Filtro Híbrido Trifásico de Baixa Potência Com Controle de Amortecimento Harmônico Aplicado a Redes de Distribuição de Energia Elétrica

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Filtro Híbrido Trifásico de Baixa Potência Com Controle de Amortecimento Harmônico Aplicado a Redes de Distribuição de Energia Elétrica"

Transcrição

1 Filtro Híbrido Trifásico de Baixa Potência Com Controle de Amortecimento Harmônico Aplicado a Redes de Distribuição de Energia Elétrica L. S. Caires¹ L. F. Encarnação² Resumo -- A melhora da eficiência da rede pode ser realizada por compensação da potência reativa excedente através de banco de capacitores. Contudo, em redes que contenham harmônicos, o uso de banco de capacitores pode levar a problemas de ressonância. Este artigo analisa o controle tradicional de filtragem e seu desempenho ao agregar um método de controle de amortecimento harmônico, visando tornar o sistema mais robusto. Deste modo, foi modelado um sistema de distribuição com cargas desequilibradas e não lineares com um filtro ativo de baixa potência em paralelo com um banco de capacitores. Além disso, para mitigar os harmônicos gerados pelo chaveamento do conversor utilizamos um filtro LCL. O controle de corrente do filtro é feito através de um controlador do tipo proporcional integrativo sintonizado (PIS), dando mais ênfase às faixas de harmônicos característicos da rede de distribuição. Palavras Chaves: Filtros Híbridos, Filtragem Harmônica e Amortecimento Harmônico. I. INTRODUÇÃO A proliferação de cargas não lineares nos sistemas elétricos como televisores, computadores, refrigeradores, condicionadores de ar, lâmpadas fluorescentes compactas e equipamentos chaveados, vem contribuindo para a deterioração da qualidade de energia elétrica. Como fato ilustrativo, pode-se citar a substituição em massa das lâmpadas incandescentes por lâmpadas fluorescentes que ocorreu no Brasil por volta de 2001 durante o período de racionamento de energia que ficou conhecido como apagão. Desta situação podem-se evidenciar problemas tais como o mau funcionamento de equipamentos, baixo fator de potência e distorção na forma de onda da tensão e corrente [1]. Do ponto de vista das concessionárias de energia existe a intenção de se reduzir as perdas técnicas durante o fornecimento e, ao mesmo tempo, a necessidade de um suprimento com ¹ Leonardo Souza Caires Programa de Pós-graduação em Engenharia Elétrica (PPGEE) da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES), Av Fernando Ferrari, 514, Goiabeiras, Vitoria - ES - CEP , Brazil. qualidade mais apurada. Sendo assim, uma parcela considerável de consumidores de baixa potência, que utilizam cargas não lineares, deterioram a qualidade de energia do sistema elétrico. Os consumidores de baixa potência no Brasil já puderam ser tarifados quanto ao excedente de energia reativa, conforme devidamente regulamentado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) na resolução 456 [2] de 2000 e posteriormente atualizada na resolução 414 [3] de Todavia, na resolução 569 [4] de 2013, a ANEEL decidiu que os consumidores do grupo B não deveriam ser tarifados quanto ao excedente de energia reativa. Dessa forma, um cenário factível seria o uso de banco capacitores para solucionar tal problema, devido basicamente à necessidade de se elevar a eficiência da rede elétrica durante a transmissão de energia. Todavia a combinação dos bancos de capacitores com as indutâncias associadas da rede de distribuição criam pontos de ressonância. Nesse contexto, as correntes harmônicas geradas pelas cargas não lineares dos consumidores podem gerar altos níveis de tensões e/ou correntes ao longo do sistema de distribuição, podendo danificar aparelhos eletroeletrônicos. Os filtros ativos paralelos de potência (FAPP) são ferramentas poderosas para sanar problemas de qualidade de energia e melhorar eficiência da rede elétrica. Em sua forma híbrida com filtros passivos, o FAPP, adquire vantagens tanto da filtragem ativa, quanto da filtragem passiva, além de ser possível embarcar uma topologia de amortecimento harmônico ao conjunto. Este artigo analisa o efeito da ressonância série e paralela ao se utilizar uma técnica de detecção e controle de amortecimento harmônico, aplicada a um sistema de baixa potência, em uma filtragem híbrida. Neste sistema, o FAPP é utilizado para filtrar as harmônicas da carga não linear e um banco de capacitores faz compensação reativa. O sistema híbrido tradicional é construído e por fim, é apresentado e analisado o seu comportamento quando se acrescenta a proteção contra ressonância. ² Lucas Frizera Encarnação 1

2 II. O FILTRO ATIVO DE POTÊNCIA O diagrama de blocos do sistema de controle do FAPP é apresentado na Fig. 1. representa a função de transferência (FT) de detecção de corrente que modela a razão entre a corrente de referência,, e a corrente harmônica,, demandada pela carga não linear., representa a FT do controlador de corrente proporcional integrativo sintonizado (PIS), o conversor é modelado como um atraso onde ( é a tensão do link CC, é a amplitude da onda portadora triangular), é o coeficiente de feedback, é o período de chaveamento e é a FT que representa o filtro LCL utilizado para filtrar as harmônicas de alta ordem provenientes do chaveamento do conversor. digitais sintonizados para 3º, 5º, 7º, 9º e 11º harmônicas, ou seja, responde mais fortemente nestas faixas de frequências. A FT do é apresentada em (2), onde representa o ganho aplicado às harmônicas e representa a frequência angular de sintonia. A vantagem de sua utilização inclui: erro de estado estacionário nulo para sinais com frequência igual a do filtro,, inexistência dos fenômenos de ressonância entre os vários filtros que compõe a malha de controle e não requer múltiplas transformações de coordenadas. Entretanto, para cada frequência harmônica que se deseja filtrar é necessário um número igual de filtros passa-faixa [5]. (2) Fig. 1. Sistema de Controle do FAPP. O sistema funciona de forma que a componente harmônica da corrente de carga,, é obtida da FT de detecção da corrente harmônica. Assim, juntamente com a corrente do controlador do elo CC, as correntes de referência,, passam pelo controlador de corrente que tem como produto as correntes de compensação,. A finalidade é compensar toda a parcela harmônica, tornando a corrente da fonte,, senoidal. O controle de tensão do elo CC é realizado através da corrente por um controlador PI, para que se mantenha em torno de 500 V. A. O detector de correntes harmônicas Assumindo que o efeito do atraso é um sistema de primeira ordem, a FT da detecção de corrente, G Di pode ser representada pela equação (1), onde é o coeficiente de compensação ( ) e é o período de detecção da corrente [4]. A Fig. 2 apresenta a resposta em frequência da amplitude do controlador PIS. Observe que o PIS se apresenta como um filtro passa faixa nas harmônicas sintonizadas e, ao mesmo tempo, possui inclinação de - 20 db/dec devido ao controlador PI sintonizado para atuar em todas as frequências. A saída deste bloco é a tensão de referência que irá ser comparada com uma onda triangular de frequência de chaveamento,, de 10 khz. Fig. 2. Resposta em frequência do controlador PIS. C. Topologia do Conversor O conversor adotado foi o conversor trifásico fonte de tensão (VSC), conforme apresentado na Fig. 3. Contudo, independente da escolha, sua função é se comportar como uma fonte de corrente controlada. Em [6] pode-se encontrar mais a respeito de qual topologia de conversor é indicada para cada aplicação. (1) B. O controlador PIS Este controlador de corrente é projetado de maneira que sua função de transferência possuía um controlador proporcional integrativo (PI) sintonizado em todas as frequências em conjunto com uma série de filtros Fig. 3. Topologia do inversor. 2

3 D. O filtro LCL Entre o inversor e a rede de alimentação utilizamos um filtro do tipo LCL, apresentado na Fig. 4. O seu objetivo é reduzir os harmônicos causados pela ação das chaves semicondutoras do conversor. Em comparação com um filtro tradicional L, o filtro LCL é mais efetivo em reduzir as distorções harmônicas, ruídos de chaveamento e apresenta valores de indutância menores. O comportamento em frequência desde filtro pode ser representado pela FT da equação (3) conforme apresentado em [7] e a resposta em frequência da amplitude do filtro é mostrada na Fig. 5. A metodologia do projeto de um filtro LCL para conversores PWM pode ser vista em [8]. não linear são modelados como fonte de corrente. A realimentação de controle de corrente do filtro ativo pode incluir ou não a corrente do banco de capacitores em seu controle. Quando isso ocorre, a corrente de compensação do banco de capacitores é incluída na entrada do bloco de detecção de corrente. Portanto, o sistema pode se tornar instável por variações de ou mudança nas reatâncias do banco de capacitores. Assim, é necessário analisar as curvas de resposta em frequência para verificar se o sistema está bem projetado e protegido quanto à ressonância. Neste trabalho, optou-se por não incluir na realimentação do controle do FAPP. Fig. 4. Circuito do Filtro LCL. (3) Fig. 6. Circuito Equivalente da Compensação Híbrida sem controle de Amortecimento Harmônico. A corrente de compensação injetada no sistema,, é gerada como uma função da corrente da carga,, como mostra a Fig. 6, e pode ser descrita como: (6) Fig. 5. Resposta em frequência do Filtro LCL. O controlador de corrente,, é representado na Fig. 1 pela linha pontilhada. O resultante das FT s que lhe compõem pode ser expresso em forma de função de transferência como: Desta forma, a FT do FAPP pode ser escrita conforme: III. MÉTODO TRADICIONAL DE CONTROLE DE RESSONÂNCIA A Fig. 6 apresenta o circuito equivalente por fase da compensação híbrida paralela utilizada. Sendo a impedância da fonte, representa a impedância do banco de capacitores em paralelo. Nas análises posteriores consideramos que a resistência intrínseca do capacitor ( ) foi desconsiderada. O FAPP e a carga (4) (5) Portanto,, pode ser divida entre a função de transferência que descreve o a unidade de monitoramento,, e a função de transferência que descreve o controlador de corrente,. A unidade de monitoramento é utilizada somente para detectar os harmônicos instantâneos da corrente da carga. Por este motivo, e consequentemente é zero na frequência fundamental, Hz. Em outras palavras, o filtro ativo não influencia na corrente fundamental. Conforme apresentado em [9], podemos negligenciar a propagação de erros causados durante o monitoramento harmônico, ou seja,. Desta maneira, a influência do filtro ativo irá depender somente do controlador de corrente e, do mesmo modo, a propagação de erro pode ser desconsiderada no intuito de verificar como o sistema se comporta sem nenhum tipo de controle de amortecimento harmônico. A equação geral que representa o sistema da Fig. 5 no domínio da frequência é: A presença de harmônicos na rede elétrica juntamente com a impedância da rede e a impedância de capacitor (7) 3

4 ou banco de capacitores, pode levar ao aparecimento do fenômeno da ressonância. Corre-se o risco que este fenômeno ocorra entre o transformador e a impedância capacitiva (ressonância série) ou entre os mesmos e a impedância das cargas não lineares (ressonância paralela). A. Efeito da ressonância Série Durante a análise de ressonância série, as harmônicas de corrente são negligenciadas. Na ressonância série, a corrente da fonte é a mesma que a corrente da impedância capacitiva, conforme apresenta Fig. 7. Portanto, a ressonância série é causada pelas harmônicas de tensão injetadas pela fonte de alimentação [10]. Considerando: e. Deste modo a frequência de ressonância é. A Fig. 8 apresenta a resposta em frequência do efeito da ressonância série. B. Efeito da ressonância Paralela A ressonância paralela é causada pelas harmônicas de corrente drenadas pelas cargas não lineares [10], o circuito equivalente está apresentado na Fig. 9. Nesta análise negligenciamos as harmônicas de tensão. A frequência que ocorre a ressonância é a mesma que a frequência da ressonância série. Em baixas frequências, é baixo e elevado, deste modo, a impedância total se torna essencialmente indutiva. Quando a frequência se eleva, a impedância indutiva também se eleva, até que a frequência de ressonância é alcançada ( ) e assim a impedância do sistema é máxima na ressonância (corrente mínima). Fig. 7. Circuito equivalente da análise da ressonância série. Observando a impedância equivalente Z ( ), verifica-se que à medida que as frequências decrescem, se eleva e decai e o circuito adquire características mais capacitivas, ou seja, o ângulo da impedância se torna negativo. Caso contrário, decai e aumenta até atingirem a igualdade, tornando o circuito puramente resistivo (impedância mínima), neste ponto é dito que o circuito encontra-se em ressonância. Acima do ponto de impedância mínima, decaie se eleva, isso faz com que o sistema se torne predominantemente indutivo e o ângulo de impedância seja positivo. O capacitor funciona como um filtro passa-altas e o indutor como um filtro passa-baixas. Nitidamente, a frequência de ressonância nesta análise é a mesma de um circuito RLC comum, dada por: Fig. 9. Circuito equivalente da análise da ressonância paralela. Em frequência a partir de a reatância capacitiva é dominante. A função de transferência em malha aberta, obtida da equação (7) desconsiderando os efeitos das harmônicas de tensão, é representada por: [ ] (10) (8) A relação entre a corrente e a tensão da fonte, conforme a equação (7), desconsiderando o efeito das correntes harmônicas, é dada por: Fig. 8. Resposta em Frequência da ressonância série. (9) Fig. 10. Resposta em Frequência da amplitude da ressonância paralela. A característica de com diferentes valores de é mostrada na Fig. 10. É possível perceber que, o incremento de leva toda curva para baixo e o desempenho do sistema contra ressonância é melhorado. Note também que nos casos onde é diferente de zero a influência do PIS é perceptível nas curvas de resposta, aparecendo como pontos de atenuação nas faixas sintonizadas. 4

5 IV. EFEITO DO MÉTODO DE AMORTECIMENTO HARMÔNICO COM DETECÇÃO DE TENSÃO A análise anterior mostrou que o controle tradicional do FAPP se mostrou ineficaz aos problemas referentes à ressonância série e quando é considerado um atraso na detecção das correntes harmônicas. Sendo assim, um método de amortecimento harmônico com detecção de tensão é analisado para prover robustez quanto à ressonância. Neste método, uma malha adicional é acrescentada ao sistema de controle de maneira que a tensão da carga é medida, encaminhada a um sistema de detecção de harmônicos e por fim, contribui em forma de ajuste fino da corrente de referência conforme apresentado na Fig. 12. representa as correntes harmônicas que irão fazer o ajuste do sistema junto às correntes de compensação. O diagrama de blocos do sistema do método de controle proposto é mostrado na Fig. 13, sendo a tensão harmônica detectada e um controlador PI que é utilizado para ajustar os ganhos e a sequência positiva detectada pelo PLL. A equação geral deste sistema, no domínio da frequência, é: Fig. 14. Circuito equivalente no método de detecção de tensão. A. Efeito do Amortecimento na ressonância paralela Negligenciando as harmônicas de tensão, o circuito equivalente com o método de detecção de tensão na ressonância paralela é apresentado na Fig. 15. A curva característica de amplitude-frequência de com diferentes valores de ganhos é apresentada na Fig. 16, onde C é constante e. Sintonizado corretamente, o filtro ativo com o método de detecção de tensão possui um desempenho ideal no amortecimento de ressonância paralela. [ ] [ ] (11) Fig. 15. Circuito equivalente para análise da ressonância paralela. Fig. 12. Diagrama do sistema utilizando o método com detecção de tensão. Fig. 13. Controle do Método Proposto para o FAPP. O circuito equivalente do FAPP com o método de controle de detecção de tensão é apresentado na Fig. 14. Em comparação com o método tradicional, o método de detecção de tensão para amortecimento harmônico é equivalente a adicionar uma impedância harmônica em paralelo com a impedância da fonte, aqui chamada de. ( ) (12) Fig. 16. Característica de Amplitude - frequência com diferentes ganhos. B. Efeito do Amortecimento na ressonância série Negligenciando as harmônicas de corrente, o circuito equivalente com o método de detecção de tensão na ressonância série é apresentado na Fig. 17. A característica de para diferentes valores de ganhos é mostrada na Fig. 18. Fig. 17. Circuito equivalente para análise da ressonância série. 5

6 Fig. 18. Característica de Amplitude - frequência de com diferentes ganhos. Na frequência de ressonância o controle atenua a amplificação dos harmônicos de tensão caso a sintonia do controlador esteja adequada. Todavia, independentemente do controlador PI, existem componentes harmônicas autônomas à frequência de ressonância natural do sistema na curva que são amplificadas (estão acima de 0 db), tornando o método inviável caso haja uma perturbação harmônica proveniente da fonte que se encontre nestes intervalos. V. RESULTADOS DE SIMULAÇÃO O sistema da Fig. 12 foi simulado o comportamento das correntes é apresentado na Fig. 19. Em Fig. 19 (a) as cargas são ligadas ao sistema. Em Fig. 19 (b) o banco de capacitores é adicionado para corrigir o Fator de Potência e o sistema entra em ressonância. Em Fig. 19 (c) no instante s o FAPP é acionado e grande parte das correntes harmônicas são filtradas, todavia, ainda se percebe uma perturbação de neutro remanescente. Finalmente em s o método de detecção de tensão é acionado e apresenta um perfil senoidal equilibrado, conforme Fig. 19 (d). Fig. 19. Correntes da fonte quando (a) as cargas são conectadas ao sistema, (b) o banco de capacitores é acionado, (c) o FAPP é acionado e (d) quando o método de amortecimento é acionado. VI. CONCLUSÕES Para solucionar problemas de ressonância entre a impedância reativa de banco de capacitores e a impedância da fonte de alimentação, este artigo apresenta o comportamento de um método de controle de ressonância em conjunto com o método tradicional de detecção e filtragem harmônica. Dado a transmissão de erros e o atraso da resposta do sistema de filtragem de harmônicas do filtro ativo paralelo, fica clara a necessidade de se utilizar uma técnica de apoio, que trabalhe de forma a tornar o sistema mais robusto quanto a problemas de ressonância. Quando o banco de capacitor é incluído ao sistema somente o controle do FAPP não é suficiente para proteger o sistema da ressonância. A técnica de amortecimento com medição de tensão se apresentou robusta em solucionar problemas de ressonância tanto série quanto paralela no ponto de ressonância do sistema. Pode ser observado que, sintonizado corretamente, o filtro ativo com o método de detecção de tensão possui um desempenho ideal no amortecimento de ressonância paralela. Essa afirmação é possível justamente porque toda a curva de resposta em frequência encontra-se abaixo de 0 db, o que condiz com a situação de que não ocorre amplificação de correntes harmônicas no sistema em todo espectro de frequência. O método é eficiente em situações de ressonância série na frequência de ressonância, mas apresentou intervalos onde faixas de frequências poderiam ser amplificadas independentemente da sintonia do controlador PI. VII. REFERÊNCIAS [1] Fernandes, R. A. S., Silva, I., N., Oleskovicz, M., Identificação de Cargas Lineares e Não lineares em Sistemas Elétricos Residenciais Usando Técnicas para Seleção de Atributos e Redes Neurais Artificiais Revista Controle & Automação, Vol. 21, No. 4, Julho e Agosto de [2] Resolução Normativa Nº 456 de 29 de Novembro de 2000 ANEEL. [3] Resolução Normativa Nº 414 de 9 de Setembro de 2010 ANEEL [4] Resolução Normativa Nº 569 de 23 de Julho de 2013 ANEEL [5] Ghetti, F. T., Barbosa, P. G., Braga, H. A. C., Ferreira, A. A., Estudo Comparativo de Técnicas de Controle de Corrente Aplicadas a Filtros Ativos Shunt, XVIII Congresso Brasileiro de Automática, Set., [6] Benchaita L., Saadate S. and Nia A.S., A Comparison of Voltage Source and Current Source Shunt Active Filter by Simulation and Experimentation, IEEE Transactions on Power System, Vol. 14, No. 2, May [7] Teodorescu, R., Blaabjerg, F., Lisserre, M., Aquila, A. D., A stable three-phase LCL-filter based active rectifier whithout damping, IEEE, Industry Applications Conference, Oct. 2003, vol.3. [8] Matos, Frederico F., Sousa, Clodualdo V., Rezende, Guilherme M., Toledo, Ricardo, A. N., Projeto e Construção de Filtro LCL para Conversores PWM, XVIII Congresso Brasileiro de Automática, 12 a 16 de setembro, [9] H fner, J.,Aredes, M., Heumann, K., A shunt Active Power Filter Applied to High Voltage Distribution Lines, IEEE Transactions on Power Delivery, Vol. 12, No. 1, Jan [10] Zhuo, F., Wu, Longhui, Chen, Z., Wang, X., Wang, Z., Study on A Control Method of PAPF for Resonance Damping and Harmonics Compensation in Power System, Power Electronics and Motion Control Conference, p , May

Medidas de mitigação de harmônicos

Medidas de mitigação de harmônicos 38 Apoio Harmônicos provocados por eletroeletrônicos Capítulo XII Medidas de mitigação de harmônicos Igor Amariz Pires* A maneira mais comum de mitigar harmônicos é por meio da utilização de filtros. O

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM CENTRO DE TECNOLOGIA CT GRUPO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA E CONTROLE - GEPOC SEPOC 2010

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM CENTRO DE TECNOLOGIA CT GRUPO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA E CONTROLE - GEPOC SEPOC 2010 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM CENTRO DE TECNOLOGIA CT GRUPO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA E CONTROLE - GEPOC SEPOC 2010 FILTRO ATIVO DE POTÊNCIA SÉRIE PARALELO APRESENTADOR: MÁRCIO STEFANELLO,

Leia mais

Disciplina Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores de Corrente Contínua para Corrente Alternada (Inversores)

Disciplina Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores de Corrente Contínua para Corrente Alternada (Inversores) Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores de Corrente Contínua para Corrente Alternada (Inversores)

Leia mais

Imprimir. Influência das Harmônicas na Alimentação de Dispositivos Eletrônicos: Efeitos, e como eliminá-los

Imprimir. Influência das Harmônicas na Alimentação de Dispositivos Eletrônicos: Efeitos, e como eliminá-los 1/ 9 Imprimir PROJETOS / Energia 20/08/2012 10:20:00 Influência das Harmônicas na Alimentação de Dispositivos Eletrônicos: Efeitos, e como eliminá-los Na primeira parte deste artigo vimos que a energia

Leia mais

Filtros de sinais. Conhecendo os filtros de sinais.

Filtros de sinais. Conhecendo os filtros de sinais. Filtros de sinais Nas aulas anteriores estudamos alguns conceitos importantes sobre a produção e propagação das ondas eletromagnéticas, além de analisarmos a constituição de um sistema básico de comunicações.

Leia mais

Circuitos Elétricos Análise de Potência em CA

Circuitos Elétricos Análise de Potência em CA Introdução Circuitos Elétricos Análise de Potência em CA Alessandro L. Koerich Engenharia de Computação Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) Potência é a quantidade de maior importância em

Leia mais

3 - Sistemas em Corrente Alternada. 1 Considerações sobre Potência e Energia. Carlos Marcelo Pedroso. 18 de março de 2010

3 - Sistemas em Corrente Alternada. 1 Considerações sobre Potência e Energia. Carlos Marcelo Pedroso. 18 de março de 2010 3 - Sistemas em Corrente Alternada Carlos Marcelo Pedroso 18 de março de 2010 1 Considerações sobre Potência e Energia A potência fornecida a uma carga à qual está aplicada um tensão instantânea u e por

Leia mais

APLICAÇÃO DE FILTROS ATIVOS E PASSIVOS DE POTÊNCIA: ESTUDO DE CASO

APLICAÇÃO DE FILTROS ATIVOS E PASSIVOS DE POTÊNCIA: ESTUDO DE CASO APLICAÇÃO DE FILTROS ATIVOS E PASSIVOS DE POTÊNCIA: ESTUDO DE CASO Ricardo de Castro d Ávila Filho Marcelo Fonseca Braga Sidelmo Magalhães Silva ricardo.davila@daltec.com.br mfonsecabraga@yahoo.com.br

Leia mais

A Influência do Fluxo de Reativo de Cargas Eletrônicas no Sistema de Tarifação de Energia Elétrica

A Influência do Fluxo de Reativo de Cargas Eletrônicas no Sistema de Tarifação de Energia Elétrica 1 A Influência do Fluxo de Reativo de Cargas Eletrônicas no Sistema de Tarifação de Energia Elétrica A. B. de Vasconcellos, Dr.,UFMT, B.C. Carvalho, Dr.,UFMT, T.I.R.C. Malheiros, PhD, IFMT, C.H. Beuter,

Leia mais

Introdução aos circuitos seletores de frequências. Sandra Mara Torres Müller

Introdução aos circuitos seletores de frequências. Sandra Mara Torres Müller Introdução aos circuitos seletores de frequências Sandra Mara Torres Müller Aqui vamos estudar o efeito da variação da frequência da fonte sobre as variáveis do circuito. Essa análise constitui a resposta

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA UNIDADE ACADEMICA DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA UNIDADE ACADEMICA DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA UNIDADE ACADEMICA DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA LISTA DE EXERCÍCIOS #12 (1) FILTRO PASSA-FAIXA Mostre que o circuito

Leia mais

FLUXO HARMÔNICO EM PLANTA COMERCIAL NA PRESENÇA DE GRUPO GERADOR

FLUXO HARMÔNICO EM PLANTA COMERCIAL NA PRESENÇA DE GRUPO GERADOR Universidade Tecnológica Federal do Paraná Departamento Acadêmico de Eletrotécnica Curso de Engenharia Elétrica Curso de Engenharia de Controle e Automação FLUXO HARMÔNICO EM PLANTA COMERCIAL NA PRESENÇA

Leia mais

ELETRÔNICA DE POTÊNCIA I

ELETRÔNICA DE POTÊNCIA I QUALIDADE DE ENERGIA 1-Introdução ELETRÔNICA DE POTÊNCIA I Desde o princípio do método de transmissão de energia elétrica utilizando CA, ou ondas senoidais, o aparecimento de componentes harmônicas é um

Leia mais

Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48)

Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48) Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores CA-CC Monofásicos Controlados Prof.: Eduardo Simas eduardo.simas@ufba.br

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA UNIDADE ACADEMICA DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA UNIDADE ACADEMICA DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA UNIDADE ACADEMICA DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA LISTA DE EXERCÍCIOS #11 (1) O circuito a seguir é usado como pré-amplificador

Leia mais

ENTENDENDO O FATOR DE POTÊNCIA

ENTENDENDO O FATOR DE POTÊNCIA ENTENDENDO O FATOR DE POTÊNCIA Departamento de Pesquisa e Desenvolvimento - CP Eletrônica S.A. Rua da Várzea 379 CEP: 91040-600 Porto Alegre RS Brasil Fone: (51)2131-2407 Fax: (51)2131-2469 engenharia@cp.com.br

Leia mais

I N D U T O R E S I D E A I S P A R A F I L T R O S L-C P A S S I V O S

I N D U T O R E S I D E A I S P A R A F I L T R O S L-C P A S S I V O S I N D U T O R E S I D E A I S P A R A F I L T R O S L-C P A S S I V O S Por Luiz Amaral PY1LL/AC2BR Nos projetos de filtros precisos LC, aparecem problemas devido ao uso de componentes não-ideais capacitores

Leia mais

ANÁLISE DA QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA EM CONVERSORES DE FREQUENCIA

ANÁLISE DA QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA EM CONVERSORES DE FREQUENCIA ANÁLISE DA QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA EM CONVERSORES DE FREQUENCIA Nome dos autores: Halison Helder Falcão Lopes 1 ; Sergio Manuel Rivera Sanhueza 2 ; 1 Aluno do Curso de Engenharia Elétrica; Campus

Leia mais

Análise Técnico/Financeira para Correção de Fator de Potência em Planta Industrial com Fornos de Indução.

Análise Técnico/Financeira para Correção de Fator de Potência em Planta Industrial com Fornos de Indução. Análise Técnico/Financeira para Correção de Fator de Potência em Planta Industrial com Fornos de Indução. Jeremias Wolff e Guilherme Schallenberger Electric Consultoria e Serviços Resumo Este trabalho

Leia mais

Laboratório de Circuitos Elétricos II

Laboratório de Circuitos Elétricos II PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ ESCOLA POLITÉCNICA CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO DISCIPLINA DE CIRCUITOS ELÉTRICOS II NOME DO ALUNO: Laboratório de Circuitos Elétricos II Prof. Alessandro

Leia mais

CIRCUITOS E SISTEMAS ELECTRÓNICOS

CIRCUITOS E SISTEMAS ELECTRÓNICOS INSTITUTO SUPERIOR DE IÊNIAS DO TRABALHO E DA EMPRESA Apontamentos sobre Osciladores e Malhas de aptura de Fase IRUITOS E SISTEMAS ELETRÓNIOS APONTAMENTOS SOBRE OSILADORES E MALHAS DE APTURA DE FASE Índice

Leia mais

MÉTODO DE COMPENSAÇÃO ATIVA DE POTÊNCIA UTILIZANDO REDES NEURAIS ARTIFICAIS APLICADO A UM FILTRO ATIVO DE POTÊNCIA PARALELO MONOFÁSICO

MÉTODO DE COMPENSAÇÃO ATIVA DE POTÊNCIA UTILIZANDO REDES NEURAIS ARTIFICAIS APLICADO A UM FILTRO ATIVO DE POTÊNCIA PARALELO MONOFÁSICO MÉTODO DE COMPENSAÇÃO ATIVA DE POTÊNCIA UTILIZANDO REDES NEURAIS ARTIFICAIS APLICADO A UM FILTRO ATIVO DE POTÊNCIA PARALELO MONOFÁSICO RODRIGO A. MODESTO 1, SÉRGIO A. O. DA SILVA 1, AZAURI A. DE OLIVEIRA

Leia mais

Trabalho Prático Nº 6.

Trabalho Prático Nº 6. Trabalho Prático Nº 6. Título: Carga Predominantemente Resistiva, Carga Predominantemente Indutiva e Carga Resistiva e Indutiva em paralelo. Objetivo: Este trabalho prático teve como objetivo montar três

Leia mais

Controle de Conversores Estáticos Controladores baseados no princípio do modelo interno. Prof. Cassiano Rech cassiano@ieee.org

Controle de Conversores Estáticos Controladores baseados no princípio do modelo interno. Prof. Cassiano Rech cassiano@ieee.org Controle de Conversores Estáticos Controladores baseados no princípio do modelo interno cassiano@ieee.org 1 Objetivos da aula Projeto de um controlador PID para o controle da tensão de saída de um inversor

Leia mais

Condicionamento da Energia Solar Fotovoltaica para Sistemas Interligados à Rede Elétrica

Condicionamento da Energia Solar Fotovoltaica para Sistemas Interligados à Rede Elétrica Condicionamento da Energia Solar Fotovoltaica para Sistemas Interligados à Rede Elétrica Autor: Pedro Machado de Almeida O aproveitamento da energia gerada pelo sol, considerada inesgotável na escala de

Leia mais

Video Lecture RF. Laps

Video Lecture RF. Laps Video Lecture RF Laps Agenda 1. Considerações no projeto de circuitos RF 2. Casamento de impedância 3. Parâmetros S e Carta de Smith 4. Dispositivos/blocos comumente usados 5. Arquiteturas de transceptores

Leia mais

Controle de Conversores Estáticos Controle de um conversor boost CCM para correção do FP. Prof. Cassiano Rech cassiano@ieee.org

Controle de Conversores Estáticos Controle de um conversor boost CCM para correção do FP. Prof. Cassiano Rech cassiano@ieee.org Controle de Conversores Estáticos Controle de um conversor boost CCM para correção do FP cassiano@ieee.org 1 Operação como PFP Como a freqüência de comutação do interruptor S é muito maior que a freqüência

Leia mais

ABAIXO ENCONTRAM-SE 10 QUESTÕES. VOCÊ DEVE ESCOLHER E RESPONDER APENAS A 08 DELAS

ABAIXO ENCONTRAM-SE 10 QUESTÕES. VOCÊ DEVE ESCOLHER E RESPONDER APENAS A 08 DELAS ABAIXO ENCONTRAM-SE 10 QUESTÕES. VOCÊ DEVE ESCOLHER E RESPONDER APENAS A 08 DELAS 01 - Questão Esta questão deve ser corrigida? SIM NÃO Um transformador de isolação monofásico, com relação de espiras N

Leia mais

4. CONVERSORES CC/CA - INVERSORES

4. CONVERSORES CC/CA - INVERSORES 4. CONVERSORES CC/CA - INVERSORES Serão estudados neste capítulo os conversores CC-CA que fornecem em suas saídas tensões com frequência fixa, para aplicação como fonte de tensão, com controle da corrente

Leia mais

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2012 / 2013

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2012 / 2013 CURSO/CICLO DE FORMAÇÃO: Técnico de Instalações Elétricas DISCIPLINA: Eletricidade / Eletrónica N.º TOTAL DE MÓDULOS: 8 PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2012 / 2013 N.º 1 30 Corrente Contínua Identificar

Leia mais

Potência ativa (W): é a que realmente produz trabalho, isto é, faz os motores e os transformadores funcionarem.

Potência ativa (W): é a que realmente produz trabalho, isto é, faz os motores e os transformadores funcionarem. Fator de Potência e sua correção A energia elétrica consumida em uma instalação industrial é composta basicamente por duas parcelas distintas, que são: BANCO DE CAPACITORES Nota: Energia consumida por

Leia mais

Experimento 8 Circuitos RC e filtros de freqüência

Experimento 8 Circuitos RC e filtros de freqüência Experimento 8 Circuitos RC e filtros de freqüência 1. OBJETIVO O objetivo desta aula é ver como filtros de freqüência utilizados em eletrônica podem ser construídos a partir de um circuito RC. 2. MATERIAL

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES EFA72C35-A/00

MANUAL DE INSTRUÇÕES EFA72C35-A/00 Histórico N. Doc. Revisão Data Descrição Aprovado 601165 A 24/01/14 Inicial Faria Executado: Edson N. da cópia: 01 Página 1 de 7 SUMÁRIO 1- INTRODUÇÃO 2- CARACTERÍSTICAS ELÉTRICAS E MECÂNICAS 2.1 - Entrada

Leia mais

Os Diferentes tipos de No-Breaks

Os Diferentes tipos de No-Breaks Os Diferentes tipos de No-Breaks White Paper # 1 Revisão 4 Resumo Executivo Existe muita confusão no mercado a respeito dos diferentes tipos de No-Breaks e suas características. Cada um desses tipos será

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA SÉRIE DE EXERCÍCIO #A22 (1) O circuito a seguir amplifica a diferença de

Leia mais

Comparação técnico-econômica entre equipamentos mitigadores de harmônicos e compensadores de energia reativa: Estudo de caso

Comparação técnico-econômica entre equipamentos mitigadores de harmônicos e compensadores de energia reativa: Estudo de caso 1 Comparação técnico-econômica entre equipamentos mitigadores de harmônicos e compensadores de energia reativa: Estudo de caso Marcelo Inácio Lemes, Flávio Resende Garcia IESA Projetos, Equipamentos e

Leia mais

Sitec Power Soluções em Energia ENERGIA REATIVA E FATOR DE POTÊNCIA

Sitec Power Soluções em Energia ENERGIA REATIVA E FATOR DE POTÊNCIA ENERGIA REATIVA E FATOR DE POTÊNCIA O QUE É ENERGIA ATIVA E REATIVA? Sim, mas apesar de necessária, a utilização de Energia Reativa deve ser a menor possível. O excesso de Energia Reativa exige condutores

Leia mais

Filtro Passa-Baixa. Figura 1 Circuito do Filtro Passa Baixa

Filtro Passa-Baixa. Figura 1 Circuito do Filtro Passa Baixa ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DOM BOSCO FACULDADE DE ENGENHARIA DE RESENDE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA Disciplina: Laboratório de Circuitos Elétricos Circuitos em Corrente Alternada 1. Objetivo Entre os filtros

Leia mais

GRUPO DE ESTUDO DE SOBRETENSÕES E COORDENAÇÃO DE ISOLAMENTO - GSC

GRUPO DE ESTUDO DE SOBRETENSÕES E COORDENAÇÃO DE ISOLAMENTO - GSC GSC/018 21 a 26 de Outubro de 2001 Campinas - São Paulo - Brasil GRUPO X GRUPO DE ESTUDO DE SOBRETENSÕES E COORDENAÇÃO DE ISOLAMENTO - GSC SIMULAÇÃO DA RESPOSTA AO TRANSITÓRIO DE CHAVEAMENTO EM SISTEMAS

Leia mais

Controle e Estabilidade de Sistemas Elétricos de Potência. Antonio J.A. Simões Costa e Aguinaldo S. e Silva

Controle e Estabilidade de Sistemas Elétricos de Potência. Antonio J.A. Simões Costa e Aguinaldo S. e Silva Controle e Estabilidade de Sistemas Elétricos de Potência Antonio J.A. Simões Costa e Aguinaldo S. e Silva Florianópolis, agosto de 2000 Capítulo 1 Introdução 1.1 Controle de Freqüência e Tensão na Operação

Leia mais

Aula 7 Reatância e Impedância Prof. Marcio Kimpara

Aula 7 Reatância e Impedância Prof. Marcio Kimpara ELETRIIDADE Aula 7 Reatância e Impedância Prof. Marcio Kimpara Universidade Federal de Mato Grosso do Sul 2 Parâmetros da forma de onda senoidal Vp iclo Vpp omo representar o gráfico por uma equação matemática?

Leia mais

ESTUDO DE TOPOLOGIAS APLICADAS NA CONVERSÃO DE FREQÜÊNCIA EM SISTEMAS DE MÉDIA TENSÃO

ESTUDO DE TOPOLOGIAS APLICADAS NA CONVERSÃO DE FREQÜÊNCIA EM SISTEMAS DE MÉDIA TENSÃO ESTUDO DE TOPOLOGIAS APLICADAS NA CONVERSÃO DE FREQÜÊNCIA EM SISTEMAS DE MÉDIA TENSÃO Guilherme Sebastião da Silva, Cassiano Rech Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul UNIJUI

Leia mais

Aula 8 Análise de circuitos no domínio da frequência e potência em corrente alternada

Aula 8 Análise de circuitos no domínio da frequência e potência em corrente alternada ELETRICIDADE Aula 8 Análise de circuitos no domínio da frequência e potência em corrente alternada Prof. Marcio Kimpara Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Associação de impedâncias As impedâncias

Leia mais

RECEPTOR AM DSB. Transmissor. Circuito Receptor AM DSB - Profº Vitorino 1

RECEPTOR AM DSB. Transmissor. Circuito Receptor AM DSB - Profº Vitorino 1 RECEPTOR AM DSB Transmissor Circuito Receptor AM DSB - Profº Vitorino 1 O receptor super-heteródino O circuito demodulador que vimos anteriormente é apenas parte de um circuito mais sofisticado capaz de

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1 INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1.1 - Instrumentação Importância Medições experimentais ou de laboratório. Medições em produtos comerciais com outra finalidade principal. 1.2 - Transdutores

Leia mais

Circuito RLC-Série em Regime CA

Circuito RLC-Série em Regime CA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ ESCOLA POLITÉCNICA CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO DISCIPLINA DE CIRCUITOS ELÉTRICOS II Prof. Alessandro L. Koerich Circuito RLC-Série em Regime CA Objetivo

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM FILTRO ATIVO SÉRIE TRIFÁSICO

DESENVOLVIMENTO DE UM FILTRO ATIVO SÉRIE TRIFÁSICO Programa de Pós Graduação em Engenharia Elétrica e Informática Industrial www.cpgei.ct.utfpr.edu.br www.utfpr.edu.br I MAPP 2009 I Mostra Anual de Pesquisa e Pós-Graduação do CPGEI 01 a 04 de Dezembro

Leia mais

10. CIRCUITOS INTEGRADOS DEDICADOS AO ACIONAMENTO E CONTROLE DE FONTES CHAVEADAS COM CORREÇÃO DE FATOR DE POTÊNCIA

10. CIRCUITOS INTEGRADOS DEDICADOS AO ACIONAMENTO E CONTROLE DE FONTES CHAVEADAS COM CORREÇÃO DE FATOR DE POTÊNCIA Prereguladores de Fator de Potência Cap 10 J A Pomilio 10 CIRCUITOS INTEGRADOS DEDICADOS AO ACIONAMENTO E CONTROLE DE FONTES CHAVEADAS COM CORREÇÃO DE FATOR DE POTÊNCIA Nos últimos anos, uma variedade

Leia mais

Apresentação da disciplina 4. Módulo I 6-83. Módulo II 85-164. Módulo III 167-217. Módulo IV 220 259. Módulo V 261 a 272. Módulo VI 273 a 287

Apresentação da disciplina 4. Módulo I 6-83. Módulo II 85-164. Módulo III 167-217. Módulo IV 220 259. Módulo V 261 a 272. Módulo VI 273 a 287 1 2 Apresentação da disciplina 4 Módulo I 6-83 Módulo II 85-164 Módulo III 167-217 Módulo IV 220 259 Módulo V 261 a 272 Módulo VI 273 a 287 Módulo VII 290 a 312 Módulo VIII 314 a 329 3 Caro aluno, A disciplina

Leia mais

Sistema de distribuição.

Sistema de distribuição. 1 Impacto de Cargas Eletrônicas Residenciais e Comerciais Eficientes e Não-lineares no Sistema de Distribuição Parte II Medições das Cargas em Alimentadores Típicos M. L. y Gonzalez, S. Visacro F., P.

Leia mais

SISTEMA DE DISPARO DE TIRISTORES (SCR) EM REDES TRIFÁSICAS

SISTEMA DE DISPARO DE TIRISTORES (SCR) EM REDES TRIFÁSICAS GSI Nº: ART061-09 - CD 382-09 SISTEMA DE DISPARO DE TIRISTORES (SCR) EM REDES TRIFÁSICAS Carlos Alberto Murari Pinheiro João Roberto Cogo Artigo publicado na Revista Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico,

Leia mais

ESTABILIZADOR DE TENSÃO ALTERNADA PARA CARGAS NÃO-LINEARES

ESTABILIZADOR DE TENSÃO ALTERNADA PARA CARGAS NÃO-LINEARES ESTABILIZADOR DE TENSÃO ALTERNADA PARA CARGAS NÃOLINEARES Clóvis Antônio Petry, João Carlos dos Santos Fagundes e Ivo Barbi Universidade Federal de Santa Catarina, Departamento de Engenharia Elétrica Instituto

Leia mais

Princípios de Eletricidade e Eletrônica. Aula 2 Reatância. Prof. Marcio Kimpara

Princípios de Eletricidade e Eletrônica. Aula 2 Reatância. Prof. Marcio Kimpara 1 Princípios de Eletricidade e Eletrônica Aula 2 Reatância Universidade Federal de Mato Grosso do Sul FAENG / Engenharia Elétrica Campo Grande MS 2 Para relembrar (aula passada)... Tensão e Corrente Alternada

Leia mais

Figura 1 - Diagrama de Bloco de um Inversor Típico

Figura 1 - Diagrama de Bloco de um Inversor Típico Guia de Aplicação de Partida Suave e Inversores CA Walter J Lukitsch PE Gary Woltersdorf John Streicher Allen-Bradley Company Milwaukee, WI Resumo: Normalmente, existem várias opções para partidas de motores.

Leia mais

p. 1/1 Resumo Osciladores Sintonizados LC Osciladores de Cristal

p. 1/1 Resumo Osciladores Sintonizados LC Osciladores de Cristal p. 1/1 Resumo Osciladores Sintonizados LC Osciladores de Cristal p. 2/1 Introdução Osciladores que utilizam transístores bipolares ou MOS, com circuitos LC sintonizados ou cristais como malhas de realimentação

Leia mais

Eletrônica Analógica e de Potência

Eletrônica Analógica e de Potência Eletrônica Analógica e de Potência Conversores CC-CC Prof.: Welbert Rodrigues Introdução Em certas aplicações é necessário transformar uma tensão contínua em outra com amplitude regulada; Em sistemas CA

Leia mais

LABORATÓRIO DE CONTROLE I ESTUDO DE COMPENSADORES DE FASE

LABORATÓRIO DE CONTROLE I ESTUDO DE COMPENSADORES DE FASE UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ENGENHARIA ELÉTRICA LABORATÓRIO DE CONTROLE I Experimento 4: ESTUDO DE COMPENSADORES DE FASE COLEGIADO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DISCENTES: Lucas

Leia mais

ESTUDO SOBRE CONTROLE DE MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS

ESTUDO SOBRE CONTROLE DE MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS ESTUDO SOBRE CONTROLE DE MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS Autores : Marina PADILHA, Tiago DEQUIGIOVANI. Identificação autores: Engenharia de Controle e Automação - Bolsista Interno; Orientador IFC - Campus

Leia mais

Topologias de UPS estático. apresentados a seguir cheguem à carga a ser protegida e mantida em operação, utilizamos equipamentos

Topologias de UPS estático. apresentados a seguir cheguem à carga a ser protegida e mantida em operação, utilizamos equipamentos 36 Capítulo II Topologias de UPS estático Luis Tossi * Para evitarmos que os distúrbios elétricos de tensão DC, que se altera em nível DC em função de apresentados a seguir cheguem à carga a ser protegida

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS A respeito de sistemas de distribuição de energia elétrica, julgue os itens a seguir. 4 Ao operar em tensão secundária, um sistema de distribuição de energia elétrica funciona

Leia mais

Correção do Fator de Potência e Redução da Distorção Harmônica em planta industrial por meio de Banco de Capacitor Dessintonizado.

Correção do Fator de Potência e Redução da Distorção Harmônica em planta industrial por meio de Banco de Capacitor Dessintonizado. Correção do Fator de Potência e Redução da Distorção Harmônica em planta industrial por meio de Banco de Capacitor Dessintonizado. Resumo Este artigo tem como objetivo apresentar resultados obtidos de

Leia mais

ENSINO SECUNDÁRIO CURSO PROFISSIONAL

ENSINO SECUNDÁRIO CURSO PROFISSIONAL ESCOLA: Escola Secundária dr. Solano de Abreu DISCIPLINA: Eletricidade e Eletrónica Módulo 1 ANO: 10º ANO 2014/2015 As grandezas mais importantes do circuito elétrico. A lei de OHM. A lei de JOULE. Os

Leia mais

Técnico em Eletrotécnica

Técnico em Eletrotécnica Técnico em Eletrotécnica Caderno de Questões Prova Objetiva 2015 01 Em uma corrente elétrica, o deslocamento dos elétrons para produzir a corrente se deve ao seguinte fator: a) fluxo dos elétrons b) forças

Leia mais

Retificadores (ENG - 20301) Lista de Exercícios de Sinais Senoidais

Retificadores (ENG - 20301) Lista de Exercícios de Sinais Senoidais Retificadores (ENG - 20301) Lista de Exercícios de Sinais Senoidais 01) Considerando a figura abaixo, determine: a) Tensão de pico; b) Tensão pico a pico; c) Período; d) Freqüência. 02) Considerando a

Leia mais

Potência e Fator de Potência. Fernando Soares dos Reis, Dr. Eng.

Potência e Fator de Potência. Fernando Soares dos Reis, Dr. Eng. Potência e Fator de Potência, Dr. Eng. Sumário Introdução; Objetivos; Revisão de Conceitos Fundamentais de Potência C.C. Potência Instantânea; Potência Média ou Ativa; Transferência Máxima de Potência

Leia mais

WEG EQUIPAMENTOS ELÉTRICO S S.A. CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT MEDIDAS ELÉTRICAS MANUAL DO PROFESSOR

WEG EQUIPAMENTOS ELÉTRICO S S.A. CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT MEDIDAS ELÉTRICAS MANUAL DO PROFESSOR WEG EQUIPAMENTOS ELÉTRICO S S.A. CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT MEDIDAS ELÉTRICAS MANUAL DO PROFESSOR CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC MEDIDAS ELÉTRIC AS MANUAL DO PROFESSOR Manual

Leia mais

CEL 062 - Circuitos trifásicos

CEL 062 - Circuitos trifásicos CEL 062 - Circuitos trifásicos Alexandre Haruiti alexandre.anzai@engenharia.ufjf.br Baseado no material dos Profs. Pedro Machado de Almeida e Janaína Gonçalves de Oliveira pedro.machado@ufjf.edu.br janaina.oliveira@ufjf.edu.br

Leia mais

COMPENSAÇÃO DE REATIVOS EM LINHAS DE TRANSMISSÃO UTILIZANDO COMPENSADORES ESTÁTICOS FIXOS

COMPENSAÇÃO DE REATIVOS EM LINHAS DE TRANSMISSÃO UTILIZANDO COMPENSADORES ESTÁTICOS FIXOS COMPENSAÇÃO DE REATIVOS EM LINHAS DE TRANSMISSÃO TILIZANDO COMPENSADORES ESTÁTICOS FIXOS Paulo H. O. Rezende, Fabrício P. Santilho, Lucas E. Vasconcelos, Thiago V. Silva Faculdade de Engenharia Elétrica,

Leia mais

ENGEMATEC CAPACITORES

ENGEMATEC CAPACITORES ENGEMATEC CAPACITORES CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA Confiança e economia na qualidade da energia. Equipamentos Elétricos e Elêtronicos de Potência Ltda 2 MODELOS DOS CAPACITORES TRIFÁSICOS PADRONIZADOS

Leia mais

CAPÍTULO 9 OSCILADORES TRANSISTORIZADOS

CAPÍTULO 9 OSCILADORES TRANSISTORIZADOS CAPÍTULO 9 OSCILADORES TRANSISTORIZADOS INTRODUÇÃO Os osciladores são dispositivos cuja função principal é transformar energia CC aplicada, em energia AC. Para que haja essa transformação é necessário

Leia mais

MODULAÇÃO AM E DEMODULADOR DE ENVELOPE

MODULAÇÃO AM E DEMODULADOR DE ENVELOPE 204/ MODULAÇÃO AM E DEMODULADOR DE ENVELOPE 204/ Objetivos de Estudo: Desenvolvimento de um modulador AM e um demodulador, utilizando MatLab. Visualização dos efeitos de modulação e demodulação no domínio

Leia mais

Boletim Te cnico. Tema: BT002 Fontes para lâmpadas UV

Boletim Te cnico. Tema: BT002 Fontes para lâmpadas UV Boletim Te cnico Tema: BT002 Fontes para lâmpadas UV As fontes para lâmpadas ultravioleta são os circuitos de potência responsáveis pela alimentação das lâmpadas de média pressão. São também conhecidas

Leia mais

Aplicações com OpAmp. 1) Amplificadores básicos. Amplificador Inversor

Aplicações com OpAmp. 1) Amplificadores básicos. Amplificador Inversor 225 Aplicações com OpAmp A quantidade de circuitos que podem ser implementados com opamps é ilimitada. Selecionamos aqueles circuitos mais comuns na prática e agrupamos por categorias. A A seguir passaremos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA SÉRIE DE EXERCÍCIO #A4 (1A) FONTE CHAVEADA PAINEL SOLAR Uma aplicação possível

Leia mais

Eletrônica de Potência II Capítulo 1. Prof. Cassiano Rech cassiano@ieee.org

Eletrônica de Potência II Capítulo 1. Prof. Cassiano Rech cassiano@ieee.org Eletrônica de Potência II Capítulo 1 cassiano@ieee.org 1 Componentes semicondutores em Eletrônica de Potência Diodo MOSFET IGBT GTO 2 Introdução Eletrônica de Potência é uma ciência aplicada que aborda

Leia mais

3 Potência Reativa. 3.1. Definição

3 Potência Reativa. 3.1. Definição Potência Reativa 25 3 Potência Reativa A previsão de potência reativa tem significância técnica e econômica, pois o balanço de reativos em um Sistema de Energia Elétrica muitas vezes exige a instalação

Leia mais

Prof. Dr. Ernesto Ruppert Filho DSCE Departamento de Sistemas e Controle de Energia/FEEC/UNICAMP ruppert@fee.unicamp.

Prof. Dr. Ernesto Ruppert Filho DSCE Departamento de Sistemas e Controle de Energia/FEEC/UNICAMP ruppert@fee.unicamp. CONVERSORES ELETRÔNICOS DE POTÊNCIA PARA SISTEMAS FOTOVOLTAICOS DE BAIXA TENSÃO CONECTADOS À REDE Prof. Dr. Ernesto Ruppert Filho DSCE Departamento de Sistemas e Controle de Energia/FEEC/UNICAMP ruppert@fee.unicamp.br

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA FILTRO ATIVO DE POTÊNCIA TRIFÁSICO PARALELO COMANDADO PARA VÁRIAS FUNÇÕES ASPECTOS TEÓRICOS E PRÁTICOS

Leia mais

Casamento de Impedância

Casamento de Impedância Disciplina: Ondas e ropaação Universidade do Estado de Santa Catarina Centro de Ciências Tecnolóicas CCT Departamento de Enenharia Elétrica aboratório de Eletromanetismo E-3 Casamento de Impedância O casamento

Leia mais

5. CONVERSORES QUASE-RESSONANTES

5. CONVERSORES QUASE-RESSONANTES Fontes Chaveadas - Cap. 5 CONVRSORS QUAS-RSSONANTS J. A. Pomilio 5. CONVRSORS QUAS-RSSONANTS Os conversores quase-ressonantes procuram associar as técnicas de comutação suave presentes nos conversores

Leia mais

TOPOLOGIAS DE NOBREAK

TOPOLOGIAS DE NOBREAK TOPOLOGIAS DE NOBREAK O que é um Nobreak? Nobreaks são equipamentos que possuem a função de fornecer energia ininterrupta para a carga (computadores, servidores, impressoras, etc.). Além desta função,

Leia mais

ANÁLISE DO CAPACITOR DE SAÍDA NO PROJETO DO CONVERSOR FLYBACK BIDIRECIONAL APLICADO A ALIMENTAÇÃO DE LÂMPADAS DE DESCARGA EM ALTA PRESSÃO

ANÁLISE DO CAPACITOR DE SAÍDA NO PROJETO DO CONVERSOR FLYBACK BIDIRECIONAL APLICADO A ALIMENTAÇÃO DE LÂMPADAS DE DESCARGA EM ALTA PRESSÃO ANÁLISE DO CAPACITOR DE SAÍDA NO PROJETO DO CONVERSOR FLYBACK BIDIRECIONAL APLICADO A ALIMENTAÇÃO DE LÂMPADAS DE DESCARGA EM ALTA PRESSÃO ANDRÉ L. KIRSTEN, TIAGO B. MARCHESAN, MURILO CERVI, ALEXANDRE CAMPOS,

Leia mais

Inversores de freqüência. Introdução

Inversores de freqüência. Introdução Inversores de freqüência Introdução Desde que os primeiros motores surgiram, os projetistas perceberam uma necessidade básica, controlar sua velocidade, várias técnicas foram utilizadas ao longo dos anos

Leia mais

Faturamento de Reativo pelas Concessionárias de Energia Elétrica

Faturamento de Reativo pelas Concessionárias de Energia Elétrica Faturamento de Reativo pelas Concessionárias de Energia Elétrica Departamento de Pesquisa e Desenvolvimento - CP Eletrônica S.A. Rua da Várzea 379 CEP: 91040-600 Porto Alegre RS Brasil Fone: (51)2131-2407

Leia mais

Automação e Instrumentação

Automação e Instrumentação Instituto Superior de Engenharia de Coimbra Engenharia e Gestão Industrial Automação e Instrumentação Trabalho Prático Nº 3 Acondicionamento do sinal de sensores. Introdução A maior parte dos sensores

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Atualização das informações. Nome dos grupos

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Atualização das informações. Nome dos grupos Instalação de Banco de Capacitores em Baixa Tensão Processo Realizar Novas Ligações Atividade Executar Ligações BT Código Edição Data SM04.14-01.008 2ª Folha 1 DE 9 26/10/2009 HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES

Leia mais

Eletricidade e Sonorização - Parte 5 - Filtragem, Estabilização e Suprimento alternativo de energia

Eletricidade e Sonorização - Parte 5 - Filtragem, Estabilização e Suprimento alternativo de energia Eletricidade e Sonorização - Parte 5 - Filtragem, Estabilização e Suprimento alternativo de energia Autor: Fernando Antônio Bersan Pinheiro Já vimos que a energia elétrica que utilizamos pode estar contaminada

Leia mais

Eletrônica Industrial Apostila sobre Modulação PWM página 1 de 6 INTRODUÇÃO

Eletrônica Industrial Apostila sobre Modulação PWM página 1 de 6 INTRODUÇÃO Eletrônica Industrial Apostila sobre Modulação PWM página 1 de 6 Curso Técnico em Eletrônica Eletrônica Industrial Apostila sobre Modulação PWM Prof. Ariovaldo Ghirardello INTRODUÇÃO Os controles de potência,

Leia mais

Antena Escrito por André

Antena Escrito por André Antena Escrito por André Antenas A antena é um dispositivo passivo que emite ou recebe energia eletromagnéticas irradiada. Em comunicações radioelétricas é um dispositivo fundamental. Alcance de uma Antena

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010 Questão 21 Conhecimentos Específicos - Técnico em Eletrônica Calcule a tensão Vo no circuito ilustrado na figura ao lado. A. 1 V. B. 10 V. C. 5 V. D. 15 V. Questão 22 Conhecimentos Específicos - Técnico

Leia mais

Teoria Princípio do Capacitor

Teoria Princípio do Capacitor Teoria Princípio do Capacitor Um capacitor consiste de dois pratos eletrodos isolados de cada lado por um dielétrico médio. As características de um capacitor são dependentes da capacitância e da tensão.

Leia mais

Aplicação do Modelo Linear de Vorpérian ao Conversor tipo Buck Ewaldo L. M. Mehl

Aplicação do Modelo Linear de Vorpérian ao Conversor tipo Buck Ewaldo L. M. Mehl Aplicação do Modelo Linear de Vorpérian ao Conversor tipo Buck Ewaldo L. M. Mehl 1. Apresentação Com o uso do conceito do Interruptor PWM apresentado por Vorpérian [1,2], torna-se extremamente simples

Leia mais

- Para se aumentar a quantidade de líquido (W), para o mesmo copo de chopp, deve-se reduzir a quantidade de espuma (VAr). Desta forma, melhora-se a

- Para se aumentar a quantidade de líquido (W), para o mesmo copo de chopp, deve-se reduzir a quantidade de espuma (VAr). Desta forma, melhora-se a 6. FATOR DE POTÊNCIA O fator de potência é uma relação entre potência ativa e potência reativa, conseqüentemente energia ativa e reativa. Ele indica a eficiência com a qual a energia está sendo usada.

Leia mais

Parte 1 Introdução... 1

Parte 1 Introdução... 1 Sumário SUMÁRIO V Parte 1 Introdução... 1 Capítulo 1 Unidades de Medida... 3 Introdução...3 Grandezas Físicas...3 Múltiplos e Submúltiplos...4 Arredondamentos...6 Exercícios...7 Capítulo 2 Simbologia...

Leia mais

Aplicação de Filtros Adaptativos em Compensadores Ativos Híbridos (HAVarC) em Sistemas Distorcidos e Desequilibrados

Aplicação de Filtros Adaptativos em Compensadores Ativos Híbridos (HAVarC) em Sistemas Distorcidos e Desequilibrados Aplicação de Filtros Adaptativos em Compensadores Ativos Híbridos (HAVarC) em Sistemas Distorcidos e Desequilibrados S. C. Ferreira, R. B. Gonzatti, C. H. da Silva, L. E. B. da Silva, G. Lambert-Torres,

Leia mais

CONVERSORES E CONTROLADORES DE FASE. Circuitos de retificação monofásicos

CONVERSORES E CONTROLADORES DE FASE. Circuitos de retificação monofásicos CONVERSORES E CONTROLADORES DE FASE Um conversor é um equipamento utilizado para converter potência alternada em potência contínua. Num conversor simples, que usa somente diodos retificadores, a tensão

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS O diodo de junção possui duas regiões de materiais semicondutores dos tipos N e P. Esse dispositivo é amplamente aplicado em circuitos chaveados, como, por exemplo, fontes de

Leia mais

QUALIDADE DE ENERGIA ELÉTRICA

QUALIDADE DE ENERGIA ELÉTRICA QUALIDADE DE ENERGIA ELÉTRICA QUALIDADE DE ENERGIA ELÉTRICA Qualidade de Energia Elétrica 838 ANAIS DO II CITENEL / 3 Análise da Instalação de Filtros Harmônicos Passivos em Circuitos Secundários de Distribuição

Leia mais

O AMPLIFICADOR LOCK-IN

O AMPLIFICADOR LOCK-IN O AMPLIFICADOR LOCK-IN AUTORES: RAFAEL ASTUTO AROUCHE NUNES MARCELO PORTES DE ALBUQUERQUE MÁRCIO PORTES DE ALBUQUERQUE OUTUBRO 2007-1 - SUMÁRIO RESUMO... 3 INTRODUÇÃO... 4 PARTE I: O QUE É UM AMPLIFICADOR

Leia mais

Tipos de Medidores MEDIDOR NÃO-INTEGRATIVO CC

Tipos de Medidores MEDIDOR NÃO-INTEGRATIVO CC Tipos de Medidores Medidor não-integrativo; Medidor integrativo; Medidor do valor médio retificado; Medidor de valor de pico; Medidor de valor eficaz. MEDIDOR NÃO-INTEGRATIVO CC Processa o sinal CC sem

Leia mais