ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA"

Transcrição

1 ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA ÍNDICE ORIENTAÇÕES PRELIMINARES IMPORTANTES pág. 02 NORMAS PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA pág. 03 NORMAS PARA EXECUÇÃO DE OBRAS pág. 08 ANEXOS INFORMAÇÕES GERAIS: CALÇADAS E ACESSOS pág. 12 Núcleo de Arquitetura SARASERRA Arq. Deise Coelho CREA 5767/D - GO Fone: (62) Protocolo de Recebimento do Documento ( ) Proprietário; ( ) Arquiteto e/ou Engenheiro; ( ) Outros. Nome: Quadra:, Lote:, Data: / /

2 ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA ÍNDICE ORIENTAÇÕES PRELIMINARES IMPORTANTES pág. 02 NORMAS PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA pág. 03 NORMAS PARA EXECUÇÃO DE OBRAS pág. 07 ANEXOS INFORMAÇÕES GERAIS: CALÇADAS E ACESSOS pág. 11 Núcleo de Arquitetura SARASERRA Arq. Deise Coelho CREA 5767/D - GO Fone: (62) Núcleo de Arquitetura SARASERRA 1

3 ORIENTAÇÕES PRELIMINARES IMPORTANTES 1 RETIRAR NA PREFEITURA DE HIDROLÂNDIA O DOCUMENTO DE USO DO SOLO: Este documento determina o tipo de edificação que poderá ser construída no terreno; bem como as taxas máximas de ocupação e aproveitamento da edificação no mesmo. Ressaltamos que as Normas Internas da SARASERRA são complementares às da Prefeitura, tanto em relação ao Uso do Solo quanto em relação à Aprovação de Projetos. 2 ENDEREÇO DA CONSTRUÇÃO/TERRENO: Preencher o endereço, no carimbo das plantas, da seguinte forma: Rua, Quadra, Lote, Condomínio Águas da Serra Sítios de Lazer, Hidrolândia GO. 3 CALÇADA: Representar a calçada de acordo com o modelo fornecido pela SARASERRA. Ver ANEXOS INFORMAÇÕES GERAIS: CALÇADAS E ACESSOS. 4 MOVIMENTAÇÃO DE TERRA: Para aprovação do Projeto de Arquitetura pela SARASERRA será necessário afim de verificar a movimentação de terra proposta para o terreno apresentar: a) O Levantamento Planialtimétrico (topográfico) elaborado por um topógrafo, contratado pelo proprietário, contendo as curvas de nível naturais, as cotas de nível naturais em todos os vértices do terreno (adotar o nível 0,00 no vértice mais baixo do mesmo). Em caso de dúvidas quanto aos marcos do lote, consultar a SARASERRA não considerar as placas de identificação dos lotes como piquetes de demarcação; b) A Planta de Terraplanagem, em qualquer escala desde que inteiramente legível, com as curvas de nível naturais, as interferências de aterros e/ou cortes e seus acertos. 5 CONSULTA: No caso de dúvidas com relação às Normas, favor consultar a Arquiteta Deise Coelho, no telefone (2ª a 6ª feira, das 14:00 às 18:00 horas) ou, caso seja necessário, agendar um horário para atendimento pessoal. 6 APRESENTAÇÃO DO PROJETO PARA APROVAÇÃO: Ao dar entrada para avaliação do projeto, encaminhar inicialmente apenas um jogo do Projeto de Arquitetura, com a cópia do Levantamento Planialtimétrico. Após aprovado, será necessário apresentar o total de três jogos de projetos junto a SARASERRA. Núcleo de Arquitetura SARASERRA 2

4 7 ÁGUAS PLUVIAIS: Serão de responsabilidade do proprietário, o devido direcionamento das águas pluviais e qualquer outra medida cabível a ser tomada com relação ao destino dessas, visando evitar erosões em espaços comuns, vias públicas e terrenos vizinhos. NORMAS PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA 1 DOS PROJETOS: 1.1 Antes do início do projeto, o interessado deverá retirar junto ao Núcleo de Arquitetura os dados atualizados de infra-estrutura, futuras ligações, equipamentos urbanos, dentre outros relacionados ao sitio de sua propriedade. Deverá ser retirado também um documento de liberação para a limpeza do terreno; 1.2 Todas as construções, modificações e/ou acréscimos, antes de serem encaminhados ao poder público municipal, deverão ter seus projetos apresentados à SARASERRA, que verificará a obediência aos afastamentos de recuos e divisas, uso adequado das áreas a serem ocupadas com as construções, localização de faixas de servidão para passagem de infraestrutura, taxa de ocupação e índice de aproveitamento do solo; 1.3 Não será permitida a construção, em lotes residenciais, de prédios de apartamentos para habitação coletiva, bem como, prédios para fins comerciais e/ou industriais, galpões ou outros que não sejam para fins exclusivos de residência; 1.4 Qualquer modificação e/ou acréscimo a serem feitos no projeto ou na obra deverão ser apresentados à SARASERRA, afim de serem atualizados. Será cobrada uma taxa de 25% do salário mínimo, a ser paga no ato da entrada do projeto de alteração; 1.5 Os padrões de construção deverão seguir orientações técnicas do projeto e a execução deverá ser acompanhada por profissionais devidamente habilitados pelo CREA-GO. 2 PROCESSO DE APROVAÇÃO: a) Para aprovação do Projeto de Arquitetura deverá ser apresentado à Comissão de Aprovação o conjunto de plantas e memorial descritivo Núcleo de Arquitetura SARASERRA 3

5 acompanhados das considerações julgadas necessárias ao perfeito entendimento do projeto, bem como o projeto de captação de águas pluviais, com o detalhamento da forma de coleta e encaminhamento das águas do lote; b) Aprovada a planta, a Comissão de Aprovação reterá duas cópias e devolverá a outra ao proprietário, devidamente certificada; c) Para aprovação de plantas, será devido ao Núcleo de Arquitetura uma taxa de meio salário mínimo; d) No caso de alteração de projeto será cobrada uma taxa de 25% do salário mínimo, a ser paga no ato do pedido, sendo que as alterações que envolvam mais de 50% da área serão consideradas como novo projeto. 2.1 Na apresentação do projeto, deverão constar na planta de locação, todas as árvores (com caules de diâmetro maior ou igual a quinze centímetros) existentes no terreno que irão permanecer ou não e a movimentação de terra que irá acontecer; não deverá ser feita no terreno qualquer terraplanagem, desaterro ou extração de árvores sem prévio consentimento da SARASERRA; 2.2 A topografia da faixa do passeio público deverá ser mantida na sua forma original do projeto executado, sendo que a calçada fronteira ao lote deverá ser executada conforme normas da SARASERRA; a pavimentação do acesso de veículos deverá concordar em nível com a calçada e em hipótese nenhuma deverá criar obstáculos. Qualquer alteração somente ocorrerá com a autorização expressa e formal da SARASERRA. 3 COM RELAÇÃO AOS RECUOS: a) Frontal: as edificações deverão estar recuadas 5,00 metros partindo da testada do lote, voltada para a rua, onde a SARASERRA fiscalizará tratamento paisagístico uniforme, com gramado e arborização adequada para o local. Tal tratamento deverá ser feito pelo proprietário; b) Lateral: as edificações deverão estar recuadas 3,00 metros; c) Fundo: as edificações deverão estar recuadas 5,00 metros. 3.1 Não será permitida a locação de piscinas e decks sobre o recuo lateral ou de fundo; não será permitido encostar qualquer tipo de construção nas divisas laterais; 3.2 Será permitido o uso de pergolados nos recuos laterais e de fundo, no pavimento térreo, desde que estes estejam em balanço. Porém, será proibida a construção de qualquer espécie de cobertura sobre os mesmos; 3.3 Os beirais da cobertura poderão avançar sobre as faixas de recuos mínimos obrigatórios, obedecendo a projeção máxima de 1,20metros, Núcleo de Arquitetura SARASERRA 4

6 contados da alvenaria acabada em todo o contorno da edificação até a divisa do terreno; 3.4 O abrigo de gás deverá ser edificado respeitando a faixa de recuo frontal, estando incorporado à construção principal ou secundária, ou encostando-se à divisa, não podendo ultrapassar a altura máxima de 2,00 metros, largura máxima de 0,60 metros e comprimento máximo de 2,00 metros, sendo obrigatórios, em qualquer opção, acesso externo e ventilação permanente; 3.5 Em hipótese alguma será permitido o trânsito de veículos ou entrada principal da residência pela servidão destinada à via de pedestre, vigilância e segurança do loteamento; 3.6 Será permitida, em sítios maiores de 4.001,00m² a construção de duas casas e em sítios maiores de 6.001,00m² a construção de três casas em um mesmo terreno, desde que seja respeitado um recuo de 10,00 metros entre uma casa e outra; 3.7 As edificações residenciais deverão ter área construída mínima de 80,00 m², nos padrões e tipos de construções definidos pela SARASERRA; 3.8 A área de projeção horizontal da construção principal, somada a área da construção secundária, não poderá ultrapassar a 20% da área total do lote. A área total construída não poderá ser superior a 40% da área do terreno; 3.9 A movimentação de terra da obra é item avaliado pela SARASERRA na aprovação do Projeto de Arquitetura: a) Nos 5,00 metros de recuo frontal, a topografia original do terreno deverá ser mantida, salvo nos casos em que, após análise do Núcleo de Arquitetura, seja permitida a movimentação para acesso de veículos, devido às condições topográficas do terreno; b) Para esta regularização deverão ser seguidos os seguintes critérios: 1. Taludes de acertos de movimentação de terra aterros ou cortes deverão respeitar a distância mínima da divisa de 1,00 metro, com a adoção da proporção mínima de 1/1,50 metros (altura/largura); 2. No recuo frontal, as rampas de acesso de subsolos deverão acontecer após 4,00 metros de recuo, portanto a entrada de veículos deverá ser feita naturalmente sobre os 4,00 metros iniciais, sendo os mesmos critérios válidos para o acesso de pedestres; 3. Caso o acesso de veículos seja feito no recuo lateral, este deverá estar adequado ao terreno natural. Sendo assim, para garagens laterais com acessos laterais sobre o afastamento, a movimentação Núcleo de Arquitetura SARASERRA 5

7 de terra aterro ou corte deverá ser no máximo 0,50 metros, assegurando assim que o recuo não seja descaracterizado; 4. Na apresentação do projeto, deverá constar a LNT (Linha Natural do Terreno) e consequentemente a movimentação de terra que irá acontecer, pois esta deverá ser feita com prévia e escrita anuência da SARASERRA Será permitido o arrimo em recuos laterais e de fundo desde que obedeça a um afastamento mínimo da divisa de 2,50 metros, uma altura máxima de 0,70 metros para aterro e profundidade máxima de 1,00 metro para corte, respeitando ainda uma extensão máxima de 15% em relação à divisa em questão, exceto para os locais que já receberam tubulações de infra-estrutura. No recuo frontal de 5,00 metros, o arrimo será permitido apenas para rampas de acessos de subsolos e para acessos de pedestres; 3.11 Será obrigatória a vedação de áreas de secagem de roupas, evitando a exposição das mesmas. Para tanto, poderá ser utilizado a colocação de elemento vazado nos recuos laterais e recuos de fundo, sendo permitido o uso de blocos de elemento vazado, grades, treliças de madeira ou tijolo intercalado (não excedendo a 50% de vedação). O espaço de secagem deverá obedecer a uma distância mínima da divisa de 2,50 metros, altura máxima de 2,00 metros e uma extensão máxima de 5,00 metros, com recuo mínimo de 20,00 metros frontais voltados para a rua, exceto para os locais que já receberam tubulações de infra-estrutura; 3.12 As edificações poderão ter até dois pavimentos (térreo e superior) respeitando-se a altura máxima de 8,00 metros incluindo o telhado, acima do nível da rua. Para o caso de dois pavimentos, o nível da face superior do piso térreo, deverá ter no máximo 1,00 metro acima do ponto médio da guia fronteira ao lote (divisa voltada para a rua e não para o swale). 4 FECHAMENTOS: a) Os fechamentos laterais serão permitidos, desde que respeitadas as seguintes condições: 1. Utilizar apenas cerca tipo alambrado com altura máxima de 2,00 metros; 2. Poderão ocorrer avançando o recuo de fundo (5,00 metros) e nos 5,00 metros de recuo frontal. b) O fechamento de fundo será permitido, desde que respeitadas as seguintes condições: 1. Utilizar apenas cerca tipo alambrado com altura máxima de 2,00 metros; 2. Poderão ocorrer na linha de limite do terreno. Núcleo de Arquitetura SARASERRA 6

8 c) O fechamento frontal será permitido, desde que respeitadas as seguintes condições: 1. Utilizar apenas cerca tipo alambrado com altura máxima de 2,00 metros; 2. Poderão ocorrer na linha de limite do terreno. Será permitido um único acesso através de portão ou porteira, sem cobertura. d) Em hipótese alguma será permitida a construção de muros de alvenaria (tijolos ou placas) nas divisas. IMPORTANTE: ANTES DO INÍCIO EFETIVO DA OBRA, RETIRAR JUNTO AO NÚCLEO DE ARQUITETURA A APOSTILA DE OBRAS COM AS INFORMAÇÕES NECESSÁRIAS E COMPLEMENTARES AS NORMAS DO REGULAMENTO INTERNO. Núcleo de Arquitetura SARASERRA 7

9 NORMAS PARA EXECUÇÃO DE OBRAS 5 DAS OBRAS: 5.1 O início da obra será autorizado, somente após a aprovação do projeto na SARASERRA e na PREFEITURA; 5.2 Antes do início da obra, o interessado deverá retirar junto ao Núcleo de Arquitetura da SARASERRA uma apostila com os dados atualizados de ligações e abastecimentos, entre outros, referentes ao caso específico de cada lote para o início dos trabalhos de construção; 5.3 Toda e qualquer retirada de vegetação natural do terreno não poderão ser feitas sem a anuência prévia da Comissão de Aprovação da SARASERRA, nos termos do Regimento Interno; 5.4 Caso haja necessidade de retirada de árvore para implantação da construção, será obrigatório o replantio pelo condômino, na proporção mínima de cinco para uma, sendo que as espécies e localização de plantio serão definidas em conjunto com a SARASERRA; 5.5 As instalações provisórias nos barracões de obra deverão ser executadas antes do início efetivo da obra; 5.6 Restos de obras deverão ser acondicionados em caçambas apropriadas, posicionadas sempre dentro do terreno e nunca nas vias públicas; 5.7 Será vetado o acesso à obra por áreas verdes e de lazer, por lotes vizinhos não autorizados ou em desacordo com o código municipal de posturas; 5.8 Deverá ser colocado no canteiro de obras, a título de proteção, um tapume com altura mínima de 1,60 metros, podendo conter propaganda dos fornecedores e prestadores de serviço, desde que autorizados previamente pela SARASERRA; 5.9 O tapume poderá ser executado em madeirite, placas de embalagens tetrapak recicladas ou placas de tubo de pasta de dentes também recicladas. Deverá conter um portão máximo de 4,00 metros permanentemente fechado, quando a obra não estiver em funcionamento. Levando em consideração que as placas dos materiais recomendados medem 1,10 x 2,20 metros (largura x altura), será permitido executar o tapume com as placas na horizontal a 0,50 metros do piso; 5.10 O tapume deverá ser mantido durante todo o período de obra e sempre que necessário deverá haver reposição de placas danificadas. Núcleo de Arquitetura SARASERRA 8

10 Durante a fase final da obra, caso haja necessidade de retirada do tapume a SARASERRA deverá ser consultada; 5.11 O tapume poderá ser executado contornando-se apenas o canteiro da obra, não sendo necessário a colocação do mesmo em todo o perímetro da divisa. Porém a área do terreno que ficar externa ao tapume, deverá ser mantida limpa e livre de quaisquer materiais e/ou entulhos e sempre que necessário deverá ser feita a roçagem da mesma; 5.12 A fossa provisória e o barracão de obras deverão estar locados dentro dos limites do tapume, obedecendo os 5,00 metros do recuo frontal. Não poderão estar posicionados junto às divisas laterais onde haja morador, por outro lado, em casos onde não houver vizinho morador, o barracão poderá ser locado no recuo lateral, no entanto caso seja necessário à utilização do recuo para alguma servidão, seja da SARASERRA ou do vizinho, será de total responsabilidade da obra a retirada do mesmo. Portas e janelas deverão estar voltadas para o interior do lote, sem oferecer visão para as vias públicas e para os vizinhos; 5.13 Não será permitido o depósito e a colocação de materiais e entulhos, fora dos limites do tapume, na calçada ou na via pública; 5.14 Será obrigatória a execução do acesso padronizado para obras, com largura mínima de 3,00 metros contendo brita nº 1 entre a via e o final dos 5,00 metros do recuo frontal. Será indispensável que haja concordância com a calçada. Caso o corpo técnico da SARASERRA julgue necessário, deverá haver o rebaixo da tubulação da rede de irrigação; 5.15 O proprietário ou titular de direito da construção que estiver executando a obra, responderá perante a SARASERRA e perante terceiros pelos eventuais danos causados, direta ou indiretamente, pela utilização de betoneiras, escavadeiras, guindastes, bate-estacas, explosivos ou outros equipamentos empregados na obra, inclusive por acidentes que ocorrerem com pessoas que ali transitarem. Reservado, quando couber, o direito de regresso contra o eventual culpado; 5.16 Havendo motivo de força maior para a paralisação da obra, tal fato deverá ser comunicado à SARASERRA, ficando o proprietário obrigado a: a) Remover restos de materiais ou detritos; b) Providenciar a demolição de banheiros e sanitários do alojamento; c) Fechar convenientemente a fossa e outras escavações; d) Restaurar o gramado na frente do lote; e) Agrupar convenientemente o material remanescente; f) Fechar a obra inteira com tapume no prazo máximo de 15 dias. O descumprimento do disposto neste item, após a competente notificação por escrito feita ao proprietário ou preposto, implicará na tomada de providência em seu nome, sendo que os serviços acima executados serão Núcleo de Arquitetura SARASERRA 9

11 cobrados posteriormente do proprietário, com acréscimos e penalidades aprovadas em Assembléia Durante a execução da obra será permitido o uso de um único lote lindeiro como apoio a mesma, desde que o interessado ofereça, no ato do pedido de aprovação do Projeto de Arquitetura, autorização por escrito do titular deste terreno. O interessado ficará obrigado a devolver o lote, devidamente limpo e livre de quaisquer entulhos, materiais e/ou equipamentos utilizados na obra. Deverá também, manter intacta a topografia e arborização, sob pena de sofrer embargos administrativos. O espaço utilizado do lote deverá ser tapumado da mesma forma que na área em construção, conforme item 5.9; 5.18 A SARASERRA fiscalizará a execução da obra de acordo com o projeto aprovado. Caso sejam encontradas divergências entre a execução e o projeto a obra poderá ser embargada administrativamente, sendo denunciada ao poder público municipal; 5.19 Todos os itens deste Regulamento Interno deverão ser obedecidos por completo e caso a SARASERRA encontre irregularidades, será estabelecido um prazo para a regularização, correção e/ou reparo, através de notificação ao proprietário ou seu preposto. Diante do não cumprimento, a SARASERRA aplicará as penalidades previstas e ainda poderá tomar as providências cabíveis repassando os custos aos proprietários; 5.20 A realização da mudança do condômino para a sua residência deverá ser comunicada a SARASERRA com antecedência mínima de dez dias. A mudança será autorizada somente quando as obras da casa principal (mínimo de 80,00m²) estiverem sido concluídas externamente; com portas, janelas, vidros e vedações instalados, bem como, os acessos, garagens e pintura externa finalizada; 5.21 Os critérios para plantio de cerca viva serão: a) Entende-se por cerca viva o plantio alinhado de mesma espécie vegetal ou espécies diferentes que recebam manejo apropriado com aspecto de muro; b) Será expressamente proibida a utilização de FICUS ou outras espécies com enraizamento agressivo, afim de evitar danos na infra-estrutura comum e privativa Será admitida nos acessos contidos dentro dos 5,00 metros do recuo frontal a instalação de luminárias com altura máxima de 0,70 metros, bancos e balizadores nos acessos de carros e pedestres. Estas e outras interferências deverão ser previamente analisadas e aprovadas pela SARASERRA; 5.23 Os critérios sobre hidrometria e controle do consumo de água serão os seguintes: Núcleo de Arquitetura SARASERRA 10

12 a) O hidrômetro será instalado pelo proprietário e doado à SARASERRA, conforme projeto e especificação do Núcleo de Arquitetura; b) A leitura e a manutenção do hidrômetro serão de responsabilidade da SARASERRA; c) Vazamentos, defeitos ou anormalidades deverão ser comunicados ao Núcleo de Urbanismo para as devidas providências; d) Todas as leituras serão anotadas, afim de que seja traçado um perfil histórico do consumo de cada proprietário, portanto caso haja qualquer tipo de problemas, estes serão facilmente detectados. e) Hidrômetros com defeito serão substituídos e enviados ao órgão aferidor para reparo e aferição, com custos da SARASERRA, inclusive na rede de abastecimento; f) No caso de hidrômetros com defeito, será cobrado do proprietário o consumo médio dos últimos três meses ou o consumo histórico do mesmo mês do ano anterior, levando em consideração as peculiaridades e o perfil do proprietário, analisados em gráfico; g) O uso de ligação direta de água "by pass" será falta gravíssima, passível de multa. A responsabilidade pelos custos do desfazimento do "by pass" será do transgressor. As multas serão progressivas conforme normas específicas deste regulamento Os critérios sobre colocação do poste de energia elétrica serão: O cavalete de alvenaria, para colocação do hidrômetro e do padrão de energia elétrica, deverá ser instalado no mesmo lado do TERRENO. O modelo e a posição para colocação deverão ser obtidos junto ao Núcleo de Arquitetura da SARASERRA. 6 INSTALAÇÃO DO SISTEMA DE FOSSA: Só será permitida a instalação de FOSSA, caso seja seguido o modelo da CASA CONCEITO. Para a locação da mesma, os recuos laterais deverão ser respeitados. 7 INSTALAÇÃO DO MINI-POÇO: Será permitida a instalação de MINI-POÇO, porém o mesmo deverá ser locado fora dos recuos laterais. 8 Será terminantemente proibida a realização de limpeza de terrenos através de QUEIMADAS. Caso seja praticado tal ato o proprietário do terreno em questão será advertido e multado, conforme normas da SARASERRA. ESTE DOCUMENTO ESTÁ BASEADO NO REGIMENTO INTERNO E NAS NORMAS GERAIS DE UTILIZAÇÃO DOS SÍTIOS DE LAZER ÁGUAS DA SERRA, E TAMBÉM DE ACORDO COM AS NORMAS TÉCNICAS DO PARTIDO URBANISMO ADOTADO PELA SARASERRA. Núcleo de Arquitetura SARASERRA 11

13 ANEXOS INFORMAÇÕES GERAIS: CALÇADAS E ACESSOS MODELO DE ACESSO E CALÇADA Núcleo de Arquitetura SARASERRA 12

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura III. Memorial de Cálculo de Área Construída e Memorial de Cálculo de Área

Leia mais

MANUAL DO CONSTRUTOR

MANUAL DO CONSTRUTOR 1. SOLICITAÇÕES PARA INÍCIO DA OBRA 01 jogo do projeto de arquitetura aprovado; Autorização para Construção emitida pela Associação Jardins Ibiza. 2. IMPLANTAÇÃO DO CANTEIRO DE OBRA 2.1 Fechamento do canteiro

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura 1 via; III. Memorial de Cálculo de Área Construída e Memorial de Cálculo

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO PARA APROVAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE OBRA

TERMO DE COMPROMISSO PARA APROVAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE OBRA 1 TERMO DE COMPROMISSO PARA APROVAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE OBRA Termo de compromisso para aprovação de projeto e execução de obra que entre si celebram, de um lado a SOCIEDADE ALDEIA DA SERRA RESIDENCIAL

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE PROJETOS

APRESENTAÇÃO DE PROJETOS Este informativo foi elaborado visando a padronização para a Apresentação de Projetos junto ao da Associação, para que a análise e a aprovação de projetos transcorram de forma mais rápida e eficiente.

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura via física e via digital; III. Memorial de Cálculo de Área Construída e

Leia mais

REGULAMENTO DE EDIFICAÇÕES

REGULAMENTO DE EDIFICAÇÕES REGULAMENTO DE EDIFICAÇÕES Este regulamento sem prejuízo das Restrições Convencionais, tem como objetivo normatizar o direito de utilização e aproveitamento dos lotes, sendo que tais limitações são supletivas

Leia mais

MANUAL DO CONSTRUTOR

MANUAL DO CONSTRUTOR 1. SOLICITAÇÕES PARA INÍCIO DA OBRA 01 jogo do projeto de arquitetura aprovado; Autorização para Construção emitida pelo CONDOMÍNIO RESIDENCIAL JARDINS COIMBRA. 2. IMPLANTAÇÃO DO CANTEIRO DE OBRA 2.1 Fechamento

Leia mais

REGULAMENTO DE EDIFICAÇÕES (Consta da Ata de Constituição da Associação Residencial Morada do Engenho, registrada sob n 51.758 )

REGULAMENTO DE EDIFICAÇÕES (Consta da Ata de Constituição da Associação Residencial Morada do Engenho, registrada sob n 51.758 ) REGULAMENTO DE EDIFICAÇÕES (Consta da Ata de Constituição da Associação Residencial Morada do Engenho, registrada sob n 51.758 ) Este regulamento sem prejuízo das Restrições Convencionais, tem como objetivo

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DOS PROJETOS

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DOS PROJETOS MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DOS PROJETOS 1 1. AUTORIZAÇÕES E CADASTRAMENTO: Para entrada de profissionais e execução de serviços como LEVANTAMENTO PLANIALTIMÉTRICO e SONDAGEM, será necessária a autorização

Leia mais

LOTEAMENTO VILLAGGIO DI FIRENZE Av. Dr. Armando Sales de Oliveira Nº 400 Franca - SP

LOTEAMENTO VILLAGGIO DI FIRENZE Av. Dr. Armando Sales de Oliveira Nº 400 Franca - SP LOTEAMENTO VILLAGGIO DI FIRENZE Av. Dr. Armando Sales de Oliveira Nº 400 Franca - SP CARTILHA DE CONSTRUÇÃO Seguem especificações para as construções nos lotes do Loteamento Villaggio Di Firenze: A) Conforme

Leia mais

ORIENTAÇÕES INICIAIS PARA PROPRIETÁRIOS E ARQUITETOS

ORIENTAÇÕES INICIAIS PARA PROPRIETÁRIOS E ARQUITETOS 1. ROTEIRO PARA APROVAÇÃO E LIBERAÇÃO DE PROJETOS E OBRAS: PROJETOS A. Aprovação do Projetos pelo Depto. Técnico da Associação B. Aprovação do Projeto e Solicitação de Alvará de Construção na Prefeitura

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS 1 AUTORIZAÇÕES E CADASTRAMENTO Para entrada de profissionais e execução de serviços como LEVANTAMENTO PLANIALTIMÉTRICO e SONDAGEM, será necessária a autorização por

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. 2. SERVIÇOS PRELIMINARES Limpeza, Barracão de Obra e Placa de Obra 2.1. LIMPEZA DA ÁREA DE INTERVENÇÃO

MEMORIAL DESCRITIVO. 2. SERVIÇOS PRELIMINARES Limpeza, Barracão de Obra e Placa de Obra 2.1. LIMPEZA DA ÁREA DE INTERVENÇÃO MEMORIAL DESCRITIVO 1. INFORMAÇÕES GERAIS Obra: Intervenção nos Canteiros Centrais da Avenida Santa Luzia Segunda Etapa. Endereço: Avenida Santa Luzia Área de Intervenção: 4758,52 m² 2. SERVIÇOS PRELIMINARES

Leia mais

SANTA BÁRBARA RESORT RESIDENCE REGULAMENTO PARA CONSTRUÇÕES E ALTERAÇÕES DE CONSTRUÇÕES

SANTA BÁRBARA RESORT RESIDENCE REGULAMENTO PARA CONSTRUÇÕES E ALTERAÇÕES DE CONSTRUÇÕES SANTA BÁRBARA RESORT RESIDENCE REGULAMENTO PARA CONSTRUÇÕES E ALTERAÇÕES DE CONSTRUÇÕES 1. Considerações Gerais 1.1. O presente Regulamento estabelece regras gerais para as construções e alterações que

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA INÍCIO DE OBRA

ORIENTAÇÕES PARA INÍCIO DE OBRA ORIENTAÇÕES PARA INÍCIO DE OBRA Associação Alphaville Salvador Residencial 1 PROCEDIMENTOS PARA INÍCIO DE OBRA 1. Entregar uma cópia do jogo de Plantas Aprovadas pela Prefeitura Municipal de Salvador e

Leia mais

MANUAL TÉCNICO DE ORIENTAÇÕES PARA PROJETOS E OBRAS 2015

MANUAL TÉCNICO DE ORIENTAÇÕES PARA PROJETOS E OBRAS 2015 I. OBRAS I.1. I.1.1 1.1. ORIENTAÇÃO PARA INÍCIO DAS OBRAS Documentos necessários Para o início da obra será necessária a apresentação ao, dos seguintes documentos que devem permanecer na obra durante sua

Leia mais

CONTRATO DE COMPROMISSO PARA APROVAÇÃO DE PROJETOS E EXECUÇÃO DE OBRAS

CONTRATO DE COMPROMISSO PARA APROVAÇÃO DE PROJETOS E EXECUÇÃO DE OBRAS CONTRATO DE COMPROMISSO PARA APROVAÇÃO DE PROJETOS E EXECUÇÃO DE OBRAS Que entre si celebram, de um lado, a SOCIEDADE ALPHAVILLE RESIDENCIAL 5, inscrita no C.G.C./MF, sob o n.º 51.244.861/0001-56, isenta

Leia mais

CÓDIGO DE OBRAS. 2.1 São consideradas obras provisórias as seguintes intervenções:

CÓDIGO DE OBRAS. 2.1 São consideradas obras provisórias as seguintes intervenções: * Código citado no Artigo 10º, item I do Estatuto Social. 1 - APROVAÇÃO DE PROJETOS 1.1 Para primeira análise: 01(uma) via do projeto arquitetônico completo (inclusive projeto contendo memorial de áreas);

Leia mais

REVISÃO REGULAMENTO INTERNO ABRIL/2015

REVISÃO REGULAMENTO INTERNO ABRIL/2015 REVISÃO REGULAMENTO INTERNO ABRIL/2015 ITENS REVISADOS: ARTIGO 14, alínea c c) Todos os recuos mencionados na alínea b deverão ser totalmente livres, sendo que a projeção de beirais com largura de até

Leia mais

ANEXO I - MEMORIAL DESCRITIVO

ANEXO I - MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I - MEMORIAL DESCRITIVO RAMPA NAÚTICA DE ARAGARÇAS-GO O presente memorial descritivo tem por objetivo fixar normas específicas para CONSTRUÇÃO DE UMA RAMPA NAÚTICA - RIO ARAGUAIA, em área de 3.851,89

Leia mais

Normas de Construção

Normas de Construção Normas de Construção As presentes normas foram elaboradas em complemento as normas e procedimentos já existentes do Residencial Granja Carneiro Viana, objetivando ampliar as disposições e regras da Prefeitura

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO SOCIEDADE RESIDENCIAL ECOVILLE

REGULAMENTO INTERNO SOCIEDADE RESIDENCIAL ECOVILLE Sociedade Residencial REGULAMENTO INTERNO SOCIEDADE RESIDENCIAL ECOVILLE Aqui a vida se renova. 1) APRESENTAÇÃO: 1.1 A filosofia deste Regulamento é apresentar limitações supletivas, ou seja, prevalecem

Leia mais

Capítulo 4 - EXECUÇÃO E SEGURANÇA DAS OBRAS

Capítulo 4 - EXECUÇÃO E SEGURANÇA DAS OBRAS Capítulo 4 - EXECUÇÃO E SEGURANÇA DAS OBRAS 4.1 Disposições gerais Art. 61 - A execução de obras, incluindo os serviços preparatórios e complementares, suas instalações e equipamentos, embora que temporários,

Leia mais

ESTADO DO CEARÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE BARBALHA SECRETARIA DE INFRAESTRUTURA E OBRAS PROJETO BÁSICO MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ESTADO DO CEARÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE BARBALHA SECRETARIA DE INFRAESTRUTURA E OBRAS PROJETO BÁSICO MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PROJETO BÁSICO MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS - OBRA: CONSTRUÇÃO DE MURO ARRIMO - LOCAL: TERRENO DO CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL - BARBALHA/CEARÁ. 1.0 - CONSIDERAÇÕES INICIAIS - Este Relatório

Leia mais

Sociedade loteamento MONT BLANC PROCEDIMENTO PARA INÍCIO DE OBRA

Sociedade loteamento MONT BLANC PROCEDIMENTO PARA INÍCIO DE OBRA PROCEDIMENTO PARA INÍCIO DE OBRA 1. Apresentar cópia de Planta Aprovada pela Prefeitura Municipal de Campinas, cópia do Alvará de Execução para liberação de obra e cópia da ART recolhida do responsável

Leia mais

REGULAMENTO DE OBRAS ANEXO I. Cuidados ao iniciar a obra: Horário de funcionamento do prédio:

REGULAMENTO DE OBRAS ANEXO I. Cuidados ao iniciar a obra: Horário de funcionamento do prédio: ANEXO I REGULAMENTO DE OBRAS Cuidados ao iniciar a obra: Toda obra ou reforma na unidade deve ser comunicada ao síndico, com antecedência mínima de 10 dias, através da apresentação de respectivo croqui

Leia mais

ENGENHARIA DE SEGURANÇA

ENGENHARIA DE SEGURANÇA ESTADO DE MATO GROSSO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ENGENHARIA DE SEGURANÇA P R O F ª K A R E N W R O B E L S T R A

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 019, DE 09 DE AGOSTO DE 2006. ESTABELECE NORMAS SOBRE EDIFICAÇÕES NO CONDOMÍNIO BOSQUES DE ATLÂNTIDA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

LEI COMPLEMENTAR Nº 019, DE 09 DE AGOSTO DE 2006. ESTABELECE NORMAS SOBRE EDIFICAÇÕES NO CONDOMÍNIO BOSQUES DE ATLÂNTIDA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. ESTABELECE NORMAS SOBRE EDIFICAÇÕES NO CONDOMÍNIO BOSQUES DE ATLÂNTIDA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. CELSO BASSANI BARBOSA, Prefeito Municipal de Xangri-Lá, FAÇO SABER que a Câmara Municipal de Vereadores

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS CONSTANTES NO GUIA DE SERVIÇOS 2007 PMA

PERGUNTAS E RESPOSTAS CONSTANTES NO GUIA DE SERVIÇOS 2007 PMA PERGUNTAS E RESPOSTAS CONSTANTES NO GUIA DE SERVIÇOS 2007 PMA IMÓVEIS - EDIFICAÇÕES E LOTEAMENTOS A Prefeitura Municipal de Aracaju fiscaliza e licencia obras de edificação e de parcelamento do solo através

Leia mais

DAS RESTRIÇÕES AO DIREITO DE USO E GOZO DOS IMÓVEIS NO JARDINS MÔNACO

DAS RESTRIÇÕES AO DIREITO DE USO E GOZO DOS IMÓVEIS NO JARDINS MÔNACO DAS RESTRIÇÕES AO DIREITO DE USO E GOZO DOS IMÓVEIS NO JARDINS MÔNACO Art. 52 - É condição essencial e imperativa a observância dos termos deste Estatuto Social, Regimento Interno e das Normas para Construção

Leia mais

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA REPRESENTAÇÕES DE DESENHO TÉCNICO E APROVAÇÃO DE PROJETOS SETOR DE ENGENHARIA

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA REPRESENTAÇÕES DE DESENHO TÉCNICO E APROVAÇÃO DE PROJETOS SETOR DE ENGENHARIA ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA REPRESENTAÇÕES DE DESENHO TÉCNICO E APROVAÇÃO DE PROJETOS SETOR DE ENGENHARIA ANEXO II DO DECRETO N 80/2011 DE 02/05/2011 PARTE 01: OBRA NOVA OU AMPLIAÇÃO 1. Planta de situação

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS NO LOTEAMENTO ALPHAVILLE MOSSORÓ

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS NO LOTEAMENTO ALPHAVILLE MOSSORÓ MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS NO LOTEAMENTO ALPHAVILLE MOSSORÓ Associação Alphaville Mossoró Janeiro- 2014 ORIENTAÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS 1. PROJETOS DE REMEMBRAMENTO E / OU DESMEBRAMENTO

Leia mais

REGULAMENTO DE OBRAS OBRAS-001 1 1-26

REGULAMENTO DE OBRAS OBRAS-001 1 1-26 DE OBRAS OBRAS-001 1 1-26 DE OBRAS DO RESIDENCIAL E COMERCIAL GÊNESIS II 1 PARA APROVAÇÃO DE PROJETO 1.1 - Os proprietários e seus contratados (engenheiros e arquitetos) são obrigados a cumprir integralmente

Leia mais

REGULAMENTO DE OBRAS E REFORMAS ASSOCIAÇÃO JARDINS LISBOA

REGULAMENTO DE OBRAS E REFORMAS ASSOCIAÇÃO JARDINS LISBOA REGULAMENTO DE OBRAS E REFORMAS ASSOCIAÇÃO JARDINS LISBOA Os adquirentes de lotes obrigar-se-ão a contribuir para a manutenção do alto nível deste loteamento. O cumprimento desta obrigação, como de todas

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA MOBILIZAÇÃO, CONSTRUÇÃO E DESMOBILIZAÇÃO DO CANTEIRO

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA MOBILIZAÇÃO, CONSTRUÇÃO E DESMOBILIZAÇÃO DO CANTEIRO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA MOBILIZAÇÃO, CONSTRUÇÃO E DESMOBILIZAÇÃO DO CANTEIRO 1. VIA DE ACESSO 1.1 - GENERALIDADES Será utilizada como acesso às obras, durante a fase de construção, as vias já existentes

Leia mais

Memorial Descritivo OBRA: CERCAMENTO DOS LOTES Nº02 E Nº03 DA QUADRA Nº344

Memorial Descritivo OBRA: CERCAMENTO DOS LOTES Nº02 E Nº03 DA QUADRA Nº344 Memorial Descritivo OBRA: CERCAMENTO DOS LOTES Nº02 E Nº03 DA QUADRA Nº344 Endereço da obra: Quadra 128, situada na esquina da Rua Ijui esquina Rua Inhacorá, Bairro Recanto do Sol, Horizontina - RS. O

Leia mais

CONVÊNIO Nº 002/87 1.0 - GENERALIDADES.

CONVÊNIO Nº 002/87 1.0 - GENERALIDADES. 1 CONVÊNIO Nº 002/87 TERMO DE CONVÊNIO QUE ENTRE SI CELEBRAM DE UM LADO A PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE BARUERI E, DE OUTRO, A SOCIEDADE ALDEIA DA SERRA RESIDENCIAL MORADA DOS PÁSSAROS, PARA A APLICAÇÃO DE

Leia mais

REGULAMENTO DE NORMAS CONSTRUTIVAS E URBANÍSTICAS FLORAIS DA MATA

REGULAMENTO DE NORMAS CONSTRUTIVAS E URBANÍSTICAS FLORAIS DA MATA REGULAMENTO DE NORMAS CONSTRUTIVAS E URBANÍSTICAS FLORAIS DA MATA É condição essencial ao Contrato de Venda e Compra de Bem Imóvel, Com Pacto Adjeto de Financiamento Com Alienação Fiduciária a observância

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE QUALIDADE DIFERENCIADA

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE QUALIDADE DIFERENCIADA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE QUALIDADE DIFERENCIADA LOTEAMENTO PRAIA DE JURERÊ VI ETAPA- A JURERÊ INTERNACIONAL, FLORIANÓPOLIS/SC O presente programa contempla o conjunto de normas, diretrizes e condicionantes

Leia mais

DIRETRIZES DO CADASTRO TÉCNICO DE REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS

DIRETRIZES DO CADASTRO TÉCNICO DE REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS DIRETRIZES DO CADASTRO TÉCNICO DE REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS 1. OBJETIVO Esta Diretriz fixa as condições exigíveis na elaboração de plantas e relatórios detalhados do cadastro de redes de coleta de esgoto,

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO CONSTRUÇÃO NOVA: PRAÇA SETOR GUARUJÁ EXPANSÃO - MUNICÍPIO DE ÁGUA BOA MT

MEMORIAL DESCRITIVO CONSTRUÇÃO NOVA: PRAÇA SETOR GUARUJÁ EXPANSÃO - MUNICÍPIO DE ÁGUA BOA MT MEMORIAL DESCRITIVO CONSTRUÇÃO NOVA: PRAÇA SETOR GUARUJÁ EXPANSÃO - MUNICÍPIO DE ÁGUA BOA MT Página 1 de 8 ÍNDICE 1 SERVIÇOS GERAIS 3 1.1 SERVIÇOS TÉCNICOS 4 1.2 MÁQUINAS E FERRAMENTAS 4 1.3 LIMPEZA PERMANENTE

Leia mais

Manual Irrigabras para obras de infra-estrutura

Manual Irrigabras para obras de infra-estrutura Manual Irrigabras para obras de infra-estrutura Índice 1. Obras de infra-estrutura... 2 2. Base de concreto do Pivô... 2 3. Base de concreto da motobomba... 3 4. Casa de bombas... 4 5. Valeta da adutora...

Leia mais

ASSOCIAÇÃO JARDINS VIENA REGULAMENTO INTERNO DE OBRAS E REFORMAS

ASSOCIAÇÃO JARDINS VIENA REGULAMENTO INTERNO DE OBRAS E REFORMAS ASSOCIAÇÃO JARDINS VIENA REGULAMENTO INTERNO DE OBRAS E REFORMAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º - Estas limitações são supletivas e prevalecem após o cumprimento das legislações federais, estaduais e municipais,

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO Julho / 2015. Escola Básica Municipal Encano Central Reforma da Cobertura Indaial / SC

MEMORIAL DESCRITIVO Julho / 2015. Escola Básica Municipal Encano Central Reforma da Cobertura Indaial / SC MEMORIAL DESCRITIVO Julho / 2015 Escola Básica Municipal Encano Central Reforma da Cobertura Indaial / SC 1. INFORMAÇÕES PRELIMINARES 1.1. RESPONSÁVEL TÉCNICO PELO PROJETO Carlos Henrique Nagel Engenheiro

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES MEMORIAL DESCRITIVO DE IMPLANTAÇÃO Unidade de Educação Infantil Próinfância Tipo C 1. OBJETIVO: A presente especificação tem por objetivo estabelecer os critérios para a implantação da Unidade de Educação

Leia mais

Art. 1 - O presente regulamento estabelece regras e restrições com a finalidade de disciplinar o uso e ocupação do solo, a

Art. 1 - O presente regulamento estabelece regras e restrições com a finalidade de disciplinar o uso e ocupação do solo, a REGULAMENTO DE NORMAS CONSTRUTIVAS E URBANÍSTICAS VILLA JARDIM É condição essencial ao Contrato de Venda e Compra de Bem Imóvel, Com Pacto Adjeto de Financiamento Com Alienação Fiduciária a observância

Leia mais

UBATUBA COUNTRY CLUBE

UBATUBA COUNTRY CLUBE CÓDIGO DE OBRAS INTRODUÇÃO Esta codificação pretende estabelecer regras de convivência para os proprietários e freqüentadores do Ubatuba Country Clube (UCC), bem como harmonizar com a paisagem os elementos

Leia mais

ASSOCIAÇÃO RESIDENCIAL RESERVA BOM SUCESSO MANUAL TÉCNICO DE PROJETOS E OBRAS

ASSOCIAÇÃO RESIDENCIAL RESERVA BOM SUCESSO MANUAL TÉCNICO DE PROJETOS E OBRAS ASSOCIAÇÃO RESIDENCIAL RESERVA BOM SUCESSO MANUAL TÉCNICO DE PROJETOS E OBRAS 1 OBJETIVO Este Manual Técnico de Projetos e Obras tem por objetivo orientar e informar aos proprietários dos lotes, bem como

Leia mais

RESPONSÁVEL TÉCNICO: Claudio Marcos Piotrowski Engenheiro Civil CREA 0601452877

RESPONSÁVEL TÉCNICO: Claudio Marcos Piotrowski Engenheiro Civil CREA 0601452877 INSTRUMENTO PARTICULAR DE INCORPORAÇÃO Condomínio Horizontal Fechado RESIDENCIAL VILLAVERDE (Identificado no Cartório de Registro Civil do Distrito de Monte Verde Camanducaia Livro 05-B 1º Traslado Fls

Leia mais

REGULAMENT O DE OBRAS OBRAS-001 3 1-20

REGULAMENT O DE OBRAS OBRAS-001 3 1-20 O DE OBRAS OBRAS-001 3 1-20 O DE OBRAS DO RESIDENCIAL E COMERCIAL GÊNESIS I 1 PARA APROVAÇÃO DE PROJETO 1.1 - Os proprietários e seus contratados (engenheiros e arquitetos) são obrigados a cumprir integralmente

Leia mais

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS CAPÍTULO 2: ESQUEMA GERAL DA TUBULAÇÃO TELEFÔNICA. RECOMENDAÇÕES A tubulação telefônica é dimensionada em função da quantidade de pontos telefônicos previsto para cada parte do edifício. Cada ponto telefônico

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS CONSTANTES NO GUIA DE SERVIÇOS DA PREFEITURA

PERGUNTAS E RESPOSTAS CONSTANTES NO GUIA DE SERVIÇOS DA PREFEITURA PERGUNTAS E RESPOSTAS CONSTANTES NO GUIA DE SERVIÇOS DA PREFEITURA IMÓVEIS - EDIFICAÇÕES E LOTEAMENTOS A Prefeitura Municipal de Aracaju fiscaliza e licencia obras de edificação e de parcelamento do solo

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº126, DE 18 DE ABRIL DE 2008

LEI COMPLEMENTAR Nº126, DE 18 DE ABRIL DE 2008 LEI COMPLEMENTAR Nº126, DE 18 DE ABRIL DE 2008 Acrescenta dispositivos à Lei nº 1041, 11 de julho de 1979, que regula o loteamento de terrenos urbanos no Município de Dourados, e dá outras providências

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO PARA APROVAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE OBRAS ÍNDICE. Assunto Itens Página

TERMO DE COMPROMISSO PARA APROVAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE OBRAS ÍNDICE. Assunto Itens Página TERMO DE COMPROMISSO PARA APROVAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE OBRAS ÍNDICE Assunto Itens Página I Principios Gerais 01 a 05 02 II Restrições da Construção e do Uso do Lote 06 a 24 03 III Inicio das Edificações,

Leia mais

End.: Avenida Florais, Bairro Ribeirão do Lipa, Cuiabá MT.

End.: Avenida Florais, Bairro Ribeirão do Lipa, Cuiabá MT. REGULAMENTO DE NORMAS CONSTRUTIVAS e URBANÍSTICAS FLORAIS DOS LAGOS É condição essencial desta Escritura Pública de Compra e Venda a observância das disposições abaixo mencionadas, a que estão obrigados

Leia mais

LEI Nº 1.275, DE 28 DE JULHO DE 2011.

LEI Nº 1.275, DE 28 DE JULHO DE 2011. LEI Nº 1.275, DE 28 DE JULHO DE 2011. Dispõe sobre o uso e ocupação do solo, limites e prescrições urbanísticas da Área Especial de Interesse Social AEIS Padre João Maria e As Dez, localizado no Loteamento

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO FAZENDA TAMBORÉ RESIDENCIAL

REGULAMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO FAZENDA TAMBORÉ RESIDENCIAL REGULAMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO FAZENDA TAMBORÉ RESIDENCIAL FINALIDADE 1. Este regulamento tem por finalidade definir direitos e deveres e orientar a conduta de todas as pessoas que se encontrarem, a

Leia mais

REGULAMENTO DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO E DE EXECUÇÃO DE OBRAS NO BAIRRO ÁGUAS DE SERRA MORENA ZONA RESIDENCIAL UNIFAMILIAR

REGULAMENTO DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO E DE EXECUÇÃO DE OBRAS NO BAIRRO ÁGUAS DE SERRA MORENA ZONA RESIDENCIAL UNIFAMILIAR REGULAMENTO DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO E DE EXECUÇÃO DE OBRAS NO BAIRRO ÁGUAS DE SERRA MORENA ZONA RESIDENCIAL UNIFAMILIAR 1. DEFINIÇÕES E PROPÓSITOS 1.1. As regras e disposições limitativas do uso e ocupação

Leia mais

MUNÍCIPIO DE CONSELHEIRO LAFAIETE - MG SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS E MEIO AMBIENTE Administração 2.013/2.016 TERMO DE REFERENCIA

MUNÍCIPIO DE CONSELHEIRO LAFAIETE - MG SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS E MEIO AMBIENTE Administração 2.013/2.016 TERMO DE REFERENCIA MUNÍCIPIO DE CONSELHEIRO LAFAIETE - MG SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS E MEIO AMBIENTE Administração 2.013/2.016 TERMO DE REFERENCIA REFORMA E AMPLIAÇÃO DA ESCOLA MUNICIPAL PEDRO REZENDE DOS SANTOS 1 - OBJETO:

Leia mais

II Desenho na escala de 1:100 (uma para cem); III Cotas necessárias à perfeita compreensão do projeto; 1º - O projeto simplificado deverá apresentar:

II Desenho na escala de 1:100 (uma para cem); III Cotas necessárias à perfeita compreensão do projeto; 1º - O projeto simplificado deverá apresentar: Institui Projeto Simplificado e dispõe sobre a forma de apresentação de projetos de construção de edificações residenciais unifamiliares, e dá outras providências. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE GUARATINGUETÁ

Leia mais

E S T A D O D O M A T O G R O S S O. Prefeitura Municipal de Jaciara

E S T A D O D O M A T O G R O S S O. Prefeitura Municipal de Jaciara MEMORIAL DESCRITIVO REDE CEGONHA - HOSPITAL MUNICIPAL JACIARA/MT O presente memorial descritivo define diretrizes referentes à reforma do espaço destinado a Programa REDE CEGONHA no Hospital Municipal

Leia mais

PRIDE IPIRANGA RELATÓRIO DE ANDAMENTO DAS OBRAS CIVIS PERÍODO OUTUBRO DE 2015

PRIDE IPIRANGA RELATÓRIO DE ANDAMENTO DAS OBRAS CIVIS PERÍODO OUTUBRO DE 2015 PERÍODO OUTUBRO DE 2015 Andamento das Obras Execução dos barracões e Mobilização de canteiro de obras quantidade a executar 70% - quantidade acumulada ao final do período 70%; Durante o período executaremos

Leia mais

REGULAMENTO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DISPOSIÇÃO DOS EFLUENTES SANITÁRIOS DO LOTEAMENTO NINHO VERDE I

REGULAMENTO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DISPOSIÇÃO DOS EFLUENTES SANITÁRIOS DO LOTEAMENTO NINHO VERDE I REGULAMENTO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DISPOSIÇÃO DOS EFLUENTES SANITÁRIOS DO LOTEAMENTO NINHO VERDE I 1. O presente Regulamento objetiva estabelecer regras gerais de uso do sistema de abastecimento

Leia mais

CAPITULO XII. DA EDIFICAÇAO DE RESIDÊNCIAS PELOS CONDÔMINOS. Seção 1. Disposições Preliminares.

CAPITULO XII. DA EDIFICAÇAO DE RESIDÊNCIAS PELOS CONDÔMINOS. Seção 1. Disposições Preliminares. CAPITULO XII. DA EDIFICAÇAO DE RESIDÊNCIAS PELOS CONDÔMINOS. Seção 1. Disposições Preliminares. Artigo 47º. O CONDOMÍNIO, uma vez instituído na conformidade das disposições constantes do respectivo Memorial

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE QUALIDADE DIFERENCIADA

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE QUALIDADE DIFERENCIADA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE QUALIDADE DIFERENCIADA LOTEAMENTO PRAIA DE JURERÊ VI ETAPA - B (AMORAEVILLE FASE 2) JURERÊ INTERNACIONAL, FLORIANÓPOLIS/SC O presente programa contempla o conjunto de normas,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BAURU

PREFEITURA MUNICIPAL DE BAURU P.32818/99 LEI Nº 4553, DE 08 DE JUNHO DE 2000 Dispõe sobre Perfuração de Poços para Captação de Águas Subterrâneas no Município de Bauru e dá outras providências. NILSON COSTA, Prefeito Municipal de Bauru,

Leia mais

PREFEITURA DE SÃO LUIS SECRETARIA MUNICIPAL DE URBANISMO E HABITAÇÃO SEMURH

PREFEITURA DE SÃO LUIS SECRETARIA MUNICIPAL DE URBANISMO E HABITAÇÃO SEMURH Projeto de Lei nº, de de de Institui o primeiro plano municipal de incentivo à construção civil, e dá outras providências. O PREFEITO DE SÃO LUÍS, Capital do Estado do Maranhão Faço saber a todos os seus

Leia mais

LEI 1620 DE 23.10.1997 Define disposições relativas à aprovação de edificações residenciais unifamiliares

LEI 1620 DE 23.10.1997 Define disposições relativas à aprovação de edificações residenciais unifamiliares LEI 1620 DE 23.10.1997 Define disposições relativas à aprovação de edificações residenciais unifamiliares Lei 1620/1997 - Secretaria de Urbanismo e Controle Urbano - www.urbanismo.niteroi.rj.gov.br 0 Lei

Leia mais

SAN.T.IN.NT 33. A.R.T.: Anotação de Responsabilidade Técnica do Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura CREA;

SAN.T.IN.NT 33. A.R.T.: Anotação de Responsabilidade Técnica do Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura CREA; 1 / 5 SUMÁRIO: 1. FINALIDADE 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO 3. DEFINIÇÕES 4. PROCEDIMENTOS 5. REFERÊNCIAS 6. ANEXOS 1. FINALIDADE Esta Norma tem como finalidade disciplinar e padronizar os procedimentos para liberação

Leia mais

Propostas de Alteração do Regimento Interno

Propostas de Alteração do Regimento Interno Propostas de Alteração do Regimento Interno 1- Proposta de Antônio de Jesus Ribeiro Q22 L17: Incluir Único no Artigo 1º Parágrafo único Caso o dano seja no meio, caberá ao proprietário da unidade danificada

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DO LOTEAMENTO VILLAS DO JACUÍPE

ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DO LOTEAMENTO VILLAS DO JACUÍPE ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DO LOTEAMENTO VILLAS DO JACUÍPE Estrada do Coco, Km 31 Barra do Jacuípe CEP 42.833-000 Camaçari/Bahia CNPJ 03.380.253/0001-26 Telefones : (071) 3678-1690 e 3678-2356 E-mail : vjacuipe@oi.com.br

Leia mais

LEVANTAMENTO PLANIALTIMÉTRICO

LEVANTAMENTO PLANIALTIMÉTRICO LEVANTAMENTO PLANIALTIMÉTRICO A NECESSIDADE DE UM LEVANTAMENTO PLANIALTIMÉTRICO O LP deve ser feito a partir da entrevista com o cliente atendendo as condições solicitadas num programa de necessidades.

Leia mais

C.O.R CÓDIGO DE OBRAS DO RESIDENCIAL

C.O.R CÓDIGO DE OBRAS DO RESIDENCIAL C.O.R CÓDIGO DE OBRAS DO RESIDENCIAL ANÁLISE DE PROJETOS APROVAÇÃO E FISCALIZAÇÃO DE OBRAS SETEMBRO DE 2011 ÍNDICE 1 OBJETIVO 3 2 - INFORMAÇÕES GERAIS 3 3 - SOBRE AS RESPONSABILIDADES E ISENÇÕES DE RESPONSABILIDADES

Leia mais

ANEXO AO REGULAMENTO INTERNO

ANEXO AO REGULAMENTO INTERNO CONDOMÍÍNIIO RESERVA PAIIQUERÊ NORMAS DE EDIIFIICAÇÕES E USO DO SOLO ANEXO AO REGULAMENTO INTERNO 1. OBJETIVOS: As normas de edificação e uso do solo utilizadas para a concepção e elaboração do projeto

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO SUBSTITUIÇÃO DA COBERTURA DA CASA DE PASSAGEM DO MUNICÍPIO DE CAÇADOR

MEMORIAL DESCRITIVO SUBSTITUIÇÃO DA COBERTURA DA CASA DE PASSAGEM DO MUNICÍPIO DE CAÇADOR MEMORIAL DESCRITIVO SUBSTITUIÇÃO DA COBERTURA DA CASA DE PASSAGEM DO MUNICÍPIO DE CAÇADOR 1 SUMÁRIO SUMÁRIO 2 MEMORIAL DESCRITIVO 3 I. DADOS FÍSICOS LEGAIS 3 II. DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 3 III. SERVIÇOS

Leia mais

Manual da Construção. Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento Econômico

Manual da Construção. Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento Econômico Manual da Construção Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento Econômico APRESENTAÇÃO A presente cartilha é uma contribuição da Prefeitura Municipal de Viana, através da Secretaria de Planejamento

Leia mais

Rua Mauá, 51 Luz - São Paulo/SP PABX: (11) 2627-8000

Rua Mauá, 51 Luz - São Paulo/SP PABX: (11) 2627-8000 MEMORIAL DESCRITIVO QUADRA 50 SETOR 8 RUA HELVÉTIA, ALAMEDA DINO BUENO, PRAÇA JÚLIO PRESTES E ALAMEDA CLEVELAND DEMOLIÇÃO DAS EDIFICAÇÕES EXISTENTES CAMPOS ELÍSEOS SÃO PAULO/SP Contratação de empresa especializada

Leia mais

REGULAMENTO DE OCUPAÇÃO E USO DO SOLO

REGULAMENTO DE OCUPAÇÃO E USO DO SOLO REGULAMENTO DE OCUPAÇÃO DO SOLO E DE EXECUÇÃO DE OBRAS DO ASSOCIAÇÃOVILLE DES LACS ZONA RESIDENCIAL UNIFAMILIAR REGULAMENTO DE OCUPAÇÃO E USO DO SOLO 1. DEFINIÇÕES E PROPÓSITOS 1.1. As regras e disposições

Leia mais

Disciplina: Construção Civil I Procedimentos para Início da Obra

Disciplina: Construção Civil I Procedimentos para Início da Obra UniSALESIANO Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Engenharia Civil Disciplina: Construção Civil I Procedimentos para Início da Obra André Luís Gamino Professor Área de Construção Civil

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS Para implantação de empresas em áreas e Distritos Industriais da CODEMIG

NORMAS TÉCNICAS Para implantação de empresas em áreas e Distritos Industriais da CODEMIG NORMAS TÉCNICAS Para implantação de empresas em áreas e Distritos Industriais da CODEMIG 1 S U M Á R I O CAPÍTULO APRESENTAÇÃO PÁGINA I Disposições Preliminares 02 II Uso e Ocupação do Solo 03 III Projetos

Leia mais

UniVap - FEAU CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Prof. Minoru Takatori ESTUDO PRELIMINAR

UniVap - FEAU CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Prof. Minoru Takatori ESTUDO PRELIMINAR 1 ESTUDO PRELIMINAR OBJETIVOS Analise e avaliação de todas as informações recebidas para seleção e recomendação do partido arquitetônico, podendo eventualmente, apresentar soluções alternativas. Tem como

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL E POLÍTICA URBANA

SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL E POLÍTICA URBANA SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL E POLÍTICA URBANA ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE PARCELAMENTO DO SOLO LOTEAMENTOS E DESMEMBRAMENTOS 04 vias do processo contendo na capa o número

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DO RESIDENCIAL PARQUE DOS RESEDÁS

ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DO RESIDENCIAL PARQUE DOS RESEDÁS ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DO RESIDENCIAL PARQUE DOS RESEDÁS MANUAL DE NORMAS DE CONSTRUÇÃO O presente Manual foi elaborado em complementação ao Regulamento Interno da Associação dos Moradores do Residencial

Leia mais

Cristiane Vieira Responsável pela Aprovação de Projetos. Operações Centrais de Rede. Apresentação Técnica sobre Instalações Prediais de Gás Natural

Cristiane Vieira Responsável pela Aprovação de Projetos. Operações Centrais de Rede. Apresentação Técnica sobre Instalações Prediais de Gás Natural Cristiane Vieira Responsável pela Aprovação de Projetos Operações Centrais de Rede Apresentação Técnica sobre Instalações Prediais de Gás Natural 2 Índice 1. Objetivo 2. Documentos Necessários p/ a Apresentação

Leia mais

REGULAMENTO DE NORMAS CONSTRUTIVAS E URBANÍSTICAS DO CONDOMÍNIO FLORAIS CUIABÁ

REGULAMENTO DE NORMAS CONSTRUTIVAS E URBANÍSTICAS DO CONDOMÍNIO FLORAIS CUIABÁ Srs. Condôminos, Arquitetos e Engenheiros. Assunto: Alterações no Regulamento de Normas Construtivas. Prezados senhores! Desde a entrada em vigor do REGULAMENTO DE NORMAS CONSTRUTIVAS E URBANÍSTICAS em

Leia mais

MANUAL DO CONSTRUTOR

MANUAL DO CONSTRUTOR 1. SOLICITAÇÕES PARA INÍCIO DA OBRA PROVISÓRIA Esta Autorização provisória permitirá a execução dos seguintes itens: - Limpeza do lote e nivelamento; - Implantação da mureta de medidores; - Fechamento

Leia mais

CÓDIGO DE OBRAS DO RESIDENCIAL (C.O.R)

CÓDIGO DE OBRAS DO RESIDENCIAL (C.O.R) CÓDIGO DE OBRAS DO RESIDENCIAL (C.O.R) A ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DO RESIDENCIAL ITATIBA COUNTRY CLUB, a seguir simplesmente designada como Associação, conforme disposto no artigo 74 do Capítulo XXII Das

Leia mais

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSUNTOS JURÍDICOS

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSUNTOS JURÍDICOS LEI COMPLEMENTAR Nº 292, DE 3 DE FEVEREIRO DE 2014. Dispõe sobre a criação da Zona Especial de Interesse Social ZEIS Palmas Sul, estabelece normas para a implantação de Empreendimento Habitacional de Interesse

Leia mais

REGULAMENTO DE NORMAS CONSTRUTIVAS E URBANÍSTICAS PRIMOR DAS TORRES

REGULAMENTO DE NORMAS CONSTRUTIVAS E URBANÍSTICAS PRIMOR DAS TORRES REGULAMENTO DE NORMAS CONSTRUTIVAS E URBANÍSTICAS PRIMOR DAS TORRES GOLD MÁLAGA EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS SPE LTDA ( Incorporadora ; Ginco ) inscrita no Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas (CNPJ)

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE BOMBINHAS PROJETO PAVIMENTAÇÃO COM LAJOTAS SEXTAVADAS E DRENAGEM PLUVIAL RUA CANGERANA

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE BOMBINHAS PROJETO PAVIMENTAÇÃO COM LAJOTAS SEXTAVADAS E DRENAGEM PLUVIAL RUA CANGERANA - 1 - PROJETO PAVIMENTAÇÃO COM LAJOTAS SEXTAVADAS E DRENAGEM PLUVIAL RUA CANGERANA MUNICÍPIO DE BOMBINHAS - SC PROJETO: AMFRI Associação dos Municípios da Região da Foz do Rio Itajaí Carlos Alberto Bley

Leia mais

ASSOCIAÇÃO ALPHAVILLE RESIDENCIAL 12 Av. Yojiro Takaoka, 6715 Santana de Parnaíba-SP. Fone/fax: 4153.2292. e-mail: sar12@sar12.org.

ASSOCIAÇÃO ALPHAVILLE RESIDENCIAL 12 Av. Yojiro Takaoka, 6715 Santana de Parnaíba-SP. Fone/fax: 4153.2292. e-mail: sar12@sar12.org. Código de Edificação Interno da Associação Alphaville Residencial 12 (Normas para aprovação de projetos e construção de Obras) TÍTULO PÁGINA 1.0 Generalidades 03 2.0 Restrições de Uso dos Lotes 03 3.0

Leia mais

CONDOMÍNIO PANORÂMICO BOMBINHAS

CONDOMÍNIO PANORÂMICO BOMBINHAS CONDOMÍNIO PANORÂMICO BOMBINHAS REGIMENTO INTERNO APROVADO NA A.G.E. DE 01/03/2003 O presente regimento dispõe sobre a utilização das coisas de uso comum do Condomínio Panorâmico Bombinhas pelos respectivos

Leia mais

c) Prevenir a poluição do ambiente, bem como dos recursos naturais existentes.

c) Prevenir a poluição do ambiente, bem como dos recursos naturais existentes. REGULAMENTO INTERNO DOS DISTRITOS INDUSTRIAIS 1. APRESENTAÇÃO Art. 1 - Para as finalidades deste Regulamento, entende-se por uso do solo a utilização racional, para fins industriais, comerciais dos terrenos

Leia mais

1 Introdução. antes de mudar

1 Introdução. antes de mudar Introdução 1 Introdução antes de mudar Recebendo as chaves do imóvel, o proprietário deverá providenciar junto as concessionárias, as ligações de alguns serviços indispensáveis ao funcionamento de sua

Leia mais

NORMAS APLICÁVEIS A PROJETO DE EDIFICAÇÃO MULTIRESIDENCIAL 2ª Versão 22/11/2005 (Por tipo de planta)

NORMAS APLICÁVEIS A PROJETO DE EDIFICAÇÃO MULTIRESIDENCIAL 2ª Versão 22/11/2005 (Por tipo de planta) 1/7 COORDENADORIA DE CONTROLE URBANO DEPARTAMENTO DE LICENCIAMENTO DIVISÃO DE LICENCIAMENTO MULTIRESIDENCIAL NORMAS APLICÁVEIS A PROJETO DE EDIFICAÇÃO MULTIRESIDENCIAL 2ª Versão 22/11/2005 (Por tipo de

Leia mais

Í N D I C E. Página 1 de 19

Í N D I C E. Página 1 de 19 TERMO DE COMPROMISSO PARA APROVAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE OBRA Aprovado em Assembleia Extraordinária de 14/04/2014 Í N D I C E ASSUNTO ITENS PÁGINA I. Princípios Gerais... 01 a 05... 02 II. Restrições

Leia mais

TABELA ANEXA. QUADRO II Taxa devida pela emissão de alvará de licença ou admissão de comunicação prévia de obras de urbanização

TABELA ANEXA. QUADRO II Taxa devida pela emissão de alvará de licença ou admissão de comunicação prévia de obras de urbanização TABELA ANEXA QUADRO I Taxa devida pela emissão de alvará, licença ou admissão de comunicação prévia de loteamento com ou sem obras de urbanização 1 Emissão do alvará de licença ou admissão de comunicação

Leia mais

ATA DA ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DA ASSOCIAÇÃO DOS PROPRIETÁRIOS E ADQUIRENTES DE LOTES VILLAGE DA SERRA, REALIZADA NO DIA 15 DE SETEMBRO DE

ATA DA ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DA ASSOCIAÇÃO DOS PROPRIETÁRIOS E ADQUIRENTES DE LOTES VILLAGE DA SERRA, REALIZADA NO DIA 15 DE SETEMBRO DE ATA DA ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DA ASSOCIAÇÃO DOS PROPRIETÁRIOS E ADQUIRENTES DE LOTES VILLAGE DA SERRA, REALIZADA NO DIA 15 DE SETEMBRO DE 2013. Aos quinze dias do mês de setembro do ano de 2013,

Leia mais

AMAVERDE - ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS E MORADORES DO CONDOMÍNIO VILLA VERDE RESIDENCIAL REGIMENTO INTERNO ANEXO I DIRETRIZES DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO

AMAVERDE - ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS E MORADORES DO CONDOMÍNIO VILLA VERDE RESIDENCIAL REGIMENTO INTERNO ANEXO I DIRETRIZES DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO AMAVERDE - ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS E MORADORES DO CONDOMÍNIO VILLA VERDE RESIDENCIAL I - DO OBJETO REGIMENTO INTERNO ANEXO I DIRETRIZES DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO Artigo 1º - O presente regulamento disciplina

Leia mais