DESVELANDO O CONHECIMENTO DAS GESTANTES PRIMIGESTAS SOBRE O PROCESSO GESTACIONAL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DESVELANDO O CONHECIMENTO DAS GESTANTES PRIMIGESTAS SOBRE O PROCESSO GESTACIONAL"

Transcrição

1 DESVELANDO O CONHECIMENTO DAS GESTANTES PRIMIGESTAS SOBRE O PROCESSO GESTACIONAL RESUMO Jéssica Pricila Zanon 1 Marlei Fátima Cezarotto Fiewski 2 Os cuidados profissionais têm reduzido a morbimortalidade materna e neonatal, ao mesmo tempo, observou-se expropriação do poder da mulher de compreender a gravidez. O objetivo deste estudo foi desvelar o conhecimento das gestantes primigestas sobre o processo gestacional. O estudo foi descritivo, por meio da pesquisa de campo, entrevista semi-estruturada e análise qualitativa. A população foi composta por sete gestantes primigestas. Sobre conhecimento da gestação e os cuidados para esta fase, observou-se que as mulheres desconhecem as transformações fisiológicas normais da gravidez, vivenciando-as com ansiedade e medo. As mudanças de maior relevância são aquelas que provocam desconfortos físicos e de comportamento, com sentimentos aguçados, como os de irritação e maior sensibilidade. A abordagem sobre os cuidados durante a gestação evidenciou que existe grande dependência da gestante pelo profissional de saúde. Devido ao pouco conhecimento sobre gravidez e a falta de vínculo entre a equipe de saúde e as gestantes, estas se submetem a variados exames, aos quais desconhecem o motivo, demonstrando serem incapazes de questionar condutas omissas do profissional. Ficou evidente a representação social da gravidez como doença, e que enquanto os profissionais de saúde a tratarem como tal e as mulheres não questionarem será mais difícil adequar o atendimento. Palavras Chaves: Conhecimento, gestação, cuidados. INTRODUÇÃO Por longo período, o parto e a gestação foram encarados como eventos naturais, e ajudar no ato de partejar foi atividade exclusiva das mulheres. A partir do século XVIII, a parturição tornou-se prática de interesse médico e intitulada como obstetrícia. Porém, a nova ciência deparou-se com grande resistência, uma vez que as mulheres preferiam a companhia das parteiras por razões humanitárias e devido ao tabu de expor a intimidade (BRENES, 1991). 1 Enfermeira, pela Universidade Estadual de Londrina. Atuando na Unidade de Saúde Maria Luíza Soares Palotina/PR. R. Orlando Silva, 187 Bairro União. Palotina/PR Fone: (44) Professora Mestre do curso de Enfermagem da Universidade Estadual do Oeste do Paraná Unioeste. 1

2 Diante da resistência feminina à figura do obstetra, a classe médica criou discursos esboçando nova configuração para mulher, fazendo dela ser frágil, a quem somente os médicos poderiam orientar. Segundo Vieira (2002) o desenvolvimento da prática obstétrica como disciplina médica permitiu o deslocamento do conhecimento sobre o corpo feminino das mãos das mulheres para as dos médicos. Com o desenvolvimento da tecnologia na obstetrícia, somada a melhora das condições de vida das pessoas houve redução da morbimortalidade materno infantil (FAÚNDEZ; CECATTI, 1991). Ao mesmo tempo, este processo contribuiu para a desvalorização da mulher, impelindo o direito de ser sujeito principal da gestação, parto, puerpério e nos cuidados do recém-nascido (ZAMPIERI; SANTOS, 2001). OBJETIVOS Objetivo geral Desvelar o conhecimento da gestante sobre o processo gestacional e os cuidados essenciais desta fase Objetivos específicos Analisar o conhecimento das gestantes sobre o processo gestacional. Verificar se a gestante reconhece as mudanças fisiológicas e emocionais ocorridas em seu corpo durante a gestação. Observar se a mulher conhece os cuidados necessários durante a gestação, para promover sua saúde e da criança. METODOLOGIA Trata-se de um estudo de caráter descritivo, na linha qualitativa, que busca saber do conhecimento das gestantes primigestas sobre o processo gestacional e os cuidados 2

3 importantes para esta fase. O estudo foi realizado na Unidade de Saúde 24 horas de Marechal Cândido Rondon. Foram critérios estabelecidos para participação deste estudo: ser primigesta (primeira gestação), ter mais de 18 anos e estar realizando consulta de pré-natal na Unidade de Saúde 24 Horas. As entrevistas foram realizadas até que houvesse convergência de dados entre as falas, ou seja, foi composta de amostragem por saturação, definida por Fontanella et al. (2008, p. 17), como a suspensão de inclusão de novos participantes quando os dados obtidos passam a apresentar, certa redundância ou repetição. O roteiro que orientou a entrevista possui três tópicos, sendo o primeiro, registro de dados pessoais, o segundo composto por dados obstétricos, e o terceiro, apresentando a pergunta da pesquisa e as questões norteadoras. Para a realização da coleta de dados, a gestante foi informada sobre os objetivos do trabalho e de que entrevista seria gravada, sendo assegurada de que suas informações pessoais serão mantidas em sigilo. Solicitou-se a assinatura do termo de consentimento esclarecido. Os trechos das entrevistas foram agrupados por categorias em consonância com o instrumento de entrevista utilizado na pesquisa de campo. Após este momento, foram descorridas as falas de maior freqüência e relevância entre as entrevistas, comentadas e fundamentadas pelo autor. Os aspectos éticos e legais foram devidamente respeitados, seguindo os preceitos divulgados pela resolução 196/96 do Conselho Nacional de Saúde CNS (BRASIL, 1996). Este estudo foi submetido ao Comitê de Ética em Pesquisa CEP, as Universidade Estadual do Oeste do Paraná, sendo aprovado pelo parecer N 474/2008 CEP. RESULTADOS Após repetidas leituras para a compreensão do conhecimento que as mulheres possuem sobre o processo gestacional, os cuidados essenciais para esta fase e os fatores que influenciam a construção, ou não, deste conhecimento, os resultados foram 3

4 analisados por meio de categorias elaboradas em consonância com o roteiro de coleta de dados, com base nas falas de maior freqüência e relevância apresentadas durante as entrevistas, apresentadas abaixo. 1. O que é gravidez Esta categoria foi criada por meio da análise as falas das mulheres quando questionadas sobre o que sabem a respeito da gravidez. Por meio destas falas é possível observar a relação entre o pouco conhecimento que possuem e o medo. Segundo Mestre (2000), o novo, o desconhecido, é imprevisível, e isso apavora e provoca medo nas pessoas. Algumas vezes o conhecimento foi relacionado com a experiência de vida, ou seja, por não terem vivenciado a gestação anteriormente, as mulheres acreditam que não tiveram a oportunidade de conhecer a gravidez. Foi possível perceber que é bastante comum, quando presente, o conhecimento sobre gravidez ser proveniente de antepassados, dogmas e cultura. 2. As mudanças percebidas na gestação Constantemente é relevante o contexto histórico e o momento que estas mulheres vivenciam suas gestações para compreender as respostas dadas às questões. As mulheres deixam transparecer a preocupação com as mudanças ocorridas no corpo, que vêm acompanhadas de sentimentos como medo e descontentamento. As alterações físicas, por si só, podem trazer descontentamento com a imagem, e quando elas são resultado de uma gravidez não planejada e não desejada previamente, as adaptação, ou aceitação, são mais lentas e o impacto das mudanças pode ser mais significativo para a mulher. Outro aspecto muito referenciado nas falas sobre as mudanças ocorridas durante o processo gestacional foi a alteração de comportamento que as gestantes perceberam ter apresentado durante a gravidez. 4

5 3. Os cuidados gestacionais Foi perceptível nas falas das gestantes que o conhecimento tornou-se posse dos profissionais e que as mulheres durante a gravidez, em sua maioria, realizam os cuidados aos quais são orientadas e deixam de buscar, por iniciativa própria, ações que possam promover a saúde. O pouco conhecimento que apresentam, está relacionado, em sua maioria, a cuidados antigos e culturais, transmitidos entre gerações e permanentes na sociedade. 4. Pré-natal Foi comum entre as falas encontrar a associação do pré-natal a riscos, doenças, e à investigação das condições da criança. O conhecimento sobre o pré-natal é bastante restrito à sua função de diagnosticar e tratar riscos e doenças e mais relacionado à saúde da criança, do que de ambos, mãe e filho. 5. Conhecimento dos cuidados propostos pelo pré-natal Entre tantos cuidados que a mulher pode ter durante a gravidez pelo seu bem estar e da criança, existem alguns que são priorizados pelo pré-natal com objetivo de evitar a morbidade e até a mortalidade entre as mães e os filhos. Sobre as vacinas a serem realizadas no pré-natal, são poucas as informações e mais uma vez se evidencia a obediência aos cuidados propostos pelo profissional de saúde. Em relação ao exame citopatológico do colo do útero, ainda prevalece a vergonha e o medo de machucar o bebê, o que demonstra que há pouca educação em saúde. Sobre os cuidados com as mamas durante a gravidez para o processo de aleitamento as falas também retratam a realidade da falta de trabalho educativo com as 5

6 gestantes. Quando questionadas sobre os cuidados com as mamas durante a gestação, a maioria das falas se refere ao cuidado no pós-parto, durante a amamentação, e não demonstraram conhecimento de cuidados que possam ser realizados durante a gravidez. RESULTADOS Com o advento da obstetrícia, a gravidez passa a ser associada à doença e fragilidade, sendo, portanto, imprescindível o acompanhamento do profissional de saúde durante este período. Indiscutivelmente, os cuidados profissionais e o uso da tecnologia têm reduzido a morbimortalidade materna e neonatal, porém, ao mesmo tempo, observou-se expropriação do poder da mulher de compreender a gravidez e realizar o autocuidado. Em relação aos cuidados durante a gravidez, é perceptível que o pouco conhecimento que as gestantes possuem está relacionado à cultura e informações transmitidas entre gerações. Seguir as orientações dos profissionais é importante e os mesmos devem oferecer atendimento que garanta a segurança da gestação. No entanto, faz-se necessário o conhecimento da mulher, para que possa questionar e compreender as condutas, assim como cobrar alguma atitude omissa do profissional. Observou-se que por vezes as mulheres deixam de realizar alguns cuidados importantes como exame preventivo do colo uterino, vacinas e preparo durante a gestação para a amamentação, porque não foram orientadas sobre os procedimentos, ou temiam realizá-los durante a gravidez por falta de conhecimento de sua necessidade. Apesar da implantação de novas políticas de saúde atualmente, continua prevalecendo o modelo assistencial biomédico centrado principalmente na patologia, que tornou as mulheres grávidas dependentes da tecnologia e do profissional de saúde. 6

7 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BRENES, A. C; História da parturição no Brasil, século XIX. Cadernos de saúde Pública. Rio de Janeiro, v. 7, n. 2, p , abr/jun, FAÚNDES, A.; CECATTI, J. G.; Morte materna: uma tragédia evitável. Campinas: Editora UNICAMP, FONTANELLA, B. J. B.; RICAS, J. ; TURATO, E. R. Amostragem por saturação em pesquisas qualitativas em saúde: contribuições teóricas. Cadernos de Saúde Pública (FIOCRUZ), v. 24, p , MESTRE, M. Medo e memória: emoção e sociabilidade do final do século XX ( ). Revista Interação em Psicologia. Curitiba, v. 4, p , jan-dez/2000. VIEIRA, E. M. A medicalização do corpo feminino. Rio de Janeiro: Fiocruz, ZAMPIERI, M. de F. M.; SANTOS, O. M. B. A melodia da humanização: reflexões sobre o cuidado no processo do nascimento. Florianópolis: Cidade Futura,

Mostra de Projetos 2011. Atenção primária às gestantes de baixo risco

Mostra de Projetos 2011. Atenção primária às gestantes de baixo risco Mostra de Projetos 2011 Atenção primária às gestantes de baixo risco Mostra Local de: Londrina. Categoria do projeto: Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: (Campo

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SAÚDE COM GESTANTES NO MUNICÍPIO DE CASCAVEL

EDUCAÇÃO EM SAÚDE COM GESTANTES NO MUNICÍPIO DE CASCAVEL EDUCAÇÃO EM SAÚDE COM GESTANTES NO MUNICÍPIO DE CASCAVEL Thaís Vanessa Bugs 1 Camila Abatti Denise de Fátima Hoffmann Rigo Sebastião Caldeira RESUMO - Introdução: Tratando-se de Redes de Atenção à Saúde

Leia mais

CONSULTA PUERPERAL DE ENFERMAGEM: IMPORTÂNCIA DA ORIENTAÇÃO PARA O ALEITAMENTO MATERNO

CONSULTA PUERPERAL DE ENFERMAGEM: IMPORTÂNCIA DA ORIENTAÇÃO PARA O ALEITAMENTO MATERNO 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

PROGRAMA MÃE CORUJA DO IPOJUCA

PROGRAMA MÃE CORUJA DO IPOJUCA PROGRAMA MÃE CORUJA DO IPOJUCA Às gestantes do Ipojuca O Programa Mãe Coruja é uma grande conquista das mulheres de Pernambuco. E no Ipojuca, um avanço da administração municipal em busca de melhor assistir,

Leia mais

VIVENCIANDO ATIVIDADE DE EXTENSÃO NUMA COMUNIDADE CARENTE ATRAVÉS DA CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHERES 1

VIVENCIANDO ATIVIDADE DE EXTENSÃO NUMA COMUNIDADE CARENTE ATRAVÉS DA CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHERES 1 1 VIVENCIANDO ATIVIDADE DE EXTENSÃO NUMA COMUNIDADE CARENTE ATRAVÉS DA CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHERES 1 Anna Maria de Oliveira Salimena 2 Maria Carmen Simões Cardoso de Melo 3 Ívis Emília de Oliveira

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA:

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA

Leia mais

DIREITO À VIDA A GESTÃO DA QUALIDADE E DA INTEGRALIDADE DO CUIDADO EM SAÚDE PARA A MULHER E A CRIANÇA NO SUS-BH: a experiência da Comissão Perinatal

DIREITO À VIDA A GESTÃO DA QUALIDADE E DA INTEGRALIDADE DO CUIDADO EM SAÚDE PARA A MULHER E A CRIANÇA NO SUS-BH: a experiência da Comissão Perinatal DIREITO À VIDA A GESTÃO DA QUALIDADE E DA INTEGRALIDADE DO CUIDADO EM SAÚDE PARA A MULHER E A CRIANÇA NO SUS-BH: a experiência da Comissão Perinatal Grupo temático: Direito à vida, à saúde e a condições

Leia mais

PROCESSO DE TRABALHO GERENCIAL: ARTICULAÇÃO DA DIMENSÃO ASSISTENCIAL E GERENCIAL, ATRAVÉS DO INSTRUMENTO PROCESSO DE ENFERMAGEM.

PROCESSO DE TRABALHO GERENCIAL: ARTICULAÇÃO DA DIMENSÃO ASSISTENCIAL E GERENCIAL, ATRAVÉS DO INSTRUMENTO PROCESSO DE ENFERMAGEM. PROCESSO DE TRABALHO GERENCIAL: ARTICULAÇÃO DA DIMENSÃO ASSISTENCIAL E GERENCIAL, ATRAVÉS DO INSTRUMENTO PROCESSO DE ENFERMAGEM. Gabriela Marchiori CARMO AZZOLIN * Marina PEDUZZI** Introdução: O pressuposto

Leia mais

DIFICULDADES PARA FORMAÇÃO E ATUAÇÃO DA COMISSÃO DE ÉTICA DE ENFERMAGEM NAS ORGANIZAÇÕES HOSPITALARES

DIFICULDADES PARA FORMAÇÃO E ATUAÇÃO DA COMISSÃO DE ÉTICA DE ENFERMAGEM NAS ORGANIZAÇÕES HOSPITALARES DIFICULDADES PARA FORMAÇÃO E ATUAÇÃO DA COMISSÃO DE ÉTICA DE ENFERMAGEM NAS ORGANIZAÇÕES HOSPITALARES Julianny de Vasconcelos Coutinho Universidade Federal da Paraíba; email: juliannyvc@hotmail.com Zirleide

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS PREFEITURA MUNICIPAL DE CAVALCANTE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE PROJETO ALEITAMENTO MATERNO

ESTADO DE GOIÁS PREFEITURA MUNICIPAL DE CAVALCANTE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE PROJETO ALEITAMENTO MATERNO ESTADO DE GOIÁS PREFEITURA MUNICIPAL DE CAVALCANTE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE PROJETO ALEITAMENTO MATERNO APRESENTAÇÃO O aleitamento materno exclusivo (AME) é sinônimo de sobrevivência para o recém-nascido,

Leia mais

SOFRIMENTO PSÍQUICO NA ADOLESCÊNCIA Marcia Manique Barreto CRIVELATTI 1 Solânia DURMAN 2

SOFRIMENTO PSÍQUICO NA ADOLESCÊNCIA Marcia Manique Barreto CRIVELATTI 1 Solânia DURMAN 2 SOFRIMENTO PSÍQUICO NA ADOLESCÊNCIA Marcia Manique Barreto CRIVELATTI 1 Solânia DURMAN 2 INTRODUÇÃO: Durante muitos anos acreditou-se que os adolescentes, assim como as crianças, não eram afetadas pela

Leia mais

A PROMOÇÃO DA SAÚDE DO ADOLESCENTE NA ATENÇÃO BÁSICA COMO DESAFIO PARA A ENFERMAGEM

A PROMOÇÃO DA SAÚDE DO ADOLESCENTE NA ATENÇÃO BÁSICA COMO DESAFIO PARA A ENFERMAGEM A PROMOÇÃO DA SAÚDE DO ADOLESCENTE NA ATENÇÃO BÁSICA COMO DESAFIO PARA A ENFERMAGEM Górki Pires de Andrade gorkipires@hotmail.com Jessica Rabelo Holanda jeholanda2010@hotmail.com Kelianny Pinheiro Bezerra

Leia mais

ajuda! mamã, Curso de Preparação para o Parto e Parentalidade

ajuda! mamã, Curso de Preparação para o Parto e Parentalidade mamã, ajuda! C E N T R O H O S P I T A L A R L E I R I A P O M B A L Curso de Preparação para o Parto e Parentalidade Serviço de Ginecologia/Obstetrícia do Hospital de Santo André CHLP, E.P.E. Consulta

Leia mais

PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES PARA PROMOÇÃO DA SAÚDE

PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES PARA PROMOÇÃO DA SAÚDE 1 PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES PARA PROMOÇÃO DA SAÚDE Autoras: Paula Cristina Ischkanian 1 e Maria Cecília Focesi Pelicioni 2. 1 Mestranda da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São

Leia mais

CONSULTA PUERPERAL DE ENFERMAGEM: PERFIL DAS PUÉRPERAS FRENTE À PRÁTICA DO ALEITAMENTO MATERNO

CONSULTA PUERPERAL DE ENFERMAGEM: PERFIL DAS PUÉRPERAS FRENTE À PRÁTICA DO ALEITAMENTO MATERNO CONSULTA PUERPERAL DE ENFERMAGEM: PERFIL DAS PUÉRPERAS FRENTE À PRÁTICA DO ALEITAMENTO MATERNO Área Temática: Saúde Péricles Martim Reche (Coordenador da Ação de Extensão) Reche, Péricles Martim 1 Trentini,

Leia mais

SAÚDE MENTAL DO ENFERMEIRO E O SETOR DE EMERGÊNCIA: UMA QUESTÃO DE SAÚDE NO TRABALHO

SAÚDE MENTAL DO ENFERMEIRO E O SETOR DE EMERGÊNCIA: UMA QUESTÃO DE SAÚDE NO TRABALHO SAÚDE MENTAL DO ENFERMEIRO E O SETOR DE EMERGÊNCIA: UMA QUESTÃO DE SAÚDE NO TRABALHO Valesca Boarim da Silva 1 Regina Célia Gollner Zeitoune 2 Introdução:Trata-se de nota prévia de estudo que tem como

Leia mais

IV Seminário de Promoçã e Prevençã. ção à Saúde. ção o de Riscos e Doenças na Saúde Suplementar. I Seminário de Atençã. Suplementar.

IV Seminário de Promoçã e Prevençã. ção à Saúde. ção o de Riscos e Doenças na Saúde Suplementar. I Seminário de Atençã. Suplementar. IV Seminário de Promoçã ção o da Saúde e Prevençã ção o de Riscos e Doenças na Saúde Suplementar I Seminário de Atençã ção à Saúde Suplementar Dezembro 2007 Área de Atençã ção à Saúde da Mulher Marco Regulatório

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Mortalidade Infantil. Epidemiologia dos Serviços de Saúde. Causas de Morte.

PALAVRAS-CHAVE: Mortalidade Infantil. Epidemiologia dos Serviços de Saúde. Causas de Morte. ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA Jessica Neves Pereira (latiifa@hotmail.com)

Leia mais

REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS

REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS CRIZÓSTOMO, Cilene Delgado MILANEZ, Maria Rosa de Morais SOUSA, Rejane Lúcia Rodrigues Veloso ALBUQUERQUE, Judith

Leia mais

Autor(es) MARIANA APARECIDA RODRIGUES. Co-Autor(es) MARCIA ALVES DE MATOS MARIANA RODRIGUES UBICES. Orientador(es) ANGELA MARCIA FOSSA. 1.

Autor(es) MARIANA APARECIDA RODRIGUES. Co-Autor(es) MARCIA ALVES DE MATOS MARIANA RODRIGUES UBICES. Orientador(es) ANGELA MARCIA FOSSA. 1. 7º Simpósio de Ensino de Graduação AVALIAÇÃO DO RISCO PARA MORTALIDADE PÓS-NEONATAL EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE DE PIRACICABA, INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Autor(es) MARIANA APARECIDA RODRIGUES Co-Autor(es)

Leia mais

CONSULTA PUPERPERAL DE ENFERMAGEM: REDUZINDO A INCIDÊNCIA DE PROBLEMAS MAMÁRIOS

CONSULTA PUPERPERAL DE ENFERMAGEM: REDUZINDO A INCIDÊNCIA DE PROBLEMAS MAMÁRIOS ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (x) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA CONSULTA PUPERPERAL DE ENFERMAGEM:

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PRÉ-NATAL

A IMPORTÂNCIA DO PRÉ-NATAL A IMPORTÂNCIA DO PRÉ-NATAL Programa BemVindo - www.bemvindo.org.br A OMS - Organização Mundial da Saúde diz que "Pré-Natal" é conjunto de cuidados médicos, nutricionais, psicológicos e sociais, destinados

Leia mais

ATENÇÃO PRIMÁRIA (SAÚDE COLETIVA, PROMOÇÃO DA SAÚDE E SEMELHANTES)

ATENÇÃO PRIMÁRIA (SAÚDE COLETIVA, PROMOÇÃO DA SAÚDE E SEMELHANTES) ATENÇÃO PRIMÁRIA (SAÚDE COLETIVA, PROMOÇÃO DA SAÚDE E SEMELHANTES) ID: 103 A IMPORTÂNCIA DA CONSULTA DE ENFERMAGEM NO PRÉ-NATAL, NA PERSPECTIVA DO ENFERMEIRO Enfa. Aryhadne Michelle Chimicoviacki Machado

Leia mais

CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Gislaine Franco de Moura (UEL) gislaine.franco.moura@gmail.com Gilmara Lupion Moreno (UEL) gilmaralupion@uel.br

Leia mais

ORIENTAÇÕES GERAIS CAPACITAÇÃO EM PARTERIA URBANA: ATENÇÃO AO PARTO DOMICILIAR

ORIENTAÇÕES GERAIS CAPACITAÇÃO EM PARTERIA URBANA: ATENÇÃO AO PARTO DOMICILIAR ORIENTAÇÕES GERAIS CAPACITAÇÃO EM PARTERIA URBANA: ATENÇÃO AO PARTO DOMICILIAR Uma mulher com gestação de baixo risco pode ter como ambiente para dar à luz a sua própria casa. A Organização Mundial de

Leia mais

TÍTULO: ALUNOS DE MEDICINA CAPACITAM AGENTES COMUNITÁRIOS NO OBAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE

TÍTULO: ALUNOS DE MEDICINA CAPACITAM AGENTES COMUNITÁRIOS NO OBAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE TÍTULO: ALUNOS DE MEDICINA CAPACITAM AGENTES COMUNITÁRIOS NO OBAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: MEDICINA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE CIDADE DE SÃO PAULO AUTOR(ES): THAIS

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA: ADOLESCENTES E ATIVIDADE SEXUAL PRECOCE EM UMA UNIDADE DE SAÚDE NA ZONA OESTE RJ

RELATO DE EXPERIÊNCIA: ADOLESCENTES E ATIVIDADE SEXUAL PRECOCE EM UMA UNIDADE DE SAÚDE NA ZONA OESTE RJ Revista Eletrônica Novo Enfoque, ano 2013, v. 17, n. 17, p. 134 138 RELATO DE EXPERIÊNCIA: ADOLESCENTES E ATIVIDADE SEXUAL PRECOCE EM UMA UNIDADE DE SAÚDE NA ZONA OESTE RJ PORTO, Adriana Vianna Costa 1

Leia mais

CÂNCER DE MAMA:PERSPECTIVAS SOBRE AS RELAÇÕES FAMILIARES

CÂNCER DE MAMA:PERSPECTIVAS SOBRE AS RELAÇÕES FAMILIARES V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 CÂNCER DE MAMA:PERSPECTIVAS SOBRE AS RELAÇÕES FAMILIARES Simone Lemos 1 ; Suzei Helena Tardivo Barbosa 2 ; Giseli

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Paranavaí Acolher Seu Filho com Amor / 2011

Mostra de Projetos 2011. Paranavaí Acolher Seu Filho com Amor / 2011 Mostra de Projetos 2011 Paranavaí Acolher Seu Filho com Amor / 2011 Mostra Local de: Paranavaí Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: Secretaria

Leia mais

A INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA EQUIPE MULIDISCIPLINAR DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA NO MUNICÍPIO DE MEDIANEIRA - PR

A INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA EQUIPE MULIDISCIPLINAR DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA NO MUNICÍPIO DE MEDIANEIRA - PR A INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA EQUIPE MULIDISCIPLINAR DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA NO MUNICÍPIO DE MEDIANEIRA - PR 1.1 1.2 Cheile Kátia da Silva 1. Michelly Laurita Wiese 1.3 INTRODUÇÃO: De acordo com

Leia mais

VISITA PRÉ-OPERATÓRIA DE ENFERMAGEM: humanizando o cuidar feminino na prática assistencial através de atividade de extensão 1

VISITA PRÉ-OPERATÓRIA DE ENFERMAGEM: humanizando o cuidar feminino na prática assistencial através de atividade de extensão 1 VISITA PRÉ-OPERATÓRIA DE ENFERMAGEM: humanizando o cuidar feminino na prática assistencial através de atividade de extensão 1 Anna Maria de Oliveira Salimena 2 Maria Carmen Simões Cardoso de Melo 2 Ívis

Leia mais

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Eixo temático 1: Fundamentos e práticas educacionais Telma Sara Q. Matos 1 Vilma L. Nista-Piccolo 2 Agências Financiadoras: Capes / Fapemig

Leia mais

GRUPO DE GESTANTES E CASAIS GRÁVIDOS: PARCERIA DO DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM E HOSPITAL UNIVERSITÁRIO/ UFSC

GRUPO DE GESTANTES E CASAIS GRÁVIDOS: PARCERIA DO DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM E HOSPITAL UNIVERSITÁRIO/ UFSC GRUPO DE GESTANTES E CASAIS GRÁVIDOS: PARCERIA DO DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM E HOSPITAL UNIVERSITÁRIO/ UFSC Área Temática: Saúde. Atenção Integral à saúde da mulher Maria de Fátima Mota Zampieri - coordenador

Leia mais

METODOLOGIA RESULTADOS E DISCUSSÃO

METODOLOGIA RESULTADOS E DISCUSSÃO ATENDIMENTO DE ENFERMAGEM A SAÚDE DO HOMEM NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA Ingrid Mikaela Moreira de Oliveira Enfermeira Mestranda em Bioprospecção Molecular da Universidade Regional do Cariri-URCA ingrid_lattes@hotmail.com

Leia mais

Desigualdades em saúde - Mortalidade infantil. Palavras-chave: mortalidade infantil; qualidade de vida; desigualdade.

Desigualdades em saúde - Mortalidade infantil. Palavras-chave: mortalidade infantil; qualidade de vida; desigualdade. Desigualdades em saúde - Mortalidade infantil Ruth Rangel * Fernanda Azevedo * Palavras-chave: mortalidade infantil; qualidade de vida; desigualdade. Resumo A redução das desigualdades sociais tem sido

Leia mais

COBERTURA DO SAÚDE DA FAMÍLIA E CITOPATOLÓGICO DE Avaliação da cobertura da Estratégia Saúde da Família nos municípios do Rio Grande do Sul sobre a Razão de Exames Citotopalógicos de Colo Uterino Paulo

Leia mais

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NA GESTAÇÃO

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NA GESTAÇÃO ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NA GESTAÇÃO Cristina Bertochi 1 Alcy Aparecida Leite Souza 2 Daiane Morilha Rodrigues 3 INTRODUÇÃO A gravidez é um período de mudanças físicas e emocionais, que cada mulher vivência

Leia mais

Licenciatura de Análises Clínicas e Saúde Pública. Universidade Atlântica. 4.º Ano. - Investigação Aplicada

Licenciatura de Análises Clínicas e Saúde Pública. Universidade Atlântica. 4.º Ano. - Investigação Aplicada Licenciatura de Análises Clínicas e Saúde Pública Universidade Atlântica 4.º Ano - Investigação Aplicada AVALIAÇÃO DO GRAU DE SENSIBILIZAÇÃO PARA A AMAMENTAÇÃO Projecto de Investigação Docente: Ana Cláudia

Leia mais

III CONGRESSO BRASILEIRO DE RELACIONAMENTO INTERPESSOAL E I ENCONTRO LATINO-AMERICANO SOBRE FAMILIA E RELACIONAMENTO INTERPESSOAL

III CONGRESSO BRASILEIRO DE RELACIONAMENTO INTERPESSOAL E I ENCONTRO LATINO-AMERICANO SOBRE FAMILIA E RELACIONAMENTO INTERPESSOAL III CONGRESSO BRASILEIRO DE RELACIONAMENTO INTERPESSOAL E I ENCONTRO LATINO-AMERICANO SOBRE FAMILIA E RELACIONAMENTO INTERPESSOAL De 19 a 22 de Julho de 2013 1) Tipo e título da atividade proposta: a)

Leia mais

5.1 Nome da iniciativa ou Projeto. Academia Popular da Pessoa idosa. 5.2 Caracterização da Situação Anterior

5.1 Nome da iniciativa ou Projeto. Academia Popular da Pessoa idosa. 5.2 Caracterização da Situação Anterior 5.1 Nome da iniciativa ou Projeto Academia Popular da Pessoa idosa 5.2 Caracterização da Situação Anterior O envelhecimento é uma realidade da maioria das sociedades. No Brasil, estima-se que exista, atualmente,

Leia mais

O IMPACTO DAS MUDANÇAS NO MUNDO DO TRABALHO E OS TRABALHADORES DE ENFERMAGEM

O IMPACTO DAS MUDANÇAS NO MUNDO DO TRABALHO E OS TRABALHADORES DE ENFERMAGEM O IMPACTO DAS MUDANÇAS NO MUNDO DO TRABALHO E OS TRABALHADORES DE ENFERMAGEM Salete Beatriz Scheid 1 Neide Tiemi Murofuse 2 INTRODUÇÃO: Vivemos atualmente numa sociedade marcada pelas intensas e rápidas

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES A DESENVOLVER EM 2012 APROVADO EM ASSEMBLEIA DO COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE ENFERMAGEM DE SAÚDE MATERNA E OBSTÉTRICA

PLANO DE ATIVIDADES A DESENVOLVER EM 2012 APROVADO EM ASSEMBLEIA DO COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE ENFERMAGEM DE SAÚDE MATERNA E OBSTÉTRICA APROVADO EM ASSEMBLEIA DO COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE ENFERMAGEM DE SAÚDE MATERNA E OBSTÉTRICA 03 DE MARÇO DE 2012 Nota Introdutória No início do mandato 2012-2015, a Mesa do Colégio de Especialidade de

Leia mais

AVALIAÇÃO PRÉ-CONCEPCIONAL DE MULHERES COM IDADE FÉRTIL EM MUNICÍPIOS NO VALE PARAÍBA.

AVALIAÇÃO PRÉ-CONCEPCIONAL DE MULHERES COM IDADE FÉRTIL EM MUNICÍPIOS NO VALE PARAÍBA. AVALIAÇÃO PRÉ-CONCEPCIONAL DE MULHERES COM IDADE FÉRTIL EM MUNICÍPIOS NO VALE PARAÍBA. Mirielle Ravache Machado Dias; Vanessa Felix Da Hora ; Maria Conceição Furtado Lancia Faculdade de Ciências da Saúde

Leia mais

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS: A PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DA ESCOLA ESTADUAL PROFESSOR JOSÉ GOMES, PATOS, PARAÍBA, BRASIL

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS: A PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DA ESCOLA ESTADUAL PROFESSOR JOSÉ GOMES, PATOS, PARAÍBA, BRASIL DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS: A PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DA ESCOLA ESTADUAL PROFESSOR JOSÉ GOMES, PATOS, PARAÍBA, BRASIL Kelvy Fellipe Gomes de Lima 1 ; Lucas Silva Leite 1 ; Anna Fernanda Beatriz Amorim

Leia mais

Paridade. puerperais Não 24 45,3. neonatal Não 34 63,0 19 35,8 29 54,7

Paridade. puerperais Não 24 45,3. neonatal Não 34 63,0 19 35,8 29 54,7 PERCEPÇÃO DA PUÉRPERA EM RELAÇÃO À ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA Viana, J.C 1 ; Mota, L.L 2 ; Corrêa, A.L³; Perroni, C. A. 4 jamilli-viana@bol.com.br; lidiener @hotmail.com.br;

Leia mais

Adolescentes e jovens preparados para tomar suas próprias decisões reprodutivas

Adolescentes e jovens preparados para tomar suas próprias decisões reprodutivas Adolescentes e jovens preparados para tomar suas próprias decisões reprodutivas Andrea da Silveira Rossi Brasília, 15 a 18 out 2013 Relato de adolescentes e jovens vivendo com HIV Todo adolescente pensa

Leia mais

Termo de Consentimento Livre e Esclarecido

Termo de Consentimento Livre e Esclarecido 6. CONCLUSÕES Conclusões 49 Os resultados deste estudo indicam boa reprodutibilidade do exame de ressonância magnética, por meio da análise da variabilidade intra e interobservadores, na aferição do comprimento

Leia mais

NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS ENFERMEIROS SOBRE A SAÚDE DO HOMEM NO MUNICÍPIO DE CAJAZEIRAS-PB.

NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS ENFERMEIROS SOBRE A SAÚDE DO HOMEM NO MUNICÍPIO DE CAJAZEIRAS-PB. NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS ENFERMEIROS SOBRE A SAÚDE DO HOMEM NO MUNICÍPIO DE CAJAZEIRAS-PB. Antonio José Barbosa Neto (ajbneto_@hotmail.com) 1 Ceciliana Araújo Leite (cecidemais@hotmail.com)

Leia mais

CURSO: ENFERMAGEM. Objetivos Específicos 1- Estudar a evolução histórica do cuidado e a inserção da Enfermagem quanto às

CURSO: ENFERMAGEM. Objetivos Específicos 1- Estudar a evolução histórica do cuidado e a inserção da Enfermagem quanto às CURSO: ENFERMAGEM Missão Formar para atuar em Enfermeiros qualificados todos os níveis de complexidade da assistência ao ser humano em sua integralidade, no contexto do Sistema Único de Saúde e do sistema

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DE DISCIPLINA. Enfermagem em Saúde Coletiva da Criança e do Adolescente (1º Semestre / 2013)

PROGRAMAÇÃO DE DISCIPLINA. Enfermagem em Saúde Coletiva da Criança e do Adolescente (1º Semestre / 2013) PROGRAMAÇÃO DE DISCIPLINA Enfermagem em Saúde Coletiva da Criança e do Adolescente (1º Semestre / 2013) Coordenador: Prof ª Aurea Tamami Minagawa Toriyama Carga horária total: 60 horas 30 horas práticas

Leia mais

A atenção obstétrica, neonatal, infantil e os desafios para alcançar os ODM 3, 4 e 5

A atenção obstétrica, neonatal, infantil e os desafios para alcançar os ODM 3, 4 e 5 A atenção obstétrica, neonatal, infantil e os desafios para alcançar os ODM 3, 4 e 5 A partir dos esforços para melhorar a saúde materno-infantil, tais como: Programa de Humanização do Parto e Nascimento

Leia mais

PERFIL SÓCIO-DEMOGRAFICO DE MULHERES EM CONSULTA DE ENFERMAGEM PUERPERAL

PERFIL SÓCIO-DEMOGRAFICO DE MULHERES EM CONSULTA DE ENFERMAGEM PUERPERAL 8. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: SAÚDE PERFIL SÓCIO-DEMOGRAFICO DE MULHERES EM CONSULTA DE ENFERMAGEM PUERPERAL NIKKEL, FRANCIELLE TAMARA 1 GEHRING, LETÍCIA BARROS 2 LEMOS,

Leia mais

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA Autor: Marusa Fernandes da Silva marusafs@gmail.com Orientadora: Profª. Ms. Mônica Mª N. da Trindade Siqueira Universidade de Taubaté monica.mnts@uol.com.br Comunicação oral:

Leia mais

Etapas da Metodologia da Pesquisa Científica. Maria da Conceição Muniz Ribeiro Mestre em Enfermagem pela UERJ

Etapas da Metodologia da Pesquisa Científica. Maria da Conceição Muniz Ribeiro Mestre em Enfermagem pela UERJ Etapas da Metodologia da Pesquisa Científica Maria da Conceição Muniz Ribeiro Mestre em Enfermagem pela UERJ Metodologia da Pesquisa Cientifica Metodologia Como se procederá a pesquisa? Caminhos para se

Leia mais

EDITAL N 37/2013 1 - Das áreas 2- Das vagas 3- Dos Requisitos 4- Das inscrições 5 - Da seleção 1ª Etapa: Data: Resultado da 1ª Etapa:

EDITAL N 37/2013 1 - Das áreas 2- Das vagas 3- Dos Requisitos 4- Das inscrições 5 - Da seleção 1ª Etapa: Data: Resultado da 1ª Etapa: EDITAL N 37/2013 A Diretoria Acadêmica da Associação Caruaruense de Ensino Superior, mantenedora da Faculdade ASCES, torna público a realização do processo seletivo destinado ao recrutamento de profissional

Leia mais

********** É uma instituição destinada ao atendimento de crianças de 0 a 3 anos e faz parte da Educação Infantil. Integra as funções de cuidar e

********** É uma instituição destinada ao atendimento de crianças de 0 a 3 anos e faz parte da Educação Infantil. Integra as funções de cuidar e 1 CONCEPÇÃO DE CRECHE (0 A 3 ANOS): A Constituição Federal de 1988 assegura o reconhecimento do direito da criança a creche, garantindo a permanente atuação no campo educacional, deixando de ser meramente

Leia mais

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE X ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO EM UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE INTRODUÇÃO

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE X ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO EM UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE INTRODUÇÃO LÍVIA CRISTINA FRIAS DA SILVA SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE X ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO EM UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE Ms. Maria de Fátima Lires Paiva Orientadora São Luís 2004 INTRODUÇÃO Sistema Único de Saúde - Universalidade

Leia mais

17º Congresso de Iniciação Científica ANÁLISE DO PERFIL DAS DOADORAS DE LEITE MATERNO DO HOSPITAL FORNECEDORES DE CANA, EM PIRACICABA

17º Congresso de Iniciação Científica ANÁLISE DO PERFIL DAS DOADORAS DE LEITE MATERNO DO HOSPITAL FORNECEDORES DE CANA, EM PIRACICABA 17º Congresso de Iniciação Científica ANÁLISE DO PERFIL DAS DOADORAS DE LEITE MATERNO DO HOSPITAL FORNECEDORES DE CANA, EM PIRACICABA Autor(es) SHEILA MARIA DAROZ Orientador(es) ANGELA MÁRCIA FOSSA Apoio

Leia mais

Comitê de Especialistas em Enfermagem Obstétrica

Comitê de Especialistas em Enfermagem Obstétrica MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Políticas de Saúde Área Técnica Saúde da Mulher Brasília, 10 de fevereiro de 2.000. Área Técnica da Saúde da Mulher Secretaria de Políticas de Saúde Comitê de Especialistas

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Amamentação. Educação em Saúde. Enfermagem. Traumas Mamários

PALAVRAS-CHAVE Amamentação. Educação em Saúde. Enfermagem. Traumas Mamários 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA INFLUÊNCIA DA ESCOLARIDADE NOS TRAUMAS

Leia mais

CONHECIMENTOS, MITOS E CRENÇAS SOBRE O ALEITAMENTO MATERNO ENTRE PRIMÍPARAS EM UM HOSPITAL GERAL NA CIDADE DE TAUBATÉ SP

CONHECIMENTOS, MITOS E CRENÇAS SOBRE O ALEITAMENTO MATERNO ENTRE PRIMÍPARAS EM UM HOSPITAL GERAL NA CIDADE DE TAUBATÉ SP CONHECIMENTOS, MITOS E CRENÇAS SOBRE O ALEITAMENTO MATERNO ENTRE PRIMÍPARAS EM UM HOSPITAL GERAL NA CIDADE DE TAUBATÉ SP Vanessa Cezaria de Faria 1, Liliane Moreira Leal 2, Luciane Alcantara de Andrade

Leia mais

MÉTODO MÃE CANGURU: PERCEPÇÃO DAS PUÉRPERAS DE UMA MATERNIDADE NO ESTADO DA PARAÍBA

MÉTODO MÃE CANGURU: PERCEPÇÃO DAS PUÉRPERAS DE UMA MATERNIDADE NO ESTADO DA PARAÍBA MÉTODO MÃE CANGURU: PERCEPÇÃO DAS PUÉRPERAS DE UMA MATERNIDADE NO ESTADO DA PARAÍBA BEZERRA, Nanci Candido, Faculdade Santa Maria, nanci.candido26@gmail.com. SILVA, Evandro Dantas, Faculdade Santa Maria.

Leia mais

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA ATRIBUIÇÕES DO MÉDICO I- Realizar consultas clínicas aos usuários de sua área adstrita; II- Participar das atividades de grupos de controle

Leia mais

UMA ABORDAGEM SOBRE OS DESAFIOS COTIDIANOS DAS AGENTES COMUNITARIAS DE SAÚDE DE UMA EQUIPE DE ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA PARTICIPANTE DO PET- SAÚDE

UMA ABORDAGEM SOBRE OS DESAFIOS COTIDIANOS DAS AGENTES COMUNITARIAS DE SAÚDE DE UMA EQUIPE DE ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA PARTICIPANTE DO PET- SAÚDE 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (x ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA UMA ABORDAGEM

Leia mais

DIAGNÓSTICO SOBRE A SAÚDE DA MULHER EM UMA UNIDADE DE SAÚDE DA FAMÍLIA E INTERVENÇÕES SOBRE O EXAME CITOPATOLÓGICO DO COLO UTERINO

DIAGNÓSTICO SOBRE A SAÚDE DA MULHER EM UMA UNIDADE DE SAÚDE DA FAMÍLIA E INTERVENÇÕES SOBRE O EXAME CITOPATOLÓGICO DO COLO UTERINO 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA DIAGNÓSTICO SOBRE A SAÚDE

Leia mais

A PERCEPÇÃO DE MÃES QUANTO A ALIMENTAÇÃO COMPLEMENTAR EM CRIANÇAS DE SEIS MESES A DOIS ANOS DE IDADE

A PERCEPÇÃO DE MÃES QUANTO A ALIMENTAÇÃO COMPLEMENTAR EM CRIANÇAS DE SEIS MESES A DOIS ANOS DE IDADE A PERCEPÇÃO DE MÃES QUANTO A ALIMENTAÇÃO COMPLEMENTAR EM CRIANÇAS DE SEIS MESES A DOIS ANOS DE IDADE Tiago de Sousa Barros 20, Tatiane Gomes Guedes 21, Jéssika Nayara Sousa Barros 2, Francisca Elba Pereira

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Projeto de elaboração de meios para a integração da assistência à gestação, parto, puerpério e puericultura

Mostra de Projetos 2011. Projeto de elaboração de meios para a integração da assistência à gestação, parto, puerpério e puericultura Mostra de Projetos 2011 Projeto de elaboração de meios para a integração da assistência à gestação, parto, puerpério e puericultura Mostra Local de: Umuarama Categoria do projeto: I - Projetos em implantação,

Leia mais

Sobre a intimidade na clínica contemporânea

Sobre a intimidade na clínica contemporânea Sobre a intimidade na clínica contemporânea Flávia R. B. M. Bertão * Francisco Hashimoto** Faculdade de Ciências e Letras de Assis, UNESP. Doutorado Psicologia frbmbertao@ibest.com.br Resumo: Buscou-se

Leia mais

SÍNDROME DO CUIDADOR: EM BUSCA DO EQUILÍBRIO ENTRE O CUIDAR E O CUIDAR-SE

SÍNDROME DO CUIDADOR: EM BUSCA DO EQUILÍBRIO ENTRE O CUIDAR E O CUIDAR-SE SÍNDROME DO CUIDADOR: EM BUSCA DO EQUILÍBRIO ENTRE O CUIDAR E O CUIDAR-SE Poliana Pereira Faculdade de Ciências Medicas de Campina Grande FCM (polianapereira7@hotmail.com) Isabella Barros Almeida Faculdade

Leia mais

HUMANIZAÇÃO NO PRÉ-NATAL:

HUMANIZAÇÃO NO PRÉ-NATAL: SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS. Secretária Municipal de Saúde. Prefeitura Municipal Morro da Fumaça SC. HUMANIZAÇÃO NO PRÉ-NATAL: POSSIBILIDADES E DESAFIOS. Enfermeiro Jacks Soratto e equipe. (COREN-SC143061).

Leia mais

Perspectivas de mudanças na formação acadêmica do fisioterapeuta para atuação no Programa de Saúde da Família (PSF)

Perspectivas de mudanças na formação acadêmica do fisioterapeuta para atuação no Programa de Saúde da Família (PSF) No. 024314 Linha de Pesquisa : Concepção e práticas na formação de trabalhadores no campo da Saúde TITULO Perspectivas de mudanças na formação acadêmica do fisioterapeuta para atuação no Programa de Saúde

Leia mais

ITINERÁRIO TERAPÊUTICO DAS MULHERES COM ALTERAÇÕES CERVICAIS NO CITOPATOLÓGICO EM RIO GRANDE

ITINERÁRIO TERAPÊUTICO DAS MULHERES COM ALTERAÇÕES CERVICAIS NO CITOPATOLÓGICO EM RIO GRANDE ITINERÁRIO TERAPÊUTICO DAS MULHERES COM ALTERAÇÕES CERVICAIS NO CITOPATOLÓGICO EM RIO GRANDE Alessandra Mendes de Barros 1 Anne Cristine Dal Bosco 2 Clarissa Giannichini 3 Nalú Pereira da Costa Kerber

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 43 3 METODOLOGIA DA PESQUISA Medeiros (2005) esclarece que a pesquisa científica tem por objetivo maior contribuir para o desenvolvimento humano. Para isso, conta com métodos adequados que devem ser planejados

Leia mais

relataram que mesmo com os cursos de treinamento oferecidos, muitas vezes se

relataram que mesmo com os cursos de treinamento oferecidos, muitas vezes se PEDAGOGIA HOSPITALAR: PERSPECTIVAS PARA O TRABALHO DO PROFESSOR. Bergamo, M.G. (Graduanda em Pedagogia, Faculdades Coc); Silva, D.M. (Graduanda em Pedagogia, Faculdades Coc); Moreira, G.M. (Curso de Pedagogia,

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA:

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA

Leia mais

COMPREENDENDO A POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DA MULHER: UMA REFLEXÃO ACADÊMICA 1

COMPREENDENDO A POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DA MULHER: UMA REFLEXÃO ACADÊMICA 1 COMPREENDENDO A POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DA MULHER: UMA REFLEXÃO ACADÊMICA 1 BISOGNIN, Patrícia 2 ; SIQUEIRA, Alessandro 2 ; BÖELTER, Débora Cardoso 2 ; FONSECA, Mariana 2 ; PRUNZEL

Leia mais