Experiências Locais: Situação Atual e Futuro do ISP no Brasil

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Experiências Locais: Situação Atual e Futuro do ISP no Brasil"

Transcrição

1 Experiências Locais: Situação Atual e Futuro do ISP no Brasil Marcos Kisil 3 de abril de º Congresso GIFE de Investimento Social Privado 1

2 Contexto do Investimento Social na América Latina Ambiente Interno: Investimento Social Privado FORÇAS Maior consciência de investir no socio-ambiental Práticas documentadas e geração de conhecimento Redes de aprendizagem, conhecimento e vinculação (Todos pela Educação, RedAmérica etc.) Profissionalização do setor Amadurecimento dos doadores, especialmente empresas (por ex. seleção de projetos) Crescente reconhecimento da comunidade Crescimento de recursos econômicos para investimento socio-ambiental FRAQUEZAS Confusão de conceito e prática (sustentabilidade, responsabilidade social e investimento social corporativo) Predomínio de uma cultura assistencialista e não de investimento social Investimento prioritário em organizações tradicionais, já consagrados Dificuldade de lidar com as causas, e não apenas os efeitos Cultura de busca de proteger/valorizar imagem fecha oportunidades de parcerias e colaboração (especialmente para doadores empresariais) Fragilidade dos modelos de governança e financiamento das organizações doadoras Planejamento e Avaliação ficam em 2º plano Fonte: Fórum de Lideranças: O Futuro do Investimento Social na 2 América Latina, setembro 2007, IDIS- CAF

3 Contexto do Investimento Social na América Latina Ambiente Externo: Sociedade e Economia OPORTUNIDADE Globalização dos negócios Influência dos movimentos de Sustentabilidade e RSE Pesquisa e profissionalização Consciência da sociedade demandando resultados Coerção e pressão de stakeholders para realizar transações comerciais Valor agregado não tangível na imagem da empresa Uso de Marketing Relacionado a Causas Possibilidade de investimento em organizações inovadoras ISP como capital de risco Espaço para a organização do investimento social privado comunitário e familiar AMEAÇAS Administração pública com dificuldade de oferta de serviços em quantidade e qualidade. Sociedade ainda não demanda serviços públicos de qualidade (cidadania e direitos) Governo populista uso político de organizações da sociedade civil, perda de credibilidade do setor (CPI das ONGs) Confusão dos papéis entre empresas, sociedade civil e governo. Ausência de espaços de concertação eficientes Falta de cultura e conhecimento do ISP por doadores Debilidades no marco regulatório (inclusive no âmbito pessoal) Corrupção que se aproveita da pobreza. Desconfiança dos doadores Fonte: Fórum de Lideranças: O Futuro do Investimento Social na 3 América Latina, setembro 2007, IDIS- CAF

4 PESQUISA IDIS PERFIL DO INVESTIDOR SOCIAL LOCAL 4

5 Antecedentes Inspirado em um estudo sobre doações e voluntariado no Vale do Silício, EUA, o IDIS promoveu uma pesquisa em 4 cidades onde atua (Guarulhos, Limeira, Santa Bárbara D Oeste e São José dos Campos) Objetivo: Levantar o perfil sócio-econômico e os hábitos e atitudes da população, em relação a doações. Para este estudo, a IDIS contou com a orientação técnica da Enfoque Pesquisa de Marketing para Coleta e Análise dos Dados. 5

6 População Pesquisada e Amostra Residentes dos municípios de Guarulhos, Limeira, Santa Bárbara D Oeste e São José dos Campos Com idade acima de 18 anos Doadores ou não doadores Amostra 957 entrevistas Período de campo de 15 de agosto à 15 de setembro de 2007 Os dados foram ponderados pela população de cada município, por sexo e por idade de acordo com informações do Censo IBGE

7 Hábitos e Comportamento dos Doadores Proporção de Doadores 74% dos contatos praticam algum tipo de doação O valor médio anual de doações gerais é de R$ 388,00 As formas de doação são diversas (igrejas; entidades sociais, pessoas necessitadas;eventos e campanhas beneficentes) Na maioria das vezes o próprio município é o beneficiado O último valor doado vai de R$ 10 a R$50 na maioria dos casos. As doações mais freqüentes são feitas às Igrejas e Entidades sociais, que, conseqüentemente, têm o maior volume (em R$) de doação anual Os que prestam trabalho voluntário, geralmente, trabalham diretamente com as pessoas atendidas ou participam de eventos dedicam em média até 10hs do mês 7

8 Doações para as Entidades Sociais 1º contato com a Entidade Social: 41% por indicação de amigos/ parentes 36% por ações de telemarketing 74% dos doadores acompanham o destino dos recursos a maioria informada pela própria entidade Mas 24% ainda não se envolvem, doando sem acompanhar o destino da doação Atuação: assistência social Beneficiados: crianças e adolescentes Motivação: 57% mencionam de forma espontânea Fazer algo para melhorar as condições de vida das pessoas e ajudar o próximo Exercer a cidadania e motivação religiosa são outras duas fortes motivações 8

9 O perfil dos entrevistados DOADORES Sexo Feminino 56% Classe A/B 40% Grau de instrução Superior completo 20% Superior incompleto 39% Idade Tempo que reside na cidade 18 a 34 anos 44% Média 40 anos Mais de 10 anos 77% 9

10 ENTENDIMENTO DAS MOTIVAÇÕES E DAS CARACTERÍSTICAS DO INVESTIDOR SOCIAL 10

11 Os 3 Cs das Motivações para o DOADOR Convicção: decisão é baseada em valores humanos. Conveniência: é bom para sua presença na sociedade, para o negocio que dirigem, para o prestigio que adquirem. É uma decisão movida pelos resultados que espera conseguir para si. Coerção: pressão do contexto, de clientes, dos concorrentes, de empregados, da comunidade, de seus amigos. Necessita responder a uma força externa. 11

12 As Sete Faces da Filantropia (Prince and File) Devotos Comunitários Investidores Dinastias Socialites Retribuidores Altruistas 12

13 O Devoto: Fazer o Bem é a Vontade de Deus Eles são motivados a apoiar entidades por motivos religiosos. Eles acreditam que é a Vontade de Deus que eles ajudem ao próximo. Eles participam ativamente da paróquia local e canalizam suas doações a organizações religiosas. Predomina um modelo caritativo. 13

14 Os Comunitários: Fazer o Bem Faz Sentido Eles doam porque faz sentido doar: ser solidário com os problemas da comunidade. Normalmente eles são donos de estabelecimentos comerciais locais e acreditam que fazer parte de conselhos e comitês de entidades locais pode ser bom para a comunidade e bom para os negócios (network desenvolvidos nestes círculos). Confundem sua ação de doador com a própria ação de participação na vida comunitária. Quase nenhuma estratégia especifica para doar. 14

15 O Retribuidor: Fazer o Bem Como Devolução Eles se sentem em primeiro lugar beneficiados de uma entidade ou organização, depois é que se consideram doadores. Eles já se beneficiaram pessoalmente de uma faculdade ou centro médico, e agora apóiam a mesma instituição em função de lealdade ou por uma sentimento de obrigação. 15

16 São herdeiros. A Dinastia: Fazer o Bem é Uma Tradição Familiar Sua motivação filantrópica se originou na sua criação a sua família sempre teve o investimento social como valor e eles acreditam que é esperado que eles continuem apoiando OSCs. A nova geração busca formas diferentes de investimento social daquelas que seus pais fizeram. 16

17 A Socialite: Fazer o Bem é Divertido Eles acham os eventos beneficentes uma maneira atraente de contribuir para um mundo melhor e ao mesmo tempo se divertir. Eles são membros dos círculos sociais exclusivos, e selecionam organizações dirigidas por parentes ou amigos para apoiar. Eles procuram oportunidades para criar eventos sociais, como colaborar em atividades de mobilização de recursos, e são menos interessados em participar do dia-a-dia das organizações. Eles tendem a apoiar as causas da educação e cultura, bem como organizações religiosas. 17

18 O Altruísta: Fazer o Bem Me Faz Sentir Bem O doador altruístico é aquele que doa em função da bondade e empatia por causas urgentes. De forma modesta, eles preferem ficar anônimos. Eles doam porque é um imperativo moral e os ajuda a crescer e/ou evoluir espiritualmente. Eles tomam decisões sem assessorias técnicas e tipicamente não têm interesse de participar de forma ativa nas OSCs que eles apóiam. Mais de qualquer outro grupo, Altruístas direcionam sua doações às causas sociais. 18

19 O Investidor: Fazer o Bem é Bom Negócio Eles são indivíduos de alto poder aquisitivo que doam com um olho na causa social e outro no impacto que podem causar. Querem inovar e transformar. Eles calibram suas doações em função do grau de participação que podem ter em inspirar, participar e monitorar o seu investimento. Tem preocupação com o planejamento estratégico, gestão, e avaliação de resultados e impactos. Busca o profissionalismo em suas ações. Busca parcerias. 19

II FÓRUM SESI DE RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL

II FÓRUM SESI DE RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL II FÓRUM SESI DE RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL Investimento Social Privado: oportunidades e riscos Rebecca Raposo Dezembro, 2006 Como chegamos até aqui? Principais mudanças Democratização e mudança

Leia mais

Objetivos da Palestra:

Objetivos da Palestra: TerceiroSetor Caracterização e Desafios com Marcos Kisil Objetivos da Palestra: Conhecer o Terceiro Setor: origem, características e papel na sociedade Refletir sobre os desafios atuais do Terceiro Setor

Leia mais

FÓRUM EMPRESARIAL SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE CORPORATIVA: UM PASSO ADIANTE

FÓRUM EMPRESARIAL SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE CORPORATIVA: UM PASSO ADIANTE AMCE NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS www.amce.com.br PROJETOS ESPECIAIS FÓRUM EMPRESARIAL SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE CORPORATIVA: UM PASSO ADIANTE 10º EVENTO TEMA: Investimento Social Privado: é possível

Leia mais

CENÁRIO BRASILEIRO DO MARKETING RELACIONADO A CAUSAS Atitudes e comportamento do consumidor

CENÁRIO BRASILEIRO DO MARKETING RELACIONADO A CAUSAS Atitudes e comportamento do consumidor CENÁRIO BRASILEIRO DO MARKETING RELACIONADO A CAUSAS Atitudes e comportamento do consumidor 2º Seminário Internacional de Marketing Relacionado a Causas 27 de setembro de 2005 1 O que pensa consumidor

Leia mais

WORLD GIVING INDEX 2015

WORLD GIVING INDEX 2015 WORLD GIVING INDEX 2015 QUEM SOMOS Fundado em 1999, organização pioneira no apoio técnico ao investidor social no Brasil e na América Latina, e tem como missão promover e estruturar o sistema de investimento

Leia mais

O desenvolvimento do Terceiro Setor e a profissionalização

O desenvolvimento do Terceiro Setor e a profissionalização O desenvolvimento do Terceiro Setor e a profissionalização Cristiane dos Santos Schleiniger * Lise Mari Nitsche Ortiz * O Terceiro Setor é o setor da sociedade que emprega aproximadamente 1 milhão de pessoas.

Leia mais

Investimento Social Privado: Instrumento de uma sociedade democrática e capitalista

Investimento Social Privado: Instrumento de uma sociedade democrática e capitalista Investimento Social Privado: Instrumento de uma sociedade democrática e capitalista Marcos Kisil PUC 5/11/2015 As parcerias entre Estado, Mercado e Sociedade Civil QUAL O PAPEL DO ESTADO? QUAL O PAPEL

Leia mais

INVESTIMENTO SOCIAL. Agosto de 2014

INVESTIMENTO SOCIAL. Agosto de 2014 INVESTIMENTO SOCIAL Agosto de 2014 INVESTIMENTO SOCIAL Nós promovemos o desenvolvimento sustentável de diversas maneiras Uma delas é por meio do Investimento Social INVESTIMENTO INVESTIENTO SOCIAL - Estratégia

Leia mais

Glossário do Investimento Social*

Glossário do Investimento Social* Glossário do Investimento Social* O IDIS Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social é uma organização da sociedade civil de interesse público, que tem como missão promover e estruturar o investimento

Leia mais

DOAÇÃO DE SANGUE. Raquel Rocha Gomes

DOAÇÃO DE SANGUE. Raquel Rocha Gomes DOAÇÃO DE SANGUE Raquel Rocha Gomes O dia 25 de novembro é nacionalmente comemorado como o dia do doador de sangue. Aproveitando esse tema, a Futura realizou uma pesquisa com os moradores da Grande Vitória

Leia mais

CENÁRIO BRASILEIRO DO MARKETING RELACIONADO A CAUSAS Atitudes e comportamento das OSCs e Empresas

CENÁRIO BRASILEIRO DO MARKETING RELACIONADO A CAUSAS Atitudes e comportamento das OSCs e Empresas CENÁRIO BRASILEIRO DO MARKETING RELACIONADO A CAUSAS Atitudes e comportamento das OSCs e 3º Seminário de Marketing Relacionado a Causas 25 de outubro de 2007 1 Objetivos Estudar atitudes e comportamentos

Leia mais

Educação para a Sustentabilidade Projeto ESPM Social São Paulo

Educação para a Sustentabilidade Projeto ESPM Social São Paulo Educação para a Sustentabilidade Projeto ESPM Social São Paulo (Escola Superior de Propaganda e Marketing) Apresentação: Prof. Ismael Rocha Prof. Carlos Frederico Lucio São Paulo, julho de 2011 Indicadores

Leia mais

O Investimento Social no Brasil & Inglaterra

O Investimento Social no Brasil & Inglaterra O Investimento Social no Brasil & Inglaterra Márcia Woods IDIS Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social 1ª Conferência sobre Investimento Social Estrangeiro no Brasil 23 de novembro de 2009

Leia mais

Como estruturar um programa de investimento social familiar estratégico 1

Como estruturar um programa de investimento social familiar estratégico 1 Como estruturar um programa de investimento social familiar estratégico 1 O IDIS Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social é uma organização da sociedade civil de interesse público, que tem

Leia mais

Voluntariado Empresarial e Desenvolvimento de Competências

Voluntariado Empresarial e Desenvolvimento de Competências Voluntariado Empresarial e Desenvolvimento de Competências Voluntariado Segundo o Conselho da Comunidade Solidária, Voluntário é o cidadão que, motivado pelos valores de participação e solidariedade, doa

Leia mais

Carta de Projetos SÃO PAULO 2016

Carta de Projetos SÃO PAULO 2016 Carta de Projetos SÃO PAULO 2016 1. Parcerias Institucionais Se sua empresa acredita que pode ser agente ativa de uma transformação social, envolvendo moradores de comunidades precárias em todo o Brasil,

Leia mais

TÍTULO: PESQUISA APAE DE SANTA BÁRBARA D OESTE CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: COMUNICAÇÃO SOCIAL

TÍTULO: PESQUISA APAE DE SANTA BÁRBARA D OESTE CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: COMUNICAÇÃO SOCIAL TÍTULO: PESQUISA APAE DE SANTA BÁRBARA D OESTE CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: COMUNICAÇÃO SOCIAL INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA DE SANTA BÁRBARA AUTOR(ES): RODOLFO OSÓRIO

Leia mais

Guia sobre Voluntariado Instituto Lina Galvani

Guia sobre Voluntariado Instituto Lina Galvani Guia sobre Voluntariado Instituto Lina Galvani Sumário Conceito de voluntário... 3 O que é e o que não é voluntariado... 3 Lei do voluntariado... 4 Voluntariado no Brasil... 4 Benefício do Voluntariado...

Leia mais

PESQUISA ARQUITETURA INSTITUCIONAL DE APOIO ÀS ORGANIZAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL NO BRASIL

PESQUISA ARQUITETURA INSTITUCIONAL DE APOIO ÀS ORGANIZAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL NO BRASIL PESQUISA ARQUITETURA INSTITUCIONAL DE APOIO ÀS ORGANIZAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL NO BRASIL Relatório Final Eixo Investimento Social Privado Corporativo São Paulo, fevereiro de 2013 Créditos Realização: Articulação

Leia mais

arlete.moraes@grupomarista.org.br Assessoria de Relações Institucionais 041-9685-2725

arlete.moraes@grupomarista.org.br Assessoria de Relações Institucionais 041-9685-2725 arlete.moraes@grupomarista.org.br Assessoria de Relações Institucionais 041-9685-2725 Sumário 1 Quantas e Quem são as entidades sem fins econômicos? 2 As doações internacionais; 3 Cenário sobre doações

Leia mais

Pesquisa APAE de Santa Bárbara d Oeste 1

Pesquisa APAE de Santa Bárbara d Oeste 1 Pesquisa APAE de Santa Bárbara d Oeste 1 Caroline Matias VENTURA 2 Edinelson Cristiano PRAZER 3 Oziel CARVALHO 4 Pâmela FARIA 5 Raphael Laudissi PINHEIRO 6 Rodolfo MIRANDA 7 Paulo César D'ELBOUX 8 Vivian

Leia mais

FÓRUM IRÁ DISCUTIR AS POSSIBILIDADES E OPORTUNIDADES DE UNIR O SOCIAL AO CENÁRIO DAS FINANÇAS E DOS NEGÓCIOS LUCRATIVOS

FÓRUM IRÁ DISCUTIR AS POSSIBILIDADES E OPORTUNIDADES DE UNIR O SOCIAL AO CENÁRIO DAS FINANÇAS E DOS NEGÓCIOS LUCRATIVOS FÓRUM IRÁ DISCUTIR AS POSSIBILIDADES E OPORTUNIDADES DE UNIR O SOCIAL AO CENÁRIO DAS FINANÇAS E DOS NEGÓCIOS LUCRATIVOS Coloque na agenda! O Fórum Brasileiro de Finanças Sociais e Negócios de Impacto será

Leia mais

CONHECENDO O INVESTIDOR SOCIAL PRIVADO DA GRANDE FLORIANÓPOLIS: limites e perspectivas na promoção da participação cívica local 1

CONHECENDO O INVESTIDOR SOCIAL PRIVADO DA GRANDE FLORIANÓPOLIS: limites e perspectivas na promoção da participação cívica local 1 CONHECENDO O INVESTIDOR SOCIAL PRIVADO DA GRANDE FLORIANÓPOLIS: limites e perspectivas na promoção da participação cívica local 1 Maria Carolina Martinez Andion 2 Danilo Alano Melo 3 Elaine Oliveira Menezes

Leia mais

NO BRASIL: Há 27 anos, 700 empresas, 2,3 milhões de alunos beneficiados, 2 mil escolas, mais de 85 mil voluntários.

NO BRASIL: Há 27 anos, 700 empresas, 2,3 milhões de alunos beneficiados, 2 mil escolas, mais de 85 mil voluntários. 2011 NO MUNDO: Fundada em 1919 e atualmente em mais de 123 países. NO BRASIL: Há 27 anos, 700 empresas, 2,3 milhões de alunos beneficiados, 2 mil escolas, mais de 85 mil voluntários. NO ESPÍRITO SANTO:

Leia mais

Identificação e Escolha do Investimento Social. Britcham Fernando Nogueira

Identificação e Escolha do Investimento Social. Britcham Fernando Nogueira Modalidades, Mecanismos, Identificação e Escolha do Investimento Social Britcham Fernando Nogueira NÃO É UMA QUESTÃO RECENTE Qualquer um pode dar seu dinheiro ou gastá-lo; mas fazê-lo à pessoa certa, na

Leia mais

POLíTICA DE PATROCíNIOS E DOAÇÕES VOLVO DO BRASIL

POLíTICA DE PATROCíNIOS E DOAÇÕES VOLVO DO BRASIL POLíTICA DE PATROCíNIOS E DOAÇÕES VOLVO DO BRASIL índice APRESENTAÇÃO...3 POLíTICA DE PATROCíNIOS DA VOLVO DO BRASIL...3 1. Objetivos dos Patrocínios...3 2. A Volvo como Patrocinadora...3 3. Foco de Atuação...4

Leia mais

Solidariedade - É uma empatia fundamental com as causas das famílias mais excluídas, que nos move a # querer estar e trabalhar junto com elas.

Solidariedade - É uma empatia fundamental com as causas das famílias mais excluídas, que nos move a # querer estar e trabalhar junto com elas. BRIEF COMERCIAL 2015 QUEM SOMOS TETO é uma organização presente na América Latina e no Caribe, que busca superar a situação de pobreza em que vivem milhões de pessoas nos assentamentos precários, através

Leia mais

Centro Comunitário Vila Gaúcha. Projeto Experimental II

Centro Comunitário Vila Gaúcha. Projeto Experimental II Centro Comunitário Vila Gaúcha Projeto Experimental II Apresentação da Empresa O Centro Comunitário Vila Gaúcha presta atendimento regular em Educação Infantil, Serviço de Apoio Sócio Educativo, Trabalho

Leia mais

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO EM GESTÃO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL E DESENVOLVIMENTO PETROBRÁS UNIVERSIDADE COORPORATIVA OFICINA2

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO EM GESTÃO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL E DESENVOLVIMENTO PETROBRÁS UNIVERSIDADE COORPORATIVA OFICINA2 PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO EM GESTÃO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL E DESENVOLVIMENTO PETROBRÁS UNIVERSIDADE COORPORATIVA OFICINA2 ESTRATÉGIAS E INSTRUMENTOS DE RESPONSABILIDADE SOCIAL AMBIENTAL E

Leia mais

Trabalho voluntário: o cidadão em ações sociais

Trabalho voluntário: o cidadão em ações sociais Trabalho voluntário: o cidadão em ações sociais O trabalho voluntário vem assumindo um papel expressivo na sociedade. Adeptos da prática vêm de todas as classes sociais. Por Mayara Kelly Há seis anos,

Leia mais

TÍTULO: COMO CAPTAR RECURSOS HUMANOS VOLUNTÁRIOS PARA O ASILO JOÃO KUHL FILHO

TÍTULO: COMO CAPTAR RECURSOS HUMANOS VOLUNTÁRIOS PARA O ASILO JOÃO KUHL FILHO TÍTULO: COMO CAPTAR RECURSOS HUMANOS VOLUNTÁRIOS PARA O ASILO JOÃO KUHL FILHO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E ARTES

Leia mais

Sobre o cenário da sustentabilidade das ONG no Brasil

Sobre o cenário da sustentabilidade das ONG no Brasil Sobre o cenário da sustentabilidade das ONG no Brasil Cristina Câmara Rio de Janeiro, 07 mar. 2012 Um grupo social organizado é movido por uma causa, estabelece alianças políticas com outros atores sociais

Leia mais

Resultados da Pesquisa IDIS de Investimento Social na Comunidade 2004

Resultados da Pesquisa IDIS de Investimento Social na Comunidade 2004 Resultados da Pesquisa IDIS de Investimento Social na Comunidade 2004 Por Zilda Knoploch, presidente da Enfoque Pesquisa de Marketing Este material foi elaborado pela Enfoque Pesquisa de Marketing, empresa

Leia mais

INSTITUTO LOJAS RENNER

INSTITUTO LOJAS RENNER 2011 RELATÓRIO DE ATIVIDADES INSTITUTO LOJAS RENNER Instituto Lojas Renner Inserção de mulheres no mercado de trabalho, formação de jovens e desenvolvimento da comunidade fazem parte da essência do Instituto.

Leia mais

Política de Patrocínios e Doações da Volvo do Brasil

Política de Patrocínios e Doações da Volvo do Brasil Política de Patrocínios e Doações da Volvo do Brasil Data de publicação: 10/07/2007 Última atualização: 10/07/2007 APRESENTAÇÃO Os patrocínios exercem um importante papel na estratégia de comunicação e

Leia mais

Responsabilidade Social Corporativa

Responsabilidade Social Corporativa Responsabilidade Social Corporativa João Paulo Vergueiro jpverg@hotmail.com Stakeholders GOVERNOS ORGANISMOS INTERNACIONAIS FORNECEDORES CONCORRENTES INDÚSTRIA DA COMUNICAÇÃO ACIONISTAS PROPRIETÁRIOS EMPRESA

Leia mais

A1. Número da Entrevista: A2. Iniciais do Entrevistador: A3. Data: / /2007 A4. Nome da Entidade [POR EXTENSO E A SIGLA]:

A1. Número da Entrevista: A2. Iniciais do Entrevistador: A3. Data: / /2007 A4. Nome da Entidade [POR EXTENSO E A SIGLA]: CENTRO BRASILEIRO DE ANÁLISE E PLANEJAMENTO-CEBRAP A Reforma de Serviços Públicos: O Papel da Ação Coletiva e da Accountability Social (Delhi, Cidade de México e São Paulo) QUESTIONÁRIO PARA LIDERANÇAS

Leia mais

O QUE É O PROJETO? Ponto de encontro entre quem tem alguma coisa para DAR... ... e quem precisa de RECEBER. 20-06-2014

O QUE É O PROJETO? Ponto de encontro entre quem tem alguma coisa para DAR... ... e quem precisa de RECEBER. 20-06-2014 0-06-04 O QUE É O PROJETO? Ponto de encontro entre quem tem alguma coisa para DAR...... e quem precisa de RECEBER. Plataforma online - www.darereceber.pt - para encaminhar situações de necessidade. 0-06-04

Leia mais

Índice. Introdução. Fase 1 - Participação da população brasileira. Fase 2 - Perfil do voluntário Características do serviço voluntário

Índice. Introdução. Fase 1 - Participação da população brasileira. Fase 2 - Perfil do voluntário Características do serviço voluntário Pesquisa Voluntariado no Brasil - 2011 Índice 1 2 3 4 Introdução Fase 1 - Participação da população brasileira Fase 2 - Perfil do voluntário Características do serviço voluntário Fase 3 - Segmentação 5

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL E VOLUNTARIADO EMPRESARIAL. A contribuição do trabalho voluntário na Responsabilidade Social

RESPONSABILIDADE SOCIAL E VOLUNTARIADO EMPRESARIAL. A contribuição do trabalho voluntário na Responsabilidade Social RESPONSABILIDADE SOCIAL E VOLUNTARIADO EMPRESARIAL A contribuição do trabalho voluntário na Responsabilidade Social Ana Paula P. Mohr Universidade do Vale do Rio dos Sinos ana.mohr@gerdau.com.br INTRODUÇÃO

Leia mais

Doações por Terceiros - Pessoa Física e Pessoa Jurídica João Paulo Vergueiro presidente@captacao.org

Doações por Terceiros - Pessoa Física e Pessoa Jurídica João Paulo Vergueiro presidente@captacao.org Doações por Terceiros - Pessoa Física e Pessoa Jurídica João Paulo Vergueiro presidente@captacao.org Objetivo Doações por terceiros (pessoa física e pessoa jurídica): Desafios e possibilidades de uma organização

Leia mais

Introdução da Responsabilidade Social na Empresa

Introdução da Responsabilidade Social na Empresa Introdução da Responsabilidade Social na Empresa Vitor Seravalli Diretoria Responsabilidade Social do CIESP Sorocaba 26 de Maio de 2009 Responsabilidade Social Empresarial (RSE) é uma forma de conduzir

Leia mais

Apoio: BIT Company Franchising Rua Fidêncio Ramos, 223 conj. 131 13º andar Vila Olimpia

Apoio: BIT Company Franchising Rua Fidêncio Ramos, 223 conj. 131 13º andar Vila Olimpia Nome da empresa: BIT Company Data de fundação: Julho de 1993 Número de funcionários: 49 funcionários Localização (cidade e estado em que estão sede e franquias): Sede em São Paulo, com franquias em todo

Leia mais

McDia Feliz. São Paulo, junho 2003. Finalista na Categoria Grande Empresa

McDia Feliz. São Paulo, junho 2003. Finalista na Categoria Grande Empresa McDia Feliz São Paulo, junho 2003 1 McDia Feliz: 15 anos de luta contra o câncer infanto-juvenil no Brasil A cultura de Responsabilidade Social do McDonald s faz parte da filosofia mundial da empresa,

Leia mais

Politica Nacional de Enfrentamento à epidemia de HIV/AIDS no Brasil:

Politica Nacional de Enfrentamento à epidemia de HIV/AIDS no Brasil: FUNDO POSITHiVO Politica Nacional de Enfrentamento à epidemia de HIV/AIDS no Brasil: Resposta Brasileira à epidemia de AIDS: Conjunção de esforços- Resposta Governamental & Sociedade Brasileira. Êxito

Leia mais

Pesquisa de Gestão e Capacitação Organizacional no 3º Setor principais conclusões. novembro 2012. apoio

Pesquisa de Gestão e Capacitação Organizacional no 3º Setor principais conclusões. novembro 2012. apoio Pesquisa de Gestão e Capacitação Organizacional no 3º Setor principais conclusões novembro 2012 apoio 2 do CEO Carta do CEO A pesquisa levanta questões interessantes relativas à sustentabilidade e à boa

Leia mais

PARÓQUIA NOSSA SENHORA DE NAZARÉ. PROJETO: ALBERGUE DONA MARIA PIEDADE.

PARÓQUIA NOSSA SENHORA DE NAZARÉ. PROJETO: ALBERGUE DONA MARIA PIEDADE. PARÓQUIA NOSSA SENHORA DE NAZARÉ. PROJETO: ALBERGUE DONA MARIA PIEDADE. Manacapuru/Am. Jan/2008. PARÓQUIA NOSSA SENHORA DE NAZARÉ. PROJETO: ALBERGUE DONA MARIA PIEDADE. Projeto Social: ALBERGUE DONA MARIA

Leia mais

Metodologia AMOSTRA ABRANGÊNCIA PERÍODO MARGEM DE ERRO. A margem de erro máxima para o total da amostra é 2,0 pontos percentuais.

Metodologia AMOSTRA ABRANGÊNCIA PERÍODO MARGEM DE ERRO. A margem de erro máxima para o total da amostra é 2,0 pontos percentuais. Junho / 2014 Metodologia Metodologia AMOSTRA ABRANGÊNCIA PERÍODO MARGEM DE ERRO 2.126 pessoas foram entrevistadas, a partir de 16 anos, de todos os níveis econômicos em todas as regiões do país. As entrevistas

Leia mais

Incidência em políticas públicas: ampliando as possibilidades. Rafael Gioielli Instituto Votorantim / Brasil

Incidência em políticas públicas: ampliando as possibilidades. Rafael Gioielli Instituto Votorantim / Brasil Incidência em políticas públicas: ampliando as possibilidades Rafael Gioielli Instituto Votorantim / Brasil Políticas públicas e Investimento Social Privado MODELO MAIS COMUM MODELO ALTERNATIVO ISP INFLUENCIAR

Leia mais

O Investimento Social Britânico no Brasil: Caso do HSBC Bank Brasil

O Investimento Social Britânico no Brasil: Caso do HSBC Bank Brasil O Investimento Social Britânico no Brasil: Caso do HSBC Bank Brasil Ariel Scheffer da Silva Gerente de Sustentabilidade HSBC Bank Brasil São Paulo 24 de novembro de 2009 Sustentabilidade no HSBC Comunicação

Leia mais

ParticiPar SEMGaStar

ParticiPar SEMGaStar Participar SEMGASTAR Parte do seu imposto de renda pode transformar sonhos em realidade Você sabia que seu Imposto de Renda pode ajudar muitas crianças e jovens? Foi pensando neste mecanismo que a Rede

Leia mais

Roteiro para orientar o investimento social privado na comunidade 1

Roteiro para orientar o investimento social privado na comunidade 1 Roteiro para orientar o investimento social privado na comunidade 1 O IDIS Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social é uma organização da sociedade civil de interesse público, que tem como

Leia mais

- Terceiro Setor e Sociedade Civil Organizada -

- Terceiro Setor e Sociedade Civil Organizada - - Terceiro Setor e Sociedade Civil Organizada - 1 Terceiro Setor Denominação de um setor além governo e do privado/empresas. Define a atuação de organizações não estatais e sem fins lucrativos. Divisão

Leia mais

Visão do Significado de Responsabilidade Social sob a Ótica das Empresas Paraenses

Visão do Significado de Responsabilidade Social sob a Ótica das Empresas Paraenses 1 Visão do Significado de Responsabilidade Social sob a Ótica das Empresas Paraenses RESUMO Ivanete Modesto do Amaral 1 O artigo apresenta e discute os resultados de uma pesquisa sobre a visão de responsabilidade

Leia mais

O Papel da Mobilização Frente aos Novos Desafios FEMAMA. Junho 2012 Fortaleza CE

O Papel da Mobilização Frente aos Novos Desafios FEMAMA. Junho 2012 Fortaleza CE O Papel da Mobilização Frente aos Novos Desafios FEMAMA Dra. Maira Caleffi, Ph.D. Junho 2012 Fortaleza CE Presidente da FEMAMA Brasil Presidente do IMAMA Instituto da Mama do RS Coordenadora Núcleo Mama

Leia mais

Café com Responsabilidade. Sustentabilidade: a competência empresarial do futuro. Vitor Seravalli

Café com Responsabilidade. Sustentabilidade: a competência empresarial do futuro. Vitor Seravalli Café com Responsabilidade Sustentabilidade: a competência empresarial do futuro Vitor Seravalli Manaus, 11 de Abril de 2012 Desafios que o Mundo Enfrenta Hoje Crescimento Populacional Desafios que o Mundo

Leia mais

visitas às instituições sociais. Os colaboradores voluntários também foram consultados, por meio da aplicação de um questionário.

visitas às instituições sociais. Os colaboradores voluntários também foram consultados, por meio da aplicação de um questionário. 1. Apresentação O Voluntariado Empresarial é um dos canais de relacionamento de uma empresa com a comunidade que, por meio da atitude solidária e proativa de empresários e colaboradores, gera benefícios

Leia mais

Responsabilidade social de empresas no Brasil: um panorama dos investimentos sociais de empresas na comunidade *

Responsabilidade social de empresas no Brasil: um panorama dos investimentos sociais de empresas na comunidade * BNDES Setorial 31, p. 411-448 Responsabilidade social de empresas no Brasil: um panorama dos investimentos sociais de empresas na comunidade * Rodrigo Mendes Leal Roberto Oliveira das Neves ** Resumo Este

Leia mais

Bolsa de Valores de São Paulo - BOVESPA. Comunicação de Progresso - 2006

Bolsa de Valores de São Paulo - BOVESPA. Comunicação de Progresso - 2006 Bolsa de Valores de São Paulo - BOVESPA Comunicação de Progresso - 2006 Quem somos: Número de funcionários: 781 Número de empresas listadas: 391 Volume financeiro diário: R$ 2,4 bilhões Market Cap: R$

Leia mais

Como as empresas estão (ou não) comunicando a RSE

Como as empresas estão (ou não) comunicando a RSE Como as empresas estão (ou não) comunicando a RSE Uma rápida reflexão Ricardo Voltolini/Natal-Agosto07 Melhor começar pelos porquês Alguns porquês Por que as empresas estão comunicando a RSE Se estão comunicando

Leia mais

Características dos empreendedores formais e informais do Estado de São Paulo. Novembro/03

Características dos empreendedores formais e informais do Estado de São Paulo. Novembro/03 Características dos empreendedores formais e informais do Estado de São Paulo Novembro/03 1 Objetivos: Informações sobre a Pesquisa Identificar as principais características dos empreendedores paulistas

Leia mais

Palavras-chave Ação social, Comunicação, Investimento social privado, Responsabilidade Social

Palavras-chave Ação social, Comunicação, Investimento social privado, Responsabilidade Social Título Desafios na Comunicação da Ação Social Privada 1 Autores Prof. Dr. Paulo Nassar, professor da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo e presidente da ABERJE Associação Brasileira

Leia mais

CONHEÇA OS NOSSOS PROJETOS

CONHEÇA OS NOSSOS PROJETOS CONHEÇA OS NOSSOS PROJETOS APRESENTAÇÃO Em Dezembro de 2004 por iniciativa da Federação das Indústrias do Estado do Paraná o CPCE Conselho Paranaense de Cidadania Empresarial nasceu como uma organização

Leia mais

Relatório Anual. CADI Centro de Assistência e Desenvolvimento Integral de SC

Relatório Anual. CADI Centro de Assistência e Desenvolvimento Integral de SC Resumo da ONG O CADI Palhoça é uma instituição não governamental cujo objetivo é executar, articular e fomentar ações e projetos que facilitem o desenvolvimento de comunidades. Desenvolve projetos em 6

Leia mais

Opinião do. brasileiro sobre Voluntariado. Fundação Itaú Social Resultados em outubro de 2014

Opinião do. brasileiro sobre Voluntariado. Fundação Itaú Social Resultados em outubro de 2014 Opinião do brasileiro sobre Voluntariado Fundação Itaú Social Resultados em outubro de 2014 Índice 2 Objetivo e Metodologia Perfil demográfico da população brasileira Exercício da Atividade Voluntária

Leia mais

Norma Permanente 4.1. GOVERNANÇA E GESTÃO 4.2. PRINCÍPIOS 4.3. INVESTIMENTO SOCIAL PRIVADO E INCENTIVADO

Norma Permanente 4.1. GOVERNANÇA E GESTÃO 4.2. PRINCÍPIOS 4.3. INVESTIMENTO SOCIAL PRIVADO E INCENTIVADO Resumo: Reafirma o comportamento socialmente responsável da Duratex. Índice 1. OBJETIVO 2. ABRANGÊNCIA 3. DEFINIÇÕES 3.1. PARTE INTERESSADA 3.2. ENGAJAMENTO DE PARTES INTERESSADAS 3.3. IMPACTO 3.4. TEMAS

Leia mais

Educação Integral Relatório em Junho/2013

Educação Integral Relatório em Junho/2013 Comunidade Escola Família Educação Integral Relatório em Junho/2013 Objetivo 3 O principal objetivo desta pesquisa é avaliar o conhecimento da população brasileira sobre educação integral. Metodologia

Leia mais

Lançamento. 25/agosto/2009

Lançamento. 25/agosto/2009 Lançamento Programa de Voluntariado Empresarial Sabesp 25/agosto/2009 Cenário externo Modelo de desenvolvimento insustentável; Desequilíbrio ambiental e escassez de recursos naturais; Aumento da pobreza,

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2013

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2013 RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2013 Instituto Lojas Renner Instituto Lojas Renner Promover a inserção de mulheres no mercado de trabalho por meio de projetos de geração de renda é o objetivo do Instituto Lojas

Leia mais

Fundação Itaú Social. Por uma educação integral,

Fundação Itaú Social. Por uma educação integral, Fundação Itaú Social Por uma educação integral, integrada e integradora Visão Itaú Ser o banco líder em performance e perene reconhecidamente sólido e ético, destacando-se por equipes motivadas, comprometidas

Leia mais

RESUMO FRANQUIA O BOTICÁRIO BELÉM (PA) PROMOÇÃO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

RESUMO FRANQUIA O BOTICÁRIO BELÉM (PA) PROMOÇÃO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE FRANQUIA O BOTICÁRIO BELÉM (PA) PROMOÇÃO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE RESUMO As franquias que apresentam um alto grau de proximidade, exposição e envolvimento com a comunidade, possuem conhecimento da sua

Leia mais

CURSO FERRAMENTAS DE GESTÃO IN COMPANY

CURSO FERRAMENTAS DE GESTÃO IN COMPANY CURSO FERRAMENTAS DE GESTÃO IN COMPANY Instrumental e modular, o Ferramentas de Gestão é uma oportunidade de aperfeiçoamento para quem busca conteúdo de qualidade ao gerenciar ações sociais de empresas

Leia mais

Sustentabilidade: Hoje ou Amanhã?

Sustentabilidade: Hoje ou Amanhã? Sustentabilidade: Hoje ou Amanhã? Sustentabilidade O que isto significa? Tem implicações nas vidas das pessoas e organizações? Os cidadãos e os executivos estão comprometidos com isto? Surgem muitas organizações

Leia mais

OFICINA DE CONHECIMENTO GESTÃO E SUSTENTABILIDADE PARA O TERCEIRO SETOR

OFICINA DE CONHECIMENTO GESTÃO E SUSTENTABILIDADE PARA O TERCEIRO SETOR GESTÃO E SUSTENTABILIDADE PARA O TERCEIRO SETOR O Prêmio Criança É um programa da Fundação Abrinq Save the Children que identifica e reconhece boas práticas voltadas à primeira infância (0 a 6 anos), gestantes

Leia mais

MOBILIZAÇÃO DE RECURSOS: UM ESTUDO COM ORGANIZAÇÕES SOCIAIS NO BRASIL

MOBILIZAÇÃO DE RECURSOS: UM ESTUDO COM ORGANIZAÇÕES SOCIAIS NO BRASIL Colocar foto de autor MOBILIZAÇÃO DE RECURSOS: UM ESTUDO COM ORGANIZAÇÕES SOCIAIS NO BRASIL Autoras: Queiroz, Helena Maria Gomes Coelho, Michelle Queiroz Introdução Objetivo Geral: Pesquisar como a mobilização

Leia mais

Árvore Solidária. Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente)

Árvore Solidária. Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente) Árvore Solidária Mostra Local de: Maringá Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: Cooperativa Sicredi União PR/SP Cidade: O projeto

Leia mais

Departamento de Responsabilidade Social (DRS) Diretoria Regional de Sorocaba

Departamento de Responsabilidade Social (DRS) Diretoria Regional de Sorocaba Departamento de Responsabilidade Social (DRS) Organograma do Departamento de Responsabilidade Social 80 anos Conselho de Administração do DRS Coordenador Geral Dr. Luiz Pagliato Coord. Amadeu Andreosi

Leia mais

O futuro da filantropia no Brasil

O futuro da filantropia no Brasil O futuro da filantropia no Brasil 09/01/06 Criando um setor mais diversificado CANDACE ('CINDY') LESSA Diretora do Programa Brasil do Instituto Synergos FERNANDO ROSSETTI Secretário geral do GIFE (Grupo

Leia mais

IMPOSTO DE RENDA SOLIDÁRIO

IMPOSTO DE RENDA SOLIDÁRIO IMPOSTO DE RENDA SOLIDÁRIO FOCO DE ATUAÇÃO DA RMS PÚBLICO PRIORITÁRIO CONTEXTO Incentivos Fiscais FIA: Fomentar a participação da sociedade visando fortalecer os fundos das infâncias e adolescências. Pessoa

Leia mais

O Censo do GIFE - Grupo de Institutos, Fundações e Empresas de 2005/2006 1. (versão 22 de setembro de 2006) Simon Schwartzman

O Censo do GIFE - Grupo de Institutos, Fundações e Empresas de 2005/2006 1. (versão 22 de setembro de 2006) Simon Schwartzman O Censo do GIFE - Grupo de Institutos, Fundações e Empresas de 2005/2006 1 (versão 22 de setembro de 2006) Simon Schwartzman Sumário Executivo O GIFE - Grupo de Institutos, Fundações e Empresas - é uma

Leia mais

Responsabilidade Social

Responsabilidade Social Responsabilidade Social INSTITUTO DE CIDADANIA EMPRESARIAL DO MARANHÃO ICE/MA MISSÃO: Difundir o conceito de desenvolvimento sustentável de modo a incentivar as empresas a adotarem a responsabilidade social

Leia mais

Programas de. Andrea Goldschmidt andrea@apoenasustentavel.com.br

Programas de. Andrea Goldschmidt andrea@apoenasustentavel.com.br Programas de Voluntariado Empresarial Andrea Goldschmidt andrea@apoenasustentavel.com.br POSICIONAMENTO APOENA Visão Ser a mais completa empresa de consultoria em Gestão Sustentável do Brasil. Missão Disseminar,

Leia mais

Associação Brasileira de Doadores e Voluntários do Sangue PLANO DE NEGÓCIOS

Associação Brasileira de Doadores e Voluntários do Sangue PLANO DE NEGÓCIOS Associação Brasileira de Doadores e Voluntários do Sangue PLANO DE NEGÓCIOS I Introdução A intenção deste documento é apresentar a estratégia de trabalho da Voluntários do Sangue (VS) para os próximos

Leia mais

GESTÃO DE PESSOAS E RESPONSABILIDADE SOCIAL: CRIANDO VALOR PARA. Profa. MARIA ELIZABETH PUPE JOHANN

GESTÃO DE PESSOAS E RESPONSABILIDADE SOCIAL: CRIANDO VALOR PARA. Profa. MARIA ELIZABETH PUPE JOHANN GESTÃO DE PESSOAS E RESPONSABILIDADE SOCIAL: CRIANDO VALOR PARA O NEGÓCIO Profa. MARIA ELIZABETH PUPE JOHANN Maio de 2007 LEMBRANDO ESTRATÉGIAS... APARENTE PARADOXO: POR QUE A RICA SOCIEDADE AMERICANA

Leia mais

Solidariedade - É uma empatia fundamental com as causas das famílias mais excluídas, que nos move a # querer estar e trabalhar junto com elas.

Solidariedade - É uma empatia fundamental com as causas das famílias mais excluídas, que nos move a # querer estar e trabalhar junto com elas. BRIEF INSTITUCIONAL 2015 QUEM SOMOS TETO é uma organização presente na América Latina e no Caribe, que busca superar a situação de pobreza em que vivem milhões de pessoas nos assentamentos precários, através

Leia mais

Responsabilidade na Gestão do Relacionamento com os Clientes. Política de comunicação Comercial; Excelência do atendimento;

Responsabilidade na Gestão do Relacionamento com os Clientes. Política de comunicação Comercial; Excelência do atendimento; Responsabilidade na Gestão do Relacionamento com os Clientes Política de comunicação Comercial; Excelência do atendimento; Danos potenciais dos produtos e serviços. PNQ 2007 - critérios: clientes e sociedade.

Leia mais

VOLUNTARIADO EMPRESARIAL CRA - outubro 2009

VOLUNTARIADO EMPRESARIAL CRA - outubro 2009 VOLUNTARIADO EMPRESARIAL CRA - outubro 2009 APOENA SUSTENTÁVEL Missão Disseminar, desenvolver e promover a gestão corporativa sustentável garantindo o equilíbrio entre os fatores econômicos, sociais e

Leia mais

XXXII Congresso da Sociedade Brasileira de Medicina Farmacêutica

XXXII Congresso da Sociedade Brasileira de Medicina Farmacêutica XXXII Congresso da Sociedade Brasileira de Medicina Farmacêutica Mesa-Redonda: Responsabilidade Social Empresarial 23-24 de Novembro de 2006 Mário Páscoa (Wyeth/ Painel Febrafarma) E-mail: pascoam@hotmail.com

Leia mais

PESQUISA ARQUITETURA INSTITUCIONAL DE APOIO ÀS ORGANIZAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL NO BRASIL

PESQUISA ARQUITETURA INSTITUCIONAL DE APOIO ÀS ORGANIZAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL NO BRASIL PESQUISA ARQUITETURA INSTITUCIONAL DE APOIO ÀS ORGANIZAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL NO BRASIL Relatório Final Eixo Investimento Social Privado Corporativo São Paulo, Fevereiro de 2013 Créditos Realização: Articulação

Leia mais

Panorama da Avaliação. de Projetos Sociais de ONGs no Brasil

Panorama da Avaliação. de Projetos Sociais de ONGs no Brasil Panorama da Avaliação de Projetos Sociais de ONGs no Brasil Realização Parceria Iniciativa Este documento foi elaborado para as organizações que colaboraram com a pesquisa realizada pelo Instituto Fonte,

Leia mais

SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJA. A Responsabilidade Social nas Empresas e o Trabalho Voluntário

SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJA. A Responsabilidade Social nas Empresas e o Trabalho Voluntário SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJA A Responsabilidade Social nas Empresas e o Trabalho Voluntário Jaqueline de Morais dos Santos Aluno do Curso de Administração de Empresas

Leia mais

Uma nova filantropia na sociedade brasileira: o Investimento Social Privado

Uma nova filantropia na sociedade brasileira: o Investimento Social Privado Uma nova filantropia na sociedade brasileira: o Investimento Social Privado Por Marcos Kisil* Introdução A noção de filantropia é suficientemente antiga para ser tomada como elemento constituinte natural

Leia mais

FDC E SUA RESPONSABILIDADE COMO UMA ESCOLA DE NEGÓCIOS

FDC E SUA RESPONSABILIDADE COMO UMA ESCOLA DE NEGÓCIOS FDC E SUA RESPONSABILIDADE COMO UMA ESCOLA DE NEGÓCIOS IV CONFERÊNCIA INTERAMERICANA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL RIAL Cláudio Boechat Fundação Dom Cabral 12 DE DEZEMBRO, 2006 F U N D A Ç Ã O

Leia mais

Levantamento do Perfil de Governança e Gestão de Pessoas da Administração Pública Federal

Levantamento do Perfil de Governança e Gestão de Pessoas da Administração Pública Federal Fórum Gestão de Pessoas Levantamento do Perfil de Governança e Gestão de Pessoas da Administração Pública Federal Fabiano Nijelschi G. Fernandes Auditor Federal de Controle Externo Secretaria de Fiscalização

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DA CEMIG COM A COMUNIDADE Substitui a NO-02.15 de 23/06/2009

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DA CEMIG COM A COMUNIDADE Substitui a NO-02.15 de 23/06/2009 03/08/2010 Pág.01 POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DA CEMIG COM A COMUNIDADE Substitui a NO-02.15 de 23/06/2009 1. INTRODUÇÃO 1.1 A Política de Comunicação da CEMIG com a Comunidade explicita as diretrizes que

Leia mais

Histórico Rede Evangélica Nacional de Ação Social (RENAS) agosto de 2010 no Recife Transformando a sociedade a partir da igreja local

Histórico Rede Evangélica Nacional de Ação Social (RENAS) agosto de 2010 no Recife Transformando a sociedade a partir da igreja local Histórico Esta campanha tem sua origem no contexto do V Encontro Nacional da Rede Evangélica Nacional de Ação Social (RENAS) em agosto de 2010 no Recife PE. Nessa ocasião, o enfoque do evento foi: Transformando

Leia mais

PROGRAMA EMBRAER DE VOLUNTARIADO Fazer o bem faz bem!

PROGRAMA EMBRAER DE VOLUNTARIADO Fazer o bem faz bem! MAIS INFORMAÇÕES Entre em contato com a equipe do Instituto Embraer: Ramais 2766, 5701 ou 3611 (SJK) E-mail institutoembraer@embraer.com.br Envio de mensagens pelo Fale Conosco do site www.institutoembraer.com.br

Leia mais

1. HISTÓRICO, FORMA E ÁREA DA EMPRESA QUE O CONDUZ 2. OBJETIVOS YÁZIGI INTERNEXUS

1. HISTÓRICO, FORMA E ÁREA DA EMPRESA QUE O CONDUZ 2. OBJETIVOS YÁZIGI INTERNEXUS YÁZIGI INTERNEXUS 1. HISTÓRICO, FORMA E ÁREA DA EMPRESA QUE O CONDUZ Com o desenvolvimento do Projeto Cidadãos do Mundo- Inglês para a Comunidade, o Yázigi Internexus entende que a aprendizagem de um novo

Leia mais

AUDITORIA COMO FERRAMENTA DE CONTROLE. Jackson

AUDITORIA COMO FERRAMENTA DE CONTROLE. Jackson AUDITORIA COMO FERRAMENTA DE CONTROLE 1 Jackson Auditoria É um conjunto de técnicas que devem ser aplicadas, para permitir ao auditor emitir uma opinião sobre a razoabilidade das demonstrações contábeis

Leia mais