Sistema Inteligente Para Suporte Automático

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sistema Inteligente Para Suporte Automático"

Transcrição

1 Sistema Inteligente Para Suporte Automático Maria Fernanda Copetti, Débora Nice Ferrari, Centro Universitário La Salle (UNILASALLE) Av. Victor Barreto, 2288 Centro Canoas/RS Abstract. The growing diversity of available information and technologies to the user is perceived by many as a hardship effect at the moment of accessing and interacting with the system. This essay purposes an intelligent system for automatic support using, the agents technology, in which solutions and explanations will be based on interpretation of messages sent to the agents by the users, requireing from those a minimum technical knowledge. Resumo. A crescente diversidade de informações e tecnologias disponíveis aos usuários revela-se para muitos como um fator dificultante no momento de acessar e interagir com os sistemas. Este trabalho busca propor um sistema inteligente para suporte automático usando tecnologia de agentes. Assim as soluções e esclarecimentos dos problemas serão baseados na interpretação de mensagens enviadas aos mesmos pelos usuários, exigindo-se desse o mínimo de conhecimento técnico. 1. Introdução Com a utilização constante de computadores no ambiente de trabalho, surge à necessidade de uma manutenção e suporte com rapidez e eficiência. O computador sendo uma das principais ferramentas de trabalho, não pode estar indisponível ou desativado devido a problemas de software e hardware. O suporte automático pode ser chave para a diminuição de custos e aumento de disponibilidade de equipamentos. Uma solução paliativa se encontra na terceirização do setor de prestação de serviços de manutenção e suporte, onde as empresas não precisam mais ter especialistas no setor envolvido. O suporte automático consiste em um tipo de ajuda, manutenção, esclarecimento e/ou ferramentas necessárias para o suporte sem a necessidade de se ligar para um setor de helpdesk ou de se realizar a abertura de um chamado técnico. Esta ajuda pode ser de caráter técnico e/ou operacional. Os agentes de interface (também chamados de agentes de usuários - "user agents"), representam uma visão mais específica de agenciamento que tem gerado idéias e discussões altamente estimulantes no campo da interação humano/computador (IHC) (Birmingham, 1995). Este tipo de agente observa e monitora as ações tomadas pelo usuário na interface, aprende novos atalhos e sugere melhores formas de desenvolver a tarefa. Os agentes de interface aprendem para realizar tarefas para os usuários do sistema. Eles ajudam o usuário observando-o e imitando-o, recebendo uma realimentação positiva ou negativa do usuário, recebendo instruções implícitas ou pedindo conselho a outros agentes [Strong 1994].

2 Agentes de interface podem ser utilizados no apoio as tarefas do usuário, principalmente no que diz respeito à interação do usuário no computador. Os exemplos disto são os ajudantes animados dos aplicativos do pacote Office da Microsoft. [Modesto 2003]. Os custos das empresas são reduzidos entre 15% a 25% com a terceirização, a manutenção de aplicativos ocupa entre 75% a 85% dos esforços dos analistas e nos EUA apenas 15% dos processos são realizados com a mão-de-obra da própria empresa [Leite 1994]. Devido à pequena parcela de investimento na automatização da área de suporte, continua sendo gerado um custo muito alto com o pagamento de mão-de-obra técnica, ferramentas de suporte, atendentes de helpdesk e etc. Segundo Rogério Monteiro, gerente de suporte tecnológico da CAIXA, a mesma gasta R$ 25,00 reais em um atendimento técnico remoto, ou seja, com a presença virtual do técnico através de ferramentas de acesso remoto e R$ 134,00 reais em um atendimento técnico no campo, ou seja, com presença real do técnico. Por mês a GISTPO gerência de suporte tecnológico de Porto Alegre, realiza em média 2500 atendimentos de caráter técnico, sem levar em consideração o número de ligações atendidas, também de caráter técnico. [Monteiro 2004] Dentre as poucas empresas que investem em pesquisas na área de automatização do suporte, pode-se citar a Procomp, que investiu em máquina de cash dispenser inteligente. A Procomp obteve como retorno 757 milhões de reais das 60% das agências que são informatizadas em [Procomp 2004]. Levando em consideração o cenário, este trabalho busca propor um sistema inteligente para suporte automático usando para isto tecnologia de agentes. Assim as soluções e esclarecimentos dos problemas serão baseados na interpretação de mensagens enviadas aos usuários, exigindo-se o mínimo de conhecimento técnico. Este artigo está organizado da seguinte maneira: na seção 2 será apresentada uma definição de agente de software. Na seção 3 será apresentado um modelo de sistema inteligente para suporte automático proposto. Já na seção 4 a comparação entre outras propostas e trabalhos semelhantes é feita. Na seção 5 será apresenta as formas de mensuração do estudo de caso para validação do modelo e os recursos utilizados para a implementação do software e/ou sua utilização. Finalmente na seção 6 as conclusões deste artigo são apresentadas. 2. Agente de software Um agente de software pode ser definido como um processo autônomo e direcionado a metas. Está situado em seu ambiente estando ciente, reagindo e retornando a seu ambiente. Pode cooperar com outros agentes de software ou com os próprios usuários do sistema. De um agente de software são esperadas três características: Adaptação: Os agentes se adaptam aos seus ambientes e usuários, e aprendem com suas experiências; Cooperação: Agentes usam linguagens e protocolo padrão para cooperar e colaborar para alcançar metas comuns;

3 Autonomia: Agentes agem autonomamente para seguir sua agenda [Sanchez 1995]. Existem alguns problemas na construção dos agentes que seriam a competência, ou seja, como adquirir o conhecimento necessário, para esta construção? E a confiança, ou seja, como garantir que os usuários vão delegar tarefas? [Wooldridge 1995]. Como referência para construção, pode-se utilizar duas abordagens. Uma abordagem é fazer com que o usuário programe o agente, como no exemplo de agentes semi-autônomos para filtros de . Nesta abordagem, é requerido muito do usuário, ou seja, problema de competência. Uma outra abordagem será fornecer conhecimento do domínio da aplicação e do usuário para o agente (baseada em conhecimento). Esta abordagem exigirá muito trabalho do engenheiro do conhecimento, pouco reuso e o usuário se sentirá sem controle, ou seja, problema de confiança e competência [Wooldridge 1995]. 3. Modelo de sistema inteligente na aérea de suporte automático Sabendo que a maioria das manutenções realizada inclui o diagnóstico e a correção de um ou mais erros, ou seja, do tipo corretiva [Presseman 1995], este trabalho propõe um sistema automático de suporte ao usuário, que será alimentado através de uma base de dados, reduzindo assim o custo de mão-de-obra técnica já que a interatividade ocorrerá junto a um técnico virtual (agente de software). O agente poderá interagir junto ao sistema com ou sem a solicitação do usuário. Este projeto será baseado na arquitetura híbrida, ou seja, envolvendo arquitetura de agentes cognitivos não cooperativos (objetivo global desejado menor que o individual) e reativos (reagindo conforme o estado do ambiente). No referido projeto os agentes terão os seguintes atributos (qualidades): eficiência, flexibilidade, agilidade, autonomia, habilidade social, reatividade e pró-atividade e terá como ambientes dois tipos distintos: Módulo Usuário (estações de trabalho) e Módulo Operador (Servidores para responsáveis técnicos e/ou analistas de suporte); O agente efetuará uma ação de acordo com a sua prioridade (variação de 1 a 4), quanto for maior a prioridade mais rápida a ação deverá realizada (semelhante a uma ação tomada). A categoria de cada ação é de acordo com a visibilidade do usuário, ou seja, existe percepção por parte do usuário que a função esta sendo realizada ou não (evidente ou escondida). Estes agentes possuem algumas características inerentes ao paradigma que são as seguintes: eficiência, agilidade, flexibilidade, autonomia, habilidade social, reatividade e pró-atividade. (Referência quadros 1 e 2 abaixo) 3.1 Principais funções de ambos módulos Contém um banco de dúvidas, onde todos os chamados e esclarecimentos atendidos são armazenados (base de dados) para futuras consultas. As consultas são realizadas por palavras-chaves (quanto mais palavras tipo chave relacionadas ao tema, mais próximo ficará a pesquisa do resultado desejado); ajuda no próprio sistema com auxílio dos agentes de software (Zeroberto e Humberto); demonstração de emoção pelo agente de acordo com a situação; dicionário de dados para comparação a linguagem do dia-a-dia (natural escrita) com a linguagem técnica; temporizador de ações do usuário que acessa o agente (em caso de repetições e demora). 3.2 Requisitos funcionais

4 Neste estudo de caso proposto, como já foi dito anteriormente as funções básicas do sistema se dividem em modo usuário e modo operador. Os modos são baseados em um ambiente de suporte padrão, ou seja, deverão ser atendidos todos os requisitos funcionais e seus atributos como por exemplo, dúvida, erro, usuário, comandos básicos e etc. (Referência figura 1 abaixo) O usuário receberá o suporte através de agentes de software. No se estudo de caso será utilizado os técnicos virtuais ZEROBERTO E HUMBERTO, os bits do suporte. (Referência figura 2 abaixo) Dúvida Erro Chamado Técnico AGENTE Manipular Dados Usuário Alimentador Base Comandos Figura 1 Atributos do ambiente de suporte [Análise de requisitos] Figura 2 Agente de software do Suporte Automático [Zeroberto & Humberto] 3.3 Principais funções do módulo operador No módulo operador existirão ferramentas de apoio ao suporte como comandos já disponibilizados (de acordo com o IP informado o comando será executado remotamente); alertas para quando um servidor estiver fora e/ou algum serviço, destacando se alguém para atender a demanda. Se ninguém atende, permite cadastro no atendimento (este caso se encaixará, se a equipe for composta por mais de um analista e/ou técnico); Item para alimentação e/ou associação de novas dúvidas dos usuários não esclarecidas pelo módulo usuário e/ou estatísticas de dúvidas mais esclarecidas; o sistema informará através de inventário se existe algum software não homologado e/ou fora da versão padrão; o software realizará verificação de espaço em disco apontando arquivos para possível deleção, preocupando-se com a segurança, ou seja, esclarecimento dos dados que não podem ser perdidos; o sistema disponibilizará tutorais para o usuário instalar softwares sem a necessidade de chamado técnico. Função Categoria Prioridade

5 3.4 Principais funções do módulo usuário Esclarecer dúvidas Evidente 03 Alimentar base Escondida 04 Busca de soluções Escondida 02 Reação a situações Evidente 04 Comparar dados Escondida 02 Temporizar ações Escondida 03 Receber dados Evidente 01 Quadro 1 Funções básicas Modo usuário No módulo usuário existirá um assistente para resolução e/ou dicas para problemas mais freqüentes catalogados anteriormente pelo alimentador; Esclarecimento de dúvidas através de uma solicitação ao agente (modo usuário); Downloads de tutoriais para instalação de softwares, sem a necessidade de chamado técnico; O usuário receberá todas as orientações quando a base de dados ou servidor estiver fora dor ar (não respondendo a rede) e quanto as principais dúvidas serão atendidas assim que o serviço normalizar, pois serão armazenadas em arquivos de log; Caso seja estação fora do ar o agente também estará preparado para orientar os usuários (dicas serão apresentadas como verificação de cabo elétrico e/ou lógico, reiniciar a estação e etc). Função Categoria Prioridade Desenvolver tutoriais Evidente 02 Receber dúvidas Evidente 04 Inserir dados Evidente 03 Utilizar ferramentas Evidente 01 Esclarecer dúvidas Evidente 03 Quadro 2 Funções básicas Modo operador 3.5 Arquitetura do sistema e dos agentes O raciocínio ou ação do agente encontra-se no núcleo da arquitetura do agente propriamente dito, envolvendo os respectivos métodos com seus atributos. A comunicação entre o ambiente e o agente se dá através de uma interface, que reconhece o sistema operacional. O agente se comunica com a interface através de mensagens, enviadas e recebidas através dos sensores, solicitando informações sobre o ambiente (estado) e a partir do retorno recebido as decisões serão tomadas, ou seja, os efetuadores realizarão as ações. (Referência figura 3 abaixo) COMUNICAÇÃO AMBIENTE-AGENTE AGENTE INTERFACE S. OPERACIONAL Figura 3 Visão da arquitetura 4. Aplicação de agentes de software em sistema de suporte A utilização de sistemas que interagem com usuário está cada vez mais popular. [Modesto 2003].

6 Algumas das utilidades dos agentes podem ser: esconder complexidade e/ou realizar tarefas, treinar usuários, auxiliar na colaboração entre usuários, monitorar eventos [Wooldridge 1995]. Atualmente uma área de suporte que seja pró-ativa e/ou automática é praticamente inexpressiva. Todos os grandes fabricantes oferecem soluções ditas de alta disponibilidade ou mesmo tolerantes a falhas. Utiliza-se na maioria das empresas intervenções técnicas locais ou remotamente. Estas intervenções geram determinado custo como, por exemplo, mão-de-obra técnica, deslocamento técnico, homologação de ferramentas remotas e etc... Uma das ferramentas de acesso remoto, para intervenções técnicas é o Remote Desktop da McAfee, onde o técnico digita o nome ou IP da estação ou servidor e de acordo com o seu nível de acesso será compartilhado a estação ou servidor. A sensação ao se conectar remotamente com o Remote Desktop, é de estar na frente da máquina. Um dos problemas do Remote Desktop é o controle dos eventos do mouse e teclado que não são efetuados, ou seja, após a estação ser compartilhada o usuário poderá arrastar o mouse e usar o teclado, pois os mesmos não foram bloqueados. O usuário precisará ser avisado para não haver problemas durante a manutenção. O Remote Desktop é instalado remotamente, não precisará ter sua instalação prévia na estação a ser compartilhada (Referência figura 4 abaixo) Outra ferramenta de acesso remoto é Netmetting da Microsoft, que funciona semelhante ao Remote Desktop. As diferenças são controle de eventos de teclado e mouse que é realizado pelo Netmetting e a instalação prévia ao compartilhamento da máquina é necessária pelo mesmo. Figura 4 Remote Desktop Fonte: McAffe Algumas empresas apenas disponibilizam uma página na internet para pesquisas, como no caso da XEROX ou para consulta de chamados técnicos como a ITAUTEC e Outras empresas investem em um tipo de chat para comunicação entre um técnico ou atendente de call center e o usuário, como no caso da InternetBrasil. Hoje em dia, é comum um usuário ficar algum tempo diante de um menu de ajuda. Dependo do nível de conhecimento ou costume com este tipo de ajuda, pode-se perder tempo de trabalho para manutenção da sua estação; ou então, o usuário acaba desistindo e abrindo um chamado técnico e/ou telefonando para uma equipe de helpdesk.

7 Um exemplo suporte automático com a utilização de agentes de software é o sistema da Diebold Procomp, onde a principal atividade oferecida é a monitoração. São 5 os tipos de monitoração oferecidos de maneira inteligente para os equipamentos cash dispenser. Segue a relação de algumas destas monitorações: monitoração de consumíveis: monitora-se papel de impressora, envelopes, fitas de tinta, toner de impressora, folhas de cheque, capas, contra-capas e grampos, assim como outros produtos como tickets, selos, produtos (bebidas, comidas, etc.); monitoração de numerário: o controle monetário, onde são avaliadas as quantidades de cédulas por cassete, moedas por tubo de distribuição e eventos de rejeição de cédulas.; monitoração de sensores: monitoramento de sensores de cofre aberto, temperatura, fumaça e vibração; monitoração de operação: avaliação do desempenho operacional e até agir virtualmente sobre o ambiente, verificando programação e tempo de operação nos abastecimentos e na coleta de malotes e cartões e controlando o arme e desarme de zonas de alarme; monitoração de logística: controle de quantidades e os limites de envelopes coletados e depositados, cartões retidos e numerários das notas e moedas, além do horário de funcionamento das máquinas. [Procomp 2004]. 5. Estudo de caso para a validação da proposta Para mensuração deste estudo de caso, que ocorrerá durante o TCC, será utilizado: uma relação comparativa entre o número de chamados técnicos anteriormente a instalação da implementação de suporte automático, com fase posterior a esta instalação. Esta relação comparativa será baseada no período de 01 mês; será observado o número de telefonemas para área técnica. Telefonemas estes, que sejam para solicitar atendimento técnico. Esta observação será baseada no período de 01 mês; será realizada uma pesquisa junto aos usuários, através de questionário verificando a satisfação do mesmo. Este questionário será aplicado após 03 meses de utilização do sistema pelo usuário. Para possível constatação dos reais resultados deste estudo de caso, estará sendo utilizado o seguinte recurso: sistema operacional Microsoft para redes; aplicativo Word da Microsoft; um software SGDB; um software de navegação. O desenvolvimento do software para suporte automático será feito na linguagem de programação Delphi, utilizando recursos de alguns programas gráficos e de animação. A escolha dos programas, linguagem de programação e sistema operacional acima é baseado no nível de conhecimento desta que escreve o artigo. 6. Conclusão Agentes são atores que interagem com o usuário, como se fossem personagens que auxiliam na realização de determinadas tarefas. Na área de suporte e manutenção, que está cada dia mais terceirizado, existem poucas implementações para automatização inteligente, onde o usuário não precisaria passar por um processo burocrático, como chamado, números de chamados, filas de espera e/ou telefones em call centers para que a manutenção seja efetivada. É com o intuito de minimizar essa necessidade que este artigo apresentou um modelo para futura implementação de um sistema inteligente para suporte automático usando tecnologia de agentes. Este projeto foi desenvolvido para apresentar soluções e esclarecimentos dos problemas encontrados na tecnologia que se torna crescente a cada dia, dificultando o acesso e interação dos usuários nos sistemas.

8 Hoje em dia o suporte normalmente é oferecidas através de um link em página HTML, com instrução e dispobilização de ferramentas e arquivos ou com a intervenção de técnicos via chat on line e/ou ferramentas remotas. Existem também os menus de ajuda, onde o usuário terá que procurar o esclarecimento das suas dúvidas, mas não existe ainda um sistema de automatize este processo, logo este trabalho tem como objetivo a manutenção através de uma aplicação com a ajuda dos conceitos de agente, reduzindo assim o custo de mão-de-obra técnica já que a interatividade ocorrerá junto a um técnico virtual (agente de software Zeroberto e Humberto). O agente se comunicará com a interface através de mensagens enviadas e recebidas pelos usuários através de sensores que solicitarão informações sobre o ambiente (sistema operacional) e a partir do retorno recebido as decisões serão tomadas. O importante nisso tudo é que o usuário poderá ter o mínimo de conhecimento técnico e maior interação com sistema, sem se preocupar onde encontrar a manutenção, caso a mesma seja necessária. Para estudos futuros poderá ser propostos um ambiente com agentes para suporte automático junto com a realidade virtual. O usuário fará uso de ferramentas que o levarão a um ambiente virtual no computador (simuladores com dispositivos multisensoriais) onde o mesmo possa não só participar como expectador, mas também interagindo, realizado assim um suporte automatizado. Referências Bibliografias SANCHEZ, J. A., Azevedo, F. S., and Leggett, J. J. PARAgente: Exploring the issues in agent-based user interfaces. In Proceedings of the First International Conference on Multi-Agent Systems (ICMAS-95), p , San Francisco, Calif., June STRONG, G. (Ed.). Report from the NSF/ARPA Workshop: New Directions in Human-Computer Interaction Education, Research, and Practice. Feb (http://www.sei.cmu.edu/arpa/hci/directions.) WOOLDRIDGE, M.; Jennings, N. R. Intelligent Agents: Theory and Practice. Knowledge Engineering Review. October Revised January BERWICK, R. et al. Report of the NSF Workshop: Research Priorities for the World-Wide Web. National Science Foundation, Arlington, Va (http://www.cc.gatech.edu/gvu/nsf-ws/report/report.html.). BIRMINGHAM, W. An Agent-Based Architecture for Digital Libraries. D- Lib Magazine, July BAECKER, R., Grudin, J., Buxton, W., and Greenberg, S. (Eds.). Readings in Human-Computer Interaction: Toward the Year Morgan Kaufmann Publishers, San Francisco, Calif MODESTO, Lisandro Rogério. Sistema de Interface Inteligente. Faculdade de Apucarana, 2003(www.fap.com.br) PRESSEMAN, Roger S., Engenharia de Software.Markon Books, PROCOMP DIEBOLD 2004 (www.procomp.com.br - item Automação Bancária) LEITE, Jaci Corrêa. Terceirização em informática Informações ágeis e eficazes através de parcerias sólidas e confiáveis. Makron, SOUZA, Clarisse Sieckeniues. Projeto de Interfaces de usuário Perpesctivas cognitivas e semióticas MONTEIRO, Rogério Gerente de GISUTPO (Gerência de Suporte Tecnológico - RS) da Caixa Discurso de informática e dicas 2004

INTERNET HOST CONNECTOR

INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR IHC: INTEGRAÇÃO TOTAL COM PRESERVAÇÃO DE INVESTIMENTOS Ao longo das últimas décadas, as organizações investiram milhões de reais em sistemas e aplicativos

Leia mais

GLADIADOR INTERNET CONTROLADA v.1.2.3.9

GLADIADOR INTERNET CONTROLADA v.1.2.3.9 GLADIADOR INTERNET CONTROLADA v.1.2.3.9 Pela grande necessidade de controlar a internet de diversos clientes, a NSC Soluções em Informática desenvolveu um novo produto capaz de gerenciar todos os recursos

Leia mais

MRS. Monitoramento de Redes e Sistemas

MRS. Monitoramento de Redes e Sistemas MRS Monitoramento de Redes e Sistemas Origem Crescimento rede REGIN de 16 para 293 municípios. Diversidade de tipos de erros. Minimizar esforço e tempo humano gastos na detecção e eliminação de problemas.

Leia mais

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML.

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML. MODELAGEM ORIENTADA A OBJETOS APLICADA À ANÁLISE E AO PROJETO DE SISTEMA DE VENDAS ALTEMIR FERNANDES DE ARAÚJO Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas ANDRE LUIZ DA CUNHA DIAS Discente da

Leia mais

Sistema BuildParty para montagem e gerenciamento de eventos. Plano de Testes. Versão <1.1> DeltaInfo. Soluções para web Soluções para o mundo

Sistema BuildParty para montagem e gerenciamento de eventos. Plano de Testes. Versão <1.1> DeltaInfo. Soluções para web Soluções para o mundo Sistema BuildParty para montagem e gerenciamento de eventos Plano de Testes Versão DeltaInfo Soluções para web Soluções para o mundo DeltaInfo 2 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autores

Leia mais

Automação do Processo de Instalação de Softwares

Automação do Processo de Instalação de Softwares Automação do Processo de Instalação de Softwares Aislan Nogueira Diogo Avelino João Rafael Azevedo Milene Moreira Companhia Siderúrgica Nacional - CSN RESUMO Este artigo tem como finalidade apresentar

Leia mais

Sistema de Recomendação Baseado na Arquitetura Multiagente

Sistema de Recomendação Baseado na Arquitetura Multiagente Sistema de Recomendação Baseado na Arquitetura Multiagente Paulo Burin 1 Orientadora: Fabiana Lorenzi 2 Resumo. Este artigo propõe a construção de uma ferramenta de software baseada na arquitetura multiagente

Leia mais

CRManager. CRManager. TACTIUM CRManager. Guia de Funcionalidades. Versão 5.0 TACTIUM CRManager Guia de Funcionalidades. www.softium.com.

CRManager. CRManager. TACTIUM CRManager. Guia de Funcionalidades. Versão 5.0 TACTIUM CRManager Guia de Funcionalidades. www.softium.com. Tactium Tactium CRManager CRManager TACTIUM CRManager Guia de Funcionalidades 1 O TACTIUM CRManager é a base para implementar a estratégia de CRM de sua empresa. Oferece todo o suporte para personalização

Leia mais

Aranda INVENTORY. Benefícios Estratégicos para sua Organização. (Standard & Plus Edition) Beneficios. Características V.2.0907

Aranda INVENTORY. Benefícios Estratégicos para sua Organização. (Standard & Plus Edition) Beneficios. Características V.2.0907 Uma ferramenta de inventario que automatiza o cadastro de ativos informáticos em detalhe e reporta qualquer troca de hardware ou software mediante a geração de alarmes. Beneficios Informação atualizada

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Competências Analista 1. Administração de recursos de infra-estrutura de tecnologia da informação 2.

Leia mais

Soluções em Software para Medicina Diagnóstica. www.digitalmed.com.br

Soluções em Software para Medicina Diagnóstica. www.digitalmed.com.br Soluções em Software para Medicina Diagnóstica www.digitalmed.com.br NOTA DE AGRADECIMENTO Primeiramente, agradecemos pela sua receptividade em conhecer as nossas soluções, afinal, é sempre uma imensa

Leia mais

Serviço HP StoreEasy 1000/3000 and X1000/3000 Network Storage Solution Installation and Startup

Serviço HP StoreEasy 1000/3000 and X1000/3000 Network Storage Solution Installation and Startup Serviço HP StoreEasy 1000/3000 and X1000/3000 Network Storage Solution Installation and Startup HP Technology Services O serviço HP StoreEasy 1000/3000 and X1000/3000 Network Storage Solution fornece a

Leia mais

Avaliação da qualidade dos sites de governo eletrônico - baseada na satisfação dos usuários

Avaliação da qualidade dos sites de governo eletrônico - baseada na satisfação dos usuários Avaliação da qualidade dos sites de governo eletrônico - baseada na satisfação dos usuários Simone Vasconcelos Silva (CEFETCAMPOS) simonevs@cefetcampos.br Luciana Rocha (UENF) lurochas@yahoo.com.br Resumo:

Leia mais

Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes Gerenciamento de Redes As redes de computadores atuais são compostas por uma grande variedade de dispositivos que devem se comunicar e compartilhar recursos. Na maioria dos casos, a eficiência dos serviços

Leia mais

Sistema de Automação Comercial de Pedidos

Sistema de Automação Comercial de Pedidos Termo de Abertura Sistema de Automação Comercial de Pedidos Cabana - Versão 1.0 Iteração 1.0- Release 1.0 Versão do Documento: 1.5 Histórico de Revisão Data Versão do Documento Descrição Autor 18/03/2011

Leia mais

O que são sistemas supervisórios?

O que são sistemas supervisórios? O que são sistemas supervisórios? Ana Paula Gonçalves da Silva, Marcelo Salvador ana-paula@elipse.com.br, marcelo@elipse.com.br RT 025.04 Criado: 10/09/2004 Atualizado: 20/12/2005 Palavras-chave: sistemas

Leia mais

DAS6607 - Inteligência Artificial Aplicada à Controle de Processos e Automação Industrial

DAS6607 - Inteligência Artificial Aplicada à Controle de Processos e Automação Industrial DAS6607 - Inteligência Artificial Aplicada à Controle de Processos e Automação Industrial Aluno: André Faria Ruaro Professores: Jomi F. Hubner e Ricardo J. Rabelo 29/11/2013 1. Introdução e Motivação 2.

Leia mais

ARQUITETURA TRADICIONAL

ARQUITETURA TRADICIONAL INTRODUÇÃO Atualmente no universo corporativo, a necessidade constante de gestores de tomar decisões cruciais para os bons negócios das empresas, faz da informação seu bem mais precioso. Nos dias de hoje,

Leia mais

O poder da colaboração e da comunicação baseadas na Nuvem

O poder da colaboração e da comunicação baseadas na Nuvem O poder da colaboração e da comunicação baseadas na Nuvem O Microsoft Office 365 é a suíte de Produtividade da Microsoft, que oferece as vantagens da Nuvem a empresas de todos os tamanhos, ajudando-as

Leia mais

Informática. Informática. Valdir

Informática. Informática. Valdir Informática Informática Valdir Questão 21 A opção de alterar as configurações e aparência do Windows, inclusive a cor da área de trabalho e das janelas, instalação e configuração de hardware, software

Leia mais

Sistemas de controle para processos de bateladas

Sistemas de controle para processos de bateladas Sistemas de controle para processos de bateladas Por Alan Liberalesso* Há algum tempo os processos de batelada deixaram de ser um mistério nas indústrias e no ambiente de automação. O cenário atual nos

Leia mais

TACTIUM ecrm Guia de Funcionalidades

TACTIUM ecrm Guia de Funcionalidades TACTIUM ecrm Guia de Funcionalidades 1 Interagir com seus clientes por variados meios de contato, criando uma visão unificada do relacionamento e reduzindo custos. Essa é a missão do TACTIUM ecrm. As soluções

Leia mais

1. DESCRIÇÃO DO SIE Sistema de Informações para o Ensino

1. DESCRIÇÃO DO SIE Sistema de Informações para o Ensino 1. DESCRIÇÃO DO SIE Sistema de Informações para o Ensino O SIE é um sistema aplicativo integrado, projetado segundo uma arquitetura multicamadas, cuja concepção funcional privilegiou as exigências da Legislação

Leia mais

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial 2 1. O Sistema PrinterTux O Printertux é um sistema para gerenciamento e controle de impressões. O Produto consiste em uma interface web onde o administrador efetua o cadastro

Leia mais

Informe técnico: Virtualização de endpoints Symantec Endpoint Virtualization Suite Otimização dinâmica do espaço de trabalho

Informe técnico: Virtualização de endpoints Symantec Endpoint Virtualization Suite Otimização dinâmica do espaço de trabalho Informe técnico: Virtualização de endpoints Otimização dinâmica do espaço de trabalho Visão geral O é uma solução poderosa e flexível com foco na produtividade do usuário, independentemente dos equipamentos,

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 7 Entrada/saída Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert slide 1 Problemas de entrada/saída Grande variedade

Leia mais

+55 47 2101-7444 ombudsmanti@datasul.com.br www.datasul.com.br SISTEMAS E INFRA-ESTRUTURA DIRETORIA DE PRODUTO E TECNOLOGIA

+55 47 2101-7444 ombudsmanti@datasul.com.br www.datasul.com.br SISTEMAS E INFRA-ESTRUTURA DIRETORIA DE PRODUTO E TECNOLOGIA +55 47 2101-7444 ombudsmanti@datasul.com.br www.datasul.com.br SISTEMAS E INFRA-ESTRUTURA DIRETORIA DE PRODUTO E TECNOLOGIA 22 ANOTAÇÕES ÍNDICE 1 PROCEDIMENTO 1.1 UTILIZAÇÃO DE E-MAIL 1.1.1 Forma de acesso

Leia mais

LINHA CRIATIVA, Informática & Soluções PORTFOLIO

LINHA CRIATIVA, Informática & Soluções PORTFOLIO LINHA CRIATIVA, Informática & Soluções PORTFOLIO 2015 A LINHA CRIATIVA é uma solução de TI focada em produtos inteligentes e simples, actuando no sector de empresas de médio e pequeno porte, nas áreas

Leia mais

CA Nimsoft Monitor para servidores

CA Nimsoft Monitor para servidores DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA Setembro de 2012 CA Nimsoft Monitor para servidores agility made possible CA Nimsoft para monitoramento de servidores sumário CA Nimsoft Monitor para servidores 3 visão geral da solução

Leia mais

Serviço HP Foundation Care Exchange

Serviço HP Foundation Care Exchange Informações técnicas Serviço HP Foundation Care Exchange HP Services Visão geral do serviço O serviço HP Foundation Care Exchange é composto de serviços remotos de hardware e software que lhe permitem

Leia mais

Instruções de instalação e remoção para os drivers de impressora PostScript e PCL do Windows Versão 8

Instruções de instalação e remoção para os drivers de impressora PostScript e PCL do Windows Versão 8 Instruções de instalação e remoção para os drivers de impressora PostScript e PCL do Windows Versão 8 Este arquivo ReadMe contém as instruções para a instalação dos drivers de impressora PostScript e PCL

Leia mais

Seu manual do usuário XEROX 6279 http://pt.yourpdfguides.com/dref/5579951

Seu manual do usuário XEROX 6279 http://pt.yourpdfguides.com/dref/5579951 Você pode ler as recomendações contidas no guia do usuário, no guia de técnico ou no guia de instalação para XEROX 6279. Você vai encontrar as respostas a todas suas perguntas sobre a XEROX 6279 no manual

Leia mais

Soluções em Documentação

Soluções em Documentação Desafios das empresas no que se refere à documentação de infraestrutura de TI Realizar e manter atualizado o inventário de recursos de Hardware e software da empresa, bem como a topologia de rede Possuir

Leia mais

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade III GOVERNANÇA DE TI

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade III GOVERNANÇA DE TI Profa. Gislaine Stachissini Unidade III GOVERNANÇA DE TI Information Technology Infrastructure Library ITIL Criado pelo governo do Reino Unido, tem como objetivo a criação de um guia com as melhores práticas

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

Produtos ehealth. Desenvolvimento de negócios ehealth Diretoria P&S Verticais

Produtos ehealth. Desenvolvimento de negócios ehealth Diretoria P&S Verticais Produtos ehealth Desenvolvimento de negócios ehealth Diretoria P&S Verticais 1 Participação da Telefônica Vivo nas Instituições de Saúde TIC TIC TIC TIC Telemedicina TIC Telemedicina Desenvolvimento de

Leia mais

Software de gerenciamento de impressoras MarkVision

Software de gerenciamento de impressoras MarkVision Software de gerenciamento de impressoras MarkVision O MarkVision para Windows 95/98/2000, Windows NT 4.0 e Macintosh é fornecido com a sua impressora no CD Drivers, MarkVision e Utilitários. 1 A interface

Leia mais

Guia do Usuário Administrativo Bomgar 10.2 Enterprise

Guia do Usuário Administrativo Bomgar 10.2 Enterprise Guia do Usuário Administrativo Bomgar 10.2 Enterprise Índice Introdução 2 Interface administrativa 2 Status 2 Minha conta 3 Opções 3 Equipes de suporte 4 Jumpoint 5 Jump Clients 6 Bomgar Button 6 Mensagens

Leia mais

Um guia para soluções de rede CLARiSUITE TM

Um guia para soluções de rede CLARiSUITE TM Perguntas Técnicas Frequentes Segurança do Código CLARiSUITE Um guia para soluções de rede CLARiSUITE TM Visão geral Segurança, integridade e estabilidade da infraestrutura de TI são as principais preocupações

Leia mais

Windows 2008 Server. Windows 2008 Server IFSP Boituva Prof. Sérgio Augusto Godoy. www.profsergiogodoy.com sergiogutogodoy@hotmail.

Windows 2008 Server. Windows 2008 Server IFSP Boituva Prof. Sérgio Augusto Godoy. www.profsergiogodoy.com sergiogutogodoy@hotmail. Windows 2008 Server IFSP Boituva Prof. Sérgio Augusto Godoy www.profsergiogodoy.com sergiogutogodoy@hotmail.com Serviços DHCP Server: O DHCP ("Dynamic Host Configuration Protocol" ou "protocolo de configuração

Leia mais

Curso Técnico de Nível Médio

Curso Técnico de Nível Médio Curso Técnico de Nível Médio Disciplina: Informática Básica 3. Software Prof. Ronaldo Software Formado por um conjunto de instruções (algoritmos) e suas representações para o

Leia mais

TACTIUM IP com Integração à plataforma n-iplace. Guia de Funcionalidades. Versão 5.0 TACTIUM IP Guia de Funcionalidades com n-iplace

TACTIUM IP com Integração à plataforma n-iplace. Guia de Funcionalidades. Versão 5.0 TACTIUM IP Guia de Funcionalidades com n-iplace Tactium Tactium IP IP TACTIUM IP com Integração à plataforma n-iplace Guia de Funcionalidades 1 Independência de localização e redução de custos: o TACTIUM IP transforma em realidade a possibilidade de

Leia mais

Produtos, Outsourcing de TI, Outsourcing de Impressão, Térmicas,

Produtos, Outsourcing de TI, Outsourcing de Impressão, Térmicas, 2012 É uma das maiores empresas integradoras de tecnologia do mercado nacional, tornando-se referência no Segmento de Produtos, Outsourcing de TI, Outsourcing de Impressão, Térmicas, Telecom e soluções

Leia mais

Material 5 Administração de Recursos de HW e SW. Prof. Edson Ceroni

Material 5 Administração de Recursos de HW e SW. Prof. Edson Ceroni Material 5 Administração de Recursos de HW e SW Prof. Edson Ceroni Desafios para a Administração Centralização X Descentralização Operação interna x Outsourcing Hardware Hardware de um Computador Armazenamento

Leia mais

1. CAPÍTULO COMPUTADORES

1. CAPÍTULO COMPUTADORES 1. CAPÍTULO COMPUTADORES 1.1. Computadores Denomina-se computador uma máquina capaz de executar variados tipos de tratamento automático de informações ou processamento de dados. Os primeiros eram capazes

Leia mais

Tactium IP. Tactium IP. Produtividade para seu Contact Center.

Tactium IP. Tactium IP. Produtividade para seu Contact Center. TACTIUM IP com Integração à plataforma Asterisk Vocalix Guia de Funcionalidades 1 Independência de localização e redução de custos: o TACTIUM IP transforma em realidade a possibilidade de uso dos recursos

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: ARQUITETURA DE COMPUTADORES

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: ARQUITETURA DE COMPUTADORES FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Conceito de Computador Um computador digital é

Leia mais

Serviços Técnicos de Campo

Serviços Técnicos de Campo Serviços Técnicos de Campo Advanta possui um amplo portfólio de serviços técnicos de campo disponível em todo o território nacional por meio de seu corpo técnico especializado. As competências multi-vendor

Leia mais

CoIPe Telefonia com Tecnologia

CoIPe Telefonia com Tecnologia CoIPe Telefonia com Tecnologia A proposta Oferecer sistema de telefonia digital com tecnologia que possibilita inúmeras maneiras de comunicação por voz e dados, integrações, recursos e abertura para customizações.

Leia mais

Versão 1.0 09/10. Xerox ColorQube 9301/9302/9303 Serviços de Internet

Versão 1.0 09/10. Xerox ColorQube 9301/9302/9303 Serviços de Internet Versão 1.0 09/10 Xerox 2010 Xerox Corporation. Todos os direitos reservados. Direitos reservados de não publicação sob as leis de direitos autorais dos Estados Unidos. O conteúdo desta publicação não pode

Leia mais

Manual de Usuário. Gestion Libre de Parc Informatique (Gestão Livre de Parque de Informática) Versão 1.1 NRC

Manual de Usuário. Gestion Libre de Parc Informatique (Gestão Livre de Parque de Informática) Versão 1.1 NRC Manual de Usuário Gestion Libre de Parc Informatique (Gestão Livre de Parque de Informática) Versão 1.1 NRC Manual do Usuário GLPI 1. Introdução 3 2. Acessando o GLPI 4 3. Entendendo o processo de atendimento

Leia mais

Retorno de Investimento em Testes. Robert Pereira Pinto robert@base2.com.br

Retorno de Investimento em Testes. Robert Pereira Pinto robert@base2.com.br Retorno de Investimento em Testes Robert Pereira Pinto robert@base2.com.br Palestrante Robert Pereira Pinto Sócio diretor da Base2 Tecnologia Mestre e Bacharel em Ciência da Computação pela UFMG Certified

Leia mais

Interação Humano Computador IHC

Interação Humano Computador IHC Universidade Federal do Vale do São Francisco -UNIVASF Colegiado de Engenharia de Computação IHC Prof. Jorge Cavalcanti Jorge.cavalcanti@univast.edu.br www.twitter.com/jorgecav Informações Gerais da Disciplina

Leia mais

Cisco Intelligent Automation for Cloud

Cisco Intelligent Automation for Cloud Dados técnicos do produto Cisco Intelligent Automation for Cloud Os primeiros a adotarem serviços com base em nuvem buscavam uma economia de custo maior que a virtualização e abstração de servidores podiam

Leia mais

4 Estrutura do Sistema Operacional. 4.1 - Kernel

4 Estrutura do Sistema Operacional. 4.1 - Kernel 1 4 Estrutura do Sistema Operacional 4.1 - Kernel O kernel é o núcleo do sistema operacional, sendo responsável direto por controlar tudo ao seu redor. Desde os dispositivos usuais, como unidades de disco,

Leia mais

INFRAESTRUTURA DE TI E TECNOLOGIAS EMERGENTES

INFRAESTRUTURA DE TI E TECNOLOGIAS EMERGENTES Sistema de Informação e Tecnologia FEQ 0411 Prof Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br Capítulo 5 INFRAESTRUTURA DE TI E TECNOLOGIAS EMERGENTES PRADO, Edmir P.V.; SOUZA, Cesar A. de. (org). Fundamentos

Leia mais

BEMATECH LOJA LIVE. Requerimento de Infra-instrutura (servidores no cliente)

BEMATECH LOJA LIVE. Requerimento de Infra-instrutura (servidores no cliente) BEMATECH LOJA LIVE Requerimento de Infra-instrutura (servidores no cliente) Versão 1.0 03 de março de 2011 DESCRIÇÃO Este documento oferece uma visão geral dos requerimentos e necessidades de infra-estrutura

Leia mais

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO Intranets FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO As intranets são redes internas às organizações que usam as tecnologias utilizadas na rede mundial

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos Introdução a Sistemas Distribuídos Definição: "Um sistema distribuído é uma coleção de computadores autônomos conectados por uma rede e equipados com um sistema de software distribuído." "Um sistema distribuído

Leia mais

Executando o Modo Windows XP com Windows Virtual PC

Executando o Modo Windows XP com Windows Virtual PC Executando o Modo Windows XP com Windows Virtual PC Um guia para pequenas empresas Conteúdo Seção 1: Introdução ao Modo Windows XP para Windows 7 2 Seção 2: Introdução ao Modo Windows XP 4 Seção 3: Usando

Leia mais

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC RESUMO EXECUTIVO O PowerVault DL2000, baseado na tecnologia Symantec Backup Exec, oferece a única solução de backup em

Leia mais

6 - Gerência de Dispositivos

6 - Gerência de Dispositivos 1 6 - Gerência de Dispositivos 6.1 Introdução A gerência de dispositivos de entrada/saída é uma das principais e mais complexas funções do sistema operacional. Sua implementação é estruturada através de

Leia mais

Manual do Usuário Cyber Square

Manual do Usuário Cyber Square Manual do Usuário Cyber Square Criado dia 27 de março de 2015 as 12:14 Página 1 de 48 Bem-vindo ao Cyber Square Parabéns! Você está utilizando o Cyber Square, o mais avançado sistema para gerenciamento

Leia mais

A revolução tecnológica dos sistemas de gestão empresarial

A revolução tecnológica dos sistemas de gestão empresarial A revolução tecnológica dos sistemas de gestão empresarial Uma nova era se inicia Nosso objetivo é apresentar um nova era de oferta de soluções de sistemas de gestão empresarial. Para isso, vamos relembrar

Leia mais

Daniel Gondim. Informática

Daniel Gondim. Informática Daniel Gondim Informática Microsoft Windows Sistema Operacional criado pela Microsoft, empresa fundada por Bill Gates e Paul Allen. Sistema Operacional Programa ou um conjunto de programas cuja função

Leia mais

Contrato de Suporte End.: Telefones:

Contrato de Suporte End.: Telefones: Contrato de Suporte Contrato de Suporte Desafios das empresas no que se refere à infraestrutura de TI Possuir uma infraestrutura de TI que atenda as necessidades da empresa Obter disponibilidade dos recursos

Leia mais

Guia do Usuário do Cisco Unified CCX Web Chat Agent e Supervisor Desktop versão 9.0(1)

Guia do Usuário do Cisco Unified CCX Web Chat Agent e Supervisor Desktop versão 9.0(1) Guia do Usuário do Cisco Unified CCX Web Chat Agent e Supervisor Desktop versão 9.0(1) Cisco Unified Contact Center Express Maio de 2012 Matriz Américas Cisco Systems, Inc. 170 West Tasman Drive San Jose,

Leia mais

Linha Criativa por Lunzayiladio Hervé Maimona PORTFOLIO

Linha Criativa por Lunzayiladio Hervé Maimona PORTFOLIO PORTFOLIO 2014 A LINHA CRIATIVA é uma solução de TI focada em produtos inteligentes e simples, actuando no sector de empresas de médio e pequeno porte, nas áreas de terceirização, infra-estrutura, suporte,

Leia mais

Padrões Arquiteturais e de Integração - Parte 1

Padrões Arquiteturais e de Integração - Parte 1 1 / 58 - Parte 1 Erick Nilsen Pereira de Souza T017 - Arquitetura e Design de Aplicações Análise e Desenvolvimento de Sistemas Universidade de Fortaleza - UNIFOR 11 de fevereiro de 2015 2 / 58 Agenda Tópicos

Leia mais

Sumário 1. SOBRE O NFGoiana DESKTOP... 3 1.1. Apresentação... 3 1.2. Informações do sistema... 3 1.3. Acessando o NFGoiana Desktop... 3 1.4.

Sumário 1. SOBRE O NFGoiana DESKTOP... 3 1.1. Apresentação... 3 1.2. Informações do sistema... 3 1.3. Acessando o NFGoiana Desktop... 3 1.4. 1 Sumário 1. SOBRE O NFGoiana DESKTOP... 3 1.1. Apresentação... 3 1.2. Informações do sistema... 3 1.3. Acessando o NFGoiana Desktop... 3 1.4. Interface do sistema... 4 1.4.1. Janela Principal... 4 1.5.

Leia mais

MONTAGEM DE PROCESSO VIRTUAL

MONTAGEM DE PROCESSO VIRTUAL Manual de Procedimentos - SISPREV WEB MONTAGEM DE PROCESSO VIRTUAL 1/15 O treinamento com o Manual de Procedimentos É com muita satisfação que a Agenda Assessoria prepara este manual para você que trabalha

Leia mais

Informática :: Presencial

Informática :: Presencial MAPA DO PORTAL (HT T P: //WWW. PORT AL DAINDUST RIA. COM. B R/CNI/MAPADOSIT E /) SITES DO SISTEMA INDÚSTRIA (HT T P: //WWW. PORT AL DAINDUST RIA. COM. B R/CANAIS/) CONT AT O (HT T P: //WWW. PORT AL DAINDUST

Leia mais

TI Aplicada. Aula 02 Áreas e Profissionais de TI. Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http://www.edilms.eti.

TI Aplicada. Aula 02 Áreas e Profissionais de TI. Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http://www.edilms.eti. TI Aplicada Aula 02 Áreas e Profissionais de TI Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http:// Papéis... Um papel é uma definição abstrata de um conjunto de atividades executadas e dos

Leia mais

Manual de Administração

Manual de Administração Manual de Administração Produto: n-mf Xerox Versão do produto: 4.7 Autor: Bárbara Vieira Souza Versão do documento: 1 Versão do template: Data: 04/04/01 Documento destinado a: Parceiros NDDigital, técnicos

Leia mais

Gerência de Redes. Profa. Márcia Salomão Homci mhomci@hotmail.com

Gerência de Redes. Profa. Márcia Salomão Homci mhomci@hotmail.com Gerência de Redes Profa. Márcia Salomão Homci mhomci@hotmail.com Plano de Aula Histórico Introdução Gerenciamento de Redes: O que é Gerenciamento de Redes? O que deve ser gerenciado Projeto de Gerenciamento

Leia mais

Computação Sensível ao Contexto

Computação Sensível ao Contexto Computação Sensível ao Contexto Percepção de Contexto em Ambientes Domiciliares Modelagem de Contexto Modelagem de Contexto + Modelagem de Usuário Fabrício J. Barth novembro de 2004 Sumário O que já foi

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB MULTIUSUÁRIO PARA SISTEMA DE GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE QUADROS DE HORÁRIOS ESCOLARES. Trabalho de Graduação

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB MULTIUSUÁRIO PARA SISTEMA DE GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE QUADROS DE HORÁRIOS ESCOLARES. Trabalho de Graduação DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB MULTIUSUÁRIO PARA SISTEMA DE GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE QUADROS DE HORÁRIOS ESCOLARES Trabalho de Graduação Orientando: Vinicius Stein Dani vsdani@inf.ufsm.br Orientadora: Giliane

Leia mais

http://aurelio.net/vim/vim-basico.txt Entrar neste site/arquivo e estudar esse aplicativo Prof. Ricardo César de Carvalho

http://aurelio.net/vim/vim-basico.txt Entrar neste site/arquivo e estudar esse aplicativo Prof. Ricardo César de Carvalho vi http://aurelio.net/vim/vim-basico.txt Entrar neste site/arquivo e estudar esse aplicativo Administração de Redes de Computadores Resumo de Serviços em Rede Linux Controlador de Domínio Servidor DNS

Leia mais

Cliente Microsoft Outlook do Avaya Modular Messaging Versão 5.0

Cliente Microsoft Outlook do Avaya Modular Messaging Versão 5.0 Cliente Microsoft Outlook do Avaya Modular Messaging Versão 5.0 Importante: as instruções contidas neste guia só serão aplicáveis se seu armazenamento de mensagens for Avaya Message Storage Server (MSS)

Leia mais

Fiery Network Controller para Xerox WorkCentre 7800 Series. Utilitários

Fiery Network Controller para Xerox WorkCentre 7800 Series. Utilitários Fiery Network Controller para Xerox WorkCentre 7800 Series Utilitários 2013 Electronics For Imaging. As informações nesta publicação estão cobertas pelos termos dos Avisos de caráter legal deste produto.

Leia mais

SISTEMA DE BANCO DE DADOS. Banco e Modelagem de dados

SISTEMA DE BANCO DE DADOS. Banco e Modelagem de dados SISTEMA DE BANCO DE DADOS Banco e Modelagem de dados Sumário Conceitos/Autores chave... 3 1. Introdução... 4 2. Arquiteturas de um Sistema Gerenciador... 5 3. Componentes de um Sistema... 8 4. Vantagens

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores Arquitetura e Organização de Computadores Entrada/Saída Material adaptado, atualizado e traduzido de: STALLINGS, William. Arquitetura e Organização de Computadores. 5ª edição Problemas Entrada/Saída Grande

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Sistema Operacional: Compatível com Windows XP ou superior; Banco de Dados: Padrão do sistema em SQL Server, podendo, no entanto, ser utilizado com a maioria dos bancos de dados

Leia mais

Soluções em Software para Medicina Diagnóstica. www.digitalmed.com.br

Soluções em Software para Medicina Diagnóstica. www.digitalmed.com.br Soluções em Software para Medicina Diagnóstica www.digitalmed.com.br NOTA DE AGRADECIMENTO Primeiramente, agradecemos pela sua receptividade em conhecer as nossas soluções, afinal, é sempre uma imensa

Leia mais

Guia de Prática. Windows 7 Ubuntu 12.04

Guia de Prática. Windows 7 Ubuntu 12.04 Guia de Prática Windows 7 Ubuntu 12.04 Virtual Box e suas interfaces de rede Temos 04 interfaces de rede Cada interface pode operar nos modos: NÃO CONECTADO, que representa o cabo de rede desconectado.

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES

MANUAL DE INSTRUÇÕES MANUAL DE INSTRUÇÕES 1 Conteúdo 1. LogWeb... 3 2. Instalação... 4 3. Início... 6 3.1 Painel Geral... 6 3.2 Salvar e Restaurar... 7 3.3 Manuais... 8 3.4 Sobre... 8 4. Monitoração... 9 4.1 Painel Sinóptico...

Leia mais

Autor(es) TIAGO CINTO. Orientador(es) CECÍLIA SOSA ARIAS PEIXOTO. Apoio Financeiro FAPIC/UNIMEP. 1. Introdução

Autor(es) TIAGO CINTO. Orientador(es) CECÍLIA SOSA ARIAS PEIXOTO. Apoio Financeiro FAPIC/UNIMEP. 1. Introdução 19 Congresso de Iniciação Científica MODULO DE GERÊNCIA DE INTERFACES COM O USUÁRIO: ESTUDO, DEFINIÇÃO E ELABORAÇÃO DE INTERFACES INTELIGENTES PARA A FERRAMENTA KIRA Autor(es) TIAGO CINTO Orientador(es)

Leia mais

Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia

Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia UNISUL 2013 / 1 Universidade do Sul de Santa Catarina Engenharia Elétrica - Telemática 1 Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia Aula 3 Gerenciamento de Redes Cenário exemplo Detecção de

Leia mais

Módulo 6: Inteligência Artificial

Módulo 6: Inteligência Artificial Módulo 6: Inteligência Artificial Assuntos: 6.1. Aplicações da IA 6.2. Sistemas Especialistas 6.1. Aplicações da Inteligência Artificial As organizações estão ampliando significativamente suas tentativas

Leia mais

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO Rosenclever Lopes Gazoni Data MACROPROCESSO [1] AUTOMAÇÃO DE ESCRITÓRIO/COMERCIAL: Correio eletrônico; vídeo texto; vídeo conferência; teleconferência;

Leia mais

Índice INSTALAÇÃO DO SOFTWARE EM SISTEMAS WINDOWS...2 INSTALAÇÃO DO SOFTWARE EM SISTEMAS LINUX...3 TESTANDO A CONEXÃO DA REDE LOCAL...

Índice INSTALAÇÃO DO SOFTWARE EM SISTEMAS WINDOWS...2 INSTALAÇÃO DO SOFTWARE EM SISTEMAS LINUX...3 TESTANDO A CONEXÃO DA REDE LOCAL... Índice INSTALAÇÃO DO SOFTWARE EM SISTEMAS WINDOWS...2 INSTALAÇÃO DO SOFTWARE EM SISTEMAS LINUX...3 TESTANDO A CONEXÃO DA REDE LOCAL...4 Configurações iniciais...5 Arquivo sudoers no Sistema Operacional

Leia mais

Conceitos. Qual é a infra-estrutura de um Call Center? Uma central de atendimento é composta por:

Conceitos. Qual é a infra-estrutura de um Call Center? Uma central de atendimento é composta por: 1 Conceitos Call Center - O que é? Denominamos Call Center ou Central de Atendimento ao conjunto de soluções e facilidades (Equipamentos, Sistemas e Pessoal) que tem como objetivo fazer o interface entre

Leia mais

15 Computador, projeto e manufatura

15 Computador, projeto e manufatura A U A UL LA Computador, projeto e manufatura Um problema Depois de pronto o desenho de uma peça ou objeto, de que maneira ele é utilizado na fabricação? Parte da resposta está na Aula 2, que aborda as

Leia mais

Fundamentos do uso de tecnologia da informação F U P A C V R B P R O F. C H R I S T I E N L. R A C H I D

Fundamentos do uso de tecnologia da informação F U P A C V R B P R O F. C H R I S T I E N L. R A C H I D Fundamentos do uso de tecnologia da informação O USO CONSCIENTE DA TECNOLOGIA PARA O GERENCIAMENTO F U P A C V R B P R O F. C H R I S T I E N L. R A C H I D Organização 1. Vínculo Administração-Tecnologia

Leia mais

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte IBM Global Technology Services Manutenção e suporte técnico Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte Uma abordagem inovadora em suporte técnico 2 Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável

Leia mais

Symantec Backup Exec 12.5 for Windows Servers. Guia de Instalação Rápida

Symantec Backup Exec 12.5 for Windows Servers. Guia de Instalação Rápida Symantec Backup Exec 12.5 for Windows Servers Guia de Instalação Rápida 13897290 Instalação do Backup Exec Este documento contém os seguintes tópicos: Requisitos do sistema Antes de instalar Sobre a conta

Leia mais

Hardware e Software. Exemplos de software:

Hardware e Software. Exemplos de software: Hardware e Software O hardware é a parte física do computador, ou seja, é o conjunto de componentes eletrônicos, circuitos integrados e placas, que se comunicam através de barramentos. Em complemento ao

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Centro Universitário de Volta Redonda - UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

FURB - Universidade Regional de Blumenau TCC - Trabalho de Conclusão de Curso Acadêmico: Fernando Antonio de Lima Orientador: Oscar Dalfovo

FURB - Universidade Regional de Blumenau TCC - Trabalho de Conclusão de Curso Acadêmico: Fernando Antonio de Lima Orientador: Oscar Dalfovo FURB - Universidade Regional de Blumenau TCC - Trabalho de Conclusão de Curso Acadêmico: Fernando Antonio de Lima Orientador: Oscar Dalfovo Roteiro Introdução Sistemas de Informação - SI Executive Information

Leia mais