MANUAL DE ORGANIZAÇÃO DE HIGIENIZAÇÃO E CONSERVAÇÃO DO AMBIENTE DE SERVIÇOS DE SAÚDE DE CONTAGEM

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUAL DE ORGANIZAÇÃO DE HIGIENIZAÇÃO E CONSERVAÇÃO DO AMBIENTE DE SERVIÇOS DE SAÚDE DE CONTAGEM"

Transcrição

1 MANUAL DE ORGANIZAÇÃO SMS-MOHCA- SERVIÇOS DE SAÚDE SUS SUB / PROCESSO DO AMBIENTE DE SERVIÇOS DE SAÚDE DE MANUAL DE ORGANIZAÇÃO DE HIGIENIZAÇÃO E CONSERVAÇÃO DO AMBIENTE DE SERVIÇOS DE SAÚDE DE Histórico das Revisões Revisão Data Descrição Dez/28 Publicação Inicial Elaborado por: Comissão Municipal de Controle de Infecção em Serviços de Saúde de Contagem (CMCISS)- Apoio Administrativo: Viviane Vieira dos Santos Mascarenhas Verificado por: Guilherme Augusto Armond; José Carlos Matos; Marcelo Silva de Oliveira Aprovado por: Eduardo Caldeira de Souza Penna Secretário Municipal de Saúde

2 MANUAL DE ORGANIZAÇÃO SMS-MOHCA- SERVIÇOS DE SAÚDE SUS SUB / PROCESSO DO AMBIENTE DE SERVIÇOS DE SAÚDE DE SUMÁRIO Abreviaturas Introdução Considerações Orientações Gerais Modalidades de Higienização 1 Higienização Preparatória 2 Higienização Concorrente 3 Higienização de Intercorrência (Imediata) 4 Higienização de Manutenção 5 Higienização Terminal Classificação das Áreas de Serviços de Saúde Índice - Instruções Normativas Higienização e Conservação do Ambiente de Serviços de Saúde de Contagem 2

3 MANUAL DE ORGANIZAÇÃO SMS-MOHCA- SERVIÇOS DE SAÚDE SUS SUB / PROCESSO DO AMBIENTE DE SERVIÇOS DE SAÚDE DE ABREVIATURAS ANVISA CCIH CMCISS DML EPC EPI HCA MOHCA RDC RT SMS Agência Nacional de Vigilância Sanitária Comissão de Controle de Infecção Hospitalar Comissão Municipal de Controle de Infecção em Serviços de Saúde de Contagem (CMCISS) Depósito de Materiais de Limpeza Equipamento de Proteção Coletiva Equipamento de Proteção Individual Higienização e Conservação do Ambiente Manual de Organização de Higienização e Conservação do Ambiente de Serviços de Saúde de Contagem Resolução da Diretoria Colegiada Responsável Técnico Secretaria Municipal de Saúde 3

4 MANUAL DE ORGANIZAÇÃO SMS-MOHCA- SERVIÇOS DE SAÚDE SUS SUB / PROCESSO DO AMBIENTE DE SERVIÇOS DE SAÚDE DE INTRODUÇÃO O ambiente de serviços de saúde alberga hospedeiros suscetíveis e os mais diversos microrganismos em uma inter-relação íntima, portanto, necessitando de uma consideração especial, visando uma maior segurança dos pacientes, profissionais e visitantes. Nestes serviços o ambiente inanimado em serviços de saúde tem merecido especial atenção pela sua característica de permitir a sobrevivência e transmissão de microrganismos patogênicos pela sua comunidade. A higiene do ambiente destas instituições representa um importante papel no rompimento da cadeia epidemiológica das infecções sendo uma medida essencial e eficaz na prevenção e controle da disseminação de microrganismos. É de extrema importância a participação dos profissionais da higienização no referido contexto. É necessário que tenham o entendimento e a percepção do seu papel na prevenção e controle das infecções. Devem ser periodicamente treinados e capacitados em cursos de aprimoramento que lhes propiciem o entendimento de sua função e de sua importância. Visando direcionar as diretrizes de higienização e conservação do ambiente de serviços de saúde aos profissionais da higienização de Contagem, a Comissão Municipal de Controle de Infecção em Serviços de Saúde, consolida a elaboração desse Manual de Organização de Higienização e Conservação do Ambiente de Serviços de Saúde de Contagem, objetivando direcionar uma padronização de rotinas e condutas no exercício das atividades dos referidos profissionais. 4

5 MANUAL DE ORGANIZAÇÃO SMS-MOHCA- SERVIÇOS DE SAÚDE SUS SUB / PROCESSO DO AMBIENTE DE SERVIÇOS DE SAÚDE DE CONSIDERAÇÕES Higienização ou limpeza do ambiente em serviços de saúde é aquela que envolve limpeza e/ou desinfecção das superfícies fixas, mobiliários e equipamentos. Limpeza consiste na remoção de sujidades e detritos através da utilização de água e sabão. Desinfecção é a remoção ou destruição de agentes infecciosos com a aplicação de germicidas. A finalidade da higienização do ambiente é prevenir a disseminação de microrganismos, conseqüentemente as infecções, manter um ambiente limpo e agradável, conservar equipamentos e prevenir acidentes de trabalho. Os produtos empregados na higienização das superfícies dos serviços de saúde deverão ser submetidos à aprovação da Comissão Municipal de Controle de Infecção em Serviços de Saúde e, ter garantia de qualidade e condizente com as diretrizes do Ministério da Saúde/ANVISA, bem como preencher os requisitos básicos estabelecidos pelas legislações em vigor. Deverão também apresentar laudo do produto e de testes microbiológicos. Em relação ao armazenamento desses produtos, deve-se estar atento para: Não haver empilhamento dos mesmos; Manter ventilação natural no ambiente de armazenamento e; Local de acesso restrito e identificado. A capacitação com reciclagem dos profissionais da Higienização do Ambiente dos Serviços de Saúde do Município de Contagem deverá ser realizada a cada 6 (seis) meses, com participação e avaliação do Responsável Técnico (RT) ou da Comissão de Controle de Infecção em Serviço de Saúde da Instituição de saúde. 5

6 MANUAL DE ORGANIZAÇÃO SMS-MOHCA- SERVIÇOS DE SAÚDE SUS SUB / PROCESSO DO AMBIENTE DE SERVIÇOS DE SAÚDE DE ORIENTAÇÕES GERAIS 1. Não comer ou fumar durante execução das tarefas de limpeza; 2. Não usar adornos (bijuterias, jóias e relógios) durante a execução do trabalho; 3. Higienizar as mãos (conforme técnica preconizada em anexo) com água e sabão e aplicar álcool a 7% glicerinado, friccionando por 3 segundos nas seguintes situações: Antes de iniciar as tarefas de limpeza; Antes e após uso do banheiro; Após tossir, espirrar ou assoar o nariz; Antes de se alimentar; Antes de colocar e após retirar as luvas; Após o término das atividades. 4. Apresentar perfeitas condições de limpeza e higiene pessoal. Os homens deverão manter barba e cabelos aparados e as mulheres devem estar com seus cabelos presos; 5. Usar uniforme durante o trabalho, o qual não poderá estar sujo, desbotado ou rasgado; 6. Usar os materiais e equipamentos adequados de acordo com a necessidade e condições de risco: Uniforme: calça, jaleco ou similar e sapato de proteção; EPI (Equipamento de Proteção Individual) descartável: gorro e luvas de procedimento; EPI durável: protetor ocular, botas de material impermeável e luvas de PVC ou borracha de cano longo; EPC (Equipamento de Proteção Coletiva): placa sinalizadora de risco; Soluções: hipoclorito de sódio a 1% ou outro germicida padronizado, álcool a 7%, desodorizante, água e sabão (detergente neutro); Materiais: baldes, rodo, panos de chão, flanelas, lustra móveis, pá de lixo, saco para resíduos, esponja sintética, vassoura para vaso sanitário (tina), vassoura de piaçava, cera líquida anti-derrapante, sapólio, polidor metálico; 6

7 MANUAL DE ORGANIZAÇÃO SMS-MOHCA- SERVIÇOS DE SAÚDE SUS SUB / PROCESSO DO AMBIENTE DE SERVIÇOS DE SAÚDE DE Equipamentos: carrinho funcional completo, enceradeira industrial (quando necessário) e escada de degraus; 7. Preparar previamente todo o material necessário ao procedimento de limpeza e desinfecção a ser executado antes do início das atividades; 8. Remover os resíduos do recinto, as roupas sujas (caso não exista serviço de lavanderia) e o material usado para os locais de descarte sempre antes de iniciar o procedimento de higienização do ambiente; 9. Não agitar peças de roupas, sacos para resíduos, ou qualquer material contaminado. Não espanar e nem fazer varredura a seco nas áreas internas das unidades; 1. Não desligar aparelhos das tomadas; 11. Iniciar a limpeza das áreas não críticas, para as áreas semicríticas e, por fim, as áreas críticas; da área menos contaminada para a área mais contaminada; 12. Iniciar a limpeza pelo teto, depois paredes, piso e mobiliários; 13. Fazer varredura úmida; 14. Limpar com movimentos amplos, do lugar mais alto para o mais baixo (de cima para baixo) e da parte mais distante para a mais próxima; em linha paralela em sentido único - nunca em movimentos vaivém ou zigue-zague; 15. A higienização das superfícies horizontais deve seguir a técnica do mais longe para o mais perto; 16. Começar a limpeza sempre do fundo dos recintos, salas e corredores e prosseguir em direção à saída; 17. Não abrir ou fechar janelas com as mãos enluvadas; 18. Utilizar materiais para higienização exclusivos nas unidades de isolamento; em unidades de internação, o isolado deve ser o último a ser higienizado; 19. Limpar primeiro uma metade do recinto e depois a outra metade, deixando espaço livre para as pessoas passarem e, para a remoção dos equipamentos e mobiliários; 2. Usar a solução desinfetante após a limpeza quando da presença de contaminação com matéria orgânica; 21. Usar sempre Equipamento de Proteção Coletiva (EPC) para sinalizar o local que está sendo higienizado, caso seja necessário; 7

8 MANUAL DE ORGANIZAÇÃO SMS-MOHCA- SERVIÇOS DE SAÚDE SUS SUB / PROCESSO DO AMBIENTE DE SERVIÇOS DE SAÚDE DE 22. Não tocar em maçanetas de portas, botões de elevador, papel-toalha, papel higiênico, telefones, entre outros, com as mãos enluvadas; 23. Limpar e desinfetar todo o material utilizado na limpeza e/ou desinfecção após término de cada turno ou quando necessário; 24. Proteger ferimentos com curativo oclusivo; Solicitar avaliação do Serviço de Saúde do Trabalhador, se necessário; 25. Usar carrinhos próprios para transportar e acondicionar o material de higienização; 26. Não deixar materiais e equipamentos de higienização nos quartos ou banheiros; devem ser limpos, secos e guardados no depósito de materiais de limpeza (DML) da unidade; 27. Não deixar panos de molho e água suja e/ou soluções usadas paradas nos baldes, evitando assim a proliferação de microorganismos; 28. A revisão da limpeza deve ser feita nos três períodos, manhã, tarde e noite. 29. Utilizar luvas descartáveis para higienização dos mobiliários; 3. O uso de desinfetante é restrito para superfícies que contenham matéria orgânica; 31. Realizar a higienização da unidade do paciente incluindo as maçanetas das portas, estabelecendo uma seqüência de higienização, do menos para o mais contaminado; 32. Nunca direcionar os resíduos para o banheiro; remover as partículas maiores do piso com um pano úmido envolvido no rodo; 33. Na utilização de baldes próprios do sistema MOP, estes devem ser lavados e secos antes de sua nova utilização; 34. Lavar o vaso sanitário por último; 35. A limpeza/desinfecção do vaso sanitário deve ser iniciada na tampa, posteriormente a parte externa e parte interna; 36. Desprezar a água suja em local apropriado (expurgo); 37. Nunca utilizar a pia destinada a higienização das mãos para limpeza e/ou desinfecção de materiais ou equipamentos de higienização. 8

9 MANUAL DE ORGANIZAÇÃO SMS-MOHCA- SERVIÇOS DE SAÚDE SUS SUB / PROCESSO DO AMBIENTE DE SERVIÇOS DE SAÚDE DE MODALIDADES DE HIGIENIZAÇÃO 1) HIGIENIZAÇÃO PREPARATÓRIA Higienização diária que consiste na remoção de partículas e sujidades depositadas em superfícies fixas como mobiliário, piso, bancadas, paredes e portas utilizando pano umedecido em água limpa. Deve ser realizada antes das atividades funcionais (ou de rotina), preferencialmente fora do horário de funcionamento dos setores. Condições Necessárias: _ Uso de materiais e equipamentos adequados: Uniforme: calça, jaleco e sapato de proteção. EPI descartável: gorro e luvas descartáveis. EPI durável (de acordo com a condição de risco): protetor ocular, botas de material impermeável e luvas de PVC ou borracha de cano longo. EPC: placa sinalizadora de risco. Soluções: hipoclorito de sódio a 1%, álcool a 7%, desodorizante (se necessário), água e sabão. Materiais: baldes, rodo, panos de chão, flanelas, pá de lixo, saco para resíduos, esponja sintética rígida, vassoura de vaso (tina), vassoura de piaçava. Equipamentos: carrinho funcional completo, enceradeira industrial (se necessário), e escada. _Capacitação com reciclagem para todos os trabalhadores do serviço de higienização a cada 6 (seis) meses, com avaliação da CCIH ou Referência Técnica. Descrição da Instrução de Trabalho: 1. Todas as superfícies devem ser higienizadas da área mais limpa para a mais suja, sempre no sentido retilíneo, nunca em movimentos de vaivém ou zigue-zague. 2. A higienização das superfícies verticais deve seguir a técnica de cima para baixo (do mais alto para o mais baixo). 9

10 MANUAL DE ORGANIZAÇÃO SMS-MOHCA- SERVIÇOS DE SAÚDE SUS SUB / PROCESSO DO AMBIENTE DE SERVIÇOS DE SAÚDE DE 3. A higienização das superfícies horizontais deve seguir a técnica do mais longe para o mais perto. 2) HIGIENIZAÇÃO CONCORRENTE Higienização diária que inclui a limpeza e/ou desinfecção de pisos, instalações sanitárias, superfícies horizontais de equipamentos e mobiliários. Deve ser feita imediatamente após a exposição de matéria orgânica antes que qualquer pessoa entre em contato com a mesma. Em condições especiais, esse tipo de higienização pode e deve ser realizado mais de uma vez por dia. Condições Necessárias: _ Uso de materiais e equipamentos adequados: Uniforme: calça, jaleco e sapato de proteção. EPI descartável: gorro e luvas descartáveis. EPI durável (de acordo com circunstância de risco): protetor ocular, botas e luvas de cano longo. EPC: placa sinalizadora de risco. Soluções: hipoclorito de sódio a 1%, álcool a 7%, desodorizante (se necessário), água e sabão. Materiais: baldes, rodo, panos de chão, flanelas, pá de lixo, saco para resíduo, esponja sintética normal e rígida, vassoura de vaso (tina), vassoura de piaçava. Equipamentos: carrinho funcional completo, enceradeira industrial (se necessário), e escada. _ Capacitação com reciclagem para todos os trabalhadores do serviço de higienização a cada 6 (seis) meses, com avaliação da CCIH ou Referência Técnica. Descrição da Instrução de Trabalho: 1. Higienização de pisos, instalações sanitárias, superfícies horizontais de equipamentos e mobiliários, esvaziamento de lixeiras, encaminhamento de sacos para resíduos e roupas (caso não tenha profissional da lavanderia) até o local intermediário. 1

11 MANUAL DE ORGANIZAÇÃO SMS-MOHCA- SERVIÇOS DE SAÚDE SUS SUB / PROCESSO DO AMBIENTE DE SERVIÇOS DE SAÚDE DE 2. Abastecimento e reposição dos materiais de higiene diária (sabão líquido ou cremoso, papel toalha, papel higiênico etc). 3. Em salas de operações e de partos, deve ser realizada a cada término do procedimento. 4. Todas as superfícies devem ser higienizadas da área mais limpa para a mais suja, sempre no sentido retilíneo, nunca em movimentos de vaivém ou zigue-zague. 5. A higienização das superfícies verticais deve seguir a técnica de cima para baixo (do mais alto para o mais baixo). 6. A higienização das superfícies horizontais deve seguir a técnica do mais longe para o mais perto. DIARIAMENTE: 1. Iniciar a higienização dos ambientes seguindo as técnicas descritas neste manual; 2. Recolher os sacos para resíduos das lixeiras, lacrar ou amarrar e transportá-los para o Depósito Intermediário ou Final de resíduos. Os sacos para resíduos devem ser depositados dentro dos contenedores ou hampers do hall da área suja; 3. Higienizar os dispensadores de sabão e álcool, suporte para papel toalha e repor os materiais de higiene (papel toalha, papel higiênico, sabão); 4. Realizar varredura seca (com rodo) de toda superfície do piso, recolhendo a sujidade. Coletar, utilizando pá e desprezar no saco para resíduos; 5. Retirar manchas do teto, paredes, pisos, rodapés e mobiliários com esponja sintética umedecida em água e sabão. Retirar o excesso com pano limpo levemente umedecido em água limpa e secar; 6. Limpar mobiliário, peitoris, portas, portais, persiana de porta e divisórias, usando flanela umedecida em água e sabão; 7. Fazer a higienização do piso com pano umedecido em água e sabão retirando o excesso com pano umedecido em água limpa. Colocar uma pequena quantidade de hipoclorito de sódio a 1% dentro do balde; umedecer o pano e passar em toda superfície do piso. Deixar agir por 1 minutos. Remover o excesso de hipoclorito de sódio a 1% com pano limpo e umedecido em água; 11

12 MANUAL DE ORGANIZAÇÃO SMS-MOHCA- SERVIÇOS DE SAÚDE SUS SUB / PROCESSO DO AMBIENTE DE SERVIÇOS DE SAÚDE DE 8. Lavar os banheiros (teto se houver sujidade paredes, pia, vaso sanitário e piso) com água e sabão. Puxar a água com rodo em direção ao ralo. Colocar uma pequena quantidade de hipoclorito de sódio a 1% dentro do balde e umedecer o pano e passar em toda superfície do piso. Deixar agir por 1 minutos e posteriormente passar pano limpo umedecido em água limpa. 9. Higienizar os bebedouros com esponja sintética umedecida em água e sabão, friccionando em toda área. Retirar o sabão com pano umedecido em água limpa. Passar álcool a 7% com flanela umedecida; 1. Lavar as pias e bancadas do ambiente e secar com pano limpo levemente umedecido em água limpa. Aplicar hipoclorito de sódio a 1% com pano umedecido e após 1 minutos passar com pano limpo umedecido em água limpa; 11. Ao terminar toda a higienização do ambiente, desprezar os EPI s descartáveis, lavar e desinfetar as luvas e botas de borracha com hipoclorito de sódio a 1% por 3 minutos; enxaguar em água corrente e secar com pano limpo. As luvas, panos de chão e flanelas depois de lavados, devem ser colocadas em local específico para secar. Higienizar as mãos com sabão e friccionar álcool a 7% glicerinado; SEMANALMENTE: 1. Higienizar as portas, portais e mobiliários. 2. Nas copas, limpar o teto, paredes, parte externa de armários, lavar bancadas e limpar geladeira de funcionários quando estiverem vazias e descongeladas. Para esta higienização utilizar água, sabão e sempre secar e fechar os ralos. 3. Lavar todos os pisos dos ambientes utilizando água e sabão, friccionando com enceradeira industrial ou através de fricção mecânica; nos cantos e rodapés utilizar esponja sintética rígida. Para este procedimento sempre dividir a área em partes lavando uma de cada vez, deixando acesso para passagem e sinalizar com placa sinalizadora de piso molhado. Secar o piso com pano limpo umedecido em água limpa. Para áreas críticas proceder a desinfecção com hipoclorito de sódio a 1%, colocar uma pequena quantidade da solução dentro do balde, umedecer o pano e passar em toda superfície do piso. Deixar agir por 1 minutos e passar pano limpo 12

13 MANUAL DE ORGANIZAÇÃO SMS-MOHCA- SERVIÇOS DE SAÚDE SUS SUB / PROCESSO DO AMBIENTE DE SERVIÇOS DE SAÚDE DE umedecido em água limpa. Para pisos tratados com cera, aplicar a cera líquida antiderrapante, deixar secar e lustrar com enceradeira industrial ou mecanicamente. 4. Nos serviços onde haja elevadores, ao higienizar o piso dos mesmos, deve-se impedir a entrada de água nos trilhos do elevador colocando pano de chão próximo as portas e utilizar pequena quantidade de água e sabão. 5. Higienizar o teto e paredes de todos os ambientes com pano limpo, água e sabão, sempre secar com pano limpo levemente umedecido em água limpa. 6. Higienizar os bebedouros e aplicar lustra-metais na área de inox. 7. Para o piso emborrachado lavar e tratar com desengraxante. 8. Ao terminar toda a higienização do ambiente, desprezar os EPI s descartáveis, lavar e desinfetar as luvas e botas de borracha com hipoclorito de sódio a 1% por 3 minutos, enxaguar em água corrente e secar com pano limpo. As luvas, panos de chão e flanelas, após lavados, devem ser colocados para secar em local específico. 9. Higienizar as mãos com sabão e friccionar álcool a 7% glicerinado. QUINZENALMENTE: 1. Higienização dos vidros, esquadrias, luminárias e quando ocorrer limpeza terminal. 2. Na presença de solários, jatear com água as grades. 3. Fazer higienização nos aparelhos telefônicos usando flanela umedecida em água e sabão, secar e proceder à desinfecção com álcool a 7%. Deixar secar espontaneamente. OBSERVAÇÕES: Antes de desprezar água suja nos tanques, verificar e retirar todo material de dentro do balde. Recolher os recipientes para materiais perfurocortantes sempre que necessário, observando o limite máximo permitido de 1/3 da capacidade e se estão fechados. O fechamento e reposição do recipiente para perfurocortantes devem ser feitos pelo funcionário da enfermagem ou da higienização. 13

14 MANUAL DE ORGANIZAÇÃO SMS-MOHCA- SERVIÇOS DE SAÚDE SUS SUB / PROCESSO DO AMBIENTE DE SERVIÇOS DE SAÚDE DE No final do expediente, devem ser lavadas as lixeiras e baldes, usando esponja sintética com água e sabão. Enxaguar com água limpa e aplicar hipoclorito de sódio a 1%. Deixar secar espontaneamente; Lavar os panos de chão com água e sabão, deixar em solução de hipoclorito de sódio a 1%, enxaguar e colocar para secar em local específico. Limpar as luvas e botas de borracha com água e sabão, secar e deixar em solução de hipoclorito de sódio a 1% por 3 minutos, enxaguar em água corrente, secar com pano limpo e guardar. 3) HIGIENIZAÇÃO DE INTERCORRÊNCIAS (IMEDIATA) Higienização que é realizada quando ocorre sujidade após a limpeza concorrente. Deve ser realizada em áreas críticas e semicríticas em qualquer período do dia, quando observada através de vistoria contínua e de solicitação, principalmente quando da presença de sujidades de origem orgânica, química ou radioativa, com riscos de disseminação e de contaminação. Limita-se à remoção imediata da sujidade do local onde ela ocorreu e seu adequado descarte. Condições Necessárias: _ Uso de materiais e equipamentos adequados: Uniforme: calça, jaleco e sapato de proteção. EPI descartável: gorro e luvas descartáveis. EPI durável (de acordo com circunstância de risco): máscara, capote, protetor ocular, botas de material impermeável e luvas de cano longo. EPC: placa sinalizadora de risco. Soluções: hipoclorito de sódio a 1%, álcool a 7%, desodorizante (se necessário), água e sabão. Materiais: baldes, rodo, panos de chão, flanelas, pá de lixo, saco para resíduos, esponja sintética rígida, vassoura de vaso (tina), vassoura de piaçava. 14

15 MANUAL DE ORGANIZAÇÃO SMS-MOHCA- SERVIÇOS DE SAÚDE SUS SUB / PROCESSO DO AMBIENTE DE SERVIÇOS DE SAÚDE DE Equipamentos: carrinho funcional completo, enceradeira industrial (se necessário),e escada. _ Capacitação com reciclagem para todos os trabalhadores do serviço de higienização a cada 6 (seis) meses, com avaliação da CCIH ou Referência Técnica. Descrição da Instrução de Trabalho: 1. A técnica de higienização utilizada dependerá do tipo de sujidade e de seu risco de contaminação. 2. Para remoção de sujidades de origem orgânica deve-se usar papel toalha utilizando luvas de procedimento. Tanto o papel quanto a luva devem ser descartados na lixeira com saco plástico para resíduo infectante. 3. Após a remoção da sujidade, efetuar limpeza prévia e posterior desinfecção. 4. No piso, a desinfecção deverá ser feita com pano umedecido em hipoclorito de sódio a 1% que após 1 minutos o excesso desinfetante deverá ser retirado com pano limpo umedecido em água limpa; Secar o piso; 5. Em mobiliário, a desinfecção deverá ser feita com pano limpo umedecido em álcool a 7% friccionando o local por 3 vezes consecutivas. OBSERVAÇÃO: Em Centro Cirúrgico e Centro Obstétrico, esse tipo de limpeza é denominado de limpeza operatória. 4) HIGIENIZAÇÃO DE MANUTENÇÃO Higienização que é constituída de alguns requisitos da limpeza concorrente. Deve ser realizada pela manhã, tarde e noite, conforme necessidade, através de rotina e vistoria contínua. Os setores que necessitam desta limpeza com mais freqüência são o Pronto Atendimento e ambulatórios, devido à alta rotatividade de atendimento. 15

16 MANUAL DE ORGANIZAÇÃO SMS-MOHCA- SERVIÇOS DE SAÚDE SUS SUB / PROCESSO DO AMBIENTE DE SERVIÇOS DE SAÚDE DE Limita-se mais ao piso, banheiros e esvaziamento de lixeiras, em locais de grande fluxo de pessoas e de procedimentos. Condições Necessárias: _ Uso de materiais e equipamentos adequados: Uniforme: calça, jaleco e sapato de proteção. EPI descartável: gorro e luvas descartáveis. EPI durável (de acordo com a circunstância de risco): protetor ocular, botas de material impermeável e luvas de cano longo. EPC: placa sinalizadora de risco. Soluções: hipoclorito de sódio a 1%, álcool a 7%, desodorizante (se necessário), água e sabão. Materiais: baldes, rodo, panos de chão, flanelas, pá de lixo, saco para resíduos, esponja sintética rígida, vassoura de vaso (tina), vassoura de piaçava. Equipamentos: carrinho funcional completo, enceradeira industrial (se necessário), e escada. _Capacitação com reciclagem para todos os trabalhadores do serviço de higienização a cada 6 (seis) meses, com avaliação da CCIH ou Referência Técnica. Descrição da Instrução de Trabalho: 1. Lixeiras: esvaziar as lixeiras (recolher os resíduos dentro do saco plástico que deverá ser amarrado ou lacrado e encaminhado ao depósito intermediário ou final de resíduos). Após o esvaziamento das lixeiras, repor os sacos plásticos de acordo com o tipo de resíduo. 2. Piso: efetuar varredura com rodo para retirar resíduos maiores (evitando acidentes com perfurocortantes) e após, realizar varredura úmida (com pano umedecido em água limpa) para retirar partículas (poeira) depositadas no decorrer do período. Caso haja resíduos fixos, retirá-los com espátula. Somente se houver necessidade, lustrar o piso com enceradeira industrial e disco polidor de cor clara/bege (menos abrasivo). 16

17 MANUAL DE ORGANIZAÇÃO SMS-MOHCA- SERVIÇOS DE SAÚDE SUS SUB / PROCESSO DO AMBIENTE DE SERVIÇOS DE SAÚDE DE 3. Banheiros: observar a seqüência - teto, parede, pia, vaso e piso. Lavar as superfícies com água e sabão. Enxaguar e secar com pano limpo. Após a limpeza, os ralos devem ser fechados, prevenindo a infestação de insetos. Proceder a desinfecção com hipoclorito de sódio a 1% no piso e vaso sanitário. 5) HIGIENIZAÇÃO TERMINAL Higienização que é realizada geralmente após alta, óbito, transferência de pacientes ou procedimentos cirúrgicos ou obstétricos do dia (programação de acordo com o serviço). Trata-se de uma higienização mais completa, abrangendo a limpeza e/ou desinfecção de pisos, paredes e tetos, janelas, grades de ar condicionado, equipamentos, mobiliários, leitos e bancadas. Condições Necessárias: _ Uso de materiais e equipamentos adequados: Uniforme: calça, jaleco e sapato de proteção. EPI descartável: gorro e luvas descartáveis. EPI durável (de acordo com a circunstância de risco): máscara, capote, protetor ocular, botas de material impermeável e luvas de cano longo. EPC: placa sinalizadora de risco. Soluções: hipoclorito de sódio a 1%, álcool a 7%, desodorizante (se necessário), água e sabão. Materiais: baldes, rodo, panos de chão, flanelas, pá de lixo, saco para resíduos, esponja sintética rígida, vassoura de vaso (tina), vassoura de piaçava. Equipamentos: carrinho funcional completo, enceradeira industrial (se necessário), e escada. _ Capacitação com reciclagem para todos os trabalhadores do serviço de higienização a cada 6 (seis) meses, com avaliação da CCIH ou Referência Técnica. 17

18 MANUAL DE ORGANIZAÇÃO SMS-MOHCA- SERVIÇOS DE SAÚDE SUS SUB / PROCESSO DO AMBIENTE DE SERVIÇOS DE SAÚDE DE Descrição da Instrução de Trabalho: 1. Trata-se de uma limpeza mais completa, utilizando água, sabão, hipoclorito de sódio a 1% e álcool 7% ou outro germicida padronizado pela CMCISS e comissões pertinentes. 2. Devem-se utilizar os EPI s conforme circunstâncias de risco e orientação de precauções (recomendações da CMCISS, da CCIH ou Referência Técnica). Equipamentos e produtos de limpeza devem ser exclusivos para as unidades de isolamento. 3. A periodicidade de limpeza de todos esses itens dependerá da área onde os mesmos se encontram e de sua freqüência de sujidade. 4. A limpeza terminal da unidade de um paciente internado deverá ser realizada a qualquer momento após alta, transferência ou óbito. 5. A limpeza terminal do Centro Cirúrgico deve ser realizada, de preferência, diariamente e não mais que semanalmente, após o final da realização das cirurgias eletivas do dia. 6. Abrange pisos, paredes, equipamentos, mobiliário, inclusive camas, macas e colchões, janelas, vidros, portas, peitoris, varandas, grades do ar condicionado, luminárias, teto etc., em todas as superfícies externas e internas. 7. Observar as técnicas e orientações de higienização de superfícies descritas neste manual. 8. Em pisos, paredes, e teto: se houver presença de material orgânico, remover com papel absorvente, utilizando luvas de procedimento. Descartar as luvas juntamente com o papel em saco plástico de cor branco leitoso. Utilizar luvas de borracha para recolher o saco para resíduo fechado e encaminhá-lo ao Depósito de Material Intermediário ou final. Efetuar a higienização com pano umedecido em água e sabão. Enxaguar com pano umedecido em água limpa, trocando a água quantas vezes for necessário. Secar a superfície e utilizar pano umedecido em hipoclorito de sódio a 1%, deixando agir por 1 minutos. Retirar excesso de desinfetante com pano umedecido em água limpa. 9. Em equipamentos, mobiliários, camas, macas, colchões, janelas, vidros, portas, peitoris, grades do ar condicionado, tomadas, interruptores e luminárias: se houver 18

19 MANUAL DE ORGANIZAÇÃO SMS-MOHCA- SERVIÇOS DE SAÚDE SUS SUB / PROCESSO DO AMBIENTE DE SERVIÇOS DE SAÚDE DE presença de material orgânico, remover com papel absorvente utilizando luvas de procedimento. Descartar as luvas juntamente com o papel em saco plástico de cor branco leitoso. Utilizando luvas de borracha ou PVC de cano longo efetuar a higienização com pano umedecido com água e sabão. Retirar o sabão com pano limpo umedecido em água limpa e secar. Friccionar pano umedecido com álcool 7% por 3 vezes seguidas. 1. Nos banheiros, lavar o teto (sempre que necessário), paredes, pia, vaso sanitário e piso com água e sabão. Puxar a água com rodo em direção ao ralo e posteriormente passar hipoclorito de sódio a 1%, retirando o excesso após 1 minutos de ação; fechar o ralo. 11. Jamais se deve esquecer de retirar as luvas antes de tocar em maçanetas, interruptores ou tomadas. 19

20 MANUAL DE ORGANIZAÇÃO SMS-MOHCA- SERVIÇOS DE SAÚDE SUS SUB / PROCESSO DO AMBIENTE DE SERVIÇOS DE SAÚDE DE Classificação das Áreas Hospitalares Nos Estabelecimentos Assistenciais de Saúde existem diferentes tipos de ambientes nos quais a higienização e limpeza são realizadas de maneira diferenciada, de acordo com o seu potencial de contaminação. Esse manual segue as legislações brasileiras, RDC5/ANVISA/MS/22 e Portaria 93/92 do Ministério da Saúde, no que se refere a classificação de Zoneamento das Unidades e Ambientes Funcionais, segundo sua sensibilidade a risco de transmissão de infecção: 1. Áreas críticas: são os ambientes onde existe o risco aumentado de transmissão de infecção, onde se realizam procedimentos de risco, com ou sem pacientes, ou onde se encontram pacientes imunodeprimidos. Exemplos: Área de Isolamento; Unidade de Atendimento de Urgência; Berçário Unidade de Hemodiálise; Laboratório de Anatomia Patológica; Laboratório de Análises Clínicas; Unidade de Terapia Intensiva; Unidade de Quimioterapia; Lactário; Unidade de Tratamento de Banco de Leite; Queimados; Banco de Sangue; Área suja da sala de utilidades Banheiros; (expurgo); Salas de Cirurgias; Salas de parto; Área suja da lavanderia; Área de resíduos infectantes. 2. Áreas semicríticas: são todos os compartimentos ocupados por pacientes com doenças infecciosas de baixa transmissibilidade e doenças não infecciosas. Exemplos: Ambulatório (e corredores); Enfermarias; Radiologia; Copa e cozinha; Farmácia. 2

21 MANUAL DE ORGANIZAÇÃO SMS-MOHCA- SERVIÇOS DE SAÚDE SUS SUB / PROCESSO DO AMBIENTE DE SERVIÇOS DE SAÚDE DE 3. Áreas não-críticas: são todos as demais áreas dos estabelecimentos assistenciais de saúde não ocupados por pacientes, onde não se realizam procedimentos de risco. Exemplos: Almoxarifado; Áreas administrativas (salas e dormitórios); Secretaria; Auditórios; Centro de Estudos. Considerando a presença de matéria orgânica nos sanitários de pacientes, de funcionários ou públicos, a CMCISS classifica todos os sanitários como área crítica, independente do local onde eles estejam. 21

22 MANUAL DE ORGANIZAÇÃO SMS-MOHCA- SERVIÇOS DE SAÚDE SUS SUB / PROCESSO DO AMBIENTE DE SERVIÇOS DE SAÚDE DE ÍNDICE DAS INSTRUÇÕES NORMATIVAS HIGIENIZAÇÃO E CONSERVAÇÃO DO AMBIENTE DE SERVIÇOS DE SAÚDE DE Instrução Normativa SMS-HCA- SMS- HCA-2 SMS- HCA-3 SMS- HCA-4 SMS- HCA-5 SMS- HCA-6 SMS- HCA-7 SMS- HCA-8 SMS- HCA-9 SMS- HCA- SMS- HCA-1 SMS- HCA-2-A SMS- HCA-2-B SMS- HCA-2-C SMS- HCA-2-D SMS- HCA-3 SMS- HCA-3-A SMS- HCA-4 SMS- HCA-5 SMS- HCA-6 SMS- HCA-7 DESCRIÇÃO Higienização e Conservação do Almoxarifado Higienização e Conservação da Ambulância Higienização e Conservação dos Consultórios, Admissão, Ultra-som e Radiologia Higienização e Conservação do Armazenamento Final de Resíduos Hospitalares (abrigo externo) Higienização e Conservação dos Bebedouros Higienização e Conservação da UTI/UCI Neonatal / Berçário Higienização e Conservação do Pré- parto Higienização e Conservação dos Bloco Obstétrico e Cirúrgico Higienização e Conservação da Central de Material Esterilizado (CME) Higienização e Conservação das Escadas e Rampas Higienização e Conservação da Farmácia Higienização e Conservação das Luminárias e Lâmpadas Fluorescentes: Espelhada Higienização e Conservação das Luminárias e Lâmpadas Fluorescentes: Chanfradas Higienização e Conservação das Luminárias e Lâmpadas Fluorescentes: Embutida Higienização e Conservação das Luminárias e Lâmpadas Fluorescentes: Embutida com Difusor Higienização e Conservação da Portaria Higienização e Conservação dos Corredores (Plantão Diurno e Noturno) Higienização e Conservação da Sala de Aulas (Auditório), Diretoria, Coordenação Médica e de Enfermagem, CCIH, Serviço Social, Psicologia e outras Áreas Administrativas Higienização e Conservação do Serviço de Nutrição e Dietética (SND) e Lactário Higienização e Conservação das Unidades de Internação (Exceto Berçário) Higienização e Conservação da Unidade de Precauções e Isolamento 22

23 SMS-HCA- DO AMBIENTE DE SERVIÇOS DE SAÚDE DE SUB / PROCESSO HIGIENIZAÇÃO E CONSERVAÇÃO DO ALMOXARIFADO Executante Profissional da Higienização e Conservação do Ambiente. Materiais/Equipamentos Luvas de borracha de cano longo; Luvas de procedimento descartáveis Botas de material impermeável; Baldes; Rodo; Panos de chão; Flanelas; Água; Sabão; Pá; Saco para resíduos; Álcool a 7%; Hipoclorito de sódio a 1%; Esponja sintética rígida; Desinfetante; Lustra móveis; Palha de aço; Cera líquida antiderrapante. DIARIAMENTE: Descrição das Atividades 1. Usar Equipamento de Proteção Individual (EPI), conforme orientações gerais e circunstâncias de risco; 2. Limpar os mobiliários, peitoris, vidros, esquadrias, portas e divisórias, usando flanela umedecida com água e sabão; retirar o sabão com flanela limpa umedecida em água; secar; 3. Fazer a limpeza dos aparelhos telefônicos usando flanela limpa umedecida em álcool a 7%; 4. Repor papel toalha e papel higiênico sempre que necessário; 5. Limpar os mobiliários de madeira com flanela umedecida em água (quase seca), passar lustra móveis e lustrar com flanela seca; 6. Limpar os bebedouros com esponja sintética embebida em água e sabão, friccionando em toda área. Retirar o sabão com pano umedecido em água; secar. Passar álcool a 7% com flanela umedecida; 7. Fazer a retirada dos resíduos acondicionados em sacos plásticos específicos, transportando-o até o armazenamento intermediário e/ou final; 8. Retirar manchas do teto, paredes, pisos, rodapés e mobiliários com esponja sintética embebida em água e sabão; retirar o sabão com pano limpo umedecido em água e secar; 9. Fazer a varredura no piso com pano úmido em água e sabão, retirar o sabão com pano limpo umedecido em água, secar e lustrar com enceradeira industrial e escova própria ou mecanicamente. 1. Nos banheiros lavar a pia, o vaso sanitário e piso com água e sabão e, sempre que da presença de sujidade ou material orgânico, as paredes. Puxar a água com rodo para o ralo; Fechar o ralo; 11. Aplicar hipoclorito de sódio a 1% nas partes externas do vaso sanitário e no piso do banheiro; Remover com pano limpo e umedecido em água o excesso de hipoclorito após 1 minutos de ação.

24 SMS-HCA- DO AMBIENTE DE SERVIÇOS DE SAÚDE DE SUB / PROCESSO HIGIENIZAÇÃO E CONSERVAÇÃO DO ALMOXARIFADO SEMANALMENTE: 1. Usar EPI, conforme orientações gerais e circunstâncias de riscos; 2. Limpar as prateleiras usando flanela umedecida com água e sabão. Retirar o sabão através de pano com água e secar; 3. Limpar os mobiliários de madeira com flanela limpa umedecida em água, quase seca, passar lustra móveis e lustrar com flanela seca; QUINZENALMENTE: 1. Limpar as janelas com pano umedecido em água e sabão. Retirar o sabão com água e secar. IMPORTANTE: Cuidados Antes de desprezar a água suja, deve-se retirar todo o material de trabalho de dentro do balde; No final do expediente devem ser lavadas as lixeiras e os baldes usando esponja sintética embebida em água e sabão. Enxaguar com água limpa e aplicar hipoclorito de sódio a 1%; Retirar o excesso de hipoclorito após 1 minutos de ação, com pano limpo e úmido; Lavar os panos de chão, deixar em solução de hipoclorito de sódio a 1% por 1 minutos e enxaguar; Lavar as luvas de borracha, deixar em solução de hipoclorito de sódio a 1% por 3 minutos, enxaguar, secar e guardar em local específico. Resultados Esperados Reduzir a sujidade de superfícies. Proporcionar um ambiente limpo e esteticamente agradável. Contribuir na preservação de revestimentos de superfícies. Ações nas Anormalidades Comunicar ao responsável técnico pelo Serviço de Higienização e Conservação do Ambiente.

25 SMS-HCA-2 DO AMBIENTE DE SERVIÇOS DE SAÚDE DE SUB / PROCESSO HIGIENIZAÇÃO E CONSERVAÇÃO DA AMBULÂNCIA Executante Profissional da Higienização e Conservação do Ambiente. Materiais/Equipamentos Gorro; Máscara; Botas de material impermeável; Luvas de borracha ou PVC de cano; longo; Luvas de procedimento descartáveis; Aventais descartáveis; Baldes; Panos de chão; Água; Sabão; Flanela; Álcool a 7%; Sacos para resíduos e roupa suja. PROCEDIMENTOS BÁSICOS: Descrição das Atividades 1. Usar EPI, conforme orientações gerais e circunstâncias de risco; 2. Retirar as roupas sujas, colocar em saco plástico específico, fechar com nó ou lacre e encaminhar ao setor de Lavanderia; NOTA: Caso o estabelecimento possua profissional da lavanderia as roupas sujas deverão ser recolhidas pelos mesmos. 1. Recolher os resíduos, colocar em sacos plásticos específicos, transportar até o armazenamento intermediário e/ou final; 2. Limpar toda a superfície interna da cabine onde são transportados os pacientes (coxia), teto, laterais e piso usando pano limpo umedecido em água e sabão; 3. Retirar o sabão com pano umedecido em água e logo após secar toda área; 4. Aplicar álcool a 7% na área acima descrita fazendo fricção por um período de 3 segundos, por três vezes. Cuidados Antes de desprezar a água suja, deve-se retirar todo material de trabalho de dentro do balde; Retirar e lavar as luvas de borracha; Imergir as luvas de borracha em hipoclorito de sódio a 1% por 3 minutos; enxaguar as luvas em água corrente; deixar secar espontaneamente em local específico. Resultados Esperados Reduzir a sujidade e carga contaminante de superfícies; Proporcionar um ambiente limpo e esteticamente agradável; Contribuir na preservação de revestimentos de superfícies. Ações nas Anormalidades Comunicar ao responsável técnico pelo Serviço de Higienização e Conservação do Ambiente.

26 SMS-HCA-3 DO AMBIENTE DE SERVIÇOS DE SAÚDE DE SUB / PROCESSO HIGIENIZAÇÃO E CONSERVAÇÃO DOS CONSULTÓRIOS, ADMISSÃO, ULTRA-SOM E RADIOLOGIA Executante Profissional da Higienização e Conservação do Ambiente. Materiais/Equipamentos Luvas de borracha de cano longo; Luvas de procedimento descartáveis; Botas de material impermeável; Baldes; Rodo; Panos de chão; Flanelas; Água; Sabão; Pá; Saco para resíduos; Álcool a 7%; Hipoclorito de sódio a 1%; Esponja sintética e rígida; Sapólio; Lustra móveis; Palha de aço; Cera líquida antiderrapante; Enceradeira industrial. PROCEDIMENTOS BÁSICOS: Descrição das Atividades DIARIAMENTE: 1. Usar EPI, conforme orientações gerais e circunstâncias de risco; 2. Retirar os resíduos, acondicionados em sacos plásticos específicos, transportando-o até o armazenamento intermediário e/ou final; 3. Calçar luvas de procedimento descartáveis; 4. Limpar os mobiliários, peitoris, esquadrias, portas e divisórias, usando flanela limpa umedecida com água e sabão; retirar o sabão com flanela umedecida em água e secar; 5. Fazer a limpeza nos aparelhos telefônicos usando flanela limpa umedecida em álcool a 7%; 6. Retirar as luvas e higienizar às mãos; 7. Repor papel toalha, papel higiênico e sabão líquido sempre que necessário; 8. Calçar luvas de borracha ou PVC de cano longo; 9. Retirar manchas do teto, paredes, pisos, rodapés e mobiliários com esponja sintética encharcada em água e sabão; retirar o sabão com pano umedecido em água e secar com pano limpo; 1. Fazer a varredura úmida do piso com pano limpo umedecido em água e sabão, retirar o sabão com pano umedecido em água utilizando o sistema de dois baldes, secar e lustrar com enceradeira industrial e escova própria; 11. Passar no piso, em dias alternados, cera antiderrapante com pano e após alguns minutos lustrar usando enceradeira com escova própria; 12. Nos banheiros lavar a pia, o vaso sanitário, piso e paredes com água e sabão. Puxar a água com rodo para o ralo; Fechar o ralo; 13. Aplicar hipoclorito de sódio a 1% nas partes externas do vaso sanitário e no piso. Deixar a solução agir por 1 minutos; Retirar o excesso com pano limpo e úmido;

27 SMS-HCA-3 DO AMBIENTE DE SERVIÇOS DE SAÚDE DE SUB / PROCESSO HIGIENIZAÇÃO E CONSERVAÇÃO DOS CONSULTÓRIOS, ADMISSÃO, ULTRA-SOM E RADIOLOGIA 14. Limpar os bebedouros com esponja sintética encharcada em água e sabão, friccionando em toda área. Retirar o sabão com pano limpo umedecido em água. Passar álcool a 7% com flanela umedecida. SEMANALMENTE: 1. Usar EPI, conforme orientações gerais e circunstâncias de risco; 2. Limpar os mobiliários, peitoris, vidros, esquadrias, portas e divisórias, usando flanela limpa umedecida com água e sabão; retirar o sabão com flanela umedecida em água limpa; secar; 3. Lavar com água e sabão o piso friccionando-o através da enceradeira industrial com esponja sintética rígida ou mecanicamente. Puxar com rodo a água e sabão para o ralo; 4. Enxaguar o piso com água limpa, puxar com rodo a água para o ralo e secar; Fechar o ralo; 5. Fazer a limpeza nos rodapés usando esponja sintética molhada e sapólio; 6. Limpar os mobiliários de madeira com flanela umedecida (quase seca) em água limpa, passar lustra móveis e lustrar; 7. Limpar externamente os mobiliários de aço com flanela limpa umedecida em água limpa. QUINZENALMENTE: 1. Usar EPI, conforme orientações gerais e circunstâncias de risco; 2. Limpar as paredes com pano limpo encharcado de água e sabão. Retirar o sabão com pano umedecido em água limpa, logo em seguida secar; 3. Limpar as portas com flanela limpa umedecida em água limpa quase seca, passar lustra móveis e lustrar com flanela limpa e seca; MENSALMENTE: 1. Nos corredores lavar o piso com água e sabão friccionando-o através da enceradeira industrial com esponja sintética rígida. Puxar com rodo a água e sabão para o ralo; 2. Enxaguar o piso com água limpa, puxar com rodo a água para o ralo e secar; fechar o ralo; Cuidados Antes de desprezar a água suja, deve-se retirar todo material de trabalho de dentro do balde; No final do expediente devem ser lavadas as lixeiras e os baldes usando esponja sintética em água e sabão. Enxaguar com água limpa e aplicar hipoclorito de sódio a 1% deixar secar espontaneamente.

28 SMS-HCA-3 DO AMBIENTE DE SERVIÇOS DE SAÚDE DE SUB / PROCESSO HIGIENIZAÇÃO E CONSERVAÇÃO DOS CONSULTÓRIOS, ADMISSÃO, ULTRA-SOM E RADIOLOGIA Resultados Esperados Reduzir a sujidade e carga contaminante de superfícies. Proporcionar um ambiente limpo e esteticamente agradável. Contribuir na preservação de revestimentos de superfícies. Ações nas Anormalidades Comunicar ao responsável técnico pelo Serviço de Higienização e Conservação do Ambiente.

29 SMS-HCA-4 DO AMBIENTE DE SERVIÇOS DE SAÚDE DE SUB / PROCESSO HIGIENIZAÇÃO E CONSERVAÇÃO DO ARMAZENAMENTO FINAL DE RESÍDUOS HOSPITALARES (ABRIGO EXTERNO) Executante Profissional da Higienização e Conservação do Ambiente. Materiais/Equipamentos Luvas de borracha ou PVC de cano longo; Botas de material impermeável; Gorro; Máscara; Protetor ocular; Avental; Baldes; Rodo; Vassoura; Pano de chão; Flanela. PROCEDIMENTOS BÁSICOS: Descrição das Atividades DIARIAMENTE: 1. Usar EPI, conforme orientações gerais e específicas e circunstâncias de risco; 2. Após coleta dos resíduos feita pelo Serviço de Limpeza Urbana (SLU), fazer a limpeza com água e sabão e desinfecção com hipoclorito de sódio a 1% em toda a área, remover manchas do teto, lavar paredes e todos os contenedores (parte interna e externa); 3. Usar vassoura para esfregar as paredes internas e externas, laterais e fundos dos contenedores com água e sabão; usar jato d água para remover; 4. Lavar esfregando paredes, pisos e escoamentos (canaletas) com água e sabão; 5. Remover o sabão com jato d água; usar rodo para puxar. Passar hipoclorito de sódio a 1% nas superfícies, paredes e contenedores; Deixar agir por 1 minutos; Retirar o excesso com pano limpo e úmido; secar. Cuidados Seguir as diretrizes do Plano de gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde do Município de Contagem. Resultados Esperados Reduzir a sujidade e carga contaminante de superfícies. Proporcionar um ambiente limpo e esteticamente agradável. Contribuir na preservação de revestimentos de superfícies. Ações nas Anormalidades Comunicar ao responsável técnico pelo Serviço de Higienização e Conservação do Ambiente.

30 SMS-HCA-5 DO AMBIENTE DE SERVIÇOS DE SAÚDE DE SUB / PROCESSO HIGIENIZAÇÃO E CONSERVAÇÃO DOS BEBEDOUROS Executante Profissional da Higienização e Conservação do Ambiente. Luvas de procedimento (descartável); Baldes; Esponja; Água; Sabão; Flanela; Álcool a 7%. Materiais/Equipamentos DIARIAMENTE: Descrição das Atividades 1. Higienizar as mãos com água e sabão, secar e friccionar com álcool a 7% glicerinado; 2. Calçar luvas de procedimento para efetuar a limpeza; 3. Executar a limpeza com água e sabão de toda parte metálica e enxaguar; 4. Após secar o bebedouro, aplicar álcool a 7% com flanela; deixar secar; 5. Aplicar polidor metálico para finalizar a limpeza; 6. Em caso de presença de matéria orgânica, a desinfecção deverá ser efetuada com EPI, conforme orientações gerais e específicas e circunstâncias de risco; 7. No decorrer do dia deverão ser feitas limpezas de manutenção com água e sabão e aplicação de álcool a 7%. Cuidados Não limpar a parte interna e maquinário do bebedouro. Resultados Esperados Reduzir a sujidade e carga contaminante de superfícies. Proporcionar um ambiente limpo e esteticamente agradável. Contribuir na preservação de revestimentos de superfícies. Ações nas Anormalidades Comunicar ao responsável técnico pelo Serviço de Higienização e Conservação do Ambiente.

31 SMS-HCA-6 DO AMBIENTE DE SERVIÇOS DE SAÚDE DE SUB / PROCESSO HIGIENIZAÇÃO E CONSERVAÇÃO DA UTI/UCI NEONATAL / BERÇÁRIO Executante Profissional da Higienização e Conservação do Ambiente. Condições Necessárias Uniforme: calça, jaleco ou similar e sapato de proteção; EPI descartável: gorro, máscara e luvas descartáveis; EPI durável (de acordo com circunstâncias de risco): protetor ocular, botas de material impermeável e luvas de borracha ou PVC de cano longo; EPC: placa sinalizadora de risco; Soluções: hipoclorito de sódio a 1%, álcool a 7%, desodorizante, água e sabão; Materiais: baldes, pá, rodo, panos de chão, flanelas, pá, saco para resíduos, esponja sintética, vassoura para vaso sanitário (tina), vassoura de piaçava; Equipamentos: carrinho funcional completo, enceradeira industrial (quando necessário) e escada. DIARIAMENTE: Descrição das Atividades 1. Usar EPI, conforme orientações gerais e circunstâncias de risco; 2. Antes de iniciar o trabalho retirar os adornos (bijuterias, jóias e relógio). Higienizar as mãos com água e sabão, e proceder a anti-sepsia com álcool a 7% glicerinado; 3. Retirar as roupas sujas do hamper. Fechar a embalagem plástica com roupa suja e colocar em local próprio para recolhimento do profissional da Lavanderia; Nota: Caso o estabelecimento possua profissional da lavanderia, as roupas sujas deverão ser recolhidas pelo mesmo. 4. Puxar através de varrição úmida todos resíduos no piso. Apanhar com pá e jogar na lixeira; 5. Fazer a retirada dos resíduos, colocar dentro de sacos plásticos específicos, transportando-o até o armazenamento intermediário e/ou final; 6. Limpar os mobiliários, peitoris, vidros, esquadrias, portas e divisórias, usando flanela limpa umedecida com água e sabão; retirar o sabão com flanela limpa umedecida em água; 7. Retirar manchas do teto, paredes, pisos, rodapés e mobiliários com esponja sintética ou flanela encharcada em água e sabão, retirar o sabão com pano limpo umedecido em água e secar; 8. Fazer a varredura no piso com pano limpo umedecido em água e sabão, retirar o sabão com pano umedecido em água e secar; 9. Nos banheiros lavar as paredes, pia, o vaso sanitário e piso com água e sabão. Puxar a água com rodo para o ralo; 1. Aplicar hipoclorito de sódio a 1% com pano umedecido nas paredes, na pia, piso; o vaso sanitário deve ser o último a ser desinfetado; 11. Retirar as luvas e higienizar às mãos antes de repor papel toalha e papel higiênico;

32 SMS-HCA-6 DO AMBIENTE DE SERVIÇOS DE SAÚDE DE SUB / PROCESSO HIGIENIZAÇÃO E CONSERVAÇÃO DA UTI/UCI NEONATAL / BERÇÁRIO 12. No expurgo puxar através de varrição úmida todos resíduos no piso; apanhar com pá e jogar na lixeira; 13. Fazer a retirada dos resíduos, colocar dentro de sacos plásticos específicos, transportando até o armazenamento intermediário e/ou final; 14. Limpar a pia e bancada com pano limpo umedecido em água e sabão, retirar o sabão com pano umedecido em água e depois secar; 15. Na unidade de isolamento puxar através de varrição úmida todos resíduos no piso; apanhar com pá e jogar na lixeira; 16. Fazer a retirada dos resíduos colocando em saco específico duplo rotulado contaminado, transportando até o armazenamento intermediário e/ou final; 17. Fazer a varredura no piso com pano umedecido em água e sabão, retirar o sabão com pano umedecido em água e secar; 18. Quando nos casos de desocupação do isolado fazer limpeza geral e desinfecção. Limpar teto e parede (se houver sujidade), rodapés, pisos, biombos e mobiliários com pano limpo embebido com água e sabão. Retirar o sabão com pano umedecido em água e secar com pano limpo; 19. Proceder a desinfecção do isolado; 2. Aplicar no mobiliário, usando flanela umedecida, álcool a 7% e no piso pano úmido com hipoclorito de sódio a 1%. Deixar o hipoclorito agir por 1 minutos; Retirar o excesso com pano limpo e úmido. Nota: As unidades de isolamento devem possuir o material de limpeza e desinfecção exclusivo, na impossibilidade, a referida unidade deve ser a última a ser limpa. SEMANALMENTE: 1. Usar EPI, conforme orientações gerais e circunstâncias de risco; 2. Limpar as portas com flanela limpa umedecida com água e sabão, retirar o sabão com flanela umedecida em água e secar; 3. Jogar água e sabão no piso friccionando-o através da enceradeira industrial com esponja sintética rígida. Puxar com rodo a água e sabão para o ralo; 4. Enxaguar o piso com água, puxar com rodo a água para o ralo e secar com pano limpo; fechar o ralo; 5. Fazer a limpeza nos rodapés usando esponja sintética molhada e sapólio; 6. Limpar os mobiliários com flanela limpa umedecida em água e sabão; retirar os resíduos com pano limpo umedecido em água (quase seco); aplicar álcool a 7% através de fricção por 2 vezes; Deixar secar. QUINZENALMENTE: 1. Usar EPI, conforme orientações gerais e circunstâncias de risco; 2. No expurgo limpar as paredes, teto, tanque, pia, bancadas e armários com pano umedecido com água e sabão. Retirar o sabão com água e secar. Logo após, passar hipoclorito de sódio a 1%, exceto em partes metálicas; deixar agir por 1 minutos; retirar o excesso com pano umedecido em água; secar.

Higienização do Ambiente Hospitalar

Higienização do Ambiente Hospitalar Higienização do Ambiente Hospitalar Enfª Mirella Carneiro Schiavon Agosto/2015 O serviço de limpeza tem por finalidade preparar o ambiente de saúde para suas atividades, mantê-lo em ordem e conservar equipamentos

Leia mais

Divisão de Enfermagem CME Página 1 de 6 Título do Procedimento: Limpeza concorrente e terminal da CME

Divisão de Enfermagem CME Página 1 de 6 Título do Procedimento: Limpeza concorrente e terminal da CME Divisão de Enfermagem CME Página 1 de 6 Freqüência em que é realizado: Diário/semanal/quinzenal/mensal Profissional que realiza: Auxiliar ou Técnico de Enfermagem e servidor da empresa terceirizada de

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA O SERVIÇO DE LIMPEZA HOSPITALAR

ORIENTAÇÃO PARA O SERVIÇO DE LIMPEZA HOSPITALAR ORIENTAÇÃO PARA O SERVIÇO DE LIMPEZA HOSPITALAR I- Introdução: A higiene e a ordem são elementos que concorrem decisivamente para a sensação de bem-estar, segurança e conforto dos profissionais, pacientes

Leia mais

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde A Portaria MS nº 2616/98 define a Infecção Hospitalar (IH) como sendo aquela adquirida após a admissão do paciente e que se manifesta durante

Leia mais

ORIENTAÇÕES BÀSICAS DE HIGIENE PESSOAL DO PROFISSIONAL DE SAÚDE

ORIENTAÇÕES BÀSICAS DE HIGIENE PESSOAL DO PROFISSIONAL DE SAÚDE ÁREA 1 - HIGIENE E ANTISSEPSIA PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Número: POP 001 ORIENTAÇÕES BÀSICAS DE HIGIENE PESSOAL DO PROFISSIONAL DE SAÚDE EXECUTANTE: Todos os profissionais da equipe de saúde. ÁREA:

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade PROTOCOLO: Limpeza concorrente e terminal do leito, cortinas, mobiliários e equipamentos hospitalares

Sistema de Gestão da Qualidade PROTOCOLO: Limpeza concorrente e terminal do leito, cortinas, mobiliários e equipamentos hospitalares Página: 1/9 INTRODUÇÃO: A limpeza e a desinfecção de superfícies são elementos que propiciam segurança e conforto aos pacientes, profissionais e familiares nos serviços de saúde. Colabora também para o

Leia mais

INSTITUIÇÃO: DATA: RESPONSÁVEL PELA INSPEÇÃO: NOME DO RESP. PELO SERVIÇO;

INSTITUIÇÃO: DATA: RESPONSÁVEL PELA INSPEÇÃO: NOME DO RESP. PELO SERVIÇO; INSTITUIÇÃO: DATA: RESPONSÁVEL PELA INSPEÇÃO: NOME DO RESP. PELO SERVIÇO; Tipo do Serviço: ( ) Próprio ( )terceirizado Nome; Possui Licença sanitária? ( ) SIM ( ) NÃO N /ANO: Há um encarregado do setor

Leia mais

Manual de Procedimento Operacional Padrão do Serviço de Limpeza

Manual de Procedimento Operacional Padrão do Serviço de Limpeza Univale Universidade Vale do Rio Doce DEC Departamento de Campo/Biossegurança Curso de Enfermagem Manual de Procedimento Operacional Padrão do Serviço de Limpeza Elaborado por: Enf Arilza Patrício Enf

Leia mais

HIGIENIZAÇÃO HOSPITALAR 2013

HIGIENIZAÇÃO HOSPITALAR 2013 HIGIENIZAÇÃO HOSPITALAR 2013 O Hospital realiza uma combinação complexa de atividades especializadas, onde o serviço de Higienização e Limpeza ocupam um lugar de grande importância. Ao se entrar em um

Leia mais

EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS

EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS Ebola Perguntas e Respostas 13 O que fazer se um viajante proveniente desses países africanos apresentar sintomas já no nosso

Leia mais

LIMPEZA MANUAL MOLHADA

LIMPEZA MANUAL MOLHADA GLOSSÁRIO LIMPEZA MANUAL ÚMIDA - Realizada com a utilização de rodos, mops ou esfregões, panos ou esponjas umedecidas em solução detergente, com enxágue posterior com pano umedecido em água limpa. No caso

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRONIZADO P O P

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRONIZADO P O P PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRONIZADO P O P P O P DEFINIÇÃO É uma descrição detalhada de todas as operações necessárias para a realização de uma atividade. É um roteiro padronizado para realizar uma atividade.

Leia mais

HIGIENIZAÇÃO DO AMBIENTE, PROCESSAMENTO E PREPARO DE SUPERFÍCIE DOS EQUIPAMENTOS E CONSULTÓRIO ODONTOLÓGICO

HIGIENIZAÇÃO DO AMBIENTE, PROCESSAMENTO E PREPARO DE SUPERFÍCIE DOS EQUIPAMENTOS E CONSULTÓRIO ODONTOLÓGICO HIGIENIZAÇÃO DO AMBIENTE, PROCESSAMENTO E PREPARO DE SUPERFÍCIE DOS EQUIPAMENTOS E CONSULTÓRIO ODONTOLÓGICO ANA LUÍZA 21289 LUCAS - 23122 ARTTENALPY 21500 MARCELINA - 25723 CLECIANE - 25456 NAYARA - 21402

Leia mais

Comissão de Controle de Infecção Hospitalar 16/04/2002 atualizada em 30/05/2003 Rotina D5. Manual de Limpeza

Comissão de Controle de Infecção Hospitalar 16/04/2002 atualizada em 30/05/2003 Rotina D5. Manual de Limpeza Comissão de Controle de Infecção Hospitalar 16/04/2002 atualizada em 30/05/2003 Rotina D5 Manual de Limpeza 1. INTRODUÇÃO 2. NOÇÔES BÀSICAS DE HIGIENE E DEFINIÇÕES DE NECESSIDADES 3. DEFINIÇÕES E CONCEITOS

Leia mais

ANEXO I METODOLOGIA DE REFERÊNCIA DOS SERVIÇOS DE LIMPEZA E CONSERVAÇÃO

ANEXO I METODOLOGIA DE REFERÊNCIA DOS SERVIÇOS DE LIMPEZA E CONSERVAÇÃO ANEXO I METODOLOGIA DE REFERÊNCIA DOS SERVIÇOS DE LIMPEZA E CONSERVAÇÃO 1.1. Tarefa: Limpeza de MÓVEIS E EQUIPAMENTOS DE INFORMÁTICA - limpar com pano úmido e remover pó e manchas das mesas, armários,

Leia mais

MANUAL DE HIGIENIZAÇÃO E LIMPEZA

MANUAL DE HIGIENIZAÇÃO E LIMPEZA MANUAL DE HIGIENIZAÇÃO E LIMPEZA Classificação das Áreas: Critica Semicrítica Não critica Tipos de Limpeza: Limpeza concorrente Limpeza terminal Métodos e Equipamentos de Limpeza de superfície: Limpeza

Leia mais

Procedimentos Operacionais NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR

Procedimentos Operacionais NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Versão: 1 Pg: 1/9 NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Mônica Regina Viera Coordenadora 05/09/2009 DE ACORDO Ivo Fernandes Sobreiro Gerente da Qualidade 08/09/2009 APROVADO POR Dr. Renato de Lacerda

Leia mais

Limpeza e Desinfecção

Limpeza e Desinfecção Limpeza e Desinfecção Instrutora: Enf. Dr. Thaís S Guerra Stacciarini Conteúdo Limpeza e desinfecção LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE UNIDADE LIMPEZA E DESINFECÇÃO DO POSTO DE ENFERMAGEM CONCORRENTE TERMINAL LIMPEZA

Leia mais

INFORMAÇOES TÉCNICA DOS SERVIÇOS

INFORMAÇOES TÉCNICA DOS SERVIÇOS INFORMAÇOES TÉCNICA DOS SERVIÇOS 3 - LIMPEZA E MANUTENÇÃO Informamos abaixo a forma correta de como proceder à limpeza profunda. Os equipamentos utilizados estão dimensionados de acordo com o tamanho do

Leia mais

SCIH. POP de Limpeza Hospitalar

SCIH. POP de Limpeza Hospitalar UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JÚLIO MÜLLER SERVIÇO DE CONTROLE INFECÇAO HOSPITALAR SCIH POP de Limpeza Hospitalar Introdução O Serviço de Limpeza e Desinfecção de Superfícies

Leia mais

Limpeza hospitalar *

Limpeza hospitalar * CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO São Paulo, março de 2009. Limpeza hospitalar * Limpeza hospitalar é o processo de remoção de sujidades de superfícies do ambiente, materiais e equipamentos,

Leia mais

SERVIÇO DE HIGIENIZAÇÃO E LIMPEZA HOSPITALAR - SHL

SERVIÇO DE HIGIENIZAÇÃO E LIMPEZA HOSPITALAR - SHL SERVIÇO DE HIGIENIZAÇÃO E LIMPEZA HOSPITALAR - SHL COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR - CCIH SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR - SCIH ROTINA DE LIMPEZA DO AMBIENTE HOSPITALAR Jair Miranda

Leia mais

Transporte do paciente com suspeita de DVE (Doença do Vírus Ebola)

Transporte do paciente com suspeita de DVE (Doença do Vírus Ebola) Transporte do paciente com suspeita de DVE (Doença do Vírus Ebola) Por orientação do Ministério da Saúde o transporte terrestre do paciente com suspeita de DVE (Doença do Vírus Ebola), será realizado pelo

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE PÚBLICA COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE PÚBLICA COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE PÚBLICA COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM LAVANDERIA ESTABELECIMENTO: DATA DA INSPEÇÃO:

Leia mais

MANUAL DE LIMPEZA E CONSERVAÇÃO

MANUAL DE LIMPEZA E CONSERVAÇÃO MANUAL DE LIMPEZA E CONSERVAÇÃO 1. O que é limpeza É o ato de remover todo tipo de sujidade, visível ou não, de uma superfície, sem alterar as características originais do local a ser limpo. 1.1 Limpeza

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA SERVIÇO DE HIGIENIZAÇÃO E LIMPEZA HOSPITALAR HU/CAS-UFJF COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR CCIH SCIH ROTINA DE HIGIENE E LIMPEZA DO AMBIENTE HOSPITALAR ENFERMEIRA: MARIA LUCIA MORCERF BOUZADA

Leia mais

Assinale a alternativa correta: a) V,V,F.F b) V,F,V,F c) V,F,F,F d) V,V,F,V e) V,V,V,F

Assinale a alternativa correta: a) V,V,F.F b) V,F,V,F c) V,F,F,F d) V,V,F,V e) V,V,V,F AUXILIAR OPERACIONAL 1. A desinfecção é o processo de destruição de agentes infecciosos. Assinale a alternativa correta: a) pode ser feita através de meios físicos e químicos b) deve ser realizada com

Leia mais

Anexo II - TERMO DE REFERÊNCIA CONSERVAÇÃO E LIMPEZA

Anexo II - TERMO DE REFERÊNCIA CONSERVAÇÃO E LIMPEZA Anexo II - TERMO DE REFERÊNCIA CONSERVAÇÃO E LIMPEZA 1. OBJETO 1.1. Prestação de Serviços de Conservação e limpeza, higiene e desinfecção e Jardinagem com fornecimento de materiais e equipamentos, para

Leia mais

HOSPITALAR - SHL ROTINA DE LIMPEZA DO AMBIENTE HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR - SCIH REVISÃO, AGOSTO 2012.

HOSPITALAR - SHL ROTINA DE LIMPEZA DO AMBIENTE HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR - SCIH REVISÃO, AGOSTO 2012. SERVIÇO DE HIGIENIZAÇÃO E LIMPEZA HOSPITALAR - SHL COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR - CCIH SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR - SCIH ROTINA DE LIMPEZA DO AMBIENTE HOSPITALAR Deusmar

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO CRECHES, BERÇÁRIOS E SIMILARES.

ROTEIRO DE INSPEÇÃO CRECHES, BERÇÁRIOS E SIMILARES. SUPERINTEDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERENCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL E SAÚDE DO TRABALHADOR COORDERNAÇÃO DE FISCALIZAÇÃO DE AMBIENTES E SAÚDE DO TRABALHADOR Av. Anhanguera, nº 5.195 Setor Coimbra

Leia mais

LOTE II. TERMO DE REFERÊNCIA Descrição Geral dos Serviços de Limpeza e Conservação

LOTE II. TERMO DE REFERÊNCIA Descrição Geral dos Serviços de Limpeza e Conservação 1. DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS Os serviços de limpeza e conservação deverão ser realizados, conforme as seguintes especificações: ÁREAS INTERNAS 1.1. DIARIAMENTE, uma vez quando não explicitado. 1.1.1. Remover,

Leia mais

MANUAL TÉCNICO LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE SUPERFÍCIES HOSPITALARES E MANEJO DE RESÍDUOS

MANUAL TÉCNICO LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE SUPERFÍCIES HOSPITALARES E MANEJO DE RESÍDUOS MANUAL TÉCNICO LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE SUPERFÍCIES HOSPITALARES E MANEJO DE RESÍDUOS LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE SUPERFÍCIES EM ÁREAS HOSPITALARES E MANEJO DE RESÍDUOS As áreas hospitalares subdividem-se

Leia mais

HIGIENIZAÇÃO, LIMPEZA E PARAMENTAÇÃO

HIGIENIZAÇÃO, LIMPEZA E PARAMENTAÇÃO Bem Vindos! HIGIENIZAÇÃO, LIMPEZA E PARAMENTAÇÃO Quem sou? Farmacêutica Bioquímica e Homeopata. Especialista em Análises Clínicas, Micologia, Microbiologia e Homeopatia. 14 anos no varejo farmacêutico

Leia mais

Rotinas para Limpeza e Desinfecção de Superfícies Hospital do Cepon

Rotinas para Limpeza e Desinfecção de Superfícies Hospital do Cepon Rotinas para Limpeza e Desinfecção de Superfícies Hospital do Cepon Serviço de Zeladoria Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Coordenações de Enfermagem do Centro Cirúrgico, Oncologia Clínica e Suporte

Leia mais

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS PARA O SERVIÇO DE LIMPEZA ABORDAGEM TÉCNICA E PRÁTICA

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS PARA O SERVIÇO DE LIMPEZA ABORDAGEM TÉCNICA E PRÁTICA FERNANDA MARIA DE BRITO CUNHA FLÁVIO AUGUSTO BERNARDES DA SILVA MARCO ANTONIO CORREA ALFREDO RENATA DE CAMPOS RICCI MANUAL DE BOAS PRÁTICAS PARA O SERVIÇO DE LIMPEZA ABORDAGEM TÉCNICA E PRÁTICA UNIVERSIDADE

Leia mais

Higiene Hospitalar no HSL

Higiene Hospitalar no HSL Higiene Hospitalar no HSL Compartilhando nossa experiência Enfa. Gizelma de A. Simões Rodrigues Superintendencia de Atendimento e Operações Enf./Atend./Hosp. Gerencia de Hospedagem Gestão Ambiental Coordenação

Leia mais

CHECK LIST MICROPROCESSO HIGIENIZAÇÃO E LIMPEZA DAS UNIDADES DA APS SEMSA/MANAUS

CHECK LIST MICROPROCESSO HIGIENIZAÇÃO E LIMPEZA DAS UNIDADES DA APS SEMSA/MANAUS CHECK LIST MICROPROCESSO HIGIENIZAÇÃO E LIMPEZA DAS UNIDADES DA APS SEMSA/MANAUS DISA: DATA: UNIDADE: RECURSOS HUMANOS ÍTEM AVALIAÇÃO FORMA DE VERIFICAÇÃO EM CONFORMI DADE NÃO CONFORMI DADE OBSERVAÇÃO

Leia mais

Data de Vigência: Página 1 de 8. 1- Objetivo: Prevenir doenças e livrar o ambiente de pragas, insetos e roedores.

Data de Vigência: Página 1 de 8. 1- Objetivo: Prevenir doenças e livrar o ambiente de pragas, insetos e roedores. Data de Vigência: Página 1 de 8 1- Objetivo: Prevenir doenças e livrar o ambiente de pragas, insetos e roedores. 2- Aplicação: 3- Procedimentos: Este procedimento aplica-se a cozinha e refeitório. 3.1-

Leia mais

MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE PARA A COMUNIDADE ESCOLAR. INFLUENZA A H1N1 junho de 2011

MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE PARA A COMUNIDADE ESCOLAR. INFLUENZA A H1N1 junho de 2011 CENTRO ESTADUAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE PARA A COMUNIDADE ESCOLAR INFLUENZA A H1N1 junho de 2011 Medidas de prevenção: Higienizar as mãos com água e sabonete/sabão antes

Leia mais

PROCESSO SELETIVO EDITAL 01/2014

PROCESSO SELETIVO EDITAL 01/2014 PROCESSO SELETIVO EDITAL 01/2014 CARGO E UNIDADES: Auxiliar de Serviços Gerais (Macaíba) Atenção: NÃO ABRA este caderno antes do início da prova. Tempo total para resolução desta prova: 2 (duas) horas.

Leia mais

CHECK LIST MICROPROCESSO ESTERILIZAÇÃO DAS UNIDADES DA APS SEMSA/MANAUS

CHECK LIST MICROPROCESSO ESTERILIZAÇÃO DAS UNIDADES DA APS SEMSA/MANAUS CHECK LIST MICROPROCESSO ESTERILIZAÇÃO DAS UNIDADES DA APS SEMSA/MANAUS DISA: DATA: UNIDADE: RECURSOS HUMANOS ÍTEM AVALIAÇÃO FORMA DE VERIFICAÇÃO EM CONFORMI DADE NÃO CONFORMI DADE OBSERVAÇÃO 1) A unidade

Leia mais

Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário COMISSÃO DE CONTROLE DA INFECÇÃO HOSPITALAR

Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário COMISSÃO DE CONTROLE DA INFECÇÃO HOSPITALAR PROGRAMA PREVENÇÃO E CONTROLE DE Sumário COMISSÃO DE CONTROLE DA INFECÇÃO HOSPITALAR ORGANIZAÇÃO DA CCIH Estrutura Atividades FUNCIONAMENTO Coleta de Dados Análise dos Dados Divulgação dos Dados Recursos

Leia mais

LIMPEZA. Maria da Conceição Muniz Ribeiro. Mestre em Enfermagem (UERJ)

LIMPEZA. Maria da Conceição Muniz Ribeiro. Mestre em Enfermagem (UERJ) LIMPEZA Maria da Conceição Muniz Ribeiro Mestre em Enfermagem (UERJ) A limpeza é um dos elementos eficaz nas medidas de controle para romper a cadeia epidemiológica das infecções. Ela constitui um fator

Leia mais

NORMAS PARA VEÍCULOS DE TRANSPORTE DE PACIENTES

NORMAS PARA VEÍCULOS DE TRANSPORTE DE PACIENTES NORMAS PARA VEÍCULOS DE TRANSPORTE DE PACIENTES C A ÇA D O R - S C DOCUMENTAÇÃO ALVARÁ SANITÁRIO 1. Requerimento DVS 2. CNPJ (jurídica) cópia atualizada 3. Documento do Veiculo 4. Taxa de Emissão de Alvará

Leia mais

BIOSSEGURANÇA PARA AMBULÂNCIAS

BIOSSEGURANÇA PARA AMBULÂNCIAS 1 COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR BIOSSEGURANÇA PARA AMBULÂNCIAS Flávia Valério de Lima Gomes Enfermeira do SCIH / CCIH Alexandre Gonçalves de Sousa Gerente de Manutenção e Transporte Julho

Leia mais

COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA DE CONTROLE DE VETORES NO AMBIENTE HOSPITALAR

COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA DE CONTROLE DE VETORES NO AMBIENTE HOSPITALAR 1 COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA DE CONTROLE DE VETORES NO AMBIENTE HOSPITALAR Flávia Valério de Lima Gomes Enfermeira da CCIH / SCIH Jair

Leia mais

LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE SUPERFÍCIES HOSPITALARES E MANEJO DE RESÍDUOS

LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE SUPERFÍCIES HOSPITALARES E MANEJO DE RESÍDUOS MANUAL TÉCNICO LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE SUPERFÍCIES HOSPITALARES E MANEJO DE RESÍDUOS LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE SUPERFÍCIES EM ÁREAS HOSPITALARES E MANEJO DE RESÍDUOS As áreas hospitalares subdividem-se

Leia mais

a) sempre que se produza uma mudança nas condições de trabalho, que possa alterar a exposição aos agentes biológicos;

a) sempre que se produza uma mudança nas condições de trabalho, que possa alterar a exposição aos agentes biológicos; Os 32 itens da NR-32 a serem trabalhados nesta primeira etapa do projeto 32 para implantação nos estabelecimentos de saúde até 2009 foram selecionados e estudados pela diretoria do Sinsaúde por serem os

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO BIOSSEGURANÇA EM VEÍCULOS DE REMOÇÃO DO CENTRO MÉDICO UNIMED (CMU)

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO BIOSSEGURANÇA EM VEÍCULOS DE REMOÇÃO DO CENTRO MÉDICO UNIMED (CMU) Objetivo: Promover a limpeza e a desinfecção dos veículos de remoção, potencializando a segurança ofertada aos nossos clientes, e diminuindo a probabilidade de exposição a riscos biológicos. PROCESSO 1.

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA CONSERVAÇÃO E LIMPEZA

TERMO DE REFERÊNCIA CONSERVAÇÃO E LIMPEZA TERMO DE REFERÊNCIA CONSERVAÇÃO E LIMPEZA 1. OBJETO 1.1. Prestação de Serviços de Conservação e limpeza, higienização, desinfecção e limpeza de reservatórios de água e controle de pragas em geral, com

Leia mais

Pisos de Madeira. Pisos de Cerâmica. Equipamentos. Equipamentos. Segurança. Vassoura Esfregão (se necessário) Pá de lixo Cesto de lixo

Pisos de Madeira. Pisos de Cerâmica. Equipamentos. Equipamentos. Segurança. Vassoura Esfregão (se necessário) Pá de lixo Cesto de lixo Pisos de Madeira 1. Varra bordas, cantos e atrás das portas. 2. Varra o restante do piso, começando de um lado da sala até o outro. Para pisos amplos, use um esfregão, sacudindo-o quando terminar. 3. Junte

Leia mais

ROTEIRO PARA SALÕES DE BELEZAS, INSTITUTO DE BELEZA, ESTETICA, BARBEARIAS E SIMILARES.

ROTEIRO PARA SALÕES DE BELEZAS, INSTITUTO DE BELEZA, ESTETICA, BARBEARIAS E SIMILARES. SUPERINTEDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERENCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL E SAÚDE DO TRABALHADOR COORDERNAÇÃO DE FISCALIZAÇÃO DE AMBIENTES E SAÚDE DO TRABALHADOR Av. Anhanguera, nº 5.195 Setor Coimbra

Leia mais

ROUPARIA. Data Versão/Revisões Descrição Autor 20/01/2014 1.00 Proposta inicial CCA

ROUPARIA. Data Versão/Revisões Descrição Autor 20/01/2014 1.00 Proposta inicial CCA ROUPPOP01 1 de 16 Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 1.00 Proposta inicial CCA 1 Objetivo Distribuição do enxoval e itens de hotelaria em condições adequadas de higiene,

Leia mais

PERIODICIDADE: NA OCORRÊNCIA DE ÓBITO. RESULTADOS ESPERADOS:

PERIODICIDADE: NA OCORRÊNCIA DE ÓBITO. RESULTADOS ESPERADOS: GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA CONCEIÇÃO NÚCLEO DE APOIO TÉCNICO DA GERÊNCIA ADMINISTRATIVA PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PADRÃO MORGUE TAREFA: Remoção de pacientes obitados para o Morgue.

Leia mais

Medidas de Precaução

Medidas de Precaução Medidas de Precaução INFLUENZA A (H1N1) Gerência-Geral de Tecnologia em Serviços de Saúde GGTES/Anvisa Medidas de Precaução Precaução Padrão Precauções Baseadas na Transmissão: contato gotículas aerossóis

Leia mais

PROTOCOLOS DE SEGURANÇA. Cícero Andrade DO PACIENTE

PROTOCOLOS DE SEGURANÇA. Cícero Andrade DO PACIENTE PROTOCOLOS DE SEGURANÇA Cícero Andrade DO PACIENTE Finalidade Instituir e promover a higiene das mãos nos serviços de saúde do país com o intuito de prevenir e controlar as infecções relacionadas à assistência

Leia mais

PROTOCOLO HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS

PROTOCOLO HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS 1 páginas É um termo geral que se aplica às atividades de lavar as mãos ou friccioná-las com álcool gel. Essa higiene é considerada a medida mais eficaz para evitar a disseminação de infecções. PARA QUE

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM HOTEIS E MOTEIS

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM HOTEIS E MOTEIS SUPERINTEDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERENCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL E SAÚDE DO TRABALHADOR COORDERNAÇÃO DE FISCALIZAÇÃO DE AMBIENTES E SAÚDE DO TRABALHADOR Av. Anhanguera, nº 5.195 Setor Coimbra

Leia mais

Uma arte que deve andar lado a lado com a saúde. Secretaria de Saúde de Vila Velha Vigilância Sanitária

Uma arte que deve andar lado a lado com a saúde. Secretaria de Saúde de Vila Velha Vigilância Sanitária Uma arte que deve andar lado a lado com a saúde. Secretaria de Saúde de Vila Velha Vigilância Sanitária objetivo Este manual estabelece os critérios de higiene e de boas práticas operacionais para o controle

Leia mais

Limpeza Terminal e Concorrente de Isolamentos. Enfª Francyne Lopes Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Hospital Mãe de Deus

Limpeza Terminal e Concorrente de Isolamentos. Enfª Francyne Lopes Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Hospital Mãe de Deus Limpeza Terminal e Concorrente de Isolamentos Enfª Francyne Lopes Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Hospital Mãe de Deus O Controle de Infecção e a Limpeza Ambiental Histórico Guerra da Criméia

Leia mais

Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Recomendações para higienização das mãos em serviços de saúde.

Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Recomendações para higienização das mãos em serviços de saúde. Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Recomendações para higienização das mãos em serviços de saúde. São quatro as formas de higienização das mãos nos serviços de saúde: 1.Higienização simples das

Leia mais

Ambiente físico do Centro de Material Esterilizado

Ambiente físico do Centro de Material Esterilizado Ambiente físico do Centro de Material Esterilizado Gessilene de Sousa Sobecc, julho2011 Agenda Regulamentação Definição: Centro de Material Esterilizado - CME; Estrutura Física: Áreas de composição; Fluxograma

Leia mais

Áreas semicríticas: Áreas não críticas: Áreas críticas: CENTRAL DE MATERIAL LIMPEZA, DESINFECÇÃO e ESTERILIZAÇÃO

Áreas semicríticas: Áreas não críticas: Áreas críticas: CENTRAL DE MATERIAL LIMPEZA, DESINFECÇÃO e ESTERILIZAÇÃO CENTRAL DE MATERIAL LIMPEZA, DESINFECÇÃO e ESTERILIZAÇÃO COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE - COVISA GERÊNCIA DO CENTRO DE CONTROLE E PREVENÇÃO DE DOENÇAS - CCD NÚCLEO MUNICIPAL DE CONTROLE DE INFECÇÃO

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Agência Nacional de Vigilância Sanitária ANEXO IV ORIENTAÇÕES PARA PROCEDIMENTOS DE LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE NAVIOS COM VIAJANTE(S) SUSPEITO(S) DE DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS A BORDO Este documento a seguir estabelece as diretrizes gerais para a limpeza

Leia mais

ADEQUAÇÃO DAS EDIFICAÇÕES E DO MOBILIÁRIO URBANO À PESSOA DEFICIENTE

ADEQUAÇÃO DAS EDIFICAÇÕES E DO MOBILIÁRIO URBANO À PESSOA DEFICIENTE Esta norma aplica-se atodas as edificações de uso público e/ou mobiliário urbano, tanto em condições temporárias como em condições permanentes. É sempre necessário consultar o REGULAMENTO DO CÓDIGO NACIONAL

Leia mais

INSPEÇÃO EM CLINICAS E CONSULTÓRIOS MÉDICOS I- DADOS CADASTRAIS

INSPEÇÃO EM CLINICAS E CONSULTÓRIOS MÉDICOS I- DADOS CADASTRAIS Prefeitura Municipal do Salvador Secretaria Municipal da Saúde Coordenadoria de Saúde Ambiental Subcoordenadoria de Vigilância Sanitária INSPEÇÃO EM CLINICAS E CONSULTÓRIOS MÉDICOS Razão Social: CGC/CNPJ/CPF:

Leia mais

COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR. Higienização das Mãos

COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR. Higienização das Mãos COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR *Definição: Higienização das Mãos Lavagem das mãos é a fricção manual vigorosa de toda superfície das mãos e punhos,

Leia mais

I-070 - DIAGNÓSTICO DE GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇO DE SAÚDE EM UM HOSPITAL PÚBLICO EM BELÉM/PA

I-070 - DIAGNÓSTICO DE GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇO DE SAÚDE EM UM HOSPITAL PÚBLICO EM BELÉM/PA I-070 - DIAGNÓSTICO DE GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇO DE SAÚDE EM UM HOSPITAL PÚBLICO EM BELÉM/PA Lana Tais da Silva Coelho (1) Estudante do curso de Engenharia Ambiental do Instituto de

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO

INSTRUÇÃO DE TRABALHO Pg.: 1 de Elaboração Verificação Aprovação Janaina Bacci Data: Data: Data: Título da Atividade: Procedimentos para descarte de Resíduos Quimioterápicos Executante: Colaboradores envolvidos na manipulação

Leia mais

Dicas de conservação e limpeza

Dicas de conservação e limpeza Dicas de conservação e limpeza No uso diário de seus armários, alguns cuidados devem ser tomados a fim de prolongar a vida útil do produto. Água Tome cuidado particular em torno da pia, do forno e dos

Leia mais

Case de Treinamento de Empregada em Domicílio

Case de Treinamento de Empregada em Domicílio 1 Case de Treinamento de Empregada em Domicílio Treinamento de mensalista 2 Cenário: O empregador tem uma mensalista de muita confiança e amorosa, a empregada toma conta do bebê de 9 meses até início da

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA. Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013.

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA. Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013. SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013. BOAS PRÁTICAS PARA COMÉRCIO AMBULANTE DE ALIMENTOS A Secretaria do

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE MODELO SIMPLIFICADO PGRSS - ANEXO I

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE MODELO SIMPLIFICADO PGRSS - ANEXO I Prefeitura Municipal de Curitiba Secretaria Municipal do Meio Ambiente Secretaria Municipal da Saúde PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE MODELO SIMPLIFICADO PGRSS - ANEXO I SIGLAS UTILIZADAS:

Leia mais

LOTE 1 - MATERIAL DE LIMPEZA ITEM QUANT. UN. ESPECIFICAÇÃO MARCA

LOTE 1 - MATERIAL DE LIMPEZA ITEM QUANT. UN. ESPECIFICAÇÃO MARCA LOTE 1 - MATERIAL DE LIMPEZA 1 300 UN 2 200 L 3 100 UN 4 20 UN 5 2 UN 6 200 UN 7 200 UN 8 300 UN 9 250 UN 10 500 UN Água sanitária 1Lt, desinfetante e alvejante. Álcool Etílico Hidratado, 1Lt, mínimo de

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO - POP. ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO Enfª Assione Vergani - VISA

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO - POP. ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO Enfª Assione Vergani - VISA PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO - POP ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO Enfª Assione Vergani - VISA CONCEITO É o documento que expressa o planejamento do trabalho repetitivo que deve ser executado para o alcance

Leia mais

AEMS- FACULDADES INTEGRADAS DE TRÊS LAGOAS MS

AEMS- FACULDADES INTEGRADAS DE TRÊS LAGOAS MS AEMS- FACULDADES INTEGRADAS DE TRÊS LAGOAS MS ASSEPSIA E CONTROLE DE INFECÇÃO Prof. MARCELO ALESSANDRO RIGOTTI LICENCIADO EM ENFERMAGEM e ESPECIALISTA EM CONTROLE DE INFEÇÃO Mestrando pela Escola de Enfermagem

Leia mais

Portaria nº 612/97 SES/GO de 25 de novembro de 1997

Portaria nº 612/97 SES/GO de 25 de novembro de 1997 SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE DO ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIVISÃO DE FISCALIZAÇÃO DE FONTES DE RADIAÇÕES IONIZANTES Portaria nº 612/97 SES/GO de 25

Leia mais

CCIH COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR

CCIH COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR CCIH COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR Prof. Grasiele Busnello LEI nº 9.431 de 06 de janeiro de 1997 Dispõe sobre a obrigatoriedade da manutenção de programa de Controle de Infecções Hospitalares.

Leia mais

Especificação dos materiais e produtos de limpeza

Especificação dos materiais e produtos de limpeza Item Especificação dos materiais e produtos de limpeza Apres. Qtd/ mensal 03 06 07 ÁGUA SANITÁRIA, uso doméstico, a base de hipoclorito de sódio. Embalagem plástica de litro, com dados de identificação

Leia mais

Consultórios Médicos e Clínicas Médicas

Consultórios Médicos e Clínicas Médicas Subcoordenadoria de Vigilância Sanitária Rio Grande do Norte PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (PGRSS) Consultórios Médicos e Clínicas Médicas Modelo Simplificado 0 RIO GRANDE DO

Leia mais

MANUAL DE BIOSSEGURANÇA DA CLÍNICA ESCOLA DEPUTADO SEBASTIÃO HELVÉCIO

MANUAL DE BIOSSEGURANÇA DA CLÍNICA ESCOLA DEPUTADO SEBASTIÃO HELVÉCIO MANUAL DE BIOSSEGURANÇA DA CLÍNICA ESCOLA DEPUTADO SEBASTIÃO HELVÉCIO ALÉM PARAÍBA 2009 JUSTIFICATIVA Esta Instituição zela pela biossegurança e visa o preparo técnico e científico de profissionais aptos

Leia mais

PROTOCOLO 7: MANUAL DE LIMPEZA DA FACULDADE DE ODONTOLOGIA DO CÂMPUS DE ARAÇATUBA UNESP Aprovado na Congregação em 23/04/2009 PROCESSO FOA-1339/200

PROTOCOLO 7: MANUAL DE LIMPEZA DA FACULDADE DE ODONTOLOGIA DO CÂMPUS DE ARAÇATUBA UNESP Aprovado na Congregação em 23/04/2009 PROCESSO FOA-1339/200 PROTOCOLO 7: MANUAL DE LIMPEZA DA FACULDADE DE ODONTOLOGIA DO CÂMPUS DE ARAÇATUBA UNESP Aprovado na Congregação em 23/04/2009 PROCESSO FOA-1339/200 I OBJETIVOS A limpeza e a desinfecção das superfícies

Leia mais

MANUAL TÉCNICO. Instalação, Manutenção e Conservação de Basaltos e Granitos

MANUAL TÉCNICO. Instalação, Manutenção e Conservação de Basaltos e Granitos MANUAL TÉCNICO Instalação, Manutenção e Conservação de Basaltos e Granitos Com o propósito de criar uma série de ações que objetivam a instalação, preservação e manutenção do basalto e granito, a Basalto

Leia mais

Obrigado por ter adquirido os nossos produtos.

Obrigado por ter adquirido os nossos produtos. Obrigado por ter adquirido os nossos produtos. A Lavore Móveis segue um rigoroso controle de qualidade com o objetivo de garantir a total satisfação dos nossos clientes. Para conservação do mobiliário

Leia mais

1. Quais os EPIs ( e outros) devem ser utilizados na assistência a pacientes com suspeita de infecção pelo vírus Ebola?

1. Quais os EPIs ( e outros) devem ser utilizados na assistência a pacientes com suspeita de infecção pelo vírus Ebola? Segue abaixo, uma série de perguntas e respostas elaboradas pela GGTES (com base em questionamentos enviados pelos estados), a fim de esclarecer dúvidas e complementar alguns pontos da Nota Técnica nº

Leia mais

HIGIENIZAÇÃO DO AMBIENTE CONSULTÓRIO. Igor Bettarello Ravi Araújo Leandro Alex Douglas

HIGIENIZAÇÃO DO AMBIENTE CONSULTÓRIO. Igor Bettarello Ravi Araújo Leandro Alex Douglas HIGIENIZAÇÃO DO AMBIENTE CONSULTÓRIO Igor Bettarello Ravi Araújo Leandro Alex Douglas Brasília, 29/05/2013 Regras Básicas Deverão usar E.P.I Nunca efetuar varredura a seco para não provocar a presença

Leia mais

Mantenha as portas e as janelas abertas, inclusive nos dias frios, para evitar o aumento de germes no ar, o que facilita a transmissão de doenças.

Mantenha as portas e as janelas abertas, inclusive nos dias frios, para evitar o aumento de germes no ar, o que facilita a transmissão de doenças. Soninho Mantenha as portas e as janelas abertas, inclusive nos dias frios, para evitar o aumento de germes no ar, o que facilita a transmissão de doenças. Garanta que entre os colchonetes haja meio metro

Leia mais

MANUAL DE CONSERVAÇÃO DE MÓVEIS

MANUAL DE CONSERVAÇÃO DE MÓVEIS MANUAL DE CONSERVAÇÃO DE MÓVEIS CONSERVANDO SEU MÓVEL WORK SOLUTION Seguindo as recomendações abaixo você manterá a funcionalidade e beleza do seu produto Work Solution por muito mais tempo. Por favor

Leia mais

TRATAMENTO DE EQUIPAMENTO E MATERIAL DE ENDOSCOPIA

TRATAMENTO DE EQUIPAMENTO E MATERIAL DE ENDOSCOPIA HOSPITAL DE SANTA MARIA COMISSÃO DE CONTROLO DA INFECÇÃO HOSPITALAR Piso 6, Tel. 5401/1627 Recomendação n.º 09/2002 TRATAMENTO DE EQUIPAMENTO E MATERIAL DE ENDOSCOPIA Um dos principais problemas que se

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS DE INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS PARA FÁBRICAS DE CONSERVAS DE OVOS

NORMAS TÉCNICAS DE INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS PARA FÁBRICAS DE CONSERVAS DE OVOS SECRETARIA DA AGRICULTURA E ABASTECIMENTO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DEPARTAMENTO DE PRODUÇÃO ANIMAL COORDENADORIA DE INSPEÇÃO SANITÁRIA DOS PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL - C I S P O A - NORMAS TÉCNICAS

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE RIO DO OESTE

PREFEITURA MUNICIPAL DE RIO DO OESTE PREFEITURA MUNICIPAL DE RIO DO OESTE PROCESSO SELETIVO Nº001/2010 AUXILIARES DE SERVIÇOS GERAIS NOME DO CANDIDAT0: ASSINATURA: RIO DO OESTE 27 DE JANEIRO DE 2010 Instruções: Antes de começar a realizar

Leia mais

Medidas de precaução e controle a serem adotadas na assistência a pacientes suspeitos de infecção por influenza A (H1N1)

Medidas de precaução e controle a serem adotadas na assistência a pacientes suspeitos de infecção por influenza A (H1N1) Medidas de precaução e controle a serem adotadas na assistência a pacientes suspeitos de infecção por influenza A (H1N1) I Introdução Com o aumento do número de casos de influenza A (H1N1), o que gerou

Leia mais

Concurso de Auxiliar de Serviços Gerais - Prefeitura de Alvorada do Sul - 2014 A ( ) 18 B ( ) 28 C ( ) 38 D ( ) 40 A ( ) B ( ) C ( ) D ( )

Concurso de Auxiliar de Serviços Gerais - Prefeitura de Alvorada do Sul - 2014 A ( ) 18 B ( ) 28 C ( ) 38 D ( ) 40 A ( ) B ( ) C ( ) D ( ) PORTUGUÊS MATEMÁTICA 01 QUESTÃO Qual das seguintes palavras é masculina? A ( ) Flor B ( ) Mar C ( ) Amora D ( ) Folha 02 QUESTÃO Entre as palavras abaixo, qual está escrita de maneira incorreta? A ( )

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFRÊNCIA

ANEXO I TERMO DE REFRÊNCIA ANEXO I TERMO DE REFRÊNCIA 1- INTRODUÇÃO E BASE LEGAL A elaboração deste Termo de Referência rege-se pelas disposições do Decreto nº 5.450, de 31/05/2005, subsidiariamente pela Lei nº 8.666/93, de 21/06/93

Leia mais

2ª RETIFICAÇÃO DE EDITAL DE LICITAÇÃO MODALIDADE TOMADA DE PREÇO Nº 02/2015. OBJETO: Contratação de pessoa jurídica para a Prestação de Serviços.

2ª RETIFICAÇÃO DE EDITAL DE LICITAÇÃO MODALIDADE TOMADA DE PREÇO Nº 02/2015. OBJETO: Contratação de pessoa jurídica para a Prestação de Serviços. 2ª RETIFICAÇÃO DE EDITAL DE LICITAÇÃO MODALIDADE TOMADA DE PREÇO Nº 02/2015 OBJETO: Contratação de pessoa jurídica para a Prestação de Serviços. A Câmara Municipal de Lapa/Pr, através de sua Comissão Permanente

Leia mais

CARTILHA DE MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS

CARTILHA DE MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS CARTILHA DE MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS Departamento de Vigilância Sanitária Setor de Fiscalização de Alimentos Introdução De acordo com a publicação da Organização Mundial da Saúde (OMS), mais de 60% dos

Leia mais

Limpando a Caixa D'água

Limpando a Caixa D'água Limpando a Caixa D'água É muito importante que se faça a limpeza no mínimo 2 (duas) vezes ao ano. Caixas mal fechadas/tampadas permitem a entrada de pequenos animais e insetos que propiciam sua contaminação.

Leia mais

Profª Dra. Kazuko Uchikawa Graziano

Profª Dra. Kazuko Uchikawa Graziano PROTOCOLOOPERACIONALPADRÃO (POP) para processamento de materiais utilizados nos exames de videonasoscopia, videolaringoscopia e videonasolaringoscopia nos consultórios e serviços de otorrinolaringologia

Leia mais

MINISTÉRIO DE EDUCAÇÃO E CULTURA

MINISTÉRIO DE EDUCAÇÃO E CULTURA MINISTÉRIO DE EDUCAÇÃO E CULTURA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JÚLIO MÜLLER Manual de Rotinas de Limpeza para área hospitalar Adriane Aparecida de Freitas Silva 2003-

Leia mais

ORIENTAÇÕES GERAIS. Aplique revestimento liso e impermeável em piso, paredes e teto;

ORIENTAÇÕES GERAIS. Aplique revestimento liso e impermeável em piso, paredes e teto; PREFEITURA MUNICIPAL DE MACEIÓ SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE MACEIÓ DIRETORIA DE VIGILÂNCIA À SAÚDE COORDENAÇÃO GERAL DE VIGILÄNCIA SANITÁRIA INSPETORIA DO EXERCÍCIO PROFISSIONAL ORIENTAÇÕES GERAIS

Leia mais