Comerciantes de escravos em Campinas década de 1870.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Comerciantes de escravos em Campinas década de 1870."

Transcrição

1 Comerciantes de escravos em Campinas década de Rafael da Cunha Scheffer Doutorando em Historia Social da Cultura na Unicamp, bolsista Fapesp. Na segunda metade do século XIX, com a proibição efetiva do trafico africano de escravos e a contínua procura por mão de obra, o comércio de cativos entre as regiões brasileiras expandiu-se grandemente. No Sudeste, a cidade paulista de Campinas destacou-se como um grande mercado de escravos das mais diversas províncias. O peso deste comercio na região pode ser visto na presença de 74% de escravos de outras províncias entre os cativos negociados em Campinas na década de Procurando entender como se davam essas transferências interregionais e as negociações locais de escravos, o presente artigo procura explorar a figura dos comerciantes de cativos nessa cidade. Identificados pelas constantes transações com escravos ao longo do tempo, na maioria das vezes através de procurações, buscamos estabelecer um perfil desses negociantes, sua atuação nesse mercado e em outras atividades econômicas. Em pesquisa anterior, focada em Desterro, capital da província de Santa Catarina, conseguimos observar que a maior parte dos envolvidos no comércio de escravos desenvolvia outras funções, comerciais, fabris ou mesmo políticas na sociedade local, sendo que o volume das transferências dificilmente poderia exigir exclusividade do negociante. 2 Através da análise da origem dos escravos por eles negociados podemos explorar suas ligações com outros mercados regionais e provinciais, e mesmo a possibilidade de alguns desses comerciantes não serem residentes em Campinas, executando viagens de negócios para esta cidade. Sob esse aspecto, em pelo menos um caso, o de Manoel Antonio Victorino de Menezes, temos a confirmação de residência fora da região de Campinas. O mesmo era morador de Desterro, capital catarinense e considerado o maior negociante de escravos da região. Em casos como esse a própria periodicidade do comparecimento desses comerciantes na praça de Campinas pode nos 1 Livros de registros de impostos, números 49, 51, 52, 53, 54 e 57. Fundo: Coletoria de Rendas de Campinas. Centro de Memória da Unicamp (CMU). 2 Capitulo 3 Comerciantes de escravos em Desterro. In: SCHEFFER, Rafael da Cunha. Tráfico interprovincial e comerciantes de escravos em Desterro, Dissertação em História apresentado a Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis: UFSC, 2006.

2 fornecer pistas sobre o funcionamento deste mercado, de sua regularidade e mesmo das formas de transporte utilizadas, inferidas possivelmente pelo tempo das viagens. Para tais fins utilizo como fontes os jornais locais com seus diversos anúncios de negócios e de comercialização de escravos e o registro do imposto de meia siza sobre a transferência de cativos. Os registros cartoriais, que poderiam complementar essa análise ainda não foram fichados na presente fase da pesquisa, mas serão alvo de investigação nos próximos meses. Tratada em grande parte como outra forma de propriedade, a aquisição de escravos estava sujeita a cobrança de impostos tanto quanto outras transferências de propriedade. A siza era um imposto sobre 10% do valor do bem transferido, sendo assim, em meados do século XIX, a meia siza representava uma taxação de 5% do valor do escravo paga nas coletorias de impostos no ato da transferência de posse sobre o mesmo. Em pesquisa anterior, nos livros de cartório de Desterro na década de 1870, pude observar que naquele momento essa cobrança fazia parte do reconhecimento da mudança de propriedade, tanto que é geralmente citada nos livros de nota de cartório, sendo, aparentemente, uma etapa anterior do processo de transferência. Para essa comunicação, procurei explorar os livros da Coletoria de Rendas de Campinas da década de 1870, apontada como sendo o ápice das negociações de escravos no mercado nacional. 3 Assim, meu foco eram os livros de registros de impostos dos períodos fiscais que englobavam os anos de 1870 à Do período selecionado foram encontrados somente seis livros que cobrem o período de julho de 1872 à junho de 1876, e de julho de 1877 à junho de Entretanto essa amostragem já nos permite um bom campo de analise, visto que esses livros cobrem a compra de cativos ao longo do período, descontando as vendas de partes de escravos e trocas entre senhores. Descontei as transações parciais por entender que geralmente representavam a constituição de sociedades, posses compartilhadas ou de herdeiros, não representando necessariamente uma mudança de proprietário ou situação dos cativos. Descartei as trocas devido a dificuldade de classificar sua natureza: trocas de escravos entre senhores não representam mudança na região ou mesmo no animo dos proprietários com relação a escravidão, e a troca por outros bens como imóveis 3 GRAHAM, Richard. Nos tumbeiros mais uma vez? O comércio interprovincial de escravos no Brasil. Afro-Ásia, 27 (2002), p Os anos fiscais iam de julho a junho, assim, meu foco seriam os livros iniciando com o ano de e finalizando com Entretanto, nesse período foram encontrados apenas 6 livros: Livro 49 ( ), Livro 51 ( ), Livro 52 ( ), Livro 53 ( ), Livro 54 ( ) e Livro 57 ( ). Fundo: Coletoria de Rendas de Campinas (CRC). Centro de Memória da Unicamp (CMU)

3 aparentemente é apenas uma redução do caminho da transformação do escravos em capital e reinvestimento deste em um imóvel. De toda forma, o número de trocas envolvendo escravos foi extremamente reduzido ao longo do período. Na década de 1870 a formula da cobrança e registro dessa taxação já havia sido modificada pela assembléia provincial, perdendo a referencia ao valor do cativo e passando a ter um valor fixo, de 30 mil réis por escravo até 1876 ou 1877 quando passa a ser cobrada uma taxa de 40 mil réis. Observamos também um aumento da padronização dos livros e dados sobre as transações, especialmente se levarmos em conta os livros da década de Em todos os livros analisados temos a coleta e apresentação organizada da data, nome de comprador e vendedor do cativo, apontando a ocorrência do uso de procurações, da arrematação em praça publica ou da herança de algum individuo e a atuação em nome de proprietários menores de idade. Sobre os cativos negociados, temos dados sobre seus nomes, origens (local de nascimento, sendo geralmente apontada a província), idade, e mais informações esparsas (que vão se tornando mais presentes ao longo da década) sobre cor, estado civil e profissão dos escravos transferidos. Apesar da gama de informações presente nessa fonte, existe uma série de limitações que devem ser levadas em conta para nossos interesses. O maior problema para a identificação dos negociantes por essa fonte é que ela não nos indica os locais de residência de compradores e vendedores, o que nos ajudaria observar a intermediação e os locais em que são buscados os cativos. A origem apontada dos escravos é somente uma solução precária para esse problema, visto que não indica o local do qual o ele foi comprado, e sim o de seu nascimento. Dessa forma, um cativo cuja origem apontada foi o Rio de Janeiro, por exemplo, pode ter vindo deste local em negociação anterior e estar sendo negociado entre dois senhores residentes em Campinas. Esse dado permite assim uma interpretação errônea das transações, confundindo vendas locais e interprovinciais de cativos. De toda forma, a informação de origem confirma a atração exercida pelos melhores preços do mercado de escravos do Sudeste, com 74% dos cativos negociados em Campinas tendo nascido em outras províncias segundo esses livros. Além disso, esses dados nos ajudam parcialmente a entender de que locais os negociantes buscavam escravos, como será visto mais adiante. Nos anos analisados, temos uma expansão dos negócios com escravos, partindo de 310 transferências no ano para 934 no seguinte, chegando a 1233 cativos

4 negociados em , número que se estabiliza nos anos seguintes em uma média entre mil e mil e cem escravos. Para a identificação dos comerciantes relacionados com o mercado de escravos utilizei dois métodos diferentes. O primeiro, direto, é o da coleta de anúncios nos jornais locais, em que um individuo se coloca como vendedor ou comprador de cativos, e não apenas quando surgem anúncios de venda de determinado cativo ou procura de escravos para certas tarefas, caso em que se constituem vendas entre particulares, geralmente sem a intermediação de negociantes. Os jornais também são fundamentais em um segundo momento, ao apresentarem a possibilidade de encontrarmos esses negociantes já identificados anunciando outras atividades ou envolvidos em outras notícias. O segundo método utilizado consiste na análise da meia siza e observação de repetida participação nesse mercado, geralmente através de procurações para a venda de cativos de terceiros e da negociação de quatro ou mais escravos. Escolho esse número pois o universo de analise se ampliaria demasiadamente caso fossem selecionados negócios com três ou menos escravos, o que passa a incluir um numero muito maior de proprietários e intermediários de vendas especificas, fugindo de nosso objetivo de identificar comerciantes. A utilização de procurações é outro indicio importante, uma vez que grande parte dos comerciantes procurava burlar os impostos de transferência obtendo procurações que lhes dessem o poder de negociar os escravos, e somente pagando as taxas de transferência na venda para o proprietário definitivo. 5 Assim, o procedimento que utilizei consiste na identificação de pessoas envolvidas na transferência de cativos através de procurações, sendo verificada a repetição de sua atuação no mercado, o que descaracterizaria uma venda dos próprios cativos ou a intermediação de um negócio específico. Das mais de cinco mil transações de cativos realizadas, aproximadamente a metade delas se deu através de procurações, uma média mantida em todos os anos analisados. Selecionando as pessoas que intermediaram como procuradores a venda de mais de quatro escravos, que realizaram essa operação mais de uma vez e em diferentes anos, estabeleci uma lista de 23 nomes que acredito estarem ligados ao comércio de escravos em Campinas na década de Sozinhos ou através de parcerias, esses nomes intermediaram a venda de 2221 cativos. É possível que tenhamos alguns erros de registro, que dão como próprios escravos que estavam nas mãos de intermediários, 5 CHALHOUB, Sidney. Visões da liberdade: uma história das últimas décadas da escravidão na corte. São Paulo: Cia das Letras, 1990, p

5 contudo não podemos reconhecer esses equívocos sem antes termos acessos a outras fontes, o que foge a capacidade dessa comunicação. São os seguintes os indivíduos envolvidos nessas transações ao longo da década de 1870, tendo ao lado o número de escravos negociados por cada um deles: Angelino Soveral 18 Antonio Joaquim Soares Franco 65 Antonio Jose Ladeira Lobo 93 Antonio Bueno de Araujo Leite 22 Antonio de Araujo Almeida 110 Antonio Jose de Mello 18 Candido Justiniano da Silveira 17 Eduardo da Costa Passos 98 João Mourthe 756 Joaquim de Barros Penteado & Cia 59 Jose Justino Gomes de Azevedo 143 Justino Gomes de Azevedo 24 João Carlos Hungria 81 Jose Gabriel da Silva Lima 10 Lino Placido Soares 35 Manoel Antonio Victorino de Menezes 107 Manoel Jorge Graça 90 Manoel Francisco Mendes 45 Manoel Thomaz Fragoso 47 Miguel Jose Filgueiras 62 Paulino Ayres do Amaral 37 Rodolpho Jose de Freitas Guimarães 27 Thomaz Gonçalves Gomide Sobrinho 212 Fonte: Livros de registros de impostos da Coletoria de Rendas de Campinas, livros número 49, 51, 52, 53, 54 e 57. Centro de Memória da Unicamp Devido às limitações de espaço e tempo dessa comunicação, irei me concentrar nos comerciantes de maior número de cativos, procurando analisar através de suas posições e ações um modo de operação que poderia ser comum a muitos outros negociantes menores. Manoel Antonio Victorino de Menezes, personagem em pesquisa anterior, pode nos ser bastante útil ao apresentar uma linha geral de ação nesse mercado 6. Natural da província do Rio de Janeiro, Victorino mudou-se para Desterro (atual Florianópolis) no final da década de 1860 logo anunciando nos jornais locais que comprava escravos na região para revendê-los no Sudeste. Nos registros de Campinas, seu nome aparece nos registros em cinco anos diferentes, estando ligado a transferência de 107 cativos. Observando a origem dos escravos por ele negociados conseguimos entender a maneira como ele realizava seus negócios. Confirmando o que já sabíamos sobre ele, a 6 SCHEFFER, R.. Op. Cit., Capítulo 4 Victorino de Menezes.

6 quase totalidade dos cativos vendidos por Victorino é natural de Santa Catarina, com raras exceções surgindo com a presença de cativos oriundos do Rio Grande do Sul (3 pessoas) e um africano, provavelmente frutos de compra na própria capital catarinense. Essa restrição de origem me leva a creditar que Victorino não comprava escravos em outras localidades a caminho de Campinas, vindo com os grupos de cativos já completados. Quanto aos escravos negociados, geralmente as vendas realizadas por Menezes se referiam a grupos de 4 a 7 escravos, em alguns casos ainda somadas mais algumas vendas individuais e em outros raros momentos a negociação de grupos maiores. Com isso, o grupo de escravos que eram trazidos para serem negociados geralmente flutuavam entre 5 a 10 cativos, que eram negociados em um espaço de três a quatro dias em Campinas. A freqüência da atuação de Manoel Antonio Victorino de Menezes trás algumas questões interessantes. A principio, suas seqüências de venda em poucos dias com grandes intervalos de tempo entre novas seqüências nos indicam viagens de venda realizadas em diversas épocas do ano. Através delas, Victorino foi ampliando sua participação no mercado de cativos de Campinas, até negociar 53 cativos num mesmo ano, em Contudo, a partir desse ano a referencia a seu nome começa a declinar nessa fonte, vindo mesmo a não ser citado no ano de Acredito entretanto que esse declínio pode não representar sua saída desse negocio, e sim uma mudança de estratégia, com a desenvolvimento de uma rede de parceiros comerciais. Um de seus parceiros comerciais mais freqüentes em fins da década de 1870 foi Manuel Jorge Graça. Em diversas das procurações para venda de escravos que Victorino realizou em Desterro vemos o nome de Manoel Jorge Graça já sendo adiantado, com poderes para negociar os cativos. 7 Essa questão, inclusive, pode ajudar a explicar o declínio do nome de Victorino nas transações registradas nos dois últimos anos analisados. Transferindo poderes a Jorge Graça o nome de Victorino desaparece desse registro, apesar de continuar envolvido, como observamos pela continuidade de sua atividade na capital catarinense. O registro das atividades de Graça nos mostra ainda que apesar dessa parceria ele não se limitava a essa fonte de escravos. Em diversos registros vemos ele negociando cativos oriundos de províncias do Nordeste ou do Rio de Janeiro. Sem uma 7 SCHEFFER, R.C.. Op. Cit., p. 136.

7 analisa dessas procurações, contudo, não sabemos se Jorge Graça negociava cativos de outras fontes através de acordos com comerciantes locais ou de contatos no Rio de Janeiro e São Paulo. Residente em Campinas, o nome de Graça aparece em diversos momentos nos registros, sem apresentar uma periodização padronizada, que nos diga algo sobre viagens ou períodos de venda. Negocia predominantemente pequenos grupos, de até quatro escravos, geralmente realizando vendas individuais. Além dessa atividade, o nome de Graça aparece em um processo em que ele tenta despejar o inquilino de um de seus imóveis no centro de Campinas 8, mostrando uma outra fonte de renda e investimentos desses individuo, compartilhada também por muitos de seus contemporâneos. 9 Manoel Thomaz Fragoso, responsável por 47 transferências de cativos entre 1877 e 1879 parece ter sido outro exemplo de comerciante que realizava viagens de negócio para Campinas. O padrão de suas vendas obedecia esquema semelhante ao de Victorino de Menezes, com uma seqüência de vendas em dois ou três dias seguida por uma ausência de semanas, quebrada por nova seqüência de vendas quase diárias. Negociava geralmente de um a sete escravos, somente em um momento organizado uma transação maior. A origem dos cativos negociados por ele também reforça essa idéia de viagens de venda, sendo que quase todos os escravos eram naturais da província do Rio Grande do Sul. João Carlos Hungria foi outro negociante que tinha a maior parte dos escravos negociados advindo da mesma província de origem, novamente o Rio Grande do Sul. Interessante é o fato desse paralelo não se resumir a isso, pois o período em que ele e Manoel Thomaz Fragoso surgem no mercado também foi o mesmo, com suas atuações se estendendo de 1877 a Negociou sempre grupos de 1 a 7 cativos, sendo de três escravos o grupo predominantemente negociado por ele. Contrastando com negociantes predominantemente ligados a uma fonte, o comerciante com maior numero de escravos negociado estava ligado a grupos de origens variadas. João Mourthe esteve envolvido em negociações durante todos os anos 8 Ação sumaria de despejo. 1º Oficio. Caixa 295, processo Fundo: Tribunal de Justiça de Campinas. Centro de Memória da Unicamp (CMU). 9 A aplicação de rendimentos comerciais na compra de imóveis e exploração de alugueis, vista por João Fragoso e Maria Fernanda Martins pode ser entendida como uma tendência forte em todo o país. FRAGOSO, João; MARTINS, Maria Fernanda. Grandes negociantes e elite política nas últimas décadas da escravidão In: FLORENTINO, Manolo; MACHADO, Cacilda. Ensaios sobre a escravidão. (I). Belo Horizonte: UFMG, 2003, p. 144.

8 registrados, sendo o único a manter uma média elevada de vendas durante todo o período, passando dos 16 do primeiro ano para uma média de mais de 100 cativos negociados anualmente. Os cativos negociados por Mourthe vieram predominantemente do Nordeste brasileiro, sendo naturais de diversas províncias dessa região. O Maranhão foi a principal fonte dos escravos negociados por ele, sendo a origem de 303 cativos, seguido da Bahia com 97, e Pernambuco, Piauí e Rio de Janeiro com aproximadamente 55 cada um. Novamente o Rio Grande do Sul se fez presente no final da década, sendo esse o período em que se acentuou a vinda dos 36 escravos dessa região registrados por esse negociante. Essa variedade de origens leva-nos a pensar nos esquemas de distribuição e atração de cativos que estavam em ação. Podemos levantar algumas questões sobre a participação de Mourthe nessa cadeia de comercio: teria ele contato com os negociantes no Norte e Nordeste brasileiro? Ou suas compras se dariam predominantemente em um mercado intermediário, talvez o Rio de Janeiro, e de lá ele ou seu contato enviariam os cativos para o interior paulista. A falta de maiores informações sobre o município de origem dos escravos (especialmente sobre o município de ultima residência) nos impede de entender de quais regiões específicas vinham esses cativos, o que poderia ajudar a elucidar essas redes. O caso do Rio de Janeiro, por exemplo, é emblemático, pois não sabemos se esses cativos vinham da capital e regiões próximas ou mesmo do Vale do Paraíba, o que poderia indicar diferentes formas de transferência desses. Sendo residente em Campinas, João Mourthe é presença constante nos livros de registro, não sendo possível observar períodos significativos de maior ou menor atividade. E mesmo sendo o comerciante com o maior numero de escravos vendidos, seus negócios envolviam na maioria das vezes grupos de 5 cativos, onde se concentrou o maior número de transferências escravas e a mais freqüente transação realizada. Chegou contudo a realizar transferências de mais de 20 cativos, porém em raras ocasiões. Outro dos maiores negociantes de cativos da região de Campinas na década de 1870 foi Thomaz Gonçalves Gomide Sobrinho, que anunciava no inicio de 1876 a venda de excelentes escravos, entre eles carpinteiros, alfaiates e roceiros. 10 Como no caso de João Mourthe, as origens dos escravos negociados por Gomide são variadas, 10 Constitucional, 5/1/1876, n Microfilme MR Arquivo Edgard Leuenroth (AEL).

9 ainda que concentradas no Nordeste, mas apresentam importante número de cativos do Sudeste e do Sul. A Bahia é o local de origem de 52 dos 202 escravos negociados por ele, mas o Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul são importantes fontes de braços, com 28 e 16 cativos, respectivamente. Em casos isolados, Gomide negociou 22, 16 e 15 cativos em uma única transação, mas suas transações foram preponderantemente de 1 a 3 escravos. A Bahia apareceu como o ponto de origem preponderante no caso de dois outros negociantes. A quase totalidade dos cativos negociados por Antonio Jose Ladeira Lobo e Jose Justino Gomes de Azevedo tinham como local de origem essa província. Nos dois casos a maior parte das negociações envolveu de um a cinco escravos. Apesar da forte identificação com determinada fonte de escravos, não pudemos observar os mesmos padrões de viagens de vendas que aparecerem no caso de outros comerciantes. Não foram verificadas vendas em dias consecutivos, sendo que geralmente elas ocorrem espalhadas ao longo do mês, com dias ou semanas de intervalo, mas sem um padrão de organização que nos indique fortemente as estadias para a venda de cativos. Dessa forma, sem a analise de procurações e das notas de cartório, não temos como inferir se esses dois negociantes são residentes de Campinas ou realizam seguidas viagens para a região, com espaço de poucas semanas, o que nos indicaria a utilização do transporte marítimo e dos trens para o transporte dos escravos. Contudo, como as vendas realizadas são preponderantemente de pequenos grupos, fico inclinado a entender que eles seriam moradores dessa cidade paulista. O caso de Antonio de Araújo Almeida parece ser representativo de um negociante de Campinas que realiza essas transações. A origem de seus cativos esta concentrada no Nordeste, especialmente em Pernambuco, província da qual são naturais 55 dos 110 escravos cuja venda ele representa. Bahia, Ceara e Paraíba são outras províncias de origem relevantes. Contudo, o padrão de suas vendas no tempo se mostra inviável pra sustentar viagens de negocio. Suas vendas são geralmente de indivíduos isolados, espalhadas ao longo das semanas, com vários dias de intervalo entre os negócios. Assim, acredito que seriam improváveis viagens para a venda de indivíduos isolados. Mais provável é a atuação desse negociante como um intermediário local, alguém que procura escravos na região, província ou mesmo em outros centros do Sudeste, mas não necessariamente numa escala que exige atenção exclusiva. O mesmo padrão de vendas foi observado em relação a Manoel Francisco Mendes. Realizando a venda de grupos de 1 a 5 escravos, espalhados ao longo dos

10 meses, a maior parte dos cativos por ele negociados eram naturais da Bahia. Mas nesse caso temos a confirmação de sua residência em Campinas, onde anuncia que compra e vende escravos, realizando a intermediação de vendas por módica porcentagem, podendo ser procurado na rua do Pórtico, esquina da rua Lusitana, n Por fim, o negociante Eduardo da Costa Passos, com 98 cativos negociados, parece representar um viajante. Negociando escravos naturais de Pernambuco, Bahia e Rio de Janeiro principalmente, boa parte de suas vendas foram realizadas em grupos grandes de cativos, com vendas de 15 e 16 indivíduos. Fazendo cerca de uma venda por mês em meados de 1878, esse comerciante poderia estar realizando apenas viagens de negocio para a região, sem ser necessariamente residente em Campinas. Em alguns momentos, a leitura dos jornais nos apontou pessoas negociando escravos, mas seus nomes quase não apareceram nos registros de meia siza, sendo assim, é bastante provável que o número de comerciantes e de cativos envolvidos em operações desses indivíduos esteja subestimado na presente comunicação. Nesse momento da pesquisa, contudo, trabalhar com números menores e melhor confirmados me pareceu mais produtivo, proporcionando uma base mais sólida para a análise. Cabe ressaltar que ocorreram também anúncios que não identificavam os vendedores, dando apenas um endereço para contato. E nesse caso repetiram-se anúncios de escravos sendo vendidos em hotéis da cidade, o que reforça a idéia de que suas transferências então sendo realizadas por comerciantes em viagem. 12 Em nenhum momento encontrei citação dessas pessoas envolvidas com outros negócios, anunciando estabelecimentos comerciais ou industriais. Os próprios anúncios ligados a atividade de compra e venda de escravos apareceram em poucos momentos nos periódicos locais, apesar dos anúncios de proprietários interessados em negociações individuais serem constantes. O estudo de outras fontes, como inventários e outros processos envolvendo esses negociantes se faz necessário para que tenhamos uma noção do real alcance dessa atividade em suas opções econômicas, geralmente marcadas por uma diversidade de aplicações em imóveis, lavoura ou mesmo em finanças. 13 O que nos fica claro com essa analise foi o peso que esses negociantes tinham nas transações de escravos na região, sendo responsáveis por grande parte dessas. Além 11 Gazeta de Campinas, 19/11/1876, n Microfilme MR 181. AEL. 12 Como ocorre em agosto de 1875, por exemplo, quando foi anunciado que no Hotel União do Largo de Santa Cruz, existem bons escravos a venda. Gazeta de Campinas, 1/8/1875, n MR 317. AEL. 13 Como observado em comerciantes de escravos de Desterro e em negociantes da corte. SCHEFFER, R.C., Op. Cit., Capitulo 3, e FRAGOSO, J. Op. Cit..

11 disso, conseguimos vislumbrar algumas diferenças na forma como esses indivíduos exerciam esse negócio, com negociantes locais convivendo (ou até mesmo se aliando) com comerciantes de outras regiões do país que faziam viagens de negócio para a região, vendendo lotes de escravos em poucos dias de permanência nessa cidade paulista. As redes de comércio que alimentavam a expansão da propriedade escrava em Campinas também apresentavam grande diversidade, englobando áreas do Nordeste, Norte e Sul brasileiro, através de contatos diretos e indiretos, com a viagem dos comerciantes ou a compra em outras cidades no Sudeste (com destaque para o Rio de Janeiro). Outra questão que chama a atenção é que, mesmo com a venda de grandes grupos de escravos, a maior parte dos negócios, mesmo dos interprovinciais, pareceu ter se dado através da transferência de grupos de um a cinco escravos.

Vidas cativas: uma biografia dos escravos envolvidos no plano de revolta de 1832 Campinas

Vidas cativas: uma biografia dos escravos envolvidos no plano de revolta de 1832 Campinas Vidas cativas: uma biografia dos escravos envolvidos no plano de revolta de 1832 Campinas Ricardo Figueiredo Pirola Mestrando UNICAMP No ano de 1832 foi descoberto em Campinas um plano de revolta escrava,

Leia mais

REDES DO COMÉRCIO: NEGOCIANTES DE ESCRAVOS E SUA ORGANIZAÇÃO NO EIXO SUL-SUDESTE DO BRASIL IMPÉRIO

REDES DO COMÉRCIO: NEGOCIANTES DE ESCRAVOS E SUA ORGANIZAÇÃO NO EIXO SUL-SUDESTE DO BRASIL IMPÉRIO REDES DO COMÉRCIO: NEGOCIANTES DE ESCRAVOS E SUA ORGANIZAÇÃO NO EIXO SUL-SUDESTE DO BRASIL IMPÉRIO Rafael da Cunha Scheffer 1 O comércio interno de escravos foi o responsável direto por transferências

Leia mais

Detetives do passado: escravidão no século 19. Rio de Janeiro: Núcleo de Documentação, História e Memória-NUMEM/UNIRIO, 2009.

Detetives do passado: escravidão no século 19. Rio de Janeiro: Núcleo de Documentação, História e Memória-NUMEM/UNIRIO, 2009. Solução do caso É TUDO VERDADE! Em julho de 1813, o verdadeiro Francisco José Rebello enviou seu requerimento ao juiz municipal do Desterro. Este requerimento e todos os outros documentos que compõem a

Leia mais

Comentários sobre os Indicadores de Mortalidade

Comentários sobre os Indicadores de Mortalidade C.9 Taxa de mortalidade por causas externas O indicador mede o número de óbitos por causas externas (conjunto de acidentes e violências) por 1. habitantes, estimando o risco de morrer por essas causas.

Leia mais

Pnad: Um em cada cinco brasileiros é analfabeto funcional

Pnad: Um em cada cinco brasileiros é analfabeto funcional 08/09/2010-10h00 Pesquisa visitou mais de 150 mil domicílios em 2009 Do UOL Notícias A edição 2009 da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), realizada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia

Leia mais

Provão. História 5 o ano

Provão. História 5 o ano Provão História 5 o ano 61 Os reis portugueses governaram o Brasil à distância, até o século XIX, porém alguns acontecimentos na Europa mudaram essa situação. Em que ano a família real portuguesa veio

Leia mais

Detetives do passado: escravidão no século 19. Rio de Janeiro: Núcleo de Documentação, História e Memória-NUMEM/UNIRIO, 2009.

Detetives do passado: escravidão no século 19. Rio de Janeiro: Núcleo de Documentação, História e Memória-NUMEM/UNIRIO, 2009. Detetives do passado: escravidão no século 19. Rio de Janeiro: Núcleo de Documentação, História e Memória-NUMEM/UNIRIO, 2009. A carta de alforria trazia as seguintes informações: identidade do dono [...],

Leia mais

Apesquisa suplementar sobre acesso à Internet e posse de telefone

Apesquisa suplementar sobre acesso à Internet e posse de telefone Análise dos resultados Apesquisa suplementar sobre acesso à Internet e posse de telefone móvel celular para uso pessoal ampliou a investigação rotineira da PNAD, que restringe o levantamento sobre o assunto

Leia mais

Notas metodológicas. Objetivos

Notas metodológicas. Objetivos Notas metodológicas Objetivos Qual é a população de empresa em um determinado ano? Esta é aparentemente uma pergunta simples, entretanto, existem inúmeras questões envolvidas na definição, identificação

Leia mais

OS ARRENDAMENTOS DE TERRA PARA A PRODUÇÃO DE CANA- DE- AÇÚCAR

OS ARRENDAMENTOS DE TERRA PARA A PRODUÇÃO DE CANA- DE- AÇÚCAR Tamires Silva Gama Acadêmica do Curso de Geografia da UEM. Bolsista do CNPq Tamires_gama@hotmail.com OS ARRENDAMENTOS DE TERRA PARA A PRODUÇÃO DE CANA- DE- AÇÚCAR INTRODUÇÃO Frente os avanços da modernização

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO FIMT

MANUAL DO USUÁRIO FIMT FÁCIL IMÓVEL MT MANUAL DO USUÁRIO FIMT GESTOR IMOBILIÁRIO SANDRO RAMIRO 05/06/2015 Manual completo de funcionalidade do Sistema FIMT. Versão 2.0 INTRODUÇÃO PÁGINA INICIAL 03 ANUNCIANTE 04 LANÇAMENTO 05

Leia mais

Instruções de Uso. 1 - Imprima 3 cópias da petição, pois 2 ficarão no protocolo e 1 será devolvida com o nº do processo e data da audiência;

Instruções de Uso. 1 - Imprima 3 cópias da petição, pois 2 ficarão no protocolo e 1 será devolvida com o nº do processo e data da audiência; Instruções de Uso Depois de finalizada a petição inicial, você deverá seguir os seguintes passos: 1 - Imprima 3 cópias da petição, pois 2 ficarão no protocolo e 1 será devolvida com o nº do processo e

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013

ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013 ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013 QUIRINO, José Renato Dias 1 ; MEDEIROS 2, Rennan Kertlly de; RAMOS FILHO 3, Hélio S. RESUMO O estudo das relações econômicas

Leia mais

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão.

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão. CRISE DO ESCRAVISMO A Dinamarca foi o primeiro país Europeu a abolir o tráfico de escravos em 1792. A Grã-Bretanha veio a seguir, abolindo em 1807 e os Estados Unidos em 1808. O Brasil foi o último país

Leia mais

Comércio de escravos em Sant Anna de Mogy das Cruzes na segunda metade do século XIX - 1864-1887

Comércio de escravos em Sant Anna de Mogy das Cruzes na segunda metade do século XIX - 1864-1887 Comércio de escravos em Sant Anna de Mogy das Cruzes na segunda metade do século XIX - 1864-1887 Armando de Melo Servo Constante PUC-SP Na segunda metade do século XIX o tráfico de escravos ruma para o

Leia mais

Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Auditoria e Análise de Segurança da Informação - 4º período Professor: José Maurício S.

Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Auditoria e Análise de Segurança da Informação - 4º período Professor: José Maurício S. Disciplina: Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Auditoria e Análise de Segurança da Informação - 4º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 4: Trilhas de Auditoria Existe a necessidade

Leia mais

Fundos de Investimento: inovando e aproximando poupadores e investidores

Fundos de Investimento: inovando e aproximando poupadores e investidores Fundos de Investimento: inovando e aproximando poupadores e investidores Fundos de Investimento: inovando e aproximando poupadores e investidores Prof. William Eid Junior Professor Titular Coordenador

Leia mais

As exportações de bens podem ocorrer, basicamente, de duas formas: direta ou indiretamente.

As exportações de bens podem ocorrer, basicamente, de duas formas: direta ou indiretamente. Capitulo 10: Tipos de exportação As exportações de bens podem ocorrer, basicamente, de duas formas: direta ou indiretamente. Diretamente: quando o exportador fatura e remete o produto ao importador, mesmo

Leia mais

Investimento Imobiliário em Angola Guia Prático

Investimento Imobiliário em Angola Guia Prático www.finaccount.com Investimento Imobiliário em Angola Guia Prático Prestação de Serviços de Consultoria Empresarial e Formação Aquisição de bens imóveis O processo de aquisição de bens imóveis em Angola

Leia mais

O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960.

O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960. O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960. Glauber Lopes Xavier 1, 3 ; César Augustus Labre Lemos de Freitas 2, 3. 1 Voluntário Iniciação

Leia mais

FUSÕES E AQUISIÇÕES: SINERGIA E CRIAÇÃO DE VALOR

FUSÕES E AQUISIÇÕES: SINERGIA E CRIAÇÃO DE VALOR FUSÕES E AQUISIÇÕES: SINERGIA E CRIAÇÃO Principais Vantagens Principais fontes de sinergia Principais cuidados Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) Sócio-Diretor da Cavalcante Associados,

Leia mais

Seminário: emissão de valores mobiliários e. António Soares

Seminário: emissão de valores mobiliários e. António Soares Seminário: emissão de valores mobiliários e ofertas públicas em tempos de crise Ofertas Públicas de Aquisição de Acções António Soares 3 e 4 de Junho de 2013 Sala Conferência Hotel Praia Mar As Ofertas

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE

ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE Módulo 2 CLIENTES: DEFINIÇÕES E ENTENDIMENTOS Objetivo: Ao final desse módulo, você estará capacitado a termos, como: cliente, comprador, cliente final, consumidor,

Leia mais

Portal Comissões Online Perguntas Frequentes

Portal Comissões Online Perguntas Frequentes Portal Comissões Online Perguntas Frequentes 1. Esse processo foi criado para que a Receita Federal tenha acesso às comissões dos corretores de imóveis? A Receita Federal pode, a qualquer momento, solicitar

Leia mais

Matemática Financeira II

Matemática Financeira II Módulo 3 Unidade 28 Matemática Financeira II Para início de conversa... Notícias como essas são encontradas em jornais com bastante frequência atualmente. Essas situações de aumentos e outras como financiamentos

Leia mais

Entrevista com Edgard Porto (Transcrição) (Tempo Total 26:33)

Entrevista com Edgard Porto (Transcrição) (Tempo Total 26:33) Entrevista com Edgard Porto (Transcrição) (Tempo Total 26:33) Edgard: A idéia [desta entrevista] é a gente comentar dez características da globalização e seus reflexos em Salvador. Meu nome é Edgard Porto,

Leia mais

Comentários sobre questões passíveis de recurso da prova de Contabilidade Concurso: Auditor-Fiscal do Município de São Paulo ISS 2007

Comentários sobre questões passíveis de recurso da prova de Contabilidade Concurso: Auditor-Fiscal do Município de São Paulo ISS 2007 1 INTRODUÇÃO...1 2 QUESTÃO 06 PARTICIPAÇÕES SOCIETÁRIAS EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL RESULTADOS NÃO REALIZADOS CABE RECURSO....2 3 QUESTÃO 07 PARTICIPAÇÕES SOCIETÁRIAS, RECEBIMENTO DE DIVIDENDOS DE INVESTIMENTOS

Leia mais

Sua Excelência, Doutor Abrahão Gourgel, Ministro da Economia,

Sua Excelência, Doutor Abrahão Gourgel, Ministro da Economia, ANGOLA NO CONTEXTO DA INTEGRAÇAO ECONÓMICA REGIONAL 29 de Setembro, 2015 Intervenção do Doutor Paolo Balladelli, Representante Residente do PNUD em Angola Sua Excelência, Doutor Abrahão Gourgel, Ministro

Leia mais

InfoReggae - Edição 33 Panorama das ONGs no Brasil 25 de abril de 2014. Coordenador Executivo José Júnior. Coordenador Editorial Marcelo Reis Garcia

InfoReggae - Edição 33 Panorama das ONGs no Brasil 25 de abril de 2014. Coordenador Executivo José Júnior. Coordenador Editorial Marcelo Reis Garcia O Grupo Cultural AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura e da arte, desperta potencialidades artísticas que elevam a autoestima de jovens das camadas populares.

Leia mais

Seção 2/D Cadeia de Fornecimento

Seção 2/D Cadeia de Fornecimento Seção 2/D Cadeia de Fornecimento www.bettercotton.org Orientação Esta seção descreve como a BCI criará um fardo 100% Better Cotton e conectará a oferta de Better Cotton com sua demanda, estabelecendo um

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Veículo: Valor Econômico Data: 11/05/2015 Seção: Finanças Pág.: 01 Assunto: Retorno imobiliário

Veículo: Valor Econômico Data: 11/05/2015 Seção: Finanças Pág.: 01 Assunto: Retorno imobiliário Veículo: Valor Econômico Data: 11/05/2015 Seção: Finanças Pág.: 01 Assunto: Retorno imobiliário Veículo: Valor Econômico Data: 11/05/2015 Seção: Finanças Pág.: http://zip.net/bfrdry Assunto: Retorno imobiliário

Leia mais

Pelo segundo mês consecutivo cai o endividamento e a inadimplência em Santa Catarina. Síntese dos resultados Meses Situação da família

Pelo segundo mês consecutivo cai o endividamento e a inadimplência em Santa Catarina. Síntese dos resultados Meses Situação da família Núcleo de Pesquisas Pelo segundo mês consecutivo cai o endividamento e a inadimplência em Santa Catarina Os dados levantados pela Pesquisa de Endividamento e Inadimplência dos Consumidores (PEIC) de Santa

Leia mais

e) 50.000.000,00. a) 66.000.000,00. c) 0,00 (zero).

e) 50.000.000,00. a) 66.000.000,00. c) 0,00 (zero). 1. (SEFAZ-PI-2015) Uma empresa, sociedade de capital aberto, apurou lucro líquido de R$ 80.000.000,00 referente ao ano de 2013 e a seguinte distribuição foi realizada no final daquele ano: valor correspondente

Leia mais

Ponto pra Você. Programa de relacionamento do Banco do Brasil para clientes pessoas físicas

Ponto pra Você. Programa de relacionamento do Banco do Brasil para clientes pessoas físicas Ponto pra Você Programa de relacionamento do Banco do Brasil para clientes pessoas físicas Fevereiro/2014 Sumário O que é o programa Ponto pra Você?... 3 Quem participa do programa?... 3 Pontos: quais

Leia mais

RELATÓRIO. Ardislogis Armazém, Distribuição e Logística, Lda. Artigo 155º. Tribunal do Comércio de Lisboa 1º Juízo Procº 429/11.

RELATÓRIO. Ardislogis Armazém, Distribuição e Logística, Lda. Artigo 155º. Tribunal do Comércio de Lisboa 1º Juízo Procº 429/11. Ardislogis Armazém, Distribuição e Logística, Lda. Tribunal do Comércio de Lisboa 1º Juízo Procº 429/11.9TYLSB RELATÓRIO Artigo 155º Junho 11 Índice 1. Introdução; 2. Análise do documento referido na alínea

Leia mais

setembro de 2014 Fundação Perseu Abramo - Partido dos Trabalhadores MUDANÇA REGIONAL E DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL

setembro de 2014 Fundação Perseu Abramo - Partido dos Trabalhadores MUDANÇA REGIONAL E DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL 15 setembro de 2014 Fundação Perseu Abramo - Partido dos Trabalhadores MUDANÇA REGIONAL E DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL Expediente Esta é uma publicação da Fundação Perseu Abramo. Diretoria Executiva

Leia mais

FUNDOS IMOBILIARIOS O GUIA DEFINITIVO

FUNDOS IMOBILIARIOS O GUIA DEFINITIVO 1 FUNDOS IMOBILIARIOS O GUIA DEFINITIVO Autor: Jonatam César Gebing Abril de 2015 2 FUNDOS IMOBILIÁRIOS: O GUIA DEFINITIVO MODULO 02 FUNDOS IMOBILIÁRIOS: PORQUE INVESTIR Fundos Imobiliários, o Guia Definitivo.

Leia mais

O comércio de escravos para a capitania de Santa Catarina (1815-1826): Notas preliminares

O comércio de escravos para a capitania de Santa Catarina (1815-1826): Notas preliminares Vitor Hugo Bastos Cardoso: O comércio de escravos... 43 O comércio de escravos para a capitania de Santa Catarina (1815-1826): Notas preliminares Vitor Hugo Bastos Cardoso vitorhgcardoso@yahoo.com.br Universidade

Leia mais

Regulamento da Promoção "Punta Cana All Inclusive" - Consórcio Iveco

Regulamento da Promoção Punta Cana All Inclusive - Consórcio Iveco Regulamento da Promoção "Punta Cana All Inclusive" - Consórcio Iveco A Promoção Punta Cana All Inclusive é uma ação realizada pelo Consórcio Iveco para os clientes que adquirirem, em todo território nacional,

Leia mais

NEGROS EM SOBRAL NO SÉCULO XIX (1880-1884): UM ESTUDO SOB A ÓTICA DA HISTÓRIA E DO DIREITO

NEGROS EM SOBRAL NO SÉCULO XIX (1880-1884): UM ESTUDO SOB A ÓTICA DA HISTÓRIA E DO DIREITO NEGROS EM SOBRAL NO SÉCULO XIX (1880-1884): UM ESTUDO SOB A ÓTICA DA HISTÓRIA E DO DIREITO Sabrina Nascimento de Carvalho, Universidade Estadual Vale do Acaraú - UVA, sabrinaerarisson@hotmail.com Rárisson

Leia mais

2o Prêmio Jovem Jornalista Fernando Pacheco Jordão

2o Prêmio Jovem Jornalista Fernando Pacheco Jordão 2o Prêmio Jovem Jornalista Fernando Pacheco Jordão Projeto de Pauta Como os moradores de favelas paulistanas que tiveram suas moradias incendiadas no ano de 2010 estão sendo atendidos pelo poder público

Leia mais

MINERAÇÃO E REVOLTAS NO BRASIL COLONIAL

MINERAÇÃO E REVOLTAS NO BRASIL COLONIAL MINERAÇÃO E REVOLTAS NO BRASIL COLONIAL Portugal: crises e dependências -Portugal: acordos comerciais com a Inglaterra; -Exportação de produtos brasileiros; -Tratado de Methuen: redução fiscal para os

Leia mais

Instituto Tecnológico de Aeronáutica Engenharia de Infra-Estrutura Aeronáutica. Relatório de Estágio Curricular. Sérgio Henrique Cunha de Albuquerque

Instituto Tecnológico de Aeronáutica Engenharia de Infra-Estrutura Aeronáutica. Relatório de Estágio Curricular. Sérgio Henrique Cunha de Albuquerque Instituto Tecnológico de Aeronáutica Engenharia de Infra-Estrutura Aeronáutica Relatório de Estágio Curricular Sérgio Henrique Cunha de Albuquerque São José dos Campos Novembro/2005 Relatório de estágio

Leia mais

4 Metodologia. 4.1. Base de dados

4 Metodologia. 4.1. Base de dados 4 Metodologia O objetivo deste capítulo é explicar os procedimentos adotados para a coleta e tratamento dos dados. Utilizou-se a metodologia apresentada por PEREIRO, L.E. (2001) para a determinação do

Leia mais

PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009. Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros

PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009. Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros 1 of 5 11/26/2010 2:57 PM Comunicação Social 26 de novembro de 2010 PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009 Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros O número de domicílios

Leia mais

TAXA DE RENDA. Instituto de Engenharia. 1º Seminário Nacional sobre Determinação de Valores de Locação set/2012

TAXA DE RENDA. Instituto de Engenharia. 1º Seminário Nacional sobre Determinação de Valores de Locação set/2012 1 TAXA DE RENDA Instituto de Engenharia 1º Seminário Nacional sobre Determinação de Valores de Locação set/2012 No Método da Renda, calcula-se primeiro o valor do imóvel (o Capital Imóvel) e depois, para

Leia mais

Private Equity ADVISORY

Private Equity ADVISORY Private Equity ADVISORY Private Equity Excelentes profissionais que trabalham em equipe, transformando conhecimento em valor, em benefício de nossos clientes. Private Equity 1 Qualidade e integridade são

Leia mais

O Financiamento das Micro e Pequenas Empresas (MPEs) no Brasil. Julho de 2009

O Financiamento das Micro e Pequenas Empresas (MPEs) no Brasil. Julho de 2009 O Financiamento das Micro e Pequenas Empresas (MPEs) no Brasil Julho de 2009 Introdução Objetivos: - Avaliar as principais características do universo das micro e pequenas empresas (MPEs) brasileiras quanto

Leia mais

Balanço do Crédito do Comércio Varejista

Balanço do Crédito do Comércio Varejista Receitas de Vendas A vista (cartão de débito, dinheiro e cheque) Vendas a Prazo (cartão de crédito, cheque pré-datado, etc.) Total Formas de vendas a prazo que a empresa aceita Cheque Cartão de Crédito

Leia mais

VEÍCULO: BLOG FALANDO DE VAREJO CADERNO: NOTÍCIAS DATA: 27.01.2011

VEÍCULO: BLOG FALANDO DE VAREJO CADERNO: NOTÍCIAS DATA: 27.01.2011 VEÍCULO: BLOG FALANDO DE VAREJO CADERNO: NOTÍCIAS VEÍCULO: JORNAL A TARDE A Tarde - BA 27/01/2011-07:22 Compras online vão pesar mais no bolso A partir de terça-feira, dia 1º, o governo do Estado irá cobrar

Leia mais

EUROPA BRASIL SÉCULO XIX AMÉRICA O BRASIL NO FINAL DO SÉCULO XVIII SÉCULO XVIII FINAL DA IDADE MODERNA

EUROPA BRASIL SÉCULO XIX AMÉRICA O BRASIL NO FINAL DO SÉCULO XVIII SÉCULO XVIII FINAL DA IDADE MODERNA O BRASIL NO FINAL DO SÉCULO XVIII SÉCULO XVIII FINAL DA IDADE MODERNA EUROPA Expansão dos Ideais Iluministas Revolução Francesa Fim do Antigo regime Ascensão da Burguesia ao poder Revolução Industrial

Leia mais

Por que as universidades privadas brasileiras são, na média, de qualidade questionável?

Por que as universidades privadas brasileiras são, na média, de qualidade questionável? Por que as universidades privadas brasileiras são, na média, de qualidade questionável? Dezembro de 2009 Por Vítor Wilher Essa é uma pergunta que parece atordoar todos aqueles minimamente preocupados com

Leia mais

1. Investimento concreto

1. Investimento concreto 1. Investimento concreto 18/09/2008 Exame Revista Setor 137, 138 e 140 Página 1 Página 2 Página 3 Página 4 Comprar imóveis para alugar foi um dos piores negócios nas últimas décadas. Agora até estrangeiros

Leia mais

Relatório sobre a Indústria de Cartões de Pagamento

Relatório sobre a Indústria de Cartões de Pagamento Relatório sobre a Indústria de Cartões de Pagamento Audiência Pública CAE junho de 2009 Agenda 2 Introdução Relatório Metodologia e Fonte de Dados Aspectos Abordados Introdução 3 Projeto de Modernização

Leia mais

O seu negócio, ao alcance da sua mão! Elaborado por TT Marketing

O seu negócio, ao alcance da sua mão! Elaborado por TT Marketing O seu negócio, ao alcance da sua mão! Um site que oferece espaço para outras empresas anunciarem seus produtos e serviços em todo território nacional, este é o Meu Guia.com. Nosso objetivo é estar sempre

Leia mais

IBGE revela pela 1ª vez a situação do esporte promovido pelos municípios

IBGE revela pela 1ª vez a situação do esporte promovido pelos municípios IBGE revela pela 1ª vez a situação do esporte promovido pelos municípios O Suplemento de Esporte da Pesquisa de Informações Básicas Municipais do IBGE (Munic) mostra que, apesar de 93,6% das cidades brasileiras

Leia mais

POR QUE AS SUBVENÇÕES SOCIAIS NÃO SÃO ALCANÇADAS PELO MROSC

POR QUE AS SUBVENÇÕES SOCIAIS NÃO SÃO ALCANÇADAS PELO MROSC artigo POR QUE AS SUBVENÇÕES SOCIAIS NÃO SÃO ALCANÇADAS PELO MROSC Mariana Moreira * Kleyton Rogério Machado Araújo ** A Lei federal 13.019/2014, ou Marco Regulatório das Organizações Sociais (MROSC),

Leia mais

Relatório de Pesquisa 2012. Perfil Sócio econômico do Turista de Eventos Apoiados / Captados pelo RCVB

Relatório de Pesquisa 2012. Perfil Sócio econômico do Turista de Eventos Apoiados / Captados pelo RCVB Relatório de Pesquisa 2012 Perfil Sócio econômico do Turista de Eventos Apoiados / Captados pelo RCVB PERFIL DO TURISTA GÊNERO E FAIXA ETÁRIA Gênero Neste ano, ao contrário do registrado no ano Mulher

Leia mais

www.pwc.com Reunião Técnica: Norma contábil - IFRS 15: Receitas de contratos com clientes e as mudanças no reconhecimento de receita.

www.pwc.com Reunião Técnica: Norma contábil - IFRS 15: Receitas de contratos com clientes e as mudanças no reconhecimento de receita. www.pwc.com Reunião Técnica: Norma contábil - IFRS 15: Receitas de contratos com clientes e as mudanças no reconhecimento de receita. Outubro 2014 IFRS 15 Objetivo do Projeto Principal Objetivo Padronizar

Leia mais

* Trabalho Apresentado no XV Encontro Nacional de Estudos populacionais, ABEP, realizado em Caxambu MG Brasil, de 18 a 22 de setembro de 2006.

* Trabalho Apresentado no XV Encontro Nacional de Estudos populacionais, ABEP, realizado em Caxambu MG Brasil, de 18 a 22 de setembro de 2006. DEMOGRAFIA E EDUCAÇÃO NO BRASIL: AS DESIGUALDADES REGIONAIS* FERNANDA R. BECKER UERJ Resumo: A População brasileira está se transformando, passando por mudanças significativas nas últimas décadas. Estas

Leia mais

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Prof. Adriano Alves Fernandes DCAB - Departamento de Ciências Agrárias e Biológicas CEUNES - Universidade Federal do Espírito Santo 1- Introdução Uma grande

Leia mais

Assim, devem ser informados ao COAF qualquer transação pelas pessoas jurídicas já mencionadas e outros, nas seguintes condições:

Assim, devem ser informados ao COAF qualquer transação pelas pessoas jurídicas já mencionadas e outros, nas seguintes condições: PARECER JURÍDICO DIMOB/COAF A Receita Federal através da Instrução Normativa SRF nº 576, de 1º de setembro de 2005, instituiu a Declaração de Informações sobre Atividades Imobiliárias (Dimob) de obrigação

Leia mais

Rafael da Cunha Scheffer Doutorando em História na UNICAMP, bolsista FAPESP

Rafael da Cunha Scheffer Doutorando em História na UNICAMP, bolsista FAPESP Escravos do Sul vendidos em Campinas: cativos, negociantes e o comércio interno de escravos entre as províncias do Sul do Brasil e um município paulista (década de 1870) Rafael da Cunha Scheffer Doutorando

Leia mais

ED 2180/14. 15 maio 2014 Original: espanhol. Pesquisa sobre os custos de transação dos produtores de café

ED 2180/14. 15 maio 2014 Original: espanhol. Pesquisa sobre os custos de transação dos produtores de café ED 2180/14 15 maio 2014 Original: espanhol P Pesquisa sobre os custos de transação dos produtores de café 1. O Diretor Executivo apresenta seus cumprimentos e, em nome da Colômbia, encaminha aos Membros

Leia mais

Análise das Demonstrações Financeiras

Análise das Demonstrações Financeiras UNIPAC UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS, LETRAS E SAÚDE DE UBERLÂNDIA. Rua: Barão de Camargo, nº. 695 Centro Uberlândia/MG. Telefax: (34) 3223-2100 Análise das Demonstrações

Leia mais

Famílias endividadas e com contas em atraso (%)

Famílias endividadas e com contas em atraso (%) Núcleo de Pesquisas Pesquisa de Endividamento e Inadimplência dos Consumidores de Chapecó A Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor é um importante indicador da saúde financeira das famílias,

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL E DIREITOS FUNDAMENTAIS

DIREITO CONSTITUCIONAL E DIREITOS FUNDAMENTAIS I CURSO DE VERÃO IGC/IDDE DIREITO CONSTITUCIONAL E DIREITOS FUNDAMENTAIS Local: Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra/Portugal Data: 13 a 17 de julho de 2015 Realização: IGC Ius Gentium Conimbrigae/Centro

Leia mais

TRANSFORMANDO OPORTUNIDADES EM RESULTADOS:

TRANSFORMANDO OPORTUNIDADES EM RESULTADOS: TRANSFORMANDO OPORTUNIDADES EM RESULTADOS: O Médio Vale do Itajaí é uma das regiões mais desenvolvidas de SC. Um fator primordial para esse potencial econômico é a sua tradição industrial, que faz com

Leia mais

Relatório sobre a Indústria de Cartões de Pagamento. CARDS 28 de abril de 2009

Relatório sobre a Indústria de Cartões de Pagamento. CARDS 28 de abril de 2009 Relatório sobre a Indústria de Cartões de Pagamento CARDS 28 de abril de 2009 Agenda 2 Introdução Relatório Metodologia e Fonte de Dados Aspectos Abordados Introdução 3 Projeto de Modernização dos Instrumentos

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro Educação a Distância Os mesmos professores. A mesma aula. O mesmo diploma. A única diferença é a sala de aula que fica em suas

Leia mais

AS RELAÇÕES ENTRE O TEATRO E O PODER NAS MINAS OITOCENTISTAS.

AS RELAÇÕES ENTRE O TEATRO E O PODER NAS MINAS OITOCENTISTAS. AS RELAÇÕES ENTRE O TEATRO E O PODER NAS MINAS OITOCENTISTAS. Luciano Borges Muniz 1 Flávio Marcus da Silva 2 Resumo Este artigo é parte dos resultados obtidos por pesquisas desenvolvidas a cerca das relações

Leia mais

A ATIVIDADE DE RECICLAGEM DE PAPEL NO BRASIL

A ATIVIDADE DE RECICLAGEM DE PAPEL NO BRASIL Associação Nacional dos Fabricantes de Papel e Celulose BNDES - Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social A Questão Florestal e o Desenvolvimento A ATIVIDADE DE RECICLAGEM DE PAPEL NO BRASIL

Leia mais

A POLÍTICA INDIGENISTA NO CONSELHO DE PRESIDÊNCIA DA PROVÍNCIA DE SÃO PAULO (1822-1831)

A POLÍTICA INDIGENISTA NO CONSELHO DE PRESIDÊNCIA DA PROVÍNCIA DE SÃO PAULO (1822-1831) A POLÍTICA INDIGENISTA NO CONSELHO DE PRESIDÊNCIA DA PROVÍNCIA DE SÃO PAULO (1822-1831) Larissa Biato de AZEVEDO No período do Primeiro Império brasileiro (1822-1831), entre os assuntos relacionados à

Leia mais

Especial Prova ABC. Olho nas Metas 2012Resultados e. análise dos itens da Prova ABC 2012

Especial Prova ABC. Olho nas Metas 2012Resultados e. análise dos itens da Prova ABC 2012 De Especial Prova ABC 2012 Olho nas Metas 2012Resultados e análise dos itens da Prova ABC 2012 De Especial Prova ABC 2012 Olho nas Metas Resultados e análise dos itens da Prova ABC 2012 Sumário Prova ABC

Leia mais

BM&FBOVESPA A Bolsa é pra você!

BM&FBOVESPA A Bolsa é pra você! BM&FBOVESPA A Bolsa é pra você! Como Investir na Bolsa Nesta seção você descobrirá como investir na Bolsa. Os tópicos desta seção trazem, de maneira direta e sucinta, cada etapa pela qual você passará

Leia mais

REF.: RELATÓRIO TRIMESTRAL DO MARTINS FIDC (CNPJ: 07.162.400/0001-42) - PERÍODO ENCERRADO EM 30/06/2014.

REF.: RELATÓRIO TRIMESTRAL DO MARTINS FIDC (CNPJ: 07.162.400/0001-42) - PERÍODO ENCERRADO EM 30/06/2014. São Paulo, 15 de agosto de 2014. À Comissão de es Mobiliários ( CVM ) Gerência de Acompanhamento de Fundos Estruturados - GIE Rua Sete de Setembro, 111 30º andar. 20159-900 - Rio de Janeiro - RJ REF.:

Leia mais

CRÉDITO IMOBILIÁRIO HSBC Novembro 2010. 2010 Brasil Brokers Todos os Direitos Reservados

CRÉDITO IMOBILIÁRIO HSBC Novembro 2010. 2010 Brasil Brokers Todos os Direitos Reservados CRÉDITO IMOBILIÁRIO HSBC Novembro 2010 2010 Brasil Brokers Todos os Direitos Reservados Crédito Imobiliário O Crédito Imobiliário é uma modalidade de financiamento que viabiliza a compra de um imóvel usado

Leia mais

Nos últimos anos o mercado brasileiro de imóveis vivenciou um crescimento inacreditável, o lançamento de novas unidades mais a valorização de imóveis

Nos últimos anos o mercado brasileiro de imóveis vivenciou um crescimento inacreditável, o lançamento de novas unidades mais a valorização de imóveis Nos últimos anos o mercado brasileiro de imóveis vivenciou um crescimento inacreditável, o lançamento de novas unidades mais a valorização de imóveis usados, além do crescimento de renda da população e

Leia mais

Palavras-chave: Toponímia, linguística, memória, imigração italiana, Belo Horizonte.

Palavras-chave: Toponímia, linguística, memória, imigração italiana, Belo Horizonte. MARCAS DA ITÁLIA NA TOPONÍMIA DE BELO HORIZONTE Resumo Zuleide Ferreira Filgueiras 1 Esta comunicação tem como objetivo apresentar os principais resultados da dissertação de mestrado A presença italiana

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini agosto 2015

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini agosto 2015 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini agosto 2015 GESTÃO DO ESTOQUE DE UNIDADES PRONTAS Eco, MBA R.E., Mestre em Eng. Civil, Alfredo Eduardo Abibi Filho Dir. Inc. Jal Empreendimentos

Leia mais

Foto. Perfil Sócio-Econômico dos Alunos da Creche Irmã Anísia Rocha da Cidade de Sobral CE no ano de 2005 FOTO

Foto. Perfil Sócio-Econômico dos Alunos da Creche Irmã Anísia Rocha da Cidade de Sobral CE no ano de 2005 FOTO Comunicado Técnico Novembro, 84 ISSN 1676-7675 Sobral, CE 2007 FOTO Foto Perfil Sócio-Econômico dos Alunos da Creche Irmã Anísia Rocha da Cidade de Sobral CE no ano de 2005 Espedito Cezário Martins 1 Marco

Leia mais

SAP Customer Success Story Turismo Hotel Urbano. Hotel Urbano automatiza controle financeiro e internaliza contabilidade com SAP Business One

SAP Customer Success Story Turismo Hotel Urbano. Hotel Urbano automatiza controle financeiro e internaliza contabilidade com SAP Business One Hotel Urbano automatiza controle financeiro e internaliza contabilidade com SAP Business One Geral Executiva Nome da Hotel Urbano Indústria Turismo Produtos e Serviços Comercialização online de pacotes

Leia mais

3 A forma de funcionamento do mercado cambial

3 A forma de funcionamento do mercado cambial 27 3 A forma de funcionamento do mercado cambial Neste Capítulo, apresentar-se-á a forma de funcionamento do mercado cambial, algumas das suas principais instituições, seus participantes e algumas especificidades

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE PREVENÇÃO À LAVAGEM DE DINHEIRO E AO FINANCIAMENTO DO TERRORISMO IDENTIFICAÇÃO, CLASSIFICAÇÃO E CADASTRO DE CLIENTES

PROCEDIMENTOS DE PREVENÇÃO À LAVAGEM DE DINHEIRO E AO FINANCIAMENTO DO TERRORISMO IDENTIFICAÇÃO, CLASSIFICAÇÃO E CADASTRO DE CLIENTES SUMÁRIO ITEM INDICE FOLHAS 1 Diretriz 2 2 Objetivo 2 3 Referencias 2 4 Funções Envolvidas 2 5 Procedimentos 2 6 Formulários Aplicáveis 6 7 Avaliação da Eficácia 7 REGISTRO DAS ALTERAÇÕES REVISÃO DATA ALTERAÇÃO

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE SERVIÇOS TERCEIRIZADOS PELA INDÚSTRIA TOCANTINENSE

UTILIZAÇÃO DE SERVIÇOS TERCEIRIZADOS PELA INDÚSTRIA TOCANTINENSE Edição Especial Terceirização ondagem O termômetro da indústria tocantinense Palmas, Tocantins junho de 2014 UTILIZAÇÃO DE SERVIÇOS TERCEIRIZADOS PELA INDÚSTRIA TOCANTINENSE 72% das empresas industriais

Leia mais

INVESTIMENTOS NA INDÚSTRIA

INVESTIMENTOS NA INDÚSTRIA INVESTIMENTOS NA INDÚSTRIA Informativo da Confederação Nacional da Indústria Ano 5 Número 01 janeiro de 2014 www.cni.org.br Intenção de investimentos para 2014 é a menor desde 2010 Investimentos em 2013

Leia mais

Matemática Financeira II

Matemática Financeira II Módulo 3 Unidade 8 Matemática Financeira II Para início de conversa... Passagens de ônibus ficam mais caras este mês Vitor Ferri (vferri@redegazeta.com.br)_ Redação Multimídia A Agência Nacional de Saúde

Leia mais

MÓDULO VI. Mas que tal estudar o módulo VI contemplando uma vista dessas...

MÓDULO VI. Mas que tal estudar o módulo VI contemplando uma vista dessas... 1 MÓDULO VI Como podemos observar, já estamos no MÓDULO VI que traz temas sobre matemática financeira (porcentagem, juros simples e montante), bem como, alguma noção sobre juros compostos e inflação. Mas

Leia mais

JUROS SIMPLES - EXERCÍCIOS PARA TREINAMENTO - LISTA 02

JUROS SIMPLES - EXERCÍCIOS PARA TREINAMENTO - LISTA 02 JUROS SIMPLES - EXERCÍCIOS PARA TREINAMENTO - LISTA 0 01. Calcular a taxa mensal proporcional de juros de: a) 14,4% ao ano; b) 6,8% ao quadrimestre; c) 11,4% ao semestre; d) 110,4% ao ano e) 54,7% ao biênio.

Leia mais

Abra. e conheça as oportunidades de fazer bons negócios...

Abra. e conheça as oportunidades de fazer bons negócios... Abra e conheça as oportunidades de fazer bons negócios... anos Chegou a hora de crescer! Conte com a Todescredi e faça bons negócios. Há 5 anos, iniciavam as operações daquela que se tornou a única financeira

Leia mais

Desse modo, esse adquirente

Desse modo, esse adquirente 1-(FCC - 2012 - Prefeitura de São Paulo - SP - Auditor Fiscal do Município) Uma pessoa adquiriu bem imóvel, localizado em área urbana de município paulista, sem exigir que o vendedor lhe exibisse ou entregasse

Leia mais

Preciso anunciar mais...

Preciso anunciar mais... Na maioria dos projetos que participamos, temos certeza de que quando o empreendedor inicia um trabalho de CRM, ele busca sempre é por uma vantagem competitiva: uma equipe de vendas mais eficiente, processos

Leia mais

CRESCIMENTO DO SETOR DA CONSTRUÇÃO CIVIL FAVORECE A EXPANSÃO DE POSTOS DE TRABALHO E DO RENDIMENTO

CRESCIMENTO DO SETOR DA CONSTRUÇÃO CIVIL FAVORECE A EXPANSÃO DE POSTOS DE TRABALHO E DO RENDIMENTO Nº 4 Outubro CRESCIMENTO DO SETOR DA CONSTRUÇÃO CIVIL FAVORECE A EXPANSÃO DE POSTOS DE TRABALHO E DO RENDIMENTO Em, a retomada do crescimento econômico em patamar superior ao verificado nos últimos anos

Leia mais

Investimentos em imóveis de forma moderna e inteligente.

Investimentos em imóveis de forma moderna e inteligente. Investimentos em imóveis de forma moderna e inteligente. A possibilidade de diversificar o investimento e se tornar sócio dos maiores empreendimentos imobiliários do Brasil. Este material tem o objetivo

Leia mais

Conselho Temático Permanente da Micro e Pequena Empresa O Simples Nacional e o ICMS

Conselho Temático Permanente da Micro e Pequena Empresa O Simples Nacional e o ICMS Conselho Temático Permanente da Micro e Pequena Empresa O Simples Nacional e o ICMS Unidade de Pesquisa, Avaliação e Desenvolvimento Unidade de Política Econômica O Simples Nacional e o ICMS* Adesão ao

Leia mais

A S S I P I. ICMS VENDAS INTERESTADUAIS NÃO CONTRIBUINTES Apresentação ASSIPI

A S S I P I. ICMS VENDAS INTERESTADUAIS NÃO CONTRIBUINTES Apresentação ASSIPI A S S I P I ICMS VENDAS INTERESTADUAIS NÃO CONTRIBUINTES Apresentação ASSIPI Os dados apresentados a seguir constam do texto da Emenda Substitutiva 5, aprovada no Senado Federal e publicada no Diário Oficial

Leia mais

Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL

Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL Data da Pesquisa: Junho 2009 Realização: Pesquisa realizada através do Site www.indicadoresdemanutencao.com.br Divulgação e Colaboração: Divulgação e colaboração

Leia mais