ITAÚ CULTURAL. Desconstruindo o artista. 3 set 2007 itaucultural.org.br

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ITAÚ CULTURAL. Desconstruindo o artista. 3 set 2007 itaucultural.org.br"

Transcrição

1 ITAÚ CULTURAL Desconstruindo o artista. 3 set 2007 itaucultural.org.br

2 ITAÚ CULTURAL Toda arte é fruto de um processo 1% inspiração e 99% transpiração. Dizem que essa é a fórmula que melhor representa o processo de criação do artista. Para tirar isso a limpo, a Continuum Itaú Cultural foi a campo e trouxe ao leitor visões ora distintas, ora complementares sobre o caminho que criadores das diferentes áreas de expressão artística percorrem antes de concluir suas obras. Para tornar essa abordagem o mais democrática possível, estão presentes nas matérias que integram esta edição de setembro, sugestivamente intitulada Desconstruindo o artista, as visões de criadores com perfis bastante diferenciados. Comparecem, entre outros, o artistapesquisador, que geralmente tem sua obra atrelada a uma pesquisa acadêmica; o artista popular, cuja matéria-prima de seus trabalhos são os fatos do cotidiano; e o artista que faz a ponte entre um repertório conceitual e o imaginário popular caso do entrevistado do mês, o artista visual Nelson Leirner. O processo de criação coletivo ilustrado na descrição de um dia de ensaio de duas orquestras sinfônicas paulistanas e o papel criativo do intérprete, que dá vida à obra de outros, também são abordados. Convidada da seção Área Livre, a artista visual e ilustradora paulistana Monica Schoenacker criou obra que faz referência ao acervo de materiais que utiliza em sua produção latas, tecidos, referências textuais, objetos em geral. Todo o conteúdo da Continuum Itaú Cultural pode ser acessado na versão virtual da revista (em Nela, o leitor é convidado a integrar as discussões do fórum e a enviar matérias de acordo com o tema do mês. Dê sua opinião: nosso canal de comunicação, o está aberto às suas críticas e sugestões sumário Faça-se a luz! Artigo analisa a infinidade dos processos criativos As faces da criação Artistas de repertórios e trajetórias distintos falam de seus métodos Três formas de criar a dança A coreografia contemporânea muito bem representada O olhar atento de Nelson Leirner Em entrevista, o veterano artista visual fala de sua rotina, obras e carreira Interpretar também é criar O papel fundamental de cantores, instrumentistas e atores Ensaios de orquestras As sinfônicas como sinônimo de criação coletiva Área livre Artista visual Monica Schoenacker mostra os instrumentos de seu trabalho Continuum Itaú Cultural Projeto Gráfico Jader Rosa Redação André Seiti, Érica Teruel Guerra, Marco Aurélio Fiochi, Thiago Rosenberg Colaboraram nesta edição Cia de Foto, Guilherme Conte, Micheliny Verunschk, Monica Schoenacker, Patrícia Rodrigues, Thiago Mio Salla Agradecimento Espaço Coringa capa: Ateliê do Espaço Coringa, São Paulo imagem: Cia de Foto ISSN Tiragem 10 mil distribuição gratuita Sugestões e críticas devem ser encaminhadas ao Núcleo de Comunicação e Relacionamento Jornalista responsável Ana de Fátima Sousa MTb set

3 ilustração: Jader Rosa Faça-se a luz! Em foco, o processo e os tipos de criação artística artigo Por Micheliny Verunschk No início, só os deuses possuíam o fogo da criação, até que o gigante Prometeu, cujo nome não por acaso significa premeditar, roubou uma centelha deste, com a qual ensinou aos homens e às mulheres inúmeras artes e ofícios. A criação individual é, certamente, o tipo mais comum de criação e, talvez, a que suscite mais curiosidade. Como é que um grande artista cria? Que caminhos percorre? Que pistas nos deixa sobre seu modo de trabalho? Na tentativa de responder a essas perguntas, há cerca de 30 anos foi criada a crítica genética, cujos objetos de estudo são os vestígios deixados pelos artistas ao longo do processo criativo rascunhos, diários, cartas, anotações etc. É por meio da crítica genética, introduzida no Brasil pelo professor Philippe Willermart, da Universidade de São Paulo, que se sabe hoje que o escritor francês Marcel Proust escreveu simultaneamente o primeiro e o último capítulos do romance Em Busca do Tempo Perdido, e que outro escritor francês, Honoré de Balzac, tinha um hábito quase obsessivo de fazer anotações às margens de seus manuscritos. Nem sempre a criação individual é solitária. A interlocução com o outro pode afetar diretamente o produto. Muitos poemas de Carlos Drummond de Andrade em início de carreira, na década de 1920, enviados a outro escritor, o paulista Mário de Andrade, foram alvo de sugestões, intervenções, cortes. A experiência do escritor mineiro Mário Prata, com seu livro Os Anjos de Badaró (Objetiva, 2000), escrito, capítulo a capítulo, na web, sob o olhar atento de milhares de usuários, que se tornaram coadjuvantes ao acompanhar e dar palpites no processo de escrita do livro, é um exemplo de obra individual em diálogo intenso com o público. A produção artística em dupla exige tanto uma grande sintonia entre os envolvidos como uma boa dose de disciplina, já que são pessoas diferentes que ensejam em certos casos conquistar uma complementaridade. Talvez esse seja o segredo da longevidade da dupla britânica Gilbert&George, em atividade há 40 anos, cujo trabalho agrega colagens, ampliações fotográficas e utilização de elementos orgânicos, como sangue, urina e esperma. Já os irmãos paulistanos Gustavo e Otávio Pandolfo, da dupla Osgemeos, declaram que começaram a pensar juntos no útero materno, sintonia esta que se materializa nas obras que realizam sempre a quatro mãos. Se o trabalho em dupla envolve desafios específicos, o que dizer do processo coletivo, em que o indivíduo sai de cena em nome de um projeto que redefine as noções de autoria? O coletivo pernambucano Re:combo, com mais de 35 integrantes de várias áreas, como músicos, engenheiros de software e artistas plásticos, mescla música e arte eletrônica com preceitos colaborativos. E o produto é resultado da intervenção de pessoas que estão em diferentes locais do Brasil e do mundo. Descentralização da criação é a palavra-chave para grupos como este, o que remete a um período anterior da história, entre a Antiguidade e a Idade Média, em que a arte era uma colcha de retalhos alinhavada por uma variedade de artistas e artesãos anônimos, que, atuando nos bastidores, deixaram um legado importante e inalienável: a herança cultural da humanidade. O criador e seus instrumentos A relação entre a criação e os instrumentos de trabalho, muitas vezes tratados com afeto ou estima por parte do artista, pode revelar um cenário íntimo ou o contexto histórico e social que envolve a criação. A poeta Sylvia Plath, autora de Ariel (1965), amava seus cadernos, nos quais, dizia, a ponta preta da caneta deslizava. Esses cadernos, dos quais foi retirada essa citação, falam do processo criativo daquela que foi uma das mais intensas e importantes poetas norteamericanas do século XX. Já o artista australiano Stelarc, autor do projeto Corpo Amplificado (1970), vai além na integração entre o processo de criação e o corpo humano. Utilizando interfaces robóticas, amplia seu corpo com próteses e, conseqüentemente, este passa a ser um suporte da própria criação artística com todas as suas marcas e rasuras. Para Stelarc, o corpo humano é obsoleto e só a ampliação cibernética pode redefenir os conceitos de humanidade e de arte. Conhecimento, criação e sentimento se articulam nos artistas como peças do mesmo processo, que é histórico, pessoal, coletivo, afetivo, reflexivo. A investigação acerca do processo de criação artística leva à curiosidade em relação a cenários, métodos, instrumentos. A arte coloca o mundo em rede e permite que obras ou expressões sejam premeditadas, criadas e recriadas, como se orgulharia, e muito, Prometeu..4.

4 As faces da criação reportagem Da universidade ou da escola da vida, de onde vem o saber artístico? Por Patrícia Rodrigues Não importa o que os artistas façam ou de onde venham, cada um tem um jeito bastante peculiar de definir o seu trabalho. Alguns se revelam nos meios acadêmicos; outros emergem da realidade e do cotidiano que os rodeiam. Um terceiro time circula no meio-termo, batendo uma bolinha entre o erudito e o popular. Apesar da diversidade do que se pode chamar de arte, dos modos de pensá-la e das possibilidades que ela oferece, os processos criativos desses artistas têm em comum a observação e o diálogo. De acordo com a paulistana Carmela Gross, artista plástica com obras apresentadas em várias bienais e em coleções públicas, além de professora da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA/USP), ser artista é estar conectado a muitas áreas. Segundo ela, porém, o que também caracteriza o artista é sua singularidade, o modo como enxerga o mundo. Um Picasso é reconhecido pelo modo de operar, seja em cerâmica, seja em pintura ou em gravura. Delimitar a atividade artística ao ofício é uma redução. Um artista mergulhado apenas em suas próprias questões não dialoga com outras áreas, o que é fundamental para pensar sua obra, esclarece. A artista plástica paulistana e professora, também da ECA/USP, Daniela Kutschat, que investiga meios eletrônicos e tecnologias de comunicação no contexto da arte, acredita que a técnica e a tecnologia sejam partes do processo criativo e podem influenciá-lo, mas isso não é tudo. Aquele que se prende e se perde na técnica vira técnico ou artesão. O artista vê além da técnica. Ao lado da artista Rejane Cantoni, professora de tecnologia e mídias digitais da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP), Daniela estabeleceu, há oito anos, uma parceria que comprova no dia-a-dia a necessidade do diálogo e da observação para fazer arte, sem que uma idéia se sobreponha à outra. Em linhas gerais, elas desenvolvem, em seu projeto OP_ERA, ferramentas de experimentação multissensorial com base em conceitos da física e das artes. Nesse caso, as fronteiras entre arte e ciência são tênues, pois a obra só é possível porque está inserida num contexto de pesquisa..6.7 Conexão do Morro imagem: Cia de Foto

5 Formação ou informação? Com relação à necessidade de o artista ter uma formação acadêmica, Carmela explica que, a partir da arte moderna, os parâmetros do aprendizado das artes e da transmissão de conhecimento por meio da técnica foram abolidos. O estudo ganhou outros significados e sentidos. O que se aprende na universidade é a pensar. Há a exposição a muitas informações, o contato com professores de diversas áreas e a possibilidade de fazer experiências com algumas técnicas. Já o músico e compositor paulistano Lívio Tragtenberg, apesar de ter ministrado aulas na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e na PUC/SP, tem restrições quanto à universitarização do fazer artístico. A arte torna-se instrumentalizada e acontece a reboque da formatação do acadêmico, com títulos e bolsas, restando menos espaço para a imaginação. Autodidata, ele é autor de músicas para teatro, orquestra, dança, vídeo, cinema e instalações. Para Tragtenberg, a educação do criador deve ser sentimental, não instrumentalizada. De nada servem criadores que se transformam em um bando de chatos que freqüentam seminários técnicos de computação musical. Ou ainda, como diria Oswald de Andrade, aqueles chato-boys, compositores-universitários, pseudocientistas, que fazem uma musica estéril. No mundo das artes, o talento é uma questão que parece ser tão ultrapassada quanto discutir a importância das vacinas. Um artista nasce com talento para a arte tanto quanto um economista nasce para trabalhar com previsões econômicas, avalia Daniela. Rejane também não acredita em fórmulas ou em intuição. Existe, sim, a sensibilidade resultante da observação. Por exemplo, os primeiros escultores foram escultores porque conheciam as propriedades dos metais. Todos os procedimentos são sempre científicos. Autor de O Colecionador de Pedras (Global, 2007), o poeta mineiro Sérgio Vaz, um dos coordenadores da Cooperativa Cultural da Periferia (Cooperifa), espaço que dá voz aos criadores da periferia paulistana, em saraus semanais no Jardim Guarujá, é contra rotular como talentoso alguém que teve um lampejo de genialidade. Algumas pessoas descobrem o que gostam de fazer e o fazem bem. Não é exclusividade de quem vive da arte. Para Tragtenberg, falar em talento e inspiração é algo excludente. Segundo ele, nessa visão romântica, o artista não passa de um personagem social antiquado, estereotipado e estéril. O ideal é incluir todo mundo em um universo de criação, ter novas bases, limpar a área de preconceitos e de conceitos aceitos pela maioria. O escultor cearense radicado no Rio de Janeiro Efrain Almeida, exemplo de artista que faz a ponte entre um repertório conceitual e o imaginário popular, parte do princípio de que arte e informação caminham juntas. O cotidiano não é só o lado prático, menos ainda a inspiração, mas exercitar-se nas várias maneiras de ver o mundo. Almeida transforma com maestria a umburana, madeira típica de seu estado natal, em pequenas esculturas que remetem à religiosidade. No entanto, o olhar do artista sobre o sacro é diferente do sugerido pelo artesanato. O ponto de partida e a referência podem ser os mesmos, mas transponho esses elementos para o contexto urbano e contemporâneo. Os resultados são antagônicos. O artesanato, de acordo com ele, esbarra na questão da repetição. A arte se torna utilitária, tanto que passa a ser produzida em série, sem inovação. Arte do improviso A dupla musical Caju e Castanha faz emboladas com base em fatos do cotidiano. Para embolar não precisa pensar muito no assunto, diz o pernambucano José Roberto da Silva, o Castanha. A matéria-prima está aí, no dia-a-dia, nos noticiários. A gente naturalmente se liga no que está acontecendo, seja na política, seja no comportamento, nos temas do povo. E a embolada nasce. Desde garoto, Castanha batucava as canções de Roberto Carlos em um pandeiro de lata nas ruas do Recife, ao lado do irmão Albertino da Silva, o Caju original, falecido em A dupla ficou conhecida do grande público em 1979, com o documentário Nordeste: Cordel, Repente, Canção, de Tânia Quaresma. Depois disso, urbanizou a embolada original (feita só com pandeiro). As rimas cheias de crítica social e de humor ganharam outros ritmos com a ajuda de guitarra, baixo, bateria e teclado e a influência de estilos musicais como o forró e o hip-hop. A capacidade de exercitar o olhar para desenvolver uma obra artística aparece naturalmente nas letras do grupo de rap Conexão do Morro, originário de Capão Redondo, zona sul de São Paulo. Preciso parar e colocar no papel o que estou sentindo, o que vejo diariamente acontecer nas ruas da periferia, conta o músico Cobra, líder do grupo. Ao lado de Cachorrão e do DJ Lah, ele cria versos e rimas como os das músicas que integram o recente álbum Por que o Ódio e Não o Amor. Além da observação das ruas, Cobra anota frases que lhe chamam atenção e aposta em leituras mais realistas, como Cidade de Deus (Cia. das Letras, 1997), de Paulo Lins, e Abusado (Record, 2003), de Caco Barcellos..8.9 Lívio Tragtenberg imagem: Isabel D Elia Carmela Gross imagem: Cia de Foto

6 Três formas de criar a dança A coreografia contemporânea é território aberto a processos criativos diversos Por Érica Teruel Guerra reportagem Márcia Milhazes, coreógrafa do Márcia Milhazes Cia. de Dança; Bruno Beltrão, que dirige o Grupo de Rua de Niterói; e Alejandro Ahmed, diretor e coreógrafo do Cena 11 Cia. de Dança a dança contemporânea brasileira está muito bem representada por esses artistas, que investem em mais do que treinamento físico em seus trabalhos: estudo e reflexão são essenciais na construção de seus espetáculos, servindo como fontes de repertório. A despeito das inúmeras diferenças entre suas linhas de criação, eles afirmam, sem hesitar, que não é possível delimitar suas inspirações. Minha produção é influenciada pelo mundo, pela ínfima parte dele com a qual tenho contato e interajo. Seria um erro estipular preferências, construir hierarquias, explica o fluminense Beltrão, que trabalha com hip-hop e dança contemporânea sob um olhar filosófico: Foi a filosofia que me ensinou o valor das perguntas. Compreendi que elas geravam crise, e me dava um grande prazer colocar o hip-hop em crise. Por sua vez, a obra da carioca Márcia tem como ponto marcante a presença da cultura brasileira. Três de seus trabalhos Santa Cruz (1995), A Rosa e o Caju (1998) e Joaquim Maria (2000) partiram da literatura de Machado de Assis. A obra dele e o conteúdo psicológico de seus personagens são tão profundos, tão complexos, que me instigam, comenta. Para o uruguaio Alejandro Ahmed, o espetáculo é criado em equipe, com base na discussão de uma idéia. A partir dela produzimos um território, um lugar onde vamos trabalhar. Já para Beltrão, que não tem a possibilidade de estar sempre em contato com seu grupo, o processo acontece em etapas distintas. Quando estamos separados, fico ruminando idéias, entendendo o processo, definindo propostas de trabalho, criando jogos, cultivando imagens, conta. O momento criativo de Márcia é, curiosamente, solitário. Eu monto cada detalhe da construção, mas isso está longe de significar que os intérpretes não dialoguem comigo de maneira profunda. Particularidades da criação Alguns dos componentes de apresentações de dança, como trilha sonora e cenário, também são cuidadosamente pensados pelos três coreógrafos. O espetáculo é uma coisa só, e a coreografia é um dos elementos. Tanto ela quanto os outros têm de ser coerentes com a idéia da obra, afirma Ahmed, cuja marca é o trabalho com tecnologia em cena. Segundo ele, os aparelhos tecnológicos são uma extensão do corpo humano e é interessante estudar a relação estabelecida entre homem e máquina. A música, que em alguns casos é criada antes da coreografia, não é o primeiro elemento em que Márcia pensa. Minha construção é toda em silêncio. Geralmente, só toco a trilha para os intérpretes 20 dias antes da estréia, revela a coreógrafa. Para Beltrão, que tem trilhas que vão desde o clássico até gravações de conversas, a música está intimamente ligada ao espetáculo. Cada projeto necessita de um estudo de sonoridades, afirma. Nos espetáculos do Cena 11, a música fica a cargo da diretora musical e intérprete Hedra Rockenbach. A relação com o público é também determinante na criação dos coreógrafos. Prova disso é o projeto SKR (2002), do Cena 11, o qual consistiu em uma pesquisa que resultou no espetáculo Skinnerbox (2005). Parte do estudo para a obra foi feito no palco, para testar, na performance dos bailarinos e na reação dos espectadores, as idéias do grupo. Ao falar sobre o público, Márcia resume suas intenções como artista: Não gosto de pensar que minha criação gera um olhar preguiçoso, já previsto. Quero que minha arte gere algo no indivíduo, abra seu coração, proporcione um momento de observação. De alguma maneira, o que acontece é um encontro de identidades Grupo de Rua de Niterói imagem: Eduardo Hermanson; e Skinnerbox e PFdFSRi, do Cena 11 imagens: Gilson Camargo Tempo de Verão, de Márcia Milhazes imagens: Alceu Bett e Amir Sfair Filho

7 O olhar atento de Nelson Leirner entrevista Como é seu dia-a-dia? Você utiliza as informações que lhe chegam pelos meios de comunicação como elementos para sua arte? Ou a matéria cotidiana é apenas um instrumento para sua visão de mundo? Por Marco Aurélio Fiochi Artista visual paulistano, radicado no Rio de Janeiro desde 1997, Nelson Leirner é referência para o meio artístico brasileiro devido à construção de uma trajetória no mínimo emblemática. Pertencente a uma família de artistas e críticos que inclui, entre outros, a mãe Felícia, escultora já falecida, o pai Isai, ex-diretor do MAM/SP, e a prima Jac, também artista visual, Nelson iniciou a carreira na década de 1950 e, desde então, participou de mais de uma centena de coletivas, além de realizar individuais no Brasil e em várias partes do mundo e de atuar como professor em cursos de arte por mais de duas décadas. Aos 75 anos, sua produção percorreu diversas linguagens e suportes, entre eles objeto, happening, instalação, outdoor, desenho, gravura, design e cinema experimental. Em todos os meios, o artista mostra sua posição crítica e irônica ao sistema da arte ou ainda a solidariedade a um repertório que, embora conceitual, abre brechas ao entendimento do público não-iniciado, ao utilizar materiais familiares ao seu universo gessos de santos e entidades do candomblé, soldadinhos, pequenos brinquedos, animais e insetos de plástico e borracha, adesivos autocolantes, que integram instalações como O Grande Desfile (1984), O Grande Combate (1985) e O Grande Enterro (1986). Nesta entrevista, Nelson fala de seu processo criativo, dos materiais e obras e de seu atual ritmo de trabalho. Veterano de cinco décadas, defende os novos criadores: Não acho que exista um esvaziamento de conteúdo, nem falta de repertório na nova geração. O que não se pode comparar são gerações que lidam com diferentes comportamentos de uma sociedade, pois o artista também a integra. Hoje meu dia-a-dia, dentro do possível, é totalmente desobrigado de ter ou aceitar compromissos tanto com o meu trabalho como no âmbito social. Vivo com o olhar sempre atento ao meu redor, pois é dele que tiro conclusões para conceituar minha visão de arte. Uma notícia vinda pelos meios de comunicação tem a mesma importância que um passeio por uma rua movimentada do centro da cidade. E o trabalho no ateliê? Você trabalha em vários projetos ao mesmo tempo ou prefere acabar uma obra e começar outra? Você se impõe um ritmo de trabalho? Não tenho ateliê, apenas um espaço para um pequeno depósito e para escrever ou rascunhar projetos. Prefiro trabalhar quando um determinado espaço já me é delimitado, não tenho regras para ter começo, meio ou fim e meu ritmo é minha ansiedade. Entre uma obra e outra há intervalos muito grandes ou você procura sempre estar em produção? Não procuro nem os intervalos nem a produção constante, mas a dimensão da minha obra me faz estar mais próximo de uma produção mais densa. Como você desenvolve seus projetos? Você rascunha, desenha, põe no papel suas idéias ou vai criando sem um roteiro inicial? Tenho trabalhos que, com os mesmos elementos, criei as mais diferentes situações, sempre me adaptando aos espaços que me foram dados. Na minha obra é quase impossível ficar preso a um roteiro

8 Os materiais que você utiliza são bem variados e em geral podem ser encontrados em centros de comércio popular. Qual sua intenção ao trabalhar com esses materiais e como se dá a escolha deles? Qual seu interesse por uma iconografia, digamos, popular? A essa pergunta vou responder com um trecho escrito pelo curador Agnaldo Farias: Cada um desses objetos encarna uma imagem desgastada pela repetição infinita; são signos exauridos, mas que, no entanto, ainda mantêm um débil liame com nossos sonhos, dão provas do nosso impulso de efetuar simbolizações. É o artista quem afetuosamente os retira do limbo onde nossa indiferença os vem depositando, para colocá-los lado a lado, sem estabelecer hierarquia entre eles, sem criar distinção entre os mitos religiosos, os mitos pagãos, as fantasias infantis, os seres provenientes dos reinos animal, vegetal e mineral todos como lídimos representantes de nós mesmos.... Que tipo de material você ainda não usou mas gostaria de utilizar? Não faço uso da tecnologia, mas não sei se gostaria de enveredar por esse caminho. Acho que é uma questão de geração. E qual linguagem artística ainda o atrai, ainda é um desafio para você? O cinema, que para mim é o meio de expressão mais completo. Sua obra tem um apelo grande para pessoas que não são necessariamente fruidores das artes visuais. Isso se deve aos materiais que usa, às escolhas temáticas que faz ou a uma intenção de tornar sua obra mais acessível, menos hermética? A arte conceitual é elitista e disso não escapamos. O que acontece com meu trabalho é que pelo material que costumeiramente uso existe uma identificação com o público em geral. Essas pessoas, que como você coloca não são necessariamente fruidores das artes visuais, podem ver num espaço dedicado à arte um pouco do seu universo. Um conceito duchampiano Nelson Leirner imagens: Cia de Foto

9 Nelson Leirner, Figurativismo Abstrato, 2004 [detalhe] imagem: Sergio Guerini Você foi professor de arte durante muitos anos e ajudou a formar muitos artistas. Como vê os cursos de arte que são oferecidos? Por que recomendaria a um aspirante a artista um curso formal na área? O mais importante não é o que se ensina nem o que o aluno vai aprender, e sim o constante contato que ele vai ter com a arte. Sem ser generalista, você sente entre os artistas da novíssima geração, surgidos a partir de 1990, um esvaziamento de conteúdo, uma falta de repertório, já que esse grupo é bem diferente dos artistas que surgiram junto com você nos anos 1950, os quais tinham uma atitude crítica, combativa, irônica, devido, entre outros fatores, à situação política nas décadas seguintes? Ou seria o contrário disso, já que a nova geração dispõe de recursos tecnológicos que não existiam quando você iniciou? Não acho que exista um esvaziamento de conteúdo, nem falta de repertório na nova geração. O que não se pode comparar são gerações que lidam com diferentes comportamentos de uma sociedade, pois o artista também a integra. A tecnologia já faz parte da geração atual, que desde cedo domina essa linguagem. O que singulariza seu processo criativo, o que torna sua obra uma obra que só poderia ser produzida por Nelson Leirner? É não querer fazer ARTE e sim arte. Nelson Leirner, Série Clonagem, 1997 imagens: Sergio Guerini Conheça mais sobre a vida e a obra de Nelson Leirner na Enciclopédia Itaú Cultural de Artes Visuais:

10 Interpretar também é criar reportagem Cantores, instrumentistas e atores são fundamentais à criação artística Por Guilherme Conte O dicionário Houaiss define interpretação como ato ou efeito de interpretar. Em seguida, faz uma distinção para música o aspecto pessoal na execução musical e outra para cinema, teatro e televisão: Arte e técnica do ator; a forma dada por um ator ao desempenho de seu papel. Se as definições divergem em algum ponto (uma fala de algo mais pessoal, outra de técnica e forma), elas parecem apontar para um dado comum: o papel criador do intérprete. Alguns de nossos maiores cantores Maria Bethânia, Gal Costa, Elis Regina, Nara Leão e Ney Matogrosso consagraram-se como intérpretes, sem um trabalho de composição consistente. Para o público a voz sempre foi um rosto, afirma o escritor e curador Marcelo Rezende. Sinatra jamais escreveu uma canção, mas seu rosto e sua voz são patrimônios da cultura ocidental do século XX, continua Rezende, que também é editor da revista Bravo!. O filme Música É Perfume (2005), do franco-suíço Georges Gachot, traça um panorama do processo criativo da cantora Maria Bethânia. O diretor mostra como ela trabalha cada canção, as abordagens alternativas que faz para estilos de música diferentes, como gosta que as idéias nasçam no ato da gravação, no coletivo. Uma grande cantora, assim como um grande instrumentista, não é uma mera repetidora de obras de outros autores, diz o paulistano Alexandre Pavan, jornalista do Núcleo de Música Popular da TV Cultura. O mesmo ocorre com a música erudita. Segundo o norte-americano John Boudler, criador do Grupo de Percussão do Instituto de Artes da Universidade Estadual Paulista (Unesp), uma partitura é algo abstrato: são sinais, grafismos, explica. O músico é quem traduz esses sinais gráficos abstratos para o ouvido do ouvinte. Isso em si já é uma criação. Boudler acrescenta que o papel do intérprete é enxergar além dessas notas, desses sinais. Em seu caso, ele faz um estudo prévio da obra, escuta diferentes execuções, procura saber sobre a biografia do compositor, o que acontecia em sua vida quando escreveu aquela peça (uma guerra, uma crise conjugal ou uma doença, por exemplo). Isso ajuda a perceber os sentidos intrínsecos da estrutura da obra. É o que eu chamo de honestidade de qualidade de preparo, conta. É isso que distingue uma interpretação de outra: se as notas são as mesmas, o que muda é o que está entre elas. Um dos exemplos mais notórios de interpretação como recriação são as duas gravações das Variações Goldberg, do compositor alemão Johann Sebastian Bach, pelo lendário pianista canadense Glenn Gould. Sua gravação de estréia, em 1955, aos 22 anos, dura pouco mais de 38 minutos. É uma execução em que ficam evidentes o virtuosismo e o completo domínio do jogo de polifonias da parte de Gould. Já a regravação, de 1981, lançada poucas semanas antes da morte do músico, dura praticamente 1 hora. O pianista descortina aqui um conjunto de variações muito mais sereno e detalhista, buscando valorizar cada nota, cada frase. A mesma partitura e o mesmo pianista, em recriações absolutamente distintas. Personagens à procura do ator Das notas para as palavras, há muita coisa em comum. Para o ator paulista Otávio Martins, o ator-criador vem para dizer o que não foi falado no texto. O autor, segundo Martins, aponta com palavras o caminho do conflito dramático. Quem percorre esse caminho, no entanto, é o ator, com toda sua carga de emoção. O instrumento do ator é o próprio ator, diz Martins, indicado para o Prêmio Shell por sua participação na montagem de A Noite Antes da Floresta, do dramaturgo francês Bernard-Marie Koltès, dirigida pelo paulistano Francisco Medeiros. O caminho é traçado com a intenção de buscar a humanidade por trás do personagem e, assim, promover o encontro com a platéia. O interessante do ator-criador não é sublinhar, mas dialogar com o texto. Desse diálogo nasce uma terceira coisa que só é vivenciada pelo público na hora. O texto é o mesmo, o elenco é o mesmo, mas cada sessão tem um espetáculo diferente. A principal incumbência do ator-criador é propiciar isso. Alexandre Reinecke, diretor de montagens recentes como Oração para um Pé-de- Chinelo, escrita pelo dramaturgo paulistano Plínio Marcos em 1969, pensa na mesma linha. O teatro é essencialmente a arte do ator. Diretores, texto, cenógrafo, figurinista, trilheiros, iluminadores estão ali para vestir o personagem nesse ator, afirma. Reinecke sempre faz um estudo profundo do texto, na busca de elementos que o ajudem na compreensão e na construção dos personagens e da encenação. E é justamente o fato de uma apresentação ser sempre uma recriação, diferente de todas as outras, que comprova para o diretor a magia do teatro Otávio Martins em A Noite Antes da Floresta imagem: Daniel Cobucci

11 Ensaios de orquestras reportagem Trabalho coletivo e dedicação individual na rotina das sinfônicas paulistanas Por Thiago Mio Salla De um lado, a figura autoritária do maestro alemão, que endereçava palavras ríspidas e impropérios aos músicos. Do outro, a ironia e a revolta de seus comandados. Se o regente do filme Ensaio de Orquestra (1979), do diretor italiano Federico Fellini, sentia-se o dono do mundo quando empunhava a batuta, ao mesmo tempo que via sua autoridade desmoronar, o fluminense Carlos Moreno, há seis anos à frente da Orquestra Sinfônica da Universidade de São Paulo (Osusp), adota um comportamento diverso. Admirado por seus instrumentistas, procura construir com eles uma relação cordial, que tem como objetivo a excelência do conjunto. Na manhã fria do dia 23 de julho, enquanto uma tempestade castiga o telhado do Anfiteatro Camargo Guarnieri, na Cidade Universitária, em São Paulo, Moreno conduz o último ensaio antes da apresentação da Osusp, no dia seguinte, no 38º Festival Internacional de Inverno de Campos do Jordão. Vestido informalmente, com uma camisa branca de botão, óculos de armação moderna e cabelos negros na altura dos ombros, o regente dirige a orquestra com leveza. Quando detecta algum problema pontual, seja com a unidade do conjunto, seja com a articulação de uma frase musical, pára o ensaio e com poucas palavras aponta a dificuldade e a sua solução. Em determinados momentos, desce de seu pódio e vai até o instrumentista que havia se equivocado para passar diretamente as orientações necessárias. Lado a lado, regente e músico fazem marcações na partitura. Com o obstáculo resolvido, o ensaio continua. Nesse dia, o repertório trabalhado inclui as obras Arcos Sonoros da Catedral de Anton Bruckner, do paulista Almeida Prado, Brasiliana, do também paulista Camargo Guarnieri, e a Sinfonia n.2, do finlandês Jean Sibelius. Depois da execução das duas primeiras peças, o maestro indica que os músicos têm meia hora de intervalo. Alguns se levantam e vão para a entrada do anfiteatro tomar café, comer alguma coisa ou jogar conversa fora. No entanto, a maior parte continua em suas posições estudando trechos das partituras. Todos os que ficam tocam simultaneamente, cada um à sua maneira, e o caos sonoro se instaura no ambiente: trombones, trompetes, flautas, violas, violoncelos, contrabaixos e violinos emitem sons desencontrados, sem a harmonia da regência de Moreno. Os instrumentistas parecem não dar importância a isso. Como se ouvissem apenas a si próprios, prosseguem com seus exercícios Contrabaixista da Osusp imagem: Cia de Foto

12 Ensaio da OSM no Teatro Municipal de São Paulo imagem: Cia de Foto O maestro volta mais cedo à sua posição. Como os trombonistas continuam a tocar, aproveita os últimos minutos de intervalo para repassar com eles o andamento de um trecho de Brasiliana. A partir daí, Moreno concentra seus esforços na execução da Sinfonia n.2 de Sibelius. Com exceção de algumas correções no segundo movimento da obra, considerado o mais difícil, essa parte do ensaio segue praticamente sem interrupções. No entanto, ao longo da sinfonia, é comum observar os chefes de naipes (líderes de cada grupo de instrumentos), seja por meio de gestos, seja por meio de olhares ou palavras, passarem orientações a seus companheiros. Na hierarquia da orquestra, eles estão abaixo do maestro e do spalla (o primeiro violino que se senta ao lado esquerdo do regente), mas têm papel importante na divulgação das determinações deste. Durante os ensaios, nossa chefe de naipe sempre nos passa dicas valiosas, destaca Davi Caverni, violista da Osusp desde Idas e vindas Enquanto a Osusp realiza os últimos preparativos para ir a Campos do Jordão, a Orquestra Sinfônica Municipal de São Paulo (OSM) acaba de voltar de lá. Passado o festival, seu regente titular, José Maria Florêncio, na manhã fria e ensolarada do dia 27 de julho, ensaia o repertório para mais uma apresentação no pomposo Teatro Municipal paulistano. Após reger a abertura Leonora III, do alemão Ludwig van Beethoven, o maestro pára os trabalhos e pede mais simplicidade e menos afobação aos músicos. Eles devem ficar mais atentos ao tempo em que têm de tocar, além de descartar acentos desnecessários em certas notas. Em alusão à seleção feminina de futebol, que, no dia anterior, havia sido campeã pan-americana, ele brinca: Se tocarmos dessa maneira, não ganhamos dos Estados Unidos de 5 a 0. Depois de ficar por 6 minutos passando essas orientações aos instrumentistas, a orquestra volta à obra do compositor. Ao final, entusiasmado, o regente considera ótimo o desempenho de seus músicos e pede: No concerto, por favor, toquem como fizeram dessa segunda vez. Ensaio da Osusp no Anfiteatro Camargo Guarnieri, São Paulo imagem: Cia de Foto Essa busca conjunta pela perfeição faz parte da rotina da orquestra. Moreno adora ensaiar e, cada vez mais, entrar nos detalhes da obra. Em maio deste ano, num concerto na Sala São Paulo, nós já havíamos feito a Sinfonia n.2 de Sibelius. Só que, diferentemente do que se possa pensar, não se trata de mais do mesmo. Cada execução é sempre melhor, pois a partitura é infinita. Ela traz tantos detalhes que uma semana de ensaio, como quase sempre ocorre, é pouco, destaca. Como agora é a segunda vez que preparam essa peça, tanto o maestro como os músicos estão mais conscientes do que devem fazer e, dessa maneira, podem subir mais dois degraus na interpretação da obra Maestro José Maria Florêncio, da OSM imagem: Cia de Foto

13 Planejamento e processo criativo Florêncio é cearense, mas viveu por 20 anos na Polônia, onde dirigiu importantes orquestras. Como costuma dizer, seu estilo mescla tanto o temperamento latino quanto o rigor da educação musical polonesa. Regendo a OSM, o maestro parece dançar sobre o pódio. Na condução dos músicos, realiza movimentos intensos e vigorosos com as mãos e os braços. Em determinados momentos, estrala os dedos, bate a mão no peito, solfeja para marcar a dinâmica da música, pisa com força no assoalho de madeira. Em meio a todas essas estratégias para chamar a atenção dos instrumentistas, começa a suar e a ficar com o rosto enrubescido. O maestro chega a perder 1 quilo após cada ensaio ou apresentação. O trabalho de regente exige uma concentração fora do comum e uma ótima condição física, pontua. Para aprimorar essas habilidades, além dos estudos musicais diários, antes e depois dos ensaios, o regente faz regularmente aulas de caratê. Não só o maestro deve se preparar intensamente para as apresentações. Cristina Manesco, violoncelista da OSM, dedica entre três e quatro horas diárias ao estudo de seu instrumento. Nascida na Romênia, mas vivendo no Brasil desde a década de 1980, Cristina sorri ao dizer que os músicos profissionais, assim como os atletas, devem realizar uma rotina diária de exercícios. Mas vamos além do desenvolvimento da velocidade e da potência. Procuramos, diariamente, apurar a técnica e o ouvido, ajustar a afinação do instrumento e a expressão artística e treinar a musculatura para realizar de maneira precisa os movimentos exigidos pela partitura, enfatiza. Para o timpanista Leopoldo Prado, na Osusp há quatro anos, esse trabalho é um pouco mais difícil. Ele lembra que são raros os percussionistas que possuem seus próprios tímpanos. Em geral, tais instrumentos pertencem às orquestras. Mesmo não podendo ensaiar em casa, o músico procura, diariamente, ouvir gravações e fazer marcações nas partituras das peças a ser executadas. Durante o ensaio da Osusp, logo após a execução dos Arcos Sonoros da Catedral de Anton Bruckner, de Almeida Prado, dois trompistas colocam seus instrumentos nos estojos e deixam o anfiteatro, enquanto o restante da orquestra permanece trabalhando. Trata-se de dois músicos convidados, pois, para a correta interpretação da obra desse compositor brasileiro, são necessários seis trompistas, em vez dos quatro habituais. A convocação desses instrumentistas havia sido feita com muita antecedência. Para o maestro Moreno, o processo criativo da orquestra depende de um meticuloso e prévio trabalho de organização e logística. Em 2006, toda a agenda de ensaios e apresentações de 2007 já estava fechada. Na Osusp, esse expediente é fundamental, principalmente porque ela conta com apenas 42 músicos efetivos. Em média, as orquestras sinfônicas precisam de 74 membros para tocar obras de autores românticos ou contemporâneos. Dessa maneira, dependendo do repertório, a Osusp precisa do complemento de quase 50% de seus instrumentistas. Por detrás dessa limitação está a baixa dotação orçamentária anual destinada à orquestra. Nesse ponto, Moreno confirma: a Osusp tem uma das piores realidades do Brasil. Contudo, as dificuldades financeiras não impediram que, no ano passado, o maestro e seus comandados recebessem o Prêmio Carlos Gomes de melhor orquestra do ano. O que vale a pena aqui é a vontade de fazer a melhor música possível. Somos obrigados a superar essas restrições e a nos concentrar num resultado artístico que nos mova a sair de casa, conclui Maestro Carlos Moreno, da Osusp imagem: Cia de Foto

14 área livre Monica Schoenacker Self Storage, 2007 imagem digital Coleção da artista.26.27

15 .28 itaú cultural avenida paulista 149 são paulo sp [estação brigadeiro do metrô] fone

PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO

PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO Rebeca Vieira de Queiroz Almeida Faculdade Saberes Introdução O presente texto é um relato da experiência do desenvolvimento do projeto

Leia mais

Dalcídio Jurandir inspira projeto teatral Por Luciana Medeiros, colaboradora do Guiart

Dalcídio Jurandir inspira projeto teatral Por Luciana Medeiros, colaboradora do Guiart Dalcídio Jurandir inspira projeto teatral Por Luciana Medeiros, colaboradora do Guiart Ponta de Pedras, ilha do Marajó, Pará, 10 de janeiro de 1909. Nasce ali e naquela data uma das maiores expressões

Leia mais

www.poderdocoachingemgrupos.com.br

www.poderdocoachingemgrupos.com.br Pesquisa de Mercado A condução de pesquisas de mercado é uma das atividades mais eficazes e importantes que você pode fazer quando você estiver projetando seu coaching em grupo. Você vai se surpreender

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL ROSA, Maria Célia Fernandes 1 Palavras-chave: Conscientização-Sensibilização-Transferência RESUMO A psicóloga Vanda

Leia mais

SeAC Serviço de Arte e Cultura

SeAC Serviço de Arte e Cultura SeAC Serviço de Arte e Cultura Atividades Curriculares Optativas Música. Canto. Teatro. Dança. Arte. Cultura A pedagogia proposta pelo SeAC se fundamenta na concepção de Ateliê, em que o educando tem um

Leia mais

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE 1. JUSTIFICATIVA A região do Baixo Tocantins apresenta-se na área cultural e artística, é um grande celeiro de talentos, que vem enraizado culturalmente em nosso povo,

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Design 2011-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Design 2011-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Design 2011-1 DESENVOLVENDO A IDENTIDADE VISUAL DE UMA POUSADA EM CONSERVATÓRIA Alunos: OLIVEIRA,

Leia mais

AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE

AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE Mesmo não acreditando na Educação Criativa, o professor pode fazer uma experiência para ver o resultado. É o caso da professora deste relato. Glorinha Aguiar glorinhaaguiar@uol.com.br

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE OBOÉ

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE OBOÉ INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE OBOÉ Você vai descobrir o oboé e aprender a tocar e aperfeiçoar a técnica! O objetivo deste documento de Introdução ao Estudo de Oboé é de divulgar e esclarecer os tópicos mais

Leia mais

PROJETO PROFISSÕES. Entrevista com DJ

PROJETO PROFISSÕES. Entrevista com DJ Entrevista com DJ Meu nome é Raul Aguilera, minha profissão é disc-jóquei, ou DJ, como é mais conhecida. Quando comecei a tocar, em festinhas da escola e em casa, essas festas eram chamadas de "brincadeiras

Leia mais

Como aconteceu essa escuta?

Como aconteceu essa escuta? No mês de aniversário do ECA - Estatuto da Criança e do Adolescente, nada melhor que ouvir o que acham as crianças sobre a atuação em Educação Integral realizada pela Fundação Gol de Letra!! Conheça um

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS TEXTO DE APOIO

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS TEXTO DE APOIO AULA 2.2 - A SIGNIFICAÇÃO NA ARTE TEXTO DE APOIO 1. A especificidade da informação estética Teixeira Coelho Netto, ao discutir a informação estética, comparando-a à semântica, levanta aspectos muito interessantes.

Leia mais

5- Cite, em ordem de preferência, três profissões que você mais gostaria de exercer: 1º 2º 3º

5- Cite, em ordem de preferência, três profissões que você mais gostaria de exercer: 1º 2º 3º 18. DICAS PARA A PRÁTICA Orientação para o trabalho A- Conhecimento de si mesmo Sugestão: Informativo de Orientação Vocacional Aluno Prezado Aluno O objetivo deste questionário é levantar informações para

Leia mais

FLADEM 2011. Fundamentação Teórica para a Mostra de Musicalização: Compositores e Intérpretes : a criação na aula de instrumento

FLADEM 2011. Fundamentação Teórica para a Mostra de Musicalização: Compositores e Intérpretes : a criação na aula de instrumento FLADEM 2011 Fundamentação Teórica para a Mostra de Musicalização: Compositores e Intérpretes : a criação na aula de instrumento Sandra Mara da Cunha e Claudia Maradei Freixedas Breve introdução A experiência

Leia mais

Arquitetura e Urbanismo

Arquitetura e Urbanismo Arquitetura e Urbanismo Arquitetura e Urbanismo CARREIRA EM ARQUITETURA E URBANISMO Os arquitetos recebem uma formação geral que lhes permite trabalhar em diversos campos: em projetos de construções, de

Leia mais

AS TRÊS EXPERIÊNCIAS

AS TRÊS EXPERIÊNCIAS Nome: N.º: endereço: data: Telefone: E-mail: Colégio PARA QUEM CURSA O 8 Ọ ANO EM 2014 Disciplina: PoRTUGUÊs Prova: desafio nota: Texto para as questões de 1 a 7. AS TRÊS EXPERIÊNCIAS Há três coisas para

Leia mais

A CRIANÇA NA PUBLICIDADE

A CRIANÇA NA PUBLICIDADE A CRIANÇA NA PUBLICIDADE Entrevista com Fábio Basso Montanari Ele estuda na ECA/USP e deu uma entrevista para e seu grupo de colegas para a disciplina Psicologia da Comunicação, sobre sua história de vida

Leia mais

A LINGUAGEM MUSICAL DO MUSICOTERAPEUTA

A LINGUAGEM MUSICAL DO MUSICOTERAPEUTA A LINGUAGEM MUSICAL DO MUSICOTERAPEUTA Rita Bomfati. UNESPAR- FAP ritabomfati1@gmail.com Resumo: A importância da formação musical do musicoterapeuta (conhecimento de ritmos e instrumentos, história da

Leia mais

PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA

PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA ATIVIDADES ANTERIORES À LEITURA INTENÇÃO: LEVANTAR HIPÓTESES SOBRE A AUTORA, SOBRE O LIVRO, INSTIGAR A CURIOSIDADE E AMPLIAR O REPERTÓRIO DO ALUNO Para o professor Ou isto

Leia mais

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA JORNALISMO

Leia mais

Bate-papo: Uso do Scratch, uma nova linguagem de programação, no ensino fundamental - Web Currículo (25/05/2010)

Bate-papo: Uso do Scratch, uma nova linguagem de programação, no ensino fundamental - Web Currículo (25/05/2010) 1 of 6 02/12/2011 16:14 Bate-papo: Uso do Scratch, uma nova linguagem de programação, no ensino fundamental - Web Currículo (25/05/2010) 13:58:20 Bem-vindos ao Bate-papo Educarede! 14:00:54 II Seminário

Leia mais

12 Razões Para Usar. Lightroom. André Nery

12 Razões Para Usar. Lightroom. André Nery 12 Razões Para Usar Lightroom André Nery André Nery é fotógrafo em Porto Alegre. Arquitetura e fotografia outdoor, como natureza, esportes e viagens, são sua área de atuação. Há dez anos começou a ministrar

Leia mais

CHAMAMENTO PÚBLICO PARA SELEÇÃO DE ORIENTADORES ARTÍSTICOS EM TEATRO PARA O PROJETO ADEMAR GUERRA Edição 2013

CHAMAMENTO PÚBLICO PARA SELEÇÃO DE ORIENTADORES ARTÍSTICOS EM TEATRO PARA O PROJETO ADEMAR GUERRA Edição 2013 CHAMAMENTO PÚBLICO PARA SELEÇÃO DE ORIENTADORES ARTÍSTICOS EM TEATRO PARA O PROJETO ADEMAR GUERRA Edição 2013 PROJETO ADEMAR GUERRA Conceito e Eixo Curatorial I-Apresentação O Governo do Estado de São

Leia mais

PROGRAMAs de. estudantil

PROGRAMAs de. estudantil PROGRAMAs de empreendedorismo e protagonismo estudantil Ciclo de Palestras MAGNUM Vale do Silício App Store Contatos Calendário Fotos Safari Cumprindo sua missão de oferecer uma educação inovadora e de

Leia mais

O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR

O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR Matheus Oliveira Knychala Biasi* Universidade Federal de Uberlândia

Leia mais

PALÍNDROMO Nº 7 /2012 Programa de Pós Graduação em Artes Visuais CEART/UDESC

PALÍNDROMO Nº 7 /2012 Programa de Pós Graduação em Artes Visuais CEART/UDESC ENTREVISTA MUSEO DE ARTE LATINOAMERICANO DE BUENOS AIRES MALBA FUNDACIÓN CONSTANTINI Entrevista realizada com a educadora Florencia González de Langarica que coordenou o educativo do Malba até 2012, concedida

Leia mais

Todos os direitos reservados a Fluxo - Escola de Fotografia Expandida. por Caio Amon. Imagens Sonoras. A Expansão da Imagem pelo Som

Todos os direitos reservados a Fluxo - Escola de Fotografia Expandida. por Caio Amon. Imagens Sonoras. A Expansão da Imagem pelo Som Imagens Sonoras por Caio Amon A Expansão da Imagem pelo Som Todos os direitos reservados a Fluxo - Escola de Fotografia Expandida Aprenda a produzir som e trilha para seus projetos. Imagens Sonoras A Expansão

Leia mais

1 Acadêmico, formando do Curso de Licenciatura com Habilitação em Música da UDESC. 2 Professora Mestra do Departamento de Música da UDESC.

1 Acadêmico, formando do Curso de Licenciatura com Habilitação em Música da UDESC. 2 Professora Mestra do Departamento de Música da UDESC. 1 O ensino de música extracurricular na Escola Técnica Federal em Florianópolis/SC: relato de experiência sobre uma oficina de improvisação musical realizada Maycon José de Souza 1 Universidade do Estado

Leia mais

SUMÁRIO. Capítulo 1: Histórico: Os movimentos dos Vianna 33 Klauss Vianna 33 Angel Vianna 41 Rainer Vianna 44

SUMÁRIO. Capítulo 1: Histórico: Os movimentos dos Vianna 33 Klauss Vianna 33 Angel Vianna 41 Rainer Vianna 44 SUMÁRIO Prefácio 11 Apresentação 15 Introdução A dança da vida 21 Capítulo 1: Histórico: Os movimentos dos Vianna 33 Klauss Vianna 33 Angel Vianna 41 Rainer Vianna 44 Capítulo 2: Técnica Klauss Vianna:

Leia mais

Doutores da Alegria Arte, Formação e Desenvolvimento

Doutores da Alegria Arte, Formação e Desenvolvimento A organização Doutores da Alegria Arte, Formação e Desenvolvimento informa aos interessados os procedimentos para o envio de projetos artísticos para a programação de 2014 do projeto Plateias Hospitalares

Leia mais

SEMANA DO SERVIDOR PÚBLICO sugestão de palestrantes. Otimize seu orçamento e mantenha um bom nível de palestrantes.

SEMANA DO SERVIDOR PÚBLICO sugestão de palestrantes. Otimize seu orçamento e mantenha um bom nível de palestrantes. SEMANA DO SERVIDOR PÚBLICO sugestão de palestrantes Otimize seu orçamento e mantenha um bom nível de palestrantes. resultados positivos para os servidores? qualidade de vida fernando rocha wesley schunk

Leia mais

Valores Educacionais. Aula 4 Respeito pelos Outros

Valores Educacionais. Aula 4 Respeito pelos Outros Valores Educacionais Aula 4 Respeito pelos Outros Objetivos 1 Apresentar o valor Respeito pelos Outros. 2 Indicar possibilidades de aplicação pedagógica do valor Respeito pelos Outros. Introdução Esta

Leia mais

OLHAR GLOBAL. Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas. A poeira do. renascimento. Fotografe Melhor n o 207

OLHAR GLOBAL. Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas. A poeira do. renascimento. Fotografe Melhor n o 207 OLHAR GLOBAL Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas A poeira do renascimento 36 Fotografe Melhor n o 207 Olivier convida pessoas que encontra na rua ou na internet para posarem

Leia mais

O TREM DA SISTEMATIZAÇÃO (idéias construídas coletivamente nos grupos do CFES-SUL) A ESTAÇÃO

O TREM DA SISTEMATIZAÇÃO (idéias construídas coletivamente nos grupos do CFES-SUL) A ESTAÇÃO O TREM DA SISTEMATIZAÇÃO (idéias construídas coletivamente nos grupos do CFES-SUL) A ESTAÇÃO Trata-se do ponto de partida do processo de sistematização. Neste momento é importante considerar os elementos

Leia mais

O lugar da oralidade na escola

O lugar da oralidade na escola O lugar da oralidade na escola Disciplina: Língua Portuguesa Fund. I Selecionador: Denise Guilherme Viotto Categoria: Professor O lugar da oralidade na escola Atividades com a linguagem oral parecem estar

Leia mais

AULA DE PORTUGUÊS: CRIAÇÃO DE POEMAS

AULA DE PORTUGUÊS: CRIAÇÃO DE POEMAS AULA DE PORTUGUÊS: CRIAÇÃO DE POEMAS Até onde vai a força da Motivação? Glorinha Aguiar glorinhaaguiar@uol.com.br Uma proposta criativa motivadora na sala de aula pode deixar o professor bem impressionado

Leia mais

Palavras-chave: escrita musical, histórias infantis, conto sonoro. Seminário do 16 O. COLE vinculado: V Seminário Linguagens em Educação Infantil.

Palavras-chave: escrita musical, histórias infantis, conto sonoro. Seminário do 16 O. COLE vinculado: V Seminário Linguagens em Educação Infantil. O Conto Sonoro, uma forma de explorar a escrita musical. Renata de Oliveira Pavaneli Frederico, Escola de Educação Infantil Casa da Gente Campinas-SP. musicamed@directnet.com.br reoliveirafred@gmail.com

Leia mais

Saiando Calcado na pesquisa de campo sobre figuras femininas relevantes dentro de suas comunidades e em cujo cotidiano estão presentes danças

Saiando Calcado na pesquisa de campo sobre figuras femininas relevantes dentro de suas comunidades e em cujo cotidiano estão presentes danças Saiando Calcado na pesquisa de campo sobre figuras femininas relevantes dentro de suas comunidades e em cujo cotidiano estão presentes danças tradicionais nas quais a saia tem forte papel expressivo, o

Leia mais

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências boletim Jovem de Futuro ed. 04-13 de dezembro de 2013 Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências O Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013 aconteceu de 26 a 28 de novembro.

Leia mais

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior.

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior. Cotas Pra Quê? 1 Sarah Rocha MARTINS 2 Luan Barbosa OLIVEIRA 3 Camilla Alves Ribeiro PAES LEME 4 Instituto de Ensino Superior de Rio Verde, Rio Verde, Goiás RESUMO Este documentário foi planejado e desenvolvido

Leia mais

DRAMATURGIA ATORAL: ENTREVISTA AO DRAMATURGO ESPANHOL JOSÉ SANCHIS SINISTERRA

DRAMATURGIA ATORAL: ENTREVISTA AO DRAMATURGO ESPANHOL JOSÉ SANCHIS SINISTERRA 1 DRAMATURGIA ATORAL: ENTREVISTA AO DRAMATURGO ESPANHOL JOSÉ SANCHIS SINISTERRA Mariana Muniz 1 Sanchis Sinisterra é um ícone da dramaturgia espanhola contemporânea. Sua peça de maior repercusão foi Ay

Leia mais

6D Estúdio. promessa de ir além das 3 dimensões. Eles eram seis e, hoje, são sete sócios trabalhando do design impresso

6D Estúdio. promessa de ir além das 3 dimensões. Eles eram seis e, hoje, são sete sócios trabalhando do design impresso 6D Estúdio promessa de ir além das 3 dimensões Eles eram seis e, hoje, são sete sócios trabalhando do design impresso ao design em movimento, em vídeo ou internet. Eles unem diferentes conhecimentos técnicos

Leia mais

2007 Para Francisco livro em 2008 cinemas em 2015 Hoje Vou Assim 2013, lançou o livro Moda Intuitiva

2007 Para Francisco livro em 2008 cinemas em 2015 Hoje Vou Assim 2013, lançou o livro Moda Intuitiva CR I S G U E R R A p u b l i c i tá r i a, e s c r i to r a e pa l e s t r a N t e PERFIL Começou sua trajetória na internet em 2007, escrevendo o blog Para Francisco, que virou livro em 2008 e irá para

Leia mais

Comunicação LABORATÓRIO DE CRIAÇÃO DE IMAGENS EM MÍDIAS DIGITAIS - ESPAÇO DE (RE)SIGNIFICAÇÃO DO OLHAR POR VIA DE IMAGENS TÉCNICAS

Comunicação LABORATÓRIO DE CRIAÇÃO DE IMAGENS EM MÍDIAS DIGITAIS - ESPAÇO DE (RE)SIGNIFICAÇÃO DO OLHAR POR VIA DE IMAGENS TÉCNICAS Comunicação LABORATÓRIO DE CRIAÇÃO DE IMAGENS EM MÍDIAS DIGITAIS - ESPAÇO DE (RE)SIGNIFICAÇÃO DO OLHAR POR VIA DE IMAGENS TÉCNICAS SANTOS, Noeli Batista dos 1 Palavras-chave: imagem, ensino, tecnologia.

Leia mais

Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos. Quem sou eu? Dinâmica de Apresentação para Grupo de Jovens

Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos. Quem sou eu? Dinâmica de Apresentação para Grupo de Jovens Disponível no site Esoterikha.com: http://bit.ly/dinamicas-para-jovens Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos As dinâmicas de grupo já fazem parte do cotidiano empresarial,

Leia mais

Concurso Literário. O amor

Concurso Literário. O amor Concurso Literário O Amor foi o tema do Concurso Literário da Escola Nova do segundo semestre. Durante o período do Concurso, o tema foi discutido em sala e trabalhado principalmente nas aulas de Língua

Leia mais

O mundo como escola Texto Isis Lima Soares, Richele Manoel, Marcílio Ramos e Juliana Rocha Fotos Luciney Martins/Rede Rua Site 5HYLVWD9LUDomR

O mundo como escola Texto Isis Lima Soares, Richele Manoel, Marcílio Ramos e Juliana Rocha Fotos Luciney Martins/Rede Rua Site 5HYLVWD9LUDomR O mundo como escola Texto Isis Lima Soares, Richele Manoel, Marcílio Ramos e Juliana Rocha Fotos Luciney Martins/Rede Rua Site 5HYLVWD9LUDomR Já pensou um bairro inteirinho se transformando em escola a

Leia mais

COMO ESCREVER UM LIVRO INFANTIL. Emanuel Carvalho

COMO ESCREVER UM LIVRO INFANTIL. Emanuel Carvalho COMO ESCREVER UM LIVRO INFANTIL Emanuel Carvalho 2 Prefácio * Edivan Silva Recebi o convite para prefaciar uma obra singular, cujo título despertou e muita minha atenção: Como escrever um livro infantil,

Leia mais

1ª a 5ª série. (Pró-Letramento, fascículo 1 Capacidades Linguísticas: Alfabetização e Letramento, pág.18).

1ª a 5ª série. (Pró-Letramento, fascículo 1 Capacidades Linguísticas: Alfabetização e Letramento, pág.18). SUGESTÕES PARA O APROVEITAMENTO DO JORNAL ESCOLAR EM SALA DE AULA 1ª a 5ª série A cultura escrita diz respeito às ações, valores, procedimentos e instrumentos que constituem o mundo letrado. Esse processo

Leia mais

ENSINO DE ARTE NA EMEF DES. THEODOMIRO DIAS: RELATOS DE EXPERIÊNCIA

ENSINO DE ARTE NA EMEF DES. THEODOMIRO DIAS: RELATOS DE EXPERIÊNCIA ENSINO DE ARTE NA EMEF DES. THEODOMIRO DIAS: RELATOS DE EXPERIÊNCIA Camila Neves Conti¹ - UNESP Thais C. da Luz Frederico² - UNESP Marcelo Farias Cardoso³ - UNESP Grupo de Trabalho - PIBID: Programa Institucional

Leia mais

Vamos explorar temas como:

Vamos explorar temas como: Esse curso tem o objetivo de aprofundar a prática e o estudo de desenho no formato cartoon para utilização em registros visuais, facilitação gráfica, ilustração e outras aplicações. Ao longo desses 2 meses

Leia mais

Arte Ensino Fundamental. Fase Final (6º a 9º ano)

Arte Ensino Fundamental. Fase Final (6º a 9º ano) Arte Ensino Fundamental Fase Final (6º a 9º ano) 2012 APRESENTAÇÃO Caro(a) professor(a), (...) Protege-me das incursões obrigatórias que sufocam o prazer da descoberta e com o silêncio ( intimamente sábio

Leia mais

Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio

Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio Um projeto para discutir Direitos Humanos necessariamente tem que desafiar à criatividade, a reflexão, a crítica, pesquisando, discutindo e analisando

Leia mais

PARA CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL

PARA CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL Panorama Social Viviani Bovo - Brasil 1 RELATÓRIO FINAL PARA CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL PANORAMA SOCIAL Viviani Bovo Campinas - Brasil Panorama Social Viviani Bovo - Brasil 2 Relatório para Certificação

Leia mais

A Música No Processo De Aprendizagem

A Música No Processo De Aprendizagem A Música No Processo De Aprendizagem Autora: Jéssica Antonia Schumann (FCSGN) * Coautor: Juliano Ciebre dos Santos (FSA) * Resumo: O presente trabalho tem por objetivo investigar sobre a importância em

Leia mais

Roteiro de Áudio. SOM: abertura (Vinheta de abertura do programa Hora do Debate )

Roteiro de Áudio. SOM: abertura (Vinheta de abertura do programa Hora do Debate ) 1 Roteiro de Áudio Episódio 1 A língua, a ciência e a produção de efeitos de verdade Programa Hora de Debate. Campanhas de prevenção contra DST: Linguagem em alerta SOM: abertura (Vinheta de abertura do

Leia mais

Sua Escola, Nossa Escola

Sua Escola, Nossa Escola Sua Escola, Nossa Escola Episódio: Andréa Natália e o Ensino na Fronteira Ponta Porã Resumo Esse vídeo integra a série Sua Escola, Nossa Escola, composta por dezessete programas, os quais mostram experiências

Leia mais

as coisas já estão aí GRINGO CARDIA [Cenógrafo e designer]

as coisas já estão aí GRINGO CARDIA [Cenógrafo e designer] as coisas já estão aí GRINGO CARDIA [Cenógrafo e designer] colagem, remix narrativa em banco de dados remix de referências de várias áreas novas tecnologias a maneira que eu trabalho Eu acredito, na verdade,

Leia mais

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 0 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Renato da Guia Oliveira 2 FICHA CATALOGRÁFICA OLIVEIRA. Renato da Guia. O Papel da Contação

Leia mais

Escola para Formação de Artistas Artes Visuais Dança Música Teatro

Escola para Formação de Artistas Artes Visuais Dança Música Teatro Fundação das Artes Escola para Formação de Artistas Artes Visuais Dança Música Teatro Inscrições Abertas Turmas 2013 Primeiro Semestre Cursos Livres e Técnicos A Fundação das Artes é uma Escola de Artes

Leia mais

Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1

Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1 Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1 Letícia BARROSO 2 Thaís PEIXOTO 3 Centro Universitário Fluminense Campus II- Campos/RJ RESUMO: A falta de espaço nos veículos convencionais

Leia mais

:: NOVA ESCOLA ON-LINE ::

:: NOVA ESCOLA ON-LINE :: Page 1 of 7 Planos de aula Educação Infantil Conhecimento de Mundo Natureza e Sociedade Seres Vivos Plano de trabalho O ovo vira pinto Introdução Muito freqüentemente, o trabalho com as ciências naturais,

Leia mais

QUEM É ALICE CAYMMI? >> www.alicecaymmi.com.br

QUEM É ALICE CAYMMI? >> www.alicecaymmi.com.br QUEM É ALICE CAYMMI? A cantora e compositora carioca Alice Caymmi nasceu no dia 17 de março de 1990, na cidade do Rio de Janeiro. Neta de Dorival Caymmi, a musicista compõe desde os dez anos e começou

Leia mais

Anexo 1: Integração da comunidade na República da Irlanda: um estudo de caso

Anexo 1: Integração da comunidade na República da Irlanda: um estudo de caso Integração da Comunidade 263 Anexo 1: Integração da comunidade na República da Irlanda: um estudo de caso Por haver uma grande diversidade, em termos do que pode ser feito em diferentes países e lugares,

Leia mais

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos.

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos. 1) Como está sendo a expectativa do escritor no lançamento do livro Ser como um rio que flui? Ele foi lançado em 2006 mas ainda não tinha sido publicado na língua portuguesa, a espera do livro pelos fãs

Leia mais

ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO

ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO CAMILA SONALY QUEIROZ TITO¹ MAÍSE RODRIGUES LÚCIO² O presente artigo tem por objetivo levar educadores da Educação Infantil a repensar sobre as concepções e metodologias

Leia mais

p r o j e t o De 27/09 a 21/10/2010

p r o j e t o De 27/09 a 21/10/2010 p r o j e t o Oficinas de Criação Deneir Lúcia Fidalgo Domi Junior Marco Antonio Cândido De 27/09 a 21/10/2010 Escola Municipal Dr. Deoclécio Dias Machado Filho, rua Carlos Frahia, 101, Cosmorama, - RJ

Leia mais

Competência(s) / Objetivo(s) de Aprendizagem Conhecer a vida e a obra do poeta Carlos Drummond de Andrade a partir de um documentário não tradicional;

Competência(s) / Objetivo(s) de Aprendizagem Conhecer a vida e a obra do poeta Carlos Drummond de Andrade a partir de um documentário não tradicional; Ensino Médio Cinema e Educação: O Poeta das Sete Faces Disciplinas/Áreas do Conhecimento: Língua Portuguesa; Arte; História; Sociologia; Competência(s) / Objetivo(s) de Aprendizagem Conhecer a vida e a

Leia mais

UM MINUTO PRA FALAR DO MUNDO Davina Marques Ludmila Alexandra dos Santos Sarraipa

UM MINUTO PRA FALAR DO MUNDO Davina Marques Ludmila Alexandra dos Santos Sarraipa CULTURAS E CONHECIMENTOS DISCIPLINARES ANO 3 EDIÇÃO 16 UM MINUTO PRA FALAR DO MUNDO Davina Marques Ludmila Alexandra dos Santos Sarraipa O sabiá Teco vai fugir da gaiola em busca de um lugar melhor para

Leia mais

Banda de rock Pau com Arame

Banda de rock Pau com Arame Banda de rock Pau com Arame A banda de rock Pau com Arame, de Belo Horizonte, foi formada em 1997 e trouxe para o mundo o rock "elíptico", moderno e original enfocando temas atuais e retratando o cotidiano

Leia mais

Existe espaço para os covers mostrarem seus trabalhos? As pessoas dão oportunidades?

Existe espaço para os covers mostrarem seus trabalhos? As pessoas dão oportunidades? A Estação Pilh@ também traz uma entrevista com Rodrigo Teaser, cover do Michael Jackson reconhecido pela Sony Music. A seguir, você encontra os ingredientes da longa história marcada por grandes shows,

Leia mais

Ampliando o olhar sobre a Arte

Ampliando o olhar sobre a Arte Ampliando o olhar sobre a Arte A Arte reflete a história da humanidade. Desde as primeiras expressões artísticas (Arte rupestre) até os dias de hoje, podemos compreender o desenvolvimento do homem em cada

Leia mais

O básico da Guitarra - Aula 6 J. Junior. Acordes Básicos

O básico da Guitarra - Aula 6 J. Junior. Acordes Básicos O básico da Guitarra - Aula 6 J. Junior Acordes Básicos Muitas vezes, o que mexe com a gente e nos faz querer tocar guitarra é aquele solo ou riff do guitarrista da nossa banda favorita, mas devemos saber

Leia mais

Orientações de Como Estudar Segmento II

Orientações de Como Estudar Segmento II Orientações de Como Estudar Segmento II Aprender é uma tarefa árdua que exige esforço e método e por isso organizamos algumas dicas para ajudá-lo(la) a aprender Como Estudar! Você verá que as orientações

Leia mais

A criança e as mídias

A criança e as mídias 34 A criança e as mídias - João, vá dormir, já está ficando tarde!!! - Pera aí, mãe, só mais um pouquinho! - Tá na hora de criança dormir! - Mas o desenho já tá acabando... só mais um pouquinho... - Tá

Leia mais

Pesquisas e seminários Como fazer?

Pesquisas e seminários Como fazer? +++ + COLÉGIO DOS SANTOS ANJOS Avenida Iraí, 1330 - Planalto Paulista - Telefax: 5055.0744 04082-003 - São Paulo - e-mail: colsantosanjos@colegiosantosanjos.g12.br Site: www.colegiosantosanjos.g12.br Q

Leia mais

PROJETOS DE DEMOCRATIZAÇÃO CULTURAL

PROJETOS DE DEMOCRATIZAÇÃO CULTURAL PROJETOS DE DEMOCRATIZAÇÃO CULTURAL Semana Cidades Catraca Livre: Cultura e Educação São Paulo, junho de 2010 AGENDA A B C PRODUÇÃO X ACESSO À CULTURA PROJETOS CULTURAIS ELABORAÇÃO DE PROJETOS CULTURAIS

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos A TRANSMUTAÇÃO DE LINGUAGENS NO MOVIMENTO CRIADOR DO CARNAVALESCO PAULO BARROS Juliana dos Santos Barbosa (UEL) juliana.barbosa@londrina.pr.gov.br

Leia mais

Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1

Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1 1 Revista Avisa lá, nº 2 Ed. Janeiro/2000 Coluna: Conhecendo a Criança Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1 O professor deve sempre observar as crianças para conhecê-las

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO DO ESTADO DE MINAS GERAIS Secretaria de Estado da Educação Superintendência Regional de Ensino de Carangola Diretoria Educacional

SERVIÇO PÚBLICO DO ESTADO DE MINAS GERAIS Secretaria de Estado da Educação Superintendência Regional de Ensino de Carangola Diretoria Educacional SERVIÇO PÚBLICO DO ESTADO DE MINAS GERAIS Secretaria de Estado da Educação Superintendência Regional de Ensino de Carangola Diretoria Educacional Sequencia Didática destinada aos Anos Finais do Ensino

Leia mais

Na sala de aula com as crianças

Na sala de aula com as crianças O CD Rubem Alves Novas Estórias, volume 3, abre novas janelas de oportunidade para quem gosta da literatura. Através do audiolivro podemos apreciar encantadoras histórias e deixar fluir a imaginação. Rubem

Leia mais

8 Passos para o Recrutamento Eficaz. Por Tiago Simões

8 Passos para o Recrutamento Eficaz. Por Tiago Simões 8 Passos para o Recrutamento Eficaz Por Tiago Simões Uma das coisas que aprendi na indústria de marketing de rede é que se você não tem um sistema de trabalho que comprovadamente funcione, muito provavelmente

Leia mais

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores.

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Prof. Ms. Deisily de Quadros (FARESC) deisily@uol.com.br Graduando Mark da Silva Floriano (FARESC) markfloriano@hotmail.com Resumo: Este artigo apresenta

Leia mais

PLANEJAMENTO PARA UM ANO

PLANEJAMENTO PARA UM ANO PLANEJAMENTO PARA UM ANO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL Atividade 1- Conceituando autoconhecimento Como o autoconhecimento pode influenciar nossas escolhas? A importância da participação dos pais na educação

Leia mais

PHELIPE AGNELLI. Baterista Percussionista Compositor. Músico Brasileiro!

PHELIPE AGNELLI. Baterista Percussionista Compositor. Músico Brasileiro! PHELIPE AGNELLI Baterista Percussionista Compositor Músico Brasileiro 1 ENTREVISTA "Inspirando e sendo inspirado" Phelipe Agnelli é músico e compositor, nascido a 50 minutos de São Paulo, na cidade de

Leia mais

Leya Leituras Projeto de Leitura

Leya Leituras Projeto de Leitura Leya Leituras Projeto de Leitura Nome do livro: JAPĨĨ E JAKÃMĨ Uma história de amizade Autor: Yaguarê Yamã Nacionalidade do autor: Brasileira Currículo do autor: Escritor, professor e artista plástico

Leia mais

NADJA VLADI - Editora da revista Muito.

NADJA VLADI - Editora da revista Muito. NADJA VLADI - Editora da revista Muito. Jornalista, doutora em Comunicação e Cultura Contemporâneas pela Faculdade de Comunicação da UFBA. Atualmente atua como editora-coordenadora da revista Muito do

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES Silvia Eula Muñoz¹ RESUMO Neste artigo pretendo compartilhar os diversos estudos e pesquisas que realizei com orientação do Prof. Me. Erion

Leia mais

PÚBLICO ALVO DO PROJETO ESTRUTURA E GÊNERO DRAMÁTICO

PÚBLICO ALVO DO PROJETO ESTRUTURA E GÊNERO DRAMÁTICO APRESENTAÇÃO A aparência é um manifesto de nossa personalidade. Através das roupas, penteados, acessórios, tatuagens etc. comunicamos ao resto do mundo uma infinidade de informações: do lugar social até

Leia mais

SocialDB Social Digital Library

SocialDB Social Digital Library Social Digital Library Laboratório L3P NARRATIVA DO PROJETO SOCIALDB 06/2015 Gestor de uma coleção "Sou produtor cultural (ou fotógrafo) e quero criar um lugar na internet com uma seleção de obras artísticas

Leia mais

À Procura de Mozart Resumo Canal 123 da Embratel Canal 112 da SKY,

À Procura de Mozart Resumo Canal 123 da Embratel Canal 112 da SKY, À Procura de Mozart Resumo O vídeo nos oferece um relato sobre a vida e obra de Wolfgang Amadeus Mozart. Ele nos é apresentado como único e inigualável devido à sua genialidade na música clássica do século

Leia mais

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 3 Planejando a Ação Voluntária

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 3 Planejando a Ação Voluntária Organizando Voluntariado na Escola Aula 3 Planejando a Ação Voluntária Objetivos 1 Entender a importância de fazer um planejamento. 2 Aprender como planejar o projeto de voluntariado. 3 Conhecer ferramentas

Leia mais

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade 1 Guia do Professor Episódio Conhecendo a Cidade Programa Vozes da Cidade Apresentação Como já vimos nos trabalhos desenvolvidos para o episódio 1, os trabalhos para o episódio 2 também trazem várias questões

Leia mais

Eu sou o tipo de pessoa a quem as pessoas procuram para conselho e orientação no trabalho ou em minha vizinhança.

Eu sou o tipo de pessoa a quem as pessoas procuram para conselho e orientação no trabalho ou em minha vizinhança. Inventário de Inteligências Múltiplas para Adultos por Thomas Armstrong Escreva 2 no quadro em destaque, se a afirmativa se aplica muito a você; 1, se se aplica mais ou menos a você; e, 0, se de modo nenhum

Leia mais

TESTE VOCACIONAL PROF. BRUNO AUGUSTO COLÉGIO SÃO JOSÉ

TESTE VOCACIONAL PROF. BRUNO AUGUSTO COLÉGIO SÃO JOSÉ TESTE VOCACIONAL PROF. BRUNO AUGUSTO COLÉGIO SÃO JOSÉ S I S T E M A P O S I T I V O D E E N S I N O Na escola, você prefere assuntos ligados à: a) Arte, esportes e atividades extracurriculares b) Biologia

Leia mais

Carnaval 2014. A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível

Carnaval 2014. A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível Carnaval 2014 A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível Nesta noite vamos fazer uma viagem! Vamos voltar a um tempo que nos fez e ainda nos faz feliz, porque afinal como

Leia mais

Roda de conversa 3 Moderadores: Sergio Molina e Adriana Terahata Participantes: Iramar Rodrigues e Sérgio Figueiredo

Roda de conversa 3 Moderadores: Sergio Molina e Adriana Terahata Participantes: Iramar Rodrigues e Sérgio Figueiredo Fundamentos da educação musical Moderadores: Sergio Molina e Adriana Terahata Participantes: Iramar Rodrigues e Sérgio Figueiredo Sergio Molina Roda de conversa número 3 do Projeto A Música na Escola.

Leia mais

O LABORATÓRIO DE PESQUISA DA UNICARIOCA

O LABORATÓRIO DE PESQUISA DA UNICARIOCA Enquete Um estudo feito por matemáticos da Universidade de Vermont, nos Estados Unidos, mostrou que o dia preferido pelas pessoas é o domingo. Os pesquisadores analisaram 2,4 milhões de mensagens pela

Leia mais