RESUM O ve r de m ane ira participativa um s is te m a de produção orgânica de ce bol

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RESUM O ve r de m ane ira participativa um s is te m a de produção orgânica de ce bol"

Transcrição

1 Re vis t Brs i e ir Agroe co ogi Re v. Brs. Agroe co ogi. 2(3):63-68 (2007) ISSN: Produção orgânic ce bo com gricu tore s fm i ire s O rgnic onion production w ith s m frm e rs GO NÇALVES, Pu o Antonio Souz 1;W AM SER, Ge rs on H e nriq ue 2. 1Epgri, Es tção Expe rim e nt Ituporng, Ituporng, SC, Brs i, ps e pgri.s c.gov.br; 2Epgri, Es critório Loc Auror, Auror, SC, Brs i, gw m s e e pgri.s c.gov.br RESUM O O bje tivou-s e s e nvo ve r m ne ir prticiptiv um s is te m produção orgânic ce bo junto gricu tore s fm i ire s d re gião do A to V e do Itjí, SC. Ins t ou-s e dus unid s produção e m dus proprie d s ruris, s e ndo um unid e m um proprie d no m unicípio Auror e outr e m Rio do Su, SC. O trb h o foi conduz ido nos nos 2004, 2005 e O s técnicos e nvo vidos tuvm com poio técnico e s s e s s ori, m odo q ue o s be r do gricu tor e r re s pe itdo pr q ue o s is te m s e s e nvo ve s s e num form ge rção conh e cim e nto h oriz ont, on h á inte rção e co borção e ntre os s uje itos e nvo vidos. A produtivid ce bo vriou 11 té 15 t/h, s im i re s m édi re gion gricu tor fm i ir té 2 h (15 t/h ), com bixo us o ins um os e xte rnos e m re ção os s is te m s com to us o groq uím icos. O cus to d ce bo orgânic foi m e nor com ins um os e xte rnos, m s m nd m is m ão- -obr com cpins m nuis. Em bor produtivid não te nh s ido m áxim, produção orgânic uti iz m e nos ins um os e xte rnos à proprie d, com re dução im pctos n s ú h um n, m e io m bie nte e cus tos finnce iros. O s gricu tore s com e rci iz rm ce bo no m e rcdo oce e m São Pu o, e form ce rtificdos pe o m étodo uditge m e e s tão e m proce s s o ce rtificção prticiptiv. O s gricu tore s pontm com o m iore s e ntrve s do s is te m bix dis ponibi id m ão- -obr n proprie d, ne ce s s id ce rtificção e orgniz ção d com e rci iz ção e m grupos. O trb h o fci itou inte rção e ntre o s e rviço púb ico gríco, os gricu tore s fm i ire s e nvo vidos ns unid s e dos grupos q ue prticipm. PALAVRAS-CH AVE: ce bo orgânic, A ium ce p, pe s q uis prticiptiv, groe co ogi, gricu tur orgânic. ABSTRACT Th e obje ctive w s to ve op of prticiptive m nne r n orgnic onion production s ys te m w ith s m frm e rs of A to V e do Itjí re gion, Snt Ctrin Stte, Brz i. Tw o p ots of th e production w s crrie d out in tw o s m frm e rs in th e countie s of Auror nd Rio do Su. Th e re s e rch w s crrie d out during 2004, 2005 nd Th e gronom is ts of th e gricu ture xte ns ion nd re s e rch pub ic s e rvice provi to te ch nicdvice nd s upport of m nne r th t th e k now e dge of frm e r w s cons i re d to ge ne rte th e s ys te m of m nne r h oriz ontw ith inte rction nd co bortion be tw e e n s ubje cts. Th e yie d te rnte d be tw e e n 11 t.h -1 nd 15 t.h -1, s im i r re gionv ue s to th e s m frm e rs by th e 2 h (15 t.h -1), w ith ow e xte rninput frm ing gins t s ys te m w ith h igh us e in groch e m ic s. Th e cos t of orgnic onion w s ow e r in e xte rninputs, but m nd m ore frm bor pow e r w ith h nd w e e ding. A th ough th e m xim um yie d h s not ye t re ch e d, th e orgnic production us e ow e xte rninputs nd re duce im pcts to th e h um n h e th, e nvironm e nt nd e conom ic cos ts. Th e frm e rs th e onion in ocm rk e t nd in São Pu o City w ith ce rtifiction by udit nd in prticiptive proce s s in ve oping. Th e frm e rs indicte th e ow frm fm i y s bor pow e r vi bi ity, th e re q uire m e nt of ce rtifiction nd orgniz tion of th e com m e rci iz tion in groups, th e fe tte rs of th e s ys te m. Th is w ork ow e d th e inte rction be tw e e n th e gricu ture xte ns ion nd re s e rch pub ic s e rvice, th e s m frm e rs nd yours groups. K EY W O RDS: orgnic onion, A ium ce p, prticiptive re s e rch, groe co ogy, orgnic gricu ture.. Corre s pondêncis pr: Pu o Gonç ve s - Es trd Ge rlge do/àgus Ne grs, Ituporng, SC, Brs i- Cx.P CEP Ace ito pr pub icção e m 16/10/2007

2 P.Gonç ve s & G. W m s e r Introdução Snt Ctrin é o principprodutor ncion ce bo com fm í is e nvo vids com tivid (BO EING, 2002). N s fr 2006/2007 produção nutingiu t, e m um áre p ntd h e produtivid m édi 20,7 t/h (BO EING, 2007). O m ne jo d cu tur é trdicion m e nte re iz do no s is te m conve ncion com o us o inte ns ivo groq uím icos. No no 2001, o núm e ro produtore s ctrine ns e s ce bo orgânic e r 19 8, com um vo um e produção 153,7 t e v or bruto produção R$ ,50 (O LTRAM ARI e t., 2005). A produção d ce bo conve ncionpre s e nt um to cus to produção vido o us o groq uím icos, e com os cons e q üe nte s ris cos à s ú dos gricu tore s e contm inção m bie nt. Se gundo M UNIZ (2003) pe ns 1,22% dos gricu tore s q ue produz im ce bo s e dicvm o s is te m produção te rntivo ou orgânico. Portnto, o s is te m orgânico produção ce bo pos s ui um to pote nci e xpns ão. A im p ntção do s is te m produção orgânic ce bo e m um rg e s c pos s ibi itri o um e nto d in pe ndênci finnce ir dos gricu tore s pe não uti iz ção groq uím icos, re duz iri o im pcto no m e io m bie nte, os prob e m s s ú dos gricu tore s e pos s ibi itri um im e nto m is s udáve os cons um idore s. A e xpns ão do s is te m orgânico é dificu td pe o um e nto m ão- -obr no m ne jo e rvs e s pontâne s, pe ne ce s s id do s e nvo vim e nto do s is te m com gricu tore s m ne ir prticiptiv e m s s iv, ido ne ce s s id orgniz r com e rci iz ção. Pois, com o é um produto dife re ncido, porq ue e xigi ce rtificção, pre s e nt pre ço m is e e vdo pe m ão- -obr q ue m nd, e m proce s s o e xpns ão cons um o pe s re s dis tribuidors, ind não é bs orvido m ne ir m s s iv pe os com prdore s ocis ce bo. 64 A Epgri/Es tção Expe rim e nt Ituporng iniciou e m o trb h o com produção orgânic ce bo e m prce ri com Unive rs id Fe r Snt Ctrin (UFSC) e gricu tore s d re gião (DAL SO GLIO e t., ). Porém, vido dificu d s com e rci iz ção e m ão- -obr m ndd, ido ne ce s s id um m p o trb h o pe s q uis e e xte ns ão m ne ir prticiptiv, poucos gricu tore s s e dicm produção orgânic ce bo. Se gundo M UNIZ (2003) o s is te m produção ce bo orgânic continu não s e ndo m uito uti iz do, princip m e nte por f t inform ção, vido f s idéi q ue o s is te m produz m e nos, por f t trdição, e pe m e nor prticid pe o m ior vo um e m ão -obr q ue m nd. A uti iz ção dive rs os proce s s os cons trução conh e cim e nto, tis com o pe s q uis prticiptiv em proprie d s ruris, com pnh m e nto, poio técnico e troc e xpe riênci junto com gricu tore s, é úti pr um ciênci m u tidis cip inr e trns dis cip inr com o groe co ogi. Ne s t inh Epgri s e nvo ve com com unid s ruris o proje to Sis te m P ntio Dire to H ort içs (EPAGRI, 2004). A pe s q uis prticiptiv no proje to M icrobcis 2, q ue i orgniz ção com unitári e s e nvo vim e nto s us te ntáve ds com unid s ruris (PINH EIRO & DE BO EF, 2006). De ntro do proje to De s e nvo vim e nto Sis te m s Agroe co ógicos pr Agricu tur Fm i ir do Es tdo Snt Ctrin, s e nvo ve -s e tm bém form prticiptiv, s unid s produtivs e co ógics com gricu tore s. O s fio é trb h r com gricu tore s, re s pe itndo o s be r popu r, re iz r trns form ção m bie nte s ócio-e conôm ic ds com unid s e prom ove r s e re s utônom os e s uje itos s u própri h is tóri (FREIRE, 2005). O obje tivo do pre s e nte trb h o foi im p ntr unid s produção orgânic ce bo form prticiptiv, com gricu tore s fm i ire s do Re v. Brs. Agroe co ogi. 2(3):63-68 (2007)

3 Produção orgânic ce bo com gricu tore s fm i ire s A to V e do Itjí, pr m p ição s te s is te m. As áre s ds unid s form e m torno 2000 m 2, e m Auror e m 2 e m Rio do Su. M te riis e m étodos O e s pçm e nto no trns p nte foi cm O trb h o foi inicido no no 2004 trvés e ntre inh s e cm e ntre p nts. O do contto e ntre profis s ionis do Es critório Loc e s pçm e nto m is be rto foi s uge rido pr s e d Epgri Auror e d Pre fe itur M unicip e vitr doe nçs (BO FF e t., ) e fci itr Rio do Su q ue com pnh vm gricu tore s cpin. O p ntio foi re iz do durnte três nos, prticnte s do s is te m orgânico nos s e us 2004, 2005 e No prim e iro no, e m Rio do m unicípios tução. O s gricu tore s com Sup ntou-s e s obre s o o vrdo, e no s e gundo e inte re s s e n produção ce bo orgânic form o te rce iro nos, dotou-s e e m prte d áre o Sr. Re in do Roe m ig, e m Auror, com unid p ntio s obre p h d nbo forrge iro. Em Fundos Auror, m e m bro do grupo AESTA Auror p ntou-s e nos dois prim e iros dire tm e nte (As s ocição Agricu tore s Eco ógicos Snt s obre p h d m ucun e no te rce iro no s obre Te re z ) e Sr. O r ndo H e ibe r, e m Rio do Su, no ve i. Adubou-s e com fos fto ntur, bs e do Birro Cnt G o, q ue prticip do grupo Ntur no te or s o úve, cordo com CO M ISSÃO DE d Te rr. As unid s produção ce bo FERTILIDADE DO SO LO RS/SC (19 9 4). Es t orgânic form ins t ds ns proprie d s te rm inv pr ce bo níve is dubção s te s gricu tore s, com o um tivid fos ftd infe riore s re com e ndção m is re ce nte incorpord no s e u cotidino, pr q ue juntos (CO M ISSÃO DE QUÍM ICA E FERTILIDADE DO com os técnicos dis cutis s e m vibi id SO LO RS/SC, 2004). O m ne jo fitos s nitário foi im p ntção do s is te m. Não foi um tivid re iz do com c ds trvés d indução técnicos n cs do gricu tor, m s um s is te m re s is tênci (um e nto d to e rânci d p nt s e nvo vido por m bos ns s e guinte s e tps : incidênci doe nçs e prgs ) com e xtrto produção, ce rtificção, com e rci iz ção, nbo forrge iro 10% (1 k g p nts picds inte rcâm bio produtos e inform çõe s. Portnto, curtids e m águ por 24 h ors ) e te rr não h vi ve rtic id n re ção e ntre os ditom áce s, pó oriundo gs fós s e is tore s, m s coope rção, co borção e re s pe ito ditom áce s, obtido m ine rdor Criciúm, o conh e cim e nto todos. SC, 0,5 1%. A pe s q uis com e s ts te rntivs As cu tivre s uti iz ds form Epgri e s tá e m ndm e nto n Epgri/EEIt no s e ntido Criou A to V e, Epgri Bo Pre coce e se e cionr dos e s m is e ficie nte s e m ne irs m is Epgri Supe rpre coce com s e m e nte e ficz e s pre prção ds c ds. As cpins produz id pe Epgri/Es tção Expe rim e nt form m nuis, com e nxd, re iz ds e m torno Ituporng (EEIt) e m conjunto com gricu tore s. A três q utro ve z e s, tivid q ue é dubção no cnte iro s e m e dur foi re iz d cons i rd um dificu d pr e xpns ão do com e s te rcos be m curtidos ve s (1 k g/m 2, s is te m pe t m ão- -obr m ndd. obtido e xte rno proprie d ) e bovinos (5 k g/m 2). A ns id s e m e dur foi 2 g/m 2, Re s u tdos e dis cus s ão s e m e io m e nos ns o obje tivndo propicir um A produtivid vriou e ntre t/h, m bie nte m is re jdo e e vitr o s e nvo vim e nto tingindo níve is do cu tivo trdicion(bixo us o doe nçs cus ds por fungos (BO FF & ins um os : groq uím icos e irrigção), q ue é DEBARBA, ). Pr o m ne jo doe nçs re pre s e nttivo d re gião pr áre gricu táve form s uge rids c d bord e s 0,3% e cinz s té 2 h (BO EING, 2002). Por outro do, é n dos e 50 g/m 2 (BO FF e t., ). infe rior os s is te m s com to níve ins um os, Re v. Brs. Agroe co ogi. 2(3):63-68 (2007) 65

4 P.Gonç ve s & G. W m s e r q ue po m tingir e m m édi té 35 t/h (BO EING, 2002). No início d trns ição do s is te m conve ncionpr orgânico re dução n produtivid é norm, porém h á re cupe rção m édio prz o m e did q ue biodive rs id s e re s tbe e ce (ALTIERI & RO SSET, ). O pre ço com e rci iz ção pr o Sr. O r ndo H e ibe r vriou nos dois nos trb ho R$1,00 R$1,30 pr ce bo grne e e m rés ti, re s pe ctivm e nte. A ce bo foi ve ndid pr um s upe rm e rcdo e m Rio do Su, em re s turnte s, pr cons um idore s ocis dire to n proprie d. A ém fe irs e ojs F orinópo is trvés inte rcâm bio com o gricu tor Afons o K oppe (AECIT, As s ocição dos Agricu tore s Eco ogis ts Ituporng). O Sr. Re in do Roe m ig tm bém re iz ou inte rcâm bio com o Sr. Afons o K oppe. N s fr 2005/06, 2006/2007 re iz ou e xpe riênci d ve nd pr dis tribuidors São Pu o, re s pe ctivm e nte pe coope rtiv Ecos s e rr e e m pre s Cu tivr, obte ndo um pre ço e s tim do re s pe ctivm e nte R$ 1,35 e R$ 1,30 cordo com c s s ificção por tm nh o e s crte não com e rci iz áve is, com s conto do cus to do fre te e d ce rtificção. O pre ço obtido pe os gricu tore s é s upe rior o do produto conve ncion, com e rci iz do e ntre R$ 0,25 R$ 0,50 ns s frs gríco s (BO EING, 2007 e 2007b). A ce bo orgânic pre s e nt um vntge m e conôm ic e m re ção conve ncion, pois h á e conom i pe não uti iz ção dubos m ine ris e grotóxicos, q ue s e gundo M UNIZ (2003) re pre s e ntrm 68,8% dos cus tos vriáve is do s is te m conve ncion produção e ntre e Se gundo BO EING (2002) os grotóxicos e fe rti iz nte s m ine ris s ão um dos principis re s pons áve is pe o e ncre cim e nto do s is te m produção ce bo no s udo Brs ie m re ção pís e s do M e rcos u. Em bor no s is te m orgânico h j o um e nto d m ão- -obr com cpins, pois e m s is te m conve ncion s e us h e rbicids, o pe rfi do gricu tor fm i ir pe rm ite convive r com e s t 66 re id, pois uti iz re curs os h um nos próprios e não h á contrtção e xte rn à proprie d. Em bor, q undo o gricu tor trb h s oz inh o, com o pontdo pe o Sr. O r ndo H e ibe r, é principdificu d pr e xpns ão do s is te m pe pe q ue n dis ponibi id m ão- -obr. As s im s e ndo, m e s m o q undo ocorre, pe rd n produtivid, e s t é com pe ns d pe re dução ds s pe s s com o us o groq uím icos e o m ior pre ço cnçdo pe o produto orgânico, vido e m e s pe cipe m nd do m e rcdo por im e ntos s dios. Em bor o cus to produção s e j infe rior, o um e nto do us o re curs os h um nos dis poníve is n proprie d, ido o cus to d ce rtificção por uditge m, e ofe rt e s cs s ce bo orgânic, fvore ce o um e nto do pre ço do produto. O pre ço trtivo te m s ido um dos ftore s q ue fvore ce m e ntrd dos gricu tore s n tivid, ido re dução d pe ndênci e conôm ic ins um os e xte rnos à proprie d. A te rm inção q u s te s ftore s e conôm icos te m m ior inf uênci s obre cis ão do gricu tor dotr o s is te m pe n rá princip m e nte do p ne jm e nto proprie d dotdo pe fm í i. Convém re s s tr, q ue ém d q ue s tão e conôm ic, q u id vid pe re dução dos grotóxicos, e me h or d uto-e s tim por e s tr produz indo um produto s dio pr fm í i e s ocie d, prticipção grupos dis cus s ão e m groe co ogi q ue fvore ce ciddni, co borm pr m nute nção dos gricu tore s n tivid. De s t form, não h á com o s e nvo ve r o s is te m pe o prdigm d m áxim produtivid, pois ts produtivid s m ndm inve s tim e ntos e m ins um os q ue ne m s e m pre ge rm s ignifictivo re torno e conôm ico, s e ndo m is viáve pe o níve ótim o produção, ou s e j, com produção bu bos com e rci iz áve is e com s us te ntbi id e conôm ic pr pe q ue n proprie d. A q u id d ce bo obtid foi bo, pre s e ntndo cor, tm nh o e form to ntro ds e xigêncis do Re v. Brs. Agroe co ogi. 2(3):63-68 (2007)

5 Produção orgânic ce bo com gricu tore s fm i ire s m e rcdo cons um idor, com s pe cto s im i r e té s upe rior ce bo conve ncion(figurs 1 e 2). O Sr. Re in do Roe m ig foi pre m ido no concurs o pr ce bo orgânic ns XIII (s e gundo ugr) e XIV (te rce iro ugr) Fe s t Nciond Ce bo, re iz d e m Ituporng, SC. A ce rtificção d produção do Sr. O r ndo H e ibe r foi re iz d pe ECO CERT. O grupo e m q ue o Sr. Re in do Roe m ig é ce rtificdo pe o IBD e é m e m bro d Re Ecovid e gurd o proce s s o ce rtificção prticiptiv. Re in do Roe m ig prticipou junto com gricu tore s d re gião d com pos ição um grupo pr com e rci iz ção vi coope rtiv Ecos s e rr, Lge s, SC, com ce rtificção pe o se o M ok iti O k d. O cus to d ce rtificção foi pontdo pe os gricu tore s com o re tivm e nte to pe o vo um e produção q ue pos s ue m, pois vriou R$ 300,00 R$430,00 por gricu tor. O Sr. Re in do Roe m ig cons i r ne ce s s id d ce rtificção e e s truturção d com e rci iz ção pr bs orção m iore s vo um e s ce bo os principis prob e m s pr e xpns ão d áre cu tivd. Ne s te cs o, o prob e m é grvdo porq ue ve nd é re iz d e m São Pu o, ocorre m or no pgm e nto, e h á s crte e e vdo produto. Durnte o proce s s o prticiptivo s e nvo vim e nto do s is te m ocorre rm conttos dos gricu tore s q ue trb h vm s unid s com outros grupos e co ógicos pr inte rcâm bio m is produtos e inform çõe s d produção. O inte rcâm bio e ntre grupos gricu tore s s ão ne ce s s ários pr m p ir produção ce bo n re gião, s obre tudo e ntre gricu tore s q ue pos s ue m té 2 h. O s inte rcâm bios ve m s e r prom ovidos pe s ins tituiçõe s púb ics e não gove rnm e ntis do A to V e do Itjí e Se rr Ctrine ns e. O s gricu tore s dotrm Re v. Brs. Agroe co ogi. 2(3):63-68 (2007) 67

6 P.Gonç ve s & G. W m s e r produção orgânic ce bo e m s us tivid s n proprie d, e m bor e m pe q ue ns áre s (té 2 h ). Porém, ce bo não é o único produto orgânico trb h do por e s te s gricu tore s. N groe co ogi ve -s e procurr dive rs ificção d produção, pois ge r m ior s e gurnç im e ntr pr fm í i, re duz o ris co e conôm ico e tm bém porq ue o m e rcdo m nd dive rs id im e ntos. Conc us õe s As unid s produção ce bo orgânic m ne ir prticiptiv fvore ce rm proxim ção e ntre técnicos ds ins tituiçõe s púb ics com os gricu tore s e co ógicos e s e us grupos, fvore ce ndo troc inform çõe s e o proce s s o form tivo. A produção ce bo orgânic tinge níve is produtivid s im i re s o conve ncioncom bixo us o ins um os, com m e nor cus to produção, porém com m ior m nd m ão- obr com cpins, s s im re com e nd-s e pe s q uis s q ue obje tive m re duz ir ne ce s s id m ão- -obr com o m ne jo ve ge tção e s pontâne. Pr re duz ir os cus tos com ce rtificção por uditori e xte rn, ve s e bus cr s e nvo ve r e rticu r re gion m e nte ce rtificção prticiptiv, o q ue ém re duz ir os cus tos produção irá tm bém fort e ce r s e ntid s e nvo vids. Re fe rêncis Bib iográfics ALTIERI, M. A.;RO SSET, P. Agroe co ogy nd th e conve rs ion of rge -s c e conve ntions ys te m s to s us tinb e m nge m e nt. Inte rn. J. Environm e ntstudie s, 50: , BO EING, G. Ftore s q ue fe tm q u id d ce bo n gricu tur fm i ir ctrine ns e. F orinópo is : Ins tituto Ce p/sc, p. BO EING, G. Inform e conjuntur. Ce bo Pre ços Re ce bidos não re m une rm tivid 09 /02/07. Cpturdo em 05/03/2007. Dis poníve em: h ttp://ce p.e pgri.s c.gov.br/ BO EING, G. Inform e conjuntur. Ce bo - 68 Pre ços re gis trm forte re cupe rção v or - 09 /03/07. Cpturdo e m 23/03/2007b. Dis poníve e m : h ttp://ce p.e pgri.s c.gov.br/ BO FF, P.; DEBARBA, J. F. Tom bm e nto e vigor m uds ce bo e m função dife re nte s profundid s e ns id s s e m e dur. H orticu tur Brs i e ir, Brs í i, 17:15-19, BO FF, P. e t. Efe ito pre prdos cs e iros no contro e d q ue im -cinz e ntd n cu tur d ce bo. H orticu tur Brs i e ir, Brs í i, v.17, n.2, p.81-85, ju h o BO FF, P. e t. Inf uênci d ns id p nts ce bo n ocorrênci doe nçs fo ire s e produção bu bos ce bo. Fitopto ogi Brs i e ir, 23: , CO M ISSÃO DE FERTILIDADE DO SO LO RS/SC. Re com e ndçõe s dubção e c ge m pr os e s tdos do Rio Grn do Sue Snt Ctrin. 3 e d. Ps s o Fundo: SBCS - Núc e o Re gionsu, p. CO M ISSÃO DE QUÍM ICA E FERTILIDADE DO SO LO RS/SC. M nu dubção e c ge m pr os Es tdos do Rio Grn do Sue Snt Ctrin. 10 e d. Porto A e gre : Socie d Brs i e ir Ciênci do So o, p. DAL SO GLIO, F. K. e t. M ne jo groe co ógico d ce bo no A to V e do Itjí, Snt Ctrin. In: REUNIÃO DE PESQUISA DE CEBO LA NO M ERCO SUL, 1., , Ituporng. Re s um os... Ituporng, p. p. 44. EPAGRI. Sis te m P ntio Dire to H ort içs : o cu tivo do tom te iro no V e do Rio do Pe ixe, SC, e m 101 re s pos ts dos gricu tore s. F orinópo is : EPAGRI, p. (Epgri. Bo e tim Didático, 57). FREIRE, P. Pe dgogi do oprim ido. 40 e d. Rio Jne iro: Pz e Te rr, p. M UNIZ, A. W. Crcte riz ção e Aná is e C is Produtivs : O cs o d c i d ce bo do e s tdo Snt Ctrin f. Dis s e rtção (M e s trdo e m Enge nh ri Produção), Unive rs id Fe r Snt Ctrin, F orinópo is, SC. O LTRAM ARI, A. C. e t. Agricu tur orgânic e m Snt Ctrin. 2. e d. F orinópo is : Ins tituto Ce p/sc, p. PINH EIRO, S. L. G.; DE BO EF, W. S. Pe s q uis s prticiptivs : cm inh os dife re nte s pr cons trução s oci conh e cim e ntos. Agrope cuári Ctrine ns e, F orinópo is, v.19, n.1, p , m rço Re v. Brs. Agroe co ogi. 2(3):63-68 (2007)

Prgrmçã O Mu s u Év r, p r l ém f rcr s s i g ns «vi s i t s cl áss i cs» qu cri m s p nt s c nt ct nt r s di v rs s p úb l ic s qu vi s it m s c nt ú d s d s u ri c s p ó l i, p r cu r, c nc m i t nt

Leia mais

O siste ma foi de se nvolvido e m C # atra vé s da fe rrame nta Microsoft Visual S tudio 2008. Banco de dados Microsoft S QL S e rve r 2008 r2

O siste ma foi de se nvolvido e m C # atra vé s da fe rrame nta Microsoft Visual S tudio 2008. Banco de dados Microsoft S QL S e rve r 2008 r2 His tó ric o O de s e nvolvime nto do S is te ma Voto E le trônico do Ministé rio P úblico do E stado de S ão P aulo te ve s e u início e m 2009 com a fina lidade de automatiza r os proce ssos e le itorais

Leia mais

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e :

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : INSCRIÇÕES ABERTAS ATÉ 13 DE JULH DE 2015! Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : Caso vo cê nunca t e nh a pa

Leia mais

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 Estratégico III Seminário de Planejamento Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 G es tão Em pre sa rial O rie nta ção pa ra om erc ado Ino vaç ão et

Leia mais

M ARCO S PARA FIRM AS (ASPECTO M ETALICO )

M ARCO S PARA FIRM AS (ASPECTO M ETALICO ) M ARCO S PARA FIRM AS (ASPECTO M ETALICO ) H o m ig@ s. Es te tutoritie ne com o ob je tivo e ns e ñr re izr un m rco pr s firm s q ue tn de m od e s tán e n for.ls m e dids s ue e n s e r un poco rb itrris,

Leia mais

REFORMA POLÍTICA. Capítulo VI

REFORMA POLÍTICA. Capítulo VI REFORMA POLÍTICA Capítulo VI REFORMA QUE O GOVERNO LULA E O CONGRESSO NACIONAL DEVEM PRIORIZAR [espontânea e única, em %] Pe so 1 0 0 % Re fe rê ncia s a re form a s Re form a Agrá ria 7 Re form a Tra

Leia mais

J u i n 2 0 0 9 L e ttr e d 'i n fo r m a ti o n n 1 9 E d i to r i al E p p u r si m u o ve «E t p o u r ta n t e l l e b o u g e» m u r m u r a G a l l i l é e s u r s o n c h a m p e s t l a r g e.

Leia mais

Questionário sobre o Ensino de Leitura

Questionário sobre o Ensino de Leitura ANEXO 1 Questionário sobre o Ensino de Leitura 1. Sexo Masculino Feminino 2. Idade 3. Profissão 4. Ao trabalhar a leitura é melhor primeiro ensinar os fonemas (vogais, consoantes e ditongos), depois as

Leia mais

PERCEPÇÃO AGRO AM BIENTAL DO S AGRICULTO RES FAM ILIARES NO SUDO ESTE DO PARANÁ: o cas o de Capane m a

PERCEPÇÃO AGRO AM BIENTAL DO S AGRICULTO RES FAM ILIARES NO SUDO ESTE DO PARANÁ: o cas o de Capane m a Re vis ta Bras i e ira Agroe co ogia ISSN: 19 80-9 735 PERCEPÇÃO AGRO AM BIENTAL DO S AGRICULTO RES FAM ILIARES NO SUDO ESTE DO PARANÁ: o cas o Capane m a Th e Agro-e nvironm e ntape rce ption ofth e fam

Leia mais

soluções sustentáveis soluções sustentáveis

soluções sustentáveis soluções sustentáveis soluções sustentáveis 1 1 1 2 3 KEYAS S OCIADOS UNIDADES DE NEGÓCIO ALGUNS CLIENTES 2 2 1 2 3 KEYAS S OCIADOS UNIDADES DE NEGÓCIO ALGUNS CLIENTES 3 3 APRES ENTAÇÃO A KEYAS S OCIADOS a tu a d e s d e 1

Leia mais

P i s cina s : 2 P i s ci n a e x te rior de á g u a d e m a r a q u e cida P i s ci n a i n te ri or d e á g u a

P i s cina s : 2 P i s ci n a e x te rior de á g u a d e m a r a q u e cida P i s ci n a i n te ri or d e á g u a E M P R IM E I R A MÃO T h e O i ta v os é o e x c lu s i v o h o te l d e 5 e s tre la s q u e co m p le t a e v a l ori za a ofe rta d a Q u i n ta d a M a ri n h a, co n s olid a n d o -a c om o d e

Leia mais

O P a pel da M ídia no C o ntro le da s P o lític a s de S a úde

O P a pel da M ídia no C o ntro le da s P o lític a s de S a úde B ra s ília, 26 de s etem bro de 2009 C o ntro le da s P o lític a s de L uiz R ibeiro FU N Ç Ã O D O J O R N A L I S M O J o r n a lis m o é a a tiv id a d e p r o fis s io n a l q u e c o n s is te e

Leia mais

Fabiano Leoni. William Corbo

Fabiano Leoni. William Corbo Fabiano Leoni William Corbo O CURSO Este é um curso pensado especialmente para líderes inquietos e cheios de vontade de mergulhar fundo em PESSOAS. O curso Cultura & Encantamento pretende fornecer importantes

Leia mais

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O O s depós itos fos s ilíferos, o s s ítios paleontológ icos (paleobiológicos ou fossilíferos) e o s fós s eis q u e a p r e s e n ta m valores científico, educativo o u cultural

Leia mais

Cabo USB. Cabo de re de RJ45. Se m fios

Cabo USB. Cabo de re de RJ45. Se m fios Es col h a a form a com o pre te nde l igar o s e u com putador ao Spe e dtouch 580. Cabo USB Cabo de re de RJ45 Se m fios A ins tal ação e o us o da cone xão USB do Spe e dtouch s ão s uportados pe l

Leia mais

UNIVERSIDADE DO M INH O ESCOLA DE ECONOM IA E GESTÃO DEPARTAM ENTO DE GESTÃO

UNIVERSIDADE DO M INH O ESCOLA DE ECONOM IA E GESTÃO DEPARTAM ENTO DE GESTÃO UNIVERSIDADE DO M INH O ESCOLA DE ECONOM IA E ESTÃO DEPARTAM ENTO DE ESTÃO M ESTRADO EM FINANÇAS Porq uê e s col h e r o M e s trado e m Finanças da UM? Re curs os Actual m e nte a áre a de Finanças e

Leia mais

1 3Centrs e PP esq is II DD C n MM n Astr l i Astri C h i n Re. C h e H n g K n g F i n l n i I n i F rn 0 4 C n I n n si Al e m n h E st s U n i s I

1 3Centrs e PP esq is II DD C n MM n Astr l i Astri C h i n Re. C h e H n g K n g F i n l n i I n i F rn 0 4 C n I n n si Al e m n h E st s U n i s I 1 3Mr P e re s, R e s e r h D i re t r I D C B rs i l Br 0 0metr Cis e Bn L rg n Brsil, 2005-201 0 R e s l t s P ri m e i r T ri m e s t re e 2 0 0 7 Prer r Prer r Met e Bn Lrg em 2 0 1 0 n Brs i l : 10

Leia mais

lh e c o n fe re o in c is o II d o a rt. 4 º d o Re g u la m e n to d o D e p a rta m e n to -G e ra l d o Pe s s o a l (R-1 56 ), a p ro v a d o

lh e c o n fe re o in c is o II d o a rt. 4 º d o Re g u la m e n to d o D e p a rta m e n to -G e ra l d o Pe s s o a l (R-1 56 ), a p ro v a d o PORTARIA Nº 1 6 4 -D G P, D E 4 D E NOV E M B RO D E 2 0 1 1. Alte ra a d is trib u iç ã o d e e fe tiv o d e m ilita re s te m p o rá rio s, p a ra o a n o d e 2 0 1 1. O CHEFE DO DEPARTAMENTO-GERAL DO

Leia mais

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.)

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.) 32988 Quarta-feira 22 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Ou tu bro de 2003 Art. 3º O Gru po Parlamentar reger-se-á pelo seu regulamento in ter no ou, na falta deste, pela decisão da ma i o ria absoluta de seus mem

Leia mais

======================== Œ œ»» Œ C7 ˆ_ ««G 7

======================== Œ œ»» Œ C7 ˆ_ ««G 7 1) É tã bnit n tr (ntrd) cminh cm Jesus (Miss d Temp mum cm crinçs) & 2 4 m œ É tã b ni t n_ tr me s s gr d, & œ t h brn c, ve ce s. & _ Mis s vi c me çr n ns s_i gre j; _u & j im c ris ti cm e gri, v

Leia mais

Q UA N TO ELA REALMENTE C U S TA PA RA A SUA EMPRESA?

Q UA N TO ELA REALMENTE C U S TA PA RA A SUA EMPRESA? Q UA N TO ELA REALMENTE C U S TA PA RA A SUA EMPRESA? I n d ú s t ri a, amiga do meio ambiente O uso dos mananciais hídri cos é de impo rtância e s t rat é g i ca para a Indústri a. Além de essencial à

Leia mais

E fe itos fina nc e iros do S im ple s N a c iona l: L im ite s de s ua utiliza ç ã o fre nte a o

E fe itos fina nc e iros do S im ple s N a c iona l: L im ite s de s ua utiliza ç ã o fre nte a o E fe itos fina nc e iros do S im ple s N a c iona l: L im ite s de s ua utiliza ç ã o fre nte a o ordeg rana o m a d om, R Se 2nto 6 d e Ju n h jurídic o d e 2 01 0 B ra s il - 4 º ou 5 º P I B? P ré -

Leia mais

Classificação Periódica dos Elementos

Classificação Periódica dos Elementos Classificação Periódica dos Elementos 1 2 3 1 Massa atômica relativa. A incerteza no último dígito é 1, exceto quando indicado entre parênteses. Os valores com * referemse Número Atômico 18 ao isótopo

Leia mais

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO 1. RESULTADOS QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO 1.1- QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO: AMOSTRA REFERENTE AS

Leia mais

Embarque no Turismo O Papel do Turismo no Desenvolvimento do País

Embarque no Turismo O Papel do Turismo no Desenvolvimento do País Embarque no Turismo O Papel do Turismo no Desenvolvimento do País Belo Horizonte/MG, 21 de junho de 2010 Segmentação A s eg mentação es tá pres ente em todos os mercados, incluindo o mercado do turis mo;

Leia mais

REVIS TA CONTATO LEITOR GALERIA COLUNAS EDIÇÕES ANTIGAS ASSINATURA. 30/7/2014 Salão de Gramado encerra nesta quinta-feira.

REVIS TA CONTATO LEITOR GALERIA COLUNAS EDIÇÕES ANTIGAS ASSINATURA. 30/7/2014 Salão de Gramado encerra nesta quinta-feira. Q u a, 3 0 d e J u l h o d e 2 0 1 4 search... REVIS TA CONTATO LEITOR GALERIA COLUNAS EDIÇÕES Selecione a Edição ANTIGAS C l i q u e n o l i n k a b a i xo p a r a a c e s s a r a s e d i ç õ e s a n

Leia mais

v a p r a f e i r a (. c o m ) u m p r o j e t o d e i n c e n t i v o a o u s o d o e s p a ç o p ú b l i c o

v a p r a f e i r a (. c o m ) u m p r o j e t o d e i n c e n t i v o a o u s o d o e s p a ç o p ú b l i c o v a p r a f e i r a (. c o m ) u m p r o j e t o d e i n c e n t i v o a o u s o d o e s p a ç o p ú b l i c o vaprafeira.com M a r i n a B r i z a M o re l l i O r i e nta d o ra : I s a b e l A b a

Leia mais

SISTEMA MODULAR DE FOLHA DE PAGAMENTO

SISTEMA MODULAR DE FOLHA DE PAGAMENTO SISTEMA MODULAR DE FOLHA DE PAGAMENTO TERMO DE ABERTURA DO PROJETO... 5 P A R T I C I P A N T E S... 5 I D E N T I F I C A Ç Ã O D O P R O J E T O... 5 Nome e Sigla do Projeto... 5 Cliente e Representante...

Leia mais

Linha de Crédito PME CRESCIMENTO (Condições da Linha)

Linha de Crédito PME CRESCIMENTO (Condições da Linha) Linha de Crédito PME CRESCIMENTO (Condições da Linha) Linha de Crédito Bonificada com Garantia Mútua UNIÃO EUROPEIA Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional Enquadramento O processo de d e l e v e r ag

Leia mais

======================== ˆ_ ˆ«

======================== ˆ_ ˆ« Noss fest com Mri (Miss pr os simpes e pequenos, inspirdo em Jo 2,112) ( Liturgi I Puus) 1) eebremos n egri (bertur) Rgtime & c m m.. _ m m.. _ e e bre mos n_ e gri, nos s fes t com M ri : & _.. _ º....

Leia mais

White Paper. Boas Práticas de E-mail Marketing

White Paper. Boas Práticas de E-mail Marketing White Paper Boas Práticas de E-mail Marketing Saiba como alguns cuidados simples podem melhorar os resultados de suas campanhas de e-mail marketing Para garantir a qualidade no mix de comunicação atual,

Leia mais

Padrões de lançamento para Estações de Tratamento de Esgotos Domésticos Reunião AESBE 10/02/09

Padrões de lançamento para Estações de Tratamento de Esgotos Domésticos Reunião AESBE 10/02/09 Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo - SABESP Associação das Empresas Estaduais de Saneamento Básico - AESBE Padrões de lançamento para Estações de Tratamento de Esgotos Domésticos Reunião

Leia mais

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 D A T A D E A B E R T U R A : 2 9 d e d e z e m b r o d e 2 0 1 0 H O R Á R I O : 9:0 0 h o r a s L O C A L D A S E S S Ã O P Ú B L I C A: S a l a d a C P L/

Leia mais

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009 FGV 010/1-13.1.009 VESTIBULAR FGV 010 DEZEMBRO 009 MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A PROVA DE MATEMÁTICA QUESTÃO 1 (Prova: Tipo B Resposta E; Tipo C Resposta C; Tipo D Resposta A) O gráfico abaio fornece o

Leia mais

Tópicos Quem é é a a PP aa nn dd ui t t?? PP oo rr qq ue um CC aa bb ea men tt oo PP er ff oo rr ma nn cc e? dd e AA ll tt a a Qua ll ii dd aa dd e e PP aa nn dd ui t t NN et ww oo rr k k II nn ff rr aa

Leia mais

Quadro de conteúdos. Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano. Lição 1 As crianças e os lugares onde vivem

Quadro de conteúdos. Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano. Lição 1 As crianças e os lugares onde vivem Quadro de conteúdos Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano Língua Portuguesa Matemática História Geografia Ciências Naturais Arte Inglês ABC da passarinhada O alfabeto Quantidade A ideia de quantidade Eu, criança

Leia mais

AGÊNCIA AMBIENTAL FEDERAL AMERICANA - USEPA

AGÊNCIA AMBIENTAL FEDERAL AMERICANA - USEPA AGÊNCIA AMBIENTAL FEDERAL AMERICANA - USEPA Emenda ao 40 CFR Parts 261, 266, 268 e 271 Documento: FERTILIZANTES À BASE DE ZINCO PRODUZIDOS A PARTIR DE MATERIAL SECUNDÁRIO PERIGOSO Julho/2002 S U M Á R

Leia mais

White Paper. E-mail Marketing: por onde começar?

White Paper. E-mail Marketing: por onde começar? White Paper E-mail Marketing: por onde começar? Primeiros passos para definir o planejamento de suas campanhas de e-mail marketing Para garantir a qualidade no mix de comunicação, é importante criar suas

Leia mais

Portal da Justiça A Justiça ao serviço do cidadão e das empresas

Portal da Justiça A Justiça ao serviço do cidadão e das empresas 1 de 7 Portal da Justiça A Justiça ao serviço do cidadão e das empresas Publicação On- Line de Acto Societário e de outras entidades Imprimir Ajuda Fechar Publicação NIF/NIPC 500065268 Entidade Clube de

Leia mais

n o m urd ne Hel e n o mis

n o m urd ne Hel e n o mis Em nosso cotidiano existem infinitas tarefas que uma criança autista não é capaz de realizar sozinha, mas irá torna-se capaz de realizar qualquer atividade, se alguém lhe der instruções, fizer uma demonstração

Leia mais

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to.

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. GASTRONOMIA Instruções Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. Res pe i te mar gens e en tra das de pa rá gra fo. Use as in for ma ções

Leia mais

White Paper. Datas Comemorativas. Calendário 2011 de datas comemorativas para campanhas sazonais

White Paper. Datas Comemorativas. Calendário 2011 de datas comemorativas para campanhas sazonais Datas Comemorativas White Paper Calendário 2011 de datas comemorativas para campanhas sazonais As datas comemorativas podem ser exploradas para rentabilizar o seu comércio, seja ele físico ou online. Dedique

Leia mais

PROMOÇÃO INTERNACIONAL RESULTADOS 2009 PERSPECTIVAS 2010

PROMOÇÃO INTERNACIONAL RESULTADOS 2009 PERSPECTIVAS 2010 PROMOÇÃO INTERNACIONAL RESULTADOS 2009 PERSPECTIVAS 2010 ATIVIDADES Inteligência comercial; Fomento às exportações; Organização para exportações; Feiras e eventos comerciais internacionais; Eventos de

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº XXX, DE 00 DE XXXXX DE 2014

RESOLUÇÃO Nº XXX, DE 00 DE XXXXX DE 2014 RESOLUÇÃO Nº XXX, DE 00 DE XXXXX DE 2014 Dispõe sobre a regulamentação da avaliação e fluxo de procedimentos para a concessão do Reconhecimento de Saberes e Competências aos docentes pertencentes ao Plano

Leia mais

Programa Copa do Mundo 2014

Programa Copa do Mundo 2014 Programa Copa do Mundo 2014 Programa Copa do Mundo 2014 Gerente do Programa: Mario Queiroz Guimarães Neto Rede do Programa: Rede de Cidades Objetivo do Programa: Organizar com excelência os eventos FIFA

Leia mais

White Paper. Gestão Ágil de Produtos

White Paper. Gestão Ágil de Produtos White Paper Gestão Ágil de Produtos Um bom gestor de produtos de software oferece o suporte e a confiança que a equipe de desenvolvimento precisa Com o advento das metodologias ágeis de desenvolvimento

Leia mais

10.1 Objetivos, Conceitos e Funções. Os obje ti vos prin ci pais do con tro le orça men tá rio são: Responsabilidade pelo Controle Orçamentário

10.1 Objetivos, Conceitos e Funções. Os obje ti vos prin ci pais do con tro le orça men tá rio são: Responsabilidade pelo Controle Orçamentário Capítulo 10 Controle Orçamentário Essa etapa acon te ce após a exe cu ção das tran sa ções dos even tos eco nô mi cos pre vis - tos no plano orça men tá rio. Não se con ce be um plano orça men tá rio sem

Leia mais

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10 QUESTÃO 1 VESTIBULAR FGV 010 JUNHO/010 RESOLUÇÃO DAS 15 QUESTÕES DE MATEMÁTICA DA PROVA DA MANHÃ MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A O mon i tor de um note book tem formato retangular com a di ag o nal medindo

Leia mais

White Paper. Mais produtividade e mobilidade com Exchange Server. O correio eletrônico é uma das ferramentas de

White Paper. Mais produtividade e mobilidade com Exchange Server. O correio eletrônico é uma das ferramentas de White Paper Mais produtividade e mobilidade com Exchange Server Entenda como usar melhor a plataforma de correio eletrônico da Microsoft para ganhar mais eficiência na comunicação da sua empresa O correio

Leia mais

A COMUNICAÇÃO COMO ELEMENTO MOTIVACIONAL DOS ALUNOS INGRESSANTES NO CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO BILÍNGÜE DA FAZU

A COMUNICAÇÃO COMO ELEMENTO MOTIVACIONAL DOS ALUNOS INGRESSANTES NO CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO BILÍNGÜE DA FAZU Secretariado Executivo Bilíngüe/Office Administration 127 A COMUNICAÇÃO COMO ELEMENTO MOTIVACIONAL DOS ALUNOS INGRESSANTES NO CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO BILÍNGÜE DA FAZU INTRODUÇÃO O p re s e n te

Leia mais

www.investorbrasil.com

www.investorbrasil.com Proposta curso preparatório para CPA 20 - ANBIMA www.investorbrasil.com Apresentação INVESTOR APRESENTAÇÃO A INVESTOR é uma escola que nasceu da necessidade das pessoas aprenderem as ferramentas e instrumentos

Leia mais

Correção da Unicamp 2009 2ª fase - Matemática feita pelo Intergraus. 14.01.2009

Correção da Unicamp 2009 2ª fase - Matemática feita pelo Intergraus. 14.01.2009 MATEMÁTICA 1. O transporte de carga ao porto de Santos é feito por meio de rodovias, ferrovias e dutovias. A tabela abaixo for ne ce al guns da dos re la ti vos ao trans por te ao por to no pri me i ro

Leia mais

A Prefeitura Municipal de Santa Barbara, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR.

A Prefeitura Municipal de Santa Barbara, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. Edição Nº Nº 030/2012 00004 Sexta-Feira Quit-Feira 08 11 de Março Janeiro de de 2012 2013 A Prefeitura Municipal de Santa Barbara, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. Nº

Leia mais

E V O L U Ç Ã O D O S S IS T E M A S D E M O N IT O R A M E N T O N A G E R Ê N C IA D E R IS C O D A N IE L R U S S I F IL H O russi@sascar.com.

E V O L U Ç Ã O D O S S IS T E M A S D E M O N IT O R A M E N T O N A G E R Ê N C IA D E R IS C O D A N IE L R U S S I F IL H O russi@sascar.com. E V O L U Ç Ã O D O S S I S T E M A S D E M O N I T O R A M E N T O N A G E R Ê N C I A D E R I S C O D A N IE L R U S S I F IL H O russi@sascar.com.br HISTÓRICO 1994 - in í c io d o s r a s t r e a d

Leia mais

- 15G0078G130 - MÓDULO USB INSTRUÇÕES DA INTERFACE PARA ASAC-0/ASAC-1/ASAB

- 15G0078G130 - MÓDULO USB INSTRUÇÕES DA INTERFACE PARA ASAC-0/ASAC-1/ASAB - 15G0078G130 - MÓDULO USB INSTRUÇÕES DA INTERFACE PARA ASAC-0/ASAC-1/ASAB Emitido em 15/6/2012 R. 01 Este manual é parte integrante e essencial do produto. Leia atentamente as instruções contidas nele,

Leia mais

UML. Máquina de Estados

UML. Máquina de Estados UML Máquina de Estados Máquina de Estados Máquinas de estado: definição Diagrama de Estados Superestados Estados concorrentes Quando usar um diagrama de estados Máquina de Estados Faz a modelagem do comportamento

Leia mais

C ontextualização his tórica da operacionalização da R es olução C onama 258/99 1/19

C ontextualização his tórica da operacionalização da R es olução C onama 258/99 1/19 C ontextualização his tórica da operacionalização da R es olução C onama 258/99 1/19 C iclo de vida : Do pneu novo ao pneu us ado FABRICAÇÃO IMPORTAÇÃO MERCADO Pneus Novos EXPORTADOS Pneus novos Fora do

Leia mais

Ministério Público Federal, B rasília 8 de junho de 2009. Leonardo C. Fleck, C ons ervação E s tratég ica

Ministério Público Federal, B rasília 8 de junho de 2009. Leonardo C. Fleck, C ons ervação E s tratég ica Ministério Público Federal, B rasília 8 de junho de 2009 Leonardo C. Fleck, C ons ervação E s tratég ica P r e o c u p a ç ã o c o m a q u a lid a d e d o s g a s to s p ú b lic o s e m c e n á r io

Leia mais

EDITAL Nº 01 / 2 011 DE 2 8 DE FEVERE IRO DE 2 0 1 1 CONCURSO PARA I NGRES SO EM ESTÁG IO NA ÁREA DE D IRE ITO

EDITAL Nº 01 / 2 011 DE 2 8 DE FEVERE IRO DE 2 0 1 1 CONCURSO PARA I NGRES SO EM ESTÁG IO NA ÁREA DE D IRE ITO EDITAL Nº 01 / 2 011 DE 2 8 DE FEVERE IRO DE 2 0 1 1 CONCURSO PARA I NGRES SO EM ESTÁG IO NA ÁREA DE D IRE ITO A Co o r d e n a ç ã o d e E s t á g i o d a P r o c u r a d o r i a d a R e p ú b l i c a

Leia mais

Oferta Significado 2011. Candidaturas POPH 3.2, 8.3.2 e 9.3.2 Formação para a Inovação e Gestão. Setembro 2011

Oferta Significado 2011. Candidaturas POPH 3.2, 8.3.2 e 9.3.2 Formação para a Inovação e Gestão. Setembro 2011 Oferta Significado 2011 Candidaturas POPH 3.2, 8.3.2 e 9.3.2 Formação para a Inovação e Gestão Setembro 2011 Data para submissão das Candidaturas: Até 10 de Outubro 2011 Financiamento Formação Geral Micro

Leia mais

MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR

MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR O Sonho de Renato O Sonho de Renato a e i o u A E I O U so nho de Re na to Eu sou Renato Valadares Batista. Tenho 14 anos. Sou filho de Pedro Batista e Luzia Valadares.

Leia mais

R E DE MA IS VIDA R e de de A te nç ã o à S a úde do Ido s o

R E DE MA IS VIDA R e de de A te nç ã o à S a úde do Ido s o R E DE MA IS VIDA R e de de A te nç ã o à S a úde do Ido s o C ic lo d e D e b a te s : "1 C liq0 u e Ap a ra n eo d ita s r do eo s tilo Ed o ssta u b tí tu lo to m e s tre d o Id o s o E lia n a M á

Leia mais

. D A D O S I N I C I A I S 1.1 N a t u r e z a e fi n a l i d a d e d a e d i f i c a ç ã o : i n d i ca r o ti p o d e e d ifi ca ç ã o ( e x : e s c o l a r u r a l co m 0 2 s a l a s, e sc o la u r

Leia mais

Prefeitura Municipal de Gavião-BA

Prefeitura Municipal de Gavião-BA Edição Nº Nº 024/2012 030/2012 Segunda-Feira Quinta-Feira 08 26 de Março Junho de 2012 Rua Irmã Dulce, nº 370 Gavião Bahia CEP: 44650-000. Tel/Fax: 75.3682 2271 CNPJ: 13.233.036/0001-67 www.gaviao.ba.gov.br

Leia mais

A Prefeitura Municipal de Conceição da Feira, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR.

A Prefeitura Municipal de Conceição da Feira, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. Edição Nº Nº 030/2012 00034 Sexta-Feira Quit-Feira 22 08 de de Fevereiro Março de 2012 2013 A Prefeitura Municipal de Conceição da Feira, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR.

Leia mais

16/02/2014. Masakazu Hoji. ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Uma Abordagem Prática. 5a. Edição Editora Atlas. Capítulo 1 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

16/02/2014. Masakazu Hoji. ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Uma Abordagem Prática. 5a. Edição Editora Atlas. Capítulo 1 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DMNSTRÇÃ FNNCER Uma bordagem Prática 5a. Edição Editora tlas Masakazu Hoji NTRDUÇÃ À Capítulo 1 DMNSTRÇÃ FNNCER 1.1 dministração financeira nas empresas 1.2 ntegração dos conceitos contábeis com os conceitos

Leia mais

Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março. Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março

Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março. Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Física e Química A Prova Escrita

Leia mais

Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades

Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades PNV 289 Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades Orides Bernardino São Leopoldo/RS 2012 Centro de Estudos Bíblicos Rua João Batista de Freitas, 558 B. Scharlau Caixa Postal 1051 93121-970

Leia mais

White Paper. Flexibilidade e economia na era IP

White Paper. Flexibilidade e economia na era IP White Paper Flexibilidade e economia na era IP Saiba como utilizar as tecnologias mais modernas de comunicação de voz pela internet para conseguir mais economia e rapidez em telefonia para sua empresa

Leia mais

o bje tiv o f in a l d o C oa c h in g é fa z e r c o m qu e o s c lie n te s t o rn e m -s e a u tô no m o s.

o bje tiv o f in a l d o C oa c h in g é fa z e r c o m qu e o s c lie n te s t o rn e m -s e a u tô no m o s. O r ie n ta ç õ e s In i ci ai s E u, R ic k N e ls o n - P e rs on a l & P rof e s s io n al C o a c h - a c re dito qu e o o bje tiv o f in a l d o C oa c h in g é fa z e r c o m qu e o s c lie n te

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA INTERDISCIPLINARIDADE EM SAÚDE

A IMPORTÂNCIA DA INTERDISCIPLINARIDADE EM SAÚDE AUDITORIA IA CLÍNICA A IMPORTÂNCIA DA INTERDISCIPLINARIDADE EM SAÚDE Auditoria é em um exame cuidadoso e sistemático das atividades desenvolvidas em determinada empresa ou setor, cujo objetivo é averiguar

Leia mais

Ainda há Tempo, Volta

Ainda há Tempo, Volta Ainda há empo, Volta Letra e Música: Diogo Marques oprano ontralto Intro Envolvente (q = 60) enor aixo Piano Ó Œ. R.. F m7 2 A b 2 E b.. 2 Ó Œ É 2 Ó Œ F m7 2.. 2 2 A b 2 2 Ainda há empo, Volta Estrofe

Leia mais

IN S A In s titu t N a tio n a l

IN S A In s titu t N a tio n a l IN S A : U m a re d e d e 5 e s c o la s s u p e rio re s d e e n g e n h a ria O INS A de Rennes existe desde 1966 R ouen O INS A de Rouen existe desde 1985 O INS A de S trasbourg existe desde 2003 R

Leia mais

COM O FAZ ER UM CONSELH O GESTOR FUNCIONAR

COM O FAZ ER UM CONSELH O GESTOR FUNCIONAR Proje to Cas a Bras il COM O FAZ ER UM CONSELH O GESTOR FUNCIONAR Série M anuais Cas a Bras il Vol um e I Bras íl ia, s e te m bro de 2008. 1ª e dição M ate rialdis ponibil iz ado e m l ice nça copyl e

Leia mais

CONTRATO Nº 229/ 2014

CONTRATO Nº 229/ 2014 CONTRATO Nº 229/ 2014 Prestação de Serviços de Consultoria especializada em gestão na área de planejamento estratégico e mapeamento de processos. Que fazem entre si de um lado a Prefeitura Municipal de

Leia mais

Ministério Público Federal Procuradoria da República em Pernambuco

Ministério Público Federal Procuradoria da República em Pernambuco Procedimento Preparatório n. º 1.26.000.002835/2013-65 Promoção de Arquivamento nº 617-2013/MPF/PRPE/AT PROMOÇÃO Trata- se de proc edimento pre paratório instaurado nesta Procuradoria da Repúb lic a, com

Leia mais

O trabalho com textos na alfabetização de crianças do 1º e 2º anos do ensino fundamental

O trabalho com textos na alfabetização de crianças do 1º e 2º anos do ensino fundamental O trabalho com textos na alfabetização de crianças do 1º e 2º anos do ensino fundamental Izac Trindade Coelho 1 1. I n t r o d u ç ão Ai de mim, ai das crianças abandonadas na escuridão! (Graciliano Ramos)

Leia mais

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Física feita pelo Intergraus. 12.01.2010

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Física feita pelo Intergraus. 12.01.2010 da Unicamp 010 ª fase - Física 1.01.010 UNICAMP 010 - FÍSICA Esta prova aborda fenômenos físicos em situações do cotidiano, em experimentos científicos e em avanços tecnológicos da humanidade. Em algumas

Leia mais

Proposta de Revisão Metodológica

Proposta de Revisão Metodológica Proposta de Revisão Metodológica Gestão do Desempenho Dezembro de 20 DIDE/SVDC Propostas para 202 Nova sist em át ic a de pac t uaç ão e avaliaç ão de m et as set oriais e de equipe; Avaliaç ão de De s

Leia mais

w w w. v o c e s a. c o m. b r SEFAZ BAHIA

w w w. v o c e s a. c o m. b r SEFAZ BAHIA sumário executivo w w w. v o c e s a. c o m. b r w w w. e x a m e. c o m. b r melhores empresas para você trabalhar São Pau lo, setembro de 2010. Pre za do(a) Sr(a)., SEFAZ BAHIA Em pri mei ro lu gar,

Leia mais

UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO IESMA PROGRAMA DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL

UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO IESMA PROGRAMA DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO IESMA PROGRAMA DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL Reconhecido Pela Portaria Nº 1.705 De 18 de Outubro de 2010,

Leia mais

VESTIBULAR UNICAMP 2010-1ª FASE - NOVEMBRO/2009

VESTIBULAR UNICAMP 2010-1ª FASE - NOVEMBRO/2009 VESTIBULAR UNICAMP 2010-1ª FASE - NOVEMBRO/2009 Comentário da Redação Nes te ano, a pro va de Re da ção da Uni camp foi ex ce len te. Em pri me i ro lu gar, pelo res pe i to ao for ma to tra di ci o nal

Leia mais

O papel da mãe no desenvolvimento da criança

O papel da mãe no desenvolvimento da criança O papel da mãe no desenvolvimento da criança O pa pel d a m ãe no desenv olvim ento de um a cr i a n ça é i m portante pois esta é quem lhe v ai d ar as d efesas que n e cessita, assim como, tem o dever

Leia mais

Sistema de Arquivos. Sistemas de Arquivos

Sistema de Arquivos. Sistemas de Arquivos Sistemas de Arquivos Definições Básicas 1.Um arquivo é uma unidade lógica de informação criado por processos. As informações podem representar instruções e dados de qualquer tipo [1]. Exemplo de arquivos.

Leia mais

Tendências da Análise de Negócios e do IIBA

Tendências da Análise de Negócios e do IIBA Tendências da Análise de Negócios e do IIBA Moderador Os webinars em português são uma iniciativa do IIBA e do IIBA Brasília Chapter. Contam com a colaboração voluntária de profissionais de AN de todo

Leia mais

R eg is tro de P rodutos R em edia dores. Cintia M. Araújo Souza CCONP/CGASQ/DIQUA Brasília, 12/03/2013

R eg is tro de P rodutos R em edia dores. Cintia M. Araújo Souza CCONP/CGASQ/DIQUA Brasília, 12/03/2013 R eg is tro de P rodutos R em edia dores Cintia M. Araújo Souza CCONP/CGASQ/DIQUA Brasília, 12/03/2013 Remediadores Ambientais LEGIS LAÇÃO ES PECÍFICA: Res olução CONAMA nº 314, de 29/10/2002 D is põe

Leia mais

Y Zr Nb Mo Tc Ru Rh Pd Ag Cd In Sn Sb Te I Xe

Y Zr Nb Mo Tc Ru Rh Pd Ag Cd In Sn Sb Te I Xe A H,0 Li 7,0 Na 2,0 9 K 9,0 7 Rb 85,5 55 Cs,0 87 Fr (22) 2 2A Be 9,0 2 Mg 2,0 20 Ca 0,0 8 Sr 88,0 56 Ba 7,0 88 Ra (226) Elementos de Transição B B 5B 6B 7B 8B B 2B 5 6 7 A A 5A 6A 7A 78,5 8,0 8,0 86,0

Leia mais

QUÍMICA VESTIBULAR 2005 2ª ETAPA

QUÍMICA VESTIBULAR 2005 2ª ETAPA QUÍMICA VESTIBULAR 2005 2ª ETAPA 1 2 3 4 5 6 7 1 1 1, 00 2 3 4 Li Be 6, 94 9, 01 11 12 Na Mg 22, 99 24, 31 19 20 K Ca 39, 10 40, 08 37 38 Rb Sr 85, 47 87, 62 55 56 Cs Ba 132, 91 137, 33 87 88 Fr Ra 223,

Leia mais

In for má ti ca, ar qui vos, me mó ria, in ter net.

In for má ti ca, ar qui vos, me mó ria, in ter net. UMA MEMÓRIA PARA A TECNOLOGIA Fa us to Co lom bo Re su mo O tema da me mó ria, quan do as so ci a do ao das no vas tec no lo gi as, pro duz in te res san tes cor re la ções na me di da em que a in for

Leia mais

Cadastro Territorial Multifinalitário no planejamento e gestão territorial urbana

Cadastro Territorial Multifinalitário no planejamento e gestão territorial urbana Mundo Geo Connect Seminário Geotecnologia na Gestão Municipal Sessão Desafios para as Prefeituras: o CTM como instrumento de política fiscal e urbana São Paulo, 16 de junho de 2011 Cadastro Territorial

Leia mais

EMPREGO JOVEM: AS POLÍTICAS. Alexandre Oliveira - IEFP

EMPREGO JOVEM: AS POLÍTICAS. Alexandre Oliveira - IEFP EMPREGO JOVEM: AS POLÍTICAS Alexandre Oliveira - IEFP Objetivos da sessão Identificar intervenções do IEFP no âmbito das políticas ativas de emprego para jovens: Estágios Profissionais; Medida Estímulo

Leia mais

Avaliação, Tecnologias, e Custos Sociais e Econômicos

Avaliação, Tecnologias, e Custos Sociais e Econômicos Avaliação, Tecnologias, e Custos Sociais e Econômicos Eduardo L.G. Rios-Neto Belo Horizonte, 11 de outubro de 2013 ESQUEMA DA APRESENTAÇÃO: I. Comentários Gerais Introdutórios II. III. IV. Pareamento de

Leia mais

GLOSSÁRIO PREV PEPSICO

GLOSSÁRIO PREV PEPSICO GLOSSÁRIO PREV PEPSICO A T A A ABRAPP Aã Aã I Aí I R ANAPAR A A M A A A Lí Aá S C é ç í ê çõ 13ª í ã. Açã B E F Pê P. Cí ê, ã ê. V Cê Aã P ( á). N í, - I R P Fí (IRPF), S R F, à í á, ( 11.053 2004), çã.

Leia mais

Si, Ge, SiO 2, ZnS, etc. PF s e dureza elevados Insolúveis Isolantes (ou semicondutores)

Si, Ge, SiO 2, ZnS, etc. PF s e dureza elevados Insolúveis Isolantes (ou semicondutores) Sólidos covalentes C, diamante C, grafite Si, Ge, SiO 2, ZnS, etc. PF s e dureza elevados Insolúveis Isolantes (ou semicondutores) Sólidos covalentes TEV: rede 3D de ligações covalentes C, diamante (sp

Leia mais

Extracção e Conve rs ão

Extracção e Conve rs ão Jogos : Tre m u ous, Eve O n ine Book R e vie w : K e rne in a Nuts h e Abri/M aio 07 :: Núm e ro 3 Áu d io & Víd e o: Extracção e Conve rs ão Extracção de áudio e conve rs ão para M P3. Gravação de DVDs

Leia mais

RESOLUÇÃO Matemática APLICADA FGV Administração - 24.10.10

RESOLUÇÃO Matemática APLICADA FGV Administração - 24.10.10 VESTIBULAR FGV 2011 OUTUBRO/2010 RESOLUÇÃO DAS 10 QUESTÕES DE MATEMÁTICA APLICADA QUESTÃO 1 O gráfico no plano cartesiano expressa a alta dos preços médios de televisores de tela plana e alta definição,

Leia mais

DATAPREV Divisão de Gestão Operacional e Controle - D1GC Serviço Técnico a Softwares de Produção STSP

DATAPREV Divisão de Gestão Operacional e Controle - D1GC Serviço Técnico a Softwares de Produção STSP GIS Gertran Integration Suite Guia de T ransferência de Arquivos Entidade x DATAPREV Versão 1.0 HTTPS G I S G ui a de T ra n sf er ên ci a d e Ar qu i vo s 1/ 8 ÍNDICE ANALÍT ICO 1. INTRODU ÇÃO......4

Leia mais

Câmara Municipal de Retirolândia-BA

Câmara Municipal de Retirolândia-BA Edição Nº 030/2012 007/2012 Terça-Feira Quinta-Feira 3108 de de Julho Março de 2012 de 2012 A CASA DA DEMOCRACIA Rua Joana Angélica, n.º 537 Centro CEP 48.750-000 Retirolândia/BA CNPJ 63.103.808/0001-14

Leia mais

Seminário Engenh ri & Desenvolvimento. Vi duto do Chá (1892)

Seminário Engenh ri & Desenvolvimento. Vi duto do Chá (1892) Vi duto do Chá (1892) UHE P rn íb (1900) Est ção d Luz (1900) 1.2 Atr ção do C pit l Estr ngeiro Em 1911 Emile Quoni m de S hompré publi ou, em fr n ês, pel C s G rreux o livro L Bourse de São P ulo, om

Leia mais

Construmat Barcelona

Construmat Barcelona Construmat Barcelona 20 a 24/04/2009 Realização Salvador Benevides Diretor de Rel açõ es Int ernaci onais e Co orden ad or do Pr oj et o de In ov açã o Tecn ológic a da CB IC Coordenação Alexandre Luis

Leia mais