Procedimentos Operacionais NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Procedimentos Operacionais NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR"

Transcrição

1 Versão: 1 Pg: 1/9 NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Mônica Regina Viera Coordenadora 05/09/2009 DE ACORDO Ivo Fernandes Sobreiro Gerente da Qualidade 08/09/2009 APROVADO POR Dr. Renato de Lacerda Diretor Técnico 14/09/2009 HISTÓRICO DAS REVISÕES Versão Revisado por Data Assinatura Aprovado por Data Assinatura REVALIDAÇÃO ANUAL Versão Responsável Data Versão Responsável Data 1. OBJETIVO Padronizar as práticas de higienização, obedecendo às normas e rotinas estabelecidas pelo manual de biossegurança interno, assegurando o cumprimento das técnicas de barreira e controle de infecção. 2. ABRANGÊNCIA Todos os setores laboratoriais do LABclim. 3. DEFINIÇÕES E CONCEITOS 3.1. Higienização: Todo procedimento que visa à eliminação de resíduo, através de dois processos básicos: Limpeza: Remoção por meio mecânico e/ou físicos. Através de água e sabão da sujeira depositada nas superfícies inertes, com a finalidade de diminuir a população microbiana Desinfecção: Tem a finalidade de destruir os microorganismos na forma vegetativa através de um agente químico especial Descontaminação: Tem a finalidade de eliminar total ou parcialmente a carga microbiana de superfícies, tornando-as aptas para o manuseio seguro Microorganismo: Todos os seres vivos não visíveis a olho nu Detergente Concentrado: Produto químico utilizado para destruição de microorganismos Desinfectantes: Produto a base de hipoclorito de sódio com 1% de cloro ativo CCIH: Comissão de Controle de Infecção Hospitalar 3.5. Manual de Biossegurança: PGQ EPIs: Equipamentos de proteção individual 3.7. PPRA: Plano de Prevenção de Riscos Ambientais

2 Versão: 1 Pg: 2/9 4. ESTRUTURA DE PESSOAL E RESPONSABILIDADES 04 Auxiliar de Limpeza Carga horária = 44 h semanais 5. EQUIPAMENTOS Mop Carrinho de Limpeza 6. PROCEDIMENTO OPERACIONAL 6.1 Fluxograma geral Higienização Superfícies sem presença de matéria orgânica Superfícies com presença de matéria orgânica Limpeza Desinfecção ou Descontaminação 6.2 Tipos de Higienização Concorrente: é o processo de desinfecção e/ou limpeza quando o ambiente se encontra ocupado Terminal: é o processo de desinfecção e/ou limpeza após a desocupação do ambiente, deve ser realizada em locais pré-determinados e nos casos de acidentes com materiais contaminantes. 6.3 Técnica dos Dois Baldes Técnica: A técnica dos dois baldes é utilizada nos procedimentos de descontaminação, desinfecção e/ou limpeza. Consiste na utilização de dois baldes de cores distintas (Azul e vermelho), na seguinte forma: Limpeza Desinfecção ou Descontaminação Balde Azul Balde vermelho Balde Azul Balde vermelho Detergente neutro Água limpa Solução desinfetante Solução desinfetante Varredura úmida: Seu objetivo é remover os detritos soltos no chão, que não apresentam presença de matéria orgânica. COMO PROCEDER: Preparar dois baldes com água limpa (Azul e Vermelho); Iniciar sempre a varredura úmida de dentro para fora do cômodo, isto é, da área mais limpa para a mais suja; Realizar a varredura com pano umedecido em água limpa, com o auxílio do rodo, ou com o esfregão do MOP; Recolher todo o resíduo com auxílio de uma pá toda vez que sentir necessidade, evitando varrer os resíduos em distância superior a três metros; Não levar o resíduo até a porta ou corredor; Desprezar os resíduos recolhidos em sacos plásticos de cor branca leitosa para resíduos infectantes, e/ou em sacos plásticos de qualquer cor, exceto branca, para os Resíduos Comuns.

3 Versão: 1 Pg: 3/ Limpeza Úmida de Pisos: É uma operação que visa a esfregar ou limpar uma área do chão com pano úmido. COMO PROCEDER: Preparar dois baldes: Balde Azul com SOLUÇÃO DE DETERGENTE NEUTRO e Balde Vermelho com ÁGUA LIMPA; Levar o material para o local a ser limpo; Molhar o pano ou o esfregão do MOP úmido na solução de detergente neutro preparado e passar o pano em movimentos retos e firmes; Mergulhar sempre que necessário o pano no Balde Vermelho que contém água limpa, torcê-lo e mergulhálo no Balde Azul com a solução de detergente neutro. 6.4 Limpeza Concorrente ou diária de áreas não Críticas: Área Administrativa, Recepção, Almoxarifado, Copa, Sala de Cadastro, Sala de informática, Banheiros Piso: Utilizando um MOP, retirar diariamente a sujeira do piso. Envolva o rodo com um pano umedecido com água e detergente neutro e passe no chão Móveis e utensílios: Limpar os móveis e utensílios (mobiliário, bancadas, telefone, utensílios), diariamente, friccionando pano ou compressa embebida em álcool a 70% ou solução multiuso por 30 segundos Persianas, divisórias, vidros: Limpar persianas divisórias e vidros, semanalmente, friccionando pano ou compressa umedecido com álcool à 70% Instalações Sanitárias: Lavar, diariamente a pia utilizando detergente desinfetante apropriado friccionando com uma esponja até espalhar por toda superfície. Enxaguar com água corrente em abundância para retirada do detergente Lavar, diariamente, o vaso sanitário utilizando detergente desinfetante apropriado, friccionando com esponja de aço na parte externa e interna. Enxaguar com água corrente em abundância para retirada do detergente. Desprezar a esponja de aço após utilização Varrer, diariamente, o piso do banheiro, para retirar a sujeira depositada. Lavar o piso aplicando detergente desinfetante friccionando com a vassoura. Enxaguar com água corrente em abundância para retirada do detergente e secar com pano de chão envolto no rodo. 6.5 Limpeza Concorrente ou diária de áreas Semi-Critícas: Hematologia, Bioquímica, Imunologia, Hormônios, Microbiologia*, Urinálise, Parasitologia e Lavagem de material Limpeza de bancadas: Aplicar, diariamente, na superfície da bancada detergente desinfetante, utilizando esponja. Friccionar até espalhar por toda superfície e deixar de molho durante 10 minutos. Retirar o desinfetante espalhado com pano ou papel toalha. Aplicar álcool a 70% e friccionar por no mínimo 30 segundos. OBS: Essa limpeza é efetuada regularmente pelo técnico da bancada, de acordo plano de qualidade do setor, podendo ser eventualmente realizada pelo Auxiliar de serviços gerais. Essa operação deve ser repetida sempre que necessário, após contaminação das bancadas com matéria orgânica. *de modo terminal

4 Versão: 1 Pg: 4/ Piso: Utilizando um MOP pó, retirar diariamente a sujeira do piso. Envolva o rodo com um pano umedecido em água e detergente neutro e passe no chão Móveis e utensílios: Limpar os móveis e utensílios (mobiliário, bancadas, telefone, utensílios), diariamente, friccionando pano ou compressa embebida em álcool a 70% ou solução multiuso por 30 segundos Revisão da limpeza concorrente ou diária: Repetição do procedimento de limpeza concorrente, incluindo reposição de material de higiene para que os ambientes sejam mantidos sempre limpos. 6.4 Limpeza de equipamentos: Equipamentos da área técnica e administrativa devem ser realizadas periodicamente Equipamentos e utensílios da copa: Lavagem diária, mediante o uso de detergente neutro e água corrente para o enxágüe Geladeiras: realizada, mensalmente se necessário, para retirada do excesso de gelo. Retirar os materiais armazenados nas geladeiras. Aplicar detergente neutro diluído em água e com ajuda de uma esponja espalhar por todos os compartimentos internos da geladeira. Enxaguar com água corrente em abundância para retirada do detergente aplicado. Enxugar os compartimentos com pano até secar Centrifuga: realizada conforme pop do equipamento Banho Maria: realizada conforme pop do equipamento Estufa Bacteriológica: realizada conforme pop do equipamento Autoclave: realizada conforme pop do equipamento Aparelho do filtro de ar condicionado: Limpeza realizada, mensalmente, por empresa prestadora de serviço especializada Lixeiras: realizada quinzenalmente. Aplicar detergente desinfetante. Espalhar com uma esponja de aço na parte interna e externa da lixeira. Enxaguar com água corrente para retirar o detergente. Enxugar com pano de limpeza até secar. Desprezar a esponja de aço após utilização OBS: A realização da limpeza e desinfecção dos equipamentos é registrada em planilhas de manutenção. 6.6 PLANO DE LIMPEZA E DESINFECÇÃO

5 Versão: 1 Pg: 5/ Equipe Operacional Setores Horários Rotina Responsável Diretoria 07h15min Gracinda Administração Sala Treinamento 2)Limpar mesas 3)Limpar divisórias, vidros e portas 4)Limpar computadores 5)Limpa banheiros Cozinha 11h30min 2)Limpar louça 3)limpa geladeira Gracinda Recepção e Escada Corredor 1 10h00min 2)Limpar mesa e computador 3)Limpa divisórias, vidros e portas 4)Limpa banheiros Suprimentos 7h15min e pallet 2)Limpa divisórias, vidros e portas 4)Limpa computadores 5)Limpa geladeira externa Digitação, Conferência e Faturamento. 08h20min 3)Limpa divisórias, vidros e portas 6)Limpa geladeira Urinálise 10h30min e pia Microbiologia De modo terminal Triagem Área Técnica Central Sala coordenação e gerência 12h00min 9h30min 13:00 6)Limpa estufa 7)Limpa geladeiras 8)Câmara Fluxo Yará Yará Yará Yará Maria Edinéia e Maria Parasitologia 12h40min 6)Limpa estufa 7)Limpa banheiros DML, Lavagem, Esterilização, Expurgo 12h00min 6)Limpa estufa 7)Limpa banheiros Corredor Central 12h30min 2)Limpa divisórias e Armários 3)Limpeza de vidros Maria Gracinda Gracinda Edineia Nos caso de urgências: Qualquer colaborador poderá ser acionado, de acordo com a necessidade, após ciência da coordenação Áreas Operacionais

6 Versão: 1 Pg: 6/9 1º Piso: PAVIMENTO TÉRREO: ESTACIONAMENTO DESCOBERTO (10 VAGAS); RECEPÇÃO / SALA DE ESPERA; SAC; SUPRIMENTOS; CÂMARAS FRIAS; SETOR DE ANÁLISE E COORDENAÇÃO (TRIAGEM; MANUAIS EXTERNOS; SALA ESCURA; URINÁLISE; MICROSCOPIA; SOROLOGIA; MICROBIOLOGIA; PARASITOLOGIA; HEMATOLOGIA; BIOQUÍMICA; HORMÔNIOS; EXPURGO/LAVAGEM); CADASTRO/CONFERÊNCIA/FATURAMENTO; GERÊNCIA TÉCNICA; COORDENAÇÃO; D.M.L. (Depósito de Material para Limpeza); VESTIÁRIO FEMININO; VESTIÁRIO MASCULINO E ESCADA. Divisão por setor de Limpeza: 1- Recepção 2- Corredor 1 3- Suprimentos 4- Digitação e Faturamento 5- Corredor Central 6- Corredor 2 7- Coordenação Técnica 8- Gerência Técnica 9- Área técnica Central a. Triagem b. Bioquímica c. Hormônio d. Imunologia e. Manuais 1 f. Hematologia 10- Microbiologia 11- Parasitologia 12- DML/Lavagem/Esterilização/Expurgo 13- Urinálise 14- Manuais 2

7 Versão: 1 Pg: 7/9 2º Piso: MEZANINO: GERÊNCIA GERAL; COORDENAÇÃO TÉCNICA; QUALIDADE; CONTAS; JURÍDICO; SALA DE TREINAMENTO; R.H; SALA DE SERVIDORES TI / TS; DIRETORIA 1; DIRETORIA 2; DIRETORIA 3; SALA DE APOIO; SALA DE REUNIÕES 1; SALA DE REUNIÕES 2; HALL DE CIRCULAÇÃO; A.C. FEMININO; W.C. FEMININO; A.C. MASCULINO; W.C. MASCULINO; COPA E ESCADA. Divisão por setor de Limpeza: 15- Diretoria 16- Administração 17- TI Informática 18- Sala de Treinamento 19- Refeitório Plano de Higienização

8 Versão: 1 Pg: 8/9 O QUE? QUANDO? COM O QUE? COMO? Pano ou papel umedecido Água e sabão (detergente) Equipamentos Álcool a 70% Após contaminação e limpeza diária Banho-Maria Mensal Água e sabão (detergente) Álcool a 70% Mensalmente e após Centrífugas contaminação com material Álcool a 70% biológico Remover a contaminação Fricção por 2 min. até secar Retirar a água Friccionar por 2 min. até secar (superfície interna) Estufa Diariamente Água e sabão (detergente) Álcool a 70% Friccionar por 2 min. até secar Filtro de ar-condicionado Mensalmente Água e sabão (detergente) Lavagem de filtro de Ar Limpeza de grade de aparência Freezer Mensalmente Água Transferir o conteúdo para outra geladeira. Degelar Geladeira Mensalmente Água e sabão (detergente) Transferir o conteúdo para outra geladeira. Degelar Autoclave Semanalmente Água e sabão (detergente) Autoclavar a 121 C Diariamente Bancadas Após contaminação com Hipoclorito a 1% matéria orgânica. Pano Úmido Álcool 70% Esterilização por 20 min. Deixar por 10 min Paredes (Divisórias) Trimestralmente Álcool a 70% Pias Diariamente Sapóleo Pisos Diariamente Após contaminação com matéria orgânica Água, hipoclorito Sabão (detergente) Pano Remover Lixeiras Mensalmente Água, Hipoclorito Mensalmente Contêineres para lixo Água, Hipoclorito 6.7. Coleta de lixo: Operação realizada, diariamente, com a finalidade de coletar o lixo de todos os setores do laboratório.

9 Versão: 1 Pg: 9/9 Tipo de acondicionamento Horário Colaborador Saco Preto 07h40min Edinéia ou Gracinda Material Infectante 11h30min Edinéia ou Gracinda 6.8. EPIS utilizados: Todas as atividades descritas acima são realizadas mediante o uso de EPIs apropriados, de acordo com o PPRA e Manual de Biossegurança do laboratório,esses equipamentos encontram-se relacionados e descritos na tabela abaixo: Setor EPIs EPC Medida de Proteção Triagem máscara facial*, óculos de proteção. Urinálise Parasitologia Hematologia Imunoquímica e hormônios Microbiologia Lavagem e Esterilização de Material óculos de proteção. óculos de proteção. óculos de proteção. Avental, calçado fechado, Luvas descartáveis. óculos de proteção, máscara PFF2* máscara facial e escudo facial. Higienização (Limpeza), Higienização (coleta de máscara facial resíduos) * Se centrífuga estiver em funcionamento ** Com material exposto Não se aplica Não se aplica 6.9 Armazenamento dos produtos de Higienização: No tocante ao armazenamento desses produtos, deve-se estar atento para: Não haver empilhamento dos mesmos; Manter ventilação natural no ambiente de armazenamento; O local de armazenamento apresentar acesso restrito. 7. REGISTROS N/A 8. DADOS N/A 9. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA Manual de Biossegurança PGQ PPRA 10. ANEXOS N/A

Divisão de Enfermagem CME Página 1 de 6 Título do Procedimento: Limpeza concorrente e terminal da CME

Divisão de Enfermagem CME Página 1 de 6 Título do Procedimento: Limpeza concorrente e terminal da CME Divisão de Enfermagem CME Página 1 de 6 Freqüência em que é realizado: Diário/semanal/quinzenal/mensal Profissional que realiza: Auxiliar ou Técnico de Enfermagem e servidor da empresa terceirizada de

Leia mais

Higienização do Ambiente Hospitalar

Higienização do Ambiente Hospitalar Higienização do Ambiente Hospitalar Enfª Mirella Carneiro Schiavon Agosto/2015 O serviço de limpeza tem por finalidade preparar o ambiente de saúde para suas atividades, mantê-lo em ordem e conservar equipamentos

Leia mais

Procedimentos Operacionais NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR. 07/11/2016 Diretor Executivo dos Santos APROVADO POR

Procedimentos Operacionais NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR. 07/11/2016 Diretor Executivo dos Santos APROVADO POR Versão: 2 Pg: 1/9 NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELAORADO POR Dr. Renato L. Coordenador da 07/11/2016 Filho Qualidade DE ACORDO Dr. José Carlos 07/11/2016 Diretor Executivo dos Santos APROVADO POR Dr. Renato

Leia mais

LIMPEZA MANUAL MOLHADA

LIMPEZA MANUAL MOLHADA GLOSSÁRIO LIMPEZA MANUAL ÚMIDA - Realizada com a utilização de rodos, mops ou esfregões, panos ou esponjas umedecidas em solução detergente, com enxágue posterior com pano umedecido em água limpa. No caso

Leia mais

HIGIENIZAÇÃO DO AMBIENTE, PROCESSAMENTO E PREPARO DE SUPERFÍCIE DOS EQUIPAMENTOS E CONSULTÓRIO ODONTOLÓGICO

HIGIENIZAÇÃO DO AMBIENTE, PROCESSAMENTO E PREPARO DE SUPERFÍCIE DOS EQUIPAMENTOS E CONSULTÓRIO ODONTOLÓGICO HIGIENIZAÇÃO DO AMBIENTE, PROCESSAMENTO E PREPARO DE SUPERFÍCIE DOS EQUIPAMENTOS E CONSULTÓRIO ODONTOLÓGICO ANA LUÍZA 21289 LUCAS - 23122 ARTTENALPY 21500 MARCELINA - 25723 CLECIANE - 25456 NAYARA - 21402

Leia mais

Manual de Procedimento Operacional Padrão do Serviço de Limpeza

Manual de Procedimento Operacional Padrão do Serviço de Limpeza Univale Universidade Vale do Rio Doce DEC Departamento de Campo/Biossegurança Curso de Enfermagem Manual de Procedimento Operacional Padrão do Serviço de Limpeza Elaborado por: Enf Arilza Patrício Enf

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DIVISÃO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Centro Estadual de Vigilância em Saúde Núcleo de Estabelecimento de Saúde PODOLOGIA

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DIVISÃO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Centro Estadual de Vigilância em Saúde Núcleo de Estabelecimento de Saúde PODOLOGIA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DIVISÃO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Centro Estadual de Vigilância em Saúde Núcleo de Estabelecimento de Saúde PODOLOGIA Ana Carolina Kraemer Enfermeira - Especialista em Saúde Portaria

Leia mais

INSTITUIÇÃO: DATA: RESPONSÁVEL PELA INSPEÇÃO: NOME DO RESP. PELO SERVIÇO;

INSTITUIÇÃO: DATA: RESPONSÁVEL PELA INSPEÇÃO: NOME DO RESP. PELO SERVIÇO; INSTITUIÇÃO: DATA: RESPONSÁVEL PELA INSPEÇÃO: NOME DO RESP. PELO SERVIÇO; Tipo do Serviço: ( ) Próprio ( )terceirizado Nome; Possui Licença sanitária? ( ) SIM ( ) NÃO N /ANO: Há um encarregado do setor

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRONIZADO P O P

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRONIZADO P O P PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRONIZADO P O P P O P DEFINIÇÃO É uma descrição detalhada de todas as operações necessárias para a realização de uma atividade. É um roteiro padronizado para realizar uma atividade.

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA O SERVIÇO DE LIMPEZA HOSPITALAR

ORIENTAÇÃO PARA O SERVIÇO DE LIMPEZA HOSPITALAR ORIENTAÇÃO PARA O SERVIÇO DE LIMPEZA HOSPITALAR I- Introdução: A higiene e a ordem são elementos que concorrem decisivamente para a sensação de bem-estar, segurança e conforto dos profissionais, pacientes

Leia mais

Data de Vigência: Página 1 de 8. 1- Objetivo: Prevenir doenças e livrar o ambiente de pragas, insetos e roedores.

Data de Vigência: Página 1 de 8. 1- Objetivo: Prevenir doenças e livrar o ambiente de pragas, insetos e roedores. Data de Vigência: Página 1 de 8 1- Objetivo: Prevenir doenças e livrar o ambiente de pragas, insetos e roedores. 2- Aplicação: 3- Procedimentos: Este procedimento aplica-se a cozinha e refeitório. 3.1-

Leia mais

Limpeza e Desinfecção

Limpeza e Desinfecção Limpeza e Desinfecção Instrutora: Enf. Dr. Thaís S Guerra Stacciarini Conteúdo Limpeza e desinfecção LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE UNIDADE LIMPEZA E DESINFECÇÃO DO POSTO DE ENFERMAGEM CONCORRENTE TERMINAL LIMPEZA

Leia mais

Comissão de Controle de Infecção Hospitalar 16/04/2002 atualizada em 30/05/2003 Rotina D5. Manual de Limpeza

Comissão de Controle de Infecção Hospitalar 16/04/2002 atualizada em 30/05/2003 Rotina D5. Manual de Limpeza Comissão de Controle de Infecção Hospitalar 16/04/2002 atualizada em 30/05/2003 Rotina D5 Manual de Limpeza 1. INTRODUÇÃO 2. NOÇÔES BÀSICAS DE HIGIENE E DEFINIÇÕES DE NECESSIDADES 3. DEFINIÇÕES E CONCEITOS

Leia mais

ORIENTAÇÕES BÀSICAS DE HIGIENE PESSOAL DO PROFISSIONAL DE SAÚDE

ORIENTAÇÕES BÀSICAS DE HIGIENE PESSOAL DO PROFISSIONAL DE SAÚDE ÁREA 1 - HIGIENE E ANTISSEPSIA PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Número: POP 001 ORIENTAÇÕES BÀSICAS DE HIGIENE PESSOAL DO PROFISSIONAL DE SAÚDE EXECUTANTE: Todos os profissionais da equipe de saúde. ÁREA:

Leia mais

ANEXO I METODOLOGIA DE REFERÊNCIA DOS SERVIÇOS DE LIMPEZA E CONSERVAÇÃO

ANEXO I METODOLOGIA DE REFERÊNCIA DOS SERVIÇOS DE LIMPEZA E CONSERVAÇÃO ANEXO I METODOLOGIA DE REFERÊNCIA DOS SERVIÇOS DE LIMPEZA E CONSERVAÇÃO 1.1. Tarefa: Limpeza de MÓVEIS E EQUIPAMENTOS DE INFORMÁTICA - limpar com pano úmido e remover pó e manchas das mesas, armários,

Leia mais

CHECK LIST MICROPROCESSO HIGIENIZAÇÃO E LIMPEZA DAS UNIDADES DA APS SEMSA/MANAUS

CHECK LIST MICROPROCESSO HIGIENIZAÇÃO E LIMPEZA DAS UNIDADES DA APS SEMSA/MANAUS CHECK LIST MICROPROCESSO HIGIENIZAÇÃO E LIMPEZA DAS UNIDADES DA APS SEMSA/MANAUS DISA: DATA: UNIDADE: RECURSOS HUMANOS ÍTEM AVALIAÇÃO FORMA DE VERIFICAÇÃO EM CONFORMI DADE NÃO CONFORMI DADE OBSERVAÇÃO

Leia mais

Responsabilidades/Autoridades. Supervisionar e garantir o cumprimento das atividades Bioquímicos

Responsabilidades/Autoridades. Supervisionar e garantir o cumprimento das atividades Bioquímicos 1/7 1. OBJETIVO Padronizar o procedimento de operação da autoclave. O laboratório disponibiliza de duas autoclaves, sendo uma de uso exclusivo para esterilização e outra exclusiva para descontaminação.

Leia mais

Transporte do paciente com suspeita de DVE (Doença do Vírus Ebola)

Transporte do paciente com suspeita de DVE (Doença do Vírus Ebola) Transporte do paciente com suspeita de DVE (Doença do Vírus Ebola) Por orientação do Ministério da Saúde o transporte terrestre do paciente com suspeita de DVE (Doença do Vírus Ebola), será realizado pelo

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade PROTOCOLO: Limpeza concorrente e terminal do leito, cortinas, mobiliários e equipamentos hospitalares

Sistema de Gestão da Qualidade PROTOCOLO: Limpeza concorrente e terminal do leito, cortinas, mobiliários e equipamentos hospitalares Página: 1/9 INTRODUÇÃO: A limpeza e a desinfecção de superfícies são elementos que propiciam segurança e conforto aos pacientes, profissionais e familiares nos serviços de saúde. Colabora também para o

Leia mais

Empresa terceirizada, contratada para a produção e distribuição de refeições aos usuários da Universidade Federal do Amapá. Nº NOME TELEFONE E-MAIL

Empresa terceirizada, contratada para a produção e distribuição de refeições aos usuários da Universidade Federal do Amapá. Nº NOME TELEFONE E-MAIL PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO - POP Nº 1.1.3.4 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E AÇÕES COMUNITÁRIAS DEPARTAMENTO DO RESTAURANTE UNIVERSITÁRIO CHEFE

Leia mais

LIMPEZA. Maria da Conceição Muniz Ribeiro. Mestre em Enfermagem (UERJ)

LIMPEZA. Maria da Conceição Muniz Ribeiro. Mestre em Enfermagem (UERJ) LIMPEZA Maria da Conceição Muniz Ribeiro Mestre em Enfermagem (UERJ) A limpeza é um dos elementos eficaz nas medidas de controle para romper a cadeia epidemiológica das infecções. Ela constitui um fator

Leia mais

Uma arte que deve andar lado a lado com a saúde. Secretaria de Saúde de Vila Velha Vigilância Sanitária

Uma arte que deve andar lado a lado com a saúde. Secretaria de Saúde de Vila Velha Vigilância Sanitária Uma arte que deve andar lado a lado com a saúde. Secretaria de Saúde de Vila Velha Vigilância Sanitária objetivo Este manual estabelece os critérios de higiene e de boas práticas operacionais para o controle

Leia mais

HIGIENIZAÇÃO, LIMPEZA E PARAMENTAÇÃO

HIGIENIZAÇÃO, LIMPEZA E PARAMENTAÇÃO Bem Vindos! HIGIENIZAÇÃO, LIMPEZA E PARAMENTAÇÃO Quem sou? Farmacêutica Bioquímica e Homeopata. Especialista em Análises Clínicas, Micologia, Microbiologia e Homeopatia. 14 anos no varejo farmacêutico

Leia mais

a) sempre que se produza uma mudança nas condições de trabalho, que possa alterar a exposição aos agentes biológicos;

a) sempre que se produza uma mudança nas condições de trabalho, que possa alterar a exposição aos agentes biológicos; Os 32 itens da NR-32 a serem trabalhados nesta primeira etapa do projeto 32 para implantação nos estabelecimentos de saúde até 2009 foram selecionados e estudados pela diretoria do Sinsaúde por serem os

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO - POP. ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO Enfª Assione Vergani - VISA

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO - POP. ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO Enfª Assione Vergani - VISA PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO - POP ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO Enfª Assione Vergani - VISA CONCEITO É o documento que expressa o planejamento do trabalho repetitivo que deve ser executado para o alcance

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO BIOSSEGURANÇA EM VEÍCULOS DE REMOÇÃO DO CENTRO MÉDICO UNIMED (CMU)

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO BIOSSEGURANÇA EM VEÍCULOS DE REMOÇÃO DO CENTRO MÉDICO UNIMED (CMU) Objetivo: Promover a limpeza e a desinfecção dos veículos de remoção, potencializando a segurança ofertada aos nossos clientes, e diminuindo a probabilidade de exposição a riscos biológicos. PROCESSO 1.

Leia mais

CHECK LIST MICROPROCESSO ESTERILIZAÇÃO DAS UNIDADES DA APS SEMSA/MANAUS

CHECK LIST MICROPROCESSO ESTERILIZAÇÃO DAS UNIDADES DA APS SEMSA/MANAUS CHECK LIST MICROPROCESSO ESTERILIZAÇÃO DAS UNIDADES DA APS SEMSA/MANAUS DISA: DATA: UNIDADE: RECURSOS HUMANOS ÍTEM AVALIAÇÃO FORMA DE VERIFICAÇÃO EM CONFORMI DADE NÃO CONFORMI DADE OBSERVAÇÃO 1) A unidade

Leia mais

SCIH. POP de Limpeza Hospitalar

SCIH. POP de Limpeza Hospitalar UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JÚLIO MÜLLER SERVIÇO DE CONTROLE INFECÇAO HOSPITALAR SCIH POP de Limpeza Hospitalar Introdução O Serviço de Limpeza e Desinfecção de Superfícies

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE PÚBLICA COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE PÚBLICA COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE PÚBLICA COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM LAVANDERIA ESTABELECIMENTO: DATA DA INSPEÇÃO:

Leia mais

INFORMAÇOES TÉCNICA DOS SERVIÇOS

INFORMAÇOES TÉCNICA DOS SERVIÇOS INFORMAÇOES TÉCNICA DOS SERVIÇOS 3 - LIMPEZA E MANUTENÇÃO Informamos abaixo a forma correta de como proceder à limpeza profunda. Os equipamentos utilizados estão dimensionados de acordo com o tamanho do

Leia mais

ROUPARIA. Data Versão/Revisões Descrição Autor 20/01/2014 1.00 Proposta inicial CCA

ROUPARIA. Data Versão/Revisões Descrição Autor 20/01/2014 1.00 Proposta inicial CCA ROUPPOP01 1 de 16 Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 1.00 Proposta inicial CCA 1 Objetivo Distribuição do enxoval e itens de hotelaria em condições adequadas de higiene,

Leia mais

Concurso de Auxiliar de Serviços Gerais - Prefeitura de Alvorada do Sul - 2014 A ( ) 18 B ( ) 28 C ( ) 38 D ( ) 40 A ( ) B ( ) C ( ) D ( )

Concurso de Auxiliar de Serviços Gerais - Prefeitura de Alvorada do Sul - 2014 A ( ) 18 B ( ) 28 C ( ) 38 D ( ) 40 A ( ) B ( ) C ( ) D ( ) PORTUGUÊS MATEMÁTICA 01 QUESTÃO Qual das seguintes palavras é masculina? A ( ) Flor B ( ) Mar C ( ) Amora D ( ) Folha 02 QUESTÃO Entre as palavras abaixo, qual está escrita de maneira incorreta? A ( )

Leia mais

MANUAL DE HIGIENIZAÇÃO E LIMPEZA

MANUAL DE HIGIENIZAÇÃO E LIMPEZA MANUAL DE HIGIENIZAÇÃO E LIMPEZA Classificação das Áreas: Critica Semicrítica Não critica Tipos de Limpeza: Limpeza concorrente Limpeza terminal Métodos e Equipamentos de Limpeza de superfície: Limpeza

Leia mais

Mantenha as portas e as janelas abertas, inclusive nos dias frios, para evitar o aumento de germes no ar, o que facilita a transmissão de doenças.

Mantenha as portas e as janelas abertas, inclusive nos dias frios, para evitar o aumento de germes no ar, o que facilita a transmissão de doenças. Soninho Mantenha as portas e as janelas abertas, inclusive nos dias frios, para evitar o aumento de germes no ar, o que facilita a transmissão de doenças. Garanta que entre os colchonetes haja meio metro

Leia mais

OBSERVAÇÃO: O USUÁRIO É RESPONSÁVEL PELA ELIMINAÇÃO DAS REVISÕES ULTRAPASSADAS DESTE DOCUMENTO

OBSERVAÇÃO: O USUÁRIO É RESPONSÁVEL PELA ELIMINAÇÃO DAS REVISÕES ULTRAPASSADAS DESTE DOCUMENTO Página 1 de 12 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REV DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 00 14/05/09 19/12/09 Emissão inicial Estruturação geral Emissão Aprovada N/A OBSERVAÇÃO: O USUÁRIO É RESPONSÁVEL PELA ELIMINAÇÃO DAS

Leia mais

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde A Portaria MS nº 2616/98 define a Infecção Hospitalar (IH) como sendo aquela adquirida após a admissão do paciente e que se manifesta durante

Leia mais

NORMAS PARA VEÍCULOS DE TRANSPORTE DE PACIENTES

NORMAS PARA VEÍCULOS DE TRANSPORTE DE PACIENTES NORMAS PARA VEÍCULOS DE TRANSPORTE DE PACIENTES C A ÇA D O R - S C DOCUMENTAÇÃO ALVARÁ SANITÁRIO 1. Requerimento DVS 2. CNPJ (jurídica) cópia atualizada 3. Documento do Veiculo 4. Taxa de Emissão de Alvará

Leia mais

PERIODICIDADE: NA OCORRÊNCIA DE ÓBITO. RESULTADOS ESPERADOS:

PERIODICIDADE: NA OCORRÊNCIA DE ÓBITO. RESULTADOS ESPERADOS: GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA CONCEIÇÃO NÚCLEO DE APOIO TÉCNICO DA GERÊNCIA ADMINISTRATIVA PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PADRÃO MORGUE TAREFA: Remoção de pacientes obitados para o Morgue.

Leia mais

Pisos de Madeira. Pisos de Cerâmica. Equipamentos. Equipamentos. Segurança. Vassoura Esfregão (se necessário) Pá de lixo Cesto de lixo

Pisos de Madeira. Pisos de Cerâmica. Equipamentos. Equipamentos. Segurança. Vassoura Esfregão (se necessário) Pá de lixo Cesto de lixo Pisos de Madeira 1. Varra bordas, cantos e atrás das portas. 2. Varra o restante do piso, começando de um lado da sala até o outro. Para pisos amplos, use um esfregão, sacudindo-o quando terminar. 3. Junte

Leia mais

- Limpar o piso com detergente neutro seguindo as recomendações para a limpeza e conservação manual;

- Limpar o piso com detergente neutro seguindo as recomendações para a limpeza e conservação manual; ESPECIFICAÇÕES TÉCNICA PISO VINILICO PAVIFLEX SIXTY MANUTENÇÃO LIMPEZA RECOMENDAÇÕES GERAIS - A frequência e o sistema de limpeza e conservação depende da intensidade do tráfego na área. Este processo

Leia mais

MANUAL DE ORGANIZAÇÃO DE HIGIENIZAÇÃO E CONSERVAÇÃO DO AMBIENTE DE SERVIÇOS DE SAÚDE DE CONTAGEM

MANUAL DE ORGANIZAÇÃO DE HIGIENIZAÇÃO E CONSERVAÇÃO DO AMBIENTE DE SERVIÇOS DE SAÚDE DE CONTAGEM MANUAL DE ORGANIZAÇÃO SMS-MOHCA- SERVIÇOS DE SAÚDE SUS SUB / PROCESSO DO AMBIENTE DE SERVIÇOS DE SAÚDE DE MANUAL DE ORGANIZAÇÃO DE HIGIENIZAÇÃO E CONSERVAÇÃO DO AMBIENTE DE SERVIÇOS DE SAÚDE DE Histórico

Leia mais

Higiene Hospitalar no HSL

Higiene Hospitalar no HSL Higiene Hospitalar no HSL Compartilhando nossa experiência Enfa. Gizelma de A. Simões Rodrigues Superintendencia de Atendimento e Operações Enf./Atend./Hosp. Gerencia de Hospedagem Gestão Ambiental Coordenação

Leia mais

Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Recomendações para higienização das mãos em serviços de saúde.

Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Recomendações para higienização das mãos em serviços de saúde. Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Recomendações para higienização das mãos em serviços de saúde. São quatro as formas de higienização das mãos nos serviços de saúde: 1.Higienização simples das

Leia mais

Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário COMISSÃO DE CONTROLE DA INFECÇÃO HOSPITALAR

Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário COMISSÃO DE CONTROLE DA INFECÇÃO HOSPITALAR PROGRAMA PREVENÇÃO E CONTROLE DE Sumário COMISSÃO DE CONTROLE DA INFECÇÃO HOSPITALAR ORGANIZAÇÃO DA CCIH Estrutura Atividades FUNCIONAMENTO Coleta de Dados Análise dos Dados Divulgação dos Dados Recursos

Leia mais

HIGIENIZAÇÃO HOSPITALAR 2013

HIGIENIZAÇÃO HOSPITALAR 2013 HIGIENIZAÇÃO HOSPITALAR 2013 O Hospital realiza uma combinação complexa de atividades especializadas, onde o serviço de Higienização e Limpeza ocupam um lugar de grande importância. Ao se entrar em um

Leia mais

MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE PARA A COMUNIDADE ESCOLAR. INFLUENZA A H1N1 junho de 2011

MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE PARA A COMUNIDADE ESCOLAR. INFLUENZA A H1N1 junho de 2011 CENTRO ESTADUAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE PARA A COMUNIDADE ESCOLAR INFLUENZA A H1N1 junho de 2011 Medidas de prevenção: Higienizar as mãos com água e sabonete/sabão antes

Leia mais

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS PARA O SERVIÇO DE LIMPEZA ABORDAGEM TÉCNICA E PRÁTICA

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS PARA O SERVIÇO DE LIMPEZA ABORDAGEM TÉCNICA E PRÁTICA FERNANDA MARIA DE BRITO CUNHA FLÁVIO AUGUSTO BERNARDES DA SILVA MARCO ANTONIO CORREA ALFREDO RENATA DE CAMPOS RICCI MANUAL DE BOAS PRÁTICAS PARA O SERVIÇO DE LIMPEZA ABORDAGEM TÉCNICA E PRÁTICA UNIVERSIDADE

Leia mais

ZONA DE CONFEÇÃO PRODUTO A UTILIZAR E RESPETIVA AÇÃO MÉTODO DE HIGIENIZAÇÃO DOSAGEM. Lavagem: De acordo com a rotulagem

ZONA DE CONFEÇÃO PRODUTO A UTILIZAR E RESPETIVA AÇÃO MÉTODO DE HIGIENIZAÇÃO DOSAGEM. Lavagem: De acordo com a rotulagem ZONA DE CONFEÇÃO ÁREA/EQUIPAMENTO PERIDIOCIDADE PRODUTO A UTILIZAR E RESPETIVA AÇÃO DOSAGEM MÉTODO DE HIGIENIZAÇÃO Bancadas, superfícies de laboração e cubas Após cada utilização - Aplicar a solução de

Leia mais

COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR. Higienização das Mãos

COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR. Higienização das Mãos COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR *Definição: Higienização das Mãos Lavagem das mãos é a fricção manual vigorosa de toda superfície das mãos e punhos,

Leia mais

Sistema INERCO. Fabrícia Figueiredo Paulo André Yamin Pedro Lobo Antunes Priscila Tralba Rampin Rafael Baldo Beluti Thalia Lino Dias

Sistema INERCO. Fabrícia Figueiredo Paulo André Yamin Pedro Lobo Antunes Priscila Tralba Rampin Rafael Baldo Beluti Thalia Lino Dias Sistema INERCO Fabrícia Figueiredo Paulo André Yamin Pedro Lobo Antunes Priscila Tralba Rampin Rafael Baldo Beluti Thalia Lino Dias Sistema INERCO Instalação Ergonomia Controle de infecção Instalação O

Leia mais

REGIMENTO INTERNO HOME234

REGIMENTO INTERNO HOME234 REGIMENTO INTERNO HOME234 REGRAS PARA UMA BOA CONVIVÊNCIA E SEGURANÇA 01. Porta Principal: Os hóspedes não podem abrir a porta principal a pessoas que não conhecem, e a ninguém após as 22h00min e deverá

Leia mais

PROTOCOLO HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS

PROTOCOLO HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS 1 páginas É um termo geral que se aplica às atividades de lavar as mãos ou friccioná-las com álcool gel. Essa higiene é considerada a medida mais eficaz para evitar a disseminação de infecções. PARA QUE

Leia mais

HOSPITALAR - SHL ROTINA DE LIMPEZA DO AMBIENTE HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR - SCIH REVISÃO, AGOSTO 2012.

HOSPITALAR - SHL ROTINA DE LIMPEZA DO AMBIENTE HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR - SCIH REVISÃO, AGOSTO 2012. SERVIÇO DE HIGIENIZAÇÃO E LIMPEZA HOSPITALAR - SHL COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR - CCIH SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR - SCIH ROTINA DE LIMPEZA DO AMBIENTE HOSPITALAR Deusmar

Leia mais

SERVIÇO DE HIGIENIZAÇÃO E LIMPEZA HOSPITALAR - SHL

SERVIÇO DE HIGIENIZAÇÃO E LIMPEZA HOSPITALAR - SHL SERVIÇO DE HIGIENIZAÇÃO E LIMPEZA HOSPITALAR - SHL COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR - CCIH SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR - SCIH ROTINA DE LIMPEZA DO AMBIENTE HOSPITALAR Jair Miranda

Leia mais

LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE SUPERFÍCIES HOSPITALARES E MANEJO DE RESÍDUOS

LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE SUPERFÍCIES HOSPITALARES E MANEJO DE RESÍDUOS MANUAL TÉCNICO LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE SUPERFÍCIES HOSPITALARES E MANEJO DE RESÍDUOS LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE SUPERFÍCIES EM ÁREAS HOSPITALARES E MANEJO DE RESÍDUOS As áreas hospitalares subdividem-se

Leia mais

Limpeza hospitalar *

Limpeza hospitalar * CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO São Paulo, março de 2009. Limpeza hospitalar * Limpeza hospitalar é o processo de remoção de sujidades de superfícies do ambiente, materiais e equipamentos,

Leia mais

MANUAL TÉCNICO LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE SUPERFÍCIES HOSPITALARES E MANEJO DE RESÍDUOS

MANUAL TÉCNICO LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE SUPERFÍCIES HOSPITALARES E MANEJO DE RESÍDUOS MANUAL TÉCNICO LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE SUPERFÍCIES HOSPITALARES E MANEJO DE RESÍDUOS LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE SUPERFÍCIES EM ÁREAS HOSPITALARES E MANEJO DE RESÍDUOS As áreas hospitalares subdividem-se

Leia mais

Anexo II - TERMO DE REFERÊNCIA CONSERVAÇÃO E LIMPEZA

Anexo II - TERMO DE REFERÊNCIA CONSERVAÇÃO E LIMPEZA Anexo II - TERMO DE REFERÊNCIA CONSERVAÇÃO E LIMPEZA 1. OBJETO 1.1. Prestação de Serviços de Conservação e limpeza, higiene e desinfecção e Jardinagem com fornecimento de materiais e equipamentos, para

Leia mais

POP S- Procedimentos Operacionais Padronizados

POP S- Procedimentos Operacionais Padronizados POP S- Procedimentos Operacionais Padronizados ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO, CULTURA E ESPORTE SUPERINTENDÊNCIA DE GESTÃO, PLANEJAMENTO E FINANÇAS GERÊNCIA DE MERENDA ESCOLAR NÚCLEO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE RIO DO OESTE

PREFEITURA MUNICIPAL DE RIO DO OESTE PREFEITURA MUNICIPAL DE RIO DO OESTE PROCESSO SELETIVO Nº001/2010 AUXILIARES DE SERVIÇOS GERAIS NOME DO CANDIDAT0: ASSINATURA: RIO DO OESTE 27 DE JANEIRO DE 2010 Instruções: Antes de começar a realizar

Leia mais

Profª Dra. Kazuko Uchikawa Graziano

Profª Dra. Kazuko Uchikawa Graziano PROTOCOLOOPERACIONALPADRÃO (POP) para processamento de materiais utilizados nos exames de videonasoscopia, videolaringoscopia e videonasolaringoscopia nos consultórios e serviços de otorrinolaringologia

Leia mais

PLANO DE CARREIRA DOS CARGOS TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO DESCRIÇÃO DO CARGO

PLANO DE CARREIRA DOS CARGOS TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO DESCRIÇÃO DO CARGO DENOMINAÇÃO DO CARGO: AUXILIAR DE CARPINTARIA : ESCOLARIDADE: Fundamental Incompleto Auxiliar em todas as atividades de carpintaria tais como: corte, armação, instalação e reparação de peças de madeira.

Leia mais

TOTVS Gestão Hospitalar Manual Ilustrado Central de Material Esterilizado. 11.8x. março de 2015 Versão: 3.0

TOTVS Gestão Hospitalar Manual Ilustrado Central de Material Esterilizado. 11.8x. março de 2015 Versão: 3.0 TOTVS Gestão Hospitalar Manual Ilustrado Central de Material Esterilizado 11.8x março de 2015 Versão: 3.0 1 Sumário 1 Objetivos... 4 2 Introdução... 4 3 Cadastros... 5 3.1 Cadastros de Unidades de CME...

Leia mais

Regulamento do Bloco Cirúrgico do Centro de Práticas Clínicas e Cirúrgicas (CPCC)

Regulamento do Bloco Cirúrgico do Centro de Práticas Clínicas e Cirúrgicas (CPCC) INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS CONCÓRDIA CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA CENTRO DE PRÁTICAS CLÍNICAS E CIRÚRGICAS Regulamento do Bloco Cirúrgico do Centro de Práticas Clínicas e Cirúrgicas (CPCC) Dispõe

Leia mais

MUNICÍPIO DO FUNCHAL

MUNICÍPIO DO FUNCHAL ANEXO A Anexo ao art. 1 do Programa de Concurso A empresa adjudicatária deverá assegurar a limpeza das instalações, tendo em conta as exigências dos serviços, designadamente, serviços de limpeza a serem

Leia mais

PROTOCOLOS DE SEGURANÇA. Cícero Andrade DO PACIENTE

PROTOCOLOS DE SEGURANÇA. Cícero Andrade DO PACIENTE PROTOCOLOS DE SEGURANÇA Cícero Andrade DO PACIENTE Finalidade Instituir e promover a higiene das mãos nos serviços de saúde do país com o intuito de prevenir e controlar as infecções relacionadas à assistência

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA SERVIÇO DE HIGIENIZAÇÃO E LIMPEZA HOSPITALAR HU/CAS-UFJF COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR CCIH SCIH ROTINA DE HIGIENE E LIMPEZA DO AMBIENTE HOSPITALAR ENFERMEIRA: MARIA LUCIA MORCERF BOUZADA

Leia mais

Case de Treinamento de Empregada em Domicílio

Case de Treinamento de Empregada em Domicílio 1 Case de Treinamento de Empregada em Domicílio Treinamento de mensalista 2 Cenário: O empregador tem uma mensalista de muita confiança e amorosa, a empregada toma conta do bebê de 9 meses até início da

Leia mais

Limpando a Caixa D'água

Limpando a Caixa D'água Limpando a Caixa D'água É muito importante que se faça a limpeza no mínimo 2 (duas) vezes ao ano. Caixas mal fechadas/tampadas permitem a entrada de pequenos animais e insetos que propiciam sua contaminação.

Leia mais

BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO: Segurança ao Cliente, Sucesso ao seu Negócio!

BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO: Segurança ao Cliente, Sucesso ao seu Negócio! BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO: Segurança ao Cliente, Sucesso ao seu Negócio! Dra. Marlise Potrick Stefani, MSc Nutricionista Especialista e Mestre em Qualidade, Especialista em Alimentação Coletiva

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO PARA AVALIAÇÃO DA ESTRUTURA FÍSICA DAS INSTITUIÇÕES DE LONGA PERMANÊNCIA PARA IDOSOS

ROTEIRO DE INSPEÇÃO PARA AVALIAÇÃO DA ESTRUTURA FÍSICA DAS INSTITUIÇÕES DE LONGA PERMANÊNCIA PARA IDOSOS I IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO Nome: Endereço: AP: Nome Fantasia: Inscrição Municipal: Nº do Processo: CNPJ: Tipo de Serviço: ( ) Municipal ( ) Filantrópico ( ) Conveniado SUS RJ ( ) Privado ( ) Estadual

Leia mais

PLANO DE HIGIENE ÍNDICE 1 HIGIENE PESSOAL 2 RECEPCÇÃO DE MERCADORIAS 3 ZONAS DE ARMAZENAGEM 4 ZONAS DE PREPARAÇÃO 5 ZONAS DE CONFECÇÃO

PLANO DE HIGIENE ÍNDICE 1 HIGIENE PESSOAL 2 RECEPCÇÃO DE MERCADORIAS 3 ZONAS DE ARMAZENAGEM 4 ZONAS DE PREPARAÇÃO 5 ZONAS DE CONFECÇÃO ÍNDICE 1 HIGIENE PESSOAL 2 RECEPCÇÃO DE MERCADORIAS 3 ZONAS DE ARMAZENAGEM 4 ZONAS DE PREPARAÇÃO 5 ZONAS DE CONFECÇÃO 6 REFEITÓRIO / CAFÉ 7 COPA 8 VESTUÁRIOS e / ou CASAS DE BANHO Elaborado: Aprovado:

Leia mais

MANUAL DE LIMPEZA E CONSERVAÇÃO

MANUAL DE LIMPEZA E CONSERVAÇÃO MANUAL DE LIMPEZA E CONSERVAÇÃO 1. O que é limpeza É o ato de remover todo tipo de sujidade, visível ou não, de uma superfície, sem alterar as características originais do local a ser limpo. 1.1 Limpeza

Leia mais

Colheita e Envio de Amostras para Análise Microbiológica das Superfícies

Colheita e Envio de Amostras para Análise Microbiológica das Superfícies Página 1 de 6 Colheita e Envio de Amostras para Análise Microbiológica das Superfícies ALTERAÇÃO (ÕES) À ÚLTIMA VERSÃO Pág. 3 RESPONSÁVEIS PELO DOCUMENTO Nome Função Rubrica/Data Elaborado por Isabel Costa

Leia mais

Técnica de higienização simples das mãos/higienização antisséptica das mãos

Técnica de higienização simples das mãos/higienização antisséptica das mãos HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS Objetivos: As mãos constituem a principal via de transmissão de microrganismos durante a assistência prestada aos pacientes, pois a pele é um reservatório natural de diversos microrganismos

Leia mais

METÓDOS DE MENSURAÇÃO DA QUALIDADE DA LIMPEZA

METÓDOS DE MENSURAÇÃO DA QUALIDADE DA LIMPEZA OFICINA O AMBIENTE E A AQUISIÇÃO DE INFECÇÃO METÓDOS DE MENSURAÇÃO DA QUALIDADE DA LIMPEZA Marcela Diab Luiz Líder Hotelaria Hospital São Francisco Em outubro de 2013, devido ao alto índice de colonização

Leia mais

Padronizar fluxo de entrada de enxoval limpo e procedimentos de controle e distribuição das roupas

Padronizar fluxo de entrada de enxoval limpo e procedimentos de controle e distribuição das roupas 1/6 1. OBJETIVO Padronizar fluxo de entrada de enxoval limpo e procedimentos de controle e distribuição das roupas utilizadas no Hospital Santa Helena, com qualidade, e de forma diferenciada, para atender

Leia mais

NORMA PROCEDIMENTAL SEGURANÇA NO AMBIENTE DE TRABALHO E USO DO EPI

NORMA PROCEDIMENTAL SEGURANÇA NO AMBIENTE DE TRABALHO E USO DO EPI NORMA PROCEDIMENTAL SEGURANÇA NO AMBIENTE DE TRABALHO E USO DO EPI 1. FINALIDADE: Regulamentar a utilização do Equipamento de Proteção Individual EPI, no âmbito do DEMLURB, a fim de proporcionar melhores

Leia mais

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar MANUAL DO AVALIADOR Parte I 1.1 Liderança Profissional habilitado ou com capacitação compatível. Organograma formalizado, atualizado e disponível. Planejamento

Leia mais

Telefone: Fax: E-mail:

Telefone: Fax: E-mail: PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE COORDENADORIA GERAL DE VIGILÂNCIA DA SAÚDE EQUIPE DE CONTROLE E VIGILANCIA DE SERVIÇOS DE SAÚDE versão 06/03/2007 ROTEIRO PARA LABORATÓRIO

Leia mais

Ambiente físico do Centro de Material Esterilizado

Ambiente físico do Centro de Material Esterilizado Ambiente físico do Centro de Material Esterilizado Gessilene de Sousa Sobecc, julho2011 Agenda Regulamentação Definição: Centro de Material Esterilizado - CME; Estrutura Física: Áreas de composição; Fluxograma

Leia mais

LOTE II. TERMO DE REFERÊNCIA Descrição Geral dos Serviços de Limpeza e Conservação

LOTE II. TERMO DE REFERÊNCIA Descrição Geral dos Serviços de Limpeza e Conservação 1. DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS Os serviços de limpeza e conservação deverão ser realizados, conforme as seguintes especificações: ÁREAS INTERNAS 1.1. DIARIAMENTE, uma vez quando não explicitado. 1.1.1. Remover,

Leia mais

Ações de higienização geral

Ações de higienização geral Ações de higienização geral Limpeza e consciência ampla de higiene são as regras mais importantes na limpeza e desinfecção de granjas suinícolas e conseqüentemente o requisito essencial para uma desinfecção

Leia mais

Resolução Estadual nº 08, de 11 de março de 1987

Resolução Estadual nº 08, de 11 de março de 1987 Resolução Estadual nº 08, de 11 de março de 1987 O Secretário de Estado da Saúde e do Bem-Estar Social, no uso de suas atribuições conferidas pelos artigos 45, letras A e P da Lei Estadual nº 6636/74,

Leia mais

PROCESSO SELETIVO EDITAL 01/2014

PROCESSO SELETIVO EDITAL 01/2014 PROCESSO SELETIVO EDITAL 01/2014 CARGO E UNIDADES: Auxiliar de Serviços Gerais (Macaíba) Atenção: NÃO ABRA este caderno antes do início da prova. Tempo total para resolução desta prova: 2 (duas) horas.

Leia mais

Manual de Procedimentos Norma n.º 5 - Esterilização Procedimento n.º 1 Pré Lavagem dos Dispositivos Médicos Contaminados

Manual de Procedimentos Norma n.º 5 - Esterilização Procedimento n.º 1 Pré Lavagem dos Dispositivos Médicos Contaminados 2014 1.Enquadramento: A limpeza dos dispositivos médicos contaminados (DMC) é, de acordo com a Norma n.º 2 Descontaminação de Dispositivos Médicos e Equipamentos 1, o processo que inclui a lavagem, o enxaguamento

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA CONSERVAÇÃO E LIMPEZA

TERMO DE REFERÊNCIA CONSERVAÇÃO E LIMPEZA TERMO DE REFERÊNCIA CONSERVAÇÃO E LIMPEZA 1. OBJETO 1.1. Prestação de Serviços de Conservação e limpeza, higienização, desinfecção e limpeza de reservatórios de água e controle de pragas em geral, com

Leia mais

Última revisão: 03/08/2011 ROTINA DE LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE ARTIGOS

Última revisão: 03/08/2011 ROTINA DE LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE ARTIGOS Protocolo: Nº 23 ELABORADO POR: Frederico Willer Ubiratam Lopes Última revisão: 03/08/2011 Revisores: Manoel Emiliano Ubiratam Lopes Wilhma Alves Frederico Willer ROTINA DE LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE ARTIGOS

Leia mais

BIOSSEGURANÇA. com ênfase na RDC ANVISA 302. Prof. Archangelo P. Fernandes

BIOSSEGURANÇA. com ênfase na RDC ANVISA 302. Prof. Archangelo P. Fernandes BIOSSEGURANÇA com ênfase na RDC ANVISA 302 Prof. Archangelo P. Fernandes BIOSSEGURANÇA LABORATORIAL Atitude Bom Senso Comportamento BIOSSEGURANÇA LABORATORIAL Atitude Bom Senso Comportamento Conhecimento

Leia mais

BOAS PRÁTICAS NO PREPARO DE ALIMENTOS

BOAS PRÁTICAS NO PREPARO DE ALIMENTOS BOAS PRÁTICAS NO PREPARO DE ALIMENTOS SÉRIE: SEGURANÇA ALIMENTAR e NUTRICIONAL Autora: Faustina Maria de Oliveira - Economista Doméstica DETEC Revisão: Dóris Florêncio Ferreira Alvarenga Pedagoga Departamento

Leia mais

DIR050 - Fluxo de elaboração e aprovação de POP s - NOVA VERSÃO (consolidado) v.1 - Cód. 88104

DIR050 - Fluxo de elaboração e aprovação de POP s - NOVA VERSÃO (consolidado) v.1 - Cód. 88104 Página 1 de 6 DETALHAMENTO DO PROCESSO DIR050 - Fluxo de elaboração e aprovação de POP s - NOVA VERSÃO (consolidado) v.1 - Cód. 88104 POP: Técnica de uso do Hipoclorito de Sódio 1% Requisitante: PASSO

Leia mais

CCIH COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR

CCIH COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR CCIH COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR Prof. Grasiele Busnello LEI nº 9.431 de 06 de janeiro de 1997 Dispõe sobre a obrigatoriedade da manutenção de programa de Controle de Infecções Hospitalares.

Leia mais

EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS

EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS Ebola Perguntas e Respostas 13 O que fazer se um viajante proveniente desses países africanos apresentar sintomas já no nosso

Leia mais

UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO - UPA MEMORIAL DESCRITIVO

UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO - UPA MEMORIAL DESCRITIVO UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO - UPA MEMORIAL DESCRITIVO Nome do estabelecimento: UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO - UPA Tipo do estabelecimento: UPA PORTE 02 Proprietária: Fundo Municipal de Saúde de Caicó/RN

Leia mais

Rotinas para Limpeza e Desinfecção de Superfícies Hospital do Cepon

Rotinas para Limpeza e Desinfecção de Superfícies Hospital do Cepon Rotinas para Limpeza e Desinfecção de Superfícies Hospital do Cepon Serviço de Zeladoria Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Coordenações de Enfermagem do Centro Cirúrgico, Oncologia Clínica e Suporte

Leia mais

BIOSSEGURANÇA PARA AMBULÂNCIAS

BIOSSEGURANÇA PARA AMBULÂNCIAS 1 COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR BIOSSEGURANÇA PARA AMBULÂNCIAS Flávia Valério de Lima Gomes Enfermeira do SCIH / CCIH Alexandre Gonçalves de Sousa Gerente de Manutenção e Transporte Julho

Leia mais

2. Contra indicações relativas: Pacientes hemodinamicamente instáveis e cirurgias urológicas.

2. Contra indicações relativas: Pacientes hemodinamicamente instáveis e cirurgias urológicas. Revisão: 10/07/2013 PÁG: 1 CONCEITO Prática de higiene destinada a identificar pacientes em risco de desenvolver infecção da genitália, do trato urinário ou do trato reprodutivo e assegurar conforto físico.

Leia mais

CLÍNICA ODONTOLÓGICA. MODELO DE CHECK LIST PARA DIAGNÓSTICO SITUACIONAL DO PGRSS Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde.

CLÍNICA ODONTOLÓGICA. MODELO DE CHECK LIST PARA DIAGNÓSTICO SITUACIONAL DO PGRSS Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde. CLÍNICA ODONTOLÓGICA MODELO DE CHECK LIST PARA DIAGNÓSTICO SITUACIONAL DO PGRSS Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde. Este é um modelo básico de check list para nortear na elaboração

Leia mais

ROTEIRO PARA SALÕES DE BELEZAS, INSTITUTO DE BELEZA, ESTETICA, BARBEARIAS E SIMILARES.

ROTEIRO PARA SALÕES DE BELEZAS, INSTITUTO DE BELEZA, ESTETICA, BARBEARIAS E SIMILARES. SUPERINTEDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERENCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL E SAÚDE DO TRABALHADOR COORDERNAÇÃO DE FISCALIZAÇÃO DE AMBIENTES E SAÚDE DO TRABALHADOR Av. Anhanguera, nº 5.195 Setor Coimbra

Leia mais

TRATAMENTO DE EQUIPAMENTO E MATERIAL DE ENDOSCOPIA

TRATAMENTO DE EQUIPAMENTO E MATERIAL DE ENDOSCOPIA HOSPITAL DE SANTA MARIA COMISSÃO DE CONTROLO DA INFECÇÃO HOSPITALAR Piso 6, Tel. 5401/1627 Recomendação n.º 09/2002 TRATAMENTO DE EQUIPAMENTO E MATERIAL DE ENDOSCOPIA Um dos principais problemas que se

Leia mais