Geração Automática da Matriz de Rastreabilidade de Requisitos com suporte de Visualização

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Geração Automática da Matriz de Rastreabilidade de Requisitos com suporte de Visualização"

Transcrição

1 Geração Automática da Matriz de Rastreabilidade de Requisitos com suporte de Visualização André Di Thommazo, Gabriel Malimpensa Thiago Ribeiro de Oliveira Guilherme Olivatto Instituto Federal de São Paulo IFSP São Paulo, Brazil {ggmalimpensa, guilhermeribeiro.olivatto, Abstract Background: Requirements management is considered one of the activities responsible for system failures. The difficulty regarding to requirements traceability makes the system changes hard to be managed. Objective: This paper presents two approaches that allow the automated generation of the Requirements Traceability Matrix (RTM): the RTM-E approach, which is based on the requirement input data, and the RTM-NLP approach, which is based on Natural Language Processing-NLP. Method: The RTM-E comprises the requirements dependency related to the data manipulated by them, while the RTM-NLP comprises the requirements dependency related to the similarities of their functionality descriptions. The results are shown through visualization of information in order to facilitate the understanding of such dependencies. Results: We conducted an experimental study in which both approaches were applied to 18 requirements documents. The RTMs created automatically were compared with the reference RTM created manually based on the stakeholders knowledge. Comparing the generated matrices, it was seen that the RTM-E on average matches 82% to the reference RTM, while the RTM-NLP approach on average matches 53%. Conclusions: The results show that generating the RTM based on these approaches, the effectiveness on determining the requirements dependences is satisfactory and motivates to keep studying in order to make improvements for both approaches. Resumo Contexto: O gerenciamento de requisitos é apontado como uma das atividades responsáveis pelo insucesso dos sistemas. A dificuldade associada à rastreabilidade dos requisitos é um fator que pesa negativamente para que as mudanças sejam gerenciadas. Objetivo: Apresentar duas abordagens para automatizar a geração da matriz de rastreabilidade de requisitos (RTM) com suporte de visualização: RTM-E, baseada nos dados de entrada dos requisitos e RTM-NLP, baseada no processamento de linguagem natural (PLN) dos requisitos. Método: A RTM-E explora o fato de que a dependência dos requisitos está associada aos dados manipulados por eles enquanto que o RTM-NLP explora o fato de que a dependência dos requisitos está associada às semelhanças da descrição de suas funcionalidades. Para facilitar a compreensão das dependências, os resultados são mostrados com recursos de visualização. Resultados: Foi conduzido um estudo experimental no qual as duas abordagens foram aplicadas em Sandra C. P. F. Fabbri Universidade Federal de São Carlos UFSCar São Carlos, Brazil 18 documentos de requisitos e as RTMs criadas foram comparadas com a RTM de referência construída com base no conhecimento dos stakeholders. Comparando as matrizes geradas observou-se que a RTM-E coincide em média com 82% da RTM de referência, enquanto que a abordagem RTM- NLP coincide em média com 53%. Conclusões: Os resultados mostram que gerando a RTM com base nessas abordagens a efetividade da determinação da dependência dos requisitos é satisfatória e motiva a continuidade do estudo buscando melhorias nas duas abordagens. Keywords-component: requirements traceability; requirements management; requirements traceability matrix. I. INTRODUÇÃO Apesar do software fazer parte do cotidiano das pessoas há algum tempo, ainda hoje a indústria de software enfrenta desafios de gerar produtos que atinjam as expectativas dos clientes, obedecendo prazos, custos e critérios de qualidade. Pesquisas do instituto Standish Group [1] mostram que no ano de 2009, a quantidade de projetos que foi finalizada com sucesso, respeitando prazos, orçamento e, sobretudo, atendendo às expectativas dos clientes, é de apenas 32%. Uma pesquisa realizada anteriormente pelo mesmo instituto [2] determinou que os três primeiros fatores mais importantes (somando 37% dos projetos investigados) para definir o sucesso ou insucesso de um projeto de software são: falta de especificação do usuário, requisitos incompletos e mudança nos requisitos. Esses fatores estão diretamente relacionados com o gerenciamento de requisitos. De acordo com Salem [3], em 2006 a situação relatada pelo Standish Group [2] continuava e, segundo o autor, a maioria dos erros dos software era fruto de erros na fase de levantamento de requisitos e do acompanhamento de sua evolução ao longo do processo de desenvolvimento. Um dos pontos fundamentais para o gerenciamento de requisitos é a matriz de rastreabilidade de requisitos (RTM), que registra o relacionamento existente entre os requisitos de um sistema. Pela sua importância, ela é foco de várias pesquisas. Sundaram, Hayes, Dekhtyar and Holbrook [4], por exemplo, comentam que os métodos automáticos de

2 geração de rastreabilidade podem reduzir significativamente os esforços e custos para criar e manter a rastreabilidade de requisitos e a RTM. Segundo os autores, a determinação da rastreabilidade é essencial em muitas atividades da engenharia de software. No entanto, essa determinação é uma tarefa sujeita a erros, que consome muito tempo e que, portanto pode ser facilitada se contar com suporte computacional. Os autores ainda destacam que esse suporte é pequeno nas ferramentas existentes. De acordo com Wang, Lai and Liu [5], existem pesquisas investigando formas automáticas de rastreabilidade, especialmente com vetor de modelo espacial, uso de semântica ou modelos de redes de probabilidade. Sobre o modelo com vetor espacial pode-se destacar o trabalho de Hayes, Dekhtyar e Sundaram [6]. Com relação a semântica, Hayes, Dekhtyar e Sundaram [7] utilizaram a proposta de Deerwester, Dumais, Furnas, Landauer e Harshman da Latentic Semantic Indexing (LSI) [8] para também identificar de forma automática a rastreabilidade. Quando se faz uso da LSI, não se considera somente a frequência das palavras, mas busca-se também significado e contexto em suas construções. Sobre o modelo de Redes de Probabilidade, as propostas de Baeza-Yates, Berthier e Ribeiro-Neto [9] utilizam o ProbIR (Probabilistic Information Retrieval) para criar uma matriz onde a dependência entre cada termo é mapeada em relação aos demais termos dos documentos. Todas essas propostas citadas também são detalhadas no trabalho de Cleland- Huang, Gotel, Zisman [10] como abordagens para de detecção de rastreabilidade. As técnicas para geração da rastreabilidade de requisitos, em geral mostram a rastreabilidade dos RFs com uso de uma matriz. Entretanto, esse tipo de visualização não permite que seja feita uma rápida análise da dependência entre os requisitos do sistema. Heim, Lohmann, Lauenroth e Ziegler [11] destacam que a maioria das ferramentas de gerenciamento de requisitos não fornece visualização baseada em grafos, indicando ainda a importância dessa visualização para que possam ser tratados aspectos multidimensionais do relacionamento dos requisitos. Dado esse contexto, este grupo de pesquisa tem explorado alternativas para minimizar os problemas decorrentes dessa fase de engenharia de requisitos, tais como: i) a técnica TUCCA (Technique for Use Case Construction and Construction-Based Requirements Analysis) que tem por objetivo sistematizar a construção do Modelo de Casos de Uso sendo que, simultaneamente, é feita uma inspeção do documento de requisitos [12]; ii) a definição de um template para a descrição de requisitos baseado em trabalhos propostos na literatura [13] e; iii) a ferramenta COCAR que dá suporte a várias atividades do ciclo de desenvolvimento de software, baseadas nos requisitos e no modelo de casos de uso [14]. Algumas das atividades presentes na COCAR são o gerenciamento de requisitos, geração dos pontos por casos de uso e a geração de casos de teste com base em casos de uso. Assim, dando continuidade a esses trabalhos anteriores, com o intuito de contribuir com a melhoria da qualidade do gerenciamento de requisitos, o objetivo deste artigo é apresentar duas abordagens para elaboração da RMT, além de apresentar um estudo experimental para quantificar a eficácia de cada uma das propostas. Para possibilitar a realização desse estudo experimental, as abordagens foram implementadas na ferramenta COCAR. Uma dessas abordagens está baseada na intersecção dos dados de entrada dos requisitos funcionais (RF) e a outra em processamento de linguagem natural (PLN). O estudo experimental que foi realizado para avaliar as abordagens propostas, envolveu dezoito documentos de requisitos (DR) de diferentes sistemas. O artigo está organizado da seguinte forma: na Seção II abordam-se as formas de gerenciamento de requisitos, rastreabilidade e RMT. A visualização de dependência entre requisitos é discutida na Seção III. Na Seção IV apresentamse as duas abordagens para a criação automática da RMT, exemplificando-se a geração das RMTs na ferramenta COCAR. A Seção V apresenta o estudo experimental para avaliação da eficácia das abordagens. As conclusões e os trabalhos futuros são comentados na Seção VI. II. FORMAS DE GERENCIAMENTO DE REQUISITOS O gerenciamento de requisitos é uma atividade que deve ocorrer ao longo de todo desenvolvimento e que tem como principais objetivos organizar e armazenar os requisitos, bem como gerenciar suas mudanças [15] [16]. Como os requisitos estão em constante mudança, o gerenciamento de requisitos se torna uma fase dispendiosa e trabalhosa, fazendo com que o suporte de ferramentas seja relevante para conduzi-la [5]. De acordo com o Standish Group [17], apenas 5% dos software são desenvolvidos com uso de ferramentas de gerenciamento de requisitos, o que pode explicar, em parte, os grandes problemas das empresas de software em implantar uma gerência efetiva de requisitos e manter a sua rastreabilidade. Vários autores ressaltam a importância de ferramentas para esse propósito [15][16][18][19]. Zisman e Spanoudakis [16], por exemplo, consideram que o apoio de ferramentas seja o único caminho para o sucesso do gerenciamento de requisitos. Dois conceitos importantes para o gerenciamento de requisitos são: rastreabilidade de requisitos e matriz de rastreabilidade. A. Rastreabilidade de Requisitos A rastreabilidade de requisitos refere-se à habilidade de descrever e acompanhar a vida de um requisito [20]. Esse controle do requisito deve abranger toda a sua existência, desde a fonte de origem quando o requisito foi elicitado, especificado e validado, passando pela fase de projeto, implementação e terminando na fase de teste do produto. Assim, a rastreabilidade é uma técnica que permite a identificação e visualização do relacionamento de dependência entre os requisitos elicitados e entre os requisitos e os demais artefatos gerados ao longo do desenvolvimento do software. O conceito de dependência não significa, necessariamente, relação de precedência entre

3 os requisitos, mas sim o quanto eles estão acoplados, quer seja em termos de dados, de funcionalidade ou outra perspectiva qualquer. Segundo Guo, Yang, Wang, Yang e Li [20], a rastreabilidade de requisitos é uma importante atividade no gerenciamento de requisitos, uma vez que ela pode fornecer base para a evolução das mudanças nos requisitos, além de atuar diretamente na garantia da qualidade do processo de software. De acordo com Zisman e Spanadousk [16] existem dois tipos de rastreabilidade: Horizontal: quando o relacionamento entre os requisitos acontece entre diferentes artefatos. Nesse caso, acompanhase como o requisito foi definido no DR, como ele passou para a modelagem, depois para o código fonte e chegou até a atividade de testes. Vertical: quando os requisitos são analisados em um mesmo artefato, como por exemplo o DR. Analisando-se os RFs desse artefato, é possível identificar o relacionamento entre eles e, a partir desta informação, gerar a RTM. Munson e Nguyen [21] afirmam que as práticas de rastreabilidade só serão melhores quando forem apoiadas por ferramentas que reduzam o esforço requerido para executálas. B. Matriz de Rastreabilidade de Requisitos - RTM De acordo com Goknil, Kurtev, Van den Berg e Veldhuis [22], apesar de existirem várias pesquisas que tratam da rastreabilidade entre os requisitos e outros artefatos, uma menor atenção é dada para o relacionamento dos requisitos entre si, isto é, a rastreabilidade vertical. Os autores também afirmam que esse relacionamento influencia várias atividades durante o desenvolvimento de software, tais como a verificação de consistência dos requisitos e gerenciamento de mudanças. De acordo com Sommerville [15], uma forma para mapear essa dependência entre os requisitos é a criação da RTM. Cuddeback, Dekhtyar e Hayes [23] relatam que a RTM dá suporte a muitas atividades de engenharia de software e atividades de validação e verificação, tais como análise de impacto de mudanças, engenharia reversa, reuso e testes de regressão. Além disso, eles também dizem que a geração de RTMs é trabalhosa e sujeita a erros, motivos para que, frequentemente, ela não seja gerada ou atualizada. Conforme mencionado anteriormente, a RTM indica o relacionamento existente entre os requisitos do software da seguinte forma: cada RF é representado em uma linha e uma coluna da matriz e a dependência entre os requisitos são registradas na célula correspondente à intersecção linha/coluna [15]. Diversos autores [15] [20] [21] [22] [27] comentam a importância e a necessidade da RTM para o processo de desenvolvimento de software, uma vez que essa matriz permite a previsão do impacto de uma mudança ou da inserção de um novo requisito no sistema. Sommerville [15] enfatiza a dificuldade de se obter e manter esse tipo de matriz e, além disso, propõe que a indicação da dependência entre os requisitos determine, além da existência ou não de relação entre eles, uma forma de registrar, subjetivamente, se esse relacionamento é forte ou fraco. III. VISUALIZAÇÃO DA DEPENDÊNCIA DE REQUISITOS Segundo Gershon, Eick e Card [24], a visualização é um processo de transformar os dados, informações e conhecimentos em forma visual, fazendo uso da capacidade visual natural dos seres humanos, fornecendo uma interface entre dois sistemas de tratamento da informação: a mente humana e o computador. Hernandes [25] relata que com interfaces visualmente eficazes, é possível interagir rapidamente com grandes volumes de dados e descobrir características, padrões e tendências camufladas. De acordo com Merten, Juppner e Delater [26] a representação visual dos links de rastreabilidade é vital para o entendimento geral dos requisitos e de suas relações com outros requisitos e outros artefatos de software. A IBM [27] destaca a visualização de requisitos como um dos passos que devem ser seguidos para um melhor gerenciamento de requisitos. Segundo Heim, Lohmann, Lauenroth e Ziegler [11] as ferramentas de gerenciamento de requisitos utilizam listas, tabelas, árvores e matrizes para a visualização de requisitos e seus relacionamentos. Além disso, os autores destacam que essas formas tem limitações para mostrar relações múltiplas entre os requisitos. Para Gotel, Marchese e Morris [28] a visualização de requisitos deve apresentar formas para representação da dependência entre os requisitos, dando suporte a diagnósticos e tomada de decisão no processo de desenvolvimento de software. IV. ABORDAGENS PARA GERAÇÃO DA RTM E VISUALIZAÇÃO DE DEPENDÊNCIAS ENTRE REQUISITOS Nesta seção serão apresentadas duas abordagens (RTM-E e RTM-NLP) para a geração da RTM que, no estágio atual da pesquisa, consideram apenas os RFs do software. As duas abordagens estabelecem o grau de relacionamento entre os RFs, dois a dois. Essas abordagens e a visualização de seus resultados estão implementadas na ferramenta COCAR. O uso de uma ferramenta para dar suporte às técnicas propostas é importante pois, segundo Kannenberg e Saiedian [18], a deficiência das ferramentas de suporte é talvez o maior desafio para implementação da rastreabilidade no processo de desenvolvimento de software. Como mencionado anteriormente, a ferramenta COCAR dá suporte à execução de algumas tarefas relacionadas ao gerenciamento de requisitos. Dentre elas, para que as abordagens aqui propostas pudessem ser implementadas, utilizou-se a funcionalidade do cadastramento dos requisitos, a qual já havia sido implementada anteriormente. Assim, com relação ao cadastramento dos requisitos, a COCAR utiliza o template definido por Kawai [13], o qual está baseado em padrões de documentos de requisitos existentes na literatura. O principal objetivo desse template é padronizar o registro dos RFs e evitar inconsistências, omissões e ambiguidades. Kannenberg e Saiedian, [18] consideram altamente desejável o uso de uma ferramenta para automatizar a tarefa de registro dos requistos. Dos campos definidos nesse template, dois merecem destaque para a implementação das abordagens propostas:

4 - Entrada: é um atributo do template que registra os dados de entrada que são manipulados em cada RF. Esse atributo é importante, pois permite que sejam registrados, de forma organizada e estruturada, os dados utilizados em cada requisito funcional, o que torna viável a implementação da abordagem RTM-E. - Processamento: é um atributo do template que contém, o fluxo de atividades ou ações que o sistema deve realizar em cada RF. Esse atributo é, em geral, o campo com maior conteúdo de texto. Nesse campo são aplicadas as técnicas de PLN para a criação da RMT de acordo com a abordagem RTM-NLP. A matriz gerada pela abordagem RTM-E será chamada RTMe e a matriz gerada pela RTM-NLP será chamada RTMnlp. As abordagens são detalhadas na sequência. A. Abordagem RMT-E: geração da RTM baseada nos dados de entrada Na abordagem RMT-E a relação de dependência entre os RFs é determinada pelo percentual de dados de entrada coincidentes entre cada par de RFs. Nessa abordagem a dependência é mapeada com uso do Índice de Jaccard [29]. Esse índice é utilizado para comparação de similaridade e diversidade entre conjuntos de dados. A apresentação desse índice está na Equação 1. J A,B O numerador é dado pela quantidade de dados da intersecção entre os dois conjuntos (A e B) enquanto o denominador é constituído pela quantidade de dados da união entre esses dois conjuntos. A abordagem RTM-E define a dependência entre dois RFs da seguinte forma: considerando RFa o conjunto de dados de entrada de um requisito funcional A e RFb o conjunto de dados de entrada do requisito funcional B, a dependência entre eles é dado pela Equação 2: J RFa,RFb Assim, de acordo com a abordagem RTM-E, cada posição (i,j) da matriz de rastreabilidade RTM(i,j) corresponde ao valor da Equação 3: As posições da diagonal principal da RTM não são calculadas, uma vez que indicam a dependência entre os RFs com eles mesmos. Além disso, a matriz gerada é simétrica, ou seja, RTM(i,j) é igual a RTM(j,i). A implementação dessa abordagem na COCAR foi possível porque a forma de armazenamento dos requisitos, utilizando o template mencionado, separa atomicamente os dados de entrada de cada requisito. Sendo assim, cada vez que um dado de entrada é inserido em um RF na ferramenta ele fica disponível para ser vinculado em outros RFs, evitando possível ambiguidade dos dados, uma vez que se (1) (2) RTM i,j J RF-i, RF-j (3) evita que um novo dado de entrada com o mesmo propósito seja inserido, algo que poderia gerar inconsistência nos RFs. Vale destacar que não foram encontradas na literatura iniciativas que fizessem uso de dados de entrada de RFs para determinação automática da RTM. Iniciativas semelhantes existem para a determinação de links de rastreabilidade entre outros artefatos, especialmente modelo (diagramas da UML) e código fonte, como nos trabalhos de Cysneiros e Zisman [32]. Para apresentar e exemplificar a geração da matriz segundo a abordagem RMT-E será utilizada uma aplicação real relativa a um sistema desenvolvido para uma empresa de aviação privada. Esse sistema informatiza toda a parte de estoque da empresa. Como a empresa tem bases em várias cidades, o sistema gerencia vários estoques e os produtos que serão inseridos, retirados ou realocados em seus diversos estoques. O sistema possui um total 14 RFs, que são representados na Figura 1 pelas primeira linha e primeira coluna da RTM. Todos os RFs foram inseridos na ferramenta COCAR. Na Figura 1, a célula da matriz destacada pelo retângulo sinaliza a dependência entre o RF3 e o RF5. No caso, o RF3 está relacionado com a entrada ou saída de produtos de um determinado estoque (armazém) da empresa, e o RF5 referese à transferência de um item de um estoque para outro. Como esses dois RFs tratam de itens de estoque é natural que exista relacionamento entre eles. O RF3 possuía os seguintes dados de entrada: Contato, Data da Transação, Armazém, Quantidade, Preço unitário e Usuário. O RF5 por sua vez tinha como dados de entrada: Contato, Data da Transação, Armazém, Quantidade, Preço unitário, Usuário, Armazém de origem, Armazém destino e Status. Como a quantidade de elementos do conjunto interseção de RF3 e RF5 (n(rf3 RF5)) era 6 e a quantidade de elementos do conjunto união dos mesmos requisitos funcionais (n(rf3 RF5)) era 9, aplicando-se o indicador proposto para a RTM-E para estabelecer a dependência entre RF3 e RF5 tem-se na Equação 4: J RF3,RF % (4) Essa dependência de 66.67% está destacada na Figura 1, que corresponde à RTMe construída com a abordagem. Vale destacar que as cores indicam o nível de dependência mapeada da seguinte forma: verde para dependência fraca e vermelho para dependência forte. Quando não existe relacionamento a célula não é colorida. A Figura 2 ilustra os conjuntos intersecção e união dos dados de entrada quando a abordagem RTM-E é aplicada nos requisitos RF3 e RF5 utilizados anteriormente. Vale ressaltar que para minimizar o erro de cadastro de requisitos a ferramenta COCAR apresenta uma lista das entradas já cadastradas para que os mesmos dados de entrada não sejam cadastrados com nomes diferentes.

5 B. Abordagem RMT-NLP: geração da RTM baseada em processamento de linguagem natural Muito embora existam iniciativas que fazem uso de PLN para determinação da rastreabilidade no processo de desenvolvimento de software, poucos trabalhos tratam da rastreabilidade dentro de um mesmo artefato[22]. No caso no caso do uso de PNL para criação de RTM, a proposta existente na literatura não utiliza um template de descrição de requisitos como é feito neste trabalho. Além disso, nesta proposta também são determinados níveis de dependência. De acordo com Deeptimahanti e Sanyal [30], o uso de PLN na engenharia de requisitos não tem o objetivo de compreensão do texto em si, mas sim a função de extrair conceitos contidos no DR. Sendo assim, a segunda abordagem proposta para estabelecer a RTM utiliza os conceitos extraídos dos RFs por meio de PLN, para determinar a rastreabilidade entre os RFs. PLN é aplicado no campo que descreve o processamento (ações) do RF. Para determinar o nível de dependência entre os conteúdos dos campos de processamento de dois RFs utiliza-se o método do Vetor de Frequência e a Similaridade do Cosseno [31]. Esse método retorna o percentual de similaridade entre dois trechos de texto. Nível de Dependência entre RF3 e RF5 gerado com a abordagem RTM-E Figura 1 RTM gerada com uso da abordagem RTM-E Dados de Entrada do RF3 1. Contato 2. Data da Transação 3. Armazém 4. Quantidade 5. Preço unitário 6. Usuário intersecção dos dados de entrada união dos dados de entrada Dados de Entrada do RF5 1. Contato 2. Data da Transação 3. Armazém 4. Quantidade 5. Preço unitário 6. Usuário 7. Armazém de origem 8. Armazém destino 9. Status Figura 2 Exemplo de união e intersecção entre dados de entrada de dois RFs Antes da aplicação do Vetor de Frequência e Similaridade do Cosseno, é feito um pré-processamento do texto, com o intuito de aumentar a eficiência do método. Sendo assim, inicialmente é retirado do texto o conjunto de palavras que podem ser consideradas irrelevantes, como por exemplo artigos, preposições e conjunções, o qual é denominado stopwords (Figura 3-A). Depois, é aplicado o processo conhecido por steaming (Figura 3-B), que reduz as palavras a seus radicais, fazendo com que elas tenham o mesmo peso para determinação de similaridade entre os textos. Após essas duas etapas, o método determina a similaridade entre os textos de dois RFs (Figura 3-C) relativos ao campo processamento do template, identificando aqueles que, segundo a técnica, são similares. O primeiro passo para a aplicação do Vetor de Frequência e Similaridade do Cosseno é a representação de cada sentença em um vetor. Nesse vetor, cada posição é preenchida por uma palavra da sentença. A medida do cosseno entre eles irá representar a similaridade. Considerando dois RFs RF1 e RF2 descritos respectivamente pelas sentenças S1 e S2. O cálculo da similaridade é feito da seguinte forma: 1- Representação de S1 no vetor x e S2 no vetor y. Cada palavra irá ocupar uma posição em cada vetor. Se S1 tiver p palavras, o vetor x também possuirá p posições inicialmente. Da mesma forma, se S2 possuir q palavras, o vetor y também possuirá q posições.

6 2- No vetor não deve ocorrer repetição de palavras. Sendo assim, as ocorrências de cada palavra devem ser contadas para determinar a sua frequência no vetor. Feito isso as repetições são retiradas, deixando-se no vetor apenas uma ocorrência por palavra. Além da palavra também é colocada em cada posição do vetor a frequência com que ela apareceu em cada sentença. 3- Reordenação dos vetores em ordem alfabética. 4- Cruzamento de cada termo dos vetores, buscando correspondentes no outro vetor. Quando não houver a palavra no outro vetor, deve ser inserida uma posição equivalente no vetor que não tem a palavra, com frequência igual a zero. Sendo assim, cada palavra que exista em S2 e que não exista em S1 dará origem a uma posição vazia no vetor x, com frequência zero. Dessa forma, após a aplicação desse passo, surgirão novas posições em ambos os vetores, representando os valores que não tem correspondente com o outro vetor. Ao final dessa etapa, ambos os vetores possuirão o mesmo número de posições. Entrada Pré-processamento 5- Com os vetores ajustados, deve ser aplicada a Equação 5 de similaridade entre os vetores x e y sim (x,y) - considerando n o número de posições dos vetores. Considerando o mesmo exemplo usado para ilustrar a abordagem RTM-E (sistema de estoque de empresa de aviação privada) foi gerada a RTMnlp (Figura 4) avaliando a similaridade entre as funcionalidades dos RFs, as quais foram inseridas na COCAR no atributo processamento do template mencionado anteriormente. Sendo assim, após o pré-processamento (retirada dos stopwords e steaming) e aplicação dos passos descritos acima do Vetor de Frequência e Similaridade do Cosseno, a similaridade textual entre o RF3 e o RF5 que tratam respectivamente da inserção de produtos no estoque e da transferência de produtos entre estoques, foi determinada como 70,46% (Figura 3-D). Faz sentido o valor alto (70,46%) nesse relacionamento, uma vez que o texto que descreve as duas funcionalidades é similar. (5) Texto do RF3 Texto do RF5 Remover Stopwords (artigos, preposições, conjunções) Steaming redução das palavras em seus radicais Vetor de Frequência e a Similaridade do Cosseno [31] Dependência entre RF3 e RF5 (70.46%) A B C D Figura 3. Passos para aplicar a abordagem RTM-NLP Nível de dependência entre RF3 e RF5 gerado pela abordagem RTM-NLP Figura 4. RTM gerada com uso da abordagem RTM-NLP C. Visualização da Dependência entre osrfs Com base na importância da visualização de requisitos, conforme mencionado na Seção III, a primeira solução proposta na ferramenta para facilitar a compreensão e o nível de dependência entre os RFs da RTM foi a utilização de cores na própria matriz. Dessa forma, é possível visualizar mais facilmente o nível de dependência entre os RFs, uma vez que as dependências fortes são marcadas na matriz com a cor vermelha, as dependências fracas em verde e quando não existe dependência a célula não é sombreada com nenhuma cor. Essa visualização com cores nas matrizes pode ser observada nas Figuras 1 e 4. Os critérios utilizados para definir a dependência como forte ou fraca foram baseados na análise das matrizes geradas. Para a RTM-E, valores iguais e maiores que 50% indicam alta dependência. Valores abaixo de 50% e maiores que zero, indicam dependência fraca. No caso da RTM-NLP, o mesmo critério não poderia ser aplicado, uma vez que em poucos casos a similaridade entre os textos é igual a zero,

7 pois é muito usual haver termos do texto do processamento dos RFs que são coincidentes. Dessa forma, considerou-se que a dependência até 15% na RTM-NLP será considerada como inexistente. Para determinar esse valor de 15% foram feitos testes com 3 sistemas piloto. Constatou-se que usar o ponto de corte como 15% era suficiente para minimizar a ocorrência de falsos positivos. Valores inferiores a 15% criavam muitos links de rastreabilidade que na realidade não existiam. Valores muito superiores a 15% faziam com que alguns links não fossem indicados pela abordagem. Ressaltase que esses valores podem ser ajustados na própria ferramenta COCAR e são valores que devem ser estudados em trabalhos futuros para que se verifique se os intervalos são ou não dependentes da aplicação em questão. Apesar de melhorar a visualização da RTM com cores, a dependência multi-dimensional dos RFs é difícil de ser compreendida se representada por uma matriz. Sendo assim, foi criada na ferramenta COCAR a visualização da RTM com auxílio de grafos. Nesse caso, cada RF se torna um nó do grafo. A ligação entre cada um dos RFs é feita por arestas coloridas com as mesmas cores utilizadas na matriz, indicando se a relação é fraca (verde) ou forte (vermelha). A Figura 5a exemplifica como é representada a matriz gerada pela abordagem RTM-E com recurso de visualização em grafo. Observa-se que cada dependência que foi registrada na matriz com a cor verde, deu origem a uma aresta de mesma cor. As dependências que foram marcadas em vermelho, ou seja, dependências fortes, foram indicadas no grafo com aresta de cor vermelha. É possível ainda notar que existem RFs que não possuem dependência com nenhum outro RF e, portanto, não estão ligados por arestas com outros RFs (ver os RFs que estão na parte inferior da Figura 5a). Com o objetivo de permitir uma análise mais detalhada, a ferramenta COCAR possibilita a visualização das dependências a partir de um RF específico. Para exemplificar essa visualização, foi usado como referência o RF3 anteriormente. Essa visualização está ilustrada na Figura 5b. (a) (b) Figura 5. (a) Visualização do relacionamento entre todos os RFs. (b) Visualização do relacionamento do RF3 com os demais. V. ESTUDO EXPERIMENTAL Para medir a eficácia das abordagens propostas foi realizado um estudo experimental com as seguintes características: - Contexto: O estudo experimental foi realizado com alunos da disciplina de Linguagem de Programação II do curso de graduação em Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo (IFSP) no campus São Carlos. Como atividade da disciplina, cada aluno deveria desenvolver uma aplicação que envolvesse um stakeholder real. Além disso, o DR deveria ser criado na ferramenta COCAR. - Objetivo: avaliar a eficácia das abordagens RTM-E e RTM-NLP em comparação com a RTM de referência (chamada RTM-Ref) construída a partir da análise criteriosa do DR. A criação da RTM-Ref será detalhada em seguida. - Participantes: 18 alunos de graduação do curso Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas do Instituto Federal de São Paulo, campus São Carlos. - Artefatos utilizados: DR, com as seguintes características: o elaborado pelos próprios alunos: o referente a uma aplicação de utilidade prática real; o relativos a aplicações de sistemas de informação com as funcionalidades básicas de cadastro, recuperação, atualização e exclusão de dados. o deveria possuir um stakeholder real, com amplo conhecimento do sistema que seria desenvolvido. o deveriam ser registrados na ferramenta COCAR.

8 RTM-Ref o criado a partir do DR registrado na ferramenta COCAR. o elaborado com base na leitura e análise detalhada de cada par de RF e determinando a dependência entre esses RFs como nula, fraca ou forte. o registrado em uma planilha para que a matriz RTM-Ref criada pudesse ser comparada com a RTMe e RTMnlp de cada sistema. o construída pelos autores deste trabalho com consulta ao aluno autor do DR, sempre que houvesse alguma dúvida. Em alguns casos foi necessário que o aluno fizesse contato com o stakeholder para avaliar a dependência entre os RFs, melhorando a especificação do DR e indicando o relacionamento de forma correta. - Métrica: a métrica utilizada foi a eficácia das abordagens RTM-E e RTM-NLP no que diz respeito à coincidência das dependências encontradas por cada abordagem em relação à RTM-Ref. A eficácia é dada pela relação entre a quantidade de relações encontradas corretamente em cada abordagem pela quantidade total de possíveis relacionamentos existentes entre os RFs. Considerando um sistema com n RFs, a quantidade total de possíveis relacionamentos (T) é dado pela Equação 6: 1 (6) 2 Sendo assim, a eficácia é dada pela Equação 7: E icácia (7) - Resultados: Os resultados da comparação entre os dados da RTM-Ref com a RTM-E e RTM-NLP estão apresentados na Tabela 1. A primeira coluna tem o nome do sistema que foi especificado. Na segunda coluna está a quantidade de RFs. A terceira coluna é composta pelo total de possíveis dependências (forte, fraca e nula) que podem existir entre os RFs, ou seja, é composta pelo total de células que ficam abaixo da diagonal principal da matriz e dada pela Equação 6. A quarta coluna tem o total de relacionamentos coincidentes entre as matrizes RTM-E e RTM-Ref. Por exemplo: se na RTM-Ref foi determinada uma dependência forte em uma célula e a abordagem RTM-E também registrou a dependência como forte na mesma posição, então contabiliza-se um relacionamento correto. A eficácia da abordagem RTM-E é dada pela relação da quantidade de dependências encontradas corretamente por essa abordagem (quarta coluna) pelo total de dependências que poderiam ser encontradas (terceira coluna). Os valores da eficácia da abordagem RTM-E estão disponíveis na quinta coluna. A sexta coluna mostra o total de relacionamentos coincidentes entre as matrizes RTM-NLP e RTM-Ref. A sétima coluna mostra a eficácia da abordagem RTM-NLP, calculada pela divisão entre a quantidade de dependências encontradas corretamente pela abordagem RTM-NLP (sexta coluna) pelo total de dependências que poderiam ser encontradas (terceira coluna). TABELA 1 RESULTADOS DO ESTUDO EXPERIMENTAL Sistema Quantidade Possibilidade de RTM-E RTM-E RTM-NLP RTM-NLP de Requisitos dependências (T) Corretos Eficácia (%) Corretos Eficácia(%) Sistema Natação Controle de Estoque Sistema de Compras Venda Livros Sistema para Hotel Vendas Cosméticos Vendas Eletrônicos Gestão de Moradia Consultório Médico Manutenção/Hardware Loja de Roupas Grupo de Jovens Gestão CDs e DVDs Gamer Sist. Personal Trainner Gestão de Projetos Gestão de Tarefas Marmoraria Análise dos resultados: A partir dos dados da eficácia das abordagens propostas é possível observar que a RTM-E mostrou-se mais eficaz que a RTM-NLP. Foi aplicado o teste Shapiro-Wilk para confirmar a distribuição normal dos dados. Comprovada a normalidade dos dados (para RTM-E, p-value = ; e para RTM-NLP, p-value = ), foi realizado o teste T para avaliar a confiabilidade. Para a RTM-E tem-se a média de 82,2% com desvio padrão de 7,4% e intervalo de confiança (95%) de 78,2% até 86,1%. Isso indica que os resultados esperados para uma nova aplicação da abordagem deve gerar eficácia dentro dessa faixa de valores. Para a RTM-NLP, tem-se média de 52,8% com desvio padrão de 8,1%. Nesse caso o intervalo de confiança é de 48,3% até 56,5%.

9 Como a eficácia da abordagem RTM-NLP foi consideravelmente menor que a da RTM-E, fez-se um estudo para investigar os motivos que levaram a esse resultado. Notou-se que em muitos dos casos houve a identificação de falsos positivos, ou seja, dependências foram encontradas quando não havia relação entre os RFs. De acordo com Sundaram, Hayes, Dekhtyar and Holbrook [4] a ocorrência de falsos positivos é uma característica do uso de PLN, embora esse tipo de processamento recupere com facilidade os relacionamentos entre os RFs. No caso da abordagem RTM-NLP os falsos positivos ocorrem, pois muitas vezes o texto do atributo processamento associado com dois RFs diferentes possui palavras em comum que indicam similaridade de ação, embora não exista dependência. Exemplos de palavras que geram esses falsos positivos são cadastrar, recuperar e listar. Soluções para esse tipo de problema estão sendo estudadas para aprimorar essa abordagem. Uma das propostas é o uso de um Tagger, que classifique cada termo da linguagem natural em sua classe gramatical (artigo, preposição, conjunção, verbo, substantivo ou adjetivo). Dessa forma, os verbos também poderiam ter um peso diferente dos substantivos no cálculo de similaridade. Quando essa proposta for implementada deve também ser avaliada por meio de um estudo experimental para avaliar sua eficácia. Sendo assim, direciona-se o processamento para encontrar os substantivos com peso maior. Um ensaio preliminar, realizado manualmente, mostrou que essa alternativa aumenta a eficácia da detecção dos relacionamentos que realmente existem. Na análise dos dados da RTM-E, não ocorreram falsos positivos. As dependências encontradas, mesmo que fracas, realmente existiam. Esperava-se também encontrar erros onde deveriam ser indicados relacionamentos forte e no entanto foram indicados como fraco pela abordagem. Isso ocorria pois muitas vezes a dependência entre os dados de entrada de um RF estava relacionada com os dados de saída de outro RF, e não com os seus dados de entrada. Assim, essa melhoria na abordagem RTM-E está sendo avaliada mais profundamente, para também ser incorporada na abordagem RTM-E. O estudo possui alguns riscos à validade, podendo-se citar, principalmente, a inexperiências dos alunos para fazer o levantamento de requisitos com os stakeholders. No entanto, por se tratarem de sistemas de informação de domínios conhecidos, considera-se que esse fato minimize a questão da inexperiência. Outro risco é o fato da RTM-Ref ter sido construída por pessoas que não tiveram contato direto com o stakeholder e, portanto, essa matriz pode retratar os eventuais problemas que tenham ocorrido na elaboração dos próprios DRs. Para minimizar esse risco, sempre que houve dúvidas na determinação de um relacionamento, a ajuda do aluno foi solicitada. Em alguns casos foi necessária uma compreensão melhor dos requisitos junto ao stakeholder, o que certamente minizou a ocorrência de erros na criação da RTM-Ref. VI. CONCLUSÕES E TRABALHOS FUTUROS Este artigo apresentou duas abordagens que possibilitam a geração da matriz de rastreabilidade de requisitos RTM de forma automática. A primeira delas, RTM-E, é baseada no percentual de dados de entrada comuns entre os RFs, dois a dois. A segunda abordagem, RTM-NLP, faz uso de PLN para determinação do nível de dependência entre os requisitos. Além das abordagens para gerar a matriz de rastreabilidade de forma automática, também foi implementada na ferramenta COCAR uma funcionalidade que permite a visualização das dependências entre os RFs por meio de uma representação em grafos. Essa representação facilita a compreensão dos relacionamentos existentes, uma vez que ela possibilita uma visão do todo. Dessa forma, os envolvidos com o projeto podem ter maior clareza para compreender as dependências entre os RFs, do que simplesmente observar as dependências por meio de uma matriz. Das duas abordagens apresentadas, vale destacar que quanto ao uso de PLN para a determinação de links de rastreabilidade, já existem algumas iniciativas na literatura, principalmente envolvendo diferentes artefatos (requisitos e modelos, modelos e código-fonte ou requisitos e casos de testes). Com relação à abordagem RTM-E, não foi encontrada na literatura iniciativa similar. As duas abordagens foram implementadas no ambiente COCAR para que fosse possível a realização do estudo experimental para avaliar a eficácia das abordagens. Nesse estudo a abordagem RTM-E se mostrou mais eficaz que a RTM-NLP. Após o estudo foram identificadas algumas possibilidades para melhorar a eficácia dessas abordagens. As principais contribuições deste trabalho estão incorporadas no ambiente COCAR, e correspondem à geração automática do relacionamento entre os RFs e a visualização desses relacionamentos. Isso favorece a determinação do impacto que a mudança em um requisito pode gerar nos demais. Novos estudos estão sendo conduzidos para melhorar a eficácia das abordagens. Como trabalhos futuros pretende-se aprimorar as técnicas de PLN utilizadas, considerando-se o uso do tagger e a incorporação de um glossário de termos para tratar de sinônimos. Pretende-se também combinar as duas abordagens fazendo com que os dados de entrada possam indicar diferentes pesos no cálculo da similaridade determinado pela abordagem RTM-NLP. Outra investigação que será feita é sobre o auxílio da RTM gerada para o processo de manutenção de software, mais especificamente para o suporte à geração de testes de regressão, uma vez que ambas as abordagens determinam quais as dependências existentes entre os RFs de uma aplicação. REFERENCES

10 [1] CHAOS Reports Standish Group. Available at Last access on March, [2] CHAOS Reports - Standish Group Available at Last access on February [3] A.M. Salem, "Improving Software Quality through Requirements Traceability Models", The 4th ACS/IEEE International Conference on Computer Systems and Applications (AICCSA 2006), Dubai, Sharjah, UAE, [4] S.K.A. Sundaram, J.H.B. Hayes, A.C. Dekhtyar, E.A.D. Holbrook, "Assessing traceability of software engineering artifacts", 18th International IEEE Requirements Engineering Conference, Sydney,Australia, 2010 [5] X.Wang, G. Lai, C. Liu, "Recovering Relationships between Documentation and Source Code based on the Characteristics of Software Engineering" Electronic Notes in Theoretical Computer Science, 2009 [6] J. H. Hayes, A. Dekhtyar, S. Sundaram,."Advancing Candidate Link Generation for Requirements Tracing: The Study of Methods IEEE Transactions on Software Engineering, Volume 32, No. 1, [7] J.H. Hayes, A. Dekhtyar, S. Sundaram, Advancing Candidate Link Generation for Requirements Tracing: The Study of Methods IEEE Transactions on Software Engineering, Volume 32, No. 1, (January 2006), [8] S. Deerwester, S.T. Dumais, G.W. Furnas, T.K. Landauer, and R. Harshman, Indexing by Latent Semantic Analysis, J. Am. Soc. Information Science, vol. 41, no. 6, pp , [9] R. Baeza-Yates, A.,Berthier, A. Ribeiro-Neto: Modern Information Retrieval. ACM Press / Addison-Wesley, [10] J. Cleland-Huang, O. Gotel, A. Zisman, Software and Systems Traceability, Springer, 491 p., [11] P.A. Heim, S.A. Lohmann, K.B. Lauenroth, J.A. Ziegler, "Graphbased visualizations; Requirements analysis; Requirements management tools, Requirements engineering, Visualization", Proceedings of the 2008 Requirements Engineering Visualization, Washington, DC, USA, 2008 [12] A. Belgamo, S.S.P.C. Fabbri e J.C. Maldonado, "Assessing the Quality of GUCCRA technique with Inspection"(in portuguese), WER Workshop em Engenharia de Requisitos, 2005, Porto, Portugal, [13] K.K. Kawai, "Guidelines for preparation of requirements document with emphasis on the Functional Requirements" (in portuguese) f. (Master in Computer Cience)- Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, [14] A. Di Thommazo, M. D. C. Martins, and S. C. P. F. Fabbri, Requirements Management in COCAR enviroment (in portuguese) WER 07 - Workshop de Engenharia de Requisitos, 2007, Toronto, Canada. [15] I. Sommerville, Software Engineering. 9th edition New York- Addison Wesley, 2010 [16] A. Zisman e G. Spanoudakis, "Software Traceability: Past, Present, and Future", The Newsletter of the Requirements Engineering Specialist Group of the British Computer Society,September 2004 [17] CHAOS Reports - Standish Group Available at URL: spotlight.pdf Last access on February [18] A. Kannenberg, H.Saiedian, Why Software Requirements Traceability Remains a Challenge. CrossTalk: The Journal of Defense Software Engineering. July/August [19] A. Goknil, I. Kurtev, K. Van den Berg, J.W. Veldhuis, "Semantics of trace relations in requirements models for consistency checking and inferencing", Software and Systems Modeling, Volume 10 Issue 1, February 2011 [20] Y. Guo, M. Yang, J. Wang, P. Yang, F. Li, "An Ontology based Improved Software Requirement Traceability Matrix", 2nd International Symposium on Knowledge Acquisition and Modeling, KAM, Wuhan, China, 2009 [21] E. V. Munson, e T. N. Nguyen, Concordance, conformance, versions, and traceability ; Proceedings of the 3rd international workshop on Traceability in emerging forms of software engineering, Long Beach, California, [22] A. Goknil, I. Kurtev, K. Van den Berg, J.W. Veldhuis, "Semantics of trace relations in requirements models for consistency checking and inferencing", Software and Systems Modeling, Volume 10 Issue 1, February 2011 [23] D. Cuddeback, A. Dekhtyar, J.H. Hayes, "Automated requirements traceability: The study of human analysts", Proceedings of the th IEEE International Requirements Engineering Conference, RE2010, Sydney, Australia, 2010 [24] N. Gershon, S.G. Eick, S. Card, Information visualization interactions. ACM Interactions, Nova Iorque, v. 5, n. 2, p. 9-15, Mar./Apr [25] E. C. M. Hernandes, E. C. M., "Automated Data Processing And Conceptualization With Support From Ontologies Visualization" (in portuguese) - Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2009 [26] T. Merten, D. Juppner e A. Delater, "Improved representation of traceability links in requirements engineering knowledge using Sunburst and Netmap visualizations", 4th International Workshop on Managing Requirements Knowledge, MaRK'11, Trento, Italy, 2011 [27] IBM Report - Available at 4059USEN.PDF Last access on March, [28] O.C.Z. Gotel, F.T. Marchese, S.J.Morris, "On requirements visualization", 2nd International Workshop on Requirements Engineering Visualization, New Delhi, India, 2007 [29] The Probabilistic Basis of Jaccard's Index of Similarity Avalilable at: Last access on June, 2012 [30] D.K. Deeptimahanti, R. Sanyal, "Semi-automatic generation of UML models from natural language requirements", Proceedings of the 4th India Software Engineering Conference 2011, ISEC'11, Kerala, India, 2011 [31] G. Salton, J. Allan, "Text Retrieval Using the Vector Processing Model",: 3rd Symposium on Document Analysis and Information Retrieval. University of Nevada, Las Vegas, 1994 [32] G. Cysneiros, A. Zisman, "Traceability and Completeness Checking for Agent Oriented Systems". Proceedings of the 2008 ACM symposium on Applied computing, New York, USA, 2008.

REQUIREMENTS TRACEABILITY MATRIX: AUTOMATIC GENERATION AND VISUALIZATION

REQUIREMENTS TRACEABILITY MATRIX: AUTOMATIC GENERATION AND VISUALIZATION REQUIREMENTS TRACEABILITY MATRIX: AUTOMATIC GENERATION AND VISUALIZATION Seminário da disciplina Engenharia de Requisitos Aluno: Eliaquim Lima Sá Neto (elsn@cin.ufpe.br) Autores 2 Sandra Fabbri Professora

Leia mais

O Gerenciamento de Requisitos no Ambiente COCAR

O Gerenciamento de Requisitos no Ambiente COCAR O Gerenciamento de Requisitos no Ambiente COCAR André Di Thommazo 1 Marcos Danilo Martins Sandra Fabbri UFSCar Universidade Federal de São Carlos {andredt, marcosdanilo}@gmail.com sfabbri@dc.ufscar.br

Leia mais

Uma Ferramenta para Visualização de Relacionamentos de Rastreamentos

Uma Ferramenta para Visualização de Relacionamentos de Rastreamentos Uma Ferramenta para Visualização de Relacionamentos de Rastreamentos Iago Luiz Teixeira de Moraes Orientador: Gilberto A. de A. Cysneiros Filho Plano de Trabalho Individual do Bolsista submetido para o

Leia mais

Modelo de Recuperação da Rastreabilidade de Artefatos de Software

Modelo de Recuperação da Rastreabilidade de Artefatos de Software Modelo de Recuperação da Rastreabilidade de Artefatos de Software Autor: Felipe Cézar de Castro Antunes 1, Marcelo de Almeida Maia, D.Sc. 1 1 Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação Universidade

Leia mais

Table 1. Dados do trabalho

Table 1. Dados do trabalho Título: Desenvolvimento de geradores de aplicação configuráveis por linguagens de padrões Aluno: Edison Kicho Shimabukuro Junior Orientador: Prof. Dr. Paulo Cesar Masiero Co-Orientadora: Prof a. Dr. Rosana

Leia mais

Geração Automática de um Grafo de Requisitos a partir do Código da Aplicação

Geração Automática de um Grafo de Requisitos a partir do Código da Aplicação Geração Automática de um Grafo de Requisitos a partir do Código da Aplicação Marcelo M. Vieira 1, Fabio Tirelo 1, Humberto T. Marques Neto 1 1 Departamento de Ciência da Computação Pontifícia Universidade

Leia mais

Usando Modelos Para Apoiar a Especificação e Verificação de Requisitos de Ubiquidade

Usando Modelos Para Apoiar a Especificação e Verificação de Requisitos de Ubiquidade Usando Modelos Para Apoiar a Especificação e Verificação de Requisitos de Ubiquidade Leonardo Mota, Jobson Massollar, Guilherme Horta Travassos Federal University of Rio de Janeiro/COPPE/PESC Caixa Postal

Leia mais

Engenharia Reversa para Recuperação de Modelos de Sistemas Desenvolvidos em PL/SQL

Engenharia Reversa para Recuperação de Modelos de Sistemas Desenvolvidos em PL/SQL Engenharia Reversa para Recuperação de Modelos de Sistemas Desenvolvidos em PL/SQL Rodnei Couto 1, Luana Lachtermacher 1, Soeli Fiorini 1, Akeo Tanabe 1, Gustavo Carvalho 1, Arndt von Staa 1, Ricardo Choren

Leia mais

Descoberta de Domínio Conceitual de Páginas Web

Descoberta de Domínio Conceitual de Páginas Web paper:25 Descoberta de Domínio Conceitual de Páginas Web Aluno: Gleidson Antônio Cardoso da Silva gleidson.silva@posgrad.ufsc.br Orientadora: Carina Friedrich Dorneles dorneles@inf.ufsc.br Nível: Mestrado

Leia mais

Requisitos de Ferramentas Especializadas de Gestão de Configuração de Software

Requisitos de Ferramentas Especializadas de Gestão de Configuração de Software Requisitos de Ferramentas Especializadas de Gestão de Configuração de Software Ricardo Terra 1 1 Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) Campus da Pampulha 31.270-010

Leia mais

Avaliação de Modelos i* com o Processo AIRDoc-i*

Avaliação de Modelos i* com o Processo AIRDoc-i* Avaliação de Modelos i* com o Processo AIRDoc-i* Cleice Souza 1, Cláudia Souza 1, Fernanda Alencar 2, Jaelson Castro 1, Paulo Cavalcanti 1, Monique Soares 1, Gabriela Guedes 1, Eduardo Figueiredo 3 1 Centro

Leia mais

Critérios para Apoiar a Decisão Sobre o Momento de Parada dos Testes de Software

Critérios para Apoiar a Decisão Sobre o Momento de Parada dos Testes de Software Critérios para Apoiar a Decisão Sobre o Momento de Parada dos Testes de Software Victor Vidigal Ribeiro Guilherme Horta Travassos {vidigal, ght}@cos.ufrj.br Agenda Introdução Resultados da revisão Corpo

Leia mais

Instituto de Computação, Universidade Federal do Amazonas (UFAM) Manaus-AM, Brasil

Instituto de Computação, Universidade Federal do Amazonas (UFAM) Manaus-AM, Brasil Elicitação de Requisitos a partir de Modelos de Processos de Negócio e Modelos Organizacionais: Uma pesquisa para definição de técnicas baseadas em heurísticas Marcos A. B. de Oliveira 1, Sérgio R. C.

Leia mais

Verificação e Validação de Requisitos

Verificação e Validação de Requisitos Verificação e Validação de Requisitos Verificação e Validação dos Requisitos Casos de Uso e Esp. Suplementar Plano e Casos de Teste Requisitos p/ Inspeção Verificar conflitos de requisitos Verificar consistência

Leia mais

Palavras-Chaves: engenharia de requisitos, modelagem, UML.

Palavras-Chaves: engenharia de requisitos, modelagem, UML. APLICAÇÃO DA ENGENHARIA DE REQUISITOS PARA COMPREENSÃO DE DOMÍNIO DO PROBLEMA PARA SISTEMA DE CONTROLE COMERCIAL LEONARDO DE PAULA SANCHES Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas RENAN HENRIQUE

Leia mais

Aplicação de um Metamodelo de Contexto a uma Tarefa de Investigação Policial

Aplicação de um Metamodelo de Contexto a uma Tarefa de Investigação Policial Aplicação de um Metamodelo de Contexto a uma Tarefa de Investigação Policial Lucas A. de Oliveira, Rui A. R. B. Figueira, Expedito C. Lopes Mestrado em Sistemas e Computação Universidade de Salvador (UNIFACS)

Leia mais

O GERENCIAMENTO DE REQUISITOS E A SUA IMPORTÂNCIA EM PROJETOS DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

O GERENCIAMENTO DE REQUISITOS E A SUA IMPORTÂNCIA EM PROJETOS DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE O GERENCIAMENTO DE REQUISITOS E A SUA IMPORTÂNCIA EM PROJETOS DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Leonardo Manoel Mendes¹, Rogério Homem da Costa², Reinaldo Lorenso³ 1. Especializando do Curso de Pós-Graduação

Leia mais

Padronização de Processos: BI e KDD

Padronização de Processos: BI e KDD 47 Padronização de Processos: BI e KDD Nara Martini Bigolin Departamento da Tecnologia da Informação -Universidade Federal de Santa Maria 98400-000 Frederico Westphalen RS Brazil nara.bigolin@ufsm.br Abstract:

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE DOCUMENTOS TEXTO USANDO MODELOS PROBABILISTICOS ESTENDIDOS

RECUPERAÇÃO DE DOCUMENTOS TEXTO USANDO MODELOS PROBABILISTICOS ESTENDIDOS ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 RECUPERAÇÃO DE DOCUMENTOS TEXTO USANDO MODELOS PROBABILISTICOS ESTENDIDOS Marcello Erick Bonfim 1

Leia mais

Otimização de Recuperação de Informação usando Algoritmos Genéticos

Otimização de Recuperação de Informação usando Algoritmos Genéticos Otimização de Recuperação de Informação usando Algoritmos Genéticos Neide de Oliveira Gomes, M. Sc., nog@inpi.gov.br Prof. Marco Aurélio C. Pacheco, PhD Programa de Doutorado na área de Métodos de Apoio

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS

SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS Lilian R. M. Paiva, Luciene C. Oliveira, Mariana D. Justino, Mateus S. Silva, Mylene L. Rodrigues Engenharia de Computação - Universidade de Uberaba (UNIUBE)

Leia mais

Indicações de Abordagens para Rastreabilidade de Requisitos no contexto do MR-MPS-SW por meio de uma Revisão Sistemática da Literatura

Indicações de Abordagens para Rastreabilidade de Requisitos no contexto do MR-MPS-SW por meio de uma Revisão Sistemática da Literatura X Workshop Anual do MPS (WAMPS 2014) Indicações de Abordagens para Rastreabilidade de Requisitos no contexto do MR-MPS-SW por meio de uma Revisão Sistemática da Literatura Apresentador: Paulo Malcher Autores:

Leia mais

Uma Ferramenta para Geração Automática de Testes Funcionais e Protótipos de Interface a partir de Casos de Uso

Uma Ferramenta para Geração Automática de Testes Funcionais e Protótipos de Interface a partir de Casos de Uso Uma Ferramenta para Geração Automática de Testes Funcionais e Protótipos de Interface a partir de Casos de Uso Ernesto C. Brasil 1, Thiago C. de Sousa 2 1 Centro de Ensino Unificado de Teresina (CEUT)

Leia mais

Palavras-Chaves: estoque, modelagem, requisitos, UML, vendas.

Palavras-Chaves: estoque, modelagem, requisitos, UML, vendas. UTILIZAÇÃO DA UML NO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA DE CONTROLE DE VENDAS E ESTOQUE GILBERTO FRANCISCO PACHECO DOS SANTOS Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas JACKSON LUIZ ARROSTI Discente

Leia mais

Glossário de Terminologia Engenharia de Requisitos

Glossário de Terminologia Engenharia de Requisitos Martin Glinz Glossário de Terminologia Engenharia de Requisitos Com Dicionário Inglês-Português e Português-Inglês Glossário Padrão para o Curso e Exame de Certificação Certified Professional for Requirements

Leia mais

Um Processo de Engenharia de Domínio com foco no Projeto Arquitetural Baseado em Componentes

Um Processo de Engenharia de Domínio com foco no Projeto Arquitetural Baseado em Componentes Um Processo de Engenharia de Domínio com foco no Projeto Arquitetural Baseado em Componentes Ana Paula Blois 1, 2, Karin Becker 2, Cláudia Werner 1 1 COPPE/UFRJ, Universidade Federal do Rio de Janeiro,

Leia mais

ERACE-TOOL - UMA FERRAMENTA BASEADA EM CENÁRIOS PARA À ENGENHARIA DE REQUISITOS

ERACE-TOOL - UMA FERRAMENTA BASEADA EM CENÁRIOS PARA À ENGENHARIA DE REQUISITOS ERACE-TOOL - UMA FERRAMENTA BASEADA EM CENÁRIOS PARA À ENGENHARIA DE REQUISITOS João Caldas Júnior FIL- Fundação Paulista de Educação e Tecnologia Paulo C. Masiero ICMC - Universidade de São Paulo masiero@icmsc.sc.usp.br

Leia mais

25/05/2015. Relevance Feedback. Expansão de Consulta. Relevance Feedback

25/05/2015. Relevance Feedback. Expansão de Consulta. Relevance Feedback Relevance Feedback Expansão de Consulta Relevance Feedback 1 Relevance Feedback Baeza-Yates; Ribeiro-Neto, (2011, cap 5) distinguem dois métodos: Explicit Relevance Feedback a informação para a reformulação

Leia mais

Essencial ao Desenvolvimento de Software

Essencial ao Desenvolvimento de Software Documento de Requisitos Essencial ao Desenvolvimento de Software De que se trata o artigo? Apresenta o documento de requisitos de software, destacando-o como um dos principais documentos pertinentes ao

Leia mais

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE)

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) 1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) Segundo Tonsig (2003), para conseguir desenvolver um software capaz de satisfazer as necessidades de seus usuários, com qualidade, por intermédio de uma arquitetura sólida

Leia mais

Especificação de Testes Funcionais usando Redes de Petri a Objetos para Softwares Orientados a Objetos

Especificação de Testes Funcionais usando Redes de Petri a Objetos para Softwares Orientados a Objetos Especificação de Testes Funcionais usando Redes de Petri a Objetos para Softwares Orientados a Objetos Autor(a): Liliane do Nascimento Vale 1 Orientador: Stéphane Júlia 1 1 Universidade Federal de Uberlândia

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Requisitos de Software Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http://www.edilms.eti.br Requisito O que é um REQUISITO? Em software: É a CARACTERIZAÇÃO do que o

Leia mais

8º Congresso de Pós-Graduação DESENVOLVIMENTO DE UMA MÉTRICA DE COMPLEXIDADE DE REQUISITOS

8º Congresso de Pós-Graduação DESENVOLVIMENTO DE UMA MÉTRICA DE COMPLEXIDADE DE REQUISITOS 8º Congresso de Pós-Graduação DESENVOLVIMENTO DE UMA MÉTRICA DE COMPLEXIDADE DE REQUISITOS Autor(es) CARLOS ROBERTO PAVIOTTI Orientador(es) LUIZ EDUARDO GALVÃO MARTINS 1. Introdução A crescente evolução

Leia mais

LINGUAGEM DE ESPECIFICAÇÃO E DESCRIÇÃO (SDL) APLICADA AO PROCESSO DE VERIFICAÇÃO E VALIDAÇÃO DE SISTEMAS REATIVOS

LINGUAGEM DE ESPECIFICAÇÃO E DESCRIÇÃO (SDL) APLICADA AO PROCESSO DE VERIFICAÇÃO E VALIDAÇÃO DE SISTEMAS REATIVOS LINGUAGEM DE ESPECIFICAÇÃO E DESCRIÇÃO (SDL) APLICADA AO PROCESSO DE VERIFICAÇÃO E VALIDAÇÃO DE SISTEMAS REATIVOS Fabiana Fraga Ferreira Bacharelanda em Sistemas de Informação Bolsista de Iniciação Científica

Leia mais

Definição de Processos de Workflow

Definição de Processos de Workflow Definição de Processos de Tiago Telecken Universidade Federal do Rio Grande do Sul telecken@inf.ufrgs.br Resumo Este artigo apresenta uma introdução a tecnologia de workflow informando noções básicas sobre

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS AVANÇADO DE ARACATI PROJETO DE PESQUISA

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS AVANÇADO DE ARACATI PROJETO DE PESQUISA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS AVANÇADO DE ARACATI PROJETO DE PESQUISA IMPLEMENTAÇÃO DE SOLUÇÃO PARA AUTOMATIZAR O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE UTILIZANDO A LINGUAGEM C#.NET

Leia mais

Uma Ontologia Genérica para a Análise de Domínio e Usuário na Engenharia de Domínio Multiagente

Uma Ontologia Genérica para a Análise de Domínio e Usuário na Engenharia de Domínio Multiagente Uma Ontologia Genérica para a Análise de Domínio e Usuário na Engenharia de Domínio Multiagente Carla Gomes de Faria1, Ismênia Ribeiro de Oliveira1, Rosario Girardi1 1Universidade Federal do Maranhão (UFMA)

Leia mais

ANÁLISE DE EVOLUÇÃO DE SOFTWARE PARA RECUPERAÇÃO DA RASTREABILIDADE ENTRE DOCUMENTAÇÃO E CÓDIGO FONTE BASEADA EM MODELOS DE CARACTERÍSTICAS

ANÁLISE DE EVOLUÇÃO DE SOFTWARE PARA RECUPERAÇÃO DA RASTREABILIDADE ENTRE DOCUMENTAÇÃO E CÓDIGO FONTE BASEADA EM MODELOS DE CARACTERÍSTICAS ANÁLISE DE EVOLUÇÃO DE SOFTWARE PARA RECUPERAÇÃO DA RASTREABILIDADE ENTRE DOCUMENTAÇÃO E CÓDIGO FONTE BASEADA EM MODELOS DE CARACTERÍSTICAS Autor: Allysson Costa e Silva 1, Orientador: Prof. Dr. Marcelo

Leia mais

Um processo para construção de software mais transparente

Um processo para construção de software mais transparente Um processo para construção de software mais transparente Eduardo Almentero 1, and Julio Cesar Sampaio do Prado Leite 1 1 Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, PUC - Rio, Brasil {ealmentero,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO. Ferramenta de Apoio à Rastreabilidade de Requisitos de Software

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO. Ferramenta de Apoio à Rastreabilidade de Requisitos de Software UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELETRÔNICA E DE COMPUTAÇÃO Ferramenta de Apoio à Rastreabilidade de Requisitos de Software Autor: Orientador: Co-Orientador:

Leia mais

A PROBLEMÁTICA DO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE: CRISE OU CALAMIDADE CRÔNICA?

A PROBLEMÁTICA DO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE: CRISE OU CALAMIDADE CRÔNICA? A PROBLEMÁTICA DO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE: CRISE OU CALAMIDADE CRÔNICA? ADEMILSON ANGELO CABRAL Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas DIEGO BEZERRA DA SILVA Discente da AEMS Faculdades

Leia mais

Melhoria da Qualidade de Produto e de Processo de Software a partir da Análise de Indicadores de Teste

Melhoria da Qualidade de Produto e de Processo de Software a partir da Análise de Indicadores de Teste Melhoria da Qualidade de Produto e de Processo de Software a partir da Análise de Indicadores de Teste ERIKA DE FREITAS NITA CI&T SYSTEMS S/A www.cit.com.br Resumo Atualmente, a maioria das empresas de

Leia mais

Artigos científicos / Scientific articles

Artigos científicos / Scientific articles Artigos científicos / Scientific articles Rev. Ibirapuera, São Paulo, n. 1, p. 31-35, jan./jun. 2011 REUSO DE REQUISITOS PARA FAMÍLIAS DE PRODUTOS EM SISTEMAS EMBARCADOS Cristiano Marçal Toniolo Universidade

Leia mais

Um Framework de Engenharia de Requisitos para Desenvolvimento de Produtos de Software

Um Framework de Engenharia de Requisitos para Desenvolvimento de Produtos de Software Um Framework de Engenharia de Requisitos para Desenvolvimento de Produtos de Software Carina Alves Centro de Informática Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) Caixa Postal 50732-970 Recife PE Brazil

Leia mais

Evitando Relatos de CRs duplicadas em Projetos Open Source de Software

Evitando Relatos de CRs duplicadas em Projetos Open Source de Software Evitando Relatos de CRs duplicadas em Projetos Open Source de Software Yguaratã C. Cavalcanti 1,2, Alexandre C. Martins 1,2, Eduardo S. Almeida 2, Silvio L. Meira 1,2 1 Centro de Informática Universidade

Leia mais

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA COORDENAÇÃO-GERAL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ENCARTE R

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA COORDENAÇÃO-GERAL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ENCARTE R ENCARTE R Estimativa de de Software Estimativa de de Software: Contratação de Serviços de Fábrica de Software Página 1 de 10 SUMÁRIO 1 REFERÊNCIAS... 3 1 INTRODUÇÃO... 3 3.1 ESTIMATIVA PRELIMINAR... 4

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO AUTOMÁTICA DE PATENTES COM O MODELO VETORIAL DE REPRESENTAÇÃO DE DOCUMENTOS

CLASSIFICAÇÃO AUTOMÁTICA DE PATENTES COM O MODELO VETORIAL DE REPRESENTAÇÃO DE DOCUMENTOS III SBA Simpósio Baiano de Arquivologia 26 a 28 de outubro de 2011 Salvador Bahia Políticas arquivísticas na Bahia e no Brasil CLASSIFICAÇÃO AUTOMÁTICA DE PATENTES COM O MODELO VETORIAL DE REPRESENTAÇÃO

Leia mais

Uma Arquitetura de Linha de Produto Baseada em Componentes para Sistemas de Gerenciamento de Workflow

Uma Arquitetura de Linha de Produto Baseada em Componentes para Sistemas de Gerenciamento de Workflow Uma Arquitetura de Linha de Produto Baseada em Componentes para Sistemas de Gerenciamento de Workflow Itana M. S. Gimenes 1 itana@din.uem.br Fabrício R. Lazilha 2 fabricio@cesumar.br Edson A. O. Junior

Leia mais

Uma abordagem semi-automática para a manutenção de links de rastreabilidade

Uma abordagem semi-automática para a manutenção de links de rastreabilidade Uma abordagem semi-automática para a manutenção de links de rastreabilidade Marcelio Leal, Mayara Figueiredo e Cleidson R. B. de Souza. Faculdade de Computação UFPA - Universidade Federal do Pará marcelioleal@

Leia mais

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML.

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML. MODELAGEM ORIENTADA A OBJETOS APLICADA À ANÁLISE E AO PROJETO DE SISTEMA DE VENDAS ALTEMIR FERNANDES DE ARAÚJO Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas ANDRE LUIZ DA CUNHA DIAS Discente da

Leia mais

Resumo. 1. Introdução. Abstract. 2. Motivação

Resumo. 1. Introdução. Abstract. 2. Motivação Um Estudo para a Definição de Processos das Gerências da Qualidade e da Configuração em um Ambiente Integrado para Apoio ao Desenvolvimento e Gestão de Projetos de Software Abdala, Martha A. D.; Lahoz,

Leia mais

Requisitos para ferramentas de registro de defeitos de software

Requisitos para ferramentas de registro de defeitos de software Requisitos para ferramentas de registro de defeitos de software Alessandro Liebmam Departamento de Ciência da Computação Instituto de Ciências Exatas Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) CEP: 31270-010

Leia mais

Recuperação de Imagens na Web Baseada em Informações Textuais

Recuperação de Imagens na Web Baseada em Informações Textuais Recuperação de Imagens na Web Baseada em Informações Textuais André Ribeiro da Silva Mário Celso Candian Lobato Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de Ciência da Computação {arsilva,mlobato}@dcc.ufmg.br

Leia mais

Desenvolvimento de uma Técnica de Inspeção de Diagrama de Estados com apoio dos Diagramas de Atividades descrevendo os Casos de Uso do Software

Desenvolvimento de uma Técnica de Inspeção de Diagrama de Estados com apoio dos Diagramas de Atividades descrevendo os Casos de Uso do Software Desenvolvimento de uma Técnica de Inspeção de Diagrama de Estados com apoio dos Diagramas de Atividades descrevendo os Casos de Uso do Software Karen Miyuki Nakazato Guilherme Horta Travassos {kmn, ght}@cos.ufrj.br

Leia mais

Extração da Métrica WMC a partir de Código Java

Extração da Métrica WMC a partir de Código Java 228 Extração da Métrica WMC a partir de Código Java Luana V. Martinez, Maurício S. R. Arrieira, Carlos M. Betemps Engenharia de Computação Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA) Campus Bagé RS Brasil

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Requisitos Cap. 06 e 07 Sommerville 8 ed. REQUISITOS DE SOFTWARE» Requisitos são descrições de serviços fornecidos pelo sistema e suas restrições operacionais. REQUISITOS DE USUÁRIOS: São

Leia mais

Sistema de Apoio ao Ensino de Modelagem de Software Uma extensão para o editor de programação BlueJ

Sistema de Apoio ao Ensino de Modelagem de Software Uma extensão para o editor de programação BlueJ IV Encontro de Pesquisa PUCSP/TIDD 2011 Sistema de Apoio ao Ensino de Modelagem de Software. Uma extensão para o editor de programação BlueJ Autor: Luciano Gaspar - E-mail: tigaspar@hotmail.com Orientador:

Leia mais

USO DOS CONCEITOS DE INTERAÇÃO HUMANO-COMPUTADOR NO DESENVOLVIMENTO WEB PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

USO DOS CONCEITOS DE INTERAÇÃO HUMANO-COMPUTADOR NO DESENVOLVIMENTO WEB PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Discutindo a visibilidade da EaD Pública no Brasil USO DOS CONCEITOS DE INTERAÇÃO HUMANO-COMPUTADOR NO DESENVOLVIMENTO WEB PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Priscilla Márcia Scarpelli Bastos 1, Diogo Marcos de

Leia mais

Metodologia para Planejamento, Execução e Controle de Teste de Software. Roteiro

Metodologia para Planejamento, Execução e Controle de Teste de Software. Roteiro Metodologia para Planejamento, Execução e Controle de Teste de Software Arilo Claudio Dias Neto - acdn@cos.ufrj.br Gladys Machado P. S. Lima - gladysmp@cos.ufrj.br Guilherme Horta Travassos - ght@cos.ufrj.br

Leia mais

Especificação de Uma Abordagem para Desenvolvimento Distribuído de Software Utilizando SPEM

Especificação de Uma Abordagem para Desenvolvimento Distribuído de Software Utilizando SPEM Especificação de Uma Abordagem para Desenvolvimento Distribuído de Software Utilizando SPEM Gislaine Camila Lapasini Leal, Elisa Hatsue Moriya Huzita Tania Fatima Calvi Tait e César Alberto da Silva Universidade

Leia mais

Modelagem Flexível para Processos de Negócio. Resultados de um Estudo Experimental

Modelagem Flexível para Processos de Negócio. Resultados de um Estudo Experimental Modelagem Flexível para Processos de Negócio Resultados de um Estudo Experimental Fabiane Albino Aluna Mestrado Prof. Ricardo Massa Orientador Cenário Atual Modelagem de Processos de Negócio de maneira

Leia mais

Uma Abordagem de Engenharia de Requisitos Para Linhas de Produtos de Software

Uma Abordagem de Engenharia de Requisitos Para Linhas de Produtos de Software Uma Abordagem de Engenharia de Requisitos Para Linhas de Produtos de Software Gabriela Guedes de Souza, Jaelson Castro e Carla Silva ggs@cin.ufpe.br, jbc@cin.ufpe.br, carla@dce.ufpb.br DEPARTAMENTO DE

Leia mais

Uma Estensão do STREAM para Escolha de Padrões Arquiteturais baseada em Requisitos Não-Funcionais

Uma Estensão do STREAM para Escolha de Padrões Arquiteturais baseada em Requisitos Não-Funcionais Uma Estensão do STREAM para Escolha de Padrões Arquiteturais baseada em Requisitos Não-Funcionais Fábio Silva 1,2, Marcia Lucena 1, Leonardo Lucena 2, Roniceli Moura 1 1 Universidade Federal do Rio Grande

Leia mais

MAPEAMENTO DE PROCESSOS: TEORIA E CASO ILUSTRATIVO

MAPEAMENTO DE PROCESSOS: TEORIA E CASO ILUSTRATIVO MAPEAMENTO DE PROCESSOS: TEORIA E CASO ILUSTRATIVO Aluna: Ana Luisa Alves Teixeira Orientador: Luiz Felipe R. R. Scavarda do Carmo Departamento de Engenharia Industrial Palavras Chaves: Processos, SIPOC,

Leia mais

Teste de Software Apresentação

Teste de Software Apresentação Teste de Software Apresentação Prof Daves Martins Msc Computação de Alto Desempenho Email: daves.martins@ifsudestemg.edu.br Agenda Teste de Software VV&T e Defeitos de Software Inspeção de Software Teste

Leia mais

Introdução - Cenário

Introdução - Cenário Como evitar Armadilhas em Contratos de Software Baseados na Métrica Pontos de Função Claudia Hazan Serviço Federal de Processamento de Dados (SERPRO) 1 Introdução - Cenário Demanda crescente por Sistemas

Leia mais

Transformação de um Modelo de Empresa em Requisitos de Software

Transformação de um Modelo de Empresa em Requisitos de Software Transformação de um Modelo de Empresa em Requisitos de Software Fábio Levy Siqueira 1 and Paulo Sérgio Muniz Silva 2 1 Programa de Educação Continuada da Poli-USP, São Paulo, Brazil 2 Escola Politécnica

Leia mais

Uma Análise da História do VEM, WBVS e WMSWM

Uma Análise da História do VEM, WBVS e WMSWM VEM Uma Análise da História do VEM, WBVS e WMSWM Renato Novais, Thiago S. Mendes, Fernando Teles Instituto Federal da Bahia (IFBA) Salvador Bahia Brasil {renato,thiagosouto,fernandoteles}@ifba.edu.br Abstract.

Leia mais

Requisitos de Ferramentas de Apoio aos Processos de Medição de Software. Marco Aurélio Vilaça de Melo

Requisitos de Ferramentas de Apoio aos Processos de Medição de Software. Marco Aurélio Vilaça de Melo Requisitos de Ferramentas de Apoio aos Processos de Medição de Software Marco Aurélio Vilaça de Melo Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) Belo Horizonte MG

Leia mais

Avaliação de técnicas de seleção de quadros-chave na recuperação de informação por conteúdo visual

Avaliação de técnicas de seleção de quadros-chave na recuperação de informação por conteúdo visual Avaliação de técnicas de seleção de quadros-chave na recuperação de informação por conteúdo visual Shênia Salvador de Pinho, Kleber J. F. Souza Instituto de Ciências Exatas e Informática PUC Minas Guanhães,

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 05 Material preparado por Fernanda Madeiral Delfim Tópicos Aula 5 Contextualização UML Astah

Leia mais

são capturados de forma sistemática e intuitiva por meio de casos de uso.

são capturados de forma sistemática e intuitiva por meio de casos de uso. Prevenção de defeitos em Requisitos de Software: Uma caracterização do processo de melhoria Daniela C. C. Peixoto (Synergia, DCC/UFMG), Clarindo Isaías P. S. Pádua (Synergia, DCC/UFMG), Eveline A. Veloso

Leia mais

MODELAGEM VISUAL DE UM SOFTWARE PARA O GERENCIAMENTO DAS COMUNICAÇÕES EM GESTÃO DE PROJETOS

MODELAGEM VISUAL DE UM SOFTWARE PARA O GERENCIAMENTO DAS COMUNICAÇÕES EM GESTÃO DE PROJETOS 127 MODELAGEM VISUAL DE UM SOFTWARE PARA O GERENCIAMENTO DAS COMUNICAÇÕES EM GESTÃO DE PROJETOS VISUAL MODELING OF SOFTWARE FOR COMMUNICATION MANAGEMENT IN PROJECT MANAGEMENT Ricardo Rall 1 Arilson José

Leia mais

Sistema de gestão do conhecimento: etapas iniciais

Sistema de gestão do conhecimento: etapas iniciais Sistema de gestão do conhecimento: etapas iniciais Willians Santos de Oliveira 1, Claudia Pinto Pereira Sena 1, 2, Diego Freire da Silva 1, Ricardo Sena Carvalho 1, 2 1 Curso de Sistemas de Informação

Leia mais

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Carlos Alberto Rovedder, Gustavo Zanini Kantorski Curso de Sistemas de Informação Universidade Luterana do Brasil (ULBRA) Campus

Leia mais

Aula Nº 06 Determinação do Orçamento

Aula Nº 06 Determinação do Orçamento Aula Nº 06 Determinação do Orçamento Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula são, basicamente, apresentar os processos aplicados que possibilitem identificar os recursos necessários para se conduzir

Leia mais

Autor(es) BARBARA STEFANI RANIERI. Orientador(es) LUIZ EDUARDO GALVÃO MARTINS, ANDERSON BELGAMO. Apoio Financeiro PIBIC/CNPQ. 1.

Autor(es) BARBARA STEFANI RANIERI. Orientador(es) LUIZ EDUARDO GALVÃO MARTINS, ANDERSON BELGAMO. Apoio Financeiro PIBIC/CNPQ. 1. 19 Congresso de Iniciação Científica ESPECIFICAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DE UMA FERRAMENTA AUTOMATIZADA DE APOIO AO GERSE: GUIA DE ELICITAÇÃO DE REQUISITOS PARA SISTEMAS EMBARCADOS Autor(es) BARBARA STEFANI

Leia mais

UTILIZANDO ICONIX NO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES DELPHI

UTILIZANDO ICONIX NO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES DELPHI UTILIZANDO ICONIX NO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES DELPHI Dr. George SILVA; Dr. Gilbert SILVA; Gabriel GUIMARÃES; Rodrigo MEDEIROS; Tiago ROSSINI; Centro Federal de Educação Tecnológica do Rio Grande do

Leia mais

Integrando Requisitos Ágeis com Modelos i*

Integrando Requisitos Ágeis com Modelos i* Integrando Requisitos Ágeis com Modelos i* Aline Jaqueira, Bernardo Gurgel, Márcia Lucena Departamento de Informática e Matemática Aplicada UFRN alinejaqueira@ppgsc.ufrn.br, bernardogfilho@gmail.com, marciaj@dimap.ufrn.br

Leia mais

CASE Orientada a Objetos com Múltiplas Visões e Implementação Automática de Sistemas - MVCASE

CASE Orientada a Objetos com Múltiplas Visões e Implementação Automática de Sistemas - MVCASE CASE Orientada a Objetos com Múltiplas Visões e Implementação Automática de Sistemas - MVCASE Tathiana da Silva Barrére Antonio Francisco do Prado Vitor César Bonafe E-mail: (tathiana,prado,bonafe)@dc.ufscar.br

Leia mais

Identificando a Formação de Ilhas de Conhecimento em Projetos de Software

Identificando a Formação de Ilhas de Conhecimento em Projetos de Software Identificando a Formação de Ilhas de Conhecimento em Projetos de Software Francisco Vanderson de Moura Alves 1, Pedro de Alcântara dos Santos Neto 1, Werney Ayala Luz Lira 1, Ricardo de Andrade Lira Rabêlo

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Disciplina: Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com marcosmoraisdesousa.blogspot.com Sistemas de informação Engenharia de Software II Gerenciamento de Qualidade CMMI e MPS.BR

Leia mais

Realização de Estimativas utilizando Análise de Pontos de Função

Realização de Estimativas utilizando Análise de Pontos de Função CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA DISCIPLINA: ENGENHARIA DE SOFTWARE PROFESSOR(A): MONALESSA PERINI BARCELLOS CÓDIGO: INF281 EMAIL: MONALESSA@INF.UFES.BR Realização de Estimativas utilizando

Leia mais

Uma proposta de um processo prático para apoiar o reuso de software

Uma proposta de um processo prático para apoiar o reuso de software Uma proposta de um processo prático para apoiar o reuso de software Rosangela Kronig (UNIP) rkronig.mes.engprod@unip.br Ivanir Costa (UNIP) icosta@unip.br Mauro Spínola (UNIP) mspinola@unip.br Resumo A

Leia mais

FERRAMENTA CASE PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS E MÉTRICAS DE SOFTWARE

FERRAMENTA CASE PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS E MÉTRICAS DE SOFTWARE FERRAMENTA CASE PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS E MÉTRICAS DE SOFTWARE 1 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ Centro de Ciências Tecnológicas da Terra e do Mar Rua Uruguai, 458 Centro Itajaí(SC) CEP: 88.302-202

Leia mais

Instrutora: Claudia Hazan claudinhah@yahoo.com. Motivações para Engenharia de Requisitos (ER) Processo de Requisitos

Instrutora: Claudia Hazan claudinhah@yahoo.com. Motivações para Engenharia de Requisitos (ER) Processo de Requisitos ,PSODQWDomRGHXP 3URFHVVR GH *HVWmR GH 5HTXLVLWRV VHJXLQGRR R &00, 0, Instrutora: Claudia Hazan claudinhah@yahoo.com Agenda Motivações para Engenharia de Requisitos (ER) Processo de Requisitos Visão Geral

Leia mais

Casos de Uso O que é. Casos de Uso. Objetivos de um Caso de Uso. Atores. Atores e Casos de Uso. Diagramas de Caso de Uso

Casos de Uso O que é. Casos de Uso. Objetivos de um Caso de Uso. Atores. Atores e Casos de Uso. Diagramas de Caso de Uso Casos de Uso O que é Casos de Uso Descrições narrativas de processos do domínio da aplicação Documentam a seqüência de eventos de um ator (um agente externo) usando o sistema para completar, do início

Leia mais

Representando Características Autonômicas nos Processos de Negócio

Representando Características Autonômicas nos Processos de Negócio Representando Características Autonômicas nos Processos de Negócio Karolyne Oliveira, Tarcísio Pereira, Emanuel Santos, Jaelson Castro Universidade Federal de Pernambuco UFPE, Recife, PE 50 740-560, Brazil

Leia mais

Sistema de Gerenciamento de Planos de Curso: Uma ferramenta de aperfeiçoamento para o processo de controle de planos de curso nas universidades

Sistema de Gerenciamento de Planos de Curso: Uma ferramenta de aperfeiçoamento para o processo de controle de planos de curso nas universidades Sistema de Gerenciamento de Planos de Curso: Uma ferramenta de aperfeiçoamento para o processo de controle de planos de curso nas universidades André Torres, Ednaldo Onofre, Francisco Celestino, Jafet

Leia mais

Documentação de um Produto de Software

Documentação de um Produto de Software Documentação de um Produto de Software Versão 3.0 Autora: Profª Ana Paula Gonçalves Serra Revisor: Prof. Fernando Giorno 2005 ÍNDICE DETALHADO PREFÁCIO... 4 1. INTRODUÇÃO AO DOCUMENTO... 6 1.1. TEMA...

Leia mais

Avaliando modelos arquiteturais através de um checklist baseado em atributos de qualidade

Avaliando modelos arquiteturais através de um checklist baseado em atributos de qualidade Avaliando modelos arquiteturais através de um checklist baseado em atributos de qualidade Aluno: Rafael Ferreira Barcelos barcelos@cos.ufrj.br Orientador: Guilherme Horta Travassos ght@cos.ufrj.br Nível:

Leia mais

Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática

Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática Evandro Polese Alves Ricardo de Almeida Falbo Departamento de Informática - UFES Av. Fernando Ferrari, s/n, Vitória - ES - Brasil

Leia mais

Especificação de Requisitos de Software com o Método SCR

Especificação de Requisitos de Software com o Método SCR Especificação de Requisitos de Software com o Método SCR Flávio Ricardo Carpena Tereza Gonçalves Kirner Departamento de Computação - Universidade Federal de São Carlos Rodovia Washington Luiz, Km 235 -

Leia mais

Diagrama de Classes. Viviane Torres da Silva viviane.silva@ic.uff.br. http://www.ic.uff.br/~viviane.silva/2012.1/es1

Diagrama de Classes. Viviane Torres da Silva viviane.silva@ic.uff.br. http://www.ic.uff.br/~viviane.silva/2012.1/es1 Diagrama de Classes Viviane Torres da Silva viviane.silva@ic.uff.br http://www.ic.uff.br/~viviane.silva/2012.1/es1 O que é? Diagrama mais utilizado da UML Representa os tipos (classes) de objetos de um

Leia mais

MARACATU. A component search tool. Especificação, Projeto e Implementação de uma Arquitetura para um Engenho de Busca de Componentes

MARACATU. A component search tool. Especificação, Projeto e Implementação de uma Arquitetura para um Engenho de Busca de Componentes MARACATU A component search tool Especificação, Projeto e Implementação de uma Arquitetura para um Engenho de Busca de Componentes Vinicius Cardoso Garcia July 29, 2005 Agenda Introdução Especificação

Leia mais

Algumas propriedades dos objetos:

Algumas propriedades dos objetos: Orientação a Objetos Vivemos num mundo de objetos. Esses objetos existem na natureza, nas entidades feitas pelo homem, nos negócios e nos produtos que usamos. Eles podem ser categorizados, descritos, organizados,

Leia mais

Proposta de um método para auditoria de projetos de desenvolvimento de software iterativo e incremental

Proposta de um método para auditoria de projetos de desenvolvimento de software iterativo e incremental Proposta de um método para auditoria de projetos de desenvolvimento de software iterativo e incremental Francisco Xavier Freire Neto 1 ; Aristides Novelli Filho 2 Centro Estadual de Educação Tecnológica

Leia mais

Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio

Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS / INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio Professor: Clarindo Isaías Pereira

Leia mais

TÍTULO: UM ESTUDO CONCEITUAL SOBRE CERTIFICAÇÃO DE SOFTWARE EMBARCADO AERONÁUTICO

TÍTULO: UM ESTUDO CONCEITUAL SOBRE CERTIFICAÇÃO DE SOFTWARE EMBARCADO AERONÁUTICO TÍTULO: UM ESTUDO CONCEITUAL SOBRE CERTIFICAÇÃO DE SOFTWARE EMBARCADO AERONÁUTICO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA

Leia mais