CURSOS ON-LINE COMÉRCIO INTERNACIONAL CURSO REGULAR PROFESSOR RODRIGO LUZ E MISSAGIA AULA 03

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CURSOS ON-LINE COMÉRCIO INTERNACIONAL CURSO REGULAR PROFESSOR RODRIGO LUZ E MISSAGIA AULA 03"

Transcrição

1 AULA 03 POLÍTICAS COMERCIAIS O comércio exterior de um país trata das relações de compras, trocas e vendas entre uma determinada economia e as demais. Nesse sentido, os países podem possuir diferentes formas de conduzir e regular essas transações. Basicamente, os governos podem interferir no comércio exterior introduzindo normas que incentivem ou que restrinjam essa atividade, seja em um sentido (importações) ou no outro (exportações). Importação de um bem é quando este se incorpora à economia nacional do país importador. Exportação de um bem é quando este deixa de pertencer à economia nacional de um país para se incorporar à de outro. Então, a política comercial de um país é a forma como o governo conduz as relações econômicas com o mundo exterior (demais países). O incentivo às exportações e a restrição das importações são mecanismos normalmente utilizados quando o país precisa melhorar a sua Balança Comercial (Exportações menos Importações), que é um item importante do Balanço de Pagamentos. Com a geração de divisas (moeda estrangeira) oriundas das exportações, o país consegue obter os recursos necessários (divisas) para custear as importações de que necessita. De uma forma ou de outra, o país procura (ou deveria procurar) uma política comercial que lhe conduza ao crescimento econômico. As políticas comerciais, no contexto da disciplina comércio internacional, se referem à forma como os países atuam junto ao mercado externo. Nesse sentido, dois extremos podem ser observados, sob o ponto de vista de abertura do país ao comércio exterior: o protecionismo e o livre-cambismo. Desde a formação dos Estados modernos, o comércio mundial tem passado por períodos de maior ou menor liberação, ou seja, tem encontrado mais ou menos resistência por parte dos países. Essa política externa dos países sempre sofreu grande influência da situação político-econômica do mundo moderno (1ª e 2ª Guerras, Depressão de 1930, queda do Muro de Berlim, Globalização dos anos 1990 etc.) Os economistas clássicos, de cuja escola o expoente era Adam Smith, afirmavam que o livre comércio eleva o padrão de vida mundial em função do aumento da produção. Porém, o que se tem observado é que os países agem de acordo com seus interesses, ou seja, pregam a liberação comercial apenas quando esta lhes seja favorável. Isso quer dizer que quando um país A fala em livre-cambismo é porque está interessado em que os outros países (B, C, D,...) abram seus mercados para as mercadorias exportadas por A. Por acaso vocês conhecem algum país que se encaixe no perfil do país A? Eu conheço. Chama-se Estados Unidos da América. Assim, observou-se nos países que tentaram incrementar seu parque industrial a partir da segunda metade do século XX (período pós-guerra), como o Brasil, a implantação de um sistema de restrições às importações para viabilizar o processo de industrialização e crescimento, em suma, um sistema protecionista. O que esses países tentaram foi correr atrás do prejuízo, já que as grandes potências (EUA, Inglaterra, França) possuíam indústrias e potencial exportador bem mais avançados. Os países desenvolvidos também se utilizaram desta política de restrições às importações, protegendo suas indústrias nascentes e seus empregos, com o objetivo de atingir o crescimento econômico. Na verdade, os EUA sempre foram muito protecionistas com relação a sua agricultura. Por outro lado, em franco 1

2 crescimento, aparecem os blocos econômicos de integração entre nações (NAFTA, União Européia, Mercosul etc.), que objetivam a liberação e o crescimento do volume de trocas entre países, por meio da redução de boa parcela destes entraves ao comércio. Parece uma contradição? Não exatamente. Analisaremos, a seguir, as características principais destas duas políticas comerciais (livre-cambismo e protecionismo), conferindo suas vantagens e desvantagens. LIVRE-CAMBISMO O livre-cambismo consiste em uma política comercial que prega a queda das restrições ao comércio entre países. Esse pensamento surgiu na carona dos ideais liberais, no século XVIII, amparado pelo filosofia do laissez-faire, que significa, de forma muito simplória, a não intervenção estatal na economia dos países. O livrecambismo seria o liberalismo aplicado no campo econômico. O crescimento da burguesia exigia a menor intervenção estatal possível para que os comerciantes pudessem executar suas atividades sem burocracia e sem impedimentos. Isso aplicado ao comércio internacional implica queda de barreiras, ou livre comércio. Os economistas clássicos sempre seguiram nessa linha, ou seja, a de que o livre comércio levará ao crescimento econômico. Seu defensor mais ilustre foi Adam Smith, que pregava em seu livro A Riqueza das Nações que, o indivíduo, ao procurar o seu próprio interesse (lucro), também estaria promovendo o interesse e o bem-estar da sociedade. Ora, esse pensamento significa que seria melhor o Estado deixar a economia se regular por si só, ou seja, de acordo com o mercado, pois os empresários, ao criarem seus negócios (empresas), com o objetivo de geração de lucro, iriam, como conseqüência natural, gerar empregos, o que por sua vez aumentaria a renda dos trabalhadores, que poderiam consumir produtos fabricados pelas indústrias de outros países, a preços mínimos, e assim a coisa caminharia, num ciclo de geração de renda, sem intervenção estatal, rumo ao crescimento, elevando o bem-estar da sociedade como um todo. Tudo muito bonito, não é mesmo? Só que esse pensamento veio a ser combatido pelos opositores do livre-cambismo, como veremos adiante. Para explicar porque os países deveriam comercializar produtos com os demais, abrindo suas economias, Adam Smith criou a Teoria das Vantagens Absolutas 1, por meio da qual os países deveriam se especializar na produção daqueles bens em que fossem mais eficientes. Essa maior eficiência na produção de determinados bens poderia ocorrer em função de aspectos como recursos naturais (ex: o solo e o clima francês são favoráveis à produção de vinho), capital ou recursos humanos. Assim, suponha que o Brasil produza sapatos de forma mais eficiente que o Japão, conseguindo colocá-los a preços menores no mercado internacional. O Japão, por sua vez, fabrica televisores com muito mais eficiência que os brasileiros, e por esse motivo suas TVs são vendidas a preços bem menores e com qualidade superior. Na situação acima, segundo Smith, não valeria a pena o Brasil fabricar televisores. O melhor a fazer seria concentrar toda a mão-de-obra e o capital na produção dos bens onde se possua mais eficiência. Conseqüentemente, o Brasil fabricaria somente sapatos, e exportaria o excedente para o Japão, que fabricaria somente televisores, exportando o excedente para o Brasil. Isso aplicado em todos os países, com absoluta liberdade de movimentação de mercadorias, serviços e capitais de um país para o outro, faria com que os mesmos atingissem um nível 1 Esse assunto não consta mais no programa do concurso AFRF explicitamente, mas entendemos que sua compreensão superficial seja importante para a prova. 2

3 ótimo de bem-estar, já que o mundo teria se transformado em um único mercado, onde os bens são negociados a preços mínimos, independentemente do país onde sejam produzidos. Posteriormente, essa teoria foi aprimorada por Ricardo, que criou a Teoria das Vantagens Relativas (ou Comparativas), onde provou que, mesmo um país (A) sendo mais eficiente na produção dos dois produtos, ainda assim valeria a pena comercializar com o exterior (país B), devendo o país A se especializar na produção do bem em que fosse mais eficiente. Por outro lado, o país B, menos eficiente na produção dos dois produtos, deveria se especializar na fabricação daquele em que fosse menos ineficiente. Essas teorias levam as nações a uma especialização da produção, ou a uma divisão internacional do trabalho, e dependem totalmente da liberação comercial para ser posta em prática. Isso quer dizer que, segundo os clássicos, a imposição de barreiras poderia prejudicar a alocação ótima dos recursos de produção, e possivelmente geraria um custo muito grande para o país por manter uma indústria ineficiente funcionando, como seria o caso, em nosso exemplo hipotético, da fabricação de televisores no Brasil e de sapatos no Japão. A especialização da produção possibilitaria ao país produzir em larga escala (ganhos de escala), aumentando a oferta do mesmo, fazendo com que o preço final do produto ficasse reduzido. Para o consumidor, certamente é a melhor opção, pois permite a possibilidade de escolha no mercador internacional. O livre-cambismo é, portanto, uma política comercial baseada na livre concorrência, na desregulamentação das atividades de comércio exterior (não intervenção estatal), na especialização internacional na produção. Todos esses fatores levariam ainda, segundo seus defensores, a uma maior solidariedade entre as nações. Diversas vantagens são apontadas pelos defensores do livre-cambismo, tais como: a) Aumento da competitividade e, conseqüentemente, da qualidade das mercadorias fabricadas pelos produtores-exportadores; b) Exportações a preços mínimos com vantagens comparativas; c) Geração de emprego e renda nos países em desenvolvimento; d) Menores gastos com importações, melhorando a situação da Balança Comercial do país; e) Distribuição ótima dos fatores de produção. Nesse sistema, o Estado não interfere diretamente nas atividades econômicas, ficando seu papel restrito a tarefas como: a) Manutenção da soberania nacional; b) Preservação da justiça; c) Manutenção da lei e da ordem; d) Complementação das atividades (produção, importação, exportação) onde não houvesse interesse do setor privado; e) Redução das barreiras relativas ao comércio exterior. Os opositores do livre-cambismo assentavam-se no argumento de que as oportunidades não são apresentadas para os pequenos, ou seja, para os países subdesenvolvidos ou em desenvolvimento. Isso quer dizer que os países com perfil de produção agrícola teriam de se especializar somente na produção de bens primários para exportá-los. Como o mercado consumidor desse tipo de bem não é crescente, a tendência é que esses países se tornem eternos produtores rurais, 3

4 exportando produtos a preços baixos no mercado internacional, e pagando salários cada vez menores. EM 1959, no âmbito da Comissão Econômica da ONU para a América Latina (CEPAL), o argentino Raul Prebisch levantou esse problema, e criou uma teoria chamada de Deterioração dos Termos Internacionais de Troca. Segundo essa teoria, esses países (produtores agrícolas) só tinham a perder com o modelo do livre-cambismo e com a divisão internacional do trabalho. Isso porque a demanda pelos produtos primários (produzidos e oferecidos pelos países em desenvolvimento) não se estica tanto quanto a procura por produtos industrializados (oferecidos pelos países industrializados), quando ocorre aumento na renda do consumidor, ou seja, possui baixa elasticidade-renda da demanda. Nessa situação, satisfeitas as condições básicas de sobrevivência (alimentação, moradia e vestuário), a procura por alimentos não sofrerá grandes variações a partir de então. Por outro lado, a procura por bens mais sofisticados, de alto valor agregado, oferecidos pelos países desenvolvidos, será tanto maior quanto maior a renda do consumidor. Para entender o parágrafo anterior, pense no seguinte fato: você ganha salário mínimo no Brasil. Como sabemos, sua renda mal dá pra comer e morar. Aliás não dá nem pra isso. No máximo você consegue pôr arroz e feijão na mesa para sua família, mas não todos os dias. Aí finalmente você consegue um emprego um pouco melhor e passa a incluir no cardápio carnes, legumes, verduras e frutas. Depois você consegue outro emprego ainda melhor, que lhe permite pagar plano de saúde e alugar uma casa melhor. Depois você é promovido, e seu salário já dá pra pagar um colégio particular para os filhos e pra comprar um carrinho velho. Se o salário aumentar, você pode querer comprar um carro melhor, DVD, home-theater, computador etc. Se aumentar mais ainda, você vai querer um outro carro e trocar seus aparelhos eletrônicos por outros melhores, além de comprar novos videogames para seu filho, e assim por diante. E o arroz com feijão? Por que o indivíduo, quando teve aumento de salário, não comprou mais e mais arroz e feijão? Porque ele não precisava mais disso. A comida é uma necessidade básica do ser humano. Porém, quando atendida essa necessidade, você não vai querer ficar comprando mais e mais comida. Chega um momento em que essa demanda estaciona. Já o consumo de bens mais elaborados (eletrônicos, por exemplo) não tem limite. Se a renda do indivíduo aumentar, ele vai querer carros melhores, novos computadores, MP3 players, DVDs etc. Outro fato que contribuiu para reduzir ainda mais a demanda mundial pelas matérias-primas exportadas pelos países subdesenvolvidos foi a descoberta de produtos sintéticos nos países desenvolvidos, agravando ainda mais a sua situação no comércio exterior. Ora, se o Brasil exporta algodão, por exemplo, para fabricação de roupas, a descoberta de fios sintéticos (poliéster, nylon, poliamida etc.) certamente teria impacto negativo nas nossas exportações. Prebisch defendeu então que esses países deveriam se industrializar, pois a riqueza só seria distribuída com a exportação de bens industrializados. Exportar produtos primários não estava com nada. Foi implantado na região (América Latina), em conseqüência dessa tese, o modelo de substituição das importações, utilizado com certo sucesso, até a década de 70/80. Trata-se de um modelo protecionista, e será discutido mais adiante, no tópico Comércio Internacional e Crescimento Econômico. No mesmo contexto, para não ter de concorrer diretamente com as economias avançadas (EUA, Inglaterra, França etc.), surgiu a idéia de integrar o continente em uma só região econômica, sem barreiras na comercialização de bens entre as partes, que procurariam desenvolver suas indústrias de forma complementar, e não concorrente. Por outro lado, para que essas indústrias pudessem sobreviver em 4

5 suas fases iniciais de implantação, sistemas de proteção seriam aplicados às importações de países de fora do bloco. Surgia a ALALC (Associação Latino- Americana de Livre Comércio), em 1960, que não logrou sucesso, e veio a ser substituída pela ALADI (Associação Latino-Americana de Integração) em Talvez o principal argumento contra os livre-cambistas fosse de que a queda de todas as barreiras ao comércio beneficiaria, de imediato, apenas os países cujas indústrias já se encontrassem em estágios avançados (as indústrias maduras). Essa tese foi criada por F. List, economista alemão, exatamente para justificar a proteção às indústrias nascentes da Alemanha no século XIX, por meio da imposição de barreiras às importações, para que estas não tivessem que concorrer com as já maduras indústrias inglesas. Segundo List, o processo de industrialização de um país possui cinco etapas. Segundo ele, à época, Inglaterra e França já estariam na etapa final de desenvolvimento industrial, e a Alemanha não. Para atingir a fases mais avançada de industrialização, a única maneira seria protegendo suas indústrias nas etapas inicias, ou seja, enquanto o país não possuísse indústrias maduras em determinado setor, para que se alcance o desenvolvimento industrial pleno, seria imperioso impor tarifas às importações de produtos concorrentes. Essa seria a única maneira de as indústrias jovens conseguirem sobreviver. É o que se chama de proteção às indústrias nascentes. Esse tipo de barreira está previsto na Organização Mundial do Comércio (OMC), desde o GATT/47, sob certas condições, e por prazo suficiente para que a indústria se estabeleça. Os opositores afirmavam também que o livre-cambismo, até como conseqüência do que já foi dito, concentraria a renda na mão dos mais ricos, ou seja, não propiciaria a tão sonhada distribuição de renda. Os países que não conseguissem gerar exportadores competitivos teriam problemas com sua balança comercial. Essa concentração de renda para grandes empresas poderia levar ao que se chama de desvios do comércio (subsídios, trustes, cartéis, dumping). O dumping será explicado por completo em outro ponto do programa, mas só pra se ter uma idéia, vejamos o caso abaixo: Estudo de Caso Imaginem uma empresa brasileira tentando iniciar atividades no mercado de cosméticos de luxo. Suponha que o mercado seja dominado por fornecedores franceses, já que o comércio é livre (livrecambismo), ou seja, não há nenhum tipo de restrição a importações de cosméticos franceses ou de qualquer outra parte do mundo. A empresa brasileira, a menos que se associe a algum grande grupo econômico com capital, nome e tradição no mercado, terá grandes dificuldades em competir com os franceses. Mesmo assim, vamos supor que ela consiga se instalar e inicie uma produção modesta a preços reduzidos, abrindo mão da sua margem de lucro inicial. Os produtores franceses, então, para não perder o mercado, resolvem baixar seus preços de exportação para o Brasil a valores inferiores aos que negociam as mesmas mercadorias em território francês, ou seja, em seu mercado interno. Isso é o que se chama de dumping. Dessa forma, os consumidores brasileiros continuariam preferindo os cosméticos franceses. Com essa atitude objetivam aniquilar o novo concorrente brasileiro, 5

6 que não terá condições de competir por muito tempo com preços tão reduzidos. Se o mercado não fosse totalmente livre, o Brasil poderia impor uma tarifa para proteger, temporariamente, sua indústria de cosméticos nascente, eliminando a tarifa quando a indústria já estivesse instalada no mercado e em condições de concorrer com os fabricantes estrangeiros. Futuramente veremos no curso que a OMC prevê mecanismos de defesa para esse tipo de atitude desleal no comércio. É o caso das medidas antidumping. Vale lembrar que o GATT/OMC regula este assunto, e possui um Acordo sobre a aplicação de direitos antidumping. PROTECIONISMO Temendo os efeitos negativos que o livre-cambismo puro poderia trazer para a economia, segundo seus opositores, muitos países, na história contemporânea, inclusive os que hoje defendem o livre-cambismo, se desenvolveram utilizando alguma forma de proteção a seus mercados. É o protecionismo econômico. No sistema protecionista puro, o Estado controla toda a atividade produtiva, a promoção das exportações, a entrada de produtos estrangeiros no mercado nacional, as barreiras impostas para proteger as indústrias nacionais, enfim, regula o mercado com o objetivo de levar o país ao desenvolvimento econômico. Vimos, no tópico anterior, que a CEPAL defendeu a adoção de um modelo protecionista como forma de sobrevivência do parque industrial das economias da América Latina, regime que funcionou até os anos 80, quando se iniciaram os processos de abertura econômica na região. Era o modelo de substituição das importações, implantado em parte no Brasil, que possuía um sistema híbrido, também voltado para as exportações. Para aplicar a proteção às indústrias nacionais os governos se utilizam de diversos meios, chamados de barreiras ao comércio internacional. Essas imposições governamentais dificultam aos exportadores penetrar no mercado nacional em igualdade de condições com o fabricante doméstico, reservando o consumidor nacional para o produtor local, que com isso não sofre concorrência externa e pode cobrar preços mais elevados dos consumidores. Por esse motivo, o protecionismo é considerado uma política discriminatória, pois, com o objetivo de alcançar o crescimento, o governo coloca as indústrias nacionais em uma situação privilegiada em relação aos produtores estrangeiros, distorcendo a concorrência. Essa proteção é considerada bastante válida em uma primeira fase, como justificativa de desenvolvimento das indústrias nascentes. Por esse motivo, é aceita pelas regras da OMC, como será visto em tópico próprio do curso. Outras justificativas, além da proteção às indústrias domésticas, são apresentadas pelos defensores do protecionismo, sendo que umas podem ser consideradas como conseqüências de outras. O desenvolvimento econômico, por exemplo, viria com o crescimento das indústrias nacionais e conseqüentemente da renda. Haveria melhoria no balanço de pagamentos, em virtude da queda das importações. O crescimento da produção local também tenderia a gerar mais empregos para o país que impusesse a barreira. Uma das conseqüências ruins do protecionismo seria o aumento de preços no mercado interno, considerando a falta de concorrência estrangeira. A reboque desse aspecto, viria a redução da poupança, da renda e dos investimentos. 6

7 A indústria nacional tenderia a se tornar ineficiente, reduzindo o nível do emprego, abrindo assim caminho para o surgimento e monopólios e de oligopólios. Considerando esse quadro, o Acordo Geral de Tarifas e Comércio (GATT/47), celebrado em 1947 para impulsionar o comércio mundial após a 2ª Guerra Mundial, pregou o livre-cambismo como regra geral, estabelecendo, porém, diversas situações (exceções) onde os países poderiam impor medidas protecionistas (barreiras), sob as mais diversas justificativas. O Acordo do GATT será estudado por completo em outro ponto do curso, com todas essas exceções, mas vamos resumir algumas dessas justificativas para imposição de barreiras. Dentre as justificativas para a imposição de barreiras ao comércio estão: a) segurança nacional; b) proteção às indústrias nascentes; c) melhoria do balanço de pagamentos; d) razões políticas; e) defesa comercial; f) redução do desemprego; g) melhoria dos termos de troca (substituição das importações). Veremos em aula futura com detalhes que o GATT, à época de sua criação, estabeleceu diversas situações onde um país poderia impor barreiras às suas importações, ou seja, utilizar uma política protecionista. Por hora vamos comentar algumas dessas situações. Um país poderá impor restrições ao comércio de artigos considerados essenciais à segurança nacional, como é o caso de material bélico e de outros produtos negociados em tempos de guerra. Também é considerada de questão nacional a escassez de alimentos, quando se permite a imposição de restrições à exportação. Por questões de sobrevivência e abastecimento, a agricultura local deve ser incentivada, mesmo que mais ineficiente que a do concorrente estrangeiro. Sobre produtos alimentícios, o GATT previu ainda a imposição de barreiras à importação ou à exportação necessárias para a aplicação de normas, regulamentos, classificação, controle de qualidade ou comercialização de produtos destinados ao comércio internacional. Esse dispositivo acabou sendo interpretado de forma distorcida pelos países, permitindo a adoção de exigências muitas vezes impossíveis de serem atingidas pelo exportador, que na realidade encobertam uma forma de proteção à indústria nacional. É o caso dos produtores agrícolas da União Européia, que, com o objetivo de proteção ao seu mercado doméstico, fazem de tudo para impedir a importação de produtos concorrentes. Para isso alegam que os mesmos não se enquadram em normas técnicas exigidas por autoridades destes países. Por esse motivo, a OMC procura estabelecer regras para a imposição desse (e de qualquer outro) tipo de exigência, para que não se transforme em uma barreira comercial com fins de proteção ao mercado doméstico, a chamada barreira técnica. A justificava de imposição de barreiras para proteção às indústrias nascentes de um país já foi comentada quando falamos sobre os estágios do desenvolvimento industrial de um país, estabelecidos pelo alemão Friderich List. A OMC permite a adoção de barreiras às importações de mercadorias de determinado setor quando o país importador está apenas começando seu parque industrial naquele setor. Reparem. Não estamos falando de criação de firmas (empresas), mas sim de um ramo industrial. Assim, por exemplo, caso um país não possua indústria automotiva 7

8 e comece a criar essa indústria, por meio da instalação de fábricas, poderia impor barreiras às importações de veículos, somente enquanto permanecesse nesse estágio de desenvolvimento. Outra justificativa (prevista no GATT) é a imposição de barreiras comerciais com o objetivo de ajustar o saldo deficitário do balanço de pagamentos. Esta situação ocorre quando o país importa mais do que exporta e, conseqüentemente, registra mais saída de divisas do que entrada. Com a imposição de barreiras às importações, o país espera deslocar recursos de sua atividade mais eficiente para a menos eficiente. Ora, esse pensamento vai na contramão da Teoria das Vantagens Comparativas, pois o país estará investindo em uma indústria não eficiente, ao invés de comprar no exterior, onde o produto sai mais barato, e direcionar seus recursos para o setor mais produtivo. Em um primeiro instante, se atingirá a redução das importações. Porém, em uma segunda etapa, não se terá o benefício desejado, conforme as explicações acima. Muitos recursos estarão sendo gastos com uma atividade ineficiente. O GATT, assim como o FMI (Fundo Monetário Internacional), prevê situações nas quais um déficit crônico no Balanço de Pagamentos do país pode ser corrigido por meio da imposição de barreiras. Uma das justificativas para a imposição de restrições comerciais mais discutidas na OMC é a proteção contra as chamadas práticas desleais de comércio (dumping e subsídios). Nesse ponto, nos limitaremos a chamar a atenção ao fato de que, se um país pratica dumping (exportação a preços menores que o praticado nas vendas internas) ou subsídios (fornecimento de auxílio financeiro governamental a empresas), causando algum tipo de dano às indústrias domésticas do país do importador, este (o país importador) poderá adotar medidas restritivas (protecionistas) para combater a atitude desleal da outra parte. A OMC possui acordos nesse sentido, que prevêem a adoção de medidas antidumping (para combater o dumping), compensatórias (para combater os subsídios) e de salvaguarda (para cortar os efeitos do aumento súbito de importações de determinada mercadoria). A aplicação dessas medidas é um ato protecionista, porém há um rito definido pelos Acordos da OMC para que um país possa introduzir uma barreira como essa às suas importações. Todos esses conceitos serão discutidos mais adiante. POLÍTICAS COMERCIAIS NA HISTÓRIA RECENTE Até o século XVIII, a política econômica dos grandes países era fundamentalmente baseada no mercantilismo. Tratava-se de uma orientação político-econômica onde a única forma possível de crescimento era a acumulação de moedas preciosas (ouro e prata). Além das minas existentes nas metrópoles e nas colônias, a outra forma de gerar essa acumulação seria exportando mais do que importando. Era o protecionismo comercial a qualquer custo. Apesar do pensamento liberal de Adam Smith ter suplantado o mercantilismo, diversos foram os países que se utilizaram de políticas protecionistas para se desenvolverem, não mais com o argumento da acumulação de ouro e prata, mas com as justificativas analisadas no tópico anterior. Os Estados Unidos, mesmo sendo uma nação de extensões territoriais e solo favoráveis à agricultura, impôs barreiras pesadas às importações com o objetivo de desenvolver suas indústrias no século XVIII. A Alemanha, por estar em situação desfavorável na Europa com relação a Inglaterra e França no século XIX, fez o mesmo, amparado pelo estudo de F. List, que determinava que os países em estágios menos avançados de industrialização 8

9 somente atingiriam novos degraus se adotassem algum tipo de proteção às suas indústrias nascentes. Já no Oriente, o Japão teve de se fechar para progredir de uma economia semifeudal para a potência que é hoje (Revolução Meiji). A extinta URSS, após a sua formação, deixou de lado não só a liberdade comercial como diversas liberdades individuais. Percebe-se que, para atingir o patamar de desenvolvimento das atuais potências industriais, por algum período de tempo na história, invariavelmente se fez necessária a adoção de sistemas protecionistas nos momentos iniciais de implantação do parque industrial. Isso não vai na contramão das tendências do comércio mundial. Após a 2ª Guerra Mundial, para reduzir a tendência protecionista dos países que tentavam se recuperar e se industrializar, foi assinado o GATT (Acordo Geral de Tarifas e Comércio), cujo centro nervoso era a liberdade nas transações comerciais entre países e a regulação das medidas de exceção. Assim, o GATT (e posteriormente a OMC) determinava quando, como, porque e por quanto tempo poderia ser imposta uma restrição ao comércio por parte de alguma parte contratante do Acordo, visando resguardar a própria existência de exportadores e importadores. Com a regulação e limitação do montante das barreiras tarifárias (imposto de importação) pelo GATT, os países procuraram brechas nos textos do Acordo, onde regras de exceção estabelecem a imposição de medidas restritivas às importações por outros motivos (medidas sanitárias, fitossanitárias, de segurança etc.). Daí passaram a se utilizar de barreiras com esses argumentos, com o objetivo de acobertar o real interesse das nações, qual seja, a proteção a setores específicos da economia, como é o caso da agricultura americana e européia. Esse é o protecionismo moderno, que será discutido juntamente com as demais modalidades de barreiras ao comércio na próxima aula x RESUMO 1) Política comercial ou política econômica externa de um país é a forma como este regula as transações comerciais entre empresas nacionais e empresas estrangeiras. Consiste em incentivar ou restringir as atividades de importação e de exportação. 2) Livre-cambismo é a política econômica na qual o governo não deve intervir nas negociações privadas, se limitando a atividades como manutenção da ordem e da segurança, da soberania nacional e complementação das atividades privadas onde não houver interesse empresarial. Importações e exportações não sofrem quaisquer restrições por parte dos países. 3) Dentre as vantagens do livre-cambismo estão a livre iniciativa, a desregulamentação, a livre concorrência, preços mínimos e possibilidade de escolha para o consumidor. 4) Adam Smith foi o grande defensor do livre-cambismo, tendo criado a Teoria das Vantagens Absolutas. Por meio dessa, cada país deveria se especializar na produção daquilo que fosse mais eficiente, se tornando um exportador desse produto, além de abandonar suas indústrias ineficientes para adquirir a preços mais baratos no exterior (importar) os produtos que deixasse de fabricar. A conseqüência disso é uma divisão internacional do trabalho (especialização da produção). 9

10 5) Protecionismo econômico é a doutrina que sustenta que o livre-cambismo não tem condições de levar ao crescimento econômico, sendo necessária a imposição de barreiras para se atingir o desenvolvimento. Os defensores do protecionismo alegam que o livre-cambismo só tem efeitos para os países que possuem indústrias maduras. 6) Há diversos argumentos protecionistas, sendo que alguns deles viraram regras de exceção no GATT para imposição de barreiras, tais como: segurança nacional, proteção de indústria nascente, defesa comercial contra práticas desleais e melhoria do balanço de pagamentos. 7) Problemas que podem ser gerados pelo protecionismo: indústria nacional ineficiente com preços altos, tomando renda da população, limitação da oferta ao consumidor, formação de monopólios e oligopólios. 8) Não há uma regra sobre a definição de qual o melhor sistema, protecionista ou livre-cambista. A proteção total é absurda, mas a história mostra que as grandes potências industriais utilizaram alguma forma de proteção para desenvolver suas indústrias nascentes. 10

11 EXERCÍCIOS COMENTADOS 1. (AFTN/96): O livre-cambismo é uma doutrina de comércio que parte do pressuposto de que a natureza desigual dos países e regiões torna a especialização uma necessidade, sendo o comércio o meio pelo qual todos os participantes obtêm vantagens dessa especialização. Cada país deveria especializar-se na produção de bens onde consegue maior eficiência, trocando o excedente por outros bens que outros países produzem com mais eficiência. O principal argumento contra o livrecambismo, desde o século XIX (A. Hamilton e F.List), se concentra na idéia de que: a) O livre-cambismo é incapaz de promover a justiça social; b) No livre-cambismo, somente se beneficiam do comércio os países que apresentam uma pauta de exportações onde a maioria dos produtos possui demanda inelástica. Quando isso não ocorre, a concorrência é predatória; c) O livre-cambismo é bom para os países de economia madura, mas os países com indústrias nascentes necessitam de alguma forma de proteção; d) O livre-cambismo atende apenas aos interesses dos grandes exportadores, que usam a liberdade econômica para estabelecer monopólios e cartéis; e) Na verdade não existe livre-cambismo na prática. Todos os países são protecionistas em razão da intervenção do Estado. RESOLUÇÃO: Até o século XVIII, a maioria dos países acreditava que a melhor forma de proporcionar o crescimento econômico seria por meio do aumento das exportações, a qualquer custo, e a restrição das importações, gerando, dessa forma, uma acumulação de riqueza nas nações. Assim, os países procuravam produzir internamente as mercadorias em substituição às importações, mesmo que essa produção fosse a um custo bem maior do que a compra no exterior. Era o mercantilismo, que visava apenas a acumulação de ouro e prata, com um forte cunho protecionista e intervenção estatal na economia. Em oposição a esse pensamento, Adam Smith pregava, em seu livro a Riqueza das Nações, que o indivíduo, ao procurar o seu próprio interesse (lucro), também estaria promovendo o interesse e o bem-estar da sociedade. Isso significou uma completa inversão na direção do pensamento econômico, ou seja, o Estado não deveria mais intervir na economia, nem no comércio exterior. Os países deveriam se especializar na produção daquilo em que fossem melhores, para produzir maiores quantidades a preços menores. Surgia a especialização da produção, e o Estado não deveria intervir nas relações privadas, deixando o fluxo do comércio internacional a cargo do mercado. Dentre as correntes contrárias ao livre-cambismo (List e Hamilton), destacou-se o argumento de que, sem a devida proteção às indústrias nascentes, os países em desenvolvimento não conseguiriam se estabelecer no mercado internacional, pois os grandes concorrentes, com seus preços inferiores, sempre venceriam a disputa com os produtores jovens. Argumentava-se que toda indústria nascente necessita de alguma forma de proteção para se estabelecer no mercado. Vamos às alternativas: (a) (ERRADA) Dizer que o livre-cambismo era incapaz de produzir a justiça social até poderia ser dito pelas correntes contrárias ao pensamento, mas isso nem o protecionismo era capaz de garantir. Os pensamentos eram econômicos, e não de cunho social. Assim, esse jamais foi o principal argumento contra o livre-cambismo. 11

12 (b) (ERRADA) A demanda inelástica é aquela que não se altera (ou se altera pouco) conforme o preço do produto, dada a essencialidade do mesmo, ou a falta de concorrência. É o caso dos produtos agrícolas exportados pelos países em desenvolvimento, pois a procura por esses produtos não sofre grandes variações, nem mesmo em função da renda do consumidor. Na verdade, quem se beneficia mais do livre-cambismo são os países que exportam produtos com demanda elástica da renda (aumenta com o aumento da renda), como é o caso dos países exportadores de produtos industrializados. (c) (CORRETA) Os países cujos produtores-exportadores já se estabeleceram no comércio internacional (indústrias maduras) se beneficiam mais do livre-cambismo, pois têm condições de enfrentar a concorrência com preços reduzidos. Já as indústrias nascentes podem quebrar se tiverem de enfrentar, inicialmente, a concorrência internacional sem a devida proteção. (d) (ERRADA) De fato os grandes exportadores podem se beneficiar do livrecambismo, mas os pequenos que conseguirem penetração em mercados externos também podem obter benefícios com o comércio. Muito cuidado quando aparecerem palavras como somente, apenas, nunca, jamais, sempre e semelhantes nas alternativas. (e) (ERRADA) De fato alguma forma de intervenção estatal, mesmo que mínima, sempre haverá. Porém, este jamais foi um argumento contra o livre-cambismo, que era o que se perguntava na questão. Resposta: Letra C 2. (AFRF/98) Não é verdadeiro, em relação ao Livre-Cambismo, que: a) Todas as moedas devem ser conversíveis em ouro. b) O governo deve remover todos os obstáculos legais para o funcionamento de um comércio livre. c) Existe uma divisão internacional do trabalho. d) O governo deve se limitar à manutenção da lei e da ordem. e) Existe uma especialização de funções, motivada pela distribuição desigual de recursos naturais ou por outros motivos. RESOLUÇÃO: (a) (ERRADA) A conversão das moedas em ouro é característica de sistema monetário, no caso o sistema de Bretton Woods. O livre-cambismo é política comercial. (b) (CORRETA) A característica do livre-cambismo puro é essa mesma, qual seja, a remoção de barreiras ao comércio, apesar de sabermos que, na prática e na OMC, há exceções institucionais previstas para a imposição de barreiras em situações específicas. (c) (CORRETA) As teorias das vantagens absolutas e comparativas determinavam que os países deveriam se especializar na produção dos artigos nos quais fossem mais eficientes, levando assim à divisão internacional do trabalho. (d) (CORRETA) No livre-cambismo o governo não deve interferir na economia, deixando-a ao sabor do mercado. Suas atribuições seriam somente as típicas de Estado, como a manutenção da lei, da ordem, da justiça e a atuação (como agente) no mercado somente nas atividades onde inexistir o interesse privado. 12

13 (e) (CORRETA) Os países divergem em recursos naturais, humanos e de capital. Uns têm terra boa para plantio de uva, outros de soja, outros detêm tecnologia para produção de eletrônicos, e assim por diante. Esse é o motivo, segundo as teorias das vantagens absolutas e comparativas, para que cada um se especialize naquilo que conseguir produzir com mais eficiência. Resposta: Letra A 3. (AFRF/98) Indique a opção que não está relacionada com a prática do mercantilismo: a) O comércio exterior deve ser estimulado, pois um saldo positivo na balança fornece um estoque de metais preciosos. b) O princípio segundo o qual o Estado deve incrementar o bem-estar nacional. c) O conjunto de concepções que incluía o protecionismo, a atuação ativa do Estado e a busca de acumulação de metais preciosos, que foram aplicadas em toda a Europa homogeneamente no século XVII. d) A riqueza da economia depende do aumento da população e do volume de metais preciosos do país. e) Uma forte autoridade central é essencial para a expansão dos mercados e a proteção dos interesses comerciais. RESOLUÇÃO: Essa questão foi realmente incrível. Com tantos assuntos mais modernos para serem exigidos, aparece uma questão sobre MERCANTILISMO na prova. Não há de ser nada. O mercantilismo, conforme aprendemos na aula, consistia em um pensamento econômico onde o Estado assumia a responsabilidade por praticamente TUDO na vida da sociedade, atuando nas áreas política, econômica, social, financeira etc. No campo econômico, o objetivo era a obtenção, a qualquer custo, de saldo positivo na balança comercial, obtido com a imposição de barreiras comerciais, visando a acumulação de moedas preciosas. Entendia-se que esta seria a única forma de atingir o desenvolvimento. A única alternativa que não tem a ver com o que foi dito e contém uma parte incorreta é a letra c, pois afirma que os princípios mercantilistas foram aplicados de forma homogênea na Europa do século XVII, o que não é verdade, pois os países se encontravam em estágios diferentes de desenvolvimento. Resposta: Letra C 4. (AFRF/98) Entre as opções abaixo, indique aquela que não constitui argumento utilizado pelo protecionismo: a) É preciso manter as indústrias de um país em um nível tal que possam atender à demanda em caso de um corte de fornecimento externo devido a uma guerra. b) O comércio e a indústria são mais importantes para um país do que a agricultura e, portanto, devem ser submetidos a tarifas para evitar a concorrência com produtos estrangeiros. 13

14 c) A adoção de tarifas favorece a criação de empresas nacionais. d) Quando há capacidade ociosa, as tarifas contribuem para aumentar o nível de atividade e de emprego, e, portanto, de renda de um dado país. e) As indústrias-chave da defesa nacional devem ser protegidas para evitar a ação de fornecedores estrangeiros. RESOLUÇÃO: Reparem que as alternativas assinaladas como correta são aquelas que caracterizam argumentos utilizados pelos protecionistas. A resposta é a alternativa que não representa argumento a favor do protecionismo. (a) (CORRETA) A imposição de barreiras para manter indústrias e garantir o abastecimento em caso de corte de fornecimento externo é previsto como um das questões de segurança nacional. Esse corte pode ocorrer nos casos de guerra, por exemplo. (b) (ERRADA) Nenhum dos defensores do protecionismo declarou que comércio e indústria são mais importantes que a agricultura. Prebisch dizia que os países produtores agrícolas teriam perdas internacionais cada vez maiores com suas trocas em relação aos produtos industrializados que adquirissem. Por isso pregava a sua industrialização a qualquer custo. Digamos que ele defendeu que seria fundamental o país possuir indústrias para competir no mercado externo, mas não que estas fossem mais importantes do que a agricultura. De forma oposta, a agricultura é de fato tão importante para um país que o GATT previu a imposição de barreiras a importações de produtos agrícolas em algumas situações, pois a produção de alimentos é considerada estratégica para os países. (c) e (d) (CORRETAS) A imposição de tarifas fará, teoricamente, com que as indústrias se desenvolvam, gerando renda e emprego para o país que as impôs, a despeito dos efeitos negativos que essa tarifa possa causar. (e) (CORRETA) A proteção às indústrias-chave do país, como a indústria bélica ou a produção de alimentos, é considerada uma questão de segurança nacional, sendo por esse motivo um dos casos previstos de imposição de tarifas, inclusive no GATT/OMC. A afirmativa da letra A é uma conseqüência dessa previsão. Resposta: Letra B 5. (AFRF/2000) Julgue as opções abaixo e assinale a correta: a) O livre-cambismo é uma doutrina de comércio estabelecida através de tarifas protecionistas, a subvenção de créditos, a adoção de câmbios diferenciados. b) O livre-cambismo só beneficia os países em desenvolvimento, que apresentam uma pauta de exportações onde a maioria dos produtos possui demanda inelástica. c) O livre-cambismo é uma doutrina pela qual o governo não provê a remoção dos obstáculos legais em relação ao comércio e aos preços. d) O livre-cambismo defende a adoção de tarifas em situação de defesa nacional. 14

15 e) O livre-cambismo rege que a livre troca de produtos no campo internacional, os quais seriam vendidos a preços mínimos, num regime de mercado, se aproximaria ao da livre concorrência perfeita. RESOLUÇÃO: (a) (ERRADA) Tarifas protecionistas, subvenção de créditos (subsídios) e câmbio diferenciado são exatamente características de sistemas comerciais protecionistas, e não de livre-cambismo. O câmbio diferenciado pode ser aplicado sob mais de uma forma: pode ser uma taxa para importação e outra para exportação, ou utilizar uma taxa para produtos essenciais e outra para produtos supérfluos. É um instrumento de correção do déficit do BP (Balanço de Pagamentos) proibido pelo FMI e pela OMC. (b) (ERRADA) Se ao invés de o livre-cambismo só beneficia os países em desenvolvimento... constasse o livre-cambismo normalmente não beneficia os países em desenvolvimento..., estaria correta a assertiva, pois a pauta de exportações dos países em desenvolvimento em geral contempla uma maioria de produtos básicos. A demanda por esse tipo de bem (arroz, frango, laranja etc.) não aumenta na mesma proporção que a renda do consumidor, pois garantido o abastecimento essencial (roupa, comida, habitação), o consumidor que dispuser de excedente de renda não comprará mais comida ou outros produtos básicos, mas procurará bens mais sofisticados. Isso significa que a demanda por esses bens (básicos) é inelástica (varia pouco) em relação à renda do consumidor. (c) (ERRADA) É exatamente o oposto. O livre-cambismo prega a eliminação das barreiras ao comércio. (d) (ERRADA) Atenção!!! O livre-cambismo puro não prevê adoção de tarifas! É claro que isso é utópico, não existe. O argumento de proteção à indústria nacional, como o próprio nome diz, é um argumento protecionista, inclusive previsto na OMC. (e) (CORRETA) É a essência do sistema livre-cambista. Sem intervenção estatal na economia, os produtores se especializariam na fabricação/produção de bens nos quais fossem mais eficientes. O consumidor, por sua vez, poderia escolher o melhor produto entre o nacional e o importado, considerando qualidade e preço. Como não há tarifa, a competição entre produtores domésticos e estrangeiros seria equiparada, aproximando-se do regime de concorrência perfeita. Resposta: Letra E 6. (AFRF/2000) Para explicar a relação entre comércio de produtos primários e industrializados, a Comissão Econômica para América Latina (CEPAL) apresentou uma série de estudos e propostas. Acerca da CEPAL pode-se fazer as seguintes afirmativas abaixo, exceto: a) A CEPAL teve um papel decisivo na criação da ALALC. b) Os países produtores de bens primários deveriam diversificar sua produção, deixando de ser produtores de monoculturas. c) Os países em desenvolvimento deveriam abrir suas economias para tornálas mais competitivas e assim conquistarem espaço no comércio internacional. 15

16 d) Os países em desenvolvimento deveriam procurar exportar produtos manufaturados. e) O comércio internacional tendia a gerar uma desigualdade básica nas relações de troca (uma deterioração nas relações de troca) pois os preços das matérias-primas (dos países em desenvolvimento) tendia a declinar a longo prazo, enquanto o preço dos produtos manufaturados (fabricados em geral em países desenvolvidos) tendia a subir. RESOLUÇÃO: (a) (CORRETA) A ALALC foi concebida no contexto dos estudos de Raul Prebisch sobre a dificuldade dos países latino-americanos em competirem com as indústrias dos países desenvolvidos. Então a idéia foi integrar economicamente o continente, aplicando barreiras às importações de terceiros países, mas liberando o comércio intra-bloco, de forma que as economias se complementassem. (b) (CORRETA) Prebisch entendia que não havia outra forma que não a industrialização para melhorar os termos internacionais de troca, e assim obter ganhos com o comércio. (c) (ERRADA) É exatamente o oposto. Segundo a CEPAL, os países em desenvolvimento deveriam impor barreiras às importações de produtos industrializados, para poderem desenvolver suas próprias indústrias. (d) (CORRETA) A exportação de produtos manufaturados traria mais benefícios aos PED (países em desenvolvimento) do que se estes exportassem somente produtos agrícolas, segundo a CEPAL. (e) (CORRETA) Já comentado. É a tese de deterioração dos termos internacionais de troca. Resposta: Letra C 7. (AFRF/2000) Entre as razões abaixo, indique aquela que não leva à adoção de tarifas alfandegárias. a) Aumento de arrecadação governamental; b) Proteção à indústria nascente; c) Estímulo à competitividade de uma empresa; d) Segurança nacional (defesa); e) Equilíbrio do Balanço de Pagamentos. RESOLUÇÃO: (a) (CORRETA) Apesar de não ser o objetivo principal de uma tarifa de importação a arrecadação, se mesmo com a tarifa o volume de importações for significativo, o país registrará um aumento em sua arrecadação tributária. (b) (CORRETA) Em várias ocasiões nesse trabalho já foi citado o argumento de proteção à indústria nacional nascente como favorável ao protecionismo. (c) (ERRADA) É exatamente o oposto. Com a tarifa, os fornecedores externos acabam não participando do mercado doméstico, e as empresas nacionais não sofrerão com essa competição estrangeira. Foi o que ocorreu no Brasil durante muitos anos com diversos bens, como os automóveis e os bens de informática. 16

17 (d) e (e) (CORRETA) Também já foram citados esses dois argumentos (segurança nacional e equilíbrio do BP) como favoráveis ao protecionismo, incentivando a adoção de tarifas. Resposta: Letra C 8. (ACOMEX/2002) O argumento em favor da proteção às indústrias nascentes ganhou força com a publicação do Report on Manufactures, de Alexander Hamilton, que defendeu o desenvolvimento nos Estados Unidos da América e o uso de tarifas para promovê-lo. A respeito dos instrumentos de proteção a indústrias nascentes é correto afirmar que: a) o argumento que analisa as economias de escala produzidas pela proteção a indústrias nascentes defende como instrumento principal as firmas, em vez de indústrias, uma vez que, ao concentrar os benefícios nas mãos de poucos agentes privados, preferencialmente um monopólio, criam-se condições para que a indústria local se desenvolva mais rapidamente. b) desde que ocorra, a proteção a indústrias nascentes atinge os resultados pretendidos a custos semelhantes, não importando muito se utiliza instrumentos tais como cotas, subsídios ou tarifas. c) o argumento que analisa a aquisição de experiência pela economia nacional, baseado no princípio de se aprender fazendo, o que permite justificar a proteção a tais indústrias por tempo indeterminado, preferencialmente longo, já que a inovação é condição necessária à manutenção da competitividade industrial. d) entre as principais críticas aos instrumentos utilizados para proteger indústrias nascentes estão os argumentos que apontam algumas de suas implicações, a exemplo da dificuldade de se escolher corretamente as indústrias que devem receber proteção, a relutância das indústrias a dispensar a proteção recebida e seus efeitos deletérios sobre outras indústrias. e) entre as principais críticas aos instrumentos utilizados para proteger indústrias nascentes estão os argumentos que apontam algumas de suas implicações, a exemplo da dificuldade de se combinar as indústrias que devem receber proteção com o modelo de substituição de importações, a concordância das indústrias em dispensar a proteção recebida e seus efeitos deletérios sobre outras indústrias. RESOLUÇÃO: (a) (ERRADA) Monopólio é considerado desvio de comércio. O país que impõe barreiras ao comércio para prover proteção à indústria nacional não objetiva com essa atitude desenvolver monopólios em setores produtivos. O foco da proteção às indústrias nascentes são as indústrias (setor produtivo), e não as firmas (empresas). Assim, só caberia a imposição de tarifas quando for o caso de implantação de um setor industrial em um país (ex: setor automotivo), e não pelo surgimento de novas firmas de um setor já maduro. (b) (ERRADA) O custo para o governo em conceder um subsídio é maior do que o custo de se aplicar uma tarifa. O governo gasta para conceder subsídios, enquanto que arrecada com a imposição de tarifas. (c) (ERRADA) A proteção às indústrias nacionais defendida é por tempo DETERMINADO, enquanto o setor produtivo específico ainda não for maduro o suficiente para competir com o fornecedor externo. 17

18 (d) (CORRETA) Quando se vai proteger o mercado nacional, o governo tem de selecionar o setor que receberá a proteção (automotivo, brinquedos, informática etc.). Imaginem a disputa dos fabricantes nacionais por proteção ao seu setor. Isso pode gerar inúmeras negociações entre governo e produtores, e até mesmo a corrupção. Difícil também para o governo é a tarefa de determinar o período de vigência da proteção. (e) (ERRADA) As empresas não têm que concordar em dispensar a proteção. O governo é que tem que definir por quanto tempo ela valerá. Resposta: Letra D GABARITO AULA 03 1 C 2 A 3 - C 4 - B 5 - E 6 - C 7 - C 8 - D 18

COMÉRCIO INTERNACIONAL Políticas Comerciais. Políticas Comerciais, Barreiras e Medidas de Defesa Comercial

COMÉRCIO INTERNACIONAL Políticas Comerciais. Políticas Comerciais, Barreiras e Medidas de Defesa Comercial Políticas Comerciais, Barreiras e Medidas de Defesa Comercial Prof.Nelson Guerra Políticas Comerciais Conceito: São formas e instrumentos de intervenção governamental sobre o comércio exterior, e sempre

Leia mais

Prof. Esp. Lucas Cruz. www.proflucas.com

Prof. Esp. Lucas Cruz. www.proflucas.com Prof. Esp. Lucas Cruz www.proflucas.com O principal discípulo de Smith, David Ricardo, sofisticou um pouco mais essa teoria. Segundo ele, ainda que uma economia fosse mais eficiente em todos os produtos,

Leia mais

Unidade 1.1 Teorias de Comércio Internacional Baseado Livro: Manual de Comércio Exterior (Cap. 2) Causas do Comércio Internacional Os países comerciam por que? São diferentes uns dos outros, isto é apresentam

Leia mais

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A O capitalismo teve origem na Europa, nos séculos XV e XVI, e se expandiu para outros lugares do mundo ( Ásia, África,

Leia mais

Negócios Internacionais

Negócios Internacionais International Business 10e Daniels/Radebaugh/Sullivan Negócios Internacionais Capítulo 3.2 Influencia Governamental no Comércio 2004 Prentice Hall, Inc Objectivos do Capítulo Compreender a racionalidade

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno.

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno. 1. ASPECTOS GERAIS Comércio é um conceito que possui como significado prático, trocas, venda e compra de determinado produto. No início do desenvolvimento econômico, o comércio era efetuado através da

Leia mais

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914 ESTUDO DE CASO MÓDULO XI Sistema Monetário Internacional Padrão Ouro 1870 1914 Durante muito tempo o ouro desempenhou o papel de moeda internacional, principalmente por sua aceitabilidade e confiança.

Leia mais

Teoria do comércio Internacional

Teoria do comércio Internacional Teoria do comércio Internacional Teoria do comércio Internacional Surgimento de uma economia global; Comércio + ou - = conflito armado; Estado nacional moderno e a economia internacional moderna surgem

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2ª PROVA PARCIAL DE GEOGRAFIA Aluno(a): Nº Ano: 8º Turma: Data: 04/06/2011 Nota: Professor: Edvaldo Valor da Prova: 40 pontos Assinatura do responsável: Orientações

Leia mais

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO 1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO A análise da evolução temporal (ou dinâmica) da economia constitui o objeto de atenção fundamental do desenvolvimento econômico,

Leia mais

Economia Geral e Regional. Professora: Julianna Carvalho

Economia Geral e Regional. Professora: Julianna Carvalho Economia Geral e Regional Professora: Julianna Carvalho 1 Introdução à Economia Conceito Segundo VASCONCELOS, 2011, p. 2) é: a ciência social que estuda de que maneira a sociedade decide (escolhe) empregar

Leia mais

Novas perspectivas para o Comércio entre Brasil e China. Resenha Economia e Segurança

Novas perspectivas para o Comércio entre Brasil e China. Resenha Economia e Segurança Novas perspectivas para o Comércio entre Brasil e China Resenha Economia e Segurança Daniel Mendes 21 de outubro de 2004 Novas perspectivas para o Comércio entre Brasil e China Resenha Economia e Comércio

Leia mais

Teorias de Comércio Internacional. Baseado Livro: Manual de Comércio Exterior (Cap. 2)

Teorias de Comércio Internacional. Baseado Livro: Manual de Comércio Exterior (Cap. 2) Teorias de Comércio Internacional Baseado Livro: Manual de Comércio Exterior (Cap. 2) Causas do Comércio Internacional Os países comerciam por que? São diferentes uns dos outros, isto é apresentam diferenças

Leia mais

Máquinas e Equipamentos de Qualidade

Máquinas e Equipamentos de Qualidade Máquinas e Equipamentos de Qualidade 83 A indústria brasileira de máquinas e equipamentos caracteriza-se pelo constante investimento no desenvolvimento tecnológico. A capacidade competitiva e o faturamento

Leia mais

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT)

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O capitalismo teve origem na Europa, entre os séculos XIII e XIV, com o renascimento urbano e comercial e o surgimento de uma nova classe social:

Leia mais

OS IMPACTOS DA ALCA E DO ACORDO COMERCIAL COM A UNIÃO EUROPÉIA - O CASO DA CADEIA TÊXTIL/CONFECÇÕES 1 Victor Prochnik 2

OS IMPACTOS DA ALCA E DO ACORDO COMERCIAL COM A UNIÃO EUROPÉIA - O CASO DA CADEIA TÊXTIL/CONFECÇÕES 1 Victor Prochnik 2 OS IMPACTOS DA ALCA E DO ACORDO COMERCIAL COM A UNIÃO EUROPÉIA - O CASO DA CADEIA TÊXTIL/CONFECÇÕES 1 Victor Prochnik 2 1. Apresentação Este artigo discute as oportunidades e riscos que se abrem para a

Leia mais

OMC: suas funções e seus acordos de comércio

OMC: suas funções e seus acordos de comércio OMC: suas funções e seus acordos de comércio Prof.Nelson Guerra Surgiu para combater o protecionismo criado pelos países no período entreguerras. O GATT (Acordo Geral de Tarifas e Comércio) surgiu em 1947

Leia mais

Diretoria de Planejamento

Diretoria de Planejamento Diretoria de Planejamento Superintendência de Planejamento Nota Técnica 01/2003 - Janeiro de 2003 ALCA ou NAFTA? Ameaças e Oportunidades Celso A. M. Pudwell 1 1. Introdução: Blocos Regionais A Área de

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

Exemplos de Marketing Global. Coca-Cola, Philip Morris, DaimlerChrysler. McDonald s, Toyota, Ford, Cisco Systems

Exemplos de Marketing Global. Coca-Cola, Philip Morris, DaimlerChrysler. McDonald s, Toyota, Ford, Cisco Systems Fundamentos de Marketing Global Parte 01 O significado de Marketing Global Uma empresa global bem-sucedida deve ser capaz de pensar globalmente e agir localmente. Marketing global pode incluir uma combinação

Leia mais

BLOCOS ECONÔMICOS. O Comércio multilateral e os blocos regionais

BLOCOS ECONÔMICOS. O Comércio multilateral e os blocos regionais BLOCOS ECONÔMICOS O Comércio multilateral e os blocos regionais A formação de Blocos Econômicos se tornou essencial para o fortalecimento e expansão econômica no mundo globalizado. Quais os principais

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 Conteúdo 1. O Sistema SEBRAE; 2. Brasil Caracterização da MPE; 3. MPE

Leia mais

Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes.

Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes. A ECONOMIA GLOBAL Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes. O século XX marcou o momento em que hábitos culturais, passaram a ser ditados pelas grandes

Leia mais

Ensino Fundamental II

Ensino Fundamental II Ensino Fundamental II Valor do trabalho: 2.0 Nota: Data: /dezembro/2014 Professora: Angela Disciplina: Geografia Nome: n o : Ano: 8º Trabalho de Recuperação Final de Geografia ORIENTAÇÕES: Leia atentamente

Leia mais

PROPOSTAS PARA O COMBATE A ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO

PROPOSTAS PARA O COMBATE A ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO PROPOSTAS PARA O COMBATE A ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO PROPOSTAS PARA O COMBATE A ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO Considerando como movimentos desejáveis, tanto

Leia mais

VANTAGENS ABSOLUTAS e RELATIVAS (4.2-3.2aParte)

VANTAGENS ABSOLUTAS e RELATIVAS (4.2-3.2aParte) VANTAGENS ABSOLUTAS e RELATIVAS (4.2-3.2aParte) CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTE: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas. São Paulo: 2004.

Leia mais

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS E CONCLUSÕES

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS E CONCLUSÕES 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS E CONCLUSÕES O modelo tradicional do setor elétrico estruturado através de monopólios naturais verticalizados foi a principal forma de provisionamento de energia elétrica no mundo

Leia mais

www.boscotorres.com.br Prof. Bosco Torres CE_07_Adam Smith e David Ricardo 1

www.boscotorres.com.br Prof. Bosco Torres CE_07_Adam Smith e David Ricardo 1 ADAM SMITH e DAVID RICARDO DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTE: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas. São Paulo: 2004. CE_07_Adam Smith e David Ricardo 1 Principais

Leia mais

inclinada, o inverso da elasticidade se aproxima de zero e o poder de monopólio da empresa diminui. Logo, desde que a curva de demanda da empresa não

inclinada, o inverso da elasticidade se aproxima de zero e o poder de monopólio da empresa diminui. Logo, desde que a curva de demanda da empresa não Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 10, Monopólio :: REVISÃO 1. Suponha que um monopolista estivesse produzindo em um ponto no qual seu custo marginal fosse maior do que sua receita marginal. De que forma ele

Leia mais

O PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DO CAPITALISMO

O PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DO CAPITALISMO O PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DO CAPITALISMO MODO DE PRODUÇÃO: Pode ser entendido com a estrutura econômica de uma sociedade. Incluem-se nessa noção a maneira como essa sociedade produz, distribui, consome

Leia mais

O Antigo Regime europeu: regra e exceção

O Antigo Regime europeu: regra e exceção PORTUGAL NO CONTEXTO EUROPEU DOS SÉCULOS XVII E XVII O Antigo Regime europeu: regra e exceção Meta: Conhecer e compreender o Antigo Regime europeu a nível político e social ANTIGO REGIME Regime político,

Leia mais

INTRODUÇÃO. Fui o organizador desse livro, que contém 9 capítulos além de uma introdução que foi escrita por mim.

INTRODUÇÃO. Fui o organizador desse livro, que contém 9 capítulos além de uma introdução que foi escrita por mim. INTRODUÇÃO LIVRO: ECONOMIA E SOCIEDADE DIEGO FIGUEIREDO DIAS Olá, meu caro acadêmico! Bem- vindo ao livro de Economia e Sociedade. Esse livro foi organizado especialmente para você e é por isso que eu

Leia mais

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 1 A Situação Industrial A etapa muito negativa que a indústria brasileira está atravessando vem desde a crise mundial. A produção

Leia mais

David Ricardo. Já a riqueza era entendida como os bens que as pessoas possuem, bens que eram necessários, úteis e agradáveis.

David Ricardo. Já a riqueza era entendida como os bens que as pessoas possuem, bens que eram necessários, úteis e agradáveis. David Ricardo David Ricardo nasceu em Londres, em 18 ou 19 de abril de 1772. Terceiro filho de um judeu holandês que fez fortuna na bolsa de valores, entrou aos 14 anos para o negócio do pai, para o qual

Leia mais

Uma política econômica de combate às desigualdades sociais

Uma política econômica de combate às desigualdades sociais Uma política econômica de combate às desigualdades sociais Os oito anos do Plano Real mudaram o Brasil. Os desafios do País continuam imensos, mas estamos em condições muito melhores para enfrentálos.

Leia mais

Módulo 2 Custos de Oportunidade e Curva de Possibilidades de Produção

Módulo 2 Custos de Oportunidade e Curva de Possibilidades de Produção Módulo 2 Custos de Oportunidade e Curva de Possibilidades de Produção 2.1. Custo de Oportunidade Conforme vínhamos analisando, os recursos produtivos são escassos e as necessidades humanas ilimitadas,

Leia mais

Capítulo 03 Mercados regionais

Capítulo 03 Mercados regionais Capítulo 03 Mercados regionais As organizações decidem atuar no mercado global quando sabem que o crescimento externo será maior do que o interno. Nesse sentido, a China é um dos mercados para onde as

Leia mais

CURSO ONLINE: A DEMANDA E A OFERTA

CURSO ONLINE: A DEMANDA E A OFERTA CURSO ONLINE: A DEMANDA E A OFERTA 2 Adam Smith (filósofo e economista) A base histórica da Demanda e a Oferta é iniciada através do pensamento da Escola Clássica (liberalismo econômico). Seu principal

Leia mais

medida. nova íntegra 1. O com remuneradas terem Isso é bom

medida. nova íntegra 1. O com remuneradas terem Isso é bom Entrevista esclarece dúvidas sobre acúmulo de bolsas e atividadess remuneradas Publicada por Assessoria de Imprensa da Capes Quinta, 22 de Julho de 2010 19:16 No dia 16 de julho de 2010, foi publicada

Leia mais

1 (V) 1 Usualmente assume-se que as empresas agem de forma a maximizar suas utilidades

1 (V) 1 Usualmente assume-se que as empresas agem de forma a maximizar suas utilidades CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE TURISMO DISCIPLINA: ECONOMIA DO TURISMO (ECTX2) Questões para revisão Nome completo: 1 (V) 1 Usualmente assume-se que as empresas agem de forma a maximizar suas

Leia mais

Material de Estudo para Recuperação 6 ano Historia do dinheiro no Brasil escambo 2.1- Outras formas de dinheiro cheque cartão de crédito

Material de Estudo para Recuperação 6 ano Historia do dinheiro no Brasil escambo 2.1- Outras formas de dinheiro cheque cartão de crédito Material de Estudo para Recuperação 6 ano Historia do dinheiro no Brasil Já imaginou como seria a vida sem usar o dinheiro? Estranho, não? Pois há muitos e muitos séculos atrás ele não existia, mas, como

Leia mais

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia e Comércio / Integração Regional Jéssica Naime 09 de setembro de 2005 Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia

Leia mais

O PAPEL DA AGRICULTURA. Affonso Celso Pastore

O PAPEL DA AGRICULTURA. Affonso Celso Pastore O PAPEL DA AGRICULTURA Affonso Celso Pastore 1 1 Uma fotografia do setor agrícola tirada em torno de 195/196 Entre 195 e 196 o Brasil era um exportador de produtos agrícolas com concentração em algumas

Leia mais

Desafios para a Indústria Eletroeletrônica

Desafios para a Indústria Eletroeletrônica Desafios para a Indústria Eletroeletrônica 95 O texto aponta as características das áreas da indústria eletroeletrônica no país e os desafios que este setor tem enfrentado ao longo das últimas décadas.

Leia mais

Guerra fria (o espaço mundial)

Guerra fria (o espaço mundial) Guerra fria (o espaço mundial) Com a queda dos impérios coloniais, duas grandes potências se originavam deixando o mundo com uma nova ordem tanto na parte política quanto na econômica, era os Estados Unidos

Leia mais

ACORDO SOBRE MEDIDAS DE INVESTIMENTO RELACIONADAS AO COMÉRCIO

ACORDO SOBRE MEDIDAS DE INVESTIMENTO RELACIONADAS AO COMÉRCIO ACORDO SOBRE MEDIDAS DE INVESTIMENTO RELACIONADAS AO COMÉRCIO Os Membros, Considerando que os Ministros acordaram em Punta del Este que "em seguida a um exame da operação dos Artigos do GATT relacionados

Leia mais

Ambiente de Negócios e Reformas Institucionais no Brasil

Ambiente de Negócios e Reformas Institucionais no Brasil Ambiente de Negócios e Reformas Institucionais no Brasil Fernando Veloso IBRE/FGV Book Launch of Surmounting the Middle Income Trap: The Main Issues for Brazil (IBRE/FGV e ILAS/CASS) Beijing, 6 de Maio

Leia mais

Cadernos ASLEGIS. ISSN 1677-9010 / www.aslegis.org.br. http://bd.camara.leg.br

Cadernos ASLEGIS. ISSN 1677-9010 / www.aslegis.org.br. http://bd.camara.leg.br ASSOCIAÇÃO DOS CONSULTORES LEGISLATIVOS E DE ORÇAMENTO E FISCALIZAÇÃO FINANCEIRA DA CÂMARA DOS DEPUTADOS Cadernos ASLEGIS ISSN 1677-9010 / www.aslegis.org.br http://bd.camara.leg.br Glohalização das finanças:

Leia mais

é de queda do juro real. Paulatinamente, vamos passar a algo parecido com o que outros países gastam.

é de queda do juro real. Paulatinamente, vamos passar a algo parecido com o que outros países gastam. Conjuntura Econômica Brasileira Palestrante: José Márcio Camargo Professor e Doutor em Economia Presidente de Mesa: José Antonio Teixeira presidente da FENEP Tentarei dividir minha palestra em duas partes:

Leia mais

Seja um Profissional em Energia Solar

Seja um Profissional em Energia Solar Seja um Profissional em Energia Solar Nós, da Blue Sol, acreditamos no empoderamento de todos os consumidores de energia elétrica no Brasil através da possibilidade de geração própria da energia consumida.

Leia mais

Roteiro de Estudos. 2 trimestre - 2015 Disciplina: Geografia 2ª série

Roteiro de Estudos. 2 trimestre - 2015 Disciplina: Geografia 2ª série Roteiro de Estudos 2 trimestre - 2015 Disciplina: Geografia 2ª série Professor: Eduardo O que devo saber: Globalização, comércio mundial e blocos econômicos. O Comércio Global. O protecionismo. O comércio

Leia mais

ABSOLUTISMO E MERCANTILISMO

ABSOLUTISMO E MERCANTILISMO ABSOLUTISMO E MERCANTILISMO CONTEXTO No final da Idade Média (séculos XIV e XV), ocorreu uma forte centralização política nas mãos dos reis. A burguesia comercial ajudou muito neste processo, pois interessa

Leia mais

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo.

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo. 1 MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo Maio/ 2014 Metodologia 2 Metodologia 3 Técnica Pesquisa quantitativa,

Leia mais

www.caparroz.com Comércio Internacional Prova AFRFB 2009 Comentários do Prof. Roberto Caparroz

www.caparroz.com Comércio Internacional Prova AFRFB 2009 Comentários do Prof. Roberto Caparroz Comércio Internacional Prova AFRFB 2009 Comentários do Prof. Roberto Caparroz 51- A participação no comércio internacional é importante dimensão das estratégias de desenvolvimento econômico dos países,

Leia mais

Relações Econômicas Internacionais

Relações Econômicas Internacionais Relações Econômicas Internacionais Baseado no cap. 4 do livro Introdução à Economia: uma abordagem crítica, de Wilson Cano, 1998. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Nas aulas anteriores fizemos algumas

Leia mais

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 01. Conceitualmente, recrutamento é: (A) Um conjunto de técnicas e procedimentos

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo: Administração de Materiais Profª Neuza AULA ANTERIOR: Compras O que é??? É uma atividade de aquisição que visa garantir o abastecimento da empresa

Leia mais

SIMULAÇÃO DE GESTÃO EMPRESARIAL

SIMULAÇÃO DE GESTÃO EMPRESARIAL SIMULAÇÃO DE GESTÃO EMPRESARIAL I INTRODUÇÃO O JOGO DE GESTÃO EMPRESARIAL é uma competição que simula a concorrência entre empresas dentro de um mercado. O jogo se baseia num modelo que abrange ao mesmo

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012

PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012 PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012 ano: 9º disciplina: geografia professor: Meus caros (as) alunos (as): Durante o 2º trimestre, você estudou as principais características das cidades globais e das megacidades

Leia mais

INTEGRAÇÃO DO CONE SUL: A INSERÇÃO REGIONAL NA ORDEM GLOBAL 2

INTEGRAÇÃO DO CONE SUL: A INSERÇÃO REGIONAL NA ORDEM GLOBAL 2 INTEGRAÇÃO DO CONE SUL: A INSERÇÃO REGIONAL NA ORDEM GLOBAL 2 INTEGRAÇÃO DO CONE SUL: A INSERÇÃO REGIONAL NA ORDEM GLOBAL HAROLDO LOGUERCIO CARVALHO * A nova ordem internacional que emergiu com o fim da

Leia mais

Microeconomia. Demanda

Microeconomia. Demanda Demanda www.unb.br/face/eco/ceema Macroanálise Teoria Econômica Microanálise Teoria do consumidor Teoria da produção/firma Análise estrutura de mercado Teoria do bem estar Regulação de preços de produtos,

Leia mais

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS 1 Questão: Considere uma economia na qual os indivíduos vivem por dois períodos. A população é constante e igual a N. Nessa economia

Leia mais

(Perry Anderson, Linhagens do Estado absolutista. p. 18 e 39. Adaptado)

(Perry Anderson, Linhagens do Estado absolutista. p. 18 e 39. Adaptado) 1. (Fgv 2014) O paradoxo aparente do absolutismo na Europa ocidental era que ele representava fundamentalmente um aparelho de proteção da propriedade dos privilégios aristocráticos, embora, ao mesmo tempo,

Leia mais

1. (FGV 2014) A questão está relacionada ao gráfico e ao texto apresentados.

1. (FGV 2014) A questão está relacionada ao gráfico e ao texto apresentados. Brasil e Commodities 1. (FGV 2014) A questão está relacionada ao gráfico e ao texto apresentados. Desde 2007, os produtos básicos sinalizam uma estabilização no quantum importado, apresentando pequena

Leia mais

VENDA DE MÁQUINAS DE EMBALAGEM NA ARGENTINA

VENDA DE MÁQUINAS DE EMBALAGEM NA ARGENTINA Central de Cases VENDA DE MÁQUINAS DE EMBALAGEM NA ARGENTINA www.espm.br/centraldecases Central de Cases VENDA DE MÁQUINAS DE EMBALAGEM NA ARGENTINA Preparado pelo Prof. Ricardo D Alò de Oliveira, da ESPM-RS.

Leia mais

PROJETO INTERNACIONAL

PROJETO INTERNACIONAL PROJETO INTERNACIONAL EM 10 PASSOS Ubirajara Marques Direitos: Todos os direitos reservados para Center Group International Duração: 1 hora Apresentação: Linguagem simples, para micros e médios empresários

Leia mais

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Prof. Onivaldo Izidoro Pereira Finanças Corporativas Ambiente Econômico Em suas atividades uma empresa relacionase com: Clientes

Leia mais

Conjuntura do Leite Demanda de Importações

Conjuntura do Leite Demanda de Importações ARQ_86.DOC Conjuntura do Leite Demanda de Importações Março/95 ÍNDICE Págin a 1. INTRODUÇÃO... 3 2. O LEITE E AS POLÍTICAS PÚBLICAS... 3 3. COMPETITIVIDADE INTERNACIONAL DOS DERIVADOS DO LEITE... 5 4.

Leia mais

AEDB CURSO DE ADMINISTRAÇÃO AULA 1 GESTÃO DE NEGÓCIOS INTERNACIONAIS

AEDB CURSO DE ADMINISTRAÇÃO AULA 1 GESTÃO DE NEGÓCIOS INTERNACIONAIS AEDB CURSO DE ADMINISTRAÇÃO AULA 1 GESTÃO DE NEGÓCIOS INTERNACIONAIS * NEGÓCIOS INTERNACIONAIS: Definição: Por negócios internacionais entende-se todo negócio realizado além das fronteiras de um país.

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

ENTENDENDO OS CONCEITOS DE RISCO E RETORNO

ENTENDENDO OS CONCEITOS DE RISCO E RETORNO ENTENDENDO OS CONCEITOS DE RISCO E RETORNO! O Que é Risco?! Quais as origens do Risco?! As preferências com relação ao Risco! O Que é retorno sobre o investimento? Autores: Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)!

Leia mais

UNOCHAPECÓ Programação Econômica e Financeira

UNOCHAPECÓ Programação Econômica e Financeira Estruturas de mercado UNOCHAPECÓ Programação Econômica e Financeira Texto para Discussão 1 De acordo com a natureza do mercado em que estão inseridas, as empresas deparam-se com decisões políticas diferentes,

Leia mais

Teoria pertence ao grupo das teorias objetivas, conduzindo a análise do valor para o terreno da oferta e dos custos de produção.

Teoria pertence ao grupo das teorias objetivas, conduzindo a análise do valor para o terreno da oferta e dos custos de produção. VALOR Questões : 1. O que é que determina o valor de um bem? 2. De que elementos dependem os valores atribuídos aos bens e serviços normalmente transacionados? VALOR TRABALHO David Ricardo: O valor de

Leia mais

Maxi Indicadores de Desempenho da Indústria de Produtos Plásticos do Estado de Santa Catarina Relatório do 4º Trimestre 2011 Análise Conjuntural

Maxi Indicadores de Desempenho da Indústria de Produtos Plásticos do Estado de Santa Catarina Relatório do 4º Trimestre 2011 Análise Conjuntural Maxi Indicadores de Desempenho da Indústria de Produtos Plásticos do Estado de Santa Catarina Relatório do 4º Trimestre 2011 Análise Conjuntural O ano de 2011 foi marcado pela alternância entre crescimento,

Leia mais

Discurso do Diretor Aldo Luiz Mendes no Seminário sobre Modernização do Sistema Câmbio

Discurso do Diretor Aldo Luiz Mendes no Seminário sobre Modernização do Sistema Câmbio São Paulo, 28 de outubro de 2011 Discurso do Diretor Aldo Luiz Mendes no Seminário sobre Modernização do Sistema Câmbio Bom dia a todos. É com grande prazer que, pela segunda vez, participo de evento para

Leia mais

Cenário positivo. Construção e Negócios - São Paulo/SP - REVISTA - 03/05/2012-19:49:37. Texto: Lucas Rizzi

Cenário positivo. Construção e Negócios - São Paulo/SP - REVISTA - 03/05/2012-19:49:37. Texto: Lucas Rizzi Cenário positivo Construção e Negócios - São Paulo/SP - REVISTA - 03/05/2012-19:49:37 Texto: Lucas Rizzi Crescimento econômico, redução da pobreza, renda em expansão e dois grandes eventos esportivos vindo

Leia mais

6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo

6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo 6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo 6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo 6.1. Introdução 6.2. O Princípio da Neutralidade da Moeda 6.3. Taxas de Câmbio Nominais e Reais 6.4. O

Leia mais

RESUMO PARA RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE

RESUMO PARA RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE RESUMO PARA RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE Conceitos Diversos Estado É uma organização políticoadministrativa da sociedade. Estado-nação - Quando um território delimitado é composto de um governo e uma população

Leia mais

MARKETING INTERNACIONAL

MARKETING INTERNACIONAL MARKETING INTERNACIONAL Produtos Ecologicamente Corretos Introdução: Mercado Global O Mercado Global está cada dia mais atraente ás empresas como um todo. A dinâmica do comércio e as novas práticas decorrentes

Leia mais

O COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO NO PERÍODO DE 1985-2009: BÊNÇÃO OU MALDIÇÃO DAS COMMODITIES? Stela Luiza de Mattos Ansanelli (Unesp)

O COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO NO PERÍODO DE 1985-2009: BÊNÇÃO OU MALDIÇÃO DAS COMMODITIES? Stela Luiza de Mattos Ansanelli (Unesp) O COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO NO PERÍODO DE 1985-2009: BÊNÇÃO OU MALDIÇÃO DAS COMMODITIES? Stela Luiza de Mattos Ansanelli (Unesp) Objetivo Qual padrão de especialização comercial brasileiro? Ainda fortemente

Leia mais

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO PROJETO DE LEI N o 3.620, DE 2012 Proíbe o aumento dos preços dos produtos de primeira necessidade em municípios atingidos por desastres naturais,

Leia mais

What Are the Questions?

What Are the Questions? PET-Economia UnB 06 de abril de 2015 Joan Robinson Mrs. Robinson Formou-se em Economia na Universidade de Cambridge em 1925 Em 1965, obteve a cadeira de professora titular em Cambridge Economista pós-keynesiana

Leia mais

Taxa de Câmbio. Recebimento de juros Recebimentos de lucros do exterior Receita de rendas do trabalho

Taxa de Câmbio. Recebimento de juros Recebimentos de lucros do exterior Receita de rendas do trabalho Taxa de Câmbio TAXA DE CÂMBIO No Brasil é usado a CONVENÇÃO DO INCERTO. O valor do dólar é fixo e o variável é a nossa moeda. Por exemplo : 1 US$ = R$ 3,00 Mercado de Divisa No mercado de câmbio as divisas

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DO MERCADO DA MADEIRA DE REFLORESTAMENTO NO BRASIL. Sebastião Renato Valverde 1

CARACTERÍSTICAS DO MERCADO DA MADEIRA DE REFLORESTAMENTO NO BRASIL. Sebastião Renato Valverde 1 CARACTERÍSTICAS DO MERCADO DA MADEIRA DE REFLORESTAMENTO NO BRASIL Sebastião Renato Valverde 1 A economia do setor florestal brasileiro até o ano de 1965 era pouco expressiva, tanto que as atividades de

Leia mais

Teoria Básica de Oferta e Demanda

Teoria Básica de Oferta e Demanda Teoria Básica de Oferta e Demanda Este texto propõe que você tenha tido um curso introdutório de economia. Mas se você não teve, ou se sua teoria básica de economia está um pouco enferrujada, então este

Leia mais

Investimento internacional. Fluxos de capitais e reservas internacionais

Investimento internacional. Fluxos de capitais e reservas internacionais Investimento internacional Fluxos de capitais e reservas internacionais Movimento internacional de fatores Determinantes da migração internacional: diferencial de salários; possibilidades e condições do

Leia mais

CURSO CANAL DISCIPLINA: COMÉRCIO INTERNACIONAL MÓDULO: VALORAÇÃO ADUANEIRA PROF: LUIZ ROBERTO MISSAGIA LISTA DE EXERCÍCIOS DE AULA

CURSO CANAL DISCIPLINA: COMÉRCIO INTERNACIONAL MÓDULO: VALORAÇÃO ADUANEIRA PROF: LUIZ ROBERTO MISSAGIA LISTA DE EXERCÍCIOS DE AULA CURSO CANAL DISCIPLINA: COMÉRCIO INTERNACIONAL MÓDULO: VALORAÇÃO ADUANEIRA PROF: LUIZ ROBERTO MISSAGIA LISTA DE EXERCÍCIOS DE AULA EXERCÍCIOS 1 (AFRF/2002-1) Por meio dos elementos abaixo determine, com

Leia mais

11 Segredos para a Construção de Riqueza Capítulo II

11 Segredos para a Construção de Riqueza Capítulo II Capítulo II Mark Ford 11 Segredos para a Construção de Riqueza Capítulo Dois Como uma nota de $10 me deixou mais rico do que todos os meus amigos Das centenas de estratégias de construção de riqueza que

Leia mais

ECONOMIA MÓDULO 1 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA

ECONOMIA MÓDULO 1 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA ECONOMIA MÓDULO 1 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA Índice 1. Apresentação da Disciplina...3 2 1. APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA A disciplina Economia de Mercado objetiva apresentar as relações econômicas que balizam

Leia mais

Por que é tão Difícil se Promover uma Reforma Tributária mais Ampla no Brasil?

Por que é tão Difícil se Promover uma Reforma Tributária mais Ampla no Brasil? 74 Por que é tão Difícil se Promover uma Reforma Tributária mais Ampla no Brasil? 23.10.1997 Fala-se em reforma tributária no Brasil, no entanto se avança tão pouco ainda, se comparada às necessidades

Leia mais

GASTAR MAIS COM A LOGÍSTICA PODE SIGNIFICAR, TAMBÉM, AUMENTO DE LUCRO

GASTAR MAIS COM A LOGÍSTICA PODE SIGNIFICAR, TAMBÉM, AUMENTO DE LUCRO GASTAR MAIS COM A LOGÍSTICA PODE SIGNIFICAR, TAMBÉM, AUMENTO DE LUCRO PAULO ROBERTO GUEDES (Maio de 2015) É comum o entendimento de que os gastos logísticos vêm aumentando em todo o mundo. Estatísticas

Leia mais

Professora Ana Maria Matta Walcher Skype: ana.maria.walcher37

Professora Ana Maria Matta Walcher Skype: ana.maria.walcher37 Noções básicas de Comércio Exterior Professora Ana Maria Matta Walcher Skype: ana.maria.walcher37 Regimes Aduaneiros É o conjunto de procedimentos ou regras previstas em lei para efetivar uma importação

Leia mais

ilupas da informação e comunicação na área de Saúde entrevista

ilupas da informação e comunicação na área de Saúde entrevista ilupas Pesquisa Nacional identifica investimentos em tecnologias da informação e comunicação na área de Saúde Por Kelly de Souza O baixo grau de investimento em Tecnologias da Informação e Comunicação

Leia mais

Evolução Recente dos Preços dos Alimentos e Combustíveis e suas Implicações

Evolução Recente dos Preços dos Alimentos e Combustíveis e suas Implicações 1 ASSESSORIA EM FINANÇAS PÚBLICAS E ECONOMIA PSDB/ITV NOTA PARA DEBATE INTERNO (não reflete necessariamente a posição das instituições) N : 153/2008 Data: 27.08.08 Versão: 1 Tema: Título: Macroeconomia

Leia mais

PROVA GEOGRAFIA 1 o TRIMESTRE DE 2010

PROVA GEOGRAFIA 1 o TRIMESTRE DE 2010 PROVA GEOGRAFIA 1 o TRIMESTRE DE 2010 PROF. FERNANDO NOME N o 8 o ANO A compreensão do enunciado faz parte da questão. Não faça perguntas ao examinador. A prova deve ser feita com caneta azul ou preta.

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Revista EXAME: As 10 armadilhas da Previdência Complementar

Revista EXAME: As 10 armadilhas da Previdência Complementar Revista EXAME: As 10 armadilhas da Previdência Complementar Os fundos de previdência privada, sejam fechados ou abertos, têm características próprias e vantagens tributárias em relação aos investimentos

Leia mais

DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO

DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO 1 DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO Cesar Simões Salim Professor e Autor de livros de empreendedorismo cesar.salim@gmail.com Visite meu blog: http://colecaoempreendedorismo.blogspot.com/

Leia mais

Módulo 1 Questões Básicas da Economia. 1.1. Conceito de Economia

Módulo 1 Questões Básicas da Economia. 1.1. Conceito de Economia Módulo 1 Questões Básicas da Economia 1.1. Conceito de Economia Todos nós temos uma série de necessidades. Precisamos comer, precisamos nos vestir, precisamos estudar, precisamos nos locomover, etc. Estas

Leia mais

ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE RAÇÕES

ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE RAÇÕES ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE RAÇÕES Agosto/15 Análise de Competitividade Rações Resumo da Cadeia de Valores Painel de Indicadores de Monitoramento da Competitividade Setorial Percepção empresarial da competitividade

Leia mais