DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA INFORMÁTICA Introdução às Redes de Comunicação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA INFORMÁTICA Introdução às Redes de Comunicação"

Transcrição

1 i Universidade de Coimbra Faculdade de Ciências e Tecnologia DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA INFORMÁTICA Introdução às Redes de Comunicação Network Simulator 3 (ns-3) Ano Lectivo de 2009/ Introdução O Network Simulator 3 (ns-3) é um simulador de rede que pretende ser uma nova alternativa ao popular Network Simulator 2 (ns-2). O ns-3 é um software gratuito, distribuído sob a licença GNU GPLv2 e que é disponibilizado gratuitamente para investigação, desenvolvimento e utilização. O desenvolvimento do ns-3 começou em Julho de 2006 e está programado que dure cerca de quatro anos. O projecto ns-3 é financiado por várias instituições como a Universidade de Washington, o Georgia Institute of Technology e o ICSI Center for Internet Research, tendo ainda o suporte do Planète research group do INRIA Sophia-Antipolis. O ns-3 é escrito em C++ e Python e esta disponível para vários sistema operativos como Linux, OS X e Windows (através utilização do Cygwin). 2. Objectivos Nesta ficha pretende-se explicar o funcionamento geral do simulador ns-3 e o desenvolvimentos de alguns scripts C / Python que simulem topologias simples. Ao mesmo tempo serão mostrados alguns métodos para avaliação dos resultados obtidos, através da utilização do NAM The Network Animator para a visualização gráfica da simulação e também do Wireshark para uma análise mais detalhada dos pacotes. 3. Instalação e documentação As duas principais dependências exigidas para a instalação de ns-3 são: uma instalação actualizada de Python (2.4 ou acima) e um compilador GNU C. Assim como a alternativa de simulação anterior (ns- 2), ns-3 é distribuído de duas formas: em uma versão compacta (all-in-one) e também uma versão do código fonte disponível em repositórios remotos (neste caso Mercurial). Caso a escolha tenha sido pela distribuição compacta, é importante observar os requisitos de software necessários para a devida instalação de ns-3. Essa lista de pré-requisitos pode ser encontrada em: e dependem da distribuição linux em que será feita a instalação. IRC 2009/2010 1

2 Caso a escolha tenha sido a distribuição compacta, a instalação dá-se pela execução das seguintes instruções: tar xvf ns-allinone-3.6.tar.bz2 cd ns-allinone-3.6./build.py Posteriormente, torna-se necessário configurar o ambiente ns. Embora a maioria das aplicações linux se baseiem no uso de make para este propósito, o ns-3 baseia-se na aplicação waf que é um sistema de build específico para python. Desta forma, o próximo passo será:./waf configure Um último passo para avaliar se a instalação ocorreu correctamente é o teste da instalação. Este teste pode ser feito pela execução da seguinte instrução:./test.py Uma peculiaridade para esta versão do simulador ns-3 são os distintos formatos permitidos para o trace de pacotes e tráfego das simulações. Os ficheiros de trace gerados no ns-2 não são mais lidos nesta versão. Para este novo formato de ficheiros de trace, deve-se utilizar uma aplicação que é capaz de analisar e animar as ligações point-to-point peculiares ao ns-3. Esta aplicação é a NetAnim (http://www.nsnam.org/wiki/index.php/netanim). Conforme será observado nos exemplos posteriores, ns-3 trata a construção de ligações entre nós de uma topologia através de ligações conhecidas como point-to-point. Essas ligações diferem-se do formato dos canais estabelecidos em ns- 2. Outra estratégia comum em ns-3 e analisar o tráfego pela inspeção de pacotes. Essa é uma técnica bastante comum entre os analisadores de protocolos tais como o Wireshark (http://www.wireshark.org/) ou o tcpdump. Para este fim, conforme será discutido no segundo script, podem ser gerados ficheiros com a extensão pcap que representam uma inspeção detalhada de pacotes em modo promíscuo. Com o intuito de diminuir a complexidade do processo de instalação, configuração e teste, provemos para esta ficha uma máquina virtual gerada a partir do sistema operativo Linux Ubuntu Nesta máquina virtual já estão instalados o ns-3 e o NetAnim e pode ser obtido a partir do seguinte link: https:// /irc/irc_vmware_ubuntu_ tar.bz2. Para aceder à máquina virtual utiliza-se o seguinte utilizador: Username: irc Password: IRC$2009 Após o download, a máquina virtual pode ser descompactada e através de um player para máquinas virtuais pode-se aceder ao ambiente já preparado. Para este efeito, sugere-se o uso do ambiente VMWare Player ou Sun VirtualBox. Conforme observado na Figura 1, para o início da execução a partir do player, basta escolher a pasta onde foi foi executado o desempacotamento. A partir desse ponto, uma nova sessão terá início. Nessa sessão usar-se-á as seguintes credenciais: Username: ircuser Password: ircuser IRC 2009/2010 2

3 Figura 1 - Diálogo inicial do VMWare Player. Abaixo seguem links para documentação ns-3: NS-3 overview: Tutoriais NS-3: Documentação para as classes NS-3: Introdução ao NS-3: 4. Criação do primeiro script O ns-3 suporta scripts escritos nas linguagem C e Python. Neste exemplo, optou-se pela criação do script utilizando a linguagem Python Criação do cenário O nosso cenário será composto por dois nós que vão comunicar utilizando o protocolo UDP. Neste exemplo, deve guardar o seu código num ficheiro com o nome primeiro.py. #Inicializa o modulo ns3 import ns3 #Activa os logs para os vários componentes ns3.logcomponentenable("udpechoclientapplication", ns3.log_level_info) ns3.logcomponentenable("udpechoserverapplication", ns3.log_level_info) #Criação de dois nós nodes = ns3.nodecontainer() nodes.create(2) O diagrama apresentado na Figura 2 ilustra a criação dos dois nós no nosso cenário. nodes: NodeContainer Node 0 Node 1 Figura 2 Ilustração da criação dos dois nós do cenário IRC 2009/2010 3

4 4.2. Criação do canal físico de comunicação Neste momento o nosso cenário tem dois nós mas, no entanto, não existe nenhum meio físico para que esses mesmo nós possam comunicar. Vamos então estabelecer a ligação física entre os nós. #Criação de um objecto PointToPointHelper para a ligação ponto a ponto entre dois nós. pointtopoint = ns3.pointtopointhelper() #Definição das característica da ligação pointtopoint.setdeviceattribute("datarate", ns3.stringvalue("10mbps")) pointtopoint.setchannelattribute("delay", ns3.stringvalue("2ms")) #Instalação da ligação nos nós criados anteriormente devices = pointtopoint.install(nodes) A Figura 3 representa o estado actual do nosso cenário. Neste momento já possuímos os dois nós ligados através de uma ligação física. Devices: NetDeviceContainer 10Mpbs, 5ms Node 0 Node 1 PointToPointNetDevice Figura 3 Criação da ligação física entre dos dois nós da rede 4.3. Instalação do interface de rede Depois da ligação física, vamos agora criar os interfaces de rede para os vários nós. Neste exemplo iremos utilizar uma stack IPv4(o ns-3 suporta também IPv6). #Agrega as funcionalidades da stack TCP/IP aos nós stack = ns3.internetstackhelper() stack.install(nodes) #Criação do endereço IPv4 address = ns3.ipv4addresshelper() #Definição da rede e respectiva mascara de rede address.setbase(ns3.ipv4address(" "), ns3.ipv4mask(" ")) #Atribuição dos endereços aos respectivos nós #Como anteriormente foi definida a rede / , os nós Node0 e Node1 vão ter os endereços e , respectivamente interfaces = address.assign(devices) 4.4. Criação de aplicações IRC 2009/2010 4

5 Neste momento temos todo o cenário pronto até ao nível da camada de rede. No entanto, não existem aplicações a utilizar a nossa rede. Assim, é necessário criar uma aplicação. Neste exemplo vamos utilizar uma aplicação cliente-servidor, em que o cliente envia pacotes UDP ao servidor e o servidor responde ao cliente com uma cópia desse mesmo pacote. #Cria uma aplicação que espera por pacotes UDP num determinado porto (neste caso o porto 5000, que é passado como parâmetro) e envia esse pacote para o remetente original echoserver = ns3.udpechoserverhelper(5000) #Instala a aplicação no servidor (i.e. no Node 1, que é referenciado através da instrução nodes.get(1) ). serverapps = echoserver.install(nodes.get(1)) serverapps.start(ns3.seconds(1.0)) serverapps.stop(ns3.seconds(10.0)) #Cria uma aplicação que envia pacotes UDP e que espera pela resposta echoclient = ns3.udpechoclienthelper(interfaces.getaddress(1), 5000) echoclient.setattribute("maxpackets", ns3.uintegervalue(1)) echoclient.setattribute("interval", ns3.timevalue(ns3.seconds (1.5))) echoclient.setattribute("packetsize", ns3.uintegervalue(2048)) #Instala a aplicação anterior no nó que irá actuar como remetente (i.e. Node 0 ) e em seguida inicia a mesma aplicação. clientapps = echoclient.install(nodes.get(0)) clientapps.start(ns3.seconds(1.5)) clientapps.stop(ns3.seconds(10.0)) 4.5. Iniciar a simulação Depois da criação do cenário e respectivas aplicações, é agora necessário recorrer as primitivas que irão fazer com a simulação inicie e termine. ns3.simulator.run() ns3.simulator.destroy() Para correr a simulação deverá colocar o ficheiro criado na pasta scratch na raiz do simulador e correr o seguinte comando:./waf - pyrun scratch/primeiro.py 5. NetAnim Como mencionado anteriormente, em NS-3 ficheiros de trace não possuem o mesmo formato dos ficheiros produzidos em ns-2. Desta forma, tornou-se necessária uma aplicação que permitisse a leitura e gerasse animações para ficheiros deste formato. A ferramenta NetAnim é uma aplicação que dá suporte à execução desta tarefa. Em nossa máquina virtual NetAnim já está instalada e pode ser automaticamente executada desde que o ficheiro de trace esteja no formato ns-3. IRC 2009/2010 5

6 Apresentaremos NetAnim através de um exemplo, disponível também na máquina virtual usada nesta ficha. Aproveitamos para também apresentar as funcionalidades de ns-3 em linguagem C Captura dos parâmetros iniciais Para informar a aplicação dos valores dos parâmetros (quantidade de nós na disposição esquerda e direita do plano) basta utilizar a seguinte instrução:./waf --run 'src/contrib/net-anim/test-dumbbell --nleftleaf=5 --nrightleaf=5 -- animfile=dumbbell.tr' Config::SetDefault ("ns3::onoffapplication::packetsize", UintegerValue (512)); Config::SetDefault ("ns3::onoffapplication::datarate", StringValue ("500kb/s")); uint32_t nleftleaf = 5; uint32_t nrightleaf = 5; uint32_t nleaf = 0; // Se diferente de zero é o número de nós esquerdo e direito uint16_t port = 0; // Porto para onde se executa o bind dessa animação std::string animfile; // Nome que será dado ao ficheiro de saída CommandLine cmd; cmd.addvalue ("nleftleaf", "Número de nós à esquerda", nleftleaf); cmd.addvalue ("nrightleaf","número de nós à direita", nrightleaf); cmd.addvalue ("nleaf", "Numero total de nós", nleaf); cmd.addvalue ("port", "Porto para animação remota", port); cmd.addvalue ("animfile", "Nome do ficheiro de saída para posterior trace", animfile); cmd.parse (argc,argv); if (nleaf > 0) { nleftleaf = nleaf; nrightleaf = nleaf; 5.2. Criação das ligações ponto-a-ponto Da mesma forma que nos exemplos anteriores um objecto PointToPoint é utilizado para se criarem as ligações entre os nós, neste exemplo essas ligação são associadas a um objecto NetAnim PointToPointDumbellHelper. PointToPointHelper pointtopointrouter; pointtopointrouter.setdeviceattribute ("DataRate", StringValue ("10Mbps")); pointtopointrouter.setchannelattribute ("Delay", StringValue ("1ms")); PointToPointHelper pointtopointleaf; pointtopointleaf.setdeviceattribute ("DataRate", StringValue ("10Mbps")); pointtopointleaf.setchannelattribute ("Delay", StringValue ("1ms")); PointToPointDumbbellHelper d(nleftleaf, pointtopointleaf, nrightleaf, pointtopointleaf, pointtopointrouter); Endereçamento e aplicação cliente O endereçamento é feito através de um objecto Ipv4AddressHelper. E a aplicação cliente, baseada em UDP, é disparada e finalizada numa distribuição uniforme. InternetStackHelper stack; d.installstack (stack); IRC 2009/2010 6

7 d.assignaddresses(ipv4addresshelper(" ", " "), Ipv4AddressHelper(" ", " "), Ipv4AddressHelper(" ", " ")); OnOffHelper clienthelper ("ns3::udpsocketfactory", Address ()); clienthelper.setattribute("ontime", RandomVariableValue (UniformVariable (0, 1))); clienthelper.setattribute("offtime", RandomVariableValue (UniformVariable (0, 1))); ApplicationContainer clientapps; for (uint32_t i = 0; i < d.rightcount(); ++i) { // Pacotes são gerados e enviados para o nós correspondente da direita AddressValue remoteaddress(inetsocketaddress(d.getleftaddress(i), 1000)); clienthelper.setattribute("remote", remoteaddress); clientapps.add(clienthelper.install(d.getright(i))); clientapps.start (Seconds (0.0)); clientapps.stop (Seconds (10.0)); // Configuração da area onde dar-se-á a animação d.boundingbox(1, 1, 10, 10); 5.3. Inicio da animação O NetAnim possui uma classe que permite a configuração da animação da simulação a classe AnimationInterface. A partir de um objecto desta classe inicia-se a visualização desta simulação. AnimationInterface anim; if (port > 0) { anim.setserverport(port); else if (!animfile.empty()) { anim.setoutputfile(animfile); anim.startanimation(); Ipv4GlobalRoutingHelper::PopulateRoutingTables (); std::cout << "Running the simulation" << std::endl; Simulator::Run (); std::cout << "Destroying the simulation" << std::endl; Simulator::Destroy (); std::cout << "Stopping the animation" << std::endl; anim.stopanimation(); 5.4. Resultados Os resultados são animações similares às previamente obtidas em ns-2, conforme observa-se na Figura 4. O resultado da Figura 4 é automaticamente obtido a partir da execução da instrução NetAnim dumbbell.tr. IRC 2009/2010 7

8 Figura 4 - Animação através de NetAnim. 6. Segundo script Neste segundo exemplo vamos explorar o uso de sockets em conjunto com o protocolo TCP. Criaremos uma topologia simples, como pode ser observado na Figura 5. Nosso intuito é enviar pacotes até um tamanho máximo (estipulado no script) de forma que o nó n2 já não possa mais responder ao nó requisitante (nó 0). Figura 5 - Topologia de teste para o segundo exemplo Definição da topologia #include <ctype.h> #include <iostream> #include <fstream> #include <string> #include <cassert> #include "ns3/core-module.h" #include "ns3/helper-module.h" #include "ns3/node-module.h" #include "ns3/simulator-module.h" using namespace ns3; /* Primeiro passo: criar containers para os nós e isolar o nó n2 para que ele possa tornar-se nosso terminador */ NodeContainer n0n1; n0n1.create (2); NodeContainer n1n2; n1n2.add (n0n1.get (1)); n1n2.create (1); /* Assim como no script anterior, lançamos mão de PointToPointHelper para criar o canal de comunicação que vai abrigar os nós criados anteriormente */ IRC 2009/2010 8

9 PointToPointHelper p2p; p2p.setdeviceattribute ("DataRate", DataRateValue (DataRate( ))); p2p.setchannelattribute ("Delay", TimeValue (MilliSeconds(10))); /* Embora tenhamos criados os nós, estes ainda não foram associados a nenhum tipo de dispositivo. Dessa forma cada container de nós torna-se um container de dispositivos de rede, podendo, posteriormente incorporar características típicas destes dipositivos */ NetDeviceContainer dev0 = p2p.install (n0n1); NetDeviceContainer dev1 = p2p.install (n1n2); 6.2. Incorporação da pilha de protocolos TCP/IP Para que quaisquer testes possam ser feitos, é necessário associar endereços e os comportamentos associados aos protocolos dessa pilha. Para que o teste possa ser feito cada um dos nós estará associado a um endereço IP. //As seguintes instruções instala a pilha de protocolos TCP/IP em todos os nós InternetStackHelper internet; internet.installall (); /* Agora cada container de dispositivos recebe um endereço base, de onde o script poderá obter endereços para os nós */ Ipv4AddressHelper ipv4; ipv4.setbase (" ", " "); ipv4.assign (dev0); ipv4.setbase (" ", " "); Ipv4InterfaceContainer ipinterfs = ipv4.assign (dev1); //Para que ambos conjuntos de endereços sejam alcançáveis, popula-se as tabelas de roteamento Ipv4GlobalRoutingHelper::PopulateRoutingTables (); 6.3. Definição dos comportamentos esperados para os nós Conforme descrito anteriormente, o nó n2 comportar-se-á como um terminador das requisições. Para tanto, associa-se a esse nó um objecto PacketSinkHelper. Por outro lado, por se tratar de um cenário baseado no protocolo TCP, o requisitante (n1) passa a estar associado a um socket para onde n2 confirma as requisições efectuadas. //Como recurso da linguagem de programação associamos servport a um valor de porto fixo uint16_t servport = 8007; /* Cria-se um objecto PacketSinkHelper, com as intrínsecas funcionalidades esperadas para um nó que comporte o protocolo de transporte TCP */ PacketSinkHelper sink ("ns3::tcpsocketfactory", InetSocketAddress (Ipv4Address::GetAny (), servport)); /* Uma aplicação hipotética é associada ao nó n2. Supõe-se, dessa maneira, que o nó n0 possa fazer requisições a essa aplicação. */ ApplicationContainer apps = sink.install (n1n2.get (1)); apps.start (Seconds (0.0)); apps.stop (Seconds (3.0)); /* Agora devemos criar uma fonte para o envio de pacotes a partir de n0. A criação do socket e a associação ao nó n0 permitirá à nossa aplicação identificar o endereço para onde encaminhar a resposta a alguma requisição. */ Ptr<Socket> localsocket = Socket::CreateSocket (n0n1.get (0), TcpSocketFactory::GetTypeId ()); localsocket->bind (); IRC 2009/2010 9

10 /* Para simular o envio de requisições uma nova função foi criada StartFlow. Essa função é disparada quando do início da simulação (Simulator::ScheduleNow). */ Simulator::ScheduleNow (&StartFlow, localsocket,ipinterfs.getaddress (1), servport); 6.4. Implementação do envio de pacotes Conforme mencionado anteriormente, espera-se que o nó n2 receba requisições do nó n0. Essas requisições devem cessar quando atingirem um limite máximo ( bytes). Para explicar como o envio foi produzido e o limite testado, esta etapa foi dividida em duas subetapas: definição dos elementos básicos para envio e teste do tamanho dos pacotes e posteriormente as funções. Elementos básicos para o envio e teste // limite máximo de bytes que se pretende enviar static const uint32_t totaltxbytes = ; static uint32_t currenttxbytes = 0; static const uint32_t writesize = 1040; //buffer do nó n0 de onde serão enviados dados para o nó n2 uint8_t data[writesize]; /* Para efeitos de teste, algum conteúdo é colocado em data para que possa ser enviado ao nó n2 */ for(uint32_t i = 0; i < writesize; ++i) { char m = toascii (97 + i % 26); data[i] = m; Funções void StartFlow(Ptr<Socket> localsocket,ipv4address servaddress, uint16_t servport) { // o socket que foi enviado é automaticamente conectado ao servidor localsocket->connect (InetSocketAddress (servaddress, servport)); /* Sucessivas chamadas serão feitas e logo após um teste da quantidade de informação enviada é feito, dessa forma, quando atingir-se o limite esperado, as chamadas são cessadas. */ localsocket->setsendcallback (MakeCallback (&WriteUntilBufferFull)); WriteUntilBufferFull (localsocket, localsocket->gettxavailable ()); /* o buffer (data) previamente ocupado com algum conteúdo, será constantemente utilizado. Essa função retornará o fim da conexão socket ao nó n0 assim que a quantidade de bytes enviada atingir o valor totaltxbytes e já não houver dados a serem enviados para o nó n2. */ void WriteUntilBufferFull (Ptr<Socket> localsocket, uint32_t txspace) { while (currenttxbytes < totaltxbytes && localsocket->gettxavailable () > 0) { uint32_t left = totaltxbytes - currenttxbytes; uint32_t dataoffset = currenttxbytes % writesize; uint32_t towrite = writesize - dataoffset; towrite = std::min (towrite, left); towrite = std::min (towrite, localsocket->gettxavailable ()); int amountsent = localsocket->send (&data[dataoffset], towrite, 0); if(amountsent < 0) { return; currenttxbytes += amountsent; localsocket->close (); 6.5. Avaliação do resultado IRC 2009/

11 Ainda torna-se necessário definir em que formato o resultado dessa simulação vai ser averiguada. Como dito anteriormente, o ns-3 dá a possibilidade de desviar o comportamento das topologias de teste para ficheiros pcap, ou seja, permite a monitorização dos pacotes em modo promíscuo, o qual pode posteriormente ser analisado por um analisador de tráfego como o Wiresharck. Para que esse script pudesse comportar-se dessa forma, as seguintes instruções foram adicionadas ao script. // uma alternativa para monitorizar o tráfego é através de um ficheiro de trace std::ofstream ascii; ascii.open ("segundo.tr"); PointToPointHelper::EnableAsciiAll (ascii); /* o canal previamente estabelecido pode ser colocado em modo promíscuo de forma que toda comunicação possa ser monitorizada e armazenada em ficheiros no formato segundo-x- X.pcap */ PointToPointHelper::EnablePcapAll ("segundo"); /* Apenas para resguardar de possíveis falhas o simulador força uma parada a um determinado momento para o caso de nunca atingir-se o limite de bytes estipulado. */ Simulator::Stop (Seconds(1000)); Simulator::Run (); Simulator::Destroy (); Como parte da avaliação do resultado, pode-se utilizar do Wireshark para averiguar todo o tráfego do segundo script que foi direccionado para ficheiros pcap. Observe pela Figura 6 que como tratase de uma aplicação TCP inúmeros acknowledgments foram necessários. Figura 6 - Captura dos primeiros pacotes enviados pelo segundo script no Wireshark. IRC 2009/

Network Simulator (NS3)

Network Simulator (NS3) 1 24 de outubro de 2012 1 Prof. DSc. do Curso de Ciência da Computação da UESPI Sumário Introdução 1 Introdução Características Instalação Como instalar o NS3 2 3 Arquivo de saída Filtrar resultados Características

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO do aremoto

MANUAL DE OPERAÇÃO do aremoto MANUAL DE OPERAÇÃO do aremoto V1.00 UTILIZAÇÃO DO PROGRAMA Outubro 30, 2004 www.imsi.pt Código #MOaR01 EMPRESA Código Documento MOAR01 Sobre a utilização do programa de assistência remota Versão Elaborado

Leia mais

O Manual do Remote Desktop Connection. Brad Hards Urs Wolfer Tradução: José Pires

O Manual do Remote Desktop Connection. Brad Hards Urs Wolfer Tradução: José Pires O Manual do Remote Desktop Connection Brad Hards Urs Wolfer Tradução: José Pires 2 Conteúdo 1 Introdução 5 2 O protocolo do Remote Frame Buffer 6 3 Usar o Remote Desktop Connection 7 3.1 Ligar o Remote

Leia mais

Relatório de Instalação do Windows 2003 Server

Relatório de Instalação do Windows 2003 Server Curso Profissional de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos Relatório de Instalação do Windows 2003 Server Instalação do Windows 2003 Server quarta-feira, 3 de dezembro de 2013 Índice Introdução...

Leia mais

ICORLI. INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO e OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS e INTERNET

ICORLI. INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO e OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS e INTERNET INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO e OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS e INTERNET 2010/2011 1 Protocolo TCP/IP É um padrão de comunicação entre diferentes computadores e diferentes sistemas operativos. Cada computador deve

Leia mais

Protocolos básicos de LANs IP (primeiro trabalho laboratorial)

Protocolos básicos de LANs IP (primeiro trabalho laboratorial) Protocolos básicos de LANs IP (primeiro trabalho laboratorial) FEUP/DEEC Redes de Banda Larga MIEEC 2009/10 José Ruela Bancada de trabalho Bancada de trabalho equipamento Existem seis bancadas no laboratório

Leia mais

ETI/Domo. Português. www.bpt.it. ETI-Domo Config 24810180 PT 29-07-14

ETI/Domo. Português. www.bpt.it. ETI-Domo Config 24810180 PT 29-07-14 ETI/Domo 24810180 www.bpt.it PT Português ETI-Domo Config 24810180 PT 29-07-14 Configuração do PC Antes de realizar a configuração de todo o sistema, é necessário configurar o PC para que esteja pronto

Leia mais

ZS Rest. Manual Avançado. Instalação em Rede. v2011

ZS Rest. Manual Avançado. Instalação em Rede. v2011 Manual Avançado Instalação em Rede v2011 1 1. Índice 2. Introdução... 2 3. Hardware... 3 b) Servidor:... 3 c) Rede:... 3 d) Pontos de Venda... 4 4. SQL Server... 5 e) Configurar porta estática:... 5 5.

Leia mais

Um pouco do Java. Prof. Eduardo

Um pouco do Java. Prof. Eduardo Um pouco do Java Prof. Eduardo Introdução A tecnologia JAVA é composta pela linguagem de programação JAVA e pela plataforma de desenvolvimento JAVA. Os programas são escritos em arquivos-texto com a extensão.java.

Leia mais

Simulação do CWMP em OMNeT++

Simulação do CWMP em OMNeT++ Simulação do CWMP em OMNeT++ Thiago Leite Departamento de Engenharia Informática / FCTUC Universidade de Coimbra, Coimbra, Portugal e-mail: thiago@student.dei.uc.pt Henrique Wallenstein Departamento de

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás. Disciplina: Gerenciamento de Rede de Computadores. Goiânia, 16 de novembro de 2014.

Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás. Disciplina: Gerenciamento de Rede de Computadores. Goiânia, 16 de novembro de 2014. Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás Disciplina: Gerenciamento de Rede de Computadores : Goiânia, 16 de novembro de 2014. Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás Professor: Marissol Martins Alunos: Edy Laus,

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores TCP/IP Adriano Lhamas, Berta Batista, Jorge Pinto Leite Março de 2007 Pilha TCP/IP Desenvolvido pelo Departamento de Defesa dos EUA Objectivos: garantir a comunicação sob quaisquer circunstâncias garantir

Leia mais

Application Note FBEE Comunicação Serial Wireless REV01. - 1 - Rev01

Application Note FBEE Comunicação Serial Wireless REV01. - 1 - Rev01 Application Note FBEE Comunicação Serial Wireless REV01-1 - Rev01 1. INTRODUÇÃO Aplicações com redes sem fio vêm se tornando bastante comuns. De aplicações industriais a projetos específicos, criou-se

Leia mais

Network Simulator ns2

Network Simulator ns2 Network Simulator ns2 Rodolfo W. L. Coutinho rwlc@dcc.ufmg.br Histórico Iniciado em 1989 como uma variante do simulador de redes REAL e atualmente está na versão 2.35 (4 de Nov. 2011). Mantido pelo projeto

Leia mais

Departamento de Sistemas e Informática. Licenciatura em Engenharia Informática Industrial EDP

Departamento de Sistemas e Informática. Licenciatura em Engenharia Informática Industrial EDP Departamento de Sistemas e Informática Licenciatura em Engenharia Informática Industrial Projecto ARC Ano Lectivo de 2006/2007 EDP Processamento das Leituras dos Contadores de Electricidade dos Consumidores

Leia mais

Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4

Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4 Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4 Aula passada Threads Threads em SDs Processos Clientes Processos Servidores Aula de hoje Clusters de Servidores Migração de Código Comunicação (Cap. 4) Fundamentos

Leia mais

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº7

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº7 Redes de Computadores Curso de Eng. Informática Curso de Eng. de Electrónica e Computadores Trabalho de Laboratório Nº7 Análise do tráfego na rede Protocolos TCP e UDP Objectivo Usar o Ethereal para visualizar

Leia mais

Sistema de impressão da Divisão de Informática

Sistema de impressão da Divisão de Informática Sistema de impressão da Índice 1Introdução... 4 2Configuração de impressoras no sistema MacOS X...5 2.1Instalação de Papercut...5 2.2Adição de impressoras...8 2.3Observações MacOS X...10 3Instalação de

Leia mais

Formação IPv6 Maputo Moçambique 26 Agosto - 29 Agosto 08 Configuração de Servidor WEB e FTP

Formação IPv6 Maputo Moçambique 26 Agosto - 29 Agosto 08 Configuração de Servidor WEB e FTP Moçambique 26 Agosto - 29 Agosto 08 Configuração de Pedro Lorga (lorga@fccn.pt) Carlos Friaças (cfriacas@fccn.pt) Exercício Prático: Configuração de Servidor WEB e FTP Objectivos Neste exercício deverá

Leia mais

Curso de extensão em Administração de sistemas GNU/Linux: redes e serviços

Curso de extensão em Administração de sistemas GNU/Linux: redes e serviços Curso de extensão em Administração de sistemas GNU/Linux: redes e serviços - italo@dcc.ufba.br Gestores da Rede Acadêmica de Computação Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal da Bahia,

Leia mais

CÂMARA DE VIGILÂNCIA DE REDE AVANÇADA COM ABÓBODA MANUAL DE INSTALAÇÃO

CÂMARA DE VIGILÂNCIA DE REDE AVANÇADA COM ABÓBODA MANUAL DE INSTALAÇÃO CÂMARA DE VIGILÂNCIA DE REDE AVANÇADA COM ABÓBODA MANUAL DE INSTALAÇÃO Ler estas instruções na sua totalidade antes de colocar em funcionamento e devem ser guardadas para consulta futura. 1. GENERALIDADES

Leia mais

Aula de introdução ao NS-2

Aula de introdução ao NS-2 Universidade Federal Fluminense Departamento de Engenharia de Telecomunicações Mestrado em Engenharia de Telecomunicações Aula de introdução ao NS-2 Disciplina: Fundamentos de Sistemas Multimídia Professora:

Leia mais

EIC. Projecto I. Manual do Utilizador. Vídeo Vigilância Abordagem Open Source. Curso: Engenharia de Informática e Comunicações Ano Lectivo: 2005/2006

EIC. Projecto I. Manual do Utilizador. Vídeo Vigilância Abordagem Open Source. Curso: Engenharia de Informática e Comunicações Ano Lectivo: 2005/2006 EIC Engenharia de Informática e Comunicações Morro do Lena, Alto Vieiro Apart. 4163 2401 951 Leiria Tel.: +351 244 820 300 Fax.: +351 244 820 310 E-mail: estg@estg.iplei.pt http://www.estg.iplei.pt Engenharia

Leia mais

Roteiro de Práticas de Roteamento IGP usando Quagga

Roteiro de Práticas de Roteamento IGP usando Quagga Roteiro de Práticas de Roteamento IGP usando Quagga OSPF O objetivo desse roteiro é mostrar como o pacote Quagga pode ser utilizado para construir roteadores com suporte a protocolos de roteamento utilizando

Leia mais

Software de gerenciamento do sistema Intel. Guia do usuário do Pacote de gerenciamento do servidor modular Intel

Software de gerenciamento do sistema Intel. Guia do usuário do Pacote de gerenciamento do servidor modular Intel Software de gerenciamento do sistema Intel do servidor modular Intel Declarações de Caráter Legal AS INFORMAÇÕES CONTIDAS NESTE DOCUMENTO SÃO RELACIONADAS AOS PRODUTOS INTEL, PARA FINS DE SUPORTE ÀS PLACAS

Leia mais

Controle de robôs industriais via Labview

Controle de robôs industriais via Labview Leonel Lopes Lima Neto Instituto Tecnológico de Aeronáutica Rua H20B, casa, nº 114, Campus do CTA São José dos Campos São Paulo 12.228-460 Bolsista PIBIC-CNPq leonel@aluno.ita.br Emilia Villani Instituto

Leia mais

LEI Sistemas de Computação 2014/15. Níveis de Abstração. TPC4 e Guião laboratorial. Luís Paulo Santos e Alberto José Proença

LEI Sistemas de Computação 2014/15. Níveis de Abstração. TPC4 e Guião laboratorial. Luís Paulo Santos e Alberto José Proença LEI Sistemas de Computação 2014/15 Níveis de Abstração TPC4 e Guião laboratorial Luís Paulo Santos e Alberto José Proença ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Configurando o DDNS Management System

Configurando o DDNS Management System Configurando o DDNS Management System Solução 1: Com o desenvolvimento de sistemas de vigilância, cada vez mais usuários querem usar a conexão ADSL para realizar vigilância de vídeo através da rede. Porém

Leia mais

O Manual do Desktop Sharing. Brad Hards Tradução: Pedro Morais

O Manual do Desktop Sharing. Brad Hards Tradução: Pedro Morais Brad Hards Tradução: Pedro Morais 2 Conteúdo 1 Introdução 5 2 O protocolo do Remote Frame Buffer 6 3 Utilizar o Desktop Sharing 7 3.1 Gerir convites do Desktop Sharing............................ 9 3.2

Leia mais

Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores

Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores Este artigo demonstra como configurar uma rede virtual para ser usada em testes e estudos. Será usado o VirtualBox

Leia mais

SIMEC Sistema Integrado de Planejamento, Orçamento e Finanças

SIMEC Sistema Integrado de Planejamento, Orçamento e Finanças SIMEC Sistema Integrado de Planejamento, Orçamento e Finanças Versão 1.0 Sumário Introdução... 3 1. Estrutura da aplicação... 4 1.1 Diretórios e arquivos... 4 2. Configuração do ambiente...

Leia mais

Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte

Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte O TCP/IP, na verdade, é formado por um grande conjunto de diferentes protocolos e serviços de rede. O nome TCP/IP deriva dos dois protocolos mais

Leia mais

Copyright 2001-2005 GrupoPIE Portugal, S.A.

Copyright 2001-2005 GrupoPIE Portugal, S.A. ComServer ComServer Linux A Restauração do Séc. XXI Copyright 2001-2005 GrupoPIE Portugal, S.A. 1. WinREST ComServer...5 1.1. Licença...5 1.2. Instalação e upgrade...6 1.3. Licenciamento...7 1.4. Interface...8

Leia mais

Sistema de gerenciamento, controle e auditoria de computadores e usuários em uma rede local.

Sistema de gerenciamento, controle e auditoria de computadores e usuários em uma rede local. Sistema de gerenciamento, controle e auditoria de computadores e usuários em uma rede local. Thiago Magalhães B. Rodrigues¹, Wanderson Carvalho Bragança¹, Ronivaldo Veloso Pugas¹ ¹Curso de Bacharelado

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Comunicação- Protocolos, Tipos, RPC Capítulo 4 Agenda Protocolos em Camadas Pilhas de Protocolos em Sistemas Distribuídos Tipos de Comunicação

Leia mais

Integração de Sistemas Embebidos MECom :: 5º ano

Integração de Sistemas Embebidos MECom :: 5º ano Integração de Sistemas Embebidos MECom :: 5º ano Device Drivers em Linux - Introdução António Joaquim Esteves www.di.uminho.pt/~aje Bibliografia: capítulo 1, LDD 3ed, O Reilly DEP. DE INFORMÁTICA ESCOLA

Leia mais

CÂMARA DE VIGILÂNCIA DE REDE AVANÇADA COM ABÓBADA MANUAL DE INSTALAÇÃO

CÂMARA DE VIGILÂNCIA DE REDE AVANÇADA COM ABÓBADA MANUAL DE INSTALAÇÃO CÂMARA DE VIGILÂNCIA DE REDE AVANÇADA COM ABÓBADA MANUAL DE INSTALAÇÃO Ler estas instruções na sua totalidade antes de colocar em funcionamento e devem ser guardadas para consulta futura. 1. GENERALIDADES

Leia mais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Software de Entrada e Saída: Visão Geral Uma das tarefas do Sistema Operacional é simplificar o acesso aos dispositivos de hardware pelos processos

Leia mais

Curso Tecnológico de Informática Matriz de Exame de Equivalência de Tecnologias Informáticas Prova Prática - Código 259

Curso Tecnológico de Informática Matriz de Exame de Equivalência de Tecnologias Informáticas Prova Prática - Código 259 Curso Tecnológico de Informática Matriz de Exame de Equivalência de Tecnologias Informáticas Prova Prática - Código 259 Escola Secundária c/ 3.º Ciclo D. Dinis Ano Lectivo 2008/2009 Grupos Conteúdos Objectivos/Competências

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Modelo Cliente-Servidor: comunicação orientada por mensagem e comunicação orientada por fluxo Prof. MSc. Hugo Souza Continuando o módulo 03 da primeira unidade, iremos abordar sobre

Leia mais

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial 2 1. O Sistema PrinterTux O Printertux é um sistema para gerenciamento e controle de impressões. O Produto consiste em uma interface web onde o administrador efetua o cadastro

Leia mais

BACKUP S IBERWEB MANUAL DE INSTALAÇÃO. Manual de Instalação Backup s IBERWEB (Versão1.0) 2008 IBERWEB, LDA. Todos os direitos reservados.

BACKUP S IBERWEB MANUAL DE INSTALAÇÃO. Manual de Instalação Backup s IBERWEB (Versão1.0) 2008 IBERWEB, LDA. Todos os direitos reservados. BACKUP S IBERWEB MANUAL DE INSTALAÇÃO INTRODUÇÃO Aproveitamos desde já para agradecer a sua adesão ao serviço de Backup s da IBERWEB. De seguida iremos apresentar as principais funcionalidades de um dos

Leia mais

Manual de Instalação. SafeSign Standard 3.0.77. (Para MAC OS 10.7)

Manual de Instalação. SafeSign Standard 3.0.77. (Para MAC OS 10.7) SafeSign Standard 3.0.77 (Para MAC OS 10.7) 2/23 Sumário 1 Introdução... 3 2 Pré-Requisitos Para Instalação... 3 3 Ambientes Homologados... 4 4 Hardware Homologado... 4 5 Instruções de Instalação... 5

Leia mais

Objetivos: i) Verificar o impacto de loops em redes locais ii) Configurar o protocolo STP para remover loops da rede

Objetivos: i) Verificar o impacto de loops em redes locais ii) Configurar o protocolo STP para remover loops da rede Laboratório de Redes de Computadores 2 8 o experimento Objetivos: i) Verificar o impacto de loops em redes locais ii) Configurar o protocolo STP para remover loops da rede Introdução A interligação de

Leia mais

A seguir, respostas aos questionamentos referentes ao Pregão Presencial nº 17/14:

A seguir, respostas aos questionamentos referentes ao Pregão Presencial nº 17/14: Senhores, A seguir, respostas aos questionamentos referentes ao Pregão Presencial nº 17/14: Questionamento 1: 2. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MÍNIMCAS No que diz respeito ao subitem 2.1.2, temos a seguinte

Leia mais

A Camada de Transporte

A Camada de Transporte A Camada de Transporte Romildo Martins Bezerra CEFET/BA s de Computadores II Funções da Camada de Transporte... 2 Controle de conexão... 2 Fragmentação... 2 Endereçamento... 2 Confiabilidade... 2 TCP (Transmission

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO DE MANUEL DA FONSECA, SANTIAGO DO CACÉM

ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO DE MANUEL DA FONSECA, SANTIAGO DO CACÉM ANO: 11º Redes de Comunicação ANO LECTIVO: 2008/2009 p.1/8 Componentes de um sistema de comunicações; Sistemas Simplex, Half-Duplex e Full- Duplex; Transmissão de sinais analógicos e digitais; Técnicas

Leia mais

Introdução a Informática - 1º semestre AULA 02 Prof. André Moraes

Introdução a Informática - 1º semestre AULA 02 Prof. André Moraes Introdução a Informática - 1º semestre AULA 02 Prof. André Moraes 3 MÁQUINAS VIRTUAIS Em nossa aula anterior, fizemos uma breve introdução com uso de máquinas virtuais para emularmos um computador novo

Leia mais

Sistema Operacional Unidade 12 Comandos de Rede e Acesso Remoto

Sistema Operacional Unidade 12 Comandos de Rede e Acesso Remoto Sistema Operacional Unidade 12 Comandos de Rede e Acesso Remoto Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 Protocolo de rede... 3 Protocolo TCP/IP... 3 Máscara de sub-rede... 3 Hostname... 3

Leia mais

Trabalho de laboratório sobre DHCP

Trabalho de laboratório sobre DHCP Trabalho de laboratório sobre DHCP Redes de Computadores I - 2005/2006 LEIC - Tagus Park Semana de 21 a 25 de Novembro 1 Introdução O objectivo desta aula é a familiarização com conceitos básicos do protocolo

Leia mais

O que são DNS, SMTP e SNM

O que são DNS, SMTP e SNM O que são DNS, SMTP e SNM O DNS (Domain Name System) e um esquema de gerenciamento de nomes, hierárquico e distribuído. O DNS define a sintaxe dos nomes usados na Internet, regras para delegação de autoridade

Leia mais

ROUTER BANDA LARGA SEM FIOS 11N 300MBPS

ROUTER BANDA LARGA SEM FIOS 11N 300MBPS ROUTER BANDA LARGA SEM FIOS 11N 300MBPS Manual de Instalação Rápida DN-70591 INTRODUÇÃO DN-70591 é um dispositivo conjunto de rede com fios/sem fios destinado especificamente para as necessidades de pequenas

Leia mais

Planificação Anual. Planificação de Médio Prazo (1.º Período) Tecnologias da Informação e Comunicação. 9º Ano

Planificação Anual. Planificação de Médio Prazo (1.º Período) Tecnologias da Informação e Comunicação. 9º Ano Escola Básica do 2º e 3º Ciclos João Afonso de Aveiro Departamento de Matemática e Ciências Experimentais Secção de Informática Planificação Anual (1.º Período) Ano lectivo 2010/2011 Tecnologias da Informação

Leia mais

SiDEI. Sistema de Avaliação Automática de Alunos. Gestão e Desenvolvimento de Aplicações Informáticas

SiDEI. Sistema de Avaliação Automática de Alunos. Gestão e Desenvolvimento de Aplicações Informáticas SiDEI Sistema de Avaliação Automática de Alunos Gestão e Desenvolvimento de Aplicações Informáticas Disciplina de Engenharia de Software Instituto Superior de Engenharia do Porto Alunos: André Serafim

Leia mais

Laboratório de Sistemas e Redes. Nota sobre a Utilização do Laboratório

Laboratório de Sistemas e Redes. Nota sobre a Utilização do Laboratório Nota sobre a Utilização do Laboratório 1. Introdução O laboratório de Sistemas e Redes foi criado com o objectivo de fornecer um complemento prático de qualidade ao ensino das cadeiras do ramo Sistemas

Leia mais

MANUAL DO UTILIZADOR DE REDE

MANUAL DO UTILIZADOR DE REDE MANUAL DO UTILIZADOR DE REDE Guardar o registo de impressão na rede Versão 0 POR Definições de notas Ao longo do Manual do utilizador, é utilizado o seguinte ícone: Notas sobre como enfrentar situações

Leia mais

Licenciatura em Eng.ª Informática Complementos de Redes - 3º Ano - 2º Semestre. Trabalho Nº 4 - VoIP

Licenciatura em Eng.ª Informática Complementos de Redes - 3º Ano - 2º Semestre. Trabalho Nº 4 - VoIP Trabalho Nº 4 - VoIP 1. Introdução A utilização de tecnologia VoIP como alternativa às redes telefónicas tradicionais está a ganhar cada vez mais a aceitação junto dos utilizadores, e está sobretudo em

Leia mais

Sistemas Multimédia. Arquitectura Protocolar Simples Modelo OSI TCP/IP. Francisco Maia famaia@gmail.com. Redes e Comunicações

Sistemas Multimédia. Arquitectura Protocolar Simples Modelo OSI TCP/IP. Francisco Maia famaia@gmail.com. Redes e Comunicações Sistemas Multimédia Arquitectura Protocolar Simples Modelo OSI TCP/IP Redes e Comunicações Francisco Maia famaia@gmail.com Já estudado... Motivação Breve História Conceitos Básicos Tipos de Redes Componentes

Leia mais

Procedimentos para Configuração de Redirecionamento de Portas

Procedimentos para Configuração de Redirecionamento de Portas 1 Procedimentos para Configuração de Redirecionamento de Portas O DIR 635 tem duas opções para liberação de portas: Virtual server: A opção Virtual Server permite que você defina uma única porta pública

Leia mais

Acronis Servidor de Licença. Manual do Utilizador

Acronis Servidor de Licença. Manual do Utilizador Acronis Servidor de Licença Manual do Utilizador ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1 Descrição geral... 3 1.2 Política de licenças... 3 2. SISTEMAS OPERATIVOS SUPORTADOS... 4 3. INSTALAR O SERVIDOR DE LICENÇA

Leia mais

3 Ferramenta de Simulação

3 Ferramenta de Simulação 3 Ferramenta de Simulação Para definir a ferramenta de simulação a ser utilizada para implementação do protocolo HIP e para coleta dos resultados de simulação com uso desse protocolo, realizou-se um estudo

Leia mais

Laboratório 3 Compilador e IDE. Departamento de Sistemas e Informática. Disciplina de Introdução à Programação Ano Lectivo 2006/2007

Laboratório 3 Compilador e IDE. Departamento de Sistemas e Informática. Disciplina de Introdução à Programação Ano Lectivo 2006/2007 Instituto Politécnico de Setúbal Escola Superior de Tecnologia Departamento de Sistemas e Informática Laboratório 3 Compilador e IDE Disciplina de Introdução à Programação Ano Lectivo 2006/2007 DSI Escola

Leia mais

Notas de Aplicação. Utilizando o servidor de comunicação SCP Server. HI Tecnologia. Documento de acesso público

Notas de Aplicação. Utilizando o servidor de comunicação SCP Server. HI Tecnologia. Documento de acesso público Notas de Aplicação Utilizando o servidor de comunicação SCP Server HI Tecnologia Documento de acesso público ENA.00024 Versão 1.02 dezembro-2006 HI Tecnologia Utilizando o servidor de comunicação SCP Server

Leia mais

Utilizar o Cisco UC 320W com o Windows Small Business Server

Utilizar o Cisco UC 320W com o Windows Small Business Server Utilizar o Cisco UC 320W com o Windows Small Business Server Esta nota de aplicação explica como implementar o Cisco UC 320W num ambiente do Windows Small Business Server. Índice Este documento inclui

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO CONVERSOR - IP / USB / SERIAL - 317 RV1

MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO CONVERSOR - IP / USB / SERIAL - 317 RV1 MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO CONVERSOR - IP / USB / SERIAL - 317 RV1 SÃO CAETANO DO SUL 06/06/2014 SUMÁRIO Descrição do Produto... 3 Características... 3 Configuração USB... 4 Configuração... 5 Página

Leia mais

Relatório do GPES. Descrição dos Programas e Plugins Utilizados. Programas Utilizados:

Relatório do GPES. Descrição dos Programas e Plugins Utilizados. Programas Utilizados: Relatório do GPES Relatório referente à instalação dos programas e plugins que estarão sendo utilizados durante o desenvolvimento dos exemplos e exercícios, sendo esses demonstrados nos próximos relatórios.

Leia mais

1.1 A abordagem seguida no livro

1.1 A abordagem seguida no livro 1- Introdução A área de administração de sistemas e redes assume cada vez mais um papel fundamental no âmbito das tecnologias da informação. Trata-se, na realidade, de uma área bastante exigente do ponto

Leia mais

Interface Homem Máquina para Domótica baseado em tecnologias Web

Interface Homem Máquina para Domótica baseado em tecnologias Web Interface Homem Máquina para Domótica baseado em tecnologias Web João Alexandre Oliveira Ferreira Dissertação realizada sob a orientação do Professor Doutor Mário de Sousa do Departamento de Engenharia

Leia mais

Network Simulator: Introdução a Simulação das Redes de Computadores. Quem sou eu...

Network Simulator: Introdução a Simulação das Redes de Computadores. Quem sou eu... Network Simulator: Introdução a Simulação das Redes de Computadores Mailson Couto mailson.ifba@gmail.com Quem sou eu Lattes: http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=k4428508j9 2 1 Sumário

Leia mais

Manual de instalação Servidor Orion Phoenix

Manual de instalação Servidor Orion Phoenix Manual de instalação Servidor Orion Phoenix Fevereiro/2011 Este documento se destina a instalação do Orion Phoenix na sua rede Versão 1.01 C ONTE ÚDO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. VISÃO GERAL... 3 3. PROCEDIMENTOS

Leia mais

Módulo 3936 ASP.NET. Financiado pelo FSE

Módulo 3936 ASP.NET. Financiado pelo FSE EISnt Centro de Formação Profissional, Engenharia Informática e Sistemas, Novas Tecnologias, Lda Avª D. João I, nº 380/384 Soutelo 4435-208 Rio Tinto Portal Internet : www.eisnt.com E-Mail : formação@eisnt.com

Leia mais

Administração de Redes Redes e Sub-redes

Administração de Redes Redes e Sub-redes 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS SÃO JOSÉ SANTA CATARINA Administração de Redes Redes e Sub-redes Prof.

Leia mais

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos UNIVERSIDADE Sistemas Distribuídos Ciência da Computação Prof. Jesus José de Oliveira Neto Comunicação Inter-Processos Sockets e Portas Introdução Sistemas distribuídos consistem da comunicação entre processos

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA INFORMÁTICA FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA INFORMÁTICA FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA INFORMÁTICA FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA Sistemas Operativos 2003/2004 Trabalho Prático #2 -- Programação em C com ponteiros -- Objectivos Familiarização

Leia mais

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III 1 REDE DE COMPUTADORES III 1. Introdução MODELO OSI ISO (International Organization for Standardization) foi uma das primeiras organizações a definir formalmente

Leia mais

18/05/2014. Problemas atuais com o IPv4

18/05/2014. Problemas atuais com o IPv4 Problemas atuais com o IPv4 Fundamentos de Redes de Computadores Prof. Marcel Santos Silva Falhas de segurança: A maioria dos ataques contra computadores hoje na Internet só é possível devido a falhas

Leia mais

Objectivos Gerais da Aplicação 5 Requisitos Mínimos e Recomendados 5 Processo de Instalação 6

Objectivos Gerais da Aplicação 5 Requisitos Mínimos e Recomendados 5 Processo de Instalação 6 MANUAL DO UTILIZADOR A informação contida neste manual, pode ser alterada sem qualquer aviso prévio. A Estratega Software, apesar dos esforços constantes de actualização deste manual e do produto de software,

Leia mais

Criação de Páginas Web - MS Word 2000

Criação de Páginas Web - MS Word 2000 Gestão Comercial e da Produção Informática I 2003/04 Ficha de Trabalho N.º 9 Criação de Páginas Web - MS Word 2000 1. Criação de uma página Web (HTML): Escreva o seu texto e introduza as imagens pretendidas

Leia mais

INF1013 MODELAGEM DE SOFTWARE

INF1013 MODELAGEM DE SOFTWARE INF1013 MODELAGEM DE SOFTWARE Departamento de Informática Ivan Mathias Filho ivan@inf.puc-rio.br Programa Capítulo 18 Sockets OLadoServidor O Lado Cliente Múltiplos Clientes 1 Programa Capítulo 18 Sockets

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CERCOMP (CENTRO DE RECURSOS COMPUTACIONAIS) TUTORIAL DE USO DO WEBMAIL - UFG

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CERCOMP (CENTRO DE RECURSOS COMPUTACIONAIS) TUTORIAL DE USO DO WEBMAIL - UFG UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CERCOMP (CENTRO DE RECURSOS COMPUTACIONAIS) TUTORIAL DE USO DO WEBMAIL - UFG Página 1 de 26 Sumário Introdução...3 Layout do Webmail...4 Zimbra: Nível Intermediário...5 Fazer

Leia mais

Descrição. Implementação. Departamento de Informática e Estatística Universidade Federal de Santa Catarina LAB 4 Transferência de Arquivos

Descrição. Implementação. Departamento de Informática e Estatística Universidade Federal de Santa Catarina LAB 4 Transferência de Arquivos Departamento de Informática e Estatística Universidade Federal de Santa Catarina LAB 4 Transferência de Arquivos Descrição Implemente nesta atividade de laboratório um programa em Java utilizando threads

Leia mais

Eng.ª Informática. Redes de Computadores. Frequência. 4 de Julho de 2006

Eng.ª Informática. Redes de Computadores. Frequência. 4 de Julho de 2006 Eng.ª Informática Redes de Computadores 4 de Julho de 2006 Leia atentamente as perguntas seguintes e responda de forma breve e precisa. Pode acompanhar a suas respostas com figuras de forma a torná-las

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES. Camada de Rede. Prof.: Agostinho S. Riofrio

REDES DE COMPUTADORES. Camada de Rede. Prof.: Agostinho S. Riofrio REDES DE COMPUTADORES Camada de Rede Prof.: Agostinho S. Riofrio Agenda 1. Introdução 2. Funções 3. Serviços oferecidos às Camadas superiores 4. Redes de Datagramas 5. Redes de Circuitos Virtuais 6. Comparação

Leia mais

WEBSITE DEFIR PRO WWW.DEFIR.NET

WEBSITE DEFIR PRO WWW.DEFIR.NET MANUAL DO UTILIZADOR WEBSITE DEFIR PRO WWW.DEFIR.NET 1. 2. PÁGINA INICIAL... 3 CARACTERÍSTICAS... 3 2.1. 2.2. APRESENTAÇÃO E ESPECIFICAÇÕES... 3 TUTORIAIS... 4 3. DOWNLOADS... 5 3.1. 3.2. ENCOMENDAS (NOVOS

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO Prof. Adriano Avelar Site: www.adrianoavelar.com Email: eam.avelar@gmail.com Mecanismos de Comunicação Voltando ao exemplo da calculadora... Rede local

Leia mais

Manual Captura S_Line

Manual Captura S_Line Sumário 1. Introdução... 2 2. Configuração Inicial... 2 2.1. Requisitos... 2 2.2. Downloads... 2 2.3. Instalação/Abrir... 3 3. Sistema... 4 3.1. Abrir Usuário... 4 3.2. Nova Senha... 4 3.3. Propriedades

Leia mais

Manual de Instalação. SafeNet Authentication Client 8.2 SP1. (Para MAC OS 10.7)

Manual de Instalação. SafeNet Authentication Client 8.2 SP1. (Para MAC OS 10.7) SafeNet Authentication Client 8.2 SP1 (Para MAC OS 10.7) 2/28 Sumário 1 Introdução... 3 2 Pré-Requisitos Para Instalação... 3 3 Ambientes Homologados... 4 4 Tokens Homologados... 4 5 Instruções de Instalação...

Leia mais

Ficha prática nº 7. SGBD Microsoft Access e SQL Server

Ficha prática nº 7. SGBD Microsoft Access e SQL Server Instituto Superior Politécnico de Viseu Escola Superior de Tecnologia Departamento de Informática Ficha prática nº 7 SGBD Microsoft Access e SQL Server Objectivo: Criação de uma aplicação em arquitectura

Leia mais

Série de CÂMARA IR EM REDE EXTERIOR

Série de CÂMARA IR EM REDE EXTERIOR Série de CÂMARA IR EM REDE EXTERIOR MANUAL DE INSTALAÇÃO Ler estas instruções na sua totalidade antes de colocar em funcionamento e devem ser guardadas para consulta futura. 1. GENERALIDADES 1.1 Conteúdo

Leia mais

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP Arquitetura TCP/IP Arquitetura TCP/IP INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP gatewa y internet internet REDE REDE REDE REDE Arquitetura TCP/IP (Resumo) É útil conhecer os dois modelos de rede TCP/IP e OSI. Cada

Leia mais

Manual do GesFiliais

Manual do GesFiliais Manual do GesFiliais Introdução... 3 Arquitectura e Interligação dos elementos do sistema... 4 Configuração do GesPOS Back-Office... 7 Utilização do GesFiliais... 12 Outros modos de utilização do GesFiliais...

Leia mais

Redes de Computadores II INF-3A

Redes de Computadores II INF-3A Redes de Computadores II INF-3A 1 ROTEAMENTO 2 Papel do roteador em uma rede de computadores O Roteador é o responsável por encontrar um caminho entre a rede onde está o computador que enviou os dados

Leia mais

LABORATÓRIO III. ROTEAMENTO ESTÁTICO Documento versão 0.1. Aluno: Paulo Henrique Moreira Gurgel #5634135

LABORATÓRIO III. ROTEAMENTO ESTÁTICO Documento versão 0.1. Aluno: Paulo Henrique Moreira Gurgel #5634135 LABORATÓRIO III ROTEAMENTO ESTÁTICO Documento versão 0.1 Aluno: Paulo Henrique Moreira Gurgel #5634135 Orientado pela Professora Kalinka Regina Lucas Jaquie Castelo Branco Maio / 2010 Laboratório III Roteamento

Leia mais

Veja abaixo um exemplo de um endereço IP de 32 bits: 10000011 01101011 00010000 11001000

Veja abaixo um exemplo de um endereço IP de 32 bits: 10000011 01101011 00010000 11001000 4 Camada de Rede: O papel da camada de rede é transportar pacotes de um hospedeiro remetente a um hospedeiro destinatário. Para fazê-lo, duas importantes funções da camada de rede podem ser identificadas:

Leia mais

Licenciatura em Eng.ª Informática Redes de Computadores - 2º Ano - 2º Semestre. Trabalho Nº 1 - Ethereal

Licenciatura em Eng.ª Informática Redes de Computadores - 2º Ano - 2º Semestre. Trabalho Nº 1 - Ethereal 1. Objectivos do Trabalho Trabalho Nº 1 - Ethereal Tomar conhecimento com um analisador de pacotes o Ethereal Realizar capturas de pacotes e analisá-los o TCP / UDP o IP o Ethernet o HTTP / DNS 2. Ambiente

Leia mais

Módulo 3936 ASP.NET. Financiado pelo FSE

Módulo 3936 ASP.NET. Financiado pelo FSE 2 EISnt Centro de Formação Profissional, Engenharia Informática e Sistemas, Novas Tecnologias, Lda Avª D. João I, nº 380/384 Soutelo 4435-208 Rio Tinto Portal Internet : www.eisnt.com E-Mail : formação@eisnt.com

Leia mais

Programação para Internet Orientada a Objetos com PHP & MySQL Instalando e configurando um ambiente de ferramentas PHP e MySQL. Prof. MSc.

Programação para Internet Orientada a Objetos com PHP & MySQL Instalando e configurando um ambiente de ferramentas PHP e MySQL. Prof. MSc. Programação para Internet Orientada a Objetos com PHP & MySQL Instalando e configurando um ambiente de ferramentas PHP e MySQL Prof. MSc. Hugo Souza Na última aula falamos um pouco sobre as ferramentas

Leia mais