PADRÕES DE MIDDLEWARE PARA TV DIGITAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PADRÕES DE MIDDLEWARE PARA TV DIGITAL"

Transcrição

1 PADRÕES DE MIDDLEWARE PARA TV DIGITAL Rafael V. Coelho Fundação Universidade Federal do Rio Grande (FURG) Rio Grande - RS Resumo. Este trabalho discute os tipos de Middleware usados para os principais Sistemas de Televisão Digital do mundo. Incluindo os padrões americano, europeu e japonês. As principais características de cada um destes padrões são esclarecidas no decorrer do artigo. Palavras-chave: TV Digital, Middleware 1. INTRODUÇÃO A principal meta deste artigo é a de esclarecer todo o funcionamento e arquitetura proposta por cada um dos principais padrões de middleware utilizados para a composição de um Sistema Digital de Televisão no mundo, inclusive no Brasil. Será também explicado, o funcionamento, qual a estrutura da arquitetura de um Sistema Digital de Televisão e quais os principais componentes contidos neste. Além disso, serão explicados os tipos de Middleware utilizados nos padrões de TV Digital. Outra meta deste trabalho é fazer uma relação entre os padrões de TV Digital mundo a fora e o modelo brasileiro. 2. A ARQUITETURA DE UM SISTEMA DIGITAL DE TELEVISÃO Para que haja um entendimento sobre os padrões de middleware utilizados, é preciso especificar qual a arquitetura de um Sistema de televisão Digital e como seus componentes internos se relacionam. Similarmente ao modelo OSI em Redes de Computadores, a arquitetura de SDTV também é dividida em camadas. Estas são independentes e cada camada superior deve utilizar os serviços oferecidos pela inferior e, ao mesmo tempo, proporcionar serviços a camada superior a mesma. As camadas são diferenciadas no transmissor e no receptor. Primeiramente, é feita a captura de vídeo, áudio e dados através de uma câmera ou de um arquivo de streaming. Este sinal é codificado (camada de middleware) e é feita a compressão dos dados do programa (camada de compressão) para que possam ser transmitidos. Depois da multiplexação dos dados comprimidos em fluxo de transporte (camada de transporte). Este fluxo codificado é adequado (modulação) ao meio de transmissão (camada de modulação). A camada mais alta do transmissor é a camada de Transmissão, na qual transmitido o sinal da TV. Enquanto isto, no receptor, o sinal da TV deve ser sintonizado (camada de recepção), demodulado e decodificado em fluxo de transporte (camada de demodulação), o programa em questão deve ser demultiplexado (camada de transporte), descomprimido (camada de descompressão) e finalmente extraídos pelo Middleware. A função do middleware é a de possibilitar que aplicações possam ser escritas de modo mais independente possível do hardware e do sistema operacional, permitindo que uma mesma aplicação possa ser carregado e executado em diferentes equipamentos receptores. É importante ressaltar que acima da camada de middleware, existe a camada de aplicação onde são colocadas as aplicações para TV - Interativa, por exemplo. Além disso, para que possa ser visto em uma TV analógica, deve ser utilizado um SET-TOP BOX que transforma os sinais digitais em sinais específicos para a TV analógica.

2 Os padrões MPEG são usados para codificação e compressão de dados multimídia. O tipo MPEG-1 foi criado para vídeos codificados até 1,5 Mbps com qualidade VHS, e áudio codificado com 192 Kbps por canal. MPEG-2 é baseado em MPEG-1, mas mais otimizado. Ele é capaz de codificar vários vídeos entre 4 e 9 Mbps para TV ou entre 15 e 100 Mbps para HDTV. Já o padrão MPEG-4 representa conteúdos de mídia na forma de objetos. Com isso, pode ser feita tanto no servidor quanto no transmissor, a manipulação dos dados, removendo ou inserindo objetos. Além disso, cada padrão de televisão digital deve ter o seu tipo de codificação do sinal de áudio. O Dolby AC-3 é utilizado no ATSC, o MPEG-1 e MPEG-2 são utilizados no DVB e o MPEG-2 AAC é utilizado no ISDB. A camada de transporte é que faz a multiplexação dos dados. Nesta camada é feito o agrupamento de áudio, vídeo e dados em um único fluxo MPEG-TS (Transport Stream) numa mesma base de tempo. Como são utilizados pequenos pacotes para encapsular os fluxos, torna-se fácil a ressincronização de um vídeo para o caso de ocorrerem perdas de pacote no MPEG-TS. A modulação é o processo pelo qual a onda transmitida é alterada de acordo com o sinal da informação a ser transmitida. Permitindo assim que o conteúdo do sinal de mensagens não seja tão vulnerável a ruídos. Os padrões utilizados hoje em dia são COFDM (Coded Orthogonal Frequency Division Multiplexing) pelo ISDB (padrão japonês) e pelo DVB (padrão europeu). Já o padrão americano (ATSC) utiliza 8-VSB (8 L-Vestigial Side Band Modulation) para modular o sinal. 3. PADRÕES DE MIDDLEWARE As aplicações de TV Digital (DTV) podem ser divididas em aplicações procedurais e aplicações declarativas. Linguagens não declarativas podem seguir diferentes paradigmas. Têm-se assim as linguagens procedurais baseadas em módulos, orientadas a objetos. Numa programação procedural, devemos informar ao computador cada passo a ser executado. O programador possui, assim, um maior poder sobre o código, sendo capaz de estabelecer todo o fluxo de controle e execução de seu programa. Nas linguagens declarativas, existe um nível maior de abstração, usualmente ligadas a um domínio ou objetivo específico. O programador fornece apenas o conjunto das tarefas a serem realizadas, não estando preocupado com os detalhes de como o executor da linguagem (interpretador ou compilador) realmente implementará essas tarefas. 3.1 DASE O middleware DASE ou DTV Application Software Enviroment é utilizado no padrão de TV Digital Norte-Americano ATSC. Este middleware permite que serviços interativos sejam executados normalmente por qualquer receptor. O padrão DASE é um esforço do Advanced Television System Committee (ATSC) que permite aos criadores de conteúdo aperfeiçoado e interativo as especificações necessárias para que os aplicativos e dados executem uniformemente em todos os modelos e marcas de receptores. Uma aplicação DASE é um conjunto de informações que são processadas por um ambiente de aplicação para fornecer interatividade com o usuário final ou alterar o estado do ambiente da aplicação. O conteúdo da aplicação pode ser de natureza declarativa ou procedural. As aplicações declarativas tem como objetivo, principal, a apresentação de dados de forma estática. Fazem uso de várias tecnologias web, como linguagens baseadas em tags, XHTML, CSS (Cascading Style Sheets) e DOM (Document Object Model), fluxos de áudio e vídeo. Já os aplicativos procedurais são aqueles que incluem algum processamento lógico. Sendo implementados através de código escrito na linguagem de programação Java[1]. Sendo assim, este tipo de aplicação é capaz de processar tarefas mais complexas dinamicamente.

3 Existe ainda uma categoria de aplicações híbridas, que permite uma mistura de conteúdo de aplicativos tanto declarativos como procedurais. O ambiente de aplicativos DASE fornece browser para conteúdo de aplicações declarativas e uma Máquina Virtual Java. Este tipo de middleware não especifica a implementação de um set-top box específico. 3.2 MHP O padrão MHP é o middleware usado no padrão de TV Digital Europeu DVB. O padrão MHP consiste de uma combinação de suportes à broadcast e à Internet, oferecendo uma API acessível a todos que desejam desenvolver aplicações, receptores e aparelhos de TV. No perfil Enhanced, não é oferecido suporte a canal de retorno e conexão IP. Executa as aplicações via difusão (broadcast). Já o perfil Interactive suporta a um canal de retorno e conexão IP, permitindo assim a possibilidade de interatividade remota. O ultimo perfil disponibilizado pelo Middleware MHP é o Internet Access que suporta aplicações web, além de aplicações desenvolvidas em Java. Este último perfil só foi disponibilizado na versão MHP 1.1. Todos os perfis possuem suporte a aplicações interativas desenvolvidas com a DVB-J que representa um conjunto de funções de alto nível, estruturas de dados e protocolos que representam uma interface padrão para o desenvolvimento de software independente de plataforma de hardware. Duas importantes diferenças entre o MHP 1.0 e o MHP 1.1 são que a nova especificação permite a possibilidade de armazenar localmente aplicações e plug-ins recebidos por difusão, além do acréscimo da DVB-HTML API, uma interface de programação de aplicações baseadas em HTML. Existem dois tipos de aplicações suportadas pelo padrão MHP: DVB-HTML (apresentada através de conteúdo hipermídia) e DVB-J (representadas através de conteúdo compilado na linguagem Java). O MPH é dividido em três camadas: recursos (hardware embutidos), software (aplicações) e interface das aplicações (interoperabilidade). Na camada de recursos estão incluídos os recursos de hardware embutidos na televisão ou set-top-box. Recursos disponíveis incluem hardware de decodificação MPEG, dispositivos de entrada e saída de dados, CPU, memória e sistemas de geração de imagem. Já na camada de software, as aplicações não acessam diretamente os recursos de hardware. Ela traz uma visão abstrata dos recursos disponíveis. Este isolamento entre hardware e software cria portabilidade. Esta camada também inclui um gerenciador de aplicações, que é responsável por controlar o ciclo de vida das aplicações. Finalmente, na camada de Interface das Aplicações, é mantida a interoperabilidade das diversas aplicações MHP desenvolvidas, utilizando principalmente a DVB-J API, aplicações estas orientadas a objeto e baseadas na linguagem de programação Java. Em 2004, uma pesquisa demonstrou que foram registradas vendas de receptores com MHP na Itália. Um estudo feito em 2003 mostrou que receptores estavam funcionando na Coréia do Sul. Isso sem contar que também é o padrão da Alemanha e da Suécia. Com isto, nota-se a abrangência do padrão MHP na Europa e em outros Países como a Coréia do Sul. 3.3 ARIB O padrão de middleware ARIB (Association of Radio Industries and Business) é utilizado no padrão Japonês ISDB. Neste sistema, áudio, vídeo e todos os serviços de dados são multiplexados e transmitidos via broadcasting de rádio, em um TS (Transport Stream) especificado pelo MPEG-2. Canais para a interatividade das comunicações são disponibilizados através dos canais interativos da rede. O sistema de transmissão de dados que utiliza o armazenamento dos pacotes como um fluxo de pacotes no PES (Packetized Elementary Stream) é usado para aplicações em tempo real, que necessitam de sincronização na decodificação e reprodução dos diferentes tipos de mídia. A estrutura lógica do display ARIB é composta, respectivamente, de plano de

4 vídeo, plano de figura, plano de controle, plano de gráficos e textos e plano de legendas. Além disso, existe o sistema de transmissão de dados, no qual os dados serão transmitidos inúmeras vezes. Este serviço é especificado como carrossel de dados. Outra facilidade proporcionada pelo ARIB é que ele permite adicionar EPG (Electronic Program Guide), índice e funções de gravação automática para melhorar a seleção da programação. Facilitando assim a programação pessoal do usuário. 3.4 Ginga O padrão de camada de software intermediário Ginga[2] foi o primeiro middleware opensource desenvolvido no Brasil com o intuito de prover funções de interatividade para TV Digital e foi lançado no dia 3 de Julho de 2007 no Auditório Principal do Instituto Militar de Engenharia Praia Vermelha, Rio de Janeiro. O Middleware Ginga foi uma iniciativa realizada pelo Laboratório TeleMídia do Departamento de Informática da PUC - Rio em conjunto com o Laboratório LAVID da Universidade Federal da Paraíba. Este padrão brasileiro é divido em Ginga-NCL[3] e Ginga-J. O Laboratório TeleMídia foi responsável pelo Ginga-NCL que é uma infra-estrutura de apresentação para aplicações declarativas escritas na linguagem Nested Context Language (NCL). NCL é uma aplicação XML com facilidades para a especificação de aspectos de interatividade e sincronismo espaço-temporal entre objetos de mídia. Enquanto isso, o Laboratório LAVID foi responsável por desenvolver o Ginga-J que é a infra-estrutura de apresentação para aplicações procedurais (Java Xlet). E é através desta que pode ser implementada aplicações de maior complexidade que provê a interação com o usuário. Existe uma ponte (bridge) entres os módulos Ginga-NCL e Ginga-J que é disponibilizado pela arquitetura Ginga. Além destes dois módulos citados acima, também existe o módulo Common Core que é a camada de software que dá suporte para os outros módulos através de uma série de codecs e procedimentos para obter dados do MPEG-TS ou do canal de retorno que permite a possibilidade de interatividade. Ginga-NCL. O subsistema lógico Ginga- NCL é composto por uma série de módulos. O mais importante módulo é o NCL Formatter, já que este é responsável por receber um documento NCL e controlar a sua apresentação, tentando garantir que relacionamentos entre objetos de mídia sejam respeitados. Os documentos NCL são providos por uma estrutura chamada private base que corresponde um canal de TV. A partir da linguagem NCL, os objetos envolvidos são descritos e a sincronização entre eles é obtida. Além de especificar o espaço temporal dos mesmos. Os objetos são descritos em documentos NCL que por sua vez são executados pelo Formatador NCL. Os tipos de objetos suportados depende diretamente do NCL player embutido no Formatador NCL. Um destes players é o decoder/player implementado em hardware pelo receptor. Outros módulos do Ginga-NCL merecem destaque. O XHTML-based user agent é composto por um interpretador stylesheet (CSS) e um interpretador ECMAScript. E o módulo LUA engine é responsável por interpretar scripts LUA. LUA[4] é uma linguagem de programação leve e poderosa, projetada para estender aplicações. Seus scripts são acoplados a programas maiores que precisam ler e executar programas escritos pelos usuários. Ginga-J. A arquitetura Ginga-J é composta de cinco camadas: Hardware, Sistema Operacional, Implementação Ginga e Java Virtual Machine (JVM), API Ginga-J e Xlets. Dentre as camadas que compõem a arquitetura Ginga-J, merece destaque a de aplicações. Aplicações para TV Digital, principalmente com enfoque interativo são chamados de Xlets. São similares a Applets em java, mas não são iguais. Xlets são aplicações desenvolvidas em Java TV[5] que é uma API que estende a plataforma Java. Foi

5 desenvolvida pela Sun Microsystems[6] para prover acesso e funcionalidades num receptor de televisão digital. A Sun Microsystems fornece um emulador para simular uma TV Digital em um desktop, chamado XletView. Este é baseado no middleware MHP e é Open Source. Desta forma, as aplicações (Xlets) desenvolvidos podem ser testados de forma rápida e fácil. Para implementar um Xlet, devem ser implementados um número pequeno de métodos que controlam o ciclo de vida do mesmo. 4. CONCLUSÃO A televisão analógica está caindo em desuso. A televisão digital surgiu com o objetivo de ter uma melhor qualidade de imagem e som. Faz melhor uso da largura de banda, tem a transmissão do sinal livre de ruídos. Com isso, possibilita a existência da televisão de alta definição além de permitir a interatividade que é a área de mais rápido desenvolvimento atualmente e de maior interesse. Onde se captava um único programa por canal, poderão existir vários programas (sistema de múltiplos programas). Existem ainda outras vantagens que não serão abordadas neste trabalho. Como exemplos pode-se citar o T-commerce, o comércio eletrônico pela TV, e o T-Banking, serviços bancários também pelo monitor de TV. Isto sem falar na TV interativa que é uma das áreas de maior atratividade e de progresso rápido. Um sistema de transmissão de TV Digital consiste de uma estação transmissora (head-end), um meio físico sobre o qual o sinal de vídeo é transmitido, que pode ser o ar, cabos ou mesmo satélites, e um receptor ou Terminal de Acesso que recebe o sinal transmitido, o decodifica e o exibe. Para garantir a compatibilidade entre estes elementos e permitir que o vídeo possa ser exibido nos destinos, é necessário que sejam padronizada a comunicação entre estes elementos através de padrões. Os padrões mais consolidados são o padrão de TV Digital Norte-Americano ATSC que utiliza o middleware DASE, o padrão Europeu DVB que utiliza o Middleware MHP e o padrão Japonês ISDB que utiliza o Middleware ARIB. Além destes, é importante ressaltar o padrão brasileiro de Middleware Ginga que foi uma iniciativa realizada pelo Laboratório TeleMídia do Departamento de Informática da PUC - Rio em conjunto com o Laboratório LAVID da Universidade Federal da Paraíba. REFERÊNCIAS [1] DEITEL H., DEITEL P. (2005). Java: Como Programar. Prentice-Hall, Edição 6. [2] [3] [4] Ierusalimschy R. (2006). Programming in Lua. Lua.org, Edição 2. [5] Bart Calder, et al, JavaTV API Technical Overview: The JavaTV API Whitepaper, 2000 [6]

Desenvolvimento de Sistemas para TV Digital. Prof. Fabrício J. Barth fbarth@tancredo.br Faculdades Tancredo Neves

Desenvolvimento de Sistemas para TV Digital. Prof. Fabrício J. Barth fbarth@tancredo.br Faculdades Tancredo Neves Desenvolvimento de Sistemas para TV Digital Prof. Fabrício J. Barth fbarth@tancredo.br Faculdades Tancredo Neves Objetivo Apresentar os conceitos básicos para o desenvolvimento de sistemas para TV Digital.

Leia mais

Introdução Padrão Brasileiro de TV Digital. Desenvolvimento de Aplicações Interativas. Trabalhos em andamento

Introdução Padrão Brasileiro de TV Digital. Desenvolvimento de Aplicações Interativas. Trabalhos em andamento Introdução Padrão Brasileiro de TV Digital Middleware GINGA Desenvolvimento de Aplicações Interativas Linguagem NCL (Nested Context Language) Trabalhos em andamento 1 2 3 4 Maior resolução de imagem Melhor

Leia mais

Entretenimento e Interatividade para TV Digital

Entretenimento e Interatividade para TV Digital Entretenimento e Interatividade para TV Digital Desenvolvimento de Aplicativos para TV Digital Interativa Rodrigo Cascão Araújo Diretor Comercial Apresentação da Empresa A EITV desenvolve software e provê

Leia mais

NCL e Java. Aquiles Burlamaqui

NCL e Java. Aquiles Burlamaqui Construindo programas de TV Digital Interativa usando NCL e Java Aquiles Burlamaqui Sumário Introdução Middleware Aplicações de TVDI Ginga NCL Ginga J Conclusões Introdução TV Digital Interativa O que

Leia mais

Jornalismo Multiplataforma. Tecnologias Redes e Convergência. eduardo.barrere@ice.ufjf.br

Jornalismo Multiplataforma. Tecnologias Redes e Convergência. eduardo.barrere@ice.ufjf.br Jornalismo Multiplataforma Tecnologias Redes e Convergência eduardo.barrere@ice.ufjf.br Panorama Em 2011, a TV atingiu 96,9% (http://www.teleco.com.br/nrtv.asp) TV Digital Uma novidade???? TV Digital Resolve

Leia mais

Televisão Digital Interativa se faz com Ginga. Guido Lemos de Souza Filho LAVID DI - UFPB

Televisão Digital Interativa se faz com Ginga. Guido Lemos de Souza Filho LAVID DI - UFPB Televisão Digital Interativa se faz com Ginga Guido Lemos de Souza Filho LAVID DI - UFPB Instituições Selecionadas para Elaborar Propostas de Alternativas Tecnológicas Requisitos básicos b do SBTVD Robustez

Leia mais

Padrões de Middleware para TV Digital

Padrões de Middleware para TV Digital Padrões de Middleware para TV Digital Alexsandro Paes, Renato Antoniazzi UFF Universidade Federal Fluminense Centro Tecnológico Departamento de Engenharia de Telecomunicações Mestrado em Telecomunicações

Leia mais

PADRÕES DE MIDDLEWARE PARA TV DIGITAL

PADRÕES DE MIDDLEWARE PARA TV DIGITAL Niterói, RJ, Brasil, 8-10 de novembro de 2005. PADRÕES DE MIDDLEWARE PARA TV DIGITAL Alexsandro Paes, Renato H. Antoniazzi, Débora C. Muchaluat Saade Universidade Federal Fluminense (UFF) / Centro Tecnológico

Leia mais

APLICAÇÃO PARA A TV DIGITAL INTERATIVA UTILIZANDO A API JAVATV Eli CANDIDO JUNIOR 1 Francisco Assis da SILVA 2

APLICAÇÃO PARA A TV DIGITAL INTERATIVA UTILIZANDO A API JAVATV Eli CANDIDO JUNIOR 1 Francisco Assis da SILVA 2 APLICAÇÃO PARA A TV DIGITAL INTERATIVA UTILIZANDO A API JAVATV Eli CANDIDO JUNIOR 1 Francisco Assis da SILVA 2 RESUMO: A televisão é uma das principais fontes de informação, entretenimento e cultura. A

Leia mais

GTTV - Grupo de Trabalho de Televisão Digital. Guido Lemos de Souza Filho LAViD - DI CCEN UFPB

GTTV - Grupo de Trabalho de Televisão Digital. Guido Lemos de Souza Filho LAViD - DI CCEN UFPB GTTV - Grupo de Trabalho de Televisão Digital Guido Lemos de Souza Filho LAViD - DI CCEN UFPB Sistema de TV Digital ITV Middleware (eg. MHP or DASE) Real-Time Operating System Device Drivers Conditional

Leia mais

Visão Geral das Tecnologias Envolvidas no Desenvolvimento de Aplicações Interativas para o Sistema Brasileiro de TV

Visão Geral das Tecnologias Envolvidas no Desenvolvimento de Aplicações Interativas para o Sistema Brasileiro de TV Visão Geral das Tecnologias Envolvidas no Desenvolvimento de Aplicações Interativas para o Sistema Brasileiro de TV Felipe S. PEREIRA 1, Danielle COSTA 2 1 aluno do curso de Análise e Desenvolvimento de

Leia mais

Engenheiro Eletrônico pela PUC-RJ e mestrando da Universidade Federal Fluminense.

Engenheiro Eletrônico pela PUC-RJ e mestrando da Universidade Federal Fluminense. Padrões de Middleware para TV Digital Este tutorial apresenta o conceito de middleware para TV Digital, os atuais padrões de mercado e uma comparação entre eles, em termos de funcionalidades disponibilizadas.

Leia mais

Desenvolvimento de Aplicações Interativas. GINGA NCL e LUA. Projeto TV Digital Social

Desenvolvimento de Aplicações Interativas. GINGA NCL e LUA. Projeto TV Digital Social Desenvolvimento de Aplicações Interativas GINGA NCL e LUA Projeto TV Digital Social Marco Antonio Munhoz da Silva DATAPREV Gestor do Proejeto TV Digital Social AGENDA Divisão dos assuntos em quatro partes

Leia mais

Protocolo de Aplicação para Jogos de Tabuleiro para Ambiente de TV Digital

Protocolo de Aplicação para Jogos de Tabuleiro para Ambiente de TV Digital Protocolo de Aplicação para Jogos de Tabuleiro para Ambiente de TV Digital Felipe Martins de Lima Escola de Engenharia Universidade Federal Fluminense (UFF) Rua Passo da Pátria, 156 São Domingos Niterói

Leia mais

TV Dig ital - S ocial

TV Dig ital - S ocial Edson Luiz Castilhos Gerente Célula Software Livre - RS Marco Antonio Munhoz da Silva Gestor Projeto TV Digital Social 1 AGENDA O que é TV Digital? Histórico TV Analógica x TV Digital Sistema de TV Digital

Leia mais

Ginga e a TV Digital Interativa no Brasil

Ginga e a TV Digital Interativa no Brasil Ginga e a TV Digital Interativa no Brasil Bruno Ghisi Engenheiro de Software weblogs.java.net/brunogh Alexandre Lemos Engenheiro de Software Objetivo Introduzir o conceito do cenário brasileiro de TV Digital,

Leia mais

Demonstrações: Requisitos do M iddleware

Demonstrações: Requisitos do M iddleware 1 Copyright 2012 TeleMídia Agenda Introdução à TV Digital Demonstrações: Requisitos do M iddleware M odelo de Referência Ginga: NCL (Lua) Considerações Finais 2 Copyright 2012 TeleMídia Copyright Laboratório

Leia mais

GINGA - Software Livre para TV Digital Brasileira

GINGA - Software Livre para TV Digital Brasileira 1 of 6 23/6/2010 22:40 GINGA - Software Livre para TV Digital Brasileira Autor: Paulo Roberto Junior - WoLF Data: 13/04/2009 O que é GINGA Posso falar com minhas próprias indagações

Leia mais

1.1. Aplicações de TVD dinâmicas

1.1. Aplicações de TVD dinâmicas 1 Introdução Uma aplicação de TV Digital (TVD) comumente é composta por um vídeo principal associado a outros objetos (aplicações, imagens, vídeos, textos etc.), que são transmitidos em conjunto possibilitando

Leia mais

TV Digital Interativa Jocimar Fernandes ESAB Vitória (ES)

TV Digital Interativa Jocimar Fernandes ESAB Vitória (ES) TV Digital Interativa Jocimar Fernandes ESAB Vitória (ES) Introdução Este trabalho apresenta o modelo brasileiro de telecomunicações, seus problemas e motivos de migração para um sistema digital. São abordados

Leia mais

UMA PROPOSTA DE API PARA DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES MULTIUSUÁRIO E MULTIDISPOSITIVO PARA TV DIGITAL UTILIZANDO O MIDDLEWARE GINGA

UMA PROPOSTA DE API PARA DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES MULTIUSUÁRIO E MULTIDISPOSITIVO PARA TV DIGITAL UTILIZANDO O MIDDLEWARE GINGA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA NATUREZA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM INFORMÁTICA UMA PROPOSTA DE API PARA DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES MULTIUSUÁRIO

Leia mais

TV Digital no Brasil e o Middleware Ginga. Luiz Eduardo Cunha Leite

TV Digital no Brasil e o Middleware Ginga. Luiz Eduardo Cunha Leite TV Digital no Brasil e o Middleware Ginga Luiz Eduardo Cunha Leite 1 Sistema de TV Digital no Brasil 3G 1 Seg 2 PTSN, Internet, etc. Nível de Transporte TCP / IP -SI -Carrossel de Dados e Objetos -MPE

Leia mais

Conversor de TV Digital Terrestre: Set-top box

Conversor de TV Digital Terrestre: Set-top box Conversor de TV Digital Terrestre: Set-top box Este tutorial apresenta detalhes de funcionamento de um Conversor de TV Digital Terrestre, também chamado de Set-top box ou terminal de acesso, incluindo

Leia mais

Desenvolvendo Aplicações para TV Digital Interativa

Desenvolvendo Aplicações para TV Digital Interativa Desenvolvendo Aplicações para TV Digital Interativa Sávio Luiz de Oliveira Almeida 1, Frederico Coelho 1 1 Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC) Barbacena MG Brasil 2 Departamento de Ciência

Leia mais

ANÁLISE DO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES PARA TV DIGITAL INTERATIVA EM UM CENÁRIO DE T-COMMERCE

ANÁLISE DO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES PARA TV DIGITAL INTERATIVA EM UM CENÁRIO DE T-COMMERCE III Congresso de Pesquisa e Inovação da Rede Norte Nordeste de Educação Tecnológica ANÁLISE DO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES PARA TV DIGITAL INTERATIVA EM UM CENÁRIO DE T-COMMERCE Nairon S.

Leia mais

TECNOLOGIAS PARA O DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES EDUCACIONAIS PARA TV DIGITAL

TECNOLOGIAS PARA O DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES EDUCACIONAIS PARA TV DIGITAL TECNOLOGIAS PARA O DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES EDUCACIONAIS PARA TV DIGITAL Lady Daiana O. PINTO (1,2), José P. QUEIROZ-NETO (1), Kátia Cilene N. SILVA (2). (1) Centro Federal de Educação Tecnológica

Leia mais

MDD Mídias Interativas. TV Digital no Brasil

MDD Mídias Interativas. TV Digital no Brasil Pós-Graduação MDD Mídias Interativas TV Digital no Brasil Apresentações Profª. Graciana Simoní Fischer de Gouvêa Email: graciana.fischer@prof.infnet.edu.br COMO FUNCIONAVA A TV NO BRASIL? Analógico Analógico

Leia mais

1 Introdução. 1.1. Motivação

1 Introdução. 1.1. Motivação 1 Introdução A adoção do Ginga-NCL como middleware declarativo do SBTVD (Sistema Brasileiro de Televisão Digital) estabeleceu um marco no desenvolvimento de aplicações interativas para TV Digital terrestre

Leia mais

Um framework para o desenvolvimento de aplicações interativas para a Televisão Digital

Um framework para o desenvolvimento de aplicações interativas para a Televisão Digital Um framework para o desenvolvimento de aplicações interativas para a Televisão Digital Adriano Simioni, Valter Roesler Departamento de Informática Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS) Av. Unisinos,

Leia mais

B ringing Al l U sers to the Television

B ringing Al l U sers to the Television PUC Minas Campus de Poços de Caldas Departamento de Ciência da Computação Laboratório de Televisão Digital Interativa B ringing Al l U sers to the Television Prof. Dr. João Benedito dos Santos Junior Coordenador

Leia mais

Entretenimento e Interatividade para TV Digital

Entretenimento e Interatividade para TV Digital Entretenimento e Interatividade para TV Digital Interatividade na TV Digital Ginga e Plataformas de Desenvolvimento Rodrigo Cascão Araújo Diretor Comercial O que é a TV Digital Transmissão da emissora

Leia mais

Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa

Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa Agenda Introdução Aplicações interativas de TV Digital Desafios de layout e usabilidade Laboratório de usabilidade Desafios

Leia mais

Amadeus-TV: Portal Educacional na TV Digital Integrado a um Sistema de Gestão de Aprendizado

Amadeus-TV: Portal Educacional na TV Digital Integrado a um Sistema de Gestão de Aprendizado Amadeus-TV: Portal Educacional na TV Digital Integrado a um Sistema de Gestão de Aprendizado Bruno de Sousa Monteiro Orientação: Prof. Dr. Fernando da Fonseca de Souza Prof. Dr. Alex Sandro Gomes 1 Roteiro

Leia mais

Middleware Ginga. Jean Ribeiro Damasceno. Escola de Engenharia Universidade Federal Fluminense (UFF) RuaPassoda Pátria, 156 Niterói RJ Brasil

Middleware Ginga. Jean Ribeiro Damasceno. Escola de Engenharia Universidade Federal Fluminense (UFF) RuaPassoda Pátria, 156 Niterói RJ Brasil Fundamentos de Sistemas Multimídia Prof. ª Débora C. Muchaluat Saade Middleware Ginga Jean Ribeiro Damasceno Escola de Engenharia (UFF) RuaPassoda Pátria, 156 Niterói RJ Brasil jeanrdmg@yahoo.com.br Introdução

Leia mais

Proposta para Grupo de Trabalho. GT TV Grupo de Trabalho de TV Digital

Proposta para Grupo de Trabalho. GT TV Grupo de Trabalho de TV Digital Proposta para Grupo de Trabalho GT TV Grupo de Trabalho de TV Digital Guido Lemos de Souza Filho 10/09/2005 1. Título GT TV Grupo de Trabalho de TV Digital 2. Coordenador Guido Lemos de Souza Filho guido@lavid.ufpb.br

Leia mais

PESPECTVIAS DO PROJETO DE PESQUISA DESENVOLVIMENTO DE MIDDLEWARE PARA DIVULGAÇÃO DE SABERES POPULARES NO CANAL DE INTERATIVIDADE DA TV DIGITAL *

PESPECTVIAS DO PROJETO DE PESQUISA DESENVOLVIMENTO DE MIDDLEWARE PARA DIVULGAÇÃO DE SABERES POPULARES NO CANAL DE INTERATIVIDADE DA TV DIGITAL * PESPECTVIAS DO PROJETO DE PESQUISA DESENVOLVIMENTO DE MIDDLEWARE PARA DIVULGAÇÃO DE SABERES POPULARES NO CANAL DE INTERATIVIDADE DA TV DIGITAL * Wellington Garcia PEREIRA 1 ; Hudson Henrique de Sousa LOPES

Leia mais

FUNDAMENTOS DE TV DIGITAL. Objetivos do Sistema Digital. Digital. Comparação. (NTSC x ATSC) Transmissão simultânea de várias programações

FUNDAMENTOS DE TV DIGITAL. Objetivos do Sistema Digital. Digital. Comparação. (NTSC x ATSC) Transmissão simultânea de várias programações PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ FUNDAMENTOS DE TV DIGITAL Prof. Alexandre A. P. Pohl Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica e Informática Industrial - CPGEI 1 Objetivos do Sistema

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DA TERRA E DO MAR CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DA TERRA E DO MAR CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DA TERRA E DO MAR CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ESTUDO DO POTENCIAL INTERATIVO DA TV DIGITAL PARA APLICAÇÕES EDUCACIONAIS Área de Informática

Leia mais

Rodrigo Laiola Guimarães Romualdo M. de Resende Costa

Rodrigo Laiola Guimarães Romualdo M. de Resende Costa Rodrigo Laiola Guimarães Romualdo M. de Resende Costa Interatividade e Sincronismo em TV Digital MONOGRAFIA DA DISCIPLINA DE TÓPICOS DE HIPERTEXTO E MULTIMÍDIA II - "SEMINÁRIOS SOBRE TV DIGITAL INTERATIVA"

Leia mais

TDC 2011 - T-Commerce e T-Banking- Aplicações Seguras. Julho de 2011 Aguinaldo Boquimpani Gerente Senior de Produtos TOTVS TQTVD

TDC 2011 - T-Commerce e T-Banking- Aplicações Seguras. Julho de 2011 Aguinaldo Boquimpani Gerente Senior de Produtos TOTVS TQTVD TDC 2011 - T-Commerce e T-Banking- Aplicações Seguras Julho de 2011 Aguinaldo Boquimpani Gerente Senior de Produtos TOTVS TQTVD TDC 2011 AGENDA I. Cadeia de valor da TV Digital Interativa II. O Ginga e

Leia mais

Lady Daiana O. Pinto ; José P. Queiroz-Neto e Kátia Cilene N. Silva (1) (2) Centro Federal de Educação Tecnológica do Amazonas CEFET

Lady Daiana O. Pinto ; José P. Queiroz-Neto e Kátia Cilene N. Silva (1) (2) Centro Federal de Educação Tecnológica do Amazonas CEFET DESENVOLVIMENTO DE JOGOS EDUCACIONAIS PARA TV DIGITAL 1 2 3 Lady Daiana O. Pinto ; José P. Queiroz-Neto e Kátia Cilene N. Silva (1) (2) Centro Federal de Educação Tecnológica do Amazonas CEFET (1) ladypinheiro@cefetam.edu.br

Leia mais

Bringing All Users to the Television

Bringing All Users to the Television PUC Minas Campus de Poços de Caldas Departamento de Ciência da Computação Laboratório de Televisão Digital Interativa Bringing All Users to the Television Guia de Instalação, Configuração e Desenvolvimento

Leia mais

Serviços de Mídia Contínua Em Redes de Pacotes

Serviços de Mídia Contínua Em Redes de Pacotes Serviços de Mídia Contínua Em Redes de Pacotes Caracterização das Aplicações e Requisitos PUC -Rio Departamento de Informática Luiz Fernando Gomes Soares lfgs@inf.puc-rio.br Tópicos Aplicações de Banda

Leia mais

TV Digital : Convergência e Interatividade. 2010 HXD Interactive Television

TV Digital : Convergência e Interatividade. 2010 HXD Interactive Television TV Digital : Convergência e Interatividade. A TELEVISÃO. A Televisão... o mais subversivo instrumento da comunicação deste século!" Assis Chateaubriand (1950). A Televisão Sem TV é duro de dizer quando

Leia mais

TuGA: Um Middleware para o Suporte ao Desenvolvimento de Jogos em TV Digital Interativa

TuGA: Um Middleware para o Suporte ao Desenvolvimento de Jogos em TV Digital Interativa TuGA: Um Middleware para o Suporte ao Desenvolvimento de Jogos em TV Digital Interativa David de Almeida Ferreira Cidcley Teixeira de Souza 1 NASH Núcleo Avançado em Engenharia de Software Distribuído

Leia mais

Jorge Fernandes (jhcf@cic.unb.br) 1,2 Guido Lemos (guido@di.ufpb.br) 3 Gledson Elias Silveira (gledson@di.ufpb.br) 3

Jorge Fernandes (jhcf@cic.unb.br) 1,2 Guido Lemos (guido@di.ufpb.br) 3 Gledson Elias Silveira (gledson@di.ufpb.br) 3 Introdução à Televisão Digital Interativa: Arquitetura, Protocolos, Padrões e Práticas Dia 1 Minicurso com duração de 6 Horas, Apresentado na XXIII Jornada de Atualização em Informática do XXIV Congresso

Leia mais

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador Sistemas de Informação Prof. Anderson D. Moura Um programa de computador é composto por uma seqüência de instruções, que é interpretada e executada por um processador ou por uma máquina virtual. Em um

Leia mais

Ginga-NCL com objetos de mídia SSML embutidos Relatório Técnico: Requisitos

Ginga-NCL com objetos de mídia SSML embutidos Relatório Técnico: Requisitos PUC-Rio - Departamento de Informática Ginga-NCL com objetos de mídia SSML embutidos Relatório Técnico: Requisitos Rafael Diniz Matrícula: 1312398 5 de agosto de 2014 Sumário 1 Introdução 2 1.1 Propósito...........................................

Leia mais

PROF.: PAULO GOMES MATÉRIA: STRS 2 MOURA LACERDA

PROF.: PAULO GOMES MATÉRIA: STRS 2 MOURA LACERDA PROF.: PAULO GOMES MATÉRIA: STRS 2 MOURA LACERDA A TV digital O surgimento da TV digital se deu em função do desenvolvimento da TV de alta definição (HDTV) no Japão e na Europa, há mais de duas décadas,

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. Maquinas Virtuais e Emuladores

SISTEMAS OPERACIONAIS. Maquinas Virtuais e Emuladores SISTEMAS OPERACIONAIS Maquinas Virtuais e Emuladores Plano de Aula Máquinas virtuais Emuladores Propriedades Benefícios Futuro Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente

Leia mais

2 Geração Dinâmica de Conteúdo e Templates de Composição

2 Geração Dinâmica de Conteúdo e Templates de Composição 2 Geração Dinâmica de Conteúdo e Templates de Composição Alguns dos aspectos mais importantes na arquitetura proposta nesta dissertação são: a geração dinâmica de conteúdo e a utilização de templates de

Leia mais

Aplicações. Sistema Operacional Hardware. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Máquinas Virtuais e Emuladores

Aplicações. Sistema Operacional Hardware. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Máquinas Virtuais e Emuladores Máquinas Virtuais e Emuladores Marcos Aurelio Pchek Laureano Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: hardware sistema operacional aplicações Sistemas

Leia mais

Middleware para Set-top Boxes Um enfoque prático Uma adaptação muito, mas muito livre do hit Festa no apê

Middleware para Set-top Boxes Um enfoque prático Uma adaptação muito, mas muito livre do hit Festa no apê Middleware para Set-top Boxes Um enfoque prático Uma adaptação muito, mas muito livre do hit Festa no apê Manoel dos Santos Dantas mdantas@midiacom.uff.br Departamento de Telecomunicações Pós Graduação

Leia mais

PROGRAMAÇÃO PARA INTERNET RICA RICH INTERNET APPLICATIONS

PROGRAMAÇÃO PARA INTERNET RICA RICH INTERNET APPLICATIONS PROGRAMAÇÃO PARA INTERNET RICA RICH INTERNET APPLICATIONS Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 Objetivos Apresentar o que é uma Aplicação Rica para Internet Contextualizar tais aplicações na Web e os desafios

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO Centro das Ciências Exatas e Tecnologia Faculdade de Matemática, Física e Tecnologia

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO Centro das Ciências Exatas e Tecnologia Faculdade de Matemática, Física e Tecnologia PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO Centro das Ciências Exatas e Tecnologia Faculdade de Matemática, Física e Tecnologia 1.00.00.00-3 - CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA 1.03.00.00-7 - CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

Leia mais

Televisão Digital Interativa Principais Características e Tecnologias Multimedia Home Platform Sistema Brasileiro de Televisão Digital

Televisão Digital Interativa Principais Características e Tecnologias Multimedia Home Platform Sistema Brasileiro de Televisão Digital Televisão Digital Interativa Principais Características e Tecnologias Multimedia Home Platform Sistema Brasileiro de Televisão Digital Jomar Alberto Andreata, M.Eng. 1. Introdução Objetivos Visualizar

Leia mais

A TV DIGITAL COMO INSTRUMENTO DE ENSINO DE MATEMÁTICA. Adriano Aparecido de Oliveira, Juliano Schimiguel

A TV DIGITAL COMO INSTRUMENTO DE ENSINO DE MATEMÁTICA. Adriano Aparecido de Oliveira, Juliano Schimiguel A TV DIGITAL COMO INSTRUMENTO DE ENSINO DE MATEMÁTICA Adriano Aparecido de Oliveira, Juliano Schimiguel Universidade Cruzeiro do Sul/CETEC, Av. Ussiel Cirilo, 225 São Paulo Resumo A TV é um importante

Leia mais

XTATION: UM AMBIENTE PARA EXECUÇÃO E TESTE DE APLICAÇÕES INTERATIVAS PARA O MIDDLEWARE GINGA

XTATION: UM AMBIENTE PARA EXECUÇÃO E TESTE DE APLICAÇÕES INTERATIVAS PARA O MIDDLEWARE GINGA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA NATUREZA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM INFORMÁTICA XTATION: UM AMBIENTE PARA EXECUÇÃO E TESTE DE APLICAÇÕES INTERATIVAS

Leia mais

TV ESCOLA INTERATIVA: UMA PROPOSTA EDUCATIVA PARA TV DIGITAL

TV ESCOLA INTERATIVA: UMA PROPOSTA EDUCATIVA PARA TV DIGITAL TV ESCOLA INTERATIVA: UMA PROPOSTA EDUCATIVA PARA TV DIGITAL Fernanda Paulinelli Rodrigues Silva 1 Thiago José Marques Moura 1 Alice Helena de Sousa Santos 1 Marília de Barros Ribeiro 1 Guido Lemos de

Leia mais

World Wide Web e Aplicações

World Wide Web e Aplicações World Wide Web e Aplicações Módulo H O que é a WWW Permite a criação, manipulação e recuperação de informações Padrão de fato para navegação, publicação de informações e execução de transações na Internet

Leia mais

Sistemas Operacionais 1/66

Sistemas Operacionais 1/66 Sistemas Operacionais 1/66 Roteiro Máquinas virtuais Emuladores Propriedades Benefícios Futuro 2/66 Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: hardware

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE PRÓ-REITORIA DE ENSINO E GRADUAÇÃO FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE PRÓ-REITORIA DE ENSINO E GRADUAÇÃO FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE PRÓ-REITORIA DE ENSINO E GRADUAÇÃO FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA DESENVOLVENDO APLICAÇÕES UTILIZANDO A API GINGA-J: UM

Leia mais

Sistemas Operacionais. Roteiro. Sistemas de Computadores. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Marcos Laureano

Sistemas Operacionais. Roteiro. Sistemas de Computadores. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Marcos Laureano Sistemas Operacionais Marcos Laureano 1/66 Roteiro Máquinas virtuais Emuladores Propriedades Benefícios Futuro 2/66 Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3

Leia mais

Mecanismo para Armazenamento das Interações dos Usuários de Set-top Box em uma Ferramenta para Análise de Interação

Mecanismo para Armazenamento das Interações dos Usuários de Set-top Box em uma Ferramenta para Análise de Interação Mecanismo para Armazenamento das Interações dos Usuários de Set-top Box em uma Ferramenta para Análise de Interação BASÍLIO, Samuel da Costa Alves BARRÈRE, Eduardo RESUMO O Sistema Brasileiro de Televisão

Leia mais

TV DIGITAL INTERATIVA: UM RECURSO DIDÁTICO NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA

TV DIGITAL INTERATIVA: UM RECURSO DIDÁTICO NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA SET Congresso 2012 TV DIGITAL INTERATIVA: UM RECURSO DIDÁTICO NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA Pricila de Souza, Hálison Maia, Marlos Rodrigues, Samir Batalha,

Leia mais

Uma Implementação de Broadcast File System para Transmissão de Dados de TV Digital

Uma Implementação de Broadcast File System para Transmissão de Dados de TV Digital UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO E CIENTÍFICO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO Uma Implementação de Broadcast File System

Leia mais

CARLOS ALEXANDRE PICCIONI MODELO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM SERVIÇO DE DATACASTING PARA TELEVISÃO DIGITAL

CARLOS ALEXANDRE PICCIONI MODELO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM SERVIÇO DE DATACASTING PARA TELEVISÃO DIGITAL CARLOS ALEXANDRE PICCIONI MODELO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM SERVIÇO DE DATACASTING PARA TELEVISÃO DIGITAL FLORIANÓPOLIS 2005 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA

Leia mais

Metodologia de Integração entre Aplicações Web e Aplicações para TV Digital

Metodologia de Integração entre Aplicações Web e Aplicações para TV Digital 1 Metodologia de Integração entre Aplicações Web e Aplicações para TV Digital Eduardo Barrére Universidade Federal de Juiz de Fora eduardo.barrere@ice.ufjf.br Paula Marin Leite Universidade Federal de

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Ementa Introdução a Redes de

Leia mais

MÓDULO 7 Modelo OSI. 7.1 Serviços Versus Protocolos

MÓDULO 7 Modelo OSI. 7.1 Serviços Versus Protocolos MÓDULO 7 Modelo OSI A maioria das redes são organizadas como pilhas ou níveis de camadas, umas sobre as outras, sendo feito com o intuito de reduzir a complexidade do projeto da rede. O objetivo de cada

Leia mais

Uso da TV Digital na Educação a Distância

Uso da TV Digital na Educação a Distância Uso da TV Digital na Educação a Distância Eduardo da Silva 1,Vanessa Battestin Nunes 1 1 Instituto Federal do Espírito Santo (IFES), Campus Serra. Rod. ES 010, s/n Manguinhos Serra ES. Cep: 29164-231 edsilva@redegazeta.com.br,

Leia mais

Proposta de Projeto Piloto Grupo de Trabalho Segunda Fase

Proposta de Projeto Piloto Grupo de Trabalho Segunda Fase Proposta de Projeto Piloto Grupo de Trabalho Segunda Fase GTTV Grupo de Trabalho de TV Digital Guido Lemos Universidade Federal da Paraíba Setembro de 2006 1. Concepção do serviço 1.1. Descrição do serviço

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

Java Media Framework 2.1 Programação Multimídia em Java. SBMídia - 2000 Jorge Fernandes e Bob Natal, Junho de 2000

Java Media Framework 2.1 Programação Multimídia em Java. SBMídia - 2000 Jorge Fernandes e Bob Natal, Junho de 2000 Java Media Framework 2.1 Programação Multimídia em Java SBMídia - 2000 Jorge Fernandes e Bob Natal, Junho de 2000 Conteúdo O que é a Java Media? Java Media Framework 2.1 Versão Otimizada para Windows 5.10MB

Leia mais

ETEC RAPOSO TAVARES GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS I. Máquina Virtual. Instalação de S.O. em dual boot. 1º Semestre 2010 PROF.

ETEC RAPOSO TAVARES GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS I. Máquina Virtual. Instalação de S.O. em dual boot. 1º Semestre 2010 PROF. ETEC RAPOSO TAVARES GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS I Máquina Virtual Instalação de S.O. em dual boot 1º Semestre 2010 PROF. AMARAL Na ciência da computação, máquina virtual é o nome dado a uma máquina,

Leia mais

Linguagem de Programação JAVA

Linguagem de Programação JAVA Linguagem de Programação JAVA Curso Técnico em Informática Modalida Integrado Instituto Federal do Sul de Minas, Câmpus Pouso Alegre Professora: Michelle Nery Agenda JAVA Histórico Aplicações Pós e Contras

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Redes Wireless / Wi-Fi / IEEE 802.11 Em uma rede wireless, os adaptadores de rede em cada computador convertem os dados digitais para sinais de rádio,

Leia mais

TV Digital: Recepção no Sistema Brasileiro de TV Digital Terrestre (SBTVD-T)

TV Digital: Recepção no Sistema Brasileiro de TV Digital Terrestre (SBTVD-T) TV Digital: Recepção no Sistema Brasileiro de TV Digital Terrestre (SBTVD-T) O conteúdo deste tutorial foi obtido do artigo de autoria do Érico Barbosa Teixeira, do Filipe Sousa Bragança Ferreira de Almeida

Leia mais

Desenvolvimento e Validação de Componente Decodificador de Vídeo para o Middleware Ginga

Desenvolvimento e Validação de Componente Decodificador de Vídeo para o Middleware Ginga Desenvolvimento e Validação de Componente Decodificador de Vídeo para o Middleware Ginga Marco Beckmann 1, Tiago H. Trojahn 2, Juliano L. Gonçalves 1, Luciano V. Agostini 1, Leomar S. Da Rosa Junior 1,

Leia mais

www.philips.com/welcome

www.philips.com/welcome Register your product and get support at www.philips.com/welcome SDV1225T/55 PT Manual do Usuário Sumário 1 Importante 4 Segurança 4 Aviso para os EUA 4 Aviso para o Canadá 4 Reciclagem 4 Português 2

Leia mais

Subunidade 6: publicação

Subunidade 6: publicação Disciplina de Aplicações Informáticas B Subunidade 6: publicação Professor: Miguel Candeias Aluno: Francisco Cubal, nº11 12ºA Ano lectivo 2010/2011 1. Divulgação de vídeos e som via rede 1.1. A Internet

Leia mais

26. O sistema brasileiro de televisão digital adota os seguintes parâmetros para HDTV:

26. O sistema brasileiro de televisão digital adota os seguintes parâmetros para HDTV: IFPB Concurso Público/Professor de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico (Edital 24/2009) CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CÓDIGO 06 UCs de Comunicações Móveis e/ou de Processamento de Sinais de Áudio e Vídeo

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

Impacto da TV Digital no Futuro dos Negócios

Impacto da TV Digital no Futuro dos Negócios Impacto da TV Digital no Futuro dos Negócios Congresso SUCESU-SP 2007 Integrando Tecnologia aos Negócios 29/11/07 Juliano Castilho Dall'Antonia Diretor de TV Digital w w w. c p q d. c o m. b r 1 Sumário

Leia mais

Introdução à Televisão Digital Interativa: Arquitetura, Protocolos, Padrões e Práticas

Introdução à Televisão Digital Interativa: Arquitetura, Protocolos, Padrões e Práticas Introdução à Televisão Digital Interativa: Arquitetura, Protocolos, Padrões e Práticas Jorge Fernandes 1,2, Guido Lemos 3 e Gledson Silveira 3 1 Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília

Leia mais

Desenvolvendo Aplicações para TV Digital Interativa. Diemesleno Souza Carvalho. Dourados -MS, 20 de Abril de 2011.

Desenvolvendo Aplicações para TV Digital Interativa. Diemesleno Souza Carvalho. Dourados -MS, 20 de Abril de 2011. Desenvolvendo Aplicações para TV Digital Interativa Diemesleno Souza Carvalho Dourados -MS, 20 de Abril de 2011. Sobre o Palestrante Tecnólogo em Sistemas para Internet. Pós-graduando MBA em Gestão de

Leia mais

ENSINO-APRENDIZAGEM NA TV DIGITAL: ESTENDENDO O AMBIENTE AULANET PARA A TV

ENSINO-APRENDIZAGEM NA TV DIGITAL: ESTENDENDO O AMBIENTE AULANET PARA A TV CENTRO UNIVERSITÁRIO VILA VELHA CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO FILIPE BOSI GUAITOLINI ENSINO-APRENDIZAGEM NA TV DIGITAL: ESTENDENDO O AMBIENTE AULANET PARA A TV VILA VELHA 2008 FILIPE BOSI GUAITOLINI

Leia mais

IPTV em rede Multicast

IPTV em rede Multicast IPTV em rede Multicast Flávio Gomes Figueira Camacho Apresentação Flavio Gomes Figueira Camacho Diretor de TI da Vipnet Baixada Telecomunicações e, Operadora de STFC e SCM. Mestrando em Engenharia de Telecomunicações

Leia mais

Estudo comparativo entre tecnologias Java: Applet e JWS.

Estudo comparativo entre tecnologias Java: Applet e JWS. Estudo comparativo entre tecnologias Java: Applet e JWS. Clara Aben-Athar B. Fernandes¹, Carlos Alberto P. Araújo¹ 1 Centro Universitário Luterano de Santarém Comunidade Evangélica Luterana (CEULS/ULBRA)

Leia mais

Metodologia para identificação de variáveis e cenários que influenciam o software embarcado em receptores de TV digital

Metodologia para identificação de variáveis e cenários que influenciam o software embarcado em receptores de TV digital Metodologia para identificação de variáveis e cenários que influenciam o software embarcado em Nilsa Toyoko Azana *, Daniel Moutinho Pataca, Ivan Luiz Ricarte Um grande desafio para o processo de transição

Leia mais

Programação de Computadores - I. Profª Beatriz Profº Israel

Programação de Computadores - I. Profª Beatriz Profº Israel Programação de Computadores - I Profª Beatriz Profº Israel A linguagem JAVA A linguagem Java O inicio: A Sun Microsystems, em 1991, deu inicio ao Green Project chefiado por James Gosling. Projeto que apostava

Leia mais

Estilos Arquiteturais. Estilos Arquiteturais. Exemplos de Estilos Arquiteturais. Estilo: Pipe e Filtros

Estilos Arquiteturais. Estilos Arquiteturais. Exemplos de Estilos Arquiteturais. Estilo: Pipe e Filtros Em geral sistemas seguem um estilo, ou padrão, de organização estrutural Os estilos diferem: nos tipos de componentes que usa na maneira como os componentes interagem com os outros (regras de interação)

Leia mais

Mecanismo de Identificação de Recursos para Aplicações Interativas em Redes de TV Digital por Difusão

Mecanismo de Identificação de Recursos para Aplicações Interativas em Redes de TV Digital por Difusão Mecanismo de Identificação de Recursos para Aplicações Interativas em Redes de TV Digital por Difusão Marcio Ferreira Moreno, Rogério Ferreira Rodrigues, Luiz Fernando Gomes Soares Departamento de Informática

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN SISTEMAS OPERACIONAIS Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN 1.0 O Sistema Operacional como uma Máquina Virtual A arquitetura (conjunto de instruções, organização de memória, E/S e estrutura

Leia mais

Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO

Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Conceitos básicos e serviços do Sistema Operacional Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Tipos de serviço do S.O. O S.O.

Leia mais

Projeto de Sistemas Distribuídos. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com

Projeto de Sistemas Distribuídos. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Projeto de Sistemas Distribuídos Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Exemplos de SD Quais podem ser? Ex. de SD: Internet Internet é um conjunto de redes de computadores, de muitos tipos diferentes,

Leia mais

3 Requisitos não-funcionais de ferramentas de autoria hipermídia

3 Requisitos não-funcionais de ferramentas de autoria hipermídia Requisitos não-funcionais de ferramentas de autoria hipermidia 34 3 Requisitos não-funcionais de ferramentas de autoria hipermídia Na literatura são vários os trabalhos que discutem os requisitos funcionais

Leia mais

NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO

NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO Profª. Kelly Hannel Novas tecnologias de informação 2 HDTV WiMAX Wi-Fi GPS 3G VoIP Bluetooth 1 HDTV 3 High-definition television (também conhecido por sua abreviação HDTV):

Leia mais