HOSPITALAR - SHL ROTINA DE LIMPEZA DO AMBIENTE HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR - SCIH REVISÃO, AGOSTO 2012.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "HOSPITALAR - SHL ROTINA DE LIMPEZA DO AMBIENTE HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR - SCIH REVISÃO, AGOSTO 2012."

Transcrição

1 SERVIÇO DE HIGIENIZAÇÃO E LIMPEZA HOSPITALAR - SHL COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR - CCIH SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR - SCIH ROTINA DE LIMPEZA DO AMBIENTE HOSPITALAR Deusmar José da Silva, Coordenador Operacional Ana Carolina Cristino Brito, Enfermeira SCIH/CCIH REVISÃO, AGOSTO 2012.

2 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...08 I. FINALIDADES DO SERVIÇO DE HIGIENIZAÇÃO E LIMPEZA...08 II. CLASSIFICAÇÃO DAS ÁREAS HOSPITALARES Áreas Críticas Áreas Semicríticas Áreas não Críticas Freqüência da Limpeza...10 III. LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE AMBIENTE Tipos de Limpeza Procedimento da Limpeza Regras Básicas Técnicas de Limpeza com Água e Detergente Utilizando dois Baldes...11 A. Limpeza com pano úmido Limpeza Concorrente Limpeza Terminal...13 A. Limpeza da Unidade do Paciente com Água e Detergente...13 B. Limpeza Semanal Desinfecção Concorrente...15 A. Soluções para Desinfecção de Superfície...15 B. Desinfetante hospitalar 5A...16 B.1. Desinfetante hospitalar 5A Desinfecção Terminal...17 IV. ROTINAS DE TRABALHO DO SERVIÇO DE HIGIENIZAÇÃO E LIMPEZA Materiais Utilizados na Limpeza Espécie (Materiais de uso Exclusivo do Setor) Uso e Reconhecimento do Material de Limpeza Agentes de Limpeza...19 Página 2 de 57

3 2. Higiene Pessoal e Equipamentos de Proteção Individual EPI s Guarda de Material Depósito de Materiais e Limpeza DML Limpeza do Material em Uso...20 A. Cuidado com Enceradeira Revisão no Final de Tarde Orientações Gerais Pedido de Materiais Solicitação de Serviços de Manutenção Relação entre os Diversos Setores Circulação e Roteiro do Funcionário no Hospital Etiqueta / O Que Evitar O Que Ressaltar Dever do Funcionário Obrigação do Funcionário Materiais que Serão de Uso Obrigatório (fornecidos pela empresa) Princípios Básicos para a Limpeza Cuidado com Clientes e Funcionários O Que Não Devemos Fazer no Hospital no Sistema de Limpeza...24 V. MAPEAMENTO DE LIMPEZA Recomendações Especiais de Limpeza e Desinfecção Banheiro...27 A. Pia...27 B. Vaso Sanitário Banheiros Públicos Vestiários Limpeza Geral dos Ralos Venezianas, Persianas, Vidraças, Cortinas e Carpetes...29 A. Venezianas e Persianas...29 B. Cortinas e Carpetes Portas, Telefones e Fios...29

4 A. Portas, Portais, Maçanetas e Puxadores...29 B. Telefones e Fios Geladeira Macas e Suportes Paredes Rodapé Piso Ventiladores, Lâmpadas e Extintores Saída de Ar Televisão Sala de Curativo e Sala de Exame Escadas, Corredores e Hall Área de Circulação Contínua (Trânsito) Teias de Aranha Geral Enfermarias Limpeza Diária Limpeza Semanal (mesmo com paciente) Lavagem Terminal Enfermaria de Isolamento Posto de Enfermagem Limpeza Diária Apartamentos Unidade de Terapia Intensiva UTI Limpeza Diária da UTI Limpeza Pesada Central de Materiais e Esterilização CME Limpeza Diária CME Expurgo...36 A. Expurgo Limpeza Pesada Limpeza da Área de Preparo Área de Esterilização Centro Cirúrgico...37 Página 4 de 57

5 8.1. Limpeza Pré-Operatória Limpeza Operatória Limpeza Concorrente Limpeza Terminal Sala Contaminada / Rotina Limpeza Pesada nos Finais de Semana Unidade de Pré-Parto Limpeza da Unidade...41 A. Repouso médico...41 B. Triagem...41 C. Pré Parto...41 D. Corredor de Acesso Recolhimento do lixo Hemodinâmica Limpeza Diária Limpeza Pesada Setor de Radiologia - Raios-X Limpeza Diária Limpeza Pesada Hemodiálise - Unidade de Terapia Renal Substitutiva Limpeza Diária Limpeza Semanal Limpeza da Unidade do Paciente Laboratório e Banco de Sangue Limpeza Diária Limpeza Pesada Farmácia / Almoxarifado e Arsenal A Limpeza Semanal (Finais de Semana) Capela da Farmácia Serviço de Nutrição Refeitório (Serviço de Nutrição)...46 Página 5 de 57

6 15.2. Sala da Nutricionista (Serviço de Higienização)...46 A. Banheiro (Serviço de Higienização)...47 B. Dispensa (Serviço de Higienização)...47 C. Câmara Fria (Serviço de Nutrição)...47 D. Copa do 3º Andar (Serviço de Nutrição)...47 E. Preparo do Alimento / Cocção...47 F. Área de Distribuição...47 G. Armário Para Armazenar Alimentos (Serviço de Nutrição)...47 H. Limpeza Geral da Nutrição (Serviço de Nutrição e Higienização)...47 G. Geladeiras Lavanderia - Serviço de Processamento de Roupa Limpeza Geral Limpeza Diária Consultórios, Ambulatório SUS, Centro Médico, Centro Diagnose Limpeza Pesada Limpeza Diária Retiradas dos Chicletes Corredores do Centro Médico, Centro Diagnose, Ambulatório SUS Sala de Gesso Administração Limpeza Diária Limpeza Pesada Limpeza dos Elevadores Casa das Máquinas Necrotério Rotina de Descarte das Placentas...52 A. Rotina de Sepultamento das Placentas Rotina de Descarte de Membros Amputados...54 A. Rotina de Sepultamento dos Membros Limpeza da Área Externa Limpeza do Abrigo de Resíduos...55 Página 6 de 57

7 IV. RESPONSABILIDADES DA EQUIPE DE ENFERMAGEM NA LIMPEZA DO AMBIENTE HOSPITALAR...55 Página 7 de 57

8 INTRODUÇÃO A limpeza hospitalar é uma das medidas eficazes de prevenção e controle para romper a cadeia epidemiológica das infecções. A disseminação de vírus, de micobactérias e de diversos fungos se dá através do ar, da água e das superfícies inanimadas. A limpeza e a desinfecção com um desinfetante são eficazes em reduzir a infecção cruzada, veiculada pelo ambiente. A água por si só, não faz a limpeza de forma eficiente, ela não é bem absorvida pela superfície onde é aplicada (formação de gotas). Para melhorar a eficiência da água na remoção da sujeira adicionam-se a ela substâncias, como o detergente ou detergente, de tal modo que ela se espalhe, promovendo o contato mais íntimo com a superfície a ser limpa. As paredes, janelas, portas e tetos têm pouca relação com a transmissão de infecção hospitalar. A limpeza de rotina é necessária, mas não exige uma freqüência tão grande como o piso, o mobiliário e os equipamentos. Deve ser estabelecida uma rotina de limpeza periódica, de acordo com a área hospitalar em que se encontram e sempre que houver sujidade visível. I. FINALIDADES DO SERVIÇO DE HIGIENIZAÇÃO E LIMPEZA A principal finalidade do Serviço de Higienização e Limpeza é preparar o ambiente, manter a ordem, proporcionando maior segurança favorecendo o bom desempenho das ações a serem desenvolvidas, melhorando assim, a qualidade dos serviços. O SHL tem como principais finalidades: Manter o ambiente limpo; Prevenir infecções hospitalares; Conservar equipamentos; Prevenir acidentes de trabalho. Página 8 de 57

9 II. CLASSIFICAÇÃO DAS ÁREAS HOSPITALARES: Para facilitar o discernimento entre a necessidade de limpeza ou desinfecção, o ambiente hospitalar foi classificado de acordo com o risco de contaminação em áreas: Críticas, Semicríticas e Não-Críticas. 1. Áreas Críticas: São aquelas onde há maior reunião de pacientes graves (baixa resistência), maior número de procedimentos invasivos e, portanto, maior número de infecções: Centro Cirúrgico; Unidade de Tratamento Intensivo (UTI); Quartos de isolamento; Salas de pequenas cirurgias; Unidade de Transplante; Berçário; Hemodiálise; Laboratórios; Banco de Sangue; Lavanderia (área suja). 2. Áreas Semicríticas: São aquelas onde os pacientes se encontram internados, mas com risco de transmissão de infecção menor: Enfermarias em geral; Ambulatórios; Pronto Atendimento; Banheiros. Página 9 de 57

10 3. Áreas não Críticas: São todas as áreas hospitalares onde não há risco de transmissão de infecção, não ocupadas por pacientes, ou destinadas a exames clínicos: Almoxarifado; Diretoria; Coordenação de Ensino e Pesquisa; Departamento de Pessoal; Recepções; Salas de aula; Serviços de apoio: Raios-X, CCIH, Comissão de Prontuário, etc; Setores Administrativos em geral; 4. Freqüência da Limpeza: Em áreas críticas, duas vezes ao dia (ao iniciar os plantões) e quando necessário; Em áreas semicríticas uma vez ao dia e quando necessário; Em áreas não-críticas uma vez ao dia e quando necessário; III. LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE AMBIENTE: Independente da área a ser higienizada, é fundamental que haja remoção mecânica da sujidade ou da matéria orgânica. É importante diferenciar os termos limpeza e desinfecção, para evitar confusões que possam comprometer o processo de desinfecção. Limpeza/lavagem: é a remoção de sujidade do piso, de paredes, teto, mobiliários e equipamentos, utilizando-se água e detergente. Esse processo é fundamental para que a desinfecção se processe adequadamente. A limpeza mecânica com detergente elimina 80% dos microrganismos e os desinfetantes químicos eliminam cerca de 90% a 95% destes. Desinfecção: é o processo de destruição de microrganismos patogênicos na forma vegetativa existente em superfícies inertes, mediante a aplicação de agentes químicos ou físicos. Página 10 de 57

11 1. Tipos de Limpeza: Limpeza Concorrente: é realizada diariamente, ou quando necessário, em todas as unidades, inclusive na presença de pacientes. Limpeza Terminal: é realizada após alta, óbito ou transferência do paciente. Tem por finalidade a redução da contaminação do ambiente, bem como a preparação segura e adequada para receber um novo paciente. Desinfecção Concorrente: é realizada após contaminação com material orgânico (fezes, urina, vomito, sangue, secreções, etc.). Desinfecção Terminal: é realizada após limpeza terminal quando da alta, óbito ou transferência do paciente. 2. Procedimento da Limpeza A limpeza é feita apenas com água e detergente usando-se, inicialmente, o pano úmido (varredura úmida), para recolhimento de resíduos, seguindo de limpeza com água e detergente, retirando toda a sujidade, enxágüe e desinfecção com desinfetante hospitalar 5A. Utilizar sempre dois baldes, de cores diferentes Regras Básicas: Paredes: de cima para baixo; Tetos: utilizar uma direção única, iniciando do fundo da sala para a saída; Piso de enfermarias, quartos e salas: limpar em sentido único, evitando o vaivém, iniciando do fundo para a porta de saída; Piso de corredores, escadas e hall: sinalizar a área, dividindo-a em 2 faixas, possibilitando o trânsito em uma delas; Usar sempre dois baldes: um com água, outro com água e detergente líquido; Ao proceder à limpeza evitar derramar água no chão; Usar sempre panos limpos; Usar sempre panos diferenciados para móveis, paredes, chão, pias e vasos sanitários; Página 11 de 57

12 Manter os equipamentos de limpeza limpos e secos; Comunicar a chefia imediata sempre que houver estragos nos móveis e equipamentos; Zelar pela manutenção dos móveis e equipamentos; Usar Equipamentos de Proteção Individual: luvas de borracha grossas e longas, botas de borracha, avental impermeável, quando necessário; Nunca varrer superfícies a seco, evitando assim a dispersão de microorganismos e partículas de pó; Utilizar luvas de borracha de cores diferenciadas para a limpeza, por exemplo, de pisos e banheiros / camas, berços e bancadas; Usar panos de limpeza diferenciados para enfermarias e banheiros e de uma enfermaria para outra; Não colocar panos e ou tapetes nas portas dos ambientes do hospital Técnicas de Limpeza com Água e Detergente Utilizando dois Baldes: A técnica de limpeza utilizando dois baldes tem por objetivo estender o tempo de vida útil do detergente, diminuindo o custo e a carga de trabalho. A. Limpeza com pano úmido Utilizado na limpeza de superfícies impermeabilizadas (mobiliário, pisos, vidros, paredes, tetos, luminárias, equipamentos). Procedimento Preparar dois baldes, um com água e detergente e outro apenas com água; Mergulhar o pano no balde com água e detergente, torcendo-o bem para retirar o máximo possível de água (substitui a operação de remover o pó seco, e ao mesmo tempo promover a limpeza); Abrir o pano umedecido, dobrando-o em 2 ou 4; Limpar as superfícies, desdobrando o pano para utilizar todas as dobras limpas; Limpar em faixas paralelas, com movimentos ritmados, longos e retos; Lavar o pano no balde que contém apenas a água, após utilizar todas as dobras; Voltar a mergulhar o pano no balde com água e detergente, para se necessário, reiniciar o procedimento de limpeza; Repetir a operação quantas vezes necessárias para promover a limpeza; Página 12 de 57

13 Trocar a água dos baldes sempre que visivelmente sujas, quantas vezes forem necessárias; Jogar a água suja no esgoto; Limpar e guardar todo o material após o uso; Lavar as mãos antes de seguir para outra tarefa Limpeza Concorrente É a limpeza feita nas dependências hospitalares enquanto ocupadas por pacientes, ao iniciar a jornada de trabalho, ao término de procedimentos. Deve ser seguida pela Limpeza de manutenção sempre que necessária. Procedimento Recolher das mesas, bancadas, etc., todo material a ser desprezado; Preparar dois baldes, um com água e detergente, outro apenas com água; Limpar as mesas, bancadas, etc., umedecendo o pano com água e detergente, utilizando a técnica do pano úmido; Passar pano úmido embebido em água pura duas vezes ou mais se necessário para retirar todo o detergente; Não misturar os panos de limpeza de bancadas com os de limpeza do chão; Retirar as luvas de limpeza de bancadas e lavar as mãos; Colocar as luvas destinadas à limpeza do chão; Proceder à limpeza do chão com água e detergente usando a técnica do pano úmido; Utilizar movimentos retos e paralelos, obedecendo ao sentido do interior para a porta de saída dos ambientes; Lavar o pano no balde com água pura; Passar o pano úmido com água pura para retirar todo o detergente quantas vezes for necessário Limpeza Terminal É a limpeza feita após alta, óbito ou transferência do paciente, ou a cada 15 dias quando da internação prolongada. Página 13 de 57

14 Procedimento Proceder como indicada na Limpeza Concorrente acrescentando a limpeza do piso com máquina; Incluir a limpeza criteriosa da unidade do paciente. A. Limpeza da Unidade do Paciente com Água e Detergente No que diz respeito à limpeza da unidade do paciente estão incluídos: a cama, o suporte de soro, a escadinha, a mesinha de cabeceira, a mesa de refeição, o cesto de lixo e demais mobiliários utilizados durante a assistência ao paciente. Procedimento Preparar dois baldes, um com água e detergente e outro apenas com água; Colocar o material sobre a mesinha ou cadeira; Calçar luvas; Embeber o pano em água e detergente e fazer a limpeza de toda a superfície do colchão, cabeceira, bordas, estrados e pés da cama, repetindo a operação tantas vezes quantas necessárias; Utilizar um sentido único na limpeza, evitando o movimento de vaivém; Dobrar o colchão fazendo a sua limpeza e da parte interna do estrado, procedendo da mesma forma com o outro lado da cama e do colchão; Manter o colchão dobrado como indicação de que a unidade do paciente passou por limpeza terminal; Elevar os pés e cabeceira da cama fazendo a limpeza da parte que fica sob o estrado; Lavar o pano no balde com água limpa sempre que sujo; Trocar a água dos baldes quantas vezes forem necessárias; Incluir na limpeza os suportes de soro, mesa de cabeceira, cadeiras, escadinhas e mesas de alimentação; Limpar criados e móveis permeáveis com pano úmido; Comunicar a equipe de enfermagem ao termino da limpeza da unidade do paciente para que a mesma proceda à desinfecção com álcool 70%. Página 14 de 57

15 Observação: A enfermagem deverá desocupar o leito e solicitar a limpeza do mesmo nos casos de internação prolongada (15/15 dias), ou em menos tempo se achar necessário. B. Limpeza Semanal É a chamada faxina, que deve ser realizada criteriosamente (1) uma vez por semana, nas áreas críticas e semi-críticas. Procedimento Proceder como indicada na Limpeza Terminal incluindo a limpeza criteriosa de: teto, paredes, canalização e tubulação exposta, portas, mesas, bancadas, chão, ralos, baldes de lixos, material permanente (geladeiras, carrinhos de anestesia, de curativos, etc.) Desinfecção Concorrente: A desinfecção de superfície está indicada quando em presença de matéria orgânica (fezes, urina, sangue, vômitos e secreções), antecedendo a limpeza das superfícies. A. Soluções para Desinfecção de Superfície Álcool etílico a 70%; Desinfetante hospitalar 5A a base de quaternário de amônia; Hipoclorito de sódio a 1% Procedimento Álcool a 70% (Usado pela Equipe de Enfermagem). O álcool a 70% é utilizado na Desinfecção Concorrente ou Terminal da unidade do paciente, devendo ser realizada pelo pessoal da enfermagem; Na desinfecção terminal da unidade do paciente o álcool a 70% deverá ser usado após limpeza terminal realizada pelos funcionários do SHL; O álcool a 70% é utilizado para desinfecção de equipamentos, bancadas, macas, superfícies metálicas e etc; Página 15 de 57

16 Retirar o excesso da carga contaminante (matéria orgânica) se houver, com papéis absorventes ou panos velhos, sempre utilizando luvas; Proceder à limpeza com água e detergente em toda superfície, usando as técnicas de pano úmido; Embeber o pano no álcool e fazer 03 fricções locais por 30 segundos, deixando a superfície secar espontaneamente; Manter o frasco rotulado com nome da solução, validade, data da abertura e assinatura; O prazo máximo para uso da solução, após a abertura do frasco, é de 07 dias; A. Desinfetante hospitalar 5A É utilizado na desinfecção terminal e Concorrente de pisos, paredes e banheiros, podendo ser utilizado em artigos metálicos; É utilizado na desinfecção terminal após a limpeza terminal; Retirar o excesso da carga contaminante (matéria orgânica) com papéis absorventes ou compressas panos velhos, sempre utilizando luvas; Desprezar o papel ou pano em saco plástico de lixo branco leitoso ou fazer desinfecção do pano em caso de necessidade de reutilizá-lo (neste caso encaminhar para a lavanderia); Com o pano aplicar a solução desinfetante hospitalar 5A por 10 minutos em toda superfície; Remover o desinfetante com pano úmido; Proceder à limpeza com água e detergente em toda superfície, usando as técnicas do pano úmido; Usar os EPIs necessários a este procedimento (avental impermeável, luvas de borracha com cano longo, botas, óculos e máscara); Lavar as mãos após a tarefa; Manter o frasco rotulado com nome da solução, validade, data da abertura e assinatura. Deve-se atentar para o prazo de validade da solução, determinado pelo Serviço de Farmácia; O Desinfetante hospitalar 5A é utilizado na limpeza Concorrente ou Terminal das Áreas Críticas e Semicríticas, realizada pela equipe do SHL; B.1. Desinfetante hospitalar 5A Desinfetante à base de quaternário de amônia 4ª geração; Página 16 de 57

17 Perfeito para superfícies laváveis, duras e não-porosas, como pisos tratados, azulejos, cerâmicas, metais, porcelanatos, etc.; Teor de ativos equivalente ao mínimo de 848 ppm (produto diluído); Não agride ceras ou impermeabilizantes, contribuindo na conservação do tratamento do piso; Eficaz contra Entrerococcus faecalis resistente à Vancomicina (VRE), Acinetobacter baumannii produtora da metalo-betalactamase (IMP-1), Salmonella chophylococcus aureus, Pseudomonas aeruginosa, Klebsiella pneumoniae (produtora da betalactamase de aspectro ampliado, ESâL); Não necessita de enxágüe; Não contém fragrância. Tem ação sobre a matéria orgânica, com eficiência bactericida comprovada; Limpeza diária: usar técnica de dois baldes e pano úmido e no lugar do detergente utilizar o desinfetante hospitalar 5A para todas as áreas do hospital; Nas áreas não críticas, onde não é necessário proceder à desinfecção utilizar detergente e o desinfetante 5A; Limpeza e Desinfecção Terminal: com o uso do desinfetante hospitalar 5A estas duas etapas se resumem em uma só; Proceder à limpeza terminal da enfermaria (individual ou coletiva) e da unidade do paciente conforme descrito, sendo necessário a etapa de Desinfecção com álcool a 70% e/ou Desinfetante hospitalar 5A; O desinfetante hospitalar 5A poderá ser utilizado em qualquer tipo de superfície, metálica ou não; Poderá ser usado na limpeza e desinfecção da unidade do paciente. Hipoclorito de sódio a 1%(Usado pela Equipe de Enfermagem/ laboratório). É utilizado na desinfecção terminal e Concorrente de pisos, paredes e banheiros, podendo ser utilizado em artigos metálicos; É utilizado na desinfecção terminal após a limpeza terminal; Retirar o excesso da carga contaminante (matéria orgânica) com papéis absorventes ou compressas panos velhos, sempre utilizando luvas; Desprezar o papel ou pano em saco plástico de lixo branco leitoso ou fazer desinfecção do pano em caso de necessidade de reutilizá-lo (neste caso encaminhar para a lavanderia); Página 17 de 57

18 Com o pano aplicar a solução em toda superfície por 10 minutos; Remover o desinfetante com pano úmido em água pura; Proceder à limpeza com água e detergente em toda superfície, usando as técnicas do pano úmido; Usar os EPIs necessários a este procedimento (avental impermeável, luvas de borracha com cano longo, botas, óculos e máscara); Lavar as mãos após a tarefa; Manter o frasco rotulado com nome da solução, validade, data da abertura e assinatura. Deve-se atentar para o prazo de validade da solução, determinado pelo Serviço de Farmácia; O hipoclorito é utilizado na desinfecção concorrente ou terminal das áreas críticas e semicriticas, devendo ser realizadas pelo pessoal do SHL após limpeza Desinfecção Terminal Será feita após a limpeza, em situações de altas, óbitos, transferência, suspensão de medidas de isolamento e semanalmente: Procedimento Utilizar uniforme completo e EPI. Usar a técnica de Desinfecção Concorrente, quando na presença de matéria orgânica, seguida de limpeza semanal; Passar pano úmido com solução desinfetante hospitalar 5A, em paredes, pisos, tetos, portas, janelas, etc., após a limpeza; Equipe de enfermagem: Passar pano úmido com solução desinfetante (álcool 70%), fricção por 03 vezes em mesas, bancadas, carrinhos de anestesia, unidade do pacientes, etc, após a limpeza terminal; Lavar as mãos ao término da tarefa; IV. ROTINAS DE TRABALHO DO SERVIÇO DE HIGIENIZAÇÃO E LIMPEZA: 1. Materiais Utilizados na Limpeza 1.1. Espécie (Materiais de uso Exclusivo do Setor) Baldes (de cores diferentes, Azul e vermelho); Página 18 de 57

19 Carro: para transporte e guarda do material de limpeza; Desentupidor de pia e ralos; Escadas: diversos tamanhos; Enceradeiras; Cesto de lixo (15, 25 e 100 litros); Fibra de limpeza, leve, média e pesada; Panos para limpeza (de mesa, pia, etc.); Pá de lixo (cabo longo e curto); Rodos de alumínio (nos tamanhos 40 e 60cm); Saco de plástico (cor branco leitoso para resíduo infectante, saco azul para o resíduo comum e saco vermelho para resíduo infectante de hemoderivados e saco preto para produto químicos); Vassourinha (de piaçava para banheiros); Vassoura de piaçava (diversos tamanhos) Uso e Reconhecimento do Material de Limpeza Baldes: De plástico, em cores diferentes. Ex: Vermelho para soluções detergente ou desinfetante e Azul para água. Escadas: Do tipo doméstica, antiderrapante com degraus de borracha corrugado, com plataforma superior e dispositivo para colocar utensílios de limpeza. Panos-Esfregões: Pequenos sem fiapos de tecido, resistentes para limpeza manual (pano de saco fechado). Panos de Chão: De tecido forte e frouxo de tamanho suficiente para envolver o rodo ou a vassoura Agentes de Limpeza Água Detergente Purificador de ar Multiuso Impermeabilizante Água Sanitária Detergentes Limpa Banheiro Limpa Vidros Desinfetantes Polidor de metais Removedor Página 19 de 57

20 Água: É utilizada para diluição do desinfetante e também para remover as sujeiras, resíduos de detergentes e sabões usados na limpeza. Sabões: Sua capacidade de limpeza varia em função da matéria-prima usada para sua fabricação. Os mais indicados são os sabões que contêm cloro, por seu alto poder de limpeza e desinfecção e desodorização de áreas. Ex: detergente em pó. Detergentes: Substâncias que facilitam a limpeza e eliminam as gorduras dos artigos e áreas. Desinfetantes: São usados para limpeza e desinfecção das áreas e artigos críticos e semicríticos. Ex: Desinfetante hospitalar 5A e álcool etílico a 70%. Impermeabilizante: O hospital só poderá ser encerado com impermeabilizante próprio; O hospital ou qualquer setor deverá ser encerado para fazer o tratamento de piso (evitar desgaste do piso); O piso só poderá será encerado após fazer a limpeza adequada; O brilho é instantâneo; Nunca encerar com o piso sujo, pois poderá impregnar sujidade, tornando mais difícil a retirada da sujidade. O Impermeabilizante só será liberado, em situações especiais, após avaliação da CCIH e Coordenação Operacional; Removedor: Utilizado na limpeza terminal, para remoção do impermeabilizante e sujidades impregnadas, diluído conforme orientação do fabricante. 2. Higiene Pessoal e Equipamentos de Proteção Individual EPI s: Uniforme: limpo e passado (Unisex oferecido pelo Hospital); Bota de borracha: usar para todos os procedimentos e mantê-la sempre limpa e seca / guardar no armário; Luvas de borracha grossa e longa (02 pares com cores diferenciadas): Mantê-la limpa, observar furos, lavar no final do plantão / não pegar na maçaneta, telefone ou qualquer objeto com luva; Avental impermeável; Gorros; Óculos de acrílico; Página 20 de 57

21 Cuidado ao recolher lixo e em caso de acidente notificar a chefia imediata e o SESMT; Manter vestiário (armário) sempre limpo; Não trazer criança para o hospital (a mesma pode adquirir doenças). 3. Guarda de Material 3.1 Depósito de Materiais e Limpeza DML: Local para guarda e limpeza do material com: Pia: para lavagem das mãos; Tanque: para limpeza do material; Dispositivo: para pendurar vassouras, rodos e pás; Desinfetantes: devidamente rotulados e tampados; o rótulo deve incluir data de início do uso e nome da substância. 4. Limpeza do Material em Uso Todo o material de limpeza e o local de guarda devem ser lavados e desinfetados usando desinfetante hospitalar 5A após o uso; Pá de lixo: Após o uso, lavar com detergente e deixá-la guardada apoiada na parede (pendurada pelo cabo); Balde: Após o uso, lavar com detergente e guardá-lo com boca para baixo; Enceradeiras: Devem ser limpas com pano úmido e guardados em local próprio; Rodo: Limpar a borracha e guarda-lo em local fresco fora da água. Não deixar produtos e materiais de limpeza nos quartos ou banheiros dos pacientes. Estes materiais devem ser guardados, depois de lavados, na sala específica para a guarda dos mesmos; Panos: Deverão ser encaminhados à lavanderia após o uso, não devem ser deixados de molho de um dia para o outro, evitando assim a proliferação de microorganismos; O local de guarda do material não deverá ser utilizado para outros fins como, por exemplo, para alimentação; Lavar as mãos após cada limpeza; Página 21 de 57

22 A. Cuidado com Enceradeira: Ao usar as mesmas, limpar; Não jogar água em cima; Não bater na enceradeira; Não deixar o fio esticado; Não deixar o disco por baixo; Não passar enceradeira quando estiver dando brilho com chão molhado; Enxugar o fio da mesma; Não colocar o plugue na tomada com as mãos molhadas; Não poderá jogar água em alta distância, ou seja, com o corpo reto (inclinar-se); As enceradeiras não poderão ser entregues sujas. 5. Revisão no Final de Tarde: Usar um pano com rodo; Usar balde com água; Recolher todos os lixos dos cestos; Passar um pano úmido na enfermaria; Conforme a situação do banheiro, lavar o mesmo com água, limpa banheiro 4B e desinfetante hospitalar 5A; Não deixar faltar papel higiênico nos banheiros; Não deixar o ambiente sujo ou passar o serviço desorganizado; As enfermarias terão que estar limpas para funcionário do noturno. 6. Orientações Gerais: 6.1. Pedido de Materiais: A solicitação de materiais é feita na sala de distribuição de materiais, que libera atendendo necessidades. Página 22 de 57

23 6.2. Solicitação de Serviços de Manutenção: Os serviços de manutenção observados pelo funcionário devem ser comunicados à coordenação de cada setor que tomara as devidas providências via intranet. Quando necessária manutenção fará o recolhimento do equipamento estragado ou inutilizado Relação entre os Diversos Setores: A limpeza, recepção, enfermagem, manutenção e outros setores que, dependendo da sua interligação e trabalho em equipe, são responsáveis pelo sucesso ou fracasso dos serviços prestados pelo hospital. A recepção depende de apartamentos limpos e em ordem para fazer a internação, a enfermagem só pode liberar apartamentos quando estes estiverem em condições de serem ocupados necessitando da limpeza e manutenção dos mesmos. Deve haver comunicação clara entre os diversos setores para evitar constrangimentos que venham deixar clientes insatisfeitos Circulação e Roteiro do Funcionário no Hospital: A definição de um roteiro e uma rotina de trabalho para o funcionário da limpeza economiza tempo e materiais. Padronizando assim o trabalho, de maneira a obter melhor qualidade. Ver roteiro de trabalho no item de Mapeamento de Limpeza Etiqueta / O Que Evitar: Gestos, palavras, modos que denotam descuido, desleixo pessoal, como: coçar o nariz, vestir roupa mal cuidada, curta etc. Reclamações e descontentamentos freqüentes com coisas de pequena importância; Snobismo, presunção e arrogância; Fofocas e maledicências; Indiferenças e negativismo; 6.6. O Que Ressaltar: Página 23 de 57

SERVIÇO DE HIGIENIZAÇÃO E LIMPEZA HOSPITALAR - SHL

SERVIÇO DE HIGIENIZAÇÃO E LIMPEZA HOSPITALAR - SHL SERVIÇO DE HIGIENIZAÇÃO E LIMPEZA HOSPITALAR - SHL COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR - CCIH SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR - SCIH ROTINA DE LIMPEZA DO AMBIENTE HOSPITALAR Jair Miranda

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA O SERVIÇO DE LIMPEZA HOSPITALAR

ORIENTAÇÃO PARA O SERVIÇO DE LIMPEZA HOSPITALAR ORIENTAÇÃO PARA O SERVIÇO DE LIMPEZA HOSPITALAR I- Introdução: A higiene e a ordem são elementos que concorrem decisivamente para a sensação de bem-estar, segurança e conforto dos profissionais, pacientes

Leia mais

Manual de Procedimento Operacional Padrão do Serviço de Limpeza

Manual de Procedimento Operacional Padrão do Serviço de Limpeza Univale Universidade Vale do Rio Doce DEC Departamento de Campo/Biossegurança Curso de Enfermagem Manual de Procedimento Operacional Padrão do Serviço de Limpeza Elaborado por: Enf Arilza Patrício Enf

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA SERVIÇO DE HIGIENIZAÇÃO E LIMPEZA HOSPITALAR HU/CAS-UFJF COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR CCIH SCIH ROTINA DE HIGIENE E LIMPEZA DO AMBIENTE HOSPITALAR ENFERMEIRA: MARIA LUCIA MORCERF BOUZADA

Leia mais

Divisão de Enfermagem CME Página 1 de 6 Título do Procedimento: Limpeza concorrente e terminal da CME

Divisão de Enfermagem CME Página 1 de 6 Título do Procedimento: Limpeza concorrente e terminal da CME Divisão de Enfermagem CME Página 1 de 6 Freqüência em que é realizado: Diário/semanal/quinzenal/mensal Profissional que realiza: Auxiliar ou Técnico de Enfermagem e servidor da empresa terceirizada de

Leia mais

Comissão de Controle de Infecção Hospitalar 16/04/2002 atualizada em 30/05/2003 Rotina D5. Manual de Limpeza

Comissão de Controle de Infecção Hospitalar 16/04/2002 atualizada em 30/05/2003 Rotina D5. Manual de Limpeza Comissão de Controle de Infecção Hospitalar 16/04/2002 atualizada em 30/05/2003 Rotina D5 Manual de Limpeza 1. INTRODUÇÃO 2. NOÇÔES BÀSICAS DE HIGIENE E DEFINIÇÕES DE NECESSIDADES 3. DEFINIÇÕES E CONCEITOS

Leia mais

Higienização do Ambiente Hospitalar

Higienização do Ambiente Hospitalar Higienização do Ambiente Hospitalar Enfª Mirella Carneiro Schiavon Agosto/2015 O serviço de limpeza tem por finalidade preparar o ambiente de saúde para suas atividades, mantê-lo em ordem e conservar equipamentos

Leia mais

HIGIENIZAÇÃO HOSPITALAR 2013

HIGIENIZAÇÃO HOSPITALAR 2013 HIGIENIZAÇÃO HOSPITALAR 2013 O Hospital realiza uma combinação complexa de atividades especializadas, onde o serviço de Higienização e Limpeza ocupam um lugar de grande importância. Ao se entrar em um

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade PROTOCOLO: Limpeza concorrente e terminal do leito, cortinas, mobiliários e equipamentos hospitalares

Sistema de Gestão da Qualidade PROTOCOLO: Limpeza concorrente e terminal do leito, cortinas, mobiliários e equipamentos hospitalares Página: 1/9 INTRODUÇÃO: A limpeza e a desinfecção de superfícies são elementos que propiciam segurança e conforto aos pacientes, profissionais e familiares nos serviços de saúde. Colabora também para o

Leia mais

Procedimentos Operacionais NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR

Procedimentos Operacionais NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Versão: 1 Pg: 1/9 NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Mônica Regina Viera Coordenadora 05/09/2009 DE ACORDO Ivo Fernandes Sobreiro Gerente da Qualidade 08/09/2009 APROVADO POR Dr. Renato de Lacerda

Leia mais

INSTITUIÇÃO: DATA: RESPONSÁVEL PELA INSPEÇÃO: NOME DO RESP. PELO SERVIÇO;

INSTITUIÇÃO: DATA: RESPONSÁVEL PELA INSPEÇÃO: NOME DO RESP. PELO SERVIÇO; INSTITUIÇÃO: DATA: RESPONSÁVEL PELA INSPEÇÃO: NOME DO RESP. PELO SERVIÇO; Tipo do Serviço: ( ) Próprio ( )terceirizado Nome; Possui Licença sanitária? ( ) SIM ( ) NÃO N /ANO: Há um encarregado do setor

Leia mais

LIMPEZA MANUAL MOLHADA

LIMPEZA MANUAL MOLHADA GLOSSÁRIO LIMPEZA MANUAL ÚMIDA - Realizada com a utilização de rodos, mops ou esfregões, panos ou esponjas umedecidas em solução detergente, com enxágue posterior com pano umedecido em água limpa. No caso

Leia mais

INFORMAÇOES TÉCNICA DOS SERVIÇOS

INFORMAÇOES TÉCNICA DOS SERVIÇOS INFORMAÇOES TÉCNICA DOS SERVIÇOS 3 - LIMPEZA E MANUTENÇÃO Informamos abaixo a forma correta de como proceder à limpeza profunda. Os equipamentos utilizados estão dimensionados de acordo com o tamanho do

Leia mais

ORIENTAÇÕES BÀSICAS DE HIGIENE PESSOAL DO PROFISSIONAL DE SAÚDE

ORIENTAÇÕES BÀSICAS DE HIGIENE PESSOAL DO PROFISSIONAL DE SAÚDE ÁREA 1 - HIGIENE E ANTISSEPSIA PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Número: POP 001 ORIENTAÇÕES BÀSICAS DE HIGIENE PESSOAL DO PROFISSIONAL DE SAÚDE EXECUTANTE: Todos os profissionais da equipe de saúde. ÁREA:

Leia mais

EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS

EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS Ebola Perguntas e Respostas 13 O que fazer se um viajante proveniente desses países africanos apresentar sintomas já no nosso

Leia mais

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde A Portaria MS nº 2616/98 define a Infecção Hospitalar (IH) como sendo aquela adquirida após a admissão do paciente e que se manifesta durante

Leia mais

MANUAL DE HIGIENIZAÇÃO E LIMPEZA

MANUAL DE HIGIENIZAÇÃO E LIMPEZA MANUAL DE HIGIENIZAÇÃO E LIMPEZA Classificação das Áreas: Critica Semicrítica Não critica Tipos de Limpeza: Limpeza concorrente Limpeza terminal Métodos e Equipamentos de Limpeza de superfície: Limpeza

Leia mais

SCIH. POP de Limpeza Hospitalar

SCIH. POP de Limpeza Hospitalar UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JÚLIO MÜLLER SERVIÇO DE CONTROLE INFECÇAO HOSPITALAR SCIH POP de Limpeza Hospitalar Introdução O Serviço de Limpeza e Desinfecção de Superfícies

Leia mais

BIOSSEGURANÇA PARA AMBULÂNCIAS

BIOSSEGURANÇA PARA AMBULÂNCIAS 1 COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR BIOSSEGURANÇA PARA AMBULÂNCIAS Flávia Valério de Lima Gomes Enfermeira do SCIH / CCIH Alexandre Gonçalves de Sousa Gerente de Manutenção e Transporte Julho

Leia mais

MANUAL DE ORGANIZAÇÃO DE HIGIENIZAÇÃO E CONSERVAÇÃO DO AMBIENTE DE SERVIÇOS DE SAÚDE DE CONTAGEM

MANUAL DE ORGANIZAÇÃO DE HIGIENIZAÇÃO E CONSERVAÇÃO DO AMBIENTE DE SERVIÇOS DE SAÚDE DE CONTAGEM MANUAL DE ORGANIZAÇÃO SMS-MOHCA- SERVIÇOS DE SAÚDE SUS SUB / PROCESSO DO AMBIENTE DE SERVIÇOS DE SAÚDE DE MANUAL DE ORGANIZAÇÃO DE HIGIENIZAÇÃO E CONSERVAÇÃO DO AMBIENTE DE SERVIÇOS DE SAÚDE DE Histórico

Leia mais

MANUAL TÉCNICO LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE SUPERFÍCIES HOSPITALARES E MANEJO DE RESÍDUOS

MANUAL TÉCNICO LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE SUPERFÍCIES HOSPITALARES E MANEJO DE RESÍDUOS MANUAL TÉCNICO LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE SUPERFÍCIES HOSPITALARES E MANEJO DE RESÍDUOS LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE SUPERFÍCIES EM ÁREAS HOSPITALARES E MANEJO DE RESÍDUOS As áreas hospitalares subdividem-se

Leia mais

Transporte do paciente com suspeita de DVE (Doença do Vírus Ebola)

Transporte do paciente com suspeita de DVE (Doença do Vírus Ebola) Transporte do paciente com suspeita de DVE (Doença do Vírus Ebola) Por orientação do Ministério da Saúde o transporte terrestre do paciente com suspeita de DVE (Doença do Vírus Ebola), será realizado pelo

Leia mais

HIGIENIZAÇÃO, LIMPEZA E PARAMENTAÇÃO

HIGIENIZAÇÃO, LIMPEZA E PARAMENTAÇÃO Bem Vindos! HIGIENIZAÇÃO, LIMPEZA E PARAMENTAÇÃO Quem sou? Farmacêutica Bioquímica e Homeopata. Especialista em Análises Clínicas, Micologia, Microbiologia e Homeopatia. 14 anos no varejo farmacêutico

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRONIZADO P O P

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRONIZADO P O P PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRONIZADO P O P P O P DEFINIÇÃO É uma descrição detalhada de todas as operações necessárias para a realização de uma atividade. É um roteiro padronizado para realizar uma atividade.

Leia mais

Higiene Hospitalar no HSL

Higiene Hospitalar no HSL Higiene Hospitalar no HSL Compartilhando nossa experiência Enfa. Gizelma de A. Simões Rodrigues Superintendencia de Atendimento e Operações Enf./Atend./Hosp. Gerencia de Hospedagem Gestão Ambiental Coordenação

Leia mais

LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE SUPERFÍCIES HOSPITALARES E MANEJO DE RESÍDUOS

LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE SUPERFÍCIES HOSPITALARES E MANEJO DE RESÍDUOS MANUAL TÉCNICO LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE SUPERFÍCIES HOSPITALARES E MANEJO DE RESÍDUOS LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE SUPERFÍCIES EM ÁREAS HOSPITALARES E MANEJO DE RESÍDUOS As áreas hospitalares subdividem-se

Leia mais

ANEXO I METODOLOGIA DE REFERÊNCIA DOS SERVIÇOS DE LIMPEZA E CONSERVAÇÃO

ANEXO I METODOLOGIA DE REFERÊNCIA DOS SERVIÇOS DE LIMPEZA E CONSERVAÇÃO ANEXO I METODOLOGIA DE REFERÊNCIA DOS SERVIÇOS DE LIMPEZA E CONSERVAÇÃO 1.1. Tarefa: Limpeza de MÓVEIS E EQUIPAMENTOS DE INFORMÁTICA - limpar com pano úmido e remover pó e manchas das mesas, armários,

Leia mais

AEMS- FACULDADES INTEGRADAS DE TRÊS LAGOAS MS

AEMS- FACULDADES INTEGRADAS DE TRÊS LAGOAS MS AEMS- FACULDADES INTEGRADAS DE TRÊS LAGOAS MS ASSEPSIA E CONTROLE DE INFECÇÃO Prof. MARCELO ALESSANDRO RIGOTTI LICENCIADO EM ENFERMAGEM e ESPECIALISTA EM CONTROLE DE INFEÇÃO Mestrando pela Escola de Enfermagem

Leia mais

Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário COMISSÃO DE CONTROLE DA INFECÇÃO HOSPITALAR

Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário COMISSÃO DE CONTROLE DA INFECÇÃO HOSPITALAR PROGRAMA PREVENÇÃO E CONTROLE DE Sumário COMISSÃO DE CONTROLE DA INFECÇÃO HOSPITALAR ORGANIZAÇÃO DA CCIH Estrutura Atividades FUNCIONAMENTO Coleta de Dados Análise dos Dados Divulgação dos Dados Recursos

Leia mais

HIGIENIZAÇÃO DO AMBIENTE, PROCESSAMENTO E PREPARO DE SUPERFÍCIE DOS EQUIPAMENTOS E CONSULTÓRIO ODONTOLÓGICO

HIGIENIZAÇÃO DO AMBIENTE, PROCESSAMENTO E PREPARO DE SUPERFÍCIE DOS EQUIPAMENTOS E CONSULTÓRIO ODONTOLÓGICO HIGIENIZAÇÃO DO AMBIENTE, PROCESSAMENTO E PREPARO DE SUPERFÍCIE DOS EQUIPAMENTOS E CONSULTÓRIO ODONTOLÓGICO ANA LUÍZA 21289 LUCAS - 23122 ARTTENALPY 21500 MARCELINA - 25723 CLECIANE - 25456 NAYARA - 21402

Leia mais

Medidas de Precaução

Medidas de Precaução Medidas de Precaução INFLUENZA A (H1N1) Gerência-Geral de Tecnologia em Serviços de Saúde GGTES/Anvisa Medidas de Precaução Precaução Padrão Precauções Baseadas na Transmissão: contato gotículas aerossóis

Leia mais

Limpeza e Desinfecção

Limpeza e Desinfecção Limpeza e Desinfecção Instrutora: Enf. Dr. Thaís S Guerra Stacciarini Conteúdo Limpeza e desinfecção LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE UNIDADE LIMPEZA E DESINFECÇÃO DO POSTO DE ENFERMAGEM CONCORRENTE TERMINAL LIMPEZA

Leia mais

MANUAL TÉCNICO DO SERVIÇO DE HIGIENE E LIMPEZA DO CENTRO MÉDICO UNIMED

MANUAL TÉCNICO DO SERVIÇO DE HIGIENE E LIMPEZA DO CENTRO MÉDICO UNIMED MANUAL TÉCNICO DO SERVIÇO DE HIGIENE E LIMPEZA DO CENTRO MÉDICO UNIMED LENÇÓIS PAULISTA 2010 2 APRESENTAÇÃO Este manual destina-se a orientar as ações de higienização do Centro Médico Unimed (CMU) de Lençóis

Leia mais

Rotinas para Limpeza e Desinfecção de Superfícies Hospital do Cepon

Rotinas para Limpeza e Desinfecção de Superfícies Hospital do Cepon Rotinas para Limpeza e Desinfecção de Superfícies Hospital do Cepon Serviço de Zeladoria Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Coordenações de Enfermagem do Centro Cirúrgico, Oncologia Clínica e Suporte

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO CIRÚRGICA RGICA RESPONSABILIDADE COMPARTILHADA INSTRUMENTADOR CIRÚRGICO A INSTRUMENTAÇÃO CIRÚRGICA: é uma atividade de enfermagem, não sendo entretanto, ato privativo da mesma e que o profissional

Leia mais

Anexo II - TERMO DE REFERÊNCIA CONSERVAÇÃO E LIMPEZA

Anexo II - TERMO DE REFERÊNCIA CONSERVAÇÃO E LIMPEZA Anexo II - TERMO DE REFERÊNCIA CONSERVAÇÃO E LIMPEZA 1. OBJETO 1.1. Prestação de Serviços de Conservação e limpeza, higiene e desinfecção e Jardinagem com fornecimento de materiais e equipamentos, para

Leia mais

COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA DE CONTROLE DE VETORES NO AMBIENTE HOSPITALAR

COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA DE CONTROLE DE VETORES NO AMBIENTE HOSPITALAR 1 COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA DE CONTROLE DE VETORES NO AMBIENTE HOSPITALAR Flávia Valério de Lima Gomes Enfermeira da CCIH / SCIH Jair

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM HOTEIS E MOTEIS

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM HOTEIS E MOTEIS SUPERINTEDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERENCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL E SAÚDE DO TRABALHADOR COORDERNAÇÃO DE FISCALIZAÇÃO DE AMBIENTES E SAÚDE DO TRABALHADOR Av. Anhanguera, nº 5.195 Setor Coimbra

Leia mais

Portaria nº 612/97 SES/GO de 25 de novembro de 1997

Portaria nº 612/97 SES/GO de 25 de novembro de 1997 SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE DO ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIVISÃO DE FISCALIZAÇÃO DE FONTES DE RADIAÇÕES IONIZANTES Portaria nº 612/97 SES/GO de 25

Leia mais

Última revisão: 03/08/2011 ROTINA DE LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE ARTIGOS

Última revisão: 03/08/2011 ROTINA DE LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE ARTIGOS Protocolo: Nº 23 ELABORADO POR: Frederico Willer Ubiratam Lopes Última revisão: 03/08/2011 Revisores: Manoel Emiliano Ubiratam Lopes Wilhma Alves Frederico Willer ROTINA DE LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE ARTIGOS

Leia mais

Limpeza Terminal e Concorrente de Isolamentos. Enfª Francyne Lopes Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Hospital Mãe de Deus

Limpeza Terminal e Concorrente de Isolamentos. Enfª Francyne Lopes Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Hospital Mãe de Deus Limpeza Terminal e Concorrente de Isolamentos Enfª Francyne Lopes Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Hospital Mãe de Deus O Controle de Infecção e a Limpeza Ambiental Histórico Guerra da Criméia

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE PÚBLICA COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE PÚBLICA COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE PÚBLICA COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM LAVANDERIA ESTABELECIMENTO: DATA DA INSPEÇÃO:

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Agência Nacional de Vigilância Sanitária ANEXO IV ORIENTAÇÕES PARA PROCEDIMENTOS DE LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE NAVIOS COM VIAJANTE(S) SUSPEITO(S) DE DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS A BORDO Este documento a seguir estabelece as diretrizes gerais para a limpeza

Leia mais

CHECK LIST MICROPROCESSO HIGIENIZAÇÃO E LIMPEZA DAS UNIDADES DA APS SEMSA/MANAUS

CHECK LIST MICROPROCESSO HIGIENIZAÇÃO E LIMPEZA DAS UNIDADES DA APS SEMSA/MANAUS CHECK LIST MICROPROCESSO HIGIENIZAÇÃO E LIMPEZA DAS UNIDADES DA APS SEMSA/MANAUS DISA: DATA: UNIDADE: RECURSOS HUMANOS ÍTEM AVALIAÇÃO FORMA DE VERIFICAÇÃO EM CONFORMI DADE NÃO CONFORMI DADE OBSERVAÇÃO

Leia mais

PARECER COREN-SP CT 046/2013. PRCI nº 100.758 Tickets nº 280.449, 280.745, 298.165

PARECER COREN-SP CT 046/2013. PRCI nº 100.758 Tickets nº 280.449, 280.745, 298.165 PARECER COREN-SP CT 046/2013 PRCI nº 100.758 Tickets nº 280.449, 280.745, 298.165 Ementa: Limpeza concorrente e terminal, responsabilidade e maneira de execução. 1. Do fato Enfermeira questiona se há necessidade

Leia mais

Limpeza hospitalar *

Limpeza hospitalar * CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO São Paulo, março de 2009. Limpeza hospitalar * Limpeza hospitalar é o processo de remoção de sujidades de superfícies do ambiente, materiais e equipamentos,

Leia mais

HIGIENIZAÇÃO HOSPITALAR

HIGIENIZAÇÃO HOSPITALAR HIGIENIZAÇÃO HOSPITALAR Enf.ª Fabiane da Silva SCIH HCAN/MT ccih@hcancer.com.br Histórico da Higienização Hospitalar... Florence Nigthingale em 1854, revolucionou a forma de se pensar e planejar os hospitais.

Leia mais

MANUAL DE LIMPEZA E CONSERVAÇÃO

MANUAL DE LIMPEZA E CONSERVAÇÃO MANUAL DE LIMPEZA E CONSERVAÇÃO 1. O que é limpeza É o ato de remover todo tipo de sujidade, visível ou não, de uma superfície, sem alterar as características originais do local a ser limpo. 1.1 Limpeza

Leia mais

Pisos de Madeira. Pisos de Cerâmica. Equipamentos. Equipamentos. Segurança. Vassoura Esfregão (se necessário) Pá de lixo Cesto de lixo

Pisos de Madeira. Pisos de Cerâmica. Equipamentos. Equipamentos. Segurança. Vassoura Esfregão (se necessário) Pá de lixo Cesto de lixo Pisos de Madeira 1. Varra bordas, cantos e atrás das portas. 2. Varra o restante do piso, começando de um lado da sala até o outro. Para pisos amplos, use um esfregão, sacudindo-o quando terminar. 3. Junte

Leia mais

PROCESSO SELETIVO EDITAL 01/2014

PROCESSO SELETIVO EDITAL 01/2014 PROCESSO SELETIVO EDITAL 01/2014 CARGO E UNIDADES: Auxiliar de Serviços Gerais (Macaíba) Atenção: NÃO ABRA este caderno antes do início da prova. Tempo total para resolução desta prova: 2 (duas) horas.

Leia mais

Áreas semicríticas: Áreas não críticas: Áreas críticas: CENTRAL DE MATERIAL LIMPEZA, DESINFECÇÃO e ESTERILIZAÇÃO

Áreas semicríticas: Áreas não críticas: Áreas críticas: CENTRAL DE MATERIAL LIMPEZA, DESINFECÇÃO e ESTERILIZAÇÃO CENTRAL DE MATERIAL LIMPEZA, DESINFECÇÃO e ESTERILIZAÇÃO COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE - COVISA GERÊNCIA DO CENTRO DE CONTROLE E PREVENÇÃO DE DOENÇAS - CCD NÚCLEO MUNICIPAL DE CONTROLE DE INFECÇÃO

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA CONSERVAÇÃO E LIMPEZA

TERMO DE REFERÊNCIA CONSERVAÇÃO E LIMPEZA TERMO DE REFERÊNCIA CONSERVAÇÃO E LIMPEZA 1. OBJETO 1.1. Prestação de Serviços de Conservação e limpeza, higienização, desinfecção e limpeza de reservatórios de água e controle de pragas em geral, com

Leia mais

INSPEÇÃO EM CLINICAS E CONSULTÓRIOS MÉDICOS I- DADOS CADASTRAIS

INSPEÇÃO EM CLINICAS E CONSULTÓRIOS MÉDICOS I- DADOS CADASTRAIS Prefeitura Municipal do Salvador Secretaria Municipal da Saúde Coordenadoria de Saúde Ambiental Subcoordenadoria de Vigilância Sanitária INSPEÇÃO EM CLINICAS E CONSULTÓRIOS MÉDICOS Razão Social: CGC/CNPJ/CPF:

Leia mais

Assinale a alternativa correta: a) V,V,F.F b) V,F,V,F c) V,F,F,F d) V,V,F,V e) V,V,V,F

Assinale a alternativa correta: a) V,V,F.F b) V,F,V,F c) V,F,F,F d) V,V,F,V e) V,V,V,F AUXILIAR OPERACIONAL 1. A desinfecção é o processo de destruição de agentes infecciosos. Assinale a alternativa correta: a) pode ser feita através de meios físicos e químicos b) deve ser realizada com

Leia mais

ORIENTAÇÕES GERAIS. Aplique revestimento liso e impermeável em piso, paredes e teto;

ORIENTAÇÕES GERAIS. Aplique revestimento liso e impermeável em piso, paredes e teto; PREFEITURA MUNICIPAL DE MACEIÓ SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE MACEIÓ DIRETORIA DE VIGILÂNCIA À SAÚDE COORDENAÇÃO GERAL DE VIGILÄNCIA SANITÁRIA INSPETORIA DO EXERCÍCIO PROFISSIONAL ORIENTAÇÕES GERAIS

Leia mais

PROTOCOLO HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS

PROTOCOLO HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS 1 páginas É um termo geral que se aplica às atividades de lavar as mãos ou friccioná-las com álcool gel. Essa higiene é considerada a medida mais eficaz para evitar a disseminação de infecções. PARA QUE

Leia mais

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS PARA O SERVIÇO DE LIMPEZA ABORDAGEM TÉCNICA E PRÁTICA

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS PARA O SERVIÇO DE LIMPEZA ABORDAGEM TÉCNICA E PRÁTICA FERNANDA MARIA DE BRITO CUNHA FLÁVIO AUGUSTO BERNARDES DA SILVA MARCO ANTONIO CORREA ALFREDO RENATA DE CAMPOS RICCI MANUAL DE BOAS PRÁTICAS PARA O SERVIÇO DE LIMPEZA ABORDAGEM TÉCNICA E PRÁTICA UNIVERSIDADE

Leia mais

COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR. Higienização das Mãos

COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR. Higienização das Mãos COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR *Definição: Higienização das Mãos Lavagem das mãos é a fricção manual vigorosa de toda superfície das mãos e punhos,

Leia mais

CCIH COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR

CCIH COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR CCIH COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR Prof. Grasiele Busnello LEI nº 9.431 de 06 de janeiro de 1997 Dispõe sobre a obrigatoriedade da manutenção de programa de Controle de Infecções Hospitalares.

Leia mais

ROTEIRO PARA SALÕES DE BELEZAS, INSTITUTO DE BELEZA, ESTETICA, BARBEARIAS E SIMILARES.

ROTEIRO PARA SALÕES DE BELEZAS, INSTITUTO DE BELEZA, ESTETICA, BARBEARIAS E SIMILARES. SUPERINTEDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERENCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL E SAÚDE DO TRABALHADOR COORDERNAÇÃO DE FISCALIZAÇÃO DE AMBIENTES E SAÚDE DO TRABALHADOR Av. Anhanguera, nº 5.195 Setor Coimbra

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DOS RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE POR UNIDADE GERADORA E A SEGREGAÇÃO DOS RESÍDUOS POR GRUPO.

CARACTERIZAÇÃO DOS RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE POR UNIDADE GERADORA E A SEGREGAÇÃO DOS RESÍDUOS POR GRUPO. 1 Unidade ou serviço Descrição do Resíduo Grupo Estado -Secreções, excreções, e outros fluidos orgânicos. -Recipientes e materiais resultantes do processo de assistência à saúde, que não contenha sangue

Leia mais

1. Quais os EPIs ( e outros) devem ser utilizados na assistência a pacientes com suspeita de infecção pelo vírus Ebola?

1. Quais os EPIs ( e outros) devem ser utilizados na assistência a pacientes com suspeita de infecção pelo vírus Ebola? Segue abaixo, uma série de perguntas e respostas elaboradas pela GGTES (com base em questionamentos enviados pelos estados), a fim de esclarecer dúvidas e complementar alguns pontos da Nota Técnica nº

Leia mais

Parágrafo Único - A execução da N.T.E de que trata esse artigo será de competência do Instituto de Saúde do Paraná.

Parágrafo Único - A execução da N.T.E de que trata esse artigo será de competência do Instituto de Saúde do Paraná. Resolução Estadual n 18, 21 de março de 1994. O Secretário de Estado de Saúde do Paraná, no uso de suas atribuições que lhe conferem o artigo 45, inciso XVI da Lei Estadual n 8485 de 03 de junho de 1987

Leia mais

Ambiente físico do Centro de Material Esterilizado

Ambiente físico do Centro de Material Esterilizado Ambiente físico do Centro de Material Esterilizado Gessilene de Sousa Sobecc, julho2011 Agenda Regulamentação Definição: Centro de Material Esterilizado - CME; Estrutura Física: Áreas de composição; Fluxograma

Leia mais

Divisão de Enfermagem CME Página 1 de 8 Título do Procedimento: Rotinas do Arsenal Data de Emissão: 07/ 2005

Divisão de Enfermagem CME Página 1 de 8 Título do Procedimento: Rotinas do Arsenal Data de Emissão: 07/ 2005 Divisão de Enfermagem CME Página 1 de 8 Freqüência que é realizado: Diariamente Profissional que realiza: Enfermeiro, Técnico e Auxiliar de Enfermagem Material Utilizado: material esterilizado EPI: Luva

Leia mais

Concurso de Auxiliar de Serviços Gerais - Prefeitura de Alvorada do Sul - 2014 A ( ) 18 B ( ) 28 C ( ) 38 D ( ) 40 A ( ) B ( ) C ( ) D ( )

Concurso de Auxiliar de Serviços Gerais - Prefeitura de Alvorada do Sul - 2014 A ( ) 18 B ( ) 28 C ( ) 38 D ( ) 40 A ( ) B ( ) C ( ) D ( ) PORTUGUÊS MATEMÁTICA 01 QUESTÃO Qual das seguintes palavras é masculina? A ( ) Flor B ( ) Mar C ( ) Amora D ( ) Folha 02 QUESTÃO Entre as palavras abaixo, qual está escrita de maneira incorreta? A ( )

Leia mais

Desinfetantes Azulim 5 litros

Desinfetantes Azulim 5 litros Produtos e Informações dos mesmos. Desinfetantes Azulim 5 litros Encontrados nas versões: Eucalipto, Floral, Jasmim, Lavanda, Pinho, Talco, Alecrim e Erva doce. O mercado de desinfetantes em embalagens

Leia mais

HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO MANUAL DE LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE SUPERFÍCIES PARA O SERVIÇO DE HIGIENIZAÇÃO

HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO MANUAL DE LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE SUPERFÍCIES PARA O SERVIÇO DE HIGIENIZAÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO MANUAL DE LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE SUPERFÍCIES PARA O SERVIÇO DE HIGIENIZAÇÃO 2015 Autores Martiela Ribeiro Torres Enfermeira. Controle de Infecção Hospitalar - HNSC

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFRÊNCIA

ANEXO I TERMO DE REFRÊNCIA ANEXO I TERMO DE REFRÊNCIA 1- INTRODUÇÃO E BASE LEGAL A elaboração deste Termo de Referência rege-se pelas disposições do Decreto nº 5.450, de 31/05/2005, subsidiariamente pela Lei nº 8.666/93, de 21/06/93

Leia mais

Preparo de Alimentos Seguros

Preparo de Alimentos Seguros Preparo de Alimentos Seguros O que você precisa saber para preparar um alimento próprio para consumo? Alimento Seguro são aqueles que não oferecem riscos à saúde de quem o está consumindo, ou seja, o alimento

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 01. No depósito de uma cantina, que tipo de produtos não deve ser armazenado junto com alimentos? A) Cereais. B) Condimentos. C) Produtos de limpeza. D) Frutas e verduras. 02.

Leia mais

Limpando a Caixa D'água

Limpando a Caixa D'água Limpando a Caixa D'água É muito importante que se faça a limpeza no mínimo 2 (duas) vezes ao ano. Caixas mal fechadas/tampadas permitem a entrada de pequenos animais e insetos que propiciam sua contaminação.

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE MATO GROSSO

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE MATO GROSSO TERMO DE VISTORIA Ao décimo nono dia do mês de janeiro do ano de dois mil e doze, o Conselho Regional de Medicina do Estado de Mato Grosso (CRM/MT) esteve presente no Hospital e Pronto Socorro Municipal

Leia mais

Case de Treinamento de Empregada em Domicílio

Case de Treinamento de Empregada em Domicílio 1 Case de Treinamento de Empregada em Domicílio Treinamento de mensalista 2 Cenário: O empregador tem uma mensalista de muita confiança e amorosa, a empregada toma conta do bebê de 9 meses até início da

Leia mais

CHECK LIST MICROPROCESSO ESTERILIZAÇÃO DAS UNIDADES DA APS SEMSA/MANAUS

CHECK LIST MICROPROCESSO ESTERILIZAÇÃO DAS UNIDADES DA APS SEMSA/MANAUS CHECK LIST MICROPROCESSO ESTERILIZAÇÃO DAS UNIDADES DA APS SEMSA/MANAUS DISA: DATA: UNIDADE: RECURSOS HUMANOS ÍTEM AVALIAÇÃO FORMA DE VERIFICAÇÃO EM CONFORMI DADE NÃO CONFORMI DADE OBSERVAÇÃO 1) A unidade

Leia mais

Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Recomendações para higienização das mãos em serviços de saúde.

Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Recomendações para higienização das mãos em serviços de saúde. Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Recomendações para higienização das mãos em serviços de saúde. São quatro as formas de higienização das mãos nos serviços de saúde: 1.Higienização simples das

Leia mais

LOTE II. TERMO DE REFERÊNCIA Descrição Geral dos Serviços de Limpeza e Conservação

LOTE II. TERMO DE REFERÊNCIA Descrição Geral dos Serviços de Limpeza e Conservação 1. DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS Os serviços de limpeza e conservação deverão ser realizados, conforme as seguintes especificações: ÁREAS INTERNAS 1.1. DIARIAMENTE, uma vez quando não explicitado. 1.1.1. Remover,

Leia mais

26.1 Objetivo Limpeza das superfícies com acabamento em aço inox.

26.1 Objetivo Limpeza das superfícies com acabamento em aço inox. 25.3 Procedimento Seqüencial 1. Passar o pano de limpeza seco para retirar o pó. 2. Despejar o produto no pano. 3. Aplicar o pano com o produto sobre a superfície. 4. Polir com pano seco. 25.4 Observações

Leia mais

Medidas de precaução e controle a serem adotadas na assistência a pacientes suspeitos de infecção por influenza A (H1N1)

Medidas de precaução e controle a serem adotadas na assistência a pacientes suspeitos de infecção por influenza A (H1N1) Medidas de precaução e controle a serem adotadas na assistência a pacientes suspeitos de infecção por influenza A (H1N1) I Introdução Com o aumento do número de casos de influenza A (H1N1), o que gerou

Leia mais

a) sempre que se produza uma mudança nas condições de trabalho, que possa alterar a exposição aos agentes biológicos;

a) sempre que se produza uma mudança nas condições de trabalho, que possa alterar a exposição aos agentes biológicos; Os 32 itens da NR-32 a serem trabalhados nesta primeira etapa do projeto 32 para implantação nos estabelecimentos de saúde até 2009 foram selecionados e estudados pela diretoria do Sinsaúde por serem os

Leia mais

LIMPEZA. Maria da Conceição Muniz Ribeiro. Mestre em Enfermagem (UERJ)

LIMPEZA. Maria da Conceição Muniz Ribeiro. Mestre em Enfermagem (UERJ) LIMPEZA Maria da Conceição Muniz Ribeiro Mestre em Enfermagem (UERJ) A limpeza é um dos elementos eficaz nas medidas de controle para romper a cadeia epidemiológica das infecções. Ela constitui um fator

Leia mais

Profª Dra. Kazuko Uchikawa Graziano

Profª Dra. Kazuko Uchikawa Graziano PROTOCOLOOPERACIONALPADRÃO (POP) para processamento de materiais utilizados nos exames de videonasoscopia, videolaringoscopia e videonasolaringoscopia nos consultórios e serviços de otorrinolaringologia

Leia mais

UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO - UPA MEMORIAL DESCRITIVO

UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO - UPA MEMORIAL DESCRITIVO UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO - UPA MEMORIAL DESCRITIVO Nome do estabelecimento: UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO - UPA Tipo do estabelecimento: UPA PORTE 02 Proprietária: Fundo Municipal de Saúde de Caicó/RN

Leia mais

2ª RETIFICAÇÃO DE EDITAL DE LICITAÇÃO MODALIDADE TOMADA DE PREÇO Nº 02/2015. OBJETO: Contratação de pessoa jurídica para a Prestação de Serviços.

2ª RETIFICAÇÃO DE EDITAL DE LICITAÇÃO MODALIDADE TOMADA DE PREÇO Nº 02/2015. OBJETO: Contratação de pessoa jurídica para a Prestação de Serviços. 2ª RETIFICAÇÃO DE EDITAL DE LICITAÇÃO MODALIDADE TOMADA DE PREÇO Nº 02/2015 OBJETO: Contratação de pessoa jurídica para a Prestação de Serviços. A Câmara Municipal de Lapa/Pr, através de sua Comissão Permanente

Leia mais

MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE PARA A COMUNIDADE ESCOLAR. INFLUENZA A H1N1 junho de 2011

MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE PARA A COMUNIDADE ESCOLAR. INFLUENZA A H1N1 junho de 2011 CENTRO ESTADUAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE PARA A COMUNIDADE ESCOLAR INFLUENZA A H1N1 junho de 2011 Medidas de prevenção: Higienizar as mãos com água e sabonete/sabão antes

Leia mais

UNIMAR UNIVERSIDADE DE MARÍLIA CURSO DE ODONTOLOGIA REGULAMENTO DA CLÍNICA ODONTOLÓGICA UNIMAR 2011. Profª. Dr.ª Beatriz Flávia de M.

UNIMAR UNIVERSIDADE DE MARÍLIA CURSO DE ODONTOLOGIA REGULAMENTO DA CLÍNICA ODONTOLÓGICA UNIMAR 2011. Profª. Dr.ª Beatriz Flávia de M. UNIMAR UNIVERSIDADE DE MARÍLIA CURSO DE ODONTOLOGIA REGULAMENTO DA CLÍNICA ODONTOLÓGICA UNIMAR 2011 Profª. Dr.ª Beatriz Flávia de M. Trazzi Objetivos: As normas descritas abaixo, deverão ser acatadas pelos

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO CRECHES, BERÇÁRIOS E SIMILARES.

ROTEIRO DE INSPEÇÃO CRECHES, BERÇÁRIOS E SIMILARES. SUPERINTEDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERENCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL E SAÚDE DO TRABALHADOR COORDERNAÇÃO DE FISCALIZAÇÃO DE AMBIENTES E SAÚDE DO TRABALHADOR Av. Anhanguera, nº 5.195 Setor Coimbra

Leia mais

CARTILHA DE MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS

CARTILHA DE MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS CARTILHA DE MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS Departamento de Vigilância Sanitária Setor de Fiscalização de Alimentos Introdução De acordo com a publicação da Organização Mundial da Saúde (OMS), mais de 60% dos

Leia mais

CÓPIA CONTROLADA POP - PRIMATO 001 / REV. 00

CÓPIA CONTROLADA POP - PRIMATO 001 / REV. 00 Procedimento Operacional Padrão Sistema de Gestão Higiene e Saúde do Pessoal POP - PRIMATO 001 / REV. 00 HIGIENE E SAÚDE DO PESSOAL Toda e qualquer forma de manipulação de ingredientes que na sua junção

Leia mais

O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais,

O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais, DECRETO N.º 23915, DE 13 DE JANEIRO DE 2004 DISPÕE SOBRE O LICENCIAMENTO SANITÁRIO A QUE ESTÃO SUJEITOS OS SALÕES DE CABELEIREIROS, OS INSTITUTOS DE BELEZA, ESTÉTICA, PODOLOGIA E ESTABELECIMENTOS CONGÊNERES;

Leia mais

Portaria nº 1032/98 SES/GO de 25 de maio de 1998 NORMA TÉCNICA DOS RESÍDUOS DOS SERVIÇOS DE SAÚDE CAPÍTULO I DA CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS

Portaria nº 1032/98 SES/GO de 25 de maio de 1998 NORMA TÉCNICA DOS RESÍDUOS DOS SERVIÇOS DE SAÚDE CAPÍTULO I DA CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS Portaria nº 1032/98 SES/GO de 25 de maio de 1998 NORMA TÉCNICA DOS RESÍDUOS DOS SERVIÇOS DE SAÚDE CAPÍTULO I DA CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS Art. 1º - São os seguintes os resíduos que apresentam risco potencial

Leia mais

Roteiro de Inspeção LACTÁRIO. Realiza Programa de Saúde do Trabalhador com controle periódico, admissional e demissional

Roteiro de Inspeção LACTÁRIO. Realiza Programa de Saúde do Trabalhador com controle periódico, admissional e demissional GOVERO DO ETADO DO RIO DE JAEIRO ECRETARIA DE ETADO DE AÚDE COORDEAÇÃO DE FICALIZAÇÃO AITÁRIA CARACTERIZAÇÃO Roteiro de Inspeção LACTÁRIO úmero de funcionários úmero de nutricionistas Responsável técnico:

Leia mais

- Limpar o piso com detergente neutro seguindo as recomendações para a limpeza e conservação manual;

- Limpar o piso com detergente neutro seguindo as recomendações para a limpeza e conservação manual; ESPECIFICAÇÕES TÉCNICA PISO VINILICO PAVIFLEX SIXTY MANUTENÇÃO LIMPEZA RECOMENDAÇÕES GERAIS - A frequência e o sistema de limpeza e conservação depende da intensidade do tráfego na área. Este processo

Leia mais

Uma arte que deve andar lado a lado com a saúde. Secretaria de Saúde de Vila Velha Vigilância Sanitária

Uma arte que deve andar lado a lado com a saúde. Secretaria de Saúde de Vila Velha Vigilância Sanitária Uma arte que deve andar lado a lado com a saúde. Secretaria de Saúde de Vila Velha Vigilância Sanitária objetivo Este manual estabelece os critérios de higiene e de boas práticas operacionais para o controle

Leia mais

SERVENTE Dezembro de 2010.

SERVENTE Dezembro de 2010. SERVENTE Dezembro de 2010. 2 SUMÁRIO 1 RELACIONAMENTO COM AS PESSOAS... 3 2 HIGIENE CORPORAL E VESTUÁRIO NO TRABALHO... 3 3 LIMPEZA E ARRUMAÇÃO DE AMBIENTES... 4 3.1 Limpeza e conservação de móveis, utensílios

Leia mais

ANEXO III CHECK LIST NOME DA UNIDADE/CNES: MUNICÍPIO TELEFONE: RESPONSÁVEL TÉCNICO PELA UNIDADE:

ANEXO III CHECK LIST NOME DA UNIDADE/CNES: MUNICÍPIO TELEFONE: RESPONSÁVEL TÉCNICO PELA UNIDADE: ANEXO III CHECK LIST DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DATA DA AVALIAÇÃO: / / NOME DA UNIDADE/CNES: MUNICÍPIO TELEFONE: RESPONSÁVEL TÉCNICO PELA UNIDADE: RESPONSÁVEL TÉCNICO PELA AVALIAÇÃO: POSSUI ALVARÁ DA VIGILÂNCIA

Leia mais

LIMPEZA E HIGIENIZAÇÃO GERAL

LIMPEZA E HIGIENIZAÇÃO GERAL R LIMPEZA E HIGIENIZAÇÃO GERAL R DIAGNÓSTICO SOLUÇÕES Produtos Serviços Equipamentos PÓS VENDA Assistência Técnica Novas Soluções MODELO DE GESTÃO BECKPLATER PLUS - Poderoso detergente e desengordurante

Leia mais

Resolução Estadual nº 08, de 11 de março de 1987

Resolução Estadual nº 08, de 11 de março de 1987 Resolução Estadual nº 08, de 11 de março de 1987 O Secretário de Estado da Saúde e do Bem-Estar Social, no uso de suas atribuições conferidas pelos artigos 45, letras A e P da Lei Estadual nº 6636/74,

Leia mais

Relação de Materiais de Consumo Estimativo Mensal

Relação de Materiais de Consumo Estimativo Mensal AEROPORTO DE JACAREPAGUÁ ROBERTO MARINHO SBJR Relação de Materiais de Consumo Estimativo Mensal Anexo I Junho/12 Relação de Materiais de Consumo Estimativo Mensal Item Unid. Material Iniciar Reposição

Leia mais