JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL"

Transcrição

1 JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIAS ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 204 MARÇO / 205

2 JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIAS ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 204 Relatório de Gestão do exercício de 204 apresentado aos órgãos de controle interno e externo como prestação de contas ordinárias anual a que esta Unidade está obrigada, nos termos do art. 70 da Constituição Federal, elaborado de acordo com as disposições da Instrução Normativa TCU nº 63/200, da Decisão Normativa TCU nº 34/203 e da Portaria-TCU nº 90/204 e das orientações do órgão de controle interno Porto Alegre,

3 Relatório de Gestão Exercício 204 LISTA DE ABREVIAÇÕES E SIGLAS AGERT Associação Gaúcha de Emissoras de Rádio e Televisão ASCOM Assessoria de Comunicação do TRE-RS ASPLAN Assessoria de Planejamento Estratégico e Desenvolvimento Institucional BSC Balanced Scorecard CF Constituição Federal CNJ Conselho Nacional de Justiça CNJE Consolidação Normativa da Justiça Eleitoral CODIP Controle de Direitos Políticos COFIC Coordenadoria Financeira e Contábil do TSE COINP Coordenadoria de Infraestrutura Predial CRONO Sistema de Gerenciamento de Atividades DEJERS Diário Eletrônico da Justiça Eleitoral do Rio Grande do Sul DG Diretoria-Geral DN Decisão Normativa ELO Sistema Nacional de Gerenciamento de Eleitores GESPÚBLICA Programa Nacional de Gestão Pública e Desburocratização IN Instrução Normativa IN P Instrução Normativa da Presidência do TRE-RS INSS Instituto Nacional do Seguro Social IPPS Instrumento Padrão de Pesquisa de Satisfação JEP Justiça Eleitoral Presente PAD Processo Administrativo Disciplinar PAE Processo Administrativo Eletrônico PDL Programa de Desenvolvimento de Líderes PETI Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PIA Programa de Instrução e Ambientação PPA Plano Plurianual PPA Programa de Preparação para Aposentadoria PQVT Programa de Qualidade de Vida no Trabalho RAE Reunião de Avaliação Estratégica SA Secretaria de Administração do TRE-RS SACEL Sistema de Antecedentes Criminais Eleitorais SCI Secretaria de Controle Interno do TRE-RS SCRE Secretaria da Corregedoria Regional Eleitoral do TRE-RS SETRE Seção de Transporte e Expedição SIC Serviço de Informação ao Cidadão SIEL Sistema de Informações Eleitorais SIMBA Sistema Integrado de Manutenção, Busca e Atendimento SGP Secretaria de Gestão de Pessoas do TRE-RS SGRH Sistema de Gerenciamento de Recursos Humanos SPIUNET Sistema de Gerenciamento dos Imóveis de Uso especial da União SOF Secretaria de Orçamento e Finanças STI Secretaria de Tecnologia da Informação do TRE-RS STN Secretaria do Tesouro Nacional TCU Tribunal de Contas da União TI Tecnologia da Informação TJ Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul

4 Relatório de Gestão Exercício 204 TRE-RS TSE Tribunal Superior Eleitoral UJ Unidade Jurisdicionada ZE Zona Eleitoral

5 Relatório de Gestão Exercício 204 LISTA DE TABELAS, RELAÇÕES, GRÁFICOS, DECLARAÇÕES, ETC. Quadro A... Identificação da UJ Relatório de Gestão Individual...7 Figura Organograma...27 Quadro A..3 Informações sobre áreas ou subunidades estratégicas...32 Figura 2 Hierarquia de Processos do TRE-RS...40 Quadro A.2.4 Avaliação do sistema de controles internos da UJ...48 Tabela Pesquisa de Satisfação no dia da Eleição 200 a Tabela 2 Pesquisa de Satisfação dos Serviços Prestados 202 a Figura 3 Mapa estratégico do TRE-RS...65 Gráfico Evolução dos itens de governança...70 Quadro A.6.. Programação de Despesas...94 Quadro A Movimentação Orçamentária Interna por Grupo de Despesa...96 Quadro A Movimentação Orçamentária Externa por Grupo de Despesa...96 Quadro A Despesas executadas diretamente pela UJ, por modalidade de contratação Créditos Originários...98 Quadro A Despesas por Grupo e Elemento de Despesa Créditos Originários Total...99 Quadro A Despesas executadas diretamente pela UJ Créditos Originários...00 Quadro A Despesas por Modalidade de Contratação Créditos de Movimentação...0 Quadro A.6.2 Despesas com Publicidade...04 Quadro A.6.3 Reconhecimento de Passivos por Insuficiência de Créditos ou Recursos...04 Quadro A.6.4 Restos a Pagar inscritos em Exercícios Anteriores...05 Quadro A.6.6. Concessão de suprimento de fundos...06 Quadro A Utilização de suprimento de fundos...07 Quadro A Classificação dos gastos com suprimento de fundos no exercício de referência.08 Quadro A.7... Força de Trabalho da UJ...0 Quadro A Distribuição da Lotação Efetiva... Quadro A Detalhamento da estrutura de cargos em comissão e funções gratificadas da UJ... Quadro A Quantidade de Servidores da UJ por faixa etária situação apurada em 3/2...2 Quadro A Quantidade de Servidores da UJ por Nível de Escolaridade situação apurada em 3/2...3

6 Relatório de Gestão Exercício 204 Quadro A.7..3 Custos do pessoal...4 Quadro A.7.2. Contratos de prestação de serviços de limpeza e higiene e vigilância ostensiva.22 Quadro A Contratos de prestação de serviços com locação de mão de obra...23 Quadro A Composição do Quadro de Estagiários...25 Tabela 3 Quadro de consolidação das despesas de manutenção com veículos em Tabela 4 Idade média da frota de veículos do TRE-RS...28 Tabela 5 Contratos gestionados pela SETRE nas Eleições Quadro A.8.2. Distribuição Espacial dos Bens Imóveis de Uso Especial de Propriedade da União...30 Quadro A Imóveis de Propriedade da União sob responsabilidade da UJ, exceto Imóvel Funcional...3 Quadro A.8.3 Distribuição Espacial dos Bens Imóveis de Uso Especial Locados de Terceiros...32 Tabela 6 Relação dos sistemas...37 Tabela 7 Eventuais necessidades de novos sistemas informatizados...39 Quadro A.9. Contratos na Área de Tecnologia da Informação em Quadro A.0. Aspectos da Gestão Ambiental...4 Quadro A... Cumprimento das deliberações do TCU atendidas no exercício...44 Quadro A..3 Demonstrativo do cumprimento, por autoridades e servidores da UJ, da obrigação de entregar a DBR...49 Quadro A..5 Declaração de inserção e atualização de dados no SIASG e SICONV...50 Quadro A.2.4. Declaração do Contador Afirmativa da Fidedignidade das Demonstrações Contábeis...53 Quadro B..2. Relação dos diretórios de partidos políticos no Estado...55 Quadro B..2.2 Discriminação das cotas do fundo partidário recebidas pelos diretórios estaduais das direções nacionais dos partidos...57 Quadro B..2.3 Diretórios estaduais que prestaram contas relativas ao exercício anterior ao de referência...58 Quadro B..2.4 Diretórios estaduais que não prestaram contas relativas ao exercício de Quadro B..2.5 Julgamento das contas dos diretórios estaduais dos partidos...59

7 Relatório de Gestão Exercício 204 SUMÁRIO Introdução...2 A Conteúdo Geral...7 Informações Gerais sobre a Gestão...7 Identificação e atributos das unidades jurisdicionadas cujas gestões compõem o relatório...7. Identificação da unidade jurisdicionada, contendo: Poder e órgão de vinculação ou supervisão; nome completo; denominação abreviada, código SIORG; unidades orçamentárias abrangidas; situação operacional; natureza jurídica; principal atividade econômica; telefones de contato; endereço postal; endereço eletrônico; página na Internet; normas de criação; normas relacionadas à gestão e estrutura; manuais relacionados às atividades da unidade jurisdicionada; códigos e nomes das unidades gestoras e gestões no Sistema SIAFI Finalidade e competências institucionais da unidade jurisdicionada definidas na Constituição Federal, em leis infraconstitucionais e em normas regimentais, identificando cada instância normativa Organograma funcional com descrição sucinta das competências das áreas ou subunidades estratégicas da unidade jurisdicionada e identificação dos respectivos titulares com nome, cargo, data de nomeação e de exoneração Macroprocessos finalísticos da unidade jurisdicionada Informações sobre a Governança Descrição das estruturas de governança da unidade jurisdicionada, tais como conselho de administração, conselho fiscal, comitê de auditoria, unidade de auditoria interna ou de controle interno, comitês de apoio a governança (de gestão de TI, de gestão de pessoas etc.), sistema de correição etc., identificando as normas de instituição e de regência de cada instância e descrevendo de maneira sucinta as atribuições e as formas de atuação Informações sobre a atuação da unidade de auditoria interna Demonstração da execução das atividades de correição no âmbito da unidade jurisdicionada, destacando os principais eventos apurados e as providências adotadas, notadamente no que concerne a irregularidades ocorridas no âmbito dos macroprocessos finalísticos e que sejam capazes de impactar o desempenho Avaliação, pelos próprios dirigentes da unidade jurisdicionada, da qualidade e suficiência dos controles internos administrativos instituídos para garantir a consecução dos seus objetivos estratégicos Relacionamento com a sociedade Descrição dos canais de acesso do cidadão à unidade jurisdicionada para fins de solicitações, reclamações, denúncias, sugestões etc., contemplando informações gerenciais e 6

8 Relatório de Gestão Exercício 204 estatísticas sobre o atendimento às demandas e os resultados decorrentes Informações sobre a elaboração e divulgação da Carta de Serviços ao Cidadão, tendo como referencia o Decreto nº 6932/2009, sem prejuízo de outras regulamentações a este respeito Demonstração dos mecanismos para medir a satisfação dos cidadãos-usuários ou clientes dos produtos e/ou serviços resultantes da atuação da unidade jurisdicionada e demonstração dos resultados identificados, inclusive os registrados em pesquisas de opinião feitas nos últimos três anos com esse público Detalhamento do caminho de acesso, no portal da unidade jurisdicionada na Internet, às informações sobre a atuação, úteis à sociedade e que contribuam para a transparência da gestão, inclusive àquelas relacionadas à prestação de contas referidas no art Resultados da avaliação do desempenho da unidade jurisdicionada na prestação de serviços ao cidadão, especialmente em relação aos padrões de qualidade do atendimento fixados na Carta de Serviços ao Cidadão ou em outros instrumentos institucionais Medidas adotadas pelos órgãos ou entidades com vistas ao cumprimento das normas relativas à acessibilidade, em especial a Lei 0.098/2000, o Decreto 5.296/2004 e as normas técnicas da ABNT aplicáveis Planejamento e resultados alcançados Planejamento da unidade jurisdicionada Programação orçamentária e financeira e resultados alcançados Informações sobre outros resultados gerados pela gestão, contextualizando tais resultados em relação aos objetivos estratégicos da unidade jurisdicionada Identificação dos resultados dos indicadores utilizados para monitorar e avaliar o desempenho operacional da unidade jurisdicionada, incluindo análise comparativa dos índices previstos e observados relativamente ao exercício de referência do relatório de gestão Avaliação sobre possíveis alterações significativas nos custos de produtos e/ou serviços ofertados, tomando-se por base o exercício de referência do relatório de gestão e os dois anteriores, evidenciando os reflexos de tais alterações nos resultados da unidade jurisdicionada nesses exercícios e comparando os resultados com os de outras entidades da administração pública em contexto similar Tópicos especiais da execução orçamentária e financeira Programação e Execução das despesas Programação das despesas Movimentação de Créditos Interna e Externa Realização da despesa Informações sobre despesas com ações de publicidade e propaganda

9 Relatório de Gestão Exercício Demonstração e justificação de eventuais passivos reconhecidos no exercício, contabilizados ou não, sem respectivo crédito autorizado no orçamento Demonstração da movimentação e saldos de restos a pagar de exercícios anteriores Análise Crítica Informações sobre transferência de recursos mediante convênio, contrato de repasse, termo de parceria, termo de cooperação, termo de compromisso ou outros acordos, ajustes ou instrumentos congêneres Informações sobre suprimento de fundos, contas bancárias tipo B e cartões de pagamento do governo federal Concessão de Suprimento de Fundos Utilização de Suprimento de Fundos Classificação dos Gastos com Suprimento de Fundos Análise Crítica Gestão de precatórios Gestão de pessoas, terceirização de mão de obra e custos relacionados Estrutura de pessoal da unidade jurisdicionada Demonstração e distribuição da força de trabalho Qualificação e capacitação da força de trabalho Custos associados à manutenção dos recursos humanos Ações adotadas para identificar irregularidades Riscos identificados na gestão de pessoas indicadores gerenciais sobre a gestão de pessoas Informações sobre a contratação de mão de obra de apoio e sobre a política de contratação de estagiários Contratação de Serviços de Limpeza, Higiene e Vigilância Locação de Mão de Obra para Atividades não Abrangidas pelo Plano de Cargos do Órgão Análise Crítica 7.2. e Contratação de Estagiários Demonstração das medidas adotadas para revisão de contratos vigentes Gestão do patrimônio mobiliário e imobiliário Gestão da frota de veículos próprios e locados de terceiros

10 Relatório de Gestão Exercício Gestão do patrimônio imobiliário da União que esteja sob a responsabilidade da unidade jurisdicionada Distribuição Espacial dos Bens Imóveis de Uso Especial Imóveis Sob a Responsabilidade da UJ, Exceto Imóvel funcional Atos de formalização de cessão, para terceiros, de imóveis da União na responsabilidade da unidade jurisdicionada Imóveis locados de terceiros Gestão da tecnologia da informação Informações sobre sistemas computacionais que estejam diretamente relacionados aos macroprocessos finalísticos e objetivos estratégicos da unidade jurisdicionada Relação dos sistemas e a função de cada um deles; Eventuais necessidades de novos sistemas informatizados ou funcionalidades, suas justificativas e as medidas programadas e/ou em curso para obtenção dos sistemas; Relação de contratos que vigeram no exercício de referência do relatório de gestão, incluindo a descrição de seus objetos, demonstração dos custos relacionados a cada contrato, dados dos fornecedores e vigência Gestão de uso dos recursos renováveis e sustentabilidade ambiental Adoção de critérios de sustentabilidade ambiental na aquisição de bens e na contratação de serviços ou obras...4 Atendimento de demandas de órgãos de controle Tratamento de determinações exaradas em acórdãos do TCU atendidas no exercício de referência do relatório de gestão e pendentes de atendimento, caso em que deverão ser apresentadas as justificativas pelo não cumprimento Tratamento de recomendações feitas pelo órgão de controle interno ao qual se vincular a unidade jurisdicionada atendidas no exercício de referência do relatório de gestão e pendentes de atendimento, caso em que deverão ser apresentadas as justificativas pelo não atendimento Demonstração do cumprimento das obrigações estabelecidas na Lei nº 8.730, de 0 de novembro de 993, relacionadas à entrega e ao tratamento das declarações de bens e rendas Demonstração das medidas administrativas adotadas para apurar responsabilidade por ocorrência de dano ao Erário, especificando os esforços da unidade jurisdicionada para sanar o débito no âmbito interno Demonstração, com a identificação do gestor responsável, da correção e tempestividade da inserção das informações referentes a contratos e convênios ou outros instrumentos congêneres respectivamente no Sistema Integrado de Administração de Serviços 9

11 Relatório de Gestão Exercício 204 Gerais SIASG e no Sistema de Gestão de Convênios, Contratos de Repasse e Termos de Parceria SICONV, conforme estabelece a Lei de Diretrizes Orçamentárias do exercício de referência do relatório de gestão Informações contábeis Demonstração das medidas para adoção de critérios e procedimentos estabelecidos pelas Normas Brasileiras de Contabilidade Aplicada ao Setor Público NBC T 6.9 e NBC T 6.0, publicadas pelas resoluções CFC nº.36/2008 e.37/2008, respectivamente, para tratamento contábil da depreciação, da amortização e da exaustão de itens do patrimônio e avaliação e mensuração de ativos e passivos da unidade jurisdicionada Demonstração sucinta do estágio de desenvolvimento e da sistemática de apuração dos custos dos programas e das unidades administrativas, bem como dos bens e serviços resultantes da atuação da unidade jurisdicionada, especialmente aqueles decorrentes da execução dos seus objetivos estratégicos Informações sobre a conformidade contábil dos atos e fatos da gestão orçamentária, financeira e patrimonial da unidade jurisdicionada Descrição sucinta do processo de verificação da conformidade contábil no âmbito da unidade jurisdicionada, identificando a instância responsável pela realização de tal conformidade e as unidades gestoras executoras do SIAFI e fazendo referência à observância da segregação de função no processo de registro da conformidade; Informações sobre a quantidade de ocorrências em cada uma das classificações, alerta ou ressalva, observadas durante o exercício; Descrição de ocorrência não sanada até o final do exercício de referência do relatório de gestão, indicando as justificativas da não regularização Declaração do contador responsável por unidade jurisdicionada que tenha executado sua contabilidade no Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal SIAFI, que as Demonstrações Contábeis (Balanço Patrimonial, Balanço Orçamentário, Balanço Financeiro, Demonstração das Variações Patrimoniais, Demonstração dos Fluxos de Caixa e Demonstração do Resultado Econômico) previstas pela Lei nº 4.320, de 7 de março de 964, e pela Norma Brasileira de Contabilidade Aplicada ao Setor Público NBC T 6.6 aprovada pela Resolução CFC nº.33/2008, assim como o demonstrativo levantado por unidade gestora responsável UGR (válido apenas para as unidades gestoras não executoras) refletem a adequada situação orçamentária, financeira e patrimonial da unidade jurisdicionada que apresenta relatório de gestão Outras informações sobre a gestão Informações não exigidas neste Anexo que sejam consideradas relevantes pela unidade para demonstrar a conformidade e o desempenho da gestão do exercício...54 B Conteúdo Específico por Unidade Jurisdicionada ou Grupo de Unidades Afins

12 Relatório de Gestão Exercício Informações sobre o Fundo Partidário a serem Prestadas pelos Tribunais Regionais Eleitorais TRE Diretórios de Partidos Políticos Registrados no TRE Valores Recebidos pelos Diretórios Estaduais Prestação de Contas dos Diretórios Estaduais Não Prestação de Contas pelos Diretórios Estaduais Situação das Contas Prestadas pelos Diretórios Estaduais...59 Conclusão...6

13 Relatório de Gestão Exercício 204 Introdução O Relatório de Gestão contém as informações solicitadas no Anexo II da Decisão Normativa n.34/203, Parte A Conteúdo Geral: itens, 2., 2.2, 2.3, 2.4, 3, 5., 5.3, 5.4, 5.5, 6., 6.4, 6.6, 7, 8, 9, 0,.,.3,.4,.5, 2., 2.2, 2.3 e 2.4, Parte B Conteúdo específico por Unidade Jurisdicionada ou grupo de Unidades afins: item. Não se aplicam à realidade deste órgão os itens 5.2, 6.2, 6.3, 6.5, 6.8,.2 da Parte A Conteúdo Geral e itens 2 a 68 da Parte B Conteúdo específico por Unidade Jurisdicionada ou grupo de Unidades afins. Não foram exigidos os itens 4 e 6.7. Justificativas dos itens que não se aplicam: Parte A: item 5.2 as informações devem ser prestadas pelo C. TSE; item 6.2 a UJ não possui despesas com ações de publicidade e propaganda; item 6.3 a UJ não possui reconhecimento de passivos por insuficiência de créditos ou recursos; item 6.5 a UJ não possui transferências mediante convênio, contrato de repasse, termo de parceria, termo de cooperação, termo de compromisso ou outros acordos, ajustes ou instrumentos congêneres vigentes no exercício de referência; item 6.8 a UJ não possui informações sobre gestão de precatórios; item.2 a UJ não recebeu recomendações da unidade de Controle Interno no exercício. Parte B: itens 2 a 68 a Decisão Normativa TCU nº 34/203 exige apenas a apresentação do item. No que tange às principais realizações no exercício destacam-se:. Realização das Eleições Gerais; 2. Programa de Qualidade de Vida no Trabalho PQVT; 3. Programa de Preparação para a Aposentadoria PPA; 4. Política de Educação e Desenvolvimento; 5. Aprimoramento da Educação à distância; 6. Plano Anual de Capacitação; 7. Projeto para realização de concurso público em 205; 8. Cenário Eleitoral Curso à distância tutorial; 9. Programa de Instrução e Ambientação PIA; 0. Realização de inspeções nos cartórios eleitorais e centrais de atendimento ao eleitor do Estado;. Implantação de sistema integrado de gestão de serviços continuados; 2. Ações relacionadas à infraestrutura para as eleições 204; 3. Contratação de empresa especializada em instalações elétricas; 4. Apoio técnico para adequação dos imóveis da Justiça Eleitoral do RS; 5. Implantação de alarmes nos Cartórios (continuação); 6. Instalação de plataforma elevatória para pessoas com deficiência 7. Regulamentação das atividades do Memorial da Justiça Eleitoral Gaúcha; 8. Memorial Oral (início); 2

14 Relatório de Gestão Exercício Formalização de norma própria para aquisições de TI; 20. Criação de estúdio de gravação; 2. Projeto Conhecendo a Justiça Eleitoral; 22. Processamento dos registros de candidaturas; 23. Atendimento de todas as demandas relativas ao pleito de 204; 24. Julgamento de todos os eleitos no prazo fixado pela legislação; 25. Implantação do Manual de Procedimentos Operacionais da Secretaria Judiciária; 26. Instituição do Mural Eletrônico do TRE; 27. Desenvolvimento da nova versão do GEDI; 28. Criação da página do Memorial da Justiça Eleitoral Gaúcha na Internet; 29. Realização do seminário sobre Getúlio Vargas; 30. Modernização dos sistemas de climatização do prédio Sede; 3. Dotação de duas linhas telefônicas em todos os Cartórios Eleitorais; 32. Contratação de empresa para a adequação ao PPCI do prédio de Caxias do Sul; 33. Contratação dos serviços de Brigada de Incêndio e Plano de Emergência; 34. Plano Anual de Contratações do TRE-RS (Projeto-Piloto); 35. Reciclagem do quadro de agentes de segurança; 36. Implantação de arquivos deslizantes; 37. Iniciado estudo para elaboração do Plano de Contingências na área de atuação da SA, o qual encontra-se em avaliação; 38. Celebração de contrato próprio para backbone secundário e técnicos de urna; 39. Conclusão da revisão do eleitorado em 36 municípios. Aspectos facilitadores e dificultadores encontrados e as respectivas soluções adotadas no decorrer do exercício: Desenvolvimento de equipes Ampliação do Programa de Desenvolvimento de Líderes (PDL) As dotações orçamentárias foram direcionadas para o atendimento da meta nacional estabelecida pelo CNJ (Conselho Nacional de Justiça) de capacitar gestores em Governança no Setor Público na Justiça Eleitoral do Rio Grande do Sul. Revisão da Avaliação de Desempenho Foi realizada a revisão das competências técnicas junto à Secretaria de Controle Interno. No próximo exercício se estenderá às demais unidades da Secretaria. Curso Avaliação Institucional Em razão da demanda dos servidores lotados em Cartórios Eleitorais, a ação foi substituída pelo curso Gestão Cartorária. Projeto Diplomas Legais interpretados pelo TRE Está em fase inicial com apenas a pesquisa dos precedentes que tratam da Lei das Eleições. 3

15 Relatório de Gestão Exercício 204 Percentual de desktops gerenciados por sistema centralizado Atraso na contratação de ferramenta de gestão para o gerenciamento centralizado prejudicou a ação proposta. Está prevista a elaboração do termo de referência para a aquisição em 205. Percentual de Cartórios Eleitorais com conexão de pelo menos 2Mbps O atraso da empresa contratada prejudicou a execução da meta. As instalações restantes serão realizadas no próximo exercício. Implantação de um segundo datacenter O planejamento inicial desta ação teve que ser refeito, considerando a sincronia dos projetos de obra civil e equipagem da sala que funcionará como datacenter. Por isso, a meta 4.2b do PDTI foi revista, passando para 206 a conclusão do projeto, reforma da sala, aquisição e instalação dos equipamentos de suprimento de energia, rede e ar condicionado. Formalização de macroprocesso de governança de TI A governança corporativa do Tribunal foi reestruturada pela Portaria P 52 de e o novo comitê de TI criado em por meio da Portaria P 278/204. A inatividade do comitê no período prejudicou a conclusão da proposta de resolução que será entregue à Alta Administração em março de 205. Percentual dos serviços de TI atendidos pelo Help Desk A indefinição para o início do novo contrato de terceirização do TSE, a sobrecarga de trabalho dos principais envolvidos e as deficiências na gestão de projetos prejudicaram a implantação do help desk, comprometendo integralmente a meta de 00% dos serviços de TI atendidos pelo help desk. Formalizar processo de priorização e seleção de sistemas O atraso na elaboração da minuta de Resolução de Governança de TI prejudicou a execução da meta estabelecida. Criação do catálogo de TI O catálogo de serviço foi elaborado para a implantação do help desk e inserido na ferramenta Catálogo. Ainda está pendente a homologação do processo de manutenção. Formalização do processo de gestão de problemas e de incidentes Tratam-se de metas vinculadas à implantação do help desk. O atraso naquele projeto comprometeu o início da utilização dos processos ITIL previstos para 204. Dotação de cada Zona Biométrica com 2 notebooks A implantação integral da meta dependia de doação de aparelhos pelo C. TSE. A entrega 4

16 Relatório de Gestão Exercício 204 será efetivada em 205. Execução de 70% dos projetos no prazo, escopo e custo Resultado: 6%. As ações adotadas em 204 para aperfeiçoar o gerenciamento de projetos demonstraram-se insuficientes para que os resultados desejados fossem obtidos. Será necessária a ampliação dos esforços de gestão, a revisão dos processos, o aperfeiçoamento do sistema de apoio à gestão de projetos e a capacitação de servidores para o atingimento do percentual desta meta. Imissão de posse no prédio desapropriado para a nova sede do TRE-RS Foi editado o Decreto de 25 de Setembro de 203 que declara de utilidade publica, para fins de desapropriação, o imóvel de propriedade particular que menciona, em favor da União, com destinação de uso para o. O processo de desapropriação do imóvel tramita atualmente na Casa Civil, com proposta de retificação do Decreto desapropriatório, distinguindo o domínio útil do domínio direto (Sugestão já aceita por aquele Órgão). Paralelamente, a Advocacia-Geral da União, a Superintendência do Patrimônio da União e o Departamento de Administração do Patrimônio do Estado do Rio Grande do Sul estão envidando esforços para efetivar a permuta do domínio direto, tornando desnecessária a autorização legislativa e, consequentemente, agilizando o processo de imissão na posse. Em relação aos outros objetivos da UJ não houve maiores dificuldades na sua realização. Planos e projetos para o exercício de 205:. Cadastramento biométrico; 2. Programa de Qualidade de Vida PQVT; 3. Programa de Preparação para a Aposentadoria; 4. Desenvolvimento de equipes; 5. Ampliação do Programa de Desenvolvimento de Líderes; 6. Política de Educação e Desenvolvimento; 7. Revisão do Instrumento de Avaliação de Desempenho por Competência; 8. Aprimoramento da Educação à Distância EAD; 9. Plano Anual de Capacitação PAC; 0. Curso Avaliação Institucional;. Programa de Instrução e Ambientação PIA; 2. Projeto de Psicologia Positiva; 3. Projeto Monitores do Clima; 4. Seleção interna para lotação; 5. Programa de Bolsas Estudantis; 6. Ações de psicologia do trabalho e saúde mental; 7. Avaliação das ações de capacitação; 8. Realização de inspeções nos cartórios eleitorais e centrais de atendimento ao eleitor do Estado; 9. Elaborar o Planejamento Estratégico Institucional; 20. Modelar o Programa Eleições; 5

17 Relatório de Gestão Exercício Acompanhar a implantação das comunidades de práticas; 22. Trabalhar a gestão de riscos no Programa Eleições; 23. Formalizar macroprocessos de governança de TI; 24. Cumprimento de 80% de desktops gerenciados por sistema centralizado; 25. Implantar função Help Desk para atendimento de incidentes; 26. Implementar um segundo Datacenter; 27. Dotar cada Zona Biométrica com 2 notebooks para JEP; 28. Executar 60% dos projetos no prazo, escopo e custo; 29. Instalar kits biométricos em todos os cartórios eleitorais do interior e centrais de atendimento ao eleitor; 30. Implantação do monitoramento de alarme nos Cartórios do Interior (continuação); 3. Planejamento para contratação unificada dos serviços de vigilância armada e de recepção; 32. Planejamento para nova contratação dos serviços de limpeza no interior do Estado; 33. Planejamento para unificar as readequações das instalações elétricas, lógicas, telefônicas e ar condicionado em todo o Estado; 34. Estudo em conjunto com a STI para implantação de VOIP nos prédios da Capital; 35. Complementação da aquisição dos arquivos deslizantes; 36. Continuidade das adequações visando à acessibilidade predial; 37. Modernização dos sistemas de climatização do prédio sede (continuação); 38. Implantação da Brigada de incêndio e plano de emergência (continuação); 39. Adequações visando à prevenção de incêndio dos imóveis do interior (continuidade); 40. Plano de Contratações (continuidade); 4. Reformulação das publicações jurisprudenciais; 42. Projeto de sistema para publicações; 43. Projeto de diplomas legais interpretados; 44. Implantação do sistema de gerenciamento do serviço de informes; 45. Estudo para sistema de banco de dados para os atos normativos do Tribunal; 46. Implantação do novo sistema de informes; 47. Conclusão do projeto do repositório digital; 48. Regulamentação da biblioteca; 49. Lançamento do livro: O voto eletrônico ; 50. Realização do curso: Conhecendo a Justiça Eleitoral ; 5. Projeto de pesquisa sobre o recadastramento eleitoral de 986; 52. Exposição sobre o recadastramento eleitoral; 53. Projeto para higienização de parte do acervo documental; 54. Reformulação do projeto gráfico da Revista do TRE/RS; 55. Imissão de posse no prédio desapropriado para a nova sede do TRE-RS. 6

18 Relatório de Gestão Exercício 204 A Conteúdo Geral Informações Gerais sobre a Gestão Identificação e atributos das unidades jurisdicionadas cujas gestões compõem o relatório.. Identificação da unidade jurisdicionada, contendo: Poder e órgão de vinculação ou supervisão; nome completo; denominação abreviada, código SIORG; unidades orçamentárias abrangidas; situação operacional; natureza jurídica; principal atividade econômica; telefones de contato; endereço postal; endereço eletrônico; página na Internet; normas de criação; normas relacionadas à gestão e estrutura; manuais relacionados às atividades da unidade jurisdicionada; códigos e nomes das unidades gestoras e gestões no Sistema SIAFI. Quadro A... Identificação da UJ Relatório de Gestão Individual Poder e Órgão de Vinculação Poder: Judiciário Órgão de Vinculação: Justiça Eleitoral Código SIORG: Identificação da Unidade Jurisdicionada Denominação completa: Denominação abreviada: TRE/RS Código SIORG: Código LOA: Código SIAFI: Natureza Jurídica: Órgão Público CNPJ: / Principal Atividade: Justiça Telefones / Fax de contato Código CNAE: /00 Telefone: (05) Fax: (05) Endereço Eletrônico: Página na Internet: Endereço Postal: Rua Duque de Caxias, 350 Centro Porto Alegre/RS, CEP: Normas relacionadas à Unidade Jurisdicionada Normas de criação e alteração da Unidade Jurisdicionada: Decreto-Lei nº 7586/45. Outras normas infralegais relacionadas à gestão e estrutura da Unidade Jurisdicionada:. Abono de Permanência Entendimento Administrativo TRE/RS n. 63 de 5 de julho de 2004; Entendimento Administrativo TRE/RS n. 59, de 5 de abril de Adicional noturno Entendimentos Administrativos TRE/RS n. 4/996, 73/

19 Relatório de Gestão Exercício Adicional pelo exercício de atividades insalubres, perigosas ou penosas Entendimento Administrativo TRE-RS n. 36/2003. Resolução TRE-RS n. 40/ Afastamento para juri outros serviços obrigatórios por lei Entendimento Administrativo TRE-RS n. 4/2003 Entendimento Administrativo TRE-RS n. 33/2007. Entendimento Administrativo TRE-RS n. 57/ Aposentadoria: somente normas legais. Entendimento Administrativo TRE/RS n. 035/2003. Entendimento Administrativo TRE/RS n. 076/2004. Entendimento Administrativo TRE/RS n. 077/2004. Entendimento Administrativo TRE/RS n. 087/2005. Entendimento Administrativo TRE/RS n. 088/ Auxílio Alimentação Lei n , de 7 de setembro de 992. Resolução TSE n , de 22 de setembro de 2005, alterada pela Resolução TSE n , de 30 de março de 200. Resolução TSE n , de º de agosto de Resolução TSE n , de 4 de março de Portaria TSE n. 593, de 29 de novembro de 20. Portaria Conjunta n. 5, de 05 de dezembro de Atendimento prioritário Resolução TRE-RS n. 83/ Ausência por motivo de falecimento Entendimentos Administrativos TRE/RS ns. 044/2004, 047/ Ausência para doação de sangue Entendimento Administrativo TRE/RS n. 36/ Ausência por motivo de casamento Entendimento Administrativo TRE-RS n. 6/2006. Entendimento Administrativo TRE-RS n.30/2004. Entendimento Administrativo TRE-RS n.59/204.. Auxílio transporte Resolução TSE n /2008. Resolução TSE n / Auxílio Funeral Lei n. 8.2, de de dezembro de 990 (arts. 226, 227 e 24). Entendimento Administrativo TRE/RS n. 30/ Auxílio Natalidade Lei n. 8.2, de de dezembro de 990 (art. 96). Ofício-Circular MARE/SRH n., de 2 de novembro de Auxílio Pré-escolar Constituição Federal, de 5 de outubro de 988 (art. 7, XXV). Lei n , de 3 de julho de 990. Decreto n. 977, de 0 de setembro de 993. Resolução TSE n. 23.6, de 22 de setembro de Portaria TSE n. 594, de 7 de dezembro de 20. 8

20 Relatório de Gestão Exercício Auxílio Transporte Lei n. 7.48, de 6 de dezembro de 985. Medida Provisória n , de 26 de julho de 200. Resolução TSE n , de 4 de fevereiro de Resolução TSE n , de 9 de maio de Entendimentos Administrativos TRE/RS ns. 074/2004, 07/ Averbação de Tempo de Serviço: Entendimento Administrativo TRE/RS n. 05/2004. Entendimento Administrativo TRE/RS n. 064/2004. Entendimento Administrativo TRE/RS n. 067/2004. Entendimento Administrativo TRE/RS n. 069/2004. Entendimento Administrativo TRE/RS n. 03/2005. Entendimento Administrativo TRE/RS n. 4/2005. Entendimento Administrativo TRE/RS n. 2/2005. Entendimento Administrativo TRE/RS n. 3/ Consignações, reposições e compensações Entendimentos Administrativos TRE/RS ns. 0/99, 026/2002, 052/2004, 068/2004, 095/2005, 096/2005, 2/2005, 38/2008, 42/ Curso de formação Entendimentos Administrativos TRE/RS ns. 5/2000, 05/2005, 29/ Diárias Lei n. 8.2, de de dezembro de 990 (arts. 5, II, 58 e 59). Resolução TSE n , de 9 de agosto de 200. Resolução CNJ n. 73, de 28 de abril de Portaria TSE n. 696, de 9 de novembro de 204. Instrução Normativa TRE/RS P n. 20, de 22 de novembro de 200. Instrução Normativa TRE/RS P n. 27, de de setembro de DIRF/ Comprovante de Rendimentos Instrução Normativa RFB 7, de 30 de dezembro de 200. Instrução Normativa RFB 983, de 2 de dezembro de 2009, alterada pela Instrução Normativa RFB n..06, de 5 de março de 200 e Instrução Normativa RFB n..08, de 0 de março de Estágio Probatório: Resolução TSE n /2007 Instrução Normativa P n. 6/2007 Instrução Normativa DG n. 0/2008 Entendimentos Administrativos ns. 7/998 e 34/2004 Portaria TRE/RS DG n. 76/ Férias Constituição Federal, de 5 de outubro de 988 (art. 7º, XVII). Lei n. 8.2, de de dezembro de 990 (art. 76). Instrução Normativa TRE-RS DG n., de 9 de março de Entendimento Administrativo TRE-RS n. 32/2003. Entendimento Administrativo TRE-RS n. 38/2003. Entendimento Administrativo TRE-RS n. 40/2007. Entendimento Administrativo TRE-RS n. 48/2004. Entendimento Administrativo TRE-RS n. 8/2004. Entendimento Administrativo TRE-RS n. 82/2004. Entendimento Administrativo TRE-RS n. 84/2004. Entendimento Administrativo TRE-RS n. 0/2005. Entendimento Administrativo TRE-RS n. 02/2005. Entendimento Administrativo TRE-RS n. 04/2005. Entendimento Administrativo TRE-RS n. 05/

21 Relatório de Gestão Exercício 204 Entendimento Administrativo TRE-RS n. 22/2006. Entendimento Administrativo TRE-RS n. 34/2007. Entendimento Administrativo TRE-RS n. 55/203. Entendimento Administrativo TRE-RS n. 56/ Gratificação natalina Entendimentos Administrativos TRE/RS ns. 6/998, 33/2003, 43/2004, 77/2004, 37/ Impedimentos Entendimentos Administrativos TRE/RS ns. 06/2006,26/2007, 27/2007, 52/202 e 53/ Inclusão de Dependente nos Assentamentos Funcionais: Resolução TRE/RS n. 26, de 2 de junho de 202. Resolução TRE/RS n. 64, de 3 de maio de 2007; Instrução Normativa TRE/RS P n. 25 de 2 de julho de 202. Entendimentos Administrativos TRE/RS n. /2005 e n. 40/2008; 26. Infraestrutura para os Cartórios Eleitorais IN nº 8/0 da Presidência do TRE/RS que fixa a tabela de padrões de infraestrutura para os cartórios eleitorais. 27. Isenção Imposto de Renda e PSSS Entendimento Administrativo TRE/RS n. 7/2006. Entendimento Administrativo TRE/RS n. 24/ Jornada de trabalho, horário de funcionamento, compensação de horas Resolução CNJ n. 88/2009 jornada de trabalho. Portaria TRE/RS P n. 35/2009 horário de funcionamento da Secretaria e Zonas. Entendimentos Administrativos ns. 003/996, 06/2000, 027/2000, 039/2003, 042/2003, 054/2004, 062/2004, 067/2004 e 50/20. Instrução Normativa TRE/RS P n. 35, de 27 de maio de Juros e correção monetária Resolução TRE/RS n. 23, de 4 de julho de 203 juros moratórios. Resolução TRE/RS n. 230, de 4 de julho de 203 correção monetária. Entendimento Administrativo TRE/RS n. 9/ Justificativa de ausência às urnas Provimento 03/4 CRE/RS (Publicação: DEJERS, n. 80, p. 7, ) Dispõe sobre o processamento dos requerimentos de justificativa de ausência às urnas após as eleições - RJE pós-eleição - por meio do sistema informatizado Justifica. 3. Horário Especial ao Servidor Estudante Lei n. 8.2, de de dezembro de 990 (art. 98, º). Instrução Normativa TRE-RS P n. 5, de 6 de julho de Legislação de contratações e compras IN nº 02/08 do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão sobre contratação de serviços; IN nº 09/08 da Diretoria-Geral do TRE/RS sobre gestão de contratos; Lei 8.666/993. Resolução TSE n /0 - Regras e diretrizes para contratação de serviços Lei n , de 7 de julho de Institui, no âmbito da União, Estados, Distrito Federal e Municípios, nos termos do art. 37, inciso XXI, da Constituição Federal, modalidade de licitação denominada pregão, para aquisição de bens e serviços comuns, e dá outras providências. Decreto n , de 8 de agosto de Aprova o Regulamento para a modalidade de licitação denominada pregão, para aquisição de bens e serviços comuns. Decreto n , de 3 de maio de Regulamenta o pregão, na forma eletrônica, para aquisição de bens e serviços comuns, e dá outras providências Decreto n de 23 de janeiro de 203. Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previstos no art. 5 da Lei n , de 2 de junho de 993, com a redação dada pelo 20

22 Relatório de Gestão Exercício 204 Decreto n , de 23 de maio de 204. Altera o Decreto n , de 23 de janeiro de 203, que regulamenta o Sistema de Registro de Preços previstos no art. 5 da Lei nº 8.666, de 2 de junho de Licença à adotante Lei n. 8.2, de de dezembro de 990 (art. 20). Lei n..770, de 9 de setembro de Instrução Normativa TRE-RS P n. 0, de 30 de setembro de Licença para capacitação Instrução Normativa TRE/RS P n. 29, de 26 de outubro de 202. Entendimento Administrativo TRE/RS n. 43/2009. Entendimento Administrativo TRE/RS n. 54/202. Portaria Conjunta n. 3, de 3 de maio de Licença para tratar de interesses particulares Entendimentos Administrativos TRE/RS ns. 40/2007, 37/ Licença para desempenho de mandato classista Entendimento Administrativo TRE/RS n. 52/ Licença prêmio assiduidade Entendimentos Administrativos TRE/RS ns. 7/200. Entendimento Administrativo TRE-RS n. 58/ Licença à gestante Constituição Federal, de 5 de outubro de 988 (art. 7º, XVIII). Lei n. 8.2, de de dezembro de 990 (art. 207 e 209). Lei n..770, de 9 de setembro de Instrução Normativa TRE-RS P n. 0, de 30 de setembro de Entendimento Administrativo TRE/RS n. 0/ Licença para tratamento da própria saúde Lei n. 8.2, de de dezembro de 990 (arts. 202, 203 e 204). Instrução Normativa TRE-RS DG n. 2, de 22 de julho de Entendimentos Administrativos TRE-RS ns. 98/2005, 99/2005, 00/2005, 02/2005 e 34/ Licença paternidade Lei n. 8.2, de de dezembro de 990 (art. 208). Entendimento Administrativo TRE-RS n. 75/ Licença por doença em pessoa da família Lei n. 8.2, de de dezembro de 990 (art. 83), com redação da Lei n..907, de 2 de fevereiro de Instrução Normativa TRE-RS DG n. 2, de 22 de julho de Entendimento Administrativo TRE-RS n. 23/2006. Entendimento Administrativo TRE-RS n. 46/204 (nova redação). Entendimento Administrativo TRE-RS n. 48/ Normas da área de TI e de Governo Eletrônico Decreto nº 5.482, de 30 de junho de 2005 dispõe sobre a divulgação de dados e informações pelos órgãos e entidades da administração federal por meio da Internet; Portaria Normativa nº 05, de 4 de Julho de institucionaliza os Padrões de Interoperabilidade de Governo Eletrônico(e-PING); Portaria nº 03, de 07 de Maio de institucionaliza o Modelo de Acessibilidade em Governo Eletrônico (e-mag); Portaria nº SLTI/MPOG, de 30 de dezembro de Aprova a Estratégia Geral de Tecnologia da Informação (EGTI) no âmbito do Sistema de Administração dos Recursos de Informação e Informática - SISP na versão de 2008, (PDTI); Portaria nº 02 SLTI/MPOG, de 6 de março de Dispõe sobre as especificações padrão de bens de Tecnologia da Informação no âmbito da Administração Pública Federal direta, autárquica e fundacional e dá outras providências. 2

23 Relatório de Gestão Exercício Normas de contratação e compras de TI Instrução Normativa SLTI/MPOG nº 04, de 9 de Maio de 2008 dispõe sobre o processo de contratação de serviços de Tecnologia da Informação. Instrução Normativa SLTI/MPOG nº 0, de 9 de Janeiro de 200 dispõe sobre os critérios de sustentabilidade ambiental na aquisição de bens, contratação de serviços ou obras pela Administração Pública Federal direta, autárquica e fundacional e dá outras providências. Resolução CNJ n. 82/3, de 7 de outubro de Dispõe sobre diretrizes para as contratações de Solução de Tecnologia da Informação e Comunicação pelos órgãos submetidos ao controle administrativo e financeiro do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) Instrução Normativa TRE-RS P n. 39, de 25 de agosto de 204 Dispõe sobre contratações de Solução de Tecnologia da Informação, no âmbito do TRE-RS, com base nas diretrizes consolidadas na Resolução n.82, de 7 de outubro de 203, do Conselho Nacional de Justiça. 44. Normas emitidas pelo CNJ Resolução CNJ 99 de 24 de novembro de Institui o Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação no âmbito do Poder Judiciário. Resolução CNJ 90 de 29 de setembro de Dispõe sobre os requisitos de nivelamento de tecnologia da informação no âmbito do Poder Judiciário. Resolução CNJ 9 de 29 de setembro de Institui o Modelo de Requisitos para Sistemas Informatizados de Gestão de Processos e Documentos do Poder Judiciário e disciplina a obrigatoriedade da sua utilização no desenvolvimento e manutenção de sistemas informatizados para as atividades judiciárias e administrativas no âmbito do Poder Judiciário. Resolução CNJ 82/3, de 7 de outubro de Dispõe sobre diretrizes para as contratações de Solução de Tecnologia da Informação e Comunicação pelos órgãos submetidos ao controle administrativo e financeiro do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Resolução CNJ n. 49/ Dispõe sobre a organização de Núcleo de Estatística e Gestão Estratégica nos órgãos do Poder Judiciário; Resolução CNJ n. 70/2009 Dispõe sobre o Planejamento e a Gestão Estratégica no âmbito do Poder Judiciário; Metas do CNJ: 2009 a 204. Resolução CNJ n. 76/09 sobre o Sistema de Estatística do Poder Judiciário (Justiça em Números). Resolução CNJ n. 98/09 sobre provisão de encargos. Resolução CNJ n. 02/09 sobre publicação de informações alusivas à gestão. Resolução CNJ n. 4/0 sobre planejamento, execução e monitoramento de obras no Poder Judiciário. Resolução CNJ n. 56, de 08 de Agosto de 202 Proíbe a designação para função de confiança ou a nomeação para cargo em comissão de pessoa que tenha praticado os atos que especifica, tipificados como causa de inelegibilidade prevista na legislação eleitoral, e dá outras providências. Resolução CNJ n. 69, de 3 de Janeiro de 203 Dispõe sobre a retenção de provisões de encargos trabalhistas, previdenciários e outros a serem pagos às empresas contratadas para prestar serviços, com mão de obra residente nas dependências de unidades jurisdicionadas ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ). 45. Normas emitidas pelo MTE Normas Regulamentadoras do Ministério do Trabalho e Emprego 46. Normas emitidas pelo TCU Decisão Normativa TCU 34/3 - Dispõe acerca das unidades jurisdicionadas cujos dirigentes máximos devem apresentar relatório de gestão referente ao exercício de 204. Portaria nº 90/4 do TCU, com orientações para a elaboração dos relatórios de gestão 204. IN TCU 63/0 Normas de organização e apresentação dos relatórios de gestão. 47. Normas emitidas pelo TRE Resolução TRE 93/09, de 6 de dezembro de Aprova o Planejamento Estratégico do Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Sul para o período de 200 a 204. Resolução TRE 237/3, de 2 de setembro de Regulamenta o disposto no parágrafo único do artigo º e inciso VI do artigo 6º da Resolução TSE n /2007 e estabelece normas complementares para cessão de urnas eletrônicas e sistema de votação específico a entidades privadas, mediante empréstimo, em eleições parametrizadas. Resolução TRE 225/3, de 3 de junho de 203 Aprova a revisão do Planejamento Estratégico do Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Sul para o período de Resolução TRE 240/3, de 7 de novembro de Aprova o Plano Estratégico de Tecnologia da Informação (PETI) do TRE-RS para o período de 203 a 208. Instrução Normativa TRE-RS P N 8/0, de 3 de setembro de Fixa a Tabela de Padrões de Infraestrutura para 22

24 Relatório de Gestão Exercício 204 os Cartórios Eleitorais. Portaria P. N 388/3, de 7 de dezembro de 203 Aprova o Plano Diretor de Tecnologia da Informação (PDTI) para o período de e dá outras providências. Portaria P. N 49/4, de 4 de maio de 204 Nomeia servidores para composição da Comissão Permanente de Ética Portaria P N 269/4, de 5 de agosto de 204 Nomeia servidores para composição do Comitê Multidisciplinar da Acessibilidade Portaria P N 270/4, de 5 de agosto de 204 Nomeia servidores para composição do Comitê Gestor da Internet e Intranet Portaria P. N 27/4, de 5 de agosto de 204 Nomeia servidores para composição da Comissão Permanente de Avaliação Documental Portaria P N 272/4, de 5 de agosto de 204 Nomeia servidores para composição do Comitê de Gerenciamento de Projetos Portaria P N 273/4, de 5 de agosto de 204 Nomeia servidores para composição do Comitê de Gestão de Riscos. Portaria P N 274/4, de 5 de agosto de 204 Nomeia servidores para composição do Comitê de Gestão do Conhecimento Portaria P N 275/4, de 5 de agosto de 204 Nomeia servidores para composição do Comitê de Modelagem de Processos Portaria P N 276/4, de 5 de agosto de 204 Nomeia servidores para composição do Comitê de Pessoal Portaria P N 277/4, de 5 de agosto de 204 Nomeia servidores para composição do Comitê de Segurança da Informação. Portaria P. N 278/4, de 5 de agosto de 204 Nomeia servidores para composição do Comitê Gestor de TI. Portaria P N 279/4, de 5 de agosto de 204 Nomeia servidores para composição do Comitê Valor Público Portaria P N 347/4, de 02 de outubro de 204 Nomeia servidores para composição do Comitê de Segurança Institucional Portaria DG N 64/4, de 23 de julho de 204 Constitui o Conselho de Representantes dos Cartórios Eleitorais Portaria P N 93/4, de 24 de junho de 204 Delegação de competência ao Secretário de Tecnologia da informação do TRE-RS, até o dia , inclusive, para decidir sobre as solicitações de cessão de urnas eletrônicas e de sistemas de votação para realização de eleições parametrizadas. Instrução Normativa TRE-RS P nº 39, de 25 de agosto de 204 Dispõe sobre contratações de Solução de Tecnologia da Informação, no âmbito do TRE-RS, com base nas diretrizes consolidadas na Resolução n.82, de 7 de outubro de 203, do Conselho Nacional de Justiça. Resolução TRE-RS 260/204 Prorroga a validade do Planejamento Estratégico do Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Sul. Portaria nº 328/4, da Presidência do TRE-RS, que institui Comissão para levantamento, consolidação, revisão e envio do Relatório de Gestão ao TCU. Resolução TRE-RS nº 227/3 Altera a estrutura organizacional da Secretaria de Administração. Resolução TRE-RS nº 233/3 Institui o Programa de Acessibilidade. Resolução TRE-RS nº 253/4 Institui a Política de Segurança e o Comitê Permanente de Segurança Institucional. Portaria P N 52/4, de 20 de maio de 204 Institui a estrutura de Governança Corporativa do Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Sul. Resolução TRE-RS n. 244, de 27 de Janeiro de 204 Institui a Política de Responsabilidade Socioambiental no âmbito do. Instrução Normativa TRE-RS DG n. 5/202 Regulamenta a concessão, aplicação e comprovação de suprimento de fundos no âmbito da Justiça Eleitoral do Rio Grande do Sul, por meio de depósito em conta corrente. 48. Normas emitidas pelo TSE Resolução TSE , de 30 de abril de 200 Aprova o planejamento estratégico de tecnologia da informação para o período de Resolução TSE 23.22, de 0 de março de 200 Aprova as metas de nivelamento da tecnologia da informação. Resolução TSE , de 3 de dezembro de 2007 Estabelece normas para cessão de urnas e sistema de votação específico, por empréstimo, em eleições parametrizadas Resolução TSE nº /0 - Regras e diretrizes para contratação de serviços. Resolução TSE n 23.37/ - Planejamento Estratégico da Justiça Eleitoral. 49. Normas Técnicas Normas Técnicas em especial as normas da ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBC T 6.9 Norma Brasileira de Contabilidade Aplicada ao Setor Público. 23

25 Relatório de Gestão Exercício Pagamento de diferenças salariais para sucessores Entendimento Administrativo TRE/RS n. 44/ Pensão por Morte: somente normas legais. Entendimento Administrativo TRE/RS n. 30/ Perícias Médicas Instrução Normativa TRE-RS DG 2, de 22 de julho de Prioridade de atendimento às pessoas com deficiência Decreto nº 5.296/04 - Presidência da República - prioridade de atendimento às pessoas com deficiência. 54. Processo administrativo Entendimento Administrativo TRE/RS n. 03/ Processo administrativo eletrônico IN nº 9/0 da Presidência do TRE-RS sobre o Processo Administrativo Eletrônico. Resolução TRE-RS n 204/0 - Processo Administrativo Eletrônico. 56. Programa de Assistência à Saúde PAS Lei n. 8.2, de de dezembro de 990 (art. 230). Resolução TRE-RS n. 26, de º de agosto de 202. Instrução Normativa TRE/RS P n. 25, de 2 de julho de 202. Instrução Normativa TRE/RS P n. 26, de de julho de 202. Contrato TRE-RS n. 25, de 0 de agosto de 202. Contrato TRE-RS n. 49, de 6 de dezembro de Entendimento Administrativo TRE-RS n. 47/ Programa de Estágio e Serviço Voluntário Resolução TRE-RS n. 96/200 Entendimento Administrativo TRE-RS n. 52/ Promoção e Progressão Instrução Normativa TRE-RS P n. 8/ Provimento de cargo público: Resolução TRE-RS n. 59/2006. Resolução TRE-RS n. 43/ RAIS Portaria MTE 0, de 09 de janeiro de 205 aprova as instruções da declaração da RAIS ano-base Regulamento Interno da Secretaria do TRE/RS Resolução TRE-RS n. 95/2009 e posteriores alterações - Regulamento Interno da Secretaria do TRE-RS; 62. Substituição Resolução TRE-RS n. 229, de 4 de julho de 203. Portaria Conjunta n. 3, de 3 de maio de Entendimento Administrativo n. 60/ Reavaliação de Bens Orientação 0/200 COFIC/TSE, que padroniza os procedimentos contábeis de depreciação e reavaliação no âmbito da Justiça Eleitoral. 64. Remoção Resolução TSE n /2009 Instrução Normativa TRE/RS P n. 3, de 7 de outubro de 203. Entendimento Administrativo TRE-RS n. 09/2005 Portaria Conjunta n. 3, de 3 de maio de

26 Relatório de Gestão Exercício Requisição Resolução TSE n , de 29 de abril de 200. Lei n de 7 de junho de 982. Entendimento Administrativo n. 60/204. Resolução TRE/RS n. 24/ Serviço extraordinário Resolução TSE n /2008; Resolução TSE n , de 3 de dezembro de 20. Entendimentos Administrativos TRE/RS ns. 3/996, 6/2000, 27/2002. Instrução Normativa TRE/RS P n. 35, de 27 de maio de Sustentabilidade Ambiental Decreto nº 7.746/2 - Presidência da República contratações públicas sustentáveis. IN nº 0/0 do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão sobre critérios de sustentabilidade ambiental. 68. Teto remuneratório Resolução CNJ n. 3/2006. Resolução CNJ n. 4/ Vantagem Pecuniária Individual Resolução TRE/RS n. 72/ Vacância Resolução TSE n. 9.30/993. Resolução TSE n /2005. Resolução n. 4/200, do Conselho de Justiça Federal. Entendimentos Administrativos TRE-RS ns. 04/2005, 3/2005 e 22/2006. Manuais e publicações relacionadas às atividades da Unidade Jurisdicionada. Planejamento Estratégico do TRE/RS. 2. Cartilha sobre o Assédio Moral no Trabalho. 3. Guia Rápido JE Connect, setembro de Manual de Procedimentos para Eleições Comunitárias atualizado em 0 de janeiro de Provimento 02/4 CRE/RS (Publicação: DEJERS, n. 88, p. 5, de 2.5.4) - Altera a denominação da Consolidação Normativa Judicial Eleitoral CNJE para Consolidação Normativa Judicial Eleitoral - Zonas e dá outras providências. 6. Provimento 0/4 CRE/RS (Publicação: DEJERS, n. 80, p. 2, ) - Altera dispositivos da Consolidação Normativa Judicial Eleitoral - CNJE 7. Plano Estratégico do TRE-RS Manual de Gestão de Contratos TRE-RS. 9. Manual de Procedimentos da Seção de Protocolo TRE-RS. 0. Manual de Procedimentos para Expedição de Correspondências.. Orientações complementares para os serviços de copeiragem, recepção, atendimento telefônico e plantões técnicos de manutenção predial. 2. Instruções complementares para os serviços de vigilância armada. 3. Autoavaliação com base no modelo de excelência 500 pontos do GesPública; 4. Carta de Serviços aos Cidadãos do TRE-RS º e 2º graus; 5. Metas Nacionais do Poder Judiciário Glossário e Esclarecimentos; 6. Metodologia de Projetos do TRE-RS; 7. Metodologia de Modelagem de Processos do TRE-RS; Unidades Gestoras e Gestões relacionadas à Unidade Jurisdicionada Unidades Gestoras relacionadas à Unidade Jurisdicionada Código SIAFI Nome 25

27 Relatório de Gestão Exercício 204 Gestões relacionadas à Unidade Jurisdicionada Nome Código SIAFI 0000 Tesouro Relacionamento entre Unidades Gestoras e Gestões Código SIAFI da Unidade Gestora Código SIAFI da gestão Finalidade e competências institucionais da unidade jurisdicionada definidas na Constituição Federal, em leis infraconstitucionais e em normas regimentais, identificando cada instância normativa. A finalidade e as competências institucionais deste Tribunal estão dispostas na Constituição Federal, Código Eleitoral e Regimento Interno. O TRE-RS tem por finalidade principal conduzir o pleito sob sua jurisdição e divulgar os resultados. Suas atividades incluem planejar, organizar, controlar e fiscalizar as eleições, proclamar e diplomar os eleitos, atualizar e gerenciar o cadastro regional de eleitores e julgar os processos de sua competência. A Justiça Eleitoral do Brasil tem previsão constitucional nos artigos 8 a 2. Como a Lei Complementar prevista no artigo 2 da CF/88 para a regulamentação da organização e competência dos tribunais, dos juízes de direito e das juntas eleitorais não foi instituída, as normas que explicitam as finalidades e competências institucionais dos Tribunais Regionais Eleitorais são o Código Eleitoral (arts. 29 e 30), a Lei 9.504/997, que estabelece normas para as eleições, e as resoluções normativas do TSE, que regulam cada eleição com força de lei, além dos seus próprios regimentos. O regimento Interno deste TRE arrola suas competências em seus artigos 3 e 32. Em síntese, os Tribunais Regionais Eleitorais têm função delegada e auxiliar de Administrador Eleitoral no âmbito da sua região ao coordenarem as atividades da Justiça Eleitoral no estado ou distrito federal, respondendo pelas eleições para os cargos eletivos de sua circunscrição. 26

28 Relatório de Gestão Exercício Organograma funcional com descrição sucinta das competências das áreas ou subunidades estratégicas da unidade jurisdicionada e identificação dos respectivos titulares com nome, cargo, data de nomeação e de exoneração. Figura Organograma Fonte - TRE-RS 27

29 Relatório de Gestão Exercício 204 ORGANOGRAMA FUNCIONAL TRE-RS Presidência Assessoria de Comunicação Social Gabinete da Presidência Coordenadoria de Auditoria Secretaria de Controle Interno e Auditoria Coordenadoria de Acompanhamento e Orientação de Gestão 28

30 Relatório de Gestão Exercício 204 Corregedoria Regional Eleitoral Secretaria da Corregedoria Regional Eleitoral Coordenadoria de Assuntos Judiciários e Correicionais Coordenadoria de Fiscalização do Cadastro Eleitoral Gabinete da Corregedoria Regional Eleitoral Diretoria-Geral Assessoria Jurídica Assessoria de Planejamento Estratégico e Desenvolvimento Institucional Gabinete da Diretoria-Geral 29

31 Relatório de Gestão Exercício 204 Secretaria de Gestão de Pessoas Coordenadoria de Desenvolvimento Coordenadoria de Pessoal Coordenadoria Técnica Secretaria de Administração Coordenadoria de Documentação e Apoio Administrativo Coordenadoria de Licitações e Contratos Coordenadoria de Material e Patrimônio Coordenadoria de Infraestrutura Predial Secretaria de Tecnologia da Informação Coordenadoria de Eleições Coordenadoria de Produção Coordenadoria de Sistemas Coordenadoria de Suporte 30

32 Relatório de Gestão Exercício 204 Secretaria Judiciária Coordenadoria de Gestão da Informação Coordenadoria de Sessões Coordenadoria de Registro e Informações Processuais Secretaria de Orçamento e Finanças Coordenadoria Contábil e Financeira Coordenadoria de Orçamento 3

33 Relatório de Gestão Exercício 204 Quadro A..3 Informações sobre áreas ou subunidades estratégicas Áreas/ Subunidades Estratégicas Assessoria de Comunicação Social Gabinete da Presidência Competências I - divulgar os atos, ações e decisões da Justiça Eleitoral; II - prestar apoio aos meios de comunicação social na obtenção de informações; III - acompanhar os juízes e servidores do Tribunal em eventos e entrevistas; IV - elaborar clippings contendo as matérias de interesse da Justiça Eleitoral; V - manter atualizado o informativo eletrônico do Tribunal; VI - desenvolver campanhas institucionais; VII - planejar e organizar o cerimonial para solenidades e demais eventos da Justiça Eleitoral; VIII - providenciar a aquisição de passagens e reserva de acomodações para juízes e servidores do Tribunal, ou para terceiros, quando solicitado. I - prestar apoio técnico-administrativo ao Presidente; II - realizar pesquisas em doutrina, legislação e jurisprudência, e elaborar estudos jurídicos acerca de matérias submetidas à apreciação do Presidente; III - elaborar informações, minutas de decisões e despachos em processos e requerimentos sob apreciação do Presidente; IV - coletar e verificar a documentação dos advogados indicados para as listas tríplices relativas aos cargos de juiz do Tribunal, na respectiva classe, e encaminhá-la ao Tribunal Superior Eleitoral; V - executar as atividades relativas à posse de juízes do Tribunal, acompanhar sistematicamente os biênios e manter relação histórica atualizada; VI - controlar a previsão de quórum para a realização de sessões do Tribunal e providenciar a convocação de juízes substitutos, quando necessário; VII - executar os atos relativos à nomeação dos membros das juntas eleitorais. Cargo Período de atuação Renato de Oliveira Sagrera Assessor II 0/0/204 a 3/2/204 Rafael Morgental Soares Chefe de Gabinete 0/0/204 a 3/2/204 Titular 32

34 Relatório de Gestão Exercício 204 I - dirigir as atividades relativas ao plano Secretaria de anual de auditoria interna, à fiscalização Controle Interno e interna do Tribunal e ao exame de Auditoria prestações de contas eleitorais e partidárias. I - examinar os processos de prestação de contas eleitorais e partidárias; II - executar o plano anual de auditoria interna, de acordo com sua área de atuação; Coordenadoria de III avaliar as informações consolidadas Auditoria no relatório de gestão e elaborar relatório de auditoria de gestão nos processos de constas ordinárias, na esfera de sua competência. I emitir parecer, sempre que solicitada, objetivando a racionalização da gestão; II - executar o plano anual de auditoria Coordenadoria de interna, de acordo com sua área de atuação; Acompanhamento III avaliar as informações consolidadas e Orientação de no relatório de gestão e elaborar relatório Gestão de auditoria de gestão nos processos de constas ordinárias, no âmbito de sua competência. Compete à Secretaria da Corregedoria Regional Eleitoral dirigir as atividades administrativas da Corregedoria Regional Secretaria da Eleitoral. Corregedoria Compete também à Secretaria da Regional Eleitoral Corregedoria Regional Eleitoral supervisionar as atividades administrativas da Ouvidoria do Tribunal. Coordenadoria de I - executar as atividades de inspeção e Assuntos correição, bem como as relacionadas aos Judiciários E atos judiciários nos processos cuja relatoria Correicionais caiba ao Corregedor Regional Eleitoral. I - promover a regularidade das Coordenadoria de informações constantes do cadastro Fiscalização Do eleitoral e da base de perda e suspensão de Cadastro Eleitoral direitos políticos. Herbert Dias Miranda Secretário 0/0/204 a 3/2/204 Maria Teresa Copatti Coordenador Dutra 0/0/204 a 3/2/204 Daniela Otilia Foltz Coordenador 0/0/204 a 3/2/204 Josemar dos Santos Riesgo Secretário 0/0/204 a 3/2/204 Coordenador 0/0/204 a 3/2/204 Coordenador 0/0/204 a 3/2/204 Chefe De Gabinete 0/0/204 a 3/2/204 Silvia Regina Moro Flávia Suzana Laitano E Silva I - prestar apoio técnico-administrativo ao Corregedor Regional Eleitoral e ao Secretário; II - gerenciar as solicitações de acesso às informações constantes do cadastro Gabinete da eleitoral e submetê-las, quando for o caso, à Fabricio Caetano Corregedoria apreciação do Secretário; Prestes Regional Eleitoral III receber e controlar os expedientes administrativos relativos à VicePresidência, Corregedoria Regional Eleitoral e Ouvidoria do Tribunal; IV - gerenciar as atividades administrativas da Ouvidoria do Tribunal. 33

35 Relatório de Gestão Exercício 204 Diretoria-Geral Assessoria Jurídica Assessoria Jurídica Assessoria Jurídica Compete à Diretoria-Geral dirigir as atividades da Secretaria do Tribunal. I - prestar assessoramento jurídico, em matéria administrativa, à Presidência e à Diretoria-Geral; II - fornecer subsídios e orientações jurídicas em matéria administrativa aos demais órgãos superiores, quando solicitado; III - analisar os recursos interpostos contra decisões administrativas do Diretor-Geral; IV - analisar os contratos, acordos, convênios e demais ajustes celebrados pelo Tribunal; V - examinar os processos de licitação, dispensa ou inexigibilidade; VI - elaborar ou revisar propostas de resoluções, instruções normativas e outros atos administrativos; VII - elaborar informações relativas à instrução de ações judiciais. I - prestar assessoramento jurídico, em matéria administrativa, à Presidência e à Diretoria-Geral; II - fornecer subsídios e orientações jurídicas em matéria administrativa aos demais órgãos superiores, quando solicitado; III - analisar os recursos interpostos contra decisões administrativas do Diretor-Geral; IV - analisar os contratos, acordos, convênios e demais ajustes celebrados pelo Tribunal; V - examinar os processos de licitação, dispensa ou inexigibilidade; VI - elaborar ou revisar propostas de resoluções, instruções normativas e outros atos administrativos; VII - elaborar informações relativas à instrução de ações judiciais. I - prestar assessoramento jurídico, em matéria administrativa, à Presidência e à Diretoria-Geral; II - fornecer subsídios e orientações jurídicas em matéria administrativa aos demais órgãos superiores, quando solicitado; III - analisar os recursos interpostos contra decisões administrativas do Diretor-Geral; IV - analisar os contratos, acordos, convênios e demais ajustes celebrados pelo Tribunal; Diretor-Geral 0/0/204 a 3/2/204 Carlos Eduardo Saraiva de Vargas Assessor II 0/0/204 a 3/2/204 Daniela de Campos Cypriano Assessor II 0/0/204 a 3/2/204 Antônio Augusto Portinho da Cunha João Marcelo Longhi Assessor II Malheiro da Graça 0/0/204 a 3/2/204 34

36 Relatório de Gestão Exercício 204 V - examinar os processos de licitação, dispensa ou inexigibilidade; VI - elaborar ou revisar propostas de resoluções, instruções normativas e outros atos administrativos; VII - elaborar informações relativas à instrução de ações judiciais. I - mediar o processo de construção e revisão do planejamento estratégico do Tribunal, da formulação de estratégias institucionais e da fixação de diretrizes e políticas administrativas; II - propor e implementar ações de divulgação da missão institucional, da visão de futuro e do conjunto de valores do Tribunal; Assessoria de III - sistematizar, acompanhar e avaliar o Planejamento desempenho institucional e a aplicação das Estratégico e estratégias e ações definidas; Desenvolvimento IV - apoiar as unidades no processo de Institucional desdobramento da estratégia organizacional; V - acompanhar e orientar a implementação de projetos estratégicos; VI - propor e acompanhar projetos e programas voltados à racionalização de métodos, procedimentos e rotinas; VII - participar do planejamento de cursos e treinamentos de capacitação voltados para o aprimoramento gerencial. I - prestar apoio técnico-administrativo ao Diretor-Geral; II - elaborar minutas de despachos e decisões em processos administrativos de competência do Diretor-Geral; III - elaborar minutas de atos normativos nas matérias de competência do DiretorGabinete da Geral; Diretoria-Geral IV - realizar pesquisas em legislação, doutrina e jurisprudência, a fim de fundamentar a análise dos processos de competência do Diretor-Geral; V - elaborar a efetividade dos titulares de órgãos superiores do Tribunal. Secretaria de Tecnologia Da Informação Jorge Lheureux de Freitas Assessor I 0/0/204 a 3/2/204 Fábio Silva da Silveira Chefe de Gabinete 0/0/204 a 3/2/204 Compete à Secretaria de Tecnologia da Daniel Wobeto Informação dirigir as atividades de administração dos sistemas de manutenção do cadastro de eleitores, planejamento da logística de eleições, desenvolvimento e adaptação de sistemas, suporte operacional, e implementação da segurança da informação. Secretário 0/0/204 a 3/2/204 35

37 Relatório de Gestão Exercício 204 I - planejar a logística de eleições, Coordenadoria de administrar a manutenção das urnas Cássio Vicente Zasso Coordenador Eleições eletrônicas e fornecer dados estatísticos. I - administrar os sistemas de manutenção do cadastro de eleitores do Estado; II - propor a aquisição e distribuição de Coordenadoria de Martinho Luiz equipamentos e programas de informática; Coordenador Produção Marchi III - executar rotinas de segurança dos sistemas e dados; IV - produzir material multimídia. Coordenadoria de I - desenvolver e adaptar sistemas de Sistemas informática. I - planejar, implantar e manter a infracoordenadoria de estrutura de informática; Suporte II - prestar suporte operacional aos usuários. Compete à Secretaria Judiciária dirigir as atividades cartoriais judiciárias relativas Secretaria aos processos de competência do Tribunal, Judiciária fornecer apoio técnico aos juízes e gerenciar o acervo jurídico e histórico do Tribunal. I - prestar assessoramento técnico-jurídico aos Juízes do Tribunal; II - elaborar minutas de votos, decisões interlocutórias e despachos; III - examinar e acompanhar petições e processos conclusos ou distribuídos aos Assessoria Juízes; Técnica da IV - acompanhar as sessões de julgamento Coordenadoria do Tribunal e permanecer à disposição dos De Sessões Juízes por ocasião das medidas judiciais urgentes; V - organizar, acompanhar e secretariar as audiências designadas pelos Juízes nos processos de competência originária do Tribunal. Assessoria I - prestar assessoramento técnico-jurídico Técnica da aos Juízes do Tribunal; Coordenadoria II - elaborar minutas de votos, decisões De Sessões interlocutórias e despachos; III - examinar e acompanhar petições e processos conclusos ou distribuídos aos Juízes; IV - acompanhar as sessões de julgamento do Tribunal e permanecer à disposição dos Juízes por ocasião das medidas judiciais urgentes; V - organizar, acompanhar e secretariar as audiências designadas pelos Juízes nos processos de competência originária do 0/0/204 a 3/2/204 0/0/204 a 3/2/204 Daniel Dutra Pillar Coordenador 0/0/204 a 3/2/204 Mateus Vicente Marchi Coordenador 0/0/204 a 3/2/204 Rogério da Silva de Vargas Secretário 0/0/204 a 3/2/204 Daiane Mello Piccoli Assessor I 0/0/204 a 3/2/204 Fábio Fischer Assessor I 0/0/204 a 3/2/204 36

38 Relatório de Gestão Exercício 204 Tribunal. Assessoria Técnica da Coordenadoria De Sessões Assessoria Técnica da Coordenadoria De Sessões Assessoria Técnica da Coordenadoria De Sessões I - prestar assessoramento técnico-jurídico aos Juízes do Tribunal; II - elaborar minutas de votos, decisões interlocutórias e despachos; III - examinar e acompanhar petições e processos conclusos ou distribuídos aos Juízes; Flávia Androvandi IV - acompanhar as sessões de julgamento Kern do Tribunal e permanecer à disposição dos Juízes por ocasião das medidas judiciais urgentes; V - organizar, acompanhar e secretariar as audiências designadas pelos Juízes nos processos de competência originária do Tribunal. I - prestar assessoramento técnico-jurídico aos Juízes do Tribunal; II - elaborar minutas de votos, decisões interlocutórias e despachos; III - examinar e acompanhar petições e processos conclusos ou distribuídos aos Juízes; IV - acompanhar as sessões de julgamento Marta Kauer do Tribunal e permanecer à disposição dos Juízes por ocasião das medidas judiciais urgentes; V - organizar, acompanhar e secretariar as audiências designadas pelos Juízes nos processos de competência originária do Tribunal. I - prestar assessoramento técnico-jurídico aos Juízes do Tribunal; II - elaborar minutas de votos, decisões interlocutórias e despachos; III - examinar e acompanhar petições e processos conclusos ou distribuídos aos Juízes; IV - acompanhar as sessões de julgamento Paulo Roberto do Tribunal e permanecer à disposição dos Simões Filho Juízes por ocasião das medidas judiciais urgentes; V - organizar, acompanhar e secretariar as audiências designadas pelos Juízes nos processos de competência originária do Tribunal. Coordenadoria de I- análise e disseminação de doutrina, João Antônio Gestão Da legislação e jurisprudência; Friedrich Informação II - editoração das publicações do Tribunal; III - preservação e divulgação do acervo jurídico e histórico da Justiça Eleitoral. Assessor I 0/0/204 a 3/2/204 Assessor I 0/0/204 a 3/2/204 Assessor I 0/0/204 a 3/2/204 Coordenador 0/0/204 a 3/2/204 37

39 Relatório de Gestão Exercício 204 I - planejar e executar as atividades referentes às audiências e sessões de Coordenadoria de Marília Medeiros julgamento e à formalização escrita de Sessões Piantá relatórios, votos e decisões produzidos nas sessões de julgamento do Tribunal. Coordenadoria de I - planejar e executar as atividades Registros e Eduardo Silva da cartorárias referentes aos processos Informações Silva judiciários. Processuais Compete à Secretaria de Orçamento e Secretaria de Finanças dirigir as atividades referentes à Francisco Alexandre Orçamento e elaboração da proposta orçamentária e à Bertolo Kausch Finanças execução orçamentária, contábil, financeira e patrimonial. Coordenadoria I - planejar e supervisionar a execução Paulo Ricardo Contábil e contábil, financeira e patrimonial. Pacheco Simundi Financeira I - elaborar a proposta orçamentária e o Coordenadoria de relatório de gestão fiscal, bem como Hermes Rossoni Orçamento planejar e supervisionar a programação e execução orçamentárias. Compete à Secretaria de Gestão de Pessoas Secretaria de planejar e executar as atividades Maria Lucia Martins Gestão De pertinentes ao gerenciamento e dos Santos Pessoas desenvolvimento de servidores. I - assessorar o Secretário nos assuntos de Assessoria sua competência; Técnica da II - acompanhar o planejamento e o Fabiola Costa Leite Secretaria de desenvolvimento dos projetos da Gestão de Pessoas Secretaria. I - planejar e executar as atividades Coordenadoria de relativas ao recrutamento, gestão de Rinaldo Miranda Desenvolvimento desempenho e desenvolvimento dos Castro servidores. I - planejar e executar as atividades relativas à assistência médica e Coordenadoria de Lilian Saldanha odontológica, cadastro e frequência de Pessoal Paiva servidores e elaboração de folhas de pagamento. I - instruir os processos que versem sobre Coordenadoria legislação e jurisprudência de pessoal, bem Gustavo Lotuffo Técnica como propor atos normativos em matéria Stradolini de pessoal. Compete à Secretaria de Administração Secretaria de Rosana Delgado dirigir as ações do planejamento no âmbito Administração Duro administrativo. Coordenadoria de I - planejar, coordenar e executar os Monica Feeburg Documentação e serviços de processamento documental, de Porto Alegre Apoio artes gráficas, de segurança e de transporte Administrativo automotivo. Coordenador 0/0/204 a 3/2/204 Coordenador 0/0/204 a 3/2/204 Secretário 0/0/204 a 3/2/204 Coordenador 0/0/204 a 3/2/204 Coordenador 0/0/204 a 3/2/204 Secretário 0/0/204 a 3/2/204 Assessor I 0/0/204 a 3/2/204 Coordenador 0/0/204 a 3/2/204 Coordenador 0/0/204 a 3/2/204 Coordenador 0/0/204 a 3/2/204 Secretário Coordenador 0/0/204 a 3/2/204 0/0/204 a 3/2/204 38

40 Relatório de Gestão Exercício 204 I - prestar assessoramento técnicoadministrativo ao Secretário; II acompanhar o planejamento e o desenvolvimento dos projetos da Secretaria. I - planejar, coordenar e executar as Coordenadoria de atividades relativas às contratações que Licitações e ocorram mediante licitação, bem como à Contratos elaboração de instrumentos de contratos. Coordenadoria de I - planejar, coordenar e executar as Material e contratações diretas e administrar os bens Patrimônio permanentes e de consumo. I - planejar, coordenar e executar as Coordenadoria de atividades referentes à conservação, Infraestrutura administração e manutenção de bens Predial imóveis e suas instalações, e os serviços de comunicação telefônica. Assessoria Técnica da Secretaria de Administração Rilda Fatima Dagostini Assessor I 0/0/204 a 3/2/204 Perla Monica Pitcovsky Furini Coordenador 0/0/204 a 3/2/204 Jose Atilio Benites Lopes Coordenador 0/0/204 a 3/2/204 Mirvânia Pereira Bratkowski Coordenador 0/0/204 a 3/2/204 39

41 Relatório de Gestão Exercício Macroprocessos finalísticos da unidade jurisdicionada. O possui três Macroprocessos Finalísticos: Cadastramento Eleitoral, Logística de Votação e Prestação Jurisdicional. Como base para o alcance dos objetivos, tem-se outros seis macroprocessos, considerados de apoio, conforme figura abaixo: Figura 2 Hierarquia de Processos do TRE-RS Fonte: TRE-RS 40

Subitem CONTEÚDOS DO RELATÓRIO DE GESTÃO Todas as unidades jurisdicionadas, exceto as relacionadas na Parte C.

Subitem CONTEÚDOS DO RELATÓRIO DE GESTÃO Todas as unidades jurisdicionadas, exceto as relacionadas na Parte C. ANEXO II À DECISÃO NORMATIVA-TCU Nº 134, DE 4 DE DEZEMBRO DE 2013 PARTE A CONTEÚDOS GERAIS Os conteúdos desta Parte A são aplicáveis às unidades jurisdicionadas relacionadas no Anexo I e não destacadas

Leia mais

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIAS ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EERCÍCIO DE 203 ABRIL / 204 JUSTIÇA ELEITORAL

Leia mais

PORTARIA ANAC Nº 2898, DE 3 DE DEZEMBRO DE 2014.

PORTARIA ANAC Nº 2898, DE 3 DE DEZEMBRO DE 2014. PORTARIA ANAC Nº 2898, DE 3 DE DEZEMBRO DE 2014. Dispõe sobre orientações às unidades envolvidas na elaboração do Relatório de Gestão da ANAC referente ao exercício de 2014. O DIRETOR-PRESIDENTE DA AGÊNCIA

Leia mais

MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES SECRETARIA EXECUTIVA PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2013

MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES SECRETARIA EXECUTIVA PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2013 MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES SECRETARIA EXECUTIVA PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2013 Brasília - DF / 2014 MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES SECRETARIA EXECUTIVA PRESTAÇÃO

Leia mais

PORTARIA TRT 18ª GP/SGP/CGE Nº 01/2014 A DESEMBARGADORA-PRESIDENTE do Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região, no uso de suas atribuições legais

PORTARIA TRT 18ª GP/SGP/CGE Nº 01/2014 A DESEMBARGADORA-PRESIDENTE do Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região, no uso de suas atribuições legais PORTARIA TRT 18ª GP/SGP/CGE Nº 01/2014 A DESEMBARGADORA-PRESIDENTE do Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região, no uso de suas atribuições legais e regimentais; Considerando o disposto na Instrução

Leia mais

PAINEL DE INDICADORES ESTRATÉGICOS DO TRE-RS 2010-2014

PAINEL DE INDICADORES ESTRATÉGICOS DO TRE-RS 2010-2014 PAINEL DE ES ESTRATÉGICOS DO TRE-RS 2010-2014 SOCIEDADE: 1. Garantir a legitimidade do processo eleitoral 01 CONFIANÇA NO PROCESSO ELEITORAL Mede o grau de confiança da população gaúcha em relação ao processo

Leia mais

PAINEL DE INDICADORES ESTRATÉGICOS DO TRE-RS

PAINEL DE INDICADORES ESTRATÉGICOS DO TRE-RS PAINEL DE ES ESTRATÉGICOS DO TRE-RS 2014 SOCIEDADE: Prestar serviços de excelência 1 Índice de respostas a contatos dirigidos à Ouvidoria Mede o percentual de contatos dirigidos à Ouvidoria que receberam

Leia mais

MINUTA DE MACROPROCESSOS FINALÍSTICOS

MINUTA DE MACROPROCESSOS FINALÍSTICOS FL. 114 166 MINUTA DE MACROPROCESSOS FINALÍSTICOS MACROPROCESSO PROCESSO SUBPROCESSO Atermação- 1º grau Distribuição 1º e 2º graus Triagem Inicial 1º e 2º graus Providências Preliminares Redistribuição

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação (PETI) Secretaria de Tecnologia da Informação Florianópolis, março de 2010. Apresentação A informatização crescente vem impactando diretamente

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO PLANO DE AUDITORIA DE LONGO PRAZO (PALP) 2013-2014 Sumário: 1 INTRODUÇÃO... 3 2 BIÊNIO 2013-2014: ATIVIDADES DE MONITORAMENTO E ACOMPANHAMENTO.... 3 2.1 Apoio ao Tribunal de Contas do Estado de São Paulo...

Leia mais

PAINEL DE INDICADORES ESTRATÉGICOS DO TRE-RS

PAINEL DE INDICADORES ESTRATÉGICOS DO TRE-RS PAINEL DE ES ESTRATÉGICOS DO TRE-RS 2013 SOCIEDADE: Prestar serviços de excelência 1 Índice de respostas a contatos dirigidos à Ouvidoria Mede o percentual de contatos dirigidos à Ouvidoria que receberam

Leia mais

PORTARIA-TCU Nº 150, DE 3 DE JULHO DE 2012

PORTARIA-TCU Nº 150, DE 3 DE JULHO DE 2012 PORTARIA-TCU Nº 150, DE 3 DE JULHO DE 2012 Dispõe sobre orientações às unidades jurisdicionadas ao Tribunal quanto à elaboração dos conteúdos dos relatórios de gestão referentes ao exercício de 2012. O

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 542, DE 13 DE JANEIRO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 542, DE 13 DE JANEIRO DE 2015 Publicada no DJE/STF, n.10, p. 1-3 em 16/01/2015 RESOLUÇÃO Nº 542, DE 13 DE JANEIRO DE 2015 Dispõe sobre as prerrogativas, as responsabilidades, a competência e a atuação da Secretaria de Controle Interno

Leia mais

Ministério das Relações Exteriores Secretaria de Controle Interno Coordenação-Geral de Auditoria RELATÓRIO DE AUDITORIA DE GESTÃO

Ministério das Relações Exteriores Secretaria de Controle Interno Coordenação-Geral de Auditoria RELATÓRIO DE AUDITORIA DE GESTÃO Ministério das Relações Exteriores Secretaria de Controle Interno Coordenação-Geral de Auditoria RELATÓRIO DE AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2013 PROCESSO : 09144.000037/2014-14 RELATÓRIO : 06/2014 UNIDADE

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2006 PROCESSO Nº : 04972.000579/2007-59 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. Regulamenta as atribuições da Secretaria de Controle Interno do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região e dá outras providências. A PRESIDENTE DO, no uso de

Leia mais

O CONTROLE INTERNO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO PARA OS MUNICÍPIOS

O CONTROLE INTERNO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO PARA OS MUNICÍPIOS O CONTROLE INTERNO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO PARA OS MUNICÍPIOS Luís Filipe Vellozo de Sá e Eduardo Rios Auditores de Controle Externo TCEES Vitória, 21 de fevereiro de 2013 1 Planejamento Estratégico

Leia mais

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL Coordenadoria de Acompanhamento e Orientação da Gestão Seção de Acompanhamento da Gestão Seção de Controle de Pessoal PLANO ANUAL DE AUDITORIA 2015 14 de outubro de 2014 1. Introdução Tendo em vista a

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE GESTÃO PÚBLICA

SECRETARIA MUNICIPAL DE GESTÃO PÚBLICA SECRETARIA MUNICIPAL DE GESTÃO PÚBLICA LEGISLAÇÃO: Lei Municipal nº 8.834 de 01/07/2002 e Decreto 550 de 19/09/2007. ATRIBUIÇÕES: 10 - SECRETARIA MUNICIPAL DE GESTÃO PÚBLICA 10.010 - COORDENAÇÃO GERAL

Leia mais

12.1 AÇÕES E INDICAÇÕES DE PROJETOS

12.1 AÇÕES E INDICAÇÕES DE PROJETOS 43 Considerando os Objetivos Estratégicos, Indicadores e Metas, foram elaboradas para cada Objetivo, as Ações e indicados Projetos com uma concepção corporativa. O Plano Operacional possui um caráter sistêmico,

Leia mais

ANEXO I REGULAMENTO DO PRODESU. Programa de Desenvolvimento Sustentável do Sistema Confea/Creas e Mútua

ANEXO I REGULAMENTO DO PRODESU. Programa de Desenvolvimento Sustentável do Sistema Confea/Creas e Mútua ANEXO I REGULAMENTO DO PRODESU Programa de Desenvolvimento Sustentável do Sistema Confea/Creas e Mútua CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Seção I Dos Objetivos Art. 1º O Programa de

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MATINHOS Estado do Paraná CONTROLADORIA GERAL DO MUNICÍPIO

PREFEITURA MUNICIPAL DE MATINHOS Estado do Paraná CONTROLADORIA GERAL DO MUNICÍPIO INSTRUÇÃO NORMATIVA CG Nº 001 DE 02 de junho de 2014 Institui o Plano de atividades de Auditoria Interna no ano de 2014 e dá outras providências. O CONTROLADOR GERAL DO MUNICPIO DE MATINHOS, no uso de

Leia mais

PORTARIA Nº 7.596, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2014.

PORTARIA Nº 7.596, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2014. PORTARIA Nº 7.596, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2014. Regulamenta as atribuições e responsabilidades da Secretaria de Tecnologia da Informação e Comunicações do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região e dá

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS CAPÍTULO II DA FINALIDADE, VINCULAÇÃO E SEDE

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS CAPÍTULO II DA FINALIDADE, VINCULAÇÃO E SEDE LEI N. 2.031, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2008 Institui o Serviço Social de Saúde do Acre, paraestatal de direito privado, na forma que especifica. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO SABER que

Leia mais

PODER EXECUTIVO ANEXO I ATRIBUIÇÕES DO CARGO DE ESPECIALISTA EM POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL

PODER EXECUTIVO ANEXO I ATRIBUIÇÕES DO CARGO DE ESPECIALISTA EM POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL ANEXO I ATRIBUIÇÕES DO CARGO DE ESPECIALISTA EM POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL a) formulação, implantação e avaliação de políticas públicas voltadas para o desenvolvimento sócio-econômico e

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

ÍNDICE Volume 1 CONHECIMENTOS GERAIS

ÍNDICE Volume 1 CONHECIMENTOS GERAIS Tribunal de Contas dos Municípios do Estado de Goiás TCE/GO Auditor de Controle Externo Área Controle Externo ÍNDICE Volume 1 CONHECIMENTOS GERAIS Língua Portuguesa Ortografia oficial... 01 Acentuação

Leia mais

PORTARIA TRT 18ª GP/DG nº 045/2013 (Republicada por força do art. 2 da Portaria TRT 18ª GP/DG nº 505/2014) Dispõe sobre a competência, a estrutura e

PORTARIA TRT 18ª GP/DG nº 045/2013 (Republicada por força do art. 2 da Portaria TRT 18ª GP/DG nº 505/2014) Dispõe sobre a competência, a estrutura e PORTARIA TRT 18ª GP/DG nº 045/2013 (Republicada por força do art. 2 da Portaria TRT 18ª GP/DG nº 505/2014) Dispõe sobre a competência, a estrutura e a atuação da Secretaria de Controle Interno e dá outras

Leia mais

Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação Procedimentos Possíveis Achados

Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação Procedimentos Possíveis Achados Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação s Possíveis Achados 1 As características da unidade de controle interno atendem aos preceitos normativos e jurisprudenciais? Ato que criou

Leia mais

PLANO ANUAL DE AUDITORIA INTERNA PAAI - 2015

PLANO ANUAL DE AUDITORIA INTERNA PAAI - 2015 PLANO ANUAL DE AUDITORIA INTERNA PAAI - 2015 1 PLANO ANUAL DE AUDITORIA INTERNA - PAAI 2015 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 03 2. AÇÕES COORDENADAS PELO CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA - CNJ 2.1. Ações Coordenadas

Leia mais

PEÇAS INTEGRANTES DO PROCESSO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS ANUAL DA ANA CONFORME IN/TCU

PEÇAS INTEGRANTES DO PROCESSO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS ANUAL DA ANA CONFORME IN/TCU ANEXO I PEÇAS INTEGRANTES DO PROCESSO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS ANUAL DA ANA CONFORME IN/TCU nº 47, de 2004, DN/TCU nº 81, de 2006, e NE/CGU nº 03, de 2006, instituída pela Portaria CGU nº 555, de 2006 Discriminação

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Institui o Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação no âmbito do Poder Judiciário. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Art. 1º - A Diretoria de Tecnologia de Informação e Comunicação DTIC da Universidade FEDERAL DO ESTADO DO RIO

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES - 2013 Exmo. Sr. Presidente Tenho a honra de encaminhar a V.Exa. o Relatório Anual das Atividades desenvolvidas por esta Coordenadoria de Controle Interno, no exercício de

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 13/06/2014 14:08:02 Endereço IP: 177.1.81.29 1. Liderança da alta administração 1.1. Com

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS DIRETORIA LEGISLATIVA

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS DIRETORIA LEGISLATIVA LEI Nº 2.054, DE 29 DE OUTUBRO DE 2015 (D.O.M. 29.10.2015 N. 3.763 Ano XVI) DISPÕE sobre a estrutura organizacional da Secretaria Municipal de Finanças, Tecnologia da Informação e Controle Interno Semef,

Leia mais

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2012

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2012 Programa 2115 - Programa de Gestão e Manutenção do Ministério da Saúde 0110 - Contribuição à Previdência Privada Tipo: Operações Especiais Número de Ações 78 Assegurar às autarquias, fundações, empresas

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO

REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO Art. 1º A Diretoria Executiva, subordinada ao Presidente da Fundação, é responsável pelas atividades

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 520/CDOC.SEJUD.GP, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2010.

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 520/CDOC.SEJUD.GP, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2010. TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 520/CDOC.SEJUD.GP, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2010. Dispõe sobre os procedimentos para publicação de documentos na Biblioteca Digital do Tribunal Superior do Trabalho

Leia mais

CARTILHA: DIREITOS E VANTAGENS DOS SERVIDORES PÚBLICOS UNIDADE ADMINISTRATIVO FINANCEIRA - UNAFIN

CARTILHA: DIREITOS E VANTAGENS DOS SERVIDORES PÚBLICOS UNIDADE ADMINISTRATIVO FINANCEIRA - UNAFIN CARTILHA: DIREITOS E VANTAGENS DOS SERVIDORES PÚBLICOS UNIDADE ADMINISTRATIVO FINANCEIRA - UNAFIN 1. Que vantagens além do vencimento podem ser pagas ao servidor? a) indenizações, que não se incorporam

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS O PREFEITO DE MANAUS LEI DELEGADA N 10, DE 31 DE JULHO DE 2013 (D.O.M. 31.07.2013 N. 3221 Ano XIV) DISPÕE sobre a estrutura organizacional da SECRETARIA MUNICIPAL DE FINANÇAS, TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

Decreto Nº 9.826, de 26 outubro de 2012. A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE NATAL, no uso de suas atribuições constitucionais e legais,

Decreto Nº 9.826, de 26 outubro de 2012. A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE NATAL, no uso de suas atribuições constitucionais e legais, Decreto Nº 9.826, de 26 outubro de 2012 Dispõe sobre procedimentos e prazos relativos ao encerramento do exercício de 2012 e dá outras providências. A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE NATAL, no uso de suas atribuições

Leia mais

Questionário de Governança de TI 2014

Questionário de Governança de TI 2014 Questionário de Governança de TI 2014 De acordo com o Referencial Básico de Governança do Tribunal de Contas da União, a governança no setor público compreende essencialmente os mecanismos de liderança,

Leia mais

UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA (UAUDI) Conceitos & Normativos

UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA (UAUDI) Conceitos & Normativos UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA (UAUDI) Conceitos & Normativos Exercício 2015 Auditoria Interna Unidade de Auditoria Interna - CEFET/RJ Normativos: Portaria nº 07, de 15/01/2001: cria a Unidade de Auditoria

Leia mais

DECRETO Nº 14.407 DE 09 DE ABRIL DE 2013. Aprova o Regulamento do Sistema Financeiro e de Contabilidade do Estado, e dá outras providências.

DECRETO Nº 14.407 DE 09 DE ABRIL DE 2013. Aprova o Regulamento do Sistema Financeiro e de Contabilidade do Estado, e dá outras providências. DECRETO Nº 14.407 DE 09 DE ABRIL DE 2013 Aprova o Regulamento do Sistema Financeiro e de Contabilidade do Estado, e dá outras providências. (Publicado no DOE de 10 de abril de 2013) O GOVERNADOR DO ESTADO

Leia mais

D E C R E T A CAPÍTULO I DO RESPONSÁVEL E DA ABRANGÊNCIA

D E C R E T A CAPÍTULO I DO RESPONSÁVEL E DA ABRANGÊNCIA Imprimir "Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial do Estado." DECRETO Nº 13.869 DE 02 DE ABRIL DE 2012 Estabelece procedimentos a serem adotados pelos órgãos e entidades da Administração

Leia mais

Câmara Municipal de Uberaba O progresso passa por aqui LEI N.º 10.128

Câmara Municipal de Uberaba O progresso passa por aqui LEI N.º 10.128 LEI N.º 10.128 Reproduz em novo texto a Lei 8.339, de 12 de junho de 2002 que trata do Conselho Municipal de Defesa dos Direitos das Pessoas Com Deficiência de Uberaba COMDEFU. O Povo do Município de Uberaba,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 86, DE 21 DE MARÇO DE 2012. (Publicada no DOU, Seção 1, de 07/05/2012, pág. 77)

RESOLUÇÃO Nº 86, DE 21 DE MARÇO DE 2012. (Publicada no DOU, Seção 1, de 07/05/2012, pág. 77) RESOLUÇÃO Nº 86, DE 21 DE MARÇO DE 2012 (Publicada no DOU, Seção 1, de 07/05/2012, pág. 77) Dispõe sobre o Portal da Transparência do Ministério Público. O CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO, no exercício

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL INSS

INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL INSS INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL INSS ANALISTA DO SEGURO SOCIAL CONHECIMENTOS BÁSICOS VOLUME I ÍNDICE Língua Portuguesa 1 Compreensão e interpretação de textos.... 1 2 Tipologia textual.... 10 3 Ortografia

Leia mais

A GESTÃO PÚBLICA NO BRASIL E SEUS CONTROLES INTERNO E EXTERNO RESUMO

A GESTÃO PÚBLICA NO BRASIL E SEUS CONTROLES INTERNO E EXTERNO RESUMO A GESTÃO PÚBLICA NO BRASIL E SEUS CONTROLES INTERNO E EXTERNO RESUMO O presente estudo é resultado de uma revisão bibliográfica e tem por objetivo apresentar a contextualização teórica e legislativa sobre

Leia mais

CARTA DE APRESENTAÇÃO

CARTA DE APRESENTAÇÃO 2 CARTA DE APRESENTAÇÃO Todos nós idealizamos planos, projetos, mudanças e perspectivas de novas realizações. Para atingirmos esses objetivos precisamos constituir nossas ações com persistência, entusiasmo

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

A NOVA CONTABILIDADE DOS MUNICÍPIOS

A NOVA CONTABILIDADE DOS MUNICÍPIOS Apresentação O ano de 2009 encerrou pautado de novas mudanças nos conceitos e nas práticas a serem adotadas progressivamente na contabilidade dos entes públicos de todas as esferas do Governo brasileiro.

Leia mais

I - Técnico de Apoio Fazendário e Financeiro, integrando a categoria funcional de Profissional de Apoio Operacional;

I - Técnico de Apoio Fazendário e Financeiro, integrando a categoria funcional de Profissional de Apoio Operacional; (*) Os textos contidos nesta base de dados têm caráter meramente informativo. Somente os publicados no Diário Oficial estão aptos à produção de efeitos legais. ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL DECRETO Nº 10.609,

Leia mais

FUNDO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - FMAS

FUNDO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - FMAS FUNDO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Órgão/Sigla: Natureza Jurídica: Vinculação: Finalidade: FUNDO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - FMAS FUNDO SECRETARIA MUNICIPAL DO TRABALHO, ASSISTÊNCIA SOCIAL E DIREITOS

Leia mais

Circular nº 00015/2015/DGP Em 5 de maio de 2015

Circular nº 00015/2015/DGP Em 5 de maio de 2015 Circular nº 00015/2015/DGP Em 5 de maio de 2015 Assunto: Fechamento do DGP Protocolo Tendo em vista a necessidade de redução do tempo de tramitação dos processos encaminhados ao Decanato de Gestão de Pessoas,

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 141, DE 03 DE SETEMBRO DE 2009.

LEI COMPLEMENTAR Nº 141, DE 03 DE SETEMBRO DE 2009. LEI COMPLEMENTAR Nº 141, DE 03 DE SETEMBRO DE 2009. O GOVERNADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO: Dispõe sobre o Modelo Integrado de Gestão do Poder Executivo do Estado de Pernambuco. Faço saber que a Assembléia

Leia mais

ANEXO XI REGIMENTO INTERNO DA SECRETARIA DE RELAÇÕES DE TRABALHO NO SERVIÇO PÚBLICO CAPÍTULO I CATEGORIA E FINALIDADE

ANEXO XI REGIMENTO INTERNO DA SECRETARIA DE RELAÇÕES DE TRABALHO NO SERVIÇO PÚBLICO CAPÍTULO I CATEGORIA E FINALIDADE (Portaria GM-MP nº 220, de 25 de junho de 2014 ) ANEXO XI REGIMENTO INTERNO DA SECRETARIA DE RELAÇÕES DE TRABALHO NO SERVIÇO PÚBLICO CAPÍTULO I CATEGORIA E FINALIDADE Art. 1º A Secretaria de Relações de

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 08/08/2014 19:53:40 Endereço IP: 150.164.72.183 1. Liderança da alta administração 1.1. Com

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 313 DE 02 DE DEZEMBRO DE 2013.

RESOLUÇÃO Nº 313 DE 02 DE DEZEMBRO DE 2013. RESOLUÇÃO Nº 313 DE 02 DE DEZEMBRO DE 2013. DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO E IMPLANTAÇÃO DO CONTROLE INTERNO DO PODER LEGISLATIVO DE POCONÉ E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS O Presidente da Câmara Municipal de Poconé,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E MISSÃO

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E MISSÃO Centro Brasileiro de Pesquisa em Avaliação e Seleção e de Promoção de Eventos (Cebraspe) REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E MISSÃO Art. 1º O CENTRO BRASILEIRO DE PESQUISA EM AVALIAÇÃO E SELEÇÃO

Leia mais

ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020

ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020 ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020 1 Missão 2 Exercer o controle externo da administração pública municipal, contribuindo para o seu aperfeiçoamento, em benefício da sociedade. Visão Ser reconhecida

Leia mais

NORMA DE EXECUÇÃO/SA/INCRA/Nº 42, DE 25 DE JANEIRO DE 2005

NORMA DE EXECUÇÃO/SA/INCRA/Nº 42, DE 25 DE JANEIRO DE 2005 NORMA DE EXECUÇÃO/SA/INCRA/Nº 42, DE 25 DE JANEIRO DE 2005 Dispõe sobre os prazos e procedimentos para apresentação do processo de Contas Anual das Superintendências Regionais e suas unidades jurisdicionadas.

Leia mais

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO DE JANEIRO RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2013

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO DE JANEIRO RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2013 JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO DE JANEIRO RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2013 Rio de Janeiro - RJ - 2014 JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO DE JANEIRO RELATÓRIO

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos 1 de 9 17/10/2013 13:46 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.165, DE 29 DE ABRIL DE 2010. Regulamenta o inciso I do art. 48 da Lei n o 6.450, de 14 de outubro

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 08/2013 *******************************

RESOLUÇÃO Nº 08/2013 ******************************* RESOLUÇÃO Nº 08/2013 ******************************* Promulgo a presente Resolução de conformidade com a legislação vigente. Em 30 de agosto de 2013. Silvio Rodrigues de Oliveira =Presidente da Câmara=

Leia mais

Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro Diretoria Geral de Planejamento, Coordenação e Finanças (DGPCF) 0301- Tribunal de Justiça.

Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro Diretoria Geral de Planejamento, Coordenação e Finanças (DGPCF) 0301- Tribunal de Justiça. ESTRUTURA PROGRAMÁTICA - PROPOSTA 2016 UNIDADE - UO 0301 PROGRAMA PROGRAMA Garantir o pagamento pelo efetivo serviço exercido por magistrados e servidores, bem como as obrigações de responsabilidade do

Leia mais

ATO CSJT.GP.SG Nº 310/2014

ATO CSJT.GP.SG Nº 310/2014 1588/2014 Conselho Superior da Justiça do Trabalho 2 transformada em uma função comissionada de Supervisor de Seção, nível FC-5, e transferida para a Seção de Gestão Estratégica, subordinada à Coordenadoria

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 411, DE 08 DE JANEIRO DE 2010.

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 411, DE 08 DE JANEIRO DE 2010. RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 411, DE 08 DE JANEIRO DE 2010. Dispõe sobre a estrutura organizacional do Tribunal de Contas do Estado do Rio Grande do Norte e dá outras providências. A GOVERNADORA

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 12/06/2014 13:58:56 Endereço IP: 200.252.42.196 1. Liderança da alta administração 1.1. Com

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2007 PROCESSO Nº

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 06/06/2014 18:22:39 Endereço IP: 189.9.1.20 1. Liderança da alta administração 1.1. Com relação

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 3, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 3, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 3, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014 Institui a Política de Integração e Segurança da Informação do Sistema de Cadastro Ambiental Rural e dá outras providências. A MINISTRA DE ESTADO DO

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR DA JUSTIÇA DO TRABALHO COORDENADORIA PROCESSUAL

CONSELHO SUPERIOR DA JUSTIÇA DO TRABALHO COORDENADORIA PROCESSUAL CONSELHO SUPERIOR DA JUSTIÇA DO TRABALHO COORDENADORIA PROCESSUAL RESOLUÇÃO CSJT N.º 137, DE 30 DE MAIO DE 2014 (*) (*) Republicada em cumprimento ao art. 3º da Resolução CSJT n.º 152, de 28 de agosto

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS DIRETORIA LEGISLATIVA

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS DIRETORIA LEGISLATIVA LEI Nº 2.051, DE 23 DE OUTUBRO DE 2015 (D.O.M. 23.10.2015 N. 3.759 Ano XVI) DISPÕE sobre a estrutura organizacional da Secretaria Municipal de Administração, Planejamento e Gestão Semad, suas finalidades

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA EXECUTIVA RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2012

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA EXECUTIVA RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2012 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA EXECUTIVA RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2012 Brasília (DF), março de 2013 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO

Leia mais

Dados de Identificação. Dirigente máximo da instituição. Nome/Sigla da instituição pública. Nome do dirigente máximo. Nome/Cargo do dirigente de TI

Dados de Identificação. Dirigente máximo da instituição. Nome/Sigla da instituição pública. Nome do dirigente máximo. Nome/Cargo do dirigente de TI Dados de Identificação Dirigente máximo da instituição Nome/Sigla da instituição pública Nome do dirigente máximo Nome/Cargo do dirigente de TI Endereço do setor de TI 1 Apresentação O Tribunal de Contas

Leia mais

"Estrutura do Monitoramento e Avaliação no Ministério da Previdência Social"

Estrutura do Monitoramento e Avaliação no Ministério da Previdência Social "Estrutura do Monitoramento e Avaliação no Ministério da Previdência Social" 1 Gestão por processos 2 Previdência Social: em números e histórico Estrutura: Administração Direta, 2 Autarquias e 1 Empresa

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa RESOLUÇÃO DE MESA Nº 847/2008 (atualizada até a Resolução de Mesa nº 951, de 3 de novembro de 2009) Regulamenta a

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1.032, DE 30 DE MARÇO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 1.032, DE 30 DE MARÇO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 1.032, DE 30 DE MARÇO DE 2011 Dispõe sobre a celebração de convênios entre os Creas e as entidades de classe e as instituições de ensino e dá outras providências. O CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA,

Leia mais

ACÓRDÃO N. 368/2008, TCE 1ª Câmara

ACÓRDÃO N. 368/2008, TCE 1ª Câmara ACÓRDÃO N. 368/2008, TCE 1ª Câmara 1. Processo n: 1905/2006 2. Processo Auxiliar Apenso: 5461/2005 Auditoria Programada 3. Classe de Assunto: 04 Prestação de Contas 3.1. Assunto: 05 Prestação de Contas

Leia mais

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL PLANO DE AUDITORIA DE LONGO PRAZO - 2014 a 2017 PLANO ANUAL DE AUDITORIA - 2015 COORDENADORIA DE AUDITORIA - CAUDI INTRODUÇÃO Submete-se à consideração a alteração do Plano de Auditoria de Longo Prazo

Leia mais

ÍNDICE. Introdução 2. Missão 4. Visão de Futuro 5. Objetivos Estratégicos 6. Mapa Estratégico 7. Metas, Indicadores e Ações 8. Considerações Finais 22

ÍNDICE. Introdução 2. Missão 4. Visão de Futuro 5. Objetivos Estratégicos 6. Mapa Estratégico 7. Metas, Indicadores e Ações 8. Considerações Finais 22 ÍNDICE Introdução 2 Missão 4 Visão de Futuro 5 Objetivos Estratégicos 6 Mapa Estratégico 7 Metas, Indicadores e Ações 8 Considerações Finais 22 1 INTRODUÇÃO O Plano Estratégico do Supremo Tribunal de Federal,

Leia mais

Prefeitura Municipal de Ipiranga do Norte

Prefeitura Municipal de Ipiranga do Norte Lei nº 396, de 25 de fevereiro de 2013. Dispõe sobre a criação da Coordenadoria Municipal de Defesa Civil e do Fundo Municipal de Defesa Civil e dá outras providências. PEDRO FERRONATO, Prefeito Municipal

Leia mais

PORTARIA P N. 422, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2014.

PORTARIA P N. 422, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2014. PORTARIA P N. 422, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2014. Revisa o Plano Diretor de Tecnologia da Informação PDTI para o período 2013-2018 e dá outras providências. O Presidente do TRE-RS, no uso de suas atribuições

Leia mais

A- SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA JURÍDICA ATO NORMATIVO Nº 786/2013-PGJ, DE 16 DE SETEMBRO DE 2013 (Protocolado nº 11.327/09)

A- SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA JURÍDICA ATO NORMATIVO Nº 786/2013-PGJ, DE 16 DE SETEMBRO DE 2013 (Protocolado nº 11.327/09) A- SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA JURÍDICA ATO NORMATIVO Nº 786/2013-PGJ, DE 16 DE SETEMBRO DE 2013 (Protocolado nº 11.327/09) Altera o art. 4º-A do Ato Normativo nº 572/2009-PGJ, de 30 de janeiro de

Leia mais

4. MODERNIZAÇÃO E RELACIONAMENTO INSTITUCIONAL

4. MODERNIZAÇÃO E RELACIONAMENTO INSTITUCIONAL Relatório de Atividades - 1 trimestre de 4.1. Planejamento Estratégico 4. MODERNIZAÇÃO E RELACIONAMENTO INSTITUCIONAL A principal atividade relacionada ao Planejamento Estratégico -2016 do TCE/SC no primeiro

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 33/2012 Autoriza a criação do Comitê de Gestão e Tecnologia da Informação (CGTI), da Universidade Federal da

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO INDIRETA

ADMINISTRAÇÃO INDIRETA GLOSSÁRIO A AÇÃO GOVERNAMENTAL: Conjunto de operações, cujos produtos contribuem para os objetivos do programa governamental. A ação pode ser um projeto, atividade ou operação especial. ADMINISTRAÇÃO DIRETA:

Leia mais

Serviço Público Municipal Prefeitura Municipal de Ubatã Estado da Bahia CNPJ: 14.235.253/0001-59 PORTARIA Nº 301 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2015.

Serviço Público Municipal Prefeitura Municipal de Ubatã Estado da Bahia CNPJ: 14.235.253/0001-59 PORTARIA Nº 301 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2015. PORTARIA Nº 301 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2015. Estabelece os procedimentos e as normas a serem adotados pelos órgãos e entidades da administração pública estadual direta e indireta, para o encerramento anual

Leia mais

Identificação Acórdão 2.471/2008- Plenário

Identificação Acórdão 2.471/2008- Plenário Identificação Acórdão 2.471/2008- Plenário Acórdão Vistos, relatados e discutidos estes autos que tratam de fiscalizações de orientação centralizada, realizadas no âmbito do Tema de Maior Significância

Leia mais

SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL PORTARIA Nº 634, DE 19 DE NOVEMBRO DE 2013.

SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL PORTARIA Nº 634, DE 19 DE NOVEMBRO DE 2013. SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL PORTARIA Nº 634, DE 19 DE NOVEMBRO DE 2013. Dispõe sobre regras gerais acerca das diretrizes, normas e procedimentos contábeis aplicáveis aos entes da Federação, com vistas

Leia mais

SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA SECRETARIA DO TRIBUNAL

SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA SECRETARIA DO TRIBUNAL SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA SECRETARIA DO TRIBUNAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2012 Relatório de Gestão do exercício de 2012, apresentado aos órgãos de controle interno e externo como prestação

Leia mais

Sugestão de Procedimentos:

Sugestão de Procedimentos: Sugestão de Procedimentos: I unidade ou núcleo de controle interno do tribunal ou conselho: a) promova, no prazo de 30 dias, o cotejo entre as competências e atribuições previstas nos arts. 70 e 74 da

Leia mais

LEI Nº 9.586, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2011 AUTORIA: PODER JUDICIÁRIO (PUBLICADO NO DIÁRIO OFICIAL DO ESTADO EM 15 DE DEZEMBRO DE 2011.

LEI Nº 9.586, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2011 AUTORIA: PODER JUDICIÁRIO (PUBLICADO NO DIÁRIO OFICIAL DO ESTADO EM 15 DE DEZEMBRO DE 2011. LEI Nº 9.586, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2011 AUTORIA: PODER JUDICIÁRIO (PUBLICADO NO DIÁRIO OFICIAL DO ESTADO EM 15 DE DEZEMBRO DE 2011.) Dispõe sobre o plano de cargos e carreira e remuneração dos servidores

Leia mais

ATO Nº 61/2015. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

ATO Nº 61/2015. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, ATO Nº 61/2015 Aprova alteração no Plano de Auditoria de Longo Prazo PALP Quadriênio 2014/2017, no âmbito do Tribunal Regional do Trabalho da 7ª Região. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA

Leia mais

PORTARIA-SEGEPRES Nº 1, DE 23 DE JANEIRO DE 2009

PORTARIA-SEGEPRES Nº 1, DE 23 DE JANEIRO DE 2009 PORTARIA-SEGEPRES Nº 1, DE 23 DE JANEIRO DE 2009 Dispõe acerca de competências, estrutura, lotação e alocação de funções de confiança da Secretaria- Geral da Presidência (Segepres). A SECRETÁRIA-GERAL

Leia mais

Detalhamento da Implementação Concessão de Empréstimos, ressarcimento dos valores com juros e correção monetária. Localizador (es) 0001 - Nacional

Detalhamento da Implementação Concessão de Empréstimos, ressarcimento dos valores com juros e correção monetária. Localizador (es) 0001 - Nacional Programa 2115 - Programa de Gestão e Manutenção do Ministério da Saúde 0110 - Contribuição à Previdência Privada Tipo: Operações Especiais Número de Ações 51 Pagamento da participação da patrocinadora

Leia mais

O Controle Interno no Âmbito do Poder Executivo

O Controle Interno no Âmbito do Poder Executivo O Controle Interno no Âmbito do Poder Executivo Contextualização Sumário - O Controle na Administração Pública - O Controle Externo - O Controle Interno O Controle Interno do Poder Executivo do Estado

Leia mais

ANEXO IV DA DECISÃO NORMATIVA TCU Nº 124, DE 05 DE DEZEMBRO DE 2012 RELATÓRIO DE AUDITORIA DE GESTÃO Nº 001/2013/SCINT/SF

ANEXO IV DA DECISÃO NORMATIVA TCU Nº 124, DE 05 DE DEZEMBRO DE 2012 RELATÓRIO DE AUDITORIA DE GESTÃO Nº 001/2013/SCINT/SF ANEXO IV DA DECISÃO NORMATIVA TCU Nº 124, DE 05 DE DEZEMBRO DE 2012 RELATÓRIO DE AUDITORIA DE GESTÃO Nº 001/2013/SCINT/SF ÓRGÃO: SENADO FEDERAL AGREGANDO O FUNDO ESPECIAL DO SENADO FEDERAL FUNSEN EXERCÍCIO:

Leia mais