ESCRITÓRIO DE REFERÊNCIA DO CENTRO ANTIGO DE SALVADOR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESCRITÓRIO DE REFERÊNCIA DO CENTRO ANTIGO DE SALVADOR"

Transcrição

1 ESCRITÓRIO DE REFERÊNCIA DO CENTRO ANTIGO DE SALVADOR SALVADOR, JAN-MAR / 2011

2 Sumário INTRODUÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INVESTIMENTOS PÚBLICOS Informações Gerais Avaliação Investimentos públicos em Habitação Investimentos públicos em Capacitação e Serviços Investimentos públicos em Monumentos Investimentos públicos em Manutenção Investimentos públicos em Infraestrutura e Equipamentos Investimentos públicos em Ações Culturais Investimentos públicos em Ações Institucionais INVESTIMENTOS PRIVADOS Informações Gerais GERENCIAMENTO DE AÇÕES POR PROPOSIÇÃO INVESTIMENTOS NECESSÁRIOS PROJETOS DO PRONAC ACORDOS PACTUADOS ORÇAMENTO ERCAS CONSIDERAÇÕES FINAIS ANEXOS

3 INTRODUÇÃO O Escritório de Referência do Centro Antigo de Salvador (Ercas), criado em 2007, enquanto unidade gerencial da Secretaria de Cultura do Estado (SecultBA), coordenou a elaboração do Plano de Reabilitação Participativo do Centro Antigo de Salvador (CAS), sendo também responsável pela articulação entre os três entes federativos (União, Estado e Município) e com a sociedade civil. O Plano, que foi elaborado no decorrer de dois anos e meio, com a participação de mais de 600 representantes de entidades locais, apresenta diagnósticos sobre economia, turismo, habitação, acessibilidade, ocupação urbana, segurança pública, vulnerabilidade social e meio ambiente urbano. Como consequência foram indicadas 14 proposições que têm como objetivo primordial a sustentabilidade do CAS. As proposições do Plano são resultado dos diagnósticos feitos pelos consultores da UNESCO e das necessidades verificadas durante os quatro encontros das Câmaras Temáticas e o Workshop Internacional, ocorridos na elaboração do planejamento de requalificação da área. A 14ª proposição do Plano, Gerenciamento e implantação do Plano de Reabilitação, no item 14.3, indica a necessidade de desenvolver um sistema de informações para a avaliação e monitoramento de cada conjunto de ações nos seguintes aspectos: social, econômico, urbanístico, dentre outros, auferindo resultados quantitativos e qualitativos. O sistema em questão deve adotar indicadores que permitam adequações durante o processo, através de avaliação (interna e externa). Este relatório gerencial busca, portanto, iniciar o processo de avaliação e monitoramento do Plano de Reabilitação Participativo do Centro Antigo de Salvador. O objetivo principal da publicação deste documento é o recebimento de contribuições para que o Plano e o Ercas possam se aproximar da realidade do Centro Antigo de Salvador

4 1. INFORMAÇÕES GERAIS Este relatório pretende ser um instrumento gerencial do Escritório de Referência do Centro Antigo de Salvador (Ercas), onde são cadastradas as informações disponíveis na área do CAS, desde 2007 até a presente data, acerca dos investimentos em ações do Plano de Reabilitação Participativo do Centro Antigo de Salvador. Uma das metas é possibilitar o monitoramento das ações, para projetar mudanças de rotas, incorporar melhorias aos processos e avaliar o cumprimento das proposições do Plano para sua conclusão em As informações obtidas foram coletadas junto aos órgãos públicos e são complementadas a partir de pesquisas feitas através de notícias disponibilizadas pela mídia local e nacional 1. Estes dados, agrupados por tipo, são insumos para as Planilhas de Informação. A publicação do relatório, disponibilizada no site é trimestral e sua atualização é diária. Desta forma, pretende-se garantir o processo de transparência que pautou a elaboração do Plano de Reabilitação Participativo do Centro Antigo de Salvador. As Planilhas de Informação elaboradas são: I. Investimentos Públicos Anexo I (A, B, C, D, E, F e G) II. Investimentos Privados Anexo II III. Investimentos Públicos Aplicados por Proposição Anexo III IV. Investimentos Públicos Necessários Anexo IV V. Gerenciamento de Ações por Proposição Anexo V VI. Projetos do Programa Nacional de Apoio à Cultura (Pronac) Anexo VI VII. Acordos Pactuados e em Andamento Anexo VII VIII. Orçamento Ercas Anexo VIII O relatório acumula, dentre as várias finalidades, o acompanhamento e monitoramento das ações no CAS por parte do Governo do Estado da Bahia, dos 600 participantes das Câmaras Temáticas, da Iniciativa Privada e da população soteropolitana como um todo. A partir desta edição deverão ser construídos critérios para avaliação e monitoramento do Plano, com indicadores representativos da realidade do CAS. 1 Para confirmação e refinamento dos dados e para possibilitar a inserção nas planilhas, a equipe ERCAS entrevista o responsável pela informação e busca maiores detalhes

5 2. INVESTIMENTOS PÚBLICOS ANEXO I 2.1 INFORMAÇÕES GERAIS No anexo I, o cadastramento das intervenções com investimentos públicos no CAS, que estão sendo executadas, refere-se à construção, obras e reformas, além das ações no campo cultural, conformidade ambiental e dimensão social. Os investimentos apresentados dizem respeito às três esferas governamentais: União, Estado e Município. As iniciativas expostas na planilha de INVESTIMENTOS PÚBLICOS 2 subdivididas, de acordo com a fase de implantação, da seguinte forma: estão Em Projeto Em Contratação/Licitação Em Execução/Implantação Concluído Para cada investimento são apresentados os seguintes dados: Nome, Objetivo, Atores, Investimento (Estado/Outras), Unidades, Empregos Gerados. 2.2 AVALIAÇÃO O montante de recursos públicos (União, Estado e Município), cadastrados até março/11, que está sendo investido no CAS é de cerca de R$430 milhões, sendo que a participação do Estado representa 43% do total, e está distribuído da seguinte forma: FASE FONTES DE INVESTIMENTO (R$) ESTADO OUTRAS TOTAL Em projeto Em contratação/licitação Em execução/implantação Concluído TOTAL % 43% Investimento do Estado Investimento de Outras (União + Município) 2 Trata-se de um conjunto de 7 planilhas que agrupam informações referentes à habitação, capacitação e serviços, manutenção, infraestrutura e equipamentos, ações culturais e ações institucionais

6 Vale registrar que os recursos com status Em Projeto representam cerca de 44% do total de investimentos. Este montante, provavelmente, é maior, pois é possível que haja ações públicas que não estejam cadastradas. Na publicação do Plano (junho de 2010), os investimentos públicos cadastrados eram da ordem de R$207 milhões. Menos de um ano depois, os investimentos aumentaram R$222 milhões, número que representa um acréscimo de mais de 100%. Certamente, esta elevação não é, necessariamente, resultado de mais investimentos públicos, porém de melhoria do processo de identificação e qualificação das informações jun/10 jan/11 0 Investimentos Públicos (R$ MM) Aproximadamente 20 mil empregos diretos já foram gerados por conta das ações do Plano de Reabilitação Participativo do Centro Antigo de Salvador

7 2.3 INVESTIMENTOS PÚBLICOS EM HABITAÇÃO - ANEXO I (A) A proposição 4 - Incentivo ao Uso Habitacional e Institucional no CAS prevê a construção de 3 mil unidades voltadas para a população de baixa renda, nos imóveis ociosos do CAS, em especial nos terrenos baldios, sendo que 955 habitações já estão com investimento assegurado. Problemas de ordem técnica têm paralisado algumas obras com recursos alocados Habitação Social (Unid.) Projeto Execução Meta O Plano prevê atender cerca de 5 mil famílias com renda superior a 5 salários mínimos. Está prevista a produção de 383 unidades, pelo PROHABIT, sem considerar os investimentos privados na área. Estes dados representam 7,6% da meta a ser alcançada. Se considerarmos o que o mercado imobiliário executa e projeta para a região, temos 587 unidades (anexo II). Esse número corresponde a 16% da meta a ser alcançada Habitação Mercado (Unid.) Projeto Execução Meta Os recursos para habitação ultrapassam os R$100 milhões e estão destinados à construção de unidades habitacionais. STATUS INVESTIMENTO UNIDADES EMPREGOS Em projeto Em obras Total

8 Diversos órgãos instalaram-se na região do CAS 3, atendendo à demanda para o USO INSTITUCIONAL da proposição 4: SecultBA - Palácio Rio Branco Fundação Cultural do Estado da Bahia (Funceb) Liceu de Artes e Ofícios Escritório Integrado da ONU Elevador Lacerda Gabinete de despacho do governador do Estado - Palácio Rio Branco 3 Dentre as sugestões feitas pelo Plano, faltam a Secretaria de Turismo do Estado (Setur) e a Secretaria Extraordinária para Assuntos da Copa 2014 (Secopa)

9 2.4 INVESTIMENTOS PÚBLICOS EM CAPACITAÇÃO E SERVIÇOS ANEXO I (B) As ações em Capacitação e Serviços visam a inserção das pessoas, que residem ou atuam no CAS, no mercado de trabalho, além de melhores condições de crescimento social. Influem, também, diretamente no incremento à economia local. As iniciativas referentes à Capacitação e Serviços atendem às proposições Ampliação da competitividade das atividades econômicas (2) e Aprimoramento das ações e serviços de atenção à população vulnerável (8). No Anexo I (B) obtivemos as seguintes informações: STATUS INVESTIMENTO EMPREGOS Em projeto Em contratação Em execução Concluído Total Destaca-se a capacitação realizada com os ambulantes do Centro Histórico de Salvador, parceria entre a Uneb e o Sebrae, que possibilitou o aprimoramento em técnicas de venda e de atendimento ao público para 90 ambulantes que atuam na região. Outra ação de extrema importância para a qualificação dos serviços prestados na região é o trabalho desenvolvido na Baixa dos Sapateiros pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae). Parceiro do Escritório, o Sebrae desenvolveu ações de capacitação dos funcionários e proprietários dos empreendimentos da localidade. A Associação dos Lojistas da Baixa dos Sapateiros e Barroquinha (Albasa), após as intervenções do Ercas e do Sebrae, vem desenvolvendo um trabalho eficaz, melhorando o comércio da região. Os antiquários da Rua Ruy Barbosa também estão incluídos na parceria entre o Sebrae e o Ercas para a qualificação de pessoal varejista e de atacado. Em fevereiro, deste ano, 230 pessoas se cadastraram no curso oferecido pelo programa ProJovem Trabalhador, realizado através da Secretaria de Trabalho, Emprego, Renda e Esporte, e 60 jovens, de 18 a 29 anos, serão selecionados e capacitados para trabalhar como recepcionistas de hotel

10 2.5 INVESTIMENTOS PÚBLICOS EM MONUMENTOS ANEXO I (C) Cerca de 70% dos equipamentos e negócios culturais tradicionais de Salvador estão localizados no CAS. Tratam-se de igrejas, museus, arquivos, bibliotecas, centros culturais e fundações, teatros, cinemas, antiquários, sebos e galerias. Destes, 159 imóveis foram pesquisados durante o diagnóstico do Plano. Conclui-se que a elevada concentração de espaços culturais no CAS evidencia um potencial a ser explorado no projeto de reabilitação desta área. Contudo, observa-se que a discrepância entre o rico acervo patrimonial dos equipamentos culturais e as condições para sua sustentação - descontinuidade das políticas públicas de cultura e de segurança, carência de gestão, acessibilidade, orçamento e manutenção patrimonial - apontam para a necessidade de investimento em diversas áreas desse segmento. No Anexo I (C) obtivemos as seguintes informações: STATUS INVESTIMENTO EMPREGOS Em projeto Em contratação Em execução Concluído Total Monumentos de grande relevância histórica completamente recuperados, desde 2009, início das ações do Plano de Reabilitação do CAS: Casa das Sete Mortes Palácio Rio Branco Anexo do Liceu de Artes e Ofícios Casa dos Sete Candeeiros Solar do Ferrão Museu Nacional da Cultural Afrobrasileira (1ª etapa) Palácio da Aclamação Museu de Arte Moderna Igreja da Ordem 3ª Terceira de São Francisco Igreja do Sacramento e Sant'ana - altar e imagem de são Benedito Faculdade de Medicina Casa de Gregório de Mattos

11 2.6 INVESTIMENTOS PÚBLICOS EM MANUTENÇÃO ANEXO I (D) O Estado faz investimentos em manutenção predial com o intuito de manter, em boas condições físicas, as edificações restauradas. Estas obras envolvem escoramentos, pinturas e preservação das estruturas. A Defesa Civil de Salvador (Codesal) identificou 111 imóveis com risco iminente de desabamento no CHS. Consultores da UNESCO, e a equipe do Ercas identificaram 176 imóveis em ruínas em todo o CAS. Obras emergenciais para o escoramento dos 111 imóveis, no CHS, estão em execução, com investimento de R$15 milhões. IPAC, IPHAN e Sucop (PMS) estão à frente das intervenções. Além destes, mais 15 imóveis passaram por obras emergenciais, feitas pelo IPAC. No Anexo I (D) obtivemos as seguintes informações: STATUS INVESTIMENTO EMPREGOS Em execução Concluído Total

12 2.7 INVESTIMENTOS PÚBLICOS EM INFRAESTRUTURA E EQUIPAMENTOS ANEXO I (E) Dentre as ações previstas e executadas na área, destacam-se as que envolvem a Iluminação Pública e Cênica, tais como: - Plano Diretor de Iluminação (em desenvolvimento) - Iluminação Pública 1ª fase concluída [Ruas do CHS/ Terreiro de Jesus/ Largo do Pelourinho] 2ª fase concluída [Carmo-Passo/ Taboão/ Rua das Flores] 3ª fase em andamento [São Dâmaso 7ª Etapa MONUMENTA] 4ª fase em projeto [Santo Antônio] 5ª fase em projeto [Baixa dos Sapateiros] - Iluminação Cênica de 23 monumentos aprovada no PRONAC (anexo VI) -Iluminação Cênica de 5 monumentos do Terreiro de Jesus, em licitação, aprovada no PRONAC (anexo VI) Equipamentos localizados na região beneficiam o CAS e criam novos circuitos culturais, a exemplo: Mercado de São Miguel (abastecimento) Feira de São Joaquim (abastecimento) TCA e Palco Articulado (fomento à cultura) Vila Nova Esperança (vulnerabilidade social) Bibliotecas (educação patrimonial) Acessos ao CHS Baixa dos Sapateiros (acessibilidade, mobilidade e economia) Terminal Marítimo de Passageiros e Receptivo Turístico do Porto de Salvador Terminal Aquidabã Via Histórica (anexo IV) No Anexo I (E) obtivemos as seguintes informações: STATUS INVESTIMENTO EMPREGOS Em projeto Em contratação Em execução Concluído Total Outra ação de grande importância é o desenvolvimento do projeto Cidade Bicicleta Mobilidade para Todos, desenvolvido pela CONDER, com o objetivo de desenvolver um sistema cicloviário que permita resolver e superar os deslocamentos a pé, nos bairros, entre os municípios da RMS e nas cidades de porte médio, especialmente aquelas onde soma-se o caráter de meio de transporte essencial ao de interesse turístico

13 2.8 INVESTIMENTOS PÚBLICOS EM AÇÕES CULTURAIS ANEXO I (F) A maioria das ações culturais que ocorre na capital baiana concentra-se no Centro Antigo de Salvador. Manifestações populares, grandes festas de largo, danças, folclore, podem ser, cotidianamente, conferidas na região, principalmente no Centro Histórico. Uma parceria com a Junta de Andalucía (Espanha) está propiciando o desenvolvimento de um Guia de Arquitetura que envolve, além do CAS, a região do Recôncavo Baiano. O Pelourinho Cultural, unidade vinculada à SecultBA, é responsável pela realização das ações culturais no CHS. O público tem acesso às apresentações gratuitas de grandes artistas, filarmônicas, e, até mesmo, as tradicionais festas de Carnaval e São João. Aclamado pelo público e pela crítica, o Carnaval do Pelourinho deste ano atraiu milhares de foliões. O investimento na festa foi de R$1,6 milhão. As ações culturais geram, além dos empregos diretos (3.289), inúmeros empregos indiretos. No Anexo I (F) obtivemos as seguintes informações: STATUS INVESTIMENTO EMPREGOS Em projeto Em execução Concluído Total

14 2.9 INVESTIMENTOS PÚBLICOS EM AÇÕES INSTITUCIONAIS ANEXO I (G) O Escritório é responsável pela articulação e intermediação dos acordos pactuados para a revitalização do CAS, como rege o Decreto Lei nº , Art. 6 - VIII: Estabelecer parcerias com órgãos ou entidades, públicas ou privadas, relativas às atribuições previstas. Uma das ações de destaque do Ercas, na área institucional, é a implantação da Exposição Centro Antigo de Salvador A História do Brasil Vive Aqui. A mostra acumulou mais de 40 mil visitantes, de junho de 2010 a fevereiro de A exposição foi a simulação de parte do Centro de Referência da Cultura da Bahia (13ª Proposição do Plano). O concurso de fotos De Novo o Centro A História do Brasil Vive Aqui, que contou com o patrocínio da CAIXA, teve como objetivo destacar o patrimônio histórico e cultural da região, além de estimular os fotógrafos amadores de todo o estado a reconhecerem os tesouros da região. O patrocínio é resultado do reconhecimento do Plano como uma das 10 Melhores Práticas em Gestão Local do Brasil, pela CAIXA. No Anexo I (G) obtivemos as seguintes informações: STATUS INVESTIMENTO Em execução Concluído Total Mais informações ver ANEXO I (Página 7); O ERCAS está negociando parcerias e troca de experiências com: a Companhia de Desenvolvimento Urbano da Região do Porto do Rio de Janeiro (CDURP), responsável pelo projeto Porto Maravilha-RJ; o governo do Panamá; o Banco Internacional de Reconstrução e Desenvolvimento (BIRD) e com o Banco do Nordeste do Brasil (BNB)

15 3. INVESTIMENTOS PRIVADOS ANEXO II 3.1 INFORMAÇÕES GERAIS O Plano de Reabilitação do CAS busca cadastrar as informações de todos os investimentos privados executados e previstos para a região, com o intuito de mapear e medir o desenvolvimento do local. Destacam-se os investimentos privados em habitação e hotelaria para o CAS, a exemplo do Hilton e Pestana. Vale ressaltar que são mais de R$306 milhões 4 previstos para serem aplicados na região. Um dos projetos privados de grande relevância, implantado na região, foi o Espaço de Cinema Unibanco. O equipamento, que custou cerca de R$6 milhões, abriga quatro salas de exibição de cinema, equipadas com modernos projetores para a exibição de filmes digitais e película 35mm. O local conta, ainda, com uma cafeteria, bistrô, bomboniere e espaço de convivência. No Anexo II obtivemos as seguintes informações: STATUS INVESTIMENTO EMPREGOS Em projeto Em contratação Em execução Concluído Total Como no campo de investimentos públicos, o montante investido pelo setor privado, na área, certamente é maior

16 4. GERENCIAMENTO DAS AÇÕES POR PROPOSIÇÃO ANEXOS III e V No anexo III, apresentamos os investimentos que estão sendo realizados, mas com o recorte voltado para as 14 Proposições do Plano. No anexo V, as informações são apresentadas de forma detalhada: proposição, objetivos gerais, objetivos específicos e o conjunto de ações que foram consideradas necessárias para tornar viável cada ação, apresentando o status, o último movimento e as pendências de cada item. Pretende-se que, com a evolução deste processo de monitoramento, tenhamos medições e avaliações trimestrais de percentual alcançado em cada proposição. Desta forma, será possível medir, de modo mais eficaz, os resultados obtidos, gerenciar melhor as atividades e corrigir rotas para alcance das metas

17 5. INVESTIMENTOS NECESSÁRIOS ANEXO IV RELATÓRIO GERENCIAL ERCAS Além dos investimentos em execução, objeto dos anexos I, II e III foram projetados novos investimentos, que deverão ser executados até 2014, para que o Plano seja implantado e a sustentabilidade desejada para o CAS, alcançada. Como estes recursos ainda não foram disponibilizados, uma de nossas atividades prioritárias é atuar na captação externa destes valores para cumprir o que foi planejado para Dentre estas propostas, destaca-se a Via Histórica, uma passarela, projetada por João Filgueiras Lima, que ligará a Rua das Laranjeiras, no Pelourinho, à Avenida Joana Angélica e à Baixa dos Sapateiros. Os recursos previstos para a obra são da ordem de R$20 milhões. Outra intervenção, de extrema importância para a região, é a recuperação do Cine Jandaia. Há o interesse da CAIXA em transformar o local em um Centro Cultural com teatro daquela instituição financeira. De acordo com estimativas, o investimento necessário para as obras é em torno de R$6 milhões.. O quantitativo total de investimentos necessários para o Centro Antigo de Salvador ultrapassa os R$665 milhões. Este montante contempla ações previstas por todas as 14 proposições do Plano de Reabilitação do CAS, mas deverá ser redimensionado com a gradual implantação

18 6. PROJETOS DO PRONAC ANEXO VI Apresenta os projetos inseridos no Pronac e o seu monitoramento, objeto de interesse do Plano. Feira de São Joaquim, Forte do Barbalho e o projeto Tempo e Luz (que visa a instalação de Iluminação Pública e Cênica), são itens relevantes da lista. 7. ACORDOS PACTUADOS ANEXO VII Neste anexo estão relacionados todos os acordos pactuados, com status de desenvolvimento. Junta de Andalucía (Protocolo de Colaboração) Convênio de Cooperação Técnica Científica e Cultural Rememorar III (Convênio) Revisão Substantiva 2 - Projeto 914BRA4009-Prodoc Informs (Convênio) ACT- Acordo de Cooperação Técnica Contrato de Repasse do MTUR, nº /2008 Contrato nº 209/ Instituto Brasileiro.de Tecnologia do Habitat Convênio de Cooperação Técnica e Financeira nº 002/2009 Protocolo de Intenções CAIXA Protocolo de Intenções SEBRAE Protocolo de Intenções SINDUSCON Forte do Barbalho (Convênio) Convênio com a Associação Habitat Para a Humanidade Brasil Termo de Cessão do Mercado de São Miguel Iluminação Pública - Cessão Manutenção do CAS (Acordo) Convênio 019/ Ministério das Cidades Contrato 229/ Fontes Marketing Contrato 321/ Oceanbyte 8. ORÇAMENTO ERCAS (JAN MAR / 2011) Um investimento de cerca de R$97 milhões, a ser aplicado em ações do Plano, está sob a responsabilidade do Ercas. Esse número representa uma participação do Estado em aproximadamente R$24 milhões. Vale ressaltar que a dotação orçamentária do Ercas é de R$3,8 milhões, que equivale a apenas 3,91% do necessário

19 9. CONSIDERAÇÕES FINAIS A elaboração do relatório tem como objetivo otimizar a execução das atividades da equipe ERCAS durante o primeiro trimestre de Fazse necessário, contudo, o aperfeiçoamento diário da identificação das intervenções na região e dos investimentos envolvidos. Este relatório gerencial pretende implantar um sistema de acompanhamento e monitoramento com a adoção de indicadores que possibilitem adequações durante o processo de implantação do Plano. A avaliação (interna e externa) de cada conjunto de ações nos aspectos social, econômico e urbanístico aufere resultados quantitativos e qualitativos às atividades do Ercas. O presente relatório é o início da avaliação da implantação do Plano de Reabilitação do CAS. Trata-se de um processo de melhoria contínua da informação, na medida do feedback que ocorrerá com a publicação deste documento. A qualidade da informação será otimizada a cada edição e na medida dos interesses demonstrados. Com a elaboração deste relatório, identificamos investimentos públicos no CAS de aproximadamente R$430 milhões. A participação do Estado, neste valor, é de R$184 milhões, o que representa 43% do total. Os investimentos em habitação representam cerca de R$100 milhões, totalizando 25% do que é investido na região, aproximadamente. Monumentos englobam R$92 milhões e infra-estrutura é o setor em que há maior injeção de capital, com R$169 milhões. Do total de R$430 milhões, R$97 milhões estão sob responsabilidade do Ercas (anexo VIII), sendo que apenas R$3,8 constituem a dotação orçamentária. Estes números apontam a necessidade de dar ao Plano prioridade orçamentária de investimento na atual gestão do governo Wagner. O montante dos investimentos privados cadastrados, R$306 milhões, nos leva a crer que a iniciativa já reconhece o CAS como um bom investimento. As intervenções propostas para a região, pelo Plano de Reabilitação, totalizam R$604 milhões. O recurso é sistematizado da seguinte forma: Investimentos Públicos R$ 430 mihões Investimentos Privados R$ 306 milhões Investimentos projetados pelo Plano R$ 604 milhões Total: R$ 1, 340 bilhão

20 Escritório de Referência do Centro Antigo de Salvador Secretaria de Cultura do Estado da Bahia (71) Coordenação: Beatriz Lima Patrícia Marchesini Telma Pires Equipe Técnica: Anacy Libório André Siquara Cassandra Vasconcelos Eloá Mattos Lucineide Souza Marly Gonçalves Renata Preza

21 10. ANEXOS

PLANO DE REABILITAÇÃO PARTICIPATIVO URBANO MUNDIAL

PLANO DE REABILITAÇÃO PARTICIPATIVO URBANO MUNDIAL PLANO DE REABILITAÇÃO PARTICIPATIVO V FÓRUM F URBANO MUNDIAL Rio de Janeiro, Março de 2010 Parte da história do Brasil aconteceu na Bahia e continua viva e preservada nos casarios, na arquitetura, nos

Leia mais

Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Secretaria Nacional de Programas Urbanos

Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Secretaria Nacional de Programas Urbanos Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais Secretaria Nacional de Programas Urbanos CONCEITOS Área Urbana Central Bairro ou um conjunto de bairros consolidados com significativo acervo edificado

Leia mais

O que é o PLHIS? Quais são os beneficiários do PLHIS? Quais são as exigências do PLHIS?

O que é o PLHIS? Quais são os beneficiários do PLHIS? Quais são as exigências do PLHIS? O que é o PLHIS? Quais são os beneficiários do PLHIS? Quais são as exigências do PLHIS? Planejamento Planejamento é uma das condições para a prática profissional dos Assistente Social (BARBOSA, 1991).

Leia mais

PATRIMÔNIO E DESENVOLVIMENTO

PATRIMÔNIO E DESENVOLVIMENTO PATRIMÔNIO E DESENVOLVIMENTO EVOLUÇÃO URBANÍSTICA DE SALVADOR POPULAÇÃO: 1960 635.917 hab. 2000 2.442.102 hab. 66,8 mil (2,8%) no Centro Antigo 1 B BENS CULTURAIS TOMBADOS NAS ESFERAS FEDERAL E ESTADUAL

Leia mais

TURISMO. o futuro, uma viagem...

TURISMO. o futuro, uma viagem... TURISMO o futuro, uma viagem... PLANO NACIONAL DO TURISMO 2007-2010 OBJETIVOS Desenvolver o produto turístico brasileiro com qualidade, contemplando nossas diversidades regionais, culturais e naturais.

Leia mais

Estudos e projetos para o Oceanário de Salvador. Categoria Valorização e gestão de atrativos turísticos e criação de novos produtos

Estudos e projetos para o Oceanário de Salvador. Categoria Valorização e gestão de atrativos turísticos e criação de novos produtos Componente 1 Título da Ação Estratégia de Produto Turístico Item 1.4 Objetivos Estudos e projetos para o Oceanário de Salvador Categoria Valorização e gestão de atrativos turísticos e criação de novos

Leia mais

PAC CIDADES HISTÓRICAS. Natal /RN

PAC CIDADES HISTÓRICAS. Natal /RN PAC CIDADES HISTÓRICAS Natal /RN INTRODUÇÃO O Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), iniciado em 2007, é uma inciativa do governo federal coordenada pelo Ministério do Planejamento que promoveu a

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO DE PROJETOS Nº /2012. Anexo II PROGRAMA DE TRABALHO

EDITAL DE SELEÇÃO DE PROJETOS Nº /2012. Anexo II PROGRAMA DE TRABALHO EDITAL DE SELEÇÃO DE PROJETOS Nº /2012 Anexo II PROGRAMA DE TRABALHO Este anexo estabelece o programa de trabalho e resultados para a OSCIP com a fixação de direitos, obrigações, prazos de execução e critérios

Leia mais

SEC Que Cultura é essa? Balanço de Gestão 2007/2010

SEC Que Cultura é essa? Balanço de Gestão 2007/2010 SEC Que Cultura é essa? Balanço de Gestão 2007/2010 1 ATRAÇÃO DE RECURSOS ATRAÇÃO DE RECURSOS TRANSFORMAR DESPESA EM INVESTIMENTO A LEI DO ICMS ESTRUTURAÇÃO Superintendência específica Parceria SEFAZ

Leia mais

Prevenção e Mediação de Conflitos Fundiários Urbanos

Prevenção e Mediação de Conflitos Fundiários Urbanos Prevenção e Mediação de Conflitos Fundiários Urbanos O que é a SEDUR A Secretaria de Desenvolvimento Urbano - SEDUR, foi criada pela Lei nº 8.538, de 20 de dezembro de 2002, e tem por finalidade formular

Leia mais

Fiscalização e Controle Social Resultados da FPI

Fiscalização e Controle Social Resultados da FPI - Crea-BA Fiscalização e Controle Social Resultados da FPI Arqt.º e Eng.º Civil Giesi Nascimento Filho Chefe de Gabinete do Crea-BA - Crea-BA Conclusões A dificuldade de acesso a determinados cronogramas

Leia mais

PROGRAMA COMPROMISSO META INICIATIVA

PROGRAMA COMPROMISSO META INICIATIVA Secretaria de 1 Produtivo 1. Ampliar a oferta de infraestrutura adequada para promover a segurança no consumo de gêneros alimentícios em mercados municipais 1. Oferecer espaços adequados para comercialização

Leia mais

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL Trabalho apresentado no III ENECULT Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura, realizado entre os dias 23 a 25 de maio de 2007, na Faculdade de Comunicação/UFBa, Salvador-Bahia-Brasil. METODOLOGIA

Leia mais

Estruturas institucionais esfera federal

Estruturas institucionais esfera federal Estruturas institucionais esfera federal Departamento do Patrimônio Imaterial Princípio de atuação: respeito à diversidade cultural e valorização da diferença são os princípios organizadores da atuação

Leia mais

ATUALIZAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE TURISMO - PDTur. Prefeitura Municipal de Mairiporã

ATUALIZAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE TURISMO - PDTur. Prefeitura Municipal de Mairiporã ATUALIZAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE TURISMO - PDTur Prefeitura Municipal de Mairiporã Secretaria de Meio Ambiente e Turismo Departamento de Turismo - DeTur Apresentação Um Plano Diretor de Turismo é uma ferramenta

Leia mais

Município: JOÃO PESSOA / PB

Município: JOÃO PESSOA / PB O Plano Brasil Sem Miséria O Plano Brasil Sem Miséria foi lançado com o desafio de superar a extrema pobreza no país. O público definido como prioritário foi o dos brasileiros que estavam em situação de

Leia mais

INSERIR LOGOMARCA DA INSTITUIÇÃO PROPONENTE INSERIR O TÍTULO DO PROJETO

INSERIR LOGOMARCA DA INSTITUIÇÃO PROPONENTE INSERIR O TÍTULO DO PROJETO INSERIR LOGOMARCA DA INSTITUIÇÃO PROPONENTE INSERIR O TÍTULO DO PROJETO O título do projeto deve delimitar a área de abrangência onde as ações serão executadas. Setembro, 2014 1 SUMÁRIO 1. DADOS GERAIS

Leia mais

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DA ECONOMIA DE EUNÁPOLIS

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DA ECONOMIA DE EUNÁPOLIS PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DA ECONOMIA DE EUNÁPOLIS Eunápolis, Julho/2013 1. CONTEXTUALIZAÇÃO Eunápolis possui a terceira maior população do Extremo Sul da Bahia estimada em 102 mil habitantes, sendo

Leia mais

Banco Interamericano de Desenvolvimento. Instrução Operacional CAMPANHAS DE CONSCIENTIZAÇÃO

Banco Interamericano de Desenvolvimento. Instrução Operacional CAMPANHAS DE CONSCIENTIZAÇÃO Instrução Operacional CAMPANHAS DE CONSCIENTIZAÇÃO CAMPANHAS DE CONSCIENTIZAÇÃO SUMÁRIO Página INTRODUÇÃO 3 1. ÁREA DE ATUAÇÃO 4 2. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS AO BNB 4 3. RECOMENDAÇÕES TÉCNICAS 5

Leia mais

Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia AGESPI AGESPI 12. AGESPI A Assessoria na Gestão de Projetos e Convênios Institucionais AGESPI trabalha na perspectiva de obter linhas de financiamento através

Leia mais

Ministério da Cultura Estrutura Organizacional e Competências. Professor Francisco Carlos M. da Conceição

Ministério da Cultura Estrutura Organizacional e Competências. Professor Francisco Carlos M. da Conceição Ministério da Cultura Estrutura Organizacional e Competências Professor Francisco Carlos M. da Conceição DECRETO Nº 6.835, DE 30 DE ABRIL DE2009. Aprova a Estrutura Regimental e o Quadro Demonstrativo

Leia mais

PROGRAMAS E PROJETOS PARA O DESENVOLVIMENTO DO ECOTURISMO NO PÓLO DO CANTÃO

PROGRAMAS E PROJETOS PARA O DESENVOLVIMENTO DO ECOTURISMO NO PÓLO DO CANTÃO º PROGRAMAS E S PARA O DESENVOLVIMENTO DO ECOTURISMO NO PÓLO DO CANTÃO Programa de utilização sustentável dos atrativos turísticos naturais Implementação do Plano de Manejo do Parque do Cantão Garantir

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 5306, DE 04 DE MAIO DE 2010. CEZAR AUGUSTO SCHIRMER, Prefeito Municipal do Município de Santa Maria, Estado do Rio Grande do Sul.

LEI MUNICIPAL Nº 5306, DE 04 DE MAIO DE 2010. CEZAR AUGUSTO SCHIRMER, Prefeito Municipal do Município de Santa Maria, Estado do Rio Grande do Sul. LEI MUNICIPAL Nº 5306, DE 04 DE MAIO DE 2010 Estabelece medidas de incentivo à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no Município de Santa Maria e dá outras providências. CEZAR AUGUSTO SCHIRMER,

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DA CASA CIVIL COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO URBANO DA REGIÃO DO PORTO DO RIO DE JANEIRO S/A

SECRETARIA MUNICIPAL DA CASA CIVIL COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO URBANO DA REGIÃO DO PORTO DO RIO DE JANEIRO S/A SECRETARIA MUNICIPAL DA CASA CIVIL COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO URBANO DA REGIÃO DO PORTO DO RIO DE JANEIRO S/A Esclarecimentos Processo Seletivo n 001/2014 Processo n 24/100.025/2014 Pergunta: O pavimento

Leia mais

II ORIENTAÇÕES, CRITÉRIOS ESPECÍFICOS E DOCUMENTAÇÃO COMPLEMENTAR

II ORIENTAÇÕES, CRITÉRIOS ESPECÍFICOS E DOCUMENTAÇÃO COMPLEMENTAR Anexo II ORIENTAÇÕES, CRITÉRIOS ESPECÍFICOS E DOCUMENTAÇÃO COMPLEMENTAR I Orientações Gerais (Qualquer área) a) Projeto com duração superior a seis meses deverá apresentar, pelo menos, 25% (vinte e cinco

Leia mais

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal Mapa de obras contratadas pela CEF, em andamento com recursos do Governo Federal 5.048

Leia mais

APRESENTAÇÃO... 2 1. ESTUDO DE COMPETITIVIDADE... 4 2. RESULTADOS... 6. 2.1 Total geral... 6. 2.2 Infraestrutura geral... 7. 2.3 Acesso...

APRESENTAÇÃO... 2 1. ESTUDO DE COMPETITIVIDADE... 4 2. RESULTADOS... 6. 2.1 Total geral... 6. 2.2 Infraestrutura geral... 7. 2.3 Acesso... PORTO SEGURO APRESENTAÇÃO Qualquer forma de desenvolvimento econômico requer um trabalho de planejamento consistente para atingir o objetivo proposto. O turismo é apresentado hoje como um setor capaz de

Leia mais

Code-P1. 5º Balanço de Ações para a Copa (1º Ciclo) Cidade-sede: Salvador. Setembro/2013

Code-P1. 5º Balanço de Ações para a Copa (1º Ciclo) Cidade-sede: Salvador. Setembro/2013 CodeP1 5º Balanço de Ações para a Copa (1º Ciclo) Cidadesede: Salvador Setembro/2013 Salvador: Distribuição dos Investimentos por Tema e Fonte de Recursos CodeP2 Referência Set/13, Distribuição dos investimentos

Leia mais

O que o Brasil já ganhou com a Copa. Secretaria-Geral da Presidência da República

O que o Brasil já ganhou com a Copa. Secretaria-Geral da Presidência da República O que o Brasil já ganhou com a Copa COPA DO MUNDO NO BRASIL um momento histórico e de oportunidades A Copa do Mundo é um momento histórico para o Brasil, que vai sediar, em conjunto com as Olimpíadas em

Leia mais

Cultura Oficina Litoral Sustentável

Cultura Oficina Litoral Sustentável Cultura Oficina Litoral Sustentável 1 ESTRUTURA DA AGENDA REGIONAL E MUNICIPAIS 1. Princípios 2. Eixos 3. Diretrizes 4. Ações 4.1 Natureza das ações (planos, projetos, avaliação) 4.2 Mapeamento de Atores

Leia mais

EIXO I GESTÃO CULTURAL DEMOCRÁTICA E PARTICIPATIVA

EIXO I GESTÃO CULTURAL DEMOCRÁTICA E PARTICIPATIVA PLANO MUNICIPAL DE CULTURA DE BALNEÁRIO CAMBORIÚ Comissão de Elaboração do Plano Municipal de Cultura: Anderson Beluzzo, Celso Peixoto, Dagma Castro, Elias Alcides Luciano, Guilhermina Stuker, João Alexandre

Leia mais

VISEU PRIMEIRO, VISEU EDUCA

VISEU PRIMEIRO, VISEU EDUCA Setembro 2014 VISEU PRIMEIRO, VISEU EDUCA O lançamento de um programa pedagógico e de desenvolvimento educativo de crianças e jovens, partilhado por todos os agentes do sistema escolar e educativo local,

Leia mais

Projeto Cidades da Copa PLANO DE AÇÃO PORTO ALEGRE - RS

Projeto Cidades da Copa PLANO DE AÇÃO PORTO ALEGRE - RS Projeto Cidades da Copa PLANO DE AÇÃO PORTO ALEGRE - RS PORTO ALEGRE EM AÇÃO É ESPORTE E EDUCAÇÃO O esporte não é educativo a priori, é o educador que precisa fazer dele ao mesmo tempo um objeto e meio

Leia mais

ENGENHARIA CONSULTIVA FOMENTAR O PARQUE CONSULTIVO NACIONAL

ENGENHARIA CONSULTIVA FOMENTAR O PARQUE CONSULTIVO NACIONAL ENGENHARIA CONSULTIVA FOMENTAR O PARQUE CONSULTIVO NACIONAL A Engenharia Consultiva Nacional e a Construção da Infraestrutura Um breve diagnóstico O setor de infraestrutura apresenta aspectos distintos

Leia mais

Contrata Consultor na modalidade Produto

Contrata Consultor na modalidade Produto Contrata Consultor na modalidade Produto PROJETO 914BRZ4011 EDITAL Nº 005/2010 1. Perfil: Iphan Central 28 - Republicação 3. Qualificação educacional: Profissional com nível superior em Direito preferencialmente

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa DECRETO Nº 49.377, DE 16 DE JULHO DE 2012. (publicado no DOE n.º 137, de 17 de julho de 2012) Institui o Programa

Leia mais

Tabelas Resumo das Diretrizes e Critérios para Aplicação do Fundo Amazônia Consolidação: 26.03.2010

Tabelas Resumo das Diretrizes e Critérios para Aplicação do Fundo Amazônia Consolidação: 26.03.2010 Tabelas Resumo das Diretrizes e Critérios para Aplicação do Fundo Amazônia Consolidação: 26.03.2010 Distribuição dos Recursos entre Áreas de Aplicação Área de Aplicação Limite de ção do total dos recursos

Leia mais

PLANO DE COMUNICAÇÃO PARA MUSEUS DE PEQUENO PORTE METODOLOGIA PRIORITÁRIA

PLANO DE COMUNICAÇÃO PARA MUSEUS DE PEQUENO PORTE METODOLOGIA PRIORITÁRIA PLANO DE COMUNICAÇÃO PARA MUSEUS DE PEQUENO PORTE EIXO 1 - Relações Públicas Avaliação - abordagem sistêmica Comunicação integrada Diagnóstico - Planejamento Plano METODOLOGIA PRIORITÁRIA EIXO 2 Teoria

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação. CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Representação de Apoio ao Desenvolvimento Urbano

MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação. CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Representação de Apoio ao Desenvolvimento Urbano MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Representação de Apoio ao Desenvolvimento Urbano SNHIS / FNHIS - Lei nº 11.124/05 REQUISITOS PARA ADESÃO DOS MUNICÍPIOS AO

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2013

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2013 RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2013 Instituto Lojas Renner Instituto Lojas Renner Promover a inserção de mulheres no mercado de trabalho por meio de projetos de geração de renda é o objetivo do Instituto Lojas

Leia mais

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA NOTA TÉCNICA 07/13 RELATÓRIO ANUAL DE GESTÃO - RAG ORIENTAÇÕES GERAIS Introdução O Planejamento é um instrumento de gestão, que busca gerar e articular mudanças e aprimorar o desempenho dos sistemas de

Leia mais

As ações do Pacto serão delineadas de acordo com as seguintes prioridades:

As ações do Pacto serão delineadas de acordo com as seguintes prioridades: Finalidade A conservação da biodiversidade e de demais atributos da Mata Atlântica depende de um conjunto articulado de estratégias, incluindo a criação e a implantação de Unidades de Conservação, Mosaicos

Leia mais

PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES

PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES Organizador Patrocínio Apoio PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 O Turismo é uma das maiores fontes de

Leia mais

PRODUTO 1 METODOLOGIA Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS Município de Teresópolis - RJ

PRODUTO 1 METODOLOGIA Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS Município de Teresópolis - RJ PRODUTO 1 METODOLOGIA Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS Município de Teresópolis - RJ Setembro/2010 APRESENTAÇÃO Este documento denominado Metodologia é o primeiro produto apresentado

Leia mais

Etapa 01 Proposta Metodológica

Etapa 01 Proposta Metodológica SP Etapa 01 Proposta Metodológica ConsultGEL - Rua: : José Tognoli, 238, Pres., 238, Pres. Prudente, SP Consultores Responsáveis, SP Élcia Ferreira da Silva Fone: : (18) 3222 1575/(18) 9772 5705 João Dehon

Leia mais

DECRETO Nº 38879 DE 2 DE JULHO DE 2014

DECRETO Nº 38879 DE 2 DE JULHO DE 2014 DECRETO Nº 38879 DE 2 DE JULHO DE 2014 Dispõe sobre o Sistema Municipal de Informações Urbanas de que trata a Lei Complementar nº 111, de 01 de fevereiro de 2011. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO,

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CARMO DA CACHOEIRA ESTADO DE MINAS GERAIS GABINETE DO PREFEITO

PREFEITURA MUNICIPAL DE CARMO DA CACHOEIRA ESTADO DE MINAS GERAIS GABINETE DO PREFEITO 1 Dispõe sobre a criação da SECRETARIA MUNICIPAL DE CULTURA, ESPORTES E TURISMO, e dá outras providencias. 2009. Projeto de Lei n.º, de 05 de fevereiro de A Câmara Municipal de Carmo da Cachoeira, por

Leia mais

ESPELHO DE EMENDAS DE INCLUSÃO DE META

ESPELHO DE EMENDAS DE INCLUSÃO DE META S AO PLN 0002 / 2007 - LDO Página: 2310 de 2393 ESPELHO DE S DE INCLUSÃO DE META AUTOR DA 50160001 1061 Brasil Escolarizado 0509 Apoio ao Desenvolvimento da Educação Básica Projeto apoiado (unidade) 40

Leia mais

4º EDITAL CULTURAL VOTORANTIM

4º EDITAL CULTURAL VOTORANTIM 4º EDITAL CULTURAL VOTORANTIM REGULAMENTO 1. Tipos de projetos beneficiados 2. Leis de incentivo à cultura 3. Categoria especial Acessibilidade 4. Cronograma do Edital 5. Valores de investimento 6. Inscrição

Leia mais

Ministério do Esporte e Turismo EMBRATUR Instituto Brasileiro de Turismo. Deliberação Normativa nº 419, de 15 de março de 2001

Ministério do Esporte e Turismo EMBRATUR Instituto Brasileiro de Turismo. Deliberação Normativa nº 419, de 15 de março de 2001 Ministério do Esporte e Turismo EMBRATUR Instituto Brasileiro de Turismo Deliberação Normativa nº 419, de 15 de março de 2001 A Diretoria da EMBRATUR Instituto Brasileiro de Turismo, no uso de suas atribuições

Leia mais

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 3 } 1. INTRODUÇÃO: PARQUE TECNOLÓGICO CAPITAL DIGITAL - PTCD Principal polo de desenvolvimento Científico, Tecnológico e de Inovação do Distrito Federal, o PTCD

Leia mais

Esta publicação tem por objetivo apresentar o Programa Cultura Viva, de responsabilidade da Secretaria da Cidadania e da Diversidade Cultural do

Esta publicação tem por objetivo apresentar o Programa Cultura Viva, de responsabilidade da Secretaria da Cidadania e da Diversidade Cultural do Esta publicação tem por objetivo apresentar o Programa Cultura Viva, de responsabilidade da Secretaria da Cidadania e da Diversidade Cultural do Ministério da Cultura, de modo a facilitar sua compreensão

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE A COPA FIFA 2014

INFORMAÇÕES SOBRE A COPA FIFA 2014 INFORMAÇÕES SOBRE A COPA FIFA 2014 Por Milton Karam 06.outubro.2010 COPA FIFA 2014 CRONOLOGIA 2003 03 de junho - a Confederação Sul-Americana de Futebol CONMEBOL anuncia Argentina, Brasil e Colômbia 2006

Leia mais

FII Shopping Pátio Higienópolis (SHPH11)

FII Shopping Pátio Higienópolis (SHPH11) Objeto do Fundo O Fundo tem por objeto adquirir e participar da implantação, do desenvolvimento, e da exploração, incluindo eventuais expansões de parte do empreendimento imobiliário denominado Condomínio

Leia mais

MINISTÉRIO DA CULTURA Secretaria da Identidade e da Diversidade Cultural - SID Telefone: 3316-2102 Fax: (61) 3316-2023

MINISTÉRIO DA CULTURA Secretaria da Identidade e da Diversidade Cultural - SID Telefone: 3316-2102 Fax: (61) 3316-2023 MINISTÉRIO DA CULTURA Secretaria da Identidade e da Diversidade Cultural - SID Telefone: 3316-2102 Fax: (61) 3316-2023 Nota Técnica nº /2009/SID/MinC Em, de abril de 2009 Ao Sr. Chefe de Gabinete CG/SE/MinC

Leia mais

SISTEMA ESTADUAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL - SEHIS

SISTEMA ESTADUAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL - SEHIS SISTEMA ESTADUAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL - SEHIS A Lei Estadual 8.320 de 03/09/2007, instituiu o Sistema Estadual de Habitação de Interesse Social SEHIS, o Conselho Estadual de Habitação de Interesse

Leia mais

Justificativa da iniciativa

Justificativa da iniciativa Sumário Justificativa da iniciativa O que é o Framework? Apresentação básica de cada ferramenta Quais projetos serão avaliados por meio do Framework? Fluxo de avaliação Expectativas Justificativa da iniciativa

Leia mais

A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM

A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM DECRETO nº 1098, de 12 de fevereiro de 2009 Dispõe sobre alocação, denominação e atribuições dos órgãos que compõem a estrutura organizacional do Gabinete da Prefeita e dá outras providências. A PREFEITA

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2012

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2012 Programa 2107 - Programa de Gestão e Manutenção do Ministério da Cultura 0821 - Contribuição ao Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro Tipo: Operações Especiais Número de Ações 80 Esfera: 10 - Orçamento

Leia mais

ANEXO IX - DEMONSTRATIVO VII METAS E PRIORIDADES - COMPATIBILIZAÇÃO DA LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS COM O PLANO PLURIANUAL

ANEXO IX - DEMONSTRATIVO VII METAS E PRIORIDADES - COMPATIBILIZAÇÃO DA LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS COM O PLANO PLURIANUAL METAS E PRIORIDADES - COMPATIBILIZ DA LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS COM O PLANO PLURIANUAL TÍTULO PRODUTO TIPO DE META 2013 2001 Administração Legislativa Serviços Realizados ORÇAMENTÁRIA 95% 0001 GESTÃO

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICITAÇÃO DE AGÊNCIA DE EVENTOS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICITAÇÃO DE AGÊNCIA DE EVENTOS 1. Objeto: 1.1.1. Contratação de empresa para prestação, sob demanda, de serviços de planejamento, organização, coordenação, execução, fiscalização e avaliação de eventos com a viabilização de infra-estrutura

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

ECONOMIA DA CULTURA. Paula Porta Assessora especial do Ministro da Cultura e Coordenadora do Prodec MINISTÉRIO DA CULTURA

ECONOMIA DA CULTURA. Paula Porta Assessora especial do Ministro da Cultura e Coordenadora do Prodec MINISTÉRIO DA CULTURA MINISTÉRIO DA CULTURA ECONOMIA DA CULTURA UM SETOR ESTRATÉGICO PARA O PAÍS Paula Porta Assessora especial do Ministro da Cultura e Coordenadora do Prodec A produção, a circulação e o consumo de bens e

Leia mais

LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010.

LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010. Pág. 1 de 5 LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010. CRIA O FUNDO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL FMHIS E INSTITUI O CONSELHO GESTOR DO FMHIS. O PREFEITO MUNICIPAL DE CRUZEIRO DO SUL ACRE, EM EXERCÍCIO,

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO VII PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS MACROPROCESSOS DO BNDES

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO VII PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS MACROPROCESSOS DO BNDES CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO VII PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS MACROPROCESSOS DO BNDES 1. Introdução As tabelas a seguir apresentam os MACROPROCESSOS do BNDES, segregados por plataformas. As

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ABAETETUBA

PREFEITURA MUNICIPAL DE ABAETETUBA PREFEITURA MUNICIPAL DE ABAETETUBA Francineti Maria Rodrigues Carvalho PREFEITA MUNICIPAL DE ABAETEUBA Jacilene Ferreira Negrão SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO E-mail: jaci.negrão@bol.com.br TEL:

Leia mais

DIRETRIZES DO MinC PARA 2012

DIRETRIZES DO MinC PARA 2012 DIRETRIZES DO MinC PARA 2012 EMENDAS DE COMISSÕES Comissão de Educação e Cultura da Câmara e Comissão de Educação, Cultura e Esporte do Senado LOA 2011 MUSEUS R$ 16.860.000,00 LIVRO R$ 36.860.000,00 ARTES

Leia mais

Lei do ICMS São Paulo Lei 12.268 de 2006

Lei do ICMS São Paulo Lei 12.268 de 2006 Governo do Estado Institui o Programa de Ação Cultural - PAC, e dá providências correlatas. O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu promulgo a seguinte

Leia mais

1. OBJETO Este regulamento define e torna públicas as regras gerais da Seleção Pública do Petrobras Cultural 2012.

1. OBJETO Este regulamento define e torna públicas as regras gerais da Seleção Pública do Petrobras Cultural 2012. PETROBRAS CULTURAL EDIÇÃO 2012 SELEÇÃO PÚBLICA: REGULAMENTO GERAL 1. OBJETO Este regulamento define e torna públicas as regras gerais da Seleção Pública do Petrobras Cultural 2012. São objetivos da Seleção

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO SEBASTIÃO DO OESTE ESTADO DE MINAS GERAIS

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO SEBASTIÃO DO OESTE ESTADO DE MINAS GERAIS LEI COMPLEMENTAR Nº 38, DE 22 DE FEVEREIRO DE 2011. Altera dispositivos e Cria Secretaria de Esporte, Cultura, Lazer e Turismo na Lei Complementar nº 24, de 23 de abril de 2009, que dispõe sobre a Organização

Leia mais

Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico CDT/UnB

Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico CDT/UnB Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico CDT/UnB Centro da Universidade de Brasília responsável por: Transferência de tecnologia; Prestação de serviços especializados; Interação da Universidade com

Leia mais

Arquivos públicos municipais. Mais transparência pública, mais informação, mais memória e mais cidadania

Arquivos públicos municipais. Mais transparência pública, mais informação, mais memória e mais cidadania Arquivos públicos municipais Mais transparência pública, mais informação, mais memória e mais cidadania APRESENTAÇÃO Este documento tem como objetivo principal informar e sensibilizar as autoridades públicas

Leia mais

Consulte sempre o site www.museudaimigracao.org.br e acompanhe o desenvolvimento dos trabalhos.

Consulte sempre o site www.museudaimigracao.org.br e acompanhe o desenvolvimento dos trabalhos. O Boletim do Museu da Imigração chega à sua décima oitava edição. Junto com a proposta de manter as comunidades e o público geral informados sobre o processo de restauro das edificações e reformulação

Leia mais

EDIÇÃO Nº 230 QUINTA - FEIRA, 1 DE DEZEMBRO DE 2011 GABINETE DA MINISTRA

EDIÇÃO Nº 230 QUINTA - FEIRA, 1 DE DEZEMBRO DE 2011 GABINETE DA MINISTRA EDIÇÃO Nº 230 QUINTA - FEIRA, 1 DE DEZEMBRO DE 2011 GABINETE DA MINISTRA PORTARIA Nº 116, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2011 (com atualizações da Portaria nº 5 de 26/01/2012 DOU de 30/01/2012) Regulamenta os segmentos

Leia mais

CIEDS, Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável Missão:

CIEDS, Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável Missão: O CIEDS, Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável, é uma Instituição Social Sem Fins Lucrativos, de Utilidade Pública Federal, fundada em 1998, com sede na cidade do Rio de

Leia mais

O TURISMO SOB A ÓTICA DA PLATAFORMA DE SUSTENTABILIDADE DO LITORAL NORTE

O TURISMO SOB A ÓTICA DA PLATAFORMA DE SUSTENTABILIDADE DO LITORAL NORTE Contratantes: O TURISMO SOB A ÓTICA DA PLATAFORMA DE SUSTENTABILIDADE DO LITORAL NORTE Tópicos da apresentação: Turismo Sustentável sob a Ótica da PSLN. Tópicos: I Informações gerais sobre a PSLN; II Diagnóstico

Leia mais

ENCONTRO NACIONAL DE CAMPISMO

ENCONTRO NACIONAL DE CAMPISMO ENCONTRO NACIONAL DE CAMPISMO MTUR/DEAOT/CGQT Campinas, 20 de março de 2010 ENCONTRO NACIONAL DE CAMPISMO POLÍTICAS DE INCENTIVO AO TURISMO NORMATIZAÇÃO DE CAMPINGS COPA DO MUNDO E OLIMPÍADAS REGISTRO

Leia mais

1 de 5 03/12/2012 14:32

1 de 5 03/12/2012 14:32 1 de 5 03/12/2012 14:32 Este documento foi gerado em 29/11/2012 às 18h:32min. DECRETO Nº 49.377, DE 16 DE JULHO DE 2012. Institui o Programa de Gestão do Patrimônio do Estado do Rio Grande do Sul - Otimizar,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 001/2015 Contratação de Consultoria Nacional Pessoa Física por Produto

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 001/2015 Contratação de Consultoria Nacional Pessoa Física por Produto TERMO DE REFERÊNCIA Nº 001/2015 Contratação de Consultoria Nacional Pessoa Física por Produto Número e Título do Projeto: BRA/12/08 Apoio à implementação do Plano de Reabilitação Participativo do Centro

Leia mais

Não fique para trás! Submeta seu projeto. Fonte de recursos para projetos julho 2012

Não fique para trás! Submeta seu projeto. Fonte de recursos para projetos julho 2012 Não fique para trás! Submeta seu projeto. Fonte de recursos para projetos julho 2012 1. Patrocínios 1.1 Patrocínio a Eventos e Publicações Data limite: 60 dias de antecedência da data de início do evento

Leia mais

Sociedade de capitais exclusivamente públicos, criada em Novembro de 2004 CAPITAL

Sociedade de capitais exclusivamente públicos, criada em Novembro de 2004 CAPITAL Reabilitação Urbana Sustentável o caso do Centro Histórico e da Baixa da cidade do Porto Álvaro Santos Presidente Executivo do Conselho de Administração Porto, 13 de Julho de 2015 Porto Vivo, SRU Sociedade

Leia mais

PLANO DE GOVERNO TULIO BANDEIRA PTC 36

PLANO DE GOVERNO TULIO BANDEIRA PTC 36 PLANO DE GOVERNO TULIO BANDEIRA PTC 36 GESTÃO PÚBLICA Garantir ampla participação popular na formulação e acompanhamento das políticas públicas; Criação do SOS Oprimidos, onde atenda desde pessoas carentes

Leia mais

A SECULT EM NÚMEROS. Uma Empresa de grande porte, a SECULT possui um CEO e um Conselho (CME). 425 Filiais / Unidades Escolares

A SECULT EM NÚMEROS. Uma Empresa de grande porte, a SECULT possui um CEO e um Conselho (CME). 425 Filiais / Unidades Escolares A SECULT EM NÚMEROS Uma Empresa de grande porte, a SECULT possui um CEO e um Conselho (CME). 425 Filiais / Unidades Escolares 426 Diretores / 714 vice-diretores 10.000 Colaboradores no total 5.600 Professores

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO, TRABALHO E SOLIDARIEDADE

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO, TRABALHO E SOLIDARIEDADE LEI nº, de de (Projeto de Lei nº 00/04, do Executivo) Institui o Programa Oportunidade Solidária, estabelece princípios fundamentais e objetivos da Política de Fomento à Economia Popular Solidária do Município

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Caracterização de Feira de Santana

Caracterização de Feira de Santana Caracterização de Feira de Santana! O município representa a maior concentração urbana do interior do Nordeste brasileiro, considerando as cidades fora das regiões metropolitanas das capitais.! Em sua

Leia mais

Contrata Consultor na modalidade Produto

Contrata Consultor na modalidade Produto Contrata Consultor na modalidade Produto PROJETO 914BRZ4011 EDITAL Nº 01/2010 1. Perfil: Iphan Central 15 3. Qualificação educacional: - Graduação concluída em Arquitetura e Urbanismo, desejável Pósgraduação

Leia mais

MINIFÓRUM CULTURA 10. Fórum Permanente para Elaboração do Plano Municipal de Cultura 2012 a 2022 RELATÓRIA DA AUDIÊNCIA PÚBLICA

MINIFÓRUM CULTURA 10. Fórum Permanente para Elaboração do Plano Municipal de Cultura 2012 a 2022 RELATÓRIA DA AUDIÊNCIA PÚBLICA MINIFÓRUM CULTURA 10 Fórum Permanente para Elaboração do Plano Municipal de Cultura 2012 a 2022 RELATÓRIA DA AUDIÊNCIA PÚBLICA Orientação aprovada: Que a elaboração do Plano Municipal de Cultura considere

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 6.094, DE 24 DE ABRIL DE 2007. Dispõe sobre a implementação do Plano de Metas Compromisso Todos pela Educação, pela União

Leia mais

6. PLANO DE ARTICULAÇÃO INSTITUCIONAL

6. PLANO DE ARTICULAÇÃO INSTITUCIONAL 6. PLANO DE ARTICULAÇÃO INSTITUCIONAL O processo de implantação do Plano de Articulação Institucional (PAI) foi objeto de releitura, a partir da emissão do Ofício 02001.009795/2013-60 GABIN/PRESI/IBAMA,

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE VEREADORES DE PARNAMIRIM Casa Antônio Lustosa de Oliveira Cabral CNPJ n.º 35.446.376/0001-09

CÂMARA MUNICIPAL DE VEREADORES DE PARNAMIRIM Casa Antônio Lustosa de Oliveira Cabral CNPJ n.º 35.446.376/0001-09 Lei n 763/2010. EMENTA: Dispõe sobre a política municipal de segurança alimentar e nutricional sustentável do município de Parnamirim-PE e dá outras providências. A MESA DIRETORA DA CÂMARA MUNICIPAL DE

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA OFICINA DE CAPACITAÇÃO PARA O PLANO DIRETOR: REGIONAL BOQUEIRÃO 18/03/2014 CURITIBA MARÇO/2014 Realizações no dia

Leia mais

COPA DO MUNDO FIFA 2014 Belo Horizonte Brasil. Ações do Governo de Minas Gerais

COPA DO MUNDO FIFA 2014 Belo Horizonte Brasil. Ações do Governo de Minas Gerais COPA DO MUNDO FIFA 2014 Belo Horizonte Brasil Ações do Governo de Minas Gerais 27 de Outubro de 2009 Roteiro Estratégia de Execução Modernização do Mineirão Reforma dos Estádios Alternativos Mobilidade

Leia mais

Estrutura do PDI 2014-2018

Estrutura do PDI 2014-2018 APRESENTAÇÃO O Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Minas Gerais (IFMG) além de constituir um requisito legal, tal como previsto no Artigo

Leia mais

No ritmo da criação OPORTUNIDADE

No ritmo da criação OPORTUNIDADE Shutterstock POR BRUNO MORESCHI No ritmo da criação Nosso país ainda caminha a passos lentos quando o assunto é economia criativa. Mas as incubadoras podem ajudar a recuperar o tempo perdido Da música

Leia mais