PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA (UNEB) GABINETE DA REITORIA PROGRAMA GESTÃO DE PROJETOS E ATIVIDADES NA MODALIDADE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA (Resolução n.º 709/ CONSU/UNEB) UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL/MEC PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA - MODALIDADE À DISTÂNCIA - SALVADOR 2009

2 UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA (UNEB) GABINETE DA REITORIA PROGRAMA GESTÃO DE PROJETOS E ATIVIDADES NA MODALIDADE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA (Resolução n.º 709/ CONSU/UNEB) UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL/MEC PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA - MODALIDADE À DISTÂNCIA - Projeto de criação e implantação do curso de Licenciatura em Química, apresentado ao Conselho Universitário (CONSU), da Universidade do Estado da Bahia (UNEB), através do Programa Gestão de Projetos e Atividades na Modalidade Educação à Distância (Resolução 709/ CONSU/UNEB). SALVADOR 2009

3 CONCEPÇÃO FILOSOFIA SUPERVISÃO COORDENAÇÃO ACOMPANHAMENTO CONTROLE AVALIAÇÃO SILVAR FERREIRA RIBEIRO COORDENADOR DAS ATIVIDADES DA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL (UAB), NO ÂMBITO DA UNEB - Portaria 0264/2009 MESTRE EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ARNAUD SOARES DE LIMA JUNIOR DOUTOR EM EDUCAÇÃO JADER CRISTIANO MAGALHÃES DE ALBUQUERQUE COORDENADOR SUBSTITUTO DAS ATIVIDADES DA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL (UAB), NO ÂMBITO DA UNEB - Portaria 0264/2009 MESTRE EM ADMINISTRAÇÃO EMANOEL DO ROSÁRIO SANTOS NONATO MESTRE EM EDUCAÇÃO E CONTEMPORANEIDADE KÁTIA MARIA MENDES SILVA MESTRE EM ADMINISTRAÇÃO - COMÉRCIO EXTERIOR LUIZ CARLOS DOS SANTOS DOUTOR EM CIÊNCIAS EMPRESARIAIS LIDIA BOAVENTURA PIMENTA DOUTORA EM EDUCAÇÃO TELMA BATISTA FARIAS DA SILVA EDITORAÇÃO E FORMATAÇÃO

4 1 SUMÁRIO 1.0 IDENTIFICAÇÃO DO CURSO Título Programa Campus Público Alvo Número de Vagas Forma de Ingresso Duração do Curso Previsão para início das atividades Coordenação CARACTERIZAÇÃO Da UNEB Da UAB Objetivos da UAB Aspectos Legais Estrutura Organizacional da UNEB Estrutura Departamental da UNEB por área de conhecimento e Município Organograma JUSTIFICATIVA OBJETIVOS Geral Específicos PERFIL DO EGRESSO Resultados Esperados ORGANIZAÇÃO CURRICULAR Carga Horária ESTRUTURA CURRICULAR Disciplinas/Carga Horária das Práticas de Ensino Detalhamento da Carga Horária (teórico e prática) Ementa das Disciplinas Estágio Supervisionado ESTRUTURA ADMINISTRATRIVO-PEDAGÓGICA Funções e Sujeitos da Mediação Pedagógica INFRA-ESTRUTURA E PROCESSO DE GESTÃO ACADÊMICO- ADMINISTRATIVA Produção e Distribuição de Material Didático 53

5 AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM Processo de Comunicação-Interação Entre os Participantes AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Avaliação dos Subsistemas de EAD Concepção de Avaliação do Curso Objetivo da Avaliação Infra-Estrutura Conceitual e Tecnológica: interface utilizada e lógica Operacional (AVA, interatividade, colaboração, criatividade) Gestão do Curso Docência: domínio de conteúdo específico, metodológico e operacional (domínio do AVA e metodologia a distância) Ação dos Tutores, Monitores, Mediadores de Aprendizagem Dos Professores Do Processo Ensino-Aprendizagem METODOLOGIA 68 REFERÊNCIAS 71 ANEXOS 72

6 5 1.0 IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1.1 TÍTULO Curso de Licenciatura em Química 1.2 PROGRAMA Gestão dos Projetos e Atividades de Educação à Distância (Resolução 709/ CONSU/UNEB). 1.3 CAMPUS Gabinete da Reitoria 1.4 PÚBLICO-ALVO O público-alvo do Curso de Licenciatura em Química é formado preferencialmente por professores em exercício nas redes públicas de ensino nas séries finais do Ensino Fundamental e no Ensino Médio, sem licenciatura na disciplina em que esteja exercendo a docência, classificados em processo seletivo específico; abrindo, todavia vagas para candidatos oriundos das comunidades dos pólos. 1.5 NÚMERO DE VAGAS Serão ofertadas, inicialmente, 500 vagas, distribuídas nos Pólos de Apoio Presencial do Sistema Universidade Aberta do Brasil, na capital e no interior do estado, com possibilidade de ampliação de acordo com a demanda do estado e dos municípios. 1.6 FORMA DE INGRESSO Processo Seletivo Vestibular 1.7 DURAÇÃO DO CURSO Mínimo 8 semestres e máximo 12 semestres para integralização curricular 1.8 PREVISÃO PARA INÍCIO DAS ATIVIDADES COORDENAÇÃO Dependendo de confirmação da UAB/CAPES

7 6 2.0 CARACTERIZAÇÃO 2.1 DA UNEB A Universidade do Estado da Bahia (UNEB) foi criada pela Lei Delegada nº 66/83 datada de 1 º de junho de 1983, com sede e foro na cidade do Salvador e jurisdição em todo o Estado da Bahia. Sua autorização de funcionamento deu-se através do Decreto Presidencial nº , de 17 de julho de Tendo como objetivo essencial desenvolver atividades concernentes ao Ensino Superior no Estado, a UNEB surgiu em substituição à Superintendência de Ensino Superior do Estado da Bahia (SESEB) a qual, até dezembro de 1980, tinha vinculada a sua estrutura organizacional, 7 (sete) unidades de ensino superior mantidas pelo Governo Estadual. Consolida-se o acesso ao ensino superior, também no interior do Estado com o reconhecimento da UNEB, no ano de 1995, através da Resolução n o. CEE 115/95, homologada pela Resolução CFE n o. 351/95 e Portaria Ministerial n º 909 de 31 de julho de A partir da Lei Estadual nº /97, datada de 10 de setembro de 1997, regulamentada pelo Decreto Governamental nº 7.223/98, de 20 de janeiro de 1998, foi instituída na UNEB a estrutura orgânica com base em Departamentos, passando a ser administrada pelo sistema binário, extinguindo-se as Faculdades e Centros. Criada sob forma de Autarquia em regime especial, vinculada à Secretaria da Educação, a UNEB - instituição pública, gratuita, mantida pelo Governo do Estado - possui personalidade jurídica de direito público, autonomia acadêmica, administrativa e financeira, com patrimônio próprio e estruturada sob forma de sistema multicampi de Educação: possui 29 (vinte e nove) Departamentos, sediados em 24 centros regionais de médio e grande porte.

8 7 Por definição legal, e em função de sua configuração estrutural e organizacional compete a UNEB difundir o saber, promovendo a formação e o aperfeiçoamento acadêmico, científico e tecnológico, no intuito de manter a sua colaboração para o desenvolvimento da educação superior na Bahia e, conseqüentemente, para o desenvolvimento das regiões onde está inserida. A UNEB tem como premissas à oferta de serviços com padrão de qualidade educacional, bem como a relevância social, econômica, política e cultural em comprometimento com a formação de cidadãos críticos e competentes. Prevalece, portanto, a vontade maior de honrar o compromisso assumido com o Estado da Bahia, através da oferta de uma educação pautada em métodos eficazes de produção e difusão do conhecimento.

9 8 2.2 DA UAB A Universidade Aberta do Brasil (UAB) é um programa do Ministério da Educação (MEC), gerido pela Diretoria de Educação a Distância (DED) da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Ensino Superior (CAPES) e pela Secretaria de Educação a Distância (SEED). A UAB foi implantada, oficialmente, por meio de editais públicos, em 2006 e 2007, ofertando, em 2008, (quarenta mil) vagas em diversos cursos, abrangendo 562 Pólos de Apoio Presencial ao ensino, em quase todas as regiões do País, conforme pode ser observado na Figura 1. Figura 1: Distribuição dos Pólos de Apoio Presencial da UAB no Brasil, por Estados

10 9 Foram várias as ações precursoras da criação da UAB. Dentre elas é possível destacar: a) Curso de Pedagogia, do Núcleo de Educação Aberta e a Distância (NEAD) da Universidade Federal do Mato Grosso, em 1995; b) Consórcio CEDERJ do Rio de Janeiro (da Fundação Centro de Ciências e Educação Superior a Distância do Estado do Rio de Janeiro) em 2000; c) Projeto Veredas: Formação Superior de Professores, da Universidade Federal de Minas Gerais, em 2002; d) Projeto Piloto Curso de Administração, modalidade a distância, numa parceria Banco do Brasil - MEC e Instituições Públicas de Ensino Superior em Outra experiência foi com o Pró-Licenciatura, lançado pelo MEC em 2005, para formar 180 mil professores de 5ª a 8ª série do Ensino Fundamental e do Ensino Médio. O público-alvo foram os professores atuantes nas salas de aula sem a formação exigida por lei. Nesse Programa estão previstas bolsas de estudo e a oportunidade de fazer a graduação, em serviço e a distância, em instituições públicas, comunitárias e confessionais. Os cursos a distância do Pró-Licenciatura têm a mesma duração dos cursos presenciais ofertados pelas IES e a instituição precisa ser credenciada para trabalhar com educação à distância. Abrange cursos para formação de professores do Ensino Fundamental e Ensino Médio em língua portuguesa e estrangeira, história, geografia, educação física, ciências biológicas, matemática, física e química. Também em 2005, o MEC lançou o consórcio entre IPES para oferecer licenciatura à distância em biologia. Equipes de oito universidades integrantes deste consórcio ofereceram vagas em curso de licenciatura à distância em biologia.

11 10 O consórcio é integrado pela Universidade de Brasília (UnB), Universidade Federal de Goiás (UFG), Universidade Estadual de Goiás (UEG), Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS), Universidade Federal do Pará (UFPA), Universidade Federal do Amazonas (UFAM) e Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC). O Curso foi montado em parceria por equipes das oito universidades para concorrer à Chamada Pública da Secretaria de Educação a Distância (Seed/MEC), que destinava recursos para instituições públicas de ensino superior que tivessem projetos para cursos de graduação à distância. O conteúdo da licenciatura, produzido em conjunto por professores da área de biologia das instituições, foi dividido em módulos e ministrado por meio de fascículos impressos e via internet. Os estudantes sem acesso à rede fazem o curso por meio de material impresso. O Curso tem duração mínima de quatro anos, e priorizou professores que atuem na rede pública. A seleção de estudantes foi feita por meio de vestibular, aplicado em 45 municípios nos estados participantes. Nestes municípios ocorrem as fases presenciais do curso, que constituem de 20 a 30% do conteúdo total. Mais uma ação de EaD foi lançado pelo MEC em 2006, o Pró-Formar com a oferta do curso de Licenciatura em Educação Infantil - modalidade a distância. É resultado de parceria interinstitucional estabelecida pelo consórcio Pró-Formar, assinado pelos reitores das Universidades, visando a formação de rede de formação entre: Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP), Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT), Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), Universidade Federal de São João Del Rei (UFSJ), Universidade Federal de Lavras (UFLA) e Universidade Federal do Espírito Santo (UFES). Estas IPES, ao ofertarem cursos de formação inicial e continuada, gratuitos e de qualidade, usando para isso a modalidade à distância, firmaram seu compromisso com a escola pública e exercendo seu papel social, função e dever do Estado. O

12 11 curso é destinado preferencialmente aos profissionais em exercício na Educação Infantil, em instituições públicas de atendimento as crianças de até 6 anos, que tenham ensino médio completo, residentes nos municípios convenentes.

13 Objetivos da UAB A Diretoria de Educação a Distância da CAPES (UAB) tem como objetivos principais: I. Fomentar as instituições públicas de ensino superior e pólos municipais de apoio presencial, visando à oferta de qualidade de cursos de licenciatura na modalidade à distância; II. Articular as instituições públicas de ensino superior aos pólos municipais de apoio presencial, no âmbito da Universidade Aberta do Brasil (UAB); III. Subsidiar a formulação de políticas de formação inicial e continuada de professores, potencializando o uso da metodologia da educação à distância, especialmente no âmbito da UAB; IV. Apoiar a formação inicial e continuada de profissionais da educação básica, mediante concessão de bolsas e auxílios para docentes e tutores nas instituições públicas de ensino superior e tutores presenciais e coordenadores nos pólos municipais de apoio presencial; V. Planejar, coordenar e avaliar, no âmbito das ações de fomento, a oferta de cursos superiores na modalidade a distância pelas instituições públicas e a infra-estrutura física e de pessoal dos pólos municipais de apoio presencial, em apoio à formação inicial e continuada de professores para a educação básica.

14 ASPECTOS LEGAIS Entidade Mantida: Universidade do Estado da Bahia (UNEB) Entidade Mantenedora: Autarquia Universidade do Estado da Bahia Regime: Natureza: Jurisdição: Localização do Campus Sede: Especial Multicampi Todo o Estado da Bahia Rua Silveira Martins, Cabula - Salvador CEP Tel.: (0xx71) C.N.P.J.: / Criação: Lei Estadual Delegada n.º 66/83 Autorização: Decreto Federal n.º 92937/86 Reconhecimento: Portaria Ministerial 909/95 Reestruturação: Lei Estadual n.º 7176/97 Regulamentação: Decreto Estadual n.º 7223/98 Estatuto: Resolução CEE n.º 14/2001, D.O.E de 13/02/2001 Regimento Geral: Decreto Governamental n.º /2006

15 ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DA UNEB Órgãos da Administração Superior Conselho Universitário (CONSU) Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão (CONSEPE) Conselho de Administração (CONSAD) Reitoria Órgãos da Administração Setorial Departamentos Colegiados de Cursos Órgãos Suplementares Museu de Ciência e Tecnologia Biblioteca Central Centro de Estudos de Direito Educacional Prefeitura dos Campi Arquivo Central Centro de Estudos Euclydes da Cunha Serviço Médico Odontológico e Social Núcleo de Ética e Cidadania Núcleo de Estudos Estrangeiros Centro de Estudos das Populações Afro-Indígenas-Americanas Centro de Pesquisa e Desenvolvimento Editora UNEB

16 ESTRUTURA DEPARTAMENTAL DA UNEB POR ÁREA DE CONHECIMENTO E MUNICÍPIO DEPARTAMENTO ÁREA DE CONHECIMENTO LOCALIZAÇÃO 1. Ciências Exatas e da Terra - Campus I 2. Ciências da Vida - Campus I 3. Ciências Humanas - Campus I 4. Educação - Campus I 5. Educação - Campus II 6. Ciências Exatas e da Terra - Campus II 7. Tec. e Ciências Sociais - Campus III 8. Ciências Humanas - Campus III 9. Ciências Humanas - Campus IV 10. Ciências Humanas - Campus V 11. Ciências Humanas - Campus VI 12. Educação - Campus VII 13. Educação - Campus VIII 14. Ciências Humanas - Campus IX 15. Educação - Campus X 16. Educação - Campus XI 17. Educação - Campus XII 18. Educação - Campus XIII 19. Educação - Campus XIV 20. Educação - Campus XV 21. Ciências Humanas e Tecnologias - Campus XVI 22. Ciências Humanas e Tecnologias - Campus XVII 23. Ciências Humanas e Tecnologias - Campus XVIII 24. Ciências Humanas e Tecnologias - Campus XIX 25. Ciências Humanas e Tecnologias Campus XX 26. Ciências Humanas e Tecnologias Campus XXI 27. Ciências Humanas e Tecnologias Campus XXII 28. Ciências Humanas e Tecnologias Campus XXIII 29. Ciências Humanas e Tecnologias Campus XXIV Ciências Exatas e da Terra Ciências da Vida Ciências Humanas e Ciências Sociais Educação Ciências da Vida, Letras e Educação Ciências Exatas e da Terra Ciências Ambientais e Sociais Ciências Humanas e Educação Ciências Humanas, Letras e Artes Ciências Humanas, Letras e Artes Ciências Humanas, Letras e Artes Ciências Exatas e da Terra, Ciências da Vida e Educação Ciências Exatas e da Terra, Ciências da Vida e Educação Ciências Humanas, Educação e Ciências Sociais Letras, Artes e Educação Letras, Artes e Educação Educação Educação Letras, Artes e Educação Educação Ciências Humanas, Exatas e Ambientais Ciências Humanas, Exatas e Ambientais Ciências Humanas, Exatas, Letras e Artes Ciências Humanas e Letras Ciências Humanas, Exatas, Letras e Artes Ciências Humanas, Exatas, Letras e Artes Ciências Humanas, Exatas, Letras e Artes Ciências Humanas, Exatas, Letras e Artes Ciências Humanas, Exatas, Letras e Artes Salvador Salvador Salvador Salvador Alagoinhas Alagoinhas Juazeiro Juazeiro Jacobina Santo Antônio de Jesus Caetité Senhor do Bonfim Paulo Afonso Barreiras Teixeira de Freitas Serrinha Guanambi Itaberaba Conceição do Coité Valença Irecê Bom Jesus da Lapa Eunapólis Camaçari Brumado Ipiaú Euclides da Cunha Seabra Xique-Xique

17 2.6 ORGANOGRAMA UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA (UNEB)

18 JUSTIFICATIVA O curso de Licenciatura em Química, na modalidade de Educação a Distância, concretizar-se-á a partir de um constante exercício e desenvolvimento de um processo de ação-reflexão-ação inerente à prática pedagógica, tendo o conhecimento químico como objeto desta formação. Pode-se resumir seu desenho curricular, cuja matriz curricular é apresentada a seguir, no item 1.4, dizendo-se que é constituído de quatro tipos de componentes curriculares, quais sejam: Atividades Complementares, Conhecimentos Científicos Culturais, Prática de Ensino e Estágio Supervisionado. A categoria denominada de Atividades Complementares, com carga horária mínima de 200 horas, tem por finalidade aprofundar e ampliar a formação acadêmicocientífico-cultural do discente e consiste em atividades de livre escolha dos estudantes, dentre uma gama de atividades previstas em Resolução específica do Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão da Instituição da UNEB CONSEPE - (Resolução CONSEPE No 792/2007). Com essas atividades complementares, busca-se contribuir para estimular os docentes em formação a participar de eventos de variadas naturezas, permitindo que eles observem e critiquem os trabalhos e as exposições de outros profissionais e, ao mesmo tempo, sejam observados e criticados fora do ambiente restrito da sua unidade universitária ou da escola de formação básica. São momentos de aliar a teoria e as práticas docente, profissional e social. A dimensão denominada de Conhecimentos Científicos Culturais, englobando um total de 1800 (mil e oitocentas) horas, contará com os componentes de Química, Física, Matemática, Estatística, Biologia e Didática, oferecidas ao longo do curso e que visam dar uma sólida formação científica e instrumental para o pleno desenvolvimento de habilidades e competências voltadas para o exercício profissional.

19 18 A dimensão de Prática de Ensino, de carga horária igual a 420, constitui-se no eixo voltado para a prática de ensino - objeto de trabalho do futuro professor - e estendese ao longo do curso, tendo como objetivo levar o docente em formação a mobilizar os saberes científicos adquiridos, traduzindo-os e (re)construindo-os a fim de tornálos ensináveis, assimiláveis e adequados à aprendizagem dos estudantes aos quais se destinam, procedendo assim à transposição didática dos saberes científicos em saberes escolares, já que, via de regra, os licenciandos não poderão ensinar diretamente os conteúdos conforme aprendem nas disciplinas específicas de Química na universidade. Esse bloco é composto dos seguintes componentes curriculares: Metodologia do Trabalho E Estudo em Ciências Naturais, Oficina de Leitura, Evolução das Ciências e Pressupostos Filosóficos para o Ensino de Química, Tópicos Especiais em Psicologia I, Tópicos Especiais em Psicologia II, Laboratório de Comunicação e Interação Pedagógica, Técnicas Alternativas para o Ensino de Ciências e Recursos para o Ensino de Química. Intimamente relacionado com os outros componentes curriculares, encontra-se o Estágio Supervisionado, também com um total de 420. Iniciado a partir do quinto semestre do curso consiste em uma atividade de integração gradual com a escola de formação básica, de modo a que o estudante consiga entender o seu funcionamento de uma forma global, e não se restrinja ao entendimento e observação unicamente daqueles momentos pedagógicos chamados sala de aula. Caracteriza-se como o espaço destinado à aproximação do professor em formação com a realidade escolar, em diferentes níveis de abordagem, entendimento e interação com a prática que ali se operacionaliza. Este componente subdivide-se em quatro semestres: inicialmente, no Estágio Supervisionado I, delineia-se o espaço voltado para a análise e reflexão do aparelho escolar, à luz do conhecimento a respeito da sua estrutura, organização e funcionamento. No Estágio Supervisionado II, busca-se iniciar a prática investigativa a respeito da realidade educacional e a observação e reflexão sobre a prática de ensino desenvolvida em escolas públicas e particulares, no tocante ao ensino da Química, Física, Biologia e Ciências. No Estágio Supervisionado III, à luz dos conhecimentos direcionados à metodologia do ensino, busca-se um processo de instrumentalização da ação-reflexão-ação voltados para a observação, discussão e análise da Prática do Ensino de Química no seu planejamento, execução e avaliação e início da regência. O Estágio

20 19 Supervisionado IV trata da observação da prática de ensino e da regência, propriamente dita, envolvendo as etapas de planejamento, execução e avaliação do processo de ensino-aprendizagem. Assim, o currículo proposto para o Curso de Licenciatura em Química, na modalidade de Educação a Distância, pauta-se na concepção de educação voltada à preparação de cidadãos para esse novo mundo em que os conhecimentos, competências e habilidades adquiridos/desenvolvidos são continuamente transformados, compreendendo que a formação do ser humano moderno demanda a capacidade de aprender a buscar conhecimentos e informações, entendê-los, interpretá-los e utilizá-los na transformação do seu ambiente físico e social. A legislação na qual o desenho curricular está baseado é a seguinte: Lei n /1996, de 20/12/1996. (estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional) Resolução CNE/CP no 1/2002 de 18/02/2002 (institui as Diretrizes Curriculares Nacionais da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena) Resolução CNE/CP no 2/2002 de 19/02/2002 (institui a duração e a carga horária dos cursos de licenciatura, de graduação plena, de formação de professores da Educação Básica em nível superior) Resolução CNE/CP no 8/2002 de 11/03/2002 (estabelece as Diretrizes Curriculares para os cursos de Bacharelado e Licenciatura em Química) Decreto Federal no 2.494/1998 de 10/02/1998 (regulamenta o Art. 80 da LDB) Decreto Federal no 5.622/2005 de 19/12/2005 (regulamenta o Art. 80 da LDB) Decreto Federal no 6.303/2007 de 12/12/2007 (altera dispositivos dos Decretos 5.622/2005 e 5.773/2006)

21 OBJETIVOS 4.1 GERAL Graduar licenciados em Química aptos a atuar na Educação Básica do Estado da Bahia, incluindo docentes em exercício que não apresentam formação superior (graduação). 4.2 ESPECÍFICOS Possibilitar aos docentes em exercício e demais interessados, a formação em Licenciatura em Química; Capacitar os graduandos para que sejam capazes de selecionar conteúdos e eleger estratégias adequadas ao processo ensino-aprendizagem no qual irão atuar ou estão atuando sem a formação em nível de graduação; Conscientizar os graduandos e futuros docentes da importância de seu papel como elemento capaz de analisar e refletir o processo educacional, tendo em vista o contexto sócio-político-econômico e cultural da comunidade em que estão ou estarão inseridos, para que aperfeiçoem sua prática pedagógica; Formar o educador para atuar na sociedade no pleno exercício da cidadania, através da utilização do conhecimento químico, com condições de atuar nos diversos campos da Química e de áreas afins.

22 PERFIL DO EGRESSO O profissional do Curso de Licenciatura em Química é formado com conhecimentos técnico-científico, na sua área de atuação, aliado a uma ampla formação pedagógico-cultural, que lhe permite visão crítica do desenvolvimento científico e da aplicação desse conhecimento, bem como a compreensão dos aspectos sociais envolvidos com a realidade educacional, possibilitando que crie, planeje, realize, gerencie e avalie situações didático-pedagógicas, de forma eficiente. Um profissional com pleno domínio do saber específico para o exercício do trabalho pedagógico, capaz de conduzir o processo de ensino-aprendizagem em instituições de ensino formal e não formal; assimilar e organizar, de forma sistematizada, conteúdos para o ensino da Química; possuir o conhecimento de técnicas, conteúdos e métodos que facilitem o processo de ensino-aprendizagem e a sua inserção como profissional da educação no desenvolvimento da pesquisa e no prosseguimento dos estudos em nível de pós-graduação. Um profissional capaz de realizar com autonomia, criatividade, competência técnica e compromisso social o relevante papel do professor-educador, nas atribuições que lhe são inerentes.

23 RESULTADOS ESPERADOS O projeto do Curso de Licenciatura em Química na modalidade educação a distância está alicerçado nas Diretrizes Curriculares para os cursos de Licenciatura, que trazem em seu bojo uma nova concepção de educação voltada para a formação do professor que, além de dominar o conteúdo específico da matéria que vai ensinar, deve estar preparado para fazer a transposição deste conteúdo e estabelecer as relações necessárias para que ele possa fazer sentido para o estudante ao qual se destina, levando-o a relacionar o conhecimento específico com a sua importância para a vida, para a história, para a sociedade. A concepção de currículo adotada é, portanto, de um conjunto de componentes curriculares, interrelacionados entre si e articulados de forma teórico-prática, dentro de um projeto pedagógico que visa a formação de competências e habilidades necessárias para atuação profissional frente às novas exigências demandadas ao professor de Química nos tempos atuais. Um professor cuja ação ultrapasse os limites da mera reprodução segmentada do conhecimento e que fundamente sua ação: na capacidade de estabelecer relações entre os conteúdos, como forma de superação das deficiências do currículo e do ensino atual; na pesquisa, como condição para a construção e manipulação do conhecimento a ser desenvolvido na prática docente e nas novas formas de instrumentalização para o ensino na busca constante de um aprender a aprender, aprender a se adaptar e a desenvolver novas formas de lidar com o pensamento e o conhecimento voltado para o ensino da Química.

24 ORGANIZAÇÃO CURRICULAR Conforme determina a Resolução CNE/CP N o 2, de 19 de fevereiro de 2002, a carga horária para a integralização dos cursos de Formação de Professores, em nível superior, é de, no mínimo, horas, contemplando os componentes curriculares como descrito a seguir: 400 horas de prática como componente curricular; 400 horas de estágio curricular supervisionado; horas-aula para os conteúdos curriculares de natureza científico-cultural; 200 horas de aulas para outras formas de atividades acadêmico-científico-cultural. 6.1 CARGA HORÁRIA A carga horária total do curso proposto corresponde a 2840 horas distribuídas em Atividades Complementares, Conhecimentos Científicos Culturais, Prática de Ensino e Estágio Supervisionado conforme quadro abaixo. Quadro simplificado de distribuição de carga horária: CONTEÚDOS / ÁREAS CARGA HORÁRIA Conhecimentos Científicos Culturais Prática de Ensino 420 Estágio Supervisionado 420 Atividades Complementares 200 TOTAL 2.840

25 ESTRUTURA CURRICULAR 7.1 DISCIPLINAS/CARGA HORÁRIA DAS PRÁTICAS DE ENSINO CONHECIMENTOS CIENTÍFICOS CULTURAIS Área Componente curricular Carga Horária Matemática Básica 60 Matemática Cálculo I 90 Cálculo II 60 Estatística 60 Fundamentos de Química 90 Química Geral I 90 Química Geral II 90 Química Inorgânica I 60 Química Inorgânica II 90 Química Orgânica I 60 Química Orgânica II 60 Química Química Orgânica III 60 Química Analítica I 60 Química Analítica II 60 Química Analítica III 90 Físico-Química I 60 Físico-Química II 60 Físico-Química III 60 Química e Meio Ambiente 90 Fundamentos de Física 60 Física Física I 60 Formação Geral Física II 60 Física III 60 Tecnologias da Informação e Comunicação na Educação 60 Fundamentos de Biologia 90 Didática 60 Subtotal 1800 PRÁTICA DE ENSINO Disciplina Metodologia de Trabalho e Estudo em Ciências Naturais 30 Oficina de Leitura 60 Evolução das Ciências e Pressupostos Filosóficos para o Ensino de Química 60 Tópicos Especiais em Psicologia I 60 Tópicos Especiais em Psicologia II 30 Laboratório de Comunicação e Interação Pedagógica 60 Técnicas Alternativas para o Ensino de Ciências 60 Recursos para o Ensino de Química 60 Subtotal 420 ESTÁGIO Estágio Supervisionado I 90 Estágio Supervisionado II 60 Estágio Supervisionado III 120 Carga Horária

26 25 Estágio Supervisionado IV 150 Subtotal 420 ATIVIDADES COMPLEMENTARES Atividades Complementares Carga horária Subtotal 200 TOTAL GERAL Como descrito no Decreto N o 5.622, de 19 de dezembro de 2005, reafirmado no Decreto N o 6.303, de 12 de dezembro de 2007, a educação a distância organiza-se segundo uma metodologia, gestão e avaliação peculiares, para as quais há obrigatoriedade de que as atividades de avaliação, estágios, defesa de trabalhos e as práticas em laboratório sejam presenciais e realizadas na sede da instituição ou nos pólos de apoio presencial devidamente credenciados. Pelo exposto, o quadro abaixo apresenta a distribuição da carga horária para as atividades práticas envolvendo as disciplinas com atividades de laboratório. 7.2 DETALHAMENTO DA CARGA HORÁRIA (teórico e prática) Área de conhecimento Química COMPONENTES CURRICULARES TEÓRICO/EXPERIMENTAIS Componente curricular C H C H Teórica Experimental Química Geral I Química Geral II Química Inorgânica I Química Inorgânica II Química Orgânica I Química Orgânica II Química Orgânica III Química Analítica II Química Analítica II Físico-Química I Físico-Química II C H Total Físico-Química III Biologia Fundamentos de Biologia Física I Física Física II Física III Total

Exame de Seleção para o Programa de Pós-Graduação em Química (Mestrado)

Exame de Seleção para o Programa de Pós-Graduação em Química (Mestrado) PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA Universidade Federal de Juiz de Fora Campus Universitário, Martelos, CEP 36036-900 Juiz de Fora, MG Tel/Fax: (32) 2102 3310 http://www.ufjf.edu.br/pgquimica Exame de Seleção para

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. TURMA: 1 ano EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. TURMA: 1 ano EMENTA Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Informação e Comunicação CURSO: Técnico em Manutenção e Suporte em Informática - Integrado FORMA/GRAU:( x )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( )

Leia mais

PONTOS DE CORTE SiSU Edição 1/2015 1º SEMESTRE CAMPUS I - SALVADOR. Ampla Concorrência (60%) Negro Optante (40%) Ampla Concorrência (60%)

PONTOS DE CORTE SiSU Edição 1/2015 1º SEMESTRE CAMPUS I - SALVADOR. Ampla Concorrência (60%) Negro Optante (40%) Ampla Concorrência (60%) PONTOS DE CORTE SiSU Edição 1/2015 1º SEMESTRE Departamento de Ciências Humanas CAMPUS I - SALVADOR 101 Ciências Contábeis 25 15 10 1 Matutino 674,06 103 Com. Social / Relações Públicas 25 15 10 1 Vespertino

Leia mais

Salvador, Bahia Sábado e Domingo 11 e 12 de Maio de 2013 Ano XCVII N os 21.136 e 21.137

Salvador, Bahia Sábado e Domingo 11 e 12 de Maio de 2013 Ano XCVII N os 21.136 e 21.137 Salvador, Bahia Sábado e Domingo 11 e 12 de Maio de 2013 Ano XCVII N os 21.136 e 21.137 EDITAL Nº 052/2013 O Reitor da Universidade do Estado da Bahia UNEB, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

Leia mais

Prof.ª Dr.ª do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM).

Prof.ª Dr.ª do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). AS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (TICs) NO CONTEXTO DA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL (UAB) E O CURSO DE PEDAGOGIA A DISTÂNCIA (EAD) DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA (UFSM) AVINIO, Carina

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB Pró-Reitoria de Gestão e Desenvolvimento de Pessoas PGDP

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB Pró-Reitoria de Gestão e Desenvolvimento de Pessoas PGDP UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB Pró-Reitoria de Gestão e Desenvolvimento de Pessoas PGDP (Dez) (Dez) Campus Doutores Mestres Especialistas Doutores Mestres Especialistas Variação Total Total Qtde

Leia mais

ASPECTOS QUALITATIVOS DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: O CASO DO CURSO DE PEDAGOGIA EaD DA UFSM

ASPECTOS QUALITATIVOS DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: O CASO DO CURSO DE PEDAGOGIA EaD DA UFSM ASPECTOS QUALITATIVOS DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: O CASO DO CURSO DE PEDAGOGIA EaD DA UFSM AVINIO, Carina de S.¹; ENDERLE, Mariana G.²; VISENTINI, Lucas³. 1 Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Educação

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico Ingressantes em 2007 Dados: Sigla: Licenciatura em Educação Física Área: Biológicas

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA. Química Inorgânica e geral. Química Orgânica. Química Ambiental. Gerenciamento de Resíduos OBJETIVOS

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA. Química Inorgânica e geral. Química Orgânica. Química Ambiental. Gerenciamento de Resíduos OBJETIVOS EIXO TECNOLÓGICO: Infraestrutura Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: Técnico em Edificações FORMA/GRAU:( X )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE:

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas / UNIFAL-MG Programa de Pós-graduação em Estatística Aplicada e Biometria

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas / UNIFAL-MG Programa de Pós-graduação em Estatística Aplicada e Biometria EDITAL 35/2014 A Universidade Federal de Alfenas (UNIFAL-MG), por meio de sua Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação faz saber que estarão abertas as inscrições para a seleção de alunos para o Programa

Leia mais

Ensino Superior e Educação Básica: articulando saberes

Ensino Superior e Educação Básica: articulando saberes MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB ANEXO I EDITAL Nº 001/2011/CAPES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO

Leia mais

Eje temático: EXPERIENCIAS Y ACCIONES CONCRETAS RELACIONADAS CON LA EDUCACIÓN MEDIÁTICA EN EL ÁMBITO DE LA EDUCACIÓN FORMAL

Eje temático: EXPERIENCIAS Y ACCIONES CONCRETAS RELACIONADAS CON LA EDUCACIÓN MEDIÁTICA EN EL ÁMBITO DE LA EDUCACIÓN FORMAL Eje temático: EXPERIENCIAS Y ACCIONES CONCRETAS RELACIONADAS CON LA EDUCACIÓN MEDIÁTICA EN EL ÁMBITO DE LA EDUCACIÓN FORMAL Titulo: UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL (UAB) Autor: Wilson dos Santos Almeida

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura

Leia mais

GERENCIAMENTO DO PROCESSO DE PRODUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO DO CURSO DE BACHARELADO EM BIBLIOTECONOMIA EM EaD

GERENCIAMENTO DO PROCESSO DE PRODUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO DO CURSO DE BACHARELADO EM BIBLIOTECONOMIA EM EaD GERENCIAMENTO DO PROCESSO DE PRODUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO DO CURSO DE BACHARELADO EM BIBLIOTECONOMIA EM EaD Ana Maria Ferreira Carvalho Mariza Russo Nadir Ferreira Alves Nysia Oliveira de Sá CBG/FACC/UFRJ

Leia mais

Diretrizes Curriculares Nacionais e com a Legislação Interna, tendo como princípio a compreensão da informática em suas bases epistemológicas de

Diretrizes Curriculares Nacionais e com a Legislação Interna, tendo como princípio a compreensão da informática em suas bases epistemológicas de RESOLUÇÃO Nº 014/2010 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Informática, da Escola Superior de Tecnologia, da Universidade do Estado do Amazonas. O REITOR, EM EXERCÍCIO, DA UNIVERSIDADE

Leia mais

DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES EDITAL nº 064/2015 O REITOR DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA (UNEB), no uso de suas atribuições legais e regimentais, com fundamento no Decreto Governamental n.º 9.149, de 23 de julho de 2004, torna

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Metodologia Científica Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º 1 - Ementa (sumário, resumo) Conceito e concepção de ciência

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de Química: Intensivo para o ENEM e Vestibular. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de Química: Intensivo para o ENEM e Vestibular. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. SEMESTRE ou ANO DA TURMA: 2013 EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. SEMESTRE ou ANO DA TURMA: 2013 EMENTA EIXO TECNOLÓGICO: LICENCIATURA Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: LICENCIATURA EM FÍSICA FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado (X) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE:

Leia mais

PLANO DE ENSINO. 2. EMENTA Cinemática Dinâmica Estática Conservação da energia Conservação do momento linear

PLANO DE ENSINO. 2. EMENTA Cinemática Dinâmica Estática Conservação da energia Conservação do momento linear PLANO DE ENSINO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Engenharia de Controle e Automação - Mecatrônica Professor: Antônio Lúcio Turra Período/ Fase: 1ª Semestre:

Leia mais

José Severino da Silva UFPE js.pedagogo@gmail.com. Julho 2011. Educação Media e Tecnologia. Sistemas e Instituições. Descrição de Projeto em Andamento

José Severino da Silva UFPE js.pedagogo@gmail.com. Julho 2011. Educação Media e Tecnologia. Sistemas e Instituições. Descrição de Projeto em Andamento 1 O TRABALHO DO PROFESSOR-TUTOR NOS CURSOS A DISTÂNCIA: UM OLHAR SOBRE A REGULAMENTAÇÃO E A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE EM ALGUMAS IES PÚBLICAS DE PERNAMBUCO Julho 2011 José Severino da Silva UFPE

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC - Educação a Distância: princípios e orientações. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC - Educação a Distância: princípios e orientações. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE ENSINO CENTRO DE REFENCIA EM FORMAÇÃO E APOIO

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá GABINETE DA REITORIA

Universidade Estadual de Maringá GABINETE DA REITORIA R E S O L U Ç Ã O N o 119/2005-CEP CERTIDÃO Certifico que a presente Resolução foi afixada em local de costume, nesta Reitoria, no dia 1º/9/2005. Esmeralda Alves Moro, Secretária. Aprova normas para organização

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011)

RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011) RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011) Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. SEMESTRE ou ANO DA TURMA:2013 EMENTA OBJETIVOS

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. SEMESTRE ou ANO DA TURMA:2013 EMENTA OBJETIVOS EIXO TECNOLÓGICO:Ensino Superior Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: Licenciatura em Física FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( x ) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE:

Leia mais

Reitor José Bites de Carvalho. Vice-Reitora Carla Liane Nascimento dos Santos. Pró-Reitoria de Ensino de Graduação - PROGRAD Marcius de Almeida Gomes

Reitor José Bites de Carvalho. Vice-Reitora Carla Liane Nascimento dos Santos. Pró-Reitoria de Ensino de Graduação - PROGRAD Marcius de Almeida Gomes 2 Reitor José Bites de Carvalho Vice-Reitora Carla Liane Nascimento dos Santos Pró-Reitoria de Ensino de Graduação - PROGRAD Marcius de Almeida Gomes PRÓ-REITORIA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL PRAES Ubiratan

Leia mais

Portaria Inep nº 254, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014.

Portaria Inep nº 254, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. Portaria Inep nº 254, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA

CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SERTÃO PERNAMBUCANO DIREÇÃO DE ENSINO DEPARTAMENTO DE ENSINO SUPERIOR 1. Perfil do Curso CURSO DE LICENCIATURA

Leia mais

Edital NEaD/UNIFEI/01/2012 25/04/2012

Edital NEaD/UNIFEI/01/2012 25/04/2012 Edital NEaD/UNIFEI/01/2012 25/04/2012 O Diretor do da Universidade Federal de Itajubá, no uso da competência que lhe foi delegada pelo Magnífico Reitor da UNIFEI, conforme Portaria nº 1.160, de 04 de dezembro

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 095/2015

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 095/2015 DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 095/2015 Altera a Deliberação CONSEP Nº 147/2012, que altera o Currículo do Curso de Engenharia de Produção Mecânica para regime seriado semestral. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA,

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014 A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 006 E 014 Resumo Eduardo Marcomini UNINTER 1 Ligia Lobo de Assis UNINTER Grupo de Trabalho Políticas

Leia mais

CONSIDERANDO: os critérios e os padrões de qualidade estabelecidos pela UFPB para formação de profissionais;

CONSIDERANDO: os critérios e os padrões de qualidade estabelecidos pela UFPB para formação de profissionais; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 34/2011 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Química Industrial, Bacharelado,

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 99/2013 - CONSUNIV Aprova a reformulação do Projeto Pedagógico do Curso de

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 99/2013 - CONSUNIV Aprova a reformulação do Projeto Pedagógico do Curso de UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 99/2013 - CONSUNIV Aprova a reformulação do Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Geografia, oferecido regularmente pela

Leia mais

Projeto Pedagógico do Curso

Projeto Pedagógico do Curso Projeto Pedagógico do Curso Fundamentação Diretrizes curriculares do MEC Diretrizes curriculares da SBC Carta de Princípios da UNICAP Projeto Pedagógico Institucional da UNICAP Diretrizes Curriculares

Leia mais

CETEC EDUCACIONAL S.A. Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP. Mantida

CETEC EDUCACIONAL S.A. Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP. Mantida CETEC EDUCACIONAL S.A Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP Mantida PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SÃO JOSÉ DOS CAMPOS 1 SUMÁRIO

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.580, DE 23 DE OUTUBRO DE 2014

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.580, DE 23 DE OUTUBRO DE 2014 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.580, DE 23 DE OUTUBRO DE 2014 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Bacharelado em

Leia mais

Aberta e a Distância - CEAD, da UNIFAL-MG.

Aberta e a Distância - CEAD, da UNIFAL-MG. RESOLUÇÃO Nº 023/2011, DE 28 DE ABRIL DE 2011 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG O Conselho Universitário da UNIFAL-MG, no uso de suas atribuições regimentais e estatutárias,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância - Dresead Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira

Leia mais

UFV Catálogo de Graduação 2013 163. FÍSICA Licenciatura. COORDENADOR Orlando Pinheiro da Fonseca Rodrigues ofonseca@ufv.br

UFV Catálogo de Graduação 2013 163. FÍSICA Licenciatura. COORDENADOR Orlando Pinheiro da Fonseca Rodrigues ofonseca@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2013 163 FÍSICA Licenciatura COORDENADOR Orlando Pinheiro da Fonseca Rodrigues ofonseca@ufv.br 164 Currículos dos Cursos UFV Licenciatura (Integral) ATUAÇÃO O curso de graduação

Leia mais

Educação a Distância no Ensino Superior no Brasil: contexto da UAB

Educação a Distância no Ensino Superior no Brasil: contexto da UAB Unidade 2 Unidade 2 Educação a Distância no Ensino Superior no Brasil: contexto da UAB Nesta Unidade, será apresentada a legislação brasileira de EaD e suas implicações institucionais no sistema da Universidade

Leia mais

Instituições Nucleadoras. Instituições Associadas EDITAL 2/2014

Instituições Nucleadoras. Instituições Associadas EDITAL 2/2014 Instituições Nucleadoras Instituições Associadas EDITAL 2/2014 SELEÇÃO PARA INGRESSO NO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MULTICÊNTRICO EM QUÍMICA DE MINAS GERAIS, MESTRADO/DOUTORADO O Programa de Pós-Graduação

Leia mais

PPC. Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC - PRÁTICAS PEDAGÓGICAS

PPC. Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC - PRÁTICAS PEDAGÓGICAS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE ENSINO CENTRO DE REFERÊNCIA EM FORMAÇÃO E

Leia mais

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO Com a finalidade de otimizar o processo de elaboração e avaliação dos Projetos Pedagógicos do Cursos (PPC), sugere-se que os itens a seguir sejam

Leia mais

METODOLOGIA DA PESQUISA. Característica: Obrigatória. Créditos: 2 (30 h)

METODOLOGIA DA PESQUISA. Característica: Obrigatória. Créditos: 2 (30 h) METODOLOGIA DA PESQUISA Ementa: Pesquisa qualitativa e quantitativa. As técnicas de observação e o trabalho de campo: componentes do trabalho de campo: componentes do trabalho de campo. O método cientifico.

Leia mais

REPENSANDO A LICENCIATURA EM FÍSICA: elementos para uma nova proposta

REPENSANDO A LICENCIATURA EM FÍSICA: elementos para uma nova proposta REPENSANDO A LICENCIATURA EM FÍSICA: elementos para uma nova proposta Nilson Marcos Dias Garcia a b [nilson@ppgte.cefetpr.br] José Luiz Fabris a [fabris@cefetpr.br] Cristóvão Renato M. Rincoski a [rincoski@cefetpr.br]

Leia mais

1 2 Curso: Licenciatura em Física Semi Presencial Código: 112. 5 Turno(s): ( ) Diurno ( ) Noturno ( x) Virtual. Nome da Disciplina

1 2 Curso: Licenciatura em Física Semi Presencial Código: 112. 5 Turno(s): ( ) Diurno ( ) Noturno ( x) Virtual. Nome da Disciplina Universidade Federal do Ceará Pró-Reitoria de Graduação Coordenadoria de Pesquisa e Acompanhamento Docente CPAD Divisão de Pesquisa e Desenvolvimento Curricular FORMULÁRIO PARA CRIAÇÃO DE DISCIPLINAS 1

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.662, DE 28 DE ABRIL DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.662, DE 28 DE ABRIL DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.662, DE 28 DE ABRIL DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em,

Leia mais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área;

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n. 66/ 2012 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Computação, Licenciatura

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 CURSO: BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Dados de Identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo

Leia mais

1 Centro Educacional Municipal São José 1 Colégio Estadual de Valença 1

1 Centro Educacional Municipal São José 1 Colégio Estadual de Valença 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MEC COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR-CAPES INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA BAHIA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAMA INSTITUCIONAL

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA RESOLUÇÃO/UEPB/CONSEPE/003/2009. UNIVERSIDADE ESTADU DA PARAÍBA APROVA O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA LICENCIATURA PLENA, DO CENTRO DE EDUCAÇÃO - CEDUC, QUE REFORMULA

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 6º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 6º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Conteúdos e Metodologia de Ciências Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 6º 1 - Ementa (sumário, resumo) Conteúdos e fundamentos

Leia mais

CURSO: Matemática. Missão

CURSO: Matemática. Missão CURSO: Matemática Missão O Curso de Licenciatura em Matemática tem por missão a formação de docentes com um novo perfil fundamentado na conexão de dois eixos, pedagógico e matemático, permeado pelos recursos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO - CAC CURSO DE LICENCIATURA EM DANÇA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO - CAC CURSO DE LICENCIATURA EM DANÇA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO - CAC CURSO DE LICENCIATURA EM DANÇA Coordenadora do Curso: Prof a Maria Cláudia Alves Guimarães IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. Denominação

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNIDADE DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNIDADE DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNIDADE DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO EDITAL FORMAÇÃO DE CADASTRO PARA SELEÇÃO DE MONITORES VOLUNTÁRIOS PARA A CAMPANHA DE SENSIBILIZAÇÃO PARA

Leia mais

EDITAL Nº 057/2015. Licenciatura em Ciências Biológicas Jacaraci 01 Camaçari 01

EDITAL Nº 057/2015. Licenciatura em Ciências Biológicas Jacaraci 01 Camaçari 01 EDITAL Nº 057/2015 O Reitor da Universidade do Estado da Bahia (UNEB), no uso de suas atribuições legais e regimentais, torna público para conhecimento dos interessados, que estarão abertas as inscrições

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (*) CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (*) CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (*) CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES Nº 5, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2001. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Nutrição. O Presidente

Leia mais

USO DE TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA REDE PÚBLICA: A EXPERIÊNCIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS.

USO DE TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA REDE PÚBLICA: A EXPERIÊNCIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS. USO DE TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA REDE PÚBLICA: A EXPERIÊNCIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS. Elaine Jesus Alves UFT elainealves@uft.edu.br Introdução

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 72/2009 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Sistemas de Informação, modalidade

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.640, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.640, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.640, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Bacharelado

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 93 DE JUNHO DE 2014

RESOLUÇÃO Nº. 93 DE JUNHO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS RESOLUÇÃO Nº. 93 DE JUNHO DE 2014 O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E CULTURA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS,

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 119-COU/UNICENTRO, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013. ALTERADA A NOMENCLATURA DESSE CURSO PARA LICENCIATURA EM PSICOLOGIA COMPLEMENTAÇÃO, CONFORME RESOLUÇÃO Nº 182/2014-GR/UNICENTRO. Aprova o Projeto

Leia mais

PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Portaria/MEC nº 16, publicada no Diário Oficial da União de 5/1/2007 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Portaria/MEC nº 16, publicada no Diário Oficial da União de 5/1/2007 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Portaria/MEC nº 16, publicada no Diário Oficial da União de 5/1/2007 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Sociedade Educacional Cidade de São Paulo

Leia mais

Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Itaberaí. Projeto de Estágio Supervisionado Obrigatório: Práxis pedagógica e formação docente

Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Itaberaí. Projeto de Estágio Supervisionado Obrigatório: Práxis pedagógica e formação docente Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Itaberaí Projeto de Estágio Supervisionado Obrigatório: Práxis pedagógica e formação docente Itaberaí 2012 Sebastião Alonso Júnior Diretor da Unidade

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, DE 15 DE MAIO DE 2006. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, DE 15 DE MAIO DE 2006. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, DE 15 DE MAIO DE 2006. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Graduação em Pedagogia, licenciatura. O Presidente

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PARA MESTRADO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FÍSICA UNIFEI PRIMEIRO SEMESTRE DE 2016

EDITAL DE SELEÇÃO PARA MESTRADO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FÍSICA UNIFEI PRIMEIRO SEMESTRE DE 2016 EDITAL DE SELEÇÃO PARA MESTRADO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FÍSICA UNIFEI PRIMEIRO SEMESTRE DE 2016 O Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Física da UNIFEI (PGF) FAZ SABER que no período 05 de

Leia mais

Salvador, Bahia Quarta-feira 16 de Abril de 2014 Ano XCVIII N o 21.405 EDITAL Nº 034/2014

Salvador, Bahia Quarta-feira 16 de Abril de 2014 Ano XCVIII N o 21.405 EDITAL Nº 034/2014 Salvador, Bahia Quarta-feira 16 de Abril de 2014 Ano XCVIII N o 21.405 EDITAL Nº 034/2014 O REITOR DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA (UNEB), no uso de suas atribuições legais e regimentais, RESOLVE tornar

Leia mais

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Acre IFAC CAMPUS AVANÇADO DE XAPURI QUÍMICA Licenciatura Noturno 40

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Acre IFAC CAMPUS AVANÇADO DE XAPURI QUÍMICA Licenciatura Noturno 40 Sistema de Seleção Unificada - Sisu Edição 1º/2012 VAGAS POR IES, LOCAL DE OFERTA E CURSO Item UF IES Nome IES Sigla da IES Local de oferta Nome do curso Grau do curso Turno do curso Nº vagas total Instituto

Leia mais

MARLY GUIMARÃES FERNANDES COSTA Vice-Presidente

MARLY GUIMARÃES FERNANDES COSTA Vice-Presidente UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 2/2013-CONSUNIV Dispõe sobre diretrizes para estruturação e organização curricular dos Cursos de Graduação da UEA e dá outras providências.

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 147/2012

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 147/2012 DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 147/2012 Altera o Currículo do Curso de Engenharia de Produção Mecânica para regime seriado semestral. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA, na conformidade do Processo nº MEC-479/2012,

Leia mais

A Educação de Jovens e Adultos no Currículo da Licenciatura em Matemática: o caso da UFSCar

A Educação de Jovens e Adultos no Currículo da Licenciatura em Matemática: o caso da UFSCar A Educação de Jovens e Adultos no Currículo da Licenciatura em Matemática: o caso da UFSCar Resumo Fabiana Brianez* Renata Prenstteter Gama** Esse trabalho tem como objetivo analisar o currículo do curso

Leia mais

CIÊNCIAS BIOLÓGICAS - LICENCIATURA

CIÊNCIAS BIOLÓGICAS - LICENCIATURA CIÊNCIAS BIOLÓGICAS - LICENCIATURA Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 CURSO: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS - LICENCIATURA Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente:

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.622, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2005. Vide Lei n o 9.394, de 1996 Regulamenta o art. 80 da Lei n o 9.394, de 20 de dezembro

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação/Câmara de Educação UF: DF Superior. ASSUNTO: Instrumentos de avaliação para credenciamento

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.622, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2005. Vide Lei n o 9.394, de 1996 Regulamenta o art. 80 da Lei n o 9.394, de 20 de dezembro

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 18/00 - CEPE R E S O L V E:

RESOLUÇÃO Nº 18/00 - CEPE R E S O L V E: RESOLUÇÃO Nº 18/00 - CEPE Aprova as normas básicas da atividade acadêmica dos Cursos de Graduação na modalidade de Educação à Distância da Universidade Federal do Paraná. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA

Leia mais

PIBID DE FÍSICA MODALIDADE EAD- FUNCIONAMENTO, DESAFIOS E PERSPECTIVAS Patricia Martins Guarda Regina Lelis de Sousa

PIBID DE FÍSICA MODALIDADE EAD- FUNCIONAMENTO, DESAFIOS E PERSPECTIVAS Patricia Martins Guarda Regina Lelis de Sousa PIBID DE FÍSICA MODALIDADE EAD- FUNCIONAMENTO, DESAFIOS E PERSPECTIVAS Patricia Martins Guarda Regina Lelis de Sousa Resumo Este trabalho consiste no relato de experiência de coordenadores de área do Programa

Leia mais

Área de Ciências Humanas

Área de Ciências Humanas Área de Ciências Humanas Ciências Sociais Unidade: Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia (FCHF) www.fchf.ufg.br Em Ciências Sociais estudam-se as relações sociais entre indivíduos, grupos e instituições,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO ELABORAÇÃO DO PPC INTRODUÇÃO O Projeto Pedagógico de Curso (PPC) deve orientar a ação educativa, filosófica e epistemológica do mesmo, explicitando fundamentos políticos,

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL A DISTÂNCIA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

EDUCAÇÃO ESPECIAL A DISTÂNCIA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA EDUCAÇÃO ESPECIAL A DISTÂNCIA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Andréa Tonini José Luiz Padilha Damilano Vera Lucia Marostega Universidade Federal de Santa Maria RS RESUMO A UFSM vem ofertando Cursos de Formação

Leia mais

2.2- As vagas a que se refere o item anterior estarão distribuídas conforme previsto no ANEXO I

2.2- As vagas a que se refere o item anterior estarão distribuídas conforme previsto no ANEXO I 1 de 7 04/02/2015 15:55 Universidade do Estado da Bahia UNEB EDITAL Nº 019/2015 O REITOR DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA (UNEB), no uso de suas atribuições legais e regimentais, torna público, para

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.672 DE 06 DE MARÇO DE 2008

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.672 DE 06 DE MARÇO DE 2008 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.672 DE 06 DE MARÇO DE 2008 Homologa o Parecer nº 013/2008-CEG que aprova o Projeto Político

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

Projeto Pedagógico do Curso de Física CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA

Projeto Pedagógico do Curso de Física CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA Boa Vista-RR OUTUBRO 2011 1. ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE RORAIMA 1.1 Reitoria e Vice-Reitoria Prof. José Hamiltom Gondim Silva Profª. Ilma Araújo Xaud 1.2

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Arquitetura

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior - DAES SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 8º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 8º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Acompanhamento aos Projetos de Pesquisa II Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 8º 1 - Ementa (sumário, resumo) Espaço destinado

Leia mais

QUÍMICA Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo 1ª período

QUÍMICA Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo 1ª período QUÍMICA Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Conclusão 74471 Química Estrutural 34 Química Química Inorgânica para Ciências Farmacêuticas OU 68 68977 Ciências Farmacêuticas 2008

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MONTES CLAROS SECRETARIA DOS CONSELHOS RESOLUÇÃO Nº 195- CEPEX/2007

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MONTES CLAROS SECRETARIA DOS CONSELHOS RESOLUÇÃO Nº 195- CEPEX/2007 RESOLUÇÃO Nº 195- CEPEX/2007 APROVA O REGULAMENTO DA EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA NO ÂMBITO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MONTES CLAROS - UNIMONTES O Reitor e Presidente do CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SANTOS REGULAMENTO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Para os propósitos deste documento são aplicáveis as seguintes definições:

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SANTOS REGULAMENTO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Para os propósitos deste documento são aplicáveis as seguintes definições: 1 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SANTOS REGULAMENTO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Para os propósitos deste documento são aplicáveis as seguintes definições: Professor-autor é aquele que possui pleno domínio da área

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 149/2012

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 149/2012 DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 149/2012 Altera o Currículo do Curso de Engenharia de Controle e Automação para regime seriado semestral. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA, na conformidade do Processo nº MEC-481/2012,

Leia mais

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 CONSUC Parecer 12/2008 Aprovado em 02/12/2008 RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno O DIRETOR GERAL DA FACULDADE DAS AMÉRICAS,

Leia mais