CLASSIFICAÇÃO AUTOMÁTICA DE PATENTES COM O MODELO VETORIAL DE REPRESENTAÇÃO DE DOCUMENTOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CLASSIFICAÇÃO AUTOMÁTICA DE PATENTES COM O MODELO VETORIAL DE REPRESENTAÇÃO DE DOCUMENTOS"

Transcrição

1 III SBA Simpósio Baiano de Arquivologia 26 a 28 de outubro de 2011 Salvador Bahia Políticas arquivísticas na Bahia e no Brasil CLASSIFICAÇÃO AUTOMÁTICA DE PATENTES COM O MODELO VETORIAL DE REPRESENTAÇÃO DE DOCUMENTOS Filipe Wall Mutz Graduando em Ciência da Computação, Departamento de Informática, Universidade Federal do Espírito Santo, Elias de Oliveira Departamento de Arquivologia, Universidade Federal do Espírito Santo, Weberson Luiz Fernandes Garcia Graduando em Arquivologia, Departamento de Arquivologia, Universidade Federal do Espírito Santo Resumo: O sistema de patente existe com obetivo de premiar inventores de novas tecnologias com o direito de exclusividade e, simultaneamente, manter o conhecimento acerca da criação sob domínio do estado e aberto à sociedade. No Brasil, o órgão responsável pela gerência de patentes é o Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI) que recebe cerca de vinte mil novos pedidos de patentes por ano. Cada pedido passa por um processo de verificação minuciosa de novidade. Devido principalmente a essa grande demanda e o baixo número de técnicos para análise dos pedidos, o processo se torna lento e sueito a falhas. Apresentamos o modelo vetorial de representação de documentos como uma ferramenta computacional de auxilio à classificação de patentes. Nesse modelo, descrições de patentes são representadas como vetores matemáticos, de acordo com a freqüência de ocorrência de suas palavras. Assim, com a classificação manual de poucos textos, a máquina se torna capaz de classificar novas patentes por um processo de comparação vetorial, minimizando o trabalho dos profissionais técnicos. Nos experimentos realizados, a solução computacional proposta atribuiu a classe correta de 70% das patentes, de um conunto de 250 classificadas manualmente, em 1.5 segundos. Palavras-chave: Modelo Vetorial de Representação de Documentos; Bases de Patentes; Recuperação da Informação

2 INTRODUÇÃO A patente é um privilégio concedido e garantido pelo Estado de propriedade sob uma invenção ou modelo de utilidade, dado ao seu inventor através de um título oficial, esses documentos compreendem o pedido de depósito ainda pendente de concessão, a patente concedida e a patente extinta. Todas as patentes são reguladas pelo Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI) <http://www.inpi.gov.br> com vistas ao interesse social e o desenvolvimento tecnológico e econômico do país de forma a possibilitar o seu uso em benefício da humanidade, uma vez que são divulgadas as inovações tecnológicas geradas pelas invenções; embora o seu inventor tenha por recompensa a concessão do direito de exclusividade para a exploração de sua patente, ou sea, 20 anos para invenção e 15 anos para modelo de utilidade. Para conceder uma nova patente, técnicos do INPI verificam minuciosamente a novidade dos produtos-candidatos e os classificam segundo a Classificação Internacional de Patentes. Esse processo é detalhado, porém lento, com duração média de oito anos. A expectativa é de que esse tempo aumente, á que nos últimos anos a procura pelo registro de patente demonstrou um significativo aumento e o método utilizado na classificação não sofreu a alteração necessária para acompanhar essa demanda. Indo ao encontro dessa pendência, esse trabalho traz uma ferramenta computacional para auxílio da classificação de novas patentes. Utilizamos técnicas da inteligência artificial como o Modelo Vetorial de Classificação de Documentos (SALTON; WONG; YANG, 1975 ) e o algoritmo k Nearest Neighbor (knn) (ROUSSOPOULOS; KELLEY; VINCENT, 1995) para ensinar ao computador como classificar novas patentes a partir de um conunto previamente rotulado por especialistas humanos. Os benefícios da utilização de uma ferramenta como a proposta são: a melhoria das condições de trabalho de técnicos devido à diminuição da carga de trabalho repetitivo, a redução do tempo de resposta a requisições de novas patentes e, logo, o aumento da produtividade das empresas que terão mais agilidade na inserção de novas tecnologias no mercado. O artigo está organizado segundo as seguintes seções: inicialmente são apresentadas as ferramentas centrais de nosso estudo: o Modelo Vetorial de Classificação de documentos e o algoritmo de classificação knn. Em seguida, é descrita a base de patentes criada para validação da tese proposta e os experimentos realizados. Finalmente, as conclusões extraídas do trabalho são apresentadas e discutidas. MODELO VETORIAL No modelo vetorial, os documentos são representados como vetores no espaço euclidiano de n dimensões, onde n representa o número de termos-palavras diferentes presente no conunto de textos indexados. Cada um desses vetores é uma seqüência de pesos que representam a relevância das palavras no documento. Esses pesos levam em consideração dois aspectos: a quantidade de vezes que ele ocorre no próprio documento e a freqüência de ocorrência total do termo no conunto de análise. Uma das propostas mais utilizadas na literatura para cálculo dessa ponderação é a função Term Frequency Inverse Document Frequency (TF IDF) (SALTON; WONG; YANG, 1975): N tf idf = di, *log( ) ni onde d i, é o número de vezes que um dado termo t i aparece em um documento d, N é o total de documentos no conunto e n i, o número de documentos em que o termo t i aparece.

3 Uma vez tendo a representação vetorial dos documentos, podemos fazer uma análise das estruturas de proximidade e distanciamento entre os textos. Uma forma de verificar o quão próximos são dois textos é calcular o cosseno do ângulo entre as respectivas representações vetoriais (BAEZA-YATES; RIBEIRO-NETO, 1999) : cos( d, d ) = i d d d i i * d = n k = 0 n k = 0 i, k, k w 2 i, k w * * w n k = 0 w 2, k onde d i é o módulo do vetor d i e w i,k indica o peso referente ao termo t k no documento d i, como descrito anteriormente. Um valor zero para o cosseno indica que os dois textos são tão dissimilares quanto é possível, á que não possuem palavras em comum. Seguindo o mesmo raciocínio, vemos que dois textos com similaridade máxima, isto é, com as mesmas palavras e estas na mesma quantidade, possuirão cosseno um. Para ilustrar o conceito apresentado, veamos um exemplo do procedimento de construção da representação vetorial de um conunto de resumos fictícios de patentes baseados em descrições reais. Seam os seguintes resumos de patentes: P0: DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVOS PARA FACILITAR O ACESSO A INTERNET EM DISPOSITIVOS MÓVEIS E CRIAÇÃO DE INTERFACES DE PROGRAMAÇÃO PARA WIDGETS EM AMBIENTES MÓVEIS P1: TÉCNICAS PARA LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA EM APLICATIVOS DE DISPOSITIVOS MÓVEIS. P2: DISPOSITIVOS PARA INALAÇÃO PARA SEREM USADOS COM UM RECIPIENTE DE AEROSSOL Desconsiderando as palavras com pouca relevância semântica stop words (BAEZA- YATES; RIBEIRO-NETO, 1999) como artigos, preposições, advérbios etc., e contando quantas vezes cada termo do conunto restante aparece no texto, podemos criar uma representação tabular de freqüência de termos nos textos (Tabela 1). Selecionando os termos APLICATIVOS, DISPOSITIVOS E MÓVEIS que aparecem em mais de um resumo (linhas sombreadas na Tabela 1) podemos gerar uma representação gráfica em três dimensões dos vetores relativos aos resumos P0, P1 e P2 (Figura 1). Observando esse gráfico, vemos claramente que os textos mais similares são P0 e P1. Verificamos esse fato calculando o cosseno entre as os vetores (Tabela 2). Transpondo a Tabela 1 e aplicando a função TF IDF sobre as freqüências, obteremos o que chamamos de matriz de indexação de um conunto de documentos. Nessa matriz, linhas representam documentos, colunas representam palavras e o item da linha i e coluna é o peso

4 do termo no texto i. Essa matriz é passada como parâmetro para o algoritmo de classificação, responsável por selecionar a provável classe dos documentos. Tabela 1 - Representação tabular da freqüência de palavras em um conunto de três descrições fictícias de patentes P0, P1 e P2. Linhas destacadas contêm palavras que aparecem em mais de um resumo. PALAVRA P0 P1 P2 ACESSO AEROSOL AMBIENTES APLICATIVOS CRIAÇÃO DESENVOLVIMENTO DISPOSITIVOS FACILITAR GEOGRÁFICA INALAÇÃO INTERFACES INTERNET LOCALIZAÇÃO MÓVEIS RECIPIENTES TÉCNICAS USADOS WIDGETS Tabela 2 - Cosseno entre três resumos fictícios de patentes. Observa-se que os textos P0 e P1 são os mais similares com cosseno P0 P1 P2 P ,943 0,408 P1 0, ,577 P2 0,408 0, Figura 1 - Visualização gráfica da freqüência dos termos APLICATIVOS, MÓVEIS E DISPOSITIVOS no conunto de resumos de patentes P0, P1 e P2. Observa-se que os textos P0 e P1 são os mais próximos.

5 O ALGORITMO DE CLASSIFICAÇÃO knn Em reconhecimento de padrões, o algoritmo k Nearest Neighbor (knn) é um método para seleção de obetos baseado em um conunto de treino previamente classificado. Esse é um dos algoritmos mais simples para aprendizagem de máquina e freqüentemente utilizado a literatura (ROUSSOPOULOS; KELLEY; VINCENT, 1995). Consiste em classificar o obeto de acordo com a maioria dos votos de seus vizinhos mais próximos. Mais precisamente, uma métrica de distância é calculada entre cada item do grupo de teste e os elementos de treino. A classe mais comum nos k vizinhos mais próximos (k é um parâmetro inteiro positivo, tipicamente pequeno) de cada item de teste é eleita como a classe desse item. Se k = 1, então a classe atribuída ao elemento é a classe do item mais parecido com ele. Contextualizando o algoritmo em nosso trabalho, a classe atribuída a uma nova patente pelo algoritmo knn será a classe mais freqüente nos k textos mais próximas a ela. Como descrito na seção anterior, o cosseno foi usado como métrica de distância entre textos. Dessa forma, para cada nova patente que deveria ser rotulada pelo sistema, foi calculado o cosseno com relação aos textos do conunto de treino. Os k documentos que maximizavam o valor do cosseno eram selecionados e a classe mais freqüente nesse subconunto era eleita como a classe da nova patente. Uma observação técnica importante é que o cálculo dos cossenos se resume a uma multiplicação do vetor representante do documento pela matriz de indexação dos textos do conunto de treino, uma operação eficiente em ambientes de programação paralela. BASE DE PATENTES Criou-se uma base de patentes com obetivo de verificar as teses propostas e criar um ambiente de referência para estudos posteriores.

6 Até o momento, a base possui 250 patentes, dispostas em 10 classes (Figura 2). Cada item coletado é composto da descrição da patente e da classe que foi atribuída a ela. Os dados selecionados são reais e fazem parte do acervo online do INPI. Figura 2: Análise da distribuição das patentes por classes na base de dados criada para experimentação. EXPERIMENTOS E RESULTADOS O ponto de partida da experimentação foi utilizar o modelo vetorial de representação de documentos para criar uma matriz de indexação a partir dos documentos da base de patentes descrita na seção anterior. Essa matriz, com linhas descrevendo documentos, colunas representando palavras e cada item de uma linha i e coluna sendo o número de ocorrências da palavra no documento i, serve como entrada para os algoritmos de classificação. Vale ressaltar que foram desconsideradas as stop-words, isto é, palavras pouco valor semântico (pronomes, preposições etc.). Em seguida foram realizados dois tipos de experimentos: primeiro, foram realizados testes para calibração dos parâmetros do algoritmo k Nearest Neighbor (knn). Para esse primeira parte utilizamos uma porção da base de patentes e calibramos o algoritmo para aprender a classificar corretamente essa porção. Em seguida, o algoritmo foi posto a prova, utilizando uma outra porção da base ainda não apresentada ao algoritmo. Nessa fase o obetivo foi testar o algoritmo em seu aprendizado, realizado na fase anterior. Nessa parte do experimento o algoritmo knn deveria classificar novas patentes a partir de uma base prérotulada por especialistas humanos,ou sea á conheciamos suas classes. A fase de calibração, a primeira, constituiu-se de utilizar 80% das patentes como conunto de treino do algoritmo e, a segunda fase, constituiu-se de realizar a categorização do conunto restante. Observou-se que o valor k = 1 elevou ao máximo a taxa de acerto (número de patentes classificadas corretamente). Nossa intenção, depois dessa segunda fase, foi comparar a quantidade de textos que o algoritmo knn seria capaz de rotular corretamente, em relação a um técnico humano, e em quanto tempo. Observou-se que a taxa de acerto alcançada foi de 70% em um tempo de 1.5 segundos. Isso implica em uma redução de 99,99% do tempo

7 consumido por um técnico humano médio para classificar a mesma quantidade de patentes (supondo que um técnico médio gasta 20 minutos para classificar corretamente uma patente). CONCLUSÃO Esse trabalho descreveu um estudo da aplicação do modelo vetorial de representação de documentos, em associação com o algoritmo knn, para o desenvolvimento de uma ferramenta computacional para auxílio do trabalho técnico de classificação de patentes. Experimentos realizados com uma base de patentes criada pelo grupo de pesquisa comprovaram a validade da proposta. O algoritmo descrito foi capaze de rotular corretamente 70% das patentes em um tempo de 1.5 segundos. Isso implica em uma redução de 99,99% do tempo gasto por um técnico médio para classificar a mesma quantidade de itens. Com isso, vemos que a utilização da tecnologia de Inteligência Artificial no auxílio ao trabalho técnico de classificação é uma proposta válida e com perspectivas positivas. Vale ressaltar que uma gama de algoritmos e tecnologias da área de recuperação da informação podem igualmente ser aplicadas para melhorar tanto a qualidade quanto a eficiência da classificação. NOTAS E REFERÊNCIAS SALTON, G.; WONG, A.; YANG, C. S. A vector space model for automatic indexing. Communications of the ACM, New York, ROUSSOPOULOS, N.; KELLEY, S.; VINCENT, F. Nearest neighbor queries. Proceedings of the 1995 ACM SIGMOD international conference on Management of data, New York, BAEZA-YATES, R. A.; RIBEIRO-NETO, B. Modern Information Retrieval. Addison-Wesley Longman Publishing Co., Inc., Boston, MA, 1999

Recuperação de Informação

Recuperação de Informação Recuperação de Informação Estrutura de Dados II Mariella Berger 1 Roteiro Tarefas de Recuperação de Informação Modelos de Recuperação de Documentos Modelo Booleano Modelo Espaço Vetorial Recuperação de

Leia mais

textos documentos semi-estruturado

textos documentos semi-estruturado 1 Mineração de Textos Os estudos em Aprendizado de Máquina normalmente trabalham com dados estruturados Entretanto, uma grande quantidade de informação é armazenada em textos, que são dados semiestruturados

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE DOCUMENTOS TEXTO USANDO MODELOS PROBABILISTICOS ESTENDIDOS

RECUPERAÇÃO DE DOCUMENTOS TEXTO USANDO MODELOS PROBABILISTICOS ESTENDIDOS ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 RECUPERAÇÃO DE DOCUMENTOS TEXTO USANDO MODELOS PROBABILISTICOS ESTENDIDOS Marcello Erick Bonfim 1

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA ANÁLISE DE AGENTES CLASSIFICADORES PARA CATEGORIZAÇÃO AUTOMÁTICA DE DOCUMENTOS DIGITAIS PROPOSTA DE TRABALHO

Leia mais

Organizaçãoe Recuperaçãode Informação GSI521. Prof. Dr. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU

Organizaçãoe Recuperaçãode Informação GSI521. Prof. Dr. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU Organizaçãoe Recuperaçãode Informação GSI521 Prof. Dr. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU Modelo Vetorial Organização e Recuperação de Informação(GSI521) Motivação Discutido nos seguintes trabalhos: K. Spark

Leia mais

Otimização de Recuperação de Informação usando Algoritmos Genéticos

Otimização de Recuperação de Informação usando Algoritmos Genéticos Otimização de Recuperação de Informação usando Algoritmos Genéticos Neide de Oliveira Gomes, M. Sc., nog@inpi.gov.br Prof. Marco Aurélio C. Pacheco, PhD Programa de Doutorado na área de Métodos de Apoio

Leia mais

ORI: Pontuação e o modelo de espaço vetorial

ORI: Pontuação e o modelo de espaço vetorial 1/1 ORI: Pontuação e o modelo de espaço vetorial Marcelo Keese Albertini Faculdade de Computação Universidade Federal de Uberlândia Índice 2/1 3/1 Veremos hoje Ordenando resultados de busca: importância

Leia mais

3 Estratégia para o enriquecimento de informações

3 Estratégia para o enriquecimento de informações 34 3 Estratégia para o enriquecimento de informações Podemos resumir o processo de enriquecimento de informações em duas grandes etapas, a saber, busca e incorporação de dados, como ilustrado na Figura

Leia mais

Organizaçãoe Recuperação de Informação GSI521. Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU

Organizaçãoe Recuperação de Informação GSI521. Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU Organizaçãoe Recuperação de Informação GSI521 Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU Introdução Organização e Recuperação de Informação(GSI521) Tópicos Recuperação de informação (RI); Breve histórico; O

Leia mais

Aprendizagem de Máquina

Aprendizagem de Máquina Aprendizagem de Máquina Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto Disciplina: Inteligência Artificial Tópicos 1. Definições 2. Tipos de aprendizagem 3. Paradigmas de aprendizagem 4. Modos de aprendizagem

Leia mais

1. LICENCIAMENTO 2. SUPORTE TÉCNICO

1. LICENCIAMENTO 2. SUPORTE TÉCNICO 1. LICENCIAMENTO 1.1. Todos os componentes da solução devem estar licenciados em nome da CONTRATANTE pelo período de 36 (trinta e seis) meses; 1.2. A solução deve prover suporte técnico 8 (oito) horas

Leia mais

Linear Solver Program - Manual do Usuário

Linear Solver Program - Manual do Usuário Linear Solver Program - Manual do Usuário Versão 1.11.0 Traduzido por: Angelo de Oliveira (angelo@unir.br/mrxyztplk@gmail.com) 1 Introdução Linear Program Solver (LiPS) é um pacote de otimização projetado

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PLANEJAMENTO DE PROCESSOS ASSISTIDO POR COMPUTADOR CAPP (COMPUTER AIDED PROCESS

Leia mais

1) Nome do Projeto Plano de Cargos, Carreira e Vencimentos do Município de Vitória

1) Nome do Projeto Plano de Cargos, Carreira e Vencimentos do Município de Vitória 1) Nome do Projeto Plano de Cargos, Carreira e Vencimentos do Município de Vitória 2) Caracterização da Situação Anterior O Plano de Cargos e Carreira é um estímulo para o servidor. O último plano de Cargos,

Leia mais

Aplicação de Ensembles de Classificadores na Detecção de Patologias na Coluna Vertebral

Aplicação de Ensembles de Classificadores na Detecção de Patologias na Coluna Vertebral Aplicação de Ensembles de Classificadores na Detecção de Patologias na Coluna Vertebral Hedenir M. Pinheiro Instituto de Informática Universidade Federal de Goiás (UFG) Caixa Postal 131 74001-970 Goiânia

Leia mais

O COMPORTAMENTO INFORMACIONAL E A APRENDIZAGEM NO ENSINO SUPERIOR

O COMPORTAMENTO INFORMACIONAL E A APRENDIZAGEM NO ENSINO SUPERIOR III SBA Simpósio Baiano de Arquivologia 26 a 28 de outubro de 2011 Salvador Bahia Políticas arquivísticas na Bahia e no Brasil O COMPORTAMENTO INFORMACIONAL E A APRENDIZAGEM NO ENSINO SUPERIOR Poline Fernandes

Leia mais

Figura 5.1.Modelo não linear de um neurônio j da camada k+1. Fonte: HAYKIN, 2001

Figura 5.1.Modelo não linear de um neurônio j da camada k+1. Fonte: HAYKIN, 2001 47 5 Redes Neurais O trabalho em redes neurais artificiais, usualmente denominadas redes neurais ou RNA, tem sido motivado desde o começo pelo reconhecimento de que o cérebro humano processa informações

Leia mais

Internet Avançada e Educação Matemática: novos desafios para o ensino e. aprendizagem on-line

Internet Avançada e Educação Matemática: novos desafios para o ensino e. aprendizagem on-line Internet Avançada e Educação Matemática: novos desafios para o ensino e aprendizagem on-line Marcelo de Carvalho Borba 1 (mborba@rc.unesp.br) Marcus Vinicius Maltempi 2 (maltempi@rc.unesp.br) Ana Paula

Leia mais

3 Metodologia da pesquisa

3 Metodologia da pesquisa 3 Metodologia da pesquisa Neste capítulo será abordada a caracterização da pesquisa abrangendo o tipo de pesquisa escolhido, critérios para seleção dos entrevistados, os procedimentos adotados para a coleta

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Conceitos básicos sobre E.S: Ambiência Caracterização do software Fases de desenvolvimento 1 Introdução Aspectos Introdutórios Crise do Software Definição de Engenharia do Software 2 Crise do Software

Leia mais

Gestão do capital intelectual por Eudes L. de Castro

Gestão do capital intelectual por Eudes L. de Castro Gestão das Informações Organizacionais105 capítulo 6 Gestão do capital intelectual por Eudes L. de Castro Objetivos Ao término deste capítulo o leitor deve estar capacitado a: a) - conceituar capital intelectual,

Leia mais

USO DOS SOFTWARES GEOGEBRA E WXMAXIMA: COMO RECURSO METODOLÓGICO NO ENSINO DE MATEMÁTICA

USO DOS SOFTWARES GEOGEBRA E WXMAXIMA: COMO RECURSO METODOLÓGICO NO ENSINO DE MATEMÁTICA USO DOS SOFTWARES GEOGEBRA E WXMAXIMA: COMO RECURSO METODOLÓGICO NO ENSINO DE MATEMÁTICA Fernanda Caroline de Alcântara da Costa 1 Universidade Federal do Pará Fernandalcantara01@yahoo.com.br Aldo Moreira

Leia mais

1. Introdução. Avaliação de Usabilidade Página 1

1. Introdução. Avaliação de Usabilidade Página 1 1. Introdução Avaliação de Usabilidade Página 1 Os procedimentos da Avaliação Heurística correspondem às quatro fases abaixo e no final é apresentado como resultado, uma lista de problemas de usabilidade,

Leia mais

Relatório Trabalho Prático 2 : Colônia de Formigas para Otimização e Agrupamento

Relatório Trabalho Prático 2 : Colônia de Formigas para Otimização e Agrupamento Relatório Trabalho Prático 2 : Colônia de Formigas para Otimização e Agrupamento Ramon Pereira Lopes Rangel Silva Oliveira 31 de outubro de 2011 1 Introdução O presente documento refere-se ao relatório

Leia mais

Gerência de Projetos Prof. Késsia Rita da Costa Marchi 3ª Série kessia@unipar.br

Gerência de Projetos Prof. Késsia Rita da Costa Marchi 3ª Série kessia@unipar.br Gerência de Projetos Prof. Késsia Rita da Costa Marchi 3ª Série kessia@unipar.br Motivações Gerenciamento de projetos, vem sendo desenvolvido como disciplina desde a década de 60; Nasceu na indústria bélica

Leia mais

E-learning para servidores públicos de nível médio

E-learning para servidores públicos de nível médio 554.ART 04 24.06.05 19:13 Page 113 E-Learning para servidores públicos de nível médio E-learning para servidores públicos de nível médio Silvio Miyazaki* Marcelo Amaral Gonçalves de Mendonça** RESUMO Analisar

Leia mais

Medindo a Produtividade do Desenvolvimento de Aplicativos

Medindo a Produtividade do Desenvolvimento de Aplicativos Medindo a Produtividade do Desenvolvimento de Aplicativos Por Allan J. Albrecht Proc. Joint SHARE/GUIDE/IBM Application Development Symposium (October, 1979), 83-92 IBM Corporation, White Plains, New York

Leia mais

Distribuição de Frequência

Distribuição de Frequência Distribuição de Frequência Tabela de requências Tabela de classiicação simples Tabela de classiicação cruzada Representação gráica Histograma Polígono de requências Distribuição de requências e gráicos

Leia mais

Exercícios Teóricos Resolvidos

Exercícios Teóricos Resolvidos Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Matemática Exercícios Teóricos Resolvidos O propósito deste texto é tentar mostrar aos alunos várias maneiras de raciocinar

Leia mais

A TEORIA DOS GRAFOS NA ANÁLISE DO FLUXOGRAMA DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DA UFF

A TEORIA DOS GRAFOS NA ANÁLISE DO FLUXOGRAMA DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DA UFF RELATÓRIOS DE PESQUISA EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO, v.13, Série B. n.3, p. 20-33. A TEORIA DOS GRAFOS NA ANÁLISE DO FLUXOGRAMA DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DA UFF Pedro Henrique Drummond Pecly Universidade

Leia mais

Ministério do Trabalho e Emprego FUNDACENTRO. Trabalho e Inovação

Ministério do Trabalho e Emprego FUNDACENTRO. Trabalho e Inovação Trabalho e Inovação Ministério do Trabalho e Emprego Depois de um período de incentivos à formação de profissionais pós-graduados no país e no exterior, a adesão ao tratado das patentes exigiu a orientação

Leia mais

Modelos Pioneiros de Aprendizado

Modelos Pioneiros de Aprendizado Modelos Pioneiros de Aprendizado Conteúdo 1. Hebb... 2 2. Perceptron... 5 2.1. Perceptron Simples para Classificaçãod e Padrões... 6 2.2. Exemplo de Aplicação e Motivação Geométrica... 9 2.3. Perceptron

Leia mais

EDITAL Nº 429 de 29/07/2015

EDITAL Nº 429 de 29/07/2015 EDITAL Nº 429 de 29/07/2015 O Reitor em exercício do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo, no uso de suas atribuições legais, torna público o processo de seleção de invenções

Leia mais

RQ Edição Fevereiro 2014

RQ Edição Fevereiro 2014 RQ Edição Fevereiro 2014 18. Um noivo foi postar os convites de casamento nos Correios. Durante a pesagem das cartas, percebeu que todas tinham 0,045 kg, exceto uma, de 0,105 kg. Em um primeiro instante,

Leia mais

Soluções via.net para otimização de processos paramétricos com Autodesk Inventor.

Soluções via.net para otimização de processos paramétricos com Autodesk Inventor. Soluções via.net para otimização de processos paramétricos com Autodesk Inventor. Michel Brites dos Santos MAPData A parametrização quando possível já é uma forma de otimizar o processo de criação na engenharia.

Leia mais

RGF SISTEMAS DE INFORMÁTICA LTDA SISARQ SISTEMA DE CONTROLE DE ARQUIVO DESLIZANTE PARAÍSO DO TOCANTINS-TO

RGF SISTEMAS DE INFORMÁTICA LTDA SISARQ SISTEMA DE CONTROLE DE ARQUIVO DESLIZANTE PARAÍSO DO TOCANTINS-TO RGF SISTEMAS DE INFORMÁTICA LTDA SISARQ SISTEMA DE CONTROLE DE ARQUIVO DESLIZANTE PARAÍSO DO TOCANTINS-TO 2 SUMÁRIO LISTA DE FIGURAS... 3 1 ESTRUTURA DE ARQUIVOS DESLIZANTES... 5 1.1 Módulos... 8 1.2 Face...

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE SOFTWARES NA RESOLUÇÃO DE UM PROBLEMA DE PROGRAMAÇÃO LINEAR. Cintia da Silva Araújo, Tiago de Souza Marçal, Magda Aparecida Nogueira

UTILIZAÇÃO DE SOFTWARES NA RESOLUÇÃO DE UM PROBLEMA DE PROGRAMAÇÃO LINEAR. Cintia da Silva Araújo, Tiago de Souza Marçal, Magda Aparecida Nogueira UTILIZAÇÃO DE SOFTWARES NA RESOLUÇÃO DE UM PROBLEMA DE PROGRAMAÇÃO LINEAR Cintia da Silva Araújo, Tiago de Souza Marçal, Magda Aparecida Nogueira 1 Centro de Ciências Agrárias-Universidade Federal do Espírito

Leia mais

Descrição do processo de priorização para tomada de tempos: Pesquisa ação em uma empresa job shop de usinados aeronáuticos.

Descrição do processo de priorização para tomada de tempos: Pesquisa ação em uma empresa job shop de usinados aeronáuticos. Descrição do processo de priorização para tomada de tempos: Pesquisa ação em uma empresa job shop de usinados aeronáuticos. Tatiana Sakuyama Jorge Muniz Faculdade de Engenharia de Guaratingüetá - Unesp

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 GTM.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO XIII GRUPO DE ESTUDO DE TRANSFORMADORES, REATORES, MATERIAIS E TECNOLOGIAS

Leia mais

Autor: Patrícia Aparecida Proença 1 Orientador: Prof. Dr. Ilmério Reis da Silva 1 Co-Orientadora: Profª. Drª Celia A.

Autor: Patrícia Aparecida Proença 1 Orientador: Prof. Dr. Ilmério Reis da Silva 1 Co-Orientadora: Profª. Drª Celia A. UMA PROPOSTA DE MELHORIA NO PROCESSO DE RECUPERAÇÃO DE IMAGENS DIGITAIS COM BASE NA DISTRIBUIÇÃO DE CARACTERÍSTICAS DE BAIXO NÍVEL EM SEUS SEGMENTOS UTILIZANDO ÍNDICE INVERTIDO Autor: Patrícia Aparecida

Leia mais

I EDITAL I.1 OBJETIVO

I EDITAL I.1 OBJETIVO EDITAL PRÊMIO CAIXA DE PROJETOS INOVADORES COM APLICABILIDADE NA INDÚSTRIA METALÚRGICA, MECÂNICA, ELETRÔNICA, MATERIAIS ELÉTRICOS E CONSTRUÇÃO CIVIL I EDITAL O Sindimetal Sindicato das Indústrias Metalúrgicas,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO PROJETO BÁSICO CURSO DE APERFEIÇOAMENTO EM PRODUÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE CONTEÚDO NA EAD CURSO PARA DOCENTES DA UFOP

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO PROJETO BÁSICO CURSO DE APERFEIÇOAMENTO EM PRODUÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE CONTEÚDO NA EAD CURSO PARA DOCENTES DA UFOP UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO CENTRO DE EDUCAÇÃO ABERTA E A DISTANCIA PROJETO BÁSICO CURSO DE APERFEIÇOAMENTO EM PRODUÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE CONTEÚDO NA EAD CURSO PARA DOCENTES DA UFOP 2007 IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

ESTUDO DE CASO: LeCS: Ensino a Distância

ESTUDO DE CASO: LeCS: Ensino a Distância ESTUDO DE CASO: LeCS: Ensino a Distância HERMOSILLA, Lígia Docente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais de Garça FAEG - Labienópolis - CEP 17400-000 Garça (SP) Brasil Telefone (14) 3407-8000

Leia mais

III PRÊMIO DE INOVAÇÃO CIENTÍFICA DE VOLTA REDONDA INOVA VR 2012. EDITAL 2012

III PRÊMIO DE INOVAÇÃO CIENTÍFICA DE VOLTA REDONDA INOVA VR 2012. EDITAL 2012 III PRÊMIO DE INOVAÇÃO CIENTÍFICA DE VOLTA REDONDA INOVA VR 2012. EDITAL 2012 O Município de Volta Redonda, através da Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Turismo da Prefeitura Municipal de Volta

Leia mais

Serão aceitos trabalhos com no máximo oito integrantes, sendo o autor principal e o apresentador acadêmicos em exercício.

Serão aceitos trabalhos com no máximo oito integrantes, sendo o autor principal e o apresentador acadêmicos em exercício. NORMAS PARA INSCRIÇÃO Para submeter um trabalho é obrigatório que todos os seus autores, inclusive o(s) orientador(es), estejam inscritos no XXXVIII Congresso Médico Universitário do ABC (COMUABC) e que

Leia mais

IBM Unica Histórico da Interação Attribution Modeler Versão 1 Release 0 15 de maio de 2012. Tabelas de Sistema do

IBM Unica Histórico da Interação Attribution Modeler Versão 1 Release 0 15 de maio de 2012. Tabelas de Sistema do IBM Unica Histórico da Interação Attribution Modeler Versão 1 Release 0 15 de maio de 2012 Tabelas de Sistema do Observação Antes de usar estas informações e o produto por elas suportado, leia as informações

Leia mais

O PROCESSO DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DO CURSO ON-LINE CONTABILIDADE PARA PROFISSIONAIS NÃO CONTADORES

O PROCESSO DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DO CURSO ON-LINE CONTABILIDADE PARA PROFISSIONAIS NÃO CONTADORES 1 O PROCESSO DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DO CURSO ON-LINE CONTABILIDADE PARA PROFISSIONAIS NÃO CONTADORES 100-TC-B5 05/2005 Daniela Karine Ramos Ilog Tecnologia, dadaniela@gmail.com B - Conteúdos

Leia mais

Módulo 9 A Avaliação de Desempenho faz parte do subsistema de aplicação de recursos humanos.

Módulo 9 A Avaliação de Desempenho faz parte do subsistema de aplicação de recursos humanos. Módulo 9 A Avaliação de Desempenho faz parte do subsistema de aplicação de recursos humanos. 9.1 Explicações iniciais A avaliação é algo que faz parte de nossas vidas, mesmo antes de nascermos, se não

Leia mais

6. Resultados obtidos

6. Resultados obtidos 6. Resultados obtidos 6.1 O Balanced corecard final Utilizando a metodologia descrita no capítulo 5, foi desenvolvido o Balanced corecard da Calçados yrabel Ltda. Para facilitar o entendimento deste trabalho,

Leia mais

JESS Uma ferramenta para detecção de linguagem em textos

JESS Uma ferramenta para detecção de linguagem em textos UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ALINE GRACIELA LERMEN DOS SANTOS JESS Uma ferramenta para detecção de linguagem em textos Trabalho de Graduação.

Leia mais

Avaliação do uso do serviço de autoatendimento com tecnologia RFID na Biblioteca da Unesp - Câmpus de Rio Claro

Avaliação do uso do serviço de autoatendimento com tecnologia RFID na Biblioteca da Unesp - Câmpus de Rio Claro Powered by TCPDF (www.tcpdf.org) Avaliação do uso do serviço de autoatendimento com tecnologia RFID na Biblioteca da Unesp - Câmpus de Rio Claro Adriana Aparecida Puerta (UNESP) - dripuerta@yahoo.com.br

Leia mais

O ENSINO DE CÁLCULO NUMÉRICO: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

O ENSINO DE CÁLCULO NUMÉRICO: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO O ENSINO DE CÁLCULO NUMÉRICO: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Prof. Leugim Corteze Romio Universidade Regional Integrada URI Campus Santiago-RS leugimcr@urisantiago.br Prof.

Leia mais

Todos nossos cursos são preparados por mestres e profissionais reconhecidos no mercado, com larga e comprovada experiência em suas áreas de atuação.

Todos nossos cursos são preparados por mestres e profissionais reconhecidos no mercado, com larga e comprovada experiência em suas áreas de atuação. Curso Formação Efetiva de Analístas de Processos Curso Gerenciamento da Qualidade Curso Como implantar um sistema de Gestão de Qualidade ISO 9001 Formação Profissional em Auditoria de Qualidade 24 horas

Leia mais

Estudando estatística descritiva com auxílio do software Calc

Estudando estatística descritiva com auxílio do software Calc Estudando estatística descritiva com auxílio do software Calc Wagner Luis Cabral Martins Palavras-chave: Estatística descritiva. Software Calc. Recursos pedagógicos. As Tecnologias de Informação e Comunicação

Leia mais

Rua 3000, n.º 445 sala 01 (Ed. Solar Camila) Balneário Camboriú/SC.

Rua 3000, n.º 445 sala 01 (Ed. Solar Camila) Balneário Camboriú/SC. ARANCE ASSESSORIA IMOBILIÁRIA Através de experiências no mercado imobiliário percebemos a necessidade de mão de obra qualificada e específica para atender profissionalmente o segmento de locação de imóveis,

Leia mais

Planificação de. Aplicações Informáticas B

Planificação de. Aplicações Informáticas B Escola básica e secundária de Velas Planificação de Aplicações Informáticas B Ano letivo 2011/2012 1- Introdução à Programação Planificação de Aplicações Informáticas B Unidade Sub-Unidades Objetivos Conteúdos

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM MÉTODO PARA REFINAMENTO DE RESPOSTAS BASEADO EM RELEVANCE FEEDBACK PARA REFINAR CONSULTAS POR SIMILARIDADE

DESENVOLVIMENTO DE UM MÉTODO PARA REFINAMENTO DE RESPOSTAS BASEADO EM RELEVANCE FEEDBACK PARA REFINAR CONSULTAS POR SIMILARIDADE CONVÊNIOS CNPq/UFU & FAPEMIG/UFU Universidade Federal de Uberlândia Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação DIRETORIA DE PESQUISA COMISSÃO INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA 2008 UFU 30 anos DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Respostas do Estudo Dirigido do Capítulo 14 Classical pattern recognition and image matching"

Respostas do Estudo Dirigido do Capítulo 14 Classical pattern recognition and image matching Respostas do Estudo Dirigido do Capítulo 14 Classical pattern recognition and image matching" 1 Com suas palavras explique o que é Reconhecimento de Padrões- RP. Quais são os fases clássicas que compõem

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ INSTITUTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E GESTÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ INSTITUTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E GESTÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ INSTITUTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E GESTÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PÓS-INCUBAÇÃO DE EMPRESAS Conceituação e Estudos de Caso BRENO BASTOS MIGUEZ 15653 FERNANDA HELENA COSTA

Leia mais

Relatórios. Manual. Pergamum

Relatórios. Manual. Pergamum Relatórios Manual Pergamum Manual PER-MAN-005 Estatísticas Circulação de Materiais - Geral Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 1-4 1.1 PESQUISANDO ESTATÍSITICAS E RELATÓRIOS... 1-10 1.2 UTILIZANDO O MÓDULO RELATÓRIOS...

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DOS PILARES DA MPT NO DESEMPENHO OPERACIONAL EM UM CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DE COSMÉTICOS. XV INIC / XI EPG - UNIVAP 2011

IMPLANTAÇÃO DOS PILARES DA MPT NO DESEMPENHO OPERACIONAL EM UM CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DE COSMÉTICOS. XV INIC / XI EPG - UNIVAP 2011 IMPLANTAÇÃO DOS PILARES DA MPT NO DESEMPENHO OPERACIONAL EM UM CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DE COSMÉTICOS. XV INIC / XI EPG - UNIVAP 2011 Rogério Carlos Tavares 1, José Luis Gomes da Silva² 1 Universidade de

Leia mais

Problema de Otimização Combinatória

Problema de Otimização Combinatória Problema de Otimização Combinatória Otimização é o processo de encontrar e comparar soluções factíveis até que nenhuma solução melhor possa ser encontrada. Essas soluções são ditas boas ou ruins em termos

Leia mais

1 INTRODUÇÃO 1.1 CONCEITO DE PARADIGMAS DE LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO PARADIGMAS DE LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO

1 INTRODUÇÃO 1.1 CONCEITO DE PARADIGMAS DE LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO PARADIGMAS DE LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO 1 INTRODUÇÃO 1.1 CONCEITO DE PARADIGMAS DE LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO Desde o seu surgimento, o manuseio da computação é baseado em linguagens de programação. Ela permite que sejam construídos aplicativos

Leia mais

TÉCNICAS DE ESTIMATIVAS DE CUSTOS ANÁLISE POR PONTOS DE FUNÇÃO. Alessandro Kotlinsky Deise Cechelero Jean Carlos Selzer. Resumo

TÉCNICAS DE ESTIMATIVAS DE CUSTOS ANÁLISE POR PONTOS DE FUNÇÃO. Alessandro Kotlinsky Deise Cechelero Jean Carlos Selzer. Resumo TÉCNICAS DE ESTIMATIVAS DE CUSTOS ANÁLISE POR PONTOS DE FUNÇÃO Alessandro Kotlinsky Deise Cechelero Jean Carlos Selzer Resumo Este artigo descreve os conceitos gerais relacionados a técnica de Análise

Leia mais

Documento Descritivo do Mecanismo de Busca. Preparação do Portal para indexação

Documento Descritivo do Mecanismo de Busca. Preparação do Portal para indexação Documento Descritivo do Mecanismo de Busca Este documento visa esclarecer as regras que serão executadas pelo mecanismo de busca para a recuperação de informações a partir de uma palavra e/ou expressão

Leia mais

Palavras-chave: Educação Especial; Educação Escolar Indígena; Censo Escolar

Palavras-chave: Educação Especial; Educação Escolar Indígena; Censo Escolar INTERFACE DA EDUCAÇÃO ESPECIAL NA EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA: ALGUMAS REFLEXÕES A PARTIR DO CENSO ESCOLAR SÁ, Michele Aparecida de¹ ¹Doutoranda em Educação Especial - UFSCar CIA, Fabiana² ²Professora Adjunta

Leia mais

UMA ABORDAGEM BASEADA EM MÉTRICAS DE REDES COMPLEXAS PARA O ESTABELECIMENTO DO GRAU DE INFLUÊNCIA DE TERMOS EM DOCUMENTOS

UMA ABORDAGEM BASEADA EM MÉTRICAS DE REDES COMPLEXAS PARA O ESTABELECIMENTO DO GRAU DE INFLUÊNCIA DE TERMOS EM DOCUMENTOS UMA ABORDAGEM BASEADA EM MÉTRICAS DE REDES COMPLEXAS PARA O ESTABELECIMENTO DO GRAU DE INFLUÊNCIA DE TERMOS EM DOCUMENTOS Wladmir Cardoso Brandão Fernando Silva Parreiras GT8 - INFORMAÇÃO E TECNOLOGIA

Leia mais

O COMPORTAMENTO DE CONSUMO VIRTUAL COMO EXPRESSÃO DA SUBJETIVIDADE NA CONTEMPORANEIDADE

O COMPORTAMENTO DE CONSUMO VIRTUAL COMO EXPRESSÃO DA SUBJETIVIDADE NA CONTEMPORANEIDADE 20 a 24 de outubro de 2008 O COMPORTAMENTO DE CONSUMO VIRTUAL COMO EXPRESSÃO DA SUBJETIVIDADE NA CONTEMPORANEIDADE Jaqueline Reinert Godoy 1, Gláucia Valéria Pinheiro de Brida 2 RESUMO: O consumo virtual

Leia mais

O modelo espaço de vetores. vetorial. Marcelo Keese Albertini. Faculdade de Computação - UFU. O modelo de espaço vetorial 1 / 25

O modelo espaço de vetores. vetorial. Marcelo Keese Albertini. Faculdade de Computação - UFU. O modelo de espaço vetorial 1 / 25 Recuperação de Informação: O modelo de espaço vetorial Marcelo Keese Albertini Faculdade de Computação - UFU O modelo de espaço vetorial 1 / 25 Veremos hoje Modelo de espaço de vetores: representação vetorial

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SALVADOR BA WALTER COSTA PORTO

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SALVADOR BA WALTER COSTA PORTO UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SALVADOR BA CONSULTA SOBRE A LEGALIDADE DE MATRICULA A PORTADORES DE DIPLOMAS DE NIVEL UNIVERSITÁRIO SEM EXIGÊNCIA DE NOVO CONCURSO VESTIBULAR WALTER COSTA PORTO 1 - RELATÓRIO

Leia mais

Interpolação de Curvas de Nível por Difusão de Calor

Interpolação de Curvas de Nível por Difusão de Calor Interpolação de Curvas de Nível por Difusão de Calor ROBERTO DE BEAUCLAIR SEIXAS LUIZ HENRIQUE DE FIGUEIREDO CLAUDIO ANTONIO DA SILVA IMPA Instituto de Matemática Pura e Aplicada VISGRAF Laboratório de

Leia mais

1º PRÊMIO DE CRIATIVIDADE E DESIGN MINIATURAS DA FATEC DE CALÇADOS FEMININOS COORDENAÇÃO DOS PROFESSORES: NOV/2011 REV. 01

1º PRÊMIO DE CRIATIVIDADE E DESIGN MINIATURAS DA FATEC DE CALÇADOS FEMININOS COORDENAÇÃO DOS PROFESSORES: NOV/2011 REV. 01 1º PRÊMIO DE CRIATIVIDADE E DESIGN MINIATURAS DA FATEC DE CALÇADOS FEMININOS COORDENAÇÃO DOS PROFESSORES: PROF. FRANCIENNE HERNANDES PROF. ESP. FLÁVIO C. VENTURA PROF. ME MARCOS BONIFÁCIO NOV/2011 REV.

Leia mais

4 Experimentos. 4.4 detalha os experimentos com os algoritmos V-Wrapper e NCE. 4.1

4 Experimentos. 4.4 detalha os experimentos com os algoritmos V-Wrapper e NCE. 4.1 4 Experimentos A estratégia V-Wrapper descrita por Zheng et. al (ZSW07), resumida no Capítulo 2, foi implementada com a finalidade de comparar um método baseado em atributos visuais com o algoritmo proposto

Leia mais

O modelo espaço de vetores. vetorial. Marcelo Keese Albertini. Faculdade de Computação - UFU 12/03/2013. O modelo de espaço vetorial 1 / 27

O modelo espaço de vetores. vetorial. Marcelo Keese Albertini. Faculdade de Computação - UFU 12/03/2013. O modelo de espaço vetorial 1 / 27 Recuperação de Informação: O modelo de espaço vetorial Marcelo Keese Albertini Faculdade de Computação - UFU 12/03/2013 O modelo de espaço vetorial 1 / 27 Veremos hoje Modelo de espaço de vetores: representação

Leia mais

COLETOR DE SEGURANÇA

COLETOR DE SEGURANÇA COLETOR DE SEGURANÇA 2 Resumo O Coletor de Segurança é a mais nova ferramenta utilizada pelas equipes de manutenção de vagões para registrar os desvios de segurança e meio ambiente no Máximo (Sistema de

Leia mais

ESTUDO DE VIABILIDADE. Santander, Victor - Unioeste Aula de Luiz Eduardo Guarino de Vasconcelos

ESTUDO DE VIABILIDADE. Santander, Victor - Unioeste Aula de Luiz Eduardo Guarino de Vasconcelos ESTUDO DE VIABILIDADE Santander, Victor - Unioeste Aula de Luiz Eduardo Guarino de Vasconcelos Objetivos O que é um estudo de viabilidade? O que estudar e concluir? Benefícios e custos Análise de Custo/Benefício

Leia mais

17/10/2012. dados? Processo. Doutorado em Engenharia de Produção Michel J. Anzanello. Doutorado EP - 2. Doutorado EP - 3.

17/10/2012. dados? Processo. Doutorado em Engenharia de Produção Michel J. Anzanello. Doutorado EP - 2. Doutorado EP - 3. Definição de Data Mining (DM) Mineração de Dados (Data Mining) Doutorado em Engenharia de Produção Michel J. Anzanello Processo de explorar grandes quantidades de dados à procura de padrões consistentes

Leia mais

4 Avaliação Econômica de Redes Legada e NGN

4 Avaliação Econômica de Redes Legada e NGN 4 Avaliação Econômica de Redes Legada e NGN A Cadeia de Valores é uma representação de uma cadeia industrial que auxilia as empresas a identificarem e a avaliarem suas fontes de vantagens competitivas

Leia mais

QUESTIONÁRIO PARA CONHECIMENTO DE INVENÇÃO

QUESTIONÁRIO PARA CONHECIMENTO DE INVENÇÃO QUESTIONÁRIO PARA CONHECIMENTO DE INVENÇÃO Dados referentes ao(s) inventor(es)/autor(es): Inventor responsável pelo preenchimento e envio* Nome: Unidade: E-mail: Data: Campos de preenchimento exclusivo

Leia mais

PROJETO DE LEI N o, DE 2008

PROJETO DE LEI N o, DE 2008 PROJETO DE LEI N o, DE 2008 (Da Sra. Professora Raquel Teixeira) Dispõe sobre a regulamentação do exercício da atividade de Psicopedagogia. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º É livre, em todo o território

Leia mais

PROCESSAMENTO TEXTUAL EM PÁGINAS DA WEB

PROCESSAMENTO TEXTUAL EM PÁGINAS DA WEB PROCESSAMENTO TEXTUAL EM PÁGINAS DA WEB Aluno: Pedro Lazéra Cardoso Orientador: Eduardo Sany Laber Antecedentes Na primeira fase da Iniciação Científica, o aluno deu continuidade ao projeto que estava

Leia mais

Anexo 2 Análise de clusters método K-means

Anexo 2 Análise de clusters método K-means Anexo 2 Análise de clusters método K-means 102/494 Análise de clusters método K-means A análise de cluster é uma técnica exploratória de análise multi-variada de dados que permite classificar um conjunto

Leia mais

Sistemas Operacionais. Curso Técnico Integrado Profa: Michelle Nery

Sistemas Operacionais. Curso Técnico Integrado Profa: Michelle Nery Sistemas Operacionais Curso Técnico Integrado Profa: Michelle Nery Conteúdo Programático CONTAS DE E GRUPOS DE O Microsoft Management Console - MMC Permissões de Segurança de um Console Contas de Usuários

Leia mais

Programação Inteira. Fernando Nogueira Programação Inteira 1

Programação Inteira. Fernando Nogueira Programação Inteira 1 Programação Inteira Fernando Nogueira Programação Inteira A Programação Inteira pode ser entendida como uma caso específico da Programação Linear, onde as variáveis devem ser inteiras (ou ao menos, parte

Leia mais

Instituto Superior Técnico Licenciatura em Engenharia Informática e de Computadores. Projecto de. Arquitectura de Computadores.

Instituto Superior Técnico Licenciatura em Engenharia Informática e de Computadores. Projecto de. Arquitectura de Computadores. Instituto Superior Técnico Licenciatura em Engenharia Informática e de Computadores Projecto de Arquitectura de Computadores Jogo dos Blocos (variante do Arkanoid) (Versão 1.0) 2008/2009 Índice 1 Objectivo...

Leia mais

FORMULÁRIO DE COMUNICAÇÃO DE INVENÇÃO DESCRIÇÃO DO INVENTO E AVALIAÇÃO DA ANTERIORIDADE

FORMULÁRIO DE COMUNICAÇÃO DE INVENÇÃO DESCRIÇÃO DO INVENTO E AVALIAÇÃO DA ANTERIORIDADE FORMULÁRIO DE COMUNICAÇÃO DE INVENÇÃO DESCRIÇÃO DO INVENTO E AVALIAÇÃO DA ANTERIORIDADE Nome: Unidade: Data: Código: Número do Processo: Inventor responsável pelo preenchimento e envio* Campos de preenchimento

Leia mais

7 Mudanças Realizadas

7 Mudanças Realizadas 7 Mudanças Realizadas Este capítulo tem o objetivo de detalhar as mudanças realizadas no ambiente de trabalho da equipe estudada. Ele cita as alterações no produto de software utilizado pela equipe, que

Leia mais

paradigma WBC Public - compra direta Guia do Fornecedor paradigma WBC Public v6.0 g1.0

paradigma WBC Public - compra direta Guia do Fornecedor paradigma WBC Public v6.0 g1.0 paradigma WBC Public - compra direta Guia do Fornecedor paradigma WBC Public v6.0 g1.0 agosto de 2007 As informações contidas neste documento, incluíndo quaisquer URLs e outras possíveis referências a

Leia mais

MATEMÁTICA E TECNOLOGIA: DESENVOLVENDO JOGOS ELETRÔNICOS UTILIZANDO O SCRATCH

MATEMÁTICA E TECNOLOGIA: DESENVOLVENDO JOGOS ELETRÔNICOS UTILIZANDO O SCRATCH MATEMÁTICA E TECNOLOGIA: DESENVOLVENDO JOGOS ELETRÔNICOS UTILIZANDO O SCRATCH Lucas Gabriel Seibert, Rodrigo Dalla Vecchia lucasseibert@hotmail.com, rodrigovecchia@gmail.com ULBRA, Brasil Palavras-chave:

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 0 2014 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL FUNDAÇÃO EDUCACIONAL CLAUDINO FRANCIO FACULDADE CENTRO MATO-GROSSENSE SORRISO/MT Portaria Nº 004/2015 Dispõe sobre Relatório Apresentado pela Comissão Própria

Leia mais

Título: Programa 5S s em uma Empresa Júnior: da melhoria do ambiente físico ao cuidado com as pessoas Categoria: Projeto Interno Temática: Qualidade

Título: Programa 5S s em uma Empresa Júnior: da melhoria do ambiente físico ao cuidado com as pessoas Categoria: Projeto Interno Temática: Qualidade Título: Programa 5S s em uma Empresa Júnior: da melhoria do ambiente físico ao cuidado com as pessoas Categoria: Projeto Interno Temática: Qualidade Resumo Manter um ambiente de trabalho adequado à realização

Leia mais

Clip-art Retrieval using Sketches PTDC/EIA-EIA/108077/2008

Clip-art Retrieval using Sketches PTDC/EIA-EIA/108077/2008 PROJECTOS DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO Clip-art Retrieval using Sketches PTDC/EIA-EIA/108077/2008 Deliverable: D1 - Clip-art Simplification Tool Task: T1 - Clip-art Simplification

Leia mais

TÍTULO: TRABALHANDO SISTEMAS LINEARES ATRAVÉS DE SITUAÇÕES PROBLEMA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: MATEMÁTICA

TÍTULO: TRABALHANDO SISTEMAS LINEARES ATRAVÉS DE SITUAÇÕES PROBLEMA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: MATEMÁTICA Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: TRABALHANDO SISTEMAS LINEARES ATRAVÉS DE SITUAÇÕES PROBLEMA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

AVALIAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Unidade III AVALIAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Walter Dominas Conteúdo da unidade III 1) Fixaçao dos Indices Padrões Elaboração dos índices padrões Comparação com os índices padrões 2) Análise

Leia mais

UFCD 8 Controlo e armazenagem de mercadorias Carga horária 50 horas ARMAZENAGEM DAS MERCADORIAS

UFCD 8 Controlo e armazenagem de mercadorias Carga horária 50 horas ARMAZENAGEM DAS MERCADORIAS ARMAZENAGEM DAS MERCADORIAS O que é a armazenagem? A armazenagem é constituída por um conjunto de funções: - de recepção, - descarga, - carregamento, matérias-primas, - arrumação produtos acabados ou semi-acabados

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS Pró-reitoria de Pesquisa e Pós-graduação EDITAL Nº 021/2013

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS Pró-reitoria de Pesquisa e Pós-graduação EDITAL Nº 021/2013 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS Próreitoria de Pesquisa e Pósgraduação EDITAL Nº 021/2013 EDITAL DO PROCESSO PÚBLICO PARA SELEÇÃO E ADMISSÃO DE NOVOS ALUNOS

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA. Projeto Integrado Multidisciplinar I e II

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA. Projeto Integrado Multidisciplinar I e II UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar I e II Manual de orientações - PIM Cursos superiores de Tecnologia em: Gestão Ambiental, Marketing, Processos Gerenciais

Leia mais

O PEDIDO DE PATENTE. São Paulo, 11 de Março de 2008. André Korottchenko de Oliveira Consultor da PROTEC

O PEDIDO DE PATENTE. São Paulo, 11 de Março de 2008. André Korottchenko de Oliveira Consultor da PROTEC O PEDIDO DE PATENTE São Paulo, 11 de Março de 2008 André Korottchenko de Oliveira Consultor da PROTEC 1 Pedido de patente de invenção Requerimento: Formulário 1.01 Comprovante da taxa correspondente O

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMAS DE COMPUTADOR DEDICADOS AO ENSINO DE LIBRAS DE FORMA LÚDICA E BASEADOS EM TÉCNICAS MULTIMÍDIA

DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMAS DE COMPUTADOR DEDICADOS AO ENSINO DE LIBRAS DE FORMA LÚDICA E BASEADOS EM TÉCNICAS MULTIMÍDIA DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMAS DE COMPUTADOR DEDICADOS AO ENSINO DE LIBRAS DE FORMA LÚDICA E BASEADOS EM TÉCNICAS MULTIMÍDIA BOTARO, Cássio Oliveira 1 ALMEIDA, Matheus Henrique Nascimento 2 CORRÊA, Gean

Leia mais

EDITAL N 024/2016 Referente ao Aviso N 032/2016, publicado no D.O.E. de 16/03/2016.

EDITAL N 024/2016 Referente ao Aviso N 032/2016, publicado no D.O.E. de 16/03/2016. EDITAL N 024/2016 Referente ao Aviso N 032/2016, publicado no D.O.E. de 16/03/2016. O REITOR DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA (UNEB), no uso de suas atribuições legais e regimentais, com fundamento na

Leia mais