ASPECTOS DO DESENVOLVIMENTO PSICOSSOCIAL A TEORIA DE ERIK

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ASPECTOS DO DESENVOLVIMENTO PSICOSSOCIAL A TEORIA DE ERIK"

Transcrição

1 PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM Educação Social, 1º Ano, 1º Semestre ASPECTOS GERAIS A TEORIA T DO DESENVOLVIMENTO PSICOSSOCIAL DE ERIK ERIKSON Notas Biográficas Aspectos teóricos Proposições básicas Estádios do desenvolvimento psicossocial Copyright, 2014 José Farinha, ESEC-UALG Desenvolvimento Social e da Personalidade Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem

2 Definição Desenvolvimento social e da personalidade: - mudanças na capacidade para lidarmos connosco próprios e com os outros à nossa volta, no fundo mudanças na capacidade para lidar com pessoas; Alterações surgem em função das exigências e desafios desencadeados pelas mudanças ao nível do estatuto biológico e do contexto social a família, a área ocupacional e sociedade em geral. 3 Desenvolvimento Social e da Personalidade Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem

3 Erik Homburger ERIKSON nasceu na Alemanha, em 1902 e faleceu nos EUA em Começou a sua actividade como artista plástico; Em 1927 em Viena conhece Anna Freud e interessa-se pela psicanálise. Erik Erikson 5 Em 1933 emigra para os EUA onde inicia actividade como psicanalista de crianças; Leccionou nas universidades de Harvard, Berkeley e Yale; Em 1936 começou a estudar a influência dos factores culturais no desenvolvimento psicológico. Na década de 1940, ERIKSON concebeu o modelo que expôs na sua obra Infância e sociedade (1950). 6 3

4 Segue os conceitos psicanalíticos, mas centra a atenção sobre: 1. o eu consciente; 2. as influências culturais e sociais. Desenvolvimento psicossocial - Explicar a orientação adequada do Eu (como parte consciente da personalidade) nos diferentes contextos ambientais, pondo em relevo a capacidade de integração da personalidade do ser humano. 7 Durante o ciclo vital cada indivíduo passa por uma série de períodos de desenvolvimento (estádios psicossociais) onde há uma tarefa de desenvolvimento específica a realizar; Os períodos de desenvolvimento são parcialmente definidos pela sociedade na qual a pessoa cresce; Qualquer tarefa de desenvolvimento que não é completada com sucesso num estádio deixa um resíduo que interfere na tarefa posterior. 8 4

5 Estádio I: - Meninice Oral/sensorial (modo de incorporação, consumo); Confiança básica versus desconfiança básica; Agente cuidador, figura maternal; Esperança. Desde o nascimento até aproximadamente 18 meses. 9 SOCIAL PRIMÁRIO Confiar na mãe ou pessoa principal que cuida da criança e na própria capacidade de fazer as coisas acontecerem. Se as pessoas cuidadoras forem rejeitantes ou inconsistentes, a criança pode ver o mundo como um lugar imprevisível e perigoso. A pessoa cuidadora, mais habitualmente a mãe 10 5

6 Estádio II: - Primeira Infância Muscular/anal (Retenção, expulsão); Autonomia versus vergonha e dúvida; Agente cuidador, figuras parentais; Desejo, vontade. Dos 18 meses até mais ou menos aos 3 anos. Andar, pegar e outras capacidades físicas levam à possibilidade de escolha aprendizagem da autonomia: - ocorre o treino dos esfíncteres, aparecimento do não, etc. O insucesso na aquisição da independência pode levar a criança a duvidar das suas capacidades e sentir-se menorizada. SOCIAL PRIMÁRIO Os pais. 11 Estádio III: - Idade lúdica S SOCIAIS PRIMÁRIOS Locomotor/genital; Iniciativa versus culpa; Família nuclear; Propósito, orientação. Sensivelmente dos 3 aos 5 anos Início da organização das actividades da criança em torno de um objectivo; Torna-se assertiva ou agressiva. Por vezes tenta assumir responsabilidades para além das suas capacidades, ou atingir objectivos que entram em conflito com objectivos dos pais ou outros famíliares (Complexo de Édipo,) - pode conduzir à culpa. A realização com sucesso da tarefa característica deste estádio implica um equilíbrio entre o sentido de iniciativa e os direitos e objectivos dos outros. A família. 12 6

7 Estádio IV: - Idade escolar SOCIAL PRIMÁRIO Latência. Engenho/habilidade versus inferioridade. Vizinhança, Escola. Competência. Começa com a entrada na escola (por volta dos 6 anos) e termina antes da puberdade Aquisição de importantes capacidades sociais, culturais e escolares. Comparação com os pares, o que no caso de insucesso na aquisição dessas capacidades pode levar a sentimentos de inferioridade. Professores e pares. 13 Estádio V: - Adolescência SOCIAL PRIMÁRIO Puberdade e adolescência; Identidade versus confusão de identidade; Grupos de pares, modelos de liderança; Fidelidade. Aprox. entre os 12, 13 e os 18 a 20 anos Transição entre a infância e a idade adulta. Adaptação do sentido do eu à mudanças físicas da puberdade. Estabelecimento de identidades sociais (de género e ocupacional). Em caso de insucesso pode gerar confusão de indentidade. Sociedade e os pares. 14 7

8 Estádio VI: - Juventude Adulta SOCIAL PRIMÁRIO Genitalidade; Intimidade versus isolamento; Parceiros em relações de amizade, eróticas, de competição e de cooperação; Amor. Aprox. dos 20,21 anos aos 40,45 anos. Formação de amizades fortes e aquisição de um sentido de amor ou companheirismo (identidade partilhada) com outra pessoa. O insucesso pode conduzir ao isolamento e à solidão. Os agentes sociais primários são namorados, cônjuges e amigos íntimos. 15 Estádio VII: - Idade adulta SOCIAL PRIMÁRIO Procriactividade; Generactividade versus estagnação; Divisão do trabalho e partilha de uma habitação; Cuidar do outro. Aprox. dos 40, 45 anos aos 55, 65 anos O adulto enfrenta a tarefa da produtividade e generatividade tanto no campo ocupacional como familiar. Os padrões de generatividade são definidos pela cultura. O insucesso nesta tarefa pode levar à estagnação e/ou à auto-centração. Os agentes sociais significativos são o cônjuge, filhos e normas culturais. 16 8

9 Estádio VIII: - Velhice Maturidade; Integridade versus desespero; Mankind My Kind ; Sabedoria. Geralmente assumido que começa por volta dos 65 anos e vai até ao final do ciclo vital. A pessoa idosa olha para trás e faz uma análise da sua vida, podendo avaliá-la como tendo sido uma experiência significativa, produtiva e feliz, ou como um enorme desapontamento cheio de projectos falhados e objectivos não alcançados. As experiências de vida determinam o resultado desta tarefa. 17 9

DESENVOLVIMENTO SOCIAL E DA PERSONALIDADE

DESENVOLVIMENTO SOCIAL E DA PERSONALIDADE Rede7 Mestrado em Ensino do Inglês e Francês no Ensino Básico ÁREAS DE DESENVOLVIMENTO: DESENVOLVIMENTO SOCIAL E DA PERSONALIDADE Teorias Psicodinâmicas A Psicanálise de Sigmund Freud A perspectiva de

Leia mais

RESOLUÇÃO DE QUESTÕES DA VUNESP

RESOLUÇÃO DE QUESTÕES DA VUNESP RESOLUÇÃO DE QUESTÕES DA VUNESP TAUANE PAULA GEHM Mestre e doutorando em Psicologia Experimental SELEÇÃO DAS QUESTÕES 1. EDITAL DO CONCURSO DA PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO PAULO; 2. BANCA VUNESP REQUISITOS

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO PSICOSSOCIAL: ERIK ERIKSON

O DESENVOLVIMENTO PSICOSSOCIAL: ERIK ERIKSON O DESENVOLVIMENTO PSICOSSOCIAL: ERIK ERIKSON DADOS BIBLIOGRÁFICOS Erik Erikson nasceu na Alemanha, em 1902, e morreu em 1990. Uniu-se ao grupo de Freud em 1927; Psiquiatra infantil, emigrou para os EUA

Leia mais

PRINCÍPIOS EPISTEMOLÓGICOS

PRINCÍPIOS EPISTEMOLÓGICOS Piaget PRINCÍPIOS EPISTEMOLÓGICOS Vygotsky Wallon Freire EXPERIÊNCIA BASE COGNITIVA INTERNA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO UM DOS MECANISMOS DA CONSTRUÇÃO DO SABER ESFORÇO DE COMPREENDER E DAR SIGNIFICADO

Leia mais

Psicologia do Desenvolvimento e da Aprendizagem CURSO DE EDUCAÇÃO SOCIAL Ano Lectivo 2014/2015

Psicologia do Desenvolvimento e da Aprendizagem CURSO DE EDUCAÇÃO SOCIAL Ano Lectivo 2014/2015 Psicologia do Desenvolvimento e da Aprendizagem CURSO DE EDUCAÇÃO SOCIAL Ano Lectivo 2014/2015 QUESTÕES DE REVISÃO NOTA PRÉVIA: POR FAVOR LEIA COM ATENÇÃO A listagem seguinte constitui uma primeira versão,

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS DAS TAIPAS CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL SECUNDÁRIO

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS DAS TAIPAS CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL SECUNDÁRIO ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS DAS TAIPAS CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL SECUNDÁRIO Planificação Psicologia º Ano ANO LETIVO 2015/2016 º GRUPO B MÓDULO 1- Descobrindo a Psicologia 26 1. Especificidade da Psicologia

Leia mais

Planificação Anual da Disciplina de Psicologia. MÓDULOS 1, 2, 3 e 4. 10º Ano de escolaridade (10º D) Curso Profissional de Nível Secundário

Planificação Anual da Disciplina de Psicologia. MÓDULOS 1, 2, 3 e 4. 10º Ano de escolaridade (10º D) Curso Profissional de Nível Secundário Planificação Anual da Disciplina de MÓDULOS 1, 2, 3 e 4 10º Ano de escolaridade (10º D) Curso Profissional de Nível Secundário Componente de Formação Científica Ano lectivo 2013-2014 1 MÓDULO 1 - DESCOBRINDO

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO NO CICLO DE VIDA

O DESENVOLVIMENTO NO CICLO DE VIDA O DESENVOLVIMENTO NO CICLO DE VIDA Estágio Pré-natal Concepção ao Nascimento Formação da estrutura e órgãos corporais básicos; O crescimento físico é o mais rápido de todos os períodos; Grande vulnerabilidade

Leia mais

MÓDULOS 1, 2, 3 e 4. 10º Ano de escolaridade (10º D) Curso Profissional de Nível Secundário. Componente de Formação Científica. Ano lectivo 2015-2016

MÓDULOS 1, 2, 3 e 4. 10º Ano de escolaridade (10º D) Curso Profissional de Nível Secundário. Componente de Formação Científica. Ano lectivo 2015-2016 Planificação Anual da Disciplina de Psicologia MÓDULOS 1, 2, 3 e 4 10º Ano de escolaridade (10º D) Curso Profissional de Nível Secundário Componente de Formação Científica Ano lectivo 2015-2016 MÓDULO

Leia mais

Escola Secundária com 3º CEB de Coruche EDUCAÇÃO SEXUAL

Escola Secundária com 3º CEB de Coruche EDUCAÇÃO SEXUAL Escola Secundária com 3º CEB de Coruche 0 EDUCAÇÃO SEXUAL INTRODUÇÃO A Educação da sexualidade é uma educação moral porque o ser humano é moral. É, também, uma educação das atitudes uma vez que, com base

Leia mais

GABARITO COMENTADO SIMULADO SOBRE TEORIAS DO DESENVOLVIMENTO

GABARITO COMENTADO SIMULADO SOBRE TEORIAS DO DESENVOLVIMENTO GABARITO COMENTADO SIMULADO SOBRE TEORIAS DO DESENVOLVIMENTO Confira suas respostas com calma, em um lugar tranqüilo. Tente incorporar os comentários abaixo da melhor forma possível. Marque suas dúvidas

Leia mais

Psicologia da Educação de Jovens e Adultos. Professora Ivalina Porto Doutora em Psicologia Escolar e do Desenvolvimento humano

Psicologia da Educação de Jovens e Adultos. Professora Ivalina Porto Doutora em Psicologia Escolar e do Desenvolvimento humano Psicologia da Educação de Jovens e Adultos Professora Ivalina Porto Doutora em Psicologia Escolar e do Desenvolvimento humano Psicologia no processo ensino aprendizagem Porto (1999) Humanidade é tarefa

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO PSICOSSOCIAL DE PRETENDENTES À ADOÇÃO INTERNACIONAL (CONTEÚDOS RELEVANTES)

ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO PSICOSSOCIAL DE PRETENDENTES À ADOÇÃO INTERNACIONAL (CONTEÚDOS RELEVANTES) ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO PSICOSSOCIAL DE PRETENDENTES À ADOÇÃO INTERNACIONAL (CONTEÚDOS RELEVANTES) ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO PSICOSSOCIAL DE PRETENDENTES À ADOÇÃO INTERNACIONAL

Leia mais

Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial

Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial 30 1. 3. Anna Freud: o analista como educador Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial ênfase ao desenvolvimento teórico e terapêutico da psicanálise de crianças. Sua

Leia mais

Erikson e a Teoria Psicossocial do Desenvolvimento

Erikson e a Teoria Psicossocial do Desenvolvimento Erikson e a Teoria Psicossocial do Desenvolvimento Elaine Rabello José Silveira passos Erik Homburger Erikson nasceu em Frankfurt, Alemanha, em 1902 (vindo a falecer em 1994). Tento inicialmente optado

Leia mais

Educação Sexual no desenvolvimento infantil. Profª.Teresa Cristina Barbo Siqueira

Educação Sexual no desenvolvimento infantil. Profª.Teresa Cristina Barbo Siqueira Educação Sexual no desenvolvimento infantil Profª.Teresa Cristina Barbo Siqueira Início dos questionamentos: Educação Sexual... Quando, onde, por quem e como falar sobre este tema? É preciso que o professor/os

Leia mais

Título: GRUPOS DE REMINISCÊNCIA: A VALORIZAÇÃO DOS IDOSOS DE UM RESIDENCIAL EM SÃO PAULO, BRASIL.

Título: GRUPOS DE REMINISCÊNCIA: A VALORIZAÇÃO DOS IDOSOS DE UM RESIDENCIAL EM SÃO PAULO, BRASIL. Congresso de Psicogerontologia Tema: Instituição de Longa Permanência (ILPI) Modalidade: Temas Livres Título: GRUPOS DE REMINISCÊNCIA: A VALORIZAÇÃO DOS IDOSOS DE UM RESIDENCIAL EM SÃO PAULO, BRASIL. Autor:

Leia mais

PROGRAMA DE PSICOLOGIA

PROGRAMA DE PSICOLOGIA PROGRAMA DE PSICOLOGIA 12ª Classe 2º CICLO DO ENSINO SECUNDÁRIO Disciplina Opcional Ficha Técnica TÍTULO: Programa de Introdução ao Psicologia - 12ª Classe EDITORA: INIDE IMPRESSÃO: GestGráfica, S.A. TIRAGEM:

Leia mais

QUESTIONÁRIO: VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS NOME: CLASSIFIQUE EM VERDADEIRO (V) OU FALSO (F) AS SENTENÇAS ABAIXO:

QUESTIONÁRIO: VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS NOME: CLASSIFIQUE EM VERDADEIRO (V) OU FALSO (F) AS SENTENÇAS ABAIXO: QUESTIONÁRIO: VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS NOME: 1. Um tapinha no bumbum não é considerado violência devido ao baixo grau de agressão. 2. A prática sexual com indivíduos menores de 14 anos, com o consentimento

Leia mais

FORMAÇÃO DE CATEQUISTAS Paróquia São José Operário Alvorada RS

FORMAÇÃO DE CATEQUISTAS Paróquia São José Operário Alvorada RS FORMAÇÃO DE CATEQUISTAS Paróquia São José Operário Alvorada RS TEMA: PSICOLOGIA DAS IDADES E O DESENVOLVIMENTO DA FÉ Toda pessoa é a encarnação de um pensamento amoroso de Deus Elaborado por: Maria Raquel

Leia mais

BIOGRAFIA HUMANA. Terceiro espelho: A Infância e fase da Autoconsciência. Alma da Consciência: 0-7 Infância / 35-42 Maturidade.

BIOGRAFIA HUMANA. Terceiro espelho: A Infância e fase da Autoconsciência. Alma da Consciência: 0-7 Infância / 35-42 Maturidade. BIOGRAFIA HUMANA Terceiro espelho: A Infância e fase da Autoconsciência Alma da Consciência: 0-7 Infância / 35-42 Maturidade Edna Andrade Nascemos totalmente desamparados, totalmente dependentes e indefesos.

Leia mais

Douglas Daniel de Amorim A PSICANÁLISE E O SOCIAL

Douglas Daniel de Amorim A PSICANÁLISE E O SOCIAL Douglas Daniel de Amorim A PSICANÁLISE E O SOCIAL Belo Horizonte 1999 INTRODUÇÃO A Psicologia Comunitária tem sido um dos campos onde a Psicologia tem tido um expressivo crescimento. Trabalhar em comunidades

Leia mais

PSICOLOGIA I Serviço Social

PSICOLOGIA I Serviço Social Os oito Estágios de Erik Erikson Em 15 de junho de 1902 nascia na cidade de Frankfurt, na Alemanha, Erik Homburger Erikson.E faleceu aos 92 anos nos Estados Unidos. Ele foi o responsável pela Teoria do

Leia mais

Modelos de Intervenção em PEA

Modelos de Intervenção em PEA Braga 2008 1 de Março o de 2008 Modelos de Intervenção em PEA João Teixeira Centro de Estudos e Apoio à Criança a e Família APPDA-Norte Modelos de Intervençao em PEA 1943 Kanner e Asperger identificam

Leia mais

PROJECTOS NACIONAIS A IMPLEMENTAR NO TRIÉNIO 2013-2015

PROJECTOS NACIONAIS A IMPLEMENTAR NO TRIÉNIO 2013-2015 PROJECTOS NACIONAIS A IMPLEMENTAR NO TRIÉNIO 2013-2015 1/10 PROJECTO 1 - Curso de Preparação para a Parentalidade Adoptiva Depois de tudo te amarei Como se fosse sempre antes Como se de tanto esperar Sem

Leia mais

Tais mudanças podem ser biológicas, psicológicas e até social, todas inerentes a nossa condição humana.

Tais mudanças podem ser biológicas, psicológicas e até social, todas inerentes a nossa condição humana. I - A PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO 1.1. Caracterização O desenvolvimento humano (DH) enquanto área de estudo, preocupa-se em investigar e interpretar todos os processos de mudanças pelos quais o ser humano

Leia mais

FICHA DE UNIDADE CURRICULAR

FICHA DE UNIDADE CURRICULAR ANO LECTIVO: 2013/2014 FICHA DE UNIDADE CURRICULAR MESTRADO/LICENCIATURA 1.Unidade Curricular Nome: PSICOLOGIA DO ENVELHECIMENTO Área Científica: Psicologia Curso: Mestrado em Gerontologia Social Semestre:

Leia mais

I - Desenvolvimento Humano

I - Desenvolvimento Humano I - Desenvolvimento Humano 1.1. Conceito O desenvolvimento humano se estabelece através da interação do indivíduo com o ambiente físico e social. Se caracteriza pelo desenvolvimento mental e pelo crescimento

Leia mais

Portfolio FORMAÇÃO CONTÍNUA

Portfolio FORMAÇÃO CONTÍNUA Portfolio FORMAÇÃO CONTÍNUA Elaboramos soluções de formação customizadas de acordo com as necessidades específicas dos clientes. Os nossos clientes são as empresas, organizações e instituições que pretendem

Leia mais

Serviço Comunitário na licenciatura em Psicologia: Um programa com reconhecidas vantagens na qualidade da formação dos futuros psicólogos

Serviço Comunitário na licenciatura em Psicologia: Um programa com reconhecidas vantagens na qualidade da formação dos futuros psicólogos na licenciatura em Psicologia: Um programa com reconhecidas vantagens na qualidade da formação dos futuros psicólogos 1.º Congresso Nacional da Ordem dos Psicólogos 18 a 21 abril 2012 Luísa Ribeiro Trigo*,

Leia mais

Apresentação do Serviço de Psicologia. Roberta de Siqueira Meloso (coordenadora Psicologia CRI-Norte) Mário Amore Cecchini (Psicólogo CRI-Norte)

Apresentação do Serviço de Psicologia. Roberta de Siqueira Meloso (coordenadora Psicologia CRI-Norte) Mário Amore Cecchini (Psicólogo CRI-Norte) Sejam bem vindos no Apresentação do Serviço de Psicologia Roberta de Siqueira Meloso (coordenadora Psicologia CRI-Norte) Mário Amore Cecchini (Psicólogo CRI-Norte) CRI Norte C.R.I. - Centro de Referencia

Leia mais

Escola Básica e Secundária de Velas. Planificação Anual Psicologia 10º Ano de Escolaridade Curso Profissional. Ano Letivo 2013/2014

Escola Básica e Secundária de Velas. Planificação Anual Psicologia 10º Ano de Escolaridade Curso Profissional. Ano Letivo 2013/2014 Escola Básica e Secundária de Velas Planificação Anual Psicologia 10º Ano de Escolaridade Curso Profissional Ano Letivo 2013/2014 Professor Mário Miguel Ferreira Lopes PRIMEIRO PERÍODO MÓDULO 1: DESCOBRINDO

Leia mais

PROJETO ONG PEDRA BRUTA Lapidando talentos: A sexualidade e a integração do grupo para adolescentes.

PROJETO ONG PEDRA BRUTA Lapidando talentos: A sexualidade e a integração do grupo para adolescentes. MARCELA GARCIA MANOCHIO PROJETO ONG PEDRA BRUTA Lapidando talentos: A sexualidade e a integração do grupo para adolescentes. Projeto de Estágio extracurricular em Processos Educativos, desenvolvido para

Leia mais

A psicologia tem uma dimensão prática que se integra em vários contextos e instituições sociais: escolas, hospitais, empresas, tribunais, associações

A psicologia tem uma dimensão prática que se integra em vários contextos e instituições sociais: escolas, hospitais, empresas, tribunais, associações PSICOLOGIA APLICADA A psicologia tem uma dimensão prática que se integra em vários contextos e instituições sociais: escolas, hospitais, empresas, tribunais, associações Os níveis de intervenção vão desde

Leia mais

EDUCAR PARA A AMIZADE ABORDAGEM ANTROPOLÓGICA DA AFETIVIDADE

EDUCAR PARA A AMIZADE ABORDAGEM ANTROPOLÓGICA DA AFETIVIDADE EDUCAR PARA A AMIZADE 1 ABORDAGEM ANTROPOLÓGICA DA AFETIVIDADE ANTROPOLOGIA Estudo dos comportamentos e evoluções sociais. Porque AMIZADE??? Porque ela é a base dos relacionamentos saudáveis. Ela nos traz

Leia mais

Uma nova vida para crianças desprotegidas

Uma nova vida para crianças desprotegidas Uma nova vida para crianças desprotegidas As Aldeias de Crianças SOS têm a sua origem na Áustria. O seu fundador Hermann Gmeiner conseguiu aplicar uma ideia fundamental e realizar um sonho: dar uma mãe,

Leia mais

MOVIMENTO PSICANALÍTICO

MOVIMENTO PSICANALÍTICO MOVIMENTO PSICANALÍTICO Sigmund Freud (1856-1939) Psicanálise: escola psicológica que busca penetrar na dimensão profunda do psiquismo humano. Objeto de Estudo: o inconsciente Métodos: 1. Hipno-catártico

Leia mais

AÇÕES EFETIVAS DE GERENCIAMENTO DO STRESS OCUPACIONAL: Desafio de Conciliar Embasamento Científico e Planejamento Estratégico

AÇÕES EFETIVAS DE GERENCIAMENTO DO STRESS OCUPACIONAL: Desafio de Conciliar Embasamento Científico e Planejamento Estratégico AÇÕES EFETIVAS DE GERENCIAMENTO DO STRESS OCUPACIONAL: Desafio de Conciliar Embasamento Científico e Planejamento Estratégico Sâmia Simurro Novembro/2011 FATOS SOBRE O STRESS Inevitável Nível positivo?

Leia mais

II ENCONTRO DA CPCJ SERPA

II ENCONTRO DA CPCJ SERPA II ENCONTRO DA CPCJ SERPA Ninguém nasce ensinado!? A família, a Escola e a Comunidade no Desenvolvimento da criança Workshop: Treino de Competências com famílias um exemplo de intervenção e de instrumentos

Leia mais

Colaborar com as várias estruturas da escola nas tarefas inerentes ao cargo.

Colaborar com as várias estruturas da escola nas tarefas inerentes ao cargo. Atualizar e divulgar a composição da equipa. Divulgar as atividades. Atualizar e divulgar diversos materiais. ano lectivo Informação/divulgação dos serviços especializados na página da escola /EE Representar

Leia mais

TORs da Avaliação do CCF Julho, 2014

TORs da Avaliação do CCF Julho, 2014 1. CONTEXTO AVALIAÇÃO DO CENTRO CRIANÇA FELIZ Termos de Referência O projecto Centro Criança Feliz é uma iniciativa da IBIS Moçambique, concebida e por si implementada desde 2008. O projecto surgiu no

Leia mais

Questão Resposta Questão Resposta 1 21 2 22 3 23 4 24 5 25 6 26 7 27 8 28 9 29 10 30 11 31 12 32 13 33 14 34 15 35 16 36 17 37 18 38 19 39 20 40

Questão Resposta Questão Resposta 1 21 2 22 3 23 4 24 5 25 6 26 7 27 8 28 9 29 10 30 11 31 12 32 13 33 14 34 15 35 16 36 17 37 18 38 19 39 20 40 SIMULADO SOBRE TEORIAS DA PERSONALIDADE Aluno(a) A prova contém 40 questões de múltipla escolha. Utilize a folha de respostas abaixo para assinalar suas respostas. Ao final da prova, devolva apenas esta

Leia mais

Ano letivo de 2014/2015. Psicologia B 12º ano PLANIFICAÇÃO

Ano letivo de 2014/2015. Psicologia B 12º ano PLANIFICAÇÃO Direcção Regional de Educação do Norte Centro de Área Educativa de Bragança ESCOLA E B 2, 3 / S DE VILA FLOR 346 184 Ano letivo de 2014/2015 Psicologia B 12º ano PLANIFICAÇÃO Psicologia B - 12º ano TEMA

Leia mais

Psicologia A Psicologia no Programa Idade com Qualidade" A psicologia na disfunção sexual

Psicologia A Psicologia no Programa Idade com Qualidade A psicologia na disfunção sexual Psicologia A Psicologia no Programa Idade com Qualidade" A Psicologia faz parte integrante de todas as áreas exploradas, mas também pode funcionar de forma independente das restantes especialidades, ou

Leia mais

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8 CAPÍTULO 8 Fator emocional O projeto comum de ter filhos, construir a própria família, constitui um momento existencial muito importante, tanto para o homem como para a mulher. A maternidade e a paternidade

Leia mais

(RE)INVENTAR A INTERVENÇÃO EM FAMÍLIAS MULTIPROBLEMÁTICAS FORMAÇÃO PARENTAL ------------- MODELOS DE INTERVENÇÃO FAMILIAR FORMAÇÃO PARENTAL

(RE)INVENTAR A INTERVENÇÃO EM FAMÍLIAS MULTIPROBLEMÁTICAS FORMAÇÃO PARENTAL ------------- MODELOS DE INTERVENÇÃO FAMILIAR FORMAÇÃO PARENTAL (RE)INVENTAR A INTERVENÇÃO EM FAMÍLIAS MULTIPROBLEMÁTICAS FORMAÇÃO PARENTAL ------------- MODELOS DE INTERVENÇÃO FAMILIAR FORMAÇÃO PARENTAL Graça Mira Delgado MDV MODELOS DE INTERVENÇÃO FAMILIAR 1 QUESTÕES

Leia mais

FORMAÇÃO ACREDITADA PARA PROFESSORES 2015/2016

FORMAÇÃO ACREDITADA PARA PROFESSORES 2015/2016 FORMAÇÃO ACREDITADA PARA PROFESSORES 2015/2016 QUEM SOMOS A APF Associação para o Planeamento da Família, é uma Organização Não Governamental com estatuto de IPSS (Instituição Particular de Solidariedade

Leia mais

X Congresso Sul Mineiro de Medicina Psicossomática Caxambu, novembro/2010. Decio Tenenbaum

X Congresso Sul Mineiro de Medicina Psicossomática Caxambu, novembro/2010. Decio Tenenbaum X Congresso Sul Mineiro de Medicina Psicossomática Caxambu, novembro/2010 Decio Tenenbaum Biológica Psicológica Ôntica Social Cultural Espiritual Níveis de consciência (transcendência) Somos formados por

Leia mais

Áreas de Desenvolvimento Pessoal

Áreas de Desenvolvimento Pessoal Renovação do Programa para Jovens (Aprovado na XLII Conferência Nacional) Áreas de Desenvolvimento Pessoal: A XLII Conferência Nacional da AEP, no âmbito do processo em curso de renovação do Programa para

Leia mais

ADOLESCÊNCIA SEXUALIDADE

ADOLESCÊNCIA SEXUALIDADE ADOLESCÊNCIA E SEXUALIDADE Adolescência É o período de transição entre a infância e a idade adulta. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS),o período da adolescência situa-se entre os 10 e os 20 anos.

Leia mais

PROGRAMA DE PSICOLOGIA

PROGRAMA DE PSICOLOGIA PROGRAMA DE PSICOLOGIA (NECESSIDADES EDUCATIVAS ESPECIAIS) 10ª Classe Formação de Professores para o Pré-Escolar e para o Ensino Primário Opção: Ensino Primário Ficha Técnica Título Programa de Psicologia

Leia mais

ANEXO L Documento de apresentação do estudo. Programa de promoção da saúde no idoso

ANEXO L Documento de apresentação do estudo. Programa de promoção da saúde no idoso ANEXO L Documento de apresentação do estudo Programa de promoção da saúde no idoso Fundamentação teórica O envelhecimento Com o avançar da idade, o organismo desgasta-se. A esse processo chamamos envelhecimento.

Leia mais

Cor. Módulo III. Objectivos. Identificar o sistema de captação da cor. Reconhecer a teoria das cores - seus princípios básicos -o seu potencial

Cor. Módulo III. Objectivos. Identificar o sistema de captação da cor. Reconhecer a teoria das cores - seus princípios básicos -o seu potencial Módulo III Cor Objectivos. Identificar o sistema de captação da cor. Reconhecer a teoria das cores - seus princípios básicos -o seu potencial. Compreender os princípios da psicodinâmica das cores e relacionar

Leia mais

Questão Resposta Questão Resposta 1 21 2 22 3 23 4 24 5 25 6 26 7 27 8 28 9 29 10 30 11 31 12 32 13 33 14 34 15 35 16 36 17 37 18 38 19 39 20 40

Questão Resposta Questão Resposta 1 21 2 22 3 23 4 24 5 25 6 26 7 27 8 28 9 29 10 30 11 31 12 32 13 33 14 34 15 35 16 36 17 37 18 38 19 39 20 40 SIMULADO SOBRE TEORIAS DO DESENVOLVIMENTO Aluno A prova contém 40 questões de múltipla escolha. Utilize a folha de respostas abaixo para assinalar suas respostas. Ao final da prova, devolva apenas esta

Leia mais

Questionário de Dados Sociais Demográficos e Obstétricos

Questionário de Dados Sociais Demográficos e Obstétricos Nome: Questionário de Dados Sociais Demográficos e Obstétricos I. Dados Demográficos 1 Idade: 2 Profissão: 3 - Profissão do Companheiro 4 Está empregada Desempregada 5 - O seu companheiro está empregado

Leia mais

ASPF. PROGRAMA BEM-ESTAR FAMILIAR RADIOFÓNICO Edição de 08 de Dezembro de 2013

ASPF. PROGRAMA BEM-ESTAR FAMILIAR RADIOFÓNICO Edição de 08 de Dezembro de 2013 PROGRAMA BEM-ESTAR FAMILIAR RADIOFÓNICO Edição de 08 de Dezembro de 2013 Visto e Supervisão do Texto Oi, meu nome é felicidade. Faço parte da vida daqueles que tem amigos, porque quem tem amigos é feliz!

Leia mais

Formação Social e Humana O voluntariado como modalidade pedagógica

Formação Social e Humana O voluntariado como modalidade pedagógica Formação Social e Humana O voluntariado como modalidade pedagógica Congresso Nacional de Práticas Pedagógicas no Ensino Superior Formação Social e Humana Unidade optativa do Mestrado Integrado em Medicina

Leia mais

AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA X AVALIAÇÃO NEUROPSICOLÓGICA

AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA X AVALIAÇÃO NEUROPSICOLÓGICA AULA 1 A Importância da Observação Psicológica em Neuropsicologia Infantil. Fundamentação Teórica e Apresentação de Caso Clínico Denise Gonçalves Cunha Cotuinho Psicóloga Especialista em Neuropsicologia

Leia mais

FOBIAS: MÚLTIPLOS ASPECTOS

FOBIAS: MÚLTIPLOS ASPECTOS FOBIAS: MÚLTIPLOS ASPECTOS Lídia Craveiro Psicóloga Clínica e Psicoterapeuta (Sociedade Portuguesa de Psicologia Clínica) a exercer prática clínica privada em Évora Email: lidiacraveiro@gmail.com RESUMO

Leia mais

Sexualidade na infância Acção de Educação Parental

Sexualidade na infância Acção de Educação Parental Escola Básica 1º ciclo Prista Monteiro O que é a sexualidade? Sexualidade na infância Acção de Educação Parental A sexualidade tem uma vertente emocional, sendo um elemento essencial na formação da identidade

Leia mais

Motivações para a mulher HIV positivo gestar

Motivações para a mulher HIV positivo gestar Motivações para a mulher HIV positivo gestar Maria Regina Limeira Ortiz* Tania Mara Andreoli Gomes** Resumo Trabalhar com mulheres portadoras do vírus da Imuno Deficiência adquirida(hiv) é algo extremamente

Leia mais

MADRINA-Desenvolvimento Infantil e Parental 1

MADRINA-Desenvolvimento Infantil e Parental 1 MADRINA-Desenvolvimento Infantil e Parental 1 PROJETO MEU TEMPO DE CRIANÇA Missão Visão Valores Colaborar com a importante tarefa de educar as crianças, nesse momento único de suas jovens vidas, onde os

Leia mais

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às Câmara Municipal da Departamento de Educação e Desenvolvimento Sociocultural Divisão de Intervenção Social Plano Municipal contra a Violência Rede Integrada de Intervenção para a Violência na Outubro de

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular Contextos de Desenvolvimento Humano Ano Lectivo 2010/2011

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular Contextos de Desenvolvimento Humano Ano Lectivo 2010/2011 Programa da Unidade Curricular Contextos de Desenvolvimento Humano Ano Lectivo 2010/2011 1. Unidade Orgânica Serviço Social (1º Ciclo) 2. Curso Serviço Social 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular

Leia mais

REICH E A ECONOMIA SEXUAL

REICH E A ECONOMIA SEXUAL 1 REICH E A ECONOMIA SEXUAL José Henrique Volpi Freud havia postulado que o sintoma neurótico é resultado da repressão de um trauma sexual ocorrido na infância. Mas não conseguia explicar o porque tal

Leia mais

META Apresentar teorias da personalidade humana em seus aspectos gerais.

META Apresentar teorias da personalidade humana em seus aspectos gerais. PERSONALIDADE META Apresentar teorias da personalidade humana em seus aspectos gerais. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: definir personalidade; conhecer as teorias da personalidade; reconhecer

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO INTERPESSOAL

O DESENVOLVIMENTO INTERPESSOAL O DESENVOLVIMENTO INTERPESSOAL A Motivação : a força geradora do comportamento Quando nos interrogamos sobre a razão pela qual o indivíduo age de determinada maneira, estamonos a interrogar pelos motivos,

Leia mais

Palestra Depois do Abuso Sexual Como encaminhar e lidar com criança vítima de abuso sexual

Palestra Depois do Abuso Sexual Como encaminhar e lidar com criança vítima de abuso sexual Palestra Depois do Abuso Sexual Como encaminhar e lidar com criança vítima de abuso sexual Guilherme Schelb, Promotor de Justiça da Infância em Brasília (1992-1995), especialista em temas da infância e

Leia mais

Adolescência. i dos Pais

Adolescência. i dos Pais i dos Pais Adolescência Quem sou eu? Já não sou criança, ainda não sou adulto, e definitivamente não sou apenas um filho, pareço ser outra coisa que assume um lugar social! É a questão colocada por muitos

Leia mais

COMUNICAÇÃO EM PEQUENOS GRUPOS

COMUNICAÇÃO EM PEQUENOS GRUPOS PSICOLOGIA DA COMUNICAÇÃO Ciências da Comunicação CONTEXTOS DE COMUNICAÇÃO: COMUNICAÇÃO EM PEQUENOS GRUPOS Aspectos gerais Definição de pequeno grupo Tipos de grupos Estrutura e Dinâmica de grupo Resolução

Leia mais

COMUNICAÇÃO INTERPESSOAL

COMUNICAÇÃO INTERPESSOAL PSICOLOGIA DA COMUNICAÇÃO Ciências da Comunicação CONTEXTOS DE COMUNICAÇÃO: COMUNICAÇÃO INTERPESSOAL Aspectos gerais Comunicação interpessoal e comunicação grupal Comunicação interpessoal e relações interpessoais

Leia mais

De todas as relações humanas, esta é a principal e mais básica

De todas as relações humanas, esta é a principal e mais básica De todas as relações humanas, esta é a principal e mais básica Para as crianças, a família é a segurança, proteção, apoio, compreensão e a aceitação de que tanto necessitam. Pai e mãe são, com efeito,

Leia mais

Orientar trabalhos de pesquisa... Um caso com aplicação na disciplina de Ciências Naturais (9.º ano de escolaridade).

Orientar trabalhos de pesquisa... Um caso com aplicação na disciplina de Ciências Naturais (9.º ano de escolaridade). Orientar trabalhos de pesquisa... Um caso com aplicação na disciplina de Ciências Naturais (9.º ano de escolaridade). A operação de interpretação refere-se a inferências e generalizações que podem ser

Leia mais

TEORIAS DA PERSONALIDADE

TEORIAS DA PERSONALIDADE TEORIAS DA PERSONALIDADE 2008 Trabalho realizado no âmbito do 3º ano da licenciatura em Aconselhamento Psicossocial no ISMAI (Portugal) Nuno Jorge Mesquita Baptista Licenciado em Aconselhamento Psicossocial.

Leia mais

Unidade II TEORIAS PSICOLÓGICAS. Profa. Dra. Mônica Cintrão França Ribeiro

Unidade II TEORIAS PSICOLÓGICAS. Profa. Dra. Mônica Cintrão França Ribeiro Unidade II TEORIAS PSICOLÓGICAS DO DESENVOLVIMENTO Profa. Dra. Mônica Cintrão França Ribeiro Ementa Estudo do desenvolvimento do ciclo vital humano a partir de diferentes teorias psicológicas. Compreender

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA CAMPUS DE JI-PARANÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AMBIENTAL LISTA DE EXERCÍCIOS 3

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA CAMPUS DE JI-PARANÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AMBIENTAL LISTA DE EXERCÍCIOS 3 UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA CAMPUS DE JI-PARANÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AMBIENTAL Disciplina: Estatística II LISTA DE EXERCÍCIOS 3 1. Testes de resistência à tensão foram feitas em duas estruturas

Leia mais

Família. Dias, pags. 235-256

Família. Dias, pags. 235-256 Família Dias, pags. 235-256 Sobre instituições... São sistemas complexos de relações sociais dentro dos quais operam a(s) cultura(s) e a estrutura social. A família, por exemplo, inclui valores (amor,

Leia mais

Família nuclear casal e filhos solteiros.

Família nuclear casal e filhos solteiros. Família Uma família é um conjunto de pessoas ligadas por parentesco de sangue, por casamento ou algum outro tipo de relacionamento acordado ou adoção, e que compartilha a responsabilidade básica de reprodução

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PERTURBAÇÕES DO DESENVOLVIMENTO MOTOR Ano Lectivo 2015/2016

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PERTURBAÇÕES DO DESENVOLVIMENTO MOTOR Ano Lectivo 2015/2016 Programa da Unidade Curricular PERTURBAÇÕES DO DESENVOLVIMENTO MOTOR Ano Lectivo 2015/2016 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Motricidade Humana 3. Ciclo de Estudos 1º 4.

Leia mais

O que é brincar e como se diferencia das outras actividades?

O que é brincar e como se diferencia das outras actividades? i dos Pais Temas O Brincar Todas as crianças são únicas e diferentes das outras, sendo que as suas diferenças individuais parecem estar diretamente associadas com a sua maneira de brincar e a imaginação

Leia mais

O curso da Vida e a Pré-Aposentadoria: perspectivas antropológicas

O curso da Vida e a Pré-Aposentadoria: perspectivas antropológicas O curso da Vida e a Pré-Aposentadoria: perspectivas antropológicas FUNDACENTRO/SP Novembro 2013 Prof. Dr. Silas Guerriero Programa de Pós-Graduação em Ciências da Religião - PUC-SP silasg@pucsp.br O Ser

Leia mais

CONCURSO NACIONAL DE VOZES & FESTIVAL REVELAÇÃO DE VOZES DA DIÁSPORA. Concurso. Nacional de Vozes & Revelação de Vozes da Diáspora - Projecto

CONCURSO NACIONAL DE VOZES & FESTIVAL REVELAÇÃO DE VOZES DA DIÁSPORA. Concurso. Nacional de Vozes & Revelação de Vozes da Diáspora - Projecto Nacional de Vozes & Revelação de Vozes da Diáspora - Projecto Concurso 2015 CONCURSO NACIONAL DE VOZES & FESTIVAL REVELAÇÃO DE VOZES DA DIÁSPORA PROJECTO APRESENTADO PARA EFEITO DE APRECIAÇÃO E RESPECTIVO

Leia mais

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados;

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados; VISÃO Ser a empresa líder e o fornecedor de referência do mercado nacional (na área da transmissão de potência e controlo de movimento) de sistemas de accionamento electromecânicos e electrónicos, oferecendo

Leia mais

RESOLUÇÃO DE QUESTÕES DE PROVA FGV TJ/SC. RAFAEL TREVIZOLI NEVES PSICÓLOGO CRP 06/107847 COLABORADOR EducaPsico

RESOLUÇÃO DE QUESTÕES DE PROVA FGV TJ/SC. RAFAEL TREVIZOLI NEVES PSICÓLOGO CRP 06/107847 COLABORADOR EducaPsico RESOLUÇÃO DE QUESTÕES DE PROVA FGV TJ/SC RAFAEL TREVIZOLI NEVES PSICÓLOGO CRP 06/107847 COLABORADOR EducaPsico Janeiro/2015 RESOLUÇÃO DE QUESTÕES DE PROVA - FGV Tribunal de Justiça de Santa Catarina Psicólogo

Leia mais

BestKIDS&Teens BestKIDS&Teens Espaço e Centro de Estudos e Explicações em Porto Salvo

BestKIDS&Teens BestKIDS&Teens Espaço e Centro de Estudos e Explicações em Porto Salvo A BestKIDS&Teens tem por objetivo desenvolver em cada criança, adolescente ou jovem o melhor de si próprio, contribuindo para o seu enriquecimento pessoal e emocional, através do reforço da sua autoestima,

Leia mais

A PSICOLOGIA E A MATURESCÊNCIA 1.

A PSICOLOGIA E A MATURESCÊNCIA 1. O Sentido da Vida é Ser Feliz! A PSICOLOGIA E A MATURESCÊNCIA 1. 2 Atualmente, percebe-se um aumento mundial da população idosa, em conseqüência de fatores de desenvolvimento social: expectativa de vida,

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular DESENVOLVIMENTO MOTOR Ano Lectivo 2015/2016

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular DESENVOLVIMENTO MOTOR Ano Lectivo 2015/2016 Programa da Unidade Curricular DESENVOLVIMENTO MOTOR Ano Lectivo 2015/2016 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Motricidade Humana 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular

Leia mais

4. Interacções sociais. 4.1. Atracção interpessoal 4.2. Ajuda e altruísmo 4.3. Ajuda em situação de perigo ou catástrofe

4. Interacções sociais. 4.1. Atracção interpessoal 4.2. Ajuda e altruísmo 4.3. Ajuda em situação de perigo ou catástrofe 4. Interacções sociais 4.1. Atracção interpessoal 4.2. Ajuda e altruísmo 4.3. Ajuda em situação de perigo ou catástrofe Licenciatura em Ciências da Comunicação 1 Atracção, amizade e amor A atracção por

Leia mais

Escolher o futuro O papel do/a psicólogo/a clínico/a no contexto de intervenção em comunidades socioeconómicas desfavorecidas 1

Escolher o futuro O papel do/a psicólogo/a clínico/a no contexto de intervenção em comunidades socioeconómicas desfavorecidas 1 Escolher o futuro O papel do/a psicólogo/a clínico/a no contexto de intervenção em comunidades socioeconómicas desfavorecidas 1 Mário Jorge Silva (psicólogo clínico) e Marli Godinho (psicóloga clínica)

Leia mais

A vivência na conjugalidade é todo um processo que engloba outros processos como a intimidade, a vida sexual, o trabalho, a procriação, a partilha

A vivência na conjugalidade é todo um processo que engloba outros processos como a intimidade, a vida sexual, o trabalho, a procriação, a partilha Existe um facto para o qual também devemos dar atenção: o agressor poderá estar numa posição de solidão. Poucos serão os agressores que terão a consciência do problema que têm, a agressividade que não

Leia mais

Portaria nº 17/99, de 22 de Abril JORNAL OFICIAL Nº 16 I SÉRIE 22-4-1999 PAG. 371

Portaria nº 17/99, de 22 de Abril JORNAL OFICIAL Nº 16 I SÉRIE 22-4-1999 PAG. 371 Portaria nº 17/99, de 22 de Abril JORNAL OFICIAL Nº 16 I SÉRIE 22-4-1999 PAG. 371 Considerando que a Portaria 100/97, de 18 de Dezembro, determina que no âmbito da educação Extra-Escolar podem ser criados

Leia mais

O DIVÓRCIO SEGUNDO CARTER &MC GOLDRICK(1995) O DIVÓRCIO É UMA CRISE DE TRANSIÇÃO;

O DIVÓRCIO SEGUNDO CARTER &MC GOLDRICK(1995) O DIVÓRCIO É UMA CRISE DE TRANSIÇÃO; O DIVÓRCIO SEGUNDO CARTER &MC GOLDRICK(1995) O DIVÓRCIO É UMA CRISE DE TRANSIÇÃO; TORNA-SE MAIS COMUM EMBORA OS CÔNJUGES NÃO ESTEJAM PREPARADOS, SOFRENDO GRANDE IMPACTO FÍSICO E EMOCIONAL; AFETA OS MEMBROS

Leia mais

OFICINA DE ORIENTAÇÃO VOCACIONAL: EM BUSCA DE UMA IDENTIDADE PROFISSIONAL

OFICINA DE ORIENTAÇÃO VOCACIONAL: EM BUSCA DE UMA IDENTIDADE PROFISSIONAL OFICINA DE ORIENTAÇÃO VOCACIONAL: EM BUSCA DE UMA IDENTIDADE PROFISSIONAL Emiliano Jaskulski 1 Milena da Silva Costa 2 Roselaine Londero Mossatti 3 Mara Regina Nieckel da Costa 4 RESUMO Este artigo apresenta

Leia mais

PROJECTOS INTERNACIONAIS DESENVOLVIDOS EM 2011 E 2012 E A DESENVOLVER NO TRIÉNIO 2013-2015

PROJECTOS INTERNACIONAIS DESENVOLVIDOS EM 2011 E 2012 E A DESENVOLVER NO TRIÉNIO 2013-2015 PROJECTOS INTERNACIONAIS DESENVOLVIDOS EM 2011 E 2012 E A DESENVOLVER NO TRIÉNIO 2013-2015 1/5 PROJECTO 1 1ª Missão Humanitária em São Tomé e Príncipe (Julho 2011) A Meninos do Mundo marcou presença no

Leia mais

COMPETÊNCIAS PARA UMA LIDERANÇA INOVADORA

COMPETÊNCIAS PARA UMA LIDERANÇA INOVADORA CURSO PARA A Liderança e Gestão Implemente e Aplique COMPETÊNCIAS PARA UMA LIDERANÇA INOVADORA A Liderança é conseguir olhar mais alto e mais longe, para que a actuação das pessoas alcance o seu potencial

Leia mais

Auto-formação para colaboradores

Auto-formação para colaboradores Formação e familiarização directa com o posto de trabalho é, muitas vezes, da responsabilidade da organização. Para uma organização eficaz desta tarefa, o instrutor/tutor necessita não só do conhecimento

Leia mais

Disciplina de Oferta Complementar. Formação Pessoal e Social

Disciplina de Oferta Complementar. Formação Pessoal e Social Disciplina de Oferta Complementar Formação Pessoal e Social Promover a cidadania Aprender a viver no mundo que nos rodeia Mod. AEVPA - Conselho Pedagógico Página 1 de 11 Disciplina de Oferta Complementar

Leia mais

Desenvolvimento da criança e o Desporto

Desenvolvimento da criança e o Desporto Desenvolvimento da criança e o Desporto Desenvolvimento da criança e o Desporto DESPORTO ENSINO TREINO CRIANÇAS E JOVENS I - O QUÊ? II - QUANDO? III - COMO? Desenvolvimento da criança e o Desporto I Capacidades

Leia mais

Unidade IV GESTÃO ESTRATÉGICA DE. Professora Ani Torres

Unidade IV GESTÃO ESTRATÉGICA DE. Professora Ani Torres Unidade IV GESTÃO ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS Professora Ani Torres Visão estratégica Visão estratégica está relacionada com alcançar os objetivos empresariais. Considera: Tipos psicológicos, Motivação:

Leia mais

Os Setes CélebresC. Sete Dias da Semana. Cores do Arco-Íris.

Os Setes CélebresC. Sete Dias da Semana. Cores do Arco-Íris. Ciclo dos Sete Anos O Número N Sete Esse número n é venerado háh mais de 3.000 anos por razões sacerdotais, desde os tempos da antiga Babilônia. Em todos os livros sagrados, de todas as religiões, o número

Leia mais