O OLHAR: PORTA PARA O PARAÍSO OU PARA O ABISMO!

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O OLHAR: PORTA PARA O PARAÍSO OU PARA O ABISMO!"

Transcrição

1 O OLHAR: PORTA PARA O PARAÍSO OU PARA O ABISMO! Suilei Monteiro Giavara 1 Michelle Vasconcelos Oliveira do Nascimento 2 Resumo: Na obra Um olhar a mais (2002), Antonio Quinet, retomando o conceito freudiano de função escópica, trabalha com a importância do olhar na subjetividade e na sociedade contemporânea. No entanto, desde Platão o olhar já é relacionado com o desejo erótico pela capacidade que tem de evidenciar o belo. Quando vivido sem culpa, o olhar pode ser motivo de felicidade, contudo, nem sempre ele é motivo de gozo para aquele que olha, pois muitas vezes se torna um catalisador de desejos proibidos guardados nos espaços mais recônditos. Assim, neste texto, a intenção é olhar os poemas, Se tu viesses ver-me..., de Florbela Espanca, e, Ilusão, de Judite Teixeira, sob esta perspectiva do olhar, priorizando-o como estimulador do erotismo que a literatura de autoria feminina da época era obrigada a colocar à margem. Palavras-chave: Florbela Espanca. Judith Teixeira. Poesia. Literatura de autoria feminina. O olhar, o desejo e o amor são elementos que estão presentes em toda a literatura. O olhar desencadeador do desejo, e este do amor, é um tema recorrente na poesia ocidental e suas raízes remontam à mitologia greco-romana com o famoso mito de Narciso. Na literatura, está presente nas mais variadas obras e épocas, expressando a busca e a atração do sujeito pelo olhar, ainda que do outro, instaurando uma relação recíproca de ver e ser visto. A incidência dessa imagem e a sua significação fez com o que o olhar se tornasse objeto de estudo em várias áreas do pensamento. E este olhar, enquanto responsável pelo desejo e pela fascinação, é uma das grandes teorias estudadas pela psicanálise e pela filosofia. Ser visto é o desejo de todo sujeito e a expectativa do olhar do outro causa apreensão. Olho e quero ser visto, esse é o movimento natural. Os olhos sempre foram o espelho da alma, enquanto representantes do desejo e, na poesia universal, representam tanto o campo do desejo quanto o campo da razão não só na poesia, mas em toda a literatura e, especificamente na portuguesa, desde o Trovadorismo de Paio Soares de Taveirós e D. Dinis até a literatura contemporânea, os olhos como vetor do desejo pintaram os versos com uma nuance erótica, quase sempre, condenada pela moral. Não obstante, no século XVII, devido às descobertas científicas, prevaleceu o olho da razão, em detrimento do olhar desejante. Esse olhar da razão iluminava as coisas jogando o desejo no esquecimento e fazendo com que o campo escópico fosse excluído do gozo. Desde então, foi preciso esperar por Freud e por Lacan para, respectivamente, iluminar o desejo e conceituar essa 1 Doutoranda em Literatura pela Unesp/Assis Bolsista Fapesp. 2 Doutora em Literatura Comparada pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), CNPQ. 1

2 pulsão e elaborar a estrutura do campo visual com a inclusão da causa do desejo e do objeto de gozo: o mais-de-olhar. Neste ponto/momento de desenvolvimento da teoria do desejo, o olho entra em cena. O olho é o ponto de contato entre o homem e o mundo ou, como assegura Merleau-Ponty 3, a carne é o ponto de contato entre o corpo e o mundo e o eu existe no mundo por ele: Ver um objeto é ou possuí-lo à margem do campo visual e poder fixá-lo, ou então corresponder efetivamente a essa solicitação, fixando-o quando eu o fixo, ancoro-me nele, mas esta parada do olhar é apenas uma modalidade de seu movimento: contínuo no interior de um objeto a exploração que, há pouco, sobrevoava-os a todos, com um único movimento fecho a paisagem e abro o objeto... olhar o objeto é entranhar-se nele. (QUINET, 2002, p.43) O movimento do olhar é o que situa o ser no mundo. É o movimento sensível que celebra a existência humana. O indivíduo não escolhe olhar, ele simplesmente olha e é olhado. As relações que se estabelecem seguidas deste olhar é que passam pelas escolhas. Primeiro eu olho, para depois decidir se fecho os olhos ou se os abro mais, se desvio ou se vou de encontro. Certo é que, uma vez estabelecido o olhar, o resultado desta ação permanece em algum lugar. Registro visível e invisível atado-marcado no corpo. A carne não é matéria, mas algo substancializado e neste algo que se situa o ponto do olhar que faz daquele que vê um visível. Merleau-Ponty anuncia o que será o ponto central da teoria lacaniana do campo visual: a preexistência de um olhar no espetáculo do mundo. (QUINET, 2002, p. 40). Nesse mundo que vejo, sou, antes de tudo, visto. O olhar não está apenas ao nível dos olhos. A apreensão do mundo se dá com a visão e está reservada à instância do olhar a apreensão do olhar desse outrem. O olhar em questão na psicanálise não é um olhar do sujeito e sim um olhar que incide sobre o sujeito, é um olhar que o visa: olhar inapreensível, invisível, pulsional. O olhar é um objeto apagado do mundo de nossa percepção, que não deixa, no entanto, de nos afetar: a visão predomina sobre o olhar excluindo-o do campo do visível. Nessa separação entre o olho e o olhar encontra-se a esquize 4 do sujeito em relação ao campo escópico no qual se manifesta a pulsão. A pulsão está na base do dar-a-ver do sujeito e o afeta através de um olhar que o objetiva e ao mesmo tempo se encontra excluído da visão. (QUINET, 2002, p.41) Segundo Merleau-Ponty 5, essa esquize do olho e do olhar corresponde no âmbito visual à diferença entre o imaginário e o real, segundo a tópica lacaniana. O real é domínio da pulsão, que nos afeta quando é satisfeito o gozo do olhar. Nosso mundo da percepção visual é de ordem do 3 Apud QUINET, 2002, p Esquize é um termo utilizado por Lacan em seu Seminário 11, Os quatro conceitos fundamentais da psicanálise. O termo se refere à angústia da perda, da castração. O olho e o olhar são, segundo Lacan, a esquize na qual se manifesta a pulsão a nível escópico. (Cf. LACAN, 1998, p.72). 5 Apud QUINET, 2002, p.39. 2

3 imaginário, estruturado e sustentado pelo simbólico. É um mundo de imagens cujo protótipo nos é dado pelo espelho e cuja geometria e perspectivas são dadas pelo simbólico. O eu, constituído pela imagem do outro no espelho, é um dos objetos do mundo visível cuja percepção se situa no âmbito especular e do qual se distingue o campo escópico, registro do real e pulsional do objeto a 6 enquanto olhar que escapa ao visível. O visível e o invisível se articulam a partir dos três registros: imaginário, simbólico e real. O registro do simbólico age como barreira entre o imaginário e o real ao mesmo tempo em que os articula.[...] O imaginário nos dá a forma da realidade. O espaço que a realidade compreende, segundo Freud, só pode ser a projeção da extensão do aparelho psíquico. A realidade é feita do imaginário e determinada pelo simbólico do qual o real está foracluído. A realidade é um esgar do real, formatado pelo imaginário e determinado pelo simbólico. E o Outro do simbólico é o lugar onde advém o sujeito já preso em uma rede simbólica como objeto do desejo do Outro. Esse Outro é, portanto, anterior ao sujeito que aí ingressa, e tem uma função de estruturação da realidade do sujeito ao barrar o objeto a, objeto real da pulsão, que não aparecerá como fenômeno na realidade do sujeito, pois o campo da realidade, diz Lacan, só se sustenta devido à extração do objeto a que, no entanto, fornece o seu enquadramento. Para que o campo da realidade se constitua para um sujeito é preciso que, simultaneamente à entrada do sujeito no campo do Outro, o objeto a seja extirpado. (COUTINHO JORGE, 2002, p.42) O objeto a, portanto, não faz parte do campo da realidade, ou seja, suas modalidades não são percebidas, vistas, ouvidas, sentidas, tocadas, nem provadas. O olhar é invisível. O objeto a, causa do desejo, causa angústia. É a eterna busca pelo preenchimento da falta de não sei o quê e não sei como, citada em tópicos anteriores. É o desejo que move o ser, que o faz olhar, ser olhado. O olhar se encontra no prazer escópico. (COUTINHO JORGE, 2002, p.119) O olhar não se encontra no campo da visão, mesmo que tenha aí seu lugar de causa. Do espetáculo do mundo vem um olhar que me olha e que eu não vejo, embora me sinta afetado por ele. O olhar é o invisível da visão, existe, dessa forma, uma demanda do sujeito de ser visto pelo Outro, uma demanda que é sempre demanda de amor, pois o Ideal do Eu corresponde ao olho benevolente e protetor. (COUTINHO JORGE, 2002, p.119) 6 Objeto a, causa do desejo: ao criar o objeto a, Lacan sentiu que havia feito a contribuição mais importante à psicanálise Poucos conceitos na obra lacaniana foram elaborados de forma tão ampla, revistos de maneira tão significativa, examinados com minúcias a partir de perspectivas muito diferentes, e exigem tantas modificações em nossa forma habitual de pensar o desejo, a transferência, e a ciência. Fink, em sua obra O sujeito lacaniano, explica o advento do objeto a em uma série de contextos diferentes para explicar o advento do sujeito e as mudanças correspondentes no Outro. Os conceitos de objetos e de sujeitos formulados por Lacan foram revistos ao longo do tempo, e esses conceitos são imprescindíveis para se entender a obra de Lacan em qualquer momento específico. Para Lacan, o objeto a é apenas a presença de um cavo, de um vazio, ocupável, nos diz Freud, por não importa que objeto, e cuja instância só conhecemos na forma de objeto perdido, a minúsculo. (cf. FINK, 1998, p.107). O agalma termo grego que significa ornamento, tesouro, objeto oferenda aos deuses ou, de modo mais abstrato, valor e designa todo tipo de objeto precioso, representa o núcleo da conceituação lacaniana do objeto a. O agalma representa, assim, o caráter sumamente enigmático do objeto do desejo e sua relação com a falta e o real. O objeto a é um objeto faltoso, ou nos dizeres de Freud, para quem o encontro do objeto é sempre um reencontro, é um objeto perdido que o sujeito busca reencontrar. A rigor é preferível falar do objeto a como causa do desejo e não como objeto do desejo. (COUTINHO JORGE, 2002, p.139). 3

4 Com sua demanda de ser visto pelo Outro, para ser reconhecido e amado com sua particularidade, o sujeito busca um par ideal que possa encarnar o ideal do eu para admirá-lo e, se necessário, acudi-lo. A tendência do sujeito de constituir um Outro que tenha, contenha e detenha o olhar é universal. Afeto-me com esse olhar. Busco o olhar incessantemente, e sua ruptura causa angústia e dor. Esse é o olhar psicanalítico, e essa imagem percorre toda a literatura. As poesias de Florbela Espanca e de Judite Teixeira são exemplos de textos perpassados pelo olhar, o olhar desejante, um olho que quer ser visto e desejado, um olhar erotizado que deseja sem culpa. É estabelecendo o olhar no campo do desejo feminino que suas poesias subvertem o que era permitido à literatura de autoria feminina do início do século XX. Convém ressaltar que, na época, Portugal passava por um intenso surto moralizador que mobilizou não só os setores ligados ao universo religioso, mas também os vários meios de comunicação. Na contramão desse contexto, os modernistas, já conhecedores dos textos que pregavam a imanência do texto literário, buscavam dissociar a arte de qualquer princípio de moralidade, pois tinham a intenção de, pela arte, revolucionar a sociedade portuguesa, livrando-a dos valores hipócritas em que se pautava. É neste panorama que Florbela Espanca desenvolve a sua obra, que conta com 3 livros de poemas, dois publicados em vida e um póstumo. As imagens femininas que a perpassam trazem à tona questões relativas às mulheres de sua época, de forma a transgredir os modelos sociais e a moral, como assegura Maria Lúcia Dal Farra: Saiba-se, portanto, o que foi Florbela para o salazarismo: o antimodelo do feminino, da concepção de mulher e nisto reside, sem dúvida, a força mais primária de sua obra, cuja lucidez indomável questiona, insurrectamente, a condição feminina [...] e os históricos papéis sociais conferidos à mulher. (DAL FARRA, 2002, p. 17) Além disso, é inegável, ainda, na obra de Florbela, a presença da sensibilidade feminina, transbordante em seus versos, a qual tece, engendra a temática amorosa, a dor de amar, que se mescla com o erotismo pungente dos poemas. Essa relação amor-dor perpassada pelo viés erótico, possui como impulsionador, o olhar, que desencadeia o jogo amoroso, a busca pelo objeto de desejo, busca que culmina com a dor, pela ausência ou impossibilidade de alcança-lo, ou culmina com a expectativa de possuí-lo, numa entrega amorosa. O olho e o olhar, imagens constantes na poesia, são os responsáveis pelo desejo. O olhar no sentido escópico, o olhar que me olha e que me afeta, é o que permeia a poesia florbeliana. É esse olhar que desencadeia a demanda de ser visto pelo Outro, demanda de amor, como se observa nos versos do poema Se tu viesses ver-me.. (ESPANCA, 1999, p. 218): 4

5 Se tu viesses ver-me... Se tu viesses ver-me hoje à tardinha, A essa hora dos mágicos cansaços, Quando a noite de manso se avizinha, E me prendesses toda nos teus braços... Quando me lembra: esse sabor que tinha A tua boca... o eco dos teus passos... O teu riso de fonte... os teus abraços... Os teus beijos... a tua mão na minha... Se tu viesses quando, linda e louca, Traça as linhas dulcíssimas dum beijo E é de seda vermelha e canta e ri E é como um cravo ao sol a minha boca... Quando os olhos se me cerram de desejo... E os meus braços se estendem para ti... O poema é construído em torno dessa expectativa, na possibilidade criada desse convitesugestão: Se tu viesses ver-me.... A expectativa cria o momento mágico de sugestão desse eu lírico feminino, que inicia um jogo de sedução de palavras e imagens, no qual a intenção final não é verbalizada, mas sugerida pela conjunção condicional se e pelas reticências que assinalam o possível momento do prazer, o que deve ser silenciado, oculto. O soneto distingue-se por possuir a mesma oração condicional iniciando o primeiro quarteto e o primeiro terceto, dando continuidade à sugestão ao longo do poema, sem perder o fio que o conduz. A sugestão de ver-me é entremeada pela sedução do eu lírico, neste domínio, ainda, erótico, do corpo que deseja ser visto-tocado, construindo a relação olhar-desejo-corpo-carne na poesia. O horário da tarde, tardinha, do crepúsculo, é nostálgico, da dor e da saudade, e surge neste poema como horário da sugestão amorosa, é quando a luz solar se apaga e anuncia a noite, imagem da sedução feminina, pois o sujeito feminino é noturno, é na noite que a mulher se esconde e se agasalha. O horário da tardinha que é anunciado como de mágicos cansaços, remetendo aos cansaços extáticos, o prazer, é o convite para o encontro Se tu viesses ver-me.... E a sugestão para o convite seria E me prendesses toda nos teus braços..., assinalando a busca por esse Outro. O crepúsculo, imagem espaço-temporal, ganha, aqui, o relevo erótico, é a hora do prazer, e ao pôr do sol serão relacionadas as cores rubras, cores que simbolizam o fogo, o sangue e a paixão. Na segunda estrofe, a lembrança das sensações corporais já experimentadas vem à tona, e a boca de beijos, risos e sabores; as mãos a tocarem-se e os passos a anunciarem a chegada surgem 5

6 como o veículo corporal do amor, o erotismo evidencia-se pela sinestesia e fica explícito nas imagens da boca que sucumbe aos beijos, nos braços e abraços, na sugestão de atos amorosos que ficam na lembrança, representados pelas reticências em cada verso e também no título, que se repete em duas estrofes. Os adjetivos linda e louca, que descrevem o eu lírico na terceira estrofe, ajudam a compor o cenário da sedução e do desejo do eu lírico, no convidativo fim de tarde, em que a boca, veículo de toda a excitação, é o receptáculo para o amado; é a flor, o cravo. Esse momento de descrição culmina com o erotismo que preenche todo o poema, anunciado no último terceto: Quando os olhos se me cerram de desejo.../e os meus braços se estendem para ti..., assinalando a entrega dessa mulher, ou seja, a entrega do corpo aos desejos, à pulsão, ao gozo. A satisfação do desejo parece ser o único fim do eu lírico, ver-e-ser-visto, desejar e ser desejado são a demanda do sujeito feminino na poesia. A imagem do corpo feminino em ofertório, num espetáculo de sedução, cujo objetivo é o gozo, a satisfação amorosa e sexual, faz com que Florbela transgrida os padrões estabelecidos pela sociedade patriarcal e salazarista. E na base desse rompimento se encontra o olhar, o olho do desejo, o desejo e necessidade de ver e ser visto pelo Outro. Diferentemente de Florbela Espanca, em que o olhar desencadeia um jogo amoroso em que a necessidade de ser vista pelo ser amado, o Outro, é quase uma obsessão, ao longo dos 3 livros de poemas de Judith Teixeira, os motivos poéticos ligados ao olhar são geralmente desencadeadores de um processo de auto-observação, de sondagem interior na tentativa de autorreconhecimento, é, portanto, um olhar que incide sobre o sujeito e o desmascara para si mesmo. Mais do que isso, assim como no mito de Narciso, na poesia de Judith Teixeira o prazer e a solidão são sentimentos coexistentes, uma vez que o primeiro é concretizado apenas nos sonhos e a realidade traz sempre uma constatação amarga de que esse sentimento não encontra o objeto real, apenas o ideal, culminando numa solidão existencial, pois busca permanentemente a sua metade complementar. (Platão, 2001, p.124) Mais do que um erotismo convencional, em alguns poemas judithianos, como é o caso do poema Ilusão que segue citado na íntegra, há ainda uma insinuação homoerótica que, embora não marcada por nenhum componente linguístico, foi o mote para que a poetisa fosse vítima da coerção social nomeadamente pela Liga de Acção dos Estudantes de Lisboa, que exigiu do Governo Civil a apreensão de sua primeira obra intitulada Decadência (1923) e motivou-lhe o apodo desavergonhada : 6

7 Ilusão Vens todas as madrugadas prender-te nos meus sonhos, - estátua de Bizâncio esculpida em neve! E poisas a tua mão macia e leve nas minhas pálpebras magoadas... Vens toda nua, recortada em graça, rebrilhante, iluminada! Vejo-te chegar como uma alvorada de sol!... e o meu corpo freme, e a minha alma canta, como um enamorado rouxinol! Sobre a nudez moça do teu corpo, dois cisnes erectos quedam-se cismando em brancas estesias, e na seda roxa do meu leito, em rúbidos clarões, nascem maceradas, as orquídeas vermelhas das minhas sensações!... És linda assim: toda nua, no minuto doce em que me trazes a clara oferta do teu corpo e reclamas firmemente a minha posse!... Quero prender-me á mentir loira do teu grácil recorte... e os teus beijos perfumados, nenúfares desfolhados pela rajada dominante e forte das minhas crispações, tombam sobre os meus nervos partidos... estilhaçados!... Acordo. E os teus braços, muito ao longe, desfiam ainda a cabeleira fulva do sol por sobre os oiros adormecidos da minha alcova... visão bendita! repetida e nova! Loira Salomé de ritmos esculturais! Vens mais nua esta madrugada! Vem esconder-te na sombra dos meus olhos e não queiras deixar-me... 7

8 ai nunca, nunca mais! Agosto - madrugada 1925 (TEIXEIRA, 1996, p ) Desde o léxico o poema apresenta-se construído a partir do olhar. As pálpebras magoadas 7, do sujeito lírico são amenizadas apenas por uma visão que, como sombra, se mostra em sonho, no espaço do não real, onde é possível o desvendar de um erotismo diferenciado que a sociedade prefere manter na obscuridade, mas na fantasia pode ser vivido sem reservas. A cena erótica instaura-se a partir da imagem captada pelo o olhar, a estátua de Bizâncio, esse objeto a, caracterizado não pelo que é, mas pelo que o desejo quer ver - rebrilhante, iluminada, uma alvorada de sol - ganha forma e vida a partir daí e transforma-se, então, em objeto libidinal, que faz acender o prazer do eu lírico. Portanto, é o olhar o ato gerador da fantasia e, em decorrência dela, do prazer. A partir daí o que domina é uma ambiência povoada de sensações que envolvem todos os sentidos sinestesicamente. Contudo, como já foi dito, o erotismo na poesia de Judith Teixeira não gera somente prazer, neste caso, o olho é também uma porta para o abismo, porque a pulsão de morte que acompanha o sentimento de luxúria também é motivo de Dor, uma vez que não é possível conformar este sentimento ao que Freud chamou civilização, pois esta o reprime e interpõe-se entre o sujeito e o objeto do seu desejo, gerando insatisfação. É exatamente este sentimento que pode ser notado quando o eu lírico acorda e, muito ao longe no fio da memória ainda sob torpor, juntamente como o último verso do poema, vê deslocar os traços da visão bendita responsável pelos momentos de intenso prazer vividos mesmo que oniricamente. Então, ele prefere mantê-la escondida na sombra dos seus olhos, num gesto de sublimação que preserva a imagem somente para si para poder desfrutá-la, repetida e novamente, sem punição. Neste cenário, como diz a própria Judith Teixeira acerca de seus versos: Considerações finais Depois da realização artística dos meus poemas vermelhos e incendiários, onde esculpi corpos de beleza nas atitudes bizarras em que deslumbrei os meus sentidos, se eu quisesse encontrar o motivo real dessas concepções teria de descer ao meu mundo interior e interrogar o meu eu inconsciente. [...] A Natureza não basta, é certo, para corresponder às ambições do Artista. Para ele é preciso ir mais além daquilo que os olhos veem. (Teixeira, 2009, p. 217) 7 É conveniente ressaltar que o termo magoar em português de Portugal tem também o significado de ferir, machucar. Assim, pálpebras magoadas remetem para outra característica da poesia judithiana que é a associação do erotismo com a dor. 8

9 A relação entre o olhar e o desejo, elementos componentes da teoria psicanalítica da pulsão escópica, sempre esteve presente na literatura. O movimento olhar e ser olhado, ver e ser visto, impulsionador do desejo e do amor é impulsionador, ainda, dos versos eróticos e de liberação feminina de Florbela Espanca e de Judite Teixeira, pelos quais foram as poetisas condenadas pela moral da época, assim como fora condenado o olhar e o gozo durante séculos de domínio do olhar da razão, em detrimento do olhar psicanalítico. A busca por esse Outro que me olha, o desejo de ser visto e o gozo pelo olhar, tanto passivo quanto ativo, preenche os versos florbelianos de livros como Charneca em Flor. A negação do olhar é a desencadeadora de angústia e sofrimento na sua poesia, ao passo que a confirmação deste olhar alheio é responsável pelo deleite, gozo, por muitas vezes extático em seus versos. Juntamente com a poesia florbeliana, a poesia de Judite resgata o olhar do desejo no Portugal do início do século XX. Mas, enquanto o erotismo reside, na poesia de Florbela, na relação entre olhar e ser olhado, na poesia de Judite o erotismo advém do ato de olhar, do que vem juntamente com a visão: o que os olhos veem, ou seja, o que existe no campo especular. O olhar é o meio pelo qual o eu lírico identifica os elementos de desejo, mas não é o próprio elemento de desejo e gozo, como no texto florbeliano. Na sua busca por objetos de desejo mais distintos, que não o próprio olhar, Judite Teixeira parte muitas vezes do elemento onírico para olhar o que está além do permitido pelos olhos de sua época, entregando-se, assim como Florbela Espanca, às variadas possibilidades do olhar. Referências COUTINHO JORGE, Marco Antônio. Fundamentos da psicanálise de Freud a Lacan, v. 1: as bases conceituais. 3 ed. Rio de Janeiro: Zahar, DAL FARRA, Maria Lucia. Florbela, Inconstitucional. In: ESPANCA, Florbela. Afinado Desconcerto. Org. Maria Lúcia Dal Farra. São Paulo: Iluminuras, Poemas de Florbela Espanca. Estudo introdutório, organização e notas de Maria Lúcia Dal Farra. São Paulo: Martins Fontes, LACAN, Jacques. O seminário, livro 11: os quatro conceitos fundamentais da psicanálise. 2 ed. Rio de Janeiro: Zahar, PLATÃO. O Banquete. PLATÃO. O banquete. São Paulo: Martin Claret, QUINET, Antônio. Um olhar a mais: ver e ser visto na psicanálise. Rio de Janeiro: Zahar, TEIXEIRA, Judith. Poemas. Lisboa: & Etc,

10 The look: door to the heaven or to the abyss! Abstract: At the work Um olhar a mais (2002), Antonio Quinet, resuming the Freudian concept of "scopic function", works with the importance of looking at the subjectivity and at the contemporary society. However, since Plato's, the look is already connected with erotic desire for the ability it has to evince the beauty. When it s lived blameless, the look can be a source of happiness, however, it is not always a joy to one who looks, because it often becomes a catalyst for forbidden desires stored in the innermost spaces. Thus, in this text, the intention is to "look" poems, "Se tu viesses ver-me...", by Florbela Espanca, and "Ilusão" by Judith Teixeira, from this look perspective, prioritizing the look like stimulator of the eroticism which the female authorship literature of that time was bound to leave on the margin. Keywords: Florbela Espanca. Judith Teixeira. Poetry. Female authorship literature. 10

UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO

UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO 2015 Marcell Felipe Alves dos Santos Psicólogo Clínico - Graduado pela Centro Universitário Newton Paiva (MG). Pós-graduando em

Leia mais

Florbela Espanca nas figurações poéticas do feminino Lídia de Noronha Pessoa

Florbela Espanca nas figurações poéticas do feminino Lídia de Noronha Pessoa Opção Lacaniana online nova série Ano 5 Número 14 julho 2014 ISSN 2177-2673 nas figurações poéticas do feminino Lídia de Noronha Pessoa Conheci Florbela, poetisa portuguesa do século XIX, através do livro

Leia mais

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma.

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. PERTO DE TI Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. Jesus! Perto de ti, sou mais e mais. Obedeço a tua voz. Pois eu sei que tu és Senhor, o

Leia mais

AMOR, TRANSFERÊNCIA E DESEJO

AMOR, TRANSFERÊNCIA E DESEJO AMOR, TRANSFERÊNCIA E DESEJO Lucia Serrano Pereira 1 Afirmo em nada mais ser entendido, senão nas questões do amor. Isso é o que está dito por Sócrates na obra de Platão O Banquete. O Banquete nos é indicado

Leia mais

A prova da devastação Daniela Goulart Pestana

A prova da devastação Daniela Goulart Pestana A prova da devastação Daniela Goulart Pestana A comunicação que segue procura pensar algumas especificidades constitucionais do feminino a partir do aforismo lacaniano: Não há relação sexual. Para dizer

Leia mais

O PSICANALITICAMENTE CORRETO E O QUE É DITO POLITICAMENTE INCORRETO Juçara Rocha Soares Mapurunga Henrique Figueiredo Carneiro

O PSICANALITICAMENTE CORRETO E O QUE É DITO POLITICAMENTE INCORRETO Juçara Rocha Soares Mapurunga Henrique Figueiredo Carneiro O PSICANALITICAMENTE CORRETO E O QUE É DITO POLITICAMENTE INCORRETO Juçara Rocha Soares Mapurunga Henrique Figueiredo Carneiro A expressão politicamente correto refere-se a uma política que consiste em

Leia mais

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Henrique Figueiredo Carneiro Liliany Loureiro Pontes INTRODUÇÃO Esse trabalho apresenta algumas considerações,

Leia mais

O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1

O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1 O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1 I Introdução O objetivo deste trabalho é pensar a questão do autismo pelo viés da noção de estrutura, tal como compreendida

Leia mais

ESPECULARIDADE NA CONSTITUIÇÃO DO EU E NA RELAÇÃO ANALÍTICA

ESPECULARIDADE NA CONSTITUIÇÃO DO EU E NA RELAÇÃO ANALÍTICA ESPECULARIDADE NA CONSTITUIÇÃO DO EU E NA RELAÇÃO ANALÍTICA aproximar, ao que se segue a descoberta de que o outro no espelho não é real mais uma imagem e 1 Luciane Batista Após uma primeira leitura do

Leia mais

LITERATURA PR P O R Fª Ma M. D INA A R IOS

LITERATURA PR P O R Fª Ma M. D INA A R IOS LITERATURA PROFª Ma. DINA RIOS Estilos de época Estilos de época O que são? Traços comuns na produção de um mesmo período/época. O amor em Camões Transforma-se o amador na cousa amada, Por virtude do muito

Leia mais

Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673. Há um(a) só. Analícea Calmon

Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673. Há um(a) só. Analícea Calmon Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673 Analícea Calmon Seguindo os passos da construção teórico-clínica de Freud e de Lacan, vamos nos deparar com alguns momentos de

Leia mais

O DE SEJO QUE (LHE ) RESTA. Adriana Grosman

O DE SEJO QUE (LHE ) RESTA. Adriana Grosman O DE SEJO QUE (LHE ) RESTA Adriana Grosman Pretendo tratar de um caso clinico que coloca em evidencia que não é só a questão fálica que está em jogo na maternidade se não o resto do desejo, algo que escapa

Leia mais

SELF, SOCIEDADE & SEXUALIDADE

SELF, SOCIEDADE & SEXUALIDADE SELF, SOCIEDADE & SEXUALIDADE Leila Sharon Nasajon * A sexualidade representa uma questão crucial no desenvolvimento e na preservação da identidade pessoal e social. Para que relações interpessoais satisfatórias

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO MASCULINA E SUAS ARTICULAÇÕES COM O RECALCAMENTO. o processo de constituição do psiquismo. A discussão será feita à luz das idéias

IDENTIFICAÇÃO MASCULINA E SUAS ARTICULAÇÕES COM O RECALCAMENTO. o processo de constituição do psiquismo. A discussão será feita à luz das idéias IDENTIFICAÇÃO MASCULINA E SUAS ARTICULAÇÕES COM O RECALCAMENTO Cristiana de Amorim Mazzini 1 O presente trabalho discorrerá sobre a identificação masculina ocorrida durante o processo de constituição do

Leia mais

Álbum: O caminho é o Céu

Álbum: O caminho é o Céu Álbum: O caminho é o Céu ETERNA ADORAÇÃO Não há outro Deus que seja digno como tu. Não há, nem haverá outro Deus como tu. Pra te adorar, te exaltar foi que eu nasci, Senhor! Pra te adorar, te exaltar foi

Leia mais

O REAL DA LÍNGUA O REAL DA HISTÓRIA considerações a partir do texto La Lengua de Nunca Acabar. Pêcheux e Gadet (1987)

O REAL DA LÍNGUA O REAL DA HISTÓRIA considerações a partir do texto La Lengua de Nunca Acabar. Pêcheux e Gadet (1987) O REAL DA LÍNGUA O REAL DA HISTÓRIA considerações a partir do texto La Lengua de Nunca Acabar. Pêcheux e Gadet (1987) Blanca de Souza Viera MORALES (UFRGS) Para Pêcheux e Gadet a lingüística não pode reduzir-se

Leia mais

A função da alteridade frente ao desamparo nos primórdios da vida psíquica

A função da alteridade frente ao desamparo nos primórdios da vida psíquica A função da alteridade frente ao desamparo nos primórdios da vida psíquica Natália De Toni Guimarães dos Santos O humano só advém a partir de outros humanos. O filho do homem é um ser absolutamente dependente

Leia mais

O SUPEREU NA DEMANDA DE AMOR INSACIÁVEL DAS MULHERES

O SUPEREU NA DEMANDA DE AMOR INSACIÁVEL DAS MULHERES O SUPEREU NA DEMANDA DE AMOR INSACIÁVEL DAS MULHERES Daniela de Oliveira Martins Mendes Daibert Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Psicanálise da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ);

Leia mais

Fome de quê? Daniela Goulart Pestana

Fome de quê? Daniela Goulart Pestana Fome de quê? Daniela Goulart Pestana O trabalho a seguir fruto de um Cartel sobre sintomas alimentares, propõe a ser uma reflexão dos transtornos alimentares mais comuns de nossa contemporaneidade. O eixo

Leia mais

Márcio Peter de Souza Leite 4 de abril de 1997 PUC

Márcio Peter de Souza Leite 4 de abril de 1997 PUC O Pai em Freud 1997 O Pai em Freud Márcio Peter de Souza Leite 4 de abril de 1997 PUC Conteudo: Pais freudianos... 3 O pai de Dora... 3 O pai de Schreber.... 4 O pai castrador, que é o terceiro em Freud,

Leia mais

Feminilidade e Violência

Feminilidade e Violência Feminilidade e Violência Emilse Terezinha Naves O tema sobre a violência e a feminilidade apresenta-se, nas mais diversas áreas do conhecimento, como um tema de grande interesse, quando encontramos uma

Leia mais

Transferência e desejo do analista: os nomes do amor na experiência analítica ou Amar é dar o que não se tem

Transferência e desejo do analista: os nomes do amor na experiência analítica ou Amar é dar o que não se tem 1 Transferência e desejo do analista: os nomes do amor na experiência analítica ou Amar é dar o que não se tem Palavras-chave: Transferência, Desejo do analista, Formação Que haja amor à fraqueza, está

Leia mais

Concurso Literário. O amor

Concurso Literário. O amor Concurso Literário O Amor foi o tema do Concurso Literário da Escola Nova do segundo semestre. Durante o período do Concurso, o tema foi discutido em sala e trabalhado principalmente nas aulas de Língua

Leia mais

Saudades. Quantas vezes, Amor, já te esqueci, Para mais doidamente me lembrar, Mais doidamente me lembrar de ti!

Saudades. Quantas vezes, Amor, já te esqueci, Para mais doidamente me lembrar, Mais doidamente me lembrar de ti! Durante as aulas de Português da turma 10.º 3, foi lançado o desafio aos alunos de escolherem poemas e tentarem conceber todo um enquadramento para os mesmos, o que passava por fazer ligeiras alterações

Leia mais

Consternação. Beija-me mais uma vez. Tudo e nada Eu quero Um dilema Em que vivo!

Consternação. Beija-me mais uma vez. Tudo e nada Eu quero Um dilema Em que vivo! Amor perfeito À noite, o mar desponta Nos teus olhos doces No teu corpo, O doce brilho do luar Mexe a brisa Em teus cabelos negros E nessas mãos Tão cheias de carinho Encontro esse amor perfeito Que tens

Leia mais

Os nós e o amor. Silvia Emilia Espósito* Palavras - chave: nós, real, amor, três registros

Os nós e o amor. Silvia Emilia Espósito* Palavras - chave: nós, real, amor, três registros Os nós e o amor Silvia Emilia Espósito* Palavras - chave: nós, real, amor, três registros Aprendemos com Freud que o amor é sempre narcísico, ou seja, não importa de que escolha de objeto se trate, ele

Leia mais

(Re)buscando Pêcheux: algumas reflexões in-certas 1

(Re)buscando Pêcheux: algumas reflexões in-certas 1 (Re)buscando Pêcheux: algumas reflexões in-certas 1 Beatriz Maria ECKERT-HOFF 2 Doutoranda em Lingüística Aplicada/UNICAMP Este texto se insere no painel 04, intitulado Mises au point et perspectives à

Leia mais

Resumos. Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica

Resumos. Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica Inovação em psicanálise: rumos e perspectivas na contemporaneidade Quarta-feira 10/6 10h30-12h Mesa-redonda Saúde mental e psicanálise

Leia mais

Sobre a intimidade na clínica contemporânea

Sobre a intimidade na clínica contemporânea Sobre a intimidade na clínica contemporânea Flávia R. B. M. Bertão * Francisco Hashimoto** Faculdade de Ciências e Letras de Assis, UNESP. Doutorado Psicologia frbmbertao@ibest.com.br Resumo: Buscou-se

Leia mais

Clarice Gatto. O traumático que a experiência psicanalítica torna comunicável

Clarice Gatto. O traumático que a experiência psicanalítica torna comunicável Clarice Gatto O traumático que a experiência psicanalítica torna comunicável Trabalho a ser apresentado na Mesa-redonda Poder da palavra no III Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental e IX

Leia mais

Feminilidade e Angústia 1

Feminilidade e Angústia 1 Feminilidade e Angústia 1 Claudinéia da Cruz Bento 2 Freud, desde o início de seus trabalhos, declarou sua dificuldade em abordar o tema da feminilidade. Após um longo percurso de todo o desenvolvimento

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO

FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO Denise de Fátima Pinto Guedes Roberto Calazans Freud ousou dar importância àquilo que lhe acontecia, às antinomias da sua infância, às suas perturbações neuróticas, aos seus sonhos.

Leia mais

apaixonados um pelo outro. Fábio é homossexual e tem em torno de 45 anos. Madalena também tem mais ou menos a mesma idade, e é heterossexual.

apaixonados um pelo outro. Fábio é homossexual e tem em torno de 45 anos. Madalena também tem mais ou menos a mesma idade, e é heterossexual. Apresentação Este projeto é simples e pretende levar para o público algo de elevado conteúdo artístico. O orçamento da pré-produção e da produção é pequeno, já que a peça será encenada por dois atores

Leia mais

TOCAR E VER: O CORPO TORNANDO-SE SUJEITO

TOCAR E VER: O CORPO TORNANDO-SE SUJEITO TOCAR E VER: O CORPO TORNANDO-SE SUJEITO Iraquitan de Oliveira Caminha 1 O objetivo desse estudo é analisar a experiência de tocar e de ver, considerando a pulsão de domínio, concebida por Freud, e a motricidade

Leia mais

ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1

ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1 ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1 Arlete Mourão 2 Essa frase do título corresponde à expressão utilizada por um ex-analisando na época do final de sua análise.

Leia mais

FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM. A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da

FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM. A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM Maria Elisa França Rocha A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da sexualidade, bem como conhecer suas fantasias e as teorias que

Leia mais

Equipe de Língua Portuguesa. Língua Portuguesa SÍNTESE DA GRAMÁTICA

Equipe de Língua Portuguesa. Língua Portuguesa SÍNTESE DA GRAMÁTICA Aluno (a): Série: 3ª TUTORIAL 3B Ensino Médio Data: Turma: Equipe de Língua Portuguesa Língua Portuguesa SÍNTESE DA GRAMÁTICA TERMOS INTEGRANTES = completam o sentido de determinados verbos e nomes. São

Leia mais

no. 49 O NU FEMININO COMO IDEAL DE BELEZA

no. 49 O NU FEMININO COMO IDEAL DE BELEZA O NU FEMININO COMO IDEAL DE BELEZA por rose klabin Escrevo-te toda inteira e sinto um sabor em ser e o sabor-ati é abstrato como o instante. É também com o corpo todo que pinto os meus quadros e na tela

Leia mais

Freud, S. Inibições, sintomas e ansiedade (1925). Em: Obras completas. Rio de Janeiro: Imago, 1969. 2

Freud, S. Inibições, sintomas e ansiedade (1925). Em: Obras completas. Rio de Janeiro: Imago, 1969. 2 DAR CORPO AO SINTOMA NO LAÇO SOCIAL Maria do Rosário do Rêgo Barros * O sintoma implica necessariamente um corpo, pois ele é sempre uma forma de gozar, forma substitutiva, como Freud bem indicou em Inibição,

Leia mais

Resenhas de filmes Piaf: um Hino ao Amor

Resenhas de filmes Piaf: um Hino ao Amor 581 Resenhas de filmes Piaf: um Hino ao Amor Título Original: La Môme Gênero: Drama Tempo de Duração: 140 minutos Ano de Lançamento (França/República Tcheca/Inglaterra): 2007 Autor da resenha Henrique

Leia mais

O papel do corpo na contemporaneidade, as novas patologias e a escuta analítica.

O papel do corpo na contemporaneidade, as novas patologias e a escuta analítica. O papel do corpo na contemporaneidade, as novas patologias e a escuta analítica. Silvana Maria de Barros Santos Entre o século XVI a XIX, as transformações políticas, sociais, culturais e o advento da

Leia mais

Impasses na clínica psicanalítica: a invenção da subjetividade

Impasses na clínica psicanalítica: a invenção da subjetividade Estados Gerais da Psicanálise: Segundo Encontro Mundial, Rio de Janeiro 2003 Impasses na clínica psicanalítica: a invenção da subjetividade Teresa Pinheiro Regina Herzog Resumo: A presente reflexão se

Leia mais

OLHANDO FIRMEMENTE PARA JESUS

OLHANDO FIRMEMENTE PARA JESUS OLHANDO FIRMEMENTE PARA JESUS Autor e Consumador da Nossa Fé (Hebreus 12) Introdução: Para uma melhor compreensão do texto sobre o qual vamos meditar durante todo esse ano, é necessário observar que ele

Leia mais

FUNÇÃO MATERNA. Luiza Bradley Araújo 1

FUNÇÃO MATERNA. Luiza Bradley Araújo 1 FUNÇÃO MATERNA Luiza Bradley Araújo 1 Entendemos por função materna a passagem ou a mediação da Lei que a mãe opera. Nós falamos de uma função e não da pessoa da mãe, função de limite entre o somático

Leia mais

CORPOLINGUAGEM E MOVIMENTO: UMA PROPOSTA DE TRABALHO CORPORAL PARA CRIANÇAS À LUZ DA PSICANÁLISE

CORPOLINGUAGEM E MOVIMENTO: UMA PROPOSTA DE TRABALHO CORPORAL PARA CRIANÇAS À LUZ DA PSICANÁLISE CORPOLINGUAGEM E MOVIMENTO: UMA PROPOSTA DE TRABALHO CORPORAL PARA CRIANÇAS À LUZ DA PSICANÁLISE Nathalia Leite Gatto Nota-se que as disciplinas ligadas ao movimento na educação infantil, tanto curriculares

Leia mais

Neurivan Sousa. Pequenas Pérolas. Frases & Pensamentos. 2013 Curitiba 2ª edição

Neurivan Sousa. Pequenas Pérolas. Frases & Pensamentos. 2013 Curitiba 2ª edição Neurivan Sousa Pequenas Pérolas Frases & Pensamentos 2013 Curitiba 2ª edição Dedicatória Dedico esse singelo livreto especialmente a três mulheres que são o meu tesouro na terra: minha esposa Vânia Tereza,

Leia mais

Do sonho do corpo ideal ao masoquismo feminino

Do sonho do corpo ideal ao masoquismo feminino Do sonho do corpo ideal ao masoquismo feminino Lia Novaes Serra Introdução Sabemos que o ensejo por realizar uma operação plástica, que acomete, sobretudo, às mulheres, aparece como uma urgência do feminino

Leia mais

Carlos Neves. Antologia. Raízes. Da Poesia

Carlos Neves. Antologia. Raízes. Da Poesia 1 Antologia Raízes Da Poesia 2 Copyrighr 2013 Editra Perse Capa e Projeto gráfico Autor Registrado na Biblioteca Nacional ISBN International Standar Book Number 978-85-8196-234- 4 Literatura Poesias Publicado

Leia mais

Arte em Movimento...

Arte em Movimento... Leonardo Koury Martins Arte em Movimento... Arte em Movimento... Sabemos que por mais que queremos as coisas certas, todas no lugar, fáceis de tocar ou de compreender tudo estará em constante transformação.

Leia mais

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003.

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. Prefácio Interessante pensar em um tempo de começo. Início do tempo de

Leia mais

René Magritte Le Fils de Lhomme. Surrealismo

René Magritte Le Fils de Lhomme. Surrealismo Surrealismo Surrealismo Movimento artístico e literário nascido em Paris, em 1924, quando foi lançado o Manifesto surrealista, escrito por André Breton. Propunha aos artistas que expressassem livremente

Leia mais

POEMAS DE JOVITA NÓBREGA

POEMAS DE JOVITA NÓBREGA POEMAS DE JOVITA NÓBREGA Aos meus queridos amigos de Maconge Eu vim de longe arrancada ao chão Das minhas horas de menina feliz Fizeram-me estraçalhar a raiz Da prima gota de sangue Em minha mão. Nos dedos

Leia mais

VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE

VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE É Preciso saber Viver Interpretando A vida na perspectiva da Espiritualidade Cristã Quem espera que a vida seja feita de ilusão Pode até ficar maluco ou morrer na solidão É

Leia mais

Areias 19 de Janeiro de 2005. Querida Mãezita

Areias 19 de Janeiro de 2005. Querida Mãezita Areias 19 de Janeiro de 2005 Querida Mãezita Escrevo-te esta carta para te dizer o quanto gosto de ti. Sem ti, eu não teria nascido, sem ti eu não seria ninguém. Mãe, adoro- -te. Tu és muito importante

Leia mais

Devastação: um nome para dor de amor Gabriella Dupim e Vera Lopes Besset

Devastação: um nome para dor de amor Gabriella Dupim e Vera Lopes Besset Opção Lacaniana online nova série Ano 2 Número 6 novembro 2011 ISSN 2177-2673 Gabriella Dupim e Vera Lopes Besset No início da experiência analítica, foi o amor, diz Lacan 1 parafraseando a fórmula no

Leia mais

PSICANÁLISE: UMA ÉTICA DO DESEJO. perspectiva analítica, é de ter cedido de seu desejo (LACAN, 1991, p. 385). Mas que

PSICANÁLISE: UMA ÉTICA DO DESEJO. perspectiva analítica, é de ter cedido de seu desejo (LACAN, 1991, p. 385). Mas que PSICANÁLISE: UMA ÉTICA DO DESEJO Sérgio Scotti Lacan dizia que a única coisa da qual se pode ser culpado, pelo menos da perspectiva analítica, é de ter cedido de seu desejo (LACAN, 1991, p. 385). Mas que

Leia mais

Convite. Poesia é brincar com palavras como se brinca com bola, papagaio, pião. Só que bola, papagaio, pião de tanto brincar se gastam.

Convite. Poesia é brincar com palavras como se brinca com bola, papagaio, pião. Só que bola, papagaio, pião de tanto brincar se gastam. Convite Poesia é brincar com palavras como se brinca com bola, papagaio, pião. Só que bola, papagaio, pião de tanto brincar se gastam. As palavras não: quanto mais se brinca com elas mais novas ficam.

Leia mais

Sou a nona filha entre dez irmãos. Nasci numa cultura com padrões rígidos de comportamento e com pouco afeto. Quando eu estava com um ano e quatro meses, contraí poliomielite que me deixou com sequelas

Leia mais

Histeria e Corporalidade: O Corpo histérico através dos tempos

Histeria e Corporalidade: O Corpo histérico através dos tempos Histeria e Corporalidade: O Corpo histérico através dos tempos Este trabalho tem por intuito verificar quais as transformações sofridas pelos sintomas histéricos ao longo dos anos. Esta indagação se deve

Leia mais

LIÇÕES DE VIDA. Minha mãe Uma mulher fascinante Guerreira incessante Gerou sete filhos Em tentativa pujante De vencer as dificuldades com amor!

LIÇÕES DE VIDA. Minha mãe Uma mulher fascinante Guerreira incessante Gerou sete filhos Em tentativa pujante De vencer as dificuldades com amor! LIÇÕES DE VIDA Regilene Rodrigues Fui uma menina sem riquezas materiais Filha de pai alcoólatra e mãe guerreira. Do meu pai não sei quase nada, Algumas tristezas pela ignorância e covardia Que o venciam

Leia mais

Ensino Médio Unidade São Judas Tadeu Professor (a): Anna Izabel Aluno (a): Série: 2ª Data: / / 2015. LISTA DE LITERATURA

Ensino Médio Unidade São Judas Tadeu Professor (a): Anna Izabel Aluno (a): Série: 2ª Data: / / 2015. LISTA DE LITERATURA Ensino Médio Unidade São Judas Tadeu Professor (a): Anna Izabel Aluno (a): Série: 2ª Data: / / 2015. LISTA DE LITERATURA Questão 01.O texto abaixo apresenta, basicamente, três partes: a realidade, o sonho

Leia mais

Entrevistada por Maria Augusta Silva [EM 1999, NA OCASIÃO DO LANÇAMENTO DO LIVRO ROSAS DA CHINA ]

Entrevistada por Maria Augusta Silva [EM 1999, NA OCASIÃO DO LANÇAMENTO DO LIVRO ROSAS DA CHINA ] ANA MAFALDA LEITE Entrevistada por Maria Augusta Silva [EM 1999, NA OCASIÃO DO LANÇAMENTO DO LIVRO ROSAS DA CHINA ] Um dizer poético pleno. Professora e poeta luso-moçambicana encantada por Florbela Espanca,

Leia mais

CORPO, IMAGEM, ORIFÍCIO: PONTUAÇÕES SOBRE O CORPO EM PSICANÁLISE. O valor do corpo como imagem, como suporte imaginário e consistência, por

CORPO, IMAGEM, ORIFÍCIO: PONTUAÇÕES SOBRE O CORPO EM PSICANÁLISE. O valor do corpo como imagem, como suporte imaginário e consistência, por CORPO, IMAGEM, ORIFÍCIO: PONTUAÇÕES SOBRE O CORPO EM PSICANÁLISE Regina Cibele Serra dos Santos Jacinto Ana Maria Medeiros da Costa Podemos afirmar que o interesse de Lacan pela questão do corpo esteve

Leia mais

ORAÇÃO. Hinário. Pad.Sebastião. www.hinosdosantodaime.com.br 11/2013 1.0 Pág. 1

ORAÇÃO. Hinário. Pad.Sebastião. www.hinosdosantodaime.com.br 11/2013 1.0 Pág. 1 ORAÇÃO Hinário Pad.Sebastião www.hinosdosantodaime.com.br 11/2013 1.0 Pág. 1 Abertura dos Trabalhos - Pai Nosso - Ave Maria - Chave de Harmonia - Despacho do SANTO DAIME - ORAÇÃO - Padrinho Sebastião -

Leia mais

NOTA: Leia com muita atenção os textos a seguir: Texto 1 Todas as cartas de amor são. Ridículas. Não seriam de amor se não fossem. Ridículas.

NOTA: Leia com muita atenção os textos a seguir: Texto 1 Todas as cartas de amor são. Ridículas. Não seriam de amor se não fossem. Ridículas. GOIÂNIA, / / 2015 PROFESSOR: Daniel DISCIPLINA: LITERATURA SÉRIE: 1º ANO ALUNO (a): NOTA: No Anhanguera você é + Enem LISTA DE EXERCÍCIOS - P1 3º BIMESTRE Leia com muita atenção os textos a seguir: Texto

Leia mais

Acólitos. São João da Madeira. Cancioneiro

Acólitos. São João da Madeira. Cancioneiro Acólitos São João da Madeira Cancioneiro Índice Guiado pela mão...5 Vede Senhor...5 Se crês em Deus...5 Maria a boa mãe...5 Quanto esperei por este momento...6 Pois eu queria saber porquê?!...6 Dá-nos

Leia mais

Respirar das Sombras. Xavier Zarco

Respirar das Sombras. Xavier Zarco Respirar das Sombras Xavier Zarco Xavier Zarco (Coimbra, 1968). Publicou: "O livro dos murmúrios" (Palimage Editores, 1998); "No rumor das águas" (Virtualbooks, 2001); "Acordes de azul" (Virtualbooks,

Leia mais

Lembro de uma cena em especial, no Hospital Psiquiátrico Cyro Martins, que muito

Lembro de uma cena em especial, no Hospital Psiquiátrico Cyro Martins, que muito UM TÊNUE LIMIAR... 1 Graciella Leus Tomé Lembro de uma cena em especial, no Hospital Psiquiátrico Cyro Martins, que muito me chocou. Foi a internação de uma jovem senhora, mãe, casada, profissão estável,

Leia mais

CONVIVÊNCIA, ODIOENAMORAMENTO E GOZO DO OUTRO

CONVIVÊNCIA, ODIOENAMORAMENTO E GOZO DO OUTRO CONVIVÊNCIA, ODIOENAMORAMENTO E GOZO DO OUTRO María Rosa Borgatello de Musolino * RESUMO: Toda vez que o ser humano é confrontado com a tarefa da convivência, o amor participa na gênese da consciência

Leia mais

UM JEITO DE AMAR A VIDA

UM JEITO DE AMAR A VIDA UM JEITO DE AMAR A VIDA Maria do Carmo Chaves CONSCIÊNCIA DO MUNDO FICHA TÉCNICA EDIÇÃO: Vírgula (Chancela Sítio do Livro) TÍTULO: Um jeito de amar a vida AUTORA: Maria do Carmo Chaves (escreve de acordo

Leia mais

Teste de Avaliação n.º 1 - Correção

Teste de Avaliação n.º 1 - Correção I Teste de Avaliação n.º 1 - Correção 12.º CT / CSE setembro/2012 GRUPO I A. 1 d); 2 c); 3 c); c); 5 d); a); 7 b); 8 c); 9 a); 10 d). B. Características da poesia de Cesário Verde em Provincianas : - Poesia

Leia mais

Contexto cultural contemporâneo: o declínio da função paterna e a posição subjetiva da criança

Contexto cultural contemporâneo: o declínio da função paterna e a posição subjetiva da criança Contexto cultural contemporâneo: o declínio da função paterna e a posição subjetiva da criança Manuela Rossiter Infância - tempo de brincar, coisa séria. Sônia Pereira Pinto da Motta O atendimento de crianças

Leia mais

Memórias de um Vendaval

Memórias de um Vendaval 3 4 Memórias de um Vendaval 5 6 Carlos Laet Gonçalves de Oliveira MEMÓRIAS DE UM VENDAVAL 1ª Edição PerSe São Paulo - SP 2012 7 Copyright 2011, Carlos Laet Gonçalves de Oliveira Capa: O Autor 1ª Edição

Leia mais

E sua sede começa a crescer Em angústia e desespero Enquanto os ruídos da cachoeira Da grande cachoeira das eras O convoca para mergulhar Mergulhar

E sua sede começa a crescer Em angústia e desespero Enquanto os ruídos da cachoeira Da grande cachoeira das eras O convoca para mergulhar Mergulhar Uma Estória Pois esta estória Trata de vida e morte Amor e riso E de qualquer sorte de temas Que cruzem o aval do misterioso desconhecido Qual somos nós, eu e tu Seres humanos Então tomemos acento No dorso

Leia mais

Não devemos ser levados a crer que as Disciplinas são para os gigantes espirituais e, por isso, estejam além de nosso alcance; ou para os

Não devemos ser levados a crer que as Disciplinas são para os gigantes espirituais e, por isso, estejam além de nosso alcance; ou para os Não devemos ser levados a crer que as Disciplinas são para os gigantes espirituais e, por isso, estejam além de nosso alcance; ou para os contemplativos que devotam todo o tempo à oração e à meditação.

Leia mais

APO TAME TOS SOBRE A A GÚSTIA EM LACA 1

APO TAME TOS SOBRE A A GÚSTIA EM LACA 1 APO TAME TOS SOBRE A A GÚSTIA EM LACA 1 Elza Macedo Instituto da Psicanálise Lacaniana IPLA São Paulo, 2008 A angústia é um afeto Lacan (2005) dedica o Seminário de 1962-1963 à angústia. Toma a experiência

Leia mais

A CRIANÇA, O ADULTO E O INFANTIL NA PSICANÁLISE. Desde a inauguração da psicanálise, através dos estudos de seu criador Sigmund

A CRIANÇA, O ADULTO E O INFANTIL NA PSICANÁLISE. Desde a inauguração da psicanálise, através dos estudos de seu criador Sigmund A CRIANÇA, O ADULTO E O INFANTIL NA PSICANÁLISE Germano Quintanilha Costa Desde a inauguração da psicanálise, através dos estudos de seu criador Sigmund Freud, a infância se difundiu e se impôs à cultura

Leia mais

CEGO, SURDO E MUDO (porque nao?) LETRA: Ricardo Oliveira e Mário F.

CEGO, SURDO E MUDO (porque nao?) LETRA: Ricardo Oliveira e Mário F. FRUTO PROIBIDO FRUTO PROIBIDO 1 Cego, surdo e mudo (porque não?) 2 Mundo inteiro 3 Acordo a tempo 4 Contradição 5 A água não mata a fome 6 Quem és é quanto basta 7 Nascer de novo (és capaz de me encontrar)

Leia mais

Amar Dói. Livro De Poesia

Amar Dói. Livro De Poesia Amar Dói Livro De Poesia 1 Dedicatória Para a minha ex-professora de português, Lúcia. 2 Uma Carta Para Lúcia Querida professora, o tempo passou, mas meus sonhos não morreram. Você foi uma pessoa muito

Leia mais

CD: Ao Sentir. Alencastro e Patrícia. 1- Ao Sentir Jairinho. Ao sentir o mundo ao meu redor. Nada vi que pudesse ser real

CD: Ao Sentir. Alencastro e Patrícia. 1- Ao Sentir Jairinho. Ao sentir o mundo ao meu redor. Nada vi que pudesse ser real Alencastro e Patrícia CD: Ao Sentir 1- Ao Sentir Jairinho Ao sentir o mundo ao meu redor Nada vi que pudesse ser real Percebi que todos buscam paz porém em vão Pois naquilo que procuram, não há solução,

Leia mais

Megalomania: amor a si mesmo Raquel Coelho Briggs de Albuquerque 1

Megalomania: amor a si mesmo Raquel Coelho Briggs de Albuquerque 1 Megalomania: amor a si mesmo Raquel Coelho Briggs de Albuquerque 1 Alfredo estava na casa dos 30 anos. Trabalhava com gesso. Era usuário de drogas: maconha e cocaína. Psicótico, contava casos persecutórios,

Leia mais

CAMINHOS. Caminhos (Prov. 14:12) Paulo Cezar e Jayro T. Gonçalves

CAMINHOS. Caminhos (Prov. 14:12) Paulo Cezar e Jayro T. Gonçalves CAMINHOS Caminhos (Prov. 14:12) Paulo Cezar e Jayro T. Gonçalves Posso pensar nos meus planos Pros dias e anos que, enfim, Tenho que, neste mundo, Minha vida envolver Mas plenas paz não posso alcançar.

Leia mais

AFORISMOS DE JACQUES LACAN

AFORISMOS DE JACQUES LACAN AFORISMOS DE JACQUES LACAN Marco Antonio Coutinho Jorge (org.) O texto de Lacan, assim como o de Swedenborg, segundo Borges, é daqueles que expõe tudo com autoridade, com uma tranqüila autoridade. Ciente,

Leia mais

Portuguese Poetry / 14-30 lines HS 5-6

Portuguese Poetry / 14-30 lines HS 5-6 Ai quem me dera 1. Ai, quem me dera, terminasse a espera 2. Retornasse o canto simples e sem fim, 3. E ouvindo o canto se chorasse tanto 4. Que do mundo o pranto se estancasse enfim 5. Ai, quem me dera

Leia mais

O Escutar através do Desenho

O Escutar através do Desenho 1 O Escutar através do Desenho Neide M.A.Corgosinho 1 RESUMO: O artigo aqui apresentado baseia-se em algumas experiências de trabalho na internação pediátrica do Hospital Militar de Minas Gerais no período

Leia mais

Projeto Internos: a fotografia no hospital

Projeto Internos: a fotografia no hospital CRIAÇÃO Projeto Internos: a fotografia no hospital Haná Vaisman É impossível ficar três meses lidando com uma pessoa todo dia e falar que ela é só paciente e você só médico. Você acaba tendo preocupações

Leia mais

O amor em análise: algumas considerações a partir de depoimentos de passe Jussara Jovita Souza da Rosa

O amor em análise: algumas considerações a partir de depoimentos de passe Jussara Jovita Souza da Rosa Opção Lacaniana online nova série Ano 5 Número 14 julho 2014 ISSN 2177-2673 : algumas considerações a partir de depoimentos de passe Jussara Jovita Souza da Rosa [...] Falar de amor, com efeito, não se

Leia mais

IN EXTREMIS. * Nota do organizador. É de notar que o poema foi escrito com o autor ainda moço.

IN EXTREMIS. * Nota do organizador. É de notar que o poema foi escrito com o autor ainda moço. IN EXTREMIS Nunca morrer assim! Nunca morrer num dia Assim! de um sol assim! Tu, desgrenhada e fria, Fria! postos nos meus os teus olhos molhados, E apertando nos teus os meus dedos gelados... E um dia

Leia mais

A FUNÇÃO DO PAGAMENTO EM ANÁLISE: LIMITES E POSSIBILIDADES NA INSTITUIÇÃO

A FUNÇÃO DO PAGAMENTO EM ANÁLISE: LIMITES E POSSIBILIDADES NA INSTITUIÇÃO A FUNÇÃO DO PAGAMENTO EM ANÁLISE: LIMITES E POSSIBILIDADES NA INSTITUIÇÃO Fernanda de Souza Borges feborges.psi@gmail.com Prof. Ms. Clovis Eduardo Zanetti Na praça Clóvis Minha carteira foi batida, Tinha

Leia mais

O PASSAPORTE PARA O AMOR

O PASSAPORTE PARA O AMOR O PASSAPORTE PARA O AMOR Dom Juan Michel ÍNDICE 01 A Lua e Eu 02 Um Lindo Amanhecer 03 A Aliança do Amor 04 A Flor dos Desejos 05 As Milhas do Amor 06 Quando o Amor Me Leva a Sonhar 07 O Vento Sopra Lá

Leia mais

Joana Lapa. Lettera Amorosa Iluminações e Sombras. Apresentação: Robert Bréchon e Maria João Fernandes. Edições Afrontamento

Joana Lapa. Lettera Amorosa Iluminações e Sombras. Apresentação: Robert Bréchon e Maria João Fernandes. Edições Afrontamento Joana Lapa Lettera Amorosa Iluminações e Sombras Apresentação: Robert Bréchon e Maria João Fernandes Edições Afrontamento Novo livro de poesia, Lettera Amorosa Iluminações e Sombras, de Joana Lapa (pseudónimo

Leia mais

Desde sempre presente na nossa literatura, cantado por trovadores e poetas, é com Camões que o Amor é celebrado em todo o seu esplendor.

Desde sempre presente na nossa literatura, cantado por trovadores e poetas, é com Camões que o Amor é celebrado em todo o seu esplendor. Desde sempre presente na nossa literatura, cantado por trovadores e poetas, é com Camões que o Amor é celebrado em todo o seu esplendor. O Poeta canta o amor platónico, a saudade, o destino e a beleza

Leia mais

A fala freada Bernard Seynhaeve

A fala freada Bernard Seynhaeve Opção Lacaniana online nova série Ano 1 Número 2 Julho 2010 ISSN 2177-2673 Bernard Seynhaeve Uma análise é uma experiência de solidão subjetiva. Ela pode ser levada suficientemente longe para que o analisante

Leia mais

Alívio. Aquieta tuas tristezas, medos, angústias de desecrenças, no vasto ombro que ofereço. Hospeda no meu peito suas dores.

Alívio. Aquieta tuas tristezas, medos, angústias de desecrenças, no vasto ombro que ofereço. Hospeda no meu peito suas dores. Alívio Aquieta tuas tristezas, medos, angústias de desecrenças, no vasto ombro que ofereço. Hospeda no meu peito suas dores mais íntimas que te alivio com cafuné. As carícias de seu couro cabeludo nas

Leia mais

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 FORMAÇÃO

Leia mais

Sugestão de avaliação

Sugestão de avaliação Sugestão de avaliação 8 PORTUGUÊS Professor, esta sugestão de avaliação corresponde ao primeiro bimestre escolar ou às Unidades 1 e 2 do Livro do Aluno. Avaliação - Língua Portuguesa NOME: TURMA: escola:

Leia mais

Latusa digital ano 2 N 19 outubro de 2005

Latusa digital ano 2 N 19 outubro de 2005 Latusa digital ano 2 N 19 outubro de 2005 Sinthoma e fantasia fundamental no caso do homem dos ratos * Cleide Maschietto Doris Rangel Diogo ** O Homem dos ratos 1 é um caso de neurose muito comentado,

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

Faz um exercício de relaxamento coloca-te na presença de Deus. Reza um salmo (aquele que o teu coração pedir no momento).

Faz um exercício de relaxamento coloca-te na presença de Deus. Reza um salmo (aquele que o teu coração pedir no momento). O Caminho de Emaús Faz um exercício de relaxamento coloca-te na presença de Deus. Reza um salmo (aquele que o teu coração pedir no momento). Leitura: Lc 24, 13-35 Todos nós percorremos frequentemente o

Leia mais