Juliana Santilli Congresso Internacional de Valorização de. Produtos Tradicionais Ponte de Lima-Portugal

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Juliana Santilli Congresso Internacional de Valorização de. Produtos Tradicionais Ponte de Lima-Portugal"

Transcrição

1 Juliana Santilli Congresso Internacional de Valorização de Produtos Tradicionais Ponte de Lima-Portugal 1

2 Grande avanço no conceito jurídico de patrimônio cultural O Decreto-Lei 25/37 ( Lei do Tombamento ) usa o conceito de patrimônio histórico e artístico nacional : Bens móveis e imóveis Vinculação a fatos memoráveis da história do Brasil 2

3 Inclui tanto os bens culturais materiais como os bens imateriais Tomados individualmente ou em conjunto, portadores de referência à identidade, à ação, à memória dos diferentes grupos formadores da sociedade brasileira Incluem: as formas de expressão os modos de criar, fazer e viver as criações científicas, artísticas e tecnológicas além das obras, objetos, documentos, edificações etc. 3

4 Manifestações das culturas populares, indígenas e afro-brasileiras Reconhecimento de direitos culturais e territoriais às minorias étnicas Valorização da diversidade biológica e da diversidade étnica e regional Foto: Marcos Santilli 4

5 Tombamento (bens materiais) Instrumentos mais adequados à preservação de bens imateriais, como inventários, registros, e outras formas de acautelamento e preservação. Decreto 3.551/2000: Institui o Registro de Bens Culturais de Natureza Imaterial que constituem patrimônio cultural brasileiro Cria o Programa Nacional do Patrimônio Imaterial 5

6 Título de patrimônio cultural do Brasil Obrigação dos poderes públicos de promover ações de salvaguarda Devem contar com o apoio dos grupos sociais envolvidos 1) Livro de Registro dos Saberes 2) Livro de Registro das Celebrações (festas, rituais) 3) Livro de Registro das Formas de Expressão 4) Livro de Registro dos Lugares (mercados, feiras, santuários) 6

7 Livro de Registro dos Saberes: conhecimentos e modos de fazer enraizados no cotidiano das comunidades. Ex: ofício das baianas de acarajé (Bahia) Objeto de proteção: processo (modo tradicional de fazer acarajé) 7

8 Acarajé: Bolinho de feijão, frito em azeite de dendê, com pimenta, camarão, cebola, tomate, etc É uma iguaria de origem africana, trazida para o Brasil pelos escravos Tem sentido religioso: é comida de santo, ofertada aos orixás nos terreiros de candomblé Ofício da baiana de acarajé é um meio de vida para muitas mulheres e sustenta muitas famílias (Fonte: Iphan, 2007) 8

9 9

10 Ofício das paneleiras de Goiabeiras (Espírito Santo) Fabricação artesanal de panelas de barro (retirado do ecossistema local: manguezal): modelagem manual, queima em fogueira a céu aberto, tintura de tanino Saber fazer eminentemente feminino, repassado de mãe para filha há muitas gerações Moqueca capixaba (frutos do mar) 10

11 O modo de produção artesanal de queijo a partir do leite cru é um traço marcante da identidade cultural das regiões serranas de Minas Gerais (Serro e Serras da Canastra e do Salitre) Cada região tem um modo de fazer próprio, expresso na forma de manipulação do leite e no tempo de maturação (cura). Constituem aspectos comuns o uso de leite cru e a adição do pingo, um fermento láctico natural, recolhido a partir do soro que drena do próprio queijo. 11

12 Sistema agrícola tradicional do Rio Negro Sistema agrícola: conjunto de conhecimentos, fazeres, tecnologias e artefatos implicados no cultivo, transformação e consumo de alimentos Povos indígenas que habitam a região do médio e Alto Rio Negro (Amazônia brasileira) (Fonte: Emperaire et al, 2007) 12

13 Elemento central e estruturante: mandioca Mais de uma centena de plantas cultivadas, entre fruteiras, medicinais e outras categorias, acompanha a mandioca (Emperaire et al, 2007) 13

14 Nova abordagem: Os bens culturais não têm valor intrínseco, o valor lhes é atribuído por sujeitos particulares e em contextos históricos específicos. (IPHAN, 2006) Os bens culturais imateriais protegidos pelo registro não geram, necessariamente, produtos e serviços com um valor econômico, ainda que tenham um forte valor cultural, simbólico, social O registro considera o caráter dinâmico e processual dos bens culturais imateriais Natureza declaratória: não cria direitos, mas gera a obigação do Poder Público de promover ações de salvaguarda 14

15 Normas sanitárias tendem a promover uma excessiva homogeneização e industrialização dos produtos, em detrimento de sua identidade e tipicidade. Normas sanitárias devem procurar um equilíbrio entre a saúde e segurança dos alimentos e a valorização de práticas locais e tradicionais relevantes à biodiversidade e à diversidade sociocultural 15

16 Muito Obrigado!! 16

Juliana Santilli, Promotora de Justiça, MPDFT e Doutora (Direito Socioambiental)- PUC-PR

Juliana Santilli, Promotora de Justiça, MPDFT e Doutora (Direito Socioambiental)- PUC-PR Juliana Santilli, Promotora de Justiça, MPDFT e Doutora (Direito Socioambiental)- PUC-PR 1 Igs identificam e agregam valor a produtos associados a determinados territórios, concebidos em suas dimensões

Leia mais

Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional

Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional CAPITULO I Do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional Art. 1º. Constitui o patrimônio histórico e artístico nacional o conjunto dos bens móveis

Leia mais

Estruturas institucionais esfera federal

Estruturas institucionais esfera federal Estruturas institucionais esfera federal Departamento do Patrimônio Imaterial Princípio de atuação: respeito à diversidade cultural e valorização da diferença são os princípios organizadores da atuação

Leia mais

CARTILHA SOBRE RACISMO E INVIOLABILIDADE DE DOMICÍLIO DAS POPULAÇÕES CIGANAS, NÔMADES E DE RELIGIÕES DE MATRIZ AFRICANA

CARTILHA SOBRE RACISMO E INVIOLABILIDADE DE DOMICÍLIO DAS POPULAÇÕES CIGANAS, NÔMADES E DE RELIGIÕES DE MATRIZ AFRICANA Escola Superior Dom Helder Câmara CARTILHA SOBRE RACISMO E INVIOLABILIDADE DE DOMICÍLIO DAS POPULAÇÕES CIGANAS, NÔMADES E DE RELIGIÕES DE MATRIZ AFRICANA Introdução A Constituição da República Federativa

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS Gabinete do Deputado Federal Francisco Everardo TIRIRICA

CÂMARA DOS DEPUTADOS Gabinete do Deputado Federal Francisco Everardo TIRIRICA COMISSÃO DE CULTURA PROJETO DE LEI N o 2.475, DE 2011 Declara a Festa do Pau da Bandeira de Barbalha CE, Patrimônio Cultural Imaterial do Brasil. Autor: Deputado José Guimarães Relator: Deputado Tiririca

Leia mais

GASTRONOMIA E PATRIMÔNIO CULTURAL LONDRINENSE

GASTRONOMIA E PATRIMÔNIO CULTURAL LONDRINENSE GASTRONOMIA E PATRIMÔNIO CULTURAL LONDRINENSE Evelyn Nunomura* Isadora Fernanda Rossi* Gilberto Hildebrando* Sonia Maria de Oliveira Dantas* Leandro Henrique Magalhães** Mirian Cristina Maretti** *Acadêmicos

Leia mais

COMIDA, VIGILÂNCIA SANITÁRIA E PATRIMÔNIO CULTURAL: CONFLITOS E CONTRADIÇÕES ENTRE POLÍTICAS PÚBLICAS

COMIDA, VIGILÂNCIA SANITÁRIA E PATRIMÔNIO CULTURAL: CONFLITOS E CONTRADIÇÕES ENTRE POLÍTICAS PÚBLICAS COMIDA, VIGILÂNCIA SANITÁRIA E PATRIMÔNIO CULTURAL: CONFLITOS E CONTRADIÇÕES ENTRE POLÍTICAS PÚBLICAS Rosângela Pezza Cintrão 1 Doutoranda pelo CPDA/ UFRRJ bibicintrao@uol.com.br GT05- Políticas Públicas,

Leia mais

REFERÊNCIAS SOBRE PRESERVAÇÃO DE PATRIMÔNIOS CULTURAIS

REFERÊNCIAS SOBRE PRESERVAÇÃO DE PATRIMÔNIOS CULTURAIS V ENECULT - Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura 27 a 29 de maio de 2009 Faculdade de Comunicação/UFBa, Salvador-Bahia-Brasil. REFERÊNCIAS SOBRE PRESERVAÇÃO DE PATRIMÔNIOS CULTURAIS Adalberto

Leia mais

A preocupação com a memória e o Patrimônio Cultural vem ganhando espaço,

A preocupação com a memória e o Patrimônio Cultural vem ganhando espaço, MEMÓRIA GASTRONÔMICA E PATRIMÔNIO CULTURAL LONDRINENSE GASTRONOMIC MEMORY AND LONDRINENSE CULTURAL HERITAGE Prof. Dr. Leandro Henrique Magalhães 1 Profa. Dra. Mirian Cristina Maretti 1 Sonia Maria Dantas

Leia mais

CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X

CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X SUGESTÃO DE METODOLOGIA PARA INVENTÁRIO DE PATRIMÔNIO CULTURAL

Leia mais

O JONGO NO SUL FLUMINENSE: REFLEXÕES SOBRE HISTÓRIA, MEMÓRIA E DIREITOS DESDE UMA PERSPECTIVA INTERDISCIPLINAR

O JONGO NO SUL FLUMINENSE: REFLEXÕES SOBRE HISTÓRIA, MEMÓRIA E DIREITOS DESDE UMA PERSPECTIVA INTERDISCIPLINAR O JONGO NO SUL FLUMINENSE: REFLEXÕES SOBRE HISTÓRIA, MEMÓRIA E DIREITOS DESDE UMA PERSPECTIVA INTERDISCIPLINAR 1. INTRODUÇÃO Vanessa Santos do Canto * Luana da Silva Oliveira ** A ampliação do conceito

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, de 2010. (Do Sr. Dr. Marcelo Itagiba)

PROJETO DE LEI Nº, de 2010. (Do Sr. Dr. Marcelo Itagiba) PROJETO DE LEI Nº, de 2010. (Do Sr. Dr. Marcelo Itagiba) Declara a SAARA, área de comércio popular localizada na Rua da Alfândega e adjacências, na cidade do Rio de Janeiro, Patrimônio Cultural Imaterial

Leia mais

DIRETORIA DE CONTRATOS INDICAÇÕES GEOGRÁFICAS E REGISTROS - DICIG Coordenação Geral de Indicações Geográficas e Registros - CGIR

DIRETORIA DE CONTRATOS INDICAÇÕES GEOGRÁFICAS E REGISTROS - DICIG Coordenação Geral de Indicações Geográficas e Registros - CGIR DIRETORIA DE CONTRATOS INDICAÇÕES GEOGRÁFICAS E REGISTROS - DICIG Coordenação Geral de Indicações Geográficas e Registros - CGIR Coordenação de Fomento e Registro de Indicação Geográfica - COIND Luiz Claudio

Leia mais

PATRIMÔNIO AMBIENTAL

PATRIMÔNIO AMBIENTAL PATRIMÔNIO AMBIENTAL PATRIMÔNIO Conjunto de direitos e obrigações de uma pessoa PATRIMÔNIO Bem ou conjunto de bens culturais ou naturais valor reconhecido para determinada localidade, região, país, ou

Leia mais

SUMÁRIO. Introdução... 2 Objetivos... 2 Possibilidades de Trabalho... 3

SUMÁRIO. Introdução... 2 Objetivos... 2 Possibilidades de Trabalho... 3 SUMÁRIO Introdução............................................ 2 Objetivos............................................. 2 Possibilidades de Trabalho........................... 3 INTRODUÇÃO A disciplina

Leia mais

41 GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA GOVERNADORIA. lein 1019,DE 30 de NOVEMBRO de2001.

41 GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA GOVERNADORIA. lein 1019,DE 30 de NOVEMBRO de2001. 41 GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA GOVERNADORIA lein 1019,DE 30 de NOVEMBRO de2001. Dispõe sobre os instrumentos de controle do acesso aos recursos genéticos do Estado de Rondônia. 0 GOVERNADOR DO ESTADO

Leia mais

Os africanos contribuíram para a cultura brasileira em uma

Os africanos contribuíram para a cultura brasileira em uma Cultura Negra Cultura Negra Os africanos contribuíram para a cultura brasileira em uma enormidade de aspectos: dança, música, religião, culinária e idioma. Essa influência se faz notar em grande parte

Leia mais

O patrimônio cultural é de fundamental importância para a memória, a identidade e a criatividade dos povos e a riqueza das culturas. Patrimônio Cultural Mundial: é composto por monumentos, grupos de edifícios

Leia mais

12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1

12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( X ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

PATRIMÔNIO CULTURAL IMATERIAL

PATRIMÔNIO CULTURAL IMATERIAL PATRIMÔNIO CULTURAL IMATERIAL PARA SABER MAIS IPHAN/ MinC C R É D I T O S PRESIDENTA DA REPÚBLICA DO BRASIL Dilma Rousseff MINISTRA DE ESTADO DA CULTURA Ana de Hollanda PRESIDENTE DO IPHAN Luiz Fernando

Leia mais

TAVIRA, Comunidade Representativa de Portugal e a Salvaguarda da Dieta Mediterrânica CCDR Algarve, Faro Articular para Intervir 27 de Janeiro de 2016

TAVIRA, Comunidade Representativa de Portugal e a Salvaguarda da Dieta Mediterrânica CCDR Algarve, Faro Articular para Intervir 27 de Janeiro de 2016 TAVIRA, Comunidade Representativa de Portugal e a Salvaguarda da Dieta Mediterrânica CCDR Algarve, Faro Articular para Intervir 27 de Janeiro de 2016 8ª Sessão do Comité Intergovernamental para a Salvaguarda

Leia mais

Proposta para que o PAA possa apoiar a regularização ambiental

Proposta para que o PAA possa apoiar a regularização ambiental Proposta para que o PAA possa apoiar a regularização ambiental Considerando a Diretriz 2 do Plano Nacional de Segurança Alimentar: Promoção do abastecimento e estruturação de sistemas descentralizados,

Leia mais

INDICAÇÕES GEOGRÁFICAS. Coordenação de Fomento e Registro de Indicações Geográficas DICIG / CGIR / COIND

INDICAÇÕES GEOGRÁFICAS. Coordenação de Fomento e Registro de Indicações Geográficas DICIG / CGIR / COIND INDICAÇÕES GEOGRÁFICAS Coordenação de Fomento e Registro de Indicações Geográficas DICIG / CGIR / COIND Conceito usual Indicação utilizada em produtos que apresentam uma origem geográfica específica e

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE. RESOLUÇÃO COEMA n.º 014/09

GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE. RESOLUÇÃO COEMA n.º 014/09 GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO COEMA n.º 014/09 Dispõe sobre critérios e procedimentos necessários à preservação do patrimônio cultural, inclusive o arqueológico,

Leia mais

6ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL SUSTENTÁVEL TEXTO BASE 4 QUEM SOMOS NÓS OS POVOS E COMUNIDADES TRADICIONAIS

6ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL SUSTENTÁVEL TEXTO BASE 4 QUEM SOMOS NÓS OS POVOS E COMUNIDADES TRADICIONAIS 6ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL SUSTENTÁVEL TEXTO BASE 4 QUEM SOMOS NÓS OS POVOS E COMUNIDADES TRADICIONAIS Somos os guardiões das origens, somos os conhecedores das tradições

Leia mais

PROJETO DE RELATÓRIO

PROJETO DE RELATÓRIO ACP-EU JOINT PARLIAMENTARY ASSEMBLY ASSEMBLEE PARLEMENTAIRE PARITAIRE ACP-UE Comissão dos Assuntos Políticos ACP-EU/101.753/B 19.03.2015 PROJETO DE RELATÓRIO sobre diversidade cultural e direitos humanos

Leia mais

COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº 522, DE 2014

COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº 522, DE 2014 COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº 522, DE 2014 Redação do vencido, para o turno suplementar, do Substitutivo do Senado ao Projeto de Lei da Câmara nº 90, de 2013 (nº 757, de 2011, na Casa de origem). A Comissão

Leia mais

I SEMANA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA I JORNADA CIENTÍFICA E VI FIPA DO CEFET BAMBUÍ REGULAMENTO PARA SUBMISSÃO DE TRABALHOS

I SEMANA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA I JORNADA CIENTÍFICA E VI FIPA DO CEFET BAMBUÍ REGULAMENTO PARA SUBMISSÃO DE TRABALHOS I SEMANA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA I JORNADA CIENTÍFICA E VI FIPA DO CEFET BAMBUÍ REGULAMENTO PARA SUBMISSÃO DE TRABALHOS 1. DOS OBJETIVOS, CONCEITO E ORGANIZAÇÃO DO EVENTO 1.1 Este regulamento geral tem

Leia mais

Diretriz 1. Criar e desenvolver um Censo Geral da Cultura

Diretriz 1. Criar e desenvolver um Censo Geral da Cultura Diretriz 1. Criar e desenvolver um Censo Geral da Cultura Meta 1.1 Levantar e catalogar anualmente, dados e informações acerca da diversidade cultural, do município de Paranaguá; identificar a vocação

Leia mais

OFICINA DE APRESENTAÇÃO DOS PROJETOS PREMIADOS NO EDITAL PNPI 2014 - PATRIMÔNIO CULTURAL DOS POVOS E COMUNIDADES TRADICIONAIS DE MATRIZ AFRICANA

OFICINA DE APRESENTAÇÃO DOS PROJETOS PREMIADOS NO EDITAL PNPI 2014 - PATRIMÔNIO CULTURAL DOS POVOS E COMUNIDADES TRADICIONAIS DE MATRIZ AFRICANA OFICINA DE APRESENTAÇÃO DOS PROJETOS PREMIADOS NO EDITAL PNPI 2014 - PATRIMÔNIO CULTURAL DOS POVOS E COMUNIDADES TRADICIONAIS DE MATRIZ AFRICANA PROGRAMAÇÃO 15/09 09h00 às 13h00 Faculdade de Medicina (Canela)

Leia mais

DECRETO Nº 6.040, DE 7 DE FEVEREIRO DE 2007. Institui a Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais.

DECRETO Nº 6.040, DE 7 DE FEVEREIRO DE 2007. Institui a Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais. DECRETO Nº 6.040, DE 7 DE FEVEREIRO DE 2007. Institui a Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere

Leia mais

OIT COP 12, COP- MOP 7, COP-MOP

OIT COP 12, COP- MOP 7, COP-MOP Protocolo Comunitário de Raizeiras do Cerrado direito consuetudinário da medicina tradicional por raizeiras no Brasil; E a experiência brasileira sobre consulta e consentimento prévio e informado da CDB

Leia mais

CULINÁRIA QUILOMBOLA: A BUSCA PELO RESGATE DA IDENTIDADE GASTRONÔMICA ALAGOANA.

CULINÁRIA QUILOMBOLA: A BUSCA PELO RESGATE DA IDENTIDADE GASTRONÔMICA ALAGOANA. CULINÁRIA QUILOMBOLA: A BUSCA PELO RESGATE DA IDENTIDADE GASTRONÔMICA ALAGOANA. Isabela Maria Pereira Barbosa. 1 RESUMO O presente trabalho propõe a busca por uma identidade gastronômica em Alagoas, onde

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL DO PIAUÍ

PLANO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL DO PIAUÍ PLANO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL DO PIAUÍ Carteira de Negócios Cultura Projetos propostos Teresina, PI novembro 2013 CARTEIRA SETORIAL DE NEGÓCIOS Conteúdo da Nota Técnica de Cultura SUMÁRIO

Leia mais

Relações Étnico-raciais no Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana. Ementa da Disciplina. Teleaula 1. Conceitos Básicos.

Relações Étnico-raciais no Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana. Ementa da Disciplina. Teleaula 1. Conceitos Básicos. Relações Étnico-raciais no Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana Teleaula 1 Profa. Dra. Marcilene Garcia de Souza Grupo Uninter Ementa da Disciplina Contextos e conceitos históricos sobre

Leia mais

Todos os campos do formulário são de preenchimento obrigatório e devem ser preenchidos seguindo as seguintes orientações:

Todos os campos do formulário são de preenchimento obrigatório e devem ser preenchidos seguindo as seguintes orientações: Introdução Este manual destina-se a orientar o preenchimento do Formulário de Eventos do Turismo, cujo conteúdo integrará o Calendário Nacional de Eventos Turísticos. Ressalta-se que o Calendário será

Leia mais

PLANO ESTADUAL DA CULTURA. Matriz Situacional da Cultura

PLANO ESTADUAL DA CULTURA. Matriz Situacional da Cultura PLANO ESTADUAL DA CULTURA Matriz Situacional da Cultura Fórum de Planejamento Regional Cidade Sede: Tubarão 27 e 28 de agosto de 2012 Priorização de Diretrizes e Ações Objetivo: Discussão da proposta de

Leia mais

LIBERDADE DE CRENÇA E DE CULTO

LIBERDADE DE CRENÇA E DE CULTO 1 Legislação e orientações jurídicas sobre o exercício da liberdade religiosa, o combate à discriminação religiosa e a proteção do patrimônio cultural afro-brasileiro. Eu sou do Axé! Eu sou de Saravá!

Leia mais

TERREIROS E QUILOMBOS: ESPACIALIDADES E ARTICULAÇÕES

TERREIROS E QUILOMBOS: ESPACIALIDADES E ARTICULAÇÕES 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( X ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA TERREIROS E QUILOMBOS: ESPACIALIDADES E ARTICULAÇÕES Caio

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE UM CONFLITO NA ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL ESTADUAL DE MACAÉ DE CIMA (RJ)

REFLEXÕES SOBRE UM CONFLITO NA ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL ESTADUAL DE MACAÉ DE CIMA (RJ) 1 REFLEXÕES SOBRE UM CONFLITO NA ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL ESTADUAL DE MACAÉ DE CIMA (RJ) Virgínia Villas Boas Sá Rego Neste trabalho apresento algumas reflexões que pretendem contribuir para a formulação

Leia mais

EIXO I - IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA NACIONAL DE CULTURA

EIXO I - IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA NACIONAL DE CULTURA III CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE CULTURA APRESENTAÇÃO DOS 04 (QUATRO) EIXOS A SEREM DISCUTIDOS NA CONFERÊNCIA EIXO I - IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA NACIONAL DE CULTURA Foco Nacional: Impactos da Emenda Constitucional

Leia mais

DIREITO AMBIENTAL NA LEGISLAÇÃO

DIREITO AMBIENTAL NA LEGISLAÇÃO DIREITO AMBIENTAL NA LEGISLAÇÃO FUNDAMENTOS DE DIREITO AMBIENTAL LEGISLAÇÃO NACIONAL Didaticamente podemos dividir o estudo do Direito em duas grandes áreas: o público e o privado. No direito público tratamos

Leia mais

DIREITOS DOS POVOS E COMUNIDADES TRADICIONAIS

DIREITOS DOS POVOS E COMUNIDADES TRADICIONAIS DIREITOS DOS POVOS E COMUNIDADES TRADICIONAIS Cerca de 420 mil ciganos vivem em Minas Gerais DIREITOS DOS POVOS E COMUNIDADES TRADICIONAIS www.mpmg.mp.br Ficha técnica Organização Coordenadoria de Inclusão

Leia mais

ANEXO 5 - Guia para o preenchimento do Questionário sobre património cultural imaterial

ANEXO 5 - Guia para o preenchimento do Questionário sobre património cultural imaterial ANEXO 5 - sobre património cultural imaterial Os campos assinalados com são de preenchimento obrigatório; Nos restantes campos preencha apenas o que souber; Se tiver dúvidas em alguma questão, assinale

Leia mais

Itinerários Culturais do Mercosul

Itinerários Culturais do Mercosul II Reunião da Comissão de Patrimônio Cultural do MERCOSUL Os projetos em desenvolvimento no Brasil Antecedentes Considerando as reflexões sobre as novas categorias de bens culturais que estão sendo discutidas

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 Institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da Caatinga. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da

Leia mais

Programa de Diálogo Intercultural para as Relações Étnico-Raciais da UNESCO no Brasil

Programa de Diálogo Intercultural para as Relações Étnico-Raciais da UNESCO no Brasil Programa de Diálogo Intercultural para as Relações Étnico-Raciais da UNESCO no Brasil Bases Fundamentais Convenção para a proteção e promoção da diversidade das expressões culturais Consolida princípios

Leia mais

O nosso jeito de falar, de gesticular, de cultuar e rezar, de ser e de viver, é profundamente marcado pela presença dos africanos no Brasil.

O nosso jeito de falar, de gesticular, de cultuar e rezar, de ser e de viver, é profundamente marcado pela presença dos africanos no Brasil. ATIVIDADE 01 MANIFESTAÇÕES DA CULTURA AFRO-BRASILEIRA O nosso jeito de falar, de gesticular, de cultuar e rezar, de ser e de viver, é profundamente marcado pela presença dos africanos no Brasil. Com eles

Leia mais

SUSTENTABILIDADE NA AMAZÔNIA. Profa. Dra. Therezinha de Jesus Pinto Fraxe Coordenadora do Núcleo de Socioeconomia

SUSTENTABILIDADE NA AMAZÔNIA. Profa. Dra. Therezinha de Jesus Pinto Fraxe Coordenadora do Núcleo de Socioeconomia SUSTENTABILIDADE NA AMAZÔNIA Profa. Dra. Therezinha de Jesus Pinto Fraxe Coordenadora do Núcleo de Socioeconomia Introdução A formação social amazônica foi fundamentada historicamente em tipos variados

Leia mais

INDICAÇÕES GEOGRÁFICAS. Coordenação de Fomento e Registro de Indicações Geográficas DICIG / CGIR / COIND

INDICAÇÕES GEOGRÁFICAS. Coordenação de Fomento e Registro de Indicações Geográficas DICIG / CGIR / COIND INDICAÇÕES GEOGRÁFICAS Coordenação de Fomento e Registro de Indicações Geográficas DICIG / CGIR / COIND Luiz Claudio de Oliveira Dupim Pesquisador em Propriedade Industrial INPI - 2012 Instituto Nacional

Leia mais

INICIATIVAS PREMIADAS

INICIATIVAS PREMIADAS INICIATIVAS PREMIADAS Gestão Pública 1º LUGAR Programa de Valorização das Culturas Regionais: Cultura em Movimento Secretaria da Cultura do Estado do Ceará 184 municípios (CE) A iniciativa surgiu em 2003

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL

DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL A Conferência Geral, Reafirmando o seu compromisso com a plena realização dos direitos humanos e das liberdades fundamentais proclamadas na Declaração

Leia mais

Aula5 LEGISLAÇÃO PATRIMONIAL. Verônica Maria Meneses Nunes Luís Eduardo Pina Lima

Aula5 LEGISLAÇÃO PATRIMONIAL. Verônica Maria Meneses Nunes Luís Eduardo Pina Lima Aula5 LEGISLAÇÃO PATRIMONIAL META Indicar as leis preservacionistas que recomendam a proteção do patrimônio. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: detectar as principais referências internacionais

Leia mais

Por Uma Questão de Igualdade

Por Uma Questão de Igualdade Por Uma Questão de Igualdade Senhor Presidente Senhoras e Senhores Deputados Senhoras e Senhores membros do Governo Nos últimos 5 anos a Juventude Socialista tem vindo a discutir o direito ao Casamento

Leia mais

Salvador da Bahia Leitura: atividades RESPOSTAS. A festa é do povo

Salvador da Bahia Leitura: atividades RESPOSTAS. A festa é do povo Salvador da Bahia Leitura: atividades RESPOSTAS A festa é do povo 1. 2. A) O casamento na roça faz parte dos festejos juninos e antigamente era considerado um sacramento, já que em muitos locais isolados

Leia mais

CARTILHA DO PATRIMÔONIO IMATERIAL

CARTILHA DO PATRIMÔONIO IMATERIAL CARTILHA DO PATRIMÔONIO IMATERIAL E XPEDIENTE Texto, organização e pesquisa Alessandra Regina Gama alegamacapoeira@gmail.com Fotos David Rosa, Hettore Eduardo, Luis Tarley, e Acervo Ibaô Publicação do

Leia mais

A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA

A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA Entende-se por biomassa florestal primaria (BFP) a fração biodegradável dos produtos gerados e que são processados com fins energéticos. Nos casos dos reflorestamentos, a

Leia mais

Educação Patrimonial: Conhecer, Resgatar e Fortalecer a Cultura Guarani através do Estudo da Cerâmica Arqueológica

Educação Patrimonial: Conhecer, Resgatar e Fortalecer a Cultura Guarani através do Estudo da Cerâmica Arqueológica Educação Patrimonial: Conhecer, Resgatar e Fortalecer a Cultura Guarani através do Estudo da Cerâmica Arqueológica Marcia Andreia Facio Silva 1 Lidiane Robalo Barboza Ribas 2 INTRODUÇÃO, Entendemos que

Leia mais

Patrimônio Cultural. Revitalização de estações ferroviárias

Patrimônio Cultural. Revitalização de estações ferroviárias Patrimônio Cultural Revitalização de estações ferroviárias Patrimônio Cultural Conceito abrangente art. 216 da Constituição Federal: Constituem patrimônio cultural brasileiro os bens de natureza imaterial,

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 186/2007 Deputado(a) Raul Carrion

PROJETO DE LEI Nº 186/2007 Deputado(a) Raul Carrion DIÁRIO OFICIAL DA ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Porto Alegre, quinta-feira, 21 de fevereiro de 2008. 1 Deputado(a) Raul Carrion Dispõe sobre a preservação do patrimônio histórico e cultural de origem africana

Leia mais

Etnobotânica da Terra de Miranda

Etnobotânica da Terra de Miranda Etnobotânica da Terra de Miranda 2 anos de atividades do Projeto Cultibos, Yerbas i Saberes Título: Etnobotânica da Terra de Miranda. 2 anos de atividades do projeto Cultibos, Yerbas i Saberes. Coordenação:

Leia mais

SALVAGUARDIA DEL PATRIMONIO CULTURAL INMATERIAL DE LOS AFRODESCENDIENTES EN AMÉRICA LATINA

SALVAGUARDIA DEL PATRIMONIO CULTURAL INMATERIAL DE LOS AFRODESCENDIENTES EN AMÉRICA LATINA SALVAGUARDIA DEL PATRIMONIO CULTURAL INMATERIAL DE LOS AFRODESCENDIENTES EN AMÉRICA LATINA ESTADO DA ARTE DO UNIVERSO CULTURAL AFRODESCENDENTE NO BRASIL Alessandra Rodrigues Lima 1 2 ÍNDICE Apresentação

Leia mais

PATRIMÔNIO CULTURAL IMATERIAL

PATRIMÔNIO CULTURAL IMATERIAL PATRIMÔNIO CULTURAL IMATERIAL O Patrimônio Cultural é uma construção Será mais democrático e socialmente justo se resultar de um processo de construção coletiva. Constituição Federal de 1988 Artigo 216

Leia mais

AS RESERVAS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMO ALTERNATIVA PARA A CONSERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE E MANUTENÇÃO DA CULTURA CAIÇARA.

AS RESERVAS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMO ALTERNATIVA PARA A CONSERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE E MANUTENÇÃO DA CULTURA CAIÇARA. AS RESERVAS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMO ALTERNATIVA PARA A CONSERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE E MANUTENÇÃO DA CULTURA CAIÇARA. Ana Carolina de Campos Honora 1 Presentes na região costeira dos Estados

Leia mais

Grupo Samba de Roda SUSPIRO DO IGUAPE

Grupo Samba de Roda SUSPIRO DO IGUAPE Santiago do Iguape fica localizado no distrito rural do Município de Cachoeira. No entorno desse povoado fica concentrado o maior numero de ruínas de engenhos e Comunidades quilombolas do Recôncavo Baiano

Leia mais

Educação patrimonial: museu cultural da humanidade

Educação patrimonial: museu cultural da humanidade Artigo Educação patrimonial: museu cultural da humanidade Juliana Machado do Couto e Melo* 1 Introdução No atual contexto de avanços tecnológicos, a facilidade de comunicação e de deslocamento de pessoas,

Leia mais

QUEIJO MINAS ARTESANAL: PATRIMÔNIO BRASILEIRO PROIBIDO E OPORTUNIDADE PARA O DESENVOLVIMENTO DO TURISMO RURAL EM SERRO/MG

QUEIJO MINAS ARTESANAL: PATRIMÔNIO BRASILEIRO PROIBIDO E OPORTUNIDADE PARA O DESENVOLVIMENTO DO TURISMO RURAL EM SERRO/MG QUEIJO MINAS ARTESANAL: PATRIMÔNIO BRASILEIRO PROIBIDO E OPORTUNIDADE PARA O DESENVOLVIMENTO DO TURISMO RURAL EM SERRO/MG Ana Carolina Almeida Melo Elcione Luciana da Silva RESUMO: O modo artesanal de

Leia mais

Povos tradicionais e locais; Acesso a conhecimento tradicional; Panorama legal nacional e internacional; Repartição de benefícios;

Povos tradicionais e locais; Acesso a conhecimento tradicional; Panorama legal nacional e internacional; Repartição de benefícios; Povos tradicionais e locais; Acesso a conhecimento tradicional; Panorama legal nacional e internacional; Repartição de benefícios; CTA na indústria e instituições de pesquisa; Propriedade industrial e

Leia mais

Estratégias de ação vinculadas ao manejo da agrobiodiversidade com enfoque agroecológico visando a sustentabilidade de comunidades rurais

Estratégias de ação vinculadas ao manejo da agrobiodiversidade com enfoque agroecológico visando a sustentabilidade de comunidades rurais Estratégias de ação vinculadas ao manejo da agrobiodiversidade com enfoque agroecológico visando a sustentabilidade de comunidades rurais O desenvolvimento das ações em diferentes projetos poderão identificar

Leia mais

HISTÓRIA E PATRIMÔNIO EM RIO GRANDE: PESQUISA E MAPEAMENTO DE BENS CULTURAIS LOCAIS

HISTÓRIA E PATRIMÔNIO EM RIO GRANDE: PESQUISA E MAPEAMENTO DE BENS CULTURAIS LOCAIS HISTÓRIA E PATRIMÔNIO EM RIO GRANDE: PESQUISA E MAPEAMENTO DE BENS CULTURAIS LOCAIS Carmem G. Burgert Schiavon 1 Universidade Federal do Rio Grande (FURG) Resumo: A presente proposta de comunicação visa

Leia mais

Congado de Uberlândia ] livro 01/02

Congado de Uberlândia ] livro 01/02 Congado de Uberlândia ] livro 01/02 1 2 Trocar foto >> sumário 3 livro 01/02 1. Introdução 1.1 Apresentação 1.2. Pesquisa: reconhecimento dos sujeitos 1.2.1. Metodologia Geral 1.2.2. Metodologia dos Inventários

Leia mais

Aula 18 EDUCANDO PARA O PATRIMÔNIO. Verônica Maria Meneses Nunes Luís Eduardo Pina Lima

Aula 18 EDUCANDO PARA O PATRIMÔNIO. Verônica Maria Meneses Nunes Luís Eduardo Pina Lima Aula 18 EDUCANDO PARA O PATRIMÔNIO META Apresentar a Educação Patrimonial como possibilidade para o uso educativo do patrimônio. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: compreender a educação patrimonial

Leia mais

901 30 01238-001 (11) 3515-8900 / ( 11) 3515-8904 210, 112 70862-530 (61) 3035-5114 / (61) 3035-5121 272, 1º

901 30 01238-001 (11) 3515-8900 / ( 11) 3515-8904 210, 112 70862-530 (61) 3035-5114 / (61) 3035-5121 272, 1º Termo de Referencia para Contratação de Consultoria técnica para tecnologias de processamento de produtos florestais não madeireiros e de roças tradicionais O Instituto Socioambiental é uma organização

Leia mais

SINCRETISMO RELIGIOSO, NATAL FESTEJA IEMANJÁ 1

SINCRETISMO RELIGIOSO, NATAL FESTEJA IEMANJÁ 1 SINCRETISMO RELIGIOSO, NATAL FESTEJA IEMANJÁ 1 Antônio da Silva PINTO Netto 2 Joabson Bruno de Araújo COSTA 3 Giovana Alves ARQUELINO 4 Sebastião Faustino PEREIRA Filho 5 Universidade Federal do Rio Grande

Leia mais

Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se

Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e à coletividade o dever de defendê-lo

Leia mais

A baiana Ciça tem ponto na Praça XV de Novembro, na cidade do Rio de Janeiro 36 CIÊNCIAHOJE VOL. 50 299

A baiana Ciça tem ponto na Praça XV de Novembro, na cidade do Rio de Janeiro 36 CIÊNCIAHOJE VOL. 50 299 A baiana Ciça tem ponto na Praça XV de Novembro, na cidade do Rio de Janeiro 36 CIÊNCIAHOJE VOL. 50 299 ANTROPOLOGIA Baianas de acarajé: patrimônio, comida e dádiva O ofício das baianas de acarajé foi

Leia mais

A EDUCAÇÃO QUILOMBOLA

A EDUCAÇÃO QUILOMBOLA A EDUCAÇÃO QUILOMBOLA Moura (2001) nos traz um desafio preocupante, não só a partir do debate sobre a melhoria estrutural das escolas em comunidades quilombola, da qualificação continuada dos professores,

Leia mais

C U LT U R A L E A R Q U E O L Ó G I C O E D I E O C A Ç Õ E S Ç Õ FORMAS DE EXPRESSÃO. Realização: Apoio: vol. 2 C O L E Ç Ã O D E SUSTENTABILIDADE

C U LT U R A L E A R Q U E O L Ó G I C O E D I E O C A Ç Õ E S Ç Õ FORMAS DE EXPRESSÃO. Realização: Apoio: vol. 2 C O L E Ç Ã O D E SUSTENTABILIDADE C U LT U R A L E A R Q U E O L Ó G I C O Realização: E D IF I C A Ç Õ E S A R Q U E O L O G I A L U GA R ES C E L E B R A Ç Õ E S OFÍCIOS E SABERES FORMAS DE EXPRESSÃO Apoio: vol. 2 C O L E Ç Ã O D E SUSTENTABILIDADE

Leia mais

V SEMINÁRIO INTERNACIONAL POLÍTICAS CULTURAIS 7 a 9 de maio/2014. Setor de Políticas Culturais Fundação Casa de Rui Barbosa Rio de Janeiro Brasil

V SEMINÁRIO INTERNACIONAL POLÍTICAS CULTURAIS 7 a 9 de maio/2014. Setor de Políticas Culturais Fundação Casa de Rui Barbosa Rio de Janeiro Brasil 1 PAISAGENS DA ILHA: PATRIMÔNIO, MUSEUS E SUSTENTABILIDADE Áurea da Paz Pinheiro 1 Rita de Cássia Moura Carvalho 2 RESUMO: O propósito deste texto é apresentar uma pesquisa-ação sobre os saberes e modos

Leia mais

Projeto de Lei n.º 155/XIII. Regime de classificação e proteção de lojas e entidades com interesse histórico e cultural

Projeto de Lei n.º 155/XIII. Regime de classificação e proteção de lojas e entidades com interesse histórico e cultural Projeto de Lei n.º 155/XIII Regime de classificação e proteção de lojas e entidades com interesse histórico e cultural O comércio local e tradicional desempenha um papel fundamental e estruturante na vida

Leia mais

A abordagem do património cultural no contexto dos impactes sociais. Carlos Simões Nuno

A abordagem do património cultural no contexto dos impactes sociais. Carlos Simões Nuno A abordagem do património cultural no contexto dos impactes sociais Carlos Simões Nuno Alentejo interior tradicional, 2008 Abordagens das várias dimensões do Património Cultural no âmbito da Avaliação

Leia mais

Cidadania global. valores universais?

Cidadania global. valores universais? Cidadania global ou valores universais? O conceito de cidadania Direitos e liberdades do indivíduo que participa da Polis Polis: comunidade política Comunidade política baseada na ideia de soberania popular

Leia mais

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE CULTURA EDITAL DE CONCURSO 001/2015 2 PRÊMIO MESTRES DA CULTURA POPULAR DE BELO HORIZONTE

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE CULTURA EDITAL DE CONCURSO 001/2015 2 PRÊMIO MESTRES DA CULTURA POPULAR DE BELO HORIZONTE FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE CULTURA EDITAL DE CONCURSO 001/2015 Em consonância com as indicações do Plano Nacional de Cultura; segundo a determinação do artigo 216 da Constituição Federal e, em conformidade

Leia mais

ANEXO PLANO NACIONAL DE CULTURA: DIRETRIZES, ESTRATÉGIAS E AÇÕES CAPÍTULO I DO ESTADO

ANEXO PLANO NACIONAL DE CULTURA: DIRETRIZES, ESTRATÉGIAS E AÇÕES CAPÍTULO I DO ESTADO ANEXO PLANO NACIONAL DE CULTURA: DIRETRIZES, ESTRATÉGIAS E AÇÕES CAPÍTULO I DO ESTADO FORTALECER A FUNÇÃO DO ESTADO NA INSTITUCIONALIZAÇÃO DAS POLÍTICAS CULTURAIS INTENSIFICAR O PLANEJAMENTO DE PROGRAMAS

Leia mais

A CULTURA DO ACARAJÉ EM ARACAJU Leovaldo Garcia Universidade Federal de Sergipe garcilleos@gmail.com

A CULTURA DO ACARAJÉ EM ARACAJU Leovaldo Garcia Universidade Federal de Sergipe garcilleos@gmail.com A CULTURA DO ACARAJÉ EM ARACAJU Leovaldo Garcia Universidade Federal de Sergipe garcilleos@gmail.com GT 01: A Produção de Alimentos Tradicionais nos Territórios Rurais e Urbanos Resumo Este trabalho se

Leia mais

PLANO DE SALVAGUARDA DO JONGO NO SUDESTE

PLANO DE SALVAGUARDA DO JONGO NO SUDESTE 2011 PLANO DE SALVAGUARDA DO JONGO NO SUDESTE Rio de Janeiro 14ª Reunião de Articulação do Pontão de Cultura do Jongo/Caxambu. Sumário APRESENTAÇÃO... 3 1 MARCO REFERENCIAL... 5 1.1 O ESTADO BRASILEIRO

Leia mais

COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO. Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção.

COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO. Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção. COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção. Modos de Produção O modo de produção é a maneira pela qual a sociedade produz seus

Leia mais

A REPRESA CAIGUAVA E OS INDIOS GUARANI DA ALDEIA ARAÇA-I. Mario Sergio Michaliszyn Antropólogo Universidade Positivo

A REPRESA CAIGUAVA E OS INDIOS GUARANI DA ALDEIA ARAÇA-I. Mario Sergio Michaliszyn Antropólogo Universidade Positivo A REPRESA CAIGUAVA E OS INDIOS GUARANI DA ALDEIA ARAÇA-I Mario Sergio Michaliszyn Antropólogo Universidade Positivo Áreas de Proteção Ambiental APAs OBJETIVOS: Conciliar o desenvolvimento econômico e a

Leia mais

EIXO1: PRODUÇÃO SIMBÓLICA E DIVERSIDADE CULTURAL

EIXO1: PRODUÇÃO SIMBÓLICA E DIVERSIDADE CULTURAL PROPOSTAS PRIORITÁRIAS EIXO1: PRODUÇÃO SIMBÓLICA E DIVERSIDADE CULTURAL SUB EIXO 1.1 - Produção de Arte e Bens Simbólicos - Implementar políticas de intercâmbio em nível regional, nacional e internacional,

Leia mais

UCs E PROTEÇÃO DO PATRIMÔNIO NATURAL E CULTURAL. Márcia Leuzinger

UCs E PROTEÇÃO DO PATRIMÔNIO NATURAL E CULTURAL. Márcia Leuzinger UCs E PROTEÇÃO DO PATRIMÔNIO NATURAL E CULTURAL Márcia Leuzinger ETEP CDB: instituição de APs como estratégia para preservação in situ da biodiversidade; Lei da PNMA (art. 9º, VI) : criação de ETEP como

Leia mais

PNPCT Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais

PNPCT Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais Políticas Públicas PNPCT Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais A PNPCT reafirma a importância do conhecimento, da valorização e do respeito à diversidade

Leia mais

Recursos Genéticos brasileiros. Derly José Henriques da Silva Professor do Departamento de Fitotecnia Universidade Federal de Viçosa

Recursos Genéticos brasileiros. Derly José Henriques da Silva Professor do Departamento de Fitotecnia Universidade Federal de Viçosa Recursos Genéticos brasileiros Derly José Henriques da Silva Professor do Departamento de Fitotecnia Universidade Federal de Viçosa Acesso aos recursos genéticos (antes da CDB ECO - RIO 1992) recursos

Leia mais

Do material ao Imaterial: Patrimônios Culturais do Brasil

Do material ao Imaterial: Patrimônios Culturais do Brasil Do material ao Imaterial: Patrimônios Culturais do Brasil Maria Amelia Jundurian Corá mcora@pucsp.br Objetivo Compreender como se deu o processo de implantação do Programa Nacional do Patrimônio Imaterial

Leia mais

Formulário 01 - Roteiro para Elaboração de Projeto de Extensão e Cultura

Formulário 01 - Roteiro para Elaboração de Projeto de Extensão e Cultura Formulário 01 - Roteiro para Elaboração de Projeto de Extensão e Cultura Título do projeto: IAMANA Coordenador do projeto: POLLYANA CARDOSO PEREIRA Colaboradores: GOVERNO FEDERAL-FUNARTE-MINISTERIO DA

Leia mais

Projeto de Lei do Senado nº., de 2007. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

Projeto de Lei do Senado nº., de 2007. O CONGRESSO NACIONAL decreta: 1 Projeto de Lei do Senado nº., de 2007 Dispõe sobre a obrigatoriedade de patrocínio, pela União, de traslado de corpo de brasileiro de família hipossuficiente falecido no exterior. O CONGRESSO NACIONAL

Leia mais

Festas como bens culturais e turísticos: Festivais de Música Nativista e Rodeios Crioulos

Festas como bens culturais e turísticos: Festivais de Música Nativista e Rodeios Crioulos Festas como bens culturais e turísticos: Festivais de Música Nativista e Rodeios Crioulos Saraiva, Ana Lúcia Olegário 1 Porto, Carmem Rejane Pacheco 2 Brasil, Eneida de Fátima Souto 3 Resumo: A cultura

Leia mais

importantes biomas Amazônia, Mata Atlântica, Pantanal, Serrado, rios, mares, e outros. Riqueza que continua a chamar atenção do mundo, dando

importantes biomas Amazônia, Mata Atlântica, Pantanal, Serrado, rios, mares, e outros. Riqueza que continua a chamar atenção do mundo, dando Reveste-se de valor incalculável a ação conjunta do Governo Federal, ONGs e cientistas nacionais e internacionais com objetivo de identificar e digitalizar o acervo biológico nacional. Como resultado,

Leia mais

EDITAL DE CONVOCAÇÃO

EDITAL DE CONVOCAÇÃO Salvador, Bahia Terça-feira 19 de Janeiro de 2016 Ano C N o 21.858 1. INFORMAÇÕES PRELIMINARES EDITAL DE CONVOCAÇÃO As Secretarias Estaduais do Meio Ambiente e da Educação, em conformidade com a Lei nº

Leia mais

Foto: Jan de Jong. Agricultora Ismenia trabalhando em sua propriedade agroecológica. Construindo. Sonia Irene Cárdenas Solís

Foto: Jan de Jong. Agricultora Ismenia trabalhando em sua propriedade agroecológica. Construindo. Sonia Irene Cárdenas Solís autonomia, território e paz Agricultora Ismenia trabalhando em sua propriedade agroecológica Foto: Jan de Jong Construindo autonomia, território e paz Sonia Irene Cárdenas Solís 15 Agriculturas v. 12 -

Leia mais

PROGRAMA ESTADUAL DE FOMENTO E INCENTIVO À CULTURA PROFICE EDITAL Nº 001/2014. ANEXO I - Categorias

PROGRAMA ESTADUAL DE FOMENTO E INCENTIVO À CULTURA PROFICE EDITAL Nº 001/2014. ANEXO I - Categorias ANEXO I - Categorias ARTES VISUAIS PRODUÇÃO DE VIDEOARTE E PERFORMANCE DESENVOLVIMENTO DE DIGITALIZAÇÃO DE ACERVOS FESTIVAIS, MOSTRAS, FEIRAS, FESTAS E SIMILARES PUBLICAÇÃO DE LIVROS, CATÁLOGOS, PERIÓDICOS

Leia mais