História da Animação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "História da Animação"

Transcrição

1 História da Animação 1 Sombras Chinesas Originárias na China por volta de a.c., foram disseminadas na Indonésia e depois da Europa do século XVII. Os teatros de sombras utilizam marionetes articulados, projetando suas sombras em anteparos (telas) de linho, graças às características físicas da luz, como a trajetória em linha reta e a relação entre distância, tamanho e nitidez da sombra (princípio da distância focal). 2 1

2 Lanterna Mágica Lanterna Mágica Obra do alemão Anthonasius Kircher Sistema rudimentar, constituído de placas de cristal desenhadas e por partes móveis, que manipuladas mecanicamente, conferiam movimento aos personagens. 3 FANTASMAGORIA - Mistura de teatro de sombras, lanterna mágica, projeções de imagens de fundo e em espelhos e truques. Febre na Europa durante o século XVIII, é o tataravô do cinema de terror. 4 2

3 Lanterna Mágica Durante todo os século XVIII e XIX, até a criação do cinematógrafo, as projeções em lanterna mágica chegavam às cidades e vilarejos por contadores de histórias que reuniam os moradores em torno das imagens fantásticas e das histórias que elas ilustravam. 5 Lanterna Mágica 6 3

4 1824 Peter Mark Roget descobre o principio da Persistência Retiniana, no qual todo movimento pode ser decomposto numa série de imagens fixas. Nos anos posteriores surgem vários aparelhos ópticos

5 Thaumatrópio, inventado entre 1820 e 1825 por William Fitton Baseado nos postulados de Roget, Joseph Antoine Plateau cria o Fenacisticopio 10 5

6 Zootropio de Willian Lincoln 12 6

7 1878 Praxinoscopio, de Emile Reynaud Cinestoscopio de Thomas Edison 14 7

8 1895 Cinematografo dos irmãos Lumiere Segundo de Chomón cria o filme El Hotel Eléctrico. Primeiro filme produzido com a técnica de pixilação, que consiste em manipular elementos e personagens em cada fotograma filmado. Deste modo, tem-se a sensação que os objetos se movem sozinhos

9 1906 Humorous Phases of Funny Faces, de James Stuart Blackton. O autor desenha personagens que são animados através da técnica de fotograma a fotograma Émile Cohl cria o filme Fantasmagoria, considerado por muitos o primeiro filme de animação propriamente dito, na técnica de fotograma a fotograma

10 1911 Winsor McCay adapta Little Nemo para animação. Posteriormente, em 1914, criaria Gertie, o Dinossauro

11 1912 O cientista russo Ladislas Starewicz cria o primiro filme de animção de bonecos (stop motion) Earl Hurd cria o acetato para animação, dando uma contribuição fundamental para incipiente industria da animação. No mesmo ano, Max Fleisher cria o rotoscopio

12 1917 O italiano emigrado para Argentina, Quirino Cristiani, cria o primeiro longa metragem de animação: El Apóstol Pat Sullivan e Otto Mesmer criam o Gato Félix, talvez a primeira série de animação 24 12

13 1928 Walt Disney realiza o primeiro filme de animação sonoro com o rato Mickey como protagonista: Steamboat Willie (O Barco a Vapor Willie) Disney cria o primeiro filme de animação em cores: Flowers and Trees (Flores e Árvores) 26 13

14 1937 Disney produz o curtametragem The Old Mil (O Velho Moinho), no qual usa o conceito de multiplano conferindo profundidade a animação. Este curta foi um ensaio para Branca de Neve e o Sete Anões, o primeiro longa metragem de animação a alcançar grande êxito de bilheteria e crítica

15 Ken Knowlton, realiza nos laboratórios da Bell, em Nova York, as primeiras incursões na animação por computador As empresas Pixar e Disney lançam Toy Story, o primeiro longa totalmente de animação 3D da história

16 31 16

ANIMAÇÕES WEB AULA 3. princípios da animação. professor Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com

ANIMAÇÕES WEB AULA 3. princípios da animação. professor Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com ANIMAÇÕES WEB AULA 3 princípios da animação professor Luciano Roberto Rocha www.lrocha.com Animação - conceito É a técnica que cria a ilusão de movimento a partir de uma sequência de desenhos ou imagens.

Leia mais

Animação. Animação História da Animação (Instrumentos óticos) Algumas técnicas Stop Motion

Animação. Animação História da Animação (Instrumentos óticos) Algumas técnicas Stop Motion Animação Animação História da Animação (Instrumentos óticos) Algumas técnicas Stop Motion O que é animar? Significa alma, sopro de vida Animar é : Dar vida Ação Movimento A história da animação vai desde

Leia mais

ANIMAÇÃO. Sandra Marisa Amarelo da Costa, N.º 5588. 5.º Ano Engenharia Informática. Sumário

ANIMAÇÃO. Sandra Marisa Amarelo da Costa, N.º 5588. 5.º Ano Engenharia Informática. Sumário ANIMAÇÃO Sandra Marisa Amarelo da Costa, N.º 5588 5.º Ano Engenharia Informática Sumário Neste trabalho irá ser apresentado todo o funcionamento da Animação um dos elementos da matriz da multimédia. A

Leia mais

ANIMAÇÃO DE IMAGENS. Como dar vida às ideias.

ANIMAÇÃO DE IMAGENS. Como dar vida às ideias. ANIMAÇÃO DE IMAGENS Como dar vida às ideias. O que se entende por Cinema Cinema, abreviação de cinematógrafo, é a técnica de projetar fotogramas de forma rápida e sucessiva (24 fotogramas por segundo)

Leia mais

UM TANTO DE CRIATIVIDADE, OUTRO TANTO DE GIZ: IMAGENS EM MOVIMENTO NA SALA DE AULA. Daniel Moreira S. Pinna UVA

UM TANTO DE CRIATIVIDADE, OUTRO TANTO DE GIZ: IMAGENS EM MOVIMENTO NA SALA DE AULA. Daniel Moreira S. Pinna UVA UM TANTO DE CRIATIVIDADE, OUTRO TANTO DE GIZ: IMAGENS EM MOVIMENTO NA SALA DE AULA Daniel Moreira S. Pinna UVA O esboço de uma proposta Este breve ensaio tem sua origem em outro artigo apresentado no 8

Leia mais

ESCOLA E B 2,3 INFANTE D. FERNANDO

ESCOLA E B 2,3 INFANTE D. FERNANDO Agrupamento de Escolas de Vila Real de Santo António ESCOLA E B 2,3 INFANTE D. FERNANDO UNIDADE DE TRABALHO: ANIMAÇÃO DE IMAGENS COMO DAR VIDA ÀS IDEIAS Prof. Helena Gomes Ano letivo: 2011/2012 Escola

Leia mais

Profº Ritielle Souza

Profº Ritielle Souza Profº Ritielle Souza ANIMAÇÃO Animação provém do latin Animus/anima, que significa ar, respirar, vida, alma e mente. Animar é então dar a ilusão de vida no que está inanimado. Não existe nenhuma definição

Leia mais

O DESENHO ANIMADO COMO SISTEMA MODELIZANTE. Patricia Maria Borges Vicente PUC-SP

O DESENHO ANIMADO COMO SISTEMA MODELIZANTE. Patricia Maria Borges Vicente PUC-SP O DESENHO ANIMADO COMO SISTEMA MODELIZANTE Patricia Maria Borges Vicente PUC-SP Nossa proposta de pesquisa visa contribuir com a reflexão acerca da linguagem do desenho animado, á partir de conceitos adquiridos

Leia mais

DESENHO. Para ver: TÉCNICAS TRADICIONAIS

DESENHO. Para ver: TÉCNICAS TRADICIONAIS Para ver: longas-metragens Branca de Neve e os 7 Anões, 1937, EUA, Walt Disney A viagem de Chihiro, 2001, Japão, Hayao Miyazaki Persepolis, 2007, França, Marjane Satrapi & Vincent Paronnaud curtas-metrages

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE COMUNICAÇÕES E ARTES DEPARTAMENTO DE CINEMA, RÁDIO E TELEVISÃO. ALICE ANDREOLI HIRATA Número USP: 8544057

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE COMUNICAÇÕES E ARTES DEPARTAMENTO DE CINEMA, RÁDIO E TELEVISÃO. ALICE ANDREOLI HIRATA Número USP: 8544057 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE COMUNICAÇÕES E ARTES DEPARTAMENTO DE CINEMA, RÁDIO E TELEVISÃO ALICE ANDREOLI HIRATA Número USP: 8544057 Os Doze Princípios Básicos da Animação no século XXI Projeto

Leia mais

Mais informações e marcações Elisa Aragão servicoeducativo@zeroemcomportamento.org 213 160 057 www.zeroemcomportamento.org

Mais informações e marcações Elisa Aragão servicoeducativo@zeroemcomportamento.org 213 160 057 www.zeroemcomportamento.org Apresentamos de seguida várias sessões temáticas compostas por curtas-metragens de animação, às quais chamamos de Filminhos Infantis. Estas propostas são complementadas com uma oficina com uma duração

Leia mais

Programa Curricular. Docentes Responsáveis Prof. Auxiliar Rogério Taveira Prof. Auxiliar José Pedro Cavalheiro. Ano Lectivo 2013-2014

Programa Curricular. Docentes Responsáveis Prof. Auxiliar Rogério Taveira Prof. Auxiliar José Pedro Cavalheiro. Ano Lectivo 2013-2014 Programa Curricular MOVIMENTO E ANIMAÇÃO Docentes Responsáveis Prof. Auxiliar Rogério Taveira Prof. Auxiliar José Pedro Cavalheiro Ano Lectivo 2013-2014 Ciclo de Estudos Licenciatura - Arte Multimédia

Leia mais

É possível conjugar uma sessão de cinema com uma oficina.

É possível conjugar uma sessão de cinema com uma oficina. 12 18 Anos ESTAS IMAGENS SÃO UM RODOPIO!/////////////////////////////////////// 3 CINEMA EM CASA!////////////////////////////////////////////////////////////////////// 4 BRINQUEDOS ÓPTICOS///////////////////////////////////////////////////////////////

Leia mais

É possível conjugar uma sessão de cinema com uma oficina.

É possível conjugar uma sessão de cinema com uma oficina. 7 12 Anos ESTAS IMAGENS SÃO UM RODOPIO!///////////////////// 3 CINEMA EM CASA!//////////////////////////////////////////////////// 4 QUE FEITIÇO É ESTE?/////////////////////////////////////////////////

Leia mais

FICHAS PEDAGÓGICAS. para alunos do 7º ao 12º ano de escolaridade

FICHAS PEDAGÓGICAS. para alunos do 7º ao 12º ano de escolaridade FICHAS PEDAGÓGICAS para alunos do 7º ao 12º ano de escolaridade Cândido Zepe Portugal 2007 11 20 Análise Neste filme há vários elementos que contribuem para definir as personagens e contar a sua história.

Leia mais

História do Cinema PRIMEIROS APARELHOS

História do Cinema PRIMEIROS APARELHOS História do Cinema PRIMEIROS APARELHOS - Para captar e reproduzir a imagem do movimento, são construídos vários aparelhos baseados no fenômeno da persistência retiniana (fração de segundo em que a imagem

Leia mais

INFLUÊNCIA RECÍPROCA ENTRE ARTE E TECNOLOGIA

INFLUÊNCIA RECÍPROCA ENTRE ARTE E TECNOLOGIA 35 ANAIS III FÓRUM DE PESQUISA CIENTÍFICA EM ARTE Escola de Música e Belas Artes do Paraná. Curitiba, 2005 INFLUÊNCIA RECÍPROCA ENTRE ARTE E TECNOLOGIA José Eliézer Mikosz * RESUMO: Os imensos avanços

Leia mais

Paula Ribeiro da Cruz. Do Desenho Animado à Computação Gráfica: A Estética da Animação à Luz das Novas Tecnologias

Paula Ribeiro da Cruz. Do Desenho Animado à Computação Gráfica: A Estética da Animação à Luz das Novas Tecnologias Paula Ribeiro da Cruz Do Desenho Animado à Computação Gráfica: A Estética da Animação à Luz das Novas Tecnologias Universidade Federal da Bahia Salvador, 2006 Índice 1 Introdução 11 2 Panorama Histórico-Conceitual

Leia mais

Cissa Nascimento Ciência Animada

Cissa Nascimento Ciência Animada Cissa Nascimento cecilia@mast.br Ciência Animada Ciência Animada O QUE É? É uma prática educacional de popularização da ciência que visa comunicar temas científicos para crianças, utilizando como estratégia

Leia mais

Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes Departamento de Comunicação em Mídias Digitais-2014.1

Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes Departamento de Comunicação em Mídias Digitais-2014.1 Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes Departamento de Comunicação em Mídias Digitais-2014.1 Francykeila Lourenço de Sousa Silva EVOLUÇÃO DO HIBRIDISMO DA ANIMAÇÃO NO

Leia mais

DESENVOLVIMENTO WEB II - 7136

DESENVOLVIMENTO WEB II - 7136 2.3 - Áudio O ouvido humano, mostrado em detalhes na figura abaixo, é o órgão responsável pela nossa audição e pelo nosso equilíbrio. O ouvido encontra-se dividido em três partes: o ouvido externo, o ouvido

Leia mais

CRIANÇAS PASSEIAM PELAS VEREDAS DO CINEMA, POR MEIO DA TECNOLOGIA 1

CRIANÇAS PASSEIAM PELAS VEREDAS DO CINEMA, POR MEIO DA TECNOLOGIA 1 CRIANÇAS PASSEIAM PELAS VEREDAS DO CINEMA, POR MEIO DA TECNOLOGIA 1 Maria Esperança de Paula * Eneida Maria Chaves ** RESUMO O objetivo deste artigo é relatar uma experiência realizada com crianças em

Leia mais

Festa de Aniversário Tabela de Serviços

Festa de Aniversário Tabela de Serviços Festa de Aniversário Tabela de Serviços Serviço Condições Preço FESTA DA IMAGEM - bolo de aniversário brinde da casa para o aniversariante Sábado e Domingo: 8* FESTA DA CASA - bolo de aniversário brinde

Leia mais

Eclipse solar observado em Lovania através de uma câmara escura, 1544

Eclipse solar observado em Lovania através de uma câmara escura, 1544 Eclipse solar observado em Lovania através de uma câmara escura, 1544 2 A luz entrava na câmara através de uma pequena abertura (pinhole ou buraco de agulha) projectando a imagem na parede oposta. 3 No

Leia mais

Der Füehrer's Face: o desenho animado como ferramenta ideológica

Der Füehrer's Face: o desenho animado como ferramenta ideológica Der Füehrer's Face: o desenho animado como ferramenta ideológica Felipe de Paula Souza Mestrando em Cultura e Turismo pela UESC Universidade Estadual de Santa Cruz. Bolsista FAPESB Fundação de Amparo a

Leia mais

Phantom 1. Bruna Thaís de PAULA 2 Camila Mitiko INAGAKI 3 Gerson Rios LEME 4 Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, RS

Phantom 1. Bruna Thaís de PAULA 2 Camila Mitiko INAGAKI 3 Gerson Rios LEME 4 Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, RS Phantom 1 Bruna Thaís de PAULA 2 Camila Mitiko INAGAKI 3 Gerson Rios LEME 4 Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, RS RESUMO Phantom é um curta-metragem de animação 2D produzido através da disciplina

Leia mais

Casu Filmes 1. Antonio Cassio Pimentel HAZIN 2. Fábio José da SILVA 4 Universidade Potiguar, Natal, RN

Casu Filmes 1. Antonio Cassio Pimentel HAZIN 2. Fábio José da SILVA 4 Universidade Potiguar, Natal, RN Casu Filmes 1 Antonio Cassio Pimentel HAZIN 2 Suerda Maria Ribeiro de MORAIS 3 Fábio José da SILVA 4 Universidade Potiguar, Natal, RN RESUMO A presente Vinheta de abertura de filmes é uma marca que foi

Leia mais

Física. Óptica Geométrica parte 2. Prof. César Bastos. Óptica Geométrica prof. César Bastos 1

Física. Óptica Geométrica parte 2. Prof. César Bastos. Óptica Geométrica prof. César Bastos 1 Física Óptica Geométrica parte 2 Prof. César Bastos Óptica Geométrica prof. César Bastos 1 Óptica Geométrica Reflexão em superfícies curvas Antes de estudar a formação de imagens em espelhos esféricos

Leia mais

Férias de Natal. ATIVIDADES PARA GRUPOs 21 A 23 28 A 30 DE DEZEMBRO DE 2015

Férias de Natal. ATIVIDADES PARA GRUPOs 21 A 23 28 A 30 DE DEZEMBRO DE 2015 ATIVIDADES PARA GRUPOs Férias de Natal 21 A 23 28 A 30 DE DEZEMBRO DE 2015 Estas atividades não têm data pré-definida, podendo ser agendadas pelos grupos visitantes. Informações e marcações: cinemateca.junior@cinemateca.pt.

Leia mais

O maior ângulo entre os espelhos, para que se possam enxergar onze imagens inteiras desse objeto, será de: a) 20 b) 30 c) 45 d) 60 e) 120

O maior ângulo entre os espelhos, para que se possam enxergar onze imagens inteiras desse objeto, será de: a) 20 b) 30 c) 45 d) 60 e) 120 Colégio Jesus Adolescente Ensino Médio 1º Bimestre Disciplina Física Setor B Turma 1º ANO Professor Gnomo Lista de Exercício Bimestral Aulas 6 a 8 1) A figura a seguir representa um raio de luz incidindo

Leia mais

Historia do Cinema. RODRIGO HENRIQUE Postado em #SOBRE CINEMA

Historia do Cinema. RODRIGO HENRIQUE Postado em #SOBRE CINEMA Historia do Cinema RODRIGO HENRIQUE Postado em #SOBRE CINEMA :.O que vai encontrar neste guia.: 1. A origem do Cinema 2. Primeiras Tecnologias 3. Lista de primeiros filmes 4. Mais de 105 sugestões de

Leia mais

Tangram: Diferentes formatos, montagens e atividades para o Ensino Fundamental. Participantes: Andréia, Cristiane, Karine, Marta, Michele e Tatiane.

Tangram: Diferentes formatos, montagens e atividades para o Ensino Fundamental. Participantes: Andréia, Cristiane, Karine, Marta, Michele e Tatiane. Tangram: Diferentes formatos, montagens e atividades para o Ensino Fundamental Participantes: Andréia, Cristiane, Karine, Marta, Michele e Tatiane. BREVE HISTÓRIA DO TANGRAM O Tangram é um quebra-cabeça

Leia mais

Relatório Mensal FCTY-RTM-EDA-001-02-14. Referência: Programa de Educação Ambiental Meu Primeiro Curta Metragem. Março/2014

Relatório Mensal FCTY-RTM-EDA-001-02-14. Referência: Programa de Educação Ambiental Meu Primeiro Curta Metragem. Março/2014 Relatório Mensal FCTY-RTM-EDA-001-02-14 Referência: Programa de Educação Ambiental Meu Primeiro Curta Metragem. Março/2014 At.: Gerência de Sustentabilidade FCTY Março de 2014 1 APRESENTAÇÃO... 1 2 OBJETIVOS...

Leia mais

CURRICULUM SIMPLIFICADO

CURRICULUM SIMPLIFICADO Turno: MAT_COM - Comunicação Manhã Regime: Semestral Prazo Máximo: 14 Série: 1-1º SEMESTRE 4HA172 ANÁLISE DA IMAGEM I 2.0 36 0 36 4HA170 ANTROPOLOGIA 2.0 36 0 36 4AN171 CRIAÇÃO DE HISTÓRIAS I 2.0 0 36

Leia mais

ANIMAÇÃO. autor Pedro Félix Agrupamento Vertical de Escolas Dra. Laura Ayres de Quarteira. Coordenação Graça Lobo Vítor Reia-Baptista

ANIMAÇÃO. autor Pedro Félix Agrupamento Vertical de Escolas Dra. Laura Ayres de Quarteira. Coordenação Graça Lobo Vítor Reia-Baptista ANIMAÇÃO autor Pedro Félix Agrupamento Vertical de Escolas Dra. Laura Ayres de Quarteira Coordenação Graça Lobo Vítor Reia-Baptista Í N D I C E 49 INTRODUÇÃO 2 PROCESSO DE EXECUÇÃO 6 TÉCNICAS TRADICIONAIS

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE RECURSOS DIDÁTICOS PARA A OPÇÃO ARTÍSTICA DE CINEMA NO 3ºCICLO DO ENSINO BÁSICO Pedro José Félix Baptista Neves 1

CONSTRUÇÃO DE RECURSOS DIDÁTICOS PARA A OPÇÃO ARTÍSTICA DE CINEMA NO 3ºCICLO DO ENSINO BÁSICO Pedro José Félix Baptista Neves 1 CONSTRUÇÃO DE RECURSOS DIDÁTICOS PARA A OPÇÃO ARTÍSTICA DE CINEMA NO 3ºCICLO DO ENSINO BÁSICO Pedro José Félix Baptista Neves 1 Resumo: Na sequência da experiência iniciada em 1997 no Algarve com o programa

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

O contraste entre animação e academicismo no Brasil 1

O contraste entre animação e academicismo no Brasil 1 O contraste entre animação e academicismo no Brasil 1 Diego Gomes BRANDÃO 2 1 Resumo O presente trabalho propõe um estudo acerca da relação do cinema de animação brasileiro com o academicismo. Através

Leia mais

UNIDADE IV. A seguir podemos ver algumas definições da palavra Animação :

UNIDADE IV. A seguir podemos ver algumas definições da palavra Animação : 2013 UNIDADE IV A animação é uma passagem rápida de imagens em 2 ou 3D ou objetos posicionados de forma a criar uma ilusão de movimento. Muito antes do uso de papel tradicional, canetas, e qualquer tipo

Leia mais

Com a Fotografia foi assim também. Ela nasce movida pela curiosidade, em um processo que envolveu estudo, observação e muita experimentação.

Com a Fotografia foi assim também. Ela nasce movida pela curiosidade, em um processo que envolveu estudo, observação e muita experimentação. Capítulo I. História da Fotografia As leis da Física Ao longo de sua evolução o Homem foi descobrindo e inventando coisas, desenvolvendo conhecimento, tecnologia e instrumentos para suprir suas necessidades.

Leia mais

Sumário. PARTE 1 A arte do cinema e a realização cinematográfica 1 CAPÍTULO O cinema como arte: Criatividade, tecnologia e negócios...

Sumário. PARTE 1 A arte do cinema e a realização cinematográfica 1 CAPÍTULO O cinema como arte: Criatividade, tecnologia e negócios... Sumário APRESENTAÇÃO DA EDIÇÃO BRASILEIRA... 13 PREFÁCIO... 19 PARTE 1 A arte do cinema e a realização cinematográfica 1 CAPÍTULO O cinema como arte: Criatividade, tecnologia e negócios... 29 Decisões

Leia mais

FEUP 2006/2007 Mestrado em Tecnologias Multimédia Doc. Apresentação V0

FEUP 2006/2007 Mestrado em Tecnologias Multimédia Doc. Apresentação V0 FEUP 2006/2007 Mestrado em Tecnologias Multimédia Doc. Apresentação V0 TÍTULO: Animatic - Marionetas Digitais Interactivas ORIENTADORES: Professor Doutor Aníbal Ferreira Professor Doutor Rui Torres ALUNO:

Leia mais

Computação Gráfica II Prof. Miguel Pelizan

Computação Gráfica II Prof. Miguel Pelizan Computação Gráfica II Prof. Miguel Pelizan Tutorial 2 3D Studio Max - Inicie desenhando na vista de topo uma base Box e duas esferas Sphere. Posicione-as conforme o desenho aplicando o comando move na

Leia mais

CINEMA DE ANIMAÇÃO: Uma trajetória marcada por inovações

CINEMA DE ANIMAÇÃO: Uma trajetória marcada por inovações CINEMA DE ANIMAÇÃO: Uma trajetória marcada por inovações Resumo Carolina Lanner FOSSATTI 1 Com sua origem no teatro de sombras chinesas, o cinema de animação passou por importantes transformações, notadamente

Leia mais

Lições de Disney para o Memorial do Ferro

Lições de Disney para o Memorial do Ferro Lições de Disney para o Memorial do Ferro Cláudio de Moura Castro Faz uns cinco anos, o grupo Disney contratou três figuras do mundo acadêmico para uma tarefa bastante curiosa. Receberam um contrato para

Leia mais

APOSTILAS DO TERCEIRO BIMESTRE 9 ANO.

APOSTILAS DO TERCEIRO BIMESTRE 9 ANO. APOSTILAS DO TERCEIRO BIMESTRE 9 ANO. TURMA 901 3º Bimestre Aula 10 Body Art A Body Art ou arte do corpo é uma vertente da arte contemporânea onde o corpo se torna meio de expressão ou matéria para a realização

Leia mais

Fundamentos de Informática 1ºSemestre

Fundamentos de Informática 1ºSemestre Fundamentos de Informática 1ºSemestre Aula 1 Prof. Nataniel Vieira nataniel.vieira@gmail.com SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS Uma abordagem inicial... o

Leia mais

ATIVIDADES PEDAGÓGICAS. Abril 2015

ATIVIDADES PEDAGÓGICAS. Abril 2015 ATIVIDADES PEDAGÓGICAS Abril 2015 EM DESTAQUE Acompanhe aqui um pouco do dia-a-dia de nossos alunos em busca de novos aprendizados. ATIVIDADES DE SALA DE AULA IVA Sacola de férias, momento de compartilhar

Leia mais

O MITO DE EROS E PSIQUE EM ANIMAÇÃO 3D. Daniela Sofia Coelho Alfarrobinha. Relatório de Projeto

O MITO DE EROS E PSIQUE EM ANIMAÇÃO 3D. Daniela Sofia Coelho Alfarrobinha. Relatório de Projeto UNIVERSIDADE DO ALGARVE O MITO DE EROS E PSIQUE EM ANIMAÇÃO 3D Daniela Sofia Coelho Alfarrobinha Relatório de Projeto Mestrado em Produção, Edição e Comunicação de Conteúdos Especialidade em Comunicação

Leia mais

Regulamento das oficinas

Regulamento das oficinas Regulamento das oficinas As oficinas oferecidas pelo Cine Festival Inconfidentes Festival Nacional de Cinema e Vídeo de Mariana são gratuitas e abertas à participação da comunidade; Cada pessoa poderá

Leia mais

Xilogravura. Gravura em Metal

Xilogravura. Gravura em Metal As Artes Gráficas http://commons.wikimedia.org/wiki/file:formschneider.jpg Xilogravura de Jost Amman mostrando um gravador do século 16 em sua mesa de trabalho, 1568. Arte Gráfica é o processo de reprodução

Leia mais

O televisor ou aparelho de televisão capta as ondas eletromagnéticas e através de seus componentes internos as converte novamente em imagem e som.

O televisor ou aparelho de televisão capta as ondas eletromagnéticas e através de seus componentes internos as converte novamente em imagem e som. TELEVISÃO Temos a definição da palavra TELEVISÃO do grego como tele - distante e do latim visione visão; é um sistema eletrônico de recepção de imagens e som de forma instantânea. Funciona a partir da

Leia mais

MODA. www.lojistas.net acessado em 07/12/2005

MODA. www.lojistas.net acessado em 07/12/2005 Moda 03 Diferentes épocas 04 Velazquez 07 Auto-retrato 08 Fotografia 10 Câmera escura 12 Cinema 15 Taumatrópio e fenacistoscópio 19 Desenho animado 27 Andy Warhol 33 MODA www.lojistas.net acessado em 07/12/2005

Leia mais

SEMANA 1 INFORMÁTICA BÁSICA

SEMANA 1 INFORMÁTICA BÁSICA SEMANA 1 INFORMÁTICA BÁSICA Semana 1 Unidade 1 a natureza e o trabalho Unidade 2 - Tecnologias e mercado de trabalho SÍNTESE DAS UNIDADES Equipe de Formação: Fernanda Quaresma da Silva Hailton David Lemos

Leia mais

FLUXO DE CAIXA RELEVANTE. Prof. Luiz Eduardo Brandão brandao@iag.puc-rio.br. Tutoria a Distância D1.III

FLUXO DE CAIXA RELEVANTE. Prof. Luiz Eduardo Brandão brandao@iag.puc-rio.br. Tutoria a Distância D1.III FLUXO DE CAIXA RELEVANTE Prof. Luiz Eduardo Brandão brandao@iag.puc-rio.br Tutoria a Distância D1.III FLUXO DE CAIXA RELEVANTE INTRODUÇÃO Se as projeções de fluxo de caixa não estiverem corretas, toda

Leia mais

O DESENHO ANIMADO E OS JOGOS DE COMPUTADOR

O DESENHO ANIMADO E OS JOGOS DE COMPUTADOR O DESENHO ANIMADO E OS JOGOS DE COMPUTADOR Renê Dalton Heluany Raposo Game Designer Rua Almerina Cemoline Rebulce, 86 Paulicéia 09881-450 - São Bernardo do Campo SP. Introdução Apenas com pouco mais de

Leia mais

CINEMA DE ANIMAÇÃO: FILMES PARA CRIANÇAS E METAFÓRAS PARA ADULTOS Felipe de Castro Ramalho Maurício Silva Gino Universidade Federal de Minas Gerais

CINEMA DE ANIMAÇÃO: FILMES PARA CRIANÇAS E METAFÓRAS PARA ADULTOS Felipe de Castro Ramalho Maurício Silva Gino Universidade Federal de Minas Gerais CINEMA DE ANIMAÇÃO: FILMES PARA CRIANÇAS E METAFÓRAS PARA ADULTOS Felipe de Castro Ramalho Maurício Silva Gino Universidade Federal de Minas Gerais RESUMO: O cinema de animação muitas vezes é caracterizado

Leia mais

Ana Gonçalves Área: CLC- Cultura Língua e Comunicação Módulo: CLC5- Cultura Língua Comunicação e Media Formador: Vítor Dourado

Ana Gonçalves Área: CLC- Cultura Língua e Comunicação Módulo: CLC5- Cultura Língua Comunicação e Media Formador: Vítor Dourado Área: CLC- Cultura Língua e Comunicação Módulo: CLC5- Cultura Língua Comunicação e Media Formador: Vítor Dourado A rede mundial de computadores, ou Internet, surgiu para objectivos militares, servia para

Leia mais

a) côncavo. b) convexo. c) plano. d) anatômico. e) epidérmico.

a) côncavo. b) convexo. c) plano. d) anatômico. e) epidérmico. ESPELHOS ESFÉRICOS 1. (Unioeste - ADAPTADO) Sob influência de seu pai Armando se tornou um ótimo fabricante de espelhos esféricos. A figura abaixo representa um espelho esférico côncavo montado por Arnaldo

Leia mais

SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO

SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DISCIPLINA: FÍSICA SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR UNIDADE POLIVALENTE MODELO VASCO

Leia mais

Ponyo à Beira-mar de Hayao Miyazaki 2008, Japão, 101

Ponyo à Beira-mar de Hayao Miyazaki 2008, Japão, 101 Ponyo à Beira-mar de 2008, Japão, 101 apoio financeiro Certa manhã, quando brinca na praia, o pequeno Sosuke encontra um peixe vermelho preso num frasco de doce Sosuke liberta o peixinho do frasco, a quem

Leia mais

FOTOGRAFIA ESPELHO, MOLDURA; FRAGMENTOS E TÉCNICA. Introdução à história da fotografia.

FOTOGRAFIA ESPELHO, MOLDURA; FRAGMENTOS E TÉCNICA. Introdução à história da fotografia. FOTOGRAFIA ESPELHO, MOLDURA; FRAGMENTOS E TÉCNICA Introdução à história da fotografia. FOTOGRAFIA A história da fotografia tem diversas datas, vários inventores e muitas observações e pesquisas que propiciaram

Leia mais

A animação acrescenta informação importante às cenas modeladas.

A animação acrescenta informação importante às cenas modeladas. Introdução Animação por computador é o conjunto de técnicas que utilizam o computador para gerar cenas que produzam a sensação de movimento. Origens: apoio aos desenhadores auxiliares da animação tradicional.

Leia mais

O Bilhete 1 Ricardo Costa FELIX 2 Ana Cecília Aragão GOMES 3 Gustavo Henrique Ferreira BITTENCOURT 4 Universidade Potiguar - UnP - Natal / RN

O Bilhete 1 Ricardo Costa FELIX 2 Ana Cecília Aragão GOMES 3 Gustavo Henrique Ferreira BITTENCOURT 4 Universidade Potiguar - UnP - Natal / RN O Bilhete 1 Ricardo Costa FELIX 2 Ana Cecília Aragão GOMES 3 Gustavo Henrique Ferreira BITTENCOURT 4 Universidade Potiguar - UnP - Natal / RN RESUMO O curtametragem em animação stop-motion O Bilhete, com

Leia mais

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR MATRIZ CURRICULAR Carga Horária Semestral por Disciplina Disciplinas 1º semestre 2º semestre 3º semestre 4º semestre 5º semestre 6º semestre 7º semestre 8º semestre Total Obrigatórias Optativas Fundamentos

Leia mais

Centro de Ensino Universitário de Brasília UNICEUB Faculdade de Tecnologia e Ciências Sociais Aplicadas FATECS KAREN LÚCIA DE PAULA BRASIL

Centro de Ensino Universitário de Brasília UNICEUB Faculdade de Tecnologia e Ciências Sociais Aplicadas FATECS KAREN LÚCIA DE PAULA BRASIL Centro de Ensino Universitário de Brasília UNICEUB Faculdade de Tecnologia e Ciências Sociais Aplicadas FATECS KAREN LÚCIA DE PAULA BRASIL A SIMPLIFICAÇÃO DO TRAÇADO DOS DESENHOS ANIMADOS: UMA ANÁLISE

Leia mais

CURSO SUPERIOR EM DESIGN GRÁFICO O DESENHO ANIMADO COMO AGENTE NA VALORIZAÇÃO DA CULTURA LOCAL GABRIEL PEREIRA BOTELHO MURILO DE SOUZA AZEVEDO

CURSO SUPERIOR EM DESIGN GRÁFICO O DESENHO ANIMADO COMO AGENTE NA VALORIZAÇÃO DA CULTURA LOCAL GABRIEL PEREIRA BOTELHO MURILO DE SOUZA AZEVEDO CURSO SUPERIOR EM DESIGN GRÁFICO O DESENHO ANIMADO COMO AGENTE NA VALORIZAÇÃO DA CULTURA LOCAL GABRIEL PEREIRA BOTELHO MURILO DE SOUZA AZEVEDO Campos dos Goytacazes RJ 2010 GABRIEL PEREIRA BOTELHO MURILO

Leia mais

Uma carta e algumas lembranças

Uma carta e algumas lembranças Uma carta e algumas lembranças Olá, amigos e amigas. Pode ser que alguns de vocês não me conheçam muito bem. Gostaria de me apresentar e falar um pouco sobre mim. Para isso vou ter que contar algumas pequenas

Leia mais

MUSEU DA MARIONETA um mundo de histórias! SERVIÇO EDUCATIVO 2015/16 MUSEUDAMARIONETA.PT

MUSEU DA MARIONETA um mundo de histórias! SERVIÇO EDUCATIVO 2015/16 MUSEUDAMARIONETA.PT MUSEU DA MARIONETA um mundo de histórias! SERVIÇO EDUCATIVO 2015/16 MUSEUDAMARIONETA.PT O programa educativo 2015 / 2016 do Museu da Marioneta pretende dar a conhecer o espólio do museu e o vasto universo

Leia mais

Boas férias! Equipe do 2º ano

Boas férias! Equipe do 2º ano Nome: 2º ano Querido(a) aluno(a), No primeiro semestre, falamos muito sobre registros e o quanto eles nos ajudam a resgatar na memória a história de cada um. Pensamos neste Diário como forma de ajudá-lo

Leia mais

O desenho animado como ferramenta de auxílio à pesquisa: a aplicação da rotoscopia em estudos de movimentos corporais 1

O desenho animado como ferramenta de auxílio à pesquisa: a aplicação da rotoscopia em estudos de movimentos corporais 1 O desenho animado como ferramenta de auxílio à pesquisa: a aplicação da rotoscopia em estudos de movimentos corporais 1 José Francisco Miguel Henriques Bairrão Glauco Madeira de Toledo Wiliam Machado de

Leia mais

TÉCNICAS DE ANIMAÇÃO. Prof. Mario Mancuso

TÉCNICAS DE ANIMAÇÃO. Prof. Mario Mancuso TÉCNICAS DE ANIMAÇÃO Animação de Recortes 2 A animação de recortes é uma técnica específica de animação que utiliza personagens, objetos e cenários recortados de materiais como papel, cartão, tecido ou

Leia mais

Ptex e outras ferramentas para modelagem de animação

Ptex e outras ferramentas para modelagem de animação Ptex e outras ferramentas para modelagem de animação Savyo Nóbrega (savyo@dsc.ufcg.edu.br) Agenda Motivação Conceitos Gerais Modelagem Matemática Mapeamento de texturas Softwares e ferramentas para modelagem

Leia mais

Gato Félix e os dispositivos: dos desenhos animados às histórias em quadrinhos

Gato Félix e os dispositivos: dos desenhos animados às histórias em quadrinhos Gato Félix e os dispositivos: dos desenhos animados às histórias em quadrinhos Prof. Dr. Rafael Duarte Oliveira Venancio Universidade Federal de Uberlândia Resumo: O presente artigo deseja observar como

Leia mais

LENTES ESFÉRICAS (LEI DE GAUSS)

LENTES ESFÉRICAS (LEI DE GAUSS) LENTES ESFÉRICAS (LEI DE GAUSS) 1. Um objeto real é colocado perpendicularmente ao eixo principal de uma lente convergente, de distância focal f. Se o objeto está a uma distância 3 f da lente, a distância

Leia mais

ZF patrocina a inovadora mostra científica mundial Túnel da Ciência Max Planck

ZF patrocina a inovadora mostra científica mundial Túnel da Ciência Max Planck Page 1/5, 30-01-2014 ZF patrocina a inovadora mostra científica mundial Túnel da Ciência Max Planck Para celebrar a Temporada da Alemanha no Brasil, São Paulo (SP) receberá uma exposição inédita no País,

Leia mais

AULA 4 - ESPELHOS ESFÉRICOS

AULA 4 - ESPELHOS ESFÉRICOS AULA 4 - ESPELHOS ESFÉRICOS Meta: - Fazer que o estudante comece a pensar no ensino de ciências como algo orgânico que está em profunda transformação; - Fazer com que os alunos percebam, através de uma

Leia mais

Resenha. Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB). E-mail: eloyzaidan@gmail.com

Resenha. Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB). E-mail: eloyzaidan@gmail.com Resenha Walt Disney: histórias de bastidores com relevância para o mercado cinematográfico (KORKIS, Jim. Segredos de Walt Disney: histórias inéditas, não oficiais, sem censura e não autorizadas sobre o

Leia mais

Palavras-chave: Animação; vídeo; stop motion; ensino de matemática; formação de professores.

Palavras-chave: Animação; vídeo; stop motion; ensino de matemática; formação de professores. UTILIZANDO A ANIMAÇÃO STOP MOTION NA PRODUÇÃO DE VÍDEOS PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA Váldina Gonçalves Costa Universidade Federal do Triângulo Mineiro valdina.costa@gmail.com Cássia de Paula Ferreira Melo

Leia mais

Museu do Futebol comemora sete anos

Museu do Futebol comemora sete anos Museu do Futebol comemora sete anos Programação especial de aniversário, de 29 de setembro a 4 de outubro, terá entrada gratuita e diversas atividades para toda família O Museu do Futebol instituição da

Leia mais

A contribuição de animadores argentinos no desenvolvimento do cinema de animação no Rio Grande do Sul 1

A contribuição de animadores argentinos no desenvolvimento do cinema de animação no Rio Grande do Sul 1 A contribuição de animadores argentinos no desenvolvimento do cinema de animação no Rio Grande do Sul 1 Carla SCHNEIDER 2 Alexandre Rocha da SILVA 3 Eduardo Rodrigues de SOUZA 4 Isadora EBERSOL 5 Paula

Leia mais

Os 12 Princípios Fundamentais da Animação (por Disney) Prof. Mario Mancuso

Os 12 Princípios Fundamentais da Animação (por Disney) Prof. Mario Mancuso Os 12 Princípios Fundamentais da Animação (por Disney) Prof. Mario Mancuso Os 12 Princípios Fundamentais da Animação São 12 conceitos estabelecidos pro Walt Disney como essenciais para a criação de uma

Leia mais

Neste capítulo iremos ver as diferentes partes da

Neste capítulo iremos ver as diferentes partes da A ANATOMIA DA CÂMARA Thomaz. W.M. Harrell CAPITULO II A ANATOMIA DA CAMARA FOTOGRÁFICA (A Câmara Fotográfica e Suas Partes) Neste capítulo iremos ver as diferentes partes da câmara fotográfica de forma

Leia mais

FÍSICA ÓPTICA GEOMÉTRICA FÍSICA 1

FÍSICA ÓPTICA GEOMÉTRICA FÍSICA 1 2014_Física_2 ano FÍSICA Prof. Bruno ÓPTICA GEOMÉTRICA FÍSICA 1 1. (Uftm 2012) Uma câmara escura de orifício reproduz uma imagem de 10 cm de altura de uma árvore observada. Se reduzirmos em 15 m a distância

Leia mais

Férias de Verão Meses de julho e agosto Centro de Educação Ambiental

Férias de Verão Meses de julho e agosto Centro de Educação Ambiental Férias de Verão Meses de julho e agosto Centro de Educação Ambiental Mês de Julho Brincar com a Ciência À Descoberta das Poças de Maré Bichos de papel 1ª parte 2ª parte Ciência na Cozinha A Colher dos

Leia mais

Grupo: Ederson Luis Posselt Geovane Griesang Ricardo Cassiano Fagundes

Grupo: Ederson Luis Posselt Geovane Griesang Ricardo Cassiano Fagundes Curso: Ciências da computação Disciplina: Física aplicada a computação Professor: Benhur Borges Rodrigues Relatório experimental 05: Formação da imagem e propagação retilínea da luz; Medida da distância

Leia mais

Relatório Final EFEITO ESTROBOSCÓPICO

Relatório Final EFEITO ESTROBOSCÓPICO Relatório Final EFEITO ESTROBOSCÓPICO THATIANE CELIA MIYAHIRA RA02257 EFEITO ESTROBOSCÓPICO MOTIVAÇÃO Durante o Ensino Médio as matérias tradicionais de Mecânica são vistas. Sendo elas divididas em dois

Leia mais

CAPÍTULO 1 PRINCÍPIOS DE CINEMATOGRAFIA

CAPÍTULO 1 PRINCÍPIOS DE CINEMATOGRAFIA Apostila de Cinematografia Prof. Filipe Salles 1 CAPÍTULO 1 PRINCÍPIOS DE CINEMATOGRAFIA O termo cinematografia vem de cinematógrafo, aparelho desenvolvido pelos irmãos Auguste e Louis Lumière na França,

Leia mais

STOP-MOTION. Para ver: TÉCNICAS TRADICIONAIS

STOP-MOTION. Para ver: TÉCNICAS TRADICIONAIS Para ver: longas-metragens O Estranho Mundo de Jack, 1993, EUA, Tim Burton/Henry Selick A Fuga das Galinhas, 2000, Inglaterra, Aardman (Peter Lord/Nick Park) curtas-metrages A mão, 1965, Checoslováquia,

Leia mais

ATIVIDADE DE FÍSICA PARA AS FÉRIAS 9. OS A/B/C PROF. A GRAZIELA

ATIVIDADE DE FÍSICA PARA AS FÉRIAS 9. OS A/B/C PROF. A GRAZIELA ATIVIDADE DE FÍSICA PARA AS FÉRIAS 9. OS A/B/C PROF. A GRAZIELA QUESTÃO 1) Atente para a ilustração e os fragmentos de texto abaixo. Utilize-os para responder aos itens da questão 1. [ 1 ] Em muitos parques

Leia mais

Os diferentes modos de registro imagético expressam. o espírito de seu tempo utilizando materiais. e meios que são produtos próprios da época.

Os diferentes modos de registro imagético expressam. o espírito de seu tempo utilizando materiais. e meios que são produtos próprios da época. IMAGEM E HISTÓRIA Os diferentes modos de registro imagético expressam o espírito de seu tempo utilizando materiais e meios que são produtos próprios da época. Pintura Rupestre mãos pincéis de penas e pêlos

Leia mais

LUZ E VISÃO. Autores: Arjuna C. Panzera Dácio G. Moura. (Salvador Dali) Tópico nº22 do CBC de Ciências. Habilidades Básicas recomendadas no CBC:

LUZ E VISÃO. Autores: Arjuna C. Panzera Dácio G. Moura. (Salvador Dali) Tópico nº22 do CBC de Ciências. Habilidades Básicas recomendadas no CBC: LUZ E VISÃO Autores: Arjuna C. Panzera Dácio G. Moura (Salvador Dali) Tópico nº22 do CBC de Ciências Habilidades Básicas recomendadas no CBC: Associar a formação de sombras com a propagação retilínea da

Leia mais

A primeira nação da América espanhola, incluindo a Espanha e Portugal, que utilizou máquinas e barcos a vapor foi Cuba foi em 1829.

A primeira nação da América espanhola, incluindo a Espanha e Portugal, que utilizou máquinas e barcos a vapor foi Cuba foi em 1829. A primeira nação da América espanhola, incluindo a Espanha e Portugal, que utilizou máquinas e barcos a vapor foi Cuba foi em 1829. A primeira nação da América Latina e a terceira no mundo (atrás da Inglaterra

Leia mais

Biografia de Walter Elias Disney

Biografia de Walter Elias Disney FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMIN. DE TUPÃ - FACCAT CURSO: ADMIN. DE EMPRESAS C/ HAB.EM ANALISE DE SISTEMAS Biografia de Walter Elias Disney PROFª Patrícia Nome: Camila Pretelli Nome: Carlos Poletto

Leia mais

Primeiras Informações

Primeiras Informações Primeiras Informações Para que um trabalho escolar fique com melhor qualidade é importante registrálo, não apenas para ser apresentado aos pais, mas principalmente como arquivo. Guardar o registro de trabalhos

Leia mais

Ferramentas Web, Web 2.0 e Software Livre em EVT

Ferramentas Web, Web 2.0 e Software Livre em EVT Estudo sobre a integração de ferramentas digitais no currículo da disciplina de Educação Visual e Tecnológica pixlr Manual e Guia de exploração da pixlr para utilização em contexto de Educação Visual e

Leia mais

Cine Dom E.E. Ryoiti Yassuda sala 1 - sessão 2

Cine Dom E.E. Ryoiti Yassuda sala 1 - sessão 2 Cine Dom E.E. Ryoiti Yassuda sala 1 - sessão 2 Professor(es) Apresentador(es): Daniela Saar e Saar José Augusto Ribeiro Realização: Foco Levando-se em consideração a dificuldade apresentada pelos alunos

Leia mais

INTRODUÇÃO À ÓPTICA GEOMÉTRICA 411EE

INTRODUÇÃO À ÓPTICA GEOMÉTRICA 411EE 1 T E O R I A 1. SOMBRA Define se sombra como uma região do espaço desprovida de luz. Uma sombra é produzida quando um objeto opaco impede que raios de luz provenientes de uma fonte luminosa iluminem uma

Leia mais

Princípios e Técnicas de Animação. Historia da Arte da Animação

Princípios e Técnicas de Animação. Historia da Arte da Animação Princípios e Técnicas de Animação Historia da Arte da Animação ARTE DA ANIMAÇÂO AULA II Desenvolvimento da animação tradicional TÉCNICA ESTÉTICA ARTE DA ANIMAÇÂO AULA II O desejo do homem pela animação.

Leia mais

TRIADES. Transversalidade Design Linguagens

TRIADES. Transversalidade Design Linguagens 3 Transversalidade Design Linguagens Eliane M. Gordeeff Mestre em Artes Visuais (UFRJ) Imagem Animada: Expressão e Design 3 RESUMO O objetivo deste artigo é apresentar a animação como uma expressão artística

Leia mais