MUDANÇAS NO MUNDO DO TRABALHO E SEUS IMPACTOS NO TRABALHO MASCULINO E FEMININO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MUDANÇAS NO MUNDO DO TRABALHO E SEUS IMPACTOS NO TRABALHO MASCULINO E FEMININO"

Transcrição

1 MUDANÇAS NO MUNDO DO TRABALHO E SEUS IMPACTOS NO TRABALHO MASCULINO E FEMININO Watfa Abou Chami Pereira PPGTE-Universidade Tecnológica Federal do Paraná Nilson Marcos Dias Garcia PPGTE/DAFIS-Universidade Tecnológica Federal do Paraná Nanci Stancki Silva PPGTE-Universidade Tecnológica Federal do Paraná Resumo Este artigo, resultante de pesquisa em andamento, procura analisar como as mudanças que têm ocorrido no mundo do trabalho nos últimos anos, seja por causa da transferência da dimensão coletiva do trabalho do sistema taylorista/fordista para a dimensão individual, presente na administração flexível, seja graças ao salto tecnológico representado pela robótica, pela automação e pela microeletrônica, têm afetado a trajetória e as decisões profissionais de homens e mulheres trabalhadores. Sob uma ótica das relações de gênero, analisa as implicações da divisão social e sexista do trabalho industrial e as perspectivas e limites das carreiras de homens e mulheres, mostrando que tem havido mudanças na ocupação de postos de trabalho tidos tradicionalmente como femininos e masculinos. Palavras-chave: Tecnologia e trabalho;trabalho masculino e feminino; Relações de gênero. Introdução Muitos fatores têm contribuído para a formação de um novo mundo do trabalho, seja ele industrial ou não. Mudanças na organização social e na organização produtiva delineiam um novo perfil desse universo que representa um paradoxo na vida do trabalhador: por um lado, representa o ápice do sonho de estar empregado e com a existência (ou subsistência?) garantida; por outro, representa a sujeição a um sistema que transforma o trabalhador em mais uma máquina criada para obter acumulação de capital. Desde que a microeletrônica, na segunda metade do século XX, passou a conectar e a integrar na máquina tarefas que eram antes separadas, associando funções de concepção e de execução, a eficiência na execução das tarefas foi gradativamente sendo substituída pela eficiência administrativa e de organização de trabalho. Esse quadro, que modifica o próprio conceito de posto de trabalho, implica a vinculação do operador à resolução dos problemas técnicos relativos ao processo produtivo e à garantia da qualidade dos produtos, o que resulta na convergência entre produção material, atividades de manutenção e controle de qualidade (SOARES, 1990). O controle do tempo e da produção em massa do processo produtivo taylorista/fordista, aos poucos, tem sendo substituído e/ou mesclado com a Administração Flexível e a Produção Enxuta do toyotismo, que se apresenta como um novo paradigma produtivo, e com uma nova forma de concepção de produção, mais flexível, caracterizando de maneira diferente a alienação do trabalho embutida no sistema de base fordista (ANTUNES, 1997). Essa nova organização do trabalho tem propiciado algumas questões para reflexão e discussão, dentre as

2 quais temos investigado aquelas que podem nos elucidar de que modo homens e mulheres estão sendo afetados por essas mudanças, principalmente no tocante ao trabalho tido tradicionalmente como feminino que passa a ser desempenhado por homens, assim como a análise da inserção, permanência e ascensão de homens e mulheres no mercado de trabalho nesse novo contexto. A mulher no contexto da industrialização: um pouco de história Modernamente, denomina-se gênero a forma de dar um caráter relacional aos estudos sobre homens e mulheres, significando que comportamentos masculinos e femininos não são determinados biologicamente, mas construções sociais, culturais e históricas e têm uma conotação de poder. O conceito de gênero se consolida para explicar as diferenças culturalmente construídas entre homens e mulheres. Desde a década de 1960, com a manifestação do movimento feminista, a mulher tem lutado pela garantia do direito à igualdade nas relações sociais, sejam manifestadas nas relações familiares, educacionais ou no trabalho. Essa luta tem conseguido resultados relevantes, sem, contudo, atingir patamares definitivos. A mulher continua reagindo à suposta inferioridade a ela atribuída, avançando muito na luta pelo exercício pleno de seus direitos, conseguindo resultados bastante significativos, sem, entretanto, alcançar a igualdade, principalmente de reconhecimento e remuneração, tão almejada. São ainda chamativas as discriminações sofridas pelas mulheres nas limitações de ingresso, permanência e ascensão no mercado de trabalho, nas diferenças salariais e na ocupação de cargos com poder de decisão. Apesar disso, segundo Hirata (2002), já se inicia uma relativa democratização de emprego de mulheres em posições qualificadas, mas que não apaga a divisão sexual do trabalho nem a divisão do poder e do saber, reforçando a idéia de que, assim como o gênero é uma construção social, cultural e histórica, a suposta incompetência feminina também é resultado de construção social (HIRATA, 2002). A realidade da mulher no mundo do trabalho reflete muito do que se construiu historicamente sobre ela, principalmente a simbologia e as representações construídas no processo educacional. Para Hirata, não se pode compreender a divisão sexual do trabalho profissional sem compreender a divisão sexual do trabalho doméstico e, para além dele, a divisão do poder e do saber. Destaca-se também a relevância das representações simbólicas, das instituições e linguagens construídas socialmente, que resultam em comportamentos e paradigmas pré-estabelecidos, entre eles os que se consideram válidos ou adequados à natureza masculina ou feminina. Esses modelos são aceitos socialmente e passam a ditar comportamentos que são reproduzidos por essa sociedade, através de referências sociais repassadas desde muito cedo e cristalizadas através dos processos de escolarização, ditando as regras válidas no mercado de trabalho para homens e mulheres, reforçando a divisão dos gêneros no mercado de trabalho. Impactos sociais do novo modelo de produção Algumas conseqüências da nova configuração da produção industrial, que substitui e/ou mescla práticas e concepções tayloristas/fordistas com aquelas características do toyotismo, em maior ou menor escala foram sentidas no mundo do trabalho, como alguma desestruturação do trabalho organizado, altos níveis de desemprego estrutural e

3 retrocesso da ação sindical. O individualismo exagerado encontrou um modo adequado para se desenvolver em meio a tanta negatividade, sendo o toyotismo ou o modelo japonês aquele que maior impacto tem causado, tanto pela revolução técnica que operou na indústria japonesa, quanto pela potencialidade de propagação que alguns dos pontos básicos têm demonstrado, expansão que hoje atinge escala mundial. Assim, à medida que as características do sistema técnico das empresas se alteraram, mudaram também as características do sistema social. Hoje, os papéis do trabalho são pouco definidos, requerem habilidades múltiplas, uma boa dose de autonomia e autocontrole e o desenvolvimento do conhecimento tácito. Este quadro está em consonância com a idéia de que o fundamental para a empresa atualmente é aumentar sua capacidade de aprendizagem para poder atuar num ambiente de alta turbulência (FLEURY, 1990). Em decorrência, houve uma significativa diminuição do contingente de trabalhadores na indústria tradicional, ao mesmo tempo em que houve uma larga expansão do trabalho assalariado, instalado no setor de serviços. Fora isso, o trabalho diversificou-se, inclusive pela incorporação do trabalho feminino no mundo do trabalho, pela expansão do trabalho parcial, temporário, precário, terceirizado, que marca a sociedade dual do capitalismo avançado. A incorporação das mulheres como força de trabalho não ocorreu só no setor têxtil, onde tradicionalmente foi expressiva a presença feminina, mas também em novos setores, como a indústria microeletrônica e a de serviços. Essa mudança na estrutura produtiva possibilitou, também, a ocupação do trabalho das mulheres em tempo parcial e em trabalho doméstico. Isso permite dizer, nas palavras de Antunes (1997), que esse contingente tem aumentado em praticamente todos os países e, apesar das diferenças nacionais, a presença feminina representa mais de 40% do total da força de trabalho em muitos países capitalistas avançados. Ainda segundo esse autor, a presença feminina no mundo do trabalho permite acrescentar que, se a consciência de classe é uma articulação complexa, comportando identidades e heterogeneidades no processo produtivo e na vida social, a contradição entre o indivíduo e sua classe, principalmente a que advém da relação entre classe e gênero também é, haja vista que hoje, a classe-que-vive-do-trabalho é tanto feminina quanto masculina. Esse novo quadro tem como característica, para Antunes (1997), a precariedade do emprego e da remuneração; a desregulamentação das condições de trabalho em relação às normas legais vigentes ou acordadas e a conseqüente regressão dos direitos sociais, bem como a ausência de proteção e expressão sindical, configurando uma tendência à individualização extrema da relação salarial (ANTUNES, 1997). Essas transformações afetam, além do mundo material concreto, o próprio trabalhador, como sua consciência, sua subjetividade e suas representações. Porém, o resultado de maior impacto dentre estas transformações é o desemprego estrutural. Ele surge em grande número de países na mesma proporção em que aumenta o subproletariado, o trabalho precário, excluindo os mais jovens e os mais velhos, fragmentando e tornando ainda mais complexa a classe trabalhadora (ANTUNES, 1997). Gorz (Apud Antunes, 1997) afirma que nos principais países industrializados da Europa Ocidental, os efetivos de trabalhadores ocupados na indústria representavam cerca de 40% da população ativa no começo dos anos 40. Sua proporção se situou próxima dos 30% no final do século XX e estima que, hoje, estejam por volta de 20 ou 25%.

4 Isso deixa clara a nítida tendência de redução do proletariado masculino fabril, industrial, manual, quer por causa da recessão econômica, quer por causa da automação, da robótica e da microeletrônica, quer pela incorporação de um contingente maior de mulheres no mercado de trabalho, ampliando a taxa de desemprego estrutural, exigindo que a sociedade moderna, que tem sofrido grandes mutações, rompa com os padrões de organização existentes e procure criar novos espaços que possibilite a construção de novos modelos de organização da produção e de trabalho. O novo perfil do mercado de trabalho: novas tendências do trabalho masculino? Depois da Segunda Grande Guerra, do advento do Feminismo e de avanços tecnológicos, apresentam-se novas configurações no mercado de trabalho, consubstanciadas nas indústrias de base microeletrônica. Aparecem mudanças relevantes no contexto do trabalho feminino, devido ao aumento do nível de escolaridade, à alta nos índices de participação da mulher no mercado de trabalho, mesmo nas funções tidas, historicamente, como funções tipicamente masculinas, ao aumento do número de mulheres em cargos com algum poder de mando e ao aumento das mulheres como chefes de família. Vários indicadores apontam para mudanças no mundo do trabalho, como aumento do percentual de mulheres em cargos de direção (9%), 18% em cargos de gerência e 28% como supervisoras, segundo pesquisa Perfil Social, Racial e de Gênero das 500 maiores empresas do Brasil e suas Ações Afirmativas, realizadas pelo Instituto Ethos em 2003, de acordo com a publicação da Folha de São Paulo (26/10/2004). Tal quadro não quer dizer que a situação feminina no mercado de trabalho esteja muito melhor. Quer dizer, apenas, que cresceu o índice de mulheres em postos mais qualificados e com algum poder de decisão, mas continuam encontrando dificuldade de ascensão na carreira. Esses dados, que apontam para um avanço, não indicam, entretanto, que o preconceito tenha acabado, haja vista que, quanto mais se avança na linha hierárquica, menos se verifica a presença das mulheres, ou seja, o exercício do poder nas empresas ainda é predominantemente masculino. As mudanças no mundo do trabalho atingem também as possibilidades de emprego para o homem, que vê diminuídos os postos de trabalho, graças à automação industrial e aos avanços da indústria da informação, além do aumento da própria participação da mulher no mercado de trabalho, que já ocupa, segundo dados do IBGE (PNADs/1995), um pouco mais de 40% da força de trabalho brasileira. Esse novo quadro submete o homem às novas condições, abrindo caminho para novos postos de trabalho no mercado informal e colocando-o em trabalhos antes tidos como tipicamente femininos e fazendo com que, na família, consoante com essa nova realidade, haja um aumento na participação masculina na redistribuição das tarefas domésticas. Graças a esses fatores, o mundo do trabalho e a divisão social do trabalho têm sofrido mudanças, induzindo o trabalhador a uma permanente adaptação decorrente da necessidade de solucionar os novos desafios que se apresentam. Dentre eles, destacam-se a redução dos postos de trabalho no setor industrial e a redução do número de novas oportunidades de trabalho, particularmente para homens com menor qualificação, o que tem ocorrido de forma sistemática, principalmente nos últimos 20 anos. Um dos aspectos que tem que ser levados em consideração é que, ao longo das últimas décadas, a taxa de

5 crescimento populacional no Brasil tem diminuído, ao mesmo tempo em que tem aumentado a expectativa de vida da população. Além de se casarem mais tarde, as mulheres têm tido menos filhos e mais escolaridade e, em função da diminuição do período dedicado ao cuidado com os filhos, elas passam a ter mais condições de concorrerem a um posto de trabalho no setor produtivo, que hoje, dada a automatização e a não necessidade do uso da força para operar as máquinas industriais, não lhe está vedado. Por outro lado, com a busca da flexibilização na demissão para diminuir custos das empresas, não apenas nos momentos de recessão econômica, mas também na implementação de novos procedimentos organizacionais, verificou-se expressiva redução de postos de trabalho assalariado nos anos 90, tanto no setor industrial quanto em empresas de grande porte de todas as atividades econômicas. Esse novo contexto não traz mudanças só para as mulheres no mundo do trabalho, mas afeta também, de modo substantivo, as circunstâncias para o trabalho masculino, pois, com o incremento da força de trabalho feminino, os critérios de contratação tendem a se elevar, fazendo com que o desemprego, fenômeno relativamente recente na economia brasileira, afete o mundo do trabalho, atingindo tanto homens quanto mulheres, em todas as faixas etárias e com os mais diversos graus de escolaridade. Se a inserção das mulheres no mercado de trabalho é uma barreira que deve ser vencida por estas em seu processo de emancipação social, a intensidade desse processo de inserção e as novas técnicas organizacionais acrescentam um elemento complicador ao mundo do trabalho: obriga o homem a partir para o mercado informal, a ficar em casa enquanto a mulher trabalha ou a ocupar postos de trabalho tradicionalmente considerados femininos, como cabeleireiros, costureiros de indústrias têxteis etc., embora sempre em empresas de pequeno porte, mais desprotegidas e com menor capacidade de ampliar suas atividades por causa das limitações de acesso ao crédito e de incorporação de novas tecnologias. Considerações finais A formação profissional de competência técnica para o exercício de profissões tradicionalmente consideradas masculinas leva à questão da divisão de trabalho e da identidade de gênero. É possível perceber a divisão insistente entre o que é considerado masculino ou feminino e a permanente associação da mulher à esfera privada e o homem à esfera pública. Parece ser difícil superar os diferentes valores sociais atribuídos à mulher e ao homem, criando as desigualdades de gênero no âmbito social, familiar e profissional. Espaços diferenciados de atuação para homens e mulheres acabam sendo demarcados mesmo que esse fato muitas vezes nem seja percebido. O homem também tem encontrado muitas dificuldades para se inserir e se manter no mercado de trabalho, dependendo do grau da sua escolaridade e experiência, forçando a sua criatividade e a sua natureza, levando-o a abrir novos caminhos de trabalho no setor de serviços ou aprendendo a aceitar tarefas tradicional e culturalmente consideradas femininas. As construções sociais e culturais demandam um tempo imprevisível para se modificarem e, sem dúvida, a escola tem um papel fundamental nesse processo. Mesmo que a escola reproduza, em algumas instâncias, o modelo capitalista e social, ela é uma das instâncias que podem contribuir para essa transformação, expondo e discutindo

6 essas construções e ajudando a lançar luzes sobre as causas de ainda ser tão profunda a divisão social do trabalho, analisando esses mecanismos e apontando possíveis soluções. Parece ser de bom alvitre que sejam experimentados novos modelos e caminhos alternativos para resolver crônicos problemas de concentração de renda, entre outros, além de se exercitar uma educação voltada para a alteridade, que possa contribuir para superar uma era pautada no individualismo e na divisão sexista e seja capaz de criar um modo de ser socialmente mais justo. Referências ANTUNES, Ricardo. Adeus ao Trabalho? Ensaio sobre as Metamorfoses e a Centralidade do Mundo do Trabalho. 4 a. Ed. São Paulo: Cortez, FLEURY, Afonso. Análise a Nível de Empresa dos Impactos da Automação sobre a Organização da Produção e do Trabalho. IN: Gestão da Empresa, Automação e Competitividade: novos padrões de organização e de relações do trabalhador. Afonso Fleury e outros: (org.) Rosa Maria Sales de Melo Soares. Brasília: IPEA/PLAN, Folha de São Paulo (Sinapse). Terça-feira, 26 de outubro de HIRATA, Helena. Nova Divisão Sexual do Trabalho? Um Olhar Voltado para a Empresa e a Sociedade. São Paulo: Boitempo Editorial, Tecnologia, Formação Profissional e Relações de Gênero no Trabalho. Revista Educação e Tecnologia. Curitiba, CEFET-PR. Volume VI, n o 1, MACHADO, Lucília Regina de Souza. Educação e Divisão Social do Trabalho: Contribuição para o Estudo do Ensino Técnico Industrial Brasileiro. 2 a. Ed. São Paulo: Autores Associados: Cortez, SOARES, Rosa Maria Sales de Melo. Gestão da Empresa, Padrões Tecnológicos e Trabalho. IN: Gestão da Empresa, Automação e Competitividade: novos padrões de organização e de relações do trabalhador. Afonso Fleury e outros: (org.) Rosa Maria Sales de Melo Soares. Brasília: IPEA/PLAN, 1990.

TEMA: A Mulher no Mercado de Trabalho em Goiás.

TEMA: A Mulher no Mercado de Trabalho em Goiás. TEMA: A Mulher no Mercado de Trabalho em Goiás. O Dia Internacional da Mulher, celebrado dia 8 de março, traz avanços do gênero feminino no mercado de trabalho formal. Segundo informações disponibilizadas

Leia mais

XIX QUALIEDUC EDUCAÇÃO PRESSENCIAL & A DISTÄNCIA

XIX QUALIEDUC EDUCAÇÃO PRESSENCIAL & A DISTÄNCIA XIX QUALIEDUC EDUCAÇÃO PRESSENCIAL & A DISTÄNCIA A APROPRIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS POR INVESTIDORES PRIVADOS SÃO INSTRUMENTOS QUE LEVAM A COMERCIALIZAÇÃO DO ENSINO? 1 MSc. EDUARDO GUERINI JULHO/2013

Leia mais

Aspectos culturais e relações de gênero 1

Aspectos culturais e relações de gênero 1 Aspectos culturais e relações de gênero 1 Objetivo da Aula A questão de gênero realiza-se culturalmente por ideologias que tomam formas específicas em cada momento histórico e, tais formas, estão associadas

Leia mais

Pesquisa. Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e. O setor privado de ensino sob um perspectiva de gênero.

Pesquisa. Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e. O setor privado de ensino sob um perspectiva de gênero. Pesquisa O setor privado de ensino sob um perspectiva de gênero. Introdução Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e políticas capazes de ampliar a inserção da mulher no mercado de trabalho.

Leia mais

I - A inserção dos trabalhadores negros nos mercados de trabalho metropolitanos entre 1998 e 2004

I - A inserção dos trabalhadores negros nos mercados de trabalho metropolitanos entre 1998 e 2004 DESIGUALDADE RACIAL EM MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS (ROTEIRO DE DIVULGAÇÃO) Embora a segregação racial esteja presente em várias manifestações e estruturas da sociedade brasileira, o mercado de

Leia mais

Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho não elimina desigualdades

Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho não elimina desigualdades A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DE PORTO ALEGRE NOS ANOS 2000 Boletim Especial: Dia Internacional das Mulheres MARÇO/2010 Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho

Leia mais

A DIVISÃO SEXUAL NO TRABALHO E A DESVALORIZAÇÃO DO TRABALHO FEMININO

A DIVISÃO SEXUAL NO TRABALHO E A DESVALORIZAÇÃO DO TRABALHO FEMININO A DIVISÃO SEXUAL NO TRABALHO E A DESVALORIZAÇÃO DO TRABALHO FEMININO Janaina Bezerra de Queiroz Universidade Estadual da Paraíba - UEPB Resumo No contexto histórico, a divisão sexual do trabalho é um fenômeno,

Leia mais

Mulher e trabalho: um debate necessário no contexto das políticas neoliberais

Mulher e trabalho: um debate necessário no contexto das políticas neoliberais Anais do I Simpósio sobre Estudos de Gênero e Políticas Públicas, ISSN 2177-8248 Universidade Estadual de Londrina, 24 e 25 de junho de 2010 GT 7. Gênero e Trabalho Coord. Anne Grace Gomes Mulher e trabalho:

Leia mais

Edição Nº. 1, Vol. 1, jan-jun. 2012.

Edição Nº. 1, Vol. 1, jan-jun. 2012. A DUPLA JORNADA DE TRABALHO: REFLEXÃO SOBRE O VÍNCULO DA MULHER COM O TRABALHO DOMÉSTICO EM CONTEXTO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE SOCIOLOGIA PARA O NÍVEL MÉDIO 1 Natalia Taiza Schmidt 2 RESUMO: O presente

Leia mais

Mídia, linguagem e educação

Mídia, linguagem e educação 21 3 22 Mídia, Linguagem e Conhecimento Segundo a UNESCO (1984) Das finalidades maiores da educação: Formar a criança capaz de refletir, criar e se expressar em todas as linguagens e usando todos os meios

Leia mais

Até agora discutimos as bases do capitalismo mundial. Nesta unidade vamos falar um pouco das particularidades do capitalismo no Brasil.

Até agora discutimos as bases do capitalismo mundial. Nesta unidade vamos falar um pouco das particularidades do capitalismo no Brasil. A FORMAÇÃO DA SOCIEDADE CAPITALISTA NO BRASIL Até agora discutimos as bases do capitalismo mundial. Nesta unidade vamos falar um pouco das particularidades do capitalismo no Brasil. A sociedade brasileira

Leia mais

Manutenção das desigualdades nas condições de inserção

Manutenção das desigualdades nas condições de inserção A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE MARÇO 2014 Manutenção das desigualdades nas condições de inserção De maneira geral, as mulheres enfrentam grandes dificuldades

Leia mais

Pesquisa. Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e. A mulher no setor privado de ensino em Caxias do Sul.

Pesquisa. Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e. A mulher no setor privado de ensino em Caxias do Sul. Pesquisa A mulher no setor privado de ensino em Caxias do Sul. Introdução Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e políticas capazes de ampliar a inserção da mulher no mercado de trabalho.

Leia mais

GESTÃO DO TRABALHO E TECNOLOGIA UM OLHAR A PARTIR DA DIVISÃO SEXUAL DO TRABALHO

GESTÃO DO TRABALHO E TECNOLOGIA UM OLHAR A PARTIR DA DIVISÃO SEXUAL DO TRABALHO GESTÃO DO TRABALHO E TECNOLOGIA UM OLHAR A PARTIR DA DIVISÃO SEXUAL DO TRABALHO Jacqueline Silva Figueiredo Pereira * Fernando Fidalgo ** RESUMO: Neste artigo, analisam-se os impactos das inovações tecnológicas,

Leia mais

MULHERES EM ASCENSÃO: ESTUDO COMPARATIVO DE TRAJETÓRIAS EDUCACIONAIS DE MULHERES NEGRAS E BRANCAS NA PÓS-GRADUAÇÃO DA UFF PINTO

MULHERES EM ASCENSÃO: ESTUDO COMPARATIVO DE TRAJETÓRIAS EDUCACIONAIS DE MULHERES NEGRAS E BRANCAS NA PÓS-GRADUAÇÃO DA UFF PINTO MULHERES EM ASCENSÃO: ESTUDO COMPARATIVO DE TRAJETÓRIAS EDUCACIONAIS DE MULHERES NEGRAS E BRANCAS NA PÓS-GRADUAÇÃO DA UFF PINTO, Giselle UFF giselleuff@yahoo.com.br GT: Afro-Brasileiros e Educação / n.21

Leia mais

Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades

Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades 1 Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades A Comissão Nacional da Questão da Mulher Trabalhadora da CUT existe desde 1986. Neste período houve muitos avanços na organização das

Leia mais

Seminário RMC e os desafios para o século XXI OBSERVATÓRIO DAS METRÓPOLES/UFPR

Seminário RMC e os desafios para o século XXI OBSERVATÓRIO DAS METRÓPOLES/UFPR Seminário RMC e os desafios para o século XXI OBSERVATÓRIO DAS METRÓPOLES/UFPR : mudanças na estrutura produtiva e no mercado de trabalho no período 1991/2010 Paulo Delgado Liana Carleial Curitiba, 17

Leia mais

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude.

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude. A MULHER NA ATIVIDADE AGRÍCOLA A Constituição Federal brasileira estabelece no caput do art. 5º, I, que homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações e reconhece no dispositivo 7º a igualdade de

Leia mais

PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO: O CASO DOS PROFESSORES SUBSTITUTOS DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Resumo

PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO: O CASO DOS PROFESSORES SUBSTITUTOS DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Resumo 1 PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO: O CASO DOS PROFESSORES SUBSTITUTOS DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Viviane Dias Uerj diasviviane01@hotmail.com Melissa Machado Uerj melissagmac@yahoo.com.br Resumo

Leia mais

Mudanças na forma de organização do trabalho

Mudanças na forma de organização do trabalho Mudanças na forma de organização do trabalho Jaqueline Lopes 1 Resumo: A importância de falar sobre as mudanças que vem ocorrendo ao longo dos séculos no mundo do trabalho, é que essas mudanças têm como

Leia mais

Revista África e Africanidades Ano 2 - n. 5 - Maio. 2009 - ISSN 1983-2354 www.africaeafricanidades.com

Revista África e Africanidades Ano 2 - n. 5 - Maio. 2009 - ISSN 1983-2354 www.africaeafricanidades.com Direitos Humanos A mulher negra brasileira Walkyria Chagas da Silva Santos Pós-graduanda em Direito do Estado pela Fundação Faculdade de Direito da Bahia - UFBA E-mail: kyriachagas@yahoo.com.br A articulação

Leia mais

Políticas laborais de igualdade de gênero: o Programa Pró-Equidade de Gênero no Brasil

Políticas laborais de igualdade de gênero: o Programa Pró-Equidade de Gênero no Brasil Políticas laborais de igualdade de gênero: o Programa Pró-Equidade de Gênero no Brasil Débora de Fina Gonzalez Introdução A consolidação da participação feminina no mercado de trabalho coloca em pauta

Leia mais

Aumento da participação de mulheres no mercado de trabalho: mudança ou reprodução da desigualdade?

Aumento da participação de mulheres no mercado de trabalho: mudança ou reprodução da desigualdade? Aumento da participação de mulheres no mercado de trabalho: mudança ou reprodução da desigualdade? Natália de Oliveira Fontoura * Roberto Gonzalez ** A taxa de participação mede a relação entre a população

Leia mais

OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2015

OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2015 OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2015 OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS E m comemoração ao 20 de novembro, consagrado como o Dia da Consciência Negra, o DIEESE

Leia mais

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais

Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa 2012: análise dos principais resultados de Santa Catarina

Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa 2012: análise dos principais resultados de Santa Catarina Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa 2012: análise dos principais resultados de Santa Catarina A 5ª edição do Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa é um dos produtos elaborados por meio

Leia mais

DESIGUALDADE RACIAL E FORMAÇÃO DE PROFESSORES: DESAFIOS A ENFRENTAR Ricardo de Souza Janoario UFRJ Rita de Cassia de Oliveira e Silva UFRJ

DESIGUALDADE RACIAL E FORMAÇÃO DE PROFESSORES: DESAFIOS A ENFRENTAR Ricardo de Souza Janoario UFRJ Rita de Cassia de Oliveira e Silva UFRJ 1 DES E PROFESSORES: DESAFIOS A ENFRENTAR Ricardo de Souza Janoario UFRJ Rita de Cassia de Oliveira e Silva UFRJ INTRODUÇÃO No Brasil, criou-se a ideologia da democracia racial para explicar que as oportunidades

Leia mais

Bibliografia: PONTES, BENEDITO RODRIGUES. Administração de cargos e salários 11. ed. São Paulo : LTR, 2005. Capítulo 17, p. 334 a 354.

Bibliografia: PONTES, BENEDITO RODRIGUES. Administração de cargos e salários 11. ed. São Paulo : LTR, 2005. Capítulo 17, p. 334 a 354. PLANEJAMENTO DE CARREIRA Bibliografia: PONTES, BENEDITO RODRIGUES. Administração de cargos e salários 11. ed. São Paulo : LTR, 2005. Capítulo 17, p. 334 a 354. CARREIRA Conceito: Podemos dizer que a carreira

Leia mais

na região metropolitana do Rio de Janeiro

na região metropolitana do Rio de Janeiro O PERFIL DOS JOVENS EMPREENDEDORES na região metropolitana do Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL MARÇO DE 2013 Nº21 PANORAMA GERAL Segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD/IBGE) de 2011,

Leia mais

Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres

Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres META 3 Eliminar as disparidades entre os sexos no ensino fundamental e médio, se possível, até 2005, e em todos os níveis de ensino, o mais

Leia mais

Sugestões para uma política de igualdade de oportunidades entre homens e mulheres no mundo do trabalho

Sugestões para uma política de igualdade de oportunidades entre homens e mulheres no mundo do trabalho Sugestões para uma política de igualdade de oportunidades entre homens e mulheres no mundo do trabalho Junho 2010 ISP Brasil A mulher trabalhadora e o mundo do trabalho: algumas considerações o trabalho

Leia mais

difusão de idéias UM MERCADO DE TRABALHO CADA VEZ MAIS FEMININO

difusão de idéias UM MERCADO DE TRABALHO CADA VEZ MAIS FEMININO Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias outubro/2007 página 1 UM MERCADO DE TRABALHO CADA VEZ MAIS FEMININO Maria Rosa Lombardi: Em geral, essa discriminação não é explícita, o que torna mais difícil

Leia mais

Crise, reestruturação e heterogeneidade no mercado de trabalho brasileiro. A importância das dimensões de idade, gênero e escolaridade.

Crise, reestruturação e heterogeneidade no mercado de trabalho brasileiro. A importância das dimensões de idade, gênero e escolaridade. XXVII Congreso de la Asociación Latinoamericana de Sociología. VIII Jornadas de Sociología de la Universidad de Buenos Aires. Asociación Latinoamericana de Sociología, Buenos Aires, 2009. Crise, reestruturação

Leia mais

Resgate histórico do processo de construção da Educação Profissional integrada ao Ensino Médio na modalidade de Educação de Jovens e Adultos (PROEJA)

Resgate histórico do processo de construção da Educação Profissional integrada ao Ensino Médio na modalidade de Educação de Jovens e Adultos (PROEJA) Resgate histórico do processo de construção da Educação Profissional integrada ao Ensino Médio na modalidade de Educação de Jovens e Adultos (PROEJA) Mário Lopes Amorim 1 Roberto Antonio Deitos 2 O presente

Leia mais

PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA UNIVERSIDADE PÚBLICA BRASILEIRA

PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA UNIVERSIDADE PÚBLICA BRASILEIRA PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA UNIVERSIDADE PÚBLICA BRASILEIRA Carlos Eduardo Queiroz Pessoa Bacharel em Filosofia e Direito; Mestrando em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Campina Grande

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS INSTITUTO DE FILOSOFIA, SOCIOLOGIA E POLÍTICA CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS PLANO DE ENSINO. Semestre Letivo 2015 2º

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS INSTITUTO DE FILOSOFIA, SOCIOLOGIA E POLÍTICA CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS PLANO DE ENSINO. Semestre Letivo 2015 2º Professor(es) UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS INSTITUTO DE FILOSOFIA, SOCIOLOGIA E POLÍTICA CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS PLANO DE ENSINO Ano Semestre Letivo 2015 2º 1. IDENTIFICAÇÃO: Código: 1.1. Disciplina:

Leia mais

DIMENSÕES DO DESEMPREGO E DA POBREZA NO BRASIL

DIMENSÕES DO DESEMPREGO E DA POBREZA NO BRASIL http:///br/traducoes.asp?ed=8&cod_artigo=140 Copyright, 2006. Todos os direitos são reservados.será permitida a reprodução integral ou parcial dos artigos, ocasião em que deverá ser observada a obrigatoriedade

Leia mais

A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2014

A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2014 A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Março de 2015 A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2014 Em 2014, a presença de

Leia mais

Gênero, ética e sentimentos: A resolução de conflitos no campo da educação

Gênero, ética e sentimentos: A resolução de conflitos no campo da educação PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Gênero, ética e sentimentos: A resolução de conflitos no campo da educação Valéria Amorim Arantes 1 Brigitte Ursula Stach Haertel

Leia mais

As relações de gênero entre os trabalhadores da área da saúde. Introdução

As relações de gênero entre os trabalhadores da área da saúde. Introdução A presença da mulher nos cuidados em saúde ST. 27 Elenice Pastore Luisa Dalla Rosa Universidade de Passo Fundo Palavras-Chave: Relações de gênero flexibilização do trabalho saúde As relações de gênero

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

TRABALHO COMO DIREITO

TRABALHO COMO DIREITO Av. Dr. Enéas de Carvalho Aguiar, 419 CEP: 05403-000 São Paulo SP Brasil TRABALHO COMO DIREITO () 04/12/2013 1 O direito ao trabalho no campo da Saúde Mental: desafio para a Reforma Psiquiátrica brasileira

Leia mais

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE NASCIMENTO, Elaine Cristina Universidade Tecnológica Federal do Paraná AMORIM, Mário

Leia mais

EDUCAÇÃO E QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL NO CONTEXTO DA GLOBALIZAÇÃO

EDUCAÇÃO E QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL NO CONTEXTO DA GLOBALIZAÇÃO EDUCAÇÃO E QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL NO CONTEXTO DA GLOBALIZAÇÃO Mônica Mota Tassigny Universidade de Fortaleza, Brasil As relações entre capitalismo, trabalho e educação têm sido objeto de consideração

Leia mais

A MULHER NO MERCADO DE TRABALHO. Key Words: woman, market of work, discrimination

A MULHER NO MERCADO DE TRABALHO. Key Words: woman, market of work, discrimination 1 A MULHER NO MERCADO DE TRABALHO Rosangela Saldanha Pereira * Danielle Almeida dos Santos ** Waleska Borges *** RESUMO O presente artigo examina as características da evolução da participação da mulher

Leia mais

A MULHER NO MERCADO DE TRABALHO PARANAENSE

A MULHER NO MERCADO DE TRABALHO PARANAENSE 1 Março 2008 A MULHER NO MERCADO DE TRABALHO PARANAENSE Ângela da Matta Silveira Martins * Esta nota técnica apresenta algumas considerações sobre a inserção da mão-de-obra feminina no mercado de trabalho

Leia mais

Desigualdade entre gêneros no mercado de trabalho: desafio para o sindicalismo

Desigualdade entre gêneros no mercado de trabalho: desafio para o sindicalismo Desigualdade entre gêneros no mercado de trabalho: desafio para o sindicalismo Lorena Ferraz C. Gonçalves 1 Para se tratar das desigualdades de gênero na esfera laboral é prudente considerar primeiro o

Leia mais

O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias

O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias Daiana de Aquino Hilario Machado * RESUMO: Neste artigo estaremos discutindo sobre as repercussões do envelhecimento

Leia mais

O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL

O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL Abril /2007 O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL A busca de alternativas para o desemprego tem encaminhado o debate sobre a estrutura e dinâmica

Leia mais

A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS

A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2013 A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS A sociedade brasileira comemora, no próximo dia 20 de novembro, o Dia da

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher Palácio do Planalto, 12 de março de 2003 Minha cara ministra Emília Fernandes, Minha cara companheira Benedita da

Leia mais

INCUBADORAS SOCIAIS UNIVERSITÁRIAS: A PROMOÇÃO DA ECONOMIA SOLIDÁRIA COM O FORTALECIMENTO DA EDUCAÇÃO POPULAR 1

INCUBADORAS SOCIAIS UNIVERSITÁRIAS: A PROMOÇÃO DA ECONOMIA SOLIDÁRIA COM O FORTALECIMENTO DA EDUCAÇÃO POPULAR 1 INCUBADORAS SOCIAIS UNIVERSITÁRIAS: A PROMOÇÃO DA ECONOMIA SOLIDÁRIA COM O FORTALECIMENTO DA EDUCAÇÃO POPULAR 1 Fabio Jardel Gaviraghi 2, Caroline Goerck 3, Walter Frantz 4. 1 Projeto de Pesquisa do Doutorado

Leia mais

CURSOS TECNOLÓGICOS EMERGÊNCIA DE UMA NOVA REGULAÇÃO

CURSOS TECNOLÓGICOS EMERGÊNCIA DE UMA NOVA REGULAÇÃO CURSOS TECNOLÓGICOS EMERGÊNCIA DE UMA NOVA REGULAÇÃO ACIOLI, Maria de Fátima da Costa Lippo - UFBA GT: Trabalho e Educação/n. 09 Agência Financiadora: não contou com financiamento 1 - Tempos e Movimentos

Leia mais

Estudos do Trabalho. Ano I Número 1-2007 Revista da RET Rede de Estudos do Trabalho www.estudosdotrabalho.org

Estudos do Trabalho. Ano I Número 1-2007 Revista da RET Rede de Estudos do Trabalho www.estudosdotrabalho.org Presença feminina no Mundo do Trabalho: História e Atualidade Reginaldo Guiraldelli 1 O presente ensaio tem a intenção de contextualizar a presença feminina no mundo do trabalho com vistas a compreender

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO NO SÉCULO XXI: o trabalho feminino nas empresas terceiras em Catalão (GO) 1.

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO NO SÉCULO XXI: o trabalho feminino nas empresas terceiras em Catalão (GO) 1. 1 A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO NO SÉCULO XXI: o trabalho feminino nas empresas terceiras em Catalão (GO) 1. 1. INTRODUÇÃO Laudicéia Lourenço de Araújo 2 Universidade Federal de Goiás Campus Catalão laudiceia.geografia@gmail.com

Leia mais

Liberdade+Autonomia. se constrói com Igualdade. snmt@cut.org.br http//:paridadeja.cut.org.br PARIDADE JÁ!

Liberdade+Autonomia. se constrói com Igualdade. snmt@cut.org.br http//:paridadeja.cut.org.br PARIDADE JÁ! Liberdade+Autonomia se constrói com Igualdade snmt@cut.org.br http//:paridadeja.cut.org.br PARIDADE JÁ! A história da CUT, desde a sua fundação, em 1983, é marcada pelo compromisso com a construção da

Leia mais

DESENVOLVIMENTO E DESIGUALDADES DE GÊNERO: As Transformações no Mercado de Trabalho de Pelotas e Rio Grande (RS)

DESENVOLVIMENTO E DESIGUALDADES DE GÊNERO: As Transformações no Mercado de Trabalho de Pelotas e Rio Grande (RS) DESENVOLVIMENTO E DESIGUALDADES DE GÊNERO: As Transformações no Mercado de Trabalho de Pelotas e Rio Grande (RS) 1. Introdução O presente artigo tem como objetivo analisar e discutir a conformação das

Leia mais

Universidade: Universo desigual

Universidade: Universo desigual 1 POLÍTICAS AFIRMATIVAS EM MATO GROSSO: EM QUESTÃO O PROJETO POLÍTICAS DA COR NA UFMT SOUZA, Elaine Martins da Silva UFMT ses_martins@yahoo.com.br GT-21: Afro-Brasileiros e Educação Agência Financiadora:

Leia mais

RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28

RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 no Estado do Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 PANORAMA GERAL Na última década, o Brasil passou por profundas mudanças

Leia mais

Contribuição sobre Economia solidária para o Grupo de Alternativas econômicas Latino-Americano da Marcha Mundial das Mulheres Isolda Dantas 1

Contribuição sobre Economia solidária para o Grupo de Alternativas econômicas Latino-Americano da Marcha Mundial das Mulheres Isolda Dantas 1 Contribuição sobre Economia solidária para o Grupo de Alternativas econômicas Latino-Americano da Marcha Mundial das Mulheres Isolda Dantas 1 Economia solidária: Uma ferramenta para construção do feminismo

Leia mais

Gênero e trabalho na terceira idade

Gênero e trabalho na terceira idade 97 Gênero e trabalho na terceira idade Norma Herminia Kreling* Com as transformações demográficas ocorridas nos últimos anos, o envelhecimento populacional deixa de ser um fenômeno restrito aos países

Leia mais

Nome: n o : Geografia. Exercícios de recuperação

Nome: n o : Geografia. Exercícios de recuperação Nome: n o : Ensino: Fundamental Ano: 7 o Turma: Data: Professor(a): Maria Silvia Geografia Exercícios de recuperação 1) Para a geografia, qual é o conceito de região? 2) Entre os aspectos utilizados para

Leia mais

OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES POPULARES

OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES POPULARES COMO CITAR ESTE TEXTO: Formato Documento Eletrônico (ISO) NASCIMENTO, Alexandre do. Os Cursos Pré-Vestibulares Populares. [Acesso em dd/mm/aaaa]. Disponível em http://www.alexandrenascimento.com. OS CURSOS

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

O Papel da Mulher na Gestão Pública

O Papel da Mulher na Gestão Pública O Papel da Mulher na Gestão Pública A linha divisória entre o mundo particular da família onde ficavam as mulheres, e o mundo público do trabalho e sucesso profissional, onde estavam os homens, está cada

Leia mais

O TRABALHADOR E A INSERÇÃO OCUPACIONAL NA CONSTRUÇÃO E SUAS DIVISÕES

O TRABALHADOR E A INSERÇÃO OCUPACIONAL NA CONSTRUÇÃO E SUAS DIVISÕES Outubro 2012 Nº 7 O TRABALHADOR E A INSERÇÃO OCUPACIONAL NA CONSTRUÇÃO E SUAS DIVISÕES A Construção ocupa um contingente crescente de trabalhadores e pode ser apontada como um dos responsáveis pelo dinamismo

Leia mais

A questão do trabalho infantil no mercado de trabalho: um estudo da oferta de trabalho na década de 1990*

A questão do trabalho infantil no mercado de trabalho: um estudo da oferta de trabalho na década de 1990* A questão do trabalho infantil no mercado de trabalho: um estudo da oferta de trabalho na década de 1990* Rafael Loures Ogg¹ Cleise Maria de Almeida Tupich Hilgemberg² Palavras-chave: Violação; Criança;

Leia mais

MIGUEL, L. F.; BIROLLI, F. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014

MIGUEL, L. F.; BIROLLI, F. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014 MIGUEL, L. F.; BIROLLI, F. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014 Karen Capelesso 4 O livro Feminismo e política: uma introdução, de Luis Felipe Miguel e Flávia Biroli, se vincula

Leia mais

A QUALIFICAÇÃO NO NOVO CONTEXTO DA AUTOMAÇÃO E FLEXIBILIZAÇÃO DO TRABALHO: UM ESTUDO NO SETOR BANCÁRIO

A QUALIFICAÇÃO NO NOVO CONTEXTO DA AUTOMAÇÃO E FLEXIBILIZAÇÃO DO TRABALHO: UM ESTUDO NO SETOR BANCÁRIO A QUALIFICAÇÃO NO NOVO CONTEXTO DA AUTOMAÇÃO E FLEXIBILIZAÇÃO DO TRABALHO: UM ESTUDO NO SETOR BANCÁRIO ALVES, Ana Elizabeth Santos (UESB/UFBA) GT: Trabalho e Educação 1 A Qualificação frente ao atual processo

Leia mais

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

A QUESTÃO DA POBREZA NA SOCIEDADE DE CLASSES E SEU ACIRRAMENTO NO NEOLIBERALISMO

A QUESTÃO DA POBREZA NA SOCIEDADE DE CLASSES E SEU ACIRRAMENTO NO NEOLIBERALISMO A QUESTÃO DA POBREZA NA SOCIEDADE DE CLASSES E SEU ACIRRAMENTO NO NEOLIBERALISMO Maria Cristina de Souza ¹ Possui graduação em Serviço Social pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas -PUCCAMP(1988),

Leia mais

EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO INTEGRAL DA CRIANÇA NA PRIMEIRA INFÂNCIA: O CAMPO DAS RESPONSABILIDADES

EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO INTEGRAL DA CRIANÇA NA PRIMEIRA INFÂNCIA: O CAMPO DAS RESPONSABILIDADES EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO INTEGRAL DA CRIANÇA NA PRIMEIRA INFÂNCIA: O CAMPO DAS RESPONSABILIDADES Ao longo de muitos séculos, a educação de crianças pequenas foi entendida como atividade de responsabilidade

Leia mais

Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez, 1992.

Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez, 1992. METODOLOGIA DO ENSINO DE EDUCAÇÃO FÍSICA. Aline Fabiane Barbieri Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez,

Leia mais

AS CONDICIONALIDADES DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA SOB UMA PERSPECTIVA DE GÊNERO.

AS CONDICIONALIDADES DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA SOB UMA PERSPECTIVA DE GÊNERO. AS CONDICIONALIDADES DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA SOB UMA PERSPECTIVA DE GÊNERO. Lina Penati Ferreira 1 - li.penati@hotmail.com Universidade Estadual de Londrina GT 8- As interface entre teoria democrática,

Leia mais

TRABALHO FEMININO NA AMAZÔNIA: REFLEXÕES TÉORICAS SOBRE DESIGUALDADES DE GÊNERO NO EMPREGO FORMAL

TRABALHO FEMININO NA AMAZÔNIA: REFLEXÕES TÉORICAS SOBRE DESIGUALDADES DE GÊNERO NO EMPREGO FORMAL TRABALHO FEMININO NA AMAZÔNIA: REFLEXÕES TÉORICAS SOBRE DESIGUALDADES DE GÊNERO NO EMPREGO FORMAL Larissa Ribeiro Wanzeller 1 RESUMO Este artigo é uma reflexão sobre os fundamentos teóricos que cercam

Leia mais

As trabalhadoras informais da região central de Florianópolis/SC: os impactos da reestruturação produtiva nas relações de trabalho

As trabalhadoras informais da região central de Florianópolis/SC: os impactos da reestruturação produtiva nas relações de trabalho As trabalhadoras informais da região central de Florianópolis/SC: os impactos da reestruturação produtiva nas relações de trabalho Sonia Aparecida da Silva de Souza Liliane Moser Resumo: O presente trabalho

Leia mais

Déficits de trabalho decente no Brasil

Déficits de trabalho decente no Brasil 4 41 2 Déficits de trabalho decente no Brasil 42 CEPAL PNUD OIT Capítulo 2 43 Déficits de trabalho decente no Brasil 1 Introdução Para mensurar desenvolvimento humano já há um conjunto consagrado e sintético

Leia mais

PALAVRA DO PRESIDENTE

PALAVRA DO PRESIDENTE PALAVRA DO PRESIDENTE A Confederação Nacional dos Trabalhadores na Indústria CNTI por meio da Secretaria para Assuntos do Trabalho da Mulher, do Idoso e da Juventude, dando seguimento ao nosso trabalho

Leia mais

Economista pela UFU e mestra em economia pela UFPE.

Economista pela UFU e mestra em economia pela UFPE. O Trabalho Autônomo e a Política de Inclusão Previdenciária dos Microempreendedores Individuais MEI 1 Juliana Bacelar de Araújo Milena A. P. Prado Introdução O desenvolvimento econômico brasileiro notabilizou-se

Leia mais

8 DE MARÇO Uma história de lutas e conquistas

8 DE MARÇO Uma história de lutas e conquistas 8 DE MARÇO Uma história de lutas e conquistas A proposta de criar uma data internacional para celebrar as lutas e as conquistas das mulheres foi apresentada por Clara Zetkin, em 1910, na 2ª Conferência

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE NÚCLEO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA OBSERVATÓRIO RH NESC/UFRN

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE NÚCLEO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA OBSERVATÓRIO RH NESC/UFRN UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE NÚCLEO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA OBSERVATÓRIO RH NESC/UFRN PESQUISA INTEGRANTE DO PLANO DIRETOR 2004/2005 ROREHS/MS/OPAS DINÂMICA

Leia mais

Dinamismo do mercado de trabalho eleva a formalização das relações de trabalho de homens e mulheres, mas a desigualdade persiste

Dinamismo do mercado de trabalho eleva a formalização das relações de trabalho de homens e mulheres, mas a desigualdade persiste Dinamismo do mercado de trabalho eleva a formalização das relações de trabalho de homens e mulheres, mas a desigualdade persiste Introdução De maneira geral, as mulheres enfrentam grandes dificuldades

Leia mais

O Processo De Melhoria Contínua

O Processo De Melhoria Contínua O Processo De Melhoria Contínua Não existe mais dúvida para ninguém que a abertura dos mercados e a consciência da importância da preservação do meio ambiente e a se transformaram em competitividade para

Leia mais

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O TRABALHO DO TUTOR COMO MEDIADOR DO CONHECIMENTO SOEK, Ana Maria (asoek@bol.com.br) Universidade Federal do Paraná (UFPR) - Brasil HARACEMIV,

Leia mais

EFEITOS DA POPULAÇÃO ECONOMICAMENTE ATIVA SOBRE A TAXA DE DESEMPREGO

EFEITOS DA POPULAÇÃO ECONOMICAMENTE ATIVA SOBRE A TAXA DE DESEMPREGO NOTA TÉCNICA EFEITOS DA POPULAÇÃO ECONOMICAMENTE ATIVA SOBRE A TAXA DE DESEMPREGO Maria Andréia Parente Lameiras* 1 INTRODUÇÃO Ao longo da última década, o mercado de trabalho no Brasil vem apresentando

Leia mais

FORDISMO AO TOYOTISMO

FORDISMO AO TOYOTISMO O PROCESSO DE TERCEIRIZAÇÃO E AS MULHERES DE MEIA IDADE NA CIDADE DE PARANAVAÍ-PR: TRABALHO FLEXÍVEL E SETOR TÊXTIL Wesley Silva Bandeira 1 Dr. Renan Araújo Hugo Ubaldo De Souza Resumo Considerando as

Leia mais

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa 1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa A motivação, satisfação e insatisfação no trabalho têm sido alvo de estudos e pesquisas de teóricos das mais variadas correntes ao longo do século XX. Saber o que

Leia mais

REPRESENTAÇÕES DE GÊNERO, TRABALHO E FAMÍLIA NAS IMAGENS DE LIVROS DIDÁTICOS DE CIÊNCIAS

REPRESENTAÇÕES DE GÊNERO, TRABALHO E FAMÍLIA NAS IMAGENS DE LIVROS DIDÁTICOS DE CIÊNCIAS REPRESENTAÇÕES DE GÊNERO, TRABALHO E FAMÍLIA NAS IMAGENS DE LIVROS DIDÁTICOS DE CIÊNCIAS Zaida Barros Dias 1 Este texto tem como objetivo analisar as representações de gênero, trabalho e família nas imagens

Leia mais

Resenha. De forma sintética e competente, faz uma reconstituição histórica desde os processos de colonização que marcaram as sociedades latino-

Resenha. De forma sintética e competente, faz uma reconstituição histórica desde os processos de colonização que marcaram as sociedades latino- Revista Latino-americana de Estudos do Trabalho, Ano 17, nº 28, 2012, 229-233 Resenha O Continente do Labor, de Ricardo Antunes (São Paulo, Boitempo, 2011) Graça Druck A iniciativa de Ricardo Antunes de

Leia mais

O currículo na Educação Infantil: uma análise teórica

O currículo na Educação Infantil: uma análise teórica Resumo O presente artigo faz uma análise teórica acerca do currículo e sua construção na Educação Infantil, discussão esta que tem como aporte teórico os estudos de Barbosa (2009), Oliveira (2011), Sacristán

Leia mais

Mulheres e homens em grupos ocupacionais homogêneos: elas tendem a ganhar menos!

Mulheres e homens em grupos ocupacionais homogêneos: elas tendem a ganhar menos! 1 Mulheres e homens em grupos ocupacionais homogêneos: elas tendem a ganhar menos! M esmo em um contexto de melhora geral do mercado de trabalho, a remuneração das mulheres continua a ser menor que a dos

Leia mais

POLÍTICAS PARA AS MULHERES, GÊNERO E SERVIÇO SOCIAL. Lourdes de Maria Leitão Nunes Rocha

POLÍTICAS PARA AS MULHERES, GÊNERO E SERVIÇO SOCIAL. Lourdes de Maria Leitão Nunes Rocha POLÍTICAS PARA AS MULHERES, GÊNERO E SERVIÇO SOCIAL Lourdes de Maria Leitão Nunes Rocha Relevância da reflexão sobre a profissão de assistente social sob a ótica das relações de gênero Veloso (2001) -

Leia mais

uma realidade de espoliação econômica e/ou ideológica. No mesmo patamar, em outros momentos, a negação da educação disseminada a todas as classes

uma realidade de espoliação econômica e/ou ideológica. No mesmo patamar, em outros momentos, a negação da educação disseminada a todas as classes 1 Introdução A ascensão do sistema capitalista forjou uma sociedade formatada e dividida pelo critério econômico. No centro das decisões econômicas, a classe proprietária de bens e posses, capaz de satisfazer

Leia mais

Adaptação Curricular e Projeto de Educação Inclusiva. 11/7/2009 Adaptações Curriculares - Prof. Dorival Rosa Brito

Adaptação Curricular e Projeto de Educação Inclusiva. 11/7/2009 Adaptações Curriculares - Prof. Dorival Rosa Brito Adaptação Curricular e Projeto de Educação Inclusiva 1 Abordagem tradicional -Focalização do aluno -Avaliação do aluno por especialistas -Resultados da avaliação traduzidos em diagnóstico/prescrição Abordagem

Leia mais

MIDIA E INCLUSÃO: RELATO DE EXPERIÊNCIAS DE UMA PESSOA COM DEFICIÊNCIA VISUAL RESUMO. Fabiana Fator Gouvêa Bonilha Rede Anhanguera de Comunicação

MIDIA E INCLUSÃO: RELATO DE EXPERIÊNCIAS DE UMA PESSOA COM DEFICIÊNCIA VISUAL RESUMO. Fabiana Fator Gouvêa Bonilha Rede Anhanguera de Comunicação MIDIA E INCLUSÃO: RELATO DE EXPERIÊNCIAS DE UMA PESSOA COM DEFICIÊNCIA VISUAL Fabiana Fator Gouvêa Bonilha Rede Anhanguera de Comunicação fabiana.ebraille@gmail.com RESUMO No presente trabalho, tenciona-se

Leia mais

A NECESSIDADE DA FORMAÇÃO ESPECÍFICA DOS PROFISSIONAIS QUE ATUAM NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Resumo

A NECESSIDADE DA FORMAÇÃO ESPECÍFICA DOS PROFISSIONAIS QUE ATUAM NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Resumo REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DA EDUVALE Publicação científica da Faculdade de Ciências Sociais aplicadas do Vale de São Lourenço- Jaciara/MT Ano III, Número 05, outubro de

Leia mais

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Novembro 2013 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO O mercado de trabalho em 2012 Dia Nacional da Consciência Negra A rota de redução de desigualdades na RMSP O crescimento

Leia mais

Gestão Escolar. Profª. Maria Aparecida Carvalho Alencar

Gestão Escolar. Profª. Maria Aparecida Carvalho Alencar Gestão Escolar Profª. Maria Aparecida Carvalho Alencar ACORDO DIDÁTICO Pontualidade; Assiduidade; Agilidade para se deslocar para as atividades de grupo; Cumprimento das tarefas/participação; Autonomia

Leia mais

O Mercado de Trabalho nas Atividades Culturais no Brasil, 1992-2001

O Mercado de Trabalho nas Atividades Culturais no Brasil, 1992-2001 1 Ministério da Cultura Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) Data de elaboração da ficha: Ago 2007 Dados das organizações: Nome: Ministério da Cultura (MinC) Endereço: Esplanada dos Ministérios,

Leia mais