INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CAMPUS MUZAMBINHO Curso Superior de Tecnologia em Cafeicultura

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CAMPUS MUZAMBINHO Curso Superior de Tecnologia em Cafeicultura"

Transcrição

1 1 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CAMPUS MUZAMBINHO Curso Superior de Tecnologia em Cafeicultura IGOR DE ALMEIDA RIBEIRO Compactação do solo pelo uso de maquinários Muzambinho 2009

2 2 IGOR DE ALMEIDA RIBEIRO Compactação do solo pelo uso de maquinários Trabalho de Conclusão de Curso apresentado na Graduação do Curso Superior de Tecnologia em Cafeicultura, do Instituto Federal Sul de Minas Gerais - Campus Muzambinho, como requisito parcial à obtenção do grau de Tecnólogo em Cafeicultura. Orientador: Prof. Dr. Marcelo Bregagnoli Muzambinho 2009

3 3 COMISSÃO EXAMINADORA MARCELO BREGAGNOLI FRANCISCO VITOR DE PAULA GUSTAVO RABELO BOTREL MIRANDA Muzambinho, 03 de julho 2009.

4 4 DEDICATÓRIA Em primeiro lugar a Deus, por me iluminar e abrir meus caminhos. Aos meus pais Antonio e Maria, pelo exemplo de vida e dedicação na minha educação e a minha namorada Alessandra que sempre me apoiaram e ajudaram em todos os momentos.

5 5 AGRADECIMENTOS Ao meu orientador professor Dr. Marcelo Bregagnoli pela orientação dedicada e competente, além da amizade; que contribui vastamente não só para realização deste trabalho, mas também para o grande estímulo à minha formação profissional. A professora Anna Ligya Rezende Maciel e ao professor José Marcos Angélico, ambos contribuíram muito para realização desse trabalho. Aos professores Celso Antônio Spaggiari Souza, Bianca Sarzi de Souza, Francisco Vitor de Paula, Roseli dos Reis Goulart, Luiz Augusto Gratieri, Anna Lygia Rezende Maciel, José Marcos Angélico; pela amizade, conhecimento compartilhado e ajuda para formação profissional e acadêmica. Aos professores, Yara, Márcio Maltarolli, Maria Célia Ruiz, Virgílio Anastácio, Alessandra Sandi, Luciana Lopes. Aos funcionários da Biblioteca Monteiro e Lobato: Ana Maria Silva Salomão, Carlos Guida Anderson, Suzana Campaneli Tristão, Clarissa Benassi Gonçalves da Costa e José Odair da Trindade. Aos funcionários do SIEC que sempre se mostraram prontos para ajudar e ao professor Hélio Galo Rocha. A todos os funcionários da EAFMUZ, que de alguma forma contribuíram para a realização desse trabalho e para a formação profissional e acadêmica.aos meus colegas e alguns grandes amigos de sala, que contribuíram para a realização desse trabalho e formação profissional e acadêmica. Enfim, a todas as pessoas que me apoiaram e ajudaram o meu muito obrigado.

6 6 SUMÁRIO Resumo...08 Introdução Justificativa Objetivo Revisão de literatura Preparo do solo Compactação do solo Reconhecimento e medida da compactação do solo Porosidade Densidade Infiltração da água Penetroógrafo Técnicas e implementos Aração Tipos de arados Arados de aivecas Arado de disco Arado reversíveis Arado gradeador Subsolagem Adensamento natural e compactação artificial Prejuízos da compactação Conclusão Referências bibliográficas...28

7 7 LISTA DE FIGURAS FIGURA 1- Penetrógrafo de campo FIGURA 2- Penetrômetro eletrônico de impacto FIGURA 3 - Manômetro do penetrômetro de impacto...18 FIGURA 4 - Arado de disco de aivecas...21 FIGURA 5 - Arado de disco ou bacia...22 FIGURA 6 - Grade aradora...23

8 8 RIBEIRO, Igor de Almeida. Compactação do solo pelo uso de maquinário Trabalho de Conclusão do Curso Superior de Tecnologia em Cafeicultura (Graduação) p.28 Instituto Federal Sul de Minas Gerais - Campus Muzambinho, 2009 RESUMO A cultura do café no Brasil destaca-se por sua grande área de cultivo e também por se tratar de um produto de exportação, apresentando, portanto, grande importância econômica. A transferência de tecnologia de produção de áreas tradicionais para as novas condições de solo e clima vem trazendo respostas rápidas e rentáveis, porém pouco se tem estudado sobre os efeitos dos diferentes tipos de manejo nas propriedades físicas dos solos. Objetivou-se estudar o efeito da compactação do solo sobre os atributos físicos inerentes e sua influência sobre o processo produtivo. Torna-se necessária a identificação da presença de camadas de impedimento no solo, provenientes da compactação e/ou adensamento provocados pelos diferentes tratos culturais. A compactação foi definida como uma deformação física do solo causada pelo seu manejo; sendo que o que tem promovido a compactação dos solos agrícolas é a compressão exercida pelo tráfego intenso de tratores, máquinas e implementos agrícolas. Apesar do uso intensivo de maquinários na lavoura acarretar a compactação, hoje em dia ela é de fundamental importância para o produtor, que com isso consegue uma melhor produção. PALAVRAS-CHAVE: Coffea arabica; adensamento; agregação.

9 9 1. INTRODUÇÃO Minas Gerais é o estado com maior produção de café do Brasil, com mais de 50% da produção total, sendo grande parte do cultivo em solos originalmente sob vegetação de cerrado. Nas regiões do Triângulo Mineiro e Alto Paranaíba, a cafeicultura tem se desenvolvido de forma destacada em razão da alta tecnologia aplicada, sendo mecanizada em todas as suas etapas, da fase de implantação à colheita, o que induz à necessidade da utilização de máquinas e implementos agrícolas durante todo o ciclo da cultura. A área de trabalho para equipamentos agrícolas na cultura cafeeira é restrita a pequenas faixas existentes entre as fileiras de plantio, o que obriga as máquinas a transitarem sempre no mesmo local. Aliado a esse fato, tem-se a alteração das condições de umidade do solo quando da presença de irrigação na cultura. Esses fatores criam condições favoráveis para que ocorra possível aumento da compactação do solo (Silva et al.,2006). O estudo mais aprofundado dos efeitos da compactação sobre o rendimento agrícola ainda é incipiente. Com a modernização da agricultura, o peso das máquinas e equipamentos e a intensidade de uso do solo o grau de compactação dos solos se elevou. Medidas preventivas ao adensamento do solo, não teve uma evolução no tamanho e na largura dos pneus nos implementos, resultado em significativas alterações nas propriedades físicas dos solos, resultando uma compressibilidade exagerada do solo devido aos grandes vazios que podiam formar-se entre as camadas lançadas, deixando o solo instável perdendo totalmente a resistência, sobretudo por saturação das chuvas pesadas, levando em conta a necessidade de um certo período de consolidação, para que o solo pudesse ser utilizado com segurança (Streck et al.,2004). Adoção de sistemas conservacionistas de preparo do solo, com menor revolvimento, a exemplo do sistema de plantio direto (SPD), a compactação tem deixado de ser avaliada pelo preparo nos cultivos sucessivos. Ao trabalhar intensivamente num solo, dois pontos são de fundamental importância para evitar a compactação: o conteúdo de água no momento em que se opera e a possibilidade de manutenção ou aumento do teor de matéria

10 10 orgânica. Os solos não têm poros contínuos maiores que o diâmetro da raiz, ela se desenvolverá dependendo da resistência que lhe for imposta. Muitas raízes laterais podem se proliferar numa planta se desenvolvendo em solo com poros menores que o diâmetro da raiz principal. Sendo assim, os dois tipos de raízes, num mesmo tempo, poderão estar explorando volumes de solos que apresentem condições diferentes de umidade, nutrientes ou mesmo toxicidade. Prevalecendo condições adversas para o pleno desenvolvimento das raízes, poderá haver absorção deficiente de água e nutrientes, com prejuízos para o crescimento da planta (Silveira., 2001) 1. JUSTIFICATIVAS Com o uso de máquinas e também equipamentos algumas vezes não adaptados, tem contribuído para a desestruturação e em parte para a compactação do solo, influenciando sua capacidade de erosão e também de retenção de água. 2. OBJETIVOS O trabalho tem como objetivo observar de maneira prática, rápida e fácil o efeito da compactação e através das praticas de conservação manter a fertilidade do solo. Estudar os efeitos causados pelas chuvas e também pelo mau aproveitamento do solo pelo homem, são utilizadas algumas técnicas de manejo e conservação, visando a minimização dos efeitos degradantes no solo.

11 11 4. REVISÃO DE LITERATURA 4.1. Preparo do solo Quando uma área vai ser mobilizada pela primeira vez com máquinas, deve estar preparada para que o conjunto trator implemento possa trabalhar com facilidade, sem empecilhos a seu deslocamento. O agricultor deve providenciar a remoção de tocos e raízes bem como outros objetos, como pedra, que possam danificar o maquinário. Em uma gleba limpa o preparo do solo é melhor, permitindo bom o desenvolvimento das sementes e das plantas, o que influi no rendimento da cultura. Além disso, o agricultor deve tomar muito cuidado com processos como a erosão e a compactação do solo. Por isso, não deve desmatar a cabeceira dos morros nem as encostas com grande inclinação, margem de rios e terrenos ao redor de nascentes, pois somente a floresta é capaz de controlar a ação das enxurradas nessas áreas (Silveira, 2001). A aração não deve ser considerada operação básica no preparo periódico do solo. Em muitas regiões, ela vem sendo substituída pelas técnicas de cultivo mínimo e plantio direto. Por isso a aração deve ser feita criteriosamente, após um conhecimento perfeito das condições que regem a estruturação do solo, sua relação com plantas cultivadas, com o desenvolvimento de ervas daninhas, com a movimentação das águas, com a natureza do material de cobertura, além dos fatores econômicos envolvidos em sua execução (Silveira.,2006) 4.2. Compactação do solo De acordo com Aguiar (2006) o uso intensivo da mecanização em lavouras, especialmente na cafeicultura tem-se tornado preocupante devido à possibilidade de compactação do solo ao longo dos anos, o que pode levar a uma redução da produtividade. O monitoramento das propriedades físicas do solo e o desenvolvimento e uso dos modelos de capacidade de suporte de carga possibilita a identificação dos sistemas de manejo de plantas daninhas

12 12 mais resistentes ou suscetíveis à compactação e permite o planejamento das atividades mecanizadas, visando evitar ou minimizar a compactação dos solos. A compactação é um processo decorrente da utilização agrícola do solo, quando o solo perde sua porosidade através do adensamento de suas partículas. O adensamento do solo também é uma das etapas de construções, por exemplo, de rodovias, através de um equipamento chamado de compactador. Na agricultura a compactação do solo se dá pela influência de máquinas agrícolas, tais como tratores e colhedeiras, como também pelo pisoteio de animais, como o gado. A compactação é danosa para a produção agrícola, pois influencia negativamente o crescimento de raízes, fazendo com que a planta tenha problemas em seu desenvolvimento. A compactação também diminui a movimentação da água pelo solo, pois cria uma camada muito densa de solo onde a água não se infiltra, ocasionando excesso de água no solo nas camadas superficiais, podendo provocar erosão. Nos solos compactados, a armazenagem de água também é deficiente, causando problemas às culturas em épocas de estiagens. O adensamento do solo, ocasionada por diferentes intensidades de tráfego, pode provocar danos à sua estrutura do solo, limitando a produção em lavouras cafeeiras. A compactação é o aumento da densidade do solo e a redução da sua porosidade que se dá quando ele é submetido a um grande esforço ou a uma pressão contínua (JACKSON et al, 2004). Segundo o grupo de automoção agrícola Falker, certos tipos de solo são mais vulneráveis à compactação. O solo compactado oferece maior resistência à penetração das raízes, tem menor capacidade de aeração e maior dificuldade para a infiltração da água. As raízes em solo compactado também são mais sensíveis a doenças. Sob fortes chuvas o solo compactado não permite que a água se infiltre completamente; o excesso de água forma a enxurrada, que leva consigo muitos dos nutrientes que as plantas precisam. Em períodos de seca, já que não foi possível armazenar bastante água das chuvas, as plantações sobre o solo compactado também sofrem mais. Uma camada compactada é mais persistente quanto maior for a profundidade em que ela se encontra.

13 13 Dependendo de fatores pedogenéticos do solo (expansão e contração de argilas do grupo), fatores climáticos (chuva e seca), atividade biológica de microrganismos e sistema de manejo adotado, há variação na persistência da compactação nos solos (Hakansson & Reeder, 1994). De acordo com Araújo et al.,(2001) a compactação do solo é causada principalmente pela pressão das rodas e outros componentes das máquinas agrícolas e pode aumentar quando as operações forem realizadas com alta umidade do solo. A avaliação do nível de compactação pode ser feita através de penetrômetros ou abrindo-se uma pequena trincheira no solo. Os penetrômetros são hastes com uma ponta cônica que, introduzidas no solo, indicam a pressão requerida. Uma forma direta para identificar se a compactação é prejudicial às plantas é analisar se as raízes apresentam algum desvio lateral e se concentram na superfície. O amarelecimento das plantas e seu crescimento desuniforme também podem estar relacionados à compactação do solo. No solo, a presença de crostas superficiais e fendas, o acúmulo de água no sulco, a erosão hídrica, a presença de palha incorporada e não decomposta e o aumento da exigência de potencia dos tratores também são indicativos de possíveis problemas de compactação. Deve ser considerado ainda que, antes da implantação do sistema plantio direto, o agricultor deve avaliar as condições de seu terreno e, na presença de camadas compactadas, eliminá-las (ARAÚJO et al, 2001) Reconhecimento e medida da compactação do solo Existem diversas formas de se medir a compactação do solo. A maioria dos métodos envolve análises de laboratório, com coleta para análise. A compactação pode ser avaliada a partir de diversos atributos do solo, tais como: porosidade, densidade, infiltração de água, resistência ao penetrômetro e outros parâmetros correlatos Porosidade Segundo a EMBRAPA (2006) a porosidade é constituída pelo espaço poroso, após o arranjo dos componentes da parte sólida do solo e que, em

14 14 condições naturais, é ocupada por água e ar. As areias retêm pouca água, porque seu grande espaço poroso permite a drenagem livre da água dos solos. As argilas absorvem relativamente, grandes quantidades de água e seus menores espaços porosos a retêm contra as forças de gravidade. Apesar dos solos argilosos possuírem maior capacidade de retenção de água que os solos arenosos, esta umidade não está totalmente disponível para as plantas em crescimento. Os solos argilosos (e aqueles com alto teor de matéria orgânica) retêm mais fortemente a água que os solos arenosos. Isto significa mais água não disponível. Muitos solos do Brasil e da região tropical, apesar de terem altos teores de argila, comportam-se, em termos de retenção de água, como solos arenosos. São solos com argilas de baixa atividade (caulinita e sesquióxidos), em geral altamente porosos. Muitos Latossolos sob cerrado apresentam esta característica Densidade Densidade do solo (d) ou densidade aparente ou global - é a relação entre a massa de uma amostra de solo seco a 110 C e o volume dessa amostra não deformada, incluindo os espaços ocupados pelo ar e pela água. Também conhecida como massa específica aparente. Geralmente é expressa em g/cm 3 (Embrapa, 2008) Infiltração de água A infiltração é o processo pelo qual a água atravessa a superfície do solo. A modelagem deste processo é de grande importância prática, pois a taxa de infiltração da água no solo é um do fatores responsável por processos indesejaveis, como a erosão, compactação e as inundações. A infiltração determina o balanço de água na zona radicular e, por isso, o conhecimento deste processo e de suas relações com as propriedades do solo é de fundamental importância para o eficiente manejo do solo e da água (Brandão et al., 2006). De acordo com Brandão (2006) um dos problemas associados à compactação do solo é a redução da condutividade hidráulica. A taxa de infiltração de água no solo, que serve como indicação de sua condutividade

15 15 hidráulica, é influenciada por outros fatores do solo, tais como a formação de crostas na superfície que provocam sensível diminuição na quantidade de água que penetra no perfil. A condutividade hidráulica serve, então, como medida comparativa para avaliação da compactação, usando o mesmo solo e a mesma quantidade de água. Quando o solo encontra-se seco, a pressão de contato de máquinas ou de implementos afeta muito pouco a taxa de infiltração. Entretanto, à medida que o conteúdo de água vai aumentando, a infiltração vai diminuindo até um valor mínimo, a partir do qual passa novamente a subir, devido ao efeito da água no volume do solo, de maneira semelhante ao exposto para a curva decompactação do solo. O trafego intenso de máquinas sobre a superfície do solo, principalmente quando se utiliza o sistema convencional de preparo, produz uma camada compactada que reduz a capacidade de infiltraçao da água no solo. Solos situados em áreas de pastoreio também sofrem intensa compactação, ocasionada pela patas dos animais (PRUSKI, 1997 apud BRANDÃO et al., 2006) Penetrógrafo É um equipamento, que ao mesmo tempo em que sente as variações de resistência em função da profundidade de penetração, registra automaticamente em um ábaco padronizado, possibilitando ao agricultor ter em poucos segundos uma visualização, gráfica dos vários graus de compactação do solo como mostra na Figura 1.

16 16 Figura 1 Penetrógrafo de campo Fonte: Por meio da curva obtida no ábaco, pode-se recomendar o implemento mais adequados e econômico para o rompimento das camadas compactadas. O equipamento consta de um haste que tem em sua extremidade uma ponta ou cone que penetra no solo. A haste e o cone devem obedecer à padronização da American Society of Agricultural Engineers (ASAE). Ele possui também um conjunto de molas calibradas e uma escala em que se pode observar e registrar os valores obtidos. Pressionando-se a ponta da haste sobre o solo, a mola se distende e o ponteiro do registrador se desloca na escala, dando o valor de compactação. O conjunto de molas múltiplas, constituindo um dinamômetro, deve ser tratado termicamente para evitar sua deformação. Isto alteraria a leitura com uso continuado. O registrador é formado por um sistema preciso que marca os dados à medidas que o conehaste penetra no solo.

17 17 O penetrômetro é um equipamento que mede a resistência do solo à penetração de uma haste metálica, que simula a penetração de raízes ou ferramentas agrícolas. Versões eletrônicas de penetrômetros permitem a armazenagem de dados (figura 2). Figura 2 - Penetrômetro eletrônico de impacto Fonte: O penetrômetro de impacto é um instrumento simples, e embora trabalhoso quando comparado com um penetrógrafo semi-automático, é eficiente para levantar a chamada curva de resistência/compactação de uma camada de solo até 70 cm de profundidade. Manufaturado todo em aço tratado, vem equipado com um peso fixo de 4 kg, o qual deve ser solto sempre de uma mesma altura pré-estabelecida no instrumento (no marcador de referência), sendo feitas as marcações do numero de impacto necessários para a haste/cone padronizado penetrar no solo.

18 18 Figura 3 Manômetro do penetrômetro de impacto Fonte: 5. TÉCNICAS E IMPLEMENTOS Segundo Silva, 2006, diversos parâmetros da física do solo podem ser usados como indicativos para a compactação, como a densidade, porosidade e outros. Existem também equipamentos que permitem medir a compactação em campo, denominados penetrômetros. O manejo de plantas invasoras, o tráfego eventual de máquinas e as operações de subsolagem promovem alterações da capacidade de suporte de carga do solo (CSC) e, conseqüentemente, de sua resistência à compactação, disse (Araujo-Junior et al., 2008), 5.1. Aração Entre as operações agrícolas com denominação geral de preparo periódico do solo, aração é mais antiga e comumente realizada. Nela, a camada superficial do solo é cortada em fatias denominadas leivas. Elas

19 19 recebem um movimento torcional, sendo invertidas de maneira que a face superior fica voltada para baixo. Assim, o arado corta, eleva, esboroa e inverte a camada de terra. A aração do solo provoca uma aeração das camadas, permitindo maior introdução de oxigênio e expulsão de gás carbônico, o que facilita os processos químicos e biológicos da oxigenação, como uma verdadeira respiração do solo. A matéria orgânica incorporada ao solo encontra ambiente adequado à sua decomposição. Após algum tempo, ela se transforma em húmus de excepcionais qualidades e importância para o crescimento, a nutrição e o desenvolvimento geral das plantas (Silveira, 2001). O pé-de-arado é o mesmo que pé de grade, ou seja, uma camada de solo compactada que se desenvolve abaixo da camada que é anualmente arada e gradeada (daí seu nome). Como estes instrumentos não atingem esta camada, ela permanece ano após ano e vai se compactando pela perda de sua porosidade através da colmatação pelas partículas argilosas que são remobilizadas da camada superior. Sua existência coloca resistência à penetração das raízes dos vegetais, o que prejudica seu desenvolvimento e sua menor porosidade é um obstáculo à infiltração da água, o que leva ao surgimento de erosão em ravinas e a destruição do solo Tipos de arados O arado é um instrumento que serve para lavrar (arar) os campos, revolvendo a terra com o objetivo de descompactá-la e, assim, viabilizar o desenvolvimento das raízes das plantas. É uma das etapas agrícolas que antecede a semeadura. Além desse objetivo primacial, a aração permite um maior arejamento do solo, o que possibilita o desenvolvimento dos organismos úteis, como as minhocas, além de, alguns casos, permitir a mistura de nutrientes (adubos, químicos ou orgânicos; corretivos de acidez, etc.) O arado pode ser: De tração animal: para pequenas áreas; método mais primitivo e simples; Por tração motorizada, como um tractor.

20 20 Os arados puxados por tratores podem ser simples, utilizados em pequenas explorações agrícolas, ou múltiplos,utilizados nas grandes explorações. No mercado brasileiro de máquinas agrícolas encontram-se arados de diversas procedências, em vários modelos e marcas, que, entretanto, se dividem em dois grupos: arado de disco e arado de aiveca, esses grupos, quanto à fonte de potência, devem ter tração animal ou mecânica (Silveira, 2001) Arados de Aivecas Afirma o autor Silveira (2001) esse arado, que foi desenvolvido a partir de um galho de árvore retorcido, no começo de nossa Historia, corta, eleva, esboroa e inverte a camada de terra de uma forma mais perfeita que o arado de discos. Com ele, consegue-se inverter a camada superficial do solo numa profundidade de 20 a 35 cm, em ângulo de aproximadamente 135º, cobrindo a maior parte das plantas e restos vegetais que se encontram na superfície (Figura 4).

21 21 Figura 4 - Arado de disco e aivecas. Fonte: Arado de disco De acordo com Silveira (2001) os arados de disco são o resultado de uma transformação gradual do arado de aivecas. Com sua construção procurou-se obter maior rendimento e eficiência na agricultura. Como seu nome indica, ele é composto de discos colocados separadamente sobre rolamentos no corpo do arado, mantendo determinados ângulos vertical e horizontalmente. O transporte e a inversão das leivas do solo arado são provocados pela rotação do disco, que gira pela força exercida pelo solo (Figura 5).

22 22 Figura 5 Arado de discos ou bacia Fonte: Arado reversíveis Os arados reversíveis podem ser disco ou de aivecas, embora em nossa condições os mais utilizados sejam os de discos. Quanto ao acoplamento ao trator, são montados, semi-montados e de arrasto. Permitem que o solo possa ter tombado para a direita ou para a esquerda, conforme o caso. Esse tipo de arado teve grande desenvolvimento em regiões da Europa Ocidental, com predominância de pequenas propriedades. Devido suas características, iniciando-se o trabalho por um dos lados da gleba e fazendo-se as voltas nas cabeceiras, é possível trabalhar com sulcos contíguos ate atingir o final do terreno (Silveira, 2001).

23 Arado gradeador Esse arado, também chamado de interdependentes, foi idealizado a partir dos mesmos princípios do arado de disco. Ele trabalha o solo superficialmente, enterrando os restos de cultura. Os primeiros foram construídos para atuar especificamente nas cultura de trigo, para enterrio do resto da vegetação, incorporando-a ao solo como matéria orgânica. Ele serve tanto para arações primárias quanto secundárias (Silveira, 2001) como mostra a figura 6. Figura 6 Grade aradora Fonte: Subsolagem Operação que visa movimentar camadas profundas do solo para quebrar camadas compactadas (EMBRAPA., 2008). Em lavouras mecanizadas é comum ocorrer o adensamento na camada de 0 a 40 centímetros do solo, conseqüência da pressão feita pelas máquinas. Isso causa diminuição na infiltração de água, no desenvolvimento das radicelas e do pião central. Situações que trazem grande perda na produtividade. Para corrigir esse problema podemos adotar a subsolagem. Como qualquer manejo feito no solo, a subsolagem exige técnica e capricho. Deve ser feita apenas com hastes localizadas na linha na qual a roda do trator passa. Não coloque haste no centro da rua, pois isso irá puxar, por capilaridade, a água para o centro e não

24 24 para a direção da saia, que seria o correto (Porto.,2002 apud coffeebreak., 2002) 6. Adensamento natural e compactação artificial Silveira (2001) afirma que o adensamento do solo é natural e a compactação é artificial. O adensamento superficial natural tem origem genética. Este é o caso dos solos de cerrado, principalmente o latosso vermelho-escuro orto, o solo podem causar grandes prejuízos, pois suas raízes têm menor resistência a seca, devido ao menor volume ocupado pelo sistema radicular. Os maiores problemas em relação à parte física do cerrado para o café são motivados por uma camada naturalmente adensada localizada entre 10 e 60 cm de profundidade. Em solo com menos de 20 % de argila, o cafezal sofre grande impacto na fase dos dois aos três anos, por ocasião da primeira produção. Nesses casos, a partir de fevereiro podem surgir cloreoses intensas (escaldadura das folhas), desfolha, seca dos ponteiros (die-back), má granação e morte de cafeeiros. A compactação ou adensamento do solo é superficial quando causada por maquinas agrícolas usadas no preparo do solo, cultivo ou mesmo transporte. É comum encontrar camadas superficiais compactadas em área sob preparo convencional. As operações de preparo do solo realizada sempre à mesma profundidade formam gradativamente uma camada compactada. Ao passar pelo solo, qualquer implemento de preparo provoca a compactação de uma fina camada. Mas isso pode ser agravado pelo excesso de umidade no momento da operação. Se o implemento for passado sempre na mesma profundidade, essa camada aos poucos ficará tão densa que acabará dificultando a infiltração de água no solo, prejudicando a penetração das raízes e reduzindo o desenvolvimento da planta, por deficiência de nutrição ou por falta ou excesso de água (SILVEIRA., 2001).

25 25 7. Prejuízos da compactação causa à produtividade das culturas Estudos recentes indicam que alterações estruturais nas entrelinhas dos cafeeiros podem alterar a condutividade hidráulica do solo e, conseqüentemente, as taxas de infiltração de água durante chuvas ou irrigação (TIMM, 2005 apud GONTIJO et al 2008). Em lavouras cafeeiras com a implantação em áreas aptas à mecanização e cultivo em larga escala, a utilização de máquinas agrícolas e a degradação da estrutura do solo têm sido observadas com maior freqüência. Carvalho Filho et al., 2004, disse que outro aspecto a ser considerado é que a área de trabalho para mecanização em lavouras cafeeiras é restrita a pequenas faixas nas entrelinhas de plantio, o que obriga as máquinas a transitarem sempre no mesmo local e próximo à saia do cafeeiro, local onde se concentram as suas raízes ativas. Como afirma Dias Junior (2000), a compactação causada pelo tráfego de máquinas pode alterar a distribuição de poros por tamanho e, por conseguinte, alterar a retenção e a distribuição de água no solo. Devido à constante alteração no sistema poroso do solo proporcionado pelo manejo de lavouras cafeeiras, a curva de retenção de água no solo pode ser um indicativo dos efeitos do manejo na distribuição de poros por tamanho, das propriedades hidráulicas, bem como do armazenamento de água no solo, já que essa curva é sensivelmente alterada pela estrutura do solo (HILLEL, 1970). A busca por alternativas que proporcionem a sustentabilidade do ambiente agrícola, principalmente do ponto de vista da manutenção da estrutura do solo, tem sido constante devido à crescente ocorrência do processo de compactação. A maioria das ocorrências do processo de compactação do solo na agricultura moderna deve-se ao tráfego de implementos agrícolas, o qual é parte integrante do sistema de manejo das culturas. O aumento do tamanho dos implementos agrícolas e a alta freqüência

26 26 de tráfego são causas importantes da indução da compactação e deterioração da estrutura do solo. (Lipiec e Hatano, 2003 apud Gontijo., 2008).

27 27 8. CONCLUSÃO A maioria das ocorrências do processo de compactação do solo na agricultura moderna se da pelo trafego de implementos agrícolas, o qual é parte integrante do sistema de manejo das culturas, por isso deve-se buscar alternativas que proporcionem a sustentabilidade do solo agrícola, principalmente em relação à estrutura do solo.

28 28 9. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ARAÚJO, A. G.; CASÃO JUNIOR, R.; SIQUEIRA, R. Máquinas para semear. Grupo Cultivar, Iapar, n.02, p.01-02, abr Disponível em: ARAÚJO JUNIOR, C.F.; DIAS JUNIOR, M. S.. Manejo Integrado de doenças de cafeeiro. Café Point, Lavras, Disponível em: =33270 acta=7 areaid=32 secaoid=82>. Acesso em: 19 mai BRANDÃO, V. S. et al. Infiltração da água no solo. Viçosa: UFV, p CARVALHO FILHO, A.; SILVA, R.P.; FERNANDES, A.L.T. Compactação do solo em cafeicultura irrigada. Uberaba, Universidade de Uberaba, p. (Boletim Técnico, 3) GONTIJO, I. et al. Atributos fisico-hidricos de um latossolo de cerrado em diferentes posições de amostragem na lavoura cafeeira. Revista Brasileira de Ciência do Solo, Lavras,n 06 p , Disponível em: Acesso em: 22 abr Grupo Falker. Disponível em: Acesso em 22 abr HILLEL, D. Solo e água: Fenômenos e princípios físicos. Traduzido pelo convênio UFRGS-USAID/ Wisconsin. Porto Alegre, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, p. JACKSON, A.B; et al. Resistência ao cisalhamento de um argissolo vermelhoamarelo submetido ao tráfego de um trator agrícola. Revista Brasileira de engenharia agrícola e ambiental, Campina Grande, n 2-3 p 01-12,dez Disponível em: OLIVEIRA, G. C. et al. Alterações estruturais e comportamento compressivo de um Latossolo. Pesquisa Agropecuaria Brasileira, Brasilia, n 02, p , Disponível em: OLIVEIRA, C. G.. et al. Caracterização química e físico-hídrica de um latossolo vermelho após vinte anos de um manejo e cultivo do solo. Revista Brasileira de Ciência do Solo, Viçosa, n 02, p.01-09, abr Disponível em: Acesso em: 14 abr SANTINI, A. L.. Perdas causadas pela compactação. Revista Agricola: falker Automação agrícola, Santa Maria, p.01-06, abr Disponível em: Acesso em: 21 maio 2009.

29 29 SILVA, A. R. et al. Modelagem da capacidade de suporte de carga e quantificação dos efeitos das operações mecanizadas em um Latossolo Amarelo cultivado com cafeeiros. Revista Brasileira de Ciência do Solo, Viçosa, n 30: , p.01-22, abr SILVEIRA, G. M. Preparo de solo: técnicas e implementos. Viçosa: UFV, 2001.vol. 02 p STRECK, C. A. et al. Modificações em propriedades fisicas com a compactação do solo causada pelo tráfego induzido de um trator em plantio direto. Ciência Rural, Santa Maria, n 03, p , 2006.

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP Autores: Eng.º Agr.º José Alberto Ávila Pires Eng.º Agr.º Wilson José Rosa Departamento Técnico da EMATER-MG Trabalho baseado em: Técnicas

Leia mais

CIRCULAR TÉCNICA N o 159 JUNHO 1988 PREPARO DE SOLOS EM ÁREAS ACIDENTADAS

CIRCULAR TÉCNICA N o 159 JUNHO 1988 PREPARO DE SOLOS EM ÁREAS ACIDENTADAS IPEF: FILOSOFIA DE TRABALHO DE UMA ELITE DE EMPRESAS FLORESTAIS BRASILEIRAS ISSN 0100-3453 CIRCULAR TÉCNICA N o 159 JUNHO 1988 INTRODUÇÃO PREPARO DE SOLOS EM ÁREAS ACIDENTADAS Deuseles João Firme * João

Leia mais

INTEGRAÇÃO LAVOURA/ PECUÁRIA. Wilson José Rosa Coordenador Técnico Estadual de Culturas DEPARTAMENTO TÉCNICO - EMATER-MG

INTEGRAÇÃO LAVOURA/ PECUÁRIA. Wilson José Rosa Coordenador Técnico Estadual de Culturas DEPARTAMENTO TÉCNICO - EMATER-MG INTEGRAÇÃO LAVOURA/ PECUÁRIA Wilson José Rosa Coordenador Técnico Estadual de Culturas DEPARTAMENTO TÉCNICO - EMATER-MG - No Brasil o Sistema de Integração Lavoura Pecuária, sempre foi bastante utilizado,

Leia mais

3. AMOSTRAGEM DO SOLO

3. AMOSTRAGEM DO SOLO 3. AMOSTRAGEM DO SOLO Reinaldo Bertola Cantarutti 1 Victor Hugo Alvarez V. 2 Antônio Carlos Ribeiro 3 3.1. Introdução A amostragem do solo é a primeira e principal etapa de um programa de avaliação da

Leia mais

EFEITO DE SISTEMAS DE CULTIVO E MANEJO NA CONSERVAÇÃO DO SOLO E PRODUTIVIDADE DAS CULTURAS PARA AGRICULTURA DE SEQUEIRO

EFEITO DE SISTEMAS DE CULTIVO E MANEJO NA CONSERVAÇÃO DO SOLO E PRODUTIVIDADE DAS CULTURAS PARA AGRICULTURA DE SEQUEIRO EFEITO DE SISTEMAS DE CULTIVO E MANEJO NA CONSERVAÇÃO DO SOLO E PRODUTIVIDADE DAS CULTURAS PARA AGRICULTURA DE SEQUEIRO Nielson Gonçalves Chagas, João Tavares Nascimento, Ivandro de França da Silva & Napoleão

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DA APTIDÃO AGRÍCOLA

CLASSIFICAÇÃO DA APTIDÃO AGRÍCOLA 3 CASSIICAÇÃO DA APTIDÃO AGRÍCOA O enquadramento das terras em classes de aptidão resulta da interação de suas condições agrícolas, do nível de manejo considerado e das exigências dos diversos tipos de

Leia mais

AULA 1 EROSÃO HÍDRICA E EÓLICA PARTE 2. Profᵃ. Drᵃ. Carolina Riviera Duarte Maluche Barettta carolmaluche@unochapeco.edu.br

AULA 1 EROSÃO HÍDRICA E EÓLICA PARTE 2. Profᵃ. Drᵃ. Carolina Riviera Duarte Maluche Barettta carolmaluche@unochapeco.edu.br AULA 1 EROSÃO HÍDRICA E EÓLICA PARTE 2 Profᵃ. Drᵃ. Carolina Riviera Duarte Maluche Barettta carolmaluche@unochapeco.edu.br EROSÃO HÍDRICA E EÓLICA EROSÃO HÍDRICA FATOR TOPOGRAFIA O relevo do solo exerce

Leia mais

Embasamento técnico de projetos de conservação do solo para atendimento da legislação. Isabella Clerici De Maria Instituto Agronômico

Embasamento técnico de projetos de conservação do solo para atendimento da legislação. Isabella Clerici De Maria Instituto Agronômico Embasamento técnico de projetos de conservação do solo para atendimento da legislação Isabella Clerici De Maria Instituto Agronômico Áreas Agrícolas Diferentes situações Aspectos que devem ser vistos em

Leia mais

Manuel Cláudio Motta Macedo Ademir Hugo Zimmer

Manuel Cláudio Motta Macedo Ademir Hugo Zimmer 16 Potencial para Adoção da Estratégia de Integração Lavoura- -Pecuária e de Integração Lavoura-Pecuária- -Floresta para Recuperação de Pastagens Degradadas Manuel Cláudio Motta Macedo Ademir Hugo Zimmer

Leia mais

Disciplina: Introdução à Engenharia Ambiental. 5 - Poluição e Degradação do Solo. Professor: Sandro Donnini Mancini.

Disciplina: Introdução à Engenharia Ambiental. 5 - Poluição e Degradação do Solo. Professor: Sandro Donnini Mancini. Campus Experimental de Sorocaba Disciplina: Introdução à Engenharia Ambiental Graduação em Engenharia Ambiental 5 - Poluição e Degradação do Solo Professor: Sandro Donnini Mancini Setembro, 2015 Solo camada

Leia mais

2. FATORES DETERMINANTES NA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA IN SITU

2. FATORES DETERMINANTES NA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA IN SITU Métodos de Captação de Água de Chuva "in situ" José Barbosa dos Anjos, Paulo Roberto Coelho Lopes, Luiza Teixeira de Lima, Maria Sônia Lopes da Silva EMBRAPA - Semi-árido Caixa Postal 23 56.300-000, Petrolina

Leia mais

PRESERVANDO NASCENTES E MANANCIAIS

PRESERVANDO NASCENTES E MANANCIAIS PRESERVANDO NASCENTES E MANANCIAIS A água é um recurso natural insubstituível para a manutenção da vida saudável e bem estar do homem, além de garantir auto-suficiência econômica da propriedade rural.

Leia mais

LIMPEZA DA ÁREA LIMPEZA DA ÁREA LIMPEZA DA ÁREA MATA CILIAR. Áreas de Preservação Permanente RESERVA LEGAL

LIMPEZA DA ÁREA LIMPEZA DA ÁREA LIMPEZA DA ÁREA MATA CILIAR. Áreas de Preservação Permanente RESERVA LEGAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE MEDICINA VETERINÁRIA DEPARTAMENTO DE PRODUÇÃO ANIMAL ESPECIALIZAÇÃO EM PRODUÇÃO DE BOVINOS FORMAÇÃO E MANEJO DE PASTAGENS (IMPLANTAÇÃO DE PASTAGENS) EDGAR FRAGA

Leia mais

Reconhecer as diferenças

Reconhecer as diferenças A U A UL LA Reconhecer as diferenças Nesta aula, vamos aprender que os solos são o resultado mais imediato da integração dos processos físicos e biológicos na superfície da Terra. A formação e o desenvolvimento

Leia mais

Agroecologia. Curso Agroecologia e Tecnologia Social um caminho para a sustentabilidade. Módulo 3 Aplicações da Agroecologia

Agroecologia. Curso Agroecologia e Tecnologia Social um caminho para a sustentabilidade. Módulo 3 Aplicações da Agroecologia Agroecologia Agroecologia Curso Agroecologia e Tecnologia Social um caminho para a sustentabilidade Módulo 3 Aplicações da Agroecologia Agroecologia aspectos teóricos e conceituais Capítulo 4 Aplicações

Leia mais

MODOS E CUSTOS NO MICRO-TERRACEAMENTO EM CAFEZAIS DE MONTANHA

MODOS E CUSTOS NO MICRO-TERRACEAMENTO EM CAFEZAIS DE MONTANHA MODOS E CUSTOS NO MICRO-TERRACEAMENTO EM CAFEZAIS DE MONTANHA J. B. Matiello, Eng Agr Mapa/Fundação Procafé e Lucas Franco e J. R. Dias Engs Agrs Fdas Sertãozinho Importância da Cafeicultura de Montanha

Leia mais

Compostagem. Gersina N. da R. Carmo Junior

Compostagem. Gersina N. da R. Carmo Junior Compostagem Gersina N. da R. Carmo Junior Compostagem É um processo de transformação da matéria orgânica do lixo em um composto orgânico (húmus). Composto orgânico Produto final da compostagem Compostagem

Leia mais

Influência do Espaçamento de Plantio de Milho na Produtividade de Silagem.

Influência do Espaçamento de Plantio de Milho na Produtividade de Silagem. Influência do Espaçamento de Plantio de Milho na Produtividade de Silagem. DAMASCENO, T. M. 1, WINDER, A. R. da S. 2, NOGUEIRA, J. C. M. 3, DAMASCENO, M. M. 2, MENDES, J. C. da F. 2, e DALLAPORTA, L. N.

Leia mais

Sistemas de manejo do solo

Sistemas de manejo do solo Sistemas de manejo do solo Introdução Uso e preparo do solo O arado. Evolução dos conhecimentos de uso e manejo do solo. O Ecossistema tropical Temperatura elevada e solos muito imteperizados 1 Sistemas

Leia mais

Preparo periódico do solo arados de discos *

Preparo periódico do solo arados de discos * Preparo periódico do solo arados de discos * 1. Arados de discos Os arados de discos distinguem-se das de aivecas por a lavoura ser efetuada por discos com movimento de rotação provocado pelo atrito de

Leia mais

Escola Estadual de Educação Profissional - EEEP. Ensino Médio Integrado à Educação Profissional. Curso Técnico em Agropecuária. Mecanização Agrícola

Escola Estadual de Educação Profissional - EEEP. Ensino Médio Integrado à Educação Profissional. Curso Técnico em Agropecuária. Mecanização Agrícola Escola Estadual de Educação Profissional - EEEP Ensino Médio Integrado à Educação Profissional Curso Técnico em Agropecuária Mecanização Agrícola Governador Cid Ferreira Gomes Vice Governador Domingos

Leia mais

Parecer sobre a Salinidade do Rio Araranguá e suas Implicações para a Cultura do Arroz Irrigado

Parecer sobre a Salinidade do Rio Araranguá e suas Implicações para a Cultura do Arroz Irrigado Parecer sobre a Salinidade do Rio Araranguá e suas Implicações para a Cultura do Arroz Irrigado Introdução A bacia hidrográfica do rio Araranguá está inserida na Região Hidrográfica Catarinense do Extremo

Leia mais

SISTEMA PLANTIO DIRETO, EM CONSTANTE EVOLUÇÃO

SISTEMA PLANTIO DIRETO, EM CONSTANTE EVOLUÇÃO 13º Encontro Nacional de Plantio Direto na Palha SISTEMA PLANTIO DIRETO, EM CONSTANTE EVOLUÇÃO José Eloir Denardin Embrapa Trigo AGRICULTURA DE CONSERVAÇÃO DENARDIN, 2012 CONFERÊNCIA DE ABERTURA OBJETIVOS

Leia mais

TRATOS CULTURAIS PARA QUALIDADE DA SEMENTEIRA

TRATOS CULTURAIS PARA QUALIDADE DA SEMENTEIRA 1º CICLO DE PALESTRAS SODEPAC TRATOS CULTURAIS PARA QUALIDADE DA SEMENTEIRA Maia Barnabé Sambongo Dir. Fazenda Quizenga TRATOS CULTURAIS PARA QUALIDADE DA SEMENTEIRA ÁREA DE 1º ANO 1. Supressão Vegetal

Leia mais

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO Trabalho de pesquisa em andamento Sidinei Esteves de Oliveira de Jesus Universidade Federal do Tocantins pissarra1@yahoo.com.br INTRODUÇÃO

Leia mais

DESENVOLVIMENTO VEGETATIVO DE MUDAS DE CAFEEIRO SOB DOSES DE CAMA DE FRANGO E ESTERCO BOVINO CURTIDO

DESENVOLVIMENTO VEGETATIVO DE MUDAS DE CAFEEIRO SOB DOSES DE CAMA DE FRANGO E ESTERCO BOVINO CURTIDO DESENVOLVIMENTO VEGETATIVO DE MUDAS DE CAFEEIRO SOB DOSES DE CAMA DE FRANGO E ESTERCO BOVINO CURTIDO Cícero José da Silva¹; Benjamim de Melo²; César Antônio da Silva³; Carlos Eduardo Mesquita Pode 4 ;

Leia mais

RISCO DE EROSÃO. Projecto n.º 2004/EQUAL/A2/EE/161 1

RISCO DE EROSÃO. Projecto n.º 2004/EQUAL/A2/EE/161 1 RISCO DE EROSÃO Portugal é um dos países europeus mais susceptíveis aos processos de desertificação física dos solos. Cerca de 68% dos solos nacionais estão ameaçados pela erosão e 30% encontram-se em

Leia mais

Irrigação por Superfície: Sulcos

Irrigação por Superfície: Sulcos Irrigação por Superfície: Sulcos INTRODUÇÃO Sob a definição de irrigação por superfície está incluída os métodos de irrigação que distribuem a água diretamente sobre a superfície do solo, a partir de uma

Leia mais

Quanto à sua origem, podemos considerar três tipos básicos de rochas:

Quanto à sua origem, podemos considerar três tipos básicos de rochas: O que são rochas? Usamos rochas para tantos fins em nosso dia-a-dia sem nos preocupar com sua origem que esses materiais parecem ter sempre existido na natureza para atender as necessidades da humanidade.

Leia mais

AVALIAÇÃO DO USO DA TERRA NO PROJETO DE ASSENTAMENTO CHE GUEVARA, MIMOSO DO SUL, ESPÍRITO SANTO

AVALIAÇÃO DO USO DA TERRA NO PROJETO DE ASSENTAMENTO CHE GUEVARA, MIMOSO DO SUL, ESPÍRITO SANTO AVALIAÇÃO DO USO DA TERRA NO PROJETO DE ASSENTAMENTO CHE GUEVARA, MIMOSO DO SUL, ESPÍRITO SANTO Natália Aragão de Figueredo 1, Paulo Henrique Dias Barbosa 2, Thiago Dannemann Vargas 3, João Luiz Lani 4

Leia mais

Aplicação de dejetos líquidos de suínos no sulco: maior rendimento de grãos e menor impacto ambiental. Comunicado Técnico

Aplicação de dejetos líquidos de suínos no sulco: maior rendimento de grãos e menor impacto ambiental. Comunicado Técnico Comunicado Técnico PÓLO DE MODERNIZAÇÃO TECNOLÓGICA EM ALIMENTOS COREDE-PRODUÇÃO FACULDADE DE AGRONOMIA E MEDICINA VETERINÁRIA UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO PASSO FUNDO, RS JUNHO, 27 Nº 1 Aplicação de dejetos

Leia mais

ESTRELA Não basta ser grande, tem que ser Estrela!

ESTRELA Não basta ser grande, tem que ser Estrela! ESTRELA Não basta ser grande, tem que ser Estrela! ESTRELA A Estrela é uma plantadora pneumática articulada, ágil, de grande porte e com rodado de plantio posicionado entre as linhas. A Estrela trabalha

Leia mais

SISTEMAS DE CULTIVO. Eliminação de plantas não desejáveis, diminuindo a concorrência com a cultura implantada.

SISTEMAS DE CULTIVO. Eliminação de plantas não desejáveis, diminuindo a concorrência com a cultura implantada. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPT. FITOTECNIA E FITOSSANITARISMO DISCIPLINA AGRICULTURA GERAL (AF001) PROFS. OSWALDO TERUYO IDO E RICARDO AUGUSTO DE OLIVEIRA MONITORA ANA SELENA

Leia mais

A AGROFLORESTA AGROECOLÓGICA: UM MOMENTO DE SÍNTESE DA AGROECOLOGIA, UMA AGRICULTURA QUE CUIDA DO MEIO AMBIENTE.

A AGROFLORESTA AGROECOLÓGICA: UM MOMENTO DE SÍNTESE DA AGROECOLOGIA, UMA AGRICULTURA QUE CUIDA DO MEIO AMBIENTE. A AGROFLORESTA AGROECOLÓGICA: UM MOMENTO DE SÍNTESE DA AGROECOLOGIA, UMA AGRICULTURA QUE CUIDA DO MEIO AMBIENTE. Alvori Cristo dos Santos, Deser, Fevereiro 2007. Há alguns anos atrás, um movimento social

Leia mais

A Vida no Solo. A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local;

A Vida no Solo. A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local; A Vida no Solo A Vida no Solo A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local; O solo é constituído por alguns componentes: os minerais, o húmus, o ar, a água e os seres

Leia mais

ESTUDO DA ESPACIALIDADE DO LIMITE DE PLASTICIDADE E DA MASSA ESPECIFICA APARENTE SECA EM UM SOLO MANEJADO SOB PLANTIO DIRETO RESUMO

ESTUDO DA ESPACIALIDADE DO LIMITE DE PLASTICIDADE E DA MASSA ESPECIFICA APARENTE SECA EM UM SOLO MANEJADO SOB PLANTIO DIRETO RESUMO ESTUDO DA ESPACIALIDADE DO LIMITE DE PLASTICIDADE E DA MASSA ESPECIFICA APARENTE SECA EM UM SOLO MANEJADO SOB PLANTIO DIRETO Ródney Ferreira Couto 1 ; Elton Fialho dos Reis 2 ; Antônio Lazaro Ferreira

Leia mais

Código de Boas Práticas. para a Prevenção e Redução. de Micotoxinas em Cereais

Código de Boas Práticas. para a Prevenção e Redução. de Micotoxinas em Cereais Código de Boas Práticas para a Prevenção e Redução de Micotoxinas em Cereais Índice: Introdução... 3 I. Práticas recomendadas com base nas Boas Práticas Agrícolas (BPA) e nas Boas Práticas de Fabrico (BPF)...

Leia mais

2.2 - SÃO PAULO, PARANÁ, ESPÍRITO SANTO, BAHIA E RONDÔNIA.

2.2 - SÃO PAULO, PARANÁ, ESPÍRITO SANTO, BAHIA E RONDÔNIA. 1 - INTRODUÇÃO No período de 01 a 14 de abril de 2007, os técnicos da CONAB e das instituições com as quais mantém parceria visitaram municípios produtores de café em Minas Gerais, Espírito Santo, São

Leia mais

Evolução Constante MANUAL DE INSTRUÇÕES E CATÁLOGO DE PEÇAS PENETRÔMETRO

Evolução Constante MANUAL DE INSTRUÇÕES E CATÁLOGO DE PEÇAS PENETRÔMETRO Evolução Constante MANUAL DE INSTRUÇÕES E CATÁLOGO DE PEÇAS PENETRÔMETRO ÍNDICE APRESENTAÇÃO...01 1 - PARTES COMPONENTES...02 2 - MEDIDAS DE SEGURANÇA...02 3 - RECOMENDAÇÕES DE USO DO PENETRÔMETRO...03

Leia mais

RENOVAÇÃO DE PASTAGENS COM PLANTIO DIRETO

RENOVAÇÃO DE PASTAGENS COM PLANTIO DIRETO RENOVAÇÃO DE PASTAGENS COM PLANTIO DIRETO EXPERIÊNCIAS DA MONSANTO DO BRASIL MARCIO SCALÉA ABRIL 2007 Manejo Genética Alimentação Sanidade GENÉTICA M A N E J O ALIMENTAÇÃO S A N I D A D E FASE PRODUTIVA

Leia mais

LEI Nº 7.043, DE 8 DE OUTUBRO DE 2007

LEI Nº 7.043, DE 8 DE OUTUBRO DE 2007 LEI Nº 7.043, DE 8 DE OUTUBRO DE 2007 Publicada no DOE(Pa) de 09.10.07. Dispõe sobre Política Estadual para a Promoção do Uso de Sistemas Orgânicos de Produção Agropecuária e Agroindustrial. Lei: A ASSEMBLÉIA

Leia mais

TRATAMENTO QUÍMICO DE RESÍDUOS AGRÍCOLAS COM SOLUÇÃO DE URÉIA NA ALIMENTAÇÃO DE RUMINANTES

TRATAMENTO QUÍMICO DE RESÍDUOS AGRÍCOLAS COM SOLUÇÃO DE URÉIA NA ALIMENTAÇÃO DE RUMINANTES TRATAMENTO QUÍMICO DE RESÍDUOS AGRÍCOLAS COM SOLUÇÃO DE URÉIA NA ALIMENTAÇÃO DE RUMINANTES INTRODUÇÃO Onaldo Souza 1 Mariah Tenório de Carvalho Souza 2 Izabele Emiliano dos Santos 3 Cereal é a denominação

Leia mais

Ações do Projeto de Convivência com o Semiárido

Ações do Projeto de Convivência com o Semiárido Ações do Projeto de Convivência com o Semiárido Fortaleza, 16 de Abril de 2013 1. CONCEITUAÇÃO As Ações de Convivência com o Semiárido são compostas por um conjunto de práticas alternativas definidas,

Leia mais

BIOENGENHARIA DE SOLOS ENGENHARIA NATURAL AULA 2 PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DO SOLO

BIOENGENHARIA DE SOLOS ENGENHARIA NATURAL AULA 2 PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DO SOLO BIOENGENHARIA DE SOLOS ENGENHARIA NATURAL AULA 2 PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DO SOLO IGOR PINHEIRO DA ROCHA ENGENHEIRO FLORESTAL, M.Sc. AS FASES DO SOLO Fase sólida (Matriz do solo) Material mineral

Leia mais

O uso de pó de rocha fosfática para o desenvolvimento da agricultura familiar no Semi-Árido brasileiro.

O uso de pó de rocha fosfática para o desenvolvimento da agricultura familiar no Semi-Árido brasileiro. O uso de pó de rocha fosfática para o desenvolvimento da agricultura familiar no Semi-Árido brasileiro. Maíra Leão da Silveira Bolsista de Iniciação Científica, Geografia, UFRJ Francisco Mariano da Rocha

Leia mais

INFLUÊNCIA DA ADUBAÇÃO ORGÂNICA NOS ATRIBUTOS FÍSICOS DE UM NEOSSOLO QUARTZARÊNICO CULTIVADO COM EUCALIPTO.

INFLUÊNCIA DA ADUBAÇÃO ORGÂNICA NOS ATRIBUTOS FÍSICOS DE UM NEOSSOLO QUARTZARÊNICO CULTIVADO COM EUCALIPTO. INFLUÊNCIA DA ADUBAÇÃO ORGÂNICA NOS ATRIBUTOS FÍSICOS DE UM NEOSSOLO QUARTZARÊNICO CULTIVADO COM EUCALIPTO. Bruno Marchió 1, Talles Eduardo Borges dos Santos 2, Jânio Goulart dos Santos 3 ; Andrisley Joaquim

Leia mais

PLANTIO DIRETO. Definição JFMELO / AGRUFBA 1

PLANTIO DIRETO. Definição JFMELO / AGRUFBA 1 Definição JFMELO / AGRUFBA 1 INFLUÊNCIAS NO SOLO Matéria orgânica Estabilidade dos agregados e infiltração JFMELO / AGRUFBA 2 INFLUÊNCIAS NO SOLO Temperatura do solo JFMELO / AGRUFBA 3 INFLUÊNCIAS NO SOLO

Leia mais

FORMAÇÃO DO SOLO E AS CONSEQÜÊNCIAS DA EROSÃO

FORMAÇÃO DO SOLO E AS CONSEQÜÊNCIAS DA EROSÃO FORMAÇÃO DO SOLO E AS CONSEQÜÊNCIAS DA EROSÃO Lucieli Lopes Marques Supervisora: Mara Regina Dorcidônio Molina CONTEXTUALIZAÇÃO A presente proposta de trabalho tem como tema a formação e erosão do solo

Leia mais

IT-1101 - AGRICULTURA IRRIGADA. 1 Água e solo

IT-1101 - AGRICULTURA IRRIGADA. 1 Água e solo 1 Água e solo 1.1 - Solo Solo Camada externa e agricultável da superfície da terra, constituindo um sistema complexo e heterogêneo, cuja formação: Material de origem Tempo Clima Topografia 1.1 - Solo a)

Leia mais

ANEXO AULA 12: CONSERVAÇÃO DO SOLO NA AGROECOLOGIA

ANEXO AULA 12: CONSERVAÇÃO DO SOLO NA AGROECOLOGIA ANEXO AULA 12: CONSERVAÇÃO DO SOLO NA AGROECOLOGIA NESTA AULA SERÁ ABORDADO Importância de conservar o solo e sua influência sobre as plantas As formas e métodos de conservação do terreno Como combater

Leia mais

IRRIGAÇÃO SUBSUPERFICIAL

IRRIGAÇÃO SUBSUPERFICIAL IRRIGAÇÃO SUBSUPERFICIAL Introdução, Sistemas e Características FEAGRI/UNICAMP - 2014 Prof. Roberto Testezlaf Irrigação Subsuperficial Também chamada irrigação subterrânea ou subirrigação A água é aplicada

Leia mais

A necessidade do profissional em projetos de recuperação de áreas degradadas

A necessidade do profissional em projetos de recuperação de áreas degradadas A necessidade do profissional em projetos de recuperação de áreas degradadas Moacyr Bernardino Dias-Filho Engenheiro Agrônomo, pesquisador da Embrapa Amazônia Oriental, Belém, PA www.diasfilho.com.br Conceito

Leia mais

9 PRÁTICAS CULTURAIS

9 PRÁTICAS CULTURAIS 9 PRÁTICAS CULTURAIS 9.1 PREPARO DO SOLO Preparo do Solo Quando realizado de maneira incorreta, leva rapidamente àdegradação das características do solo, culminando com o declínio paulatino do seu potencial

Leia mais

Tratamento de Efluentes na Aqüicultura

Tratamento de Efluentes na Aqüicultura Tratamento de Efluentes na Aqüicultura Alessandro Trazzi, Biólogo, Mestre em Engenharia Ambiental. Diretor de Meio Ambiente - CTA VI Seminário de Aqüicultura Interior, Cabo Frio Rio de Janeiro. Introdução

Leia mais

Poluição do Solo e a Erosão

Poluição do Solo e a Erosão Gerenciamento e Controle da Profª. Lígia Rodrigues Morales e a Objetivos Conhecer a definição e a caracterização da poluição do solo, assim como os principais fatores que a desencadeiam; Compreender a

Leia mais

IRRIGAÇÃO. JOSÉ ANTÔNIO FRIZZONE frizzone@esalq.usp.br

IRRIGAÇÃO. JOSÉ ANTÔNIO FRIZZONE frizzone@esalq.usp.br IRRIGAÇÃO JOSÉ ANTÔNIO FRIZZONE frizzone@esalq.usp.br IRRIGAÇÃO CONCEITO CLÁSSICO Aplicação artificial de água ao solo, em intervalos definidos e em quantidade suficiente para fornecer às espécies vegetais

Leia mais

ANÁLISE DA REDE METEOROLÓGICA DA BAHIA E SUA IMPORTÂNCIA PARA AS PRÁTICAS AGRÍCOLAS NO SEMIÁRIDO BAIANO

ANÁLISE DA REDE METEOROLÓGICA DA BAHIA E SUA IMPORTÂNCIA PARA AS PRÁTICAS AGRÍCOLAS NO SEMIÁRIDO BAIANO ANÁLISE DA REDE METEOROLÓGICA DA BAHIA E SUA IMPORTÂNCIA PARA AS PRÁTICAS AGRÍCOLAS NO SEMIÁRIDO BAIANO Selma Barbosa Bastos Universidade Estadual de Feira de Santana selmabbastos@gmail.com Manuel Cabalar

Leia mais

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha 1 de 5 10/16/aaaa 11:24 Culturas A Cultura do Milho Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha Informações resumidas sobre a cultura do milho

Leia mais

Você atingiu o estágio: Recomendações. NOME: MUNICIPIO: Ipiranga Data de preenchimento do guia: 2012-02-14 Data de devolução do relatório:

Você atingiu o estágio: Recomendações. NOME: MUNICIPIO: Ipiranga Data de preenchimento do guia: 2012-02-14 Data de devolução do relatório: Guia de sustentabilidade na produção de soja na Agricultura Familiar Relatório individual NOME: Prezado senhor (a), Em primeiro lugar, no nome dacoopafi, da Gebana e da Fundação Solidaridad,gostaríamos

Leia mais

Aplicação de Nitrogênio em Cobertura no Feijoeiro Irrigado*

Aplicação de Nitrogênio em Cobertura no Feijoeiro Irrigado* ISSN 1678-9636 Aplicação de Nitrogênio em Cobertura no Feijoeiro Irrigado* 49 O feijoeiro é uma das principais culturas plantadas na entressafra em sistemas irrigados nas regiões Central e Sudeste do Brasil.

Leia mais

FERTILIDADE E MATÉRIA ORGÂNICA DO SOLO EM DIFERENTES SISTEMAS DE MANEJO DO SOLO

FERTILIDADE E MATÉRIA ORGÂNICA DO SOLO EM DIFERENTES SISTEMAS DE MANEJO DO SOLO FERTILIDADE E MATÉRIA ORGÂNICA DO SOLO EM DIFERENTES SISTEMAS DE MANEJO DO SOLO Henrique Pereira dos Santos 1, Renato Serena Fontaneli 1, Anderson Santi 1, Ana Maria Vargas 2 e Amauri Colet Verdi 2 1 Pesquisador,

Leia mais

Data: ABN. Cafés especiais do Brasil consolidam novos mercados

Data: ABN. Cafés especiais do Brasil consolidam novos mercados Veículo: Assunto: Data: ABN 28/09/2012 Cafés especiais do Brasil consolidam novos mercados http://www.abn.com.br/editorias1.php?id=71860 Que o Brasil há muitos anos produz cafés de qualidade excepcional

Leia mais

Avaliação do efeito de tipos de manejos de solo nos atributos físicos de solo, após seis safras

Avaliação do efeito de tipos de manejos de solo nos atributos físicos de solo, após seis safras Avaliação do efeito de tipos de manejos de solo nos atributos físicos de solo, após seis safras Silvio Tulio Spera 1, Henrique Pereira dos Santos 2, Renato Serena Fontaneli 3, Georgia Luiza Maldaner 4

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA APP DO BAIRRO BEIJA FLOR II

DIAGNÓSTICO DA APP DO BAIRRO BEIJA FLOR II DIAGNÓSTICO DA APP DO BAIRRO BEIJA FLOR II SOUSA, K.C. 1 ; SOUSA, K.C. 2 ; OLIVEIRA, A.C. 3 ; NETO, A.T. 4 1 Estudante 4 período de Engenharia Ambiental - Universidade de Uberaba; 2 Estudante 4 período

Leia mais

Culturas anuais para produção de volumoso em áreas de sequeiro

Culturas anuais para produção de volumoso em áreas de sequeiro Culturas anuais para produção de volumoso em áreas de sequeiro Henrique Antunes de Souza Fernando Lisboa Guedes Equipe: Roberto Cláudio Fernandes Franco Pompeu Leandro Oliveira Silva Rafael Gonçalves Tonucci

Leia mais

A água nossa de cada dia

A água nossa de cada dia A água nossa de cada dia Marco Antonio Ferreira Gomes* Foto: Eliana Lima Considerações gerais A água é o constituinte mais característico e peculiar do Planeta Terra. Ingrediente essencial à vida, a água

Leia mais

EFICIENCIA DE SISTEMAS DE APLICAÇÃO DE VINHAÇA VISANDO ECONOMIA E CONSCIENCIA AMBIENTAL

EFICIENCIA DE SISTEMAS DE APLICAÇÃO DE VINHAÇA VISANDO ECONOMIA E CONSCIENCIA AMBIENTAL ISBN 978-85-609-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 7 a 0 de outubro de 009 EFICIENCIA DE SISTEMAS DE APLICAÇÃO DE VINHAÇA VISANDO ECONOMIA E CONSCIENCIA AMBIENTAL Ricardo Gava ;

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS ATRIBUTOS QUÍMICOS DE UM SOLO SOB FLORESTA ATLÂNTICA NA FAZENDA SANTA RITA, FARIA LEMOS, MG

AVALIAÇÃO DOS ATRIBUTOS QUÍMICOS DE UM SOLO SOB FLORESTA ATLÂNTICA NA FAZENDA SANTA RITA, FARIA LEMOS, MG AVALIAÇÃO DOS ATRIBUTOS QUÍMICOS DE UM SOLO SOB FLORESTA ATLÂNTICA NA FAZENDA SANTA RITA, FARIA LEMOS, MG Maria José Reis da Rocha 1, Camila Aparecida da Silva Martins 2, Aderbal Gomes da Silva 3, Mauro

Leia mais

Terraceamento. Alessandro Slomuzinsk Emilio S. de Souza Filipe T. Netto Henrique V. Scopel João Vitor N. Aquino Rafael Barossi.

Terraceamento. Alessandro Slomuzinsk Emilio S. de Souza Filipe T. Netto Henrique V. Scopel João Vitor N. Aquino Rafael Barossi. Terraceamento Alessandro Slomuzinsk Emilio S. de Souza Filipe T. Netto Henrique V. Scopel João Vitor N. Aquino Rafael Barossi 1 Ricardo Barossi Conceito É uma prática conservacionista de caráter mecânico.

Leia mais

Hidrologia Bacias hidrográficas

Hidrologia Bacias hidrográficas Hidrologia Bacias hidrográficas 1. Introdução 2. Bacia hidrográfica 2.1. Definição e conceitos 2.2. Caracterização de bacias hidrográficas 3. Comportamento hidrológico da bacia hidrográfica 3.1. Enxurrada

Leia mais

PLANTIOS FLORESTAIS E SISTEMAS AGROFLORESTAIS: ALTERNATIVAS PARA O AUMENTO O DE EMPREGO E RENDA NA PROPRIEDADE RURAL RESUMO

PLANTIOS FLORESTAIS E SISTEMAS AGROFLORESTAIS: ALTERNATIVAS PARA O AUMENTO O DE EMPREGO E RENDA NA PROPRIEDADE RURAL RESUMO PLANTIOS FLORESTAIS E SISTEMAS AGROFLORESTAIS: ALTERNATIVAS PARA O AUMENTO O DE EMPREGO E RENDA NA PROPRIEDADE RURAL RESUMO Honorino Roque Rodigheri * Este trabalho tem por objetivo apresentar indicadores

Leia mais

DEFENSIVOS AGRÍCOLAS Competências - Planejar, organizar e monitorar o uso adequado dos diferentes tipos de defensivos agrícolas

DEFENSIVOS AGRÍCOLAS Competências - Planejar, organizar e monitorar o uso adequado dos diferentes tipos de defensivos agrícolas Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Dois Vizinhos Diretoria de Graduação e Educação Profissional COAGO Coordenação do Curso Técnico em Agropecuária 1º PERÍODO AGROECOLOGIA

Leia mais

III Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí III Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2010

III Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí III Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2010 Efeito da iluminação noturna na prevenção de injúrias causadas por Neoleucinodes elegantalis (Broca-pequena-do-tomateiro) Francisco Vagner Pereira de SOUZA¹; Silvério Augusto de PAULA²; Paulino da Cunha

Leia mais

Prof. José Roberto e Raphaella. 6 anos.

Prof. José Roberto e Raphaella. 6 anos. Prof. José Roberto e Raphaella. 6 anos. Solo É a camada mais estreita e superficial da crosta terrestre, a qual chamamos habitualmente de Terra. Essa parte da crosta terrestre esta relacionada à manutenção

Leia mais

GESTÃO DO SOLO NA VINHA

GESTÃO DO SOLO NA VINHA GESTÃO DO SOLO NA VINHA António José Jordão 2007 Texto elaborado no âmbito do Plano de Acção para a Vitivinicultura da Alta Estremadura INTRODUÇÃO A Agricultura de Conservação em culturas permanentes,

Leia mais

V Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí V Jornada Científica 19 a 24 de novembro de 2012

V Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí V Jornada Científica 19 a 24 de novembro de 2012 V Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí V Jornada Científica 19 a 24 de novembro de 2012 Produção de mudas e avaliação de características Agronômicas e químicas de mangarito (Xanthossoma

Leia mais

NOVIDADES NA IRRIGAÇÃO E FERTIRRIGAÇÃO

NOVIDADES NA IRRIGAÇÃO E FERTIRRIGAÇÃO NOVIDADES NA IRRIGAÇÃO E FERTIRRIGAÇÃO Fredy Moreinos Netafim Brasil Sist. Equips. Irrigação Ltda Rua Salvador Scaglione, 135 14066-446 Ribeirão Preto SP 55 16 2111.8000 netafim@netafim.com.br O Brasil

Leia mais

NEW HOLLAND BB9OOO BB9O8O

NEW HOLLAND BB9OOO BB9O8O NEW HOLLAND BB9OOO BB9O8O 2 3 LIDERANÇA MUNDIAL NÃO É MERA COINCIDÊNCIA. Com parceiros do setor, a New Holland foi responsável por algumas das principais inovações e lançamentos que garantiram a ela a

Leia mais

SELEÇÃO DE EQUIPAMENTOS AGRICOLAS

SELEÇÃO DE EQUIPAMENTOS AGRICOLAS SELEÇÃO DE EQUIPAMENTOS AGRICOLAS Evandro Chartuni Mantovani 1. INTRODUÇÃO A seleção econômica de equipamentos complexo por várias razões: agrícolas é um problema A maioria das propriedades agrícolas é

Leia mais

https://www.youtube.com/watch?v=ejyyhuxkn8y

https://www.youtube.com/watch?v=ejyyhuxkn8y https://www.youtube.com/watch?v=ejyyhuxkn8y Definição é a camada superficial da crosta terrestre formada por quatro elementos principais: a, o, a e os. Possui importância fundamental para variadas atividades

Leia mais

Agrícola ISO 9001 OHSAS 18001 ISO 22000 ISO 14001

Agrícola ISO 9001 OHSAS 18001 ISO 22000 ISO 14001 Agrícola ISO 9001 OHSAS 18001 ISO 22000 ISO 14001 1 Tema: PREPARO REDUZIDO E PLANTIO DIRETO Local: Ribeirão Preto - SP Palestrante: Hilário 2 LOCALIZAÇÃO Latitude: 20º28 41 S UAM Longitude: 47º52 21 W

Leia mais

Mª Regina Menino Mª Amélia Castelo-Branco J. Casimiro Martins

Mª Regina Menino Mª Amélia Castelo-Branco J. Casimiro Martins Mª Regina Menino Mª Amélia Castelo-Branco J. Casimiro Martins ? O QUE É O SOLO? É um meio natural, limitado, que tem origem na desagregação do material originário ou rocha-mãe, através de um processo designado

Leia mais

Aregião de Cerrados no Brasil Central, ao longo

Aregião de Cerrados no Brasil Central, ao longo 103 Trigo no Brasil começa nos Cerrados Márcio Só e Silva Aregião de Cerrados no Brasil Central, ao longo dos anos, tem procurado opções de culturas para melhorar, tanto agronomicamente quanto economicamente,

Leia mais

Eficiência dos Dessecantes Paraquat e Diquat na Antecipação da Colheita do Milho.

Eficiência dos Dessecantes Paraquat e Diquat na Antecipação da Colheita do Milho. Eficiência dos Dessecantes Paraquat e Diquat na Antecipação da Colheita do Milho. XXIV Congresso Nacional de Milho e Sorgo - 01 a 05 de setembro de 2002 - Florianópolis - SC Magalhães, P. C.1, Durães,

Leia mais

PLANTADEIRAS DE MÚLTIPLA SEMEADURA

PLANTADEIRAS DE MÚLTIPLA SEMEADURA PLANTADEIRAS DE MÚLTIPLA SEMEADURA Plantio direto para todo tipo de cultura. A Case IH lança no mercado sua linha de plantadeiras para todos os tipos de cultura: girassol, aveia, trigo, arroz, algodão,

Leia mais

Mostra de Projetos 2011

Mostra de Projetos 2011 Mostra de Projetos 2011 Instalação de Estações de Tratamento de Esgotos por Zona de Raízes em Estabelecimentos Agrícolas Familiares na Bacia Hidrográfica Rio Mourão Mostra Local de: Campo Mourão Categoria

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE MAQUINÁRIO COMO FERRAMENTA DE GESTÃO RURAL: UM ESTUDO DE CASO EM PROPRIEDADE RURAL NO MUNICÍPIO DE TIO HUGO/RS 1

DIMENSIONAMENTO DE MAQUINÁRIO COMO FERRAMENTA DE GESTÃO RURAL: UM ESTUDO DE CASO EM PROPRIEDADE RURAL NO MUNICÍPIO DE TIO HUGO/RS 1 DIMENSIONAMENTO DE MAQUINÁRIO COMO FERRAMENTA DE GESTÃO RURAL: UM ESTUDO DE CASO EM PROPRIEDADE RURAL NO MUNICÍPIO DE TIO HUGO/RS 1 DREBES, Laila Mayara 2 ; SILVA, Tuane Araldi da 3 ; ORTIGARA, Cícero

Leia mais

DESCOMPACTAÇÃO DO SOLO NO PLANTIO DIRETO USANDO FORRAGEIRAS TROPICAIS REDUZ EFEITO DA SECA

DESCOMPACTAÇÃO DO SOLO NO PLANTIO DIRETO USANDO FORRAGEIRAS TROPICAIS REDUZ EFEITO DA SECA DESCOMPACTAÇÃO DO SOLO NO PLANTIO DIRETO USANDO FORRAGEIRAS TROPICAIS REDUZ EFEITO DA SECA Por: Julio Franchini Área: Manejo do Solo Julio Franchini possui graduação em Agronomia pela Universidade Estadual

Leia mais

3.0 Resistência ao Cisalhamento dos Solos

3.0 Resistência ao Cisalhamento dos Solos 3.0 Resistência ao Cisalhamento dos Solos 3.1 INTRODUÇÃO Vários materiais sólidos empregados em construção normalmente resistem bem as tensões de compressão, porém têm uma capacidade bastante limitada

Leia mais

ZONEAMENTO EDAFOCLIMÁTICO DA CULTURA DO COCO INTRODUÇÃO

ZONEAMENTO EDAFOCLIMÁTICO DA CULTURA DO COCO INTRODUÇÃO ZONEAMENTO EDAFOCLIMÁTICO DA CULTURA DO COCO Nayane Rosa Gomes¹ ; André Luiz Ribas de Oliveira² ¹ Curso de graduação em Engenharia Agrícola, Bolsista PIBIC/CNPq; Campus Anápolis de Ciências Exatas e Tecnológicas

Leia mais

PRODUTIVIDADE DO FEIJOEIRO COMUM EM FUNÇÃO DA SATURAÇÃO POR BASES DO SOLO E DA GESSAGEM. Acadêmico PVIC/UEG do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG.

PRODUTIVIDADE DO FEIJOEIRO COMUM EM FUNÇÃO DA SATURAÇÃO POR BASES DO SOLO E DA GESSAGEM. Acadêmico PVIC/UEG do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG. PRODUTIVIDADE DO FEIJOEIRO COMUM EM FUNÇÃO DA SATURAÇÃO POR BASES DO SOLO E DA GESSAGEM Zélio de Lima Vieira 1 ; Valter de Oliveira Neves Júnior 1 ; Rodolfo Araújo Marques 1 ; Rafael Benetti 1 ; Adilson

Leia mais

Adaptação à mudança do clima*

Adaptação à mudança do clima* Agropecuária: Vulnerabilidade d e Adaptação à mudança do clima* Magda Lima - Embrapa Meio Ambiente Bruno Alves - Embrapa Agrobiologia OCB Curitiba Março de 2010 * Apresentação baseada em artigo publicado

Leia mais

ANALISE DE PERDA DE SOLO EM DIFERENTES RELEVOS NO SEMIÁRIDO CEARENSE

ANALISE DE PERDA DE SOLO EM DIFERENTES RELEVOS NO SEMIÁRIDO CEARENSE ANALISE DE PERDA DE SOLO EM DIFERENTES RELEVOS NO SEMIÁRIDO CEARENSE Sebastião Cavalcante de Sousa (1); Rafaela Alves de Melo (1); Francisco Ramon da Cunha Alcantara (2) (Universidade Federal do Cariri,

Leia mais

Manejo Sustentável da Floresta

Manejo Sustentável da Floresta Manejo Sustentável da Floresta 1) Objetivo Geral Mudança de paradigmas quanto ao uso da madeira da floresta, assim como a percepção dos prejuízos advindos das queimadas e do extrativismo vegetal. 2) Objetivo

Leia mais

Efeito de diferentes preparos de solo no desenvolvimento radicular de plantas cítricas. Prof. Dr. Zigomar Menezes de Souza

Efeito de diferentes preparos de solo no desenvolvimento radicular de plantas cítricas. Prof. Dr. Zigomar Menezes de Souza Efeito de diferentes preparos de solo no desenvolvimento radicular de plantas cítricas Prof. Dr. Zigomar Menezes de Souza Roteiro Introdução Objetivos Material e Métodos Resultados e Discussão Conclusões

Leia mais

Antonio Dantas Costa Junior Engenheiro Agrônomo. Irrigação Políticas públicas e tecnologia

Antonio Dantas Costa Junior Engenheiro Agrônomo. Irrigação Políticas públicas e tecnologia Antonio Dantas Costa Junior Engenheiro Agrônomo Irrigação Políticas públicas e tecnologia Área de Atuação Unidades locais da EMATER-DF Distrito Federal: 16 escritórios (oito em cidades satélites e oito

Leia mais

CUIDADOS TÉCNICOS COM GRAMADOS

CUIDADOS TÉCNICOS COM GRAMADOS CUIDADOS TÉCNICOS COM GRAMADOS CUIDADOS PRÉ-PLANTIO ERRADICAÇÃO DE ERVAS DANINHAS Você deve erradicar as ervas daninhas da área a ser gramada. Esta operação pode ser feita através da capina mecânica ou

Leia mais

Projeto de Revitalização da Microbacia do Rio Abóboras Bacia Hidrográfica São Lamberto

Projeto de Revitalização da Microbacia do Rio Abóboras Bacia Hidrográfica São Lamberto Projeto de Revitalização da Microbacia do Rio Abóboras Bacia Hidrográfica São Lamberto Autores: Emílio Rodrigues Versiani Junior 1 Geraldo Aristides Rabelo Nuzzi Andréa Rodrigues Fróes Resumo O Projeto

Leia mais

O Plano Nacional de Recursos Hídricos e as Mudanças climáticas

O Plano Nacional de Recursos Hídricos e as Mudanças climáticas Workshop Adaptação às mudanças climáticas e os desafios da gestão ambiental integrada no Brasil O Plano Nacional de Recursos Hídricos e as Mudanças climáticas Diretoria de Recursos Hídricos Ministério

Leia mais