LOGISTÍCA HUMANITÁRIA A LOGÍSTICA EM SITUAÇÕES ADVERSAS UM ESTUDO DE CASO SOBRE O DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE DEFESA CIVIL DA CIDADE DE GUARULHOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LOGISTÍCA HUMANITÁRIA A LOGÍSTICA EM SITUAÇÕES ADVERSAS UM ESTUDO DE CASO SOBRE O DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE DEFESA CIVIL DA CIDADE DE GUARULHOS"

Transcrição

1 LOGISTÍCA HUMANITÁRIA A LOGÍSTICA EM SITUAÇÕES ADVERSAS UM ESTUDO DE CASO SOBRE O DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE DEFESA CIVIL DA CIDADE DE GUARULHOS Autor: Eduardo de Melo Gomes FATEC Guarulhos Autora: Natália Cristina de Aquino Gomes FATEC Guarulhos Autora: Renata de Almeida Rodrigues da Silva FATEC Guarulhos Coautora: Me. Célia de Lima Pizolato (professora da FATEC Guarulhos) Coautora: Me. Telma Regina Bueno (professora FATEC Guarulhos) ÀREA TEMÁTICA Logística Humanitária RESUMO Desastres provocados pela força da natureza, ou mesmo, pela própria atitude do homem afetam milhares de pessoas no mundo. Maremotos, terremotos, deslizamentos, furacões, chuvas, enchentes, guerras, atentados terroristas são situações que exigem uma atuação logística diferenciada, que é atualmente intitulada de logística humanitária, um conceito ainda novo no Brasil, mas que vem sendo crescentemente estudado em países da Europa e nos Estados Unidos. A logística humanitária busca uma resposta imediata e envolve a coordenação de pessoas, organizações e materiais no fornecimento de bens e serviços para ajudar o maior número de pessoas em necessidade, evitar faltas e desperdícios, organizar doações e, principalmente, trabalhar com orçamentos limitados. Na seqüência de um desastre, a prestação de ajuda é fundamental para a sobrevivência das pessoas afetadas. Nesse sentido, o objetivo deste artigo é explicar o que é a logística humanitária, descrever seu papel em situações adversas e mostrar sua importância para a execução das atividades do Departamento Municipal de Defesa Civil da cidade de Guarulhos. PALAVRAS-CHAVE: Desastres, Emergências, Logística humanitária, Defesa Civil. ABSTRACT Disasters caused by the force of nature, or even, by the man's attitude affect thousands of people worldwide. Tsunamis, earthquakes, landslides, hurricanes, thunderstorms, floods, wars, terrorist attacks, are situations that require a special logistics approach, called humanitarian logistics. A still new concept in Brazil, but which has been increasingly studied in European countries and the United States. The humanitarian logistics seeks an immediate response and involves the coordination of people, organizations, and materials in the supply of goods and services to help the greatest number of people in need, to avoid wastage and shortages, to organize the donations and, especially, work with limited budgets. In the aftermath of a disaster, the provision of help is critical to the survival of the affected. In this way, the objective of this article is to explain what humanitarian logistics is, to describe their role in adverse situations and to show its importance to the

2 implementation of activities in the Municipal Civil Defense Department of the city of Guarulhos. KEYWORDS: Disasters, Emergencies, Humanitarian logistics, Civil Defense. 1. INTRODUÇÃO A evolução do número, o impacto dos desastres e a escala maciça em que eles têm ocorrido elevam a atenção para a necessidade de operações eficazes e eficientes aos desastres. O foco principal destas operações é a ajuda humanitária, que busca providenciar rapidamente o auxílio e os recursos necessários para áreas afetadas por grandes emergências, de modo a minimizar o sofrimento humano e a morte. Em ocasiões adversas, a ajuda humanitária é requisitada e recebida de todas as partes do mundo. Muitas organizações de assistência humanitária movimentam diversas doações e uma variada gama de recursos. Contudo, a escassez destes recursos, o aumento das ocorrências e magnitudes dos desastres exige operações mais transparentes, eficientes e eficazes. Nestas circunstâncias, os conhecimentos provenientes da logística empresarial são válidos e podem ajudar a aliviar as dificuldades daqueles que estão em áreas atingidas. Ao segmento da logística atuante em situações de desastres dá-se o nome de logística humanitária. O processo logístico na ajuda humanitária é composto de diversas particularidades, porém, todas as atividades desse processo são essenciais e decisivas para a prestação da ajuda, pois terão que ser realizadas de forma rápida e eficiente com o mínimo de erros e de improvisação. Com um planejamento logístico claro e bem definido é possível, através de um atendimento ágil e eficiente, salvar mais vidas, ao utilizar os recursos materiais e humanos disponíveis de maneira eficaz. São nesses tipos de situações que a logística é colocada a prova e mostra seu valor social. 1.1 OBJETIVO Este trabalho tem por objetivo explicar o que é a logística humanitária, descrever seu papel em situações adversas e mostrar sua importância para a execução das atividades no Departamento Municipal de Defesa Civil da cidade de Guarulhos. 1.2 METODOLOGIA Para a realização deste trabalho científico optou-se pelo uso de dois procedimentos metodológicos, a pesquisa bibliográfica e o estudo de caso. A pesquisa bibliográfica constitui-se no primeiro passo de qualquer pesquisa científica, visto tratar da revisão de literatura existente sobre o assunto, buscando assegurar a não redundância do tema, ou seja, sua originalidade. Por esta razão, procurou-se abranger o máximo possível de material relevante sobre tema. Para melhor entendimento da pesquisa, optou-se também pelo uso do estudo de caso. De acordo com Yin (2005), os estudos de caso, em geral, representam a estratégia preferida quando se colocam questões do tipo como e por que, e ainda, conforme Godoy (1995), estudo de caso é um tipo de pesquisa referida a um objeto que se analisa profundamente, através de um exame detalhado de uma situação na qual o pesquisador se insere para observar seu contexto. 2. REFERENCIAL TEÓRICO 2.1 LOGÍSTICA Segundo Ballou (2007), a logística empresarial estuda como a administração pode prover melhor nível de rentabilidade nos serviços de distribuição aos clientes e consumidores, através de planejamento, organização e controle efetivos para as atividades de movimentação e armazenagem que visam facilitar o fluxo de produtos". A logística pode ser definida como a ciência de abastecer, produzir e distribuir materiais ou produtos no lugar adequado, nas quantidades corretas e nas datas necessárias, trazendo retorno para o prestador do serviço.

3 2.2 ASSISTÊNCIA HUMANITÁRIA Segundo as Notas Informativas do Parlamento Europeu (2009), assistência humanitária é a ajuda e a ação tendentes a salvar vidas e a atenuar o sofrimento, bem como está assim no original preservar e a proteger a dignidade humana no decurso e na seqüência de situações de emergência. Para cada situação há uma prestação de serviço específica que se adequará a necessidade da população ou do ambiente que sofreu danos, essas atividades contarão com o apoio logístico, o auxílio de recursos humanos ou até mesmo a inserção de recursos financeiros. A assistência humanitária é empregada normalmente em situações de emergência, ou seja, em situações como, por exemplo, desastres ambientais ou situações provocadas pelo próprio homem que resultam em guerras e conflitos entre países onde a disputa gera combates desleais, mortes em larga escala e extingue o direito humano de viver com dignidade. Os esforços nessa iniciativa são baseados na cooperação e solidariedade aos mais necessitados, por isso a ajuda pode ser das mais variadas, desde econômica até o voluntariado. A doação é de imediato a forma mais eficiente de ajuda que está no alcance da maioria, afinal através dessa atividade que são arrecadados diversos recursos materiais e humanos para auxílios emergenciais. A doação de produtos de primeira necessidade, tais como: alimentos não perecíveis, água potável, produtos de higiene básica, vestuário; são os recorrentes em meio à população que se sensibiliza com a situação de seus semelhantes, porém é importante ressaltar a ajuda dos profissionais capacitados que são enviados aos locais afetados e trabalham voluntariamente no auxílio à população e ao meio ambiente, assim como a ajuda da comunidade como um todo que se une em prol de um propósito maior em meio ao sofrimento. Essa percepção humanitária baseada na urgência de reação a difere, por exemplo, da assistência ao desenvolvimento que foca diretamente no socioeconômico voltando à atenção aos recursos econômicos que diretamente afetarão o social. Conforme o Serviço da Ajuda Humanitária da Comissão Européia (ECHO), a assistência humanitária é prestada por agências governamentais, organizações nãogovernamentais e demais agências humanitárias não governamentais. Segundo a Resolução 46/182 da Assembléia Geral das Nações Unidas foram definidos alguns princípios humanitários centrais, que devem ser aplicados ao governo e as agências das Nações Unidas, são estes: humanidade, neutralidade, imparcialidade e independência. Com esses princípios em mente, pode-se notar a base de sustentação da assistência humanitária, a preocupação humanística é o grande fator de relevância nessa atividade, em que é necessário existir uma reação rápida, afinal o tempo é o grande inimigo nessa temática, cada segundo pode fazer diferença ou até mesmo salvar uma vida e lidar com situações adversas é algo que não está no alcance do ser humano, pois mesmo com prevenções e medidas cautelares, o inevitável ocorrerá de tal forma que todas as medidas preventivas serão escassas para controlar e auxiliar uma situação de crise humanitária. Por isso, toda forma de ajuda é bem vinda e pensando nisso, existem Grupos Internacionais, Órgãos, Ministérios, entre outros que lidam especificamente com a assistência humanitária que buscam garantir a ajuda de forma eficiente, sugerindo medidas e propostos que venham a implementar mudanças legislativas que tornarão estas ações mais precisas. 2.3 DESASTRES O termo desastres nos leva a associá-lo com abalos sísmicos, tsunamis, erupções, maremotos e furacões, em um primeiro momento. Todavia, ele também trata dos processos e fenômenos mais localizados como desabamentos, inundações, erosão, deslizamentos ou mesmo acidentes gravíssimos, que podem ocorrer naturalmente ou induzidos pelo homem. Os desastres são temas recorrentes no dia-a-dia das pessoas, independentemente destas estarem ou não em localidades que ofereçam alguma ameaça ou risco. Segundo o Decreto nº 7.257, de 4 de agosto de 2010, desastres são a somatória

4 de eventos adversos, naturais ou provocados pelo homem, sobre um ecossistema vulnerável, causando danos humanos, materiais e ou ambientais e que culminam em prejuízos econômicos e sociais. Os desastres são normalmente súbitos e inesperados, de uma elevada gravidade e magnitude e acarretam grandes perdas e danos no âmbito social, econômico e mesmo, no ambiental. E exigem ações preventivas e restituidoras, que envolvem diversos setores governamentais e privados, visando uma recuperação que não pode ser alcançada por meio de procedimentos rotineiros. (KOBIYAMA, 2006) Os desastres são sempre ligados ao uso de expressões como situação de emergência e estado de calamidade pública. Cada uma destas expressões tem um significado específico, que designa o grau de um desastre e as consequências para a vida da área afetada. A situação de emergência é o reconhecimento legal pelo poder público de uma situação anormal provocada por um desastre, com danos e prejuízos que podem ser superados pela comunidade da área atingida, já o estado de calamidade pública, também é o reconhecimento de uma situação anormal provocada por desastre, todavia neste caso, há a ocorrência de sérios danos e prejuízos à área afetada que colocam a segurança e a vida das pessoas em risco. (Decreto nº 7.257, de 4 de agosto de 2010). Ambas as situações dependem de uma declaração legal, depois a homologação e por fim, do reconhecimento da amplitude da anormalidade provocada na área afetada. 2.4 LOGÍSTICA HUMANITÁRIA Com o aumento da ocorrência de desastres provocados pela natureza e/ou mesmo pela ação do homem e a ampliação do número de pessoas afetadas, tem se exigido um processo logístico diferenciado para o atendimento nestas situações emergenciais, um processo com operações mais ágeis, eficientes e eficazes. A este processo tem-se dado o nome de logística humanitária. O conceito é relativamente novo no Brasil, suas bases estão relacionadas e amparadas pelos objetivos clássicos da logística, ou seja, otimizar o tempo e distância no transporte e movimentação de pessoas, produtos e/ou serviços de forma eficiente e eficaz. Para Camargo (2010), assim como o processo logístico nos negócios é responsável pelo controle de todos os processos que envolvem o gerenciamento, movimentação, armazenagem e transporte, com a principal função de satisfazer a necessidade dos clientes, a logística humanitária, também, tem as mesmas responsabilidades e objetivos. Contudo, ela se faz presente onde existe a necessidade imediata de salvar vidas, reduzir o sofrimento das pessoas que encontram ou encontravam-se em catástrofes naturais e/ou humanas, que necessitam da habilidade de profissionais, empresas e órgãos, para prestar o auxílio, com a entrega eficaz de medicamentos, alimentos, abrigos provisórios, roupas, remoção de feridos, controle de movimentação e transportes alternativos nas áreas atingidas. (SILVA, 2011) Thomas (2003) define a logística humanitária como o processo de planejar, implementar e controlar de forma eficiente e eficaz o fluxo de armazenagem de bens, materiais e informações do ponto de origem até o ponto de destino final, buscando aliviar o sofrimento. Segundo Tomasini e Wassenhove (2009), uma operação de ajuda humanitária bem sucedida é aquela que é capaz de amenizar as necessidades urgentes de uma população, com uma considerável redução de sua vulnerabilidade, num curto período de tempo e com uma quantidade reduzida de recursos. A logística humanitária, todavia se depara com alguns pontos nefrálgicos, que podem ser encarados como entraves a serem superados em suas operações, entre eles: infraestrutura, capacidade de transporte, ausência de processos coordenados, recursos humanos, materiais, política e cultura. Assim, conforme Nogueira, Gonçalves e Novaes (2008), processos logísticos eficientes e eficazes são fundamentais às organizações que prestam assistência humanitária. Muitos dos que atuam em eventos emergenciais garantem que, o uso dos conceitos logísticos nestas situações contribui imensamente com o sucesso de uma operação.

5 2.5 A ADMINISTRAÇÃO E O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA LOGÍSTICA HUMANITÁRIA As necessidades de controle das operações e de estratégias para melhorar a prestação de socorro nas missões, levaram a logística humanitária a desenvolver uma gestão própria e específica para administrar as operações e atividades que dão suporte às missões, com isso surgiram planos estratégicos que visam dar subsídios para que esta assistência emergencial resulte em uma missão de sucesso no que depender da logística. Fayol apud Chiavenato (2011), define o ato de administrar como prever, organizar, comandar, coordenar e controlar, tais operações realizadas de forma correta levarão a uma gestão administrativa de sucesso. Na logística humanitária a situação não é diferente, afinal é necessário que exista embasamento nas operações, para que mediante uma circunstância emergencial, a reação venha a contar com o auxílio de uma até então administração preventiva, que originou certos parâmetros organizados as quais buscaram durante seu desenvolvimento, conseguir recursos para o suporte dessa missão, levando em consideração que esse processo deve ser controlado e monitorado, desde o seu início até o seu fim, para que em nenhum momento ocorra uma infeliz perda no controle de toda a situação. Para Maximiano (2010), planejamento estratégico é o processo de elaborar a estratégia - a relação pretendida da organização com seu ambiente, no que depender da logística humanitária é a atividade onde existirá um estudo preventivo de todas as necessidades imediatas e de longo prazo que um desastre pode originar. É o momento da definição de planos e alternativas, para que ao deparar-se com uma situação de emergência o caos não seja instalado, e que cercados de clareza possa-se efetuar as ações necessárias. Estas que, previamente, foram analisadas e especificadas para cada tipo de situação, desastre ou missão assistencial. Ao adotar uma administração para gerir suas atividades e um planejamento estratégico, a logística humanitária melhora expressivamente seus resultados, sendo que neste segmento, estes resultados, devido à assistência humanitária, encontram dificuldades para serem identificados e, conseqüentemente, servirem de base para uma medição, pois é difícil medir o sofrimento das vítimas em meio a uma crise humanitária. Essa fragilidade dos fatores leva a uma administração que vise, no menor tempo possível, dispor de todos os recursos necessários para o auxílio das vítimas, e que estes cheguem aos mais variados destinos, independente da situação, para isso será necessário a existência de uma avaliação de qual o melhor meio de transporte para cada missão, o que inevitavelmente dependerá de fatores econômicos que poderão ou não levar a uma economia na escolha. 2.6 A DEFESA CIVIL A Defesa Civil é o conjunto de ações preventivas, de socorro, assistenciais e recuperativas destinadas a evitar desastres e minimizar seus impactos para a população e restabelecer a normalidade social. (Art. 2, inciso I do Decreto Nº 7.257, de Agosto de 2010). Cabe a ela, coordenar e supervisionar as ações de defesa civil, manter e atualizar as informações específicas, elaborar e implementar programas e projetos, prever recursos orçamentários para as ações assistenciais, capacitar recursos humanos, providenciar a distribuição e controle de suprimentos e propor a decretação ou homologação de situação de emergência e de estado de calamidade pública. No mundo, as primeiras ações dirigidas para a defesa da população foram realizadas nos países envolvidos com a Segunda Guerra Mundial. Atualmente, por todo mundo, a Defesa Civil se organiza em sistemas abertos que contam com a participação dos governos locais e a população no desencadeamento das ações preventivas e de resposta aos desastres. O Governo Federal Brasileiro, em 1942, criou o primeiro esboço de Defesa Civil, ao estabelecer medidas como a criação do Serviço de Defesa Passiva Antiaérea e a obrigatoriedade do ensino da defesa passiva em todos os estabelecimentos de ensino

6 existentes no país, entre outras. E em 16 de Dezembro de 1988, iniciou-se a organização sistêmica da Defesa Civil no Brasil, com a criação do Sistema Nacional de Defesa Civil SINDEC. As atividades de Defesa Civil, no Brasil, são caracterizadas pela ocorrência de situações que interferem na vida da comunidade, sendo desenvolvidas em dois períodos e quatro fases: Fase preventiva: onde se prepara as populações Fase socorro: onde todo o esforço é feito para se evitar perdas humanas ou materiais nas áreas afetadas; Fase assistencial: onde a população afetada é encaminhada a locais e abrigos seguros, há o fornecimento de medicamentos, agasalhos, alimentos e conforto moral; Fase recuperativa: que possibilita o retorno à normalidade e, se possível, há a execução de obras que, além de recuperar as áreas assoladas pelos desastres tenham caráter preventivo quanto a outros eventos adversos, fechando-se, dessa maneira, o círculo em que se encontram as fases de atuação de Defesa Civil. Já os períodos se dividem em: Período de normalidade: que é uma situação de normalidade relativa ou controlada, dada a imprevisibilidade dos desastres. Período de anormalidade: este período é caracterizado pela ocorrência ou ameaça de qualquer evento que ocasione perdas ou danos. 2.7 TRANSPARÊNCIA E ÉTICA NA LOGÍSTICA HUMANITÁRIA Segundo Batista (2007), ética é o campo do conhecimento que estuda os valores, costumes e conduta do ser humano. Toda essa questão do comportamento e conduta dos envolvidos na logística humanitária influencia diretamente na imagem do órgão que está prestando socorro às pessoas atingidas por tragédias e imprevistos, atitudes negativas como negligência no atendimento, desvio indevido de recursos, transmissões de informações incorretas prejudicam a clareza do processo. É necessário ter transparência na utilização de recursos e prestação de contas para com a sociedade, isso transmite uma confiabilidade em quem está fazendo as atividades para ajudar as pessoas que sofrem com os desastres. 3. ESTUDO DE CASO O DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE DEFESA CIVIL DA CIDADE DE GUARULHOS Guarulhos é um dos 39 municípios da Grande São Paulo, sendo uma das regiões, economicamente falando, mais importante do Brasil. É o segundo maior município paulista em população, com mais de habitantes, de acordo com dados do Censo do IBGE (2010), e é também a 12ª mais populosa do Brasil. É também a 8ª cidade mais rica do Brasil, com uma produção que representa mais de 1% do Produto Interno Bruto - PIB. A cidade de Guarulhos e o Brasil, de uma forma geral, estão livres dos fenômenos de grande porte e magnitude como terremotos e vulcões, porém, são expressivos os registros de acidentes e mesmo de desastres associados principalmente a deslizamentos e inundações, que acarretam prejuízos e perdas significativas, inclusive de vidas humanas. É nesta hora, que o Departamento Municipal de Defesa Civil de Guarulhos se faz presente, buscando evitar desastres ou mesmo, minimizar seus impactos para a população e restabelecendo a normalidade social. O Departamento da Defesa Civil de Guarulhos está direcionado para o atendimento da política pública de assistência social voltada para emergência em casos de desastres urbanos, para a assistência integral às famílias vítimas e para o cadastramento, encaminhamento e acompanhamento para os diversos programas de atendimento contínuo, atuando com diversas secretarias da cidade, entre elas: Governo, Habitação, Desenvolvimento Urbano, Meio Ambiente, Assistência Social, Obras, Trânsito, Segurança, Saúde, Cultura, Fundo Social de Solidariedade, Educação, entre outras, com

7 o intuito de priorizar, minimizar o sofrimento da população afetada por situações adversas. O Departamento também conta com estoque estratégico, onde grande parte dos materiais é comprada com recursos públicos provenientes do Tesouro Nacional e outra parcela oriunda de doações. Atualmente, a Defesa Civil de Guarulhos conta com um grupo de 68 funcionários e 110 voluntários cadastrados. Para atuar na Defesa Civil, é preciso passar pelo curso de formação básica, e além deste também são oferecidos cursos específicos para diversas atividades, criando um sistema de formação complementar que permite o contínuo aperfeiçoamento dos colaboradores. 3.1 A ATUAÇÃO DA DEFESA CIVIL DE GUARULHOS NA REGIÃO DO VILA ANY Em 7 de Dezembro de 2009, uma chuva torrencial atingiu a cidade de Guarulhos e causou o transbordamento do Rio Tietê, afetando a região do Vila Any, Jardim Jacy, Jardim Izildinha e Jardim Guaracy, bairros próximos as margens do mesmo. Foi registrado que o índice pluviométrico deste dia passou dos 110 milímetros, algo além do esperado para o período crítico do ano (os meses entre dezembro e março), inicialmente mais de 270 famílias foram afetadas pela cheia do rio que tem sua nascente na cidade de Salesópolis. No dia seguinte, 8 de Dezembro, aniversário da cidade de Guarulhos, o prefeito Sebastião Almeida decretou estado de atenção para a região afetada pela chuva, muitas famílias que moravam nas proximidades perderam sua moradia, fato que intensificou o trabalho da Defesa Civil do município. Levou-se cinco dias para montar o alojamento, onde foi realizado o atendimento preliminar com alimentação e doação de kits, porém mesmo com este suporte para aqueles que perderam seus bens, muitas famílias que estavam ameaçadas se negaram a sair do local. Em 29 de Janeiro de 2010, a água não baixou e a situação foi decretada como estado de emergência, ou seja, começou a envolver prejuízos econômicos e humanos. Então foi montada uma central de operações na Escola Municipal Herbert de Souza para a realização de um trabalho in loco juntamente com as secretarias do município, inclusive a da Saúde, Assistência Social, Fundo Social de Solidariedade e PROGUARU, ação encabeçada pela Defesa Civil; nesse período, o Fundo Social levava marmitas para alimentar as pessoas afetadas. Nos períodos de cheia é realizada a desocupação do local e as pessoas afetadas são colocadas na locação social, um recurso público optativo disponibilizado para as pessoas que são afetadas pelos desastres enquanto a situação não se resolve. Nesta ocorrência, as vítimas receberam a quantia de R$ 300,00 (trezentos reais), sendo 50% do valor cedido pelo CDHU - Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano, e a outra parte pela Defesa Civil. Para entender o que levou esta região ser castigada pelas enchentes, o prefeito de Guarulhos resolveu navegar pelo Rio Tietê para acompanhar o problema de perto. Constatou-se que o DAEE - Departamento de Águas e Energia Elétrica, órgão do Governo do Estado, responsável pela limpeza e dragagem no rio não estava realizando seu trabalho, a profundidade normal do rio seria de 10 metros e encontrou-se uma diferença de apenas 1 metro em relação à superfície da água, fato que ocasionou seu transbordamento. Vale ressaltar que a região do Vila Any é uma APP - Área de Preservação Permanente e faz parte do projeto Parque Linear do Tietê, um empreendimento para preservação das margens do rio previsto para 2015, o que implica na futura desocupação da área, o que afetará a vida das pessoas que estão na região atualmente. A construção de um dique no Jardim Pantanal, na cidade de São Paulo fez com que o volume de água aumentasse e prejudicasse ainda mais a região afetada pelas chuvas, choveu no percurso do Tietê desde Salesópolis. Levaram três meses para a água baixar, durante este período, as crianças das famílias afetadas ficaram fora da escola devido à alocação, o que acarretou na perda do auxilio da bolsa-família. A Defesa Civil e os voluntários foram responsáveis pela identificação das submoradias, pela mobilização das famílias para o alojamento e pela desocupação da área, pois era

8 iminente o risco de vida que a situação proporcionava as pessoas. Muitos não aceitaram ajuda por considerar desnecessário, que não poderia acontecer novamente, não querer que parentes soubessem da situação, sem falar das muitas dificuldades como choque social, crenças religiosas, problemas com criminalidade e o preconceito da população com os órgãos públicos, que no seu entendimento não resolveriam a situação e deixá-losiam desamparados. Muitos resistiram para sair do local, em alguns casos foi necessário chover com maior intensidade para que as pessoas percebessem que a situação era mais grave do que parecia e que a vida dela era o bem mais importante de todos. No aspecto da organização de assistência humanitária, foi formada uma comissão composta pela equipe que estava auxiliando no atendimento as vítimas e pelos moradores para levar questões e os desdobramentos para o prefeito, especialmente contratos sobre as moradias que envolviam a região. O Departamento de Defesa Civil de Guarulhos que responde a Secretaria do Governo, órgão da prefeitura de Guarulhos, também foi responsável pelo acompanhamento e prestação de contas mensal para o Estado e para a União sobre o quanto de recursos financeiros do Governo Federal foram utilizados no local. O estado de calamidade pública não envolveu apenas um prejuízo financeiro, constatou-se também que a população desta região precisava muito de ajuda. Independentemente da enchente, a Defesa Civil ajudou a resgatar e civilizar as pessoas carentes de cidadania, além de criar um vínculo de afetividade, e graças a essa mobilização juntamente com outros órgãos, a maioria das pessoas afetadas receberão uma moradia, a obra está quase finalizada, com previsão de entrega para Janeiro de Inicialmente, 51 famílias aderiram à locação social, 200 famílias foram cadastradas pela Defesa, mais de 500 famílias foram afetadas, porém não quiseram a assistência ou até mesmo se identificar, duas a três famílias do Jardim Guaracy permanecem na locação. A região atualmente está ocupada por muitas pessoas que não são de Guarulhos, e para participar do plano Minha Casa, Minha Vida é necessário ter no mínimo dois anos de estadia no município, mas existe o monitoramento da área pelos líderes da Defesa Civil para qualquer tipo de ocorrência que venha acontecer. 3.2 ANÁLISE DOS RESULTADOS Conforme teorias pesquisadas, informações e observações obtidas durante este artigo é possível perceber que para o Departamento Municipal de Defesa Civil de Guarulhos, a prevenção é a estratégia primordial para uma boa administração, afinal a necessidade de atuação é inesperada e em certos casos distintas da maioria, o que exige diversificação nas tarefas e reação imediata que aliada a medidas preventivas proporcionarão o alcance das metas estabelecidas que, no geral, baseiam-se em um atendimento eficiente e preciso para a população afetada. Todas as atividades e ações que compõem uma missão assistencial devem ser norteadas pela ética, a garantia dessa relação contará com prestações de contas a sociedade e ao estado em si, pois o sustento desta baseia-se na ajuda e contribuição de muitos e por se tratar de recursos públicos e doações da população é necessário que exista um retorno de como estes recursos foram empregados e utilizados, para que os mesmos possam no futuro continuar a existir ou até mesmo sofrerem um acréscimo em benefício de próximos planos assistenciais. A responsabilidade também é algo muito valorizado nas atividades que envolvem a logística humanitária, afinal ao lidarmos com vidas, inevitavelmente, teremos responsabilidades pelo tratamento das mesmas, por isso, toda atenção e cuidado, que estiverem ao alcance, são necessários e deverão ser ofertados do melhor modo possível. As recompensas destas atividades não são mensuradas apenas em números ou estatísticas, mas também em singelos sinais, que no tocante sentimental, ressaltam como é enriquecedor ajudar o próximo. Fato, que observamos no Departamento Municipal de Defesa Civil de Guarulhos, onde todos que estão diretamente ou indiretamente envolvidos neste, participam porque realmente gostam do que fazem e se orgulham em fazer o bem.

9 4. CONSIDERAÇÕES FINAIS Com este trabalho, pode-se compreender a importância que a logística humanitária possui no auxílio às pessoas afetadas por desastres provocados tanto pela ação da natureza quanto pela influência do homem nos ambientes, e que os conceitos originados da logística empresarial colaboram de maneira primordial para a organização e gestão dos recursos necessários para esses momentos difíceis. Foi constatado que a preparação para enfrentar estes eventos torna-se extremamente necessária, principalmente na área do planejamento, controle e distribuição de recursos humanos e materiais. Vários tipos de organizações atuam para auxiliar na assistência humanitária, além de lutarem por mudanças legislativas e culturais para se preparar adequadamente para qualquer tipo de mudança que influencie a vida das pessoas vitimadas por desastres. Os esforços envolvidos na logística humanitária focam-se na ajuda com doações, tanto de itens de higiene pessoal e alimentação, quanto financeiro, para a reconstrução dos imóveis e recuperação dos bens perdidos durante as tragédias. A mobilização envolvida no processo aumenta de acordo com a gravidade da situação, gradativamente os órgãos das esferas governamentais precisam apoiar a população afetada com todos os recursos possíveis para manter a sobrevivência das mesmas. A agilidade nas informações, tomar as decisões mais adequadas, escolher como mobilizar e organizar recursos são detalhes comuns no cotidiano da logística, toda a responsabilidade envolvida nessas atividades está muito presente também nas situações mais adversas, pois o objetivo da logística humanitária é utilizar os conceitos logísticos para atender as necessidades da cadeia de assistência humanitária, ou seja, prestar um serviço organizado para evitar e prevenir que pessoas possam sofrer danos materiais e até perder a vida. Os conceitos da logística evitam improvisações, medidas equivocadas e o mau uso dos materiais disponibilizados para resolver os problemas em questão. A logística humanitária pode ajudar essencialmente o trabalho da Defesa Civil, porque é um processo que exige eficiência, agilidade e organização na mobilização de recursos e profissionais para reduzir os impactos que os desastres causam na vida das pessoas, pontos que convergem com os objetivos de ações preventivas e de socorro que a Defesa deve prestar. Situações de emergência exigem uma grande preparação para evitar que maiores problemas aconteçam durante a ação, fatores como a falta de infraestrutura no local, transporte limitado, improvisações e falta de materiais para auxiliar no socorro inicial dificultam o trabalho da Defesa, acentuando como o conceito de logística humanitária deve ser adotado para melhoria do sistema de assistência como um todo. Conforme o estudo de caso pôde-se observar a importância do Departamento Municipal de Defesa Civil da cidade de Guarulhos, este com atividades que englobam desde o préatendimento de ocorrências na região até a retomada à normalidade na vida das pessoas, o órgão também demonstrou como a prevenção, organização e preparo de seus funcionários são essenciais para suprir as necessidades urgentes das pessoas afetadas, já que são responsáveis pelo primeiro contato com a situação. O envolvimento, o comprometimento e a ética são fatores destacáveis no caso elucidado por este trabalho. Portanto, a logística é a base para aumentar a eficiência dos processos de assistência humanitária, principalmente na gestão de recursos para agilizar o atendimento das vítimas de desastres, tragédias e situações de calamidade pública, pois além de ser um diferencial competitivo que agrega valor ao negócio de empresas, pode auxiliar no atendimento de pessoas em momentos adversos, onde as condições de sobrevivência são precárias. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BALLOU, Ronald H. Logística empresarial: transportes, administração de materiais e distribuição física. 19. ed. São Paulo: Atlas

10 BATISTA, Fabrício M. Ética na guerra: a conduta humanitária em conflitos armados. Dissertação (mestrado). San Tiago Dantas (Unesp, Unicamp e Puc-SP). São Paulo, CAMARGO, Giselle (2010). Logística Humanitária: ajuda humanitária no Haiti. Disponível em: <http://www.administradores.com.br/informe-se/artigos/logisticahumanitaria-ajudahu manitaria-no-haiti/49446/>. Acesso em: <datas diversas>. CHIANENATO, Idalberto. Introdução à Teoria Geral da Administração. 8. ed. São Paulo: Elsevier, Campus, DECRETO Nº 7.257, de 4 de agosto de Disponível em: <http://www.planalto. gov.br/ccivil_03/_ato /2010/decreto/d7257.htm>. Acesso em: <datas diversas>. GODOY, A. S. Pesquisa qualitativa: tipos fundamentais. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 35, n. 3, p , maio/jun Disponível em: <http://rae.fgv. br/rae/vol35-num3-1995/pesquisa-qualitativa-tipos-fundamentais>. Acesso em: <datas diversas>. IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Indicadores Sociais Municipais: uma análise dos resultados do universo do Censo Demográfico. Disponível em: <http://www.censo2010.ibge.gov.br/ resultados_ do_ censo2010.php>. Acesso em: <datas diversas>. KOBIYAMA, Masato et al. Prevenção de desastres naturais: conceitos básicos Curitiba: Ed. Organic Trading, MATERIAL DE APOIO. Departamento Municipal de Defesa Civil de Guarulhos, MAXIMIANO, Antonio Cesar Amaru. Teoria Geral da Administração. 6. ed. São Paulo: Atlas, MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES. (2007). Assistência Humanitária. Disponível em: <http://www.itamaraty.gov.br/temas/assistencia-humanitaria>. Acesso em: <datas diversas>. NOGUEIRA, C. W.; GONÇALVES, M. B.; NOVAES, A. G. N. A Logística Humanitária e Medidas de Desempenho: A Perspectiva da Cadeia de Assistência Humanitária. In: XIII ANPET, 2008, Rio de Janeiro. Disponível em: <http://www.cnt.org.br/lists/publicaes/ Attachments/2/Transporte%20em%20Transformação%20X_Produção%20Acadêmica% %20f.pdf>. Acesso em: <datas diversas>. PARLAMENTO EUROPEU. Notas Informativas sobre as actividades da comissão do desenvolvimento do parlamento europeu Disponível em: <http://www.europarl. europa.eu/regdata/commissions/deve/communication/2009/426933/deve_cm(2009) _ PT.pdf>. Acesso em <datas diversas>. PREFEITURA MUNICIPAL DE GUARULHOS (Brasil), Disponível em: <http://novo.guarulhos.sp.gov.br/index.php>. Acesso em: <datas diversas>. RESOLUÇÃO 46/182 DA ASSEMBLÉIA GERAL DAS NAÇÕES UNIDAS, 19 de dezembro de Disponível em:<http://www.un.org/documents/ga/res/46/a46r182. htm>. Acesso em: <datas diversas>. SILVA, Alexandre (2011). Logística humanitária. Disponível em: <http://pmgee. blogspot.com/2011/07/logistica-humanitaria.html>. Acesso em: 10 de outubro de SÍNTESES DA LEGISLAÇÃO DA UE. Escritório de Ajuda Humanitária da Comissão Européia (ECHO). Ajuda humanitária. Disponível em: <http://europa.eu/legislation_ summaries/glossary/humanitarian_aid_pt.htm>. Acesso em: <datas diversas>. TOMASINI, R; WASSENROVE, L. V. Humanitarian logistics. Houndmills, Basingstoke: Palgrave Macmillan, THOMAS, A. (2003). Humanitarian Logistics: Enabling Disaster Response. The Fritz Institute. Disponível em: <http://www.fritzinstitute.org/ PDFs/WhitePaper/EnablingDisaster Response.pdf>. Acesso em: 25 de setembro de YIN R. K. Estudo de caso: Planejamento e Métodos. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, O conteúdo expresso no trabalho é de inteira responsabilidade do (s) autor (es).

LOGÍSTICA HUMANITÁRIA E LOGÍSTICA EMPRESARIAL: RELAÇÕES, CONCEITOS E DESAFIOS.

LOGÍSTICA HUMANITÁRIA E LOGÍSTICA EMPRESARIAL: RELAÇÕES, CONCEITOS E DESAFIOS. LOGÍSTICA HUMANITÁRIA E LOGÍSTICA EMPRESARIAL: RELAÇÕES, CONCEITOS E DESAFIOS. Christiane Wenck Nogueira Mirian Buss Gonçalves Antônio Galvão Novaes Programa de Pós-graduação em Engenharia de Produção

Leia mais

Prefeitura Municipal de Ipiranga do Norte

Prefeitura Municipal de Ipiranga do Norte Lei nº 396, de 25 de fevereiro de 2013. Dispõe sobre a criação da Coordenadoria Municipal de Defesa Civil e do Fundo Municipal de Defesa Civil e dá outras providências. PEDRO FERRONATO, Prefeito Municipal

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS LABORATÓRIO DE ANÁLISE AMBIENTAL E GEOESPACIAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS LABORATÓRIO DE ANÁLISE AMBIENTAL E GEOESPACIAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS LABORATÓRIO DE ANÁLISE AMBIENTAL E GEOESPACIAL PLANO DE CONTINGÊNCIA DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL Dezembro/2014 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 4 3. ESTRUTURA...

Leia mais

Modelo básico para Plano Diretor de Defesa Civil CASA MILITAR COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL

Modelo básico para Plano Diretor de Defesa Civil CASA MILITAR COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL Modelo básico para Plano Diretor de Defesa Civil CASA MILITAR COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE DEFESA CIVIL INTRODUÇÃO 1. O presente Termo

Leia mais

1) Socorro e Desastre Itaóca

1) Socorro e Desastre Itaóca 1) Socorro e Desastre Itaóca A Cruz Vermelha Brasileira Filial do Estado de São Paulo deslocou um grupo de voluntários para prestar ajuda aos moradores da cidade de Itaóca, localizada no interior do estado,

Leia mais

Ajuda Humanitária Internacional

Ajuda Humanitária Internacional Ajuda Humanitária Internacional A finalidade da ajuda humanitária é prestar assistência a cidadãos de países terceiros, vítimas de catástrofes naturais (terremotos, inundações, secas, tempestades), de

Leia mais

Donare: Sistema de Gerenciamento de Ações Humanitárias

Donare: Sistema de Gerenciamento de Ações Humanitárias Donare: Sistema de Gerenciamento de Ações Humanitárias Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Faculdade de Sistemas de Informação da Veris Faculdades, para a obtenção do título de Bacharel em Sistemas

Leia mais

CONSULTAS E RELATÓRIOS DO BANCO DE DADOS DE DESASTRES NATURAIS EM SANTA CATARINA

CONSULTAS E RELATÓRIOS DO BANCO DE DADOS DE DESASTRES NATURAIS EM SANTA CATARINA 1 CONSULTAS E RELATÓRIOS DO BANCO DE DADOS DE DESASTRES NATURAIS EM SANTA CATARINA Daniel Andrijic Malandrin Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina CEFET/SC. Av. Mauro Ramos, 950 centro,

Leia mais

Imagem do incêndio na comunidade de Tribo e famílias recebendo doações da Cruz Vermelha de São Paulo

Imagem do incêndio na comunidade de Tribo e famílias recebendo doações da Cruz Vermelha de São Paulo 1) Socorro e Desastre Incêndio na Brasilândia No dia 26 de setembro, a comunidade conhecida como Tribo, localizada na Brasilândia, Zona Norte de São Paulo, sofreu com um incêndio ocasionado por uma explosão

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Política de Sustentabilidade Síntese O Compromisso ALIANSCE para a Sustentabilidade demonstra o nosso pacto com a ética nos negócios, o desenvolvimento das comunidades do entorno de nossos empreendimentos,

Leia mais

COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL

COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL Roteiro para montagem de um Plano Preventivo de Defesa Civil Apresentamos o presente roteiro com conteúdo mínimo de um Plano Preventivo de Defesa Civil ou Plano de

Leia mais

1)Campanha Pré-Calamidade

1)Campanha Pré-Calamidade 1)Campanha Pré-Calamidade A Cruz Vermelha de São Paulo, no cumprimento de sua missão de ajuda humanitária e de auxiliar as comunidades carentes, que sofrem com as enchentes e desabamentos provocados pelas

Leia mais

1) Campanha do Agasalho

1) Campanha do Agasalho 1) Campanha do Agasalho A Cruz Vermelha Brasileira Filial do Estado de São Paulo realiza a Campanha do Agasalho para ajudar comunidades carentes a enfrentar o inverno. Neste ano, além da arrecadação e

Leia mais

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil O Voluntariado e a Protecção Civil 1. O que é a Protecção Civil A 03 de Julho de 2006, a Assembleia da Republica publica a Lei de Bases da Protecção Civil, que no seu artigo 1º dá uma definição de Protecção

Leia mais

Governo do Estado de Santa Catarina Grupo Reação SANTA CATARINA. O maior desastre de sua história

Governo do Estado de Santa Catarina Grupo Reação SANTA CATARINA. O maior desastre de sua história SANTA CATARINA O maior desastre de sua história As adversidades climáticas têm afetado significativamente o Estado de Santa Catarina ao longo de sua história. Essas adversidades, que podem ocasionar desastres

Leia mais

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 24 DE AGOSTO DE 2012

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 24 DE AGOSTO DE 2012 MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 24 DE AGOSTO DE 2012 Estabelece procedimentos e critérios para a decretação de situação de emergência ou estado de calamidade pública pelos

Leia mais

GESTÃO PÚBLICA E CONTROLE SOCIAL: Um diagnóstico sobre a administração municipal e a sociedade piauiense.

GESTÃO PÚBLICA E CONTROLE SOCIAL: Um diagnóstico sobre a administração municipal e a sociedade piauiense. GESTÃO PÚBLICA E CONTROLE SOCIAL: Um diagnóstico sobre a administração municipal e a sociedade piauiense. Jefferson Ricardo do Amaral Melo 1 RESUMO A participação popular e a ação coletiva na gestão e

Leia mais

1)Campanha Pré-Calamidade

1)Campanha Pré-Calamidade 1)Campanha Pré-Calamidade A Cruz Vermelha de São Paulo, no cumprimento de sua missão de ajuda humanitária e de auxiliar as comunidades carentes, que sofrem com as enchentes e desabamentos provocados pelas

Leia mais

CONCEITOS E APLICAÇÕES DA LOGÍSTICA HUMANITÁRIA NA CIDADE DE SOROCABA PELA DEFESA CIVIL RESUMO

CONCEITOS E APLICAÇÕES DA LOGÍSTICA HUMANITÁRIA NA CIDADE DE SOROCABA PELA DEFESA CIVIL RESUMO CONCEITOS E APLICAÇÕES DA LOGÍSTICA HUMANITÁRIA NA CIDADE DE SOROCABA PELA DEFESA CIVIL Viviane Cristina Alves de Moura; vicamoura@hotmail.com; FATEC Sorocaba. RESUMO Este trabalho tem como objetivo estudar

Leia mais

Região Serrana do Rio de Janeiro CARE Brasil Novembro/ 2011 a Janeiro/2012

Região Serrana do Rio de Janeiro CARE Brasil Novembro/ 2011 a Janeiro/2012 Região Serrana do Rio de Janeiro CARE Brasil Novembro/ 2011 a Janeiro/2012 MOBILIZAÇÃO, RESULTADOS E PERSPECTIVAS FUTURAS Há um ano a CARE Brasil vem atuado na Região Serrana do Estado do Rio de Janeiro,

Leia mais

Faço saber, que a Câmara Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná aprovou e eu, ALBARI GUIMORVAM FONSECA DOS SANTOS, sanciono a seguinte lei:

Faço saber, que a Câmara Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná aprovou e eu, ALBARI GUIMORVAM FONSECA DOS SANTOS, sanciono a seguinte lei: LEI Nº 1.627/2011 Propõe critério orientadores para a regulamentação da provisão de benefícios eventuais no âmbito da política pública de Assistência Social. Faço saber, que a Câmara Municipal de Mangueirinha,

Leia mais

Órgão/Sigla: SISTEMA MUNICIPAL DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL - SMPDC. Administração: SECRETARIA MUNICIPAL DA INFRAESTRUTURA E DEFESA CIVIL - SINDEC

Órgão/Sigla: SISTEMA MUNICIPAL DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL - SMPDC. Administração: SECRETARIA MUNICIPAL DA INFRAESTRUTURA E DEFESA CIVIL - SINDEC SISTEMA MUNICIPAL DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL Órgão/Sigla: SISTEMA MUNICIPAL DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL - SMPDC Natureza Jurídica: SISTEMA Administração: SECRETARIA MUNICIPAL DA INFRAESTRUTURA E DEFESA

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

Profa. Ligia Vianna. Unidade II PRINCÍPIOS BÁSICOS DA

Profa. Ligia Vianna. Unidade II PRINCÍPIOS BÁSICOS DA Profa. Ligia Vianna Unidade II PRINCÍPIOS BÁSICOS DA ADMINISTRAÇÃO Num passado não muito distante, a ordem sociopolítica compreendia apenas dois setores, ou seja, um público e outro privado. Esses setores

Leia mais

SECRETARIA NACIONAL DE DEFESA CIVIL SEDEC

SECRETARIA NACIONAL DE DEFESA CIVIL SEDEC SECRETARIA NACIONAL DE DEFESA CIVIL SEDEC Dezembro/ 2007 + 1º trimestre 2008 ENCHENTES (Inund. Graduais) ENXURRADAS (Inund. Bruscas) ALAGAMENTOS e DESLIZAMENTOS Dez/2007 A atuação em Defesa Civil está

Leia mais

1) Campanha do Agasalho

1) Campanha do Agasalho Junho 2014 1) Campanha do Agasalho Todo ano a Cruz Vermelha de São Paulo realiza a Campanha do Agasalho para ajudar comunidades carentes a enfrentar o frio do inverno em nossa região. Em 2014, os locais

Leia mais

1) Projeto Mais Saúde - Mutirões de Saúde

1) Projeto Mais Saúde - Mutirões de Saúde 1) Projeto Mais Saúde - Mutirões de Saúde A Cruz Vermelha Brasileira Filial do Estado de São Paulo, cumprindo sua missão de prevenir e atenuar o sofrimento humano, promove ações voltadas à população vulnerável

Leia mais

CURSO DE LIDERES CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ESTUDOS E PESQUISAS SOBRE DESASTRES - CEPED. Universidade Federal de Santa Catarina UFSC

CURSO DE LIDERES CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ESTUDOS E PESQUISAS SOBRE DESASTRES - CEPED. Universidade Federal de Santa Catarina UFSC CURSO DE LIDERES CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ESTUDOS E PESQUISAS SOBRE DESASTRES - CEPED Universidade Federal de Santa Catarina UFSC As características do CEPED Visão multidisciplinar; Interação com os problemas

Leia mais

Senado Federal Consultoria de Orçamentos, Fiscalização e Controle

Senado Federal Consultoria de Orçamentos, Fiscalização e Controle Nota Técnica de Adequação Financeira e Orçamentária da Medida Provisória n 448, de 2008 Brasília, 01 de dezembro de 2008. Assunto: Subsídios para exame da adequação financeira e orçamentária da Medida

Leia mais

Relatório CVBSP. de Atividades. Março/2015

Relatório CVBSP. de Atividades. Março/2015 Março/2015 CVBSP Relatório de Atividades Índice. Resultados Gerais 03. Socorro e Desastre 04. Primeiros Socorros 05. Promoção à Saúde 06. Programas Comunitários 07. Comunicação 09. Juventude 09. Filiais

Leia mais

DECRETO Nº 277 DE 23 DE MARÇO DE 2015

DECRETO Nº 277 DE 23 DE MARÇO DE 2015 DECRETO Nº 277 DE 23 DE MARÇO DE 2015 Estabelece medidas administrativas temporárias para contenção e otimização de despesas, no âmbito do Poder Executivo, cria o Conselho Gestor para Eficiência Administrativa

Leia mais

LEI Nº 310/2009, DE 15 DE JUNHO DE 2009.

LEI Nº 310/2009, DE 15 DE JUNHO DE 2009. LEI Nº 310/2009, DE 15 DE JUNHO DE 2009. DISPÕE SOBRE A REESTRUTURAÇÃO DO DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE SAÚDE, CRIAÇÃO DO DEPARTAMENTO DE ASSISTÊNCIA E DESENVOLVIMENTO SOCIAL, DA DIVISÃO DE MEIO-AMBIENTE E

Leia mais

Abner Luiz Soares Machado

Abner Luiz Soares Machado PICPE 2014 Projeto de Pesquisa Científica TÍTULO DO PROJETO: Logística Humanitária para Atendimento a Desastres Naturais: Estudo de Caso COORDENADOR DO PROJETO: Júlio César da Silva ALUNO DE INICIAÇÃO:

Leia mais

DECRETO N.º 9250 DE 12 DE SETEMBRO DE 1988

DECRETO N.º 9250 DE 12 DE SETEMBRO DE 1988 DECRETO N.º 9250 DE 12 DE SETEMBRO DE 1988 Dispõe sobre o Sistema Municipal de Defesa Civil, cria a Coordenação de Defesa Civil, lota cargo em comissão e função gratificada e dá outras providências. O

Leia mais

LEI Nº 4.653, DE 3 DE SETEMBRO DE 2015

LEI Nº 4.653, DE 3 DE SETEMBRO DE 2015 LEI Nº 4.653, DE 3 DE SETEMBRO DE 2015 Regulamenta a provisão de Benefícios Eventuais no âmbito da Política Pública de Assistência Social, no Município de Pato Branco, Estado do Paraná. A Câmara Municipal

Leia mais

CONFEA 21 a 25 de fevereiro de 2011

CONFEA 21 a 25 de fevereiro de 2011 CONFEA 21 a 25 de fevereiro de 2011 Prevenção de Catástrofes...da previsão ao controle Margareth Alheiros UFPE 22/02/2011 O que a sociedade sabe sobre Desastres? O que circula na imprensa: imagens com

Leia mais

OS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO MOVIMENTO INTERNACIONAL DA CRUZ VERMELHA E DO CRESCENTE VERMELHO

OS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO MOVIMENTO INTERNACIONAL DA CRUZ VERMELHA E DO CRESCENTE VERMELHO OS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO MOVIMENTO INTERNACIONAL DA CRUZ VERMELHA E DO CRESCENTE VERMELHO FOLHETO CICV O Movimento Internacional da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho O Movimento Internacional

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS Comissão Mista de Planos, Orçamentos Públicos e Fiscalização

CÂMARA DOS DEPUTADOS Comissão Mista de Planos, Orçamentos Públicos e Fiscalização PARECER Nº DE 2010 - CN Parecer sobre a Medida Provisória nº 480, de 26 de janeiro de 2010 (Publicada no D.O.U em 27/01/2010), que Abre crédito extraordinário, em favor da Presidência da República, dos

Leia mais

23/08/2013. Tecnologia da Informação. Transportes SEMINÁRIO: MOVIMENTAÇÃO E TI

23/08/2013. Tecnologia da Informação. Transportes SEMINÁRIO: MOVIMENTAÇÃO E TI UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM GESTÃO INTEGRADA DA LOGISTICA SEMINÁRIO: MOVIMENTAÇÃO E TI ANNA KAROLINE DINIZ CAMILA MOURA FAVARO FERNANDO DOS ANJOS REINALDO FRANCISCO TIAGO SOUZA

Leia mais

DIVISÃO DE CAPTAÇÃO DE RECURSOS ASSISTENCIAIS ATRAVÉS DA FERRAMENTA DE TELEMARKETING SOCIAL.

DIVISÃO DE CAPTAÇÃO DE RECURSOS ASSISTENCIAIS ATRAVÉS DA FERRAMENTA DE TELEMARKETING SOCIAL. DIVISÃO DE CAPTAÇÃO DE RECURSOS ASSISTENCIAIS ATRAVÉS DA FERRAMENTA DE TELEMARKETING SOCIAL. Eduardo Rafael Pavin¹ Cláudio Garcia¹ Luis Felipe Winkler¹ Valdir B. Cavalheiro¹ Wagner Rocha¹ Orientador: Almiro

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2013

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2013 RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2013 Instituto Lojas Renner Instituto Lojas Renner Promover a inserção de mulheres no mercado de trabalho por meio de projetos de geração de renda é o objetivo do Instituto Lojas

Leia mais

EMPRESARIAL MANUAL DE ASSISTÊNCIA

EMPRESARIAL MANUAL DE ASSISTÊNCIA Prezado Segurado, Obrigado por contratar o seguro Empresarial. Ficamos honrados pela sua escolha. Nossa principal motivação é garantir a segurança e tranquilidade aos seus negócios, por isso disponibilizamos

Leia mais

Workshop participativo com desabrigados pela chuva em Eldorado (SP)

Workshop participativo com desabrigados pela chuva em Eldorado (SP) NOAH- Grupo Habitat Sem Fronteiras IV Seminário de pesquisas sobre projetos para situações de enchentes Workshop participativo com desabrigados pela chuva em Eldorado (SP) Cintia Sayuri Sawada, graduanda

Leia mais

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP OUTUBRO, 2002 ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP - APU INTRODUÇÃO A Associação

Leia mais

CONDOMÍNIO MANUAL DO SEGURADO ASSISTÊNCIA 24 HORAS

CONDOMÍNIO MANUAL DO SEGURADO ASSISTÊNCIA 24 HORAS Prezado Segurado, Para prestar socorro em situações emergenciais, a Yasuda Marítima Seguros está colocando à sua disposição diversos tipos de serviços, por meio da Assistência 24 Horas. Isto confere a

Leia mais

Operações Humanitárias

Operações Humanitárias Logística de Operações Humanitárias Hugo Yoshizaki Agenda Introdução Legislação Pertinente Sistema Nacional de Defesa Civil - SINDEC Próximos Passos 1 20/09/2011 2 Introdução O que é Logística? A logística

Leia mais

Missão CENACID avalia deslizamentos e inundações em SP e RJ Relatório-Resumo (30-01-10)

Missão CENACID avalia deslizamentos e inundações em SP e RJ Relatório-Resumo (30-01-10) Missão CENACID avalia deslizamentos e inundações em SP e RJ Relatório-Resumo (30-01-10) A natureza avisou que desastres poderiam ocorrer (Renato Lima Coordenador do CENACID) Com uma equipe de 10 integrantes

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DA RIBEIRA GRANDE

CÂMARA MUNICIPAL DA RIBEIRA GRANDE CÂMARA MUNICIPAL DA RIBEIRA GRANDE Proposta de Regulamento do Serviço Municipal de Protecção Civil do Concelho da Ribeira Grande Preâmbulo Atendendo que: A Protecção Civil é, nos termos da Lei de Bases

Leia mais

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza Legislação Territorial Agenda 21 Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza O que é Agenda 21? Agenda 21 é um conjunto de resoluções tomadas Eco-92, que

Leia mais

PREPARAÇÃO DO SETOR DE SUPORTE TÉCNICO PARA CERTIFICAÇÃO ISO 9001: O CASO DE UMA EMPRESA DE OUTSOURCING DE IMPRESSÃO

PREPARAÇÃO DO SETOR DE SUPORTE TÉCNICO PARA CERTIFICAÇÃO ISO 9001: O CASO DE UMA EMPRESA DE OUTSOURCING DE IMPRESSÃO PREPARAÇÃO DO SETOR DE SUPORTE TÉCNICO PARA CERTIFICAÇÃO ISO 9001: O CASO DE UMA EMPRESA DE OUTSOURCING DE IMPRESSÃO Alisson Oliveira da Silva (FAHOR) as000699@fahor.com.br Matheus Weizenman (FAHOR) mw000944@fahor.com.br

Leia mais

INTERFACE VIA WEB PARA BANCO DE DADOS DA DEFESA CIVIL

INTERFACE VIA WEB PARA BANCO DE DADOS DA DEFESA CIVIL INTERFACE VIA WEB PARA BANCO DE DADOS DA DEFESA CIVIL Camila de Oliveira Raupp Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina CEFET/SC. Av. Mauro Ramos, 950 centro, Florianópolis -SC CEP 88020-300

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE INDAIATUBA

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE INDAIATUBA Aut. N Ei P.L. N LI u /; LEI N2 5.924 DE 20 DE SETEMBRO DE 2011. Publ.: "Dispõe sobre a criação da Política Municipal para a População em Situação de Rua e autoriza o Poder Executivo a criar o Programa

Leia mais

SUMÁRIO. 1ª edição / Setembro 2011

SUMÁRIO. 1ª edição / Setembro 2011 APRESENTAÇÃO O conceito de Responsabilidade Social Empresarial está relacionado com a ética e a transparência na gestão dos negócios e obrigatoriamente deve estar refletivo nas decisões cotidianas de todas

Leia mais

VII EXPOSIÇÃO DE EXPERIÊNCIAS MUNICIPAIS EM SANEAMENTO

VII EXPOSIÇÃO DE EXPERIÊNCIAS MUNICIPAIS EM SANEAMENTO ASSEMAE VII EXPOSIÇÃO DE EXPERIÊNCIAS MUNICIPAIS EM SANEAMENTO Título do Trabalho DEFESA CIVIL QUALIDADE DE VIDA Nome do Autor Cel. Res. PM Marco Antonio Archangelo CURRÍCULO DO AUTOR Cargo Atual Diretor

Leia mais

Giovana - O senhor pode estimar um prazo para construir as casas, já que os terrenos estão previamente definidos pela prefeitura?

Giovana - O senhor pode estimar um prazo para construir as casas, já que os terrenos estão previamente definidos pela prefeitura? Confira parte da entrevista feita por jornalistas do Grupo RBS com o prefeito de Blumenau, João Paulo Kleinubing. Participaram do encontro o editor e colunista do Jornal de Santa Catarina, Fabrício Cardoso,

Leia mais

Logística e Cadeia de Suprimentos

Logística e Cadeia de Suprimentos Logística e Cadeia de Suprimentos 1. Introdução A partir deste momento, iniciaremos uma jornada sobre o papel primordial da Logística na organização. A Gestão da Produção cuida da transformação dos materiais

Leia mais

O Papel dos Municípios na Política de Segurança

O Papel dos Municípios na Política de Segurança 1 O Papel dos Municípios na Política de Segurança Jacqueline Muniz Centro de Estudos de Segurança e Cidadania - UCAM Jajamuniz@candidomendes.br Junho de 2000 Belo Horizonte Tradicionalmente, os problemas

Leia mais

Os Custos de Armazenagem na Logística Moderna

Os Custos de Armazenagem na Logística Moderna Os Custos de Armazenagem na Logística Moderna Maurício Pimenta Lima Introdução Uma das principais características da logística moderna é sua crescente complexidade operacional. Aumento da variedade de

Leia mais

ANÁLISE SÓCIO-ESPACIAL DO BAIRRO MIRANTE DO BUQUIRINHA, SÃO JOSÉ DOS CAMPOS, SP. Mariane Barbosa de Paula¹, Sandra Maria Fonseca da Costa¹

ANÁLISE SÓCIO-ESPACIAL DO BAIRRO MIRANTE DO BUQUIRINHA, SÃO JOSÉ DOS CAMPOS, SP. Mariane Barbosa de Paula¹, Sandra Maria Fonseca da Costa¹ ANÁLISE SÓCIO-ESPACIAL DO BAIRRO MIRANTE DO BUQUIRINHA, SÃO JOSÉ DOS CAMPOS, SP Mariane Barbosa de Paula¹, Sandra Maria Fonseca da Costa¹ ¹Universidade do Vale do Paraíba Faculdade de Educação e Artes,

Leia mais

A Aon Global Risk Consulting (AGRC), líder mundial em consultoria de gestão de riscos, está presente em mais de 120 países. São mais de 2.

A Aon Global Risk Consulting (AGRC), líder mundial em consultoria de gestão de riscos, está presente em mais de 120 países. São mais de 2. A Aon Global Risk Consulting (AGRC), líder mundial em consultoria de gestão de riscos, está presente em mais de 120 países. São mais de 2.000 consultores que se dedicam de forma integral à gestão de riscos

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS PREFEITURA MUNICIPAL DE TUCURUÍ PARÁ SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE TUCURUÍ SEMMA / TUCURUÍ PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS APRESENTAÇAO O presente documento consolida o diagnóstico

Leia mais

NECESSIDADE DE UM PLANO DE CONTINGÊNCIA DE TIC

NECESSIDADE DE UM PLANO DE CONTINGÊNCIA DE TIC CI-206 Adm. de TI & IT Prof. Antonio URBAN Referência: Plano de Contingência para Recursos de Tecnologia de Informação e Comunicação Palavras-chave: Tecnologia de Informação, Tecnologia de Comunicação,

Leia mais

O desenvolvimento do Terceiro Setor e a profissionalização

O desenvolvimento do Terceiro Setor e a profissionalização O desenvolvimento do Terceiro Setor e a profissionalização Cristiane dos Santos Schleiniger * Lise Mari Nitsche Ortiz * O Terceiro Setor é o setor da sociedade que emprega aproximadamente 1 milhão de pessoas.

Leia mais

ANÁLISE PARA APLICAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NA LOGÍSTICA COMO ESTRATÉGIA COMPETITIVA DE UMA EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO

ANÁLISE PARA APLICAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NA LOGÍSTICA COMO ESTRATÉGIA COMPETITIVA DE UMA EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO ANÁLISE PARA APLICAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NA LOGÍSTICA COMO ESTRATÉGIA COMPETITIVA DE UMA EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO Wallace Passos Malheiros wallace.malheiros@gmail.com André Lima Duarte sesplife@yahoo.com.br

Leia mais

Roteiro para elaboração de projetos 1

Roteiro para elaboração de projetos 1 1 Roteiro para elaboração de projetos 1 O objetivo aqui é que vocês exercitem a criatividade, a atitude empreendedora, a inteligência emocional (liderar e ser liderado) e a responsabilidade (individual

Leia mais

1. Título do Empreendimento Apoio aos Municípios da UGRHI-11 para Planos Preventivos de Defesa Civil Fase II

1. Título do Empreendimento Apoio aos Municípios da UGRHI-11 para Planos Preventivos de Defesa Civil Fase II 1. Título do Empreendimento Apoio aos Municípios da UGRHI-11 para Planos Preventivos de Defesa Civil Fase II 2. Localização geográfica Toda a área da UGRHI-11 - Bacia Hidrográfica do Ribeira de Iguape

Leia mais

Desastres Naturais no Brasil: vulnerabilidades sociais e econômicas e adaptação às mudanças climáticas

Desastres Naturais no Brasil: vulnerabilidades sociais e econômicas e adaptação às mudanças climáticas Desastres Naturais no Brasil: vulnerabilidades sociais e econômicas e adaptação às mudanças climáticas Geólogo Agostinho Tadashi Ogura Instituto de Pesquisas Tecnológicas - IPT DESASTRE NATURAL (DN) =

Leia mais

Serviço Geológico do Brasil CPRM

Serviço Geológico do Brasil CPRM Serviço Geológico do Brasil CPRM Avaliação dos desastres naturais em Minas Gerais Dezembro 2013 Janeiro 2014 Objetivo O presente relatório tem por finalidade avaliar os desastres naturais ocorridos no

Leia mais

Diadema (São Paulo), Brazil

Diadema (São Paulo), Brazil Diadema (São Paulo), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Lauro Michels Sobrinho Nome do ponto focal:

Leia mais

INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS

INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS Elane de Oliveira, UFRN 1 Max Leandro de Araújo Brito, UFRN 2 Marcela Figueira de Saboya Dantas, UFRN 3 Anatália Saraiva Martins Ramos,

Leia mais

COMPREENSÕES E AÇÕES FRENTE AOS PADRÕES ESPACIAS E TEMPORAIS DE RISCOS E DESASTRES

COMPREENSÕES E AÇÕES FRENTE AOS PADRÕES ESPACIAS E TEMPORAIS DE RISCOS E DESASTRES COMPREENSÕES E AÇÕES FRENTE AOS PADRÕES ESPACIAS E TEMPORAIS DE RISCOS E DESASTRES Lucí Hidalgo Nunes luci@ige.unicamp.br Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) Instituto de Geociências Departamento

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. do sistema petrobras

CÓDIGO DE ÉTICA. do sistema petrobras CÓDIGO DE ÉTICA do sistema petrobras esse é nosso jeito de ser Palavra do Presidente Princípios Éticos do Sistema Petrobras Compromissos de Conduta do Sistema Petrobras 1. 2... No exercício da Governança

Leia mais

Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI)

Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) Presidência da República Controladoria-Geral da União Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL (PETI) O PETI é um programa do Governo Federal que

Leia mais

Técnicos municipais envolvidos com o tema

Técnicos municipais envolvidos com o tema Curso de Capacitação de Técnicos Municipais para Prevenção e Gerenciamento de Riscos de Desastres Naturais SERVIÇO GEOLÓGICO DO BRASIL CPRM PÚBLICO-ALVO Técnicos municipais envolvidos com o tema 1 OBJETIVO

Leia mais

Parecer sobre a Administração da Santa Casa

Parecer sobre a Administração da Santa Casa Relatório da Comissão Especial de Saúde e PSF Relatório Final. Frente ao reclame da população do Município de Ubatuba, e diante do caos que se instalou na saúde, a Comissão de Estudos apresenta o Relatório

Leia mais

SUMÁRIO INTRODUÇÃO 1. DEFESA CIVIL: CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES 1.1. Origem histórica 1.2. Evolução histórica 1.3. Termos utilizados em Defesa Civil

SUMÁRIO INTRODUÇÃO 1. DEFESA CIVIL: CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES 1.1. Origem histórica 1.2. Evolução histórica 1.3. Termos utilizados em Defesa Civil SUMÁRIO INTRODUÇÃO 1. DEFESA CIVIL: CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES 1.1. Origem histórica 1.2. Evolução histórica 1.3. Termos utilizados em Defesa Civil 1.4. Dados concretos sobre a importância do trabalho

Leia mais

NOÇÕES GERAIS DE GERENCIAMENTO DE ÁREAS DE RISCO

NOÇÕES GERAIS DE GERENCIAMENTO DE ÁREAS DE RISCO NOÇÕES GERAIS DE GERENCIAMENTO DE ÁREAS DE RISCO PERGUNTAS BÁSICAS 1. O QUE E COMO OCORRE: Processos 2. ONDE OCORREM OS PROBLEMAS: Mapeamento 3. QUANDO OCORREM OS PROBLEMAS: Correlação, monitoramento 4.

Leia mais

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS Prof. Paulo Cesar C. Rodrigues E mail: prdr30@terra.com.br INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS O que é administração financeira? Qual sua importância para as corporações? Como são tomadas as decisões financeiras?

Leia mais

Diadema (São Paulo), Brazil

Diadema (São Paulo), Brazil Diadema (São Paulo), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: Lauro Michels Sobrinho Nome do ponto focal: José Peres dos Santos Organização:

Leia mais

UM PANORAMA DOS PROGRAMAS HABITACIONAIS NO MUNICÍPIO DE JUIZ DE FORA

UM PANORAMA DOS PROGRAMAS HABITACIONAIS NO MUNICÍPIO DE JUIZ DE FORA UM PANORAMA DOS PROGRAMAS HABITACIONAIS NO MUNICÍPIO DE JUIZ DE FORA Autora: Cláudia V. Cesar 1 Universidade Federal de Juiz de Fora Resumo: Este artigo apresenta um breve panorama dos programas habitacionais

Leia mais

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO URBANO. PROJETO DE LEI Nº 4.992, de 2005

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO URBANO. PROJETO DE LEI Nº 4.992, de 2005 COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO URBANO PROJETO DE LEI Nº 4.992, de 2005 Dispõe sobre o financiamento e desenvolvimento de programas habitacionais sociais, destinados à população de baixa renda e dá outras

Leia mais

Mudanças Socioambientais Globais, Clima e Desastres Naturais

Mudanças Socioambientais Globais, Clima e Desastres Naturais Mudanças Socioambientais Globais, Clima e Desastres Naturais (ENSP/FIOCRUZ) Centro de Estudos e Pesquisas em Emergências e Desastres (CEPEDES) Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ) AS MUDANÇAS SOCIOAMBIENTAIS

Leia mais

LEI N 1.146 DE 12 DE NOVEMBRO DE 2012. A Câmara Municipal de Conceição da Barra de Minas aprova e eu, prefeito Municipal sanciono a seguinte lei:

LEI N 1.146 DE 12 DE NOVEMBRO DE 2012. A Câmara Municipal de Conceição da Barra de Minas aprova e eu, prefeito Municipal sanciono a seguinte lei: LEI N 1.146 DE 12 DE NOVEMBRO DE 2012 Define e caracteriza os Benefícios Eventuais no âmbito do Município. A Câmara Municipal de Conceição da Barra de Minas aprova e eu, prefeito Municipal sanciono a seguinte

Leia mais

Gerenciamento de Risco

Gerenciamento de Risco CAPÍTULO 17 Gerenciamento de Risco Organização da Defesa Civil 17. 1 Procedimentos para a gestão do risco 17. 2 Ações permanentes de Defesa Civil em áreas de morros 17. 3 Plano Preventivo de Defesa Civil

Leia mais

RESIDENCIAL MANUAL DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR

RESIDENCIAL MANUAL DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR Prezado Segurado, Obrigado por contratar o seguro Residencial. Ficamos honrados pela sua escolha. Como você é nossa principal motivação e a sua segurança e tranquilidade é o nosso maior objetivo, disponibilizamos

Leia mais

DANOS OCASIONADOS POR DESASTRES NATURAIS NO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA/PR ENTRE 1991 E 2014

DANOS OCASIONADOS POR DESASTRES NATURAIS NO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA/PR ENTRE 1991 E 2014 DANOS OCASIONADOS POR DESASTRES NATURAIS NO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA/PR ENTRE 1991 E 2014 Deivana Eloisa Ferreira de ALMEIDA Universidade Estadual do Centro-Oeste UNICENTRO, Guarapuava-PR Leandro Redin

Leia mais

CONTROLE ESTRATÉGICO

CONTROLE ESTRATÉGICO CONTROLE ESTRATÉGICO RESUMO Em organizações controlar significa monitorar, avaliar e melhorar as diversas atividades que ocorrem dentro de uma organização. Controle é fazer com que algo aconteça como foi

Leia mais

Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil. Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres

Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil. Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres Iniciativas Globais Aliança do Setor Privado para a Redução do

Leia mais

A LOGÍSTICA HUMANITÁRIA: APONTAMENTOS E A PERSPECTIVA DA CADEIA DE ASSISTENCIA HUMANITÁRIA

A LOGÍSTICA HUMANITÁRIA: APONTAMENTOS E A PERSPECTIVA DA CADEIA DE ASSISTENCIA HUMANITÁRIA XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. A LOGÍSTICA HUMANITÁRIA: APONTAMENTOS E A PERSPECTIVA DA CADEIA DE ASSISTENCIA HUMANITÁRIA Christiane Wenck Nogueira (UFSC) christianewenck@ig.com.br Mirian

Leia mais

Araraquara (São Paulo), Brazil

Araraquara (São Paulo), Brazil Araraquara (São Paulo), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Marcelo Fortes Barbieri Nome do ponto focal:

Leia mais

Programa de Voluntariado da Defesa Civil de Salvador

Programa de Voluntariado da Defesa Civil de Salvador Programa de Voluntariado da Defesa Civil de Salvador PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR SECRETARIA DA INFRAESTRUTURA, HABITAÇÃO E DEFESA CIVIL - SINDEC DEFESA CIVIL Rua Mário Leal Ferreira, 80 - Bonocô -

Leia mais

Somando forças até o fim da pobreza. CARE Brasil Relatório Anual

Somando forças até o fim da pobreza. CARE Brasil Relatório Anual Somando forças até o fim da pobreza CARE Brasil Relatório Anual 2012 CARE Internacional Em 2012, a CARE apoiou 997 projetos de combate à pobreza em 84 países, beneficiando estimadamente 84 milhões de pessoas.

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 02/13 DE 25/03/13

LEI COMPLEMENTAR Nº 02/13 DE 25/03/13 LEI COMPLEMENTAR Nº 02/13 DE 25/03/13 CRIA ORGÃOS E AMPLIA CARGOS DE PROVIMENTO EM COMISSÃO NA ESTRUTURA ADMINISTRATIVA DO PODER EXECUTIVO MUNICIPAL DE CAMPOS NOVOS, ACRESCENTA DISPOSITIVOS NA LEI COMPLEMENTAR

Leia mais

AS ENTIDADES NÃO GOVERNAMENTAIS E O ATENDIMENTO À CRIANÇA E AO ADOLESCENTE: A EXPERIÊNCIA DO GAFAM/AE

AS ENTIDADES NÃO GOVERNAMENTAIS E O ATENDIMENTO À CRIANÇA E AO ADOLESCENTE: A EXPERIÊNCIA DO GAFAM/AE AS ENTIDADES NÃO GOVERNAMENTAIS E O ATENDIMENTO À CRIANÇA E AO ADOLESCENTE: A EXPERIÊNCIA DO GAFAM/AE Amália Madureira Paschoal Anna Débora Fritzen Marcante Jaqueline Nadir da Silva Patrícia Ortigosa Chaves

Leia mais

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DAS AÇÕES DO PVCC

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DAS AÇÕES DO PVCC ESTADO: GOIÁS COORDENADOR: HENRIQUE RICARDO BATISTA PERÍODO DO RELATÓRIO: Ano de 20 RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DAS AÇÕES DO PVCC ATIVIDADE DATA N o DE HORAS LOCAL (Município) OBJETIVO N o PART RESULTADO/

Leia mais

Programa de Capacitação e Treinamento em Defesa Civil e Políticas de Segurança

Programa de Capacitação e Treinamento em Defesa Civil e Políticas de Segurança PREFEITURA DUQUE DE CAXIAS Programa de Capacitação e Treinamento em Defesa Civil e Políticas de Segurança Uma Estratégia de Ação para Capacitar e Treinar Servidores, Líderes Comunitários e Voluntários

Leia mais

VOLUNTÁRIO TIME ESPERANÇA HUMANO CARIDADE UNIÃO AJUDA AMIZADE TIME CUIDADO FELICIDADE UNIÃO MANUAL DO SERVIÇO PESSOAS PESSOAS AJUDA DOAÇÃO DOAÇÃO

VOLUNTÁRIO TIME ESPERANÇA HUMANO CARIDADE UNIÃO AJUDA AMIZADE TIME CUIDADO FELICIDADE UNIÃO MANUAL DO SERVIÇO PESSOAS PESSOAS AJUDA DOAÇÃO DOAÇÃO MANUAL DO VOLUNTÁRIO CARIDADE T I M E C O M U N I D A D E UNIÃO GRUPO AMIZADE PESSOAS G R U P O AJUDA T I M E TRABALHO FELICIDADEPESSOAS GRUPO SERVIÇO UNIÃO ESPERANÇA A J U D ASERVIÇO COMUNIDADE G R U

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao. Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XIX Gestão da Prevenção um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

Fundos para Área Contaminada no Brasil: Visão Empresarial

Fundos para Área Contaminada no Brasil: Visão Empresarial Fundos para Área Contaminada no Brasil: Visão Empresarial Marcelo Kós Silveira Campos Diretor Técnico de Assuntos Industriais e Regulatórios Abiquim I CIMAS/ABAS São Paulo,18/09/2009 A Abiquim Fundada

Leia mais

Barra Velha (Santa Catarina), Brazil

Barra Velha (Santa Catarina), Brazil Barra Velha (Santa Catarina), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Claudemir Matias Francisco Nome do

Leia mais