A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA"

Transcrição

1 A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA

2 A escola católica será uma instituiçao com mística evangelizadora UMA ESCOLA A SERVIÇO DA PESSOA E ABERTA A TODOS UMA ESCOLA COM UM PROFUNDO COMPROMISO SOCIAL UMA ESCOLA DE HOJE ORIENTADA PARA O FUTURO

3 A escola católica só faz sentido se oferece uma educação atual de qualidade, manifesta claramente seu sentido eclesial e oferece os seus serviços no campo da educação e da cultura a fim de realizar a sua missão evangelizadora.

4 1. UMA ESCOLA A SERVIÇO DA PESSOA E ABERTA A TODOS Na escola católica, a ideia da educação integral origina-se de uma concepção da pessoa, da vida e do mundo coerente com a fé em Jesus Cristo, para que cada aluno se sinta objeto do amor de Deus através do amor que recebe dos outros.

5 1. UMA ESCOLA A SERVIÇO DA PESSOA E ABERTA A TODOS 1.1. Uma escola a serviço da pessoa A finalidade prioritária da escola é promover a educação integral de todos os seus alunos...

6 1. UMA ESCOLA A SERVIÇO DA PESSOA E ABERTA A TODOS 1.1. Uma escola a serviço da pessoa -reconhece e aceita a situação em que se encontra cada um dos jovens que são educados por ela; -orienta no exercício das diversas formas de inteligência, e particularmente a inteligência espiritual, que lhes permite ter aspirações profundas e íntimas, e anseia por uma visão da vida e da realidade que dá sentido à existência; -promove seu sentido de responsabilidade e os acompanha para que adotem uma atitude crítica e criativa perante a sociedade em que vivem;

7 1. UMA ESCOLA A SERVIÇO DA PESSOA E ABERTA A TODOS 1.1. Uma escola a serviço da pessoa -orienta no domínio do próprio corpo como meio de comunicação e instrumento privilegiado de experiências afetivas, e no conhecimento, no respeito e no uso da sua sexualidade; -Impulsiona a melhorar o seu ambiente social por meio de uma ação pessoal e solidária em face da construção de um mundo que irá fornecer a própria realização pessoal.

8 1. UMA ESCOLA A SERVIÇO DA PESSOA E ABERTA A TODOS 1.2. Uma escola atenta à diversidade A ajuda pessoal dos educadores a cada aluno, de acordo com as suas capacidades e sua dinâmica de crescimento e amadurecimento, é a condição básica de um serviço educativo de qualidade.

9 1. UMA ESCOLA A SERVIÇO DA PESSOA E ABERTA A TODOS 1.2. Uma escola atenta à diversidade -o trabalho da escola é planejado e realizado levando em conta as necessidades reais dos estudantes nas diversas fases do sistema educativo; -os funcionários da escola e os professores tenham adquirido a qualificação pedagógica adequada, adaptada à realidade sociocultural da própria comunidade educativa;

10 1. UMA ESCOLA A SERVIÇO DA PESSOA E ABERTA A TODOS 1.2. Uma escola atenta à diversidade -o projeto educativo e as programações didáticas incorporam os elementos necessários para alcançar o oportuno ensino intercultural; -o conjunto dos recursos humanos e materiais, bem como a relação aluno-professor, são adequados para atender à diversidade de situações dos alunos.

11 1. UMA ESCOLA A SERVIÇO DA PESSOA E ABERTA A TODOS 1.3. Uma escola inserida no ambiente sociocultural Para realizar uma ação educativa eficaz é necessária a inserção total da escola no próprio bairro, povo, região e país...

12 1. UMA ESCOLA A SERVIÇO DA PESSOA E ABERTA A TODOS 1.3. Uma escola inserida no ambiente sociocultural -abertura às atividades do povo e do bairro a que pertence para tornar-se um âmbito de relações e de intercâmbios e uma ferramenta eficaz de formação para jovens e adultos; -ajuda às famílias do seu ambiente social para dar sentido às suas inquietudes e encontra respostas para as suas preocupações e os seus problemas;

13 1. UMA ESCOLA A SERVIÇO DA PESSOA E ABERTA A TODOS 1.3. Uma escola inserida no ambiente sociocultural -favorece o conhecimento e o cultivo de costumes e tradições características da cultura própria da população que serve; -facilita às famílias imigrantes sua plena integração na comunidade que as acolhe, respeitando a sua cultura.

14 1. UMA ESCOLA A SERVIÇO DA PESSOA E ABERTA A TODOS 1.4. Uma escola aberta a todos...a escola é um ambiente que educa para a convivência social. Isto significa que todos devem se sentir acolhidos e valorizados, e com possibilidade de se desenvolver como pessoas, respeitando o modo de ser e de pensar dos outros

15 1. UMA ESCOLA A SERVIÇO DA PESSOA E ABERTA A TODOS 1.4. Uma escola aberta a todos -evita totalmente a execução de critérios seletivos na admissão de alunos por motivos sociais, crença religiosa, origem cultural ou capacidade para estudos; -faz todo o possível para acessar ao financiamento público em várias fases do sistema de ensino, a fim de garantir para todas as famílias as mesmas oportunidades para educar seus filhos; -favorece que todos os membros da comunidade educativa assumam o seu caráter próprio como escola católica e colaborem ativamente em fazer isso acontecer na ação educativa.

16 1. UMA ESCOLA A SERVIÇO DA PESSOA E ABERTA A TODOS 1.5. Uma escola complemento da família A constante evolução da sociedade, do ambiente familiar e da própria instituição de ensino, coloca novos desafios para a ação educativa que as famílias e a escola devem realizar em conjunto

17 1. UMA ESCOLA A SERVIÇO DA PESSOA E ABERTA A TODOS 1.5. Uma escola complemento da família -assumem uma atitude de abertura diante as necessidades educacionais dos filhos-alunos, tentando descobrir suas causas e buscar conjuntamente as respostas mais adequadas em cada momentos; -reconhecem efetivamente que a ação educativa é necessariamente uma ação compartilhada pela família e a escola, e que o diálogo e a cooperação mútua são indispensáveis; -planejam e organizem em conjunto, desde a escola, os serviços de informação e formação ao longo da vida, a fim de promover uma ação educativa coerente e satisfatória para todos.

18 2. UMA ESCOLA COM UM PROFUNDO COMPROMISO SOCIAL Na escola católica, cada aluno cresce e se desenvolve como um membro de uma comunidade em que as relações de fraternidade expressam que todos os membros são considerados filhos de Deus e chamados a acolher o Evangelho de Jesus como norma de vida.

19 2. UMA ESCOLA COM UM PROFUNDO COMPROMISO SOCIAL 2.1. Uma escola de cidadania A consciência de partilhar alguns valores e um destino comum com todos os homens e as mulheres da Terra é a base de qualquer projeto de construção da comunidade humana.

20 2. UMA ESCOLA COM UM PROFUNDO COMPROMISO SOCIAL 2.1. Uma escola de cidadania -ajudam os alunos e alunas a ter e expressar sua própria opinião sobre as coisas e os eventos. Isto envolve ouvir, aprender, informar-se, comparar, perguntar-se e, se for caso, expressar a própria opinião; -motiva aos alunos para o envolvimento e a participação ativa na vida social, a fim de assegurar que as intenções sejam transformadas em projetos operacionais e que os projetos operacionais se transformem em realidades vividas;

21 2. UMA ESCOLA COM UM PROFUNDO COMPROMISO SOCIAL 2.1. Uma escola de cidadania -valoriza pequenos gestos e atos aparentemente insignificantes de cada pessoa, e não duvidam da fecundidade do compromisso solidário, mesmo não tendo alto-falantes para divulgar a sua ação; -descobrem a importância da ação conjunta e do acordo entre pessoas e instituições, conscientes de que o trabalho em equipe aumenta a eficácia das ações individuais; -comprometem-se com a renovação das instituições e se esforçam para dar seiva e vida, começando com a própria escola.

22 2. UMA ESCOLA COM UM PROFUNDO COMPROMISO SOCIAL 2.2. Uma escola que educa para a justiça A educação para a justiça é uma dimensão essencial da promoção integral da pessoa humana e uma expressão da opção de serviço à causa de Deus no mundo.

23 2. UMA ESCOLA COM UM PROFUNDO COMPROMISO SOCIAL 2.2. Uma escola que educa para a justiça -revela as injustiças existentes na nossa sociedade e ajuda a encontrar situações em que a dignidade humana não seja suficientemente reconhecida nem respeitada; -denuncia publicamente a violação dos direitos humanos e rejeita tudo aquilo que gera situações de exclusão social ou de marginalização social;

24 2. UMA ESCOLA COM UM PROFUNDO COMPROMISO SOCIAL 2.2. Uma escola que educa para a justiça -fomenta reflexão crítica sobre a realidade da injustiça existente na sociedade, para que os alunos não sejam manipulados nem se tornem cúmplices da injustiça com o silêncio ou sua indiferença; -supera barreiras sociais que dividem e separam aos grupos humanos, e abre-se para as diferentes realidades da própria comunidade educativa e do seu ambiente mais próximo;

25 2. UMA ESCOLA COM UM PROFUNDO COMPROMISO SOCIAL 2.2. Uma escola que educa para a justiça -obtém a integração normal e fácil de crianças, adolescentes e jovens com menos oportunidades, tanto econômicas como de origem social; -valoriza o trabalho dos alunos segundo suas capacidades e se esforça para alcançar uma política educacional que assegura os meios adequados para os alunos que precisam uma educação especial.

26 2. UMA ESCOLA COM UM PROFUNDO COMPROMISO SOCIAL 2.3. Uma escola que educa para a liberdade A libertação da pessoa é um dos objetivos essenciais da toda ação educativa. Portanto, cada escola deve ser educadora e testemunha de liberdade...

27 2. UMA ESCOLA COM UM PROFUNDO COMPROMISO SOCIAL 2.3. Uma escola que educa para a liberdade -Os professores se comportam como pessoas livres com convicções profundas, fazendo que sua maneira de viver e de agir seja um estímulo constante para os alunos; -a ação educativa permite aos alunos adquirir gradualmente um conceito claro e autêntico de liberdade e se acostumar com a tomada de decisões e ações por convicção próprias;

28 2. UMA ESCOLA COM UM PROFUNDO COMPROMISO SOCIAL 2.3. Uma escola que educa para a liberdade -a organização da escola incentiva os alunos a assumir a responsabilidade conforme níveis e idades, e, assim, preparar-se para a participação ativa na vida social, política e eclesial; -o desenvolvimento da criatividade é o resultado de uma ação educativa baseada na flexibilidade de proposta, de caminhos e de meios; -os meninos e as meninas vivem juntos e aprendem a conhecer-se, respeitar-se e complementar-se na vida adulta que os espera.

29 2. UMA ESCOLA COM UM PROFUNDO COMPROMISO SOCIAL 2.4. Uma escola solidária que promove a integração social será necessário criar um ambiente que favoreça a solidariedade e a integração social de grupos que têm tradições, costumes, línguas e atitudes diferentes.

30 2. UMA ESCOLA COM UM PROFUNDO COMPROMISO SOCIAL 2.4. Uma escola solidária que promove a integração social -ajuda aos meninos e às meninas a descobrir situações de ambientes onde se sintam chamados à solidariedade com os mais necessitados e desamparados; -valoriza e expressa a sua própria identidade cultural e, simultaneamente, dá a conhecer as diferentes culturas presentes na nossa sociedade, promovendo o respeito e a compreensão da diversidade; -favorece a valorização positiva do pluralismo cultural, reconhecendo que a aceitação passiva dos direitos de outros grupos culturais não o suficiente, é preciso a compreensão ativa e empática de suas culturas;

31 2. UMA ESCOLA COM UM PROFUNDO COMPROMISO SOCIAL 2.4. Uma escola solidária que promove a integração social -ajuda aos membros da própria comunidade educativa a participar ativamente em uma sociedade onde convivem as culturas, religiões, costumes e estilos de vida diferentes, todos interdependentes; -elabora propostas de educação intercultural para facilitar a valorização positiva da diversidade e estimula a adoção de atitudes e hábitos de comportamento solidário com pessoas de outras culturas.

32 2. UMA ESCOLA COM UM PROFUNDO COMPROMISO SOCIAL 2.5. Uma escola comunidade educativa As pessoas que colaboraram na tarefa educativa confiada à escola constituem a comunidade educativa, ou seja, formam um grupo que considera a escola como sua e se sente responsável dela.

33 2. UMA ESCOLA COM UM PROFUNDO COMPROMISO SOCIAL 2.5. Uma escola comunidade educativa -assumem os princípios básicos que são expressos no caráter próprio e no projeto educativo da escola, e que determinam o tipo de educação que oferece às famílias; -sentem-se responsáveis para atualizar constantemente tudo o que a escola é e o que ela significa no conjunto do sistema educativo, garantindo que tem os recursos que necessita em todos os momentos;

34 2. UMA ESCOLA COM UM PROFUNDO COMPROMISO SOCIAL 2.5. Uma escola comunidade educativa -se esforçam para criar entre eles uma rede de relações e um quadro de convivência que facilitam o compartilhamento e a contribuição de todo o que sabem e podem o serviço do projeto educativo do centro; -avançam juntos em um caminho de aprendizado e crescimento, reconhecendo que cada um possa aprender dos outros, e que todos podem dar e todos podem receber.

35 3. UMA ESCOLA DE HOJE ORIENTADA PARA O FUTURO Na escola católica, o trabalho educativo é concebido como uma ajuda para o aluno, protagonista da sua própria vida e responsável pela construção de um mundo melhor para todos, com a esperança de que um dia o Reino de Deus que é amor, vai chegar.

36 3. UMA ESCOLA DE HOJE ORIENTADA PARA O FUTURO 3.1. Uma escola sempre atual Na vida de uma pessoa e também de toda instituição social, cada período histórico tem exigências e necessidades específicas que precisam a adoção de atitudes e decisões adequadas

37 3. UMA ESCOLA DE HOJE ORIENTADA PARA O FUTURO 3.1. Uma escola sempre atual -todos os dias supera o riscos da inação, da inércia e da nostalgia de um tempo que já passou; -enfoca continuamente sua atenção sobre as necessidades e aspirações presentes em seu ambiente social, cultural e eclesial, e tenta descobrir as preocupações das pessoas que formam a própria comunidade educativa; -cada dia programa e coloca em prática a ação educativa com determinação para responder prontamente a estas necessidades e preocupações.

38 3. UMA ESCOLA DE HOJE ORIENTADA PARA O FUTURO 3.2. Uma escola que é vida e educa para a vida...a qualidade de uma escola é medida pelo grau em que o ensino ministrado se faz realidade na vida de seus alunos e, ao mesmo tempo, constitui uma boa preparação para sua vida futura.

39 3. UMA ESCOLA DE HOJE ORIENTADA PARA O FUTURO 3.2. Uma escola que é vida e educa para a vida -capacita aos meninos e às meninas a pensar por si mesmos e dá acesso aos conhecimentos que serão selecionados, interpretados e valorizados, para que eles e elas aprendam a aprender de forma independente, com autonomia, e ao longo da vida; -ajuda-os a desenvolver as competências para saber ser e saber estar, para que aprendam a afirmar sua própria identidade, possam conviver com os outros, e orientar suas decisões e comportamentos;

40 3. UMA ESCOLA DE HOJE ORIENTADA PARA O FUTURO 3.2. Uma escola que é vida e educa para a vida -integra à ação educativa os avanços da ciência e da tecnologia como recursos que facilitam o desenvolvimento pessoal, a comunicação interpessoal e a vida em sociedade; -promove a aceitação cordial da diversidade e da integração social de todas as pessoas, sem exclusão de qualquer tipo; -oferece às famílias e ao entorno tudo aquilo que justifica a sua ação educativa como um serviço eclesial.

41 3. UMA ESCOLA DE HOJE ORIENTADA PARA O FUTURO 3.3. Uma escola de formação continuada O processo educativo é contínuo e acompanha a pessoa ao longo da vida toda, de modo que a escola é um espaço privilegiado para a formação inicial e a formação que se prolongará, diversificará e expandirá continuamente.

42 3. UMA ESCOLA DE HOJE ORIENTADA PARA O FUTURO 3.3. Uma escola de formação continuada -reconhece e aceita a responsabilidade que lhe foi confiada na formação inicial dos alunos, assumindo que estabelece as bases para um processo de aprendizagem permanente; -participa ativamente no desenho e na realização de processos de formação para os membros da própria comunidade educativa, para que ela se torne gradualmente uma comunidade de aprendizagem: todos aprendem com o apoio e colaboração de todos;

43 3. UMA ESCOLA DE HOJE ORIENTADA PARA O FUTURO 3.3. Uma escola de formação continuada -colabora com outras instituições de ensino para se tornar um lugar de encontro, de reflexão e de formação ao serviço de todos aqueles que mostram o desejo de continuar a sua formação continuada; -considera prioritária a formação contínua dos membros da equipe de direção e do corpo docente, como pessoas, como cristãos e como profissionais da educação, dedicando os recursos necessários para que seja uma aprendizagem bem sucedida para todos.

44 3. UMA ESCOLA DE HOJE ORIENTADA PARA O FUTURO 3.4. Uma escola ousada, inovadora e criativa A contínua evolução da sociedade e do mundo do trabalho, os progressos da psicologia e da pedagogia, e os avanços da ciência e da tecnologia, impõem à escola o desafio da constante renovação de sua oferta educativa e dos recursos ao serviço desta oferta.

45 3. UMA ESCOLA DE HOJE ORIENTADA PARA O FUTURO 3.4. Uma escola ousada, inovadora e criativa -os órgãos de direção adotam uma atitude ousada, inovadora e criativa que impulsiona a atualização contínua de toda a escola e da ação educativa que realiza; -a equipe diretiva avalia continuamente a situação da própria comunidade educativa, as necessidades de formação dos seus membros e de seu ambiente social, e os resultados do trabalho realizado com os alunos e suas famílias;

46 3. UMA ESCOLA DE HOJE ORIENTADA PARA O FUTURO 3.4. Uma escola ousada, inovadora e criativa -a escola e as equipes de professores constituem um campo de reflexão sobre a tarefa que desempenha e, ao mesmo tempo, um âmbito de atualização permanente dos seus membros, tanto em sua dimensão profissional como na humana e cristã; -o projeto educativo é uma ferramenta para a melhoria contínua da educação oferecida pela escola e sua ação evangelizadora.

47 3. UMA ESCOLA DE HOJE ORIENTADA PARA O FUTURO 3.5. Uma escola com um claro sentido de Igreja...a escola católica oferece às famílias uma forma de educação inspirada por uma compreensão cristã da pessoa humana, da vida e do mundo. Os cristãos trairíamos a mensagem do Evangelho se renunciássemos à proclamação da fé em Jesus Cristo, fonte de inspiração no modo de conceber a pessoa humana e seu destino.

48 3. UMA ESCOLA DE HOJE ORIENTADA PARA O FUTURO 3.5. Uma escola com um claro sentido de Igreja -sentem a necessidade de assegurar que o pensamento cristão sobre a pessoa humana, a vida e o mundo tem um lugar dentro do pluralismo cultural que caracteriza a nossa sociedade; -oferecem às crianças, adolescentes e jovens uma formação integral que facilite a compreensão e eventual aceitação da mensagem do Evangelho; e àqueles que receberam o dom da fé em Jesus Cristo, ajuda-os a viver e celebrar a sua fé em comunidade;

49 3. UMA ESCOLA DE HOJE ORIENTADA PARA O FUTURO 3.5. Uma escola com um claro sentido de Igreja -inspiram seu trabalho nos princípios relativos ao ensino que proclama e defende a Igreja Católica sobre a situação de descristianização de nossa sociedade, numa atitude de profundo respeito pelas crenças e convicções de todos.

50 As escolas católicas podem e devem assegurar que o ensino O ministrado maior desafio seja da Igreja um meio Católica de no século XXI é a nova evangelização, nova evangelização, GRACIAS em que compromete todas as resposta instituições à diversidade da Igreja e todas de as pessoas situações OBRIGADO que em aceitaram que os o dom alunos da fé e em Jesus Cristo. as suas famílias estão, com o mais profundo respeito por suas crenças e convicções.

Educar hoje e amanhã uma paixão que se renova. Prof. Humberto S. Herrera Contreras

Educar hoje e amanhã uma paixão que se renova. Prof. Humberto S. Herrera Contreras Educar hoje e amanhã uma paixão que se renova Prof. Humberto S. Herrera Contreras O que este documento nos diz? Algumas percepções iniciais... - O título já é uma mensagem espiritual! tem movimento, aponta

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

BIÊNIO 2012-2013. Tema Geral da Igreja Metodista "IGREJA: COMUNIDADE MISSIONÁRIA A SERVIÇO DO POVO ESPALHANDO A SANTIDADE BÍBLICA. Tema para o Biênio

BIÊNIO 2012-2013. Tema Geral da Igreja Metodista IGREJA: COMUNIDADE MISSIONÁRIA A SERVIÇO DO POVO ESPALHANDO A SANTIDADE BÍBLICA. Tema para o Biênio 1 IGREJA METODISTA PASTORAL IMED PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO E PLANO DE AÇÃO BIÊNIO 2012-2013 Tema Geral da Igreja Metodista "IGREJA: COMUNIDADE MISSIONÁRIA A SERVIÇO DO POVO ESPALHANDO A SANTIDADE BÍBLICA

Leia mais

MÍSTICA E CONSTRUÇÃO Por que pensar em Mística e Construção?

MÍSTICA E CONSTRUÇÃO Por que pensar em Mística e Construção? MÍSTICA E CONSTRUÇÃO Espiritualidade e profecia são duas palavras inseparáveis. Só os que se deixam possuir pelo espírito de Deus são capazes de plantar sementes do amanhã e renovar a face da terra. Todo

Leia mais

Plano de Formação da CVX-P

Plano de Formação da CVX-P da CVX-P Apresentado à VIII Assembleia Nacional CVX-P Fátima, Outubro 2004 Introdução... 2 Etapa 0: Acolhimento... 3 Etapa 1: Iniciação... 5 Etapa 2: Identificação... 6 Etapa 3: Missão... 7 1 Introdução

Leia mais

Educação para a Cidadania linhas orientadoras

Educação para a Cidadania linhas orientadoras Educação para a Cidadania linhas orientadoras A prática da cidadania constitui um processo participado, individual e coletivo, que apela à reflexão e à ação sobre os problemas sentidos por cada um e pela

Leia mais

IDEÁRIO DA INSTITUIÇÃO

IDEÁRIO DA INSTITUIÇÃO IDEÁRIO DA INSTITUIÇÃO I Princípios Básicos - Todos os homens, têm direito a uma educação adequada e à cultura, segundo a capacidade de cada um, em igualdade de oportunidades e em relação a todos os níveis

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio.

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio. Proposta Pedagógica Visão: Ser um centro de excelência em Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio que busca alcançar a utopia que tem de pessoa e sociedade, segundo os critérios do evangelho, vivenciando

Leia mais

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DR. VIEIRA DE CARVALHO Planificação Educação Moral e Religiosa Católica. Ano Letivo 2015/2016 3º Ciclo 7º Ano

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DR. VIEIRA DE CARVALHO Planificação Educação Moral e Religiosa Católica. Ano Letivo 2015/2016 3º Ciclo 7º Ano Unidade Letiva: 1 - As Origens Período: 1º 1. Questionar a origem, o destino e o sentido do universo e do ser humano. As origens na perspetiva científica L. Estabelecer um diálogo entre a cultura e a fé.

Leia mais

Concepção e Fundamentos Gilberto Antonio da Silva

Concepção e Fundamentos Gilberto Antonio da Silva Pastoral Juvenil Salesiana Concepção e Fundamentos Gilberto Antonio da Silva Fundamentos Dom Bosco Madre Mazzarello Movidos pelo ES tiveram clara consciência de ser chamados por Deus a uma missão singular

Leia mais

ESCOLA DE PASTORAL CATEQUÉTICA ESPAC

ESCOLA DE PASTORAL CATEQUÉTICA ESPAC ESCOLA DE PASTORAL CATEQUÉTICA ESPAC 1. ESPAC O QUE É? A ESPAC é uma Instituição da Arquidiocese de Fortaleza, criada em 1970, que oferece uma formação sistemática aos Agentes de Pastoral Catequética e

Leia mais

REGULAMENTO DAS PASTORAIS ESCOLARES E UNIVERSITÁRIAS - ESTRUTURA, COMPETÊNCIA E FUNCIONAMENTO -

REGULAMENTO DAS PASTORAIS ESCOLARES E UNIVERSITÁRIAS - ESTRUTURA, COMPETÊNCIA E FUNCIONAMENTO - REGULAMENTO DAS PASTORAIS ESCOLARES E UNIVERSITÁRIAS - ESTRUTURA, COMPETÊNCIA E FUNCIONAMENTO - INTRODUÇÃO O Colégio Episcopal da Igreja Metodista, no uso de suas atribuições (Cânones, Art. 63, item XVII)

Leia mais

DINÂMICA DE FUNCIONAMENTO: Horário matutino: de 5º ao 9 º ano do Ensino Fundamental.

DINÂMICA DE FUNCIONAMENTO: Horário matutino: de 5º ao 9 º ano do Ensino Fundamental. NÍVEIS E MODALIDADES DE ENSINO: EDUCAÇÃO INFANTIL: Maternal III: 3-4 anos 1º Período: 4-5 anos 2º Período: 5-6 anos ENSINO FUNDAMENTAL: Novatos: 1º ano matrícula com 6 anos completos (até 31 de março)

Leia mais

A transmissão da fé na Família. Reunião de Pais. Família

A transmissão da fé na Família. Reunião de Pais. Família A transmissão da fé na Família Reunião de Pais Família Plano Pastoral Arquidiocesano Um triénio dedicado à Família Passar de uma pastoral sobre a Família para uma pastoral para a Família e com a Família

Leia mais

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA INED INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROJETO EDUCATIVO MAIA PROJETO EDUCATIVO I. Apresentação do INED O Instituto de Educação e Desenvolvimento (INED) é uma escola secundária a funcionar desde

Leia mais

A iniciação cristã como pedagogia de vida comunitária

A iniciação cristã como pedagogia de vida comunitária A iniciação cristã como pedagogia de vida comunitária A evangelização nos dá a alegria do encontro com a Boa Nova da Ressurreição de Cristo. A maioria das pessoas procura angustiada a razão de sua vida

Leia mais

A EDUCAÇÃO, A CULTURA, O ESPORTE E O LAZER PARA OS IDOSOS

A EDUCAÇÃO, A CULTURA, O ESPORTE E O LAZER PARA OS IDOSOS A EDUCAÇÃO, A CULTURA, O ESPORTE E O LAZER PARA OS IDOSOS Agostinho Both3 3, Carmen Lucia da Silva Marques 3,José Francisco Silva Dias 3 As instituições, em especial as educacionais, não podem se furtar

Leia mais

Como utilizar este caderno

Como utilizar este caderno INTRODUÇÃO O objetivo deste livreto é de ajudar os grupos da Pastoral de Jovens do Meio Popular da cidade e do campo a definir a sua identidade. A consciência de classe, ou seja, a consciência de "quem

Leia mais

Espiritualidade do Câmbio Sistêmico ou Mudança de Estruturas

Espiritualidade do Câmbio Sistêmico ou Mudança de Estruturas Espiritualidade do Câmbio Sistêmico ou Mudança de Estruturas Uma breve meditação sobre Mudança de Estruturas O objetivo desta meditação é redescobrir a dimensão espiritual contida na metodologia de mudança

Leia mais

Ambiência escolar Marista: desafios da educação popular na evangelização

Ambiência escolar Marista: desafios da educação popular na evangelização Ambiência escolar Marista: desafios da educação popular na evangelização Adriano de Souza Viana 1 A práxis pastoral no ambiente educativo é sempre desafiante. Melhor dizendo, toda ação educativa é sempre

Leia mais

Profª Drª Jorgeta Zogheib Milanezi DIDÁTICA DO ENSINO O DOMÍNIO DE UMA PROFISSÃO NÃO EXCLUI O SEU APERFEIÇOAMENTO .. AO CONTTRÁRIO, SERÁ MESTRE QUEM

Profª Drª Jorgeta Zogheib Milanezi DIDÁTICA DO ENSINO O DOMÍNIO DE UMA PROFISSÃO NÃO EXCLUI O SEU APERFEIÇOAMENTO .. AO CONTTRÁRIO, SERÁ MESTRE QUEM Profª Drª Jorgeta Zogheib Milanezi DIDÁTICA DO ENSINO O DOMÍNIO DE UMA PROFISSÃO NÃO EXCLUI O SEU APERFEIÇOAMENTO.. AO CONTTRÁRIO, SERÁ MESTRE QUEM CONTINUAR APRENDENDO.. Piere Furter AVALIAR PARA CONHECER

Leia mais

CRIANÇAS AJUDAM E EVANGELIZAM CRIANÇAS

CRIANÇAS AJUDAM E EVANGELIZAM CRIANÇAS CRIANÇAS AJUDAM E EVANGELIZAM CRIANÇAS Infância/Adolescencia MISSÃO MISSÃO. Palavra muito usada entre nós É encargo, incumbência Missão é todo apostolado da Igreja. Tudo o que a Igreja faz e qualquer campo.

Leia mais

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO 21 de novembro de 1978 SHS/2012/PI/H/1 Preâmbulo A Conferência Geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura,

Leia mais

1 - ATIVIDADES ESPORTIVAS E CULTURAIS Linhas de Ação:

1 - ATIVIDADES ESPORTIVAS E CULTURAIS Linhas de Ação: NÍVEL COMUNITÁRIO 1 - ATIVIDADES ESPORTIVAS E CULTURAIS A - que se promovam atividades esportivas e culturais, envolvendo pais, alunos, professores e demais membros da Comunidade para vivenciar valores,

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

PROJETO EDUCATIVO PASTORAL ESCOLA SALESIANA EM PASTORAL

PROJETO EDUCATIVO PASTORAL ESCOLA SALESIANA EM PASTORAL PROJETO EDUCATIVO PASTORAL ESCOLA SALESIANA EM PASTORAL Brasília, 15/05/2014 Situando a RSE... Cristã Católica Identidade Carisma Dom Bosco Madre Mazzarello FMA - SDB Missão Identidade + Carisma = Função

Leia mais

Plano estratégico da ADRA Portugal. Siglas 2. Identidade 3 Visão 3 Missão 3. Princípios e Valores 4

Plano estratégico da ADRA Portugal. Siglas 2. Identidade 3 Visão 3 Missão 3. Princípios e Valores 4 Conteúdos: Siglas 2 Identidade 3 Visão 3 Missão 3 Princípios e Valores 4 Objetivos Gerais Meta 1: Responsabilidade Social e Ação Social 6 Meta 2: Cooperação e Ação Humanitária 7 Meta 3: Educação para o

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

NÍVEL COMUNITÁRIO 1 - ATIVIDADES ESPORTIVAS E CULTURAIS Linhas de Ação:

NÍVEL COMUNITÁRIO 1 - ATIVIDADES ESPORTIVAS E CULTURAIS Linhas de Ação: NÍVEL COMUNITÁRIO 1 - ATIVIDADES ESPORTIVAS E CULTURAIS Linhas de Ação: A- que se promovam atividades esportivas e culturais, envolvendo pais, alunos, professores e demais membros da Comunidade para vivenciar

Leia mais

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de PAULO FREIRE E A ALFABETIZAÇÃO Vera Lúcia Queiroga Barreto 1 Uma visão de alfabetização que vai além do ba,be,bi,bo,bu. Porque implica uma compreensão crítica da realidade social, política e econômica

Leia mais

Áreas de Desenvolvimento Pessoal

Áreas de Desenvolvimento Pessoal Renovação do Programa para Jovens (Aprovado na XLII Conferência Nacional) Áreas de Desenvolvimento Pessoal: A XLII Conferência Nacional da AEP, no âmbito do processo em curso de renovação do Programa para

Leia mais

Plano Diocesano da Animação Bíblico-Catequética

Plano Diocesano da Animação Bíblico-Catequética Plano Diocesano da Animação Bíblico-Catequética 2 0 1 2-2 0 1 5 DIOCESE DE FREDERICO WESTPHALEN - RS Queridos irmãos e irmãs, Com imensa alegria, apresento-lhes o PLANO DIOCESANO DE ANIMAÇÃO BÍBLICO -

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

A Pastoral juvenil FMA: um modelo orgânico para uma Vida em abundância para todos segundo as Linhas orientadoras da missião educativa (LOME)

A Pastoral juvenil FMA: um modelo orgânico para uma Vida em abundância para todos segundo as Linhas orientadoras da missião educativa (LOME) ISTITUTO FIGLIE DI MARIA AUSILIATRICE Consigliera generale per la Pastorale giovanile Via dell Ateneo Salesiano, 81-00139 ROMA A Pastoral juvenil FMA: um modelo orgânico para uma Vida em abundância para

Leia mais

1» A revolução educacional e a educação em valores 11

1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Sumário Introdução 9 1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Introdução 12 As causas da revolução educacional 12 O triplo desafio pedagógico 14 Da transmissão à educação 15 O que pretende

Leia mais

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária Apoio: Secretária municipal de educação de santo Afonso PROJETO INTERAÇÃO FAMÍLIA X ESCOLA: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA. É imperioso que dois dos principais

Leia mais

O ENCONTRO DE CATEQUESE E SUA DINÂMICA

O ENCONTRO DE CATEQUESE E SUA DINÂMICA O ENCONTRO DE CATEQUESE E SUA DINÂMICA Nestes últimos anos tem-se falado em Catequese Renovada e muitos pontos positivos contribuíram para que ela assim fosse chamada. Percebemos que algumas propostas

Leia mais

Nossa inserção na Graduação se dá por meio da Unidade Curricular Educação e Comunicação na Prática Médica.

Nossa inserção na Graduação se dá por meio da Unidade Curricular Educação e Comunicação na Prática Médica. Ao longo desses 15 anos o CEDESS congrega atividades de ensino, pesquisa e extensão, nos níveis de graduação e pós-graduação lato e stricto sensu e tem por objeto de estudo o binômio Educação e Saúde.

Leia mais

Elementos da Vida da Pequena Comunidade

Elementos da Vida da Pequena Comunidade Raquel Oliveira Matos - Brasil A Igreja, em sua natureza mais profunda, é comunhão. Nosso Deus, que é Comunidade de amor, nos pede entrarmos nessa sintonia com Ele e com os irmãos. É essa a identidade

Leia mais

ÁREAS DE ATUAÇÃO, PERFIL E COMPETÊNCIAS DOS EGRESSOS DOS NOVOS CURSOS

ÁREAS DE ATUAÇÃO, PERFIL E COMPETÊNCIAS DOS EGRESSOS DOS NOVOS CURSOS CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA ÁREAS DE ATUAÇÃO, PERFIL E COMPETÊNCIAS DOS EGRESSOS DOS NOVOS CURSOS 5. CURSO DE TEOLOGIA Área de atuação O egresso do Curso de Teologia

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto: uma nova cultura de aprendizagem ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de. Projeto: uma nova cultura de aprendizagem. [S.l.: s.n.], jul. 1999. A prática pedagógica

Leia mais

******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007

******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007 ******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007 ********************************************************************************

Leia mais

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Responsabilidade Social das Faculdades Integradas Ipitanga (PRS- FACIIP) é construído a partir

Leia mais

ESPAÇO TRANSFORMADOR. Institucionalizado para a Comunidade. Transformação Baseada na tomada de consciência, na descoberta e na mudança de atitudes e

ESPAÇO TRANSFORMADOR. Institucionalizado para a Comunidade. Transformação Baseada na tomada de consciência, na descoberta e na mudança de atitudes e ESPAÇO TRANSFORMADOR Transformação Baseada na tomada de consciência, na descoberta e na mudança de atitudes e comportamentos e especialmente na construção e aplicação dos conhecimentos apreendidos. Organização

Leia mais

CNBB Doc. 47: Educação, Igreja e Sociedade parágrafos 54 a 98 1 (índice remissivo e chave de leitura)

CNBB Doc. 47: Educação, Igreja e Sociedade parágrafos 54 a 98 1 (índice remissivo e chave de leitura) PBCM COLÉGIO SÃO VICENTE DE PAULO RIO DE JANEIRO RJ CNBB Doc. 47: Educação, Igreja e Sociedade parágrafos 54 a 98 1 (índice remissivo e chave de leitura) II PARTE: VISÃO CRISTÃ DA EDUCAÇÃO NA PERSPECTIVA

Leia mais

Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende *

Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende * Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende * Voluntariado é a expressão da participação da sociedade na vida pública mais significativa da atualidade. Os movimentos de participação

Leia mais

PGM 3: MOBILIZAÇÃO E PARTICIPAÇÃO NA ESCOLA JOVEM

PGM 3: MOBILIZAÇÃO E PARTICIPAÇÃO NA ESCOLA JOVEM PGM 3: MOBILIZAÇÃO E PARTICIPAÇÃO NA ESCOLA JOVEM Falar em mobilização e participação de jovens na escola de ensino médio implica em discutir algumas questões iniciais, como o papel e a função da escola

Leia mais

Projeto Educativo 02 02-V R 01-P D O M

Projeto Educativo 02 02-V R 01-P D O M Projeto Educativo Colégio do Sagrado Coração de Maria - Lisboa Projeto Educativo V02 i ÍNDICE I. CARACTERIZAÇÃO FÍSICA...1 1. O meio envolvente...1 2. O Colégio...2 3. Organização Estrutural...2 3.1. Órgãos

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

PASTORAL UNIVERSITÁRIA

PASTORAL UNIVERSITÁRIA PASTORAL UNIVERSITÁRIA Objetivos: 1. Oportunizar a comunidade educativa uma vivência de fraternidade que possibilite transcender os limites meramente humanos e a excelência acadêmica, com uma atitude de

Leia mais

Igreja Amiga da criança. Para pastores

Igreja Amiga da criança. Para pastores Igreja Amiga da criança Para pastores Teste "Igreja Amiga da Criança" O povo também estava trazendo criancinhas para que Jesus tocasse nelas. Ao verem isso, os discípulos repreendiam aqueles que as tinham

Leia mais

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS 1 FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS MAURICIO SEBASTIÃO DE BARROS 1 RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar as atuais

Leia mais

OBLATOS ORIONITAS. linhas de vida espiritual e apostólica

OBLATOS ORIONITAS. linhas de vida espiritual e apostólica OBLATOS ORIONITAS linhas de vida espiritual e apostólica Motivos inspiradores da oblação orionita laical O "carisma" que o Senhor concede a um fundador, é um dom para o bem de toda a Igreja. O carisma

Leia mais

Informativo Fundos Solidários nº 13

Informativo Fundos Solidários nº 13 Informativo Fundos Solidários nº 13 Em dezembro de 2014, em Recife, Pernambuco, foi realizado o 2º seminário de Educação Popular e Economia Solidária. Na ocasião, discutiu-se sobre temas relevantes para

Leia mais

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS 13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS A importância da formação pessoal e social da criança para o seu desenvolvimento integral e para a

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

Puerta Joven. Juventud, Cultura y Desarrollo A.C.

Puerta Joven. Juventud, Cultura y Desarrollo A.C. Puerta Joven. Juventud, Cultura y Desarrollo A.C. Declaração de Princípios Quem Somos Somos uma organização não-governamental dedicada à promoção da liderança juvenil e da participação da cultura da juventude

Leia mais

Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho

Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho Planificação do 7º Ano - Educação Moral e Religiosa Católica Unidades Temáticas Conteúdos Competências Específicas Instrumentos de Avaliação UL1- AS ORIGENS

Leia mais

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Guia do Educador CARO EDUCADOR ORIENTADOR Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 2. PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Objetivo GERAL 5 METODOLOGIA 5 A QUEM SE DESTINA? 6 O QUE

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

DIRECTÓRIO GERAL DA CATEQUESE - SDCIA/ISCRA -2 Oração inicial Cântico - O Espírito do Senhor está sobre mim; Ele me enviou para anunciar aos pobres o Evangelho do Reino! Textos - Mc.16,15; Mt.28,19-20;

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

OS DESAFIOS DACOMUNICAÇÃO

OS DESAFIOS DACOMUNICAÇÃO OS DESAFIOS DACOMUNICAÇÃO A contribuição das mídias. Como parte constitutiva da atual ambiência comunicacional, elas tornam-se recursos e ambientes para o crescimento pessoal e social. Constituem-se no

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

V Seminário de Metodologia de Ensino de Educação Física da FEUSP- 2014. Relato de Experiência INSERINDO A EDUCAÇÃO INFANTIL NO CONTEXTO COPA DO MUNDO.

V Seminário de Metodologia de Ensino de Educação Física da FEUSP- 2014. Relato de Experiência INSERINDO A EDUCAÇÃO INFANTIL NO CONTEXTO COPA DO MUNDO. V Seminário de Metodologia de Ensino de Educação Física da FEUSP- 2014 Relato de Experiência INSERINDO A EDUCAÇÃO INFANTIL NO CONTEXTO COPA DO MUNDO. RESUMO Adriana Vieira de Lima Colégio Marista Arquidiocesano

Leia mais

III CONGRESSO DE EDUCAÇÃO CATÓLICA DA ANEC

III CONGRESSO DE EDUCAÇÃO CATÓLICA DA ANEC III CONGRESSO DE EDUCAÇÃO CATÓLICA DA ANEC GRUPOS DE TRABALHO EIXO 01 ENSINO RELIGIOSO, PASTORAL E RESPONSABILIDADE SOCIAL GT: ENSINO RELIGIOSO NA ESCOLA CATÓLICA Ementa: A identidade do ensino religioso

Leia mais

Proposta de tradução da Definição Global da Profissão de Serviço Social

Proposta de tradução da Definição Global da Profissão de Serviço Social Proposta de tradução da Definição Global da Profissão de Serviço Social O Serviço Social é uma profissão de intervenção e uma disciplina académica que promove o desenvolvimento e a mudança social, a coesão

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Anais III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva Ações Inclusivas de Sucesso Belo Horizonte 24 a 28 de maio de 2004 Realização: Pró-reitoria de Extensão

Leia mais

REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP. Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico

REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP. Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP Capítulo I Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico Art. 1º O Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico- NAP/NAPP do Centro de Ensino

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 05/06 PLANIFICAÇÃO ANUAL º CICLO EDUCAÇÃO MORAL RELIGIOSA CATÓLICA (EMRC)- 6ºANO. Documento(s) Orientador(es): Programa de EMRC de 8 junho de 04;

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Artes Visuais busca formar profissionais habilitados para a produção, a pesquisa

Leia mais

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 Reunidos na cidade de Quebec de 18 a 22 de setembro de 1997, na Conferência Parlamentar das Américas, nós, parlamentares das Américas, Considerando que o

Leia mais

Entusiasmo diante da vida Uma história de fé e dedicação aos jovens

Entusiasmo diante da vida Uma história de fé e dedicação aos jovens Entusiasmo diante da vida Uma história de fé e dedicação aos jovens A obra salesiana teve início em Turim, na Itália, onde Dom Bosco colocou em prática seus ideais de educação associados ao desenvolvimento

Leia mais

PROJETO EDUCATIVO DO MOVIMENTO ESCOTEIRO

PROJETO EDUCATIVO DO MOVIMENTO ESCOTEIRO PROJETO EDUCATIVO DO MOVIMENTO ESCOTEIRO PROJETO EDUCATIVO DO MOVIMENTO ESCOTEIRO Escritório Nacional Rua Coronel Dulcídio, 2107 - Bairro Água Verde CEP 80250-100 - Curitiba - PR Tel: (41) 3353-4732 Fax:

Leia mais

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1 A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1 Rita Vieira de Figueiredo 2 Gosto de pensar na formação de professores (inspirada no poema de Guimarães) Rosa

Leia mais

sonhando nova escola nova sociedade com uma e uma Atividade de leitura de clássicos da literatura. Pai voluntário em sala de aula.

sonhando nova escola nova sociedade com uma e uma Atividade de leitura de clássicos da literatura. Pai voluntário em sala de aula. Atividade de leitura de clássicos da literatura. Pai voluntário em sala de aula. 01_IN_CA_FolderTecnico180x230_capa.indd 3 sonhando com uma nova escola e uma nova sociedade 7/24/13 2:16 PM comunidade de

Leia mais

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II Índice Sistemático Capitulo I Da apresentação...02 Capitulo II Dos objetivos da proposta pedagógica...02 Capitulo III Dos fundamentos da proposta pedagógica...02 Capitulo IV Da sinopse histórica...03 Capitulo

Leia mais

PASTORAL DIGITAL. na ótica do Diretório de Comunicação

PASTORAL DIGITAL. na ótica do Diretório de Comunicação PASTORAL DIGITAL na ótica do Diretório de Comunicação Para a Igreja, o novo mundo do espaço cibernético é uma exortação à grande aventura do uso do seu potencial para proclamar a mensagem evangélica. Mensagem

Leia mais

ECONOMIA SOCIAL PORTUGUESA: PAPEL NO PÓS-TROIKA GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO

ECONOMIA SOCIAL PORTUGUESA: PAPEL NO PÓS-TROIKA GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO Citação de Dr. Emílio Rui Vilar 2 Tempo de mudanças sociais Estamos no início de um século que se adivinha difícil e instável nos seus Problemas Globais

Leia mais

CONCURSO DE EXPERIÊNCIAS INOVADORAS NA FORMAÇÃO DOCENTE SEGUNDA EDIÇÃO DO PRÊMIO PAULO FREIRE

CONCURSO DE EXPERIÊNCIAS INOVADORAS NA FORMAÇÃO DOCENTE SEGUNDA EDIÇÃO DO PRÊMIO PAULO FREIRE CONCURSO DE EXPERIÊNCIAS INOVADORAS NA FORMAÇÃO DOCENTE SEGUNDA EDIÇÃO DO PRÊMIO PAULO FREIRE Esta iniciativa objetiva conhecer e compartilhar práticas inovadoras na Formação e Desenvolvimento Profissional

Leia mais

Jornada Pedagógica Pastoral. Recife, 2012

Jornada Pedagógica Pastoral. Recife, 2012 Jornada Pedagógica Pastoral Recife, 2012 Josenildo Costa e Telma Pereira Sistema Marista de Avaliação SIMA O SIMA é um instrumento de avaliação acadêmica utilizado em todas as Unidades Educacionais da

Leia mais

A Sra. ALMERINDA DE CARVALHO (PMDB-RJ) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, mais uma vez, a Igreja,

A Sra. ALMERINDA DE CARVALHO (PMDB-RJ) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, mais uma vez, a Igreja, A Sra. ALMERINDA DE CARVALHO (PMDB-RJ) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, mais uma vez, a Igreja, por intermédio da CNBB, com a Campanha da Fraternidade de

Leia mais

Carta do Conselho da Europa sobre a Educação para a Cidadania Democrática e a Educação para os Direitos Humanos

Carta do Conselho da Europa sobre a Educação para a Cidadania Democrática e a Educação para os Direitos Humanos Carta do Conselho da Europa sobre a Educação para a Cidadania Democrática e a Educação para os Direitos Humanos Introdução A educação desempenha um papel essencial na promoção dos valores fundamentais

Leia mais

1. Centro para a Juventude. 199 jovens frequentaram os cursos de:

1. Centro para a Juventude. 199 jovens frequentaram os cursos de: Relatório Despertar 2014 2 Apoiada na crença de que é possível contribuir para o desenvolvimento humano na totalidade dos seus potenciais, a Associação Comunitária Despertar, realiza anualmente ações que

Leia mais

LINHAS DE AÇÃO E PRIORIDADES DO LXVIII CAPÍTULO GERAL

LINHAS DE AÇÃO E PRIORIDADES DO LXVIII CAPÍTULO GERAL LINHAS DE AÇÃO E PRIORIDADES DO LXVIII CAPÍTULO GERAL I. Introdução O LXVIII Capítulo Geral da Ordem realizado em Fátima (Portugal) sob o lema: "A família de S. João de Deus ao serviço da Hospitalidade",

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS 1 ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS INTRODUÇÃO Marilda Coelho da Silva marildagabriela@yahoo.com.br Mestrado Profissional Formação de Professores UEPB As

Leia mais

Instituto Mundo Melhor 2013. A Educação para a Paz como caminho da infância

Instituto Mundo Melhor 2013. A Educação para a Paz como caminho da infância Instituto Mundo Melhor 2013 por um MUNDO MELHOR A Educação para a Paz como caminho da infância PROJETO O PROGRAMA INFÂNCIA MUNDO MELHOR O Projeto Infância Mundo Melhor investe na capacitação e na formação

Leia mais

134 missionários e missionárias, segundo o carisma próprio de cada instituto religioso. 6.4.6 A Educação Católica

134 missionários e missionárias, segundo o carisma próprio de cada instituto religioso. 6.4.6 A Educação Católica 134 missionários e missionárias, segundo o carisma próprio de cada instituto religioso. 6.4.6 A Educação Católica 328. A América latina e o Caribe vivem uma particular e delicada emergência educativa.

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL

CÓDIGO DE ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL DG 02.30 CÓDIGO DE ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL Resposta Social: Estrutura Residencial para Idosos Prestamos Serviços de Qualidade Aldeia de S. Sebastião ADCS Aldeia de S. Sebastião, Largo da Igreja

Leia mais

ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação

ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação Janaina Guimarães 1 Paulo Sergio Machado 2 Resumo: Este trabalho tem por objetivo fazer uma reflexão acerca da espiritualidade do educador

Leia mais

Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre

Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre sabem alguma coisa, todo educando pode aprender, mas

Leia mais

Os fundamentos da nossa missão 2013-10 1/16

Os fundamentos da nossa missão 2013-10 1/16 Os fundamentos da nossa missão 2013-10 1/16 Índice Introdução. 3 1. Apresentação geral.... 4 2. Os CPM no seio da Igreja......5 3. Os animadores.....7 4. O papel do Assistente Espiritual... 8 5. A equipa

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais