Martin André Arnold Dill. Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica PIBIC/CNPq - UNIJUÍ

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Martin André Arnold Dill. Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica PIBIC/CNPq - UNIJUÍ 2008-2009"

Transcrição

1 Martin André Arnold Dill Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica PIBIC/CNPq - UNIJUÍ Framework para Desenvolvimento de Aplicações maemo para Dispositivos Móveis Relatório Final de Atividades apresentado ao Comitê Científico da Universidade Regional do Noroeste do Estado do RS Orientador: Prof. Dr. Paulo Sérgio Sausen Departamento de Tecnologia - DeTEC Ijuí Agosto de 2009

2 Sumário Introdução INTRODUÇÃO AO MAEMO Principais Tecnologias Envolvidas GTK+ e Hildon D-Bus LibOSSO FERRAMENTAS UTILIZADAS PARA O DESENVOLVIMENTO maemo SDK Scratchbox Xephyr (X Window Server) LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO UTILIZADAS PYTHON PARA MAEMO Módulos Python Exemplo de Aplicação Python para maemo FRAMEWORK PARA DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES PROGRAMA PARA MONITORAMENTO DE SUBESTAÇÃO Base de dados Web Service Aplicação Módulos de Monitoramento em Tempo Real Módulo de Consulta à Base Módulo de Procura de Erros Configurações CRONOGRAMA DE ATIVIDADES CONSIDERAÇÕES FINAIS BIBLIOGRAFIA

3 Introdução A computação encontra-se diante de uma importante revolução. Um exemplo disso é a miniaturização de componentes eletrônicos como memórias e processadores, permitindo assim a construção de dispositivos pequenos e portáteis, como os atuais telefones celulares, PDAs, tablet PCs e Internet tablets. Outro ponto interessante nesse escopo foi o aumento do poder computacional desses dispositivos. Essa característica possibilitou aos mesmos executarem aplicações cada vez mais complexas, como por exemplo, jogos eletrônicos, tanto em 2D quanto em 3D, aplicações de multimídia, dentre outras. Um destes dispositivos é o NOKIA N800, da família dos Internet Tablets, dispositivo utilizado neste projeto, que roda sob uma plataforma Linux chamada maemo. O maemo é um sistema operacional desenvolvido especialmente para rodar em dispositivos móveis, foi desenvolvido sob a plataforma Linux, baseado na distribuição Linux Debian. Maemo é de código aberto e foi desenvolvido sob a arquitetura ARM (Acorn RISC Machine), ARM é uma arquitetura utilizada especialmente por dispositivos móveis por ser simples, barata e possuir um baixo consumo de energia, comparado às arquiteturas dos computadores desktop, como, por exemplo, a arquitetura x86, arquitetura amplamente utilizada nos computadores pessoais.[1] A plataforma maemo foi anunciado no final de 2004 e lançado em 2005, com o Nokia 770 Internet Tablet. Em 2006, maemo 2.0 foi introduzido, com duas revisões posteriores (codinomes Mistral, Scirocco e Gregalle, respectivamente). No início de 2007, maemo 3.0 (codinome Bora) foi lançado juntamente com o tablet Nokia N800, com muitos aprimoramentos, permitindo o uso de novas ferramentas. No fim de 2007, a versão 4.0 da plataforma maemo (codinome Chinook) foi anunciada e rapidamente lançada juntamente com o novo tablet, Nokia N810, consolidando assim os desenvolvimentos que aconteceram com o maemo 2.2 e 3.0. Este projeto tem como principal objetivo a construção de um framework para desenvolvimento de aplicações maemo, este auxiliará qualquer um que deseja desenvolver aplicações para maemo sem precisar gastar muitos meses aprendendo sobre o sistema e suas características, o que torna mais prático e eficiente o desenvolvimento. Após um período inicial de estudo da plataforma maemo, necessário para o correto andamento do projeto, foi desenvolvida uma aplicação utilizando o framework proposto comprovando a sua eficiência. Esta aplicação, na verdade, é parte de um sistema maior, desenvolvido em outros projetos do Grupo de Automação Industrial e Controle (GAIC), a aplicação desenvolvida restringe-se ao monitoramento remoto de uma subestação de energia a partir de um dispositivo móvel, neste caso, o NOKIA N800. Mais detalhes sobre este dispositivo bem como seu sistema operacional podem ser obtidos na página do projeto (http://www2.unijui.edu.br/~maemo). 3

4 1 INTRODUÇÃO AO MAEMO 1.1 Principais Tecnologias Envolvidas Nesta sessão serão apresentadas as principais tecnologias envolvidas na plataforma maemo, essenciais para o desenvolvimento de aplicações neste ambiente. Primeiramente serão apresentados os principais frameworks para a construção das interfaces gráficas (GTK+ e Hildon) e manipulação de eventos que utilizam interface com o usuário (janelas, caixas de texto, alertas e etc.). Também será apresentada a tecnologia D-Bus, uma solução simples, porém muito poderosa usada na comunicação entre processos no sistema operacional, estes processos, que normalmente são aplicativos, conversam entre si, D-Bus utiliza um sistema de mensagens simples e eficientes, economizando processamento e aumentando o desempenho do sistema operacional maemo. Por fim será descrita a LibOSSO, uma biblioteca importante e de baixo nível pertencente ao D-Bus que realiza funções (que serão explicadas no item 1.1.3) nos aplicativos e tem conhecimento de acontecimentos à nível de hardware e pode ser útil para avisar os aplicativos sobre possíveis erros no sistema GTK+ e Hildon O maemo foi desenvolvido sob a plataforma GTK+ (GIMP Toolkit) que é uma biblioteca de elementos de interface gráfica (widgets), escrita em C e orientada a objetos, para o desenvolvimento de aplicações baseadas em janelas, muito utilizadas em ambiente Linux. O maemo também utiliza um framework chamado Hildon, desenvolvido pela Nokia e baseado nas tecnologias Gnome/GTK+, a fim de melhorar o desenvolvimento das aplicações para maemo, oferecendo uma extensa quantidade de ferramentas D-Bus Para a comunicação entre processos no sistema maemo é utilizada a tecnologia D-Bus (o D originalmente vem de "Desktop"). O D-Bus é um sistema de barramento de mensagens, que é um meio simples para a comunicação entre aplicativos. Além da comunicação entre processos (IPC, Inter Process Communication), o D-Bus ajuda a coordenar o ciclo de duração do processo; tornando mais simples e confiável a codificação de um aplicativo ou demonstrativo de "evento único" executando-os sob demanda quando seus serviços são necessários. A maior área de problema que o D-Bus objetiva resolver ou mesmo facilitar a comunicação entre aplicações de software desktop (geralmente gráficas). O D-Bus tem um papel muito importante no maemo, visto que é o mecanismo de IPC a ser usado para utilizar os serviços disponibilizados na plataforma (e dispositivos). Prover serviços sobre D-Bus é também a maneira mais simples de garantir reuso de componentes de outras aplicações.[2, 3] 4

5 1.1.3 LibOSSO A LibOSSO é uma biblioteca amplamente utilizada pelos aplicativos projetados para Maemo deverão utilizar. Ela proporciona um mecanismo de notificação para aplicativos de maneira que podem ser encerrados tranquilamente no caso de encerramento do sistema ou falta de memória. Além disso, a LibOSSO isola convenientemente o aplicativo de possíveis mudanças de implementação no nível do D- Bus. A LibOSSO também proporciona funções úteis para manusear recursos de gravação automática e gravação do estado da plataforma, mudanças no modo do dispositivo e estado do hardware do processo e outros eventos importantes que acontecem em dispositivos do tipo Internet Tablet. [4] 2 FERRAMENTAS UTILIZADAS PARA O DESENVOLVIMENTO Nesta sessão serão apresentadas e descritas todas as ferramentas utilizadas no desenvolvimento de aplicações para maemo, maemo SDK, Scratchbox e Xephyr. Estes softwares são livres de custo e podem ser instalados em um sistema operacional GNU/Linux, neste projeto utilizaremos o Sistema Operacional Ubuntu 8.04 LTS. 2.1 maemo SDK Aplicações maemo podem ser desenvolvidas diretamente no ambiente desktop, usando o maemo SDK (Kit de Desenvolvimento de Software). O maemo SDK constitui de um conjunto de bibliotecas e ferramentas que permitem o desenvolvimento de aplicações para Maemo e Internet Tablets. Este SDK deve ser instalado em um ambiente Scratchbox para que possa ser útil, pois o maemo, como dito anteriormente, foi desenvolvido sob a arquitetura ARM, diferentemente dos computadores de propósito geral que, na maioria, utilizam a arquitetura x86. Por isso deve-se instalar o maemo SDK em um ambiente Scratchbox, que serve como um emulador e compilador para outras arquiteturas assim permitindo que o maemo SDK funcione corretamente.[1, 12] 2.2 Scratchbox Scratchbox é um toolkit de compilação para diversas arquiteturas destinada a tornar o desenvolvimento de aplicações para Linux embarcado mais fácil. Ela também fornece um conjunto completo de ferramentas para integrar e compilar toda uma distribuição Linux.[13] A idéia básica no uso do Scratchbox é utilizar outro processador denominado HOST para compilar software para qualquer outra plataforma que será o alvo e que usa para uma arquitetura diferente, este processador alvo é denominado TARGET. Isto significa que a máquina na qual você está compilando o software nativamente não pode executar o software compilado. O software é compilado para outro processador, no nosso caso, o processador ARM. Em resumo, o Scratchbox permite criar, compilar e executar programas de uma determinada arquitetura (i.e., ARM) em uma máquina com a arquitetura x86. Com isso é obtida uma significativa economia, pois não existe a necessidade do equipamento alvo durante o desenvolvimento das aplicações. 5

6 2.3 Xephyr (X Window Server) O X Window Server proporciona um ambiente básico para a construção de ambientes GUI: desenho e janelas que se deslocam na tela, interagindo com um mouse e/ou teclado. O servidor X no X Window Server reúne usuário, entrada (teclado, mouse) e passa ao conhecimento de aplicações X, chamada X cliente. O servidor X fornece também uma maneira de mostrar aos clientes X a saída gráfica. Na Figura 01 há um pequeno exemplo de como o servidor X funciona, na área de trabalho do usuário situam-se os dispositivos de entrada (mouse e teclado) e também a saída gráfica (monitor), estes estão ligados ao servidor X que recebe estes dados e os envia para os clientes (browser e xterm), que são aplicações, então o servidor X recebe a resposta dos clientes e atualiza o estado das aplicações clientes para o usuário na área de trabalho. Também pode ser observado na Figura 01 que os clientes podem situar-se tanto na mesma máquina, quanto na rede. Figura 01. Exemplificação do funcionamento do X Server. (http://lions-wing.net/lessons/remote/x_client_server_example.png) É instalado o Servidor X porque será necessário executar os aplicativos que desenvolvemos após instalar o SDK. E este exibirá o sistema Maemo e as aplicações desenvolvidas para fazer os devidos testes e sabermos se o programa está rodando corretamente. Existem variadas opções de servidores X que podem ser usados, um deles é o Xephyr, que é o servidor x utilizado em nosso projeto. 3 LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO UTILIZADAS A linguagem C/C++ é a única linguagem reconhecida oficialmente para o desenvolvimento de aplicações maemo, o compilador C/C++ já vem incluído no maemo SDK para que os programas depois de escritos já possam ser compilados e testados no próprio Scratchbox. Conforme a TARGET escolhida, que será o computador alvo para qual o código será compilado, seja x86 ou ARM, o compilador trabalha o código para a arquitetura selecionada, a TARGET x86 é utilizada para compilar e testar os programas no Scratchbox, depois de concluída a etapa de desenvolvimento, pode-se utilizar a 6

7 TARGET para compilar para a arquitetura ARM, que é a arquitetura do tablet, destino final da aplicação. É possível utilizar outras linguagens para o desenvolvimento, uma delas é a linguagem Python. Python é uma linguagem de programação de alto nível interpretada, interativa, orientada a objetos e de tipagem dinâmica e forte, é muito conhecida por ter uma sintaxe muito simples e ser muito poderosa, oferecendo vários recursos. O interpretador Python não é nativo ao maemo SDK nem ao sistema maemo dos Internet Tablets, mas este é facilmente encontrado para download no site oficial do Python para maemo (http://pymaemo.garage.maemo.org/), além da documentação e todo material necessário para iniciar o desenvolvimento de aplicações. 4 PYTHON PARA MAEMO O desenvolvimento de aplicações com a linguagem de programação Python é semelhante, senão idêntica, à programação em C/C++, em Python, foi criado um módulo especifico para a criação de interfaces gráficas baseado em GTK+ do C/C++. Esse módulo possui todas as classes, métodos e propriedades do Tool Kit escrito em C, o que facilita muito o desenvolvimento, por ser uma linguagem de altíssimo nível e com objetivo de facilitar a vida do programador. Resultados preliminares desde projeto mostram que o desenvolvimento de programas em Python acaba por se tornar muito mais simples que C, por não haver necessidade de escrever tanto código e a linguagem ser mais simples de ser declarada.[6] 4.1 Módulos Python Cada arquivo contendo código Python é denominado um módulo. Na grande maioria dos casos utiliza-se um ou mais módulos Python em combinação: o interpretador interativo é adequado para realizar experimentos curtos, mas não para escrever código de produção. Um módulo Python consiste de código-fonte contido em um arquivo denominado com a extensão.py, como tal, pode conter variáveis, funções e classes. Para fins de nomenclatura, qualquer um destes elementos contidos em um módulo é considerado um atributo do módulo. Python, através do módulo, oferece excelentes mecanismos para modular código-fonte. Esta modularização pode ter diversas motivações: o programa pode ser extenso demais, ter partes reutilizáveis que devem ser separadas, ou ainda necessitar de módulos escritos por terceiros. Para utilizar o código de um módulo em uma aplicação Python o comando import é utilizado. Como dispositivos portáteis dispõem de recursos limitados (quando comparados aos computadores desktop ou notebook), foram feitas modificações no Python a fim de torná-lo mais rápido e estável, portanto vários módulos foram removidos do Python para Maemo. Os seguintes módulos foram removidos: test ctypes/test sqlite3/test /test _ctypes_test.so 7

8 _testcapi.so linuxaudiodev.so ossaudiodev.so audioop.so lib-tk bsddb idlelib Os seguintes módulos foram removidos, mas são oferecidos por outros módulos: pyexpat.so xmldom xmlsax xmlparsers Os seguintes módulos são precários, instáveis e/ou inseguros, portanto o uso destes não é aconselhável [5]: dbhash curses posixfile getpass macpath macurl2path os2emxpath, nturl2path, pty pyclbr rexec rlcompleter statvfs stringold telnetlib this toaiff tty user xdrlib aifc audiodev sunaudio sunau 4.2 Exemplo de Aplicação Python para maemo Nesta sessão será apresentado um pequeno exemplo de aplicação para Maemo utilizando a linguagem de Programação Python, utilizando os módulos GTK+ e Hildon, mais detalhes podem ser encontrados no site oficial do Python para maemo: Este programa é simples e serve para mostrar um pouco da sintaxe do Python, este exemplo cria uma janela para a aplicação e insere um rótulo (texto) escrito Hello World, o código está logo abaixo e a saída da execução deste programa é ilustrada na Figura 02. 8

9 #!/usr/bin/env python2.5 import gtk import hildon class HelloWorldApp(hildon.Program): def init (self): hildon.program. init (self) self.window = hildon.window() self.window.connect("destroy", gtk.main_quit) self.add_window(self.window) label = gtk.label("hello World!") self.window.add(label) label.show() def run(self): self.window.show_all() gtk.main() app = HelloWorldApp() app.run() Esta aplicação exemplo ao ser executada será exibida como na imagem abaixo. Figura 02. Exemplo de Aplicação Maemo Utilizando Python (http://test.maemo.org/platform/docs/pythonbora/images/pymaemo_bora/hello_world_3_small.jpg) 5 FRAMEWORK PARA DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES Após o estudo inicial do sistema operacional maemo e a familiarização com o ambiente de desenvolvimento de software, foi desenvolvido o Framework para desenvolvimento de aplicações maemo, este framework foi desenvolvido totalmente sob plataformas livres de custo, o que torna o desenvolvimento totalmente viável para qualquer pessoa que desejar utilizá-lo. 9

10 O desenvolvimento inicial de aplicações acontece em ambiente desktop, o que elimina a necessidade de possuir um dispositivo móvel N800. Neste Framework, o sistema operacional escolhido para portar as tecnologias que serão utilizadas no desenvolvimento de aplicações é o Linux Ubuntu 8.04 LTS, esta distribuição Linux foi escolhida pois possui melhor suporte ao usuário, mais softwares compatíveis e ser uma distribuição estável, porém outras distribuições Linux podem ser utilizadas. No sistema operacional da máquina, foi instalado o Scratchbox, software descrito no item 2.2, responsável pela emulação de distribuições Linux (maemo) que rodam sob outras arquiteturas (i.e., ARM) e compilação de softwares para estas arquiteturas. Este software é extremamente necessário, pois sem ele não é possível rodar o maemo SDK. Sobre o Scratchbox foi instalado o maemo SDK, kit para desenvolvimento de aplicações maemo, com esta ferramenta e o auxilio do Scratchbox, é possível emular o maemo e suas funcionalidades necessárias para o desenvolvimento de softwares. Com estes três itens, já é possível iniciar o desenvolvimento das aplicações, porém ainda resta escolher uma linguagem de programação a ser utilizada para o desenvolvimento, neste framework, a linguagem de programação Python (explicada e exemplificada no item 4) foi a escolhida. Também é possível utilizar a linguagem de programação C para o desenvolvimento das aplicações, as ferramentas necessárias para a compilação e execução das aplicações maemo na linguagem C já estão presentes no maemo SDK, estas variações são possíveis e tornam o framework flexível, possibilitando novas opções de desenvolvimento. Este framework e suas partes integrantes pode ser melhor visualizados na Figura 03. Figura 03. Framework para desenvolvimento de aplicações maemo 6 PROGRAMA PARA MONITORAMENTO DE SUBESTAÇÃO Para validar o framework proposto, foi desenvolvida uma aplicação modelo, que consiste em um subsistema móvel de monitoramento de subestações de energia elétrica, um módulo móvel, independente e remoto do Sistema de Monitoramento de Subestações de Energia Elétrica apresentado em [9] e estendido em [10] que é um projeto desenvolvido pelo Grupo de Automação Industrial e Controle (GAIC) com apoio da CEEE-D/RS. Este projeto determina inovações tecnológicas para a aquisição de sinais, processamento e transmissão através de um sistema supervisório. As principais características deste sistema, que o diferencia dos demais, são a facilidade de implementação de sistemas micro-processados, a utilização de plataforma 10

11 de desenvolvimento gratuita, implementação economicamente viável no nível de hardware e software, portabilidade, mobilidade e segurança, por possuir diversas rotas de comunicação e possibilidade de utilização de estruturas de rede já existentes. Os dados captados pela Unidade Remota de Aquisição de Dados (URAD) e pelo Módulo de Sensores Inteligentes (MSInt) são transmitidos através de Wireless para o Gateway, na qual são retransmitidos para o Servidor Remoto (SR) e Controlador Supervisório (CS) via RS 232. O SR pode transmitir os dados via protocolo MODBUS sobre TCP/IP cabeado ou Wi-Fi para o SR numa rota alternativa conforme ilustra a Figura 4. Os dados estáticos, como temperatura, podem ser transmitidos pelo MSInt que tem o diferencial de enviar dados em intervalos maiores com o objetivo de economizar as baterias. Esta variedade de rotas para a aquisição de dados denota segurança neste processo do sistema. Na Figura 4 pode ser visto o sistema com as três subdivisões interconectadas: Subsistema de Aquisição de Dados, Subsistema Servidor Remoto e Subsistema Controlador Supervisório. Figura 04. Arquitetura do Sistema de Monitoramento de Subestações Elétricas. O subsistema de monitoramento móvel, que é a aplicação desenvolvida neste projeto, foi desenvolvido em três níveis, o primeiro nível é o SGBD, que possui a base de dados onde estão armazenados todas as grandezas coletadas pela URAD, o segundo nível é o Web Service (WS), que contém todos os métodos necessários para a leitura dos dados na base e a linguagem para comunicar-se com a aplicação e enviar os dados para a mesma. O terceiro nível é composto por uma aplicação, que o usuário utilizará para monitorar a subestação de energia a partir do NOKIA N800 com o Sistema Operacional maemo. Na Figura 5 é mostrada a organização do sistema, com o módulo de monitoramento móvel agregado e a identificação dos níveis deste sistema. 11

12 Figura 05 - Modelo organizacional do sistema de monitoramento de subestações de energia elétrica incluindo o subsistema móvel. 6.1 Base de dados A utilização de um SGBD, hoje em dia, é essencial para o desenvolvimento de sistemas, ele propicia muitos benefícios e entre eles estão: maior velocidade na recuperação de dados, grande capacidade de indexação, controle de inconsistência dos dados, maior segurança e múltiplas transações (pode-se ler e gravar no banco de dados ao mesmo tempo). Todas essas características não estão presentes em um sistema de arquivos tradicional, neste caso, como se trata de uma aplicação em tempo real, as gravações no banco de dados devem ser rápidas, para que o usuário não receba dados antigos na aplicação[11]. O SGBD utilizado neste projeto é o IBM DB2 Express-C, na Base de dados há uma tabela principal que guarda todos os dados captados pela URAD (i.e., TA, TB, TC, CA, CB, CC, FP, PA, PAP), por meio dela, o WS consegue recuperar todos os dados necessários para a aplicação, um descritivo completo destas grandezas pode ser consultado em [10]. 6.2 Web Service O WS é o nível que se situa entre a base de dados e a aplicação, WS é uma solução utilizada na integração de sistemas e na comunicação entre aplicações diferentes. Com esta tecnologia é possível que novas aplicações possam interagir com aquelas que já existem e que sistemas desenvolvidos em plataformas diferentes sejam compatíveis. Permite também que as diferentes partes desse subsistema residam em máquinas distintas e não necessitem estar próximas fisicamente. Com esse sistema é possível acessar os dados em qualquer lugar que exista uma conexão com a Internet, a aplicação poderá conversar com o WS e requisitar os dados. Um WS baseia-se no protocolo SOAP (Simple Object Access Protocol). SOAP é um protocolo utilizado para troca de informações estruturadas em uma plataforma descentralizada e distribuída, utilizando tecnologias baseadas em XML [7,8]. O WS desenvolvido para o subsistema de monitoramento possui a função de fazer as negociações entre os dois níveis (aplicação e SGBD) através da Internet. O WS é instalado no mesmo microcomputador onde se situa a base de dados, e este deve ter um endereço Internet Protocol (IP) válido, para que possa ser acessado pela aplicação. 6.3 Aplicação A aplicação de monitoramento da subestação, projetada para ser executada no dispositivo móvel NOKIA N800, foi desenvolvida utilizando o framework proposto, utilizando a linguagem de programação Python. Ao executar a aplicação, a janela principal é carregada, contendo doze botões, nove deles carregam as telas com os gráficos para a visualização das nove grandezas coletadas pela subestação (i.e., TA, TB, TC, CA, CB, CC, FP, PA, PAP), um botão para um módulo de consulta á base, outro módulo de procura de erros e, por ultimo, o botão para a tela de Configurações. 12

13 6.3.1 Módulos de Monitoramento em Tempo Real As nove telas para a geração dos gráficos seguem o mesmo princípio, ao clicar em um dos botões, uma nova tela é carregada e está organizada da seguinte forma: na parte superior está o título da janela, no meio, ocupando a maior parte da tela, está o gráfico que exibe os dados recebidos do WS, e na parte inferior, uma área reservada para emitir avisos/alarmes previamente configurados na aba de configuração (veja Figura 12). Ao carregar uma tela, os limites das grandezas e as configurações da base de dados são carregados e se inicia a conexão com o banco de dados. Internamente, uma função que realiza a chamada para o Web Service, manipula os dados recebidos, gera o gráfico e atualiza a tela do programa é chamada periodicamente, em um intervalo de tempo que pode ser definido pelo usuário na aba Configurações. Os dados serão recebidos e exibidos até que o usuário abandone a tela. O programa recupera sempre os últimos dados que foram inseridos na base (últimos dados coletados pela URAD), ou seja, resgata os últimos 20 registros da subestação em tempo real. A tela que exibe a grandeza Tensão com as fases A, B e C (veja Figura 6), possui mais duas informações ao usuário: A tensão mais alta e baixa que foram recebidas desde que a conexão foi iniciada. Os avisos possíveis na tela Tensão fases A, B e C são: sobre e sub tensão. A tela Corrente, semelhante à tela Tensão (ver Figura 6), com as fases A, B e C exibe somente avisos de sobrecarga. Os limites das grandezas Tensão e Corrente são variáveis, portanto podem ser modificadas na aba Configurações de acordo com os limites que o usuário desejar. As telas que exibem a Potência Ativa, Potência Aparente e Fator Potência não emitem nenhum tipo de aviso, apenas exibem os dados coletados pelo WS na base de dados. Na Figura 6 é mostrado um gráfico com os valores online da Tensão na Fase A. Figura 06. Tela Tensão Fase A da aplicação de monitoramento móvel de subestação Módulo de Consulta à Base Após o desenvolvimento dos módulos de monitoramento em tempo real (Tensões, Correntes e Potências), foi desenvolvido um novo módulo, cujo objetivo é realizar consultas para analisar situações anteriores da subestação. Este módulo será de grande utilidade para o operador da subestação, que não necessitará estar atento o tempo todo á subestação. 13

14 Ao clicar no botão Consultar Base, na Tela principal do programa, uma nova tela é exibida, contendo um formulário (ver Figura 07) com as seguintes opções: Grandeza, data, hora inicial, hora final e numero de registros. Na opção grandeza é selecionada a grandeza que será consultada na base de dados (Tensões, Correntes, Potências), na opção data, deve ser informado a data a ser consultada, na opção hora inicial, deve-se informar a hora em que se iniciará a consulta. Das ultimas duas opções, hora final e número de registros, apenas uma pode ser escolhida. Escolhendo a opção hora final, deve-se informar a hora em que terminará a consulta, formando então um intervalo de consulta baseados na hora inicial e final. Ao clicar no botão gerar gráfico será exibido um gráfico (ver Figura 08) mostrando a média aritmética de cada minuto no intervalo definido. Entretanto se a opção número de registros for escolhida, a opção ser selecionada é a quantidade de registros a serem exibidos a partir da hora inicial, então será exibido em formato de gráfico os primeiros n registros resultantes da base a partir da hora inicial. Figura 07. Formulário de Consulta à Base de Dados Módulo de Procura de Erros Figura 08. Gráfico da Consulta à Base Após a conclusão do módulo de consulta à base de dados, foi desenvolvido um novo módulo, que é o módulo de Procura de Erros. Um dos principais objetivos do sistema de monitoramento de subestações é analisar as grandezas coletadas a fim de 14

15 encontrar erros, e a partir destes erros, localizar as possíveis causas e melhorar a distribuição de energia para que estes erros não mais ocorram, e este módulo de procura de erros facilitará ainda mais esta tarefa. O módulo de procura de erros visa encontrar as sub-tensões, sobre-tensões e sobrecargas ocorridas em um intervalo de tempo definido pelo usuário. Para um dado de grandeza ser classificado como um erro, ele deve estar fora da faixa de valores de limite definidos na tela de configurações. Ao clicar no botão Ocorrência de erros uma nova tela contendo um formulário é carregada (ver Figura 09), neste formulário há as seguintes opções a serem selecionadas: Grandeza, define qual será a grandeza pela qual serão procurados os erros, podem ser escolhidas as tensões, correntes ou, até mesmo, todas estas opções. Ao escolher uma tensão ou uma corrente, deve-se escolher o tipo de erro à ser procurado, os erros possíveis são sub-tensão e sobre-tensões para as Tensões e sobrecarga para as Correntes, ao escolher a opção todas todos os erros serão procurados. As outras três opções Data, Hora Inicial e Hora Final são referentes ao intervalo de tempo em que serão procurados estes erros. Figura 09. Formulário Ocorrência de Erros Ao escolher todas as grandezas, informar o intervalo de tempo e clicar no botão Procurar Ocorrências, uma requisição é feita para o Web Service, que procurará na base de dados todos os erros das Tensões e Correntes, e exibirá uma nova tela exibindo os tipos de erros e a quantidade de erros encontrados, esta tela é exibida na Figura 10. Figura 10. Tela de Erros Encontrados 15

16 Ao clicar em um dos botões de Ver Ocorrências serão carregadas as informações sobre os erros em uma nova janela, em formato de tabela, os erros disponíveis são: Hora inicial do erro, Hora final do erro, Valor Médio (Volts), e Valor do Pico (Volts), um exemplo desta tela pode ser visto na Figura 11. Figura 11. Tabela de informações sobre os erros. Ao escolher apenas uma grandeza para exibição dos erros, a tabela de Erros será exibida de forma direta, pois se trata apenas de uma grandeza e um tipo de erro Configurações Na aba de Configurações, é possível editar os limites das grandezas e as configurações da base de dados. Na aba Limites é possível configurar a tensão nominal da subestação (Volts), os limites de sub e sobre tensão (%), o limite de sobrecarga (Amperes) e também o intervalo de tempo (segundos) em que será atualizado os dados nos gráficos. Na aba Base de dados é possível alterar o endereço IP do servidor do WS, o nome da base de dados, o usuário e a senha para acessar a base. Estas configurações não são registradas em uma base de dados, por serem poucos bytes de informação, portanto foi utilizado um arquivo seqüencial (arquivo de texto) para armazenar essas configurações e este fica salvo no diretório raiz da aplicação. Figura 12. Tela Configurações, rodando no ambiente Scratchbox (aba Limites selecionada). 16

17 7 CRONOGRAMA DE ATIVIDADES As atividades desenvolvidas no projeto foram realizadas de acordo com o cronograma de atividades proposto (ver Tabela 01). Os itens um e dois que são a revisão bibliográfica sobre o sistema operacional maemo e o estudo do ambiente de desenvolvimento de softwares para maemo já foram totalmente concluídos. Nestas etapas foram instalados todos os softwares e ferramentas necessárias para o desenvolvimento das aplicações para maemo (maemo SDK, Scratchbox e Xephyr), também foi efetuada a revisão sobre o sistema operacional e todos seus principais componentes (GTK+, Hildon, D-Bus e etc.). O conhecimento nas linguagens de programação C/C++ e Python foram fortalecidos e muitos exemplos de aplicações para maemo foram criados, compilados e executados tanto no maemo SDK quanto no dispositivo alvo (Nokia N800). Um site com todo o material pesquisado até aqui, incluindo exemplos de aplicações para maemo em C/C++ e Python, tutoriais de instalação das ferramentas para o desenvolvimento pode ser acessado em O framework de desenvolvimento foi estruturado, então utilizando este framework foi desenvolvida a aplicação modelo, após o desenvolvimento em ambiente desktop a aplicação foi instalada e configurada no Internet Tablet N800 com sucesso, como pode ser visto na Figura 13. A publicação dos resultados está descrita no item oito deste relatório. Figura 13. Nokia N800 rodando aplicação de monitoramento de subestação. Atividades 1. Revisão bibliográfica e estudos iniciais sobre o sistema operacional maemo/symbian; 2. Estudo do ambiente de desenvolvimento de softwares da plataforma maemo; 3. Definição da aplicação a ser desenvolvida no maemo SDK; 4. Estruturação e montagem inicial do framework e desenvolvimento de uma aplicação modelo; 5. Instalação e configuração da aplicação em um dispositivo móvel (i.e., smartphone 17

18 ou tablet); 6. Publicação dos resultados da pesquisa e elaboração do relatório final das atividades desenvolvidas no projeto; Atividades 10/08 11/08 12/08 01/09 02/09 03/09 04/09 05/09 06/09 07/09 1 x x x 2 x x x x 3 x x x 4 x x x 5 x x x 6 x x x Tabela 01: Cronograma de atividades do projeto. 8 CONSIDERAÇÕES FINAIS A partir dos resultados parciais deste projeto, foi submetido um artigo para o evento: Brazilian Conference on Dynamics Control and Applications DINCON 09, com título: Automação de Subestações de Energia Elétrica Utilizando Dispositivos Móveis, o artigo foi aceito e consta nos anais do evento como artigo completo, este também foi apresentado no evento que aconteceu na Universidade Estadual de São Paulo - UNESP na cidade de Bauru, nos dias 18 a 22 de Maio. Também está sendo desenvolvido um novo recurso que permitirá que a aplicação seja alertada pelo servidor quando houver falhas na subestação, para isso um novo módulo será desenvolvido e ficará disponível no servidor, para que quando ocorrerem falhas, este possa enviar avisos à aplicação. Para o desenvolvimento desta nova rotina será utilizada a Linguagem Java, Java possui mais recursos e, por esta razão, é mais indicada para o desenvolvimento deste módulo. Outra atividade de continuidade deste projeto é a troca do Web Service do módulo remoto, inicialmente escrito em Python, por um Web Service mais robusto, em Java, que oferecerá melhores recursos para a troca de informações, o principal motivo da troca é a limitação do módulo para captura de dados na base de dados do servidor causadas por falhas nos módulos integrantes que constituíam este Web Service. As atividades mencionadas como extensão do projeto inicial serão iniciadas no novo período de bolsa (renovação). Cabe ressaltar que pretendemos, a partir do término deste projeto (conclusão do cronograma apresentado na Tabela 01) submeter um novo artigo (extensão do artigo do DINCON), com as novas opções da aplicação modelo para a revista do CCEI, que atualmente é classificada como B3 Interdisciplinar WebQualis. 9 BIBLIOGRAFIA [1] Fórum Nokia. (s.d.). Acesso em 09 de Fevereiro de 2009, disponível em [2] Fórum Nokia. (s.d.). Acesso em 10 de Fevereiro de 2009, disponível em 18

19 [3] Introdução ao D-Bus. (s.d.). Acesso em 10 de Fevereiro de 2009, disponível em Free Desktop: [4] Mobile Linux Internet Project. (s.d.) Acesso em 10 de Fevereiro de 2009, disponível em: [5] Módulos e comando import. (s.d.). Acesso em 13 de Fevereiro de 2009, disponível em Async Open Source : [6] Using Python for maemo. (s.d.). Acesso em 15 de Fereveiro de 2009, disponível em Python for maemo: owto.html [7] Rommel, Marcus. Simple Object Access Protocol - Entendendo o Simple Object Access Protocol (SOAP) [8] W3Schools, SOAP Tutorial Acesso em 01 de Abril de 2009, disponível em soap/default.asp [9] Salvadori, F.; Sausen, P.S.; Hartmann, L.V.; Campos M., Padoin, E.L; Acquisition And Transmission Data Monitoring System Applied To Energy Substation, Industrial Informatics, INDIN Proceedings. IEEE International Conference on Aug Page(s):60 64, Banff, Alberta, Canada. [10] Padoin, E. L., Salvadori, Fabiano, Campos, Maurício de, Sausen, Paulo Sérgio, Dill, Sérgio Luis, Idalencio, T. A.. Mobilidade no Monitoramento de Subestações Elétricas através de Serviços Web. In: VI SIRC - Simpósio de Informática da Região Centro do RS, 2007, Santa Maria. VI SIRC - Simpósio de Informática da Região Centro do RS, [11] Navathe; Elmasri. Sistema de Banco de Dados: Fundamentos e Aplicações. Terceira Edição. Editora LTC, 2002, P 795. [12] maemo.org. (s.d.). Acesso em 09 de maio de 2009, disponível em [13] Scratchbox. (s.d.). Acesso em 09 de maio de 2009, disponível em 19

20 20

FRAMEWORK PARA DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES MAEMO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS

FRAMEWORK PARA DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES MAEMO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS FRAMEWORK PARA DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES MAEMO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS Martin Dill 1, Paulo Sérgio Sausen 1, Sérgio Luis Dill 1, Edson Luis Padoin 1, Maurício de Campos 1 1 Unijuí, Ijuí, Brasil, {martin.dill,sausen,dill,padoin,campos}@unijui.edu.br

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

Para funcionamento do Netz, alguns programas devem ser instalados e alguns procedimentos devem ser seguidos. São eles:

Para funcionamento do Netz, alguns programas devem ser instalados e alguns procedimentos devem ser seguidos. São eles: Instalação do Netz Para funcionamento do Netz, alguns programas devem ser instalados e alguns procedimentos devem ser seguidos. São eles: Instalação do Java SE 6, que pode ser instalado através da JDK.

Leia mais

Sumário 1. SOBRE O NFGoiana DESKTOP... 3 1.1. Apresentação... 3 1.2. Informações do sistema... 3 1.3. Acessando o NFGoiana Desktop... 3 1.4.

Sumário 1. SOBRE O NFGoiana DESKTOP... 3 1.1. Apresentação... 3 1.2. Informações do sistema... 3 1.3. Acessando o NFGoiana Desktop... 3 1.4. 1 Sumário 1. SOBRE O NFGoiana DESKTOP... 3 1.1. Apresentação... 3 1.2. Informações do sistema... 3 1.3. Acessando o NFGoiana Desktop... 3 1.4. Interface do sistema... 4 1.4.1. Janela Principal... 4 1.5.

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

Grifon Alerta. Manual do Usuário

Grifon Alerta. Manual do Usuário Grifon Alerta Manual do Usuário Sumário Sobre a Grifon Brasil... 4 Recortes eletrônicos... 4 Grifon Alerta Cliente... 4 Visão Geral... 4 Instalação... 5 Pré-requisitos... 5 Passo a passo para a instalação...

Leia mais

Informática. Informática. Valdir

Informática. Informática. Valdir Informática Informática Valdir Questão 21 A opção de alterar as configurações e aparência do Windows, inclusive a cor da área de trabalho e das janelas, instalação e configuração de hardware, software

Leia mais

Índice. Para encerrar um atendimento (suporte)... 17. Conversa... 17. Adicionar Pessoa (na mesma conversa)... 20

Índice. Para encerrar um atendimento (suporte)... 17. Conversa... 17. Adicionar Pessoa (na mesma conversa)... 20 Guia de utilização Índice Introdução... 3 O que é o sistema BlueTalk... 3 Quem vai utilizar?... 3 A utilização do BlueTalk pelo estagiário do Programa Acessa Escola... 5 A arquitetura do sistema BlueTalk...

Leia mais

5 Mecanismo de seleção de componentes

5 Mecanismo de seleção de componentes Mecanismo de seleção de componentes 50 5 Mecanismo de seleção de componentes O Kaluana Original, apresentado em detalhes no capítulo 3 deste trabalho, é um middleware que facilita a construção de aplicações

Leia mais

Sistema Operacional Unidade 4.2 - Instalando o Ubuntu Virtualizado

Sistema Operacional Unidade 4.2 - Instalando o Ubuntu Virtualizado Sistema Operacional Unidade 4.2 - Instalando o Ubuntu Virtualizado Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 CRIAÇÃO DA MÁQUINA VIRTUAL... 3 Mas o que é virtualização?... 3 Instalando o VirtualBox...

Leia mais

Manual de Utilização

Manual de Utilização Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões URI Pró-Reitoria de Pesquisa, Extensão e Pós-Graduação PROPEPG Manual de Utilização Sistema de Projetos URI Módulo Projetos Versão 1 - Revisão

Leia mais

Sincronização do Catálogo de Endereços no MDaemon 6.x com o uso do ComAgent, LDAP, MAPI e WAB

Sincronização do Catálogo de Endereços no MDaemon 6.x com o uso do ComAgent, LDAP, MAPI e WAB Sincronização do Catálogo de Endereços no MDaemon 6.x com o uso do ComAgent, LDAP, MAPI e WAB Alt-N Technologies, Ltd 1179 Corporate Drive West, #103 Arlington, TX 76006 Tel: (817) 652-0204 2002 Alt-N

Leia mais

DESENVOLVIMENTO EM DISPOSITIVOS MÓVEIS UTILIZANDO BANCO DE DADOS

DESENVOLVIMENTO EM DISPOSITIVOS MÓVEIS UTILIZANDO BANCO DE DADOS DESENVOLVIMENTO EM DISPOSITIVOS MÓVEIS UTILIZANDO BANCO DE DADOS Leandro Guilherme Gouvea 1, João Paulo Rodrigues 1, Wyllian Fressatti 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil leandrog.gouvea@gmail.com,

Leia mais

Manual do usuário - Service Desk SDM - COPASA. Service Desk

Manual do usuário - Service Desk SDM - COPASA. Service Desk Manual do usuário - Service Desk SDM - COPASA Service Desk Sumário Apresentação O que é o Service Desk? Terminologia Status do seu chamado Utilização do Portal Web Fazendo Login no Sistema Tela inicial

Leia mais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Software de Entrada e Saída: Visão Geral Uma das tarefas do Sistema Operacional é simplificar o acesso aos dispositivos de hardware pelos processos

Leia mais

Notas de Aplicação. Utilizando o servidor de comunicação SCP Server. HI Tecnologia. Documento de acesso público

Notas de Aplicação. Utilizando o servidor de comunicação SCP Server. HI Tecnologia. Documento de acesso público Notas de Aplicação Utilizando o servidor de comunicação SCP Server HI Tecnologia Documento de acesso público ENA.00024 Versão 1.02 dezembro-2006 HI Tecnologia Utilizando o servidor de comunicação SCP Server

Leia mais

Manual Software CMS. Introdução:

Manual Software CMS. Introdução: Introdução: O CMS é uma central de gerenciamento de DVRs, é responsável por integrar imagens de DVRs distintos, com ele é possível realizar comunicação bidirecional, vídeo conferência, função mapa eletrônico

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

Software de gerenciamento do sistema Intel. Guia do usuário do Pacote de gerenciamento do servidor modular Intel

Software de gerenciamento do sistema Intel. Guia do usuário do Pacote de gerenciamento do servidor modular Intel Software de gerenciamento do sistema Intel do servidor modular Intel Declarações de Caráter Legal AS INFORMAÇÕES CONTIDAS NESTE DOCUMENTO SÃO RELACIONADAS AOS PRODUTOS INTEL, PARA FINS DE SUPORTE ÀS PLACAS

Leia mais

Cogent DataHub v7.0. A próxima geração em soluções para troca de dados em tempo real

Cogent DataHub v7.0. A próxima geração em soluções para troca de dados em tempo real Cogent DataHub v7.0 A próxima geração em soluções para troca de dados em tempo real Cogent é reconhecida como uma líder no segmento de soluções de middleware no domínio do tempo real. E, com a introdução

Leia mais

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server Noções de 1 Considerações Iniciais Basicamente existem dois tipos de usuários do SQL Server: Implementadores Administradores 2 1 Implementadores Utilizam o SQL Server para criar e alterar base de dados

Leia mais

Software de segurança em redes para monitoração de pacotes em uma conexão TCP/IP

Software de segurança em redes para monitoração de pacotes em uma conexão TCP/IP Software de segurança em redes para monitoração de pacotes em uma conexão TCP/IP Paulo Fernando da Silva psilva@senior.com.br Sérgio Stringari stringari@furbbr Resumo. Este artigo apresenta a especificação

Leia mais

INFORMAÇÕES RELEVANTES...

INFORMAÇÕES RELEVANTES... SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO... 3 1.1. INFORMAÇÕES RELEVANTES... 3 2. VISÃO GERAL DO SISTEMA... 4 2.1. AUTENTICAÇÃO NO SISTEMA... ERROR! BOOKMARK NOT DEFINED. 3. INSTALANDO O MÓDULO RAAS-AD DESKTOP... 6 4.

Leia mais

INTRODUÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO PRIMEFACES MOBILE EM APLICAÇÕES JSF

INTRODUÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO PRIMEFACES MOBILE EM APLICAÇÕES JSF INTRODUÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO PRIMEFACES MOBILE EM APLICAÇÕES JSF Guilherme Macedo, Jaime Willian Dias Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil guilhermemacedo28@gmail.com, jaime@unipar.br Resumo.

Leia mais

Manual do Aplicativo - Rastreamento Veicular

Manual do Aplicativo - Rastreamento Veicular Manual do Aplicativo - Rastreamento Veicular Sumário Apresentação... 2 Instalação do Aplicativo... 2 Localizando o aplicativo no smartphone... 5 Inserindo o link da aplicação... 6 Acessando o sistema...

Leia mais

Manual de utilização do Sistema de gerenciamento de inspeção de equipamentos (SGIE) Conteúdo

Manual de utilização do Sistema de gerenciamento de inspeção de equipamentos (SGIE) Conteúdo Manual de utilização do Sistema de gerenciamento de inspeção de equipamentos (SGIE) Conteúdo Introdução... 2 Sistemática de utilização do pacote SGIE... 2 Projeto de inspeção... 2 Instalação do projeto

Leia mais

Conteúdo Programático de PHP

Conteúdo Programático de PHP Conteúdo Programático de PHP 1 Por que PHP? No mercado atual existem diversas tecnologias especializadas na integração de banco de dados com a WEB, sendo o PHP a linguagem que mais se desenvolve, tendo

Leia mais

Manual de instalação, configuração e utilização do Assinador Betha

Manual de instalação, configuração e utilização do Assinador Betha Manual de instalação, configuração e utilização do Assinador Betha Versão 1.5 Histórico de revisões Revisão Data Descrição da alteração 1.0 18/09/2015 Criação deste manual 1.1 22/09/2015 Incluído novas

Leia mais

APOSTILA LINUX EDUCACIONAL

APOSTILA LINUX EDUCACIONAL MUNICÍPIO DE NOVO HAMBURGO DIRETORIA DE INCLUSÃO DIGITAL DIRETORIA DE GOVERNO ELETRÔNICO APOSTILA LINUX EDUCACIONAL (Conteúdo fornecido pelo Ministério da Educação e pela Pró-Reitoria de Extensão da UNEB)

Leia mais

Roteiro de Instalação da NF-e no Sistema CalcExpress S U M À R I O

Roteiro de Instalação da NF-e no Sistema CalcExpress S U M À R I O Roteiro de Instalação da NF-e no Sistema CalcExpress S U M À R I O Instalação da Aplicação Java...2 Instalação do Emissor...5 Instalação do Framework...7 Instalação das DLL s URL, SCHEMAS, CADEIA DE CERTIFICADO

Leia mais

Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash

Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash Índice 1. O uso da ferramenta Flash no projeto RIVED.... 1 2. História do Flash... 4 1. O uso da ferramenta Flash no projeto RIVED. É importante, antes de iniciarmos

Leia mais

PORTAL DE COMPRAS SÃO JOSÉ DO RIO PRETO

PORTAL DE COMPRAS SÃO JOSÉ DO RIO PRETO Compra Direta - Guia do Fornecedor PORTAL DE COMPRAS SÃO JOSÉ DO RIO PRETO Página As informações contidas neste documento, incluindo quaisquer URLs e outras possíveis referências a web sites, estão sujeitas

Leia mais

Usando ferramentas já conhecidas integradas ao Visual Studio Team System 2008

Usando ferramentas já conhecidas integradas ao Visual Studio Team System 2008 Usando ferramentas já conhecidas integradas ao Visual Studio Team System 2008 White Paper Maio de 2008 Para obter as últimas informações, visite o site www.microsoft.com/teamsystem As informações contidas

Leia mais

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO 1 ÍNDICE 1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO... 3 1.1 REQUISITOS BASICOS DE SOFTWARE... 3 1.2 REQUISITOS BASICOS DE HARDWARE... 3 2 EXECUTANDO O INSTALADOR... 3 2.1 PASSO 01... 3 2.2 PASSO

Leia mais

Manual de Instalação. SafeNet Authentication Client 8.2 SP1. (Para MAC OS 10.7)

Manual de Instalação. SafeNet Authentication Client 8.2 SP1. (Para MAC OS 10.7) SafeNet Authentication Client 8.2 SP1 (Para MAC OS 10.7) 2/28 Sumário 1 Introdução... 3 2 Pré-Requisitos Para Instalação... 3 3 Ambientes Homologados... 4 4 Tokens Homologados... 4 5 Instruções de Instalação...

Leia mais

Índice. Atualizado em: 01/04/2015 Página: 1

Índice. Atualizado em: 01/04/2015 Página: 1 MANUAL DO USUÁRIO Índice 1. Introdução... 3 2. Acesso ao Sistema... 4 2.1. Instalação... 4 2.1.1. Servidor - Computador Principal... 4 2.1.2. Estação - Computador na Rede... 6 2.1.3. Estação - Mapeamento

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Processos- Clientes, Servidores, Migração Capítulo 3 Agenda Clientes Interfaces de usuário em rede Sistema X Window Software do lado cliente para

Leia mais

Sumário. Apresentação O que é o Centro de Gerenciamento de Serviços (CGS) NTI? Terminologia Status do seu chamado Utilização do Portal Web

Sumário. Apresentação O que é o Centro de Gerenciamento de Serviços (CGS) NTI? Terminologia Status do seu chamado Utilização do Portal Web Sumário Apresentação O que é o Centro de Gerenciamento de Serviços (CGS) NTI? Terminologia Status do seu chamado Utilização do Portal Web Fazendo Login no Sistema Tela inicial do Portal WEB Criando um

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 3 Virtualização de Sistemas 1. Conceito Virtualização pode ser definida

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC MONSENHOR ANTONIO MAGLIANO Código: 088 Município: Garça Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de

Leia mais

Manual do Usuário Android Neocontrol

Manual do Usuário Android Neocontrol Manual do Usuário Android Neocontrol Sumário 1.Licença e Direitos Autorais...3 2.Sobre o produto...4 3. Instalando, Atualizando e executando o Android Neocontrol em seu aparelho...5 3.1. Instalando o aplicativo...5

Leia mais

Microsoft Internet Explorer. Browser/navegador/paginador

Microsoft Internet Explorer. Browser/navegador/paginador Microsoft Internet Explorer Browser/navegador/paginador Browser (Navegador) É um programa que habilita seus usuários a interagir com documentos HTML hospedados em um servidor web. São programas para navegar.

Leia mais

MANUAL DO PVP SUMÁRIO

MANUAL DO PVP SUMÁRIO Manual PVP - Professores SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 6 2 ACESSANDO O PVP... 8 3 TELA PRINCIPAL... 10 3.1 USUÁRIO... 10 3.2 INICIAL/PARAR... 10 3.3 RELATÓRIO... 10 3.4 INSTITUIÇÕES... 11 3.5 CONFIGURAR... 11

Leia mais

MP-MOBILE. Manual do usuário

MP-MOBILE. Manual do usuário MP-MOBILE Manual do usuário MP-MOBILE - INTRODUÇÃO O MP-Mobile é o cliente de acesso personalizado ao serviço de comunicação do MPSE. O MP-Mobile foi customizado a partir de ferramenta livre, o Spark,

Leia mais

Tutorial 160 CP FBs - Elipse Scada (RS232 Protocolo MODBUS)

Tutorial 160 CP FBs - Elipse Scada (RS232 Protocolo MODBUS) Tutorial 160 CP FBs - Elipse Scada (RS232 Protocolo MODBUS) Este documento é propriedade da ALTUS Sistemas de Informática S.A., não podendo ser reproduzido sem seu prévio consentimento. Altus Sistemas

Leia mais

Nota Fiscal Paulista. Manual do TD REDF (Transmissor de Dados Registro Eletrônico de Documentos Fiscais) GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

Nota Fiscal Paulista. Manual do TD REDF (Transmissor de Dados Registro Eletrônico de Documentos Fiscais) GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Nota Fiscal Paulista Manual do TD REDF (Transmissor de Dados Registro Eletrônico de Documentos Fiscais) Versão 1.1 15/02/2008 Página 1 de 17 Índice Analítico 1. Considerações Iniciais 3 2. Instalação do

Leia mais

MANUAL DE ACESSO INTERNET EXPLORER (HTTP) / CMS / CELULAR (MOBILE) Flash Systems - Manual de Acesso

MANUAL DE ACESSO INTERNET EXPLORER (HTTP) / CMS / CELULAR (MOBILE) Flash Systems - Manual de Acesso MANUAL DE ACESSO INTERNET EXPLORER (HTTP) / CMS / CELULAR (MOBILE) Flash Systems - Manual de Acesso INTERNET EXPLORER (HTTP) Importante: Usar somente o navegador Internet Explorer, devido à necessidade

Leia mais

CONTRA CONTROLE DE ACESSOS E MODULARIZADOR DE SISTEMAS

CONTRA CONTROLE DE ACESSOS E MODULARIZADOR DE SISTEMAS MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE MODERNIZAÇÃO E INFORMÁTICA CONTRA CONTROLE DE ACESSOS E MODULARIZADOR DE SISTEMAS MANUAL

Leia mais

DIFERENÇAS ENTRE FUNÇÃO E BLOCO FUNCIONAL; CRIAÇÃO DE FUNÇÃO / BLOCO FUNCIONAL; UTILIZAÇÃO NO LADDER; EXEMPLO DE BLOCO FUNCIONAL;

DIFERENÇAS ENTRE FUNÇÃO E BLOCO FUNCIONAL; CRIAÇÃO DE FUNÇÃO / BLOCO FUNCIONAL; UTILIZAÇÃO NO LADDER; EXEMPLO DE BLOCO FUNCIONAL; Boletim Técnico EP3 11/07 Utilizando Funções e Blocos Funcionais de usuário pelo software A1 19 de outubro de 2007 O objetivo deste boletim é mostrar como utilizar o recurso de Funções (Functions) e Blocos

Leia mais

Security Shop MRS. Media Relay System. Manual do Usuário

Security Shop MRS. Media Relay System. Manual do Usuário Página 1 de 20 Security Shop MRS Media Relay System Manual do Usuário Página 2 de 20 Conteúdos: Conteúdos:... 2 Figuras:... 3 1. Introdução... 4 1.1 Âmbito do Documento... 4 1.2 Terminologia... 4 2. GERAL...

Leia mais

Agregador de feeds RSS para dispositivos móveis

Agregador de feeds RSS para dispositivos móveis Agregador de feeds RSS para dispositivos móveis Disciplina: Computação Móvel Professor: Mauro Nacif Rocha Data: 27/02/2007 Hadriel Toledo Lima 50290 Juliana Pinheiro Campos 47683 Luis Felipe Hussin Bento

Leia mais

INTERNET HOST CONNECTOR

INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR IHC: INTEGRAÇÃO TOTAL COM PRESERVAÇÃO DE INVESTIMENTOS Ao longo das últimas décadas, as organizações investiram milhões de reais em sistemas e aplicativos

Leia mais

Guia. PDA e SmartPhones. Windows Mobile, Pocket PC e CE.

Guia. PDA e SmartPhones. Windows Mobile, Pocket PC e CE. Guia PDA e SmartPhones Windows Mobile, Pocket PC e CE. Referência completa para o integrador do sistema Module. Aborda os recursos necessários para a itulização, instalação do software e importação das

Leia mais

MANUAL DO SERVICE DESK SYSTEM

MANUAL DO SERVICE DESK SYSTEM Manual do Sumário Conhecendo o SERVICE DESK SYSTEM... 3 - A tela de Acesso ao sistema:... 3 - A tela do sistema após o acesso(exemplo):... 3 OCORRÊNCIAS... 4 - Abertura de chamados:... 4 - Atendendo um

Leia mais

O conjunto é composto por duas seções: o App Inventor Designer e o App Inventor Blocks Editor, cada uma com uma função específica.

O conjunto é composto por duas seções: o App Inventor Designer e o App Inventor Blocks Editor, cada uma com uma função específica. Google App Inventor: o criador de apps para Android para quem não sabe programar Por Alexandre Guiss Fonte: www.tecmundo.com.br/11458-google-app-inventor-o-criador-de-apps-para-android-para-quem-naosabe-programar.htm

Leia mais

7 Utilização do Mobile Social Gateway

7 Utilização do Mobile Social Gateway 7 Utilização do Mobile Social Gateway Existem três atores envolvidos na arquitetura do Mobile Social Gateway: desenvolvedor do framework MoSoGw: é o responsável pelo desenvolvimento de novas features,

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 6 Estrutura de Sistemas Operacionais Prof.: Edilberto M. Silva http://www.edilms.eti.br Baseado no material disponibilizado por: SO - Prof. Edilberto Silva Prof. José Juan Espantoso

Leia mais

Introdução. à Linguagem JAVA. Prof. Dr. Jesus, Edison O. Instituto de Matemática e Computação. Laboratório de Visão Computacional

Introdução. à Linguagem JAVA. Prof. Dr. Jesus, Edison O. Instituto de Matemática e Computação. Laboratório de Visão Computacional Introdução à Linguagem JAVA Prof. Dr. Jesus, Edison O. Instituto de Matemática e Computação Laboratório de Visão Computacional Vantagens do Java Independência de plataforma; Sintaxe semelhante às linguagens

Leia mais

Hardware e Software. Exemplos de software:

Hardware e Software. Exemplos de software: Hardware e Software O hardware é a parte física do computador, ou seja, é o conjunto de componentes eletrônicos, circuitos integrados e placas, que se comunicam através de barramentos. Em complemento ao

Leia mais

Manual do Remote Desktop Connection. Brad Hards Urs Wolfer Tradução: Marcus Gama

Manual do Remote Desktop Connection. Brad Hards Urs Wolfer Tradução: Marcus Gama Manual do Remote Desktop Connection Brad Hards Urs Wolfer Tradução: Marcus Gama 2 Conteúdo 1 Introdução 5 2 O protocolo do Buffer de Quadro Remoto (Buffer de Quadro Remoto) 6 3 Usando o Remote Desktop

Leia mais

Tutorial para Configurar o Kitty Emulador de Terminal Linux

Tutorial para Configurar o Kitty Emulador de Terminal Linux Tutorial para Configurar o Kitty Emulador de Terminal Linux dez/2011 Créditos: Sérgio Luiz Solusoft Solução em Informática Ltda Rua Desemb. Alarico Barroso, no. 87 - Ouro Preto - Pampulha - CEP: 31.310-380

Leia mais

Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com

Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com OBJETIVOS Descrever os serviços que um sistema operacional oferece aos usuários e outros sistemas

Leia mais

DOCUMENTO DE REQUISITOS

DOCUMENTO DE REQUISITOS DOCUMENTO DE REQUISITOS ID documento: Data: / / Versão : Responsável pelo documento: ID Projeto: HISTÓRICO DE REVISÕES Data de criação/ atualização Descrição da(s) Mudança(s) Ocorrida(s) Autor Versão do

Leia mais

Produto IV: ATU SAAP. Manual de Referência

Produto IV: ATU SAAP. Manual de Referência Produto IV: ATU SAAP Manual de Referência Pablo Nogueira Oliveira Termo de Referência nº 129275 Contrato Número 2008/000988 Brasília, 30 de outubro de 2008 1 Sistema de Apoio à Ativideade Parlamentar SAAP

Leia mais

Lógica de Programação

Lógica de Programação Lógica de Programação Softblue Logic IDE Guia de Instalação www.softblue.com.br Sumário 1 O Ensino da Lógica de Programação... 1 2 A Ferramenta... 1 3 Funcionalidades... 2 4 Instalação... 3 4.1 Windows...

Leia mais

MANUAL DE USO DO COMUNICADOR INSTANTÂNEO

MANUAL DE USO DO COMUNICADOR INSTANTÂNEO MANUAL DE USO DO COMUNICADOR INSTANTÂNEO GEINFO Gerência de Tecnologia da Informação E-mail geinfo@sejus.ro.gov.br Página 1 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 ACESSANDO O SPARK... 4 3 INICIANDO UMA CONVERSAÇÃO...

Leia mais

Manual de Configuração e Utilização TabFisc Versão Mobile 09/2013 Pag. 1 MANUAL DE UTILIZAÇÃO TABLET VERSÃO MOBILE

Manual de Configuração e Utilização TabFisc Versão Mobile 09/2013 Pag. 1 MANUAL DE UTILIZAÇÃO TABLET VERSÃO MOBILE Pag. 1 MANUAL DE UTILIZAÇÃO TABLET VERSÃO MOBILE Pag. 2 INTRODUÇÃO Esse documento contém as instruções básicas para a utilização do TabFisc Versão Mobile (que permite ao fiscal a realização do seu trabalho

Leia mais

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas IW10 Rev.: 02 Especificações Técnicas Sumário 1. INTRODUÇÃO... 1 2. COMPOSIÇÃO DO IW10... 2 2.1 Placa Principal... 2 2.2 Módulos de Sensores... 5 3. APLICAÇÕES... 6 3.1 Monitoramento Local... 7 3.2 Monitoramento

Leia mais

Manual do KWallet. George Staikos Lauri Watts Desenvolvedor: George Staikos Tradução: Marcus Gama Tradução: André Marcelo Alvarenga

Manual do KWallet. George Staikos Lauri Watts Desenvolvedor: George Staikos Tradução: Marcus Gama Tradução: André Marcelo Alvarenga George Staikos Lauri Watts Desenvolvedor: George Staikos Tradução: Marcus Gama Tradução: André Marcelo Alvarenga 2 Conteúdo 1 Introdução 5 1.1 Criar uma carteira...................................... 5

Leia mais

1) MANUAL DO INTEGRADOR Este documento, destinado aos instaladores do sistema, com informações de configuração.

1) MANUAL DO INTEGRADOR Este documento, destinado aos instaladores do sistema, com informações de configuração. O software de tarifação é uma solução destinada a rateio de custos de insumos em sistemas prediais, tais como shopping centers. O manual do sistema é dividido em dois volumes: 1) MANUAL DO INTEGRADOR Este

Leia mais

Comunicação via interface SNMP

Comunicação via interface SNMP Comunicação via interface SNMP 1 - FUNCIONAMENTO: Os No-breaks PROTEC possuem 3 interfaces de comunicação: Interface RS232, interface USB e interface SNMP. Todas elas permitem o controle e o monitoramento

Leia mais

AFRE. a. ( ) Instalando um programa gerenciador de carregamento, como o LILO ou o GRUB. a. ( ) Data Werehouse ; Internet ; Linux

AFRE. a. ( ) Instalando um programa gerenciador de carregamento, como o LILO ou o GRUB. a. ( ) Data Werehouse ; Internet ; Linux 1. De que forma é possível alterar a ordem dos dispositivos nos quais o computador procura, ao ser ligado, pelo sistema operacional para ser carregado? a. ( ) Instalando um programa gerenciador de carregamento,

Leia mais

WordPress Institucional UFPel Guia Rápido

WordPress Institucional UFPel Guia Rápido GABINETE DO REITOR COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NÚCLEO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SEÇÃO DE TECNOLOGIAS PARA WEBSITES WordPress Institucional UFPel Guia Rápido Versão 2.0.1 Março de 2015 Introdução

Leia mais

Hardware e Software. Professor: Felipe Schneider Costa. felipe.costa@ifsc.edu.br

Hardware e Software. Professor: Felipe Schneider Costa. felipe.costa@ifsc.edu.br Hardware e Software Professor: Felipe Schneider Costa felipe.costa@ifsc.edu.br Agenda Hardware Definição Tipos Arquitetura Exercícios Software Definição Tipos Distribuição Exercícios 2 Componentesde um

Leia mais

Personata Recorder. Manual de Instalação e Configuração

Personata Recorder. Manual de Instalação e Configuração Personata Recorder Manual de Instalação e Configuração Julho / 2013 1 Índice 1- Pré-requisitos......3 2 Verificação do Hardware......3 3 Instalação......5 4 Configuração Inicial......8 4.1 Localização......8

Leia mais

Dicas básicas para disciplinas/atividades na modalidade de educação a distância Mediação Digital Virtual

Dicas básicas para disciplinas/atividades na modalidade de educação a distância Mediação Digital Virtual Dicas básicas para disciplinas/atividades na modalidade de educação a distância Mediação Digital Virtual Escritório de Gestão de Projetos em EAD Unisinos http://www.unisinos.br/ead 2 A partir de agora,

Leia mais

2. O AMBIENTE DE PROGRAMAÇÃO EM C

2. O AMBIENTE DE PROGRAMAÇÃO EM C 2. O AMBIENTE DE PROGRAMAÇÃO EM C Este capítulo trata de colocar a linguagem C para funcionar em um ambiente de programação, concentrando-se no compilador GNU Compiler Collection (gcc). Mas qualquer outro

Leia mais

Solução Completa em Automação. FieldLogger. Registro e Aquisição de Dados

Solução Completa em Automação. FieldLogger. Registro e Aquisição de Dados Solução Completa em Automação FieldLogger Registro e Aquisição de Dados Ethernet & USB Até 16GB de memória Conversor A/D 24 bits Até 1000 amostras por segundo Apresentação FieldLogger O FieldLogger é um

Leia mais

Manual TDMax Web Commerce VERSÃO: 0.1

Manual TDMax Web Commerce VERSÃO: 0.1 Manual TDMax Web Commerce VERSÃO: 0.1 Sumário Visão geral Bilhetagem Eletrônica... 3 1 TDMax Web Commerce... 4 1.1 Requisitos e orientações gerais... 4 2 Acesso... 5 2.1 Como realizar um cadastro usuário

Leia mais

Introdução a Informática - 1º semestre AULA 02 Prof. André Moraes

Introdução a Informática - 1º semestre AULA 02 Prof. André Moraes Introdução a Informática - 1º semestre AULA 02 Prof. André Moraes 3 MÁQUINAS VIRTUAIS Em nossa aula anterior, fizemos uma breve introdução com uso de máquinas virtuais para emularmos um computador novo

Leia mais

Softwares de Sistemas e de Aplicação

Softwares de Sistemas e de Aplicação Fundamentos dos Sistemas de Informação Softwares de Sistemas e de Aplicação Profª. Esp. Milena Resende - milenaresende@fimes.edu.br Visão Geral de Software O que é um software? Qual a função do software?

Leia mais

Aplicação Prática de Lua para Web

Aplicação Prática de Lua para Web Aplicação Prática de Lua para Web Aluno: Diego Malone Orientador: Sérgio Lifschitz Introdução A linguagem Lua vem sendo desenvolvida desde 1993 por pesquisadores do Departamento de Informática da PUC-Rio

Leia mais

Satélite. Manual de instalação e configuração. CENPECT Informática www.cenpect.com.br cenpect@cenpect.com.br

Satélite. Manual de instalação e configuração. CENPECT Informática www.cenpect.com.br cenpect@cenpect.com.br Satélite Manual de instalação e configuração CENPECT Informática www.cenpect.com.br cenpect@cenpect.com.br Índice Índice 1.Informações gerais 1.1.Sobre este manual 1.2.Visão geral do sistema 1.3.História

Leia mais

Manual do Cantor. Alexander Rieder Tradução: Marcus Gama

Manual do Cantor. Alexander Rieder Tradução: Marcus Gama Alexander Rieder Tradução: Marcus Gama 2 Conteúdo 1 Introdução 5 2 Usando o Cantor 6 2.1 Recursos do Cantor..................................... 6 2.2 As infraestruturas do Cantor...............................

Leia mais

Índice. http://www.gosoft.com.br/atualiza/gosoftsigadmservico.pdf Versão 4.0

Índice. http://www.gosoft.com.br/atualiza/gosoftsigadmservico.pdf Versão 4.0 Índice I ENVIO DE BOLETOS POR E-MAIL... 2 APRESENTAÇÃO... 2 ALTERAÇÕES NO SIGADM CONDOMÍNIO... 4 ALTERAÇÕES NO SIGADM IMÓVEIS... 6 ALTERAÇÕES NO SIGADM CONCILIAÇÃO BANCÁRIA... 8 ALTERAÇÕES NO SIGADM CONDOMÍNIO

Leia mais

User Manual Version 3.6 Manual do Usuário Versão 2.0.0.0

User Manual Version 3.6 Manual do Usuário Versão 2.0.0.0 User Manual Version 3.6 Manual do Usuário Versão 2.0.0.0 User Manual Manual do Usuário I EasyLock Manual do Usuário Sumário 1. Introdução... 1 2. Requisitos do Sistema... 2 3. Instalação... 3 3.1. Configurar

Leia mais

Manual. Rev 2 - junho/07

Manual. Rev 2 - junho/07 Manual 1.Desbloquear o software ------------------------------------------------------------------02 2.Botões do programa- --------------------------------------------------------------------- 02 3. Configurações

Leia mais

Lógica de Programação

Lógica de Programação Lógica de Programação Unidade 4 Ambiente de desenvolvimento Java QI ESCOLAS E FACULDADES Curso Técnico em Informática SUMÁRIO A LINGUAGEM JAVA... 3 JVM, JRE, JDK... 3 BYTECODE... 3 PREPARANDO O AMBIENTE

Leia mais

Ano III - Número 16. Versão 4.6.4

Ano III - Número 16. Versão 4.6.4 Versão 4.6.4 Sexta-feira, 08 de fevereiro de 2008 ÍNDICE 3 4 EDITORIAL NOVAS FUNCIONALIDADES 4 12 13 14 15 16 Novo Cronograma 4 5 5 6 7 8 8 9 9 10 10 Edição Rápida do Cronograma Recurso de Arrastar e Soltar

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO. para tv TV101

MANUAL DO USUÁRIO. para tv TV101 MANUAL DO USUÁRIO adaptador android para tv TV101 Índice Exibição do Produto 03 Instruções para Uso 03 Menu Principal 04 Configurações de Wi-Fi 04 Navegando por Arquivo ou Pasta 05 Conexão USB 06 Instalando/

Leia mais

GUIA RÁPIDO DE UTILIZAÇÃO DO PORTAL DO AFRAFEP SAÚDE

GUIA RÁPIDO DE UTILIZAÇÃO DO PORTAL DO AFRAFEP SAÚDE GUIA RÁPIDO DE UTILIZAÇÃO DO PORTAL DO AFRAFEP SAÚDE INTRODUÇÃO O portal do Afrafep Saúde é um sistema WEB integrado ao sistema HEALTH*Tools. O site consiste em uma área onde os Usuários e a Rede Credenciada,

Leia mais

Professor: Roberto Franciscatto. Curso: Engenharia de Alimentos 01/2010 Aula 3 Sistemas Operacionais

Professor: Roberto Franciscatto. Curso: Engenharia de Alimentos 01/2010 Aula 3 Sistemas Operacionais Professor: Roberto Franciscatto Curso: Engenharia de Alimentos 01/2010 Aula 3 Sistemas Operacionais Um conjunto de programas que se situa entre os softwares aplicativos e o hardware: Gerencia os recursos

Leia mais

Curso Introdução à Educação Digital - Carga Horária: 40 horas (30 presenciais + 10 EaD)

Curso Introdução à Educação Digital - Carga Horária: 40 horas (30 presenciais + 10 EaD) ******* O que é Internet? Apesar de muitas vezes ser definida como a "grande rede mundial de computadores, na verdade compreende o conjunto de diversas redes de computadores que se comunicam e que permitem

Leia mais

V 1.0 LINAEDUCA - GUIA DE USO

V 1.0 LINAEDUCA - GUIA DE USO V 1.0 LINAEDUCA - GUIA DE USO ARGO Internet ARGO.com.br 2013 Sumário 1. Instalação... 2 1.1 Windows... 2 2 Guia de Uso... 5 2.1 Inicialização... 5 2.1.1 Modo Casa... 5 2.1.2 Modo escola... 6 2.2 Cadastro

Leia mais

Nota de aplicação: Desenvolvimento de Páginas no PO9900 - WebGate

Nota de aplicação: Desenvolvimento de Páginas no PO9900 - WebGate Nota de aplicação NAP080 Desenvolvimento de Páginas no PO9900 - WebGate Altus Sistemas de Informática S.A. Página: 1 Sumário 1. Introdução...3 1.1 Páginas do WebGate... 3 2. Árvore de Navegação...3 3.

Leia mais

Conceitos de Banco de Dados

Conceitos de Banco de Dados Conceitos de Banco de Dados Autor: Luiz Antonio Junior 1 INTRODUÇÃO Objetivos Introduzir conceitos básicos de Modelo de dados Introduzir conceitos básicos de Banco de dados Capacitar o aluno a construir

Leia mais

Manual do usuário. Softcall Java. versão 1.0.5

Manual do usuário. Softcall Java. versão 1.0.5 Manual do usuário Softcall Java versão 1.0.5 Sumário Iniciando SoftCall...3 Tela Principal...3 Configurando o SoftCall...4 Agenda...5 Incluindo um contato...5 Procurando um contato...6 Apagando um contato...6

Leia mais

Qlik Sense Desktop. Qlik Sense 2.0.2 Copyright 1993-2015 QlikTech International AB. Todos os direitos reservados.

Qlik Sense Desktop. Qlik Sense 2.0.2 Copyright 1993-2015 QlikTech International AB. Todos os direitos reservados. Qlik Sense Desktop Qlik Sense 2.0.2 Copyright 1993-2015 QlikTech International AB. Todos os direitos reservados. Copyright 1993-2015 QlikTech International AB. Todos os direitos reservados. Qlik, QlikTech,

Leia mais