NEOLIBERALISMO, POLÍTICAS SOCIAIS E A POLÍTICA PÚBLICA SOBRE DROGAS NO BRASIL RESUMO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NEOLIBERALISMO, POLÍTICAS SOCIAIS E A POLÍTICA PÚBLICA SOBRE DROGAS NO BRASIL RESUMO"

Transcrição

1 NEOLIBERALISMO, POLÍTICAS SOCIAIS E A POLÍTICA PÚBLICA SOBRE DROGAS NO BRASIL RESUMO Adalisa Martins Marques Pultrini 1 Profª Drª Irenilda Ângela dos Santos 2 Na atualidade, as drogas correspondem a um fenômeno mundialmente divulgado e discutido, uma vez que o uso abusivo das substâncias psicoativas tornou-se a nível mundial um relevante problema social e de saúde pública. O artigo trás uma reflexão sobre o neoliberalismo, as políticas sociais e a política sobre drogas no Brasil a partir de uma revisão bibliográfica em livros, revistas, artigos, periódicos e outros sobre o tema. Propondo-se refletir sobre as políticas públicas sobre drogas no Brasil e o posicionamento e intervenção do Estado diante desta questão, a qual tem sido muito mais pela via da repressão do que pelo enfrentamento das causas e a diminuição dos riscos que levam ao uso abusivo das substâncias psicoativas. A reforma do Estado e a atual ideologia neoliberal, defensora de um Estado mínimo para a área social e máximo para o Capital, favorecem a elaboração de políticas públicas e sociais cada vez mais fragmentadas e seletivas, tornando-se imprescindível a efetiva participação da sociedade para as conquistas dos direitos sociais, construção da democracia e a integração e efetivação das políticas públicas e sociais, e consequentemente a melhoria das condições de vida, diminuição das situações de vulnerabilidades sociais e do uso abusivo do álcool e outras drogas. Palavras-chaves: Drogas. Estado. Políticas Sociais. Neoliberalismo. ABSTRACT At present, drugs represent a phenomenon globally publicized and discussed, since the abuse of psychoactive substances has become globally a significant social and public health problem. The article reflects on behind neoliberalism, social policies and the drug policy in Brazil from a literature review in books, magazines, articles, journals and others on the subject. Proposing to reflect on public policy on drugs in Brazil and the positioning and state intervention on this issue, which has been much by way of repression than by confronting the causes and reducing the risk that lead to misuse of psychoactive substances. State reform and the current neoliberal ideology, advocate a minimal state for social and maximum area for the Capital, favors the development of increasingly fragmented and selective public and social policies, making it essential to effective participation in society for the achievements of social rights, democracy building and the integration and effectiveness of public and social policies, and consequently the improvement of living conditions, reduction of vulnerabilities and social situations of abuse of alcohol and other drugs. Keywords: Drugs. State. Social Policies. Neoliberalism. ¹ Assistente Social e Mestranda em Política Social pela Universidade Federal de Mato Grosso/UFMT - Turma 2013/1. Endereço: Rua 10, Quadra 10, Casa 09, Residencial Águas Clara, Distrito Industrial - Cuiabá/MT. E- mail: 2 Profª Drª em Desenvolvimento Sustentável//UNB, docente do curso de Serviço Social e do Programa de pósgraduação/mestrado em Política Social/UFMT.

2 2 1 Introdução O uso de drogas tem acompanhado a história da humanidade. A relação dos indivíduos com as drogas se modificou ao longo do tempo, e na contemporaneidade temos visto este uso se tornar cada vez mais complexo e abusivo. Aliado a isto, está o atual ideário neoliberal, de investimentos mínimos na área social e máxima para o Capital, repercutindo diretamente nas políticas sociais para a prevenção e tratamento da dependência química. Ao longo dos anos, a forma de enfrentar a dependência química e trabalhar com a mesma, sofreram alterações. A necessidade de encarar o uso do álcool e outras drogas como uma questão que não é de ordem moral ou de caráter do indivíduo, trouxe para a discussão a importância das ações de prevenção e tratamentos, bem como a necessidade de intervenção do Estado através das políticas sociais. Porém, no decorrer dos tempos, o posicionamento do Estado brasileiro diante desta questão, tem sido muito mais pela repressão do que pela prevenção e enfrentamento das causas que levam ao abuso do álcool e outras drogas. No desenvolvimento de ações setorizadas e focalizadas pelo Estado, repassando a responsabilização para a família e a sociedade civil, através da filantropia, caridade e Organizações Não Governamentais, como as comunidades terapêuticas e Grupos de auto e mútua ajuda. As dificuldades enfrentadas nos dia atuais para a efetivação dos direitos e das políticas sociais são iniciadas a partir da reforma, ou melhor, a contra-reforma do Estado Brasileiro, com a reestruturação produtiva a partir dos anos 70 e 80, como também o modelo de produção neoliberal iniciado nos anos 90, com o foco no desenvolvimento do Mercado e do Capital e no enxugamento dos investimentos na área social, consequentemente a redução e precarização das políticas e serviços sociais, causando o desmonte dos direitos sociais conquistados pela classe trabalhadora. Torna-se, portanto, de suma relevância, as lutas e os movimentos sociais para a consolidação e universalização das políticas públicas e sociais. Objetivando a melhoria das condições de vida dos trabalhadores, a construção, efetivação e ampliação do acesso aos direitos e as políticas sociais mediadas pelo Estado, os quais contribuem com a redução da vulnerabilidade social e das situações de riscos para o uso abusivo do álcool e outras drogas. 2 A reforma do estado brasileiro e as políticas sociais O Estado, que se origina dessas contradições entre os interesses da classe burguesa e a

3 3 classe trabalhadora, fazem o papel de mediador dos conflitos entre as classes, mantendo os antagonismos sob controle. Segundo Carnoy (1986, p.67), embasado em Marx, o Estado é um instrumento essencial de dominação de classes na sociedade capitalista. Ele não está acima dos conflitos de classes, mas profundamente envolvido neles. Este envolvimento, imperceptível para muitos está presente em sua base de origem, que são as relações de produção, responsáveis pelo condicionamento da vida social, política e intelectual. Segundo o autor Engels (2012), o Estado surge a partir da divisão de classes e a luta de classes provenientes do desenvolvimento econômico. Dessa forma, o Estado nasce para moderar os conflitos entre classes antagônicas e mantê-las dentro dos limites da ordem social. Estado não é, pois, de modo algum, um poder que se impôs à sociedade de fora para dentro (...). É, antes, um produto da sociedade quando esta chega a determinado grau de desenvolvimento; é a confissão de que essa sociedade se enredou numa irremediável contradição com ela própria e está dividida por antagonismos irreconciliáveis que não consegue conjurar... Este poder, nascido da sociedade, mas posto acima dela, e dela se distanciando cada vez mais, é o Estado. (Idem, p.213). Portanto, para Marx e Engels o Estado é fruto da divisão da sociedade em classe, e um mecanismo para garantir a acumulação e reprodução do Capital, e consequentemente a manutenção do modo capitalista de produção. Não havendo a possibilidade de apropriação do Estado pela classe trabalhadora. O sistema capitalista tem vivenciado constantes crises econômica. A conjuntura da reforma ou contra-reforma do Estado faz parte de um processo global de reestruturação capitalista mundial. As pressões para uma refuncionalização do estado capitalista nos anos 80 e 90 está articulado com uma nova fase de crise desse sistema, manifestada com a crise do petróleo nos anos 70, refletindo até os dias atuais. Montaño e Duriguetto (2011) apontam que o Capital após a crise de e a elevada concorrência capitalista no mercado mundial, precisou se reestruturar, paralelamente também à crise do bloco soviético, a derrota de lutas armadas e o recuo do impacto das lutas dos movimentos operários, encontrando o Estado uma maior facilidade para a sua reestruturação.

4 4 A reestruturação produtiva não deve ser entendida apenas como um processo de reestruturação econômica e tecnológica do Capital, pois esta também tem uma dimensão política, social e cultural, visto que o Capital diante de um quadro de crise se vê desafiado a engendrar uma nova correlação de forças para a sua sobrevivência e reprodução. Não ocorrendo mudanças apenas no processo de produção, mas também na correlação de forças entre Capital e Trabalho e no redirecionamento do Estado. Neste contexto de reformas, a partir dos anos 80, o projeto neoliberal vem se fortalecendo e reduzindo o papel do Estado, ampliando a esfera do mercado. Segundo Montaño e Duriguetto (2011), o neoliberalismo aparece como uma nova estratégia, que altera os processos típicos do anterior (e em crise) regime de acumulação fordista-keynesiano, com o objetivo de garantir e ampliar os fundamentos da acumulação capitalista. O ideário neoliberal busca romper com o pacto keynesiano e o Estado de Bem Estar Social, para dar continuidade num contexto de crise, à acumulação ampliada do Capital na fase monopolista. Conforme Behring (2003), essa contra reforma do Estado Brasileiro será a partir do ideário social-liberal, exigindo a disciplina fiscal, a privatização e a liberalização comercial. E com a reforma passaria por transferir para o setor privado as atividades que podem ser controladas pelo mercado. E a descentralização para o setor público não-estatal os serviços que não precisam do poder do Estado, mas apenas serem subsidiados, como a educação, saúde, cultura etc. Caracterizando-se como um processo de publicização e como uma novidade da reforma que atinge diretamente as políticas e os direitos sociais. Behring (2003) relata sobre o Brasil e as proposições do Plano Diretor da Reforma do Estado (PDRE) elaborado pelo MARE (Ministério da Administração e da Reforma do Estado) nos anos 90, com o ideário de fortalecimento da ação reguladora do Estado numa economia de mercado, especialmente em relação aos serviços básicos e de cunho social, transferindo para o setor privado atividades que supostamente podem ser realizadas pela via do mercado. O Estado então reduziria a prestação direta de serviços, mantendo-se como regulador e provedor. O plano da reforma do Estado, atacou os direitos garantidos pela Constituição Federal do Brasil de 1.988, em especial ao princípio da Seguridade Social, do funcionalismo público e o campo dos direitos sociais. Esta reforma baseia-se na necessidade do Capital em

5 5 liberalizar e alargar o mercado, deixando explícito o seu caráter negativo, com o objetivo maior de expropriar os direitos sociais, conquistados no decorrer do século XX, devendo-se entender no lugar de reforma, como afirma Behring (2008) um processo de Contra Reforma do Estado. Behring (2003) citando Fiori (2000, p.37) aponta que a contra reforma do Estado, tal como está sendo conduzida, é a versão brasileira de uma estratégia de inserção passiva e a qualquer custo na dinâmica internacional e representa uma escolha político-econômica, não caminho natural diante dos imperativos econômicos. Uma escolha, bem ao estilo de condução das classes dominantes brasileiras ao longo da história. Para a autora, o neoliberalismo em nível mundial configura-se como uma reação burguesa conservadora e monetarista de natureza claramente regressiva, dentro da qual se situa a contra reforma do Estado. (p.129). Costa (2006) afirma que a partir do ideário neoliberal, a cidadania é reduzida aos aspectos civis e políticos, já que o enfrentamento da desigualdade social figura no campo da filantropia, na área empresarial e no crescimento do terceiro setor. O neoliberalismo caracteriza-se essencialmente por um movimento político e ideológico que busca criar legitimidade e manter os avanços da globalização econômica, justificando a desigualdade social a partir da idéia de diferenças naturais. O Estado está no centro da disputa neoliberal, pois como movimento político-ideológico visa essencialmente usar o poder político para dar liberdade de ação ao grande capital. (Idem, p.79). A tendência geral tem sido a de restrição e redução de direitos, transformando as políticas sociais em compensação nos períodos de crises do Capital. Sabemos, portanto, que a política social no contexto do capitalismo maduro não é capaz de reverter o quadro que esse traz a sociedade, e nem é esta sua função. Porém, não significa que temos que abandonar a luta dos trabalhadores para a implementação e consolidação das políticas sociais, tendo em vista a sua importância para elevar o padrão de vida dos trabalhadores, além de suprir e suscitar novas demandas e necessidades. Segundo Coutinho (2008), as políticas sociais não são apenas um instrumento da burguesia para legitimar sua dominação, mas sim conquista e luta dos trabalhadores pelos direitos sociais. Porém, a presença de tais direitos na Constituição e seu reconhecimento legal

6 6 não garantem a efetiva materialização dos mesmos, sendo necessária a constante luta da classe trabalhadora para efetivá-los e tornar um dever do Estado. Pelo ângulo econômico, as políticas sociais [...] assumem a função de reduzir os custos da reprodução da força de trabalho e elevar a produtividade, bem como manter elevados níveis de demanda e consumo, em épocas de crise (Behring, 2008, p.37). Ao mesmo tempo, estas são também viabilizadoras de direitos sociais, pois garantem o acesso da população usuária a serviços públicos que provêm condições de sua sobrevivência e reprodução sendo, portanto, centrais na agenda de lutas dos trabalhadores e na imposição de limites aos ganhos do Capital. As políticas sociais não se referem desse modo, tão somente às formas de articulação do Estado com o capital, mas também às manifestações das forças sociais, da organização e da mobilização das classes subalternas na alteração da ordem estabelecida. Coutinho (2008) aponta que o instrumento e o local da conciliação das lutas de classes foi sempre o Estado, no qual se verifica na atualidade um fortalecimento do que Gramsci chamava de sociedade política através dos aparelhos burocráticos e militares que exercem a dominação através do Executivo, em detrimento da sociedade civil e do conjunto de aparelhos ideológicos através dos quais uma classe, ou bloco de classes, luta pela hegemonia ou pela capacidade de dirigir o conjunto da sociedade. Conforme o autor, a ampliação da cidadania termina por se chocar com a lógica do Capital e somente uma sociedade sem classes, como o socialismo e o comunismo pode realizar o ideal de plena cidadania e democracia. Para Coutinho (idem), o Estado esta em disputa, podendo ser apropriado pela classe trabalhadora. Portanto, debater a ampliação dos direitos e das políticas sociais é fundamental, por que engendra a disputa pelo fundo público e envolve necessidades básicas de milhões de pessoas, impactando na melhoria das condições de vida da população, na ampliação, implementação e controle social das políticas públicas, e consequentemente na prevenção e redução do uso abusivo do álcool e outras drogas na sociedade. 3 A política social sobre drogas no contexto da reforma e contra reforma do Estado Brasileiro

7 7 Conforme Ribeiro e Laranjeiras (2007), o consumo de drogas sempre existiu ao longo da história da humanidade, desde as épocas mais remotas até os dias atuais, perpassando por todas as culturas e povos. Sendo que o consumo das substâncias psicoativas cresceu assustadoramente a partir da segunda metade do século XX, configurando-se nas últimas décadas como um fenômeno de massa e como uma questão de saúde pública. Ribeiro e Laranjeiras (2007) relatam que neste período da Idade Moderna, as cidades inchavam pelo aumento da população e inúmeros camponeses moravam em cortiços e guetos, vivendo na miséria e no desemprego. E que a partir do século XVII, com o desenvolvimento da indústria as substâncias psicoativas foram disponibilizadas com baixo custo e acesso facilitado nos bares, armazéns, farmácias etc, contribuindo para que inúmeras pessoas apresentassem problemas relacionados ao uso do álcool e outras drogas. Portanto, podemos caracterizar o aumento do uso das substâncias psicoativas como uma expressão da questão social 2. Sendo que na atualidade, a dependência química é considerada um dos maiores problemas de saúde e segurança pública. Em relação às políticas públicas e sociais sobre drogas, até a década de 1990 o Brasil não dispunha de uma política específica para esta questão, sendo enfrentado apenas com medidas repressivas direcionadas para o impedimento da oferta e do comércio de drogas. Numa perspectiva da legislação jurídica, as primeiras ações do Estado brasileiro sobre drogas advêm do Decreto Legislativo nº de 06 de julho de 1921, inspirado na primeira Convenção Internacional do Ópio realizado em Haia no ano de 1912 nos Países Baixos, regulamentado pelo Decreto de 1921, o qual revelou a importância de criar dispositivos para controlar a importação de entorpecentes, o comércio, o registro, a prescrição médica, a internação judicial e voluntária de toxicômanos em sanatórios. Portanto, desde a década de 30, a questão das drogas em nosso país vem sendo tratada como um caso de polícia. Em relação ao tratamento, até a década de 60, época em que as comunidades terapêuticas começaram a surgir no Brasil, o dependente químico e/ou sua família tinham como única opção a internação em manicômios, juntamente com as demais pessoas com transtornos 2 Questão social entendida como O conjunto das expressões das desigualdades da sociedade capitalista madura, que tem uma raiz comum: a produção social é cada vez mais coletiva, o trabalho torna-se mais amplamente social, enquanto a apropriação de seus frutos mantém-se privada, monopolizada por uma parte da sociedade (Iamamoto, 1998, p. 27).

8 8 psiquiátricos. A partir das mudanças sócio-econômicas, políticas e culturais ocorridas no país, bem como os movimentos antidrogas a nível nacional, com forte influência externa, vários decretos de abrangências normativas e penais foram sancionados, culminando com a legislação anti-droga através da Lei de 1976, o qual determinou a criação de um Sistema Nacional de Prevenção, Fiscalização e Repressão de Entorpecentes. No Brasil, até o ano de 2006, esta referida lei regulamentava o trato jurídico às drogas ilícitas dispondo a respeito das medidas de prevenção e repressão ao tráfico e o uso indevido de substâncias entorpecentes ou que determinem dependência física ou psíquica. Nessa lei, ocorre pela primeira vez há distinção entre o traficante e o usuário de drogas. Os usuários estariam sujeitos às medidas sócio-educativas e os traficantes às medidas privativas de liberdade. Outro avanço percebido é a decisão em legislar a respeito da reinserção social do dependente químico, que não era contemplada na lei anterior. Silva e Duarte (2008) apontam que, no Brasil somente a partir do ano de deu-se início a construção de uma política pública nacional específica sobre a redução da demanda e da oferta de drogas, sendo neste mesmo ano criada a Secretaria Nacional Antidrogas (SENAD), com a missão de coordenar uma Política Nacional Antidrogas, por meio da articulação e integração entre governo e sociedade. Assim, em por meio do Decreto Presidencial nº de 26 de agosto foi instituída a Política Nacional Antidrogas (PNAD), a qual a partir do ano de passou a chamar-se Política Nacional sobre Drogas (PNAD), estabelecendo os fundamentos, os objetivos, as diretrizes e as estratégias para que ações voltadas para a redução da demanda e da oferta de drogas, fossem realizadas de maneira planejada e articulada. Com o Decreto nº 3.696/2000, a SENAD e o Conselho Nacional Antidrogas (CONAD) passaram a integrar o Gabinete de Segurança Institucional do Governo Federal. Em função da realidade do aumento significativo do uso de substâncias psicoativas e das consequências associadas, o Ministério da Saúde instituiu no ano de 2003, o Programa Nacional de Atenção Integrada ao usuário de Álcool e outras Drogas, direcionado a criação de serviços específicos para usuários de drogas. Um dos dispositivos normativos desta política foi a Portaria GM/816/2002, que instituiu o Programa Nacional de Atenção Comunitária Integrada aos Usuários de Álcool e de Outras Drogas, no Sistema Único de Saúde. Através desse programa, foi previsto e está sendo implantado os Centros de Atenção Psicossocial para usuários de álcool e outras drogas (CAPS AD) nos municípios, prevendo

9 9 como estratégia uma assistência ao usuário de drogas e seus familiares. Esta política tem em seu regimento uma perspectiva intersetorial, envolvendo programas do Ministério da Saúde e de outros setores do governo, como também de organizações não-governamentais e representações da sociedade civil organizada; tendo como centralidade a redução de danos e diminuição dos riscos do uso abusivo do álcool e outras drogas, e não apenas a abstinência. Considerando os diversos componentes associados ao crescimento da violência, da criminalidade e dos problemas decorrentes do consumo de crack e demais drogas no país, foi lançado no ano de 2.010, o Decreto nº 7.179, que institui o Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e outras Drogas. O Plano tem por objetivo desenvolver um conjunto integrado de ações de prevenção, tratamento e reinserção social de usuários de crack e outras drogas, como também enfrentar o tráfico em todo o território nacional em parceria com estados, municípios e sociedade civil, com foco na redução da criminalidade associada ao consumo dessas substâncias. Podemos observar que, um dos últimos modelos de policiamento no Brasil as chamadas Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) deixam bem clara esta funcionalidade da guerra às drogas na efetivação do controle penal sobre a classe trabalhadora, especialmente aos pobres e aos em situações de vulnerabilidade social. Sob o pretexto de libertar as favelas da cidade do Rio de Janeiro dos traficantes de drogas, esse novo modelo de policiamento consiste na ocupação militarizada dessas comunidades pobres, contribuindo com o estigma, o preconceito e a idéia do gueto, sujeitando as pessoas que vivem nas favelas a uma permanente vigilância e monitoramento, reforçando a idéia de culpabilização dos indivíduos pelo uso abusivo de drogas. Ao longo da história da sociedade brasileira, o que tem existido e prevalecido em relação às drogas, é a força do cumprimento dos decretos e leis focados na repressão. Os programas preventivos surgiram recentemente, a partir da década de 70 e sob forma de compensação seletiva e de forma focalizada. Conforme Rodrigues (2004), no Brasil a questão do uso do álcool e outras drogas sempre foi tratado como problema de segurança pública, refletindo isso no perfil da primeira política governamental, a Política Nacional sobre Drogas (PNAD), a qual possui um caráter mais repressivo, focado na oferta do produto, redução dos crimes correlacionados ao tráfico, do que na prevenção e no tratamento, o que reafirma a

10 10 criminalização do usuário. Ao nos debruçarmos sobre o processo histórico de construção da legislação e da política social brasileira no que se refere à questão das substâncias psicoativas, podemos observar que o uso de drogas nas políticas públicas, foi tratado durante muitos anos como caso de polícia, adquirindo tardiamente o caráter de saúde pública. De ações de repressão ao usuário de drogas, passou gradativamente e de forma residual, para ações de prevenção, atenção e reinserção social; porém, mantendo a repressão sobre a produção e o tráfico. Analisando o tráfico de drogas na perspectiva do atual modelo econômico vigente o capitalista, essa forma mercantil é totalmente permitida, uma vez que atende ao principal interesse das nações que é o acúmulo incessante de Capital através das trocas de substâncias entorpecentes, seja ela a cocaína, o crack, o ecstasy, LSD ou a maconha, além de permitir a chamada lavagem de dinheiro. Para manter esta situação sob o controle das forças policialescas, os aparelhos ideológicos fazem a sociedade crer que o aumento do contingente repressor legitimado pelo Estado é a saída mais eficaz no combate ao tráfico de drogas, assim como a prisão dos traficantes e até usuários. O século do proibicionismo foi o mesmo século do crescimento do consumo de drogas. Defender um modelo alternativo ao proibicionismo não é afastar o Estado do problema, mas rediscutir o seu papel para que ele atue com mais eficiência. Como pensar em um regime democrático quando a análise da política de drogas aponta para a execução de um projeto que tem como finalidade manter a repressão e a exclusão social? A nova ordem mundial neoliberal tem se estruturado neste processo de aprofundamento das desigualdades sociais, com a ampliação da competição e com a redução e eliminação da regulamentação do papel do Estado, o que contribui com a precarização e a diminuição das políticas públicas e sociais. A proposta do modelo econômico neoliberal é de um Estado mínimo para o investimento na área social, repassando tais obrigações à sociedade e ao mercado, com a ampliação do Terceiro Setor. Conforme Coutinho (2008), na atualidade o neoliberalismo propaga o fim dos direitos sociais, propondo ao mercado a regulação das questões que envolvam a área da saúde, habitação, educação, etc; tendo em vista a lógica capitalista da ampliação máxima dos lucros.

11 11 Behring (2003) relata que há uma forte tendência de desresponsabilização pela política social em nome da qual se faria a reforma no Estado acompanhado pelo desprezo pelo padrão constitucional de seguridade social. O trinômio do neoliberalismo para as políticas sociais privatização, focalização e descentralização se expandiram por meio do Programa de Publicização, o qual se expressa na criação das agências executivas e das organizações sociais, e mais recentemente na regulamentação do Terceiro Setor. Esta última, estabelece um termo de parceria com as ONG s e instituições filantrópicas para a implementação das políticas e serviços sociais. Na atuação e no tratamento da dependência química, estas se expressam no surgimento das Comunidades Terapêuticas, Grupos de auto e mútua ajuda, Casas de apoio, entre outras instituições organizadas pela sociedade civil e entidades religiosas, os quais recebem muitas vezes o apoio financeiro e mantenedor do Estado. A essa nova arquitetura institucional na área social se combina ainda o serviço voluntário, o qual desprofissionaliza as intervenções nessas áreas, além de desresponsabilizar o Estado. Há, portanto, uma forte tendência de desresponsabilização pela política social em nome da qual se faria a reforma acompanhada pelo desprezo pelo padrão constitucional de seguridade social, com o desmonte dos direitos sociais duramente conquistados. A mudança do paradigma deve, portanto, ser simultânea à construção e efetivação das políticas públicas e sociais que contribuem de fato com a melhoria das condições de vida da população e com a prevenção do uso abusivo do álcool e outras drogas. Com lutas e movimento sociais em prol do processo de universalização efetiva da cidadania, das políticas sociais e da socialização da riqueza que é socialmente produzida, com a construção de uma sociedade mais justa, democrática e socialista. 4 Considerações Finais No processo histórico da humanidade as drogas sempre estiveram presentes, porém seu uso abusivo na sociedade contemporânea, entre outros motivos, está relacionado às tensões contraditórias do atual modelo sócio-econômico capitalista, com o aumento da desigualdade social, concentração de renda e injustiças sociais.

12 12 A falta de acesso e efetividade das políticas públicas sobre drogas são um dos maiores entraves para a prevenção, tratamento e para a diminuição dos riscos do uso abusivo do álcool e outras drogas. Além do atual governo neoliberal, na qual o Estado se torna mínimo para o investimento na área social e máximo para o Capital e o mercado; impactando diretamente as políticas sociais e os direitos dos trabalhadores. A conjuntura da contra-reforma do Estado Brasileiro iniciada na década de 70 e 80, juntamente com o ideário neoliberal nos anos 90 promoveu no Brasil uma reestruturação do Estado, repercutindo diretamente nas políticas sociais, com a lógica da focalização, seletividade e solidariedade, na refilantropização da pobreza, redução dos gastos, descentralização e mercantilização dos bens e serviços sociais, contribuindo assim com o desmonte dos direitos sociais e a diminuição dos investimentos do Estado na área social e nas políticas públicas, transferindo esta responsabilidade para o indivíduo, a sociedade, o Mercado e o Terceiro setor. Nas políticas sobre drogas, estas mudanças podem ser observadas nas diversas Comunidades Terapêuticas filantrópicas e religiosas, grupos de auto e mútua ajuda, organizações não governamentais (ONG s), clínicas e internações viabilizadas pela via do mercado, entre outros no tratamento e prevenção da dependência química. As pesquisas e a realidade social nos mostram um aumento do uso das substâncias psicoativas, mas principalmente, mostram-nos a necessidade de um maior planejamento, alocações de recursos e de efetivação e consolidação das políticas sociais para a prevenção e tratamento aos usuários de drogas, integradas com as demais políticas públicas e sociais. Portanto, as propostas oficiais voltadas para a questão do abuso de drogas requerem a integração e consolidação de todas as políticas públicas e sociais, a partir de uma visão do ser humano em sua totalidade, com a busca da melhoria efetiva das condições de vida da classe trabalhadora, contribuindo para que os fatores de proteção e prevenção ao uso das substâncias psicoativas possam ser alcançados e os fatores de riscos minimizados. Para a viabilização desse processo, torna-se imprescindível a efetiva participação da sociedade civil nestes espaços de decisão, controle e consolidação das políticas e direitos sociais, para que se efetive o processo de construção da democracia e do acesso universal aos serviços públicos e as políticas sociais; contribuindo com a diminuição das situações de vulnerabilidades sociais e consequentemente a redução do uso abusivo do álcool e de outras drogas.

13 13 5 Referências Bibliográficas BRASIL. Ministério da Saúde. A Política do Ministério da Saúde para atenção integral a usuários de álcool e outras drogas. Brasília/DF: Ministério da Saúde, Disponível em: Acessado em: 29 Dez. de BRASIL. Política Nacional sobre Drogas/Brasília, Presidência da Republica, Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas, BEHRING, Elaine R.. Brasil em contra-reforma: desestruturação do Estado e perda de direitos. São Paulo: Cortez, BEHRING, Elaine Rossetti; BOSCHETTI, Ivanete. Política social: fundamentos e história. São Paulo: Cortez, (Biblioteca Básica de Serviço Social, v. 2). CARNOY, Martin. Estado e Teoria Política. Campinas, SP: Papirus, COUTINHO. Carlos Nelson. Contra Corrente-Ensaios Sobre Democracia e Socialismo, Editora: Cortez, COSTA, Lúcia Cortes. Os impasses do estado capitalista: uma análise sobre a reforma do Estado no Brasil. Ponta Grossa: UEPG: São Paulo: Cortez, IAMAMOTO, M. V. O Serviço Social na contemporaneidade: trabalho e formação profissional. São Paulo: Cortez, MONTAÑO, Carlos; DURIGUETTO, Maria Lúcia. Estado, classe e movimento social. 3º Ed São Paulo: Cortez, OLIVEIRA, C.J. O enfrentamento da dependência do álcool e outras drogas pelo Estado brasileiro. In: BRAVO, M.I.S et al. (orgs.). Saúde e serviço social. São Paulo: Cortez; Rio de Janeiro: UERJ, ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE (OMS). Nomenclature and classification of drug and alcohol related problems: a WHO memorandum. Bull World Health Organ, RIBEIRO, Marcelo; LARANJEIRA, Ronaldo. A Evolução do Conceito de Dependência Química. IN: GIGLIOTTI, Analice; GUIMARÃES, Ângela. Dependência, Compulsão e Impulsividade Rio de Janeiro: Editora Rubio, RODRIGUES, T. Política e drogas nas Américas. São Paulo: Educ, 2004.

14 14 SILVA A. O.; DUARTE V. A. C. P. Prevenção do Uso de Álcool e outras Drogas no Ambiente de Trabalho. Curso de Prevenção ao Uso de Álcool e Outras drogas do Ambiente de Trabalho. Conhecer para Ajudar / Secretaria Nacional de Políticas Sobre drogas SENAD, YASBEK, Maria Carmelita. Pobreza e exclusão social: expressões da questão social no Brasil. Temporalis: Revista da Associação Brasileira de Ensino e Pesquisa em Serviço Social, Brasília, v. 2, n. 3, ENGELS, Friedrich. A origem da família, da propriedade e do Estado; tradução de Leandro Konder. 3ª ed. São Paulo: Expressão Popular, 2012.

GALBA TACIANA SARMENTO VIEIRA

GALBA TACIANA SARMENTO VIEIRA GALBA TACIANA SARMENTO VIEIRA No Brasil, a questão do combate ao uso de drogas teve início na primeira metade do século XX, nos governos de Eptácio Pessôa e Getúlio Vargas; A primeira regulamentação sobre

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL TEORIA MARXISTA NA COMPREENSÃO DA SOCIEDADE CAPITALISTA Disciplina: QUESTÃO E SERVIÇO Professora: Maria da Graça Maurer Gomes Türck Fonte: AS Maria da Graça Türck 1 Que elementos são constitutivos importantes

Leia mais

Políticas Públicas sobre drogas no Brasil. Luciana Cordeiro Aline Godoy

Políticas Públicas sobre drogas no Brasil. Luciana Cordeiro Aline Godoy Políticas Públicas sobre drogas no Brasil Luciana Cordeiro Aline Godoy O que são políticas públicas? Para que servem? Como são elaboradas? Políticas Públicas para quê? Instrumento na organização da sociedade

Leia mais

Serviço Social e o Trabalho Social em Habitação de Interesse Social. Tânia Maria Ramos de Godoi Diniz Novembro de 2015

Serviço Social e o Trabalho Social em Habitação de Interesse Social. Tânia Maria Ramos de Godoi Diniz Novembro de 2015 Serviço Social e o Trabalho Social em Habitação de Interesse Social Tânia Maria Ramos de Godoi Diniz Novembro de 2015 Sobre o trabalho social O trabalho social nos programas de, exercido pelo (a) assistente

Leia mais

Reforma do Estado. Pressões para Reforma do Estado: internas (forças conservadoras) e externas (organismos multilaterais).

Reforma do Estado. Pressões para Reforma do Estado: internas (forças conservadoras) e externas (organismos multilaterais). Reforma do Estado Pressões para Reforma do Estado: internas (forças conservadoras) e externas (organismos multilaterais). Redefinição da natureza, do alcance e dos limites à intervenção estatal. Preocupação

Leia mais

Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack, Álcool e outras drogas. Governo Federal

Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack, Álcool e outras drogas. Governo Federal Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack, Álcool e outras drogas. Governo Federal O QUE É? Conjunto de medidas, que pretende reorganizar o atendimento aos dependentes químicos na Rede do Sistema Único

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Serviço Social 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Serviço Social 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Serviço Social 2011-2 A INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NO PROGRAMA PROJOVEM URBANO Alunos: VARGAS,

Leia mais

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA,

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA, Carta de Campinas Nos dias 17 e 18 de junho de 2008, na cidade de Campinas (SP), gestores de saúde mental dos 22 maiores municípios do Brasil, e dos Estados-sede desses municípios, além de profissionais

Leia mais

Política Nacional sobre Drogas e o Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas Crack, é possível vencer. SALVADOR/BA ABRIL de 2012

Política Nacional sobre Drogas e o Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas Crack, é possível vencer. SALVADOR/BA ABRIL de 2012 Política Nacional sobre Drogas e o Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas Crack, é possível vencer SALVADOR/BA ABRIL de 2012 MARCOS HISTÓRICOS 1998: Adesão do Brasil aos princípios diretivos

Leia mais

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 Gestão 2013/2016

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 Gestão 2013/2016 LEI Nº 325/2013 Data: 04 de Novembro de 2013 SÚMULA: Dispõe sobre o Plano Municipal de Políticas Públicas Sobre Drogas, que tem por finalidade fortalecer e estruturar o COMAD como órgão legítimo para coordenar,

Leia mais

MÓDULO 1. Neste módulo você estudará sobre as políticas públicas e a rede de atenção aos usuários de substâncias psicoativas.

MÓDULO 1. Neste módulo você estudará sobre as políticas públicas e a rede de atenção aos usuários de substâncias psicoativas. MÓDULO 1 Neste módulo você estudará sobre as políticas públicas e a rede de atenção aos usuários de substâncias psicoativas. Você conhecerá a história da atenção à saúde de usuários de álcool e outras

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 19/A

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 19/A 9 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 19/A QUESTÃO 16 O Capítulo II das Entidades de Atendimento ao Idoso, da Lei nº 10.741, de 2003, que dispõe sobre o Estatuto do Idoso, coloca no Parágrafo Único

Leia mais

Edital nº 001/2010/GSIPR/SENAD / MS PLANO INTEGRADO DE ENFRENTAMENTO AO CRACK E OUTRAS DROGAS

Edital nº 001/2010/GSIPR/SENAD / MS PLANO INTEGRADO DE ENFRENTAMENTO AO CRACK E OUTRAS DROGAS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA GABINETE DE SEGURANÇA INSTITUCIONAL SECRETARIA NACIONAL DE POLITICAS SOBRE DROGAS MINISTÉRIO DA SAÚDE Comitê Gestor do Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e outras drogas

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

Rosimeire Ap. Mantovan rosimantovan@uol.com.br. Escola de Governo Novembro/15

Rosimeire Ap. Mantovan rosimantovan@uol.com.br. Escola de Governo Novembro/15 Rosimeire Ap. Mantovan rosimantovan@uol.com.br Escola de Governo Novembro/15 AÇÃO SOCIAL COM FORTE ATUAÇÃO DA IGREJA ENVOLVIMENTO DA SOCIEDADE CIVIL AUSÊNCIA DO ESTADO AÇÕES FOCALIZADAS E FRAGMENTADAS

Leia mais

Serviço Social na Previdência Social INSS

Serviço Social na Previdência Social INSS Gerência Executiva do INSS em Cuiabá Seção de Saúde do Trabalhador SERVIÇO SOCIAL Serviço Social na Previdência Social INSS Maio/2015 1 Introdução O Serviço Social do INSS é um serviço previdenciário,

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

Políticas Públicas e Legislação sobre Drogas

Políticas Públicas e Legislação sobre Drogas Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências da Saúde Centro de Estudos e Pesquisas sobre Álcool e outras Drogas Políticas Públicas e Legislação sobre Drogas Enfª. Camila Barcelos Vieira Mestranda

Leia mais

Edital nº 002/2010/GSIPR/SENAD

Edital nº 002/2010/GSIPR/SENAD PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA GABINETE DE SEGURANÇA INSTITUCIONAL SECRETARIA NACIONAL DE POLITICAS SOBRE DROGAS MINISTÉRIO DA SAÚDE Comitê Gestor do Plano Integrado de Enfretamento ao Crack e Outras Drogas

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR SANTOS, Elaine Ferreira dos (estagio II), WERNER, Rosiléa Clara (supervisor), rosileawerner@yahoo.com.br

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA: DIREÇÃO SOCIAL. Rafael TEIXEIRA DO NASCIMENTO. 1 Valderes MARIA ROMERA 2

SERVIÇO SOCIAL NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA: DIREÇÃO SOCIAL. Rafael TEIXEIRA DO NASCIMENTO. 1 Valderes MARIA ROMERA 2 SERVIÇO SOCIAL NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA: DIREÇÃO SOCIAL. Rafael TEIXEIRA DO NASCIMENTO. 1 Valderes MARIA ROMERA 2 RESUMO: O capitalismo financeiro está fortemente projetado na sociedade contemporânea,

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social. A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social. A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV SILVA, D. Pollyane¹ MORO, M. Silvana ² SOUSA, G. Cristiane³ Resumo Este trabalho tem o intuito de descrever a Prática Profissional

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL E A PRÁTICA PROFISSIONAL NA CASA DA ACOLHIDA

O SERVIÇO SOCIAL E A PRÁTICA PROFISSIONAL NA CASA DA ACOLHIDA O SERVIÇO SOCIAL E A PRÁTICA PROFISSIONAL NA CASA DA ACOLHIDA LEMOS, Josiane (estágio I), e-mail: lemosjosi@hotmail.com SANTOS, Lourdes de Fátima dos (estágio I). e-mail: lurdesfsantos84@hotmail.com SCHEMIGUEL,

Leia mais

Secretaria Nacional de Assistência Social

Secretaria Nacional de Assistência Social POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SUAS Secretaria Nacional de Assistência Social MARCOS NORMATIVOS E REGULATÓRIOS Constituição Federal 1988 LOAS 1993 PNAS 2004

Leia mais

TRABALHO COMO DIREITO

TRABALHO COMO DIREITO Av. Dr. Enéas de Carvalho Aguiar, 419 CEP: 05403-000 São Paulo SP Brasil TRABALHO COMO DIREITO () 04/12/2013 1 O direito ao trabalho no campo da Saúde Mental: desafio para a Reforma Psiquiátrica brasileira

Leia mais

Esporte como fator de inclusão de jovens na sociedade FGR: Gustavo:

Esporte como fator de inclusão de jovens na sociedade FGR: Gustavo: Esporte como fator de inclusão de jovens na sociedade Entrevista cedida à FGR em Revista por Gustavo de Faria Dias Corrêa, Secretário de Estado de Esportes e da Juventude de Minas Gerais. FGR: A Secretaria

Leia mais

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diretriz 01 - Promoção da cultura do respeito e da garantia dos direitos humanos de

Leia mais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Estatuto da Criança e do Adolescente: 18 anos, 18 Compromissos A criança e o adolescente no centro da gestão municipal O Estatuto

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

SUBCOMISSÃO PERMANENTE DE SEGURANÇA PÚBLICA Comissão de Constituição e Justiça - SENADO FEDERAL PLANO DE TRABALHO

SUBCOMISSÃO PERMANENTE DE SEGURANÇA PÚBLICA Comissão de Constituição e Justiça - SENADO FEDERAL PLANO DE TRABALHO SUBCOMISSÃO PERMANENTE DE SEGURANÇA PÚBLICA Comissão de Constituição e Justiça - SENADO FEDERAL PLANO DE TRABALHO 1. Contextualização e finalidades A violência, a falta de segurança e o medo da criminalidade

Leia mais

O Enfermeiro na Prevenção do Uso/Abuso de Drogas: uma perspectiva para o Programa Saúde da Família

O Enfermeiro na Prevenção do Uso/Abuso de Drogas: uma perspectiva para o Programa Saúde da Família O Enfermeiro na Prevenção do Uso/Abuso de Drogas: uma perspectiva para o Programa Saúde da Família Autoras: Margarida Maria Rocha Bernardes Elaine Cristina Valadares Gertrudes Teixeira Lopes Grupo de Estudos

Leia mais

BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS

BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS Cristiane Cinat Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP - Franca cricriblue@hotmail.com Introdução

Leia mais

Informativo Fundos Solidários nº 13

Informativo Fundos Solidários nº 13 Informativo Fundos Solidários nº 13 Em dezembro de 2014, em Recife, Pernambuco, foi realizado o 2º seminário de Educação Popular e Economia Solidária. Na ocasião, discutiu-se sobre temas relevantes para

Leia mais

AUDIENCIA PUBLICA : POLITICAS SOCIAIS SOBRE DEPENDENTES QUIMICOS DE ALCOOL, CRACK E OUTRAS DROGAS SEGURANÇA PUBLICA E LEGISLAÇÃO

AUDIENCIA PUBLICA : POLITICAS SOCIAIS SOBRE DEPENDENTES QUIMICOS DE ALCOOL, CRACK E OUTRAS DROGAS SEGURANÇA PUBLICA E LEGISLAÇÃO AUDIENCIA PUBLICA : POLITICAS SOCIAIS SOBRE DEPENDENTES QUIMICOS DE ALCOOL, CRACK E OUTRAS DROGAS SEGURANÇA PUBLICA E LEGISLAÇÃO O PLANO INTEGRADO PARA O ENFRENTAMENTO AO CRACK E OUTRAS DROGAS NO MUNICIPIO

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO.

SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO. SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO. Resumo Paula Lopes Gomes - Universidade Estadual da Paraíba. E-mail: paulagomes20@msn.com

Leia mais

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Realização: Ágere Cooperação em Advocacy Apoio: Secretaria Especial dos Direitos Humanos/PR Módulo III: Conselhos dos Direitos no

Leia mais

PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA

PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA 1. Criar o Fórum Metropolitano de Segurança Pública Reunir periodicamente os prefeitos dos 39 municípios da Região Metropolitana de São Paulo para discutir, propor,

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social ASSOCIAÇÃO REVIVER DE ASSISTÊNCIA AO PORTADOR DO VÍRUS HIV

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social ASSOCIAÇÃO REVIVER DE ASSISTÊNCIA AO PORTADOR DO VÍRUS HIV VIII Jornada de Estágio de Serviço Social ASSOCIAÇÃO REVIVER DE ASSISTÊNCIA AO PORTADOR DO VÍRUS HIV HEY, Claudia Maria 1 BONOMETO, Tatiane Caroline 2 TRENTINI, Fabiana Vosgerau 3 Apresentador (es): Claudia

Leia mais

Atuação do psicólogo na Assistência Social. Iolete Ribeiro da Silva Conselho Federal de Psicologia

Atuação do psicólogo na Assistência Social. Iolete Ribeiro da Silva Conselho Federal de Psicologia Atuação do psicólogo na Assistência Social Iolete Ribeiro da Silva Conselho Federal de Psicologia Concepção de Assistência Social Assistência social direito social e dever estatal Marco legal: Constituição

Leia mais

O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO

O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO Maria Salete da Silva Josiane dos Santos O Programa Assistência Sócio-Jurídica, extensão do Departamento de Serviço Social, funciona no Núcleo

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

F n i a n n a c n i c a i m a en e t n o Foco: Objetivo:

F n i a n n a c n i c a i m a en e t n o Foco: Objetivo: FINANCIAMENTO DO SUAS: GESTÃO MUNICIPAL E AS DESIGUALDADES REGIONAIS Financiamento Foco: competências da gestão municipal, especialmente no enfrentamento das desigualdades regionais exige o debate sobre

Leia mais

A PROTEÇÃO SOCIOASSISTENCIAL PARA USUÁRIOS DE CRACK E SUAS FAMÍLIAS: OS DESAFIOS DA INTERSETORIALIDADE

A PROTEÇÃO SOCIOASSISTENCIAL PARA USUÁRIOS DE CRACK E SUAS FAMÍLIAS: OS DESAFIOS DA INTERSETORIALIDADE A PROTEÇÃO SOCIOASSISTENCIAL PARA USUÁRIOS DE CRACK E SUAS FAMÍLIAS: OS DESAFIOS DA INTERSETORIALIDADE Título: A Proteção Socioassistencial para Usuários de Crack e suas Famílias: Os Desafios da Intersetorialidade

Leia mais

O trabalho social com famílias. no âmbito do Serviço de Proteção e. Atendimento Integral à Família - PAIF

O trabalho social com famílias. no âmbito do Serviço de Proteção e. Atendimento Integral à Família - PAIF O trabalho social com famílias no âmbito do Serviço de Proteção e Atendimento Integral à Família - PAIF Contexto Social: Acesso diferencial às informações Uso e abuso de substâncias psicoativas Nulo ou

Leia mais

Publicação DOU nº 98, seção 1 de 23 de maio de 2007

Publicação DOU nº 98, seção 1 de 23 de maio de 2007 Publicação DOU nº 98, seção 1 de 23 de maio de 2007 Atos do Poder Executivo DECRETO Nº 6.117, DE 22 DE MAIO DE 2007 Aprova a Política Nacional sobre o Álcool, dispõe sobre as medidas para redução do uso

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

SEMINÁRIO NACIONAL DE SERVIÇO SOCIAL NA PREVIDÊNCIA SOCIAL

SEMINÁRIO NACIONAL DE SERVIÇO SOCIAL NA PREVIDÊNCIA SOCIAL SEMINÁRIO NACIONAL DE SERVIÇO SOCIAL NA PREVIDÊNCIA SOCIAL SERVIÇO SOCIAL E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ATUAÇÃO NO BENEFÍCIO POR INCAPACIDADE Profª Drª: Jussara Maria Rosa Mendes Professora do Curso de Serviço

Leia mais

EIXO 2 PROTEÇÃO E DEFESA DOS DIREITOS: PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS

EIXO 2 PROTEÇÃO E DEFESA DOS DIREITOS: PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS EIXO 2 PROTEÇÃO E DEFESA DOS DIREITOS: PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS Garantir a elaboração e implementação da Política e do Plano Decenal de Direitos Humanos de Criança e Adolescente

Leia mais

ANEXO 01. CURSO: Tecnólogo em Segurança Pública e Social UFF

ANEXO 01. CURSO: Tecnólogo em Segurança Pública e Social UFF ANEXO 01 CURSO: Tecnólogo em e Social UFF SELEÇÃO DE VAGAS REMANESCENTES DISCIPLINAS / FUNÇÕES - PROGRAMAS / ATIVIDADES - PERFIS DOS CANDIDATOS - NÚMEROS DE VAGAS DISCIPLINA/FUNÇÃO PROGRAMA/ATIVIDADES

Leia mais

GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS

GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS O Plano Diretor é uma lei municipal que estabelece diretrizes para a ocupação da cidade. Ele deve identificar e analisar as características físicas, as atividades predominantes

Leia mais

V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Mudanças na Cultura de Gestão

V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Mudanças na Cultura de Gestão 1 V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Painel: Desenvolvimento Institucional Mudanças na Cultura de Gestão Roteiro: 1. Perfil das organizações do PAD. 2. Desenvolvimento Institucional:

Leia mais

Crack, é possível vencer

Crack, é possível vencer Crack, é possível vencer Prevenção Educação, Informação e Capacitação Aumento da oferta de tratamento de saúde e atenção aos usuários Autoridade Enfrentamento ao tráfico de drogas e às organizações criminosas

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DO IV SIMPÓSIO NACIONAL DO CEBES

RELATÓRIO SÍNTESE DO IV SIMPÓSIO NACIONAL DO CEBES RELATÓRIO SÍNTESE DO IV SIMPÓSIO NACIONAL DO CEBES O IV Simpósio Nacional do (Cebes), realizado no dia 31 de outubro de 2015, no Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB), no Rio de Janeiro, teve como objetivo

Leia mais

Sistema Único de Assistência Social

Sistema Único de Assistência Social Sistema Único de Assistência Social Secretaria Nacional de Assistência Social Departamento de Proteção Social Especial Brasília-DF Dezembro de 2011 O Sistema Único de Assistência Social (Suas) é um sistema

Leia mais

Mobilização e Participação Social no

Mobilização e Participação Social no SECRETARIA-GERAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Mobilização e Participação Social no Plano Brasil Sem Miséria 2012 SUMÁRIO Introdução... 3 Participação

Leia mais

MEDICAMENTOS GENÉRICOS

MEDICAMENTOS GENÉRICOS MEDICAMENTO GENÉRICO Uma importante conquista para a saúde pública no Brasil 15 anos 15 anos , 15 ANOS DE BENEFÍCIOS PARA A SOCIEDADE BRASILEIRA. Ao completar 15 anos de existência no país, os medicamentos

Leia mais

Palavras-chave: Política de formação; Reformas educacionais; Formação de professores;

Palavras-chave: Política de formação; Reformas educacionais; Formação de professores; A POLÍTICA NACIONAL DE FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS DO MAGISTÉRIO DA EDUCAÇÃO BÁSICA PARFOR: O PAPEL DOS FÓRUNS ESTADUAIS PERMANENTE DE APOIO A FORMAÇÃO DOCE Edinilza Magalhães da Costa Souza UFPA Resumo

Leia mais

Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas investe R$ 400 milhões em ações de saúde, assistência e repressão ao tráfico

Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas investe R$ 400 milhões em ações de saúde, assistência e repressão ao tráfico Presidência da República Secretaria de Imprensa. Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas investe R$ 400 milhões em ações de saúde, assistência e repressão ao tráfico Em resposta aos desafios

Leia mais

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006.

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006. UM ENSAIO SOBRE A DEMOCRATIZAÇÃO DA GESTÃO NO COTIDIANO ESCOLAR: A CONEXÃO QUE FALTA. Noádia Munhoz Pereira Discente do Programa de Mestrado em Educação PPGE/FACED/UFU - noadia1@yahoo.com.br Resumo O presente

Leia mais

5º Cabe ao Cmt Mil A a fixação, dentro do limite estabelecido no 4º deste artigo, do acréscimo a que faz jus o militar. (NR)

5º Cabe ao Cmt Mil A a fixação, dentro do limite estabelecido no 4º deste artigo, do acréscimo a que faz jus o militar. (NR) 5º Cabe ao Cmt Mil A a fixação, dentro do limite estabelecido no 4º deste artigo, do acréscimo a que faz jus o militar. (NR)... Art. 2º Estabelecer que esta portaria entre em vigor na data de sua publicação.

Leia mais

Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende *

Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende * Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende * Voluntariado é a expressão da participação da sociedade na vida pública mais significativa da atualidade. Os movimentos de participação

Leia mais

Proposta. Projeto Brasileiro. Brasília, outubro de 2012

Proposta. Projeto Brasileiro. Brasília, outubro de 2012 Proposta Projeto Brasileiro Brasília, outubro de 2012 1 - Existe, em seu país, política pública, programa ou estratégia de acesso ao Direito, para a população em condição de vulnerabilidade (grupos vulneráveis)?

Leia mais

6 Considerações finais

6 Considerações finais 6 Considerações finais Este pesquisa objetivou investigar como vem se caracterizando o processo de reforma psiquiátrica em Juiz de Fora e suas repercussões no trabalho dos assistentes sociais no campo

Leia mais

MÁRCIO FLORENTINO PEREIRA DEMOCRACIA, PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL EM SAÚDE

MÁRCIO FLORENTINO PEREIRA DEMOCRACIA, PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL EM SAÚDE MÁRCIO FLORENTINO PEREIRA DEMOCRACIA, PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL EM SAÚDE BRASÍLIA 2013 1 1. CAPITALISMO E A BAIXA INTENSIDADE DEMOCRÁTICA: Igualdade apenas Jurídica e Formal (DUSSEL, 2007), Forma

Leia mais

Projetos de Extensão SERVIÇO SOCIAL Estudo sociais em parceria com o fórum de UVA

Projetos de Extensão SERVIÇO SOCIAL Estudo sociais em parceria com o fórum de UVA Projetos de Extensão SERVIÇO SOCIAL Estudo sociais em parceria com o fórum de UVA Serviços técnicos do Serviço Social na área da família e infância nos processos do Fórum de União da Vitória O Serviço

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO SOCIOECONÔMICO PROJETO

SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO SOCIOECONÔMICO PROJETO SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO SOCIOECONÔMICO PROJETO ABRIL / 2005 Apresentação SMPDSE SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO E A Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ÉTICA E SERVIÇO SOCIAL: Elementos para uma breve reflexão e debate. Perspectiva de Análise Teoria Social Crítica (Marx e alguns marxistas)

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

PLANO ESTADUAL DE CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA

PLANO ESTADUAL DE CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA PLANO ESTADUAL DE CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA Comitê Intersetorial Direito à Convivência Familiar e Comunitária Porto Alegre, 9 de outubro de 2012 DIRETRIZES Fundamentação Plano Nacional Efetivação

Leia mais

Propostas dos GTs da Conferência Municipal de São Paulo. Princípios e diretrizes de Segurança Pública

Propostas dos GTs da Conferência Municipal de São Paulo. Princípios e diretrizes de Segurança Pública Propostas dos GTs da Conferência Municipal de São Paulo Princípios e diretrizes de Segurança Pública Eixo 1 1. Fortalecimento do pacto federativo; 2. Municipalização da Segurança Pública; 3. Estabelecer

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

Diretrizes Consolidadas sobre Prevenção, Diagnóstico, Tratamento e Cuidados em HIV para as Populações-Chave

Diretrizes Consolidadas sobre Prevenção, Diagnóstico, Tratamento e Cuidados em HIV para as Populações-Chave Diretrizes Consolidadas sobre Prevenção, Diagnóstico, Tratamento e Cuidados em HIV para as Populações-Chave Gabriela Calazans FCMSCSP, FMUSP II Seminário Nacional sobre Vacinas e novas Tecnologias de Prevenção

Leia mais

Políticas de saúde no México Direitos, universalidade, eqüidade e integralidade?

Políticas de saúde no México Direitos, universalidade, eqüidade e integralidade? XXI Congresso da Associação Latina de Análise dos Sistemas de Saúde Cidade do México 2-4 de setembro de 2010 Políticas de saúde no México Direitos, universalidade, eqüidade e integralidade? Oliva López

Leia mais

O CUIDADO QUE EU PRECISO

O CUIDADO QUE EU PRECISO O CUIDADO QUE EU PRECISO GOVERNO FEDERAL GOVERNO ESTADUAL GOVERNO MUNICIPAL MOVIMENTOS SOCIAIS MEIOS DE COMUNICAÇÃO O CUIDADO QUE EU PRECISO Serviço Hospitalar de Referência AD CAPS AD III Pronto Atendimento

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE. CAPÍTULO I Da Finalidade. CAPÍTULO II Dos Princípios, Objetivos e Metas Seção I Dos Princípios

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE. CAPÍTULO I Da Finalidade. CAPÍTULO II Dos Princípios, Objetivos e Metas Seção I Dos Princípios LEI N. 1.343, DE 21 DE JULHO DE 2000 Institui a Política Estadual do Idoso - PEI e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO SABER que a Assembléia Legislativa do Estado

Leia mais

Legislação Tributária ARRECADAÇÃO. Início dos Efeitos 10057/2014 14-02-2014 14-02-2014 1 14/02/2014 14/02/2014

Legislação Tributária ARRECADAÇÃO. Início dos Efeitos 10057/2014 14-02-2014 14-02-2014 1 14/02/2014 14/02/2014 Legislação Tributária ARRECADAÇÃO Ato: Lei Número/Complemento Assinatura Publicação Pág. D.O. Início da Vigência Início dos Efeitos 10057/2014 14-02-2014 14-02-2014 1 14/02/2014 14/02/2014 Ementa: Cria

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA Nº 01/2013

ORIENTAÇÃO TÉCNICA Nº 01/2013 ORIENTAÇÃO TÉCNICA Nº 01/2013 Ementa: Realização de estudo socioeconômico para a concessão de benefícios eventuais e outros benefícios sociais. A presente Orientação Técnica tem por objetivo responder

Leia mais

Secretaria de Trabalho, Emprego e Promoção Social Piraí do Sul/PR: Órgão Gestor

Secretaria de Trabalho, Emprego e Promoção Social Piraí do Sul/PR: Órgão Gestor Secretaria de Trabalho, Emprego e Promoção Social Piraí do Sul/PR: Órgão Gestor RODRIGUES, Camila Moreira (estágio II), e-mail:camila.rodrigues91@hotmail.com KUSDRA, Rosiele Guimarães (supervisora), e-mail:

Leia mais

¹Assistente Social da Associação Reviver do Portador do Vírus HIV, graduada pela Universidade Estadual de Ponta Grossa.

¹Assistente Social da Associação Reviver do Portador do Vírus HIV, graduada pela Universidade Estadual de Ponta Grossa. IX Jornada de Estágio de Serviço Social ASSOCIAÇÃO REVIVER DE ASSISTÊNCIA AO PORTADOR DO VÍRUS HIV HEY, Claudia Maria¹ BONOMETO, Tatiane Caroline² PREUSS, Lislei Teresinha³ Apresentador (a): Tatiane Caroline

Leia mais

Objetivo 1. Reduzir a Criminalidade Proposta Responsável/Sugestões Indicador

Objetivo 1. Reduzir a Criminalidade Proposta Responsável/Sugestões Indicador Coordenador: SEGURANÇA Visão: Que Santa Maria tenha os melhores indicadores de Segurança Pública, entre os municípios do Rio Grande do Sul com mais de 100 mil habitantes, garantindo a prevenção e o controle

Leia mais

Sucinta retrospectiva histórica do Comitê Estadual de Educação em Direitos Humanos de Goiás (CEEDH-GO)

Sucinta retrospectiva histórica do Comitê Estadual de Educação em Direitos Humanos de Goiás (CEEDH-GO) Goiânia, 23 de março de 2010. Sucinta retrospectiva histórica do Comitê Estadual de Educação em Direitos Humanos de Goiás (CEEDH-GO) Apesar da luta pela promoção e efetivação dos Direitos Humanos em nosso

Leia mais

Fernanda de Paula Ramos Conte Lílian Santos Marques Severino RESUMO:

Fernanda de Paula Ramos Conte Lílian Santos Marques Severino RESUMO: O Brasil e suas políticas sociais: características e consequências para com o desenvolvimento do país e para os agrupamentos sociais de nível de renda mais baixo nas duas últimas décadas RESUMO: Fernanda

Leia mais

PNDH - 3 DECRETO Nº 7.037, DE 21 DE DEZEMBRO DE

PNDH - 3 DECRETO Nº 7.037, DE 21 DE DEZEMBRO DE CURSO NEON PNDH - 3 DECRETO Nº 7.037, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2009. Profª Andréa Azevêdo Disciplina: DIREITOS HUMANOS E PARTICIPAÇÃO SOCIAL ANDRÉA AZEVÊDO Professora. e-mail: professoraandreaazevedo@yahoo.com.br

Leia mais

NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL

NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL Programa de Proteção a Crianças e Adolescentes Ameaçados de Morte PPCAAM Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente Secretaria de Direitos Humanos Presidência

Leia mais

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS 1 FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS MAURICIO SEBASTIÃO DE BARROS 1 RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar as atuais

Leia mais

HELENA NAVARRO GIMENEZ

HELENA NAVARRO GIMENEZ HELENA NAVARRO GIMENEZ O ASSISTENTE SOCIAL NA GESTÃO ESTADUAL DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E A APLICABILIDADE DO CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL NESSE ESPAÇO DE ATUAÇÃO O presente artigo tem por objetivo

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL E AS POLÍTICAS PÚBLICAS BRASILEIRAS NO TRATO DO ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS

O SERVIÇO SOCIAL E AS POLÍTICAS PÚBLICAS BRASILEIRAS NO TRATO DO ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS 1 UFMA UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICAS PÚBLICAS III JORNADA INTERNACIONAL DE POLÍCAS PÚBLICAS QUESTÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO NO SÉCULO XXI O SERVIÇO SOCIAL E AS

Leia mais

PRONATEC: múltiplos arranjos e ações para ampliar o acesso à educação profissional

PRONATEC: múltiplos arranjos e ações para ampliar o acesso à educação profissional PRONATEC: múltiplos arranjos e ações para ampliar o acesso à educação profissional Martha Cassiolato e Ronaldo Coutinho Garcia Diretoria de Estudos e Políticas do Estado, Instituições e Democracia - Diest/

Leia mais

COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS DO SENADO FEDERAL. Brasília maio 2010

COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS DO SENADO FEDERAL. Brasília maio 2010 COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS DO SENADO FEDERAL Brasília maio 2010 Audiência Pública: o avanço e o risco do consumo de crack no Brasil Francisco Cordeiro Coordenação de Saúde Mental, Álcool e outras Drogas

Leia mais

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento,

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Projetos e Capacitação Ministério do Desenvolvimento Social

Leia mais

Declaração de Brasília sobre Trabalho Infantil

Declaração de Brasília sobre Trabalho Infantil Declaração de Brasília sobre Trabalho Infantil Nós, representantes de governos, organizações de empregadores e trabalhadores que participaram da III Conferência Global sobre Trabalho Infantil, reunidos

Leia mais

RELACIONAMENTO JURÍDICO DO ESTADO BRASILEIRO COM INSTITUIÇÕES RELIGIOSAS, NO QUE CONCERNE À EDUCAÇÃO

RELACIONAMENTO JURÍDICO DO ESTADO BRASILEIRO COM INSTITUIÇÕES RELIGIOSAS, NO QUE CONCERNE À EDUCAÇÃO RELACIONAMENTO JURÍDICO DO ESTADO BRASILEIRO COM INSTITUIÇÕES RELIGIOSAS, NO QUE CONCERNE À EDUCAÇÃO GEORGE DE CERQUEIRA LEITE ZARUR Consultor Legislativo da Área XV Educação, Desporto, Bens Culturais,

Leia mais

EIXO DE TRABALHO 01 DIREITO A CIDADANIA, PARTICIPAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA E A REPRESENTAÇÃO JUVENIL

EIXO DE TRABALHO 01 DIREITO A CIDADANIA, PARTICIPAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA E A REPRESENTAÇÃO JUVENIL EIXO DE TRABALHO 01 DIREITO A CIDADANIA, PARTICIPAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA E A REPRESENTAÇÃO JUVENIL Proposta I Fomentar a criação de grêmios estudantis, fóruns de juventude, diretórios centrais de estudantes,

Leia mais

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Realização: Ágere Cooperação em Advocacy Apoio: Secretaria Especial dos Direitos Humanos/PR Módulo III: Conselhos dos Direitos no

Leia mais

A CONTEE a Reforma Universitária e o Programa Universidade Para Todos.

A CONTEE a Reforma Universitária e o Programa Universidade Para Todos. A CONTEE a Reforma Universitária e o Programa Universidade Para Todos. A CONTEE, depois de uma trajetória de mais de uma década de permanente debate interno e sintonia com as entidades filiadas, se encontra

Leia mais

SAÚDE DA FAMÍLIA E VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER: UM DESAFIO PARA A SAÚDE PUBLICA DE UM MUNICIPIO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Brasil

SAÚDE DA FAMÍLIA E VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER: UM DESAFIO PARA A SAÚDE PUBLICA DE UM MUNICIPIO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Brasil ID 1676 SAÚDE DA FAMÍLIA E VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER: UM DESAFIO PARA A SAÚDE PUBLICA DE UM MUNICIPIO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Brasil Dutra, Laís; Eugênio, Flávia; Camargo, Aline; Ferreira

Leia mais

PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS

PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS ENCONTRO DE GRUPOS REGIONAIS DE ARTICULAÇÃO- ABRIGOS - SÃO PAULO O QUE É UMA REDE DE PROTEÇÃO SOCIAL? sistemas organizacionais capazes de reunir indivíduos e instituições,

Leia mais