UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DA TERRA E DO MAR CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DA TERRA E DO MAR CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DA TERRA E DO MAR CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ESTUDO DO POTENCIAL INTERATIVO DA TV DIGITAL PARA APLICAÇÕES EDUCACIONAIS Área de Informática na Educação por Geraldo Francisco Sabel André Luis Alice Raabe, Dr. Orientador Mathias Weber, Bel. Co-orientador Itajaí (SC), novembro de 2009

2 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DA TERRA E DO MAR CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ESTUDO DO POTENCIAL INTERATIVO DA TV DIGITAL PARA APLICAÇÕES EDUCACIONAIS Área de Informática na Educação por Geraldo Francisco Sabel Relatório apresentado à Banca Examinadora do Trabalho de Conclusão do Curso de Ciência da Computação para análise e aprovação. Orientador: André Luis Alice Raabe, Dr. Itajaí (SC), novembro de 2009

3 SUMÁRIO LISTA DE ABREVIATURAS...iv LISTA DE FIGURAS...v LISTA DE TABELAS...vi RESUMO...vii ABSTRACT...viii 1 INTRODUÇÃO PROBLEMATIZAÇÃO Formulação do Problema Solução Proposta OBJETIVOS Objetivo Geral Objetivos Específicos METODOLOGIA ESTRUTURA DO TRABALHO FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA TV DIGITAL Histórico Tecnologia TV Digital e a Educação Padrões Middlewares e ferramentas de desenvolvimento Análise comparativa das ferramentas de desenvolvimento Java TV XLet Aplicações Interatividade O controle remoto Aplicações móveis Padrão e plataforma para desenvolvimento do projeto PROJETO ANÁLISE DESENVOLVIMENTO Emissora TVQI CONJECTURAS SOBRE O POTENCIAL INTERATIVO DA TV DIGITAL PARA APLICAÇÕES EDUCACIONAIS CONCLUSÕES...58 ii

4 4.1 CONCLUSÃO DOS OBJETIVOS REVISÃO GERAL DO TRABALHO SUGESTÕES DE TRABALHOS FUTUROS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...60 A Modelagem do Sistema...63 A.1 DIAGRAMA DE SEQUÊNCIA iii

5 LISTA DE ABREVIATURAS API ARIB ATSC BML DASE DiBEG DMB DVB-T ELG EPG ESG FCC GSM HD HDTV IPDC ISDB-T MHP NTDI RCT SBTVD SI TCC TV TVDI UFSC UNIVALI URD XML Application Programming Interface Association of Radio Industries and Business Advanced Telivision Systems Committee Broadcast Markup Language Digital TV Application Software Environment Digital Broadcasting Experts Group Digital Multimedia Broadcast Digital Video Broadcasting Terrestrial European Launching Group Electronic Program Guide Eletronic Service Guide Federal Communications Commission Global System for Mobile communications Hard Disk High Definition TeleVision Internet Protocol Datacasting Integrated Services Digital Broadcasting Terrestrial Multimedia Home Plataform Núcleo de Televisão Digital Interativa Return Channel Terrestrial Sistema Brasileiro de TV Digital Service Information Trabalho de Conclusão de Curso Televisão Televisão Digital Interativa Universidade Federal de Santa Catarina Universidade do Vale do Itajaí Unidade Receptora-Decodificadora Extensible Markup Language iv

6 LISTA DE FIGURAS Figura 1. Captação do sinal digital e conversão do sinal para a TV analógica...10 Figura 2. Modelo de blocos do DASE...18 Figura 3. Arquitetura set-top-box utilizando arquitetura JAVA...24 Figura 4. Ciclo de vida Xlet...26 Figura 5. Aplicação SOS Teacher Figura 6. Consulta a enciclopédia virtual via TVDI Figura 7. Questão do programa sobre teste de depressão...31 Figura 8. Pontuação registra no programa sobre teste de depressão...32 Figura 9. Informando altura no aplicativo de obesidade...33 Figura 10. Informação do peso máximo do telespectador...33 Figura 11. Controle remoto...34 Figura 12. Tarefas do desafio lógico...38 Figura 13. Requisitos funcionais...39 Figura 14. Requisitos não funcionais...39 Figura 15. Regras de negócio...40 Figura 16. Modelo de classes...41 Figura 17. Casos de Uso do Usuário...42 Figura 18. Casos de Uso da Aplicação...43 Figura 19. Casos de Uso da Emissora...44 Figura 20. Sintonizador de Canal...47 Figura 21. [TVQI] Tela inicial de login...48 Figura 22. [TVQI] Menu principal...49 Figura 23. [TVQI] Tarefas da aplicação...50 Figura 24. [TVQI] Fim de Rodada...51 Figura 25. [TVQI] Fim do desafio...52 Figura 26. [TVQI] Problema na conexão com a emissora...53 Figura 27. [TVQI] Problema na conexão com a emissora...54 Figura 28. Diagrama de Sequência [Autenticar]...63 Figura 29. Diagrama de Sequência [Selecionar Tarefa]...64 Figura 30. Diagrama de Sequência [Consultar Ranking]...65 v

7 LISTA DE TABELAS Tabela 1. Análise comparativa das ferramentas de desenvolvimento (padrão/middleware) Tabela 2. Classificação de modalidades de software por nível de interatividade vi

8 RESUMO SABEL, Geraldo Francisco. Estudo do potencial interativo da TV Digital para aplicações educacionais. Itajaí, Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Ciência da Computação) Centro de Ciências Tecnológicas da Terra e do Mar, Universidade do Vale do Itajaí, Itajaí, Hoje a televisão é um grande meio de comunicação no Brasil. Com a implantação da TV Digital uma nova programação tende a ser exibida, com isto, um novo meio educacional pode ser criado. Alguns padrões de TV Digital já se encontram consolidados pelo mundo, como o padrão americano de TV Digital (ATSC), o padrão japonês (ISDB) e o padrão europeu (DVB). O Sistema Brasileiro de TV Digital (SBTVD) ainda está sendo desenvolvido, com base no padrão japonês. Cada padrão tem suas particularidades em relação ao desenvolvimento de aplicativos. Este projeto trata-se de um aplicativo desenvolvido que explora a interatividade que a TV Digital oferece, abrangendo informações que possibilitam avaliar o potencial desta interatividade para aplicações educacionais. O aplicativo proposto neste projeto foi planejado para ser desenvolvido no padrão DVB, utilizando a linguagem JAVA com a API JAVATV. Esta escolha foi feita tendo em vista que o suporte para JAVATV do SBTVD ainda não está totalmente implementado. A aplicação trata-se de um teste de inteligência onde o usuário informa, dentre algumas opções de imagens, qual pertence a outro grupo de imagens exibido. O sistema utiliza o maior nível de interatividade disponível (nível 3), contendo a troca de informações entre aplicativo e emissora. A interação do usuário com o sistema é realizada via controle remoto. Palavras-chave: TV Digital. Interatividade. Informática na educação. vii

9 ABSTRACT This project it is about an application developed that exploits the interactivity that the Digital TV offers, including information that enables to evaluate the potential of interactivity to educational applications. Today television is a great means of communication in Brazil, with the introduction of a new Digital TV programming tends to be displayed, with this a new educational environment can be created. Some Digital TV standards are already bound by the world as American Standard Digital TV (ATSC), the Japanese standard (ISDB) and the European standard (DVB), the Brazilian System of Digital TV (SBTVD) is still being developed, based on the standard Japanese. Each pattern has its peculiarities in relation to application development. The application proposed for this project was planned to be developed in the DVB standard, using the Java language with the API Java TV. This choice was made considering that the support for Java TV SBTVD is not yet fully implemented. The application it is about a test of intelligence where the User reports out some options for images which belongs to another group of images displayed. The system uses the highest level of interactivity available (level 3), containing the information exchange between application and station, the user interaction with the system is performed via remote control. Keywords: Digital TV. Interactivity. Informatics in Education. viii

10 1 INTRODUÇÃO Atualmente a televisão se encontra nos lares da grande maioria dos brasileiros, independente de classe social, faixa etária e região, parte desta grande massa utiliza a televisão como o principal meio de comunicação. A televisão sempre foi um dispositivo de comunicação unidirecional, disponibilizando somente um conjunto de informações pré-definidas aos seus telespectadores (SIVARAMAN, 2001 apud ANDREATA, 2006). Este modelo atual da televisão brasileira é denominada TV analógica que está sendo utilizada a mais de 50 anos e, até então, nunca houve grandes mudanças. Ela transmite seu conteúdo em vídeo unidirecional, sendo que este vídeo nada mais é do que várias imagens repetitivas sobrepostas, fazendo com que o cérebro humano se iluda e acredite que há movimento na combinação de imagens. Para enganar o cérebro, uma exposição de 15 quadros por segundo, já é o suficiente para que ele identifique a presença de movimento, porém o ideal é o lançamento de 24 quadros por segundo. Na TV analógica, as imagens são formadas nos aparelhos de televisão através do bombardeamento de energia nos átomos de fósforo que, ao serem excitados, emitem luz e depois voltam ao estado normal. Torna-se, então, necessário bombardear os átomos de fósforo com uma freqüência mínima por segundo, de forma que o olho humano não perceba que o átomo de fósforo se apagou (FERNANDES; LEMOS; ELIAS, 2004). Com a necessidade de melhorias na televisão nacional, o Brasil está implantando a TV Digital, que já está padronizada em diversos países. Este novo formato da televisão deve modificar muito o modelo da comunicação atual que a TV possibilita. Dos recursos que devem ser ampliados e dentre os inovados pela TV, o que trará mais benefícios para os telespectadores é a interatividade (FERNANDES; LEMOS; ELIAS, 2004). Com tal interatividade, a televisão terá um aproveitamento muito mais eficiente. Este Trabalho de Conclusão de Curso explora as tecnologias relacionadas à TV Digital além de relatar conceitos e teorias que envolvem este tema, sendo que este é um tema inovador e os trabalhos acadêmicos relacionados ao tema são trabalhos iniciais, não muito aprofundados, com relação utilização a API JAVA TV.

11 A TV Digital contém diversas melhorias em relação à TV analógica, como melhoria de som, imagem e a inclusão de um canal de dados. Tratando-se de imagem, a TV digital incorpora um grande aumento do número de pontos (pixels) por linhas. Hoje a TV analógica possibilita a formação de imagens com resolução de 525 linhas com 600 pixels cada, já as transmissões de TV digital, no formato HDTV (High Definition TeleVision Televisão de Alta Definição), formato atualmente utilizado nos Estados Unidos, possibilita a formação de imagens com resolução de 1080 linhas com 1920 pixels cada. Uma grande melhoria pode ser percebida no som, na TV analógica podem ser transmitidos dois canais de áudio, sendo assim possibilitando um som estéreo, enquanto na TV digital podem ser transmitidos vários canais, possibilitando o efeito surround (5 ou mais caixas acústicas no ambiente (SIVARAMAN, 2001 apud ANDREATA, 2006). Para o desenvolvimento de aplicações para TV Digital existem alguns padrões já adotados em vários países: o ATSC (Advanced Telivision Systems Committee Comitê de Sistemas de Televisão avançado) padrão norte-americano; o DVB-T (Digital Video Broadcasting Terrestrial - Radiodifusão de Vídeo Digital Terrestre) padrão europeu; e o ISDB-T (Integrated Services Digital Broadcasting Terrestrial - Serviços Integrados de Radiodifusão Digital Terrestre) padrão japonês. O padrão ATSC apresenta deficiências tecnológicas importantes em relação à radiodifusão, provocando problemas na recepção em aparelhos fixos localizados em áreas com presença de interferência e em aparelhos portáteis com antena interna. Como na época do desenvolvimento da modulação deste padrão a telefonia móvel ainda não havia adquirido a importância dos dias de hoje, o objetivo principal a ser alcançado era oferta de vídeos em alta definição. Embora tenha ocorrido uma evolução dos receptores que suportam este padrão, a utilização da modulação deste em aparelhos móveis ainda permanece prejudicada (BATISTA, 2005); (BOLAÑO; VIERA, 2004); (FERNANDES; LEMOS; ELIAS, 2004). Segundo (DONZELLI, 2001) no Brasil foram realizados testes com este padrão, que expuseram essas limitações, mostrando a impossibilidade de recepção móvel, e dificuldade de recepção por antenas internas em alguns pontos, principalmente em grandes cidades, levantando diversas críticas contra o padrão norte-americano. Atualmente o consórcio DVB possui mais de 300 membros, inclusive com diversas empresas do setor de informática, que tem dado grande ajuda no desenvolvimento do MHP (Multimedia Home Plataform Plataforma de Multimídia Residencial), a camada de software padrão do DVB, que permite a interação do espectador com as aplicações oferecidas pelo sistema. 2

12 Empresas de telefonia celular contribuíram para o desenvolvimento do RCT (Return Channel Terrestrial Canal de Retorno Terrestre), canal de retorno exclusivo de informações dos espectadores que não prejudica as transmissões, pois utiliza a tecnologia GSM (Global System for Mobile communications Sistema Global para comunicação Móvel), predominante na Europa. (BOLAÑO; VIERA, 2004). O sistema Japonês ISDB é considerado por muitos estudiosos semelhante ao europeu, só que mais avançado (SILVA 2003 apud ANDREATA, 2006). Alguns testes realizados em transmissões metropolitanas no Brasil tiveram bons resultados (DONZELLI, 2001). O sistema adotado pelo Brasil foi o ISDB, padrão japonês, onde possibilitará a transmissão digital simultânea para recepção fixa, móvel e portátil, além da interatividade que a TV Digital oferece (TELECO, 2009). Hoje no Brasil o Middleware aberto do Sistema Brasileiro de TV Digital (SBTVD) é o Ginga, constituído por um conjunto de tecnologias padronizadas e inovações brasileiras que o tornam a especificação de Middleware mais avançada e a melhor solução para os requisitos do país. O Ginga é subdividido em dois subsistemas principais interligados, que permitem o desenvolvimento de aplicações seguindo dois paradigmas de programação diferentes. Dependendo das funcionalidades requeridas no projeto de cada aplicação, um paradigma será mais adequado que o outro. Esses dois subsistemas são chamados de Ginga-J (para aplicações procedurais Java) e Ginga-NCL (para aplicações declarativas NCL). O Ginga é fruto do desenvolvimento de projetos de pesquisa coordenados pelos laboratórios Telemídia da PUC-Rio e LAViD da Universidade Federal da Paraíba. (GINGA, 2009). Porém, as ferramentas para desenvolvimento na plataforma Ginga ainda não estão plenamente consolidadas, e este trabalho identificou e explorou as demais tecnologias existentes a fim de escolher uma para o desenvolvimento de uma aplicação. O uso da TV Digital Interativa, como forma de promover a difusão de conhecimento e redução da exclusão social, impulsiona importantes pesquisas associadas ao cenário brasileiro. Assim, além da transmissão de conteúdo instrutivo, a interatividade agora permite que o telespectador se torne um elemento ativo nesse processo (MONTEIRO et al., 2008). 1.1 PROBLEMATIZAÇÃO 3

13 1.1.1 Formulação do Problema A TV digital é uma evolução do sistema de televisão brasileiro atual, que transmite sinal digital no lugar do sinal analógico, permitindo um aumento na eficiência da transmissão e da recepção do sinal (BOLAÑO; VIERA, 2004). Com a digitalização do sinal nas transmissões, uma grande vantagem para os telespectadores é a melhora na qualidade de som e imagem, além de um canal de retorno que possibilita a interatividade. Esta interatividade abre um leque de oportunidades que ainda não está completamente mapeado e que pode ser de grande utilidade para construção de aplicações de cunho educacional. Adicionalmente, as escolhas a serem feitas por quem deseja construir aplicações para TVDI ainda não são de conhecimento público Solução Proposta Neste trabalho de conclusão de curso foi realizado um estudo de caso de construção de um aplicativo para TV Digital como forma de coletar informações que possibilitem realizar conjecturas acerca do potencial da interatividade que a TV Digital oferece, enfatizando aspectos que são necessários as aplicações de cunho educacional. A solução desenvolvida neste estudo de caso trata-se de uma aplicação de apoio ao desenvolvimento da lógica que pode ser usada em quaisquer cursos ou disciplinas que estejam relacionados ao tema. Não pode ser classificada como um software educacional, porém auxilia no entendimento dos níveis de interatividade, e na forma que estes podem ser melhores utilizados. 1.2 OBJETIVOS Objetivo Geral O objetivo deste projeto foi desenvolver e testar o funcionamento de uma aplicação para a TV digital explorando o recurso da interatividade Objetivos Específicos Identificar a potencialidade da TV digital para o desenvolvimento de aplicações educacionais; 4

14 Descrever as tecnologias relacionadas à TV digital; Descrever as características atuais do mercado e produtos disponíveis para a TV Digital; Selecionar uma plataforma para o desenvolvimento de uma aplicação; Modelar a aplicação na plataforma selecionada; Desenvolver a aplicação na plataforma selecionada; e Testar a aplicação desenvolvida em um ambiente simulado (emulador). 1.3 METODOLOGIA O estudo de caso realizado neste trabalho de conclusão de curso foi dividido em cinco etapas para melhor organizar a execução do projeto de pesquisa e cumprir os objetivos específicos apresentados anteriormente. As etapas foram: (1) estudo, (2) modelagem, (3) desenvolvimento, (4) Testes e (5) documentação. O plano para a execução das atividades contidas nessas etapas é apresentado a seguir, e assumiu uma dedicação média de 15 horas por semana. Etapa 1 (Estudo): Esta etapa teve como foco pesquisar os conceitos necessários para a aquisição do conhecimento sobre TV Digital além de definir o título e o tema da aplicação a ser desenvolvida. Etapa 2 (Modelagem): O foco desta etapa foi especificar todo o funcionamento da aplicação a ser implementada, descrevendo os casos de uso da aplicação, requisitos funcionais e não funcionais, especificando todas as regras de negócios necessárias para o desenvolvimento da aplicação, por fim tendo elaborado o modelo conceitual da aplicação. Etapa 3 (Desenvolvimento): Nesta etapa foi desenvolvida a aplicação de acordo com o modelo conceitual da etapa de modelagem, que será posteriormente testada, simulada e validada. Esta etapa compreendeu principalmente a codificação dos processos descritos no projeto do sistema. Etapa 4 (Testes): Realização dos testes sobre a solução desenvolvida, tentando falseá-la, com o objetivo de eliminar os erros existentes em sua modelagem ou desenvolvimento. Assim como a simulação desta solução no simulador xletview, escolhido para desenvolvimento. Após 5

15 estes testes foi realizada uma discussão acerca do potencial da interatividade que a TV Digital contempla para aplicações educacionais. Etapa 5 (Documentação): Esta etapa teve como foco deixar documentado todo o processo de pesquisa científica, desde a descrição do problema, a proposta da aplicação, o relato dos conceitos pesquisados do sistema analisado do desenvolvimento, dos testes, da validação, da simulação e dos resultados finais, concluindo assim todo o projeto. 1.4 ESTRUTURA DO TRABALHO O Trabalho de Conclusão de Curso está dividido em capítulos, descritos a seguir. Capítulo 1 (Introdução): A introdução deste projeto relata uma breve descrição do que será abordado no projeto, além de um resumo da parte teórica. Também na introdução esta descrita à metodologia do trabalho, onde é possível compreender como está organizada a execução do projeto. Capítulo 2 (Fundamentação Teórica): A fundamentação teórica deste trabalho descreve toda parte conceitual estudada, necessária para o desenvolvimento do projeto, onde se encontra dividida em tópicos, com alguns níveis de sub-tópicos, que descrevem como funciona a TV Digital, os padrões já estabelecidos e outras informações necessárias que possibilitaram a escolha do padrão à ser seguido no desenvolvimento da aplicação. Capítulo 3 (Projeto): Toda análise da aplicação desenvolvida esta documentada no capítulo projeto, dos passos utilizados para o desenvolvimento, até os resultados do estudo realizado sobre a interatividade para aplicações educacionais. Capítulo 4 (Considerações Finais): Considerações levantadas no decorrer do de todo o projeto, além das referencias bibliográficas. 6

16 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA A Televisão (TV) se encontra nos lares de grande parte da população no país, tornando-se assim, o principal meio de comunicação dos brasileiros. Atualmente a TV no Brasil é transmitida analogicamente, sendo um meio de comunicação unidirecional, onde os telespectadores estão interligados a ela de forma passiva e apenas recebem uma massa de informação pré-definida pelo canal sintonizado. A digitalização dos sistemas de televisão já vem ocorrendo em diversos países nos últimos anos, agora o Brasil caminha para esta transição na transmissão do sinal até o telespectador (ANDREATA, 2006). 2.1 TV DIGITAL A TV digital é uma evolução do sistema de televisão brasileiro atual, que transmite sinal digital no lugar do sinal analógico, permitindo um aumento na eficiência da transmissão e da recepção do sinal (BOLAÑO; VIERA, 2004). Com a digitalização do sinal nas transmissões, a vantagem para os telespectadores é melhora na qualidade de som e imagem, e um aumento da utilização da largura de banda, que permite o envio de mais informações do que a TV analógica permite, assim disponibilizando novos recursos. Por exemplo, a interatividade, um recurso inovador, que é disponibilizado pela TV digital. Com a disponibilidade da interatividade, a TV digital permite que o telespectador possa interagir com uma aplicação que é disponibilizada junto com o sinal da transmissão, tal aplicação varia de acordo com o programa de TV, podendo oferecer informações do programa que está no ar, votar em enquetes, enviar mensagens para os apresentadores, etc. A TV digital interativa pode ser definida como um mecanismo que leve a um diálogo entre o apresentador de um programa de TV com os telespectadores do programa. Mesmo que este diálogo seja simples como o envio de uma resposta sobre uma enquete criada pelo programa. A qualidade do sinal pode proporcionar ao telespectador um som mais envolvente e uma imagem com maior resolução, além de possibilitar a exibição de mais de um programa em um mesmo canal.

17 Conforme Crocomo (2007) a interface gráfica talvez seja o início da diferença entre a TV como é conhecida e a TV Digital, porém um dos recursos mais importante, senão o mais importante é a interatividade que a TV Digital proporciona. Ou seja, um grande motivo para implantação de um padrão digital no país é a melhora na qualidade da imagem e som, porém a interatividade é um fator que motiva muito para a troca da tecnologia adotada no país, podendo ser o ponto a trazer mais benefícios ao telespectador Histórico No Brasil, a primeira transmissão televisiva foi realizada em 1939, durante uma feira realizada no Rio de Janeiro. No surgimento da TV toda programação era realizada ao vivo, pois até o momento não havia disponível nenhum meio para armazenamento das imagens, ou seja, tudo que era reproduzido na TV se perdia após a exibição (OLIVEIRA, 2006). Com a necessidade de armazenamento das imagens, principalmente para a captação de imagens externas a estúdios, foi criado o videoteipe. O videoteipe permitiu a saída de campo para a gravação de imagens que possa ser exibida posteriormente a sua gravação. No Brasil o videoteipe foi introduzido na a partir de 1950, no final da década de 1940, Assis Chateaubriand iniciou as negociações com a americana RCA para importar o equipamento da primeira emissora de televisão brasileira, pouca gente sabia o que era essa nova tecnologia (BECKER, 2006). O Videoteipe possibilitou também a edição dos programas, ajudando a evitar erros, que hoje em dia é indispensável, este não foi o principal motivo para criação deste acessório, porém foi o que trouxe mais vantagens para a TV. A multiplicação dos adeptos que a TV que vem obtendo ao longo da sua existência exigiu que esta tecnologia oferecesse melhorias continua, a mais marcante entre elas é quando a TV deixou de ter sua imagem em preto e branco (baseada em tons de cinza) e passou a ter sua imagem colorida. Como a TV analógica é um meio de comunicação incorporado por muitos, e não poderia ficar fora dos avanços que a tecnologia permite. Em 1987, os Estados Unidos deu início aos estudos procurando desenvolver novos conceitos sobre televisão, onde após algumas propostas, em 1995, foi consolidado com o padrão americano de TV Digital o padrão ATSC. 8

18 Atualmente existem três padrões consolidados que exploram o mercado, são eles: o padrão americano ATSC, o padrão japonês ISDB-T e o padrão europeu, DVB-T, que serão detalhados na seção Tecnologia Neste capítulo serão abordados conceitos tecnológicos que complementam o conceito da TV Digital, apontando suas principais características e abordando o seu funcionamento. Também para mostrar a importância da TV Digital algumas das inúmeras possibilidades serão listadas Características A TV Digital é portadora de diversas características que até então não estavam disponíveis na TV analógica, essas novas características trazem um impacto ao telespectador, pois a implantação da TV digital irá gerar a oferta de novos produtos e serviços. Com este novo formato da TV a produção, a edição, o armazenamento e a transmissão de vídeos, ocorrem de forma digital, fazendo com que os telespectadores necessitem de uma unidade receptora capaz de receber os sinais digitais transmitidos pelas emissoras (OLIVEIRA, 2006). As televisões encontradas atualmente em grande parte da população nacional não estão preparadas para interpretar corretamente sinais digitais, necessitando então de um equipamento denominado URD (Unidade Receptora-Decodificadora), também conhecido por Set-top-box. A interatividade é um ponto inovador que tende a ser o grande avanço deste novo padrão de televisão. Esta interatividade possibilita que o telespectador deixe de utilizar sua TV de forma passiva, sendo possível fazer com que o conteúdo apresentado na TV deixe de seguir um fluxo prédefinido pela emissora assistida e passe a ser um conteúdo dirigido. Porém para um nível de interatividade maior a TV Digital necessita um canal de retorno, para que a informação, seja uma resposta ou uma requisição, possa retornar até a sua origem, os níveis de interatividade serão detalhados na seção (FERNANDES; LEMOS; ELIAS, 2004) Funcionamento Como mencionado na seção a produção, a edição, o armazenamento e a transmissão de vídeos neste formato de TV digital, acontecem de forma diferente. No caso do armazenamento 9

19 digital as imagens deixam de ser armazenadas em fitas magnéticas e passa a ser armazenadas em dispositivos de discos rígidos (HD Hard Disk). A transmissão do sinal digital contém uma largura de banda maior, podendo ser transmitidas mais informações simultâneas, além de possibilitar a compressão dos dados, aumentando o desempenho da transmissão (ANDREATA, 2006). Em uma transmissão digital, caso alguma parte da informação não chegue ao destino, certo bloco da programação é perdido. Com isso na TV Digital não contém imagens fantasmas, chuviscos na tela, entre outras interferências. Logo a imagem é totalmente limpa, ou a freqüência fica fora do ar. Para a recepção do sinal digital por aparelhos de TV que não estão adaptados para recebêlos, como mencionado anteriormente é necessário um Set-top-box, que faz a conversão deste sinal para o sinal analógico. Essa conversão acontece nos seguintes passos: a emissora envia o sinal digital, a antena recebe o sinal ainda digital e envia para o Set-top-box que converte em sinal analógico e envia para a TV. Figura 1. Captação do sinal digital e conversão do sinal para a TV analógica Fonte: adaptado de Oliveira

20 Para possibilitar o retorno de informações do telespectador para a origem da transmissão é necessário um canal que os interligue, esse canal pode ser via telefonia celular ou internet. Também é necessário um middleware que faça essa comunicação entre os dispositivos Possibilidades São diversas as possibilidades que a TV digital oferece. Com a interatividade a programação da TV tende a ganhar novas utilidades (RIBEIRO, 2004): Com a possibilidade de respostas a ofertas que são passadas em tela o comércio deve ganhar força com o uso da TV; O guia de programação, com detalhes dos programas e horários, como já existe hoje em TV por assinatura; Notícias interativas durante a transmissão de telejornais, manchetes em texto podem correr horizontalmente na parte inferior da tela, possibilitando ao telespectador selecionar a de sua preferência buscando maiores informações, que são mostradas na tela, enquanto que o programa de notícias continua sendo visto, em uma janela que não ocupa a tela inteira. A programação educacional também pode ganhar muito, por exemplo, os programas de telecursos que existem na TV analógica, podem ser aprimorados com as possibilidades da interatividade. As dúvidas dos alunos podem ser comunicadas e influenciar uma mudança na programação, questionários, jogos e outras tarefas de caráter pedagógico também podem se valer do potencial adicionado pela interatividade. A TV digital tende a prender ainda mais a atenção do telespectador, fazendo com que ele permaneça mais tempo em frente a televisão. Um exemplo que pode refletir esta situação é mencionado por Ribeiro (2004), onde na TV digital, o telespectador vai querer saber mais, e o jornalismo mediador vai ter que ajudá-lo a satisfazer essa necessidade de conhecimento. A reportagem vai ter a mesma duração, mas, com o controle remoto, usando o mesmo aparelho de TV, o usuário vai poder encontrar links que o ajudem a entender melhor o assunto: seja na internet, ou interagindo diretamente com a emissora TV Digital e a Educação 11

21 A aplicação de novas tecnologias para área da educação tem contribuído para tornar o processo de ensino-aprendizagem mais agradável, acessível e eficaz ou mesmo estimulante. Assim, mídias que antes já eram exploradas para o simples entretenimento, passaram a ser utilizadas como um auxílio ao aprendizado, sendo o caso da TV Digital (MONTEIRO et al., 2008). Com o advento da TV Digital, o usuário pode agora interagir com o conteúdo apresentado, permitindo direcionar a exploração desse conteúdo, buscar novas fontes de informação, trocar mensagens com outros usuários e participar de simulações. Estes recursos respeitam os limites e habilidades de cada aprendiz, tornando-o livre para construção do seu conhecimento, interagindo como preferir com o conteúdo que está sendo apresentado (MONTEIRO et al., 2008). A TV Digital deverá ser uma ferramenta de disseminação de informação com maior flexibilidade, por se tratar de um processo bidirecional, ocupa um importante papel na Educação à distância, por conseqüência da interatividade, que significa a troca de informações entre pessoa, podendo estas ser aluno e professor. Uma das maneiras mais interessantes de se utilizar a TV Digital para fins educacionais é utilização de jogos. Ao se pensar na utilização dos jogos educacionais é necessário primeiramente defini-lo como uma ferramenta que facilita o aprendizado e aumenta a capacidade de retenção do que foi ensinado. A sua utilização possui o intuito de despertar o interesse no aprendizado, ou seja, se tornar um elemento motivador no processo de ensino-aprendizagem em crianças e jovens. Um jogo tem dupla função: consolidar os esquemas já formados e dá prazer ou equilíbrio emocional a criança e apresentam uma série de vantagens na utilização dos jogos em ambiente escolar, o despertar da motivação, curiosidade e estímulos, além de contribuir para o crescimento intelectual e afetivo, pois o conhecimento é adquirido de forma prazerosa e lúdica (PINTO; QUEIROZ-NETO; SILVA, 2007) Padrões Conforme já citado anteriormente, existem três padrões que dominam o mercado de TV Digital no mundo, o padrão americano ATSC, o padrão japonês ISDB-T e o padrão europeu DVB- T. Porém existem alguns outros que tentam ganhar mercado, ou foram desenvolvidos 12

22 especificamente para atender um determinado país, como é o caso do padrão chinês DMB (Digital Multimedia Broadcast Multimídia de radiodifusão Digital) (BOLAÑO; VIERA, 2004). Os padrões de TV Digital adotam diferentes padrões para modulação do sinal de difusão, transporte de fluxos elementares de áudio, vídeo, dados e aplicações, codificação e qualidade de áudio e vídeo, e serviços de middleware (FERNANDES; LEMOS; ELIAS, 2004). Conforme Teleco (2009) o Brasil adotou o padrão japonês ISDB-T, que possibilitará a transmissão digital simultânea para recepção fixa, móvel e portátil, além da interatividade que a TV Digital oferece. Contudo o padrão adotado sofrerá alterações para adequação as características do local ATSC (Federal Communications Commission) Os Estados Unidos iniciou seus experimentos sobre a TV Digital em 1987, com grupo de pesquisadores e representantes de indústrias de aparelhos de Televisão, denominado FCC (Federal Communications Commission Comissão de Comunicações Federais). Em 1990, foi desenvolvido o primeiro protótipo do padrão americano, voltado apenas à alta definição de imagens em aparelhos de TV, ou seja, HDTV (ANDREATA, 2006). Após um padrão de alta definição homologado, deram-se início as pesquisas para obter uma melhora ao ponto de se tornar um padrão internacional de TVDI (Televisão Digital Interativa). Dentre estas melhorias estavam o aumento na qualidade da transmissão e recepção deste sinal digital de alta definição e, principalmente, o enfoque a interatividade. Com o aperfeiçoamento do padrão desenvolvido inicialmente, constatando melhorias na transmissão e recepção do sinal e com a portabilidade da interatividade, foi incorporado ao mercado o padrão digital americano, conhecido como ATSC. O padrão ATSC apresenta deficiências tecnológicas importantes em relação à radiodifusão, provocando problemas na recepção em aparelhos fixos localizados em áreas com presença de interferência e em aparelhos portáteis com antena interna (FERNANDES; LEMOS; ELIAS, 2004). Segundo Donzelli (2001) no Brasil foram realizados testes com este padrão, que expuseram essas limitações, mostrando a impossibilidade de recepção móvel, e dificuldade de recepção por 13

23 antenas internas em alguns pontos, principalmente em grandes cidades, levantando diversas críticas contra o padrão norte-americano. Características do padrão conforme (OLIVEIRA, 2006): A codificação do sinal de vídeo é provida pelo padrão MPEG-2 Vídeo e a codificação do sinal de áudio pelo sistema Dolby AC-3; A multiplexação de sinais é provida pelo MPEG-2 Sistemas, produzindo um fluxo de 19,39 Mbps; e A modulação do padrão pode operar em canais de 6 MHz, 7 MHz ou 8 MHz e utiliza a modulação 8-VSB para rádio-difusão terrestre (com taxa de transmissão de 19,8 Mbps), a modulação 64 QAM para transmissão a cabo e a modulação QPSK para transmissão via satélite DVB-T (Digital Video Broadcasting) Os europeus deram início as pesquisas sobre TV Digital antes mesmo dos americanos. Com isso o primeiro padrão de TV de alta definição, HDTV, foi criado na Europa. Porém ficaram para trás no que diz respeito à TV Digital interativa, e somente em 1991 iniciaram experimentos sobre o assunto (OLIVEIRA, 2006). A necessidade de efetuar um estudo de viabilidade para implantação de um sistema de transmissão digital na Europa propiciou a criação do ELG (European Launching Group Grupo de Lançamentos Europeu), composto por órgãos reguladores, emissoras de televisão e produtoras de equipamentos eletrônicos. Em 1995, o ELG passou a se chamar DVB (OLIVEIRA, 2006). O padrão DVB foi desenvolvido com o intuito de prover um padrão único para vários países europeus, independente das peculiaridades das nações européias. Sendo assim o padrão de TV Digital mais utilizado no mundo. Atualmente o consórcio DVB possui mais de 300 membros, inclusive com diversas empresas do setor de informática, que tem dado grande ajuda no desenvolvimento do MHP, a camada de software padrão do DVB, que permite a interação do espectador com as aplicações oferecidas pelo sistema. Empresas de telefonia celular contribuíram para o desenvolvimento do 14

24 RCT, canal de retorno exclusivo de informações dos espectadores que não prejudica as transmissões, pois utiliza a tecnologia GSM, predominante na Europa. (BOLAÑO; VIERA, 2004) Características do padrão conforme (OLIVEIRA, 2006): A codificação do sinal de vídeo é provida pelo padrão MPEG-2 Vídeo e a codificação do sinal de áudio pelo padrão MPEG-2 Áudio:BC; A multiplexação de sinais é provida pelo MPEG-2:BC Sistemas; e O DVB utiliza a modulação COFDM para radiodifusão terrestre, podendo operar em canais de 6 MHz, 7 MHz ou 8 MHz com taxa de transmissão de até 19,8 Mbps e em 2 modos de operação, conhecidos por 2k e 8k. Já a modulação QAM é utilizada para transmissão a cabo (variando de 16, 32, 64, 128 e 256 QAM) ISDB-T (Integrated Services of Digital Broadcasting) O Japão começou seus estudos sobre TV Digital, ainda mais atrasado que a Europa. O padrão ISDB foi especificado em 1999 pelo grupo DiBEG (Digital Broadcasting Experts Group Experiente Grupo de Radiodifusão Digital), criado em 1997 e composto por várias empresas e operadoras de televisão. (FERNANDES; LEMOS; ELIAS, 2004). Até então, o padrão ISDB tinha sido adotado apenas pelo Japão, porém é amplamente divulgado que o mesmo é um sistema que reúne o maior conjunto de facilidades: alta definição - HDTV, transmissão de dados e recepção móvel e portátil, como maior qualidade. O sistema Japonês ISDB é considerado por muitos estudiosos semelhante ao europeu, só que mais avançado. O padrão japonês é apontado como o melhor padrão de TV Digital em relação aos seus concorrentes de mercado. Segundo Bolaño e Vieira (2004) apesar de ser o melhor padrão especificado, é utilizado apenas pelo Japão, pois um ponto importante levado em conta na escolha de um padrão para o país é o custo. A tecnologia utilizada, necessária para atingir tais níveis de eficiência, fez com que o hardware utilizado nos receptores seja o mais caro atualmente. Alguns testes com este padrão foram realizados no Brasil. Em transmissões metropolitanas demonstraram bons resultados, superiores aos apontados pelos demais padrões testados (DONZELLI, 2001). Imagina-se que dentre o custo/benefício o Brasil preferiu pagar mais por uma 15

25 qualidade superior as demais, fazendo com que escolhesse o padrão japonês para ser utilizado no país. Características do padrão conforme (OLIVEIRA, 2006): A codificação do sinal de vídeo é provida pelo padrão MPEG-2 Vídeo; já a codificação do sinal de áudio é provida pelo padrão MPEG-2 AAC. Batista (2005) acrescenta que, para a transmissão de vídeo em aparelhos móveis, o ISDB optou pelo padrão H.264, conhecido por MPEG-4 Parte 10 ou MPEG-4 AVC (Advanced Video Codec); A multiplexação de sinais é provida pelo MPEG-2 Sistemas; e O ISDB utiliza a modulação COFDM para radiodifusão terrestre, podendo operar em canais de 6 MHz, 7 MHz ou 8 MHz com taxa de transmissão de até 23,23 Mbps e em 3 modos de operação, conhecidos por 2k, 4k e 8k. Já a modulação 64 QAM é utilizada para transmissão a cabo e a modulação 8-PSK para transmissão via satélite DMB (Digital Multimedia Broadcast) A China iniciou estudos sobre a implantação da TV Digital em seu território em Analisaram-se os experimentos dos três sistemas digitais já existentes, e os chineses chegaram à conclusão de que poderiam desenvolver um sistema próprio. Assim, desde 2001, a China vem trabalhando em um conjunto de especificações que constituirão o DMB (BOLAÑO; VIERA, 2004). Hoje alguns outros países da Ásia utilizam o padrão chinês, como a Coréia do Sul, porém não é um padrão competitivo do mercado, ficando ofuscado pelos padrões, americano, europeu e japonês Middlewares e ferramentas de desenvolvimento O desenvolvimento de aplicações para TV Digital necessita de ferramentas disponibilizadas pelo padrão de TV Digital. Uma aplicação desenvolvida para um padrão de TV Digital certamente não executará de forma correta em outro, pois foi desenvolvida para o middleware de um padrão específico. 16

26 Todo padrão de TV Digital tem um middleware que faz a interface das aplicações com os dispositivos, e esse middleware pode disponibilizar um ambiente de desenvolvimento, com ferramentas necessárias para a criação de novas aplicações. Esta seção visa o estudo das ferramentas mais comuns disponibilizadas para o desenvolvimento de aplicações dos padrões citados na seção DASE (Digital TV Application Software Environment) A ATSC desenvolveu o DASE para ser o middleware oficial da TVDI americana com transmissão terrestre. A sua especificação é dividida em três versões, chamadas de níveis, que são baseados nas complexidades das aplicações possíveis de serem usadas no receptor (Set-top-box), levando em conta os recursos de hardware disponíveis (DASE apud ANDREATA, 2006). O DASE permite o desenvolvimento de software para TV Digital interligada ao padrão americano ATSC. Tecnicamente o DASE é dividido em: Aplicações DASE, ambiente de aplicações declarativas, ambiente de aplicações procedurais e por fim um framework de segurança, conforme Figura 2. 17

27 Figura 2. Modelo de blocos do DASE Fonte: Paes (2006) A aplicação DASE é o conjunto de informação interativas da tela, as funcionalidades que fornecem opções para o telespectador. Já o ambiente de aplicações declarativas envolve o material multimídia com regras de estilo, vídeos e sons. O ambiente de aplicações procedurais trata da aplicação compilada em conjunto com o material multimídia. Uma aplicação DASE não precisa ser puramente Declarativa ou Procedural. Em particular, as aplicações Declarativas geralmente utilizam scripts, o que é característica das aplicações Procedurais. Por outro lado, as aplicações Procedurais podem se referir a conteúdos declarativos como, por exemplo, conteúdos gráficos. O padrão DASE não especifica a implementação dos ambientes de aplicação nos receptores comuns. Os fabricantes poderão implementar ambos os ambientes de aplicação num mesmo receptor, ou não (PAES, 2006). Seu ambiente de execução é baseado no uso de uma máquina virtual Java e API (Application Programming Interface Interface de Programação de Aplicativos) JavaTV. Essa API possibilita aos programas escritos em Java o acesso a recursos e facilidades do receptor digital de forma 18

28 padronizada. Para o desenvolvimento procedural de aplicações em DASE não é necessária nenhuma ferramenta especifica, apenas um aplicativo de desenvolvimento Java (BECKER, 2005). Para o desenvolvimento declarativo o DASE permite o uso de linguagens usadas na web, como HTML e JavaScript. Também não necessitando nenhuma ferramenta especial, com um editor de texto já é possível a implementação nestas linguagens. Para a emulação de aplicações desenvolvidas com o DASE existem softwares livres no mercado, como o XletView e o OpenMHP ARIB (Association of Radio Industries and Business) ARIB é a especificação base para transmissão de TVDI japonesa. A arquitetura deste ambiente é baseada em um evento chamado carrossel de dados, onde as regras de aplicação trafegam junto com as ondas de radiofreqüência (ANDREATA, 2006). Neste sistema, áudio, vídeo e todos os serviços de dados são multiplexados e transmitidos via broadcasting de rádio, em um fluxo empacotado, especificado pelo MPEG-2. Canais para a interatividade das comunicações são disponibilizados através dos canais interativos da rede, tanto fixas quanto móveis. O ARIB é um middleware que além de proporcionar um ambiente de desenvolvimento para aplicações para o padrão japonês tem características diferenciadas que ajuda a fazer do ISDB o padrão de TV Digital mais robusto. Uma característica diferenciada com relação aos outros padrões é a possibilidade de recepção de um canal digital por receptores tradicionais, semelhantes aos existentes para HDTV. Também permite a transmissão por broadcasting via satélite, broadcasting terrestre e CABLE TV. Os erros de apresentação de legendas, superposição e informações multimídia devem ser tratados dentro de um período de tempo que não permita ao usuário perceber que tal erro ocorreu (PAES, 2006). Conforme Becker (2005) o ARIB é formado por algumas especificações, tendo como principais o ARIB STD-B24 e o ARIB STD-B23. O ARIB STD-B24 especifica uma linguagem declarativa denominada BML (Broadcast Markup Language Linguagem de Marcação de Radiodifusão), linguagem esta, baseada na 19

29 linguagem padrão de serviços web XML (Extensible Markup Language Linguagem de Marcação Extensível) usada para especificação de serviços multimídia para TV digital, ou seja, linguagem para o desenvolvimento de aplicações declarativas. Outra especificação do middleware é o ARIB-STD B23 que assim como o padrão americano utiliza uma maquina virtual JAVA e utiliza a API JAVA TV desenvolvida pela Sun Microsystems. Assim como no DASE, no ARIB não é necessário o uso de ferramentas específicas para o desenvolvimento de aplicações, podendo estas ser emuladas pelo XletView MHP (Multimedia Home Plataform) No final dos anos 1990, o grupo DVB começou a especificar seu padrão de middleware, que, em 2000, deu origem à plataforma MHP 1.0 e, abril de 2001, MHP 1.1. O MHP busca oferecer um ambiente de TV interativa aberto e interoperável, para receptores e set-top-boxes de TV digital (BECKER, 2005). O MHP não é apenas o middleware do padrão europeu de TV Digital, é também o middleware pioneiro de TV Digital. Os demais, ARIB e DASE, são baseados no MHP, ou seja, nas especificações iniciais, porém com algumas melhorias. O MHP define uma interface entre as aplicações e terminais para que serviços sejam providos, se direciona para aspectos referentes à apresentação dos serviços para o usuário do sistema. Por ser uma plataforma aberta, o receptor com MHP a princípio poderia receber serviços de diferentes operadoras de TV Digital. A API está apta a trabalhar com diferentes hardwares e diversas redes de transmissão. Podendo ter transmissões baseadas em satélite, cabo e outras, desde que seja do padrão DVB (ANDREATA, 2006). Uma aplicação DVB usando API Java é denominada aplicação DVB-J. A especificação MHP 1.1 introduziu a possibilidade de usar uma linguagem de programação semelhante ao HTML denominada DVB-HTML. As aplicações DVB-J e DVB-HTML possuem a capacidade de fazer download de aplicações interativas, através de um canal de interatividade; armazenar aplicações em memória persistente (ex. disco rígido); acessar leitores de smart cards; e controlar aplicações de internet, tais como navegador web. 20

30 Assim como os demais concorrentes, o DVB não necessita de uma ferramenta específica para o desenvolvimento e emulação das aplicações desenvolvidas GINGA O Middleware aberto do Sistema Brasileiro de TV Digital (SBTVD) é o Ginga, ele é constituído por um conjunto de tecnologias padronizadas que o tornam a especificação de middleware mais avançada e a melhor solução para os requisitos do país (GINGA, 2009). O Ginga foi desenvolvido a partir de projetos de pesquisa coordenados pelos laboratórios Telemídia da PUC- Rio e LAViD da UFPB. O Ginga é subdividido em dois subsistemas principais interligados, que permitem o desenvolvimento de aplicações seguindo dois paradigmas de programação diferentes. Dependendo das funcionalidades requeridas no projeto de cada aplicação, um paradigma será mais adequado que o outro. Esses dois subsistemas são chamados de Ginga-J (para aplicações procedurais Java) e Ginga-NCL (para aplicações declarativas NCL) (GINGA, 2009). Ginga-NCL é o subsistema Ginga para exibição de documentos NCL visando prover uma infra-estrutura de apresentação para aplicações declarativas escritas na linguagem NCL. A NCL é uma linguagem de aplicação XML com facilidades para a especificação de aspectos de interatividade, sincronismo espaço-temporal entre objetos de mídia, adaptabilidade, suporte a múltiplos dispositivos e suporte à produção ao vivo de programas interativos não-lineares (GINGA- NCL, 2009). O Ginga-NCL fornece ferramentas para o desenvolvimento de aplicações para o middleware GINGA, conforme lista abaixo: GINGA-NCL VIRTUAL STB: Máquina virtual Linux para VMWare, contendo Ginga-NCL C++; GINGA-NCL EMULATOR: Exibidor de Documentos NCL, disponível para Windows, Linux e MAC OS X; COMPOSER: Editor de documentos NCL, disponível para Windows, Linux e MAC OS X, utilizado para montagem de conteúdo NCL com a linguagem de script LUA; e NCL ECLIPSE: Plug-in para Suporte a NCL no ambiente Eclipse. 21

31 O desenvolvimento procedural para utilizado GINGA-J pode ser implementado em ferramentas de programação para a linguagem JAVA, como o ECLIPSE, utilizando o framework JavaTV, que será detalhada na seção Análise comparativa das ferramentas de desenvolvimento A Tabela 1 comparativa sobre os middlewares, para desenvolvimento de aplicativos voltados para a TV Digital Interativa abordados neste TCC. Tabela 1. Análise comparativa das ferramentas de desenvolvimento (padrão/middleware). Característica DASE ARIB MHP GINGA Padrão ATSC ISDB DVB SBTVD Segurança Sim Sim Sim Sim Decodificação de conteúdo comum (PNG, Sim Sim Sim Sim JPEG, ZIP etc) Tipos de aplicativos Distinção entre aplicações declarativas procedurais Interação com usuário Capacidade de Áudio Capacidade de Vídeo Capacidade Gráfica XHTML,CSS,ECMA Script, JavaTV HTML, XML, JavaTV HTML, JavaTV Sim Sim Sim Sim Sim Sim Sim Sim Non-streaming: (audio/basic) Streaming: (Dolby AC-3) Non-streaming: (Multiple Network Graphics) Streaming: (MPEG 2) 1920 X X X X 480 Fonte: adaptado de Paes (2006). HTML, XML, LUA script, JavaTV MPEG-2 AAC MPEG BC MPEG-2 AAC MPEG 2 MPEG 2 MPEG 4 Alta definição: 1920 X 1080; 1280 X 720 e 960 X 540. Definição Normal: 620 X 480. LDTV: 320 X 240 SDTV: 640 X 480 EDTV: 720 X 480 HDTV: 1920 X X 1080; 1280 X 720; 960 X 540; 620 X

A TV DIGITAL COMO INSTRUMENTO DE ENSINO DE MATEMÁTICA. Adriano Aparecido de Oliveira, Juliano Schimiguel

A TV DIGITAL COMO INSTRUMENTO DE ENSINO DE MATEMÁTICA. Adriano Aparecido de Oliveira, Juliano Schimiguel A TV DIGITAL COMO INSTRUMENTO DE ENSINO DE MATEMÁTICA Adriano Aparecido de Oliveira, Juliano Schimiguel Universidade Cruzeiro do Sul/CETEC, Av. Ussiel Cirilo, 225 São Paulo Resumo A TV é um importante

Leia mais

PADRÕES DE MIDDLEWARE PARA TV DIGITAL

PADRÕES DE MIDDLEWARE PARA TV DIGITAL PADRÕES DE MIDDLEWARE PARA TV DIGITAL Rafael V. Coelho Fundação Universidade Federal do Rio Grande (FURG) Rio Grande - RS rafaelvc2@gmail.com Resumo. Este trabalho discute os tipos de Middleware usados

Leia mais

O Panorama da TV Digital no Brasil. Leandro Miller Leonardo Jardim

O Panorama da TV Digital no Brasil. Leandro Miller Leonardo Jardim O Panorama da TV Digital no Brasil Leandro Miller Leonardo Jardim Tópicos Abordados TV Aberta no Brasil Vantagens da TV Digital Padrões de TV Digital Sistema Brasileiro de TV Digital Oportunidades na TV

Leia mais

Desenvolvimento de Sistemas para TV Digital. Prof. Fabrício J. Barth fbarth@tancredo.br Faculdades Tancredo Neves

Desenvolvimento de Sistemas para TV Digital. Prof. Fabrício J. Barth fbarth@tancredo.br Faculdades Tancredo Neves Desenvolvimento de Sistemas para TV Digital Prof. Fabrício J. Barth fbarth@tancredo.br Faculdades Tancredo Neves Objetivo Apresentar os conceitos básicos para o desenvolvimento de sistemas para TV Digital.

Leia mais

PADRÕES DE MIDDLEWARE PARA TV DIGITAL

PADRÕES DE MIDDLEWARE PARA TV DIGITAL Niterói, RJ, Brasil, 8-10 de novembro de 2005. PADRÕES DE MIDDLEWARE PARA TV DIGITAL Alexsandro Paes, Renato H. Antoniazzi, Débora C. Muchaluat Saade Universidade Federal Fluminense (UFF) / Centro Tecnológico

Leia mais

PROF.: PAULO GOMES MATÉRIA: STRS 2 MOURA LACERDA

PROF.: PAULO GOMES MATÉRIA: STRS 2 MOURA LACERDA PROF.: PAULO GOMES MATÉRIA: STRS 2 MOURA LACERDA A TV digital O surgimento da TV digital se deu em função do desenvolvimento da TV de alta definição (HDTV) no Japão e na Europa, há mais de duas décadas,

Leia mais

NCL e Java. Aquiles Burlamaqui

NCL e Java. Aquiles Burlamaqui Construindo programas de TV Digital Interativa usando NCL e Java Aquiles Burlamaqui Sumário Introdução Middleware Aplicações de TVDI Ginga NCL Ginga J Conclusões Introdução TV Digital Interativa O que

Leia mais

Jornalismo Multiplataforma. Tecnologias Redes e Convergência. eduardo.barrere@ice.ufjf.br

Jornalismo Multiplataforma. Tecnologias Redes e Convergência. eduardo.barrere@ice.ufjf.br Jornalismo Multiplataforma Tecnologias Redes e Convergência eduardo.barrere@ice.ufjf.br Panorama Em 2011, a TV atingiu 96,9% (http://www.teleco.com.br/nrtv.asp) TV Digital Uma novidade???? TV Digital Resolve

Leia mais

1 Introdução. 1.1. Motivação

1 Introdução. 1.1. Motivação 1 Introdução A adoção do Ginga-NCL como middleware declarativo do SBTVD (Sistema Brasileiro de Televisão Digital) estabeleceu um marco no desenvolvimento de aplicações interativas para TV Digital terrestre

Leia mais

PESPECTVIAS DO PROJETO DE PESQUISA DESENVOLVIMENTO DE MIDDLEWARE PARA DIVULGAÇÃO DE SABERES POPULARES NO CANAL DE INTERATIVIDADE DA TV DIGITAL *

PESPECTVIAS DO PROJETO DE PESQUISA DESENVOLVIMENTO DE MIDDLEWARE PARA DIVULGAÇÃO DE SABERES POPULARES NO CANAL DE INTERATIVIDADE DA TV DIGITAL * PESPECTVIAS DO PROJETO DE PESQUISA DESENVOLVIMENTO DE MIDDLEWARE PARA DIVULGAÇÃO DE SABERES POPULARES NO CANAL DE INTERATIVIDADE DA TV DIGITAL * Wellington Garcia PEREIRA 1 ; Hudson Henrique de Sousa LOPES

Leia mais

APLICAÇÃO PARA A TV DIGITAL INTERATIVA UTILIZANDO A API JAVATV Eli CANDIDO JUNIOR 1 Francisco Assis da SILVA 2

APLICAÇÃO PARA A TV DIGITAL INTERATIVA UTILIZANDO A API JAVATV Eli CANDIDO JUNIOR 1 Francisco Assis da SILVA 2 APLICAÇÃO PARA A TV DIGITAL INTERATIVA UTILIZANDO A API JAVATV Eli CANDIDO JUNIOR 1 Francisco Assis da SILVA 2 RESUMO: A televisão é uma das principais fontes de informação, entretenimento e cultura. A

Leia mais

Engenheiro Eletrônico pela PUC-RJ e mestrando da Universidade Federal Fluminense.

Engenheiro Eletrônico pela PUC-RJ e mestrando da Universidade Federal Fluminense. Padrões de Middleware para TV Digital Este tutorial apresenta o conceito de middleware para TV Digital, os atuais padrões de mercado e uma comparação entre eles, em termos de funcionalidades disponibilizadas.

Leia mais

TV Digital no Brasil e o Middleware Ginga. Luiz Eduardo Cunha Leite

TV Digital no Brasil e o Middleware Ginga. Luiz Eduardo Cunha Leite TV Digital no Brasil e o Middleware Ginga Luiz Eduardo Cunha Leite 1 Sistema de TV Digital no Brasil 3G 1 Seg 2 PTSN, Internet, etc. Nível de Transporte TCP / IP -SI -Carrossel de Dados e Objetos -MPE

Leia mais

Padrões de Middleware para TV Digital

Padrões de Middleware para TV Digital Padrões de Middleware para TV Digital Alexsandro Paes, Renato Antoniazzi UFF Universidade Federal Fluminense Centro Tecnológico Departamento de Engenharia de Telecomunicações Mestrado em Telecomunicações

Leia mais

Amadeus-TV: Portal Educacional na TV Digital Integrado a um Sistema de Gestão de Aprendizado

Amadeus-TV: Portal Educacional na TV Digital Integrado a um Sistema de Gestão de Aprendizado Amadeus-TV: Portal Educacional na TV Digital Integrado a um Sistema de Gestão de Aprendizado Bruno de Sousa Monteiro Orientação: Prof. Dr. Fernando da Fonseca de Souza Prof. Dr. Alex Sandro Gomes 1 Roteiro

Leia mais

Introdução Padrão Brasileiro de TV Digital. Desenvolvimento de Aplicações Interativas. Trabalhos em andamento

Introdução Padrão Brasileiro de TV Digital. Desenvolvimento de Aplicações Interativas. Trabalhos em andamento Introdução Padrão Brasileiro de TV Digital Middleware GINGA Desenvolvimento de Aplicações Interativas Linguagem NCL (Nested Context Language) Trabalhos em andamento 1 2 3 4 Maior resolução de imagem Melhor

Leia mais

Televisão Digital Interativa se faz com Ginga. Guido Lemos de Souza Filho LAVID DI - UFPB

Televisão Digital Interativa se faz com Ginga. Guido Lemos de Souza Filho LAVID DI - UFPB Televisão Digital Interativa se faz com Ginga Guido Lemos de Souza Filho LAVID DI - UFPB Instituições Selecionadas para Elaborar Propostas de Alternativas Tecnológicas Requisitos básicos b do SBTVD Robustez

Leia mais

TV Dig ital - S ocial

TV Dig ital - S ocial Edson Luiz Castilhos Gerente Célula Software Livre - RS Marco Antonio Munhoz da Silva Gestor Projeto TV Digital Social 1 AGENDA O que é TV Digital? Histórico TV Analógica x TV Digital Sistema de TV Digital

Leia mais

TV Digital : Convergência e Interatividade. 2010 HXD Interactive Television

TV Digital : Convergência e Interatividade. 2010 HXD Interactive Television TV Digital : Convergência e Interatividade. A TELEVISÃO. A Televisão... o mais subversivo instrumento da comunicação deste século!" Assis Chateaubriand (1950). A Televisão Sem TV é duro de dizer quando

Leia mais

TECNOLOGIAS PARA O DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES EDUCACIONAIS PARA TV DIGITAL

TECNOLOGIAS PARA O DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES EDUCACIONAIS PARA TV DIGITAL TECNOLOGIAS PARA O DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES EDUCACIONAIS PARA TV DIGITAL Lady Daiana O. PINTO (1,2), José P. QUEIROZ-NETO (1), Kátia Cilene N. SILVA (2). (1) Centro Federal de Educação Tecnológica

Leia mais

Desenvolvimento de Aplicações Interativas. GINGA NCL e LUA. Projeto TV Digital Social

Desenvolvimento de Aplicações Interativas. GINGA NCL e LUA. Projeto TV Digital Social Desenvolvimento de Aplicações Interativas GINGA NCL e LUA Projeto TV Digital Social Marco Antonio Munhoz da Silva DATAPREV Gestor do Proejeto TV Digital Social AGENDA Divisão dos assuntos em quatro partes

Leia mais

1.1. Aplicações de TVD dinâmicas

1.1. Aplicações de TVD dinâmicas 1 Introdução Uma aplicação de TV Digital (TVD) comumente é composta por um vídeo principal associado a outros objetos (aplicações, imagens, vídeos, textos etc.), que são transmitidos em conjunto possibilitando

Leia mais

Visão Geral das Tecnologias Envolvidas no Desenvolvimento de Aplicações Interativas para o Sistema Brasileiro de TV

Visão Geral das Tecnologias Envolvidas no Desenvolvimento de Aplicações Interativas para o Sistema Brasileiro de TV Visão Geral das Tecnologias Envolvidas no Desenvolvimento de Aplicações Interativas para o Sistema Brasileiro de TV Felipe S. PEREIRA 1, Danielle COSTA 2 1 aluno do curso de Análise e Desenvolvimento de

Leia mais

TV DIGITAL INTERATIVA: UM RECURSO DIDÁTICO NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA

TV DIGITAL INTERATIVA: UM RECURSO DIDÁTICO NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA SET Congresso 2012 TV DIGITAL INTERATIVA: UM RECURSO DIDÁTICO NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA Pricila de Souza, Hálison Maia, Marlos Rodrigues, Samir Batalha,

Leia mais

NOVAS APLICAÇÕES DO ISDB-T

NOVAS APLICAÇÕES DO ISDB-T ANEXO 5 NOVAS APLICAÇÕES DO ISDB-T Uma das vantagens mais marcantes do ISDB-T é a sua flexibilidade para acomodar uma grande variedade de aplicações. Aproveitando esta característica única do ISDB-T, vários

Leia mais

Desenvolvendo Aplicações para TV Digital Interativa

Desenvolvendo Aplicações para TV Digital Interativa Desenvolvendo Aplicações para TV Digital Interativa Sávio Luiz de Oliveira Almeida 1, Frederico Coelho 1 1 Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC) Barbacena MG Brasil 2 Departamento de Ciência

Leia mais

Lady Daiana O. Pinto ; José P. Queiroz-Neto e Kátia Cilene N. Silva (1) (2) Centro Federal de Educação Tecnológica do Amazonas CEFET

Lady Daiana O. Pinto ; José P. Queiroz-Neto e Kátia Cilene N. Silva (1) (2) Centro Federal de Educação Tecnológica do Amazonas CEFET DESENVOLVIMENTO DE JOGOS EDUCACIONAIS PARA TV DIGITAL 1 2 3 Lady Daiana O. Pinto ; José P. Queiroz-Neto e Kátia Cilene N. Silva (1) (2) Centro Federal de Educação Tecnológica do Amazonas CEFET (1) ladypinheiro@cefetam.edu.br

Leia mais

Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa

Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa Agenda Introdução Aplicações interativas de TV Digital Desafios de layout e usabilidade Laboratório de usabilidade Desafios

Leia mais

Entretenimento e Interatividade para TV Digital

Entretenimento e Interatividade para TV Digital Entretenimento e Interatividade para TV Digital Desenvolvimento de Aplicativos para TV Digital Interativa Rodrigo Cascão Araújo Diretor Comercial Apresentação da Empresa A EITV desenvolve software e provê

Leia mais

FUNDAMENTOS DE TV DIGITAL. Objetivos do Sistema Digital. Digital. Comparação. (NTSC x ATSC) Transmissão simultânea de várias programações

FUNDAMENTOS DE TV DIGITAL. Objetivos do Sistema Digital. Digital. Comparação. (NTSC x ATSC) Transmissão simultânea de várias programações PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ FUNDAMENTOS DE TV DIGITAL Prof. Alexandre A. P. Pohl Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica e Informática Industrial - CPGEI 1 Objetivos do Sistema

Leia mais

Fundamentos de Hardware

Fundamentos de Hardware Fundamentos de Hardware Curso Técnico em Informática SUMÁRIO PLACAS DE EXPANSÃO... 3 PLACAS DE VÍDEO... 3 Conectores de Vídeo... 4 PLACAS DE SOM... 6 Canais de Áudio... 7 Resolução das Placas de Som...

Leia mais

TV ESCOLA INTERATIVA: UMA PROPOSTA EDUCATIVA PARA TV DIGITAL

TV ESCOLA INTERATIVA: UMA PROPOSTA EDUCATIVA PARA TV DIGITAL TV ESCOLA INTERATIVA: UMA PROPOSTA EDUCATIVA PARA TV DIGITAL Fernanda Paulinelli Rodrigues Silva 1 Thiago José Marques Moura 1 Alice Helena de Sousa Santos 1 Marília de Barros Ribeiro 1 Guido Lemos de

Leia mais

TV Digital Interativa Jocimar Fernandes ESAB Vitória (ES)

TV Digital Interativa Jocimar Fernandes ESAB Vitória (ES) TV Digital Interativa Jocimar Fernandes ESAB Vitória (ES) Introdução Este trabalho apresenta o modelo brasileiro de telecomunicações, seus problemas e motivos de migração para um sistema digital. São abordados

Leia mais

Revista Eletrônica da FANESE ISSN 2317-3769

Revista Eletrônica da FANESE ISSN 2317-3769 FRAMEWORK PARA TREINAMENTOS NA WEB BASEADO EM VÍDEO SOBRE DEMANDA Ícaro Carlos Andrade Costa 1 Igor Antônio Andrade Costa 2 Ricardo Ariel Correa Rabelo 3 Renata Azevedo Santos Carvalho 4 RESUMO A educação

Leia mais

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Telecomunicações Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Rede de Telefonia Fixa Telefonia pode ser considerada a área do conhecimento que trata da transmissão de voz através de uma rede de telecomunicações.

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TELECOMUNICAÇÕES As telecomunicações referem -se à transmissão eletrônica de sinais para as comunicações, incluindo meios como telefone, rádio e televisão. As telecomunicações

Leia mais

REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS

REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS Kelly Cristina de Oliveira 1, Júlio César Pereira 1. 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí PR Brasil kristhinasi@gmail.com,

Leia mais

2 Geração Dinâmica de Conteúdo e Templates de Composição

2 Geração Dinâmica de Conteúdo e Templates de Composição 2 Geração Dinâmica de Conteúdo e Templates de Composição Alguns dos aspectos mais importantes na arquitetura proposta nesta dissertação são: a geração dinâmica de conteúdo e a utilização de templates de

Leia mais

PADRÕES PARA O DESENVOLVIMENTO NA WEB

PADRÕES PARA O DESENVOLVIMENTO NA WEB PADRÕES PARA O DESENVOLVIMENTO NA WEB Ederson dos Santos Cordeiro de Oliveira 1,Tiago Bonetti Piperno 1, Ricardo Germano 1 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí PR- Brasil edersonlikers@gmail.com,

Leia mais

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador Sistemas de Informação Prof. Anderson D. Moura Um programa de computador é composto por uma seqüência de instruções, que é interpretada e executada por um processador ou por uma máquina virtual. Em um

Leia mais

Guia de Instalação Rápida PCTV HD PRO STICK

Guia de Instalação Rápida PCTV HD PRO STICK Guia de Instalação Rápida PCTV HD PRO STICK I Conteúdo do Pacote: Sintonizador PCTV USB Antena Telescópica CD Instalação PCTV Cabo extensor USB CD Studio 10 Quickstart Adaptador de Entrada A/V Controle

Leia mais

PROPOSTA DE UM MODELO DE SISTEMA HIPERMÍDIA PARA APRESENTAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

PROPOSTA DE UM MODELO DE SISTEMA HIPERMÍDIA PARA APRESENTAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO PROPOSTA DE UM MODELO DE SISTEMA HIPERMÍDIA PARA APRESENTAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Fabiana Pacheco Lopes 1 1 Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC) fabipl_21@yahoo.com.br Resumo.Este

Leia mais

2 TV digital e TV de alta definição 2.1. A tecnologia digital

2 TV digital e TV de alta definição 2.1. A tecnologia digital 2 TV digital e TV de alta definição 2.1. A tecnologia digital Neste capítulo, serão abordados os aspectos principais da tecnologia digital e suas conseqüências em termos de mercado consumidor (telespectadores).

Leia mais

GINGA - Software Livre para TV Digital Brasileira

GINGA - Software Livre para TV Digital Brasileira 1 of 6 23/6/2010 22:40 GINGA - Software Livre para TV Digital Brasileira Autor: Paulo Roberto Junior - WoLF Data: 13/04/2009 O que é GINGA Posso falar com minhas próprias indagações

Leia mais

I N T R O D U Ç Ã O W A P desbloqueio,

I N T R O D U Ç Ã O W A P desbloqueio, INTRODUÇÃO Para que o Guia Médico de seu Plano de Saúde esteja disponível em seu celular, antes de mais nada, sua OPERADORA DE SAÚDE terá de aderir ao projeto. Após a adesão, você será autorizado a instalar

Leia mais

EXPERIMENTO DIGITAL PARA TRANSMISÃO INTERATIVA DE JOGOS DE FUTEBOL

EXPERIMENTO DIGITAL PARA TRANSMISÃO INTERATIVA DE JOGOS DE FUTEBOL EXPERIMENTO DIGITAL PARA TRANSMISÃO INTERATIVA DE JOGOS DE FUTEBOL Ranieri Alves dos Santos 1 Vitor Freitas Santos 2 Marcos Paes Peters 3 Resumo: O presente trabalho apresenta uma abordagem interativa

Leia mais

H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed

H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed quality of service Resumo para a disciplina de Processamento Digital de

Leia mais

Novas Mídias e Relações Sociais.

Novas Mídias e Relações Sociais. Novas Mídias e Relações Sociais. Eduardo Foster 1 1 Caiena Soluções em Gestão do Conhecimento, Av. 34-578, CEP 13504-110 Rio Claro, Brasil foster@caiena.net Resumo. A comunicação é uma disciplina que acompanha

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD 1 de 9 Desde o nascimento do telemóvel e o seu primeiro modelo vários se seguiram e as transformações tecnológicas que estes sofreram ditaram o nascimento de várias gerações. O Motorola DynaTac 8000X é

Leia mais

Me Engº Leonardo Ortolan. Me Engº Thiago L. S. Santos

Me Engº Leonardo Ortolan. Me Engº Thiago L. S. Santos TV Digital Me Engº Leonardo Ortolan Me Engº Thiago L. S. Santos Sumário Introdução Desenvolvimento TV Digital: O que é? Padrões de TV Digital TV Digital Brasileira Participação da PUCRS no SBTVD Conclusão

Leia mais

DIGIMAN. WTB Tecnologia 2009. www.wtb.com.br

DIGIMAN. WTB Tecnologia 2009. www.wtb.com.br DIGIMAN MANDADO JUDICIAL ELETRÔNICO Arquitetura WTB Tecnologia 2009 www.wtb.com.br Arquitetura de Software O sistema DIGIMAN é implementado em três camadas (apresentação, regras de negócio e armazém de

Leia mais

Desenvolvendo Aplicações para TV Digital Interativa. Diemesleno Souza Carvalho. Dourados -MS, 20 de Abril de 2011.

Desenvolvendo Aplicações para TV Digital Interativa. Diemesleno Souza Carvalho. Dourados -MS, 20 de Abril de 2011. Desenvolvendo Aplicações para TV Digital Interativa Diemesleno Souza Carvalho Dourados -MS, 20 de Abril de 2011. Sobre o Palestrante Tecnólogo em Sistemas para Internet. Pós-graduando MBA em Gestão de

Leia mais

Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Comunicação Social

Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Comunicação Social Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Comunicação Social O SISTEMA DE RÁDIO DIGITAL: A MODERNIZAÇÃO DO M.C.M. MAIS POPULAR DO PLANETA Texto redigido para embasar apresentação de seminário na

Leia mais

Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina

Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Programação para Internet Rica 1 Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Objetivo: Identificar as principais características de uma Aplicação Internet Rica.

Leia mais

GfK Audience Measurements & Insights MEDIÇÃO DE AUDIÊNCIA DE TV E VÍDEO

GfK Audience Measurements & Insights MEDIÇÃO DE AUDIÊNCIA DE TV E VÍDEO MEDIÇÃO DE AUDIÊNCIA DE TV E VÍDEO Em nenhum momento de toda a história dos meios de comunicação modernos houve tantas mudanças fundamentais na distribuição e mensuração da mídia. Com o surgimento da transmissão

Leia mais

AUTOR(ES): VINICIUS RUIZ PONTES SILVA, JAQUELINE CRISTINA DA SILVA, JOÃO PAULO DE OLIVEIRA HONESTO

AUTOR(ES): VINICIUS RUIZ PONTES SILVA, JAQUELINE CRISTINA DA SILVA, JOÃO PAULO DE OLIVEIRA HONESTO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA PARA INTERCÂMBIOS ESTUDANTIS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS

Leia mais

Protocolo de Aplicação para Jogos de Tabuleiro para Ambiente de TV Digital

Protocolo de Aplicação para Jogos de Tabuleiro para Ambiente de TV Digital Protocolo de Aplicação para Jogos de Tabuleiro para Ambiente de TV Digital Felipe Martins de Lima Escola de Engenharia Universidade Federal Fluminense (UFF) Rua Passo da Pátria, 156 São Domingos Niterói

Leia mais

MDD Mídias Interativas. TV Digital no Brasil

MDD Mídias Interativas. TV Digital no Brasil Pós-Graduação MDD Mídias Interativas TV Digital no Brasil Apresentações Profª. Graciana Simoní Fischer de Gouvêa Email: graciana.fischer@prof.infnet.edu.br COMO FUNCIONAVA A TV NO BRASIL? Analógico Analógico

Leia mais

Comissão de Ciência e Tecnologia,

Comissão de Ciência e Tecnologia, Seminário de Rádio R Digital Comissão de Ciência e Tecnologia, Informática e Inovação Brasília 22 de novembro de 2007 Ronald Siqueira Barbosa O O pobre e o emergente de hoje são aqueles que no passado,

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Introdução Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software Os modelos de processos de desenvolvimento de software surgiram pela necessidade de dar resposta às

Leia mais

1 O Problema 1.1 Introdução

1 O Problema 1.1 Introdução 1 O Problema 1.1 Introdução As teorias de adoção e de difusão de novos produtos em tecnologia sustentam que, no lançamento, os produtos ainda são acessíveis a apenas poucos consumidores que estão dispostos

Leia mais

6 Cálculo de cobertura de sistemas de TV Digital

6 Cálculo de cobertura de sistemas de TV Digital 6 Cálculo de cobertura de sistemas de TV Digital Neste capítulo, os modelos desenvolvidos serão utilizados para a avaliação da cobertura de sistemas de TV digital na cidade de São Paulo. Partindo dos limiares

Leia mais

26. O sistema brasileiro de televisão digital adota os seguintes parâmetros para HDTV:

26. O sistema brasileiro de televisão digital adota os seguintes parâmetros para HDTV: IFPB Concurso Público/Professor de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico (Edital 24/2009) CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CÓDIGO 06 UCs de Comunicações Móveis e/ou de Processamento de Sinais de Áudio e Vídeo

Leia mais

Um framework para o desenvolvimento de aplicações interativas para a Televisão Digital

Um framework para o desenvolvimento de aplicações interativas para a Televisão Digital Um framework para o desenvolvimento de aplicações interativas para a Televisão Digital Adriano Simioni, Valter Roesler Departamento de Informática Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS) Av. Unisinos,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ESCOLA DE ENGENHARIA MBA EM TV DIGITAL, RADIODIFUSÃO E NOVAS E NOVAS MÍDIAS

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ESCOLA DE ENGENHARIA MBA EM TV DIGITAL, RADIODIFUSÃO E NOVAS E NOVAS MÍDIAS UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ESCOLA DE ENGENHARIA MBA EM TV DIGITAL, RADIODIFUSÃO E NOVAS E NOVAS MÍDIAS Trabalho final da disciplina Computadores, Redes, IP e Internet Professor: Walter Freire Aluno:

Leia mais

Streaming na pratica Shoutcast Flumotion

Streaming na pratica Shoutcast Flumotion Streaming na pratica Shoutcast Flumotion Felipe Santos dos Santos 1 1 Faculdade de Tecnologia Senac Pelotas(FATEC) Rua Gonçalves Chaves, 602 Centro CEP: 96.015-560 Pelotas RS Brasil Curso Superior de Tecnologia

Leia mais

Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica. Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com.

Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica. Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com. 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com.br RESUMO A tele-medição de

Leia mais

Proposta para Grupo de Trabalho. GT TV Grupo de Trabalho de TV Digital

Proposta para Grupo de Trabalho. GT TV Grupo de Trabalho de TV Digital Proposta para Grupo de Trabalho GT TV Grupo de Trabalho de TV Digital Guido Lemos de Souza Filho 10/09/2005 1. Título GT TV Grupo de Trabalho de TV Digital 2. Coordenador Guido Lemos de Souza Filho guido@lavid.ufpb.br

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO Centro das Ciências Exatas e Tecnologia Faculdade de Matemática, Física e Tecnologia

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO Centro das Ciências Exatas e Tecnologia Faculdade de Matemática, Física e Tecnologia PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO Centro das Ciências Exatas e Tecnologia Faculdade de Matemática, Física e Tecnologia 1.00.00.00-3 - CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA 1.03.00.00-7 - CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

Leia mais

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2013. Lançamento da Coleta. Rio de Janeiro, 29/10/2013 1

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2013. Lançamento da Coleta. Rio de Janeiro, 29/10/2013 1 Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2013 Lançamento da Coleta Rio de Janeiro, 29/10/2013 1 A Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - PNAD investiga anualmente, de forma permanente: características

Leia mais

Introdução à Computação

Introdução à Computação Aspectos Importantes - Desenvolvimento de Software Motivação A economia de todos países dependem do uso de software. Cada vez mais, o controle dos processos tem sido feito por software. Atualmente, os

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Diretoria de Formulação de Conteúdos Educacionais Programa Nacional de Tecnologia Educacional

Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Diretoria de Formulação de Conteúdos Educacionais Programa Nacional de Tecnologia Educacional Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Diretoria de Formulação de Conteúdos Educacionais Programa Nacional de Tecnologia Educacional SEB DCE CGMID COGTEC PROINFO SEB SECRETARIA DE EDUCAÇÃO

Leia mais

A PÁGINA DISCIPLINAR DE MATEMÁTICA DO PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO

A PÁGINA DISCIPLINAR DE MATEMÁTICA DO PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO A PÁGINA DISCIPLINAR DE MATEMÁTICA DO PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO Resumo: Dolores Follador Secretaria de Estado da Educação do Paraná e Faculdades Integradas do Brasil - Unibrasil doloresfollador@gmail.com

Leia mais

Técnicas, Legislação e Operação de Sistemas de Educação a Distância (EAD) Módulo/Disciplina Tecnologia Educacional em EAD

Técnicas, Legislação e Operação de Sistemas de Educação a Distância (EAD) Módulo/Disciplina Tecnologia Educacional em EAD 1 Curso Técnicas, Legislação e Operação de Sistemas de Educação a Distância (EAD) Módulo/Disciplina Tecnologia Educacional em EAD Unidade I Material Instrucional - Texto 1. Introdução Qualquer que seja

Leia mais

CAPÍTULO 2. Este capítulo tratará :

CAPÍTULO 2. Este capítulo tratará : 1ª PARTE CAPÍTULO 2 Este capítulo tratará : 1. O que é necessário para se criar páginas para a Web. 2. A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web 3. Navegadores 4. O que é site, Host,

Leia mais

Nesta seção apresentamos protótipos que desenvolvemos com o objetivo de levantar os requesitos necessários para um sistema para apresentações

Nesta seção apresentamos protótipos que desenvolvemos com o objetivo de levantar os requesitos necessários para um sistema para apresentações 3 Protótipos Nesta seção apresentamos protótipos que desenvolvemos com o objetivo de levantar os requesitos necessários para um sistema para apresentações multimídia distribuídas. Os protótipos auxiliaram

Leia mais

5 Mecanismo de seleção de componentes

5 Mecanismo de seleção de componentes Mecanismo de seleção de componentes 50 5 Mecanismo de seleção de componentes O Kaluana Original, apresentado em detalhes no capítulo 3 deste trabalho, é um middleware que facilita a construção de aplicações

Leia mais

1 Introduc ao 1.1 Hist orico

1 Introduc ao 1.1 Hist orico 1 Introdução 1.1 Histórico Nos últimos 100 anos, o setor de telecomunicações vem passando por diversas transformações. Até os anos 80, cada novo serviço demandava a instalação de uma nova rede. Foi assim

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UMA APLICAÇÃO PARA TV DIGITAL U- TILIZANDO A PLATAFORMA GINGA J

DESENVOLVIMENTO DE UMA APLICAÇÃO PARA TV DIGITAL U- TILIZANDO A PLATAFORMA GINGA J DESENVOLVIMENTO DE UMA APLICAÇÃO PARA TV DIGITAL U- TILIZANDO A PLATAFORMA GINGA J Angélica de Oliveira Faculdade de Engenharia de Computação CEATEC angelica.o@puccampinas.edu.br Prof. Dr. David Bianchini

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO DO TIPO SECRETÁRIO VIRTUAL PARA A PLATAFORMA ANDROID

DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO DO TIPO SECRETÁRIO VIRTUAL PARA A PLATAFORMA ANDROID DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO DO TIPO SECRETÁRIO VIRTUAL PARA A PLATAFORMA ANDROID Maik Olher CHAVES 1 ; Daniela Costa Terra 2. 1 Graduado no curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

Leia mais

TV Digital: Visão Geral do Sistema Brasileiro

TV Digital: Visão Geral do Sistema Brasileiro TV Digital: Visão Geral do Sistema Brasileiro O conteúdo deste tutorial foi obtido do trabalho elaborado pelos autores Aldilenice e Rodrigo para a etapa de classificação do III Concurso Teleco de Trabalhos

Leia mais

Oficina de Multimédia B. ESEQ 12º i 2009/2010

Oficina de Multimédia B. ESEQ 12º i 2009/2010 Oficina de Multimédia B ESEQ 12º i 2009/2010 Conceitos gerais Multimédia Hipertexto Hipermédia Texto Tipografia Vídeo Áudio Animação Interface Interacção Multimédia: É uma tecnologia digital de comunicação,

Leia mais

III.2. CABLE MODEMS CARACTERÍSTICAS BÁSICAS UNIDADE III SISTEMAS HÍBRIDOS

III.2. CABLE MODEMS CARACTERÍSTICAS BÁSICAS UNIDADE III SISTEMAS HÍBRIDOS 1 III.2. CABLE MODEMS III.2.1. DEFINIÇÃO Cable modems são dispositivos que permitem o acesso em alta velocidade à Internet, através de um cabo de distribuição de sinais de TV, num sistema de TV a cabo.

Leia mais

Proposta de trabalho para produção do website do Programa Café Colombo. Walmar Andrade atendimento@fatorw.com (81) 9922-7168

Proposta de trabalho para produção do website do Programa Café Colombo. Walmar Andrade atendimento@fatorw.com (81) 9922-7168 Proposta de trabalho para produção do website do Programa Café Colombo Walmar Andrade atendimento@fatorw.com (81) 9922-7168 01. Apresentação Fator W é a marca fantasia através da qual o desenvolvedor web

Leia mais

Desenvolvimento de um Framework de Jogos 3D para Celulares

Desenvolvimento de um Framework de Jogos 3D para Celulares Desenvolvimento de um Framework de Jogos 3D para Celulares Fabrício Brasiliense Departamento de Informática e Estatística(INE) Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) Campus Universitário Trindade-

Leia mais

INTRODUÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO PRIMEFACES MOBILE EM APLICAÇÕES JSF

INTRODUÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO PRIMEFACES MOBILE EM APLICAÇÕES JSF INTRODUÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO PRIMEFACES MOBILE EM APLICAÇÕES JSF Guilherme Macedo, Jaime Willian Dias Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil guilhermemacedo28@gmail.com, jaime@unipar.br Resumo.

Leia mais

TV Digital e Educação a Distância: Discutindo Alguns Pontos e Propondo um Protótipo de Sistema

TV Digital e Educação a Distância: Discutindo Alguns Pontos e Propondo um Protótipo de Sistema TV Digital e Educação a Distância: Discutindo Alguns Pontos e Propondo um Protótipo de Sistema Felipe Stutz de Matos, Wilhelm Santanna Julião, Neide Santos Departamento de Ciência da Computação Universidade

Leia mais

PRODUTO 1 (CONSTRUÇÃO DE PORTAL WEB)

PRODUTO 1 (CONSTRUÇÃO DE PORTAL WEB) RELATÓRIO DE ENTREGA DO PRODUTO 1 (CONSTRUÇÃO DE PORTAL WEB) PARA A ELABORAÇÃO DOS PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PMGIRS PARA OS MUNICÍPIOS DE NOVO HORIZONTE, JUPIÁ, GALVÃO,

Leia mais

Promovendo a Memória de Pelotas pela TV Digital

Promovendo a Memória de Pelotas pela TV Digital Promovendo a Memória de Pelotas pela TV Digital Flávia P. dos Santos, Cauane Blumenberg, Christian Brackmann, Paulo R. G. Luzzardi Centro Politécnico Universidade Católica de Pelotas (UCPEL) Rua Félix

Leia mais

Janine Garcia 1 ; Adamo Dal Berto 2 ; Marli Fátima Vick Vieira 3

Janine Garcia 1 ; Adamo Dal Berto 2 ; Marli Fátima Vick Vieira 3 ENSINO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DO MOODLE COMO INSTRUMENTO NO PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM DO ENSINO MÉDIO E SUPERIOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CATARINENSE (IFC) - CÂMPUS ARAQUARI

Leia mais

GTTV - Grupo de Trabalho de Televisão Digital. Guido Lemos de Souza Filho LAViD - DI CCEN UFPB

GTTV - Grupo de Trabalho de Televisão Digital. Guido Lemos de Souza Filho LAViD - DI CCEN UFPB GTTV - Grupo de Trabalho de Televisão Digital Guido Lemos de Souza Filho LAViD - DI CCEN UFPB Sistema de TV Digital ITV Middleware (eg. MHP or DASE) Real-Time Operating System Device Drivers Conditional

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

Portal de conteúdos Linha Direta

Portal de conteúdos Linha Direta Portal de conteúdos Linha Direta Tecnologias Educacionais PROMOVEM SÃO Ferramentas Recursos USADAS EM SALA DE AULA PARA APRENDIZADO SÃO: Facilitadoras Incentivadoras SERVEM Necessárias Pesquisa Facilitar

Leia mais

15 Computador, projeto e manufatura

15 Computador, projeto e manufatura A U A UL LA Computador, projeto e manufatura Um problema Depois de pronto o desenho de uma peça ou objeto, de que maneira ele é utilizado na fabricação? Parte da resposta está na Aula 2, que aborda as

Leia mais

1. NÍVEL CONVENCIONAL DE MÁQUINA

1. NÍVEL CONVENCIONAL DE MÁQUINA 1. NÍVEL CONVENCIONAL DE MÁQUINA Relembrando a nossa matéria de Arquitetura de Computadores, a arquitetura de Computadores se divide em vários níveis como já estudamos anteriormente. Ou seja: o Nível 0

Leia mais

Manual do Usuário 2013

Manual do Usuário 2013 Manual do Usuário 2013 MANUAL DO USUÁRIO 2013 Introdução Um ambiente virtual de aprendizagem é um programa para computador que permite que a sala de aula migre para a Internet. Simula muitos dos recursos

Leia mais

1 INTRODUÇÃO 1 2 CONSIDERAÇÕES INICIAIS 1 2.1 ARQUITETURA DO SISTEMA 4 3 CONFIGURAÇÃO DO PROCESSADOR BTS 4 3.1 COMPRESSOR 5 3.

1 INTRODUÇÃO 1 2 CONSIDERAÇÕES INICIAIS 1 2.1 ARQUITETURA DO SISTEMA 4 3 CONFIGURAÇÃO DO PROCESSADOR BTS 4 3.1 COMPRESSOR 5 3. COMPRESSOR / DECOMPRESSOR TS9600 BTS i SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 1 2 CONSIDERAÇÕES INICIAIS 1 2.1 ARQUITETURA DO SISTEMA 4 3 CONFIGURAÇÃO DO PROCESSADOR BTS 4 3.1 COMPRESSOR 5 3.2 DECOMPRESSOR 6 4. CARACTERÍSTICAS

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) SISTEMAS PARA INTERNET INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 68 A disciplina estuda a área da informática como um todo e os conceitos fundamentais, abrangendo

Leia mais

Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) Guia de Estudos Metodologias Jovem de Futuro

Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) Guia de Estudos Metodologias Jovem de Futuro Guia de Estudos Metodologias Jovem de Futuro Precisamos reinventar a forma de ensinar e aprender, presencial e virtualmente, diante de tantas mudanças na sociedade e no mundo do trabalho. Os modelos tradicionais

Leia mais