Estudo sem fronteiras PMEs levantam voo.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estudo sem fronteiras PMEs levantam voo. www.estudosemfronteiras.com"

Transcrição

1 Estudo sem fronteiras PMEs levantam voo

2 Índice Sumário Executivo Editorial Deloitte e AICEP Terminal 1 Principais dificuldades Grau de importância dos riscos Início do processo Razões que levaram à internacionalização Grau de conhecimento de incentivos disponíveis Terminal 2 Países considerados mais aliciantes Factores mais relevantes na selecção Propensão à internacionalização Relações comerciais existentes Terminal 3 Maiores vantagens da empresa Estratégias da internacionalização Acções de promoção em mercados internacionais Áreas a alterar num processo de internacionalização Operações num processo de internacionalização Terminal 4 Internacionalização via investimento directo Estruturas de financiamento Serviços mais relevantes na fase de preparação Disponibilização dos produtos/serviços Volume de negócios realizado no exterior Sobre os passageiros - Caracterização da amostra Sobre o aeroporto - Ficha técnica Tripulantes a bordo - Equipa técnica Contactos Estudo sem fronteiras 2

3 Estudo de internacionalização Sumário executivo A contracção económica que se registou no país nos últimos anos e o processo de ajustamento que inevitavelmente decorreu no mesmo introduziu um novo paradigma para muitas empresas portuguesas a internacionalização. A procura de novas oportunidades fora de portas assumiu-se como um desafio natural para contrariar a diminuição da procura interna e a redução drástica do investimento público e privado em Portugal. Deste modo, as empresas portuguesas traçaram novas rotas e partiram em busca de mercados com maior potencial de colocação dos seus bens e serviços, assegurando condições para um crescimento sustentado e uma redução do risco de continuidade das suas actividades. É neste novo contexto que entendemos dar continuidade ao Estudo sem fronteiras, agora na sua segunda edição e depois de se ter realizado em 2012 o primeiro estudo sobre o panorama de internacionalização das pequenas e médias empresas portuguesas, com o propósito de partilharmos os resultados obtidos. Nesta nova edição procurou-se destacar igualmente a evolução das características da internacionalização do tecido empresarial português face às conclusões expressas na primeira edição. Em termos de motivação para a internacionalização, as empresas continuam a identificar como decisiva a procura da melhoria de margens e de rentabilidade (57%), uma evidente saturação do mercado nacional (5) e a possibilidade de poderem explorar com sucesso nichos de mercado (47%). Quanto às dificuldades associadas ao processo de internacionalização, as conclusões encontram-se em linha com as obtidas na primeira edição do estudo, merecendo especial destaque o desconhecimento dos mercados internacionais (5), a existência de barreiras à entrada nos países de destino (5) e a mobilização de recursos financeiros (4). Um outro aspecto a assinalar prende-se com a queda no ranking da percepção de falta de apoio e de incentivos governamentais à internacionalização (29% versus 5 em 2012). Na fase de preparação para a internacionalização, foi possível constatar que continua a assumir-se como decisiva a existência de acesso a informação relevante sobre os mercados de destino (77%) e a possibilidade de organização e participação/ visitas a feiras e certames internacionais (57%). Ao nível do processo de selecção dos mercados, a dimensão destes últimos e o inerente número de consumidores potenciais continua a ser o factor determinante (94%). No seu conjunto, os países da União Europeia (8) e Angola (39%) são considerados os espaços geográficos mais aliciantes para as empresas que responderam ao presente estudo. Destaca-se igualmente a diminuição da relevância conferida ao Brasil, terceiro local de eleição (32% versus 46% em 2012). Do ponto de vista das principais estratégias de internacionalização, as empresas que participaram no estudo continuam a privilegiar a exportação para o cliente final (69%) e a exportação via agentes ou distribuidores (55%), em detrimento de investimentos directos no local de destino (1) e através de franchising (), opções que apresentam menor relevância. A promoção dos bens e serviços, no contexto dos mercados internacionais, assume também importância acrescida, sendo que as acções de promoção mais adoptadas correspondem ao contacto directo com os clientes no mercado de destino (7) e a utilização de redes sociais ou internet (67%). No que se refere ao modelo de financiamento para a operação de internacionalização, a grande maioria das empresas que participaram no estudo assumem a sua preferência pelo recurso a autofinanciamento (85%), situando-se a opção pelo financiamento bancário a grande distância (4). As empresas portuguesas traçaram novas rotas e partiram em busca de mercados com maior potencial de colocação dos seus bens e serviços, assegurando condições para um crescimento sustentado e uma redução do risco de continuidade das suas actividades Actualmente, como no passado, o processo de internacionalização das empresas portuguesas é crucial para o incremento da dimensão e a abertura de novas perspectivas de prossecução sustentada das actividades. A realidade com que as empresas nacionais se defrontaram nos últimos anos mostrou de forma indelével que as oportunidades não se esgotam internamente e o sucesso das organizações constrói-se também a partir da capacidade de evoluir perante as adversidades. Estudo sem fronteiras 3

4 Editorial No mundo cada vez mais global e competitivo com que as empresas portuguesas se defrontam, a internacionalização das actividades deixou de ser casual e assume-se com um factor primordial para dar sequência a uma estratégia de crescimento e sustentabilidade. É com base nesta premissa que a Deloitte e a AICEP voltaram a unir esforços para a realização da segunda edição do estudo que visa a identificação das principais características do processo de internacionalização das pequenas e médias empresas nacionais. Perceber as motivações essenciais para a internacionalização e destacar o modo como as empresas se preparam, seleccionam e actuam em novos mercados, contribuirá, por certo, para que muitos outros agentes económicos possam tornar mais efectivo e profícuo o seu processo de expansão além-fronteiras. Manifestamos, ainda, a todos os que participaram nesta segunda edição do Estudo sem Fronteiras, o nosso agradecimento pelo seu valioso contributo. Fazemos votos de que a presente publicação se revele útil e pertinente. Pedro Mendes Partner de Auditoria Deloitte Outro desafio relevante a que procurámos dar resposta prende-se com a análise comparativa das conclusões expressas na primeira edição do Estudo sem Fronteiras, realizada em A consolidação do conhecimento sobre o modo como as pequenas e médias empresas abordam o tema da internacionalização deixa-nos, por certo, mais habilitados para caracterizar melhor as estratégias de sucesso de entrada em novos mercados. Estudo sem fronteiras 4

5 Editorial A Aicep aceitou com agrado o convite que lhe foi formulado pela Deloitte para colaborar num novo inquérito às PME no seguimento do que já aconteceu no ano passado, quando foi realizada a primeira edição do Estudo sem fronteiras PME levantam voo. As conclusões deste novo inquérito realçam a importância da missão da Aicep no apoio às PME no seu processo de internacionalização, nomeadamente no trabalho de proximidade que desenvolvemos procurando proporcionar-lhes toda a informação estratégica de que necessitam no seu processo de expansão internacional, nomeadamente as melhores formas de abordagem de cada mercado, os aspetos legais e regulamentares, listas de potenciais clientes e de parceiros ou distribuidores. Uma das conclusões do estudo refere que a União Europeia continua a ser a área prioritária para os negócios das nossas empresas. Esta conclusão confirma os dados divulgados pelo INE, que revelam um aumento de 27% do número de PME portuguesas exportadoras nos últimos quatro anos, tendo passado de cerca de em 2009, para cerca de em A expansão internacional das nossas empresas faz-se essencialmente por proximidade geográfica ou por proximidade cultural e linguística. Daí que, no período de 4 anos acima indicado, o número de novas empresas que começaram a exportar para Espanha tenha crescido 85%, para França cerca de 92%, para a Alemanha cerca de 97% e para o Reino Unido cerca de 102%. É interessante verificar que outra conclusão do estudo refere que 69% das empresas inquiridas procuram negociar diretamente com o cliente final dos seus bens ou serviços, dispensando assim os agentes intermediários e tentando criar uma relação de confiança com os seus clientes que possa criar as condições para fazer crescer os seus negócios. As conclusões deste novo inquérito voltam a coincidir com o diagnóstico da Aicep, nomeadamente que as PME procuram expandir os seus negócios internacionais na procura de uma melhor rentabilidade, para integrar cadeias globais de fornecedores, para conseguir economias de escala e procurar alternativas a um mercado interno que se retraiu muito nos últimos 4 anos. Num ambiente de crescente concorrência a nível internacional, as dificuldades para que as empresas iniciem e consolidem o seu processo de internacionalização continuam a existir. Daí que seja fundamental um esforço concertado entre as empresas, as suas associações e a Aicep para que os negócios internacionais das nossas PME continuem a ter um contributo positivo para uma recuperação sustentável da economia portuguesa. Miguel Frasquilho Presidente AICEP Estudo sem fronteiras 5

6 Terminal 1 Estudo sem fronteiras 6

7 Quais as principais dificuldades/barreiras que associa a um processo de internacionalização? Principais dificuldades % % Desconhecimento dos mercados internacionais Barreiras à entrada no(s) país(es) de destino Mobilização de recursos financeiros 3 35% 32% 27% 29% 5 Desconhecimento do modo de negociação/ processo de decisão no(s) país(es) de destino Dificuldade de obtenção de recursos qualificados nos mercados de destino Falta de apoio/ incentivos governamentais à internacionalização 16% 22% Desconhecimento da língua do(s) país(es) de destino e /ou outras barreiras culturais 14% 2 25% 19% 18% Ausência de acordos para evitar a dupla tributação ou de promoção e protecção recíproca de investimentos Falta de apoio e /ou compromisso da equipa de gestão para o programa de internacionalização Inexistência de recursos internos para endereçar estes temas (%) (...) Estudo sem fronteiras 7

8 Principais dificuldades De acordo com o estudo realizado podemos constatar que as principais dificuldades associadas ao processo de internacionalização, em 2014, são globalmente consistentes com as que se verificaram em As principais dificuldades derivam não só de algum desconhecimento e de barreiras ao acesso a países com culturas comerciais diferentes, mas também com capacidade de obtenção de recursos financeiros e recursos humanos qualificados. Cerca de 5 das empresas que responderam ao inquérito consideram o desconhecimento dos mercados e as barreiras existentes à entrada nos países de destino como factores que dificultam o processo de internacionalização. A falta de recursos financeiros é fortemente reconhecida como um factor condicionador do investimento no exterior (4). Face ao estudo realizado em 2012 verifica-se, em 2014, uma clara evolução positiva no nível do conhecimento que as empresas afirmam possuir relativamente aos apoios / incentivos governamentais à internacionalização. Outros factores como o desconhecimento do modo de negociação ou processo de decisão nos países de destino, dificuldade de obtenção de recursos qualificados no mercado de destino, a língua utilizada no país de destino ou de âmbito fiscal poderão conduzir a algum desincentivo à internacionalização. As dificuldades referidas derivam não só de algum desconhecimento e de barreiras ao acesso a países com culturas comerciais diferentes, mas também estão relacionadas com capacidade de obtenção de recursos financeiros e recursos humanos qualificados Estudo sem fronteiras 8

9 Classifique o grau de importância de cada um dos seguintes riscos associados à internacionalização de uma empresa Grau de importância dos riscos ordenado pela média (%) T2B Média Riscos % 7,25 Risco de crédito (prazos de recebimento) % 6,70 Risco de dependência dos agentes/parceiros locais % 3,61 Falta de conhecimento do enquadramento legal e fiscal % 6,08 Risco cambial ,01 Risco na expatriação de capital investido no(s) país(es) de destino % 5,61 Perda de controlo sobre activos próprios % 5,55 Danos na imagem / reputacionais ,17 Incapacidade de adaptação à cultura local Ns/Nr 0 - Nada importante Muito importante (%) Estudo sem fronteiras 9

10 Grau de importância dos riscos Atendendo às dificuldades encontradas no processo de internacionalização, existe um conjunto de riscos que deverão ser tidos em conta antes de uma empresa iniciar o seu processo de internacionalização. As empresas que aceitaram responderam ao inquérito consideram que os factores de risco mais significativos são a exposição elevada ao risco de incobrabilidade, a dependência de parceiros locais, a falta de conhecimento do enquadramento legal e fiscal e o risco cambial. Os riscos de maior relevância associados ao processo de internacionalização são o risco de crédito, de dependência de parceiros locais e falta de conhecimento de questões legais e fiscais Comparativamente aos resultados do estudo de 2012, as empresas que participaram no estudo de 2014 revelam menor adversidade ao risco na expatriação de capital investido (2 face a 27% no estudo de 2012). Estudo sem fronteiras 10

11 Quando iniciou/vai iniciar o seu processo de internacionalização? Início do processo (%) Iniciou há mais de 5 anos Iniciou entre 1 e 5 anos Iniciou há menos de 1 ano % 42% 35% 35% Já iniciaram 9 [87%] No próximo ano Nos próximos 2 a 5 anos 5% 6% 2% Vão iniciar 6% [8%] Não estou a considerar 4% (%) [ Valores primeira edição ] Estudo sem fronteiras 11

12 Início do processo O estudo revela que 9 das empresas que responderam ao inquérito, já iniciaram o seu processo de internacionalização (87% no inquérito realizado em 2012). O estudo conclui ainda que, para 44% das empresas que participaram no inquérito, o seu processo de internacionalização iniciou-se há mais de 5 anos. Em 35% dos casos, o processo de internacionalização teve o seu início entre 1 a 5 anos e, para apenas 1 das empresas, esse processo teve início há menos de 1 ano. O estudo revela que 9 das empresas que responderam ao inquérito já iniciaram o seu processo de internacionalização Importa referir que somente 6 em cada 100 empresas ainda não iniciaram o seu processo de internacionalização, mas pretendem iniciá-lo, nos próximos 12 meses. Registe-se que, das empresas que participaram no inquérito, apenas 3 em cada 100 não tem expectativa de se internacionalizarem no curto ou médio prazo. Estudo sem fronteiras 12

13 Quais as razões que levaram ou poderão levar à internacionalização da sua empresa? Razões ordenadas pela totalidade Total Razões que levaram/poderão levar à internacionalização % 6 Melhorar margens e rentabilidade % Saturação do mercado nacional % 45% Explorar nichos de mercado % 3 Resposta a clientes globais % Diversificação de risco % Potenciar economias de escala % 14% Potenciar economias de experiência % Integração da cadeia de valor % 8% Aquisição de know-how 2 2 5% 4% Melhorar o acesso a fontes de financiamento 2 2% Eficiência fiscal A crise económica em Portugal Pelo prazer/desafio Já uma empresa internacional 1ª Razão 2ª Razão 3ª Razão (%) Estudo sem fronteiras 13

14 Razões que levaram/poderão levar à internacionalização Das empresas que responderam ao inquérito, aproximadamente 24% consideram que a principal razão que motiva as empresas a dar início ao processo de internacionalização é a saturação do mercado nacional, que condiciona fortemente o potencial de crescimento das empresas nacionais. A segunda razão apresentada por aproximadamente 19% das empresas que participaram no inquérito, encontra-se relacionada com a melhoria das suas margens e da rentabilidade das operações. O processo de internacionalizar encontra-se fortemente relacionado com a saturação do mercado nacional e a procura de melhores margens e rentabilidade De referir que factores como a procura de eficiência fiscal, a crise económica em Portugal ou o desafio em si de internacionalizar, não foram identificados como essenciais para despoletar o processo de internacionalização. A exploração de nichos de mercado, dar resposta a clientes globais, a diversificação de risco e a potenciação de economias de escala, surgem também como razões importantes para desencadear o processo de internacionalização. Estudo sem fronteiras 14

15 Grau de conhecimento de incentivos disponíveis Grau de conhecimento de incentivos disponíveis ordenado pela média (%) T2B Média Riscos ,55 Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME - Projectos individuais % 4,97 Sistemas de Incentivos à Inovação % 4,79 Sistema de Incentivos à Investigação & Desenvolvimento Tecnológico ,35 Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME Projectos conjuntos % 4,08 Capital de Risco % 3,58 Sistemas de Incentivos a Apoio a Acções Colectivas Ns/Nr 0 - Nunca ouvi falar Conheço muito bem (%) Estudo sem fronteiras 15

16 Grau de conhecimento dos incentivos No que se refere ao conhecimento dos incentivos governamentais à exportação o Sistema de Incentivos à Qualificação e internacionalização de PME - Projectos Individuais apresenta-se como o mais conhecido por parte das empresas que participaram neste estudo. Ao invés, os Sistemas de Incentivos a Apoio a Acções Colectivas apresentam-se como os menos conhecidos pelas empresas que responderam ao inquérito. O Sistema de Incentivos à Qualificação e internacionalização de PME - Projectos Individuais apresenta-se como o sistema de incentivos mais conhecido por parte das empresas Estudo sem fronteiras 16

17 Terminal 2 Estudo sem fronteiras 17

18 Países considerados mais aliciantes Países mais aliciantes Sector de Actividade Agroalimentar Indústria transformadora Comércio por grosso ou a retalho Tecnologia, media e telecom. Prestação de serviços 5 57% União Europeia (excepto Espanha) 69% 75% 5 58% 42% 39% 39% Angola 38% 24% 49% 47% 46% 32% 46% Brasil 38% 2 27% 5 45% 3 37% Outros PALOP 19% 17% 36% 42% 42% 22% 28% América do Norte 3 36% 3 17% 18% 24% 22% Magreb (Argélia, Marrocos e Tunísia) 16% 3 22% 14% 17% 24% 2 Espanha 1 34% 38% 8% 17% 19% 17% Médio Oriente 19% 19% 12% 14% 17% 17% 18% América do Sul (excepto Brasil) 15% 8% 25% 2 (...) % 12% Ásia (excepto China) China 28% 12% 7% % 7% 15% 8% 14% (32) (115) (74) (36) (65) Estudo sem fronteiras 18

19 Factores mais relevantes na selecção do destino Factores mais relevantes Sector de Actividade Agroalimentar Indústria transformadora Comércio por grosso ou a retalho Tecnologia, media e telecom. Prestação de serviços 94% Dimensão do mercado % 86% 92% 9 47% Aspectos culturais 72% 37% 5 36% 57% 49% 38% 4 Aspectos linguísticos 28% 29% 39% 44% 5 3 Proximidade geográfica 3 48% 39% 1 15% 27% 17% Legislação laboral, comercial e fiscal 16% 14% 2 22% 2 16% 16% Infra-estruturas locais 16% 14% 16% 3 12% 17% 1 Incentivos financeiros e fiscais ao investimento 16% 9% 14% 17% 8% 12% 12% Custos de outros factores de produção 6% 18% 8% 14% % Necessidade do meu produto no mercado 9% 12% 17% 14% 1 12% Custos de mão-de-obra 1 5% 14% 1 4% 6% Crescimento económico 4% Poder de compra 6% 2% 2% Outros 6% (32) (115) (74) (36) (65) Estudo sem fronteiras 19

20 Países mais aliciantes e Factores mais relevantes 57% e 5, respectivamente, das empresas que participaram no inquérito de 2014 e de 2012 consideram que os países da União Europeia (excepto Espanha) são o destino mais aliciante para se internacionalizar. Esta opinião é partilhada, essencialmente, pelas industrias transformadoras e agro-alimentar que, face à qualidade dos produtos portugueses, entendem que a proximidade geográfica e que o poder de compra destes mercados são factores de vantagem competitiva. As empresas que participaram no estudo consideram os países da União Europeia (excepto Espanha), Angola, Brasil e restantes PALOP como os mais aliciantes para se internacionalizarem Seguidamente, os mercados que são considerados como mais aliciantes são Angola (39%), Brasil (32%) e outros PALOP (3), fundamentalmente no sector de actividade das tecnologias, media e telecomunicações onde a dimensão do mercado se apresenta como o factor mais relevante no processo de selecção do mercado de destino. Os estudos de 2014 e 2012 revelam que, os países asiáticos são o destino menos aliciante para o processo de internacionalização. Estudo sem fronteiras 20

21 Propensão à internacionalização T2B Média 62% das empresas inquiridas consideram que o processo de internacionalização é um vector estratégico para o crescimento % 9,18 O processo de internacionalização é um vector estratégico para o crescimento % 7,69 A internacionalização é a solução possível dada a situação actual nacional % 7,44 O meu produto é global e o meu mercado- -alvo é o mundo inteiro. Ns/Nr 0 - Não concorda nada Concorda totalmente (%) Estudo sem fronteiras 21

22 Relações comerciais existentes Principais mercados externos Sector de Actividade Total Agroalimentar Indústria transformadora Comércio por grosso ou a retalho Tecnologia, media e telecom. Prestação de serviços União Europeia (excepto Espanha) 64% 7 77% 59% 55% 49% Espanha 36% 39% 46% 46% 2 2 Angola 36% 32% 27% 4 52% 4 Outros PALOP 19% % 29% 2 Brasil 18% 16% 8% 1 35% 28% América do Norte 14% 29% 18% 9% 1 1 Magreb (Argélia, Marrocos e Tunísia) 1 15% 9% 1 Médio Oriente 7% 4% 9% 1 8% Ásia (excepto China) 7% 16% 8% 5% América do Sul (excepto Brasil) 6% 9% 4% 8% Estudo sem fronteiras 22

23 Relações comerciais existentes Na perspectiva de segmentação por sector de actividade das empresas que já iniciaram o processo de internacionalização, verifica-se que as indústrias transformadora, agro-alimentar e comércio por grosso ou a retalho, apostam, claramente, em mercados de localização geográfica mais próxima, enquanto que nos restantes segmentos existe uma presença geograficamente mais homogénea. De referir, o particular envolvimento das empresas de tecnologia, media e telecomunicações no mercado da CPLP. As indústrias transformadora, agroalimentar e comércio por grosso ou a retalho apostam em mercados de localização geográfica mais próxima Estudo sem fronteiras 23

24 Terminal 3 Estudo sem fronteiras 24

25 Maiores vantagens da empresa Maiores vantagens Sector de Actividade Agroalimentar Indústria transformadora Comércio por grosso ou a retalho Tecnologia, media e telecom. Prestação de serviços 8 78% Qualidade, formação e flexibilidade dos recursos humanos 69% 77% 68% 89% 94% 7 Proposta de preço competitivo 78% 7 66% 75% 75% 74% 66% 66% Inovação/ Sofisticação tecnológica dos produtos/ processos 59% 7 47% 92% 7 32% Acesso ao mercado europeu 4 37% 45% 14% 25% 29% 22% Eficiência logística 34% 19% 28% 8% 15% 27% 12% Capacidade financeira 1 26% 8% 12% 14% 6% Incentivos financeiros e fiscais 6% 4% 12% 5% 4% Qualidade do produto 8% 6% 2% 2% Know-how 2% (...) 2014 (32) (115) (74) (36) (65) 2012 Estudo sem fronteiras 25

26 Maiores vantagens da empresa Em 2014, como em 2012, os factores críticos num processo de internacionalização, identificados pelas empresas que responderam ao inquérito, consistem fundamentalmente na qualidade, formação e flexibilidade dos recursos humanos, o factor preço, bem como a inovação e sofisticação tecnológica dos produtos e processos. Por sua vez, o sector que destaca a inovação e sofisticação tecnológica dos produtos e processos como vantagem competitiva fulcral é o sector de tecnologias, media e telecomunicações Consistentemente com o inquérito de 2012, a qualidade, formação e flexibilidade dos recursos humanos, a competitividade dos preços, a inovação e sofisticação tecnológica dos produtos e processos, são as maiores vantagens competitivas das empresas portuguesas no processo de internacionalização. A importância da qualificação dos recursos humanos é obviamente destacada nos sectores de actividade onde a especialização do factor trabalho é mais relevante, como seja o sector de tecnologias, media e telecomunicações, e principalmente o sector da prestação de serviços. Estudo sem fronteiras 26

27 Estratégias para internacionalização Estratégias pelas quais já optaram Estratégias pelas quais pensam vir a optar 69% 65% 28% 25% Exportação para o cliente final 55% 56% 35% 3 Exportação via agentes ou distribuidores 27% 34% 1 1 Importação 22% 28% 28% 3 Investimento directo actividade comercial 17% 24% 16% 18% Projecto chave-na-mão 14% 17% 2 19% Licenciamento de tecnologia ou marca 1 14% 2 17% Investimento directo actividade produtiva 2% 15% 1 Franchising 4% 8% 15% 17% Nenhuma destas Estudo sem fronteiras 27

28 Estratégias pelas quais já optaram Sector de Actividade Total Agroalimentar Indústria transformadora Comércio por grosso ou a retalho Tecnologia, media e telecom. Prestação de serviços Exportação para o cliente final 69% 5 82% 69% 56% 74% Exportação via agentes ou distribuidores 55% 78% 66% 64% 56% 26% Importação 34% 38% 46% 46% 14% 12% Investimento directo actividade comercial 28% 19% % 26% Licenciamento de tecnologia ou marca 24% 6% 2 7% 6 42% Projecto chave-na-mão 14% % 19% 6% Investimento directo actividade produtiva % 14% 1 Franchising Nenhuma destas 4% 4% 1 6% Base: Já iniciaram o processo de internacionalização (399) (32) (115) (74) (36) (65) Estudo sem fronteiras 28

29 Estratégias para internacionalização A exportação para o cliente final tem vindo a afirmar-se como a principal estratégia de internacionalização seguida pelas empresas que respondam ao inquérito, verificando-se um crescimento de 4 pontos percentuais face ao estudo de 2012 (esta conclusão verificase nomeadamente nos sectores da indústria transformadora e prestação de serviços). A principal estratégia de internacionalização adoptada pelas empresas portuguesas consiste em exportar directamente para o cliente final Por outro lado destaca-se, face ao estudo de 2012, a maior relevância do investimento directo nos países de destino (28% face a 22%). Com um peso relevante nas estratégias de internacionalização, bem como a principal estratégia que as empresas esperam vir a adoptar, surge a exportação através de agentes ou distribuidores locais. Estudo sem fronteiras 29

30 Acções de promoção em mercados internacionais Acções de promoção já efectuadas Acções de promoção que considera efectuar no curto prazo % 38% Acções de contacto directo com a procura internacional 59% 67% 35% 38% Utilização de redes sociais ou internet 54% 6 35% 37% Concepção e elaboração de material promocional e informativo 59% 56% 44% 48% Participação em feiras e certames internacionais 28% 26% 39% 4 Participação em concursos internacionais 4% 7% 12% 1 Nenhuma destas Estudo sem fronteiras 30

31 Acções de promoção em mercados internacionais Pese embora o contacto directo com o cliente internacional continue a ser o canal preferencial para a realização de acções de promoção, verifica- -se um aumento significativo da utilização de redes sociais ou internet, na medida em que 67% das empresas que responderam a este inquérito já realizaram esta tipologia de acção. A acção preferencial de promoção das empresas continua a ser o contacto directo com o cliente internacional (7), estando as redes sociais e internet a ganhar preponderância No entanto, como principal acção promocional a realizar no curto prazo, surge a participação em feiras e certames internacionais, de onde se realça o sector de indústria transformadora (72%). Estudo sem fronteiras 31

32 Áreas a alterar num processo de internacionalização Áreas a alterar 28% 36% 56% 6 4 Marketing (produto, preço, promoção ou distribuição) Qualificação e competência dos recursos humanos Equipa responsável - Director de internacionalização 5% 5% 12% 14% 28% 3 25% 28% 25% 22% 25% 22% Investigação e desenvolvimento Estrutura de capitais próprios Processo produtivo Equipa responsável - Equipa de gestão Estrutura de governo societário Nenhuma destas áreas O marketing e qualificação profissional continuam a ser as áreas que as empresas que participaram no inquérito manifestaram ser susceptíveis de alteração no contexto de internacionalização, pese embora se verifique uma diminuição desta preocupação face ao estudo de Por sua vez, verifica-se um maior enfoque na exigência e qualificação e competência dos recursos humanos. Quanto à necessidade de ter uma equipa dedica ao processo de internacionalização (nomeadamente a designação de um director de internacionalização), 28% das empresas que responderam no inquérito manifestaram essa preocupação. Estudo sem fronteiras 32

33 Operações num processo de internacionalização Operações já utilizadas Operações que esperam vir a utilizar Operação conduzida... 79% 77% 22% 2... individualmente 44% 47% em parceria com uma(s) empresa(s) local(ais) 3 39% 32% 29%... em parceria apenas com uma empresa portuguesa 27% 25% 48% 49%... com o apoio de um delegado local da AICEP 17% com o apoio de um consultor 2 35%... em parceria com mais do que uma empresa portuguesa 17% 3 9% 25%... com o apoio de um banco 6% 27% 4% 8% 1 1 Nenhuma destas Estudo sem fronteiras 33

Estudo sem fronteiras PMEs levantam voo. Terminal 2 www.estudosemfronteiras.com

Estudo sem fronteiras PMEs levantam voo. Terminal 2 www.estudosemfronteiras.com PMEs levantam voo Terminal 2 www.estudosemfronteiras.com Terminal 2 Países considerados mais aliciantes Países mais aliciantes Sector de Actividade Agroalimentar Indústria transformadora Construção e imobiliário

Leia mais

Internacionalização. Países lusófonos - Survey. Janeiro de 2015

Internacionalização. Países lusófonos - Survey. Janeiro de 2015 Internacionalização Países lusófonos - Survey Janeiro de 2015 1 Índice 1. Iniciativa Lusofonia Económica 2. Survey Caracterização das empresas participantes 3. Empresas não exportadoras 4. Empresas exportadoras

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

Apoio à Internacionalização. CENA 3 de Julho de 2012

Apoio à Internacionalização. CENA 3 de Julho de 2012 Apoio à Internacionalização CENA 3 de Julho de 2012 Enquadramento Enquadramento Comércio Internacional Português de Bens e Serviços Var. 13,3% 55,5 68,2 57,1 73,4 48,3 60,1 54,5 66,0 67,2 61,7 Exportação

Leia mais

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução:

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução: EDIÇÃO 2011/2012 Introdução: O Programa Formação PME é um programa financiado pelo POPH (Programa Operacional Potencial Humano) tendo a AEP - Associação Empresarial de Portugal, como Organismo Intermédio,

Leia mais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 04/SI/2012 Índice Condições de Elegibilidade do Promotor... 3 Condições

Leia mais

A AICEP e os apoios à internacionalização das empresas

A AICEP e os apoios à internacionalização das empresas A AICEP e os apoios à internacionalização das empresas A aicep Portugal Global A aicep Portugal Global aicep Portugal Global missão é: é uma agência pública de natureza empresarial, cuja Atrair investimento

Leia mais

A AICEP e os apoios à internacionalização das empresas. Porto, 25 de Setembro de 2012

A AICEP e os apoios à internacionalização das empresas. Porto, 25 de Setembro de 2012 A AICEP e os apoios à internacionalização das empresas Porto, 25 de Setembro de 2012 A aicep Portugal Global A aicep Portugal Global aicep Portugal Global missão é: é uma agência pública de natureza empresarial,

Leia mais

Percepção de Portugal no mundo

Percepção de Portugal no mundo Percepção de Portugal no mundo Na sequência da questão levantada pelo Senhor Dr. Francisco Mantero na reunião do Grupo de Trabalho na Aicep, no passado dia 25 de Agosto, sobre a percepção da imagem de

Leia mais

Contexto e objetivos do estudo... 3 Metodologia, definições e âmbito da análise... 4

Contexto e objetivos do estudo... 3 Metodologia, definições e âmbito da análise... 4 Índice Contexto e objetivos do estudo... 3 Metodologia, definições e âmbito da análise... 4 População alvo...4 Unidade amostral...4 Dimensão da população...4 Metodologia...4 Caracterização da amostra...4

Leia mais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 07/SI/2010 1 Índice Condições de Elegibilidade do Promotor... 3 Condições

Leia mais

Conferência Alemanha Europeia / Europa Alemã. 26 de novembro de 2014

Conferência Alemanha Europeia / Europa Alemã. 26 de novembro de 2014 Conferência Alemanha Europeia / Europa Alemã 26 de novembro de 2014 1. Empresas Alemãs em Portugal 2. Investimento Direto Alemão em Portugal 3. Exportação / Importação 1. Empresas Alemãs em Portugal Perspetiva

Leia mais

Missão Empresarial Banco Asiático de Desenvolvimento (BAsD) Sector: Energia

Missão Empresarial Banco Asiático de Desenvolvimento (BAsD) Sector: Energia Missão Empresarial Banco Asiático de Desenvolvimento (BAsD) Sector: Energia Manila, 18 a 22 de Março de 2013 1 Enquadramento: No âmbito do Acordo de Parceiros celebrado entre a AICEP e o GPEARI (Ministério

Leia mais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME PROJECTOS CONJUNTOS RELATÓRIO INTERCALAR DE EXECUÇÃO

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME PROJECTOS CONJUNTOS RELATÓRIO INTERCALAR DE EXECUÇÃO Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME PROJECTOS CONJUNTOS RELATÓRIO INTERCALAR DE EXECUÇÃO PROJECTO Nº 16/852 AAC nº02i/si/2010 SI Qualif. PME (Conjuntos / Intern.) POFC ENTIDADE(S)

Leia mais

Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva

Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva centro tecnológico da cerâmica e do vidro coimbra portugal Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva Victor Francisco CTCV Responsável Unidade Gestão

Leia mais

Shared Services Center Get the global picture. Estudo de implementação de plataforma de desenvolvimento de centros de serviços partilhados ( CSP )

Shared Services Center Get the global picture. Estudo de implementação de plataforma de desenvolvimento de centros de serviços partilhados ( CSP ) Shared Services Center Get the global picture Estudo de implementação de plataforma de desenvolvimento de centros de serviços partilhados ( CSP ) Enquadramento Shared Services Center: Get the global picture

Leia mais

NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS

NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS Sessão de Esclarecimento Associação Comercial de Braga 8 de abril de 2015 / GlobFive e Creative Zone PT2020 OBJETIVOS DO PORTUGAL 2020 Promover a Inovação empresarial (transversal);

Leia mais

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 A aposta no apoio à internacionalização tem sido um dos propósitos da AIDA que, ao longo dos anos, tem vindo a realizar diversas acções direccionadas para

Leia mais

Inovação e Inteligência Competitiva: Desafios para as Empresas e para a Economia Portuguesa

Inovação e Inteligência Competitiva: Desafios para as Empresas e para a Economia Portuguesa QUIDGEST Q-DAY: INOVAÇÃO CONTRA A CRISE Inovação e Inteligência Competitiva: Desafios para as Empresas e para a Economia Portuguesa André Magrinho TAGUSPARK: 09 de Setembro 2009 SUMÁRIO 1. Globalização

Leia mais

ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO

ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO Como fazemos 1. Através do Serviço de Assistência Empresarial (SAE), constituído por visitas técnicas personalizadas às

Leia mais

28-06-2011. Onde? Como? O quê? Fórum Exportações AÇORES. - Caracterização e Potencial das Exportações Regionais - 1. Internacionalização

28-06-2011. Onde? Como? O quê? Fórum Exportações AÇORES. - Caracterização e Potencial das Exportações Regionais - 1. Internacionalização Fórum Exportações AÇORES Caracterização e Potencial das Exportações Regionais Gualter Couto, PhD Ponta Delgada, 27 de Junho de 2011 1. Internacionalização Internacionalização: Processo Estrutura Organizacional

Leia mais

Começar Global e Internacionalização

Começar Global e Internacionalização Começar Global e Internacionalização Artur Alves Pereira Assessor do Conselho de Administração, AICEP Portugal Global Fevereiro 06, 2014 1 A aicep Portugal Global Missão. A aicep Portugal Global é uma

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

PROGRAMA STEP BY STEP

PROGRAMA STEP BY STEP PROGRAMA STEP BY STEP A Nossa Dica para um Processo de Internacionalização com Sucesso Antes de decidir exportar ou internacionalizar conheça primeiro o mercado. Todos sabemos que hoje o desígnio nacional

Leia mais

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Sistema de Incentivos às Empresas O que é? é um dos instrumentos fundamentais das políticas públicas de dinamização económica, designadamente em matéria da promoção da

Leia mais

aedição de 2001 da PME Excelência

aedição de 2001 da PME Excelência 26 PME Excelência com mais qualidade Criado com o objectivo de distinguir as PME que apresentem em cada ano os melhores desempenhos económico-financeiros e de gestão, o Estatuto PME Excelência tem associado

Leia mais

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes:

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes: EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO PME) O presente documento suporta a apreciação do ponto 3

Leia mais

Síntese do estudo sobre A ADESÃO DAS PME NACIONAIS À PRÁTICA DO COMÉRCIO ELECTRÓNICO

Síntese do estudo sobre A ADESÃO DAS PME NACIONAIS À PRÁTICA DO COMÉRCIO ELECTRÓNICO Síntese do estudo sobre A ADESÃO DAS PME NACIONAIS À PRÁTICA DO COMÉRCIO ELECTRÓNICO 1. PRINCIPAIS CONCLUSÕES Há um entendimento razoável das vantagens da prática do comércio electrónico no seio das PME

Leia mais

Conferência Internet, Negócio e Redes Sociais

Conferência Internet, Negócio e Redes Sociais Conferência Internet, Negócio e Redes Sociais 24 de maio de 2012 Auditório ISEGI - UNL Patrocínio Principal Apoios Patrocinadores Globais APDSI A AICEP e os apoios à internacionalização das empresas Lisboa,

Leia mais

Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas

Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas Da União Europeia vão chegar até 2020 mais de 20 mil milhões de euros a Portugal. Uma pipa de massa, nas palavras do ex-presidente da Comissão

Leia mais

Financiamento das PME. Evolução fiscal e regulatória. Carlos Loureiro. 28 de Novembro de 2014. 2014 Deloitte

Financiamento das PME. Evolução fiscal e regulatória. Carlos Loureiro. 28 de Novembro de 2014. 2014 Deloitte Financiamento das PME Evolução fiscal e regulatória Carlos Loureiro 28 de Novembro de 2014 1 Temas a discutir Abordagem da temática Financiamento bancário: Panaceia ou factor de restrição? As alternativas

Leia mais

Adenda aos Critérios de Selecção

Adenda aos Critérios de Selecção Adenda aos Critérios de Selecção... Critérios de Selecção SI Qualificação PME EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE

Leia mais

Perfil das Ideias e dos Empreendedores

Perfil das Ideias e dos Empreendedores Perfil das Ideias e dos Empreendedores I - Considerações gerais A análise que se segue tem como referência um painel 115 ideias de negócio, com proposta de desenvolvimento por 214 empreendedores, candidatos

Leia mais

Vale Projecto - Simplificado

Vale Projecto - Simplificado IDIT Instituto de Desenvolvimento e Inovação Tecnológica Vale Projecto - Simplificado VALES Empreendedorismo e Inovação Associados Parceiros / Protocolos IDIT Enquadramento Vale Projecto - Simplificado

Leia mais

POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR

POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR Prioridades Estratégicas Indústria Portuguesa Agro-Alimentar Federação das Indústrias Portuguesas Agro-Alimentares XI LEGISLATURA 2009-2013 XVIII

Leia mais

PORTUGALPLUS - Investimento e Exportação

PORTUGALPLUS - Investimento e Exportação 1 PORTUGALPLUS - Investimento e Exportação Excelência na execução como alavanca de crescimento no mercado Alemão Apresentação das primeiras conclusões do estudo Maio, 2013 FÓRUM PARA A COMPETITIVIDADE

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação. Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Inovação. Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Inovação Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 02/SI/2012 1 Índice Tipologias de Investimento... 3 Condições de Elegibilidade

Leia mais

BARÓMETRO TRIMESTRAL DO COMÉRCIO ELECTRÓNICO EM PORTUGAL 2º TRIMESTRE DE 2014 RELATÓRIO DE RESULTADOS

BARÓMETRO TRIMESTRAL DO COMÉRCIO ELECTRÓNICO EM PORTUGAL 2º TRIMESTRE DE 2014 RELATÓRIO DE RESULTADOS BARÓMETRO TRIMESTRAL DO COMÉRCIO ELECTRÓNICO EM PORTUGAL 2º TRIMESTRE DE 2014 RELATÓRIO DE RESULTADOS Índice Introdução 03 Ficha Técnica 05 Sumário Executivo 06 Relatório de Resultados 07 Entidades Inquiridas

Leia mais

Sistemas de Incentivos

Sistemas de Incentivos Sistemas de Incentivos Apoios para PME na colaboração com entidades do SCT Lurdes Pinho (Secretária Técnica Sistemas de Incentivos ON.2) 1 Enquadramento 2 Estrutura ON.2 Eixo Prioritário FEDER % PO I -

Leia mais

Mercados informação de negócios

Mercados informação de negócios Mercados informação de negócios Rússia Oportunidades e Dificuldades do Mercado Março 2012 Índice 1. Oportunidades 3 1.1 Comércio 3 1.2 Investimento de Portugal na Rússia 4 1.3 Investimento da Rússia em

Leia mais

Consultoria Estratégica

Consultoria Estratégica Quem somos e o que fazemos A Select Advisor é uma empresa de Consultoria Estratégica Ajudamos à criação de valor, desde a intenção de investimento e angariação de parcerias até ao apoio de candidaturas

Leia mais

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões:

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 7.1 Conclusões De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 1 - Descrever os instrumentos/modelos de gestão e marketing estratégicos

Leia mais

Uma aposta na Internacionalização

Uma aposta na Internacionalização Uma aposta na Internacionalização Mercados Emergentes Que Oportunidades? Seminário Engenharia e Arquitectura Futuro da Prestação de Serviços 13 de Abril 2011 Índice A aicep Portugal Global Produtos e Serviços

Leia mais

Visita a Portugal do Importador C & C Casa & Construção

Visita a Portugal do Importador C & C Casa & Construção Visita a Portugal do Importador C & C Casa & Construção Sector da Construção Brasil 21 a 25 de Outubro de 2013 Enquadramento Com uma extensão territorial de aproximadamente 8,5 milhões km 2, vastos recursos

Leia mais

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos Os Desafios da Fileira da Construção As Oportunidades nos Mercados Externos Agradeço o convite que me foi dirigido para participar neste Seminário e felicito a AIP pela iniciativa e pelo tema escolhido.

Leia mais

CONCLUSÕES. No dia 16 de Novembro de 2007 na parte da manhã, decorreu na APA Agência Portuguesa do Ambiente, em

CONCLUSÕES. No dia 16 de Novembro de 2007 na parte da manhã, decorreu na APA Agência Portuguesa do Ambiente, em CONCLUSÕES Workshop O Sector Empresarial do Ambiente Oportunidades de Internacionalização No dia 16 de Novembro de 2007 na parte da manhã, decorreu na APA Agência Portuguesa do Ambiente, em Lisboa, o Workshop

Leia mais

Amarante, 06 de Março de 2012 Centro de Desenvolvimento Empresarial do Norte

Amarante, 06 de Março de 2012 Centro de Desenvolvimento Empresarial do Norte Incentivos às empresas Amarante, 06 de Março de 2012 Centro de Desenvolvimento Empresarial do Norte Os Incentivos na estratégia do IAPMEI para as PME Facilitar e assistir as PME nas suas estratégias de

Leia mais

VISABEIRA GLOBAL > Telecomunicações Energia Tecnologia Construção. VISABEIRA INDÚSTRIA > Cerâmica e Cristal Cozinhas Recursos Naturais

VISABEIRA GLOBAL > Telecomunicações Energia Tecnologia Construção. VISABEIRA INDÚSTRIA > Cerâmica e Cristal Cozinhas Recursos Naturais 1 VISABEIRA GLOBAL > Telecomunicações Energia Tecnologia Construção VISABEIRA INDÚSTRIA > Cerâmica e Cristal Cozinhas Recursos Naturais VISABEIRA TURISMO > Hotelaria Entretenimento & Lazer Restauração

Leia mais

Sistema de Incentivos

Sistema de Incentivos Sistema de Incentivos Qualificação e Internacionalização de PME amrconsult 13 de Maio de 2010 1 Agenda 1 Enquadramento 2 Condições de elegibilidade 3 Despesas elegíveis 4 Incentivo 2 1 Enquadramento 3

Leia mais

MISSÃO EMPRESARIAL AO MÉXICO 19-27 Fev. 2016

MISSÃO EMPRESARIAL AO MÉXICO 19-27 Fev. 2016 PROJECTO CONJUNTO DE INTERNACIONALIZAÇÃO MÉXICO 2015-2016 MISSÃO EMPRESARIAL AO MÉXICO 19-27 Fev. 2016 INSCRIÇÕES ATÉ 15 DE JANEIRO 2016 Promotor: Co-financiamento: Monitorização: Foto: Miguel Moreira

Leia mais

Apoio à Internacionalização

Apoio à Internacionalização Apoio à Internacionalização Incentivos QREN Castelo Branco, 4 de outubro 2012 YUNIT Corporate: João Esmeraldo QREN - Sistema Incentivos Empresas I&DT - Investigação e Desenvolvimento Qualificação - Investimentos

Leia mais

Abril 2013. Observatório da Competitividade Fiscal 2013 Tax ao pormenor

Abril 2013. Observatório da Competitividade Fiscal 2013 Tax ao pormenor Abril 2013 Observatório da Competitividade Fiscal 2013 Tax ao pormenor Índice Prefácio Principais conclusões Aspectos globais Impacte das principais medidas contempladas no OE 2013 Competitividade e atractividade

Leia mais

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas 7 de Novembro de 2014 Internacionalização - Desafios Diversificar Mercados Alargar a Base Exportadora Enquadramento Evolução Recente Comércio

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação. Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Inovação. Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Inovação Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 04/SI/2010 1 Índice Tipologias de Investimento... 3 Condições de Elegibilidade

Leia mais

MASTER EM DIRECÇÃO DE COMÉRCIO INTERNACIONAL E DE MARKETING OBJECTIVOS DO PROGRAMA A Escola de Negócios EUDEM apresenta o seu programa MCIM - Master em Direcção de Comércio Internacional e de Marketing,

Leia mais

Estudo sobre os diplomados pelo ISCTE-IUL. Perspectiva das Entidades Empregadoras

Estudo sobre os diplomados pelo ISCTE-IUL. Perspectiva das Entidades Empregadoras Estudo sobre os diplomados pelo ISCTE-IUL Perspectiva das Entidades Empregadoras Julho 2011 Ficha Técnica ISCTE Instituto Universitário de Lisboa Edição Gabinete de Estudos, Avaliação, Planeamento e Qualidade

Leia mais

SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006

SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006 SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006 Jaime Andrez Presidente do CD do IAPMEI 10 de Maio de 2006 Minhas Senhoras e meus Senhores, 1. Em nome do Senhor Secretário de Estado Adjunto, da Indústria

Leia mais

Alentejo no horizonte 2020 Desafios e Oportunidades

Alentejo no horizonte 2020 Desafios e Oportunidades Alentejo no horizonte 2020 Desafios e Oportunidades Vendas Novas - 02 de julho de 2013 aicep Portugal Global é uma agência pública de natureza empresarial, cuja missão é: Atrair investimento estrangeiro

Leia mais

Consultoria de Gestão Sistemas Integrados de Gestão Contabilidade e Fiscalidade Recursos Humanos Marketing e Comunicação Consultoria Financeira JOPAC SOLUÇÕES GLOBAIS de GESTÃO jopac.pt «A mudança é a

Leia mais

O Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial SISCOOP constitui-se como

O Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial SISCOOP constitui-se como SISTEMA DE DIAGNÓSTICO E AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE DESENVOLVIMENTO DAS OPORTUNIDADES DE COOPERAÇÃO EM REDE Nota: documento elaborado pela INTELI Inteligência em Inovação, no âmbito da consultadoria prestada

Leia mais

28 PME Líder CRITÉRIOS. Bloomberg News

28 PME Líder CRITÉRIOS. Bloomberg News 28 PME Líder CRITÉRIOS Bloomberg News CRITÉ RIOS COMO CHEGAR A PME LÍDER Atingir o Estatuto PME Líder é a ambição de muitas empresas. É este o primeiro passo para chegar a PME Excelência. Saiba o que precisa

Leia mais

PROPOSTA DE PROGRAMA E DE TEMAS PARA DISCUSSÃO

PROPOSTA DE PROGRAMA E DE TEMAS PARA DISCUSSÃO PROPOSTA DE PROGRAMA E DE TEMAS PARA DISCUSSÃO 2. INOVAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO O objectivo está adquirido, como está adquirida a consciência da sua importância. O que não está adquirido é a forma de

Leia mais

Primeira Unidade Empresarial de Serviços Partilhados em Saúde arranca em Portugal

Primeira Unidade Empresarial de Serviços Partilhados em Saúde arranca em Portugal Primeira Unidade Empresarial de Serviços Partilhados em Saúde arranca em Portugal É hoje apresentada publicamente a primeira Unidade Empresarial de Serviços Partilhados em Saúde a funcionar em Portugal.

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural Licença para Criar: Imigrantes nas Artes em Portugal Magda Nico, Natália Gomes, Rita Rosado e Sara Duarte Maio de 2007, Estudos OI 23 Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural (ACIDI)

Leia mais

Internacionalização: Oportunidades e Desafios A CGD como Parceiro. Luís Rego Direção Internacional de Negócio da CGD

Internacionalização: Oportunidades e Desafios A CGD como Parceiro. Luís Rego Direção Internacional de Negócio da CGD Internacionalização: Oportunidades e Desafios A CGD como Parceiro Luís Rego Direção Internacional de Negócio da CGD Internacionalização: oportunidades e desafios - A CGD como Parceiro Índice 1. Evolução

Leia mais

Global Incentives Solutions*

Global Incentives Solutions* Incentives Solutions Global Incentives Solutions* Informação sobre incentivos ao investimento Número 6, Outubro de 2007 *connectedthinking What s hot Assinatura dos Programas Operacionais (PO) No passado

Leia mais

intra Perfil do Gestor

intra Perfil do Gestor Perfil do Gestor 35 Entrevista Dinah J. Kamiske, Autoeuropa A internacionalização economia obriga as empresas a tornarem-se mais competitivas. Entrevista de José Branco Dados publicados recentemente prevêem

Leia mais

República de Moçambique

República de Moçambique República de Moçambique Nota Conceitual da FIEI 2013 Ponto de negócio e oportunidade de investimento Maputo Contexto Quadro orientador O Programa Quinquenal do Governo (PQG) prevê no âmbito do Vector Económico

Leia mais

Editorial. O financiamento das economias modernas é hoje feito de uma forma totalmente distinta

Editorial. O financiamento das economias modernas é hoje feito de uma forma totalmente distinta A arte da liderança Editorial Manuel Alves Monteiro Presidente do Júri, IRG Awards Junho de 2015 Nunca como hoje Portugal esteve tão exposto ao exterior, seja por se encontrar crescentemente dependente

Leia mais

O Contributo do Cluster da Electrónica e Telecomunicações para o Desenvolvimento Económico Espanhol

O Contributo do Cluster da Electrónica e Telecomunicações para o Desenvolvimento Económico Espanhol O Contributo do Cluster da Electrónica e Telecomunicações para o Desenvolvimento Económico Espanhol O presente estudo visa caracterizar o cluster da electrónica, informática e telecomunicações (ICT), emergente

Leia mais

AGENDA 21 LOCAL CONDEIXA-A-NOVA

AGENDA 21 LOCAL CONDEIXA-A-NOVA AGENDA 21 LOCAL CONDEIXA-A-NOVA PLANO DE COMUNICAÇÃO E DIVULGAÇÃO Deliverable 4 Fase 2 Novembro 2008 1 P á g i n a Índice 1. Objectivos... 3 2. Públicos-alvo... 4 3. Estratégia de Comunicação... 5 3.1

Leia mais

A AICEP e os Apoios à Internacionalização. Porto, 27 de maio de 2014

A AICEP e os Apoios à Internacionalização. Porto, 27 de maio de 2014 A AICEP e os Apoios à Internacionalização Porto, 27 de maio de 2014 Índice 1. A aicep Portugal Global 2. Produtos e serviços AICEP 3. O Processo de Internacionalização A aicep Portugal Global A aicep Portugal

Leia mais

Mecanismo de Apoio e Incentivo à Inovação e I&DT

Mecanismo de Apoio e Incentivo à Inovação e I&DT Mecanismo de Apoio e Incentivo à Inovação e I&DT Victor Francisco Responsável Unidade Gestão e Promoção da Inovação [victor.francisco@ctcv.pt] Seminário Gestão da Inovação - ACIB 25 de Março 2010 1 Sumário

Leia mais

NOVO PERIODO DE PROGRAMAÇÃO INCENTIVOS DO QREN CERTIFICAÇÃO DE EMPRESAS

NOVO PERIODO DE PROGRAMAÇÃO INCENTIVOS DO QREN CERTIFICAÇÃO DE EMPRESAS NOVO PERIODO DE PROGRAMAÇÃO INCENTIVOS DO QREN CERTIFICAÇÃO DE EMPRESAS 04-06-2008 Índice A. NOVO PERÍODO DE PROGRAMAÇÃO 2007-2013. B. ACÇÃO INTEGRADA DO IDE-RAM NO PERÍODO 2007-2013. C. APOIOS À ACTIVIDADE

Leia mais

Perspetivas de colaboração Portugal China, Apoios à internacionalização e o papel da AICEP

Perspetivas de colaboração Portugal China, Apoios à internacionalização e o papel da AICEP Perspetivas de colaboração Portugal China, Apoios à internacionalização e o papel da AICEP AIMINHO Braga, 24 de Outubro, 2014 1 P a g e Distintas Entidades aqui presentes, Senhores Empresários, Minhas

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA CABO VERDE. INQUÉRITO DE CONJUNTURA Folha de Informação Rápida. CONSTRUÇÃO 3º Trimestre 2013

INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA CABO VERDE. INQUÉRITO DE CONJUNTURA Folha de Informação Rápida. CONSTRUÇÃO 3º Trimestre 2013 INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA CABO VERDE CABO VERDE CABO VERDE INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA CABO VERDE INQUÉRITO DE CONJUNTURA

Leia mais

BES AS APOIO FINANCEIRO BES AS FINANCEIR ÕES ÀS EMPRESAS FINANCEIR ÕES UÇ SOL

BES AS APOIO FINANCEIRO BES AS FINANCEIR ÕES ÀS EMPRESAS FINANCEIR ÕES UÇ SOL 38 PME Líder SOLUÇÕES FINANCEIRAS BES Helen King/CORBIS APOIO FINANCEIRO ÀS EMPRESAS O BES disponibiliza uma vasta oferta de produtos financeiros e serviços, posicionando-se como o verdadeiro parceiro

Leia mais

Oportunidades a explorar

Oportunidades a explorar Oportunidades a explorar 1. Candidatura ao reconhecimento da Dieta Mediterrânica de PORTUGAL (liderada por Tavira) 2. Notoriedade do ALGARVE nos principais mercados turísticos europeus [Reino Unido, Alemanha,

Leia mais

Estudo de Impacto do Prémio Boas Práticas no Sector Público

Estudo de Impacto do Prémio Boas Práticas no Sector Público Boas Práticas no Sector Público 24 de Novembro de 2008 1 Introdução A Deloitte e a FLAD promoveram a realização de um inquérito aos candidatos das seis edições do, para aferir o impacto que a iniciativa

Leia mais

Quem ambiciona novos desafios evolui mais forte.

Quem ambiciona novos desafios evolui mais forte. Quem ambiciona novos desafios evolui mais forte. Editorial Manuel Alves Monteiro Presidente do Júri, IRG Awards Maio de 2014 É do conhecimento empírico para além de ser igualmente intuitivo - que existe

Leia mais

Missão Empresarial EUA Flórida. 21 a 26 de Março 2015

Missão Empresarial EUA Flórida. 21 a 26 de Março 2015 Missão Empresarial EUA Flórida 21 a 26 de Março 2015 Apoiamos empresas a ter sucesso nos mercados internacionais Sobre nós Na Market Access prestamos serviços de apoio à exportação e internacionalização.

Leia mais

Mercados. informação de negócios. Angola Oportunidades e Dificuldades do Mercado

Mercados. informação de negócios. Angola Oportunidades e Dificuldades do Mercado Mercados informação de negócios Angola Oportunidades e Dificuldades do Mercado Dezembro 2011 Índice 1. Oportunidades 03 1.1 Pontos Fortes 03 1.2 Áreas de Oportunidade 03 2. Dificuldades 04 2.1 Pontos Fracos

Leia mais

As Tecnologias de Informação e a Agenda Digital

As Tecnologias de Informação e a Agenda Digital As Tecnologias de Informação e a Agenda Digital Carlos Brazão Fernando Resina da Silva 28-06-2012 1 Quem somos? Uma plataforma das associações e players de referência das TIC, juntos por uma missão para

Leia mais

BARÓMETRO TRIMESTRAL DO COMÉRCIO ELECTRÓNICO EM PORTUGAL 2º TRIMESTRE 2013 RELATÓRIO DE RESULTADOS

BARÓMETRO TRIMESTRAL DO COMÉRCIO ELECTRÓNICO EM PORTUGAL 2º TRIMESTRE 2013 RELATÓRIO DE RESULTADOS BARÓMETRO TRIMESTRAL DO COMÉRCIO ELECTRÓNICO EM PORTUGAL 2º TRIMESTRE 2013 RELATÓRIO DE RESULTADOS Índice Introdução 03 Ficha Técnica 05 Sumário Executivo 06 Relatório de Resultados 08 Entidades Inquiridas

Leia mais

= e-learning em Educação Ambiental =

= e-learning em Educação Ambiental = Agência Regional de Energia e Ambiente do Norte Alentejano e Tejo = e-learning em Educação Ambiental = PRINCIPAIS RESULTADOS DO RELATÓRIO FINAL Dezembro de 2010 Título: Financiamento: Plataforma de e-learning

Leia mais

Perto de si, mudamos consigo! www.wechange.pt

Perto de si, mudamos consigo! www.wechange.pt Hotel Alvalade LUANDA 16 a 27 de RH Os Ciclos de RH, consistem em planos de desenvolvimento de competências no domínio da gestão de Recursos Humanos, nomeadamente ao nível das áreas de Selecção, Formação

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

QREN Inovação Empreendedorismo Qualificado. Projectos Individuais N.º 06/SI/2011

QREN Inovação Empreendedorismo Qualificado. Projectos Individuais N.º 06/SI/2011 1 QREN Inovação Empreendedorismo Qualificado Projectos Individuais N.º 06/SI/2011 2 Índice 1. Objectivos e Prioridades 2. Condições de Acesso a. Promotor b. Projecto c. Aviso de Abertura 3. Modalidades

Leia mais

Mercados informação de negócios

Mercados informação de negócios Mercados informação de negócios Rússia Oportunidades e Dificuldades do Mercado Fevereiro 2010 Índice 1. Oportunidades 3 1.1 Comércio 3 1.2 Investimento de Portugal na Rússia 4 1.3 Investimento da Rússia

Leia mais

Imobiliário: estudo conclui que é preciso apostar em novos segmentos

Imobiliário: estudo conclui que é preciso apostar em novos segmentos Re-Search Angola Imobiliário: estudo conclui que é preciso apostar em novos segmentos Está a emergir em Angola uma classe média, com maior poder de compra e interesse em adquirir casa própria. Esta é uma

Leia mais

Desafios da Internacionalização O papel da AICEP. APAT 10 de Outubro, 2015

Desafios da Internacionalização O papel da AICEP. APAT 10 de Outubro, 2015 Desafios da Internacionalização O papel da AICEP APAT 10 de Outubro, 2015 Internacionalização - Desafios Diversificar Mercados Alargar a Base Exportadora 38º PORTUGAL TEM MELHORADO A SUA COMPETITIVIDADE

Leia mais

INTERNACIONALIZAÇÃO Programas de Estimulo e Medidas de Apoio

INTERNACIONALIZAÇÃO Programas de Estimulo e Medidas de Apoio INTERNACIONALIZAÇÃO Programas de Estimulo e Medidas de Apoio Viseu, 18 de Junho de 2012 A aicep Portugal Global A aicep Portugal Global aicep Portugal Global missão é: é uma agência pública de natureza

Leia mais

POLÍTICA DE PME's Debate promovido pela AIP. 11 Setembro 2007

POLÍTICA DE PME's Debate promovido pela AIP. 11 Setembro 2007 POLÍTICA DE PME's Debate promovido pela AIP 11 Setembro 2007 Durante o 1º trimestre de 2007, o PIB cresceu 2,0% Crescimento do PIB 2,5% 2,0% 1,5% 1,5% 1,7% 2,0% 1,0% 1,1% 1,0% 0,9% 0,5% 0,5% 0,5% 0,0%

Leia mais

Barreiras à Exportação: Quem Faz o Quê? ALIMENTARIA

Barreiras à Exportação: Quem Faz o Quê? ALIMENTARIA Barreiras à Exportação: Quem Faz o Quê? ALIMENTARIA Lisboa, 29 de Março de 2011 1. A aicep Portugal Global 2. Acompanhamento Integrado 3. Intervenção da aicep A aicep Portugal Global A aicep Portugal Global

Leia mais

Índice PORTUGAL - BREVE CARATERIZAÇÃO A CIP ATIVIDADE ASSOCIADOS ORGANIZAÇÃO E CONTACTOS

Índice PORTUGAL - BREVE CARATERIZAÇÃO A CIP ATIVIDADE ASSOCIADOS ORGANIZAÇÃO E CONTACTOS Índice PORTUGAL - BREVE CARATERIZAÇÃO A CIP ATIVIDADE ASSOCIADOS ORGANIZAÇÃO E CONTACTOS Portugal Breve caraterização Portugal Caraterização geral Inserido na União Europeia desde 1986, Portugal é o país

Leia mais

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a. Identificação

Leia mais

associados do Mukhero

associados do Mukhero Oportunidades e Desafios do Comércio Externo em Moçambique Principais serviços do IPEME que contribuem formalização dos associados do Mukhero Por: Adriano Claire Zimba, Director Geral 27 de Maio de 2014

Leia mais

Quarto Estudo de Follow up dos Diplomados

Quarto Estudo de Follow up dos Diplomados Cursos de Formação em Alternância na Banca Quarto Estudo de Follow up dos Diplomados Relatório Cursos terminados entre 2006 e 2009 Projecto realizado em parceria e financiado pelo Instituto de Emprego

Leia mais