Instituto de Ciências Exatas Departamento de Ciência da Computação Curso de Especialização em Gestão da Segurança da Informação e Comunicações

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Instituto de Ciências Exatas Departamento de Ciência da Computação Curso de Especialização em Gestão da Segurança da Informação e Comunicações"

Transcrição

1 Instituto de Ciências Exatas Departamento de Ciência da Computação Curso de Especialização em Gestão da Segurança da Informação e Comunicações GUSTAVO BARBI VIEIRA Diagnóstico integrado da infraestrutura de um datacenter para melhoria do suporte aos sistemas hospedados Brasília 2011

2 Gustavo Barbi Vieira Diagnóstico integrado da infraestrutura de um datacenter para melhoria do suporte aos sistemas hospedados Brasília 2011

3 Gustavo Barbi Vieira Diagnóstico integrado da infraestrutura de um datacenter para melhoria do suporte aos sistemas hospedados Monografia apresentada ao Departamento de Ciência da Computação da Universidade de Brasília como requisito parcial para a obtenção do título de Especialista em Ciência da Computação: Gestão da Segurança da Informação e Comunicações. Orientador: Prof. Dra. Aletéia Patrícia Favacho de Araújo Universidade de Brasília Instituto de Ciências Exatas Departamento de Ciência da Computação Brasília Novembro de 2011

4 Desenvolvido em atendimento ao plano de trabalho do Programa de Formação de Especialistas para a Elaboração da Metodologia Brasileira de Gestão da Segurança da Informação e Comunicações - CEGSIC 2009/ Gustavo Barbi Vieira. Qualquer parte desta publicação pode ser reproduzida, desde que citada a fonte. Vieira, Gustavo Barbi Diagnóstico integrado da infraestrutura de um datacenter para melhoria do suporte aos sistemas hospedados / Gustavo Barbi Vieira. Brasília: O autor, p.; Ilustrado; 25 cm. Monografia (especialização) Universidade de Brasília. Instituto de Ciências Exatas. Departamento de Ciência da Computação, Inclui Bibliografia. 1. Datacenter 2.Diagnóstico 3.capacidade elétrica 4.conectividade 5.infraestrutura de TI. I. Diagnóstico integrado da infraestrutura de um datacenter para melhoria do suporte aos sistemas hospedados. CDU

5

6 Dedicatória Dedico este trabalho à minha querida esposa Camila Michele, que me apoiou incondicionalmente durante todo o período dedicado a este trabalho.

7 Agradecimentos Agradeço, primeiramente, ao meu Deus que sempre me guiou e me ajudou todos os dias da minha vida. Aos meus pais Antônio Elias e Zilma, pelo amor e pelo empenho com que sempre me apoiaram em todos os momentos da minha vida. À minha esposa Michele, pelo amor e apoio incondicional em todos os momentos do curso, sempre me fortalecendo nos momentos mais difíceis. Aos meus irmãos Fábio e Sheila por todo o apoio ao longo do curso. A minha orientadora Prof. Aletéia Patrícia, pela confiança depositada, por toda a orientação neste trabalho, pela paciência e pelas idéias compartilhadas ao longo de toda a trajetória de construção deste trabalho. A todos os professores e tutores das disciplinas do Curso CEGSIC 2009/2011, por todo o aprendizado durante este árduo período de estudos. A todos os amigos do CCA-RJ, chefes e pares que muito contribuíram para os dados levantados neste trabalho de pesquisa. Aos amigos Alessandro Monteiro da Costa e Eduardo de Moraes Furtado, companheiros do CCA-RJ nesta jornada do CEGSIC 2009/2011, que me apoiaram em todas as etapas e que enriqueceram a experiência do curso nos inúmeros debates técnicos e reuniões para estudo ao longo do curso. Por fim a todos os queridos irmãos da minha igreja (Igreja Cristã Maranata Tauá Ilha do Governador), que me apoiaram durante os períodos difíceis do curso.

8 Feliz é o homem que acha sabedoria, e o homem que adquire entendimento. Bíblia Sagrada - Provérbios 3:13.

9 Lista de Figuras Figura 1- Arquitetura de otimização energética de um datacenter...37 Figura 2- Exemplo de topologia proposta por VAHDAT et al. (2010), com switches de 4 portas...44

10 Lista de Tabelas Tabela 1- Resultados da análise das hipóteses sobre infraestrutura do datacenter.67 Tabela 2- Exemplo hipotético de amostragem de demanda energética...74 Tabela 3- Estrutura para preenchimento dos parâmetros para cálculo de s(t), para um dia da semana...78

11 Sumário Ata de Defesa de Monografia... 3 Dedicatória... 4 Agradecimentos... 5 Lista de Figuras... 7 Lista de Tabelas... 8 Sumário... 9 Resumo Abstract Delimitação do Problema Introdução Formulação da situação problema (Questões de pesquisa) Objetivos e escopo Objetivo Geral Objetivos Específicos Escopo Justificativa Hipóteses... 20

12 1.5.1 Simplificação da infraestrutura de TI Integração de aplicações Documentação das informações para manutenção das aplicações Acesso controlado a dados e aplicações Processos de manutenção dos sistemas operacionais Considerações finais Revisão de Literatura e Fundamentos Gestão de Processos Gerenciamento de Nível de Serviço Infraestrutura de tecnologia da informação Referenciais conceituais das disciplinas do CEGSIC Argumentos do pesquisador Gerenciamento de energia, de climatização e de hardware Previsão de demanda por servidores Gerenciador térmico/energético (PTM - Power/Thermal Manager) Gerenciamento de conectividade Metodologia Categorias de dados coletados Pesquisa de documentos Entrevistas a serem realizadas com membros da organização Resultados Visão geral do datacenter, procedimentos de virtualização e infraestrutura de conectividade (S1,S3 e S4) Capacitação técnica para manutenção da conectividade do datacenter (P2) 53

13 4.3 Manutenção do hardware do datacenter, incluindo sistemas operacionais e plataformas de virtualização (P3 e MSO2) Inventário de hardware (S2) Manutenção dos equipamentos (D1 e MSO1) Manutenção da infraestrutura física do datacenter (D2 e P1) Integração entre bases de dados de sistemas corporativos (I1) Monitoramento das aplicações (D1) Atendimento ao usuário dos sistemas corporativos do datacenter (D1) Manutenção lógica dos ativos de rede e sistemas operacionais do datacenter (A1) Processo de análise de risco da organização (A3) Capacitação em normas de segurança (P4) Discussão Análise da situação atual do datacenter Simplificação da infraestrutura de TI Integração de aplicações Documentação das informações para manutenção das aplicações Acesso controlado a dados e aplicações Pessoal de apoio qualificado Processos de manutenção dos sistemas operacionais Resumo geral da análise Análise crítica dos resultados obtidos Visão geral do datacenter, procedimentos de virtualização e infraestrutura de conectividade... 69

14 Capacitação técnica para manutenção da conectividade do datacenter Manutenção lógica de hardware (sistemas operacionais e plataformas de virtualização) Inventário de Hardware Manutenção dos equipamentos Manutenção da infraestrutura física do datacenter Integração entre bases de dados de sistemas corporativos Monitoramento das aplicações Atendimento ao usuário dos sistemas corporativos do datacenter Manutenção lógica dos ativos de rede e sistemas operacionais do datacenter Processo de análise de risco da organização Capacitação em normas de segurança Proposta de Processo Integrado de Diagnóstico da Infraestrutura do Datacenter Previsão de capacidade elétrica, climatização e hardware Escalabilidade da conectividade do datacenter Conclusões e Trabalhos Futuros Conclusões Trabalhos Futuros Referências e Fontes Consultadas... 84

15 13 Resumo Atualmente as organizações estão cada vez mais preocupadas com o dimensionamento adequado de sua infraestrutura de Tecnologia da Informação(TI). Esta preocupação é motivada por diversas causas: alinhamento com os objetivos de negócio, assegurar competitividade no mercado, atender à demanda interna por automatização de processos e muitos outros. O Centro de Computação da Aeronáutica do Rio de Janeiro (CCA-RJ) é uma organização do Comando da Aeronáutica que tem como uma de suas principais atribuições a hospedagem de sistemas corporativos de grande importância para o Comando da Aeronáutica. Este trabalho teve por objetivo realizar um diagnóstico da infraestrutura de TI do datacenter do CCA-RJ, identificando seus pontos fortes e oportunidades de melhoria. Este diagnóstico deu ênfase a dois temas específicos: capacidade da infraestrutura elétrica e conectividade deste ambiente. Como consequência do primeiro tema, a climatização e a disponibilidade de hardware também foram abordados, devido à interdependência dos temas no contexto de datacenters corporativos. O resultado deste trabalho de pesquisa servirá como guia para o aprimoramento da infraestrutura de TI que apóia os sistemas corporativos hospedados por essa organização. Palavras-chave: Datacenter, diagnóstico, capacidade elétrica, conectividade, infraestrutura de TI.

16 14 Abstract Nowadays organizations are increasingly concerned with the proper sizing of their information technology infrastructure. This concern is motivated by several reasons: alignment with business goals to ensure market competitiveness, the need of meeting the internal demand for process automation and many others. The Air Force Computer Center of Rio de Janeiro (CCA-RJ) is an organization of the Brazilian Air Force Command which is responsible for hosting business systems of great importance to the whole Brazilian Air Force Command. This study was aimed to make a diagnosis of this organization s datacenter, identifying its IT infrastructure strengths and improvement opportunities. This analysis has emphasized two specific issues: capacity of its electrical infrastructure and its connectivity. As a result of the first issue s aproach, the climate and the availability of hardware have also been addressed, because of the interdependence of these issues in the context of corporate data centers. The result of this research can be used as a guide to the improvement of the IT infrastructure that supports the systems hosted by this organization.

17 15 1 Delimitação do Problema Neste capítulo serão apresentadas as principais motivações para este trabalho, apontando alguns tópicos que serão descritos detalhadamente nos capítulos subsequentes. Este capítulo é composto por cinco seções: introdução, formulação do problema, declaração de objetivos e escopo; justificativas do estudo; e hipóteses a investigar. O modelo usado neste trabalho foi adaptado a partir do apresentado em SANTOS (2007). 1.1 Introdução Atualmente, existe um consenso de que a infraestrutura de tecnologia da Informação da organização deve estar alinhada a seus objetivos de negócio. Segundo HAMEL(2008), a superioridade e a capacidade de inovação da organização dependem muito da infraestrutura de TI adotada. ARAÚJO (2010) afirma que o alinhamento entre a TI e os negócios de uma organização depende muito do bom funcionamento da infraestrutura de TI. À medida que vão crescendo, as empresas sentem a necessidade de estruturar seus processos para continuar prestando um serviço de qualidade para seus clientes. Uma infraestrutura de TI bem planejada permite que a empresa realize suas tarefas

18 16 com eficiência e agilidade, proporcionando um equilíbrio entre processos, pessoas e tecnologia. Muitas vezes, a infraestrutura pode ser limitante para o crescimento da organização, uma vez que a estrutura administrativa, os serviços prestados e o envolvimento de pessoal estão cada vez mais associados e dependentes da TI nas organizações. Em organizações públicas, a missão da organização depende cada vez mais de sua infraestrutura de TI, quer seja na prestação de serviços para a sociedade ou no cumprimento de função estratégica para o governo, em suas diferentes esferas de atuação. Pelas definições citadas, entende-se que é necessário que a infraestrutura de TI de uma organização esteja alinhada com as necessidades do negócio, notadamente com a missão da organização. Dentro deste contexto, cabe citar SILVA(2010), afirmando que o processo de Gerenciamento do Nível de Serviço visa à análise de requisitos desejados pelo cliente, bem como, sua expectativa do atendimento, e também quais serviços a empresa fornecedora tem capacidade de prover. Portanto, uma maneira de caracterizar o grau de alinhamento da infraestrutura de TI com a missão de uma organização é avaliar seu gerenciamento de nível de serviço. Uma organização normalmente gerencia um conjunto bastante extenso de processos e sistemas. Há alguns que se destacam dos demais em relação à sua criticidade e à importância para o cumprimento de uma organização. Estes sistemas, normalmente, são chamados de sistemas de missão crítica. A missão de uma organização está diretamente associada ao adequado funcionamento de seus sistemas de missão crítica. Para um melhor entendimento do que pode ser caracterizado como sistema de missão crítica, ALECRIM(2005) apresenta a seguinte definição: Em poucas palavras, missão crítica é um ambiente tecnológico construído para evitar a paralisação de serviços computacionais e a perda de dados importantes a um negócio.

19 17 O ambiente da definição citada deve ser constituído por uma série de equipamentos e tecnologias, cujo investimento deve ser direcionado de acordo com o nível de importância do negócio e da operação. Se esses aspectos não forem bem trabalhados, uma empresa pode investir mais do que precisa nessa área, ou, na pior das hipóteses, investir menos, o que pode significar que o pouco investimento feito de pouco valeu. Complementando a definição citada, DAVENPORT(2000) afirma, em seu tratado sobre sistemas de missão crítica, que sistemas de informação só tem valor quando eles orientam a organização a alcançar melhor valor das informações e a realizar melhor seu negócio. Neste sentido, sistemas de missão crítica são aqueles que estão diretamente associados aos objetivos de negócio da organização, sendo a organização dependente deles para atingir seus objetivos. Partindo das premissas apontadas, pode-se afirmar que os sistemas de missão crítica direcionam todo o investimento e as decisões relacionadas a TI em uma organização que busca vantagem competitiva e sucesso em seu empreendimento. Portanto, de acordo com esta abordagem, a infraestrutura de tecnologia da informação de uma organização precisa ser continuamente reestruturada e dimensionada de modo a assegurar a continuidade, a segurança e a disponibilidade dos sistemas de missão crítica. Neste contexto, este trabalho pretende abordar a infraestrutura de TI de uma organização dentro desta perspectiva, considerando como ponto de partida o estudo de caso da organização onde este autor trabalha atualmente, conforme será melhor detalhado nas seções a seguir. 1.2 Formulação da situação problema (Questões de pesquisa) A organização pesquisada, como órgão da esfera pública, precisa atentar para a importância de estruturar adequadamente seu ambiente computacional para

20 18 cumprir sua missão corporativa de prover suporte para sistemas corporativos, e para apoiar demandas de hospedagem de sites, correio eletrônico, conectividade, etc. Portanto, o problema usado como fonte desta pesquisa foi: O Centro de Computação da Aeronáutica do Rio de Janeiro (CCA-RJ) está com seu datacenter estruturado adequadamente para cumprir sua missão de prover suporte para sistemas corporativos? É possível definir um modelo que auxilie os gestores da organização na tarefa de administrar a infraestrutura deste datacenter? 1.3 Objetivos e escopo Nesta seção serão apresentados o objetivo geral e alguns objetivos específicos deste trabalho Objetivo Geral O principal objetivo é realizar um diagnóstico da infraestrutura de TI do datacenter da organização, identificando seus pontos fortes e oportunidades de melhoria. Este diagnóstico servirá como base para que os gestores da organização possam dirigir os esforços e recursos de modo a aprimorar a infraestrutura e melhorar o suporte aos sistemas hospedados Objetivos Específicos Alguns dos objetivos específicos deste trabalho, que irão compor e apoiar o alcance do objetivo geral estão listados abaixo: i. Diagnóstico da atual situação do datacenter pesquisado, indicando aspectos importantes sobre a gestão atual dos sistemas críticos e do datacenter que os hospeda.

21 19 ii. Definição de um modelo integrado de diagnóstico, que deve apontar quais elementos da organização podem ser usados para entrada no processo, os tipos de parâmetros (qualitativos e quantitativos) que devem ser monitorados e as saídas, que serão valores para capacidade de infraestrutura. iii. Pretende-se que este modelo ofereça um guia inicial para que a organização consiga avaliar continuamente o dimensionamento dos recursos do datacenter. Sua aplicação permitirá que essa organização possa atender aos requisitos de disponibilidade de seus sistemas e antecipar-se às demandas de aumento de capacidade, assegurando a continuidade dos sistemas críticos Escopo O escopo deste trabalho está limitado à infraestrutura de TI da organização onde o autor desta monografia trabalha. A ideia é propor um processo que possa ser aplicado diretamente no âmbito desta organização. Todavia, um dos resultados que este trabalho pretende apresentar é um guia para uma possível instanciação do processo em outras organizações, apontando quais aspectos devem ser observados para sua aplicação em um contexto diferente daquele que originou o trabalho. Este trabalho abordou três dimensões de um datacenter: capacidade física da infraestrutura do ambiente do datacenter (climatização, energia elétrica, espaço físico), conectividade e capacidade do hardware dos servidores. 1.4 Justificativa A organização pesquisada tem como uma de suas principais atribuições a hospedagem de importantes sistemas administrativos corporativos em seu datacenter. Essa atribuição requer a capacidade de antecipar-se à crescente

22 20 demanda por capacidade computacional, pois a demanda gerada por esses sistemas tem crescido continuamente. O desafio maior que tem sido enfrentado, atualmente, é a falta de um planejamento contínuo para atendimento à demanda, com previsões baseados em controles e indicadores que confrontem a demanda com a capacidade atual. Desse modo, as medidas atuais têm sido conduzidas em uma visão de curto prazo e reativa, sem considerar muitos dos fatores que influenciarão a demanda por capacidade computacional no datacenter em médio e longo prazo. Dessa forma, a pesquisa proposta pretende contribuir para o estabelecimento de um processo que ajude a organização a antecipar-se às necessidades da corporação e cumprir sua missão de gerenciar o datacenter. Esse processo deverá mapear os níveis de serviço desejados para cada sistema e apresentar os guias para seu gerenciamento. 1.5 Hipóteses Conforme destacado por ARAÚJO(2010), entende-se que tecnologias e aplicações bem estruturadas e administradas, com controles suficientes para serem robustas, formam o alicerce de ativos de TI. Esse alicerce envolve seis pontos principais, que servirão de ponto de partida para as hipóteses deste trabalho, os quais são descritos a seguir Simplificação da infraestrutura de TI Este ponto representa a necessidade de buscar a simplificação da infraestrutura de TI, que utilize o número necessário de diferentes configurações tecnológicas. A hipótese é que a pluralidade de tecnologias e plataformas existentes

23 21 na estrutura de TI do datacenter pesquisado é resultante da ausência de um processo de diagnóstico adequado do hardware existente, voltado para a consolidação de plataformas. Os critérios que serão utilizados para a análise encontram-se listados a seguir: Critério S1: Análise dos procedimentos para introdução de um novo serviço no datacenter. Critério S2: Análise do hardware atualmente existente no datacenter. Critério S3: Pesquisa sobre existência de solução de virtualização de servidores no datacenter. Critério S4: Análise da tecnologia e dos ativos empregados na infraestrutura de conectividade Integração de aplicações Este ponto representa a necessidade de integração e simplificação das bases de aplicações. A hipótese é que o grau de integração das bases das aplicações em operação no datacenter é bem limitado. Essa limitação, por sua vez, é resultante da inexistência de um processo contínuo de diagnóstico que identifique as possibilidades de integração e reaproveitamento da infraestrutura das aplicações já existentes. Os critérios que serão utilizados para avaliar esta hipótese são: Critério I1: Avaliação dos critérios de integração lógica das aplicações (compartilhamento controlado das bases de dados). Critério I2: Avaliação da integração física das aplicações, englobando compartilhamento de storages, virtualização, otimização do consumo de recursos e espaço físico no ambiente de TI.

24 Documentação das informações para manutenção das aplicações Este ponto representa a necessidade da existência de documentação consistente da estrutura de dados, infraestrutura das aplicações e processos de apoio. Como hipótese, aponta-se que a documentação desatualizada das informações necessárias para a manutenção das aplicações se deve a ausência de procedimentos na organização que requeiram sua contínua atualização. Os critérios utilizados serão: Critério D1: Avaliação da adequabilidade dos processos de manutenção, de atendimento ao usuário e de monitoramento das aplicações. Critério D2: Avaliação da documentação de todos os elementos envolvidos na infraestrutura de apoio às aplicações. Para o escopo deste trabalho, a avaliação se restringirá às três dimensões já apontadas anteriormente: capacidade do hardware, da conectividade e capacidade da infraestrutura física (energia elétrica, climatização e espaço físico) Acesso controlado a dados e aplicações Este critério está associado à necessidade de controlar o acesso a dados e aplicações. Considera-se como hipótese que os controles de acesso às aplicações e dados são insuficientes e estão desatualizados, pois não há uma gestão centralizada que conduza ações para a análise contínua dos riscos, e a implementação de medidas de segurança para tratar esses riscos. Critérios utilizados: Critério A1: Análise da existência e modo de atuação da assessoria de segurança na organização. Para o escopo deste trabalho, a análise se restringe a processos de

25 23 manutenção da segurança lógica no nível de ativos de rede, sistemas operacionais, incluindo controle de acesso. Critério A2: Análise dos controles de segurança físicos implantados pela organização para acesso ao datacenter, englobando as regras para acesso e credenciais das pessoas que tem acesso ao ambiente. Critério A3: Verificação da existência de processo de análise de riscos da organização Pessoal de apoio qualificado Representa a necessidade de um plano de capacitação contínuo para preparar pessoal que mantenha o ambiente. A hipótese é que a quantidade de pessoas habilitadas para operar cada função necessária para a manutenção do ambiente é insuficiente, devido à dificuldade de estabelecer um planejamento da capacitação alinhado à estimativa de demanda futura do datacenter, uma vez que a organização não consegue diagnosticar e avaliar esta demanda futura. Critério P1: Existência de plano de capacitação técnica para a manutenção da infraestrutura física do datacenter. Critério P2: Existência de plano de capacitação técnica para a manutenção da infraestrutura de conectividade do datacenter. Critério P3: Existência de plano de capacitação técnica para a manutenção do hardware do datacenter, incluindo sistemas operacionais e plataformas de virtualização de servidores e aplicações. Critério P4: Existência de plano de capacitação em normas de segurança.

26 Processos de manutenção dos sistemas operacionais Representa a necessidade de processos de manutenção que mantenham a tecnologia atualizada com atualizações de patches feita de maneira organizada e controlada. A hipótese é que existem algumas brechas de segurança nas aplicações pela ausência de um processo bem definido de atualização dos patches dos sistemas operacionais do hardware que as hospeda. Os critérios são: Critério MSO1: Existência de um processo de verificação periódica da atualização do hardware do datacenter. Para o escopo deste trabalho, serão abordadas apenas atualizações específicas dos sistemas operacionais. Portanto, atualizações das aplicações, dos sistemas gerenciadores de bancos de dados, de antivírus e outras não serão objetos de análise desta pesquisa. Critério MSO2: Existência de processo automatizado de atualização dos sistemas operacionais, com repositórios centrais de atualização sincronizados com o fabricante de cada sistema operacional. 1.6 Considerações finais Os critérios apontados neste capítulo serão utilizados ao longo de todo este trabalho para direcionar o estudo experimental que avaliará a situação atual do datacenter do CCA-RJ. Após esta avaliação, um processo integrado de diagnóstico será proposto para mitigar os eventuais óbices encontrados na utilização desse datacenter. O próximo capítulo apresentará o referencial teórico que será utilizado para embasar o estudo experimental, e a proposta de processo deste trabalho.

27 25 2 Revisão de Literatura e Fundamentos Este capítulo visa reunir, analisar e discutir as informações publicadas sobre o tema deste trabalho de pesquisa, a fim de fundamentar teoricamente o objeto de investigação. Os temas que serão abordados e que embasam este trabalho são gestão de processos, gerenciamento do nível de serviço e infraestrutura de tecnologia da informação. 2.1 Gestão de Processos De acordo com o PMBOK(2008), um processo é um conjunto de ações e atividades inter-relacionadas, que são executadas para alcançar um produto, resultado ou serviço predefinido. Cada processo é caracterizado por suas entradas, as ferramentas e as técnicas que podem ser aplicadas e as saídas resultantes. Um processo, para DAVENPORT(1994), é uma ordenação específica das atividades de trabalho no tempo e no espaço, com um começo, um fim, inputs e outputs claramente identificados, enfim, uma estrutura para ação. Já HARRINGTON(1993) o define como um grupo de tarefas interligadas logicamente, que utilizam os recursos da organização para gerar os resultados definidos, de forma a apoiar os seus objetivos. A partir das definições apresentadas para o conceito de processo, pode-se conceituar a gestão de processos como o esforço organizacional para assegurar que

28 26 os recursos necessários para o bom andamento dos processos sejam alocados, e para coordenar suas atividades de modo a atingir os resultados esperados. Como os recursos organizacionais são limitados, é importante que sua alocação seja priorizada de acordo com os objetivos de negócio. A coordenação entre os processos é assegurada por um conjunto de controles e indicadores para verificar se o que foi planejado para os processos está sendo cumprido. Caso haja discrepâncias entre o que foi planejado e o andamento das atividades dos processos, os responsáveis pela gestão dos processos adotam medidas para mitigar os problemas e assegurar que os resultados sejam atingidos. Uma preocupação constante da gestão de processos é assegurar que haja uma equivalência entre o planejamento e a execução dos processos. Durante o planejamento são definidas algumas premissas sobre os recursos que serão disponibilizados, os controles que serão utilizados e os resultados esperados. A gestão de processos irá verificar continuamente se estas premissas estão sendo atendidas. A partir dos desvios detectados, a gestão de processos atua com o objetivo de corrigi-los e melhorar continuamente os processos. Portanto, existe uma preocupação constante em atingir a qualidade total dos processos, representada pela execução de suas atividades em conformidade com o planejado e a garantia de que os produtos gerados como resultado dessas atividades esteja em conformidade com os requisitos estabelecidos pela organização. De acordo com CHIAVENATO(2004), a qualidade total é uma decorrência da aplicação da melhoria contínua. Esse autor aponta que o ciclo de melhoria contínua, tradicionalmente conhecido e que foi proposto originalmente por Deming é composto pelas seguintes etapas: i. Criar e divulgar para todas as pessoas os objetivos da empresa quanto à melhoria do produto ou serviço. A alta direção deve dar constantemente seu apoio ao programa; ii.a alta administração e todas as pessoas devem aprender e adotar a nova filosofia; não mais conviver com atrasos, erros e defeitos no trabalho;

29 27 iii.conhecer os propósitos de qualidade, para melhorar os processos e reduzir custos; iv.suspender a prática de fazer negócios apenas na base do preço. v.melhorar constantemente o sistema de produção, identificar e solucionar problemas; vi.instituir treinamento no trabalho; vii.ensinar e instituir liderança para conduzir as pessoas na produção; viii.eliminar o medo de errar. Criar a confiança e um clima para a inovação; ix.incentivar grupos e equipes para alcançar os objetivos e propósitos da empresa; x.demolir as barreiras funcionais entre departamentos; xi.eliminar exortações à produtividade sem que os métodos sejam providenciados; xii.remover as barreiras que impedem as pessoas de orgulhar-se de seu trabalho; xiii.encorajar a educação e o auto-aperfeiçoamento de cada pessoa; xiv.garantir a ação necessária para acompanhar esta transformação. De acordo com DEMING, citado por CHIAVENATO(2004), qualidade é o atendimento das exigências do cliente. A qualidade deve ter como objetivo as necessidades do usuário, presentes e futuras, otimizando os recursos empregados e aperfeiçoando as atividades executadas em cada processo da organização. CHIAVENATO(2004) afirma ainda que na organização existem cadeias de fornecedores e clientes: cada funcionário é um cliente do anterior (do qual recebe suas entradas) e um fornecedor para o seguinte. Nesse contexto, a melhoria contínua dos processos se aplica no nível operacional e a qualidade total estende o conceito de qualidade para toda a organização, exigindo o comprometimento do pessoal nos níveis operacional, tático e estratégico. A melhoria contínua e a qualidade total são abordagens incrementais para obter excelência em qualidade dos produtos e processos. Dessa forma, o

Gerenciamento de Serviços de TI com base na ITIL

Gerenciamento de Serviços de TI com base na ITIL Gerenciamento de Serviços de TI com base na ITIL Information Technology Infrastructure Library ou Biblioteca de Infraestrutura da Tecnologia da Informação A TI de antes (ou simplesmente informática ),

Leia mais

Contrato de Suporte End.: Telefones:

Contrato de Suporte End.: Telefones: Contrato de Suporte Contrato de Suporte Desafios das empresas no que se refere à infraestrutura de TI Possuir uma infraestrutura de TI que atenda as necessidades da empresa Obter disponibilidade dos recursos

Leia mais

Governança de TI com COBIT, ITIL e BSC

Governança de TI com COBIT, ITIL e BSC {aula #2} Parte 1 Governança de TI com melhores práticas COBIT, ITIL e BSC www.etcnologia.com.br Rildo F Santos rildo.santos@etecnologia.com.br twitter: @rildosan (11) 9123-5358 skype: rildo.f.santos (11)

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

SUMÁRIO. Sistemas a serem considerados na construção de data centers. A gestão do projeto e a integração dos fornecedores

SUMÁRIO. Sistemas a serem considerados na construção de data centers. A gestão do projeto e a integração dos fornecedores REPORT 04 e fevereiro de 2013 INFRAESTRUTURA FÍSICA E DATA CENTERS SUMÁRIO Introdução O que são data centers Padrões construtivos para data centers Sistemas a serem considerados na construção de data centers

Leia mais

Gestão de Armazenamento

Gestão de Armazenamento Gestão de Armazenamento 1. Introdução As organizações estão se deparando com o desafio de gerenciar com eficiência uma quantidade extraordinária de dados comerciais gerados por aplicativos e transações

Leia mais

Ricardo Scheurer Sonda Supermercado

Ricardo Scheurer Sonda Supermercado Tema: Apresentador: Plano Diretor de Tecnologia da Informação Ricardo Scheurer Sonda Supermercado Objetivo desta palestra será resolver as seguintes questões: Porque fazer um PDTI? Quais os benefícios

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Competências Analista 1. Administração de recursos de infra-estrutura de tecnologia da informação 2.

Leia mais

Cisco UCS Mini: solução avançada com recursos corporativos

Cisco UCS Mini: solução avançada com recursos corporativos Resumo da solução Cisco UCS Mini: solução avançada com recursos corporativos Você deseja uma solução de computação unificada para a sua empresa de médio ou pequeno porte ou para o padrão avançado do seu

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Disciplina: Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Auditoria e Análise de Segurança da Informação - 4º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA

Leia mais

Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes Gerenciamento de Redes As redes de computadores atuais são compostas por uma grande variedade de dispositivos que devem se comunicar e compartilhar recursos. Na maioria dos casos, a eficiência dos serviços

Leia mais

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI Objetivos Assegurar que os esforços despendidos na área de informática sejam consistentes com as estratégias, políticas e objetivos da organização como um todo; Proporcionar uma estrutura de serviços na

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

15/09/2015. Gestão e Governança de TI. Modelo de Governança em TI. A entrega de valor. A entrega de valor. A entrega de valor. A entrega de valor

15/09/2015. Gestão e Governança de TI. Modelo de Governança em TI. A entrega de valor. A entrega de valor. A entrega de valor. A entrega de valor Gestão e Governança de TI Modelo de Governança em TI Prof. Marcel Santos Silva PMI (2013), a gestão de portfólio é: uma coleção de projetos e/ou programas e outros trabalhos que são agrupados para facilitar

Leia mais

EMC Consulting. Estratégia visionária, resultados práticos. Quando a informação se reúne, seu mundo avança.

EMC Consulting. Estratégia visionária, resultados práticos. Quando a informação se reúne, seu mundo avança. EMC Consulting Estratégia visionária, resultados práticos Quando a informação se reúne, seu mundo avança. Alinhando TI aos objetivos de negócios. As decisões de TI de hoje devem basear-se em critérios

Leia mais

Consolidação inteligente de servidores com o System Center

Consolidação inteligente de servidores com o System Center Consolidação de servidores por meio da virtualização Determinação do local dos sistemas convidados: a necessidade de determinar o melhor host de virtualização que possa lidar com os requisitos do sistema

Leia mais

Hospedagem Virtualizada

Hospedagem Virtualizada Conheça também Desenvolvimento de sistemas Soluções de Segurança Soluções com o DNA da Administração Pública Há 43 anos no mercado, a Prodesp tem um profundo conhecimento da administração pública e também

Leia mais

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Módulo 4 Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Estruturas e Metodologias de controle adotadas na Sarbanes COBIT

Leia mais

Exame de Fundamentos da ITIL

Exame de Fundamentos da ITIL Exame de Fundamentos da ITIL Simulado B, versão 5.1 Múltipla escolha Instruções 1. Todas as 40 perguntas devem ser respondidas. 2. Todas as respostas devem ser assinaladas na grade de respostas fornecida.

Leia mais

Gerenciamento de Serviços em TI com ITIL. Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL

Gerenciamento de Serviços em TI com ITIL. Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL A Filosofia do Gerenciamento de Serviços em TI Avanços tecnológicos; Negócios totalmente dependentes da TI; Qualidade, quantidade e a disponibilidade (infra-estrutura

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Referência: An Introductory Overview of ITIL v2 Livros ITIL v2 Cenário de TI nas organizações Aumento da dependência da TI para alcance

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios UNIMEP MBA em Gestão e Negócios Módulo: Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 TI com foco nos Negócios: Áreas envolvidas (Parte II) Flávio I. Callegari www.flaviocallegari.pro.br O perfil do profissional

Leia mais

Transformação para uma TI empresarial Criando uma plataforma de geração de valor. Garanta a eficiência e a competitividade da sua empresa

Transformação para uma TI empresarial Criando uma plataforma de geração de valor. Garanta a eficiência e a competitividade da sua empresa Transformação para uma TI empresarial Criando uma plataforma de geração de valor Garanta a eficiência e a competitividade da sua empresa Transformação para uma TI empresarial Criando uma plataforma de

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI 1. PI06 TI 1.1. Processos a serem Atendidos pelos APLICATIVOS DESENVOLVIDOS Os seguintes processos do MACROPROCESSO

Leia mais

Metodologia para Análise de Maturidade de Governança de TI. Soluções em Gestão e TI que adicionam valor aos negócios

Metodologia para Análise de Maturidade de Governança de TI. Soluções em Gestão e TI que adicionam valor aos negócios Metodologia para Análise de Maturidade de Governança de TI Soluções em Gestão e TI que adicionam valor aos negócios Garanta a eficiência e a competitividade da sua empresa Análise de Maturidade de Governança

Leia mais

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte IBM Global Technology Services Manutenção e suporte técnico Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte Uma abordagem inovadora em suporte técnico 2 Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

PORTARIA P N. 422, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2014.

PORTARIA P N. 422, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2014. PORTARIA P N. 422, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2014. Revisa o Plano Diretor de Tecnologia da Informação PDTI para o período 2013-2018 e dá outras providências. O Presidente do TRE-RS, no uso de suas atribuições

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das Partes Interessadas e da Integração

Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das Partes Interessadas e da Integração Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das

Leia mais

Continuidade de Negócio de TI O Sucesso da sua empresa também depende disso. Qual é sua necessidade...

Continuidade de Negócio de TI O Sucesso da sua empresa também depende disso. Qual é sua necessidade... Continuidade de Negócio de TI O Sucesso da sua empresa também depende disso. Qual é sua necessidade... Reduzir custo de TI; Identificar lentidões no ambiente de TI Identificar problemas de performance

Leia mais

A Biblioteca: Gerenciamento de Serviços de TI. Instrutor : Cláudio Magalhães E-mail: cacmagalhaes@io2.com.br

A Biblioteca: Gerenciamento de Serviços de TI. Instrutor : Cláudio Magalhães E-mail: cacmagalhaes@io2.com.br A Biblioteca: Gerenciamento de Serviços de TI Instrutor : Cláudio Magalhães E-mail: cacmagalhaes@io2.com.br 2 A Biblioteca ITIL: Information Technology Infrastructure Library v2 Fornece um conjunto amplo,

Leia mais

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br Corporativo Transformar dados em informações claras e objetivas que possibilitem às empresas tomarem decisões em direção ao sucesso. Com essa filosofia a Star Soft Indústria de Software e Soluções vem

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. A Tecnologia da Informação no contexto Organizacional. Tecnologia. Tecnologia. Tecnologia 29/07/2009

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. A Tecnologia da Informação no contexto Organizacional. Tecnologia. Tecnologia. Tecnologia 29/07/2009 Núcleo de Pós Graduação Pitágoras A Tecnologia da Informação no contexto Organizacional MBA Gestão em TI Disciplina: Administração de Suporte e Automação Professor: Fernando Zaidan Agosto - 2009 Tecnologia

Leia mais

Soluções em Documentação

Soluções em Documentação Desafios das empresas no que se refere à documentação de infraestrutura de TI Realizar e manter atualizado o inventário de recursos de Hardware e software da empresa, bem como a topologia de rede Possuir

Leia mais

COBIT. Governança de TI. Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br

COBIT. Governança de TI. Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br COBIT Governança de TI Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br Sobre mim Juvenal Santana Gerente de Projetos PMP; Cobit Certified; ITIL Certified; OOAD Certified; 9+ anos de experiência em TI; Especialista

Leia mais

Otimização do Gerenciamento de Datacenters com o Microsoft System Center

Otimização do Gerenciamento de Datacenters com o Microsoft System Center Otimização do Gerenciamento de Datacenters com o Microsoft System Center Aviso de Isenção de Responsabilidade e Direitos Autorais As informações contidas neste documento representam a visão atual da Microsoft

Leia mais

Soluções Inteligentes para regulamentações e negócios em aplicações SAP

Soluções Inteligentes para regulamentações e negócios em aplicações SAP Soluções Inteligentes para regulamentações e negócios em aplicações SAP Uma nova visão no Gerenciamento da Aplicação INDICE 1. A Union IT... 3 2. A importância de gerenciar dinamicamente infra-estrutura,

Leia mais

RESUMO DA SOLUÇÃO Aperfeiçoando o planejamento de capacidade com o uso do gerenciamento de desempenho de aplicativos

RESUMO DA SOLUÇÃO Aperfeiçoando o planejamento de capacidade com o uso do gerenciamento de desempenho de aplicativos RESUMO DA SOLUÇÃO Aperfeiçoando o planejamento de capacidade com o uso do gerenciamento de desempenho de aplicativos como posso assegurar uma experiência excepcional para o usuário final com aplicativos

Leia mais

GESTÃO DAS INFORMAÇÕES DAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 11

GESTÃO DAS INFORMAÇÕES DAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 11 GESTÃO DAS INFORMAÇÕES DAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 11 Índice 1. Importância do ERP para as organizações...3 2. ERP como fonte de vantagem competitiva...4 3. Desenvolvimento e implantação de sistema de informação...5

Leia mais

Número do Recibo:83500042

Número do Recibo:83500042 1 de 21 06/06/2012 18:25 Número do Recibo:83500042 Data de Preenchimento do Questionário: 06/06/2012. Comitête Gestor de Informática do Judiciário - Recibo de Preenchimento do Questionário: GOVERNANÇA

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS. Finanças

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS. Finanças COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS Finanças DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

PLANO DIRETOR DE INFORMÁTICA Outubro de 2014

PLANO DIRETOR DE INFORMÁTICA Outubro de 2014 PLANO DIRETOR DE INFORMÁTICA Outubro de 2014 DIVISÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO - DTI PLANO DIRETOR DE INFORMÁTICA - 1 SUMÁRIO 1. OBJETIVOS 2. CENÁRIO ATUAL DE TI 2.1. AVALIAÇÃO E DIAGNÓSTICO DO CENÁRIO

Leia mais

Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation.

Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation. Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation. O SoftExpert PPM Suite é a solução mais robusta, funcional e fácil para priorizar, planejar, gerenciar e executar projetos, portfólios

Leia mais

GERENCIANDO SERVIÇOS DE MENSAGENS OTT PARA UM PROVEDOR DE TELECOM GLOBAL

GERENCIANDO SERVIÇOS DE MENSAGENS OTT PARA UM PROVEDOR DE TELECOM GLOBAL GERENCIANDO SERVIÇOS DE MENSAGENS OTT PARA UM PROVEDOR DE TELECOM GLOBAL A Sytel Reply foi comissionada por uma grande operadora global de Telecom para o fornecimento de um Service Assurance de qualidade.

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Núcleo de Pós Graduação Pitágoras MBA Gestão em TI Disciplina: Administração de Suporte e Automação Gerenciamento de Suporte Professor: Fernando Zaidan Ago-2009 1 2 Contexto Área de TI lugar estratégico

Leia mais

Simulado ITIL V3 Português Sicoob

Simulado ITIL V3 Português Sicoob Simulado ITIL V3 Português Sicoob Dezembro 2009 1 de 40 A Implementação do Gerenciamento de Serviços Baseados na ITIL requer preparação e planejamento do uso eficaz e eficiente de quais dos seguintes?

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES CELG DISTRIBUIÇÃO S.A EDITAL N. 1/2014 CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE GESTÃO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES O Centro de Seleção da Universidade Federal de Goiás

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Sistemas de Informação Sistemas de Apoio às Operações Sistemas

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001 INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, Eng. MBA Maio de 2001 Apresentação Existe um consenso entre especialistas das mais diversas áreas de que as organizações bem-sucedidas no século XXI serão

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

Relatório sobre Segurança da Informação nas Empresas RESULTADOS DA AMÉRICA LATINA

Relatório sobre Segurança da Informação nas Empresas RESULTADOS DA AMÉRICA LATINA 2011 Relatório sobre Segurança da Informação nas Empresas RESULTADOS DA AMÉRICA LATINA SUMÁRIO Introdução... 4 Metodologia... 6 Resultado 1: Cibersegurança é importante para os negócios... 8 Resultado

Leia mais

PORTARIA TC Nº 437, 23 DE SETEMBRO DE 2015

PORTARIA TC Nº 437, 23 DE SETEMBRO DE 2015 PORTARIA TC Nº 437, 23 DE SETEMBRO DE 2015 Disciplina os procedimentos para gestão de incidentes de segurança da informação e institui a equipe de tratamento e resposta a incidentes em redes computacionais

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE REDES E DATA CENTER 1º PERÍODO DE TECNOLOGIA DE REDES

ADMINISTRAÇÃO DE REDES E DATA CENTER 1º PERÍODO DE TECNOLOGIA DE REDES DESENHO DE SERVIÇO Este estágio do ciclo de vida tem como foco o desenho e a criação de serviços de TI cujo propósito será realizar a estratégia concebida anteriormente. Através do uso das práticas, processos

Leia mais

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions ISO 9001 Relatórios A importância do risco em gestao da qualidade Abordando a mudança BSI Group BSI/UK/532/SC/1114/en/BLD Contexto e resumo da revisão da ISO 9001:2015 Como uma Norma internacional, a ISO

Leia mais

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Aula 2 Arquitetura de Data Center Ambientes Colaborativos A história dos sistemas

Leia mais

Universidade Utiliza Virtualização para Criar Data Center Com Melhor Custo-Benefício e Desempenho

Universidade Utiliza Virtualização para Criar Data Center Com Melhor Custo-Benefício e Desempenho Virtualização Microsoft: Data Center a Estação de Trabalho Estudo de Caso de Solução para Cliente Universidade Utiliza Virtualização para Criar Data Center Com Melhor Custo-Benefício e Desempenho Visão

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA

MINISTÉRIO DA FAZENDA MINISTÉRIO DA FAZENDA Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional PGFN Departamento de Gestão Corporativa - DGC Coordenação-Geral de Tecnologia da Informação - CTI CATÁLOGO DE SERVIÇOS DE TECNOLOGIA Infraestrutura

Leia mais

Importância do GED. Implantação de um Sistema de GED

Importância do GED. Implantação de um Sistema de GED Implantação de um Sistema de GED Gerenciamento Eletrônico de Documentos Importância do GED O GED tem uma importante contribuição na tarefa da gestão eficiente da informação; É a chave para a melhoria da

Leia mais

COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR?

COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR? COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR? Descubra os benefícios que podem ser encontrados ao se adaptar as novas tendências de mercado ebook GRÁTIS Como o investimento em TI pode

Leia mais

ITIL. Conteúdo. 1. Introdução. 2. Suporte de Serviços. 3. Entrega de Serviços. 4. CobIT X ITIL. 5. Considerações Finais

ITIL. Conteúdo. 1. Introdução. 2. Suporte de Serviços. 3. Entrega de Serviços. 4. CobIT X ITIL. 5. Considerações Finais ITIL Conteúdo 1. Introdução 2. Suporte de Serviços 3. Entrega de Serviços 4. CobIT X ITIL 5. Considerações Finais Introdução Introdução Information Technology Infrastructure Library O ITIL foi desenvolvido,

Leia mais

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti e d a id 4 m IN r fo a n m Co co M a n ua l Governança AMIGA Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti Um dos grandes desafios atuais da administração

Leia mais

Infraestrutura e Tecnologia - Assegurar adequados recursos de tecnologia da Informação

Infraestrutura e Tecnologia - Assegurar adequados recursos de tecnologia da Informação 1. Escopo ou finalidade do projeto O objetivo do projeto é dotar o MP-PR de estrutura computacional centralizada e própria, com condições de atender plenamente os requisitos de processamento e armazenamento

Leia mais

INDICADORES DE DESEMPENHO

INDICADORES DE DESEMPENHO INDICADORES DE DESEMPENHO Não se gerencia o que não se mede, não se mede o que não se define, não se define o que não se entende, não há sucesso no que não se gerencia. (E. Deming) Os indicadores são ferramentas

Leia mais

Melhores práticas para gerenciamento de suporte a serviços de TI

Melhores práticas para gerenciamento de suporte a serviços de TI Melhores práticas para gerenciamento de suporte a serviços de TI Adriano Olimpio Tonelli Redes & Cia 1. Introdução A crescente dependência entre os negócios das organizações e a TI e o conseqüente aumento

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: Redes de Computadores MISSÃO DO CURSO Com a modernização tecnológica e com o surgimento destes novos serviços e produtos, fica clara a necessidade de profissionais

Leia mais

Sistemas de Informação Gerenciais

Sistemas de Informação Gerenciais Faculdade Pitágoras de Uberlândia Pós-graduação Sistemas de Informação Gerenciais Terceira aula Prof. Me. Walteno Martins Parreira Júnior www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com Maio -2013 Governança

Leia mais

Engenharia de Software Qualidade de Software

Engenharia de Software Qualidade de Software Engenharia de Software Qualidade de Software O termo qualidade assumiu diferentes significados, em engenharia de software, tem o significado de está em conformidade com os requisitos explícitos e implícitos

Leia mais

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart.

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Versão 1.6 15/08/2013 Visão Resumida Data Criação 15/08/2013 Versão Documento 1.6 Projeto Responsáveis

Leia mais

ATO Nº 232/2013. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

ATO Nº 232/2013. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, ATO Nº 232/2013 Aprova a Norma Complementar de Procedimentos para Inventariar Ativos de Tecnologia da Informação. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições

Leia mais

Virtualização de Sistemas Operacionais

Virtualização de Sistemas Operacionais Virtualização de Sistemas Operacionais Felipe Antonio de Sousa 1, Júlio César Pereira 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil felipeantoniodesousa@gmail.com, juliocesarp@unipar.br Resumo.

Leia mais

ITIL - Por que surgiu? Dependências de TI; A qualidade, quantidade e disponibilidade de infra-estrutura de TI afetam diretamente;

ITIL - Por que surgiu? Dependências de TI; A qualidade, quantidade e disponibilidade de infra-estrutura de TI afetam diretamente; ITIL ITIL - Por que surgiu? Dependências de TI; A qualidade, quantidade e disponibilidade de infra-estrutura de TI afetam diretamente; ITIL Mas o que gerenciar? Gerenciamento de Serviço de TI. Infra-estrutura

Leia mais

Gerência de Redes NOC

Gerência de Redes NOC Gerência de Redes NOC Cássio D. B. Pinheiro pinheiro.cassio@ig.com.br cassio.orgfree.com Objetivos Apresentar os conceitos fundamentais, assim como os elementos relacionados a um dos principais componentes

Leia mais

Aumente sua velocidade e flexibilidade com a implantação da nuvem gerenciada de software da SAP

Aumente sua velocidade e flexibilidade com a implantação da nuvem gerenciada de software da SAP Parceiros de serviços em nuvem gerenciada Aumente sua velocidade e flexibilidade com a implantação da nuvem gerenciada de software da SAP Implemente a versão mais recente do software da SAP de classe mundial,

Leia mais

COTAÇÃO ELETRÔNICA: 133/2012 COMPRASNET

COTAÇÃO ELETRÔNICA: 133/2012 COMPRASNET COTAÇÃO ELETRÔNICA: 133/2012 COMPRASNET AQUISIÇÃO DE SOLUÇÃO DE ANTIVÍRUS MCAFEE PARA PLATAFORMA DE SERVIDORES VIRTUALIZADOS VMWARE DA REDE CORPORATIVA PRODAM Diretoria de Infraestrutura e Tecnologia-

Leia mais

De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos

De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos O que você vai mudar em sua forma de atuação a partir do que viu hoje? Como Transformar o Conteúdo Aprendido Neste Seminário em Ação! O que debatemos

Leia mais

CobiT. MBA em Sistemas de Informação. Conteúdo. 1. Sumário Executivo. 2. Estrutura. 3. Objetivos de Controle. 4. Diretrizes de Gerenciamento

CobiT. MBA em Sistemas de Informação. Conteúdo. 1. Sumário Executivo. 2. Estrutura. 3. Objetivos de Controle. 4. Diretrizes de Gerenciamento MBA em Sistemas de Informação CobiT Conteúdo 1. Sumário Executivo 2. Estrutura 3. Objetivos de Controle 4. Diretrizes de Gerenciamento 5. Modelo de Maturidade 6. Guia de Certificação de TI 7. Implementação

Leia mais

Soluções em Segurança

Soluções em Segurança Desafios das empresas no que se refere a segurança da infraestrutura de TI Dificuldade de entender os riscos aos quais a empresa está exposta na internet Risco de problemas gerados por ameaças externas

Leia mais

MECANISMOS PARA GOVERNANÇA DE T.I. IMPLEMENTAÇÃO DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

MECANISMOS PARA GOVERNANÇA DE T.I. IMPLEMENTAÇÃO DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MECANISMOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DA GOVERNANÇA DE T.I. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza CICLO DA GOVERNANÇA DE TI O CICLO DA GOVERNANÇA DE TI O Ciclo da Governança de T.I. ALINHAMENTO

Leia mais

OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING

OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING 1. Estabelecer a constância de propósitos para a melhoria dos bens e serviços A alta administração deve demonstrar constantemente seu comprometimento com os objetivos

Leia mais

A Terceirização da Manutenção como Estratégia Competitiva nas Organizações

A Terceirização da Manutenção como Estratégia Competitiva nas Organizações A Terceirização da Manutenção como Estratégia Competitiva nas Organizações Alessandro Trombeta Supervisor de Manutenção Valdemar Roberto Cremoneis Gerente Industrial Cocamar Cooperativa Agroindustrial

Leia mais

Os principais sistemas de automação de data centers DCIM: uma visão técnica e metodologias de escolha. Moacyr Franco Neto

Os principais sistemas de automação de data centers DCIM: uma visão técnica e metodologias de escolha. Moacyr Franco Neto Os principais sistemas de automação de data centers DCIM: uma visão técnica e metodologias de escolha Moacyr Franco Neto Agenda 1 Definição de DCIM. 2 Modelos de DCIM. 3 Benefícios e funcionalidades. 4-

Leia mais

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Aula 3 Disponibilidade em Data Center O Data Center é atualmente o centro nervoso

Leia mais

CONTRATO DE CONCESSÃO [ ]/2013 EDITAL DE CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL [ ]/2013

CONTRATO DE CONCESSÃO [ ]/2013 EDITAL DE CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL [ ]/2013 CONTRATO DE CONCESSÃO [ ]/2013 EDITAL DE CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL [ ]/2013 CONCESSÃO ADMINISTRATIVA PARA DESENVOLVIMENTO, IMPLANTAÇÃO, OPERAÇÃO, MANUTENÇÃO E GERENCIAMENTO DA SOLUÇÃO GRP DO MUNICÍPIO

Leia mais

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS Vanice Ferreira 12 de junho de 2012 GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais DE QUE PROCESSOS ESTAMOS FALANDO? GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais

Leia mais

Software de gerenciamento de trabalho

Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho GoalPost O software de gerenciamento de trabalho (LMS) GoalPost da Intelligrated fornece informações sob demanda para medir,

Leia mais

CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10

CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10 CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10 Planejar e Organizar Gerenciar Projetos Pedro Rocha http://rochapedro.wordpress.com RESUMO Este documento trás a tradução do objetivo de controle PO10 (Gerenciamento

Leia mais

Gestão de T.I. GESTÃO DE T.I. ITIL. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com

Gestão de T.I. GESTÃO DE T.I. ITIL. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com 1 Information Technology Infrastructure Library 2 O que é o? Information Technology Infrastructure Library é uma biblioteca composta por sete livros

Leia mais

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma Complementar se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. APROVAÇÃO

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma Complementar se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. APROVAÇÃO 10/IN01/DSIC/GSIPR 00 30/JAN/12 1/7 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Gabinete de Segurança Institucional Departamento de Segurança da Informação e Comunicações Inventário e Mapeamento de Ativos de Informação nos

Leia mais

COBIT Um kit de ferramentas para a excelência na gestão de TI. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com

COBIT Um kit de ferramentas para a excelência na gestão de TI. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com COBIT Um kit de ferramentas para a excelência na gestão de TI Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com Introdução Atualmente, é impossível imaginar uma empresa sem uma forte área de sistemas

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

Por que utilizar o modelo ITIL

Por que utilizar o modelo ITIL Por que utilizar o modelo ITIL... O que não é definido não pode ser controlado... O que não é controlado não pode ser medido... O que não é medido não pode ser melhorado Empregado para definir, controlar,

Leia mais

Gestão estratégica em finanças

Gestão estratégica em finanças Gestão estratégica em finanças Resulta Consultoria Empresarial Gestão de custos e maximização de resultados A nova realidade do mercado tem feito com que as empresas contratem serviços especializados pelo

Leia mais

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 Dispõe sobre a Política de Governança de Tecnologia da Informação do Tribunal de Contas da União (PGTI/TCU). O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso de suas

Leia mais

Unidade IV ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Profa. Lérida Malagueta

Unidade IV ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Profa. Lérida Malagueta Unidade IV ESTRATÉGIA COMPETITIVA Profa. Lérida Malagueta Estratégia competitiva Já conhecemos os conceitos sobre a teoria da decisão estratégica e de como competem e cooperam: Os decisores As empresas

Leia mais