Auditorias Energéticas aos Edifícios de Serviços. João Francisco Fernandes ESTSetúbal/IPS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Auditorias Energéticas aos Edifícios de Serviços. João Francisco Fernandes ESTSetúbal/IPS"

Transcrição

1 Auditorias Energéticas aos Edifícios de Serviços João Francisco Fernandes ESTSetúbal/IPS

2 Auditorias e SCE Auditorias durante o funcionamento >> emissão dos certificados energético e da QAI. Primeira Auditoria Energética ao Edifício Novo após dois anos de funcionamento; Auditorias Energéticas de 6 em 6 anos e preparação de PRE- Plano de Racionalização Energética, se necessário; Auditorias da QAI (2, 3 ou 6 anos) e elaboração do PAC - Plano de Acções Correctivas de QAI; Requisitos Sistema de Manutenção Inspecções a Caldeiras, Inspecções a Equipamentos de Ar Condicionado; Inspecções a sistemas de aquecimento A Primeira Auditoria ao edifício existente, inclui Energia, QAI e manutenção.

3 Requisitos Energéticos Edifícios Existentes (SCE) Pequeno Edifício de Serviços Existente: o edifício ou cada uma das fracções autónomas com sistemas de climatização > 25 kw, não estão sujeitos a limites de consumo de energia (no entanto, certificado obriga a calcular IEE). Grande Edifício de Serviços Existente (mais de 1000m 2 *): IEE IEE ref,exist (anexo X), verificado por auditoria energética periódica, *500m2, piscinas cobertas, supermercados, hipermercados, centros comerciais.

4 Auditorias Energéticas a Edifícios Existentes Análise de Conformidade Regulamentar Determinação de IEE real,facturas Determinação de IEE real,simulado Determinação de IEE nom IEE real,facturas >IEE ref,exist? S IEE real,simulado >IEE ref,exist? S IEE nominal > IEE ref, exist? S N N N Não necessita PRE Necessita PRE Classificação Energética IEE nom e IEEref,novos O processo implica sempre uma auditoria completa

5 Auditorias Energéticas Definição Por auditoria energética entende-se o exame detalhado das condições de utilização de energia de um dado edifício, por forma a: Identificar e quantificar os fluxos de energia utilizados no edifício (electricidade, tipos de combustíveis, etc.) Caracterizar os sistemas energéticos existentes para a conversão destas formas de energia em energia final, o seu estado de conservação, rendimentos de conversão e os respectivos planos de manutenção Verificar se estão satisfeitas as condições de conforto pretendidas Avaliar os consumos energéticos específicos de cada utilização final e/ou de cada sector do edifício (iluminação, aquecimento, ventilação, cozinha, etc.) Calcular o IEE do edifício Identificar medidas a implementar por forma a melhorar o desempenho energético das instalações

6 AE prevê as seguintes fases: Visita Prévia e Planeamento AE s nos Edifícios Caracterização do edifício - trabalho de campo e tratamento de informação - suas infra-estruturas energéticas e dos respectivos regimes de exploração e a caracterização das condições de conforto térmico; Modelo de Simulação Energética Balanço Energético (Fontes e Utilizações) Identificação de medidas de URE e a elaboração do PRE, sempre que tal seja necessário deverá ser analisado na simulação o seu impacte

7 E. Activa E. Reactiva Total [kwh] Consumo [kwh] Horas Vazio Horas Ponta Horas Cheias Potência horas de Ponta [kw] Consumida Preço unitário [ /kwh] Consumo [kwh] Preço unitário [ /kwh] Consumo [kwh] Preço unitário [ /kwh] Consumo [kvar] Preço unitário [ /kvar] Factura [ ] Jan , ,0 0, ,0 0, ,0 0, ,6 0,0 0, ,2 Fev , ,0 0, ,0 0, ,0 0, ,1 142,0 0, ,9 Mar , ,0 0, ,0 0, ,0 0, , ,0 0, ,9 Abr , ,0 0, ,0 0, ,0 0, , ,0 0, ,6 Mai , ,0 0, ,0 0, ,0 0, , ,0 0, ,7 Jun , ,0 0, ,0 0, ,0 0, , ,0 0, ,1 Jul , ,0 0, ,0 0, ,0 0, , ,0 0, ,7 Ago , ,0 0, ,0 0, ,0 0, ,6 0,0 0, ,2 Set , ,0 0, ,0 0, ,0 0, , ,0 0, ,3 Out , ,0 0, ,0 0, ,0 0, , ,0 0, ,6 Nov , ,0 0, ,0 0, ,0 0, , ,0 0, ,1 Dez , ,0 0, ,0 0, ,0 0, , ,0 0, ,9 Média , ,7 0, ,7 0, ,2 0, , ,9 0, ,7

8 O ano de referência para consumo

9

10 18:10:00 20:00:00 00:00:00 04:00:00 08:00:00 12:00:00 16:00:00 20:00:00 00:00:00 04:00:00 08:00:00 12:00:00 16:00:00 20:00:00 00:00:00 04:00:00 08:00:00 12:00:00 16:00:00 20:00:00 00:00:00 04:00:00 08:00:00 12:00:00 16:00: Q. GERAL BT kwh

11 18:00:00 20:00:00 22:00:00 00:00:00 02:00:00 04:00:00 06:00:00 08:00:00 10:00:00 12:00:00 14:00:00 16:00:00 18:00:00 20:00:00 22:00:00 00:00:00 02:00:00 04:00:00 06:00:00 08:00:00 10:00:00 12:00:00 14:00:00 16:00:00 UTA1 + UTA kwh

12 Os Modelos de Simulação

13 Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez 28-1h h h h kw kwh O ajustamento do modelo A diferença entre a energia final anual calculada pelo modelo e o consumo efectivamente registado não pode ser superior a 10%, devendo, se possível, atingir-se os 5% Comparação Consumos de Electricidade Comparação Potências Totais [28 Set - 1 Out] REAL-M DOE2.1E DOE2.1E MEDIDO

14 O Balanço Energético Energia Final (kwh) Energia Primária (kgep) % Energia eléctrica Aquecimento Ambiente % % Arrefecimento Ambiente % % Aquecimento % % Ventilação Arrefecimento % % Iluminação % % Iluminação Exterior % % Equipamentos % % Total

15 A Classificação Energética A A + B - B C D C D E D F G

16 Inspecções aos equipamentos e análise do sistema de manutenção

17 Auditoria Qualidade do Ar Interior Parâmetros Valor Máximo Regulamentar Valor Medido Exterior Valor Máximo Medido Ponto de Valor Máximo Medido Conforme / Não Conforme Partículas (PM 10 ) - mg/m 3 0,15 0,042 0,117 Aprovisionamento, Sala 2 Conforme Dióxido de Carbono (CO 2 ) - mg/m ,1 1698,9 Salão Nobre Conforme Monóxido de Carbono (CO) - mg/m 3 12,5 0,000 0,000 Todos os pontos Conforme Ozono (O 3 ) - mg/m 3 0,2 0,098 0,000 Todos os pontos Conforme Formaldeído - mg/m 3 0,1 0,000 0,086 Gabinete Vereador,Aprovisionamento, Sala 2 Conforme Compostos Orgânicos Voláteis (COV s) - mg/m 3 0,6 0,023 0,434 Gabinete Tecnologias de Informação Conforme Microrganismos (Bactérias) UFC/m Aprovisionamento, Sala 2 Conforme Microrganismos (Fungos) UFC/m Gabinete Vereador Conforme

18 As Medidas de Melhoria Energética Medida 1 Uplamping Substituição de lâmpadas e balastros por soluções mais eficientes Dados Custo Investimento Solução Actual Solução Proposta Economia PRS IEEnom IEEreal Edifício Regulamentar NÃO SIM Classe C C 1 Programadores Relógio AVAC Custo Investimento Instalação de Relógios nos quadros eléctricos Economia PRS IEEnom - - Classe Programadores Relógio Iluminação Custo Investimento Instalação de Relógios nos quadros eléctricos Economia PRS IEEnom - - Classe - -

19 O projecto com a S.energia Estudos Energéticos e Certificação de 8 edifícios municipais: Paços dos Concelhos de Alcochete, Barreiro e Montijo. Piscinas Municipais de Alcochete, Moita e Montijo Bibliotecas Municipais do Barreiro e Moita

20 Oportunidades de Melhoria Energética QAI Medidas comportamentais, Equipamentos Iluminação Alguns resultados Controlo Funcionamento Equipamentos e Iluminação Solar Térmico (piscinas) Falta de conforto Falta de ventilação Manutenção Ausência de TRF, TIM III, Planos de Manutenção Preventiva (Falta de orçamento para substituição de equipamentos ou peças!)

A CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA EM PORTUGAL - ANÁLISE DA SUA APLICAÇÃO A UM EDIFÍCIO DE SERVIÇOS

A CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA EM PORTUGAL - ANÁLISE DA SUA APLICAÇÃO A UM EDIFÍCIO DE SERVIÇOS A CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA EM PORTUGAL - ANÁLISE DA SUA APLICAÇÃO A UM EDIFÍCIO DE SERVIÇOS Panorama Energético Segundo o Portal Europeu de Energia em 2009: Ou seja, o sector dos edifícios foi responsável

Leia mais

Fórum Eficiência Energética

Fórum Eficiência Energética Fórum Eficiência Energética A Visão do Auditor Aspectos a Considerar Luís Coelho Escola Superior de Tecnologia de Setúbal (ESTSetúbal) - IPS OBJECTIVOS: Apresentar os aspectos mais importantes da intervenção

Leia mais

Os aspectos fundamentais do RSECE por Alfredo Costa Pereira

Os aspectos fundamentais do RSECE por Alfredo Costa Pereira Os aspectos fundamentais do RSECE por Alfredo Costa Pereira O Indicador de Eficiência Energética (IEE) é o indicador fundamental utilizado pelo RSECE para determinar o cumprimento, ou não, dos requisitos

Leia mais

CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR

CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR Nº CER 1234567/2007 CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR TIPO DE EDIFÍCIO: EDIFÍCIO DE SERVIÇOS Morada / Situação: Localidade Concelho Data de emissão do certificado Nome

Leia mais

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA. arlindo.louro@iep.pt

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA. arlindo.louro@iep.pt SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA arlindo.louro@iep.pt Instalações instituto electrotécnico português Matosinhos Rua de S. Gens, 3717 4460-409 Senhora da Hora Tel.: 229570000/15 Fax: 229530594 e-mail:com@iep.pt

Leia mais

EMPRESA DE CONSULTADORIA EM CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL. edifícios e território.

EMPRESA DE CONSULTADORIA EM CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL. edifícios e território. Auditorias energéticas em edifícios públicos Isabel Santos ECOCHOICE Abril 2010 EMPRESA DE CONSULTADORIA EM CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL EMPRESA DE CONSULTADORIA EM CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL Somos uma empresa de

Leia mais

Diagnóstico Energético. Projecto Influência Comportamental no Consumo de Energia Eléctrica. Promotor: Entidade Financiadora: Parceiro:

Diagnóstico Energético. Projecto Influência Comportamental no Consumo de Energia Eléctrica. Promotor: Entidade Financiadora: Parceiro: Diagnóstico Energético Projecto Influência Comportamental no Consumo de Energia Eléctrica Entidade Financiadora: Promotor: Parceiro: Medida financiada no âmbito do Plano de Promoção da Eficiência no Consumo

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO HOSPITAL DOUTOR MANOEL CONSTÂNCIO INSTALAÇÕES TÉCNICAS. Mestrado em Manutenção Técnica de Edifícios

RELATÓRIO DE ESTÁGIO HOSPITAL DOUTOR MANOEL CONSTÂNCIO INSTALAÇÕES TÉCNICAS. Mestrado em Manutenção Técnica de Edifícios RELATÓRIO DE ESTÁGIO INSTALAÇÕES TÉCNICAS HOSPITAL DOUTOR MANOEL CONSTÂNCIO Mestrado em Manutenção Técnica de Edifícios Fernando Jorge Albino Varela de Oliveira Abrantes Dezembro 2014 ÍNDICE Objectivos

Leia mais

BOLETIM DE ENSAIO - AVALIAÇÃO DA CONCENTRAÇÃO DE POLUENTES

BOLETIM DE ENSAIO - AVALIAÇÃO DA CONCENTRAÇÃO DE POLUENTES BOLETIM DE ENSAIO - AVALIAÇÃO DA CONCENTRAÇÃO DE POLUENTES EDP Valor Setúbal Data de emissão: 27-Set-2010 Índice 1. Sumário... 4 2. Metodologia... 4 3. Avaliação da concentração de poluentes... 4 3.1.

Leia mais

Plano de Formação 2009

Plano de Formação 2009 ENQUADRAMENTO Com a portaria nº 461/2007 de 5 de Junho, o sistema de certificação energética e da qualidade do ar interior nos edifícios (SCE) ganhou um novo impulso, ficando abrangidos pela certificação

Leia mais

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios SCE Sistema Nacional de Certificação Energética e Qualidade do Ar Interior DL 78/2006 Sistema Nacional de Certificação

Leia mais

Ar Interior em Edifícios Qualidade do Ar Interior. Dília Jardim MUNICÍPIOS E CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS 18 de Junho de 2009

Ar Interior em Edifícios Qualidade do Ar Interior. Dília Jardim MUNICÍPIOS E CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS 18 de Junho de 2009 Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior em Edifícios Qualidade do Ar Interior Dília Jardim MUNICÍPIOS E CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS 18 de Junho de 2009 Qualidade do Ar Fontes de

Leia mais

Auditoria Energética - Definição

Auditoria Energética - Definição Auditoria Energética - Definição Levantamento e análise crítica das condições de utilização da Energia, com vista à detecção de oportunidades de racionalização energética, através de medidas com uma viabilidade

Leia mais

Alfredo Costa Pereira. (www.get.pt)

Alfredo Costa Pereira. (www.get.pt) FUNDAMENTOS DO RSECE Regulamento dos Sistemas Energéticos e de Climatização em edifícios. Decreto lei nº 78/2006 de 4 de Abril. Apontamentos elaborados por Alfredo Costa Pereira O RSECE é aplicado em vários

Leia mais

FERRAMENTA AUTÁRQUICA DE GESTÃO DE ENERGIA (Ferramenta AGE)

FERRAMENTA AUTÁRQUICA DE GESTÃO DE ENERGIA (Ferramenta AGE) FERRAMENTA AUTÁRQUICA DE GESTÃO DE ENERGIA (Ferramenta AGE) Alexandre Varela Seminário 'A Energia, os Municípios e as Autarquias 29 Maio 2012 - Fórum Municipal da Maia ÍNDICE Ferramenta AGE - Porquê? -

Leia mais

Gestão do Consumo de Energia no Sector Turístico

Gestão do Consumo de Energia no Sector Turístico Agência Regional da Energia e Ambiente da Região Autónoma da Madeira Gestão do Consumo de Energia no Sector Turístico Funchal, 1999 Índice 1. INTRODUÇÃO... 1 2. METODOLOGIA... 4 2.1. DEFINIÇÃO DO UNIVERSO

Leia mais

7. Jornadas de Climatização

7. Jornadas de Climatização 7. Jornad de Climatização As qualificações exigid para os Técnicos de Manutenção e Responsáveis pelo Funcionamento Fernando Brito 8 de Novembro de 2007 Introdução O que diz o Regulamento: Artº 19 Condução

Leia mais

MÊS DA ENERGIA - AÇORES

MÊS DA ENERGIA - AÇORES MÊS DA ENERGIA - AÇORES SEMINÁRIO Eficiência Energética Credenciação de Técnicos no âmbito do SCE Fernando Brito Ponta Delgada 6 de Maio de 2008 1 1 COMISSÃO TRIPARTIDA CTAQAI DIRECÇÃO GERAL DE ENERGIA

Leia mais

Perguntas & Respostas. RSECE Energia

Perguntas & Respostas. RSECE Energia sobre o RSECE Energia Regulamento dos Sistemas Energéticos e de Climatização de Edifícios D.L. 79/2006 de 4 de Abril Um dia todos os edifícios serão verdes Versão 2.0 Maio de 2011 O presente documento

Leia mais

2. O Artigo 7.º do DL 78/20006, Exercício da função de perito qualificado, estabelece:

2. O Artigo 7.º do DL 78/20006, Exercício da função de perito qualificado, estabelece: Assunto: SCE Certificação de Competências 1. O Decreto Lei n.º 78/2006, de 4 de Abril, transpõe parcialmente para a ordem jurídica nacional a directiva n.º 2002/91/CE, do parlamento Europeu e do Conselho,

Leia mais

As Auditorias Energéticas e a Gestão da Energia como fator de competitividade

As Auditorias Energéticas e a Gestão da Energia como fator de competitividade As Auditorias Energéticas e a Gestão da Energia como fator de competitividade Artur Serrano CTCV Sistemas de Energia 1 ÍNDICE DOS ASSUNTOS Sistemas de Energia do CTCV - Actividades Objectivos das Auditorias

Leia mais

O Decreto-Lei nº 79/2006 de 4 de Abril: Regulamento dos Sistemas Energéticos e de Climatização em edifícios

O Decreto-Lei nº 79/2006 de 4 de Abril: Regulamento dos Sistemas Energéticos e de Climatização em edifícios O Decreto-Lei nº 79/2006 de 4 de Abril: Regulamento dos Sistemas Energéticos e de Climatização em edifícios Questões fundamentais elaboradas por Alfredo Costa Pereira Formador de Peritos Qualificados Nº

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 1.72.380,00 0,00 0,00 0,00 361.00,00 22,96 22,96 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl Acum 14 set/11 15

Leia mais

QUEM FAZ A AVALIAÇÃO ENERGÉTICA E EMITE O CERTIFICADO?

QUEM FAZ A AVALIAÇÃO ENERGÉTICA E EMITE O CERTIFICADO? O QUE É UM CERTIFICADO ENERGÉTICO? Um Certificado Energético (CE) de um edifício ou fracção autónoma é o documento emitido no âmbito do Sistema Nacional de Certificação Energética e Qualidade do Ar Interior

Leia mais

\ BOAS PRÁTICAS NA ENERGIA A Gestão de Energia como Ferramenta de Gestão Empresarial

\ BOAS PRÁTICAS NA ENERGIA A Gestão de Energia como Ferramenta de Gestão Empresarial \ BOAS PRÁTICAS NA ENERGIA A Gestão de Energia como Ferramenta de Gestão Empresarial Workshop Eficiência Energética e Sustentabilidade Ambiental nas empresas CTCV 25 de Fevereiro de 2014 \ BOAS PRÁTICAS

Leia mais

Certificação e Monitorização de Edifícios Públicos Municipais em Cascais

Certificação e Monitorização de Edifícios Públicos Municipais em Cascais Certificação e Monitorização de Edifícios Públicos Municipais em Cascais TECNOFIL Workshop Municípios e Certificação Energética de Edifícios Lisboa, 18 Junho 2009 Objectivos A Agência Cascais Energia é

Leia mais

Anexo I - Certificado de desempenho energético da qualidade do ar interior do edifício em Castelo Branco com o n.º CER CE47879035

Anexo I - Certificado de desempenho energético da qualidade do ar interior do edifício em Castelo Branco com o n.º CER CE47879035 Anexo I - Certificado de desempenho energético da qualidade do ar interior do edifício em Castelo Branco com o n.º CER CE47879035 No presente anexo serão apresentadas as tabelas que se encontram no certificado

Leia mais

GET GESTÃO DE ENERGIA TÉRMICA Lda.

GET GESTÃO DE ENERGIA TÉRMICA Lda. GET GESTÃO DE ENERGIA TÉRMICA Lda. HÁ MAIS DE ENGENHEIROS CONSULTORES DESDE 1985 ESPECIALISTAS EM ENGENHARIA DE CLIMATIZAÇÃO de: Alfredo Costa Pereira e Raul Vasconcelos Bessa A CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA

Leia mais

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE)

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Seminário : Inovação na Construção, Técnicas e Materiais de Construção sustentável Auditório da Associação

Leia mais

PROJECTAR DE ACORDO COM O REGULAMENTOS DOS SISTEMAS ENERGÉTICOS E DE CLIMATIZAÇÃO EM EDIFÍCIOS RSECE Decreto Lei nº 79/2006 e 4 de Abril

PROJECTAR DE ACORDO COM O REGULAMENTOS DOS SISTEMAS ENERGÉTICOS E DE CLIMATIZAÇÃO EM EDIFÍCIOS RSECE Decreto Lei nº 79/2006 e 4 de Abril PROJECTAR DE ACORDO COM O REGULAMENTOS DOS SISTEMAS ENERGÉTICOS E DE CLIMATIZAÇÃO EM EDIFÍCIOS RSECE Decreto Lei nº 79/2006 e 4 de Abril Alfredo Costa Pereira 1 ÂMBITO DE APLICAÇÃO RCCTE Edifícios de Habitação

Leia mais

CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR NOS EDIFÍCIOS

CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR NOS EDIFÍCIOS CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR NOS EDIFÍCIOS Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Sistema de Certificação Energética e de

Leia mais

A QAI nos edifícios de serviços. Identificação de Fontes Poluidoras Internas ou Externas Exemplo: Abordagem do Radão

A QAI nos edifícios de serviços. Identificação de Fontes Poluidoras Internas ou Externas Exemplo: Abordagem do Radão A QAI nos edifícios de serviços. Identificação de Fontes Poluidoras Internas ou Externas O Perito Qualificado deve confirmar se há: Quaisquer actividades a desenvolverem no interior do edifício que sejam

Leia mais

Regras de procedimentos para transporte de bens e

Regras de procedimentos para transporte de bens e Regras de procedimentos para transporte de bens e Os Sistemas de Gestão Técnica na nova regulamentação para a eficiência energética mercadorias em edifícios Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração

Leia mais

Certificação energética e auditoria energética em edifícios a serem reabilitados; Situação actual da Certificação Energética;

Certificação energética e auditoria energética em edifícios a serem reabilitados; Situação actual da Certificação Energética; Certificação energética e auditoria energética em edifícios a serem reabilitados; Situação actual da Certificação Energética; Monitorização energética dos edifícios Isabel Santos ECOCHOICE Estoril, Abril

Leia mais

AUDITORIA ENERGÉTICA AO PALÁCIO DE BELÉM. Relatório Síntese

AUDITORIA ENERGÉTICA AO PALÁCIO DE BELÉM. Relatório Síntese AUDITORIA ENERGÉTICA AO PALÁCIO DE BELÉM Relatório Síntese RESIDÊNCIA OFICIAL DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA PALÁCIO DE BELÉM 2007 1 Sumário executivo Caracterização e análise energética global A presente

Leia mais

Plano de Acção para a Energia Sustentável (PAES) Município do Barreiro. Nota complementar e explicativa

Plano de Acção para a Energia Sustentável (PAES) Município do Barreiro. Nota complementar e explicativa Plano de Acção para a Energia Sustentável (PAES) Município do Barreiro Nota complementar e explicativa Setembro de 2012 IDENTIFICAÇÃO Título: Plano de Acção para a Energia Sustentável (PAES) - Município

Leia mais

CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA

CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA O Programa para a Eficiência Energética tem como objectivo principal melhorar a eficiência energética dos edifícios portugueses. Com efeito, Portugal, sendo um país com excelentes

Leia mais

Estudo sobre Eficiência Energética de um edifício à luz do novo RSECE ÍNDICE

Estudo sobre Eficiência Energética de um edifício à luz do novo RSECE ÍNDICE ÍNDICE 1. Introdução... 3 1.1. Motivação... 3 1.2. Objectivo... 4 2. Os Novos Regulamentos RCCTE e RSECE... 5 2.1. Noções introdutórias... 5 2.1.1. Tratado de Quioto e os Novos Regulamentos em Portugal...

Leia mais

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Sistema de Certificação Energética - Geral

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Sistema de Certificação Energética - Geral Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Sistema de Certificação Energética e de QAI Contexto nacional energético e ambiental Transposição da Directiva

Leia mais

Dr. Paulo Santos ADENE

Dr. Paulo Santos ADENE Dia 28 de Maio Construir com Sustentabilidade Dr. Paulo Santos ADENE Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) 1 Distrito de Lisboa com quase 20000 edifícios

Leia mais

Cidade da Praia Cabo Verde

Cidade da Praia Cabo Verde A NEW ENERGY CONCEPT TECNOLOGIA, AMBIENTE E ENERGIAS RENOVÁVEIS EM CABO VERDE PRESENTE E FUTURO 29 e 30 de Novembro 1 e 2 de Dezembro 2011 Cidade da Praia Cabo Verde Paulo M. G. Gil Paulo Manuel Gonçalves

Leia mais

Qualidade do Ar Interior

Qualidade do Ar Interior Qualidade do Ar Interior A realidade nacional A Integração da Qualidade do Ar Interior e da Eficiência Energética em Edifícios Ana Rita Antunes Lisboa, 20 de Fevereiro de 2014 Quercus - ANCN 2 Associação

Leia mais

PPEC 2013-2014 Plano de Promoção da Eficiência Energética no Consumo de Energia Eléctrica. Auditoria Energética para Escolas

PPEC 2013-2014 Plano de Promoção da Eficiência Energética no Consumo de Energia Eléctrica. Auditoria Energética para Escolas PPEC 2013-2014 Plano de Promoção da Eficiência Energética no Consumo de Energia Eléctrica Auditoria Energética para Escolas Objectivo da Medida As Auditorias Energéticas para Escolas faz parte de um conjunto

Leia mais

Sines 06.05.2009. João Martins da Silva. Direcção de Marketing Corporativo

Sines 06.05.2009. João Martins da Silva. Direcção de Marketing Corporativo Sines 06.05.2009 João Martins da Silva Em resposta ao desafio global, a UE definiu um Plano Energético Europeu assente em 3 pilares Sustentabilidade Desenvolvimento de renováveis e fontes de baixo teor

Leia mais

FREECOOLING COMO COMPLEMENTO DE SISTEMAS DE CLIMATIZAÇÃO EM DATA CENTERS

FREECOOLING COMO COMPLEMENTO DE SISTEMAS DE CLIMATIZAÇÃO EM DATA CENTERS FREECOOLING COMO COMPLEMENTO DE SISTEMAS DE CLIMATIZAÇÃO EM DATA CENTERS Medida apoiada pelo Plano de Promoção da Eficiência no Consumo de Energia Eléctrica (PPEC) para o ano de 2008 PPEC PLANO DE PROMOÇÃO

Leia mais

Perguntas & Respostas. RSECE Energia

Perguntas & Respostas. RSECE Energia sobre o RSECE Energia Regulamento dos Sistemas Energéticos e de Climatização de Edifícios D.L. 79/2006 de 4 de Abril Um dia todos os edifícios serão verdes Versão 1.2 Novembro 2008 O presente documento

Leia mais

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+ CALENDÁRIO, 2015 7 A JAN. 0 QUARTA -1-0.0018 7022.5 3750.3 1 QUINTA 0 +0.0009 7023.5 3751.3 2 SEXTA 1 +0.0037 7024.5 3752.3 3 SÁBADO 2 +0.0064 7025.5 3753.3 4 DOMINGO 3 +0.0091 7026.5 3754.3 5 SEGUNDA

Leia mais

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios Sessão de Divulgação Gestão de Energia - Novas Disposições Regulamentares, sua Articulação e Estratégias Auditório

Leia mais

Workshop Soluções energeticamente eficientes em edifícios públicos Portalegre, 14 de Abril de 2010

Workshop Soluções energeticamente eficientes em edifícios públicos Portalegre, 14 de Abril de 2010 Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Workshop Soluções energeticamente eficientes em edifícios públicos Portalegre, 14 de Abril de 2010 Sistema

Leia mais

Corinthia Hotel Lisbon. Hotel Energeticamente Eficiente

Corinthia Hotel Lisbon. Hotel Energeticamente Eficiente Corinthia Hotel Lisbon Hotel Energeticamente Eficiente O CORINTHIA HOTEL LISBON O Maior 5 estrelas em Portugal 27 pisos Área total aproximada de 50 000 m 2 518 quartos no total: 360 quartos superiores

Leia mais

Caso de Estudo: reabilitação energética de duas moradias em Paço de Arcos

Caso de Estudo: reabilitação energética de duas moradias em Paço de Arcos Workshop Formar para Reabilitar a Europa PAINEL 3: TECNOLOGIAS E IMPLEMENTAÇÃO DE PROJECTOS Caso de Estudo: reabilitação energética de duas moradias em Paço de Arcos Vítor Cóias, GECoRPA Susana Fernandes,

Leia mais

DECLARAÇÃO DE CONFORMIDADE REGULAMENTAR

DECLARAÇÃO DE CONFORMIDADE REGULAMENTAR Nº DCR DCR0000001082617 DECLARAÇÃO DE CONFORMIDADE REGULAMENTAR TIPO DE FRACÇÃO/EDIFÍCIO: PEQUENO EDIFÍCIO DE SERVIÇOS COM SISTEMA(S) DE CLIMATIZAÇÃO Morada / Localização Apresentação exemplo RSECE Localidade

Leia mais

GUIA DO REGULAMENTO ESPECÍFICO DO DOMÍNIO DA SUSTENTABILIDADE E EFICIÊNCIA NO USO DE RECURSOS BENEFICIÁRIOS OPERAÇÕES FINANCIADAS FORMA DOS APOIOS

GUIA DO REGULAMENTO ESPECÍFICO DO DOMÍNIO DA SUSTENTABILIDADE E EFICIÊNCIA NO USO DE RECURSOS BENEFICIÁRIOS OPERAÇÕES FINANCIADAS FORMA DOS APOIOS GUIA DO REGULAMENTO ESPECÍFICO DO DOMÍNIO DA SUSTENTABILIDADE E EFICIÊNCIA NO USO DE RECURSOS PORTARIA 57-B/2015 BENEFICIÁRIOS OPERAÇÕES FINANCIADAS FORMA DOS APOIOS EMPRESAS BENEFICIÁRIOS: IPSS Instituições

Leia mais

TÉCNICOS. CURSO de TÉCNICAS DE GESTÃO DE ENERGIA

TÉCNICOS. CURSO de TÉCNICAS DE GESTÃO DE ENERGIA TÉCNICOS CURSO de TÉCNICAS DE GESTÃO DE ENERGIA A utilização racional de energia (URE) visa proporcionar o mesmo nível de produção de bens, serviços e níveis de conforto através de tecnologias que reduzem

Leia mais

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE)

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Sistema de Certificação Energética e de QAI Certificados Energéticos e de QAI Processo de certificação Balanço

Leia mais

VALORIZAÇÃO DO PAPEL DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NA GESTÃO MUNICIPAL MUNICIPIO DA MAIA

VALORIZAÇÃO DO PAPEL DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NA GESTÃO MUNICIPAL MUNICIPIO DA MAIA VALORIZAÇÃO DO PAPEL DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NA GESTÃO MUNICIPAL MUNICIPIO DA MAIA 03 Maio 2013 Adelina Rodrigues 1 APRESENTAÇÃO ADELINA RODRIGUES Téc. Superior da CMM e Gestora Municipal de Energia Licenciatura

Leia mais

-!' Protocolo \i \~~ Associação Nacional dos Engenheiros Técnicos, adiante designada por ANET, com sede em Lisboa,

-!' Protocolo \i \~~ Associação Nacional dos Engenheiros Técnicos, adiante designada por ANET, com sede em Lisboa, Protocolo \i \ Entre: / Primeiros: Direcção Geral de Geologia e Energia, adiante designada por OGGE, com sede em Lisboa, na Avenida 5 de Outubro, n.o 87-1069-039 Lisboa, representada pelo Or. Miguel Barreto,

Leia mais

Álvaro Gomes. Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores. 2004/2005 Gestão de Energia Eléctrica 1

Álvaro Gomes. Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores. 2004/2005 Gestão de Energia Eléctrica 1 Álvaro Gomes Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores 2004/2005 Gestão de Energia Eléctrica 1 Conjunto de regras, opções tarifárias, horários e preços que regem a facturação dos fornecimentos

Leia mais

Decreto-Lei n.º 79/2006 de 4 de Abril Aprova o Regulamento dos Sistemas Energéticos de Climatização em Edifícios (RSECE)

Decreto-Lei n.º 79/2006 de 4 de Abril Aprova o Regulamento dos Sistemas Energéticos de Climatização em Edifícios (RSECE) A leitura deste documento, que transcreve o conteúdo do Decreto-Lei n.º 79/2006, de 4 de Abril, não substitui a consulta da sua publicação em Diário da República. Decreto-Lei n.º 79/2006 de 4 de Abril

Leia mais

Dr. Henrique Relógio

Dr. Henrique Relógio Dia 28 de Maio Renovar com Sustentabilidade Dr. Henrique Relógio Jardins de S. Bartolomeu Case Study Renovar com Sustentabilidade Henrique Relógio henriquerelogio@gmail.com 1 Jardins São Bartolomeu Um

Leia mais

Desempenho energético dos edifícios o impacto dos regulamentos na construção e as oportunidades de melhoria do parque habitacional

Desempenho energético dos edifícios o impacto dos regulamentos na construção e as oportunidades de melhoria do parque habitacional Desempenho energético dos edifícios o impacto dos regulamentos na construção e as oportunidades de melhoria do parque habitacional Paulo Santos ADENE Agência para a Energia Nuno Baptista ADENE Agência

Leia mais

Esquema de Certificação Técnicos de Instalação e Manutenção de Sistemas de Climatização

Esquema de Certificação Técnicos de Instalação e Manutenção de Sistemas de Climatização Esquema de Certificação Técnicos de Instalação e Manutenção de Sistemas de Climatização 1. Introdução 1.1. O presente documento, descreve os requisitos particulares referentes à certificação de técnicos

Leia mais

Transportes Sul do Tejo MOBILIDADE SUSTENTÁVEL

Transportes Sul do Tejo MOBILIDADE SUSTENTÁVEL Transportes Sul do Tejo MOBILIDADE SUSTENTÁVEL Graça Calapez Barreiro, 22 de Outubro de 2010 HISTÓRIA A T.S.T. constitui-se a partir de um dos centros da Rodoviária Nacional. Foi privatizada em Janeiro

Leia mais

Lâmpadas Tubulares de Conservação Energética T5 Projecto experimental

Lâmpadas Tubulares de Conservação Energética T5 Projecto experimental Lâmpadas Tubulares de Conservação Energética T5 Projecto experimental I. Introdução 1. Lâmpadas tubulares de conservação energética T5 As lâmpadas tubulares de conservação energética T5 são luminárias

Leia mais

Optimização Energética na Reabilitação Onde Investir?

Optimização Energética na Reabilitação Onde Investir? Optimização Energética na Reabilitação Onde Investir? A nova legislação estabelece as seguintes exigências relativamente à envolvente do edifício: Limite máximo dos coeficientes de transmissão térmica

Leia mais

Sistema Nacional de Certificação Energética de Edifícios (SCE) Paulo Santos / ADENE PORTUGAL

Sistema Nacional de Certificação Energética de Edifícios (SCE) Paulo Santos / ADENE PORTUGAL Sistema Nacional de Certificação Energética de Edifícios (SCE) Paulo Santos / ADENE PORTUGAL Inmetro, Brasil, 14 e 15 de Maio 2012 ÍNDICE ADENE - Apresentação Enquadramento e introdução ao SCE Formação

Leia mais

RECALL SMITHS LISTA DOS PRODUTOS ENVOLVIDOS, IMPORTADOS AO BRASIL PELA CIRÚRGICA FERNANDES, COM INFORMAÇÕES SOBRE PRODUTOS VENDIDOS E EM ESTOQUE

RECALL SMITHS LISTA DOS PRODUTOS ENVOLVIDOS, IMPORTADOS AO BRASIL PELA CIRÚRGICA FERNANDES, COM INFORMAÇÕES SOBRE PRODUTOS VENDIDOS E EM ESTOQUE DOCUMENTO 2 LISTA DOS PRODUTOS ENVOLVIDOS, IMPORTADOS AO BRASIL PELA CIRÚRGICA FERNANDES, COM INFORMAÇÕES SOBRE PRODUTOS VENDIDOS E EM ESTOQUE 100.105.025 644425 10 10 fev/05 fev/10 9660 10/10/2005 13/10/2005

Leia mais

5º Seminário de Tecnologias Prediais SINDUSCON SÃO Paulo SP. Projeto de Sistemas de Aquecimento Solar

5º Seminário de Tecnologias Prediais SINDUSCON SÃO Paulo SP. Projeto de Sistemas de Aquecimento Solar 5º Seminário de Tecnologias Prediais SINDUSCON SÃO Paulo SP Projeto de Sistemas de Aquecimento Solar Coletor Banho Características Técnicas Aletas em Alumínio; Cobertura em Vidro Liso Cristal; Vidro Caixa

Leia mais

Análise das Facturas de Energia e Água entre 2008 e Abril 2010

Análise das Facturas de Energia e Água entre 2008 e Abril 2010 Análise das Facturas de Energia e Água entre 28 e Abril 21 Faculdade de Medicina Dentária da Universidade de Lisboa Relatório Outubro 21 ÍNDICE 1. NOTA INTRODUTÓRIA... 3 2. CONSUMO E GASTOS EM DE ELECTRICIDADE,

Leia mais

PIRELIÓFORO. (P Himalaia) Água. Quente. Solar. Jorge Cruz Costa para. para PORTUGAL DER/INETI. Energia Solar na Hotelaria FIL Jan 04

PIRELIÓFORO. (P Himalaia) Água. Quente. Solar. Jorge Cruz Costa para. para PORTUGAL DER/INETI. Energia Solar na Hotelaria FIL Jan 04 PIRELIÓFORO e (P Himalaia) Água Quente Solar Jorge Cruz Costa para DER/INETI para PORTUGAL Como desenvolver o solar sem cometer os erros dos anos 80? O Programa E4, apresentado no ano passado pelo Ministério

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE UM CASO DE BOAS PRÁCTICAS REGIONAL HOSPITAL PRIVADO DE BRAGA

APRESENTAÇÃO DE UM CASO DE BOAS PRÁCTICAS REGIONAL HOSPITAL PRIVADO DE BRAGA INOVAÇÃO NA CONSTRUÇÃO TÉCNICAS E MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL 1 Título APRESENTAÇÃO DE UM CASO DE BOAS PRÁCTICAS REGIONAL HOSPITAL PRIVADO DE BRAGA ENQUADRAMENTO GEOGRÁFICO ARQUITECTURA COMPOSIÇÃO

Leia mais

SUSTENTABILIDADE E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

SUSTENTABILIDADE E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Jorge Santos Pato Lisboa, 6 de Novembro de 2014 Auditório da Ordem dos Engenheiros Gestão Eficiente da Energia nas Organizações Industriais Reflexões Iniciais Importantes Sustentabilidade e eficiência

Leia mais

Aquecimento e arrefecimento. Ventilação. Humidificação e desumidificação

Aquecimento e arrefecimento. Ventilação. Humidificação e desumidificação A generalidade das empresas necessitam de controlar o seu ambiente interior, tanto em termos de condições térmicas como de qualidade do ar, por diferentes motivos como bem estar e segurança das pessoas,

Leia mais

Safra 2016/2017. Safra 2015/2016

Safra 2016/2017. Safra 2015/2016 Valores de ATR e Preço da Tonelada de Cana-de-açúcar - Consecana do Estado do Paraná Safra 2016/2017 Mar/16 0,6048 0,6048 0,6048 66,04 73,77 Abr 0,6232 0,6232 0,5927 64,72 72,29 Mai 0,5585 0,5878 0,5868

Leia mais

DL 35/2008 Regulação Operações com ODS (*) QUAIS OS LIMITES DE MANUSEAMENTO?

DL 35/2008 Regulação Operações com ODS (*) QUAIS OS LIMITES DE MANUSEAMENTO? » DL 35/2008 Regulação Operações com ODS (*) Técnicos Qualificados no Manuseamento de Fluidos Frigorigéneos que afectam a camada de ozono (CFC-HCFC): QUAIS OS LIMITES DE MANUSEAMENTO? Técnicos do grupo

Leia mais

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Sistema de Certificação Energética - Geral

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Sistema de Certificação Energética - Geral Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Sistema de Certificação Energética e de QAI Transposição da Directiva Comunitária Regulamentação dos edifícios

Leia mais

MODELO DE INQUÉRITO PARA EXECUÇÃO DE UMA AUDITORIA ENERGÉTICA

MODELO DE INQUÉRITO PARA EXECUÇÃO DE UMA AUDITORIA ENERGÉTICA PARA EXECUÇÃO DE UMA AUDITORIA ENERGÉTICA A. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA: 1.SEDE 1.1 NOME... 1.2 ENDEREÇO.. 1.3 CÓDIGO POSTAL... 1.4 LOCALIDADE... 1.5 CONCELHO. 1.6 DISTRITO... 1.7 TELEFONE.. 1.8 TELEFAX...

Leia mais

Avaliação da Qualidade do Ar Interior Análise de Resultados

Avaliação da Qualidade do Ar Interior Análise de Resultados 13 AS Jornadasde Engenhariade Climatização EficiênciaEnergáticanosSistemasAVAC Avaliação da Qualidade do Ar Interior Análise de Resultados Manuela Cano Unidade de Ar e Saúde Ocupacional Departamento de

Leia mais

Indicadores Ambientais

Indicadores Ambientais Indicadores Ambientais / Desempenho Em, publicámos o nosso primeiro Relatório Ambiental, como forma de divulgar os nossos esforços e resultados na área da protecção ambiental. A presente publicação deve

Leia mais

Estratégia para a Eficiência e Plano de Promoção da Eficiência no Consumo (PPEC)

Estratégia para a Eficiência e Plano de Promoção da Eficiência no Consumo (PPEC) Estratégia para a Eficiência e Plano de Promoção da Eficiência no Consumo (PPEC) Susana Pires Unión Fenosa Comercial Sucursal em Portugal Lisboa, 22 de Maio de 2006 POSICIONAMENTO DA UNION FENOSA VISÃO

Leia mais

Eficiência Energética em Edifícios. J. Júlio Correia da Silva

Eficiência Energética em Edifícios. J. Júlio Correia da Silva J. Júlio Correia da Silva Workshop (Bio)Energia Resíduos Energias Renováveis e Eficiência Energética U. Évora 31 Maio 2010 A humanidade está a tomar consciência de que: - os recursos da Terra são finitos.

Leia mais

Contributo para método simplificado no âmbito do SCE: grandes edifícios de serviços existentes

Contributo para método simplificado no âmbito do SCE: grandes edifícios de serviços existentes UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE CIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA GEOGRÁFICA, GEOFÍSICA E ENERGIA Contributo para método simplificado no âmbito do SCE: grandes edifícios de serviços existentes Rui

Leia mais

PRINCIPAL REGULAMENTAÇÃO EXISTENTE E SUA IMPLEMENTAÇÃO A NÍVEL EUROPEU CAPÍTULO 3

PRINCIPAL REGULAMENTAÇÃO EXISTENTE E SUA IMPLEMENTAÇÃO A NÍVEL EUROPEU CAPÍTULO 3 PRINCIPAL REGULAMENTAÇÃO EXISTENTE E SUA IMPLEMENTAÇÃO A NÍVEL EUROPEU CAPÍTULO 3 PRINCIPAL REGULAMENTAÇÃO EXISTENTE E SUA IMPLEMENTAÇÃO A NÍVEL EUROPEU 19 CAPÍTULO 3 ÍNDICE 3. PRINCIPAL REGULAMENTAÇÃO

Leia mais

Dicas para poupar energia Empresas

Dicas para poupar energia Empresas Dicas para poupar energia Empresas Eficiência energética: Poupar energia, utilizá-la de forma eficiente e inteligente, para conseguir mais, com menos. Importância da eficiência energética: Redução da factura

Leia mais

Eficiência Energética em Lojas de Retalho: Os Desafios e Possíveis Soluções Em Portugal

Eficiência Energética em Lojas de Retalho: Os Desafios e Possíveis Soluções Em Portugal Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Eficiência Energética em Lojas de Retalho: Os Desafios e Possíveis Soluções Em Portugal José Miguel Barros Ribeiro da Silva VERSÃO PROVISÓRIA Dissertação

Leia mais

Conjunto de indicadores de sustentabilidade de empreendimentos - uma proposta para o Brasil

Conjunto de indicadores de sustentabilidade de empreendimentos - uma proposta para o Brasil Conjunto de indicadores de sustentabilidade de empreendimentos - uma proposta para o Brasil Texto Preliminar Completo - Agosto 2011 INTRODUÇÃO Começam a existir no Brasil um bom número de edifícios com

Leia mais

AUtilizaçãodeEnergiaSolar nasunidades Hoteleiras do Algarve

AUtilizaçãodeEnergiaSolar nasunidades Hoteleiras do Algarve AUtilizaçãodeEnergiaSolar nasunidades Hoteleiras do Algarve Armando Costa Inverno, António Hugo Lamarão ainverno@ualg.pt, alamarao@ualg.pt 14-02-2004 11:58:23 1 Alguns números Consumo de energia eléctrica

Leia mais

Castelo de Vide 16.02.2009. Mais eco. Mais futuro.

Castelo de Vide 16.02.2009. Mais eco. Mais futuro. Castelo de Vide 16.02.2009 Mais eco. Mais futuro. O mundo está nas nossas mãos... 1 O consumo energético mundial tem registado forte crescimento nos últimos anos, agravando o volume de emissões de CO 2

Leia mais

Viabilidade Ec E onômic onômic Aquecimen to Solar

Viabilidade Ec E onômic onômic Aquecimen to Solar Viabilidade Econômica Aquecimento Solar Sistema Aquecimento Solar - SAS Breve Histórico no Brasil A história do aquecedor solar no Brasil é recente. O primeiro aquecedor solar apareceu no Brasil na década

Leia mais

Perguntas & Respostas RSECE QAI

Perguntas & Respostas RSECE QAI sobre o RSECE QAI Regulamento dos Sistemas Energéticos de Climatização em Edifícios D.L. 79/2006 de 4 de Abril Um dia todos os edifícios serão verdes Versão 2.0 Maio 2011 O presente documento inclui um

Leia mais

Agenda de Ação para a Energia Sustentável para Todos (SE4ALL) Guiné-Bissau

Agenda de Ação para a Energia Sustentável para Todos (SE4ALL) Guiné-Bissau Agenda de Ação para a Energia Sustentável para Todos (SE4ALL) Guiné-Bissau Status: adoptado pelo Concelho de Ministros Júlio António Raul, Director das Energias Renováveis Contexto Julho 2013: Adopção

Leia mais

A CHAVE PARA A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

A CHAVE PARA A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA A CHAVE PARA A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Agenda Enquadramento dos consumos Energéticos nos Edifícios e no ramo Hoteleiro Enerbiz Conceito Geral e explicação funcional Conclusões e Aspetos Gerais Índice Enquadramento

Leia mais

Engenharia, Climatização e Energia APRESENTAÇÃO DA EMPRESA

Engenharia, Climatização e Energia APRESENTAÇÃO DA EMPRESA Engenharia, Climatização e Energia APRESENTAÇÃO DA EMPRESA QUEM SOMOS A TriEnergy Engenharia, Climatização e Energia, resulta de uma forte determinação em servir o mercado com rigor, brio e profissionalismo.

Leia mais

Certificado Energético Pequeno Edifício de Comércio e Servicos IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA, 231, R/C Localidade PORTO

Certificado Energético Pequeno Edifício de Comércio e Servicos IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA, 231, R/C Localidade PORTO Válido até 20/04/2025 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA, 231, R/C Localidade PORTO Freguesia PARANHOS Concelho PORTO GPS 41.163993, -8.604853 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL 1 ª Conservatória

Leia mais

Saber mais sobre Energia

Saber mais sobre Energia Saber mais sobre Energia Energia Está sempre presente nas nossas actividades. Mas usamos uma fonte que se está a esgotar. Situação Actual Cerca de 83% da energia consumida no nosso país é importada e de

Leia mais

Porto, 21 de Março 2012. Ventilação e QAI em edifícios

Porto, 21 de Março 2012. Ventilação e QAI em edifícios Porto, 21 de Março 2012 Ventilação e QAI em edifícios ÍNDICE SCE O certificado Método de cálculo Edifícios de habitação Edifícios de serviços Evolução do Sistema de Certificação Energética em Portugal

Leia mais

PROGRAMA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DE PISCINAS PÚBLICAS (TIPO 1)

PROGRAMA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DE PISCINAS PÚBLICAS (TIPO 1) PROGRAMA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DE PISCINAS PÚBLICAS (TIPO ) Coordenadoras Cláudia Arcanjo, Técnica de Saúde Ambiental Lola Monteiro, Técnica de Saúde Ambiental Rosete Lourenço, Técnica de Saúde Ambiental

Leia mais

Eficiência Energética

Eficiência Energética Eficiência Energética O Sistema de Certificação Energética e o seu Impacto Energia 2020, FCUL, 8 Fevereiro 2010 Sistema de Certificação Energética e de QAI Certificados Energéticos e de QAI Ponto de situação

Leia mais