PNEUMONIA ASPIRATIVA NO IDOSO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PNEUMONIA ASPIRATIVA NO IDOSO"

Transcrição

1 PNEUMONIA ASPIRATIVA NO IDOSO Sumário 1- Introdução: Definições: Fatores Predisponentes: Epidemiologia: Microbiologia: Quadro Clínico: Diagnóstico: Exames Complementares: Fatores prognóstico e gravidade: Tratamento: Falha Terapêutica: Prevenção: Referencias: Introdução: A pneumonia é uma patologia respiratória comum em todo o mundo, sendo responsável por elevada morbidade e mortalidade, principalmente, nos indivíduos idosos. Segundo dados do DATASUS, em 2011 ocorreram mortes por doença respiratória, sendo que 42,5 % dos óbitos tiveram como causa principal a pneumonia. Destes, 78,9 % ocorreram em indivíduos acima de 60 anos. 1 A despeito da melhoria das condições sociais, econômicas e de saúde da população brasileira, há uma necessidade crescente de aprimoramento nos aspectos 1

2 que envolvem o diagnóstico, tratamento e prevenção da pneumonia aspirativa, principalmente nos idosos. 2 - Definições: A pneumonia é definida como uma inflamação aguda das estruturas do parênquima pulmonar, podendo ser de origem infecciosa ou não. A aspiração pulmonar do conteúdo orofaríngeo ou gástrico é um evento comum que ocorre em até 50% dos indivíduos saudáveis durante o sono e que se resolve, na maioria das vezes, espontaneamente e sem deixar sequelas. 2,3,4 Marik 5 considera a lesão pulmonar aguda provocada pela aspiração de conteúdo gástrico como pneumonite aspirativa (síndrome de Mendelson), reservando o termo pneumonia aspirativa (PA) para aquela que apresenta alteração radiológica, de etiologia bacteriana e em indivíduos com fatores predisponentes para aspiração. Usualmente existem dois requisitos para que ocorra uma pneumonia aspirativa: 1- Comprometimento dos mecanismos de defesa do trato respiratório inferior: fechamento inadequado da glote, reflexo de tosse diminuído, atividade ciliar comprometida, muco brônquico alterado, deficiências imunológicas locais ou sistêmicas. 2- Densidade da população bacteriana na secreção orofaríngea e o volume de material aspirado. Na idade avançada, a pneumonia aspirativa é causada por bactérias menos patogênicas que colonizam a orofaringe e nasofaringe de indivíduos susceptíveis à aspiração. A pneumonia pode ser considerada recorrente, quando ocorre duas ou mais vezes em intervalo de 12 meses ou três ou mais episódios em qualquer intervalo de tempo, em ambos os casos com imagens radiográficas normais entre os episódios. 6 2

3 3 - Fatores Predisponentes: A maioria dos pacientes que desenvolvem pneumonia aspirativa apresenta um ou mais fatores de risco. São considerados fatores predisponentes: - Alteração do nível de consciência: alcoolismo, convulsão, acidente vascular cerebral, traumatismo craniano, drogas sedativas e anestesia geral. - Doenças neurológicas: neurodegenerativas (Alzheimer; Parkinson), esclerose múltipla, esclerose lateral amiotrófica, miastenia gravis e lesão expansiva intracraniana. - Disfagia: disfagia orofaríngea secundária ao rebaixamento do nível de consciência ou a doenças neurológicas, disfagia esofagiana provocada por divertículos, neoplasias, constrições e disfunções do esfíncter esofágico superior e/ou inferior. - Alteração mecânica nos mecanismos de defesa do sistema digestivo: sonda nasoentérica, gastrostomia, jejunostomia, traqueostomia, intubação endotraqueal e endoscopia digestiva alta. - Outros: gastroparesia, íleo paralítico, anestesia faríngea, infusão de grande volume de dieta enteral, vômitos persistentes, obstrução pós-piloro, doença do refluxo gastroesofágico, decúbito persistente, doença periodontal e má higiene oral. Um estudo prospectivo de base populacional avaliou fatores de risco para a aspiração em 1946 pacientes hospitalizados com diagnóstico de pneumonia, oriundos da comunidade e de instituições de longa permanência (ILPI). 7 Neste estudo, o percentual de pneumonia aspirativa foi de 10% nos pacientes com PAC e de 30% naqueles institucionalizados. Deve ser ressaltado que entre os fatores predisponentes no primeiro caso predominaram o rebaixamento do nível de consciência, tais como álcool e medicamentos. Já no segundo grupo, 72% dos pacientes apresentavam 3

4 alguma doença neurológica que ocasionava disfagia orofaríngea como fator predisponente para a aspiração. Kikuchi et al estudaram idosos com diagnóstico de PAC e concluíram que 71% dos pacientes aspiravam silenciosamente, quando comparados com 10% do grupo controle de mesma faixa etária. 8 A má higiene oral e a presença de doença periodontal manifestas, assim como, a presença de bactérias na língua de indivíduos edêntulos são reservatórios potenciais de patógenos respiratórios, aumentando 1,5 vezes o risco para o surgimento de uma pneumonia aspirativa em pessoas predispostas. 9,10 O papel das alterações fisiológicas próprias do envelhecimento e a sua repercussão sobre o sistema respiratório ainda é controverso. A diminuição da capacidade vital, da atividade mucociliar e da resposta imune que ocorrem durante o envelhecimento pulmonar parecem não constituir fatores de risco para a aspiração. 4 - Epidemiologia: Em 1892, Sir William Osler no livro Principles and Practice of Medicine, já considerava a pneumonia como um dos principais inimigos do indivíduo idoso. 11 É uma condição comum, sendo responsável por cerca de 40 a 50% das internações por doenças respiratórias no Brasil e a quarta causa de internação em idosos. Nos Estados Unidos da América, a pneumonia é principal causa de óbito entre as doenças infecciosas. Idosos que vivem ILPI possuem um risco de 6 a 10 vezes maior de adquirir pneumonia, quando comparado com seus pares residentes na comunidade. A incidência e a mortalidade associada à pneumonia tendem a aumentar com a idade. Isto pode ser explicado em parte pelo aumento da longevidade da população, além da presença de comorbidades e intervenções médicas, como a infecção pelo vírus da gripe, doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC), tabagismo, desnutrição, 4

5 insuficiência cardíaca congestiva (ICC), insuficiência renal (IR), doenças hepáticas crônicas, diabetes, neoplasias, doenças neurológicas e psiquiátricas, medicamentos sedativos, álcool, analgésicos narcóticos, tubos endotraqueais e nasogástricos, cirurgias recentes, imobilidade, internação em hospitais e asilos. A incidência aumenta de 9,9% dos 65 aos 74 anos de idade, para 29,4% naqueles com idade igual ou superior a 85 anos. 12 A mortalidade é de 19,4 nas PAC e de 28 % nos idosos institucionalizados Aproximadamente 50% dos pacientes idosos, que evoluem para o óbito em enfermarias de longa permanência, apresentam evidências de pneumonia à autopsia. 5 - Microbiologia: As bactérias anaeróbias são os organismos, predominantemente, encontrados nas vias aéreas superiores. Estudos mostram que 62 a 93% das bactérias responsáveis pelas pneumonias aspirativas são anaeróbias, sendo o Peptostreptococcus, Fusobacterium nucleatum, Prevotella e Bacteroides sp. as principais cepas isoladas. 14,15,16 Um estudo prospectivo, com 95 pacientes idosos provenientes de ILPI e admitidos em unidades de terapia intensiva com diagnóstico de pneumonia e com fatores predisponentes para aspiração, identificou os seguintes organismos: bactérias Gram negativas (49%), anaeróbios (16%,; Stafilococo aureus (12%). 17 No Japão, um estudo revelou que as bactérias aeróides e o Streptococo microaerófilo (60%) seguido das bactérias anaeróbias (29%) são os principais organismos isolados, por aspiração com agulha fina, em 212 pacientes com abscesso pulmonar. 18 Nos pacientes com pneumonia aspirativa nosocomial, os germes, comumente, responsáveis pela infecção pulmonar são um misto de bactérias gram negativas, bactérias anaeróbias e Stafilococo aureus. 19,20 5

6 6 - Quadro Clínico: A apresentação da pneumonia comumente observada em jovens com início abrupto, tosse produtiva, febre alta, sinais pleuríticos e de consolidação pulmonar é menos frequente em idosos, particularmente nos muito idosos. Na idade avançada qualquer destes achados pode estar presente, porém, instalam-se de forma insidiosa, com anorexia, perda de peso, adinamia, dor abdominal e anemia. 21 No idoso a pneumonia aspirativa apresenta-se, usualmente, na forma de um ou mais dos seguintes sinais ou sintomas, importantes em geriatria: confusão mental, declínio funcional, incontinência, quedas ou descompensações de doenças préexistentes como insuficiência cardíaca e/ou diabetes mellitus. A tosse, a expectoração e a dispnéia, sintomas muito frequentes em adultos e jovens, ocorrem em menor frequência em idosos (60 a 70%). A febre pode estar ausente em cerca de 40 a 60% dos pacientes. Ao exame físico, a taquipneia, apesar de inespecífica, constitui o sinal clínico mais sugestivo de infecção do trato respiratório inferior em idosos. Uma frequência respiratória acima de 26 irpm sempre deve levantar a suspeita de doença cardiorrespiratória. É também usual o encontro de frequência cardíaca acima de 90bpm. Os sinais auscultatórios pulmonares usualmente não são confiáveis, particularmente na presença de desidratação e taquipneia. Os sinais clássicos de consolidação pulmonar ocasionalmente podem estar presentes. A forma de apresentação da pneumonia em idosos com sinais e sintomas atípicos e inespecíficos explica, em parte, porque somente 1/3 dos idosos portadores de pneumonia só são diagnosticados à autópsia. A chamada pneumonia oculta é um diagnóstico frequente em muitos idosos que deterioram sob o ponto de vista clínico, sem causa aparente. As formas crônicas mais comuns de doença pulmonar aspirativa são os abscessos pulmonares, as bronquiectasias e a fibrose pulmonar intersticial. 6

7 7 - Diagnóstico: O grande desafio se dá na identificação dos fatores predisponentes para a aspiração associados à presença de sintomas, muitas vezes atípicos, e sinais identificados ao exame físico, sugestivos de uma infecção do trato respiratório inferior. A Sociedade Americana de doenças infecciosas recomenda a oximetria de pulso, para a identificação de hipoxemia em pacientes com frequência respiratória acima de 25 ipm e residentes em instituições de longa permanência. A suspeita clínica e/ou a hipoxemia (saturação < 90%) pode ser considerada um preditor de mortalidade e insuficiência respiratória nestes pacientes e sugere a necessidade da realização de uma radiografia de tórax. A radiografia do tórax, nas incidências posteroanterior e perfil, é um método complementar importante para a confirmação diagnóstica, para a avaliação da extensão do comprometimento pulmonar e da gravidade da pneumonia. Está também indicada para identificação de complicações, na monitorização da evolução e da resposta ao tratamento. O lobo pulmonar médio e inferior direito, devido ao maior calibre e verticalização do brônquio principal direito, são usualmente os mais acometidos na pneumonia aspirativa. Porém, o achado de infiltrados pulmonares pode variar de acordo o posicionamento do indivíduo no momento da aspiração. Quando a pessoa assentada, a infecção pode ocorrer nos lobos inferiores bilateralmente e em decúbito lateral esquerdo, nos lobos do pulmão esquerdo. No paciente alcoolista, o lobo mais acometido é o superior direito, já que aspiração ocorre geralmente na posição de pronação. No entanto, em pacientes leucopênicos ou desidratados, a radiografia de tórax pode ser normal mesmo na presença de infecção grave. Os achados radiográficos não são específicos para qualquer agente etiológico em particular. Nos pacientes idosos, a resolução da imagem radiológica na pneumonia é mais lenta e ocorre entre 8 e 12 semanas. 22 Isto contribui para a dificuldade diagnóstica de quadros 7

8 recorrentes de pneumonia aspirativa e pode resultar em tratamentos desnecessários com antibióticos ou internações frequentes, principalmente naqueles idosos frágeis de alta complexidade. 8- Exames Complementares: - Exame de escarro: O exame bacteroscópico, empregando a coloração pelo Gram, permite a observação direta da presença de bactérias e seus tipos morfológicos, bem como de fungos, leucócitos e outros elementos celulares. Para ter uma boa representatividade, a amostra obtida deve conter menos de 10 células epiteliais e mais de 25 polimorfonucleares por campo, em um aumento de 100 vezes. No entanto, a coleta de escarro de boa qualidade somente é obtida em 1/3 dos pacientes idosos. Na pneumonia aspirativa raramente é solicitado. - Exames hematológicos e bioquímicos: Os exames laboratoriais auxiliam no diagnóstico, na determinação da gravidade, no prognóstico, no acompanhamento da resposta ao tratamento e na indicação de internação. Geralmente são solicitados: hemograma, proteína C reativa (PCR), eletrólitos, glicemia, função renal e hepática. Entretanto, o resultado destes exames não deve retardar o início do tratamento. A PCR, apesar de inespecífico, possui boa sensibilidade e o resultado normal praticamente exclui a possibilidade de pneumonia, mesmo nos indivíduos muito idosos. Valores persistentemente elevados, na vigência de antibioticoterapia, indicam falha terapêutica ou mal prognóstico. 8

9 A gasometria arterial pode ser útil na suspeita de retenção de CO2 (DPOC e algumas enfermidades neuromusculares), quando a saturação de O2 estiver abaixo de 90% e naqueles pacientes que estão em ventilação mecânica. - Hemocultura: A indicação de hemocultura para pacientes idosos com pneumonia é controversa. Ela pode ser solicitada naqueles gravemente enfermos e/ou nos que não respondem às medidas iniciais de tratamento. Somente em 10% dos casos se consegue isolar o agente etiológico. - Avaliação Invasiva: A toracocentese, a aspiração transtraqueal, a aspiração por agulha transtorácica e a broncoscopia ficam reservadas para casos selecionados, principalmente, quando há suspeita de pneumonia aspirativa complicada (necrose, abscesso, derrame pleural). 9- Fatores prognóstico e gravidade: Embora existam vários critérios para avaliação da gravidade de pacientes com pneumonia, dois escores são sugeridos para a utilização em pacientes idosos: CURB- 65 e PSI. 23,24 Estes escores ajudam na definição do local de tratamento (domicílio, instituição ou hospitalização), na escolha da terapêutica e na estimativa de mortalidade em 30 dias. Inicialmente proposto em 2001, o CURB-65 é um escore bastante simples e que avalia objetivamente a presença de cinco fatores (algoritmo 1). Ele procura identificar pacientes com suspeita clínica de pneumonia bacteriana com baixo potencial de gravidade. Aqueles com escore 2 ou mais (algoritmo 1) são candidatos a tratamento hospitalar. 9

10 O escore de PSI (Pneumonia Severity Index) considera análises multivariadas, divididas em duas etapas, para definir as classes de gravidade. Na primeira etapa (TABELA 1) são avaliados dados demográficos, da história e do exame físico. Os pacientes idosos com idade igual ou superior 60 anos sempre passarão para a segunda fase de avaliação, onde há a necessidade dos resultados de imagens radiológicas e exames complementares (TABELA 2). Fine et al fizeram uma correlação do risco de mortalidade com a classe definida pelo escore e, posteriormente, foi sugerido que as classes definidas, em função do risco de mortalidade, poderiam sugerir o ambiente de tratamento, conforme pode ser visto na tabela 3. Critérios: Confusão Mental Uréia > 20 mg/dl Frequência respiratória 30 ipm Pressão arterial: PS < 90 mmhg ou PD 60 mmhg Idade 65 anos Pontuação CURB-65 0 ou 1 ponto Pontuação CURB-65 2 pontos Pontuação CURB-65 3 ou mais pontos Grupo 1 Mortalidade baixa (1,5%) Grupo 2 Mortalidade média (9,2%) Grupo 3 Mortalidade alta (22%) Tratamento Domiciliar Considerar tratamento hospitalar supervisionado Tratamento Hospitalar CTI se 4 ou 5 pontos Fonte: Definição da gravidade da pneumonia adquirida na comunidade na admissão hospitalar: Estudo internacional de validação. Thorax

11 TABELA 1: PSI 1 A ETAPA. Idade > 50 anos. Presença de comorbidades - Neoplasia - Doença hepática - Doença cérebro-vascular - Insuficiência cardíaca - Insuficiência renal. Exame físico - FC 125 bpm - FR 30 ipm - PAS 90 mmhg - Temperatura < 35 ou 40 - Confusão mental TABELA 2: PSI AVALIAÇÃO COMPLETA Etapa 1 Variável analisada Pontos Dados Demográficos Idade Homem = Idade Mulher = Idade - 10 Residência em instituição 10 Co-morbidades Neoplasia 30 Doença hepática 20 Doença cérebro-vascular 10 Insuficiência cardíaca 10 Insuficiência renal 10 Exame físico Confusão mental 20 FR 30 ipm 20 PAS 90 mmhg 20 Temperatura < 35 ou FC 125 bpm 10 11

12 Etapa 2 Variável analisada Pontos Exames complementares ph < 7,35 30 Uréia 78 mg/dl 20 Sódio < 130 meq/dl 20 Glicose 250 mg/dl 10 Hematócrito < 30% 10 PaO2 < 60 mmhg 10 Derrame pleural 10 Total Soma dos pontos TABELA 3: Avaliação da gravidade, classes de risco de acordo com a pontuação, mortalidade associada e ambiente de tratamento Pontos Classe Mortalidade Tratamento Sem pontuação I 0,1-0,4 Ambulatorial < 70 II 0,6 0,7 Ambulatorial III 0,9 2,8 Observação IV 8,5 9,3 Hospitalar > 130 V 27,0 31,1 Hospitalar 10- Tratamento: As medidas de suporte são fundamentais para o tratamento adequado da pneumonia aspirativa. É importante garantir a hidratação, a nutrição e também preservar a função cardiovascular e renal dos pacientes. O uso do oxigênio está indicado quando a Sat O2 for menor que 90%, a PaO2 menor 60 mmhg, e naqueles pacientes com de dispnéia ou instabilidade hemodinâmica. As medidas para prevenção de úlceras de pressão, de trombose venosa profunda, de delirium e de declínio funcional também devem ser adotadas. A antibióticoterapia precoce, na maioria das vezes escolhida de forma empírica devido à impossibilidade de se isolar o agente etiológico é fundamental no tratamento 12

13 da pneumonia aspirativa. A escolha dos agentes antimicrobianos é baseada em alguns dados epidemiológicos como prevalência e resistência dos patógenos respiratórios no meio onde ocorreu a aspiração, comorbidades, achados clínicos, internação e uso recente de antibiótico e condições socioeconômicas. Podem ser tratados ambulatorialmente os pacientes que não apresentam instabilidade hemodinâmica ou aqueles que estão em cuidados paliativos. É importante ressaltar que nos idosos, o ajuste da dose e o aumento do intervalo de administração dos antibióticos podem ser necessários, devido ao declínio da função renal que ocorre com o envelhecimento. Deve-se evitar a administração dos mesmos pela via intramuscular, pela sua absorção errática e maior risco de complicações. Em algumas situações pode ser utilizada a via oral. Historicamente, a penicilina, usada em altas doses, sempre foi o antibiótico de escolha para o tratamento da pneumonia aspirativa e do abscesso pulmonar. 25,26,27 Porém, com o surgimento de bactérias produtoras de penicilinase surgiram outras opções terapêuticas. Tendo por base as evidências atualmente disponíveis e a probabilidade do agente etiológico, os seguintes esquemas de antimicrobiano são propostos para o tratamento das pneumonias aspirativas. 28,29,30,31,32 1- Pneumonia aspirativa por bactéria anaeróbia: -clindamicina: 600 mg IV 8/8h com transição para via oral (VO) 300 mg 6/6 h ou 450 mg 8/8h.* -amoxacilina-clavulanato: 875 mg 12/12h VO. * -amoxacilina: 500 mg 8/8h + metronidazol: 500 mg IV ou VO 8/8h.* 13

14 -penicilina G: 1 a 2 milhões de unidades 4/4h ou 6/6h + metronidazol: 500 mg IV ou VO 8/8h.* 2 - Pneumonia aspirativa por bactérias Gram negativas ou nosocomial: -imipenen: 500 mg a 1,0 g IV a cada 6 ou 8 horas. Não exceder a dose de 50 mg/kg ou 4g/dia. * -meropenen: 500 mg a 1,0 g IV 8/8h.* -piperacilina-tazobactan: 4,5 g IV 6/6h* * Podem ser necessários ajustes das doses: levar em conta a depuração de creatinina, comorbidades e demais medicamentos em uso pelo paciente. Devido à falta de estudos controlados, o tempo de tratamento é arbitrário e depende da presença ou não de complicações e da resposta terapêutica. Usualmente, nos casos onde não há cavitação ou empiema, o tempo de tratamento varia entre 7 a 10 dias. Nos idosos frágeis, acredita-se que 10 a 14 dias sejam necessários, podendose estender até 21 dias nos casos mais graves. Quando há abscesso pulmonar, o tempo de antibiótico é indeterminado e dependerá da evolução de cada paciente. 12- Falha Terapêutica: A resposta esperada é uma melhora clínica progressiva em 48 a 72 h. Entretanto, alguns fatores podem comprometer a evolução clínica favorável, como a gravidade da doença, a exacerbação de doença subjacente, a resistência antimicrobiana, outras complicações infecciosas e erro diagnóstico. O surgimento ou o aumento do infiltrado radiológico nas primeiras horas pode ocorrer, sem significar falha terapêutica, já que muitos idosos encontram-se 14

15 desidratados na avaliação inicial. Como regra, não se deve mudar o esquema antibiótico nas primeiras 72 horas, exceto em pacientes graves que continuam a piorar e/ou que não apresentam exacerbação de doença subjacente. Antes de mudar o esquema antibiótico recomenda-se: reavaliação do diagnóstico, reavaliação radiológica, coleta de amostras biológicas para cultura na tentativa de se identificar o agente etiológico (sangue, escarro, urina) e avaliação da necessidade de realização de outros exames complementares (invasivos ou não). 13- Prevenção: Várias medidas são preconizadas para diminuir o risco de pneumonia de aspiração, mas, a maioria delas carece de comprovação científica. 33 Pacientes com pneumonia aspirativa recorrente necessitam do apoio de uma equipe multiprofissional, composta por médico, enfermeiro, fonoaudiólogo, nutricionista, fisioterapeuta, dentista, entre outros, para uma adequada abordagem e tratamento dos fatores predisponentes para a aspiração. Como a aspiração de bactérias que colonizam a orofaringe é o provável mecanismo responsável pelo processo infeccioso, medidas para melhorar a higienização da cavidade oral são sugeridas. A limpeza da cavidade oral com uma escova de dente macia, após cada refeição, constitui uma estratégia preventiva eficaz. 34 Tal procedimento não deve ser substituído pelo de uso enxaguantes bucais ou swabs orais. Há ainda muita controversa sobre as mudanças posturais (queixo/tronco) na redução do risco de aspiração. Ralsey et al 35 mostraram redução de 77% no risco de aspiração de pacientes, com disfagia orofaríngea, submetidos à videofluoroscopia. Pacientes restritos ao leito devem permanecer com a cabeceira elevada a 30º e devem ficar assentados (90º) quando forem receber a dieta oral. 15

16 Alguns estudos revelam que a mudança da consistência da dieta (líquidos com consistência de mel e/ou pudim) e a medida mais eficaz na redução do risco de aspiração nos pacientes disfágicos. 36,37 Observar o paciente, antes e após a ingestão de três ml de água e quatro gramas de pudim, apresenta uma sensibilidade de 90% e especificidade de 71% em predizer o risco de aspiração. 38 Os pacientes que aspiram a alimentação oferecida por via oral, também o faz, quando a recebe por uma via alternativa, (sonda nasoentérica, gastrostomia, jejunostomia). 39 Desta forma, ao contrário do que se imagina, não existem evidências para a utilização de vias alternativas de alimentação para prevenir a pneumonia aspirativa. O álcool, além de aumentar a colonização da cavidade oral por bactérias Gram negativas, reduz o reflexo de tosse e altera o adequado fechamento da glote. Já o tabaco/nicotina diminui o clearance mucociliar e a resposta imunológica do indivíduo. Alguns medicamentos sedativos podem aumentar o risco e a mortalidade associada à pneumonia aspirativa. 40,41 A prescrição de antipsicóticos e benzodiazepínicos deve ser criteriosa e levar em conta o risco/ benefício na sua indicação. O reflexo da deglutição e o reflexo da tosse são mediados por dois neurotransmissores: dopamina e substância P. Em tese, qualquer reparo no metabolismo da dopamina e a redução no catabolismo da substância P podem melhorar a deglutição e o reflexo de tosse. Sekizawa et al mostraram a redução em 33% do risco de pneumonia aspirativa, em pacientes hipertensos acometidos por acidente vascular encefálico (AVE), com o uso de inibidores da enzima conversora de angiotensina (IECA) quando comparado com outras classes de anti-hipertensivos. Os IECA atuam reduzindo o catabolismo da substância P endógena

17 A amantadina é um agente antiviral e que pelo seu possível efeito no metabolismo da dopamina, poderia ser utilizada em alguns pacientes com fatores de risco para aspiração. Embora Nakagawa et al 43 tenham demonstrado uma redução de 20% de aspiração, quando comparado ao placebo, em 163 pacientes com acidente vascular encefálico utilizando 100 mg de amantadina, as evidências ainda são fracas para se indicar esta droga na prevenção de aspiração em indivíduos susceptíveis Referências: 1- Brasil. Departamento de Informática do SUS - DATASUS. Informações de saúde. [Acesso em 25 jan. 2013]. Disponivel em: 2- Sa-Borges M, Rello J. Aspiration pneumonia. In: Marrie TJ, Ed. Communityacquired pneumonia. New York: Springer; 2001: Bartlett JG. Aspiration pneumonia in adults. [Last literature review: dez 2013]. [Acesso em 25 jan. 2013]. Disponivel em: 4- Berson W, Adriani J. Silent regurgitation and aspiration during anesthesia. Anesthesiology 1954; 15: Marik PE. Aspiration pneumonitis and aspiration pneumonia. N Engl J Med 2001; 344: Panitch HB. Evaluation of recurrent pneumonia. Pediatr Infect Dis 2005; 24: Reza Shariatzadeh M, Huang JQ, Marrie TJ. Differences in the features of aspiration pneumonia according to site of acquisition: community or continuing care facility. J Am Geriatr Soc 2006; 54: Kikuchi R, Watabe N, Konno T, Mishima N, Sekizawa K, Sasaki H. High incidence of silent aspiration in elderly patients with community-acquired pneumonia. Am J Resp Crit Care Med 1994; 150:

18 9- Sumi Y, Miura H, Michiwaki Y, et al. Colonization of dental plaque by respiratory pathogens in dependent elderly. Arch Gerontol Geriatr 2007; 44: Abe S, Ishihara K, Adachi M, et al. Tongue-coating as risk indicator for aspiration pneumonia in edentate elderly. Arch Gerontol Geriatr. 2008; 47(2): Osler W. The principles and Pratice of Medicine. East Norwalk, Conn: Appleton and Lange; Marston BJ, Plouffe JF, File TM Jr, et al. Incidence of community-acquired pneumonia requiring hospitalization. Results of a population-based active surveillance study in Ohio. The Community-Based Pneumonia Incidence Study Group. Arch Intern Med 1997; 157: Feldman C. Pneumonia in the elderly. Clin Chest Med; 1999: 20: Bartlett JG. Anaerobic bacterial pneumonitis. Am Rev Respir Dis 1979; 119: Brook I, Finegold SM. Bacteriology of aspiration pneumonia in children. Pediatrics 1980; 65: Bartlett JG. Anaerobic bacterial infection of the lung. Anaerobe 2012; 18: El Solh AA, Pietrantoni C, Bhat A, et al. Microbiology of severe aspiration pneumonia in institutionalized elderly. Am J Respir Crit Care Med 2003; 167: Takayanagi N, Kagiyama N, Ishiguro T, et al. Etiology and outcome of community-acquired lung abscess. Respiration 2010; 80: Bartlett JG, O'Keefe P, Tally FP, et al. Bacteriology of hospital-acquired pneumonia. Arch Intern Med 1986; 146: Lorber B, Swenson RM. Bacteriology of aspiration pneumonia. A prospective study of community- and hospital-acquired cases. Ann Intern Med 1974; 81: Metlay J, Schults R, Li YH, et al. Influence of age on symptoms at presentation in patients with community acquired pneumonia. Arch Intern Med. 1997; 157:

19 22- El Solh AA, Aquilina AT, Gunen H, Radamam F. Radiographic resolution of community-acquired bacterial pneumonia in the Elderly. J Am Geriatr Soc. 2004; 52(2): Lim WS, van der Eerden MM, Laing R, Boersma WG, Karalus N, Town GI. Defining community acquires pneumonia severity on presentation to hospital: an international derivation and validation study. Thorax. 2003; 58(5): Fine MJ, Auble TE, Yealy DM, et al. A prediction rule to identify low-risk patients with community- acquired pneumonia. N Engl J Med 1997; 336: Bartlett JG. Treatment of anaerobic pleuropulmonary infections. Ann Intern Med 1975; 83: Weiss W. Oral antibiotic therapy of acute primary lung abscess: comparison of penicillin G and tetracycline. Curr Ther Res Clin Exp 1970; 12: Weiss W. Cavity behavior in acute, primary, nonspecific lung abscess. Am Rev Respir Dis 1973; 108: Levison ME, Mangura CT, Lorber B, et al. Clindamycin compared with penicillin for the treatment of anaerobic lung abscess. Ann Intern Med 1983; 98: Gudiol F, Manresa F, Pallares R, et al. Clindamycin vs penicillin for anaerobic lung infections. High rate of penicillin failures associated with penicillin-resistant Bacteroides melaninogenicus. Arch Intern Med 1990; 150: Kadowaki M, Demura Y, Mizuno S, et al. Reappraisal of clindamycin IV monotherapy for treatment of mild-to-moderate aspiration pneumonia in elderly patients. Chest 2005; 127: Germaud P, Poirier J, Jacqueme P, et al. Monotherapy using amoxicillin/clavulanic acid as treatment of first choice in community-acquired lung abscess. Apropos of 57 cases. Rev Pneumol Clin 1993; 49: Eykyn SJ. The therapeutic use of metronidazole in anaerobic infection: six years experience in a London hospital. Surgery 1983; 93:

20 33- Loeb M, Becker M, Eady A, et al. Interventions to prevent aspiration pneumonia in older adults: a systematic review. J Am Geriatr Soc 2003; 51: Yoon,MN, Steele CM. The oral care imperative: The link between oral hygiene and aspiration pneumonia. Topics in Geriatric Rehabilitation, 2007; 23: Ralsey A, Logemann JA, Kahrilas, PJ, Rademaker AW, Paulowski, BR, Dodds, WJ. Prevention of barium aspiration during videofluoroscopic swallowing studies: Value of change in posture. American Journal of Roentgenology, 1993; 160: Logemann JA, Gensler G, Robbins J, Lindblad AS, et al. A randomized study of three interventions for aspiration of thin liquids in patients with dementia or Parkinson s disease. Journal of Speech, Language, and Hearing Research, : Robbins J, Gensler G, Hind J, Logemann JA, Lindblad AS, Brandt D, et al. Comparison of 2 interventions for liquid aspiration on pneumonia incidence. Annals of Internal Medicine, 2008; 148(7): Tohara H, Saitoh E, Mays KA, Kuhlemeier K, Palmer JB. Three tests for predicting aspiration without videoflurography. Dysphagia, 2003; 18: Siddique R, Neslusan CA, Crown WH, Crystal-Peters J, Sloan S, Farup C. A national inpatient cost estimate of percutaneous endoscopic gastrostomy associated aspiration pneumonia. American Journal of Managed Care 2000; 6(4): Knol W, Van Marum RJ, Jansen PAF, Souverein PC, Schobben AFAM, Egberts ACG. Antipsychotic drug use and risk of pneumonia in elderly people. J Am Geriatr Soc 2008; 56(4): Obiora E, Hubbard R, Sanders RD, Myles PR. The impact of benzodiazepines on occurrence of pneumonia and mortality from pneumonia - a nested case-control and survival analysis in a population-based cohort. Thorax 2013; 68(2):

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II. Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II. Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho NUTRIÇÃO ENTERAL INDICAÇÕES: Disfagia grave por obstrução ou disfunção da orofaringe ou do esôfago, como megaesôfago chagásico,

Leia mais

CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO

CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Programa de Educação Tutorial PET Medicina CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO Paulo Marcelo Pontes Gomes de Matos OBJETIVOS Conhecer o que é Edema Agudo

Leia mais

A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da

A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da 2 A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da inflamação, o que dificulta a realização das trocas gasosas.

Leia mais

Pneumonia Adquirida na comunidade em Adultos (PAC)

Pneumonia Adquirida na comunidade em Adultos (PAC) Pneumonia Adquirida na comunidade em Adultos (PAC) Definição Infecção aguda do parênquima pulmonar, associada a um novo infiltrado ao Raio X de tórax. Quadro clínico habitual Febre, tosse com secreção,

Leia mais

PNEUMONIA. Internações por Pneumonia segundo regiões no Brasil, 2003

PNEUMONIA. Internações por Pneumonia segundo regiões no Brasil, 2003 PNEUMONIA Este termo refere-se à inflamação do parênquima pulmonar associada com enchimento alveolar por exudato. São infecções das vias respiratórias inferiores gerando um processo inflamatório que compromete

Leia mais

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações 1. Introdução A evolução da epidemia causada pelo vírus da gripe pandémica (H1N1) 2009 implica que as medidas sejam adaptadas

Leia mais

03/07/2012. Mauro Gomes. Mauro Gomes. Mauro Gomes

03/07/2012. Mauro Gomes. Mauro Gomes. Mauro Gomes Início agudo Febre alta Dor pleurítica Tosse com expectoração purulenta EF: consolidação pulmonar Leucocitose com desvio à esquerda 1 semana de antibiótico Início lento Síndrome consumptiva Febre vespertina

Leia mais

PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO)

PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO) DADOS DO PACIENTE PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO) Iniciais: Registro: Sexo: ( ) Feminino ( ) Masculino Data de nascimento: / /

Leia mais

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função respiratória é prioritária em qualquer situação de intercorrência clínica. O paciente

Leia mais

Passos para a prática de MBE Elaboração de uma pergunta clínica Passos para a prática de MBE

Passos para a prática de MBE Elaboração de uma pergunta clínica Passos para a prática de MBE Passos para a prática de MBE Elaboração de uma pergunta clínica Dr. André Deeke Sasse 1. Formação da pergunta 2. Busca de melhor evidência resposta 3. Avaliação crítica das evidências 4. Integração da

Leia mais

EVOLUTIVAS PANCREATITE AGUDA

EVOLUTIVAS PANCREATITE AGUDA Academia Nacional de Medicina PANCREATITE AGUDA TERAPÊUTICA José Galvão-Alves Rio de Janeiro 2009 PANCREATITE AGUDA FORMAS EVOLUTIVAS INÍCIO PANCREATITE AGUDA 1º - 4º Dia Intersticial Necrosante 6º - 21º

Leia mais

PNEUMONITE ASPIRATIVA ASPIRAÇÃO PNEUMONITE ASPIRATIVA 09/07/2014. Pneumonite química (S. Mendelson) Pneumonia aspirativa (contaminação bacteriana)

PNEUMONITE ASPIRATIVA ASPIRAÇÃO PNEUMONITE ASPIRATIVA 09/07/2014. Pneumonite química (S. Mendelson) Pneumonia aspirativa (contaminação bacteriana) PNEUMONITE ASPIRATIVA Profa. Cláudia Henrique da Costa Universidade do Estado do Rio de Janeiro ASPIRAÇÃO Inalação de conteúdo gástrico ou da orofaringe para as vias aéreas Pode ocorrer tanto no âmbito

Leia mais

VENTILAÇÃO MECÂNICA NÃO INVASIVA FISIOTERAPIA. 1- OBJETIVO Padronizar a utilização da Ventilação Mecânica Não Invasiva (VMNI) pela fisioterapia.

VENTILAÇÃO MECÂNICA NÃO INVASIVA FISIOTERAPIA. 1- OBJETIVO Padronizar a utilização da Ventilação Mecânica Não Invasiva (VMNI) pela fisioterapia. POT Nº: 06 VENTILAÇÃO MECÂNICA NÃO INVASIVA FISIOTERAPIA Edição: 05/05/2009 Versão: 02 Data Versão: 28/05/2009 Página: 05 1- OBJETIVO Padronizar a utilização da Ventilação Mecânica Não Invasiva (VMNI)

Leia mais

b) indique os exames necessários para confirmar o diagnóstico e avaliar o grau de comprometimento da doença. (8,0 pontos)

b) indique os exames necessários para confirmar o diagnóstico e avaliar o grau de comprometimento da doença. (8,0 pontos) 01 Um homem de 30 anos de idade, que morou em área rural endêmica de doença de Chagas até os 20 anos de idade, procurou banco de sangue para fazer doação de sangue e foi rejeitado por apresentar sorologia

Leia mais

PASSOS PARA A PRÁTICA DE MBE. ELABORAÇÃO DE UMA PERGUNTA CLÍNICA André Sasse sasse@cevon.com.br PASSOS PARA A PRÁTICA DE MBE ELABORAÇÃO DA PERGUNTA

PASSOS PARA A PRÁTICA DE MBE. ELABORAÇÃO DE UMA PERGUNTA CLÍNICA André Sasse sasse@cevon.com.br PASSOS PARA A PRÁTICA DE MBE ELABORAÇÃO DA PERGUNTA PASSOS PARA A PRÁTICA DE MBE Curso Avançado MBE ELABORAÇÃO DE UMA PERGUNTA CLÍNICA André Sasse sasse@cevon.com.br 1. Formação da pergunta 2. Busca de melhor evidência resposta 3. Avaliação crítica das

Leia mais

HOSPITAL ESTADUAL DA CRIANÇA. Especialização em Medicina Intensiva Pediátrica

HOSPITAL ESTADUAL DA CRIANÇA. Especialização em Medicina Intensiva Pediátrica HOSPITAL ESTADUAL DA CRIANÇA PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU Especialização em Medicina Intensiva Pediátrica Programa de Pós-Graduação 2014 Caracterização do curso: Instituições: Instituto D Or de Pesquisa e

Leia mais

Protocolo de Condutas na Avaliação de Infecções de Vias Aéreas Inferiores no Idoso em Instituição de Longa Permanência

Protocolo de Condutas na Avaliação de Infecções de Vias Aéreas Inferiores no Idoso em Instituição de Longa Permanência Protocolo de Condutas na Avaliação de Infecções de Vias Aéreas Inferiores no Idoso em Instituição de Longa Permanência Versão eletrônica atualizada em Junho 2010 Autores do protocolo: Fernando Gatti de

Leia mais

Pneumonia e Derrame Pleural Protocolo Clínico de Pediatria

Pneumonia e Derrame Pleural Protocolo Clínico de Pediatria 2012 Pneumonia e Derrame Pleural Protocolo Clínico de Pediatria UNIPAC-Araguari Santa Casa de Araguari 2012 2 INTRODUÇÃO Pneumonia é uma inflamação ou infecção dos pulmões que afeta as unidades de troca

Leia mais

30/04/2014. Disfagia. Broncoaspiração X PNM (Pikus, Levine, Yang, 2003)

30/04/2014. Disfagia. Broncoaspiração X PNM (Pikus, Levine, Yang, 2003) MESA REDONDA IV Cuidados da fonoaudiologia: Diagnóstico e tratamento do paciente disfágico pós-estubação ou traqueostomizado Fga Luciana Passuello do Vale Prodomo Disfagia Qualquer problema no processo

Leia mais

Abordagem da Criança com Taquipnéia. Paula Florence Sampaio

Abordagem da Criança com Taquipnéia. Paula Florence Sampaio Abordagem da Criança com Taquipnéia Paula Florence Sampaio Taquipnéia até 2 meses de idade: 60 rpm de 2 meses a 1 ano: 50 rpm de 1 a 4 anos: 40 rpm 5 anos ou mais: 30 rpm Algumas Causas de Taquipnéia Pneumonia

Leia mais

Vigilância Epidemiológica de Pneumonias no Brasil

Vigilância Epidemiológica de Pneumonias no Brasil Vigilância Epidemiológica de Pneumonias no Brasil COVER/CGDT/ DEVEP/SVS/MS São Paulo,, setembro de 2007 Classificações das Pneumonias Local de aquisição Tempo de evolução Tipo do comprometimento Comunitária

Leia mais

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac DENGUE Treinamento Rápido em Serviços de Saúde Médico 2015 Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac O Brasil e o estado de São Paulo têm registrado grandes epidemias de dengue nos últimos

Leia mais

Doenças Respiratórias Crônicas. Caderno de Atenção Básica 25

Doenças Respiratórias Crônicas. Caderno de Atenção Básica 25 Doenças Respiratórias Crônicas Caderno de Atenção Básica 25 PREVALÊNCIA O Asma (acomete cerca de 300 milhões de indivíduos no mundo) O Rinite Alérgica (afeta cerca de 20 25% da população) O DPOC (afeta

Leia mais

INFLUENZA H1N1 E GESTAÇÃO

INFLUENZA H1N1 E GESTAÇÃO INFLUENZA H1N1 E GESTAÇÃO ÓBITOS POR SARG POR INFLUENZA SAZONAL E H1N1, SEGUNDO PRESENÇA DE FATORES DE RISCO NO BRASIL, 2009 ÓBITOS POR SARG PELA NOVA INFLUENZA, SEGUNDO PRESENÇA DE FATORES DE RISCO NO

Leia mais

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 A Dengue A dengue é uma doença infecciosa de origem viral, febril, aguda, que apesar de não ter medicamento específico exige

Leia mais

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel Insuficiência respiratória aguda O que é!!!!! IR aguda Incapacidade do sistema respiratório de desempenhar suas duas principais funções: - Captação de oxigênio para o sangue arterial - Remoção de gás carbônico

Leia mais

Delirium Resumo de diretriz NHG M77 (abril 2014)

Delirium Resumo de diretriz NHG M77 (abril 2014) Delirium Resumo de diretriz NHG M77 (abril 2014) Eizenga WH, Dautzenberg PLJ, Eekhof JAH, Scholtes ABJ, Van Venrooij MH, Verduijn MM, Wiersma Tj, Burgers JS, Van der Weele GM traduzido do original em holandês

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DA APLICABILIDADE DA FISIOTERAPIA RESPIRATÓRIA EM CRIANÇAS HOSPITALIZADAS COM PNEUMONIA NOSOCOMIAL

ANÁLISE COMPARATIVA DA APLICABILIDADE DA FISIOTERAPIA RESPIRATÓRIA EM CRIANÇAS HOSPITALIZADAS COM PNEUMONIA NOSOCOMIAL Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 ANÁLISE COMPARATIVA DA APLICABILIDADE DA FISIOTERAPIA RESPIRATÓRIA EM CRIANÇAS HOSPITALIZADAS COM PNEUMONIA NOSOCOMIAL Gabriela

Leia mais

Protocolo de tratamento de influenza - 2011

Protocolo de tratamento de influenza - 2011 Protocolo de tratamento de influenza - 2011 Depois de definida pela Organização Mundial de Saúde (OMS) a fase pós- pandêmica, a partir de agosto de 2010, o vírus da influenza pandêmica A (H1N1) 2009 continuou

Leia mais

PROTOCOLO DE ABORDAGEM E TRATAMENTO DA SEPSE GRAVE E CHOQUE SÉPTICO DAS UNIDADES DE PRONTO ATENDIMENTO (UPA)/ ISGH

PROTOCOLO DE ABORDAGEM E TRATAMENTO DA SEPSE GRAVE E CHOQUE SÉPTICO DAS UNIDADES DE PRONTO ATENDIMENTO (UPA)/ ISGH PROTOCOLO DE ABORDAGEM E TRATAMENTO DA SEPSE GRAVE E CHOQUE SÉPTICO DAS UNIDADES DE PRONTO ATENDIMENTO (UPA)/ ISGH 1. APRESENTAÇÃO A SEPSE TEM ALTA INCIDÊNCIA, ALTA LETALIDADE E CUSTO ELEVADO, SENDO A

Leia mais

INSTITUTO DE PERINATOLOGIA DA BAHIA - IPERBA

INSTITUTO DE PERINATOLOGIA DA BAHIA - IPERBA PROTOCOLO - OBS 032 DATA: 24/09/2005 PÁG: 1 / 5 1. CONCEITOS - Infecção do trato urinário inferior: colonização bacteriana na bexiga e/ou uretra acompanhada de resposta inflamatória CISTITES, URETRITES.

Leia mais

Bronquiectasia. Bronquiectasia. Bronquiectasia - Classificação

Bronquiectasia. Bronquiectasia. Bronquiectasia - Classificação Bronquiectasia Bronquiectasia É anatomicamente definida como uma dilatação e distorção irreversível dos bronquíolos, em decorrência da destruição dos componentes elástico e muscular de sua parede Prof.

Leia mais

Sistema Respiratório. Afecções das vias aéreas inferiores. Profa. Dra. Rosângela de Oliveira Alves Carvalho

Sistema Respiratório. Afecções das vias aéreas inferiores. Profa. Dra. Rosângela de Oliveira Alves Carvalho Sistema Respiratório Afecções das vias aéreas inferiores Profa. Dra. Rosângela de Oliveira Alves Carvalho Pneumonia Bronquite Broncopneumonia Pneumonia Intersticial Pneumonia Lobar EBologia Agentes Infecciosos

Leia mais

Ventilação não invasiva na IRA pósextubação?

Ventilação não invasiva na IRA pósextubação? III Curso Nacional de Ventilação Mecânica SBPT, São Paulo, 2008 Ventilação não invasiva na IRA pósextubação? Marcelo Alcantara Holanda Prof Adjunto, Medicina Intensiva/Pneumologia, Universidade Federal

Leia mais

INVERNO GAÚCHO. ções respiratórias rias agudas (IRAs) em pessoas com 60 anos e mais

INVERNO GAÚCHO. ções respiratórias rias agudas (IRAs) em pessoas com 60 anos e mais INVERNO GAÚCHO - 2008 Norma Técnica T e Operacional para infecçõ ções respiratórias rias agudas (IRAs) em pessoas com 60 anos e mais GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA SAÚDE PROGRAMA

Leia mais

7º Imagem da Semana: Radiografia de Tórax

7º Imagem da Semana: Radiografia de Tórax 7º Imagem da Semana: Radiografia de Tórax Legenda da Imagem 1: Radiografia de tórax em incidência póstero-anterior Legenda da Imagem 2: Radiografia de tórax em perfil Enunciado: Homem de 38 anos, natural

Leia mais

PNEUMONIA ASSOCIADA À VENTILAÇÃO MECÂNICA

PNEUMONIA ASSOCIADA À VENTILAÇÃO MECÂNICA PNEUMONIA ASSOCIADA À VENTILAÇÃO MECÂNICA CONCEITO A Pneumonia Associada à Ventilação Mecânica (PAV) é infecção diagnosticada após 48h de ventilação mecânica até a sua suspensão. ETIOLOGIA Tabela 1. Microorganismos

Leia mais

RECOMENDACÕES PARA MANEJO DA TOSSE E RESFRIADO COMUM EM PEDIATRIA Pronto-atendimento do Hospital Israelita Albert Einstein

RECOMENDACÕES PARA MANEJO DA TOSSE E RESFRIADO COMUM EM PEDIATRIA Pronto-atendimento do Hospital Israelita Albert Einstein RECOMENDACÕES PARA MANEJO DA TOSSE E RESFRIADO COMUM EM PEDIATRIA Pronto-atendimento do Hospital Israelita Albert Einstein 1. DEFINIÇÂO A tosse é um dos mais frequentes motivos de consultas em unidades

Leia mais

Pneumonia Adquirida na Comunidade U F M A. Prof. EDSON GARRIDO

Pneumonia Adquirida na Comunidade U F M A. Prof. EDSON GARRIDO Pneumonia Adquirida na Comunidade U F M A Prof. EDSON GARRIDO Pneumonia Adquirida na Comunidade O QUE É PNEUMONIA? Pneumonia Adquirida na Comunidade Infecção aguda do parênquima pulmonar distal ao bronquíolo

Leia mais

- Sazonalidade: A infecção por Influenza ocorre durante todo o ano, mas é mais frequente nos meses de outono e inverno.

- Sazonalidade: A infecção por Influenza ocorre durante todo o ano, mas é mais frequente nos meses de outono e inverno. Características clínicas da influenza - Sazonalidade: A infecção por Influenza ocorre durante todo o ano, mas é mais frequente nos meses de outono e inverno. - Incubação: um a quatro dias. - Transmissibilidade:

Leia mais

O QUE VOCÊ PRECISA SABER

O QUE VOCÊ PRECISA SABER DIAGNÓSTICO DE INFLUENZA E OUTROS VIRUS RESPIRATÓRIOS NO HIAE. O QUE VOCÊ PRECISA SABER Maio de 2013 Laboratório Clínico Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Apenas para lembrar alguns aspectos das

Leia mais

Circulação sanguínea Intrapulmonar. V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração.

Circulação sanguínea Intrapulmonar. V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração. DOENÇAS PULMONARES Árvore Brônquica Circulação sanguínea Intrapulmonar V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração. A. Pulmonar traz sangue venoso do coração para o pulmão. Trocas Histologia

Leia mais

Terapia Nutricional na Assistência Domiciliar

Terapia Nutricional na Assistência Domiciliar Terapia Nutricional na Assistência Domiciliar A assistência nutricional e clínica ao paciente em domicilio vêm crescendo no Brasil e no mundo. Também conhecida como home care, internação domiciliar ou

Leia mais

Tratamento de infecções causadas por bactérias anaeróbias

Tratamento de infecções causadas por bactérias anaeróbias UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE MEDICINA SAI VI Tratamento de infecções causadas por bactérias anaeróbias Bactérias anaeróbias não-esporuladas Participam

Leia mais

ANEXO 2: Exemplos de questões e percentual de erro dos participantes

ANEXO 2: Exemplos de questões e percentual de erro dos participantes ANEXO 2: Exemplos de questões e percentual de erro dos participantes Situação/problema Criança com desidratação e diarreia Um menino com 6 anos de idade e com peso de 18 kg, desenvolve quadro de desidratação

Leia mais

ENADE 2004 FISIOTERAPIA

ENADE 2004 FISIOTERAPIA ENADE 2004 FISIOTERAPIA QUESTÃO 38 Maurício Gomes Pereira. Epidemiologia teoria -- prática. Rio de Janeiro: Guanabra Koogan S.A., 1995, p. 31 (com adaptações). O gráfico acima demonstra os possíveis padrões

Leia mais

Relatos de casos de Strongyloides stercoralis. Isabelle Assunção Nutrição

Relatos de casos de Strongyloides stercoralis. Isabelle Assunção Nutrição Relatos de casos de Strongyloides stercoralis Isabelle Assunção Nutrição RECIFE/2011 INTRODUÇÃO A estrongiloidíase é uma helmintíase predominantemente intestinal causada pelo Strongyloides stercoralis,

Leia mais

DIAS AULA TEMA CONTEÚDO

DIAS AULA TEMA CONTEÚDO MARÇO 04/03 Teórica Noções em Geriatria e Gerontologia - Histórico - Temas básicos: saúde, autonomia, independência, incapacidade e fragilidade - Epidemiologia do envelhecimento - Papel do cuidador - Qualidade

Leia mais

03/07/2012 PNEUMONIA POR INFLUENZA: PREVENÇÃO, DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO, ONDE ESTAMOS? Encontro Nacional de Infecções Respiratórias e Tuberculose

03/07/2012 PNEUMONIA POR INFLUENZA: PREVENÇÃO, DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO, ONDE ESTAMOS? Encontro Nacional de Infecções Respiratórias e Tuberculose Encontro Nacional de Infecções Respiratórias e Tuberculose PNEUMONIA POR INFLUENZA: PREVENÇÃO, DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO, ONDE ESTAMOS? Encontro Nacional de Infecções Respiratórias e Tuberculose Goiânia

Leia mais

Resposta: Dilatação dos brônquios na tomografia (bronquiectasia) e nível hidro-aéreo na radiografia do tórax (abscesso).

Resposta: Dilatação dos brônquios na tomografia (bronquiectasia) e nível hidro-aéreo na radiografia do tórax (abscesso). 1 a Questão: (20 pontos) Um paciente de 35 anos, com história de sarampo na infância, complicada por pneumonia, informa que há mais de cinco anos apresenta tosse com expectoração matinal abundante e que

Leia mais

VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA I. Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta HBP/SP

VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA I. Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta HBP/SP VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA I Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta HBP/SP INTERFACES * Máscaras Nasais * Plugs Nasais * Máscaras Faciais * Capacete * Peça Bucal VENTILADORES E MODOS USADOS NA

Leia mais

PROTOCOLO DE MANEJO CLÍNICO H1N1

PROTOCOLO DE MANEJO CLÍNICO H1N1 PROTOCOLO DE MANEJO CLÍNICO H1N1 ORIENTAÇÕES GERAIS SANTA CASA DE MISERICÓRIDA DE CAPÃO BONITO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR JULHO 2009 PROTOCOLO DE MANEJO CLÍNICO DA INFLUENZA Em atendimento

Leia mais

TOSSE CRÔNICA DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL NO ADULTO. Dra. Adriana Vidal Schmidt

TOSSE CRÔNICA DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL NO ADULTO. Dra. Adriana Vidal Schmidt DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL NO ADULTO Dra. Adriana Vidal Schmidt TOSSE Principal queixa respiratória Fumantes não reclamam! Porque vão ao médico por tosse? Prevalência de 3 a 40% Problema terapêutico Thorax

Leia mais

PROTOCOLO CLÍNICO. Protocolo de Prevenção de Pneumonia Hospitalar

PROTOCOLO CLÍNICO. Protocolo de Prevenção de Pneumonia Hospitalar Código: PC.CIH.005 Data: 26/05/2010 Versão: 1 Página: 1 de 5 RESULTADO ESPERADO/OBJETIVO: Diminuir a transmissão de patógenos primários para o paciente, reduzir a colonização de reservatórios com patógenos

Leia mais

Actualizado em 21-09-2009*

Actualizado em 21-09-2009* Recomendações para o tratamento de adultos com gripe pandémica (H1N1) 2009 que necessitem de admissão numa Unidade de Cuidados Intensivos 1. Introdução O vírus da gripe pandémica (H1N1) 2009 tem maior

Leia mais

Tosse e resfriado comum em crianças e adolescentes

Tosse e resfriado comum em crianças e adolescentes Tosse e resfriado comum em crianças e adolescentes 1. DEFINIÇÂO A tosse é um dos mais frequentes motivos de consultas em unidades de pronto atendimento e impacta em bilhões de dólares gastos anualmente

Leia mais

CAPÍTULO 7 : CUIDADOS COM O RECÉM-NASCIDO COM INFECÇÃO

CAPÍTULO 7 : CUIDADOS COM O RECÉM-NASCIDO COM INFECÇÃO CAPÍTULO 7 : CUIDADOS COM O RECÉM-NASCIDO COM INFECÇÃO As infecções bacterianas nos RN podem agravar-se muito rápido. Os profissionais que prestam cuidados aos RN com risco de infecção neonatal têm por

Leia mais

Demências na Terceira idade. Enfª Mda Josiane Steil Siewert

Demências na Terceira idade. Enfª Mda Josiane Steil Siewert Demências na Terceira idade Enfª Mda Josiane Steil Siewert Grandes síndromes neuropsiquiatricas na terceira idade: Delirium Demencias Depressão Doenças Orgânicas do Cérebro Quando uma pessoa idosa de repente

Leia mais

Raio-X das doenças pneumocócicas

Raio-X das doenças pneumocócicas Raio-X das doenças pneumocócicas Responsáveis por 1,6 milhão de mortes no mundo a cada ano 1, as infecções provocadas pelo pneumococo causam mais do que o triplo de mortes do que a gripe Cerca de 1,6 milhão

Leia mais

a. CONSIDERAÇÕES ESPECIAIS DE AVALIAÇÃO Objetivos do tratamento pré-hospitalar da síndrome coronariana aguda

a. CONSIDERAÇÕES ESPECIAIS DE AVALIAÇÃO Objetivos do tratamento pré-hospitalar da síndrome coronariana aguda Parte II P R O T O C O L O S D E D O E N Ç A S C A R D I O V A S C U L A R E S [111] 47. SÍNDROME CORONARIANA AGUDA a. CONSIDERAÇÕES ESPECIAIS DE AVALIAÇÃO A isquemia do miocárdio resulta do desequilíbrio

Leia mais

Protocolo de Tratamento de Síndrome Gripal e Síndrome Respiratória Aguda Grave 2015

Protocolo de Tratamento de Síndrome Gripal e Síndrome Respiratória Aguda Grave 2015 CENTRO ESTADUAL DE VIGILÂNCIA DIVISÃO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Protocolo de Tratamento de Síndrome Gripal e Síndrome Respiratória Aguda Grave 2015 (Material produzido pelo Ministério da Saúde e adaptado

Leia mais

Imagem da Semana: Radiografia de Tórax

Imagem da Semana: Radiografia de Tórax Imagem da Semana: Radiografia de Tórax Figura 1: Radiografia de tórax realizada em decúbito dorsal Enunciado MHS, sexo feminino, 63 anos, foi atendida no Centro de Saúde de seu novo bairro. Apresentava

Leia mais

DENGUE AVALIAÇÃO DA GRAVIDADE SINAIS/SINTOMAS CLÁSSICOS SINAIS/SINTOMAS CLÁSSICOS MANIFESTAÇÕES HEMORRÁGICAS MANIFESTAÇÕES HEMORRÁGICAS

DENGUE AVALIAÇÃO DA GRAVIDADE SINAIS/SINTOMAS CLÁSSICOS SINAIS/SINTOMAS CLÁSSICOS MANIFESTAÇÕES HEMORRÁGICAS MANIFESTAÇÕES HEMORRÁGICAS DENGUE AVALIAÇÃO DA GRAVIDADE SINAIS/SINTOMAS SINAIS/SINTOMAS CLÁSSICOS CLÁSSICOS MANIFESTAÇÕES MANIFESTAÇÕES HEMORRÁGICAS HEMORRÁGICAS SINAIS SINAIS DE DE ALERTA ALERTA SINAIS SINAIS DE DE CHOQUE CHOQUE

Leia mais

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc Insuficiência Cardíaca Conceito É a incapacidade do coração em adequar sua ejeção às necessidades metabólicas do organismo, ou fazê-la

Leia mais

Pneumonias como quando e porque referenciar? Cecilia Longo longo.cecilia@gmail.com

Pneumonias como quando e porque referenciar? Cecilia Longo longo.cecilia@gmail.com Pneumonias como quando e porque referenciar? Cecilia Longo longo.cecilia@gmail.com Visão global do problema 1 Mortalidade 2012 d. respiratórias 13.908 +4.012 neoplasia traqueia, brônquios e pulmão 50 portugueses/

Leia mais

Infecção Bacteriana Aguda do Trato Respiratório Inferior

Infecção Bacteriana Aguda do Trato Respiratório Inferior ESPECIALIZAÇÃO EM MICROBIOLOGIA APLICADA CASCAVEL - 2009 Infecção Bacteriana Aguda do Trato Respiratório Inferior Profa. Vera Lucia Dias Siqueira Bacteriologia Clínica DAC - UEM Sistema Respiratório Pneumonias

Leia mais

Critérios rios Diagnósticos e Indicadores Infecção do Trato Urinário ITU Infecção Gastrointestinal IGI. Hospitais de Longa Permanência.

Critérios rios Diagnósticos e Indicadores Infecção do Trato Urinário ITU Infecção Gastrointestinal IGI. Hospitais de Longa Permanência. Critérios rios Diagnósticos e Indicadores Infecção do Trato Urinário ITU Infecção Gastrointestinal IGI Hospitais de Longa Permanência ncia 2011 Premissas 1.Todos os sintomas devem ser novos ou com piora

Leia mais

Doença falciforme: Infecções

Doença falciforme: Infecções Doença falciforme: Infecções Célia Maria Silva Médica Hematologista da Fundação Hemominas celia.cmaria@gmail.com Eventos infecciosos Importância Incidência Faixa etária mais acometida (6m - 5a) Internações

Leia mais

DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA DPOC.

DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA DPOC. DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA DPOC. Objetivos Ao final desta aula o aluno deverá: Ser capaz de definir a DPOC, e seus dois tipos: enfisema pulmonar e bronquite crônica. Reconhecer os sintomas e sinais

Leia mais

Protocolo Clínico. 2. CLASSIFICAÇÃO CID 10 Classificação segundo a CID10 da situação clínica 3. DIAGNÓSTICO

Protocolo Clínico. 2. CLASSIFICAÇÃO CID 10 Classificação segundo a CID10 da situação clínica 3. DIAGNÓSTICO Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal Subsecretaria de Atenção à Saúde Diretoria de Assistência Especializada Comissão Permanente de Protocolos de Atenção à Saúde Protocolo Clínico 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

FUNDAMENTOS DA NUTRIÇÃO CLÍNICA E COLETA FUNDAMENTOS DA NUTRIÇÃO CLÍNICA E COLETIVA

FUNDAMENTOS DA NUTRIÇÃO CLÍNICA E COLETA FUNDAMENTOS DA NUTRIÇÃO CLÍNICA E COLETIVA FUNDAMENTOS DA NUTRIÇÃO CLÍNICA E COLETA FUNDAMENTOS DA NUTRIÇÃO CLÍNICA E COLETIVA Graduação 1 FUNDAMENTOS DA NUTRIÇÃO CLÍNICA E COLETIVA UNIDADE 4 ALIMENTAÇÃO ENTERAL Nesta unidade você irá estudar as

Leia mais

CLÍNICA MÉDICA LIGA DE CLÍNICA MÉDICA UNICID DOENÇA RENAL CRÔNICA DOENÇA RENAL CRÔNICA DOENÇA RENAL CRÔNICA

CLÍNICA MÉDICA LIGA DE CLÍNICA MÉDICA UNICID DOENÇA RENAL CRÔNICA DOENÇA RENAL CRÔNICA DOENÇA RENAL CRÔNICA Volume 1 - Fevereiro 2009 CLÍNICA MÉDICA LIGA DE CLÍNICA MÉDICA UNICID Dr. Egidio Lima Dórea DIFERENÇAS ÉTNICAS NA RESPOSTA RENAL À FUROSEMIDA Tae-Yon Chun, Lise Bankir, George J. Eckert, et al. Hypertension

Leia mais

Pneumonias Comunitárias

Pneumonias Comunitárias Pneumonias Comunitárias Diagnóstico e Tratamento Prof. Alex G. Macedo Mestre em Pneumologia UNIFESP-EPM Prof. de Pneumologia e Medicina de Urgência Faculdade de Medicina UNIMES - Santos Declaração sobre

Leia mais

SÍNDROME DE MOUNIER-KUHN (TRAQUEOBRONCOMEGALIA): RELATO DE CASO

SÍNDROME DE MOUNIER-KUHN (TRAQUEOBRONCOMEGALIA): RELATO DE CASO Subespecialidade: Tórax / Tipo de trabalho: Relato de caso SÍNDROME DE MOUNIER-KUHN (TRAQUEOBRONCOMEGALIA): RELATO DE CASO Autores: Baptista RM, Nogueira HA, Nothaft MA, Coelho FH Apresentador: Dr. Rodrigo

Leia mais

Rotina para Prevenção de Transmissão de Tuberculose Nosocomial

Rotina para Prevenção de Transmissão de Tuberculose Nosocomial MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE HOSPITAL FEDERAL DE BONSUCESSO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA A13 elaborada em 09/12/2010 Rotina para Prevenção de Transmissão de Tuberculose

Leia mais

TERAPÊUTICA ANTIBIÓTICA DA PNEUMONIA DA COMUNIDADE

TERAPÊUTICA ANTIBIÓTICA DA PNEUMONIA DA COMUNIDADE TERAPÊUTICA ANTIBIÓTICA DA PNEUMONIA DA COMUNIDADE Todos os indivíduos com suspeita de Pneumonia Adquirida na Comunidade (PAC) devem realizar telerradiografia do tórax (2 incidências)(nível A). AVALIAÇÃO

Leia mais

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004.

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Artigo comentado por: Dr. Carlos Alberto Machado Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Kwok Leung Ong, Bernard M. Y. Cheung, Yu Bun

Leia mais

Pesquisa Etiológica. Exame específico

Pesquisa Etiológica. Exame específico Influenza A (H1N1) O vírus A Influenza A(H1 N1) é uma doença respiratória e a transmissão ocorre de pessoa a pessoa, principalmente por meio de tosse, espirro ou de contato com secreções respiratórias

Leia mais

Função pulmonar na diabetes mellitus

Função pulmonar na diabetes mellitus Função pulmonar na diabetes mellitus José R. Jardim Pneumologia Universidade Federal de São Paulo Elasticidade pulmonar anormal em DM Juvenil - 1976 11 diabéticos (24 anos) de início juvenil Dependentes

Leia mais

Traduzido por: Edson Alves de Moura Filho e-mail: edson.moura@saude.gov.br

Traduzido por: Edson Alves de Moura Filho e-mail: edson.moura@saude.gov.br A Doença Do Boletim Epidemiológico, Vol 22, nº 3, setembro de 2001 Influenza: Aspectos Epidemiológicos Básicos para o Desenvolvimento de Vacinas A influenza (a flu ) é uma dos mais notórios achaques (doença

Leia mais

TEMA: RIVASTIGMINA NO TRATAMENTO DA DOENÇA DE ALZHEIMER

TEMA: RIVASTIGMINA NO TRATAMENTO DA DOENÇA DE ALZHEIMER Data: 13/12/2013 NTRR 254/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Solicitante: Pedro Guimarães Pereira Juiz de Direito, 2ª Vara da Comarca de Várzea da Palma Número do processo: 0044371-71.2013.8.13.0708

Leia mais

Insuficiência Respiratória. Vias aéreas difíceis

Insuficiência Respiratória. Vias aéreas difíceis Insuficiência Respiratória Síndrome da Angústia Respiratória Aguda Vias aéreas difíceis Mailton Oliveira 2015.2 INSUFICIÊNCIA RESPIRATÓRIA AGUDA Incapacidade do sistema respiratório de atender as demandas

Leia mais

ETIOLOGIA. Alcoólica Biliar Medicamentosa Iatrogênica

ETIOLOGIA. Alcoólica Biliar Medicamentosa Iatrogênica PANCREATITE AGUDA ETIOLOGIA Alcoólica Biliar Medicamentosa Iatrogênica FISIOPATOLOGIA MANIFESTAÇÃO CLÍNICA CRITÉRIOS PROGNÓSTICOS Ranson Na admissão: Idade > 55 anos Leucócitos > 1600 N uréico aumento

Leia mais

Protocolo de Ventilação Mecânica

Protocolo de Ventilação Mecânica 1 de 6 RESULTADO ESPERADO: Sistematizar a assistência ventilatória e o processo de desmame objetivando na redução do tempo de ventilação mecânica e as complicações associadas. 1554 PROCESSOS RELACIONADOS:

Leia mais

Capacitação em Serviço: Dengue em 15 minutos

Capacitação em Serviço: Dengue em 15 minutos Capacitação em Serviço: Dengue em 15 minutos Situação Epidemiológica O Brasil é responsável por 75% dos casos de dengue na América Latina A partir de 2002, houve grande aumento de casos de dengue e das

Leia mais

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes.

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pâncreas Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pancreatite aguda Pancreatite crônica Cistos pancreáticos Câncer de Pancrêas Pancreatite aguda O pâncreas é um órgão com duas funções básicas:

Leia mais

Paciente de 89 anos, vem à consulta médica relatando nauseas e vômitos há 2 dias. Previamente à consulta encontravase bem, assintomática.

Paciente de 89 anos, vem à consulta médica relatando nauseas e vômitos há 2 dias. Previamente à consulta encontravase bem, assintomática. Paciente de 89 anos, vem à consulta médica relatando nauseas e vômitos há 2 dias. Previamente à consulta encontravase bem, assintomática. Faz tratamento para hipertensão arterial e insuficiência cardíaca

Leia mais

Treinamento: Critérios Diagnóstico de Infecção Hospitalar para os Hospitais de. Longa Permanência. Equipe Técnica:

Treinamento: Critérios Diagnóstico de Infecção Hospitalar para os Hospitais de. Longa Permanência. Equipe Técnica: Treinamento: Critérios Diagnóstico de Infecção Hospitalar para os Hospitais de Equipe Técnica: Longa Permanência -Maria Angela Kfouri S.G.Tenis -Maria G. Valente -Milton S. Lapchik -Valquiria O. Carvalho

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO GERIATRA

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO GERIATRA 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO GERIATRA QUESTÃO 21 Em relação à fisiopatologia da hipertensão arterial no paciente idoso, marque a alternativa CORRETA: a) A pressão diastólica tende a ficar

Leia mais

Hemoglobinopatias. Dra. Débora Silva Carmo

Hemoglobinopatias. Dra. Débora Silva Carmo Hemoglobinopatias Dra. Débora Silva Carmo Hemoglobinopatias O que é hemoglobina É a proteína do sangue responsável em carregar o oxigênio para os tecidos Qual é a hemoglobina normal? FA recém-nascido AA

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO EMENTAS DISCIPLINAS MATRIZ 3 1º AO 3º PERÍODO 1 º Período C.H. Teórica: 90 C.H. Prática: 90 C.H. Total: 180 Créditos: 10

Leia mais

PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADA ÀSONDA VESICAL: UMA ABORDAGEM PRÁTICA

PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADA ÀSONDA VESICAL: UMA ABORDAGEM PRÁTICA PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADA ÀSONDA VESICAL: UMA ABORDAGEM PRÁTICA IRAS As infecções relacionadas à assistência à saúde (IRAS) consistem em eventos adversos ainda persistentes nos

Leia mais

INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NO PÓS-OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO: UMA PERSPECTIVA BIBLIOGRÁFICA

INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NO PÓS-OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO: UMA PERSPECTIVA BIBLIOGRÁFICA INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NO PÓS-OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO: UMA PERSPECTIVA BIBLIOGRÁFICA INTRODUÇÃO Antonio Quaresma de Melo Neto NOVAFAPI Marcos Maciel Soares e Silva NOVAFAPI Marcelo

Leia mais

6/1/2014 DEFINIÇÃO CHOQUE CARDIOGÊNICO. Perfusão sanguínea

6/1/2014 DEFINIÇÃO CHOQUE CARDIOGÊNICO. Perfusão sanguínea DEFINIÇÃO CHOQUE CARDIOGÊNICO Lilian Caram Petrus, MV, Msc Equipe Pet Cor de Cardiologia Doutoranda FMVZ-USP Vice- Presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia Veterinária Estado de baixa perfusão

Leia mais

Protocolo de Tratamento Casos de SG e SRAG. Dr. José Ricardo Pio Marins Consultor Externo CGDT/ SVS

Protocolo de Tratamento Casos de SG e SRAG. Dr. José Ricardo Pio Marins Consultor Externo CGDT/ SVS Protocolo de Tratamento Casos de SG e SRAG Dr. José Ricardo Pio Marins Consultor Externo CGDT/ SVS Brasília, novembro de 2012 Antecedentes Uso do medicamento durante a pandemia e 2011/2012 Dificuldade

Leia mais

Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014. Fabio Kater

Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014. Fabio Kater Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014 Fabio Kater Multivitaminas na prevenção do câncer de mama, próstata e pulmão: caso fechado! Revisão da literatura para tipos específicos de câncer

Leia mais

USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI

USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI Débora Onuma Médica Infectologista INTRODUÇÃO O que são Indicadores? 1. Indicador é uma medida quantitativa que pode

Leia mais

GASOMETRIA ARTERIAL GASOMETRIA. Indicações 11/09/2015. Gasometria Arterial

GASOMETRIA ARTERIAL GASOMETRIA. Indicações 11/09/2015. Gasometria Arterial GASOMETRIA ARTERIAL Processo pelo qual é feita a medição das pressões parciais dos gases sangüíneos, a partir do qual é possível o cálculo do PH sangüíneo, o que reflete o equilíbrio Ácido-Básico 2 GASOMETRIA

Leia mais

Diretrizes Assistenciais PREVENÇÃO DA DOENÇA ESTREPTOCÓCICA NEONATAL

Diretrizes Assistenciais PREVENÇÃO DA DOENÇA ESTREPTOCÓCICA NEONATAL Diretrizes Assistenciais PREVENÇÃO DA DOENÇA ESTREPTOCÓCICA NEONATAL Versão eletrônica atualizada em fev/2012 O agente etiológico e seu habitat A doença estreptocócica neonatal é causada por uma bactéria,

Leia mais