34 Ritmos e movimentos da população mundial

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "34 Ritmos e movimentos da população mundial"

Transcrição

1 A U A UL LA Ritmos e movimentos da popuação mundia Nessa aua, vamos estudar o crescimento da popuação mundia reacionando-o com as mudanças ocorridas na sociedade. Vamos conhecer o modeo expicativo da desaceeração do crescimento popuaciona - a transição demográfica. Veremos ainda os principais fuxos migratórios contemporâneos e as questões sociais e econômicas que decorrem desses fuxos. Qua a importância dos movimentos de popuação no mundo atua? Diante de um período histórico em que o dinheiro praticamente não encontra imites a sua mobiidade, qua a situação do trabaho diante da gobaização? Aparentemente, as restrições à ivre circuação de pessoas estão aumentando nos países industriaizados, apesar da formação dos bocos econômicos. Os trabahadores árabes, turcos e africanos, que nos útimos trinta anos acorreram à Europa para trabahar na construção civi e nos empregos de menor quaificação, estão sendo cada vez mais discriminados pea egisação dos países europeus. Da mesma maneira, os Estados Unidos têm aumentado as dificudades impostas à imigração de trabahadores, principamente atino-americanos, que buscam emprego em seu território. Assim, a gobaização é um processo de duas vias: de um ado aumenta a mobiidade do dinheiro, de outro restringe os desocamentos da popuação que busca trabaho. A grande expansão demográfica do mundo contemporâneo começou com a Revoução Industria. A partir do sécuo XVIII assistimos a um extraordinário crescimento demográfico, e a popuação mundia, em 1830, atingiu pea primeira vez um bihão de habitantes. Apenas oitenta anos depois atingiu 2 bihões. Entre 1930 e em 45 anos -, dobrou de novo. Em 1987 foi anunciado o nascimento do habitante de número 5 bihões. Em 150 anos a popuação do nosso paneta quintupicou. No mundo, hoje, nascem 150 crianças por minuto, 220 mi por dia e 80 mihões por ano. Nesse ritmo a Terra deverá utrapassar 6 bihões de habitantes por vota do ano 2000.

2 O crescimento da popuação mundia não se processou de modo uniforme, ao mesmo tempo e em todos os ugares. Ee foi iniciamente um crescimento popuaciona europeu. A eficácia na uta contra a morte e as mehorias das condições de vida fizeram a popuação da Europa passar de 187 mihões, em 1800, para 400 mihões, em A partir da metade do sécuo XX, o crescimento da popuação mundia ocorreu nos outros continentes. Os países subdesenvovidos conheceram então uma forte baixa da mortaidade, como resutado da difusão das vacinas, da eiminação dos vetores de numerosas doenças e das medidas de saneamento básico. A taxa de mortaidade no conjunto dos países pobres passou de 25 óbitos por mi habitantes, em 1950, para 9 óbitos por mi, em O conjunto dos países subdesenvovidos tinha uma taxa de crescimento anua de 2,4% no período 1970/75, enquanto os desenvovidos tinham uma taxa de apenas 0,8%. As incertezas quanto ao futuro são expicadas peas atuais interrogações sobre as tendências das taxas de nataidade. Desde a década de 1970 constata-se uma diminuição da taxa de fecundidade (número de nascimentos anuais em um conjunto de mi muheres entre 14 e 49 anos) em quase todos os países - a fecundidade mundia teria passado de 6,1 fihos em 1970 para 3,7 em Novos comportamentos sociais, como o uso de métodos anticonceptivos e a emancipação da muher na sociedade contribuíram para diminuir a nataidade. As poíticas de panejamento famiiar aceeraram a queda da fecundidade. Os únicos países que ficaram fora da poítica anti-nataista foram os países da África tropica e aguns países árabes. Como resutado dessas ações o crescimento demográfico anua, que era de mais de 2% na década de 1970, caiu para 1,6 nos anos 80, e para aproximadamente 1% nos anos 90. A U L A O crescimento extraordinário da popuação mundia nos útimos duzentos anos e a desaceeração atua permitiram eaborar um modeo expicativo para a evoução da popuação mundia: a transi- ção demográfica. A transição demográfica consiste em uma sucessão de fases peas quais uma popuação passa à medida que penetra no que chamamos de modernidade, isto é, uma sociedade agrária tradiciona transforma-se numa sociedade moderna, industria e urbana. GRÁFICO DA TRANSIÇÃO DEMOGRÁFICA Ao ongo do processo de transição, é possíve identificar uma primeira fase na qua se registra um pequeno crescimento da popuação porque a ata taxa de nataidade é anuada pea ata taxa de mortaidade. A segunda fase caracteriza-se por um rápido crescimento demográfico por causa do desencontro entre as duas taxas. Essa aceeração é expicada peo recuo da mortaidade, graças à revoução sanitária, isto é, ao desenvovimento de uma infra-estrutura de serviços coetivos de higiene e à adoção de medidas de profiaxia. O terceiro momento tem um pequeno crescimento, um novo equiíbrio entre as duas taxas que, agora, se apresentam muito baixas. Os países mais avançados já terminaram o processo de transição demográfica. Muitos dees vem apresentando uma popuação estabiizada na qua o número de nascimentos equivae ao número de óbitos. O crescimento vegetativo é muito pequeno e, em aguns períodos, negativo.

3 A U L A MAPA DOS DIFERENTES RITMOS DE CRESCIMENTO DEMOGRÁFICO MUNDIAL Para muitos países subdesenvovidos, a transição demográfica iniciou-se após a Segunda Guerra Mundia. A difusão de medidas sanitárias e o uso de vacinas e antibióticos derrubaram a taxa de mortaidade, provocando uma aceeração das taxas de crescimento demográfico. Mas a mudança de comportamentos sociais, a adoção de métodos contraceptivos e o acesso à informação fizeram as taxas de fecundidade decinar rapidamente. O período de crescimento mais rápido ocorreu na década de Mas as taxas médias de crescimento estão decinando e as previsões demográficas admitem uma estabiização da popuação mundia em torno de 10 bihões de habitantes, no ano de A evoução demográfica é um indicador de mudanças econômicas. As transformações impostas pea industriaização na Europa Norte-Ocidenta, no período , provocaram o primeiro boom (exposão) da economia moderna e o grande crescimento demográfico europeu na segunda metade do sécuo XIX. No mundo subdesenvovido, a renda rea por habitante dobrou no período de 1945 a 1973, graças a um crescimento econômico de mais de 3% ao ano. Se o crescimento econômico e o crescimento demográfico têm origens estruturais comuns, é possíve admitir que ees tenham uma interação dinâmica. A veocidade das mudanças - urbanização, eevação do níve de instrução, aumento do poder de compra - acarreta a baixa da mortaidade que é apenas o seu aspecto mais visíve. A dinâmica de uma popuação envove, aém das taxas de nataidade e mortaidade, as diferentes modaidades de migração. Os homens sempre se desocaram em grupos ou individuamente. Esses desocamentos infuem na organização do espaço e na estrutura da popuação, tanto na região de saída quanto na região de chegada. As migrações internacionais, sem o caráter maciço que tiveram no sécuo XIX e no início do sécuo XX, são ainda expressivas em termos numéricos. Aproximadamente 2% da popuação mundia vive fora do país de nascimento, e a proporção de estrangeiros na composição da popuação varia de 7% na Aemanha e na França a 20% na Austráia. As estatísticas sobre as migrações internacionais não apresentam muita precisão por causa do grande número de imigrantes candestinos.

4 Após a Segunda Guerra Mundia podemos identificar quatro grandes fuxos migratórios internacionais: O primeiro refere-se aos desocamentos de popuação para fazer coincidir a nova fronteira poítica com os grupos étnicos. O exempo mais significativo ocorreu após a divisão poítica da União Indiana, em 1947, quando aproximadamente 15 mihões de pessoas foram desocadas entre a Índia e o Paquistão. Outro exempo, mais recente, deu-se na região bacânica, quando houve a fragmentação poítica da Iugosávia. O segundo diz respeito aos refugiados poíticos, que chegam hoje a mais de 25 mihões de pessoas. Ees procedem dos pontos quentes, ou seja, das áreas de confitos internos, nas quais uma facção temporariamente derrotada se refugia em outro país. A situação trágica desses grupos é marcada pea indefinição e pea precariedade das condições de vida que anuam, em grande parte, a ação do Ato Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR). O Sudeste Asiático, o Oriente Médio, a América Centra e a África Orienta são as principais regiões desses refugiados. O Leste Europeu, enquanto esteve isoado pea chamada Cortina de Ferro, dava origem a numerosos contingentes de refugiados poíticos. A crise de 1989 faciitou o desocamento de mais de um mihão e trezentos mi emigrantes que deixaram seus países em direção à Europa Ocidenta, por razões basicamente econômicas, e que soicitavam, no país de acohimento, o estatuto de refugiados poíticos. O terceiro é marcado peo desocamento de cérebros. A migração de pessoas com ata quaificação profissiona e/ou de estudos significa uma vantagem enorme para os países que as recebem porque as despesas para sua formação foram desembosadas peos países de origem. Os Estados Unidos são beneficiados por esses movimentos porque entre 1970 e 1990 receberam perto de um mihão de imigrantes atamente quaificados, procedentes de todo o mundo, embora no mesmo período tenham sido adotadas eis cada vez mais restritivas à imigração de mão-de-obra não quaificada. A U L A PRINCIPAIS FLUXOS DE MIGRAÇÃO DE TRABALHADORES

5 A U L A Finamente, o quarto fuxo agrupa as migrações de trabahadores. Após a Segunda Guerra Mundia, a Europa Norte-Ocidenta se abastecia de mãode-obra nas regiões de economia deprimida da bacia mediterrânea. Já os Estados Unidos recorriam a seus vizinhos mais próximos, o México e o Caribe. No entanto, a partir da crise dos anos 70 e da adoção das novas técnicas de produção do modeo de industriaização pós-fordista, agravou-se a situação de desemprego nesses países. Nas antigas áreas de acohimento de imigrantes cresceram os sentimentos xenófobos (do grego: xeno = estrangeiro + fobia = aversão) e os movimentos de pressão para a adoção de eis restritivas à imigração. Os probemas surgidos com os árabes na França são anáogos aos dos turcos na Aemanha e aos dos jamaicanos na Ingaterra. Hoje, na Europa e nos Estados Unidos, a imigração é uma questão socia e poítica preocupante. Os probemas igados aos fuxos migratórios de trabaho reabrem o veho debate sobre integrar os recém-chegados à comunidade naciona ou mantê-os num estatuto particuar. Os muçumanos, por exempo, instigados peos movimentos fundamentaistas, aegam o direito à diferença, recusando-se a aceitar a integração. As sociedades ocidentais adotam comportamentos de rejeição, o que é facimente exporado no campo poítico. Esse desconhecimento recíproco pode esgarçar o tecido socia dando origem a tensões e confitos. As novas tendências da economia mundia admitem a ivre circuação de capitais, de mercadorias e de tecnoogia, mas adotam medidas cada vez mais restritivas para os fuxos de mão-de-obra. As migrações de trabahadores são submetidas a controes cada vez mais rigorosos. O desenvovimento dos meios de transportes e o acesso à informação abriram a era do turismo de massa, desocando mihões de pessoas anuamente. O turismo tornou-se assim um fato econômico e socia do mundo contemporâneo por causa dos recursos que movimenta. PRINCIPAIS FLUXOS TURÍSTICOS

6 No mapa, observa-se uma estreita reação entre a quaidade de vida e a intensidade dos fuxos turísticos. A Europa Ocidenta é a principa emissora e receptora do turismo internaciona. Esses desocamentos têm impicações econômicas, pois os ucros que geram têm grande importância no baanço de pagamentos dos países receptores. Na Europa Ocidenta, por exempo, o turismo mantém 6 mihões de empregos diretos e perto de 10 mihões indiretos. Os Estados Unidos atraem por ano 50 mihões de turistas do mundo inteiro, mas os fuxos internos são quase dez vezes maiores. Nova York é o principa póo de atração, enquanto a Caifórnia e a Fórida atraem fuxos turísticos internos e externos, em virtude das atrações aí instaadas. Fuxos menores dirigem-se para os países subdesenvovidos. Nesses ocais, de natureza priviegiada, são instaados equipamentos turísticos eficientes, quase sempre peo capita internaciona. Esses ocais vendem a paisagem. A U L A Nesta aua você aprendeu que: o crescimento da popuação mundia é desigua no tempo e no espaço. Os países desenvovidos têm, hoje, pequeno crescimento vegetativo pois já competaram sua transição demográfica. Aguns países subdesenvovidos iniciaram essa transição enquanto outros ainda dependem do desenvovimento sócio-econômico para reaizá-a; os mais importantes fuxos migratórios internacionais contemporâneos são reaizados por grupos étnicos à procura da nova fronteira poítica, peos refugiados poíticos, por técnicos atamente quaificados e, com mais destaque, por homens em busca de trabaho; o turismo de massa, peos recursos que movimenta, é uma das mais importantes atividades da economia moderna. Exercício 1 Reacione as pirâmides etárias dos países A, B e C com o gráfico esquemático da transição demográfica e responda às perguntas abaixo. a) Por que a pirâmide etária do país A representa a popuação de um país que se encontra na primeira fase da transição demográfica? b) Apresente duas mudanças que devem ocorrer na dinâmica demográfica do país A para que a estrutura etária da sua popuação passe a ser igua à da pirâmide do país C. PIRÂMIDES ETÁRIAS A pirâmide etária representa a distribuição, por idade, da popuação de determinado país. Ao mesmo tempo, expressa a fase da transição demográfica em que se encontra a sua popuação.

7 A U L A Exercício 2 Observe o mapa e apresente duas razões para os fuxos migratórios representados. FLUXOS MIGRATÓRIOS PARA A EUROPA Durante o sécuo XIX, a exposão demográfica e as mudanças na economia européia originaram fuxos migratórios importantes para o povoamento da América, Austráia e Nova Zeândia. Hoje, a Europa vive um probema inverso: mihares de migrantes tentam instaar-se nos seus países mais ricos. Exercício 3 Numa área de atração turística que você conheça, responda: a) Quais os efeitos dos fuxos turísticos na preservação das condições ambientais ocais? b) De que modo os fuxos turísticos atuam na mehoria das condições do espaço?

Just-in-time. Podemos dizer que estamos usando a técnica. Conceito

Just-in-time. Podemos dizer que estamos usando a técnica. Conceito A UU L AL A Just-in-time Podemos dizer que estamos usando a técnica ou sistema just-in-time ou, abreviadamente, JIT, quando produzimos ago sem desperdício de matéria-prima; quando soicitamos e utiizamos

Leia mais

Cursos Profissionalizantes

Cursos Profissionalizantes Cursos Profissionaizantes O Teecurso Profissionaizante foi feito para você que está à procura de profissionaização; para você que está desempregado e precisa aprender uma profissão; para você que já estuda

Leia mais

Nesta aula, vamos estudar a urbanização

Nesta aula, vamos estudar a urbanização Condomínios e faveas: a urbanização desigua A UU L AL A Nesta aua, vamos estudar a urbanização brasieira, que se caracteriza pea rapidez e intensidade de seu ritmo. Vamos comprender como o crescimento

Leia mais

Quanto mais alto o coqueiro, maior é o tombo

Quanto mais alto o coqueiro, maior é o tombo Quanto mais ato o coqueiro, maior é o tombo A UU L AL A Quanto mais ato o coqueiro, maior é o tombo, pra baixo todo santo ajuda, pra cima é um Deus nos acuda... Essas são frases conhecidas, ditos popuares

Leia mais

MINHA VISÃO DO CAP 16 REOLOGIA DOS SISTEMAS COLOIDAIS

MINHA VISÃO DO CAP 16 REOLOGIA DOS SISTEMAS COLOIDAIS 16 REOLOGIA DOS SISTEMAS COLOIDAIS Os processos de ateração da estabiidade à agregação dos sistemas cooidais evam, em aguns casos, à separação em macro fases, isto é, contatos de fase ou coaescência e,

Leia mais

Vamos reciclar plásticos?

Vamos reciclar plásticos? Acesse: http://fuvestibuar.com.br/ Vamos recicar pásticos? O que você vai aprender Poietienos: tipos e obtenção Diferentes tipos de pástico Usos de pásticos Recicagem de pásticos Vantagens dos pásticos

Leia mais

Nesta aula, veremos por que o Nordeste é a

Nesta aula, veremos por que o Nordeste é a Nordeste: o domínio agrário-mercanti A UU L AL A Nesta aua, veremos por que o Nordeste é a região que apresenta maiores desiguadades sociais, com um marcante níve de pobreza e um ato níve de destruição

Leia mais

do trabalho Neste módulo, você vai estudar algumas Apresentação

do trabalho Neste módulo, você vai estudar algumas Apresentação Organização do trabaho Neste móduo, você vai estudar agumas noções básicas de organização do trabaho. Na primeira aua é anaisada a importância do trabaho para o bem de cada um, da sociedade e da nação.

Leia mais

1 O mundo da Física. A curiosidade do homem pode ser compreendida

1 O mundo da Física. A curiosidade do homem pode ser compreendida A U A UL LA O mundo da Física A curiosidade do homem pode ser compreendida de várias maneiras: aguns dizem que vem de uma necessidade de sobrevivência, outros dizem que é uma forma de prazer ou, ainda,

Leia mais

As dinâmicas demográficas

As dinâmicas demográficas As dinâmicas demográficas ALAN HINDLE/CORBIS/ LATINSTOCK Crescimento vegetativo O crescimento vegetativo é a diferença entre a taxa de natalidade e a taxa de mortalidade de uma população. Esses números

Leia mais

Evolução dos seres vivos

Evolução dos seres vivos iustrações você conhece? Evoução dos seres vivos Quais dos animais que aparecem nestas A UU L AL A Atenção O homem nas iustrações serve de eemento de comparação com os outros animais. Imaginando-se um

Leia mais

A primeira fase da normalização

A primeira fase da normalização U L A A primeira fase da normaização A partir do momento em que o homem entra na era industria e inicia a produção em massa, isto é, a fabricação de um mesmo produto em grande quantidade, surge uma grande

Leia mais

Qualquer mistura de gás de cozinha e ar explode?

Qualquer mistura de gás de cozinha e ar explode? A UA UL LA Acesse: http://fuvestibuar.com.br/ Quaquer mistura de gás de cozinha e ar expode? Oxigênio presente na atmosfera está próximo do imite máximo de segurança O que você vai aprender Por que combustíveis

Leia mais

As substâncias que formam o nosso planeta

As substâncias que formam o nosso planeta As substâncias que formam o nosso paneta Observe com bastante atenção esta iustração de uma casa, com seus diversos componentes e as substâncias ŒŒ utiizadas para fabricá-os. Œ Œ Œ Œ Œ Œ Ž Œ Œ A UU L AL

Leia mais

CONSTRUÇÃO E REFORMA MÃOS À OBRA. Cartilha de orientação ao cidadão

CONSTRUÇÃO E REFORMA MÃOS À OBRA. Cartilha de orientação ao cidadão CONSTRUÇÃO E REFORMA MÃOS À OBRA Cartiha de orientação ao cidadão Apresentação A Prefeitura Municipa de Via Veha, por intermédio da Secretaria Municipa de Desenvovimento Urbano, apresenta esta cartiha

Leia mais

Evolução da população do Rio Grande do Sul. Maria de Lourdes Teixeira Jardim Fundação de Economia e Estatística. 1 - Introdução

Evolução da população do Rio Grande do Sul. Maria de Lourdes Teixeira Jardim Fundação de Economia e Estatística. 1 - Introdução Evolução da população do Rio Grande do Sul. Maria de Lourdes Teixeira Jardim Fundação de Economia e Estatística Área Temática: Emprego e Mercado de Trabalho, Demografia Econômica. 1 - Introdução Este texto

Leia mais

População Mundial. Prof. R O C H A

População Mundial. Prof. R O C H A População Mundial Prof. R O C H A Crescimento da População Conceitos Demográficos População absoluta Número total de habitantes Densidade demográfica ou população relativa número de habitantes por Km²,

Leia mais

17 Como escolher um extintor de incêndio?

17 Como escolher um extintor de incêndio? A UA UL LA Como escoher um extintor de incêndio? O que você vai aprender Como apagar fogo Tipos de incêndios Tipos de extintores O que fazer em caso de incêndio? Seria bom já saber O que é fogo Composição

Leia mais

Nesta aula, vamos identificar a Revolução

Nesta aula, vamos identificar a Revolução A energia vita: os recursos naturais são inesgotáveis? A UU L AL A Nesta aua, vamos identificar a Revoução Industria como responsáve pea grande mudança na utiização dos recursos naturais. Vamos avaiar

Leia mais

Princípios da Engenharia de Software Aula 01

Princípios da Engenharia de Software Aula 01 Princípios da Engenharia de Software Aua 01 Prof.: José Honorato Ferreira Nunes honorato.nunes@bonfim.ifbaiano.edu.br Materia cedido por: Frankin M. Correia frankin.correia@bonfim.ifbaiano.edu.br Objetivo

Leia mais

Simplificando o trabalho

Simplificando o trabalho A U A UL LA Simpificando o trabaho A simpificação do trabaho constitui outro meio que favorece diretamente a produtividade. Essa simpificação se reaciona com a mehoria de um método de trabaho, seja ee

Leia mais

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Professor: Josiane Vill Disciplina: Geografia Série: 3ª Ano Tema da aula: Crescimento populacional: tendências e dilemas Objetivo da aula: contextualizar

Leia mais

A estrutura das migrações tem mudado muito desde o final do século XX. Vejamos algumas dessas mudanças.

A estrutura das migrações tem mudado muito desde o final do século XX. Vejamos algumas dessas mudanças. POPULAÇÃO Migrações A estrutura das migrações tem mudado muito desde o final do século XX. Vejamos algumas dessas mudanças. A população estrangeira em países mais desenvolvidos aumentou em 23 milhões na

Leia mais

AS NAÇÕES UNIDAS, A CONVENÇÃO E O COMITÉ

AS NAÇÕES UNIDAS, A CONVENÇÃO E O COMITÉ DIREITOS DA CRIANÇA CATARINA ALBUQUERQUE Técnica Superior no Gabinete de Documentação e Direito Comparado da Procuradoria-Gera da Repúbica AS NAÇÕES UNIDAS, A CONVENÇÃO E O COMITÉ Documentação e Direito

Leia mais

Leiaute ou arranjo físico

Leiaute ou arranjo físico Leiaute ou arranjo físico A UU L AL A Quaquer posto de trabaho, incusive o nosso, está igado aos demais postos de trabaho, num oca quaquer de uma empresa. Esse oca pode ser uma área grande ou pequena.

Leia mais

PARECER DOS RECURSOS

PARECER DOS RECURSOS Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE Concurso Púbico de Ingresso no Magistério Púbico Estadua EDITAL Nº 21/2012/SED PARECER DOS RECURSOS CARGO: Professor de Educação Física 11) Segundo

Leia mais

O que você vai aprender. Seria bom já saber. Isto lhe interessa. entendia nada! Tinha que decorar tudo!

O que você vai aprender. Seria bom já saber. Isto lhe interessa. entendia nada! Tinha que decorar tudo! A UA UL LA Eu Química O que você vai aprender Ciência Química Matéria Substância Progresso tecnoógico Novos materiais Como faz o cientista Seria bom já saber Para inicar o seu curso de Química, procure

Leia mais

Como se pode proteger o ferro?

Como se pode proteger o ferro? Como se pode proteger o ferro? A UUL AL A Todos os componentes de uma bicieta recebem proteção contra ferrugem. A proteção do aço. Gavanização,cromação, zincagem e estanhagem A importância dos óxidos na

Leia mais

Calculando engrenagens cilíndricas

Calculando engrenagens cilíndricas Cacuando engrenagens ciíndricas A UU L AL A Em uma empresa, o setor de manutenção mecânica desenvove um importante pape na continuidade do fuxo da produção. Após o diagnóstico do defeito, reaizam-se a

Leia mais

11 Sistemas resolvem problemas

11 Sistemas resolvem problemas A UA UL LA Sistemas resovem probemas Introdução Na aua anterior, mostramos como resover sistemas de duas equações de 1º grau com duas incógnitas. Agora vamos usar essa importante ferramenta da matemática

Leia mais

BLOCO DE ATIVIDADES / EXERCÍCIOS PROPOSTOS

BLOCO DE ATIVIDADES / EXERCÍCIOS PROPOSTOS Rede de Educação Missionárias Servas do Espírito Santo Colégio Nossa Senhora da Piedade Av. Amaro Cavalcanti, 2591 Encantado Rio de Janeiro / RJ CEP: 20735042 Tel: 2594-5043 Fax: 2269-3409 E-mail: cnsp@terra.com.br

Leia mais

POPULAÇÃO BRASILEIRA

POPULAÇÃO BRASILEIRA POPULAÇÃO BRASILEIRA É importante conhecer as características da população brasileira para o seu vestibular. Inicialmente vamos conhecer dois conceitos básicos para esse estudo: *População absoluta refere-se

Leia mais

Como se obtém gasolina de petróleo?

Como se obtém gasolina de petróleo? Acesse: http://fuvestibuar.com.br/ A UU L AL A Como se obtém gasoina de petróeo? Formação do petróeo Produtos derivados do petróeo Separação dos produtos do petróeo: destiação fracionada O que você vai

Leia mais

MANUAL DE IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA VIÁRIA REQUISITOS DA NORMA ISO 39001

MANUAL DE IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA VIÁRIA REQUISITOS DA NORMA ISO 39001 MANUAL DE IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA VIÁRIA REQUISITOS DA NORMA ISO 39001 branca A P R E S E N TA Ç Ã O Construindo um novo futuro Para tornar-se íder goba em souções de transporte

Leia mais

Exame Nacional de 2005 1. a chamada

Exame Nacional de 2005 1. a chamada Exame Naciona de 200 1. a chamada 1. Na escoa da Rita, fez-se um estudo sobre o gosto dos aunos pea eitura. Um inquérito reaizado incuía a questão seguinte. «Quantos ivros este desde o início do ano ectivo?»

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS Comissão Própria de Avaliação

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS Comissão Própria de Avaliação Comissão Própria de Avaiação Apresentação dos Resutados da Avaiação Gera da UCPe peos Aunos A tabuação abaixo foi feita a partir dos questionários sócio-econômicos do ENADE, dos anos de 01. Estado Civi?

Leia mais

CRESCIMENTO POPULACIONAL. Estágio-Docência: Camila Macêdo Medeiros

CRESCIMENTO POPULACIONAL. Estágio-Docência: Camila Macêdo Medeiros CRESCIMENTO POPULACIONAL Estágio-Docência: Camila Macêdo Medeiros O que é Crescimento Populacional? O crescimento populacional é a mudança positiva do número de indivíduos de uma população dividida por

Leia mais

12 Por que o oxigênio do ar não acaba?

12 Por que o oxigênio do ar não acaba? A UA UL LA Por que o oxigênio do ar não acaba? O que você vai aprender Substância simpes Substância composta Cico do carbono na natureza Como as pantas transformam gás carbônico em oxigênio Decomposição

Leia mais

Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL. Debora Barbosa da Silva

Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL. Debora Barbosa da Silva Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL META Refletir sobre as características da população brasileira como fundamento para a compreensão da organização do território e das políticas de planejamento e desenvolvimento

Leia mais

3 O Panorama Social Brasileiro

3 O Panorama Social Brasileiro 3 O Panorama Social Brasileiro 3.1 A Estrutura Social Brasileira O Brasil é um país caracterizado por uma distribuição desigual de renda. Segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostragem de Domicílios

Leia mais

MIGRANTES EM UBERLÂNDIA/MG NO PERÍODO RECENTE

MIGRANTES EM UBERLÂNDIA/MG NO PERÍODO RECENTE 1 MIGRANTES EM UBERLÂNDIA/MG NO PERÍODO RECENTE Adir A. Juliano 1 e Beatriz Ribeiro Soares 2 Universidade Federal de Uberlândia 1 adir@ufu.br 2 brsoares@ufu.br INTRODUÇÃO Nas últimas décadas, o processo

Leia mais

Organização do trabalho

Organização do trabalho Departamento Regiona de São Pauo Organização do trabaho Escoa SENAI MÓDULOS ESPECIAIS MECÂNICA Móduos especiais - Mecânica Materia didático extraído do móduo Organização do trabaho teecurso profissionaizante

Leia mais

Descobrimos como fabricar soda cáustica!

Descobrimos como fabricar soda cáustica! Descobrimos como fabricar soda cáustica! O que você vai aprender Recicagem de pape Fabricação de pape Produção de hidróxido de sódio: eetróise Partícuas carregadas: íons Indicadores Seria bom já saber

Leia mais

CHINA e TIGRES ASIÁTICOS

CHINA e TIGRES ASIÁTICOS CHINA e TIGRES ASIÁTICOS Os Tigres Asiáticos Hong kong Os Novos Tigres Asiáticos FAZEM PARTE DOS TIGRES ASIÁTICOS 1º GERAÇÃO ( DÉCADA DE 1970) CINGAPURA, CORÉIA DO SUL, HONG KONG, MALÁSIA E FORMOSA (TAIWAN)

Leia mais

Por que o cobre não precisa de proteção?

Por que o cobre não precisa de proteção? Por que o cobre não precisa de proteção? AUUL AL A Sobre o atão A recicagem do cobre Os usos do cobre metáico Decapagem do cobre metáico Especificação de um produto Souções diuídas e concentradas O que

Leia mais

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS. Ensino Fundamental. Ciências

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS. Ensino Fundamental. Ciências EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Ensino Fundamenta Ciências 2012 Governador do Estado de Pernambuco EDUARDO HENRIQUE ACCIOLY CAMPOS Secretário de Educação do Estado ANDERSON STEVENS LEÔNIDAS GOMES Secretária

Leia mais

Dá para separar o sal da água do mar?

Dá para separar o sal da água do mar? A UA UL LA Dá para separar o sa da água do mar? O que você vai aprender Métodos de separação de um sóido de um íquido: - Decantação - Peneiração - Fitração Dissoução Soução Souto Sovente Seria bom já saber

Leia mais

GEOGRAFIA - 3 o ANO MÓDULO 12 O BRASIL NEOLIBERAL E OS DESAFIOS PARA O SÉCULO XXI

GEOGRAFIA - 3 o ANO MÓDULO 12 O BRASIL NEOLIBERAL E OS DESAFIOS PARA O SÉCULO XXI GEOGRAFIA - 3 o ANO MÓDULO 12 O BRASIL NEOLIBERAL E OS DESAFIOS PARA O SÉCULO XXI Como pode cair no enem A desconcentração industrial verificada no Brasil, na última década, decorre, entre outros fatores,

Leia mais

Plano de Benefícios I NORDESTE em liquidação extrajudicial. (Cadastro Nacional de Plano de Benefícios - CNPB: 20.020.026-65)

Plano de Benefícios I NORDESTE em liquidação extrajudicial. (Cadastro Nacional de Plano de Benefícios - CNPB: 20.020.026-65) Rio de Janeiro, 25 de fevereiro de 2010. Pano de Benefícios I NORDESTE em iquidação extrajudicia. (Cadastro Naciona de Pano de Benefícios - CNPB: 20.020.026-65) - CNPJ: 27.901.719/0001-50 NOTAS EXPLICATIVAS

Leia mais

TIGRES ASIÁTICOS e CHINA

TIGRES ASIÁTICOS e CHINA TIGRES ASIÁTICOS e CHINA China Muito importante economicamente para o Brasil e para o mundo. Em muitos produtos vimos escrito: Made In China. O que os produtos chineses podem acarretar à produção dos mesmos

Leia mais

CONFISSÕES RELIGIOSAS 1. Refugiados (internos)*: * Refugiados estrangeiros a viver neste país. ** Cidadãos deste país a viver no estrangeiro.

CONFISSÕES RELIGIOSAS 1. Refugiados (internos)*: * Refugiados estrangeiros a viver neste país. ** Cidadãos deste país a viver no estrangeiro. MACEDÓNIA CONFISSÕES RELIGIOSAS 1 Cristãos (59,3%) Ortodoxos (58,7%) Protestantes (0,6%) Muçulmanos (39,3%) Sem Religião (1,4%) População 2 : 2.106.000 Superfície 3 : 25.700 km 2 Refugiados (internos)*:

Leia mais

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese 2014 Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese Dieese Subseção Força Sindical 19/09/2014 PESQUISA NACIONAL POR AMOSTRA DE DOMICILIOS - PNAD 2013 Síntese dos Indicadores POPULAÇÃO A Pesquisa

Leia mais

A população brasileira

A população brasileira Alessio Moiola/ Dreamstime.com Dragon Images/ Shutterstock Jason Stitt/ Dreamstime.com A população brasileira Geografia e demografia Demografia é uma área da ciência que estuda a dinâmica populacional

Leia mais

Certificado uma vez, aceito em toda parte Por que usar um organismo de certificação acreditado

Certificado uma vez, aceito em toda parte Por que usar um organismo de certificação acreditado Certificado uma vez, aceito em toda parte Por que usar um organismo de certificação acreditado A certificação de terceira-parte de sistemas de gestão é, com frequência, um requisito especificado para atuação

Leia mais

Urbanização Brasileira

Urbanização Brasileira Urbanização Brasileira 1. Veja, 28/6/2006 (com adaptações).27 Com base nessas informações, assinale a opção correta a respeito do pedágio nas cidades mencionadas. a) A preocupação comum entre os países

Leia mais

What s your address?

What s your address? What s your address? Assunto do dia Antes de mais nada, vamos apresentar os personagens e os ambientes que vocês vão encontrar nesse ivro. Agência de viagens Um dos ambientes no qua se passam várias situações

Leia mais

A URBANIZAÇÃO RECENTE NO BRASIL E AS AGLOMERAÇÕES METROPOLITANAS

A URBANIZAÇÃO RECENTE NO BRASIL E AS AGLOMERAÇÕES METROPOLITANAS 1 A URBANIZAÇÃO RECENTE NO BRASIL E AS AGLOMERAÇÕES METROPOLITANAS Fausto Brito Cláudia Júlia Guimarães Horta Ernesto Friedrich de Lima Amaral O grande ciclo de expansão da urbanização no Brasil é relativamente

Leia mais

O que acontece quando se evapora água do mar?

O que acontece quando se evapora água do mar? A UA UL LA O que acontece quando se evapora água do mar? O que você vai aprender Soução saturada Soução insaturada Sovente Souto Concentração Evaporação Condensação Fenômeno Seria bom já saber Mudança

Leia mais

Ocupação do interior da Colônia

Ocupação do interior da Colônia MÓDULO 1 Acesse: http://fuvestibuar.com.br/ Ocupação do interior da Coônia Nesta aua Atuamente, o Brasi é um dos maiores países do mundo. Você tem idéia de como se formou esse território? A resposta para

Leia mais

A SPTrans apresenta: CRONOLOGIA DO TRANSPORTE COLETIVO EM SÃO PAULO

A SPTrans apresenta: CRONOLOGIA DO TRANSPORTE COLETIVO EM SÃO PAULO A SPTrans apresenta: CRONOLOGIA DO TRANSPORTE COLETIVO EM SÃO PAULO 1865 2006 A história dos transportes coetivos em São Pauo tem registro a partir de 1865. Naquea época eram poucos os bairros e a concentração

Leia mais

número 3 maio de 2005 A Valorização do Real e as Negociações Coletivas

número 3 maio de 2005 A Valorização do Real e as Negociações Coletivas número 3 maio de 2005 A Valorização do Real e as Negociações Coletivas A valorização do real e as negociações coletivas As negociações coletivas em empresas ou setores fortemente vinculados ao mercado

Leia mais

Migrações O vaivém da população pelo mundo. Mapa que indica os principais destinos de migrantes (países maiores- distorção)

Migrações O vaivém da população pelo mundo. Mapa que indica os principais destinos de migrantes (países maiores- distorção) Migrações O vaivém da população pelo mundo Mapa que indica os principais destinos de migrantes (países maiores- distorção) Migração ou Movimento Populacional: Ocorre o tempo todo no mundo Pessoas mudam-se

Leia mais

Parceiros estratégicos

Parceiros estratégicos PROJETO Parceiros estratégicos Danie Ravioo - Júio Lira - Karina Mota ENSINANDO E APRENDENDO COM O JORNAL ESCOLAR REDE JORNAL ESCOLA 2006 Redação: Danie Ravioo, Júio Lira e Karina Mota Capa e Editoração

Leia mais

Dinâmica demográfica e qualidade de vida da população brasileira Parte II

Dinâmica demográfica e qualidade de vida da população brasileira Parte II Dinâmica demográfica e qualidade de vida da população brasileira Parte II A nova Pirâmide Etária do Brasil; Crescimento horizontal devido às migrações; É um tipo de gráfico que representa os dados sobre

Leia mais

sumário AUDITORIA VOLUNTÁRIA O verbo é coletivizar 27 Visão, Missão, Crenças e Valores 03 Onde estamos 28

sumário AUDITORIA VOLUNTÁRIA O verbo é coletivizar 27 Visão, Missão, Crenças e Valores 03 Onde estamos 28 reatório anua 2010 sumário PRINCÍPIOS DA ORGANIZAÇÃO Visão, Missão, Crenças e Vaores 03 Mensagem do Presidente do Conseho Deiberativo (Vountário) 04 Mensagem da Presidente (Vountária) 05 Disseminar a cutura

Leia mais

IDENTIDADE DE POLÍTICOS E DESENVOLVIMENTO DE LONGO- PRAZO

IDENTIDADE DE POLÍTICOS E DESENVOLVIMENTO DE LONGO- PRAZO IDENTIDADE DE POLÍTICOS E DESENVOLVIMENTO DE LONGO- PRAZO Aluno: Isabela Salgado Silva Pereira Orientador: Claudio Ferraz Introdução É de consentimento geral que o nível de desenvolvimento econômico de

Leia mais

Problemas comuns Desenvolvimento e Design de Sistemas Web Categorias de problemas Exemplo de problema de funcionamento

Problemas comuns Desenvolvimento e Design de Sistemas Web Categorias de problemas Exemplo de problema de funcionamento Desenvovimento e Design de Sistemas Web Probemas comuns Web Sites ma definidos e projetados Necessidade de atuaização constante das informações: eternamente em construção Evoução extremamente rápida da

Leia mais

Considerações sobre a proteção de pessoas que fogem da Líbia recomendações do ACNUR (29 de março de 2011) Atualização n 1

Considerações sobre a proteção de pessoas que fogem da Líbia recomendações do ACNUR (29 de março de 2011) Atualização n 1 Considerações sobre a proteção de pessoas que fogem da Líbia recomendações do ACNUR (29 de março de 2011) 1 Introdução Atualização n 1 Milhares de pessoas estão deixando a Líbia devido ao aumento dos conflitos

Leia mais

MARCHA MUNDIAL DAS MULHERES TERCEIRA AÇÃO INTERNACIONAL

MARCHA MUNDIAL DAS MULHERES TERCEIRA AÇÃO INTERNACIONAL MARCHA MUNDIAL DAS MULHERES TERCEIRA AÇÃO INTERNACIONAL Autonomia econômica das mulheres Autonomia econômica das mulheres se refere à capacidade das mulheres de serem provedoras de seu próprio sustento,

Leia mais

LISTA 5A. Conceitos importantes: 1) Determinantes da produção e da produtividade de um país 2) Financiamento do investimento: poupança

LISTA 5A. Conceitos importantes: 1) Determinantes da produção e da produtividade de um país 2) Financiamento do investimento: poupança LISTA 5A Conceitos importantes: 1) Determinantes da produção e da produtividade de um país 2) Financiamento do investimento: poupança 3) Poupança, crescimento econômico e sistema financeiro 4) Mercado

Leia mais

Os aplicativos e sua utilização

Os aplicativos e sua utilização Os apicativos e sua utiização Baixando, Instaando e usando o Avast A B C D Os Apicativos Tipos de Apicativos Baixando e Instaando Usando o apicativo Tipos de Apicativos/Programas Os apicativos são programas

Leia mais

Aula 9 PROCESSOS MIGRATÓRIOS

Aula 9 PROCESSOS MIGRATÓRIOS PROCESSOS MIGRATÓRIOS Aula 9 METAS Inserir o aluno em um dos temas centrais da análise da Geografia da População: a questão migratória; analisar as causas, motivações e conseqüências do deslocamento populacional

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Junio 2011 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

Política do grupo para HIV/AIDS

Política do grupo para HIV/AIDS Poítica do grupo para HIV/AIDS A Ango American pc reconhece a tragédia humana causada pea epidemia de HIV/AIDS, particuarmente na África sub-saariana. Estamos preocupados com a gravidade e as impicações

Leia mais

Geografia. Exercícios de Revisão I

Geografia. Exercícios de Revisão I Nome: n o : E nsino: Médio S érie: T urma: Data: Profa: 1 a Geografia Exercícios de Revisão I 1 Analisando o mapa a seguir, correlacione a incidência de malária e da doença do sono com as condições naturais

Leia mais

Uma política econômica de combate às desigualdades sociais

Uma política econômica de combate às desigualdades sociais Uma política econômica de combate às desigualdades sociais Os oito anos do Plano Real mudaram o Brasil. Os desafios do País continuam imensos, mas estamos em condições muito melhores para enfrentálos.

Leia mais

É preciso fabricar adubo?

É preciso fabricar adubo? A U L A A U L A Acesse: http://fuvestibuar.com.br/ É preciso fabricar adubo? O que você vai aprender Eementos essenciais para as pantas Fertiizantes NPK O que é um sa Queima da amônia Produção de ácido

Leia mais

!!!!!!!!! !!!!!!!!! Educação inclusiva para Refugiados - Uma responsabilidade compartilhada. Artigo de Opinião - Diplomacia Civil.

!!!!!!!!! !!!!!!!!! Educação inclusiva para Refugiados - Uma responsabilidade compartilhada. Artigo de Opinião - Diplomacia Civil. Educação inclusiva para Refugiados - Uma responsabilidade compartilhada Artigo de Opinião - Diplomacia Civil Ariela Halpern O Ministério da Justiça demora em média oito meses para avaliar um pedido de

Leia mais

1 INTRODUÇÃO 1.1 O problema

1 INTRODUÇÃO 1.1 O problema 1 INTRODUÇÃO 1.1 O problema Para se estudar os determinantes do investimento é preciso, em primeiro lugar, definir o investimento. Segundo Galesne (2001) fazer um investimento consiste, para uma empresa,

Leia mais

Relatório brasileiro sobre desenvolvimento social

Relatório brasileiro sobre desenvolvimento social Relatório brasileiro sobre desenvolvimento social LUIZ FELIPE LAMPREIA OPRESENTE RELATÓRIO sobre desenvolvimento social foi elaborado pelo Governo Brasileiro no âmbito do processo preparatório da Cúpula

Leia mais

mudanças e a alterar realidade dos Censos

mudanças e a alterar realidade dos Censos Crise está a acelerar mudanças e a alterar realidade dos Censos RESULTADOS Menos de dois anos depois, a crise já contribuiu para desatualizar alguns números dos últimos Censos, apresentados ontem. ATUAL

Leia mais

Terra à vista! Nesta aula, utilizaremos os mapas para situar

Terra à vista! Nesta aula, utilizaremos os mapas para situar A U A U L L A Terra à vista! Nesta aula, utilizaremos os mapas para situar o lugar em que vivemos na superfície da Terra. Vamos verificar que os lugares são agrupados em grandes conjuntos chamados de continentes,

Leia mais

Quais Foram as Principais estratégias estabelecida pela Política Industrial e Comércio Exterior, adotada pelo Governo Brasileiro?

Quais Foram as Principais estratégias estabelecida pela Política Industrial e Comércio Exterior, adotada pelo Governo Brasileiro? Quais Foram as Principais estratégias estabelecida pela Política Industrial e Comércio Exterior, adotada pelo Governo Brasileiro? Política industrial é um conjunto de medidas para o desenvolvimento de

Leia mais

Incentivos e financiamiento

Incentivos e financiamiento Incentivos e financiamiento Regime Fisca Vigente O sistema fisca espanho é moderno e competitivo. A carga fisca existente na Espanha (medido com a porcentagem dos impostos e os encargos sociais em reação

Leia mais

é de queda do juro real. Paulatinamente, vamos passar a algo parecido com o que outros países gastam.

é de queda do juro real. Paulatinamente, vamos passar a algo parecido com o que outros países gastam. Conjuntura Econômica Brasileira Palestrante: José Márcio Camargo Professor e Doutor em Economia Presidente de Mesa: José Antonio Teixeira presidente da FENEP Tentarei dividir minha palestra em duas partes:

Leia mais

Da crise da república ao fim do império romano

Da crise da república ao fim do império romano Acesse: http://fuvestibuar.com.br/ Da crise da repúbica ao fim do império romano A UU L AL A A conquista de novos territórios acabou enriquecendo um pequeno grupo de famíias que se encarregaram de governar

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIAFEDERALDOSDIRÊITOSDOCIDADÃO. INFORMAÇÃO TÉCNICA PFDC/CAMI.JBSS n 289/2008.

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIAFEDERALDOSDIRÊITOSDOCIDADÃO. INFORMAÇÃO TÉCNICA PFDC/CAMI.JBSS n 289/2008. r PFDC PROCURADORIAFEDERALDOSDIRÊITOSDOCIDADÃO INFORMAÇÃO TÉCNICA PFDC/CAMI.JBSS n 289/2008. Tema: Ementa: Direito de Ir e Vir. Migrantes. Atuação da PFDC em relação às migrações internacionais. Seminário

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

Fascículo 2 História Unidade 4 Sociedades indígenas e sociedades africanas

Fascículo 2 História Unidade 4 Sociedades indígenas e sociedades africanas Atividade extra Fascículo 2 História Unidade 4 Sociedades indígenas e sociedades africanas Questão 1 O canto das três raças, de Clara Nunes Ninguém ouviu Um soluçar de dor No canto do Brasil Um lamento

Leia mais

O que são Direitos Humanos?

O que são Direitos Humanos? O que são Direitos Humanos? Técnico comercial 4 (1º ano) Direitos Humanos são os direitos e liberdades básicas de todos os seres humanos. O principal objetivo dos Direitos Humanos é tratar cada indivíduo

Leia mais

1.6 Têxtil e Confecções. Diagnóstico

1.6 Têxtil e Confecções. Diagnóstico 1.6 Têxtil e Confecções Diagnóstico A indústria de artigos têxteis e confecções é marcada atualmente pela migração da produção em busca de mão-de-obra mais barata ao redor do mundo, facilitada pela baixa

Leia mais

Calculando a rpm e o gpm a partir da

Calculando a rpm e o gpm a partir da Acesse: http://fuvestibuar.com.br/ Cacuando a rpm e o gpm a partir da veocidade de corte A UU L AL A Para que uma ferramenta corte um materia, é necessário que um se movimente em reação ao outro a uma

Leia mais

Aspectos Demográficos: Conceitos Fundamentais

Aspectos Demográficos: Conceitos Fundamentais Aspectos Demográficos: Conceitos Fundamentais Diversos fatores impedem ou favorecem que pessoas se fixem em um lugar: Fatores Naturais. Fatores Econômicos. Fatores Históricos. Clima, topografia, solo entre

Leia mais

GEOGRAFIA. População Brasileira

GEOGRAFIA. População Brasileira População Brasileira No Brasil a concentração populacional tem sua maior ocorrência em áreas litorâneas ou próximas ao litoral. Temos como fatores contribuintes as faixas de planície, clima tropical, sem

Leia mais

l J ~ppro~e,oc_rirs Marc~996 ) 1 CARLOS AT.ÂlOE GAJ~CIP{/... Submitted to USAID April 11, 1996 USA WP 1TC1B 1-g

l J ~ppro~e,oc_rirs Marc~996 ) 1 CARLOS AT.ÂlOE GAJ~CIP{/... Submitted to USAID April 11, 1996 USA WP 1TC1B 1-g 2200 Carendon Bouevard Suite 900 Arington, Virgínia 2220 USA Lontract no: 2.i-ou2 I-C--:0X- Project no: PIO/T 657-002-~-2005 Contractor: LABAT-ANDERSON ncorporatcà USAID Projcct Officc: USAID;Bissau

Leia mais

O poderio norte-americano

O poderio norte-americano A U A UL LA Acesse: http://fuvestibular.com.br/ O poderio norte-americano Nesta aula vamos estudar os Estados Uni- dos da América, a mais importante economia nacional do planeta, e o Canadá, seu vizinho,

Leia mais

UM NOVO MAPA DA INDÚSTRIA GLOBAL

UM NOVO MAPA DA INDÚSTRIA GLOBAL UM NOVO MAPA DA INDÚSTRIA GLOBAL Raul Sturari (*) Maio de 2013 Nas últimas décadas, os países centrais (EUA e UE) deslocaram grande parte de sua indústria manufatureira para países da Ásia, em especial

Leia mais

VESTIBULAR DE INVERNO 2011 GABARITOS E COMENTÁRIOS. TARDE - 03/07/2011 Núcleo Básico de Computação

VESTIBULAR DE INVERNO 2011 GABARITOS E COMENTÁRIOS. TARDE - 03/07/2011 Núcleo Básico de Computação VESTIBULAR DE INVERNO 011 GABARITOS E COMENTÁRIOS TARDE - 03/07/011 Núcleo Básico de Computação - Prova objetiva de Conhecimentos Gerais (Biologia, Geografia e Históri - Prova discursiva de Física, Matemática

Leia mais

População residente em Portugal com tendência para diminuição e envelhecimento

População residente em Portugal com tendência para diminuição e envelhecimento Dia Mundial da População 11 julho de 214 1 de julho de 214 População residente em Portugal com tendência para diminuição e envelhecimento Para assinalar o Dia Mundial da População (11 de julho), o Instituto

Leia mais