Fundo Juruti Sustentável

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fundo Juruti Sustentável"

Transcrição

1 Fund Juruti Sustentável

2

3 Fund Juruti Sustentável Chamada de prjets para Desenvlviment sustentável de Juruti Edital 01/2009 Respnsável: Fund Brasileir para a Bidiversidade (Funbi) Juruti - Pará (PA), Mai de 2009

4

5 Apresentaçã Em 2006 a Alca iniciu uma parceria cm Fund Brasileir para a Bidiversidade (Funbi) e Centr de Estuds em Sustentabilidade (GVces) da Fundaçã Getuli Vargas (FGV) para a cnstruçã de uma prpsta de agenda de desenvlviment sustentável para municípi de Juruti. Cm a participaçã da sciedade jurutiense, a empresa e seus parceirs chegaram a um mdel que inclui um tripé de ações práticas de intervençã: JURUTI SUSTENTÁVEL: Uma prpsta de mdel para desenvlviment lcal Cnstruçã deindicadres de desenvlviment, para mnitrar as transfrmações sciais, ambientais e ecnômicas daregiã. Indicadres de Desenvlviment Sustentável Criaçã de um espaç para participaçã ampla e demcrática das partes interessadas. Cnselh Juruti Sustentável (Cnjus) Agenda de Desenvlviment Lcal Sustentável Fund Juruti Sustentável Api a desenvlviment lcal cm investiments nas priridades indicadas pel Cnselh Juruti Sustentável e nas necessidades apntadas n mnitrament de Juruti e entrn. O Cnjus - Cnselh Juruti Sustentável já é uma realidade, cnta cm efetiva participaçã das partes interessadas e discute um futur cmum, pririzand ações e criand uma agenda de lng praz. Os indicadres já fram criads pela GVCes cm a participaçã da sciedade. Agra chegu a hra d Fund Juruti Sustentável, clcand em funcinament uma iniciativa pilt que vai testar a capacidade real da sciedade de Juruti de articular, prpr, selecinar e executar prjets. Se vcê tem uma idéia sbre cm melhrar a qualidade de vida, a educaçã, a saúde e mei ambiente em Juruti, nã deixe de cnhecer Edital d Fund Pilt Juruti Sustentável. Esclareça suas dúvidas, faça sua prpsta e tire seu prjet d papel. 5

6 Resum A açã pilt d Fund Juruti Sustentável O Fund Juruti Sustentável pretende apiar a busca de sluções para desenvlviment sustentável de Juruti e fi cnstruíd cm api e as sugestões d Cnselh Juruti Sustentável, da Prefeitura de Juruti, da Alca, e de utrs atres da sciedade jurutiense. Pr mei d Edital, Fund está cnvidand instituições nã gvernamentais sem fins lucrativs para apresentar suas prpstas e cntribuir para desenvlviment sustentável d municípi. O Fund Brasileir para a Bidiversidade (Funbi) será respnsável pela crdenaçã técnica e administrativa d Fund, em sua fase pilt, sb supervisã geral da Alca, que dará s recurss financeirs necessáris para esta iniciativa. Quem pde participar Instituições tip 1 Organizações da Sciedade Civil (OSCs) que demnstrem sua atuaçã e a existência em Juruti há n mínim 2 ans, mesm que ainda nã legalizadas. Para este tip de rganizaçã, valr máxim para prjets é de até R$ ,00 (dez mil reais). Instituições tip 2 Organizações da Sciedade Civil (OSCs) legalmente cnstituídas, cm n mínim 1 an de existência legal. Para este tip de rganizaçã, valr para prjets é de até R$ ,00 (cinqüenta mil reais). Prjets que pdem ser apiads O Fund Juruti Sustentável vai selecinar e apiar prjets de até 18 meses, que cntribuam para desenvlviment sustentável de Juruti e que estejam dentr das seguintes linhas temáticas: Fment a cadeias de valr sustentável. Frtaleciment de redes sciais. Frmaçã de capacidades prdutivas e gerenciais. Cnservaçã da bidiversidade. Fases e prazs estimads d Edital Fase 1 - Recebiment de cartas cnsulta - Mai e junh de 2009 Fase 2 - Julgament d mérit das cartas cnsulta - Julh de 2009 Fase 3 - Elabraçã de prjets - Julh e agst de 2009 Fase 4 - Seleçã de prjets - De setembr a nvembr de 2009 Fase 5 - Assinatura de cntrat e iníci ds prjets selecinads - Dezembr de 2009 Para cnhecer Edital na íntegra, leia rest deste livret. Vcê vai encntrar mais infrmaçã sbre cm participar e que tip de prjet é pssível dentr de cada linha temática. 6

7 Índice 1. Cntext 8 2. A açã pilt d Fund Juruti Sustentável 8 3. Objetivs d edital 9 4. Objetivs ds prjets 9 5. Parâmetrs brigatóris e recmendads na elabraçã de prjets Instituições elegíveis a api d Fund através desse Edital Mntante de recurss deste Edital Praz de execuçã de prjets Prcess seletiv (Fases, bjetivs e resultads) Divulgaçã ds Resultads Praz deste Edital (crngrama) 15 Anexs: A) Terms de Anuência 17 B) Frmulári de Carta Cnsulta 21 C) Lista de dcuments para assinatura d cntrat 27 D) Estrutura de Gvernança d Fund Pilt Juruti Sustentável 28

8 FUNDO JURUTI SUSTENTÁVEL CHAMADA DE PROJETOS PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DE JURUTI Edital 01/2009 Respnsável: Fund Brasileir para a Bidiversidade (Funbi) Juruti - Pará (PA), Mai de Cntext Em parceria iniciada em 2006, a ALCOA, Centr de Estuds em Sustentabilidade (GVces) da Fundaçã Getuli Vargas (FGV) e Fund Brasileir para a Bidiversidade (Funbi), frmularam uma prpsta de agenda de desenvlviment sustentável para municípi de Juruti, n Extrem Oeste d Estad d Pará, nde está send implantad um empreendiment de mineraçã de bauxita que inclui a cnstruçã de uma planta de beneficiament, um prt e uma ferrvia. Cnsciente ds impacts de seu prjet, a Alca investe em uma série de ações de minimizaçã de impacts e cmpensaçã scial e ambiental em Juruti, seja dentr das cndicinantes legais d licenciament, seja pr iniciativas vluntárias, para seguir s princípis de sustentabilidade. O principal resultad da parceria cm Funbi é a criaçã de um fund de api a desenvlviment sustentável, que pssa captar recurss financeirs e investir em ações baseadas nas necessidades apntadas n mnitrament de Juruti e entrn e nas metas priritárias indicadas pel Cnselh Juruti Sustentável. O Fund Juruti Sustentável tem cm bjetiv gerir recurss financeirs e materiais, de frma pública e transparente, para serem aplicads em prjets que integrem aspects sciais, ecnômics e ambientais, vltads para desenvlviment sustentável de Juruti e regiã. N prcess de cncepçã d Fund Juruti Sustentável, uma ferramenta financeira cm caráter de lng praz, percebeu-se a prtunidade de calibraçã de cnceits e ferramentas à realidade de Juruti. Em decrrência diss fi frmatada uma iniciativa pilt, aqui denminada Fund Pilt Juruti Sustentável, bjet deste Edital. 2. A açã pilt d Fund Juruti Sustentável Esta é uma açã independente e privada, para apiar a sciedade na busca de sluções para desenvlviment sustentável de Juruti, cnstruída cm api e sugestões d Cnselh Juruti Sustentável, da Secretaria Estadual de Mei Ambiente, da Prefeitura de Juruti, da Alca patrcinadra desta iniciativa, entre utrs atres da sciedade jurutiense. Para tant, fi cncebid um Fund, cm hriznte inicial de 2 ans, que será incubad pel Funbi, respnsável pela crdenaçã técnica e administrativa, sb supervisã geral da Alca, respnsável pels aprtes de recurss a esta iniciativa. Cncluída a peraçã d Fund Pilt serã incrprads ajustes a mdel prpst para Fund Juruti Sustentável, inclusive quant a prtunidade e cnveniência de cnstituiçã de uma entidade cm persnalidade jurídica própria e autônma para sua gestã. Entre utrs aspects, estatut, regulament, as linhas temáticas 8

9 de api e direcinament das priridades de financiament serã adequads as aprendizads desta etapa pilt. Um desafi pst à sciedade de Juruti n que diz respeit a sua capacidade de articulaçã e prpsiçã, seleçã e execuçã de prjets, que gerem impacts psitivs na scibidivesidade de Juruti, e adicinalmente cntribuam para indicar nvs caminhs para a captaçã de recurss para Fund Juruti Sustentável. 3. Objetivs d Edital O bjetiv desta fase pilt é cnhecer as necessidades da regiã e a capacidade lcal de gerar e implementar prjets para que essa e as próximas ações d Fund Juruti Sustentável pssam ser planejadas e executadas de frma ágil e descmplicada. 4. Objetivs ds prjets Nesta primeira chamada de prjets, rganizações da sciedade civil sem fins lucrativs estã send cnvidadas publicamente a apresentarem prpstas de ações que cntribuam para desenvlviment sustentável de Juruti, rientadas pelas seguintes linhas prgramáticas: Fment a cadeias de valr sustentável; Frtaleciment de redes sciais; Frmaçã de capacidades prdutivas e gerenciais; Cnservaçã da bidiversidade. Os prjets da linha prgramática de fment a cadeias de valr sustentáveis devem ter cm bjetiv cntribuir para a frmaçã de capital ecnômic, u seja, a geraçã de empreg e renda para as cmunidades lcais pr mei de negócis sustentáveis. Alguns exempls: Realizaçã de estuds de viabilidade de negócis sustentáveis: análise das atividades e elabraçã de plans de negóci; Incentiv à ampliaçã de ferta de crédit: api a desenvlviment de prjets para acess a empréstims vltads para implantaçã de atividades sustentáveis, cmpsiçã de recurss para c-financiament e cntrapartida em utrs prjets; Api a negócis sustentáveis rurais (agricultura rgânica, agrflresta, pesca, aqüicultura, criaçã de abelhas, etc.) e urbans (artesanat, reciclagem de lix, etc.); Cntinuidade de prgramas e prjets em execuçã em Juruti, tais cm, s Prgramas de Cntrle Ambiental implementads pela Alca. Os prjets da linha prgramática de frtaleciment de redes sciais devem ter cm bjetiv cntribuir para a frmaçã d capital scial, u seja, frtaleciment ds grups sciais existentes e a prmçã da cidadania. Exempls: Legalizaçã e frtaleciment de assciações cmunitárias, clônias de pesca, sindicats, entre utrs; Elabraçã e implantaçã de Plans de desenvlviment lcal, tais cm, agendas 21 lcais, planejaments participativs de rganizações e cmunidades, entre utrs; Investiments em tecnlgias sciais: difusã e multiplicaçã de experiências exitsas; 9

10 Articulaçã de grups sciais: realizaçã de events e campanhas de sensibilizaçã, mbilizaçã de cmunidades em trn de causa relevante. Os prjets da linha prgramática de frmaçã de capacidades prdutivas e gerenciais devem ter cm bjetiv cntribuir para a frmaçã de capital human, u seja, capacitaçã técnica da ppulaçã lcal para trabalh adequad a desenvlviment sustentável. Exempls: Prgramas de capacitaçã em Cidadania: capacitaçã em questões relativas a DST, drgas, mei ambiente, frmaçã de lideranças e empreendedrism, etc.; Prgramas de capacitaçã técnica: frmaçã para manej flrestal, agrícla, pesqueir, administraçã de negócis sustentáveis, cperativism e assciativism, infrmática, etc.; Api a blsas de estud: investiment na frmaçã de pessas em atividades de imprtância lcal, pr um períd superir a um mês e inferir a um an. Os prjets da linha prgramática de cnservaçã da bidiversidade devem ter cm bjetiv cntribuir para a cnservaçã d capital natural de Juruti e entrn, u seja, a prteçã da Natureza visand à sustentabilidade ds seus recurss naturais. Exempls: Api a prprietáris na recuperaçã de APPs: recmpsiçã de nascentes, de margens de ri, de tps de mrr, etc.; Prgramas de educaçã ambiental; Api a manej de unidades de cnservaçã, prteçã de espécies ameaçadas; Reflrestament para recnstituiçã de cbertura vegetal de áreas desmatadas; Pagament pr serviçs ambientais: desenvlviment de instruments financeirs de lng praz para pagament de serviçs ambientais; Api à criaçã de unidades de cnservaçã públicas e privadas, tais cm RPPNs, Reservas Extrativistas e Flnas. As ações citadas acima cm exempl sã meramente ilustrativas, nã limitand as atividades elegíveis dentr de cada linha prgramática. Nã deixe de encaminhar sua prpsta mesm que tenha dificuldade de enquadrá-la em uma destas linhas. 5. Parâmetrs brigatóris e desejáveis na elabraçã de prjets Para a elabraçã ds prjets recmendams frtemente que s prpnentes cnsiderem s parâmetrs desejáveis e atendam as parâmetrs brigatóris descrits a seguir. Parâmetrs brigatóris: 1. Nã causar impacts sciambientais negativs; 2. Enquadrar-se às linhas prgramáticas estabelecidas pr este Edital; 3. Demnstrar a cncrdância e a participaçã ds agentes sciais envlvids; 4. Cumprir a legislaçã brasileira (leis ambientais, trabalhistas, sanitárias, fiscais, de acess a recurss genétics e a cnheciment tradicinal, etc.); 10

11 5. Pssuir anuência d respnsável pela rganizaçã prpnente. Parâmetrs recmendads: 1. Demnstrar a viabilidade financeira d prjet u alternativas para sua sustenta. bilidade a lng praz; 2. Apresentar cntrapartida u c-financiament; 3. Dar cntinuidade a prjets em execuçã; 4. Dar cntinuidade as Plans de Cntrle Ambiental implementads pela Alca; 5. Demnstrar iniciativas tmadas para articulaçã lcal e/u reginal cm instituições gvernamentais, grups da sciedade civil e setr privad; 6. Cnvergir cm plíticas públicas; 7. Aplicar tecnlgias sciais e ambientais recnhecidas; 8. Melhrar cndições de uma cmunidade u grup scial em situaçã de vulnerabilidade; 9. Apresentar ptencial de replicaçã pr utras rganizações em utras áreas; 10. Prmver a inclusã scial de gêner, de raça, de etnia e de grups de geraçã; 11. Prever sistemáticas de mnitrament, cmunicaçã e divulgaçã ds resultads, em curt, médi e lng prazs para públics aprpriads, cm a devida previsã rçamentária. 6. Instituições elegíveis a api d Fund através deste Edital Instituições tip 1: rganizações da Sciedade Civil OSCs, brasileiras e sem fins lucrativs, que demnstrem sua atuaçã e a existência em Juruti há n mínim 02 (dis) ans, mesm que ainda nã legalizadas. Os bjetivs destas rganizações devem estar relacinads a us racinal e sustentável de recurss naturais, à defesa e recuperaçã d mei ambiente, a ações scieducativas e temas crrelats. Adicinalmente estas rganizações devem demnstrar s esfrçs que serã adtads para sua frmalizaçã durante a execuçã d prjet. Para este tip de rganizaçã, valr máxim para prjets é de até R$ ,00 (dez mil reais). Instituições tip 2: rganizações da Sciedade Civil OSCs, brasileiras e sem fins lucrativs, legalmente cnstituídas, cm n mínim 01 (um) an de existência legal, preferencialmente cm sede em Juruti, cujs bjetivs estejam relacinads a us racinal e sustentável de recurss naturais, à defesa e recuperaçã d mei ambiente, a ações scieducativas e temas crrelats. Para este tip de rganizaçã, valr para prjets é de até R$ ,00 (cinqüenta mil reais). De acrd cm dispst n bjetiv deste edital, vltad a frtaleciment d Municípi de Juruti, será dada preferência a prjets apresentads pr instituições que tenham sede n Pará e preferencialmente em Juruti, bem cm para prpstas que sejam apresentadas pr mais de uma instituiçã (arranjs institucinais). Organizações de utras lcalidades pderã participar desta seleçã, desde que demnstrem sua participaçã ativa em Juruti e a anuência e engajament da ppu- 11

12 laçã lcal na identificaçã da prpsta, na etapa de elabraçã d prjet e em sua execuçã. Instituições públicas e privadas cm fins lucrativs smente pderã participar desta seleçã cm parceiras, nã send elegíveis para receber api d Fund através deste Edital. É vedada a participaçã cm prpnentes nesta seleçã pública de: I - OSCs já cntratadas e/u cm cntrats de daçã em curs cm Alca e suas subsidiárias, que só pderã participar d edital cm parceiras junt cm utra OSC prpnente e que sigam s critéris aqui descrits; II - Entidade que estiver em mra, inclusive cm relaçã à prestaçã de cntas, inadimplente cm utr cnvêni u nã esteja em situaçã de regularidade para cm municípi u cm entidade da administraçã pública municipal indireta; III - Entidade que estiver inscrita n Cadastr Infrmativ Municipal CADIN MU- NICIPAL; IV - Entidade que estiver em mra, inclusive cm relaçã à prestaçã de cntas, inadimplente cm utr cnvêni u nã esteja em situaçã de regularidade para cm Institut Alca e Fundaçã Alca; V - Entidade que tenha cm dirigente: a) Membrs ds Pderes Executiv, Legislativ u Judiciári, d Ministéri Públic e d Tribunal de Cntas, de qualquer esfera de gvern, bem cm seus respectivs cônjuges, cmpanheirs, ascendentes u descendentes; b) Servidr públic vinculad a órgã u entidade cncedente, bem cm seus respectivs cônjuges, cmpanheirs, ascendentes u descendentes; c) Funcinári da Alca u de suas prestadras de serviç. As instituições participantes deste Edital deverã apresentar Term de Anuência (Anex A), assinada pr seu representante legal, declarand preencher as cndições exigidas n edital bem cm de nã apresentar s impediments elencads n edital. 7. Mntante de recurss deste Edital O mntante ttal apresentad na tabela acima diz respeit a recurs a ser disp- Instituiçã Valr Limite d edital Tip 1 Tip 2 Mntante ttal Até R$ ,00 (dez mil reais). Até R$ ,00 (cinqüenta mil reais). R$ ,00 (quinhents mil reais) Númer máxim de 10 prjets apiads O númer de prjets apiads será limitad pel vlume de recurss dispníveis n edital. 12

13 nibilizad pela Alca para Fund Pilt, nã cnsiderand s valres de cntrapartida. Havend dispnibilidade de recurss, deste u de utrs dadres, s recurss prevists nesta chamada de prjets pderã ser ampliads. 8. Praz de execuçã de prjets O praz máxim de execuçã ds prjets deverá ser de 18 (dezit) meses a cntar da data de assinatura d Cntrat de daçã. A Carta Cnsulta deve necessariamente apresentar um crngrama que prjete as metas glbais para até 18 meses, períd máxim de execuçã d Prjet. 9. Prcess Seletiv (Fases, bjetivs e resultads) Fase 1 Cartas Cnsulta As rganizações interessadas em participar d prcess seletiv deverã elabrar Cartas Cnsulta cnfrme frmulári em anex (Anex B) e encaminhá-las à Secretaria Executiva d Fund Juruti Sustentável. O envelpe lacrad deve ser endereçad à Secretaria Executiva d Fund Juruti Sustentável, fazend referência a Edital Desenvlviment Sustentável n endereç Av. Marechal Rndn, 103, Centr, CEP: Juruti, PA Brasil; u entregues em mã neste mesm endereç. As instituições que demnstrarem a necessidade de api financeir para a fase de elabraçã de prjets devem manifestar sua necessidade na carta cnsulta. O valr destinad para api a elabraçã de prjets é de até R$ 500,00 (quinhents reais), e a dispnibilizaçã destes recurss estará sujeita a aprvaçã pel Cnselh d Fund Juruti Sustentável e é restrita àquelas instituições que tenham suas cartas cnsulta classificadas. É brigatóri descrever na carta cnsulta a finalidade deste gast (visita às cmunidades beneficiadas pel prjet, pagament de certidões vencidas, cntrataçã para a elabraçã da prpsta, etc.). Fase 2 Julgament d Mérit das Cartas Cnsulta O Cnselh d Fund Juruti Sustentável, investid ds pderes a ele cnferids, fará julgament das Cartas Cnsulta enquadradas nas linhas temáticas e que fereçam a mair cntribuiçã para alcance ds bjetivs deste edital. Serã classificadas para elabraçã de prjets um númer de cartas cnsulta até duas vezes valr ds recurss dispníveis. Nesta fase, cnselh define quais instituições receberã api financeir para elabraçã de prjets. Para mais infmaçã sbre papel d Cnselh e estrutura de gvernança, vide Anex D. Fase 3 Elabraçã de Prjets As rganizações que tiveram suas Cartas Cnsulta classificadas na etapa anterir serã cnvidadas a elabrar s prjets. Para tant será ferecida, pela Secretaria Executiva d Fund Juruti Sustentável, a tds s selecinads na fase anterir, um curs de capacitaçã sbre elabraçã de prjets, n qual serã repassads cnceits básics sbre prjets e s critéris deste edital. Fase 4 Seleçã de Prjets Análise preliminar. Os prjets encaminhads serã separads preliminarmente pela equipe da Secre- 13

14 taria Executiva d Fund Juruti Sustentável, entre prjets enquadrads ns terms deste edital e aqueles que nã se enquadram. Este resultad será encaminhad para análise da Câmara Técnica. Câmara Técnica Os prjets que se enquadrem neste Edital serã encaminhads a uma Câmara Técnica cmpsta pr avaliadres cnvidads, especialistas nas linhas prgramáticas desse edital. Esses avaliadres serã selecinads pel Cnselh d Fund Juruti Sustentável cnfrme as características ds prjets. Cm resultad dessa etapa, serã elabrads pareceres técnics de cada um ds prjets e criadas duas listas, uma lista cm a classificaçã ds prjets recmendads e utra lista cm s nã recmendads. Os cnsultres buscarã cntribuir para a melhria da qualidade ds prjets apresentand recmendações em seus pareceres. Julgament de Prjets O Cnselh d Fund Juruti Sustentável, de psse da lista de prjets recmendads e ds pareceres da Câmara Técnica, julgará mérit ds prjets visand identificar quais serã as priridades de financiament d Fund neste edital. Será elabrada a lista de prjets aprvads, que pderã estar em uma destas situações: 1. Prjets aprvads sem ressalvas: prjets aprvads na íntegra, sem que haja a necessidade de ajustes e crreções; 2. Prjets aprvads cm recmendações: prjets para s quais sã sugeridas alterações, que prpnente pde acatar u justificar sua nã aceitaçã. 3. Prjets aprvads cm cndicinantes: prjets para s quais há determinadas recmendações e ajustes que sã cndiçã para a aprvaçã d prjet. Essa lista de prjets será encaminhada à Alca, que analisará s prjets e manifestará sua nã bjeçã as prjets aprvads. N cas de pssuir alguma bjeçã em relaçã a algum prjet, mesm será desclassificad. Os prpnentes receberã uma cmunicaçã ficial da Secretaria Executiva d Fund Juruti Sustentável, ntificand resultad d julgament de prjets e s prazs para atendiment das recmendações e cndicinantes. Respsta às Cndicinantes Os prpnentes de prjets deverã respnder às recmendações e cndicinantes dentr d praz estipulad, pdend recrrer à Secretaria Executiva d Fund Juruti Sustentável para esclareciments. Análise das respstas às recmendações e cndicinantes Caberá à Secretaria Executiva d Fund Juruti Sustentável a análise das respstas enviadas e a cmunicaçã de seu atendiment u nã atendiment as prpnentes e a cnselh. Capacitaçã ds Executres Os respnsáveis pela execuçã ds prjets aprvads deverã identificar dis técnics, preferencialmente crdenadr e um respnsável financeir, para a capacitaçã em execuçã de prjets. Nesta capacitaçã serã tratads elements básics, tais 14

15 cm: mnitrament físic e financeir das atividades previstas, prestaçã de cntas, cmunicaçã de resultads, entre utrs. Está é a última fase d prcess seletiv, aqui será avaliad interesse, engajament, a capacidade técnic-administrativa das instituições e sua capacidade de aprendizad para a gestã de prjets. Aquelas rganizações que nã cumprirem satisfatriamente esta etapa nã pderã assinar cntrats para a execuçã ds prjets cm recurss d Fund Juruti Sustentável. Fase 5 Assinatura de Cntrat Para a assinatura d cntrat, as rganizações selecinadas neste edital deverã apresentar dcuments institucinais e de seu respnsável, cnfrme Anex C. 10. Divulgaçã ds resultads A cmunicaçã cm s prpnentes será feita, a final de cada fase, pr mei de carta ficial da Secretaria Executiva d Fund Juruti Sustentável, divulgand s resultads e frnecend rientações sbre s próxims passs. A divulgaçã ds resultads à sciedade será feita, a final de cada fase, pr mei d Cnselh d Fund Juruti Sustentável e d us de diferentes veículs de cmunicaçã, cm rádi e jrnal impress. 11. Prazs deste Edital (crngrama) De acrd cm prcess seletiv descrit acima, s prazs serã s seguintes: Fase 1 Elabraçã e entrega de Cartas Cnsulta: 60 (sessenta) dias, a cntar da data de divulgaçã d edital. Fase 2 O Julgament d Mérit das Cartas Cnsulta: 10 (dez) dias, a cntar da data de encerrament d praz de entrega. Fase 3 Elabraçã e entrega de Prjets: 30 (trinta) dias, a cntar da data de divulgaçã das cartas classificadas. Fase 4 Seleçã de Prjets: 75 (setenta e cinc) dias, a cntar da data de entrega final ds prjets. Inclui a fase de respsta às cndicinantes. Fase 5 - Assinatura de Cntrat: em até 10 (dez) dias, a cntar da data de divulgaçã ds prjets aprvads e entrega de tds s dcuments slicitads à rganizaçã prpnente. 15

16 Anexs Anexs: A) Terms de Anuência 17 B) Frmulári de Carta Cnsulta 21 C) Lista de dcuments para assinatura d cntrat 27 D) Estrutura de Gvernança d Fund Pilt Juruti Sustentável 28 16

17 ANEXO A1 TERMO DE ANUÊNCIA PARA INSITUIÇÕES TIPO 1, de de 2009 À Secretaria Executiva d Fund Pilt Juruti Sustentável Ref: Edital 01/2009 Desenvlviment Sustentável de Juruti Eu, respnsável pela rganizaçã declar que li edital, estu de acrd cm s terms, e encaminh carta cnsulta para participaçã d prcess de seleçã d Edital 01/2009, d Fund Pilt Juruti Sustentável. Dads d respnsável pela rganizaçã Nme cmplet: CPF: Endereç: Telefne: ( ) Assinatura 17

18

19 ANEXO A2 TERMO DE ANUÊNCIA PARA INSTITUIÇÕES TIPO 2, de de 2009 À Secretaria Executiva d Fund Pilt Juruti Sustentável Ref: Edital 01/2009 Desenvlviment Sustentável de Juruti Eu, respnsável pela rganizaçã declar que li edital, estu de acrd cm s terms, e encaminh carta cnsulta para participaçã d prcess de seleçã d Edital 01/2009, d Fund Pilt Juruti Sustentável. Dads da rganizaçã Nme: CNPJ: Endereç: Telefne: ( ) Dads d respnsável legal pela rganizaçã Nme cmplet: CPF: Endereç: Telefne: ( ) Assinatura 19

20

21 ANEXO B - FORMULÁRIO CARTA CONSULTA Dads pessais d respnsável pela rganizaçã prpnente Nme cmplet: Carg que cupa na rganizaçã: Idade: RG: Endereç: CPF: Telefne: ( ) Cm ficu sabend d Edital d Fund Pilt Juruti Sustentável? ( ) Visita a sua rganizaçã u cmunidade ( ) Prgrama de rádi (Sintnia Alca u utrs) ( ) Internet ( ) Jrnal impress Outrs - Quais? Dads pessais d respnsável pel preenchiment deste frmulári Nme cmplet: Endereç: Telefne: ( ) Dads da rganizaçã: 1. A rganizaçã está legalizada? ( ) Sim Razã Scial: CNPJ: 21

22 Data de criaçã: Endereç: Data de legalizaçã: Telefne: ( ) Nã Nme da rganizaçã: Data de criaçã: Endereç: Telefne: Mtiv de nã estar legalizada: 2. Quais sã s bjetivs da rganizaçã: 3. Qual a área de atuaçã da rganizaçã: ( ) Geraçã de renda ( ) Educaçã ( ) Saúde ( ) Mei Ambiente ( ) Assistência Scial ( ) Outras? Quais? 4. Descreva quais as atividades que já fram realizadas pela rganizaçã (nã se esqueça de clcar as datas): 22

23 5. A rganizaçã já recebeu recurss de utrs parceirs? Especifique as principais fntes, valres e datas (aprximadamente): Dads da prpsta 1. Cnte que a rganizaçã pretende realizar: 2. Pr que iss é imprtante? 23

24 3. Quais s principais benefícis que prjet trará? 4, Quais cmunidades u grups serã beneficiads diretamente pel prjet? Quantas pessas e/u famílias? 5. Cm sua rganizaçã pretende realizar prjet? 6. Onde prjet será executad (municípi, distrit, cmunidade)? 24

25 7. Em quant temp tud será realizad? Se pssível, divida em etapas. 8. Quant custará realizar tud iss? 9. A rganizaçã fará tud szinha? ( ) Sim ( ) Nã 10. Se vai ter parceirs, quem sã eles? O que cada um vai fazer u cm que cada um vai ajudar? 25

26

27 ANEXO C - DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA ASSINATURA DO CON- TRATO E PARA A TRANSFERÊNCIA DE RECURSOS DO EDITAL 01/2009 DO FUNDO JURUTI SUSTENTÁVEL A dcumentaçã listada abaix nã precisa ser enviada cm a carta cnsulta. Apenas s prjets selecinads, n mment da cntrataçã, deverã apresentá-ls. Frmalizaçã ds cntrats cm Instituições Tip 1 Para atestarem sua idneidade legal e financeira e permitir a frmalizaçã d cntrat d Edital 01/09 d Fund Juruti Sustentável, s seguintes dcuments deverã ser apresentads em riginal u pr qualquer prcess de cópia autenticada pr cartóri cmpetente, u publicaçã em órgã da imprensa ficial: 1. Certidã de Nasciment d respnsável pel prjet; 2. Cadastr de Pessa Física (CPF) d respnsável pel prjet; 3. Cmprvante de residência atual; 4. Certidã Negativa de Antecedentes Criminais (justiça estadual e federal); 5. Certidã Negativa perante SPC e SERASA. Frmalizaçã ds cntrats cm Instituições Tip 2 Para atestarem sua idneidade legal e financeira e permitir a frmalizaçã d cntrat d Edital 01/09 d Fund Juruti Sustentável, s seguintes dcuments deverã ser apresentads em riginal u pr qualquer prcess de cópia autenticada pr cartóri cmpetente, u publicaçã em órgã da imprensa ficial: 1. Ats cnstitutivs (tais cm estatut u cntrat scial), devidamente registrad perante órgã cmpetente; 2. Ata de eleiçã da diretria em exercíci, se fr cas; 3. Prva de inscriçã junt a Cadastr Nacinal de Pessas Jurídicas CNPJ; 4. Prva de inscriçã n cadastr de cntribuintes estadual e/u municipal; 5. Cédula de identidade e CPF ds representantes legais; 6. Certidã de regularidade fiscal e de dívida ativa perante a Uniã, frnecida pela Secretaria da Receita Federal; 7. Certidã de regularidade frnecida pela Secretaria da Receita Municipal e/u Estadual; 8. Certificad de regularidade d Fund de Garantia pr Temp de Serviç FGTS (CRF); 9. Certidã Negativa de Débit (CND) junt a INSS; 10. Certidã negativa de falência e cncrdata; 11. Cmprvante de abertura de cnta específica para prjet, frnecida pr qualquer agência financeira que atue n Brasil credenciada pel Banc Central; 12. Carta de designaçã d Crdenadr d prjet e d(s) Ordenadr(s) de despesa. 27

28 ANEXO D ESTRUTURA DE GOVERNANÇA DO FUNDO JURUTI SUSTENTÁVEL O Fund Juruti Sustentável adtará s princípis da ba gvernança, quais sejam, transparência, respnsabilizaçã, mecanisms de decisã e mecanisms de prestaçã de cntas. Adtand a gvernança participativa, Fund Juruti Sustentável cntribui para empderament da sciedade lcal; para a identificaçã de priridades de financiament, apiad pel Cnselh Juruti Sustentável e s Indicadres de Sustentabilidade; para lcalizaçã de fntes de recurss e parceirs ptenciais; e para a capacitaçã para a gestã de recurss. A estrutura de gvernança d Fund Pilt Juruti Sustentável é: Dadres: aprtam s recurss para Fund. Pssuem pder de vet (nã bjeçã) as prjets a serem apiads; Cnselh: é cmpst pr 1 (um) representante d dadr (Alca); 5 (cinc) representantes membrs d Cnselh Juruti Sustentável (três representantes da sciedade civil, um representante de empresa, e um representante d pder públic); e 1 (um) representante de instituiçã que atue n financiament de prjets na regiã. Suas principais funções sã: Fixar diretrizes e priridades para a atuaçã d Fund; Julgar e selecinar prjets e prpstas a serem apiads pel Fund; Aprvar manual de prcediments administrativs e financeirs para seleçã, mnitrament e execuçã de recurss de cmpensaçã ambiental; Acmpanhar fiel cumpriment ds instruments estabelecids para a execuçã ds recurss, ds seus respectivs Plans e Crngramas de Trabalh, bem cm a execuçã ds prjets executivs; Decidir utras questões relevantes de interesse d Fund. Secretaria Executiva: durante a fase pilt d Fund será incubada e administrada pel Funbi Fund Brasileir para a Bidiversidade. Entre suas principais funções estã: Captar recurss para Fund; Crdenar s prcesss seletivs de prpstas e prjets; Instituir as câmaras técnicas; Preparar as reuniões d Cnselh, cmpreendend a crdenaçã da lgística, a rganizaçã da dcumentaçã necessária e encaminhament as seus membrs; Tmar as devidas prvidências referentes à cnvcaçã ds membrs d Cnselh, quand necessári; Prestar assistência a Cnselh durante as reuniões; Elabrar crrespndências ficiais que se referirem à interlcuçã cm s membrs d Cnselh; 28

29 Cmunicar as instituições afetadas das deliberações mais imprtantes das reuniões para as prvidências; Prestar esclareciments, demandads ds usuáris/clientes e públic em geral, sbre as decisões tmadas; Registrar as deliberações e elabrar as atas das reuniões d Cnselh para referência histórica; Atender e rientar públic quant as prcediments de apresentaçã, tramitaçã e execuçã ds prjets; Orientar s executres quant às nrmas, regulaments e prcediments de execuçã financeira; Câmaras Técnicas: sã cmpstas pr especialistas nas linhas prgramáticas que Fund apóia, selecinads pel Cnselh d Fund. Suas principais funções sã: Avaliar s prjets recebids pela Secretaria Executiva; Emitir parecer técnic, cm recmendações as prjets que participam d prcess seletiv; Classificar s prjets pr mérit; Encaminhar parecer técnic para Cnselh. Estrutura de Gvernança d Fund Juruti Sustentável Dadres d Fund Pilt - Representantes ds Dadres Nã Objeçã Acmpanhament d Edital Cnselh d Fund Pilt 1 representante d dadr (Alca) 5 representantes membrs d CONJUS (3 sciedade civil, 1 empresas, 1 gvern) 1 representante de instituiçã que atue n financiament de prjets na regiã. Julgament de prjets e prpstas Apóia Articulaçã Institucinal e Captaçã de Recurss Crdena Prcesss Seletivs Institui Câmaras Técnicas Incubadra d Fund Pilt Secretaria Executiva Câmaras Técnicas Análise de prjets Mnitrament Crdena e participa de análises e mnitraments Prestaçã de Cntas 29

30

31 31

32 Mais infrmações sbre Edital e Fund pdem ser btidas junt a Secretaria Executiva d Fund Juruti Sustentável, cm Nícia Cutinh. Endereç: Av Mal.Rndn, 103, Centr, Juruti, PA Brasil Fne: (93)

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA CAMINHO PARA ELABORAÇÃO DE AGENDAS EMPRESARIAIS EM ADAPTAÇÃO ÀS MUDANÇAS DO CLIMA Prpsta de Framewrk Resultad d diálg crrid em 26 de junh de 2013, n Fórum Latin-American

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL Intrduçã O presente Regulament cnstitui um dcument intern d curs de Ciências Cntábeis e tem pr bjetiv reger as atividades relativas a Estági de Iniciaçã

Leia mais

Volume I: Tecnologia Sesi cultura e as leis de incentivo à cultura. Brasília: SESI/DN, 2007, 50p.

Volume I: Tecnologia Sesi cultura e as leis de incentivo à cultura. Brasília: SESI/DN, 2007, 50p. Data de elabraçã da ficha: Jun 2007 SESI Serviç Scial da Indústria Dads da rganizaçã Nme: SESI Serviç Scial da Indústria Endereç: Av Paulista, 1313, Sã Paul, SP Site: www.sesi.rg.br Telefne: (11) 3146-7405

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA 1. Intrduçã e Objetivs a) O Cncurs de Ideias OESTECIM a minha empresa pretende ptenciar apareciment de prjets invadres na regiã d Oeste sempre numa perspetiva de desenvlviment ecnómic e scial. b) O Cncurs

Leia mais

DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS

DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS Prjets n Bima Amazônia A Critéris Orientadres B C D E F Cndicinantes Mínims para Prjets Mdalidades de Aplicaçã ds Recurss Restriçã de Us ds Recurss Critéris

Leia mais

Fundo de Desenvolvimento das Nações Unidas para a Mulher E s c r i t ó r i o R e g i o n a l p a r a o B r a s i l e o C o n e S u l

Fundo de Desenvolvimento das Nações Unidas para a Mulher E s c r i t ó r i o R e g i o n a l p a r a o B r a s i l e o C o n e S u l Fund de Desenvlviment das Nações Unidas para a Mulher E s c r i t ó r i R e g i n a l p a r a B r a s i l e C n e S u l Fnd de Desarrll de las Nacines Unidas para la Mujer O f i c i n a R e g i n a l p

Leia mais

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 Flrianóplis, 25 de janeir de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 1) Cnsiderações Gerais: A Federaçã Nacinal ds Estudantes de Engenharia Civil

Leia mais

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006 1 GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Dads da rganizaçã Data de elabraçã da ficha: Fev 2008 Nme: GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Endereç: Av. Brigadeir Faria Lima, 2.413 1º andar

Leia mais

REGULAMENTO 1- OBJETIVO

REGULAMENTO 1- OBJETIVO REGULAMENTO 1- OBJETIVO O Prgrama Nv Temp é um iniciativa da Cargill Agricla SA, que visa ferecer as seus funcináris e das empresas patrcinadras ds plans de previdência sb a gestã da CargillPrev Sciedade

Leia mais

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal d Ceará Campus de Sbral Curs de Engenharia da Cmputaçã Regulament para realizaçã d Trabalh de Cnclusã de Curs Intrduçã Este dcument estabelece as regras básicas para funcinament das

Leia mais

MANUAL DE APRESENTAÇÃO DA INICIATIVA 3º Prêmio Braztoa de Sustentabilidade

MANUAL DE APRESENTAÇÃO DA INICIATIVA 3º Prêmio Braztoa de Sustentabilidade MANUAL DE APRESENTAÇÃO DA INICIATIVA 3º Prêmi Brazta de Sustentabilidade Sã Paul - 2014 Seja bem vind a 3 Prêmi Brazta de Sustentabilidade É ntória as crescentes demandas que setr de turism tem cm tema

Leia mais

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social Anex 03 Recmendaçã nº 3: estatut padrã, estatut fundamental e cntrat scial 1. Resum 01 Atualmente, Estatut da Crpraçã da Internet para a atribuiçã de nmes e númers (ICANN) tem um mecanism únic para alterações.

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PIAUÍ. PROJETO OTIMIZAR Plano do Programa

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PIAUÍ. PROJETO OTIMIZAR Plano do Programa 1. Escp u finalidade d prjet PROJETO OTIMIZAR Plan d Prgrama O Prjet Otimizar visa aprimrar ações implantadas que têm pr bjetiv a reduçã de cnsum de materiais e criar mecanisms de avaliaçã que pssam medir

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N 379, DE 19 DE OUTUBRO DE 2006 Cria e regulamenta sistema de dads e infrmações sbre a gestã flrestal n âmbit d Sistema Nacinal

Leia mais

Manual de Procedimentos

Manual de Procedimentos Manual de Prcediments Prcediments para Submissã de Prjets de MDL à Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Secretaria Executiva Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Prcediments para

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Econômico Regional e Local dos Municípios do Pontal do Paranapanema

Plano de Desenvolvimento Econômico Regional e Local dos Municípios do Pontal do Paranapanema Plan de Desenvlviment Ecnômic Reginal e Lcal ds Municípis d Pntal d Paranapanema 1ª Etapa Diagnóstic Ecnômic e Definiçã de Cenáris Apresentaçã as municípis 20/08/2014 Cnvêni: Elabraçã: Plan de Desenvlviment

Leia mais

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde Anex V Sftware de Registr Eletrônic em Saúde Implantaçã em 2 (duas) Unidades de Saúde Índice 1 INTRODUÇÃO... 3 2 ESTRATÉGIAS E PROCEDIMENTOS DE IMPLANTAÇÃO... 3 4 INFRAESTRUTURA NAS UNIDADES DE SAÚDE -

Leia mais

VERSÃO ATUALIZADA EM 07/08/2015 > Alteração no cronograma (Art. 6º e Art. 12º).

VERSÃO ATUALIZADA EM 07/08/2015 > Alteração no cronograma (Art. 6º e Art. 12º). VERSÃO ATUALIZADA EM 07/08/2015 > Alteraçã n crngrama (Art. 6º e Art. 12º). APRESENTAÇÃO Idealizad e instituíd pela Assciaçã Nacinal de Entidades Prmtras de Empreendiments Invadres (Anprtec), em parceria

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS Versã 0.0 25/10/2010 Sumári 1 Objetivs... 3 2 Cnceits... 3 3 Referências... 3 4 Princípis... 3 5 Diretrizes d Prcess... 4 6 Respnsabilidades... 5 7

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO E DO GRUPO FAMILIAR (fotocópia).

IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO E DO GRUPO FAMILIAR (fotocópia). DOCUMENTAÇÃO PARA O PROUNI Cmprvaçã de dcuments Ensin Médi; Ficha de Inscriçã, Identificaçã d Candidat e d Grup Familiar; Cmprvaçã de Endereç d Candidat e d Grup Familiar; Cmprvaçã de renda d Candidat

Leia mais

O Certificado é um dos documentos exigidos para solicitar as seguintes isenções de contribuições sociais:

O Certificado é um dos documentos exigidos para solicitar as seguintes isenções de contribuições sociais: PROCEDIMENTOS PARA CERTIFICAÇÃO E/OU RENOVAÇÃO DO CEBAS CNAS CERTIFICAÇÃO/RENOVAÇÃO O Certificad é um ds dcuments exigids para slicitar as seguintes isenções de cntribuições sciais: Parte patrnal da cntribuiçã

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR 1. Históric da Jrnada AGIR Ns ambientes crprativs atuais, a adçã de um mdel de gestã integrada é uma decisã estratégica n api às tmadas

Leia mais

O desafio da regulação econômico-financeira dos operadores públicos de serviços de saneamento básico no Brasil: primeiras experiências

O desafio da regulação econômico-financeira dos operadores públicos de serviços de saneamento básico no Brasil: primeiras experiências O desafi da regulaçã ecnômic-financeira ds peradres públics de serviçs de saneament básic n Brasil: primeiras experiências Karla Bertcc Trindade VI Fr Iber American de Regulación 11/11/2013 - Mntevide,

Leia mais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais Nvas Salvaguardas Ambientais e Sciais Discussões Técnicas de Gvern ESS1 Avaliaçã e Gerenciament de Riscs e Impacts Sciais e Ambientais 15 de utubr, 2014 Objetivs da ESS1 Identificar, avaliar e gerir s

Leia mais

Projetos, Programas e Portfólios

Projetos, Programas e Portfólios Prjets, Prgramas e Prtfólis pr Juliana Klb em julianaklb.cm Prjet Segund PMBOK (2008): um prjet é um esfrç temprári empreendid para criar um nv prdut, serviç u resultad exclusiv. Esta definiçã, apesar

Leia mais

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA CICLO DE ELABORAÇÃO DE AGENDAS EMPRESARIAIS EM ADAPTAÇÃO ÀS MUDANÇAS DO CLIMA Prpsta de Framewrk A partir d diálg crrid em 26 de junh de 2013, n Fórum Latin-American de Adaptaçã

Leia mais

DIRETORIA DE UNIDADE COORDENAÇÃO DE CURSOS

DIRETORIA DE UNIDADE COORDENAÇÃO DE CURSOS DIRETORIA DE UNIDADE COORDENAÇÃO DE CURSOS PROJETO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (X) PROJETO DE PESQUISA PROJETO DE EXTENSÃO Acadêmic ; Scial PROJETO DE INTERDISCIPLINARIDADE

Leia mais

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO 1 de 7 1. OBJETIVO Este prcediment estabelece prcess para cncessã, manutençã, exclusã e extensã da certificaçã de sistema de segurança cnfrme ABNT NBR 15540. 2. DOCUMENTOS COMPLEMENTARES - ABNT NBR 15540:2013:

Leia mais

Regulamento do programa de bolsas de estudos

Regulamento do programa de bolsas de estudos Regulament d prgrama de blsas de estuds Unidades Ri de Janeir e Sã Paul Data de publicaçã: 13/05/2015 Regulament válid até 30/08/2015 1 1. Sbre prgrama Através de um prcess seletiv, prgrama de blsas de

Leia mais

Curso de Extensão: Finanças Corporativas

Curso de Extensão: Finanças Corporativas 1. Apresentaçã Curs de Extensã: Finanças Crprativas Uma crpraçã é, genericamente, caracterizada pela tmada de duas decisões fundamentais, a de financiament e a de investiment. O prcess de seleçã, análise

Leia mais

O projeto Key for Schools PORTUGAL

O projeto Key for Schools PORTUGAL O prjet Key fr Schls PORTUGAL O teste Key fr Schls O teste Key fr Schls é cncebid para aplicaçã em cntext esclar e está de acrd cm Quadr Eurpeu Cmum de Referência para as Línguas O teste Key fr Schls permite

Leia mais

Edital Duratex para a Apresentação de Projetos

Edital Duratex para a Apresentação de Projetos Edital Duratex para a Apresentaçã de Prjets A Duratex cnvida rganizações interessadas a apresentarem prjets ns terms aqui estabelecids. INTRODUÇÃO Reafirmand cmprmiss cm desenvlviment sustentável, a Duratex

Leia mais

Cm Criar Seu Própri Empreg em Apenas 5 Passs 1 1º Pass: A IDEIA 2º Pass: O CONTACTO COM VÁRIAS INSTITUIÇÕES E ENTIDADES 3º Pass: PLANO DE NEGÓCIOS 4º Pass: CRIAÇÃO DA EMPRESA E INÍCIO DE ACTIVIDADE 5º

Leia mais

CARTILHA PARA ORIENTAÇÃO ACERCA DAS OBRIGAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS PARA O PERÍODO ELEITORAL

CARTILHA PARA ORIENTAÇÃO ACERCA DAS OBRIGAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS PARA O PERÍODO ELEITORAL MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL SECRETARIA DA RECEITA PREVIDENCIÁRIA - SRP DEPARTAMENTO DE FISCALIZAÇÃO - DEFIS CARTILHA PARA ORIENTAÇÃO ACERCA DAS OBRIGAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS PARA O PERÍODO ELEITORAL

Leia mais

Cabe destacar que todo o dinheiro obtido pela associação deve ser usado para cumprir a missão dela; não pode ser dividido entre os associados.

Cabe destacar que todo o dinheiro obtido pela associação deve ser usado para cumprir a missão dela; não pode ser dividido entre os associados. Quais sã as vantagens de criar uma assciaçã? A vantagem de criar uma assciaçã é pder agir legalmente em nme dela, mvimentand recurss e firmand cnvênis. Os cnvênis pdem ser firmads cm s órgãs públics e

Leia mais

PROPOSTA DE DESENVOLVIMENTO

PROPOSTA DE DESENVOLVIMENTO R.M. Infrmática Cmérci e Serviç Ltda CNPJ: 04.831.742/0001-10 Av. Rdrig Otávi, 1866, Módul 22 Distrit Industrial - Manaus - AM Tel./Fax (92) 3216-3884 http://www.amaznit.cm.br e-mail: amaznit@amaznit.cm.br

Leia mais

Gestão ambiental de zonas de amortecimento de unidades de conservação em áreas urbanas

Gestão ambiental de zonas de amortecimento de unidades de conservação em áreas urbanas Gestã ambiental de znas de amrteciment de unidades de cnservaçã em áreas urbanas Marta Feppel Ribeir Instituiçã: Universidade d Estad d Ri de Janeir IVIG/COPPE/Universidade Federal d Ri de Janeir Email:

Leia mais

Manual do DEC Domicílio Eletrônico do Contribuinte

Manual do DEC Domicílio Eletrônico do Contribuinte GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA FAZENDA Crdenadria da Administraçã Tributária Diretria Executiva da Administraçã Tributária Manual d DEC Dmicíli Eletrônic d Cntribuinte Manual DEC (dezembr

Leia mais

PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014

PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014 QUALIDADE RS PGQP PROGRAMA GAÚCHO DA QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014 GUIA PARA CANDIDATURA SUMÁRIO 1. O PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP... 3 1.1 Benefícis... 3 2. PREMIAÇÃO... 3 2.1 Diretrizes

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA Manual de Us (Para Detentres de Bens) Infrmações adicinais n Prtal da Crdenaçã de Patrimôni: www.cpa.unir.br 2013 Cnteúd O que papel Detentr de Bem pde fazer?... 2 Objetiv...

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI GESTÃO DE PROJETOS Uma visã geral Bead n diretrizes d PMI 1 Intrduçã Objetiv da Apresentaçã O bjetiv é frnecer uma visã geral ds prcesss de Gestã de Prjets aplicads à Gestã de Empreendiments. O que é Prjet?

Leia mais

1ª EDIÇÃO. Regulamento

1ª EDIÇÃO. Regulamento 1ª EDIÇÃO Regulament 1. OBJETIVO O Prêmi BRASILIDADE é uma iniciativa d Serviç de Api às Micr e Pequenas Empresas n Estad d Ri de Janeir SEBRAE/RJ, idealizad pr Izabella Figueired Braunschweiger e cm a

Leia mais

Edital de Chamada Pública nº 01/2012 SEBRAE 2014

Edital de Chamada Pública nº 01/2012 SEBRAE 2014 Edital de Chamada Pública nº 01/2012 SEBRAE 2014 A Diretria d SEBRAE/RS trna públic presente edital e cnvida Artesãs representads pr Assciações e/u Cperativas de Artesanat d Ri Grande d Sul a inscreverem-se

Leia mais

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões:

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões: Pessal, vislumbr recurss na prva de cnheciments específics de Gestã Scial para as seguintes questões: Questã 01 Questã 11 Questã 45 Questã 51 Questã 56 Vejams as questões e arguments: LEGISLAÇÃO - GESTÃO

Leia mais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais Nvas Salvaguardas Ambientais e Sciais Discussões Técnicas de Gvern ESS10 Acess a Infrmaçã e engajament de stakehlders 15 de utubr, 2014 Objetivs da ESS10 (1/2) Delinear uma abrdagem sistemática para engajament

Leia mais

MUNICÍPIO DE BAURU ETAPA 1 PROPOSTA METODOLÓGICA RELATÓRIO FINAL

MUNICÍPIO DE BAURU ETAPA 1 PROPOSTA METODOLÓGICA RELATÓRIO FINAL PLANO LOCAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL MUNICÍPIO DE BAURU ETAPA 1 PROPOSTA METODOLÓGICA RELATÓRIO FINAL JUNHO DE 2010-1 - A dívida scial acumulada n Brasil em relaçã à carência habitacinal atinge

Leia mais

REGULAMENTO TOP CIDADANIA ABRH-RS EDIÇÃO 2015 CATEGORIA ESTUDANTE

REGULAMENTO TOP CIDADANIA ABRH-RS EDIÇÃO 2015 CATEGORIA ESTUDANTE REGULAMENTO TOP CIDADANIA ABRH-RS EDIÇÃO 2015 CATEGORIA ESTUDANTE ARTIGO I DEFINIÇÃO E NATUREZA O Prêmi Cidadania, categria Estudante, premia trabalhs de caráter técnic u científic, referente a implementaçã

Leia mais

ESCOLA DE DIREITO DO RIO DE JANEIRO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS FGV DIREITO RIO EDITAL DO PROCESSO SELETIVO DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO CONTINUADA

ESCOLA DE DIREITO DO RIO DE JANEIRO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS FGV DIREITO RIO EDITAL DO PROCESSO SELETIVO DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO CONTINUADA ESCOLA DE DIREITO DO RIO DE JANEIRO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS EDITAL DO PROCESSO SELETIVO DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO CONTINUADA 2º semestre / 2012 O Prgrama de Educaçã Cntinuada da trna públic, para cnheciment

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA

DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA REQUISITOS TECNICOS O Prgrama de Api as Actres Nã Estatais publica uma slicitaçã para prestaçã

Leia mais

EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2

EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2 EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL REGULAMENTO ESPECÍFICO: EQUIPAMENTOS PARA A COESÃO LOCAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2 Ns terms d regulament específic Equipaments para a Cesã Lcal,

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MANUAL DE PROCEDIMENTOS Etapa 3 Cadastr d Prcess Seletiv O Presidente da CRM cadastra s dads d prcess n sistema. O prcess seletiv é a espinha drsal d sistema, vist que pr mei dele regem-se tdas as demais

Leia mais

Ministério da Justiça. Orientações para a preparação dos Policiais que atuam na Região

Ministério da Justiça. Orientações para a preparação dos Policiais que atuam na Região Ministéri da Justiça Departament da Plícia Federal Academia Nacinal de Plícia Secretaria Nacinal de Segurança Pública Departament de Pesquisa, Análise da Infrmaçã e Desenvlviment Humanan Orientações para

Leia mais

SEGURANÇA NO TRABALHO CONTRATADOS E TERCEIROS DO CLIENTE

SEGURANÇA NO TRABALHO CONTRATADOS E TERCEIROS DO CLIENTE Flha 1 de 8 Rev. Data Cnteúd Elabrad pr Aprvad pr 0 16/06/2004 Emissã inicial englband a parte técnica d GEN PSE 004 Luiz C. Sants Cmitê da Qualidade 1 31/01/2006 Revisã geral Luiz C. Sants Cmitê da Qualidade

Leia mais

Lista de Documentos o Abertura de Empresas Abertura de empresas na área de alimentos Documentos para estabelecimentos comerciais (pessoa física)

Lista de Documentos o Abertura de Empresas Abertura de empresas na área de alimentos Documentos para estabelecimentos comerciais (pessoa física) Lista de Dcuments Abertura de Empresas Abertura de empresas na área de aliments Dcuments para estabeleciments cmerciais (pessa física) 1) Ficha de Inscriçã Cadastral, preenchida na própria VISA; 2) Cópia

Leia mais

Um «site Internet» para aprimorar a atuação do Estado e fomentar a comercialização da madeira manejada do interior do Amazonas RESUMO EXECUTIVO

Um «site Internet» para aprimorar a atuação do Estado e fomentar a comercialização da madeira manejada do interior do Amazonas RESUMO EXECUTIVO Flresta Viva Prjet de prmçã d manej sustentável das flrestas pela prduçã e cmercializaçã da madeira n Amaznas Um «site Internet» para aprimrar a atuaçã d Estad e fmentar a cmercializaçã da madeira manejada

Leia mais

Operação Metalose orientações básicas à população

Operação Metalose orientações básicas à população Operaçã Metalse rientações básicas à ppulaçã 1. Quem é respnsável pel reclhiment de prduts adulterads? As empresas fabricantes e distribuidras. O Sistema Nacinal de Vigilância Sanitária (Anvisa e Vigilâncias

Leia mais

DIRETRIZES PARA APRESENTAÇÃO DE REDES E CRONOGRAMAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2

DIRETRIZES PARA APRESENTAÇÃO DE REDES E CRONOGRAMAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2 1 / 5 SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2 2.1.1 CRITÉRIOS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DO CRONOGRAMA DE BARRAS TIPO GANTT:...2 2.1.2 CRITÉRIOS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira DIRETRIZES PARA ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DOS CURSOS DE GESTÃO 1 Sumári I. O Estági em Gestã...3 II. O Estági curricular...4 III. Acmpanhament e avaliaçã...5 IV. Mdels de Plan de Atividades e de Relatóri...5

Leia mais

INFORMAÇÃO GAI. Apoios às empresas pela contratação de trabalhadores

INFORMAÇÃO GAI. Apoios às empresas pela contratação de trabalhadores INFORMAÇÃO GAI Apis às empresas pela cntrataçã de trabalhadres N âmbit das plíticas de empreg, Gvern tem vind a criar algumas medidas de api às empresas pela cntrataçã de trabalhadres, n entant tem-se

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAI Florianópolis e Faculdade de Tecnologia SENAI Jaraguá do Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO

Faculdade de Tecnologia SENAI Florianópolis e Faculdade de Tecnologia SENAI Jaraguá do Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Faculdade de Tecnlgia SENAI Flrianóplis e Faculdade de Tecnlgia SENAI Jaraguá d Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Pós-Graduaçã Lat Sensu em Gestã da Segurança da Infrmaçã em Redes de Cmputadres A Faculdade

Leia mais

Resultado do Inquérito On-line aos Participantes dos Workshops Realizados pela Direção-Geral das Artes. Avaliação da Utilidade dos Workshops

Resultado do Inquérito On-line aos Participantes dos Workshops Realizados pela Direção-Geral das Artes. Avaliação da Utilidade dos Workshops Resultad d Inquérit On-line as Participantes ds Wrkshps Realizads pela Direçã-Geral das Artes Avaliaçã da Utilidade ds Wrkshps Títul: Resultad d Inquérit On-line as Participantes ds Wrkshps realizads pela

Leia mais

EDITAL BOLSA SOCIOECONÔMICA. Seleção de Bolsistas para o Programa de Bolsa Socioeconômica para o período de 2014

EDITAL BOLSA SOCIOECONÔMICA. Seleção de Bolsistas para o Programa de Bolsa Socioeconômica para o período de 2014 EDITAL BOLSA SOCIOECONÔMICA Seleçã de Blsistas para Prgrama de Blsa Sciecnômica para períd de 2014 O Reitr d Centr Universitári Tled Unitled, ns terms d Regulament aprvad pel CONSEPE, cm vistas à seleçã

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2015 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 2.1. Organgrama... 4 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3.

Leia mais

Prefeitura Municipal de Belo Horizonte Vox Mercado Pesquisa e Projetos Ltda. Dados da organização

Prefeitura Municipal de Belo Horizonte Vox Mercado Pesquisa e Projetos Ltda. Dados da organização Data de elabraçã da ficha: Jun 2007 Prefeitura Municipal de Bel Hriznte Vx Mercad Pesquisa e Prjets Ltda. Dads da rganizaçã Nme: Prefeitura Municipal de Bel Hriznte Endereç: Av. Afns Pena, 1212 - Cep.

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2014 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3. Limites de expsiçã à

Leia mais

MTur Sistema Artistas do Turismo. Manual do Usuário

MTur Sistema Artistas do Turismo. Manual do Usuário MTur Sistema Artistas d Turism Manual d Usuári Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DESCRIÇÃO DO SISTEMA... 3 3. ACESSAR O SISTEMA... 4 4. UTILIZANDO O SISTEMA... 9 4.1. CADASTRAR REPRESENTANTE... 9 4.2. CADASTRAR

Leia mais

Uma nova proposta para a Agenda Ambiental Portuária

Uma nova proposta para a Agenda Ambiental Portuária Uma nva prpsta para a Agenda Ambiental Prtuária Marcs Maia Prt Gerente de Mei Ambiente O grande desafi a tratar cm as questões ambientais prtuárias é bter um resultad equilibrad que harmnize s cnflits

Leia mais

1.1.3.1 Ausência de processo de monitoramento e avaliação da execução do PDTI.

1.1.3.1 Ausência de processo de monitoramento e avaliação da execução do PDTI. Cnstatações 1.1.3.1 Ausência de prcess de mnitrament e avaliaçã da execuçã d PDTI. 1.1.3.2 Cmitê de TI nã atuante e inefetiv. 1.1.3.3 Quantidade insuficiente de servidres para a gestã de TI. 1.1.3.4 Falhas

Leia mais

Banco Industrial do Brasil S.A. Gerenciamento de Capital

Banco Industrial do Brasil S.A. Gerenciamento de Capital Banc Industrial d Brasil S.A. Gerenciament de Capital 2014 1 Sumári 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL... 4 4. PLANO DE CAPITAL... 5 5. RESPONSABILIDADES... 6

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para Prcediment de Cmercializaçã. Inserid

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016

PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016 PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016 Tend presente a Missã da Federaçã Prtuguesa de Autism: Defesa incndicinal ds direits das pessas cm Perturbações d Espectr d Autism e suas famílias u representantes. Representaçã

Leia mais

1. COMO SE CADASTRAR JUNTO AO CADASTRO UNIFICADO DE FORNECEDORES DO ESTADO - CADFOR?

1. COMO SE CADASTRAR JUNTO AO CADASTRO UNIFICADO DE FORNECEDORES DO ESTADO - CADFOR? Criad em 27.01.2014 Revisad em 19.02.2015 1. COMO SE CADASTRAR JUNTO UNIFICADO DE FORNECEDORES DO ESTADO - CADFOR? Para se cadastrar junt a Cadastr Unificad de Frnecedres d Estad CADFOR/SEGPLAN-GO, a entidade

Leia mais

Art. 2º. Trata-se de uma promoção de caráter exclusivamente de estimulo cultural, profissional e acadêmico sem vínculo com sorteios.

Art. 2º. Trata-se de uma promoção de caráter exclusivamente de estimulo cultural, profissional e acadêmico sem vínculo com sorteios. Prêmi Data Pint de Criatividade e Invaçã - 2011 N an em que cmpleta 15 ans de atuaçã n mercad de treinament em infrmática, a Data Pint ferece à cmunidade a prtunidade de participar d Prêmi Data Pint de

Leia mais

Programa Agora Nós Voluntariado Jovem. Namorar com Fair Play

Programa Agora Nós Voluntariado Jovem. Namorar com Fair Play Prgrama Agra Nós Vluntariad Jvem Namrar cm Fair Play INTRODUÇÃO A vilência na intimidade nã se circunscreve às relações cnjugais, estand presente quer nas relações de namr, quer nas relações juvenis casinais.

Leia mais

Ficha Cadastro Pessoa Física

Ficha Cadastro Pessoa Física Ficha Cadastr Pessa Física Grau de sigil #00 Em se tratand de mais de um titular, preencher uma ficha para cada um. Cas necessári, utilize utra ficha para cmpletar s dads. Dads da Cnta na CAIXA Cód. agência

Leia mais

Apresentação ao mercado do cronograma do processo de adopção plena das IAS/IFRS no sector financeiro

Apresentação ao mercado do cronograma do processo de adopção plena das IAS/IFRS no sector financeiro Apresentaçã a mercad d crngrama d prcess de adpçã plena das IAS/IFRS n sectr financeir DEPARTAMENTO DE SUPERVISÃO PRUDENCIAL DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS 12 de Junh de 2014 Departament de Supervisã Prudencial

Leia mais

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil;

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil; TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS ESPECIALIZADOS DE ANÁLISE DA REDUÇÃO AO VALOR RECUPERÁVEL DE ATIVO PARA CÁLCULOS DO VALOR DO IMPAIRMENT E VIDA ÚTIL RESIDUAL, EM CONFORMIDADE COM O DISPOSTO

Leia mais

Por favor, considere a proteção ao meio ambiente antes de imprimir esse documento

Por favor, considere a proteção ao meio ambiente antes de imprimir esse documento Interbrs Tecnlgia e Sluções de Internet Ltda. Rua Dr. Guilherme Bannitz, 126 2º andar Cnj. 21 /179 Itaim Bibi - Sã Paul- SP - 04532-060 Fne: 55 11 9209-3717 / 55 11 8162-0161 Pr favr, cnsidere a prteçã

Leia mais

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO Um prject eurpeu em clabraçã cm a EHFA Eurpean Health and Fitness Assciatin, cm sede em Bruxelas Regist ds Prfissinais Intrduçã Estams numa fase em que a Tutela

Leia mais

Ficha Cadastro Pessoa Física

Ficha Cadastro Pessoa Física Ficha Cadastr Pessa Física Grau de sigil #00 Em se tratand de mais de um titular, preencher uma ficha para cada um. Cas necessári, utilize utra ficha para cmpletar s dads. ads da Cnta na CAIXA Cód. agência

Leia mais

A Estratégia do Tribunal de Justiça do Rio Grande Do Sul

A Estratégia do Tribunal de Justiça do Rio Grande Do Sul A Estratégia d Tribunal de Justiça d Ri Grande D Sul PODER JUDICIÁRIO Missã: De acrd cm fundament d Estad, Pder Judiciári tem a Missã de, perante a sciedade, prestar a tutela jurisdicinal, a tds e a cada

Leia mais

CONSIDERAÇÕES DA CAPGEMINI

CONSIDERAÇÕES DA CAPGEMINI CONSIDERAÇÕES DA CAPGEMINI 6.1 Requisits de Capacidade e Experiência d Prestadr A ANEEL deveria exigir um puc mais quant a estes requisits, de frma a garantir uma melhr qualificaçã da empresa a ser cntratada.

Leia mais

ROTEIRO DE PROJETOS. 6 Email: Pirilampo.sede@hotmail.com

ROTEIRO DE PROJETOS. 6 Email: Pirilampo.sede@hotmail.com ATENÇÃO: Este frmulári cntém rientações quant a preenchiment de cada camp. Após preenchiment, excluir as rientações que aparecem em clchetes ([]). I. INFORMAÇÃO SOBRE A ORGANIZACAO RESPONSÁVEL PELO PROJETO

Leia mais

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO DE 2014 CURSO: GESTÃO EMPRESARIAL

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO DE 2014 CURSO: GESTÃO EMPRESARIAL PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO DE 2014 CURSO: GESTÃO EMPRESARIAL Objetivs: Gestã Empresarial Desenvlver cmpetências para atuar n gerenciament de prjets, prestand cnsultria

Leia mais

FACULDADE DE EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE

FACULDADE DE EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE FACULDADE DE EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE (Prt. MEC nº 797/14, de 11/09/2014, publicada n DOU em 12/09/2014) EDITAL 2015 PROCESSO SELETIVO O Diretr Geral da Faculdade de Educaçã em Ciências da Saúde (FECS),

Leia mais

NORMA GERAL AMBIENTAL. Tipo de Atividade: Meio Ambiente. Sumário

NORMA GERAL AMBIENTAL. Tipo de Atividade: Meio Ambiente. Sumário Títul: GESTÃO DOS COMPROMISSOS AMBIENTAIS Identificadr: NGL-5.3.1-16.12 Prpnente: Tip de Atividade: Mei Ambiente Revisã: Flha: 1 / 37 Sumári 1. MOTIVAÇÃO...2 2. OBJETIVO...2 2.1. Objetiv Geral...2 2.2.

Leia mais

Centro de Referência: Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Centro de Referência: Universidade Federal do Rio Grande do Norte Centr de Referência: Universidade Federal d Ri Grande d Nrte Edital para Seleçã de Preceptres de internat, estágis e residência em saúde. EDITAL 01/2015 A Universidade Federal d Ri Grande d Nrte, pr mei

Leia mais

PRÊMIO DE INCENTIVO À EDUCAÇÃO

PRÊMIO DE INCENTIVO À EDUCAÇÃO PRÊMIO DE INCENTIVO À EDUCAÇÃO 1. OBJETIVO O Prêmi de Incentiv à Educaçã é uma iniciativa das empresas d Pl Industrial, através d Cmitê de Fment Industrial de Camaçari - COFIC. Tem pr bjetiv estimular,

Leia mais

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO. Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2016

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO. Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2016 Sua hra chegu. Faça a sua jgada. REGULAMENTO Prêmi de Empreendedrism James McGuire 2016 Salvadr, nvembr de 2015. REGULAMENTO Prêmi de Empreendedrism James McGuire 2016 é uma cmpetiçã interna da Laureate

Leia mais

Da Declaração à Ação dos Vários Interessados Diretos Primeira reunião do fórum

Da Declaração à Ação dos Vários Interessados Diretos Primeira reunião do fórum Da Declaraçã à Açã ds Váris Interessads Direts Primeira reuniã d fórum Centr de Cnvenções Brasil 21 Brasília, DF, 8 e 9 de mai de 2012 AGENDA ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ESCRITÓRIO REGIONAL DA ORGANIZAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS ESTÁGIOS FAFIT

REGULAMENTO GERAL DOS ESTÁGIOS FAFIT O significad das cisas nã está nas cisas em si, mas sim em nssa atitude em relaçã a elas. (Antine de Saint-Exupéry, 1943) CURSOS bacharelads: Administraçã Geral Ciências Cntábeis Direit Educaçã Física

Leia mais

Carta de Brasília. Recomendações para a Formulação e Implementação de uma Política Nacional de Prevenção da Violência e Segurança nos Estádios

Carta de Brasília. Recomendações para a Formulação e Implementação de uma Política Nacional de Prevenção da Violência e Segurança nos Estádios Carta de Brasília Recmendações para a Frmulaçã e Implementaçã de uma Plítica Nacinal de Prevençã da Vilência e Segurança ns Estádis Seminári sbre Segurança ns Estádis Ministéri d Esprte / Ministéri da

Leia mais

1. DADOS GERAIS...4. 1.1. Identificação...4. 1.2. Histórico...4. 1.3. Estrutura Organizacional...5 2. OBJETIVOS E METAS...7. 2.1. Finalidade...

1. DADOS GERAIS...4. 1.1. Identificação...4. 1.2. Histórico...4. 1.3. Estrutura Organizacional...5 2. OBJETIVOS E METAS...7. 2.1. Finalidade... Índice 1. DADOS GERAIS...4 1.1. Identificaçã...4 1.2. Históric...4 1.3. Estrutura Organizacinal...5 2. OBJETIVOS E METAS...7 2.1. Finalidade...8 2.2. Missã...8 2.3. Visã...8 2.4. Premissas...9 2.5. Diretrizes...9

Leia mais

10ª JORNADA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Extensão Universitária e Políticas Públicas

10ª JORNADA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Extensão Universitária e Políticas Públicas SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO 10ª JORNADA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Extensã Universitária e Plíticas Públicas Períd 05 a 07 de dezembr de 2007 A 10ª Jrnada

Leia mais

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL ÍNDICE I. Apresentaçã e bjectivs d wrkshp II. III. Resultads ds inquérits Ambiente cmpetitiv Negóci Suprte Prcesss

Leia mais

Novo Sistema Almoxarifado

Novo Sistema Almoxarifado Nv Sistema Almxarifad Instruções Iniciais 1. Ícnes padrões Existem ícnes espalhads pr td sistema, cada um ferece uma açã. Dentre eles sã dis s mais imprtantes: Realiza uma pesquisa para preencher s camps

Leia mais

REQUISITOS PRINCIPAIS: Regulamentação final sobre controles preventivos de alimentos para consumo humano Visão rápida

REQUISITOS PRINCIPAIS: Regulamentação final sobre controles preventivos de alimentos para consumo humano Visão rápida O FDA ferece esta traduçã cm um serviç para um grande públic internacinal. Esperams que vcê a ache útil. Embra a agência tenha tentad bter uma traduçã mais fiel pssível à versã em inglês, recnhecems que

Leia mais

EDITAL Nº 025 / 2015 SELEÇÃO DE SUPERVISOR DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID

EDITAL Nº 025 / 2015 SELEÇÃO DE SUPERVISOR DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas - UNIFAL-MG Pró-Reitria de Graduaçã Rua Gabriel Mnteir da Silva, 700 - Alfenas/MG - CEP 37130-000 Fne: (35) 3299-1329 Fax: (35) 3299-1078 grad@unifal-mg.edu.br

Leia mais

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa Manual Cm intrduzir emplyeeship na empresa Índice Intrduçã Pass 1 - Cnheça as vantagens d emplyeeship para a empresa Pass 2 - Saiba que é a cultura emplyeeship Pass 3 - Aprenda a ter "bns" empregads Pass

Leia mais