Cap. 14 Medição de Demanda

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cap. 14 Medição de Demanda"

Transcrição

1 Universidade Federal de Itajubá UNIFEI Cap. 14 Medição de Demanda Prof. Dr. Fernando Nunes Belchior

2 CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA

3 DEMANDA É a potência média durante um intervalo qualquer de tempo, medida por aparelho integrador (medidor de demanda). No Brasil este intervalo de tempo é adotado como sendo de 15 minutos. Em uma conta de energia elétrica, a demanda aparece com o seu valor expresso em quilowatt (kw). Ex.: Consideremos uma indústria na qual durante 15 minutos, ou parte dele, estiveram em funcionamento os seguintes equipamentos: um motor de 12 (kw) durante 10 minutos; um motor de 15 (kw) durante 6 minutos; um motor de 20 (kw) durante 15 minutos; um fomo de 30 (kw) durante 12 minutos; sistema de iluminação de 50 (kw) durante 15 minutos; sistema de ar condicionado de 10 (kw) durante 15 minutos. Nesses Prof. Fernando 15 minutos, Belchior qual será Junho/2014 o consumo de energia elétrica Cap. 14 da indústria Medição de? Demanda

4 Nesses 15 minutos a indústria teve um consumo de energia elétrica dado por: DEMANDA um motor de 12 (kw) durante 10 minutos; um motor de 15 (kw) durante 6 minutos; um motor de 20 (kw) durante 15 minutos; um fomo de 30 (kw) durante 12 minutos; sistema de iluminação de 50 (kw) durante 15 minutos; sistema de ar condicionado de 10 (kw) durante 15 minutos Consumo kwh = Consumo=29,5 kwh A demanda nestes 15 minutos será dada por: Consumo kwh 29,4 Demanda kw = Demanda= =118 Intervalo de tempo h kw 0,25

5 DEMANDA MÁXIMA e MÉDIA MÁXIMA é a demanda de maior valor verificada durante um certo período. Assim, se tivermos, por exemplo, os seguintes valores para a demanda (cada uma durante 15 minutos): 1 o valor - D 1 = 30 [kw]; 2 o valor - D 2 = 20 [kw]; 3º valor - D 3 = 35 [kw] 4º valor - D 4 = 20 [kw] Demanda máxima = 35 [kw] MÉDIA é a relação entre a quantidade de energia elétrica consumida durante um certo período de tempo, em kwh, e o número de horas do mesmo período. Assim, no exemplo dado no item anterior, temos para um período de 1 hora o seguinte valor para a demanda média: Demanda Média= 30.0, , , ,25 0,25 + 0,25 + 0,25 + 0,25 Demanda Média=26,25 kw

6 Durante o ano temos 7 meses de 31 dias, 4 meses de 30 dias e 1 mês de 28 dias. Calculando o número de horas destes meses e dividindo o resultado por 12, encontraremos o número de horas de um mês médio: Mês Médio = DEMANDA REGISTRADA e CONTRATADA 7 x 31 x x 30 x x 28 x = 730 horas Assim, em um mês de 730 horas temos 730 x 4, ou seja, intervalos de 15 minutos. Em cada um destes intervalos teremos um valor para a demanda. A máxima destas demandas, durante este período considerado para o faturamento pela concessionária de energia elétrica, será a demanda registrada. Demanda Contratada - é o valor de demanda pela qual a concessionária se compromete, por meio de um contrato, colocar a disposição do consumidor pelo tempo que vigorar o mesmo. Por outro lado, o consumidor tem que pagar esta demanda, mesmo que não a use em sua totalidade.

7 DEMANDA FATURADA Para fins de faturamento de consumidores do Grupo A (tensão igual ou superior a 2,3 kv, exceto rurais e sazonais), a componente de demanda cobrada pela concessionária será a maior dentre os seguintes valores: 1. Com a finalidade de estabelecer tarifas diferenciadas, a ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica) divide os consumidores de acordo com o nível de tensão da seguinte forma: Grupo A - para consumidores ligados em tensão igual ou superior a 2,3kV; Grupo B - para consumidores ligados em tensão inferior a 2,3kV. Os consumidores do grupo A são ainda subdivididos em subgrupos: Subgrupo A 1 A 2 A 3 A 3a A 4 A S Nível de Tensão 230 kv 88 kv a 138 kv 69 kv 30 kv a 44 kv 2,3 kv a 25 kv < 2,3 kv subterrâneo

8 DEMANDA FATURADA 2. Além da parte relativa a demanda (em kw), os consumidores do Grupo A pagam também o valor consumido de energia elétrica (em kwh). Esta é a chamada Tarifa Binômia. Tarifa Binômia = Tarifa de Demanda + Tarifa de Consumo A fatura de energia de um consumidor do grupo A é composta, na sua totalidade, dos seguintes elementos: Demanda (kw); Consumo (kwh); O empréstimo compulsório ou imposto único; Ajuste, se houver, por baixo fator de potência.

9 MEDIDOR DE DEMANDA TIPO MECÂNICO Existem aparelhos que combinam a medição da demanda e dos kw/h consumidos. O eixo do disco aciona mecanicamente e independentemente 2 dispositivos registradores: um dispositivo com engrenagens e respectivos ponteiros do mostrador, através dos quais são medidas e somadas as rotações do disco, em kw/h da energia consumida; um dispositivo de engrenagens e transmissões que, trabalhando em conjunto com um pequeno motor, soma as rotações do disco durante cada intervalo de 15 minutos em termos de kw de demanda.

10 MEDIDOR DE DEMANDA TIPO MECÂNICO (1) ponteiro de arrasto (preso ao disco 03); (2) ponteiro indicador de demanda máxima (preso ao mesmo eixo do disco D3); (3) parafuso sem fim; (4) disco; (5), (6) molas; (7) alavanca.

11 DEMANDA Antigamente, não havia estímulo, sob o ponto de vista custo/kwh, para um consumidor industrial fugir do horário de ponta do sistema elétrico das 17:00 as 22:00 horas. Podemos também definir período úmido (de dezembro de um ano até abril do ano seguinte) e período seco (de maio até novembro) onde ocorrem maiores e menores precipitações de água, respectivamente. O fornecimento de energia elétrica no período seco, por estar associado a um maior risco de déficit, tende a ser mais oneroso à concessionária do que o período úmido. Como consequência destes fatos, o governo estabeleceu a Tarifa horo-sazonal, que nada mais é do que a aplicação de preços diferenciados para a demanda e o consumo de energia de acordo com a hora do dia e o período do ano. Com estes preços diferenciados, o consumidor poderá reduzir suas despesas com energia elétrica utilizando pouca demanda no horário de ponta e otimizando seu consumo no período seco.

12 REGISTRADOR DIGITAL PARA TARIFAÇÃO DIFERENCIADA (RDTD) Pode-se estabelecer 4 segmentos horo-sazonais onde são atribuídos preços diferenciados para a demanda de potência e o consumo de energia: horário de ponta (P) em período seco; horário de ponta (P) em período úmido; horário fora de ponta (FP) em período seco; horário fora de ponta (FP) em período úmido.

13 REGISTRADOR DIGITAL PARA TARIFAÇÃO DIFERENCIADA (RDTD) Os registros dos valores das demandas e consumos nos horários de ponta e fora de ponta, bem como nos períodos seco e úmido, são feitos através do Registrador Digital para Tarifação Diferenciada (RDTD), ou similares, que é instalado pela concessionária. O RDTD é um equipamento eletrônico, com capacidade para captar, registrar, exibir e manter disponíveis as informações necessárias para o acompanhamento do consumo de energia elétrica e possibilitar desta forma a aplicação das tarifas diferenciadas. É um equipamento que possui um microprocessador para o seu controle: atualização do relógiocalendário, reconhecendo feriados, sábados e domingos, gerenciamento de sua memória de dados, etc. Os medidores de energia fornecem as grandezas necessárias que são registradas pelo RDTD. Através de um mostrador digital com vários dígitos e indicadores, o consumidor pode acompanhar as informações armazenadas em memória e informações sobre o período da tarifação vigente:

14 REGISTRADOR DIGITAL PARA TARIFAÇÃO DIFERENCIADA (RDTD) Os dois primeiros dígitos são utilizados para identificação da função (energia ativa, demanda, energia reativa, tensão, etc.) e os outros representam as leituras dos valores destas funções. Para obtermos as grandezas elétricas, os valores mostrados devem ser multiplicados por constantes específicas. Assim, se tivermos, por exemplo, uma leitura de energia ativa total (código 03) no mostrador com os dígitos devemos multiplicar o valor pela constante (por exemplo 30) onde encontraremos: ENERGlA ATlVA TOTAL = x 30 = KWh Se no período anterior a leitura foi: , então: ENERGlA ATlVA TOTAL = x 30 = KWh A diferença entre estes dois valores representa o consumo de energia no período considerado.

15 Curva de Carga do Sistema (dia útil) Conceituação e Objetivos

16 Comportamento do Consumo/Demanda de Energia ao Longo do Ano Curva A representa a disponibilidade média de água nos mananciais a ser represado nos reservatórios das UHE s (Usinas Hidrelétricas); Curva B - representa o comportamento médio do mercado de energia elétrica a nível nacional.

17 A finalidade da atribuição de preços diferenciados se justifica principalmente por motivos originados no sistema elétrico, tendo em vista a necessidade de: Estimular o deslocamento de parte da carga para horários em que o sistema elétrico estiver menos carregado; Orientar o consumo de energia para períodos do ano em que houver maior disponibilidade de água nos reservatórios das usinas.

18 A médio e longo prazo, a entrada no sistema elétrico de novos consumidores acarretará menores investimentos unitários, já que a consequente liberação da capacidade de atendimento, oriunda do deslocamento da carga e consumo, poderá ser usada no suprimento do novo mercado.

19 DEFINIÇÕES: 1 Horário de Ponta (P); 2 Horário Fora de Ponta (FP); 3 Período Seco; 4 Período Úmido; 5 Segmentos Horo-Sazonais; 6 Tarifa de Ultrapassagem.

20 Consumidor do Grupo A Universidade Federal de Itajubá - UNIFEI São aqueles atendidos em tensão de fornecimento igual ou superior a 2,3 kv ou ligados em baixa tensão em sistemas de distribuição subterrâneos mas considerados, para efeito de faturamento, como de alta tensão. ESTRUTURAS TARIFÁRIAS 1 Tarifa Convencional Demanda de Potência (kw) (contratada menor que 300kW) a) um preço único Consumo de Energia (kwh) a) um preço único

21 2 Tarifa Azul Demanda de Potência (kw) a) um preço para a ponta (P); b) um preço para fora de ponta (FP). Consumo de Energia (kwh) a) um preço para a ponta (P) em período úmido; b) um preço para fora de ponta (FP) em período úmido; c) um preço para a ponta (P) em período seco; d) um preço para fora de ponta (FP) em período seco.

22 3 Tarifa Verde Demanda de Potência (kw) a) um preço único. Consumo de Energia (kwh) a) um preço para a ponta (P) em período úmido; b) um preço para fora de ponta (FP) em período úmido; c) um preço para a ponta (P) em período seco; d) um preço para fora de ponta (FP) em período seco.

23 CONDIÇÕES DE APLICAÇÃO DAS TARIFAS 1 Tarifa Convencional 2 Tarifa Azul 3 Tarifa Verde CONTRATAÇÃO 1 Condições para Definição dos Valores de Demandas Contratadas na Tarifa Azul Devem ser observadas as seguintes condições, na fixação das demandas dos vários segmentos horosazonais:

24 A demanda contratada para o segmento fora de ponta do período úmido não poderá ser inferior aos valores fixados de 50 kw; As demandas contratadas para o horário de ponta (P) do período seco ou úmido não poderão ser superiores às demandas contratadas para o horário fora de ponta (FP) dos respectivos períodos; As demandas contratadas para o horário de ponta (P) e fora de ponta (FP) de um período seco não poderão ser superiores às respectivas demandas contratadas no período úmido. Contratação da Tarifa Azul

25 Contratação da Tarifa Azul

26 3 Ultrapassagem de Demanda Contratada

27 MEDIÇÃO DEMAIS CONDIÇÕES DE FORNECIMENTO FATURAMENTO 1 Faturamento da Demanda Critérios e Expressões de Cálculo Tarifa Convencional Onde: FD é o valor em reais relativo ao faturamento da demanda; D fat é a demanda faturável; TD é a tarifa de demanda. FD D TD fat

28 Tarifa Azul Contratação da Tarifa Azul FD D TD D TD fat p fat fp p Onde: FD é o valor em reais relativo ao faturamento da demanda; D fatp é a demanda faturável no horário de ponta; TD p é a tarifa de demanda de ponta; D fatfp é a demanda faturável no horário fora de ponta; TD fp é a tarifa de demanda fora de ponta. fp

29 Contratação da Tarifa Verde Tarifa Verde FD D TD fat Onde: FD é o valor em reais relativo ao faturamento da demanda; D fat é a demanda faturável; TD é a tarifa de demanda

30 2 Aplicação de Tarifa de Ultrapassagem (é cobrada apenas quando a demanda medida ultrapassa em mais de 10% a Demanda Contratada). O valor cobrado se refere a 2 (duas) vezes o valor da tarifa originalmente cobrada. Tarifa Convencional Tarifa Azul FD F F d p d fp

31 a) Ponta F DC TD DM DC TU d p p p p p p Onde: F dp é o valor em reais relativo ao faturamento da demanda no segmento de ponta; DC p é a demanda contratada no horário de ponta; TD p é a tarifa de demanda de ponta; DM p é a demanda medida no horário de ponta; TU p é a tarifa de ultrapassagem para o segmento de ponta.

32 b) Fora de Ponta F DC TD DM DC TU d fp fp fp fp fp fp Onde: F dfp fora de ponta; DC fp TD fp DM fp TU fp é o valor em reais relativo ao faturamento da demanda no segmento é a demanda contratada no horário fora de ponta; é a tarifa de demanda fora de ponta; é a demanda medida no horário fora de ponta; é a tarifa de ultrapassagem para o segmento fora de ponta.

33 Tarifa Verde FD DC TD DM DC TU Onde: FD é o valor em reais relativo ao faturamento da demanda; DC é a demanda contratada; TD é a tarifa de demanda; DM é a demanda medida; TU é a tarifa de ultrapassagem.

34 3 Faturamento de Consumo Tarifa Convencional FC C TC Onde: FC C TC é o valor em reais relativo ao faturamento de consumo; é o consumo medido durante o ciclo de faturamento; é a tarifa de consumo.

35 Tarifa Azul Onde: FC é o valor em reais relativo ao faturamento de consumo total; C p faturamento; TC p C fp faturamento; TC fp FC C TC C TC p p fp fp é o consumo medido no horário de ponta, durante o ciclo de é a tarifa de consumo no horário de ponta; é o consumo medido no horário fora de ponta, durante o ciclo de é a tarifa de consumo no horário fora de ponta.

36 Tarifa Verde Onde: FC é o valor em reais relativo ao faturamento de consumo total; C p faturamento; TC p C fp faturamento; TC fp FC C TC C TC p p fp fp é o consumo medido no horário de ponta, durante o ciclo de é a tarifa de consumo no horário de ponta; é o consumo medido no horário fora de ponta, durante o ciclo de é a tarifa de consumo no horário fora de ponta.

37 4 Total de Importe de Fornecimento I FD FC 5 Fator de Potência

38

39 EXEMPLO DE CÁLCULO 1 Sem Reprogramação de Carga 1.1 Situação Original do Consumidor Componentes Valores Típicos Demanda (kw) 490 Consumo (kwh)

40 1.2 Planilha de Levantamento de Cargas e Horários de Funcionamento

41 1.3 Levantamento das Demandas e Consumos na Ponta e Fora de Ponta

42 Quadro Para Levantamento de Consumo Diário

43 Total da Demanda e do Consumo Diário Considerando 22 dias úteis no mês Componentes Valores Ponta 440 Demanda (kw) Fora de Ponta 490 Consumo (kwh) Ponta 22*900 = Fora de Ponta 22*6.100 =

44 1.4 Cálculo dos Faturamentos (Contas) Tarifa Convencional TD = 4,47/kW; TC = 0,06547/kWh. DEMANDA CONSUMO Calculando-se: FT C = 490*4, *0,06547 FT C = R$ ,68

45 Tarifa Azul TD p = 11,81/kW; TD fp = 3,94/kW; TC p = 0,075086/kWh; TC fp = 0,03506/kWh. DEMANDA Calculando-se: FT A = 440*11, *3, *0, *0,03506 FT A = R$ ,75 CONSUMO

46 Tarifa Verde TD = 3,94/kW; TC p = 0,34827/kWh; TC fp = 0,03506/kWh. DEMANDA Calculando-se: FT V = 490*3, *0, *0,03506 FT V = R$ ,40 CONSUMO

47 Quadro Resumo dos Resultados Tarifa Faturamento Convencional R$ ,68 Azul R$ ,75 Verde R$ ,40 Pode-se observar, mantida a situação original, a melhor opção recai sobre a Tarifa Convencional que proporcionará economia de 7,9% de gastos em relação à Tarifa Azul e 9,3% em relação à Verde.

48 2 Com Reprogramação de Carga 2.1 Premissas Universidade Federal de Itajubá - UNIFEI 2.2 Planilha de Levantamento de Cargas e Horários de Funcionamento

49 2.3 Levantamento das Demandas e Consumos na Ponta e Fora de Ponta

50 1ª Reprogramação de Carga

51 Total da Demanda e do Consumo Diário Componentes Valores Demanda (kw) Ponta 200 Fora de Ponta 490 Consumo (kwh) Ponta Fora de Ponta Valores de Conta com Nova Situação Tarifa Faturamento Convencional R$ ,68 Azul R$ ,10 Verde R$ ,62

52 3 Com Nova Programação de Carga 3.1 Premissas 3.2 Planilha de Levantamento de Cargas e Horários de Funcionamento

53 3.3 Levantamento das Demandas e Consumos na Ponta e Fora de Ponta

54 2ª Reprogramação de Carga

55 Total da Demanda e do Consumo Diário Demanda (kw) Consumo (kwh) Componentes Valores Ponta 300 Fora de Ponta 490 Valores de Conta com Nova Situação Tarifa Ponta Fora de Ponta Faturamento Convencional R$ ,68 Azul R$ ,01 Verde R$ 9.397,03

56 Consumidor do Grupo B Universidade Federal de Itajubá - UNIFEI São aqueles atendidos em tensão de fornecimento inferior a 2,3 kv. ESTRUTURAS TARIFÁRIAS 1 Tarifa Branca (exceto para baixa renda B1 e B4) Consumo de Energia (kwh) SISTEMA QUE SERÁ OPÇÃO a) Tarifa em Horário de ponta; DO CONSUMIDOR EM 3 ANOS. b) Tarifa em Horário intermediário; c) Tarifa em Horário fora de ponta. 2 Tarifa Convencional Sistema Atual Consumo de Energia (kwh) a) Única Tarifa

57 CURVAS DE CARGA TÍPICAS

58 CURVAS DE CARGA TÍPICAS

59 Valores CEMIG Tarifas do Grupo A (Modalidade Convencional) Clientes Residenciais e Rurais DEMANDA ENERGIA (R$/kW) (R$/kWh) A3a (30 kv a 44 kv) R$ 47,41 R$ 0,16531 A4 (2,3 kv a 25 kv) R$ 47,55 R$ 0,16531 AS (Subterrâneo) R$ 84,60 R$ 0,16531

60 Valores CEMIG Tarifas do Grupo A (Modalidade THS Verde) TARIFA HORO-SAZONAL VERDE ENERGIA (R$/kWh) PONTA PONTA F. PONTA F.PONTA SUBGRUPO SECA UMIDA SECA UMIDA A3a (30 a 44 kv) R$ 1,32047 R$ 1,29547 R$ 0,16290 R$ 0,14839 A4 (2,3 a 25 kv) R$ 1,32445 R$ 1,29945 R$ 0,16290 R$ 0,14839 AS (Subterrâneo) R$ 1,36464 R$ 1,33964 R$ 0,16290 R$ 0,14839

61 Valores CEMIG Tarifas do Grupo A (Modalidade THS Verde) TARIFA DE ULTRAPASSAGEM - HORO-SAZONAL VERDE DEMANDA SUBGRUPO (R$/kW) A3a (30 a 44 kv) R$ 29,14 A4 (2,3 a 25 kv) R$ 29,18 AS (Subterrâneo) R$ 30,62 TARIFA HORO-SAZONAL VERDE DEMANDA SUBGRUPO (R$/kW) A3a (30 a 44 kv) R$ 14,57 A4 (2,3 a 25 kv) R$ 14,59 Prof. Fernando AS Belchior (Subterrâneo) Junho/2014 R$ Cap. 15,31 14 Medição de Demanda

62 Valores CEMIG Tarifas do Grupo A (Modalidade THS Azul) TARIFA HORO-SAZONAL AZUL DEMANDA (R$/kW) DEMANDA (R$/kW) SUBGRUPO PONTA F. PONTA A2 (88 a 138 kv) R$ 28,12 R$ 6,54 A3 (69 kv) R$ 39,92 R$ 10,70 A3a (30 a 44 kv) R$ 45,61 R$ 14,57 A4 (2,3 a 25 kv) R$ 45,78 R$ 14,59 AS (Subterrâneo) R$ 47,97 R$ 15,31

63 Valores CEMIG Tarifas do Grupo A (Modalidade THS Azul) TARIFA HORO-SAZONAL AZUL ENERGIA (R$/kWh) SUBGRUPO PONTA F. PONTA SECA UMIDA SECA UMIDA A1 (230 kv ou mais) R$ 0,00000 R$ 0,00000 R$ 0,00000 R$ 0,00000 A2 (88 a 138 kv) R$ 0,26135 R$ 0,23634 R$ 0,16290 R$ 0,14839 A3 (69 kv) R$ 0,26135 R$ 0,23634 R$ 0,16290 R$ 0,14839 A3a (30 a 44 kv) R$ 0,26135 R$ 0,23634 R$ 0,16290 R$ 0,14839 A4 (2,3 a 25 kv) R$ 0,26135 R$ 0,23634 R$ 0,16290 R$ 0,14839 AS (Subterrâneo) R$ 0,26135 R$ 0,23634 R$ 0,16290 R$ 0,14839

64 Valores CEMIG Tarifas do Grupo A (Modalidade THS Azul) TARIFA DE ULTRAPASSAGEM - HORO-SAZONAL AZUL DEMANDA (R$/kW) SUBGRUPO PONTA F. PONTA A2 (88 a 138 kv) R$ 56,24 R$ 13,08 A3 (69 kv) R$ 79,84 R$ 21,40 A3a (30 a 44 kv) R$ 91,22 R$ 29,14 A4 (2,3 a 25 kv) R$ 91,56 R$ 29,18 AS (Subterrâneo) R$ 95,94 R$ 30,62

65 Consumidor do sub-grupo A4, ao período seco, encontre a melhor opção para tarifação convencional, verde ou azul. É válido destacar que a parcela de ultrapassagem é cobrada apenas quando a demanda medida ultrapassa a Demanda Contratada acima dos limites de tolerância (10%). DC p = 500 kw; DC fp = kw; DM p = 570 kw; DM fp = kw; CM p = kwh; CM fp = kwh. CONSIDERAR AS TARIFAS DA CEMIG.

66 Obrigado pela atenção!! FIM

Energia Elétrica - Tarifação

Energia Elétrica - Tarifação Autores: Prof. José Márcio Costa - DEA/UFV Prof. Luís César Silva - CCA/UFES Energia Elétrica - Tarifação Fundamentação Para a adoção de estratégias para a otimização do uso de energia elétrica faz-se

Leia mais

Demanda e Fator de Potência. Qualidade e Eficiência Energética

Demanda e Fator de Potência. Qualidade e Eficiência Energética Demanda e Fator de Potência Qualidade e Eficiência Energética 4 Agenda Agenda Qualidade e Eficiência Energética 7 Legislação sobre Eficiência Energética Plano Nacional de Energia ISO 51000 Sistemas de

Leia mais

Tarifas de Fornecimento de Energia Elétrica

Tarifas de Fornecimento de Energia Elétrica Tarifas de Fornecimento de Energia Elétrica Conceitos Básicos: Os consumidores de energia elétrica pagam um valor correspondente à quantidade de energia elétrica consumida, no mês anterior, estabelecida

Leia mais

QUADRO DE DISTRIBUIÇÃO CAPÍTULO 03

QUADRO DE DISTRIBUIÇÃO CAPÍTULO 03 QUADRO DE DISTRIBUIÇÃO CAPÍTULO 03 2 Capítulo 03 QUADRO DE DISTRIBUIÇÃO Figura 01 Entrada de energia residencial Figura 02 Quadro de Distribuição Monofásico com DR (Disjuntor ou Interruptor) Geral 3 Figura

Leia mais

Soluções Schneider Electric voltadas à Eficiência Energética

Soluções Schneider Electric voltadas à Eficiência Energética Soluções Schneider Electric voltadas à Eficiência Energética Sistemas para Gerenciamento de Energia Fundação Santo André 25/03/08 Por: Eng. André F. Obst Depto. de Eficiência Energética Objetivo Entender

Leia mais

Uma iniciativa da Coelce com o objetivo de prover ferramentas simples de análise aos gestores de conta de energia de alta tensão.

Uma iniciativa da Coelce com o objetivo de prover ferramentas simples de análise aos gestores de conta de energia de alta tensão. Curso Gestor de Conta Prof. Tomaz Nunes Departamento Engenharia Elétrica - UFC Gerência de Grandes Clientes 1 conta Objetivo Uma iniciativa da Coelce com o objetivo de prover ferramentas simples de análise

Leia mais

Gerência de Grandes Clientes GRGC Superintendência ncia de Atendimento SPA

Gerência de Grandes Clientes GRGC Superintendência ncia de Atendimento SPA Gerência de Grandes Clientes GRGC Superintendência ncia de Atendimento SPA Resolução Normativa N. 414/2010 Nacional de Energia Elétrica (ANEEL): Agência Estabelece as condições gerais de Fornecimento de

Leia mais

Março 2007 DT 001_REV 01

Março 2007 DT 001_REV 01 Março 2007 DT 001_REV 01 SUMÁRIO 1 OBJETIVO... 2 CONCEITO BÁSICO SOBRE TARIFA DE ENERGIA ELÉTRICA... 2.1 Classes e subclasses de consumo... 2.2 Componentes das Tarifas de Energia Elétrica... 3 ESTRUTURA

Leia mais

INFORMAÇÕES TÉCNICAS TERMINOLOGIA (parte integrante do site www.cocel.com.br)

INFORMAÇÕES TÉCNICAS TERMINOLOGIA (parte integrante do site www.cocel.com.br) INFORMAÇÕES TÉCNICAS TERMINOLOGIA (parte integrante do site www.cocel.com.br) 1. Concessionária ou Permissionária - Agente titular de concessão ou permissão federal para explorar a prestação de serviços

Leia mais

APLICAÇÃO DAS TARIFAS ENERGÉTICAS EM SISTEMAS DE IRRIGAÇÃO 1. INTRODUÇÃO

APLICAÇÃO DAS TARIFAS ENERGÉTICAS EM SISTEMAS DE IRRIGAÇÃO 1. INTRODUÇÃO APLICAÇÃO DAS TARIFAS ENERGÉTICAS EM SISTEMAS DE IRRIGAÇÃO CARLOS ROGERIO DE MELLO 1 JACINTO DE ASSUNÇÃO CARVALHO 2 1. INTRODUÇÃO O consumo de energia elétrica no Brasil é cada vez maior, por ser fruto

Leia mais

DEMANDA Sob Controle. Halten Soluções Técnicas. Elaborado por : Ronaldo Paixão 24-8124-1598 / 24-2245-6401 www.halten.com.br ronaldo@halten.com.

DEMANDA Sob Controle. Halten Soluções Técnicas. Elaborado por : Ronaldo Paixão 24-8124-1598 / 24-2245-6401 www.halten.com.br ronaldo@halten.com. DEMANDA Sob Controle Halten Soluções Técnicas Elaborado por : Ronaldo Paixão 24-8124-1598 / 24-2245-6401 www.halten.com.br ronaldo@halten.com.br INTRODUÇÃO Para a adoção de estratégias para a otimização

Leia mais

Gerenciamento de Energia

Gerenciamento de Energia Gerenciamento de Energia Mapa do Cenário Brasileiro Capacidade total de quase 88.500MW; Geração de 82.000MW; Transmissão de 80.000Km maiores que 230kV; mais de 530 usinas e subestações; 47 milhões de consumidores.

Leia mais

MANUAL SOBRE CONTRATOS DE ENERGIA ELÉTRICA E ESTRUTURA TARIFÁRIA 2012

MANUAL SOBRE CONTRATOS DE ENERGIA ELÉTRICA E ESTRUTURA TARIFÁRIA 2012 MANUAL SOBRE CONTRATOS DE ENERGIA ELÉTRICA E ESTRUTURA TARIFÁRIA 2012 Unidade Responsável: DCAL/SCRLP Data de elaboração: 17/10/2012 As orientações constantes neste manual foram retiradas das Notas Técnicas

Leia mais

4 Fator de carga e fator de demanda: conceituação

4 Fator de carga e fator de demanda: conceituação 4 Fator de carga e fator de demanda: conceituação 4.1. Fator de carga (FC) Segundo a resolução a normativa nº 414 de 9 de setembro de 2010 da ANEEL, o fator de carga é definido como sendo a razão entre

Leia mais

6. EXECUÇÃO DO PROJETO ELÉTRICO EM MÉDIA TENSÃO 6.1 DIMENSIONAMENTO DO TRANSFORMADOR

6. EXECUÇÃO DO PROJETO ELÉTRICO EM MÉDIA TENSÃO 6.1 DIMENSIONAMENTO DO TRANSFORMADOR 6. EXECUÇÃO DO PROJETO ELÉTRICO EM MÉDIA TENSÃO 6.1 DIMENSIONAMENTO DO TRANSFORMADOR Basicamente o transformador da subestação é dimensionado pela demanda da empresa no qual será instalado, porém este

Leia mais

Faturamento de Reativo pelas Concessionárias de Energia Elétrica

Faturamento de Reativo pelas Concessionárias de Energia Elétrica Faturamento de Reativo pelas Concessionárias de Energia Elétrica Departamento de Pesquisa e Desenvolvimento - CP Eletrônica S.A. Rua da Várzea 379 CEP: 91040-600 Porto Alegre RS Brasil Fone: (51)2131-2407

Leia mais

Simulador de Custos de Contratação de Energia para Grandes Consumidores

Simulador de Custos de Contratação de Energia para Grandes Consumidores Simulador de Custos de Contratação de Energia para Grandes Consumidores Aluno: Bruna dos Guaranys Martins Orientador: Delberis Araújo Lima Projeto: 1011 Introdução No Brasil, existem diferentes tipos de

Leia mais

PROPOSTA DE AUTOGERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO HORÁRIO DE PONTA

PROPOSTA DE AUTOGERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO HORÁRIO DE PONTA PROPOSTA DE AUTOGERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO HORÁRIO DE PONTA ERIC LENON PETRILLI 1 ; LEANDRO LOPES DE SOUSA 2 ; VALDIR SIMEÃO LEITE 3 ; JOSÉ ANTONIO DE CAMPOS BADIN 4 1 Graduando do Curso de Tecnologia

Leia mais

PRÉ - DIAGNÓSTICO ENERGÉTICO GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO JULHO 2006

PRÉ - DIAGNÓSTICO ENERGÉTICO GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO JULHO 2006 PRÉ - DIAGNÓSTICO ENERGÉTICO GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO JULHO 2006 Participantes: Gerente do Projeto: João Carlos R. Aguiar Aquecimento de água: Evandro Camelo e Eduardo Souza Ar Condicionado: Sérgio M.

Leia mais

EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA: UMA MANEIRA DE REDUZIR OS CUSTOS COM ENERGIA ELÉTRICA

EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA: UMA MANEIRA DE REDUZIR OS CUSTOS COM ENERGIA ELÉTRICA EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA: UMA MANEIRA DE REDUZIR OS CUSTOS COM ENERGIA ELÉTRICA Vanderlei Rodrigues Schneider 1 Wanderlei José Ghilardi 2 Alexandre Pozzatti Guarienti 3 RESUMO Atualmente, com a grande

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.050, DE 19 DE AGOSTO DE 2010.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.050, DE 19 DE AGOSTO DE 2010. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.050, DE 19 DE AGOSTO DE 2010. Homologa as tarifas de fornecimento de energia elétrica, as Tarifas de Uso dos Sistemas de Distribuição

Leia mais

6 Tarifação da Energia Elétrica

6 Tarifação da Energia Elétrica 69 6 Tarifação da Energia Elétrica A tarifa de energia se compõe de três custos: custo de geração de energia, custo do transporte de energia até as casas por fios, ou seja, custo de transmissão e distribuição

Leia mais

As mudanças na tarifa. Abril de 2015

As mudanças na tarifa. Abril de 2015 As mudanças na tarifa Abril de 2015 1 Visão Geral da Energia Usina Térmica Usina Eólica 2 Visão Geral da Energia Usina Térmica Usina Eólica TARIFA Energia Transporte Encargos Distribuição Impostos 3 Irrigantes

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS PARTE 2

LISTA DE EXERCÍCIOS PARTE 2 UNIFEI - UNIERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ LISTA DE EXERCÍCIOS PARTE 2 MEDIDOR DE POTÊNCIA ATIA 1.1. Dispõe-se de um wattímetro para 1500W e 300. A escala tem 150 divisões. Pede-se: a) Corrente nominal do

Leia mais

MANUAL DE TARIFAÇÃO ENERGIA ELÉTRICA

MANUAL DE TARIFAÇÃO ENERGIA ELÉTRICA MANUAL DE TARIFAÇÃO DA ENERGIA ELÉTRICA PROGRAMA NACIONAL DE CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA 1ª Edição - MAIO/2001 Índice 1. INTRODUÇÃO... 5 2. DEFINIÇÕES E CONCEITOS... 5 3. CLASSIFICAÇÃO DOS CONSUMIDORES...

Leia mais

GDE4000. Controlador de Demanda

GDE4000. Controlador de Demanda Controlador de Demanda Funções avançadas de controle de demanda e fator de potência Seleção de cargas por prioridade e por potências Flexibilidade na programação de demandas sazonais Simulação de fatura

Leia mais

GDE4000. Gerenciador de Energia

GDE4000. Gerenciador de Energia Gerenciador de Energia Funções avançadas de controle de demanda e fator de potência Seleção de cargas por prioridade e por potências Flexibilidade na programação de demandas sazonais Simulação de fatura

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 669, DE 24 DE JUNHO DE 2008

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 669, DE 24 DE JUNHO DE 2008 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 669, DE 24 DE JUNHO DE 2008 Homologa as tarifas de fornecimento de energia elétrica e as Tarifas de Uso dos Sistemas de Distribuição

Leia mais

14 TARIFAS ENERGIA ELÉTRICA

14 TARIFAS ENERGIA ELÉTRICA 14.1 Introdução. 14 TARIFAS ENERGIA ELÉTRICA A Tarifa de energia elétrica tem como meta servir de referência sobre o custo da eletricidade para os consumidores. Uma tarifa justa deve refletir reais custos

Leia mais

Eletrotécnica Geral. Lista de Exercícios 2

Eletrotécnica Geral. Lista de Exercícios 2 ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PEA - Departamento de Engenharia de Energia e Automação Elétricas Eletrotécnica Geral Lista de Exercícios 2 1. Condutores e Dispositivos de Proteção 2. Fornecimento

Leia mais

Utilização de grupos geradores diesel em horário de ponta

Utilização de grupos geradores diesel em horário de ponta Utilização de grupos geradores diesel em horário de ponta James Masseroni 1 Cristina Maria de Oliveira 2 Resumo: Como tentativa de reduzir o pico de carga que ocorre no final da tarde e início da noite,

Leia mais

CDE4000 MANUAL 1. INTRODUÇÃO 2. SOFTWARE DE CONFIGURAÇÃO 3. COMUNICAÇÃO

CDE4000 MANUAL 1. INTRODUÇÃO 2. SOFTWARE DE CONFIGURAÇÃO 3. COMUNICAÇÃO CDE4000 MANUAL 1. INTRODUÇÃO O controlador CDE4000 é um equipamento para controle de demanda e fator de potência. Este controle é feito em sincronismo com a medição da concessionária, através dos dados

Leia mais

Sitec Power Soluções em Energia ENERGIA REATIVA E FATOR DE POTÊNCIA

Sitec Power Soluções em Energia ENERGIA REATIVA E FATOR DE POTÊNCIA ENERGIA REATIVA E FATOR DE POTÊNCIA O QUE É ENERGIA ATIVA E REATIVA? Sim, mas apesar de necessária, a utilização de Energia Reativa deve ser a menor possível. O excesso de Energia Reativa exige condutores

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE TECNOLOGIA DE ILUMINAÇÃO LED: UMA SOLUÇÃO PARA REDUÇÃO DE CONSUMO DE ENERGIA

IMPLEMENTAÇÃO DE TECNOLOGIA DE ILUMINAÇÃO LED: UMA SOLUÇÃO PARA REDUÇÃO DE CONSUMO DE ENERGIA IMPLEMENTAÇÃO DE TECNOLOGIA DE ILUMINAÇÃO LED: UMA SOLUÇÃO PARA REDUÇÃO DE CONSUMO DE ENERGIA Onofre Bueno Filho onofre.bueno@aedb.br AEDB Pedro Matheus Giupponi da Silva peddro_25@hotmail.com AEDB Kleverson

Leia mais

Analisando graficamente o exemplo das lâmpadas coloridas de 100 W no período de três horas temos: Demanda (W) a 100 1 100 100.

Analisando graficamente o exemplo das lâmpadas coloridas de 100 W no período de três horas temos: Demanda (W) a 100 1 100 100. Consumo Consumo refere-se à energia consumida num intervalo de tempo, ou seja, o produto da potência (kw) da carga pelo número de horas (h) em que a mesma esteve ligada. Analisando graficamente o exemplo

Leia mais

6 Simulação de tarifas de energia elétrica

6 Simulação de tarifas de energia elétrica 6 Simulação de tarifas de energia elétrica Concluída a construção da ferramenta computacional, foi possível realizar as simulações utilizando as funcionalidades para a qual esta foi desenhada. Os estágios

Leia mais

Novo Medidor Eletrônico

Novo Medidor Eletrônico Novo Medidor Eletrônico Neste material, você encontra todas as informações sobre o novo equipamento que vai medir o consumo de energia elétrica da sua instalação. bandeirante Instalação do medidor eletrônico

Leia mais

TARIFA BRANCA E BANDEIRAS TARIFÁRIAS VISÃO DA ANEEL

TARIFA BRANCA E BANDEIRAS TARIFÁRIAS VISÃO DA ANEEL TARIFA BRANCA E BANDEIRAS TARIFÁRIAS VISÃO DA ANEEL Diego Luís Brancher Especialista em Regulação Chapecó/SC 27/11/2014 PROGRAMA 1.BANDEIRAS TARIFÁRIAS DÚVIDAS 2.TARIFA BRANCA DÚVIDAS 2 BANDEIRAS TARIFÁRIAS

Leia mais

Manual de Administração de Energia

Manual de Administração de Energia ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...3 2. INSTALAÇÕES ELÉTRICAS...4 2.1. Circuitos de Distribuição...4 2.2. Transformadores... 10 2.3. Fator de Potência... 15 3. ANÁLISE DE CONTAS DE ENERGIA ELÉTRICA... 20 3.1. Características

Leia mais

Carga dos alimentadores

Carga dos alimentadores 50 Análise de consumo de energia e aplicações Capítulo V Carga dos alimentadores Por Manuel Luís Barreira Martinez* Em continuidade ao capítulo anterior, Locação de cargas métodos para a locação de carga

Leia mais

ANÁLISE DOS BENEFÍCIOS DA ADESÃO À TARIFA BRANCA COMO FORMA DE GESTÃO ENERGÉTICA RESIDENCIAL

ANÁLISE DOS BENEFÍCIOS DA ADESÃO À TARIFA BRANCA COMO FORMA DE GESTÃO ENERGÉTICA RESIDENCIAL ANÁLISE DOS BENEFÍCIOS DA ADESÃO À TARIFA BRANCA COMO FORMA DE GESTÃO ENERGÉTICA RESIDENCIAL Samir de Oliveira Ferreira (UTFPR ) sferreira@utfpr.edu.br Filipe Marangoni (UTFPR ) fi.marangoni@gmail.com

Leia mais

ANÁLISE TARIFÁRIA E OTIMIZAÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA: ESTUDO DE CASO EM INDÚSTRIA DE EMBALAGENS PLÁSTICAS

ANÁLISE TARIFÁRIA E OTIMIZAÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA: ESTUDO DE CASO EM INDÚSTRIA DE EMBALAGENS PLÁSTICAS ANÁLISE TARIFÁRIA E OTIMIZAÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA: ESTUDO DE CASO EM INDÚSTRIA DE EMBALAGENS PLÁSTICAS Rafael Nishimura, Saulo Gomes Moreira, Wellington Rocha Araújo, Amâncio R. da Silva Júnior, Gervásio

Leia mais

A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A. Módulo 7: Estrutura Tarifária das Concessionárias de Distribuição

A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A. Módulo 7: Estrutura Tarifária das Concessionárias de Distribuição A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A Módulo 7: Estrutura Tarifária das Concessionárias de Distribuição S u b m ó d u l o 7. 1 P R O C E D I M E N T O S G E R A I S Revisão 1.0

Leia mais

Análise do comportamento do consumo de água e energia elétrica do Edifício Ouro Negro

Análise do comportamento do consumo de água e energia elétrica do Edifício Ouro Negro Análise do comportamento do consumo de água e energia elétrica do Edifício Ouro Negro dezembro-08 1) População fixa Como parte da análise que será apresentada, considera-se importante também o acompanhamento

Leia mais

Mercado de Energia Elétrica

Mercado de Energia Elétrica Centro Universitário Fundação Santo André MBA Gestão de Energia Mercado de Energia Elétrica Prof. Eduardo Matsudo AULA 03 Santo André, 16 de maio de 2011 Tópicos do lado da demanda de energia elétrica

Leia mais

Processos de medição das grandezas elétricas e térmicas em prédios comerciais e públicos

Processos de medição das grandezas elétricas e térmicas em prédios comerciais e públicos Processos de medição das grandezas elétricas e térmicas em prédios comerciais e públicos 1.0 Apresentação Este Relatório Preliminar apresenta uma sugestão de processos de medição dos resultados da aplicação

Leia mais

ICMS SOBRE A DEMANDA CONTRATADA

ICMS SOBRE A DEMANDA CONTRATADA ICMS SOBRE A DEMANDA CONTRATADA 09/2008 Canal Energia Desde o acórdão proferido pela Segunda Turma do Superior Tribunal de Justiça, no Recurso Especial - RESP 222810/MG (1999/00618904), no qual decidiu

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.774, DE 12 DE AGOSTO DE 2014

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.774, DE 12 DE AGOSTO DE 2014 AGÊNCIA CIOL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.774, DE 12 DE AGOSTO DE 2014 Nota Técnica n 253/2014-SRE/ANEEL Homologa o resultado do Reajuste Tarifário Anual de 2014 e fixa as Tarifas

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO CURSO DE FORMAÇÃO

CONCURSO DE ADMISSÃO CURSO DE FORMAÇÃO CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES 20 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 Seja um circuito RLC série alimentado por uma fonte de tensão e sem energia inicialmente armazenada.

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.713, DE 15 DE ABRIL DE 2014.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.713, DE 15 DE ABRIL DE 2014. AGÊNCIA CIOL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.713, DE 15 DE ABRIL DE 2014. Homologa as Tarifas de Energia TEs e as Tarifas de Uso dos Sistemas de Distribuição TUSDs referentes à Companhia

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 356, DE 3 DE JULHO DE 2006

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 356, DE 3 DE JULHO DE 2006 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 356, DE 3 DE JULHO DE 2006 Homologa as tarifas de fornecimento de energia elétrica e as Tarifas de Uso dos Sistemas de Distribuição

Leia mais

Cartilha Energia. Como Analisar Gastos com Energia Elétrica. Ser sustentável é ser eficiente na utilização de recursos públicos.

Cartilha Energia. Como Analisar Gastos com Energia Elétrica. Ser sustentável é ser eficiente na utilização de recursos públicos. Cartilha Energia Como Analisar Gastos com Energia Elétrica Ser sustentável é ser eficiente na utilização de recursos públicos. 1 Normalização Bibliográfica: CODIN/CGPLA/DIPLA B823c Brasil. Ministério do

Leia mais

Manual de Tarifação da Energia Elétrica

Manual de Tarifação da Energia Elétrica Manual de Tarifação da Energia Elétrica Agosto/2011 ELETROBRAS Av. Presidente Vargas, 409 13 andar Centro Rio de Janeiro 20071-003 Caixa Postal 1639 Tel: 21 2514 5151 www.eletrobras.com PROCEL - Programa

Leia mais

INFORMATIVO MENSAL FEV.2015

INFORMATIVO MENSAL FEV.2015 JAN MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ JAN MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ JAN INFORMATIVO MENSAL.215 Preço de Liquidação das Diferenças 45, 4, 35, 3, 25, 2, PLD Médio /215 PLD TETO 388,48

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.815, DE 29 DE OUTUBRO DE 2014

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.815, DE 29 DE OUTUBRO DE 2014 AGÊNCIA CIOL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.815, DE 29 DE OUTUBRO DE 2014 Voto Homologa o resultado do Reajuste Tarifário Anual de 2014 e fixa as Tarifas de Energia TEs e as Tarifas

Leia mais

GERENCIAMENTO PELO LADO DA DEMANDA - MÉTODOS DIRETO, INDIRETO E INCENTIVADO

GERENCIAMENTO PELO LADO DA DEMANDA - MÉTODOS DIRETO, INDIRETO E INCENTIVADO STC/ 13 17 à 22 de outubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil SESSÃO TÉCNICA ESPECIAL CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA (STC) GERENCIAMENTO PELO LADO DA DEMANDA - MÉTODOS DIRETO, INDIRETO E INCENTIVADO

Leia mais

Cadernos Temáticos ANEEL Tarifas de Fornecimento de Energia Elétrica

Cadernos Temáticos ANEEL Tarifas de Fornecimento de Energia Elétrica Agência Nacional de Energia Elétrica 4 Cadernos Temáticos ANEEL Tarifas de Fornecimento de Energia Elétrica Brasília DF Abril 2005 Agência Nacional de Energia Elétrica - ANEEL Diretoria Diretor-Geral Jerson

Leia mais

1.2. Estado da arte.

1.2. Estado da arte. 1. Introdução A história recente do Sistema Elétrico Brasileiro é interessante. Depois de um longo período de monopólio estatal, o setor passou por profundas mudanças legais para tentar aumentar a eficiência

Leia mais

VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH A importância da Geração Distribuída num momento de crise energética

VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH A importância da Geração Distribuída num momento de crise energética VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH A importância da Geração Distribuída num momento de crise energética Copel Distribuição S.A Vlademir Daleffe 25/03/2015 1 VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH 1. Composição tarifária

Leia mais

ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 008/2008 NOME DA INSTITUIÇÃO: COMPANHIA PAULISTA DE TRENS METROPOLITANOS - CPTM

ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 008/2008 NOME DA INSTITUIÇÃO: COMPANHIA PAULISTA DE TRENS METROPOLITANOS - CPTM ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 008/2008 NOME DA INSTITUIÇÃO: COMPANHIA PAULISTA DE TRENS METROPOLITANOS - CPTM AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: AVISO

Leia mais

COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA NO MERCADO LIVRE

COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA NO MERCADO LIVRE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA NO MERCADO LIVRE AGENDA CARACTERISTICAS CONSUMIDOR LIVRE ESPECIAL; CUSTO DE OPORTUNIDADE ENTRE MERCADO LIVRE E MERCADO CATIVO; ESTUDOS DE CASO; HISTÓRICO E VOLATILIDADE DOS PREÇOS

Leia mais

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EDER FABIANO MÜLLER

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EDER FABIANO MÜLLER UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EDER FABIANO MÜLLER DESENVOLVIMENTO DE UM CONTROLADOR DE DEMANDA E FATOR DE POTÊNCIA INDUTIVO Canoas, Julho

Leia mais

Eficiência Energética Chocolates Garoto

Eficiência Energética Chocolates Garoto Eficiência Energética Chocolates Garoto 1 CARACTERÍSTICAS DA EMPRESA Nome fantasia: Chocolates Garoto Ramo de atividade: Alimentício Localização: Vila Velha / ES Estrutura tarifária: Horo-sazonal Azul

Leia mais

A metodologia proposta pela WEG para realizar este tipo de ação será apresentada a seguir.

A metodologia proposta pela WEG para realizar este tipo de ação será apresentada a seguir. Eficiência Energética Buaiz Alimentos 1 CARACTERÍSTICAS DA EMPRESA Nome fantasia: Buaiz Alimentos Ramo de atividade: Alimentício Localização: Vitória / ES Estrutura tarifária: Horo-sazonal Azul A4 Demanda

Leia mais

Eficientização Energética em Delegacias de Polícia

Eficientização Energética em Delegacias de Polícia Eficientização Energética em Delegacias de Polícia Antônio Afonso Gomes Júnior e Gabriel de Oliveira Brandão e Gomes Resumo As ações de eficiência energética em delegacias e batalhões de polícia, sediados

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.809, DE 21 DE OUTUBRO DE 2014

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.809, DE 21 DE OUTUBRO DE 2014 AGÊNCIA CIOL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.809, DE 21 DE OUTUBRO DE 2014 Homologa o resultado do Reajuste Tarifário Anual de 2014 e fixa as Tarifas de Energia TEs e as Tarifas

Leia mais

Análise da Migração de uma Unidade Consumidora para o Mercado Livre de Energia

Análise da Migração de uma Unidade Consumidora para o Mercado Livre de Energia 1 Análise da Migração de uma Unidade Consumidora para o Mercado Livre de Energia Arnulfo Barroso de Vasconcellos, Dr.; Sthefany Campos Camolesi, Acad.; Luciana Oliveira da Silva, Eng.; Erika Tiemi Anabuki,

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 386, DE 19 DE OUTUBRO DE 2006

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 386, DE 19 DE OUTUBRO DE 2006 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 386, DE 19 DE OUTUBRO DE 2006 Homologa as tarifas de fornecimento de energia elétrica, fixa as Tarifas de Uso dos Sistemas de Distribuição

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO Nº 71, DE 7 DE FEVEREIRO DE 2002.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO Nº 71, DE 7 DE FEVEREIRO DE 2002. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO Nº 71, DE 7 DE FEVEREIRO DE 2002. Estabelece critérios e procedimentos para a definição de encargos tarifários relativos à aquisição de energia elétrica

Leia mais

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 001/2014. Pregão Presencial nº 009/2014

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 001/2014. Pregão Presencial nº 009/2014 ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 001/2014 Pregão Presencial nº 009/2014 Aos 17 dias do mês de abril de 2014, na sala de licitações da CENTRAIS ELÉTRICAS DE CARAZINHO S/A. ELETROCAR, com sede na Av. Pátria,

Leia mais

C O N T R A T O CT20050054

C O N T R A T O CT20050054 C O N T R A T O CT20050054 DE FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA HORO-SAZONAL QUE, ENTRE SI, FAZEM A COMPANHIA ENERGÉTICA DE BRASÍLIA - CEB E SENADO FEDERAL, NA FORMA E SOB AS CONDIÇÕES ABAIXO: A COMPANHIA

Leia mais

CRITÉRIOS DE CONTRATAÇÃO E TARIFAS APLICADAS

CRITÉRIOS DE CONTRATAÇÃO E TARIFAS APLICADAS 1 Manual de Orientação aos Consumidores MANUAL DE ORIENTAÇÃO AOS CONSUMIDORES CRITÉRIOS DE CONTRATAÇÃO E TARIFAS APLICADAS GRUPO A BANDEIRANTE CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA Critérios

Leia mais

Tarifas e Taxas. Os preços das Normas Técnicas são estipulados pela Celesc Distribuição. Obs.: Tarifas sem incidência de impostos.

Tarifas e Taxas. Os preços das Normas Técnicas são estipulados pela Celesc Distribuição. Obs.: Tarifas sem incidência de impostos. Tarifas e Taxas As tarifas de energia elétrica e os preços dos serviços expostos nesta tabela são estabelecidos pela Resolução Homologatória 1.183, de 02 de agosto de 2011, da Agência Nacional de Energia

Leia mais

PROGRAMA IMOBILIG - MANUAL DE ORIENTAÇÃO E PROCEDIMENTOS

PROGRAMA IMOBILIG - MANUAL DE ORIENTAÇÃO E PROCEDIMENTOS PROGRAMA IMOBILIG - MANUAL DE ORIENTAÇÃO E PROCEDIMENTOS Sumário 1. Objetivo... 3 2. Premissas básicas... 3 3. Compromissos da CEEE-D... 3 4. Compromissos da Imobiliária... 3 5. Serviços disponíveis através

Leia mais

Curso Básico de. Gestão de Energia

Curso Básico de. Gestão de Energia Curso Básico de Gestão de Energia CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA CNI Robson Braga de Andrade Presidente DIRETORIA EXECUTIVA DIREX José Augusto Coelho Fernandes Diretor Executivo Carlos Eduardo Abijaodi

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MEDIÇÃO DE ENERGIA PARA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

A IMPORTÂNCIA DA MEDIÇÃO DE ENERGIA PARA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA A IMPORTÂNCIA DA MEDIÇÃO DE ENERGIA PARA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Existem várias finalidades para medição de energia, dentre elas vamos destacar as seguintes: Consumo mensal de energia A grandeza medida é

Leia mais

O QUE ESTÁ ACONTECENDO?

O QUE ESTÁ ACONTECENDO? O QUE ESTÁ ACONTECENDO? MINHA CONTA AUMENTOU! Todos os anos ocorrem reajustes nas tarifas de energia elétrica. Esse aumento é autorizado pela Agência Nacional de Energia Elétrica - ANEEL e no caso de Goiás

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À CONSULTA PÚBLICA Nº 012/2010 NOME DA INSTITUIÇÃO:

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À CONSULTA PÚBLICA Nº 012/2010 NOME DA INSTITUIÇÃO: CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À CONSULTA PÚBLICA Nº 012/2010 NOME DA INSTITUIÇÃO: ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE GRANDES CONSUMIDORES INDUSTRIAIS DE ENERGIA E DE CONSUMIDORES LIVRES ABRACE AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA

Leia mais

ALGORITMO PARA CÁLCULO DO VOLUME DE CARGA E POTÊNCIA DE ENERGIA ELÉTRICA Vanessa dos Anjos BORGES 1 Camila Pires Cremasco GABRIEL 2

ALGORITMO PARA CÁLCULO DO VOLUME DE CARGA E POTÊNCIA DE ENERGIA ELÉTRICA Vanessa dos Anjos BORGES 1 Camila Pires Cremasco GABRIEL 2 ALGORITMO PARA CÁLCULO DO VOLUME DE CARGA E POTÊNCIA DE ENERGIA ELÉTRICA Vanessa dos Anjos BORGES 1 Camila Pires Cremasco GABRIEL 2 RESUMO: Este trabalho tem por objetivo demonstrar o processo pelo qual

Leia mais

1 INTRODUÇÃO... 04 2 POTÊNCIA ATIVA E REATIVA - CONCEITOS BÁSICOS... 04 3 BAIXO FATOR DE POTÊNCIA PRINCIPAIS CAUSAS... 06

1 INTRODUÇÃO... 04 2 POTÊNCIA ATIVA E REATIVA - CONCEITOS BÁSICOS... 04 3 BAIXO FATOR DE POTÊNCIA PRINCIPAIS CAUSAS... 06 1 1 INTRODUÇÃO... 04 2 POTÊNCIA ATIVA E REATIVA - CONCEITOS BÁSICOS... 04 3 BAIXO FATOR DE POTÊNCIA PRINCIPAIS CAUSAS... 06 4 EXCEDENTE REATIVO - EFEITOS NAS REDES E INSTALAÇÕES... 07 4.1 - PERDAS NA REDE...

Leia mais

ÃO AO CURSO LEGENDA WS 01 S 01 ENGENHARIA ELÉTRICA. Valor: 1,0. 1 a QUESTÃO. Tomada de 350 W. Luminária de 250 W monofásica. Interruptor simples

ÃO AO CURSO LEGENDA WS 01 S 01 ENGENHARIA ELÉTRICA. Valor: 1,0. 1 a QUESTÃO. Tomada de 350 W. Luminária de 250 W monofásica. Interruptor simples CONCURSO DE ADMISSÃ ÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES 2009 1 a QUESTÃO Valor: 1,0 3m 02 g 3m 3m 4m 3m e 6m 4m 6m 6m d 4m 4m 02 02 02 4m 02 S g f 4m S S f e 4m c S d WS ab

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.512, DE 16 DE ABRIL DE 2013.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.512, DE 16 DE ABRIL DE 2013. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.512, DE 16 DE ABRIL DE 2013. Homologa o resultado da terceira Revisão Tarifária Periódica RTP da Companhia Energética do Rio Grande

Leia mais

SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS

SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS 4EN 2013/1 SOLIVAN ALTOÉ SISTEMA ELÉTRICO CONCEITOS BÁSICOS SISTEMA ELÉTRICO CONCEITOS BÁSICOS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Transmissão de energia elétrica A tensão elétrica

Leia mais

TECNOLOGIA COM BAIXO CUSTO, APLICADA A REDUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO SAAE SÃO CARLOS

TECNOLOGIA COM BAIXO CUSTO, APLICADA A REDUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO SAAE SÃO CARLOS TÍTULO DO TRABALHO: TECNOLOGIA COM BAIXO CUSTO, APLICADA A REDUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO SAAE SÃO CARLOS TEMA VIII: EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NOME DOS AUTORES: João Carlos Lopes Valter Luis Dulci Prof. Dr.

Leia mais

de luz está mais transparente. Conheça as bandeiras tarifárias.

de luz está mais transparente. Conheça as bandeiras tarifárias. Agora, a sua conta de luz está mais transparente. Conheça as bandeiras tarifárias. Agora, em todo o país, as bandeiras tarifárias vêm impressas na conta de luz. E, para saber se o valor da sua conta irá

Leia mais

O CONTROLE DA ENERGIA ELÉTRICA NA NOVA ECONOMI@

O CONTROLE DA ENERGIA ELÉTRICA NA NOVA ECONOMI@ O CONTROLE DA ENERGIA ELÉTRICA NA NOVA ECONOMI@ Mauricio R. Suppa : Engenheiro Eletricista -UNICAMP 1983 - Diretor Comercial da GESTAL Gestão de Energia e Utilidades Ltda. Mesmo na chamada nova economia

Leia mais

Energia Elétrica. P = E t (1) Para determinarmos a energia, realizamos uma simples transposição de termos na expressão acima, onde obtemos :

Energia Elétrica. P = E t (1) Para determinarmos a energia, realizamos uma simples transposição de termos na expressão acima, onde obtemos : Energia Elétrica Objetivo - Estudar a energia e suas transformações, particularizar para o caso da energia elétrica; aprender a medir a energia consumida e calcular o seu custo. Informação Técnica - Energia

Leia mais

ANEEL AUDIÊNCIA PÚBLICA N O 42 / 2005

ANEEL AUDIÊNCIA PÚBLICA N O 42 / 2005 ANEEL AUDIÊNCIA PÚBLICA N O 42 / 2005 Fixação de Encargos da Concessionária ou Permissionária e cálculo da Participação Financeira do Consumidor nas obras. Assunto: ORÇAMENTO 16/Fevereiro/2006 CONTRIBUIÇÕES

Leia mais

Revisão. Eficiência Energética:

Revisão. Eficiência Energética: Revisão Eficiência Energética: o Demanda crescente por energia o Recursos energéticos com duração finita o Desenvolvimento sem degradação ambiental Incentivos no Brasil o PROCEL o PEE Programa de Eficiência

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS ENGENHARIA AGRÍCOLA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS ENGENHARIA AGRÍCOLA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS ENGENHARIA AGRÍCOLA CRIAÇÃO DE UMA FERRAMENTA COMPUTACIONAL PARA ESTUDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM INSTALAÇÕES AGROINDUTRIAIS

Leia mais

Medidas divulgadas pelo Governo Federal para o fortalecimento do setor elétrico nacional

Medidas divulgadas pelo Governo Federal para o fortalecimento do setor elétrico nacional Medidas divulgadas pelo Governo Federal para o fortalecimento do setor elétrico nacional Perguntas e Respostas Perguntas mais frequentes sobre as medidas divulgadas pelo Governo Federal Março 2014 Apresentação

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.879, DE 14 DE ABRIL DE 2015

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.879, DE 14 DE ABRIL DE 2015 AGÊNCIA CIOL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.879, DE 14 DE ABRIL DE 2015 Homologa o resultado do Reajuste Tarifário Anual de 2015, as Tarifas de Energia TE e as Tarifas de Uso do

Leia mais

Geração Distribuída Diesel na Ponta (GDDP)

Geração Distribuída Diesel na Ponta (GDDP) Geração Distribuída Diesel na Ponta (GDDP) Palestra apresentada a Diretoria do INEE em 25 de janeiro de 2012 Péricles Pinheiro Filho Atualizada em 2012-07-17 Considerações Iniciais Péricles Pinheiro Filho

Leia mais

LIVRETO EXPLICATIVO ENERGIA ATIVA E REATIVA

LIVRETO EXPLICATIVO ENERGIA ATIVA E REATIVA LIVRETO EXPLICATIVO LIVRETO EXPLICATIVO ENERGIA ATIVA E REATIVA DEZEMBRO/2009 ELABORADO POR: CLÁUDIO F. DE ALBUQUERQUE ENG ELETRICISTA EDITADO POR: NELSON FUCHIKAMI LOPES ENG ELETRICISTA Índice 1 O que

Leia mais

Geração de Energia Elétrica. Aula 2 Introdução ao Sistema de Energia Elétrica (SEE)

Geração de Energia Elétrica. Aula 2 Introdução ao Sistema de Energia Elétrica (SEE) Geração de Energia Elétrica Aula 2 Introdução ao Sistema de Energia Elétrica (SEE) 1 Evolução do SEE (~100 anos) SISTEMAS ISOLADOS Sistemas de pequeno porte (necessidades locais) Pequena complexidade operacional

Leia mais

Gás LP x Energia Elétrica Aquecimento de água. Estudo comparativo feito pelo Instituto de Eletrotécnica e Energia da USP

Gás LP x Energia Elétrica Aquecimento de água. Estudo comparativo feito pelo Instituto de Eletrotécnica e Energia da USP x Energia Elétrica Aquecimento de água Estudo comparativo feito pelo Instituto de Eletrotécnica e Energia da USP Apresentação O projeto Análise de custos de infra-estrutura Análise de custos para o cliente

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO N o 615, DE 6 NOVEMBRO DE 2002 (*) Vide alterações e inclusões no final do texto. Aprova o modelo do Contrato de Prestação de Serviço Público de Energia

Leia mais

Dep. Fabio Garcia PSB/MT. O Preço da Energia No Brasil

Dep. Fabio Garcia PSB/MT. O Preço da Energia No Brasil Dep. Fabio Garcia PSB/MT O Preço da Energia No Brasil Entenda a sua fatura de energia elétrica - Tarifa para Consumidor Residencial (tarifa B1) Parcela A Custos não gerenciáveis, ou seja, que não dependem

Leia mais

Sistema de Medição de Faturamento

Sistema de Medição de Faturamento Sistema de Medição de Faturamento Direitos e Deveres dos Consumidores Livres André Luiz Preite Cruz Especialista de mercado Agenda A ABRACE Atribuições da ABRACE O SMF O Mercado e o SMF Os Consumidores

Leia mais

Leilão de Venda de Energia Elétrica ANEXO III DAS DEFINIÇÕES

Leilão de Venda de Energia Elétrica ANEXO III DAS DEFINIÇÕES EDITAL Nº: 25/2015_lp AGENTES Leilão de Venda de Energia Elétrica ANEXO III DAS DEFINIÇÕES Objetivando o perfeito entendimento e a precisão da terminologia técnica empregada no EDITAL 25/2015_LPe n o CONTRATO,

Leia mais