SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS"

Transcrição

1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INFORMAÇÃO TÉCNICA nº 066/ COHID/CGENE/DILIC/IBAMA Brasília, 11 de agst de Da: Equipe técnica A: Crdenadr Geral de Infra-Estrutura de Energia Elétrica Assunt: Aprveitament Hidrelétric Sant Antôni Ri Madeira Subprgrama de Cmpensaçã Scial Prcess nº: / I Intrduçã A análise d Subprgrama de Cmpensaçã Scial dar-se-á seguind a rdem de apresentaçã ds tópics presentes na Seçã 25 d PBA para licenciament da UHE Sant Antôni. II Análise O Prgrama de cmpensaçã scial reúne diverss subprgramas e, devid a sua abrangência e implicações, fi dividid em três subprgramas, a saber: Subprgrama de Api a Municípi de Prt Velh Subprgrama de Qualificaçã da Ppulaçã Subprgrama de Api à revisã d plan diretr de Prt Velh Esta análise manterá s tópics na mesma estrutura em que fram apresentads n PBA. 1 - SUBPROGRAMA DE APOIO AO MUNICÍPIO DE PORTO VELHO Os bjetivs, metas e ações definidas neste Subprgrama de api a municípi de Prt Velh justificam-se em funçã da expectativa de uma expansã da ppulaçã da cidade superir à tendência histórica de cresciment, em funçã da implantaçã da Usina Hidrelétrica de Sant Antôni, n Ri Madeira. Os fundaments para a amplitude e delimitaçã das medidas prpstas levaram em cnsideraçã a estimativa da ppulaçã direta e indiretamente atraída pel empreendiment e a capacidade ds serviçs públics de Prt Velh em atender esta nva demanda. As medidas prpstas fram elabradas cm bjetiv, pr um lad, de manter a ferta de mã-debra para a cnstruçã u para atendiment da ppulaçã e, pr utr, evitar que a atraçã da ppulaçã supere a capacidade de atendiment da infra-estrutura da cidade de Prt Velh. O Subprgrama de Api a Municípi de Prt Velh fi dividid nas seguintes áreas: migraçã; educaçã; habitaçã; saneament básic; segurança pública e; lazer. A área de saúde, devid a sua especificidade e relevância, mereceu um prgrama aparte: Prgrama de Saúde Pública, cuja análise se encntra mais acima neste dcument. 1

2 1.1 - Migraçã A justificativa para a inserçã n PBA de um mnitrament d cresciment ppulacinal se dá em funçã ds resultads indesejáveis que a migraçã pde trazer para a qualidade de vida da ppulaçã residente, cm a cnseqüente sbrecarga da infra-estrutura da cidade. Pr utr lad, real dimensinament desta migraçã será pnt de partida para a definiçã da amplitude de atendiment da ppulaçã ns diverss prgramas de cmpensaçã scial. O Subprgrama apresenta uma revisã ds númers iniciais estimads sbre a ppulaçã atraída para Prt Velh em funçã d empreendiment. Em decrrência d alngament d períd de cnstruçã de 78 para 92 meses, da timizaçã da mã-de-bra e da reduçã d númer máxim de trabalhadres durante pic da bra (que deverá crrer em 2011), de para 9.135, chegu-se à estimativa de pessas direta e indiretamente atraídas pel empreendiment (a estimativa inicial era de pessas). O esclareciment desta reduçã fi apresentada em dcument separad d PBA, denminad Estimativa da Ppulaçã Atraída. Para efeit de planejament está se cnsiderand a atraçã de famílias, cm uma média de 4 pessas pr famílias. Entre as medidas prpstas para cntrle u adequaçã d mviments migratóris encntram-se: capacitaçã da mã-de-bra lcal para trabalh na cnstruçã e em utras atividades dinamizadas pela implantaçã d empreendiment; capacitaçã de frnecedres lcais visand a ampliaçã e melhria da ferta de prduts, que cnstituem s bjetivs de subprgramas específics; ações de cmunicaçã scial e educaçã ambiental, que prcurarã desestimular a migraçã para a cidade de Prt Velh e incentivar s trabalhadres da regiã de entrn da cidade e d municípi, cntratads para a implantaçã d empreendiment, a residir n acampament dispnibilizad pel empreendedr, mantend suas famílias em suas atuais residências; criaçã de um Centr de Referência para Migrantes, que deverá cntar cm dis escritóris situads próxims à estaçã rdviária e a prt, para atendiment a pessas e famílias que chegarem a Prt Velh buscand prtunidades de empreg e renda. Nas medidas prpstas nã está clar cm as ações de cmunicaçã scial e educaçã ambiental pderã cntribuir cm a reduçã da migraçã. Prtant, se faz necessári especificar e apresentar a este institut cnteúd, a metdlgia, a peridicidade, alcance (municipal, reginal, nacinal) e as mídias cm que as ações de cmunicaçã e educaçã ambiental vã trabalhar este tema. Para mnitrament da expansã da ppulaçã da Cidade de Prt Velh serã utilizads a Cntagem da Ppulaçã 2007 feita pel IBGE; Cens Demgráfic de 2010; cadastr de aluns ns curss de qualificaçã de mã-de-bra; as cntratações e demissões para trabalh na implantaçã da usina; a matrícula e evasã de aluns nas redes de ensin pública e particular; pesquisa ns dmicílis de aluns da rede esclar; pesquisa em uma amstra de áreas n perímetr urban de Prt Velh; e as ligações de energia elétrica. O Prgrama apresenta um detalhament d plan de trabalh a ser desenvlvid, bem cm crngrama de execuçã. As infrmações cletadas para a caracterizaçã inicial da cidade de Prt Velh, antes d iníci efetiv das bras, cnstituirã a base a partir da qual serã estimads s empregs direts e indirets gerads pel empreendiment, s fluxs e a qualidade de vida da ppulaçã. O prcessament das infrmações cletadas para a determinaçã da tendência de cresciment ppulacinal terã quatr linhas de análise: 1) A primeira tendência a ser estabelecida baseia-se ns dads de ppulaçã diretamente atraída, prveniente das fichas de admissã e demissã ds trabalhadres na implantaçã d empreendiment. A partir dessas fichas, serã identificads s trabalhadres admitids prcedentes de utras regiões, bem cm aqueles que se transferiram acmpanhads de suas famílias. As fichas de registrs de migrantes bem cm ds aluns matriculads ns curss de qualificaçã de mã-debra cmplementarã as infrmações cm referência à migraçã indireta; 2

3 2) A segunda tendência a ser trabalhada tem pr base s indicadres de freqüência à escla, estabelecend-se uma relaçã entre a migraçã identificada na amstra, a saída de famílias identificada na pesquisa ds aluns que abandnaram a escla e cresciment demgráfic da cidade. Cm s dads cletads na pesquisa direta a ser realizada, será pssível estimar-se, além ds fluxs migratóris de chegada e saída à cidade, a migraçã direta u indiretamente assciada à implantaçã d empreendiment; 3) A terceira tendência de expansã da cidade de Prt Velh será estabelecida cm base nas infrmações da pesquisa a ser desenvlvida nas quadras amstradas. A partir da expansã da amstra para a cidade cm um td se terá uma estimativa da ppulaçã residente e ds cmpnentes d cresciment demgráfic estimad, send de especial interesse a rigem ds migrantes, principalmente aqueles prcedentes das znas rurais u sedes distritais d municípi de Prt Velh; 4) O quart cnjunt de infrmações referentes as pedids de nvas ligações elétricas residenciais pderá frnecer uma estimativa d númer de nvas famílias de mradres na cidade de Prt Velh, em cada um ds semestres cnsiderads. Os resultads d mnitrament permitirã a empreendedr cnfirmar u rever as ações sb sua respnsabilidade, prpstas ns diverss subprgramas, e a pder públic acmpanhar, planejar e readequar, se necessári, sua plítica de atendiment à ppulaçã. A execuçã das atividades previstas neste Prgrama é de respnsabilidade exclusiva d empreendedr. Quant as relatóris prevists, sua peridicidade será: Relatóri inicial, a ser finalizad n segund semestre de 2008, cm as infrmações referentes a períd anterir a iníci das bras (t 0 ); Relatóris trimestrais ds dads das fichas de admissã e demissã de trabalhadres, ds atendiments realizads n Centr de Referência para Migrantes e nas fichas de inscriçã para s curss de qualificaçã da mã-de-bra; Relatóris semestrais, cm s resultads d mnitrament d cresciment ppulacinal através da análise da demanda pr vagas esclares; da expansã d númer de ligações de energia elétrica, das fichas de admissã de trabalhadres e das pesquisas dmiciliares; Relatóri cmparativ entre as estimativas d cresciment ppulacinal realizad e s dads d Cens Demgráfic de O mnitrament d cresciment ppulacinal terá interface cm tds s prgramas ambientais que necessitarem da estimativa de ppulaçã para cálcul de indicadres e dimensinament de suas atividades. É imprtante ressaltar que, mudanças na cnfiguraçã da barragem e/u nã alcance da meta de se ter 70% da mã-de-bra cupadas n empreendiment, riunds de Prt Velh, pderã alterar númer de trabalhadres inicialmente prevists neste PBA. Prtant, cas ist acnteça, este mnitrament deverá ser sensível suficiente para prpr a revisã destes númers, uma vez que eles sã referências imediatas para s plans de mitigaçã e cmpensaçã scial. Devid a impact ds aluguéis e alimentaçã na renda familiar, este Parecer recmenda acrescentar cm cm variável de mnitrament valr ds aluguéis e preç da cesta-básica da alimentaçã na cidade de Prt Velh. Este mnitrament será imprtante para acmpanhament ds impacts na ppulaçã residente e pderá vir a definir utras plíticas de cmpensaçã. 1.2 Educaçã Apresentam-se a seguir as medidas prpstas de api as serviçs educacinais fertads n municípi de Prt Velh, cnsiderand cresciment ppulacinal decrrente da implantaçã d AHE Sant Antôni. As medidas relacinadas às unidades esclares diretamente afetadas pela frmaçã d reservatóri serã tratadas n Prgrama de Reassentament da Ppulaçã Atingida. As medidas prpstas têm cm bjetiv implantar ações de api a pder públic, cm vistas à 3

4 adequaçã d setr de ensin de Prt Velh para atender a cresciment da demanda e aument da pressã sbre s serviçs educacinais, evitand, assim, queda na qualidade e cresciment ds gasts públics cm educaçã. Para efeit de planejament das ações de api a serviç de educaçã, apresentad a seguir, cnsideru-se acréscim de pessas entre 6 a 19 ans cm ptenciais usuáris das esclas lcais. Pretende-se que a implantaçã das ações de api a serviç de educaçã, cntribuam para a qualidade d ensin prestad à ppulaçã. Para tant, a meta é a cnstruçã, ampliaçã e/u refrma das esclas, bjetivand a criaçã de, pel mens, 82 nvas salas de aula na cidade de Prt Velh, cnsiderand cresciment ppulacinal previst para a lcalidade. Prevê-se que 68 delas estarã destinadas à rede municipal e 14, à estadual. Quant à sede d distrit de Jaci-Paraná, fi estimada a criaçã de 08 nvas salas de aula, uma vez que suas esclas já nã cnseguem atender à demanda existente. O Prgrama prpõe para a área de educaçã a realizaçã de um diagnóstic ds serviçs educacinais da cidade de Prt Velh, que deverá nrtear as ações de cnstruçã/refrma de salas de aula. Desta frma, númer inicial prpst de 82 nvas salas de aula pderá ser alterad em funçã deste diagnóstic e da evluçã d quadr de matrículas. Há a prpsiçã também de ferta de curss de capacitaçã para s prfissinais de ensin que irã trabalhar nas nvas unidades esclares implantadas. Sbre esta questã a psiçã deste Parecer é de que s curss de capacitaçã ds prfissinais de ensin se ampliem para tda a rede de ensin de Prt Velh, inclusive para s prfissinais das esclas rurais. Esta medida leva em cnsideraçã a avaliaçã diagnóstica que identificu a má qualidade d ensin fertada nesse municípi. Além d mais, há que se cnsiderar que muitas salas de aulas serã timizadas, nde aument de aluns em sala nã vai significar cntrataçã de nvs funcináris. Neste sentid, deverá ser apresentad em 90 (nventa dias) um Plan de Qualificaçã ds prfissinais de ensin para municípi de Prt Velh e Jaci-Paraná e nã apenas para s prfissinais das futuras unidades a serem cnstruídas. Inserir neste Plan mecanisms de cntrle de qualidade d ensin através de indicadres de qualidade de ensin (labratóri de infrmática, labratóri de ciência, bibliteca, quadra de esprtes, númer de aluns pr prfessr, índices e causa da evasã esclar, Cnexã à internet, prgrama de alimentaçã esclar, existência e situaçã das classes multisseriadas, etc). Além dist, estabelecer uma interface cm Prgrama de api às cmunidades indígenas, n sentid de melhrar ensin destinad a esta ppulaçã específica. O pder públic será respnsável pela implantaçã das medidas, cabend a empreendedr arcar cm s custs necessáris à implantaçã das ações descritas a seguir: Elabraçã de um diagnóstic atualizad ds serviçs educacinais existentes, cnsiderand tant as esclas públicas (municipais e estaduais) quant as particulares; Sbre diagnóstic, apresentar a este Institut, em 90 dias, s resultads btids. Após cnheciment da realidade atual e diante das estimativas de chegada de pessas, incluídas na categria de usuáris d sistema de ensin, terá iníci a fase de elabraçã e execuçã de prjets, bjetivand a adequaçã da infra-estrutura física, através de refrma, ampliaçã e/u cnstruçã de nvas unidades esclares e cmpra de equipaments, bem cm a capacitaçã de prfissinais d ensin (dcentes e utrs). Cm relaçã à ampliaçã da infra-estrutura educacinal da sede distrital de Jaci-Paraná, fi prpst a cnstruçã de 08 nvas salas de aula anexas às esclas atualmente existentes na lcalidade, send 04 para a rede municipal e 04 para a rede estadual de ensin. Cm já fi dit anterirmente, este númer pderá vir a se alterar em funçã daquil que apntar diagnóstic a ser realizad. Prtant, Prgrama deve ser suficientemente flexível para se adaptar às mudanças de cenári que pderã crrer. O empreendedr afirma que irá prmver medidas para estimular a ferta de vagas nas esclas da rede particular existente na cidade de Prt Velh, bem cm estimular a implantaçã de nvas esclas pr grups particulares, visand a diminuiçã da pressã sbre s serviçs públics de educaçã. N entant, 4

5 nã há nenhum detalhe de cm e quand se dará este api. Prtant, se faz necessári um detalhament desta prpsta que deverá cntemplar bjetivs, metas, metdlgia e resultads pretendids. Além das medidas apresentadas neste subprgrama, este Parecer prpõe que empreendedr assuma custs financeirs para a aquisiçã de equipaments destinads às unidades esclares públicas a serem cnstruídas: 1. Aquisiçã de equipaments de infrmática, labratóri de ciência e bibliteca; 2. Prever e Cnstruir unidades esprtivas para estas esclas. É precis acrescentar que este Prgrama, além das interfaces cm s Prgramas descrits n PBA, tem relaçã direta cm Plan de Remanejament da Ppulaçã Atingida, mesm que s prblemas desta ppulaçã sejam gerenciads e reslvids n âmbit deste Prgrama de Remanejament. A transferência da ppulaçã implica numa mair demanda pr serviçs públics, inclusive de esclas. Prtant, estes dis prgramas devem estabelecer mecanisms para a sluçã de prblemas cmuns e/u timizaçã ds pnts psitivs Habitaçã Na área de habitaçã s estuds relativs à estimativa de ppulaçã atraída truxeram númers diferentes daqueles apresentads n EIA. Inicialmente se supunha um pic de mã-de-bra cntratada de pessas. O PBA diz que estuds de engenharia, levand em cnsideraçã aument d praz de cnstruçã de 78 para 92 meses e reduzind númer de trabalhadres n pic da mã-de-bra cntratada, indicaram que este númer cai para trabalhadres. N períd de pic da bra, a cidade de Prt Velh irá receber famílias de trabalhadres cntratads pel empreendedr e famílias indiretamente atraídas pelas prtunidades criadas a partir da implantaçã da Usina, ttalizand nvas famílias na cidade. Prtant, se nã frem feits investiments de vult nesta área, este impact irá se smar e agravar déficit habitacinal da cidade de Prt Velh que, segund pesquisa da Fundaçã Jã Pinheir em 2000, a cidade de Prt Velh pssuía um déficit habitacinal da rdem de unidades. O PBA apnta crretamente que a carência habitacinal e aument d cntingente ppulacinal vã prvcar mviments especulativs e ajustes na relaçã da ferta e prcura de unidades habitacinais que resultarã em elevaçã ds preçs e, cnseqüentemente, em prejuíz para aqueles que vivem de aluguel u em casas cedidas. Estes mesms estuds indicaram um percentual de cerca de 70% de imóveis em situaçã de irregularidade n municípi de Prt Velh, principalmente pr questões fundiárias. A regularizaçã destas prpriedades é imprtante na medida em que pssibilita melhres cndições de acess a financiaments e crédit para investiment ns imóveis e induz a execuçã de melhrias ns mesms, face à segurança adquirida pels prprietáris. Cnfrme PBA, a mair dificuldade de acess à mradia crre entre a camada da ppulaçã que tem rendiment abaix de três saláris mínims. Além dist, a atual plítica habitacinal em curs n municípi de Prt Velh é vltada para famílias cm renda até seis saláris mínims. Esta situaçã clca em cndições de fragilidade uma parcela significativa da ppulaçã, cntribuind para a desrganizaçã scial e aument ds prblemas sciais na periferia da cidade, fenômen típic de um desenvlviment insustentável a lng praz. Os dads relativs as prgramas dispnibilizads pel Ministéri das Cidades e citads n PBA para a área de habitaçã infrmam apenas s prgramas que financiam prjets habitacinais n municípi de Prt Velh, mas nã dizem nada sbre a quantidade e públic alv das habitações que estã send cnstruídas pr estes prgramas. Um diagnóstic dessa situaçã se faz necessári para a devida estimativa da carência habitacinal da cidade de Prt Velh, principalmente ds prgramas relativs a atendiment das ppulações carentes, e para a previsã de cnstruçã de nvas mradias. O bjetiv principal d Subprgrama de Api a Municípi de Prt Velh, n que cncerne à habitaçã, é auxiliar a administraçã municipal a implementar prgramas, prjets u ações que cntribuam para evitar agravament ds prblemas habitacinais identificads n municípi, em decrrência da implantaçã da Usina Hidrelétrica de Sant Antôni. 5

6 O PBA apresenta a estimativa de famílias atraídas pel empreendiment, cm rendiment médi mensal abaix de três saláris mínims, a serem beneficiadas pr este prgrama. Prtant, a meta das ações prpstas é cntribuir para a implementaçã da plítica habitacinal explicitada pel municípi, mediante a elabraçã de prjets urbanístics, arquitetônics e seus cmplementares para as famílias, prjets estes que deverã cmpr a cntrapartida d municípi necessária à btençã ds recurss d Prgrama de Api a Pder Públic para Cnstruçã Habitacinal, dispnibilizad pel Ministéri das Cidades. A dispsiçã das unidades habitacinais previstas aqui será definida em funçã da dispnibilidade da malha urbana e d interesse da administraçã pública. Desta frma, númer de ds prjets urbanístics, arquitetônics e cmplementares elabrads deverã cntemplar tants prjets urbanístics quant frem necessáris para a cnstruçã das 1900 mradias. A elabraçã ds prjets urbanístics, arquitetônics e cmplementares sã de respnsabilidade d empreendedr. Os prduts prevists, n que se refere à habitaçã, sã s prjets urbanístics ds cnjunts u cnjunt habitacinal, s prjets cmplementares gemétric, de terraplenagem / greides, pavimentaçã e drenagem - e s prjets das tiplgias habitacinais prpstas. Deverá ser elabrad, também, um relatóri final, a ser emitid após a cnclusã da elabraçã ds prjets, sintetizand e infrmand sbre seu cnteúd. Cnclusã Este subprgrama nã leva em cnsideraçã a ppulaçã a ser remanejada em funçã d empreendiment. Muitas famílias indenizadas vã esclher a cidade de Prt Velh cm lcal de mradia, que deverá prvcar uma reduçã ainda mair n númer de ferta de residências para as nvas famílias atraídas pel empreendiment, agravand déficit habitacinal de Prt Velh e prvcand aument n valr ds aluguéis. Prtant, deve-se inserir na elabraçã d diagnóstic prpst anterirmente a prblematizaçã e metlgia suficiente para a inserçã da ppulaçã remanejada n âmbit deste subprgrama. Pr utr lad, a meta inicial de se trabalhar cm 70% da mã de bra lcal pde nã crrer, que acarretará aument da ppulaçã vinda de utrs lcais e a cnseqüente necessidade de se rever as prjeções para a área de habitaçã e demais prgramas que dependam desta estimativa. N Subprgrama de Migraçã afirma-se que trabalhadres em cargs de direçã e gerência residirã na cidade de Prt Velh, em mradias para eles dispnibilizadas pel empreendedr. O text nã esclarece se serã cnstruídas u alugadas estas unidades habitacinais. Esta infrmaçã é imprtante, prque pderá indicar a necessidade da cnstruçã de mradias pr parte d empreendedr para suprir esta demanda. O mesm text afirma que utrs trabalhadres pderã esclher cm residência aljament a ser cnstruíd na área d canteir-de-bra u alugarem pr cnta própria imóvel na cidade de Prt Velh. Esta segunda hipótese, d trabalhadr alugar pr cnta própria imóvel, pderá agravar ainda mais a situaçã das famílias que hje pagam aluguéis em Prt Velh. Desta frma, é fundamental a elabraçã de um diagnóstic para atualizar déficit habitacinal de Prt Velh antes d iníci das bras. Este diagnóstic deve identificar s prjets habitacinais (públics e privads) a serem implantads ns próxims três ans (lcal, quantidade, públic-alv). Os dads btids servirã cm pnt de partida (t 0 ) para mnitrament ds impacts d empreendiment na área habitacinal. O mnitrament d setr habitacinal, assim cm s dads de migraçã serã fundamentais para a avaliaçã d acert u a necessidade de crreçã das medidas prpstas área de habitaçã. Cnsiderand déficit habitacinal de Prt Velh e impact que a migraçã de trabalhadres direta e indiretamente vã prvcar n municípi, empreendedr deve garantir a implantaçã da infraestrutura básica (mradia, lazer, educaçã, saúde, e saneament básic) necessária para aprte de trabalhadres migrantes casinads diretamente pel empreendiment Saneament Básic Prjet e Cnstruçã de Aterr Sanitári para Prt Velh O PBA trabalha cm a infrmaçã de que Gvern Federal, em seu Prgrama de Aceleraçã d 6

7 Cresciment PAC, destinu à Prefeitura uma verba em trn de R$650 milhões para saneament e cnstruçã de casas ppulares. A partir desta infrmaçã prgrama reslve dar api à questã ds resídus sólids urbans de Prt Velh, uma vez que nã fra cntemplad n PAC. Cnsiderand este fat, subprgrama definiu cm bjetiv a cnstruçã de um aterr sanitári, cm vida útil prevista para 25 ans, para a cidade de Prt Velh, cm uma medida de cmpensaçã scial para a ppulaçã em decrrência da atratividade das bras d AHE Sant Antôni. Os custs envlvids na elabraçã d prjet executiv e da cnstruçã d aterr Caberá à empresa Madeira Energia S.A.- MESA, que deverá entregar a bra, prnta para peraçã, à administraçã municipal de Prt Velh, ficand esta respnsável pela peraçã d aterr. O Crngrama de Atividades prevê a cnstruçã d aterr sanitári n períd que vai de junh de 2008 à mai de 2010, quand, entã, deverá entrar em funcinament. Cnclusã Sabe-se que a situaçã d esgtament sanitári em Prt Velh é dramática, send que a cidade pssui apenas 3% de rede de esgt. O impact prvcad pel empreendiment irá agravar ainda mais este cenári. Assim cm ns demais cass, empreendedr deverá arcar cm s impacts na área de saneament causads pel empreendiment. O Subprgrama nã especifica quant d investiment de R$650 milhões d Prgrama de Aceleraçã d Cresciment - PAC serã destinads para saneament e quant para a habitaçã, e também nã detalha quand e quant de rede e casas pderã ser cnstruídas cm este mntante. O cnheciment desta realidade pderia direcinar mais racinalmente s investiments d empreendedr para esta área. Pr utr lad, nã fi apresentad nenhum cálcul de quant deveria ser investiment d empreendedr na área de saneament, de tal maneira que nã se sabe se que vai ser gast cm aterr sanitári se equivale àquele mntante. Desta frma, a trca de investiments na infra-estrutura da rede de esgt para aterr sanitári aqui prpst deve garantir, pel mens, que mntante a ser investid seja equivalente a valr que empreendedr deveria aplicar em saneament básic. Além dist, deverá ser cntemplad para esta área: Desenvlviment de um diagnóstic sóci-ecnômic das famílias residentes n entrn d atual lixã especificamente a Vila Princesa cm bjetiv de prpr um prjet de alternativa de trabalh e renda para as famílias que têm n lix sua fnte de renda; Inclusã n prjet de implantaçã d aterr sanitári de api à criaçã u frtaleciment de cperativa(s) de reciclagem de resídus sólids em Prt Velh; Inclusã, em parceria cm inciativa privada e cperativas de reciclagem, n prjet de implantaçã d aterr sanitári, de uma usina de reciclagem; O Prjet d aterr sanitári deverá ser enviad para este Institut para ciência, e deve cntemplar em seu memrial descritiv uma caracterizaçã da gestã d resídu sólid gerad em Prt Velh (varriçã de ruas, freqüência de cletas, recurss humans, cleta seletiva, cmpstagem, transprte, etc.); O empreendedr deverá realizar curss de treinament e prestar cnsultria as futurs administradres d Aterr Sanitári, pr praz nã inferir a 3 (três) ans. Esta capacitaçã deve ser especificamente direcinada as prfissinais envlvids na peraçã, supervisã e mnitrament ds sistemas. Slicita-se que Prjet d Aterr Sanitári venham acmpanhads de manuais de peraçã e manutençã, para rientar s futurs administradres ds respectivs sistemas. Sugere-se a bservância d Prgrama de Capacitaçã da Rede Nacinal de Capacitaçã e Extensã Tecnlógica em Saneament Ambiental, em desenvlviment n âmbit d Gvern Federal; Cm relaçã a aterr sanitári, cntemplar estud de pssíveis áreas para a sua cnstruçã. Para tant, elabrar uma matriz de pntuaçã cm s seguintes tópics: segurança e saúde pública; mei ambiente; ambiente scial (Estud de Impact de Vizinhança - EIV); aspects culturais; acess à área, de frma que quant mair a pntuaçã pir se enquadraria a área; Especificamente sbre distrit de Jaci-Paraná e s impacts a serem mitigads nesta lcalidade, 7

8 salienta-se a necessidade de tratament ttal ds esgts dméstics, haja vista que mdel prgnóstic da qualidade da água indicu que s valres de xigêni disslvid e clifrmes fecais vilariam a Resluçã CONAMA n. 357/05. Cnfrme a Cmplementaçã d EIA Vlume 2/3 Mei Biótic (Agst -2006), é express que esses resultads, apesar de preliminares, sugerem a necessidade de tratament ttal u parcial ds esgts dméstics da Vila de Jaci-paraná, cnsiderand acréscim ppulacinal previst em decrrência das bras. ; Prever a desativaçã, elabraçã e implantaçã de um PRAD (Prgrama de Recuperaçã de Áreas Degradadas) para lixã a ser desativad; Estabeleciment de interface cm prgrama de Educaçã Ambiental, inserind neste prgrama cnteúd que cntribua para a frmaçã de nvs hábits vltads para us cnsciente ds recurss naturais, a cleta seletiva e a nã pluiçã d mei-ambiente Segurança pública A cmpensaçã scial, n que se refere à Segurança Pública, parte da cmpreensã de que haverá alteraçã n perfil da criminalidade n municípi de Prt Velh em decrrência d cresciment ppulacinal e da atraçã de pessas em busca de trabalh. Esse cresciment demgráfic implicará sbrecarga n serviç de segurança pública de Prt Velh cntribuind para a queda da qualidade n atendiment prestad à ppulaçã lcal. O diagnóstic da área de segurança pública realizad na Área de Influência Indireta revelu dads alarmantes para Estad de Rndônia, clcand este estad cm um ds mais vilents d Brasil. Infelizmente s dads nã fram suficientes para uma cmpreensã mais detalhada deste setr, mas se sabe que s impacts d empreendiment identificads n EIA crrerã predminantemente na fase de cnstruçã e peraçã da usina, em decrrência, n primeir cas, d cresciment ppulacinal que deverá crrer num curt espaç de temp, cm a chegada de pessas de lugares diferentes, cm hábits e cstumes diverss; e psterirmente, pela desativaçã ds psts de trabalh, que implicará demissões e queda na renda de muitas famílias. Este cenári exige que medidas preventivas devam ser adtadas para que nã haja um cresciment ainda mair da vilência e, cnseqüentemente, sbrecarga ds serviçs de segurança. Para tant, subprgrama definiu cm bjetiv cntribuir para que nã crra queda na qualidade d serviç de segurança pública d municípi de Prt Velh, em decrrência da implantaçã AHE Sant Antôni. A meta descrita n subprgrama é estabeleciment de cnvêni cm s órgãs e instituições públicas da área de segurança. Cm diagnóstic da área de segurança fi insuficiente, fica difícil, na determinaçã das metas, estabelecer uma seqüência d que se quer alcançar e em quant temp. Para a crreta execuçã deste subprgrama e para dar cnta ds impacts na área de segurança, se faz necessári detalhar bjetiv geral em bjetivs específics e adequar as metas cnfrme estes bjetivs. Para tant, é precis partir de um diagnóstic d atual quadr de segurança da cidade de Prt Velh e seus distrits (Jaci-Paraná merece um estud específic, haja vista a magnitude ds impacts ds dis empreendiments hidrelétrics nesta lcalidade Sant Antôni e Jirau). O Subprgrama de segurança pública deverá definir um cnjunt de indicadres de qualidade a serem mnitrads durante empreendiment. Estes indicadres deverã servir para avaliar s resultads das ações que estã send prpstas e indicar s pnts psitivs e negativs que deverã ser estimulads e/u crrigids. Além dist, as diretrizes e ações previstas neste subprgrama devem levar em cnsideraçã númer de pessas estimadas que deverã chegar na cidade. Em nenhum mment se dimensinu este impact para a área de segurança. Prtant, ele tem uma relaçã estreita cm as medidas e ações de mnitrament da ppulaçã migrante. Cm já fi assinalad em utrs mments desta análise, a crreta caracterizaçã e mnitrament d númer de migrantes é fundamental para a estimativa e definiçã das ações mitigadras n âmbit deste empreendiment. 8

9 O Prgrama adta Planejament Operacinal, elabrad pela Plícia Militar d Estad de Rndônia, para a definiçã das referências e ações a serem desenvlvidas pela presente prpsta. Especificamente, adta cnjunt de diretrizes e rientações extraídas d Prgrama de Cmand, prduzid pela Secretaria de Estad de Rndônia. Sã elas: Integrar as ações das Plícias Civil e Militar para atuarem em perfeita harmnia n cmbate à criminalidade, resguardand-se as cmpetências cnstitucinais, assim cm prmver ampla integraçã peracinal cm as Plícias Federal e Rdviária Federal, Frças Armadas e órgãs pliciais ds demais Estads da Federaçã; Desenvlver uma prgramaçã de relações cmunitárias que prpicie a plícia integrar e interagir cm a cmunidade; Qualificar s recurss humans das plícias, crp de bmbeirs e SUPEN para melhr desenvlverem suas atribuições cnstitucinais; Desenvlver um sistema de inteligência plicial dedicad à busca de dads, seu prcessament, análise e distribuiçã de infrmações necessárias a planejament estratégic, tátic e peracinal; Utilizar mderna tecnlgia e equipaments aprpriads para antecipar as ações que afetam a segurança pública, prevenind sua crrência, bem cm atuar cm eficácia n sentid de restaurar a rdem pública; Desenvlver ns órgãs respnsáveis pela segurança pública, a partir ds curss de frmaçã, cnsciência institucinal d respeit as direits humans e as garantias cnstitucinais; Implantar unidades móveis de mediaçã e gerenciament de cnflits, articulad cm Ministéri Públic em cidades cm prblemas agráris; Realizar acmpanhament e a avaliaçã de resultads. A empreendedr caberá repasse de recurs financeir, cntribuind diretamente para viabilizar a adequaçã d serviç de segurança pública n municípi de Prt Velh. O primeir prdut a ser gerad n âmbit deste subprgrama é a elabraçã d cnvêni cm s órgãs estaduais e municipais de segurança. Cabe ressaltar que fi assinad, em 25JUN08, um Prtcl de Intenções cm Gvern d Estad de Rndônia para a área de segurança pública e seu bjet estabelece [...]cmprmiss entre as partes, visand a realizaçã de bras e serviçs, pr parte da MESA, em áreas/setres específics ds serviçs públics estaduais, previamente identificads pel empreendedr cm prpenss a receber demanda adicinal prveniente da instalaçã d empreendiment, tend sid as mesmas ratificadas pels respectivs gestres públics. A cntrapartida d ESTADO se dará pela alcaçã de mã de bra técnica e pela dispnibilizaçã de utrs recurss, em cnfrmidade cm sua capacidade peracinal. O recurs destinad para as bras e/u serviçs n âmbit deste Prtcl de Intenções é de R$ ,00 para a área de segurança pública. As ações estã previstas para cmeçarem quatr meses antes d iníci da implantaçã d empreendiment (assinatura d cnvêni) e cntinuam pr 100 meses. Esta análise prpõe as seguintes recmendações: Ampliar as ações da área de segurança em até, pel mens, 1 an após as cnclusões das bras, pis períd de desmbilizaçã de mã-de-bra será um ds pnts crítics d empreendiment, nde muits trabalhadres perderã seus rendiments, que pderá refletir n aument da vilência em Prt Velh; Na definiçã das interfaces se prevê a integraçã deste subprgrama cm de qualificaçã de mã-de-bra, que pderá viabilizar curss específics que atendam à frmaçã d efetiv plicial civil e militar e d crp de bmbeirs d municípi; cm s prgramas de Cmunicaçã Scial (que ficará respnsável pela prduçã d relatóri trimestral e pr cntribuir na divulgaçã das atividades e ds resultads alcançads cm a plítica de segurança implementada. Cas haja 9

10 demanda, a equipe de cmunicaçã também pderá participar da cnfecçã de instruments a serem utilizads n encaminhament das ações de segurança pública) e; Educaçã Ambiental a relaçã de respeit a mei ambiente é fundamental em qualquer mei scial e, dessa frma, as ações de educaçã ambiental pderã ser adtadas cm api n prcess de integraçã entre s pliciais e a cmunidade; Acrescentar a interface cm Prgrama de Defesa da Terras Indígenas e cm Prgrama de lazer; - Incluir, n Plan de segurança, a cidade de Jaci-Paraná, pis a sinergia ds dis empreendiments hidrelétrics n ri Madeira irã impactar frtemente a situaçã de segurança pública neste distrit; Cntemplar um Plan de Prevençã à Vilência. Para a aplicaçã d cnceit de prevençã, n cas da vilência, é imprtante diagnsticar quais sã as questões em pauta em determinada sciedade, quais sã s grups u s indivídus cnsiderads priritáris para atuaçã, e quais seriam as melhres estratégias de açã. O crret diagnóstic ds prblemas de segurança em Prt Velh deverá apntar s grups e/u cmunidades que merecerã atençã especial pr parte d sistema de segurança. Pr exempl: sabe-se que s cnflits fundiáris em td estad é fnte de cnflits e vilência. Prtant, medidas cncretas de mnitrament e de cmbate devem ser adtadas especialmente para estes cass. Neste sentid, é imprtante a criaçã de mecanisms de atençã direta as envlvids nas situações de vilência, prevenind reincidências e mitigand suas cnseqüências; Apiar a Defesa Civil n municípi de Prt Velh para que a mesma pssa atuar na reduçã de desastres naturais u prvcads pel hmem, na prevençã de dans e scrr de ppulações atingidas. 1.6 Lazer O bjetiv principal d Subprgrama de Api a Municípi de Prt Velh n que cncerne a lazer, é auxiliar a administraçã municipal em seu prpósit de prmver esprte e lazer, cm a ferta de equipaments de lazer às cmunidades que deles carecem. Espera-se, cm prjet, atuar na reduçã de tais índices a partir de uma perspectiva de inclusã scial através d esprte. Levantaments realizads junt à administraçã municipal da cidade de Prt Velh evidenciaram uma carência histórica de investiments em lazer, esprte e que as ações em curs nã sã suficientes para suprir a atual demanda pr equipaments e serviçs, apesar d esfrç ds nvs dirigentes municipais. O acréscim da ppulaçã deverá sbrecarregar a demanda pr este tip de serviç e, prtant, será necessári investiment em nvs equipaments para suprir estas necessidades. Cnfrme PBA, a Secretaria Municipal de Esprte e Lazer vem trabalhand na recuperaçã de praças e na cnstruçã de sete nvs equipaments, entre quadras cbertas e praças, mas nã diz quantas e nem s lcais. Afirma também que a administraçã municipal está buscand recurss para a cnstruçã de um Cmplex Olímpic prjetad para a zna leste da cidade, nde existem alts índices de criminalidade. Durante as audiências públicas, a cnstruçã de centrs cmunitáris destinads a us múltipl, incluind esprte e lazer, fi demandada pelas cmunidades de Jaci-Paraná, Mrrinhs/Jana D Arc/Ribeirinh e Prt Segur, mtiv pel qual fram cntempladas neste prgrama. A meta d Prgrama é implantar equipaments de esprte e lazer em cmunidades d municípi de Prt Velh, carentes de tal infra-estrutura. Essa meta será atingida através da implantaçã de quatr centrs cmunitáris de us múltipl, incluind lazer e esprte, dirigids às cmunidades de Jaci-Paraná e de Mrrinhs, na margem direita d Ri Madeira, e de Jana D Árc e de Prt Segur, na margem esquerda. Dentr da metdlgia prevista para a implantaçã ds centrs cmunitáris estã prevists a apresentaçã e discussã ds prjets básics cm as respectivas cmunidades e aprvaçã pr parte da Prefeitura e empreendedr, antes da fase de elabraçã ds prjets executivs e seus cmplementares (u seja, cálcul estrutural, hidr-sanitári, elétric e paisagístic). Em relaçã à participaçã da ppulaçã na definiçã ds equipaments de lazer, enviar relatóris cm as assinaturas ds participantes e as decisões tmadas nas reuniões. 10

11 A final, esses equipaments deverã ser repassads à Administraçã Municipal, que pderá delegar sua gestã às cmunidades beneficiadas. Outras demandas também relacinadas à questã d lazer, que surgiram durante as audiências públicas realizadas na regiã, sã tratadas em utrs prgramas cm é cas d Prgrama de Api às Atividades de Turism, d Prgrama Ambiental de Cnservaçã e Uss d Entrn d Reservatóri, que cntemplará áreas específicas para a implantaçã de equipaments de lazer, e d Prgrama de Remanejament da Ppulaçã Atingida, que, independente da demanda específica das cmunidades, incrprará prjets da mesma natureza. A respnsabilidade pela elabraçã ds prjets e execuçã das bras é d empreendedr, que cntará cm a dispnibilizaçã de terrens públics para a implantaçã ds equipaments. O Subprgrama prpõe que sejam elabrads relatóris trimestrais pelas entidades parceiras. Esta análise prpõe que empreendedr fique respnsável pela elabraçã ds relatóris. Esta análise cnsidera insuficiente a aplicaçã de recurss para esprte e lazer apenas para as lcalidades aqui descritas: Jaci-Paraná, Mrrinhs, Jana D Árc e Prt Segur. Cnsiderand que mair impact d empreendiment crrerá na cidade de Prt Velh, se faz necessári também a aplicaçã de recurss para aparelhament e ferta ds serviçs de lazer na sede d municípi. Na relaçã que se estabelece entre este subprgrama e Prgrama Ambiental de Cnservaçã e Uss d Entrn d Reservatóri, prpr mecanisms de api financeir para aparelhament ds espaçs a serem destinads para lazer e turism. Este tema deve estabelecer uma parceria cm subprgrama de Segurança Pública, uma vez que diversas experiências apntam a reduçã da vilência urbana em funçã da ferta de esprte e lazer para as cmunidades. 2 - SUBPROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DA POPULAÇÃO As qualificaçã da ppulaçã encntra-se subdividida em dis grups: s trabalhadres individuais, para trabalh na cnstruçã da usina, em estabeleciments d setr privad vltads para atendiment a acréscim de demanda, u em prjets específics; s empresáris, prdutres autônms u familiares que desejam se rganizar, especializar u aprimrar sua atividade cm bjetiv de trnar-se frnecedr das empresas envlvidas na implantaçã d AHE Sant Antôni Qualificaçã de mã-de-bra A qualificaçã de trabalhadres pretendida pel empreendedr visa a capacitaçã da mã-de-bra d municípi de Prt Velh vltada para as funções a serem diretamente cntratadas nas bras de cnstruçã da Usina Hidrelétrica de Sant Antôni u para atender a ações ambientais específicas recmendadas em utrs prgramas cnstantes d PBA. Esta capacitaçã de trabalhadres lcais fi utilizada cm base para as estimativas de cntrataçã de mã-de-bra para empreendiment. Cnsidera-se que, à medida que mercad lcal tiver as cndições necessárias para atendiment às demandas d empreendedr a cntrataçã de trabalhadres da cidade de Prt Velh será mair, desestimuland a migraçã para a cidade. Prtant, a qualificaçã da mã-de-bra fi planejada para atender a dis bjetivs principais: Qualificar a ppulaçã lcal para atender a demanda de mã-de-bra especializada que gerada pela cnstruçã AHE Sant Antôni; Qualificar mã-de-bra pertencente as seguintes grups de trabalhadres: - Membrs de assciações u cperativas de prduçã, visand uma melhria n desenvlviment de suas atividades; - Prfissinais para trabalh em htéis, restaurantes, agências de viagem e utrs será 11

12 estabeleciments de prestaçã de serviçs, inclusive familiares, vltads para atendiment as turistas; - Membrs das famílias pertencentes às cmunidades a serem relcadas que, nas reuniões participativas, clcaram cm priridade em suas reivindicações a qualificaçã para trabalh, tant na cnstruçã da usina hidrelétrica, cm a melhria de suas cndições de prduçã para frneciment de mercadrias às firmas cnstrutras (Cmunidades Ramal d Arrependid, Jaci- Paraná, Zeca Grd, Betel, Prt Segur, Padre Etern, Sant Antôni e Engenh Nv/Sã Dmings); - Trabalhadres em setres de atividade mbilizads para atendiment à demanda de prduts e serviçs para canteir de bras, cnfrme descrit n item referente à capacitaçã de frnecedres; - Prfessres das redes de ensin públic municipal e estadual cntratads para ampliaçã ds serviçs de educaçã ferecids à ppulaçã; - Crp de efetivs da segurança pública pertencentes à plícia civil, militar e crp de bmbeirs. Assim, a meta para este subprgrama é atingir um percentagem igual u superir a 70% de trabalhadres residentes na regiã, entre tda a mã-de-bra cntratada para a implantaçã d empreendiment. Esta meta é luvável e s resultads pderã inibir a migraçã desrdenada para a cidade de Prt Velh e a cnseqüente sbrecarga ds serviçs públics ferecids à ppulaçã. Em terms da capacitaçã de mã-de-bra para desenvlviment de atividades específicas, busca-se a melhria da qualidade ds serviçs u prduts, d gerenciament das atividades desenvlvidas pels grups, das cndições de cmercializaçã da prduçã, d aprveitament ds prduts lcais e a desenvlviment de atividades ambientalmente sustentáveis. A qualificaçã de Mã-de-Obra prpsta deverá ser desenvlvida em duas linhas de atuaçã diferenciadas, cnfrme detalhad a seguir: A) Qualificaçã cntinuada de mã-de-bra Esta linha de açã visa qualificar a mã-de-bra lcal que atuará diretamente na cnstruçã d empreendiment. O prcess de qualificaçã está estruturad em móduls definids da seguinte frma: Módul Básic O Módul Básic fi desenvlvid para prver as infrmações fundamentais que s trabalhadres deverã pssuir para ingressar n canteir de bras d empreendiment. Para esta etapa, serã ministrads curss cuj cnteúd abrange cinc temas essenciais: saúde, segurança d trabalh, mei ambiente, psiclgia d Trabalh e Qualidade. Este módul tem uma carga hrária de 32 hras/aula. Os trabalhadres aprvads n Módul Básic pderã esclher as funções em que desejem atuar n empreendiment e realizar s curss respectivs, que fazem parte d Módul Técnic, apresentad a seguir. Módul Técnic O Módul Técnic fi desenvlvid para frmar prfissinais nas 16 principais funções demandadas na cnstruçã AHE Sant Antôni que sã: Pedreir, Carpinteir, Sldadr, Armadr, Vibradrista, Operadr de Carregadeira, Operadr de Caminhã Basculante, Operadr de Caminhã Fra de Estrada, Operadr de Mtniveladra, Operadr de Escavadeira Hidráulica, Operadr de Tratr de Esteira, Operadr de Carreta de Perfuraçã, Mecânic de Equipament Leve, Mecânic de Equipament Pesad, Eletricista de Alta Tensã e Eletricista de Crrente Alternada. Os curss têm carga hrária que variam entre 32 e 153 hras/aula, divididas entre teria e prática. A exempl d Módul Básic, s cncluintes d Módul Técnic serã submetids a um exame para aferir aprendizad. Os que atingirem aprveitament igual u superir a 70% serã aprvads e terã priridade na cntrataçã para trabalh de cnstruçã da usina. 12

13 B) Qualificaçã para atividades específicas O públic alv para as ações de qualificaçã em atividades específicas é cmpst pr um grup diversificad de autônms, artesãs, prfessres, pliciais, trabalhadres, pequens prdutres rurais e membrs de suas famílias que trabalham em assentaments de refrma agrária, em pequenas prpriedades familiares e em cmunidades ribeirinhas na área de influência d empreendiment. Para a capacitaçã desses grups de pessas, as atividades prpstas sã: Assinatura de cnvênis u cntrats de prestaçã de serviçs cm instituições u cnsultres especializads na frmaçã ds segments demandads, entre eles s trabalhadres em lazer e turism (czinheirs, cpeirs, camareiras, garçns, barmen, guias etc), s prfessres, s pliciais, s prdutres rurais e suas famílias, s trabalhadres em prjets de geraçã de renda e pequens estabeleciments prdutivs e familiares, cuj cnteúd inclui a área de cperativism/ assciativism, gerenciament da atividade, melhria da qualidade ds prduts, aprveitament ds prduts lcais e cmercializaçã da prduçã; Repasse ds recurss para as instituições cnveniadas referentes a tds s custs d trabalh cm grup, que inclui cntrataçã de prfessres, aquisiçã de material didátic, transprte e utrs custs necessáris à capacitaçã para trabalh. As respnsabilidades pela cnduçã das atividades aqui prpstas sã d empreendedr, que deverá dispnibilizar s recurss financeirs para desenvlviment ds trabalhs e cnstituir equipe frmada pr prfissinais especializads na capacitaçã de mã-de-bra e acmpanhar as atividades desenvlvidas pelas instituições cnveniadas. Essa equipe será respnsável pel desenvlviment das seguintes atividades: Estabeleciment da prgramaçã ds curss a serem ferecids; Estabeleciment ds cnteúds específics de cada curs; Organizaçã de espaçs e equipaments necessáris para desenvlviment ds curss; Estabeleciment ds pré-requisits necessáris para s candidats, recebiment das inscrições e seleçã ds inscrits para a freqüência as curss; Crdenaçã das ações referentes à aquisiçã e distribuiçã de material didátic, vales transprte e alimentaçã para s aluns que freqüentarem curs; Desenvlviment das atividades didáticas prgramadas, ds testes de aprveitament e da certificaçã ds aluns, após a cnclusã ds curss; Frneciment de infrmações sbre s aluns certificads permitind às empresas acess a um banc de dads de prfissinais qualificads bem cm mnitrament ds aluns capacitads; Elabraçã de relatóris trimestrais cm análise quanti-qualitativa ds resultads btids n períd. A equipe técnica respnsável pela Qualificaçã de Mã-de-Obra deverá apresentar, à Gerência Ambiental d empreendiment, relatóris trimestrais de mnitrament das atividades realizadas, cm análise ds indicadres referentes à absrçã da mã-de-bra capacitada pel mercad de trabalh em geral, tant n canteir de bras para implantaçã AHE Sant Antôni cm ns váris setres da atividade ecnômica d municípi de Prt Velh. O prdut final previst n prgrama é a qualificaçã de: trabalhadres n módul básic, que inclui s temas Saúde, Segurança d Trabalh, Mei Ambiente, Psiclgia d Trabalh e Qualidade; prfissinais nas 16 principais funções demandadas na cnstruçã AHE Sant Antôni; pessas em curss específics, entre elas s prfessres, pliciais, prfissinais das atividades de turism, prdutres rurais e famílias residentes nas áreas diretamente afetadas u funcináris e membrs das famílias de pequenas empresas prdutras de bens u serviçs 13

14 demandads pelas empresas respnsáveis pela implantaçã d empreendiment. A td, deverã ser qualificadas pessas para trabalh na cnstruçã da usina e em utrs prjets e atividades específicas. A capacitaçã de mã-de-bra teve seu iníci efetiv n primeir semestre de 2008 e será mais intensa ns dis primeirs ans após esse iníci, diminuind de intensidade a partir daí, até encerrar-se em 2015, na fase final de implantaçã d empreendiment. Interfaces cm utrs Prgramas As atividades de Qualificaçã de Mã-de-Obra, aqui detalhadas, deverã subsidiar a execuçã ds seguintes prgramas: Prgrama de Remanejament da Ppulaçã Atingida; Prgrama de Api às Atividades de Jusante; Subprgrama de Qualificaçã de Mã-de-Obra (item 2.2 Qualificaçã de Frnecedres); Subprgrama de Api a Municípi de Prt Velh (Lazer, Educaçã e Segurança Pública) e; cm Prgrama de Cmunicaçã Scial, para divulgaçã ds curss ferecids, ds resultads alcançads e atendiment a reivindicações apresentadas às equipes respnsáveis pela atividade Qualificaçã de Frnecedres A Qualificaçã de Frnecedres é apresentada cm um cnjunt de ações de curt, médi e lng praz, que tem cm bjetiv apiar tant atendiment à demanda dinamizada pela implantaçã d empreendiment cm a inserçã de Prt Velh n ampl mercad nacinal e até mesm n mercad latin-american A justificativa para esta qualificaçã é a prevençã e mitigaçã ds impacts negativs, cm aument de preçs u a escassez de mercadrias e serviçs essenciais à ppulaçã. O bjetiv geral das atividades de Qualificaçã de Frnecedres é de ferecer capacitaçã técnica as prdutres de mercadrias e prestadres de serviçs cm unidades em Prt Velh, interessads em realizar negócis cm as empresas que participam diretamente da implantaçã AHE Sant Antôni, bem cm em desenvlver futurs negócis em mercads mais ampls. Objetivs específics: Apiar, n curt praz, através d frneciment de assistência técnica e rientações básicas, s prdutres e prestadres de serviçs sediads n municípi, tant na área urbana cm rural, em setres de atividade que atenderã à demanda imediata das empresas cntratadas para implantaçã d empreendiment; Apiar, n curt, médi e lng praz, ações de entidades que já atuam n municípi de Prt Velh na rientaçã a empresas e empresáris que buscam mair eficiência em seus negócis, cm a decrrente lucratividade e sustentabilidade de seus negócis. Entre s resultads esperads da implantaçã das atividades de Qualificaçã de Frnecedres está a melhria das cndições de cmpetitividade das empresas e a melhria nas cndições de ferta de bens e serviçs em Prt Velh; a criaçã de cndições para desenvlviment de atividades ambientalmente sustentáveis, cm utilizaçã de prduts lcais; aument da absrçã da mã-de-bra lcal e reduçã das pessas atraídas para Prt Velh; e busca da cntinuaçã das atividades em patamares sustentáveis, após períd de cnstruçã AHE Sant Antôni. A Qualificaçã de Frnecedres cntemplará tdas as rganizações de prdutres incluind assciações, cperativas u sciedades de pessas, cm as cmunidades rurais e s prdutres assentads em prjets de refrma agrária em td municípi. Para a execuçã das atividades de Qualificaçã de Frnecedres sã prpsts dis cnjunts de ações. O primeir, n curt praz, vltad a atendiment imediat da demanda das empresas e trabalhadres envlvids na cnstruçã d empreendiment, inclui as atividades da equipe técnica cntratada pel empreendedr u pr instituições lcais cnveniadas. O segund é representad pr ações de praz mais lng, a serem desenvlvidas através de cnvêni cm entidades lcais especializadas na capacitaçã 14

15 de frnecedres, de uma frma geral. Atividades a serem desenvlvidas diretamente pel empreendedr As atividades a serem desenvlvidas diretamente pel empreendedr estã subdivididas em dis móduls, send primeir de caráter mais emergencial, crdenad pela equipe técnica respnsável pela cnstruçã d empreendiment, enquant segund pressupõe a transferência de recurss para instituições lcais que trabalham cm a assistência técnica a prdutres rurais. Atuaçã direta - As ações a serem desenvlvidas pela equipe técnica respnsável pela cnstruçã d empreendiment sã: Identificaçã de prduts a serem demandads ns seis primeirs meses de implantaçã d empreendiment; Cadastrament de frnecedres lcais cm capacidade para atendiment dessa demanda em terms de qualidade e quantidade ds prduts (levantament junt a entidades lcais e inscriçã de interessads); Levantament das necessidades de adequaçã desses frnecedres para atendiment à demanda das empresas respnsáveis pela cnstruçã d empreendiment; Cntrataçã de equipe técnica especializada para qualificaçã desses frnecedres, entre s quais pdem estar incluíds agrônms, veterináris, técnics agríclas, advgads, cntadres, administraçã de empresas e técnics cm especializações diversas e experiência n desenvlviment da prduçã u ds serviçs demandads; Frneciment de assistência técnica as frnecedres cadastrads segund sua necessidade de qualificaçã, capacitand-s para a venda de mercadrias n mercad lcal e prcurand trnar sua atividade ambientalmente sustentável após encerrament das atividades de implantaçã da usina; Cas haja necessidade de financiament para investiment u capital de gir, a equipe técnica cntratada rientará s frnecedres para btençã de recurss nas linhas ficiais de crédit para a prduçã (pr exempl, PRONAF Prgrama Nacinal de Agricultura Familiar, Gir Rápid e utrs). Atuaçã indireta - As ações a serem desenvlvidas pr instituições cnveniadas, em princípi, cncentram-se n api às atividades agrpecuárias de prduts alimentares para cnsum ds trabalhadres na implantaçã d empreendiment. As atividades previstas para esse módul sã: Assinatura de cnvêni cm as instituições para desenvlviment ds trabalhs de qualificaçã de prdutres rurais para atendiment às demandas de prduts da agricultura, pecuária u extraçã vegetal para alimentaçã ds trabalhadres na bra; Apresentaçã ds prduts demandads, ds quantitativs e especificações, em terms de qualidade, para as equipes técnicas das instituições cnveniadas; Slicitaçã, às empresas cnveniadas, de prjets técnics cm rçament e crngrama para qualificaçã de grups específics de prdutres, em terms espaciais (cmunidades rurais, assentaments de refrma agrária e cmunidades ribeirinhas na área de influência d empreendiment) u de grups especializads de prdutres (legumes, frutas, verduras, carnes, leites, peixes etc.). Esses prjets deverã cnsiderar as especificidades da demanda, de frma a ajustar a prduçã a tip e quantidade de prduts demandads, intrduzind nvs prduts mesm para aqueles sem experiência na prduçã (evitand, assim, escassez u excedentes de prduts específics); Transferência ds recurss para desenvlviment ds prjets selecinads. Os frnecedres qualificads nesses móduls terã a garantia de um vlume mínim de prduts a ser adquirid pelas empresas cntratadas para cnstruçã d empreendiment, a preç de mercad, desde que atendam às cndições de quantidade, qualidade e cntinuidade de frneciment, estabelecidas para s prduts. 15

16 O subprgrama estabelece uma média de capacitaçã de 300 frnecedres a an, que vai dar n final d períd de cnstruçã, um ttal aprximad de frnecedres atendids. As atividades de Qualificaçã de Frnecedres apresentam estreita relaçã cm as atividades de Qualificaçã de Mã-de-Obra, Prgrama de Remanejament da Ppulaçã Atingida, Prgrama de Api às Atividades de Jusante e Subprgrama de Api a Municípi de Prt Velh. O primeir pderá dar suprte à capacitaçã ds empregads das empresas frnecedras, enquant s utrs terã seu públic alv entre s beneficiads pelas atividades aqui prpstas. Relacina-se também cm Prgrama de Cmunicaçã Scial, para divulgaçã das infrmações pertinentes e repasse de demandas de frnecedres para realizaçã de events específics. Este Parecer nã vê óbice para a aprvaçã deste subprgrama. Vistria realizada n primeir semestre de 2008 às dependências e instalações d espaç destinad à capacitaçã ds trabalhadres, na cidade de Prt Velh, pde cnstatar a efetividade e acert deste prgrama. 3 - SUBPROGRAMA DE APOIO À REVISÃO DO PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE PORTO VELHO O bjetiv deste Subprgrama é api à prefeitura de Prt Velh em tarefas relacinadas à revisã de seu Plan Diretr, acrdadas cm Pder Executiv Municipal, em atençã à recmendaçã apresentada n EIA e crrbrada na cndiçã Específica 2.28 da LP 251/2007. O prgrama tem cm meta apresentar à Prefeitura de Prt Velh, estuds técnics que venham a cntribuir cm a revisã u detalhament de seu Plan Diretr, em acrd cm seu Pder Executiv. O âmbit de atuaçã deste prgrama é definid pelas áreas urbanas d municípi de Prt Velh, em especial as lcalizadas nas prximidades d empreendiment. Os prcediments deste prgrama fram rganizads em etapas, a saber: Cntat cm Prefeit e seus Secretáris para cnheciment da situaçã atual d municípi cm relaçã a seu Plan Diretr e às expectativas frente a seu desenvlviment, cnsubstanciads em prgramas u plans relacinads à sua revisã u detalhament; Avaliaçã ds benefícis e custs ds prgramas u plans apresentads, a partir da qual empreendedr deverá prpr sua participaçã, prpnd limites de respnsabilidade para cada parte; Discussã da prpsta apresentada; Estabeleciment de Cnvêni de Cperaçã. Infrmações cletadas junt à Prefeitura Municipal de Prt Velh revelaram que: O Plan Diretr de Prt Velh está cncluíd, de acrd cm prcediments recmendads pel Ministéri das Cidades, embra nã tenha sid, até a data da cnsulta (janeir de 2008), enviad para necessária apreciaçã da Câmara de Vereadres; O Plan elabrad apresenta prjets a serem psterirmente detalhads, dentre s quais a Prefeitura cnsidera mais imprtantes s relacinads à macr-drenagem urbana de Prt Velh, à mbilidade urbana da cidade, a desenvlviment municipal, a zneament ambiental d municípi e as impacts urbans relacinads à cnstruçã d empreendiment. Diante deste quadr a MESA vai definir, junt cm representantes da Prefeitura, prjet a ser apiad, estabelecend meis institucinais para tal. Uma vez que Plan Diretr da Cidade de Prt Velh já está prnt, é precis especificar tip de api que empreendiment dará à implantaçã d mesm (Quais as áreas a serem apiadas pel empreendedr e aprte financeir para as mesmas.). Prtant, enviar em 60 dias cópia d Cnvêni de Cperaçã a ser assinad cm a prefeitura e detalhament ds prjet a ser apiad pel empreendedr. A respnsabilidade pela execuçã ds prcediments aqui descrits é da Madeira Energia S/A, limitada às brigações a serem cnveniadas. 16

17 III Cnclusã Após a leitura de PBA de Cmpensaçã Scial, a primeira cnclusã que pdems chegar é que a mairia da ações e prpstas a serem desenvlvidas sã de mitigaçã ds impacts e nã de cmpensaçã scial. O registr, tratament e análise ds dads demgráfics cntemplads na área de migraçã deste prgrama serã fundamentais para acmpanhament d flux migratóri para municípi de Prt Velh, além de subsidiarem tds s prgramas de cmpensaçã scial descrits n PBA. Em verdade, mnitrament ds dads demgráfics servirá para cnfirmar acert e/u a necessidade de revisã ds bjetivs e metas definids ns diverss prgramas da área de sóciecnmia. Cnseqüentemente, a sua execuçã, cnfrme crngrama prpst, será imprtante para que as adequações daí derivadas pssam ser analisadas e s prgramas revists, n mesm temp d andament das bras. Merece destaque aqui a falta de um prgrama que cntemple s impacts d empreendiment na infra-estrutura de transprtes e da mbilidade urbana. Certamente crrerã impacts neste setr em funçã d aument da ppulaçã, da circulaçã de trabalhadres, máquinas e equipaments destinads a empreendiment, mas estes impacts fram negligenciads neste PBA. O prgrama de recuperaçã da infra-estrutura afetada é específic para s dans causads ns equipaments já existentes, mas nã prevê a inserçã, melhria e adequações de infra-estrutura necessáris para dar cnta d cresciment ppulacinal que a cidade vai experimentar. Prtant, se faz necessári a inserçã neste Prgrama de cmpensaçã scial de medidas efetivas que cntribuam para a melhria da mbilidade urbana da cidade de Prt Velh. Neste sentid, empreendedr deverá cntemplar, além das prpstas e ações apresentadas n PBA, as seguintes adequações: Na Área de Migraçã: Incluir n Subprgrama de api a municípi de Prt Velh mnitrament ds valres de aluguel e cesta básica; Apresentar cnteúd, a metdlgia, a peridicidade, alcance (municipal, reginal, nacinal) e as mídias cm que as ações de cmunicaçã e educaçã ambiental vã trabalhar tema da migraçã. Na Área de Educaçã: Apresentar a este Institut, em 90 dias, s resultads d diagnóstic atualizad ds serviçs educacinais existentes, cnsiderand tant as esclas públicas (municipais e estaduais) quant as particulares para municípi e Prt Velh; Apresentar em 90 dias um Plan de Qualificaçã ds prfissinais de ensin para tda a rede de ensin públic d municípi de Prt Velh; Inserir neste Plan mecanisms de cntrle de qualidade d ensin através de indicadres de qualidade de ensin (labratóri de infrmática, labratóri de ciência, bibliteca, quadra de esprtes, númer de aluns pr prfessr, índices e causa da evasã esclar, cnexã à internet, prgrama de alimentaçã esclar, existência e situaçã das classes multisseriadas, etc); Estabelecer uma interface cm Prgrama de api às cmunidades indígenas, n sentid da melhria d ensin destinad a esta ppulaçã específica; Apresentar as medidas e ações de estímul à ferta de vagas nas esclas da rede particular. O detalhament desta prpsta que deverá cntemplar bjetivs, metas, metdlgia e resultads pretendids; Equipar as esclas da rede pública a serem cnstruídas cm equipaments de infrmática, labratóri de ciência, bibliteca e unidades esprtivas; Estabelecer as interfaces cm Plan de Remanejament da Ppulaçã Atingida para a 17

18 sluçã de prblemas cmuns e/u timizaçã ds pnts psitivs. Na Área de Habitaçã: Realizar um diagnóstic d déficit habitacinal de Prt Velh e ds prgramas habitacinais vigentes, cm atençã especial as prgramas relativs a atendiment das ppulações carentes. Apresentar s resultads em 120 dias; Garantir a implantaçã da infra-estrutura básica (mradia, lazer, educaçã, saúde e saneament básic) necessária para aprte de trabalhadres migrantes casinads diretamente pel empreendiment. Na Área de Saneament Básic: Desenvlver um diagnóstic sóci-ecnômic das famílias residentes n entrn d atual lixã especificamente a Vila Princesa cm bjetiv de prpr um prjet de alternativa de trabalh e renda para as famílias que têm n lix sua fnte de renda; Incluir n prjet de implantaçã d aterr sanitári api à criaçã u frtaleciment de cperativa(s) de reciclagem de resídus sólids em Prt Velh; Incluir, n prjet de implantaçã d aterr sanitári, a cnstruçã de uma usina de reciclagem, em parceria cm inciativa privada e cperativas de reciclagem; Cntemplar n memrial descritiv d aterr sanitári uma caracterizaçã da gestã d resídu sólid gerad em Prt Velh (varriçã de ruas, freqüência de cletas, quantidade cletada, recurss humans, cleta seletiva, cmpstagem, transprte, etc.); Realizar curss de treinament e prestar cnsultria as futurs administradres d Aterr Sanitári, pr praz nã inferir a 3 (três) ans. Esta capacitaçã deve ser especificamente direcinada as prfissinais envlvids na peraçã, supervisã e mnitrament ds sistemas. Slicita-se que Prjet d Aterr Sanitári venham acmpanhads de manuais de peraçã e manutençã, para rientar s futurs administradres ds respectivs sistemas. Sugere-se a bservância d Prgrama de Capacitaçã da Rede Nacinal de Capacitaçã e Extensã Tecnlógica em Saneament Ambiental, em desenvlviment n âmbit d Gvern Federal; Cm relaçã a aterr sanitári, cntemplar estud de pssíveis áreas para a sua cnstruçã. Para tant, elabrar uma matriz de pntuaçã cm s seguintes tópics: segurança e saúde pública; mei ambiente; ambiente scial (Estud de Impact de Vizinhança - EIV); aspects culturais; acess à área, de frma que quant mair a pntuaçã pir se enquadraria a área; Cntemplar tratament ttal ds esgts dméstics em Jaci-Paraná, haja vista que mdel prgnóstic da qualidade da água indicu que s valres de xigêni disslvid e clifrmes fecais vilariam a Resluçã CONAMA n. 357/05. Cnfrme a Cmplementaçã d EIA Vlume 2/3 Mei Biótic (Agst -2006), é express que esses resultads, apesar de preliminares, sugerem a necessidade de tratament ttal u parcial ds esgts dméstics da Vila de Jaci-paraná, cnsiderand acréscim ppulacinal previst em decrrência das bras. ; Prever a desativaçã, elabraçã e implantaçã de um PRAD (Prgrama de Recuperaçã de Áreas Degradadas) para lixã a ser desativad; Estabelecer interface cm prgrama de Educaçã Ambiental, inserind neste prgrama cnteúd que cntribua para a frmaçã de nvs hábits vltads para us cnsciente ds recurss naturais, a cleta seletiva e a nã pluiçã d mei-ambiente. Na Área de Segurança: Ampliar as ações da área de segurança em até, pel mens, 1 an após as cnclusões das bras, pis períd de desmbilizaçã de mã-de-bra será um ds pnts crítics d empreendiment, nde muits trabalhadres perderã seus rendiments, que pderá refletir n aument da vilência em Prt Velh; 18

19 Acrescentar a interface cm Prgrama de Defesa da Terras Indígenas e cm Prgrama de lazer; Incluir, n Plan de segurança, a cidade de Jaci-Paraná, pis a sinergia ds dis empreendiments hidrelétrics n ri Madeira irã impactar frtemente a situaçã de segurança pública neste distrit; Cntemplar um Plan de Prevençã à Vilência cm a previsã da criaçã de mecanisms de atençã direta as envlvids nas situações de vilência, prevenind reincidências e mitigand suas cnseqüências; Apiar a Defesa Civil n municípi de Prt Velh para que a mesma pssa atuar na reduçã de desastres naturais u prvcads pel hmem, na prevençã de dans e scrr de ppulações atingidas. Na área de lazer: incluir a cnstruçã de, pel mens, dis centrs cmunitáris destinads a us múltipl para a cidade de Prt Velh, além daqueles já prevists n prgrama; Na relaçã que se estabelece entre este subprgrama e Prgrama Ambiental de Cnservaçã e Uss d Entrn d Reservatóri, prpr mecanisms de api financeir para aparelhament ds espaçs a serem destinads para lazer e turism; Estabelecer uma interface cm a área de Segurança Pública, uma vez que diversas experiências apntam a reduçã da vilência urbana em funçã da ferta de esprte e lazer para as cmunidades. Na Área de Transprte: Elabrar um diagnóstic que cntemple s impacts d empreendiment na infra-estrutura de transprte n municípi de Prt Velh. Sbre este item, levar em cnsideraçã as diretrizes elabradas pel Plan Diretr d Municípi de Prt Velh para setr de transprte; Elabrar um Plan de api para a infra-estrutura de transprte para municípi de Prt Velh que cntemple a Mbilidade Urbana (dar priridade a transprte cletiv; transprte integrad; restriçã a tráfeg veicular de passagem u de travessia, em favr d pedestre, da bicicleta e d tráfeg lcal; sinalizaçã viária; educaçã para trânsit, etc); Na elabraçã d Plan slicitad acima, cnsiderar as recmendações elabradas para este setr n Relatóri de Análise d Cnteúd ds Estuds de Impact Ambiental (EIA) e d Relatóri de Impact Ambiental (RIMA) ds Aprveitaments Hidrelétrics de Sant Antôni e Jirau, n ri Madeira, Estad de Rndônia, de autria a da Cbrape Cia. Brasileira de Prjets e Empreendiments - para Ministéri Públic d Estad de Rndônia: a hierarquizaçã d sistema viári d municípi de frma articulada cm a malha viária reginal, cnsiderand a acessibilidade da ppulaçã lcal, transprte cletiv, tráfeg de bens e cargas e as pções de integraçã mdal; prpsiçã de diretrizes e ações para a mair eficiência d sistema de mbilidade urbana (atentand para transprte públic e nã mtrizad, cbertura e qualidade ds serviçs de transprte, etc.); sustentabilidade da peraçã e de gestã d sistema viári e de transprtes lcal, cntand cm frtaleciment institucinal da prefeitura e qualificaçã de técnics e prfissinais; ações de educaçã n trânsit; Essas ações deverã articular as autridades de trânsit (ns níveis federais, estaduais e lcais) e entidades atuantes n municípi de Prt Velh (entidades de classes vinculadas a transprte, sindicats, etc.). 19

20 Estabelecer as interfaces cm Prgrama de Cmunicaçã Scial a se prever ações de esclareciment às administrações lcais e à ppulaçã residente nas áreas próximas a empreendiment, sbre tip e a intensidade das mdificações que crrerã n tráfeg lcal, de frma a nã interrmper acess das pessas as suas prpriedades, a trabalh, escla, etc.; Tds s cnvênis e prjets firmads n âmbit deste PBA deverã ser apresentads a IBAMA após assinatura, e serã partes integrantes d Prcess. De uma maneira geral, a realizaçã ds bjetivs aqui prpsts trarã muits benefícis para municípi de Prt Velh. A inserçã das cmunidades na definiçã e execuçã ds diverss prgramas delineads serã uma garantia d sucess ds mesms. A internalizaçã de atitudes e cmprtaments que crrbrem cm a nçã de cidadania e respnsabilidade scial será um ganh que vai indicar a capacidade d estad e iniciativa privada de respnderem as desafis de um desenvlviment que se pretende ser sustentável e vetr de justiça scial. É a infrmaçã, Luiz Fernand Suffiati Analista Ambiental/mat COHID/DILIC/IBAMA Rdrig Herles ds Sants Analista Ambiental/mat COHID/DILIC/IBAMA 20

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal d Ceará Campus de Sbral Curs de Engenharia da Cmputaçã Regulament para realizaçã d Trabalh de Cnclusã de Curs Intrduçã Este dcument estabelece as regras básicas para funcinament das

Leia mais

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde Anex V Sftware de Registr Eletrônic em Saúde Implantaçã em 2 (duas) Unidades de Saúde Índice 1 INTRODUÇÃO... 3 2 ESTRATÉGIAS E PROCEDIMENTOS DE IMPLANTAÇÃO... 3 4 INFRAESTRUTURA NAS UNIDADES DE SAÚDE -

Leia mais

DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS

DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS Prjets n Bima Amazônia A Critéris Orientadres B C D E F Cndicinantes Mínims para Prjets Mdalidades de Aplicaçã ds Recurss Restriçã de Us ds Recurss Critéris

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR 1. Históric da Jrnada AGIR Ns ambientes crprativs atuais, a adçã de um mdel de gestã integrada é uma decisã estratégica n api às tmadas

Leia mais

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões:

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões: Pessal, vislumbr recurss na prva de cnheciments específics de Gestã Scial para as seguintes questões: Questã 01 Questã 11 Questã 45 Questã 51 Questã 56 Vejams as questões e arguments: LEGISLAÇÃO - GESTÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira DIRETRIZES PARA ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DOS CURSOS DE GESTÃO 1 Sumári I. O Estági em Gestã...3 II. O Estági curricular...4 III. Acmpanhament e avaliaçã...5 IV. Mdels de Plan de Atividades e de Relatóri...5

Leia mais

PARCERIA PÚBLICO PRIVADA SETOR HABITACIONAL JARDINS MANGUEIRAL

PARCERIA PÚBLICO PRIVADA SETOR HABITACIONAL JARDINS MANGUEIRAL PARCERIA PÚBLICO PRIVADA SETOR HABITACIONAL JARDINS MANGUEIRAL Jardins Mangueiral Primeira Parceria Públic-Privada d Brasil Jardins Mangueiral Famílias beneficiadas: 8.000. Casas de dis e três quarts

Leia mais

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização CIRCULAR Data: 2007/10/10 Númer d Prcess: DSDC/DEPEB/2007 Assunt: GESTÃO DO CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007 Para: Inspecçã-Geral de Educaçã Direcções Reginais de Educaçã

Leia mais

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000 GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisã: 000 A Mercur S.A., empresa estabelecida desde 1924, se precupa em cnduzir as suas relações de acrd cm padrões étics e cmerciais, através d cumpriment da legislaçã

Leia mais

DIRETORIA DE UNIDADE COORDENAÇÃO DE CURSOS

DIRETORIA DE UNIDADE COORDENAÇÃO DE CURSOS DIRETORIA DE UNIDADE COORDENAÇÃO DE CURSOS PROJETO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (X) PROJETO DE PESQUISA PROJETO DE EXTENSÃO Acadêmic ; Scial PROJETO DE INTERDISCIPLINARIDADE

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PIAUÍ. PROJETO OTIMIZAR Plano do Programa

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PIAUÍ. PROJETO OTIMIZAR Plano do Programa 1. Escp u finalidade d prjet PROJETO OTIMIZAR Plan d Prgrama O Prjet Otimizar visa aprimrar ações implantadas que têm pr bjetiv a reduçã de cnsum de materiais e criar mecanisms de avaliaçã que pssam medir

Leia mais

Perguntas frequentes sobre o Programa Banda Larga nas Escolas

Perguntas frequentes sobre o Programa Banda Larga nas Escolas Perguntas frequentes sbre Prgrama Banda Larga nas Esclas 1. Qual bjetiv d Prgrama Banda Larga nas Esclas? O Prgrama Banda Larga nas Esclas tem cm bjetiv cnectar tdas as esclas públicas à internet, rede

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2014 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3. Limites de expsiçã à

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações SAZONALIZAÇÃO DE CONTRATO INICIAL E DE ENERGIA ASSEGURADA PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para

Leia mais

Prefeitura Municipal

Prefeitura Municipal Prefeitura Municipal Publicad autmaticamente n Diári de / / Divisã de Prtcl Legislativ Dê-se encaminhament regimental. Sala das Sessões, / / Presidente Curitiba, 22 de julh de 2015. MENSAGEM Nº 049 Excelentíssim

Leia mais

RECURSOS PÚBLICOS PARA O TURISMO

RECURSOS PÚBLICOS PARA O TURISMO N N Unid. Tip de Peridicidade An de An de Iníci série Cmparativ Âmbit temátic Nme d Indicadr Nme da fnte Fnte Divulgaçã Escp gegráfic Escp de análise Estratégia de utilizaçã d dad Observaçã Medida dad

Leia mais

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito*

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito* 20 Api O Setr Elétric / Julh de 2009 Desenvlviment da Iluminaçã Pública n Brasil Capítul VII Prjets de eficiência energética em iluminaçã pública Pr Lucian Haas Rsit* Neste capítul abrdarems s prjets de

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2015 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 2.1. Organgrama... 4 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3.

Leia mais

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil;

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil; TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS ESPECIALIZADOS DE ANÁLISE DA REDUÇÃO AO VALOR RECUPERÁVEL DE ATIVO PARA CÁLCULOS DO VALOR DO IMPAIRMENT E VIDA ÚTIL RESIDUAL, EM CONFORMIDADE COM O DISPOSTO

Leia mais

Dados Gerais. Código / Nome do Curso. 196 / Escola de Gestores- Curso de Especialização em Gestão Escolar. Gestão Educacional

Dados Gerais. Código / Nome do Curso. 196 / Escola de Gestores- Curso de Especialização em Gestão Escolar. Gestão Educacional Códig / Nme d Curs Status Códig - Área Subárea Especialida Dads Gerais 196 / Escla Gestres- Curs Especializaçã em Gestã Esclar Ativ 49 / Educaçã Gestã Educacinal Gestã Esclar Nivel d Curs Especializaçã

Leia mais

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 Flrianóplis, 25 de janeir de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 1) Cnsiderações Gerais: A Federaçã Nacinal ds Estudantes de Engenharia Civil

Leia mais

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO Um prject eurpeu em clabraçã cm a EHFA Eurpean Health and Fitness Assciatin, cm sede em Bruxelas Regist ds Prfissinais Intrduçã Estams numa fase em que a Tutela

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS Questã n 1 Cnheciments Específics O text dissertativ deve cmtemplar e desenvlver s aspects apresentads abaix. O papel d PPA é de instrument de planejament de médi/lng praz que visa à cntinuidade ds bjetivs

Leia mais

Proposta. Projeto: VENSSO. Data 25/05/2005. Andrade Lima Damires Fernandes Andrade Lima Damires Fernandes. Responsável. Autor (s)

Proposta. Projeto: VENSSO. Data 25/05/2005. Andrade Lima Damires Fernandes Andrade Lima Damires Fernandes. Responsável. Autor (s) Prpsta Prjet: Data 25/05/2005 Respnsável Autr (s) Dc ID Andrade Lima Damires Fernandes Andrade Lima Damires Fernandes Lcalizaçã Versã d Template

Leia mais

METAS DE COMPREENSÃO:

METAS DE COMPREENSÃO: 1. TÓPICO GERADOR: Vivend n sécul XXI e pensand n futur. 2. METAS DE COMPREENSÃO: Essa atividade deverá ter cm meta que s aluns cmpreendam: cm se cnstrói saber científic; cm as áreas d saber estã inter-relacinadas

Leia mais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais Nvas Salvaguardas Ambientais e Sciais Discussões Técnicas de Gvern ESS1 Avaliaçã e Gerenciament de Riscs e Impacts Sciais e Ambientais 15 de utubr, 2014 Objetivs da ESS1 Identificar, avaliar e gerir s

Leia mais

Colégio Integrado EXATO

Colégio Integrado EXATO Clégi Integrad EXATO Rua: Ri de Janeir, 47 Jardim Bela Vista Mgi Guaçu SP CEP 13840-210 Telefne (19) Prpsta Plític-pedagógica d Clégi Integrad EXATO S/S Ltda. O Clégi Integrad EXATO cntextualiza sua açã

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016

PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016 PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016 Tend presente a Missã da Federaçã Prtuguesa de Autism: Defesa incndicinal ds direits das pessas cm Perturbações d Espectr d Autism e suas famílias u representantes. Representaçã

Leia mais

Plano de curso Planejamento e Controle da Manutenção de Máquinas e Equipamentos

Plano de curso Planejamento e Controle da Manutenção de Máquinas e Equipamentos PLANO DE CURSO MSOBRPCMME PAG1 Plan de curs Planejament e Cntrle da Manutençã de Máquinas e Equipaments Justificativa d curs Nã é fácil encntrar uma definiçã cmpleta para Gestã da manutençã de máquinas

Leia mais

PORTARIA Nº 025-R, DE 14 DE MARÇO DE 2013.

PORTARIA Nº 025-R, DE 14 DE MARÇO DE 2013. PORTARIA Nº 025-R, DE 14 DE MARÇO DE 2013. ATUALIZA DIRETRIZES PARA A IMPLEMENTAÇÃO DO PROJETO ALFABETIZAÇÃO PARA ESTUDANTES DAS TURMAS DO 2º, 3º e 4º ANOS E 4ª SÉRIES DO ENSINO FUNDAMENTAL, COM DOIS ANOS

Leia mais

DIRETRIZES PARA APRESENTAÇÃO DE REDES E CRONOGRAMAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2

DIRETRIZES PARA APRESENTAÇÃO DE REDES E CRONOGRAMAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2 1 / 5 SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2 2.1.1 CRITÉRIOS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DO CRONOGRAMA DE BARRAS TIPO GANTT:...2 2.1.2 CRITÉRIOS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO

Leia mais

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO. Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2016

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO. Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2016 Sua hra chegu. Faça a sua jgada. REGULAMENTO Prêmi de Empreendedrism James McGuire 2016 Salvadr, nvembr de 2015. REGULAMENTO Prêmi de Empreendedrism James McGuire 2016 é uma cmpetiçã interna da Laureate

Leia mais

SITUAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA ATUAL

SITUAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA ATUAL INFORME EPIDEMIOLÓGICO Nº 05/2015 SEMANA EPIDEMIOLÓGICA 50 (13 A 19/12/2015) MONITORAMENTO DOS CASOS DE MICROCEFALIAS NO BRASIL Este infrme d COES Micrcefalias visa dcumentar e divulgar infrmações atualizadas

Leia mais

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social Anex 03 Recmendaçã nº 3: estatut padrã, estatut fundamental e cntrat scial 1. Resum 01 Atualmente, Estatut da Crpraçã da Internet para a atribuiçã de nmes e númers (ICANN) tem um mecanism únic para alterações.

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE ESTÁGIO

ORIENTAÇÕES SOBRE ESTÁGIO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS Missã d Institut Federal de Educaçã, Ciência e Tecnlgia

Leia mais

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa Manual Cm intrduzir emplyeeship na empresa Índice Intrduçã Pass 1 - Cnheça as vantagens d emplyeeship para a empresa Pass 2 - Saiba que é a cultura emplyeeship Pass 3 - Aprenda a ter "bns" empregads Pass

Leia mais

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO CURSOS: Eletrônica, Informática, Mecânica, Mecatrônica, Química e Petróleo e Gás

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO CURSOS: Eletrônica, Informática, Mecânica, Mecatrônica, Química e Petróleo e Gás PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO CURSOS: Eletrônica, Infrmática, Mecânica, Mecatrônica, Química e Petróle e Gás Objetiv: Elabrar e desenvlver um prjet na área prfissinal,

Leia mais

SEMINÁRIO PARTICIPATIVO DE REUTILIZAÇÃO DAS ÁGUAS RESIDUAIS TRATADAS

SEMINÁRIO PARTICIPATIVO DE REUTILIZAÇÃO DAS ÁGUAS RESIDUAIS TRATADAS PROJETO DE REFORÇO DAS CAPACIDADES E COMPETÊNCIAS RELATIVAS A GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS NAS ILHAS Crdenadr: Parceirs: SEMINÁRIO PARTICIPATIVO DE REUTILIZAÇÃO DAS ÁGUAS RESIDUAIS TRATADAS Intercâmbi

Leia mais

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA CAMINHO PARA ELABORAÇÃO DE AGENDAS EMPRESARIAIS EM ADAPTAÇÃO ÀS MUDANÇAS DO CLIMA Prpsta de Framewrk Resultad d diálg crrid em 26 de junh de 2013, n Fórum Latin-American

Leia mais

EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2

EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2 EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL REGULAMENTO ESPECÍFICO: EQUIPAMENTOS PARA A COESÃO LOCAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2 Ns terms d regulament específic Equipaments para a Cesã Lcal,

Leia mais

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006 1 GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Dads da rganizaçã Data de elabraçã da ficha: Fev 2008 Nme: GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Endereç: Av. Brigadeir Faria Lima, 2.413 1º andar

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS ESTÁGIOS FAFIT

REGULAMENTO GERAL DOS ESTÁGIOS FAFIT O significad das cisas nã está nas cisas em si, mas sim em nssa atitude em relaçã a elas. (Antine de Saint-Exupéry, 1943) CURSOS bacharelads: Administraçã Geral Ciências Cntábeis Direit Educaçã Física

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA TR DIRETORIA INSTITUCIONAL

TERMO DE REFERÊNCIA TR DIRETORIA INSTITUCIONAL TERMO DE REFERÊNCIA TR RETORIA INSTITUCIONAL CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE GESTÃO DE PROJETOS DO PLANO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL SUSTENTÁVEL DO XINGU PDRSX UHE BELO MONTE S/A ALTAMIRA PARÁ Janeir, 2016

Leia mais

REGULAMENTO DE POLÍTICA DE CAPACITAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DOS SERVIDORES DA FETLSVC - RS

REGULAMENTO DE POLÍTICA DE CAPACITAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DOS SERVIDORES DA FETLSVC - RS REGULAMENTO DE POLÍTICA DE CAPACITAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DOS SERVIDORES DA FETLSVC - RS Julh 2007 INTRODUÇÃO As amplas, prfundas e rápidas transfrmações pr que passa a nssa sciedade prvcaram, frçsamente,

Leia mais

PM 3.5 Versão 1 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 1 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações PdC CZ.01 PM 3.5 Versã 1 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para Prcediment de Cmercializaçã. Inserid índice. Alterada

Leia mais

PLANO DE ENSINO 2009 Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( )

PLANO DE ENSINO 2009 Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) Fundamental I ( ) Fundamental II ( ) Médi PLANO DE ENSINO 2009 Médi Prfissinalizante ( ) Prfissinalizante ( ) Graduaçã ( x ) Pós-graduaçã ( ) I. Dads Identificadres Curs Superir de Tecnlgia em Gestã Ambiental

Leia mais

Termo de Referência para Elaboração do Relatório Ambiental Prévio (RAP)

Termo de Referência para Elaboração do Relatório Ambiental Prévio (RAP) Term de Referência para Elabraçã d Relatóri Ambiental Prévi (RAP) O Relatóri Ambiental Prévi é um estud técnic elabrad pr um prfissinal habilitad u mesm equipe multidisciplinar que ferece elements para

Leia mais

Gestor de Inovação e Empreendedorismo (m/f) GIE /15 P

Gestor de Inovação e Empreendedorismo (m/f) GIE /15 P A Pessas e Sistemas, empresa de Cnsultria na área da Gestã e ds Recurss Humans e cm atividade nas áreas de Recrutament e Seleçã, Frmaçã e Cnsultria, prcura para a Câmara Municipal de Amarante - Agência

Leia mais

NORMA GERAL AMBIENTAL. Tipo de Atividade: Meio Ambiente. Sumário

NORMA GERAL AMBIENTAL. Tipo de Atividade: Meio Ambiente. Sumário Títul: GESTÃO DOS COMPROMISSOS AMBIENTAIS Identificadr: NGL-5.3.1-16.12 Prpnente: Tip de Atividade: Mei Ambiente Revisã: Flha: 1 / 37 Sumári 1. MOTIVAÇÃO...2 2. OBJETIVO...2 2.1. Objetiv Geral...2 2.2.

Leia mais

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco Orientações e Recmendações Orientações relativas à infrmaçã periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de ntaçã de risc 23/06/15 ESMA/2015/609 Índice 1 Âmbit de aplicaçã... 3 2 Definições... 3 3 Objetiv

Leia mais

Este documento tem como objetivo definir as políticas referentes à relação entre a Sioux e seus funcionários.

Este documento tem como objetivo definir as políticas referentes à relação entre a Sioux e seus funcionários. OBJETIVO Este dcument tem cm bjetiv definir as plíticas referentes à relaçã entre a Siux e seus funcináris. A Siux se reserva direit de alterar suas plíticas em funçã ds nvs cenáris da empresa sem avis

Leia mais

Semana 3: Distribuição em Serviços

Semana 3: Distribuição em Serviços 1 Semana 3: Distribuiçã em Serviçs 1. Distribuiçã O prcess de distribuiçã da ferta da empresa insere-se n cntext d cmpst de marketing cm a funçã respnsável pr trnar prdut acessível a cnsumidr. Em serviçs

Leia mais

SÍNTESE DAS CONTRIBUIÇÕES DO SEMINÁRIO

SÍNTESE DAS CONTRIBUIÇÕES DO SEMINÁRIO Secretaria Nacinal de Habitaçã Departament de Desenvlviment Institucinal e Cperaçã Técnica Esplanada ds Ministéris, Blc A, 3º andar. Fne: (61) 2108-1783 - Endereç eletrônic: redehabitar@cidades.gv.br PLANO

Leia mais

3 Aplicações dos Modelos de Análise de Crédito

3 Aplicações dos Modelos de Análise de Crédito 3 Aplicações ds Mdels de Análise de Crédit Pdem ser citads cm principais estuds realizads para previsã de inslvência de pessas jurídicas: Estud de Tamari O estud fi realizad n final da década de 50 e fi

Leia mais

Esboço da Oficina de Mapeamento Comunitário O metodologia utilizado no projeto piloto do mapeamento comunitário no Bairro da Nova República evolveu

Esboço da Oficina de Mapeamento Comunitário O metodologia utilizado no projeto piloto do mapeamento comunitário no Bairro da Nova República evolveu Mapeament Cmunitári cm a Juventude na Regiã de Santarém Pr Stephen C. Bentley Prjet Nvs Cnsórcis Públics para a Gvernança Metrplitana Junh, 2007 Apresentaçã O prjet Nvs Cnsórci Públics para a Gvernança

Leia mais

Resíduos Sólidos Urbanos: Como alavancar investimentos e viabilizar a implantação da Política Nacional de Resíduos Sólidos

Resíduos Sólidos Urbanos: Como alavancar investimentos e viabilizar a implantação da Política Nacional de Resíduos Sólidos Resídus Sólids Urbans: Cm alavancar investiments e viabilizar a implantaçã da Plítica Nacinal de Resídus Sólids Seminári BNDES-BID-ABDE Brasília, 07 de Mai de 2015 Área de Mei Ambiente Guilherme Martins

Leia mais

Banco Industrial do Brasil S.A. Gerenciamento de Capital

Banco Industrial do Brasil S.A. Gerenciamento de Capital Banc Industrial d Brasil S.A. Gerenciament de Capital 2014 1 Sumári 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL... 4 4. PLANO DE CAPITAL... 5 5. RESPONSABILIDADES... 6

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

Manual de Procedimentos

Manual de Procedimentos Manual de Prcediments Prcediments para Submissã de Prjets de MDL à Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Secretaria Executiva Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Prcediments para

Leia mais

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal.

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal. SIUPI SISTEMA DE INCENTIVOS À UTILIZAÇÃO DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL FICHA DE MEDIDA Apia prjects que visem estimular investiment em factres dinâmics de cmpetitividade, assciads à invaçã tecnlógica, a design

Leia mais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais Nvas Salvaguardas Ambientais e Sciais Discussões Técnicas de Gvern ESS10 Acess a Infrmaçã e engajament de stakehlders 15 de utubr, 2014 Objetivs da ESS10 (1/2) Delinear uma abrdagem sistemática para engajament

Leia mais

Edital de Chamada Pública nº 01/2012 SEBRAE 2014

Edital de Chamada Pública nº 01/2012 SEBRAE 2014 Edital de Chamada Pública nº 01/2012 SEBRAE 2014 A Diretria d SEBRAE/RS trna públic presente edital e cnvida Artesãs representads pr Assciações e/u Cperativas de Artesanat d Ri Grande d Sul a inscreverem-se

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL Intrduçã O presente Regulament cnstitui um dcument intern d curs de Ciências Cntábeis e tem pr bjetiv reger as atividades relativas a Estági de Iniciaçã

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO E DO GRUPO FAMILIAR (fotocópia).

IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO E DO GRUPO FAMILIAR (fotocópia). DOCUMENTAÇÃO PARA O PROUNI Cmprvaçã de dcuments Ensin Médi; Ficha de Inscriçã, Identificaçã d Candidat e d Grup Familiar; Cmprvaçã de Endereç d Candidat e d Grup Familiar; Cmprvaçã de renda d Candidat

Leia mais

Os valores solicitados para transporte e seguro saúde deverão ser comprovados por um orçamento integral fornecido por uma agência de viagem.

Os valores solicitados para transporte e seguro saúde deverão ser comprovados por um orçamento integral fornecido por uma agência de viagem. Aluns de Pós-Graduaçã de Instituições Estrangeiras Visa apiar visitas de n máxim 30 dias, de dutrands de instituições estrangeiras, qualificads, e prcedentes de Centrs de Excelência para estudarem, pesquisarem

Leia mais

PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 30/2009 BNDES ANEXO I - INTRODUÇÃO

PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 30/2009 BNDES ANEXO I - INTRODUÇÃO PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 30/2009 BNDES ANEXO I - INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO 1.1. Infrmações Institucinais 1.1.1 Caracterizaçã, Missã e Objetivs O BNDES é uma empresa pública federal dtada de persnalidade

Leia mais

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30)

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30) UNIP Brasília - Crdenaçã CG/CW/GR/AD Senhres Aluns, Seguem infrmações imprtantes sbre PIM: 1. O QUE É? - Os PIM (Prjet Integrad Multidisciplinar) sã prjets brigatóris realizads els aluns ds curss de graduaçã

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS Gabinete do Deputado FERNANDO JORDÃO - PMDB/RJ Brasília, 21 de março de 2011.

CÂMARA DOS DEPUTADOS Gabinete do Deputado FERNANDO JORDÃO - PMDB/RJ Brasília, 21 de março de 2011. Gabinete d Deputad FERNANDO JORDÃO - PMDB/RJ Brasília, 21 de març de 2011. Quand ingressei cm Requeriment slicitand a presença de Vssas Senhrias na Cmissã, estava assustad, cm, aliás, tda a ppulaçã, cm

Leia mais

Supply Chain Game. EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autor: Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves

Supply Chain Game. EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autor: Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Supply Chain Game EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autr: Prf. Dr. Daniel Bertli Gnçalves Exercíci Prátic 1 Simuland uma Cadeia e planejand seus estques Lcal: em sala de aula Material

Leia mais

Antropologia do Consumo no Marketing

Antropologia do Consumo no Marketing Antrplgia d Cnsum n Marketing Objetivs Demnstrar cm as influências culturais estã relacinadas cm s hábits de cnsum, a relaçã cm as Marcas e cmprtament de cmpra, evidenciand assim, prcess fundamental para

Leia mais

III-076 - AVALIAÇÃO DO COMÉRCIO DE RESÍDUOS SÓLIDOS COM VISTAS PARA A RECICLAGEM NO MUNICÍPIO DE ITAJAÍ - SC

III-076 - AVALIAÇÃO DO COMÉRCIO DE RESÍDUOS SÓLIDOS COM VISTAS PARA A RECICLAGEM NO MUNICÍPIO DE ITAJAÍ - SC III-076 - AVALIAÇÃO DO COMÉRCIO DE RESÍDUOS SÓLIDOS COM VISTAS PARA A RECICLAGEM NO MUNICÍPIO DE ITAJAÍ - SC Marlva Chaves Intini (1) Graduaçã em Oceanlgia pela Fundaçã Universidade d Ri Grande, FURG.

Leia mais

Introdução: marco normativo internacional e nacional

Introdução: marco normativo internacional e nacional Cidade d Panamá, 21 de abril de 2014 A Assciaçã para a Prevençã da Trtura vem pr mei desta, em respsta a fíci n. 122/2014/CAO-DH enviad pel Centr de Api Operacinal das Prmtrias de Justiça de Defesa ds

Leia mais

Março de 2012. Relatório Consolidado

Março de 2012. Relatório Consolidado Març de 2012 Relatóri Cnslidad Apresentaçã O presente relatóri tem cm bjetiv reunir infrmações referentes à aplicaçã-pilt da versã intermediária ds Indicadres Eths 3ª Geraçã. Essas infrmações serã insum

Leia mais

PROJETO CADASTRO DE FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUA SUBTERRÂNEA

PROJETO CADASTRO DE FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUA SUBTERRÂNEA IINNTTRRODDUUÇÇÃÃO I As decisões sbre a implementaçã de ações de cnvivência cm a seca exigem cnheciment básic sbre a lcalizaçã, caracterizaçã e dispnibilidade das fntes de água superficiais e subterrâneas.

Leia mais

Prefeitura Municipal de Belo Horizonte Vox Mercado Pesquisa e Projetos Ltda. Dados da organização

Prefeitura Municipal de Belo Horizonte Vox Mercado Pesquisa e Projetos Ltda. Dados da organização Data de elabraçã da ficha: Jun 2007 Prefeitura Municipal de Bel Hriznte Vx Mercad Pesquisa e Prjets Ltda. Dads da rganizaçã Nme: Prefeitura Municipal de Bel Hriznte Endereç: Av. Afns Pena, 1212 - Cep.

Leia mais

CAPÍTULO IV. Valores, Crenças, Missão, Visão.e Política da Qualidade. Waldemar Faria de Oliveira

CAPÍTULO IV. Valores, Crenças, Missão, Visão.e Política da Qualidade. Waldemar Faria de Oliveira CAPÍTULO IV Valres, Crenças, Missã, Visã.e Plítica da Qualidade. Waldemar Faria de Oliveira Há alguns ans, quand tínhams ótims atletas, perdíams a Cpa d Mund de futebl, as Olimpíadas, errand em cisas básicas.

Leia mais

Resumo Executivo - Funcionalidades 1 INTRODUÇÃO

Resumo Executivo - Funcionalidades 1 INTRODUÇÃO 1 INTRODUÇÃO A crescente cmplexidade ds prjets, a quantidade de infrmaçã que lhes está assciada e aument d númer de intervenientes n prcess cnstrutiv, transfrmaram a indústria da cnstruçã numa indústria

Leia mais

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL DEPARTAMENTO DO RIO DE JANEIRO

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL DEPARTAMENTO DO RIO DE JANEIRO 52ª PREMIAÇÃO ANUAL IAB RJ EDITAL 2014 INTRODUÇÃO O Institut de Arquitets d Brasil - IAB-RJ cnvca arquitets e urbanistas a participarem da 52ª Premiaçã Anual ds Arquitets que, em 2014, agrega às categrias

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO DA REDE IFES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL Planejament Anual de Atividades 2012 (01 de janeir de 2012 a 31 de dezembr

Leia mais

FORMULÁRIO COLETA CAPES DISCENTE 2013

FORMULÁRIO COLETA CAPES DISCENTE 2013 FORMULÁRIO COLETA CAPES DISCENTE 2013 Este frmulári deve ser preenchid pr tds s aluns matriculads n Mestrad em Atençã à Saúde n an de 2013. Os dads servirã para atualizar, n Cleta Capes, as atividades

Leia mais

Uma proposta de avaliação de curso na modalidade a distância

Uma proposta de avaliação de curso na modalidade a distância Uma prpsta de avaliaçã de curs na mdalidade a distância 1 P á g i n a 2 P á g i n a Maria Izabel Lage Martins Gmes Maria d Carm Vila Uma prpsta de avaliaçã de curs na mdalidade a distância 3 P á g i n

Leia mais

Ministério da Justiça. Orientações para a preparação dos Policiais que atuam na Região

Ministério da Justiça. Orientações para a preparação dos Policiais que atuam na Região Ministéri da Justiça Departament da Plícia Federal Academia Nacinal de Plícia Secretaria Nacinal de Segurança Pública Departament de Pesquisa, Análise da Infrmaçã e Desenvlviment Humanan Orientações para

Leia mais

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO 1. PREÂMBULO... 1 2. NATUREZA E OBJECTIVOS... 1 3. MODO DE FUNCIONAMENTO... 2 3.1 REGIME DE ECLUSIVIDADE... 2 3.2 OCORRÊNCIAS... 2 3.3

Leia mais

A nova metodologia de apuração do DI propõe que o cálculo seja baseado em grupos de taxas e volumes, não mais em operações.

A nova metodologia de apuração do DI propõe que o cálculo seja baseado em grupos de taxas e volumes, não mais em operações. Taxa DI Cetip Critéri de apuraçã a partir de 07/10/2013 As estatísticas d ativ Taxa DI-Cetip Over (Extra-Grup) sã calculadas e divulgadas pela Cetip, apuradas cm base nas perações de emissã de Depósits

Leia mais

AEPSA. Audição sobre as PPL 123/XII (GOV) e 125/XII (GOV) COMISSÃO DE AMBIENTE, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E PODER LOCAL

AEPSA. Audição sobre as PPL 123/XII (GOV) e 125/XII (GOV) COMISSÃO DE AMBIENTE, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E PODER LOCAL AEPSA Audiçã sbre as PPL 123/XII (GOV) e 125/XII (GOV) COMISSÃO DE AMBIENTE, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E PODER LOCAL 13 de Març de 2013 AGENDA 1. Apresentaçã da AEPSA a) A AEPSA em Prtugal b) Estratégia

Leia mais

1- Objetivo Orientar e apoiar a utilização dos serviços de Biblioteca por parte do corpo docente, discente e comunidade.

1- Objetivo Orientar e apoiar a utilização dos serviços de Biblioteca por parte do corpo docente, discente e comunidade. Sistema de Gestã de Prcesss Sistema de Gestã da Qualidade Utilizaçã ds Serviçs de Bibliteca 1- Objetiv Orientar e apiar a utilizaçã ds serviçs de Bibliteca pr parte d crp dcente, discente e cmunidade.

Leia mais

Dados sobre investimento da FAPESP revelam articulação entre geração do conhecimento e sua aplicação

Dados sobre investimento da FAPESP revelam articulação entre geração do conhecimento e sua aplicação POLÍTICA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA Dads sbre investiment da FAPESP revelam articulaçã entre geraçã d cnheciment e sua aplicaçã A ESP investiu, n an 2000, R$ 550,7 milhões fment à atividade científica e

Leia mais

o o o o o o o Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016 Rio 2016 Organising Committee for the Olympic and Paralympic Games

o o o o o o o Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016 Rio 2016 Organising Committee for the Olympic and Paralympic Games Requeriments de Pódi: Requeriments Mandatóris: O frnecedr deverá adtar s requeriments mínims definids n Códig Básic da Iniciativa Ética Cmercial (IEC) / Ethical Trading Initative (ETI): O empreg deverá

Leia mais

Uma nova proposta para a Agenda Ambiental Portuária

Uma nova proposta para a Agenda Ambiental Portuária Uma nva prpsta para a Agenda Ambiental Prtuária Marcs Maia Prt Gerente de Mei Ambiente O grande desafi a tratar cm as questões ambientais prtuárias é bter um resultad equilibrad que harmnize s cnflits

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO ANTECEDENTES CRIMINAIS

MANUAL DO USUÁRIO ANTECEDENTES CRIMINAIS SISTEMA DE INFORMAÇÃO E GESTÃO INTEGRADA POLICIAL Elabrad: Equipe SAG Revisad: Aprvad: Data: 11/09/2008 Data: 10/10/2008 Data: A autenticaçã d dcument cnsta n arquiv primári da Qualidade Referencia: Help_Online_Antecedentes_Criminais.dc

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUITE LIBREOFFICE: CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE TREINAMENTO

TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUITE LIBREOFFICE: CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE TREINAMENTO Term de Referência Anex I - Especificaçã técnica Cntrataçã de Empresa para prestaçã de Serviçs de Treinament na suíte Libreffice TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUITE LIBREOFFICE: CONTRATAÇÃO

Leia mais

Projetos, Programas e Portfólios

Projetos, Programas e Portfólios Prjets, Prgramas e Prtfólis pr Juliana Klb em julianaklb.cm Prjet Segund PMBOK (2008): um prjet é um esfrç temprári empreendid para criar um nv prdut, serviç u resultad exclusiv. Esta definiçã, apesar

Leia mais

Posição CELPA Associação da Indústria Papeleira

Posição CELPA Associação da Indústria Papeleira R. Marquês Sá da Bandeira, 74, 2º 1069-076 Lisba, Prtugal Tel. +351 217-611-510 Fax. +351 217-611-529 E-mail. celpa@celpa.pt http://www.celpa.pt Psiçã CELPA Assciaçã da Indústria Papeleira Para: De: Estatut:

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DOS INTEGRANTES DO PLANO DE CARREIRA DOS CARGOS TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS PDIPCCTAE

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DOS INTEGRANTES DO PLANO DE CARREIRA DOS CARGOS TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS PDIPCCTAE PLANO DE DESENVOLVIMENTO DOS INTEGRANTES DO PLANO DE CARREIRA DOS CARGOS TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS PDIPCCTAE Lei 11.091/2005 Decret 5.825/2006 Decret 5.707/2006 Resluçã

Leia mais

UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA UNOESC UNIDADE DE CHAPECÓ Aviso Público Nº 08/Unoesc/2012

UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA UNOESC UNIDADE DE CHAPECÓ Aviso Público Nº 08/Unoesc/2012 UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA UNOESC UNIDADE DE CHAPECÓ Avis Públic Nº 08/Unesc/2012 O Magnífic Reitr da Universidade d Oeste de Santa Catarina - Unesc, pessa jurídica de direit privad, mantida

Leia mais

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis PCP Vensis PCP O PCP é módul de planejament e cntrle de prduçã da Vensis. Utilizad n segment industrial, módul PCP funcina de frma ttalmente integrada a Vensis ERP e permite às indústrias elabrar

Leia mais

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS Sã Paul 2013 1 1 INTRODUÇÃO Este Manual tem a finalidade de servir à nrmalizaçã da elabraçã de Trabalhs de Cnclusã de Curs TCC pr mei de artigs científics,

Leia mais

Edital Simplificado de Seleção de Monitoria 2015.1

Edital Simplificado de Seleção de Monitoria 2015.1 Institut Federal de Educaçã, Ciência e Tecnlgia d Ri de Janeir Edital Simplificad de Seleçã de Mnitria 2015.1 A Direçã Geral d IFRJ/, cmunica, pel presente Edital, que estarã abertas as inscrições para

Leia mais

Modelagem, qualificação e distribuição em um padrão para geoinformações

Modelagem, qualificação e distribuição em um padrão para geoinformações Mdelagem, qualificaçã e distribuiçã em um padrã para geinfrmações Julia Peixt 14h, 14 de junh de 2010. Mtivaçã Acerv de dads desde 1994 em diferentes áreas de pesquisa; Muitas pessas fazend muits trabalhs

Leia mais