Nesta aula, vamos estudar a urbanização

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Nesta aula, vamos estudar a urbanização"

Transcrição

1 Condomínios e faveas: a urbanização desigua A UU L AL A Nesta aua, vamos estudar a urbanização brasieira, que se caracteriza pea rapidez e intensidade de seu ritmo. Vamos comprender como o crescimento das cidades esteve igado à atividade industria, gerando agomerações urbanas com diferentes níveis na hierarquia regiona. Veremos também que a pobreza urbana refete as desiguadades sociais presentes na economia brasieira. Qua o pape das grandes cidades no processo de desenvovimento brasieiro? Como as metrópoes podem ser, ao mesmo tempo, centros de inovações e agomerados de pobreza? No Brasi, o mercado unificou a economia urbana em escaa naciona. Quanto maior a cidade, maior a possibiidade de mutipicação das atividades informais e das aternativas de sobrevivência para os pobres. Faveas se mutipicam, enquanto as pessoas mais abastadas procuram construir condomínios que hes ofereçam mais segurança. Expica-se, assim, a expansão do emprego - ainda que rotativo e ma remunerado - na indústria metropoitana, ao contrário do que ocorre nas economias centrais. No caso brasieiro, a periferia cresce com a indústria e com a migração da popuação de baixa renda. O ugar da riqueza torna-se iteramente o ugar da pobreza. O Brasi transformou-se em um país urbano em poucas décadas, comprimindo no tempo um processo que, em outros países, se fez muito mais entamente. As áreas urbanas passaram a concentrar, em 1995, mais de 120 mihões de indivíduos, num tota de aproximadamente 60 mihões. 21

2 A U L A Ao contrário dos países atino-americanos, como os do Cone Su, que têm urbanização mais estabiizada, o Brasi manifesta um processo extremamente dinâmico, devido, em grande parte, ao próprio crescimento urbano - que não se reduz à mera inchação das cidades - mas também à mobiidade de sua popuação e a uma fronteira móve. A partir de 1930, começou a se aceerar o crescimento industria do eixo entre Rio de Janeiro e São Pauo. Essa área passou a ter um desenvovimento maior do que as demais, tornando-se o centro econômico do Brasi e produzindo bens industriaizados de todos os tipos. Os demais Estados tornaram-se mercados consumidores desses bens, fornecendo matérias-primas e aimentos a preços baixos e, principamente, mão-de-obra barata em grande quantidade. Estabeeceu-se, assim, a reação centro-periferia, isto é, áreas que tiveram crescimento econômico diferente mantêm uma reação de dependência entre si. A indústria foi a grande responsáve pea aceeração do processo de urbanização. Como mostra o gráfico, hoje o Brasi é um país predominantemente urbano, com cerca de 75% de sua popuação vivendo e trabahando em cidades, em especia nas metrópoes. As metrópoes são cidades que exercem um grande poder de atração sobre as áreas vizinhas. Esse é o caso de Beém, Fortaeza, Recife, Savador, Beo Horizonte, Rio de Janeiro, São Pauo, Curitiba, Porto Aegre e Brasíia. Entre , o crescimento mais significativo ocorreu nas cidades médias e grandes. O tota de cidades com mais de 100 mi habitantes passou de 11 para 95, representando 48,7% da popuação urbana do país. 22

3 Dois movimentos compementares caracterizam a urbanização: a acentuação da concentração popuaciona e a tendência à dispersão espacia. BRASIL: ÍNDICE DE URBANIZAÇÃO 1950/91 Popuação Ano Popuação Tota Popuação Urbana FONTE: IBGE, Censos Demográficos: 1905, 1960, 1970, 1980 e Índice de urbanização % 36,2 44,9 55,9 67,6 75,6 A U L A Em termos de concentração, nos anos 70 as regiões metropoitanas aumentaram sua participação reativa (isto é, em reação ao tota da popuação das áreas urbanas) de 25,5% para 29,0%. A indústria teve pape centra no crescimento das metrópoes e das agomerações urbanas imediatamente abaixo desse níve. Somente as regiões metropoitanas de São Pauo e do Rio de Janeiro - com 12 mihões e 9 mihões de habitantes, respectivamente - juntas respondiam, em 1980, por 75,4% do pessoa ocupado e por aproximadamente 65% do vaor da produção industria em todo o país. Essas metrópoes recebem apoio de dois tipos de cidade, tanto em reação ao crescimento demográfico quanto à situação de renda: 1. as cidades que correspondem à desconcentração industria de São Pauo ou à impantação da fronteira científico-tecnoógica, isto é, cidades onde se instaam importantes centros de pesquisa e se desenvovem atividades que utiizam tecnoogia de ponta, como é o caso de Campinas e São José dos Campos; 2. regiões metropoitanas com indústrias ou póos industriais avançados, como Beo Horizonte (metaurgia e materia de transporte), Savador (petroquímica), Curitiba e Porto Aegre (indústrias diversas). A tendência à dispersão urbana, tanto em termos popuacionais como de renda, se faz por três modaidades, movidas por fatores que não se igam diretamente à indústria, e em gera correspondem a posições de contato entre áreas de economias diversas. A primeira modaidade é a extensão contínua de centros urbanos a partir da cidade mundia, isto é, uma cidade rica que fornece as tendências de atuação para regiões de agricutura diversificada e regiões basicamente pecuaristas, por onde avança a agricutura moderna da soja e da cana-de-açúcar. A segunda é a formação de uma ampa frente urbana de interiorização, correspondente às grandes capitais dos Estados do Centro-Norte, que fornecem as tendências de atuação para a urbanização no interior, e funcionam como pontos de contato e intermediação entre as bordas da cidade mundia e as áreas de avanço da fronteira. Pape centra na presença de grandes popuações e de rendas reativamente eevadas deve-se ao Estado. O maior exempo dessa situação é Brasíia, a capita da geopoítica, que registrou a maior proporção no país da popuação economicamente ativa urbana nas mais atas casses de renda. 23

4 A U L A A terceira modaidade da dispersão é característica da fronteira. Incui centros regionais e ocais que servem de suporte para as frentes de expansão agropecuárias e minerais, e incui também o crescimento exposivo de pequenos núceos dispersos, vincuados à abertura da foresta ou aos garimpos, que se constituem em ocais de reprodução da força de trabaho móve, razão pea qua muitos desses são também efêmeros, mudando de ocaização com o desocamento das frentes. A urbanização foi sustentada em grande parte por uma maioria de mão-deobra barata e pobre. E, ainda assim, o trabaho urbano significa ascensão, pois a proporção de trabahadores na faixa inferior a um saário mínimo foi de cerca de 25%, no Brasi urbano, bem menor do que a percentagem de 38% do país como um todo. Na Região Metropoitana de São Pauo, a proporção de trabahadores ganhando até um saário mínimo é de 9,2%, na do Rio de Janeiro é superior a 14,0% e na de Beo Horizonte acança quase 21%. Crescimento econômico com pobreza crescente, movimentos espontâneos na economia informa e estruturas econômicas formais se compementam para sustentar o crescimento metropoitano. A pobreza, por um ado, constitui um entrave à maior expansão das grandes empresas, pois restringe o crescimento de um mercado interno, consumidor; mas, por outro, permite a proiferação de pequenas fábricas menos capitaizadas e criadoras de emprego. O mercado unifica a economia urbana e, quanto maior a cidade, maior a possibiidade de mutipicação de atividades informais. Expica-se, assim, a expansão do emprego - ainda que rotativo e ma remunerado - na indústria metropoitana, ao contrário do que ocorre nas economias centrais. No caso brasieiro, a periferia cresce com a indústria e a migração da popuação de baixa renda. O ugar da riqueza torna-se iteramente o ugar da pobreza. Os dados reativos ao sistema urbano das regiões brasieiras reveam aguns aspectos importantes: PARTICIPAÇÃO DAS REGIÕES METROPOLITANAS E DO DISTRITO FEDERAL NO VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO INDUSTRIAL (VBPI VBPI), NA RECEITA DA VENDA DE MERCADORIAS (RVM RVM) E NA RECEITA TOTAL DOS SERVIÇOS (RTS RTS) Brasi VBPI 47,0 RVM 46,5 Norte Nordeste Sudeste Su Centro-Oeste (1) 11,0 58,9 52,4 34,1 10,8 25,6 40,4 58,9 27,7 21,5 (1) Dados reativos ao Distrito Federa Fonte: IBGE, Censo Econômico de 1985 e Municípios: Indústria, Comércio e Serviços. O Sudeste, que é o núceo origina da industriaização, revea a formidáve concentração da indústria (52,4%), do comércio (58,9%) e dos serviços (75,4%) nas regiões metropoitanas de São Pauo, Rio de Janeiro e Beo Horizonte. É particuarmente acentuado o fato de que três quartos das receitas de serviços estão centraizados nas metrópoes, o que é um indicador indireto da eevada concentração urbana da região. O Su, dadas as características históricas e geográficas de seu desenvovimento, apresenta uma estrutura mais dispersa, com maior concentração metropoitana na oferta de serviços. ), RTS 65,4 22,3 50,1 75,4 43,3 55,4

5 No Nordeste são nítidos os efeitos territoriais da nova indústria nordestina, cuja produção está fortemente centraizada nas áreas metropoitanas de Savador, Recife e Fortaeza (58,9%), com uma concentração superior à receita dos serviços (50,1%). Isso constitui um efeito pecuiar das poíticas regionais centradas na indústria como motor dinâmico do desenvovimento, cujo mehor exempo está na região metropoitana de Savador, que detém cerca de 80% do tota do vaor da produção industria do Estado da Bahia e aproximadamente 35% do vaor tota da Região Nordeste. O Norte e o Centro-Oeste reveam estruturas semehantes, no que diz respeito ao peso metropoitano da indústria e do comércio, em grande parte por causa do pape de cidades médias, como é o caso de Goiânia e Manaus, que dividem as funções urbanas com os agomerados metropoitanos de Brasíia e Beém, respectivamente. Dois aspectos devem ser ressatados: a consideráve presença de Beém no comércio regiona, atividade tradiciona nessa cidade da foz do Amazonas, e o pape de destaque de Brasíia, na receita dos serviços da região Centro-Oeste, reforçando sua centraidade na rede urbana regiona, em grande parte devido à função de capita federa. A U L A Uma das questões centrais, nesse contexto, é o abastecimento dessas agomerações metropoitanas, que exige redes de circuação eficientes para manter a oferta de bens agrícoas a esse grande contingente popuaciona, garantindo, peo aumento da oferta de aimentos, ganhos reativos nos saários reais. Esse é um dos probemas centrais de uma poítica territoria de distribuição de renda, com profundas impicações sociais, conforme se observou nos anos 80: a convivência de grandes safras com eevações constantes nos preços da cesta básica, nos mercados metropoitanos. As metrópoes tornaram-se também o ugar da pobreza urbana, das carências sociais de vários tipos, que se manifestam em movimentos de posseiros (sem-terra), em invasões dos sem-teto e em oteamentos candestinos. Eas têm os compexos probemas de gestão, comuns às grandes agomerações urbanas, bem como os probemas específicos das cidades de economias periféricas, o que resuta em eevado potencia de confitos reivindicatórios de direito à cidadania. Nesta aua você aprendeu que: o Brasi se transformou em um país urbano, em poucas décadas, comprimindo no tempo um processo que em outros países se fez muito mais entamente; a partir de 1930, começou a se aceerar o crescimento industria do eixo entre Rio de Janeiro e São Pauo. Essa área passou a ter um desenvovimento maior do que as demais, tornando-se o centro econômico do Brasi; a industriaização foi a grande responsáve pea aceeração do processo de urbanização; cerca de 75% de sua popuação vive e trabaha em cidades, principamente nas metrópoes, que têm um grande poder de atração sobre as áreas vizinhas, como é o caso de Beém, Fortaeza, Recife, Savador, Beo Horizonte, Rio de Janeiro, São Pauo, Curitiba, Porto Aegre e Brasíia; as metrópoes tornaram-se também o ugar da pobreza urbana, das carências sociais de vários tipos que se manifestam em movimentos de possei- ros, em invasões dos sem-teto e em oteamentos candestinos. 25

6 A U L A Exercício 1 Por que podemos afirmar que hoje o Brasi é um país urbano? Exercício 2 Por que as metrópoes brasieiras podem ser consideradas ugares da riqueza e da pobreza? Exercício 3 Assinae a aternativa errada sobre a urbanização brasieira: a) A aceeração do processo de urbanização ocorreu principamente após a Segunda Guerra Mundia, quando também se intensificou a industriaização. b) Uma das tendências da urbanização na década de 1970 diz respeito ao aparecimento, no interior, de centros de contato e de intermediação entre as regiões de desenvovimento urbano-industria e as áreas de avanço da frente pioneira. c) A tendência mais marcante da configuração espacia da urbanização, no período de 1970 a 1980, refere-se ao aumento da concentração urbana nos espaços metropoitanos. d) O processo de urbanização no período de 1980 a 1990 estabiiza-se, evidenciando um padrão definido na distribuição espacia da popuação no território naciona. 26

Nesta aula, veremos por que o Nordeste é a

Nesta aula, veremos por que o Nordeste é a Nordeste: o domínio agrário-mercanti A UU L AL A Nesta aua, veremos por que o Nordeste é a região que apresenta maiores desiguadades sociais, com um marcante níve de pobreza e um ato níve de destruição

Leia mais

34 Ritmos e movimentos da população mundial

34 Ritmos e movimentos da população mundial A U A UL LA Ritmos e movimentos da popuação mundia Nessa aua, vamos estudar o crescimento da popuação mundia reacionando-o com as mudanças ocorridas na sociedade. Vamos conhecer o modeo expicativo da desaceeração

Leia mais

População e PIB das cidades médias crescem mais que no resto do Brasil

População e PIB das cidades médias crescem mais que no resto do Brasil RELEASE 17 de JULHO de 2008. População e PIB das cidades médias crescem mais que no resto do Brasil Aumentos de riquezas e de habitantes nas cidades com 100 mil a 500 mil, neste século, superam a média

Leia mais

Leiaute ou arranjo físico

Leiaute ou arranjo físico Leiaute ou arranjo físico A UU L AL A Quaquer posto de trabaho, incusive o nosso, está igado aos demais postos de trabaho, num oca quaquer de uma empresa. Esse oca pode ser uma área grande ou pequena.

Leia mais

Just-in-time. Podemos dizer que estamos usando a técnica. Conceito

Just-in-time. Podemos dizer que estamos usando a técnica. Conceito A UU L AL A Just-in-time Podemos dizer que estamos usando a técnica ou sistema just-in-time ou, abreviadamente, JIT, quando produzimos ago sem desperdício de matéria-prima; quando soicitamos e utiizamos

Leia mais

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO DE GEOGRAFIA SÉRIE: 7º ANO PROFESSOR: MAGDA e ROSI

Leia mais

BRASIL REGIONALIZAÇÕES. Mapa II

BRASIL REGIONALIZAÇÕES. Mapa II BRASIL REGIONALIZAÇÕES QUESTÃO 01 - Baseado na regionalização brasileira, apresentados pelos dois mapas a seguir, é INCORRETO afirmar que: Mapa I Mapa II A B D C a. ( ) O mapa II apresenta a divisão do

Leia mais

Ocupação do interior da Colônia

Ocupação do interior da Colônia MÓDULO 1 Acesse: http://fuvestibuar.com.br/ Ocupação do interior da Coônia Nesta aua Atuamente, o Brasi é um dos maiores países do mundo. Você tem idéia de como se formou esse território? A resposta para

Leia mais

URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE

URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE. DA REPRODUÇÃO DA VIDA E PODE SER ANALISADO PELA TRÍADE HABITANTE- IDENTIDADE-LUGAR. OBJETIVOS ESPECÍFICOS A. Caracterizar o fenômeno da urbanização como maior intervenção humana

Leia mais

Questão 1. Resposta A. Resposta B

Questão 1. Resposta A. Resposta B Questão 1 Ao longo do século XX, as cidades norte-americanas se organizaram espacialmente de um modo original: a partir do Central Business District (CBD), elas se estruturaram em circunferências concêntricas

Leia mais

1 GEOGRAFIA Géographie 2e, Hachette, 2000 FUVEST 2006 2 a FASE GEOGRAFIA Resoução Dos objetivos da ONU: manter a paz mundia; proteger os direitos humanos; promover o desenvovimento econômico e socia das

Leia mais

É CORRETO afirmar que essa modalidade de desemprego é conseqüência. A) da adoção de novas tecnologias de produção e gerenciamento industrial.

É CORRETO afirmar que essa modalidade de desemprego é conseqüência. A) da adoção de novas tecnologias de produção e gerenciamento industrial. PROVA DE GEOGRAFIA QUESTÃO 09 Parcela considerável do desemprego que se verifica, atualmente, no mundo, está associada a mudanças estruturais na economia é o denominado desemprego estrutural. É CORRETO

Leia mais

Geografia Fascículo 05 Fernanda Zuquim Guilherme De Benedictis

Geografia Fascículo 05 Fernanda Zuquim Guilherme De Benedictis Geografia Fascículo 05 Fernanda Zuquim Guilherme De Benedictis Índice A Urbanização Brasileira Resumo Teórico...1 Exercícios...4 Gabarito...5 A Urbanização Brasileira Resumo Teórico Urbanização, uma tendência

Leia mais

Trabalhar as regiões

Trabalhar as regiões A U A UL LA Trabalhar as regiões Nesta aula, vamos aprender como a organi- zação espacial das atividades econômicas contribui para diferenciar o espaço geográfico em regiões. Vamos verificar que a integração

Leia mais

Cursos Profissionalizantes

Cursos Profissionalizantes Cursos Profissionaizantes O Teecurso Profissionaizante foi feito para você que está à procura de profissionaização; para você que está desempregado e precisa aprender uma profissão; para você que já estuda

Leia mais

Analfabetismo no Brasil

Analfabetismo no Brasil Analfabetismo no Brasil Ricardo Paes de Barros (IPEA) Mirela de Carvalho (IETS) Samuel Franco (IETS) Parte 1: Magnitude e evolução do analfabetismo no Brasil Magnitude Segundo estimativas obtidas com base

Leia mais

Calculando a rpm e o gpm a partir da

Calculando a rpm e o gpm a partir da Acesse: http://fuvestibuar.com.br/ Cacuando a rpm e o gpm a partir da veocidade de corte A UU L AL A Para que uma ferramenta corte um materia, é necessário que um se movimente em reação ao outro a uma

Leia mais

Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015. Coordenação: Juciano Martins Rodrigues. Observatório das Metrópoles

Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015. Coordenação: Juciano Martins Rodrigues. Observatório das Metrópoles Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015 Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015 Coordenação: Juciano Martins Rodrigues Observatório das Metrópoles Luiz Cesar de Queiroz

Leia mais

Estudo Estratégico n o 4. Como anda o desenvolvimento do Estado do Rio de Janeiro? Valéria Pero Adriana Fontes Luisa de Azevedo Samuel Franco

Estudo Estratégico n o 4. Como anda o desenvolvimento do Estado do Rio de Janeiro? Valéria Pero Adriana Fontes Luisa de Azevedo Samuel Franco Estudo Estratégico n o 4 Como anda o desenvolvimento do Estado do Rio de Janeiro? Valéria Pero Adriana Fontes Luisa de Azevedo Samuel Franco PANORAMA GERAL ERJ receberá investimentos recordes da ordem

Leia mais

Taxa de analfabetismo

Taxa de analfabetismo B Taxa de analfabetismo B.1................................ 92 Níveis de escolaridade B.2................................ 94 Produto Interno Bruto (PIB) per capita B.3....................... 96 Razão de

Leia mais

Quanto mais alto o coqueiro, maior é o tombo

Quanto mais alto o coqueiro, maior é o tombo Quanto mais ato o coqueiro, maior é o tombo A UU L AL A Quanto mais ato o coqueiro, maior é o tombo, pra baixo todo santo ajuda, pra cima é um Deus nos acuda... Essas são frases conhecidas, ditos popuares

Leia mais

A ONU ESTIMA QUE, ATÉ 2050, DOIS TERÇOS DA POPULAÇÃO MUNDIAL ESTARÃO MORANDO EM ÁREAS URBANAS.

A ONU ESTIMA QUE, ATÉ 2050, DOIS TERÇOS DA POPULAÇÃO MUNDIAL ESTARÃO MORANDO EM ÁREAS URBANAS. A ONU ESTIMA QUE, ATÉ 2050, DOIS TERÇOS DA POPULAÇÃO MUNDIAL ESTARÃO MORANDO EM ÁREAS URBANAS. EM 1950, O NÚMERO CORRESPONDIA A APENAS UM TERÇO DA POPULAÇÃO TOTAL. CERCA DE 90% DO AVANÇO DA POPULAÇÃO URBANA

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS Comissão Própria de Avaliação

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS Comissão Própria de Avaliação Comissão Própria de Avaiação Apresentação dos Resutados da Avaiação Gera da UCPe peos Aunos A tabuação abaixo foi feita a partir dos questionários sócio-econômicos do ENADE, dos anos de 01. Estado Civi?

Leia mais

Boletim Econômico. Federação Nacional dos Portuários. Sumário

Boletim Econômico. Federação Nacional dos Portuários. Sumário Boletim Econômico Federação Nacional dos Portuários Agosto de 2014 Sumário Indicadores de desenvolvimento brasileiro... 2 Emprego... 2 Reajuste dos salários e do salário mínimo... 3 Desigualdade Social

Leia mais

2.1 DINÂMICA POPULACIONAL

2.1 DINÂMICA POPULACIONAL DIMENSÃO SOCIAL . DINÂMICA POPULACIONAL Esta seção tem como objetivo expor a evolução e distribuição da população no território paranaense, apontando, em particular, a concentração que se realiza em determinadas

Leia mais

ESTABELECIMENTO DE LIMITES DE VIBRAÇÃO EM GRUPOS DIESEL-GERADORES

ESTABELECIMENTO DE LIMITES DE VIBRAÇÃO EM GRUPOS DIESEL-GERADORES ESTABELECIMENTO DE LIMITES DE VIBRAÇÃO EM GRUPOS DIESEL-GERADORES Erb Ferreira Lins Manoe José dos Santos Sena Mauro Guerreiro Veoso José Américo Braga Dutra Universidade Federa do Pará, Centro Tecnoógico,

Leia mais

URBANIZAÇÃO BRASILEIRA: ALGUNS COMENTÁRIOS. Profa. Dra. Vera Lúcia Alves França

URBANIZAÇÃO BRASILEIRA: ALGUNS COMENTÁRIOS. Profa. Dra. Vera Lúcia Alves França URBANIZAÇÃO BRASILEIRA: ALGUNS COMENTÁRIOS Profa. Dra. Vera Lúcia Alves França A década de 1930 do século XX traz para a população brasileira um novo momento, quanto a sua distribuição. Até então, a população

Leia mais

Principais características da inovação na indústria de transformação no Brasil

Principais características da inovação na indústria de transformação no Brasil 1 Comunicado da Presidência nº 5 Principais características da inovação na indústria de transformação no Brasil Realização: Marcio Pochmann, presidente; Marcio Wohlers, diretor de Estudos Setoriais (Diset)

Leia mais

O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960.

O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960. O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960. Glauber Lopes Xavier 1, 3 ; César Augustus Labre Lemos de Freitas 2, 3. 1 Voluntário Iniciação

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Porto Alegre do Norte, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 3994,51 km² IDHM 2010 0,673 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10748 hab.

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de São José do Rio Claro, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5074,56 km² IDHM 2010 0,682 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 17124 hab.

Leia mais

EQUILÍBRIOS E ASSIMETRIAS NA. distribuição da população e do pib. entre núcleo e periferia. nas 15 principais regiões. metropolitanas brasileiras

EQUILÍBRIOS E ASSIMETRIAS NA. distribuição da população e do pib. entre núcleo e periferia. nas 15 principais regiões. metropolitanas brasileiras CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA - COFECON COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL INSTITUTO BRASILIENSE DE ESTUDOS DA ECONOMIA REGIONAL IBRASE EQUILÍBRIOS E ASSIMETRIAS NA distribuição da população e do pib

Leia mais

Pobreza e Prosperidade. Metropolitanas Brasileiras: Balanço e Identificação de Prioridades. Compartilhada nas Regiões

Pobreza e Prosperidade. Metropolitanas Brasileiras: Balanço e Identificação de Prioridades. Compartilhada nas Regiões Pobreza e Prosperidade Compartilhada nas Regiões Metropolitanas Brasileiras: Balanço e Identificação de Prioridades Aude-Sophie Rodella Grupo Sectorial da Pobreza Brasilia, June 2015 No Brasil, a pobreza

Leia mais

Impactos da Crise Financeira sobre a Produção da Indústria

Impactos da Crise Financeira sobre a Produção da Indústria Impactos da Crise Financeira sobre a Produção da Indústria A evolução dos principais indicadores econômicos conjunturais sugere a paulatina dissipação dos efeitos da intensificação da crise financeira

Leia mais

Vamos reciclar plásticos?

Vamos reciclar plásticos? Acesse: http://fuvestibuar.com.br/ Vamos recicar pásticos? O que você vai aprender Poietienos: tipos e obtenção Diferentes tipos de pástico Usos de pásticos Recicagem de pásticos Vantagens dos pásticos

Leia mais

TEMAS SOCIAIS O UTUBRO DE 2000 CONJUNTURA ECONÔMICA 28

TEMAS SOCIAIS O UTUBRO DE 2000 CONJUNTURA ECONÔMICA 28 O UTUBRO DE 2000 CONJUNTURA ECONÔMICA 28 TEMAS SOCIAIS Diferentes histórias, diferentes cidades A evolução social brasileira entre 1996 e 1999 não comporta apenas uma mas muitas histórias. O enredo de

Leia mais

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal Brasil e suas Organizações políticas e administrativas GEOGRAFIA Em 1938 Getúlio Vargas almejando conhecer o território brasileiro e dados referentes a população deste país funda o IBGE ( Instituto Brasileiro

Leia mais

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos POPULAÇÃO BRASILEIRA Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos Desde a colonização do Brasil o povoamento se concentrou no litoral do país. No início do século XXI, a população brasileira ainda

Leia mais

Resíduos Sólidos. Planos, Erradicação de Lixões e Logística Reversa. Comitê de Articulação Federativa - CAF MMA/SRHU 24MAR2014

Resíduos Sólidos. Planos, Erradicação de Lixões e Logística Reversa. Comitê de Articulação Federativa - CAF MMA/SRHU 24MAR2014 Resíduos Sóidos Panos, Erradicação de Lixões e Logística Reversa Comitê de Articuação Federativa - CAF MMA/SRHU 24MAR2014 I- Considerações GERAIS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Lei 12.305 (02AGO2010)

Leia mais

Segmentação de Mercados na Assistência à Saúde

Segmentação de Mercados na Assistência à Saúde Escola Nacional de Saúde Pública Fundação Oswaldo Cruz Segmentação de Mercados na Assistência à Saúde Autores: Luís Otávio Farias Clarice Melamed VI Encontro Nacional de Economia da Saúde Nova Friburgo,

Leia mais

Centro-Sul Brasileiro

Centro-Sul Brasileiro Centro-Sul Brasileiro 1. (UFSC - 2010) Gráfico elaborado a partir de dados do IBGE, Anuário Estatístico do Brasil, jan. 2001. (Adaptado) Com base no gráfico acima, Brasil: Valor da produção industrial,

Leia mais

Há 26 anos, faça sol ou faça chuva,

Há 26 anos, faça sol ou faça chuva, Os soos A UU L AL A Dois mestres da arte de reforestar Há 2 anos, faça so ou faça chuva, o mineiro Luiz Roberto de Castro Carvaho, de 51 anos, não passa um só dia sem pantar peo menos uma árvore em sua

Leia mais

Disciplina - Geografia 3 a Série Ensino Médio Professor: Gelson Alves Pereira

Disciplina - Geografia 3 a Série Ensino Médio Professor: Gelson Alves Pereira Disciplina - Geografia 3 a Série Ensino Médio Professor: Gelson Alves Pereira É a divisão de um espaço ou território em unidades de área que apresentam características que as individualizam. A regionalização

Leia mais

Estimativa do Custo de Produção do Milho Safrinha 2009, para Mato Grosso do Sul e Mato Grosso

Estimativa do Custo de Produção do Milho Safrinha 2009, para Mato Grosso do Sul e Mato Grosso 153 ISSN 1679-0472 Abri, 2009 Dourados, MS Foto: Niton Pires de Araújo Estimativa do Custo de Produção do Miho Safrinha 2009, para Mato Grosso do Su e Mato Grosso Aceu Richetti Gessi Ceccon 1 2 Ao panejar

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Novo Mundo, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5826,18 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 7332 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Vera, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 2962,4 km² IDHM 2010 0,680 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10235 hab. Densidade demográfica

Leia mais

Relação entre setores

Relação entre setores Reação entre setores Na empresa existem outros tipos de trabaho aém daquees que produzem bens, como automóveis, geadeiras etc. Esses trabahos precisam de pessoas especiaizadas para que toda a empresa possa

Leia mais

EXERCÍCIOS ON LINE DE GEOGRAFIA 7º 2º TRI

EXERCÍCIOS ON LINE DE GEOGRAFIA 7º 2º TRI 1. Coloque V para verdadeiro e F para falso: EXERCÍCIOS ON LINE DE GEOGRAFIA 7º 2º TRI ( ) a população economicamente ativa compreende a parcela da população que está trabalhando ou procurando emprego.

Leia mais

Triângulos especiais

Triângulos especiais A UA UL LA Triânguos especiais Introdução Nesta aua, estudaremos o caso de dois triânguos muito especiais - o equiátero e o retânguo - seus ados, seus ânguos e suas razões trigonométricas. Antes, vamos

Leia mais

TEXTO 1 1. CONJUNTURA BRASILEIRA. 1.1. As Transformações Recentes

TEXTO 1 1. CONJUNTURA BRASILEIRA. 1.1. As Transformações Recentes TEXTO 1 1. CONJUNTURA BRASILEIRA 1.1. As Transformações Recentes O Brasil, do ponto de vista econômico e social, vem sofrendo uma constante mutação em seus principais indicadores básicos como: população;

Leia mais

Preparando a organização para o mundo digital

Preparando a organização para o mundo digital Ideas Preparando a organização para o mundo digita Por que você pode estar fazendo as perguntas erradas O mundo digita está em todas as partes e vem, aparentemente, ameaçando as maneiras mais tradicionais

Leia mais

Aluno(a): Nº. Professor: Anderson José Soares Série: 7º Disciplina: Geografia. Pré Universitário Uni-Anhanguera

Aluno(a): Nº. Professor: Anderson José Soares Série: 7º Disciplina: Geografia. Pré Universitário Uni-Anhanguera Pré Universitário Uni-Anhanguera Questão 01) A distribuição da população pela superfície do planeta é desigual, orientada por fatores históricos, econômicos ou naturais. No caso do Brasil, conclui-se que

Leia mais

A Concentração do Capital Humano e o Desenvolvimento das Cidades

A Concentração do Capital Humano e o Desenvolvimento das Cidades A Concentração do Capital Humano e o Desenvolvimento das Cidades Bernardo L. Queiroz Departamento de Demografia CEDEPLAR/UFMG O ESPAÇO METROPOLITANO NA PERSPECTIVA DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL Referências

Leia mais

RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28

RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 no Estado do Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 PANORAMA GERAL Na última década, o Brasil passou por profundas mudanças

Leia mais

Seminário RMC e os desafios para o século XXI OBSERVATÓRIO DAS METRÓPOLES/UFPR

Seminário RMC e os desafios para o século XXI OBSERVATÓRIO DAS METRÓPOLES/UFPR Seminário RMC e os desafios para o século XXI OBSERVATÓRIO DAS METRÓPOLES/UFPR : mudanças na estrutura produtiva e no mercado de trabalho no período 1991/2010 Paulo Delgado Liana Carleial Curitiba, 17

Leia mais

Qualquer mistura de gás de cozinha e ar explode?

Qualquer mistura de gás de cozinha e ar explode? A UA UL LA Acesse: http://fuvestibuar.com.br/ Quaquer mistura de gás de cozinha e ar expode? Oxigênio presente na atmosfera está próximo do imite máximo de segurança O que você vai aprender Por que combustíveis

Leia mais

É preciso fabricar adubo?

É preciso fabricar adubo? A U L A A U L A Acesse: http://fuvestibuar.com.br/ É preciso fabricar adubo? O que você vai aprender Eementos essenciais para as pantas Fertiizantes NPK O que é um sa Queima da amônia Produção de ácido

Leia mais

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS ASPECTOS 11 SOCIOECONÔMICOS 11.1. INFORMAÇÕES GERAIS O suprimento de energia elétrica tem-se tornado fator indispensável ao bem-estar social e ao crescimento econômico do Brasil. Contudo, é ainda muito

Leia mais

MINHA VISÃO DO CAP 16 REOLOGIA DOS SISTEMAS COLOIDAIS

MINHA VISÃO DO CAP 16 REOLOGIA DOS SISTEMAS COLOIDAIS 16 REOLOGIA DOS SISTEMAS COLOIDAIS Os processos de ateração da estabiidade à agregação dos sistemas cooidais evam, em aguns casos, à separação em macro fases, isto é, contatos de fase ou coaescência e,

Leia mais

Palavras-chave: desenvolvimento, expansão capitalista e distribuição da renda.

Palavras-chave: desenvolvimento, expansão capitalista e distribuição da renda. 1 NORDESTE GOIANO, DISTORÇÕES NO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO ESTADUAL. Carolina Bittencourt 1,3, Guillermo Hel Azanky 2,3, César Augustos L.L Freitas 4,3 1. Voluntária Iniciação Científica PVIC/UEG 2. Voluntário

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO INDUSTRIAL E ECONOMIA DE ESCALA: UMA ANÁLISE A PARTIR DAS MICRORREGIÕES BRASILEIRAS

ESPECIALIZAÇÃO INDUSTRIAL E ECONOMIA DE ESCALA: UMA ANÁLISE A PARTIR DAS MICRORREGIÕES BRASILEIRAS ESPECIALIZAÇÃO INDUSTRIAL E ECONOMIA DE ESCALA: UMA ANÁLISE A PARTIR DAS MICRORREGIÕES BRASILEIRAS Francisco de Assis Soares Livre Docente em Economia pea UFC. Diretor Técnico da ACEP Prof. do Curso de

Leia mais

No posto de gasolina

No posto de gasolina A UU L AL A No posto de gasoina Gaspar estava votando para casa, após passar um dia muito agradáve na praia, apesar da dor de ouvido. Ee parou num posto de gasoina para abastecer e verificar as condições

Leia mais

7ºano 2º período vespertino 25 de abril de 2014

7ºano 2º período vespertino 25 de abril de 2014 GEOGRAFIA QUESTÃO 1 A Demografia é a ciência que estuda as características das populações humanas e exprime-se geralmente através de valores estatísticos. As características da população estudadas pela

Leia mais

INDICADORES DEMOGRÁFICOS E NORDESTE

INDICADORES DEMOGRÁFICOS E NORDESTE INDICADORES DEMOGRÁFICOS E SOCIAIS E ECONÔMICOS DO NORDESTE Verônica Maria Miranda Brasileiro Consultora Legislativa da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento

Leia mais

Concentração de serviços (hospitais, escolas, centros de pesquisas, transportes etc.);

Concentração de serviços (hospitais, escolas, centros de pesquisas, transportes etc.); ESPAÇO URBANO E ESPAÇO RURAL O espaço urbano é o espaço das cidades e se caracteriza pelo predomínio das atividades secundárias e te r- ciárias, ou seja, as atividades industriais, comerciais e de serviços.

Leia mais

Elaborado em parceria com a AMPA e IMAmt ANO 02 EDIÇÃO 13. mai/10. mar/10. abr/10

Elaborado em parceria com a AMPA e IMAmt ANO 02 EDIÇÃO 13. mai/10. mar/10. abr/10 JUNHO DE 2010 Lenta negociação de fertiizantes para a safra 2010/11 As negociações de fertiizantes para o cutivo da safra de verão 2010/11 parecem ainda não ter encontrado o momento de decoagem em diversas

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Peruíbe, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 323,17 km² IDHM 2010 0,749 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 59773 hab. Densidade

Leia mais

Calculando engrenagens cilíndricas

Calculando engrenagens cilíndricas Cacuando engrenagens ciíndricas A UU L AL A Em uma empresa, o setor de manutenção mecânica desenvove um importante pape na continuidade do fuxo da produção. Após o diagnóstico do defeito, reaizam-se a

Leia mais

Entrevista com Edgard Porto (Transcrição) (Tempo Total 26:33)

Entrevista com Edgard Porto (Transcrição) (Tempo Total 26:33) Entrevista com Edgard Porto (Transcrição) (Tempo Total 26:33) Edgard: A idéia [desta entrevista] é a gente comentar dez características da globalização e seus reflexos em Salvador. Meu nome é Edgard Porto,

Leia mais

Como se pode proteger o ferro?

Como se pode proteger o ferro? Como se pode proteger o ferro? A UUL AL A Todos os componentes de uma bicieta recebem proteção contra ferrugem. A proteção do aço. Gavanização,cromação, zincagem e estanhagem A importância dos óxidos na

Leia mais

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 A economia piauiense, em 2008, apresentou expansão em volume do Produto Interno Bruto (PIB) de 8,8% em relação ao ano anterior. Foi a maior taxa de crescimento

Leia mais

Aluno(a): Nº. Professor:Anderson José Soares Série: 1º

Aluno(a): Nº. Professor:Anderson José Soares Série: 1º Lista de Exercícios Aluno(a): Nº. Professor:Anderson José Soares Série: 1º Disciplina: Geografia Data da prova: Questão 01) O Brasil está dividido em três grandes complexos econômicos regionais: Centro-Sul,

Leia mais

Centro Educacional Juscelino Kubitschek

Centro Educacional Juscelino Kubitschek Centro Educacional Juscelino Kubitschek ALUNO: N.º: DATA: / /2011 ENSINO FUNDAMENTAL SÉRIE: 6ª série/7 ano TURMA: TURNO: DISCIPLINA: GEOGRAFIA PROFESSOR: Equipe de Geografia Roteiro e lista de Recuperação

Leia mais

CRESCIMENTO DAS CIDADES MÉDIAS

CRESCIMENTO DAS CIDADES MÉDIAS CRESCIMENTO DAS CIDADES MÉDIAS Diana Motta* Daniel da Mata** 1 ANTECEDENTES As cidades médias desempenham o papel de núcleo estratégico da rede urbana do Brasil, constituindo elos dos espaços urbano e

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Cabo Verde, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 368,15 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 13823 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Guaranésia, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 294,28 km² IDHM 2010 0,701 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 18714 hab. Densidade

Leia mais

Nome: n o : Geografia. Exercícios de recuperação

Nome: n o : Geografia. Exercícios de recuperação Nome: n o : Ensino: Fundamental Ano: 7 o Turma: Data: Professor(a): Maria Silvia Geografia Exercícios de recuperação 1) Para a geografia, qual é o conceito de região? 2) Entre os aspectos utilizados para

Leia mais

Notas sobre famílias e desigualdade social na Região Metropolitana do Rio de Janeiro 1991*

Notas sobre famílias e desigualdade social na Região Metropolitana do Rio de Janeiro 1991* Notas sobre famílias e desigualdade social na Região Metropolitana do Rio de Janeiro 1991* Rosa Ribeiro Um dos fenômenos mais destacados nas análises da situação social do país, na década de 8, foi o do

Leia mais

A SPTrans apresenta: CRONOLOGIA DO TRANSPORTE COLETIVO EM SÃO PAULO

A SPTrans apresenta: CRONOLOGIA DO TRANSPORTE COLETIVO EM SÃO PAULO A SPTrans apresenta: CRONOLOGIA DO TRANSPORTE COLETIVO EM SÃO PAULO 1865 2006 A história dos transportes coetivos em São Pauo tem registro a partir de 1865. Naquea época eram poucos os bairros e a concentração

Leia mais

REVESTIMENTOS TÉRMICOS EM PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO NO CONTEXTO DO PROJETO ESTRUTURAL EM SITUAÇÃO DE INCÊNDIO

REVESTIMENTOS TÉRMICOS EM PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO NO CONTEXTO DO PROJETO ESTRUTURAL EM SITUAÇÃO DE INCÊNDIO REVESTIMENTOS TÉRMICOS EM PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO... 69 REVESTIMENTOS TÉRMICOS EM PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO NO CONTEXTO DO PROJETO ESTRUTURAL EM SITUAÇÃO DE INCÊNDIO Cristiane Lopes Mendes Jorge

Leia mais

CAPÍTULO 30 O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO NO BRASIL. Disciplina - Geografia 3 a Série Ensino Médio Professor: Gelson Alves Pereira

CAPÍTULO 30 O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO NO BRASIL. Disciplina - Geografia 3 a Série Ensino Médio Professor: Gelson Alves Pereira CAPÍTULO 30 O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO NO BRASIL Disciplina - Geografia 3 a Série Ensino Médio Professor: Gelson Alves Pereira 1- URBANIZAÇÃO BRASILEIRA NO SÉCULO XX Primeiros centros urbanos Século XVI

Leia mais

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO É claro que o Brasil não brotou do chão como uma planta. O Solo que o Brasil hoje ocupa já existia, o que não existia era o seu território, a porção do espaço sob domínio,

Leia mais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais João Carlos Ferraz BNDES 31 de agosto de 2008 Guia Contexto macroeconômico Políticas públicas Perpectivas do investimento

Leia mais

Princípios da Engenharia de Software Aula 01

Princípios da Engenharia de Software Aula 01 Princípios da Engenharia de Software Aua 01 Prof.: José Honorato Ferreira Nunes honorato.nunes@bonfim.ifbaiano.edu.br Materia cedido por: Frankin M. Correia frankin.correia@bonfim.ifbaiano.edu.br Objetivo

Leia mais

Nesta aula, vamos identificar a Revolução

Nesta aula, vamos identificar a Revolução A energia vita: os recursos naturais são inesgotáveis? A UU L AL A Nesta aua, vamos identificar a Revoução Industria como responsáve pea grande mudança na utiização dos recursos naturais. Vamos avaiar

Leia mais

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Região Norte 1. Qual a diferença entre região Norte, Amazônia Legal e Amazônia Internacional? A região Norte é um conjunto de 7 estados e estes estados

Leia mais

CONSTRUÇÃO E REFORMA MÃOS À OBRA. Cartilha de orientação ao cidadão

CONSTRUÇÃO E REFORMA MÃOS À OBRA. Cartilha de orientação ao cidadão CONSTRUÇÃO E REFORMA MÃOS À OBRA Cartiha de orientação ao cidadão Apresentação A Prefeitura Municipa de Via Veha, por intermédio da Secretaria Municipa de Desenvovimento Urbano, apresenta esta cartiha

Leia mais

PARECER DOS RECURSOS

PARECER DOS RECURSOS Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE Concurso Púbico de Ingresso no Magistério Púbico Estadua EDITAL Nº 21/2012/SED PARECER DOS RECURSOS CARGO: Professor de Educação Física 11) Segundo

Leia mais

A URBANIZAÇÃO BRASILEIRA. www.tiberiogeo.com.br A Geografia Levada a Sério

A URBANIZAÇÃO BRASILEIRA. www.tiberiogeo.com.br A Geografia Levada a Sério A URBANIZAÇÃO BRASILEIRA 1 Início de nossa urbanização Segundo o Censo 2010 aponta que aproximadamente 85% é urbano; Nossa economia estava voltada para a exportação; As primeiras ocupações urbanas se deram

Leia mais

Descobrimos como fabricar soda cáustica!

Descobrimos como fabricar soda cáustica! Descobrimos como fabricar soda cáustica! O que você vai aprender Recicagem de pape Fabricação de pape Produção de hidróxido de sódio: eetróise Partícuas carregadas: íons Indicadores Seria bom já saber

Leia mais

Estudo Estratégico n o 5. Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz

Estudo Estratégico n o 5. Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz Estudo Estratégico n o 5 Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz PANORAMA GERAL ERJ é o estado mais urbano e metropolitano

Leia mais

Urbanização no Brasil

Urbanização no Brasil Urbanização no Brasil Urbanização é o aumento proporcional da população urbana em relação à população rural. Segundo esse conceito, só ocorre urbanização quando o crescimento da população urbana é superior

Leia mais

na região metropolitana do Rio de Janeiro

na região metropolitana do Rio de Janeiro O PERFIL DOS JOVENS EMPREENDEDORES na região metropolitana do Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL MARÇO DE 2013 Nº21 PANORAMA GERAL Segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD/IBGE) de 2011,

Leia mais

Panorama Municipal. Município: Aliança / PE. Aspectos sociodemográficos. Demografia

Panorama Municipal. Município: Aliança / PE. Aspectos sociodemográficos. Demografia Município: Aliança / PE Aspectos sociodemográficos Demografia A população do município ampliou, entre os Censos Demográficos de 2000 e 2010, à taxa de 0,06% ao ano, passando de 37.188 para 37.415 habitantes.

Leia mais

Vestibular da Fundação Getúlio Vargas Direito 2007. Grade de Correção da Prova de Geografia

Vestibular da Fundação Getúlio Vargas Direito 2007. Grade de Correção da Prova de Geografia Vestibular da Fundação Getúlio Vargas Direito 2007 Grade de Correção da Prova de Geografia 1. Introdução A prova caracteriza-se por seu propósito em medir a capacidade de raciocínio do candidato, expressa

Leia mais

DIAGNÓSTICO E PROPOSTA PARA UTILIZAÇÃO DO ESTOQUE DE SEGURANÇA EM PRODUTOS ACABADOS DE UMA EMPRESA DE PLÁSTICOS. *E-mail: elpidio@unisc.

DIAGNÓSTICO E PROPOSTA PARA UTILIZAÇÃO DO ESTOQUE DE SEGURANÇA EM PRODUTOS ACABADOS DE UMA EMPRESA DE PLÁSTICOS. *E-mail: elpidio@unisc. DIAGNÓSTICO E PROPOSTA PARA UTILIZAÇÃO DO ESTOQUE DE SEGURANÇA EM PRODUTOS ACABADOS DE UMA EMPRESA DE PLÁSTICOS Epídio O. B. Nara 1 *, Leirson Eckert 2, Jaqueine de Moraes 3 1 SPI - Sistemas de Processos

Leia mais

O que você vai aprender. Seria bom já saber. Isto lhe interessa. entendia nada! Tinha que decorar tudo!

O que você vai aprender. Seria bom já saber. Isto lhe interessa. entendia nada! Tinha que decorar tudo! A UA UL LA Eu Química O que você vai aprender Ciência Química Matéria Substância Progresso tecnoógico Novos materiais Como faz o cientista Seria bom já saber Para inicar o seu curso de Química, procure

Leia mais

Migração e Seleção no Brasil: Evidências para o Decênio 1993-2003

Migração e Seleção no Brasil: Evidências para o Decênio 1993-2003 Migração e Seeção no Brasi: Evidências para o Decênio 1993-2003 Autores: Tatiana de Fátima Bruce da Siva Graduação em Ciências Econômicas Universidade Federa de Pernambuco UFPE Rau da Mota Siveira Neto

Leia mais

A URBANIZAÇÃO RECENTE NO BRASIL E AS AGLOMERAÇÕES METROPOLITANAS

A URBANIZAÇÃO RECENTE NO BRASIL E AS AGLOMERAÇÕES METROPOLITANAS 1 A URBANIZAÇÃO RECENTE NO BRASIL E AS AGLOMERAÇÕES METROPOLITANAS Fausto Brito Cláudia Júlia Guimarães Horta Ernesto Friedrich de Lima Amaral O grande ciclo de expansão da urbanização no Brasil é relativamente

Leia mais

Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social

Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social COMENTÁRIOS ACERCA DOS NÚMEROS FINAIS DO PIB DO RS E DAS DEMAIS UNIDADES DA FEDERAÇÃO EM 2010 Equipe

Leia mais