PROJECTAR DE ACORDO COM O REGULAMENTOS DOS SISTEMAS ENERGÉTICOS E DE CLIMATIZAÇÃO EM EDIFÍCIOS RSECE Decreto Lei nº 79/2006 e 4 de Abril

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROJECTAR DE ACORDO COM O REGULAMENTOS DOS SISTEMAS ENERGÉTICOS E DE CLIMATIZAÇÃO EM EDIFÍCIOS RSECE Decreto Lei nº 79/2006 e 4 de Abril"

Transcrição

1 PROJECTAR DE ACORDO COM O REGULAMENTOS DOS SISTEMAS ENERGÉTICOS E DE CLIMATIZAÇÃO EM EDIFÍCIOS RSECE Decreto Lei nº 79/2006 e 4 de Abril Alfredo Costa Pereira 1

2 ÂMBITO DE APLICAÇÃO RCCTE Edifícios de Habitação (Novos e grandes reabilitações) Pequenos Edifícios de Serviços sem sistemas de climatização ou com sistemas de climatização com potência instalada P 25 kw RSECE Grandes Edifícios de Serviços (Novos, grandes reabilitações e Existentes) Edifícios de Habitação ou pequenos edifícios de serviços com sistemas de climatização e com potência instalada P > 25 kw. A potência instalada é a maior das potências instaladas para aquecimento, arrefecimento e preparação das AQS. 2

3 Aplicação dos Regulamentos Térmicos dos Edifícios 3

4 Aplicação dos Regulamentos Térmicos dos Edifícios 4

5 OS REQUISITOS MÍNIMOS DO RSECE O RSECE estabelece requisitos mínimos (Energia e QAI) para: 1 - Grandes Edifícios de Serviços (com uma área útil superior a 1000 m 2 )*, com ou sem sistemas de climatização. 2 - Pequenos Edifícios de Serviços ou Edifícios de Habitação (com uma área útil menor do que 1000 m2)*, mas com sistemas de climatização com (P > 25 kw). 5

6 OS REQUISITOS MÍNIMOS DO RSECE Grandes Reabilitações destas duas tipologias de edifícios: 1 Intervenções no edifício e nos seus sistemas energéticos cujo custo seja superior a 25% de 630 / m 2 ; 2 - Novos sistemas de climatização com P > 25 kw em edifícios já existentes (residenciais e serviços); 3 - Inspecções às caldeiras e aos sistemas AVAC. * NOTA: Excepção para algumas tipologias: 500 m 2 de área útil 6

7 O que são Grandes Edifícios de Serviços Os Grandes Edifícios de Serviços são: 1 - Todos os edifícios não - residenciais com mais 1000 m 2 de área útil de pavimento, excepto: a) - Centros Comerciais b) - Hipermercados c) - Supermercados d) - Piscinas cobertas Estes edifícios são considerados Grandes Edifícios quando a área útil de pavimento for maior que 500 m 2 7

8 Sistemas obrigatórios de energias renováveis Sistemas obrigatórios de energias renováveis: Nos edifícios novos e nas grandes reabilitações são de consideração prioritária obrigatória, os seguintes sistemas de energias renováveis (salvo demonstração de falta de viabilidade económica por parte do projectista, ou por outros impedimentos devidamente justificados e aceites pela entidade licenciadora): 1 Sistemas de colectores solares planos para produção de água quente sanitária (AQS). 2 Sistemas de aproveitamento de biomassa ou resíduos, quando disponíveis. 8

9 Sistemas obrigatórios de energias renováveis 3 - Sistemas de aproveitamento de energia geotérmica, sempre que disponível. 4 Sistemas autónomos, combinando solar térmico, solar fotovoltaico, eólico, etc. em locais distantes da rede eléctrica pública. 5 Cogeração nos edifícios de maior dimensão. 6 Ligação a redes urbanas de calor e de frio. 9

10 Requisitos mínimos para aplicação do RSECE Requisitos mínimos para aplicação do RSECE: 1 A aplicação do RSECE começa pela definição dos limites do edifício ou da fracção autónoma, classificação dos elementos da envolvente (exterior interior e sem requisitos) e verificação do cumprimento dos requisitos mínimos. 10

11 Requisitos mínimos para aplicação do RSECE 2 Os edifícios requerem diferentes níveis mínimos de qualidade térmica da envolvente opaca em função da sua localização (zona climática) que se traduzem pelos valores dos coeficientes U das zonas correntes da envolvente opaca (paredes, coberturas e pavimentos, pontes térmicas planas e da envolvente transparente no que se refere ao factor solar máximo admissível dos vãos envidraçados no Verão, ambos definidos no RCCTE). 11

12 Requisitos mínimos para aplicação do RSECE 3 Os requisitos mínimos de isolamento térmico aplicam-se a todos os edifícios, (mesmo aqueles que só são obrigados ao RSECE) e pretendem evitar condensações interiores em condições normais de funcionamento dos edifícios, isto é, na gama das temperaturas de bolbo seco e dos valores das humidades relativas de conforto ambiental. 12

13 REQUISITOS MÍNIMOS DORCCTE APLICÁVEIS AO RSECE 13

14 REQUISITOS DO RSECE TIPO DE REQUISITOS DESCRIÇÃO Energéticos Qualidade do ar interior Requisitos mínimos de qualidade térmica da envolvente (U e g) impostos pelo RCCTE Consumos nominais específicos (IEE) Nec. Nominais de aquec. e de arref. (80% Ni; 80%Nv) Caudais mínimos de Ar Novo Valores máximos de concentração de poluentes Concepção das instalações Construção, ensaios e manutenção das instalações Limitação de potência em novos sistemas de climatização Eficiência energética no projecto de novos sistemas Sistemas de regulação e controlo Sistemas de monitorização e de gestão de energia Equipamentos instalados Ensaios de recepção Inspecção a caldeiras e equipamentos de Ar Condicionado 14

15 Os requisitos de eficiência energética do RSECE Os requisitos de eficiência energética do RSECE são entre outros: 1 Obrigatoriedade de utilizar Sistemas Centralizados acima de 25 kw. 2 Obrigatoriedade de utilizar Sistemas Centralizados em edifícios de serviços com mais de 100 kw para a mesma tipologia (mesmo que com várias fracções autónomas. 3 Obrigatoriedade ao recurso a sistemas de climatização que utilizem fontes renováveis. 15

16 Os requisitos de eficiência energética do RSECE 4 Requisitos mínimos de eficiência energética nos sistemas de AVAC e seus componentes. 5 Recuperação de calor e arrefecimento gratuito. 6 Limitação do recurso ao aquecimento por resistências eléctricas. 7 Isolamentos térmicos nas redes de fluidos. 8 Exigência de sistemas de controlo e de gestão integrada de energia. 9 Meios de registo do consumo próprio de energia dos sistemas de climatização. 16

17 A aplicabilidade dos requisitos técnicos do RSECE Os requisitos técnicos do RSECE, já se aplicam desde 4/7/2006, nos termos do DL nº 79/2006, de 4 de Abril, a todos os edifícios por ele abrangidos. Estes edifícios poderão ser verificados à posteriori pelo SCE no âmbito das disposições previstas para a emissão da licença ou autorização de construção ou de utilização (edifícios novos) e das auditorias periódicas Energia e QAI, para edifícios existentes. 17

18 A Verificação do Cumprimento dos Requisitos do RSECE Embora a Directiva Europeia 2002/91/CE, (EPBD) apenas exija a comprovação do cumprimento da regulamentação no final da construção, o RSECE e o SCE consagram uma verificação prévia aquando do pedido de licença de construção ou de autorização. A lógica é que é muito mais fácil corrigir qualquer erro antes de a construir do que no final da obra. A consequência é uma verificação em dois passos, com maior custo total, mas com grande potencial de poupanças em termos de evitar correcções sempre onerosas no fim de construção. 18

19 Esta certificação do cumprimento do RSECE para os novos edifícios (e grandes reabilitações) será feita a 100%, para todos os edifícios, por Peritos Qualificados, formados em cursos específicos; Os Peritos Qualificados e o SCE são, portanto, a chave da garantia de qualidade na aplicação do novo contexto regulamentar, nomeadamente, da aplicação do RSECE. 19

20 O novo RSECE, DL nº 79/2006 de 4 de Abril O novo RSECE é o único regulamento que se aplica aos edifícios de serviços com mais de 1000 m² ou que tenham mais de 25 kw de potência instalada de climatização, qualquer que seja a sua área útil. A estas tipologias de edifícios não se aplica o RCCTE. Porquê? 20

21 O novo RSECE, DL nº 79/2006 de 4 de Abril A não aplicabilidade do RCCTE a estes edifícios tem uma razão de fundo muito objectiva: O RCCTE impõe níveis de isolamento da envolvente cada vez mais exigentes (edifícios dominados pela envolvente). 21

22 O novo RSECE, DL nº 79/2006 de 4 de Abril Pelo contrário a maioria dos edifícios de serviços são dominados pelos ganhos internos, e o aumento do isolamento para além dos valores de referência pode levar a um sobre aquecimento e consequentemente a um agravamento de consumos de energia. Esta é a razão pela qual não se lhes deve aplicar os valores de U de referência do RCCTE, mas sim valores mais próximos dos máximos admissíveis (Quadro IX.2 do RCCTE). 22

23 O novo RSECE, DL nº 79/2006 de 4 de Abril Mas nem todos os edifícios de serviços são dominados pelas cargas internas, pelo que deve haver uma optimização da envolvente caso a caso. 23

24 O RSECE não define área útil de pavimento O RSECE não define área útil de pavimento mas sim área útil. A definição de área útil de pavimento está no RCCTE. De acordo com o RCCTE a área útil corresponde à soma das áreas, medidas em planta pelo perímetro interior das paredes, de todos os compartimentos aquecidos ou com o ar em contacto com os aquecidos, de uma fracção autónoma de um edifício, incluindo vestíbulos, circulações internas, instalações sanitárias, arrumos interiores e outros compartimentos de função similar e armários nas paredes. 24

25 Estão isentos das exigências do RSECE: 1 - Edifícios industriais; 2 - Armazéns e similares não climatizados; 3 - Igrejas e outros locais de culto; 4 - Monumentos classificados; 5 - Infra-estruturas militares de acesso reservado; 6 - Pequenos edifícios de serviços (ou fracções autónomas) sem sistemas de climatização (P 25 kw); 7 - Nas ampliações que não atinjam o limiar da definição de grande reabilitação, o RSECE aplica-se à zona nova, ficando isentas as partes existentes do edifício ampliado, salvaguardando-se uma integração harmoniosa das partes nova e existente. 25

26 Exclusões do RSECE (continuação) No Ponto nº 6, há que fazer a ressalva que, embora isentos das exigências do RSECE, se existirem caldeiras com potência nominal entre 20 e 25 kw ou equipamentos de ar condicionado, com uma potência nominal entre 12 e 25 kw, existe a obrigatoriedade de se proceder a inspecções periódicas, de acordo com o previsto no Art.20.º e no Art.36.º, do RSECE. 26

27 Objectivos do Novo RSECE, DL 79/ Definir as condições de conforto térmico e de QAI exigidas nos edifícios; 2 - Melhorar a eficiência energética de todos os sistemas energéticos dos edifícios abrangidos, novos, reabilitações e existentes; 3 - Estabelecer regras de eficiência nos sistemas de climatização abrangidos; 4 - Monitorizar as práticas de manutenção dos sistemas de climatização durante o seu funcionamento corrente; 5 - Monitorizar a QAI nos edifícios durante o seu funcionamento corrente. 27

28 O RSECE e a QAI A Directiva n.º 2002/91/CE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 16 de Dezembro de 2002 (EPBD) apenas impõe exigências sobre o desempenho energético, embora diga que o conforto e a QAI não podem ser comprometidos para poupar energia. No entanto, o RSECE vai mais longe: Impõe a garantia de uma boa QAI nos edifícios de serviços. 28

29 Periodicidade das auditorias Energéticas e QAI Todos os edifícios de serviços, grandes e pequenos, ficam obrigados a uma auditoria QAI em cada 2, 3 ou 6 anos, consoante a tipologia do edifício. 29

30 Periodicidade das auditorias Energéticas e QAI 1 Os Grandes edifícios de serviços existentes: Ficam obrigados a fazer uma Auditoria Energética e da QAI de 6 em 6 anos. 2 Após a atribuição da licença de utilização, ficam obrigados a fazer uma Auditoria Energética todos os edifícios de serviços novos, grandes e pequenos, abrangidos pelo RSECE: I) De 3 em 3 anos e uma Auditoria da QAI com a seguinte periodicidade: 30

31 Periodicidade das auditorias Energéticas e QAI II) De 2 em 2 anos para edifícios ou locais como estabelecimentos de ensino ou de qualquer tipo de formação; a) - Estabelecimentos desportivos e centros de lazer, b) - Creches, infantários ou instituições e estabelecimentos para permanência de crianças, c) - Centros de idosos, lares e equiparados, hospitais, clínicas e similares; 31

32 Periodicidade das auditorias Energéticas e QAI III) De 3 em 3 anos para edifícios ou locais que alberguem actividades comerciais, de serviços, de turismo, de transportes (Aeroportos, Estações de Metro, Gares Marítimas, etc.) IV) De 6 em 6 anos em todos os restantes casos. A periodicidade das auditorias deve ser contada a partir da data de licença de utilização, ou no caso de edifícios existentes, a partir 1 de Janeiro de 2009, com o início da aplicação do SCE. 32

33 Auditorias Energéticas periódicas de 6 em 6 anos em edifícios existentes Auditorias Energéticas periódicas de 6 em 6 anos em edifícios existentes: 1 Só os grandes edifícios de serviços existentes têm requisitos energéticos, e ficam obrigados a fazer uma auditoria energética de 6 em 6 anos (art.º 7º e 9º do RSECE) a partir de 1 de Janeiro de 2009, executada sob a direcção de um Perito Qualificado para o RSECE Energia havendo lugar à emissão de um certificado energético. 33

34 Auditorias Energéticas periódicas de 6 em 6 anos em edifícios existentes Esta auditoria deve ser baseada em dados reais de consumo, sendo a auditoria fechada com um desvio máximo de 10% em relação aos valores dados pelo modelo de simulação detalhado. 2 O modelo de simulação detalhado calibrado nesta auditoria é depois utilizado para simular o edifício sob condições nominais para obter o valor do IEE nominal utilizado para estabelecer a classificação energética (Certificado Energético). 3 Em caso de consumo maior do que o permitido pelo RSECE, torna-se obrigatória a preparação de um Plano de Racionalização dos Consumos Energéticos. 34

35 Auditorias Energéticas periódicas de 6 em 6 anos em edifícios existentes 4 Sempre que ocorra uma mudança de utilizador, o edifício fica sujeito à emissão de um novo certificado em condições nominais, iniciando-se a partir desta data um novo ciclo de contagem de tempo para a próxima auditoria periódica. 35

36 AUDITORIA AO DESEMPENHO ENERGÉTICO Manutenção e Inspecções (Caldeiras e unidades de Ar Condicionado): A auditoria periódica (QAI + Energia) implica não só a comprovação da manutenção dos sistemas e instalações, as inspecções periódicas às caldeiras e sistemas de ar condicionado integradas no plano e manutenção como também as auditorias de Energia. No final da auditoria deve ser emitido um certificado SCE. 36

37 AUDITORIA AO DESEMPENHO ENERGÉTICO As não conformidades devem ser objecto de comunicação ao SCE, e poderão ser objecto de obrigação de correcção em 3 anos e/ou de processo de contraordenação. Todos os sistemas de aquecimento devem ser inspeccionados ao completarem 15 anos de idade. Das inspecções aos edifícios existentes devem resultar sempre que aplicável, recomendações de melhoria com viabilidade económica. 37

38 A Certificação Energética Nos termos da Directiva 2002/91/CE, e do DL 78/2006, a Certificação Energética será obrigatória: 1 - Para obter licença de utilização em edifícios novos; 2 - Para reabilitações importantes de edifícios existentes (custo > 25% do valor do edifício sem terreno); 3 - Na locação ou venda de edifícios de habitação e de serviços existentes (validade do certificado: Max. de 10 anos); 4 - Periodicamente (6 anos) para todos os edifícios de serviços com mais de m². 38

39 Enquadramento legal da certificação energética A Directiva nº 2002/91/CE foi transposta em 2006 para a ordem jurídica nacional através de um pacote legislativo composto por três Decretos-Lei, sendo apenas dois aplicados ao presente edifício: 1 - O Decreto-Lei n.º 78/2006 de 4 de Abril, Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE), que tem por objectivos: a) - Assegurar a aplicação regulamentar, nomeadamente no que respeita às condições de eficiência energética, à utilização de sistemas de energias renováveis e, ainda, às condições de garantia do ar interior, de acordo com as exigências e disposições contidas no RCCTE e no RSECE; 39

40 Enquadramento legal da certificação energética b) - Certificar o desempenho energético e a qualidade do ar interior nos edifícios; c) - Identificar as medidas correctivas ou de melhoria de desempenho aplicáveis aos edifícios e respectivos sistemas energéticos, nomeadamente caldeiras e equipamentos de ar condicionado, quer no que respeita ao desempenho energético, quer no que respeita à qualidade do ar interior. 40

41 Enquadramento legal da certificação energética 2 - O Decreto-Lei n.º 79/2006 de 4 Abril, Regulamento dos Sistemas Energéticos e de Climatização dos Edifícios (RSECE), estabelece: a) - As condições a observar no projecto de novos sistemas de climatização, nomeadamente os requisitos em termos de conforto térmico, renovação, tratamento e qualidade do ar interior, que devem ser assegurados em condições de eficiência energética através da selecção adequada de equipamentos e a sua organização em sistemas; 41

42 Enquadramento legal da certificação energética b) - Os limites máximos de consumo de energia nos grandes edifícios de serviços existentes e para todos os edifícios, em particular, para a climatização, previsíveis sob condições nominais de funcionamento para edifícios novos ou para grandes intervenções de reabilitação de edifícios existentes que venham a ter novos sistemas de climatização abrangidos pelo presente Regulamento, bem como os limites de potência aplicáveis aos sistemas de climatização a instalar nesses edifícios; 42

43 Enquadramento legal da certificação energética c) - Os termos de concepção, da instalação e do estabelecimento das condições de manutenção a que devem obedecer os sistemas de climatização, para garantia de qualidade e segurança durante o seu funcionamento normal, incluindo os requisitos, em termos de formação profissional, a que devem obedecer os principais intervenientes e a observância dos princípios da utilização de materiais e tecnologias adequados em todos os sistemas energéticos do edifício, na óptica da sustentabilidade ambiental; d) - As condições de monitorização e de auditoria de funcionamento dos edifícios em termos dos consumos de energia e da qualidade do ar interior. 43

44 ETAPAS DA CERTIFICAÇÃO No processo de certificação energética desenvolvido pelo Perito Qualificado, terá de ser verificada a conformidade regulamentar do edifício no âmbito dos regulamentos aplicáveis e classifica-lo de acordo com o seu desempenho energético, com base numa escala que varia de A+ (melhor desempenho) a G (pior desempenho). Como resultado da sua análise o perito irá emitir os seguintes documentos: 1 - Declaração de conformidade regulamentar (DCR) necessária para a obtenção do pedido de licença de construção; 2 - Certificado Energético e da Qualidade do Ar Interior (CE) necessário para a obtenção do pedido de licença de utilização. 44

45 Fases de Intervenção do Perito Qualificado 45

46 A GESTÃO DE ENERGIA NUM EDIFÍCIO A gestão da energia de um edifício deve começar logo na fase inicial de qualquer projecto de arquitectura pela escolha dos sistemas energéticos e seus equipamentos e horários de funcionamento. Esta metodologia tem em vista encontrar a opção mais racional sobre o modo e a forma de consumir a energia: a) - Seleccionando os meios de produção que apresentem a maior eficiência energética; b) - Utilizar energias renováveis; 46

47 A GESTÃO DE ENERGIA NUM EDIFÍCIO c) - Estabelecer sempre que possível os horários de funcionamento mais adequados das unidades mais consumidoras, (como é o caso dos chillers) deslocando o seu funcionamento para fora das horas de pico (por armazenamento de energia térmica de arrefecimento por bancos de gelo) de modo a aproveitar as horas em que a tarifa de electricidade é mais baixa. 47

48 A gestão da energia num edifício A gestão da energia é um processo continuado que deve assentar no pleno conhecimento da eficiência energética de todos os sistemas consumidores de energia pertencentes ao edifício (desde os ventiladores às bombas hidráulicas, dos chillers e bombas de calor aos elevadores e escadas rolantes, equipamentos médicos, equipamentos de escritório, iluminação artificial, etc.), bem como dos seus horários de funcionamento. 48

49 A gestão da energia num edifício Só assim é possível elaborar simulações dinâmicas detalhadas dos consumos de energia do edifício credíveis, cujos resultados apontem para valores dos Índices de Eficiência Energética, (IEE) inferiores aos valores de referência regulamentares, na perspectiva de se atingir para o edifício uma classificação energética A+, sem haver necessidade nas futuras auditorias energéticas periódicas, de elaboração de programas de melhoramento da eficiência energética. 49

50 ÂMBITO DO TRABALHO DE CERTIFICAÇÃO Como missão, é necessário saber aconselhar como racionalizar os consumos de energia fazendo reduzir a factura energética dos edifícios sem necessidade de haver qualquer limitação nas suas actividades, e no conforto dos ocupantes, optimizando a sua eficiência energética para que os edifícios atinjam a classificação energético / financeira mais adequada. 50

51 O TRABALHO DE CERTIFICAÇÃO Para o efeito, é necessário realizar os seguintes trabalhos: a) - Assegurar que os valores regulamentares exigidos no RCCTE para os coeficientes de transmissão térmica das envolventes exterior e interior do edifício, bem como dos factores solares máximos admissíveis dos envidraçados sejam cumpridos. 51

52 O TRABALHO DE CERTIFICAÇÃO b) - Para o efeito é necessário ter acesso aos projectos de arquitectura e de engenharia civil com a composição pormenorizada das envolventes exterior e interior e vãos envidraçados bem como todos os desenhos dos pormenores susceptíveis de gerarem pontes térmicas lineares e planas. 52

53 O TRABALHO DE CERTIFICAÇÃO c) Assegurar as condições de boa eficiência energética de todos os equipamentos consumidores de energia, pelo que se torna necessário ter acesso ao projecto de electricidade e ao projecto das instalações mecânicas de climatização,ventilação e desenfumagem. 53

54 O TRABALHO DE CERTIFICAÇÃO d) Assegurar a utilização de sistemas de energias renováveis. e) Assegurar a garantia da qualidade do ar interior, de acordo com as exigências e disposições contidas no (RSECE); 54

55 O TRABALHO DE CERTIFICAÇÃO f) Criação de um modelo de toda a geometria e arquitectura do edifício e inserção do mesmo num programa de simulação dinâmica, de maneira a possibilitar a recolha dos consumos energéticos do edifício; g) Certificar o desempenho energético e a qualidade do ar interior nos edifícios de acordo com o SCE. 55

56 O TRABALHO DE CERTIFICAÇÃO h) Elaborar todas as medidas conducentes à Certificação energética e da qualidade do ar interior do projecto do edifício, apontando para a classe energética A+ ou para outra que integre o binómio qualidade / custo mais adequado. 56

57 ELEMENTOS NECESSÁRIOS PARA SE ELABORAR A CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA É necessário fazer a recolha dos seguintes elementos para a elaboração da Certificação Energética: I - Projecto de Arquitectura, constituído por: 1 - Planta de localização; 2 - Plantas dos vários pisos do edifício; 3 - Alçados do edifício; 4 - Cortes em zonas representativas do edifício; 57

58 ELEMENTOS NECESSÁRIOS PARA SE ELABORAR A CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA II - Pormenores construtivos de ligação do edifício, nomeadamente: a)- Ligação das fachadas com os pavimentos térreos b)- Ligação das fachadas com pavimentos de locais não úteis ou exteriores c)- Ligação das fachadas com os pavimentos intermédios d)- Ligação das fachadas com as coberturas e)- Ligação das fachadas com varandas f) - Ligação entre as paredes verticais do edifício g) - Ligação da fachada com os vãos. 58

59 ELEMENTOS NECESSÁRIOS PARA SE ELABORAR A CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA h) - Composição e espessuras dos materiais constituintes de: - Elementos estruturais - Fachadas - Revestimentos diversos (pavimentos, tectos, tectos..suspensos ( ou falsos ), etc.) - Paredes interiores - Coberturas i) - Características dos vãos (no caso dos vãos envidraçados: tipo de caixilharia, Espessuras, Coeficientes de transmissão térmica, factores solares); j) - Elementos sombreadores, protecções solares interiores/exteriores e/ou obstruções exteriores ao edifício. 59

60 PROJECTO DAS INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS 1 - Tipologia de equipamentos iluminação, seu consumo e horário de funcionamento dos sistemas de iluminação existente em cada espaço do edifício; 2 - Tipologia de equipamentos, consumo e horário de funcionamento dos sistemas de iluminação exterior existente no edifício; 3 - Consumos eléctricos dos restantes equipamentos existentes no interior do edifício, assim como o número estimado de horas de funcionamento dos mesmos, por ano; 60

61 PROJECTO DAS INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS 4 - Consumos eléctricos de elevadores e de, escadas rolantes, existentes no interior do edifício, assim como o número estimado de horas de funcionamento dos mesmos, por ano; 5 - Existência imperativa de co-geração, função do estudo de viabilidade obrigatório. Solicita-se a entrega desse estudo de viabilidade, com a informação sobre quantitativos de energia eléctrica produzida e a potência térmica recuperada alem de outros dados do estudo; 6 - Identificação de sistemas individuais e/ou gestão integrada de consumos de energia eléctrica; 61

62 Projecto das instalações mecânicas de Climatização Cálculo das Cargas Térmicas de arrefecimento (por espaço e na globalidade do edifício) com a indicação expressa de: 1- Cálculo das Cargas Térmicas de aquecimento (por espaço e na globalidade do edifício); 2 - Condições de Projecto (temperaturas, humidades e pressões) no interior dos espaços. 3 - Indicação do sistema previsto em projecto para a realização da climatização do edifício; 62

63 Projecto das instalações mecânicas de Climatização 4 - Eficiência dos equipamentos de arrefecimento, aquecimento e ventilação do edifício; 5 - Indicação da potência de aquecimento prevista em projecto, por efeito de Joule; 6 - Indicação da potência térmica prevista em projecto afecta ao re-aquecimento terminal do edifício; 7 - Averiguação da existência de sistemas de modulação da potência das fontes térmicas do edifício; 63

64 Projecto das instalações mecânicas de Climatização 8 - Indicação das espessuras dos isolamentos previstos em projecto, para as redes hidráulicas e redes aeraulicas. 9 - Eficiência de filtragem do ar prevista nos equipamentos de climatização do edifício Demonstração da velocidade de passagem do ar no interior dos espaços climatizados, inferior a 0.2 m/s Averiguação da existência em projecto, de meios de registo individual para contagem dos consumos de energia em todos os equipamentos dos sistemas de climatização com potência eléctrica superior a 12 kw eléctricos ou potências térmicas em combustíveis fósseis superior a 100 kw. 64

65 Projecto das instalações mecânicas de Climatização 12 - Averiguação da existência em projecto, de elementos propulsores de fluidos de transporte com classificação mínima EFF2, rendimento máximo nas condições nominais de funcionamento e potência adequada às perdas de carga; 13 - Indicação da existência ou não, de materiais não ecologicamente limpos na concepção da envolvente interior. Se sim, o projecto deve assegurar uma taxa de renovação do ar efectiva 50% superior à especificada no Anexo VI do RSECE; 65

66 Projecto das instalações mecânicas de Climatização 14 - Indicar se as actividades a desenvolver no interior do edifício podem ser fontes potenciais de poluição. Se sim, o projecto deve demonstrar que adopta medidas (limpeza do ar, diluição por ventilação adequada, etc.) para que não venham a ser excedidas as concentrações máximas admissíveis; 15 - Indicação da existência ou não, de fontes poluidores resultantes da actividades exteriores, na proximidade do edifício, (incluindo poluição do solo). Em caso afirmativo, o projecto deve adoptar as estratégias necessárias para evitar a sua entrada no edifício (p. ex., filtragem adequada); 16 - Dimensionamento correcto das entradas e saídas de ar (áreas, diâmetros das condutas); 66

67 Projecto das instalações mecânicas de Climatização 17 - Demonstração da existência de passagens adequadas de ar através das portas de comunicação entre os espaços interiores do edifício: 18 - Ocupações previstas em cada espaço do edifício; 19 - Caudais de ar novo utilizados por espaço e por ocupante do edifício; 20 - Caudais de extracção utilizados por espaço do edifício; 21 - Eficiência dos sistemas de recuperação de energia dos equipamentos de climatização e ventilação, preconizados em projecto; 22 - Indicação em planta dos locais de acesso às condutas para limpeza das mesmas; 67

68 Projecto das instalações mecânicas de Climatização 23 - Indicação dos locais de captação e rejeição do ar novo / viciado do edifício; 24 - Plano de manutenção associado aos sistemas de climatização do edifício; 25 - Consumos de todos os equipamentos associados aos sistemas de climatização e ventilação do edifício; 26 - Número de horas previstas de funcionamento dos equipamentos acima mencionados; 68

69 Produção de Água Quente Sanitária 1 - Número de ocupantes previstos no edifício, no caso de ocupantes residentes; 2 - Consumo médio diário de referência de águas quentes sanitárias em contexto de serviços; 3 - Eficiência do equipamento de conversão do sistema de preparação de águas quentes sanitárias; 4 - Área de colectores solares prevista em projecto; 5 - Orientação e inclinação desses colectores solares; 69

70 Considere-se um edifício certificado que ao final de 3 anos tem uma avaliação do seu consumo: Dados do edifício: A útil = 2610m 2 ; E anual (3 Anos) = kwh/ano Sendo: PARA QUE SERVE UMA AUDITORIA ENERGÉTICA? IEE Q F global ep real = > IEEreferência =10 2 A útil pav kgep m.ano Comparando com valor de IEE referencia verifica-se o não cumprimento. 70

71 PARA QUE SERVE UMA AUDITORIA ENERGÉTICA? 1 - Deverá ser efectuada uma auditoria energética com o objectivo de determinar as parcelas de consumo que contribuem para o Aquecimento, Arrefecimento e Outros (RSECE Anexo IX). 2 - Deverá aplicar-se a correcção do consumo de energia para a região climática de referencia. 71

72 PARA QUE SERVE UMA AUDITORIA ENERGÉTICA? 3 - Se mesmo assim o IEE real, corrigido continuar superior ao IEE referencia, deverá ser elaborada uma simulação dinâmica para os perfis reais de utilização do edifício, permitindo validar um modelo do edifício para após, recorrendo a aos valores de referencia do regulamento confirmar se já está conforme. 4 - Se não for ainda considerado regulamentar, deverá ser então considerado um estudo com vista a permitir implementar um PRE para redução de consumos. 72

73 Análise da ventilação do edifício Edifícios que só dependem do RCCTE: Só é necessário garantir o mínimo de 0,6 Rph. Edifícios que dependem do RCCTE e do RSECE, ou apenas do RSECE: É necessário consultar o Anexo VI do RSECE, e entrar com a eficiência da ventilação. Verificar a eventual existência de materiais ecologicamente não limpos, e verificar se é permitida a presença de fumadores. Verificar as taxas de ventilação, espaço a espaço. 73

74 CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA DE UM EDIFÍCIO DEPENDENTE DO RSECE 74

75 ESTUDO BASE I MEMÓRIA DESCRITIVA 1 - INTRODUÇÃO O presente estudo visa um enquadramento geral para uma metodologia de cálculo do desempenho energético integrado do futuro Edifício (designação), assim como a aplicação dos requisitos mínimos para o desempenho energético do mesmo. 75

76 ESTUDO BASE I MEMÓRIA DESCRITIVA 2 - OBJECTIVO O objectivo do presente trabalho é certificar energeticamente o edifício em referência de acordo com os actuais regulamentos em vigor, recorrendo à economia de energia, através de uma gestão energética, URE, (Utilização Racional de Energia) conduzindo directamente aos seguintes benefícios: 1 - Aumento da eficiência dos sistemas energéticos do edifício, na perspectiva de se atingir para este uma classe energética A+; 76

77 ESTUDO BASE I MEMÓRIA DESCRITIVA 2 - Redução da factura energética; 3 - Acréscimo de produtividade e nos benefícios de exploração em todos os sectores de actividade; 4 - Conhecimento mais profundo das instalações e do custo energético de cada fase, processo ou sistema. 77

78 O PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA ETAPAS DA CERTIFICAÇÃO No processo de certificação energética desenvolvido pelo Perito Qualificado, terá de ser verificada a conformidade regulamentar do edifício no âmbito dos regulamentos aplicáveis e classificalo de acordo com o seu desempenho energético, com base numa escala que varia de A+ (melhor desempenho) a G (pior desempenho). 78

79 O PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA Como resultado da sua análise o perito irá emitir os seguintes documentos: 1 - Declaração de conformidade regulamentar (DCR) necessária para a obtenção do pedido de licença de construção; 2 - Certificado Energético e da Qualidade do Ar Interior (CE) necessário para a obtenção do pedido de licença de utilização 79

80 A GESTÃODE ENERGIA DE UM EDIFÍCIO A gestão da energia de um edifício deve começar logo na fase inicial de qualquer projecto de arquitectura pela escolha dos sistemas energéticos e seus equipamentos e horários de funcionamento. 80

81 Esta metodologia tem em vista encontrar a opção mais racional sobre o modo e a forma de consumir a energia: a) - Seleccionando os meios de produção que apresentem a maior eficiência energética; b) - Utilizar energias renováveis; c) - Estabelecer sempre que possível os horários de funcionamento mais adequados das unidades mais consumidoras, (como é o caso dos chillers) deslocando o seu funcionamento para fora das horas de pico (por armazenamento de energia térmica de arrefecimento por bancos de gelo) de modo a aproveitar as horas em que a tarifa de electricidade é mais baixa. 81

82 Resumo dos procedimentos Legais para Licenciamento Para obter licença ou autorização de construção: 1 Projecto do RSECE assinado pelo Projectista; 2 - Declaração de Conformidade Regulamentar, emitida pelo SCE (via Perito Qualificado); Para obter licença ou autorização de utilização no final da construção: 1 - Declaração de Conformidade do construído com o projecto e o RSECE (assinado pelo responsável pela construção da instalação); 2 - Certificado Energético emitido pelo SCE (via Perito Qualificado); 82

83 Licença ou Autorização de construção. Desenvolvimento 1 O projectista deve apresentar o projecto do RSECE (uma ficha sumário da situação do edifício face ao Regulamento dos Sistemas Energéticos e de Climatização dos Edifícios (RSECE), conforme modelo da ficha nº 1 no anexo V). 2 - O projectista deve apresentar o projecto de licenciamento das instalações mecânicas de climatização onde descreva as soluções adoptadas para as instalações mecânicas de climatização e demonstre por fracção autónoma (se as houver) a sua total conformidade com as exigências do presente Regulamento. 83

84 Licença ou Autorização de construção. Desenvolvimento 2 O projectista deve apresentar o levantamento dimensional de cada fracção autónoma, (FA) do edifício, segundo modelo da ficha nº 2 do Anexo V do RSECE, a qual inclui uma descrição sumária das soluções construtivas utilizadas. 3 O projectista deve demonstrar a satisfação dos requisitos mínimos de qualidade da envolvente (RCCTE); 4 O projectista deve demonstrar a satisfação dos requisitos energéticos sob condições nominais de projecto incluindo o cálculo dos valores das necessidades nominais específicas de energia do edifício e das potências máximas que é permitido instalar, nos termos regulamentares, nomeadamente: 84

85 Licença ou Autorização de construção. Desenvolvimento a) Para grandes edifícios de serviços o IEE calculado por simulação detalhada terá que ser inferior ou quando muito igual ao IEE ref ; b) Para pequenos edifícios de serviços o IEE calculado por método simplificado terá que ser inferior ou quando muito igual ao IEE ref ; c) Para pequenos edifícios de serviços e residenciais: Nic 0,8Ni Nvc 0,8Nv 85

86 Licença ou Autorização de construção. Desenvolvimento 5 Satisfação dos requisitos da QAI: Garantia de taxas de renovação efectivas mínimas em cada espaço (tendo em conta a eventual presença de materiais ecologicamente não limpos); 6 Satisfação dos requisitos de qualidade dos sistemas energéticos e dos principais componentes; 7 Termo de responsabilidade do projectista ou técnico responsável pelo projecto declarando a satisfação dos requisitos do presente Regulamento. (e prova de capacidade profissional emitida pela OE ou ANET. 8 Declaração de conformidade regulamentar subscrita por perito qualificado com as duas valências (Energia e QAI), no âmbito do SCE. 86

87 Implicações no Licenciamento 9 Implicações no Licenciamento ou na Autorização de Construção: Pelo menos nos grandes edifícios de serviços, em que é exigida uma simulação detalhada do edifício, é necessário apresentar, na prática, um projecto de execução quase finalizado (a menos de medições, orçamento e especificações técnicas de componentes de menor impacto); Nos restantes edifícios é necessário apresentar um projecto de climatização muito avançado para demonstrar os requisitos de renovação de ar e de eficiência energética de sistemas e dos componentes principais. 87

88 Auditorias Periódicas aos Edifícios Existentes Os edifícios de serviços (e apenas estes) é que estão sujeitos a auditorias energéticas (só grandes edifícios) e da QAI (todos) durante o seu funcionamento normal. A 1ª auditoria Energética é feita ao fim de 3 anos de utilização* do edifício, tendo como objectivo: 88

89 Objectivo: Auditorias Periódicas aos Edifícios Existentes Confirmar que o desempenho energético efectivo previsto, conforme simulação detalhada no pedido de licença de construção, corresponde à realidade. Caso contrário é necessário repor os níveis legalmente previstos de consumo. Depois desta auditoria o edifício passa ao regime de Edifício Existente. 89

90 Auditorias Periódicas aos Edifícios Existentes Auditorias Energéticas subsequentes de 6 em 6 anos: Objectivo: Confirmar que o desempenho energético do edifício continua abaixo dos níveis máximos permitidos pelo RSECE. Caso contrário, é obrigatório fazer um Plano de Reabilitação Energética e proceder à implementação de todas as medidas com viabilidade económica. 90

91 Auditorias Periódicas aos Edifícios Existentes Todas as Auditorias Energéticas tem também como objectivo verificar o cumprimento do Plano de Manutenção e inspecção às caldeiras e sistemas de ar condicionado. * Esta auditoria só se deve realizar após 3 anos de utilização efectiva do edifício. 91

92 INSPECÇÕES PERIÓDICAS AOS APARELHOS DE AR CONDICIONADO O valor da potência a considerar para se fazerem as inspecções periódicas aos aparelhos de ar condicionado deve corresponder à soma das potências dos equipamentos instalados. Nos termos do RSECE, todos os edifícios ou fracções autónomas de edifícios com uma potência de ar condicionado instalada superior ao limiar, actualmente fixado em 12 kw, ficam sujeitos a inspecções periódicas. 92

93 AUDITORIAS À QUALIDADE DO AR INTERIOR Todos os edifícios de serviços existentes, abrangidos pelo RSECE, grandes ou pequenos, ficam sujeitos a auditorias QAI, após a atribuição da licença de utilização. 1 - De dois em dois anos: Edifícios ou locais que funcionem como: a) - Estabelecimentos de ensino ou de qualquer tipo de formação; b) - Estabelecimentos desportivos e centros de lazer; c) - Creches, infantários ou instituições e estabelecimentos para permanência de crianças; d) - Centros de idosos, lares e equiparados, hospitais, clínicas e similares; 93

94 AUDITORIAS À QUALIDADE DO AR INTERIOR 2 - De três em três anos no caso de edifícios ou locais que alberguem actividades comerciais, de serviços, de turismo, de transportes, de actividades culturais, escritórios e similares; 3 - De seis em seis anos nos restantes casos. 94

95 O processo de Licenciamento O processo de licenciamento dos grandes edifícios de serviços novos só fica concluído com uma auditoria que demonstre que o seu consumo real, em funcionamento normal, se enquadra nos limites máximos permitidos. Esta auditoria deve realizar-se no final do 3º ano de funcionamento do edifício, em condições normais de utilização. 95

96 O processo de Licenciamento Em caso de ocorrer durante esses 3 anos mudança de utilizador (ou desocupação), só é pertinente o período de ocupação correspondente ao último ocupante, desde que tenha, pelo menos, um historial de 1 ano completo de dados de consumo. Caso contrário a auditoria deve ser adiada. Esta auditoria é baseada em dados reais de consumo e deve ser baseada em modelo de simulação detalhado que consiga justificar os consumos reais com a precisão pretendida. 96

97 O processo de Licenciamento Este modelo pode ser o mesmo que foi utilizado para o licenciamento do edifício, ou outro melhorado, que se mostre mais adequado. O modelo validado por esta auditoria é depois utilizado com os padrões nominais previstos para a tipologia em causa, sendo o IEE produzido por este modelo depois comparado com os limites permitidos pelo RSECE. Em caso de excesso de consumo (IEE) nominal, o edifício deve adoptar todas as medidas necessárias para atingir os valores do IEE nominal permitidos pelo RSECE. 97

98 Emissão de um certificado energético Todos os grandes edifícios de serviços existentes ficam obrigados à emissão de um certificado energético mesmo quando não sujeitos a operações de transacção de venda, arrendamento ou locação. 98

99 Licença ou Autorização de Utilização Para se requerer uma Licença ou Autorização de Utilização é necessário: 1 Uma declaração do responsável pela construção do sistema de AVAC, de que há conformidade entre o projecto e o construído e que o sistema instalado cumpre o RSECE; 2 Um dossier demonstrativo dos ensaios de recepção, devidamente quantificados e com a identificação do respectivo responsável; 3 Demonstração de limpeza e higiene do sistema, e QAI aceitável; 4 Entrega das Telas Finais ao P.Q. 99

100 Licença ou Autorização de Utilização 5 Entrega do Plano de Manutenção Preventiva ao P.Q. 6 Identificação do Técnico Responsável pela condução e manutenção da instalação (devidamente qualificado mediante prova de capacidade profissional emitida pela entidade competente; 7 Termo de responsabilidade do responsável pela construção do sistema de AVAC (e prova de capacidade emitida pela OE ou ANET); 8 Certificado Energético e da QAI emitido por Perito Qualificado do SCE. 100

101 É obrigatória a existência de um PMP comprovado pelo SCE Para a obtenção de licença ou autorização de utilização é obrigatória a existência de um PMP comprovado pelo SCE, nos termos do RSECE. 101

102 A Licença ou Autorização de Utilização aplica-se também a novos sistemas de AVAC em edifícios existentes. 1 Declaração do responsável pela construção do sistema de AVAC de que há conformidade entre o projecto e o construído, e que o sistema instalado cumpre o RSECE; 2 Dossier demonstrativo dos Ensaios de Recepção, devidamente quantificados e com a identificação do respectivo responsável; 3 Demonstração de limpeza e Higiene do Sistema, e QAI aceitável; 4 Entrega de Telas Finais; 102

103 A Licença ou Autorização de Utilização aplica-se também a novos sistemas de AVAC em edifícios existentes. 5 Entrega do Plano de Manutenção Preventiva (PMP); 6 Identificação do Técnico Responsável pela condução e manutenção da instalação (devidamente qualificado mediante prova de capacidade profissional emitida pela entidade competente). 7 Termo de responsabilidade emitido pelo responsável pela construção do sistema de AVAC (e prova de capacidade emitida pela OE ou ANET); 8 Certificado Energético e da QAI emitido por Perito Qualificado do SCE. 103

104 Plano de Manutenção Preventiva (PMP) Num Plano de Manutenção Preventiva (PMP) das instalações e equipamentos energéticos, nos termos do RSECE devem constar pelo menos os seguintes elementos: a) A descrição detalhada dos procedimentos de manutenção preventiva dos sistemas energéticos e da optimização da QAI, em função dos vários tipos de equipamentos e das características específicas dos seus componentes e das potenciais fontes poluentes do ar interior; b) A periodicidade das operações de manutenção preventiva e de limpeza; c) O nível de qualificação profissional dos técnicos que as devem executar; 104

105 Plano de Manutenção Preventiva (PMP) d) O registo das operações de manutenção realizadas, com a indicação do técnico ou técnicos que as realizaram, dos resultados das mesmas e outros eventuais comentários pertinentes; e) O registo das análises periódicas da QAI, com indicação do técnico ou técnicos que as realizaram; f) A definição das grandezas a medir para posterior constituição de um histórico do funcionamento da instalação. g) A existência de um livro de registo de ocorrências. h) Esquemas de principio (diagramas) nas centrais. i) Informação de condução e planos de contingência. 105

106 Plano de Manutenção Preventiva (PMP) das instalações e equipamentos energéticos a) A identificação completa do edifício e sua localização; b) A identificação e contactos do técnico responsável; c) A identificação e contactos do proprietário e, se aplicável, do locatário; d) A descrição e caracterização sumária do edifício e dos respectivos compartimentos interiores climatizados, com a indicação expressa: 1) Do tipo de actividade nele habitualmente desenvolvida; 2) Do número médio de utilizadores, distinguindo, se possível, os permanentes dos ocasionais; 3) Da área climatizada total; 4) Da potência térmica total; 106

107 Plano de Manutenção Preventiva (PMP) Para além do conteúdo obrigatório, sempre que aplicável, um PMP deverá registar também os seguintes procedimentos: 1 - Inventário e codificação das instalações. 2 - Fichas técnicas de equipamentos. 3 - Fichas de funcionamento dos equipamentos. 4 - Famílias de equipamentos. 5 - Programas específicos de manutenção. 6 - Planeamento do serviço. 7 - Pedidos de trabalho sistematizados. 8 - Aperfeiçoamento do plano e rotinas. 9 - Registos tipo (mapas) de consumos energéticos e de funcionamento. 107

108 Plano de Manutenção Preventiva (PMP) Um Plano de Manutenção Preventiva é condição necessária à emissão do Certificado de Conformidade emitido por um perito qualificado, no âmbito do SCE. De acordo com o capítulo VI do RSECE, além do que já foi referido anteriormente, um Plano de Manutenção Preventiva tem ainda que incluir: 1 - Informações sobre as habilitações técnicas da pessoa que vai ficar responsável pela manutenção do edifício; 2 - Informações sobre as qualificações técnicas do pessoal responsável por fazer o acompanhamento da manutenção, e a sua identificação. 108

109 LIVRO DE REGISTOS Deve haver um livro de registos onde se anotem todos os procedimentos relativos às operações de manutenção, nomeadamente os que se referem às inspecções periódicas obrigatórias às caldeiras e aos chillers, (de acordo com o Art.º 20º do capítulo VI do RSECE. Todas as alterações de produtos ou rotinas devem ser devidamente registadas, nesse livro, e a QAI deve ser monitorizada na sequência dessa alterações, para haver certeza de que não há consequências indesejáveis. 109

110 LIVRO DE REGISTOS Devem também ser previstos registos sobre as operações de limpeza do edifício, incluindo as especificações químicas dos produtos de limpeza utilizados, pois estes podem ter impacto importante na QAI final efectiva. Na sala de máquinas deve estar afixado em lugar bem visível e protegido de choques mecânicos ou químicos, os esquemas de princípio de funcionamento das instalações, bem como um inventário de todos os equipamentos existentes acompanhado da respectiva documentação técnica. 110

111 LIVRO DE REGISTOS Além disso é necessário haver instruções detalhadas de como fazer cada operação de manutenção, e um livro de registos das operações de manutenção. Em caso de emergência é necessário que existam instruções sobre as medidas a tomar, ou seja que exista um plano de contingência. 111

112 O responsável pelo Plano de Manutenção Preventiva O responsável pelo Plano de Manutenção Preventiva (PMP) num edifício de serviços ou fracção autónoma, para efeitos do RSECE, tem que ser a de um Técnico Responsável pelo Funcionamento (TRF), com as qualificações e competências definidas no Art.º 21º do DL nº 79/2006 de 4 de Abril. 112

113 O responsável pelo Plano de Manutenção Preventiva As qualificações mínimas para o exercício desta função são, cumulativamente: 1 - No caso de sistemas de climatização com P m 100kW: a) - Qualificação como técnico de instalação e manutenção de sistemas de climatização com potências nominais superiores a 100 kw (TIM III). b) -Ter desenvolvido a sua actividade profissional na área da manutenção de sistemas de climatização nos últimos 3 anos. c) - Actualização profissional comprovada no caso de revalidação da qualificação. 113

114 O responsável pelo Plano de Manutenção Preventiva 2 - No caso de sistemas de climatização Pm > 100kW. a) - Especialistas em climatização ou energia, engenheiros mecânicos, engenheiros técnicos mecânicos, engenheiros electrotécnicos, engenheiros técnicos de energia e sistemas de potência, engenheiros maquinistas da marinha marcante com carta de 2º engenheiro maquinista e engenheiros de outras especialidades reconhecidas pela Comissão Tripartida, com base na análise curricular. 114

115 O responsável pelo Plano de Manutenção Preventiva b) -Ter desenvolvido comprovadamente a sua actividade profissional na área da manutenção de sistemas de climatização, com potência superior a 100 kw, nos últimos 3 anos. c) - Ter concluído com aproveitamento o curso complementar de QAI aprovado pela Comissão Tripartida. d) - Actualização profissional comprovada no caso de revalidação da qualificação. e) Os Peritos Qualificados em RSECE Energia + QAI têm aprovação automática. 115

116 O LIVRO DE OCORRÊNCIAS O livro de ocorrências no âmbito do RSECE constitui o registo de todas as alterações efectuadas nas instalações de climatização em causa e que devem obrigatoriamente fazer parte dos procedimentos de manutenção do edifício. 116

117 OS ENSAIOS DE RECEPÇÃO Os ensaios de recepção permitem garantir que as condições de funcionamento dos sistemas de climatização estão de acordo com o projectado. Na sua realização devem ser estabelecidas metodologias de execução e critérios de aceitação: 1 - Deverá ser efectuado um relatório adequado comprovativo da data da sua realização, dos respectivos técnicos responsáveis; 117

118 OS ENSAIOS DE RECEPÇÃO 2 - Deverá ser efectuado um relatório adequado comprovativo dos resultados obtidos que satisfaçam os critérios pretendidos, devidamente validado pelo dono da obra ou seu representante. 3 - Os ensaios que não produzam resultados satisfatórios devem ser repetidos, após as medidas de correcção apropriadas na instalação, até que os critérios pretendidos sejam integralmente satisfeitos. 118

O Decreto-Lei nº 79/2006 de 4 de Abril: Regulamento dos Sistemas Energéticos e de Climatização em edifícios

O Decreto-Lei nº 79/2006 de 4 de Abril: Regulamento dos Sistemas Energéticos e de Climatização em edifícios O Decreto-Lei nº 79/2006 de 4 de Abril: Regulamento dos Sistemas Energéticos e de Climatização em edifícios Questões fundamentais elaboradas por Alfredo Costa Pereira Formador de Peritos Qualificados Nº

Leia mais

Os aspectos fundamentais do RSECE por Alfredo Costa Pereira

Os aspectos fundamentais do RSECE por Alfredo Costa Pereira Os aspectos fundamentais do RSECE por Alfredo Costa Pereira O Indicador de Eficiência Energética (IEE) é o indicador fundamental utilizado pelo RSECE para determinar o cumprimento, ou não, dos requisitos

Leia mais

MÊS DA ENERGIA - AÇORES

MÊS DA ENERGIA - AÇORES MÊS DA ENERGIA - AÇORES SEMINÁRIO Eficiência Energética Credenciação de Técnicos no âmbito do SCE Fernando Brito Ponta Delgada 6 de Maio de 2008 1 1 COMISSÃO TRIPARTIDA CTAQAI DIRECÇÃO GERAL DE ENERGIA

Leia mais

GET GESTÃO DE ENERGIA TÉRMICA Lda.

GET GESTÃO DE ENERGIA TÉRMICA Lda. GET GESTÃO DE ENERGIA TÉRMICA Lda. HÁ MAIS DE ENGENHEIROS CONSULTORES DESDE 1985 ESPECIALISTAS EM ENGENHARIA DE CLIMATIZAÇÃO de: Alfredo Costa Pereira e Raul Vasconcelos Bessa A CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA

Leia mais

Alfredo Costa Pereira. (www.get.pt)

Alfredo Costa Pereira. (www.get.pt) FUNDAMENTOS DO RSECE Regulamento dos Sistemas Energéticos e de Climatização em edifícios. Decreto lei nº 78/2006 de 4 de Abril. Apontamentos elaborados por Alfredo Costa Pereira O RSECE é aplicado em vários

Leia mais

Workshop Soluções energeticamente eficientes em edifícios públicos Portalegre, 14 de Abril de 2010

Workshop Soluções energeticamente eficientes em edifícios públicos Portalegre, 14 de Abril de 2010 Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Workshop Soluções energeticamente eficientes em edifícios públicos Portalegre, 14 de Abril de 2010 Sistema

Leia mais

CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA

CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA O Programa para a Eficiência Energética tem como objectivo principal melhorar a eficiência energética dos edifícios portugueses. Com efeito, Portugal, sendo um país com excelentes

Leia mais

Fórum Eficiência Energética

Fórum Eficiência Energética Fórum Eficiência Energética A Visão do Auditor Aspectos a Considerar Luís Coelho Escola Superior de Tecnologia de Setúbal (ESTSetúbal) - IPS OBJECTIVOS: Apresentar os aspectos mais importantes da intervenção

Leia mais

QUEM FAZ A AVALIAÇÃO ENERGÉTICA E EMITE O CERTIFICADO?

QUEM FAZ A AVALIAÇÃO ENERGÉTICA E EMITE O CERTIFICADO? O QUE É UM CERTIFICADO ENERGÉTICO? Um Certificado Energético (CE) de um edifício ou fracção autónoma é o documento emitido no âmbito do Sistema Nacional de Certificação Energética e Qualidade do Ar Interior

Leia mais

2. O Artigo 7.º do DL 78/20006, Exercício da função de perito qualificado, estabelece:

2. O Artigo 7.º do DL 78/20006, Exercício da função de perito qualificado, estabelece: Assunto: SCE Certificação de Competências 1. O Decreto Lei n.º 78/2006, de 4 de Abril, transpõe parcialmente para a ordem jurídica nacional a directiva n.º 2002/91/CE, do parlamento Europeu e do Conselho,

Leia mais

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA. arlindo.louro@iep.pt

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA. arlindo.louro@iep.pt SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA arlindo.louro@iep.pt Instalações instituto electrotécnico português Matosinhos Rua de S. Gens, 3717 4460-409 Senhora da Hora Tel.: 229570000/15 Fax: 229530594 e-mail:com@iep.pt

Leia mais

Perguntas & Respostas. RSECE Energia

Perguntas & Respostas. RSECE Energia sobre o RSECE Energia Regulamento dos Sistemas Energéticos e de Climatização de Edifícios D.L. 79/2006 de 4 de Abril Um dia todos os edifícios serão verdes Versão 1.2 Novembro 2008 O presente documento

Leia mais

Desempenho energético dos edifícios o impacto dos regulamentos na construção e as oportunidades de melhoria do parque habitacional

Desempenho energético dos edifícios o impacto dos regulamentos na construção e as oportunidades de melhoria do parque habitacional Desempenho energético dos edifícios o impacto dos regulamentos na construção e as oportunidades de melhoria do parque habitacional Paulo Santos ADENE Agência para a Energia Nuno Baptista ADENE Agência

Leia mais

7. Jornadas de Climatização

7. Jornadas de Climatização 7. Jornad de Climatização As qualificações exigid para os Técnicos de Manutenção e Responsáveis pelo Funcionamento Fernando Brito 8 de Novembro de 2007 Introdução O que diz o Regulamento: Artº 19 Condução

Leia mais

Perguntas & Respostas. RSECE Energia

Perguntas & Respostas. RSECE Energia sobre o RSECE Energia Regulamento dos Sistemas Energéticos e de Climatização de Edifícios D.L. 79/2006 de 4 de Abril Um dia todos os edifícios serão verdes Versão 2.0 Maio de 2011 O presente documento

Leia mais

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios Sessão de Divulgação Gestão de Energia - Novas Disposições Regulamentares, sua Articulação e Estratégias Auditório

Leia mais

CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA (nova edição)

CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA (nova edição) CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA (nova edição) MÓDULO RCCTE OBJECTIVOS Formação de peritos qualificados no âmbito da Certificação Energética de Edifícios no que respeita à aplicação do novo Regulamento das Características

Leia mais

PROPOSTA. 1. Introdução. Com base nos textos legais:

PROPOSTA. 1. Introdução. Com base nos textos legais: RESPONSABILIDADES DOS PROJECTISTAS DE INSTALAÇÕES, EQUIPAMENTOS E SISTEMAS DE AQUECIMENTO, VENTILAÇÃO E AR CONDICIONADO VERSUS RESPONSABILIDADES DOS PERITOS QUALIFICADOS NO ÂMBITO DO SCE (SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO

Leia mais

O artigo 3.º do Decreto-Lei n.º 78/2006, de 4 de Abril, estabelece como estando abrangidos pelo SCE os seguintes edifícios:

O artigo 3.º do Decreto-Lei n.º 78/2006, de 4 de Abril, estabelece como estando abrangidos pelo SCE os seguintes edifícios: Regime Jurídico da Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Departamento de Imobiliário 12 de Janeiro de 2009 O Decreto-Lei n.º 78/2006 de 4 de Abril aprovou o Sistema

Leia mais

CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR

CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR Nº CER 1234567/2007 CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR TIPO DE EDIFÍCIO: EDIFÍCIO DE SERVIÇOS Morada / Situação: Localidade Concelho Data de emissão do certificado Nome

Leia mais

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios SCE Sistema Nacional de Certificação Energética e Qualidade do Ar Interior DL 78/2006 Sistema Nacional de Certificação

Leia mais

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE)

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Seminário : Inovação na Construção, Técnicas e Materiais de Construção sustentável Auditório da Associação

Leia mais

PRINCIPAL REGULAMENTAÇÃO EXISTENTE E SUA IMPLEMENTAÇÃO A NÍVEL EUROPEU CAPÍTULO 3

PRINCIPAL REGULAMENTAÇÃO EXISTENTE E SUA IMPLEMENTAÇÃO A NÍVEL EUROPEU CAPÍTULO 3 PRINCIPAL REGULAMENTAÇÃO EXISTENTE E SUA IMPLEMENTAÇÃO A NÍVEL EUROPEU CAPÍTULO 3 PRINCIPAL REGULAMENTAÇÃO EXISTENTE E SUA IMPLEMENTAÇÃO A NÍVEL EUROPEU 19 CAPÍTULO 3 ÍNDICE 3. PRINCIPAL REGULAMENTAÇÃO

Leia mais

Cumprir Quioto é um desafio a ganhar

Cumprir Quioto é um desafio a ganhar Cumprir Quioto é um desafio a ganhar 90 Emissões de GEE e compromissos 2008-2012 em Portugal Emissões de GEE (Mt de CO 2) 75 60 45 30 15 +27% 0 1990 1995 2000 2005 2010 2015 Emissão de GEE Meta Quioto

Leia mais

ANEXO: PROGRAMA DO CURSO 1º Módulo: Fundamentos de Térmica de Edifícios FTE

ANEXO: PROGRAMA DO CURSO 1º Módulo: Fundamentos de Térmica de Edifícios FTE ANEXO: PROGRAMA DO CURSO 1º Módulo: Fundamentos de Térmica de Edifícios FTE 1. O BALANÇO ENERGÉTICO NOS EDIFÍCIOS (1,0 H.) 1.1. Condução através da envolvente; 1.2. Renovação de ar; 1.3. Ganhos Internos;

Leia mais

Decreto-Lei n.º 79/2006 de 4 de Abril Aprova o Regulamento dos Sistemas Energéticos de Climatização em Edifícios (RSECE)

Decreto-Lei n.º 79/2006 de 4 de Abril Aprova o Regulamento dos Sistemas Energéticos de Climatização em Edifícios (RSECE) A leitura deste documento, que transcreve o conteúdo do Decreto-Lei n.º 79/2006, de 4 de Abril, não substitui a consulta da sua publicação em Diário da República. Decreto-Lei n.º 79/2006 de 4 de Abril

Leia mais

Ar Interior em Edifícios Qualidade do Ar Interior. Dília Jardim MUNICÍPIOS E CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS 18 de Junho de 2009

Ar Interior em Edifícios Qualidade do Ar Interior. Dília Jardim MUNICÍPIOS E CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS 18 de Junho de 2009 Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior em Edifícios Qualidade do Ar Interior Dília Jardim MUNICÍPIOS E CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS 18 de Junho de 2009 Qualidade do Ar Fontes de

Leia mais

Auditorias Energéticas aos Edifícios de Serviços. João Francisco Fernandes ESTSetúbal/IPS

Auditorias Energéticas aos Edifícios de Serviços. João Francisco Fernandes ESTSetúbal/IPS Auditorias Energéticas aos Edifícios de Serviços João Francisco Fernandes ESTSetúbal/IPS Auditorias e SCE Auditorias durante o funcionamento >> emissão dos certificados energético e da QAI. Primeira Auditoria

Leia mais

Guia Prático do Certificado Energético da Habitação

Guia Prático do Certificado Energético da Habitação Guia Prático do Certificado Energético da Habitação Fonte: ADENE O QUE É UM CERTIFICADO ENERGÉTICO? Um Certificado Energético (CE) de um edifício ou fracção autónoma é o documento emitido no âmbito do

Leia mais

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios. Janeiro/Fevereiro 2008

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios. Janeiro/Fevereiro 2008 Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios Janeiro/Fevereiro 2008 Sistema de Certificação Energética e de QAI Contexto nacional energético e ambiental Transposição

Leia mais

Certificação energética dos edifícios existentes

Certificação energética dos edifícios existentes Certificação energética dos edifícios existentes Metodologias simplificadas, vantagens, dificuldades e inconvenientes Helder Gonçalves e Laura Aelenei 8ª Jornadas de Climatização Lisboa, 15 de Outubro

Leia mais

Optimização Energética na Reabilitação Onde Investir?

Optimização Energética na Reabilitação Onde Investir? Optimização Energética na Reabilitação Onde Investir? A nova legislação estabelece as seguintes exigências relativamente à envolvente do edifício: Limite máximo dos coeficientes de transmissão térmica

Leia mais

A QAI nos edifícios de serviços. Identificação de Fontes Poluidoras Internas ou Externas Exemplo: Abordagem do Radão

A QAI nos edifícios de serviços. Identificação de Fontes Poluidoras Internas ou Externas Exemplo: Abordagem do Radão A QAI nos edifícios de serviços. Identificação de Fontes Poluidoras Internas ou Externas O Perito Qualificado deve confirmar se há: Quaisquer actividades a desenvolverem no interior do edifício que sejam

Leia mais

Microgeração de Energia Enquadramento Legal

Microgeração de Energia Enquadramento Legal Microgeração de Energia Enquadramento Legal Inês Saraiva Azevedo Junho 2008 Enquadramento Legislativo Decreto-Lei n.º 363/2007 Benefícios Fiscais Confidencial 2 Enquadramento Legislativo Confidencial 3

Leia mais

Seminário ENERGIA Construção Sustentável. Programa RCCTE-STE. Universidade Lusíada, V.N. Famalicão - 14 de Abril 2010

Seminário ENERGIA Construção Sustentável. Programa RCCTE-STE. Universidade Lusíada, V.N. Famalicão - 14 de Abril 2010 Programa RCCTE-STE Álvaro Ferreira Ramalho RCCTE-STE - 1 Introdução Esta aplicação (RCCTE-STE) permite efectuar os cálculos necessário à aplicação do RCCTE (Dec.Lei 80/2006) bem como, a requerida no RSECE

Leia mais

Aquecimento / Arrefecimento forma de climatização pela qual é possível controlar a temperatura mínima num local.

Aquecimento / Arrefecimento forma de climatização pela qual é possível controlar a temperatura mínima num local. ANEXO I CONCEITOS E DEFINIÇÕES (A) Águas quentes sanitárias (AQS) é a água potável a temperatura superior a 35ºC utilizada para banhos, limpezas, cozinha e outros fins específicos, preparada em dispositivo

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA MÁRTIRES DO TARRAFAL, Nº375, 1º ESQ Localidade MONTIJO

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA MÁRTIRES DO TARRAFAL, Nº375, 1º ESQ Localidade MONTIJO Válido até 14/04/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA MÁRTIRES DO TARRAFAL, Nº375, 1º ESQ Localidade MONTIJO Freguesia MONTIJO E AFONSOEIRO Concelho MONTIJO GPS 38.710800, -8.986600 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

Q1 - Com a entrada em vigor do DLR 16/2009/A, continuam a ser necessárias as certificações dos projectos de gás (no Açores pelo ITG, por exemplo)?

Q1 - Com a entrada em vigor do DLR 16/2009/A, continuam a ser necessárias as certificações dos projectos de gás (no Açores pelo ITG, por exemplo)? Q Equipamentos e Instalações de Gás Q1 - Com a entrada em vigor do DLR 16/2009/A, continuam a ser necessárias as certificações dos projectos de gás (no Açores pelo ITG, por exemplo)? Um projectista de

Leia mais

A CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA EM PORTUGAL - ANÁLISE DA SUA APLICAÇÃO A UM EDIFÍCIO DE SERVIÇOS

A CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA EM PORTUGAL - ANÁLISE DA SUA APLICAÇÃO A UM EDIFÍCIO DE SERVIÇOS A CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA EM PORTUGAL - ANÁLISE DA SUA APLICAÇÃO A UM EDIFÍCIO DE SERVIÇOS Panorama Energético Segundo o Portal Europeu de Energia em 2009: Ou seja, o sector dos edifícios foi responsável

Leia mais

TRAINREBUILD Formar para Reabilitar a Europa. WORKSHOP Reabilitação Energética de Edificios. Cascais, 19 de Abril de 2012

TRAINREBUILD Formar para Reabilitar a Europa. WORKSHOP Reabilitação Energética de Edificios. Cascais, 19 de Abril de 2012 TRAINREBUILD Formar para Reabilitar a Europa WORKSHOP Reabilitação Energética de Edificios Cascais, 19 de Abril de 2012 INDICE Lisboa E-Nova Enquadramento Conceitos Metodologia Oportunidades de Melhoria

Leia mais

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Sistema de Certificação Energética - Geral

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Sistema de Certificação Energética - Geral Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Sistema de Certificação Energética e de QAI Contexto nacional energético e ambiental Transposição da Directiva

Leia mais

As Auditorias Energéticas e a Gestão da Energia como fator de competitividade

As Auditorias Energéticas e a Gestão da Energia como fator de competitividade As Auditorias Energéticas e a Gestão da Energia como fator de competitividade Artur Serrano CTCV Sistemas de Energia 1 ÍNDICE DOS ASSUNTOS Sistemas de Energia do CTCV - Actividades Objectivos das Auditorias

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DO MOLHE, 113, R/C ESQ.º Localidade PORTO

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DO MOLHE, 113, R/C ESQ.º Localidade PORTO Válido até 28/09/2025 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA DO MOLHE, 113, R/C ESQ.º Localidade PORTO Freguesia ALDOAR, FOZ DO DOURO E NEVOGILDE Concelho PORTO GPS 41.160004, -8.682547 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

Licenciamento de Instalações Desportivas

Licenciamento de Instalações Desportivas Licenciamento de Instalações Desportivas 1 Finalidade O licenciamento dos projetos de Instalações Desportivas Especializadas e Especiais para Espetáculos (Artigos 8º e 9º do D.L. n.º 141/2009, de 16 de

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada AV. COMBATENTES 15, RCH DRT,, Localidade SESIMBRA

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada AV. COMBATENTES 15, RCH DRT,, Localidade SESIMBRA Válido até 08/05/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada AV. COMBATENTES 15, RCH DRT,, Localidade SESIMBRA Freguesia SESIMBRA (SANTIAGO) Concelho SESIMBRA GPS 38.444432, -9.105156 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

PERGUNTAS & RESPOSTAS

PERGUNTAS & RESPOSTAS PERGUNTAS & RESPOSTAS O presente documento inclui um conjunto de perguntas e respostas sobre o sistema de certificação energética e da qualidade do ar interior nos edifícios estabelecido pelo D.L. 78/2006

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação

Certificado Energético Edifício de Habitação Válido até 22/07/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada TRAVESSA DOS GALINHEIROS, 17, 2ºDIR Localidade GANDRA PRD Freguesia GANDRA Concelho PAREDES GPS 41.186242, -8.449825 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL Conservatória

Leia mais

Regras de procedimentos para transporte de bens e

Regras de procedimentos para transporte de bens e Regras de procedimentos para transporte de bens e Os Sistemas de Gestão Técnica na nova regulamentação para a eficiência energética mercadorias em edifícios Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração

Leia mais

PROJECTOS AVAC EM ESCOLAS: SUCESSOS E DIFICULDADES

PROJECTOS AVAC EM ESCOLAS: SUCESSOS E DIFICULDADES PROJECTOS AVAC EM ESCOLAS: SUCESSOS E DIFICULDADES ENQUADRAMENTO REGULAMENTAR: RSECE (DL79/06) Grande Edifício de Serviços (área > 1000 m 2 ) Edifício constituído por vários corpos Grande intervenção de

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DA CARAPINHEIRA, 14 E 16, Localidade CARAPINHEIRA

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DA CARAPINHEIRA, 14 E 16, Localidade CARAPINHEIRA Válido até 05/05/2025 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA DA CARAPINHEIRA, 14 E 16, Localidade CARAPINHEIRA Freguesia CARAPINHEIRA Concelho MONTEMOR-O-VELHO GPS 40.206620, -8.649000 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada MONTE STO ANTONIO - CASA FELIZ, CAIXA POSTAL 2010P, Localidade BENSAFRIM

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada MONTE STO ANTONIO - CASA FELIZ, CAIXA POSTAL 2010P, Localidade BENSAFRIM Válido até 04/11/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada MONTE STO ANTONIO - CASA FELIZ, CAIXA POSTAL 2010P, Localidade BENSAFRIM Freguesia BENSAFRIM E BARÃO DE SÃO JOÃO Concelho LAGOS GPS 37.157682, -8.742078

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada SESMARIA DE SÃO JOSÉ, RUA DO AGRICULTOR, 51, Localidade SALVATERRA DE MAGOS

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada SESMARIA DE SÃO JOSÉ, RUA DO AGRICULTOR, 51, Localidade SALVATERRA DE MAGOS Válido até 13/03/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada SESMARIA DE SÃO JOSÉ, RUA DO AGRICULTOR, 51, Localidade SALVATERRA DE MAGOS Freguesia SALVATERRA DE MAGOS E FOROS DE SALVATERRA Concelho SALVATERRA DE

Leia mais

6624-(18) Diário da República, 1.ª série N.º 232 29 de novembro de 2013

6624-(18) Diário da República, 1.ª série N.º 232 29 de novembro de 2013 6624-(18) Diário da República, 1.ª série N.º 232 29 de novembro de 2013 Portaria n.º 349-B/2013 de 29 de novembro O Decreto -Lei n.º 118/2013, de 20 de agosto, aprovou o Sistema de Certificação Energética

Leia mais

Esquema de Certificação Técnicos de Instalação e Manutenção de Sistemas de Climatização

Esquema de Certificação Técnicos de Instalação e Manutenção de Sistemas de Climatização Esquema de Certificação Técnicos de Instalação e Manutenção de Sistemas de Climatização 1. Introdução 1.1. O presente documento, descreve os requisitos particulares referentes à certificação de técnicos

Leia mais

A Nova Regulamentação

A Nova Regulamentação A Nova Regulamentação Edifícios de Habitação UEE - Unidade de Eficiência Energética Susana Camelo 1 Evolução Legislação Nacional < 1990: Inexistência de requisitos térmicos na habitação 1990: RCCTE - Regulamento

Leia mais

CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR NOS EDIFÍCIOS

CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR NOS EDIFÍCIOS CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR NOS EDIFÍCIOS Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Sistema de Certificação Energética e de

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA ENGENHEIRO CARLOS RODRIGUES, BLOCO N.º 4, 1º D Localidade ÁGUEDA

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA ENGENHEIRO CARLOS RODRIGUES, BLOCO N.º 4, 1º D Localidade ÁGUEDA Válido até 16/01/2025 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA ENGENHEIRO CARLOS RODRIGUES, BLOCO N.º 4, 1º D Localidade ÁGUEDA Freguesia ÁGUEDA E BORRALHA Concelho AGUEDA GPS 40.577121, -8.439516 IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Certificação energética e auditoria energética em edifícios a serem reabilitados; Situação actual da Certificação Energética;

Certificação energética e auditoria energética em edifícios a serem reabilitados; Situação actual da Certificação Energética; Certificação energética e auditoria energética em edifícios a serem reabilitados; Situação actual da Certificação Energética; Monitorização energética dos edifícios Isabel Santos ECOCHOICE Estoril, Abril

Leia mais

Sistema Nacional de Certificação Energética de Edifícios (SCE) Paulo Santos / ADENE PORTUGAL

Sistema Nacional de Certificação Energética de Edifícios (SCE) Paulo Santos / ADENE PORTUGAL Sistema Nacional de Certificação Energética de Edifícios (SCE) Paulo Santos / ADENE PORTUGAL Inmetro, Brasil, 14 e 15 de Maio 2012 ÍNDICE ADENE - Apresentação Enquadramento e introdução ao SCE Formação

Leia mais

Sistema de Certificação Energética e de QAI

Sistema de Certificação Energética e de QAI Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios Outubro 2007 Sistema de Certificação Energética e de QAI Contexto nacional energético e ambiental Transposição da

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA D. GLÓRIA DE CASTRO, Nº 141,, Localidade VILA NOVA DE GAIA

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA D. GLÓRIA DE CASTRO, Nº 141,, Localidade VILA NOVA DE GAIA Válido até 22/08/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA D. GLÓRIA DE CASTRO, Nº 141,, Localidade VILA NOVA DE GAIA Freguesia VILAR DE ANDORINHO Concelho VILA NOVA DE GAIA GPS 41.099916, -8.587908 IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA GENERAL HUMBERTO DELGADO, BLOCO F, 181, 3.º DIR. Localidade MATOSINHOS

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA GENERAL HUMBERTO DELGADO, BLOCO F, 181, 3.º DIR. Localidade MATOSINHOS Válido até 04/11/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA GENERAL HUMBERTO DELGADO, BLOCO F, 181, 3.º DIR. Localidade MATOSINHOS Freguesia MATOSINHOS E LEÇA DA PALMEIRA Concelho MATOSINHOS GPS 41.193776, -8.698345

Leia mais

MUNICÍPIO DA FIGUEIRA DA FOZ CÂMARA MUNICIPAL

MUNICÍPIO DA FIGUEIRA DA FOZ CÂMARA MUNICIPAL MUNICÍPIO DA FIGUEIRA DA FOZ CÂMARA MUNICIPAL PROGRAMA PRELIMINAR CENTRO ESCOLAR DE S.JULIÃO/TAVAREDE PROJECTOS DE ESPECIALIDADES 1 1. Introdução Pretende a Câmara Municipal da Figueira da Foz, desenvolver

Leia mais

Cidade da Praia Cabo Verde

Cidade da Praia Cabo Verde A NEW ENERGY CONCEPT TECNOLOGIA, AMBIENTE E ENERGIAS RENOVÁVEIS EM CABO VERDE PRESENTE E FUTURO 29 e 30 de Novembro 1 e 2 de Dezembro 2011 Cidade da Praia Cabo Verde Paulo M. G. Gil Paulo Manuel Gonçalves

Leia mais

Certificado Energético Pequeno Edifício de Comércio e Servicos IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA, 231, R/C Localidade PORTO

Certificado Energético Pequeno Edifício de Comércio e Servicos IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA, 231, R/C Localidade PORTO Válido até 20/04/2025 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA, 231, R/C Localidade PORTO Freguesia PARANHOS Concelho PORTO GPS 41.163993, -8.604853 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL 1 ª Conservatória

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA PADRE AMÉRICO, 131, 2.º ANDAR - AP. 25 Localidade CAMPO VLG

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA PADRE AMÉRICO, 131, 2.º ANDAR - AP. 25 Localidade CAMPO VLG Válido até 09/09/2025 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA PADRE AMÉRICO, 131, 2.º ANDAR - AP. 25 Localidade CAMPO VLG Freguesia CAMPO E SOBRADO Concelho VALONGO GPS 41.181981, -8.473370 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

Sessão APIRAC Hotel Ipanema, Porto 15-3-2007

Sessão APIRAC Hotel Ipanema, Porto 15-3-2007 Sessão APIRAC Hotel Ipanema, Porto 15-3-2007 Eduardo Maldonado RSECE DL 79/2006, de 4 de Abril Introdução Histórica 2 O início dos requisitos térmicos para sistemas energéticos (AVAC) nos edifícios em

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada SESMARIA DO PAU QUEIMADO,, Localidade SANTO ESTEVÃO BNV

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada SESMARIA DO PAU QUEIMADO,, Localidade SANTO ESTEVÃO BNV Válido até 26/05/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada SESMARIA DO PAU QUEIMADO,, Localidade SANTO ESTEVÃO BNV Freguesia SANTO ESTEVÃO Concelho BENAVENTE GPS 38.888944, -8.723055 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

Sessão de Divulgação: Avisos QREN Eficiência Energética em PME e IPSS Local: Auditório do NERGA - Guarda

Sessão de Divulgação: Avisos QREN Eficiência Energética em PME e IPSS Local: Auditório do NERGA - Guarda Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Sessão de Divulgação: Avisos QREN Eficiência Energética em PME e IPSS Local: Auditório do NERGA - Guarda DATA

Leia mais

Dr. Paulo Santos ADENE

Dr. Paulo Santos ADENE Dia 28 de Maio Construir com Sustentabilidade Dr. Paulo Santos ADENE Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) 1 Distrito de Lisboa com quase 20000 edifícios

Leia mais

Reabilitação do Edifício da Casa da Cultura

Reabilitação do Edifício da Casa da Cultura Reabilitação do Edifício da Casa da Cultura ANEXO III PROGRAMA PRELIMINAR Programa_Preliminar_JC_DOM 1 Reabilitação do Edifício da Casa da Cultura PROGRAMA PRELIMINAR Índice! " #! $ % &' ( Programa_Preliminar_JC_DOM

Leia mais

PPEC 2013-2014 Plano de Promoção da Eficiência Energética no Consumo de Energia Eléctrica. Auditoria Energética para Escolas

PPEC 2013-2014 Plano de Promoção da Eficiência Energética no Consumo de Energia Eléctrica. Auditoria Energética para Escolas PPEC 2013-2014 Plano de Promoção da Eficiência Energética no Consumo de Energia Eléctrica Auditoria Energética para Escolas Objectivo da Medida As Auditorias Energéticas para Escolas faz parte de um conjunto

Leia mais

Instalações Eléctricas de Serviço Particular

Instalações Eléctricas de Serviço Particular Colégio de Engenharia Electrotécnica Instalações Eléctricas de Serviço Particular A problemática do enquadramento legal das Instalações Eléctricas de Serviço Particular tem sido objecto, ao longo do tempo,

Leia mais

EMPRESA DE CONSULTADORIA EM CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL. edifícios e território.

EMPRESA DE CONSULTADORIA EM CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL. edifícios e território. Auditorias energéticas em edifícios públicos Isabel Santos ECOCHOICE Abril 2010 EMPRESA DE CONSULTADORIA EM CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL EMPRESA DE CONSULTADORIA EM CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL Somos uma empresa de

Leia mais

Porto, 21 de Março 2012. Ventilação e QAI em edifícios

Porto, 21 de Março 2012. Ventilação e QAI em edifícios Porto, 21 de Março 2012 Ventilação e QAI em edifícios ÍNDICE SCE O certificado Método de cálculo Edifícios de habitação Edifícios de serviços Evolução do Sistema de Certificação Energética em Portugal

Leia mais

Relatório de Auditoria Energética

Relatório de Auditoria Energética Relatório de Auditoria Energética Relatório de Certificação Energética Local: 0 Today() www.classe-energetica.com Índice 1. Objectivos da Certificação Energética 2. escrição do Imóvel 3. Resultados da

Leia mais

Guia para a elaboração de Estudos de Segurança contra Incêndio em Edifícios Hospitalares G 02/2006

Guia para a elaboração de Estudos de Segurança contra Incêndio em Edifícios Hospitalares G 02/2006 Guia para a elaboração de Estudos de Segurança contra Incêndio em Edifícios Hospitalares G 02/2006 Ficha técnica Número G 02/2006 Data de aprovação JUL 2006 Data de publicação JUL 2006 Data última revisão

Leia mais

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por:

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por: A metodologia do Projecto SMART MED PARKS ARTIGO TÉCNICO O Projecto SMART MED PARKS teve o seu início em Fevereiro de 2013, com o objetivo de facultar uma ferramenta analítica de confiança para apoiar

Leia mais

MINISTÉRIO DO AMBIENTE, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E ENERGIA

MINISTÉRIO DO AMBIENTE, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E ENERGIA 1840 Diário da República, 1.ª série N.º 50 12 de março de 2014 Artigo 33.º Contribuição das empresas de seguros 1 A adesão ao mecanismo de compensação de sinistralidade é efetuada para a totalidade dos

Leia mais

JPM Tecnologias para Energias Renováveis, SA. Filipe Fernandes

JPM Tecnologias para Energias Renováveis, SA. Filipe Fernandes JPM Tecnologias para Energias Renováveis, SA Filipe Fernandes Arouca, 2010 A JPM Automação e Equipamentos Industrias SA - Apresentação Historial Fundada há mais de uma década, a JPM é uma empresa tecnologicamente

Leia mais

Apresentação do RECS e suas implicações para o projeto luminotécnico e elétrico

Apresentação do RECS e suas implicações para o projeto luminotécnico e elétrico Apresentação do RECS e suas implicações para o projeto luminotécnico e elétrico António Manuel Almeida aalmeida@isec.pt INESC Coimbra e IPC - ISEC Iluminação Interior no RSECE, 2006 Iluminação Interior

Leia mais

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Sistema de Certificação Energética - Geral

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Sistema de Certificação Energética - Geral Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Sistema de Certificação Energética e de QAI Transposição da Directiva Comunitária Regulamentação dos edifícios

Leia mais

Eficiência Energética em Edifícios. Faculdade de Engenharia Universidade do Porto EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NOS EDIFÍCIOS

Eficiência Energética em Edifícios. Faculdade de Engenharia Universidade do Porto EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NOS EDIFÍCIOS Faculdade de Engenharia Universidade do Porto Engenharia Electrotécnica e Computadores Gestão de Energia A Eficiência Energética em projecto de edifícios tem sempre presente que existem questões importantes

Leia mais

SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA

SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA Ciclo de melhoria contínua conhecido como Ciclo PDCA (Plan-Do-Check-Act) EMAS METODOLOGIA FASEADA DE IMPLEMENTAÇÃO FASEADA DO EMAS In, APA,

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação

Certificado Energético Edifício de Habitação Válido até 22/01/2025 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada LARGO DE ÂMBAR, 126, R/C ESQº Localidade SÃO DOMINGOS DE RANA Freguesia S. DOMINGOS DE RANA Concelho CASCAIS GPS 38.711198, -9.326610 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

Norma Nr.016 / 1999 de 29/12 REVOGA AS NORMAS N.º 10/96-R E N.º 11/97-R

Norma Nr.016 / 1999 de 29/12 REVOGA AS NORMAS N.º 10/96-R E N.º 11/97-R Norma Nr.016 / 1999 de 29/12 REVOGA AS NORMAS N.º 10/96-R E N.º 11/97-R AVALIAÇÃO DOS TERRENOS E EDIFÍCIOS DAS EMPRESAS DE SEGUROS E DOS FUNDOS DE PENSÕES Considerando que, de acordo com a regulamentação

Leia mais

Projecto de instalações mecânicas Novo Edifício do call center da PT em Santo Tirso

Projecto de instalações mecânicas Novo Edifício do call center da PT em Santo Tirso por Isabel Sarmento e Marco Quaresma (Afaconsult) grafismo AVAC João Fitas Projecto de instalações mecânicas Novo Edifício do call center da PT em Santo Tirso O novo Edifício do CallCenter da PT localizar-se-á

Leia mais

Perguntas & Respostas RCCTE

Perguntas & Respostas RCCTE sobre o Regulamento das Características de Comportamento Térmico dos Edifícios D.L. 80/2006 de 4 de Abril Um dia todos os edifícios serão verdes Versão 2.0 Maio de 2011 O presente documento inclui um conjunto

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DO CHOUPELO, 833, 1º DTO Localidade VILA NOVA DE GAIA

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DO CHOUPELO, 833, 1º DTO Localidade VILA NOVA DE GAIA Válido até 11/02/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA DO CHOUPELO, 833, 1º DTO Localidade VILA NOVA DE GAIA Freguesia VILA NOVA DE GAIA (SANTA MARINHA) Concelho VILA NOVA DE GAIA GPS 41.070000, -8.360000

Leia mais

\ BOAS PRÁTICAS NA ENERGIA A Gestão de Energia como Ferramenta de Gestão Empresarial

\ BOAS PRÁTICAS NA ENERGIA A Gestão de Energia como Ferramenta de Gestão Empresarial \ BOAS PRÁTICAS NA ENERGIA A Gestão de Energia como Ferramenta de Gestão Empresarial Workshop Eficiência Energética e Sustentabilidade Ambiental nas empresas CTCV 25 de Fevereiro de 2014 \ BOAS PRÁTICAS

Leia mais

Novo Sistema de Certificação Energética de Edifícios (SCE)

Novo Sistema de Certificação Energética de Edifícios (SCE) Novo Sistema de Certificação Energética de Edifícios (SCE) Paulo Liborio ADENE Organização: Prima F5 e este botão para Introduzir o nome da Direcção/Departamento no rodapé da apresentação Consumo de energia

Leia mais

Damos valor à sua energia

Damos valor à sua energia Damos valor à sua energia Invista em energias renováveis e eficiência energética e comece a poupar naturalmente. Energia O futuro do planeta está cada vez mais nas nossas mãos e a forma como obtemos e

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DO CASTELO,, Localidade MONTEMOR-O-VELHO

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DO CASTELO,, Localidade MONTEMOR-O-VELHO Válido até 29/03/2025 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA DO CASTELO,, Localidade MONTEMOR-O-VELHO Freguesia MONTEMOR-O-VELHO E GATÕES Concelho MONTEMOR-O-VELHO GPS 40.173269, -8.685544 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

Perguntas & Respostas RCCTE

Perguntas & Respostas RCCTE sobre o Regulamento das Características de Comportamento Térmico dos Edifícios D.L. 80/2006 de 4 de Abril Um dia todos os edifícios serão verdes Versão 1.5 Março de 2009 O presente documento inclui um

Leia mais

Pré-Certificado Energético Edifício de Habitação SCE84144829 PROVISÓRIO

Pré-Certificado Energético Edifício de Habitação SCE84144829 PROVISÓRIO Válido até IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA DOS ESCUTEIROS,, Localidade RIBAMAR Freguesia RIBAMAR Concelho LOURINHÃ GPS 39.197874, -9.330633 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL Conservatória do Registo Predial

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/5 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ORGANIZAÇÃO DO ESTALEIRO 2 DESCRIÇÃO Face à legislação em vigor, estaleiros temporários ou móveis são os locais onde se efectuam trabalhos de

Leia mais

AVISO PARA A APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURA AO FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA AVISO 01- FEE CONDOMÍNIO.E-2012

AVISO PARA A APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURA AO FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA AVISO 01- FEE CONDOMÍNIO.E-2012 AVISO PARA A APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURA AO FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA AVISO 01- FEE CONDOMÍNIO.E-2012 Tipologia de operações: Despesas elegíveis: Entidades beneficiárias: Investimentos que visem a

Leia mais

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NIP: Nº DO RELATÓRIO: DENOMINAÇÃO DA EMPRESA: EQUIPA AUDITORA (EA): DATA DA VISITA PRÉVIA: DATA DA AUDITORIA: AUDITORIA DE: CONCESSÃO SEGUIMENTO ACOMPANHAMENTO

Leia mais

SEMINÁRIO FACHADAS ENERGETICAMENTE EFICIENTES: CONTRIBUIÇÃO DOS ETICS/ARGAMASSAS TÉRMICAS FACHADAS EFICIENTES NO DESEMPENHO ENERGÉTICO DE EDIFÍCIOS

SEMINÁRIO FACHADAS ENERGETICAMENTE EFICIENTES: CONTRIBUIÇÃO DOS ETICS/ARGAMASSAS TÉRMICAS FACHADAS EFICIENTES NO DESEMPENHO ENERGÉTICO DE EDIFÍCIOS SEMINÁRIO FACHADAS ENERGETICAMENTE EFICIENTES: CONTRIBUIÇÃO DOS ETICS/ARGAMASSAS TÉRMICAS FACHADAS EFICIENTES NO DESEMPENHO ENERGÉTICO DE EDIFÍCIOS LISBOA, 10 DE MAIO DE 2012 ADENE Agencia para a Energia

Leia mais

Ligações às redes de energia eléctrica. Setembro de 2011

Ligações às redes de energia eléctrica. Setembro de 2011 Ligações às redes de energia eléctrica Setembro de 2011 Índice Competências da ERSE Princípios e conceitos gerais Potência requisitada Procedimentos para ligação de uma instalação à rede Ponto de ligação

Leia mais