A Influência do Fluxo de Reativo de Cargas Eletrônicas no Sistema de Tarifação de Energia Elétrica

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Influência do Fluxo de Reativo de Cargas Eletrônicas no Sistema de Tarifação de Energia Elétrica"

Transcrição

1 1 A Influência do Fluxo de Reativo de Cargas Eletrônicas no Sistema de Tarifação de Energia Elétrica A. B. de Vasconcellos, Dr.,UFMT, B.C. Carvalho, Dr.,UFMT, T.I.R.C. Malheiros, PhD, IFMT, C.H. Beuter, Esp., UFMT, R. V. Rocha, Eng., UFMT, R. C. F. Gregory, Acad., UFMT Resumo -- O presente artigo analisa o uso de um conjunto de cargas eletrônicas, especificamente lâmpadas fluorescentes compactas e tubulares com reatores eletrônicos, como forma de compensar o excesso de reativo de uma carga indutiva, bem como seu possível impacto nas regras vigentes de tarifação. Nas medições em laboratório utilizando lâmpadas fluorescentes compactas observou-se um fluxo de carga reativo capacitivo para a fonte. Quando adicionado em paralelo a um banco de indutores, o fator de potência foi compensado pelo reativo das lâmpadas. Em medições realizadas em campo em um barramento composto por lâmpadas fluorescentes tubulares com reatores eletrônicos, também foi encontrado fluxo de reativo capacitivo em direção à fonte. Utilizando o software ATP Draw foram modelados um conjunto de lâmpadas fluorescentes compactas que confirmaram os resultados encontrados em laboratório. No decorrer deste trabalho analisa-se se este fluxo reativo capacitivo gerado pelas cargas eletrônicas pode ser vantajoso ou prejudicial para o sistema de tarifação, em função da hora do dia em que esta carga eletrônica é acionada. Palavras Chaves -- Carga eletrônica, energia elétrica reativa, demanda, fluxo de reativo, tarifação. A I. INTRODUÇÃO qualidade da energia elétrica entregue pelas empresas distribuidoras aos consumidores sempre foi objeto de interesse. Porém, até algum tempo atrás, a qualidade de energia elétrica tinha a ver, sobretudo, com a continuidade dos serviços de distribuição, baseados na disponibilidade do sistema e dos parâmetros da rede. Para tanto era necessário o estudo de estado do sistema para definir meios de manter o sistema operando com qualidade. Porém, a crescente evolução da eletrônica proporcionou o aumento do uso de equipamentos eletroeletrônicos, introduzindo no sistema elétrico um grande número de cargas eletrônicas, de forma que os estudos a serem realizados em um sistema elétrico não podem mais desconsiderar a influência de tais cargas e as suas consequências. Por exemplo, ao realizar os estudos do fluxo de potência em um sistema, estes sempre levaram ao uso de elementos lineares, banco de capacitores e indutores, para a compensação de reativos e controle do nível de tensão. Entretanto, analisando o comportamento de certas cargas eletrônicas, observa-se um fluxo de reativo capacitivo que pode se comportar como uma compensação interna do sistema. As compensações de reativos através das cargas eletrônicas presentes no sistema impactariam no desempenho deste e também no faturamento do excedente de energia elétrica reativa, principalmente em sistemas predominantemente indutivos. Como já é de conhecimento, grandes consumidores são penalizados através da tarifação de energia reativa excedente, caso, por exemplo, de indústrias que operam com um significativo número de motores elétricos de indução com fator de potência inferior ao estabelecido por norma. Nesse sentido, o comportamento do fluxo de reativo das cargas eletrônicas pode ajudar na compensação de reativo diminuindo a quantidade de banco de capacitores a serem instalados. Desta forma, este artigo tem como objetivo estudar o uso de um conjunto de cargas eletrônicas, especificamente lâmpadas fluorescentes compactas e tubulares, como forma de compensar a demanda de reativo de uma carga indutiva. Para este estudo foi utilizado em laboratório, um conjunto de 30 lâmpadas fluorescentes compactas que foram ligadas em estrela, a quatro fios, com 10 lâmpadas por fase. Esta carga foi conectada em paralelo a um banco de 9 indutores também associados em estrela a quatro fios com 3 indutores por fase. Posteriormente, foram realizadas medições através do uso de instrumentos analógicos, medidores de grandezas elétricas e analisadores de energia, para analisar o comportamento do fluxo da potência reativa das cargas eletrônicas antes e após a conexão do banco de indutores lineares. Com o objetivo de comparar os resultados obtidos em laboratório foi realizada a implementação computacional do conjunto utilizado, por meio do software ATP Draw, conduzindo-se também estudos tanto da compensação reativa quanto da qualidade da energia. II. CONSIDERAÇÕES REFERENTES À ENERGIA REATIVA EXCEDENTE NOS SISTEMAS ELÉTRICO A Resolução Normativa nº 414 [1], de 9 de Setembro de 2010, que estabelece as condições gerais de fornecimento de Energia Elétrica de forma atualizada e consolidada, diz que para os consumidores do grupo A, o fator de potência de referência fr, indutivo ou capacitivo, tem como limite mínimo permitido, o valor de 0,92. Aos montantes de energia elétrica e demanda de potência reativa que excederem o limite permitido, aplicam-se as cobranças estabelecidas nos arts. 96 e 97, a serem adicionadas ao faturamento regular de unidades consumidoras do grupo A, incluídas aquelas que optarem por faturamento com aplicação da tarifa do grupo B nos termos do art. 100.

2 2 Art Para unidade consumidora que possua equipamento de medição apropriado, incluída aquela cujo titular tenha celebrado o CUSD, os valores correspondentes à energia elétrica e demanda de potência reativas excedentes são apurados conforme as seguintes equações: ( ) [ ( ) ] Sendo: E RE : valor correspondente à energia elétrica reativa excedente à quantidade permitida pelo fator de potência de referência fr, no período de faturamento, em Reais (R$); EEAM T : montante de energia elétrica ativa medida em cada intervalo T de 1 (uma) hora, durante o período de faturamento, em Megawatt-hora (MWh); fr: fator de potência de referência igual a 0,92; ft: fator de potência da unidade consumidora, calculado em cada intervalo T de 1 (uma) hora, durante o período de faturamento; VR ERE : valor de referência equivalente à tarifa de energia "TE" aplicável ao subgrupo B1, em Reais por megawatt-hora (R$/MWh); D RE(p) : valor, por posto tarifário p, correspondente à demanda de potência reativa excedente à quantidade permitida pelo fator de potência de referência fr no período de faturamento, em Reais (R$); PAM T : demanda de potência ativa medida no intervalo de integralização de 1 (uma) hora T, durante o período de faturamento, em quilowatt (kw); PAF(p): demanda de potência ativa faturável, em cada posto tarifário p no período de faturamento, em quilowatt (kw); VR DRE : valor de referência, em Reais por quilowatt (R$/kW), equivalente às tarifas de demanda de potência - para o posto tarifário fora de ponta - das tarifas de fornecimento aplicáveis aos subgrupos do grupo A para a modalidade tarifária horária azul e das TUSD-Consumidores-Livres, conforme esteja em vigor o Contrato de Fornecimento ou o CUSD, respectivamente; MAX: função que identifica o valor máximo da equação, dentro dos parênteses correspondentes, em cada posto tarifário p ; T: indica intervalo de 1 (uma) hora, no período de faturamento; p: indica posto tarifário ponta ou fora de ponta para as modalidades tarifárias horárias ou período de faturamento para a modalidade tarifária convencional binômia; n1: número de intervalos de integralização T do período de faturamento para os postos tarifários ponta e fora de ponta; n2: número de intervalos de integralização T, por posto tarifário p, no período de faturamento. Assim sendo, por mais que o valor a ser pago seja referente ao Reativo Excedente, este é proporcional ao montante da energia elétrica ativa medida no intervalo de tempo referente à medição e a relação do fator de potência de referência com o fator de potência da unidade consumidora. Para a apuração dessas grandezas, há também um período de 6 (seis) horas consecutivas (a critério da distribuidora) entre 23h 30min e 6h e 30min, no qual se considera apenas os fatores de potência ft inferiores a 0,92 capacitivo, verificados em cada intervalo de uma hora T. Ao período diário complementar, se considera apenas os fatores de potência inferiores a 0,92 indutivo, verificados no mesmo tempo. Sendo as cargas estudadas nesse trabalho de natureza eletrônica e capacitivas, há então, uma influência direta na sua utilização com a medição dos valores de reativo excedente descrito na resolução normativa, pois estas, em tese, ao injetar reativo capacitivo no barramento, contribuem para a alteração no valor do fator de potência registrado a cada hora. Esta situação levanta novas discussões no meio acadêmico sobre de que maneira e quão relevante será essa influência, em função do considerável acréscimo de cargas eletrônicas nos barramentos residenciais, comerciais e industriais. III. CONSIDERAÇÕES REFERENTES ÀS DISTORÇÕES HARMÔNICAS NOS SISTEMAS ELÉTRICOS Para a rede básica de energia, o Operador Nacional do Sistema (ONS) estabelece desde 2002 parâmetros de qualidade para a tensão suprida. Mas, do ponto de vista do consumidor, as restrições a serem consideradas são (na maioria) as do sistema de distribuição, as quais ainda estão em discussão. A Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), no documento Procedimentos de distribuição de energia elétrica no sistema elétrico nacional Prodist módulo 8 qualidade da energia elétrica [2], propõe valores de referência para a distorção harmônica da tensão no sistema de distribuição, tal como ilustrado na Tabela I. TABELA I Valores de Referência de DTT Tensão Nominal do Barramento Distorção Harmônica Total de Tensão [%] Vn 1 kv 10 1 kv Vn 13,8 kv 8 13,8 kv Vn 69 kv 6 69 kv Vn 138 kv 3 As lâmpadas fluorescentes compactadas utilizadas na experiência laboratorial apresentam características não lineares, que resulta em formas de onda de correntes com significativas distorções. Entretanto, para as tensões no barramento de suprimento das cargas, não se observou distorções harmônicas significativas, permanecendo dentro dos limites recomendados pela resolução normativa estabelecida pela ANEEL [3]. Contudo, nas medições realizadas em campo, com lâmpadas fluorescentes tubulares com reatores eletrônicos, tanto as tensões como as correntes apresentaram características lineares. Logo, independentemente da carga eletrônica ser linear, ou não linear, o comportamento do fluxo da potência reativa apresenta-se de forma análoga, ou seja, no sentido da carga para a fonte, caracterizando fluxo de potência reativa capacitiva.

3 3 IV. ANÁLISE DAS MEDIÇÕES EM LABORATÓRIO Inicialmente foi montada em laboratório uma carga eletrônica com característica não linear, constituída de lâmpadas fluorescentes compactas (comumente encontradas em instalações residenciais e industriais) ligadas em estrela a quatro fios conforme ilustrado na figura 1. Fig. 3. Forma de onda das correntes trifásicas solicitadas pelas lâmpadas fluorescentes compactas do barramento. Fig. 1. Conjunto de lâmpadas fluorescentes compactas. Na sequência, utilizando-se instrumentos analógicos, analisadores de grandezas elétricas e analisadores de qualidade de energia, conforme a figura 2, foram monitoradas, a potência ativa, reativa e formas de onda das tensões e correntes envolvidas. Analisador de energia elétrica Fluke Varímetros Analisador de energia elétrica RMS Fig. 4. Espectro harmônico da corrente da fase a. Medidor de grandezas elétricas Medidor de Energia Além das formas de onda das correntes foram analisadas também as formas de onda das tensões e os respectivos espectros harmônicos, ao igual que para as correntes, somente para a tensão da fase a conforme mostram as figuras 5 e 6. Fig. 2. Ligação dos medidores de grandezas elétricas e analisadores de energia. Analisando a forma de onda das correntes verificou-se elevado nível de distorção harmônica, como mostra a figura 3. Por meio do espectro da forma de onda da corrente da fase a, ilustrada na figura 4, foi constatada a presença significativa de harmônicas de sequência positiva, negativa e zero resultando em uma distorção harmônica total de corrente em torno de 115%. Os resultados para as fases b e c não foram apresentadas por terem as mesmas características da fase a. Isto era esperado visto que as lâmpadas fluorescentes compactas são cargas eletrônicas com características não lineares [4] [5]. Fig. 5. Forma de onda das tensões trifásicas do barramento que alimenta as lâmpadas fluorescentes compactas.

4 4 Fig. 6. Espectro harmônico da tensão da fase a. A figura 5 permite observar que as formas de onda das tensões apresentam-se próximas da forma senoidal, corroborado por meio do espectro mostrado na figura 6, para a fase a, onde encontra-se uma distorção harmônica total de tensão em torno de 3,25%, encontrando-se, portanto, dentro dos valores de referência para o nível de tensão do barramento, conforme módulo 8 do Prodist. Quanto às medições das potências ativa e reativa, observouse deflexão contraria dos ponteiros dos varímetros analógicos, indicando que o fluxo de potência reativa ocorria no sentido da carga para a fonte, portanto, sendo necessário inverter a polaridade das bobinas de tensão dos varímetros [6]. Alterada a ligação do instrumento, a deflexão do ponteiro se deu no sentido da escala, indicando um fluxo de potência reativa de 120 VAr, por fase, resultando em uma potência reativa capacitiva trifásica de 360 VAr. Nos analisadores de grandezas elétricas, e no medidor de qualidade de energia, foi medido o mesmo fluxo de potência reativa capacitiva, porém com valor de 310 VAr por fase, totalizando uma potência reativa trifásica de 930 VAr. Esta diferença tem relação com o fato de que o medidor analógico registra a parcela de potência reativa referente à frequência fundamental enquanto os outros analisadores medem a potência reativa referente às diversas frequências do espectro das correntes, conforme ilustrado na figura 4. Além da leitura das potências, foram feitas as leituras dos fatores de deslocamento e de potência, onde se verificou um fator de potência de 0,57 capacitivo e um fator de deslocamento de 0,9 capacitivo. Fig. 7. Conjunto de reatores conectados em paralelo com as lâmpadas fluorescentes compactas. Dando prosseguimento ao experimento, por meio de um disjuntor foi conectado em paralelo ao conjunto de lâmpadas fluorescentes um conjunto de indutores ligados em estrela a quatro fios, conforme mostra a Fig. 7. Após a conexão do banco de indutores verificou-se que o fluxo de potência reativa entre a carga e a fonte sofreu alteração. Analisando o varímetro analógico, verificou-se que o fluxo reativo capacitivo entre a carga e a fonte, anteriormente de 120 VAr por fase reduziu para 30 VAr por fase, resultando em uma potência reativa trifásica de 90 VAr (valor referente à fundamental). Enquanto que pelos medidores eletrônicos foi verificado uma potência reativa trifásica de 900 VAr e fator de potência 0,61 capacitivo. Esta mudança de valores do fluxo de reativo capacitivo da carga para fonte após a entrada do banco de indutores lineares está associada ao fornecimento de reativo capacitivo gerado pelas lâmpadas fluorescentes compactas para compensar a demanda de reativo indutivo exigida pelo banco de indutores, cuja medição constatou que estava em torno de 90 VAr por fase, resultando em uma potência reativa indutiva total de 270 VAr. Portanto, através desta experiência de laboratório foi possível observar que um conjunto de lâmpadas fluorescentes compactas, devido a seus componentes intrínsecos, gera uma potência reativa capacitiva, fornecendo reativo que pode ser usado para compensação de fator de potência de cargas predominantemente indutivas. Esta constatação pode ser observada pela diferença na potência reativa antes e após a conexão das duas cargas em paralelo, conforme ilustrado na figura 8 para a potência reativa capacitiva fundamental registrada pelo varímetro analógico. Fig. 8. Variação do fluxo de potência reativa, entre carga e fonte, registrado pelo varímetro analógico. V. SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL A fim de comparar com os resultados obtidos em laboratório, foi realizada simulação computacional utilizando o software ATP Draw no qual foram inseridos os modelos de cada componente elétrico e eletrônico utilizados nos ensaios experimentais. Para a modelagem do indutor foi calculado o valor da indutância através dos dados obtidos em medições realizadas com os analisadores de grandezas elétricas da potência reativa e da tensão sobre o indutor. Sendo a Indutância calculada pela expressão 3: Sendo:

5 5 Q: Potência Reativa monofásica medida pelo varímetro; V: Tensão fase-neutro medida pelo voltímetro. Assim como na montagem experimental os indutores na conexão estrela a quatro fios foram inseridos por chaves em paralelo com o conjunto de lâmpadas fluorescentes como mostra a Fig. 9. Fig. 9. Modelagem dos indutores no software ATP DRaw. Fig. 12. Forma de onda das tensões trifásicas das lâmpadas fluorescentes compactas obtidas na simulação. A modelagem da lâmpada fluorescente compacta no ATP Draw com todos seus componentes elétricos e eletrônicos está ilustrada na Fig. 10. Fig. 10. Modelagem da lâmpada fluorescente compacta no software ATP Draw. Os resultados obtidos na simulação permitiram constatar uma boa concordância com aqueles obtidos em laboratório. Para esta finalidade, foram analisadas as formas de onda das correntes e tensões ilustradas nas Figs. 11 e 12 e o espectro da corrente para fase a, quando apenas as lâmpadas estavam ligadas como mostra a Fig. 13. Fig. 11. Forma de onda das correntes trifásicas solicitadas pelas lâmpadas fluorescentes compactas na simulação. Fig. 13. Espectro harmônico da corrente da fase a obtida na simulação O comportamento e os valores do fluxo de potência reativa gerado pelas lâmpadas fluorescentes compactas obtidos na simulação também foram idênticos aos obtidos nos estudos experimentais. VI. MEDIÇÃO EM CAMPO A fim de verificar se o comportamento do fluxo de potência reativa gerado pelas cargas eletrônicas lineares ou não lineares obtidos em laboratório e na simulação computacional também se apresenta com as mesmas características em uma unidade consumidora, foi realizada medição em um grande Home Center em Cuiabá, Mato Grosso, onde foram feitas medições preliminares no barramento do quadro geral de distribuição em um conjunto de 150 (cento e cinquenta) luminárias com 2 (duas) lâmpadas fluorescentes tubulares cada, utilizando reatores eletrônicos (2x110W cada calha) conforme mostra a Fig. 14. Ao contrário dos resultados obtidos para as correntes produzidas para lâmpadas fluorescentes compactas em laboratório e nas simulações computacionais ilustrados nas Figs. 3 e 11 com características fortemente não lineares, as correntes obtidas no barramento do Home Center foram praticamente lineares, isto é, muito próxima de uma senóide.

6 6 Esta diferença deve-se à instalação de filtros para harmônicos [7]. Analisando a fig. 15 pode observar que a demanda de potência ativa trifásica solicitada pelo conjunto de luminárias com reatores eletrônicos do barramento atinge o valor médio de 24 kw e pode-se observar também uma injeção de demanda reativa capacitiva média trifásica de 5,4 kvar no barramento que alimenta estas cargas da Unidade Consumidora. Por meio dos resultados obtidos em laboratório, simulação computacional e campanha de medições em campo, pode-se analisar a influência das cargas eletrônicas, tanto lineares como não lineares, no sistema de tarifação das unidades consumidoras do Grupo A, que estão sujeitas ao pagamento do excedente de energia reativa e de demanda reativa excedente conforme mostram as equações 1 e 2. Como a concessionária de energia elétrica monitora o reativo indutivo solicitado pelas unidades consumidoras no período de 18 (dezoito) horas do dia, estas cargas eletrônicas podem trazer benefício para o sistema de tarifação, pois com a injeção do reativo capacitivo no barramento podem melhorar o fator de potência horário da unidade consumidora ou diminuir o valor do excedente de energia reativa na sua fatura de energia elétrica. Por outro lado, durante as 6 (seis) horas restantes no período noturno, normalmente entre meia noite e às 6 horas da manhã, a concessionária de energia monitora o reativo capacitivo e estas cargas podem ser prejudiciais para sistema de tarifação, podendo em tese aumentar o valor do excedente de energia reativa na fatura de energia da unidade consumidora. VII. CONCLUSÃO No presente artigo foi analisada a influência das cargas eletrônicas lineares e não lineares no sistema de tarifação das unidades consumidoras do grupo A. Nos experimentos laboratoriais e na simulação computacional foram utilizadas lâmpadas fluorescentes compactas com fortes características não lineares e pode-se observar um fluxo de reativo capacitivo para o barramento de alimentação, tanto nos medidores analógicos quanto nos analisadores de energia. Nas medições realizadas em campo em um conjunto de lâmpadas fluorescentes tubulares com reatores eletrônicos, os analisadores de energia registraram a característica da carga praticamente linear e pode-se também observar um fluxo de potência reativa capacitiva para o barramento de alimentação do conjunto de carga eletrônica. Portanto, independentemente do comportamento da carga eletrônica estudada neste artigo ser linear ou não linear, verificou-se uma injeção de potência reativa no barramento, contribuindo para a alteração do fator de potência da unidade consumidora e consequentemente influenciando no calculo do excedente de energia reativa. Considerando que atualmente as concessionárias de energia elétrica têm feito grandes investimentos na eficiência elétrica nos consumidores de baixa renda, aonde são substituídas principalmente geladeiras convencionais por geladeiras selo PROCEL e milhares lâmpadas incandescentes por lâmpadas fluorescentes compactas, um estudo da influência destas cargas não só nos consumidores do grupo A, mas também em consumidores do grupo B se faz necessário, para analisar o impacto da entrada destas cargas eletrônicas tanto no sistema de tarifação como na possível melhoria do sistema elétrico da concessionária com a injeção de reativos nos barramentos, assim como a interferência das múltiplas frequências injetas pelas cargas eletrônicas não lineares no barramento da concessionária. VIII. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Figura 14: Conexão do analisador de energia elétrica Fluke no barramento de energia de alimentação das lâmpadas fluorescentes tubulares. [1] ANEEL. Resolução Normativa nº de setembro de [2] ANEEL. Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional (Prodist), módulo 8. [3] ANEEL. Resolução Normativa nº de dezembro de [4] IEEE Task Force, The Effects of Power System Harmonics on Power System Equipment and Loads, IEEE Trans. Power App. and Systems, vol. 104, no. 9, Set. 1985, pp [5] R. D. Henderson e P. J. Rose, Harmonics: The Effects on Power Quality and Transformers, IEEE Trans. Industry Applications, vol. 30, 1994, pp [6] S. M. Filho. Fundamentos de Medidas Elétricas. 2ª ed. Editora Guanabara Dois. Rio de Janeiro [7] IEEE Standard , Recommended Practices and Requirements for Harmonic Control in Electric Power Systems, Figura 15: Tela capturada do analisador de energia elétrica Fluke conectado no barramento de energia de alimentação indicando a característica de potência reativa capacitiva injetada no sistema.

Correção do Fator de Potência e Redução da Distorção Harmônica em planta industrial por meio de Banco de Capacitor Dessintonizado.

Correção do Fator de Potência e Redução da Distorção Harmônica em planta industrial por meio de Banco de Capacitor Dessintonizado. Correção do Fator de Potência e Redução da Distorção Harmônica em planta industrial por meio de Banco de Capacitor Dessintonizado. Resumo Este artigo tem como objetivo apresentar resultados obtidos de

Leia mais

Medidas de mitigação de harmônicos

Medidas de mitigação de harmônicos 38 Apoio Harmônicos provocados por eletroeletrônicos Capítulo XII Medidas de mitigação de harmônicos Igor Amariz Pires* A maneira mais comum de mitigar harmônicos é por meio da utilização de filtros. O

Leia mais

Sistema de distribuição.

Sistema de distribuição. 1 Impacto de Cargas Eletrônicas Residenciais e Comerciais Eficientes e Não-lineares no Sistema de Distribuição Parte II Medições das Cargas em Alimentadores Típicos M. L. y Gonzalez, S. Visacro F., P.

Leia mais

Demanda e Fator de Potência. Qualidade e Eficiência Energética

Demanda e Fator de Potência. Qualidade e Eficiência Energética Demanda e Fator de Potência Qualidade e Eficiência Energética 4 Agenda Agenda Qualidade e Eficiência Energética 7 Legislação sobre Eficiência Energética Plano Nacional de Energia ISO 51000 Sistemas de

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Atualização das informações. Nome dos grupos

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Atualização das informações. Nome dos grupos Instalação de Banco de Capacitores em Baixa Tensão Processo Realizar Novas Ligações Atividade Executar Ligações BT Código Edição Data SM04.14-01.008 2ª Folha 1 DE 9 26/10/2009 HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES

Leia mais

- Para se aumentar a quantidade de líquido (W), para o mesmo copo de chopp, deve-se reduzir a quantidade de espuma (VAr). Desta forma, melhora-se a

- Para se aumentar a quantidade de líquido (W), para o mesmo copo de chopp, deve-se reduzir a quantidade de espuma (VAr). Desta forma, melhora-se a 6. FATOR DE POTÊNCIA O fator de potência é uma relação entre potência ativa e potência reativa, conseqüentemente energia ativa e reativa. Ele indica a eficiência com a qual a energia está sendo usada.

Leia mais

Faturamento de Reativo pelas Concessionárias de Energia Elétrica

Faturamento de Reativo pelas Concessionárias de Energia Elétrica Faturamento de Reativo pelas Concessionárias de Energia Elétrica Departamento de Pesquisa e Desenvolvimento - CP Eletrônica S.A. Rua da Várzea 379 CEP: 91040-600 Porto Alegre RS Brasil Fone: (51)2131-2407

Leia mais

ENTENDENDO O FATOR DE POTÊNCIA

ENTENDENDO O FATOR DE POTÊNCIA ENTENDENDO O FATOR DE POTÊNCIA Departamento de Pesquisa e Desenvolvimento - CP Eletrônica S.A. Rua da Várzea 379 CEP: 91040-600 Porto Alegre RS Brasil Fone: (51)2131-2407 Fax: (51)2131-2469 engenharia@cp.com.br

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 ANÁLISE DE DISTORÇÕES HARMÔNICAS Michelle Borges de Oliveira¹; Márcio Aparecido Arruda² ¹Universidade de Uberaba, Uberaba Minas Gerais ²Universidade de Uberaba, Uberaba Minas Gerais oliveiraborges.michelle@gmail.com;

Leia mais

QUADRO DE DISTRIBUIÇÃO CAPÍTULO 03

QUADRO DE DISTRIBUIÇÃO CAPÍTULO 03 QUADRO DE DISTRIBUIÇÃO CAPÍTULO 03 2 Capítulo 03 QUADRO DE DISTRIBUIÇÃO Figura 01 Entrada de energia residencial Figura 02 Quadro de Distribuição Monofásico com DR (Disjuntor ou Interruptor) Geral 3 Figura

Leia mais

Potência ativa (W): é a que realmente produz trabalho, isto é, faz os motores e os transformadores funcionarem.

Potência ativa (W): é a que realmente produz trabalho, isto é, faz os motores e os transformadores funcionarem. Fator de Potência e sua correção A energia elétrica consumida em uma instalação industrial é composta basicamente por duas parcelas distintas, que são: BANCO DE CAPACITORES Nota: Energia consumida por

Leia mais

TLA-Capacitores 1 NORMA PARA INSTALAÇÃO DE BANCO DE CAPACITORES EM BAIXA TENSÃO ÍNDICE PÁG.

TLA-Capacitores 1 NORMA PARA INSTALAÇÃO DE BANCO DE CAPACITORES EM BAIXA TENSÃO ÍNDICE PÁG. ÍNDICE 1. OBJETIVO...2 2. RESPONSABILIDADES...2 3. CONCEITUAÇÃO...2 3.1 CAPACITOR...2 3.2 CARGAS NÃO LINEARES...2 3.3 BANCO CAPACITIVO...2 3.4 CARGA INSTALADA...2 3.5 POTÊNCIA ATIVA...2 3.6 POTÊNCIA...2

Leia mais

6. EXECUÇÃO DO PROJETO ELÉTRICO EM MÉDIA TENSÃO 6.1 DIMENSIONAMENTO DO TRANSFORMADOR

6. EXECUÇÃO DO PROJETO ELÉTRICO EM MÉDIA TENSÃO 6.1 DIMENSIONAMENTO DO TRANSFORMADOR 6. EXECUÇÃO DO PROJETO ELÉTRICO EM MÉDIA TENSÃO 6.1 DIMENSIONAMENTO DO TRANSFORMADOR Basicamente o transformador da subestação é dimensionado pela demanda da empresa no qual será instalado, porém este

Leia mais

Cenários harmônicos em cargas residenciais

Cenários harmônicos em cargas residenciais 46 provocados por eletroeletrônicos Capítulo VI Cenários harmônicos em cargas residenciais Igor Amariz Pires* Além dos eletrodomésticos apresentados no capítulo anterior, consumidores residenciais e comerciais

Leia mais

4 Fator de carga e fator de demanda: conceituação

4 Fator de carga e fator de demanda: conceituação 4 Fator de carga e fator de demanda: conceituação 4.1. Fator de carga (FC) Segundo a resolução a normativa nº 414 de 9 de setembro de 2010 da ANEEL, o fator de carga é definido como sendo a razão entre

Leia mais

ANÁLISE DA QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA EM CONVERSORES DE FREQUENCIA

ANÁLISE DA QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA EM CONVERSORES DE FREQUENCIA ANÁLISE DA QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA EM CONVERSORES DE FREQUENCIA Nome dos autores: Halison Helder Falcão Lopes 1 ; Sergio Manuel Rivera Sanhueza 2 ; 1 Aluno do Curso de Engenharia Elétrica; Campus

Leia mais

Cap. 14 Medição de Demanda

Cap. 14 Medição de Demanda Universidade Federal de Itajubá UNIFEI Cap. 14 Medição de Demanda Prof. Dr. Fernando Nunes Belchior fnbelchior@hotmail.com fnbelchior@unifei.edu.br CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA

Leia mais

FLUXO HARMÔNICO EM PLANTA COMERCIAL NA PRESENÇA DE GRUPO GERADOR

FLUXO HARMÔNICO EM PLANTA COMERCIAL NA PRESENÇA DE GRUPO GERADOR Universidade Tecnológica Federal do Paraná Departamento Acadêmico de Eletrotécnica Curso de Engenharia Elétrica Curso de Engenharia de Controle e Automação FLUXO HARMÔNICO EM PLANTA COMERCIAL NA PRESENÇA

Leia mais

Analisando graficamente o exemplo das lâmpadas coloridas de 100 W no período de três horas temos: Demanda (W) a 100 1 100 100.

Analisando graficamente o exemplo das lâmpadas coloridas de 100 W no período de três horas temos: Demanda (W) a 100 1 100 100. Consumo Consumo refere-se à energia consumida num intervalo de tempo, ou seja, o produto da potência (kw) da carga pelo número de horas (h) em que a mesma esteve ligada. Analisando graficamente o exemplo

Leia mais

Sitec Power Soluções em Energia ENERGIA REATIVA E FATOR DE POTÊNCIA

Sitec Power Soluções em Energia ENERGIA REATIVA E FATOR DE POTÊNCIA ENERGIA REATIVA E FATOR DE POTÊNCIA O QUE É ENERGIA ATIVA E REATIVA? Sim, mas apesar de necessária, a utilização de Energia Reativa deve ser a menor possível. O excesso de Energia Reativa exige condutores

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE TRANSFORMADOR SOB CARGAS NÃO-LINEARES

DIMENSIONAMENTO DE TRANSFORMADOR SOB CARGAS NÃO-LINEARES DIMENSIONAMENTO DE TRANSFORMADOR SOB CARGAS NÃO-LINEARES Cairo Rezende dos SANTOS; Paulo César M. MACHADO; Luiz Roberto LISITA Escola de Engenharia Elétrica e de Computação UFG cairorezende@hotmail.com,

Leia mais

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA. Introdução

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA. Introdução FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA Introdução A questão do fornecimento de energia elétrica é de suma importância para um funcionamento adequado de equipamentos eletro-eletrônicos. Assim sendo, cabe ao poder

Leia mais

LIVRETO EXPLICATIVO ENERGIA ATIVA E REATIVA

LIVRETO EXPLICATIVO ENERGIA ATIVA E REATIVA LIVRETO EXPLICATIVO LIVRETO EXPLICATIVO ENERGIA ATIVA E REATIVA DEZEMBRO/2009 ELABORADO POR: CLÁUDIO F. DE ALBUQUERQUE ENG ELETRICISTA EDITADO POR: NELSON FUCHIKAMI LOPES ENG ELETRICISTA Índice 1 O que

Leia mais

RELAÇÕES DE CORRENTE ALTERNADA

RELAÇÕES DE CORRENTE ALTERNADA RELAÇÕES DE CORRENTE ALTERNADA A tensão alternada senoidal é a qual utilizamos em nossos lares, na indústria e no comércio. Dentre as vantagens, destacamos: Facilidade de geração em larga escala; Facilidade

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM CENTRO DE TECNOLOGIA CT GRUPO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA E CONTROLE - GEPOC SEPOC 2010

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM CENTRO DE TECNOLOGIA CT GRUPO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA E CONTROLE - GEPOC SEPOC 2010 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM CENTRO DE TECNOLOGIA CT GRUPO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA E CONTROLE - GEPOC SEPOC 2010 FILTRO ATIVO DE POTÊNCIA SÉRIE PARALELO APRESENTADOR: MÁRCIO STEFANELLO,

Leia mais

Implementação do Protótipo do. RHM operando com Corrente CA de. Alimentação de 12 Pulsos Imposta

Implementação do Protótipo do. RHM operando com Corrente CA de. Alimentação de 12 Pulsos Imposta Capítulo 7 Implementação do Protótipo do RHM operando com Corrente CA de Alimentação de 12 Pulsos Imposta 7.1 Introdução Durante os estudos realizados em laboratório, três protótipos do RHM proposto, operando

Leia mais

Excelência no uso da Energia Elétrica Abordagem de Problemas e Soluções. G.T. Capacitores

Excelência no uso da Energia Elétrica Abordagem de Problemas e Soluções. G.T. Capacitores Excelência no uso da Energia Elétrica Abordagem de Problemas e Soluções 1 Excelência no uso da Energia Elétrica 1- Conceito 2- Legislação atual em Baixa Tensão 3- Visão de Futuro/ Tendência Mundial 4-

Leia mais

6 Simulação de tarifas de energia elétrica

6 Simulação de tarifas de energia elétrica 6 Simulação de tarifas de energia elétrica Concluída a construção da ferramenta computacional, foi possível realizar as simulações utilizando as funcionalidades para a qual esta foi desenhada. Os estágios

Leia mais

Eletrotécnica Geral. Lista de Exercícios 2

Eletrotécnica Geral. Lista de Exercícios 2 ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PEA - Departamento de Engenharia de Energia e Automação Elétricas Eletrotécnica Geral Lista de Exercícios 2 1. Condutores e Dispositivos de Proteção 2. Fornecimento

Leia mais

Carga dos alimentadores

Carga dos alimentadores 50 Análise de consumo de energia e aplicações Capítulo V Carga dos alimentadores Por Manuel Luís Barreira Martinez* Em continuidade ao capítulo anterior, Locação de cargas métodos para a locação de carga

Leia mais

Análise Técnico/Financeira para Correção de Fator de Potência em Planta Industrial com Fornos de Indução.

Análise Técnico/Financeira para Correção de Fator de Potência em Planta Industrial com Fornos de Indução. Análise Técnico/Financeira para Correção de Fator de Potência em Planta Industrial com Fornos de Indução. Jeremias Wolff e Guilherme Schallenberger Electric Consultoria e Serviços Resumo Este trabalho

Leia mais

Imprimir. Influência das Harmônicas na Alimentação de Dispositivos Eletrônicos: Efeitos, e como eliminá-los

Imprimir. Influência das Harmônicas na Alimentação de Dispositivos Eletrônicos: Efeitos, e como eliminá-los 1/ 9 Imprimir PROJETOS / Energia 20/08/2012 10:20:00 Influência das Harmônicas na Alimentação de Dispositivos Eletrônicos: Efeitos, e como eliminá-los Na primeira parte deste artigo vimos que a energia

Leia mais

Disciplina Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores de Corrente Contínua para Corrente Alternada (Inversores)

Disciplina Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores de Corrente Contínua para Corrente Alternada (Inversores) Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores de Corrente Contínua para Corrente Alternada (Inversores)

Leia mais

de luz está mais transparente. Conheça as bandeiras tarifárias.

de luz está mais transparente. Conheça as bandeiras tarifárias. Agora, a sua conta de luz está mais transparente. Conheça as bandeiras tarifárias. Agora, em todo o país, as bandeiras tarifárias vêm impressas na conta de luz. E, para saber se o valor da sua conta irá

Leia mais

Filtro Híbrido Trifásico de Baixa Potência Com Controle de Amortecimento Harmônico Aplicado a Redes de Distribuição de Energia Elétrica

Filtro Híbrido Trifásico de Baixa Potência Com Controle de Amortecimento Harmônico Aplicado a Redes de Distribuição de Energia Elétrica Filtro Híbrido Trifásico de Baixa Potência Com Controle de Amortecimento Harmônico Aplicado a Redes de Distribuição de Energia Elétrica L. S. Caires¹ L. F. Encarnação² Resumo -- A melhora da eficiência

Leia mais

Transformadores trifásicos

Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Por que precisamos usar transformadores trifásicos Os sistemas de geração, transmissão e distribuição de energia elétrica

Leia mais

Distorções Harmônicas Geradas por Algumas Cargas Não lineares com Tensões Senoidais

Distorções Harmônicas Geradas por Algumas Cargas Não lineares com Tensões Senoidais 1 Distorções Harmônicas Geradas por Algumas Cargas Não lineares com Tensões Senoidais Manuel Losada y Gonzalez, Márcio Melquíades Silva, Felipe Althoff, Selênio Rocha Silva Resumo A expansão do uso de

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA LABORATÓRIO 6: Máquina Síncrona em Barramento Infinito Objetivo: Verificar, experimentalmente, como é feita a ligação de um gerador síncrono no barramento infinito. Teoria: As necessidades de energia elétrica

Leia mais

WEG EQUIPAMENTOS ELÉTRICO S S.A. CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT MEDIDAS ELÉTRICAS MANUAL DO PROFESSOR

WEG EQUIPAMENTOS ELÉTRICO S S.A. CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT MEDIDAS ELÉTRICAS MANUAL DO PROFESSOR WEG EQUIPAMENTOS ELÉTRICO S S.A. CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT MEDIDAS ELÉTRICAS MANUAL DO PROFESSOR CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC MEDIDAS ELÉTRIC AS MANUAL DO PROFESSOR Manual

Leia mais

ENGEMATEC CAPACITORES

ENGEMATEC CAPACITORES ENGEMATEC CAPACITORES CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA Confiança e economia na qualidade da energia. Equipamentos Elétricos e Elêtronicos de Potência Ltda 2 MODELOS DOS CAPACITORES TRIFÁSICOS PADRONIZADOS

Leia mais

Aula prática 07 Medição de Potência Reativa com Varímetro

Aula prática 07 Medição de Potência Reativa com Varímetro Curso de Engenharia Elétrica Disciplina de Circuitos Elétricos 3 Parte Prática Turma: ET35L E51/E52. Professor Clovis Aula prática 07 Medição de Potência Reativa com Varímetro OBJETIVO: Nesta aula prática

Leia mais

H7- Analisar o fator de potência de um motor. Prof. Dr. Emerson S. Serafim

H7- Analisar o fator de potência de um motor. Prof. Dr. Emerson S. Serafim H7- Analisar o fator de potência de um motor. Prof. Dr. Emerson S. Serafim 1 Quais são as causas do BAIXO fator de potência? Motores SUPERdimensionados ou com POUCA carga. Lâmpadas de descarga: fluorescentes,

Leia mais

Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48)

Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48) Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores CA-CC Monofásicos Controlados Prof.: Eduardo Simas eduardo.simas@ufba.br

Leia mais

Boletim da Engenharia

Boletim da Engenharia Boletim da Engenharia 17 Procedimentos para Correção do Fator de Potência 05/04 1 Descrições Gerais 1.1 Determinação Nacional Visando a otimização do consumo racional de energia elétrica gerada no país,

Leia mais

Potência e Fator de Potência. Fernando Soares dos Reis, Dr. Eng.

Potência e Fator de Potência. Fernando Soares dos Reis, Dr. Eng. Potência e Fator de Potência, Dr. Eng. Sumário Introdução; Objetivos; Revisão de Conceitos Fundamentais de Potência C.C. Potência Instantânea; Potência Média ou Ativa; Transferência Máxima de Potência

Leia mais

Soluções Schneider Electric voltadas à Eficiência Energética

Soluções Schneider Electric voltadas à Eficiência Energética Soluções Schneider Electric voltadas à Eficiência Energética Sistemas para Gerenciamento de Energia Fundação Santo André 25/03/08 Por: Eng. André F. Obst Depto. de Eficiência Energética Objetivo Entender

Leia mais

Trabalho Prático Nº 6.

Trabalho Prático Nº 6. Trabalho Prático Nº 6. Título: Carga Predominantemente Resistiva, Carga Predominantemente Indutiva e Carga Resistiva e Indutiva em paralelo. Objetivo: Este trabalho prático teve como objetivo montar três

Leia mais

Podem-se destacar alguns equipamentos responsáveis pelo baixo fator de potência nas instalações elétricas:

Podem-se destacar alguns equipamentos responsáveis pelo baixo fator de potência nas instalações elétricas: 4. FATOR DE POTÊNCIA Um baixo fator de Potência pode vir a provocar sobrecarga em cabos e transformadores, aumento das perdas do sistema, aumento das quedas de tensão, e o aumento do desgaste em dispositivos

Leia mais

2) Neste resistor consegue-se verificar diretamente a corrente, pois se tem: Como o resistor é linear, a forma de onda é idêntica a da corrente;

2) Neste resistor consegue-se verificar diretamente a corrente, pois se tem: Como o resistor é linear, a forma de onda é idêntica a da corrente; Objetivo do teste Verificar os picos de corrente gerados por circuitos de lâmpadas de vapor Metálico (Mercúrio, Sódio, etc.) de lâmpadas fluorescentes compactas e lâmpadas incandescentes. Procedimentos

Leia mais

Gerenciamento de Energia

Gerenciamento de Energia Gerenciamento de Energia Mapa do Cenário Brasileiro Capacidade total de quase 88.500MW; Geração de 82.000MW; Transmissão de 80.000Km maiores que 230kV; mais de 530 usinas e subestações; 47 milhões de consumidores.

Leia mais

Estudos e Consultorias Estudos de Sistemas Elétricos de Potência e Consultorias. Eng. Leandro Mascher, BRPSYS-5000084401-R1

Estudos e Consultorias Estudos de Sistemas Elétricos de Potência e Consultorias. Eng. Leandro Mascher, BRPSYS-5000084401-R1 Estudos e Consultorias Estudos de Sistemas Elétricos de Potência e Consultorias Eng. Leandro Mascher, BRPSYS-5000084401-R1 A Empresa A PSYS Consultoria em Engenharia e Sistemas Ltda. surgiu do desejo de

Leia mais

COMPENSAÇÃO DE REATIVOS EM LINHAS DE TRANSMISSÃO UTILIZANDO COMPENSADORES ESTÁTICOS FIXOS

COMPENSAÇÃO DE REATIVOS EM LINHAS DE TRANSMISSÃO UTILIZANDO COMPENSADORES ESTÁTICOS FIXOS COMPENSAÇÃO DE REATIVOS EM LINHAS DE TRANSMISSÃO TILIZANDO COMPENSADORES ESTÁTICOS FIXOS Paulo H. O. Rezende, Fabrício P. Santilho, Lucas E. Vasconcelos, Thiago V. Silva Faculdade de Engenharia Elétrica,

Leia mais

Correção do Fator de Potência

Correção do Fator de Potência Correção do Fator de Potência Prof. Roberto V. Maffei Prof. João Gilberto A. Chagas Filho Chapecó, 2015. 1 Elaboração: Roberto V. Maffei Revisão: João Gilberto A. Chagas Filho Propriedade da Unidade Central

Leia mais

Teoria Princípio do Capacitor

Teoria Princípio do Capacitor Teoria Princípio do Capacitor Um capacitor consiste de dois pratos eletrodos isolados de cada lado por um dielétrico médio. As características de um capacitor são dependentes da capacitância e da tensão.

Leia mais

Prof. Dr. Ernesto Ruppert Filho DSCE Departamento de Sistemas e Controle de Energia/FEEC/UNICAMP ruppert@fee.unicamp.

Prof. Dr. Ernesto Ruppert Filho DSCE Departamento de Sistemas e Controle de Energia/FEEC/UNICAMP ruppert@fee.unicamp. CONVERSORES ELETRÔNICOS DE POTÊNCIA PARA SISTEMAS FOTOVOLTAICOS DE BAIXA TENSÃO CONECTADOS À REDE Prof. Dr. Ernesto Ruppert Filho DSCE Departamento de Sistemas e Controle de Energia/FEEC/UNICAMP ruppert@fee.unicamp.br

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO N O 505, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2001

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO N O 505, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2001 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO N O 505, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2001 Estabelece, de forma atualizada e consolidada, as disposições relativas à conformidade dos níveis de tensão de

Leia mais

TARIFA BRANCA E BANDEIRAS TARIFÁRIAS VISÃO DA ANEEL

TARIFA BRANCA E BANDEIRAS TARIFÁRIAS VISÃO DA ANEEL TARIFA BRANCA E BANDEIRAS TARIFÁRIAS VISÃO DA ANEEL Diego Luís Brancher Especialista em Regulação Chapecó/SC 27/11/2014 PROGRAMA 1.BANDEIRAS TARIFÁRIAS DÚVIDAS 2.TARIFA BRANCA DÚVIDAS 2 BANDEIRAS TARIFÁRIAS

Leia mais

Gerência de Grandes Clientes GRGC Superintendência ncia de Atendimento SPA

Gerência de Grandes Clientes GRGC Superintendência ncia de Atendimento SPA Gerência de Grandes Clientes GRGC Superintendência ncia de Atendimento SPA Resolução Normativa N. 414/2010 Nacional de Energia Elétrica (ANEEL): Agência Estabelece as condições gerais de Fornecimento de

Leia mais

Como reduzir sua conta de energia elétrica

Como reduzir sua conta de energia elétrica Como reduzir sua conta de energia elétrica Com REDULIGHT você tem energia de melhor qualidade e economiza até 25% na conta Saiba como O que é e como funciona o filtro REDULIGHT O Redulight é um Filtro

Leia mais

3 - Sistemas em Corrente Alternada. 1 Considerações sobre Potência e Energia. Carlos Marcelo Pedroso. 18 de março de 2010

3 - Sistemas em Corrente Alternada. 1 Considerações sobre Potência e Energia. Carlos Marcelo Pedroso. 18 de março de 2010 3 - Sistemas em Corrente Alternada Carlos Marcelo Pedroso 18 de março de 2010 1 Considerações sobre Potência e Energia A potência fornecida a uma carga à qual está aplicada um tensão instantânea u e por

Leia mais

A Solução de Problemas com Harmônicos em um Cliente Industrial: Uma Cooperação entre Concessionária e Consumidor

A Solução de Problemas com Harmônicos em um Cliente Industrial: Uma Cooperação entre Concessionária e Consumidor 1 A Solução de Problemas com Harmônicos em um Cliente Industrial: Uma Cooperação entre Concessionária e Consumidor Flávio R. Garcia(*), Tércio dos Santos e Alexandre C. Naves SADEFEM S/A Ernesto A. Mertens,

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS A respeito de sistemas de distribuição de energia elétrica, julgue os itens a seguir. 4 Ao operar em tensão secundária, um sistema de distribuição de energia elétrica funciona

Leia mais

Smart Grid e Net Metering no Brasil

Smart Grid e Net Metering no Brasil Smart Grid e Net Metering no Brasil Daniel Vieira Superintendência de Regulação dos Serviços de Distribuição SRD/ANEEL Cidade do México 30/01/2013 Sistema de Distribuição 63 concessionárias de distribuição

Leia mais

Cap.6 Transformadores para Instrumentos. TP Transformador de Potencial. TC Transformador de Corrente

Cap.6 Transformadores para Instrumentos. TP Transformador de Potencial. TC Transformador de Corrente Universidade Federal de Itajubá UNIFEI Cap.6 Transformadores para Instrumentos. TP Transformador de Potencial. TC Transformador de Corrente Prof. Dr. Fernando Nunes Belchior fnbelchior@hotmail.com fnbelchior@unifei.edu.br

Leia mais

DESTAQUE: A IMPORTÂNCIA DOS TRANSFORMADORES EM SISTEMAS DE ENERGIA ELÉTRICA

DESTAQUE: A IMPORTÂNCIA DOS TRANSFORMADORES EM SISTEMAS DE ENERGIA ELÉTRICA Capítulo 0 Transformadores DESTAQE: A IMPORTÂNCIA DOS TRANSFORMADORES EM SISTEMAS DE ENERGIA ELÉTRICA Os geradores elétricos, que fornecem tensões relativamente baixas (da ordem de 5 a 5 kv), são ligados

Leia mais

A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A. Módulo 7: Estrutura Tarifária das Concessionárias de Distribuição

A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A. Módulo 7: Estrutura Tarifária das Concessionárias de Distribuição A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A Módulo 7: Estrutura Tarifária das Concessionárias de Distribuição S u b m ó d u l o 7. 1 P R O C E D I M E N T O S G E R A I S Revisão 1.0

Leia mais

Análise da Migração de uma Unidade Consumidora para o Mercado Livre de Energia

Análise da Migração de uma Unidade Consumidora para o Mercado Livre de Energia 1 Análise da Migração de uma Unidade Consumidora para o Mercado Livre de Energia Arnulfo Barroso de Vasconcellos, Dr.; Sthefany Campos Camolesi, Acad.; Luciana Oliveira da Silva, Eng.; Erika Tiemi Anabuki,

Leia mais

EXPERIMENTO 1: MEDIDAS ELÉTRICAS

EXPERIMENTO 1: MEDIDAS ELÉTRICAS EXPERIMENTO 1: MEDIDAS ELÉTRICAS 1.1 OBJETIVOS Familiarização com instrumentos de medidas e circuitos elétricos. Utilização do multímetro nas funções: voltímetro, amperímetro e ohmímetro. Avaliação dos

Leia mais

Comparação técnico-econômica entre equipamentos mitigadores de harmônicos e compensadores de energia reativa: Estudo de caso

Comparação técnico-econômica entre equipamentos mitigadores de harmônicos e compensadores de energia reativa: Estudo de caso 1 Comparação técnico-econômica entre equipamentos mitigadores de harmônicos e compensadores de energia reativa: Estudo de caso Marcelo Inácio Lemes, Flávio Resende Garcia IESA Projetos, Equipamentos e

Leia mais

V SBQEE COMPORTAMENTO DE GERADORES SÍNCRONOS TRIFÁSICOS ALIMENTANDO CARGAS NÃO LINEARES E DESEQUILIBRADAS. UMA ABORDAGEM ANALÍTICA E EXPERIMENTAL

V SBQEE COMPORTAMENTO DE GERADORES SÍNCRONOS TRIFÁSICOS ALIMENTANDO CARGAS NÃO LINEARES E DESEQUILIBRADAS. UMA ABORDAGEM ANALÍTICA E EXPERIMENTAL V SBQEE Seminário Brasileiro sobre Qualidade da Energia Elétrica 17 a 20 de Agosto de 2003 Aracaju Sergipe Brasil Código: AJU 03 091 Tópico: Modelagens e Simulações COMPORTAMENTO DE GERADORES SÍNCRONOS

Leia mais

EXCEDENTE REATIVO (EFEITOS NAS REDES E INSTALAÇÕES)

EXCEDENTE REATIVO (EFEITOS NAS REDES E INSTALAÇÕES) EXCEDENTE REATIVO (EFEITOS NAS REDES E INSTALAÇÕES) Baixos valores de fator de potência são decorrentes de quantidades elevadas de energia reativa. Essa condição resulta em aumento na corrente total que

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº043/2010

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº043/2010 CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº043/2010 NOME DA INSTITUIÇÃO: CIAPORTE SOLUÇÕES E SOFTWARE LTDA ME AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: Resolução /Normativa, 2010

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.050, DE 19 DE AGOSTO DE 2010.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.050, DE 19 DE AGOSTO DE 2010. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.050, DE 19 DE AGOSTO DE 2010. Homologa as tarifas de fornecimento de energia elétrica, as Tarifas de Uso dos Sistemas de Distribuição

Leia mais

Transformadores Para Instrumentos. Prof. Carlos Roberto da Silva Filho, M. Eng.

Transformadores Para Instrumentos. Prof. Carlos Roberto da Silva Filho, M. Eng. Transformadores Para Instrumentos Prof. Carlos Roberto da Silva Filho, M. Eng. Sumário 1. Tipos de Transformadores. 2. Transformadores de Corrente - TCs. 3. Transformadores de Potencial TPs. 4. Ligação

Leia mais

São Paulo - SP Brasil. Eficiência Elétrica no Campus da Universidade Federal de Mato Grosso

São Paulo - SP Brasil. Eficiência Elétrica no Campus da Universidade Federal de Mato Grosso XIX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2010 22 a 26 de novembro São Paulo - SP Brasil Eficiência Elétrica no Campus da Universidade Federal de Bernardo Dias São José Alyne Romeiro

Leia mais

3 Potência Reativa. 3.1. Definição

3 Potência Reativa. 3.1. Definição Potência Reativa 25 3 Potência Reativa A previsão de potência reativa tem significância técnica e econômica, pois o balanço de reativos em um Sistema de Energia Elétrica muitas vezes exige a instalação

Leia mais

Manual de Administração de Energia

Manual de Administração de Energia ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...3 2. INSTALAÇÕES ELÉTRICAS...4 2.1. Circuitos de Distribuição...4 2.2. Transformadores... 10 2.3. Fator de Potência... 15 3. ANÁLISE DE CONTAS DE ENERGIA ELÉTRICA... 20 3.1. Características

Leia mais

Efeito de Filtro Capacitivo na redução de ruídos e artefatos. harmônicos na rede elétrica

Efeito de Filtro Capacitivo na redução de ruídos e artefatos. harmônicos na rede elétrica Efeito de Filtro Capacitivo na redução de ruídos e artefatos harmônicos na rede elétrica Prof. Dr. Ernane José Xavier Costa; Eng o. MSc. Aldo Ivan Céspedes Arce; Eng a. Luciana Vieira Piza LAFAC- Laboratório

Leia mais

Afinal, o que Gerenciamento de Energia tem a ver com Automação Industrial?

Afinal, o que Gerenciamento de Energia tem a ver com Automação Industrial? Afinal, o que Gerenciamento de Energia tem a ver com Automação Industrial? Por Murilo Riet Correa* Da forma como vamos mostrar aqui (com controlador inteligente) tem tudo a ver com automação industrial.

Leia mais

MÉTODO ALTERNATIVO PARA A CORREÇÃO DOS EXCEDENTES REATIVOS NO CAMPUS DO PICI DA UFC

MÉTODO ALTERNATIVO PARA A CORREÇÃO DOS EXCEDENTES REATIVOS NO CAMPUS DO PICI DA UFC MÉTODO ALTERNATIVO PARA A CORREÇÃO DOS EXCEDENTES REATIVOS NO CAMPUS DO PICI DA UFC Abstract: The actions to be adopted for solution of reactive excesses are in a way mechanized now, because this is a

Leia mais

de Sistemas de Potência Aula 25 Compensação reativa Controles relacionados com a potência reativa disponíveis no sistema

de Sistemas de Potência Aula 25 Compensação reativa Controles relacionados com a potência reativa disponíveis no sistema Análise de Sistemas de Potência Aula 25 Compensação Reativa 7/06/2008 Compensação reativa O fluxo da potência reativa nos sistemas elétricos, está fortemente relacionado com a magnitude da tensão as perdas

Leia mais

Novo Medidor Eletrônico

Novo Medidor Eletrônico Novo Medidor Eletrônico Neste material, você encontra todas as informações sobre o novo equipamento que vai medir o consumo de energia elétrica da sua instalação. bandeirante Instalação do medidor eletrônico

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO CURSO DE FORMAÇÃO

CONCURSO DE ADMISSÃO CURSO DE FORMAÇÃO CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES 20 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 Seja um circuito RLC série alimentado por uma fonte de tensão e sem energia inicialmente armazenada.

Leia mais

CATÁLAGO TÉCNICO SOLUÇÕES EM ECONOMIA DE ÁGUA E ENERGIA.

CATÁLAGO TÉCNICO SOLUÇÕES EM ECONOMIA DE ÁGUA E ENERGIA. CATÁLAGO TÉCNICO MODELO TRIFÁSICO MODELO BIFÁSICO FILTRO REDU-LUZ O que é SISTEMA REDU-LUZ Trata-se de filtro de linha capacitivo, montado em caixa ABS, encapsulado em resina inífoga (não propagadora de

Leia mais

11. Dado o circuito abaixo, determine a capacitância equivalente do circuito, sabendo que:

11. Dado o circuito abaixo, determine a capacitância equivalente do circuito, sabendo que: TÉCNICO EM ELETRICIDADE 4 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÕES DE 11 A 25 11. Dado o circuito abaixo, determine a capacitância equivalente do circuito, sabendo que: C1 = 300µF C2 = C3 = 300µF C4 = C5 = C6

Leia mais

Levantamento da Característica de Magnetização do Gerador de Corrente Contínua

Levantamento da Característica de Magnetização do Gerador de Corrente Contínua Experiência IV Levantamento da Característica de Magnetização do Gerador de Corrente Contínua 1. Introdução A máquina de corrente contínua de fabricação ANEL que será usada nesta experiência é a mostrada

Leia mais

INDUTOR DE BLOQUEIO TRIFÁSICO PARA BANCO DE CAPACITORES

INDUTOR DE BLOQUEIO TRIFÁSICO PARA BANCO DE CAPACITORES INDUTOR DE BLOQUEIO TRIFÁSICO PARA BANCO DE CAPACITORES A Energia Elétrica vem se tornando, cada vez mais, um bem muito importante para a Indústria e, sua utilização eficiente deve ser um objetivo importante.

Leia mais

14 TARIFAS ENERGIA ELÉTRICA

14 TARIFAS ENERGIA ELÉTRICA 14.1 Introdução. 14 TARIFAS ENERGIA ELÉTRICA A Tarifa de energia elétrica tem como meta servir de referência sobre o custo da eletricidade para os consumidores. Uma tarifa justa deve refletir reais custos

Leia mais

Equipamentos Elétricos e Eletrônicos de Potência Ltda.

Equipamentos Elétricos e Eletrônicos de Potência Ltda. Equipamentos Elétricos e Eletrônicos de Potência Ltda. Confiança e economia na qualidade da energia. Recomendações para a aplicação de capacitores em sistemas de potência Antes de iniciar a instalação,

Leia mais

Perguntas e Respostas sobre a aplicação da Resolução Normativa nº 482/2012

Perguntas e Respostas sobre a aplicação da Resolução Normativa nº 482/2012 Perguntas e Respostas sobre a aplicação da Resolução Normativa nº 482/2012 Este documento tem caráter apenas orientativo e não tem força normativa. 1 O que é o Sistema de Compensação de Energia Elétrica?...

Leia mais

CDE4000 MANUAL 1. INTRODUÇÃO 2. SOFTWARE DE CONFIGURAÇÃO 3. COMUNICAÇÃO

CDE4000 MANUAL 1. INTRODUÇÃO 2. SOFTWARE DE CONFIGURAÇÃO 3. COMUNICAÇÃO CDE4000 MANUAL 1. INTRODUÇÃO O controlador CDE4000 é um equipamento para controle de demanda e fator de potência. Este controle é feito em sincronismo com a medição da concessionária, através dos dados

Leia mais

TÉCNICAS DE PROJETO DE BANCOS AUTOMÁTICOS PARA CORREÇÃO DE FATOR DE POTÊNCIA

TÉCNICAS DE PROJETO DE BANCOS AUTOMÁTICOS PARA CORREÇÃO DE FATOR DE POTÊNCIA TÉCNICAS DE PROJETO DE BANCOS AUTOMÁTICOS PARA CORREÇÃO DE FATOR DE POTÊNCIA BOLETIM TÉCNICO 19/07 1. POR QUE CORRIGIR O FATOR DE POTÊNCIA? A correção de fator de potência é importante, em primeiro lugar,

Leia mais

Energia Elétrica - Tarifação

Energia Elétrica - Tarifação Autores: Prof. José Márcio Costa - DEA/UFV Prof. Luís César Silva - CCA/UFES Energia Elétrica - Tarifação Fundamentação Para a adoção de estratégias para a otimização do uso de energia elétrica faz-se

Leia mais

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Avaliação do Sistema de Transformação em Subestações e Painéis de Média Tensão - Operação, Manutenção e Ensaios Eng. Marcelo Paulino Subestações

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE TECNOLOGIA DE ILUMINAÇÃO LED: UMA SOLUÇÃO PARA REDUÇÃO DE CONSUMO DE ENERGIA

IMPLEMENTAÇÃO DE TECNOLOGIA DE ILUMINAÇÃO LED: UMA SOLUÇÃO PARA REDUÇÃO DE CONSUMO DE ENERGIA IMPLEMENTAÇÃO DE TECNOLOGIA DE ILUMINAÇÃO LED: UMA SOLUÇÃO PARA REDUÇÃO DE CONSUMO DE ENERGIA Onofre Bueno Filho onofre.bueno@aedb.br AEDB Pedro Matheus Giupponi da Silva peddro_25@hotmail.com AEDB Kleverson

Leia mais

ENGENHEIRO ELETRICISTA

ENGENHEIRO ELETRICISTA ENGENHEIRO ELETRICISTA QUESTÃO 01 O projeto de uma S.E. consumidora prevê dois transformadores, operando em paralelo, com as seguintes características: 500kVA, 13800//220/127V, Z = 5% sob 13.8KV; I n =

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III 1. OBJETIVOS CARGA E DESCARGA DE UM CAPACITOR a) Levantar, em um circuito RC, curvas de tensão no resistor

Leia mais

Análises de Eficiência Energética em Métodos de Controle de Vazão

Análises de Eficiência Energética em Métodos de Controle de Vazão 6 a 1 de Outubro de 28 Olinda - PE Análises de Eficiência Energética em Métodos de Controle de Vazão Ronaldo R. B. de Aquino Zanoni D. Lins Pedro A. C. Rosas UFPE UFPE UFPE rrba@ufpe.br zdl@ufpe.br prosas@ufpe.br

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS PARTE 2

LISTA DE EXERCÍCIOS PARTE 2 UNIFEI - UNIERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ LISTA DE EXERCÍCIOS PARTE 2 MEDIDOR DE POTÊNCIA ATIA 1.1. Dispõe-se de um wattímetro para 1500W e 300. A escala tem 150 divisões. Pede-se: a) Corrente nominal do

Leia mais

ATPDRAW APLICADO À ANÁLISE BÁSICA DE CIRCUITOS ELÉTRICOS UM PREPARO PARA A PÓS-GRADUAÇÃO

ATPDRAW APLICADO À ANÁLISE BÁSICA DE CIRCUITOS ELÉTRICOS UM PREPARO PARA A PÓS-GRADUAÇÃO ATPDRAW APLICADO À ANÁLISE BÁSICA DE CIRCUITOS ELÉTRICOS UM PREPARO PARA A PÓS-GRADUAÇÃO Eduardo Contar econtar@gmail.com Universidade Federal do Mato Grosso do Sul, Departamento de Engenharia Elétrica

Leia mais