ANEXO I - PRODUTOS ESTRATÉGICOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANEXO I - PRODUTOS ESTRATÉGICOS"

Transcrição

1 Seção I - Segmento Farmacêutico ANEXO I - PRODUTOS ESTRATÉGICOS Grupo Destinação Terapêutica ou Rota de Produção Medicamento e/ou Fármaco 1 Antivirais (inclusive antirretrovirais) 1.1 Abacavir 1.2 Adefovir 1.3 Atazanavir 1.4 Boceprevir 1.5 Darunavir 1.6 Efavirenz 1.7 Enfuvirtida 1.8 Entecavir 1.9 Etravirina 1.10 Fosamprenavir 1.11 Lamivudina 1.12 Lopinavir 1.13 Maraviroque 1.14 Nevirapina 1.15 Raltegravir 1.16 Ritonavir 1.17 Telaprevir 1.18 Tenofovir 1.19 Zidovudina 2 Doenças negligenciadas 2.1 Malária Artemeter Artesunato Cloroquina Mefloquina Primaquina Quinina 2.2 Doença de Chagas Benznidazol Nifurtimox 2.3 Esquistossomose Praziquantel Oxamniquina 2.4 Leishmanioses Anfotericina B lipossomal Antimoniato de meglumina Desoxicolato de anfotericina B 2.5 Tuberculose / Hanseníase Clofazimina Dapsona Etambutol Etionamida Isoniazida Pentoxifilina Pirazinamida Piridoxina Rifabutina Rifampicina Talidomida 2.6 Filariose Dietilcarbamazina 2.7 Febre Maculosa Doxiciclina Cloranfenicol 2.8 Micoses Sistêmicas Flucitosina 3 Doenças Crônicas Não Transmissíveis DCNTs Página 1

2 3.1 Alzheimer Donepezila Rivastigmina 3.2 Antiasmáticos Beclometasona Budesonida Fenoterol Formoterol Prednisolona Prednisona Salbutamol Salmeterol 3.3 Antiparkinsonianos Cabergolina Entacapona Tolcapona Pramipexol Selegilina 3.4 Antipsicóticos e Anticonvulsivantes Clozapina Olanzapina Primidona Quetiapina Topiramato Ziprazidona 3.5 Antireumáticos e antiinflamatórios Leflunomida Mesalazina 3.6 Imunossupressor Everolimo Micofenolato de mofetila Micofenolato de sódio Tacrolimo Sirolimo 3.7 Osteoporose Calcitonina Calcitriol Raloxifeno 3.8 Hipertensão Arterial Pulmonar Iloprosta Sildenafila 3.9 Anti-hipertensivos Captopril 3.10 Doença Falciforme Alfaepoetina Hidroxiuréia 3.11 Outras destinações Acetato de Lanreotida Ácido Fólico/ Folínico Biotina Bromocriptina Cloridrato de sevelamer Estatinas Glatiramer Riluzol Somatostatina 4 Produtos obtidos por Rotas Biológicas 4.1 Anticorpos Monoclonais Adalimumabe Certolizumabe Pegol Dasatinibe Golimumabe Imatinibe Infliximabe Nilotinibe Página 2

3 4.1.8 Palivizumabe Rituximabe Tocilizumabe Trastuzumabe Outros 4.2 Enzimas Alfadornase Glucocerebrosidase Imiglucerase L-asparaginase Pancreatina Pancrelipase Taliglucerase Velaglucerase Outras 4.3 Hormônios Alfaepoetina Fator de crescimento insulina dependente (IGH-1) Filgrastina Glucagon Gonadotrofina coriônica (HCG) e sérica (PMSG) Gosserelina Hormônio Folículo Estimulante (FSH) Insulina Leuprorrelina Molgramostima Somatotropina Outros 4.4 Proteínas Abatacepte Etanercepte Fator de crescimento epidérmico Fatores procoagulantes Imunoglobulinas Interferonas Octreotida Toxina botulínica Outras 5 Vacinas e Soros 6 Hemoderivados 7 Medicamentos e Insumos para a terapia de agravos decorrentes de acidentes nucleares 8 Oncológicos 8.1 Actinomicina-D 8.2 Anastrozol 8.2 Bicalutamida 8.4 Buserelina 8.5 Bussulfano 8.6 Capecitabina 8.7 Carboplatina 8.8 Carmustina 8.9 Cladribina 8.10 Clorambucil 8.10 Daunorrubicina 8.12 Docetaxel 8.13 Flutamida 8.14 Formestano 8.15 Gencitabina 8.16 Irinotecano 8.17 Melfalano 8.18 Mercaptopurina 8.19 Morfina 8.20 Ondansetrona 8.21 Oxaliplatina 8.22 Paclitaxel 8.23 Procarbazina Página 3

4 8.24 Raltitrexede 8.25 Tamoxifeno 8.26 Temozolamida 8.27 Thiotepa 8.28 Tioguanina 8.29 Triptorrelina 9 Fitoterápicos 10 Antibióticos 10.1 Aminoglicosídeos 10.2 Amoxicilina 10.3 Cefalosporinas 10.4 Tetraciclinas 10.5 Quinolonas 10.6 Penicilinas Critérios utilizados para definição dos Produtos Estratégicos para o SUS referentes à Seção I Mantidos todos os produtos estratégicos no âmbito do SUS pertencentes à lista publicada no anexo da Portaria GM/MS nº 1284, de 2010 (revogada no art. 6º desta Portaria) Os produtos considerados como estratégicos para o SUS atendem aos critérios de alta significação social, como as doenças negligenciadas e os de alto valor tecnológico e econômico, como os produtos biotecnológicos; Efetuada a inclusão de novos produtos que atendam, no mínimo, a um dos critérios abaixo: - Custo de aquisição no SUS e ou com déficit da balança comercial brasileira superior a R$ 10 milhões, desde que contemplados nos Componentes da Assistência Farmacêutica do SUS; - Incorporação recente no SUS; - Protocolos clínicos novos, inclusive os novos usos; - Risco de desabastecimento; - Indicados para centralização; - Objeto de PDPs vigentes e por congregar medicamentos apresentados com dose fixa combinada de antirretrovirais Para todos os produtos da Lista estão considerados as apresentações farmacêuticas de doses fixas combinadas, bem como as modificações na forma de sais, etc. No Grupo de Vacinas e Soros e no Grupo de Hemoderivados os produtos não estão discriminados, sendo considerados como estratégicos todos os produtos que fazem parte da RENAME e/ou são adotados pelo Programa Nacional de Imunização (PNI). Os produtos estão classificados em dez (10) grandes grupos, sendo que os produtos que se enquadram em mais de um grupo foram apresentados naquele em a utilização é mais significativa. Grupo 1 - Antivirais (inclusive antirretrovirais): Engloba os produtos estratégicos utilizados no tratamento de doenças virais e DST/AIDS. Grupo 2 - Doenças negligenciadas : Apresenta os produtos destinados a doenças de elevada magnitude, tais como: Chagas, hanseníase, malária, leishmaniose, tuberculose, dengue, esquistossomose, filariose, febre Maculosa e micoses sistêmicas. Grupo 3 - Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNTs): Produtos para as doenças degenerativas, doenças mentais, entre outros. Grupo 4 - Rotas Biológicas: Inclusão de produtos de alto conteúdo tecnológico como os de rotas de DNA recombinante e os anticorpos monoclonais, enzimas, hormônios, proteínas, entre outros. Grupo 5 - Vacinas e Soros: Contempla Vacinas e Soros considerados estratégicos para o Programa Nacional de Imunização (PNI) ou que apresentem significativa importância para saúde pública e que sejam foco de medidas e iniciativas voltadas para o incremento da produção local, inovação e transferência de tecnologia. Página 4

5 Grupo 6 Hemoderivados: Engloba todos os hemoderivados adquiridos pelo SUS que são estratégicos para atender as demandas de saúde pública e de fomento a produção local. Grupo 7 - Medicamentos e Insumos para a terapia de agravos decorrentes de acidentes nucleares Grupo 8 Oncológicos: Engloba os produtos estratégicos utilizados em tratamentos oncológicos. Grupo 9 Fitoterápicos: Apresenta produtos estratégicos para o fomento ao Programa Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos. Grupo 10 Antibióticos: Contempla os produtos antibióticos estratégicos para o SUS que apresentam elevada importação de seus insumos farmacêuticos ativos ou do próprio medicamento. Página 5

6 Seção II - Segmento de Dispositivos médicos e Dispositivos em geral de apoio a saúde Grupo 01: Dispositivos utilizados para visualização e produção de sinais, imagens anatômicas e funcionais do corpo humano cuja finalidade é diagnosticar, prevenir, monitorar e controlar doenças. Equipamentos para triagem auditiva neonatal; Aparelho de Endoscopia, Aparelho de Ultra Som Aparelho de ressonância magnética Aparelho de Raios X digital Aparelho de RX: (Móvel e Fixo) e Odontológico Aparelho Tomógrafo Aparelho Oftalmológico Grupo 02: Dispositivos utilizados para detecção de doenças ou traços de doenças por meio de técnicas de detecção in vitro cuja finalidade é diagnosticar, prevenir, monitorar e controlar doenças: a) Equipamentos: dispositivos que gere diretamente resultados de diagnóstico in vitro para a análise de amostras provenientes do corpo humano, incluindo sangue e tecidos doados. Equipamentos automatizados para testes feitos em laboratório; Equipamentos para testes rápidos (point-of-care), testes feitos por profissionais no ponto de cuidado ou na beira do leito; Equipamentos para testes rápidos para acompanhamento de doenças pelo próprio paciente. b) Conjunto Diagnóstico: reagentes e acessórios para detecção de traços de doenças ou doenças utilizando técnica de detecção in vitro, incluindo os insumos para sua produção para as seguintes doenças: DST/ AIDS Botulismo Dengue Difteria Doença de chagas aguda (DCA) Febre do Nilo Ocidental (FNO) Febre Maculosa Brasileira (FMB) Hanseníase Hantavirose Hepatites Influenza Leishmaniose tegumentar Leishmaniose visceral Malária Tuberculose Outras doenças (incluindo doenças raras) DPOC Neoplasias Página 6

7 Grupo 03: Dispositivos utilizados no tratamento ou atenuação de uma doença, de uma lesão ou de uma deficiência; substituição ou alteração da anatomia ou de um processo fisiológico ou controle da concepção. Equipamentos de Hemodiálise; Equipamento para diálise peritoneal; Dialisadores, agulhas de fístulas e linhas para hemodiálise; CPAP; BIPAP; Concentrador de oxigênio; Ventilador pulmonar; Acelerador Linear para radioterapia; Arco Cirúrgico; Aparelho de Anestesia, com suporte (carrinho); Cateteres eletrofisiológicos; Cateteres Angiográficos de uso em radiologia Indutores, bainhas e agulhas para estudos e procedimentos eletrofisiológicos; Stents cardiológico; Eletrocardiógrafos Endopróteses vasculares; Filtro de veia cava Oxímetro de Pulso Monitores cardíacos e Monitores Multiparâmetros Marcapasso; Cardioversor / Desfibrilador; Dispositivos médicos utilizados na contracepção ou para prevenção da transmissão de doenças sexualmente transmissíveis; Oclusores septais (CIA); Espirais de platina (coils de aneurisma); Implantes dentários; Prótese Mamária; Luvas para procedimento e cirúrgicas; Bolsa para coleta, armazenamento e transfusão de sangue humano. Curativos e Hemostáticos; Implantes Ortopédicos; Órteses e Próteses Ortopédicas Cadeiras de rodas; Adaptador postural para cadeira de rodas; Aparelhos de Amplificação Sonora Individual AASI (aparelho auditivo) Prótese/Implante coclear Grupo 04: Dispositivo utilizado com a finalidade de manter e conservar as caraterísticas terapêuticas de sangue, hemocomponente, hemoderivado, termolábeis e imunobiologicos. Centrífuga refrigerada para bolsa de sangue. Freezer e Conservador de ultrabaixa temperatura para amostras, hemoderivados, termo lábeis e imunobiológicos. Geladeiras e Câmara para conservação de hemoderivados / termo lábeis / imunobiológicos. Página 7

8 Grupo 05: Software embarcado no dispositivo médico ou utilizado na transmissão de dados em saúde, na recuperação, reconstrução e processamento de sinais e imagens, na comunicação entre dispositivos. Software Embarcado em Dispositivos Médicos Software para e-saúde e Telemedicina Software para Prototipagem e Simuladores de Terapia. Grupo 06: Insumos, Partes e Peças utilizados nos dispositivos médicos, especialmente aqueles utilizados para produção dos dispositivos listados nesta portaria, com destaque para monitor, transdutor, atuador, gerador de energia elétrica e ionizante, biomateriais, tecnologias assistivas e implantáveis. Transdutores para Ultrassom Receptor/Detector de Raios X Receptor/Detector de Energia Nuclear Sistemas de geração de energia nucelar Sistemas de aceleração de elétrons Monitores Grau Médico utilizado em sistema de imagens médicas Sensores de Oximetria e Capnografia Biochips/Biosensores para teste diagnóstico Ligas e Materiais Especiais; Tecidos e órgãos artificiais Atuadores para sistemas de terapia guiada por imagens Grupo 07: Dispositivos utilizados na avaliação de conformidade, desempenho e controle de qualidade de dispositivos médicos, visando garantir à segurança, eficácia e efetividade do paciente. Equipamentos para testes, avaliação de desempenho e conformidade de equipamentos e dispositivos médicos; Phantom e Simuladores para controle de qualidade de equipamentos de diagnóstico por imagem Grupo 08: Serviços utilizados no ciclo de vida do produto, ou seja, nas etapas pré-comercialização e pós-comercialização, desde a etapa de desenvolvimento passando pela incorporação e gestão de uso nos serviços de saúde até sua substituição e obsolescência. Serviços Tecnológicos de Avaliação e Ensaios de Conformidade, Certificação de Produtos e Controle de Qualidade. Serviços de Avaliação de Tecnologia em Saúde (ATS) Serviços de Ensaios Clínicos nas Fases I, II, III e IV Serviços de Gestão da Tecnologia Incorporada Serviços de Prototipagem para aplicação terapêutica personalizada Serviços de Engenharia de Fatores Humanos. Página 8

9 Critérios utilizados para definição dos Produtos Estratégicos para o SUS referentes à Seção II Critérios utilizados para definição dos Produtos Estratégicos para o SUS apresentados no Anexo II-I Segmento de Produtos Médicos: Mantidos todos os produtos estratégicos no âmbito do SUS pertencentes à lista publicada no anexo das Portarias GM/MS nº 978, de 2008 e GM/MS nº 1284, de 2010; Os produtos considerados como estratégicos para o SUS atendem aos critérios de alta significação social, como as doenças negligenciadas e os de alto valor tecnológico e econômico; Tecnologias para a prestação de serviços tecnológicos intrínsecos a todo o ciclo de vida das tecnologias de produtos médicos (ex. desenvolvimento, produção, pré e pós comercialização, avaliação da conformidade e gestão do uso) Efetuada a inclusão de novos produtos que atendam, no mínimo, a um dos critérios abaixo: - Custo de aquisição no SUS e ou com déficit da balança comercial brasileira; - Incorporação recente no SUS; - Protocolos clínicos novos, inclusive os novos usos; - Risco de desabastecimento; - Indicados para centralização; - Tecnologias sensíveis e estratégicas ao SUS imprescindíveis que o país internalize sua produção, desenvolvendo competências locais, capacitando e fixando recursos humanos, garantindo a operacionalização e manutenção dos serviços de saúde necessários ao atendimento da população. Critérios e dados técnicos do Plano Conjunto BNDES-FINEP de Apoio ao Setor de Equipamentos Médicos, Hospitalares e Odontológicos. Página 9

LISTA DE PRODUTOS ESTRATÉGICOS NO ÂMBITO DO SUS Diário Oficial da União Nº 100 - Seção 1, 27 de maio de 2010

LISTA DE PRODUTOS ESTRATÉGICOS NO ÂMBITO DO SUS Diário Oficial da União Nº 100 - Seção 1, 27 de maio de 2010 Circular 254/2010 São Paulo, 27 de maio de 2010. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) DIRETOR CLINICO LISTA DE PRODUTOS ESTRATÉGICOS NO ÂMBITO DO SUS Diário Oficial da União Nº 100 - Seção 1, 27 de maio de 2010

Leia mais

ANEXO PORTARIA Nº 3.089, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2013 LISTA DE PRODUTOS ESTRATÉGICOS PARA O SUS Seção I - Segmento Farmacêutico

ANEXO PORTARIA Nº 3.089, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2013 LISTA DE PRODUTOS ESTRATÉGICOS PARA O SUS Seção I - Segmento Farmacêutico ANEXO PORTARIA Nº 3.089, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2013 LISTA DE PRODUTOS ESTRATÉGICOS PARA O SUS Seção I - Segmento Farmacêutico Grupo Destinação Terapêutica ou Rota de Produção 1 Antivirais (inclusive antirretrovirais)

Leia mais

Criterios utilizados para definicao dos Produtos Estrategicos para o SUS na Seca I _

Criterios utilizados para definicao dos Produtos Estrategicos para o SUS na Seca I _ Criterios utilizados para definicao dos Produtos Estrategicos para o SUS na Seca I _ Mantidos todos os produtos estrategicos no Ambito do SUS pertencentes a lista publicada no anexo da Portaria GM/MS n

Leia mais

ELENCO DE MEDICAMENTOS DO COMPONENTE ESTRATÉGICO DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA (CESAF) (Fonte: Ministério da Saúde, 2014)

ELENCO DE MEDICAMENTOS DO COMPONENTE ESTRATÉGICO DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA (CESAF) (Fonte: Ministério da Saúde, 2014) 1 Abacavir solução oral 20mg/mL AIDS 2 Abacavir comprimido 300mg AIDS 3 Ácido tranexâmico comprimido 250mg 4 Ácido tranexâmico comprimido 500mg 5 Amicacina 250mg/mL TUBERCULOSE 6 Anfotericina B complexo

Leia mais

Relação de Medicamentos do Componente Especializado da Assistência Farmacêutica Portaria GM/MS nº 1554/2013 Anexo IV

Relação de Medicamentos do Componente Especializado da Assistência Farmacêutica Portaria GM/MS nº 1554/2013 Anexo IV Relação de Medicamentos do Componente Especializado da Assistência Farmacêutica Portaria GM/MS nº 1554/2013 Anexo IV I. Medicamentos de Alto Custo disponibilizados pela SES/MG 1. Abatacepte 250 mg - injetável

Leia mais

Estratégia para Incentivo da Produção de Fármacos no Brasil

Estratégia para Incentivo da Produção de Fármacos no Brasil MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INSUMOS ESTRATÉGICOS DEPARTAMENTO DO COMPLEXO INDUSTRIAL E INOVAÇÃO EM SAÚDE 6º Encontro Nacional de Inovação em Fármacos e Medicamentos ENIFarMed

Leia mais

Edital MCT/CNPq/CT-Saúde/MS/SCTIE/DECIT Nº 67/2010

Edital MCT/CNPq/CT-Saúde/MS/SCTIE/DECIT Nº 67/2010 Edital MCT/CNPq/CT-Saúde/MS/SCTIE/DECIT Nº 67/2010 I - EDITAL O Ministério da Ciência e Tecnologia MCT, o Ministério da Saúde MS e o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico CNPq,

Leia mais

Lista de Medicamentos do Componente Especializado

Lista de Medicamentos do Componente Especializado Lista de Medicamentos do Componente Especializado *Medicamentos financiados exclusivamente com recursos estaduais ITEM MEDICAMENTO APRESENTAÇÃO 1 Ácido Ursodesoxicólico 150 mg* comprimido 2 Acitretina

Leia mais

CÂMARA DE REGULAÇÃO DO MERCADO DE MEDICAMENTOS SECRETARIA- EXECUTIVA COMUNICADO Nº 10, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2009

CÂMARA DE REGULAÇÃO DO MERCADO DE MEDICAMENTOS SECRETARIA- EXECUTIVA COMUNICADO Nº 10, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2009 Informativo Extraordinário Dezembro de 2009 CÂMARA DE REGULAÇÃO DO MERCADO DE MEDICAMENTOS SECRETARIA- EXECUTIVA COMUNICADO Nº 10, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2009 Fernando Forte é advogado do escritório Correia

Leia mais

PORTARIA No- 252, DE 26 DE JANEIRO DE 2017

PORTARIA No- 252, DE 26 DE JANEIRO DE 2017 PORTARIA No- 252, DE 26 DE JANEIRO DE 2017 Define a lista de produtos estratégicos para o Sistema Único de Saúde (SUS), nos termos dos anexos a esta Portaria. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das

Leia mais

LISTA DE PRODUTOS ESTRATÉGICOS PARA O SUS

LISTA DE PRODUTOS ESTRATÉGICOS PARA O SUS Circular 053/2017 São Paulo, 27 de janeiro de 2017. Provedor(a) Administrador (a) Farmácia LISTA DE PRODUTOS ESTRATÉGICOS PARA O SUS Prezados (as) Senhores (as), O D.O.U. nº 20, de 27/01/2017, traz a Portaria

Leia mais

Unidade Básica de Saúde Farmácia Básica Municipal. Farmácia Componente Estratégico. Unidade Básica de Saúde Farmácia Básica Municipal

Unidade Básica de Saúde Farmácia Básica Municipal. Farmácia Componente Estratégico. Unidade Básica de Saúde Farmácia Básica Municipal Fármaco Apresentação Onde retirar Acesso Abacavir comprimido 300mg Abacavir solução oral 20mg/ml frasco 240ml Aciclovir Aciclovir comprimido 200mg Ácido acetilsalicílico comprimido 100mg Ácido fólico comprimido

Leia mais

Medicamentos Excepcionais (Uso contínuo e alto custo)

Medicamentos Excepcionais (Uso contínuo e alto custo) Medicamentos Excepcionais (Uso contínuo e alto custo) Os medicamentos de dispensação excepcional são, geralmente, de uso contínuo e de alto custo. São usados no tratamento de doenças crônicas e raras,

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro. PORTARIA Nº 1554 de 30 de julho de 2013 ANEXO I

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro. PORTARIA Nº 1554 de 30 de julho de 2013 ANEXO I Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1554 de 30 de julho de 2013 ANEXO I GRUPO 1A: Medicamentos com aquisição centralizada pelo Ministério da Saúde para tratamento das doenças contempladas

Leia mais

ANEXO XII do Regulamento do ICMS (ART. 5 o, X do RICMS - Convênio ICMS 87/02)

ANEXO XII do Regulamento do ICMS (ART. 5 o, X do RICMS - Convênio ICMS 87/02) ANEXO II DECRETO N o 2.934, de 31 de janeiro de 2007. ANEXO XII do Regulamento do ICMS (ART. 5 o, X do RICMS - Convênio ICMS 87/02) ITEM 1 2 3 4 5 6 7 FÁRMACOS Ciproterona Desmopressina Fludrocortisona

Leia mais

PORTARIA Nº 704, DE 8 DE MARÇO DE 2017

PORTARIA Nº 704, DE 8 DE MARÇO DE 2017 PORTARIA Nº 704, DE 8 DE MARÇO DE 2017 Define a lista de produtos estratégicos para o Sistema Único de Saúde (SUS), nos termos dos anexos a esta Portaria. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições

Leia mais

VII Fórum Nacional de Assistência Farmacêutica 10 ANOS DA PNAF

VII Fórum Nacional de Assistência Farmacêutica 10 ANOS DA PNAF Ministério da Saúde Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos Coordenação-Geral de Assistência Farmacêutica e Medicamentos

Leia mais

Circular 115/2017 São Paulo, 10 de Março de 2016.

Circular 115/2017 São Paulo, 10 de Março de 2016. Circular 115/2017 São Paulo, 10 de Março de 2016. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) FATURAMENTO Fica definida a lista de produtos estratégicos para o Sistema Único de Saúde (SUS) para o ano de 2017. Diário

Leia mais

CÂMARA DE REGULAÇÃO DO MERCADO DE MEDICAMENTOS SECRETARIA-EXECUTIVA

CÂMARA DE REGULAÇÃO DO MERCADO DE MEDICAMENTOS SECRETARIA-EXECUTIVA CÂMARA DE REGULAÇÃO DO MERCADO DE MEDICAMENTOS SECRETARIA-EXECUTIVA Comunicado nº 6, de 5 de setembro de 2013 (Publicado no DOU, de 10 de setembro de 2013, Seção 3, pág. 3) A Secretaria-Executiva da Câmara

Leia mais

Central de Medicamentos de Alto Custo Juarez Barbosa Nº MEDICAMENTOS SITUAÇÃO CLÍNICA (CID-10)

Central de Medicamentos de Alto Custo Juarez Barbosa Nº MEDICAMENTOS SITUAÇÃO CLÍNICA (CID-10) MINISTÉRIO DA SAÚDE Central de Medicamentos de Alto Custo Juarez Barbosa Central de Medicamentos de Alto Custo Juarez Barbosa Relação de Medicamentos contemplados pelo Componente Especializado da Assistência

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 04 DE ABRIL DE 2014

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 04 DE ABRIL DE 2014 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 04 DE ABRIL DE 2014 * Publicada no DOE em 11/04/14 Regulamenta os Convênios ICMS nºs 162/94, de 7 de dezembro de 1994, que concede isenção do ICMS nas operações internas com

Leia mais

PRODUTOS FARMACÊUTICOS - BENEFÍCIOS FISCAIS RELACIONADOS AO ICMS

PRODUTOS FARMACÊUTICOS - BENEFÍCIOS FISCAIS RELACIONADOS AO ICMS PRODUTOS FARMACÊUTICOS - BENEFÍCIOS FISCAIS RELACIONADOS AO ICMS Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 06.09.2012. Sumário: 1 - INTRODUÇÃO 2 - ISENÇÃO NAS OPERAÇÕES INTERNAS E INTERESTADUAIS

Leia mais

O curso de Pós-graduação em Engenharia Biomédica e Engenharia Clínica tem 368 horas de atividades presenciais, organizadas em quatro módulos.

O curso de Pós-graduação em Engenharia Biomédica e Engenharia Clínica tem 368 horas de atividades presenciais, organizadas em quatro módulos. PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA BIOMÉDICA E ENGENHARIA CLÍNICA 1. ORGANIZAÇÃO E MÓDULOS O curso de Pós-graduação em Engenharia Biomédica e Engenharia Clínica tem 368 horas de atividades presenciais, organizadas

Leia mais

Relação de procedimentos identificados que não possuem cobertura obrigatória pelo Rol de Eventos e Procedimentos em Saúde da ANS.

Relação de procedimentos identificados que não possuem cobertura obrigatória pelo Rol de Eventos e Procedimentos em Saúde da ANS. Procedimento Autorização de Internação Hospitalar (AIH) 202010058 DETERMINACAO DE CURVA GLICEMICA C/ INDUCAO POR CORTISONA ( 5 DOSAGENS) 202020410 PESQUISA DE CELULAS LE 405030185 TERMOTERAPIA TRANSPUPILAR

Leia mais

Componente Especializado Assistência Farmacêutica

Componente Especializado Assistência Farmacêutica Acitretina cápsula 10 mg L40.0 ; L40.1 ; L40.4 ; L40.8 ; L44.0 ; Q80.0 ; Q80.1 ; Q80.2 ; Q80.3 ; Q80.8 ; Q82.8 Acitretina cápsula 25 mg L40.0 ; L40.1 ; L40.4 ; L40.8 ; L44.0 ; Q80.0 ; Q80.1 ; Q80.2 ; Q80.3

Leia mais

DECRETO Nº 7.767, DE 27 DE JUNHO DE 2012

DECRETO Nº 7.767, DE 27 DE JUNHO DE 2012 CÂMARA DOS DEPUTADOS Centro de Documentação e Informação DECRETO Nº 7.767, DE 27 DE JUNHO DE 2012 Estabelece a aplicação de margem de preferência em licitações realizadas no âmbito da administração pública

Leia mais

Relação de medicamentos dispensados pelo Estado

Relação de medicamentos dispensados pelo Estado Relação de medicamentos dispensados pelo Estado ITEM MEDICAMENTO 1 Ácido Tranexâmico 250 mg - Comprimido* 2 Acitretina 10 mg - Cápsula 3 Acitretina 25 mg - Cápsula 4 Ácido ursodesoxicólico 150 mg - comprimido**

Leia mais

Publicado no DOU de 17/02/2012 Seção III pág 3 CONSELHO DE GOVERNO CÂMARA DE REGULAÇÃO DO MERCADO DE MEDICAMENTOS SECRETARIA EXECUTIVA

Publicado no DOU de 17/02/2012 Seção III pág 3 CONSELHO DE GOVERNO CÂMARA DE REGULAÇÃO DO MERCADO DE MEDICAMENTOS SECRETARIA EXECUTIVA Publicado no DOU de 17/02/2012 Seção III pág 3 CONSELHO DE GOVERNO CÂMARA DE REGULAÇÃO DO MERCADO DE MEDICAMENTOS SECRETARIA EXECUTIVA COMUNICADO Nº 2, DE 15 DE FEVEREIRO DE 2012 A Secretaria Executiva

Leia mais

4ª Reunião do Conselho de Competitividade do Complexo da Saúde

4ª Reunião do Conselho de Competitividade do Complexo da Saúde 4ª Reunião do Conselho de Competitividade do Complexo da Saúde Carlos Augusto Grabois Gadelha Coordenador do GECIS e Secretário de Ciência, tecnologia e Insumos Estratégicos do Ministério da Saúde 11 de

Leia mais

Elenco de Referência Nacional do Componente Estratégico da Assistência Farmacêutica

Elenco de Referência Nacional do Componente Estratégico da Assistência Farmacêutica Elenco de Referência Nacional do Componente Estratégico da Assistência Farmacêutica Fármacos com aquisição pela União conforme Diretrizes específicas paras as doenças que fazem parte do escopo dos Programas

Leia mais

CID s - SES/RJ L400, L401, L404, L408, L440, Q800, Q801, Q802, Q803, Q808, Q828 M050, M051, M052, M053, M058, M060, M068, M070, M073, M080, M45

CID s - SES/RJ L400, L401, L404, L408, L440, Q800, Q801, Q802, Q803, Q808, Q828 M050, M051, M052, M053, M058, M060, M068, M070, M073, M080, M45 ACITRETINA 10 MG (POR CAPSULA) 0 mês (es) 110 ano (s) 217 ADALIMUMABE 40 MG INJETAVEL (POR SERINGA PREENCHIDA) ADALIMUMABE 40 MG INJETAVEL (POR SERINGA PREENCHIDA) 0 mês (es) 110 ano (s) 2 L400, L401,

Leia mais

Reunião do Comitê da Saúde. 8 de novembro de 2011

Reunião do Comitê da Saúde. 8 de novembro de 2011 Reunião do Comitê da Saúde 8 de novembro de 2011 ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA NO SUS Em 1998 foi publicada a Portaria GM/MS 3.916, que estabeleceu a POLÍTICA NACIONAL DE MEDICAMENTOS (PNM) como parte essencial

Leia mais

"As Ciências da Vida no Brasil e as Oportunidades de Integração no Mercosul"

As Ciências da Vida no Brasil e as Oportunidades de Integração no Mercosul Ministério da Saúde Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos "As Ciências da Vida no Brasil e as Oportunidades de Integração no Mercosul" KELLEN SANTOS REZENDE Diretora Substituta do Departamento

Leia mais

Atuação do BNDES no Apoio à Indústria de Equipamentos e Tecnologias para Saúde. Inova Saúde Equipamentos Médicos

Atuação do BNDES no Apoio à Indústria de Equipamentos e Tecnologias para Saúde. Inova Saúde Equipamentos Médicos Atuação do BNDES no Apoio à Indústria de Equipamentos e Tecnologias para Saúde Inova Saúde Equipamentos Médicos Agenda Diagnóstico da Indústria * - Condicionantes e tendências da demanda por saúde - Estrutura

Leia mais

Governo do Estado do Piauí Secretaria de Administração SEAD Diretoria de Licitações e Contratos Administrativos DLCA

Governo do Estado do Piauí Secretaria de Administração SEAD Diretoria de Licitações e Contratos Administrativos DLCA EXTRATO PARCIAL DE REGISTRO GERAL Nº XIV/2012 DLCA/SEAD/PI REF. PROCESSO ADMINISTRATIVO 000.6196/11-72 DLCA/SEAD/PI MODALIDADE: PREGÃO SOB FORMA ELETRÔNICO Nº. 005/2012 DLCA/SEAD/PI Objeto: REGISTRO PARA

Leia mais

QUEM SOMOS. O Instituto Vital Brazil é um dos laboratórios oficiais existentes no Brasil, criado pelo cientista Vital Brazil Mineiro da Campanha.

QUEM SOMOS. O Instituto Vital Brazil é um dos laboratórios oficiais existentes no Brasil, criado pelo cientista Vital Brazil Mineiro da Campanha. QUEM SOMOS O Instituto Vital Brazil é um dos laboratórios oficiais existentes no Brasil, criado pelo cientista Vital Brazil Mineiro da Campanha. Atende ao setor público, com a produção de soros (antipeçonhentos,

Leia mais

Parcerias para o Desenvolvimento Produtivo

Parcerias para o Desenvolvimento Produtivo 10ª Reunião do Grupo Executivo do Complexo Industrial da Saúde GECIS (Extraordinária) Parcerias para o Desenvolvimento Produtivo Ministério da Saúde Brasília, 30 de setembro de 2015 PARCERIAS PARA O DESENVOLVIMENTO

Leia mais

DOENÇAS E AGRAVOS TRATADOS PELO COMPONENTE ESPECIALIZADO DA ASSISTÊNCIA FARMCACÊUTICA (Grupos 1 e 2) [?]

DOENÇAS E AGRAVOS TRATADOS PELO COMPONENTE ESPECIALIZADO DA ASSISTÊNCIA FARMCACÊUTICA (Grupos 1 e 2) [?] Acne Doença de Paget - Osteíte Deformante Hemangioma Profilaxia da Reinfecção pelo Vírus da Hepatite B Pós-Transplante Hepático Acromegalia Doença de Parkinson Hepatite Autoimune Psoríase Anemia Aplástica

Leia mais

LISTA DE MEDICAMENTOS POR INDICAÇÃO RÓTULOS DE LINHA

LISTA DE MEDICAMENTOS POR INDICAÇÃO RÓTULOS DE LINHA B160 - Hepatite aguda B com agente delta (co-infecção), com coma hepático B162 - Hepatite aguda B sem agente delta, com coma hepático B171 - Hepatite aguda C B180 - Hepatite viral crônica B com agente

Leia mais

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DE SANTO ANDRÉ

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DE SANTO ANDRÉ ANEXO I EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO N 008/2014 PARA CREDENCIAMENTO DE HOSPITAIS E CLÍNICAS HABILITADOS PARA A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ALTA COMPLEXIDADE, ASSIM COMPREENDIDOS OS CENTROS DE INFUSÃO DE IMUNOBIOLÓGICOS;

Leia mais

PORTARIA Nº 1.318, DE 23 DE JULHO DE 2002 DOU 24 JUL 02

PORTARIA Nº 1.318, DE 23 DE JULHO DE 2002 DOU 24 JUL 02 PORTARIA Nº 1.318, DE 23 DE JULHO DE 22 DOU 24 JUL 02 O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições legais, Considerando o Artigo 3º da Lei nº 10.147, de 21 de dezembro de 20, que estabelece

Leia mais

O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições legais, considerando:

O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições legais, considerando: PORTARIA Nº 3.432/MS/GM, DE 12 DE AGOSTO DE 1998 O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições legais, considerando: a importância na assistência das unidades que realizam tratamento intensivo

Leia mais

DIREÇÃO REGIONAL DE SAÚDE I NGA 55 CENTRO RUA CONSELHEIRO CRISPINIANO Nº 20 - TELEFONE 3255.1448

DIREÇÃO REGIONAL DE SAÚDE I NGA 55 CENTRO RUA CONSELHEIRO CRISPINIANO Nº 20 - TELEFONE 3255.1448 1 DIREÇÃO REGIONAL DE SAÚDE I CAPITAL NGA 55 CENTRO RUA CONSELHEIRO CRISPINIANO Nº 20 - TELEFONE 3255.1448 UNIDADE DE DISTRIBUIÇÃO DE MEDICAMENTOS PARA INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA E TRANSPLANTES AZATIOPRINA

Leia mais

Implementación e Impacto de las Listas Nacionales de Medicamentos Esenciales Experiencias en Países Seleccionados de la Región - BRASIL

Implementación e Impacto de las Listas Nacionales de Medicamentos Esenciales Experiencias en Países Seleccionados de la Región - BRASIL Implementación e Impacto de las Listas Nacionales de Medicamentos Esenciales Experiencias en Países Seleccionados de la Región - BRASIL Lima, Perú 27 noviembre de 2007 Sistema Único de Saúde - SUS Estabelecido

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR GABINETE DO MINISTRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR GABINETE DO MINISTRO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR GABINETE DO MINISTRO PORTARIA N.º 279, DE 18 DE NOVEMBRO DE 2011. (com alterações posteriores) Dispõe sobre o Regime de Origem para Compras

Leia mais

DOENÇAS E AGRAVOS TRATADOS PELO COMPONENTE ESPECIALIZADO DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA (Grupos 1 e 2)* [?]

DOENÇAS E AGRAVOS TRATADOS PELO COMPONENTE ESPECIALIZADO DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA (Grupos 1 e 2)* [?] MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INSUMOS ESTRATÉGICOS Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos Coordenação Geral do Componente Especializado da Assistência

Leia mais

Vacina contra o HPV Prevenção contra câncer de colo do útero no SUS e inovação tecnológica para o Brasil

Vacina contra o HPV Prevenção contra câncer de colo do útero no SUS e inovação tecnológica para o Brasil Vacina contra o HPV Prevenção contra câncer de colo do útero no SUS e inovação tecnológica para o Brasil Papilomavírus (HPV) O HPV é um vírus capaz de infectar a pele ou as mucosas e possui mais de 100

Leia mais

LISTA DE MEDICAMENTOS DISPONIBILIZADOS PELO SUS

LISTA DE MEDICAMENTOS DISPONIBILIZADOS PELO SUS Prefeitura Municipal de Florianópolis Secretaria Municipal de Saúde Diretoria de Atenção Primária à Saúde Gerência de Assistência Farmacêutica LISTA DE MEDICAMENTOS DISPONIBILIZADOS PELO SUS 1. MEDICAMENTOS

Leia mais

Decreto do Estado do Amapá nº 3.887 de 16.09.2010 (DOE-AP 16/09/2010)

Decreto do Estado do Amapá nº 3.887 de 16.09.2010 (DOE-AP 16/09/2010) Decreto do Estado do Amapá nº 3.887 de 16.09.2010 (DOE-AP 16/09/2010) Altera o Decreto nº 0141, de 15 de janeiro de 2009, que dispõe sobre a concessão de isenção do ICMS nas operações com fármacos e medicamentos

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA GOVERNADORIA

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA GOVERNADORIA DECRETO Nº 11626, DE 13 DE MAIO DE 2005 PUBLICADO NO DOE Nº 0274, DE 25.05.05 ERRATA PUBLICADA NO DOE Nº 0299, DE 30.06.05 Prorroga a data de pagamento do ICMS a vencer nos períodos que especifica e dispõe

Leia mais

Audiência Pública Comissão de Defesa do Consumidor Medical Devices EQUIPAMENTOS E MATERIAIS DE USO EM SAÚDE (PRODUTOS PARA A SAÚDE)

Audiência Pública Comissão de Defesa do Consumidor Medical Devices EQUIPAMENTOS E MATERIAIS DE USO EM SAÚDE (PRODUTOS PARA A SAÚDE) Audiência Pública Comissão de Defesa do Consumidor Medical Devices EQUIPAMENTOS E MATERIAIS DE USO EM SAÚDE (PRODUTOS PARA A SAÚDE) 17 de dezembro de 2013 O Brasil é o único país com mais de 100 milhões

Leia mais

Biotecnologia e medicina. Denise Machado

Biotecnologia e medicina. Denise Machado Biotecnologia e medicina Denise Machado Biotecnologia 325 milhões de pessoas no mundo fazem uso de 130 drogas ou vacinas produzidas pelas técnicas da biotecnologia. 70% de tais drogas ou vacinas foram

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 2.918, DE 9 DE JUNHO DE 1998.

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 2.918, DE 9 DE JUNHO DE 1998. MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 2.918, DE 9 DE JUNHO DE 1998. O Ministro de Estado da Saúde no uso de suas atribuições, considerando: - a importância na assistência das unidades que

Leia mais

Consumo de medicamentos em patologias seleccionadas

Consumo de medicamentos em patologias seleccionadas MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO Consumo de medicamentos em patologias seleccionadas O objectivo do presente estudo, produzido com contributos dos Gabinetes do Ministro da Saúde e do Secretário

Leia mais

VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. HIV

VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. HIV Instituto Federal de Santa Catarina Curso Técnico em Biotecnologia Unidade Curricular: Microbiologia VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. Prof. Leandro Parussolo O que é um retrovírus? É qualquer vírus que possui o

Leia mais

DECRETO Nº 3.365. Alteração 122ª A denominação do Capítulo VIII do Título III e os artigos 309 e 310 passam a vigorar com a seguinte redação:

DECRETO Nº 3.365. Alteração 122ª A denominação do Capítulo VIII do Título III e os artigos 309 e 310 passam a vigorar com a seguinte redação: DECRETO Nº 3.365 O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARANÁ, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, inciso V, da Constituição Estadual, e considerando os Ajustes SINIEF e Convênios ICMS celebrados e Protocolos

Leia mais

CAFE - Farmácia do Componente Especializado - SES/MS L ISTA DE MEDICAMENTOS DO CEAF PORTARIA GM /MS 1554/13

CAFE - Farmácia do Componente Especializado - SES/MS L ISTA DE MEDICAMENTOS DO CEAF PORTARIA GM /MS 1554/13 indesrição ont ID PERITIDOS QTD AX IDADE Abatacepte 250mg injetável 050, 053, 058, 060, 068, 080 5 0 130 Acetazolamida 250 mg H401,H402, H403, H404, H405, H406, H408, Q150 124 0 130 Acitretina 10 mg (por

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR GABINETE DO MINISTRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR GABINETE DO MINISTRO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR GABINETE DO MINISTRO Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União. PORTARIA N.º 279, DE 18 DE NOVEMBRO DE 2011. (atualizada

Leia mais

Governador Geraldo Alckmin entrega o maior laboratório destinado a pesquisas sobre o câncer da América Latina

Governador Geraldo Alckmin entrega o maior laboratório destinado a pesquisas sobre o câncer da América Latina MATEC ENGENHARIA ENTREGA O MAIOR LABORATORIO PARA PESQUISA DE CÂNCER DA AMÉRICA LATINA Qui, 14/04/11-11h00 SP ganha maior laboratório para pesquisa de câncer da América Latina Instituto do Câncer também

Leia mais

Sistemas de Alimentação de Emergência

Sistemas de Alimentação de Emergência SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE Grupo Técnico de Edificações Sistemas de Alimentação de Emergência Recebimento, Operação e Manutenção Eng. Marco Silva Balthazar Normas Aplicáveis RDC 50 NBR 5410 Instalações

Leia mais

2. Nosso Número: (número da Requisição gerada no sistema Atlas)

2. Nosso Número: (número da Requisição gerada no sistema Atlas) 1. Função no Projeto: Analista de Projetos (Sênior) TERMO DE REFERÊNCIA Contrato por Produto - Nacional 2. Nosso Número: (número da Requisição gerada no sistema Atlas) 3. Antecedentes: O Projeto de estruturação

Leia mais

EMPRESA BRASILEIRA DE SERVIÇOS HOSPITALARES

EMPRESA BRASILEIRA DE SERVIÇOS HOSPITALARES EMPRESA BRASILEIRA DE SERVIÇOS HOSPITALARES GARIBALDI JOSÉ CORDEIRO DE ALBUQUERQUE Diretor de Logística e Infraestrutura Hospitalar LEI N o 12.550, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2011 Caráter público Art. 1 o Fica

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa DECRETO Nº 47.496, DE 21 DE OUTUBRO DE 2010. (publicado no DOE nº 200, de 22 de outubro de 2010) Modifica o Regulamento

Leia mais

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA. Conceito: Forma tradicional de utilização da Epidemiologia nos serviços de saúde.

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA. Conceito: Forma tradicional de utilização da Epidemiologia nos serviços de saúde. VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Conceito: Forma tradicional de utilização da Epidemiologia nos serviços de saúde. Vigilância: (1) Observação de pessoas (2) Observação de doenças ou danos à saúde - VE Com vistas

Leia mais

Perspectivas para a indústria farmacêutica brasileira, seus investimentos e suas pesquisas. Ministério da Saúde Brasília, 12 de agosto de 2015

Perspectivas para a indústria farmacêutica brasileira, seus investimentos e suas pesquisas. Ministério da Saúde Brasília, 12 de agosto de 2015 Perspectivas para a indústria farmacêutica brasileira, seus investimentos e suas pesquisas Ministério da Saúde Brasília, 12 de agosto de 2015 POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA Define a assistência

Leia mais

Prefeitura Municipal de Florianópolis Secretaria Municipal de Saúde Diretoria de Atenção Primária à Saúde Gerência de Assistência Farmacêutica

Prefeitura Municipal de Florianópolis Secretaria Municipal de Saúde Diretoria de Atenção Primária à Saúde Gerência de Assistência Farmacêutica Prefeitura Municipal de Florianópolis Secretaria Municipal de Saúde Diretoria de Atenção Primária à Saúde Gerência de Assistência Farmacêutica RELAÇÃO MUNICIPAL DE MEDICAMENTOS ESSENCIAIS (ATUALIZADO EM

Leia mais

Forma Organização: 02 - Agentes Quelantes de Ferro

Forma Organização: 02 - Agentes Quelantes de Ferro Ministério da Saúde - MS Tabela de Procedimentos, Medicamentos, Órteses, Próteses e Materiais Especiais do SUS Portaria GM/MS nº 2.981/2009 - Componente Especializado da Assistência Farmacêutica Medicamento

Leia mais

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA NO SUS Claudia Witzel

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA NO SUS Claudia Witzel ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA NO SUS Claudia Witzel CICLO DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA O Ciclo da Assistência Farmacêutica compreende um sistema integrado de técnicas, científicas e operacionais SELEÇÃO DE MEDICAMENTOS

Leia mais

Plano Brasil Maior 2011/2014

Plano Brasil Maior 2011/2014 Plano Brasil Maior 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Agenda Tecnológica Setorial ATS 18 de junho de 2013 Sumário PBM e CIS Objetivo da ATS Focos das ATS Roteiro Metodologia para Seleção

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ

MINISTÉRIO DA SAÚDE FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ MINISTÉRIO DA SAÚDE FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ Cristiane Quental Analista de C&T da Fiocruz 17/outubro/2006 FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ Conselho Deliberativo Congresso Interno Presidência Chefe de Gabinete Comité

Leia mais

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Manual das ações programáticas 1 M o d e l o S a ú d e T o d o D i a PROGRAMA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DE AGRAVOS TRANSMISSÍVEIS INDICE INTRODUÇÃO... 5 FLUXOGRAMA DO ENVIO

Leia mais

Serviços de Saúde no Brasil e Articulação com a Indústria. José Carvalho de Noronha Secretário de Atenção à Saúde Ministério da Saúde

Serviços de Saúde no Brasil e Articulação com a Indústria. José Carvalho de Noronha Secretário de Atenção à Saúde Ministério da Saúde Serviços de Saúde no Brasil e Articulação com a Indústria José Carvalho de Noronha Secretário de Atenção à Saúde Ministério da Saúde Gastos em Saúde, Brasil, 2006 Gastos em Saúde, Brasil, 2006 (milhões

Leia mais

FINEP. Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação. Seminário Complexo Industrial da Saúde

FINEP. Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação. Seminário Complexo Industrial da Saúde FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Seminário Complexo Industrial da Saúde Painel 3: Estímulo à Inovação, Pesquisa e Desenvolvimento São Paulo SP 01.03.2010 Sobre a

Leia mais

LINHA DE CUIDADOS DE SAÚDE EM ONCOLOGIA

LINHA DE CUIDADOS DE SAÚDE EM ONCOLOGIA SAÚDE EM DIA O Programa Saúde em Dia consiste em linhas de cuidados integrais, com foco na patologia e na especialidade médica, direcionados a melhoria da saúde dos beneficiários de planos de saúde empresariais.

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: : PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional:Técnico em enfermagem Qualificação:

Leia mais

Engenharia Biomédica. Profissão do Presente e do Futuro

Engenharia Biomédica. Profissão do Presente e do Futuro Engenharia Biomédica Profissão do Presente e do Futuro Formada por 7 campi Campus Barueri Campus Santana Campus Monte alegre Campus Ipiranga Campus Sorocaba Campus Marques de Paranaguá O que é engenharia?

Leia mais

ANEXO CCXXVI *Atualizado até o Dec,14.302, de 03/09/2010 Vigência até 21 de julho de 2002 (Dec. nº 10.887/02, art. 5º) Cód.

ANEXO CCXXVI *Atualizado até o Dec,14.302, de 03/09/2010 Vigência até 21 de julho de 2002 (Dec. nº 10.887/02, art. 5º) Cód. Cód. NBM/SH ANEXO CCXXVI (Art. 1.370 do RICMS) *Atualizado até o Dec,14.302, de 03/09/2010 Vigência até 21 de julho de 2002 (Dec. nº 10.887/02, art. 5º) MATERIAL 3006.10.19 Fio de nylon 8.0 3006.10.19

Leia mais

EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL

EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL ISSN 1677-7069 Ano CL 175 Brasília - DF, terça-feira, 10 de setembro de 201. Sumário PÁGINA Presidência da República... 1 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento... 8 Ministério da Ciência,

Leia mais

Antineoplásicos de uso oral

Antineoplásicos de uso oral Antineoplásicos de uso oral ABIRATERONA, ACETATO DE Metastático resistente à castraçăo em homens que receberam quimioterapia prévia ANASTROZOL Principais indicações por medicamento Adjuvante na pós-menopausa

Leia mais

RELAÇÃO DE MEDICAMENTOS PARA A REDE BÁSICA E ESPECIALIDADES - LISTA A, LISTA B, LISTA C FEVEREIRO/2015

RELAÇÃO DE MEDICAMENTOS PARA A REDE BÁSICA E ESPECIALIDADES - LISTA A, LISTA B, LISTA C FEVEREIRO/2015 RELAÇÃO MEICAMENTOS PARA A RE BÁSICA E ESPECIALIAS - LISTA A, LISTA B, LISTA C FEVEREIRO/2015 RELAÇÃO MEICAMENTOS RE BÁSICA LISTA A - ISPENSAÇÃO GERAL Tipo de ispensação: - ispensado em todas as unidades

Leia mais

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Financiamento para Inovação em Saúde Seminário sobre o Complexo Econômico-Industrial da Saúde Política Industrial para o Complexo

Leia mais

Despesa Hospitalar com Medicamentos Abrangidos

Despesa Hospitalar com Medicamentos Abrangidos Observatório do Medicamento e Produtos de Saúde Direcção de Economia do Medicamento e Produtos de Saúde Despesa Hospitalar com Medicamentos Abrangidos pelos Regimes Especiais de Comparticipação 2004-2005

Leia mais

MEDICAMENTOS DISPONIBILIZADOS GRATUITAMENTE NA REDE DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS

MEDICAMENTOS DISPONIBILIZADOS GRATUITAMENTE NA REDE DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INSUMOS ESTRATÉGICOS DEPARTAMENTO DE ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA MEDICAMENTOS DISPONIBILIZADOS GRATUITAMENTE NA REDE DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS Brasília

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE DEPARTAMENTO DE SISTEMAS E REDES ASSISTENCIAIS ANEXO I

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE DEPARTAMENTO DE SISTEMAS E REDES ASSISTENCIAIS ANEXO I MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE DEPARTAMENTO DE SISTEMAS E REDES ASSISTENCIAIS ANEXO I DE ACORDO COM O ESTABELECIDO PELA PORTARIA Nº 3432 /GM/MS, DE 12 DE AGOSTO DE 1998, REFERENTE

Leia mais

EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL

EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL Nº 228, segunda-feira, 30 de novembro de 2009 1 725 ISSN 1676-2339. Ministério da Saúde GABINETE DO MINISTRO PORTARIA INTERMINISTERIAL N o - 2.996, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2009 Prorroga, até o mês de junho

Leia mais

Inovação biomédica e políticas públicas: o desenvolvimento de testes para diagnóstico de HIV e hepatites virais no Brasil

Inovação biomédica e políticas públicas: o desenvolvimento de testes para diagnóstico de HIV e hepatites virais no Brasil Inovação biomédica e políticas públicas: o desenvolvimento de testes para diagnóstico de HIV e hepatites virais no Brasil Koichi Kameda Doutorando CERMES3-EHESS / IMS-UERJ Mercado de teste diagnóstico

Leia mais

NÚCLEO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR

NÚCLEO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR NÚCLEO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR Enfª Dda. Verginia Rossato Enfª Danieli Bandeira Santa Maria, 2012 Portaria GM/MS nº 2529, de 23 de novembro de 2004 Institui o Subsistema Nacional de Vigilância

Leia mais

Check-list Procedimentos de Segurança

Check-list Procedimentos de Segurança Check-list Procedimentos de Segurança 1. Cultura de Segurança 1.1 1.2 Existe um elemento definido como responsável pelas questões da segurança do doente Promove o trabalho em equipa multidisciplinar na

Leia mais

Dimensão Segurança do Doente. Check-list Procedimentos de Segurança

Dimensão Segurança do Doente. Check-list Procedimentos de Segurança 1. 1.1 1.2 Cultura de Segurança Existe um elemento(s) definido(s) com responsabilidade atribuída para a segurança do doente Promove o trabalho em equipa multidisciplinar na implementação de processos relativos

Leia mais

Assistência Farmacêutica no SUS

Assistência Farmacêutica no SUS Assistência Farmacêutica no SUS CEMEPAR Centro de Medicamentos do Paraná Setembro/2012 ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA Engloba um conjunto de ações voltadas à promoção, proteção e recuperação da saúde, tanto

Leia mais

Os grupos de risco que constam da Norma nº 009/2015 de 01/06/2015, são agora atualizados (Quadro I), ficando a Norma n.º 009/2015 revogada.

Os grupos de risco que constam da Norma nº 009/2015 de 01/06/2015, são agora atualizados (Quadro I), ficando a Norma n.º 009/2015 revogada. NÚMERO: 011/2015 DATA: 23/06/2015 ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: Vacinação contra infeções por Streptococcus pneumoniae de grupos com risco acrescido para doença invasiva pneumocócica (DIP).

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL Das Atribuições dos Profissionais dos Recursos Humanos Atribuições comuns a todos os profissionais que integram a equipe: Conhecer a realidade das famílias pelas

Leia mais

DECRETO Nº 10.985, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2002.

DECRETO Nº 10.985, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2002. DECRETO Nº 10.985, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2002. Concede e prorroga benefícios fiscais e altera dispositivos dos Decretos nºs 9.732, de 13 de junho de 1997, 9.086, de 30 de dezembro de 1993, 9.740, de 27

Leia mais

ANEXO. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 4ª etapa do curso

ANEXO. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 4ª etapa do curso ANEXO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 4ª etapa do curso Células e Tecidos do Sistema Imune Anatomia do sistema linfático Inflamação aguda e crônica Mecanismos de agressão por

Leia mais

PPSUS Programa Pesquisa para o SUS São Paulo. Maritsa C. de Bortoli

PPSUS Programa Pesquisa para o SUS São Paulo. Maritsa C. de Bortoli PPSUS Programa Pesquisa para o SUS São Paulo Maritsa C. de Bortoli PPSUS O que é? Iniciativa de Fomento Descentralizado à Pesquisa em Saúde do Ministério da Saúde (MS) Decit. Objetivo Financiar pesquisas

Leia mais

Tecnologias em Saúde no Sistema Único de Saúde

Tecnologias em Saúde no Sistema Único de Saúde Avaliação e Incorporação de Tecnologias em Saúde no Sistema Único de Saúde Flávia T S Elias Coordenadora de Avaliação de Tecnologias em Saúde Departamento de Ciência e Tecnologia DECIT Secretaria de Ciência,

Leia mais

ABRANGÊNCIA DO PLANO EMPRESARIAL HOSPITALAR COM/SEM OBSTETRÍCIA:

ABRANGÊNCIA DO PLANO EMPRESARIAL HOSPITALAR COM/SEM OBSTETRÍCIA: C o b e r t u r a C o n t r a t u a l ABRANGÊNCIA DO PLANO EMPRESARIAL HOSPITALAR COM/SEM OBSTETRÍCIA: -ATENDIMENTO 24 horas; I - AS CONSULTAS DE URGÊNCIA serão realizadas com médico plantonista no HOSPITAL

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA No- 3, DE 21 DE JUNHO DE 2011

INSTRUÇÃO NORMATIVA No- 3, DE 21 DE JUNHO DE 2011 INSTRUÇÃO NORMATIVA No- 3, DE 21 DE JUNHO DE 2011 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso das atribuições que lhe conferem o art. 11, inciso IV, do Regulamento da Anvisa,

Leia mais

Política de financiamento a pesquisa e inovação do Ministério da Saúde

Política de financiamento a pesquisa e inovação do Ministério da Saúde Política de financiamento a pesquisa e inovação do Ministério da Saúde Antonio Carlos Campos de Carvalho Diretor do Departamento de Ciência e Tecnologia do Ministério da Saúde Rio de Janeiro, 17 de dezembro

Leia mais

Tainá Olivieri Física Médica - UFRJ Supervisora de Proteção Radiológica em Medicina Nuclear CNEN Especialista em Radiodiagnóstico - ABFM Mestre em

Tainá Olivieri Física Médica - UFRJ Supervisora de Proteção Radiológica em Medicina Nuclear CNEN Especialista em Radiodiagnóstico - ABFM Mestre em Tainá Olivieri Física Médica - UFRJ Supervisora de Proteção Radiológica em Medicina Nuclear CNEN Especialista em Radiodiagnóstico - ABFM Mestre em Radioproteção em Dosimetria IRD/CNEN Quem é o (sico médico?

Leia mais