ÁGUA REAGENTE Sistema: Máster System MS2000

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ÁGUA REAGENTE Sistema: Máster System MS2000"

Transcrição

1 POPE n.º: E 03 Página 1 de 8 1. Objetivo: Estabelecer a sistemática para produção de água reagente Tipo 2 para o abastecimento do equipamento COBAS INTEGRA 400 Plus, dos demais equipamentos que utilizam água purificada, para suspensão de controles e reagentes e para realização de técnicas manuais no Laboratório do Hospital Fêmina (HF). Uso de água dentro dos parâmetros dos limites especificados para uso. Reduzir os níveis de contaminantes que possam interferir diretamente nos testes laboratoriais através do enxágüe final na limpeza de vidrarias utilizadas em diferentes setores do Laboratório HF. Monitorar a estabilidade do sistema de purificação de água. Detectar mudanças e necessidades de manutenção. Detectar deterioração da purificação antes que tenha impacto na aceitabilidade da água. 2. Aplicabilidade: Bioquímicos do Lab-HF, auxiliares de esterilização e Empresa conforme contrato - fornecedora dos módulos (torres) da estação MS Definição de Termos: Resistividade: é a medida da resistência elétrica, sendo o inverso da condutividade elétrica e mede o conteúdo iônico da água. Unidade de Resistividade: megaohm/cm (10 megaohm/cm equivale a 1ppm de sólidos totais dissolvidos, ou seja, 1 mg/l). Resistividade = 1 / condutividade. Condutividade = 2 / resistividade. Sílica Solúvel (SiO 2 ): é medida por uma reação química entre silicato solúvel em água e íons molibdato formando um complexo azul. Conteúdo microbiológico: é definido como Unidade Formadora de Colônias por ml de água (UFC/ml). 4. Descrição: A água produzida pelo equipamento MS2000 é de baixo teor de ionização, livre de material orgânico, partículas contaminantes, níveis permitidos de bactérias, e está de acordo com a RDC302, onde o Laboratório deve estipular qual tipo de água se aplica para suas necessidades laboratoriais. A água produzida é coletada de acordo com a necessidade de consumo. A estação de água MS2000 produz água ultrapura Tipo I utilizando tecnologias como adsorção, troca iônica, ultrafiltração, osmose reversa e radiação ultravioleta.

2 POPE n.º: E 03 Página 2 de 8 A água de alimentação (rede pública) entra no MS2000 passando pelo filtro de entrada (filtro de partículas). Em seguida, é bombeada para atingir o filtro de carvão ativado, o qual adsorve o cloro livre e também matéria orgânica, seguindo pela membrana de osmose reversa, luz ultravioleta (germicida e oxidante de carbono orgânico), pelos 2 deionizadores, pela membrana de ultrafiltração, pelo condutivímetro e, finalmente, pelo filtro microbiológico (0,01 mícron), onde imediatamente após encontra-se o ponto de coleta da água tipo I. O sistema MS2000 conta com um reservatório interno com capacidade para armazenar 12 litros de água ultrapura e com um sistema de recirculação permanente (loop), onde a água permeada pela membrana de osmose reversa é conduzida ao reservatório, e em seu interior é dirigida por um tubo que mantém o fluxo próximo à lâmpada ultravioleta de dupla radiação, 185nm e 254nm, provocando a oxidação dos compostos orgânicos (TOC) e evitando o surgimento de alguma contaminação microbiológica. Após esse processo é automaticamente bombeada através dos deionizadores e do filtro microbiológico e, caso não seja servida, retorna para o reservatório onde será exposta à radiação UV, evitando a contaminação microbiológica e a formação de biofilmes, mantendo a água em constante tratamento. As sucessivas passagens pela luz UV e pelo deionizador garantem um TOC inferior a 5 ppb, pois o carbono é oxidado pela UV e seus produtos (carbonato e bicarbonato) são retidos na resina de troca iônica. 5. Módulos que compõem o MS2000: (01) Filtro de Entrada EZ: remoção de partículas maiores que 20 micra (01) Cartucho Block 10 (carvão ativado): remoção de cloro presente na água de entrada (01) Membrana de Osmose Reversa: remoção de 90% dos sais dissolvidos presentes na água de entrada (02) Deionizadores 10 : retenção de contaminantes iônicos e inorgânicos (01) Lâmpada UV: oxidação de carbono orgânico (01) Filtro Microbiológico: retenção de bactérias 6. Lista dos procedimentos: 6.1. Tipos de operação: o equipamento é operado manualmente. Para sua utilização, é necessário que o registro de alimentação esteja aberto. Para obtenção de água Tipo I pressionar a tecla sim, para interromper o processo, pressionar a mesma tecla novamente. Coletar água conforme a necessidade. Não estocar em bombonas para utilização posterior Indicador do monitoramento do sistema: Condutividade Sílica Contagem de colônias bacterianas Resistividade

3 POPE n.º: E 03 Página 3 de 8 7. Manutenções: 7.1. Diária: Anotar em planilha adequada (ver anexo 9.1) a condutividade, a resistividade e a temperatura da água; todos esses parâmetros são mostrados no display do aparelho Mensal: Análise dos parâmetros físico-químicos e microbiológicos por laboratório externo (ver item 8). Sanitização/Desinfecção - manutenção preventiva ou corretiva para controle do desenvolvimento microbiano. Esse processo é automático, mas necessita de intervenção de um operador e está descrito nas páginas 22, 23 e anexo do Manual de Operação. Para tal manutenção, é necessária a utilização do biocida BP Bimestral: troca do filtro de entrada, do carvão ativado e das colunas deionizadoras (duas) conforme qualidade da água (condutividade e resistividade). Planilha em anexo (9.2) Preventivas e corretivas: Troca do filtro de entrada, do carvão ativado e das colunas deionizadoras: em média a cada 60 dias ou quando a condutividade estiver aumentada e os níveis de sílica >0,1 mg/l. Troca da lâmpada UV: em média a cada 6 meses. Troca da coluna de osmose reversa e do filtro microbiológico: em média a cada 365 dias ou quando houver contaminação microbiana. 8. Controle de Qualidade: As análises fisico-químicas e microbiológicas são realizadas pelo Laboratório Bioagri Ambiental. As análises são realizadas uma vez por mês. Os parâmetros analisados e os valores máximos aceitáveis para utilização (água Tipo II) seguem abaixo descritos: Sílica: máximo < 0,1 mg/l ph (a 20 C): não aplicável Carbono Orgânico Total: 3,0 mg/l Condutividade: < 1,0 µs/cm Resistividade: > 1,0 µs/cm Coliformes Totais: P/A 100mL (presença/ausência) Contagem Padrão de Bactérias Heterófilas: < 1000 UFC/mL (UFC=unidades formadoras de colônias) 9. Anexos: 9.1. Planilhas de Registro e Manutenção:

4 POPE n.º: E 03 Página 4 de 8 Grupo Hospitalar Conceição Hospital Fêmina Laboratório de Análises Clínicas Planilha de Registro e Manutenção da Estação de Água MS-2000 Mês: Data Resistividade Condutividade Temperatura Resp. OBS

5 POPE n.º: E 03 Página 5 de Planilha de registro de troca de filtros e manutenções mensal, bimestral, preventivas e corretivas: PLANILHA DE MANUTENÇÃO DA ESTAÇÃO DE ÁGUA MS-2000 Número de série: Período: 2 em 2 meses Carvão Ativado Deionizadores Data / Iniciais Data / Iniciais Data / Iniciais Data / Iniciais Data / Iniciais Obs 6 em 6 meses Lâmpada UV Data / Iniciais Data / Iniciais Data / Iniciais Data / Iniciais Data / Iniciais Obs A cada 365 dias Filtro de osmose reversa Data / Iniciais Data / Iniciais Data / Iniciais Data / Iniciais Data / Iniciais Obs Troca do filtro antimicrobiano de saída Quando necessário Data / Iniciais Data / Iniciais Data / Iniciais Data / Iniciais Data / Iniciais Obs

6 POPE n.º: E 03 Página 6 de Referência Bibliográfica: Manual de Operação do Equipamento Master System MS2000: ver Programa Nacional de Controle de Qualidade Educação Continuada: Água Reagente no Laboratório Clínico NCCLS National Committee for Clinical Laboratory Standards: Preparation and Testing of Reagent Water in the Clinical Laboratory Third Edition 1997, vol. 17 nr Programa Nacional de Controle de Qualidade (PNCQ):

7 POPE n.º: E 03 Página 7 de 8 Informações: Atividades Responsável Assinatura Data Elaborado por: Ana Paula Thomazi Couto Revisado por: Raquel Fátima Ferrari Aprovado por: Maria Regina Braga Batista Desativado por: Distribuição: Local Ass.responsável Data/distribuição Data/recolhimento Revisões: Revisado por: Assinatura Data Desativado: Data: / / Desativado por: Motivo:

8 POPE n.º: E 03 Página 8 de 8 Conhecimento: Colaboradores devem ler e dar ciência (por escrito). Declaramos que lemos, compreendemos e seguiremos fielmente este procedimento: Nome: Assinatura: Data: Letícia Filippon Clovis Schaeffer Jane Saute Maria Regina Braga Batista Gabriela Mazzetti Peralta Cleverson Vargas Pereira Maria Antonieta Fritsch Vera Lúcia Romeiro Cirlei V. Rocha Valquíria Gonçalves

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO C.R. LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO C.R. LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS POP: L40 Página 1 de 7 1. Objetivos: Estabelecer a sistemática para a produção de água reagente IFW (Intrument Feed Water nova nomenclatura do CLSI para a antiga água Tipo 2) para o abastecimento direto

Leia mais

ÁGUA REAGENTE NO LABORATÓRIO CLÍNICO

ÁGUA REAGENTE NO LABORATÓRIO CLÍNICO ÁGUA REAGENTE NO LABORATÓRIO RIO CLÍNICO Água reagente no laboratório rio clínico Água de grau reagente (água( pura); Processos de purificação: destilação e deionização (+ usado atualmente). Especificações

Leia mais

A ÁGUA COMO REAGENTE PURA PURA PURA Destilação - Deionização Osmose Reversa - Filtração através de Carvão Ativado Ultrafiltração -

A ÁGUA COMO REAGENTE PURA PURA PURA Destilação - Deionização Osmose Reversa - Filtração através de Carvão Ativado  Ultrafiltração - 1 A ÁGUA COMO REAGENTE A água é o suprimento do Laboratório Clínico de menor custo. Talvez, por este motivo, sua qualidade seja tão negligenciada, apesar de ser um reagente importante e o mais utilizado.

Leia mais

FABR B I R CA C ÇÃO E E CONT N ROLE L DE QUALIDADE DE MEIOS DE E CU C LTURA

FABR B I R CA C ÇÃO E E CONT N ROLE L DE QUALIDADE DE MEIOS DE E CU C LTURA FABRICAÇÃO E CONTROLE DE QUALIDADE DE MEIOS DE CULTURA A Laborclin, sabendo do comprometimento e preocupação que seus clientes tem com a Qualidade de suas Análises tem investido muito na melhoria de seus

Leia mais

ARTIGO CIENTÍFICO. E-mail: humberto@gehaka.com.br Data: 13/03/2007 ÁGUA PURIFICADA, O QUE É?

ARTIGO CIENTÍFICO. E-mail: humberto@gehaka.com.br Data: 13/03/2007 ÁGUA PURIFICADA, O QUE É? ARTIGO CIENTÍFICO Tema: Sistema de Purificação de Água Responsável: Humberto Muniz de Souza Ramos Depto: Purificador de Água E-mail: humberto@gehaka.com.br Data: 13/03/2007 ÁGUA PURIFICADA, O QUE É? Entende-se

Leia mais

Helena Campos (Engenharia Química)

Helena Campos (Engenharia Química) Tipos de água Laboratorial e suas aplicações Helena Campos (Engenharia Química) 28 de Setembro de 2010 Principais contaminantes da água Particulas Suspensas: Sílica (SiO 2 ) Resíduos das tubagens Matéria

Leia mais

Sistema Purificador de Água Purificada (API) Osmose Reversa OS LXE

Sistema Purificador de Água Purificada (API) Osmose Reversa OS LXE Sistema Purificador de Água Purificada (API) Osmose Reversa OS LXE Data: setembro/2013 2 Osmose Reserva OS LXE Índice Desinfecção/sanitização... 18 Diagrama de componentes... 4 Elementos filtrantes...

Leia mais

Elaborado por: Antônio do Amaral Batista Revisado por: Silvia Valim de Melo Aprovado por: Andréa Cauduro de Castro

Elaborado por: Antônio do Amaral Batista Revisado por: Silvia Valim de Melo Aprovado por: Andréa Cauduro de Castro POPE: B-22 Página 1 de 6 1. Identificação do equipamento: 1.1 Nome: Produtor de Água Reagente Millipore 1.2 Modelo: Elix 100. 1.3 Número de série: Equipamento 1: F9PN23397-E Equipamento 2: F2JA36417-E

Leia mais

11º Congresso Mundial de Esterilização 7º Simpósio Internacional de Esterilização e Controle de Infecção Hospitalar

11º Congresso Mundial de Esterilização 7º Simpósio Internacional de Esterilização e Controle de Infecção Hospitalar 11º Congresso Mundial de Esterilização 7º Simpósio Internacional de Esterilização e Controle de Infecção Hospitalar Qualidade da Água: Como definir a escolha do tratamento de água? Consultoria - Acquasoft

Leia mais

Rotina de Controle da Qualidade da Água

Rotina de Controle da Qualidade da Água 1 SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR Rotina de Controle da Qualidade da Água Elaboração: Luciana Augusta Alves Mariano Enfermeira da CCIH/SCIH Abril

Leia mais

Osmose Reversa Conheça este processo de purificação de água

Osmose Reversa Conheça este processo de purificação de água Osmose Reversa Conheça este processo de purificação de água Antes de falarmos sobre Osmose Reversa, precisamos entender o que é Osmose. Osmose é o nome dado ao movimento da água entre meios com concentrações

Leia mais

Tratamento de água para indústria de refrigerantes

Tratamento de água para indústria de refrigerantes Tratamento de água para indústria de refrigerantes Dra. Sonia Maria Costa Celestino Engenheira Química - Pesquisadora em Ciência e Tecnologia de Alimentos Embrapa Cerrados Tel.: (61) 3388-9957 email: sonia.costa@cpac.embrapa.br

Leia mais

Novas Tecnologias no Tratamento Terciário de Água Industrial

Novas Tecnologias no Tratamento Terciário de Água Industrial Novas Tecnologias no Tratamento Terciário de Água Industrial F. H. Harada a, F. P. Capeloza b, L. M. Scarpelini c a. Eng. Químico e MSc pela EPUSP, Coordenador de Engenharia e Propostas da Siemens Water

Leia mais

3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL E MATERIAIS UTILIZADOS

3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL E MATERIAIS UTILIZADOS 51 3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL E MATERIAIS UTILIZADOS 3.1. Biocidas utilizados Os compostos químicos utilizados nos experimentos de corrosão e análise microbiológica foram o hipoclorito de sódio e o peróxido

Leia mais

O Sistema é de fácil instalação pois possui conexão para ligar diretamente na saída da torneira.

O Sistema é de fácil instalação pois possui conexão para ligar diretamente na saída da torneira. Catálogo 2015 Equipamentos BIOFILTER 01 Ideal para lavagem de vidrarias O Sistema é de fácil instalação pois possui conexão para ligar diretamente na saída da torneira. A água produzida tem condutividade

Leia mais

SISTEMAS PARA PURIFICAÇÃO DE ÁGUA

SISTEMAS PARA PURIFICAÇÃO DE ÁGUA SISTEMAS PARA PURIFICAÇÃO DE ÁGUA SISTEMAS DE PURIFICAÇÃO DE ÁGUA Sempre atendendo suas necessidades. INTRODUÇÃO Muitos laboratórios necessitam de água pura e ultrapura diariamente. Sabemos como é importante

Leia mais

Medição de Carbono Orgânico Total em Sistemas de Co-geração

Medição de Carbono Orgânico Total em Sistemas de Co-geração Medição de Carbono Orgânico Total em Sistemas de Co-geração De onde vem o TOC? Lixiviados e ácidos úmicos e outras fontes - Grandes moléculas - Misturas complexas - Desperdício pesticidas? Outras fontes

Leia mais

Novas Tecnologias no Tratamento. Franco Hamilton Harada Larissa Matos Scarpelini

Novas Tecnologias no Tratamento. Franco Hamilton Harada Larissa Matos Scarpelini Novas Tecnologias no Tratamento Terciário i de Água Industrial Franco Hamilton Harada Fernando Palomares Capeloza Larissa Matos Scarpelini Tópicos a serem abordados d Tratamento terciário de águas: Troca

Leia mais

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Parâmetros de qualidade da água Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Coloração - COR Variáveis Físicas associada à presença

Leia mais

Capítulo I Água potável, mineral e de mesa

Capítulo I Água potável, mineral e de mesa Ciência Alimentar e Saúde Composição de Alimentos II Capítulo I Água potável, mineral e de mesa Água Potável deve ser transparente, sem cor, sem odor, livre de microorganismos patogénicos (baixo em microorganismos

Leia mais

Eymard de Meira Breda CRQ 02300/276 Setembro/2001

Eymard de Meira Breda CRQ 02300/276 Setembro/2001 ÁGUA GRAU REAGENTE PARA LABORATÓRIO E OUTROS FINS ESPECIAIS Eymard de Meira Breda CRQ 02300/276 Setembro/2001 1- INTRODUÇÃO A água de abastecimento urbano ("água de torneira") não tem pureza suficiente

Leia mais

INDICE. Introdução 03. Reagentes para Pesquisa Visual ou Qualitativa 03 Reagentes para Análise Quantitativa 03

INDICE. Introdução 03. Reagentes para Pesquisa Visual ou Qualitativa 03 Reagentes para Análise Quantitativa 03 1 INDICE Introdução 03 Reagentes para Pesquisa Visual ou Qualitativa 03 Reagentes para Análise Quantitativa 03 A Água como Reagente 04 Destilação 04 Deionização 04 Osmose Reversa 04 Filtração através de

Leia mais

REGISTRO DO CONTROLE INTERNO DA QUALIDADE DE TIRA PARA URINÁLISE

REGISTRO DO CONTROLE INTERNO DA QUALIDADE DE TIRA PARA URINÁLISE REGISTRO DO CONTROLE INTERNO DA QUALIDADE DE TIRA PARA URINÁLISE Fabricante da tira:...lote:... Amostra-controle:...Lote:... Freqüência: Diária Semanal Mensal Por lote CRITÉRIOS DE ACEITABILIDADE Limites

Leia mais

ESTAÇÃO DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE REÚSO EPAR CAPIVARI II SANASA - CAMPINAS 5º ENCONTRO NACIONAL DE ÁGUAS ABIMAQ SÃO PAULO - SP 14 DE AGOSTO DE 2014

ESTAÇÃO DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE REÚSO EPAR CAPIVARI II SANASA - CAMPINAS 5º ENCONTRO NACIONAL DE ÁGUAS ABIMAQ SÃO PAULO - SP 14 DE AGOSTO DE 2014 ESTAÇÃO DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE REÚSO EPAR CAPIVARI II SANASA - CAMPINAS 5º ENCONTRO NACIONAL DE ÁGUAS ABIMAQ SÃO PAULO - SP 14 DE AGOSTO DE 2014 Objetivos principais do tratamento de esgoto Necessidade...A

Leia mais

Um sistema de filtragem deve ter no mínimo três etapas:

Um sistema de filtragem deve ter no mínimo três etapas: 1. FILTRAÇÃO FILTRAGEM DE AQUÁRIOS: A) Por que Filtrar? Em um ecossistema semi-aberto como um aquário, onde são constantemente introduzidas porções de matéria orgânica (alimentos, plantas, peixes, micro-organismos,

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS DEPARTAMENTO DE QUÍMICA

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS DEPARTAMENTO DE QUÍMICA CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS DEPARTAMENTO DE QUÍMICA PROCESSOS QUÍMICOS TECNOLÓGICOS Ângela de Mello Ferreira Belo Horizonte 2013 Prática 02 Processo de coagulação e floculação

Leia mais

Alzira Maria da Silva Martins

Alzira Maria da Silva Martins Faculdade de Ciências Farmacêuticas Dep. Tecnologia Bioquímico-Farmacêutica Curso de Tecnologia Químico-Farmacêutica Dissertação para obtenção do grau de Mestre Alzira Maria da Silva Martins Orientadora:Prof.

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS POP: I 115 Página 1 de 6 1. Objetivo Estabelecer a sistemática para a produção de água reagente para o abastecimento do equipamento Architecti2000 (Abbott), dos demais equipamentos que utilizam esta água

Leia mais

Deionizador Evolution 2

Deionizador Evolution 2 Linha Laboratório Deionizador Evolution 2 Utilizando tecnologia de troca iônica, este equipamento retém sais minerais dissolvidos em água, dando-lhes uma pureza iônica superior à água bidestilada; Desenvolvido

Leia mais

Sistema Purificador de Água Osmose Reversa Linha LZ

Sistema Purificador de Água Osmose Reversa Linha LZ Sistema Purificador de Água Osmose Reversa Linha LZ Versão: 1.0 Data: 04/02/2011 1 PARABÉNS POR TER ADQUIRIDO ESTE PRODUTO Você acaba de adquirir um produto com o Selo Verde, isto é um produto que apresenta

Leia mais

Depuração das aguas residuais provenientes da plantas de tratamento das superficies. Gianfranco Verona

Depuração das aguas residuais provenientes da plantas de tratamento das superficies. Gianfranco Verona Depuração das aguas residuais provenientes da plantas de tratamento das superficies Gianfranco Verona DESCARTE ZERO NUMA CABINE DE PINTURA SKIMMERFLOT Para o tratamento e a reutilização de águas provenientes

Leia mais

Usando a instrumentação na obtenção de água purificada para produção de fármacos

Usando a instrumentação na obtenção de água purificada para produção de fármacos Usando a instrumentação na obtenção de água purificada para produção de fármacos Como funciona um sistema gerador de água purificada para o processo de fabricação de fármacos através do método de osmose

Leia mais

PLANTA DE ÁGUA USP. Tipos de Contaminação. Entendendo e Solucionando Problemas de Contaminação em Sistemas de Água Purificada. Origem da Contaminação

PLANTA DE ÁGUA USP. Tipos de Contaminação. Entendendo e Solucionando Problemas de Contaminação em Sistemas de Água Purificada. Origem da Contaminação Entendendo e Solucionando Problemas de Contaminação em Sistemas de Água Purificada Tipos de Contaminação Contaminação Inorgânica. Contaminação Orgânica. Origem da Contaminação Fontes Externas Fontes Internas

Leia mais

ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA DO POÇO ARTESIANO DO DISTRITO DE SÃO JOSÉ, PR

ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA DO POÇO ARTESIANO DO DISTRITO DE SÃO JOSÉ, PR 5 a 8 de Outubro de 11 ISBN 97885884551 ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA DO POÇO ARTESIANO DO DISTRITO DE SÃO JOSÉ, PR Jackeline Mondini 1 ; Jéssica Cristina Da Silva 1 ; Leia Carolina Lúcio RESUMO: A água

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES Q842-210 APARELHO DE OSMOSE REVERSA Q842-U210

MANUAL DE INSTRUÇÕES Q842-210 APARELHO DE OSMOSE REVERSA Q842-U210 MANUAL DE INSTRUÇÕES Q842-210 APARELHO DE OSMOSE REVERSA Q842-U210 Fabricação: QUIMIS Produto Brasileiro Quimis Aparelhos Científicos LTDA Rua Gema 278/292 Jd. São Judas Tadeu Diadema SP CEP 09930-290

Leia mais

DETERMINAÇÃO DE TURBIDEZ, SÓLIDOS TOTAIS DISSOLVIDOS E CONDUTIVIDADE ELÉTRICA DA ÁGUA DE POÇOS ARTESIANOS NO MUNICÍPIO DE ANANINDEUA PA

DETERMINAÇÃO DE TURBIDEZ, SÓLIDOS TOTAIS DISSOLVIDOS E CONDUTIVIDADE ELÉTRICA DA ÁGUA DE POÇOS ARTESIANOS NO MUNICÍPIO DE ANANINDEUA PA DETERMINAÇÃO DE TURBIDEZ, SÓLIDOS TOTAIS DISSOLVIDOS E CONDUTIVIDADE ELÉTRICA DA ÁGUA DE POÇOS ARTESIANOS NO MUNICÍPIO DE ANANINDEUA PA Paula Cristina Mendes Nogueira MARQUES (1) ; Emerson Renato Maciel

Leia mais

Sugerencias para el uso de equipos de CLAE. Geison Modesti Costa Escola de Verão em Farmacognosia Fevereiro, 2010 Florianópolis

Sugerencias para el uso de equipos de CLAE. Geison Modesti Costa Escola de Verão em Farmacognosia Fevereiro, 2010 Florianópolis Sugerencias para el uso de equipos de CLAE Geison Modesti Costa Escola de Verão em Farmacognosia Fevereiro, 2010 Florianópolis ESQUEMA DE FUNCIONAMENTO HPLC Injetor Bomba Reservatório Coluna Registrador

Leia mais

Curso de Processamento de Materiais Médico-Hospitalares e Odontológicos. Enf. Mônica Saladini Sundin

Curso de Processamento de Materiais Médico-Hospitalares e Odontológicos. Enf. Mônica Saladini Sundin Curso de Processamento de Materiais Médico-Hospitalares e Odontológicos Enf. Mônica Saladini Sundin ph Endotoxina s Bactérias Sulfato Alcalinidade Condutividade ÁGUA Gases dissolvidos Ferro Dureza

Leia mais

POP 01 (Potabilidade da Água) RESTAURANTE...

POP 01 (Potabilidade da Água) RESTAURANTE... POP 01 (Potabilidade da Água) RESTAURANTE... Modelo sugerido por Márcia M M Paranaguá,, em conformidade com as leis da ANVISA. Código: POP - 01 Página: 2 de 6 1 OBJETIVO Estabelecer procedimentos a serem

Leia mais

Sistema Purificador de Água Osmose Reversa Linha LX

Sistema Purificador de Água Osmose Reversa Linha LX Sistema Purificador de Água Osmose Reversa Linha LX Versão: 2.0 Data: 06/03/2012 1 PARABÉNS POR TER ADQUIRIDO ESTE PRODUTO Você acaba de adquirir um produto com o Selo Verde, isto é um produto que apresenta

Leia mais

INSTITUTO HAHNEMANNIANO DO BRASIL DEPARTAMENTO DE ENSINO. Curso de Pós-Graduação Lato sensu em Homeopatia Área de Concentração: Farmácia MONOGRAFIA

INSTITUTO HAHNEMANNIANO DO BRASIL DEPARTAMENTO DE ENSINO. Curso de Pós-Graduação Lato sensu em Homeopatia Área de Concentração: Farmácia MONOGRAFIA INSTITUTO HAHNEMANNIANO DO BRASIL DEPARTAMENTO DE ENSINO Curso de Pós-Graduação Lato sensu em Homeopatia Área de Concentração: Farmácia MONOGRAFIA Água purificada: teste físico-químico e a viabilidade

Leia mais

Água grau reagente para laboratórios e outros fins especiais Eymard de Meira Breda

Água grau reagente para laboratórios e outros fins especiais Eymard de Meira Breda Água grau reagente para laboratórios e outros fins especiais Eymard de Meira Breda Sobre a obra: Esta obra pretende transmitir informações específicas sobre purificação e controle da qualidade de água

Leia mais

TRATAMENTO DA ÁGUA. Professora: Raquel Malta Química 3ª série - Ensino Médio

TRATAMENTO DA ÁGUA. Professora: Raquel Malta Química 3ª série - Ensino Médio TRATAMENTO DA ÁGUA Professora: Raquel Malta Química 3ª série - Ensino Médio Água poluída: água inadequada para beber ou para fazer nossa higiene. Diversas substâncias naturalmente presentes na água são

Leia mais

Curso de Inspeção de BPF de Medicamentos

Curso de Inspeção de BPF de Medicamentos Curso de Inspeção de BPF de Medicamentos Sistema de Purificação de Água Anderson Vezali Montai COIME/GIMEP/GGIMP/ANVISA Brasília, 28 de Novembro de 2012. Conteúdo Programático Parte 1 - Introdução Parte

Leia mais

Saneamento I Tratamento de água. Eduardo Cohim edcohim@gmail.com

Saneamento I Tratamento de água. Eduardo Cohim edcohim@gmail.com Saneamento I Tratamento de água Eduardo Cohim edcohim@gmail.com 1 Concepção de sistemas de abastecimento de água Estação de tratamento ETA Conjunto de unidades destinado a tratar a água, adequando suas

Leia mais

Desinfecção de Água. Indústria de Bebidas

Desinfecção de Água. Indústria de Bebidas Desinfecção de Água Indústria de Bebidas Tecnologia, inovação, melhoria contínua, confiabilidade e excelência. É isso que faz da TECHFILTER uma empresa moderna e diferenciada, especializada em sistemas

Leia mais

ÁGUA PURIFICADA. Ensaios contidos na monografia de água purificada segundo a Farmacopéia Brasileira 5 Edição. Farmacopéia Brasileira 5 Ed.

ÁGUA PURIFICADA. Ensaios contidos na monografia de água purificada segundo a Farmacopéia Brasileira 5 Edição. Farmacopéia Brasileira 5 Ed. ÁGUA PURIFICADA (1-) Introdução Segundo a Resolução RDC nº 67, de 08 de outubro de 2007 que dispõe sobre Boas Práticas de Manipulação de Preparações Magistrais e Oficinais para Uso Humano em farmácias,

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA 2012

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA 2012 INTRODUÇÃO: RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA 2012 O objetivo deste relatório é apresentar os resultados do ano de 2012 de qualidade das águas de abastecimento de Jurerê Internacional pelo

Leia mais

http://intranet.ad.finep.gov.br/sistemas/operacionais/acompanhamento_tecnico/cron...

http://intranet.ad.finep.gov.br/sistemas/operacionais/acompanhamento_tecnico/cron... Página 1 de 5 RELAÇÃO DE ITENS DA CONTRAPARTIDA E DE OUTROS APORTES Referência: 0636/10 Convênio: 01.10.0767.01 Despesas Acessórias de Importação Conjunto de Componentes para vácuo Sistema de vácuo com

Leia mais

17 ÁGUA DE RESFRIAMENTO

17 ÁGUA DE RESFRIAMENTO 215 17 ÁGUA DE RESFRIAMENTO A remoção de calor indesejável na operação de um processo industrial algumas vezes é necessário. Entre os meios utilizados a água é tida como eficaz na absorção e no afastamento

Leia mais

PROCESSOS ELETROQUÍMICOS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES VISANDO O REÚSO DE ÁGUA

PROCESSOS ELETROQUÍMICOS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES VISANDO O REÚSO DE ÁGUA PROCESSOS ELETROQUÍMICOS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES VISANDO O REÚSO DE ÁGUA Andréa Moura Bernardes amb@ufrgs.br 2013 Múltiplos Usos da Água http://www.acinh.com.br/download/presente%20futuro%20rio%20dos%20sinos.pdf

Leia mais

Declaração de Conflitos de Interesse. Nada a declarar.

Declaração de Conflitos de Interesse. Nada a declarar. Declaração de Conflitos de Interesse Nada a declarar. GESTÃO DA QUALIDADE DE FORNECEDORES ÁGUA REAGENTE Ana Paula Lima 2 Fornecedores O Sistema de Gestão da Qualidade do laboratório deve contemplar o fornecimento

Leia mais

faq preguntas mais frequentes.

faq preguntas mais frequentes. faq preguntas mais frequentes. FAQ - Frequently asked questions Informações gerais... 3 Os sistemas de água Trunz são únicos porque:... 3 Como funcionam os Sistemas de Água Trunz?... 3 Os sistemas de água

Leia mais

Plano Escrito de Procedimentos. Monitorização Ações corretivas Verificação Registros

Plano Escrito de Procedimentos. Monitorização Ações corretivas Verificação Registros Profª Celeste Viana Plano Escrito de Procedimentos (requisitos das BPF) Monitorização Ações corretivas Verificação Registros PPHO 1 Potabilidade da água PPHO 2 PPHO 3 PPHO 4 PPHO 5 PPHO 6 Higiene das superfícies

Leia mais

Waterbook da Thermo Scientific. excepcionais sistemas de água para laboratório de um jeito simples

Waterbook da Thermo Scientific. excepcionais sistemas de água para laboratório de um jeito simples Waterbook da Thermo Scientific excepcionais sistemas de água para laboratório de um jeito simples Índice excepcionais sistemas de água para laboratório de um jeito simples H 2 O. Um composto tão simples.

Leia mais

Aparelho de cromatografia líquida de alta eficiência (HPLC), modelo Prominence, marca SHIMADZU:

Aparelho de cromatografia líquida de alta eficiência (HPLC), modelo Prominence, marca SHIMADZU: Aparelho de cromatografia líquida de alta eficiência (HPLC), modelo Prominence, marca SHIMADZU: Os componentes de uma cromatografia líquida são: bomba, coluna cromatográfica, detector e o registrador.

Leia mais

OBSERVAÇÃO: O USUÁRIO É RESPONSÁVEL PELA ELIMINAÇÃO DAS REVISÕES ULTRAPASSADAS DESTE DOCUMENTO

OBSERVAÇÃO: O USUÁRIO É RESPONSÁVEL PELA ELIMINAÇÃO DAS REVISÕES ULTRAPASSADAS DESTE DOCUMENTO Página 1 de 12 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REV DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 00 14/05/09 19/12/09 Emissão inicial Estruturação geral Emissão Aprovada N/A OBSERVAÇÃO: O USUÁRIO É RESPONSÁVEL PELA ELIMINAÇÃO DAS

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE QUALIDADE DAS ÁGUAS DE ABASTECIMENTO - 2009

RELATÓRIO ANUAL DE QUALIDADE DAS ÁGUAS DE ABASTECIMENTO - 2009 RELATÓRIO ANUAL DE QUALIDADE DAS ÁGUAS DE ABASTECIMENTO - 2009 INTRODUÇÃO O objetivo deste relatório é apresentar os resultados, relativos ao ano de 2009, de qualidade das águas de abastecimento de Jurerê

Leia mais

Bioquímicos, Auxiliares e Estagiários dos Setores de Microbiologia, Hematologia, Imunologia e Biologia Molecular do LAC - HNSC.

Bioquímicos, Auxiliares e Estagiários dos Setores de Microbiologia, Hematologia, Imunologia e Biologia Molecular do LAC - HNSC. 1. Identificação do Equipamento: Cabine de segurança biológica (CSB). Capela de exaustão (CE). POP: L 23 Página 1 de 5 1.1 Setor Alocado: Setores: Microbiologia, Imunologia, Biologia molecular. 1.3 Assistência

Leia mais

Protocolo, ed. V 21/01/2013

Protocolo, ed. V 21/01/2013 2013 Protocolo, ed. V Preparo e Dosagem 21/01/2013 www.ecosynth.com.br Protocolo ATM - ed.05 (jan/2013) Página 2 1. APRESENTAÇÃO A propriedade de ocupar áreas destinadas a expansão industrial, custo de

Leia mais

Controle de populações microbianas: eficácia da ação de desinfetantes sobre superfícies inertes

Controle de populações microbianas: eficácia da ação de desinfetantes sobre superfícies inertes Departamento de Microbiologia Instituto de Ciências Biológicas Universidade Federal de Minas Gerais http://www.icb.ufmg.br/mic Controle de populações microbianas: eficácia da ação de desinfetantes sobre

Leia mais

HIDROPONIA Qualidade da água. Prof. Dr. Osmar Souza dos Santos UFSM

HIDROPONIA Qualidade da água. Prof. Dr. Osmar Souza dos Santos UFSM HIDROPONIA Qualidade da água Prof. Dr. Osmar Souza dos Santos UFSM CURIOSIDADES DA ÁGUA 75% da terra está coberta com água Terra plana: cobertura de 2,5 km de água 0,005% se move por dia no ciclo hidrológico

Leia mais

Apoiada nestes 3 pilares buscamos oferecer uma completa linha de produtos e serviços (de???), oferecendo aos nosso clientes o mais elevado nível de

Apoiada nestes 3 pilares buscamos oferecer uma completa linha de produtos e serviços (de???), oferecendo aos nosso clientes o mais elevado nível de Apoiada nestes 3 pilares buscamos oferecer uma completa linha de produtos e serviços (de???), oferecendo aos nosso clientes o mais elevado nível de satisfação, de forma sustentável. Solução analítica para

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL FÊMINA LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS SETOR DE BIOQUÍMICA TIPAGEM ABO/Rh EM GEL CENTRIFUGAÇÃO

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL FÊMINA LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS SETOR DE BIOQUÍMICA TIPAGEM ABO/Rh EM GEL CENTRIFUGAÇÃO 1. Sinonímia: POP n.º: B21 Página 1 de 12 GRUPO SANGÜÍNEO e FATOR RH, RH e GRUPO. Mnemônico: AB 2. Aplicabilidade: Bioquímicos do setor de bioquímica do LAC-HF. 3. Aplicação clínica: Determinação do grupo

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Folha: 01/05 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO IBRA INTITUTO BRASILEIRO DE ANÁLISES QUIMICAS, FÍSICAS E BIOLÓGICAS LTDA AGRICULTURA E PECUÁRIA TECIDO VEGETAL Determinação do Boro pelo método Colorimétrico

Leia mais

"Análises obrigatórias para as várias fontes de abastecimento de água para o consumo"

Análises obrigatórias para as várias fontes de abastecimento de água para o consumo "Análises obrigatórias para as várias fontes de abastecimento de água para o consumo" Dr. Eneo Alves da Silva Jr. Controle Higiênico Sanitário de Alimentos CONTROLE DE ÁGUA NOS ESTABELECIMENTOS RDC 216/Anvisa

Leia mais

1. Introdução. 3 gutembergue.13@gmail.com; 4 gabriel12345681@hotmail.com; 5 carolinachiamulera10@gmail.com.

1. Introdução. 3 gutembergue.13@gmail.com; 4 gabriel12345681@hotmail.com; 5 carolinachiamulera10@gmail.com. Reaproveitamento da água efluente dos bebedouros pré-tratada em filtro alternativo: uma prática de educação ambiental na E.E.E.M. Severino Cabral na cidade de Campina Grande/PB Autor (s): Cibele Medeiros

Leia mais

Aplicação da hidrologia para prevenção de desastres naturais, com ênfase em mapeamento

Aplicação da hidrologia para prevenção de desastres naturais, com ênfase em mapeamento Jaraguá do Sul, 27 e 28 de agosto de 2012 Curso de Capacitação Aplicação da hidrologia para prevenção de desastres naturais, com ênfase em mapeamento Gean P. Michel (UFSC) Masato Kobiyama (UFSC) Roberto

Leia mais

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO Qualidade da Água de Abastecimento da sede do Município de Coimbra Belo Horizonte Dezembro de 2014 ÍNDICE 1. IDENTIFICAÇÃO DA AGÊNCIA REGULADORA... 5 2. IDENTIFICAÇÃO DO PRESTADOR

Leia mais

Ensaio de Proficiência

Ensaio de Proficiência Ensaio de Proficiência Cromatografia de Íons - Variações de Cátions e Ânions - Bruno César Diniz Metrohm Pensalab bcd@metrohm.com.br IC - Ânions e Cátions Conteúdo Precisão X Exatidão Qualificação de Operação

Leia mais

Um pouco da nossa história

Um pouco da nossa história Um pouco da nossa história Possui 250 empresas Presente 57 países 119 mil empregados Produtos presente 175 países US$ 63,4 bilhões faturamento Instalada em SP em 1933 Em 1954 mudou-se para SJC 1 milhão

Leia mais

----------------------------------------------------------------------------------- Item Descrição dos Produtos e Serviços Qtde Unitário Total

----------------------------------------------------------------------------------- Item Descrição dos Produtos e Serviços Qtde Unitário Total A FUND. UNIV.FEDERAL DO PAMPA - UNIPAMPA R MELANIE GRANIER, 48 BAGE/RS PREGÃO ELETRÔNICO Nº009/2011 PROCESSO Nº23100.000405/2011-86 DIA 06/05/2011 ÀS 09:00HS PROPOSTA Nº165.317 -----------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

AUTOCLAVE HORIZONTAL HOSPITALAR AUTOMÀTICA, ELÉTRICA, COM CAPACIDADE MÌNIMA DE 520 LITROS B3.

AUTOCLAVE HORIZONTAL HOSPITALAR AUTOMÀTICA, ELÉTRICA, COM CAPACIDADE MÌNIMA DE 520 LITROS B3. AUTOCLAVE HORIZONTAL HOSPITALAR AUTOMÀTICA, ELÉTRICA, COM CAPACIDADE MÌNIMA DE 520 LITROS B3. Descrição Básica: Autoclave horizontal, automática com comando microprocessado, elétrica, com câmara dupla

Leia mais

Tratamento de Efluentes e Destinação dos Resíduos de Ensaios por Líquidos Penetrantes

Tratamento de Efluentes e Destinação dos Resíduos de Ensaios por Líquidos Penetrantes Tratamento de Efluentes e Destinação dos Resíduos de Ensaios por Líquidos Penetrantes Sinopse Descrição de descarte dos resíduos originados dos ensaios por líquidos penetrantes por meio de processo físico

Leia mais

QUALIDADE DA ÁGUA DISTRIBUÍDA PELOS CAMINHÕES-PIPA PARA CONSUMO HUMANO

QUALIDADE DA ÁGUA DISTRIBUÍDA PELOS CAMINHÕES-PIPA PARA CONSUMO HUMANO QUALIDADE DA ÁGUA DISTRIBUÍDA PELOS CAMINHÕES-PIPA PARA CONSUMO HUMANO Adriana Moreira de Carvalho Biológa, mestra em Saneamento e Meio Ambiente e aluna especial em doutorado área Águas Subterrâneas pela

Leia mais

Sensor Smart de TOC. ç nuas On-Line Monitoramente de Carbono Orgânico Total. THORNTON Leading Pure Water Analytics

Sensor Smart de TOC. ç nuas On-Line Monitoramente de Carbono Orgânico Total. THORNTON Leading Pure Water Analytics THORNTON Leading Pure Water Analytics Sensor Smart de TOC Sensor 5000TOC Medições rápidas e contínuas Sem necessidade de reagentes ou substâncias químicas Sem partes móveis Cumpre os requisitos USP ,

Leia mais

PAC 05. Água de Abastecimento

PAC 05. Água de Abastecimento PAC 05 Página 1 de 9 PAC 05 Água de Abastecimento PAC 05 Página 2 de 9 1. Objetivo----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------03

Leia mais

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO Objetivo DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO Este documento tem como objetivo definir diretrizes e orientações para projetos de laboratórios de Sistemas de Tratamento de Água. Considerações iniciais Para estabelecimentos

Leia mais

GLOSSÁRIO MICROBIOLÓGICOS FÍSICO-QUÍMICOS PARÂMETROS PARÂMETROS

GLOSSÁRIO MICROBIOLÓGICOS FÍSICO-QUÍMICOS PARÂMETROS PARÂMETROS PARÂMETROS MICROBIOLÓGICOS Coliformes Fecais (E.Coli), Enterococos, Clostrídios Perfringens Os organismos pertencentes a este grupo estão presentes nas matérias fecais de todos os animais de sangue quente.

Leia mais

REUSO DE ÁGUA A PARTIR DE EFLUENTE TRATADO TÉCNICAS E INOVAÇÕES

REUSO DE ÁGUA A PARTIR DE EFLUENTE TRATADO TÉCNICAS E INOVAÇÕES REUSO DE ÁGUA A PARTIR DE EFLUENTE TRATADO TÉCNICAS E INOVAÇÕES OBTER ÁGUA DE REUSO DE BOA QUALIDADE COMEÇA POR UM SISTEMA TRATAMENTO DE ESGOTOS DE ALTA PERFORMANCE TRATAMENTO PRIMÁRIO: CONSISTE NA SEPARAÇÃO

Leia mais

Oxidação + remoção por precipitação química

Oxidação + remoção por precipitação química ETA - ESQUEMA DE TRATAMENTO PARÂMETROS A ACTUAR OPERAÇÕES OU PROCESSOS UNITÁRIOS Ferro/manganésio Turvação Parâmetros microbiológicos Sólidos suspensos totais Equilíbrio calco-carbónico Oxidação da matéria

Leia mais

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES 1. OBJETO Contratação de empresa especializada em limpeza e higienização para lavagem e desinfecção dos reservatórios de água que abastecem as áreas de alimentação, saúde e pontos

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 Norma de Origem: NIT-DICLA-013 Folha: 1 / 05 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO QUALITEX ENGENHARIA E SERVIÇOS LTDA ÁGUA TRATADA, RESIDUAL, E ÁGUA Determinação

Leia mais

TRATAMENTO DA ÁGUA PARA GERADORES DE VAPOR

TRATAMENTO DA ÁGUA PARA GERADORES DE VAPOR Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br 1 INTRODUÇÃO: A água nunca está em estado puro, livre de

Leia mais

Esterilização a Vapor - O papel do Técnico 2. Unidade Local de Saúde da Guarda, EPE. Esterilização a Vapor - O papel do Técnico 2

Esterilização a Vapor - O papel do Técnico 2. Unidade Local de Saúde da Guarda, EPE. Esterilização a Vapor - O papel do Técnico 2 Guarda, 8 e 9 de Fevereiro de 2013. Unidade Local de Saúde da Guarda, EPE 1 Manutenção Definição de manutenção: Manutenção é toda acção de controle e monitorização do equipamento. Manutenção não aumenta

Leia mais

- Manual Prático e Fundamentos. SNatural Meio Ambiente

- Manual Prático e Fundamentos. SNatural Meio Ambiente Tratamento de Água - Manual Prático e Fundamentos SNatural Meio Ambiente Rua das Orquídeas, 94 Vila Mariana SP São Paulo 04050 000 Fone: 11 5072 5452 www.snatural.com.br snatural@sti.com.br 1 Tratamento

Leia mais

Alimentação de Caldeiras

Alimentação de Caldeiras Tratamento Sustentável para a água de Alimentação de Caldeiras Siemens Ltda Water Technologies 27 outubro 2011 Nossas raízes nasceram na USFilter Page 2 11/2011 Marcelo Batista Nossas raízes nasceram na

Leia mais

_SISTEMAS DOMÉSTICOS PARA TRATAMENTO DE ÁGUA

_SISTEMAS DOMÉSTICOS PARA TRATAMENTO DE ÁGUA _SISTEMAS DOMÉSTICOS PARA TRATAMENTO DE ÁGUA 1. INTRODUÇÃO A convicção, ainda hoje frequente na população, de que a água da rede de abastecimento público não possui qualidade adequada para consumo humano

Leia mais

SISTEMAS DE FILTRAÇÃO

SISTEMAS DE FILTRAÇÃO SISTEMAS DE FILTRAÇÃO CONCEITO DE FILTRAÇÃO Filtração é o processo de remoção de partículas sólidas de um meio líquido que passa através de um meio poroso. Desta forma, os materiais sólidos presentes no

Leia mais

CET 303 Química Aplicada. Relatório: Visita técnica Estação de tratamento de água ETA 3 Capim Fino, em Piracicaba. Data da visita: 02.04.

CET 303 Química Aplicada. Relatório: Visita técnica Estação de tratamento de água ETA 3 Capim Fino, em Piracicaba. Data da visita: 02.04. Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Tecnologia - FT Curso de Especialização em Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável CET 303 Química Aplicada Relatório: Visita técnica Estação de tratamento

Leia mais

Procedimentos de Gestão da Qualidade. NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Dr. Renato L. Filho. Coordenador da Qualidade

Procedimentos de Gestão da Qualidade. NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Dr. Renato L. Filho. Coordenador da Qualidade Versão: 1 Pg: 1/5 NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Dr. Renato L. Filho Coordenador da Qualidade 22/08/2016 DE ACORDO Dra. Débora Salles Supervisora da Qualidade 22/08/2016 APROVADO POR Dr. Renato

Leia mais

MINISTERIO DE AGRICULTURA E DESENVOLVIMENTO RURAL DIRECÇÃO GERAL DE ENGENHARIA E DESENVOLVIENTO RURAL LABORATÓRIO NACIONAL DOS SOLOS, ÁGUA E PLANTAS

MINISTERIO DE AGRICULTURA E DESENVOLVIMENTO RURAL DIRECÇÃO GERAL DE ENGENHARIA E DESENVOLVIENTO RURAL LABORATÓRIO NACIONAL DOS SOLOS, ÁGUA E PLANTAS REPÚBLICA DA GUINÉ-BISSAU MINISTERIO DE AGRICULTURA E DESENVOLVIMENTO RURAL DIRECÇÃO GERAL DE ENGENHARIA E DESENVOLVIENTO RURAL LABORATÓRIO NACIONAL DOS SOLOS, ÁGUA E PLANTAS É sabido que agricultura sem

Leia mais

QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DE ÁGUA DESTILADA E OSMOSE REVERSA 1. Wendel da Silva Lopes 2, Andressa da Silva Lopes 3, Adriana Maria Patarroyo Vargas 4.

QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DE ÁGUA DESTILADA E OSMOSE REVERSA 1. Wendel da Silva Lopes 2, Andressa da Silva Lopes 3, Adriana Maria Patarroyo Vargas 4. 525 QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DE ÁGUA DESTILADA E OSMOSE REVERSA 1 Wendel da Silva Lopes 2, Andressa da Silva Lopes 3, Adriana Maria Patarroyo Vargas 4. Resumo: A água utilizada para fins farmacêuticos

Leia mais

1- OBJETIVO : 2- ABRANGÊNCIA: Todos os setores do Laboratório. 3- RESPONSÁVEL PELA ATIVIDADE: Todos os funcionários. 4- MATERIAL:

1- OBJETIVO : 2- ABRANGÊNCIA: Todos os setores do Laboratório. 3- RESPONSÁVEL PELA ATIVIDADE: Todos os funcionários. 4- MATERIAL: 1- OBJETIVO : Estabelecer e padronizar condutas a serem tomadas pelo laboratório, incluindo a ativação de processos manuais, para fazer com que seus processos vitais voltem a funcionar plenamente, ou num

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 5 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO BRASÁGUA TRATAMENTO DE ÁGUA E EFLUENTES DO BRASIL LTDA

Leia mais

Também aqui a qualidade faz toda a diferença. Contratação de serviços requer atenção especial para cálculo da retenção previdenciária

Também aqui a qualidade faz toda a diferença. Contratação de serviços requer atenção especial para cálculo da retenção previdenciária ANO II Nº7 OUT/NOV/DEZ/2004 Contratação de serviços requer atenção especial para cálculo da retenção previdenciária Também aqui a qualidade faz toda a diferença A preocupação com a potabilidade da água

Leia mais

arium advance EDI A mais confiável Eletro Deionização Benefícios Descrição do Produto Aplicações Alta qualidade de água Tipo 2

arium advance EDI A mais confiável Eletro Deionização Benefícios Descrição do Produto Aplicações Alta qualidade de água Tipo 2 arium advance EDI A mais confiável Eletro Deionização Benefícios Confiável Alta qualidade de Água Tipo 2 produzida com a mais nova tecnologia EDI. Economia de tempo Uso da inovadora tecnologia de bolsa,

Leia mais

Medidor Multi 340i (WTW)

Medidor Multi 340i (WTW) Medidor Multi 340i (WTW) 1 - Características do Medidor O medidor possui duas entradas para sensores, uma para ph ou ORP e outra para OD ou Cond (Condutividade). 1 Eletrodo de OD ou de condutividade 2

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL FEMINA LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS SETOR DE HEMATOLOGIA AUTOMAÇÃO EM HEMATOLOGIA SYSMEX XT 4000i

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL FEMINA LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS SETOR DE HEMATOLOGIA AUTOMAÇÃO EM HEMATOLOGIA SYSMEX XT 4000i POPE n.º: H 01 Página 1 de 6 1. Identificação do equipamento: 1.1 Nome: Analisador Hematológico Automatizado Sysmex 1.2 Modelo: XT 4000i 1.3 Número de série: 12780 1.4 Número de patrimônio: Não se aplica

Leia mais

Automação de Tratamento de Água Poço Artesiano

Automação de Tratamento de Água Poço Artesiano Automação de Tratamento de Água Poço Artesiano Luiz Pasin Neto guipasin@uol.com.br UNISAL Lucas Borges Areco lucas8@yahoo.com.br UNISAL Resumo:O Projeto estabelece uma automatização de poços artesianos

Leia mais