Congado de Uberlândia ] livro 01/02

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Congado de Uberlândia ] livro 01/02"

Transcrição

1 Congado de Uberlândia ] livro 01/02 1

2 2 Trocar foto >>

3 sumário 3 livro 01/02 1. Introdução 1.1 Apresentação 1.2. Pesquisa: reconhecimento dos sujeitos Metodologia Geral Metodologia dos Inventários 2. História do Município 2.1. Informe histórico do Triângulo Mineiro e Alto Paranaíba 2.2. Histórico do Município 2.3. Informe histórico da Igreja Nossa Senhora do Rosário 3. Contextualização do Congado 3.1. Interação social 3.2. Congado: cultura popular 3.3. Congadeiros e as outras culturas populares do Município Carnaval Folia de Reis Terreiros de Umbanda e Candomblé. 4. História do ritual do Congado 4.1. Influências Culturais Africanas e Católicas no Brasil Língua Banto Catolicismo no Reino do Congo Reino do Congo 4.2. História do ritual do Congado na Região do Triângulo Mineiro e Alto Paranaíba Mito do Rosário Cânticos Hierarquia e funções dos personagens do ritual Irmandade do Rosário Irmandade de Nossa Senhora do Rosário e São Benedito de Uberlândia 5. Características do Congado da Festa de Nossa Senhora do Rosário e São Benedito do Município 5.1. O ritual Missas de Domingo Campanhas dos Ternos: leilão e terços Ocupação Urbana e Localização dos Quartéis (sede dos grupos) Novena da Igreja e Leilão da Irmandade do Rosário Relações entre os ternos (grupos) do município Encontros de ternos: Campeonato de futebol Feijoada Visitas às festas das outras cidades

4 A festa º Dia: Concentração e Preparação º Dia Alvorada Buscar e Levar os Mastros Desfile e Encontro com os outros ternos Trança Fita Almoço Reinado e Cortejo Missa, Procissão e troca de Reis e Rainhas º Dia Visitas dos ternos na casa dos devotos Encontro na Igreja, descida dos mastros e despedida Despedida dos quartéis 5.3. As diferentes tradições de ternos do Congado Moçambiques Especificidades Cores e adornos Instrumentos Cantigas Congos Especificidades Cores e adornos Instrumentos Cantigas Catupés Especificidades Cores e adornos Instrumentos Cantigas Marujos e Marinheiros Especificidades Cores e adornos Instrumentos Cantigas Outros ternos da região: Vilão, Penacho Partituras dos ternos de Congado em Uberlândia 5.4. Gestão da Festa Nossa Senhora do Rosário e São Benedito Subsídios para a Festa Estatutos dos ternos Estatuto da Irmandade da Rosário e São Benedito 5.5. Mapa com área da abrangência de atuação do Congado 6. A visibilidade do Negro em Uberlândia

5 sumário 5 7. Bibliografia e fontes 7.1. Bibliografia 7.2. Fontes orais 7.3. Fontes escritas 7.4. Fontes viajantes e folcloristas 7.5. Fontes audiovisuais 8. Inventários dos ternos de Congado do município de Uberlândia 9. Parecer do Conselho 10. Parecer Técnico 11. Cópia da Ata sobre o Registro Provisório do Congado de Uberlândia Cópia da Solicitação do Registro do Congado de Uberlândia, pela Irmandade Nossa Senhora do Rosário 12. Notificação e recibo da notificação à Irmandade do Rosário de São Benedito de Uberlândia 13. Cópia da Ata aprovando o Registro Imaterial 14. Cópia da Publicação do ato de registro do Bem 15. Cópia da inscrição do Bem no Livro de Registros livro 02/02 - parte 01/03 e 02/ Anexos: Fichas de Inventário IPAC, formatadas no padrão do IEPHA/MG - Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artiístico de Minas Gerais, dos ternos de Congado de Uberlândia livro 02/02 - parte 03/ Anexos: Folia CULURAL e bloco ACHE. Projeto Memória do Congado de Uberlândia: Ternos de Congado em Uberlândia. Educafro/Petrobras, Videos dos ternos de Congados em Uberlândia Mapa das festas populares da Festa do Rosário. Secretaria de Estado de Ciência e Tecnologia -- Instituto de Geociências Aplicadas - Atlas de Festas Populares de 1998/MG. 17. Estatuto da Irmandade NSR a do Rosário

6 6 A Prefeitura Municipal de Uberlândia, órgão máximo do poder executivo local, preocupada em zelar por sua memória e herança cultural, torna-se parceira da PAGINAR Arquitetura, Urbanismo e Paisagismo Ltda., para promover ações visando à preservação de seu patrimônio. Assim, cabe a nós a responsabilidade por sua preservação. Para que possamos cumprir essa tarefa em toda sua extensão, é importante que as ações sejam concebidas de forma abrangente e s i s t ê m i c a, c o n f i g u r a n d o u m a política de patrimônio cultural clara e acessível às comunidades. Este Regitro constitui um esforço nesse sentido. Concebido de maneira a esclarecer a importância do Congado de Uberlândia para o município e sua comunidade, bem como para todo o Brasil e estado de Minas Gerais. A presente pesquisa foi dividida em itens que abrangem: contextualização; histórico do município; histórico do bem; descrição detalhada do bem; documentação fotográfica; fichas de inventário dos bens imateriais, móveis ou imóveis que fazem parte do Congado de Uberlândia; além dos documentos necessários para viabilizar seu Registro. O presente trabalho foi realizado em conjunto pelas equipes da PAGINAR Arquitetura, Urbanismo e Paisagismo Ltda., e da diretoria de memória e Patrimônio Histórico, sob a coordenação da Arquiteta Gisele Pinto de Vasconcelos Costa e do Historiador Anderson Ferreira. Para facilitar sua compreensão, apresenta-se em formato A4 em três volumes. Dessa forma, esperamos tornar público seus valores, sua história e sua riqueza exemplar. Coordenação Editorial Gisele Pinto de Vasconcelos Costa Anderson Ferreira Agradecimentos Nossos agradecimentos a todos que nos apoiaram através de seus depoimentos e sugestões colaborando para a elaboração deste trabalho. Em especial a Mônica Debs, Larissa Gabarra, Fabíola Benfica Marra, Jeremias Brasileiro (vídeografia, depoimentos e fotos da Irmandade Nossa Senhora do Rosário de Uberlândia), Jorge Henrique Paul (fotografias),comphac-conselho Municipal de Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Cultural de Uberlândia, Coafro (Coordenadoria afro-racial de Uberlândia) e a todos os grupos de Congado de Uberlândia.

7 7

8 8 Este é um trabalho de registro do Congado do município de Uberl ândia/ MG, como Patrimônio Cultural Imaterial, uma cultura popular religiosa e festiva que existe em todo país, mas é mais comum em Minas Gerais. Resumidamente o Congado é uma hibridação de rituais, formas e práticas africanas, de forte inf luência dos pov os linguisticamente denominados bantos com as formas, rituais e práticas católicas. Em devoção a Nossa Senhora do Rosário e São Benedito e em homenagens aos reis e rainhas Congo, os congadeiros praticantes de Uberlândia fazem três dias de festa pelas ruas principais da cidade e na praça em frente à Igreja do Rosário, depois de meses de preparação em suas sedes, denominadas de quartéis e nos arredores por onde passam em marcha de procissão num período conhecido como cam panhas. Cada quartel pertence a um grupo diferente, denominado terno, que têm de 40 a 200 componentes e se diferenciam em Moçambiques, Congos, Catupés, Marujos e Marinheiros, dependendo da tradição que representam. Esse povo se encontra, desfaz e refaz sua identidade, colocando sua prática como um desejo de vida, uma renovação cíclica, que se inicia, se finda e se reinicia na vivência do ritual. Revigora o passado, cria o presente e incentiva o futuro. Segundo Gilberto Velho, essa tríade acompanha outra, a da memória, da identidade e do projeto, que constrói na relação tradição e cotidiano a História (Velho, 1994). A instituição representativa da comunidade hoje e no passado é a Irmandade Nossa Senhora do Rosário e São Benedito, através da qual a comunidade de escravos e ex-escravos no século XIX negociavam a liberdade. O primeiro registro escrito da irmandade data de Dessa forma, o Congado de Uberlândia é uma expressão cultural de matriz africana que completa mais de um século de apropriações, conformismos e resistências aos instrumentos católicos e estratégias governamentais de manutenção das diferenças econômicas e sociais com fins de manter práticas essenciais para a construção da identidade e realização dos projetos de vida do povo negro da região. O Congado pode ser apreciado hoj e, at rav és da participação e observação durante a festa, as campanhas, e também no dia a dia dos praticantes. A pesquisa de campo, que possibilita inúmeras entrevistas, e os registros

9 introdução 9 escritos sobre o ritual no município, constatados por meio dos documentos da Irmandade do Rosário e São Benedito, da diocese, do Cartório de Registro e Títulos de Uberlândia, dos jornais e revistas forma um conjunto rico em fontes para a apreciação da manifestação cultural durante século e meio. A partir dessas fontes existe uma gama de publicações através da prefeitura e sindicatos da cidade, além de monografias e dissertações nas áreas de História, Antropologia, Artes e Letras da Universidade Federal de Uberlândia e uma recente produção videográfica. 1.2.Pesquisa: reconhecimento dos sujeitos Metodologia Geral O registro de uma cultura popular nacional como Patrimônio Cultural começa pela valorização das práticas, rituais e formas de ação de uma comunidade numerosa que mantém uma unidade sócio-cultural. Unidade essa, no caso do Congado de Uberlândia, concebida a partir da diversidade das tradições que carregam de geração em geração e como tal sustenta a História desses sujeitos, a partir dos fundamentos transmitidos de pais para filhos e não através de uma cronologia e fatos precisos. Portanto, o trabalho para se chegar ao registro se dá principalmente no campo, na convivência com os praticantes e no complemento de leituras dos documentos escritos. O diálogo entre a teoria e a prática esteve presente durante todo esse percurso. Assim, os próprios segredos históricos, engendrados nos discursos e práticas dos congadeiros, ao serem desvendados, trouxeram, eles mesmos, à tona a importância de se registrar o ritual como um patrimônio imaterial do Brasil. Diante da multiplicidade das narrativas, é necessário que prov as (documentação oral e escrita), retórica (teoria) e reconhecimento da comunidade (desejo do congadeiro de salvaguardar a sua prática) andem junto, fazendo a elaboração de um texto amarrado e sólido capaz de valorizar a cultura e sua manutenção por meio também do seu registro.

10 10 Para i sso, houv e um a pesquisa iniciada em 2000 que hoje possibilita o diálogo direto e aberto com a comunidade de congadeiros. O contato com as tradições do Congado da região se consol i dou em doi s produtos; um, a monografia do curso de Especialização em Educação Fundamental, intitulado de Pluralidade Cultural no Ensino Formal de História: Congado como Fonte de Conhecimento ; e out ro, a di ssertação de mestrado em história, A dança da tradição: Congado de Uberlândia, século XX, os dois pela Universidade Federal de Uberlândia. Um terceiro está se constituindo a partir da pesquisa para a tese de doutorado do programa em História Social da Cultura na Puc- Rio, iniciada em (contato: No que concerne à pesquisa foi importante enxergar na documentação (oral, iconográfica e escrita) as ações e atitudes que repetem e as que causam estranhezas para compor um quadro do que é a prática do Congado sem alusões a outras culturas populares de matrizes africanas ou católicas. Durante os anos de pesquisa fiz entrevistas e tirei fotos - algumas que eram solicitadas; outras pela beleza; mas, principalmente, para documentar o que via. Esse trabalho de fotografia sistematizado com bases na antropologia visual transforma as fotos em caderno de campo (Guran, 2000). Assim, constituí um acervo etnográfico bastante diversificado que foram não só analisadas e utilizadas para se integrarem ao discurso que construí, mas também que f oram ent regues a cada congadeiro que aparecia nas imagens. Não importava onde fosse o trabalho de campo, em Uberlândia ou na região, pegava o endereço do fotografado e enviava-lhe a foto posteriormente. O compromisso de devolução das fotos criou uma situação de convivência, um motivo para est arm os junt os na f esta, compartilhando da alegria que é dançar e cantar no ritmo do tambor.

por Brígida Carla Malandrino * [brigidamalandrino por Ênio José da Costa Brito ** [brbrito

por Brígida Carla Malandrino * [brigidamalandrino por Ênio José da Costa Brito ** [brbrito PEREIRA, Edimilson de Almeida Os tambores estão frios: herança cultural e sincretismo religioso de Candombe. Juiz de Fora Belo Horizonte: Funalfa Edições Mazza Edições, 2005, ISBN 85-7160- 323-5. por Brígida

Leia mais

2.3. Informe histórico da Igreja Nossa Senhora do Rosário

2.3. Informe histórico da Igreja Nossa Senhora do Rosário história 31 2.3. Informe histórico da Igreja Nossa Senhora do Rosário Foi no largo do comércio onde se tem notícias da primeira possível construção da Igreja do Rosário, iniciada em 1876 e concluída em

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE IPUIUNA MG

PREFEITURA MUNICIPAL DE IPUIUNA MG IPAC/MG INVENTÁRIO DE PROTEÇÃO DO ACERVO CULTURAL Ipuiuna Minas Gerais Brasil BENS IMATERIAIS Celebrações Código: BI-01 1. Município: Ipuiuna. 2. Distrito/Povoado: Sede. 3. Designação: Festa de São Benedito

Leia mais

INICIATIVAS PREMIADAS

INICIATIVAS PREMIADAS INICIATIVAS PREMIADAS Gestão Pública 1º LUGAR Programa de Valorização das Culturas Regionais: Cultura em Movimento Secretaria da Cultura do Estado do Ceará 184 municípios (CE) A iniciativa surgiu em 2003

Leia mais

SINCRETISMO RELIGIOSO, NATAL FESTEJA IEMANJÁ 1

SINCRETISMO RELIGIOSO, NATAL FESTEJA IEMANJÁ 1 SINCRETISMO RELIGIOSO, NATAL FESTEJA IEMANJÁ 1 Antônio da Silva PINTO Netto 2 Joabson Bruno de Araújo COSTA 3 Giovana Alves ARQUELINO 4 Sebastião Faustino PEREIRA Filho 5 Universidade Federal do Rio Grande

Leia mais

Projeto integrado 7º ciclo GDG 2012 Álvaro Galdino

Projeto integrado 7º ciclo GDG 2012 Álvaro Galdino Álvaro Galdino 1 2 Projeto integrado 7º ciclo GDG 2012 Álvaro Galdino O Congado Uberlândia Projeto Objetivos Conceiito Análise de similares Elementos Visuais Cores Tipografia Mídias de divulgação Aplicativo

Leia mais

O nosso jeito de falar, de gesticular, de cultuar e rezar, de ser e de viver, é profundamente marcado pela presença dos africanos no Brasil.

O nosso jeito de falar, de gesticular, de cultuar e rezar, de ser e de viver, é profundamente marcado pela presença dos africanos no Brasil. ATIVIDADE 01 MANIFESTAÇÕES DA CULTURA AFRO-BRASILEIRA O nosso jeito de falar, de gesticular, de cultuar e rezar, de ser e de viver, é profundamente marcado pela presença dos africanos no Brasil. Com eles

Leia mais

Educação Patrimonial Centro de Memória

Educação Patrimonial Centro de Memória Educação Patrimonial Centro de Memória O que é história? Para que serve? Ambas perguntas são aparentemente simples, mas carregam uma grande complexidade. É sobre isso que falarei agora. A primeira questão

Leia mais

Cultura Afrobrasileira na Escola: o Congado na sala de aula

Cultura Afrobrasileira na Escola: o Congado na sala de aula Cultura Afrobrasileira na Escola: o Congado na sala de aula Jeremias Brasileiro* * Historiador e pesquisador da Cultura Afro-Brasileira, mestrando em História, pela Universidade Federal de Uberlândia,

Leia mais

Palavras-chave: Etnocenologia, Folias do Divino, Ritos espetaculares.

Palavras-chave: Etnocenologia, Folias do Divino, Ritos espetaculares. O mestre morreu. Viva o novo mestre. Jorge das Graças Veloso Programa de Pós-Graduação em Artes VIS/IdA UnB. Professor Adjunto Doutor em Artes Cênicas UFBA. Ator, diretor, dramaturgo, professor/unb. Resumo:

Leia mais

Festa de Nossa Senhora da Abadia no município de Jataí/GO: uma expressão cultural

Festa de Nossa Senhora da Abadia no município de Jataí/GO: uma expressão cultural Festa de Nossa Senhora da Abadia no município de Jataí/GO: uma expressão cultural Marlene Flauzina OLIVEIRA Mestranda em Geografia - Programa de Pós-Graduação Campus Jataí/UFG mflauzina@hotmail.com Eguimar

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DAS ESCOLAS ESTADUAIS PARA O TEXTO DAS DIRETRIZES CURRICULARES PARA A EDUCAÇÃO BÁSICA DO ESTADO DO AMAPÁ ENSINO RELIGIOSO

CONTRIBUIÇÃO DAS ESCOLAS ESTADUAIS PARA O TEXTO DAS DIRETRIZES CURRICULARES PARA A EDUCAÇÃO BÁSICA DO ESTADO DO AMAPÁ ENSINO RELIGIOSO CONTRIBUIÇÃO DAS ESCOLAS ESTADUAIS PARA O TEXTO DAS DIRETRIZES CURRICULARES PARA A EDUCAÇÃO BÁSICA DO ESTADO DO AMAPÁ ENSINO RELIGIOSO 1. IDENTIDADE DO COMPONENTE CURRICULAR O Ensino Religioso deve buscar

Leia mais

A TEATRALIDADE NO BAIADÔ E NAS MANIFESTAÇÕES DE CULUTRA POPULAR

A TEATRALIDADE NO BAIADÔ E NAS MANIFESTAÇÕES DE CULUTRA POPULAR 1 A TEATRALIDADE NO BAIADÔ E NAS MANIFESTAÇÕES DE CULUTRA POPULAR Laís Batista Costa 1 UFU- Uberlândia, Minas Gerais. fellicyt@yahoo.com.br Renata Bittencourt Meira 2 UFU- Uberlândia, Minas Gerais. rbmeira@hotmail.com

Leia mais

Os participantes da Congada cantam e dançam, homenageando de forma especial, São Benedito. E é uma festa que cumpre também um papel auxiliar no

Os participantes da Congada cantam e dançam, homenageando de forma especial, São Benedito. E é uma festa que cumpre também um papel auxiliar no Congada Congada É um misto de tradições cristãs, pagãs e africanas, onde os participantes, cantando e dançando numa mistura religiosa e profana tão típicas deste país homenageiam de forma especial São

Leia mais

Valéria Carrilho da Costa

Valéria Carrilho da Costa A FOLIA NA ESCOLA: ENTRE CORES E CANTOS Valéria Carrilho da Costa gmacala@netsite.com.br Prefeitura Municipal de Uberlândia E.M. Profª Maria Leonor de Freitas Barbosa Relato de Experiência Resumo O projeto

Leia mais

NO VIÉS DA MEMÓRIA: IDENTIDADE E CULTURA DOS REMANESCENTES QUILOMBOLAS DE SÃO ROQUE- PRAIA GRANDE/ SC

NO VIÉS DA MEMÓRIA: IDENTIDADE E CULTURA DOS REMANESCENTES QUILOMBOLAS DE SÃO ROQUE- PRAIA GRANDE/ SC NO VIÉS DA MEMÓRIA: IDENTIDADE E CULTURA DOS REMANESCENTES QUILOMBOLAS DE SÃO ROQUE- PRAIA GRANDE/ SC Giovana Cadorin Votre 1, Talita Daniel Salvaro 2, Elisandro Raupp Prestes 3 1 Aluna do 2 o ano do curso

Leia mais

CRITÉRIOS PARA ACEITAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE BOTUCATU

CRITÉRIOS PARA ACEITAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE BOTUCATU CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA CRITÉRIOS PARA ACEITAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE BOTUCATU (Versão Professor) Botucatu - SP Junho 2015 SUMÁRIO

Leia mais

FORMULÁRIO PARA RECADASTRAMENTO DAS BIBLIOTECAS PÚBLICAS MUNICIPAIS

FORMULÁRIO PARA RECADASTRAMENTO DAS BIBLIOTECAS PÚBLICAS MUNICIPAIS GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE CULTURA SUPERINTENDÊNCIA DE BIBLIOTECAS PÚBLICAS E SUPLEMENTO LITERÁRIO FORMULÁRIO PARA RECADASTRAMENTO DAS BIBLIOTECAS PÚBLICAS MUNICIPAIS DO

Leia mais

MUSEUS E PAISAGENS CULTURAIS

MUSEUS E PAISAGENS CULTURAIS O acesso ao material Bibliográfico está disponível apenas para consulta local. O Boletim Cenedom é destinado à difusão regular do acervo e das atividades do Cenedom, como estudos, pesquisas e publicações

Leia mais

197º Festa do Divino Espírito Santo 2015 Imperador: João Geraldo Costa Pina

197º Festa do Divino Espírito Santo 2015 Imperador: João Geraldo Costa Pina 197º Festa do Divino Espírito Santo 2015 Imperador: João Geraldo Costa Pina Programação: 05 de abril - Domingo de Páscoa 12h - Saída da Coroa e tocata com a Banda Phôenix na frente da Matriz 20h - Missa

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL DO PIAUÍ

PLANO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL DO PIAUÍ PLANO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL DO PIAUÍ Carteira de Negócios Cultura Projetos propostos Teresina, PI novembro 2013 CARTEIRA SETORIAL DE NEGÓCIOS Conteúdo da Nota Técnica de Cultura SUMÁRIO

Leia mais

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1 Fotografia e Escola Marcelo Valle 1 Desde 1839, ano do registro da invenção da fotografia na França, quase tudo vem sendo fotografado, não há atualmente quase nenhuma atividade humana que não passe, direta

Leia mais

MEMÓRIAS EM FESTA: Uma Cartografia das Congadas em Atibaia 1

MEMÓRIAS EM FESTA: Uma Cartografia das Congadas em Atibaia 1 MEMÓRIAS EM FESTA: Uma Cartografia das Congadas em Atibaia 1 Mariana TARGA GONÇALVES 1 Ana Beatriz PEREIRA DE ANDRADE 2 Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - Unesp, Bauru, SP RESUMO

Leia mais

Os negros na formação do Brasil PROFESSORA: ADRIANA MOREIRA

Os negros na formação do Brasil PROFESSORA: ADRIANA MOREIRA Os negros na formação do Brasil PROFESSORA: ADRIANA MOREIRA ESCRAVIDÃO ANTIGA A escravidão é um tipo de relação de trabalho que existia há muito tempo na história da humanidade. Na Antiguidade, o código

Leia mais

Edital VII de Seleção da Lei de Incentivo à Cultura João Bananeira

Edital VII de Seleção da Lei de Incentivo à Cultura João Bananeira Edital VII de Seleção da Lei de Incentivo à Cultura João Bananeira A Secretaria Municipal de Cultura, Esporte e Lazer da Prefeitura Municipal de Cariacica - SEMCEL/PMC, de acordo com o que estabelece a

Leia mais

FESTAS DE AFRICANOS E AFRODESCENDENTES EM DESTERRO DO SÉCULO XIX ATRAVÉS DE DOCUMENTOS ICONOGRÁFICOS: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO DE HISTÓRIA

FESTAS DE AFRICANOS E AFRODESCENDENTES EM DESTERRO DO SÉCULO XIX ATRAVÉS DE DOCUMENTOS ICONOGRÁFICOS: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO DE HISTÓRIA FESTAS DE AFRICANOS E AFRODESCENDENTES EM DESTERRO DO SÉCULO XIX ATRAVÉS DE DOCUMENTOS ICONOGRÁFICOS: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO DE HISTÓRIA Isabella Cristina de Souza UFSC 1 RESUMO Este trabalho apresenta

Leia mais

IDENTIDADE E VISIBILIDADE RELIGIOSA: TOLERÂNCIA E INTOLERÂNCIA NO LIMIAR DO SÉCULO XXI

IDENTIDADE E VISIBILIDADE RELIGIOSA: TOLERÂNCIA E INTOLERÂNCIA NO LIMIAR DO SÉCULO XXI IDENTIDADE E VISIBILIDADE RELIGIOSA: TOLERÂNCIA E INTOLERÂNCIA NO LIMIAR DO SÉCULO XXI Célia Luisa Reily Rocha * Claudete Camargo Pereira Basaglia ** O último censo do IBGE de 2000 trouxe como novidade

Leia mais

PLANO ESTADUAL DE CULTURA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO PLANO SETORIAL DO LIVRO E LEITURA

PLANO ESTADUAL DE CULTURA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO PLANO SETORIAL DO LIVRO E LEITURA PLANO ESTADUAL DE CULTURA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO PLANO SETORIAL DO LIVRO E LEITURA Introdução O Plano Setorial da Superintendência da Leitura e do Conhecimento do Estado do Rio de Janeiro é fruto

Leia mais

Aldeia Kilombo Século XXI

Aldeia Kilombo Século XXI Aldeia Kilombo Século XXI A cultura é a dinâmica existente no mundo que nasce do agir da pessoa humana e que permite que o humano possa se expressar e se realizar (Grygel, 2002). Podemos conhecer a dinâmica

Leia mais

PROPOSTA CURRICULAR DA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO

PROPOSTA CURRICULAR DA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO PROPOSTA CURRICULAR DA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO Apresentação da Disciplina O Ensino Religioso busca a valorização do pluralismo e a diversidade cultural. Sendo assim ele faz parte dos patrimônios

Leia mais

O Museu Afro-Brasil (SP) como lugar de memória e salvaguarda do patrimônio cultural para o povo-de-santo: narrativas institucionais sobre o Candomblé.

O Museu Afro-Brasil (SP) como lugar de memória e salvaguarda do patrimônio cultural para o povo-de-santo: narrativas institucionais sobre o Candomblé. O Museu Afro-Brasil (SP) como lugar de memória e salvaguarda do patrimônio cultural para o povo-de-santo: narrativas institucionais sobre o Candomblé. Elizabeth Castelano Gama* O artigo propõe discutir

Leia mais

Inventário dos Lugares de Memória do Tráfico Atlântico de Escravos e da História dos Africanos Escravizados no Brasil 7. Patrimônio Imaterial

Inventário dos Lugares de Memória do Tráfico Atlântico de Escravos e da História dos Africanos Escravizados no Brasil 7. Patrimônio Imaterial 7. Patrimônio Imaterial A presença dos africanos no Brasil contemporâneo pode ser identificada na vivência de um patrimônio cultural, expresso em memórias, músicas, versos, cantos, danças e perfomances,

Leia mais

Maria Berthilde Moura Filha Isabel van der Linden Pautília Costa Alves Cavalcanti 1

Maria Berthilde Moura Filha Isabel van der Linden Pautília Costa Alves Cavalcanti 1 MEMÓRIA. JOÃO PESSOA.BR INFORMATIZANDO A HISTÓRIA DO NOSSO PATRIMÔNIO Maria Berthilde Moura Filha Isabel van der Linden Pautília Costa Alves Cavalcanti 1 RESUMO Este projeto de extensão desenvolvido junto

Leia mais

Formulário 01 - Roteiro para Elaboração de Projeto de Extensão e Cultura

Formulário 01 - Roteiro para Elaboração de Projeto de Extensão e Cultura Formulário 01 - Roteiro para Elaboração de Projeto de Extensão e Cultura Título do projeto: IAMANA Coordenador do projeto: POLLYANA CARDOSO PEREIRA Colaboradores: GOVERNO FEDERAL-FUNARTE-MINISTERIO DA

Leia mais

Candomblé: Fé e Cultura 1. Priscilla LIRA 2 Bira NUNES 3 Tenaflae LORDÊLO 4 Faculdade do Vale do Ipojuca, Caruaru, PE

Candomblé: Fé e Cultura 1. Priscilla LIRA 2 Bira NUNES 3 Tenaflae LORDÊLO 4 Faculdade do Vale do Ipojuca, Caruaru, PE Candomblé: Fé e Cultura 1 Priscilla LIRA 2 Bira NUNES 3 Tenaflae LORDÊLO 4 Faculdade do Vale do Ipojuca, Caruaru, PE RESUMO O presente trabalho apresenta, por meio de um ensaio fotográfico, a cultura do

Leia mais

Congada PROJETOS CULTURAIS. e ucáçá~o I fa til. Justificativa

Congada PROJETOS CULTURAIS. e ucáçá~o I fa til. Justificativa Congada e ucáçá~o I fa til Justificativa PROJETOS CULTURAIS O Brasil é um país com grande diversidade étnica e cultural. É preciso dar importância e valorizar a cultura dentro e fora da escola, criando

Leia mais

Ministério da Cultura

Ministério da Cultura Ministério da Cultura Decreto lei n.º 7/03 de 6 de Junho Considerando a criação do Ministério da Cultura através do Decreto Lei n.º 16/02, de 9 de Dezembro; Convindo garantir o seu funcionamento de acordo

Leia mais

Sons e Imagens da Rememoração - Texto para divulgação. Ana Maria Mauad Coordenadora do Projeto

Sons e Imagens da Rememoração - Texto para divulgação. Ana Maria Mauad Coordenadora do Projeto Sons e Imagens da Rememoração - Texto para divulgação Ana Maria Mauad Coordenadora do Projeto Sons e imagens da rememoração: narrativas e registros das identidades e alteridades afrobrasileira nos séculos

Leia mais

13 Festa do Divino Espírito Santo em São Paulo promove intercâmbio cultural e religioso com São Luís do Maranhão

13 Festa do Divino Espírito Santo em São Paulo promove intercâmbio cultural e religioso com São Luís do Maranhão 13 Festa do Divino Espírito Santo em São Paulo promove intercâmbio cultural e religioso com São Luís do Maranhão Festa popular, que acontece de 12 a 29 de maio de 2012 no Espaço Cachuera!, apresenta tradição

Leia mais

MARACATU MIRIM: A DESCOBERTA DA CULTURA BRASILEIRA PELAS SENSAÇÕES DA DANÇA.

MARACATU MIRIM: A DESCOBERTA DA CULTURA BRASILEIRA PELAS SENSAÇÕES DA DANÇA. MARACATU MIRIM: A DESCOBERTA DA CULTURA BRASILEIRA PELAS SENSAÇÕES DA DANÇA. Vanessa Guimarães dos Santos. Escola e Faculdade de Dança Angel Vianna (FAV). vanessa_gs2004@yahoo.com.br Danças populares Maracatu

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO 18/12/2014 09:53:13 Ato: Resolução 4/2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 4, DE 31 DE MARÇO DE 2014 Dispõe sobre a destinação de recursos financeiros,

Leia mais

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE CULTURA EDITAL DE CONCURSO 001/2015 2 PRÊMIO MESTRES DA CULTURA POPULAR DE BELO HORIZONTE

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE CULTURA EDITAL DE CONCURSO 001/2015 2 PRÊMIO MESTRES DA CULTURA POPULAR DE BELO HORIZONTE FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE CULTURA EDITAL DE CONCURSO 001/2015 Em consonância com as indicações do Plano Nacional de Cultura; segundo a determinação do artigo 216 da Constituição Federal e, em conformidade

Leia mais

- Relatos de experiência e de práticas pedagógicas: Mínimo de 1 página e máximo de 2 conforme o modelo do Anexo IV. Manter cabeçalho.

- Relatos de experiência e de práticas pedagógicas: Mínimo de 1 página e máximo de 2 conforme o modelo do Anexo IV. Manter cabeçalho. ESPECIFICAÇÕES PARA O ENVIO DE ARTIGOS: Serão publicados nos Cadernos Temáticos IV cinco modelos de artigos: relatos de experiência; relatos de práticas pedagógicas; resumos estendidos; artigos e; artigos

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 001/2013

RESOLUÇÃO Nº. 001/2013 RESOLUÇÃO Nº. 001/2013 Estabelece normas para o recebimento, análise e concessão de benefício a projetos culturais no âmbito da Lei de Incentivo à Cultura João Bananeira. A Comissão de Avaliação e Seleção

Leia mais

RELATÓRIO FINAL. BIBLIOTECA ESCOLAR: espaço de ação pedagógica. Victor Hugo Vieira Moura 1 INTRODUÇÃO

RELATÓRIO FINAL. BIBLIOTECA ESCOLAR: espaço de ação pedagógica. Victor Hugo Vieira Moura 1 INTRODUÇÃO 190 RELATÓRIO FINAL BIBLIOTECA ESCOLAR: espaço de ação pedagógica Victor Hugo Vieira Moura 1 INTRODUÇÃO Uma das características mais marcantes da chamada sociedade da informação é o extraordinário desenvolvimento

Leia mais

Juliana Santilli Congresso Internacional de Valorização de. Produtos Tradicionais Ponte de Lima-Portugal

Juliana Santilli Congresso Internacional de Valorização de. Produtos Tradicionais Ponte de Lima-Portugal Juliana Santilli Congresso Internacional de Valorização de Produtos Tradicionais Ponte de Lima-Portugal 1 Grande avanço no conceito jurídico de patrimônio cultural O Decreto-Lei 25/37 ( Lei do Tombamento

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA 1

SEQUÊNCIA DIDÁTICA UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA 1 SEQUÊNCIA DIDÁTICA UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA 1 QUEIROZ, Antônia Márcia Duarte Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sul de Minas Gerais- IFSULDEMINAS Universidade

Leia mais

EIXO1: PRODUÇÃO SIMBÓLICA E DIVERSIDADE CULTURAL

EIXO1: PRODUÇÃO SIMBÓLICA E DIVERSIDADE CULTURAL PROPOSTAS PRIORITÁRIAS EIXO1: PRODUÇÃO SIMBÓLICA E DIVERSIDADE CULTURAL SUB EIXO 1.1 - Produção de Arte e Bens Simbólicos - Implementar políticas de intercâmbio em nível regional, nacional e internacional,

Leia mais

1 Concurso Cartão de Natal - IMEPAC

1 Concurso Cartão de Natal - IMEPAC CONCURSO FOTOGRÁFICO CARTÃO DE NATAL IMEPAC O INSTITUTO MASTER DE ENSINO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS, situado na Avenida Minas Gerais, 1889, Centro, na cidade de Araguari/MG, inscrita no CNPJ sob o n.º 11.010.877/0001-80,

Leia mais

A GUERRA SANTA ENTRE A IRMANDADE DA BOA MORTE E A IGREJA CATÓLICA. BAHIA - 1989/1990

A GUERRA SANTA ENTRE A IRMANDADE DA BOA MORTE E A IGREJA CATÓLICA. BAHIA - 1989/1990 A GUERRA SANTA ENTRE A IRMANDADE DA BOA MORTE E A IGREJA CATÓLICA. BAHIA - 1989/1990 1. APRESENTAÇÃO Wiltércia Silva de SOUZA wiltercia@gmail.com UNEB Em novembro de 1989, a imprensa escrita baiana noticiava

Leia mais

ROTEIRO DE ESTUDO I ETAPA LETIVA HISTÓRIA 2.º ANO/EF 2015

ROTEIRO DE ESTUDO I ETAPA LETIVA HISTÓRIA 2.º ANO/EF 2015 SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA MANTENEDORA DA PUC Minas E DO COLÉGIO SANTA MARIA ROTEIRO DE ESTUDO I ETAPA LETIVA HISTÓRIA 2.º ANO/EF 2015 Caro(a) aluno(a), É tempo de conferir os conteúdos estudados na

Leia mais

Nome: José Aldenir Aguiar

Nome: José Aldenir Aguiar Mestres de 2004 Nome: José Aldenir Aguiar Nome Artístico: Mestre Aldenir Data de Nasc.: 20/08/1933 Tradição Cultural Desenvolvida: Reisado "Reisado Folguedo do ciclo natalino, que representa o cortejo

Leia mais

Apresentação do Banco de Dados Mundial sobre Fortificações

Apresentação do Banco de Dados Mundial sobre Fortificações Apresentação do Banco de Dados Mundial sobre Fortificações Roberto Tonera Projeto Fortalezas Multimídia - Universidade Federal de Santa Catarina Brasil projeto@fortalezasmultimidia.com.br artonera@hotmail.com

Leia mais

Prêmio Sinepe. 10 Prêmio Responsabilidade Social Categoria: Desenvolvimento Cultural. Literarte 2015 Artes Visuais no Distrito Criativo.

Prêmio Sinepe. 10 Prêmio Responsabilidade Social Categoria: Desenvolvimento Cultural. Literarte 2015 Artes Visuais no Distrito Criativo. Prêmio Sinepe 10 Prêmio Responsabilidade Social Categoria: Desenvolvimento Cultural Literarte 2015 Artes Visuais no Distrito Criativo tempo Apresentação do Projeto Um pouco de História do Colégio Batista

Leia mais

II ORIENTAÇÕES, CRITÉRIOS ESPECÍFICOS E DOCUMENTAÇÃO COMPLEMENTAR

II ORIENTAÇÕES, CRITÉRIOS ESPECÍFICOS E DOCUMENTAÇÃO COMPLEMENTAR Anexo II ORIENTAÇÕES, CRITÉRIOS ESPECÍFICOS E DOCUMENTAÇÃO COMPLEMENTAR I Orientações Gerais (Qualquer área) a) Projeto com duração superior a seis meses deverá apresentar, pelo menos, 25% (vinte e cinco

Leia mais

EDITAL DE CONVOCAÇÃO CONFERÊNCIA EXTRAORDINÁRIA MUNICIPAL DE CULTURA

EDITAL DE CONVOCAÇÃO CONFERÊNCIA EXTRAORDINÁRIA MUNICIPAL DE CULTURA EDITAL DE CONVOCAÇÃO CONFERÊNCIA EXTRAORDINÁRIA MUNICIPAL DE CULTURA PROCESSO DE ELEIÇÃO DOS CONSELHEIROS REPRESENTANTES DA SOCIEDADE CIVIL QUE IRÃO COMPOR O CONSELHO MUNICIPAL DE POLÍTICAS CULTURAIS DE

Leia mais

REQUERIMENTO (Do Sr. VICENTINHO )

REQUERIMENTO (Do Sr. VICENTINHO ) REQUERIMENTO (Do Sr. VICENTINHO ) Requer o envio de Indicação ao Poder Executivo, relativa à Escola de Samba Vai Vai do Estado de São Paulo como patrimônio imaterial da cultura do Brasil. Senhor Presidente:

Leia mais

NARRATIVAS MÍTICAS E PAISAGENS SONORAS: INCURSÕES NO MUNDO MÁGICO DA FESTA DE NOSSA SENHORA DO ROSÁRIO 1

NARRATIVAS MÍTICAS E PAISAGENS SONORAS: INCURSÕES NO MUNDO MÁGICO DA FESTA DE NOSSA SENHORA DO ROSÁRIO 1 NARRATIVAS MÍTICAS E PAISAGENS SONORAS: INCURSÕES NO MUNDO MÁGICO DA FESTA DE NOSSA SENHORA DO ROSÁRIO 1 Renata Nogueira da Silva Universidade de Brasília (Mestranda) rerenogueira@yahoo.com.br 1. Relatos

Leia mais

PROPOSTAS PRIORITÁRIAS

PROPOSTAS PRIORITÁRIAS PROPOSTAS PRIORITÁRIAS EIXO1: PRODUÇÃO SIMBÓLICA E DIVERSIDADE CULTURAL SUB EIXO: 1.1 - Produção de Arte e Bens Simbólicos 1 - Implementar políticas de intercâmbio em nível regional, nacional e internacional

Leia mais

Com relação aos Compromissos Nacionais

Com relação aos Compromissos Nacionais Plano de Ação México Com relação aos Compromissos Nacionais 1. Nos último anos, o Ministério da Cultura do Brasil (MinC) vem debatendo com especial ênfase o impacto econômico propiciado pela música na

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS Gabinete do Deputado Federal Francisco Everardo TIRIRICA

CÂMARA DOS DEPUTADOS Gabinete do Deputado Federal Francisco Everardo TIRIRICA COMISSÃO DE CULTURA PROJETO DE LEI N o 2.475, DE 2011 Declara a Festa do Pau da Bandeira de Barbalha CE, Patrimônio Cultural Imaterial do Brasil. Autor: Deputado José Guimarães Relator: Deputado Tiririca

Leia mais

INSTITUTO BRASIL SOLIDÁRIO Programa de Desenvolvimento da Educação - PDE SÃO JOÃO LITERÁRIO

INSTITUTO BRASIL SOLIDÁRIO Programa de Desenvolvimento da Educação - PDE SÃO JOÃO LITERÁRIO INSTITUTO Programa de Desenvolvimento BRASIL da Educação SOLIDÁRIO - PDE SÃO JOÃO LITERÁRIO É uma excelente oportunidade para se trabalhar com a produção literária, presente na cultura popular; Adivinhas,

Leia mais

COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO. Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção.

COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO. Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção. COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção. Modos de Produção O modo de produção é a maneira pela qual a sociedade produz seus

Leia mais

A FESTA DO SENHOR SANTO CRISTO DOS MILAGRES NA RTP AÇORES. Rádio e Televisão

A FESTA DO SENHOR SANTO CRISTO DOS MILAGRES NA RTP AÇORES. Rádio e Televisão A FESTA DO SENHOR SANTO CRISTO DOS MILAGRES NA RTP AÇORES Rádio e Televisão É na ambiência única de religiosidade, fé e partilha, do Campo de São Francisco, em Ponta Delgada, que vão decorrer as grandes

Leia mais

O Papel da Educação Patrimonial Carlos Henrique Rangel

O Papel da Educação Patrimonial Carlos Henrique Rangel O Papel da Educação Patrimonial Carlos Henrique Rangel O Patrimônio Cultural pode ser entendido como um conjunto de coisas de seres humanos. Coisas de gente, criadas para facilitar a vivência em grupo

Leia mais

Projeto Festival de Forró

Projeto Festival de Forró Projeto Festival de Forró Giovanni Salera Júnior E-mail: salerajunior@yahoo.com.br Gurupi TO Fevereiro de 2009 1 Salera Júnior, Giovanni. Catalogação Projeto Festival de Forró. Giovanni Salera Júnior.

Leia mais

Trabalho apresentado no VI Congresso Internacional sobre as Festas do Divino Espírito Santo Winnipeg/Canadá 11 a 15 de junho 2014

Trabalho apresentado no VI Congresso Internacional sobre as Festas do Divino Espírito Santo Winnipeg/Canadá 11 a 15 de junho 2014 Trabalho apresentado no VI Congresso Internacional sobre as Festas do Divino Espírito Santo Winnipeg/Canadá 11 a 15 de junho 2014 Festa do Divino Espírito Santo e seu registro fotográfico. Jairton Ortiz

Leia mais

PREFEITURA DE MACAPÁ FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE CULTURA

PREFEITURA DE MACAPÁ FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE CULTURA PREFEITURA DE MACAPÁ FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE CULTURA EDITAL Nº 01/2015 FUMCULT- PMM SELEÇÃO SIMPLIFICADA DE ESPETÁCULOS DE TEATRO PARA O PROJETO CIRCUITO NATALINO 2015 A PREFEITURA MUNICIPAL DE MACAPÁ, através

Leia mais

Educação Patrimonial e História Oral na vila de Santo Amaro: instrumentos de preservação e democratização da Memória e do Patrimônio

Educação Patrimonial e História Oral na vila de Santo Amaro: instrumentos de preservação e democratização da Memória e do Patrimônio Educação Patrimonial e História Oral na vila de Santo Amaro: instrumentos de preservação e democratização da Memória e do Patrimônio Cristiéle Santos de Souza André Luis Ramos Soares RESUMO Originalmente

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO:

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: PARECER HOMOLOGADO (*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 04/12/2007. (*) Portaria / MEC n 1.154, publicada no Diário Oficial da União de 04/12/2007. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

Leia mais

Locais a serem visitados

Locais a serem visitados Apresentação Este projeto trata da elaboração de um livro, bilíngüe, que utilizará a fotografia como forma de expressão artística e que terá como tema central o Litoral do Ceará. A publicação, composta

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA - UNEB SEMINÁRIO INTERNACIONAL ACOLHENDO AS LÍNGUAS AFRICANAS - SIALA

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA - UNEB SEMINÁRIO INTERNACIONAL ACOLHENDO AS LÍNGUAS AFRICANAS - SIALA OLÓMI L ÒSUN 1 : O MONUMENTO DE OXUM E A AFIRMAÇÃO DA CULTURA AFRO-BRASILEIRA Autora: Raquel Braun Figueiró 2 A colocação da estátua do orixá Oxum as margens do rio Guaíba, em Porto Alegre, capital do

Leia mais

Modelo de Projetos Internacionais Conhecer para preservar: animais em extinção Faixa etária: 11 a 14 anos (Ensino Fundamental II) Duração: 2 meses

Modelo de Projetos Internacionais Conhecer para preservar: animais em extinção Faixa etária: 11 a 14 anos (Ensino Fundamental II) Duração: 2 meses Modelo de Projetos Internacionais Conhecer para preservar: animais em extinção Faixa etária: 11 a 14 anos (Ensino Fundamental II) Duração: 2 meses Resumo O objetivo da atividade é que os estudantes aprendam

Leia mais

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC O Trabalho de Conclusão de Curso está estruturado sob a forma de elaboração de artigo científico, sendo este resultado de um trabalho integrado entre as disciplinas de

Leia mais

Perguntas e Respostas Mais Cultura nas Escolas

Perguntas e Respostas Mais Cultura nas Escolas Perguntas e Respostas Mais Cultura nas Escolas O que é "Mais Cultura nas Escolas"? O PROGRAMA MAIS CULTURA NAS ESCOLAS consiste em iniciativa interministerial firmada entre os Ministérios da Cultura (MINC)

Leia mais

MANUAL DO PIM Programa de Integração com o Mercado

MANUAL DO PIM Programa de Integração com o Mercado MANUAL DO PIM Programa de Integração com o Mercado Curitiba 2015 Manual do PIM Regras Gerais 2 S U M Á R I O 1. O QUE É O PIM... 3 2. OBJETIVOS DO TRABALHO DE APLICAÇÃO TECNOLÓGICA... 3 3. CARACTERÍSTICAS

Leia mais

Reflexões socioantropológicas sobre festa, religião e cidade no Brasil.

Reflexões socioantropológicas sobre festa, religião e cidade no Brasil. Reflexões socioantropológicas sobre festa, religião e cidade no Brasil. PEREZ, Léa Freitas. Festa, religião e cidade. Corpo e Alma do Brasil. Porto Alegre: Medianiz, 2011, 211p. Mauro Dillmann 1 Gilberto

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE NITERÓI SECRETARIA MUNICIPAL DE CULTURA FUNDAÇÃO DE ARTE DE NITERÓI

PREFEITURA MUNICIPAL DE NITERÓI SECRETARIA MUNICIPAL DE CULTURA FUNDAÇÃO DE ARTE DE NITERÓI PREFEITURA MUNICIPAL DE NITERÓI SECRETARIA MUNICIPAL DE CULTURA FUNDAÇÃO DE ARTE DE NITERÓI CHAMADA PÚBLICA DE ARTISTAS N o 02/2015 ARTE NA RUA A Prefeitura Municipal de Niterói, por meio da Secretaria

Leia mais

REVISITANDO A HISTÓRIA DA ESCOLA AGRÍCOLA: HISTÓRIA E MEMÓRIA DE UMA ESCOLA CENTENÁRIA

REVISITANDO A HISTÓRIA DA ESCOLA AGRÍCOLA: HISTÓRIA E MEMÓRIA DE UMA ESCOLA CENTENÁRIA REVISITANDO A HISTÓRIA DA ESCOLA AGRÍCOLA: HISTÓRIA E MEMÓRIA DE UMA ESCOLA CENTENÁRIA Camila Damasceno de Paula Larissa Pamplona de Oliveira Ana Carolina de Almeida Bergamaschi Fabrício Roberto Costa

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO FORMAL 1 NO PROCESSO DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DO ESTADO DE MINAS GERAIS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO FORMAL 1 NO PROCESSO DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DO ESTADO DE MINAS GERAIS 1 TERMO DE REFERÊNCIA PARA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO FORMAL 1 NO PROCESSO DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DO ESTADO DE MINAS GERAIS O presente Termo de Referência visa a orientar a elaboração de programas de educação

Leia mais

Título I. Dos Princípios Gerais

Título I. Dos Princípios Gerais CORDENADORIA DO NPJ Criado pela Resolução 01/99 Colegiado Superior REGULAMENTO Dispõe sobre o funcionamento da Coordenadoria do Núcleo de Prática Jurídica e seus órgãos no Curso de Graduação em Direito.

Leia mais

PODER EXECUTIVO MUNICIPAL DE ITIQUIRA- MT

PODER EXECUTIVO MUNICIPAL DE ITIQUIRA- MT INSTRUÇÃO NORMATIVA SCS Nº 002/2012, DE 31 DE OUTUBRO DE 2012. Versão nº 01 Aprovação em: 31/10/2012 Ato de Aprovação: Decreto Municipal nº 053/2012 Unidade Responsável: Departamento de Comunicação I -

Leia mais

Esse texto é parte integrante da dissertação de mestrado defendida em dezembro de 2001 na UFBA. 1

Esse texto é parte integrante da dissertação de mestrado defendida em dezembro de 2001 na UFBA. 1 1 REPRESENTAÇÕES DA SOCIEDADE ESCRAVISTA BRASILEIRA NA VIAGEM PITORESCA E HISTORICA AO BRASIL, DE JEAN BAPTISTE DEBRET: UMA POSSIBILIDADE DE LEITURA NO LIVRO DIDÁTICO Emilia Maria F. da Silva emiliamfs@terra.com.br

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA Normatização nº 01/2010 - CCEF ESTABELECE NORMAS PARA O TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC - DO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO

Leia mais

Concurso Cultural: Eleição 2014 para Rainha e Princesas do Festival Delícias do Milho em Bueno de Andrada

Concurso Cultural: Eleição 2014 para Rainha e Princesas do Festival Delícias do Milho em Bueno de Andrada Concurso Cultural: Eleição 2014 para Rainha e Princesas do Festival Delícias do Milho em Bueno de Andrada Dia 30 de Maio, será a seleção de candidatas do Concurso Cultural para Rainha e Princesas do 5

Leia mais

LEI N 1299, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2015.

LEI N 1299, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2015. LEI N 1299, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2015. APROVA O CALENDÁRIO DE EVENTOS DO MUNICÍPIO PARA O ANO DE 2016, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. BRAULIO MARCOS GARDA, Prefeito Municipal de Guabiju-RS, no uso de sua atribuições

Leia mais

LIBERDADE DE CRENÇA E DE CULTO

LIBERDADE DE CRENÇA E DE CULTO 1 Legislação e orientações jurídicas sobre o exercício da liberdade religiosa, o combate à discriminação religiosa e a proteção do patrimônio cultural afro-brasileiro. Eu sou do Axé! Eu sou de Saravá!

Leia mais

LER E PERTENCER. Justificativa:

LER E PERTENCER. Justificativa: 1 LER E PERTENCER Justificativa: A Biblioteca Pública João XXIII possui mais de 70 anos de existência e funcionando desde 1981 no prédio da Casa da Cultura de Bom Jardim¹. O que durante um tempo foi uma

Leia mais

REGIMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS URBANOS - NEURB CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E FINALIDADE

REGIMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS URBANOS - NEURB CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E FINALIDADE Preâmbulo Os representantes do CONFAUeD, reunidos em assembléia, no dia 30 de junho de 2011, para instituição dos regimentos dos seus laboratórios e núcleos, após deliberação aprovou o REGIMENTO INTERNO

Leia mais

ANTES E DEPOIS: A FOTOGRAFIA NO PROCESSO DE RESGATE HISTÓRICO DA CIDADE DE PONTA GROSSA

ANTES E DEPOIS: A FOTOGRAFIA NO PROCESSO DE RESGATE HISTÓRICO DA CIDADE DE PONTA GROSSA 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( X) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ANTES E DEPOIS:

Leia mais

Itinerários Culturais do Mercosul

Itinerários Culturais do Mercosul II Reunião da Comissão de Patrimônio Cultural do MERCOSUL Os projetos em desenvolvimento no Brasil Antecedentes Considerando as reflexões sobre as novas categorias de bens culturais que estão sendo discutidas

Leia mais

CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E FINALIDADE

CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E FINALIDADE Preâmbulo Os representantes do CONFAUeD, reunidos em assembléia, no dia 30 de junho de 2011, para instituição dos regimentos dos seus laboratórios e núcleos, após deliberação aprovou o REGIMENTO INTERNO

Leia mais

6ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL SUSTENTÁVEL TEXTO BASE 4 QUEM SOMOS NÓS OS POVOS E COMUNIDADES TRADICIONAIS

6ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL SUSTENTÁVEL TEXTO BASE 4 QUEM SOMOS NÓS OS POVOS E COMUNIDADES TRADICIONAIS 6ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL SUSTENTÁVEL TEXTO BASE 4 QUEM SOMOS NÓS OS POVOS E COMUNIDADES TRADICIONAIS Somos os guardiões das origens, somos os conhecedores das tradições

Leia mais

O XADREZ COMO FERRAMENTA MULDISCIPLINAR

O XADREZ COMO FERRAMENTA MULDISCIPLINAR O XADREZ COMO FERRAMENTA MULDISCIPLINAR Lindsay Franciane da Costa Melo Reis * RESUMO O presente projeto busca proporcionar uma ação multidisciplinar através do xadrez na Escola de ensino Fundamental Santa

Leia mais

Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional

Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional CAPITULO I Do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional Art. 1º. Constitui o patrimônio histórico e artístico nacional o conjunto dos bens móveis

Leia mais

CENTRO LÚCIO COSTA (CLC) PROGRAMA DE FORMAÇÃO Novembro 2013

CENTRO LÚCIO COSTA (CLC) PROGRAMA DE FORMAÇÃO Novembro 2013 CENTRO LÚCIO COSTA (CLC) PROGRAMA DE FORMAÇÃO Novembro 2013 Datam de 2008 as primeiras negociações entre o Governo do Brasil e a UNESCO para a criação de um Centro de Categoria II (CC2) sediado no Rio

Leia mais

Lei de incentivo do Paraná Decreto 5.570 de 2002

Lei de incentivo do Paraná Decreto 5.570 de 2002 DECRETO 5.570, DE 15 DE ABRIL DE 2002. Regulamenta a Lei nº. 13.133, de 2001, que cria o Programa Estadual de Incentivo à Cultura, institui a Comissão Estadual de Desenvolvimento Cultural e adota outras

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL

DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL A Conferência Geral, Reafirmando o seu compromisso com a plena realização dos direitos humanos e das liberdades fundamentais proclamadas na Declaração

Leia mais

REGULAMENTO DE MONOGRAFIA NO CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DA UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL - IMES

REGULAMENTO DE MONOGRAFIA NO CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DA UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL - IMES REGULAMENTO DE MONOGRAFIA NO CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DA UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL - IMES CAPÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES GERAIS E OBJETIVOS Art. 1º - O presente Regulamento tem por

Leia mais

Sumário INTRODUÇÃO 9. A constituição do Centro de Cultura e Arte Negra 17 O Coral Crioulo, o grupo teatral e o Cecan 22

Sumário INTRODUÇÃO 9. A constituição do Centro de Cultura e Arte Negra 17 O Coral Crioulo, o grupo teatral e o Cecan 22 Sumário INTRODUÇÃO 9 1. A PRIMEIRA FASE DO CECAN (1971-1974) O TEATRO FALANDO POR NÓS 17 A constituição do Centro de Cultura e Arte Negra 17 O Coral Crioulo, o grupo teatral e o Cecan 22 2. A SEGUNDA FASE

Leia mais