MUNICÍPIO DE BAURU ETAPA 1 PROPOSTA METODOLÓGICA RELATÓRIO FINAL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MUNICÍPIO DE BAURU ETAPA 1 PROPOSTA METODOLÓGICA RELATÓRIO FINAL"

Transcrição

1 PLANO LOCAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL MUNICÍPIO DE BAURU ETAPA 1 PROPOSTA METODOLÓGICA RELATÓRIO FINAL JUNHO DE

2 A dívida scial acumulada n Brasil em relaçã à carência habitacinal atinge mais de 7 milhões de dmicílis, além de 12 milhões cm prblemas de infra-estrutura básica. As desigualdades sciais e a cncentraçã de renda, características da sciedade brasileira, se manifestam fisicamente ns espaçs segregads das nssas cidades. Nelas, as carências habitacinais cnstituem, talvez, mair prblema: a falta de mradia digna para ppulaçã de baixa renda, que respnde pr 92% d déficit habitacinal brasileir. Estud realizad pel CEDEPLAR/UFMG para Ministéri das Cidades determinu que a demanda demgráfica pr habitaçã, n Brasil, será de aprximadamente 28 milhões de dmicílis até an de O grande desafi clcad para a cnstruçã de cidades justas e demcráticas está n equacinament d déficit habitacinal existente e n prviment de sluções habitacinais em quantidade e qualidade para atender déficit acumulad e a demanda futura de frma a nã se cnstituírem em mradias precárias. Inês Magalhães Secretaria Nacinal de Habitaçã Guia de Adesã a SNHIS - 2 -

3 SUMÁRIO 1. Cnsiderações Iniciais Objetivs Organizaçã Institucinal Atribuições e respnsabilidades da equipe de trabalh Respnsabilidades e atribuições d Grup de Trabalh GT Estruturaçã da equipe técnica Prcediments Estratégias de Cmunicaçã, Mbilizaçã e Participaçã Quadr cnslidad A Publicidade a Iníci e a Términ ds Trabalhs Crngrama de Events Prazs e Custs Estimads A Articulaçã cm Outrs Prgramas e Ações Anexs Currículs

4 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS O Plan Lcal de Habitaçã de Interesse Scial (PLHIS), é um ds instruments de implementaçã d Sistema Nacinal de Habitaçã de Interesse Scial (SNHIS) e tem cm bjetiv prmver planejament das ações n setr habitacinal, de frma a garantir a funçã scial da prpriedade estabelecida na Cnstituiçã Federal e n Estatut da Cidade, cnsante às diretrizes das Resluções da Cnferência Nacinal, d Cnselh das Cidades e da Plítica Nacinal de Habitaçã d Ministéri das Cidades. Segund Guia de Adesã a Sistema Nacinal de Habitaçã de Interesse Scial, desenvlvid pel Ministéri das Cidades, PLHIS deve ser entendid cm um cnjunt de bjetivs, metas, diretrizes e instruments de açã de intervençã que expressem entendiment ds gverns lcais e ds agentes sciais e institucinais quant à rientaçã d planejament lcal d setr habitacinal, especialmente à habitaçã de interesse scial, (...) tend pr base entendiment ds principais prblemas habitacinais identificads na lcalidade. O PLHIS, prtant, deve ser elabrad de maneira articulada cm Plan Diretr Participativ e demais plans municipais setriais e, assim, precnizar a integraçã ds três níveis de gvern Municipal, Estadual e Federal na aplicaçã das plíticas habitacinais de interesse scial. O Plan Lcal de Habitaçã de Interesse Scial a ser desenvlvid para Municípi de Bauru visará a atender a essas prerrgativas e se estruturará cm base nas diretrizes cntidas d Manual para apresentaçã de Prpstas, Exercícis /2011 Api à elabraçã de Plans de Habitaçã de Interesse Scial, publicad pel Ministéri das Cidades / FNHIS

5 2. OBJETIVOS O PLHIS-Bauru buscará frnecer elements para a psterir efetivaçã da Plítica Habitacinal de Interesse Scial n Municípi, tant para a zna urbana cm para a zna rural, tend cm hriznte an de Regid pels princípis e diretrizes estabelecids pela Plítica Nacinal de Habitaçã e pel Sistema Nacinal de Habitaçã de Interesse Scial, PLHIS deverá identificar s principais prblemas habitacinais d Municípi, apntar caminhs, prpr, incentivar e executar ações que venham a rdenar plen desenvlviment das funções sciais da cidade e garantir bem- estar de seus habitantes (art. 182, Cnstituiçã Federal), articuland-se cm a plítica habitacinal aplicada pels demais níveis de gvern. Cnstituem-se bjetivs d Plan Lcal de Habitaçã de Interesse Scial de Bauru: O direit universal à mradia digna, demcratizand acess à terra urbanizada, à mradia e as serviçs públics de qualidade, ampliand a ferta de habitações e melhrand as cndições de habitabilidade para a ppulaçã de baixa renda; O atendiment às necessidades habitacinais, atuand de frma diferenciada segund s segments de renda da ppulaçã, tend cm priridade atendiment à ppulaçã de menr renda; Estimular a prduçã de Habitaçã de Interesse Scial (HIS) pr agentes da prduçã habitacinal, tais cm a iniciativa privada e as assciações e cperativas ppulares de prduçã de mradias; Garantir a sustentabilidade scial, ecnômica e ambiental ds prgramas habitacinais, através de sua articulaçã cm as plíticas de desenvlviment ecnômic e scial e de gestã ambiental; Reverter prcess de segregaçã sóci-espacial na cidade, pr intermédi da ferta de áreas, d incentiv e induçã à prduçã habitacinal dirigida as segments sciais de menr renda, inclusive em áreas centrais, bem cm pela urbanizaçã e regularizaçã ds assentaments precáris cupads pr ppulaçã de baixa renda. O PLHIS-Bauru será elabrad cm base em prcediments que cntemplem a participaçã cidadã e deverá expressar entendiment ds gverns lcais e ds agentes sciais sbre questões relativas à habitaçã n Municípi. Cm diretrizes, PLHIS deverá: Planejar desenvlviment para setr habitacinal, em áreas urbanas e rurais. Zelar pela gestã demcrática através da participaçã ds diferentes segments da sciedade, pssibilitand cntrle scial e transparência nas decisões e prcediments

6 Incrprar, n que cuberem, s instruments prpsts u regulamentads pel Estatut da Cidade, de md a: Ampliar a ferta de mradias; Ampliar as áreas destinadas à habitaçã de interesse scial; Cnter a retençã especulativa d sl urban; Cnter a supervalrizaçã ds imóveis; Demcratizar acess a terra, a mradia e as serviçs públics de qualidade; Prpiciar, induzir e prmver a recuperaçã urbanística e a regularizaçã fundiária nas áreas periféricas, favelas e assentaments irregulares

7 3. ORGANIZAÇÃO INSTITUCIONAL Os trabalhs vltads à elabraçã d Plan Lcal de Habitaçã de Interesse Scial para Bauru estarã sb crdenaçã geral da Secretaria de Planejament da Prefeitura Municipal de Bauru (SEPLAN), as cuidads da crdenadra técnica Sra. Arq. Maria Helena Carvalh Rigitan. Para a realizaçã das atividades, será cnstituíd um Grup de Trabalh GT (Figura 1), a ser cmpst pr três subgrups, send primeir subgrup frmad pela equipe de crdenaçã da SEPLAN, segund, pr membrs da assessria cntratada Institut Sma e, terceir, pr um crp técnic cmplementar cmpst pr representantes d Gabinete e de utras secretarias municipais também envlvidas cm a questã habitacinal - Secretária d Bem Estar Scial-SEBES, Secretaria das Administrações Reginais-SEAR, Secretaria da Agricultura-SAGRA. FIGURA 1: ESTRUTURA DO GRUPO DE TRABALHO GT O Grup de Trabalh GT atuará diretamente na elabraçã d Plan, mapeand dcuments e infrmações relevantes, prduzind dads analítics, prpnd ações e realizand a interlcuçã cm a cmunidade. Além d Grup de Trabalh GT espera-se, também, pr parte d pder públic lcal e da participaçã ppular, api para a elabraçã d PLHIS. Dessa frma, entendems que se frmará, pr mei dessas cntribuições e, apenas para fins didátics estruturais, que pdems definir cm: Grup de Api GA (Figura 5) cnstituíd pr um Grup de Api - 7 -

8 Municipal GAM, frmad pr representantes das demais secretarias municipais nã incluídas n GT e pr clabradres da sciedade. GRUPO DE APOIO - GA FIGURA 2: ESTRUTURA CONCEITUAL DO GRUPO DE APOIO 3.1. ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES DA EQUIPE DE TRABALHO Atribuições e Respnsabilidades da Equipe de Trabalh Municipal: Crdenaçã: Atuar cm interlcutra e facilitadra ds trabalhs; Cnduzir as ações e decisões; Garantir a peracinalizaçã das atividades necessárias a desenvlviment d plan; Mapear s atres institucinais e sciais envlvids na questã habitacinal, identificand aqueles que devem cmpr GT, GA e s que necessitam estar representads nas reuniões junt as segments sciais; Frnecer dads e infrmações relevantes para a elabraçã d PLHIS-Bauru; Prmver as ações de mbilizaçã e divulgaçã; Prvidenciar espaç físic e equipaments para a realizaçã ds events; Acinar Grup de Api GA, sempre que necessári; Encaminhar s prduts de cada etapa à Caixa Ecnômica Federal - CEF

9 Crp Técnic Cmplementar: Auxiliar a crdenaçã na mbilizaçã cmunitária e na divulgaçã das atividades; Cntribuir ativamente para levantament de infrmações e elabraçã d diagnóstic d setr habitacinal; Participar da definiçã de diretrizes e estratégias visand a equacinament ds prblemas habitacinais e à pririzaçã das plíticas d Municípi vltadas a setr Atribuições e Respnsabilidades da Cnsultria cntratada, pr etapa de elabraçã d Plan: Durante a Etapa 1 Prpsta Metdlógica: Cnduzir reuniões para nivelament técnic e planejament entre s atres envlvids; Elabrar, cnjuntamente as técnics da SEPLAN, em versã preliminar, text da Prpsta Metdlógica e apresenta-la as membrs d Cnselh Municipal de Habitaçã, para apreciaçã e aprvaçã; Registrar s events realizads, através de relatóri cm fts e lista de presença; Elabrar relatóri referente à Etapa 1 - Prpsta Metdlógica. Durante a Etapa 2 Diagnóstic d Setr Habitacinal: Selecinar e rganizar as bases de dads e mapas dispnibilizads, pririzand aqueles cnsiderads de mair relevância e cnfiabilidade para a cmpreensã da situaçã habitacinal e cnstruçã d diagnóstic; Participar de reuniões cm técnics municipais e de debates cm a cmunidade, visand à cleta de infrmações a serem cntempladas n diagnóstic; Analisar e cmpilar s dcuments e infrmações btids, devend cntar cm api d GT e, em especial, da equipe da crdenaçã para a realizaçã dessas atividades; Apresentar Diagnóstic d Setr Habitacinal em versã preliminar as membrs d Cnselh Municipal de Habitaçã, para que seja feita a cnslidaçã de seu cnteúd; Apresentar Diagnóstic d Setr Habitacinal à cmunidade, em versã definitiva; Registrar s events realizads, através de relatóri cm fts e lista de presença; Elabrar relatóri referente à Etapa 2 Diagnóstic d Setr Habitacinal

10 Durante a Etapa 3 Estratégias de Açã: Definir, a Cnselh Municipal de Habitaçã e Grup de Trabalh, as diretrizes principais e sugestões a serem cntempladas nas estratégias de açã, previstas pel plan; Encaminhar a debate, durante ficina cmunitária, a temática Estratégias de Açã, abrdand as prpstas indicadas pel Cnselh Municipal de Habitaçã e cletand nvas sugestões; Organizar as prpstas aprvadas durante debate cm a cmunidade e elabrar text final das Estratégias de Açã; Apresentar s resultads ds trabalhs realizads e text final da PLHIS- Bauru à cmunidade; Elabrar relatóri referente à Etapa 3 Estratégias de Açã ESTRUTURAÇÃO DA EQUIPE TÉCNICA Estruturaçã da equipe técnica municipal Os currículs da equipe técnica municipal encntram-se n Anex 1 da presente prpsta Estruturaçã da equipe técnica d Institut Sma A equipe técnica d Institut Sma encntra-se estruturada da seguinte frma: EQUIPE EXECUTIVA _ Letícia Rcc Kirchner arquiteta urbanista crdenadra Renata Vicentim Muniz Gardil assistente scial Jamile Marcelle da Silva geógrafa EQUIPE COMPLEMENTAR Thaís Trncn Rsa cnsultra em urbanism e habitaçã Lúcia Zanin Shimb cnsultra em habitaçã e mercad imbiliári Wilsn Shigueki Tateishi cnsultr em ecnmia e administraçã pública Rafael Mrn Martins cnsultr em administraçã financeira Gervási Câmara

11 cnsultr jurídic APOIO AO DESENVOLVIMENTO Maria Jsé Majô Jandreice assistente scial Luiz Miguel Axcar técnic em banc de dads Camila Salles Mascarenhas de Suza blsista em arquitetura e urbanism Ellen Cristina Peres De Santis blsista em arquitetura e urbanism A equipe executiva terá papel de atuar junt a GT e representar a cnsultria cntratada - Institut Sma - nas reuniões, ficinas e semináris. A equipe cmplementar, frmada pr cnsultres de diversas áreas, deverã auxiliar a equipe executiva na estruturaçã ds trabalhs e na elabraçã ds cnteúds das etapas d plan, pdend participar, casinalmente, ds events prevists. O grup de api a desenvlviment cmpõe-se pr prfissinais e blsistas que irã auxilia nas pesquisas e/u desenvlviment ds cnteúds d PLHIS, em áreas cndizentes a seus perfis prfissinais u frmaçã acadêmica. Os currículs da equipe técnica d Institut Sma cnstam d Anex I CAPACITAÇÃO DA EQUIPE TÉCNICA A capacitaçã da equipe técnica fi realizada pr mei de reuniões de trabalh e events de mbilizaçã, que buscaram instruir e prmver nivelament técnic entre s agentes envlvids quant a questões relativas à Plítica Nacinal de Habitaçã e habitaçã de interesse scial. Buscu-se prmver explanações sbre tema, dand ênfase à relevância d planejament municipal para implementaçã de ações n camp habitacinal. Fram realizads 7 events que cntemplaram a capacitaçã técnica, send duas reuniões cm a equipe de trabalh e 5 events de mbilizaçã envlvend diferentes segments da sciedade. A relaçã ds events que cntemplaram as ações de capacitaçã cnsta d Crngrama de Events, descrit n Capítul VII deste relatóri

12 4. PROCEDIMENTOS Visand a rganizar e a timizar s prcediments prevists para desenvlviment deste plan de habitaçã, fi estabelecida uma estrutura rganizacinal, representada a seguir, a qual traz a relaçã das ações e prcediments necessáris para alcance ds bjetivs das etapas 2 e 3, discriminand metas, atividades e prduts. ETAPA 2: DIAGNÓSTICO DO SETOR HABITACIONAL METAS ATIVIDADES PRODUTOS PRAZOS 2.1. Inserçã Reginal e Características d Municípi Prmver levantament de dads demgráfics e físic-territriais; Efetuar mapeament da dinâmica fundiária, envlvend prcess de expansã urbana e cresciment ppulacinal; Prmver levantament e avaliaçã quant à infraestrutura dispnível; Caracterizar as dinâmicas sciecnômicas e suas relações c/ a situaçã habitacinal Necessidades Habitacinais Prmver levantament ds parâmetrs atuais de análise da situaçã habitacinal, identificand s critéris de precariedade habitacinal e qualificaçã hierarquizada das demandas; Caracterizar déficit habitacinal quantitativ e qualitativ; Prmver mapeament de áreas hmgêneas, identificand s blsões de pbreza, assentaments irregulares e áreas cm utrs tips de vulnerabilidade scial e habitacinal Oferta Habitacinal Prmver levantament da dispnibilidade de sl urbanizad e de edificações subutilizadas u cm ptencial para adensament habitacinal; Mapear histricamente prcess de implantaçã de lteaments e empreendiments habitacinais n Municípi; Prmver levantament ds lteaments e empreendiments habitacinais aprvads pel Municípi ns últims 5 ans; Mapear as áreas públicas dminiais nã edificadas; Levantament bibligráfic; Levantament de infrmações junt a Plan Diretr Participativ, IBGE e SEADE; Levantament de infrmações junt a acerv municipal. Levantament de bancs de dads dispníveis n cadastr técnic municipal, SEPLAN, DAE, SEBES, IBGE, FJP. Análise e mapeament, a ser realizad cm a participaçã de técnics da SEPLAN, SEBES e agentes de saúde. Reuniões cm GT e Cnselh Municipal de Habitaçã; Realizaçã de ficinas setriais cm a cmunidade para discussã e elabraçã de prpstas. Levantament bibligráfic; Levantament de dads junt à SEPLAN e Secretaria de Finanças; Reuniã cm representantes d mercad imbiliári, visand à identificaçã ds principais prblemas ligads à prduçã de HIS, e a relaçã entre a iniciativa privada e pder públic; Reuniões cm GT e Cnselh Municipal de Habitaçã; Caracterizaçã físicterritrial e sciecnômica d Municípi e impact nas cndições de HIS. Caracterizaçã das necessidades habitacinais d Municípi. Caracterizaçã da ferta habitacinal n Municípi; identificaçã das áreas que receberam investiments e as que btiveram cresciment em cupaçã habitacinal. Mês 2 a 6 Mês 2 a 6 Mês 2 a

13 Identificar as áreas de ZEIS para prduçã habitacinal; Prmver levantament ds imóveis particulares nã edificads cm mais de 1000m² que pssuam dívida tributária referente à períd superir a 2 ans. Verificar a ferta habitacinal prmvida pel mercad imbiliári Marcs Regulatóris e Legais Analisar Plan Diretr Participativ, sbretud a que se relacina às questões de habitaçã, parcelament d sl e regularizaçã fundiária; Levantar as demais legislações municipais que dispõem sbre a questã habitacinal e fundiária Prgramas e Ações Identificar s prgramas habitacinais financiads u executads pelas administrações lcais e demais entes federativs u pr agencias bilaterais. Realizaçã de ficinas setriais cm a cmunidade para discussã e elabraçã de prpstas. Análise d Plan Diretr Participativ; Levantament e análise das demais legislações municipais; Reuniões cm GT e Cnselh Municipal de Habitaçã. Levantament de infrmações nas agências municipais, estaduais e federais prmtras de HIS; Reuniões cm GT e Cnselh Municipal de Habitaçã Fntes de Recurss para Financiament Habitacinal Identificar as fntes de recurss existentes, s ptenciais para setr habitacinal e s agentes envlvids. Levantament de infrmações junt a agencias de financiament habitacinal; Reuniões cm GT e Cnselh Municipal de Habitaçã Cndições Institucinais e Administrativas Analisar as cndições institucinais e administrativas para a prduçã e prvisã públicas e privadas em HIS, envlvend a identificaçã da rtina peracinal, capacidade de aplicaçã de recurss própris, recurss humans, estrutura e prcediments Atres Sciais e suas Capacidades Levantar infrmações sbre as frmas de rganizaçã ds grups sciais que atuam n setr habitacinal e suas capacidades. Levantament de infrmações junt a Prefeitura Municipal de Bauru; Reuniões cm GT e Cnselh Municipal de Habitaçã. Reuniões cm GT e Cnselh Municipal de Habitaçã. Caracterizaçã ds instruments de regulaçã urbana vigentes e legislaçã municipal, verificand sua cmpatibilizaçã a PLHIS. Caracterizaçã histórica da atuaçã de agentes prmtres e da estrutura prgramática p/ melhria, prduçã e prvisã de HIS. Caracterizaçã das pssibilidades e alternativas para a prvisã de recurss. Caracterizaçã das cndições institucinais e administrativas para a prduçã e prvisã habitacinal. Identificaçã ds ptenciais interlcutres lcais envlvids cm a questã habitacinal. Mês 2 a 6 Mês 2 a 6 Mês 2 a 6 Mês 2 a 6 Mês 2 a

14 3.1. Diretrizes e Objetivs ETAPA 3: ESTRATÉGIAS DE AÇÃO METAS ATIVIDADES PRODUTOS PRAZOS Definir as diretrizes gerais, a ser elabradas cm base na caracterizaçã d Municípi, tend cm referência a análise da dinâmica fundiária e ecnômica; Definir as diretrizes específicas, a ser elabradas a partir da caracterizaçã da demanda habitacinal e das cndições sciecnômicas da demanda específica pr HIS; Definir diretrizes de prduçã lcal, cnsiderand a realidade da dinâmica de prvisã em HIS n Municípi, a dispnibilidade de terra, perfil da prduçã d mercad, s recurss dispníveis, s prgramas, bem cm a viabilidade de implementaçã de parcerias cm universidades, sindicats e utrs; Definir diretrizes institucinais, jurídicas e de articulaçã prgramática, cm base na situaçã peracinal administrativa instalada, s instruments de regulaçã urbana prevists e perfil de atuaçã/articulaçã da Municipalidade nas questões envlvidas. Análise ds dads cletads n diagnóstic; Reuniões cm GT e Cnselh Municipal de Habitaçã; Realizaçã de ficina cmunitária para discussã e elabraçã de prpstas. Cnslidaçã das diretrizes e bjetivs para elabraçã d PLHIS e sua articulaçã cm a Plítica Nacinal de Habitaçã. Mês 6 a Prgramas e Ações Elabrar a cncepçã da estrutura prgramática; Frmular s prgramas; Identificar as ações integrantes ds prgramas (cnsiderand fc, abrangência, articulaçã a utrs prgrama, executr, etc) Dimensinar s custs envlvids e s recurss necessáris para a realizaçã ds prgramas; Cmpatibilizar s prgramas e ações as instruments de realizaçã rçamentária e financeira d Municípi Metas, Recurss e Fntes de Financiament Definir e dimensinar as metas e aferir vlume de recurss financeirs envlvids; Analisar a viabilidade entre as metas prpstas e dispnibilidade de recurss rçamentáris, financeirs, prgramátics, jurídics e peracinais; Definir itens de cust e suas inserções na cmpsiçã das ações; Mapear e assciar as fntes de financiament Prgramas e Ações Definiçã das Priridades Análise ds dads cletads n diagnóstic; Reuniões cm GT e Cnselh Municipal de Habitaçã; Realizaçã de ficina cmunitária para discussã e elabraçã de prpstas. Cmpilaçã ds dads cletads nas metas anterires; Reuniões cm GT e Cnselh Municipal de Habitaçã. Estruturaçã plena ds prgramas e ações Estruturaçã d plan de metas, cntempland sua cmpatibilizaçã cm as fntes e s vlumes de recurss dispníveis u prjetads. Mês 6 a 8 Mês 6 a

15 Estabelecer a pririzaçã das metas, prgramas e ações. Cmpilaçã ds dads cletads nas metas anterires; Reuniões cm GT e Cnselh Municipal de Habitaçã; Realizaçã de ficina cmunitária para discussã e elabraçã de prpstas. Plan de Priridades e Aferiçã d PLHIS. Mês 6 a Indicadres Estabelecer s instruments de aferiçã de desempenh. Cmpilaçã ds dads cletads nas metas anterires; Reuniões cm GT e Cnselh Municipal de Habitaçã. Definiçã ds indicadres para a aferiçã d desempenh das ações d PLHIS. Mês 6 a Mnitrament, Avaliaçã e Revisã Definir e elabrar s mecanisms de aferiçã, avaliaçã e revisã das ações, prgramas e d própri PLHIS; Estabelecer a peridicidade de avaliaçã; Definir flux peracinal e atribuições, estabelecend cm se dará acmpanhament da sciedade nas ações de mnitrament, avaliaçã e revisã; Estabelecer cm se dará a publicizaçã das ações e recurss emprenhads. Cmpilaçã ds dads cletads nas metas anterires; Reuniões cm GT e Cnselh Municipal de Habitaçã. Definiçã ds prcediments de mnitrament e mecanisms de revisã da estrutura prgramática implementada. Mês 6 a

16 5. ESTRATÉGIAS DE COMUNICAÇÃO, MOBILIZAÇÃO E PARTICIPAÇÃO A participaçã ppular é fundamental para a cnstruçã de um plan habitacinal cerente e cmpatível às expectativas da ppulaçã lcal. O prcess participativ adtad n PLHIS - Bauru passa pela participaçã direta, assim cm pela participaçã indireta (cnselhs, instituições). Visand à sensibilizaçã scial e à ampla participaçã da cmunidade na elabraçã d PLHIS-Bauru, fram previstas as seguintes ações: Articulaçã cm Cnselh Municipal de Habitaçã, envlvend- diretamente na elabraçã d plan e refrçand-lhe papel de representante e interlcutr scial. Realizaçã de reuniões de sensibilizaçã e apresentaçã ds trabalhs cm representantes d pder públic, mviments sciais, entidades de classe e sindicats, entidades de ensin e pesquisa, mercad imbiliári, cnstruçã civil e representantes da área rural, cm a finalidade de divulgar e mbilizar s diferentes segments sciais envlvids cm a questã habitacinal e lcalizar ptenciais clabradres, capazes de cntribuir ativamente para desenvlviment e cnslidaçã da plítica habitacinal n Municípi. Realizaçã de events aberts à cmunidade (ficinas e seminári), buscand ampliar a rede de agentes envlvids, cletar infrmações junt à ppulaçã e aperfeiçar desenvlviment d PLHIS-Bauru. Tds s events cmunitáris serã registrads pr mei de atas, as quais ficarã dispníveis à cnsulta ppular, as cuidads da equipe de crdenaçã d GT. Caberá à crdenaçã (SEPLAN) prmver as ações de divulgaçã junt à cmunidade e as representantes ds segments sciais, visand à ampla participaçã ns events. O Cnselh Municipal de Habitaçã acmpanhará td prcess de elabraçã d PLHIS- Bauru, pr mei de reuniões periódicas que envlverã a apresentaçã d andament das atividades e a análise cnjunta ds resultads btids. A açã direta cm a cmunidade terá papel decisiv na cmplementaçã e qualificaçã d Diagnóstic d Setr Habitacinal, através da cnstruçã de referências ppulares sbre a questã de HIS n Municípi. Espera-se, desta frma, intrduzir as peculiaridades à prblemática em fc, sb pnt de vista ds mradres que cmpõem a demanda pr HIS n Municípi. Segue abaix a relaçã ds events cmunitáris prevists: Quatr reuniões cm Cnselh Municipal de Habitaçã, send a primeira para apresentaçã ds trabalhs; a segunda para estruturaçã da Etapa 2 Diagnóstic d Setr Habitacinal; a terceira para análise ds resultads btids nas ficinas cmunitárias, cnslidaçã d diagnóstic e elabraçã de prpstas para a Etapa

17 Estratégias de Açã; e a quarta para cnslidaçã e fechament d cnteúd da Etapa 3; Cinc reuniões cm segments sciais, visand à divulgaçã, à mbilizaçã e à identificaçã de clabradres e interessads; Seis ficinas setriais cm a cmunidade, para levantament das necessidades habitacinais, identificaçã de prblemas relacinads à HIS e prmçã de debates; Uma ficina cmunitária de cnslidaçã d diagnóstic e definiçã d cnteúd a ser prpst cm estratégias de açã para Municípi; Um Seminári Final, para fechament d cnteúd d PLHIS - Bauru. As datas das ficinas e d seminári deverã ser divulgadas previamente para a ppulaçã, pr mei d Diári Oficial e/u pel site da Prefeitura Municipal de Bauru ( além de ser recmendada a prmçã de matérias na imprensa lcal. Essas ações ficarã sb respnsabilidade da crdenaçã d plan (SEPLAN). As reuniões d Grup de Trabalh e entre a equipe d Institut Sma e a crdenaçã nã terã peridicidade definida e crrerã cnfrme a necessidade. Reuniões envlvend clabradres e membrs d Grup de Api Municipal pderã, também, crrer a qualquer temp QUADRO CONSOLIDADO Atividades de Mbilizaçã e Participaçã Reuniões cm Cnselh Municipal de Habitaçã Plan de Mbilizaçã e Participaçã Quantidade Reuniões cm Segments Sciais 5 Oficinas setriais cm a cmunidade 6 Oficina Cmunitária Atres Esperads Cnselh Municipal de Habitaçã; Representantes da Prefeitura; Assessria Cntratada. Representantes d pder públic; Mviments sciais; Entidades de classe e sindicats; Entidades de ensin e pesquisa; Representantes d mercad imbiliári e da cnstruçã civil; Representantes da área rural; Assessria Cntratada. Representantes da Prefeitura; Assciações de Mradres; Ppulaçã demandante pr HIS; Assessria Cntratada. Representantes d pder públic; Assessria Cntratada; Mviments sciais; Entidades de classe e sindicats; Entidades de ensin e pesquisa;

18 Seminári Final 1 Representantes d mercad imbiliári e da cnstruçã civil; Representantes da área rural; Assciações de Mradres; Cnselh Municipal de Habitaçã; Ppulaçã demandante pr HIS. Representantes d pder públic; Assessria Cntratada; Mviments sciais; Entidades de classe e sindicats; Entidades de ensin e pesquisa; Representantes d mercad imbiliári e da cnstruçã civil; Representantes da área rural; Assciações de Mradres; Cnselh Municipal de Habitaçã; Ppulaçã demandante pr HIS

19 6. A PUBLICIDADE AO INÍCIO E AO TÉRMINO DOS TRABALHOS A iníci ds trabalhs de elabraçã d Plan Lcal de Habitaçã de Interesse Scial para Bauru fram realizadas ações de divulgaçã, as quais cnstam relacinadas a seguir: Divulgaçã na imprensa lcal, n Diári Oficial e n site da Prefeitura Municipal de Bauru, relatand iníci ds trabalhs; Apresentaçã das atividades a Cnselh Municipal de Habitaçã; Reuniões cm representantes ds principais segments da sciedade envlvids cm a questã habitacinal pder públic, mviments sciais, entidades de classe e sindicats, entidades de ensin e pesquisa, mercad imbiliári, cnstruçã civil e representantes da área rural para a sensibilizaçã e apresentaçã das atividades de elabraçã d PLHIS. A términ das atividades, está prevista a realizaçã de um seminári de fechament d cnteúd d PLHIS, que buscará cnslidar e difundir a ações prpstas pel Plan. Os resultads serã ainda divulgads n site da Prefeitura Municipal de Bauru e em reprtagens na imprensa lcal, estand essas prvidencias sb s cuidads da crdenaçã d plan (SEPLAN)

20 7. CRONOGRAMA DE EVENTOS Segue abaix crngrama ds events principais, que envlvem a participaçã ppular e/u estrutura as etapas de trabalh. As datas mencinadas pderã ser alteradas pr decisã da crdenaçã (SEPLAN). As alterações na agenda de events deverã ser previamente cmunicadas à ppulaçã, através ds meis de divulgaçã prevists pr esta prpsta metdlógica. Referência CRONOGRAMA FÍSICO Events Cmunitáris / Events de Estruturaçã de Etapas Etapa 1 1ª reuniã estrutural d PLHIS: estruturaçã da metdlgia e definiçã das frmas de participaçã; nivelament e capacitaçã. Etapa 1 2ª reuniã estrutural d PLHIS: estruturaçã da metdlgia e pré-definiçã da agenda de events; capacitaçã. Etapa 1 Reuniã cm Cnselh Municipal de Habitaçã para aprvaçã da Prpsta Metdlógica. Etapa 1 1ª reuniã cm segments sciais para apresentaçã ds trabalhs, mbilizaçã, capacitaçã e identificaçã de ptenciais clabradres - Segment: Entidades de Ensin e Pesquisa. Etapa 1 2ª reuniã cm segments sciais para apresentaçã ds trabalhs, mbilizaçã, capacitaçã e identificaçã de ptenciais clabradres - Segment: Ruralistas. Etapa 1 3ª reuniã cm segments sciais para apresentaçã ds trabalhs, mbilizaçã, capacitaçã e identificaçã de ptenciais clabradres - Segment: Mviments Sciais. Etapa 1 4ª reuniã cm segments sciais para apresentaçã ds trabalhs, mbilizaçã, capacitaçã e identificaçã de ptenciais clabradres - Segment: Pder Públic. Etapa 1 5ª reuniã cm segments sciais para apresentaçã ds trabalhs, mbilizaçã, capacitaçã e identificaçã de ptenciais clabradres - Segments: Entidades de Classe e Sindicats; Mercad Imbiliári e da Cnstruçã Civil. Etapa 2 Reuniã cm Cnselh Municipal de Habitaçã para estruturaçã da Etapa 2 - Diagnóstic Habitacinal. Etapa 2 1ª ficina setrial cmunitária para levantament das necessidades habitacinais, identificaçã de prblemas relacinads à HIS e prmçã de debates - Setres da Zna Rural e Dist. Tibiriçá. Etapa 2 2ª ficina setrial cmunitária para levantament das necessidades habitacinais, identificaçã de prblemas relacinads à HIS e prmçã de debates - Setres: 1, 2 e 12. Etapa 2 3ª ficina setrial cmunitária para levantament das necessidades habitacinais, identificaçã de prblemas relacinads à HIS e prmçã de debates - Setres: 10 e 11. Etapa 2 4ª ficina setrial cmunitária para levantament das necessidades habitacinais, identificaçã de prblemas relacinads à HIS e prmçã de debates - Setres: 3, 4 e 5 sul. Etapa 2 5ª ficina setrial cmunitária para levantament das necessidades habitacinais, identificaçã de prblemas relacinads à HIS e prmçã de debates - Setres: 5 nrte e 6. Etapa 2 6ª ficina setrial cmunitária para levantament das necessidades habitacinais, identificaçã de prblemas relacinads à HIS e prmçã de debates - Setres: 7, 8 e 9. Etapa 2 / 3 Reuniã cm Cnselh Municipal de Habitaçã para análise e cnslidaçã ds resultads btids durante a Etapa 2. Etapa 2 / 3 Oficina cmunitária para cnslidaçã d diagnóstic e definiçã das diretrizes e cnteúds a serem cntempladas na Etapa 3 Estratégias de Açã. Etapa 3 Reuniã cm Cnselh Municipal de Habitaçã para cnslidaçã d cnteúd da Etapa 3 - Estratégias de Açã. E elabraçã d Plan Etapa 3 Seminári de Fechament das Estratégias de Açã MESES

21 7.1. MAPA DE DISTRIBUIÇÃO DAS OFICINAS SETORIAIS

22 8. PRAZOS E CUSTOS ESTIMADOS O Praz para a execuçã ds serviçs de elabraçã d Plan Lcal de Habitaçã de Interesse Scial para Bauru será de 8 (it) meses, a cntar da data de emissã da Ordem de Serviç, a qual fi efetuada pela Municipalidade em 19 de abril de Os repasses financeirs deverã ser realizads após a cnclusã de cada etapa d plan e d encaminhament de respectiv relatóri. Segue abaix crngrama de atividades e desembls: CRONOGRAMA FÍSICO-FINANCEIRO DE ATIVIDADES ETAPAS REPASSE MÊS 1 MÊS 2 MÊS 3 MÊS 4 MÊS 5 MÊS 6 MÊS 7 MÊS 8 1. Prpsta Metdlógica R$ Diagn. Habitacinal R$ ,40 3. Estratégias de Açã R$ ,40 Finalizaçã da Etapa 1 em 21 de junh de Finalizaçã da Etapa 2 em 17 de utubr de Finalizaçã da Etapa 3 em 10 de dezembr de

23 9. A ARTICULAÇÃO COM OUTROS PROGRAMAS E AÇÕES O Plan Lcal de Habitaçã de Interesse Scial será elabrad de maneira a dar cntinuidade nas dispsições cntidas n Plan Diretr Participativ e decisões estabelecidas durante as Cnferências das Cidades e pel Cnselh Municipal de Habitaçã. Busca-se, cm a elabraçã d PLHIS-Bauru, aprximar as secretarias envlvidas cm habitaçã e cm desenvlviment ecnômic scial, criand uma plítica unificada que trate da questã sócihabitacinal de maneira ampla e articulada. O PLHIS apiará frtaleciment de ações e prgramas cmplementares, cm geraçã de empreg e renda, qualificaçã prfissinal e cmbate à pbreza, entendids cm fundamentais para acess de tda a ppulaçã à mradia de qualidade. O planejament habitacinal d Municípi deverá ser cnstruíd e cnslidad em cnfrmidade a que dispõe s demais níveis de gvern - Estadual e Federal, quant à plítica habitacinal, prgramas e ações

24 10. ANEXOS CURRÍCULOS

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA CAMINHO PARA ELABORAÇÃO DE AGENDAS EMPRESARIAIS EM ADAPTAÇÃO ÀS MUDANÇAS DO CLIMA Prpsta de Framewrk Resultad d diálg crrid em 26 de junh de 2013, n Fórum Latin-American

Leia mais

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006 1 GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Dads da rganizaçã Data de elabraçã da ficha: Fev 2008 Nme: GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Endereç: Av. Brigadeir Faria Lima, 2.413 1º andar

Leia mais

DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS

DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS Prjets n Bima Amazônia A Critéris Orientadres B C D E F Cndicinantes Mínims para Prjets Mdalidades de Aplicaçã ds Recurss Restriçã de Us ds Recurss Critéris

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL Intrduçã O presente Regulament cnstitui um dcument intern d curs de Ciências Cntábeis e tem pr bjetiv reger as atividades relativas a Estági de Iniciaçã

Leia mais

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde Anex V Sftware de Registr Eletrônic em Saúde Implantaçã em 2 (duas) Unidades de Saúde Índice 1 INTRODUÇÃO... 3 2 ESTRATÉGIAS E PROCEDIMENTOS DE IMPLANTAÇÃO... 3 4 INFRAESTRUTURA NAS UNIDADES DE SAÚDE -

Leia mais

Prefeitura Municipal de Belo Horizonte Vox Mercado Pesquisa e Projetos Ltda. Dados da organização

Prefeitura Municipal de Belo Horizonte Vox Mercado Pesquisa e Projetos Ltda. Dados da organização Data de elabraçã da ficha: Jun 2007 Prefeitura Municipal de Bel Hriznte Vx Mercad Pesquisa e Prjets Ltda. Dads da rganizaçã Nme: Prefeitura Municipal de Bel Hriznte Endereç: Av. Afns Pena, 1212 - Cep.

Leia mais

Volume I: Tecnologia Sesi cultura e as leis de incentivo à cultura. Brasília: SESI/DN, 2007, 50p.

Volume I: Tecnologia Sesi cultura e as leis de incentivo à cultura. Brasília: SESI/DN, 2007, 50p. Data de elabraçã da ficha: Jun 2007 SESI Serviç Scial da Indústria Dads da rganizaçã Nme: SESI Serviç Scial da Indústria Endereç: Av Paulista, 1313, Sã Paul, SP Site: www.sesi.rg.br Telefne: (11) 3146-7405

Leia mais

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 Flrianóplis, 25 de janeir de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 1) Cnsiderações Gerais: A Federaçã Nacinal ds Estudantes de Engenharia Civil

Leia mais

REGULAMENTO 1- OBJETIVO

REGULAMENTO 1- OBJETIVO REGULAMENTO 1- OBJETIVO O Prgrama Nv Temp é um iniciativa da Cargill Agricla SA, que visa ferecer as seus funcináris e das empresas patrcinadras ds plans de previdência sb a gestã da CargillPrev Sciedade

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA

DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA REQUISITOS TECNICOS O Prgrama de Api as Actres Nã Estatais publica uma slicitaçã para prestaçã

Leia mais

O desafio da regulação econômico-financeira dos operadores públicos de serviços de saneamento básico no Brasil: primeiras experiências

O desafio da regulação econômico-financeira dos operadores públicos de serviços de saneamento básico no Brasil: primeiras experiências O desafi da regulaçã ecnômic-financeira ds peradres públics de serviçs de saneament básic n Brasil: primeiras experiências Karla Bertcc Trindade VI Fr Iber American de Regulación 11/11/2013 - Mntevide,

Leia mais

PROJETO CADASTRO DE FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUA SUBTERRÂNEA

PROJETO CADASTRO DE FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUA SUBTERRÂNEA IINNTTRRODDUUÇÇÃÃO I As decisões sbre a implementaçã de ações de cnvivência cm a seca exigem cnheciment básic sbre a lcalizaçã, caracterizaçã e dispnibilidade das fntes de água superficiais e subterrâneas.

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PIAUÍ. PROJETO OTIMIZAR Plano do Programa

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PIAUÍ. PROJETO OTIMIZAR Plano do Programa 1. Escp u finalidade d prjet PROJETO OTIMIZAR Plan d Prgrama O Prjet Otimizar visa aprimrar ações implantadas que têm pr bjetiv a reduçã de cnsum de materiais e criar mecanisms de avaliaçã que pssam medir

Leia mais

Ministério da Justiça. Orientações para a preparação dos Policiais que atuam na Região

Ministério da Justiça. Orientações para a preparação dos Policiais que atuam na Região Ministéri da Justiça Departament da Plícia Federal Academia Nacinal de Plícia Secretaria Nacinal de Segurança Pública Departament de Pesquisa, Análise da Infrmaçã e Desenvlviment Humanan Orientações para

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Econômico Regional e Local dos Municípios do Pontal do Paranapanema

Plano de Desenvolvimento Econômico Regional e Local dos Municípios do Pontal do Paranapanema Plan de Desenvlviment Ecnômic Reginal e Lcal ds Municípis d Pntal d Paranapanema 1ª Etapa Diagnóstic Ecnômic e Definiçã de Cenáris Apresentaçã as municípis 20/08/2014 Cnvêni: Elabraçã: Plan de Desenvlviment

Leia mais

1. Objetivo Geral. Página 1 de 5 CURSO LEADER COACH BELÉM. SESI Serviço Social da Indústria. IEL Instituto Euvaldo Lodi

1. Objetivo Geral. Página 1 de 5 CURSO LEADER COACH BELÉM. SESI Serviço Social da Indústria. IEL Instituto Euvaldo Lodi O país d futur parece estar chegand para muits brasileirs que investiram em qualidade e prdutividade prfissinal, empresarial e pessal ns últims ans. O gigante adrmecid parece estar despertand. Dads d Centr

Leia mais

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA CICLO DE ELABORAÇÃO DE AGENDAS EMPRESARIAIS EM ADAPTAÇÃO ÀS MUDANÇAS DO CLIMA Prpsta de Framewrk A partir d diálg crrid em 26 de junh de 2013, n Fórum Latin-American de Adaptaçã

Leia mais

Banco Industrial do Brasil S.A. Gerenciamento de Capital

Banco Industrial do Brasil S.A. Gerenciamento de Capital Banc Industrial d Brasil S.A. Gerenciament de Capital 2014 1 Sumári 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL... 4 4. PLANO DE CAPITAL... 5 5. RESPONSABILIDADES... 6

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA 1. Intrduçã e Objetivs a) O Cncurs de Ideias OESTECIM a minha empresa pretende ptenciar apareciment de prjets invadres na regiã d Oeste sempre numa perspetiva de desenvlviment ecnómic e scial. b) O Cncurs

Leia mais

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000 GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisã: 000 A Mercur S.A., empresa estabelecida desde 1924, se precupa em cnduzir as suas relações de acrd cm padrões étics e cmerciais, através d cumpriment da legislaçã

Leia mais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais Nvas Salvaguardas Ambientais e Sciais Discussões Técnicas de Gvern ESS10 Acess a Infrmaçã e engajament de stakehlders 15 de utubr, 2014 Objetivs da ESS10 (1/2) Delinear uma abrdagem sistemática para engajament

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INFORMAÇÃO TÉCNICA nº 066/2008 - COHID/CGENE/DILIC/IBAMA Brasília, 11 de agst

Leia mais

Página 1 de 10 PROJETO E RELATÓRIO DE ATIVIDADES

Página 1 de 10 PROJETO E RELATÓRIO DE ATIVIDADES Página 1 de 10 PROJETO E RELATÓRIO DE ATIVIDADES Página 2 de 10 O Prjet Aliança O Prjet Aliança é uma idéia que evluiu a partir de trabalhs realizads cm pessas da cmunidade d Bairr da Serra (bairr rural

Leia mais

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal d Ceará Campus de Sbral Curs de Engenharia da Cmputaçã Regulament para realizaçã d Trabalh de Cnclusã de Curs Intrduçã Este dcument estabelece as regras básicas para funcinament das

Leia mais

Curso de Extensão: Finanças Corporativas

Curso de Extensão: Finanças Corporativas 1. Apresentaçã Curs de Extensã: Finanças Crprativas Uma crpraçã é, genericamente, caracterizada pela tmada de duas decisões fundamentais, a de financiament e a de investiment. O prcess de seleçã, análise

Leia mais

Prefeitura Municipal

Prefeitura Municipal Prefeitura Municipal Publicad autmaticamente n Diári de / / Divisã de Prtcl Legislativ Dê-se encaminhament regimental. Sala das Sessões, / / Presidente Curitiba, 22 de julh de 2015. MENSAGEM Nº 049 Excelentíssim

Leia mais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais Nvas Salvaguardas Ambientais e Sciais Discussões Técnicas de Gvern ESS1 Avaliaçã e Gerenciament de Riscs e Impacts Sciais e Ambientais 15 de utubr, 2014 Objetivs da ESS1 Identificar, avaliar e gerir s

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N 379, DE 19 DE OUTUBRO DE 2006 Cria e regulamenta sistema de dads e infrmações sbre a gestã flrestal n âmbit d Sistema Nacinal

Leia mais

DIRETRIZES PARA APRESENTAÇÃO DE REDES E CRONOGRAMAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2

DIRETRIZES PARA APRESENTAÇÃO DE REDES E CRONOGRAMAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2 1 / 5 SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2 2.1.1 CRITÉRIOS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DO CRONOGRAMA DE BARRAS TIPO GANTT:...2 2.1.2 CRITÉRIOS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO

Leia mais

DIRETORIA DE UNIDADE COORDENAÇÃO DE CURSOS

DIRETORIA DE UNIDADE COORDENAÇÃO DE CURSOS DIRETORIA DE UNIDADE COORDENAÇÃO DE CURSOS PROJETO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (X) PROJETO DE PESQUISA PROJETO DE EXTENSÃO Acadêmic ; Scial PROJETO DE INTERDISCIPLINARIDADE

Leia mais

Fundo de Desenvolvimento das Nações Unidas para a Mulher E s c r i t ó r i o R e g i o n a l p a r a o B r a s i l e o C o n e S u l

Fundo de Desenvolvimento das Nações Unidas para a Mulher E s c r i t ó r i o R e g i o n a l p a r a o B r a s i l e o C o n e S u l Fund de Desenvlviment das Nações Unidas para a Mulher E s c r i t ó r i R e g i n a l p a r a B r a s i l e C n e S u l Fnd de Desarrll de las Nacines Unidas para la Mujer O f i c i n a R e g i n a l p

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE JUIZ DE FORA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE JUIZ DE FORA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE JUIZ DE FORA PROGRAMA NACIONAL DE REORIENTAÇÃO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL EM SAÚDE PRÓ-SAÚDE PROJETO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA

Leia mais

Cm Criar Seu Própri Empreg em Apenas 5 Passs 1 1º Pass: A IDEIA 2º Pass: O CONTACTO COM VÁRIAS INSTITUIÇÕES E ENTIDADES 3º Pass: PLANO DE NEGÓCIOS 4º Pass: CRIAÇÃO DA EMPRESA E INÍCIO DE ACTIVIDADE 5º

Leia mais

ROTEIRO DE PROJETOS. 6 Email: Pirilampo.sede@hotmail.com

ROTEIRO DE PROJETOS. 6 Email: Pirilampo.sede@hotmail.com ATENÇÃO: Este frmulári cntém rientações quant a preenchiment de cada camp. Após preenchiment, excluir as rientações que aparecem em clchetes ([]). I. INFORMAÇÃO SOBRE A ORGANIZACAO RESPONSÁVEL PELO PROJETO

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS Versã 0.0 25/10/2010 Sumári 1 Objetivs... 3 2 Cnceits... 3 3 Referências... 3 4 Princípis... 3 5 Diretrizes d Prcess... 4 6 Respnsabilidades... 5 7

Leia mais

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO:

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5.1 INTRODUÇÃO A rganizaçã da manutençã era cnceituada, até há puc temp, cm planejament e administraçã ds recurss para a adequaçã à carga de trabalh esperada.

Leia mais

REGULAMENTO DE POLÍTICA DE CAPACITAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DOS SERVIDORES DA FETLSVC - RS

REGULAMENTO DE POLÍTICA DE CAPACITAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DOS SERVIDORES DA FETLSVC - RS REGULAMENTO DE POLÍTICA DE CAPACITAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DOS SERVIDORES DA FETLSVC - RS Julh 2007 INTRODUÇÃO As amplas, prfundas e rápidas transfrmações pr que passa a nssa sciedade prvcaram, frçsamente,

Leia mais

1.1.3.1 Ausência de processo de monitoramento e avaliação da execução do PDTI.

1.1.3.1 Ausência de processo de monitoramento e avaliação da execução do PDTI. Cnstatações 1.1.3.1 Ausência de prcess de mnitrament e avaliaçã da execuçã d PDTI. 1.1.3.2 Cmitê de TI nã atuante e inefetiv. 1.1.3.3 Quantidade insuficiente de servidres para a gestã de TI. 1.1.3.4 Falhas

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016

PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016 PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016 Tend presente a Missã da Federaçã Prtuguesa de Autism: Defesa incndicinal ds direits das pessas cm Perturbações d Espectr d Autism e suas famílias u representantes. Representaçã

Leia mais

SEGURANÇA NO TRABALHO CONTRATADOS E TERCEIROS DO CLIENTE

SEGURANÇA NO TRABALHO CONTRATADOS E TERCEIROS DO CLIENTE Flha 1 de 8 Rev. Data Cnteúd Elabrad pr Aprvad pr 0 16/06/2004 Emissã inicial englband a parte técnica d GEN PSE 004 Luiz C. Sants Cmitê da Qualidade 1 31/01/2006 Revisã geral Luiz C. Sants Cmitê da Qualidade

Leia mais

Projetos, Programas e Portfólios

Projetos, Programas e Portfólios Prjets, Prgramas e Prtfólis pr Juliana Klb em julianaklb.cm Prjet Segund PMBOK (2008): um prjet é um esfrç temprári empreendid para criar um nv prdut, serviç u resultad exclusiv. Esta definiçã, apesar

Leia mais

SÍNTESE DAS CONTRIBUIÇÕES DO SEMINÁRIO

SÍNTESE DAS CONTRIBUIÇÕES DO SEMINÁRIO Secretaria Nacinal de Habitaçã Departament de Desenvlviment Institucinal e Cperaçã Técnica Esplanada ds Ministéris, Blc A, 3º andar. Fne: (61) 2108-1783 - Endereç eletrônic: redehabitar@cidades.gv.br PLANO

Leia mais

Glossário das Metas Prioritárias 2010 Versão 1.2.14 Agosto/2010

Glossário das Metas Prioritárias 2010 Versão 1.2.14 Agosto/2010 Meta Priritária 5 Implantar métd de gerenciament de rtinas (gestã de prcesss de trabalh) em pel mens 50% das unidades judiciárias de 1º grau. Esclareciment da Meta Nã estã sujeits a esta meta s tribunais

Leia mais

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social Anex 03 Recmendaçã nº 3: estatut padrã, estatut fundamental e cntrat scial 1. Resum 01 Atualmente, Estatut da Crpraçã da Internet para a atribuiçã de nmes e númers (ICANN) tem um mecanism únic para alterações.

Leia mais

Março de 2012. Relatório Consolidado

Março de 2012. Relatório Consolidado Març de 2012 Relatóri Cnslidad Apresentaçã O presente relatóri tem cm bjetiv reunir infrmações referentes à aplicaçã-pilt da versã intermediária ds Indicadres Eths 3ª Geraçã. Essas infrmações serã insum

Leia mais

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil;

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil; TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS ESPECIALIZADOS DE ANÁLISE DA REDUÇÃO AO VALOR RECUPERÁVEL DE ATIVO PARA CÁLCULOS DO VALOR DO IMPAIRMENT E VIDA ÚTIL RESIDUAL, EM CONFORMIDADE COM O DISPOSTO

Leia mais

1. DADOS GERAIS...4. 1.1. Identificação...4. 1.2. Histórico...4. 1.3. Estrutura Organizacional...5 2. OBJETIVOS E METAS...7. 2.1. Finalidade...

1. DADOS GERAIS...4. 1.1. Identificação...4. 1.2. Histórico...4. 1.3. Estrutura Organizacional...5 2. OBJETIVOS E METAS...7. 2.1. Finalidade... Índice 1. DADOS GERAIS...4 1.1. Identificaçã...4 1.2. Históric...4 1.3. Estrutura Organizacinal...5 2. OBJETIVOS E METAS...7 2.1. Finalidade...8 2.2. Missã...8 2.3. Visã...8 2.4. Premissas...9 2.5. Diretrizes...9

Leia mais

PASTORAL DA JUVENTUDE ARQUIDIOCESE DE LONDRINA PROJETO ESCOLA DE COORDENADORES PASSO A PASSO

PASTORAL DA JUVENTUDE ARQUIDIOCESE DE LONDRINA PROJETO ESCOLA DE COORDENADORES PASSO A PASSO PROJETO ESCOLA DE COORDENADORES PASSO A PASSO 1) Justificativa: A lharms para a realidade ds nsss grups de Pastral de Juventude, percebems a necessidade de reafirmaçã metdlógica d pnt de vista da açã eclesial.

Leia mais

Uma nova proposta para a Agenda Ambiental Portuária

Uma nova proposta para a Agenda Ambiental Portuária Uma nva prpsta para a Agenda Ambiental Prtuária Marcs Maia Prt Gerente de Mei Ambiente O grande desafi a tratar cm as questões ambientais prtuárias é bter um resultad equilibrad que harmnize s cnflits

Leia mais

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL ÍNDICE I. Apresentaçã e bjectivs d wrkshp II. III. Resultads ds inquérits Ambiente cmpetitiv Negóci Suprte Prcesss

Leia mais

Prezado Senhor Diretor Presidente CASUL- COOPERATIVA DE AGRÁRIA CAFEICULTORES DO SUL DE SÃO PAULO Olavo Morales Garcia

Prezado Senhor Diretor Presidente CASUL- COOPERATIVA DE AGRÁRIA CAFEICULTORES DO SUL DE SÃO PAULO Olavo Morales Garcia Prezad Senhr Diretr Presidente CASUL- COOPERATIVA DE AGRÁRIA CAFEICULTORES DO SUL DE SÃO PAULO Olav Mrales Garcia O IBRASS INSTITUTO BRASILEIRO DO ASSOCIATIVISMO, entidade sem fins ecnômics, frmada pr

Leia mais

Os valores solicitados para transporte e seguro saúde deverão ser comprovados por um orçamento integral fornecido por uma agência de viagem.

Os valores solicitados para transporte e seguro saúde deverão ser comprovados por um orçamento integral fornecido por uma agência de viagem. Aluns de Pós-Graduaçã de Instituições Estrangeiras Visa apiar visitas de n máxim 30 dias, de dutrands de instituições estrangeiras, qualificads, e prcedentes de Centrs de Excelência para estudarem, pesquisarem

Leia mais

Plano de curso Planejamento e Controle da Manutenção de Máquinas e Equipamentos

Plano de curso Planejamento e Controle da Manutenção de Máquinas e Equipamentos PLANO DE CURSO MSOBRPCMME PAG1 Plan de curs Planejament e Cntrle da Manutençã de Máquinas e Equipaments Justificativa d curs Nã é fácil encntrar uma definiçã cmpleta para Gestã da manutençã de máquinas

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI GESTÃO DE PROJETOS Uma visã geral Bead n diretrizes d PMI 1 Intrduçã Objetiv da Apresentaçã O bjetiv é frnecer uma visã geral ds prcesss de Gestã de Prjets aplicads à Gestã de Empreendiments. O que é Prjet?

Leia mais

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida O que é invaçã? Para a atividade humana: é a intrduçã de alg nv, que atua cm um vetr para desenvlviment human e melhria da qualidade de vida Para as empresas: invar significa intrduzir alg nv u mdificar

Leia mais

Projecto de Dinamização dos Sistemas de Produção Pecuários nos Sectores de Pitche e Gabu BALAL GAINAKO (contrato DCI-NSAPVD 2010 / 257 105)

Projecto de Dinamização dos Sistemas de Produção Pecuários nos Sectores de Pitche e Gabu BALAL GAINAKO (contrato DCI-NSAPVD 2010 / 257 105) Prject de Dinamizaçã ds Sistemas de Prduçã Pecuáris ns Sectres de Pitche e Gabu BALAL GAINAKO (cntrat DCI-NSAPVD 2010 / 257 105) Terms de referência para a selecçã de um Perit para a realizaçã d Estud:

Leia mais

Programa Agora Nós Voluntariado Jovem. Namorar com Fair Play

Programa Agora Nós Voluntariado Jovem. Namorar com Fair Play Prgrama Agra Nós Vluntariad Jvem Namrar cm Fair Play INTRODUÇÃO A vilência na intimidade nã se circunscreve às relações cnjugais, estand presente quer nas relações de namr, quer nas relações juvenis casinais.

Leia mais

Seminário de Acompanhamento SNPG. Área 21. APCNs. André F Rodacki Marcia Soares Keske Rinaldo R J Guirro

Seminário de Acompanhamento SNPG. Área 21. APCNs. André F Rodacki Marcia Soares Keske Rinaldo R J Guirro Seminári de Acmpanhament SNPG Área 21 APCNs André F Rdacki Marcia Sares Keske Rinald R J Guirr Áreas de Avaliaçã - CAPES Clégi de Humanidades Ciências Humanas Ciências Sciais Aplicadas Linguística, Letras

Leia mais

Fundo Juruti Sustentável

Fundo Juruti Sustentável Fund Juruti Sustentável Fund Juruti Sustentável Chamada de prjets para Desenvlviment sustentável de Juruti Edital 01/2009 Respnsável: Fund Brasileir para a Bidiversidade (Funbi) Juruti - Pará (PA), Mai

Leia mais

PRÊMIO DE INCENTIVO À EDUCAÇÃO

PRÊMIO DE INCENTIVO À EDUCAÇÃO PRÊMIO DE INCENTIVO À EDUCAÇÃO 1. OBJETIVO O Prêmi de Incentiv à Educaçã é uma iniciativa das empresas d Pl Industrial, através d Cmitê de Fment Industrial de Camaçari - COFIC. Tem pr bjetiv estimular,

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR 1. Históric da Jrnada AGIR Ns ambientes crprativs atuais, a adçã de um mdel de gestã integrada é uma decisã estratégica n api às tmadas

Leia mais

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito*

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito* 20 Api O Setr Elétric / Julh de 2009 Desenvlviment da Iluminaçã Pública n Brasil Capítul VII Prjets de eficiência energética em iluminaçã pública Pr Lucian Haas Rsit* Neste capítul abrdarems s prjets de

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA TR DIRETORIA INSTITUCIONAL

TERMO DE REFERÊNCIA TR DIRETORIA INSTITUCIONAL TERMO DE REFERÊNCIA TR RETORIA INSTITUCIONAL CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE GESTÃO DE PROJETOS DO PLANO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL SUSTENTÁVEL DO XINGU PDRSX UHE BELO MONTE S/A ALTAMIRA PARÁ Janeir, 2016

Leia mais

10ª JORNADA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Extensão Universitária e Políticas Públicas

10ª JORNADA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Extensão Universitária e Políticas Públicas SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO 10ª JORNADA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Extensã Universitária e Plíticas Públicas Períd 05 a 07 de dezembr de 2007 A 10ª Jrnada

Leia mais

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis PCP Vensis PCP O PCP é módul de planejament e cntrle de prduçã da Vensis. Utilizad n segment industrial, módul PCP funcina de frma ttalmente integrada a Vensis ERP e permite às indústrias elabrar

Leia mais

Status: Ativo. Natureza: Aberto. Revisado por: GCMIG. Título: Proposta de critérios e procedimentos para seleção de chefias do INPE

Status: Ativo. Natureza: Aberto. Revisado por: GCMIG. Título: Proposta de critérios e procedimentos para seleção de chefias do INPE Referência: CPA-077-2008 Versã: 1.0 Status: Ativ Data: 09/julh/2008 Natureza: Abert Númer de páginas: 13 Origem: GCMIG e GEOPI Revisad pr: GCMIG Aprvad pr: GCMIG Títul: Prpsta de critéris e prcediments

Leia mais

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020. DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versão: 1 Data: 28/10/2013

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020. DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versão: 1 Data: 28/10/2013 PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020 DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versã: 1 Data: 28/10/2013 M5. ORGANIZAÇÃO DA PRODUÇÃO AÇÃO 5.1. CRIAÇÃO DE AGRUPAMENTOS E ORGANIZAÇÃO DE PRODUTORES NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

REGULAMENTO TOP CIDADANIA ABRH-RS EDIÇÃO 2015 CATEGORIA ESTUDANTE

REGULAMENTO TOP CIDADANIA ABRH-RS EDIÇÃO 2015 CATEGORIA ESTUDANTE REGULAMENTO TOP CIDADANIA ABRH-RS EDIÇÃO 2015 CATEGORIA ESTUDANTE ARTIGO I DEFINIÇÃO E NATUREZA O Prêmi Cidadania, categria Estudante, premia trabalhs de caráter técnic u científic, referente a implementaçã

Leia mais

Regulamento do programa de bolsas de estudos

Regulamento do programa de bolsas de estudos Regulament d prgrama de blsas de estuds Unidades Ri de Janeir e Sã Paul Data de publicaçã: 13/05/2015 Regulament válid até 30/08/2015 1 1. Sbre prgrama Através de um prcess seletiv, prgrama de blsas de

Leia mais

Art. 2º. Trata-se de uma promoção de caráter exclusivamente de estimulo cultural, profissional e acadêmico sem vínculo com sorteios.

Art. 2º. Trata-se de uma promoção de caráter exclusivamente de estimulo cultural, profissional e acadêmico sem vínculo com sorteios. Prêmi Data Pint de Criatividade e Invaçã - 2011 N an em que cmpleta 15 ans de atuaçã n mercad de treinament em infrmática, a Data Pint ferece à cmunidade a prtunidade de participar d Prêmi Data Pint de

Leia mais

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30)

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30) UNIP Brasília - Crdenaçã CG/CW/GR/AD Senhres Aluns, Seguem infrmações imprtantes sbre PIM: 1. O QUE É? - Os PIM (Prjet Integrad Multidisciplinar) sã prjets brigatóris realizads els aluns ds curss de graduaçã

Leia mais

PM 3.5 Versão 1 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 1 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações PdC CZ.01 PM 3.5 Versã 1 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para Prcediment de Cmercializaçã. Inserid índice. Alterada

Leia mais

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL DEPARTAMENTO DO RIO DE JANEIRO

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL DEPARTAMENTO DO RIO DE JANEIRO 52ª PREMIAÇÃO ANUAL IAB RJ EDITAL 2014 INTRODUÇÃO O Institut de Arquitets d Brasil - IAB-RJ cnvca arquitets e urbanistas a participarem da 52ª Premiaçã Anual ds Arquitets que, em 2014, agrega às categrias

Leia mais

FUNDAÇÃO CHAMPAGNAT RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2014

FUNDAÇÃO CHAMPAGNAT RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2014 FUNDAÇÃO CHAMPAGNAT RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2014 Març 2015 FUNDAÇÃO CHAMPAGNAT MORADA Estrada de Benfica, nº 372 - Lisba Tel./Fax. 217780073 Email funda_champagnat@maristascmpstela.rg Índice I. Intrduçã.1

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE PLANOS MUNICIPAIS DE SANEAMENTO BÁSICO E PROCEDIMENTOS RELATIVOS AO CONVÊNIO DE

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE PLANOS MUNICIPAIS DE SANEAMENTO BÁSICO E PROCEDIMENTOS RELATIVOS AO CONVÊNIO DE TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE PLANOS MUNICIPAIS DE SANEAMENTO BÁSICO E PROCEDIMENTOS RELATIVOS AO CONVÊNIO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA E FINANCEIRA DA FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE FUNASA/MS SUMÁRIO Apresentaçã...

Leia mais

CURSO COMPLETO SOBRE O NOVO SISTEMA TESOURO GERENCIAL

CURSO COMPLETO SOBRE O NOVO SISTEMA TESOURO GERENCIAL CURSO DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO CURSO COMPLETO SOBRE O NOVO SISTEMA TESOURO GERENCIAL Carga Hrária: 16 hras/atividade Hrári: 8h30 às 18h (cm interval para almç) Brasília, 26 e 27 de nvembr de 2015

Leia mais

1ª EDIÇÃO. Regulamento

1ª EDIÇÃO. Regulamento 1ª EDIÇÃO Regulament 1. OBJETIVO O Prêmi BRASILIDADE é uma iniciativa d Serviç de Api às Micr e Pequenas Empresas n Estad d Ri de Janeir SEBRAE/RJ, idealizad pr Izabella Figueired Braunschweiger e cm a

Leia mais

A atuação do Síndico Profissional é a busca do pleno funcionamento do condomínio. Manuel Pereira

A atuação do Síndico Profissional é a busca do pleno funcionamento do condomínio. Manuel Pereira A atuaçã d Síndic Prfissinal é a busca d plen funcinament d cndmíni Manuel Pereira Missã e Atividades Habilidade - Cnhecems prfundamente a rtina ds cndmínis e seus prblemas administrativs. A atuaçã é feita

Leia mais

O Certificado é um dos documentos exigidos para solicitar as seguintes isenções de contribuições sociais:

O Certificado é um dos documentos exigidos para solicitar as seguintes isenções de contribuições sociais: PROCEDIMENTOS PARA CERTIFICAÇÃO E/OU RENOVAÇÃO DO CEBAS CNAS CERTIFICAÇÃO/RENOVAÇÃO O Certificad é um ds dcuments exigids para slicitar as seguintes isenções de cntribuições sciais: Parte patrnal da cntribuiçã

Leia mais

Vensis Manutenção. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis Manutenção. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis Manutençã Vensis Manutençã É módul que permite gerenciament da manutençã de máquinas e equipaments. Prgramaçã de manutenções preventivas u registr de manutenções crretivas pdem ser feits de frma

Leia mais

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO Um prject eurpeu em clabraçã cm a EHFA Eurpean Health and Fitness Assciatin, cm sede em Bruxelas Regist ds Prfissinais Intrduçã Estams numa fase em que a Tutela

Leia mais

NORMA GERAL AMBIENTAL. Tipo de Atividade: Meio Ambiente. Sumário

NORMA GERAL AMBIENTAL. Tipo de Atividade: Meio Ambiente. Sumário Títul: GESTÃO DOS COMPROMISSOS AMBIENTAIS Identificadr: NGL-5.3.1-16.12 Prpnente: Tip de Atividade: Mei Ambiente Revisã: Flha: 1 / 37 Sumári 1. MOTIVAÇÃO...2 2. OBJETIVO...2 2.1. Objetiv Geral...2 2.2.

Leia mais

Operação Metalose orientações básicas à população

Operação Metalose orientações básicas à população Operaçã Metalse rientações básicas à ppulaçã 1. Quem é respnsável pel reclhiment de prduts adulterads? As empresas fabricantes e distribuidras. O Sistema Nacinal de Vigilância Sanitária (Anvisa e Vigilâncias

Leia mais

POR UMA GEOGRAFIA MELHOR

POR UMA GEOGRAFIA MELHOR LISTA CANDIDATA ÀS ELEIÇÕES PARA OS CORPOS SOCIAIS DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE GEÓGRAFOS BIÉNIO 2006-2008 POR UMA GEOGRAFIA MELHOR Assembleia Geral Presidente Jsé Albert Ri Fernandes (FL, Universidade

Leia mais

Da Declaração à Ação dos Vários Interessados Diretos Primeira reunião do fórum

Da Declaração à Ação dos Vários Interessados Diretos Primeira reunião do fórum Da Declaraçã à Açã ds Váris Interessads Direts Primeira reuniã d fórum Centr de Cnvenções Brasil 21 Brasília, DF, 8 e 9 de mai de 2012 AGENDA ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ESCRITÓRIO REGIONAL DA ORGANIZAÇÃO

Leia mais

Resumo Executivo - Funcionalidades 1 INTRODUÇÃO

Resumo Executivo - Funcionalidades 1 INTRODUÇÃO 1 INTRODUÇÃO A crescente cmplexidade ds prjets, a quantidade de infrmaçã que lhes está assciada e aument d númer de intervenientes n prcess cnstrutiv, transfrmaram a indústria da cnstruçã numa indústria

Leia mais

VERSÃO ATUALIZADA EM 07/08/2015 > Alteração no cronograma (Art. 6º e Art. 12º).

VERSÃO ATUALIZADA EM 07/08/2015 > Alteração no cronograma (Art. 6º e Art. 12º). VERSÃO ATUALIZADA EM 07/08/2015 > Alteraçã n crngrama (Art. 6º e Art. 12º). APRESENTAÇÃO Idealizad e instituíd pela Assciaçã Nacinal de Entidades Prmtras de Empreendiments Invadres (Anprtec), em parceria

Leia mais

Política de Investimentos. OABPrev-SP

Política de Investimentos. OABPrev-SP Plítica de Investiments OABPrev-SP 2011 1 Intrduçã 2 Objetivs de Investiment 3 Alcaçã Estratégia 4 Limites peracinais para investiment n segment de Renda Fixa 5 Us de Instruments Derivativs 6 Índices de

Leia mais

Rio + 20 O papel das cidades a 20 anos da Cúpula da Terra do Rio de Janeiro

Rio + 20 O papel das cidades a 20 anos da Cúpula da Terra do Rio de Janeiro Ri + 20 O papel das cidades a 20 ans da Cúpula da Terra d Ri de Janeir DOCUMENTO DE COLABORAÇÃO DE MERCOCIDADES "O Desenvlviment Sustentável é aquele que satisfaz as necessidades atuais sem pôr em perig

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DE SANTA EFIGÊNIA DE MINAS

ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DE SANTA EFIGÊNIA DE MINAS ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DE SANTA EFIGÊNIA DE MINAS AUXILIAR DE SECRETARIA Organizar e manter atualizad serviç de escrituraçã esclar. Redigir fícis, expsições de mtivs, atas, declarações, certidões de cntagem

Leia mais

PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO

PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO MUNICÍPIO DE PAREDES DE COURA Fund Lcal n Cncelh de Paredes de Cura PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO Entre: O Municípi de Paredes de Cura, pessa clectiva nº 506

Leia mais

Centro de Referência: Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Centro de Referência: Universidade Federal do Rio Grande do Norte Centr de Referência: Universidade Federal d Ri Grande d Nrte Edital para Seleçã de Preceptres de internat, estágis e residência em saúde. EDITAL 01/2015 A Universidade Federal d Ri Grande d Nrte, pr mei

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2014 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3. Limites de expsiçã à

Leia mais

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização CIRCULAR Data: 2007/10/10 Númer d Prcess: DSDC/DEPEB/2007 Assunt: GESTÃO DO CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007 Para: Inspecçã-Geral de Educaçã Direcções Reginais de Educaçã

Leia mais

Redes Sociais na proposta da

Redes Sociais na proposta da XXVII Cngres de la Asciación Latinamericana de Scilgía. VIII Jrnadas de Scilgía de la Universidad de Buens Aires. Asciación Latinamericana de Scilgía, Buens Aires, 2009. Redes Sciais na prpsta da plítica

Leia mais

Missão do Curso. Objetivos. Perfil do Profissional. Integralização Curricular

Missão do Curso. Objetivos. Perfil do Profissional. Integralização Curricular ANO ANO Missã d Curs É missã d Curs de Arquitetura e Urbanism da UFC frmar prfissinais capacitads a pesquisar, cnceber e cnstruir, cm visã crítica da realidade sci-ecnômica e cnheciment aprfundad d cntext

Leia mais

III Jornadas de Cooperação no Sector de Saúde em Moçambique. Planificação no Sector da Saude em Moçambique

III Jornadas de Cooperação no Sector de Saúde em Moçambique. Planificação no Sector da Saude em Moçambique III Jrnadas de Cperaçã n Sectr de Saúde em Mçambique Planificaçã n Sectr da Saude em Mçambique Maput, Març de 2013 INTRODUÇÃO E ENQUADRAMENTO # Jrnadas de Cperaçã d Sectr da Saúde cnstituem um event anual:

Leia mais

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO. Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2016

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO. Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2016 Sua hra chegu. Faça a sua jgada. REGULAMENTO Prêmi de Empreendedrism James McGuire 2016 Salvadr, nvembr de 2015. REGULAMENTO Prêmi de Empreendedrism James McGuire 2016 é uma cmpetiçã interna da Laureate

Leia mais

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO DE 2014 CURSO: GESTÃO EMPRESARIAL

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO DE 2014 CURSO: GESTÃO EMPRESARIAL PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO DE 2014 CURSO: GESTÃO EMPRESARIAL Objetivs: Gestã Empresarial Desenvlver cmpetências para atuar n gerenciament de prjets, prestand cnsultria

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS ESTÁGIOS FAFIT

REGULAMENTO GERAL DOS ESTÁGIOS FAFIT O significad das cisas nã está nas cisas em si, mas sim em nssa atitude em relaçã a elas. (Antine de Saint-Exupéry, 1943) CURSOS bacharelads: Administraçã Geral Ciências Cntábeis Direit Educaçã Física

Leia mais