Disciplina Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores de Corrente Contínua para Corrente Alternada (Inversores)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Disciplina Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores de Corrente Contínua para Corrente Alternada (Inversores)"

Transcrição

1 Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores de Corrente Contínua para Corrente Alternada (Inversores) Eduardo Simas Aula 8

2 Sumário Introdução Inversores de Fonte de Tensão Monofásico Trifásico Aplicações Exercícios de Fixação 2/47

3 1. Introdução 3/47

4 Introdução Os conversores de corrente contínua (DC) para corrente alternada (AC) são conhecidos como inversores. São utilizados para obter um sinal AC de características ajustáveis (valor máximo e frequência) a partir de uma fonte DC constante. Podem apresentar saída AC monofásica ou trifásica. Aplicações: Conexão de sistemas de geração/transmissão DC com sistemas AC. Controle de velocidade de motores. Topologias: Inversor de fonte de tensão (VSI Voltage Source Inverter); Inversor de fonte de corrente (CSI Current Source Inverter). 4/47

5 O Inversor Básico O diodo facilita o processo de escoamento das cargas no desligamento do transistor e também funciona como diodo de circulação no acionamento de cargas indutivas. Uma tensão alternada (onda quadrada) é produzida a partir do chaveamento dos transistores (T1/T4 Vs = E; T2/T3 Vs = - E). Com uma carga indutiva, a corrente I A apresenta variação mais suave que a tensão. É muito utilizada a modulação PWM para acionamento das chaves semicondutoras. 5/47

6 2. Inversores de Fonte de Tensão (VSI Voltage Source Inverters) 6/47

7 Inversor de Fonte de Tensão O inversor de fonte de tensão (VSI voltage source inverter) é a topologia mais utilizada. Produz uma tensão AC composta de valores discretos (alta dv/dt). É preferível que a carga tenha características indutivas para suavizar o sinal de corrente. Uma carga capacitiva gera picos na corrente, sendo necessário um filtro indutivo após o VSI 7/47

8 2.1. VSI Monofásico em Meia Ponte 8/47

9 VSI Monofásico em Meia Ponte Dois capacitores (de grande capacitância) são necessários para produzir o ponto neutro N. Os pulsos da tensão de saída têm amplitude igual à metade da tensão de entrada. Chaves Estado V o S+ fechada e S- aberta 1 V i /2 S+ aberta e S- fechada 2 - V i /2 S+ e S- abertas 3 V i /2 ou - V i /2 * Duas chaves fechadas ao mesmo tempo curto circuito da fonte!! * Depende da corrente imediatamente anterior à abertura das duas chaves 9/47

10 VSI Monofásico em Meia Ponte Modulação em Onda Quadrada Considerando ativação em onda quadrada e carga indutiva: A corrente na carga tende a se manter circulando mesmo com os chaveamentos. Os diodos fornecem um caminho de passagem de corrente reversa. Vi/2 -Vi/2 i+ D+ S+ D- S- D+ S+ i- 10/47

11 VSI Monofásico em Meia Ponte Modulação em Onda Quadrada Componentes harmônicos: Na frequência fundamental: Nas frequências harmônicas ímpares: 11/47

12 VSI Monofásico em Meia Ponte Modulação em Onda Quadrada Exemplo: Considerando que na saída de um VSI monofásico com modulação em onda quadrada é adicionado um filtro com função de transferência: H ( j ) 1 1 o encontre a expressão do módulo do sinal filtrado (considerando até o décimo primeiro harmônico) e esboce o sinal nos domínios da frequência e do tempo. 12/47

13 VSI Monofásico em Meia Ponte Modulação em Onda Quadrada Exemplo - Resolução: Vo Vo ( filtrado) ( filtrado) H ( j ) h 1 1 h Vo 2vi sin(2. h. fs. t). h h = 1, 3, 5, 7, 9 e 11 Sinais no domínio da frequência: Sinais no domínio do tempo: Vo Vo (filtrado) 13/47

14 VSI Monofásico em Meia Ponte SPWM O acionamento dos inversores também pode ser realizado através da modulação em largura de pulso com portadora senoidal (SPWM). Neste caso são defindos: Sinal da Portadora triangular (V ): ^ valor máximo -> V frequência -> f Sinal modulante senoidal (V C ): ^ valor máximo -> V C frequência -> f C Razão de modulação em amplitude: Razão de modulação em frequência: 14/47

15 VSI Monofásico em Meia Ponte SPWM Funcionamento: Quando V C > V : S+ está fechada S- está aberta Quando V C < V : S+ está aberta S- está fechada 15/47

16 VSI Monofásico em Meia Ponte SPWM Componentes harmônicos: A amplitude do componente fundamental na região de modulação linear (m a 1) é dada por: Os demais componentes são de ordem ímpar, dependem de m a e m f e estão centrados em múltiplos de m f : h = a(m f ) + b Harmônicos m a = 0,8 m f = 9 16/47

17 VSI Monofásico em Meia Ponte SPWM Componentes harmônicos: O cálculo da amplitude dos componentes harmônicos pode ser realizado a partir da tabela: O valor máximo do harmônico de ordem h é dado por: Vo h 2 Vi sendo α o valor retirado da tabela. 17/47

18 VSI Monofásico em Meia Ponte SPWM Componentes harmônicos - Exemplo: Encontre o valor rms dos componentes harmônicos dominantes na saída de um VSI monofásico em meia ponte com as características: Vi = 300 V; m a = 0,8 e m f = /47

19 VSI Monofásico em Meia Ponte SPWM Componentes harmônicos - Exemplo: Encontre o valor rms dos componentes harmônicos dominantes na saída de um VSI monofásico em meia ponte com as características: Vi = 300 V; m a = 0,8 e m f = 39. Resolução: como deseja-se o valor rms: Vo h ( rms ) Vi 2 2 Vo Vo Vo Vo Vo Vo 1( rms) 37( rms) 39( rms) 41( rms) 77( rms) 79( rms) 106,07 0,8 84,86 V 106,07 0,22 23,33 V 106,07 0,818 86,76 V 106,07 0,22 23,33 V 106,07 0,314 33,31 V 106,07 0,314 33,31 V 19/47

20 VSI Monofásico em Meia Ponte SPWM Algumas considerações: Os sinais V C e V devem estar sincronizados (m f inteiro), caso contrário podem aparecer componentes em frequências sub-harmônicas. Na região não linear de modulação (m a > 1) também conhecida como região de sobremodulação algumas interseções entre V C e V são perdidas, ocasionando o aparecimento de componentes harmônicos de ordem baixa. Neste caso, embora o componente na frequência fundamental tenha maior amplitude, a relação com o índice m a é não-linear. A modulação de onda quadrada pode ser vista como um caso particular da SPWM quando m a aumenta. 20/47

21 2.2. VSI Monofásico em Ponte Completa 21/47

22 VSI Monofásico em Ponte Completa Pode operar no modo bipolar ou seja, com Vo alternando entre valores positivos e negativos (assim como o VSI em meia ponte). E também no modo unipolar, gerando uma sequência de pulsos de mesma polaridade. 22/47

23 VSI Monofásico em Ponte Completa Funcionamento: 23/47

24 VSI Monofásico em Ponte Completa Funcionamento: 24/47

25 VSI Monofásico em Ponte Completa Funcionamento: Va = Vb 25/47

26 VSI Monofásico em Ponte Completa Funcionamento: Caso todas as chaves estejam desligadas pode ainda haver circulação de corrente pelos diodos em caso de carga indutiva. 26/47

27 VSI Monofásico em Ponte Completa PWM Bipolar Os estados 1 e 2 são utilizados para gerar uma sequência de pulsos alternados na tensão de saída (não é possível gerar. Opera de modo semelhante ao VSI monofásico em meia ponte, porém a amplitude da tensão de saída é duas vezes maior. A amplitude do componente na frequência fundamental é: A amplitude dos demais componentes pode ser estimada a partir da tabela do slide 17 e usando: Vo h Vi Vo 1 m Vi a 27/47

28 VSI Monofásico em Ponte Completa PWM Unipolar Utiliza os estados 1, 2, 3 e 4 para produzir uma sequência de pulsos de mesma polaridade durante cada semi-ciclo da tensão senoidal modulante (Vc). Pode-se considerar que as chaves são controladas por dois sinais modulantes Vc e Vc. A saída pode assumir três valores: vi, -vi e 0. 28/47

29 VSI Monofásico em Ponte Completa PWM Unipolar Componentes harmônicos: A amplitude do componente fundamental na região de modulação linear (m a 1) é dada por: Vo 1 m Vi a Os demais componentes são de ordem ímpar, dependem de m a e m f e estão centrados em múltiplos de 2m f : h = a(2m f ) + b A amplitude dos demais componentes pode ser estimada a partir da tabela do slide 17 utilizando a expressão: Vo h Vi 29/47

30 VSI Monofásico em Ponte Completa Comparação entre PWM Bipolar e PWM Unipolar: A principal vantagem do PWM Unipolar é produzir sinais com componentes harmônicos de ordem mais alta, facilitando o processo de filtragem. O sistema de controle para o PWM Unipolar é um pouco mais complexo, pois cada ramo do conversor é acionado a partir de uma tensão senoidal modulante (Vc ou Vc). Começam a aparecer em torno de 2m f Componentes harmônicos da tensão de saída de um VSI monofásico em ponte completa operando por PWM unipolar com m a = 0,8 e m f = 8. 30/47

31 2.3. Inversor de Fonte de Tensão Monofásico de Múltiplos Níveis 31/47

32 Inversor de Múltiplos Níveis Diversos VSI são conectados em série para produzir um sinal de diversos níveis que se aproxima de uma onda senoidal A distorção harmônica diminui. Aumenta a complexidade do sistema de controle (que deve ajustar o ciclo de trabalho e a defasagem entre os diversos módulos inversores). Vo = V1 + V2 + V3 32/47

33 2.4. Inversor de Fonte de Tensão Trifásico 33/47

34 Inversor de Fonte de Tensão Trifásico Os VSI monofásicos são utilizados em aplicações de baixa potência. Para média e alta potência são utilizados os inversores trifásicos. A maioria das aplicações de VSIs trifásicos requer tensão de saída senoidal (Ex.: UPS, FACTS, compensadores de VAR, controle de máquinas trifásicas). Algumas aplicações mais recentes necessitam de uma saída trifásica de características arbitrárias (Ex.: filtros ativos). Um solução (pouco comum por necessitar de um maior número de chaves semicondutoras e exigir transformadores de maior custo) seria utilizar três inversores monofásicos. Na maioria dos casos é utilizado um circuito capaz de produzir as tensões fase-fase de um sistema trifásico a partir de uma fonte DC. 34/47

35 Inversor de Fonte de Tensão Trifásico Topologia padrão para um VSI trifásico: As tensões fase-fase podem assumir os valores: vi, -vi e 0. O VSI trifásico pode operar em PWM Unipolar ou Bipolar As chaves S1 e S4, S3 e S6, S5 e S2 não podem ser ligadas ao mesmo tempo: Curto Circuito na Fonte! 35/47

36 VSI Trifásico - PWM Para o acionamento por PWM do VSI trifásico é utilizada uma portadora triangular e três sinais modulantes senoidais. O sinal de tensão fase-fase gerado neste caso é do tipo unipolar. Os componentes harmônicos de ordem mais baixa estão localizados em torno dos múltiplos de m f. A amplitude do componente na frequência fundamental é dado por: V FF 3 ( 1) m Vi a m a = 0,8 e m f = 9 36/47

37 VSI Trifásico - PWM O valor eficaz do componente harmônico de ordem h pode ser estimado em função de m a a partir da equação: V LL ( h) Vi sendo α retirado da tabela ao lado. 37/47

38 2.5. Inversor de Fonte de Tensão Trifásico de Múltiplos Níveis 38/47

39 VSI Trifásico Multinível A tensão de cada fase é produzida a partir da conexão de diversos módulos conversores. 39/47

40 VSI Trifásico Multinível Neste caso, os módulos conversores individuais são compostos de um retificador e um VSI monofásico. 40/47

41 VSI Trifásico Multinível Para acionamento em PWM em cada um dos módulos inversores, os primeiros componentes harmônicos aparecem em torno de 6m f. Exemplo: m a = 0,8 e m f = 6. 41/47

42 3. Aplicações 42/47

43 Aplicações Acionamento de motores em velocidade/torque ajustáveis; Fontes de alimentação ininterrupta (UPS - uninterruptible power supplies); Filtros ativos de potência; Compensadores de potência reativa; Sistemas de transmissão AC flexível. Conversores DC-AC Eduardo F. de Simas Filho 43/47

44 Introdução: Inversor para controle de máquina de indução Linha AC Carga Transformador Retificador Link DC Inversor Características Ideais Linha AC Carga Características Reais Linha AC Carga 44/47

45 4. Exercícios de Fixação 45/47

46 Exercícios de Fixação 1) Para um inversor monofásico em meia ponte acionado por PWM e alimentado por uma fonte DC de 200 V encontre os principais componentes harmônicos quando: a) ma = 0,8 e mf = 7 b) ma = 0,8 e mf= 35 c) ma = 0,6 e mf = 7 2) Considerando que a tensão de saída dos inversores da Q01 seja submetida a um filtro com função de transferência: encontre o espectro harmônico resultante nos três casos e trace o gráfico das tensões filtradas. 3) Repita as Questões 01 e 02 para um inversor monofásico em ponte completa operando com PWM bipolar. 1 H ( j ) 1 3 o 4) Repita as Questões 01 e 02 para um inversor monofásico em ponte completa operando com PWM unipolar. 5) Num inversor monofásico de três níveis, cada conversor tem saída em onda quase-quadrada (pulso de duração T/2 é produzido a cada semi-ciclo). Neste caso, determine o ciclo de trabalho e o ângulo de atraso necessário para cada conversor (em relação à referência senoidal) para produzir um sinal de degraus de mesma largura 6) Considerando agora um inversor trifásico, repita as questões 01 e /47

47 Referências Mohan, Undeland & Robbins. Power Electronics Converters, Applications and Design, Wiley, Rashid, Muhammad H. Power Electronics Handbook, Devices, Circuits and Applications, Segunda Edição, Elsevier, Ahmed, Ashfak. Eletrônica de Potência, Wiley, Pomilio, José Antenor. Eletrônica de Potência, Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação, UNICAMP, 1998, Revisado em Algumas figuras utilizadas foram retiradas das referências listadas acima. 47/47

48 Resolução de Exercícios Questão 01 -a) Consultando a tabela do slide 17 para ma = 0,8 e mf = 7 chega-se a: Har Amp ,8 23,3 13,9 31,4 31,4 13,9 1,3 Graficamente: 48/47

49 Resolução de Exercícios Questão 01 -b) Consultando a tabela do slide 17 para ma = 0,8 e mf = 35 chega-se a: Har Amp ,8 23,3 13,9 31,4 31,4 13,9 1,3 Graficamente: 49/47

50 Resolução de Exercícios Questão 01 -c) Consultando a tabela do slide 17 para ma = 0,6 e mf = 7 chega-se a: Har Amp 60 13, ,1 7,1 37,0 37,0 7,1 0 Graficamente: 50/47

51 Resolução de Exercícios Questão 02 -a) Resposta em frequência do filtro: Graficamente: 51/47

52 Resolução de Exercícios Questão 02 a) Após a filtragem: Har Amp ,8 23,3 13,9 31,4 31,4 13,9 1,3 AFilt 60 8,5 24,54 5,83 2,98 5,89 5,23 2,09 0,18 Graficamente: 52/47

53 Resolução de Exercícios Questão 01 b) Após o filtro: Har Amp ,8 23,3 13,9 31,4 31,4 13,9 1,3 AFilt 60 1,83 6,46 1,75 0,99 2,14 2,05 0,87 0,08 Graficamente: 53/47

54 Resolução de Exercícios Questão 01 c) Após o filtro Har Amp 60 13, ,1 7,1 37,0 37,0 7,1 0 Graficamente: 54/47

Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48)

Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48) Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores CA-CC Monofásicos Controlados Prof.: Eduardo Simas eduardo.simas@ufba.br

Leia mais

Disciplina Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores de Corrente Contínua para Corrente Contínua Topologias Clássicas

Disciplina Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores de Corrente Contínua para Corrente Contínua Topologias Clássicas Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores de Corrente Contínua para Corrente Contínua Topologias

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM CENTRO DE TECNOLOGIA CT GRUPO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA E CONTROLE - GEPOC SEPOC 2010

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM CENTRO DE TECNOLOGIA CT GRUPO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA E CONTROLE - GEPOC SEPOC 2010 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM CENTRO DE TECNOLOGIA CT GRUPO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA E CONTROLE - GEPOC SEPOC 2010 FILTRO ATIVO DE POTÊNCIA SÉRIE PARALELO APRESENTADOR: MÁRCIO STEFANELLO,

Leia mais

Inversores de freqüência. Introdução

Inversores de freqüência. Introdução Inversores de freqüência Introdução Desde que os primeiros motores surgiram, os projetistas perceberam uma necessidade básica, controlar sua velocidade, várias técnicas foram utilizadas ao longo dos anos

Leia mais

ESTUDO SOBRE CONTROLE DE MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS

ESTUDO SOBRE CONTROLE DE MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS ESTUDO SOBRE CONTROLE DE MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS Autores : Marina PADILHA, Tiago DEQUIGIOVANI. Identificação autores: Engenharia de Controle e Automação - Bolsista Interno; Orientador IFC - Campus

Leia mais

4. CONVERSORES CC/CA - INVERSORES

4. CONVERSORES CC/CA - INVERSORES 4. CONVERSORES CC/CA - INVERSORES Serão estudados neste capítulo os conversores CC-CA que fornecem em suas saídas tensões com frequência fixa, para aplicação como fonte de tensão, com controle da corrente

Leia mais

Figura 1 - Diagrama de Bloco de um Inversor Típico

Figura 1 - Diagrama de Bloco de um Inversor Típico Guia de Aplicação de Partida Suave e Inversores CA Walter J Lukitsch PE Gary Woltersdorf John Streicher Allen-Bradley Company Milwaukee, WI Resumo: Normalmente, existem várias opções para partidas de motores.

Leia mais

Introdução: Inversor de Freqüência: Princípios Básicos:

Introdução: Inversor de Freqüência: Princípios Básicos: Introdução: Inversor de Freqüência: Atualmente, a necessidade de aumento de produção e diminuição de custos, se fez dentro deste cenário surgir a automação, ainda em fase inicial no Brasil, com isto uma

Leia mais

ACIONAMENTOS ELETRÔNICOS (INVERSOR DE FREQUÊNCIA)

ACIONAMENTOS ELETRÔNICOS (INVERSOR DE FREQUÊNCIA) ACIONAMENTOS ELETRÔNICOS (INVERSOR DE FREQUÊNCIA) 1. Introdução 1.1 Inversor de Frequência A necessidade de aumento de produção e diminuição de custos faz surgir uma grande infinidade de equipamentos desenvolvidos

Leia mais

5. CONVERSORES QUASE-RESSONANTES

5. CONVERSORES QUASE-RESSONANTES Fontes Chaveadas - Cap. 5 CONVRSORS QUAS-RSSONANTS J. A. Pomilio 5. CONVRSORS QUAS-RSSONANTS Os conversores quase-ressonantes procuram associar as técnicas de comutação suave presentes nos conversores

Leia mais

AULA LAB 04 PRINCÍPIOS DE CORRENTE ALTERNADA E TRANSFORMADORES 2 MEDIÇÃO DE VALORES MÉDIO E EFICAZ COM MULTÍMETRO

AULA LAB 04 PRINCÍPIOS DE CORRENTE ALTERNADA E TRANSFORMADORES 2 MEDIÇÃO DE VALORES MÉDIO E EFICAZ COM MULTÍMETRO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETRÔNICA CURSO TÉCNICO DE ELETRÔNICA Eletrônica Básica AULA LAB 04 PRINCÍPIOS DE CORRENTE ALTERNADA E TRANSFORMADORES

Leia mais

Diodos são semicondutores que, basicamente, conduzem a corrente elétrica em um único sentido

Diodos são semicondutores que, basicamente, conduzem a corrente elétrica em um único sentido 42 Capítulo III Aplicação de UPS dupla conversão em missão crítica Funcionamento geral e detalhamento do inversor (PWM) Luis Tossi * Este capítulo discorrerá sobre o funcionamento geral de um UPS, a começar

Leia mais

Retificadores Monofásicos com Filtro Capacitivo

Retificadores Monofásicos com Filtro Capacitivo 9 Retificadores Monofásicos com Filtro Capacitivo Meta deste capítulo Capítulo Estudar os conversores ca-cc monofásicos operando com filtro capacitivo. objetivos Entender o funcionamento de circuitos retificadores;

Leia mais

Eletrônica Analógica e de Potência

Eletrônica Analógica e de Potência Eletrônica Analógica e de Potência Conversores CC-CC Prof.: Welbert Rodrigues Introdução Em certas aplicações é necessário transformar uma tensão contínua em outra com amplitude regulada; Em sistemas CA

Leia mais

INVERSOR DE FREQUÊNCIA ESCALAR DE BAIXO CUSTO PARA MOTORES MONOFÁSICOS

INVERSOR DE FREQUÊNCIA ESCALAR DE BAIXO CUSTO PARA MOTORES MONOFÁSICOS 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 INVERSOR DE FREQUÊNCIA ESCALAR DE BAIXO CUSTO PARA MOTORES MONOFÁSICOS Gustavo Peloi da Silva 1 ; Abel Fidalgo Alves 2 RESUMO: O avanço da eletronica de

Leia mais

Resumo. Abstract. Docente do Departamento de Engenharia Elétrica da Universidade Estadual de Londrina-DEEL-UEL; treviso@uel.br.

Resumo. Abstract. Docente do Departamento de Engenharia Elétrica da Universidade Estadual de Londrina-DEEL-UEL; treviso@uel.br. DOI: 10.5433/1679-0375.2013v34n1p31 Inversor de tensão com topologia push-pull para injeção de energia em sistemas elétricos com modulação SPWM Voltage inverter with push-pull topology to inject energy

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM FILTRO ATIVO SÉRIE TRIFÁSICO

DESENVOLVIMENTO DE UM FILTRO ATIVO SÉRIE TRIFÁSICO Programa de Pós Graduação em Engenharia Elétrica e Informática Industrial www.cpgei.ct.utfpr.edu.br www.utfpr.edu.br I MAPP 2009 I Mostra Anual de Pesquisa e Pós-Graduação do CPGEI 01 a 04 de Dezembro

Leia mais

Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Técnicas de Modulação

Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Técnicas de Modulação Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Técnicas de Modulação Prof.: Eduardo Simas eduardo.simas@ufba.br Aula

Leia mais

Prof. Dr. Ernesto Ruppert Filho DSCE Departamento de Sistemas e Controle de Energia/FEEC/UNICAMP ruppert@fee.unicamp.

Prof. Dr. Ernesto Ruppert Filho DSCE Departamento de Sistemas e Controle de Energia/FEEC/UNICAMP ruppert@fee.unicamp. CONVERSORES ELETRÔNICOS DE POTÊNCIA PARA SISTEMAS FOTOVOLTAICOS DE BAIXA TENSÃO CONECTADOS À REDE Prof. Dr. Ernesto Ruppert Filho DSCE Departamento de Sistemas e Controle de Energia/FEEC/UNICAMP ruppert@fee.unicamp.br

Leia mais

ENTENDENDO O FATOR DE POTÊNCIA

ENTENDENDO O FATOR DE POTÊNCIA ENTENDENDO O FATOR DE POTÊNCIA Departamento de Pesquisa e Desenvolvimento - CP Eletrônica S.A. Rua da Várzea 379 CEP: 91040-600 Porto Alegre RS Brasil Fone: (51)2131-2407 Fax: (51)2131-2469 engenharia@cp.com.br

Leia mais

ELETRÔNICA DE POTÊNCIA I

ELETRÔNICA DE POTÊNCIA I QUALIDADE DE ENERGIA 1-Introdução ELETRÔNICA DE POTÊNCIA I Desde o princípio do método de transmissão de energia elétrica utilizando CA, ou ondas senoidais, o aparecimento de componentes harmônicas é um

Leia mais

Corrente Alternada Transformadores Retificador de Meia Onda

Corrente Alternada Transformadores Retificador de Meia Onda Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina Departamento de Eletrônica Eletrônica Básica e Projetos Eletrônicos Corrente Alternada Transformadores Retificador de Meia Onda Clóvis Antônio Petry,

Leia mais

SCQ/007 21 a 26 de Outubro de 2001 Campinas - São Paulo - Brasil

SCQ/007 21 a 26 de Outubro de 2001 Campinas - São Paulo - Brasil SCQ/007 21 a 26 de Outubro de 2001 Campinas - São Paulo - Brasil STE INTERFERÊNCIAS, COMPATIBILIDADE ELETROMAGNÉTICA E QUALIDADE DE ENERGIA ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DE VARIAÇÕES MOMENTÂNEAS DE TENSÃO NA OPERAÇÃO

Leia mais

ANÁLISE DA QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA EM CONVERSORES DE FREQUENCIA

ANÁLISE DA QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA EM CONVERSORES DE FREQUENCIA ANÁLISE DA QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA EM CONVERSORES DE FREQUENCIA Nome dos autores: Halison Helder Falcão Lopes 1 ; Sergio Manuel Rivera Sanhueza 2 ; 1 Aluno do Curso de Engenharia Elétrica; Campus

Leia mais

3. CONVERSORES CA-CC - RETIFICADORES

3. CONVERSORES CA-CC - RETIFICADORES 3. CONVERSORES CACC RETIFICADORES Este capítulo faz uma revisão de alguns conceitos básicos dos retificadores. Um tratamento mais detalhado é feito na disciplina Eletrônica de Potência I (IT32). A conversão

Leia mais

MÓDULO 6 CONVERSORES CC-CA: INVERSORES OPERANDO EM FREQÜÊNCIA CONSTANTE

MÓDULO 6 CONVERSORES CC-CA: INVERSORES OPERANDO EM FREQÜÊNCIA CONSTANTE FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA E DE COMPUTAÇÃO - UNICAMP EE 833 ELETRÔNICA DE POTÊIA MÓDULO 6 CONVERSORES CC-CA: INVERSORES OPERANDO EM FREQÜÊIA CONSTANTE 6. Introdução ASPECTOS TEÓRICOS A obtenção de

Leia mais

MODULAÇÃO AM E DEMODULADOR DE ENVELOPE

MODULAÇÃO AM E DEMODULADOR DE ENVELOPE 204/ MODULAÇÃO AM E DEMODULADOR DE ENVELOPE 204/ Objetivos de Estudo: Desenvolvimento de um modulador AM e um demodulador, utilizando MatLab. Visualização dos efeitos de modulação e demodulação no domínio

Leia mais

Retificadores Monofásicos de Meia Onda com Carga Resistiva-Indutiva

Retificadores Monofásicos de Meia Onda com Carga Resistiva-Indutiva 6 Capítulo Retificadores Monofásicos de Meia Onda com Carga Resistiva-Indutiva Meta deste capítulo Estudar os conversores ca-cc monofásicos operando com carga resistiva-indutiva objetivos Entender o funcionamento

Leia mais

CENTRO DE UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA

CENTRO DE UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA CENTRO DE UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA Inversor de frequência Grupo: Energe Introdução FEC Uniara - 2012- Eng. Elétrica O presente trabalho abordará sobre inversor de frequência, um dispositivo capaz de

Leia mais

Eletrônica de Potência II Capítulo 2. Prof. Cassiano Rech cassiano@ieee.org

Eletrônica de Potência II Capítulo 2. Prof. Cassiano Rech cassiano@ieee.org Eletrônica de Potência II Capítulo 2 cassiano@ieee.org 1 Conversores CC-CC Não Isolados Buck (abaixador) Boost (elevador) Buck-boost (abaixador-elevador) Conversores em ponte Reversível em corrente Reversível

Leia mais

Medidas de mitigação de harmônicos

Medidas de mitigação de harmônicos 38 Apoio Harmônicos provocados por eletroeletrônicos Capítulo XII Medidas de mitigação de harmônicos Igor Amariz Pires* A maneira mais comum de mitigar harmônicos é por meio da utilização de filtros. O

Leia mais

Bloco 3 do Projeto: Comparador com Histerese para Circuito PWM

Bloco 3 do Projeto: Comparador com Histerese para Circuito PWM Bloco 3 do Projeto: Comparador com Histerese para Circuito PWM O circuito de um PWM Pulse Width Modulator, gera um trem de pulsos, de amplitude constante, com largura proporcional a um sinal de entrada,

Leia mais

Escola de Educação Profissional SENAI Visconde de Mauá

Escola de Educação Profissional SENAI Visconde de Mauá Escola de Educação Profissional SENAI Visconde de Mauá Automação Industrial Porto Alegre, Maio de 2014 Revisão: A Prof Vander Campos Conhecer os princípios básicos do inversor de frequência; Saber interpretar

Leia mais

Circuitos de Comando para MOSFETs e IGBTs de Potência

Circuitos de Comando para MOSFETs e IGBTs de Potência Universidade Federal do Ceará PET Engenharia Elétrica Fortaleza CE, Brasil, Abril, 2013 Universidade Federal do Ceará Departamento de Engenharia Elétrica PET Engenharia Elétrica UFC Circuitos de Comando

Leia mais

Retificadores (ENG - 20301) Lista de Exercícios de Sinais Senoidais

Retificadores (ENG - 20301) Lista de Exercícios de Sinais Senoidais Retificadores (ENG - 20301) Lista de Exercícios de Sinais Senoidais 01) Considerando a figura abaixo, determine: a) Tensão de pico; b) Tensão pico a pico; c) Período; d) Freqüência. 02) Considerando a

Leia mais

Universidade Federal de Itajubá Graduação em Engenharia Elétrica Ênfase em Eletrônica

Universidade Federal de Itajubá Graduação em Engenharia Elétrica Ênfase em Eletrônica Universidade Federal de Itajubá Graduação em Engenharia Elétrica Ênfase em Eletrônica INVERSOR DE FREQUÊNCIA DO TIPO PONTE H COM CONTROLE PWM POR MICROPROCESSADOR BRUNO BANDINA, FELIPE R. RIBEIRO Orientador:

Leia mais

Introdução à Eletrônica de Potência

Introdução à Eletrônica de Potência Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina Departamento Acadêmico de Eletrônica Eletrônica de Potência Introdução à Eletrônica de Potência Florianópolis, setembro de 2012. Prof.

Leia mais

Filtro Híbrido Trifásico de Baixa Potência Com Controle de Amortecimento Harmônico Aplicado a Redes de Distribuição de Energia Elétrica

Filtro Híbrido Trifásico de Baixa Potência Com Controle de Amortecimento Harmônico Aplicado a Redes de Distribuição de Energia Elétrica Filtro Híbrido Trifásico de Baixa Potência Com Controle de Amortecimento Harmônico Aplicado a Redes de Distribuição de Energia Elétrica L. S. Caires¹ L. F. Encarnação² Resumo -- A melhora da eficiência

Leia mais

DRIVES. Instruções para Instalações de Conversores de Freqüência. Edição 08.2002. IND 1 Drives technology Suporte Técnico Drives Hotline

DRIVES. Instruções para Instalações de Conversores de Freqüência. Edição 08.2002. IND 1 Drives technology Suporte Técnico Drives Hotline s DRIVES Instruções para Instalações de Conversores de Freqüência Edição 08.2002 IND 1 Drives technology Suporte Técnico Drives Hotline ÍNDICE INTRODUÇÃO...2 A IMPORTÂNCIA DO REATOR DE SAÍDA...2 FILTROS

Leia mais

Aplicação do Modelo Linear de Vorpérian ao Conversor tipo Buck Ewaldo L. M. Mehl

Aplicação do Modelo Linear de Vorpérian ao Conversor tipo Buck Ewaldo L. M. Mehl Aplicação do Modelo Linear de Vorpérian ao Conversor tipo Buck Ewaldo L. M. Mehl 1. Apresentação Com o uso do conceito do Interruptor PWM apresentado por Vorpérian [1,2], torna-se extremamente simples

Leia mais

Corrente Alternada o básico do básico Revisão para o Provão Elaborado por Gabriel Vinicios

Corrente Alternada o básico do básico Revisão para o Provão Elaborado por Gabriel Vinicios 01 Corrente Alternada o básico do básico Revisão para o Provão Elaborado por Gabriel Vinicios Corrente Alternada: é toda tensão cuja polaridade muda ao longo do tempo. Forma mais comum: Senoidal: Na imagem

Leia mais

Experimento 8 Circuitos RC e filtros de freqüência

Experimento 8 Circuitos RC e filtros de freqüência Experimento 8 Circuitos RC e filtros de freqüência 1. OBJETIVO O objetivo desta aula é ver como filtros de freqüência utilizados em eletrônica podem ser construídos a partir de um circuito RC. 2. MATERIAL

Leia mais

EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos 1

EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos 1 SEMICONDUCTOR III Semiconductor III Semicondutor III M-1105A *Only illustrative image./imagen meramente ilustrativa./imagem meramente ilustrativa. EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do RS Faculdade de Engenharia

Pontifícia Universidade Católica do RS Faculdade de Engenharia Pontifícia Universidade Católica do RS Faculdade de Engenharia LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA EXPERIENCIA N 11: GRADADORES MONOFÁSICOS OBJETIVO Verificar qualitativa e quantitativamente o funcionamento

Leia mais

Técnico em Eletrotécnica

Técnico em Eletrotécnica Técnico em Eletrotécnica Caderno de Questões Prova Objetiva 2015 01 Em uma corrente elétrica, o deslocamento dos elétrons para produzir a corrente se deve ao seguinte fator: a) fluxo dos elétrons b) forças

Leia mais

Introdução. Aplicações

Introdução. Aplicações Motor de Passo Introdução Os motores de passo preenchem um nicho único no mundo dos motores controlados. Estes motores são usualmente empregados em aplicações de medição e de controle. Aplicações Aplicações

Leia mais

REVISÃO: DIAGRAMA EM BLOCOS Estrutura convencional de um sistema de retificação :

REVISÃO: DIAGRAMA EM BLOCOS Estrutura convencional de um sistema de retificação : UNIERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA ELETRÔNICA 1 ET74C Profª Elisabete N Moraes AULA 8 RETIFICADOR MONOFÁSICO DE ONDA COMPLETA Em 22 de outubro de 2014. REISÃO:

Leia mais

Inversor de Freqüência

Inversor de Freqüência Descrição do Funcionamento. Inversor de Freqüência Atualmente, a necessidade de aumento de produção e diminuição de custos, se fez dentro deste cenário surgir a automação, ainda em fase inicial no Brasil,

Leia mais

11. CIRCUITOS INTEGRADOS DEDICADOS AO ACIONAMENTO E CONTROLE DE FONTES CHAVEADAS

11. CIRCUITOS INTEGRADOS DEDICADOS AO ACIONAMENTO E CONTROLE DE FONTES CHAVEADAS Fontes Chaveadas Cap 11 Circuitos Integrados Dedicados J A Pomilio 11 CICUITO INTEGADO DEDICADO AO ACIONAMENTO E CONTOLE DE FONTE CHAVEADA Nos últimos 20 anos, uma variedade de circuitos integrados dedicados

Leia mais

Controle de Motores de Indução

Controle de Motores de Indução Controle de Motores de UERJ PROMINP Prof. José Paulo V. S. da Cunha Referência: Bose, B. K., Modern Power Electronics and AC Drives, Upper Saddle River: Prentice Hall PTR, 2001. Seções 5.3, 7.1, 7.2 e

Leia mais

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2012 / 2013

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2012 / 2013 CURSO/CICLO DE FORMAÇÃO: Técnico de Instalações Elétricas DISCIPLINA: Eletricidade / Eletrónica N.º TOTAL DE MÓDULOS: 8 PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2012 / 2013 N.º 1 30 Corrente Contínua Identificar

Leia mais

ESTUDO DE TOPOLOGIAS APLICADAS NA CONVERSÃO DE FREQÜÊNCIA EM SISTEMAS DE MÉDIA TENSÃO

ESTUDO DE TOPOLOGIAS APLICADAS NA CONVERSÃO DE FREQÜÊNCIA EM SISTEMAS DE MÉDIA TENSÃO ESTUDO DE TOPOLOGIAS APLICADAS NA CONVERSÃO DE FREQÜÊNCIA EM SISTEMAS DE MÉDIA TENSÃO Guilherme Sebastião da Silva, Cassiano Rech Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul UNIJUI

Leia mais

Retificadores Buck com Fator de Deslocamento Unitário Operando em um Quadrante

Retificadores Buck com Fator de Deslocamento Unitário Operando em um Quadrante UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA Retificadores Buck com Fator de Deslocamento Unitário Operando em um Quadrante André Pires Nóbrega Tahim Marcos Tadeu

Leia mais

Ponte de Wien Oscilador de quadratura Oscilador duplo T Oscilador Colpitt Etc.

Ponte de Wien Oscilador de quadratura Oscilador duplo T Oscilador Colpitt Etc. Amplificadores operacionais como Osciladores Em muitas aplicações é necessário gerar um sinal, que pode ter as mais diversas formas, retangular, senoidal, triangular, etc. Entretanto, o único sinal disponível

Leia mais

ABAIXO ENCONTRAM-SE 10 QUESTÕES. VOCÊ DEVE ESCOLHER E RESPONDER APENAS A 08 DELAS

ABAIXO ENCONTRAM-SE 10 QUESTÕES. VOCÊ DEVE ESCOLHER E RESPONDER APENAS A 08 DELAS ABAIXO ENCONTRAM-SE 10 QUESTÕES. VOCÊ DEVE ESCOLHER E RESPONDER APENAS A 08 DELAS 01 - Questão Esta questão deve ser corrigida? SIM NÃO Um transformador de isolação monofásico, com relação de espiras N

Leia mais

Eletrônica de Potência II Capítulo 1. Prof. Cassiano Rech cassiano@ieee.org

Eletrônica de Potência II Capítulo 1. Prof. Cassiano Rech cassiano@ieee.org Eletrônica de Potência II Capítulo 1 cassiano@ieee.org 1 Componentes semicondutores em Eletrônica de Potência Diodo MOSFET IGBT GTO 2 Introdução Eletrônica de Potência é uma ciência aplicada que aborda

Leia mais

Diodos. TE214 Fundamentos da Eletrônica Engenharia Elétrica

Diodos. TE214 Fundamentos da Eletrônica Engenharia Elétrica Diodos TE214 Fundamentos da Eletrônica Engenharia Elétrica Sumário Circuitos Retificadores Circuitos Limitadores e Grampeadores Operação Física dos Diodos Circuitos Retificadores O diodo retificador converte

Leia mais

Projeto de um Controlador de Temperatura Proporcional, Analógico, com Sensor de Temperatura Usando Transistor Bipolar

Projeto de um Controlador de Temperatura Proporcional, Analógico, com Sensor de Temperatura Usando Transistor Bipolar Projeto de um Controlador de Temperatura Proporcional, Analógico, com Sensor de Temperatura Usando Transistor Bipolar Introdução O objetivo deste Laboratório de EE-641 é proporcionar ao aluno um ambiente

Leia mais

Instituição Escola Técnica Sandra Silva. Direção Sandra Silva. Título do Trabalho Fonte de Alimentação. Áreas Eletrônica

Instituição Escola Técnica Sandra Silva. Direção Sandra Silva. Título do Trabalho Fonte de Alimentação. Áreas Eletrônica Instituição Escola Técnica Sandra Silva Direção Sandra Silva Título do Trabalho Fonte de Alimentação Áreas Eletrônica Coordenador Geral Carlos Augusto Gomes Neves Professores Orientadores Chrystian Pereira

Leia mais

Controle do motor de indução

Controle do motor de indução CONTROLE Fundação Universidade DO MOTOR DE Federal de Mato Grosso do Sul 1 Acionamentos Eletrônicos de Motores Controle do motor de indução Prof. Márcio Kimpara Prof. João Onofre. P. Pinto FAENG Faculdade

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA E DE COMPUTAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA E DE COMPUTAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA E DE COMPUTAÇÃO Projeto de filtro passivo para conexão de Conversores Fonte de Tensão ou Voltage Source Converters (VSCs)

Leia mais

Daniel Nunes da Cruz Silva EXPERIMENTO PARA DEMONSTRAÇÃO DE CALCULO DE CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA

Daniel Nunes da Cruz Silva EXPERIMENTO PARA DEMONSTRAÇÃO DE CALCULO DE CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA Daniel Nunes da Cruz Silva EXPERIMENTO PARA DEMONSTRAÇÃO DE CALCULO DE CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA Resumo: Em circuitos de corrente alternada (CA), puramente resistivos, as ondas de tensão e de corrente

Leia mais

ESCOLA DE ENGENHARIA MAUÁ

ESCOLA DE ENGENHARIA MAUÁ ESCOLA DE ENGENHARIA MAUÁ ELETRÔNICA DE POTÊNCIA Edição 2006 Revista e elaborada pelo Prof. Rodrigo Cutri Sob coordenação do Prof. Nilson De Lucca 2 Índice INTRODUÇÃO AO PROGRAMA DE SIMULAÇÃO PSIMCAD...

Leia mais

Circuitos Elétricos Análise de Potência em CA

Circuitos Elétricos Análise de Potência em CA Introdução Circuitos Elétricos Análise de Potência em CA Alessandro L. Koerich Engenharia de Computação Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) Potência é a quantidade de maior importância em

Leia mais

CONVERSORES E CONTROLADORES DE FASE. Circuitos de retificação monofásicos

CONVERSORES E CONTROLADORES DE FASE. Circuitos de retificação monofásicos CONVERSORES E CONTROLADORES DE FASE Um conversor é um equipamento utilizado para converter potência alternada em potência contínua. Num conversor simples, que usa somente diodos retificadores, a tensão

Leia mais

SISTEMA DE PARTIDA E GERAÇÃO DE ENERGIA PARA TURBINA AERONÁUTICA.

SISTEMA DE PARTIDA E GERAÇÃO DE ENERGIA PARA TURBINA AERONÁUTICA. SISTEMA DE PARTIDA E GERAÇÃO DE ENERGIA PARA TURBINA AERONÁUTICA. Marco Antonio Souza 1, Milton Benedito Faria 2, Carlos Eduardo Cabral Vilela, Prof. MSc 3. Homero Santiago Maciel, Prof. DR 4. UNIVAP,

Leia mais

Tipos de Medidores MEDIDOR NÃO-INTEGRATIVO CC

Tipos de Medidores MEDIDOR NÃO-INTEGRATIVO CC Tipos de Medidores Medidor não-integrativo; Medidor integrativo; Medidor do valor médio retificado; Medidor de valor de pico; Medidor de valor eficaz. MEDIDOR NÃO-INTEGRATIVO CC Processa o sinal CC sem

Leia mais

Resumo. Abstract. Docente do Departamento de Engenharia Elétrica da Universidade Estadual de Londrina - DEEL-UEL; albf@uel.br 2

Resumo. Abstract. Docente do Departamento de Engenharia Elétrica da Universidade Estadual de Londrina - DEEL-UEL; albf@uel.br 2 DOI: 10.5433/1679-0375.2014v35n1p39 No-Break de 3kVA para aplicações residenciais com interface para painéis solares e controle microprocessado 3kVA UPS for residential application with interface for solar

Leia mais

SISTEMA DE DISPARO DE TIRISTORES (SCR) EM REDES TRIFÁSICAS

SISTEMA DE DISPARO DE TIRISTORES (SCR) EM REDES TRIFÁSICAS GSI Nº: ART061-09 - CD 382-09 SISTEMA DE DISPARO DE TIRISTORES (SCR) EM REDES TRIFÁSICAS Carlos Alberto Murari Pinheiro João Roberto Cogo Artigo publicado na Revista Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico,

Leia mais

Driver - DRM100D80A. Principais características. DRM100D80A - Driver Isolado Duplo. www.supplier.ind.br

Driver - DRM100D80A. Principais características. DRM100D80A - Driver Isolado Duplo. www.supplier.ind.br A SUPPLIER Indústria e Comércio de Eletroeletrônicos Ltda é uma empresa constituída com o objetivo de atuar no setor das Indústrias Eletroeletrônicas, principalmente na fabricação de fontes de alimentação

Leia mais

I Retificador de meia onda

I Retificador de meia onda Circuitos retificadores Introdução A tensão fornecida pela concessionária de energia elétrica é alternada ao passo que os dispositivos eletrônicos operam com tensão contínua. Então é necessário retificá-la

Leia mais

Topologias de UPS estático. apresentados a seguir cheguem à carga a ser protegida e mantida em operação, utilizamos equipamentos

Topologias de UPS estático. apresentados a seguir cheguem à carga a ser protegida e mantida em operação, utilizamos equipamentos 36 Capítulo II Topologias de UPS estático Luis Tossi * Para evitarmos que os distúrbios elétricos de tensão DC, que se altera em nível DC em função de apresentados a seguir cheguem à carga a ser protegida

Leia mais

www.corradi.junior.nom.br - Eletrônica Básica - UNIP - Prof. Corradi Informações elementares - Projetos práticos. Circuitos retificadores

www.corradi.junior.nom.br - Eletrônica Básica - UNIP - Prof. Corradi Informações elementares - Projetos práticos. Circuitos retificadores www.corradi.junior.nom.br - Eletrônica Básica - UNIP - Prof. Corradi Informações elementares - Projetos práticos. Circuitos retificadores Introdução A tensão fornecida pela concessionária de energia elétrica

Leia mais

MÓDULO 7 CONVERSORES PARA ACIONAMENTO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS

MÓDULO 7 CONVERSORES PARA ACIONAMENTO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA E DE COMPUTAÇÃO - UNICAMP EE-833 - ELETRÔNICA DE POTÊNCIA MÓDULO 7 CONVERSORES PARA ACIONAMENTO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS ASPECTOS TEÓRICOS 7.1 Introdução As máquinas de corrente

Leia mais

ESTABILIZADOR DE TENSÃO ALTERNADA PARA CARGAS NÃO-LINEARES

ESTABILIZADOR DE TENSÃO ALTERNADA PARA CARGAS NÃO-LINEARES ESTABILIZADOR DE TENSÃO ALTERNADA PARA CARGAS NÃOLINEARES Clóvis Antônio Petry, João Carlos dos Santos Fagundes e Ivo Barbi Universidade Federal de Santa Catarina, Departamento de Engenharia Elétrica Instituto

Leia mais

dv dt Fig.19 Pulso de tensão típico nos terminais do motor

dv dt Fig.19 Pulso de tensão típico nos terminais do motor INFLUÊNCIA DO INVERSOR NO SISTEMA DE ISOLAMENTO DO MOTOR Os inversores de freqüência modernos utilizam transistores (atualmente IGBTs) de potência cujos os chaveamentos (khz) são muito elevados. Para atingirem

Leia mais

Qualidade e Eficiência Energética

Qualidade e Eficiência Energética Fabio Balesteros, Engenharia de Aplicação, 2010 Qualidade e Eficiência Energética September 2, 2010 Slide 1 Introdução A cada dia aumenta-se a preocupação com a produtividade dos sistemas elétricos. Economia

Leia mais

TOPOLOGIAS DE NOBREAK

TOPOLOGIAS DE NOBREAK TOPOLOGIAS DE NOBREAK O que é um Nobreak? Nobreaks são equipamentos que possuem a função de fornecer energia ininterrupta para a carga (computadores, servidores, impressoras, etc.). Além desta função,

Leia mais

DISCIPLINA: Eletrônica II

DISCIPLINA: Eletrônica II DISCIPLINA: Eletrônica II Vigência: a partir de 2007/1 Período Letivo: 7º semestre Carga Horária Total: 60h Código: EE.761 Ementa: Amplificadores diferenciais e de múltiplos estágios, circuitos eletrônicos

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010 Questão 21 Conhecimentos Específicos - Técnico em Eletrônica Calcule a tensão Vo no circuito ilustrado na figura ao lado. A. 1 V. B. 10 V. C. 5 V. D. 15 V. Questão 22 Conhecimentos Específicos - Técnico

Leia mais

Drivers para Transistores de Potência

Drivers para Transistores de Potência A SUPPLIER Indústria e Comércio de Eletroeletrônicos Ltda é uma empresa constituída com o objetivo de atuar no setor das Indústrias Eletroeletrônicas, principalmente na fabricação de fontes de alimentação

Leia mais

PLANEJAMENTO DIDÁTICO PEDAGÓGICO

PLANEJAMENTO DIDÁTICO PEDAGÓGICO PLANEJAMENTO DIDÁTICO PEDAGÓGICO Componente Curricular: ELETROELETRÔNICA APLICADA Módulo I Professor: Danilo de Carvalho / Danilo Ramos Stein / Enrico André Santos Castro Carga Horária prevista: 60 horas

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO Amanda 5ª Atividade: Codificador e codificação de linha e seu uso em transmissão digital Petrópolis, RJ 2012 Codificador: Um codoficador

Leia mais

SEÇÃO TÉCNICA DE MÁQUINAS ELÉTRICAS

SEÇÃO TÉCNICA DE MÁQUINAS ELÉTRICAS Um conjunto composto por: Uma unidade de alimentação de potência ininterrupta ("NO-BREAK"), monofásica, com os seguintes dados declarados em placa: Marca: PhD; Modelo: HP9100C; Número de série: 2LBG070925089020004;

Leia mais

Controle de Conversores Estáticos Controladores baseados no princípio do modelo interno. Prof. Cassiano Rech cassiano@ieee.org

Controle de Conversores Estáticos Controladores baseados no princípio do modelo interno. Prof. Cassiano Rech cassiano@ieee.org Controle de Conversores Estáticos Controladores baseados no princípio do modelo interno cassiano@ieee.org 1 Objetivos da aula Projeto de um controlador PID para o controle da tensão de saída de um inversor

Leia mais

No presente trabalho, propõem-se o estudo, simulação e implementação de um sistema de alimentação para um transformador de alta tensão.

No presente trabalho, propõem-se o estudo, simulação e implementação de um sistema de alimentação para um transformador de alta tensão. 1. Introdução Geral Atendendo ao elevado número de equipamentos que necessitam de uma alimentação contínua em alta tensão, surgiu o interesse em produzir um sistema que através da tensão disponível na

Leia mais

Implementação do Protótipo do. RHM operando com Corrente CA de. Alimentação de 12 Pulsos Imposta

Implementação do Protótipo do. RHM operando com Corrente CA de. Alimentação de 12 Pulsos Imposta Capítulo 7 Implementação do Protótipo do RHM operando com Corrente CA de Alimentação de 12 Pulsos Imposta 7.1 Introdução Durante os estudos realizados em laboratório, três protótipos do RHM proposto, operando

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 30/08/2009

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 30/08/2009 Questão 21 Conhecimentos Específicos - Eletrônica Em um circuito ressonante LC paralelo (bobina em paralelo com capacitor fixo), quando se introduz na bobina um núcleo de ferrita, o que ocorre com a freqüência

Leia mais

PLATAFORMA DIDÁTICA PARA O ENSINO DA ELETRÔNICA DE POTÊNCIA

PLATAFORMA DIDÁTICA PARA O ENSINO DA ELETRÔNICA DE POTÊNCIA PLAAFORMA DIDÁICA PARA O ENSINO DA ELERÔNICA DE POÊNCIA Fernando Soares dos Reis - f.dosreis@ieee.org A. Gross R. onkoski, L. W. Rodrigues J. C. M. Lima V. M. Canalli Pontifícia Universidade Católica do

Leia mais

10. CIRCUITOS INTEGRADOS DEDICADOS AO ACIONAMENTO E CONTROLE DE FONTES CHAVEADAS COM CORREÇÃO DE FATOR DE POTÊNCIA

10. CIRCUITOS INTEGRADOS DEDICADOS AO ACIONAMENTO E CONTROLE DE FONTES CHAVEADAS COM CORREÇÃO DE FATOR DE POTÊNCIA Prereguladores de Fator de Potência Cap 10 J A Pomilio 10 CIRCUITOS INTEGRADOS DEDICADOS AO ACIONAMENTO E CONTROLE DE FONTES CHAVEADAS COM CORREÇÃO DE FATOR DE POTÊNCIA Nos últimos anos, uma variedade

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES EFA72C35-A/00

MANUAL DE INSTRUÇÕES EFA72C35-A/00 Histórico N. Doc. Revisão Data Descrição Aprovado 601165 A 24/01/14 Inicial Faria Executado: Edson N. da cópia: 01 Página 1 de 7 SUMÁRIO 1- INTRODUÇÃO 2- CARACTERÍSTICAS ELÉTRICAS E MECÂNICAS 2.1 - Entrada

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS O diodo de junção possui duas regiões de materiais semicondutores dos tipos N e P. Esse dispositivo é amplamente aplicado em circuitos chaveados, como, por exemplo, fontes de

Leia mais

Eletrônica II. Amplificadores de Potência. Notas de Aula José Maria P. de Menezes Jr.

Eletrônica II. Amplificadores de Potência. Notas de Aula José Maria P. de Menezes Jr. Eletrônica II Amplificadores de Potência Notas de Aula José Maria P. de Menezes Jr. Amplificadores Amplificador é um equipamento que utiliza uma pequena quantidade de energia para controlar uma quantidade

Leia mais

Elétricos. Prof. Josemar dos Santos prof.josemar@gmail.com

Elétricos. Prof. Josemar dos Santos prof.josemar@gmail.com Controle de Motores Elétricos Prof. Josemar dos Santos prof.josemar@gmail.com Introdução Eletrônica de Potência Produtos de alta potência Controle de motores; Iluminação; Fontes de potência; Sistemas de

Leia mais

REPRESENTAÇÃO FASORIAL DE SINAIS SENOIDAIS

REPRESENTAÇÃO FASORIAL DE SINAIS SENOIDAIS REPRESENTAÇÃO FASORIAL DE SINAIS SENOIDAIS Neste capítulo será apresentada uma prática ferramenta gráfica e matemática que permitirá e facilitará as operações algébricas necessárias à aplicação dos métodos

Leia mais

Eletrônica Básica - Curso Eletroeletrônica - COTUCA Lista 4 Análise de circuitos a diodos c.a.

Eletrônica Básica - Curso Eletroeletrônica - COTUCA Lista 4 Análise de circuitos a diodos c.a. Eletrônica Básica - Curso Eletroeletrônica - COTUCA Lista 4 Análise de circuitos a diodos c.a. 1. A Figura abaixo apresenta o oscilograma da forma de onda de tensão em um determinado nó de um circuito

Leia mais

3 - Sistemas em Corrente Alternada. 1 Considerações sobre Potência e Energia. Carlos Marcelo Pedroso. 18 de março de 2010

3 - Sistemas em Corrente Alternada. 1 Considerações sobre Potência e Energia. Carlos Marcelo Pedroso. 18 de março de 2010 3 - Sistemas em Corrente Alternada Carlos Marcelo Pedroso 18 de março de 2010 1 Considerações sobre Potência e Energia A potência fornecida a uma carga à qual está aplicada um tensão instantânea u e por

Leia mais

Como reduzir sua conta de energia elétrica

Como reduzir sua conta de energia elétrica Como reduzir sua conta de energia elétrica Com REDULIGHT você tem energia de melhor qualidade e economiza até 25% na conta Saiba como O que é e como funciona o filtro REDULIGHT O Redulight é um Filtro

Leia mais

EFICICIÊNCIA ENERGÉTICA INDUSTRIAL. ACIONAMENTO ELETRÔNICO Marcio Americo

EFICICIÊNCIA ENERGÉTICA INDUSTRIAL. ACIONAMENTO ELETRÔNICO Marcio Americo EFICICIÊNCIA ENERGÉTICA INDUSTRIAL ACIONAMENTO ELETRÔNICO Marcio Americo ELETROBRÁS Centrais Elétricas Brasileiras S.A. www.eletrobras.com PROCEL Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica www.eletrobras.com/procel

Leia mais

Transformadores trifásicos

Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Por que precisamos usar transformadores trifásicos Os sistemas de geração, transmissão e distribuição de energia elétrica

Leia mais