empresas. O papel dos Laboratórios do Estado é ajudar, sempre que possível, os empresários ou os investigadores a desenvolverem-se. Por isso, talvez as Universidades possam desenvolver spinoffs, mas no meu ponto de vista (e este é o ponto de vista que sempre defendi), quando uma Universidade tem um spinoff deveria ser um spinoff no exacto sentido do termo e deveria ser separado da Universidade. Portanto, no caso dos Laboratórios do Estado, se alguém do Laboratório do Estado desenvolver uma ideia fantástica que pode ser aplicada no mercado, muito bem, é transferida para uma firma ou uma outra entidade para ser mais fácil e isso é um verdadeiro spinoff. Mas eu penso que os Laboratórios do Estado não devem manter no seu espaço a empresa, para mim devem ser duas coisas separadas. E tenho o mesmo ponto de vista para as Universidades no geral. TV Ciência: Concorda com a ideia que em Portugal se faz muita investigação que não tem aplicação ao nível de inovação industrial, tecnológica e consequentemente empresarial? Contzen: É uma longa história, é claro que durante muito tempo o nível de investigação em Portugal foi relativamente baixo e apenas na década de 90 foi feito um esforço para melhorar a situação no desenvolvimento da investigação, o orçamento assim o permitiu, mas vamos considerar que foi um esforço. Penso que o passo correcto foi dado no sentido do primeiro reforço da ciência, e não na tecnologia, mas da ciência básica já que têm esta espécie de solo onde podem fazer crescer a tecnologia. E se olharmos para um recente relatório canadiano em termos de colecta de trabalho científico, Portugal apresenta um grande melhoramento. Portugal está ao nível da média da União Europeia em termos do número de publicações científicas. Por isso, é claro que houve uma grande melhoria nesta área. Agora, a questão é: sendo que têm esta base como se podem agora desenvolver?. Vamos dizer que esse é o próximo passo, é o desenvolvimento tecnológico e a inovação. E eu penso que os esforços já foram feitos e que a ideia de se focarem num certo número de áreas é uma coisa boa. O problema é que Portugal, como outros países de dimensão média na Europa não têm um mercado interno para estimular a inovação. Portanto, Portugal precisa para a sua inovação de um mercado extraordinário e o problema é identificar esse mercado, ou Portugal pegar numa base de conhecimento geral, e não necessariamente no conhecimento desenvolvido em Portugal, e transformá-lo em inovação e só depois pôr a aplicação dessa inovação noutros países. Penso que é um esforço, mas o principal foi conciliar uma base científica e agora que a temos, o problema é saber como aplicar e desenvolver a inovação.

9 TV Ciência: Então é um problema de dinâmica de mercado? Contzen: Exactamente e penso que é difícil comparar com os grandes países, os países europeus, os EUA e o Japão. É que nós não temos aqui um mercado interno para estimular a inovação. Temos de ver as saídas fora de Portugal. TV Ciência: No seu entender quais seriam os factores estratégicos nos quais o país devia investir para se tornar mais competitivo a nível científico e económico? A inovação do país passa, por exemplo, pela formação de clusters? Em que áreas específicas? Contzen: A ideia de clusters para Portugal surgiu nos anos 90 e voltou para trás. É um conceito agradável, pode ser usado mas não acredito que seja uma fórmula universal. E tudo o que significa os clusters, é claro que se vê nos grandes países clusters, como seja o exemplo do, espaço aéreo. E vê-se agora o desenvolvimento de um cluster para aplicações médicas avançadas no Sul de França, ao que os franceses chamam de pólo de competitividade. Na estrutura industrial em Portugal talvez seja difícil aplicar este conceito de cluster como tem sido desenvolvido e experimentado nos grandes países. Por isso a minha opinião é que os clusters são uma hipótese quando isso é possível, mas não o considero como a única forma de desenvolver a inovação em Portugal. TV Ciência: Porque acha que não é possível? Porque acha que não temos um contexto comercial que permita que isso aconteça sendo que se calhar até podíamos ter algumas matérias-primas que bem trabalhadas poderiam tornar-se competitivas em relação a outros países? Contzen: A questão é o tamanho, o que eu disse é que o conceito de clusters foi desenvolvido nos EUA. No meu ponto de vista é válido para grandes países com grande potencial. Não é uma questão de nível de desenvolvimento industrial é uma questão de tamanho e magnitude. Por exemplo, o conceito de clusters não está a ser utilizado na Suiça ou na Dinamarca, mesmo que sejam países altamente desenvolvidos. Portanto, não é uma questão de nível de desenvolvimento mas sim de tamanho. É a possibilidade de realmente conseguir ter uma massa crítica. TV Ciência: Qual acha que deverá ser o papel do sector privado relativamente à formação de parcerias com os Laboratórios do Estado? Deveria ser definida uma percentagem do sector privado para o Financiamento Base dos Laboratórios do Estado para apoiar projectos em I&D? Contzen: Não podemos forçar casamentos. Os casamentos forçados são normalmente casamentos infelizes, por isso, não forcem a indústria a entrar em parceria ou a dedicar alguma quantidade de dinheiro a parcerias. Se não a convencer que é útil para ela. Penso que os Laboratórios do Estado quando possível deveria ser suficientemente atractivos para a indústria, a indústria deveria ter a necessidade de trabalhar com eles. Digamos que parcerias

10 forçadas artificiais não são a solução. E isto é assim em todos os países do mundo. TV Ciência: A 10 anos do prazo limite, que avaliação faz do progresso relativamente aos Objectivos de Desenvolvimento do Milénio? Acha que é possível atingir os Objectivos até 2005? Contzen: Penso que os objectivos serão discutidos na Conferência, em Setembro, relacionada com a Assembleia-geral das Nações Unidas. Onde serão discutidos os progressos para alcançar os ODM. E pode ler-se já, no website das Nações Unidas, um relatório de preparação da Assembleia-geral. Num determinado capítulo é claro que estamos longe de alcançar qualquer objectivo ao fim de 5 anos. São um género de níveis que tornam os objectivos muito mais realistas em Por isso penso que com a Conferência no âmbito da Assembleia-geral, em Setembro, vamos ver como de facto os passos podem ser acelerados para alcançar os ODM. Não sinto que vá haver uma redução das ambições, portanto, a questão vai ser: Onde fomos até agora nos objectivos e o que podemos fazer? Uma coisa que é clara, é preciso muito dinheiro, e isto vai ser discutido para ver como podem ser aumentados os financiamentos para atingir os ODM. Neste sentido, penso que as recentes decisões dos G8, em relação aos países pobres já são uma contribuição significativa para os ODM. Sabemos que estão em discussão impostos para a transferência de dinheiro. Os franceses propuseram impostos nas viagens de avião que permitam juntar dinheiro para alcançar os ODM. A questão é: Podemos pressionar mais o sistema económico? Isso é correcto agora com as dificuldades no preço do petróleo, tentar juntar mais dinheiro?. Portanto vamos ver, mas o dinheiro é um problema. O segundo problema é implementar os ODM. São necessários bons Governos nos países subdesenvolvidos. E isto é outro problema, é que estes países - não nos países do Ocidente não nos países industrializados - nos países do Sul, percebam que para os ODM serem alcançados têm de ter melhores Governos nos seus países. TV Ciência: Fez referência ao facto de para alguns países os Objectivos do Milénio serem utopia e por isso existir um efeito perverso dos objectivos inatingíveis? Pode explicar mais um pouco no que consiste esse efeito perverso? Contzen: É que para um certo número de países o objectivo da igualdade de acesso ao ensino primário para todos incluindo as raparigas, pode ir contra a sua cultura ou até à interpretação da sua religião. Penso que é uma questão que não pode ser resolvida apenas pelo dinheiro, mas através da boa vontade política desse país e a boa vontade desse país só pode ser exercida se houver uma pressão a nível das Nações Unidas. Este assunto da diferença de tratamento das mulheres em alguns países ainda é um problema muito preocupante. Esta igualdade, não digo que nunca será alcançada mas pergunto-me se este tipo de objectivos podem ser alcançados nos próximos tempos, porque acarretam mudanças culturais que correspondem a anos de tradição. O outro ponto que mencionei diz respeito talvez ao facto de nos concentrarmos, já que alguns destes objectivos fazem com que nos esqueçamos de outros e é claro que em termos de desenvolvimento é

11 simpático concentrarmo-nos na educação primária, claro que é uma base para o resto, mas então e a educação secundária e a entrada no sistema académico? Por isso o problema é que, claro que o Secretário-geral das Nações Unidas está a tentar focar-se naquilo que são as necessidades imediatas mas isto não significa que todas as outras agências das Nações Unidas se esqueçam dos outros aspectos. É isso que estamos a tentar fazer neste sistema. TV Ciência: Que estratégias são necessárias delinear para que estes possam vir a tornar-se realidade? Contzen: Eu repito, há duas possibilidades. Tentar injectar mais dinheiro se possível e utilizar esse dinheiro de forma eficiente. Mas não acho que até agora o dinheiro tenha sido desperdiçado na resolução dos ODM, mas deve ser exercida pressão nos Governos relutantes para alcançar alguns objectivos. Nós não podemos esquecer que todos os 191 Estados-membros das Nações Unidas fizeram esforços para atingir os ODM, o que não é comum. É um esforço e não apenas um compromisso vago. TV Ciência: Na sua opinião quais são os grandes obstáculos que existem hoje em dia para atingir os ODM até 2015, prazo estabelecido pelos Estados-membros das Nações Unidas? Contzen: Eu penso que existe muito boa vontade e penso que no caso da maioria dos países há vontade sincera para tentar alcançar. Eu repito o problema são as intenções financeiras e os Governos em alguns países, e mais nada.

MINISTÉRIO DOS NEGóCIOS ESTRANGEIROS DIRECÇÃO GERAL DOS ASSUNTOS MULTILATERAIS Direcção de Serviços das Organizações Económicas Internacionais

MINISTÉRIO DOS NEGóCIOS ESTRANGEIROS DIRECÇÃO GERAL DOS ASSUNTOS MULTILATERAIS Direcção de Serviços das Organizações Económicas Internacionais MINISTÉRIO DOS NEGóCIOS ESTRANGEIROS DIRECÇÃO GERAL DOS ASSUNTOS MULTILATERAIS Direcção de Serviços das Organizações Económicas Internacionais Intervenção de SEXA o Secretário de Estado Adjunto do Ministro

Leia mais

SOUSA GALITO, Maria (2010). Entrevista ao Embaixador Miguel Costa Mkaima. CI-CPRI, E T-CPLP, º8, pp. 1-6.

SOUSA GALITO, Maria (2010). Entrevista ao Embaixador Miguel Costa Mkaima. CI-CPRI, E T-CPLP, º8, pp. 1-6. SOUSA GALITO, Maria (2010). Entrevista ao Embaixador Miguel Costa Mkaima. CI-CPRI, E T-CPLP, º8, pp. 1-6. E T-CPLP: Entrevistas sobre a CPLP CI-CPRI Entrevistado: Embaixador Miguel Costa Mkaima Entrevistador:

Leia mais

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução Bom dia, Senhoras e Senhores Introdução Gostaria de começar por agradecer o amável convite que o Gabinete do Parlamento Europeu em Lisboa me dirigiu para participar neste debate e felicitar os organizadores

Leia mais

A Comissão promove os Mercados Europeus de Capital de Risco

A Comissão promove os Mercados Europeus de Capital de Risco IP/98/305 Bruxelas, 31 de Março de 1998 A Comissão promove os Mercados Europeus de Capital de Risco A Comissão Europeia lançou uma vasta iniciativa para promover o desenvolvimento de um importante mercado

Leia mais

Transcrição de Entrevista n º 24

Transcrição de Entrevista n º 24 Transcrição de Entrevista n º 24 E Entrevistador E24 Entrevistado 24 Sexo Feminino Idade 47 anos Área de Formação Engenharia Sistemas Decisionais E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

José Epifânio da Franca (entrevista)

José Epifânio da Franca (entrevista) (entrevista) Podemos alargar a questão até ao ensino secundário Eu diria: até à chegada à universidade. No fundo, em que os jovens já são maiores, têm 18 anos, estarão em condições de entrar de uma maneira,

Leia mais

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a. Identificação

Leia mais

Cooperação Universidade Empresa

Cooperação Universidade Empresa INTERVENÇÃO DO PRESIDENTE DA AEP - ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL DE PORTUGAL, JOSÉ ANTÓNIO BARROS, NA CERIMÓNIA DE ABERTURA DO ANO LECTIVO 2010/2011, DA UNIVERSIDADE DE AVEIRO, SOB O TEMA «CONTRIBUIÇÃO DO ENSINO

Leia mais

Transição da escola para o emprego: Princípios-chave e Recomendações para Responsáveis Políticos

Transição da escola para o emprego: Princípios-chave e Recomendações para Responsáveis Políticos Transição da escola para o emprego: Princípios-chave e Recomendações para Responsáveis Políticos No final do ano de 1999 a Agência Europeia iniciou um projecto de investigação, a nível Europeu, sobre o

Leia mais

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Centro Cultural de Belém, Lisboa, 11 de Outubro de 2006 Intervenção do Secretário

Leia mais

Valor: Qual a fatia de investidores da América Latina no ESM?

Valor: Qual a fatia de investidores da América Latina no ESM? Entrevista com Klaus Regling, Diretor Executivo do Mecanismo Europeu de Estabilidade (ESM) Valor Econômico, 16 de julho de 2013 Valor: Por que buscar investidores no Brasil agora? Klaus Regling: Visitamos

Leia mais

O PERCURSO ACADÉMICO NA FBAUL E AS PERSPECTIVAS FUTURAS

O PERCURSO ACADÉMICO NA FBAUL E AS PERSPECTIVAS FUTURAS O PERCURSO ACADÉMICO NA FBAUL E AS PERSPECTIVAS FUTURAS QUE OPORTUNIDADES PÓS-LICENCIATURA ESPERAM? EXPECTATIVAS QUE INQUIETAÇÕES TÊM OS ALUNOS DE DC? MADALENA : M QUAL É A TUA PERSPECTIVA DO MERCADO

Leia mais

Transcrição de Entrevista n º 22

Transcrição de Entrevista n º 22 Transcrição de Entrevista n º 22 E Entrevistador E22 Entrevistado 22 Sexo Masculino Idade 50 anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica E - Acredita que a educação de uma criança é diferente perante

Leia mais

Entrevista. com. Reitor da Universidade de Cabo Verde, António Correia e Silva

Entrevista. com. Reitor da Universidade de Cabo Verde, António Correia e Silva Entrevista com Reitor da Universidade de Cabo Verde, António Correia e Silva A Universidade Pública de Cabo Verde vem assumindo cada vez maior importância na formação superior orientada para o conhecimento

Leia mais

O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal. Lisboa, 13 de Dezembro de 2006

O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal. Lisboa, 13 de Dezembro de 2006 O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal Lisboa, 13 de Dezembro de 2006 O relatório de avaliação do sistema de ensino superior em Portugal preparado pela equipa internacional

Leia mais

O que fazemos por si?

O que fazemos por si? O que fazemos por si? PT O que fazemos por si? Nos últimos anos, a Europa tem vindo a sofrer uma crise económica e financeira internacional de uma dimensão sem precedentes. A segurança social, os sistemas

Leia mais

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Gostaria de começar por agradecer o amável convite que a FCT me dirigiu para

Leia mais

Senhora Presidente da Escola Superior de Enfermagem de Coimbra, Maria da Conceição Saraiva da Silva Costa Bento Senhoras e Senhores,

Senhora Presidente da Escola Superior de Enfermagem de Coimbra, Maria da Conceição Saraiva da Silva Costa Bento Senhoras e Senhores, Boa tarde Senhora Presidente da Escola Superior de Enfermagem de Coimbra, Maria da Conceição Saraiva da Silva Costa Bento Senhoras e Senhores, Deixem-me dizer-vos que é para mim uma honra participar, na

Leia mais

Transcrição de Entrevista nº 5

Transcrição de Entrevista nº 5 Transcrição de Entrevista nº 5 E Entrevistador E5 Entrevistado 5 Sexo Feminino Idade 31 anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica e Telecomunicações E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

PORTUGAL 2020: EMPREENDEDORISMO E CAPITAL DE RISCO

PORTUGAL 2020: EMPREENDEDORISMO E CAPITAL DE RISCO PORTUGAL 2020: EMPREENDEDORISMO E CAPITAL DE RISCO A noção de Empreendedorismo, como uma competência transversal fundamental para o desenvolvimento humano, social e económico, tem vindo a ser reconhecida

Leia mais

RECEPÇÃO AO EMBAIXADOR DE ANGOLA

RECEPÇÃO AO EMBAIXADOR DE ANGOLA INTERVENÇÃO DO SENHOR PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE OEIRAS Dr. Isaltino Afonso Morais RECEPÇÃO AO EMBAIXADOR DE ANGOLA LOCAL: Tagus Parque REALIZADO A: 12 de Fevereiro de 2010 Pelas: 12,00 Horas Senhor

Leia mais

O Conceito de Cluster

O Conceito de Cluster O Conceito de Cluster Conjunto de empresas, relacionadas entre si, que desenvolvem competências específicas, formando um pólo produtivo especializado e com vantagens competitivas. Antecedentes As empresas

Leia mais

6º Fórum Mundial da Água

6º Fórum Mundial da Água 6º Fórum Mundial da Água A gestão integrada de recursos hídricos e de águas residuais em São Tomé e Príncipe como suporte da segurança alimentar, energética e ambiental Eng.ª Lígia Barros Directora Geral

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Documento de sessão 30.11.2007 B6-0000/2007 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO

PARLAMENTO EUROPEU. Documento de sessão 30.11.2007 B6-0000/2007 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO PARLAMENTO EUROPEU 2004 Documento de sessão 2009 30.11.2007 B6-0000/2007 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO apresentada na sequência da pergunta com pedido de resposta oral B6-0000/2007 nos termos do nº 5 do artigo

Leia mais

São igualmente tidas em conta situações de pobreza e de exclusão social que necessitam um tratamento específico no âmbito do PRODESA.

São igualmente tidas em conta situações de pobreza e de exclusão social que necessitam um tratamento específico no âmbito do PRODESA. 1. Medida 3.4: Apoio ao desenvolvimento do Emprego e da Formação Profissional 2. Descrição: A Medida Apoio ao desenvolvimento do Emprego e Formação Profissional do PRODESA visa criar as condições para

Leia mais

Acabar com as disparidades salariais entre mulheres e homens. http://ec.europa.eu/equalpay

Acabar com as disparidades salariais entre mulheres e homens. http://ec.europa.eu/equalpay Acabar com as disparidades salariais entre mulheres e homens Resumo O que se entende por disparidades salariais entre mulheres e homens Por que razão continuam a existir disparidades salariais entre mulheres

Leia mais

CEF/0910/26931 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/26931 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/26931 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Centro

Leia mais

O ENSINO SUPERIOR E A CIÊNCIA NA UE

O ENSINO SUPERIOR E A CIÊNCIA NA UE O ENSINO SUPERIOR E A CIÊNCIA NA UE Maria da Graça a Carvalho ISEP 27 Abril 2012 Índice Ensino Superior na Europa Investigação Científica na Europa Necessidade de Reforma das Instituições de E.S. Modernização

Leia mais

Que comparação se pode fazer entre esta situação e a situação das mulheres europeias, nos respectivos países? (quer justificar)

Que comparação se pode fazer entre esta situação e a situação das mulheres europeias, nos respectivos países? (quer justificar) TESTEMUNHO CADERNO ESPECIAL JAMILA MADEIRA EURODEPUTADA Enquanto mulher, mas também deputada, como vê a presença feminina na Ciência em Portugal? A participação das mulheres nas várias vertentes da sociedade

Leia mais

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP ****

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** Gostaria de começar por agradecer o amável convite da CIP para participarmos nesta conferência sobre um tema determinante para o

Leia mais

A sustentabilidade da economia requer em grande medida, a criação duma. capacidade própria de produção e fornecimento de bens e equipamentos,

A sustentabilidade da economia requer em grande medida, a criação duma. capacidade própria de produção e fornecimento de bens e equipamentos, REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE -------- MINISTÉRIO DA ENERGIA GABINETE DO MINISTRO INTERVENÇÃO DE S.EXA SALVADOR NAMBURETE, MINISTRO DA ENERGIA, POR OCASIÃO DA INAUGURAÇÃO DA FÁBRICA DE CONTADORES DA ELECTRO-SUL

Leia mais

Securitas Parceiro da Universidade Fernando Pessoa

Securitas Parceiro da Universidade Fernando Pessoa Securitas Parceiro da Universidade Fernando Pessoa A Securitas é o parceiro de Segurança da Universidade Fernando Pessoa (UFP), no Porto. Uma colaboração que se tem vindo a cimentar ao longo dos 14 anos

Leia mais

INOVAÇÃO, INVESTIGAÇÃO & DESENVOLVIMENTO E RELAÇÕES UNIVERSIDADE-EMPRESA.

INOVAÇÃO, INVESTIGAÇÃO & DESENVOLVIMENTO E RELAÇÕES UNIVERSIDADE-EMPRESA. Conferência 6 de Outubro, FC Gulbenkian Lisboa INOVAÇÃO, INVESTIGAÇÃO & DESENVOLVIMENTO E RELAÇÕES UNIVERSIDADE-EMPRESA. MANUEL CALDEIRA CABRAL UNIVERSIDADE DO MINHO MANUEL CALDEIRA CABRAL DIAGNÓSTICO(S)

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL

EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL Entrevista com Eng.º Victor Sá Carneiro N uma época de grandes transformações na economia dos países, em que a temática do Empreendedorismo assume uma grande relevância

Leia mais

"É possível levar energia renovável para todos"

É possível levar energia renovável para todos "É possível levar energia renovável para todos" Por Daniela Chiaretti De Nairóbi, Quênia Connie Hedegaard: "Acho que quando temos uma crise global como a que estamos vivendo, é uma oportunidade excelente

Leia mais

INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO

INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO EFECTIVIDADE DA AUTO-AVALIAÇÃO DAS ESCOLAS PROJECTO ESSE Indicadores de qualidade I Introdução Baseado em investigação anterior e na recolha de informação

Leia mais

Entrevista com i2s. Luís Paupério. Presidente. www.i2s.pt. (Basada en oporto) Com quality media press para LA VANGUARDIA

Entrevista com i2s. Luís Paupério. Presidente. www.i2s.pt. (Basada en oporto) Com quality media press para LA VANGUARDIA Entrevista com i2s Luís Paupério Presidente www.i2s.pt (Basada en oporto) Com quality media press para LA VANGUARDIA Esta transcrição reproduz fiel e integralmente a entrevista. As respostas que aqui figuram

Leia mais

Chegou a hora de olhar a classe média

Chegou a hora de olhar a classe média Chegou a hora de olhar a classe média Ricardo Paes de Barros (entrevista de Flavia Lima) Valor Econômico, 13.11.2013 Brasil desenhou política de combate à pobreza tão eficiente que está acabando com os

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO. que acompanha. Proposta de

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO. que acompanha. Proposta de COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 18.10.2006 SEC(2006) 1314 DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO que acompanha Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO que estabelece

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões:

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 7.1 Conclusões De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 1 - Descrever os instrumentos/modelos de gestão e marketing estratégicos

Leia mais

Do offshore ao homeshore: tendências para a localização de contact centres

Do offshore ao homeshore: tendências para a localização de contact centres Do offshore ao homeshore Do offshore ao homeshore: tendências para a localização de contact centres João Cardoso APCC Associação Portuguesa de Contact Centres (Presidente) Teleperformance Portugal OUTSOURCING

Leia mais

V Reunião de Ministros do Turismo da CPLP

V Reunião de Ministros do Turismo da CPLP V Reunião de Ministros do Turismo da CPLP Intervenção do Secretário Executivo da CPLP Senhor Presidente, Senhores Ministros, Senhor Secretário de Estado do Turismo, Senhores Embaixadores Senhores Representantes

Leia mais

Grupo Pestana. suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O Cliente

Grupo Pestana. suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O Cliente Grupo Pestana suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O trabalho de consolidação de informação permitiu desde logo abrir novas possibilidades de segmentação, com base num melhor conhecimento

Leia mais

2º CONGRESSO DAS EMPRESAS E DAS ATIVIDADES ECONÓMICAS. Lisboa, 9 e 10 de julho de 2015. Sessão de Abertura. António Saraiva, Presidente da CIP

2º CONGRESSO DAS EMPRESAS E DAS ATIVIDADES ECONÓMICAS. Lisboa, 9 e 10 de julho de 2015. Sessão de Abertura. António Saraiva, Presidente da CIP 2º CONGRESSO DAS EMPRESAS E DAS ATIVIDADES ECONÓMICAS Lisboa, 9 e 10 de julho de 2015 Sessão de Abertura António Saraiva, Presidente da CIP Bom Dia, Senhoras e Senhores Embaixadores, Senhores Representantes

Leia mais

Cooperação Territorial Transnacional: Irlanda - Espanha - França - Portugal - Reino Unido

Cooperação Territorial Transnacional: Irlanda - Espanha - França - Portugal - Reino Unido MEMO/08/79 Bruxelas, 8 de Fevereiro de 2008 Cooperação Territorial Transnacional: Irlanda - Espanha - França - Portugal - Reino Unido 1. O Programa Operacional de Cooperação Transnacional Espaço Atlântico

Leia mais

Entrevista com Clínica Maló. Paulo Maló CEO. www.clinicamalo.pt. Com quality media press para LA VANGUARDIA

Entrevista com Clínica Maló. Paulo Maló CEO. www.clinicamalo.pt. Com quality media press para LA VANGUARDIA Entrevista com Clínica Maló Paulo Maló CEO www.clinicamalo.pt Com quality media press para LA VANGUARDIA Esta transcrição reproduz fiel e integralmente a entrevista. As respostas que aqui figuram em linguagem

Leia mais

Conferência IDEFF: As privatizações não se discutem?

Conferência IDEFF: As privatizações não se discutem? Conferência IDEFF: As privatizações não se discutem? III Painel Portugal após as privatizações: Que futuro? Carlos Rodrigues Presidente do Conselho de Administração Banco BiG 06 de Dezembro de 2012 Índice

Leia mais

Auto-formação para colaboradores

Auto-formação para colaboradores Formação e familiarização directa com o posto de trabalho é, muitas vezes, da responsabilidade da organização. Para uma organização eficaz desta tarefa, o instrutor/tutor necessita não só do conhecimento

Leia mais

TV Ciência: Que modelos de ajuda para a eliminação da pobreza em Moçambique propõe?

TV Ciência: Que modelos de ajuda para a eliminação da pobreza em Moçambique propõe? TV Ciência: É considerado que as forças da globalização e marginalização são responsáveis por criarem dificuldades ao desenvolvimento. Pode concretizar esta ideia? Jessica Schafer: A globalização como

Leia mais

Diálogo 5 + 5. Quinta Conferência Ministerial. sobre a "Migração no Mediterrâneo Ocidental" Algeciras, 12 e 13 de Dezembro de 2006

Diálogo 5 + 5. Quinta Conferência Ministerial. sobre a Migração no Mediterrâneo Ocidental Algeciras, 12 e 13 de Dezembro de 2006 Diálogo 5 + 5 Quinta Conferência Ministerial sobre a "Migração no Mediterrâneo Ocidental" Algeciras, 12 e 13 de Dezembro de 2006 Conclusões da Presidência Nos dias 12 e 13 de Dezembro de 2006 teve lugar

Leia mais

Diagnóstico de Necessidades de Formação de Inglês do Corpo Docente do Instituto Politécnico de Beja

Diagnóstico de Necessidades de Formação de Inglês do Corpo Docente do Instituto Politécnico de Beja Diagnóstico de Necessidades de Formação de Inglês do Corpo Docente do Instituto PolitécnicodeBeja ServiçosdePlaneamentoeDesenvolvimentoEstratégico Maio2010 DiagnósticodeNecessidadesdeFormaçãoemLínguaInglesa

Leia mais

O Novo Renascimento Relatório do «Comité de Sábios» Grupo de reflexão sobre a digitalização do património cultural europeu

O Novo Renascimento Relatório do «Comité de Sábios» Grupo de reflexão sobre a digitalização do património cultural europeu O Novo Renascimento Relatório do «Comité de Sábios» Grupo de reflexão sobre a digitalização do património cultural europeu RESUMO Ao longo dos séculos, as bibliotecas, os arquivos e os museus em toda a

Leia mais

Transcrição de Entrevista nº 14

Transcrição de Entrevista nº 14 Transcrição de Entrevista nº 14 E Entrevistador E14 Entrevistado 14 Sexo Feminino Idade 50anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica e dos Computadores Professor Ensino Superior - Investigação E -

Leia mais

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Do Minho A.1.a. Identificação

Leia mais

O contributo do Cluster Habitat Sustentável

O contributo do Cluster Habitat Sustentável O contributo do Cluster Habitat Sustentável Victor Ferreira Plataforma para a Construção Sustentável Seminário Construção Sustentável CONCRETA 2011 20/10/2011 Visão e Missão O Cluster Habitat? agregador

Leia mais

Rio de Janeiro, 5 de Dezembro de 2003

Rio de Janeiro, 5 de Dezembro de 2003 Intervenção de Sua Excelência a Ministra da Ciência e do Ensino Superior, na II Reunião Ministerial da Ciência e Tecnologia da CPLP Comunidade dos Países de Língua Portuguesa Rio de Janeiro, 5 de Dezembro

Leia mais

Actualização da. Preparada pela Comissão Europeia para o Conselho Europeu de Nice 7 e 8 de Dezembro de 2000

Actualização da. Preparada pela Comissão Europeia para o Conselho Europeu de Nice 7 e 8 de Dezembro de 2000 COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO E AO PARLAMENTO EUROPEU Actualização da Preparada pela Comissão Europeia para o Conselho Europeu de Nice 7 e 8 de Dezembro de 2000 1 1. Introdução Em Dezembro de 1999,

Leia mais

ENTREVISTA "Não se ganha com. a caça ao dividendo"

ENTREVISTA Não se ganha com. a caça ao dividendo ENTREVISTA "Não se ganha com a caça ao dividendo" JORGE BENTO FARINHA, VICE-PRESIDENTE DA PORTO BUSINESS SCHOOL Em Portugal não se ganha dinheiro com a caça ao dividendo Co-autor do livro "Dividendos e

Leia mais

newsletter Nº 82 NOVEMBRO / 2013

newsletter Nº 82 NOVEMBRO / 2013 newsletter Nº 82 NOVEMBRO / 2013 Assuntos em Destaque Resumo Fiscal/Legal Outubro de 2013 2 Contabilização dos Subsídios do Governo e Divulgação de Apoios do Governo 3 Revisores e Auditores 7 LEGISLAÇÃO

Leia mais

UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, Ethiopia P.O. Box 3243 Téléphone: 251115511092 Fax: 251115510154 Site Internet: www.africa-union.org

UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, Ethiopia P.O. Box 3243 Téléphone: 251115511092 Fax: 251115510154 Site Internet: www.africa-union.org WG11036 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, Ethiopia P.O. Box 3243 Téléphone: 251115511092 Fax: 251115510154 Site Internet: www.africa-union.org ANÚNCIO E CONVITE PARA APRESENTAÇÃO

Leia mais

O papel das Instituições de Ensino Superior e a necessidade de modernização

O papel das Instituições de Ensino Superior e a necessidade de modernização Boa tarde Senhoras e Senhores Para aqueles que não me conhecem. Sou membro do Parlamento Europeu nas Comissões ITRE e dos Orçamentos. Sou neste momento a relatora do Programa Específico de Execução Horizonte

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

POSIÇÃO COMUM AFRICANO SOBRE ACABAR COM O CASAMENTO INFANTIL

POSIÇÃO COMUM AFRICANO SOBRE ACABAR COM O CASAMENTO INFANTIL AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, ETHIOPIAP. O. Box 3243Telephone +251 11 5517 700 Fax : 00251 11 5517844 www.au.int POSIÇÃO COMUM AFRICANO SOBRE ACABAR COM O CASAMENTO INFANTIL

Leia mais

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL 1 São muitas e variadas as soluções e medidas de apoio à competitividade empresarial. Na intervenção de abertura o Presidente da

Leia mais

Felizmente as coisas mudaram!

Felizmente as coisas mudaram! Senhor Presidente da Assembleia Legislativa Regional dos Açores Senhoras e senhores Deputados Regionais Senhor Presidente, Senhora e Senhores membros do Governo Regional Em Novembro de 1998, o VII Governo

Leia mais

ENTERPRISE 2020 Inteligente Sustentável Inclusivo

ENTERPRISE 2020 Inteligente Sustentável Inclusivo ENTERPRISE 2020 Inteligente Sustentável Inclusivo With the support of the European Commission and the Belgian Presidency of the European Union Porquê Enterprise 2020? Os desafios económicos, sociais e

Leia mais

PROJECTO - FRANCHISING SOCIAL POTENCIADO PELO

PROJECTO - FRANCHISING SOCIAL POTENCIADO PELO PROJECTO - FRANCHISING SOCIAL POTENCIADO PELO MARKETING SOCIAL DESENVOLVIDO PELA CÁRITAS EM PARCERIA COM A IPI CONSULTING NETWORK PORTUGAL As virtualidades da interação entre a economia social e o empreendedorismo

Leia mais

Apoio à Internacionalização. CENA 3 de Julho de 2012

Apoio à Internacionalização. CENA 3 de Julho de 2012 Apoio à Internacionalização CENA 3 de Julho de 2012 Enquadramento Enquadramento Comércio Internacional Português de Bens e Serviços Var. 13,3% 55,5 68,2 57,1 73,4 48,3 60,1 54,5 66,0 67,2 61,7 Exportação

Leia mais

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO CARTA EUROPEIA DO DESPORTO Objectivo da Carta... 3 Definição e âmbito de aplicação da Carta... 3 O movimento desportivo... 4 Instalações e actividades... 4 Lançar as bases... 4 Desenvolver a participação...

Leia mais

DECLARAÇÃO DE LUANDA

DECLARAÇÃO DE LUANDA AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA P. O. Box 3243, Addis Ababa, ETHIOPIA Tel.: (251-11) 5525849 Fax: (251-11) 5525855 Website: www.africa-union.org SEGUNDA SESSÃO DA CONFERÊNCIA DOS MINISTROS

Leia mais

memmolde Norte: uma contribuição para a salvaguarda da memória colectiva da indústria de moldes do Norte de Portugal

memmolde Norte: uma contribuição para a salvaguarda da memória colectiva da indústria de moldes do Norte de Portugal memmolde Norte: uma contribuição para a salvaguarda da memória colectiva da indústria de moldes do Norte de Portugal Nuno Gomes Cefamol Associação Nacional da Indústria de Moldes MEMMOLDE NORTE As rápidas

Leia mais

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS EUNEDS INTRODUÇÃO O mandato para desenvolver uma Estratégia para a Educação para o Desenvolvimento Sustentável (EDS) decorre da declaração apresentada pelos ministros do ambiente da CEE/ONU na 5ª Conferência

Leia mais

PARECER DA UMAR relativo ao O III PLANO NACIONAL DE PREVENÇÃO E COMBATE AO TRÁFICO DE SERES HUMANOS 2014-2017

PARECER DA UMAR relativo ao O III PLANO NACIONAL DE PREVENÇÃO E COMBATE AO TRÁFICO DE SERES HUMANOS 2014-2017 PARECER DA UMAR relativo ao O III PLANO NACIONAL DE PREVENÇÃO E COMBATE AO TRÁFICO DE SERES HUMANOS 2014-2017 Antes de concretizar a análise do referido Plano cumpre-nos dizer que é necessário que todos

Leia mais

Exemplos de Boas Práticas de RSE

Exemplos de Boas Práticas de RSE Exemplos de Boas Práticas de RSE 7.4. Pritchard Englefield Filme sobre a RSE na comunidade Resumo A empresa Pritchard Englefield foi fundada em 1848. Está sediada na City de Londres (Grã-Bretanha). A Pritchard

Leia mais

O futuro do planeamento financeiro e análise na Europa

O futuro do planeamento financeiro e análise na Europa EUROPA: RESULTADOS DA INVESTIGAÇÃO Elaborado por Research em colaboração com a SAP Patrocinado por O futuro do planeamento financeiro e análise na Europa LÍDERES FINANCEIROS PRONUNCIAM-SE SOBRE A SUA MISSÃO

Leia mais

III Encontro Nacional de BIC s

III Encontro Nacional de BIC s de BIC s de BIC s Decorreu a 18 de Maio, em Abrantes, num hotel com uma vista magnífica para a Barragem de Castelo de Bode o 3º Encontro de BIC s (Business Innovation Centers Portugueses). Neste encontro

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE UM CONSULTOR PARA PRESTAR APOIO ÀS ACTIVIDADES ELEITORAIS EM MOÇAMBIQUE

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE UM CONSULTOR PARA PRESTAR APOIO ÀS ACTIVIDADES ELEITORAIS EM MOÇAMBIQUE TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE UM CONSULTOR PARA PRESTAR APOIO ÀS ACTIVIDADES ELEITORAIS EM MOÇAMBIQUE Local de trabalho: Maputo, Moçambique Duração do contrato: Três (3) meses: Novembro 2011

Leia mais

Intervenção do Secretário Executivo da. Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) Embaixador Murade Murargy

Intervenção do Secretário Executivo da. Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) Embaixador Murade Murargy Conferência 1º Fórum União de Exportadores CPLP CPLP: Comunidade de povos abrangente auto-sustentável Lisboa, 26 e 27 de junho de 2015 Sessão de Encerramento 27 de junho de 2015 Intervenção do Secretário

Leia mais

Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade

Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade Candidatura aprovada ao Programa Política de Cidades - Redes Urbanas para a Competitividade e a Inovação Síntese A cidade de S.

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL EM PORTUGAL REALIDADE OU FICÇÃO?

RESPONSABILIDADE SOCIAL EM PORTUGAL REALIDADE OU FICÇÃO? RESPONSABILIDADE SOCIAL EM PORTUGAL REALIDADE OU FICÇÃO? O mundo sindical tem tido várias reacções a este conceito, nem sempre favoráveis, sendo certo que deve haver consciência de que uma certa medida

Leia mais

MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS. Coerência das Políticas: O Desafio do Desenvolvimento. Sessão Pública ABERTURA

MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS. Coerência das Políticas: O Desafio do Desenvolvimento. Sessão Pública ABERTURA MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS Coerência das Políticas: O Desafio do Desenvolvimento Sessão Pública 19.01.2011 Assembleia da República ABERTURA Senhor Presidente da Comissão dos Negócios Estrangeiros

Leia mais

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 Adão Augusto, Consultor 12-02-2015 1. Contextualização. Os projectos sociais fazem parte de um sistema complexo de relações que envolvem

Leia mais

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO INTRODUÇÃO

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO INTRODUÇÃO CARTA EUROPEIA DO DESPORTO INTRODUÇÃO A Carta Europeia do Desporto do Conselho da Europa é uma declaração de intenção aceite pelos Ministros europeus responsáveis pelo Desporto. A Carta Europeia do Desporto

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS PT PT PT COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, COM(2008)XXX COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO, AO PARLAMENTO EUROPEU, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES UE, África e

Leia mais

MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO

MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO Mercado Economico em Angola - 2015 Caracterização Geográfica de Angola Caracterização da economia Angolana Medidas para mitigar o efeito da redução do

Leia mais

27/02/2015 Fechar embaixadas seria retrocesso impraticável, diz Celso Amorim - 22/02/2015 - Mundo - Folha de S.Paulo

27/02/2015 Fechar embaixadas seria retrocesso impraticável, diz Celso Amorim - 22/02/2015 - Mundo - Folha de S.Paulo Fechar embaixadas seria retrocesso impraticável, diz Celso Amorim PATRÍCIA CAMPOS MELLO DE SÃO PAULO 22/02/2015 02h00 Fechar embaixadas e consulados do Brasil no exterior seria um "retrocesso impraticável",

Leia mais

O que é a campanha. Continuamos à Espera pretende INFORMAR, INSPIRAR, MOBILIZAR e AGIR em torno da Agenda de Desenvolvimento. Continuamos à Espera 1/5

O que é a campanha. Continuamos à Espera pretende INFORMAR, INSPIRAR, MOBILIZAR e AGIR em torno da Agenda de Desenvolvimento. Continuamos à Espera 1/5 O que é a campanha Continuamos à Espera é uma campanha de Educação para o Desenvolvimento e para a Cidadania Global, centrada nas temáticas da Saúde Sexual e Reprodutiva, Justiça Social, Igualdade de Género

Leia mais

PROJECTO DE ORÇAMENTO RECTIFICATIVO N.º 6 AO ORÇAMENTO GERAL DE 2010

PROJECTO DE ORÇAMENTO RECTIFICATIVO N.º 6 AO ORÇAMENTO GERAL DE 2010 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 17.6.2010 COM(2010) 315 final PROJECTO DE ORÇAMENTO RECTIFICATIVO N.º 6 AO ORÇAMENTO GERAL DE 2010 MAPA DE RECEITAS E DE DESPESAS POR SECÇÃO Secção II Conselho Europeu e Conselho

Leia mais

DECLARAÇÃO POLÍTICA. A Europa parecia não descobrir os argumentos para derrotar a guerra, construir a paz, e dar Prosperidade aos seus povos.

DECLARAÇÃO POLÍTICA. A Europa parecia não descobrir os argumentos para derrotar a guerra, construir a paz, e dar Prosperidade aos seus povos. DECLARAÇÃO POLÍTICA Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, Senhoras e Senhores Membros do Governo A 8 de Maio de 1945, terminava a 2ª Guerra Mundial. Mais de 50 milhões de mortos, uma imensidão

Leia mais

Você Gostaria Que Eu Lhe Desse Um Plano, Para ATRAIR 3 Ou 4 Vezes Mais Clientes Para O Seu Negócio, De Graça?

Você Gostaria Que Eu Lhe Desse Um Plano, Para ATRAIR 3 Ou 4 Vezes Mais Clientes Para O Seu Negócio, De Graça? Você Gostaria Que Eu Lhe Desse Um Plano, Para ATRAIR 3 Ou 4 Vezes Mais Clientes Para O Seu Negócio, De Graça? Caro amigo (a) Se sua empresa está sofrendo com a falta de clientes dispostos a comprar os

Leia mais

UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, Ethiopia P.O. Box 3243 Téléphone: 251115511092 Fax: 251115510154 Site Internet: www.africa-union.

UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, Ethiopia P.O. Box 3243 Téléphone: 251115511092 Fax: 251115510154 Site Internet: www.africa-union. AFRICAN UNION UNION AFRICAINE PRIMEIRO PROJECTO DO CONVITE PARA A APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS SOBRE O TEMA: EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA Ao abrigo das Decisões da Conferência da União Africana Assembly/AU/Dec.277(XVI)

Leia mais

ANÚNCIO DE VAGA SECERTÁRIO DA COMISSÃO DA UNIÃO AFRICANA PARA O DIREITO INTERNACIONAL -10000517

ANÚNCIO DE VAGA SECERTÁRIO DA COMISSÃO DA UNIÃO AFRICANA PARA O DIREITO INTERNACIONAL -10000517 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis-Abeba (ETHIOPIE) P. O. Box 3243 Téléphone (251-11) 5517 700 Fax : 551 78 44 Website : www.au.int ANÚNCIO DE VAGA SECERTÁRIO DA COMISSÃO DA UNIÃO AFRICANA

Leia mais

Falar a uma só voz: Definir e defender o interesse europeu

Falar a uma só voz: Definir e defender o interesse europeu SPEECH/10/21 José Manuel Durão Barroso Presidente da Comissão Europeia Falar a uma só voz: Definir e defender o interesse europeu Sessão plenária do PE: votação do novo Colégio Bruxelas, 9 de Fevereiro

Leia mais

ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO

ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO Como fazemos 1. Através do Serviço de Assistência Empresarial (SAE), constituído por visitas técnicas personalizadas às

Leia mais

América do Sul. Cerca de 300.000 deles se estabeleceram no seu país desde a fundação do Estado brasileiro em 1822.

América do Sul. Cerca de 300.000 deles se estabeleceram no seu país desde a fundação do Estado brasileiro em 1822. Discurso do Presidente Federal Horst Köhler durante o banquete oferecido por ocasião da visita de Estado do Presidente da República Federativa do Brasil Luiz Inácio Lula da Silva no dia 3 de dezembro de

Leia mais

O Futuro dos Programas Europeus de Ciência e Inovação Maria da Graça a Carvalho

O Futuro dos Programas Europeus de Ciência e Inovação Maria da Graça a Carvalho O Futuro dos Programas Europeus de Ciência e Inovação Maria da Graça a Carvalho Workshop sobre Políticas de Investigação no Ensino Superior Universidade da Beira Interior 2 Junho 2011 Índice Estratégia

Leia mais

POR QUE É IMPORTANTE ESTUDAR LÍNGUAS E POR QUE É QUE NÃO ESTUDAMOS

POR QUE É IMPORTANTE ESTUDAR LÍNGUAS E POR QUE É QUE NÃO ESTUDAMOS POR QUE É IMPORTANTE ESTUDAR LÍNGUAS E POR QUE É QUE NÃO ESTUDAMOS Quem não sabe línguas estrangeiras não sabe nada de si próprio. (Goethe) No Livro Branco lançado em 1995, Ensinar e Aprender: Rumo à Sociedade

Leia mais

Novo Aeroporto de Lisboa e privatização da ANA

Novo Aeroporto de Lisboa e privatização da ANA Novo Aeroporto de Lisboa e privatização da ANA O turismo de Portugal não precisa de uma cidade aeroportuária nem de um mega aeroporto; O desenvolvimento do turismo de Portugal, num quadro de coesão territorial

Leia mais

POSIÇÃO DA UGT Audição sobre o Futuro da Europa

POSIÇÃO DA UGT Audição sobre o Futuro da Europa POSIÇÃO DA UGT Audição sobre o Futuro da Europa A UGT saúda o debate em curso na Comissão dos Assuntos Europeus sobre o Futuro da Europa e, particularmente, sobre o futuro do Tratado Constitucional. O

Leia mais