ESCOLA E.B. 2.3 DE ANTÓNIO FEIJÓ Departamento de Matemática e Ciências Experimentais Ciências Físico-Químicas 7.º ano Ano letivo 2015/2016

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESCOLA E.B. 2.3 DE ANTÓNIO FEIJÓ Departamento de Matemática e Ciências Experimentais Ciências Físico-Químicas 7.º ano Ano letivo 2015/2016"

Transcrição

1 ESCOLA E.B. 2.3 DE ANTÓNIO FEIJÓ Departamento de Matemática e Ciências Experimentais Ciências Físico-Químicas 7.º ano Ano letivo 2015/2016 Domínio b Materiais Subdomínios Metas Curriculares Estratégias/Atividades Recursos educativos Nº de aulas I. Constituição do mundo material 1. Reconhecer a enorme variedade de materiais com diferentes propriedades e usos, assim como o papel da química na identificação e transformação desses materiais. - Identificar diversos materiais e alguns critérios para a sua classificação. - Concluir que os materiais são recursos limitados e que é necessário usá-los bem, reutilizando-os e reciclando-os. - Identificar, em exemplos do dia a dia, materiais fabricados que não existem na Natureza. Fazer uma primeira abordagem à química como a ciência que estuda os materiais, classifica-os e transforma-os em produtos úteis para a sociedade. Visionamento/exploração da animação A química sobre esta ciência e os seus domínios de aplicação. Realização de atividades de consolidação 2 - Indicar a química como a ciência que estuda as propriedades e transformações de todos os materiais 1

2 II. Substâncias e misturas 2. Compreender a classificação dos materiais em substâncias e misturas. - Indicar que os materiais são constituídos por substâncias que podem existir isoladas ou em misturas. - Classificar materiais como substâncias ou misturas a partir de descrições da sua composição, designadamente em rótulos de embalagens. - Distinguir o significado de material "puro" no dia a dia e em química (uma só substância). - Concluir que a maior parte dos materiais que nos rodeiam são misturas. - Classificar uma mistura pelo aspeto macroscópico em mistura homogénea ou heterogénea e dar exemplos de ambas. - Distinguir líquidos miscíveis de imiscíveis. - Indicar que uma mistura coloidal parece ser homogénea quando observada macroscopicamente, mas que, quando observada ao microscópio ou outros instrumentos de ampliação, mostra-se heterogénea. Por observação de vários materiais levados para a aula, classificá-los recorrendo a diferentes critérios, formando os conjuntos correspondentes. Apresentar o conceito de matérias-primas, exemplificando com algumas matérias-primas nacionais e sua utilização. Levar os alunos a reconhecer que são fontes limitadas. Por observação direta de materiais levados para a aula, ou por análise dos seus rótulos, classificá-los em substâncias ou misturas de substâncias. Recorrer a uma demonstração experimental para concluir que nem sempre é fácil, através da observação, saber se um material é uma substância. Recorrendo ao conceito de substância pura e mistura de substâncias levar os alunos a distinguir entre o significado químico do termo puro e o significado utilizado no dia a dia. Observação de diferentes misturas para distinguir entre misturas homogéneas, heterogéneas e coloidais. Demonstração experimental da preparação das misturas, para consolidar a distinção entre misturas heterogéneas e homogéneas e introduzir os conceitos de ser solúvel ou insolúvel. Levar os alunos a concluir que uma solução é uma mistura homogénea. - Materiais diversos, como: limalha de ferro, cloreto de sódio, madeira, carvão, algodão, lã, leite e balão com ar. - Gobelés -Tubos de ensaio em suporte - Mistura de água e azeite, de água e álcool e de água e areia, água salgada, leite e tinta de parede, iodo, sulfato de cobre, água e álcool etílico. 5 2

3 - Concluir, a partir de observação, que, em certas misturas coloidais, se pode ver o trajeto da luz visível. 3. Caracterizar, qualitativa e quantitativamente, uma solução e preparar laboratorialmente, em segurança, soluções aquosas de uma dada concentração, em massa. - Associar o termo solução à mistura homogénea (sólida, líquida ou gasosa), de duas ou mais substâncias, em que uma se designa por solvente e a(s) outra(s) por soluto(s). - Identificar o solvente e o(s) soluto(s), em soluções aquosas e alcoólicas, a partir de rótulos de embalagens de produtos (soluções) comerciais. - Distinguir composições qualitativa e quantitativa de uma solução. - Associar a composição quantitativa de uma solução à proporção dos seus componentes. - Associar uma solução mais concentrada àquela em que a proporção soluto solvente é maior e uma solução -mais diluída àquela em que essa proporção é menor. Recorrer às soluções preparadas para distinguir entre soluto, solvente e solução; Explicitar algumas regras para identificação do solvente com recurso ao manual. Demonstração experimental de várias soluções coradas com diferentes volumes e massas de soluto, para distinguir, pela cor, a mais e a menos concentrada e introduzir as designações: solução concentrada, solução diluída e solução saturada. Apresentar o significado de concentração mássica e, através do diálogo, deduzir diferentes unidades de concentração mássica. Calcular as concentrações das soluções coradas utilizadas para associar a intensidade da cor ao valor da concentração mássica. 6 - Concluir que adicionar mais solvente a uma solução significa diluí-la. - Definir a concentração, em massa, e usá-la para determinar a composição quantitativa de uma solução. 3

4 - Identificar material e equipamento de laboratório mais comum, regras gerais de segurança e interpretar sinalização de segurança em laboratórios. - Identificar pictogramas de perigo usados nos rótulos das embalagens de reagentes de laboratório e de produtos comerciais. - Selecionar material de laboratório adequado para preparar uma solução aquosa a partir de um soluto sólido. - Identificar e ordenar as etapas necessárias à preparação, em laboratório, de uma solução aquosa, a partir de um soluto sólido. - Preparar laboratorialmente uma solução aquosa com uma determinada concentração, em massa, a partir de um soluto sólido. Demonstração de material de laboratório. Exploração do jogo Faz os pares Material de laboratório. Através de rótulos de embalagens mostrar os símbolos de perigo e o seu significado. Realização em grupo da atividade prática/laboratorial Preparação de uma solução. Registo de resultados, sua interpretação e registo de conclusões. - Balão volumétrico - Vareta de vidro - Garrafa de esguicho - Espátula - Funil de vidro - Gobelé - Frasco de vidro - Balança digital - Sulfato de cobre (II) - Protocolo Experimental: Preparação de uma solução 4

5 III. Transformações físicas e químicas dos materiais 4. Reconhecer transformações físicas e químicas e concluir que as transformações de substâncias podem envolver absorção ou libertação de energia. - Associar transformações físicas a mudanças nas substâncias sem que outras sejam originadas. - Identificar mudanças de estado físico e concluir que são transformações físicas. - Explicar o ciclo da água referindo as mudanças de estado físico que nele ocorrem. - Associar transformações químicas à formação de novas substâncias, identificando provas dessa formação. - Identificar, no laboratório ou no dia a dia, transformações químicas. Apresentação de algumas substâncias conhecidas pelos alunos para indicar propriedades que permitem distinguir ou identificar essas substâncias. Demonstrar o que acontece à forma e ao volume de materiais sólidos, líquidos e gasosos para caracterizar os três estados físicos da matéria. Recorrendo às figuras do manual, caracterizar os estados físicos quanto ao nível da agregação/liberdade de movimento das partículas constituintes da matéria. Visionamento/exploração da simulação A água e as mudanças de estado físico, que permite observar as mudanças de estado físico da água e as suas designações. Partir de um breve diálogo sobre transformações da matéria a que assistimos no dia a dia e outras, para associar as transformações físicas a alterações do estado de divisão, a mudanças de estado físico e a dissoluções e distingui-las das transformações químicas, onde ocorre sempre formação de novas substâncias. Realização das atividades experimentais: Sublimação do iodo ; Reação do vinagre com bicarbonato de sódio. Registo de observações para detetar o que há de diferente nas duas transformações. Tirar conclusões. - Simulação A água e as mudanças de estado físico - Material de laboratório e reagentes químicos referidos no manual. -Material de laboratório - Reagentes 6 5

6 - Identificar, no laboratório ou no dia a dia, ações que levam à ocorrência de transformações químicas: aquecimento, ação mecânica, ação da eletricidade ou incidência de luz. - Distinguir reagentes de produtos de reação e designar uma transformação química por reação química. - Descrever reações químicas usando linguagem corrente e representá-las por equações de palavras. - Justificar, a partir de informação selecionada, a importância da síntese química na produção de novos e melhores materiais, de uma forma mais económica e ecológica. Explicitar os vários fatores que podem desencadear decomposições químicas, exemplificando com aplicações práticas na vida real e com transformações químicas realizadas em laboratórios. Realização ou visionamento das atividades laboratoriais: Termólise do bicarbonato de sódio ; Eletrólise da água ; Fotólise do cloreto de prata Decomposição do clorato de potássio Interpretação das transformações ocorridas para posterior representação por equações de palavras. - Material de laboratório e reagentes químicos referidos no manual. IV. Propriedades físicas e químicas dos materiais 5. Reconhecer propriedades físicas e químicas das substâncias que as permitem distinguir e identificar. - Definir ponto de fusão como a temperatura a que uma substância passa do estado sólido ao estado líquido, a uma dada pressão. - Indicar que, para uma substância, o ponto de fusão é igual ao ponto de solidificação, à mesma pressão. - Definir ebulição como a passagem rápida e tumultuosa de um líquido ao estado de vapor. Apresentação de algumas substâncias conhecidas pelos alunos para indicar propriedades que permitem distinguir ou identificar essas substâncias. Demonstrar o que acontece à forma e ao volume de materiais sólidos, líquidos e gasosos para caracterizar os três estados físicos da matéria. Recorrendo às figuras do manual, caracterizar os estados físicos quanto ao nível da agregação/liberdade de movimento das partículas constituintes da matéria. Diálogo para introduzir os conceitos de ponto de fusão e de ponto de ebulição. Análise de gráficos temperatura em função do tempo para determinar se se trata de um processo de aquecimento ou arrefecimento (pela variação de 9+1 6

7 - Definir ponto de ebulição como a temperatura à qual uma substância líquida entra em ebulição, a uma dada pressão. - Concluir que a vaporização também ocorre a temperaturas inferiores à de ebulição. - Identificar o líquido mais volátil por comparação de pontos de ebulição. - Indicar os pontos de ebulição e de fusão da água, à pressão atmosférica normal. - Concluir qual é o estado físico de uma substância, a uma dada temperatura e pressão, dados os seus pontos de fusão e de ebulição a essa pressão. - Indicar que, durante uma mudança de estado físico de uma substância, a temperatura permanece constante, coexistindo dois estados físicos. - Construir gráficos temperaturatempo a partir de dados registados numa tabela. - Interpretar gráficos temperaturatempo para materiais, identificando estados físicos e temperaturas de fusão e de ebulição. temperatura ao longo do tempo); saber indicar o p. f. e p. e. e distinguir uma substância pura de uma mistura. A partir do diálogo levar os alunos a concluir que a presença de impurezas aumenta o p. e. e diminui o p. f.. Análise de uma tabela de p. f. e p. e. (manual) para reconhecer que os valores permitem identificar uma substância pura e podem ser utilizados para prever o estado físico de uma substância a diferentes temperaturas. Visionamento do vídeo Determinação da temperatura de ebulição de um líquido. Realização em grupo da atividade prática/laboratorial Determinação da temperatura de ebulição de um líquido para: determinar experimentalmente a temperatura de ebulição de uma amostra de água; construir a tabela de variação de temperatura ao longo do tempo, antes e durante a ebulição; traçar o gráfico temperatura em função do tempo; concluir sobre o estado de pureza da amostra de água. - Material de laboratório e reagentes químicos referidos no manual. 7

8 - Definir massa volúmica (também denominada densidade) de um material e efetuar cálculos com base na definição. - Descrever técnicas básicas para determinar a massa volúmica que envolvam medição direta do volume de um líquido ou medição indireta do volume de um sólido (usando as respetivas dimensões ou por deslocamento de um líquido). - Medir a massa volúmica de materiais sólidos e líquidos usando técnicas laboratoriais básicas. - Indicar que o valor da massa volúmica da água à temperatura ambiente e pressão normal é cerca de 1 g/cm 3. - Identificar o ponto de fusão, o ponto de ebulição e a massa volúmica como propriedades físicas características de uma substância, constituindo critérios para avaliar a pureza de um material. - Identificar amostras desconhecidas recorrendo a valores tabelados de pontos de fusão, pontos de ebulição e massa volúmica. A partir da observação da coluna de líquidos e dos objetos que flutuam ou se afundam, introduzir o conceito de densidade e relacioná-la com a flutuação dos corpos. Apresentação da expressão matemática que define densidade e dedução de possíveis unidades. Apresentação de diferentes processos para determinar o volume de corpos, com relevância para a determinação experimental pelo método de deslocamento da água. Determinação experimental dos valores de massa e volume de diferentes quantidades do mesmo material (parafusos) para concluir que a densidade é uma grandeza que caracteriza os materiais e permite identificar substâncias duras. Realização da atividade prática/laboratorial: determinar experimentalmente a densidade de um sólido; determinar experimentalmente a densidade de um líquido; identificar a substância de que é feito; elaboração do relatório da atividade. - Material de laboratório e reagentes químicos referidos no manual. 8

9 - Identificar o comportamento excecional da água (massas volúmicas do gelo e da água líquida e presença na natureza dos três estados físicos), relacionando esse comportamento com a importância da água para a vida. Lembrar o ciclo da água e a sua importância para a vida e para toda a atividade na Terra com recurso ao manual. Levar os alunos a concluir que a água sólida funde não só por aquecimento mas também quando sujeita a grande pressão. Recorrendo a situações do dia a dia (rebentamento de uma garrafa cheia de água no congelador, flutuação de gelo na água, flutuação dos icebergues) concluir sobre o comportamento excecional da água que, quando solidifica, aumenta de volume. - Indicar vantagens (como portabilidade, rapidez, facilidade de utilização, custo) e limitações (como menor rigor, falsos positivos ou falsos negativos) de testes químicos rápidos (colorimétricos) disponíveis em kits. - Descrever os resultados de testes químicos simples para detetar substâncias (água, amido, dióxido de carbono) a partir da sua realização laboratorial. - Justificar, a partir de informação selecionada, a relevância da química analítica em áreas relacionadas com a nossa qualidade de vida, como segurança alimentar, qualidade ambiental e diagnóstico de doenças. Partir de um breve diálogo sobre a diferença entre propriedades físicas e químicas. Demonstração experimental de alguns ensaios químicos que identificam, por exemplo: o oxigénio, o hidrogénio, o dióxido de carbono, a água e o amido. Os alunos devem registar as observações e conclusões em cada caso. Realização da atividade experimental: Deteção da presença de água, que retrata uma atividade experimental para determinar a presença de água através da reação com o sulfato de cobre anidro. - Material de laboratório e reagentes químicos referidos no manual. 9

10 V. Separação das substâncias de uma mistura 6. Conhecer processos físicos de separação e aplicá-los na separação de componentes de misturas homogéneas e heterogéneas usando técnicas laboratoriais. - Identificar técnicas de separação aplicáveis a misturas heterogéneas: decantação; filtração; peneiração; centrifugação; separação magnética. - Identificar técnicas de separação aplicáveis a misturas homogéneas: destilação simples; cristalização. - Identificar aplicações de técnicas de separação dos componentes de uma mistura no tratamento de resíduos, na indústria e em casa. - Descrever técnicas laboratoriais básicas de separação, indicando o material necessário: decantação sólido-líquido; decantação líquidolíquido; filtração por gravidade; centrifugação; separação magnética; cristalização; destilação simples. - Selecionar o (s) processo (s) de separação mais adequado (s) para separar os componentes de uma mistura, tendo em conta a sua constituição e algumas propriedades físicas dos seus componentes. Partir de um breve diálogo para reconhecer que, na Terra, a maioria dos materiais são misturas bastante variadas e diferentes entre si, pelo que as técnicas de separação têm de ter em conta as características das misturas. Realização / Demonstração experimental das técnicas de separação: decantação sólido-líquido, filtração, centrifugação e decantação líquido-líquido, com registo do nome da técnica e das características das misturas que consegue separar. Fazer referência à aplicação prática das técnicas realizadas na vida real. Realização / Demonstração experimental das técnicas de separação: cristalização, ebulição do solvente e destilação simples, com registo do nome da técnica e dos componentes que consegue recuperar. Abordagem à cromatografia e à destilação. Fazer referência à aplicação prática das técnicas na vida real. Dar algum relevo à interpretação da destilação e à sua aplicação na indústria. - Material de laboratório e reagentes químicos referidos no manual. 6 - Separar os componentes de uma mistura usando as técnicas laboratoriais básicas de separação, na sequência correta. - Concluir que a água é um recurso essencial à vida que é necessário Realização da atividade Separação dos componentes de uma mistura sólida, do manual. Registo de observações, sua interpretação e registo de conclusões. 10

11 preservar, o que implica o tratamento físico-químico de águas de abastecimento e residuais. 11

12 Domínio C Energia Subdomínios Metas Estratégias/Atividades Recursos educativos Nº de aulas I. Fontes de energia e transferências de energia 1. Reconhecer que a energia está associada a sistemas, que se transfere conservandose globalmente, que as fontes de energia são relevantes na sociedade e que há vários processos de transferência de energia. - Definir sistema físico e associar-lhe uma energia (interna) que pode ser em parte transferida para outro sistema. - Identificar, em situações concretas, sistemas que são fontes ou recetores de energia, indicando o sentido de transferência da energia e concluindo que a energia se mantém na globalidade. - Indicar a unidade SI de energia e fazer conversões de unidades (joules e quilojoules; calorias e quilocalorias). - Concluir qual é o valor energético de alimentos a partir da análise de rótulos e determinar a energia fornecida por uma porção de alimento. Dialogar com os alunos e responder à questão: O que é a energia e de onde provém?. Discussão sobre a importância do estudo da energia a partir de extratos de notícias sobre a energia. Através do diálogo, concluir sobre a dificuldade de definir energia. Efetuar a demonstração de um circuito com lâmpada, pilha para apresentar o significado de fonte, recetor e transferência de energia. Sintetizar as principais ideias sobre os diferentes tipos de fontes de energia. - Material de laboratório 6 - Identificar fontes de energia renováveis e não renováveis, avaliar vantagens e desvantagens da sua utilização na sociedade atual e as respetivas consequências na sustentabilidade da Terra, Demonstração experimental das duas formas de energia. Introduzir o significado de energia cinética e potencial. Analisar rótulos de produtos alimentares e faturas de eletricidade. 12

13 interpretando dados sobre a sua utilização em gráficos ou tabelas. - Medir temperaturas usando termómetros (com escalas em graus Celsius) e associar a temperatura à maior ou menor agitação dos corpúsculos submicroscópicos. Registar situações do dia a dia em que ocorram transferências de energia. Referir maneiras de consumir menos energia. - Material de laboratório. - Associar o calor à energia transferida espontaneamente entre sistemas a diferentes temperaturas. - Definir e identificar situações de equilíbrio térmico. - Identificar a condução térmica como a transferência de energia que ocorre principalmente em sólidos, associar a condutividade térmica dos materiais à rapidez com que transferem essa energia e dar exemplos de bons e maus condutores térmicos no dia a dia. - Explicar a diferente sensação de quente e frio ao tocar em materiais em equilíbrio térmico. - Identificar a convecção térmica como a transferência de energia que ocorre em líquidos e gases, interpretando os sentidos das correntes de convecção. Através de observações experimentais os alunos devem fazer a distinção entre calor e temperatura., de forma a compreender a noção de equilíbrio térmico. Através do diálogo registar situações do dia a dia focando os dois modos de propagação do calor: condução e convecção. Referir a transferência de energia por radiação. - Identificar a radiação como a transferência de energia através da propagação de luz, sem a necessidade de contacto entre os corpos. 13

14 - Identificar processos de transferência de energia no dia a dia ou em atividades no laboratório. Aplicar todos os conhecimentos adquiridos até ao momento, ao isolamento térmico das casas. - Justificar, a partir de informação selecionada, critérios usados na construção de uma casa que maximizem o aproveitamento da energia recebida e minimizem a energia transferida para o exterior. 14

15 Domínio A- espaço Subdomínios Metas Curriculares Estratégias/Atividades Recursos educativos Nº de aulas I. Universo 1. Conhecer e compreender a constituição do Universo, localizando a Terra, e reconhecer o papel da observação e dos instrumentos na nossa perceção do Universo. - Distinguir vários corpos celestes (planetas, estrelas e sistemas planetários; enxames de estrelas, galáxias e enxames de galáxias). - Indicar o modo como os corpos celestes se organizam, localizando a Terra. - Indicar qual é a nossa galáxia (Galáxia ou Via Láctea), a sua forma e a localização do Sol nela. - Indicar o que são constelações e dar exemplos de constelações visíveis no hemisfério Norte (Ursa Maior e Ursa Menor) e no hemisfério Sul (Cruzeiro do Sul). - Associar a estrela Polar à localização do Norte no hemisfério Norte e explicar como é possível localizá-la a partir da Ursa Maior. - Indicar que a luz emitida pelos corpos celestes pode ser detetada ou não pelos nossos olhos (luz visível ou invisível). Partindo da questão: O que é o Universo e qual a sua estrutura?, recolher ideias dos alunos, com registo no quadro das ideias mais significativas. Visionamento/exploração da animação Galáxias sobre os tipos de galáxias, com destaque para a Via Láctea e sobre o lugar da Terra no Universo. Visionamento/exploração da animação 3D Explorar o céu noturno para mostrar alguns dos principais agrupamentos imaginários de estrelas visíveis no hemisfério norte e sul. Conduzir os alunos ao reconhecimento do significado de constelação. Referir a diferença entre a posição em que vemos as estrelas e a sua posição real. Mostrar, com recurso ao manual, a localização da Estrela Polar relativamente às constelações da Ursa Maior e da Cassiopeia. Referir a importância da Estrela Polar para a orientação no hemisfério norte e do Cruzeiro do Sul para orientação no hemisfério sul

16 - Identificar Galileu como pioneiro na utilização do telescópio na observação do céu (descobertas do relevo na Lua, fases de Vénus e satélites de Júpiter). - Caracterizar os modelos geocêntrico e heliocêntrico, enquadrando-os historicamente (contributos de Ptolomeu, Copérnico e Galileu). - Identificar a observação por telescópios (de luz visível e não visível, em terra e em órbita) e as missões espaciais (tripuladas e não tripuladas) como meios essenciais para conhecer o Universo. - Dar exemplos de agências espaciais (ESA e NASA), de missões tripuladas (missões Apolo e Estação Espacial Internacional) e não tripuladas (satélites artificiais e sondas espaciais) e de observatórios no solo (ESO). - Identificar a teoria do Big Bang como descrição da origem e evolução do Universo e indicar que este está em expansão desde a sua origem. Diálogo, com recurso ao manual, e ao desdobrável, sobre a importância da curiosidade humana em saber o que existe para além da Terra, a evolução tecnológica dos meios de observação do Universo e contributos para a evolução do modelo heliocêntrico. Visionamento/exploração da animação Modelos geocêntrico e heliocêntrico. Visionamento do vídeo Hubble: uma visão mais profunda do Universo, apresenta a forma como o telescópio Hubble tem contribuído para incrementar o nosso conhecimento sobre o Universo. Diálogo com recurso ao manual, para abordar a teoria do Big-Bang e como evoluirá o Universo atual. / Desdobrável 16

17 II. Distâncias no Universo 2. Conhecer algumas distâncias no Universo e utilizar unidades de distância adequadas às várias escalas do Universo. - Converter medidas de distância e de tempo às respetivas unidades do SI. - Representar números grandes com potências de base dez e ordená-los. - Indicar o significado de unidade astronómica (UA), converter distâncias em UA a unidades SI (dado o valor de 1 UA em unidades SI) e identificar a UA como a unidade mais adequada para medir distâncias no sistema solar. Comparar valores de distância entre duas cidades, dois países, entre a Terra e a Lua, entre a Terra e o Sol e entre os extremos da Via Láctea para comparar a necessidade de utilizar novas unidades de medida. Apresentação do significado de UA e o seu valor em km. Análise de uma tabela com os valores das distâncias dos planetas ao Sol em km e em UA para concluir que a UA é a unidade adequada para as distâncias no Sistema Solar. Resolução de problemas com recurso à simulação Conversor de unidades Construir um modelo de sistema solar usando a UA como unidade e desprezando as dimensões dos diâmetros dos planetas. - Interpretar o significado da velocidade da luz, conhecido o seu valor. - Interpretar o significado de ano-luz (a.l.), determinando o seu valor em unidades SI, converter distâncias em a.l. a unidades SI e identificar o a.l. como a unidade adequada para exprimir distâncias entre a Terra e corpos fora do sistema solar. Apresentação e explicação do significado de ano-luz e o seu valor em km, com referência dos submúltiplos segundo-luz, minuto-luz e hora-luz, relacionando-os entre si a partir do valor do segundo-luz. Referir o parsec e a sua relação com o ano-luz. Apresentação de valores de algumas distâncias além do Sistema Solar, em km, para concluir que o a.l. e o pc são, nesses casos, as unidades mais adequadas. Resolução de exercícios de cálculo de conversão de unidades. III. Sistema Solar - Relacionar a idade do Universo com a idade do sistema solar. - Identificar os tipos de astros do sistema solar. Relembrar a localização do Sistema Solar no Universo. Diálogo sobre a formação do Sistema Solar com recurso ao manual. Visionamento do vídeo Explorando o Sistema Solar que apresenta algumas missões espaciais para conhecer melhor os astros do nosso Sistema Solar. 6 17

18 3. Conhecer e compreender o sistema solar, aplicando os conhecimentos adquiridos. - Distinguir planetas, satélites de planetas e planetas anões. - Indicar que a massa de um planeta é maior do que a dos seus satélites. - Indicar que as órbitas dos planetas do sistema solar são aproximadamente circulares. - Ordenar os planetas de acordo com a distância ao Sol e classificá-los quanto à sua constituição (rochosos e gasosos) e localização relativa (interiores e exteriores). - Definir períodos de translação e de rotação de um astro. - Indicar que o Sol é o astro de maior tamanho e massa do sistema solar, que tem movimentos de translação em torno do centro da Galáxia e de rotação em torno de si próprio. - Interpretar informação sobre planetas contida em tabelas, gráficos ou textos, identificando semelhanças e diferenças, relacionando o período de translação com a distância ao Sol e comparando a massa dos planetas com a massa da Terra. Visionamento do vídeo A nave SOHO revela os mistérios do Sol que foca a apresentação do projeto Observatório Solar Heliosférico. Análise de um modelo do Sistema Solar para focar o movimento de translação e a coplanaridade das órbitas; indicar o significado de período de translação e concluir que aumenta com a distância ao Sol; focar o movimento de rotação e indicar o significado de período de rotação. Associar período de translação de um planeta a 1 ano nesse planeta e estabelecer a correspondência entre 1 ano na Terra e 1 ano noutro planeta. Proceder de igual modo para o período de rotação e a duração do dia. Referir a existência de luas e seus tipos de movimento. Classificar os planetas quanto à sua constituição, localização, tamanho e órbita. 18

19 - Distinguir asteroides, cometas e meteoroides. - Identificar, numa representação do sistema solar, os planetas, a cintura de asteroides e a cintura de Kuiper. - Associar a expressão «chuva de estrelas» a meteoros e explicar a sua formação, assim como a relevância da atmosfera de um planeta na sua proteção. - Concluir que a investigação tem permitido a descoberta de outros sistemas planetários para além do nosso, contendo exoplanetas, os quais podem ser muito diferentes dos planetas do sistema solar. Análise de uma imagem do Sistema Solar para: caracterizar a cintura de asteroides; evidenciar a órbita inclinada e muito excêntrica dos cometas. Visionamento da animação Órbita dos cometas. Diálogo que permita recolher as ideias dos alunos sobre estrelas cadentes e chuvas de estrelas, seguido da explicação científica para esses fenómenos. Apresentação da distinção entre meteoros e meteoritos. Visionamento de alguns vídeos sobre planetas do Sistema Solar: Vénus: o vizinho da Terra sobre as principais características do planeta Vénus, também conhecido por estrela da manhã ; Procurando água e vida em Marte, que foca a missão espacial da ESA, Mars Express, realizada ao planeta Marte; Plutão: um planeta anão, sobre Plutão enquanto planeta anão e que faz referência a Éris como o maior dos planetas anões; Missão à Lua em 2008 sobre a missão que a ESA pretende realizar à Lua em IV. A Terra, a Lua e forças gravíticas 4. Conhecer e compreender os movimentos da Terra e da Lua. - Indicar o período de rotação da Terra e as consequências da rotação da Terra. - Medir o comprimento de uma sombra ao longo do dia, traçar um gráfico desse comprimento em função do tempo e relacionar esta experiência com os relógios de sol. Lembrar o movimento de rotação da Terra, o significado de período de rotação e sua associação a 1 dia. Utilização de um globo e uma lanterna para associar o dia à parte iluminada da Terra e a noite à parte não iluminada e relacionar a sucessão do dia e da noite com o movimento de rotação. 6 19

20 - Explicar como nos podemos orientar pelo Sol à nossa latitude. - Indicar o período de translação da Terra e explicar a existência de anos bissextos. - Interpretar as estações do ano com base no movimento de translação da Terra e na inclinação do seu eixo de rotação relativamente ao plano da órbita. - Identificar, a partir de informação fornecida, planetas do sistema solar cuja rotação ou a inclinação do seu eixo de rotação não permite a existência de estações do ano. - Associar os equinócios às alturas do ano em que se iniciam a primavera e o outono e os solstícios às alturas do ano em que se inicia o verão e o inverno. - Identificar, num esquema, para os dois hemisférios, os solstícios e os equinócios, o início das estações do ano, os dias mais longo e mais curto do ano e as noites mais longa e mais curta do ano. Diálogo que permita relacionar o movimento aparente do Sol e o movimento aparente das estrelas durante a noite com o movimento de rotação da Terra. Relacionar as estações do ano com o movimento de translação da Terra e com a inclinação do seu eixo; se o eixo fosse perpendicular não existiriam estações do ano. Usar uma lanterna a incidir perpendicularmente e depois com uma grande inclinação para levar os alunos a concluir que quando a luz incide com grande inclinação a superfície aquecida pelos mesmos raios é maior e o seu aquecimento será menor. Relacionar a inclinação dos raios com o aquecimento da Terra e as estações do ano. Evidenciar os solstícios e os equinócios, que as estações do ano são opostas nos dois hemisférios e que nada têm a ver com o diferente afastamento da Terra em relação ao Sol (devido à órbita ser elíptica). - Lanterna 20

21 5. Compreender as ações do Sol sobre a Terra e da Terra sobre a Lua e corpos perto da superfície terrestre, reconhecendo o papel da força gravítica. - Identificar a Lua como o nosso único satélite natural, indicar o seu período de translação e de rotação e explicar por que razão, da Terra, se vê sempre a mesma face da Lua. - Interpretar, com base em representações, as formas como vemos a Lua, identificando a sucessão das suas fases nos dois hemisférios. - Associar os termos sombra e penumbra a zonas total ou parcialmente escurecidas, respetivamente. - Interpretar a ocorrência de eclipses da Lua (total, parcial, penumbral) e do Sol (total, parcial, anular) a partir de representações, indicando a razão da não ocorrência de eclipses todos os meses. - Caracterizar uma força pelos efeitos que ela produz, indicar a respetiva unidade no SI e representar a força por um vetor. - Indicar o que é um dinamómetro e medir forças com dinamómetros, identificando o valor da menor divisão da escala e o alcance do aparelho. Partir de um breve diálogo para focar as diferentes formas que a Lua assume no céu. Relacionar as diferentes formas que a Lua apresenta, a iluminação da parte da Lua que conseguimos ver da Terra, recorrendo: ao visionamento/exploração da animação As fases da Lua ; a uma bola com uma metade pintada de preto e a outra de branco, que é posta a rodar em volta de cada um (Terra), sempre com a metade branca virada para a janela (Sol); à análise das figuras do manual. Lembrar que todos os corpos iluminados projetam uma sombra para o lado oposto ao da fonte de luz. Recorrendo a um globo terrestre, a uma lanterna e uma pequena bola proporcionar a visualização da projeção da sombra da Terra na Lua e da projeção da sombra da Lua na Terra. Exploração das animações: Eclipses da Lua e Eclipses do Sol, que explicitam o que são e em que circunstâncias podem ocorrer os eclipses da Lua e do Sol. Explicitar por que razão não há eclipses sempre que é lua cheia e lua nova. Através de exemplos do dia a dia definir o conceito de força e ilustrar alguns dos seus principais efeitos. Classificação de forças quanto à sua natureza recorrendo a demonstrações como: ação entre ímanes e entre balões eletrizados, corpo em queda livre, deformação de corpos. Demonstrar que as forças atuam sempre aos pares. Explicar que a força é uma grandeza vetorial e que o - Bola branca com metade pintada a preto 6 21

22 - Concluir, usando a queda de corpos na Terra, que a força gravítica se exerce à distância e é sempre atrativa. - Representar a força gravítica que atua num corpo em diferentes locais da superfície da Terra. - Indicar que a força gravítica exercida pela Terra sobre um corpo aumenta com a massa deste e diminui com a distância ao centro da Terra. seu valor se mede em Newtons. Analisar a representação de forças por meio de vetores e identificar os seus elementos. Demonstração da utilização de dinamómetros para medir forças. Realização de atividades de consolidação sobre caracterização e representação de forças por meio de vetores com identificação dos vários elementos. Realização Demonstração experimental do movimento de um objeto preso num fio em volta da mão e o movimento do mesmo quando se solta o fio. Recorrendo a esta analogia, concluir que existe uma força central responsável pelo movimento do objeto em volta da mão e pela translação dos planetas em volta do Sol ou dos satélites em volta dos planetas. Referir e representar o par de forças a que pertence a força central responsável pelo movimento da Terra em volta do Sol e da Lua em volta da Terra. Explicitar os fatores de que depende e como depende a interação gravítica: massa dos corpos e distância entre eles. - Pequeno objeto preso num fio - Associar o peso de um corpo à força gravítica que o planeta exerce sobre ele e caracterizar o peso de um corpo num dado local. - Distinguir peso de massa, assim como as respetivas unidades SI. - Concluir, a partir das medições do peso de massas marcadas, que as Exploração da animação Movimentos e forças para salientar as diferenças entre massa e peso. Caracterizar o peso enquanto grandeza vetorial. Demonstração experimental da relação entre peso e massa, medindo com dinamómetros o peso de corpos de massa conhecida. 22

23 grandezas peso e massa são diretamente proporcionais. - Indicar que a constante de proporcionalidade entre peso e massa depende do planeta e comparar os valores dessa constante à superfície da Terra e de outros planetas a partir de informação fornecida. - Aplicar, em problemas, a proporcionalidade direta entre peso e massa, incluindo a análise gráfica. Diálogo que permita aos alunos reconhecerem que a massa de um corpo não varia, mas o seu peso (que resulta da atração gravítica exercida pela Terra) varia com o lugar da Terra onde se encontra e com o planeta para onde é transportado. Exploração da simulação Peso de um corpo nos diferentes planetas que permite constatar como varia o peso de planeta para planeta no Sistema Solar. - Dinamómetro - Balança digital - Indicar que a Terra e outros planetas orbitam em torno do Sol e que a Lua orbita em torno da Terra devido à força gravítica. - Indicar que a física estuda, entre outros fenómenos do Universo, os movimentos e as forças. Revisões, testes, correção de testes, auto e heteroavaliação. 18 Nota: Cada aula corresponde a um tempo de 45 minutos. 23

PLANO DE ESTUDOS DE FÍSICO-QUÍMICA 7.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE FÍSICO-QUÍMICA 7.º ANO DE FÍSICO-QUÍMICA 7.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO O aluno é capaz de: o Conhecer e compreender a constituição do Universo, localizando a Terra, e reconhecer o papel da observação e dos instrumentos

Leia mais

Escola Secundária de Eça de Queirós-Póvoa de Varzim PLANIFICAÇÃO A MÉDIO / LONGO PRAZO

Escola Secundária de Eça de Queirós-Póvoa de Varzim PLANIFICAÇÃO A MÉDIO / LONGO PRAZO 2015/201 1.º Período DISCIPLINA: Ciências Físico-Químicas ANO: 7.º CURSO: 3.º Ciclo do Ensino Básico Total de aulas previstas: 38 Domínio: I. Espaço Subdomínio: I.1. Universo Objetivo Geral: 1. Conhecer

Leia mais

Escola E.B. 2,3 D. Afonso III Ano Letivo: 2014/2015

Escola E.B. 2,3 D. Afonso III Ano Letivo: 2014/2015 Escola E.B. 2,3 D. Afonso III Ano Letivo: 2014/2015 Plano Curricular de Ciências Físico-Químicas - 3º Ciclo 7º Ano Domínio Subdomínios Metas Nº de Aulas Previstas ESPAÇO 7º Ano Universo 1. Conhecer e compreender

Leia mais

2. Compreender a classificação dos materiais em substâncias e misturas.

2. Compreender a classificação dos materiais em substâncias e misturas. ESCOLA E.B. 2,3 DE ANTÓNIO FEIJÓ Departamento de Matemática e Ciências Experimentais Ciências Físico-Químicas 7.º ano Ano letivo 2015/201 Distribuição dos temas específicos da disciplina de ciências Físico-Químicas,

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL. Física e Química (7º ANO) Ano letivo 2015/2016. Departamento de Matemática e Ciências Experimentais

PLANIFICAÇÃO ANUAL. Física e Química (7º ANO) Ano letivo 2015/2016. Departamento de Matemática e Ciências Experimentais AGRUPAMENTO ESCOLAS PROF. CARLOS TEIXEIRA (Cód.150502) Departamento de Matemática e Ciências Experimentais Física e Química PLANIFICAÇÃO ANUAL (7º ANO) Ano letivo 2015/2016 Ciências Físico-Químicas Planificação

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOSÉ BELCHIOR VIEGAS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOSÉ BELCHIOR VIEGAS Planificação Anual FÍSICO- QUÍMICA - 3º CICLO 7º ANO Ano letivo 2015/2016 Calendarização Subdomínio Nº de aulas previstas Domínio: Espaço Metas Curriculares Subdomínios: 1. Conhecer e compreender a constituição

Leia mais

Metas Objetivos/Descritores de Desempenho. 1. Conhecer e compreender a constituição do Universo, localizando a Terra, e O que existe no Universo.

Metas Objetivos/Descritores de Desempenho. 1. Conhecer e compreender a constituição do Universo, localizando a Terra, e O que existe no Universo. Agrupamento de Escolas de Freixo 3.º Ciclo Disciplina Ciências Físico-Químicas Ano 7.º Domínios/Subdomínios Metas Objetivos/Descritores de Desempenho Atividades/ Conteúdos Aulas Previstas 1. Conhecer e

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Moura Escola Básica nº 1 de Moura (EB23)

Agrupamento de Escolas de Moura Escola Básica nº 1 de Moura (EB23) Planificação de Ciências Físico Químicas 7º ano 2014/2015 Tema Conteúdos Metas de aprendizagem Operacionalização Avaliação Terra no espaç o O Universo 1. O que existe no Universo 1.1.Origem e evolução

Leia mais

1.º PERÍODO. n.º de aulas previstas DOMÍNIOS SUBDOMÍNIOS/CONTEÚDOS OBJETIVOS. De 36 a 41

1.º PERÍODO. n.º de aulas previstas DOMÍNIOS SUBDOMÍNIOS/CONTEÚDOS OBJETIVOS. De 36 a 41 DE FÍSICO-QUÍMICA - 7.º ANO Ano Letivo 2014 2015 PERFIL DO ALUNO O aluno é capaz de: o Conhecer e compreender a constituição do Universo, localizando a Terra, e reconhecer o papel da observação e dos instrumentos

Leia mais

Agrupamento de Escolas Luís de Camões Escola Básica 2/3 Luís de Camões

Agrupamento de Escolas Luís de Camões Escola Básica 2/3 Luís de Camões Agrupamento de Escolas Luís de Camões Escola Básica 2/3 Luís de Camões Departamento de Matemática e Ciências Experimentais Ano lectivo 2014/2015 Projeto Curricular de Físico-Química 7º Ano Domínios/Subdomínios

Leia mais

Início 15.09.11 03.01.12 10.04.12 Final 16.12.11 23.03.12 08.06.12 Interrupções - 20 22 Fev 2012 -

Início 15.09.11 03.01.12 10.04.12 Final 16.12.11 23.03.12 08.06.12 Interrupções - 20 22 Fev 2012 - TOTAL Outras Atividades Tema B: Terra em Transformação Tema A: Terra no Espaço Departamento de Matemática e Ciências Experimentais PLANIFICAÇÃO 7º Ano de Ciências Físico-Químicas Ano Letivo 2011 / 2012

Leia mais

Físico-Químicas / 7º Ano PCA Planificação Anual 2014-2015

Físico-Químicas / 7º Ano PCA Planificação Anual 2014-2015 Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros Físico-Químicas / 7º Ano PCA Planificação Anual 201-201 METAS CURRICULARES DOMÍNIO

Leia mais

Ciclo: 3º Ano: 7º Disciplina: Físico-Química. Atividades / Estratégias. Nº aulas previstas. Avaliação

Ciclo: 3º Ano: 7º Disciplina: Físico-Química. Atividades / Estratégias. Nº aulas previstas. Avaliação código 171608 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. DOMINGOS JARDO Direção Regional de Educação de Lisboa Ciclo: º Ano: 7º Disciplina: Físico-Química Conteúdos I - O Universo 1. O que existe no Universo 1.1 Estrutura

Leia mais

Rotas de aprendizagem 2015-2016. Projeto 1 Conhecer o que existe no Universo e criar o meu mapa celeste.

Rotas de aprendizagem 2015-2016. Projeto 1 Conhecer o que existe no Universo e criar o meu mapa celeste. Rotas de aprendizagem 2015-2016 Projeto 1 Conhecer o que existe no Universo e criar o meu mapa celeste. Objetivos gerais Conhecer o Universo, teorias da sua formação, constituição, causas e consequências

Leia mais

AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE COD. 346 779 COD. 152 870

AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE COD. 346 779 COD. 152 870 CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO ( Aprovados em Conselho Pedagógico de 21 de Outubro de 2014) No caso específico da disciplina de Ciências Físico-Químicas, do 7ºano de escolaridade, a avaliação incidirá

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CAMARATE PLANIFICAÇÃO A LONGO PRAZO

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CAMARATE PLANIFICAÇÃO A LONGO PRAZO 1º Período Terra no Espaço O que existe no universo 1. Estrutura e formação do Universo. 1.1 Descrição sumária da descrição do Universo, identificando as principais estruturas: estrelas, sistemas planetários,

Leia mais

CONTEÚDOS COMPETÊNCIAS ESTRATÉGIAS/ACTIVIDADES Articulação com

CONTEÚDOS COMPETÊNCIAS ESTRATÉGIAS/ACTIVIDADES Articulação com PLANIFICAÇÃO ANUAL DE CIÊNCIAS FÍSICO-QUÍMICAS 7ºANO Ano letivo 2012-2013 CONTEÚDOS COMPETÊNCIAS ESTRATÉGIAS/ACTIVIDADES Articulação com Apresentação 1.1. O Universo 1.1.1. O que existe no Universo: Estrelas

Leia mais

ESCOLA BÁSICA 2,3 DE PEDROUÇOS ANO LETIVO 2012/2013. PLANIFICAÇÃO DIDÁTICA Ciências Físico-Químicas 7º Ano

ESCOLA BÁSICA 2,3 DE PEDROUÇOS ANO LETIVO 2012/2013. PLANIFICAÇÃO DIDÁTICA Ciências Físico-Químicas 7º Ano ESCOLA BÁSICA, DE PEDROUÇOS ANO LETIVO 0/0 PLANIFICAÇÃO DIDÁTICA Ciências Físico-Químicas 7º Ano Domínio / Subdomínio Meta Final Metas Intermédias Tempos Letivos Avaliação Terra no Espaço Universo O aluno

Leia mais

Reconhecimento e explicação da importância da evolução tecnológica no nosso conhecimento atual sobre o Universo.

Reconhecimento e explicação da importância da evolução tecnológica no nosso conhecimento atual sobre o Universo. ESCOLA BÁSICA2,3 EUGÉNIO DOS SANTOS 2013 2014 página 1 ESCOLA BÁSICA DO 2.º E 3.º CICLOS EUGÉNIO DOS SANTOS PLANIFICAÇÃO E METAS DE APRENDIZAGEM DA DISCIPLINA DE CIÊNCIAS FÍSICO-QUÍMICAS 7.º ANO DE ESCOLARIDADE

Leia mais

Planificação Anual de Ciências Físico-Químicas 7º ano

Planificação Anual de Ciências Físico-Químicas 7º ano Agrupamento de Escolas À Beira Douro ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA À BEIRA DOURO - MEDAS Planificação Anual de Ciências Físico-Químicas 7º ano TEMA A: Terra no Espaço 1º Período 1 UNIVERSO Questão central

Leia mais

Escola Básica e Secundária da Graciosa Planificação Anual Físico-Química - 7ºAno - 2014-2015

Escola Básica e Secundária da Graciosa Planificação Anual Físico-Química - 7ºAno - 2014-2015 Domínio: Terra no Espaço Subdomínio: Universo Meta Final 1: O aluno constrói uma interpretação sobre a origem e composição do Universo, situando o Planeta Terra em outras estruturas mais complexas e explica

Leia mais

Ano letivo: 2011/2012 TERRA EM TRANSFORMAÇÃO

Ano letivo: 2011/2012 TERRA EM TRANSFORMAÇÃO Agrupamento de Escolas de Aveiro ESCLA BÁSICA 2º E 3º CICLS JÃ AFNS DE AVEIR CIÊNCIAS FÍSIC-QUÍMICAS - 7º AN PLANIFICAÇÃ Ano letivo: 2011/2012 1º P E R Í D 2º P E R Í D 3º P E R Í D TEMAS TERRA EM TRANSFRMAÇÃ

Leia mais

Domínio: Terra no Espaço

Domínio: Terra no Espaço Escola Secundária Vitorino Nemésio Disciplina de Ciências Físico-Químicas Metas de Aprendizagem - 7º Ano de Escolaridade Domínio: Terra no Espaço Subdomínio: Universo O aluno constrói uma interpretação

Leia mais

Há cerca de 15 mil milhões de anos, uma grande explosão deu origem ao Universo o Big Bang.

Há cerca de 15 mil milhões de anos, uma grande explosão deu origem ao Universo o Big Bang. Ano Letivo 2011/2012 Agrupamento de Escolas de Porto de Mós / Escola Secundária Ciências Físico-Químicas 7º ano Ficha de Informativa 7º ano 1. UNIVERSO Há cerca de 15 mil milhões de anos, uma grande explosão

Leia mais

Calendarização da Componente Letiva

Calendarização da Componente Letiva Calendarização da Componente Letiva s 7º Ano Físico-Química 1º 2º 3º Número de aulas previstas (45 minutos) 39 30 30 Apresentação e Diagnóstico 2 Avaliação (preparação, fichas de avaliação e correção)

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMORA CORREIA ESCOLA BÁSICA PROF. JOÃO FERNANDES PRATAS ESCOLA BÁSICA DE PORTO ALTO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMORA CORREIA ESCOLA BÁSICA PROF. JOÃO FERNANDES PRATAS ESCOLA BÁSICA DE PORTO ALTO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMORA CORREIA ESCOLA BÁSICA PROF. JOÃO FERNANDES PRATAS ESCOLA BÁSICA DE PORTO ALTO Prova Extraordinária de Avaliação Físico-Química 3º Ciclo - 7.º Ano de Escolaridade Despacho

Leia mais

Movimento Annual do Sol, Fases da Lua e Eclipses

Movimento Annual do Sol, Fases da Lua e Eclipses Movimento Annual do Sol, Fases da Lua e Eclipses FIS02010 Professora Ana Chies Santos IF/UFRGS https://anachiessantos.wordpress.com/ensino/fis02010/ Facebook #AstroUFRGS Relembrando... Sistemas de Coordenadas

Leia mais

Boa tarde a todos!! Sejam bem vindos a aula de Física!! Professor Luiz Fernando

Boa tarde a todos!! Sejam bem vindos a aula de Física!! Professor Luiz Fernando Boa tarde a todos!! Sejam bem vindos a aula de Física!! Professor Luiz Fernando Minha História Nome: Luiz Fernando Casado 24 anos Naturalidade: São José dos Campos Professor de Física e Matemática Formação:

Leia mais

UNIDADE 2: ASTRONOMIA

UNIDADE 2: ASTRONOMIA UNIDADE 2: ASTRONOMIA ARISTÓTELES (384-322 a.c.) Afirmou que a Terra era redonda devido à sombra esférica deixada por ela durante o eclipse lunar. ERATÓSTENES (273-194 a.c.) Mediu a circunferência da Terra

Leia mais

Termos Técnicos Ácidos Classe de substâncias que têm ph igual ou maior que 1 e menor que 7. Exemplo: sumo do limão. Átomos Todos os materiais são formados por pequenas partículas. Estas partículas chamam-se

Leia mais

Calendarização da Componente Letiva

Calendarização da Componente Letiva AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANDRÉ SOARES (150952) Calendarização da Componente Letiva 7º Ano Físico-Química Períodos 1º 2º 3º Período Período Período Número de aulas previstas (45 minutos) 39 36 25 Apresentação

Leia mais

CIÊNCIAS PROVA 2º BIMESTRE 6º ANO PROJETO CIENTISTAS DO AMANHÃ

CIÊNCIAS PROVA 2º BIMESTRE 6º ANO PROJETO CIENTISTAS DO AMANHÃ PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ENSINO COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO CIÊNCIAS PROVA 2º BIMESTRE 6º ANO PROJETO CIENTISTAS DO AMANHÃ Prova elaborada

Leia mais

As estações do ano acontecem por causa da inclinação do eixo da Terra em relação ao Sol. O movimento do nosso planeta em torno do Sol, dura um ano.

As estações do ano acontecem por causa da inclinação do eixo da Terra em relação ao Sol. O movimento do nosso planeta em torno do Sol, dura um ano. PROFESSORA NAIANE As estações do ano acontecem por causa da inclinação do eixo da Terra em relação ao Sol. O movimento do nosso planeta em torno do Sol, dura um ano. A este movimento dá-se o nome de movimento

Leia mais

Propriedades físicas e químicas das substâncias

Propriedades físicas e químicas das substâncias Propriedades físicas e químicas das substâncias Na Natureza há uma grande diversidade de materais. Muitos desses materais são substâncias mas será que são puras? Há substâncias que, mesmo misturadas com

Leia mais

PROPRIEDADES DA MATÉRIA

PROPRIEDADES DA MATÉRIA Profª Msc.Anna Carolina A. Ribeiro PROPRIEDADES DA MATÉRIA RELEMBRANDO Matéria é tudo que tem massa e ocupa lugar no espaço. Não existe vida nem manutenção da vida sem matéria. Corpo- Trata-se de uma porção

Leia mais

Ciências Físico-Químicas Ano Lectivo 2010/2011

Ciências Físico-Químicas Ano Lectivo 2010/2011 Ciências Físico-Químicas Ano ectivo 2010/2011 Nome 7.º Ano Turma Número Mudanças de estado físico, ponto de fusão, ponto de ebulição e concentração mássica 1. Indique, justificando, se a temperatura a

Leia mais

I Olimpíada Brasileira de Astronomia Brasil, 22 de agosto de 1998. Nível 1 GABARITO OFICIAL

I Olimpíada Brasileira de Astronomia Brasil, 22 de agosto de 1998. Nível 1 GABARITO OFICIAL I Olimpíada Brasileira de Astronomia Brasil, 22 de agosto de 1998. Nível 1 GABARITO OFICIAL Questão 1 a) (VALOR: 0,2 pts) Quais os planetas do Sistema Solar que têm sistema de anéis? R: Saturno, Júpiter,

Leia mais

O Sistema Solar 11/12/2014. Unidade 2 O SISTEMA SOLAR. 1. Astros do Sistema Solar 2. Os planetas do Sistema Solar

O Sistema Solar 11/12/2014. Unidade 2 O SISTEMA SOLAR. 1. Astros do Sistema Solar 2. Os planetas do Sistema Solar Ciências Físico-químicas - 7º ano de escolaridade Unidade 2 O SISTEMA SOLAR O Sistema Solar 1. Astros do Sistema Solar 2. Os planetas do Sistema Solar 2 1 Competências a desenvolver: Caracterização do

Leia mais

Autor: (C) Ángel Franco García. Ptolomeu e Copérnico. Os planetas do Sistema Solar. Os satélites. Atividades

Autor: (C) Ángel Franco García. Ptolomeu e Copérnico. Os planetas do Sistema Solar. Os satélites. Atividades Nesta página eu apenas traduzi podendo ter introduzido, retirado ou não alguns tópicos, inclusive nas simulações. A página original, que considero muito boa é: Autor: (C) Ángel Franco García O Sistema

Leia mais

SISTEMA SOLAR TERRA, SOL E LUA

SISTEMA SOLAR TERRA, SOL E LUA SISTEMA SOLAR TERRA, SOL E LUA Apresentado por Thays Barreto Março de 2014 TERRA TERRA Terceiro planeta do Sistema Solar, pela ordem de afastamento do Sol; Diâmetro equatorial: 12.756 Km; Diâmetro polar:

Leia mais

Prof. Franco Augusto

Prof. Franco Augusto Prof. Franco Augusto Astros São corpos que giram no espaço, classificados de acordo com a luminosidade. Iluminados ou opacos não possuem luz própria, recebendo luz das estrelas. São os planetas, asteroides,

Leia mais

Movimento Anual do Sol, Fases da Lua e Eclipses

Movimento Anual do Sol, Fases da Lua e Eclipses Elementos de Astronomia Movimento Anual do Sol, Fases da Lua e Eclipses Rogemar A. Riffel Sol, Terra e Lua Movimento Diurno do Sol Relembrando a aula passada De leste para oeste; O círculo diurno do Sol

Leia mais

O Sistema Solar, a Galáxia e o Universo. Prof Miriani G. Pastoriza Dep de Astronomia, IF

O Sistema Solar, a Galáxia e o Universo. Prof Miriani G. Pastoriza Dep de Astronomia, IF O Sistema Solar, a Galáxia e o Universo Prof Miriani G. Pastoriza Dep de Astronomia, IF O Sistema Solar Matéria do Sis. Solar (%) Sol 99.85 Planetas 0.135 Cometas:0.01 Satélites Meteoróides Meio Interplanetario

Leia mais

Oficina de CNII/EF Material do Aluno. Tema: Sistema Solar. Prezado Aluno,

Oficina de CNII/EF Material do Aluno. Tema: Sistema Solar. Prezado Aluno, Tema: Sistema Solar Prezado Aluno, Nesta oficina, você desenvolverá atividades que abordam a constituição do Sistema Solar, os movimentos dos astros, os fenômenos celestes e sua relação com o planeta Terra.

Leia mais

PAUTA DO DIA. Acolhida Revisão Interatividades Intervalo Avaliação

PAUTA DO DIA. Acolhida Revisão Interatividades Intervalo Avaliação PAUTA DO DIA Acolhida Revisão Interatividades Intervalo Avaliação REVISÃO 1 Astronomia Ciência que estuda os astros e os fenômenos relacionados a eles. REVISÃO 1 Relaciona os fenômenos celestes aos fatos

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL Documento(s) Orientador(es): Programa Física e Química A 10º Ano ENSINO SECUNDÁRIO FÍSICA E QUÍMICA A 10º ANO TEMAS/DOMÍNIOS

Leia mais

Ficha Informativa n.º 4 Materiais

Ficha Informativa n.º 4 Materiais AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE FRAZÃO ESCOLA E.B. 2,3 DE FRAZÃO CIÊNCIAS FÍSICO-QUÍMICAS 9º ANO DE ESCOLARIDADE ANO LETIVO 2011/2012 Ficha Informativa n.º 4 Materiais Nome: Data: / /2012 INTRODUÇÃO

Leia mais

Considera-se que o Sistema Solar teve origem há cerca de 5 mil milhões de anos.

Considera-se que o Sistema Solar teve origem há cerca de 5 mil milhões de anos. 19 e 20 17/11/2011 Sumário Correção do TPC. Como se formou o Sistema Solar? Constituição do Sistema Solar. Os planetas do Sistema Solar. Principais características dos planetas do Sistema Solar. Outros

Leia mais

International Space Station - ISS

International Space Station - ISS International Space Station - ISS International Space Station - ISS Agenda O que é a Estação Espacial Internacional (ISS)? O kit da ISS: Propostas de integração no currículo do 3.º ciclo - Algumas questões

Leia mais

Versão 2. Utiliza apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta.

Versão 2. Utiliza apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta. Teste Intermédio de Físico-Química Versão 2 Teste Intermédio Físico-Química Versão 2 Duração do Teste: 90 minutos 18.04.2013 9.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 6/2001, de 18 de janeiro????????????

Leia mais

Escola Estadual Jerônimo Gueiros Professor (a) Supervisor (a): Ary Pereira Bolsistas: Ana Moser e Débora Leyse

Escola Estadual Jerônimo Gueiros Professor (a) Supervisor (a): Ary Pereira Bolsistas: Ana Moser e Débora Leyse Universidade Federal do Rio Grande do Norte Centro de Ciências Humanas Letras e Artes Departamento de Geografia Programa Institucional de Iniciação à docência (PIBID) Escola Estadual Jerônimo Gueiros Professor

Leia mais

XI OLIMPÍADA REGIONAL DE CIÊNCIAS-2009 O Sistema Solar

XI OLIMPÍADA REGIONAL DE CIÊNCIAS-2009 O Sistema Solar XI OLIMPÍADA REGIONAL DE CIÊNCIAS-2009 O Sistema Solar Gabarito Primeira Fase Cruzadinha 3 6 1 V Ê N U S E 2 L U A 8 1 S N M 3 E S P E C T R O S C O P I A Q 2 R R U T E 4 É I 4 E C L Í P T I C A 7 N R

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOSÉ BELCHIOR VIEGAS. Planificação Anual FÍSICO- QUÍMICA - 3º CICLO 7º ANO Ano letivo 2016/2017

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOSÉ BELCHIOR VIEGAS. Planificação Anual FÍSICO- QUÍMICA - 3º CICLO 7º ANO Ano letivo 2016/2017 Planificação Anual FÍSICO- QUÍMICA - 3º CICLO 7º ANO Ano letivo 2016/2017 Calendarização Subdomínio Nº de aulas previstas Domínio: Espaço Metas Curriculares Subdomínios: 1. Conhecer e compreender a constituição

Leia mais

O interesse da Química é analisar as...

O interesse da Química é analisar as... O interesse da Química é analisar as... PROPRIEDADES CONSTITUINTES SUBSTÂNCIAS E MATERIAIS TRANSFORMAÇÕES ESTADOS FÍSICOS DOS MATERIAIS Os materiais podem se apresentar na natureza em 3 estados físicos

Leia mais

Movimentos da Terra e suas consequências

Movimentos da Terra e suas consequências Movimentos da Terra e suas consequências Movimentos da Terra A Terra descreve, como todos os outros planetas principais do Sistema Solar: Movimento de rotação movimento em torno de si própria, em volta

Leia mais

Movimentos da Terra. 4) Número de aulas: São seis etapas que serão divididas em aulas a critério do professor.

Movimentos da Terra. 4) Número de aulas: São seis etapas que serão divididas em aulas a critério do professor. Movimentos da Terra 1) Objetivo Geral Aplicar os conhecimentos sobre os movimentos da Terra e da Lua para o cotidiano, e mais especificamente, para a economia de energia elétrica como o horário de verão

Leia mais

COLÉGIO SANTA TERESINHA R. Madre Beatriz 135 centro Tel. (33) 3341-1244 www.colegiosantateresinha.com.br

COLÉGIO SANTA TERESINHA R. Madre Beatriz 135 centro Tel. (33) 3341-1244 www.colegiosantateresinha.com.br PLANEJAMENTO DE AÇÕES DA 2 ª ETAPA 2015 PERÍODO DA ETAPA: 01/09/2015 á 04/12/2015 TURMA: 9º Ano EF II DISCIPLINA: CIÊNCIAS / QUÍMICA 1- S QUE SERÃO TRABALHADOS DURANTE A ETAPA : Interações elétricas e

Leia mais

ESCOLA SALESIANA DE MANIQUE MATRIZ DO 5.º TESTE 2010/2011 CIÊNCIAS FÍSICO-QUÍMICAS 7.º ANO

ESCOLA SALESIANA DE MANIQUE MATRIZ DO 5.º TESTE 2010/2011 CIÊNCIAS FÍSICO-QUÍMICAS 7.º ANO ESCOLA SALESIANA DE MANIQUE MATRIZ DO 5.º TESTE 2010/2011 CIÊNCIAS FÍSICO-QUÍMICAS 7.º ANO TEMAS OBJECTIVOS DE APRENDIZAGEM COTAÇÃO ESTRUTURA CRITÉRIOS DE CORRECÇÃO Questão 1 Questão 1: 8% Tipo de questões:

Leia mais

06-01-2012. Sumário. O Sistema Solar. Principais características dos planetas do Sistema Solar 05/01/2012. 23 e 24

06-01-2012. Sumário. O Sistema Solar. Principais características dos planetas do Sistema Solar 05/01/2012. 23 e 24 Sumário Os planetas do Sistema Solar e as suas principais características. (BI dos Planetas do Sistema Solar). Atividade Prática de Sala de Aula Características dos planetas. Preenchimento de tabelas,

Leia mais

15 O sistema solar e seus planetas

15 O sistema solar e seus planetas A U A UL LA Atenção O sistema solar e seus planetas Leia com atenção as notícias abaixo, que apareceram em jornais de diferentes épocas. ANO DE 1781 CIENTISTAS DESCOBREM NOVO PLANETA De há quase 2.000

Leia mais

www.google.com.br/search?q=gabarito

www.google.com.br/search?q=gabarito COLEGIO MÓDULO ALUNO (A) série 6 ano PROFESSOR GABARITO DA REVISÃO DE GEOGRAFIA www.google.com.br/search?q=gabarito QUESTÃO 01. a) Espaço Geográfico RESPOSTA: representa aquele espaço construído ou produzido

Leia mais

A Matéria e Diagrama de Fases. Profº André Montillo www.montillo.com.br

A Matéria e Diagrama de Fases. Profº André Montillo www.montillo.com.br A Matéria e Diagrama de Fases Profº André Montillo www.montillo.com.br Substância: É a combinação de átomos de elementos diferentes em uma proporção de um número inteiro. O átomo não é criado e não é destruído,

Leia mais

QUÍMICA TECNOLÓGICA I

QUÍMICA TECNOLÓGICA I Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri Bacharelado em Ciência e Tecnologia Diamantina - MG QUÍMICA TECNOLÓGICA I Prof a. Dr a. Flaviana Tavares Vieira flaviana.tavares@ufvjm.edu.br Alquimia

Leia mais

OBA Conteúdos das Avaliações Data: 15/5/2015 (6ª feira)

OBA Conteúdos das Avaliações Data: 15/5/2015 (6ª feira) OBA Conteúdos das Avaliações Data: 15/5/2015 (6ª feira) Constituição da Avaliação 5 perguntas de Astronomia; 3 perguntas de Astronáutica; 2 perguntas sobre Energia. Perguntas Práticas e/ou Observacionais

Leia mais

PROPRIEDADES DOS MATERIAIS QUÍMICA GERAL

PROPRIEDADES DOS MATERIAIS QUÍMICA GERAL PROPRIEDADES DOS MATERIAIS QUÍMICA GERAL PROPRIEDADES DA MATÉRIA CONCEITOS BÁSICOS MATÉRIA: tudo o que tem massa e ocupa lugar no espaço. CORPO/OBJETO: porção limitada da matéria. MASSA: quantidade matéria,

Leia mais

Separação de Misturas

Separação de Misturas 1. Introdução Separação de Misturas As misturas são comuns em nosso dia a dia. Como exemplo temos: as bebidas, os combustíveis, e a própria terra em que pisamos. Poucos materiais são encontrados puros.

Leia mais

-2014- CONTEÚDO SEPARADO POR TRIMESTRE E POR AVALIAÇÃO CIÊNCIAS 9º ANO 1º TRIMESTRE

-2014- CONTEÚDO SEPARADO POR TRIMESTRE E POR AVALIAÇÃO CIÊNCIAS 9º ANO 1º TRIMESTRE -2014- CONTEÚDO SEPARADO POR TRIMESTRE E POR AVALIAÇÃO CIÊNCIAS 9º ANO 1º TRIMESTRE DISCURSIVA OBJETIVA QUÍMICA FÍSICA QUÍMICA FÍSICA Matéria e energia Propriedades da matéria Mudanças de estado físico

Leia mais

Universidade da Madeira. Sistema Solar. Grupo de Astronomia. Laurindo Sobrinho. 7 de dezembro de 2015. Image Credit: NASA/CXC/SAO

Universidade da Madeira. Sistema Solar. Grupo de Astronomia. Laurindo Sobrinho. 7 de dezembro de 2015. Image Credit: NASA/CXC/SAO Sistema Solar Laurindo Sobrinho 7 de dezembro de 2015 Image Credit: NASA/CXC/SAO 1 Planetas principais do Sistema Solar (são 8): Planetas rochosos (planetas interiores): Mercúrio Vénus Terra Marte Planetas

Leia mais

TEMA 1 TERRA NO ESPAÇO TEMA 2 TERRA EM TRANSFORMAÇÃO. Ciências Físico-Químicas SOLUÇÕES

TEMA 1 TERRA NO ESPAÇO TEMA 2 TERRA EM TRANSFORMAÇÃO. Ciências Físico-Químicas SOLUÇÕES 7 TEMA 1 TERRA NO ESPAÇO TEMA 2 TERRA EM TRANSFORMAÇÃO Ciências Físico-Químicas CIÊNCIAS FÍSICO-QUÍMICAS PREPARAR OS TESTES TEMA 1 Terra no Espaço EXERCÍCIOS PROPOSTOS PÁGS. 16-17 UNIVERSO 1. a) A Ursa

Leia mais

2.1 Astros do Sistema Solar

2.1 Astros do Sistema Solar 2.1 Astros do Sistema Solar 2.1 Astros do Sistema Solar Constituição do Sistema Solar Sol Planetas (e respetivos satélites) Asteroides Cometas Planetas anões Sol 2.1 Astros do Sistema Solar Constituição

Leia mais

A Matéria Química Geral

A Matéria Química Geral Química Geral A Matéria Tudo o que ocupa lugar no espaço e tem massa. A matéria nem sempre é visível Noções Preliminares Prof. Patrícia Andrade Mestre em Agricultura Tropical Massa, Inércia e Peso Massa:

Leia mais

Leis de Newton e Forças Gravitacionais

Leis de Newton e Forças Gravitacionais Introdução à Astronomia Leis de Newton e Forças Gravitacionais Rogério Riffel Leis de Newton http://www.astro.ufrgs.br/bib/newton.htm Newton era adepto das ideias de Galileo. Galileo: Um corpo que se move,

Leia mais

GABARITO DA PROVA OLÍMPICA DO NÍVEL II DA II OBA

GABARITO DA PROVA OLÍMPICA DO NÍVEL II DA II OBA 1. A astronomia estuda tudo que está fora da Terra, como por exemplo, os planetas, as estrelas, os cometas, as galáxias, as constelações, os movimentos destes corpos, etc. Para observar estes corpos basta

Leia mais

Apostila de Física 28 Gravitação Universal

Apostila de Física 28 Gravitação Universal Apostila de Física 28 Gravitação Universal 1.0 História Astrônomo grego Cláudio Ptolomeu (87-150): Sistema planetário geocêntrico A Terra é o centro do universo. A Lua e o Sol descreveriam órbitas circulares

Leia mais

O Ensino da Astronomia

O Ensino da Astronomia O Ensino da Astronomia Os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN) indicam o estudo da Astronomia no 3o e 4o ciclos do Ensino Fundamental, na área de Ciências Naturais, no eixo temático "Terra e Universo"

Leia mais

Figura 1 - O movimento da Lua em torno da Terra e as diferentes fases da Lua

Figura 1 - O movimento da Lua em torno da Terra e as diferentes fases da Lua Estudo do Meio Físico e Natural I Movimentos reais e aparentes dos astros J. L. G. Sobrinho Centro de Ciências Exactas e da Engenharia Universidade da Madeira A Lua e a Terra A Lua está a sempre visível

Leia mais

Um outro olhar sobre o Universo

Um outro olhar sobre o Universo Escola Superior de Educação Jean Piaget Um outro olhar sobre o Universo (disciplina leccionada em regime semi-presencial) Edição 2007 Guia de aprendizagem do aluno Ana Filipa Coelho, Júlia M. Carvalho,

Leia mais

CONTEÚDOS OBJETIVOS PERÍODO

CONTEÚDOS OBJETIVOS PERÍODO ESCOLA BÁSICA2,3 EUGÉNIO DOS SANTOS 2013 2014 página 1 ESCOLA BÁSICA DO 2.º E 3.º CICLOS EUGÉNIO DOS SANTOS PLANIFICAÇÃO E METAS DE APRENDIZAGEM DA DISCIPLINA DE CIÊNCIAS FÍSICO-QUÍMICAS 8.º ANO DE ESCOLARIDADE

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DA 3ª ETAPA - 2013

PROGRAMAÇÃO DA 3ª ETAPA - 2013 PROGRAMAÇÃO DA 3ª ETAPA - 2013 FÍSICA CARLOS 3ª MÉDIO Srs. pais ou responsáveis, caros alunos, Encaminhamos a Programação de Etapa, material de apoio para o acompanhamento dos conteúdos e habilidades que

Leia mais

Como distinguir misturas homogéneas de misturas heterogéneas. Uma mistura é constituída por dois ou mais componentes

Como distinguir misturas homogéneas de misturas heterogéneas. Uma mistura é constituída por dois ou mais componentes Como distinguir misturas homogéneas de misturas heterogéneas Uma mistura é constituída por dois ou mais componentes Homogéneas As pizzas são misturas heterogéneas Heterogéneas coloidais A espuma para o

Leia mais

Estações do Ano e Fases da Lua

Estações do Ano e Fases da Lua ESPECIALIZAÇAO EM CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO Estações do Ano e Fases da Lua Prof. Nelson Luiz Reyes Marques Movimentos da Terra Quais são os movimentos da Terra? 1. Rotação 2. Revolução 3. Precessão

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL - CIÊNCIAS 9ºANO- UNIDADE 3 - CAPÍTULO 1

ENSINO FUNDAMENTAL - CIÊNCIAS 9ºANO- UNIDADE 3 - CAPÍTULO 1 ENSINO FUNDAMENTAL - CIÊNCIAS 9ºANO- UNIDADE 3 - CAPÍTULO 1 questão 01. O que é Astrofísica? questão 02. O que são constelações? questão 03. Como era o calendário Lunar? questão 04. Qual era diferença

Leia mais

CONSTRUIR E UTILIZAR UM ASTROLÁBIO SIMPLES

CONSTRUIR E UTILIZAR UM ASTROLÁBIO SIMPLES CONSTRUIR E UTILIZAR UM ASTROLÁBIO SIMPLES INTRODUÇÃO O astrolábio é um instrumento que serve para medir ângulos. Foi bastante utilizado no passado por exemplo pelos navegadores do tempo dos Descobrimentos

Leia mais

INTRODUÇÃO À ASTRONOMIA SANDRO FERNANDES

INTRODUÇÃO À ASTRONOMIA SANDRO FERNANDES INTRODUÇÃO À ASTRONOMIA SANDRO FERNANDES O que é a Astronomia? É a ciência que estuda o universo, numa tentativa de perceber a sua estrutura e evolução. Histórico É a ciência mais antiga. Os registros

Leia mais

SEPARAÇÃO DE MISTURAS Exercícios

SEPARAÇÃO DE MISTURAS Exercícios SEI Ensina - MILITAR Química SEPARAÇÃO DE MISTURAS Exercícios 1.A água potável é um recurso natural considerado escasso em diversas regiões do nosso planeta. Mesmo em locais onde a água é relativamente

Leia mais

Conservação de Energia

Conservação de Energia Conservação de Energia Sistemas físicos O que é um sistema físico? Um sistema físico é uma porção do universo que escolhemos para analisar e estudar. Sistema Fronteira Sistema Exterior Um sistema físico

Leia mais

AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE COD. 346 779 COD. 152 870

AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE COD. 346 779 COD. 152 870 CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO ( Aprovados em Conselho Pedagógico de 21 de Outubro de 2014) No caso específico da disciplina de FÍsica, do 12ºano de escolaridade, a avaliação incidirá ainda ao nível

Leia mais

Insígnia de Competência de Astrónomo Alguns apontamentos para Exploradores

Insígnia de Competência de Astrónomo Alguns apontamentos para Exploradores Insígnia de Competência de Astrónomo Alguns apontamentos para Exploradores 1 Conhecer a influência do sol, terra e lua nas estações do ano (exs: culturas, flores, frutos, árvores, entre outros) 2 Conhecer

Leia mais

Propriedades físicas e químicas das substâncias

Propriedades físicas e químicas das substâncias Ciências Físico-Químicas - 7º ano Propriedades físicas e M. Neli G. C. Cavaleiro M. Domingas Beleza Há substâncias que, mesmo misturadas com outras, facilmente identificamos através de características

Leia mais

Prova Escrita de Física e Química A

Prova Escrita de Física e Química A Exame Final Nacional do Ensino Secundário Prova Escrita de Física e Química A 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 715/Época Especial Critérios de Classificação 11 Páginas

Leia mais

Leis e Modelos Científicos

Leis e Modelos Científicos Leis e Modelos Científicos Pág 2 Antes de existir meios para desenvolver pesquisas em relação à Ciência, a maior parte dos seres humanos tinham a ideia de que o mundo apareceu devido a uma obra divina.

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CAMARATE

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CAMARATE ESCOLA SECUNDÁRIA DE CAMARATE Departamento de Matemática e Ciências Experimentais Ano Letivo 2014/15 Planificação Grupo 510 8º Ano e 7º( subdomínios em falta) Ciências Físico-Químicas Gestão Temporal 8º

Leia mais

g= 10 m.s c = 3,0 10 8 m.s -1 h = 6,63 10-34 J.s σ = 5,7 10-8 W.m -2 K -4

g= 10 m.s c = 3,0 10 8 m.s -1 h = 6,63 10-34 J.s σ = 5,7 10-8 W.m -2 K -4 TESTE DE FÍSICO - QUÍMICA 10 º Ano Componente de Física A Duração do Teste: 90 minutos Relações entre unidades de energia W = F r 1 TEP = 4,18 10 10 J Energia P= t 1 kw.h = 3,6 10 6 J Q = mc θ P = U i

Leia mais

Resumo das atividades para o Nível I pré-escolar, 1º e 2º anos

Resumo das atividades para o Nível I pré-escolar, 1º e 2º anos Resumo das atividades para o Nível I pré-escolar, 1º e 2º anos Papel Como atividade propõe-se a realização de um processo artesanal de reciclagem de papel. Associada a esta temática pretende-se transmitir

Leia mais

REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE I

REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE I Aula: 6.1 REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE I 2 O universo 3 Galáxias São conjuntos de sistemas estelares que contêm mais de 100 bilhões de estrelas, poeira e gases. Via Láctea Constelação Agrupamento aparente

Leia mais

Física. Setor B. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 9 (pág. 102) AD TM TC. Aula 10 (pág. 102) AD TM TC. Aula 11 (pág.

Física. Setor B. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 9 (pág. 102) AD TM TC. Aula 10 (pág. 102) AD TM TC. Aula 11 (pág. Física Setor B Prof.: Índice-controle de Estudo Aula 9 (pág. 102) AD TM TC Aula 10 (pág. 102) AD TM TC Aula 11 (pág. 104) AD TM TC Aula 12 (pág. 106) AD TM TC Aula 13 (pág. 107) AD TM TC Aula 14 (pág.

Leia mais

Janine Coutinho Canuto

Janine Coutinho Canuto Janine Coutinho Canuto Termologia é a parte da física que estuda o calor. Muitas vezes o calor é confundido com a temperatura, vamos ver alguns conceitos que irão facilitar o entendimento do calor. É a

Leia mais

ENSINO MÉDIO 01 - PLANETA TERRA FORMA E MOVIMENTO

ENSINO MÉDIO 01 - PLANETA TERRA FORMA E MOVIMENTO ENSINO MÉDIO 01 - PLANETA TERRA FORMA E MOVIMENTO QUESTÃO 01 - Sobre as características gerais dos movimentos terrestres, julgue os itens: a) É incorreto dizer que o Sol nasce a leste e se põe a oeste,

Leia mais

PROF. RICARDO TEIXEIRA O UNIVERSO E O SISTEMA SOLAR

PROF. RICARDO TEIXEIRA O UNIVERSO E O SISTEMA SOLAR PROF. RICARDO TEIXEIRA O UNIVERSO E O SISTEMA SOLAR Teorias da origem do Universo O Universo É tudo que existe; é o conjunto formado pelos planetas, cometas, estrelas, galáxias, etc. Existem várias teorias

Leia mais

QUÍMICA QUESTÃO 41 QUESTÃO 42

QUÍMICA QUESTÃO 41 QUESTÃO 42 Processo Seletivo/UNIFAL- janeiro 2008-1ª Prova Comum TIPO 1 QUÍMICA QUESTÃO 41 Diferentes modelos foram propostos ao longo da história para explicar o mundo invisível da matéria. A respeito desses modelos

Leia mais