TÍTULO: AUTORES INSTITUIÇÃO:

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TÍTULO: AUTORES INSTITUIÇÃO:"

Transcrição

1 TÍTULO: PERFIL DAS ATIVIDADES EXTENSIONISTAS DOS CURSOS DE ODONTOLOGIA DA REGIÃO SUL DO BRASIL. AUTORES: BALAGUEZ, Carina G.; RADTKE, Anne C. M.; MIGUENS JR, Sergio A. Q.. Fone: (0xx51) INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL. ÁREA TEMÁTICA: SAÚDE. A extensão é entendida como uma das funções que compõem a universidade. Até 1931, segundo LIMA (1997), a extensão universitária foi tida como intermediadora de ações sociais entre a sociedade e a universidade, desenvolvendo basicamente a questão do ensino elitista, ou seja, priorizando o ensino da população acadêmica se utilizando, para isso, de uma população atendida. Em 1987, foi criado, buscando novamente a interação entre a universidade e a sociedade, o Fórum Nacional de Pró-Reitores, estabelecendo um conceito novo para a extensão: um processo educativo, cultural e científico que articula o ensino e a pesquisa de forma indissociável e viabiliza a relação transformadora entre universidade e sociedade, uma via de mão dupla, com trânsito assegurado à comunidade acadêmica, que encontrará na sociedade, a oportunidade da elaboração da práxis de um conhecimento acadêmico (GARRAFA, 1987). É de conhecimento geral, e aceito, que as doenças cárie e periodontal são as mais prevalentes na população brasileira, sendo o comportamento, hábitos dietéticos e fatores culturais, o principal responsável pelo desenvolvimento delas (FRAIZ, 2001). Buscando a regressão deste quadro, criaram-se diversos programas que visam melhorar a saúde bucal da população, tomando-se medidas com base na educação e prevenção. Estes programas são aplicados mais ostensivamente na faixa etária escolar, por se entender que a abordagem dos assuntos ligados à prevenção educaria e motivaria a criança a cultivar hábitos de dieta mais saudáveis e, que juntamente com a escovação supervisionada, obter-se-ia bons resultados para o não desenvolvimento das doenças citadas (SILVEIRA et al., 1998 e ZANETTI et al., 2001). LIMA (1992), relatou sobre sua experiência de um programa de prevenção realizado em seu consultório durante cinco anos, salientando, como conclusão, a importância da prevenção tanto quanto tratamento, visto a diminuição dos índices de CPOD de seus pacientes. BORGES e TOLEDO (1999), analisaram a prevalência de cárie após cinco anos de um programa preventivo para gestantes e pais de recém-nascidos, enfatizando a importância da saúde bucal. Houve sucesso do programa quanto ao objetivo principal de prevenir a cárie mediante promoção de saúde bucal a partir de gestantes.

2 As atividades de educação e prevenção em pacientes da Faculdade de Odontologia de Anápolis-GO foram avaliadas por NUNES e OLIVEIRA (2000), através de questionários enviados aos estudantes, concluindo a importância dos métodos educativo-preventivos, e motivação, implicado na melhoria da qualidade de saúde bucal dos pacientes e qualificação dos profissionais. ZANETTI et al. (2001), realizaram um programa de controle de placa dental com escovação supervisionada em crianças de três a sete anos, concluindo a falta de comprometimento dos pais e/ou educadores em acompanhar a escovação e a necessidade da supervisão para uma satisfatória higiene oral. No mesmo ano, VASCONCELOS et al., ressaltam a importância da escola para o desenvolvimento de programas de promoção de saúde bucal, necessitando, porém de maiores informações aos responsáveis pela criança na escola (professores e funcionários). Com a intenção de conhecer os projetos extra-murais dos cursos de Odontologia das universidades brasileiras, COSTA et al. (2000) desenvolveram uma pesquisa onde foram enviados questionários às universidades e tabulados os resultados, que evidenciaram um conservadorismo nos cursos de Odontologia, destacando que os programas de extensão priorizam ainda as atividades pontuais. Nos cursos de Odontologia do nosso país, as ações curativas aparecem em menor percentual dentre os objetivos da extensão. Do contrário, as ações ditas preventivas e educativas predominam nas universidades brasileiras, dando-se principalmente através da disciplina de Odontologia Preventiva e Social (COSTA et al., 2000). A Extensão nas universidades vem se transformando para manter um maior compromisso com a sociedade e a nova cidadania, de acordo com o documento base Programa Universidade Cidadã (1997), que culminou no Plano Nacional de Extensão, aprovado pelo Fórum Nacional de Pró-Reitores de Extensão, em 1998 (CORRÊA, 2002). Assim, a Extensão tem um papel transformador, à medida que, promovendo atividades e programas que envolvam a sociedade e universidade, possibilita a articulação do ensino e da pesquisa, do conhecimento popular e acadêmico sistematizados em um fluxo bidirecional (LIMA,1997). Não faltam na literatura, relatos sobre diversos programas odontológicos preventivos realizados com sucesso. Porém, poucos são os que relatam especificamente sobre projetos ou programas extensionistas desenvolvidos pelas universidades, através dos cursos de odontologia. O objetivo de nosso trabalho é conhecer os programas e/ou projetos de Extensão Universitária dos cursos de Odontologia dos estados da região sul do Brasil (Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul), assim como identificar a filosofia extensionista de cada um e as atividades comunitárias de extensão desenvolvidas pelos mesmos, a fim de traçar um perfil dessas ações em

3 Odontologia. Além disso, queremos contribuir com a divulgação das ações extensionistas nos cursos de Odontologia. A metodologia de pesquisa envolveu revisão de literatura sobre atividades de extensão comunitária em Odontologia e o envio de um instrumento de pesquisa às universidades dos estados do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, num total de vinte cursos, distribuídos nos três estados, segundo a Associação Brasileira de Ensino Odontológico (ABENO-2000). Este instrumento de coleta, constituído de trinta e oito perguntas, abrange questões referentes às características dos programas e/ou projetos de extensão desenvolvidos nas universidades (especificamente nos cursos de Odontologia), normatização da extensão dentro da instituição, adoção/utilização do sistema RENEX (instituído pelo Fórum Nacional de Pró-Reitores das Universidades Públicas Brasileiras através do Plano Nacional de Extensão), e fatores que identifiquem a não realização de ações extensionistas (para os casos em que não existam atividades de extensão universitária). Este questionário, pré-codificado, foi enviado por correio eletrônico, ou via fax, às universidades, assegurando sigilo da identificação da universidade, e um manual de preenchimento e de como proceder para retorno de respostas. A partir dos dados coletados foi possível identificar, conhecer e analisar as atividades de extensão universitária desenvolvidas nos cursos de Odontologia da região sul do Brasil. Entre os resultados obtidos, destacamos que sobre a presença da extensão nas universidades, todas universidades que retornaram as respostas afirmam realizar algum tipo de atividade de extensão ou extra-mural em seus cursos, principalmente as ações do tipo programas, projetos, cursos, eventos e prestação de serviços, sejam permanentes e/ou eventuais. Dos cursos de Odontologia respondentes, 71,4% responderam possuir uma coordenação ou assessoria de extensão própria. Em 71,4% dos cursos, observa-se que não há estrutura adequada quanto a instalações, espaço físico, equipamentos, transporte e recursos humanos para desenvolvimento das atividades. Os programas/projetos de ação interdisciplinar ocorrem em 28,6% dos cursos, sendo que o mesmo percentual dos cursos possuem projetos interinstitucionais ou com parcerias externas. Quanto à existência de programas de fomento às atividades extensionistas, 83,3% afirmam positivamente. Quanto ao planejamento das atividades extensionistas, 33,3% é realizado somente por docentes e discentes e em 14,3% dos casos o planejamento é realizado por uma coordenação de extensão.

4 Em 28,6% dos cursos, a participação nos projetos/programas envolve o corpo docente, discente e administrativo. Quanto à forma de participação discente, 71,4% se dá, exclusivamente, através de voluntariado. A respeito da existência de um período de capacitação para integração dos discentes aos projetos, somente 28,6% dos cursos relatam realizar um período de capacitação para os acadêmicos aprenderem a planejar e executar os trabalhos e atividades propostas nos projetos. Sobre a avaliação de seus projetos, 33,4% relatam realizar uma avaliação, sendo, que 100% dessas o faz após as atividades. Em 50% a avaliação envolve discentes e docente e 50% envolve esses e a comunidade de trabalho. Haja vista as repostas obtidas podemos considerar que as atividades extensionistas dos cursos de Odontologia passam a ser prática e não teoria do eterno discurso da indissociabilidade do ensino/pesquisa/extensão das universidades. Foi também observada a transformação das ações propostas nos projetos, que anteriormente eram de cunho assistencialista e pontuais, para ações comprometidas e de real inclusão dos cursos na comunidade, visto as parcerias que são formadas entre ambos. Outro dado a ser considerado é que os programas/projetos realizados deixaram de ser elaborados sem propostas e critérios específicos, mas sim com base nos reais problemas encontrados na população. Muitos desses deixam claro e especificado a adoção de linhas ou eixos temáticos que também se adequam ao Plano Nacional de Extensão (Sistema RENEX). O amadorismo e a falta de reconhecimento por parte do próprio curso no desenvolvimento das atividades extensionistas, entra em detrimento, em conseqüência da valorização e organização das ações extensionistas atualmente desenvolvidas pelos Cursos de Odontologia pesquisados. É pertinente ressaltar que ainda são necessárias medidas ou replanejamento para a Extensão ser a articuladora entre o ensino e a pesquisa dentro das universidades, assim como meio ou caminho de integração entre sociedade e universidade. Como FREIRE (1986), acreditamos que é através da Extensão que se conseguirá promover a transformação da realidade de uma população, sendo então pertinente estimular os projetos extensionistas realizados nas universidades, a partir de avaliações constantes e divulgação de dados como esses, os quais se propõe esse trabalho. Referências Bibliográficas: BORGES, E. S. de M.; TOLEDO, A de. Prevalência de cárie em crianças de 0-5 anos. Avaliação após 5 anos de um programa preventivo. Revista ABO Nacional, vol. 7, n.5, out/nov., CORRÊA, E. J. A extensão universitária e a área da saúde. Olho Mágico, Londrina, vol. 9, n.1, p.26-28, jan./abr

5 COSTA, I. do C. C. et al. Integração universidade-comunidade. Análise das atividades extra-murais em Odontologia nas universidades brasileiras. Revista do CROMG, v.6, n.3, set./dez., FRAIZ, F. C.; WALTER, L. R. de F.. Estudo dos fatores associados à cárie dental em crianças que recebem atendimento odontológico precoce. Pesquisa Odontológica Brasileira, v.15, n.3, SP, jul./set., FREIRE, P. Extensão ou Comunicação? 10 a edição, Ed. Paz e Terra, GARRAFA, V. Extensão: do Assistencialismo ao Compromisso Humanidades (UNB), v.4, n.12, p ,1987. LIMA, J. E. de O. Um Plano de Prevenção Para Consultório Odontopediátrico. RGO, 40 (6): , nov./dez., LIMA, M. M. M. Análise da Dinâmica da Extensão Universitária e sua Implicações Sociais. Mestrado em Educação, RS, dez., NUNES, M.de F.; OLIVEIRA, M. A. C. de. Avaliação das atividades educativo-preventivas desenvolvidas junto aos pacientes da Faculdade de Odontologia de Anápolis-GO. p SILVEIRA, E. G.; SILVA, R. H. H. da; ALMEIDA, I. C. S.. Avaliação de uma metodologia para um programa educativo-preventivo em Saúde Bucal para escolares. Revista Paulista de Odontologia, ano XX, n.2, mar./abr., VASCONCELOS, R. et al. Escola: um espaço importante de informação em saúde bucal para a população infantil. PGR- Pós-Grad Ver Fac Odontol São José dos Campos, v.4, n.3, set./dez., ZANETTI, H. H. V. et al. Programa de Controle de Placa com Escovação Supervisionada em Crianças de 3 a 7 anos. Jornal de Assessoria ao Odontologista, Ano IV, vol. 27, p.12-15, set./out.,2001.

1 Universidade Federal da Paraíba, discente colaborador, e-mail: juliane.jfa@bol.com.br

1 Universidade Federal da Paraíba, discente colaborador, e-mail: juliane.jfa@bol.com.br RELATO DE ACADÊMICOS DE ODONTOLOGIA DA UFPB TRABALHANDO COM EDUCAÇÃO EM SAÚDE NA ATENÇÃO A MÃES E GESTANTES ASCENDINO 1, Juliane Fabrício; CUNHA 2, Paula Angela S. M. Cunha. FERREIRA 3, Heloísa de Almeida;

Leia mais

NORMAS DE ATIVIDADES DE EXTENSÃO

NORMAS DE ATIVIDADES DE EXTENSÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS ANEXO À DELIBERAÇÃO Nº 125, DE 06 DE JULHO DE 2006. NORMAS DE ATIVIDADES DE EXTENSÃO

Leia mais

Análise de conhecimentos e práticas de mães sobre saúde bucal

Análise de conhecimentos e práticas de mães sobre saúde bucal Análise de conhecimentos e práticas de mães sobre saúde bucal ROSIANGELA RAMALHO DE SOUZA KNUPP URUBATAN VIEIRA DE MEDEIROS PAULA BAPTISTA MACHADO DE MELLO DENNIS DE CARVALHO FERREIRA MÁRCIA MARIA PEREIRA

Leia mais

Coordenação de Extensão MANUAL DE EXTENSÃO

Coordenação de Extensão MANUAL DE EXTENSÃO Coordenação de Extensão MANUAL DE EXTENSÃO 2011 APRESENTAÇÃO A Faculdade Projeção nasceu no ano 2000 tendo como missão promover a formação e desenvolvimento dos novos profissionais, incentivando o aprendizado

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO Câmara de Educação Superior RESOLUÇÃO Nº CNE/CES 3, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2002

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO Câmara de Educação Superior RESOLUÇÃO Nº CNE/CES 3, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2002 CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO Câmara de Educação Superior RESOLUÇÃO Nº CNE/CES 3, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2002 Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Odontologia. O Presidente

Leia mais

Odontologia Estágio Extra Muros II. 9º Período/Carga Horária: 90 horas (prática)

Odontologia Estágio Extra Muros II. 9º Período/Carga Horária: 90 horas (prática) Odontologia Estágio Extra Muros II 9º Período/Carga Horária: 90 horas (prática) 1. PRÉ-REQUISITOS: Dentística I; Periodontia I; Cirurgia Buco Dental I e Anestesiologia; Estágio Extra Muros I; Endodontia

Leia mais

ÁREA TEMÁTICA: Saúde. Resumo

ÁREA TEMÁTICA: Saúde. Resumo TÍTULO: DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES REALIZADAS EM UMA ESCOLA COMUNITÁRIA NA COMUNIDADE MARIA DE NAZARÉ NA CIDADE DE JOÃO PESSOA. AUTORES: Wilton Wilney Nascimento Padilha 1 ; Fátima Regina Nunes de Sousa

Leia mais

TÍTULO: AUTORES: E-mail: INSTITUIÇÃO: ÁREA TEMÁTICA

TÍTULO: AUTORES: E-mail: INSTITUIÇÃO: ÁREA TEMÁTICA 1 TÍTULO: EXTENSÃO RURAL: O PAPEL DOS ESTUDANTES DE MEDICINA VETERINÁRIA NA ORIENTAÇÃO DE PRODUTORES FAMILIARES AUTORES: Wanderson A. B. Pereira, Murilo M. O. de Souza, David G. Francis E-mail: wadriano@bol.com.br,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº 11/2015 Aprova a estrutura curricular contida no Projeto Pedagógico do Curso

Leia mais

LABORATÓRIO DE ESTUDOS DO TEXTO: UMA ABORDAGEM EXTENSIONISTA

LABORATÓRIO DE ESTUDOS DO TEXTO: UMA ABORDAGEM EXTENSIONISTA 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA LABORATÓRIO

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL Outubro de 2008 1 INTRODUÇÃO A Política de Desenvolvimento Social formaliza e orienta o compromisso da PUCRS com o desenvolvimento social. Coerente com os valores e princípios

Leia mais

MEDIDAS DE PROMOÇÃO E PREVENÇÃO DE CÁRIE EM ESCOLARES ADOLESCENTES DO CASTELO BRANCO

MEDIDAS DE PROMOÇÃO E PREVENÇÃO DE CÁRIE EM ESCOLARES ADOLESCENTES DO CASTELO BRANCO MEDIDAS DE PROMOÇÃO E PREVENÇÃO DE CÁRIE EM ESCOLARES ADOLESCENTES DO CASTELO BRANCO DIAS, Larissa Nadine Silva 1 FARIAS, Luciana Lombardi Pedrosa de 2 LIMA, Maria Germana Galvão Correia 3 RESUMO A adolescência

Leia mais

Manual de. Estágio Curricular Supervisionado. Bacharelado

Manual de. Estágio Curricular Supervisionado. Bacharelado 1 Manual de Estágio Curricular Supervisionado Bacharelado 2 APRESENTAÇÃO O Manual de Estágio Curricular Supervisionado está organizado de forma objetiva e prática, buscando definir informações e conceitos

Leia mais

REGULAMENTO DE PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO DA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAPÍTULO I DO CONCEITO E OBJETIVOS

REGULAMENTO DE PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO DA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAPÍTULO I DO CONCEITO E OBJETIVOS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO PRÓ-REITORIA DE RELAÇÕES EMPRESARIAIS E COMUNITÁRIAS PR REGULAMENTO DE PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO DA CAPÍTULO I DO CONCEITO E OBJETIVOS Art. 1º - A extensão universitária é

Leia mais

NÚCLEO DE EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO- NEPG REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. CAPÍTULO I Das considerações gerais

NÚCLEO DE EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO- NEPG REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. CAPÍTULO I Das considerações gerais Sociedade de Educação e Cultura de Goiás www.faculdadearaguaia.edu.br Rua 18 n 81 Centro Goiânia Goiás Fone: (62) 3224-8829 NÚCLEO DE EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO- NEPG REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO

Leia mais

OFICINAS PEDAGÓGICAS: CONSTRUINDO UM COMPORTAMENTO SAUDÁVEL E ÉTICO EM CRIANÇAS COM CÂNCER

OFICINAS PEDAGÓGICAS: CONSTRUINDO UM COMPORTAMENTO SAUDÁVEL E ÉTICO EM CRIANÇAS COM CÂNCER OFICINAS PEDAGÓGICAS: CONSTRUINDO UM COMPORTAMENTO SAUDÁVEL E ÉTICO EM CRIANÇAS COM CÂNCER Autores RESUMO LIMA 1, Matheus OCCHIUZZO 2, Anna Rosa Centro de Ciências da Saúde Departamento de Enfermagem Psiquiatria

Leia mais

EDITAL ANUAL DE BOLSA EXTENSÃO ALOCAÇÃO DE BOLSAS A PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO E SELEÇÃO DE BOLSISTAS 2014/2015

EDITAL ANUAL DE BOLSA EXTENSÃO ALOCAÇÃO DE BOLSAS A PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO E SELEÇÃO DE BOLSISTAS 2014/2015 FAPAC - Faculdade Presidente Antônio Carlos. INSTITUTO TOCANTINENSE PRES. ANTÔNIO CARLOS PORTO LTDA. Rua 02, Quadra 07, S/Nº, Jardim dos Ipês, Porto Nacional TO, CEP 77500-000 Fone: (63) 3363-9600 - CNPJ

Leia mais

PALAVRAS CHAVE: Promoção de saúde, paciente infantil, extensão

PALAVRAS CHAVE: Promoção de saúde, paciente infantil, extensão TÍTULO:PROGRAMA DE ATENÇÃO ODONTOLÓGICA À CRIANÇA NA PRIMEIRA INFÂNCIA AUTORES: Mesquita, M. F, Menezes, V. A*., Maciel, A. E.**, Barros, E.S INSTITUIÇÃO:Faculdade de Odontologia de Pernambuco. FOP/UPE

Leia mais

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031 COORDENADOR PEDAGÓGICO E SUA IMPORTÂNCIA NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM Polyana Marques Lima Rodrigues 1 poly90lima@hotmail.com Willams dos Santos Rodrigues Lima 2 willams.rodrigues@hotmail.com RESUMO

Leia mais

Programa Consórcios em Educação Superior Brasil Estados Unidos CAPES/FIPSE. Edital CGCI n. 003/2008

Programa Consórcios em Educação Superior Brasil Estados Unidos CAPES/FIPSE. Edital CGCI n. 003/2008 Programa Consórcios em Educação Superior Brasil Estados Unidos CAPES/ 1 Do programa e objetivo Edital CGCI n. 003/2008 1.1 O Programa CAPES/ tem como objetivo promover o intercâmbio e a cooperação em nível

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PIRACICABA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PIRACICABA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PIRACICABA COORDENADORIA DE GRADUAÇÃO REGIMENTO INTERNO 2012 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PIRACICABA COORDENADORIA

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O. Fica aprovado o Regulamento para Atividades Práticas do Curso de Enfermagem, bacharelado, da Faculdade do Maranhão FACAM.

R E S O L U Ç Ã O. Fica aprovado o Regulamento para Atividades Práticas do Curso de Enfermagem, bacharelado, da Faculdade do Maranhão FACAM. RESOLUÇÃO CSA N 10/2010 APROVA O REGULAMENTO PARA ATIVIDADES PRÁTICAS DO CURSO DE ENFERMAGEM, BACHARELADO, DA FACULDADE DO MARANHÃO FACAM. O Presidente do Conselho Superior de Administração CSA, no uso

Leia mais

O ESTUDO DA CONSTRUÇÃO DE CASAS POPULARES E A RELAÇÃO COM CONTEÚDOS MATEMÁTICOS

O ESTUDO DA CONSTRUÇÃO DE CASAS POPULARES E A RELAÇÃO COM CONTEÚDOS MATEMÁTICOS ISSN 2177-9139 O ESTUDO DA CONSTRUÇÃO DE CASAS POPULARES E A RELAÇÃO COM CONTEÚDOS MATEMÁTICOS Edimar Fonseca da Fonseca edyyfon@yahoo.com.br Fundação Universidade Federal do Pampa, Campus Caçapava do

Leia mais

AIMPORTÂNCIA DA FORMAÇÃO CONTINUADA COLABORATIVA ENTRE PROFESSORES QUE ATUAM COM PESSOAS COM AUTISMO.

AIMPORTÂNCIA DA FORMAÇÃO CONTINUADA COLABORATIVA ENTRE PROFESSORES QUE ATUAM COM PESSOAS COM AUTISMO. AIMPORTÂNCIA DA FORMAÇÃO CONTINUADA COLABORATIVA ENTRE PROFESSORES QUE ATUAM COM PESSOAS COM AUTISMO. CARVALHO, Tereza Cristina de Secretaria Municipal de Educação Município de Araçatuba/SP. Resumo:Partindo

Leia mais

SER MONITOR: APRENDER ENSINANDO

SER MONITOR: APRENDER ENSINANDO SER MONITOR: APRENDER ENSINANDO Vanessa Torres dos Santos (vanessa.torres@live.com)¹ Emelynne Gabrielly de Oliveira Santos (nellynha_15@hotmail.com)¹ Izaac Batista Lima (izaac-15@hotmail.com)¹ Marília

Leia mais

Relato de experiência sobre uma formação continuada para nutricionistas da Rede Estadual de Ensino de Pernambuco

Relato de experiência sobre uma formação continuada para nutricionistas da Rede Estadual de Ensino de Pernambuco Relato de experiência sobre uma formação continuada para nutricionistas da Rede Estadual de Ensino de Pernambuco Introdução As ações educativas de promoção da saúde nas escolas remontam ao século passado,

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 TÍTULO DO PROGRAMA Balinha e Dentinho. 2 EPISÓDIO TRABALHADO Dentinho no dentista. 3 SINOPSE DO EPISÓDIO ESPECÍFICO A série Balinha e Dentinho aborda de forma lúdica

Leia mais

Como pensamos e o que pensamos sobre cárie e sociedade? Modos de pensar da Odontologia

Como pensamos e o que pensamos sobre cárie e sociedade? Modos de pensar da Odontologia 2001 Como pensamos e o que pensamos sobre cárie e sociedade? Modos de pensar da Odontologia Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v.11 n.1, jan./mar. 2006 Saúde Bucal como prática social CONCEITO DE BUCALIDADE

Leia mais

UERJ. Saúde Bucal Coletiva

UERJ. Saúde Bucal Coletiva UERJ Saúde Bucal Coletiva O que é saúde? Completo bem-estar físico, mental e social, e não apenas a ausência de enfermidades ou doenças; Resulta de um equilíbrio entre agentes patológicos e o ser humano;

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ODONTOLOGIA Resolução nº 007/2006 do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (CEPE)

REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ODONTOLOGIA Resolução nº 007/2006 do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (CEPE) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 714. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO CURRICULAR

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE ARAPONGAS Estado do Paraná

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE ARAPONGAS Estado do Paraná SECRETARIA EXECUTIVA LEI Nº 3.336, DE 30 DE AGOSTO DE 2006 Dispõe sobre a criação de empregos públicos para a execução dos Programas de Saúde da Família e Agentes Comunitários de Saúde. A CÂMARA MUNICIPAL

Leia mais

PROGRAMA: GRAVIDEZ SAUDÁVEL, PARTO HUMANIZADO

PROGRAMA: GRAVIDEZ SAUDÁVEL, PARTO HUMANIZADO PROGRAMA: GRAVIDEZ SAUDÁVEL, PARTO HUMANIZADO BOM PROGRESSO- RS 2009 PREFEITURA MUNICIPAL DE BOM PROGRESSO Administração: Armindo Heinle CNPJ. 94726353/0001-17 End. Av. Castelo Branco, n 658 Centro CEP:

Leia mais

TÉCNICAS DE PROMOÇÃO E PREVENÇÃO DA CÁRIE DENTÁRIA EM CRIANÇAS

TÉCNICAS DE PROMOÇÃO E PREVENÇÃO DA CÁRIE DENTÁRIA EM CRIANÇAS TÉCNICAS DE PROMOÇÃO E PREVENÇÃO DA CÁRIE DENTÁRIA EM CRIANÇAS Kelin Angélica Zonin* Róger Reche* Leodinei Lodi** *Acadêmicos do curso de Odontologia da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO, CULTURA E ASSUNTOS ESTUDANTIS UFU RELATÓRIO FINAL DE AÇÕES EXTENSIONISTAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO, CULTURA E ASSUNTOS ESTUDANTIS UFU RELATÓRIO FINAL DE AÇÕES EXTENSIONISTAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA PRÓ-REITORIA DE ETENSÃO, CULTURA E ASSUNTOS ESTUDANTIS UFU RELATÓRIO FINAL DE AÇÕES ETENSIONISTAS 1. IDENTIFICAÇÃO CAMPUS: FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL-

Leia mais

EDITAL N.º 03/2015/PROCEA

EDITAL N.º 03/2015/PROCEA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MEC FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA - UNIR PRÓ-REITORIA DE CULTURA, EXTENSÃO E ASSUNTOS ESTUDANTIS PROCEA EDITAL N.º 03/2015/PROCEA Torna-se público, para conhecimento

Leia mais

DO EMAIL AO SITE: TECNOLOGIA EDUCACIONAL NO CURSO DE PEDAGOGIA

DO EMAIL AO SITE: TECNOLOGIA EDUCACIONAL NO CURSO DE PEDAGOGIA DO EMAIL AO SITE: TECNOLOGIA EDUCACIONAL NO CURSO DE PEDAGOGIA SILVA, José Roberto Alves da 1 - UEPA Resumo Grupo de Trabalho - Didática: Teorias, Metodologias e Práticas Agência Financiadora: não contou

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.375, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2013

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.375, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2013 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.375, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2013 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura

Leia mais

Edital de seleção para formação em gestão de Organizações da Sociedade Civil Fundação Tide Setubal 2011

Edital de seleção para formação em gestão de Organizações da Sociedade Civil Fundação Tide Setubal 2011 Edital de seleção para formação em gestão de Organizações da Sociedade Civil Fundação Tide Setubal 2011 INTRODUÇÃO A Fundação Tide Setubal nasce em 2005 para ressignificar e inovar o trabalho pioneiro

Leia mais

EDITAL PROEXT Nº 05, DE 27 DE MAIO DE 2013.

EDITAL PROEXT Nº 05, DE 27 DE MAIO DE 2013. EDITAL PROEXT Nº 05, DE 27 DE MAIO DE 2013. Seleção de Projetos ou Programas para concessão de bolsas do Programa de Bolsa de Extensão da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (PROBEXT-UFCSPA)

Leia mais

Pró-Reitora de Graduação da Universidade Federal de Goiás

Pró-Reitora de Graduação da Universidade Federal de Goiás Apresentação Prezados Professores e Acadêmicos Com o objetivo de consolidar a política de estágio da Universidade Federal de Goiás, a Pró-Reitoria de Graduação, por meio da Coordenação de Estágios, realizou

Leia mais

DELIBERAÇÃO Nº 969/2012

DELIBERAÇÃO Nº 969/2012 DELIBERAÇÃO Nº 969/2012 Ementa: Cria o Selo de Qualidade em Educação Farmacêutica do Conselho Regional de Farmácia do Estado do Rio de Janeiro. O ESTADO DO RIO DE JANEIRO CRF-RJ, no uso de suas atribuições

Leia mais

TÍTULO: PERFIL SOCIOECONÔMICO DOS PROFISSIONAIS FORMANDOS DA ÁREA DE NEGÓCIOS DA FACIAP

TÍTULO: PERFIL SOCIOECONÔMICO DOS PROFISSIONAIS FORMANDOS DA ÁREA DE NEGÓCIOS DA FACIAP Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: PERFIL SOCIOECONÔMICO DOS PROFISSIONAIS FORMANDOS DA ÁREA DE NEGÓCIOS DA FACIAP CATEGORIA: CONCLUÍDO

Leia mais

EDUCAÇÃO ESCOLAR: GESTOR OU ADMINISTRADOR?

EDUCAÇÃO ESCOLAR: GESTOR OU ADMINISTRADOR? EDUCAÇÃO ESCOLAR: GESTOR OU ADMINISTRADOR? Maria Rafaela de Oliveira FECLESC-UECE Renata Leite Moura FECLESC-UECE RESUMO Este trabalho apresenta algumas reflexões acerca da Educação Escolar e dos desafios

Leia mais

Projeto Visibilidade UFG

Projeto Visibilidade UFG RELATÓRIO ANUAL ASCOM UFG 2014 Projeto Visibilidade UFG Criado em Janeiro de 2014, o Projeto Visibilidade UFG é uma iniciativa integrada das áreas de Relações Públicas e Jornalismo da Assessoria de Comunicação,

Leia mais

Câmpus de Araçatuba. Plano de Ensino. Docente(s) Suzely Adas Saliba Moimaz, Ronald Jefferson Martins, Renato Moreira Arcieri, Tânia Adas Saliba Rovida

Câmpus de Araçatuba. Plano de Ensino. Docente(s) Suzely Adas Saliba Moimaz, Ronald Jefferson Martins, Renato Moreira Arcieri, Tânia Adas Saliba Rovida Curso ODOI 8 - Odontologia Ênfase Identificação Disciplina SCOI9-I-T/P-A/B - Saúde Coletiva I Docente(s) Suzely Adas Saliba Moimaz, Ronald Jefferson Martins, Renato Moreira Arcieri, Tânia Adas Saliba Rovida

Leia mais

PLANO DE TRABALHO 2011 PROGRAMA DE ATENÇÃO À SAÚDE BUCAL

PLANO DE TRABALHO 2011 PROGRAMA DE ATENÇÃO À SAÚDE BUCAL PLANO DE TRABALHO 2011 PROGRAMA DE ATENÇÃO À SAÚDE BUCAL COLATINA 2011 ÍNDICE 1) INTRODUÇÃO 2) DESCRIÇÃO DA CLIENTELA 3) OBJETIVOS 4) CARGA HORÁRIA 5) DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES 6) CRONOGRAMA 7) PREVISÃO

Leia mais

IV Seminário de Promoçã e Prevençã. ção à Saúde. ção o de Riscos e Doenças na Saúde Suplementar. I Seminário de Atençã. Suplementar.

IV Seminário de Promoçã e Prevençã. ção à Saúde. ção o de Riscos e Doenças na Saúde Suplementar. I Seminário de Atençã. Suplementar. IV Seminário de Promoçã ção o da Saúde e Prevençã ção o de Riscos e Doenças na Saúde Suplementar I Seminário de Atençã ção à Saúde Suplementar Dezembro 2007 Área de Atençã ção à Saúde da Mulher Marco Regulatório

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DIRETRIZES DO CURSO

CAPÍTULO I DAS DIRETRIZES DO CURSO RESOLUÇÃO CAS Nº 07 / 2007 De 05 de agosto de 2007 Reformula o Projeto Político Pedagógico do Curso de Licenciatura em Pedagogia, a ser implantado a partir do 2º semestre do ano letivo de 2007. CONSIDERANDO

Leia mais

RESOLUÇÃO N 54/2009/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE, no uso de suas atribuições legais,

RESOLUÇÃO N 54/2009/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE, no uso de suas atribuições legais, SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 54/2009/CONEPE Aprova Normas Específicas do Estágio Curricular do

Leia mais

AÇÕES COLETIVAS E INDIVIDUAIS DE SAÚDE BUCAL EM ESCOLARES DO ENSINO FUNDAMENTAL

AÇÕES COLETIVAS E INDIVIDUAIS DE SAÚDE BUCAL EM ESCOLARES DO ENSINO FUNDAMENTAL AÇÕES COLETIVAS E INDIVIDUAIS DE SAÚDE BUCAL EM ESCOLARES DO ENSINO FUNDAMENTAL Autores: Cynthia de Freitas Real (Acadêmica do Curso de Odontologia da Universidade Federal de Pelotas Rio Grande do Sul,

Leia mais

Pedagogia Estácio FAMAP

Pedagogia Estácio FAMAP Pedagogia Estácio FAMAP # Objetivos Gerais: O Curso de Graduação em Pedagogia da Estácio FAMAP tem por objetivo geral a formação de profissionais preparados para responder às diferenciadas demandas educativas

Leia mais

NILCE DE MENEZES MOREIRA ISABEL CRISTINA LODI BASSANESI JULIANA MASIERO

NILCE DE MENEZES MOREIRA ISABEL CRISTINA LODI BASSANESI JULIANA MASIERO NILCE DE MENEZES MOREIRA ISABEL CRISTINA LODI BASSANESI JULIANA MASIERO PROJETO SORRISO NA ESCOLA EDUCAÇÃO, ARTE E CULTURA BOM JESUS DO SUL PR, FEVEREIRO DE 2011. NILCE DE MENEZES MOREIRA ISABEL CRISTINA

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES 4, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2002. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES 4, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2002. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES 4, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2002. (*) Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Fisioterapia. O Presidente

Leia mais

Resultado Orçamentário e Financeiro do Exercício

Resultado Orçamentário e Financeiro do Exercício 4 Resultado Orçamentário e Financeiro do Exercício 4.1. Prática da Responsabilidade Social 4.2. Desempenho Administrativo 4.3. Desempenho Orçamentário e Financeiro 4.4. Fundo Patrimonial & Fundo de Contribuição

Leia mais

Avaliação da linguagem na síndrome de Down: análise de protocolos desenvolvidos em extensão universitária

Avaliação da linguagem na síndrome de Down: análise de protocolos desenvolvidos em extensão universitária Avaliação da linguagem na síndrome de Down: análise de protocolos desenvolvidos em extensão universitária Autores: TALITA MARIA MONTEIRO FARIAS BARBOSA, GABRIELA REGINA GONZAGA RABELO, IVONALDO LEIDSON

Leia mais

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS Ana Lúcia Cunha Duarte UCB duart_ana@hotmail.com Resumo: A prática investigativa desenvolvida no curso de Pedagogia do Centro de Educação,

Leia mais

Diário Oficial 31 32 Diário Oficial Resolução SE 52, de 2-10-2014

Diário Oficial 31 32 Diário Oficial Resolução SE 52, de 2-10-2014 sexta-feira, 3 de outubro de 2014 Diário Oficial Poder Executivo - Seção I São Paulo, 124 (187) 31 32 São Paulo, 124 (187) Diário Oficial Poder Executivo - Seção I sexta-feira, 3 de outubro de 2014 Resolução

Leia mais

O CONHECIMENTO HISTÓRICO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DO PEDAGOGO. A disciplina História da Educação: lugar do conhecimento histórico educativo

O CONHECIMENTO HISTÓRICO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DO PEDAGOGO. A disciplina História da Educação: lugar do conhecimento histórico educativo O CONHECIMENTO HISTÓRICO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DO PEDAGOGO Bruno Gonçalves Borges Décio Gatti Júnior Mestrando em Educação UFU Docente Faculdade de Educação UFU brunogoncalvesborges@hotmail.com degatti@ufu.br

Leia mais

EDITAL do Programa de Incentivo à Educação em Direitos Humanos (PIEDH) - 01/2015 BOLSAS DE EXTENSÃO

EDITAL do Programa de Incentivo à Educação em Direitos Humanos (PIEDH) - 01/2015 BOLSAS DE EXTENSÃO EDITAL do Programa de Incentivo à Educação em Direitos Humanos (PIEDH) - 01/2015 BOLSAS DE EXTENSÃO A torna pública a abertura das inscrições destinadas a selecionar Programas e Projetos de extensão universitária,

Leia mais

A ARTICULAÇÃO ENTRE AS DISCIPLINAS ESPECÍFICAS E PEDAGÓGICAS EM UM CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA

A ARTICULAÇÃO ENTRE AS DISCIPLINAS ESPECÍFICAS E PEDAGÓGICAS EM UM CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA A ARTICULAÇÃO ENTRE AS DISCIPLINAS ESPECÍFICAS E PEDAGÓGICAS EM UM CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA Edson Mayer Mestrando em Educação em Ciências e Matemática PUCRS Helena Noronha Cury Doutora em Educação

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO INTRODUÇÃO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO INTRODUÇÃO Considerando o objetivo de formação de docentes em que a atividade prática de prestação de serviços especializados é relevante à sociedade, torna-se necessário

Leia mais

Pesquisa Brasileira em Odontopediatria e Clínica Integrada ISSN: 1519-0501 apesb@terra.com.br Universidade Federal da Paraíba Brasil

Pesquisa Brasileira em Odontopediatria e Clínica Integrada ISSN: 1519-0501 apesb@terra.com.br Universidade Federal da Paraíba Brasil Pesquisa Brasileira em Odontopediatria e Clínica Integrada ISSN: 1519-0501 apesb@terra.com.br Universidade Federal da Paraíba Brasil dos Santos Antunes, Leonardo; Soares Soraggi, Maria Bernadete; Azeredo

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL REFERENTE À ETAPA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO...

RELATÓRIO PARCIAL REFERENTE À ETAPA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO... Roteiro para elaboração de relatório parcial de estágio RELATÓRIO PARCIAL REFERENTE À ETAPA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO Estudante: Orientador: Local / / SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 2 3 REFERÊNCIAS Identificação

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE GRAVATAÍ

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE GRAVATAÍ FACULDADE DE TECNOLOGIA DE GRAVATAÍ REGIMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO Atualização do Regimento de 2012 Porto Alegre, março de 2015 Faculdade de Tecnologia de Porto Alegre Av. Julio de Castilhos,

Leia mais

PROJETO DE EXTENSÃO TÍTULO DO PROJETO:

PROJETO DE EXTENSÃO TÍTULO DO PROJETO: PROJETO DE ETENSÃO TÍTULO DO PROJETO: Educação nutricional para promoção de uma alimentação saudável NATUREZA: ( ) Pesquisa ( x) Extensão / Local: Fundação Metodista DOCENTES: Titular: ( ) Doutor ( x )

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ATENDIMENTO PSICOPEDAGÓGICO DA FACULDADE ARTHUR THOMAS CAPÍTULO I - DO PROGRAMA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ATENDIMENTO PSICOPEDAGÓGICO DA FACULDADE ARTHUR THOMAS CAPÍTULO I - DO PROGRAMA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ATENDIMENTO PSICOPEDAGÓGICO DA FACULDADE ARTHUR THOMAS CAPÍTULO I - DO PROGRAMA Art. 1. O Programa de Atendimento Psicopedagógico visa oferecer atendimento psicoterapêutico,

Leia mais

ATO NORMATIVO DA DIREÇÃO SUPERIOR Nº 003/2009 INICIAÇÃO À PESQUISA CIENTÍFICA E PESQUISA INSTITUCIONAL

ATO NORMATIVO DA DIREÇÃO SUPERIOR Nº 003/2009 INICIAÇÃO À PESQUISA CIENTÍFICA E PESQUISA INSTITUCIONAL FACULDADE DE DIREITO DA FUNDAÇÃO ESCOLA SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO Credenciada pela Portaria MEC n. 3.640, de 17/10/2005 DOU de 20/10/2005. CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO Autorizado pela Portaria MEC

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SAÚDE BUCAL: UMA EXPERIÊNCIA NA CRECHE DA COMUNIDADE MARIA DE NAZARÉ.

EDUCAÇÃO EM SAÚDE BUCAL: UMA EXPERIÊNCIA NA CRECHE DA COMUNIDADE MARIA DE NAZARÉ. EDUCAÇÃO EM SAÚDE BUCAL: UMA EXPERIÊNCIA NA CRECHE DA COMUNIDADE MARIA DE NAZARÉ. Wilton Wilney Nascimento Padilha 1 Fátima Regina Nunes de Sousa 2 Yana Talita de Souza 3 Dayane Franco Mangueira 3 Renata

Leia mais

Colégio Estadual Vicente Tomazini - Ensino Fundamental, Médio e Normal Francisco Alves - Paraná

Colégio Estadual Vicente Tomazini - Ensino Fundamental, Médio e Normal Francisco Alves - Paraná Colégio Estadual Vicente Tomazini - Ensino Fundamental, Médio e Normal Francisco Alves - Paraná PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR DE METODOLOGIA PARA O ENSINO DE PORTUGUÊS E ALFABETIZAÇÃO FORMAÇÃO DE DOCENTES

Leia mais

CAJUP CARNAÚBA - CENTRO DE ASSESSORIA JURÍDICA POPULAR CARNAÚBA PLANO DE APRESENTAÇÃO DO PROJETO

CAJUP CARNAÚBA - CENTRO DE ASSESSORIA JURÍDICA POPULAR CARNAÚBA PLANO DE APRESENTAÇÃO DO PROJETO CAJUP CARNAÚBA - CENTRO DE ASSESSORIA JURÍDICA POPULAR CARNAÚBA PLANO DE APRESENTAÇÃO DO PROJETO Falar em democracia e silenciar o povo é uma farsa. Falar em humanismo e negar os homens é uma mentira.

Leia mais

O fortalecimento da Educação Infantil no Brasil. Ellen de Lima Souza

O fortalecimento da Educação Infantil no Brasil. Ellen de Lima Souza O fortalecimento da Educação Infantil no Brasil. Ellen de Lima Souza Desde 1996, com a criação da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, 9.394/96 (LDBEN), ficou estabelecido que a Educação Infantil

Leia mais

ASPECTOS DIDÁTICO-PEDAGÓGICOS NA EDUCAÇÃO CONTINUADA

ASPECTOS DIDÁTICO-PEDAGÓGICOS NA EDUCAÇÃO CONTINUADA ASPECTOS DIDÁTICO-PEDAGÓGICOS NA EDUCAÇÃO CONTINUADA Área Temática: Educação Responsável pelo trabalho: Tatiana Comiotto Menestrina Instituição: UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA (UDESC) Departamento:

Leia mais

RESOLUÇÃO. Redação dada pela Res. CONSEPE 42/2003, de 29 de outubro de 2003.

RESOLUÇÃO. Redação dada pela Res. CONSEPE 42/2003, de 29 de outubro de 2003. RESOLUÇÃO CONSEPE 55/99 ALTERA O PLANO CURRICULAR E O REGIME DO CURSO DE PEDAGOGIA, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso da atribuição

Leia mais

REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS

REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS CRIZÓSTOMO, Cilene Delgado MILANEZ, Maria Rosa de Morais SOUSA, Rejane Lúcia Rodrigues Veloso ALBUQUERQUE, Judith

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação/Câmara de Educação UF: DF Superior ASSUNTO: Diretrizes Curriculares Nacionais para

Leia mais

Conforme decisão ministerial, o Parecer 259/2004 não necessita de homologação, trata-se de IES já credenciada.

Conforme decisão ministerial, o Parecer 259/2004 não necessita de homologação, trata-se de IES já credenciada. Conforme decisão ministerial, o Parecer 259/2004 não necessita de homologação, trata-se de IES já credenciada. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Ação Educacional Claretiana

Leia mais

Universidade Presidente Antônio Carlos UNIPAC Pró-reitoria de Pesquisa, Extensão, Pós-graduação e Cultura Assessoria de Extensão PROGRAMA DE EXTENSÃO

Universidade Presidente Antônio Carlos UNIPAC Pró-reitoria de Pesquisa, Extensão, Pós-graduação e Cultura Assessoria de Extensão PROGRAMA DE EXTENSÃO Universidade Presidente Antônio Carlos UNIPAC Pró-reitoria de Pesquisa, Extensão, Pós-graduação e Cultura Assessoria de Extensão PROGRAMA DE EXTENSÃO EDITAL 01/2010 O Pró-reitor de Pesquisa, Extensão,

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEISDA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEISDA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEISDA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2013/01 a 2013/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Diagnóstico

Leia mais

Formulário de Aprovação de Curso e Autorização da Oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO Formação Continuada em Comunicação interna e feedback

Formulário de Aprovação de Curso e Autorização da Oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO Formação Continuada em Comunicação interna e feedback MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Formulário de Aprovação de Curso e Autorização da Oferta PROJETO

Leia mais

Pós graduação EAD Área de Educação

Pós graduação EAD Área de Educação Pós graduação EAD Área de Educação Investimento: a partir de R$ 109,00 mensais. Tempo de realização da pós graduação: 15 meses Investimento: R$109,00 (acesso ao portal na internet e livros em PDF). Ou

Leia mais

EGNER MERUCIA ADADA FERNANDA GONÇALVES MORESCO CONHECIMENTO SOBRE SAÚDE E HIGIENE BUCAL, DE ALUNOS DO CURSO DE PEDAGOGIA, DE INSTITUIÇÕES DE

EGNER MERUCIA ADADA FERNANDA GONÇALVES MORESCO CONHECIMENTO SOBRE SAÚDE E HIGIENE BUCAL, DE ALUNOS DO CURSO DE PEDAGOGIA, DE INSTITUIÇÕES DE UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE ODONTOLOGIA EGNER MERUCIA ADADA FERNANDA GONÇALVES MORESCO CONHECIMENTO SOBRE SAÚDE E HIGIENE BUCAL, DE ALUNOS DO CURSO DE PEDAGOGIA,

Leia mais

Minha Casa Minha Vida PROJETO DE TRABALHO SOCIAL-PTS RELATÓRIO DAS AÇÕES DO PTS NO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA AGOSTO-2015

Minha Casa Minha Vida PROJETO DE TRABALHO SOCIAL-PTS RELATÓRIO DAS AÇÕES DO PTS NO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA AGOSTO-2015 Minha Casa Minha Vida PROJETO DE TRABALHO SOCIAL-PTS RELATÓRIO DAS AÇÕES DO PTS NO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA AGOSTO-2015 SENHOR DO BONFIM - BAHIA 2015 1 ATIVIDADES: DESCRIÇÃO A correta utilização

Leia mais

VIVÊNCIAS NA EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA E FORMAÇÃO PROFISSIONAL

VIVÊNCIAS NA EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA E FORMAÇÃO PROFISSIONAL VIVÊNCIAS NA EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA E FORMAÇÃO PROFISSIONAL Área temática: Educação Eixo temático: Educação, Comunicação e Extensão Responsável pelo Trabalho: Salette Marinho de Sá 1 Autores participantes:

Leia mais

Guia para o desenvolvimento de Projetos de Extensão

Guia para o desenvolvimento de Projetos de Extensão Guia para o desenvolvimento de Projetos de Extensão A Extensão Universitária, sob o princípio constitucional da indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão, é um processo interdisciplinar educativo,

Leia mais

QUALIFICAÇÃO DAS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS REDES PÚBLICAS DE EDUCAÇÃO BÁSICA DA REGIÃO SUL DO RIO GRANDE DO SUL: REINVENTANDO O PODER ESCOLAR

QUALIFICAÇÃO DAS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS REDES PÚBLICAS DE EDUCAÇÃO BÁSICA DA REGIÃO SUL DO RIO GRANDE DO SUL: REINVENTANDO O PODER ESCOLAR QUALIFICAÇÃO DAS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS REDES PÚBLICAS DE EDUCAÇÃO BÁSICA DA REGIÃO SUL DO RIO GRANDE DO SUL: REINVENTANDO O PODER ESCOLAR Área Temática: Educação Lígia Cardoso Carlos¹(Coordenadora)

Leia mais

PIBID: O COTIDIANO DO TRABALHO DO COORDENADOR PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA

PIBID: O COTIDIANO DO TRABALHO DO COORDENADOR PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA PIBID: O COTIDIANO DO TRABALHO DO COORDENADOR PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA Alessandra Sagica Gonçalves 1 Amanda de Cássia Rodrigues Rodrigues 2 Adriana Valente da Cunha 3 Resumo: Este estudo buscou fazer

Leia mais

O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL

O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL Larissa dos Santos Gomes Resumo O presente artigo refere-se ao trabalho de conclusão

Leia mais

RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE OUTUBRO DE 2012 EREM ANÍBAL FERNANDES

RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE OUTUBRO DE 2012 EREM ANÍBAL FERNANDES UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PERNAMBUCO PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA FRANCISCO DE ASSIS DO NASCIMENTO RITA DE CÁSSIA GUEDES LIMA RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE OUTUBRO DE 2012

Leia mais

TÍTULO I DA NATUREZA, DAS FINALIDADES CAPÍTULO I DA NATUREZA. PARÁGRAFO ÚNICO Atividade curricular com ênfase exclusiva didático-pedagógica:

TÍTULO I DA NATUREZA, DAS FINALIDADES CAPÍTULO I DA NATUREZA. PARÁGRAFO ÚNICO Atividade curricular com ênfase exclusiva didático-pedagógica: REGULAMENTO GERAL PARA REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS DO IFRR N A regulamentação geral de estágio tem por objetivo estabelecer normas e diretrizes gerais que definam uma política

Leia mais

Regulamento do Plantão Psicopedagógico FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE VISCONDE DO RIO BRANCO

Regulamento do Plantão Psicopedagógico FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE VISCONDE DO RIO BRANCO Regulamento do Plantão Psicopedagógico FUNDAÇÃO FUPAC FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE VISCONDE DO RIO BRANCO 2011 Regulamento do Plantão Psicopedagógico da Faculdade Presidente Antônio Carlos de

Leia mais

DESAFIOS E OPORTUNIDADES DA INCUBADORA TECNOLÓGICA DE COOPERATIVAS POPULARES DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ (INTECOOP/UNIFEI)

DESAFIOS E OPORTUNIDADES DA INCUBADORA TECNOLÓGICA DE COOPERATIVAS POPULARES DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ (INTECOOP/UNIFEI) DESAFIOS E OPORTUNIDADES DA INCUBADORA TECNOLÓGICA DE COOPERATIVAS POPULARES DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ (INTECOOP/UNIFEI) Área Temática: Trabalho Responsável pelo trabalho: H. H. COUTINHO Instituição:

Leia mais

junto a Comissão Gestora Local. 3 Professora do departamento de Ciências Farmacêutica da UFPB, vice-coordenadora do curso Graduação em

junto a Comissão Gestora Local. 3 Professora do departamento de Ciências Farmacêutica da UFPB, vice-coordenadora do curso Graduação em O PRO-SAÚDE II E A REORIENTAÇÃO DA FORMAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE DA UFPB: AVANÇOS NA FORMAÇÃO DO FISIOTERAPEUTA, FARMACEUTICO, NUTRICIONISTA E EDUCADOR FÍSICO Lenilma Bento de Araújo Meneses 1 Walter

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO EDUCATIVO DO PROFESSOR PARA O DESENVOLVIMENTO DA ATENÇÃO E MEMÓRIA

Leia mais

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CURSO DE ENFERMAGEM DO CESUMAR SOB A ÓTICA DO SUS

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CURSO DE ENFERMAGEM DO CESUMAR SOB A ÓTICA DO SUS 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CURSO DE ENFERMAGEM DO CESUMAR SOB A ÓTICA DO SUS Lizyanne Saldanha Soares 1, Natalia Máximo Souza Lima 2, Raquel Gusmão Oliveira

Leia mais

PROGRAMA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA

PROGRAMA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA PROGRAMA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. De acordo com o Plano Nacional de Extensão 2011-2020 (PNExt), a Extensão é considerada como atividade acadêmica que articula

Leia mais

Título do Trabalho: Clínica Integrada: é possível promover saúde bucal numa clínica de ensino odontológico?

Título do Trabalho: Clínica Integrada: é possível promover saúde bucal numa clínica de ensino odontológico? PESQUISA 1º COLOCADO Título do Trabalho: Clínica Integrada: é possível promover saúde bucal numa clínica de ensino odontológico? Autor (a): Drª. Rossana Vanessa Dantas de Almeida Orientador (a): Prof.

Leia mais

VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: ESTUDO EXPLORATÓRIO E REFLEXIVO NO CREAS DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP

VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: ESTUDO EXPLORATÓRIO E REFLEXIVO NO CREAS DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 385 VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: ESTUDO EXPLORATÓRIO E REFLEXIVO NO CREAS DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE

Leia mais

Instituto de Educação

Instituto de Educação Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Doutoramento em Educação Especialização: Administração e Política Educacional Edição Instituto de Educação da Universidade de

Leia mais

REGULAMENTO DE PESQUISA

REGULAMENTO DE PESQUISA 1 REGULAMENTO DE PESQUISA Embu das Artes - SP 2015 2 SUMÁRIO DAS CONSIDERAÇÕES GERAIS 2 DA CARACTERIZAÇÃO DA PESQUISA UNIVERSITÁRIA 2 DA ORGANIZAÇÃO 3 DAS ATRIBUIÇÕES 3 DA AVALIAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DAS

Leia mais